Вы находитесь на странице: 1из 75

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Eletrônica. Do Básico. Ao avançado TELEVISORES, MONITORES, PLASMA, LCD E COMPUTADORES CONTEUDO AVANÇADO + R

Eletrônica. Do Básico. Ao avançado

TELEVISORES, MONITORES, PLASMA, LCD E COMPUTADORES

avançado TELEVISORES, MONITORES, PLASMA, LCD E COMPUTADORES CONTEUDO AVANÇADO + R esistores, Diodo, Capacitores,

CONTEUDO AVANÇADO

+
+

Resistores,

PLASMA, LCD E COMPUTADORES CONTEUDO AVANÇADO + R esistores, Diodo, Capacitores, Transistores, Indutores, Televisores,

Diodo,

Capacitores,

Transistores,

Indutores, Televisores,
Indutores,
Televisores,
Diodo, Capacitores, Transistores, Indutores, Televisores, Display LCD e Plasma, Computadores. Edição www.josmar.net

Display LCD e Plasma,

Capacitores, Transistores, Indutores, Televisores, Display LCD e Plasma, Computadores. Edição www.josmar.net VOLUME - I

Computadores.

Edição www.josmar.net

VOLUME - I

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Sumário

PÁGINA

Sumário

2

Apresentação

3

Agradecimento

4

Advertência

5

Prefácio

5

Apresentação

6

Bibliografias

6

CAPÍTULOS

PÁGINA

I - RESISTORES, CAPACITORES, BOBINAS E TRANSFORMADORES

06

II - Estrutura da Matéria 24 2 - Condutores e Isolantes 25 3. Semi-Condutores 26

01. Estrutura Cristalina 27

02. Recombinação

03. Cargas Permanentes 29

04. Cristais do tipo N 30

05. Cristais do tipo P 31

06. Combinação de Impurezas de Doadores e Receptores 32

07. Condutibilidade em Semi-Condutores Tratados 33

08. Difusão de Cargas 34

09. A Barreira da Função P-N 35

10. Correntes nas funções P-N não polarizadas

11. Função P.N.com polarização-inversa 37

12. Função P:N. com polarização direta 38

28

36

13. Função dos condutores de junção

39

14. Levantamento da reta de carga de um diodo

39

15. Característica do diodo

4

1

16. Efeito avalanche - Break Down 41

17. Capacidade da Barreira de Potencial 43

18. Diodo.de Contato

44

19. Varicap

44

20. Diodos de Referência (Zenner) 44

21. Diodo Tunel

22. Aplicação

III – Televisor 45

IV – Display LCD e Plasma 52

V – Monitores de Vídeo 53

4 4

4 4

VI

– Memórias Eeprom 62

VI

– Computador 63

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

APRESENTAÇÃO

Eletrônica do básico ao avançado Eletrônica, Televisores, Monitores, Plasma, LCD e Computador

Este livro, foi elaborado por: Josmar Queiroz Silva, com a finalidade de oferecer o conhecimento dos componentes e contem uma orientação voltada para os técnicos em televisores que tem a necessidade de se

adaptar para as novas tecnologias de televisores que já incorporou a função de uso continuo de computadores, estas funções estão nos ajuste de setup que já está em uso nos novos televisores e com a Televisão Digital haverá uma transição rápida do Televisor para o computador em pouco tempo haverá a união em um único aparelho Também orientar o raciocínio de forma a compreender melhor o funcionamento de cada componente facilitando o reparo de aparelhos eletrônicos e ajudar ao pessoal que concluir curso de Montagem e Manutenção de Computadores e se depara com defeitos e não tem nenhum conhecimento de eletrônica para diagnosticar defeito.

O conteúdo atual, dando assim uma visão geral do conhecimento desde o resistor e a física da matéria a

descoberta do transistor até a atualidade com componentes integrados. Acredito que este livro seja de grande valia para todos os colegas que se interessam em melhorar seus conhecimentos e também para principiantes interessados em adquirir a capacidade de reparar aparelhos eletrônicos.

Agradecimentos

A DEUS o meu criador: Que permitiu a minha existência neste mundo maravilhoso e justamente neste período

de tempo de tecnologias vulneráveis como os aparelhos eletrônicos, e me deu esta capacidade de editar este

conteúdo que pode ser de utilidade por muitos anos aos nossos amigos leitores. Aos meus pais: Severino e Clotildes, por ter me criado e educado. A minha mulher: Neuza Maria da Costa Silva, por me apoiar nesta empreitada. Me dando o entusiasmo em criar mais este livro. E que DEUS a abençoe a todos os meus leitores.

Hiper link Suporte : http://www.josmar.net/forum E mail: josmarqs@gmail.com

ADVERTÊNCIAS

As informações e todo material contido neste livro é fornecido sem nenhuma garantia, de que o uso conduzirá ao resultado desejado. Os leitores devem, por sua própria conta e risco, utilizar estas informações. O editor e Autor não podem ser responsabilizados por qualquer imprecisão nas informações ou material aqui fornecido, e em nenhuma hipótese pode ser incriminado direta ou indiretamente por qualquer dano, perda, lucros cessantes, etc. Devido ao uso destas informações.

Este amparado pela LEI Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998. Artigo 46, parágrafos III e VIII.

Josmar Queiroz Silva

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Prefácio

No conteúdo deste livro foi reunido todo o estudo necessário ao entendimento da física e da química da matéria para que se possa entender o resistor, capacitor, transistor display de LCD e Plasma, com isto se podem ter um raciocínio bem avançado dos componentes e funcionamento de cada um. Foi dividido em sete capítulos para melhor entendimento. A primeiro capitulo estuda resistências, capacitores e indutores, no segundo capitulo, a física dos materiais até o estudo do transistor. No terceiro capitulo estuda o que é e como funciona o televisor, cinescópio, LCD e Plasma. No quarto capitulo estuda os circuitos e seu funcionamento tanto do televisor monitor quanto do computador.

BIBLIOGRAFIAS

1

- Transistor Circuit Analysis Alfred D. Gronner Simon and Schuster - tech outlines

2

- Transistores - Curso Intensivo George C. Stanley Jr.

3

- Television Transistor and Eletronics (Japão)

5

- Boletim de Informações Técnicas Deptº de Transistores da PHILCO-FORD-BRASIL 1974 - 1975

6

– Boletim GRADIENTE– DIAGRAMA EM BLOCO TV DE PLASMA.

7

– Manual de serviço DAEWOODVista explodida.

8

– Manual de serviço SANSUNG- Diagrama em bloco Monitor LCD.

9

– Instalando HD ATA MICROSOFT- WINDOWSXP

10

- http://br.asus.com/news_show.aspx?id=3539

11

- http://www.intel.com/portugues/products/motherbd/index.htm

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Introdução

Ler um livro sobre Principio básico da eletrônica até o avançado sobre Televisores, Monitores é computadores uma tarefa até que interessante.

O pior é quando na pratica se tem que retirar a tampa traseira do equipamento, é um susto com tantos

componentes a sua frente, é ai que começa a duvida como partir para localizar o defeito, por onde começar, pois a leitura do livro por mais que explicita não é o suficiente para entender o funcionamento de cada componente e dos circuitos que compõe o Televisor, monitor e computador.

E o medo, pois é dito popular que a alta tensão mata e onde localizar as partes perigosas. Este livro é para

retirar estas duvidas e encaminhar o leitor com uma orientação tal que não tenha mais nenhuma duvida deste

tipo e possa localizar os defeitos com mais facilidade. Foi incluído um conteúdo com a teoria que irá retirar quase todas as duvidam sobre funcionamento de cada

circuito e dos componentes eletrônicos, enriquecendo com conhecimentos que irá ajudar no raciocínio pratico

do dia a dia do reparador.

De inicio iremos estudar resistências e capacitores a seguir a estrutura dos materiais com isto entender-mos

como funcionam todos os componentes e no final iremos saber um pouco de computador para os técnicos em televisores.

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Capitulo

I

RESISTORES, CAPACITORES, BOBINAS E TRANSFORMADORES.

Os componentes que vamos inicialmente estudar fazem parte de todos os computadores, periféricos. Componentes importantes serão examinados e circuitos eletrônicos de uso geral como, televisores, monitores, impressoras, amplificadores, etc. O conhecimento de suas funções é essencial para reparação de qualquer aparelho eletrônico ou para sua montagem. Além disso, conheceremos o princípio de funcionamento de alguns transdutores, ou seja, dispositivos que convertem energia como os alto-falantes, fones e microfones. Teremos finalmente, uma apresentação do mais importante de todos os instrumentos eletrônicos, o multímetro, com as aplicações básicas que você precisa conhecer para usá-lo na descoberta de problemas dos computadores e de muitos outros equipamentos eletrônicos:

1)

- Resistores

2)

- Potenciômetros e trimpots

3)

- Capacitores

4)

- Bobinas e indutores

5)

- Corrente contínua alternada e transformadores.

6)

- Transdutores: alto-falantes, fones e microfones.

7) - Os galvanômetros e os multímetros

Resistência Elétrica e a lei OHMS.

A resistência é uma medida da oposição que a matéria oferece à passagem de corrente elétrica. Os materiais são designados por condutores, semicondutores ou isoladores conforme a oposição que oferecem seja reduzida, média ou elevada.

V = R.I V=voltagem R=resistência ( Ω ) I=Corrente elétrica

Lei de Ohm. Estabelece a relação existente entre a corrente e a tensão elétrica aos terminais de uma resistência. O parâmetro R, designado resistência elétrica, é expresso em ohm ( Ω ) .

A resistência elétrica dos materiais pode ser comparada ao atrito existente nos sistemas mecânicos. Por

exemplo, e ao contrário do vácuo, a aplicação de um campo elétrica constante (força constante) sobre uma carga elétrica conduz a uma velocidade constante nos materiais, situação à qual corresponde uma troca de energia potencial elétrica por calor. Esta conversão é designada por efeito de Joule, cuja expressão da potência dissipada

é

p = Ri 2

A resistência é um dos elementos mais utilizados nos circuitos. Existem resistências fixas, variáveis e ajustáveis, resistências integradas e resistências discretas, resistências cuja função é a conversão de grandezas não elétrica em grandezas elétrica, etc. Relativamente a estas últimas, existem resistências sensíveis à temperatura, como sejam as termo-resistências e os termístores, resistências sensíveis ao fluxo luminoso, designadas por foto- resistência, magneto-resistência, piezo-resistência, químio-resistência, etc.

1)

RESISTORES

A dificuldade que os elétrons encontram em atravessar determinados materiais, é clamada de resistência, e a perda e transformada em calor, e quando a corrente elétrica não encontra dificuldade em atravessar os matérias é conhecido como curto circuito. E quando ocorre um curto circuito pode provocar uma conversão de energia em

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

calor em uma quantidade além do previsto: e temos uma produção descontrolada de calor, com efeitos destrutivos. Exemplo: quando queima um fusível.

Para reduzir, de maneira controlada, a intensidade da corrente, oferecendo-lhe uma oposição ou resistência, ou então para fazer cair a tensão num circuito a um valor mais conveniente a uma determinada aplicação, usamos componentes denominados resistores. Os resistores mais comuns são os de película ou filme de carbono ou metálico, que tem o aspecto mostrado na figura 1.

FIG 1

F I G 1 1/8W 1/4W 1/2W R SIMBOLOS

1/8W

F I G 1 1/8W 1/4W 1/2W R SIMBOLOS

1/4W

F I G 1 1/8W 1/4W 1/2W R SIMBOLOS

1/2W

F I G 1 1/8W 1/4W 1/2W R SIMBOLOS

R

F I G 1 1/8W 1/4W 1/2W R SIMBOLOS

SIMBOLOS

A “quantidade” de resistência que um resistor oferece à corrente elétrica, ou seja, sua resistência nominal é medida em ohms ( ) e pode variar entre 0,1 e mais de 47 000 000 . Também usamos nas especificações de resistências os múltiplos do ohms, no caso o quilohm (k) e o megohm (M). Assim, em lugar de falarmos que um resistor tem 5600 é comum dizermos 5,6 k ou simplesmente 5k6, onde o “k” substitui a vírgula. Para um resistor de 4 700 000 ohms falamos simplesmente 4,7 M ou então 4M7.

A aplicação de resistores leia mais no capitulo IV Item: a)

Como os resistores são componentes em geral pequenos, os seus valores não são marcados com números e letras, ou através de um código especial que todos os praticantes de eletrônica devem conhecer. Neste código são usadas faixas coloridas conforme explicamos a partir da tabela:

 

TABELA 1

Cor

1ª faixa

2ª faixa

3ª faixa

4ª faixa

Preto

-

0

x1

-

Marrom

1

1

x10

1%

Vermelho

2

2

x100

2%

Laranja

3

3

x1000

3%

Amarelo

4

4

x10000

4%

Verde

5

5

x100000

-

Azul

6

6

x1000000

-

Violeta

7

7

-

-

Cinza

8

8

-

-

Branco

9

9

-

-

Prata

-

-

x0,01

10%

Dourado

-

-

x0,1

5%

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Partindo desta tabela, o valor de um resistor é dado por 4 ou 5 faixas coloridas que são lidas da ponta para o centro, conforme mostra a figura 2.

(figura 2).

Resistor de carvão normal 4ªFaixa=dourado Fig 2 3ªFaixa=vermelho 2ªFaixa=laranja 1ªFaixa=marrom
Resistor de carvão normal
4ªFaixa=dourado
Fig 2
3ªFaixa=vermelho
2ªFaixa=laranja
1ªFaixa=marrom

Sentido de leitura

Vamos supor que estejamos de posse de um resistor cujas cores na ordem são: marrom, laranja, vermelho e dourado. Qual será o seu valor?

A primeira e a segunda faixa fornecem os dois algarismos da resistência, ou seja:

Marrom = 1 Laranja = 3

Formamos assim, a dezena 13.

A terceira faixa nos dá o fator de multiplicação, ou quantos zeros devemos acrescentar ao valor já lido.

No caso temos: 1300 ohms. Vermelho = 00 ou x 100 Temos então 13 + 00 = 1300 ohms ou 1k3. Para resistores normais a quarta faixa nos diz qual é a tolerância no valor do componente, quando ela existe. Se esta faixa não existe, temos um resistor de 20%, ou seja, que pode ter até 20% de diferença entre o valor real da resistência que ele apresenta e o valor que temos na marcação. No nosso caso, a faixa dourada diz que se trata de um resistor com 5% de tolerância. Existem resistores “de fio” que por serem maiores, têm a marcação de resistência feita diretamente com números e outras indicações.

Como viremos na tabela 2.1 abaixo existem resistores de cinco faixas que são usados em aparelhos de precisão, o significado de cada uma das cinco faixas é o seguinte:

A 1ª, 2ª e 3ª faixa indicam os três primeiros algarismos do valor nominal da resistência, N 1 ,

N 3 , respectivamente;

N 2 e

A 4ª faixa indica o fator multiplicador do valor nominal da resistência, que pode ser 10 -2 , 10 -1 , 1, 10,

100,

., 10 9 ;

A 5ª faixa indica a tolerância do valor nominal da resistência, que neste caso pode ser 0.5%, 1%, 2% e

5%.

Na tabela 2.1 na parte superior temos o exemplo de resistor de 4 faixas, temos:

Verde, 5 Azul, 6 Amarelo 0000 = 560000Mil = 560kohms 1% Marrom= 1%

Na tabela 2.1 na parte inferior temos o exemplo de resistor de 5 faixas, temos:

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Vermelho, 2 Laranja, 3 Violeta, 7 Preto, 1 = 237 = 237ohms 1% Marrom= 1%

Figura 2.1 - Tabela de comparação resistores de 4 para 5 Faixas. Note que a 3ª faixa não é utilizada neste resistor.

Note que a 3ª faixa não é utilizada neste resistor. (A aplicação do código de cores

(A aplicação do código de cores em resistores leia mais no capitulo IV Item: b)

Vimos anteriormente que, quando uma corrente elétrica força uma passagem por um meio que lhe ofereça oposição ela despende energia na forma de calor. No caso do resistor, se o componente não for capaz de transferir este calor para o meio ambiente, ele acaba por aquecer demais e queimar.

A capacidade de um resistor de transferir calor para o meio ambiente está diretamente ligada ao seu tamanho

(superfície de contato com o ar). Esta capacidade é dada pela potência (dissipação) do resistor, a qual é expressa

em watts (W).

Assim, os menores resistores são de 1/8 um pouco maior 1/4 W enquanto que os maiores podem chegar a 20 ou mais watts (alguns fabricantes especificam as potências em valores decimais como 0,125 W ). Estes resistores

de grandes potências são de material resistente à alta temperatura e em lugar do carbono ou filmes metálicos são

feitos fios de níquel cromo (uma liga de metal). São chamados também de resistores de fio (figura 3).

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

ATENÇÃO

Os resistores de grande porte físico são do tipo resistor de fio, e este é usado em circuito que consome corrente elevada.

Exemplo: Encontramos na fonte de alimentação dos Computadores, televisores e monitores.

CIRCUITO SERIE DE RESISTORES

Quando ligamos resistores em série, conforme mostra a figura 4, a resistência resultante que obtemos equivale à soma das resistências dos vários resistores. Na figura 4 temos a associação de resistores de 100, 20 e 30 ohms, que resulta numa resistência total de 150 ohms

FORMULA

R

equivalente = R1+R2+R3

Rn

R

total = R1+R2+R3

R

total = 150

CIRCUITO PARALELO DE RESISTORES

2R2 5% 7Watts 2R2 10% 10Watts
2R2 5% 7Watts
2R2 10% 10Watts

15R 5% 10Watts

FIG 3

R3 R1 R2 R1 R2 R3 30 100 20 R = R1 + R2 +
R3 R1 R2 R1 R2 R3 30 100 20 R = R1 + R2 +
R3
R1
R2
R1
R2
R3
30
100
20
R
= R1 +
R2 + R3
R
= 100 + 20 + 30
FIG 4
R
= 150

Na associação (ou ligação) em paralelo, a resistência equivalente é dada pela fórmula:

R1 x R2 Reg = R1 + R2
R1 x R2
Reg =
R1 + R2

ou

1 / R = 1 / R1 + 1 / R2
1 / R = 1 / R1 + 1 / R2

Para o caso da figura 5, a resistência equivalente à ligação de um resistor de 20 ohms com um de 30 em paralelo é de 12 . Observe que na ligação em série obtemos resistências maiores do que os dos resistores associados e na ligação em paralelo obtêm resistências menores.

Fórmula para duas resistências.

Fig 5 R1 R1=30 R2 R2=20 1/R = 1/20 + 1/30 3 + 2 1
Fig 5
R1
R1=30
R2
R2=20
1/R = 1/20 + 1/30
3 + 2
1 / R =
60
1 = 5
R
60
5R = 60
R = 12

Reg =

30

x 20

30

+ 20

= 600

50

= 12

ATENÇÃO Quando em uma montagem de circuito não temos um determinado valor de resistor, podemos substituir por dois ou mais resistores em paralelo ou em série.

A aplicação do código de cores em resistores leia mais no capitulo IV, computadores Item: c)

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

a) POTENCIÔMETROS E TRIMPOTS São resistores variáveis, ou seja, dispositivos que podemos usar

para variar a resistência apresentada na circulação de corrente elétrica.

Na figura 6-A e 6-B temos alguns tipos mais usados destes componentes. São constituídos por um elemento de resistência, que pode ser de carbono ou fio de níquel cromo, sobre o qual corre uma parte móvel denominada cursor. Conforme a posição do cursor temos a resistência apresentada por este componente.

Trimmpot de diversos formatos
Trimmpot de diversos formatos

e o simbolo elétrico

6-A

6-B

Potenciômetro

6-B Potenciômetro Simbolo elétrico
6-B Potenciômetro Simbolo elétrico

Simbolo elétrico

TRIMPOT – Resistor de ajuste localizado geralmente nos circuitos. Para ajuste interno do equipamento.

ATENÇÃO Os novos equipamentos não possuem mais este tipo de componente foram substituídos por micro controladores.

POTENCIÔMETRO -Resistor de ajuste, localizado geralmente na parte frontal dos

equipamentos mais antigos. Veja a figura 7, à medida que o cursor vai de A para B, aumenta a resistência entre A e X ao mesmo tempo

em que diminui a resistência entre X e B.

A resistência total entre A e B é a resistência nominal do componente, ou seja, o valor máximo que podemos

obter.

Podemos encontrar potenciômetros e trimpots com valores na faixa de fração

de ohms até milhões de ohms.

Se o mesmo eixo controlar dois potenciômetros, diremos que se trata de um potenciômetro duplo figura 8 A. Alguns potenciômetros incorporam um interruptor que é controlado pelo mesmo eixo, como acontece com os controles de volume de rádios e amplificadores. No mesmo controle

podemos aumentar e diminuir o volume e ligar e desligar o aparelho (figura 8)

Potenciômetro Duplo de uma pista

Potenciômetro Duplo de uma pista Fig 8A Potenciômetro Duplo de duas pistas

Fig 8A

Potenciômetro Duplo de uma pista Fig 8A Potenciômetro Duplo de duas pistas

Potenciômetro Duplo de duas pistas

A B X
A
B
X
A B Fig 7 X
A
B
Fig 7
X
Fig-8
Fig-8
Terminais do Interruptor
Terminais do
Interruptor

Terminais do

Potenciômetro

Até pouco tempo os potenciômetros eram usados em diversas funções, como por exemplo, controles de volume, controle de tonalidade, sensibilidade, já que permitem o ajuste, a qualquer momento, das características desejadas. Já os trimpots eram usados quando se desejas-se um ajuste único, ou seja, somente num determinado momento, levando o

aparelho a um comportamento que deve ser definitivo (é claro que o ajuste pode ser refeito sempre que necessário, mas o trimpot normalmente fica dentro do aparelho, que nesse caso precisa ser aberto).

Na figura 9 mostramos um trimpot de precisão, do tipo multivoltas, muito usado em equipamentos de precisão.

Nos Novos aparelhos se som Encontramos controles de volume manual com aparência externa de potenciômetros. É um disco de fibra com furos e contatos quando se atua no eixo o contato varia (desliga e liga ) enviando um pulso que faz com que o micro controlador ajuste o som.

TRIMPOT "MULTVOLTAS" FIG 9
TRIMPOT "MULTVOLTAS"
FIG 9

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

A aplicação de potenciômetros leia mais no capitulo IV computadores Item: d)

CAPACITORES Os capacitores (que também são chamados de condensadores) são componentes formados por conjuntos de placas de metal entre as quais existe um material isolante que define o tipo. Assim, se o material isolante for a mica teremos um capacitor de mica, se for uma espécie de plástico chamado poliéster, teremos um capacitor de poliéster.

Armadura Armadura Positiva Negativa
Armadura
Armadura
Positiva
Negativa

Fig 10

Duas placas, tendo um material isolante entre elas (chamado genericamente dielétrico), adquirem a propriedade de armazenar cargas elétricas e com isso energia elétrica. Na figura 10 mostramos um capacitor com dielétrico de ar e as placas, chamadas armaduras são planas. Quando encostamos uma placa na outra ou oferecemos um percurso para que as cargas se neutralizem, interligando as armaduras através de um fio, o capacitor se descarrega. A capacidade de um capacitor em armazenar cargas, melhor chamada de capacitância, é medida em Farad (F), mas como se trata de uma unidade muito grande, é comum o uso de seus submúltiplos.

Temos então o microfarad (F) que equivale à milionésima parte do Farad ou 0,000 001 F. Em capacitores muito antigos encontramos o microfarad abreviado como mFd. Um submúltiplo ainda menor é o nanofarad, que equivale a 0,000 000 001 F ou a milésima parte do microfarad e é abreviado por nF. Temos ainda o picofarad (pF) que é a milésima parte do nanofarad ou 0,000 000 000 001 F.

É comum a utilização de potências de 10 para expressar números com muitos zeros. Assim temos as indicações da tabela 2:

TABELA 2 1F = 10 -6 F 1nF = 10 -9 F 1pF = 10 -12 F

Veja então que 1 nF equivale a 1 000 pF e que 1 F equivale a 1 000 nF ou 1 000 000 pF. Os capacitores tubulares, que são formados por folhas de condutores e dielétricos enrolados são usados em circuitos de baixas freqüências enquanto que os possuem armaduras e dielétricos planos são usados em circuitos de altas freqüências. O porquê será visto posteriormente. Um tipo importante de capacitor é o eletrolítico, cuja estrutura básica é mostrada na figura 12 e 12A.

Eletrolíticos Tantalo
Eletrolíticos
Tantalo

Fig 12

na figura 12 e 12A. Eletrolíticos Tantalo Fig 12 Este é o componente mais utilizado em

Este é o componente mais utilizado em Televisor e Monitor de plasma e LCD.

Uma de suas armaduras é de alumínio que, em contato com uma substância quimicamente ativa, se oxida formando uma finíssima camada de isolante que vai ser o dielétrico. Desta forma, como a capacitância é tanto maior quanto mais fino for o dielétrico, podemos obter capacitâncias muito grandes com um componente relativamente pequeno. É preciso observar que os capacitores eletrolíticos são componentes polarizados, ou seja, a armadura positiva ser sempre a mesma. Se houver uma inversão, tentando-se carregar a armadura positiva com cargas negativas, o dielétrico será destruído e o capacitor inutilizado. Na família dos capacitores eletrolíticos temos um tipo que emprega uma substância que permite obter capacitâncias ainda maiores que as obtidas pelo óxido de alumínio. Trata-se do óxido de tântalo, o que nos leva aos capacitores de tântalo (figura 13A).

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Estes capacitores podem ser encontrados na faixa de 0,1 F até de 100 000 F.

Simbologia Capacitor eletrolítico (símbolo)

a)

+
+

c)

+
+

b)

Simbologia Capacitor eletrolítico (símbolo) a) + c) + b) Poliester Metalizado Plate Cerâmica SMD Fig 13

Poliester

Metalizado

Plate

Poliester Metalizado Plate Cerâmica SMD Fig 13
Poliester Metalizado Plate Cerâmica SMD Fig 13

Cerâmica

SMD
SMD

Fig 13

Poliester Metalizado Plate Cerâmica SMD Fig 13 Existem capacitores que seu valor vem marcado por código

Existem capacitores que seu valor vem marcado por código de cores exemplo: capacitores de poliéster metalizado e de Plate veja na figura 13.

A aplicação de capacitores leia mais no capitulo IV Computadores Item: f )

Além da capacitância os capacitores possuem ainda uma outra especificação muito importante: a tensão de isolação ou de trabalho.

Se aplicarmos uma tensão muito grande às armaduras de um capacitor, a ddp (diferença de potencial) entre estas

armaduras pode ser suficiente para provocar uma centelha que atravessa o dielétrico e causa a destruição do componente. Assim, nunca devemos usar um capacitor num circuito que mantenha uma tensão maior do que a especificada. Na figura 14 mostramos a maneira como normalmente é especificada esta tensão máxima.

Para alguns tipos de capacitores também existem códigos especiais para especificações de valores. Os cerâmicos de discos, conforme mostra a figura 13, por exemplo, possuem dois tipos de especificações que não devem ser confundidas. Para os pequenos valores, temos a especificação direta em picofarad (pF) em que existe uma última letra maiúscula que indica a sua tolerância, ou seja, a variação que pode haver entre o valor real e o valor indicado.

F

J

M = 20%

H

K

Observe que o “K” é maiúsculo neste caso, não deve ser confundido com “k” minúsculo que indica quilo ou x 1

000.

Para os valores acima de 100 pF pode ser encontrado o código de 3 algarismos, conforme mostra a figura 16.

Eletroliticos 3300 MF 10 Volts

Poliester 10k 250 Volts
Poliester
10k 250 Volts

Fig 14

= 1%

= 5%

= 2,5%

= 10%

Simbologia Capacitor simples a) b) c)
Simbologia
Capacitor simples
a)
b)
c)
1nF 10nF 6,6 pF 100Pf 100nF 1k 1KV 5,6J 5% 104 .01 NPO Fig 15
1nF
10nF
6,6 pF
100Pf
100nF
1k 1KV
5,6J
5%
104 .01
NPO
Fig 15
6,6 pF 100Pf 100nF 1k 1KV 5,6J 5% 104 .01 NPO Fig 15 Neste caso, multiplica-se

Neste caso, multiplica-se os dois primeiros algarismos pelo fator dado pelo terceiro. Por exemplo, se tivermos um

capacitor com a indicação 104:

Temos que acrescentar 4 zeros ao 10 obtendo 10 0000 pF ou então 10 por 10 000 = 100 000 pF o que é a mesma

coisa.

E, é claro que devemos considerar a divisão por 1000 se quisermos obter os valores em nanofarad.

Assim,

10

4 (104) que resulta em 100 000 pF é o mesmo que 100 nF.

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Para os capacitores cerâmicos temos também a marcação direta, conforme mostra a figura 16 em que os valores são dados em microfarad (F). Para obter o equivalente em nanofarad basta multiplicar por 1 000: assim 0,01 F equivale a 10 nF.

=1000pF 102 =1nF = 0,001mF 10 00 =2200pF 222 =2,2nF = 0,0022mF 22 00 Fig
=1000pF
102
=1nF
= 0,001mF
10
00
=2200pF
222
=2,2nF
= 0,0022mF
22
00
Fig 16

Capacitor de disco de pequena capacitância.

ATENÇÃO:

Quando o capacitor está descarregado, e aplicamos uma tensão (DC) neste capacitor, neste instante passa a existir uma corrente instantânea, e em seguida com o capacitor carregado, a corrente deixa de existir, ou seja, a corrente é igual a zero.

Isolamento de capacitores leia mais no capitulo IV Computadores Item: g )

Como nos casos dos resistores, também existem capacitores variáveis. Os trimmer miniatura ainda é utilizado em placa de croma, e transcorder de televisores, e os capacitores variáveis não são mais utilizados nos novos aparelhos pois foram substituídos por diodo tuner que será estudado no capitulo sobre transistor. Na figura 18 mostramos os tipos mais comuns. Os trimmers são capacitores de ajuste com valores pequenos, normalmente de alguns picofarad. São especificados pela faixa de valores que podem adquirir. Um trimmer de 2-20 pF é um trimmer que pode ter sua capacidade ajustada entre estes dois valores. Os variáveis são usados em sintonia e podem ser especificados pela capacitância máxima, ou seja, quando estão com o eixo todo fechados.

Fig 18 Trimmer Variável Duplo
Fig 18
Trimmer
Variável Duplo

Simbolo

Simbolo

Trimmer Miniatura Variável
Trimmer
Miniatura
Variável

Simbolo

Também podemos associar capacitores em série e paralelo, conforme indica a figura 19.

C1 C1 C2 C2 Série Fig 19 1 Paralelo 1 1 = C C1 +
C1
C1
C2
C2
Série
Fig 19
1 Paralelo
1 1
=
C
C1
+ C2
C = C1 + C2

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Na associação em paralelo, todos os capacitores ficam submetidos à mesma tensão e o valor final obtido é a soma das capacitâncias associadas. Na associação em série, os capacitores ficam submetidos a tensões diferentes, mas adquirem a mesma carga em suas armaduras. A capacitância equivalente (C) é dada pela fórmula:

1 / C = 1 / C1 + 1 / C2 + 1 / C3
1 / C = 1 / C1 + 1 / C2 + 1 / C3 + 1/cn

Se tivermos mais capacitores basta acrescentar a expressão 1/Cn onde Cn é a capacitância destes capacitores adicionados à soma.

Associação de capacitores leia mais no capitulo IV Computadores Item: h )

Tabela do código de cores para capacitores

Item: h ) Tabela do código de cores para capacitores 2) BOBINAS OU INDUTORES Muitas (ou

2)

BOBINAS OU INDUTORES

Muitas (ou poucas) voltas de fio enroladas de modo a formar uma bobina nos levam a um importante componente eletrônico. As bobinas ou indutores apresentam propriedades elétricas principalmente em relação ás variações rápidas de corrente. Estas propriedades são dadas pelo que chamamos de indutância. A indutância de uma bobina é medida em Henry (H) e também é comum o uso de seus submúltiplos: o milihenry (mH) que vale a milésima parte do henry e o microhenry (uH) que equivale à milionésima parte do henry. Na figura 20 temos alguns tipos de bobinas e indutores encontrados nos computadores e em muitos circuitos eletrônicos.

As bobinas de poucas espiras, sem núcleos ou com núcleo de ferrite (que aumentam sua indutância) são usadas em circuitos de altas freqüências ou que trabalham com variações muito rápidas de corrente. Já as bobinas de muitas espiras, os choques de filtro, por exemplo, que podem ter núcleos de ferrite ou mesmo ferro laminado trabalham com correntes de médias e baixas freqüências.

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Sem Núcleo Núcleo de Ferrite Núcleo Ajustavel Núcleo de Ferrite Com Tap (Tomada) Núcleo Nùcleo
Sem Núcleo
Núcleo de
Ferrite
Núcleo
Ajustavel
Núcleo de Ferrite
Com Tap (Tomada)
Núcleo
Nùcleo
Ajustavel
Laminado
Núcleo de Ferro

Simbolos

Aspectos

Leia mais sobre bobinas, no capitulo IV computadores item: i)

CIRCUITOS DE TEMPO, INDUTORES E CAPACITORES EM CA, SOM E ONDAS DE RÁDIO

Neste capitulo analisaremos o que ocorre com os capacitores e os indutores tanto em circuito de corrente contínua como em circuitos de corrente alternada.

Estudaremos também um pouco da natureza dos sons e das ondas de rádio, que são utilizados em diversos tipos de aparelhos eletrônicos inclusive nos computadores. Distinguiremos bem estes dois tipos de vibrações para que os leitores não tenham dúvidas sobre todas as suas aplicações e propriedades. Teremos os seguintes itens a estudar:

a) Circuito RC

b) Circuito LC

c) Capacitores em circuitos de corrente alternada

d) Indutores em circuitos de corrente alternada

e) O som

f) Ondas de rádio

a) CIRCUITO RC

Quando associamos um resistor e um capacitor em série, conforme mostra a figura 21.

Obtemos um circuito RC série que apresenta propriedades bastante interessantes que serão analisadas a partir de agora.

Supondo que inicialmente a chave S1 esteja aberta e que o capacitor esteja completamente descarregado, é óbvio que a tensão entre as suas armaduras será nula (zero volt).

Diagrama
Diagrama
R S1 C
R
S1
C
Diagrama R S1 C +Ve 0 Fig 21 Circuito RC Série V

+Ve

Diagrama R S1 C +Ve 0 Fig 21 Circuito RC Série V

0

Diagrama R S1 C +Ve 0 Fig 21 Circuito RC Série V

Fig 21 Circuito RC Série

V

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

No instante em que fechamos a chave, estabelecendo assim uma corrente no circuito, como o capacitor está completamente descarregado, começa a fluir uma corrente que tende a carregá-lo. Neste instante inicial, o capacitor se comporta como uma resistência praticamente nula, de modo que a corrente que circula pelo circuito é limitada apenas pelo valor do resistor. Esta corrente é então máxima no instante em que ligamos a chave S1.

À medida que o capacitor se carrega a tensão entre suas armaduras começa a subir (lembre-se que ele estava

com zero volt no momento em que ligamos o circuito), o que significa que existirá uma diferença de tensão menor entre a bateria e o próprio capacitor para “bombear” mais cargas. Em outras palavras, à medida que o capacitor se carrega ele passa a representar uma resistência maior para a circulação da corrente, diminuindo assim a velocidade com que as novas cargas são transferidas para as suas armaduras. Fazendo um gráfico do que ocorre temos então uma “subida” inicialmente rápida da tensão nas armaduras, mas à medida que o capacitor se carrega a carga vai se tornando mais lenta, conforme mostra a figura 22.

V (v)

100% + Ve 63% SUBIDA INICIALMENTE SUBIDA LENTA ( CURVA EXPONENCIAL) RÁPIDA RC
100%
+
Ve
63%
SUBIDA
INICIALMENTE
SUBIDA LENTA
( CURVA EXPONENCIAL)
RÁPIDA
RC

T(s)

V (v) 100% + Ve 63% SUBIDA INICIALMENTE SUBIDA LENTA ( CURVA EXPONENCIAL) RÁPIDA RC T(s)

Observe que, como a velocidade da carga diminui à medida que a tensão nas armaduras se eleva, ela nunca chega a ser igual à estabelecida pela bateria. Em outras palavras, temos uma curva exponencial que se aproxima infinitamente da tensão aplicada ao circuito, mas que na verdade nunca chega a ela.

A curva exponencial que o gráfico mostra pode ser estabelecida através de uma fórmula que é muito usada nos

cálculos que envolvam circuitos de temporização, osciladores, e é importante para se determinar as velocidades

máximas em que podem operar os circuitos de computadores. No entanto, para os nossos leitores que procuram um conhecimento básico existe um valor que pode ser calculado de maneira simples e que aparece muito nas especificações de circuitos que envolvam tempo e em centenas de projetos de circuitos eletrônicos. Trata-se da constante de tempo de um circuito RC e que é abreviada normalmente por “t”.

A constante de tempo, de um circuito RC é obtida multiplicando-se o valor do resistor (R) em ohms pelo valor

do capacitor (C) em Farad, obtendo-se um valor em segundos.

t = R x Cdo capacitor (C) em Farad, obtendo-se um valor em segundos. Mas, o que significa este valor?

Mas, o que significa este valor?

O valor RC nos diz quanto tempo decorre entre o instante em que a chave S1 é fechada até que a tensão no

capacitor cheque a 63% do valor da tensão aplicada pela bateria ou fonte externa. Veja o leitor que o mesmo

raciocínio também é válido para a descarga de um capacitor, conforme mostra a figura 23.

RFig 23 - Circuito para descarga de um Capacitor Diagrama

Fig 23 - Circuito para descarga de um Capacitor

R Fig 23 - Circuito para descarga de um Capacitor Diagrama

Diagrama

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Assim, partindo de um capacitor completamente carregado, em que a tensão entre as armaduras é máxima, no momento em que fechamos a chave S1, a descarga começa através do resistor R. À medida que a tensão cai, entretanto, a corrente de descarga também diminui de modo que a descarga se torna cada vez mais lenta, obtendo-se um gráfico conforme mostrado na figura 24.

V (v) + Ve DESCARGA INICIALMENTERÁPIDA 37% SUBIDA LENTA ( CURVA EXPONENCIAL ) T(s) RC
V (v)
+
Ve
DESCARGA INICIALMENTERÁPIDA
37%
SUBIDA LENTA
( CURVA EXPONENCIAL )
T(s)
RC

Fig. 24 - Descarga de um capacitor através de um resistor.

Este gráfico também nos fornece uma curva exponencial que nunca encontra com a horizontal de zero volt, o que quer dizer que teoricamente o capacitor nunca se descarrega completamente. Aplicando a mesma fórmula da constante de tempo T = R x C obtemos um ponto muito importante neste gráfico: o instante em que a tensão nas armaduras do capacitor é de 37% da tensão com que ele estava inicialmente carregado. Os circuitos de tempo são muito importantes na eletrônica. Um exemplo é dado na figura 25 em que temos um dispositivo que “sente” quando a tensão na sua entrada atinge um determinado valor, por exemplo, 2/3 da tensão de alimentação, o que está bem próximo dos 63% da constante de tempo do circuito RC.

C

R
R

Neste circuito, depois de decorrido o tempo determinado pelos componentes RC da rede de tempo, quando a tensão atinge 2/3 da tensão de alimentação, o dispositivo “sente” este valor e realiza alguma função ligando ou desligando uma carga externa. Trata-se de um temporizador.

Leia mais sobre redes RC no capitulo IV computadores item: j)

b) CIRCUITO LC

Uma bobina (Indutor) e um resistor ligados em série, conforme mostra a figura 26, formam um circuito LC.

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

S1 L R 1V 0V 1V

S1

L R
L
R
S1 L R 1V 0V 1V

1V

0V

S1 L R 1V 0V 1V
S1 L R 1V 0V 1V
1V
1V

Supondo inicialmente que neste circuito a chave S1 esteja aberta, a corrente circulante será nula. Não haverá campo magnético criado pelo indutor. No instante em que o interruptor é fechado, a corrente tende a se estabelecer circulando pelo resistor e pelo indutor onde vai criar um campo magnético.

No entanto, o campo magnético que a corrente tende a criar, tem linhas de força que se expandem e que cortam

as espiras do próprio indutor de modo a induzir uma corrente que se opõe àquela que está sendo estabelecida, conforme mostra a figura 27.

CORRENTEINDUZIDA

CORRENTEINDUZIDA CORRENTEESTABELECIDA Fig. 27 - A corrente induzida pela expansão das linhas do campo se opõe

CORRENTEESTABELECIDA

Fig. 27 - A corrente induzida pela expansão das linhas do campo se opõe à corrente estabelecida

O resultado disso é que inicialmente a corrente no indutor encontra uma forte resistência que diminui consideravelmente sua intensidade. Fazendo um gráfico para visualizar melhor o que ocorre, vemos que no instante em que a chave (S1) é fechada, a corrente é praticamente nula. Somente à medida que as linhas do campo magnético criado pela bobina vão se expandindo é que sua oposição é corrente diminui e ela pode aumentar de intensidade. Como no caso do capacitor, temos para a corrente uma curva de crescimento exponencial que é mostrada na figura 28.

I ( A )

100 % 63 % SUBIDA LENTA SUBIDA RÁPIDA
100 %
63 %
SUBIDA LENTA
SUBIDA RÁPIDA

T(s)

RL Fig. 28 - Carga de um indutor através de um resistor.

Também neste caso teoricamente a corrente nunca atinge o máximo, que é o valor dado apenas pelo resistor.

A constante de tempo de circuito é obtida quando multiplicamos o valor da indutância do indutor em henry (H)

pelo valor do resistor em ohms ().

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

t = L x R
t = L x R

Numericamente este valor nos diz, depois de quanto tempo a partir do instante em que fechamos a chave que a corrente atinge 63% do valor máximo.

Do mesmo modo, partindo do circuito em que a corrente seja máxima no indutor e que momentaneamente seja comutada, conforme mostra a figura 29, a constante de tempo RL também nos dá uma informação importante.

I MAX + L R
I MAX
+
L
R

Fig. 29 - Circuito para “descarga” de um indutor.

Com a interrupção da corrente, as linhas do campo magnético se contraem induzindo uma corrente que vai circular pelo resistor, dissipando assim a energia existente no circuito na forma de calor. A corrente induzida é inicialmente alta e gradualmente vai caindo, obtendo-se um gráfico conforme mostra a figura 30.

I (A) 100 % 37% RL
I (A)
100 %
37%
RL

T(s)

Fig. 30 - Descarga de um indutor através de um resistor.

Neste gráfico o ponto que corresponde ao produto L x R nos fornece o instante em que a corrente cai a 37% do valor máximo. Trata-se da constante de tempo do circuito LR.

Nas aplicações práticas, dada a dificuldade de se obter indutores de valores muitos altos (o que não ocorre com

os capacitores) os circuitos RL não são usados senão nos casos em que se necessitam de tempos muito pequenos de retardo para temporização ou outras aplicações. Acima de alguns milihenries, a obtenção de um indutor já se torna problemática, pois estes componentes começam a se tornar volumosos, caros e pesados.

Leia mais sobre indutores no capiutulo IV computadores item: l)

c) CAPACITORES EM CIRCUITOS DE CORRENTE ALTERNADA

No item (a) desta lição vimos o que ocorre com um capacitor, associado com um resistor, num circuito de corrente contínua, ou seja, em que estabelecemos uma corrente num sentido único para a carga ou descarga do capacitor.

O que aconteceria com um capacitor se ele fosse usado num circuito alimentado por corrente alternada?

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Conforme já vimos na lição anterior, numa corrente alternada o fluxo de cargas inverte-se rapidamente e de forma constante, no nosso caso a razão de 60 vezes por segundo. Isto é, em cada segundo a corrente circula 60 vezes num sentido e 60 vezes noutro. A inversão não se faz de maneira rápida, mas sim suave, de modo que, partindo de um instante que a corrente é nula, ela cresce suavemente até atingir o máximo num sentido, para depois diminuir até se tornar nula novamente. Depois, ela inverte crescendo suavemente até o máximo no sentido oposto para depois diminuir, isso num processo contínuo que nos dá um gráfico conforme mostra a figura 31.

I (A) 100 % 37% RL
I (A)
100 %
37%
RL

T(s)

Fig. 31 - Descarga de um indutor através de um resistor.

A curva representada neste gráfico recebe o nome de senóide, de modo que a corrente que obtemos nas tomadas de nossas casas é senoidal de 60hertz. (Alguns países usam correntes de 50 hertz). O que acontece se ligarmos um capacitor a um circuito que forneça uma corrente desta conforme mostra a figura

32?

+ MAX (+ ) PONTO DE INVERSÃO 0 0 SEMICICLO NEGATIVO - MAX (-) 1
+
MAX (+ )
PONTO DE
INVERSÃO
0
0
SEMICICLO
NEGATIVO
-
MAX (-)
1 CICLO

Fig. 32 - Representação de uma corrente alternada senoidal

Partindo de um instante em que a tensão seja nula, à medida que ela aumenta de valor numa certa polaridade, ela “bombeia” cargas para o capacitor, que começa a carregar com a mesma polaridade. Quando a tensão alternada atinge o máximo num sentido, o capacitor também atinge sua carga máxima. Depois, quando a tensão diminui, as cargas se escoam do capacitor até que, quando a tensão na rede atinge zero, o capacitor também estará descarregado. No semiciclo (metade do ciclo) seguinte, a corrente começa a aumentar, mas no sentido oposto, carregando assim as armaduras do capacitor com a polaridade oposta, tudo conforme mostra a seqüência da figura 33.

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

~ C Fig. 33 - Capacitor num circuito de corrente alternada
~ C Fig. 33 - Capacitor num circuito de corrente alternada

~

C

~ C Fig. 33 - Capacitor num circuito de corrente alternada
~ C Fig. 33 - Capacitor num circuito de corrente alternada
~ C Fig. 33 - Capacitor num circuito de corrente alternada

Fig. 33 - Capacitor num circuito de corrente alternada

A carga e descarga acompanhadas o ritmo de inversão de polaridade da rede ocorre indefinidamente.

A quantidade de cargas que é “bombeada” e “extraída” do capacitor depende não só da tensão aplicada, mas

também do próprio tamanho do capacitor, ou seja, de sua capacitância. Esta capacitância determina então a corrente média que circula por este componente no processo de carga e descarga, já que não podemos falar num valor em cada instante, pois ela varia, conforme vimos. Podemos dizer que o capacitor se comporta como uma “resistência” neste circuito, permitindo que uma corrente

variável circule. Como o termo “resistência” não se aplica neste caso, pois o que temos é corrente de carga e descarga circulado, adota-se um outro termo para indicar o comportamento do capacitor no circuito de corrente alternada. Este termo adotado é “reatância” e no caso do capacitor temos uma “reatância capacitiva” representada por Xc.

O valor de Xc é dado em ohms e depende basicamente de dois fatores: a freqüência da corrente alternada e o

valor do capacitor. Para calcular a reatância capacitiva apresentada por um capacitor utilizamos a seguinte

fórmula:

1 Xc  (2    f  C )
1
Xc 
(2
 
f
C
)

Onde:

Xc = reatância capacitiva em ohms ()

x

= constante que vale 3,14

f

= freqüência em hertz (Hz)

C = capacitância em farad (F)

Onde:

X

L = reatância capacitiva em ohms ()

x

= constante que vale 3,14

f

= freqüência da corrente em hertz (Hz)

L

= indutância em henry (f)

Observe que a fórmula nos mostra claramente que quanto maior for a freqüência da corrente, maior será a oposição encontrada para ela se estabelecer num circuito que exista um indutor. Dizemos que os indutores oferecem uma oposição maior aos sinais de freqüência mais altas. Seu uso em combinação com os capacitores nos circuitos de filtros permite a separação de sinais de freqüências diferentes, conforme veremos oportunamente.

Leia mais sobre indutâncias no capiutulo IV computadores item: m)

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Capitulo

I-Estudo dos materiais semicondutores

I - INTRODUÇÃO

II

Em Setembro de 1939, no inicio da segunda guerra mundial, a Inglaterra já desenvolvia em laboratórios, o seu sistema de radar.

o segredo desse sistema, era conseguir obter microondas em forma de feixe e detectar sinais.

Houve a necessidade de pesquisar novos meios de conseguir operar com estas freqüências, pois as válvulas convencionais não eram capazes de operar Satisfatoriamente com esses sinais.

Dai adveio o estudo de como se obter um monocristal com processo de fabricação artificial e que tivesse funcionamento, parecido com os cristais naturais como o galena por exemplo.

Para isso foram escolhidos o germânio e o silício e somente em Junho de 1940, nasceu dos laboratórios da Bell Telephone a primeira. publicação sobre um dispositivo chamado Transfer-Resistór (Resistor de Transferência), originando dai, o nome transistor, que começou a ser usado comercialmente, apenas em 1951.

Come já é conhecido, estes pequenos dispositivos são capazes de realizar quase tudo o que realizam as válvulas

a vácuo com maior eficiência, menor consumo de energia e durante um período muito maior de tempo, pois,

sendo sólido, o transistor não necessita de um invólucro especial, em cujo interior seja mantido o vácuo; além

disso, dispensa o processo antigo de uma fonte de calor para produzir a emissão de elétron a o que representa uma enorme redução na energia consumida.

Em vista dessas vantagens, e mais ainda, da quase: completa substituição das válvulas por estes componentes, é

de interesse amplo, aprender alguma coisa sobre eles, o que são, para que servem como é construído como

funcionam e principalmente, como devem ser usados.

O funcionamento das válvulas a vácuo, baseia-se no fluxo de elétrons do cátodo para a placa, fluxo este

controlado pela presença de uma grade.

O funcionamento do transistor baseia-se também num fluxo eletrônico, embora exista uma grande diferença

entre eles.

Para uma melhor compreensão destas diferenças é interessante fazer-se um resumo do que se conhece a respeito

da matéria e o que representa o elétron e sua estrutura e dentro da estrutura cristalina de um cristal.

2- ESTRUTURA DA MATERIA

Qualquer substancia ou material que se conhece, pode ser subdividido em partes cada vez menores, até que se chegue á menor delas, a molécula.

Definimos então, como molécula, a menor partícula, a qual pode dividir um corpo, sem que ele perca as suas propriedades fundamentais.

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net Subdividindo a molécula, chegamos ao átomo, mas desta

Subdividindo a molécula, chegamos ao átomo, mas desta feita não é mais possível que o material conserve as suas propriedades fundamentais. Definimos então que, “o átomo é a menor partícula que constitui a molécula".

Nos primórdios da física, pensou-se realmente que o átomo fosse indivisível; porém, a física moderna mostrou que o átomo é formado por um grande numero de partículas, que giram ao redor do núcleo em órbitas concêntricas, assim como (analogamente) os planetas giram em torno do sol.

A essas partículas deu-se o nome de elétrons, que possuem carga elétrica negativa (-).

0 núcleo por sua vez é formado de prótons e nêutrons, sendo que os prótons (como o nome já diz, positivo),

possuem carga elétrica positiva (+) e os nêutrons ( como o nome já diz; neutro ) nenhuma.

não possuem carga elétrica

Os elétrons dispoe-se em camadas ou níveis, sucessivos apartir do núcleo, num total de 7 camadas, cada, qual com determinado número de elétrons.

Á primeira camada, deu-se o nome de K, á segunda o nome de L e assim, sucessivamente, até a última. Cada camada tem um numero máximo de elétrons que passamos a descrever:

1a.

2a.

3a.

4a.

5a.

6a.

7a.

K

L

M

N

O

P

Q

02

08

18

32

32

18

08

camadas

P Q 02 08 18 32 32 18 08 camadas Quando uma camada se apresenta com

Quando uma camada se apresenta com o seu número característico de elétrons, diz-se que a mesma está completa.

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Como exemplo, mostramos na figura 2.2. a estrutura atômica do átomo mais simples da natureza que tem a primeira camada coincidindo com a última e possue apenas um elétron.

coincidindo com a última e possue apenas um elétron. Como curiosidade, podemos citar que existem na

Como curiosidade, podemos citar que existem na natureza apenas seis substancias os chamados gases nobres ou inerte cujos átomos apresentam a camada periférica completa. Estes

átomos não se combinam com nenhum elemento conhecido na natureza até hoje.

Os elétrons que se encontram na camada periférica são chamados de “elétrons de valência” (Valência=Elo união).

As camadas inferiores completas, não cedem nem recebem elétrons para efeito de ligação de átomos. Logo, os elétrons de valência são os únicos que - possuem liberdade para participar de fenômenos químicos ou elétricos.

Quando um grupo de átomos está disposto simetricamente entre si (como pode acontecer numa molécula) um elétron de valência, muitas vezes gira em torno de dois núcleos ao invés de um só, unindo átomos entre si. “A este fenômeno dá-se o nome de “Cadeia” de Valência”.

Citamos a título de informação tipos de reações, químicas para um melhor entendimento do que sejam as cadeias de valência.

Valência Um átomo se diz quimicamente instável quando apresenta a última camada completa, ou seja, a camadas com dois elétrons e as demais com um número mínimo de 8 elétrons.

elétrons e as demais com um número mínimo de 8 elétrons. Eletrovalência Ocorre devido a troca

Eletrovalência Ocorre devido a troca de elétrons entre os átomo de elétrons diferentes. Exemplo: Reação do sódio com cloro (sal de cozinha (Na e Cl ).

Cl

K L M

2

8

7

Na

K L M

2

8

1

0 sódio é monovalente, pois cede um elétron. 0 Cloro também é monovalente, pois recebeu um elétron.

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net Covalência Ocorre devido a existência de pares de

Covalência Ocorre devido a existência de pares de elétrons que participam simultaneamente de dois átomos.

Exemplo: Reação do carbono com oxigênio (C e 0).

C

K L

2

4

O

K L

2

6

Oxigênio é bivalente, pois cada elétron participa de 2 pares. Carbono é tetravalente pois cada elétron participa de 4 pares.

é tetravalente pois cada elétron participa de 4 pares. Denominam-se "Elétrons Livres" todos aqueles

Denominam-se "Elétrons Livres" todos aqueles elétrons que não possuem união firme, mesmo depois de se terem formado as "Cadeias de Valência":

Quanto maior for o número de elétrons livres na substancia, maior será o fluxo da corrente de elétrons para cada tensão, ou seja, maior a condutividade.

elétrons para cada tensão, ou seja, maior a condutividade. 3 - CONDUTORES E ISOLANTES Se ligarmos.

3 - CONDUTORES E ISOLANTES Se ligarmos. Um pedaço de fio de cobre a uma bateria, os elétrons livres são atraídos pelo positivo. Quando isso acontece, os elétrons livres abandonam certa região do fio, dando, lugar a novos elétrons, que fornecidos pelo pólo negativo da bateria irão suprir esta falta, estabelecendo dessa maneira uma corrente.

Podemos então definir três tipos de matéria condutor, isolante e semicondutor.

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Leia mais sobre material isolante no capitulo IV computadores item n)

Os átomos de um material isolaram, quando aquecidos desprendem muito .poucos elétrons na sua ultima camada, porque eles estão solidamente vinculados em suas ligações covalentes não permitindo assim circulação de corrente.

Num condutor, isso não acontece porem, com o aumento da temperatura, o condutor tem a sua resistência, aumentada, devido ao movimento cada vez mais, crescente nos seus elétrons, o que dificulta a passagem da; corrente que por ele deverá passar.

No material semicondutor ocorre fenômeno inverso: com o aumento da temperatura, sua resistência Interna diminui, devido à quantidade de impurezas.

Com a diminuição da resistência, tem-se um aumento de corrente, ocasionando assim um aumeto da temperatura esta por sua vez ocasionando um decréscimo da resistência e assim sucessivamente até a ruptura da junção.

Lembramos que é a quantidade de elétron na última camada do átomo que define se ele é bom condutor ou não.

Suponhamos dois átomos diferentes: O primeiro com quatro elétrons na última camada, e a segundo com apenas um, o melhor condutor deles será o segundo átomo, porque a última camada se estabiliza com 8 elétrons; devido a isso, quanto ao número de elétrons tendendo a oito, maior será a estabilidade do átomo, consequentemente, quanto menor estabilidade o átomo tiver, melhor as suas possibilidades de condução.

4 - SEMI- CONDUTORES Existem materiais com estruturas moleculares especiais, que se situam entre os dois grupos (condutores e isolantes) e não são nem bons condutores nem bons isolantes.

Chamam-se Semicondutores e são materiais que possuem elétrons livres, mas em quantidade determinada pelo tipo de impurezas do material.

Destes materiais os mais conhecidos são o Silício o Germânio (Si) ou (Ge) e são também usados na construção de diodos, transistores e outros dispositivos eletrônicos.

0 átomo de silício tem 14 prótons e 14 elétrons; o átomo de germânio, 32 prótons e 32 elétrons, contudo os dois átomos tem o mesmo numero de elétrons na última camada (número de valência) que é igual a 4.

Como o número de valência é igual, dizemos que os dois átomos podem ser considerados semelhantes no ponto de vista elétrico.

Como o átomo de Ge ou Si possui 4 elétrons, na última camada, e o número máximo de elétrons que pode comportar a última camada é oito, eles podem ser somados dois a dois para formarem o que chamamos de Estrutura Cristalina.

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

5 - ESTRUTURA CRISTALINA

Silva: http://www.josmar.net 5 - ESTRUTURA CRISTALINA Cada átomo da estrutura está unido por uma ligação

Cada átomo da estrutura está unido por uma ligação covalente aos quatro átomos vizinhos, tomados a mesma distância. Tal cristal não pode ser um transistor. Poderia ser um isolante, não um semicondutor, já que todos os elétrons estavam agregados a cadeias de valência e não haveria elétrons livres para deslocar-se. Aplicando-se uma tensão através de um cristal perfeito, não resultaria uma corrente.

Existem muitas maneiras para se deslocar ou libertar elétrons mediante a aplicação de um foco de luz, aplicação de uma fonte de calor, etc

A quantidade de energia necessária para romper uma ligação covalente (libertar um elétron) é deferente de uma substância para outra.

Por exemplo: Há uma quantidade de elétrons livre no germânio, maior que no silício, capazes de produzir uma corrente.

Um elétron livre não é a única conseqüência da ruptura de uma cadeia de valência na rede cristalina. De maior significado no que se refere aos transistores, é o fato de que o espaço vazio criado pela separação de um elétron de ligação covalente se comporta como uma carga positiva móvel. O espaço vazio pode se mover de um lado para o outro dentro do cristal, contribuindo para a circulação da corrente quando é aplicada uma tensão.

Obseve a figura 5.2

corrente quando é aplicada uma tensão. Obseve a figura 5.2 Em A temos um elétron sendo

Em A temos um elétron sendo atraído pelo pólo positivo da bateria provocando com isto um vasio.

Em B

negativo da bateria devido a força de atração que ele oferece.

temos a carga positiva móvel (lacuna provocada pelo desvio do elétron ) se deslocando para o polo

Cada vez que um novo elétron é retirado do material pelo positivo da bateria, o negativo supre esta falta com outro, fazendo com que se preencha com ele, um novo vazio mostrado em C .

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Deste modo, formou-se no material duas correntes: uma corrente de elétrons que caminha do pólo negativo da bateria, para o positivo e outra corrente de lacunas (vazio), que caminha do pólo positivo para o negativo mostrado em D.

Em resumo: Cada elétron atraído pelo pólo positivo cria uma lacuna. Por sua vez outro elétron por de deslocar-

se e ocupar essa lacuna, mas ao ocupada estará criando uma nova lacuna. Assim, na mesma velocidade que um elétron preenche uma lacuna, é criada uma nova e assim sucessivamente.

A lacuna tem carga igual a do elétron, mas com polaridade oposta e pode deslocar-se no cristal da mesma

maneira que os elétrons livres, assim como, também responde a um potencial elétrico, dirigindo se para o pólo negativo da fonte.

Na realidade, as lacunas são apenas espaços criados quando os elétrons procedentes de ligação covalentes completas, se introduzem noutras que tenham espaços vazios. Para simplificar a explicação do comportamento dos semicondutores considera-se as lacunas como cargas positivas.

6 - RECOMBINAÇÃO

Quando acontece de elétrons livres e lacunas em movimento ficarem muito próximos um do outro, há possibilidade de eles se juntarem eliminando assim um elétron móvel e uma lacuna em movimento. A este fenômeno dá-se o nome de Recombinação.

7- CARGAS PERMANENTES

Num cristal puro ou perfeito, os elétrons livres e as lacunas podem se obtidos pela aplicação de energia suficiente para libertá-los da cadeia de valência.

Contudo, nem os elétrons, nem as lacunas se conservam livres permanentemente; há sempre a possibilidade de uma recombinação.

É possível libertar tantos elétrons e criar tantas lacunas quanto quisermos num cristal de germânio ou silício por processos químicos.

Os elétrons e as lacunas assim obtidos permanecem no cristal e não desaparece com o tempo como acontece quando se rompe uma ligação covalente.

0 fato de se poder libertar uma ligação de elétrons e lacunas desta maneira e que permite construir transistores que satisfaçam a determinadas características.

8- CRISTAIS DO TIPO N

Os elétrons podem ser obtidos no germânio pela adição de pequenas quantidades de outros elementos tais como fósforo, arsênico e antimônio. A esse processo dá-se o nome de "dopagem" do material.

Estes três elementos usados na dopagem do germânio são semelhantes, pelo fato de terem cinco elétrons de valência.

Associando-se um átomo de antimônio com cinco elétrons de valência a um átomo de germânio com quatro elétrons, ocorre que o átomo de antimônio fornece elétrons de valência que entram nas ligações covalentes do cristal de germânio.

Contudo, como o átomo de antimônio possui cinco elétrons de valência, e o de germânio apenas 4, e -

considerando também que a última camada de associação só comporta um numero máximo de 8 elétrons, temos

aí um elétron extra como na figura 8.1.

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Este elétron extra não se conserva tão ligado como os outros na ligação covalente, podendo se mover dentro do cristal, respondendo a forças de atração devido ao campo eletrico criado, quando é aplicada ao cristal alguma tensão.

criado, quando é aplicada ao cristal alguma tensão. Os elementos de dopagem que fornecem elétrons móveis

Os elementos de dopagem que fornecem elétrons móveis ao germâriio ou ao silício, denominam-se "doadores".

Ao germânio ou ao silício tratados para ter um excesso de elétrons móveis denominam-se "Germânio ou Silício Tipo N". Esta designação "N" significa que os portadores de carga do cristal tem carga negativa.

Estas pequenas quantidades de impureza que são acrescentadas no cristal, não podem ser detectadas por processos químicos; a indicação mais segura da quantidade de impurezas presente no material é sua resistencia ôhmica.

A titulo de exemplo, a resistência ôhmica de um centímetro cúbico (1 cm3) de germânio puro é de 60 Ohms.

Um cubo do mesmo tamanho, dopado, (tratado com doadores) e pronto para ser usado nos transistores tem cerca

de 2 Ohms.

Esta grande mudança de resistência é produzida adição de impurezas na proporção de cem partes para dez milhões da substância pura.

9 - CRISTAIS DO TIPO P

As lacunas positivas ou "vazios" nas ligações covalentes, do germânio ou silício, podem ser obtidas por uma forma semelhante àquela como se obtém os elementos livres.

Os elementos que se misturam com a matéria do cristal para se formar lacunas, são o alumínio, boro, gálio e o índio, possuíndo os mesmos três elétrons de valência.

o índio, possuíndo os mesmos três elétrons de valência. Do mesmo modo que os elétrons dos

Do mesmo modo que os elétrons dos átomos doadores penetram nas ligações covalentes para formar o material tipo N, essas novas impurezas poderão penetrar com três elétrons de valencia, na estrutura cristalina do germânio ou silício. Mas, uma dasligações de valência assim formada, terá um elétron a menos.

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Isto acontece em virtude do átomo da impureza só fornecer três elétrons. O espaço criado pelo elétron que falta, constitui uma lacuna com carga positiva, onde poderá entrar um elétron de outra união, vide a figura 9.1.

Para que um elétron entre na lacuna existente no material, deverá ele formar uma nova lacuna na ligação de onde ele procede.

ele formar uma nova lacuna na ligação de onde ele procede. Assim, a adição de uma

Assim, a adição de uma impureza, que tenha só três elétrons, resulta numa lacuna móvel. Os elemento que criam lacunas móveis no germânio ou silício, chamam-se "Receptores ou Aceitadores", porque recebem elétrons das ligações covalentes.

Ao material tratado com átomos receptores, dá-se nome de "Material tipo P", o que significa que os transportadores de corrente são as lacunas'.

10- COMBINAÇAO DE IMPUREZAS DE DOADORES E RECEPTORES

O efeito da introdução de átomos receptores no material do tipo N, é o de neutralizar os elétrons livres. Obtém-

se este efeito, porque as lacunas provocadas pelos átomos receptores absorvem os elétrons doadores, e logo, as lacunas introduzidas e os elétrons livres desaparecem como portadores pe manentes de cargas.

Obtem-se o mesmo efeito, quando se juntam átomos doadores ao material tipo P.

A medida que se juntam átomos receptores ao material do tipo N, a resistência elétrica aumenta, em conseqüência de serem preenchidas cada vez mais lacunas. Quando o número de átomos receptores é igual ao de doadores, a resistência é máxima, podendo-se comparar o material a um isolante.

Quando o número de átomos receptores excede o número de doadores, o material torna-se tipo "P" e apartir desse momento, a resistência passa a diminuir. Assim, na fabricação de transistores, o material do tipo N, pode converter-se no tipo P, e vice-versa, sem a necessidade de purificar-se o cristal.

Esta técnica, contudo, tem certas limitações, pois é necessário germânio e silício extremamente puros para a preparação de cristais próprios para transistores.

A porcentagem de pureza exigida no cristal de germânio está em torno de 99,99999999% - Ten-Nine (dez

noves).

11 - CONDUTIBILIDADES EM SEMI CONDUTORES TRATADOS

Suponhamos que exista num cristal com uma superfície igual ao tamanho da ponta de um alfinete, um bilhão de átomos de germânio e algumas centenas de átomos de arsênico.

Os átomos de arsênico contêm algumas centenas de elétrons livres. Na temperatura ambiente, os átomos no cristal estão em tumultuoso movimento. O núcleo e seus elétrons associados vibram nos seus lugares, mas os elétrons móveis são impelidos através do cristal, primeiro numa direção e depois em outra sucessivamente.

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Esses movimentos desordenados de um elétron podem ser representados como se vê na figura '11.1.A.

Ao se aplicar uma tensão através de um cristal do tipo N, forma-se um campo elétrico, que tenta mover os elétrons para o outro lado como se vê na figura

mover os elétrons para o outro lado como se vê na figura O efeito resultante do

O efeito resultante do movimento desordenado e de arrasto (movimento induzido pelo potencial elétrico) é

mostrado na figura 11.1.C.

Os elétrons móveis aproveitam a energia aplicada, para convertê-la em aumento de velocidade até que se chocam com outros elétrons.

A cada colisão, os elétrons perdem parte da sua energia adquirida, na forma de calor, fazendo com que a

resistência diminua.

O movimento das cargas, resultante de uma voltagem aplicada, não perturba o equilíbrio de cargas no cristal.

Assim como alguns elétrons, dirigem-se para o terminal positivo, outros chegam de outras partes do cristal, de

tal maneira que o equilíbrio de cargas se conserva.

Salientamos que com o aumento de temperatura, devido à colisão contínua dos elétrons, a resistência do material semicondutor diminui, o que não acontece nos materiais condutores.

Observe estas diferenças no capítulo 3.

12 - DIFUSÃO DE CARGAS

A título de exemplo, podemos dizer que difusão é o.modo com que um gás ou fumaça enche um quarto ou a

tinta se espalha na água

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net Para se dar uma idéia de como ocorre a

Para se dar uma idéia de como ocorre a difusão no semicondutor, imagina-se todas as cargas estão agrupadas compactamente numa parte do cristal.

Estas cargas estão em movimento contínuo e desordenado, em todas as direções. Geralmente, como metades das cargas afastam-se do conjunto; num dado momento, algumas delas sairão dos seus limites orbitais.

Como não há cargas disponíveis para vir do exterior, e ocupar o seu lugar, o material tende a expandir-se. Dessa forma, as cargas tendem a deslocar-se de regiões de alta concentração para regiões de baixa concentração a fim

de estabelecer um á grupamento uniforme de cargas.

Podemos concluir então, que a circulação de correu te pode também ocorrer nos transistores e em outros dispositivos semicondutores como resultado da difusão de cargas.

13- A BARREIRA DA JUNÇÃO P-N

Se tomarmos unir material P e um material N e os juntar-mos, obtemos a chamada junção P.N. como na figura

13.1.

obtemos a chamada junção P.N. como na figura 13.1. Como o material tipo P, apresenta muitas

Como o material tipo P, apresenta muitas lacunas e o material N muitos elétrons, há uma tendência natural de difusão de lacunas de P para N e elétrons de N para P.

A corrente de material tipo P, para a de tipo N é chamada "Corrente de Difusão", enquanto que a do material

tipo N para o tipo P, é chamada "corrente de campo". A existência da corrente de difusão, - faz com que apareça

uma diferença de potencial junto ao contato de dois materiais, chamada "Barreira de Potencial".

A corrente de difusão acontece devido a recombinação de majoritários junto à barreira de potencial.

A corrente de campo é originada pela geração de minoritários na barreira de potencial ou em suas proximidades.

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

No material tipo N, os majoritários são elétrons e os minoritários lacunas.

No material tipo P, os majoritários são lacunas e minoritários elétrons.

No equilíbrio do material, essas duas correntes - são iguais e opostas.

Entretanto as lacunas e os elétrons que se difundem através da união, deixam atrás de si, átomos receptores e doadores com carga positiva ou negativa respectivamente.

Como se verifica alguma difusão e recombinação, há agora átomos positivos doadores não neutros da lado do tipo N e átomos receptores negativos não neutros no outro lado, tipo P.

A

dupla região de átomos carregados, que se estabelece na junção, impede a posterior difusão de cargas através

da

união.

Suponhamos que uma lacuna positiva penetre na linha de divisão entre doadores e receptores não neutros.

A lacuna é repelida pelos átomos doadores, carregados positivamente da direita e ao mesmo tempo é atraída

pelos átomos receptores, carregados negativamente à esquerda.

Assim, a lacuna é sujeita as forças que tendem a fazê-la retroceder para o semicondutor tipo P a que pertence.

A ação do elétron é semelhante. O elétron é repelido pelos receptores à esquerda e atraído pelos doadores à

direita, e assim ficam restringidos ao semicondutor tipo N.

14 - CORRENTES NAS JUNÇÕES P-N NÃO POLARIZADAS

Numa junção PN sem tensão externa aplicada, não pode haver circulação de corrente.

Contudo, simplifica pensar em correntes iguais e opostas circulando na junção. Uma dessas correntes é constituída pelo movimento de algumas lacunas do material tipo P para o material de tipo N, e a outra, constituída de elétrons que passam do material tipo N para o tipo P.

As lacunas e elétrons que estabelecem esta corrente são aqueles que absorveram energia suficiente para ultrapassar a barreira de potencial. A outra corrente igual e oposta a primeira, resultam da ruptura de ligações covalentes por agitação térmica.

Em virtude da ruptura das ligações, há sempre elétrons libertados no material do tipo N.

As lacunas criadas no material tipo N e os elétrons libertados no material do tipo P, próximo da junção, passam facilmente através desta, resultando a chamada "corrente de saturação inversa".

15- JUNÇÃO P-N COM POLARIZAÇÃO INVERSA

Quando se aplica uma bateria numa junção PN, com + (positivo) do lado N e - negativo) do lado P, teremos a chamada polarização inversa como na figura 15.1.

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net Neste caso, as lacunas do material tipo P serão

Neste caso, as lacunas do material tipo P serão á traídas pelo pólo negativo e os elétrons do lado N serão atraídos pelo pólo positivo da bateria.

Em conseqüência, a largura da barreira de potencial aumentará, aumentando também a sua resistência interna.

Em virtude do aumento da barreira de potencial, a corrente de difusão diminuirá bastante, enquanto que a corrente de campo aumentará um pouco por se tratar de uma corrente de minoritários.

Teremos então como corrente total, uma corrente pequena no sentido negativo para o positivo; e portanto será uma corrente predominante de minoritários.

Esta corrente aumenta com a variação da largura da barreira de potencial até o ponto em que chega em sua largura máxima e a partir desse ponto ela não aumenta mais.

A esse valor de corrente máxima, damos o nome de corrente de saturação inversa".

A junção polarizada neste sentido, apresenta uma resistência muito grande, da ordem de mega-ohms e a corrente

de saturação cerca de alguns nano amperes do silício.

16- JUNÇÃO P-N COM POLARIZAÇÃO DIRETA Se polarizarmos uma junção P-N, com + (positivo) - do lado P e - (negativo) do lado N, temos a chamada polarização direta, conforme a figura 16.1.

a chamada polarização direta, conforme a figura 16.1. Desta forma, as lacunas do lado P serão

Desta forma, as lacunas do lado P serão repelidas pelo positivo da bateria e os elétrons do lado N por sua vez serão repelidos pelo negativo da bateria, provocando com isso, uma redução da largura da barreira de potencial com a conseqüente redução da resistência interna da junção.

Em virtude disso, haverá um aumento da corrente de difusão e uma diminuição da corrente de campo.

A corrente de difusão aumentará bastante com um pequeno aumento na tensão de bateria pois se trata de uma

corrente de majoritários, enquanto que a corrente de campo diminui muito pouco por se tratar de corrente de

minoritários.

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Como resultado final, teremos uma corrente total, sendo predominantemente de majoritários.

A junção polarizada no sentido direto, apresenta - uma resistência baixa, da ordem de algumas dezenas de Ohms.

17- FUNÇÃO DOS CONDUTORES DE JUNÇÃO Com uma tensão polarizando diretamente a junção PN, as lacunas circulam continuamente através da união da região P, para a região N.

Em algum lugar da região de transição do cristal para o metal dos condutores de ligação, os elétrons que entram para preencher as ligações covalentes são fornecidos pelas outras ligações covalentes. Forma-se assim uma transição da circulação das lacunas para a circulação de elétrons. As sim, as lacunas, ao alcançarem o contato metálico polarizado pelo terminal negativo, encontram elétrons do condutor e dá-se a recombinação. Desta maneira, a corrente necessária à circulação de lacunas no semicondutor transforma-se numa corrente originada pela circulação de elétrons no circuito externo.

18 -LEVANTAMENTO DA RETA DE CARGA DE UM DIODO Toda vez que for necessária a utilização de um diodo para qualquer finalidade, é sempre conveniente efetuar-se o levantamento da reta de carga deste diodo.

Para tanto, é indispensável o manual fornecido pelo fabricante, onde é mostrada a curva característica do diodo conforme a figura 18.1.

Suponhamos que o circuito onde se quer a utilização diodo é o mostrado na figura 18.2.

Primeiramente, devemos supor o diodo como um curto circuito, a fim de analisar qual a máxima corrente

um curto circuito, a fim de analisar qual a máxima corrente Para o entendimento deste exemplo

Para o entendimento deste exemplo deveremos primeiro saber o que é e como funciona os resistores

primeiro saber o que é e como funciona os resistores que circulará pelo circuito. I max

que circulará pelo circuito.

I max =

20V

100 Ohms

= 200 mA

A seguir, coloca-se este valor no gráfico, como sendo o primeiro ponto por onde passará nossa reta decarga conforme a figura 18.3.

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net Faz-se a corrente negativa a um valor mínimo abrindo-se

Faz-se a corrente negativa a um valor mínimo abrindo-se o circuito e calculando-se a tensão máxima a que chegará o valor de tesão do circuito

.

No caso será a própria tensão da bateria.

V Max = 20 Volts.

Coloca-se também este valor no gráfico, como sendo o segundo ponto por onde passará a nossa reta de carga, conforme a figura 18.3.

Una-se este ponto ao outro, determinando-se a reta de carga do diodo.

Na intersecção desta reta, com a curva característica do diodo; teremos o ponto: "Quiescente" ou "Ponto de Trabalho" Q, do diodo.

Este ponto nos mostra exatamente quais serão as condições de trabalho do diodo, do seguinte modo:

Pelo ponto "Q" traçamos retas paralelas aos dois eixos (Id e Vd). Do ponto de interseção entre as retas assim obtidas e os eixos propriamente ditos, teremos leituras àas condições de trabalho do diodo que no nosso exemplo são:

Vd = 10 Volts

Id = 80 mA

19 - CARACTERISTICAS DO DIODO PN

A

curva característica de um diodo de junção P-N é mostrada na figura 19.1. A curva mostrada e idéntica para

os

diodos de germânio e silício, com diferença somente na escala.

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net Como já foi visto anteriormente, a corrente de saturação

Como já foi visto anteriormente, a corrente de saturação inversa no diodo de germânio é muitas vezes maior que

no diodo de silício, isto para uma mesma temperatura.

Para um diodo de germânio, é necessário uma polarização direta de cerca de 0,1 Volts para se obter" uma corrente direta de 1,0 mA enquanto que para ode silício é necessário uma tensão em torno de 0,7 Volts.

Esta diferença é devida às quantidades de energia necessárias para romper as ligações covalentes no silício e no germânio.

A tensão inversa da junção P-N, origina alguma corrente, contudo se a tensão inversa torna-se demasiadamente grande, dá-se a ruptura. A tensão a que se dá essa ruptura chama-se: "Tensão Reversa da Ruptura da Junção" (Break Down = Avalanche).

A tensão inversa de ruptura é.uma propriedade característica de cada diodo semicondutor. Pode-se obter

qualquer tensão de ruptura entre 3 e 1000 - Volts, por exemplo.

Ainda existem diodos tais como os "Diodos de Efeito Zenner" em que essa característica - (tensão de Break Down) é sumamente importante, sendo característica primordial para o seu funcionamento, como veremos mais adiante. A tensão de ruptura é estável e não varia com a temperatura.

20- EFEITO AVALANCHE - BREAK DOWN Se em uma junção P-N, for aumentando a tensão reversa de polarização, a largura da barreira de potencial aumentará e um elétron que se encontra nessa região será cada vez mais acelerado devido ao campo elétrico aplicado.

Aumentando-se gradativamente esta tensão, poderemos chegar num ponto em que os elétrons acelerados adquiram energia suficiente para dar origem a outros elétrons livres os quais poderão também ser a celerados podendo originar outros elétrons livres, e assim sucessivamente.

Quando esse fenômeno ocorre, a corrente inversa do diodo cresce rapidamente e neste ponto dizemos que atingimos o potencial de ruptura. A esse fenômeno damos o nome de "avalanche".

Para o entendimento deste exemplo deveremos primeiro saber o que é e como funciona os capacitores

21-CAPACIDADE DA BARREIRA DE POTENCIAL

O lado P da junção PN, está carregado positivamente por causa da presença de lacunas; o lado N, carregado

negativamente, por causa da presença de elétrons.

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Ao se aplicar uma tensão na junção, forma-se a barreira de potencial. Como um lado da barreira está positivo, dizemos que se formou nesta área um capacitor.

Se aumentarmos as dopagens dos materiais, a barreira de potencial diminui, e sua capacidade aumenta.

A capacidade de uma junção P-N assume importância significativa quando se tratar de diodos para altas

freqüências. Isto ocorre porque se a capacidade que se encontra em paralelo com o diodo no circuito equivalente, for grande, para freqüências altas, sua reatância será pequena deixando passar corrente nos dois sentidos, tirando então as propriedades características dos diodos que são a de deixar passar corrente em apenas um sentido.

Esta capacidade, a qual nos referimos não assume importância em freqüências baixas.

Em uma polarização direta, a largura da barreira de potencial diminui, fazendo com que a capacidade aumente.

Na polarização inversa, a largura aumenta ocasionando um decréscimo da capacidade (vide figura - 21.1).

Observe-se ainda que variando-se a tensão, variará também a largura da barreira de potencial e em conseqüência a sua capacidade; portanto o diodo poderá ser usado como um capacitor, cuja capacidade depende da tensão aplicada.

Este dispositivo é chamado de "varicap" ou "varactor" e é usado em controle automático de freqüências.

e é usado em controle automático de freqüências. 22- DIODO DE CONTATO e nas características elétricas.

22- DIODO DE CONTATO

e nas características elétricas. O diodo de contato

consiste num fio muito fino, comprimido contra a superfície do fragmento do cristal semicondutor como se vê

O diodo de contato difere do de junção P-N na construção,

na

figura 22.1.

O

material usado é o do tipo "P". 0 movimento das cargas neste diodo não e compreensível facilmente ou

explicável como no diodo de junção P-N.

Existe uma barreira de potencial entre o metal e o semicondutor e é exatamente esta barreira a responsável pelas propriedades retificadoras do dispositivo.

A resistência interna de um diodo de contato é em geral mais elevada que a do diodo de junção, não podendo tolerar níveis de dissipação tão altos como os tolerados no diodo de junção P-N.

Por outro lado, tem vantagens para muitas aplicações, visto que a sua capacitância é muito menor

em virtude da área de contato ser muito menor que na área de junção P-N.

Os diodos de contato podem ser muito menores e ainda terem propriedades elétricas mais estáveis.

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net 23- VARICAP Como já foi citado anteriormente, variando-se a

23- VARICAP

Como já foi citado anteriormente, variando-se a tensão nos extremos de um "varicap", estamos variando a barreira de potencial da junção e consequentemente sua capacidade.

A

figura 23.1., mostra como exemplo, um diodo "varicap" usado no sintonizador de F.M. de um rádio receptor

de

FM.

Suponhamos que a freqüência do oscilador local do sintonizador, esteja se deslocando em direção à freqüência, abaixo do ideal.

Devido à presença de outros estágios existentes no circuito, este desvio de freqüência é transformado. em aumento de tensão negativa de C.A.F. aplicado ao anôdo do diodo "D" que representa um capacitor ligado em paralelo com a bobina oscilados L.

O aumento da tensão negativa aplicada ao diodo, faz com que sua capacidade diminua tendendo o circuito a

oscilar sempre em direção oposta ao lado do desvio (que nesse caso é de freqüência mais alta.)_

do desvio (que nesse caso é de freqüência mais alta.)_ 24 - DIODOS DE REFERENCIA-ZENNER É

24 - DIODOS DE REFERENCIA-ZENNER

É um diodo cuja região de avalanche ("break down") é aproveitada para a estabilização de tensão.

A figura 24.1., mostra a característica deste diodo.

A figura 24.2., mostra um circuito usado para estabilização em fontes reguladas, onde a tensão a ser estabilizada

depende diretamente das características do diodo, e a diferença de potencial entre as tensões de entrada e saída,

encontram-se nos extremos do resistor.

Na figura 24.3., o efeito do diodo é multiplicado pelos transistores T1 e T2.

No emissor do transistor T2, encontra-se uma tensão

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net são estabilizada pelo diodo "Zenner". 0 aumento de
ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net são estabilizada pelo diodo "Zenner". 0 aumento de
ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net são estabilizada pelo diodo "Zenner". 0 aumento de

são estabilizada pelo diodo "Zenner".

0 aumento de carga aplicada na saída, provoca uma queda de tensão na base do T2.

Esta queda de tensão faz com que o transistor fique polarizado em menor corrente, ou seja, maior resistência interna.

Como a corrente da base de T1, depende diretamente da resistência interna a de T2 e R, e estando este último fixo; a possível queda de tensão na saída é convertida na diminuição da resistência interna do transistor T1.

Com a diminuição da resistência interna de T1, a tensão de saída permanece supre no mesmo valor.

25- DIODO TUNEL

0 semicondutor empregado para a fabricação deste diodo, possui uma resistência específica bem baixa, aproximada a dos metais.

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Além daqueles fabricados com o Germânio e o Silício, existem também aqueles fabricados com outros tipos de materiais taís como o Ga (Gálio), As (Arsênico) ou In (Índio) e Sb (Antimônio).

A curva característica do diodo túnel apresenta o aspecto dado na figura 25.1.

Este diodo apresenta a particularidade de ter uma região de resistência negativa entre o pico e o

de ter uma região de resistência negativa entre o pico e o vale, propriedade que é

vale, propriedade que é aproveitada para se construir osciladores e comutadores.

A partir da tensão de pico de polarização (direta) para a tensão de vale, a curva característica toma um caminho

inverso daquele que iria tomar um diodo convencional, isto é, a corrente do diodo túnel tende a diminuir-se

com o aumento da tensão.

Com, isto, nota-se que a corrente percebida na região de pico, é maior que a da regue, de vale.

A largura de sua barreira de potencial é muito pequena, da ordem de 100 angstons, e a velocidade da variação de

corrente é considerada equivalente à velocidade da luz.

Entre outras aplicações deste diodo, podemos citar os osciladores de microondas de baixa potência, em computadores eletrônicos como dispositivos de comutação, e em outros circuitos que operam com freqüências muito elevadas.

A

transistorizado.

figura

25.2.,

mostra

um circuito

oscilador

formado

por

um diodo

tunel,

associado

a

um circuito

formado por um diodo tunel, associado a um circuito No instante em que a chave ch

No instante em que a chave ch é ligada, o capacitor C se carrega através de RL e R.

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Durante o primeiro período, a tensão desenvolvida na extremidade do capacitor "C" faz com que o diodo atinja o ponto "B" da curva, e nesta situação o transistor entra em corte, devido ao fato da resistência interna do diodo estar baixa, provocada por uma alta corrente.

A partir do ponto (B), a tensão do capacitor continua aumentando, fazendo com que o diodo passe a ser

polarizado na região de vale (ponto C da curva) provocando uma queda instantânea de sua corrente interna, com

um conseqüente aumento de sua resistência.

Uma vez que a polarização do transistor depende - dos valores de R e R interno do diodo, no instante C, o transistor passa para a saturação provocando a descarga do capacitor, e assim sucessivamente.

26- APLICAÇOES Os diodos semicondutores têm um emprego bastante grande em todos os campos das aplicações eletrônicas. Um simples computador, por exemplo, pode utilizar milhões de diodos.

Uma aplicação do diodo de contato é no detector de freqüências extremamente altas, de transmissão e recepção

de micro ondas por exemplo. Para este fim, o diodo semicondutor de contato pontual é preferível à válvula de

vácuo termiônico, devido ao tamanho, custo, etc Amplamente utilizadas em fôrnos de Microondas. Os diodos de

silício de contato pontual já operam em, frequências da ordem de 60,000 MHz.

O diodo de junção P-N tem muitas aplicações em que se aproveitam as suas características especiais. Uma

aplicação comum é como retificador de potência. O retifidaidor de junção é ideal para uso em fontes de tensão para equipamentos transistorizados. É capaz, de trabalhar em correntes tensões usadas em instalações de alta

potência.

Sua eficiência nestes, dispositivos pode exceder aos 90%.

Outras aplicações baseiam-se nas diferentes propriedades dos diodos,

de junção P-N.

Os diodos zenner por exemplo com sua propriedade apresentar tensão inversa de ruptura permite usá-los nos reguladores de voltagem, conjuntamente com transistores nos amplificadores, em alimentadores de energia reguláveis. As tensões de ruptura que podem atingi.r vão de 3 a mais de 1000 Volts.

A capacitância variáveis dos diodos de junção PN(varicaps), permitem usa em dispositivos especiais nos

circuitos que constituem os controles automáticos de freqüência. Esta aplicação tem vantagens particulares em

televisão a cores por exemplo, onde se faz necessário um. acurado controle de de freqüência.

Os diodos varicaps funcionam com uma capacitância variável através da variação de tensão em freqüências superiores a 1000 MHz.

Podemos citar, também os varactores aplicados em circuitos multiplicadores de freqüências, os diodos túnel uzados nos circuitos osciladores em equipamentos de microondas de baixa potencia e sintonizadores de FM, usados também em circuitos de comutação em computadores por trabalhar com uma região de resistência negativa.

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Capitulo

O Televisor

Historia Parte I O Televisor evoluiu bastante nos últimos anos chegou ao ponto que para se consertar não precisamos mais saber como funciona todos os circuitos como era antigamente por este motivo vamos estudar somente o que interessa para se ter a capacidade de determinar defeitos e poder resolver com facilidade qualquer problema. Vamos conhecer primeiro a estrutura do Televisor para que possamos ter uma idéia do funcionamento e poder-mos resolver os defeitos com mais facilidade, tanto do Televisor quando do Monitor de vídeo .

III

A estrutura da Televisão e do cinema

A finalidade principal da Televisão é aumentar o alcance da visão humana. Sendo assim a televisão deve ter a capacidade de reproduzir todas as propriedades de uma cena real. Algumas destas propriedades são: Luz, sombra, cromaticidade (cor), contraste, brilho, detalhes e movimentos contínuos. Estas cenas constituem a imagem. Ela se encarrega de transformar as variações luminosas em sensações (impulsos elétricos) que são levadas ao cérebro por meio do nervo ótico. E possue ainda a capacidade de persistência que consiste em quando vemos uma imagem ela fica retida (gravada) na visão durante um certo tempo que equivale a cerca de um décimo de segundo. Um exemplo de persistência é quando se olha um ventilador em baixa velocidade se consegue ver a hélice e quando aumentamos a velocidade não se ver a hélices. Devido a esta propriedade do olho humano é que temos o cinema e a televisão. Tanto a televisão quanto o cinema as imagens estão paradas. Mais esta imagens são apresentadas á nossa visão num tempo menor que o da persistência visual, assim temos a sensação de movimento, conforme ilustra a figura 1

Figura1

sensação de movimento, conforme ilustra a figura 1 Figura1 No cinema, a projeção se faz com

No cinema, a projeção se faz com uma velocidade de 24 quadros por segundo, esta é a freqüência de repetição ideal para nos dar a sensação de movimento. Pois o obturador que projeta cada imagem ou quadro na tela por duas vezes consecutivas aumentando assim a freqüência de repetição de 24 para 48 vezes por segundo. A vista recebe assim duas impressões luminosas, em vez de uma, durante a projeção da imagem ou quadro, e devido á persistência da visão isto resulta em uma impressão de luz constante com esta variação de luminosidade elimina a cintilação e a imagem fica com boa definição visual. Em televisão, adotou-se um numero maior de repetições que é de 30 quadros por segundos, os quais são recompostos 60 vezes por segundos (2X30) porque 60 hertz (60 ciclos por segundos) é a freqüência da rede elétrica de corrente alternada no Brasil. Isto facilitou o projeto da televisão: a própria freqüência da rede elétrica sincroniza a imagem na tela do televisor.

Na época da criação da Televisão só existia válvulas e os projetistas tinham dificuldade de filtrar a energia elétrica, pois os retificadores eram válvulas diodo e precisava de enormes capacitores

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Fig.1a - válvulas

Fig.1a - válvulas

eletrolíticos para executar a filtragem e sendo a rede elétrica na mesma freqüência estabilizava a imagem com facilidade. Veja as válvulas na figura

1a

Estrutura básica da imagem

Para podermos converter uma imagem em sinais elétricos devemos conhecer os elementos básicos que constituem a imagem, que consiste em pequenas áreas de

luz ou sombra conhecidas como elementos da imagem.

A quantidade de detalhes na imagem depende da grandeza e do numero dos elementos que constituem.

Exploração de uma imagem

Consiste em retirar as principais informações desta. Em fotografia, por exemplo, a imagem é explorada por meios de pontos. Os milhares de pontos formam os elementos da imagem. E em TV a exploração é em linhas de cima para baixo da direita para esquerda.

Figura 2 – Principio que rege a exploração da imagem A exploração da imagem e semelhante á maneira pela qual um leitor percorre uma pagina impressa, lendo da esquerda para a direita e de cima para baixo e descendo gradualmente para a parte inferior da pagina a medida que cada linha de letras está sendo lida. Desta maneira, a imagem eletro sensível produzida pela câmara de televisão é explorada linha por linha, até que a imagem inteira tenha sido dissecada em milhares de impulsos elétricos separados, que representam os elementos individuais da imagem que está sendo televisada.

Figura 2

individuais da imagem que está sendo televisada. Figura 2 Na figura - 2 é mostrado o

Na figura - 2 é mostrado o processo de varredura eletrônica da televisão. O quadro é formado pelo retângulo ABCD.

O feixe eletrônico inicia a exploração no ponto A e termina a primeira linha no ponto B, e retorna à

esquerda no ponto C com uma velocidade muito maior que a utilizada para se deslocar de A para B. Esta linha onde o feixe eletrônico retorna é chamada de “retraço”.

O retraço não pode aparecer na tela do televisor ou do monitor, pois o circuito apagador torna

invisível.

No entanto o leitor já deve ter visto estes retraços em um televisor ou monitor defeituoso.

O Brasil, EUA e Japão adotou um padrão para formar a imagem que é o de 30 quadros por segundo

cada quadro possue 525 linhas. Que são varridas (525X30) igual a 15750 hertz. A tela do televisor

tem 15750 linhas horizontais e 700 linhas verticais que equivale a (525X700) = a 367.500 pontos.

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Quatro sinais são básicos na televisão a cores:

Sincronismo Horizontal para varrer linhas horizontais (15750hz)

Sincronismo Vertical para varrer quadro (60hz)

Sinal de vídeo que contem as informações da cena televisada.

Croma sinal que contem as informações de cor da cena televisada.

Saiba mais no capitulo IV computadores item: p)

Tubo de Raios Catódicos (TRC) ou válvula de Imagem.

A válvula de imagem, Tubo de Raios Catódicos ou Cinescópio é o dispositivo que converte os sinais

elétricos em luminosos. Produzindo a imagem na tela feita de material florescente aluminizado. Qualquer que seja o tamanho da tela, em um cinescópio todos possuem os seguintes elementos básicos:

A) Um catodo como fonte emissor de elétrons.

B) Um calefator (filamento) para aquecer

o catodo para que ele possa emitir os elétrons.

C) Uma grade de controle para regular o numero de elétrons que passa através dela.

D) Uma grade de foco para concentrar o feixe de elétrons que passa através dela.

E) Um anodo alimentado por alta tensão para acelerar os elétrons emitidos pelo catodo.

F) Um meio de desviar os elétrons para qualquer direção e controlado para escrever na tela florescente.

G) Uma tela florescente para emitir luz sob o impacto do feixe de elétrons.

Ponto MAT (Alta Tensão) 25Kv(25000 V) Luminoso Filamento Feixe de elétrons Grade Screen Catodo Canhão
Ponto
MAT (Alta Tensão)
25Kv(25000 V)
Luminoso
Filamento
Feixe de
elétrons
Grade
Screen
Catodo
Canhão
Grade de
de elétrons
Grade de Fóco

Controle

Tipos de válvulas de imagem (Cinescópio) ou tubo de raios catódicos.

Eletrostáticos: Muito utilizado em aparelhos de precisão. Exemplo: Osciloscópios.

Eletromagnéticos: É o mais utilizado até hoje, tanto em televisores como em monitores de vídeo. Atualmente é fabricado também em tela plana.

Como já foi dito no início do capitulo que para se consertar uma televisão atual não precisa conhecer a fundo. Veja no diagrama em bloco da Figura 1, uma televisão convencional e atual, note cada circuito separado o que nos novos televisores os circuitos foram integrados em pastilhas LSI conforme figura

1ª.

( Integração em larga escala), o que reduziu bastante os circuitos e com isto facilita no reparo pois não precisamos mais reparar cada circuito. Em caso de reparo, o que se faz é que quando se suspeita de está com defeito substitui-se o CI. Correspondente.

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Figura 1 - Diagrama em bloco de um Televisor convencional

ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net Figura 1 - Diagrama em bloco de um Televisor

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Figura 1a - Diagrama de um Televisor Micro Controlado com CI (LSI). Aparti do ano de 1990

Silva: http://www.josmar.net Figura 1a - Diagrama de um Televisor Micro Controlado com CI (LSI). Aparti do

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Figura 2 a – Disposição dos acessórios em um cinescópio MAT Foco Aneis de Pureza
Figura 2 a – Disposição dos acessórios em um cinescópio
MAT
Foco
Aneis de Pureza
e convergencia
Vermelho
Screen
Azul
Horizontal
TV
Varredura
Vertical
Bobina Defletora
Vertical
Marron
Verde
Varredura Horizontal
Figura 2 b
TV
TV

Observe na Figura 2 a, b e c a disposição da bobina defletora, anéis de convergência e ligação do flyback ( MAT, FOCO, SCREEN ) em um cinescópio. Quero lembrar que em cinescópio de tela plana não é mais utilizado os anéis de pureza de cor.

Figura 2 c

Chupeta Aquadague Bobina Defletora Anéis de Pureza Conector da Defletora
Chupeta
Aquadague
Bobina Defletora
Anéis de Pureza
Conector da Defletora

Atualmente também existem os dispositivos conversores de sinais elétricos em luminosos que não são válvulas. Exemplo a seguir.

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Capitulo

IV

Display LCD e Plasma utilizado em Televisores, Calculadoras, Relógios, Celulares e Monitores.

Televisores, Calculadoras, Relógios, Celulares e Monitores. Display de LCD: (de Cristal Líquido), É uma tecnologia

Display de LCD: (de Cristal Líquido),

É uma tecnologia recente, empregado em Televisores de diâmetro inferior a 36 polegadas, monitores e laptop tem espessura fina em torno de 7 centímetros, se baseiam nas propriedades do reflexo da luz

através de um conjunto de substâncias de material líquido.

Para criar a luz que atravessa o conjunto de moléculas, são usados 3 tipos distintos de tecnologia:

1 -Transitiva - usado em televisores LCD; Ativos (TFT).

2 - Reflexiva - usado em calculadoras, relógios e outros dispositivos eletrônicos portáteis; Passivo

3 - Projetada gerada - usado em projetores LCD.

Cores no LCD

Para usar cores em LCD, é necessário utilizar filtros no sistema RGB (Red, Green, Blue - vermelho, verde, azul) sobre cada uma das minúsculas unidades gráficas (TN). Ao colocarmos 3 unidades TN com filtros de cores diferentes, conseguimos formar um pixel, que varia sua tonalidade de acordo com a tensão aplicada a uma das unidades.

Telas TFT (Monitores de matriz ativa)

Essas telas utilizam transistores para a aplicação de tensão de forma independente a cada unidade TN. Trata-se de um eixo X e outro Y, onde o primeiro é responsável pelo sinal de ativação e o segundo, pelo controle do sinal de vídeo. Esse tipo de tela é muito utilizado em note books e podem usar até 16,7 milhões de cores, em uma boa resolução.

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

LCD Figura 3 a

Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net LCD Figura 3 a Veja na foto da figura 3a o Diagrama

Veja na foto da figura 3a o Diagrama em bloco de um monitor de LCD.

Reparando um monitor ou Televisor de LCD ou Plasma.

Descrição:

Basicamente o televisor de plasma ou de LCD é idêntico no que se refere ao monitor de ambos os tipos, a única diferença está nos recursos de utilização e o acréscimo do circuito de recepção, como todo Televisor de Plasma ou LCD já tem a estrutura do Monitor e vem com a opção. Fica mais fácil no entendimento.

Para reparar um monitor de LCD ou de plasma, devido a miniaturização dos componentes o que o técnico pode fazer:

Em primeiro lugar o Técnico tem que saber soldar componentes SMD veja como no link do suporte técnico. http://www.josmar.net/soldafria.htm

O televisor de plasma ou LCD, de acordo com o diagrama em bloco da figura 3ª. É dividido em:

Modulo da fonte, na maioria dos monitores não vem embutido no gabinete vem separado. Modulo de RF composto do seletor de canais e circuitos de vídeo e som. Modulo de áudio, composto de amplificador de potencia de audio. Modulo principal, composto dos demais circuitos. Veja diagrama em bloco de um televisor de Plasma na Figura 3b.

2º Para desmontar o monitor ou o televisor devemos manter em mãos uma coleção de canetas colorida para que ao ser retirado cada parafuso se pintar o local com uma marcação da cor no para fuso e no local. Motivo é que nestes aparelhos é utilizada uma infinidade de formatos de parafusos e no momento da montagem surge a duvida qual é quem, são parecidos e roscas diferentes colocados errados danificam a carcaça do equipamento.

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

3º Devido ao baixo consumo de energia e trabalhar com tensões de 12, 5 e 3,3 Volts quase não ocorrem defeitos. O que podemos fazer é uma observação visual nas placas e se necessário em caso do monitor de regial praiana deve ser feito uma limpeza na placa conforme as dicas do meu livro de Televisor segunda edição.

4º Na verificação se os transistores reguladores estão com solda fria e se tem algum capacitor com vazamento de acido e a limpeza dos contatos dos cabos flat é o conector DB15 com solda fria e cabo lógico partido. Veja na figura abaixo um monitor LCD internamente.

Podemos observar no diagrama em bloco da figura abaixo, que o monitor LCD vem com uma fonte externa de

14

Volts que é ligada a um regulador DC que divide em três tensões que são:

12

volts, 5 volts, 3,3 Volts

O circuito é composto de duas chaves de vídeo, (IC201)

Pré-amplificador PLL, (IC301)

Maquina controladora (IC406) com os periféricos incluindo as memórias SDRAM (IC401,402,403)

Figura 3a

PLL, (IC301) Maquina controladora (IC406) com os periféricos incluindo as memórias SDRAM (IC401,402,403) Figura 3a 52

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Monitor desmontado Parcial

Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net Monitor desmontado Parcial Monitor visto por traz. 53

Monitor visto por traz.

Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net Monitor desmontado Parcial Monitor visto por traz. 53

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Ferramentas necessárias:

Borracha macia para limpeza de contatos. Quero lembrar que em CPU um dos defeitos que mais ocorre é contato de memória sujo e a borracha é uma ferramenta indispensável.

Kit de chave Alen.

Kit de chave Phillps.

Kit de chave Estrela.

Multímetro.

Pistola de Ar quente para reparar solda fria em placas.

Lente de aumento, para melhor visualizar as soldas nas placas.

Display de plasma; A principal diferença deste tipo de Display, é que cada pixel cria sua própria fonte de luz e a imagem da tela é mais nítida e não possue problemas de distorção nas extremidades. Para gerar a luz em cada pixel, são usados elétrodos carregados entre painéis de cristal, que originam pequenas explosões de gás xenônio, que por sua vez, reagem com luz ultravioleta, fazendo o fósforo vermelho, verde ou azul de cada pixel, brilhar. Muito utilizado em televisores de tela Gigante, acima de 32 polegadas e espessura fina.

Na figura 3c, um exemplo simplificado de como é produzida a luz em um pixel na tela de plasma.

e espessura fina. Na figura 3c, um exemplo simplificado de como é produzida a luz em

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

No diagrama em bloco do Televisor de plasma, observe que alem das entradas de áudio vídeo tem o circuito de RF composto de seletor de canais. Possue três conjuntos de memórias dois SDRAM e um flash sendo que uma para maquina controladora mais a memória flash e a outra para controle de entrada de vídeo e comandos da fonte.

Diagrama em bloco de um televisor de Plasma.

da fonte. Diagrama em bloco de um televisor de Plasma. (Figura 3d, televisor com tela de

(Figura 3d, televisor com tela de plasma)

de Plasma. (Figura 3d, televisor com tela de plasma) TVs de tubo têm muitas Desvantagens em

TVs de tubo têm muitas Desvantagens em relação às tecnologicamente mais avançadas, mas sua durabilidade é maior, e, portanto elas ainda ganham na relação custo-benefício ao longo do tempo. As TVs de plasma ou LCD aceitam conexões com qualquer tipo de aparelho, inclusive computadores pessoais. Mas são caras, e sua vida útil média vai de 20 mil a 30 mil horas Possui, geralmente, 3 milhões de pixels que são iluminados em uma certa ordem para que a imagem na tela seja criada. Como, ao contrário das TVs de tubo, elas não funcionam com feixe de luz, a imagem tem um foco uniforme e de qualidade elevada. Cada pixel consiste em 3 células (vermelha, verde e azul). Se uma TV tem 3 milhões de pixels, logo ela tem 9 milhões de células. Com tudo isso, consegue gerar imagens com mais de 16 milhões de cores.

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Plasma Figura 3e

,

Queiroz Silva: http://www.josmar.net Plasma Figura 3e , Veja na foto da figura 3b o Diagrama em

Veja na foto da figura 3b o Diagrama em bloco de um monitor de PLASMA.

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Capitulo

V

Monitores de vídeo

Introdução

O monitor de vídeo do tipo "Tubo de Raios Catódicos", mais conhecidos como "Monitores CRT" (Cathode

Ray Tube) . É um dispositivo com funcionamento semelhante a de uma TV, mas o objetivo é servir de meio de comunicação visual entre o computador e o usuário.

Funcionamento Os monitores de vídeo que usa tubo, o CRT citado anteriormente. A tela deste tubo é composta por camadas de fósforo, que é atingida por elétrons através de "disparos" feitos por um canhão localizado na extremidade inferior do tubo. Quando o elétron encontra o fósforo, uma luz é gerada naquele ponto. Basicamente, é isso que faz com que a imagem apareça na tela do monitor. Observe as figuras do capitulo III Televisor pagina 50 Diagrama do cinescópio.

Para gerar as imagens, o canhão percorre toda a extensão da tela, ponto por ponto, linha por linha. Como cada ponto de luz tem duração curta e a imagem precisa ser constantemente atualizada, esse processo, conhecido como varredura, é repetido a todo instante.

Freqüência horizontal

O canhão citado acima, possui 3 feixes de cores, que trabalham em conjunto e ao mesmo tempo: um

feixe que é direcionado ao fósforo verde, um feixe direcionado ao fósforo vermelho e um feixe direcionado ao fósforo azul (a combinação destas cores geram as outras). A intensidade deste canhão é medida em MHz. Geralmente, os monitores possuem essa intensidade (também conhecida por largura de banda, banda passante ou dot rate) entre 100 MHz e 200 MHz. O canhão percorre a tela do monitor com esses três feixes e realiza esse processo constantemente, da seguinte forma: o canhão percorre a tela em forma de linhas (daí o nome de horizontal), começando de cima para baixo e da esquerda para direita veja figura 3 do capitulo III Televisor. Quando uma linha é terminada, o canhão parte para a outra. Quando todas as linhas tiverem sido percorridas, ele volta para o início e repete o processo. É claro que você não percebe que o monitor faz isso, pois essa varredura ocorre de maneira extremamente rápida.

Chamamos de freqüência horizontal, o número de linhas que o canhão do monitor consegue percorrer por segundo. Assim, se um monitor consegue varrer 35 mil linhas, dizemos que sua freqüência horizontal é de 35 kHz.

Freqüência vertical Você pode ter imaginado que se existe uma freqüência horizontal, existe uma vertical. E, de fato,

existe. Esta freqüência consiste no tempo em que o canhão leva para ir do canto superior esquerdo para

o canto inferior direito da tela. Assim, se a freqüência horizontal indica a quantidade de vezes que o canhão consegue varrer linhas por segundo, a freqüência vertical indica a quantidade de vezes que a tela toda é percorrida pelo canhão por segundo. Se é percorrida, por exemplo, 56 vezes por segundo, dizemos que a freqüência vertical do monitor é de 56 Hz.

Resolução dos monitores Você já sabe que a imagem do monitor é formada pela varredura do canhão sobre as linhas com pontos (também chamado de pixels) do monitor. Mas quantas linhas o monitor tem? Bem, para saber isso, você consulta seu computador para saber a resolução. Caso a resolução seja, de por exemplo, 800 X 600, significa que a tela possui 800 linhas na vertical e 600 linhas na horizontal. É como se fosse

uma matriz. Para exemplificar, imagine que cada ponto é uma célula do Excel, localizada por sua linha e coluna. Atualmente, as resoluções mais encontradas são: 640x480, 800x600, 1024x768 e 1280x1024.

É claro que existem outras resoluções. Elas são aplicadas conforme a necessidade. Por exemplo, uma

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

jogo pode requerer uma resolução menor, como 320x200. Quanto maior for a resolução, maior será o espaço visível na tela, pois o tamanho dos pontos diminui. Quero lembrar que em monitores de LCD e Plasma a resolução não pode ser alterada, ela só pode ser usada a resolução padrão do monitor.

Dot Pitch O Dot Pitch é o termo utilizado para referenciar os pontos coloridos na tela do monitor. Lembrando, o canhão trabalha com 3 feixes de cores. Na tela, a camada de fósforo gera a cor correspondente ao feixe através da intensidade da corrente elétrica. Cada ponto da tela consegue representar somente uma cor a cada instante. Cada conjunto de 3 pontos, sendo um vermelho, um verde e um azul, é denominado tríade. Dot Pitch é, basicamente, a distância entre dois pontos da mesma cor. Quanto menor esta distância melhor a imagem. Veja a ilustração abaixo para entender melhor Figura 4 tubo delta, figura 5 tubo In-Line.

Figura 4 Delta

Figura 4 tubo delta, figura 5 tubo In-Line. Figura 4 Delta Figura 5 In Line O

Figura 5 In Line

figura 5 tubo In-Line. Figura 4 Delta Figura 5 In Line O Dot Pitch é medido

O Dot Pitch é medido em milímetros. Para uma imagem com qualidade, o mínimo recomendado é o uso em monitores com Dot Pitch igual ou menor que 0,28 mm.

O efeito Flicker Quando um monitor trabalha com uma freqüência vertical menor que 56 Hz, pode-se ocorrer o efeito Flicker (ou cintilação), onde uma sombra parece percorrer constantemente a tela, fazendo com que a mesma pareça estar piscando. Em alguns monitores, esse problema começa a ocorrer a partir de 60 Hz. Para resolver isso se pode aumentar as freqüência vertical e horizontal do aparelho, claro, seguindo as orientações do manual para evitar danos. Quando isso não é possível, pode-se recorrer a um truque conhecido por "varredura entrelaçada" ou "entrelaçamento", onde o canhão do tubo de imagem percorre a tela primeira através das linhas pares e em seguida através das linhas ímpares. Esse recurso faz com que a freqüência vertical dobre e o Flicker não ocorram, mas as imagens geradas acabam tendo menos definição.

com que a freqüência vertical dobre e o Flicker não ocorram, mas as imagens geradas acabam

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Capitulo

Memórias EEPROM

Para que serve uma EEPROM:

VI

Assim como um computador tem a memória para armazenar o setup da CPU, os televisores mais novos utilizam as memórias do tipo EEPROM para armazenar as características próprias do aparelho. Tipo o tamanho em polegadas, áudio com todas as suas funções, sistemas de cores utilizados, entradas AV, SVideo, sintonia dos canais, AGC, AFT, RGB e todas as características do modelo do Televisor , inclusive os ajustes que antigamente era feito por trimmpots e agora se faz pelo remoto alterando as configurações do menu SERVIÇO.

Alem dos ajustes anteriores em Televisores e Monitores também se faz os ajustes de geometria como Almofada, dimensão do quadro, altura vertical, linearidade vertical, freqüência vertical, posição horizontal, freqüência horizontal.

Defeitos em memórias EEPROM de Televisores e Monitores:

As memórias “EEPROM” podem causar diversas falhas nos aparelhos, desde não ligar, estar sem som, funcionar sem cores, geometria alterada, não sintonizar canais. O que é resolvido com a substituição da mesma e conseqüentemente refazer todos os ajustes necessários seguindo o manual do fabricante.

As falhas nas memórias podem ser provocadas por diversas causas: como solda fria com mau contato, fonte com tensão exagerada, descarga atmosférica, e até mesmo pelo próprio componente com defeito ou os seus dados alterados por algum pico de tensão. O ideal na hora de trocar a EEPROM é que se tenha em mãos uma já gravada com as características do modelo do aparelho a ser reparado, tornando o serviço mais rápido e simples. Em alguns Televisores o próprio micro se encarrega de gravar estes dados, mas outros é que temos que inserir todos estes dados na memória. Podemos comprar uma gravada do serviço autorizado ou simplesmente comprar uma que esteja virgem e gravarmos os dados. A maioria dos televisores utiliza as memórias do tipo 24Cxx, 24LCxx. Note o valor em (XX) quer dizer a capacidade de armazenamento dos dados, quanto maior mais dados dependendo do aparelho. Exemplo uma memória 24C04 cabe menos dados que uma 24C16 e assim por diante.

Como funciona o programador de EEPROM. O programador é um dispositivo que se conecta a porta serial ou paralela de um computador PC. Que necessita de um software para que funcione corretamente. Através deste software podemos copiar os dados da memória original (já gravada) para guardar em uma pasta formando nosso banco de dados ou podemos transferir os dados de um banco de dados para uma EEPROM vazia. Uma solução ideal é montar um gravador de memória e toda vês que tiver a oportunidade copiar a memória e guardar o arquivo BIN para defeitos futuro.

Saiba mais acessando o link:

http://www.josmar.net/eeprom.htm

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Capitulo

COMPUTADORES

Neste capitulo será mostrado os principais componentes de uma CPU e a necessária atenção para evitar prejuízo.

VIII

Os cuidados que o Técnico deve ter:

Verificar a chave de voltagem na Fonte de Energia. Verificar se os parafusos que prendem a Fonte e a placa mãe estão bem fixados. Verificar se o ventilador (Cooler) está na rotação e se for necessário retirar do local para limpeza, observar a posição se for colocado ao contrario destrói a pastilha do processador e não esquecer de recolocar a pasta térmica para transferência de calor para o radiador.

Fonte de Alimentação

É a Fonte de Alimentação a responsável pela transformação da tensão alternada que é fornecida pela

concessionária de energia, 120V ou 220V, para as tensões contínuas necessárias à alimentação dos circuitos e dos outros componentes internos do computador. Os cabos que dela partem fornecem

energia entre +5,-5 e +12,-12 V para alimentar, Placa Mãe, Cooler, Drive de Disquetes, HD, CD- ROM, Leds, Placas, etc

O seu ventilador interno serve para resfriar a própria fonte e retirar, também o ar quente que fica

dentro do Gabinete, por este motivo a saída de ar da fonte não deve ser obstruído. Os cabos que saem da fonte são de 4 tipos:

Cabo de ligação a Placa da placa mãe Cabo ligação aos Drives de 3 ½" - pequena com 4 fios Para ligação a HD, CD-ROM, Drives de 5 ¼" - grande com 4 fios Para ligação no display de velocidade - 2 fios nas fontes AT . Nas fontes ATX este cabo não existe, as mais novas possuem outro cabo de ligação da placa mãe com 4 fios de 12 volts.

Tipos de Fontes Os PCS podem ser de dois tipos Fonte AT e ATX.

A fonte AT é aquela em que se liga através de uma chave liga desliga e a ATX é ligada por um toque

em um sensor frontal ou do teclado e quando for desligar é feito pela CPU automaticamente.

e quando for desligar é feito pela CPU automaticamente. Testar a Fonte antes de ligar na

Testar a Fonte antes de ligar na placa. Para ligar uma fonte ATX basta colocar em curto o fio verde do conector placa mãe ao fio preto que está ao seu lado, qualquer um preto de ambos lados a fonte aciona. Veja figura 1

da

os

Reparação de Fonte As fontes trabalham e aquecem muito e com isto a vida útil dos seus componentes podem se esgotar em pouco tempo e os hardware custam muito e se uma fonte perder a regulagem pode provocar a queima de um periférico e o gasto é alto. Por este motivo não é aconselhável reparar fonte, mais podemos fazer pequenos reparos são quando o Cooler perde a rotação devemos substituir e refazer algumas soldas que se soltam com excesso de calor ponte retificadora, capacitores eletrolíticos e fusível pode ser trocados.

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Ligação da fonte na placa Mãe É um processo fácil, mas exige atenção! Normalmente com o gabinete vem a fonte de alimentação interna do computador e com ela você liga praticamente tudo. A fonte tem um cabo de alimentação maior, que é para ser encaixado no conector ATX da placa-mãe:

que é para ser encaixado no conector ATX da placa-mãe: Conector fora. Conector encaixado. Instalação da

Conector fora.

ser encaixado no conector ATX da placa-mãe: Conector fora. Conector encaixado. Instalação da Rede elétrica Se

Conector encaixado.

Instalação da Rede elétrica Se a rede elétrica em que for ligado o computador não estiver bem preparada podem ocorrer choques ao usuário ou danos ao equipamento. Nas casas ou escritórios, normalmente, as redes de energia apresentam dois fios. Um desses fios é denominado FASE e o outro é denominado NEUTRO. A tensão é normalmente de 120/127 Volts, mas existem algumas cidades em que a tensão pode ser de 220/240 Volts.

Qualquer computador pode ser ligado a essas redes que funcionaram sem problemas. Entretanto, os fabricantes de microcomputadores exigem que as redes em que esses equipamentos serão ligados tenham um terceiro fio, denominado fio TERRA.

O fio TERRA deverá estar ligado realmente à terra, ao solo, segundo determinadas especificações, de forma a fazer o real aterramento. O aterramento protege contra interferências, choques elétricos.

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Um bom aterramento é conseguido enterrando-se uma haste metálica de no mínimo um metro de profundidade, no solo, e ligando-se o fio TERRA nela. Esse aterramento serve para qualquer aparelho elétrico.

Como em nossas casas isso não é feito, uma saída seria ligar o fio TERRA ao NEUTRO, mas isso não é muito aconselhável.

Pode-se, ainda, obter o aterramento ligando-se o fio às partes metálicas existentes na casa, tubulações de água, da própria rede elétrica, na caixa onde fica presa a tomada de energia.

A tomada, que fica na parede, onde será ligado o micro deve possuir três terminais. Pode ser comprada em casas de material elétrico e é a mesma utilizada para ligação de aparelhos de ar condicionado. Sua instalação é bem simples, mas deve ser feito com cuidado por se tratar de ligação elétrica.

SISTEMAS DE PROTEÇÃO Filtros de linha - devemos tomar cuidado, pois muitos são apenas extensões. Para saber se é realmente um filtro deve-se verificar em sua embalagem se constam os nomes do dispositivo de proteção contra sobre tensão e do filtro contra interferência. O ideal seria que os nossos estabilizadores já viessem com esta proteção, mas como não é assim estes filtros são uma boa ajuda.

Estabilizadores de Tensão - este equipamento protege o seu aparelho contra variações da tensão elétrica e interferências. Deve-se adquirir um estabilizador que comporte a soma da potência gasta pelos aparelhos que irão ser ligados nele, normalmente um estabilizador de 1.2 Kva é mais do que suficiente.

No-Break - este equipamento é simplesmente um estabilizador com uma bateria. A diferença é que a bateria alimenta o sistema para que possamos desligar o equipamento sem perder dado.

PLACA DE CPU OU PLACA MÃE Também chamada de Placa Mãe, é nela que encontramos a maior parte dos componentes que vão executar as funções básicas de um microcomputador. As placas mãe vem de fabrica com manual e CD de instalação dos drivers e as mais antigas possuíam os slot ISA as novas não vem mais com este suporte veja na lista abaixo os tipos de slot:

Slots padrão PCI.

Slot PCI Express recentemente lançado em placas apartir de 2006.

Slot AGP exclusiva para placas de vídeo.

Slots padrão ISA Não vem mais em placas novas

Soquetes para a instalação de módulos SIMM, DIN, PC100, PC 133 nas placas antigas, as novas possuem soquete para memória DDR, DDR2, DDR3

Conectores de interface IDE (2) Primário e Secundário para HD e CD-ROM

Conector de Drives de 3 ½”

Conectores das portas seriais (2) Para mouse AT

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Conector PS2 para mause, placas mais novas

Conector da porta paralela. Para impressora

Conector da porta de jogos, para jostic

Soquete para o Microprocessador, Vários tipos depende do fabricante do processador Veja na figura um soquete 370

do fabricante do processador Veja na figura um soquete 370 Colocar o processador na placa-mãe é

Colocar o processador na placa-mãe é um processo simples: basta levantar a alavanca, encaixar o processador (sem fazer muita pressão para não correr o risco de trincá-lo) e travá-lo baixando-se a alavanca. Ele só encaixa de uma maneira, então não há como errar./

Como foi visto anteriormente o soquete para microprocessador 370 que já está fora de linha agora o soquete mais usado é o P5. Intel® P965 chipsets e suporte ao processador Intel® Core2 vide figura

linha agora o soquete mais usado é o P5. Intel® P965 chipsets e suporte ao processador

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Vejamos a seguir alguns tipos de soquete e processador em uso:

1º - LGA775 Pentium 4 e Celeron IntelSocket 775. Socket 478 = Soquete: mPGA478

2º - Socket Mobili em Destop Intel

3º - Athlon XP, Athlon, Duron, Sempron AMD Socket A.

4º - AMD Athlon 64, Sempron.

Socket754

5º - AMD Athlon 64 X2, Athlon 64 FX, Athlon. Socket AM2.

6º - AMD Athlon 64 X2, Athlon 64 FX, Athlon.

Socket939.

Memória ROM (BIOS), Memória CACHE (SRAM)

Bateria, algumas placas novas não utilizam mais a bateria.

Conectores para os cabos de alimentação da fonte

Conectores para ligação dos fios do painel frontal do Gabinete

Conector para ligar o teclado dois tipos AT e PS2

Cabo flat IDE usado no HD e no CR-Rom dois tipos COMUN e de 80 VIAS.

Cabo flat para Drives de 3 ½”

Cabos das interfaces serial, paralela e USB.

Micro ventilador (Cooler)

CONECTORES DA PLACA DE CPU (Placa Mãe) Veja figura ao lado Na parte dianteira do Gabinete existem vários fios com conectores nas extremidades, que deverão ser conectados em seus correspondentes na placa. São eles:

Conector para travar o Teclado (Key Lock). Placas novas não existem mais

Conector para o Alto-Falante

São eles: Conector para travar o Teclado (Key Lock). Placas novas não existem mais Conector para

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Conector para o botão Reset

Conector para o botão Turbo. Placas novas não existem mais

Conector para o LED do Power (verde)

Conector para o LED do Turbo (amarelo). Placas novas não existem mais

Conector para o LED do HD (vermelho)

Os conectores da chave do Teclado, do Alto-Falante e dos botões do Turbo e do Reset não possuem polaridade, podendo ser colocados em qualquer posição nos conectores da Placa Mãe. Já os LED’s possuem polaridade, isto é, só acenderão se forem ligados na posição correta, pólo positivo com positivo e negativo com negativo. Esta indicação pode ser encontrada no manual da placa indicada com um ponto negro.

Deve-se tomar cuidado com o conector do Reset e o do Turbo Switch, estes dois conectores não podem ser ligados fora de seus próprios lugares, sob pena de se perder a placa.

Algumas Placa Mãe possuem outros tipos de conectores além dos citados acima. Estes não recebem fios ou cabos mas, pequenas peças plásticas com uma ligação de metal, denominadas JUMPERS que fazem a função liga/desliga de uma determinada opção na placa.

O modo de colocação de cada jumper está especificado no manual que acompanha a placa.

Outros tipos de conectores que as placas possuem são os SLOTS. São grandes encaixes onde serão colocadas as placas de vídeo, fax/modem, som, etc. conforme já foi especificado anteriormente. Os tipos de Slots são:

ISA - padrão 8 bits não existem mais só em placa velhas.

ISA - padrão 16 bits não existem mais só em placa velhas.

VLB - padrão 32 bits não existem mais só em placa velhas.

PCI - padrão 32 bits.

PCI – Express mini 1x PCI – Express media 8x

PCI – Express grande exclusiva para placas de vídeo 16x

AGP - Exclusiva para placa de vídeo 4x e 8x.

USB - Atualmente é o mais usado por impressoras e Câmeras fotográficas scane e câmeras de vídeo (WEBCAM)

Os padrões ISA 8 bits e VLB já não são mais encontrados em placas novas.

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

MEMÓRIAS Quando falamos de memória estamos nos referindo àquela composta por Circuitos Integrados (CI’s). Os CI’s são construídos por pastilhas de silício feito de forma tal que contem vários milhares de transistores conforme foi estudado em materiais semicondutores. Em nosso caso estamos falando de memórias de placa mãe que é diferente de memórias eeprom que memoriza informações dos micro controladores de televisores e Monitores.

Tipos de memória:

RAM Dinâmica (DRAM) - Representa a maior parte da memória que vamos encontrar no computador. Quando dizemos que um micro tem 256 Mb de memória estamos nos referindo à DRAM ou DDR

ROM - Mais rápida que a RAM, mas também mais cara por este motivo utilizada em pequena quantidade, para guardar o programa BIOS e o programa Setup.

EDO DRAM - Evolução da memória DRAM. Só pode ser utilizada em placas que foram planejadas para utiliza-las.

CACHE - Memória do tipo SRAM (RAM Estática) bem mais veloz que a DRAM, usada também em pequena quantidade para acelerar a velocidade da memória DRAM. Esta memória passou a existir a partir das placas 386 DX de 25MHz.

PIPELINED BURST CACHE - Cache projetado especificamente para placas Pentium. Também do tipo SRAM, mas com muito mais velocidade de acesso.

Memórias DDR São atualmente as mais usadas fabricadas em varias freqüências DDR 266 =PC2100, DDR 333 =PC2700, DDR 400=PC3200. Já existem DDR 2 até freqüência de 512 Mhz e DDR 3 de até freqüência de 1066 Mhz .

Esta é uma DDR PC2700

3 de até freqüência de 1066 Mhz . Esta é uma DDR PC2700 MEMÓRIA CMOS É

MEMÓRIA CMOS É do tipo RAM, desenvolvida com tecnologia denominada CMOS. Contém o relógio do sistema e armazena a configuração de hardware instalado no computador, protege contra alguns tipos de vírus, é responsável pelo processo de auto-teste, realizado quando o micro é ligado, controle de senha, controle do uso de energia. Para estas informações não se percam quando desligamos o micro, este chip tem uma bateria que o alimenta permanentemente.

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Mp4

São circuitos com funções de radio FM e armazenamento de musicas e dados e utilizam memórias são alimentados por uma bateria. Em breve substitui irar os HDS e driver de disket, funcionam em porta USB

Driver Leitor de Memórias.

Já existe no mercado leitores de memórias que pode ser instalado via porta USB ou no lugar do driver de Disquete é muito útil na leitura de memórias de maquinas fotográfica digital

INTERFACES Atualmente é fabricada placa mãe no formato On-Board já vem com a interface incorporada e nas placas Of –Board é colocada em uma placa separada que são conectada a um dos slots.

Ligação com dois drives - 5 ¼" ou 3 ½" (FDD)

Ligação com quatro HD’s e CD-ROM - padrão IDE

Ligação serial ATA para HD ultra ATA somente em placas de ultima Geração.Vem com dois ou quatro slot serial Ata e dois IDE podem ser usado um ou outro.

Ligação paralela – impressora

Ligação USB – Impressora e câmeras.

Ligação serial (COM1) – mouse.

Ligação serial (COM2) - modem externo

Podemos encontrar as indicações de cada conector, bem como a posição de colocação de cada cabo, no manual da placa ou na própria placa

LIGAÇÃO DOS DRIVES

Os computadores podem operar com um ou dois drives de disquete. Os drives são ligados a sua Interface controladora através do cabo FLAT de 34 pinos. Este cabo, também chamado de Universal, possui cinco conectores: 1 para ligar na Interface, 2 para drives de 5 ¼" e 2 para drives de 3 ½". Em uma de suas extremidades existe um trançado dos fios. O drive ligado a esta extremidade será o denominado "A" e o drive ligado no meio do cabo será o denominado "B". O fio colorido, na lateral do cabo, corresponde ao pino 1 de conexão tanto no drive quanto na Interface. Quero lembrar que os cabos preparados para drivers de 5 ¼" não existem mais nas novas placa mãe somente de 3 ½".

O cabo FLAT leva apenas os sinais de dados e comandos para os drives. A alimentação do drive é fornecida por um outro conector de quatro pinos, vindo da fonte de alimentação.

LIGAÇÃO DO HD

Os computadores podem operar com até 4 HD’s padrão IDE e são ligados as suas Interfaces por cabos FLAT de 40 pinos (os novos utilizam cabo do HD de 80 Vias). Neste cabo existem três conectores que podem ser ligados em qualquer ordem. Também possui um fio colorido em uma das extremidade para

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

determinar a posição do pino 1, como nos drives de disquete, e seu encaixe deve seguir a orientação do pino 1 da Interface e do HD. Esta orientação é mostrada no manual dos dois componentes ou neles próprios.

Algumas placas alem dos 4 slots IDE possuem dois SERIAL ATA que será explicado em posteriormente a sua instalação.

Assim como nos drives de disquete existe um cabo de alimentação próprio para HD composto de 4 fios , sendo um amarelo dois pretos e um vermelho veja figura 2 que é o mesmo cabo dos drives de 5 ¼".

Nas placas que são fabricadas hoje em dia a mesma Ligação (Interface) que é usada para o HD secundário pode ser utilizada para o CD-ROM

Conector de Força, cabo de energia 12Volts e 5 volts

CD-ROM Conector de Força, cabo de energia 12Volts e 5 volts Ligação do CD ROM na

Ligação do CD ROM na opção slave

.
.

LIGAÇÃO PARALELA

Nesta Interface é conectado o cabo que servirá de ligação, normalmente para uma impressora. Hoje em dia já existem outros periféricos que são ligados a esta Interface. Para a conexão do cabo deve-se seguir a mesma orientação pelo fio colorido que representa o pino 1.

LIGAÇÃO SERIAL

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

A Interface Serial COM1 é normalmente utilizada para conexão do Mouse, gravador de eeprom e a

COM2 para um periférico como uma Impressora ou Modem externo. Assim como os outros cabos existe um fio colorido em uma das extremidades para a orientação de encaixe.

Não confundir DRIVES com DRIVERS Deve-se entender por Drive os componentes denominados:

Floppy Disk Drive (FDD) - Drive de Disco Flexível Drive de CD, DVD

Hard Disk Drive (HDD) - Drive de Disco Rígido Estes componentes possuem uma parte mecânica e uma parte eletrônica. Destinam-se a armazenar dados para posterior consulta, e aplicativos que são as ferramentas que produzem os trabalhos no microcomputador.

DRIVERS Deve-se entender que são softs feitos para acionar determinada interface com drivers de vídeo, drivers de som e assim por diante.

DISCOS FLEXÏVEIS

Existem dois “tipos “de Drive de Disco Flexível, o de 3 ½” e o de 5 ¼” , o mais utilizado hoje em dia é o de 3 ½" e 1.44 Mb. Abaixo mostramos uma tabela com a relação capacidade de armazenamento em disco e tamanho do drive:

CAPACIDADE

TAMANHO

360

Kb

fora de uso

5 ¼"

1.2 Mb

fora de uso

5 ¼"

720

Kb

fora de uso

3 ½"

1.44 Mb

em uso

3 ½"

A media (disquete) utilizada nestes drives é muito sensível não devendo ser tocada, receber poeira nem

levar sol ou unidade. Atualmente o ideal é utilizar drives de Cd-rom com CD-RW que pode ser

apagado e regravado do mesmo modo que o disquete.

DISCOS RÍGIDOS E DRIVES DE CD E DVD

Disco Rígido, HD, Drive C, Winchester, são os nomes como é conhecido este periférico. É um componente de alta capacidade de armazenamento de dados, o que hoje pode chegar a casa dos 600 Gb, com a Interface IDE , ATA ou Serial ATA

Acompanha o HD um manual, com informações sobre as conexões dos cabos, FLAT e de alimentação,

os jumpers para configuração da situação do HD e do CD ou DVD, etc

Estes dados também podem vir gravados na carcaça do HD, CD, DVD ou na própria embalagem do componente.

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Quando colocamos somente um HD IDE no equipamento este deve ser jumpeado como Master, o que

é o padrão que todos os HD’s IDE vêm da fábrica. Se quisermos colocar um segundo HD IDE ou um

CD IDE, DVD IDE devemos jumpear um deles para Slave, a indicação da colocação correta deste

jumper podemos conseguir no manual ou impresso na carcaça do drive.

Procedimento para instalar um HD Serial ATA no Windows XP

Os drive de HD ATA para configurar nas primeiras placas. 1- Preparação do disco com o driver:

Procure no CD da placa Mãe o programa MAKEDISK e execute com um disquete no Driver A:\.

2-Instalação do Windows XP:

Inicie a CPU com o CD do Windows XP, quando o CD começar a instalação, observe que logo no

inicio da instalação aparece na barra inferior escrito, para serial ATA pressione a tecla F6 e irá pedir o Driver do Serial ATA, coloque o disquete e pressione a letra E para especificar o dispositivo adicional, pressione ENTER e escolha a opção Serial ATA Raid controller (Windows XP). Pressione ENTER e adiante sempre pressionando ENTER até começar a instalar o Windows XP e o resto é tudo igual. Nas novas placas a instalação é automática e a única pergunta é se quer instalar no HD serial ATA. As placas aparti do ano de 2008 não precisa mais destes recursos. São quase automáticas pois o sistemas novos como o Windows 7 o HD sata pode ser configurado na bios como IDE ou AHCI ( O Windows

XP não suporta AHCI ).

PLACAS DE VÍDEO

Não existem grandes dificuldades hoje em dia com relação à Placa de Vídeo. É só colocá-la no slote adequado para o modelo adquirido como PCI padrão, AGP ou PCI express e ligar o micro que ela será reconhecida automaticamente. Algumas placas novas como a PCWARE não reconhece automaticamente a placa OFF BOARD, precisa configurar na bios.

Esta placa passou por várias alterações no decorrer da evolução da informática e atualmente a mais utilizada é a PCI EXPRESS. Até pouco tempo a mais usada era AGP de 4X ou 8X a padrão VGA barramento PCI. Outros barramentos são: ISA e VLB não existe mais.

As Placas de Vídeo possuem um BIOS próprio armazenado em uma memória do tipo ROM, que controla o seu funcionamento. Possuem um conector do tipo DB-15, para ligação do Monitor de Vídeo

e um outro conector que possibilita, trabalhando em conjunto com outras placas, captar sinais de TV, de câmera de vídeo ou vídeo-cassete.

As Placas de Vídeo também tem memória RAM que pode ir de 1 Mb a 4 Mb, (PCI padrão) e de 64 Mb até 256 MB (AGP) e de 512 ou mais as PCI express e de acordo com a necessidade do sistema a ser montado. Vem acompanhadas de um manual e CD de instalação dos drivers.

MONITOR DE VÍDEO

Leia o Capitulo V Monitores de Video

É o componente que mostra o que está sendo feito no microcomputador. No início monocromáticos

evoluíram para modelos com padrão de cores que chegam a 32 milhões e tamanhos de tela que chegam

a 21".

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

O monitor vem com dois cabos um para ser ligado à rede elétrica ou a fonte do próprio Gabinete e

outro para ser ligado a Placa de Vídeo. Acompanha também um manual e o pedestal que deve ser encaixado na base.

As principais características são:

Tamanho da tela - no Brasil os mais comuns são os de 17", esta medida corresponde ao comprimento de sua tela em diagonal.

Dot Pitch - Medida da distância entre dois pontos consecutivos da mesma cor. É o principal responsável pela qualidade de imagem de um monitor. O valor mais comum encontrado em monitores é o de 0,28mm, popularmente chamado. 28 dot pitch.

Modo de varredura - Este é outro responsável pela qualidade de imagem quando opera em alta resolução. A imagem na tela é formada por uma seqüência de linhas horizontais e o processo de montagem e remontagem destas linhas é denominado.

Varredura. O processo de Varredura pode ser executado de duas maneiras diferentes:

- Entrelaçado - São montadas primeiro as linhas ímpares e depois as linhas pares.

- Não Entrelaçado - As linhas são montadas uma após a outra de maneira seqüencial. Para a resolução da imagem este é o modo preferencial.

TECLADO

Existem vários tipos, mas todos hoje em dia se conectam a qualquer tipo de micro sem qualquer problema. Vem com um cabo tipo DIN que deve ser encaixada em um conector localizado na Placa Mãe em uma posição determinada por uma marcação.

MOUSE

Depois da entrada no mercado e conseqüente utilização em larga escala do programa Windowso Mouse passou a ser componente indispensável em qualquer máquina.

Vem acompanhado de um manual simples e um disquete com o Driver de Mouse. Sua instalação é simples, somente deve-se conectar o seu cabo a uma das portas seriais na traseira do micro, normalmente a COM1.

SETUP

O que se chama "montar o SETUP" é executar o programa Setup, que fica gravado na ROM, para

indicar ao sistema qual é a configuração da máquina. Este programa tem que ser executado quando montamos, mudamos ou acrescentamos algum componente que o próprio sistema não possa reconhecer automaticamente. Para montar um micro não há necessidade de conhecer todos os detalhes sobre o Setup.

Para ter acesso ao programa Setup, na maioria dos computadores devemos pressionar a tecla DEL Em alguns computadores antigos o acesso era permitido pressionando-se a tecla ESC. Na tela, durante a inicializado, aparecerá a mensagem:

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Press <DEL> To Run Setup ou Hit <DEL> if you want to run Setup

SETUP BÁSICO

O Menu principal pode ser com tela gráfica ou tela de texto. Não importa qual seja a formatação da sua tela, no manual da placa encontraremos as informações necessárias para a sua configuração.

Existem variações de um Setup para outro, apresentaremos abaixo duas seqüências que podem ser vistas em um menu Setup:

Primeiro menu, mais atual:

Standard CMOS Setup

Bios Feactures Setup

Chipset Feactures Setup

Power Management Setup

PCI Configuration Setup

Load Bios Defaults

Load Setup Defaults

Password Setting

IDE HDD Auto Detection

Save & Exit Setup

Exit Without Save

Segundo menu, mais antigo:

Standard CMOS Setup

Advanced CMOS Setup

Advanced Chipset Setup

Peripheral Configuration

PnP Configuration

Power Management

Security

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

IDE Setup

Anti Vírus

Load Defaults

Exit

ROTEIRO PARA ACERTO DO SETUP As alterações básicas de um Setup, independente de qual nome de item exista no menu são:

Data e Hora

Tipos dos drives de disquete

Parâmetros do disco rígido, se não houver Auto Detection

Tipo de Placa de Vídeo

Horário de Verão (Daylight), deve ser desabilitado

Vírus Warning (Aviso de Vírus), só deve ser habilitado após a instalação do Sistema Operacional

Boot Sequence (Seqüência de Boot)

IDE HDD Block Mode, deve ser habilitado se o HD suportar este modo

Nos circuitos dos computadores.

a) Os resistores Além de usarmos muitos resistores, também empregamos múltiplos e submúltiplos de diversas unidades, O quilo (k) e o mega (M) indicando milhares e milhões podem ser encontrado nas especificações de quantidade de memória (quilo byte e megabyte abreviados por kB e mB) ou ainda de velocidade ( quilohertz e megahertz abreviados por kHz e MHz).

b) Código de cores em resistores.

Examine uma placa de fonte de computador (será interessante conseguir uma fonte usada ou queimada em algum depósito de sucata). Vejam quantos resistores tem. Procure ler seus valores pelo código que foi explicado Tomando o cuidado, pois resistores comuns tem 4 faixas e os de precisão tem 5 faixas.Embora as resistências de cinco faixa serem usadas em aparelhos de precisão podemos encontrar alguma resistência de

precisão em fonte de computador.

c) Resistores em ligações série e paralelo.

Resistores podem ser ligados em série e em paralelo nos computadores. O conceito de que qualquer coisa que tenha certa resistência pode ser ligada em série e em paralelo e podemos calcular a resistência equivalente, é importante no reparo dos computadores.

d) Potenciômetros.

Encontramos facilmente potenciômetros nos monitores de vídeo mais antigos. São eles que fazem o ajuste do brilho, contraste e posicionamento da imagem na tela.

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

Nos sistemas multimídia encontramos potenciômetros como controles de volume e tom nas caixas amplificadas ou nos drives de CD-ROM. Os novos aparelhos não utilizam mais este tipo de componente, a função foi substituída por circuitos controlados por micro controladores.

f) Capacitores. Nas placas dos computadores, fontes e diversos dispositivos encontram capacitores de todos os tipos estudados, de acordo com sua função e valor. Assim, nas fontes de destacam os eletrolíticos de valores elevados e nas placas mãe podemos encontrar os tipos de tântalo e cerâmicos em predominância.

E em placas de vídeo encontramos eletrolítico colado que é o SMD, fig 12A.

g) Isolamento de capacitores.

Nos computadores a maioria dos circuitos opera com tensões de 5 ou 12V. Isso significa que os capacitores usados devem ser especificados para operar com tensões pouco acima destes valores. Apenas nas fontes de alimentação ou em pontos mais críticos é que encontramos capacitores com tensões de trabalho mais elevadas.

h) Associação de capacitores

Podemos encontrar capacitores associados em alguns pontos dos computadores, mas isso é raro. O caso mais importante ocorre quando não temos um capacitor do valor desejado e ligamos dois ou mais

de certa forma a obter este valor desejado.

i) Bobinas

As bobinas são componentes importantes do computador podendo ser encontradas em diversas funções. Uma delas é justamente “filtrar” variações muito rápidas da corrente que poderiam afetar o funcionamento de certas partes críticas. Os denominados filtros de linha e alguns outros tipos de filtros fazem uso desta propriedade das bobinas e seu funcionamento ficará claro à medida que nos aprofundamos no estudo.

j) Circuito RC.

Os circuitos internos de um computador e qualquer placa na verdade são formados de resistores e capacitores. Assim, eles se comportam como “redes RC” e por isso não conseguem mudar rapidamente de estado, ou seja, não é possível fazer com que as tensões mudem rapidamente de valor. Ora, num computador todo o funcionamento está baseado nestas mudanças de valor das tensões que passam pelos denominados “níveis lógicos” de que falaremos oportunamente. Isso significa que é muito importante para os projetistas diminuir ao

máximo os efeitos das capacitâncias de placas e outros componentes de modo que eles se tornem rápidos. Assim, é a capacitância que juntamente com as resistências dos circuitos, o principal fator que limita a velocidade de operação de todos os dispositivos do PC.

l) Indutores

Os fios e as trilhas de cobre que conduzem as correntes nas placas de circuito impresso as comportam como indutores. Tanto maior será seu valor quanto mais comprido forem e quanto mais curvas tiverem. Isso significa que, do mesmo modo que as capacitâncias indesejáveis dos circuitos, os fios e trilhas de cobre, por apresentarem certa indutância, limitam a velocidade de funcionamento dos circuitos. Estes fatores também são muito importantes quando vamos ligar dois dispositivos por meio de um cabo, por exemplo, o computador a uma impressora, O fato de o cabo apresentar capacitâncias e indutâncias indevidas (por menores que sejam), impede que ele funcione bem além de certo comprimento. As indutâncias e as capacitâncias impedem que os sinais sejam transmitidos sem deformações de um ponto a outro dos circuitos.

m)Indutâncias. Qualquer fio ou mesmo trilha numa placa de circuito impresso apresenta certa indutância. Se, conforme vimos

à indutância tem um efeito tanto maior num circuito quanto maior a sua freqüência, a velocidade de operação de um computador está seriamente dependente deste fator.

Eletrônica do Básico ao avançado por Josmar Queiroz Silva: http://www.josmar.net

De fato, quanto maior for a velocidade de operação de um computador, ou seja, a freqüência de seu clock, maior serão os efeitos de qualquer indutância que seja apresentada de forma indevida nos seus circuitos. É por isso que, para transmitir sinais de um ponto a outro, como, por exemplo, em redes ou para a impressora, é muito importante que os cabos usados e demais elementos do circuito tenham uma indutância muito baixa. Caso contrário, os sinais são afetados pela forte oposição apresentada surgindo os problemas de funcionamento.

n) Material isolante

Nas fontes de alimentação de computadores é encontrada uma fina película de mica no isolamento

dos transistores e diodo.

o) Diodos e transistores

Os diodos e transistores têm um emprego bastante grande em todos os campos das aplicações eletrônicas. Um simples computador, por exemplo, pode utilizar milhões de diodo e transistores.

p) Varredura vertical e horizontal em Monitor.

Os monitores de vídeo utilizam o mesmo principio do televisor a diferença está no numero de linhas

utilizadas na varredura horizontal e vertical que varia conforme a resolução utilizada na configuração do adaptador de vídeo. Atualmente é mais econômico o uso em grandes empresas monitores de LCD, devido ao consumo de energia e perda em calor ser bem menor e com isto a economia em a manutenção e refrigeração do ambiente ser mínimo, e com uma grande vida útil.

Espero que este livro tenha contribuído para o aprimoramento do conhecimento de todos os leitores.

FIM