You are on page 1of 23

Estudo sobre a interoperabilidade nas redes sociais da Web através de um teaser

Bernardo Maria Farinha Morgado Véstia

2010

Orientador: Professor Hugo Almeida


1

Bernardo Maria Farinha Morgado Véstia

Estudo sobre a interoperabilidade nas redes sociais


da internet para a disciplina de
Argumento Interactivo do Mestrado em Educação
e Comunicação Multimédia

___________________________________________
1 On-line em http://jasabesdosegredo.blogspot.com

b
Conteúdo

RESUMO .................................................................................................................................. D

ABSTRACT ............................................................................................................................. F

CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO ............................................................................................. 1

1.1 - Identificação do problema ................................................................................................. 1


1.2 - Os objectivos gerais e intenções ........................................................................................ 1

CAPÍTULO 2 - ENQUADRAMENTO................................................................................... 2

2.1 - Sociedade da Informação .................................................................................................. 2


2.2 - Sociedade da Comunicação ............................................................................................... 3
2.2.1 - A Comunicação .............................................................................................................. 4
2.2.1.1 - Considerações gerais ................................................................................................... 4
2.2.1.2 - Serviços de comunicação na Internet .......................................................................... 4

CAPÍTULO 3 - DESENVOLVIMENTO DA PLATAFORMA DE


INTEROPERABILIDADE ...................................................................................................... 7

3.1 - Planeamento da plataforma de interoperabilidade ............................................................. 7

4 - AVALIAÇÃO DA PLATAFORMA DE INTEROPERABILIDADE ............................ 9

4.1 - Considerações gerais ......................................................................................................... 9


4.2 - Apresentação dos resultados ........................................................................................... 10

5 - CONCLUSÕES ................................................................................................................. 12

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ................................................................................. 14

c
Resumo

Face à realidade actual das TIC (Tecnologias da Informação e Comunicação)


e de acordo com possíveis futuras solicitações da comunidade, torna-se necessário
aprender a utilizar essas novas tecnologias para proveito próprio ou das empresas.

Inseridas nas novas tecnologias encontramos as redes sociais na Internet,


parte integrante do fenómeno chamado de Web 2.0 cuja utilidade à primeira analise
se prende com a visibilidade no mundo virtual, permitindo a criação de redes de
utilizadores ligados entre si por aspectos comuns, sejam gostos semelhares, os
mesmos amigos ou qualquer outro aspecto que de alguma forma conecte estas
pessoas.

Numa análise mais profunda encontramos outras utilidades nestas redes


sociais, várias são as empresas que já se juntarem às mais variadas redes com o
propósito de fazer publicidade online gratuita e poderosa e com uma enorme
eficácia. Estas empresas viram na Web social uma forma de comunicar com os seus
clientes e parceiros aproximando-os, fazendo com se sintam parte integrante da
empresa. São bons exemplos disso as a Coca-Cola com cerca de 3,130,495
pessoas na sua rede do facebook, ou a Nutella com aproximadamente 2,906,814
fans. No topo da lista das maiores redes no facebook encontramos Barack Obama
com quase seis milhões de fans.

Com o objectivo de testar a capacidade de proliferação das redes sociais por


parte de elementos incógnitos no mercado, foram criados um blog,
jasabesdosegredo.blogspot.com , um perfil no facebook e outro no twitter no qual
apenas se questiona " Já sabes do Segredo?" e dizendo que esse mesmo segredo
será revelado em breve. O objectivo deste teaser é o de fazer as pessoas discutirem
questão e de a difundirem pela rede, numa perspectiva de marketing víral. Este
estudo tem uma curta duração, três dias, porque se pretende descortinar as
implicações imediatas e o impacto a muito curto prazo deste teaser.

d
A rampa de lançamento do teaser foi um programa de interoperabilidade entre
plataformas Web que partiu da rede do autor, Bernardo Véstia, chegando a
aproximadamente trezentas pessoas no instante em que foi lançada. Para o efeito
foi criado um vídeo que se espalhou por esta rede, levando as pessoas a
procurarem a fonte da questão, juntando-se ao facebook, twitter e ao blog criados.

Palavras-chave: Interoperabilidade, Internet; TIC; blog; web2.0; profile; rede social;


marketing viral; teaser, Impacto , facebook, twitter, feeds, hello txt, yoono, mozzila,
open source.

e
Abstract

Given the current situation of ICT (Information and Communication) and in


accordance with possible future requests from the community, it is necessary to learn
how to use these new technologies to their advantage or businesses.

We find the social networking sites inserted in the new technologies, as part of
the phenomenon called Web 2.0 which relates to the visibility in the virtual world,
allowing the creation of networks of users linked by common features, such as tastes
that are similar , the same friends or any other aspect that somehow connects these
people.

On a closer analysis we find other uses in these social networks, there are
several companies who have join the most diverse networks in order to make free
online advertising, powerful and with great effectiveness. These firms have a social
web way to communicate with their customers and partners, approaching them,
making them feel part of the company. Ther are some good examples such as,
Coca-Cola with about 3,130,495 people in their facebook network, or Nutella with
about 2,906,814 fans. Topping the list of the largest networks on facebook found
Barack Obama with nearly six million fans.

In order to test the ability of proliferation of social networks by unknown


elements in the market, i've created a blog, jasabesdosegredo.blogspot.com, a
profile on facebook and twitter, in which only asks "Do you know about the Secret? "
and saying that this same secret will be revealed soon. The purpose of this teaser is
to make people discuss the issue and to disseminate the network in a viral marketing
perspective. This study has a short three days period, because it´s ment to to
uncover the immediate implications and impact of this teaser.

The springboard was a teaser of the program of interoperability between web


platforms that started from the author's network , Bernardo Véstia, amounting to
approximately three hundred people at the moment it was released. Thus, it was

f
created a video that spread through the network, leading people to seek the source
of the issue, joining the facebook, twitter and the blog created.

Keywords: Interoperability, Internet, ICT, blog, web2.0, profile, social networking,


viral marketing, teaser, Impact, facebook, twitter, feeds, hello txt, Yoon, Mozilla, open
source

g
CAPÍTULO 1 - Introdução
1.1 - Identificação do problema

As tecnologias associadas à Internet não param de se expandir em termos de


alcance, capacidade e funcionalidade. Perante esta constatação, as pessoas e as
empresas sentem uma constante necessidade de adaptação à mudança e de
evoluir, trazendo todas estas inovações para contexto próprio.

O acesso a conteúdos on-line não se limita à troca de textos, e cada vez


mais, inclui a multimédia e as redes de comunicação interactiva, nomeadamente a
Internet e os novos ambientes das redes sociais da web2.0. Este é um passo
fundamental na ligação das pessoas e das empresas com a Internet e com o mundo
da mobilidade.

Para além de todo o suporte tecnológico imprescindível, é necessário alterar


as mentalidades e apostar nos novos serviços Web (World Wide Web) e
beneficiando destas redes. A proliferação de mensagens em suporte digital e
multimédia através d redes interoperacionais parece ser uma obrigatoriedade do
mundo actual sendo necessário descobrir o real impacto destas mensagens.

1.2 - Os objectivos gerais e intenções

Tendo em conta o contexto e face a algumas necessidades apresentadas na


secção anterior, surgiu a intenção de se desenvolver um estudo, de modo a atingir
os seguintes objectivos:
• desenvolver a plataforma de comunicação interoperacional através de redes
sociais na Web;
• efectuar um estudo relativo ao impacto das redes sociais na actualidade;
• avaliar o impacto da mensagem enviada pela rede, tanto a nível de
importância atribuída como a nível de distribuição efectiva;
• apresentar resultados e conclusões obtidas, assim como a metodologia e
estratégia de implementação experimentada;

1
CAPÍTULO 2 - Enquadramento
2.1 - Sociedade da Informação

A Sociedade da Informação surgiu como consequência directa de uma


revolução social e económica actualmente em curso, chamada por muitos de
Revolução Digital. Como qualquer revolução, torna-se impossível antever de uma
forma objectiva o futuro e as suas consequências na sociedade, permitindo prever
profundas mudanças na forma como se encara a sociedade, a sua organização e as
suas estruturas.

O Livro Verde para a Sociedade de Informação em Portugal apresenta a


seguinte definição:

"A expressão «Sociedade da Informação» refere-se a um modo de


desenvolvimento social e económico em que a aquisição, armazenamento,
processamento, valorização, transmissão, distribuição e disseminação de
informação conducente à criação de conhecimento e à satisfação das necessidades
dos cidadãos e das empresas, desempenham um papel central na actividade
económica, na criação de riqueza, na definição da qualidade de vida dos cidadãos e
das suas práticas culturais" (SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO, 2010).

Uma outra definição de Sociedade de Informação é apresentada pela


Unidade de Missão, Inovação e Conhecimento:

“A Sociedade da Informação é uma sociedade onde a componente da


informação e do conhecimento desempenha um papel nuclear em todos os tipos de
actividade humana em consequência do desenvolvimento da tecnologia digital, e da
Internet em particular, induzindo novas formas de organização da economia e da
sociedade. No seu estágio final, a Sociedade da Informação é caracterizada pela
capacidade dos seus membros (Cidadãos, Empresas e Estado) obterem e
partilharem qualquer tipo de informação e conhecimento instantaneamente, a partir
de qualquer lugar e na forma mais conveniente” (UMIC, 2010).

2
A partir da análise da informação anterior, pode concluir-se que esta nova
sociedade é controlada pela informação, pela comunicação, pelos conteúdos, pela
interacção e pelas tecnologias, sendo necessário caracterizá-la de forma a ser
possível compreender como podemos beneficiar dela.

2.2 - Sociedade da Comunicação

A Sociedade da Comunicação está a tornar-se cada vez mais real. O seu


surgimento ocorre numa época de mudanças tecnológicas e sociais presentes em
todos os cantos do mundo.

Sistemas tecnológicos, redes sociais de informação e comunicação ligadas a


pessoas, organizações e comunidades, operam interactivamente, moldando
transformações em todas as actividades humanas e sociais.

Algumas datas marcam a história da grande revolução da comunicação e da


informação, desde que foi colocado o primeiro cabo submarino transatlântico em
1886, até à entrada do terceiro milénio que vai ser marcado pelo “tudo numérico”
que permitirá a convergência das telecomunicações, da informática e da multimédia
(BEAUDICHON, 2007).

O fenómeno da comunicação não é, obviamente, puramente tecnológico e


para o seu estudo mais exaustivo, o que não é do âmbito deste trabalho, haveria
necessidade de desenvolver aspectos relativos à história da comunicação, à sua
evolução, às teorias e processos, comunicação interpessoal, escrita, papel,
imprensa, rádio, televisão, comunicação social e educacional, e muitos outros.
Embora não aprofundando estes aspectos, pretendo explicitar a consciência da
complexidade da comunicação.

3
2.2.1 - A Comunicação

2.2.1.1 - Considerações gerais

A necessidade de comunicar é inerente à natureza do próprio ser vivo e é


uma necessidade vital na socialização e sobrevivência.

A palavra comunicação (COMUNICAÇÃO, 2010) deriva do latim


communicare, que significa "tornar comum", "partilhar", "conferenciar". A
comunicação pressupõe que algo passe do individual ao colectivo, embora seja
possível a um ser humano comunicar consigo mesmo. Geralmente, o conceito de
comunicação aplica-se à troca de informação sob a forma de mensagens, aplicando-
se também à troca de bens e serviços.

No Natal de 2008, os números comprovam que as mensagens escritas e


multimédia se tornaram no meio de eleição para desejar as boas festas e para
comunicar de uma forma directa, pouco dispendiosa, eficiente e descontraída
(FERREIRA, 2009). Isto é reflexo da possibilidade de se recorrer às tecnologias em
beneficio próprio

2.2.1.2 - Serviços de comunicação na Internet

Com o surgimento da Internet tornou-se frequente o uso, por parte dos


utilizadores, de serviços de comunicação interactivos e com características
multimédia.

Os actuais serviços e/ou ferramentas de comunicação na Internet são muito


vastos, encontrando-se interligados e em continua evolução e adaptação à realidade
tecnológica e solicitações dos utilizadores. De seguida encontra uma breve
apresentação de alguns desses serviços que potenciam a comunicação e
colaboração na Internet:

4
• correio electrónico
Correio transmitido por meios electrónicos, utilizando a Internet, que consiste
no envio de mensagens em forma de texto, podendo conter ficheiros de imagens ou
outros tipos de documentos como anexo (FERREIRA, 2009).

• chat
Sistema que permite que utilizadores em simultâneo e no mesmo canal
possam "conversar" on-line. Os chats permitem uma conversa em tempo real entre
dois ou mais utilizadores remotos através de mensagens escritas. Geralmente, os
chats estão divididos em salas ou canais que pertencem a um anfitrião ou são
controlados por um operador de canal.

Para conversar num chat, o utilizador precisa de ter um pseudónimo que vai
ser o seu nome no decorrer da conversação. Cada participante escreve uma frase
que é enviada para a sala e esta é vista por todos os participantes (IVENS, 2003).

• fórum de discussão
Sistema proporcionado por serviços online para os utilizadores poderem
realizar debates escritos sobre um determinado tópico, enviando mensagens e
respondendo a outras (FERREIRA, 2009).

• videoconferência
A videoconferência é uma forma de comunicação bidireccional e a distância
em que imagens de vídeo são transmitidas em tempo real pelos vários participantes.
Inicialmente, este tipo de conferência era feito através de vídeo analógico difundido
por satélite. Hoje em dia, e recorrendo à compressão digital das imagens, as
videoconferências são transmitidas por redes locais ou pela Internet (MSN, 2010.

• audioconferência
Serviço de comunicação por voz que actualmente utiliza a tecnologia P2P
(peer-to-peer). Este serviço permite realizar chamadas por voz equivalentes às

5
normais chamadas telefónicas e estabelece sessões de audioconferência com
vários utilizadores simultaneamente (SKYPE, 2010).

• listas de e-mail
As listas de e-mail fornecem uma forma de participar num grupo de interesses
específico através de e-mail. Geralmente, estas listas dividem-se em newsletters e
listas de discussão.

As newsletters são unidireccionais, visto que o e-mail é enviado pelo gestor


da newsletter e os destinatários não respondem de forma a darem as respectivas
opiniões. Estas listas têm um interesse em particular e são enviadas periodicamente,
através de e-mail, para os subscritores.

As listas de discussão funcionam encaminhando cada mensagem recebida


para cada subscritor da lista. Estas listas são as versões em e-mail das discussões
sobre temáticas de interesse comum (FERREIRA, 2009).

• SMS e MMS (Multimédia Message Service)


Serviços de mensagens escritas e multimédia. Essas mensagens podem ser
enviadas entre dispositivos móveis ou a partir de uma interface Web.

• Redes sociais
São relações entre os indivíduos na comunicação por computador. O que
também pode ser chamado de interacção social, cujo objectivo é buscar conectar
pessoas e proporcionar a comunicação e, portanto, utilizar laços sociais(...) redes
sociais na Internet são as páginas da Web que facilitam a interacção entre os
membros em diversos locais. Elas existem para proporcionar meios diferentes e
interessantes de interacção. (ANDRADE 2008).

6
CAPÍTULO 3 - Desenvolvimento da plataforma de
interoperabilidade
3.1 - Planeamento da plataforma de interoperabilidade

No dia 25 de Janeiro de 2010 foi lançado para a Web um vídeo cujo conteúdo
se baseava simplesmente numa pergunta "Já sabes do SEGREDO?", as letras
vermelhas num fundo preto eram acompanhadas de uma música que conferia uma
carácter misterioso ao dito vídeo.

Para o difundir foi criada uma rede de interoperabilidade de plataformas Web


com quatro níveis, sendo o epicentro desta vaga de comunicação a conta do Google
de Bernardo Véstia que remete para a plataforma HelloTXT, que permite agregar
várias redes sociais e actualizar perfis ou enviar mensagens, consoante o serviço
em questão. Desta forma o HelloTXT foi preparado para enviar a mesma mensagem
para todas as contas de Web social do autor, Bernardo Véstia, no seu perfil do Hi5,
Facebook, MySpace Linked IN, Twitter e Windows Live Messenger. Por sua vez o
Twitter reencaminha a mensagem para o TwitterFeed que vai, através dos RSS
Feeds, publicar essa mensagem nos Blogs preparados para o efeito, o Popcorner e
o wazup?.
Veja o diagrama explicativo do funcionamento da rede interoperacional:

GOOGLE

HELLOTXT

HI5 FACEBOOK

MYSPACE LINKED IN

Diagrama 1 - Plataforma TWITTER WINDOWS LIVE


MESSENGER
Interoperacional para difusão da
primeira mensagem
TWITTERFEED

7
POPCORNER WAZUP?
Como podemos perceber pelo diagrama 1acima demonstrado qualquer
mensagem que seja difundida por esta rede chega de forma célere ao total de
membros das redes em questão. Tendo em conta que alguns são repetidos, estimo
que rondem as seiscentas pessoas ou contas directamente. Indirectamente todos os
visitantes dos diferentes perfis e contas dos membros de qualquer uma das redes ou
dos blogs, poderão ter contacto com a mensagem o que eleva o número de
receptores da mensagem para números difíceis de calcular.

Assim sendo podemos afirmar no momento em que este vídeo teaser foi
enviado através desta rede terá atingido de forma quase instantânea seiscentos
receptores directos.

De notar que em paralelo ao vídeo de teaser lançado pela rede, foi elaborado
um perfil de Facebook, um Twitter e um blog para contar o numero de pessoas que
para além de receberem a mensagem, lhe atribuíram alguma importância e
resolveram tentar perceber o seu conteúdo. Deve ter-se em conta que nada mais foi
feito para publicitar estas plataformas propositadamente, uma vez que o estudo
pretende compreender o poder destas mensagens num curto prazo de tempo e com
a plataforma de interoperabilidade como único meio publicitário.

O estudo tem a duração de aproximadamente sessenta horas ou dois dias e


meio. Durante esse período vão sendo lançadas mensagens por uma rede
interoperacional mais pequena criada só para difundir as mensagens para aqueles
que já estiverem de alguma forma associados a uma das plataformas desta rede.
Veja-se o diagrama em baixo, explicativo do funcionamento desta rede:

HELLOTXT

FACEBOOK

TWITTER
8

Diagrama 2 - Plataforma Interoperacional do teaser


4 - Avaliação da plataforma de interoperabilidade

4.1 - Considerações gerais

Ambas as plataformas parecem ser funcionais e estão bem


estruturadas, mesmo na primeira, a maior, não existe redundância, ou seja não se
verifica a duplicação de mensagens e todas as mensagens chegam ao seu destino
de forma rápida.

No entanto parece-me que a questão aqui não se prende com a


eficácia da mensagem em termos de proliferação, mas sim em termos de aceitação
por parte dos receptores. Para analisar correctamente esta questão teríamos de
aprofundar a questão da comunicação em geral e na Web em particular e neste
momento não esse o nosso objecto de estudo, por isso mesmo vamos basear-nos
nos factos que encontramos em termos estatísticos e tentar explica-los sem
aprofundar muito a questão da comunicação.

No momento em que a primeira mensagem é enviada não haviam


associados à conta do facebook do "Já sabes do SEGREDO?". Essa mensagem,
enviada através da rede interoperacional do autor, aqui denominada de diagrama 1,
tem uma capacidade de atingir directamente seiscentas pessoas. Vinte e quatro
horas depois do envio dessa mensagem o perfil do facebook do "Já sabes do
SEGREDO?" contava com quarenta e quatro associados.
Podemos analisar esta questão de duas maneiras:

• Aparente fracasso tendo em conta o numero de receptores da primeira


mensagem, apresentando uma taxa de sucesso de aproximadamente 7%.

• Aparente sucesso tendo em conta a taxa de crescimento da rede


partindo de um e aumentando quarenta e quatro vezes no espaço de vinte e
quatro horas.

9
4.2 - Apresentação dos resultados

Numa primeira analise podemos concluir que este teste ao funcionamento e


sucesso da rede interoperacional montada foi um fracasso. Como podemos
perceber pelo gráfico em baixo, num total de seiscentos receptores da mensagem
nas primeiras vinte e quatro horas, somente sete por cento dos visados deram
importância suficiente para se associar à rede.

Existe ainda uma segunda perspectiva de analise em relação ao fenómeno


em questão, na verdade da mesma forma que podemos ver a utilização desta rede
para esta mensagem com um fracasso, também a podemos ver como um sucesso
se o ponto de analise for outro. Tenhamos em conta o gráfico em baixo, indicativo da
evolução dos associados à rede do " Já sabes do SEGREDO?".

10
Desta forma temos a sensação de que foi um sucesso o funcionamento da
rede, pois o crescimento da rede foi exponencial e com um esforço mínimo de
difusão do profile em questão.

No gráfico seguinte apresentamos a previsão do crescimento da rede durante


o tempo total deste estudo, ou seja sessenta horas, tendo em conta a taxa de
crescimento das primeiras vinte e quatro horas.

Olhando para este gráfico temos uma clara perspectiva de sucesso. Esta
visão reforça-se se fizermos uma previsão mais alargada, uma vez que tendo em
conta este crescimento seriam de prever aproximadamente onze mil associados ao
fim de cem dias de ligação.

No entanto estas previsões optimistas parecem ser pouco realistas e não


contemplam todos os fenómenos relacionados com o crescimento de redes sociais.
Na realidade os números espectáveis deverão ser bastante inferiores, se tivermos
em conta o numero real do crescimento da rede passadas as sessenta horas
verificamos que de facto o boom inicial do aumento da rede travou
significativamente. Ao contrário dos cento e dez associados esperados pela
previsão, encontramos cinquenta e sete, um valor proximo de metade do esperado.

11
5 - Conclusões

O presente estudo teve momentos fulcrais: a concepção, a apresentação de


uma plataforma de comunicação com características de interoperabilidade. Um outro
aspecto importante, desenvolvido no capítulo 4, prende-se com a avaliação da
plataforma de interoperabilidade .

É importante identificar este trabalho como uma análise de pequena


dimensão, quem tem em conta o contexto em que se insere, responde a um
enunciado apresentado pelo professor Hugo Almeida na disciplina de Argumento
Interactivo do 1º ano de Mestrado em Educação e Comunicação Multimédia do ano
lectivo de 2009\20010 .

No que diz respeito à concepção da plataforma e respectiva metodologia de


comunicação, os objectivos foram alcançados. A plataforma interoperacional denota
intenção em termos de funcionalidade no estabelecimento de canais de
comunicação entre membros de várias redes sociais na internet e na difusão de
mensagens, apesar de algumas limitações de ordem técnica logística que surgiram
no inicio do funcionamento do protótipo em situação real. Essas limitações prendem-
se essencialmente com questões relacionadas com a redundância das mensagens
que apareciam repetidas em algumas redes que surgiam em mais do que um nível
da plataforma, no entanto essas redundâncias foram detectadas e corrigidas e
quando a plataforma foi efectivamente utilizada com o propósito do estudo funcionou
na perfeição.

Ao avaliar este estudo é necessário ter em conta que assenta numa técnica
inovadora de comunicar na internet e que alguma dificuldade técnica é
compreensível. Ainda quanto à metodologia de comunicação utilizada salienta-se o
facto de se ter conseguido reutilizar, adaptar e interligar vários componentes e
serviços à realidade concreta da Web social.

Deve ter-se em conta também os objectivos claros do estudo não


extrapolando as conclusões daqui retiradas. Por isso mesmo devemos focarmo-nos

12
na função da plataforma e não tanto no resultado da mensagem utilizada para o
estudo. Nesse a aspecto sobrevém dizer que a mensagem com características de
marketing viral foi escolhida como metodologia pelo facto de ser uma das mais
utilizadas técnicas na Web social por parte das empresas para conseguirem
visibilidade no mundo virtual da World Wide Web.

Foi no capítulo da avaliação que se retiraram as conclusões mais importantes


sobre toda a pertinência do trabalho desenvolvido, apesar das seguintes questões
ainda permanecerem em aberto:
- O ambiente de comunicação implementado trará vantagens para as pessoas
e as empresas?
- A metodologia de avaliação implementada é adequada para este tipo
plataformas de comunicação?
- Em que medida é que este tipo de avaliação poderá ser útil para a
optimização da comunicação na Web?

Uma resposta mais objectiva e conclusiva para as questões anteriores ficará


para estudos posteriores, atendendo a que este trabalho tem um intenção baseada
num protótipo realista que testado em situação real. Apesar dessa grande limitação,
definiram-se metas, criaram-se expectativas e obtiveram-se resultados,
nomeadamente na apresentação e sensibilização para novas realidades e
dificuldades inerentes a este tipo de comunicação que envolve uma elevada
componente tecnológica.

13
Referências Bibliográficas

ACTIMAGINE (2010) - Actimagine. [online] [consultado em 2010-01-25]. Disponível


em
http://www.actimagine.com.

BEAUDICHON, J. (2007) - A comunicação - Processos, Formas, e Aplicações. Porto:


Porto Editora, 2007.

CLICKATELL (2010) - Clickatell Mobile Messaging. [online] [consultado em 2010-01-


26]. Disponível em http://www.clickatell.com.

COMUNICAÇÃO (2010) - Comunicação In Infopédia. [online] [consultado em 2010-


01-25]. Disponível em http://www.infopedia.pt/E1.jsp?id=24703.

FERREIRA, A. MIGUEL (2009) - Dicionet. Lisboa: FCA , 2007.

FERREIRA, J. LEMOS (2010) - Tecnologias da Internet, SMS - Short Message


Service. [online] [consultado em 2010-01-26]. Disponível em
http://www.eq.uc.pt/~jorge/aulas/internet/ti-sms.html.

INFOPÉDIA (2010) - Infopédia, um serviço Porto Editora. [online] [consultado em


2010-01-26]. Disponível em http://www.infopedia.pt.

IVENS, K. (2003) - Aprender mais Internet. Lisboa: McGraw-Hill, 2003.

KAYAKO (2010) - Kayako Web Solutions. [online] [consultado em 2010-01-25].


Disponível em http://www.kayako.com.

MSN (2010) - MSN Messenger. [online] [consultado em 2010-01-26]. Disponível em


http://messenger.msn.com/Tour/.

NIELSEN, J. (1995) - Multimedia and Hypertext: The Internet and Beyond. Boston:
Academic Press Inc., 1995.
14
SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO (2010) - Livro Verde para a Sociedade da
Informação em Portugal. Missão para a Sociedade da Informação / Ministério da
Ciência e da Tecnologia. [online] [consultado em 2010-01-25]. Disponível em
http://www.acesso.umic. pcm.gov.pt /docs/lverde.htm.

TIC (2010) - TIC In Infopédia. [online] [consultado em 2010-01-25]. Disponível em


http://www.infopedia.pt/E1.jsp?id=123675.

UMIC (2010) - Unidade de Missão, Inovação e Conhecimento, Presidência do


Conselho de Ministros.
[online] [consultado em 2010-01-26]. Disponível em http://www.umic.gov.pt/
UMIC/SociedadedaInformacao/ .

15
16