Вы находитесь на странице: 1из 24

Terapias espiritualistas na internet:

a “apometria” no Youtube

EMERSON JOSÉ SENA DA SILVEIRA 1 IZABELA MATOS FLORIANO MENDONÇA 2

Observa-se que em diferentes contextos culturais e civilizacionais homens e mulheres se ocuparam em combater as doenças, que não raro eram atribuídas a causas sobrenaturais, deuses, demônios e toda sorte de entidades intermediárias.

Em torno das práticas de cura giravam crenças e rituais, vividos em grupos, vizinhanças, tribos, sociedades camponesas e urbanas. As estruturas dessas práticas de busca da saúde transformaram-se ao longo do tempo, em especial com a crescente racionalização médica introduzida a partir do Iluminismo.

Porém, as práticas terapêuticas ligadas às religiosidades e tradições místicas religiosas, em que pese a hegemonia da medicina alopática, continuam presentes, mobilizando milhares de pessoas em busca de alívio, consolo, iluminação e cura. Enfim, nos dias de hoje, mágicos, feiticeiros, exorcistas, benzedores, videntes, pais de santo se veem incumbidos de cuidar das enfermidades e patologias do corpo e da alma, às vezes em concorrência, outras vezes em complementaridade à estrutura da medicina moderna racional (SERRANO 1985).

Ao longo do desenvolvimento social e econômico das sociedades ocidentais, tanto práticas terapêuticas médicas hegemônicas quanto práticas subalternas populares e religiosas conviveram, em maior ou menor confronto, em redes sociais tradicionais, sustentadas e articuladas por estruturas de comunicação lastreadas nas mídias de massa da era industrial ou da modernidade sólida.

  • 1 Antropólogo. Doutor em Ciência da Religião. Professor e coordenador do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Religião (PPCIR) da Universidade Federal de Juiz de Fora. Pós-doutoramento com projeto apresentado ao CNPQ no Comitê de Antropologia; e-mail: <emerson.silveira@ufjf.edu.br>.

  • 2 Formada em enfermagem pela UFJF. Mestre em Ciência da Religião (PPCIR), Universidade Federal de Juiz de Fora; e-mail: <izabelamatos@hotmail.com>.

Com a emergência das redes sociais eletrônicas, das novas estruturas de mediação comunicativa por computador, um novo espaço de mudança, interação e articulação se abriu para as práticas terapêuticas consideradas complementares e ligadas a algum tipo de religiosidade ou espiritualidade.

Um novo espaço, público, descortinou-se para a divulgação, a apresentação, o debate, a partir de vivências sociais concretas, travados em grupos sociais de diversos segmentos e características socioculturais.

Nos anos 2000, uma série de estruturas cibernéticas é criada, popularizando-se rapidamente. Entre essas redes podemos citar o Twitter 3 , o Youtube 4 e as redes sociais, como o Facebook 5 e o Orkut 6 , multilíngues, crescendo vertiginosamente e abarcando milhões de usuários, especialmente jovens das médias e grandes cidades. Esses espaços

  • 3 Desde sua criação, em 2006, por Jack Dorsey, o Twitter ganhou popularidade em todo o mundo. É uma rede social que permite aos usuários enviar e receber atualizações pessoais de outros contatos (até 140 caracteres, conhecidos como tweets), por meio do website, por mensagens de celular e por softwares específicos. As atualizações são exibidas no perfil de um usuário em tempo real e também enviadas a outros usuários seguidores que tenham assinado para recebê-las. O serviço pode ocorrer por uma operadora telefônica, gerando cobrança.

  • 4 O YouTube é um site que permite aos seus usuários carregar e compartilhar vídeos em formato digital. Fundado em fevereiro de 2005 por três pioneiros do PayPal, um famoso site da internet ligado à transferência de fundos. O YouTube utiliza o formato Adobe Flash para disponibilizar seu conteúdo. Com mais de 50% do mercado em 2006, é o mais popular. Hospeda grande variedade de filmes, videoclipes e materiais caseiros. O material encontrado pode ser disponibilizado em blogs e sites pessoais através de mecanismos (APIs). Em 2006 foi anunciada a compra do YouTube pelo Google.

  • 5 Rede social lançada em fevereiro de 2004 por Mark Zuckerberg, Dustin Moskovitz, Eduardo Saverin e Chris Hughes, ex-estudantes da Universidade de Harvard. Inicialmente, a adesão era restrita apenas aos estudantes daquela Universidade, mas expandiu-se ao Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), à Universidade de Boston, ao Boston College, entre outras instituições. Em 2006 passou a aceitar também estudantes secundaristas e empresas. Daí sua vertiginosa expansão, concorrendo com o Orkut. Os usuários, mais de 500 milhões ativos, podem juntar-se em uma ou mais redes, em grupos fechados, por colégio, local de trabalho, cidade etc. No Ad Planner Top 1000 Sites, que registra os sites mais acessados do mundo, através do mecanismo de busca do Google, o Facebook aparece, em fevereiro de 2011, com 590 milhões de visitas e um alcance global de 38,1%.

  • 6 Rede social filiada ao Google, criada em janeiro de 2004 com o objetivo de ajudar seus membros a conhecer pessoas e manter relacionamentos. Seu nome é originado no do projetista chefe, Orkut Büyükkökten, engenheiro turco do Google. O alvo inicial eram os Estados Unidos, mas a maioria dos usuários é de brasileiros (23 milhões em 2008) e indianos. A sede do Orkut era na Califórnia, até agosto de 2008, quando o Google anunciou que o Orkut seria operado pelo Google Brasil, em virtude da grande quantidade de usuários brasileiros.

digitais de trocas, combinações e correspondências acabam, inclusive, criando coalizões de vontades e grupos ligados a práticas terapêuticas oriundas de universos religiosos mediúnicos.

Caracterizado o cenário, pretende-se analisar o desempenho no Youtube de uma técnica terapêutica chamada apometria, oriunda de meios espíritas do Rio Grande do Sul na década de 1960 e que ganhou terreno entre muitos grupos pelo Brasil, despertando polêmicas, paixões, sendo criticada e defendida, em especial nos meios eletrônicos.

Terapias espiritualistas e apometria: origens e desdobramentos

No Brasil, essas ações de cura e combate à doença sempre estiveram presentes tanto nos ritos das religiões afro-brasileiras quanto da Igreja Católica, ou ainda nos grupos religiosos de filantropia, nas “práticas de cura das religiões pentecostais” e curas espíritas (VASCONCELOS 2006, p. 16), formando conjuntos de práticas distintas, apresentadas como “alternativas” a um modelo médico que não consegue atender a todas as demandas dos indivíduos, quer seja por questão estrutural, quer seja por questão política ou social.

Nesse contexto, observa-se no Brasil uma considerável procura por religiões, principalmente mediúnicas, 7 para a cura de doenças físicas, mentais, emocionais, espirituais. Trata-se de religiões que dispõem de uma diversidade de técnicas e práticas que se combinam ou se complementam, sendo assim classificadas: medicinas paralelas; medicinas alternativas ou terapias alternativas; práticas terapêuticas realizadas fora das instituições médicas oficiais (LAPLANTINE, RABEYRON 1989).

Dessa forma, a crença na eficácia das terapias religiosas de cura tem sido apontada como fator determinante de adesão às religiões que prestam serviços de cura, pois seus adeptos aderem à nova crença quando atribuem à religião a cura de doenças tidas como inexplicáveis aos olhos da medicina oficial (CAMARGO 1961; AUBRÉE, LAPLANTINE 2009).

Fato comum de acontecer no campo das religiões mediúnicas, pois a cura espiritual influencia a adesão do indivíduo à cosmologia espírita. Nesse campo, as

7 Entende-se como religiões mediúnicas o kardecismo e as religiões afro-brasileiras (CAMARGO 1961, 1973), detendo-se nos conflitos do kardecismo e suas terapias.

terapias espirituais são motivo de conflitos dentro dessas religiões, principalmente entre os espíritas kardecistas tradicionais, que só entendem como terapias espíritas as fundamentadas nas obras de Allan Kardec, não aceitando que centros espíritas kardecistas procedam a qualquer outro tipo de terapia espiritualista ou alternativa (D’ANDREA 1999).

Nesse sentido, fomentando as discussões quanto às terapias das religiões mediúnicas, em 1963 o farmacêutico e bioquímico porto-riquenho, Luiz Rodrigues, radicado no Brasil e residente na cidade do Rio de Janeiro, apresentou no VI Congresso Espírita Pan-Americano, realizado em Buenos Aires, uma técnica que denominava “hipnometria”, técnica que surgiu a partir de seus estudos sobre a comunicação dos homens encarnados com os espíritos desencarnados e que consistia no envio dos corpos espirituais do paciente para tratamento no mundo espiritual, obtendo, segundo ele, melhora nos seus quadros patológicos (SOCIEDADE BRASILEIRA DE APOMETRIA 2010; COSTA 1997; RODRIGUEZ 1965).

Luiz Rodrigues acreditava que o homem seria composto não só por um corpo físico, mas também por corpos espirituais que quando em desequilíbrio levariam o sujeito ao adoecimento. Para ele, esses corpos espirituais é que deveriam ser tratados a fim de se conseguir resultados na terapêutica dos doentes com problemas mentais, emocionais e psiquiátricos. E somente a psiquiatria seria capaz de realizar esse tratamento; para isso, ela deveria observar e estudar a “natureza do espírito” despida das supertições e dos dogmas religiosos (RODRIGUEZ 1965).

Sua apresentação no VI Congresso Espírita Pan-Americano despertou o interesse do diretor do Hospital Espírita de Porto Alegre, a ponto de convidá-lo a demonstrar sua técnica ao corpo clínico. Atendendo ao convite, em 1965, Luiz Rodrigues demonstrou seu método no referido hospital, onde trabalhava o médico espírita José Lacerda de Azevedo, que resolveu aplicá-la em sua esposa e, posteriormente, em seus pacientes, passando a denominá-la apometria (SOCIEDADE BRASILEIRA DE APOMETRIA 2010; AZEVEDO 2002; COSTA 1997).

José Lacerda entendia que o termo hipnometria relacionava-se mais à ideia de hipnose, muito diferente da técnica utilizada por Luiz Rodrigues, que não levava o doente a esse estado mental. Então criou o termo apometria, do prefixo “apo”, do grego, que significa “além de”, “fora de”, mais “metron”, que se relaciona a medida. Sendo

assim, define-se apometria como uma técnica capaz de separar, intencionalmente, os corpos espirituais do ser humano. Essa separação, segundo ele, é realizada através da aplicação de pulsos magnéticos e projeção mental sobre uma pessoa que não necessita necessariamente ser médium 8 , mas deve estar devidamente treinada. Para ele, embora sua técnica possa ser aplicada em lugares e circunstâncias diversos, em todas as criaturas, independentemente de idade, saúde e sanidade mental, sua maior eficácia se dá com atendimento mediúnico (SOCIEDADE BRASILEIRA DE APOMETRIA 2010; AZEVEDO 2002; COSTA 1997).

Dessa forma, quando no final do século passado e nesta primeira década do século XXI ela começou a ganhar visibilidade, iniciaram-se as polêmicas entre kardecistas tradicionais seguidores da FEB (Federação Espírita Brasileira) e os kardecistas apômetras.

Quando começou a ser empregada em centros kardecistas e umbandistas, nas diversas regiões do país, grandes nomes do meio kardecista, como Divaldo Pereira Franco e Suely Caldas Schubert, condenaram seu uso pelos kardecistas, afirmando que a técnica é desvinculada do fenômeno da mediunidade, sem fundamentação nas obras de Allan Kardec, enquadrando-se dentro dos tratamentos psicológicos (SILVEIRA 2006; ARAUTO 2010; FRANCO 2010).

As divergências, porém, não cessam nesse contexto. Enquanto os kardecistas creem no homem formado somente por matéria, espírito, periespírito e alma 9 , os apômetras, por influência das religiões orientais e da teosofia, ampliam a visão do sistema espírita, pois acreditam que a pessoa é formada por vários corpos: “o físico, o corpo etérico, o corpo astral, o corpo mental inferior, mental superior, o corpo búdico, o corpo átmico ou espiritual”, considerados dimensões psíquicas, níveis mentais ou consciência, onde poderá estar localizada a causa da doença (SOCIEDADE BRASILEIRA DE APOMETRIA 2010; AZEVEDO 2002; COSTA 1997).

Outra discordância é a forma de tratamento dos apômetras na aplicação da técnica: enquanto os kardecistas acreditam que os espíritos vêm à terra por meio dos médiuns para tratar os doentes 10 , os apômetras compartilham a crença de que a técnica deve ser aplicada tanto no doente quanto no curador, para que ambos tenham seus

  • 8 Sobre tipos de médium ver KARDEC 2009.

  • 9 Conferir CAVALCANTI 1983; CAMURÇA 2000; GREENFIELD 1992; 1999. 10 Conferir: CAVALCANTI 1983; CAMURÇA 2000; GREENFIELD 1992; 1999.

corpos separados e enviados ao plano espiritual, onde espíritos realizarão o tratamento espiritual 11 . Ademais, os apômetras também vinculam a apometria à física quântica 12 e trabalham com elementos das religiões afro-brasileiras nos trabalhos de desobsessões e magias.

Além disso, a apometria é considerada por eles um recurso mais eficaz nos casos de tratamento de obsessão, doenças emocionais e comportamentais, entre outras patologias, nas quais a medicina e as terapias espíritas tradicionais sozinhas não obtêm o êxito esperado 13 . Por outro lado, apesar das diferenças de concepção terapêutica, a apometria não nega a eficácia das técnicas de cura espirituais existentes, pelo contrário, introduz novas propostas, complexificando os tratamentos mediúnicos já legitimados.

O crescimento da aplicação e a divulgação da apometria fizeram que grupos espíritas e terapeutas holísticos de várias partes do país procurassem o grupo de José Lacerda no Rio Grande do Sul para aprender como usar a nova terapia. Assim, observa- se seu crescimento no final do século XX e início deste século nas diversas regiões do Brasil, principalmente no sul e no sudeste.

Esse fato faz que se intensifique o debate entre seus adeptos e opositores, principalmente nas publicações espíritas kardecistas e na internet, em que há os que defendem, os que condenam sua utilização nos centros kardecistas e aqueles que a vinculam a terapias holísticas e de vidas passadas, diversificando as recombinações e levantando questões quanto à utilização de terapias religiosas nos tratamentos de terapeutas alternativos, psicólogos e outros profissionais de saúde.

Dessa forma, percebe-se na sociedade moderna considerável aceitação das terapias alternativas “nova era”, numa verdadeira imbricação entre os campos da psicologia, da medicina e das terapias religiosas:

terapias religiosas não implicaram abandono de tratamento com os médicos. [

]

... pacientes e líderes religiosos populares negociam continuamente com o poder da

medicina moderna de modo

a garantir

para

si

um espaço próprio

de

práticas e

representações. Invocando a ação de diferentes entidades na causação da doença,

  • 11 Conferir: SOCIEDADE BRASILEIRA DE APOMETRIA 2010; COSTA 1997; GREENFIELD 1992;

1999.

12 Os apômetras atribuem à física quântica a explicação de como ocorre a aplicação de pulsos magnéticos para separação dos corpos espirituiais (AZEVEDO 2002).

  • 13 Conferir: SOCIEDADE BRASILEIRA DE APOMETRIA 2010; COSTA 1997.

terapeutas religiosos colocam-se em uma posição bastante conveniente: não apenas afirmam dividir responsabilidade com a medicina moderna, mas julgam intervir onde esta revela-se incapaz (RABELO 1993, p. 318).

Quando psicólogos e terapeutas holísticos utilizam terapias religiosas como complemento às suas práticas (BOURDIEU 2004, p. 123), ampliam-se as fronteiras entre “ciência e a religião”, “a cura técnica e a cura mágica”. Segundo Tavares (1998, p. 86), isso ocorre quando a

crise da autonomia das esferas da terapêutica e da religião atinge em cheio o limite das competências do campo psicológico, cuja porosidade parece indicar a necessidade de negociações parciais e arranjos provisórios em torno dos limites possíveis desse campo.

À margem dos discursos estabelecidos, os grupos que utilizam a apometria estabelecem um novo olhar sobre as curas religiosas: esbarram com o sincretismo característico do campo religioso brasileiro, onde o trânsito entre culturas é significativo: “o tradicional combina-se com o católico-afro-brasileiro e a cultura moderna da escolha individual” (SANCHIS 1997, p. 30).

Consequentemente, ao favorecer o trânsito religioso, sem conversão, os grupos que utilizam a técnica fora de instituição religiosa enquadram-se nos processos de “desregulação” do final do século XX, em que a união dos grupos não é mantida pela crença ou pela pertença, mas sim pela escolha e pelo interesse de cada indivíduo (HERVIEU-LÉGER 2008; CAMURÇA 2006).

Com características das práticas utilizadas pelos adeptos do movimento da Nova Era, ao dispensar a presença de sacerdotes e fiéis, lideranças institucionais, doutrinas dogmáticas, ela é marcada por intensas “bricolagens” de elementos “desconexos e fragmentados” (D’ANDREA 1999; TAVARES 1998) que permitem a migração do campo religioso 14 para consultórios de psicólogos, terapeutas holísticos e grupos multidisciplinares, onde é utilizada como uma ferramenta para ajudar acelerar o processo de crescimento, evolução e cura espiritual do indivíduo, independentemente das identidades confessionais.

Assim, os indivíduos praticantes da apometria estabelecem seus credos fora dos sistemas institucionais já validados pela sociedade e combinam diversas religiões, correntes de pensamentos e terapias alternativas em suas práticas (HERVIEU-LÉGER 2008; BRANDÃO 1994).

14 Sobre campo religioso ver BOURDIEU 1978.

O ritual apométrico acontece a partir do impulsionamento 15 , que segundo os apômetras é a emissão de pulsos energéticos ao estalar os dedos e a contagem em voz alta, geralmente de 1 a 7. Através do impulsionamento os apômetras entram em contato com o mundo espiritual e após estabelecerem esse contato realizam o tratamento daqueles que os procuram (SOCIEDADE BRASILEIRA DE APOMETRIA 2010; TAFFARELLO, TAFFARELLO 200).

Os atendimentos de apometria variam de acordo com o grupo, fator que permite que a essa técnica se agreguem outras práticas, crenças, rituais, terapias e múltiplos saberes. Neste sentido, a técnica se desdobra em diferentes formas. Seus adeptos afirmam que para praticá-la pode-se formar grupos com características distintas:

médicos, espiritualistas, teosóficos, familiares, terapeutas, entre outros. A única exigência para seu uso, segundo alguns teóricos da apometria, seria um procedimento ético e boa vontade (TAFFARELLO, TAFFARELLO 200).

Dessa forma, a apometria insere-se num contexto em que seus praticantes buscam o bem-estar físico e espiritual, individual e coletivo:

por meio de seu sincretismo em movimento, na procura inesgotável pelo essencial, manifesta, mais performaticamente do que por definições ideológicas ou políticas, um “descontentamento profundo com o desaparecimento do sujeito e a desuniversalização do humano”, apontando, no entanto, mais para as “semelhanças” do que para as “identidades” (AMARAL 2000, p. 212).

Devido à sua diversidade de domínios simbólicos e sistemas de sentido, em meio a tantos desdobramentos, a apometria fomenta conflitos facilmente visíveis em diversos sites da internet, entre eles o Youtube, que possui armazenados em seu banco de dados informações e discussões que mostram como a técnica transita tanto no campo das religiões mediúnicas como no campo das terapias holísticas. Nele é possível visualizar sua associação a uma diversidade de práticas espirituais, esotéricas e terapêuticas, como reik, cromoterapia, homeopatia, florais quânticos, terapias de vidas passadas, entre outras.

15 Através do impulsionamento apômetras acreditam poder realizas diversas ações que têm por base o imaginar, falar o que se imagina e impulsionar para que a ação aconteça. Por exemplo: acupuntura sem uso de agulhas, cromoterapia sem luzes específicas, oferendas espirituais, ambientes diversos, como o hospitalar, entre outros (TAFFARELLO, TAFFARELLO 2002).

A apometria no Youtube

Pensando na internet como uma nova ferramenta para se relacionar com as religiões da modernidade, pode-se levantar informações que possibilitem a mensuração de simbologias, desdobramentos, confluências e divergências de novas práticas e terapias religiosas.

O ciberespaço 16 estimula relacionamentos que independem do espaço geográfico e do tempo. Nele os indivíduos e grupos se organizam quase instantaneamente, não se importando com as informações ou interações geradas, mas buscando participar do processo social de “inteligência coletiva” (LÉVY 1999). O que faz que a comunicação plural e universal entre pessoas no ciberespaço seja a característica principal da cibercultura (SERRANO 1999).

As novas tecnologias de redes que surgem no espaço virtual promovem “agregação social”, divulgação e “recombinações” culturais e de informações diversas capazes de influenciar indivíduos e comunidades que se unem além das barreiras físicas (LEMOS 2010, p. 38).

Essas mudanças e combinações culturais geradas pela cibercultura são facilmente percebidas no site Youtube, criado em 2005 por Chad Hurley, Steve Chen e Jawed Karim. Uma ferramenta pioneira em digitalização de conteúdos audiovisuais que possibilita aos seus usuários assistir e compartilharvídeos de forma ilimitada, sem a necessidade de se conhecer grandes tecnologias e com a possibilidade de interação entre usuários (BURGESS, GREEN 2009; SERRANO 1999).

Por conseguinte, ao estabelecer suas redes sociais, o Youtube permite discussões, divulgação de novidades e modismos que abrangem arte, entretenimento, educação, política, ciência, religião, cultura e outros. O usuário passa a ser o protagonista da mídia em vez de um telespectador passivo e estático diante do que lhe é veiculado. Para Serrano (1999, p. 14),

o Youtube representa uma memória individual e coletiva da humanidade, os acontecimentos pessoais são armazenados como documentos digitais e disponibilizados na rede, a possibilidade de compartilhamento entre vários indivíduos aumenta o

16 Ciberespaço “[

...

]

é o espaço de comunicação aberto pela interconexão mundial de computadores e das

memórias dos computadores. Essa definição inclui os sistemas de comunicação eletrônicos (aí incluídos os conjuntos de redes hertzianas e telefônicas clássicas), na medida em que transmitem informações provenientes de fontes digitais ou destinadas à digitalização” (LÉVY 1999, p. 92).

potencial de inteligência coletiva dos grupos que apresentam como ponto em comum o interesse por determinado conteúdo.

Na prática, “o Youtube é um site de cultura participativa” (BURGESS, GREEN 2009, p. 14), que o diferencia dos demais sites de compartilhamento. Ao possibilitar que qualquer pessoa cadastrada possa exibir seus vídeos, ele une seus usuários como uma grande rede social (SERRANO 1999, p. 10).

Essas características do site fizeram que em 2006 a revista Time 17 o elegesse a maior invenção do ano e tivesse exibidos no mesmo ano “cerca de 100 milhões de arquivos por dia” e postados milhares de novos vídeos, evidenciando como a mídia se modificou e o sistema de comunicação massiva de formação e enraizamento do público dá espaço ao sistema com “funções pós-massivas” que “permite a personalização, o debate não mediado, a conversação livre, a desterritorialização planetária” (LEMOS, LÉVY 2010, p. 26).

No ciberespaço, o usuário da rede é verdadeiro ator, diretor e produtor na mídia virtual. Nele, grupos com interesses comuns se unem, para além das “fronteiras geográficas ou institucionais” existentes, promovendo aproximações que são definidas por interesses e características afins (LEMOS 2009).

Em meio à imensurável possibilidade de ações no território virtual do site Youtube, encontram-se variedades de postagens sobre a técnica de cura espiritual “apometria”. Isso possibilitou a realização de uma pesquisa exploratória sobre o tema. A coleta de dados 18 foi realizada a partir da busca pelo vocábulo “apometria” 19 , usando como ordenação dos vídeos a opção relevância.

Nessa busca ativa foram encontrados 242 vídeos distribuídos em 13 páginas. A partir desse resultado, foi realizado o download 20 para análise de seus conteúdos.

17 Reportagem no site: <http://g1.globo.com/Noticias/Tecnologia/0,,AA1306288-6174,00.html>. Acesso em: 19 ago. 2011. Revista “Time” elege YouTube a melhor invenção do ano. Disponível em:

<http://g1.globo.com/Noticias/Tecnologia/0,AA1340903-6174-363,00.html>. Acesso em: 19 ago. 2011. 18 A princípio optou-se por levantar os vídeos compartilhados a partir das opções de busca mostradas pelo site, porém, como alguns vídeos apareciam repetidos nas diversas opções, adotou-se outra estratégia. 19 A palavra apometria foi colocada entre aspas na busca, pois esse recurso limita os resultados aos arquivos que são descritos a partir desse vocábulo. 20 Transferência de dados (arquivo) de um site para um computador.

A segunda etapa do levantamento foi relacionar, a partir das estatísticas do próprio Youtube, a data de postagem de cada vídeo pelos internautas, o número de exibições dos vídeos e as palavras-chave contidas em sua descrição.

A fase final compreendeu uma análise preliminar do conteúdo de 199 vídeos disponíveis, download de um total de 242 armazenados, a fim de constatar se todos abordavam em seu conteúdo a técnica apometria. Verificou-se que entre os disponíveis 82 vídeos veiculavam apometria apenas na descrição das palavras-chave, e somente 117 relacionavam o tema com seu conteúdo.

Numa análise inicial do conteúdo,

optou-se por sinalizar

os vídeos

que

veiculavam questões conflituosas geradas pela técnica no campo do espiritismo e terapias holísticas e a maneira como a técnica tem sido difundida no site.

Em maio de 2007, a empresa Google, proprietária do Youtube, lançou versões do site em diversos idiomas, entre eles em português. Dessa forma, os internautas brasileiros passaram a encontrar vídeos nacionais com descrição em português, facilitando as postagens dos vídeos por brasileiros 21 .

Nesse mesmo ano em que o site ganhou sua versão brasileira, aconteceu em julho a primeira postagem de vídeo sobre apometria no site, e a partir daí é possível perceber o crescimento gradativo do número de vídeos sobre o tema no site até os dias de hoje.

Gráfico 1. Resultado de busca do número de vídeos postados por ano a partir do vocábulo “apometria”, desde a versão brasileira do site até 17/8/2011

21

Google

anuncia

versão

brasileira

do

YouTube.

Disponível

em:

<http://g1.globo.com/Noticias/Tecnologia/0,MUL54671-6174,00.html>. Acesso em: 19 ago. 2011.

Fonte: Pesquisa pessoal. Site do Youtube, 17/8/2011 Esse crescimento é observado tanto no resultado da busca

Fonte: Pesquisa pessoal. Site do Youtube, 17/8/2011

Esse crescimento é observado tanto no resultado da busca a partir do vocábulo “apometria” como no conteúdo, pois ao assistir aos vídeos é visível o crescimento gradativo das abordagens diversas sobre o tema no site.

Gráfico 2. Vídeos postados por ano, por abordagem do tema apometria

Fonte: Pesquisa pessoal. Site do Youtube, 17/8/2011 Esse crescimento é observado tanto no resultado da busca

Fonte: Pesquisa pessoal. Site do Youtube, 17/8/2011

Ao cruzar os dados, observa-se que no resultado final da busca o site relaciona um total de 242 vídeos armazenados a partir da busca pela palavra “apometria”; entretanto, após o download, obteve-se 199 vídeos para assistir. Isso ocorre porque no Youtube os usuários podem “adicionar os vídeos em listas pessoais, categorizando e facilitando o acesso ao conteúdo já visto” (SERRANO 1999, p. 13); em função disso é que encontramos 43 vídeos repetidos relacionados ao resultado da busca.

Gráfico 3. Resultado da busca do número de vídeos armazenados no Youtube a partir do vocábulo “apometria”

Gráfico 3. Resultado da busca do número de vídeos armazenados no Youtube a partir do vocábulo

Fonte: Pesquisa pessoal. Site do Youtube, 17/8/2011

Observa-se que o número total de exibições dos vídeos sugeridos pela busca do site sobre o tema apometria foi de 382.196. Dessas exibições, 267.770 foram vídeos que realmente abordavam o tema e 114.426 foram vídeos que não se relacionavam com o assunto. Isso acontece pelo fato de esses vídeos conterem o vocábulo apometria na descrição de suas palavras-chave, evidenciando que a difusão da técnica no site não acontece somente pelo conteúdo compartilhado, mas pelas descrições livres que são feitas pelos internautas.

Gráfico 4. Número de exibição dos vídeos a partir da abordagem do tema

Fonte: Pesquisa pessoal. Site do Youtube, 17/8/2011 Os termos que mais aparecem nas descrições são: apometria,< http://youtu.be/ZDZrgqOnTmo > . Acesso em: 17 ago. 2011. Cf.: < http://faicalbaracat.blogspot.com > . Acesso em: 26 ago. 2011. " id="pdf-obj-13-2" src="pdf-obj-13-2.jpg">

Fonte: Pesquisa pessoal. Site do Youtube, 17/8/2011

Os termos que mais aparecem nas descrições são: apometria, apometria quântica, terapias de vidas passadas (TVP), espiritismo, terapia, terapias holísticas, viagem astral, regressão, projeciologia, Allan Kardec, Godinho 22 , mediunidade, tratamentos espirituais, umbanda, psicografia, goécia, José Lacerda, Ramatis, psicologia, radiestesia, Cristo, cultos afro-brasileiros, cromoterapia, espiritualidade. Termos presentes na cosmologia do espiritismo e das terapias holísticas que, se relacionados entre si, sinalizam para conflitos existentes dentro do campo das terapias espíritas.

Os desdobramentos que surgem nas descrições também são visíveis em um áudio 23 dividido em dez partes. Nele o apômetra narra um “trabalho espiritual” de apometria. O ritual apométrico narrado é conhecido como “Técnica do Circo 24 ”. Nela, o apomêtra convida todos a imaginar que entram em um circo onde ocorrerá a aplicação da apometria. Durante a narração é possível perceber como a técnica agrega uma grande variedade de simbologias que não estão ligadas ao espiritismo ou a terapias alternativas.

Os outros vídeos que abordam a técnica se relacionam mais com espiritismo, terapias de vidas passadas (TVP), física quântica e discussão quanto a sua utilização nas

casas espíritas, mas nenhum descreve como a técnica é utilizada na prática. Eles somente se referem a temas que geram conflitos no campo espírita.

Gráfico 5. Temas abordados nos vídeos relacionados à “apometria”

casas espíritas, mas nenhum descreve como a técnica é utilizada na prática. Eles somente se referem

Fonte: Pesquisa pessoal. Site do Youtube, 17/8/2011

Quanto à receptividade da técnica no campo espírita, observa-se que 82% deles apresentam discursos favoráveis à utilização da apometria nas casas espíritas, 14% são desfavoráveis e 4% deles aceitam seu uso em caráter experimental. Não há um consenso quanto à utilização da técnica como uma terapia de cura espírita, justamente por conta das polêmicas em torno de definições e doutrinas kardecistas.

Gráfico 6. Percentual por abordagem sobre apometria nas casas espíritas

Fonte: Pesquisa pessoal. Site do Youtube, 17/8/2011 O conflito evidencia-se ao se identificar no resultado de

Fonte: Pesquisa pessoal. Site do Youtube, 17/8/2011

O conflito evidencia-se ao se identificar no resultado de busca vídeos com os seguintes títulos: Palestra apometria não é espiritismo 25 e Apometria é espiritismo? 26 .

Os vídeos em questão apresentam opiniões divergentes sobre o tema. O primeiro mostra uma palestra proferida em um centro espírita onde o palestrante salienta que a apometria não é espiritismo por não estar embasada nas obras de Allan Kardec e porque os próprios apômetras afirmam que ela é uma “técnica”, “uma terapia”. O segundo apresenta um aúdio de outro grupo espírita afirmando que a apometria se enquadra dentro do espiritismo, por ser a doutrina espírita uma ciência voltada para observação e experimentos. Assim, segundo o vídeo, o estudo da técnica se enquadra no espiritismo por ser uma técnica magnética usada para tratamento de obsessão.

Outro vídeo que fomenta a discussão quanto à sua utilização nas casas espíritas é o do editor da Casa dos Espíritos 27 , Leonardo Möller. Ali ele afirma em uma palestra

25 Cf. Palestra apometria não é espiritismo. Disponível em: <http://www.youtube.com/watch? v=oMSFGAUEJec>. Acesso em: 17 ago. 2011. 26 Cf.: <http://www.youtube.com>. Acesso em: 17 ago. 2011. Apometria é espiritismo? – Podcast Luz Espírita. Disponível em: <http://www.youtube.com/watch?v=R-- BRrRXoIU&feature=player_embedded>. Acesso em: 17 ago. 2011. 27 Editora dos livros do médium Robson Pinheiro, dirigente da Sociedade Espírita Everilda Batista e conhecido entre os espíritas por divulgar em suas obras a apometria.

que Robson Pinheiro começou a estudar a apometria a pedido de Chico Xavier 28 , que o presenteou com a obra do médico espírita José Lacerda. Pergunta-se então: Estaria Chico Xavier endossando o uso da técnica nas casas espíritas? Ou associar sua figura à terapia seria uma tentativa de legitimar o uso da terapia nas casas espíritas?

Essa polêmica se amplia no site quando as narrativas se repetem ou se diversificam, nos vídeos em que diversos terapeutas holísticos afirmam que a apometria é uma terapia espiritual utilizada por eles em seus tratamentos. Como mostra o vídeo Apometria e regressão – Rosana Beni 29 , onde a terapeuta Camila Sampaio afirma que trabalha com terapias de vidas passadas e apometria (“apometria trabalho espiritual”) a partir da mediunidade. Em seu discurso ela associa a técnica tanto ao espiritismo quanto ao atendimento terapêutico, o que evidencia outro foco de conflito gerado pela técnica, sua utilização por terapeutas holísticos em consultórios e clínicas, porém sem desvinculá-la do contexto espiritual.

A diversidade de discursos evidenciados no site mostra a pluralidade e a universalidade de sua difusão, pois desde que seu conteúdo não desrespeite os termos de postagens ou nenhuma outra pessoa denuncie seu conteúdo o vídeo permanecerá no site enquanto o usuário quiser, pois “o ciberespaço, contém, de fato, aquilo que as pessoas nele colocam” (LÉVY 1999, p. 241).

Destacam-se também os vídeos que visam a divulgar suas bases teóricas através de postagens de aulas e cursos, programas de TV e vídeos que trazem em seu conteúdo os fundamentos, propostas, descrições e interpretações diversas da técnica. Como é o caso do vídeo Dario hutymany – Curso Apometria Estelar 30 , que mostra propaganda de um curso que relaciona apometria à proteção contra ataques de extraterrestes.

Gráfico 7. Tipos de abordagem da técnica apometria

  • 28 Francisco de Paula Cândido Xavier, médium brasileiro divulgador do espiritismo, autor de vários livros psicografados que faleceu em 30 de junho de 2002.

  • 29 Cf. Apometria e regressão – Rosana Beni. Disponível em: <http://www.youtube.com/watch?v=R-- BRrRXoIU&feature=player_embedded>. Acesso em: 17 ago. 2011.

  • 30 Cf. Dario Hutymany – Curso Apometria Estelar. Disponível em: <http://www.youtube.com/watch? v=REu_XfIqFEM>. Acesso em: 17 ago. 2011.

Fonte: Pesquisa pessoal. Site do Youtube, 17/8/2011 Entre os conteúdos dos vídeos que não abordavam a

Fonte: Pesquisa pessoal. Site do Youtube, 17/8/2011

Entre os conteúdos dos vídeos que não abordavam a apometria, observa-se que há uma relação com espiritismo e terapias de vidas passadas, entretanto, a maior proporção de vídeos são os que veiculam outros assuntos, como: propagandas de clínicas e terapeutas holísticos, blogs e sites, livros e CDs espiritualistas, cursos de formação de terapeutas holísticos, mensagens espíritas e produtos esotéricos. Essas atividades divulgadas no site estão presentes na religiosidade “errância espiritual” New Age, com a produção de um “sincretismo em movimento, na procura inesgotável pelo essencial” (AMARAL 2000, p. 212).

Observa-se que a finalidade dessas postagens é a divulgação dos profissionais, instituições e produtos voltados para o indivíduo moderno que busca uma experiência essencial, e não especificamente a técnica espiritual apometria. Segundo Serrano (1999, p. 9) no Youtube “cada visitante ou usuário pode assistir ou publicar o vídeo que quiser, a hora que quiser, não existe uma programação predefinida”; desta forma, os internautas aproveitam o ciberespaço para divulgar produtos e serviços.

Gráfico 8. Temas abordados nos vídeos não relacionados à “apometria”

Fonte: Pesquisa pessoal. Site do Youtube, 17/8/2011 Esse movimento de incorporação às terapias alternativas amplia o

Fonte: Pesquisa pessoal. Site do Youtube, 17/8/2011

Esse movimento de incorporação às terapias alternativas amplia o debate entre psicologia e terapias alternativas na busca por legitimação, como salienta Tavares (1998) ao afirmar que os terapeutas alternativos têm reivindicado a legitimidade social

de uma diversidade de técnicas e práticas a partir da sua inscrição no vasto campo das práticas psi. Assim, a adoção de terapias alternativas nos consultórios de psicologia coloca em questão o “processo de institucionalização da psicologia” (TAVARES, DUARTE, COGNALATO 2010, p. 193).

Desta forma, a presença da técnica em consultórios mostra que ela sai dos centros espíritas e avança no campo das terapias holísticas, deixando de lado o caráter de terapia espiritual moldada pelos princípios religiosos da caridade.

Além desses desdobramentos, pode-se ver através do site que a técnica já avançou para além do território nacional, pois entre os vídeos levantados encontra-se um em espanhol postado pelo usuário Soyespirita 31 , estudioso do espiritismo, nos Estados Unidos, que fala sobre a técnica apometria, sua origem, seu fundador, José Lacerda, e sobre espiritismo.

Considerações finais

Da análise quantitativa é possível chegar a alguns apontamentos. Primeiro, o expressivo crescimento das postagens, saltando de 5 em 2007 para 75 em agosto de 2011.

31 Link do usuário cadastrado no site Youtube: <http://www.youtube.com/user/Soyespirita>. Acesso em:

17 fev. 2011.

Segundo, a disparidade entre a quantidade de vídeos armazenados e de vídeos disponibilizados. Outro dado interessante é a rede semântica de termos que gira em torno dos vídeos. Tal rede semântica perfaz uma gradação que interliga esoterismo, terapias alternativas e/ou holísticas, religiões mediúnicas e líderes religiosos espíritas.

Como terceiro apontamento, o grande número de exibições em face dos números de vídeos postados, destacando-se o maior número de vídeos que abordavam a apometria. O quarto e o quinto apontamento, a divisão temática e apoio ao uso, confirmando que no ambiente do Youtube os vídeos de apometria estão ligados ao espiritismo e a terapias holísticas, bem como a defesa de sua utilização nas casas espíritas, a despeito das manifestações de lideranças em contrário. O sexto apontamento diz respeito ao tipo de abordagem usado nos vídeos, destacando-se o caráter pedagógico das postagens, com o objetivo de apresentar didaticamente aos internautas a concepção, as técnicas e os usos da técnica terapêutica espiritualista em debate. Isso demonstra que grupos, pessoas e redes ligados à apometria pretendem mostrar a técnica e seus fundamentos teóricos num espaço de ampla divulgação e fácil acessibilidade. O sétimo apontamento é como a técnica permite a produção de hibridismos, combinações e conotações diversificadas.

No mundo onde o homem globalizado utiliza a internet como um espaço público universal, o Youtube é uma ferramenta que, ao permitir o compartilhamento, a exibição dos arquivos contendo a técnica, contribui para sua difusão e sua ressignificação. A postagem no site propicia que sua divulgação atinja fronteiras distantes de seu lócus original, onde sua desterritorialização promove ressignificações e recombinações que modificam e ampliam suas práticas.

A divulgação de vídeos contendo palestras, aulas, imagens, posicionamentos permite não só expressar conflitos de terminologias que ocorrem nos campos das terapias e das religiosidades mediúnicas, mas constituir no próprio ciberespaço uma dinâmica específica de repercussão, porosidade, rupturas e ampliação das simbologias produzidas pela técnica.

Não há um consenso quanto à sua utilização no campo espírita, mas ao se inserir no campo das terapias holísticas a apometria apresenta-se como nova opção terapêutica, o que acirra o conflito existente entre o campo da psicologia e o das terapias alternativas e religiosas.

Quando terapeutas holísticos e espíritas apômetras fazem o download e/ou compartilham um arquivo relacionado ao tema, garantem sua maior visibilidade para além do ambiente virtual, dentro e fora de seu lócus original, de maneira abrangente e imensurável. Enquanto protagonista do site, cada usuário tem a oportunidade de agregar à técnica discussões, opiniões, conteúdos, crenças, valores, funcionalidades diversas de acordo com seus próprios interesses e convicções.

A presença da apometria nas redes de compartilhamento evidencia como se dão as relações entre seus opositores e seus adeptos, suas combinações religiosas/terapêuticas e para que “territórios simbólicos” ela se expandiu ao se popularizar.

Referências

AMARAL, Leila. Carnaval da alma: comunidade, essência e sincretismo na Nova Era. Petrópolis, Vozes, 2000.

AUBRÈE, Marion, LAPLANTINE, Francois. A mesa, o livro e os espíritos: gênese e evolução do movimento social espírita entre França e Brasil. Maceió, EDUFAL, 2009.

BOURDIEU, Pierre. gênese e estrutura do campo religioso. In: ————. Economia das trocas simbólicas. São Paulo, Perspectiva, 1978.

————. Dissolução do religioso. In: ————. Coisas ditas. São Paulo, Brasiliense, 2004, p.

119-125.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. A crise das instituições tradicionais produtoras de sentido. In:

MOREIRA, Alberto, ZICMAN, Renée (Org.). Misticismo e novas religiões. Petrópolis, Vozes, 1994, p. 23-42.

BURGESS, Jean, GREEN, Joshua. Youtube e a revolução digital. São Paulo, Aleph, 2009.

CAMARGO, Cândido Procópio Ferreira. Kardecismo e umbanda: uma interpretação sociológica. São Paulo, Pioneira, 1961.

————. Católicos, protestantes, espíritas. Petrópolis, Vozes, 1973.

CAMURÇA, Marcelo Ayres. Entre o cármico e o terapêutico: dilema intrínseco ao Espiritismo. Rhema, Juiz de Fora, v. 6, n. 23 (2000) 113-128.

————. A realidade das religiões no Brasil no Censo do IBGE-2000. In: TEIXEIRA, Faustino, MENEZES, Renata. As religiões no Brasil: continuidades e rupturas. Petrópolis, Vozes, 2006, p. 35-46.

CAVALCANTI, Maria Laura. O mundo invisível: cosmologia, sistema ritual e noção de pessoa no espiritismo. Rio de Janeiro, Zahar, 1983

D’ANDREA, A. A. F. O self perfeito e a Nova Era: individualismo e reflexividade em religiosidades pós-tradicionais. São Paulo, Loyola, 1999.

GREENFIELD, Sidney M. O corpo como uma casca descartável: as cirurgias do Dr. Fritz e o futuro das curas espirituais. Religião e Sociedade, Rio de Janeiro, v. 16, n. 1-2 (1992) 136-145.

————. Cirurgias do além. Pesquisas antropológicas sobre curas espirituais. Petrópolis, Vozes, 1999.

HERVIEU-LÉGER, D. O peregrino e o convertido: a religião em movimento. Petrópolis, Vozes,

2008.

LAPLANTINE, F., RABEYRON, P. Medicinas paralelas. São Paulo, Brasiliense. 1989.

LEMOS, A. Cibercultura como território recombinante. In: TRIVINHO, Eugênio, CAZELOTO, Edilson. A cibercultura e seu espelho [recurso eletrônico]: campo de conhecimento emergente e nova vivência humana na era da imersão interativa. São Paulo, ABCiber/Instituto Itaú Cultural, 2009. Disponível em: <http://www.abciber.org/publicacoes/livro1/>. Acesso em: 19 jul. 2011.

LEMOS, André, LÉVY, Pierre. O futuro da internet. Em direção a uma ciberdemocracia planetária. São Paulo, Paulus, 2010.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo, Ed. 34, 1999.

RABELO, Mirian. C. Religião e cura: algumas reflexões sobre a experiência religiosa das classes populares urbanas. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 9(3) (jul.-set. 1993) 316-

325.

SANCHIS, Pierre. As religiões dos brasileiros. Horizonte, Belo Horizonte, v. 1, n. 2 (2º sem. 1997) 28-43.

SERRANO, Alan Índio. O que é medicina alternativa. São Paulo, Abril Cultural/Brasiliense,

1985.

SERRANO, Paulo Henrique Souto Maior. Cognição e interacionalidade através do Youtube. Biblioteca Online de Ciências da Comunicação (1999). Disponível em:

<http://www.bocc.ubi.pt/~boccmirror/pag/serrano-paulocognicao-interacionalidade-youtube.pdf >. Acesso em: 20 jul. 2011.

TAVARES, Fátima Regina G. Alquimias da cura: um estudo sobre a rede terapêutica alternativa no Rio de Janeiro. Tese (Doutorado). Rio de Janeiro, IFCS/UFRJ, Programa de Pós- Graduação em Sociologia, 1998.

TAVARES, Fátima Regina Gomes, DUARTE, Joelma do Patrocínio, COGNALATO, Rosana Pontes. Movimento Nova Era e a reconfiguração do social (da contracultura à heterodoxia terapêutica). Antropolítica, Niterói, n. 28 (1º sem. 2010) 177-196.

VASCONCELOS, Eymard Mourão. A espiritualidade no cuidado e na educação em saúde. In:

———— et al. (Org.). A espiritualidade no trabalho em saúde. São Paulo, Hucitec, 2006, p.

42-60.

Literatura nativa

AZEVEDO, José Lacerda. Espírito/Matéria: novos horizontes para a medicina. 7. ed. Porto Alegre, Pallotti, 2002. Disponível em: <http://pt.scribd.com/doc/49186041/Apometria- Portugues-Espirito-Materia-1-Jose-Lacerda-de-Azevedo>. Acesso em: 20 maio 2010.

COSTA, Vitor Ronaldo. Apometria. Novos horizontes da medicina espiritual. Matão, Casa Editora O Clarim, 1997.

FRANCO, Divaldo Pereira. Apometria não é espiritismo. Disponível em: <http://chico- xavier.com/2011/02/21/divaldo-fala-sobre-apometria>. Acesso em: 20 maio 2010.

KARDEC, Allan. Livro dos médiuns ou guia dos médiuns e dos evocadores. Rio de Janeiro, Gráfica e Editora Léon Denis, 2009.

SILVEIRA, Érika. Apometria. Revista Cristã de Espiritismo, 3. ed (2006). Disponível em:

<http://www.rcespiritismo.com.br/>. Acesso em: 20 maio 2010.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE APOMETRIA. Curso básico de apometria. Apostila. Disponível em: <http://www.apometria.info/materiais>. Acesso em: 20 maio 2010.

RODRIGUEZ, Luiz J. Muito além da morte. Dibbuk, Satanás e Freud (Chave para libertação da psiquiatria). Rio de Janeiro, Livraria Freitas Bastos, 1965.

TAFFARELLO, J. C., TAFFARELLO, M. Apometria de A a Z: com impulsoterapia. 2. ed. Limeira, Editora do Conhecimento, 2009.