Вы находитесь на странице: 1из 85

CONECTIVIDADE

TIPOS DE CONEXÃO DE REDES
TIPOS DE CONEXÃO
DE REDES

Prof. Luiz Maia www.luizmaia.com.br

CONECTIVIDADE

HISTÓRICO

CONECTIVIDADE

CONECTIVIDADE 33

CONECTIVIDADE

HISTÓRICO

• O primeiro experimento conhecido de conexão de computadores em rede foi feito em 1965, nos Estados Unidos, por obra de dois cientistas: Lawrence Roberts e Thomas Merril.

• A experiência foi realizada por meio de uma linha telefônica discada de baixa velocidade, fazendo a conexão entre dois centros de pesquisa em Massachusetts e na Califórnia.

• Em 1969, um projeto da Agência Norte Americana Advanced Research and Projects Agency (ARPA) criou a rede ARPANET, que inicialmente era formada por 4 localidades

• Na década de 70, após estudos realizados, criou-se a arquitetura TCP/IP que mais tarde se integrou a rede ARPANET formando a Internet.

CONECTIVIDADE

HISTÓRICO

Até a década anterior os computadores eram máquinas gigantescas que processavam informações por meio da leitura de cartões ou fitas magnéticas. Não havia interação entre o usuário e a maquina.

A

partir de 1970, com o desenvolvimento dos minicomputadores

de 32 bits, os grandes fabricantes, como IBM, HP e Digital, já começavam a planejar soluções com o objetivo de distribuir o poder de processamento dos mainframes e assim facilitar o

acesso às informações.

O sistema operacional Unix, desenvolvido em 1969 que se popularizou na década de 80, era um sistema portável e modular, capaz de rodar em vários computadores e evoluir junto com o hardware. Os sistemas operacionais da época eram escritos em Assembler, linguagem especifica para a plataforma de hardware.

O Unix foi escrito quase totalmente em C, uma linguagem de alto

nível.

CONECTIVIDADE

HISTÓRICO

• Com o desenvolvimento da arquitetura TCP/IP, da Internet, do sistema operacional Unix, dos computadores de pequeno porte com processamento descentralizado, criou- se a necessidade de desenvolver também tecnologias e meios de transmissão capazes de realizar o acesso a essas redes.

CONECTIVIDADE

PROTOCOLOS

CONECTIVIDADE

PROTOCOLOS

• Na comunicação de dados e na interligação em rede, protocolo é um padrão que especifica o formato de dados e as regras a serem seguidas. Sem protocolos, uma rede não funciona. Um protocolo especifica como um programa deve preparar os dados para serem enviados para o estado seguinte do processo de comunicação.

• É uma regra, um padrão, uma linguagem para permitir a comunicação entre as máquinas.

88

CONECTIVIDADE

Protocolos de Enlace de Dados

• A camada de enlace de dados é responsável pelo controle da transmissão dos dados pelos enlaces entre os nós da rede, ou seja, realiza o controle da comunicação nó a nó.

• A finalidade do protocolo é transferir blocos de dados, sem erros, entre dois dispositivos conectados a um mesmo enlace físico.

REDE

dois dispositivos conectados a um mesmo enlace físico. REDE ROUTER 1 ROUTER 2 ROUTER 3 ROUTER
dois dispositivos conectados a um mesmo enlace físico. REDE ROUTER 1 ROUTER 2 ROUTER 3 ROUTER
ROUTER 1 ROUTER 2 ROUTER 3 ROUTER 4 ENLACE ENLACE ENLACE
ROUTER 1
ROUTER 2
ROUTER 3
ROUTER 4
ENLACE
ENLACE
ENLACE

99

CONECTIVIDADE

CONEXÃO LOCAL

1010

CONECTIVIDADE

Conexão Local

• As conexões em Redes Locais (Local Area Networks - LANs), podem ser caracterizadas como sendo uma rede que permite a interconexão de equipamentos de comunicação de dados numa pequena região, onde as distâncias entre os equipamentos estejam por volta de 100m.

• Outras características típicas encontradas e comumente associadas a rede locais são: alta taxas de transmissão (de 10Mbps a 1 Gbps) e baixas taxas de erro (de 10-8 a 10-11), além de ser de propriedade privada em geral.

1111

CONECTIVIDADE

Área de Abrangência

LAN (Local Area Network): Pequeno número de computadores em áreas restritas (pequenas distâncias entre eles) Redes Locais

MAN (Metropolitan Area Network): Médio número de computadores em áreas de grande porte (cidades) Redes Metropolitanas

WAN (Wide Area Network): Grande número de computadores em áreas envolvendo várias cidades e/ou países Redes de Amplo Alcance

1212

CONECTIVIDADE

Área de Abrangência

CONECTIVIDADE Área de Abrangência 1313

1313

CONECTIVIDADE

Vantagens

Compartilhando arquivos: Através de redes locais é possível compartilhar informações (arquivos e diretórios) com outros computadores interligados na rede.

Compartilhando recursos: Isso significa que você pode configurar certos recursos do computador (como um drive, uma impressora,

cd-rom, etc acessá-los.

)

para que todos os computadores na rede possam

Compartilhando programas: Algumas vezes, é melhor colocar programas que todos usam em um disco compartilhado, em vez de manter cópias separadas deles no computador de cada um.

Compartilhamento de Conexão: Tem o objetivo de realizar o compartilhamento de acesso a Internet, por exemplo, através de uma rede local.

1414

CONECTIVIDADE

Exemplo

CONECTIVIDADE Exemplo 1515

1515

CONECTIVIDADE

1616

CONECTIVIDADE

Padrões de Conexão Local IEEE 802

1717

CONECTIVIDADE

IEEE 802.2

• Também chamado de LLC (Logical Link Control – Controle Lógico para Conexão), este protocolo roda em cima das demais especificações do (IEEE 802.3, IEEE 802.5, etc) determinando a metade superior da camada de Conexão de Dados (Data Link) \ Enlace.

• Desta forma, o IEEE 802.2 providencia uma barreira que separa os mecanismos envolvidos com o meio físico da camada de Rede (Network), controlando o fluxo de dados e a detecção e correção de possíveis erros de transmissão.

• Resumindo, é este protocolo que irá fazer a interface entre os protocolos de camada física e a camada de rede.

1818

CONECTIVIDADE

IEEE 802.3

• É o padrão tradicional das redes LAN´s com acesso físico que suporta velocidade de 10Mbps (Ethernet), 100Mbps (FastEthernet – 802.3u) e 1Gbps (GigaBitEthernet –

802.3z).

• Utiliza o conceito de detecção de colisão, chamado CSMA/CD, onde todos os computadores compartilham o mesmo meio e somente um máquina pode transmitir de cada vez, sendo que se duas transmitirem ao mesmo tempo ocorrerá a colisão.

• Utiliza

grosso),

10base2 (Cabo coaxial fino), 10baseF (fibra óptica), 100baseT, e outros.

padrões

10base5

(Cabo

coaxial

os

1919

CONECTIVIDADE

Método de acesso CSMA/CD

CONECTIVIDADE Método de acesso CSMA/CD 2020

2020

CONECTIVIDADE

IEEE 802.3

CONECTIVIDADE IEEE 802.3 2121

2121

CONECTIVIDADE

IEEE 802.3

24 bits

CONECTIVIDADE IEEE 802.3 24 bits 24 bits Código do fornecedor Número de série 00AA00.2CFACA Endereços MAC
CONECTIVIDADE IEEE 802.3 24 bits 24 bits Código do fornecedor Número de série 00AA00.2CFACA Endereços MAC

24 bits

CONECTIVIDADE IEEE 802.3 24 bits 24 bits Código do fornecedor Número de série 00AA00.2CFACA Endereços MAC
CONECTIVIDADE IEEE 802.3 24 bits 24 bits Código do fornecedor Número de série 00AA00.2CFACA Endereços MAC

Código do fornecedor

Número de série

00AA00.2CFACA

Endereços MAC - Exemplos de códigos de fornecedores:

00-00-0C Cisco 00-00-1B Novell 00-00-1D Cabletron 00-AA-00 Intel 00-80-48 Compex

2222

CONECTIVIDADE

IEEE 802.5

• Utilizam o método de passagem de bastão, as redes

802.5 e Token Ring são chamadas de determinísticas, já que é possível calcular o tempo necessário para que

a informação flua de um nó até outro.

• Essas redes também possuem alguns mecanismos para

a resolução de erros que as redes do tipo Ethernet não possuem, além de evitar colisões.

• Usado em topologia do tipo anel.

2323

CONECTIVIDADE

IEEE 802.11

• Padrão Ethernet Sem Fio / Wireless / WLan / Wi-Fi

• Também utiliza o 802.2 para camada de acesso ao nível lógico (LLC)

• Utiliza autenticação para verificar se uma estação está autorizada a se comunicar com outra estação em uma dada área de cobertura ou entre um AP (Access Point) e cada estação.

• O método de criptografia é conhecido como WEP (Wireless Equivalent Privacy) ou WPA (Wi-Fi Protected Access), que se destina a fornecer às redes sem fio o mesmo nível de segurança das redes convencionais.

• Utiliza Método de acesso CSMA/CA - Antes de transmitir efetivamente um pacote, a estação avisa sobre a transmissão e em quanto tempo a mesma irá realizar a tarefa, evitando colisões e retransmissões.

2424

CONECTIVIDADE

IEEE 802.11

PADRÃO

TAXA DE

ALCANCE

FREQUÊNCIA

COMPATIBILIDADE

CUSTO

BITS

802.11a

54Mbps

25m a

5GHz

Incompatível com o 802.11b e 802.11g

Alto

100m

802.11b

11Mbps

100m a

2.4GHz

Adoção

Mais

150m

generalizada.

Baixo de

todos

802.11g

108Mbps

100m a

2.4GHz

Compatibilidade com o 802.11b a

Baixo

150m

11Mbit/s

802.11 n

300Mbps

400m

2.4GHz ou

Compatível com os demais, dependendo da frequência

Médio

(MIMO)

5GHz

2525

CONECTIVIDADE

IEEE 802.11n

CONECTIVIDADE IEEE 802.11n 2626

2626

CONECTIVIDADE

IEEE 802.11

CONECTIVIDADE IEEE 802.11 2727

2727

CONECTIVIDADE

IEEE 802.11

CONECTIVIDADE IEEE 802.11 2828

2828

CONECTIVIDADE

IEEE 802.11

Intervalo de Freqüência

2.4 GHz é muito propenso a interferências devido a alta penetração

– WLAN

– Telefones sem fio

– Dispositivos Bluetooth

5 GHz implica em menos interferência mas,

– Alta taxa de absorção (chuva, prédios, pessoas)

– Células menores

2929

CONECTIVIDADE

IEEE 802.11

CONECTIVIDADE IEEE 802.11 3030

3030

CONECTIVIDADE

IEEE 802.11

CONECTIVIDADE IEEE 802.11 3131

3131

CONECTIVIDADE

IEEE 802.15

• Também conhecido como Redes Pan (pessoal area network)

Bluetooth

• Diâmetro inferior a 10m

• Substituição de cabos (mouse, teclado, fones)

• Frequência: 2,45 GHz

• Velocidade de 1Mbps

inferior a 10m • Substituição de cabos (mouse, teclado, fones) • Frequência: 2,45 GHz • Velocidade
inferior a 10m • Substituição de cabos (mouse, teclado, fones) • Frequência: 2,45 GHz • Velocidade

3232

CONECTIVIDADE

IEEE 802.16

• Também conhecido como padrão WiMax

• Características Principais:

– Não há necessidade de Visada

– Alto Alcance (pode atingir 50 Km)

– Altas Velocidades (pode atingir 75 MBps)

• Em fase de implantação no Brasil. Utilizará, principalmente a faixa de frequência de 3,5GHz.

• A Embratel adquiriu licenças em todo o Brasil e já está operando em várias regiões desde Março de 2008.

3333

CONECTIVIDADE

IEEE 802.16

CONECTIVIDADE IEEE 802.16 3434

3434

CONECTIVIDADE

Padrões IEEE sem fio

CONECTIVIDADE Padrões IEEE sem fio 3535

3535

CONECTIVIDADE

CONEXÃO DISCADA

3636

CONECTIVIDADE

CONEXÃO DISCADA

• Conexão por linha discada ou dial up, é um tipo de acesso à Internet no qual uma pessoa usa um modem e uma linha telefônica para se conectar a um nó de uma rede de computadores do ISP (Internet Service Provider – Provedor de Serviços de Internet).

• A partir desse momento, o ISP encarrega-se de fazer o roteamento para a Internet.

• O dial-up geralmente usa os protocolos PPP e TCP/IP e acesso através de conexão assíncrona entre a residência e o ISP.

• Pode utilizar dois protocolos para fazer autenticação: PAP e CHAP.

• Este tipo de acesso perde adeptos devido à massificação de acessos de banda larga, como o xDSL, ISDN e as ligações por cabo.

3737

CONECTIVIDADE

CONECTIVIDADE 3838

3838

CONECTIVIDADE

Autenticação PAP

• Utilizando o protocolo PAP (Password Autentication Protocol) o cliente se autentica enviando um nome de usuário e uma senha, que opcionalmente pode estar encriptada, a qual é comparada com a base de senhas secretas do servidor.

• Esta técnica é vulnerável contra intrusos que tenham condições de verificar todo o tráfego corrente na linha serial, e consigam capturar um usuário válido e a sua senha, ou contra tentativas de ``adivinhação'' de senhas através do método de tentativas e erros.

3939

CONECTIVIDADE

Autenticação CHAP

O protocolo CHAP (Challenge Handshake Authentication Protocol) é um método de autenticação que envia uma representação da senha do usuário, em vez da própria senha.

• Com o CHAP, o servidor de acesso remoto (RAS) envia um desafio ao cliente de acesso remoto.

• O cliente de acesso remoto utiliza um algoritmo de hash para calcular um resultado usando a senha informada pelo usuário.

• O cliente de acesso remoto envia o resultado para o RAS.

• O RAS que também tem acesso ao resultado hash da senha do usuário, realiza o mesmo cálculo usando o algoritmo de hash e compara o resultado com o enviado pelo cliente.

• Se os resultados corresponderem, as credenciais do cliente de acesso remoto serão consideradas autênticas.

4040

CONECTIVIDADE

TARIFAÇÃO DIAL-UP

Tarifa normal: Tarifação por pulsos (atualmente por minutos), da mesma forma que é feita a tarifação de uma ligação de voz

Tarifa Plana: Tarifação única mensal, podendo utilizar o serviço a qualquer hora e pagando um valor único.

4141

CONECTIVIDADE

CONEXÃO REMOTA

4242

CONECTIVIDADE

CONEXÃO REMOTA

• É a integração de redes locais instaladas em locais fisicamente distantes e também a possibilidade de integração de computadores localizados distante da rede de modo a operarem como se estivessem localmente conectados à mesma.

• Tipos de Acesso Remoto

• Um computador estabelece uma conexão remota em uma rede através de um modem para uma conexão do tipo dial-up ou de uma conexão com a Internet para VPN’s

• Um computador fica passivo enquanto um outro toma controle completamente através de ligação direta ou pela Internet

4343

CONECTIVIDADE

Acesso Remoto

CONECTIVIDADE Acesso Remoto 4444

4444

CONECTIVIDADE

Acesso Remoto

CONECTIVIDADE Acesso Remoto 4545

4545

CONECTIVIDADE

1) Qual a função da detecção de colisão em uma rede de computadores? 2) Em um endereço MAC quantos e quais bytes compõe a identificação do fabricante? 3) Que(ais) tipo(s) de comunicação utiliza a mesma frequência de telefone sem fio? justifique. 4) Qual protocolo é passível de sniffers CHAP ou PAP? justifique.

4646

CONECTIVIDADE

CONEXÃO DEDICADA

4747

CONECTIVIDADE

Conexão Dedicada

• Acesso Dedicado à Internet (ADI) permite interconectar uma rede - tipicamente a rede LAN de uma organização - à Internet e transportar rapidamente informação crítica e vital para sua empresa para qualquer ponto com uma largura de banda determinada e de maneira exclusiva.

• Permite maiores velocidades se comparada a conexão discada, maior qualidade e oferece maior segurança no transporte das informações

• Pode ser utilizada para realizar conexões entre empresas além de acesso a Internet

4848

CONECTIVIDADE

PPP

4949

CONECTIVIDADE

PROTOCOLO PPP

PPP (Point-to-Point Protocol)

• Protocolo que atua na camada 2 (enlace) do modelo OSI

• Protocolo orientado a caracter (8bits) – Os demais são orientados a bit´s

• É um protocolo para transmissão de pacotes através de linhas seriais ponto a ponto.

• A conexão entre os pontos deve prover operação full-duplex e os pacotes são entregues em ordem.

5050

CONECTIVIDADE

PROTOCOLO PPP

• O PPP não define nenhum tipo de endereçamento, pois existe apenas um receptor em cada conexão

• É utilizado para transportar protocolos de camadas superiores, por exemplo IP, IPX, Apple Talk, etc.

• Atua em conjunto com outros protocolos como CHAP / PAP (protocolos de autenticação) e LCP (controlar a conexão)

• Exemplo: Conexão a Internet via linha discada (assíncrona)

5151

CONECTIVIDADE

PPP x TCP/IP

CABEÇALHO

TCP

DADOS

CABEÇALHO

IP

DADOS

CABEÇALHO

PPP

DADOS

Camada 4 Transportes

Camada 3 Rede

Camada 2 Enlace

5252

CONECTIVIDADE

PPP

132.147.160.80 DSU/CSU DSU/CSU Roteador 1 44.0.0.1 Roteador 2 44.0.0.2
132.147.160.80
DSU/CSU
DSU/CSU
Roteador 1
44.0.0.1
Roteador 2
44.0.0.2

Servidor 1

Windows NT

132.147.160.81

DSU/CSU Roteador 1 44.0.0.1 Roteador 2 44.0.0.2 Servidor 1 Windows NT 132.147.160.81 Servidor 2 Windows NT

Servidor 2

Windows NT

5353

CONECTIVIDADE

PPP

Servidor

Windows NT

200.247.9.2 192.168.1.2 Roteador
200.247.9.2
192.168.1.2
Roteador

200.247.9.1

Internet

192.168.1.1
192.168.1.1

Default Gateway

200.247.9.2

PPP

Síncrono

Default Gateway

192.168.1.1

5454

CONECTIVIDADE

Dedicadas x Estatísticas

Circuito Dedicado

roteador roteador roteador roteador
roteador
roteador
roteador
roteador
CONECTIVIDADE Dedicadas x Estatísticas Circuito Dedicado roteador roteador roteador roteador 5555

5555

CONECTIVIDADE

ISDN

5656

CONECTIVIDADE

ISDN

• Integrated Service Digital Network (ISDN) ou Rede Digital de Serviços Integrados (RDSI)

• Função: Substituir a rede telefônica convencional analógica por uma rede digital capaz de transportar voz, dados e vídeo.

• BRI: Basic Rate Interface

• PRI: Primary Rate Interface

5757

CONECTIVIDADE

ISDN BRI

• 2B + D = 140Kbps

– 2 canais de 64Kbps (B) para voz, dados e vídeo

– 1 canal de 16Kbps (D) para sinalização

• O usuário poderá:

– Fazer um ligação telefônica simultânea ao acesso Internet de

64Kbps

– Fazer duas ligações simultâneas

– Acessar a Internet a

128Kbps

– Etc.

ao acesso Internet de 64Kbps – Fazer duas ligações simultâneas – Acessar a Internet a 128Kbps

5858

CONECTIVIDADE

ISDN BRI

CONECTIVIDADE ISDN BRI 5959

5959

CONECTIVIDADE

ISDN PRI

• 30B + D = 2048Kbps

– 30 canais de 64Kbps (B) para voz, dados ou vídeo

– 1 canal de 64Kbps (D) para sinalização

• Obs.

– Padrão E1 = 30 canais B (Brasil, Europa)

– Padrão T1 = 23 canais B (Japão, USA, Canadá)

• Utilizado em conexões de centrais, Pabx´s, backbones, links dedicados, etc.

23 canais B (Japão, USA, Canadá) • Utilizado em conexões de centrais, Pabx´s, backbones, links dedicados,

6060

CONECTIVIDADE

ADSL

6161

CONECTIVIDADE

ADSL
ADSL

A tecnologia ADSL (Asymmetric Digital Subscriber Line - Linha Digital Assimétrica de Assinante) opera com transmissões assimétricas (bandas/taxas de transmissão diferentes) a velocidade upstream (sentido assinante/rede) de 512Kbps à 1,5Mbps e downstream (sentido do provedor internet/assinante) que variam de 1,5 à 8 Mbps.

Upstream - 64 à 640Kb/s

Provedor Internet Downstream - 1,5 à 8Mb/s
Provedor
Internet
Downstream - 1,5 à 8Mb/s

6262

CONECTIVIDADE

ADSL

Assinante

Central

Telefônica

Rede Par Metálico Distância máxima Switch Telefônica Filtro 5,4km DSLAM Internet ADSL “modem”
Rede
Par Metálico
Distância máxima
Switch
Telefônica
Filtro
5,4km
DSLAM
Internet
ADSL
“modem”

6363

ADSL

FULL

RATE

ADSL

G-LITE

CONECTIVIDADE

ADSL

ADSL FULL RATE ADSL G-LITE CONECTIVIDADE ADSL 6464

6464

CONECTIVIDADE

Qual é a faixa de frequência do sinal ADSL?

subida

descida Bits/ tom 0 30,2 129,4 163,9 1.104 f (KHz) Discrete Multi-Tone
descida
Bits/
tom
0 30,2
129,4 163,9
1.104
f (KHz)
Discrete Multi-Tone

256 tons de portadoras

Cada tom transporta um sinal QAM

Largura de banda de cada Tom = 4 Khz

Largura de guarda de cada Tom= 0,3125 Khz

Freq. Máx. = 256 * 4,3125 = 1.104 Khz

6565

CONECTIVIDADE

ADSL

End to End TCP-IP Section - TP4 PPP Authentication Section - TP3 Service ADSL Service
End to End TCP-IP Section - TP4
PPP Authentication Section - TP3
Service
ADSL Service - TP2
Provider
Transmission - TP1
Central
Customer
ATM Data
Network
B-RAS
Office
Premises
Gateway
Loop
POTS
ATU-R
Network
Element
Modem
Splitter
Manager
Não é possível exibir esta imagem no momento.
DSLAM

* B-RAS: servidor de acesso remoto – banda larga

6666

CONECTIVIDADE

xDSL

6767

CONECTIVIDADE

CONECTIVIDADE 6868

6868

CONECTIVIDADE

Satélite

6969

CONECTIVIDADE

Satélites

• Indicado para locais onde a chegada dos demais meios de aceso não é viável, pois trata-se da solução mais cara existente.

• Os Sistemas Satélite são constituídos de duas partes bem definidas: Segmento Espacial (Satélite) e Segmento Terrestre (Estações Terrenas).

• Freqüências utilizadas: faixa de 5MHz (banda C - antenas maiores), 12MHz (banda Ku – antenas menores) e outras.

7070

CONECTIVIDADE

Satélite

CONECTIVIDADE Satélite 7171

7171

CONECTIVIDADE

Satélite

CONECTIVIDADE Satélite 7272

7272

CONECTIVIDADE

Acesso via Rádio

7373

CONECTIVIDADE

Sistemas Rádio

• Utiliza ondas eletromagnéticas entre Transmissor e receptor. Exemplos: Wireless e Redes Celulares

• Em redes LAN`s, temos o padrão IEEE 802.11 (a,b ou g) já estudado, utilizado já em grande escala

• Em rede WAN´s, além do padrão ainda em fase de estudos IEEE 802.20 para conexões de alta velocidade (ponto multiponto), temos vários soluções ponto a ponto utilizadas para conexões de rede dedicadas

7474

CONECTIVIDADE

Sistemas Rádio

Ponto a Ponto: ligação de dois pontos através de um par de freqüências (ida e volta), nas faixas de 400 MHz, 900 MHz, 8,5 GHz, 15 GHz, 18 GHz, 23 GHz e 38 GHz (FDD), ou de uma única freqüência, na faixa de 2,4 GHz (TDD).

Ponto Multiponto: ligação de um ponto a vários pontos através de um par de freqüências (ida e volta), nas faixas de 400 MHz e 2 GHz. Será utilizado no padrão IEEE 802.20 (somente o conceito de multiponto, pois a freqüências a serem utilizadas serão outras)

7575

CONECTIVIDADE

Sistemas Rádio

• Acess Point de uma rede IEEE 802.11 (ponto-multiponto)

CONECTIVIDADE Sistemas Rádio • Acess Point de uma rede IEEE 802.11 (ponto-multiponto) 7676

7676

CONECTIVIDADE

Sistemas Rádio

Antenas Ponto a Ponto para Conexões WAN

CONECTIVIDADE Sistemas Rádio Antenas Ponto a Ponto para Conexões WAN 7777

7777

CONECTIVIDADE

Acesso via Fibra Óptica

7878

CONECTIVIDADE

Fibra Óptica

• A transmissão da informação é feita através de sinais luminosos infravermelho ou visível

• As fibras ópticas são imunes a interferências eletromagnéticas, ruídos elétricos e sofrem menos atenuações

• Devido a estas características, as fibras possuem grandes capacidades de transmissão de sinais (altas velocidades) e atingem grandes distâncias

• Também podem ser utilizadas em redes WAN´s e LAN`s (10BaseFL, 100baseFX, 1000BaseSX, 1000BaseLX)

7979

CONECTIVIDADE

PLC

8080

CONECTIVIDADE

PLC

• Power Line Communications

• Utiliza a rede elétrica das empresas de transmissão de energia elétrica

• Utiliza a faixa frequências entre 1,6MHz e 30 MHz.

• Os dispositivos atualmente disponíveis permitem capacidades de até 100Mbps.

8181

CONECTIVIDADE

PLC NO MUNDO

CONECTIVIDADE PLC NO MUNDO 8282

8282

CONECTIVIDADE

TOPOLOGIA PLC

CONECTIVIDADE TOPOLOGIA PLC 8383

8383

CONECTIVIDADE

Outras discussões:

• Conexão permanente ou temporária

• Serviços orientados a conexão

• Backbone

• Half-duplex, full-duplex

8484

CONECTIVIDADE

REVISÃO

1) Em conexões xDsl o que é mais rápido enviar um arquivo ou assistir a um vídeo? Justifique. 2) Quais as principais dificuldades encontradas na tecnologia PLC no contexto Brasil? 3) Quais os motivos que levaram o Adsl a substituir o ISDN nas residências? 4) O que são e quais as diferenças entre Serviços Orientados à Conexão e Serviços Sem Conexão? 5) Cite dois exemplos de aplicações para as quais é apropriado um serviço orientado à conexão. Agora, cite dois exemplos para os quais é mais apropriado um serviço sem conexão. 6) Explique o que é uma comunicação simplex, half-duplex e full-duplex. 7) Explique o método de controle de colisão CSMA/CD. 8) Diferencie Conexão Temporária e Conexão Permanente.

8585

Оценить