You are on page 1of 12
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA POLO POUSO REDONDO PROJETO DE EXTENSÃO: CURSO DE LÍNGUA ESPANHOLA, CULTURA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA POLO POUSO REDONDO

PROJETO DE EXTENSÃO:

CURSO DE LÍNGUA ESPANHOLA, CULTURA E LITERATURA HISPANOAMERICANA

PROFESSORAS/TUTORAS:

NELIANE JOVIATTI CHRISTHIANE E LOURDES FIGUEIREDO

POUSO REDONDO

2015

NELIANE JOVIATTI CHRISTHIANE DE LOURDES FIGUEREDO

PROJETO DE EXTENSÃO:

CURSO DE LÍNGUAESHOLA, CULTURA E LITERATURA HISPANOAMERICANA

Projeto

apresentado

ao

Curso de

Letras/Espanhol EAD da Universidade Federal de Santa Catarina como requisito à oferta de

Curso

de

Extensão

aos

acadêmicos

e

à

comunidade.

 

POUSO REDONDO

2015

2

Hablas portunhol? No verão, os argentinos invadem as praias brasileiras. O escritor gaúcho Moacir Scliar, em um hotel na praia dos ingleses, em Florianópolis, não aguentava mais o portunhol do garçom no café da manhã. Sugeriu que ele falasse em português, por favor. Mas ele não podia:

- Es que soy argentino.

Mário Goulart, Livro dos Erros.

SUMÁRIO

3

TÍTULO

  • 1 ...........................................................................................................................

04

  • 2 APRESENTAÇÃO

.........................................................................................................

04

OBJETIVOS

  • 3 ....................................................................................................................

04

  • 3.1 OBJETIVO GERAL

......................................................................................................

04

  • 3.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

.........................................................................................

04

  • 4 JUSTIFICATIVA

............................................................................................................

05

  • 5 METODOLOGIA ...........................................................................................................

06

  • 5.1 MATERIAIS ..................................................................................................................

06

  • 5.2 ESTRATÉGIAS .............................................................................................................

07

  • 5.3 AVALIAÇÃO ................................................................................................................

07

  • 6 PROGRAMA

...................................................................................................................

08

  • 7 BIBLIOGRAFIA

.............................................................................................................

09

  • 1 TÍTULO

Curso de Espanhol: Língua, Literatura e Cultura

4

  • 2 APRESENTAÇÃO

O projeto de extensão em tela visa oportunizar a aprendizagem da língua espanhola

congregando saberes relativos à cultura e à literatura dos países hispanofalantes. Dito de outra

maneira, o projeto em tela visa oportunizar o ensino e aprendizagem da língua espanhola para

além da promoção da competência comunicativa, fazendo emprego de níveis mais avançados

e textos mais elaborados, tal como encontramos nos textos literários. Ministrado pelas

professoras/tutoras Neliane Joviatti e Cristhiane de Lourdes Figueredo, o público alvo do

mesmo são os acadêmicos do Curso de Licenciatura em Letras-Espanhol na Modalidade a

Distância da Universidade Federal de Santa Catarina do Polo de Pouso Redondo, bem como

demais membros da comunidade local. O curso compreende uma carga horária de 240h e o

tempo de duração é de 15 meses. Os encontros serão realizados nas dependências do próprio

Polo de Pouso Redondo da Universidade Federal de Santa Catarina.

  • 3 OBJETIVOS

    • 3.1 OBJETIVO GERAL

Desenvolver a aprendizagem e a prática comunicativa da língua espanhola através do estudo

da cultura e literatura dos países hispano-americanos.

  • 3.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Preparar o aluno para a aquisição e uso da língua espanhola, falada e escrita, consolidando as

estruturas da linguagem nos diferentes níveis: fônico, morfológico, sintático e semântico.

Exercitar normas, a capacidade e estratégias associadas à produção de textos orais, escritos e

iconoverbais (imagens).

Proporcionar atividades de comunicação despertando a curiosidade pelas palavras e, assim,

estimular o enriquecimento do vocabulário.

Desenvolver pesquisas didático-pedagógicas, linguísticas e culturais ligadas à língua e cultura

espanhola.

5

Oportunizar o conhecimento da língua espanhola, desenvolvendo a competência

comunicativa, entendida como a capacidade de usar a língua em diferentes contextos, por

escrito e/ou oralmente.

Sensibilizar o aluno brasileiro para diferentes culturas hispânicas, proporcionando-lhe novas

visões de mundo que possam enriquecer seus conhecimentos culturais e profissionais.

4 JUSTIFICATIVA

O número de hispanofalantes cresce a cada dia em todo o planeta. Atesta esta assertiva

a constatação segundo a qual o espanhol já figura entre as dez línguas mais faladas no planeta

e a mais falada nas Américas. Aliado a isto, a globalização, as estreitas relações com os países

vizinhos – que possuem o espanhol como língua oficial –, bem como a participação do Brasil

no Mercado Comum do Sul (MERCOSUL), encerram fatores que, de uma forma ou de outra,

contribuem e justificam o crescente interesse pela língua de Castilha em todo o país (MUNIZ;

CAVALCANTE, 2013).

O ensino de língua estrangeira em nosso país – tanto de inglês, quanto de espanhol –

assumiu, historicamente, as mesmas características do ensino de Letras, a saber: a divisão

entre os estudos linguísticos e os estudos literários. Atesta esta assertiva o fato de que, na

maior parte dos programas de graduação e pós-graduação em Letras das universidades

brasileiras, muitos dos currículos permanecem no campo da linguística disciplinar,

concebendo a língua como um objeto formal-funcional, deixando, por outro lado,

inexplorados campos inteiros da análise do discurso, como é o caso do discurso literário, que

trata a língua como um objeto semiótico ou estético.

Esta perspectiva é corroborada por Sánches (2013, p. 03), ao enfatizar que esta

dicotomia é observada com maior veemência no ensino de segundas línguas, já que nelas:

[

...

]

de um lado se oferecem disciplinas de linguística no sentido frásico, onde são

estudadas as características formais da língua nos níveis fonético, gramatical e semântico; e de outro lado se oferecem os cursos de literatura que se inscrevem mais no âmbito da história da literatura.

Ainda segundo o autor supramencionado, a esta dicotomização disciplinar entre

linguística e literatura, segue-se uma consequência indesejada, qual seja: “[

...

]

a relativização

da dimensão cultural da língua, ou seja, o esquecimento de seu caráter de criadora e

coesionadora do fazer humano” (SÁNCHES, 2013, p. 03). Tal esquecimento da dimensão

cultural designa uma das marcas mais salientes do ensino de línguas estrangeiras em nosso

6

país – tanto no ensino superior, ousamos dizer, quanto no ensino fundamental e médio –,

desde os primórdios até os dias atuais. A parte fatores sócio-históricos, como o recente auge

da língua espanhola no Brasil, o ensino de língua espanhola é paradigmático a este respeito,

uma vez que, conforme pontuam Muniz e Cavalcante (2013, p. 50):

Tendo em consideração o exposto acima, as orientações curriculares nacionais para o ensino da língua espanhola no Ensino Médio destacam a necessidade de se abordar não apenas os conteúdos gramaticais e lexicais, mas também de se explorar a heterogeneidade linguística do seu objeto de estudo em seus aspectos contextual, social, cultural e histórico, com o intuito de que se forme no aluno uma consciência crítica da existência dessa heterogeneidade e diversidade linguística e sociocultural.

Ora, a literatura presta-se muito bem a este propósito, servindo de estímulo ao

desenvolvimento do educando como ser humano crítico e cidadão, ao mesmo tempo em que o

dota de novas dimensões e de uma percepção holística do mundo. Por conseguinte, o presente

projeto justifica-se por abordar o ensino da língua espanhola para além da promoção da

competência comunicativa, o emprego de níveis mais avançados e textos mais elaborados, tal

como encontramos nos textos literários.

5 METODOLOGIA

  • 5.1 MATERIAIS

O material de base para desenvolvimento do curso compreende o material impresso e

disponibilizado pelo próprio Curso de Licenciatura, qual seja: Lengua Española I e Lengua

Española II. Também será empregado o CD de áudio Habla América.

Ademais, serão utilizados ainda outros materiais tendo em vista oportunizar interações

com músicas, filmes, roteiros de viagens, cartas, diálogos, notícias, obras literárias, entre

outros.

Também serão utilizados materiais

professores/tutores do curso.

desenvolvidos e elaborados pelos

Por fim, cumpre destacar a utilização da internet como ferramenta de pesquisa.

7

Serão realizadas aulas expositivas sobre os conteúdos compreendidos pelo curso, as

quais serão ministradas pelas professoras tutoras do curso. Além disso, serão desenvolvidas

atividades para aprimoramento das competências relativas ao escutar, repetir e representar.

O material que servirá de referência ao longo do curso, conforme mencionou-se

anteriormente, são as apostilas fornecidas pelo próprio Curso de Licenciatura, qual seja:

Lengua Española I e Lengua Española II. No entanto, visa-se introduzir elementos novos,

especialmente atinentes à literatura e cultura dos países hispanofalantes, utilizando-se de

todos os recursos materiais e didáticos compatíveis com os mesmos, como vídeos, músicas,

documentários, pesquisas na internet, entre outros.

Outra estratégia utilizada consistirá na realização de convites de nativos de países

hispanofalantes para socialização de suas experiências e conhecimentos, oportunizando,

assim, a interação entre estes e os cursistas.

Também será organizada uma viagem para a Argentina, financiada pelos próprios

cursistas. A viagem ocorrerá ao final do curso, sendo que os detalhes encontram-se no Anexo

A.

Serão realizados exercícios individuais e coletivos, em pequenos e grandes grupos,

com vistas à socialização de informações entre os participantes.

5.3 AVALIAÇÃO

A avaliação é concebida, de acordo com as normas da instituição mantenedora do

curso, como um processo permanente e, como tal, realizada a partir dos trabalhos

desenvolvidos. Neste ínterim, toma como critérios:

Participação e colaboração;

Iniciativas e criatividade;

Produção de materiais (textos, discursos, etc.) e recursos e técnicas de apresentação das

 

produções;

Oralidade;

Capacidade de pesquisa.

Cumpre destacar ainda que será avaliada a assiduidade dos cursistas, sendo exigido, no

mínimo, 75% de presença, sobremaneira para certificação dos mesmos.

8

6 PROGRAMA

O

programa

disponibilizado

a

seguir

parte

do

pressuposto

de

que

o

Curso

compreenderá 15 meses (3 semestres), com 4 encontros mensais de 4h.

   

ENCONTR

 

ANO

MÊS

O

 

CONTEÚDOS

 

2015

 

Encontro 1

UNIDADE I, 1º Período. Língua Espanhola

Encontro 2

I

Fevereiro

Encontro 3

Encontro 4

 

Encontro 5

UNIDADE

II,

Período.

Língua

Encontro 6

Espanhola I

Março

Encontro 7

Encontro 8

 

Encontro 9

UNIDADE

III,

Período.

Língua

Encontro 10

Espanhola I

Abril

Encontro 11

Encontro 12

 

Encontro 13

UNIDADE

IV,

Período.

Língua

Encontro 14

Espanhola I

Maio

Encontro 15

Encontro 16

 

Encontro 17

UNIDADE V, 1º Período. Língua Espanhola

Encontro 18

I

Junho

Encontro 19

Encontro 20

 

Encontro 21

UNIDADE

VI,

Período.

Língua

Encontro 22

Espanhola I

Agosto

Encontro 23

Encontro 24

 

Encontro 25

UNIDADE

VII,

Período.

Língua

Encontro 26

Espanhola I

Setembro

Encontro 27

Encontro 28

Outubro

Encontro 29

UNIDADE

VIII,

Período.

Língua

9

   

Encontro 30

Espanhola I

Encontro 31

Encontro 32

 

Encontro 33

UNIDADE

IX,

Período.

Língua

Encontro 34

Espanhola I

Novembro

Encontro 35

Encontro 36

 

Encontro 37

UNIDADE

X,

Período.

Língua

Dezembro

Encontro 38

Espanhola I

   

Encontro 39

UNIDADE A 2º Período. Língua Espanhola

Encontro 40

I

Fevereiro

Encontro 41

Encontro 42

 

Encontro 43

UNIDADE

B

e

C,

Período.

Língua

Encontro 44

Espanhola I

Março

Encontro 45

Encontro 46

 

Encontro 47

UNIDADE

D,

Período.

Língua

Encontro 48

Espanhola I

Abril

Encontro 49

2016

Encontro 50

 

Encontro 51

UNIDADE

E

e

F,

Período.

Língua

Encontro 52

Espanhola I

Maio

Encontro 53

Encontro 54

 

Encontro 55

UNIDADE

G

e

,H

Período.

Língua

Encontro 56

Espanhola I

Junho

Encontro 57

Encontro 58

 

Encontro 59

UNIDADE

I

e

J,

Período.

Língua

Julho

Encontro 60

Espanhola I

7 BIBLIOGRAFIA

AQUINO, R. S. L.; JESUS, N.; OSCAR, G. P. C. L. História das Sociedades Americanas.

Rio de Janeiro: Editora Ao Livro Técnico, 1990.

10

BELLINI, Giuseppe. Nueva historia de la literatura hispanoamericana. 3ª ed. Madrid:

Castalia, 1997.

BRAIT, Beth. A personagem. 4º ed. São Paulo: Ática, 2000.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da

educação nacional. Disponível em: < Disponível em: <http://www.mercosul.gov.br/tratados-e-

protocolos/tratado-de-assuncao-1>. Acesso em: 10/05/2013.>. Acesso em: 10/05/2013.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília: 2000. Disponível

em: <Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/14_24.pdf>. Acesso em:

10/05/2013.

BRASIL. Orientações curriculares para o ensino médio: Linguagens, códigos e suas

tecnologias. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2006.

DINIZ, Alai Garcia; OLIVEIRA, Leandra Cristina de; BARROS; Luizette Guimarães.

Período: Língua Espanhola I. Florianópolis: LLE/CCE/UFSC, 2008.

HUMBLÉ, Philippe; LUCINDO, Emy Soares. 2º Período: Língua Espanhola II.

Florianópolis: LLE/CCE/UFSC, 2008.

FUENTES, Carlos. A laranjeira. Tradução Carlos Nougué. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

GARCIA PEINADO, Miguel A. Hacia una teoría general de la novela. Madrid: Libros, S.

L., 1998.

GOULART, Mário. Livro dos erros: histórias equivocadas da vida real. Rio de Janeiro:

Record, 2001.

GUIMARÃES, A. História do ensino de espanhol no Brasil. In: Scientia Plena, Vol. 7, N.

11, 2011.

HERMOSO, Alfredo González. Conjugar es fácil em español de España e de América.

Madrid: Edelsa, 1996.

LEITE, Lígia Chiappini Moraes. O foco narrativo. 5º ed. São Paulo: Ática, 1991.

LOPEZ, Luiz Roberto. História da América Latina. 4ª ed. Porto Alegre_ Mercado Aberto,

1998.

MENTON, Seymour. La nueva novela histórica de la América Latina. 1979 – 1992.

México. Fondo de Cultura Económica, 1993.

MUNIZ, C. D.; CAVALCANTE, I. F. O lugar da literatura no ensino de espanhol como

língua

estrangeira.

Disponível

em:

<

11

OLIVEIRA, L. E. Dramatização e escolarização: contribuições para uma história do ensino

das línguas vivas no Brasil (1757-1827). São Cristóvão: Editora UFS: Aracaju: Editora

Oviedo Teixeira, 2010.

PEREIRA, Helena B. C.; SINGER, Rena. Michaelis: Pequeño Dicionário. São Paulo:

Melhoramentos, 1992.

POLITO, Reinaldo. Superconsejos para hablar bien en charlas y presentaciones. São

Paulo: Saraiva, 2007.

SHAW, Donald L. Nueva narrativa hispanoamericana. Boom. Posboom. Posmodernismo.

6ª ed. Madrid: Cátedro, 1999.