You are on page 1of 39

UNIDADE 1: CONCURSO DE PESSOAS

1.1 TEORIAS 1.2 PARTICIPAÇÃO 1.3 COOPERAÇÃO DOLOSAMENTE DISTINTA 1.4


AUTORIA DIRETA, MEDIATA E AUTORIA INCERTA 1.5 CO-AUTORIA. 1.6 PARTICIPAÇÃO
IMPUNÍVEL 1.7 CIRCUNSTÂNCIAS COMUNICÁVEIS E CIRCUNSTÂNCIAS
INCOMUNICÁVEIS

TEORIAS

1.1.1 Conceito:

1.1.2 Tipos de concursos:

Concurso eventual ou monossubjetivo.

Concurso necessário ou plurissubjetivo.

1.1.3 Requisitos:

Pluralidade de condutas

Relevância causal das condutas


Liame subjetivo.

Identidade de crime para todos os envolvidos.

1.1.4 Teorias quanto ao tipo penal

a) Teoria monista

b) Teoria dualística

c) Teoria pluralística.

1.1.4.1 As exceções.

PARTICIPAÇÃO:

1.2.1 Tipos de participação:

a) Participação moral.

Induzimento –
Instigação –

b) Participação material.

1.2.2 Participação mediante omissão em crime comissivo.

1.2.3 Momento da participação.

1.3 COOPERAÇÃO DOLOSAMENTE DISTINTA:

Crime menos grave:

Crime mais grave:

1.4 AUTORIA DIRETA, MEDIATA E AUTORIA INCERTA

1.4.1 Tipos de autoria

Intelectual

Direta:

Mediata:
I - Exemplo:

II – Espécies:

d) Colateral (imprópria):

e) Incerta:
1.5 CO-AUTORIA:

1.1.4 Teorias diferenciadoras entre autoria e participação:

Objetivo-formal.

Objetivo-material.

Final-objetiva.

1.6 PARTICIPAÇÃO IMPUNÍVEL:

1.7 CIRCUNSTÂNCIAS COMUNICÁVEIS E CIRCUNSTÂNCIAS INCOMUNICÁVEIS

Circunstâncias
Condições pessoais.

Elementares

1.7.1 Classificação das circunstâncias

Objetivas:

Subjetivas

1.7.2 Regras da comunicação:

a) Circunstâncias de caráter pessoal

b) Circunstâncias de caráter não-pessoal

c) Elementares

UNIDADE 2: CONCURSO DE CRIMES

2.1 INTRODUÇÃO. 2.2 CONCURSO MATERIAL: REQUISITOS, TEORIAS E ESPÉCIES 2.3


CONCURSO FORMAL: REQUISITOS, TEORIAS E ESPÉCIES 2.4 CRIME CONTINUADO:
REQUISITOS, TEORIAS E ESPÉCIES 2.5 LIMITE DAS PENAS
2.1 INTRODUÇÃO:

2.1.1 Tipos de crime:

2.1.2 Critérios:

naturalístico:

normativo:

2.1.3 Teoria da pena:


2.1.4 Aplicação da pena:

2.1.5 Concurso de infrações e execução da pena:

2.1.6 Extinção da punibilidade:


2.17 Sistemas doutrinários

Cúmulo material:

Exasperação da pena:

Absorção:

Acumulação jurídica:
2.2 CONCURSO MATERIAL: REQUISITOS, TEORIAS E ESPÉCIES

2.2.1 Concurso material benéfico:

2.1.2 Conceito:
2.1.3 Espécies:

homogêneos:

heterogêneos:

2.1.4 Aplicação de penas:

2.1.5 Pena restritiva de direitos com outra restritiva:

2.1.6 Juiz competente para a aplicação da regra do concurso material:

Juiz sentenciante:

Juiz da execução:

2.1.7 Concurso material moderado:


2.3 CONCURSO FORMAL: REQUISITOS, TEORIAS E ESPÉCIES

2.3.1 Conceito:

2.3.2 Espécies:

a) Concurso formal perfeito

b) Concurso formal imperfeito

2.3.3 Aplicação da pena:

2.4 CRIME CONTINUADO: REQUISITOS, TEORIAS E ESPÉCIES

2.4.1 Origem:

2.4.2 Conceito:

2.4.3 Teoria da Ficção jurídica quanto à natureza:

2.4.4 Teorias do crime continuado.

Subjetiva:
Objetiva:

Objetiva-subjetiva:

2.4.5 Requisitos:

Mais de uma ação ou omissão;

Prática de dois ou mais crimes, da mesma espécie.

Nexo de causalidade delitiva:

I - Tempo:

II - Espaço:

III - Formas de execução:

IV - Homogeneidade das circunstâncias:

Os crimes subseqüentes devem ser havidos como continuação do primeiro.

2.4.6 Espécies

a) Simples:
a.1) Aplicação da pena:

b) Qualificado:

b.1) Requisitos:

2.4.7 Novatio legis ib pejus:

2.4.8 Ações concomitantes, contemporâneas ou simultâneas:

2.4.9 Prescrição:

2.5 LIMITE DAS PENAS

2.5.1 Introdução:

2.5.2 Razões:

2.5.3 Competência:

2.5.4 Liberdade de delinqüentes perigosos:

Conversão da sua pena em medida de segurança:


Ação de interdição:

2.5.5 Nova condenação:

2.5.6 Impunidade:

Análise de casos

Pergunta: Tratando-se de direito subjetivo do condenado ou falando-se em benefícios legais, os


cálculos a serem realizados durante a execução da pena deverão incidir sobre o total das penas
unificadas, ou seja, trinta anos, ou sobre o total da soma das penas aplicadas ao condenado?

UNIDADE 3: A PENA CRIMINAL

3.1 HISTÓRICO, CONCEITO, FUNDAMENTO, FINALIDADES E CARACTERÍSTICAS. 3.2


CLASSIFICAÇÃO DAS PENAS 3.3 PENAS PRIVATIVAS DE LIBERDADE: CONCEITO,
ESPÉCIES, CABIMENTO, CONVERSÃO. 3.4 RECLUSÃO E DETENÇÃO 3.5 REGIMES
PRISIONAIS - FECHADO, ABERTO E SEMI-ABERTO - INTEGRALMENTE FECHADO
(LEI8072/90). 3.6 PENAS RESTRITIVAS DE DIREITO: CONCEITO, ESPÉCIES, CABIMENTO,
CONVERSÃO. 3.7 PENA PECUNIÁRIA: CONCEITO, ESPÉCIES, CABIMENTO, FIXAÇÃO. 3.8
APLICAÇÃO DA PENA CRIMINAL: ETAPAS; FIXAÇÃO – FASES; A PENA BASE –
CIRCUNSTÂNCIAIS JUDICIAIS. 3.9 FIXAÇÃO DA PENA CRIMINAL: CIRCUNSTÂNCIAS
LEGAIS ATENUANTES; AGRAVANTES; QUALIFICADORAS. CAUSAS DE AUMENTO E DE
DIMINUIÇÃO DA PENA. SUBSTITUIÇÃO E CONVERSÃO DA PENA. 3.10 MEDIDAS DE
SEGURANÇA: CONCEITO; DIFERENÇA ENTRE AS PENAS CRIMINAIS E AS MEDIDAS DE
SEGURANÇA; ESPÉCIES; PRESSUPOSTO; APLICAÇÃO; EXECUÇÃO; SUSPENSÃO OU
REVOGAÇÃO; EXTINÇÃO E A QUESTÃO DA PERICULOSIDADE. 3.11 SUSPENSÃO
CONDICIONAL DA EXECUÇÃO DA PENA: CONCEITO; ESPÉCIES; REQUISITOS;
CONDIÇÕES; PRAZOS; REVOGAÇÃO; EXTINÇÃO. 3.12 LIVRAMENTO CONDICIONAL:
CONCEITO; REQUISITOS; CONCESSÃO; REVOGAÇÃO; EFEITOS; EXTINÇÃO.

3.1 HISTÓRICO, CONCEITO, FUNDAMENTO, FINALIDADES E CARACTERÍSTICAS.


3.1.1 Conceito de sanção:

a) Penais:

b) Extrapenais:

Conceito de pena:

3.1.3 Aflitiva:

3.1.4 Aspectos.

a) Conseqüência:

b) Competência:

c) Objetivo:

d) Garantista:

3.1.5 Origem das penas

3.1.6 História e evolução das penas

a) Pré-história:
b) Antiguidade:

c) Idade Média:
1) Na prisão de Estado
2) Na prisão eclesiástica

d) Idade Moderna:

I – Pobreza:

II – Ineficácia da pena de morte:

III – Bridwell:

IV – Galés:

e) Iluminismo:

f) Atualidade:

3.1.7 Fundamentos da pena

a) Desaprovação social:

b) Desestímulo ao crime:

c) Proteção social:

d) Reeducação:

e) Reparação e danos:

f) Retribuição:

3.1.8 Princípios
Legalidade

I - Garantias criminal e penal

II - Garantias jurisdicionais

III – Garantias penitenciárias ou de execução

Inderrogabilidade:

Anterioridade:

Proporcionalidade:

Pessoalidade:

Culpabilidade:

Individualização da pena:

Humanidade:
3.1.9 Teorias da pena

Teoria absoluta ou da retribuição.

Teoria relativa, finalista, utilitária ou da prevenção.

À sociedade:

I - geral negativo

II - geral positivo

Ao criminoso:

III - especial negativo

IV - especial positivo

Teoria mista, eclética, intermediária ou conciliatória.

3.1.10 Teorias extremadas da pena:


Abolicionismo penal:

b) Direito penal máximo:

3.1.11 Os sistemas penitenciários

Filadélfico:

Auburniano:

Progressivo:

d) Reformatórios:

3.1.12 Estabelecimentos penais:

a) Penitenciárias:

b) Colônia agrícola, industrial ou similar:

c) Casa de albergado:

d) Centro de observação:

e) Hospital de custódia e tratamento psiquiátrico:


f) Cadeia pública:

3.1.13 Cominação das penas

Isoladamente:

Cumulativamente:

Alternativamente:

CLASSIFICAÇÃO DAS PENAS.

corporais

privativas de liberdade

restritivas de liberdade

d) pecuniárias

e) privativas e restritivas de direitos


3.2.1 Outra classificação:

a) privativa de liberdade;
b) restritivas de direitos;
c) multa.

3.3 PENAS PRIVATIVAS DE LIBERDADE: CONCEITO, ESPÉCIES, CABIMENTO,


CONVERSÃO.

3.3.1 Falência das prisões:

3.3.2 Medidas alternativas:

3.3.3 Previsão:

3.4 RECLUSÃO E DETENÇÃO

3.4.1 Espécies de penas privativas de liberdade.

3.4.2 Diferenças entre reclusão e detenção:


a) Á gravidade dos crimes:

b) Ao regime inicial:

c) À limitação na concessão de fiança:

d) Às espécies de medidas de segurança:

e) À incapacidade para o exercício do pátrio poder:


3.5 REGIMES PRISIONAIS - FECHADO, ABERTO E SEMI-ABERTO - INTEGRALMENTE
FECHADO (LEI8072/90).

3.5.1 Regime progressivo de cumprimento de pena:

3.5.2 Regimes penais:

3.5.3 Espécies:

a) Fechado:

I – Local:

II – Isolamento noturno:

III – Exame criminológico:

IV – Trabalho:

V – Regime inicial:

b) Semi-aberto:

I – Local:

II – Compartilhamento noturno:

III – Origem:

IV – Exame criminológico:

V – Cursos:

VI – Regime Inicial:
c) Aberto:

I – Nova chance:
II – Local:

III – Origem:

IV – Trabalho:

V – Repouso noturno:

VI – Objetivo:

VII – Condições:

VIII – Estrangeiros:

IX – Regime Inicial:

d) RDD (

I - A quem será aplicado?

II - Quem fará o pedido?

III - Quem decidirá?

IV - Qual o prazo para cumprimento?

V - Como é feito?
VI – Inconstitucionalidade:

1) É inconstitucional:

2) Não é inconstitucional:

3.5.4 Autorização de saídas.

a) Permissão de saída:

b) Saída temporária:

3.5.5 Regime especial.

3.5.6 Regime inicial:


a) Fatores fundamentais:

3.5.7 Prisão domiciliar:

3.5.8 Progressão e regressão:

a) Progressão:

I - objetivo: Cumprimento de um sexto da pena restante.

II – subjetivo: Bom comportamento carcerário.

III – específico: Reparação do dano.

a.1) Progressão antes do trânsito em julgado:


a.2) Progressão por salto:

b) Regressão:

I - prática de fato definido como crime doloso

II - falta grave

III - sofrer condenação, por crime anterior, cuja pena, somada ao restante da pena em execução, torne
incabível o regime;

IV - frustrar os fins da execução, no caso de estar em regime aberto

V - não pagamento da multa cumulativa, no caso de regime aberto

c) Exame criminológico.

I - São funções deste:

II - É o seu objetivo:

III – Tem como alvo:

IV - Realizado pela:

V – Obrigatório para:
VI – Facultativo para:

VII – Crítica e observações à nova legislação:

1) Medida desburocratizante:

2) Concentração de poder:

3) Não vinculação ao Juiz:

d) Detração:

I - Prisão provisória, no Brasil ou no estrangeiro.

II - Prisão administrativa ou civil.

III - Internação em casas de saúde.

d.1) Competência:

Análise de casos

Pode haver progressão de regime em crime hediondo?


3.5.9 Direitos do Preso.

material

de saúde

jurídica

educacional

social

religiosa

ao trabalho:

ao lazer:

ao tratamento digno:
à mulher presa:

3.5.9.1 Não são direitos do preso:

a) visita íntima:

b) cumprir a pena na comarca do seu domicílio:

c) políticos:

3.5.10 Deveres do preso:

3.5.11 Trabalho do Preso:


a) Jornada de trabalho:

b) Seguridade social:

c) Casos de não obrigatoriedade:

d) Espécies:

I – Regime fechado:

II - Regime semi-aberto:

III – Regime aberto:

e) Remuneração:

f) Remição:
I - São pontos importantes:

1) Origem:

2) Contagem:

3) Decisão judicial:

4) São requisitos:

- Trabalho:

- Estudo:

- Merecimento:

5) Perda dos dias remidos:

6) Inexistência de oportunidade de trabalho:

3.6 PENAS RESTRITIVAS DE DIREITO: CONCEITO, ESPÉCIES, CABIMENTO, CONVERSÃO.

3.6.1 Antecedentes históricos:

a) Liszt:

b) Rússia:

c) Inglaterra:
d) Tóquio:

3.6.2 Medidas alternativas x penas alternativas:

Medidas alternativas:

Penas alternativas:

3.6.3 Finalidade:

3.6.4 Características:

Substitutivas:

Autônomas:

3.6.5 Espécies.

a) Prestação pecuniária:

I – Objeto:

II – Destinação:

III – Valor:
IV – Antecipação da indenização civil:

V – Base para a fixação:

VI – Descumprimento:

b) Prestação inominada:

I – Anuência do beneficiário:

II – Reserva legal:

III – Substituição:

c) Perda de bens e valores:

I – Objeto:

II - Destinação:

III – Teto:

IV – Não é confisco:

d) Prestação de serviços à comunidade ou a entidades públicas:

I – Objeto:

II – Destinação:

III – Aptidões:
IV – Jornada:

V – Características:

VI – Quantidade da pena privativa de liberdade:

e) Interdição temporária de direitos:

I – Finalidade:

II – Relação com o crime:

III - Espécies:

Proibição do exercício de cargo, função ou atividade pública, bem como de mandato eletivo:

- Temporária:

- Natureza do crime:

- Processo administrativo:

- Não é perda de cargo:

Proibição de exercício de profissão, atividade ou ofício que dependam de habilitação especial, licença
ou autorização do poder público:

- Aval público:
- Processo administrativo:

Suspensão de autorização ou de habilitação para dirigir veículo:

- Natureza do crime:
- Temporária:

Proibição de freqüentar certos lugares:

- Não pode ser a decisão genérica:

- Ligação com o crime:

f) Limitação de fim de semana:

I – Local:

II – Tempo:

III – Atividades:

IV – Domicílio: .

V - Vantagens:

3.6.6 Requisitos para a aplicação:


a) Objetivos

I – Cronológico:

II – Qualidade da pena:

III – Restrições:

- Exceção:

IV – Reincidência:

- Exceção:

V – Estrangeiros:

b) Subjetivos:

c) Casos especiais:

I - Lei de tóxicos:

II - Lei Maria da Penha:


3.6.7 Opções do magistrado na aplicação

a) Igual ou inferior a um ano:

b) Superior a um ano:

3.6.8 Momento de aplicação

a) Substituição:
b) Conversão:

3.6.8 Limite de duração:

3.6.9 Reconversão:

3.7 PENA PECUNIÁRIA: CONCEITO, ESPÉCIES, CABIMENTO, FIXAÇÃO.

3.7.1 Antecedentes históricos:

Pentateuco:

Direito germânico:

3.7.2 Função:

3.7.3 Pontos principais:

a) Conceito:

b) Destinação:

c) Valor:

d) Natureza:
3.7.4 Realidade brasileira:

3.7.5 Características:
3.7.6 Critério para os sistemas das multas

Patrimônio do réu:

Renda do réu:

Cominação abstrata da multa:

Dias-multa:

I - Antecedentes:

I - Vantagens:

III - Salário mínimo:

IV - Avaliação da situação financeira:

3.7.7 Cominação:

principal

alternativa
cumulativa

3.7.8 Critérios para a fixação.

Fase 1: Firma-se o número de dias-multa

Fase 2: Estabelece-se o valor do dia-multa

b.1) Concurso de pessoas:

(Fase opcional)

3.7.9 Pagamento:

Prazo:

Forma:

3.7.10 Execução:
a) Competência:

I - Ministério Público:

II - Procuradoria da Fazenda:
b) Procedimento:

c) Atualização monetária.

I – Inconstitucional:

II – Constitucional:

d) Suspensão da execução:

I – Doença mental:
II – Prisão:
e) Extinção da execução:

I – Morte do agente:

II – Prescrição:

única pena cominada:

alternativa ou cumulativamente cominada:

3.7.11 Conversão em privação de liberdade:


3.8 APLICAÇÃO DA PENA CRIMINAL: ETAPAS; FIXAÇÃO – FASES; A PENA BASE –
CIRCUNSTÂNCIAIS JUDICIAIS.

3.8.1 Aplicação da pena

a) Conceito:
b) Limites:

c) Individualização da pena:

I - Legislativa:

II - Judicial:

III - Executória:

d) Evolução:

I – Discricionariedade absoluta:

II – Vinculação absoluta:

III – Discricionariedade vinculada:

e) Brasil:

3.8.2 Sistema para a fixação da pena.

bifásico
trifásico

b.1) Fases:

1ª Fase: Pena-base

2ª Fase: Pena provisória

3ª Fase: Pena definitiva

b.2) Motivação:

3.8.3 Elementares e circunstâncias do crime.


a) Elementar:

I – Atipicidade absoluta:

II - Atipicidade relativa:

b) Circunstância:

b.1) Classificação das circunstâncias:

I - Quanto à sua natureza:

1) objetivas:

2) subjetivas:
II - Quanto à sua aplicação:
Judiciais:

Legais:

3.8.4 Circunstâncias judiciais

a) Conceito:
b) Fase:

c) Limites:

d) Espécies:

I - Culpabilidade:

II - Antecedentes:

Toda a vida pregressa:

Apenas condenações criminais transitadas em julgado:

III - Personalidade:

IV - Conduta social:
V - Motivos determinantes:

VI - Circunstâncias do crime:

VII - Conseqüências do crime:

VIII - Comportamento da vítima: