Вы находитесь на странице: 1из 17

Instrumentos de Pesquisa e

Divulgação de Acervos

Letícia Castro
leticiacastro.com@gmail.com
VIII CAM, novembro de 2009.
Montevidéu, Uruguai.
Instrumentos de Pesquisa

Permitem a comunicação da informação orgânica no seio da


organização junto dos utilizadores, tanto do seu valor primário
como do secundário (administradores, investigadores,
cientistas, etc.)
ROUSSEAU, 1998, p.137-138

Meio que permite a identificação, localização ou consulta a


documentos ou a informações neles contidas. Expressão
normalmente empregada em arquivos permanentes. Ver
também catálogo, guia , índice, inventário, listagem descritiva
do acervo, repertório e tabela de equivalência.”
Dicionário de Terminologia Arquivística
Instrumentos de Pesquisa
Alguns exemplos

Guia
Instrumento de pesquisa que oferece informações gerais sobre fundos e
coleções existentes em um ou mais arquivos.

Inventário
Instrumento de pesquisa que descreve, sumária ou analiticamente, as
unidades de arquivamento de um fundo ou parte dele, cuja apresentação
obedece a uma ordenação lógica que poderá refletir ou não a disposição
física dos documentos.

Catálogo
Instrumento de pesquisa organizado segundo critérios temáticos,
cronológicos, onomásticos ou toponímicos, reunindo a descrição
individualizada de documentos pertencentes a um ou mais fundos, de
forma sumária ou analítica.

Dicionário de Terminologia Arquivística


Instrumentos de Pesquisa e Divulgação de Acervos

Este trabalho como objetivo discutir a importância dos instrumentos de


pesquisa como ferramentas de divulgação de acervos e também a de
comunicar a existência desses instrumentos, sejam eles online ou
impressos, de museus, arquivos ou centros de documentação. Discorre
sobre o papel do arquivista como mediador entre a informação e o
usuário do ponto de vista informativo e comunicacional.

Instrumentos de Pesquisa. Arquivologia. Descrição. Divulgação.


Informação. Comunicação.
Instrumentos de Pesquisa e Divulgação de Acervos

• Valorização da Informação
• Bancos de Dados
• Internet / Mundialização
• Versões online de Instrumentos de Pesquisa
• Acesso à Informação
• Caráter Público mesmo quando privado
• Democratização
• Ter x Reter
• Responsabilidade
• Arquivista
• Academia
Instrumentos de Pesquisa e Divulgação de Acervos

• Online x Impresso

 a Informação CHEGA?
• Público: conhecê-lo e fazê-lo conhecer
• A própria organização
• Público direto
• Comunidade
• Formadores de Opinião
• Mídia
• e vice-versa
• Consciência
• Cidadania
• Períodos autoritários

 Dinamização x Desordem
• Normatização
Instrumentos de Pesquisa e Divulgação de Acervos

Qualidade

• O que nos atrai nos acervos?


• O que gostaríamos de encontrar?
• Como gostaríamos de ser atendidos?

Imagem

• Circulação em diferentes meios


• Imagem da instituição – e de seus profissioanais!
• Pesquisa e cotidiano:
• todos somos pesquisadores
• todos produzimos e acumulamos documentos
Instrumentos de Pesquisa e Divulgação de Acervos

Internet
• Ela está aí e é preciso utilizar
• Potencialidades

Un cliente nunca te prestará mayor atención que cuando está en línea.


Sus dos manos están en el teclado y sus dos ojos están en el monitor.
Estás en contacto con ellos. Ya te han seleccionado. Desean verte. Se
trata de una situación de venta muy íntima.
JANAL, 2000. p. 14-15

• Acervo online
• Informações sobre disponibilidade, horários, contatos, serviços
fontes...
• GUIA
• INVENTÁRIO
• CATÁLOGO...
• INSTRUMENTO DE PESQUISA!
Instrumentos de Pesquisa e Divulgação de Acervos

• Quem não se comunica...

Poder-se-ia imaginar Einstein conservando para si as conclusões de


suas pesquisas sobre a relatividade? Que interesse teria uma pesquisa
sobre a evasão escolar, se ela precisasse permanecer confidencial?...
De fato, a pesquisa só tem valor quando comunicada.
LAVILLE, 1999, p. 237

• Quem?
• Profissional da Comunicação
• O próprio arquivista
• Ferramentas de PRODUÇÃO (cultural) e DIVULGAÇÃO
Instrumentos de Pesquisa e Divulgação de Acervos

Os guias são o primeiro passo. Eles são, conforme Bellotto (2004), os mais
abrangentes e populares, por dar uma visão de conjunto.

Os inventários e os catálogos seguem para os níveis seguintes, descrevendo os


acervos de forma coletiva e unitária, respectivamente.

Os inventários também podem ser analíticos, ganhando mais detalhamento, e os


catálogos podem ser feitos de forma a “recortar” uma parte do acervo que seja
julgada mais importante de ser descrita, seja por critérios de alto índice de acesso,
condições de preservação ou visibilidade, entre outros.

Bellotto também cita outros tipos de instrumentos de pesquisas, como repertórios,


índices, listagens, além da edição de fontes, que acrescenta ao texto estudos
introdutórios e fontes. Todas estas relações acabam acrescentando contribuições
à esfera acadêmica, ao ponto de promover, mais uma vez, a desejada divulgação.

Finalmente, uma vez que haja mais de um instrumento de pesquisa, eles devem
referir-se uns aos outros, para que assim ajudem na divulgação dos diferentes
níveis de descrição e possibilidades aos pesquisadores.
Instrumentos de Pesquisa e Divulgação de Acervos

Considerações finais

Muito se discute sobre os meios e pouco se faz para efetivamente aproveitá-los


em sua plenitude. Obras e sites são lançados, mas com que usabilidade? Quem
decide quais informações colocar na Internet? E com que critérios? Ninguém
melhor que o arquivista para decidir a respeito da difusão de informações sobre
arquivos na web. Afinal já existem normas nacionais e internacionais que regem a
descrição arquivística, e não há necessidade de disponibilizar ao público uma
informação menos qualificada do que é possível e já vem sendo testado, avaliado,
corrigido e aprovado constantemente pelos profissionais de Arquivologia.

Ao arquivista caberá ainda o acompanhamento, o apoio e, eventualmente, a


coordenação de um trabalho interdisciplinar para fazer estas informações
chegarem a uma esfera mais ampla que a do mundo acadêmico e arquivístico, e
de forma visualmente atraente. No entanto, o capital intelectual e político, no
sentido de negociação embasada para os processos de decisão para a
elaboração dos instrumentos, deve ser seu.
Instrumentos de Pesquisa e Divulgação de Acervos
Outro ponto a ser considerado é o de que os instrumentos de pesquisa, ao
chegarem aos usuários, podem permitir que estes contribuam na descrição
arquivística, pois ao terem acesso às informações da instituição e de seu acervo,
podem enriquecer as instituições, seja através da complementação de dados,
doações ou simplesmente a multiplicação (“propaganda”) do trabalho realizado,
fazendo com que o uso dos instrumentos de pesquisa como forma de divulgação
e também o contrário, a divulgação dos instrumentos de pesquisa, seja
imprescindível.

Todo este trabalho de difusão das informações acabará revertendo em uma


publicização da imagem da instituição em si, tornando-a reconhecida não apenas
por um público restrito como também pelo público em geral e, mais ainda, no meio
do seu próprio campo de conhecimento.

Não é possível, no entanto, no afã de divulgar as atividades, esquecer da


atividade primeira dos arquivos, fazendo com que todas as ações sejam de
marketing, mesmo que esta idéia seja simpática aos gestores. É preciso a
consciência de que, nesse caso, divulgar para quê? Se não houver qualidade no
desempenho das atividades-fim, a imagem é comprometida e a divulgação de um
trabalho mal feito perde a razão de ser.
Instrumentos de Pesquisa e Divulgação de Acervos
Instrumentos de Pesquisa e Divulgação de Acervos

www.muhm.org.br

www.muhm.org.br/educativo

Comunidades no

Canais muhmrs em
Instrumentos de Pesquisa e Divulgação de Acervos

Arquivo Histórico Do Rio Grande do Sul

Museu Chileno de Arte Pré-Colombiana

Museu Histórico de Praga

Museu da Cidade de Barcelona


Louvre
Instrumentos de Pesquisa e Divulgação de Acervos

Referências Bibliográficas
BELLOTTO, Heloísa Liberalli. Instrumentos de Pesquisa. In: Arquivos permanentes: tratamento documental. 2°ed. rev. e
ampl. Rio de Janeiro, FGV, 2004.

_____. Difusão editorial, cultural e educativa em arquivos. In: Arquivos permanentes: tratamento documental. 2°ed. rev. e
ampl. Rio de Janeiro, FGV, 2004.

BICKERTON, Pauline; BICKERTON, Matthew; SIMPSON-HOLLEY, Kate. Ciberestrategia. Seleccione su estrategia de negocios
para Internet, intranets y extranets. Pearson Educación, México, 2000. 182 p.

BRASIL. Conselho Nacional de Arquivos. NOBRADE: Norma Brasileira de Descrição Arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo
Nacional, 2006.

BRASIL: NUNCA MAIS. Um relato para a história. Prefácio de Dom Paulo Evaristo Arns. 30ª ed. Petrópolis: Vozes, 1999.

BRUEBACH, Nils. Acesso eletrônico à informação arquivística: vantagens e potenciais das normas de descrição. In: Acervo :
revista do Arquivo Nacional. Rio de Janeiro Vol. 20, n. 1/2 (jan./dez. 2007), p. 39-46

BURKE, Peter. Uma história social do conhecimento. De Gutenberg a Diderot. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2003.

CONSELHO INTERNACIONAL DE ARQUIVOS. Comissão Ad-Hoc de Normas de Descrição. 2a ed. ISAD (G) - Norma Geral
Internacional de Descrição Arquivística

COOK, Michael. Desenvolvimentos na Descrição Arquivística: algumas sugestões para o futuro. . In: Acervo: revista do
Arquivo Nacional. Rio de Janeiro Vol. 20, n. 1/2 (jan./dez. 2007)
Instrumentos de Pesquisa e Divulgação de Acervos
Dicionário brasileiro de terminologia arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005. 232p

DUARTE, Jorge Antonio Menna (Org.). Assessoria de Imprensa e Relacionamento com a Mídia: teoria e técnica. 2. ed. São Paulo: Atlas,
2003.

ISAAR (CPF): norma internacional de registro de autoridade arquivística para entidades coletivas, pessoas e famílias/tradução de Vitor
Manoel Marques da Fonseca. 2. ed., Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2004.

JANAL, Daniel S. Marketing en Internet. Cómo lograr que la gente visite, compre y regrese a su sitio web. Pearson Educación, México,
2000. 386 p.

KOTLER, Philip. Marketing para o século XXI: como criar, conquistar e dominar mercados. São Paulo: Futura, 1999. 305p

LAVILLE, Christian; DIONE, Jean. A construção do saber. Manual de metodologia da


pesquisa em ciências humanas. Adaptação: SIMAN, Lana Mara. Porto Alegre: ARTMED;
Belo Horizonte: UFMS, 1999.

LEVACOV, Marília. Do analógico ao digital: a comunicação e a informação no final do milênio. In: Tendências na Comunicação. Porto
Alegre: L&PM, 1998. p. 12-25

LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Ed. 34, 1999.

_____. O que é o virtual? Rio de Janeiro: Ed. 34, 1996.

LOPEZ, André Porto Ancona. Como descrever documentos de arquivo: elaboração de instrumentos de pesquisa. São Paulo: Arquivo do
Estado e Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2002. (Como fazer, 6)

NATALE, Edson; OLIVIERI, Cristiane. Guia brasileiro de produção cultural 2007. São. Paulo: Editora Zé do Livro, 2006.

SCHELLENBERG, T. R. Arquivos modernos. 2. ed. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2002. p. 289-360

TORQUATO, Gaudêncio. Tratado de Comunicação Organizacional e Política. São Paulo: Pioneira, 2002.

WOLF, Mauro. Teorias da Comunicação. Lisboa: Editorial Presença, 1995.