Вы находитесь на странице: 1из 10

Prof.

Esequias Pegado Cortez


Consultoria e Advocacia
Felipe A. Cortez M. de Medeiros Thiago Cortez Meira de Medeiros
Esequias Pegado Cortez Neto Caroline Melo Cortez
Aline Coely Sena Bianchi Renata Dantas Costa Mello
Elton Olímpio de Medeiros Maia Afonso A. de Medeiros Fernandes
Flávio Henrique M. Meira de Medeiros Madson Vidal Matias Melo

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DO JUIZADO ESPECIAL DA


COMARCA DE NATAL/RN:

THALITA MOEMA DE FREITAS ALVES, brasileira,


solteira, estagiária, inscrita no CPF sob o nº 052.645.354-00,
com endereço na Avenida dos Eucaliptos, Condomínio Bosque dos
Eucaliptos, Bloco “B", Apt. 104, Parnamirim/RN, CEP 59151-710,
vem, respeitosamente, perante Vossa Excelência, por seus
Advogados legalmente constituídos, conforme procuração anexa,
propor

AÇÃO DE INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS

em face de SAUL ARAUJO DE AMORIM, brasileiro, jornalista,


CPF/MF 597.095.104-87, com endereço para citação na Av. Almino
Afonso, 44, Ribeira, CEP: 59.012-010, o que faz nos termos
fáticos e jurídicos a seguir delineados:

Avenida Rodrigues Alves, 1079, Tirol, Natal/RN, CEP 59020-200.


Fone: (84)3211.1212 Fax: (84)3221.4685
www.cortezadvocacia.com

1
I – DOS FATOS

01. O Réu mantém na internet um blog que é usado


para divulgação de toda sorte de inverdades, caprichos,
versões fantasiosas e deslavadas mentiras sobre pessoas do
Estado do Rio Grande do Norte.

02. Sabe-se lá por qual razão, o Réu elegeu a


Autora como alvo da sua ira, lançando na internet todo tipo de
provocações, muitas delas extremamente depreciativas, mentiras
e notícias distorcidas, tentando destruir a sua imagem pessoal
e profissional.

03. Como poderá perceber Vossa Excelência, o Réu


ultrapassou os limites da liberdade de expressão para atingir
a honra, a reputação e tentar manchar a personalidade da
Autora frente aos leitores do blog, em aberta e franca
violação ao seu direito à vida privada e intimidade.

04. É bom dizer que o Réu, caso não tenha um “ghost


writer” em suas costas, se mostra bastante esclarecido,
sabendo diferir precisamente os limites entre uma mera opinião
e o avanço na vida pessoal a quem difama abertamente na sua
página virtual, restando clara e inequívoca a sua conduta
dolosa em promover o achincalhe e a desmoralização à pessoa da
Autora.

05. Uma verdadeira campanha de linchamento moral em


menos de 48 (quarenta e oito) horas.

06. Veja, Excelência, a forma como o nome da Autora


é citado e as notícias lançadas pelo Réu, disponíveis no site
www.arquivosa.com.br. Vejamos em destaque:

09 de Março às 16:58 -

Rainha do Twitter recebe pelo Estado


e ninguém nunca a viu trabalhando
Está tudo dominado. A rainha do Twitter, Thalita Moema, virou estagiária da
Secretaria de Cidadania e Justiça do Governo do Estado, comandada pelo
secretário-twitteiro Leonardo Arruda. O contrato de estágio da rainha saiu
aproximadamente a trinta dias, justamente no momento que a ordem do
secretário de adminitração, Paulo César Medeiros, chega às secretarias
pedindo para cancelar os estagiários a fim de reduzir a folha de pagamento
do falido Estado.

Até ai tudo bem e não vejo nada demais. Estágio tem amparo legal para
todo estudante como fonte de aprendizado à futura carreira profissional. O
problema é que desde ontem mandei uma pessoa procurar a twiteira Thalita

2
Moema na secretaria e ninguém sabe quem é e nunca a viram trabalhando
por lá. E se ela dá expediente na secretaria, gostaria de saber a função da
rainha, pois até o momento o que sei é que ela passa o dia twittando. E se
for de lá, é bem no horário do trabalho.

Nas postagens da rainha já são perceptíveis e linha emocional e política


dela; que preferencialmente elogiam a governadora Wilma de Faria e o
grupo governista. Já que ela recebe pela secretaria de Leonardo Arruda,
que tal dizer que a nossa segurança pública se assemelha a pacata Suíça.

Essa menina vai longe.

Comentar Post (3) Ver Comentário Enviar para um amigo Imprimir Enviar RSS

07. Os comentários à publicação não deixam qualquer


dúvida quanto à natureza do jornalismo praticado por Saul
Amorim. É flagrante a tentativa de linchamento moral que
beira ao incentivo à prática da violência. Os excessos de Saul
Amorim funcionam como ampla propaganda negativa, que incita
outras pessoas. Vejamos alguns comentários permitidos pelo Réu
e que estão anexos à primeira nota transcrita:

09.03.2010 - Essa coitada só se for rainha da sucata! coloquem


essa troço p/ trabalhar ,em respeito a os outros estagiarios
que trabalham realmente.
Postado por: Carlos Correia

09.03.2010 - isso sim é sinceridade me dar inveja.


Postado por: Maria Helena

10.03.2010 - Mesmo que ela realmente faça estagio lá, o que


da raiva é ver o dinheiro dos nossos impostos pagando o salario
de uma pessoa que ao invez de trabalhar, vive twitando...se
fosse uma empresa particular isso era motivo de demissao...o
sera que os patroes dela nao enxergam isso. Ou seja, mais um
pouco do dinheiro publico indo pro lixo.
Postado por: Jorge

08. Achando pouco, o Réu ainda publicou mais


agressões. Vejamos:

11 de Março às 12:11 -

Tudo  que  aconteceu  em  48  horas  entre  eu  e  a  rainha  Thalita 
Moema 
Postei a nota sobre a twitteira Thalita Moema e deixei por 48
horas em banho-maria por estratégia para ver a reação do
Governo. Ontem, a rainha acordou com sede de vingança e
usou todos os meios e argumentos possíveis para pedi minha
cabeça a prefeita Micarla de Sousa. Ela queria minha

3
exoneração do cargo de Diretor de Operações e Permissões
da SEMOB, antiga STTU; e foi à luta com toda força.
Puro delírio da garota. Thalita Moema, verdadeiros tubarões já
pediram minha cabeça e não conseguiram; imagine peixe
pequeno. E se conseguirem, não muda em nada a minha vida.
Não tenho apego a cargo e ao poder. Acho tudo passageiro.
Como lhe informaram, eu sou funcionário do quadro fixo da
prefeitura desde 18 de abril de 1986 e mesmo assim voce
queria minha saída do cargo. Você ainda não tem força para
tanto; e acredito que nunca terá pela sua própria estrutura
emocional.
Sobre suas postagens iradas contra mim, cai na gargalhada e
vou aqui comentar item por item.
Você disse que é estagiária a dois anos na secretaria e o
secretário a desmente em mostrar o dia do seu contrato. Você
mente quando afirma ser contratada a dois anos. Não existe
estágio com esse intervalo de tempo tão longo. Os estágios
são de 6 meses e podem ser renovados 4 quatro vezes. Então,
se voce fará quatro anos em agosto, naturalmente você
renovou a um mês seu último contrato. Voce mentiu e eu não.
Suas informações só fortalecem a minha.
Sobre twittar com seu dinheiro é outra mentira. Voce twitta no
horário do estágio e está usando a máquina pública para fazer
politicagem em favor dos seus chefes. Estive olhando suas
postagens e você passa o dia todo fazendo isso. Qual o horário
do seu expediente? Será que tem outras pessoas twittando por
você? Bem, na verdade, se você aparece na secretária, você
não tem outra ocupação a não ser twittar falando bem de quem
lhe paga! Mas lembre, o dinheiro que lhe paga também é meu,
que pago meus impostos em dia e por isso reclamo da sua
ação e sei que tenho razão.
Sobre credibilidade e competência. Você não sabe o que é isso
por ser uma pós-adolescente que ainda nem começou a
trabalhar. Não confunda oportunidade com capacidade.
Nenhum político me paga para ser ocioso e ficar falando
besteira na internet; o que acontece com você. Ganho por que
penso, e logo existo.
Você sabe muito bem que não menti em nada e só postei
porque sabia o que estava dizendo. Mas se você quiser me
desmenti, por favor; torne pública sua folha de frequência na
SEJUC através de ponto eletrônico. Com a apresentação
disso, peço desculpas públlicas e dou o assunto como morto.

4
Só pra concluir. Com minha postagem sobre você, recebi 79
mensagens de pessoas que lhe conhecem me contando muitas
outras coisas e que não publiquei por zêlo a você. Nem lhe
conheço e nem desejo. Só quero que vá com calma. Política
não é brincadeira de internet. Deus lhe abençoe.
Comentar Post (1) Ver Comentário Enviar para um amigo
Imprimir Enviar RSS

09. Eis o comentário, necessariamente autorizado


pelo Réu, sobre essa postagem:

11.03.2010 - Esta mais do que na hora de alguem dar um basta


nessa pentelha. O pior e que tudo isso e por culpa dos usuarios
do Tuiter que deram cabimento pra essa menina buchuda. pq
ela e laurita estao taoooo proximas ? sera que existe algo a
mais nessa relacao de amizade ? ummmm...
Postado por: Banho de Arruda

10. Insistindo nas agressões gratuitas postou a


seguinte nota ainda:

11 de Março às 16:47 -

Leonardo Arruda diz que estou mentindo, mas quem mente é ele 
O secretário Leonardo Arruda, ao twittar ontem com a jornalista
Virgínia Coele, disse que a informação deste blog sobre a
situação da estagiária-fantasma e twitteira Thalita Moema não
era verdadeira. Em tese, disse que eu era mentiroso.
Nesse caso, a única prova em que fica claro que menti é com a
apresentação do ponto eletrônico de frequência da twitteira-
fantasma na SEJUC.
Enquanto isso não acontecer, fica o secretário Leonardo
Arruda como mentiroso. E o desafio a me desmenti
publicamente através de documentos. A especialidade do
secretário é a falácia. Nota-se pela brilhante atuação dele na
giroflex que ocupa.
Por mim, assunto encerrado e o mentiroso é o Leonardo.

11. Excelência os impropérios acima não merecem


sequer comentários. Explicam-se pela mera leitura.

12. O Réu, insatisfeito, ainda divulgou o endereço


de suas postagens na sua página pessoal do microblog Twitter,
aonde tem 210 seguidores.

5
13. A Autora tentou saber o porquê das acusações e
se defender do que foi dito, mas não obteve êxito nem espaço
no blog. Eis a resposta do Réu, pelo Twitter:

14. Não se trata de liberdade de imprensa. É obvio


que o conteúdo veiculado pelo Réu não é jornalismo e direito
de informar! Ele vem usando o seu blog para massacrar a
Autora, não se sabe o real motivo, fazer insinuações sobre sua
vida pessoal, e adjetivá-la abertamente das mais sórdidas
qualificações, tudo em nome da liberdade de imprensa!

15. Até onde vai a liberdade de imprensa? Até onde


pode o “blogueiro” achacar a honra da Autor impunemente,
levando ao conhecimento de milhares de pessoas conceitos
falsos, situações mentirosas e humilhações, como as que se vê
acima transcritas?

16. Para desmontar as mentiras ditas pelo Réu, a


Autora anexa aos autos os contratos de estágio firmados entre
a Secretaria de Estado da Justiça e da Cidadania- SEJUC e a
Autora, com interveniência da Faculdade de Excelência
Educacional do RN – FATERN e do Instituto Euvaldo Lodi -
Núcleo Regional do Rio Grande do Norte, desde o dia 21 de
agosto de 2008.

17. As folhas de ponto da Autora também estão


anexadas, demonstrando assim que não houve qualquer indicação

6
política para que conseguisse o cargo de estagiária, até
porque se houvesse seria para um cargo em comissão.

18. Ademais, na data em que firmou seu primeiro


contrato de estágio, a Autora sequer acessava o microblog
Twitter.

19. Por essas razões, optou-se pelo ajuizamento da


presente demanda.

II – DO DIREITO

20. Está na Constituição Federal, verbis:

“A lei não excluirá da apreciação do Poder


Judiciário lesão ou ameaça a direito”.
(Constituição Federal, art. 5°, XXXV).

“São invioláveis a intimidade, a vida


privada, a honra e a imagem das pessoas,
assegurado o direito a indenização pelo
dano material ou moral decorrente de sua
violação”. (Constituição Federal, art. 5°,
X)

21. Com os referidos princípios constitucionais,


enraizou-se o direito de pleitear em juízo a reparação pelos
danos causados à imagem, à honra e à vida privada de qualquer
cidadão, inclusive o direito de resposta.

22. O princípio da inafastabilidade do Poder


Judiciário e da reparabilidade dos danos morais têm o condão
de fazer com que o Estado, aja como inibidor de condutas que
afrontem o ordenamento jurídico, bem como os padrões morais
contidos na norma e na sociedade.

23. Ora Excelência, o que se pode verificar do caso


sub exame é um total desrespeito a qualquer padrão moral e a
presença de uma conduta irresponsável e danosa, que causou e
está a causar permanentemente um abalo de grandes proporções à
Autora.

24. A presente demanda encontra suporte, além do


previsto na Constituição Federal, nos arts. 186, 187 e 927 do
Código Civil vigente in verbis:

“Art. 186. Aquele que, por ação ou omissão


voluntária, negligência ou imprudência,

7
violar direito e causar dano a outrem,
ainda que exclusivamente moral, comete ato
ilícito”.

“Art. 187. Também comete ato ilícito o


titular de um direito que, ao exercê-lo,
excede manifestamente os limites impostos
pelo seu fim econômico ou social, pela boa-
fé ou pelos bons costumes”.

“Art. 927. Aquele que, por ato ilícito


(art. 186 e 187), causar dano a outrem,
fica obrigado a repará-lo”.
(Lei 10.406/02 – Código Civil)

25. Desta forma, no que se refere a possibilidade


da reparação pelos danos morais sofridos pela Autora em
virtude da conduta do Réu, resta amplamente comprovada a sua
possibilidade, bem como a legitimidade para figurar no pólo
passivo da demanda.

26. Cumpre, ainda, destacar o fato de que os


pressupostos necessários à concessão do dano moral estão
presentes na caso em tela, quais sejam, a conduta danosa, o
dano e o nexo de causalidade.

27. O Superior Tribunal de Justiça, tem entendido


caber a indenização por danos morais em casos idênticos e por
muito menos assegurou direito a indenização a hoje Senadora
Rosalba Ciarlini conforme ementa a seguir transcrita:

“EMENTA: RECURSO ESPECIAL


RESPONSABILIDADE CIVIL E DIREITO
PROCESSUAL CIVIL. DECLARAÇÕES
OFENSIVAS RELATIVAS A PREFEITA
MUNICIPAL VEICULADAS EM RÁDIO LOCAL.
ABUSO DO DIREITO DE INFORMAR.
INDENIZAÇÃO DEVIDA. CONDENAÇÃO EM
VALOR INFERIOR AO PRETENDIDO PELA
AUTORA. SUCUMBÊNCIA RECÍPROCA NÃO
CARACTERIZADA. RECURSO ESPECIAL NÃO
CONHECIDO.

1. É incontroverso o fato de a
recorrente ter programas de rádio em
que imputou à recorrida, então
prefeita municipal, atos cuja
reprovabilidade é manifesta, quais
sejam: furar poços em propriedades de

8
fazendeiros ricos em troca de votos e
utilizar-se de propaganda mentirosa.
Ademais, a afirmação de que o
Município possui Prefeita eleita pelo
povo, mas quem governa é o marido,
mostra-se ultrajante, além de
patentear preconceito em relação a
administradoras do sexo feminino.

2. As pessoas públicas, malgrado mais


suscetíveis a críticas, não perdem o
direito à honra. Alguns aspectos da
vida particular de pessoas notórias
podem ser noticiados. No entanto, o
limite para a informação é o da honra
da pessoa. Com efeito, as notícias
que têm como objeto pessoas de
notoriedade não podem refletir
críticas indiscriminadas e levianas,
pois existe uma esfera íntima do
indivíduo, como pessoa humana, que
não pode ser ultrapassada.

3. Por outro lado, não prospera o


argumento de que inexistia o animus
de ofender a vítima. O exame das
declarações difundidas nos programas
de rádio revela evidente a vontade
consciente de atingir a honra da ora
recorrida, mediante imputação de atos
tipificados como crime, como
corrupção passiva, ou de atos que
simplesmente a desmoralizam perante a
sociedade. Com efeito, estando
evidente o abuso do direito de
informar, a indenização por danos
morais é medida que se impõe.

4. Não é o só fato de a autora ter


pleiteado indenização em valor
superior ao deferido nas instâncias
ordinárias que caracteriza
sucumbência recíproca, uma vez que o
valor da indenização deduzido na
inicial é meramente estimativo.

5. Recurso especial não conhecido.”

9
(REsp 706769/RN, Rel. Ministro
LUIS FELIPE SALOMÃO, QUARTA TURMA,
julgado em 14/04/2009, DJe
27/04/2009). Grifos acrescidos.

28. O caso é idêntico: abuso do direito de


informar, o que enseja, sem sombra de dúvidas, a indenização
por danos morais.

III – DO PEDIDO

29. Diante do exposto requer a Vossa Excelência:

a) A citação do réu para, querendo,


comparecer à audiência de conciliação e
nela contestar a ação, sob pena de revelia
e confissão;

b) A procedência da ação para condenar o


Réu a indenizar a Autora pelos danos
morais sofridos em 40 salários mínimos,
máximo permitido pela competência desta
Justiça, tendo em vista as graves
difamações desferidas em detrimento da sua
honra pessoal.

Dá à causa o valor de 40 salários mínimos.

Nestes termos,
pede e espera deferimento.
Natal, 11 de março de 2010.

THIAGO CORTEZ MEIRA DE MEDEIROS


OAB/RN 4650

FELIPE AUGUSTO CORTEZ MEIRA DE MEDEIROS


OAB/RN 3640

ESEQUIAS PEGADO CORTEZ NETO


CORECON/RN 100-7 E OAB/RN 426-A
(OAB/RJ 109119 e OAB/SP 191386-A)

10