Вы находитесь на странице: 1из 64

PPEEQQUUEENNOO GGUUIIAA PPRRÁÁTTIICCOO

PPAARRAA OO RREEGGEENNTTEE DDEE BBAANNDDAA vol I

organização: Marcelo Jardim

Artigos de:

Marcelo Jardim Marcos Vinício Nogueira Dario Sotelo Hudson Nogueira

Pat ro c í ni o Reali za çã o
Pat ro c í ni o
Reali za çã o
Jardim Artigos de: Marcelo Jardim Marcos Vinício Nogueira Dario Sotelo Hudson Nogueira Pat ro c í

PROJETO EDIÇÃO DE PARTITURAS PARA BANDA

COORDENAÇÃO GERAL

Flavio Silva e Maria José de Queiroz Ferreira

COORDENAÇÃO TÉCNICA, ADAPTAÇÃO, REVISÃO E PADRONIZAÇÃO

Marcelo Jardim

EDITORAÇÃO MUSICAL

Si Thoca Edições Musicais www.sithoca.com.br Simone dos Santos

PRODUÇÃO GRÁFICA

João Carlos Guimarães

REVISÃO

Maurette Brandt

PROJETO GRÁFICO E EDITORIAL

Renata Arouca

CAPA E ILUSTRAÇÃO

Rafael Torres

IMPRESSÃO GRÁFICA

MP Projetos e Serviços Gráficos

Fundação Nacional de Artes Funarte Centro da Música – Cemus Rua da Imprensa 16, 13º andar – Centro CEP 20.030-120 Rio de Janeiro RJ Brasil Tel.: (21) 2279-8106; Fax: (21) 2279-8088 projbandas@funarte.gov.br www.funarte.gov.br

PADRONIZAÇÃO DA INSTRUMENTAÇÃO: A BANDA MODERNA

Uma fonte de referência

um guia para se obter conhecimento

A retomada do processo de edição de partituras para bandas é motivo de júbilo para a Funarte.Em 1995 e em 2000,foram lançados 14 títulos da série“Repertório de Ouro das Bandas de Música do Brasil” e em 2004 foi editada a série “Hinos do Brasil”,com dois títulos.Nessa oportunidade,20 novos títulos estão sendo lançados, dez dos quais numa nova série:“Música Brasileira para Banda". Essa série apresenta arranjos de alto nível para canções populares e da MPB, com o objetivo de valori- zar obras originais para banda, escritas por compositores de diferentes épocas – e também abrir espaço para transcrições apropriadas do repertório sinfônico brasilei- ro. Estes lançamentos foram adequados às normas internacionais de edição e padro- nização para a banda sinfônica, diversificando a oferta de partes instrumentais sem perder de vista as características mais marcantes de nossas bandas de música,além de permitir que as pequenas formações e bandas, com instrumental reduzido, execu- tem o mesmo material.

Madeiras Metais Percussão Piccolo (C) Trompa (F) 2 a 4 vozes Caixa Flauta - 1
Madeiras
Metais
Percussão
Piccolo (C)
Trompa (F) 2 a 4 vozes
Caixa
Flauta - 1 ou 2 vozes
Trompete (Bb) – 2 a 3 vozes
Prato
Oboé - 1 ou 2 vozes
Trombone – 2 a 3 vozes
Bumbo
Fagote – 1 ou 2 vozes
Trombone Baixo (eventualmente)
Tambor
Clarineta Eb (requinta)
Euphonium/Bombardino
Bells/xilofone
Clarineta Bb – 3 vozes
Tuba (tom de efeito)
Tímpanos
Clarineta Baixo Bb (clarone)
Contrabaixo (opcional)
Tamborim
Saxofone Alto Eb – 1 ou 2 vozes
Chocalho
Saxonfone Tenor Bb
Pandeiro
Saxofone Barítono Eb
Triângulo

Com este padrão instrumental para o trabalho de edição, a escrita considera alguns instrumentos como opcionais;ou seja,será adotado o padrão da banda sin- fônica, porém de modo a permitir que uma banda mais reduzida, sem alguns ins- trumentos como o oboé, fagote, etc. possa executar a obra. Em verdade mantém- se a escrita original, para banda de música, com acréscimo dos instrumentos

opcionais.Tais informações estão anotadas na partitura ou nos textos adicionais (nota de programa, nota do editor, etc.). Com isto, mesmo uma banda reduzi- da a 1 flauta (ou 1 flauta e 1 requinta), 3 clarinetas, 1 sax-alto, 1 sax-tenor, 3 trompas (ou saxhorns),3 trompetes,3 trombones,bombardino,tuba e 3 percus- sões poderá executar todo o material sem problema algum.

Desta forma, podemos definir a instrumentação e número de pautas:

• Piccolo – constará somente se estiver no material original;

• Flauta – 1 pauta, para 1 ou 2 vozes;

• Oboé – 1 pauta, para 1 ou 2 vozes;

• Fagote – 1 pauta,para 1 ou 2 vozes.Caráter opcional.Quando não houver

parte original,sua escrita será formada pelas vozes do barítono e/ou bombardino;

• Clarineta Eb/Requinta – constará somente se estiver no material original;

• Clarinetas Bb – 2 pautas:uma para a primeira voz e outra para a segunda e ter- ceira voz. Quando necessário, poderá eventualmente ser escrito em 4 vozes;

• Clarineta Baixo – 1 pauta para 1 voz. Caráter opcional;

• Saxofone Alto – 1 pauta, para 1 ou 2 vozes;

• Saxofone Tenor – 1 pauta, para 1ou 2 vozes;

• Saxofone Barítono – 1 pauta para 1 voz;

• Trompas F – 2 pautas,de 2 a 4 vozes.Caráter opcional para a 4ª trompa.Nas partes cavadas, impressão das partes de saxhorns, em Eb;

• Trompete – 2 pautas, de 2 a 4 vozes. Caráter opcional para a 4ª voz;

• Trombone – 2 pautas, de 2 a 4 vozes. Forma de escrita: 1 pauta para 1ª, 1 pauta para 2ª e 3ª. Caráter opcional para a 4ª voz;

• Bombardino – 1 pauta, clave de fá, 1 voz. Será feita como opcional uma

parte cavada para Barítono na clave de sol;

• Tuba – 1 pauta para 1 voz. Será escrito para tuba no tom de efeito,e não trans

posto para Bb ou Eb.Partes extras paraTuba Bb eTuba Eb;

• Tímpano – Opcional;

• Teclados – Será inserida uma pauta para bells/xilofone,possibilitando a execução

por qualquer instrumento de teclado – xilofone,bells,vibrafone,marimba,lira etc.;

• Percussão 1 – 1 pauta;

• Percussão 2 – 1 pauta. Extras:

• Saxhorns 1,2 e 3 - somente nas partes instrumentais,com impressão separada;

• Barítono Bb,Tuba Bb e Tuba Eb.

ÍNDICE

Prefácio Padronização da Instrumentação: a Banda Moderna | 3

Artigos

ENTENDIMENTO HISTÓRICO DO DESENVOLVIMENTO DA MÚSICA PARA SOPROS

Marcelo Jardim | 7

NOÇÕES BÁSICAS PARA O REGENTE DE BANDAS: O QUE FAZER ANTES DE POR O MATERIAL NAS ESTANTES

Marcos Nogueira | 20

TABELA DE PARÂMETROS TÉCNICOS E MUSICAIS

Dario Sotelo | 36

NOÇÕES BÁSICAS PARA O REGENTE DE BANDAS: ANTES DE COMEÇAR A ESCREVER UM ARRANJO

Hudson Nogueira | 51

OS AUTORES | 64

Artigos
Artigos

EENNTTEENNDDIIMMEENNTTOO HHIISSTTÓÓRRIICCOO DDOO DDEESSEENNVVOOLLVVIIMMEENNTTOO DDAA MMÚÚSSIICCAA PPAARRAA SSOOPPRROOSS

Marcelo Jardim

2008

MMÚÚSSIICCAA PPAARRAA SSOOPPRROOSS

O período compreendido entre a segunda metade do século XVIII e o iní- cio do século XIX foi de grandes revoluções. A Revolução Francesa (1789- 1799), a Revolução Americana (1755-1783) e ainda as Guerras Napoleônicas (1804-1815) abriram espaço para novas nações e estabeleceram novas idéias

políticas. Essas idéias definitivamente todos os campos das artes e afetariam, conseqüentemente, toda a música composta durante e depois desses eventos.

A partir daí, o progresso dos grupos e bandas de sopro chega ao início do

século XIX com um rico acervo instrumental. WilhelmWieprecht (1802-1872),um celebrado maestro de banda militar da antiga Prússia, fez inúmeras recomendações importantes sobre a instrumenta- ção e a proporção entre as seções (naipes) da banda. Foi um dos primeiros a estudar e defender a utilização da trompa e dos trompetes com válvulas dentro dos grupos, em função do ganho técnico. Suas transcrições das sinfonias de Beethoven e Mozart,assim como as transcrições de aberturas clássicas e român-

ticas, excertos operísticos e temas nacionais, entre outras, ampliaram sensivel- mente o repertório para bandas.Wieprecht também foi o criador da tuba. Richard Franko Goldman (1910-1980) sugere que o conceito do conjun-

to de sopros moderno – chamado de banda de música ou mesmo banda sin-

fônica – tenha começado com a Revolução Francesa e com a organização da Banda da Guarda Nacional Francesa por Bernard Serrette (1765-1858). De acordo com Goldman, o desenvolvimento das bandas foi influenciado mais profundamente pela Revolução Francesa do que por qualquer outro aconte- cimento anterior ou posterior. Com o crescente interesse em atender aos anseios e ao entusiasmo da população frente ao estabelecimento de uma nova ordem política, a música se tornou uma fantástica e fundamental via de expressão.As bandas ocuparam um importante papel nesse novo cenário: eram organizadas para o povo e pelo povo – e cresceram em proporções jamais vis-

tas, tornando-se essenciais e destacadas nas celebrações patrióticas e festivas ao ar livre.

A quantidade dessas demonstrações, e a abundância de música

nova escrita para as mesmas, é um testemunho da febre emocional dos primeiros anos da república. Em 1789, um jovem músico chamado Sarrete agrupou 45 instrumentistas de sopro de bandas e orquestras existentes e formou a Banda da Guarda Nacional. Essa banda foi aumentada para 70 músicos em 1790, e era mantida pela Prefeitura de Paris. Gossec (1734-1829), um dos principais compositores france- ses daquele tempo, tornou-se “Mestre da Banda”, com Charles Simon Catel (1773-1830), outro celebrado compositor, como seu assistente.A Banda da Guarda Nacional, dissolvida pelo decreto da Convenção em 1972, tornou-se o núcleo do famoso Conservatório Nacional de Música de Paris.

[ ]

Outras bandas surgiram e todos os principais compositores daquela época abaste- ceram-nas com música nova. Goldman salienta que, do ponto de vista da atividade espontânea, de popularidade e importância,aquele período talvez tenha sido o mais excitante e significativo da história da música para banda na Europa. Um estudioso daquele período,Goldman descreveu assim o status das bandas revolucionárias:

O progresso foi considerável, graças à iniciativa da Banda da Guarda

Nacional de Paris,fundadora do Conservatório.Quebrando todos os preceden- tes, aqueles artistas usavam todos os mais conhecidos instrumentos de sopro nas bandas militares, que eram compostas simplesmente por oboés, clarinetas, trompas e fagotes. Inventaram novos instrumentos.Além disso, aumentaram e direcionaram o repertório com composições originais, que variavam na instru- mentação, estruturadas na forma de aberturas de concerto e sinfonias, porém altamente desenvolvidas e obviamente mais interessantes do que os pot-pour- ris de árias de óperas,que estavam em alta naquela época e formavam a maior parte do repertório conhecido das bandas militares.

[ ]

A grande maioria dessas composições, entre as quais figuram obras esplêndidas de compositores como Cherubini (1760-1842),Gossec (1734-1829),Catel (1773-

1830) e Mehul (1763-1817), são desconhecidas, infelizmente, entre os regentes atuais. A instrumentação típica desse tipo de banda de regimento, à época de Napoleão, consistia em um piccolo, 16 clarinetas, quatro fagotes, duas serpentes, dois trompetes,um trompete baixo,quatro trompas,três trombones,duas caixas,um bumbo,triângulo e dois pares de pratos.Uma banda,portanto,de aproximadamen- te 40 instrumentistas.É importante dizer que,no período de 1795 a 1810,as ban- das francesas eram as melhores da Europa.A Serpente e o Ophicleide foram os pre- cursores da tuba; ambos utilizavam bocais e eram afinados em Bb.Apesar de ocu- parem a função de baixo,não eram adequados por inúmeros motivos e foram subs- tituídos a partir do desenvolvimento da tuba porWieprecht. Durante a primeira metade do século XIX, o desenvolvimento dos instru- mentos de madeiras e metais porTheobald Boehm,Auguste Buffet,Hyancinthe Klose,Heckel,Blumel e Stoelzel,juntamente com a criação de uma outra famí- lia de instrumentos por Joseph Adolphe Sax (1814-1894), inventor dos saxofo- nes e dos saxhorn’s, foram fatores que ajudaram a incrementar o potencial téc- nico e expressivo dos instrumentos de sopro e das próprias bandas. Sax exercia grande influência na escolha dos instrumentos que comporiam as bandas mili- tares francesas até meados do século XIX; foi o responsável direto pela inclu- são de barítono, flugelhorn, tuba (modificada a partir da tuba de Wieprecht), saxofones e saxhornes nas bandas militares. Em 1854, o órgão governamental específico aprovou a nova instrumentação padrão para as bandas militares fran- cesas, que modificava a predominância das clarinetas e introduzia a família de saxofones e demais instrumentos. Quando escreveu a Sinfonia Eroica em 1805 e as demais sinfonias nos anos posteriores, Ludwig van Beethoven (1770-1827) estabeleceu a predominância da orquestra como o maior conjunto instrumental, aumentou a extensão das possibilidades orquestrais mais do que qualquer outro compositor, desde Glück até Wagner. Na Eroica, o naipe de trompas recebeu o acréscimo de mais uma trompa; e com a Nona Sinfonia, o conhecido quarteto tradicional se fixou de forma definitiva na escrita orquestral. O próprio Beethoven já o havia utiliza- do em Egmont, e mesmo Mozart na Gran Partita e na Sinfonia 21, mas, como relata Adam Case,a utilização do quarteto de trompas no final do século XVIII e início do século XIX se deu mais pelas possibilidades de aumento da exten- são nas escolhas das notas e tonalidades do que pelo aumento do colorido da sonoridade das trompas na orquestra. Nestas sinfonias, Beethoven estabeleceu

também o divórcio do casamento ancestral do cello com o contrabaixo; o pic- colo e o contra-fagote tornaram-se parte integrante da família das madeiras orquestrais e os trombones começaram a aparecer com certa freqüência,embo-

ra sua aplicação com a utilização completa de seus recursos cromáticos apareça somente na Sinfonia em B menor (Inacabada), de Franz Schubert (1797-1828). Em 1824, enquanto estava na estação de águas de Bad Dobberan, no Mar

Báltico, Felix Mendelssohn (1809-1847) compôs seu Noturno para Harmonie (uma flauta, dois oboés, duas clarinetas, dois fagotes, duas trompas, um trompe- te e um barítono – bass horn). Mais tarde, reorquestrou a obra para uma orquestra de sopros maior e publicou-a em 1839, juntamente com Simrock, como Abertura para Banda,Op.24.Carl Maria vonWeber (1786-1826) e Hector Berlioz (1803-1869) expandiram a lista de instrumentos de sopro na orquestra, atribuindo-lhes expressivas partes solistas. Em 1840, Berlioz compôs a Grand Symphonie Fúnebre etTriomphale,Op.15,para o 10º aniversario da Revolução de Julho de 1830, e em 1844 Richard Wagner (1813-1883) compôs Trauersinfonie para a cerimônia de enterro dos restos mortais de Carl Maria von Weber em Dresden, depois de seu retorno de Londres, onde estava enterrado. Ambas as obras de Berlioz e Wagner foram escritas para importantes apresentações ao ar livre e orquestradas para banda. Com relação à Trauersinfonie, MichaelVotta faz uma análise musicológica da obra em artigo publicado no livro TheWind Ensemble and its repertoire (HUNS- BERGER, 1994, p. 169), na qual traz à tona elementos importantes para o seu entendimento. O subtítulo da obra, por exemplo – Música Fúnebre sobre Temas de Carl Maria vonWeber – deixa claro que o compositor utilizou temas deWeber arranjados para banda.Pode-se dizer que Trauersinfonie ou Trauermusik seria uma transcrição da música de Weber para banda, realizada por Wagner o que não tira, de forma alguma a importância, da obra ou o seu brilho natural, pela bela construção musical.A contribuição deWagner para o desenvolvimento dos ins- trumentos de sopro ultrapassa sensivelmente a Trauersinfonie, escrita original- mente para banda. O extensivo número de transcrições de seu material operís- tico excede em número, talvez, qualquer outro tipo de material musical utili- zado nos programas de concerto. Suas aberturas se encontram entre as obras mais tocadas de todos os tempos, por bandas do mundo inteiro.Wagner tam- bém foi construtor de instrumentos para atender às suas necessidades acústicas

e expressivas junto à Orquestra de Bayreuth. Desenvolveu um instrumento

denominado tuba wagneriana, afinado em F e Bb, com o mesmo timbre das trompas, com acréscimo, em extensão, de uma oitava e uma quinta abaixo, em relação às trompas afinadas em F.

Em resumo, as principais contribuições de Wagner foram:

1. As madeiras da orquestra cresceram em tamanho, em naipes de quatro

instrumentos. Foi responsável pela padronização da orquestração, estabelecen- do a homogenia para o quarteto de madeiras;

2. Nas obras de Wagner, os metais foram alçados ao mais alto patamar de

desenvolvimento. Utilizados em quartetos, como as madeiras, com a finalidade de realizar acordes mais complexos; os metais, como seção da orquestra (17 foram utilizados no Anel), adquiriam individualidade, independência e estatura completa no corpo orquestral.

O Tratado de Orquestração,de Hector Berlioz (GrandTraité d’instrumentation et d’orchestration modernes), escrito em 1843, abasteceu inúmeros compositores e regentes com importantes informações mecânicas e técnicas sobre os instru- mentos da orquestra, especialmente os instrumentos de sopro. Com sua paleta de cores orquestrais reveladas em suas composições e com o tratado, Berlioz passou a ser considerado por muitos o criador da orquestra moderna. Importante observar que até o ano de 1843, vários mecanismos e instrumentos novos foram sendo adicionados à atividade orquestral e bandística em todo o mundo.

Como podemos verificar pela pesquisa realizada por Kenneth Berger:

Ano Inovação 1677 Uma chave é adicionada na flauta transversal 1690 A primeira clarineta (Denner)
Ano
Inovação
1677
Uma chave é adicionada na flauta transversal
1690
A
primeira clarineta (Denner) aparece
1770
Surge o corno de basseto (Basset horn)
1793
Surge a clarineta baixo, ainda em uma forma rudimentar
1808
A
chave em forma de anel é patenteada
1810
Ivan Muller traz à luz uma clarineta de 13 chaves
1810
Surge o bugle (fluegelhorn) com chaves
1815
É
inventado o piston com válvula (pistos/pistões)
1830
Surgem os primeiros metais com três válvulas (pistos)
1832
Surgem as boquilhas cônicas Boehm para flauta
1840
Adolphe Sax inventa o saxofone
1843
Adolphe Sax inventa os saxhorns
1843
Klosè e Buffet melhoram a clarineta (Sistema Boehm)

Tabela 1: Inovações técnicas e desenvolvimento dos instrumentos de sopros

Durante a segunda metade do século XIX,importantes compositores escre- veram obras para pequenos grupos camerísticos de sopros e para os sopros orquestrais.Antonin Dvörak (1841-1904) compôs sua Serenata em D menor, Op. 44; Charles Gounod (1818-1893) compôs sua Petite Symphonie em 1883; e Richard Strauss (1864-1949) compôs a Serenata em Eb, Op. 7 em 1881 e a Suite em Bb, Op. 4 em 1884. John Philip Sousa (1854-1932) iniciou sua fabulosa carreira como mestre de banda e compositor em 1880, na U.S. Marine Band. Durante 12 anos, realizou um intenso e vitorioso trabalho de popularização da banda na cultura ameri- cana, que se estendeu de 1892 – ano em que se retirou do serviço militar e fundou sua própria banda – até 1932,o ano de sua morte.Tocava com a Sousa’s Band pelos Estados Unidos de ponta a ponta,além de realizar turnês por diver- sos países da Europa e por todo o mundo,durante as quais compôs e tocou suas conhecidas marchas. No Brasil, em 1896,Anacleto Augusto de Medeiros (1866-1907) foi con- vidado pelo tenente-coronel Eugênio Jardim para organizar a Banda do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro, arregimentando para isto ex-cole-

gas da Banda do Arsenal de Guerra e também outros chorões de boa técni- ca. A banda foi criada num momento em que o Rio concentrava o maior número de bandas militares do Brasil e era considerado o maior centro for- mador de músicos profissionais.Anacleto, que até então havia sido regente da Banda do Recreio Musical Paquetaense e de orquestras de bailes de carnaval, transformou a Banda do Corpo de Bombeiros na melhor banda militar do Brasil, em sua época.

ESTABELECENDO CONCEITOS: A ORQUESTRA DE SOPROS

Podemos definir como um marco para o Conceito do Conjunto de Sopros (Wind Ensemble Concept), do qual passaremos a tratar neste estudo, o concerto realizado em 5 de fevereiro de 1951 na Eastman School of Music da Universidade de Rochester, no Estado de NovaYork, nos Estados Unidos, sob a batuta do regente Frederick Fennell (1914-2004). Este concerto surgiu um ano antes da criação da Eastman Wind Ensemble, lançada por Fennell com o objetivo de dar uma nova direção ao desenvolvimento da prática interpretativa para os instrumentos de sopros e percussão.A partir de então,o mundo musical testemunhou um enorme desenvolvimento e o redescobrimento de um repertório para esses instrumentos - não somente pelo volume de obras escritas, mas por novos enfoques no trata- mento dos grupos aos quais se destinavam. Uma nova e maravilhosa literatura musical começou a emergir das salas de concertos,valorizando sobretudo o poten- cial técnico e musical de alguns instrumentos de origem ainda recente naquele vasto cenário artístico. Novas possibilidades de programas começaram a ser apre- sentadas ao público normal – e mesmo ao público antes acostumado aos sons mais populares das bandas de música no Brasil e das bandas de concerto,como são cha- madas nos Estados Unidos. Houve uma mudança de mentalidade por parte de grande número de regen- tes, compositores e músicos, com relação à suas concepções de sonoridade, prepa- ração de concerto e padrão do som da banda, normalmente voltado para as mar- chas, dobrados, transcrições do repertório erudito e da música popular. Um novo aspecto do universo da banda se abriu a descobertas de timbres,diversidades instru- mentais, tratamento orquestral mais refinado,mudanças estruturais na formação do próprio corpo orquestral encontrado na banda – e,acima de tudo,um maior apro- veitamento das possibilidades artísticas do grupo.

Nas palavras de Frederick Fennell:

No inverno de 1951, um concerto não usual de música para instrumentos de sopro foi apresentado na Eastman School of Music, sob a direção deste que escreve. A noite de música começou com um Ricercare para instrumentos de sopros de Adrian Willaert (1480-1562) e terminou com dez composições, além das Sinfonias para Instrumentos de Sopro, de Igor Stravinsky (1882-

teve um significado que foi muito além da bele-

za da música tocada e da excelência da apresentação oferecida pelos estudan- tes de nosso Departamento de Conjuntos Instrumentais. É um prazer recor- dar o maravilhoso efeito deste concerto; além da aceitação do público e da imprensa, é um prazer recordar, lembrar como foi a reação dos músicos - posi- tiva, articulada e entusiástica ao extremo. O resultado direto dessa noite de música original para instrumentos de sopro foi o estabelecimento,no outono de 1952, da EastmanWind Ensemble.

1971). Este programa [

]

É importante notar, no relato de Fennel, o conceito que permeava a pro-

gramação do concerto, iniciado com o Ricercare de Willaert (composto no século XVI) e concluído com as Sinfonias para Instrumentos de Sopro, de Stravinsky (composta em 1920); No mesmo concerto dá-se o desenvolvi- mento da formação flexível para a Wind Ensemble,o conjunto de sopros.Com esse propósito, começou-se a diminuir a distância entre a música de concer-

to e a prática musical das bandas de concerto, cujo repertório era mais volta- do para um entretenimento de fácil entendimento, com músicas populares e os mesmos standards de transcrições do repertório sinfônico e marchas. A banda sempre foi sinônimo de massa sonora. Fennell encaminhou uma carta mimeografada a 400 compositores de todo o mundo,expondo o plano de ati- vidade do novo grupo.

A proposta nunca foi suplantar as atividades com as bandas sinfônicas, ou

qualquer outra formação de banda. Foi, sim, a de abrir uma nova perspectiva para o repertório já existente para sopros camerísticos ou sopros orquestrais, dentro da estrutura da banda, de modo a diversificar sua atuação e elevar a

atividade musical ao nível técnico das orquestras sinfônicas de boa qualidade artística.

A instrumentação sugerida foi: Palhetas/Madeiras Metais 2 flautas e 1 piccolo e/ou flauta alto 3
A instrumentação sugerida foi:
Palhetas/Madeiras
Metais
2
flautas e 1 piccolo e/ou flauta alto
3
cornets em Bb ou 5 trompetes Bb
2
oboés e 1 corne inglês
2
trompetes em Bb
1
clarineta em Eb (requinta)
4
trompas
clarinetas em Bb, ou clarinetas em A
(divididas da maneira desejada ou
em número menor)
8
2
euphoniuns (bombardinos)
1 clarineta alto em Eb
3
trombones
1 clarineta baixo em Bb
1
Tuba Eb
2 saxofones alto Eb
Tuba BBb ou 2 Tuba BBb
se desejado
1
1 saxofone tenor Bb
1
Contrabaixo
1 saxofone bar tono Eb
Percussão, harpa, celesta, piano, órgão, cravo, instrumentos de cordas como
solistas e coro, se desejado
Tabela 2: Instrumentação da Orquestra de Sopros proposta por Fennell

Com esta instrumentação em mente, e com as cartas encaminhadas aos compositores, o interesse de Fennell era que houvesse uma adesão a esta pro- posta, dando liberdade para o compositor agregar ou mesmo não utilizar toda a instrumentação proposta.

Ao escolher esta modesta instrumentação [

conseguir a força instrumental da forma mais simples possível. Esta instru- mentação é simplesmente a utilizada na orquestra para a qual Richard

] com a adição de

uma seção de saxofones, uma clarineta alto e a diminuição de um trompete baixo.Esta é a mesma seção de sopros utilizada por Stravinsky depois em “A Sagração da Primavera”.

foi minha primeira intenção

]

Wagner orquestrou seu “O Anel dos Nibelungos” [

Em verdade, mais importante do que a instrumentação utilizada foi, com certeza, o conceito de dar ao compositor a liberdade de definir o som que esti- mularia com sua composição, com liberdade para flexibilizar o grupo de forma

a buscar timbres novos, técnicas desafiadoras, uma estrutura além da música massiva das bandas de concerto. Enfim, uma nova alternativa em literatura para os sopros orquestrais a ser explorada – e também uma porta a mais para os compositores atuarem no campo da arte musical.Tratar os sopros como uma orquestra tornou-se um novo meio de expressão artística – uma forma de bus- car, qualitativamente, novos resultados sonoros. Até o início de 1950, a literatura específica para banda de concerto ou banda sinfônica era escassa, em nível mundial; havia poucas fontes onde hou- vesse um tratamento orquestral na instrumentação e mesmo uma preocupação em destacar o grupo como um meio de expressão artística de conotação sin- fônica. Pouco havia sido produzido até então,se comparado ao desenvolvimen- to que se verificou nas décadas seguintes. Mas um material de excelente quali- dade já podia ser organizado, com todo o conceito nele embutido.

Compositor Obra Ano Felix Mendelsohn-Bartholdi Hector Berlioz Richard Wagner Gustav Mahler Georges Enesco Gustav
Compositor
Obra
Ano
Felix Mendelsohn-Bartholdi
Hector Berlioz
Richard Wagner
Gustav Mahler
Georges Enesco
Gustav Holst
Gustav Holst
Florent Schmitt
Percy Grainger
Igor Stravinsky
RalphVaugham-Williams
RalphVaugham-Williams
RalphVaugham-Williams
Gordon Jacob
Gordon Jacob
Gustav Holst
Gustav Holst
Ottorino Respighi
Percy Grainger
Percy Grainger
Abertura para Sopros Op. 24
Sinfonia Fúnebre e Triunfal
Trauersinfonie
Um Mitternarcht
Dixtuor, Op. 14
Primeira Suite em Eb, Op. 28, nº 1
Segunda Suíte em F, Op. 28, nº 2
Dionysiaques, Op. 62, n. 1
Irish Tune from County Derry
Sinfonias para Instrumentos de Sopros
English Folk Song Suite
Sea Songs
Toccata Marziale
William Byrd Suite
An Original Suite
Fugue à la Gigue
Hammersmith
Huntingtower Ballad
Lads of Wamphray
Lincolnshire Posy
1824
1840
1848
1902
1906
1909
1911
1913
1918
1920
1923
1923
1924
1924
1924
1928
1931
1932
1935
1936
Arthur Honegger Sergei Prokofiev RalphVaugham-Williams Nikolai Miaskovsky William Schuman Morton Gold Roy Harris
Arthur Honegger
Sergei Prokofiev
RalphVaugham-Williams
Nikolai Miaskovsky
William Schuman
Morton Gold
Roy Harris
Paul Creston
Samuel Barber
Alfred Reed
Arnold Schöenberg
Darius Milhaud
Robert Russell Bennett
Virgil Thomson
Vincent Persichetti
William Schuman
Paul Hindemith
La Marche sur la Bastille
1936
Athletic Festival March
1937
Flourish for Wind Band
1939
Sinfonia n. 19 em Eb
1939
Newsreel
1939
Jericho
1940
Cimaron Overture
1941
Legend
1942
Comando March
1943
Russian Christmas Music
1944
Tema eVariações Op. 43ª
1943
Suíte Francesa, Op. 248
1944
Suite of Old American Dances
1947
A Solemn Music
1949
Divertimento para Banda, Op. 42ª
1950
George Washignton Bridge
1950
Sinfonia em Bb
1950

Tabela 3: Exemplos de obras compostas para Banda anterior a 1950

Gustav Holst (1874-1934) compôs suas duas suítes para banda em 1909 e 1911, provavelmente atendendo ao apelo de amigos, mestres de bandas na Inglaterra do início do século XX, para que escrevesse bons materiais musicais para seus grupos musicais. Holst foi trombonista em bandas civis de caráter militar, as chamadas English Military Bands, e também em bandas de entrete- nimento em estações de veraneio, de 1895 até 1903. Possuía, aliás, grande conhecimento nesse meio. Não se tem notícia, porém, de apresentações dessas obras antes de 1920, ano da estréia da Suíte em Eb, executada pelos 165 com- ponentes da Royal Military School Music Band.A Segunda Suíte em F teve sua estréia em 30 de junho de 1922, interpretada pela mesma banda, em parceria com a British Music Society at Royal Albert Hall, em Londres. Amigo de Holst, Ralph Vaugham-Williams (1872-1958) escreveu cinco obras para banda, das quais a primeira e mais conhecida é a English Folk Song Suite, composta em três movimentos. Originalmente possuía quatro movimentos, mas o segundo transformou-se numa obra à parte, Sea Songs. No ano seguinte compôs Toccata Marziale, desta vez com um grau de dificuldade muito maior do

que o das obras anteriores – e com caráter original, não baseado em canções fol- clóricas. Em 1986, o pesquisador Robert Grechesky encontrou uma obra perdida deVaughamWilliams, Adágio para Banda Militar, na sala de manuscritos do Museu Britânico.Segundo ele,pode ser o segundo movimento de um Concerto Grosso para banda militar, no qual o compositor estaria trabalhando. O primeiro movimento desse concerto se tornou a Toccata Marziale,o segundo estava desaparecido e o ter- ceiro nunca chegou a ser composto.Em 1938,VaughamWilliams escreveu England Pleasant Land, para coro misto e banda militar, obra que continha muito do mate- rial que mais tarde utilizaria em sua Quinta Sinfonia;em 1939 compôs Flourish,para banda militar. Em 1913, Florent Smith (1870-1958), amigo de Villa-Lobos, compôs Dionysiaques, estreada 12 anos mais tarde pelos 100 componentes da Banda da Guarda Republicana Francesa,em 9 de junho de 1925,nos Jardins de Luxemburgo. Esse tipo de repertório traz consigo o mesmo direcionamento dado por seus com- positores às obras para orquestra sinfônica: equilíbrio entre as vozes, planos distin- tos de dinâmica e timbres, utilização de técnicas de composição mais elaboradas e utilização da paleta orquestral quanto à instrumentação para sopros e percussão, entre outros elementos.Em outras palavras,o contato com as bandas abriu,para os compositores que escreviam para orquestras sinfônicas, uma nova perspeciva de escrita e de conceito para aquele tipo de grupo. Ainda no círculo dos amigos queVilla-Lobos no período em que esteve pela primeira vez em Paris, estava EdgarVarèse (1885-1965). Entre 1923 e 1931,Varèse compôs obras revolucionárias para madeiras, metais e percussão, como Octandre e Hiperprism em 1923,seguidas por Intégrales,em 1925,e em 1931 por sua obra-prima para grupo de percussão,Ionisation.Todas essas composições,de extrema complexi- dade e originalidade, refletem claramente a determinação do compositor em repensar a estética da música ocidental da época. Outro compositor que conheceuVilla-Lobos no Rio de Janeiro entre 1917 e 1919, durante a visita ao Brasil da delegação francesa dirigida pelo poeta Paul Claudel,foi Darius Milhaud (1892-1974),que no entanto não chegou a ser próxi- mo ao compositor. Milhaud se aproximou das atividades da música popular e se maravilhou com o maxixe, o samba, os cateretês e os tangos (choros) brasileiros; e teceu inúmeros elogios aos músicos que desenvolveram estes estilos, como Tupynamba e o genial [Ernesto] Nazareth, em suas palavras. A Suíte Francesa, Op. 248, composta por Milhaud em 1944 para banda, pode ser considerada uma das

obras que melhor exemplifica o conceito da utilização dos instrumentos de sopro para possibilitar uma execução em nível artístico. Em cada um dos cinco movi- mentos da Suite, o compositor utilizou temas folclóricos das províncias francesas onde os pais dos alunos da banda (de colégios americanos) estavam lutando, na Segunda Grande Guerra, contra os invasores alemães. Ao introduzir os conceitos da orquestra de sopros/conjunto de sopros, Fennell estimulou, no meio das bandas, as discussões sobre a real função desses grupos no desenvolvimento de um repertório de qualidade e na transformação de alunos em excelentes músicos, através de um currículo acadêmico melhor e mais bem dire- cionado. Quanto aos estilos musicais tratados nos repertórios distintos de cada formação, devemos levar em conta as diferenças culturais no processo de formação e desen- volvimento das atividades de cada grupo sinfônico.No Brasil,a banda de música se tornou uma grande escola popular de música, por receber pessoas da comunidade que tinham interesse em aprender música e em tocar um instrumento.Com isto,a grande maioria do material escrito é de cunho popular,ou de agrado popular.Nos Estados Unidos,a proposta da banda de concerto seguiu o caminho da escola,inte- grando-se às demais atividades curriculares.Com isto,a procura por questões liga- das ao desenvolvimento de uma pedagogia musical se tornou intrínseca na produ- ção musical para essa formação.

CONCLUSÃO:

É possível definir e avançar com as linhas de atuação de uma banda de música, banda de concerto,banda sinfônica,grupos camerísticos,bandas marciais,bandas de metais e tantas outras formações com sopros e percussão,aproveitando um enorme leque de repertório. O regente deve buscar cada vez mais informação, para que saiba explorar ao máximo o potencial de seu grupo e estimulá-lo em seu cresci- mento técnico e musical, sempre em busca do vínculo direto com o público ao qual o trabalho será destinado.Esse processo chama-se educar.Aliar conhecimento a essas atividades significa colocar à frente de tudo, sempre, o objetivo principal de todo o trabalho – que é,em última análise,a realização musical como atividade bási- ca para a formação sócio-cultural do ser humano.

NOÇÕES BÁSICAS PARA O REGENTE DE BANDAS:

O QUE FAZER ANTES DE PÔR O MATERIAL NAS ESTANTES

Marcos Nogueira

2008

MÚSICA É UMA EXPERIÊNCIA ESTÉTICA COM O INTANGÍVEL. Músicos e

ouvintes operam com um meio radicalmente abstrato. Entretanto, podemos “manipular” os sons, mesmo sem vê-los nem tocá-los, porque temos a capaci- dade de criar uma realidade virtual para os sons que ouvimos como música. E criamos essa “realidade paralela” por meio de metáforas, imaginando assim um aspecto físico e, portanto, mais concreto para os sons musicais. É esse ato cria- tivo da nossa imaginação que torna real uma textura musical – que experimen- tamos como um fluxo sonoro temporal ocupante de um espaço imaginário, e que nos possibilita perceber uma forma musical e apreender sua estrutura. Ao desenvolver suas habilidades musicais,os músicos potencializam sua cria- tividade e produtividade. Um programa de aquisição de competências e de aperfeiçoamento proporciona ao músico entendimento, motivação e técnica especiais. Entendimento como capacidade de produzir sentidos radicados no reconhecimento histórico-estilístico dos elementos que constituem a música e, mais ainda, baseados na percepção de repetição desses elementos ao longo das obras musicais. Motivação como o despertar do interesse pela criação musical, como desejo de realizar, de formar, ou seja, de atuar artisticamente. E técnica sob o aspecto de uma rede interativa de habilidades afins, tais como a notação musical, o contraponto, a progressão harmônica, a elaboração formal, a execu- ção instrumental ou a orquestração.A discussão desses conceitos será o alvo do estudo que se segue. A fim de assegurarem um bom nível de pertinência estilística, qualidade artística e eficiência técnica em suas performances,os regentes desenvolvem,em geral, um plano de estudos para as peças que escolheram e pretendem execu- tar. Seja como for, esse roteiro de trabalho abrange quatro estágios de investi- gação: (1) o exame do contexto histórico da obra; (2) a descrição de sua tex- tura; (3) a análise de sua estrutura; e (4) a definição dos caracteres de estilo da composição e, por conseguinte, da interpretação a ser construída. Esses estágios não devem ser entendidos como etapas rigorosamente ordenadas, nem o rotei-

ro aqui proposto deve ser tomado como um modelo fechado, de aplicabilidade homogênea. Contudo, com o objetivo de tornar mais claro o plano de trabalho sugerido aos regentes e intérpretes em geral, proporemos o estudo detalhado de uma obra do repertório de Música Brasileira para Bandas, editado pela Funarte:

Jubileu, de Anacleto de Medeiros, dobrado originalmente composto para banda.

CONTEXTO HISTÓRICO

Toda execução, toda interpretação musical representa uma atualização da obra, que a torna mais uma vez presente; isso sempre implica sua recriação em novo contexto histórico e cultural. Por isso mesmo o entendimento histórico acerca da obra a ser interpretada assume especial importância. Intérpretes não devem prescindir de informações sobre a origem do texto (partitura ou grava- ção original) da obra, tais como data e local de composição, origem do com- positor, suas influências estéticas e todo tipo de conhecimento histórico rele- vante para a sua interpretação no novo contexto. Mas a interpretação – tanto dos executantes quanto de seus ouvintes – é algo que envolve relação entre o texto (o artístico) e a experiência dos intérpretes (o estético).É nesse ponto que a pesquisa histórica deixa de priorizar o texto,fixo e imutável,para visar à obra, que é uma realização coletiva e dinâmica.É essa possibilidade de tornar as obras sempre presentes – mesmo que seus textos tenham origem no passado – que as torna históricas.Tudo isso é possível graças à nossa memória,que estabelece,por natureza, vínculos entre obras musicais: a origem da interpretação. Sabemos que:

Anacleto Augusto de Medeiros,filho de escrava liberta,nasceu em Paquetá,atual bairro da cidade do Rio de Janeiro,localizado numa ilha da Baía de Guanabara.Aos nove anos ingressou na Confraria de Menores do Arsenal de Guerra, no Rio de Janeiro, e iniciou- se no aprendizado musical tocando flautim na banda do Arsenal. Nesse período teve como principal orientador Santos Bocot, um amante do estilo que se consagraria, mais tarde, com a denomina- ção de choro. Matriculou-se no Conservatório de Música em 1884, dois anos depois, diplomou-se como professor de clarinete, na mesma classe de Francisco Braga. No Conservatório foi aluno de Henrique Alves de Mesquita e, em conseqüência disso,

ampliou sua vivência com a estilística brasileira nascente,que tanta contribuição recebeu do seu mestre. Em sua atividade musical, Anacleto de Medeiros teve êxito em realizar aquele que foi o seu principal projeto: fundou e regeu inúmeras bandas de música, tais como a da Sociedade Recreio Musical Paquetaense, a Banda de Música de Magé e a Banda da Fábrica deTecidos Bangu. Notável melodista e harmonizador, compôs inúmeras valsas, polcas, qua- drilhas, dobrados e xotes ou schottishes (muitos o consideram o criador do schottish brasileiro), fundindo a elegância sinfônica com um característico sotaque da música brasileira urbana que se for- mava. Em 1896, já bastante reconhecido como regente e compo- sitor, foi convidado a organizar a Banda do Corpo de Bombeiros, para a qual levou antigos colegas de bandas e alguns dos mais excepcionais músicos de choro da cidade – que naquele momen- to começavam a se profissionalizar –, somando inicialmente um conjunto de 25 músicos em seu efetivo. Sob sua batuta, tornou-se então regular e notável a participação da célebre Banda nas pri- meiras gravações em disco feitas no país, a partir de 1902, a con- vite de Frederico Figner, da Casa Edson. Faziam parte de seu repertório, nessa época, os dobrados Jubileu (composto em 1906 para a comemoração do 50º aniversário do Corpo de Bombeiros), Avenida e Pavilhão Brasileiro, dentre tantas outras obras.Várias de suas composições notabilizaram-se posteriormente com letras de Catulo da Paixão Cearense e integram o repertório clássico do choro. O nome de Anacleto, que nos deixou quase uma centena de obras, forma com os de Henrique Alves de Mesquita, Chiquinha Gonzaga, Joaquim Callado e Ernesto Nazareth o grupo dos principais consolidadores da música autenticamente brasileira.

Se investigamos a origem do texto musical, não é para nos tornarmos aptos

a reproduzir uma hipotética interpretação original da obra (a que Anacleto

tinha em mente ao executar e gravar seu dobrado, por exemplo), mas para ati-

var a memória e estabelecer os sentidos que gerarão a nova interpretação, pois

o sentido da obra não se realiza por si só; está no diálogo do ouvinte com os

sentidos históricos da obra. O relato acima é aquilo que os intérpretes pode- riam formular como a síntese do contexto histórico de composição de Jubileu; entretanto a fundamentação da sua representatividade como gênero,como esti- lo e sobretudo como expressão artística no contexto histórico de sua interpre- tação atual, será objeto do quarto e último item do presente estudo.

TEXTURA

O entendimento musical não se separa da experiência da música. Referimo- nos à experiência da escuta, que pode ser considerada em duas modalidades: a escuta por uma sinalização e uma escuta por ela mesma.A primeira relaciona-se a uma capacidade perceptiva comum a todos os animais e está ligada à busca por informação:sinos,apitos,sirenes e buzinas nos alertam,por exemplo,para horários, acontecimentos, advertências e vários outros tipos de informação.Todavia, as par- ticularidades da imaginação humana nos tornam capazes de voltar a atenção para os sons em si mesmos e de escutá-los com um interesse no próprio ato da escuta, ou seja, com interesse em como soam os sons. Por isso, quando conseguimos abrir mão da busca por informação,iniciamos a busca por padrões,ordem e sentido nos sons que escutamos, prolongando assim nosso interesse neles. Essa é a condição para que possamos ouvir música;no instante em que passamos a ouvir sons como música, nossa experiência deixa de ser informativa e adquire estruturação mais imaginativa e criativa, passa a ser organizada por metáforas. Textura, na experiência musical, é uma metáfora que usamos para designar as qualidades perceptivas do fluxo sonoro que entendemos como música.Trata- se de uma metáfora de tecelagem, na qual a urdidura – os fios dispostos longi- tudinalmente no tear – representa a dimensão horizontal,os sons sucessivos que formam linhas melódicas, e a trama – os fios transversais – representa a dimen- são vertical, as simultaneidades que formam estruturas acordais. O emprego da metáfora do tecido implica serem a urdidura e a trama mais que meras dimen- sões da música; são organizações que mantêm a música unida do mesmo modo que as fibras mantêm os tecidos.Textura é aquilo que experimentamos quan- do ouvimos sons que duram, quando distinguimos regiões de altura sonora (registros), quando idealizamos distâncias, quando percebemos intensidades sonoras, profundidades, timbres e direções - isto é, estamos falando de um espa- ço sonoro e de objetos imaginados nesse espaço, cujas características dependem da nossa percepção de todos os parâmetros acima.

Constituem uma escuta textural: (1) a percepção dos componentes texturais

melodias, contrapontos de ação melódica (contracantos) e de ação harmôni-

ca

(encadeamentos lineares e acordais de preenchimento harmônico), configu-

rações rítmicas ; (2) o estabelecimento da hierarquização desses elementos e (3)

a observação do meio sonoro e dos recursos instrumentais empregados

(orquestração). Isso é essencial para apreendermos os movimentos principais da música e as relações de similaridade entre suas partes. Por isso a textura está sempre estreitamente ligada à estrutura da obra, pois quanto mais revela ou salienta, através de contrastes, os elementos constitutivos da estrutura, mais expressiva a obra se torna. Observemos na fig.1 que há quatro fluxos sonoros concorrentes: a melodia,

o contracanto, os acordes de preenchimento harmônico e o baixo pulsante. Esses quatro componentes texturais têm presença nas duas dimensões,horizon- tal e vertical; no entanto nós os percebemos como objetos diferenciados. Quanto mais definido é o contorno da figura que projeta no tempo (horizon- talmente), mais ênfase tem o elemento em nossa percepção global e mais preg- nância apresenta na formação do sentido da obra. Não há dúvida de que o fluxo que entendemos como melodia, no trecho acima, é claramente represen- tado como o elemento textural com movimento mais ativo e definido. O con- tracanto, como evidenciado na notação, apresenta um apelo melódico discreto,

na notação, apresenta um apelo melódico discreto, e com isso divide-se nas funções de adornar a

e com isso divide-se nas funções de adornar a melodia e enriquecê-la harmo-

nicamente. É ainda mais claro nesse texto musical, porém, o contraste entre esses elementos mais lineares e as figurações de baixos e acordes em bloco.Esses

dois últimos fluxos têm, propositalmente, ação horizontal irrelevante e cum- prem a função precípua de estabelecer o padrão rítmico-harmônico que carac- teriza o gênero.

Cumpre salientar que essa representação graficamente “plana” de linhas horizontais e verticais não condiz com a nossa experiência musical. A escuta musical está atenta ainda para uma outra dimensão espacial, por meio da qual localizamos objetos musicais em posições distintas, desde a camada mais à frente até a mais ao fundo, o que dá àquela textura plana ao menos um aspecto de rugosidade.Esse é o aspecto principal do estudo da orquestração enquanto téc- nica que proporciona maior expressividade à execução de uma obra musical, visando à transparência de texturas densas e complexas. Orquestrar é destacar com eficiência cada um dos componentes texturais, considerando suas caracte- rísticas e funções formais,ou seja,colorir as figuras concorrentes do tecido musi- cal, de modo a torná-las mais facilmente distinguíveis e funcionais. Cada uma das experiências envolvidas no que denominamos escuta textural está relacionada à percepção de padrões.Padrões surgem de um estado de inva- riância predominante, ou seja, sempre que a constância é mais perceptível que as mudanças ocorridas no tecido musical, um padrão de agrupação é estabele- cido. Portanto, constância produz coerência – e é a partir disso que formamos os vários fluxos texturais. Há várias décadas, cientistas pesquisam os princípios cognitivos que estabelecem nossos modos de percepção. Pelo princípio de pro- ximidade, eventos sonoros próximos (num espaço sonoro e no tempo) tende- rão à agrupação. O princípio da similaridade estabelece que o reconhecimen- to de semelhanças entre os eventos sonoros também favorece sua agrupação numa única figura. Como podemos entender, a percepção de proximidade e similaridade cria agrupamentos tanto na dimensão horizontal da textura musi- cal (estabelecendo unidades formais) quanto na vertical (identificando partes concorrentes mais e menos independentes). Proximidade e similaridade são, portanto, categorias que determinam forte- mente nossa escuta textural. Na fig.2 (próxima página) podemos verificar que as repetições de figuras (com ou sem variação) estabelecem padrões por simi- laridade. Essa correspondência é denominada paralelismo, pois a cada nova recorrência de um contorno já antes percebido a memória, atua relacionando- os como se estivessem seguindo na mesma direção e concomitantemente. No trecho musical examinado, cada camada assim constituída é ainda mais forte- mente consolidada por sua permanência em um mesmo registro, que firma a proximidade espacial entre os padrões da mesma camada.Além disso, é essen- cial observar a coerência instrumental que ressalta a identidade dos elementos

envolvidos.Até que um dado elemento da estrutura se complete, o compositor geralmente procurará manter homogêneas suas características texturais, ou seja, até que uma frase ou semifrase se conclua, será conduzida com a mesma confi- guração orquestral, com o mesmo padrão de articulações e no mesmo registro.

com o mesmo padrão de articulações e no mesmo registro. Esse procedimento é importante tanto para

Esse procedimento é importante tanto para a música escrita em textura homofônica quanto para a escrita em textura polifônica. Esta última distingue- se pela notável independência que os fluxos sonoros concorrentes (as partes) adquirem.Quanto mais independentes se tornam as partes,mais individuais são seus movimentos, sua composição tímbrica, seus modos de articulação e seu conteúdo melódico-harmônico. A polifonia estabeleceu-se como prática tex- tural porque ampliava a experiência monofônica ou monódica, na Idade Média.A uma linha melódica original (de modo geral conhecida) agregavam- se, simultaneamente, novas linhas compatíveis harmonicamente, mas que apre- sentavam movimentos próprios e independentes.Tal efeito se opõe,estritamen- te, ao da melodia única.Todavia, com esse advento extasiante da experiência harmônica, mesmo o procedimento monofônico não resistiria a um adensando paulatino, até alcançar a chamada textura coral, na qual todas as partes procu- ram reproduzir os movimentos da parte referencial (quase sempre a mais aguda).Disso resultou a textura entendida como homofônica,caracterizada por sensível interdependência entre as partes componentes. A melodia acompanhada que caracteriza a textura em Jubileu é essencial- mente uma modalidade de textura homofônica.A fig. 3 (próxima página) mos- tra os componentes texturais aglutinados segundo sua ênfase.A melodia apare- ce em monofonia ou em bloco (técnica de escrita que apresenta a linha prin- cipal adensada homofonicamente), enquanto as outras figuras (como o contra- canto, os acordes de preenchimento e os baixos condutores), de maior ênfase

harmônica por apresentarem contornos formais discretos, são representadas num único acorde que reúne todas as suas notas estruturais. Observemos que embora a melodia se destaque, indubitavelmente, devido às suas características texturais, não é ouvida inteiramente em registro contrastante com o do acom- panhamento. No compasso 9, por exemplo, sua nota estrutural (discutiremos melhor esse conceito no próximo tópico) é o fá3,nota imediatamente superior

no próximo tópico) é o fá3,nota imediatamente superior à mais aguda da estrutura harmônica de acompanhamento:

à mais aguda da estrutura harmônica de acompanhamento: o ré3. Portanto, devido ainda à similaridade resultante do parentesco de timbres do conjunto de sopros, não haveria suficiente destaque melódico caso o compositor não tives- se tido o cuidado de dobrar a melodia com as flautas,8ª acima (de modo a des- tacar importante harmônico das notas da melodia e dar-lhes mais claridade) e, assim, conferir-lhe o destaque necessário. Por fim, resta reiterar a importância da elaboração textural das obras para o entendimento da forma musical. Um rápido exame do período (agrupamento de frases) formal seguinte, iniciado no compasso 27, é o bastante para consta- tarmos que as mudanças de textura nele aplicadas têm valor significativo na identificação da ocorrência de uma nova seção.

ESTRUTURA

Se todos os parâmetros sonoros variassem a todo instante,isso produziria um contexto de complexidade improcessável. Por isso no fluxo musical, de modo geral, alguns parâmetros permanecem relativamente estáveis, enquanto outros mudam. Essa manutenção da constância de alguns parâmetros durante “um certo tempo” é o que possibilita a criação de uma ordem, de uma estrutura. O estudo da estrutura de uma obra inclui o reconhecimento de seus recursos

notacionais, o entendimento da direcionalidade (por movimentos) e da seg- mentação formal (por simetrias e fechamentos),a avaliação das relações funcio- nais entre as seções e seus conteúdos no todo da obra e o exame dos recursos de composição que geram a coerência formal (estruturação harmônica, estru- turação temática etc.), além da apreciação de outros elementos significativos – como, por exemplo, o uso ocasional de textos literais. Realizada a etapa do estudo da textura – a mais aparente manifestação formal da obra –, passamos às tarefas de (1) reconhecer, dentre os elementos texturais já identificados, quais deles apresentam direcionalidade mais evidente (pois se des- tacarão na escuta como elementos condutores do discurso musical),e de (2) iden- tificar os agrupamentos estruturais (sobretudo aqueles envolvidos em progres- sões). A forma musical é gerada por contrastes súbitos ou progressivos. Os pri- meiros geram, simplesmente, cesuras imprevistas e a expectativa da recuperação do estado inicial (um desfecho).Contrastes progressivos geram tanto a percepção de movimento direcional (uma trajetória) quanto a prolongada experiência ten- siva que leva à expectativa de recessão da tensão criada. É, portanto, inquestioná- vel a maior expressividade desta última estratégia de composição. Movimentos progressivos têm início quando percebemos o estabelecimen- to de um ou mais padrões de movimento. Um padrão de movimento consti- tui um ponto de partida,direção e ponto de chegada,onde a progressão é inter- rompida por algum elemento de descontinuidade e ruptura. E a direcionalida- de produzida pelos movimentos progressivos estabelece os pontos de tensão e distensão na textura, evidenciando a forma musical e tornando-a mais expres- siva. Progressão gera, portanto, sentido e expectativa - e uma obra com pouca ênfase em dispositivos de progressão tenderá a apresentar mais ambigüidade formal. Em suma, a presença de padrões motívicos garante a coerência temáti- ca; a presença de padrões de movimento (progressões) garante o surgimento de tensões, de desequilíbrios, de assimetrias que geram expectativas e conferem à música caráter mais discursivo e comunicativo: dão-lhe sentido. Observemos na fig.4 (próxima página) que,na textura essencialmente homofô- nica apresentada, a melodia é o único componente textural com progressividade constante e evidente (o contracanto acompanha sua progressão apenas na primeira semifrase). O motivo principal (compasso 9) é repetido sucessivamente; porém, a cada nova apresentação, é percebido em registro superior (trata-se, pois, de uma seqüência), alcançando o ponto culminante (chegada) – em que se concentra a

maior tensão e desequilíbrio formal – no compasso 13, para em seguida satis- fazer a expectativa de um retorno à estabilidade. Isto é, nossa expectativa de estabilização é uma expectativa de fechamento da forma que foi anteriormen- te aberta pela progressão. Portanto, ao estruturarmos a música que percebemos como forma, estamos experimentando continuamente a expectativa da abertu- ra de uma forma (que gera todo tipo de discursividade) e a expectativa do seu desfecho, que dá ao discurso coerência e sentido.

do seu desfecho, que dá ao discurso coerência e sentido. Identificados os elementos texturais com maior

Identificados os elementos texturais com maior relevância estrutural (devi- do aos contrastes mais evidentes que estabelecem), não será difícil analisar sua constituição.Como já discutimos,a música é estruturada de tal modo que parte dos seus aspectos sonoros mantém suas configurações numa certa faixa de simi- laridade por algum tempo – até que, num dado ponto, alguns desses parâme- tros mudam mais sensivelmente. Essas mudanças podem ter maior ou menor consistência e abrangência,dependendo do que é estabelecido ao longo da pró- pria obra como o normal do estilo em questão. Mas a mente reconstrói conti- nuamente a estabilidade do fluxo musical, mesmo que este, ao contrário, man- tenha sua aparência permanentemente em mudança. E tudo isso só é possível, é claro, pela ação da memória.Assim, uma mudança brusca de intensidade, por exemplo, assinala um novo evento ou o início de uma nova figura, já que as mudanças admissíveis no interior de uma única figura tendem, em geral, a ser progressivas ou mais indefinidas. Assim como ocorre no estudo da constituição textural das obras,na estrutura- ção da sua forma, sempre que certa constância predomina sobre as mudanças no meio sonoro, inferimos ordem e coerência entre os sons, traduzidas por agrupa- mentos (padrões); sempre que a mudança de estado do meio sonoro supera certo

padrão de coesão,limites formais (cesuras) são percebidos.Salientamos,entretanto, que se o processo de agrupação se baseia em princípios perceptivos,as percepções de agrupamentos e limites podem ser relativamente discordantes entre os ouvin- tes. Isto é, nem sempre os procedimentos de agrupação (interpretações) são con- sensuais, o que mostra que não devemos vê-los como algo absoluto, e sim como resultado de hábitos de escuta particulares e decisões interpretativas. Se esse processo é estabelecido com notável influência dos princípios cogni- tivos de proximidade e similaridade abordados até aqui,um terceiro princípio de agrupação é especialmente importante para a estruturação do discurso musical. Trata-se do princípio de continuidade, uma extensão dos princípios anteriores. Esse princípio estabelece que, quando uma série de eventos tem os valores sig- nificativa e continuamente alterados em uma direção particular e em graus equi- valentes, os eventos tenderão a formar agrupamentos. Ou seja, um movimento consistente em uma única direção tende a perpetuar-se nessa direção,o que não deixa de ser uma projeção da idéia de similaridade.Assim sendo, um conjunto de notas tenderá a formar um dado agrupamento melódico (incisos,sobretudo) na memória, se os movimentos consecutivos (ao menos a maior parte deles) entre as notas envolvidas apresentarem a mesma direção e relações intervalares de proporções compatíveis, e se os movimentos melódicos correspondentes forem separados por um intervalo de tempo relativamente uniforme. Anacleto compôs um segundo período perfeitamente coerente com o ante- rior. Podemos verificar na fig.5 (abaixo) que o movimento inicial da melodia (primeira semifrase) estende-se do fá4 ao fá3, no mesmo âmbito que liga o iní- cio da primeira com o da segunda semifrase da obra (compassos 9-16):do fá3 ao fá4. Isso dá à forma musical um sentido de equilíbrio, simetria e continuidade.

à forma musical um sentido de equilíbrio, simetria e continuidade. Pequeno Guia Prático para o Regente

Outro exame do trecho acima revela a construção motívica da frase.A pri- meira semifrase é composta com motivos de um único compasso, e a segunda com motivos de dois compassos.Como vemos na fig.6 (abaixo),a ênfase em apo- jaturas (um tipo de nota melódica que, como notas de passagem, bordaduras, escapadas, antecipações e suspensões, recebe essa denominação por não fazer parte da estrutura acórdica que a suporta,ou seja,não é uma nota estrutural) des- cendentes caracteriza esses motivos e revela mais uma semelhança com o mate- rial da frase inicial de Jubileu, que tem por base o mesmo dispositivo.

inicial de Jubileu , que tem por base o mesmo dispositivo. A imaginação da forma musical

A imaginação da forma musical começa na percepção de uma lógica estru- tural que se manifesta como o fechamento de uma figura. Para percebermos uma figura musical se fechando, completando seu sentido, é preciso acionar a memória que relaciona o evento final com o inicial, seja de um trecho musical ou da obra como um todo. E o que possibilita a ativação da nossa capacidade de reconhecer experiências (eventos) anteriores é a habilidade especial que possuímos de perceber e memorizar padrões sonoros já conhecidos.Os estudos mostram que nenhum outro atributo sonoro é tão distintamente percebido pelo sistema cognitivo humano quanto a altura dos sons – percebida num espa- ço sonoro musical como nota. Daí a estrutura musical ter sido sempre tão vincu- lada à experiência harmônica, à experiência intervalar, aos contrastes harmôni- cos entre os diversos intervalos e combinações. Na prática musical, a experiên- cia harmônica começa incluída na própria experiência melódica: a percepção de uma forma linear, uma harmonia linear que faz sentido porque é percebida como sucessão de pequenos agrupamentos figurativos que tendem a um desfe- cho, ao fechamento de uma figura de contorno mais extenso.E esse fechamen- to assim nos parece, em obras musicais essencialmente harmônicas, um retorno ao ponto de partida harmônico.

Como vimos antes, os elementos texturais com atividade melódica diminu- ta são aglutinados pela percepção do ouvinte num encadeamento de unidades harmônicas (acordes).Esse movimento harmônico tem menos apelo linear,mas descreve, tanto quanto os movimentos melódicos, uma trajetória formal, da abertura (uma progressão tensiva) até seu desfecho (uma cadência). Isso pode ser facilmente verificado na fig.7 (abaixo).Ao contrário do que ocorre na frase inicial da obra (compassos 9-16), aqui a frase tem início, no compasso 27, com

9-16), aqui a frase tem início, no compasso 27, com um contraste imediato, ou seja, apoiada

um contraste imediato, ou seja, apoiada em estrutura acórdica (Cm) diferente da referencial (Bb), portanto aberta e já suscitando um direcionamento ao des- fecho harmônico na estrutura de tônica (o que ocorre no compasso 29). Isso volta a acontecer na semifrase seguinte e exemplifica o jogo harmônico que experimentaremos ao longo de toda a obra. Observemos, na figura acima, que a notação da melodia apresenta as notas estruturais (acórdicas) em destaque. Como parte do conteúdo harmônico, a melodia deve manter certa vinculação com a estrutura harmônica.Em cada esti- lo essa relação se constitui de modo diferente, da mais estreita à mais vaga. Em Jubileu, as melodias são notavelmente estruturadas. Embora as apojaturas, sobre- tudo, produzam desequilíbrios momentâneos, as notas estruturais da melodia garantem total concordância com o encadeamento de acordes que é proposto. Resta,porém,discutir como se efetiva a coerência formal no movimento har- mônico. Atentemos para o fato de que mesmo as figuras mais verticais, com mais tênue ação melódica, evolvem temporalmente. Ou seja, se temos uma progressão harmônica,temos um movimento tensivo seguido de resolução (distensão),e esse processo implica, inevitavelmente, linearidade. Recorramos novamente aos prin- cípios de similaridade e proximidade.O conteúdo intervalar das unidades harmô- nicas parece desempenhar papel fundamental na percepção de similaridade e pro-

ximidade harmônicas. A 5ª justa é o intervalo mais estável do meio harmônico (excluindo-se a oitava, que se constitui na mesma nota), uma vez que a nota que forma a 5ª justa com a sua fundamental já está,de antemão,presente na ressonân- cia da fundamental e é parte integrante de sua composição sonora (ver série har- mônica): fundamental e 5ª soam similares. O semitom, por sua vez, estabelece a mais efetiva proximidade espacial entre notas, que assim soam tão próximas que parecem se atrair mutuamente. Dessa forma, a evidência de continuidade que pode se estabelecer na condução de vozes (movimento melódico entre as notas componentes de acordes consecutivos) de um acorde para o seu sucessor, assim como a realização de progressão e cadência harmônicas, tem íntima relação com o teor dos intervalos envolvidos nos encadeamentos. Na progressão harmônica observada na fig.7, podemos verificar que o acor- de de dó menor (Cm) tem duas de suas notas direcionadas ao acorde seguinte, de fá maior (F), ambas por similaridade de 5ª justa; isso garante um encadea- mento fluente,dado o parentesco entre os acordes (o primeiro parece soar den- tro do segundo). Situação diferente ocorre na progressão de si bemol maior (Bb), no compasso 30, e seu sucessor, o acorde de fá maior com 7ª menor (F7); nesse caso, o duplo direcionamento se dá por similaridade e proximidade (de semitom). Contudo, o foco do direcionamento é a 7ª do acorde de chegada, portanto o seu componente mais instável harmonicamente.Tudo isso eviden- cia soluções de continuidade débeis e ambíguas entre esses acordes; podem resultar em aumento de tensividade da progressão (produzir abertura formal), mas não a completam formalmente. Ao contrário, nos encadeamentos de fá maior para si bemol maior (compassos 28-29 e 32-33), todas as notas são dire- cionadas, seja por proximidade ou similaridade, ao acorde de fechamento das semifrases (o acorde de tônica), produzindo o sentido de completude da forma (ou ao menos de suas seções). Desse modo, as progressões harmônicas desem- penham seu papel na estruturação do discurso musical. Se os limites mais bem definidos na escuta determinam as separações das seções mais significativas da música, a coerência interna em uma dessas seções depende da relativa constância paramétrica. A graduação da constância e da variância multiplica as propriedades significantes dos agrupamentos e dos “agrupamentos de agrupamentos” distinguíveis no meio musical. Concorrem então para expressar uma forma musical lógica e apreensível, manifesta por “funções formais”.A introdução é uma função formal freqüentemente funda-

mentada em adiamentos e prolongações, que provocam a expectativa da idéia principal. Em Jubileu, ela tem 8 compassos e apresenta o motivo com o qual o compositor encerrará o primeiro período do dobrado.A exposição é a função formal mais importante por estabelecer as figuras temáticas, em geral expressas

por repetição e estabilidade estrutural.A transição caracteriza-se por flutuação

e instabilidade, com alto grau de provisoriedade.Assim estruturam-se, de modo

geral,os segmentos de ligação entre seções de exposição temática.A função for- mal de ampliação ocorre sempre que um dado elemento temático acaba de ser exposto e afirmado. O discurso musical deve prosseguir, mas o excesso de redundância resultante de simples repetições deve ser evitado. Nesse ponto, o compositor aplica um conjunto de técnicas de repetição por variação e desdo- bramentos criativos dos motivos (desenvolvimento), a fim de estender a forma sem perder a coerência. A interpolação é uma função de desestabilização, um processo geralmente empregado com o fim de gerar incoerência momentânea. Por fim, a função de conclusão representa desmobilização e pontuação formal.

É tipicamente empregada quando,após o fechamento da última seção de expo-

sição, deseja-se reiterar o desfecho da forma.Anacleto não desejou lançar mão desse dispositivo.

ESTILO

O último estágio de preparação da obra a ser apresentada ao público pode ser entendido como o de definição do estilo da composição e, por conseguin- te, da interpretação a ser construída.Trata-se de um trabalho de adequação dos meios de que o intérprete dispõe às exigências artísticas da obra, reveladas pela síntese das três primeiras etapas do seu estudo. Nossas intuições do que em música está “certo” ou “errado” operam em duas dimensões,que podemos descrever como sintática e semântica;no primei- ro caso, referimo-nos particularmente a estilo, ou seja, uma reprodução de padrões resultante de um modo de escuta determinado por escolhas feitas no âmbito de um conjunto de valores culturais. Quando compositores e intérpre- tes visam à criação de novos procedimentos e sentidos musicais, ou seja, quan- do operam num estilo mais original, enfrentam um volume significativo de deliberações dentre as possíveis alternativas que se apresentam em cada dimen- são da forma.Ao contrário,a razão da enorme fluência de compositores e intér- pretes que operam no âmbito de estilos mais cristalizados está justamente na

reduzida parcela de escolhas que lhes exigem decisões mais puramente delibe- radas, tal a determinação habitual imposta pelo estilo praticado – que assim se apresenta como radicalmente coerente, estável e compartilhado por todos. Este é o caso da obra em questão. Consta em registros da época que a assistência das apresentações da Banda do Corpo de Bombeiros, dirigida por seu fundador, impressionava-se com a distinção do conjunto – que, ao contrário das bandas da época, afastava-se da severidade do estilo militar; exibia perfeita afinação, fluência, graça e leveza em suas interpretações e no repertório apresentado.Isso pode ser atribuído à musi- calidade específica de seus executantes, dentre os quais, como já assinalamos, encontravam-se exímios chorões (como o oficleidista Irineu Batina, primeiro professor de Pixinguinha; Luís de Souza, no trompete e cornetim; Candinho do Trombone; Casemiro Rocha, trompetista e compositor; Liça, no bombar- dão; o flautista Irineu Pianinho; Edmundo Ferreira na requinta; e o bombardi- nista João de Almeida, entre outros). Não é de se estranhar que o maestro cho- rão e multiinstrumentista infundisse,na atitude interpretativa de sua Banda e em suas composições, o estilo em voga da música de choro. Enfim, ao executarmos Jubileu não estamos diante da tarefa de conceber arbitrariamente um novo estilo. O subtítulo da obra explicita seu gênero – dobrado – e as informações que obtivemos sobre o contexto cultural que deu origem ao seu texto – a partitura – apontam para um direcionamento estilísti- co (choro) distinto do habitual para esse gênero.As exigências artísticas da obra impõem um desafio ao intérprete. Este deve, portanto, adequar os meios de produção de que dispõe e as potencialidades reveladas no próprio texto a ser interpretado àquelas exigências. Suas ferramentas de trabalho estão discutidas nos itens anteriores.

T A B E L A D E P A R Â M E T R O S T É C NI C O S E M U S I C A I S

P A R A C L A S S I F I C A Ç Ã O D O R E P E R TÓ R IO D E S O P R O S

D E S T I N A D O A B A N D A S

D ar i o So t elo

2 0 0 8

O Q U E S I GN IF IC A A T A B E L A D E P A R Â M E TR O S TÉ C N I C O S ? AIN DA H OJE, A CL AS S I FI CA ÇÃ O T É CN ICA E M U SICAL D O rep er tór io p a r a b a n-

d

a s, n o Bra s il e e m g r a n d e p ar t e d o s país es l a t in o - a m e r i ca n o s, n ão é va lo r iz a-

d

a com o um a fe r r am en ta d e sup o r te e d ire cio n a m e n t o p ar a o rege nt e d e b a n d a

e

e d uc ad o r mu s ic a l . Amp l a me n te u ti l izad a p e la s e d it o r as d e t o d o o mun d o

omo f o r m a d e a p re s e ntar a o b r a mu sical d ire ta m e n t e a o p úblico a q ue se d e s- t in a , tal c lass i fic açã o t or na- se u m a f o r te a lia d a n a p rep a r a ç ã o d e u m p la n o d e

c

e

nsino d e ntro d a b and a , b em co m o n a p róp r i a f o r m a ç ã o d e u m a b a n d a m el h or

e

l ab or ad a. O ob j e t ivo p r in ci p a l p as sa a s er o d e senvo lv im e n t o musica l d a cr ia n-

ç

a e d o j ovem, d e fo r ma p l an e j a d a e s eg ur a, s e m e limi n a r et ap a s f u n d a m e n ta is

n e s se p roce ss o. A p rop os ta d e a b ord ar mos este imp or t ant e t e m a é p rop icia r a o re ge n te u ma

m el hor es c olh a d o re p er tór io, com r iq ue z a d e d e t a l ham e n t o t écn ico e mu sic al ,

o b se r va d as a s ne c e s sid a d es e p oss ib il i d ad e s d a b a n d a , d e m o d o a v iab iliz a r resul- t ad os m ai s s ati sf a tór io s, tend o e m v ista o con trol e d a s e t a p a s d o a p rend i za d o d o

a l uno. C om i sto, o regen te p od e o p ta r p o r u m a o b r a n a q u a l a e x t e ns ão d e

d e te r min ad o i nst r um en to es te ja d e ac ord o co m o n í ve l t é c n i c o d o execu t a nt e,

e nã o ut i liz ar ob r as cu j a t on al id a d e p ossa invi a b i l iz ar u ma b o a e xe cu çã o. C om p ete a o re g e nte e e d uca d o r ter o cuid a d o d e o b se r va r a m el h o r f o r m a

p e d ag óg i c a d e d e s e nvo l ver o tr a b al ho mu sic al c o m a b a n d a , d e m o d o a estimu - l ar e ap o i ar o a l u no mús ic o e m ca d a e t ap a d e se u a p re n d i z a d o.

F A TO R E S H I S TÓ R I C O S Q U E C O N TR I B U ÍR A M P A R A A C O NS O L I DA Ç Ã O D O S P A R Â M E T R O S TÉ C N IC O - M U S I C A I S

O desenvolvimento e estabelecimento dos parâmetros técnico-musicais, com

a conseqüente confecção da Tabela de Parâmetros para reper tór io de sopros e per- cussão, são o resultado de um processo histór ico, que compreende o estabeleci- mento das bandas de concer to, bandas sinfônicas e conjuntos de sopros no sécu-

lo XX e também os métodos pedagóg icos para o ensino de instr umentos musi-

cais nas escolas pr imár ias, secundár ias e univer sidades dos Estados Unidos.

E st a h i s t ór ia te m seu p o n t o cr u cia l qu an d o Joh n P hili p S ou sa , a o via j a r p o r mu i t as cid ad es no r t e- ame r ican a s, p o p u lar iz a a b a n d a sin f ô n ica p o r to d o o p a í s

e, num p r im eiro m oment o, est imu l a as p e q u en a s co mu n i d ad e s a cr iarem su a s

p r óp r i as b a nd a s. N um segun d o momen to, es t es g r u p o s d e s op ro s p a ssa m a se r

re fe r ên ci a em e d uc aç ã o mu s ica l, i n clu sive n a s p e q u en a s cid a d e s. O m ov im e n-

t o t or na -se tã o i mp or tan te q u e o b r ig a a e st r ut u r a ed u ca cio n a l a a ssimi lar o

e nsi no d e in s tr ume n to s d e so p ro n a s e sc ola s p r im á r ia s e secu n d á r ia s. A co nse- q ü ên ci a na tu ral é a n e ce ss id a d e d e cu r so s un iver s it á r io s q u e p rep a re m p ro fes- s ore s p a ra ed u car mu si ca l m ente, a tr av és d o s in st r u m en t os d e so p ro e p ercu ssã o, a s f u tu r as ge r a çõe s d e cr ian ça s e j oven s. C om a d em an d a d e fo r mação d e p ro fissi on a i s p e lo s d ep a r ta me nt o s d e m ú si- c a d a s u nive r s id a d e s in i ci a -se ime d ia ta ment e u m p ro ce sso d e p e sq u isa e cr iaçã o d e nova s me tod o l og i a s p a r a o ensino de inst r um en tos ; n a sc em a í t a mb é m , o s p r im ei ro s mé tod o d e e n si n o co l etivo d e in st r u m e nto s d e s op ro. Os métodos para o ensino ensino coletivo de instr umentos foram cr iados nos Estados Unidos a par tir da década de 1940, com o objetivo de ensinar coletiva- mente instr umentos de cordas, sopros e percussão, além de realizar a educação musical. A idéia básica que nor teia estes métodos é que o processo pode ser con- duzido por um único professor, desde que esteja devidamente preparado. Esses métodos são nor malmente aplicados nas escolas pr imár ias e secundár ias do país. Muitos desses métodos foram cr iados por g randes educadores musicais que conseguiram aliar a for mação técnico-musical ao ensino da música. A c l ass if ic aç ão té c ni ca d o re p er tó r io p a r a so p ro s g a nha f o r ça e m et o d ol og ia s omen te a p a r ti r d a se gu n d a m et ad e d o sé cu l o X X . A nt e s d isso, o rep er tór io e r a b asicam e n te con s ti tu í d o p o r tra n scr içõe s d o rep er tó r io s in f ô n ico t ra d icio n a l, al é m d e ma rch as e o rq ue st r a çõe s d o re pe r tór io p o p u la r d o m o me n t o. N a d é c ad a d e 1 9 50 , o s m ae s tros Fre d e r i k Fe n n e ll e Do n a l d Hu n s b er ger revo l ucion am os conc ei to s a tr avé s d a e x p e r im en ta ç ão d o c on j u n to d e s op ro s s em o d ob ra me nt o d e m ú s ico s p o r vozes . D es envo l ve m n a Ea st ma n S c hoo l o f

M u sic, n a U nive r sid a d e d e Ro ch es te r, NY, E UA , o co n c ei t o q u e fic ou co n h e -

c id o com o W i n d E n se m bl e C o nc e p t (co nce it o d o co nj u n to sin f ô n ic o d e s op ro s), c ar ac ter izad o p o r u m g r up o sin f ôn ico de sop ro s, p e rcu ssã o, p ia no e h a r p a, co m

a p e na s um m ú si co p o r vo z. I nú me r a s ob r as mu si ca is f o r a m e scr it a s p a r a e sse t ip o d e for maç ão, p or c omp os ito re s d e t o d o o mu n d o.

I

m p ul si ona d o s p o r e sse sa l to d e q ual id ad e ar t ís tica , t é cn ic a e mu s ica l, g r an -

d e s ed i to re s mu n d ia is q ue j á a tuava m com p a r â m et ro s d e c la s sifica çã o co m eç a- r am a p at roc i na r a p ro fission al iza ç ã o d a com p o si ç ã o d e o b r a s o r i g i na is e a r r a n- j os p a ra o s níve is i nicia n te s. Es se mov ime n to, d e ce r t a f o r m a , f o r ço u o e sta b e-

l e ci men to d a s Tab e l a G er al d e Par âme t ro s t é c n i c o- mu si ca i s p a r a o re p e r t ó r io d e b a nd a . Tal t ab e la es ta b el e ce seis d if eren te s n íveis d e c l a s si f i c ação d o re p er t ó- r io, se nd o o nível 1 o in icia n te e o 6 o m ais ava n ça d o; t o d os se l iga m p e r fei t a- m en te a os p a râme tros téc nicos d o s mét od o s c ol et ivo s. A t ab e l a o rga n i za d a se t or nou u ma d as p r in cip a is f e r r amen tas d e cl as si f i c a ç ã o, co m o a g r and e a lia d a d o p rofe s so r e re g e nt e n a co ns tr u ç ão d o p l an e ja me nt o p e d a góg ico d e en sin o mu si c al . Ho j e e st e nd e- se ao rep e r tó r io p ar a co rd a s, o rq u e s t r a sin f ô ni ca, co ro e f o r maçõ e s came r ís t ica s.

N a d é c ad a d e 1 9 9 0, o p rof esso r e reg en te n o r t e -a me r ic an o Rich a rd M il l es

s e nti u a nec es s id ad e d e o b te r i n fo r mação s o b re o re p e r tó r i o j á e st a b el ec id o p a ra b a nd a s. A p a r t ir d a í, in ici o u u m d os m a i s i m p or t a n t e s p ro jetos d e ca t al o- g açã o, g ravaç ã o e c la ssifica çã o té c nica d e q u e se t em n o t í c ia : o l an ça me nt o d a s é r ie Te ac h in g Mu s i c T h r ou g h Pe r f or ma n c e i n Ba n d ( C o m o en si n ar mú sica a tr av és d o t rab a lho c o m b an d a s). C ad a ve z ma is a p r i morad o s d e s d e e nt ã o, e sse s p ro ce s- s os se t or nara m fu nd a men ta is ta n to p ar a p ro f e ss o re s - i ns t r u me nt i st a s q u a n t o p a r a regen tes li g ad os à f o r ma ção e à edu caçã o mu s ic a l .

F O R M A T A Ç Ã O DA T A B E L A

A Ta b el a d e Pa r â m etros está estr u tur a d a p a r a f or n ec er a re gen t es, c omp o si-

t ores e p rofess ore s d e in s tr u mento s d e so p ro o s se gu in te s p a r â m e t ro s, q u e

p o de m ser c lass i fi c ad o s em:

A – L im ita çõe s d e e scr it a mu sical :

– Co m p as s os a s ere m usa d o s p ar a cad a níve l

– Ar mad u ra s d e clave e su a s t o na l id a d e s – Va lo res d e n o t a s e p a u sa s

– E s tr u tur as rí tmic as p o ssíve is

– D i nâmic as

– U t i l iz ação d e o r na me n to s

B – L i mi ta ç õe s t éc nico - inst r u m en tais

– Ar t icul açõ e s

E xt e ns õ e s d o s d ive r s o s ins tr umen to s

C

– S u g es tão d e d ur a çã o d a s o b r as p ar a d ive r so s n í vei s

D

– Co ns e l ho s ger a is s ob re a ut il iza ç ã o d e d e t e r mi n ad a s lin gu a ge ns

musi ca is q u e não fo ca m p a r te d o p roces so d e a p re nd iza d o mu sica l

E – I n s tr um en taçã o ge r a l p ar a o s n í vei s e u s o d a p e rcu ss ã o

Pa r a u m m e l h o r e n t e n d i m e n t o d e s t e a r t i g o, é e x t re m a m e n t e i m p o r t a n t e

q u e s e j a a n a l i s a d a a Ta b e l a d e Pa r â m e t ro s , s u a f o r m a t a ç ã o e c o n c e p ç ã o g e r a l . E s t e t r a b a l h o s o m e n t e t e r á s e n t i d o e c u m p r i r á s e u s o b j e t ivo s s e f o r a c o m p a - n h a d o d a p r ó p r i a t a b e l a , p a r a q u e p o s s a s e r d ev i d a m e n t e e n t e n d i d a e p a r a q u e s i r va d e f e r r a m e n t a p r á t i c a n a s m ã o s d o re g e n t e, c o m p o s i t o r e e d u c a d o r mu s i c a l . Vamo s c o me ç ar a e st u d ar ite m p or it em , p a r t in d o d o p r ime iro p o n t o, a

M é tr ic a, e ter mi nan d o em Uso d a Perc ussão :

1 M É TR I C A : C O M P A SS O S A SE R E M U SA D O S

Os compassos simples – 2/4, 3/4, 4/4 etc. – são indicados para os níveis 1 e 2,

com a possibilidade de utilizar o 6/8, compasso composto, pr incipalmente como

opção e com g r upos que estejam adiantados e fluentes em compassos simples.

N a re al id ad e, o s com p ass o s co mp o st os – 6/ 8, 9/ 8, 12 /8 e t c. – d eve m e sta r

p rese nt e s c om ce r te za a p a r tir d o n íve l 3; i sso imp l ica o u so d e co mp a s so s a s si- m ét r ic os – 5 /4 , 7/ 4 , 5 / 8 , 7 / 8, e t c - a pa r t ir d o n íve l 4 .

2 – AR M A DU R A S DE C L A VE E TO NA L I D A D E S R E L A C I O N A D A S

Te nd o e m vi s ta a na t u re za d e co nst r uç ã o a cú st i ca d o s i ns tr u m e n t o s d e

s op ro, rec ome n d a - se q ue p a r a os n í ve i s 1 , 2 e 3 h a j a a p e n a s d e 1 a 5 b e m ó is, d i st r i buí d os n os ní ve is co r re sp o nd e ntes:

Ao iniciar o uso de sustenidos e suas tonalidades a par tir do nível 4, podemos

também supor que obras não tonais utilizem a técnica de acidentes ocor rentes, obser vando-se a extensão já recomendada para o instr umento específico.

3 – T E M P O , A N D A M E N

3

– T E M P O , A N D A M E N TO : P U L SA Ç Ã O P O R M I N U TO

O

s p a râm etro s d e a nd a m en to s ão e spe cífi co s p a r a ca d a n íve l . É p o ssível ver i-

f i c ar q u e a d i fe re nça e n tre o s an d a ment os l e n to s e os r á p i do s se a m p lia n o s

n í ve is m ai s avan ç ad os , al é m d e to d a s a s su a s f le xi b il i z a çõ es p a r a mais o u p a r a

m en os , tais c omo r i ta rda nd o s, ral en ta nd o s, temp o r ub a t o, st r in g en d o e t c.

É mu i to imp or t an te n o tar q u e a rel açã o en t re a f or m a d e c o mp a sso e a nd a-

m e nt os mais rá p id os p od e to r n ar d e ter minad a s p a ssa gens mu it o m ais d if íce is q u e

o s e u ní ve l b á si co, o q ue a u men ta o n íve l t é c ni co d a o b r a .

4

F IGU R A S - V A L O R E S D E N O T A S E P A U SA S

E

xis te u ma re la ção mu it o estreita ent re o s i t en s 4 e 5 – fig uras e r i tmo s.

Tais it ens d evem s e r a n a l isad o s p o r s eus l im i t e s e d i f ere n ça s, t an to in d ivi d ua l-

m en te q u an to em co nj u nto. Su a a d a p ta ção ao s r i t m os b ra si le iro s será p ro p osta a i nd a ne ste t rab a l h o.

5 – R IT M O

O r i tmo es t á l i g ad o a ou t ro s f a to re s , com o Mé tr ica (1 ), Tem p o (3 ) e F ig u r a s ( 4 ), m a s f u n ci ona in tim am e n te re l a ci o na d o a e ste ú lt i m o ite m. Por i st o, ao ve r i fic ar e st e q u e é u m d o s e l em en to s b á sic os d a lin g u a ge m mu si c al , e co mo con s eq ü ê nc ia d a c omp osi çã o e a r r a n j o p a ra s op ros e p e rcu s-

s ão, d evemo s es tud á -l o p r ime iro l ig ad o às Fi gu r a s (4 ) , o q u e s ig n if ica d iz er que

se deve estudar o r itmo de uma linha melódica ou uma voz instr umental somente

– e depois sua relação com outras linhas rítmicas ou vozes instr umentais.

No pr imeiro aspecto são considerados os compassos simples – 2/4, 3/4, 4/4 – e compostos – 6/8, 9/8, 12/8 – para os níveis 1 e 2, com a introdução da sínco- pe simples em colcheias; a síncope de semicolcheia fica para o nível 3. Este é um fator essencial a ser considerado pelo compositor e ar ranjador brasileiro, tendo em vista a diversidade do uso destes elementos rítmicos na música brasileira. Por outro lado, é muito impor tante considerar as relações rítmicas propostas para os diver sos níveis: somente uma independência de duas par tes para o nível 1, independência de três a cinco par tes para os níveis 2, 3 e 4 e, a par tir do nível 5, multiplicidade de r itmos que coexistem ou interagem.

6 - D I NÂ M I C A S

A p ro p o st a d e d i nâmi ca s p a r a o s d iver so s ní vei s segu e o m esm o cr it é r io

u sa d o p ar a os a n d ame nto s: q u a nt o ma i s se ascend e d o n íve l 1 a o 5 e ssa p ro p o s- t a se a mp l ia. É ta mb é m imp o r t a nte en f a ti z ar q u e a e xe cu çã o d e d i nâm ic as sú b i- t as, p r inci p alm e nt e d o s f f p a r a o s p p, exig e u m con t ro le téc ni co q u e, em mu i-

t os c as os, p o d e e l eva r a c l a s sif icação d e um a o b r a a o n í vel su p e r io r.

7 - A R TI C U L A Ç Ã O

C om pa r â me tros b em d e fini d o s, a s a r t ic ul a çõ e s s e m p re e st ã o re lacio n a d a s

t am b ém ao A nd a m e n to – ite m 3 , e p o d em t a m b ém eleva r o n í vel d a o b r a , d e p e nd e nd o d o te mp o ad o ta d o p el o rege nt e.

M esm o q u and o nã o há menç ã o à u til iza çã o d os s t a c ca t o s d u p los e t r ip lo s, e l es

d eve m se r sug e r id os : o p r ime iro p a ra níve l 4 e o se gu n d o p a r a n í vel 5.

ime iro p a ra níve l 4 e o se gu n d o p

8 O R NA M E N TO S

O s c r i t é r i o s u t i l i z a d o s p a r a o s n í ve i s e s p e c í f i c o s s e re f e re m à o r n a m e n t a - ç ã o m o d e r n a , c o r re n t e m e n t e u s a d a n o re p e r t ó r i o m o d e r n o o u e m o b r a s a r r a n j a d a s d o re p e r t ó r i o d o s p e r í o d o s b a r ro c o e c l á s s i c o. N ã o é f e i t a n e n h u -

m a re f e r ê n c i a à o r n a m e n t a ç ã o d e é p o c a , v i s t o s e r e s t a u m a m a t é r i a q u e re q u e r e s t u d o p r ó p r i o, p r i n c i p a l m e n t e re l a c i o n a d o a o e s t u d o e s p e c í f i c o d e c a d a i n s t r u m e n t o.

9 – O R Q U E S TR A Ç Ã O E I NS TR U M E N TA Ç Ã O

A o rq u e s t r a ç ã o o u i n s t r u m e n t a ç ã o p o d e t e r d u a s a b o rd a g e n s , p r i n c i p a l -

m e n t e a p a r t i r d o n í ve l 2 . A p r i m e i r a é a i n s t r u m e n t a ç ã o a p e n a s c o m o s i n s -

t r u m e n t o s p ro p o s t o s p a r a c a d a n í ve l , e q u e t a m b é m s e a p l i c a m à d i s p o n i b i l i - d a d e i n s t r u m e n t a l l o c a l ; A s e g u n d a é a a b o rd a g e m d a i n s t r u m e n t a ç ã o o p c i o - n a l , q u a n d o o c o m p o s i t o r o u a r r a n j a d o r re a l i z a , n a ve rd a d e, d u a s o rq u e s t r a - ç õ e s . C o m i s s o, p o d e p ro p i c i a r a e xe c u ç ã o d a o b r a p o r g r u p o s q u e t e n h a m

i n s t r u m e n t a ç ã o c o m p l e t a e u t i l i z a r t o d o o s e u p o t e n c i a l , m a s p e r m i t e t a m b é m

a s u a e xe c u ç ã o p o r g r u p o s c o m p o s s i b i l i d a d e s m e n o re s , s e m q u e h a j a c o m p ro -

m e t i m e n t o mu s i c a l .

1 0 - D U R A Ç Ã O D A O B R A

A d u ra ç ão d a o b r a e stá re l acion a d a a t rê s imp o r t a nt es f ato re s:

1 . C ap a ci d ad e d e real iz a çã o té cni ca d o mú si co / alu n o ;

2 . C on ce nt r aç ão music al ; e

3 . R e sist ênci a f ísi ca d o mú s ico p a r a to cá - l a.

A comb in a ção d e ss es t r ês f a to re s d eve s er con sid e rad a p e lo re gen t e a o a n a-

l isar u ma ob r a c o m o o b j et ivo d e p rog ra má - la p a r a con c e r t o s e a p res en t a çõ e s d ive r sas, rel ac io na n d o- a à cap a ci d a d e de e xec uç ã o d o p r óp r io co n j u n t o mu s i- c al. O m e smo d eve ser fei to p el o c omp osit or o u a r r a n j a d o r, p o i s, d esta f o r m a, g ar an t e -se u ma me l ho r exe cu çã o d a o b r a comp os ta ou a r r a n j ad a , q u e a ten d a à s n e cessi d a d es d o g r u p o q ua n to às q u estõ e s t éc ni ca s e p rop i ci e um a m el h or e x pe r iê nci a mu sic al .

1 1 C O NS ID E R A Ç Õ E S F A TO R E S A E VI T A R

A Tab e l a d e Pa r âme tro s p o d e co n sti tui r u ma g r a nd e f e r r a m en t a d e a p o io p a ra o s co mp o s i to re s , a r ra n j ad ore s e re g e nt es , a t r avé s d e s e u s e xe mp lo s e c on- s e l ho s – des d e q ue s eus cr it é r io s se j a m re sp eit a d os e leva d o s a sé r i o p o r e sses p ro f i s si on ai s . Q u a nd o a e sco l ha d a o b r a a s e r u tili za d a p e l o g r u p o se j a u m a o b r a o r i g i n al o u um a r r a n jo ad e q u ad o ao conj un to – l eva em co n sid e r a çã o o s eu n í vel té cnico, n ão só p e r mitir á u m e xe cuçã o p r im o ro sa co m o ta m b ém p ro p or- c i o nar á a o g r up o u ma e x ce le n t e e x p e r iê n cia mu si ca l . Já u m a o b r a f á cil – d e n í ve l 1 o u 2 – q ue te n h a , p o r e xe mp l o, u m so lo d ifícil p a ra fl a u t a, o b o é, f a go -

t e ou t ro mp ete, comp rome te t o ta l me nt e a cla ssif ic aç ão d o m at e r ia l mu sica l , a lém d e a c a r re tar um a má e xe cu çã o p or p ar t e d o g r up o.

1 2 U S O DA P E R C U SS Ã O

O u so d o i ns tr ume ntal d e p ercu ss ã o foi e s ta b el e c i d o a p a r t ir d o s in st r u m en-

t os u ti li zad o s n o s E s ta d o s Un id o s n a E uro p a, q u e a c ad a d ia t o m a ma is co n h e- c iment o d e o u tros i n str u me nto s d e p ercussã o, o r i g i ná r i os d e p a í se s la tin o s, a f r i- c anos e a siá t i cos. No item I I I , d e ta l ha re m os m el h o r a s s uges tõ e s d e a d a p t a çã o d a ta b el a à re al id a d e mu s ic al b r as il eir a .

L I M I T E D E E X TE NS Ã O D E C A DA I NS TR U M E N TO D E A C O R D O C O M O S 5 NÍ V E I S

O l i mite d e e x t e ns ão é a p res ent ad o com n o ta s tr a n s p o r t a d as , o u se j a, n ot a s

q u e o s m úsic o s vã o le r em su a s p ar te s; ca b e a o reg en t e f a zer o t r an sp o r t e p a r a

o

som real d os d ive r so s instr u men to s.

A

e xt ensã o p rop osta p ar a ca d a n íve l rela ci on a d o é a p re s e n t a d a t amb é m co m

m

íni ma s. As se mib reve s, q u a n d o a p re se nt a d as , sã o p ossíve is re fe rê n cias d e t ér-

m ino d e p er í od o l e tivo, te nd o e m v ista o d ese nvo lvi m en t o d o a lu no e m re l a- ç ão ao m é tod o co le tivo q ue u t il iz a p a ra o es t ud o d o in st r umen t o.

A DA P TA Ç Ã O À R E A L I DA D E B R A SI L E I R A

A p r i m e i r a c o n s i d e r a ç ã o a s e r f e i t a é q u e a t a b e l a j á e x i s t e n t e é p a r t e d e

u m g r a n d e p ro j e t o d e e d u c a ç ã o mu s i c a l a t r av é s d e b a n d a s s i n f ô n i c a s e, q u e j á t e m q u a s e u m s é c u l o d a h i s t ó r i a ; m e s m o a s s i m , t r a n s f o r m a - s e c o n t i nu a m e n - t e. H o u ve u m g r a n d e p e r í o d o d e e x p e r i m e n t a ç ã o q u e c u l m i n o u n e s t e c o n - j u n t o d e e x p e r i ê n c i a s , f o c a d a s e m p r á t i c a s d o c u m e n t a d a s a o l o n g o d e v á r i a s

d é c a d a s n a s e s c o l a s p ú bl i c a s n o r t e - a m e r i c a n a s , a t r av é s d e p e s q u i s a s re a l i z a d a s p o r u n ive r s i d a d e s . A o a b o rd a r a l g u n s a s p e c t o s d e s t a a d a p t a ç ã o à re a l i d a d e, à c u l t u r a e à m ú s i - c a b r a s i l e i r a , é i m p o r t a n t e l eva r e m c o n t a q u e e s t e p ro c e s s o p re c i s a s e r t e s t a d o

e c o m p rova d o n o t r a b a l h o d i á r i o d a s b a n d a s n o B r a s i l , a t é q u e s e j a p o s s í ve l f o r m a r p ro f i s s i o n a i s , c o m o n o s p a í s e s d a E u ro p a e n o s E s t a d o s U n i d o s . Uma vez esclarecido este aspecto, o pr imeiro ponto a ser considerado é a dispo- nibilidade de for mação em deter minados instr umentos, como oboé, cor ne-inglês, f agote, requinta (clar ineta Eb), clar inete alto Eb, clar inete contralto Eb, clar inete con- trabaixo Bb, trompa, tímpano, vibrafone, mar imba e contrabaixo acústico.

É n e c e s s á r i o q u e c o m p o s i t o re s e a r r a n j a d o re s c o n s i d e re m t a i s i n s t r u m e n -

t o s c o m o o p c i o n a i s a t é o n í ve l 4 , m e s m o q u a n d o c o n s i d e r a d o s p a r t e d a o rq u e s t r a ç ã o, c a s o s e j a p l a n e j a d o a l g u m s o l o p a r a a l g u m d e l e s , a m e l o d i a d eve f u n c i o n a r c o m o g u i a p a r a o u t ro s i n s t r u m e n t o s , p o s s i b i l i t a n d o a e xe c u ç ã o d a f r a s e s e m p e rd a d e e q u i l í b r i o o u m e s m o s e m a u s ê n c i a d a m e l o d i a o u h a r m o n i a .

A S P E C TO S T É C NIC O S D O S E S TI L O S M U SI C A I S M A I S I M P O R TA N TE S

A característica da síncope na música brasileira f az par te das estr uturas rítmi-

cas básicas de estilos conhecidos como samba, baião, choro, bossa nova, côco, maracatu, maxixe etc. Dentro da classificação nor te-amer icana da Tabela de Parâmetros, estar ia alocada a par tir do nível 4. No Brasil, log icamente, poderá ser considerada a par tir do nível 2. Os instr u- mentos brasileiros de percussão relacionados a estes estilos também podem ser

incluídos na orquestração a par tir do nível 1, com a preocupação de relacionar o instr umento ao estilo e incluir sua escr ita nas par tituras desde o início, ainda que o músico possa tocá-lo intuitivamente.

N a p r óxim a p á g in a co ns id erem os a seguin te p ro p o sta d e a d a p taç ão d o e st i-

l o ao ní ve l a s er a c o mp a n ha d o p el o i ns tr um e n t a l d e p e rc us sã o req u e r i d o:

N íve l 1 – B aião, To a d a , S amb a R ur al, Ma rch in h a

l 1 – B aião, To a d a , S amb a R ur al,
l 1 – B aião, To a d a , S amb a R ur al,
l 1 – B aião, To a d a , S amb a R ur al,
l 1 – B aião, To a d a , S amb a R ur al,

N íve l 2 – Tod os o s a nte r iore s, mai s a B ossa - Nova

l 2 – Tod os o s a nte r iore s, mai s a B

N íve l 3 – To d os o s a nt er io res, m ais Cô co, Max ixe e S a m b a-Ca n çã o

nt er io res, m ais Cô co, Max ixe e S a m b a-Ca
nt er io res, m ais Cô co, Max ixe e S a m b a-Ca
nt er io res, m ais Cô co, Max ixe e S a m b a-Ca

N íve l 4 – To d os o s a n t er iores, m a is Cho ro, Sam b a d e Pa r t id o A l t o, Cira n d a

m a is Cho ro, Sam b a d e Pa r t id o A
m a is Cho ro, Sam b a d e Pa r t id o A

N íve l 5 – Tod os o s a nte r iore s, mai s Sam b a , M a r ac a t u e Frevo

o s a nte r iore s, mai s Sam b a , M a r
o s a nte r iore s, mai s Sam b a , M a r
o s a nte r iore s, mai s Sam b a , M a r

I N ST R U M E NT O S D E P E R C U SS Ã O R E L A C I O NA D O S A O S E S TI L O S :

N íve l 1 – Tr iâ n g ulo, p a n d ei ro, a g ogô , zabum b a , c a i x a , ta m bo r i m , re co - re co, A fox é, g an z á, s u rd o N íve l 2 – Tod os o s a nte r iore s N íve l 3 – Tod o s os a nte r i o re s, ma i s p r at o a d o i s, c a b a ça , c u íca e cho ca l ho N íve l 4 – Tod os o s a nte r iore s N íve l 5 – Tod os o s a nte r iore s

C O M P A R A Ç Ã O E A D A P T A Ç Ã O D O R E P E R TÓ R I O T R A D I C I O NA L B R A SI L E I R O À T A B E L A D E P A R Â M E T R O S

V in d os d e u m a tr ad içã o e u ro p é ia , p r inci p al m en t e it a l ia n a e e sp a n h o la , o s

m est re s d e b an d a – a l g u n s d e l e s co m p os it ores - n ã o t in h a m a ce sso a i nf o r m a-

ç õe s b á si ca s q u e l h e s p e r mitis se m e s creve r o b r a s e m q u e um a d e s ua s p re o c u-

p a çõ es fos s e e q u il ib r ar a ut il iz a çã o d o po te n cia l t é cn ic o d o m ú sico d a é p o ca . A o rq u es t r aç ão com e xce ss o d e d o b ra me n t o d e vo z es e o u so r acion a l d a e x te nsã o d o s ins tr u ment o s são d oi s e xe m p lo s d e q u est õ e s b á sica s q u e leva m à c lassi f ic aç ão d e co mp o si çõ e s o u a r r a nj os e m n íve is a d ia n t a d o s. M u it a s ve z es , p e l a exi s tê nc ia d e p o uc o s co mp a s sos , com a u tiliz açã o d e d e t e r m in a d o s re g i s- t ro s, a o b ra p as s a d e n í ve l 2 p a r a n íve l 4.

O i men s o re p e r tó r io q u e p od erá s er ca tal ogad o e class if ica d o d e a co rd o

c

om a s fe r ramen tas d e a p o i o a o regen t e e ao c om p o si to r d is c uti d as n este a r t i-

g

o ai nd a não e stá a d eq u a d amen te m en s ur ad o. Sa b em o s q u e n o B r asil h á p r at i-

c amen te um a b a n d a p a r a ca d a cid a d e, e q u e est a s b a n d a s p o s suem a c er vos h is-

t ór i cos f as c ina nt e s. O tr a b al ho d e ca tal og açã o, revi sã o h a r mô n ica e d e reorq ue s-

t r açã o d es t as ob r as ser á f un d a me n ta l p a r a q u e a s p r ó x imas ge r a çõ es d e sf r u tem

e uti li zem d id a ti camente a no ssa r i q u eza mu si ca l, f az e n d o c om q ue essa s vali o-

s as ob r as p o ss a m se r d i sp o nib il iz ad a s, e xecut a d as , a p re c ia d a s e p u bl ica d a s n o

B r as il e no exte r i or.

C

A i mp o r tâ nc i a d a u til iza çã o d a Ta b ela d e Pa r â me tro s p a r a o d esenvo l vim e n-

O N C L U SÃ O

t

o d o re p e r t ór i o b r as i l eiro p a r a s o p ros e p e rc us sã o, c o m su a f u n çã o f or m a d o r a

e

b a li za d o ra d o com p o sito r e a r r an j a d or b r as ile iro, é f u n d a m e n t a l p a ra q u e to d o

o

p roc ess o d e e sc r ita e ent en d imento técnico d o re p er tó r i o p o ssa s er am p lia-

d

o. Ut i li zar mo s a s i n f or ma çõ e s h oj e a m p l am e nt e d isp o n íveis s o b re a e x p er iên-

c

ia alc an ç ad a e m o u tro s p aís es é u m a fo r ma d e n o s m an te r m os n o cam inh o

c

er t o p a r a o ê xit o. Nã o se tr a t a ap e na s de co p i a r a q u i u m a d a s f ace t as d este p ro-

c

es so d e ed ucação mu sica l, q ue é mu ito m a i s a m p l o d o q u e a simp l es u t iliz a-

ç

ão d e um a t ab e l a. Tr a ta - se d e n o s or ient ar mo s p a r a q u e e ss a u t ili za çã o p o ss a

s

e r o re fle xo d e mu d an ç a s p ro fu nd a s na q ui l o q ue é m a i s im p o r t an t e p a r a o

c

re sci me nto mu si c al d o B r asi l : um a f or ma ção mu s i ca l r ac io n a l iz a d a e rea liz ad a

c

om p rof is s ion a l ism o, e q ue s o b retud o ut il iz e t o d o o p ot en c i al esp on tâ n eo d o

b

r as i le iro, s u a mu sica l i d a d e e ta l e n to, c om o e mb a s a m e nto d e p r incíp i os técn i-

c

os e p ed a gó g ic os .

 

5

To d as po s s ib i l i d ad es mét ri cas , co m v ari açõ es freq ü en t es e co mp l ex as

Qu al q u er armad u ra, Al t eraçõ es cro mát i cas freq ü en t es , u s o i rres t ri t o d e

 

p o l i t on al i d ad e L a rgo -Pres ti s s i m o (40 -2 08 ) Mu d an ças freq ü en t es d e an d amen t o

 

Au men t o d e co mp l ex i d ad e, t an t o em co mp as s o s i mp l es q u an to em co mp o s to

In cl u i s ub d iv i sõ es e s í n cop as co mp l ex as , mu d an ças freq ü ent es , i n d ep en d ên ci a em p art es mú l t i p l as

 

To d as as d in âmi cas , ên fas e n a co mp l ex id ad e

 

Mu d an ças freq ü en t es , g o lp es mú l t i p lo s d e l ín gu a, v ári as art i cu l açõ es u s ad as s i mu l t an eamen t e

 

Mai o r co mp l ex i d ad e e freq ü ên cia d e u tilização

   

S o l o s mú l t ip l os , t ex t u ras t ran s p aren t es , con t rap on t o i n d ep en d en t e. Mai o r ex p os i ção d e requ i n t a, co rn e-i n g l ês e ou t ro s i n s t ru men to s aux i l i ares .

 

Qu al q u er du ração

 

C o n t eú do é mu s i cal e t ecn i camen t e d es afi ad o r, mu d an ças freq ü ent es .

 

To d as as t écn i cas .

TA B E LA D E PA R Â M E TR O S T ÉC N IC O S PA R A SO PR O

4

cl u i : 3 /8 , 6 / 8 e 9 /8

In

Vari açõ es mét ri cas

s i mét ri cas

as

u s t en i do s , u so res t ri t o d e

o l i to n al id ad e, mai o r u s o

At é 6 b emó i s * ou 2

p

s

e d i s so n ân ci as

d

L a rgo -Pres to (4 0 -16 8 )

To d os d es cri t o res d e

emp o *

t

mp as s o s i mp l es qu an to mp o s to . Mai o r u s o d e ru p amen to s as s i mét ri co s

To d as as fi g u ras , t an to em

co

co

ag

To d os o s ri t mo s , ex cet o

mp o s to co mp l exo e

co

í n cop as co mp l ex as d e

s

emi co l ch ei as . d ep end ên ci a a 5 vo zes

In

s

p pp at é f f f , cres cen d o e

ecres cen d o lo ng os , s ú b i to s

d

mai s co mp l ex o s , d in âmi cas

cru zad as

Ex i g ên ci as es t i l ís t i cas

p es an t e, p o r ta to , f r u l a tt o . ,

mai o res : s ecco , l eg g i er o ,

s o s i mu lt ân eo d e 4

u

art i cu l açõ es

Qu al q u er us o d e

ap o gg i at u ras , t ri n ado s ,

ru p et to s e mo rd en t es ,

g

ru p et to s e mo rd en t es

g

es

cri t o s s t ru men t ação co mp l et a.

In

art es ex p o s t as p ara

P

u al qu er i n s t ru men to ,

q

mai o r v ari ed ad e d e mb i n açõ es t í mb ri cas ,

co

mai o r u s o d o p i ano co mo

emen t o d e co r

el

n s t ru men t al .

i

2 a 2 0 mi n u to s

Mai o r u s o d e rub at o e

mu d an ças rep en t in as , u s ar

ou co as t on al i d ad es co m 6

p

emó i s

b

ax b arí t on o co m ch av e d e

s

Lá g rav e

cro t al es , p art es mú l t i p l as d e

Tecl ad o s co m 4 b aqu et as ,

i b rafo n e co m p ed al e

efei t o s mai s ex ó t i co s ,

v

ecl ad o s .

t

3

In cl u i : 6 /8 e 9 / 8 Vari açõ es mét ri cas f ácei s Em co mp as s o s i mp l es e

co mp o s to At é 5 b emó i s e C * , mai o r u s o d e al t eraçõ es cro mát i cas , mu d an ças d e

 

armad u ra L a rgo -Al l eg ro (56 -1 44 ) r i t ., a ccel ., r a l l ., a l l a r g .,

m o l t o r i t . In cl u i : Ag rup amen t o s s i mp l es d e fu s as , s ex t in as d e s emi co l ch ei a, u s o mí n i mo d e q u in t i n as d e

s emi co l ch ei a Mai o r l i b erd ad e rí t mi ca em co mp as s o co mp os t o , mai o r u s o d e s í n co p as , i n d ep en d ên ci a at é 4

 

p art es p p at é f f , cres cen d o e d ecres cen d o d e mai o r d u ração , al g un s sú b i to s s i mp l es , d i n âmi cas cru zad as , mai o r u s o d e f p

 

In cl u i : marcat o , s f z , s f f z , u s o s i mu lt ân eo d e 3 art i cu l açõ es

Tri n ad o s co m ap o gg i at u ra d e en t rad a o u s aí d a, ap og g i atu ras d e 2 o u 3 n o t as

In s t ru men t ação ex p and i d a, al gu ns s o lo s p ara Ob / Hn / B ar. Di v i s ão p o r n ai p es , co m mai o r i n d ep en d ên ci a. S o l os co m ap o i o . P ercu s s ão mai s ex p o s t a. In cl u i r p i an o .

2 a 8 mi n u t os

Ev i t ar u s o d e C e D, mai o r u s o d e fl u t u açõ es d e t emp o . Ev i t ar co l o car o s mú s i cos em reg i s t ro s ex t remo s .

t í mp an os , t ecl ad o s co m

b aqu et as , efei t o s mai s

ex ó t i cos , co i n s crap es ,

v as s ou ri nh a

4

2

2

In cl u i : 6 /8 u so mí n i mo d e 5 , 6 , 2 s i mp l es 8 4 /4 ,

/ 4

Vari açõ es mét ri cas f ácei s em co mp as s o s i mp l es

B b , Eb , F , Ab , co m rel at i v as men o res e mo d o s ,

al t eraçõ es cro mát i cas s u t i s e mu d an ças d e

armad u ra

An d a n te-Al l eg ro (6 0 -13 2 )

r i t a rd ., a ccel .

 

In cl u i : Ag rup amen t o s s i mpl es d e s emi co l ch ei as ,

q u i ál t eras d e co l ch ei a e s emí n i ma

 

R i mo s b ás i co s em co mp as s o s i mp l es , mu i t o

s i mp l es em co mp o s t o , s ín cop as s i mp l es em

co l ch ei as , i nd ep end ên ci a rí t mi ca at é 3 p art es

   

p p at é f f , cres cen d o e d ecres cen do d e at é 4

co mp as s os , f p s i mp l es .

   

In cl u i : t en ut o , s t accat o , l eg at o , us o s i mu l t ân eo

d e 2 art i cu l açõ es

   

Tri n ad o s e ap og gi at u ras d e u ma n ot a.

   

In s t ru men t ação red u zid a, al g un s s o lo s p ara F l ,

C l , Tp t , S x Al t o . Di v i s ão p o r n ai p es e i n d ep en d ên ci a. P ercu s s ão mai s ex po s t a, s o lo s co m ap o i o , al gu m u s o d e n o t ação co n t emp o rân ea.

 

2 a 5 mi n u t os

 

C o l o car p au s as p ara d es cans o . In cl u i r co n t racan t os i n t el ig en t es . Man t er o s mú s i co s em s eu mel h o r reg i s t ro . Ev i t ar mu d an ças freq ü en t es .

afi n ação . R u l os s i mp l es d e cai x a, ru l os em

t í mp an os , co m t emp o p ara mu d an ças d e

p an d ei ro , t ri an g u lo e b o mbo ok .

2

 

2

3

     
   

B b , Eb , F , co m rel at i v as men o res e mo d o s , p ou co s aci d en t es o co rren t es

       

R i t mo s b ás i co s em co mp as s o s i mpl es . Us o d e p on t o s d e au men t o e l i g ad u ras em g rau 1 ,5 . In d ep en d ên ci a a 2 p art es .

   

p at é f , cres cen d o e d ecres cen d o b rev e.

   

At aq u e e art i cu l ação b ás i cos (Tah -Dah ), l i g adu ras e acen t o s , u so mí n i mo d e s t accat o

     

In s t ru men t ação red u zid a, ex po s i ção l i mi t ad a d o s n ai p es , d is t ri b u i ção d e p art es po r famí l i as o u t es s i t u ra. Mu d an ças n as vo zes p o r fras es .

     

Ev i t ar s al t o s g rand es , es cri t a co mo t u t t i d o i n i ci o ao fi m e cl ari n et es u l t rap as s and o a mu d an ça d e reg i s t ro .

 

Tí mp an o s op ci on ai s , s em al t eração d e afi n ação , s em ru l o s d e cai x a, fl ams s i mp l es o k , ru l os d e p rat o su s p en so o k , ri t mo s p od em es t ar u m n í v el aci ma d as p art es d e s o p ros .

1

S i mp l es : 2 / 4 , 3 /4 e 4 / 4 Vari açõ es mét ri cas mí n i mas

An d a n te-M o d era to (7 2 -12 0 ), r i t a rd s i mp l es , mu d an ças mí n i mas

       

Nen h u m

1 a 3 mi n u t os

 

G r a u

 

M é tr ica

 

A rm a d u ra s d e

la v e

C

 

T em p o (b p m )

   

F ig u ra s d e

N o ta e P a u sa

   

itm o

 

D in â m ica s

   

A rt icu la çã o

   

O rn a m en to s

   

O rq u e st ra çã o

 

D u ra çã o

 

C o n sid e ra çõ es

 

U so d a P er cu s sã o

 

R

 

EXTENSÃO DOS INSTRUMENTOS POR NÍVEIS DE DIFICULDADE

Grau

1

2

3

4

5

Flauta

 
Flauta      
 
Flauta      
Flauta      
 
Flauta      
Flauta      

Oboé

 
Oboé        
 
Oboé        
 
Oboé        
 
Oboé        
Oboé        

Fagote

 
Fagote      
 
Fagote      
Fagote      
 
Fagote      
Fagote      

Clarinete

 
Clarinete      
 
Clarinete      
Clarinete      
 
Clarinete      
Clarinete      

Clarone

Clarone  
Clarone  
Clarone  
 
Clarone  
Clarone  

Saxofone

 
Saxofone    
 
Saxofone    
Saxofone    
Saxofone    
Saxofone    

Trompete

 
Trompete      
 
Trompete      
Trompete      
 
Trompete      
Trompete      

Trompa

Trompa    
 
Trompa    
Trompa    
 
Trompa    
Trompa    

Trombone

 
Trombone        
 
Trombone        
 
Trombone        
 
Trombone        
Trombone        

Bombardino

Tuba

 
Tuba      
 
Tuba      
Tuba      
 
Tuba      
Tuba      

OBS: A Semibreve indica limite de extensão entre um nível e o nível seguinte.

ANTES DE COMEÇAR A ESCREVER UM ARRANJO

Hudson Nogueira

GOSTARIA DE ABORDAR,NESTE PRIMEIRO ARTIGO, alguns aspectos que conside-

ro muito importantes na escrita musical para sopros. É fundamental para o arranjador saber qual é a razão social do arranjo.Penso que as bandas têm um campo de atuação muito variado:podem se apresentar tanto em

salas fechadas como em teatros e até em estádios de futebol,passando por cinemas, coretos,ginásios de esportes,escolas,circos,touradas etc.Isso é formidável;a banda está onde o povo está.Mas,para o arranjador,isso pode ser um problema. Quando escrevemos um arranjo que será utilizado em salas fechadas, podemos fazer uso de um leque imenso de opções de orquestração, combinações timbrísti-

mas normalmente nos esquecemos de um pequeno detalhe: com

certeza,um dia esse arranjo também será executado ao ar livre.Quando isso acon- tece, o arranjo acaba perdendo grande parte de seu efeito.Tudo aquilo que fazia diferença causa indiferença. O primeiro grande problema é o equilíbrio entre as duas grandes seções de sopros da banda:as madeiras e os metais.As madeiras,tanto em passagens de naipes como em solos, são muito prejudicadas ao ar livre, fato que não acontece com os metais e a percussão. Acredito que existem dois fatores que contribuem para o uso inadequado des- ses arranjos pelas bandas: a carência de arranjos de música brasileira e a falta de informação por parte dos regentes. Para garantir uma sonoridade rica e poderosa em seus arranjos,o arranjador deve- rá sempre reforçar as melodias e os acompanhamentos; para tal, pode fazer uso de muitos recursos de orquestração,como combinações timbrísticas mais cruas ou refi- nadas, evitando sempre passagens solo ou cadências nas madeiras e dinâmicas abaixo de mf.Dessa forma,seus trabalhos soarão bem em qualquer situação.Essa foi uma das opções que utilizei em meus arranjos e composições incluídos no Projeto Edições de Partituras para Bandas,lançados pela Funarte em 2008.Mais adiante vou demonstrar e comentar alguns elementos de orquestração que utilizei nesses trabalhos. Outra forma de escrita muito efetiva e polivalente – que também utilizei nesse projeto,tanto em arranjos como em composições - foi a orquestração flexível,que também demonstrarei neste artigo.

cas, dinâmicas

ESCREVER UM ARRANJO

1- GÊNERO MUSICAL

Somos extremamente privilegiados no Brasil,pela imensa diversidade musi- cal que temos. Hoje em dia, basta iniciarmos uma busca pela internet para ter- mos uma idéia desse enorme manancial musical, fruto da miscigenação entre europeus, negros e índios. Infelizmente, a maioria dos brasileiros - inclusive os músicos - desconhece esse nosso vasto patrimônio, que em muitos casos está se perdendo ou já se perdeu. Isso também acontece com o acervo de boa parte dos nossos compositores. Ao escolher uma música para se fazer um arranjo, é muito importante observar e,em alguns casos,respeitar o gênero ou o estilo musical originalmen- te proposto pelo compositor. Vejo com uma certa preocupação o fato de alguns arranjadores usarem o recurso de re-harmonização em todos os seus trabalhos. O resultado disso pode chegar às mais estranhas combinações, em que a har- monia está mais para bossa-nova,por exemplo,e a melodia e rítmica continuam sendo de frevo. Quando isso acontece, corre-se o grande risco de descaracteri- zar o estilo musical. Não quero dizer com isso que não se deva mudar alguns acordes; na verdade isso é até necessário, mas sempre com o cuidado de preser- var o gênero ou estilo original.

2-TONALIDADE

É muito comum encontrarmos, em songbooks ou em gravações originais,

tonalidades que foram pensadas para canto. Devemos sempre ter o cuidado de escolher tonalidades que privilegiem as tessituras dos instrumentos e que não criem dificuldades técnicas para os instrumentistas, sem abrir mão de manter uma cor vibrante em estilos mais alegres e o contrário em estilos mais melan- cólicos.

3-MINUTAGEM (1-CHORUS, 2-CHORUS ETC.)

A minutagem deve ser pensada antes de se iniciar um arranjo, ou mesmo

antes de se escolher um tema ou estilo, para evitar resultados desastrosos. Eu

mesmo já precisei fazer uma introdução de 20 compassos no arranjo de um samba,para poder atingir a minutagem proposta na encomenda que me haviam feito. Não costumo utilizar mais do que 8 compassos na introdução, pontes ou

coda! Em geral, esse número já acrescenta de 24 a 32 compassos ao arranjo, dependendo do numero de pontes que for necessário usar – ou seja, é pratica- mente o mesmo número de compassos de alguns sambas. Às vezes nos pedem um arranjo para uma música específica, com uma duração muito além do que seria possível se utilizássemos apenas um chorus desse tema. Devemos então verificar alguns pontos dessa música, para saber se será possível atingir bons resultados musicais em nosso trabalho. Gostaria de destacar quatro pontos a serem analisados:A-Andamento; B-Número de compassos; C-Forma musical e D-Padrão rítmico-melódico Podemos calcular a minutagem do tema multiplicando o número de com- passos por dois em temas binários, por 3 em ternários e assim por diante. O número resultante deverá ser comparado com o andamento que você utilizará em seu arranjo.Veja o exemplo:

Número de compassos da música = 32 Formula de compasso = binário (Duas batidas por compasso) Resultado = 64 Andamento da música: Semínima = 60

Sabemos então que vamos precisar de 30 compassos binários para conseguir

60 batidas por minuto. Sendo assim, cada vez que o tema proposto for tocado em sua íntegra, teremos pouco mais de 1 minuto: para ser bem exato, 1’04”. Se

o seu arranjo precisa chegar a 3’30”, já sabe que, para atingir esse tempo, pre- cisará escrever o tema 3 vezes.

O próximo passo é analisar a forma musical do tema.Existem as mais varia-

das combinações, desde as A-B-A encontradas nos sambas até as A-A-B-B-A- C-C-A, observadas na maioria dos choros.Vamos utilizar em nosso exemplo a forma A-A-B-A com 8-8-8-8 compassos em cada parte, que ao todo soma 32

e é uma das formas mais tradicionais encontradas em sambas e bossas.Você vai

precisar escrever o tema inteiro três vezes em seu arranjo, para atingir a minu-

tagem proposta;com isso,a parte A do tema irá aparecer 9 vezes ao longo desse seu trabalho. É provável que essa repetição excessiva da parte A torne esse arranjo muito cansativo para os ouvintes.

O último elemento a ser visto em nossa análise do tema é o padrão rítmi-

co-melódico. Algumas composições são monorrítmicas, se é que posso me refe-

rir a elas dessa maneira;isso quer dizer que só existe um padrão rítmico em toda a melodia.Em nosso exemplo,geralmente os temas com a forma A-A-B-A uti- lizam dois padrões rítmico-melódicos contrastantes, ou seja, um patrão rítmico ativo na parte A e um padrão rítmico passivo na parte B, ou vice-versa. Acho que vocês já sabem o que nos espera, não é? Escrever um bom arran-

jo para uma música que tenha essas características,e que precise atingir a minu-

tagem proposta nesse meu exemplo, exige um bom preparo e bastante expe- riência por parte do arranjador. Notem que todas as condições propostas em cada um dos itens descritos nesse meu exemplo são bastante comuns em sam- bas e principalmente nas bossas. Com uma certa experiência, toda essa impor- tante e necessária análise não levará mais de 30 segundos para ser feita. Penso que este pequeno artigo sobre arranjo será lido por arranjadores de

vários níveis. Na seqüência deste trabalho, todos poderão encontrar caminhos

e respostas para que os problemas até o momento descritos possam ser resolvidos.

4 - ESCREVER UMA MELODIA INSTRUMENTAL (Timbre progressivo ou contrastante) Depois de fazer toda uma série de reflexões e análises sobre a música para a qual escreveremos o nosso arranjo,chegou finalmente a hora de começar o trabalho. Podemos dizer que a primeira fase do arranjo é o momento em que deve- mos determinar que instrumento ou naipe fará a parte melódica de cada tre- cho da música. Essa escolha não é tão simples quanto parece; vamos ver que, para conseguir um bom resultado nessa fase, o arranjador precisará conhecer muito bem os instrumentos da banda. Quanto maior for o conhecimento das tessituras e das melhores regiões de cada instrumento por parte do arranjador, maior será o seu êxito. Quando men- ciono as melhores regiões de cada instrumento, refiro-me a determinadas regiões do instrumento onde o timbre é mais rico,tem grande projeção e geralmente não representa, para o instrumentista, grande esforço físico para a execução. Essas regiões são diferentes para cada instrumento da banda e também para a tessitura deles. O conhecimento de todas as tessituras da instrumentação da banda é real- mente o primeiro passo que deve ser dado pelo arranjador. Sem isso, é provável que em algum momento você acabe escrevendo, para um instrumento, uma nota que não existe em sua tessitura. Infelizmente isso acontece até entre arranjadores profissionais. É imperdoável!

Uma vez dominado esse conhecimento,você verá que temos uma incrível tes- situra à nossa disposição,que pode e deve ser usada na distribuição da melodia por todos os instrumentos da banda. Alguns trechos da melodia,porém podem restrin- gir consideravelmente a escolha do melhor timbre para aquele momento do arran- jo. Quero dizer com isso que determinadas passagens da melodia só podem ser exe- cutadas pelas trompas,devido ao caráter do trecho e à tessitura da melodia. Gostaria de comentar aqui duas formas de distribuição dos timbres na melo- dia. Ambas oferecem ao arranjador uma imensa gama de possibilidades timbrísti- cas e de combinações entre todas as famílias de instrumentos de banda.

A mais simples, mas não menos rica, é a escrita da melodia com timbres con-

trastantes. Sempre que for possível, o arranjador deve mudar a melodia de oitava, respeitando a melhor região do instrumento.Deve-se evitar ao máximo,contudo, o uso do mesmo naipe no mesmo trecho da melodia; quando isso for inevitável, evite usar o mesmo timbre na seção do acompanhamento. Como resultado dessa

escrita com timbres contrastantes nunca haverá,em seu arranjo,monotonia e falta de criatividade na distribuição da melodia, pois em alguns casos ela poderá ser escrita em até três oitavas diferentes para três diferentes naipes!

A outra forma de distribuição da melodia entre os instrumentos da banda é

um tanto mais complexa e exige grande experiência por parte do arranjador. A escrita da melodia com timbres progressivos envolve a escrita contrastante com todos os seus recursos; além disso, o arranjador deverá ter um conheci- mento muito mais amplo de acústica.A idéia é que os timbres sejam distribuí-

dos do grave para o agudo, dos que têm menos projeção para os que possuem mais projeção. Deve-se adicionar sempre uma informação nova, timbrística ou

orquestral, tanto na melodia quanto no acompanhamento. O processo asseme- lha-se a uma partida de xadrez! O resultado é um arranjo equilibrado, cheio de contrastes timbrísticos e orquestrais – que garante ao ouvinte uma jornada repleta de surpresas e muita excitação.

A segunda fase da escrita da melodia diz respeito ao conhecimento estilís-

tico do gênero musical.

É da maior importância que a rítmica a ser usada na melodia não ofereça

dificuldades para o instrumentista, mas que esteja escrita dentro das caracterís-

ticas estilísticas da música. Gostaria de dar como exemplo o samba, um dos gêneros musicas mais populares de nosso país. Como todos sabem, o samba é originalmente concebido como música vocal, mas tem sido utilizado, ao longo

de muitos anos, por diversas formações instrumentais. Em muitos casos, a rít- mica adotada pelos cantores não é funcional para instrumentos; nesse caso, o arranjador deverá ter o cuidado de adaptar a rítmica dessa melodia para que se torne fluente e permita ao instrumentista o máximo de possibilidades de inter- pretação e swing (balanço).

5- ESCREVER A LINHA DO BAIXO

Devemos dar muita atenção à escrita da linha do baixo. Em alguns gêneros musicais – como o choro, por exemplo - podemos caracterizar a harmonia da música somente com duas vozes, ou seja, a melodia e o baixo. Para que isso aconteça, devemos evitar que o baixo faça dobramentos simultâneos com a mesma nota da melodia. Por exemplo, se a primeira nota da melodia for a tôni- ca, devemos usar uma inversão no baixo na cabeça do compasso,para evitar esse

dobramento da tônica. Esse tipo de procedimento é bastante simples, mas exige um certo preparo do arranjador. Devemos ter em mente que o papel do baixo

é mais harmônico do que melódico; se não evitarmos esse tipo de dobramento entre o baixo a melodia, teremos uma sensação de esvaziamento harmônico. Observe o exemplo 1 abaixo:

6 ESCREVER A PRIMEIRA VOZ DO ACOMPANHAMENTO (Formas de acompa-

nhamento) Da mesma forma que devemos trabalhar com denodo para evitar os dobra- mentos entre o baixo e a melodia,precisamos dar grande atenção à escrita da pri- meira voz do acompanhamento. Já temos normalmente a opção de caracterizar

a harmonia da maior parte dos gêneros e estilos musicais com o simples proce-

da maior parte dos gêneros e estilos musicais com o simples proce- Pequeno Guia Prático para

dimento de evitar o dobramento simultâneo das mesmas notas entre a melodia, o baixo e a primeira voz do acompanhamento. Para que isso seja possível, deve- mos sempre fazer uma análise dos graus da melodia em relação à harmonia. De ois de escrever a melodia e o baixo,estaremos prontos para começar a escrever a primeira voz do nosso acompanhamento.Aqui vão algumas dicas:

Use sempre a nota que está faltando para caracterizar ou completar o acorde

Busque contraste rítmico com a melodia - ou seja, quando a melodia estiverque está faltando para caracterizar ou completar o acorde em movimento, fique parado e vice-versa, sempre

em movimento, fique parado e vice-versa, sempre procurando fazer uso elementos rítmicos presentes no próprio gênero musical.

Nunca use o mesmo timbre na melodia e no acompanhamento;às vezes isso pode vir a acontecer quando temos alguma passagem soloelementos rítmicos presentes no próprio gênero musical. e d Tenha muito cuidado para não usar um

e

d

Tenha muito cuidado para não usar um naipe que tenha mais projeção que a melodia

não usar um naipe que tenha mais projeção que a melodia Alterne os timbres sempre que
não usar um naipe que tenha mais projeção que a melodia Alterne os timbres sempre que

Alterne os timbres sempre que for possível.

No exemplo 2 poderemos observar alguns desses elementos.

No exemplo 2 poderemos observar alguns desses elementos. A RRANJO COM O RQUESTRAÇÃO FLEXÍVEL Acredito que

ARRANJO COM ORQUESTRAÇÃO FLEXÍVEL

Acredito que essa técnica de escrita musical pode ser a grande salvação para todos os países que, como o Brasil, não possuem editoras que investem na produ- ção de material de boa qualidade para grupos camerísticos e orquestrais. O uso da orquestração flexível abre a possibilidade de cada arranjo ser executado por pelo menos 10 formações musicais diferentes,desde quartetos até grandes orquestras sin- fônicas, passando por quintetos, bandas marciais e bandas sinfônicas. Outra vanta-

gem é que nunca teremos buracos na instrumentação da banda ou orquestra, pelo fato de todos os instrumentos serem dobrados por outros de família diferente. Existem algumas desvantagens para o arranjador que utiliza essa técnica em seu trabalho:combinações timbrísticas nas formações orquestrais,limitação har- mônica, tessituras limitadas e duração do arranjo. Isso acontece em razão de os arranjos serem escritos a quatro ou cinco vozes.Não aconselho o uso dessa téc- nica em arranjos longos, com exceção de trabalhos que utilizem três ou mais temas,de gêneros contrastantes e com andamentos diferentes.Como já comen- tei antes, nos grupos orquestrais ouviremos sempre as mesmas combinações timbrísticas, pelo fato de o arranjo ter sido escrito a quatro vozes. Isso pode causar uma certa monotonia em termos de colorido orquestral, principalmen- te se compararmos esses trabalhos com arranjos escritos originalmente para banda. De qualquer forma, deposito uma grande esperança nessa forma de escrita como uma ótima alternativa para solucionarmos a carência gigantesca que temos, em nosso país, de arranjos para diversas formações musicais.

GÊNERO MUSICAL

Já mencionei antes que uma das dificuldades da escrita de orquestração fle- xível é a limitação harmônica. Muitas composições usam acordes com mais de quatro sons.Em alguns casos é possível caracterizar acordes de cinco notas com apenas quatro instrumentos; em outros, porém, o arranjador não poderá abrir mão de usar todas as cinco notas do acorde, para não alterar o sentido e o cará- ter musical tão característico do estilo.Acordes com cinco, seis, sete e até oito sons são muito encontrados em bossa-nova, pois toda essa riqueza harmônica faz parte das características desse gênero musical – e abrir mão desse elemento pode descaracterizá-lo.

ESCREVER UMA MELODIA INSTRUMENTAL

Podemos adotar aqui os mesmos conceitos já descritos anteriormente no item 4 – Escrever uma melodia instrumental, incluído no capítulo anterior deste artigo, “Escrevendo Um Arranjo”. A única exceção seria o uso da escrita da melodia com timbres progressivos.Vamos acompanhar passo a passo um peque- no trecho musical escrito com a técnica de orquestração flexível:

E SCREVER A LINHA DO BAIXO Também nesse caso podemos utilizar os mesmos conceitos já

ESCREVER A LINHA DO BAIXO

Também nesse caso podemos utilizar os mesmos conceitos já descritos no item 5 – Escrever a linha do baixo, que integra o capitulo anterior deste artigo, Escrevendo “Um Arranjo”.Acompanhe o exemplo 4 abaixo:

Escrevendo “Um Arranjo”.Acompanhe o exemplo 4 abaixo: F O R M A S DE ACOMPANHAMENTO (Papel

FORMAS DE ACOMPANHAMENTO (Papel duplo)

Em arranjos com orquestração flexível, o acompanhamento assume um outro papel. Em um arranjo escrito especificamente para banda, a escrita do acompanha- mento está mais associada à harmonização do que ao gênero musical; na escrita de orquestração flexível,o acompanhamento deverá fazer um papel duplo ou até triplo, em alguns momentos.Isso significa que,além de configurar a harmonia,ele será peça fundamental para que o gênero musical também possa ser caracterizado no arranjo. Essa dupla função é desnecessária em um arranjo para formações que contam com uma seção de percussão,ou mesmo somente uma bateria.Note,no exemplo 5,que o gênero musical – nesse caso, a marcha-rancho – é caracterizado pelo baixo e pelo papel duplo do acompanhamento, que tanto harmoniza como configura o gênero musical com o uso de uma rítmica específica,própria da marcha-rancho.

O RQUESTRAÇÃO (Dobramentos) Nos próximos dois exemplos, podemos visualizar as últimas etapas do nosso trabalho.Vale

ORQUESTRAÇÃO (Dobramentos) Nos próximos dois exemplos, podemos visualizar as últimas etapas do nosso trabalho.Vale a pena lembrar que cada uma das vozes será dobrada por outros instrumentos de famílias diferentes – e, em alguns casos, em oitavas diferentes. Para que tudo dê certo, o arranjador precisará estabelecer um limite na tessitu- ra para cada voz, tanto no gravequanto no agudo. No exemplo 6, todas as linhas foram distribuídas e orquestradas para quarte- to de saxofones. Veja como ficou.

e orquestradas para quarte- to de saxofones. Veja como ficou. Pequeno Guia Prático para o Regente

Agora vejamos como ficou o mesmo trecho, orquestrado com todos os dobramentos necessários para que o grupo inteiro seja utilizado, além de toda a seção de percussão, exemplo 7A e 7B.

utilizado, além de toda a seção de percussão, exemplo 7A e 7B . Pequeno Guia Prático
Pequeno Guia Prático para o Regente de Banda – 62

CONCLUSÃO

Tenho acompanhado alguns encontros entre compositores, arranjadores e maestros de bandas,promovidos com a intenção de incentivar a escrita para essa formação musical no Brasil. Infelizmente, o que observei foi que existe um abismo muito grande entre a música que os compositores gostam de escrever - ou querem escrever - e a música que os músicos gostam de tocar. E um abis- mo ainda maior entre a música dos compositores atuais e o público.Não quero dizer com isso que a música deva se estagnar em função dos músicos ou do público, mas sim que uma parte do nosso trabalho, como compositores ou arranjadores, deve ser voltado para a música que as pessoas realmente vão gos- tar de tocar e ouvir. Temos um atraso monumental no conhecimento do nosso folclore – e tam- bém nossa música popular e erudita. O Brasil ainda não foi descoberto pelos brasileiros! Até hoje não foi criado um acervo nacional de dobrados! Essa nossa tradição e herança musical está se perdendo a cada dia. Não podemos evoluir sem conhecer o nosso passado! Tenho uma grande esperança nessa iniciativa da Funarte, que está fazendo o que deve ser feito nesse momento: oferecer às nossas bandas música de quali- dade, para ser tocada e ouvida por todos, além de resgatar e promover dobra- dos, compositores e vários gêneros de nossa musica folclórica e popular.

MARCELO JARDIM é mestre em Regência pela Escola de Música da UFRJ, onde também é professor-assistente de regência e diretor musical da Orquestra de Sopros da

UFRJ.É diretorArtístico da Orquestra Sinfônica de Mogi das Cruzes e do Projeto Orquestra Sinfônica Jovem Minha Terra Mogi. Estudou com Roberto Duarte, Guilhermo Scarabino, Osvaldo Ferreira, Roberto Tibiriçá,André Cardoso e o compositor Ernani Aguiar – além

de Jerry Junkins, Robert Reynolds, Kevin Sedatole e Richard Floyd, da Universidade do

Texas emAustin,USA.Atou como maestro e coordenador musical na Fundação CSN,entre 1996 e 2008, tendo sido Diretor Artístico da Banda Sinfônica da CSN (1996-2003) e da Orquestra Sinfônica Jovem da Fundação CSN (2003-2007). Atuou como professor de regência nos painéis da Funarte.Tem atuado como regente convidado em inúmeras orques- tras e bandas sinfônicas, bem como orquestras de sopros no Brasil,América Latina e Estados Unidos.

MARCOS VINÍCIO NOGUEIRA, professor-adjunto do Departamento de Composição e do Programa de Pós-Graduação em Música da UFRJ, é Doutor em Comunicação e Cultura(UFRJ), Mestre em Musicologia(UNIRIO) e Bacharel em Composição Musical(UFRJ). Há quinze anos trabalha com o universo das bandas de músi- ca, ministrando cursos isolados ou em painéis promovidos pelo Projeto Bandas, da Funarte. Coordenou quatro Concursos de Bandas Civis do Estado do Rio de Janeiro, entre 1995 e 1998, que reuniram dezenas dos principais conjuntos do estado. Como professor e pesqui- sador, atua principalmente nas áreas de composição, teoria e cognição musical.

DARIO SOTELO CALVO é regente da Orquestra de Sopros Brasileira, professor de

regência do Conservatório deTatuí e Mestre em Regência pela City University (Londres).

A partir de 1995 gravou oito CDs com a Orquestra de Sopros Brasileira e Orquestra

Sinfônica Paulista. Coordenou a I e a II Conferência Sul Americana de Compositores, Arranjadores e Regentes de Banda Sinfônica,o I Encontro de Regentes de Bandas Militares em Tatuí – e, em 2007, o I Encontro Latino Americano de Compositores, Arranjadores e Regentes, no Memorial da América Latina, em São Paulo. Mantém agenda de concertos nos Estados Unidos e Europa. Em 2006 e 2008 participou de turnês na Espanha, como regente convidado, ocasiões em que dirigiu dirigiu repertório brasileiro. É membro do Conselho e do Comitê Artístico da Wasbe (Associação Internacional de Bandas Sinfônicas e Conjuntos de Sopros).

HUDSON NOGUEIRA é saxofonista, clarinetista, arranjador e compositor. Estudou composição com Edmundo Villani-Côrtes. Foi músico da Banda Sinfônica do Estado de

São Paulo e integrante da Banda Savana. Em 2005 fez várias apresentações no Japão, onde executou suas composições no Clarinet Fest, realizado pela primeira vez na Ásia. Escreveu arranjos para Marvin Stamm, Leila Pinheiro, Bete Carvalho, Nana Caymmi, Ivan Lins, Jane Duboc, Guilherme Arantes,Toquinho, Gilberto Gil, Moraes Moreira, Sujeito a Guincho, Banda Savana, Banda Sinfônica Jovem do Estado de São Paulo, Banda Sinfônica do Estado

de São Paulo,Orquestra de Sopros Brasileira,Orquestra Paulista e Banda Sinfônica da CSN,

entre outros artistas e grupos. Compôs obras originais para Fernando Dissenha, Dale Underwood, Fred Mills, Paulo Sérgio Santos, James Gourlay, Madeira de Vento, Osland Saxophone Quartet, University of Minnesota, University of Georgia, University of Central Florida e University of St.Thomas. Seus arranjos e composições estão presentes em mais de

20 CDs gravados no Brasil e no exterior.