You are on page 1of 1

VIVIAN DE ALMEIDA GREGORI TORRES DURVAL FERRATONI ANDRÉA BARBOSA MANTOVANI DEBORAH DOS SANTOS ALMEIDA

EVANDRO FABIANI CAPANO KARLA ALMEIDA CAVALCANTE MARCO FABRÍCIO VIEIRA RENATA CLEYSE MARQUES FLORIO
FERNANDO FABIANI CAPANO WILSON RANGEL JUNIOR EVALDO VIEDMA DA SILVA LUCIANE NAVEGA FORESTI BALTAZAR
LEONARDO S. PASSAFARO JÚNIOR CELISA FERNANDES DE MELO VALTER BANHARA GUISARD EDSON INCROCCI DE ANDRADE
GISLENE DONIZETTI GERÔNIMO MÁRCIO FERNANDES DA SILVA MIRIAM ALLEGRETTI JULIANA DE OLIVEIRA MANTOAN
LUIS CARLOS GRALHO MARCELO KAJIURA PEREIRA JULIANA CARAMIGO GENNARINI CLAUDIA SUMAN
RICARDO RUIZ GARCIA ANDRÉ KIYOSHI HABE HEITOR RODRIGUES DE LIMA MARCELO TARANTO HAZAN
ALVARO T. HERMAN SALEM CAGGIANO SELMA MARIA ANTUNES RODRIGO FAVA ALINE BARRETO
EDFRE RUDYARD DA SILVA CIBELE CRISTINA MARCON VIVIANY CARNEIRO ROCHA
LILIAN MARIA GREGORI CARLOS ALBERTO CELONI MARTIN RICARDO BENELI DULTRA
JOSÉ VANTUIR DE SOUSA LOPES JÚNIOR VALDECIR FERNANDES LOURDES CARVALHO
LUCIANA MIRELLA BORTOLO ALINE APARECIDA CASTRO LUCIANA PASCALE KÜHL
KELLI CRISTINA DA ROCHA MONTEIRO RONALDO DELFIM CAMARGO RICARDO IBELLI
JULIANA BONOMI SILVESTRE

PARECER AÇÃO CBPM 2%

A Gregori Capano Advogados Associados, banca especializada nas causas dos servidores públicos, recebeu consulta para a
possibilidade de questionamento judicial do desconto de 2% dos vencimentos do servidor efetuado pela Caixa Beneficente da
Polícia Militar do Estado de São Paulo para custeio do sistema de saúde do Hospital Cruz Azul. É preciso dizer que a Cruz Azul
de São Paulo pretende prestar assistência médica, odontológica e farmacêutica aos contribuintes da CBPM, porém, não
atende convenientemente os associados do interior do Estado. Além disto, TUDO NAQUELE HOSPITAL, INDEPENDENTE DA
CONTRIBUIÇÃO DO POLICIAL, É PAGO.

Sabemos que, em verdade, contribuições previdenciárias e assistenciais são uma forma de imposto com finalidade ou
destinação especial. No entanto, a cobrança de contribuição não prevista na Constituição Federal importa em violação ao
princípio da legalidade tributária, segundo o qual, é vedado exigir ou aumentar tributo sem lei que o estabeleça. Em outras
palavras, lícito é aos Estados instituírem contribuição a ser cobrada de seus servidores, para o custeio, em benefício destes,
de sistema de previdência e assistência social, mas jamais para custeio do sistema de saúde.

Assim, entre outras questões passíveis de serem argüidas, resulta ser inconstitucional a cobrança de contribuição por ente da
Administração indireta de Estado-membro, para custeio de sistema de saúde, o que via de conseqüência, importa na
inconstitucionalidade do desconto compulsório efetuado pela CBPM em favor da Cruz Azul de São Paulo. Necessário se faz
falar que já existe inclusive precedente favorável aos policiais no STF.

Deste modo, é possível requerer, pela via judicial, a declaração da inconstitucionalidade da referida cobrança e por
conseqüência, a decretação do desligamento dos autores da condição de contribuintes da Associação Cruz Azul de São Paulo,
conveniada com a Caixa Beneficente da Polícia Militar do Estado de São Paulo, mercê da inconstitucionalidade da contribuição
imposta e do direito constitucional de cada autor de se desassociar. É possível ainda pedir a repetição do indébito pelo
período admitido em lei, das importâncias indevidamente recolhidas aos cofres da CBPM, tudo com a devida correção
monetária.

Portanto solicitamos aos servidores públicos que queiram aderir a esta nossa empreitada, que assinem a procuração e o
contrato de honorários disponibilizados por sua Associação/Sindicato, não sendo necessário o reconhecimento de firma dos
documentos, entregando-os pessoalmente na entidade ou pela via postal em nossa sede, na Capital, com endereço na Av.
Paulista, 2421, 7º andar, CEP 01311-300, Bela Vista, São Paulo, SP. Necessário ainda se faz a inclusão da cópia não
autenticada de seu último hollerit para instrução da ação.

Finalmente, as custas administrativas e processuais para ajuizamento da medida judicial e eventuais recursos aos Tribunais
poderão ser pagas pelo servidor público através de débito autorizado em conta corrente, utilizando o formulário (termo de
autorização para débito em conta corrente) em anexo.

Aproveitamos a oportunidade para apresentar nossos votos de elevada estima e distinta consideração, esperando que nossa
família de servidores públicos permaneça sempre unida.

Este é o nosso parecer, S. M. J.

GREGORI CAPANO ADVOGADOS ASSOCIADOS