You are on page 1of 1

EDIÇÃO IMPRESSA 1 of 2

Serviços para Assinantes Loja Login ******** OK Esqueceu-se da password? Registe-se

Caderno Principal Pesquisa nos últimos 7 dias 7 Mai 2008


Caderno P2

Professores recolhem 35 mil


assinaturas contra Estatuto da
Carreira Docente
Caderno Principal
07.05.2008, Natália Faria
PRIMEIRA PÁGINA
É a segunda vez que isso acontece em Portugal. Depois
DESTAQUE
de, há dois anos, os arquitectos terem obrigado a
PORTUGAL
Assembleia da República a proibir a assinatura de
projectos por não ar-
quitectos, é a vez de um grupo de professores do Norte
avançar com uma iniciativa legislativa de cidadãos. O
objectivo, neste caso, é discutir a revisão do Estatuto da
Carreira Docente.
A recolha das 35 mil assinaturas necessárias começou
no início desta semana e, conforme adiantou ao
PÚBLICO Mário David Soares, o pri-
meiro subscritor desta petição popular, a ideia é que a
discussão em sede parlamentar se faça "antes do final
da actual legislatura". Entre as
alterações que os professores reivindicam, destacam-se
o fim da dupla carreira que divide os professores entre
titulares e não titulares, a ava-
liação do desempenho docente e a prova de ingresso
para os jovens professores.
"O estatuto imposto por este Governo, e que não foi
assinado por nenhuma estrutura sindical, dividiu os
docentes entre titulares e não titulares, o que, na
prática, cria injustiças porque, como existem quotas e
numa escola só um terço dos professores podem ser
titulares, alguns professores, mesmo que tenham
excelente na avaliação, nunca serão titulares",
comentou Mário David Soares, justificando assim a
primeira das propostas de alteração ao Decreto-Lei n.º
15/2007, de 19 de Janeiro.
Quanto à avaliação do desempenho docente - que levou
cerca de cem mil professores à manifestação do
passado dia 8 de Março, em Lisboa -, os subscritores da
iniciativa legislativa de cidadãos reiteram que estão a
favor da avaliação do desempenho, mas contra "o
modelo que é proposto pela ministra da Educação". Já
na questão da obrigatoriedade das provas de ingresso
para os jovens professores, a proposta é que seja
eliminada. "Foi a forma que o Ministério da Educação
inventou para criar um funil na entrada dos
professores no mercado de trabalho", considerou Mário
David Soares, para quem a licenciatura e os estágios
pedagógico e profissional devem permanecer como
requisitos de acesso à profissão.
O grupo de professores que está a promover a iniciativa
integra uma lista concorrente à coordenação do
Sindicato dos Professores do Norte (SPN), cujas
eleições estão marcadas para o dia 13 de Maio. Mas
Mário David Soares, cabeça da lista que am-
biciona derrotar o actual coordenador e recandidato ao
cargo, Abel Macedo, garante que a petição popular vai
avançar, independentemente do desfecho das eleições.
"Isto não é ne-
nhuma iniciativa de campanha", garantiu,
mostrando-se esperançado que a Federação Nacional
de Professores (Fenprof) "agarre" também a iniciativa.
A primeira iniciativa legislativa de cidadãos foi
apresentada em Maio de 2006, pela bastonária da
Ordem dos Arquitectos, Helena Roseta, que conseguiu
por esse meio revogar o Decreto-Lei n.º 73/73, que
autorizava a assinatura de projectos de arquitectura
por não arquitectos.
A ministra da Educação é acusada de ter criado um
"funil na entrada dos professores no mercado de
trabalho"

Achou este artigo interessante? Sim

http://jornal.publico.clix.pt/default.asp?url=%2Fmain%2Easp%3Fdt%3D20080507%26page%3D9%26c%3DA