Вы находитесь на странице: 1из 14
A1 FOLH A E X TR A QUINTA-FEIRA, 10 DE DEZEMBRO DE 2015 - ED.1454 O
A1
FOLH A E X TR A
QUINTA-FEIRA,
10
DE
DEZEMBRO
DE
2015
-
ED.1454
O JORNAL DO NORTE PIONEIRO E CAMPOS GERAIS
Versão na internet folhaextra.com
QUINTA-FEIRA, 10 DE DEZEMBRO
DE 2015 - ANO 12 - Nº 1454 - R$ 1,00
DIRETOR ALCEU OLIVEIRA DE ALMEIDA
O SENHOR É O MEU PASTOR E NADA ME FALTARÁ!
A1 FOLH A E X TR A QUINTA-FEIRA, 10 DE DEZEMBRO DE 2015 - ED.1454 O

Projeto que institui pedagiômetro é aprovado em primeiro turno

DIVULGAÇÃO

A1 FOLH A E X TR A QUINTA-FEIRA, 10 DE DEZEMBRO DE 2015 - ED.1454 O

Um sistema de monitoramento do tráfego nas praças de pedá-

gio do estado do Paraná, asse- gurando transparência sobre o olume de veículos que circulam pelas estradas e o faturamento das concessionárias, deve ser implantado nos próximos me-

ses no estado do Paraná.

Pág. A3

PREVENÇÃO

W. Braz intensifica combate ao Aedes aegypti

Wenceslau Braz, está em

situação de alerta contra a

proliferação do mosquito

Maria Andréia, coordenadora dos PSFs

O Dia D de combate ao Aedes aegypti em todo Paraná contou com blitz de trânsito em Wences- lau Braz, durante a manhã desta quarta-feira (9). A prefeitura do municipal realizou as ações simul- tâneas em três pontos distintos, e considerados estratégicos. Vale lembrar que o Aedes aegypti é o transmissor da dengue, chikun- gunya e zika vírus. Página A4

ESPORTE

Brazense é campeão brasileiro de basquete master

Página A4

DIVULGAÇÃO REPRESA CHEIA Água inunda prainha da Alemoa, mas situação ainda é tratada como normal É
DIVULGAÇÃO
REPRESA CHEIA
Água inunda prainha da
Alemoa, mas situação
ainda é tratada como normal
É muito improvável que algum turista vá até o distrito turístico da Alemoa,
em Siqueira Campos, nestes dias de tempo instável. Mas caso alguém se
aventure, irá encontrar um cenário diferente. A prainha do local foi in-
vadida pela água da represa, que devido as fortes chuvas está com nível
superior ao comum.
Destaques Pág. A6

Chuvas causam estragos e prejuízos em Salto do Itararé

DIVULGAÇÃO

A1 FOLH A E X TR A QUINTA-FEIRA, 10 DE DEZEMBRO DE 2015 - ED.1454 O

Até o início destes dias chuvosos, Salto do Itararé estava com 90% de suas estradas rurais devidamente readequadas e em boas condições de trânsito. Estava. Com as fortes chuvas dos últimos dias, todas as estradas rurais do município precisarão

de obras. Destaques Pág. A6

Travesti é atropelado e depois morto a pauladas

Um travesti foi vítima de uma morte brutal, du- rante a madrugada desta última quarta-feira (9), em Santo Antônio da Platina. Kesley Luiz Arruda, de 26 anos, foi atropelado por um veículo antes

dos dois ocupantes do carro descerem e o agre-

direm com diversas pauladas.

Radar Página A5

Quatro bandidos armados com facão roubam padaria e mercado em Ibaiti

Dois dos quatros suspeitos de serem os autores

de dois roubos ocorridos na área central de Ibai-

ti, terça-feira (8), foram presos pela PM.

Página A5

PROGRESSO

Richa entrega licença ambiental para o empreendimento da Ambev

A emissão desse licenciamento é muito importante para que a Ambev inicie esse grande investimento, que irá gerar riquezas e oportunidades em

Campo Largo.

O governador Beto Richa (PSDB) entregou nesta quarta-feira (9), no Palácio Iguaçu, em Curitiba, a licença ambiental para a construção de um novo Centro de Distribuição Direta da Ambev, que será implantado na BR- 277, município de Campo Lar- go, na Região Metropolitana de Curitiba. O do-

cumento foi emitido pelo Instituto Ambiental do Paraná (IAP) e permite o início das obras de cons-

trução do empreendimento.

Página A3

Chegada do Papai Noel em Arapoti atrai centena de pessoas

O Parque do Papai Noel de Arapoti recebeu nesta se- gunda-feira (7) seu representante mais ilustre, o Papai

Noel. Depois de percorrer os bairros e centro da cidade o bom velhinho recebeu das mãos do prefeito munici- pal Braz Rizzi (DEM) e da vice-prefeita Rosi Rogenski

Ferreira (PSB) a chave da casa.

Página A4

Polícia apreende drogas arremessadas para dentro da cadeia de Jacarezinho

Radar Página A5

A1 FOLH A E X TR A QUINTA-FEIRA, 10 DE DEZEMBRO DE 2015 - ED.1454 O
A1 FOLH A E X TR A QUINTA-FEIRA, 10 DE DEZEMBRO DE 2015 - ED.1454 O
A2 OPINIÃO QUINTA-FEIRA, 10 DE DEZEMBRO DE 2015 - ED.1454
A2
OPINIÃO
QUINTA-FEIRA,
10
DE
DEZEMBRO
DE
2015
-
ED.1454

Artigo

O controle da dengue, zika e chikunguya ao nosso alcance

Por MÁRCIA ALCÂNTARA

Médica pneumologista e asmóloga

Há 25 anos, uma doença asso- lou a Chapada da Ibiapaba:

era a silicose em cavadores de poços. Doença devastadora de pulmões, era adquirida de modo circunstancial, pelo fato de na região não haver fontes naturais de água e pelo fato de as ações governamentais de combate aos efeitos da seca pa- trocinarem a prática de escavar poços artesanais para a obten- ção desse líquido. Essa epidemia ceifou a vida de 200 homens na faixa etária

dos 40 anos e ameaçou a de ou- tros 1.200. Não tinha cura nem meios de controle da produção da poeira venenosa respirada no fundo do poço, por aqueles homens. (Holanda et al. Sili- cose em cavadores de poços da Região de Ibiapaba (CE): da descoberta ao controle. J Bras Pneumol. 1999.) Uma medida adotada e emba- sada no método educacional “Conscientização”, de Paulo Freire (Cortez & Moraes 1979),

usou a decodifi cação da doen-

ça por comunicação de massa (pelo rádio), de grupo, por reu- niões comunitárias, e indivi- dual, feita de pessoa a pessoa.

Conseguiu, com a parceria dos próprios cavadores, atingir um estado de conscientização dos malefícios da poeira e da atividade que terminou por se

quebrar defi nitivamente o ciclo

epidemiológico dessa doença. Guardando as proporções, vejo esse método como capaz de con- trolar a dengue e doenças pro- vocadas pelos vírus zika e chi- kunguya, todas de um só feito, pelo controle do ciclo biológico do seu vetor, o Aedes aegypti. Essa hipótese baseia-se numa

intervenção coletiva em que os atores desse processo seriam os próprios cidadãos, orientados

via TV, rádio e redes sociais em horários nobres (noticiários, programas policiais e outros, ou todos), pelo Sistema de Saúde e que se organizariam em grupos, por rua, e quarteirão de nossa cidade. Um representante de cada prédio, casa ou casa de conjunto habitacional formaria os grupos que disseminariam a informação e o método de con- trole entre todos os demais con- viventes (os moradores desses espaços). As instruções abalizadas do Sis-

tema de Saúde fi cariam disponí-

veis nas redes sociais para mais orientações sempre que necessá- rias. De modo exponencial, esse conhecimento se disseminaria e evoluiria para um amplo e per- manente controle, promovido por essa parceria do Sistema de

Saúde e os cidadãos. Um balanço periódico se faria para avaliar os resultados, di-

fi culdades encontradas ou fazer

alterações do método. Não precisaria de muito tempo para se mapear todas as áreas de focos do Aedes, e interrom- per-se o ciclo epidemiológico das doenças. As ações e ava- liações seriam feitas de acordo com cada necessidade, nível de educação e situação socioeco- nômica dos grupos. Seria uma autogestão dos nos- sos próprios destinos, rica de atitude cidadã utilizando a educação e a comunicação de massa como ferramentas pode- rosas para o controle de doen- ças.

Zen

SORRIA ..
SORRIA ..

Procure o que há de bom em tudo e em todos. Não faça dos defeitos uma distância e sim uma aproximação.

Aceite a vida, as pessoas

Faça

... delas a sua razão de viver. Enten-

da as pessoas que pensam dife- rente de você, não as reprove.

Ei! Olhe

...

Olhe à sua volta,

quantos amigos

Você já tornou

... alguém feliz hoje! Ou fez alguém sofrer com o seu egoísmo? Ei! Não corra. Para que tanta pressa? Corra apenas para den- tro de si. Sonhe! Mas não prejudique nin- guém e não transforme seu so- nho e fuga. Acredite! Espere! Sempre haverá uma saí- da, sempre brilhará uma estrela. Chore! Lute! Faça aquilo de que gosta, sinta o que há dentro de

você.

Ei! Ouça

Escute o que as outras

.. pessoas têm a dizer, é importan- te.

Suba

faça dos obstáculos de-

.. grau para aquilo que você acha supremo. Mas não esqueça da- queles que não conseguem subir as escadas da vida.

Ei! Descubra! Descubra aquilo que há de bom dentro de você. Procure acima de tudo ser gente, eu também vou tentar.

Ei! Você

não vá embora. Eu

somos

... preciso dizer-lhe que

... importantes, simplesmente por- que existimos.

COMENTE O ASSUNTO. ACESSE WWW.FOLHAEXTRA.COM E DÊ SUA OPINIÃO.

Foto do Dia

FOLHA EXTRA

A2 OPINIÃO QUINTA-FEIRA, 10 DE DEZEMBRO DE 2015 - ED.1454 Artigo O controle da dengue, zika
A2 OPINIÃO QUINTA-FEIRA, 10 DE DEZEMBRO DE 2015 - ED.1454 Artigo O controle da dengue, zika

Reportagem da Folha Extra vira peça do musei de Siqueira Campos:

jornalismo também usado a favor da história de toda a região

Artigo

AdesteFideles

Por PEDRO HENRIQUE SARAIVA LEÃO

Professor Emérito da UFC. Titular das Academias Cearense de Letras, de Medicina e de Médicos Escritores

Cântico religioso natali- no composto por John Reading (1677-1746), or- ganista em Winchester,

Inglaterra: “Vinde, fi éis”.

Vinde adorar o Deus me- nino, a salvo dos Herodes

e demais demos, ancorado na praia. Vinde juntar-se aos refugiados a palmilhar o chão, da Síria aos Inha- muns, buscando a salva- ção. É o povo refazendo as trilhas dos missionários, hoje infestadas por mer- cenários e assoldadados outros, a serviço dos anti- cristos.

“AdesteFideles”, vinde in-

tegrar esta turma de sobre- viventes, orar pelos que nasceram para não ser, e morreram de fome, de

frio, no mar, ou na lama de Ma- riana. Ignoremos as vozes dos algozes e ouçamos os vagidos vindos daquela manjedoura. Fechai-lhes, Pai, os ouvidos ao ribombar das metralhadoras daqueles que fazem da morte um meio de vida. Deploremos o que vaticinou (profetizou) o

fi lósofo genebrês Jean–Jacques

Rousseau (1712-1778) em seu “Discurso sobre Ciências e Ar-

tes”:

“quanto mais civilizados fi ca-

mos, mais corruptos nos tor-

namos”. E bárbaros! Tempos

insanos estes. Dias da ira, irônicos tempos. Assaltantes matam cardiologis- ta com bala no coração, alpi- nista morre abalroado em ro- dovia. Estaríamos assistindo a um ensaio de outro apocalipse?

Sonho, pesadelo ou realidade? Mas, como apregoam os africa-

nos, a água da chuva não é tão preta como aparentam as nu- vens. Festejemos o infante Je- sus, em mais este Natal nosso, das luzes, dos sinos, nos presé- pios de palha e nos berços dou- rados, nas senzalas e nas casas grandes. Natal das juras veladas, pro- messas não cumpridas, pala- vras que esquecemos de dizer, graças obtidas sem nosso re- conhecimento. Penitenciemo- -nos. Nessa noite, na consoada (ceia natalina ou de Ano Novo) recordemos quem partiu sem se despedir. Acorram! É tem- po de colher a nova safra de esperança. Natal é Cristo de novo, um eterno templo de

fé. Contrariemos o ódio e uma

das “Odes” (1,1,8) do poeta e fi lósofo romano QuintusHo-

ratiusFlaccus (65 – 8 a.C.) em suas “Carmina”: “Carpe diem,

quamminimumcredulaposte-

ro”, i.e., aproveita o dia (ou o

momento fugaz) confi ando o

mínimo no futuro. Esqueçamos este Horácio e

pensemos com confi ança. O

Natal está dobrando a esquina. Exultemos, ao jeito de crianças esperando Papai Noel. O es-

sencial é a espera. O resto é só

alegria. Acreditemos no futuro que a Deus pertence, porquan- to ele é nosso também. Aleluia! Feliz Natal!

COMENTE O ASSUNTO. ACESSE WWW.FOLHAEXTRA.COM E DÊ SUA OPINIÃO.

Charge
Charge
“ “A implantação de um sistema eletrô- “ “Por enquanto não tem como a gente come-
“ “A implantação de um sistema eletrô-
“ “Por enquanto não tem como a gente come-
nico de monitoramento é fundamental
çar a arrumar praticamente nada. Estamos
Olha o
para trazer transparência ao pedágio
tentando resolver os casos mais graves, que
do Paraná”
são de pessoas que fi caram isoladas”
que foi
dito!
Luiz Claudio Romanelli –
deputado estadual
Israel Domingos –
prefeito de Salto do Itararé

QUINTA-FEIRA,

10

DE DEZEMBRO DE 2015 - ED.1454
DE
DEZEMBRO
DE
2015
-
ED.1454

POLÍTICA

A3

TRANSPARÊNCIA

Projeto que institui pedagiômetro é aprovado em primeiro turno

Medida é prevista no projeto de lei nº 754/2015, do deputado Luiz Claudio Romanelli, que tem a coautoria de mais 25 parlamentares

DA ASSESSORIA

reportagem@folhaextra.com

Um sistema de monitoramento do tráfego nas praças de pedá- gio do estado do Paraná, asse- gurando transparência sobre o olume de veículos que circulam pelas estradas e o faturamento das concessionárias, deve ser

implantado nos próximos meses no estado do Paraná. Essa medi- da é prevista no projeto de lei nº 754/2015, do deputado Luiz Claudio Romanelli (PMDB), que tem a coautoria de mais 25 par- lamentares. A proposição foi aprovada na sessão plenária desta terça-feira (8), da Assembleia Legislativa, com 40 votos favoráveis e ne- nhum voto contrário, em pri- meira discussão. Segundo Ro- manelli, as informações obtidas através desse sistema servirão para a formação de um banco de dados que irá subsidiar a análise

de fl uxo de caixa marginal, estu-

dos de ampliação de capacidade de tráfego, avaliações de níveis de serviço, desenvolvimento de projetos de restauração de pa- vimentos, dentre outros, tudo com vistas à melhoria da qua- lidade dos serviços públicos. “A implantação de um sistema eletrônico de monitoramento é fundamental para trazer trans-

DIVULGAÇÃO

QUINTA-FEIRA, 10 DE DEZEMBRO DE 2015 - ED.1454 POLÍTICA A 3 TRANSPARÊNCIA Projeto que institui pedagiômetro

parência ao pedágio do Paraná”,

afi rma o deputado. Na justifi cativa da proposição os

autores destacam que a medida é recomendada pela AGEPAR (Agência Reguladora do Para- ná) para os novos contratos de concessão. Ao mesmo tempo o sistema proposto aplica uma me- todologia prevista pela Agência Nacional de Transportes Terres- tres (ANTT) que visa recompor de maneira clara e com equilí- brio econômico os custos do pe- dágio quando forem executadas ou incluídas novas obras e servi- ços não previstos originalmente.

EQUIPAMENTOS

O projeto prevê que o sistema de coleta e armazenagem de dados de tráfego dos contratos que integram o Programa de Concessões do Estado do Paraná, implantado, mantido e operado pelo Depar- tamento de Estradas de Rodagem (DER), diretamente ou através de terceiros, será realizado através de equipamentos contadores de trá-

fego, devendo ser atendidas várias especifi cações. Uma delas esta-

belece que os equipamentos deverão ser instalados em caráter per- manente e ininterrupto, permitindo o envio automático dos dados

coletados, sem prejuízo da continuidade da coleta de dados durante sua transmissão, mantendo sua operação normal. Esses equipamen- tos também deverão realizar contagens para as classes de veículos

defi nidas pelas resoluções e portarias vigentes pelo Conselho Na-

cional de Trânsito (Contran) ou Departamento Nacional de Trânsito (Denatran). Para os veículos comerciais, os equipamentos deverão registrar o Peso Bruto Total (PBT) e peso por conjunto de eixos. Os dados serão encaminhados mensalmente à AGEPAR, até o décimo dia útil do mês subsequente.

Richa entrega licença ambiental para o empreendimento da Ambev

AEN

reportagem@folhaextra.com

O governador Beto Richa (PSDB) entregou nesta quarta-feira (9), no Palácio Iguaçu, em Curitiba, a licença ambiental para a cons- trução de um novo Centro de Distribuição Direta da Ambev, que será implantado na BR- 277, município de Campo Largo, na Região Metropolitana de Curi- tiba. O documento foi emitido

pelo Instituto Ambiental do Pa- raná (IAP) e permite o início das obras de construção do empre- endimento. O centro de distribuição re- ceberá investimento de R$ 60 milhões, terá cerca de 65 mil metros quadrados de área cons- truída e vai criar 500 empregos diretos e indiretos. Mauricio Soufen, diretor-técnico da Am- bev, recebeu das mãos do gover- nador a licença ambiental. “A emissão desse licenciamento é muito importante para que a Ambev inicie esse grande inves- timento, que irá gerar riquezas e oportunidades em Campo Lar- go”, disse o governador. Richa

afi rmou que, hoje, o Paraná dá

atenção especial para o desen-

volvimento econômico sustentá- vel do Estado e destacou o tra- balho do governo para agilizar a emissão dos licenciamentos ambientais.

“Fazemos uma gestão efi ciente,

que atua de forma ágil para aten-

der os anseios da população. O Paraná é um estado competiti- vo que desperta o interesse de

muitas empresas interessadas em investir aqui”, disse ele, res- saltando que o interesse é resul- tado dos investimentos em in-

fraestrutura, incentivos fi scais, o

DIVULGAÇÃO

QUINTA-FEIRA, 10 DE DEZEMBRO DE 2015 - ED.1454 POLÍTICA A 3 TRANSPARÊNCIA Projeto que institui pedagiômetro

Richa durante entrega de licença ambiental para Ambev

diálogo do governo com o setor produtivo e a segurança jurídica garantida aos empreendedores.

CONFIANÇA

Mauricio Soufen reconheceu

o trabalho do IAP e destacou a

confi ança da empresa no gover-

no paranaense. “Hoje investimos muito no Paraná porque acredi-

tamos no Estado”, afi rmou. Ele

explicou que a obra será inicia-

da imediatamente e que deverá

ser inaugurada no fi nal de 2016.

“Será uma unidade construída

com moderna tecnologia. Afi nal,

a região de Curitiba é estratégia

para o grupo”, afi rmou.

O local irá receber, armazenar e distribuir produtos da fábrica para doze municípios da região da capital. No local também se- rão realizadas atividades como a manutenção simples de cami- nhões, motocicletas, empilhadei- ras, higienização e manutenção de chopeiras, post-mix e refrige- radores. Para iniciar as atividades no local, a empresa deverá cum-

prir as condicionantes impostas na licença de instalação e obter a licença de operação junto ao órgão ambiental.

Para o prefeito de Campo Largo, Affonso Guimarães (PT), a insta- lação do novo centro vai movi- mentar a economia municipal, gerando renda e empregos. “Um importante investimento que torna Campo Largo mais compe- titiva e desenvolvida”, disse. Ele agradeceu o apoio do governo estadual em obras para o muni- cípio. “Hoje, a nossa cidade tem muitas obras graças ao apoio do Estado. A qualidade da infraes- trutura tem sido fundamental

para atração de empresas”, afi r-

mou ele.

EMPREGOS

Ao todo, o novo centro vai em- pregar 100 funcionários diretos e 400 indiretos, como motoris- tas de caminhões e ajudantes. O novo empreendimento deverá substituir o centro logístico do bairro Rebouças em Curitiba,

atendendo as modernizações

necessárias para melhorar a qua- lidade do serviço e a produção.

O diretor-técnico da Ambev afi r-

mou que a mudança das instala-

ções não trará prejuízos para os atuais empregados. “Valorizamos a expertise dos nossos colabora- dores e nosso objetivo é mantê-

-los na nova unidade”, afi rmou.

APOIO DO ESTADO

Além da construção do centro de distribuição, a Ambev já im- plantou uma nova cervejaria em Ponta Grossa, com investimento de R$ 825 milhões. A unidade,

que já está em operação e em- prega 380 pessoas diretamente, foi apoiada pelo programa do governo estadual Paraná Com- petitivo, que garante incentivos

fi scais para atração de investi-

mentos ao Paraná. “Em cinco anos, foram mais de R$ 40 bilhões em novos investi- mentos, com a geração de milha- res de empregos”, disse o gover- nador.

QUINTA-FEIRA, 10 DE DEZEMBRO DE 2015 - ED.1454 POLÍTICA A 3 TRANSPARÊNCIA Projeto que institui pedagiômetro

De dar nojo

O espetáculo da política nativa é desolador. Opereta bufa com temperos de tragédia. A nossa. Pensar que nossas melhores expectati- vas estão pendentes de manobras como essa que suspendeu o processo de impeachment de Dilma Rousse , pelo inefável Edson Fachin, do STF. Ou do imbróglio montado pela turma de Eduardo Cunha que destituiu o relator, ro- dou a baiana e fez o processo contra Cunha no Conselho de Ética voltar à estaca zero. Ou da jogada que destituiu o deputado Le- onardo Picciani, do PMDB, dilmista juramen- tado, substituido por Leonardo Quintão, ho- mem el a Michel Temer, para estabelecer o controle da Comissão de Ética em favor de Cunha. Há quem acredite que a política é esse jogo sujo de golpes e contragolpes desferidos por mentes enfermas que se consideram brilhan- tes. Enquanto isso, o impávido colosso nau- fraga. A política brasileira apodreceu. Provoca engulhos.

Por que o impeachment

Precisamos de atos e gestos que abram um horizonte de esperança e devolvam a con an- ça perdida. Não virão deste governo de Dilma Rousse e sua trupe que rende vassalagem a Lula. Esta caterva não tem con abilidade e respeito para nada. É a sua vigência que dá so- brevida a guras como Eduardo Cunha. A hi- giene deve começar no centro do poder. Daí o anseio de mudança que começa pelo impe- achment de Dilma. O que virá depois? Difícil dizer, mas entraremos em nova fase, com no- vos personagens. Com certeza não será pior do que temos agora.

Manobras do Cunha

Depois de anunciar que o deputado Zé Geral- do, do PT, seria o novo relator do processo con- tra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, do PMDB,, o presidente do Conselho de Ética, José Carlos Araújo, do PSD,, decidiu suspen- der a sessão e fazer novo sorteio excluindo os nomes de todos os conselheiros que integram o bloco do PMDB. Leo de Brito, do PT, Marcos Rogério, do PDT, e Sergio Brito, do PSD, foram os deputados sorteados. Um deles será esco- lhido relator do processo contra Cunha. Uma nova sessão foi marcada para hoje.

Alternativas

Diante das enormes di culdades em aumen- tar as receitas e do fato de que cerca de 90% dos gastos públicos serem obrigatórios, o re- lator do Projeto de Lei Orçamentária 2016, de- putado Ricardo Barros (PP-PR) tem redobrado esforço para encontrar medidas alternativas que podem gerar uma economia de quase R$ 83 bilhões em um ano.

Cenários

Para efeito apenas de construir cenários, Bar- ros já analisou algumas propostas, entre elas:

o combate à fraude na aposentadoria rural, a organização da previdência dos militares, a cobrança administrativa da dívida, a estru- turação do regime próprio dos servidores da União e a contribuição previdenciária de servidores da Polícia Civil, Militar e Corpo de Bombeiros do Distrito Federal.

Gafe da loira

A senadora Gleisi Ho mann, do PT,foi critica- da ao postar uma foto que tem o administra- dor Adolfo Sachsida, um militante anti-petista, quando ele protestava contra o governo e foi retirado do Congresso por seguranças. Gleisi quis dar a ideia de que a foto era da confusão de terça-feira.

A4

CIDADES

QUINTA-FEIRA, 10 DE DEZEMBRO
QUINTA-FEIRA,
10
DE
DEZEMBRO

DE

2015

-

ED.1454

DIVULGAÇÃO

Wenceslau Braz intensifica combate ao Aedes aegypti Prefeitura realizou blitz com objetivo de conscientizar população e
Wenceslau Braz intensifica
combate ao Aedes aegypti
Prefeitura realizou blitz com objetivo de conscientizar
população e alertar para os riscos da proliferação do mosquito

DA REDAÇÃO

reportagem@folhaextra.com

O Dia D de combate ao Aedes aegypti em todo Paraná contou com blitz de trânsito em Wences- lau Braz, durante a manhã desta quarta-feira (9). A prefeitura do municipal reali- zou as ações simultâneas em três pontos distintos, e considerados estratégicos: nas esquinas da rua Felipe Miguel de Carvalho com a

Barão do Rio Branco e 7 de Se- tembro com a Santos Dumont, além da avenida Presidente Var- gas.

“Fizemos milhares de panfl etos

e adesivos também no intuito de

alertar a população para o risco

que o Aedes aegypti representa, e todo o Paraná, incluindo Wen- ceslau Braz, está em situação de alerta contra a proliferação do

mosquito”, afi rma a coordena-

dor dos PSFs (Programa Saúde de Família) do município, Maria Andréia. Vale lembrar que o Aedes aegyp- ti é o transmissor da dengue, chikungunya e zika vírus, e se desenvolve principalmente em locais com água parada.

GERAL

Atualmente, 294 municípios do Paraná são considerados infesta- dos pelo Aedes aegypti e correm risco de registrar casos de den- gue, chikungunya e zika.

De acordo com o boletim da dengue, divulgado nesta terça- -feira (8), 754 casos da doença

foram confi rmados no Paraná

desde agosto deste ano. Pelo menos duas cidades já estão em situação de epidemia: Guaraci e Santa Isabel do Oeste. Até o momento, a maior parte dos ca- sos foi registrada em Paranaguá (113), Londrina (106) e Foz do Iguaçu (104). O relatório traz ainda informa- ções sobre a situação da zika e da febre chikungunya no Estado. Desde o início do ano, apenas dois pacientes tiveram diagnósti- co comprovado de zika no Para- ná. Trata-se de um casal de mora- dores de São Miguel do Iguaçu,

que apresentaram sintomas em maio, foram tratados e passam bem. Existem também outros cinco casos importados, de pa-

ranaenses que se infectaram no nordeste do País e foram trata- dos no Estado. Quanto à febre chikungunya, a Secretaria Estadual da Saúde

confi rmou também nesta terça-

-feira a ocorrência do primeiro caso autóctone da doença no Paraná. O paciente, morador de Mandaguari, não tinha histórico de viagem para outras regiões e se infectou no território do Para-

ná. Desde o ano passado, 18 ca- sos importados de chikungunya

já haviam sido confi rmados no

Estado.

Chegada do Papai Noel em Arapoti atrai centena de pessoas

DA ASSESSORIA

reportagem@folhaextra.com

O Parque do Papai Noel de Arapoti recebeu nesta segunda- -feira (7) seu representante mais ilustre, o Papai Noel. Depois de percorrer os bairros e centro da cidade o bom velhinho recebeu das mãos do prefeito munici- pal Braz Rizzi (DEM) e da vice- -prefeita Rosi Rogenski Ferreira

DIVULGAÇÃO

A 4 CIDADES QUINTA-FEIRA, 10 DE DEZEMBRO DE 2015 - ED.1454 DIVULGAÇÃO Wenceslau Braz intensifica combate

(PSB) a chave da casa. Centenas de crianças aguarda-

vam ansiosas pela chegada do Pa- pai Noel, que teve além da entre- ga de muitas balas, brinquedos

para todas as crianças. Uma fi la

se formou para receber os brin- quedos que foram doados por empresas, entidades e pessoas físicas. A noite se encerrou com apresentações musicais e danças. A programação se estende todas as noites até o dia 16 de dezem- bro.

Brazense é campeão brasileiro de basquete master

DA REDAÇÃO

reportagem@folhaextra.com

O brazense José Luiz Andraus,

ex-jogador profi ssional de bas-

quete, foi campeão brasileiro de Basquete Master com a equipe de Maringá, em Goiás, durante

torneio disputado no último fi m

de semana. Após cinco vitórias convincentes na primeira fase, Maringá che-

gou á fi nal contra a Bahia, e mais

uma boa vitória trouxe o título

DIVULGAÇÃO

A 4 CIDADES QUINTA-FEIRA, 10 DE DEZEMBRO DE 2015 - ED.1454 DIVULGAÇÃO Wenceslau Braz intensifica combate

Equipe de Maringá foi campeã nacional no fi m de semana

para o Paraná. O torneio reuniu grandes nomes

do basquete nacional, hoje todos já com mais de 50 anos. José Luiz consegue seu segundo título na- cional nesta categoria. “Foi uma equipe que uniu gran- des jogadores e homens que se completaram, transformando Maringá em uma equipe forte,

alta, rápida, efi ciente e princi-

palmente, unida e solidária. Por isso sagrou-se Campeã. Parabéns a todos que colaboraram com o feito”, celebra José Luiz.

A 4 CIDADES QUINTA-FEIRA, 10 DE DEZEMBRO DE 2015 - ED.1454 DIVULGAÇÃO Wenceslau Braz intensifica combate

Em Resumo

INCLUSÃO DIGITAL

Reformulada, Rede 399 é apresentada a 30 municípios

A Secretaria Especial para Assuntos Estratégi- cos, em parceria com a Companhia de Tecno- logia da Informação e Comunicação do Para- ná (Celepar), apresentou nesta quarta-feira (9) a reformulação do programa Rede 399 - Inter- net para Todos, para parceiros, provedores e prefeitos de 30 municípios do Estado. O pro- grama de inclusão digital visa diagnosticar a realidade de cada região e encontrar as solu- ções para levar a internet a todos os municí- pios, tanto na zona urbana quanto na rural. Com a nova proposta, a secretaria passa con- tatar cada município, individualmente, para informar sobre a Rede 399 – antes, eram as ci- dades que procuravam o programa. De acordo com o secretário Flávio Arns, o pro- jeto foi repensado de maneira colaborativa, identi cando as necessidades e buscando as soluções para melhores resultados. “Antes o município poderia vir atrás do programa e se informar. Agora, a secretaria vai a todos os 399 municípios, pois uma cidade com internet e comunicação vai ser sempre mais desenvol- vida e com perspectivas”, explica Arns. No encontro foram apresentadas as ações re- estruturadas da Rede 399 e os projeto- pilotos de dez cidades que já se interessaram pelo programa e estão em fase de adaptação. “O Governo do Estado quer levar a internet a to- dos os municípios e toda a população”, a rma o diretor de infraestrutura e operações da Ce- lepar, Luiz Fernando Ballin Ortolani. Os prefeitos dos dez municípios que se in- teressaram pelo programa - Tupãssi, Campo Magro, Campina do Simão, Ribeirão Claro, Alvorada do Sul, Jussara, Mariópolis, Guara- queçaba, Porto Vitória e Maria Helena - foram os primeiros a serem inseridos no Rede 399 e saíram da reunião com o estudo completo fei- to pela Celepar sobre o que pode ser feito na cidade. Outros 20 municípios foram convidados a participar do encontro para conhecer melhor o programa, sanar dúvidas e entender como encaixar a sua realidade ao programa. São eles: Antonina, Bom Sucesso do Sul, Boa Ven- tura do São Roque, Campo Do Tenente, Céu Azul, Chopinzinho, Conselheiro Mairinck, Flo- resta, Icaraíma, Joaquim Tavora, Morretes, Or- tigueira, Piraquara, Porecatu, Reserva, Tamara- na, Tamboara, Terra Roxa, Vera Cruz do Oeste e Virmond.

Estado reduz carga horária de servidores que têm familiares com defi ciência

Foi autorizada a redução da jornada de traba- lho, sem alteração na remuneração, de fun- cionários públicos e militares estaduais que têm familiares com de ciência. A medida vai permitir que estes servidores acompanhem seus parentes nos tratamentos especializa- dos, durante seu processo de habilitação ou reabilitação e, também, no atendimento de suas necessidades básicas diárias. A medida está prevista no Decreto 3.003, pu- blicado no Diário O cial 9.593, desta quarta- -feira (9), dia em que inicia a IV Conferência Es- tadual dos Direitos da Pessoa com De ciência, em Curitiba. Para a secretária de Estado do Trabalho e De- senvolvimento Social, Fernanda Richa, a redu- ção da carga horária dos servidores públicos trará mais qualidade de vida para as pessoas com de ciência e mais tranquilidade para os familiares que precisavam desse período dis- ponível.

QUINTA-FEIRA,

10

DE DEZEMBRO DE 2015 - ED.1454
DE
DEZEMBRO
DE
2015
-
ED.1454

RADAR

A5

MORTE CRUEL

Travesti é atropelado e depois morto a pauladas

Caso de violência extrema aconteceu em Santo Antônio da Platina durante a madrugada desta quarta-feira

DA REDAÇÃO

reportagem@folhaextra.com

Um travesti foi vítima de uma morte brutal, durante a madru- gada desta última quarta-feira (9), em Santo Antônio da Pla- tina. Kesley Luiz Arruda, de 26 anos, foi atropelado por um ve- ículo antes dos dois ocupantes do carro descerem e o agredirem com diversas pauladas. O crime aconteceu próximo a uma concessionária de veícu- los na BR-153, onde o travesti supostamente trabalhava como

garoto de programa. Segundo uma testemunha do assassinato, um VW Fusca de cor amarela atropelou a vítima, e na sequencia dois homens desce- ram do veículo e desferiram gol- pes com um pedaço de madeira contra a cabeça do travesti. A vítima chegou a ser socorrida pelo Corpo de Bombeiros e en- caminhada ao pronto socorro de Santo Antônio da Platina, mas não resistiu aos ferimentos. A Polícia Civil do município ins- taurou inquérito para investigar o crime, porém até o fechamen- to desta edição não havia maio- res novidades sobre o caso.

DIVULGAÇÃO

QUINTA-FEIRA, 10 DE DEZEMBRO DE 2015 - ED.1454 RADAR A 5 MORTE CRUEL Travesti é atropelado

Kesley ainda foi socorrido, mas não resistiu aos ferimentos

Quatro bandidos armados com facão roubam padaria e mercado em Ibaiti

DAS AGÊNCIAS

reportagem@folhaextra.com

Dois dos quatros suspeitos de serem os autores de dois roubos ocorridos na área central de Ibai- ti, terça-feira (8), foram presos

pela PM. O grupo, com um dos integrantes armados com um

facão, roubou uma panifi cadora

por volta das 16h30, e logo após,

por volta das 17h30, quatro in- divíduos com as mesmas caracte- rísticas roubaram um mercado, ambos no centro da cidade.

As equipes PMs realizaram dili- gências e abordaram dois indiví- duos com as características dos criminosos, que na sequência foram reconhecidos. Com eles foram encontrados dois litros de bebida lacrados e ainda duas car- teiras de cigarros, produtos que foram roubados no mercado. Um dos indivíduos possuía três mandados de prisão. Os suspei- tos de 19 e 22 anos foram pre- sos e encaminhados, juntamente com os produtos roubados, para a Delegacia de Polícia Civil de Ibaiti.

DIVULGAÇÃO

QUINTA-FEIRA, 10 DE DEZEMBRO DE 2015 - ED.1454 RADAR A 5 MORTE CRUEL Travesti é atropelado

Dinheiro e mercadorias roubadas foram recuperadas

Polícia apreende drogas arremessadas para dentro da cadeia de Jacarezinho

DAS AGÊNCIAS

reportagem@folhaextra.com

Na noite desta terça-feira (8) uma equipe da Polícia Militar es- tava na Delegacia de Polícia Civil em Jacarezinho, quando assim como o investigador de plantão e o agente de cadeia, ouviram um barulho, vindo do pátio da carceragem. Ao averiguar o local foi constata- do um invólucro preto amarrado com uma linha, sendo que den- tro continha aproximadamente 162 gramas de maconha, e um dos presos estava tentando al- cançar o entorpecente com um artefato feito de tecido e ganchos de ferro. Não foi possível locali- zar o indivíduo que arremessou a droga dentro da cadeia. O entorpecente foi apreendido, bem como o artefato usado pelo preso para tentar alcançar a dro- ga.

DIVULGAÇÃO

QUINTA-FEIRA, 10 DE DEZEMBRO DE 2015 - ED.1454 RADAR A 5 MORTE CRUEL Travesti é atropelado

Droga tinha como destino detentos de Jacarezinho

Esportes

COXA

Kleina deve chegar ao Coritiba nesta quinta-feira

O técnico Gilson Kleina deve se apresen- tar nesta quinta-feira (10) ao Coritiba. Segundo a diretoria coxa-branca, falta apenas a assinatura de contrato para a negociação se concretizar. “Os contratos estão praticamente de - nidos, mas a gente só con rma quando acontece a assinatura”, falou nesta quar- ta-feira (9) o diretor de futebol do Coriti- ba, Valdir Barbosa. “Estamos aguardando a assinatura”. Havia uma perspectiva de Kleina chegar nesta quarta (9) ao clube. Mas ele cou em Florianópolis – seu último trabalho foi no Avaí, de onde o treinador foi demi- tido em novembro. Segundo o dirigente, Kleina deve trazer um ou dois auxiliares. “Nós temos o pre- parador físico e o novo assistente, o Pa- chequinho. A partir de agora, ele executa uma nova função no clube”, disse Barbo- sa. Barbosa admitiu que não foi feito um convite formal para Pachequinho ser o treinador coxa-branca em 2016. “Houve uma conversa a respeito da possibilida- de de ser treinador ou se transformar em assistente. O Coritiba mostrou a ele um projeto para ele permanecer À beira do gramado”, disse o dirigente.

FURACÃO

Junta nega pedidos de impugnação, e eleição do Atlético-PR terá 2 chapas

Duas chapas concorrem às eleições do Atlético-PR no próximo dia 12: “CAP Gi- gante” e “Atlético de Novo”. No último sábado, as chapas apresentaram pedi- dos de impugnação sobre o registro das inscrições, que foram negados pela Jun- ta Eleitoral na segunda-feira. A comissão analisou os pedidos e considerou impro- cedentes. Com isso, ambas estão homo- logadas para o pleito. A votação, que vai escolher quem comandará o Rubro-Ne- gro e ocupar as cadeiras dos conselhos Administrativo e Deliberativo de 2016 a 2019, está marcada para o próximo sába- do, na Arena da Baixada. Atual presidente do Conselho Adminis- trativo do clube, Mario Celso Petraglia encabeça a chapa “CAP Gigante” no Con- selho Deliberativo, ao lado do empre- sário Luiz Sallim Emed (atual primeiro vice-presidente), candidato ao Conselho Administrativo. Do outro lado está a cha- pa “Atlético de novo”, Henrique Gaede é o candidato ao Deliberativo, com João Alfredo Costa Filho indicado para a pre- sidência do Administrativo.

QUINTA-FEIRA, 10 DE DEZEMBRO DE 2015 - ED.1454 RADAR A 5 MORTE CRUEL Travesti é atropelado

A6

DEsTAQUEs

QUINTA-FEIRA, 10 DE DEZEMBRO
QUINTA-FEIRA,
10
DE
DEZEMBRO

DE

2015

-

ED.1454

REPRESA CHEIA

Água inunda prainha da Alemoa, mas situação ainda é tratada como normal

Tanto secretaria municipal de Obras quanto Defesa Civil mostram tranqüilidade, já que enchente na prainha é algo relativamente rotineiro

LUCAS ALEIXO

reportagem@folhaextra.com

É muito improvável que algum turista vá até o distrito turístico da Alemoa, em Siqueira Campos, nestes dias de tempo instável. Mas caso alguém se aventure, irá encontrar um cenário diferente. A prainha do local foi invadida pela água da represa, que devido as fortes chuvas está com nível superior ao comum. Entretanto, segundo a secretaria municipal de Obras de Siquei- ra Campos e a Defesa Civil do município, ainda não há motivo para preocupação. Isto porque o atual nível de água está longe de oferecer risco aos moradores. De acordo com as informações levantadas também junto a mo-

radores, a comunidade não apre- senta maior temor com a cheia da represa. “No momento nós sequer tive-

mos alguma chamada, até para monitorar a situação. A gente sabe que a água está alta porque vê fotos na internet, ou porque

fica sabendo por amigos de lá,

mas não tem nada de oficial até

hoje”, revela o agente da Defesa Civil de Siqueira Campos, Emer- son Pereira, durante contato na tarde desta quarta-feira (9). “Ali é normal quando a represa chove deixar a prainha alagada.

Mas a água passa pouco dos co- queiros, não avança mais que

isso. Então fica todo mundo

tranqüilo, não tem risco para ninguém”, completa. Na secretaria de Obras o discur- so dos funcionários ouvidos foi praticamente o mesmo, e a pas-

ta também considera a situação comum.

PREOCUPAÇÃO:

TURISMO

Segundo Donizete Gomes de Souza, morador da Alemoa, a chuva traz outra preocupação maior no momento: o turismo. “Chuva em dezembro não é bom pra gente. Muita gente aqui con- ta com o dinheirinho que con-

seguem fazer nesta época, seja o comércio, seja o pessoal que

aluga casa, enfim, muita gente

consegue uma renda a mais nes- ta época, mas se chover compli- ca. Primeiro que ninguém vem com chuva, e depois que mesmo se parar de chover, muita gente não vai querer vir por causa da estrada, que faz barro e o pessoal tem medo”, coloca. Já com relação ao nível da re- presa, o morador do distrito também não mostra maior pre- ocupação. “Água desse jeito é comum mesmo, quem falou que não tem motivo para se preocu- par está certo. Enchente aqui é muito difícil de acontecer”, fina- liza.

divulgação

A 6 DEsTAQUEs QUINTA-FEIRA, 10 DE DEZEMBRO DE 2015 - ED.1454 REPRESA CHEIA Água inunda prainha

Nível de água está alto, mas ainda não preocupa

Chuvas causam estragos e grande prejuízo em Salto do Itararé

DA REDAÇÃO

reportagem@folhaextra.com

Até o início destes dias chu- vosos, Salto do Itararé estava com 90% de suas estradas ru- rais devidamente readequadas e em boas condições de trânsi- to. Estava. Com as fortes chu- vas dos últimos dias, todas as estradas rurais do município precisarão de obras. “Foi um caos. Temos quase 300 quilômetros de estradas

de terra para um município com 6 mil habitantes, então é muito chão para gente manter conservado, e com estas chu- vas o estrago foi enorme”, co- loca o prefeito de Salto do Ita- raré, Israel Domingos (PDT). “Estávamos com 90% das es- tradas recuperadas, em dia. Agora voltamos a estaca zero. É um prejuízo que eu nem consigo no momento calcu- lar o valor, mas sem dúvida é bem grande, ainda mais em se tratando de um município pequeno, como é o caso de Salto”, continua.

fotos: divulgação

A 6 DEsTAQUEs QUINTA-FEIRA, 10 DE DEZEMBRO DE 2015 - ED.1454 REPRESA CHEIA Água inunda prainha

Todas estradas rurais do município precisam de reparos

ILHADOS

Em alguns casos específicos,

moradores de determina-

dos bairros chegaram a ficar

ilhados, seja pela queda das pontes de acesso, seja pela destruição das estradas, que em alguns locais ficaram com- pletamente intransitáveis. Desta forma, a prefeitura tem privilegiado estes locais nos reparos, que ainda não têm como efetivamente ter início em virtude justamente do tempo. “Por enquanto não tem como a gente começar a arrumar praticamente nada. Estamos tentando resolver os casos mais graves, que são de pes-

soas que ficaram isoladas.

Dando socorro a elas e vendo

os casos emergenciais, mas re- almente Salto tem um proble- ma muito grande a partir de agora”, completa Israel.

A 6 DEsTAQUEs QUINTA-FEIRA, 10 DE DEZEMBRO DE 2015 - ED.1454 REPRESA CHEIA Água inunda prainha
A 6 DEsTAQUEs QUINTA-FEIRA, 10 DE DEZEMBRO DE 2015 - ED.1454 REPRESA CHEIA Água inunda prainha
A 6 DEsTAQUEs QUINTA-FEIRA, 10 DE DEZEMBRO DE 2015 - ED.1454 REPRESA CHEIA Água inunda prainha
A 6 DEsTAQUEs QUINTA-FEIRA, 10 DE DEZEMBRO DE 2015 - ED.1454 REPRESA CHEIA Água inunda prainha

QUINTA-FEIRA,

10

DE DEZEMBRO DE 2015 - ED. 1454
DE
DEZEMBRO
DE
2015
-
ED.
1454

VARIEDADES EDITAIS

B1

MÚSICA Em meio à Cracolândia, Mel Lisboa desvenda São Paulo dos anos 30 em musical Mel
MÚSICA
Em meio à Cracolândia, Mel
Lisboa desvenda
São Paulo dos
anos 30 em musical
Mel é uma das estrelas do musical
“Luz Negra”, com a Cia. Pessoal
do Faroeste e dramaturgia e
direção de Paulo Faria

DIVULGAÇÃO

Mel Lisboa da Cia. Pessoal do Faroeste, em cena do musical “Luz Negra

DAS AGÊNCIAS

editorial@folhaextra.net

Trabalhadores circulam na mes- ma calçada em que viciados em crack utilizam a droga. Neste meio, na região conhecida como Cracolândia, no centro de São

Paulo, fi ca o charmoso teatro

Sede Luz do Faroeste, no nú- mero 301 da rua do Triunfo, de frente ao largo General Osório, na Luz. É neste espaço que Mel Lisboa se encontra acolhida para fazer um teatro que lhe renova, como conta a atriz gaúcha de 33 anos.

Mel é uma das estrelas do musi-

cal “Luz Negra”, com a Cia. Pes- soal do Faroeste e dramaturgia e direção de Paulo Faria. A tempo-

rada vai até o próximo dia 15 de

dezembro, às segundas e terças, às 21h, mas será retomada em 18 de janeiro de 2016 para seguir

até o fi m de abril. Todas as ses-

sões têm entrada “pague quanto

puder” --a produção fornece um envelope para que o espectador possa colocar, sem constrangi- mentos, a quantia que desejar.

“Luz Negra” é ambientado na

São Paulo dos anos 1930, quan-

do negros intelectuais criaram a FNB (Frente Negra Brasileira),

partido político que buscava um melhor espaço na socieda- de brasileira para a população afrodescendente, e que foi des-

tituído com o estabelecimento da ditadura do Estado Novo por Getúlio Vargas em 1937. A peça

mistura fatos reais com fi cção.

Mel interpreta a atriz loira Vanda Marquetti, que visita a rádio na qual artistas negros fazem um programa que mistura política e entretenimento. Logo, sua per- sonagem entra em tensão com a

estrela negra Flora Eunice, can- tora e advogada bem-sucedida

fi ctícia defendida por Thais Dias,

atriz do grupo Coletivo Negro

convidada especialmente para a peça. “O Pessoal do Faroeste faz peças com fatos que passaram desper-

cebidos na história ofi cial. Isso é

muito rico: contar histórias que não são contadas”, defende Mel. “Eu, por exemplo, antes do pro- cesso de ensaios, não sabia da existência da Frente Negra Bra-

sileira. É importante falar disso. Tanto tempo depois, pouca coisa mudou”. Para ela, o fato de ser musical traz o público para den- tro da história. “Tocamos no as- sunto, na ferida, mas as músicas

também trazem uma leveza, uma

coisa gostosa de se ver”.

SEM PATROCÍNIO, MAS COM OUTRO PÚBLICO

O diretor Paulo Faria conta que, mesmo com a atriz famosa na com- panhia, patrocinadores não apareceram. “Mel está aqui como artista. Mesmo com ela aqui não tivemos patrocinador e já tínhamos o Fo-

mento ao Teatro antes de ela entrar. Mas Mel trouxe um outro tipo de público para ver nossas peças”, diz ele, lembrando que muitas pessoas

“de classe média” passaram a frequentar o espaço depois de noticiada

a presença da atriz no Pessoal do Faroeste. “Isso é bom. Temos de humanizar essa classe média. É necessário que ela venha e participe.

A Mel abriu esse diálogo”. Mel faz questão de conciliar outros trabalhos com sua permanência no grupo, fazendo teatro durante as noites na Cracolândia. “Aqui, cresço como artista, como pessoa, como ser humano. Não tem como você

não fi car mais sensível, mais humano, estando aqui”. Depois que deixou de ter contrato com a Record neste ano --ela che- gou a fazer uma rápida participação em “Os Dez Mandamentos”--, Mel foi cada vez mais abraçada pelo teatro. Além de “Luz Negra”, ela

está em cartaz com outras duas peças: o clássico “Otelo”, de William

Shakespeare, no Teatro Faap às quartas e quintas, e no musical “Rita

Lee Mora ao Lado”, que viaja pelo Brasil.

Tantas atividades a faz avaliar 2015 como “um ano bom, de muito tra-

balho”. Sobre a televisão, na qual foi lançada em “Presença de Anita”,

minissérie de 2001 de Manoel Carlos, se resume a dizer: “Eu volto,

um dia”, lembrando que os projetos de teatro nos quais está inserida “costumam ter vida longa”.

Palavras Cruzadas

Atendimento (?): é Empresá- A abelha (?) de alta velo- Ação incentivada pelo dispensado a idosos
Atendimento (?): é
Empresá-
A abelha
(?) de alta velo-
Ação incentivada pelo
dispensado a idosos e
rio brasi-
operária,
cidade, veículo
Ministério da Saúde,
gestantes
por seu
inventado
em bancos
leiro que apresentou
o reality "O Aprendiz"
sexo
no Japão
é considerada a melhor forma
de garantir a nutrição do bebê
Instituição
"(?)
que faz
Esporte de Anderson
Silva e Vítor Belfort
Traviata",
pesquisas
A busca do
hedonista
ópera de
eleitorais
Generosos; liberais
Verdi
El. comp. de
(?) X: o
"poliglota"
Papa da
Eucaristia
Inexiste
no vácuo
Árvore
muito uti-
lizada no
urbanismo
Deslizar
sem con-
trole (so-
bre o solo)
Vogal que
Banda
Fruta antilhana que
levava o
paulista de
possui "escamas"
trema
I
R
A
rock dos
(Gram.)
anos 80
Navio da expansão
marítima do século XV
Zona, em
inglês
Arma do
haraquiri
Local de
Modelo de
trabalho de
Urânio
carro com
fotógrafos
grande
(símbolo)
porta-malas
Veia loca-
lizada no
Unidade
pescoço
Taximétri-
As da bor-
boletas
acumulam
calor para
que pos-
sam voar
ca (sigla)
Diz-se dos
(?)-fé: ca-
Partidário
filmes de
racteriza
de uma
causa
Juntei os pedaços de
Encarregado de
entregar mensagens
na Idade Média
baixo or-
o sofisma
çamento
(Filos.)
Organizam
Medida
usada em
fazendas
Liga-se à
Fruta de
Consumir
A box não
Dinamarca
sprays
a refeição
pela ponte
natalina
possui
cabeceira
para a
do Oresund
garganta
Gosta (pop.)
Diversão
do "rato de
biblioteca"
Atua na Bolsa
de Valores
Companhia
Um do
(abrev.)
títulos do
príncipe
Tiago Abravanel, ator
de "Joia Rara"
Possui
William
A PM, no
jargão dos
policiais
militares
BANCO
60
Solução
F
T
A
R E
P
R EFE
N C
I
A
L
M M A
I BOP E
O
I T
E
P O
L
I
T A
D
E R R APA R
A
R
O
I
R A
M
E S
T
U D
I
O
Z
O N
E
O
I
N
S
E
D
A N
J UGU L A R
U
U T
O
B
E
O
M A M
A
SAS
A
R
R U
T D
A R
E
Q
A
T E
S
U
E
C
I
A
C
U R
E
S
P
E
C U
L
A
D O
R
T A
T
E M
M N
C
O R
P
O R
A
Ç
à O
4/oiti — zone. 5/sedan. 6/arauto. 8/pródigos. 11/especulador.
QUINTA-FEIRA, 10 DE DEZEMBRO DE 2015 - ED. 1454 VARIEDADES B 1 MÚSICA Em meio à

SOBRESEXO

Como fazer um strip

tease de tirar o fôlego

Confi ra as sugestões para te inspirar e um

passo a passo completo para colocar em prática o seu lado mais sensual

Curta o momento

A dançarina e performista Alexia Machado explica que o strip tease deve ser algo pensado como uma forma de arte que o seu corpo expressa. Muito mais que uma maneira de agradar o parceiro, o strip deve te deixar confortável e instigar o seu lado mais feminino e sensual. Sinta-se confortável e sexy com o seu corpo e com o momento e com certeza chamas se acenderão.

OUTRAS PUBLICAÇÕES

   
 

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO PARANÁ

 
PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO PARANÁ COMARCA DE ARAPOTI VARA CÍVEL DE ARAPOTI - PROJUDI COMARCA

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO PARANÁ COMARCA DE ARAPOTI VARA CÍVEL DE ARAPOTI - PROJUDI

 
PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO PARANÁ COMARCA DE ARAPOTI VARA CÍVEL DE ARAPOTI - PROJUDI COMARCA

COMARCA DE ARAPOTI VARA CÍVEL DE ARAPOTI - PROJUDI

Rua Placidio Leite, 164 - Centro Cívico - Arapoti/PR - CEP: 84.990-000 - Fone: (43)

Rua Placidio Leite, 164 - Centro Cívico - Arapoti/PR - CEP: 84.990-000 - Fone: (43)

3557-1114

 

3557-1114

EDITAL DE CITAÇÃO(com prazo de 30 dias) de INTERESSADOS INCERTOS

   

EDITAL DE CITAÇÃO(com prazo de 30 dias) de INTERESSADOS INCERTOS

CITE: INTERESSADOS INCERTOS para que, manifestem interesse na causa, e, querendo, contestem

 

AUTOS DE USUCAPIÃO n.º único: 0001236-03.2015.8.16.0046.

REQUERENTE:- IZOLINA DOMINGUES DE OLIVEIRA

AUTOS DE USUCAPIÃO n.º 0001536-62.2015.8.16.0046.

REQUERIDOS:- INTERESSADOS INCERTOS.

REQUERENTE:- JOÃO ANTONIO DA SILVA

CITE: INTERESSADOS INCERTOS, para que, manifestem interesse na causa, e, querendo, contestem o pedido no prazo de 15 (quinze) dia s sob pena de não o fazendo serem aceitos como verí dicos os fatos narrados pelos autores na inicial (Art. 285 e 319 do CPC).

DESCRIÇÃO DO BEM:- “O referido imóvel é delimitado por um polígono irregular cuja descrição se inicia no ponto 0 (zero), assinalado em planta a

REQUERIDOS:- INTERESSADOS INCERTOS.

o pedido no prazo de 15 (quinze) dias sob pena de não o fazendo serem aceitos como verídicos os fatos narrados pelos autores na inicial (Art. 285 e 319 do CPC).

nexa, seguindo até o ponto 1, por cerca de arame, na extensão de 38,249,

 

no rumo de 20 graus, 41 minutos e 19 segundos se confrontando com Frederik Kok, no ponto 1 segue até o ponto 2, por cerca de arame, na extensão de 88,759m, no rumo de 14 graus, 14 minutos e 30 segundos se, confrontando com Frederik Kok; no ponto 2 segue até o ponto 3 por cerca de arame, na extensão de 57, 700m, no rumo de 7 graus, 16 minutos e 31 segundos se, confrontando com Fredrik Kok; do ponto 3 segue até o ponto 4, por cerca de arame, na extensão de 21,870m, no rumo de 78 graus, 58 minutos e 33 segundos NW, confrontando com Frederik Kok; do ponto 4 segue até o ponto 5, por faixa de domínio, na extensão de 203,852m, no rumo de 12 graus, 22 minutos e 15 segundos NW, confrontando com a Rodovia PR-092. Finalmente, do ponto 5 segue até o ponto 0 (zero), início da descrição, por cerca de arame, na extensão de 33,069, no rumo de 42 graus, 50 minutos e 01 segundos se, confrontando com Frederik Kok.”.

 
DESCRIÇÃO DO BEM:- “ ”
DESCRIÇÃO DO BEM:- “
 

ENCERRAMENTO:- E, para que chegue ao conhecimento de todos os interessados é expedido o presente edital que será publicado e afixado na forma da Lei.

ENCERRAMENTO:- E, para que chegue ao conhecimento de todos os interessados é expedido o presente edital que será publicado e afixado na forma da Lei. Arapoti, 23 de novembro de 2015.

Arapoti, 01 de julho de 2015.

Eu,

(KARINA BARBOSA CHIDOSKI), Auxiliar Juramentada o datilografei e subscrevi.

Eu,

(KARINA BARBOSA CHIDOSKI), Auxiliar Juramentada o datilografei e subscrevi.

 
   

DAWBER GONTIJO SANTOS

 

DAWBER GONTIJO SANTOS

 

Juiz de Direito

 

Juiz de Direito

B2

EDITAIS

QUINTA-FEIRA, 10 DE DEZEMBRO
QUINTA-FEIRA,
10
DE
DEZEMBRO

DE

2015

-

ED.

1454

 
 
 
 
 

Lei n.º 2.726/2015

para mais ou para menos por ocasião de sua abertura em projetos e atividades no orçamento programa.

Súmula: Procede a alteração no Plano Plurianual – P PA - do Município de Wenceslau Braz, para o período de 2 014 a

IX – Só poderão ser contemplados no orçamento progr ama para 2016 os projetos e atividades que sejam compatíveis com as metas aprovadas nesta Lei.

2017.

Art. 10 - Os Fundos Municipais terão suas receitas especificadas no orçamento da receita da unidade

O povo do município de Wenceslau Braz, por seus rep resentantes na Câmara Municipal, aprovou e eu, Prefeito Municipal, Atahyde Ferreira dos Santos Júnior, sanciono a seguinte lei:

gestora em que estiverem vinculados, e essas, por sua vez, vinculadas a despesa relacionadas a seus objetivos, identificadas em Plano de Aplicação.

Art. 1º – Esta Lei procede à alteração no Plano Plu rianual do Município de Wenceslau Braz para o período de 2014 a 2017. Art. 2º – O Anexo Programas – Plano de Investimentos, aprovado pela Lei n.º 2634/13, de 11 de dezembro de 2013, que integra o Plano Plurianual do Município de Wenceslau Braz para o período de 2014 a 2017, com a alteração posterior, passa a vigorar a seguinte alteração, conforme relatórios em anexo.

§1º - Os Fundos Municipais, excetuando-se o fundo d e previdência, serão gerenciados pelo Prefeito Municipal, podendo por manifestação formal do Chefe do Poder Executivo, serem delegados a servidores municipais. § 2º - A movimentação orçamentária e financeira das contas dos Fundos Municipais deverão ser demonstradas também em balancetes apartados da unid ade gestora quando a gestão for delegada pelo Prefeito a servidor municipal.

Art. 3º – A alteração promovida por esta Lei serão implantada nos anos referidos em cada ação. Parágrafo Único – Para as ações que não tiveram alt erações para o exercício de 2016, prevalecem as descrições das ações e metas definidas pela legi slação citada no artigo 2º desta Lei. Art. 4º – Esta Lei entra em vigor na data de sua pu blicação. Wenceslau Braz-PR, 08 de dezembro de 2015.

Art. 11 - Os estudos para definição dos orçamentos da receita para 2016, deverão observar os efeitos d a alteração da legislação tributária, incentivos fiscais autorizados, a inflação do período, o crescimen tos econômico, a ampliação da base de cálculo dos tribu tos e a sua evolução nos últimos três exercícios (a rt. 12 da LRF). Parágrafo Único – até 30 (trinta) dias antes do enc aminhamento da proposta orçamentária ao Poder

 

ATAHYDE FERREIRA DOS SANTOS JUNIOR Prefeito Municipal

Legislativo, o Poder Executivo Municipal colocará à disposição da Câmara Municipal, os estudos e as estimativas de receitas para o exercício subseqüent e, inclusive da corrente liquida, e as respectivas memórias de cálculo.

Lei nº 2.727/2015 SÚMULA: Dispõe sobre as Diretrizes para a elaboraçã o da Lei de Diretrizes Orçamentárias para o exercício de 2016 e dá outras providências. O povo do município de Wenceslau Braz, por seus rep resentantes na Câmara Municipal,

Art. 12 - Se a receita estimada para 2016, comprova damente, não atender ao disposto no artigo anterior, o Legislativo, quando da discussão da proposta orçamentária, poderá reestimá-la, ou solicitar do Executi vo Municipal a sua alteração, se for o caso, e a conse qüente adequação do orçamento da despesa. Art. 13 - Na execução do orçamento, verificado que o comportamento das receitas poderá afetar o cumprimento das metas de resultados primário e nominal, facultativamente até o exercício de 2016, os Poderes Legislativo e Executivo, de forma proporcio nal as suas dotações e observadas as fontes de recursos, adotarão o mecanismo da limitação de empe nhos e movimentação financeira nos montantes necessários, para as seguintes dotações abaixo (art. 9º da LRF):

aprovou e eu, Prefeito Municipal, Atahyde Ferreira dos Santos Júnior, sanciono a seguinte lei:

Art. 1º - O Orçamento do Município de Wenceslau Bra z, para o exercício de 2016, será elaborado e executado observando as diretrizes, objetivos, prio ridades e metas estabelecidas nesta Lei, compreendendo:

I – projetos ou atividades vinculadas a recursos oriundos de transferências voluntárias; II – obras em geral, desde que ainda não iniciadas; III – dotação para combustíveis destinad a a frota de veículos de setores de transportes, ob ras, serviços públicos e agricultura; e

I

– as prioridades, metas e riscos fiscais da admin istração municipal;

 

IV – dotação para material de consumo e outros serviços de terceiros das diversas atividades.

II

– a estrutura dos orçamentos;

Parágrafo Único: Na avaliação do cumprimento das me tas bimestrais de arrecadação para implementação

III

– as diretrizes para a elaboração e a execução dos orçamentos do Município;

ou não do mecanismo da limitação de empenho e movim entação financeira, será considerado ainda o

IV - as disposições sobre a dívida pública municipa l;

resultado financeiro apurado no Balanço Patrimonial do Exercício anterior, em cada fonte de recursos.

V

– as disposições sobre despesas com pessoal;

VI

– as disposições sobre alterações na legislação tributária e;

Art. 14 - As despesas obrigatórias de caráter continuado em relação à Receita Corrente Líquida,

I – O remanejamento de dotações entre os elementos, grupos e categorias de programação de despesa

  • VII – as disposições finais

programadas para 2016, poderão ser expandidas em até 15,00% (quinze por cento), tomando-se por base

  • VII – conforme Plano Diretor Municipal

 

as Despesas Obrigatórias de Caráter Continuado fixadas na Lei Orçamentária Anual para o Exercício de

I

- DAS PRIORIDADES E METAS DA ADMINISTRAÇÃO

2015 (art.4º § 2º da LRF).

Art. 2º - As prioridades e metas da administração m unicipal para o exercício financeiro de 2016 são

Art. 15. Fica o poder executivo municipal autorizado a proceder por decreto abertura de créditos

aquelas definidas e demonstradas no Relatório de Me tas e Prioridades das Despesas por Programas. (art. 165, § 4º da CF). Parágrafo Único – Os recursos estimados na Lei Orçamentária para 2016 serão destinados, preferencialmente, para as prioridades e metas estabelecidas no Relatório de Metas e Prioridades das

adicionais especiais e suplementares, realização de transposições, remanejamento e transferências ao orçamento da administração até o limite de 15% (quinze por cento) do total geral do orçamento, servind o como recursos para tais suplementações, quaisquer d as formas definidas no parágrafo 1º do artigo 43, d a lei Federal 4.320/64, de 17 de março de 1964.

Despesas por Programa desta lei, não se constituind o, todavia, em limite à programação das despesas.

Parágrafo Primeiro – Fica o poder legislativo munic ipal autorizado a proceder a abertura de créditos

II

- DA ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DO ORÇAMENTO

 

adicionais suplementares através de resolução até o limite previsto no caput deste artigo, servindo co mo

Art. 3º - O orçamento para o exercício financeiro d e 2016 abrangerá os Poderes Legislativo e Executiv o, Autarquias, Fundações e seus Fundos, e será estrutu rado em conformidade com a Estrutura Organizacional da Prefeitura. Art. 4º - A Lei Orçamentária para 2016 evidenciará as Receitas e Despesas da Unidade Gestora, especificando aquelas vinculadas a Fundos, discriminando as despesas quanto à sua natureza, por categoria econômica, grupo de natureza, modalidade de aplicação e elemento de despesa, sendo que o controle por sub-elemento de despesa será efetuado no ato da realização do empenho, nos termos da legislação vigente, na forma dos seguintes anexos:

recurso para tais suplementações somente o cancelamento de dotações de seu próprio orçamento. Parágrafo Segundo – Fica o Fundo de Previdência mun icipal autorizado a proceder a abertura de créditos adicionais suplementares através de decreto até o limite previsto no caput deste artigo, servindo como recurso para tais suplementações somente o cancelamento de dotações de seu próprio orçamento. Art. 16. Fica o executivo autorizado a proceder por decreto até o limite de 15% (quinze por cento) das dotações definidas neste orçamento, a compensação, conversão ou criação de fontes de recursos ordinários, vinculados ou próprios dos projetos/ati vidades/operações especiais e das obras, sem lhes alterar o valor global, com a finalidade de assegurar a execução das programações definidas nesta lei. Não

I-

Da receita, que obedecerá ao disposto no artigo 2º, parágrafo 1º da lei Federal nº 4.320/64 de 17/03/64, com alterações posteriores;

serão computados nestes limites os créditos adicion ais abertos com base no artigo 13º desta lei. Art. 17. Fica também autorizado, não sendo computad o para fins do limite de que trata o artigo anterior:

dentro de cada projeto ou atividade;

II-

Da natureza da despesa, para cada órgão e unidade o rçamentária;

II – entre as fontes de recursos livres e/ou vinculados dentro de cada projeto ou atividade para fins de compatibilização com a efetiva disponibilidade dos recursos.

III-

Do programa de trabalho por órgãos e unidades orçamentárias demonstrando os projetos e atividades de acordo com a classificação funciona l programática;

III - Os Créditos Adicionais Suplementares abertos com recurso do excesso de arrecadação e superávit financeiro, na forma do Art. 43, Parágrafo Primeiro , Inciso I e II da Lei Federal 4.320/64; Art. 18 – O Executivo municipal, em cumprimento ao disposto no artigo 7º da Lei Federal nº 4.320, de 17

IV-

Outros anexos previstos em Lei, relativos à consolidação dos já mencionados

de março de 1964, fica autorizado por decreto a realizar manejo orçamentário, na forma de créditos

anteriormente. Art. 5º – Para efeito desta Lei, entende-se por:

 

adicionais suplementares, no orçamento da administração direta, fundacional, autárquica e de fundos especiais, independentemente, até o limite de quinz e por cento do valor total atualizado do orçamento.

– Programa, o instrumento de organização da ação governamental, visando à concretização dos objetivos pretendidos, sendo mensurado por indicado res estabelecidos no Plano Plurianual;

I

§ 1º – O manejo orçamentário constitui-se na reprog ramação ou reavaliação das prioridades das ações mediante a realocação de recursos de uma categoria de programação para outra, de um órgão para outro e

II

– Atividade, um instrumento de programação para alcançar o objetivo de um programa, envolvendo um

conjunto de operações que se realizam de modo contínuo e permanente, das quais resulta um produto necessário à manutenção da ação de governo;

de uma unidade orçamentária para outra, alterando e atualizando os Anexos de Metas e Prioridades do PP A e LDO. § 2º – A reprogramação referida no parágrafo anteri or será realizada na forma de transferência,

III

– Projeto, um instrumento de programação para a lcançar o objetivo de um programa envolvendo um

   

conjunto de operações, limitadas no tempo, das quais resulta um produto que concorre para a expansão o u aperfeiçoamento da ação de governo; IV – Operação Especial, as despesas que não contrib uem para a manutenção das ações de governo das quais não resulta um produto, e não geram contrapre stação direta sob a forma de bens ou serviços. § 1º – Cada programa identificará as ações necessár ias para atingir os seus objetivos, sob a forma de atividades, projetos e operações especiais, especif icando os valores, as metas, bem como as unidades orçamentárias responsáveis pela realização da ação. § 2º – As atividades e projetos serão dispostos de modo a especificar a localização física integral ou parcial dos programas de governo. § 3º – Cada atividade, projeto e operação especial identificará a função, subfunção e programas aos qu ais

se vinculam. § 4º – As categorias de programação de que trata es ta Lei serão identificadas no projeto de lei do orçamento por programas, projetos e operações espec iais, sendo identificados através da aplicação programada. Art. 6º – O orçamento fiscal, incluídos os de autar quias, fundações e fundos com contabilidade descentralizada, discriminará a despesa em conformidade com a Lei Federal nº 4.320/64, a Portaria nº 42/99, do Ministério do Orçamento e Gestão, a Porta ria Interministerial nº 163/01, Portarias da Secret aria do Tesouro Nacional e Instruções do Tribunal de Con tas do Estado do Paraná, pertinentes à matéria, obedecendo a seguinte estrutura:

transposição e remanejamento dos recursos. § 3º – Para efeito desta Lei, entende-se por:

I – transferência, a realocação de recursos que oco rre dentro do mesmo órgão, num mesmo programa de trabalho, entre as categorias econômicas de despesa , mantendo-se o programa em funcionamento; II – transposição, a realocação de recursos que oco rre entre programas de trabalho, dentro do mesmo órgão ou de um órgão para outro, ampliando, desta forma, um programa previsto na lei orçamentária com recursos de outro também nela previsto; III – remanejamento, a realocação de recursos em sede intra-organizacional, ou seja, de um órgão/entid ade para outro nos casos de reformas administrativas de que resulte a criação, extinção, fusão ou cisão. § 4º – Excluem-se do limite de que trata o caput deste artigo os créditos adicionais suplementares que decorrem de leis municipais específicas aprovadas no exercício. § 5° - Autoriza a proceder as alterações e atualiza ções por Decreto no PPA e LDO na legislação que estabelece as metas e prioridades da administração municipal para o exercício de 2016, além de orientações à elaboração do Orçamento-Programa do M unicípio para o exercício de 2016. Art. 19 - A inclusão, exclusão ou alteração de prog ramas, indicadores, resultados e montante de investimentos, serão propostos pelo Poder Executivo , por intermédio de projeto de lei específico, de decreto conforme art. 15°, Lei Orçamentária Anual o u de Créditos Adicionais Especiais. Art. 20 - A inclusão, exclusão ou alteração de ações no Plano Plurianual e da Lei de Diretrizes Orçamentárias, poderão ocorrer por intermédio de de creto conforme art.15, da Lei Orçamentária Anual ou de seus créditos adicionais, apropriando-se ao respectivo programa, as modificações conseqüentes.

I

– Classificação Institucional, cuja finalidade principal é evidenciar as unidades administrativas

Parágrafo único. De acordo com o disposto no caput deste artigo, fica o Poder Executivo

responsáveis pela execução da despesa, classificand o os órgãos e fixando responsabilidades entre esses ,

autorizado a adequar as ações orçamentárias, para c ompatibilizá-las com as alterações de valor ou com

com conseqüentes controles e avaliações de acordo c om a programação orçamentária;

 

outras modificações efetivadas na Lei Orçamentária Anual, homologando-se todas as autorizações

II

– Classificação Funcional, que compreenderá as s eguintes categorias:

legislativas mencionadas nesta lei.

  • a) Função, correspondendo ao nível máximo de agregação das ações desenvolvidas pelo Município;

Art. 21 - Constituem riscos fiscais capazes de afet ar o equilíbrio das contas públicas do Município,

  • b) Subfunção, representando uma partição da função, visando a agregar determinado subconjunto de

aqueles constantes do ANEXO DE RISCOS FISCAIS desta lei.

despesa do setor público;

§1º - Os riscos fiscais, caso se concretizem, serão atendidos com recursos da reserva de contingência e

  • c) Programas, compreendendo as partes do conjunto d e ações e recursos da subfunção a que estejam

também, se houver, do excesso de arrecadação e do s uperávit financeiro do exercício de 2014;

vinculados, necessárias ao atingimento de produtos finais.

 

§2º - Sendo estes recursos insuficientes, o Executi vo Municipal encaminhará projeto de lei à Câmara,

III

– Classificação da Natureza da Despesa, com os seguintes desdobramentos:

propondo anulação de recursos ordinários alocados para investimentos, desde que não comprometidos.

CATEGORIAS ECONÔMICAS GRUPOS DE NATUREZA DE DESPESA

Art. 22 – O orçamento para o exercício de 2016, destinará recursos para a reserva de contingência, não superior a 1% (um por cento) das receitas correntes líquidas previstas para o mesmo exercício.

MODALIDADES DE APLICAÇÃO ELEMENTOS DE DESPESA

§1º - Os recursos da reserva de contingência serão destinados ao atendimento de passivos contingentes e outros riscos e eventos fiscais imprevistos, e tamb ém para abertura de créditos adicionais suplementar es.

§ 1º – Cada programa identificará as ações necessár ias para atingir os seus objetivos, sob a forma de projetos, atividades, especificando os valores, as metas e as unidades orçamentárias responsáveis pela realização da ação. § 2º – Cada projeto ou atividade estará vinculado a uma função, a uma subfunção e a um programa. Art. 7º: Na especificação das modalidades de aplica ção será observada, no mínimo, o seguinte detalhamento:

§2º - Os recursos da reserva de contingência destin ados a riscos fiscais, caso estes não se concretizem até o dia 10 de dezembro de 2015, poderão ser utilizados por ato do Chefe do Poder Executivo para abertura de créditos adicionais suplementares de dotações que se tornaram insuficientes. Art. 23 – Os investimentos só constarão da Lei Orça mentária Anual se complementados no Plano Plurianual (art. 5º, §5º da LRF) Art. 24 – O Chefe do Poder Executivo Municipal esta belecerá até 30 (trinta) dias à publicação da Lei Orçamentária Anual, a programação financeira das receitas e despesas e o cronograma de execução

I

– Transferências a Estado e ao Distrito Federal – 30

 

II

– Transferências a Instituições Privadas sem Fin s Lucrativos – 50

mensal para suas unidades gestoras, se for o caso. (art. 8º da LRF). Art. 25 - Serão previstos no Orçamento o pagamento de Precatórios Judiciais apresentados até 1º de julho

III

– Transferências a Instituições Multigovernamen tais – 71

de 2015.

IV – Aplicações Diretas- 90

Art. 26 - A existência de meta ou prioridade consta nte no Anexo I desta Lei, não implica na

V

– Aplicação direta de operação entre órgãos, fund os e entidades integrantes do Orçamento Fiscal e da

Seguridade Social- 91

obrigatoriedade da inclusão da sua programação na P roposta de Lei.

III

– DAS DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO E EXECUÇÃO D OS ORÇAMENTOS DO

Art. 27 - Os incentivos de natureza tributaria à in vestimentos privados da indústria e Comércio só pod erão

MUNICÍPIO Art. 8.º - O orçamento para o exercício de 2016, ob edecerá entre outros, ao princípio da transparência e

ser concedidos mediante aprovação de projetos que p ropiciem aumento da arrecadação e de empregos. Art. 28 – Os projetos e atividade priorizados na Le i Orçamentária para 2015 com dotações vinculadas a

do equilíbrio entre receitas e despesas em cada fon te, abrangendo os Poderes Legislativos e Executivo. Art 9º - Na elaboração da proposta orçamentária as receitas e as despesas serão orçadas segundo os pre ços e os índices com as variáveis respectivas, vigentes no período de entrega da proposta orçamentária. Parágrafo Único: A Lei Orçamentária:

fontes de recursos oriundos de transferências voluntárias, operações de crédito, alienação de bens e o utros extraordinários, só serão executados e utilizados a qualquer título, se ocorrer ou estiver garantido o seu ingresso no fluxo de caixa, respeitado ainda o montante ingressado ou garantido. §1º - A apuração do excesso de arrecadação de que t rata o artigo 43, §3º da Lei 4320/64, será apurado em

– Corrigirá os valores da proposta orçamentária para o período compreendido entre os meses de agosto a dezembro de 2015;

I

cada fonte de recursos para fins de abertura de créditos adicionais suplementares e especiais conforme exigência contida nos artigos 8º, parágrafo único e 50, inciso I, ambos da LRF.

II

– Estimará valores da Receita e fixará os valore s da Despesa de acordo com a variação de preços

§2º - Na lei orçamentária anual, os orçamentos da r eceita e da despesa identificarão com codificação

previstos para o exercício de 2016, considerando-se o aumento ou diminuição dos serviços previstos, a

adequada cada uma das fontes de recursos, de forma que o controle da execução observe o disposto no

tendência do presente exercício e os efeitos das mo dificações na legislação tributária, ou ainda, atra vés de outro que vir a ser estabelecido;

caput deste artigo (artigos 8º, parágrafo único e 5 0, inciso I, ambos da LRF). Art. 29 - A concessão de auxílios para pessoas físi cas obedecerão preferencialmente os critérios

III

– Observará para que o montante das Despesas não seja superior ao das Receitas;

 

estabelecidos pelos programas sociais que originam os recursos a serem aplicados, e no caso de recurso s

IV – Conterá previsão de correção dos valores do Or çamento Geral do Município, até o limite do Índice Nacional de Preços ao Consumidor – INPC/IBGE, ou ou tro adotado pelo Governo Federal, acumulado no

próprios do Município, será precedida da realização de prévio levantamento cadastral objetivando a caracterização e comprovação do estado de necessida de dos benefícios.

semestre, se este ultrapassar 20% nesse período, da ndo ciência à Câmara Municipal;

 

Art. 30 – A transferência de recursos do Tesouro Mu nicipal à entidades privadas, beneficiará somente

V

– Utilizará o controle da despesa por custo de se rviços ou obras que não se encontrem especificados em

aquelas de caráter educativo, assistencial, recreat ivo, cultural, esportivo, de associativismo municip al e,

projetos e atividades.

que sejam de atendimento direto ao público, de form a gratuita e continuada e dependerá de autorização

VI

– São nulas as emendas apresentadas à proposta o rçamentária:

 

em lei específica (art.4º,I, “f” e 26 da LRF).

  • 1 – que não sejam compatíveis com esta lei;

§1º - Os repasses de recursos serão efetivados atra vés de convênios, termo de compromisso, ou similar,

  • 2 – que não indiquem os recursos neces sários em valor equivalente à despesa criada, admit idos

conforme determina o art. 116 da Lei Federal n.º 8666/93, art. 26 da Lei Complementar Federal n.º

apenas os provenientes de anulação de despesas, excluídos aquelas relativas às dotações de pessoal e s eus

101/2000 e o disposto no §3.º, do art. 12 e artigos 16 e 17 da Lei Federal n.º 4320/64.

encargos e ao serviço da dívida.

 

§2º - As entidades beneficiadas com recursos públic os, a qualquer título, submeter-se-ão à fiscalizaçã o do

  • 3 – As emendas apresentadas pelo Legis lativo que proponham alteração da proposta orçamentária

poder concedente e deverão prestar contas no prazo de 30 dias, contados do recebimento do recurso, na

encaminhada pelo Poder Executivo, bem como dos proj etos de Lei relativos a créditos adicionais a que s e

forma estabelecida pelo serviço da contabilidade mu nicipal (art. 70, parágrafo único da Constituição

refere o artigo 166 da Constituição Federal, serão apresentados na forma e no nível de detalhamentos estabelecidos para elaboração da Lei Orçamentária.

Federal) com a finalidade de verificar o cumprimento de metas e objetivos para os quais receberam os recursos.

VII

– Poderão ser apresentadas emendas relacionadas com a correção de erros ou omissões relacionadas a

Art. 31 - Serão considerados para efeito do Art. 16 da Lei Complementar 101/2000, na elaboração das

dispositivos do texto do projeto de lei. VIII – Os valores fixados nas metas contidas no Anexo I poderão ser flexibilizados na proporção de 20%

estimativas de impacto orçamentário-financeiro quan do da criação, expansão ou aperfeiçoamento de ação governamental, que acarretem aumento de despesa, os seguintes critérios:

 

QUINTA-FEIRA,

10

DE DEZEMBRO DE 2015 - ED. 1454
DE
DEZEMBRO
DE
2015
-
ED.
1454

EDITAIS

B3

 
 

I – As especificações nele contidas integrarão o processo administrativo de que trata o Art. 38 da

31/12/2015.

 

Lei 2.728/2015

Lei Federal nº 8666, de 21 de junho de 1993, bem como os procedimentos de desapropriação de imóveis urbanos a que se refere o § 3º do Art. 182 da Constituição Federal. II – Entende-se como despesas irrelevantes, para fins do § 3º do art. 16 , da Lei nº 101/2000, aquelas cujo valor não ultrapasse ao limite de 5,00% (cinco por cento) do valor correspondente ao total geral do orçamento do Exercício corrente.

Súmula: “Estima a Receita e fixa a Despesa do Município de Wenceslau Braz para o exercício financeiro de 2016. O povo do município de Wenceslau Braz, por seus representantes na Câmara Municipal, aprovou e eu, Prefeito Municipal, Atahyde Ferreira dos Santos Júnior, sanciono a seguinte lei:

Art. 32 – As obras em andamento e a conservação do patrimônio público terão prioridade sobre projetos novos na alocação de recursos orçamentários, salvo projetos programados com recursos de transferências voluntárias e operações de crédito. Parágrafo Único: As obras em andamento e os custos programados para conservação do patrimônio público extraídas do relatório sobre Projetos em Execução e a Executar, estão demonstrados no Anexo IV desta Lei (art. 45, parágrafo único da LRF). Art. 33 – Poderão ser destinados recursos para atender despesas de competência de outros entes da

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES COMUNS Art. 1º. O orçamento fiscal do município de Wenceslau Braz, Estado do Paraná, para o exercício financeiro de 2016, abrangendo os órgãos de administração direta, e fundos municipais, estima a Receita e fixa a Despesa em R$ 47.354.750,00 (quarenta e sete milhões, trezentos e cinqüenta e quatro mil, setecentos e cinqüenta reais).

TÍTULO II DO ORÇAMENTO FISCAL CAPÍTULO I DA ESTIMATIVA DA RECEITA

Federação, realizadas no âmbito e em favor do Município, mediante celebração de convênios, acordos ou ajustes e previstos na Lei Orçamentária.(art. 162 da LRF)

Art. 2º. A Receita do Orçamento Fiscal decorrerá da arrecadação de tributos próprios e transferidos e demais Receitas Correntes e de Capital, na forma da legislação vigente e de acordo com o seguinte desdobramento:

Art. 34 – A previsão das receitas e a fixação das despesas serão orçadas para 2016 a preços correntes.

1.

Receitas Correntes

R$

40.009.250,00

Art. 35 – A execução do orçamento da despesa obedecerá, dentro de cada projeto, atividade ou operações

Receita Tributária

R$

R$

R$

R$

R$

R$

4.268.650,00

especiais, a dotação fixada para cada grupo de natureza de despesa/modalidade de aplicação, com a

Receita de Contribuições

556.500,00

apropriação dos gastos nos respectivos elementos de que trata a Portaria STN n.º 163/2001 e alterações

Receita Patrimonial

193.400,00

Receita de Serviços

0,00

posteriores. Parágrafo Único – A transposição, o remanejamento ou a transferência de recursos de um grupo de

Transferências Correntes

34.213.725,00

natureza de despesa/modalidade de aplicação para outro, dentro de cada projeto, atividade ou operações especiais, poderá ser feita por Decreto do Prefeito Municipal no âmbito do Poder Executivo e por

Outras Receitas Correntes

776.975,00

Decreto-Legislativo do presidente da Câmara no âmbito do Poder Legislativo (art. 167, VI da CF).

2.

Receitas de Capital

R$

2.345.500,00

Art. 36 – Durante a execução orçamentária de 2016, o Executivo Municipal, autorizado por lei, poderá

2.1.

Operações de Crédito

R$

235.00,00

incluir novos projetos, atividade ou operações especiais no orçamento das unidades gestoras na forma de crédito especial, desde que se enquadre nas prioridades para o exercício de 2016 (art. 167, I, Constituição

2.2.

Alienação de Bens

R$

31.500,00

2.4.

Transferências de Capital

R$

2.079.000,00

Federal). Art. 37 - O controle de custo das ações desenvolvidas pelo Poder Público Municipal de que trata os Art.

TOTAL DAS RECEITAS

50, § 3º, da LRF, serão desenvolvidos de forma a apurar os custos dos serviços, tais como: custos dos programas, das ações, do m2 das construções, do m2 das pavimentações, do aluno do ensino infantil, do

 

R$

42.354.750,00

aluno/ano com merenda escolar, da destinação final da tonelada de lixo, do atendimento das unidades de saúde, etc.(art.4º, I, “e” da LRF).

Fundo de Previdência Municipal

R$

5.000.000,00

Parágrafo Único: Os custos serão apurados através das operações orçamentárias, tomando-se por base as metas físicas previstas nas planilhas das despesas e nas metas físicas realizadas e apuradas ao final do

3.

Receitas Correntes

R$

5.000.000,00

Exercício (art. 4º., I, “e” da LRF).

3.1.

Receitas de Contribuições Previdenciárias Regime Próprio

R$

800.000,00

Art. 38 - Os programas priorizados por esta Lei e contemplados na Lei Orçamentária de 2016 serão

3.2.

Receitas Patrimonial

R$

2.121.000,00

objetos de avaliação permanente pelos responsáveis, de modo a acompanhar o cumprimento dos seus

3.3.

Receitas Correntes Intraorçamentárias

R$

2.079.000,00

objetivos, corrigir desvios e avaliar seus custos e cumprimento das metas físicas estabelecidas (art. 4º, I, “e” da LRF).

TOTAL DA RECEITA DO ORÇAMENTO FISCAL

R$

47.354.750,00

Art. 39 - Fica autorizado ao Poder Executivo a abertura e execução de 1/12 avos mês da proposta

 

CAPÍTULO II

orçamentária para o exercício de 2016 caso não ocorra aprovação da LOA pelo poder Legislativo ate

 

IV – DAS DISPOSIÇÕES SOBRE A DÍVIDA PÚBLICA MUNICIPAL Art. 40 – A Lei Orçamentária de 2016 poderá conter autorização para a contratação de Operações de

DA FIXAÇÃO DA DESPESA DA DESPESA TOTAL

Art. 3º. A Despesa do Orçamento Fiscal será realizada segundo as discriminações previstas na legislação em vigor, conforme o seguinte desdobramento:

Crédito para atendimento à despesas de capital, observado o limite de endividamento de 120% (cento e

DESPESAS COM RECURSOS DO TESOURO E DE OUTRAS FONTES

 

vinte por cento) da receita Corrente Líquida, apuradas até o segundo mês imediatamente anterior a

I

– Poder Legislativo

R$

2.004.000,00

assinatura do contrato. Parágrafo Único – A contratação de operações de crédito dependerá de autorização em lei específica.

01 - Câmara Municipal

R$

2.004.000,00

II

– Poder Executivo

R$

41.985.750-00

Art. 41 – Ultrapassado o limite de endividamento definido no art. 30 desta lei, enquanto perdurar o

15/12/2014.

Governo Municipal

R$

R$

R$

R$

R$

R$

R$

R$

R$

7.899.916,25

excesso o Poder Executivo obterá resultado primário necessário através da limitação de empenhos, de que

Secretaria Municipal de Serviços Urbanos, Infra-estrutura e Rodoviário

10.765.100,00

trata o art. 31 da Lei Complementar n.º 101/2000.

Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esportes

11.084.487,50

Art. 42 – Deverão ser destinados recursos para cumprimento do que dispõe o art. 100 da Constituição

Secretaria Municipal de Saúde

7.510.957,50

Federal e seus parágrafos.

Secretaria Municipal de Assistência Social

2.079.400,00

Secretaria Municipal da Agricultura e Meio Ambiente

1.845.888,75

V- DAS DISPOSIÇÕES SOBRE DESPESAS COM PESSOAL

Secretaria de Indústria e Comércio

375.000,00

Art. 43 - As despesas com pessoal ficam limitadas a 6,00 % (seis por cento) para o Legislativo e 54,00

Fundo Municipal da Habitação

375.000,00

(cinqüenta e quatro por cento) para o Executivo, conforme determina a Lei Complementar nº 101/2000 (LRF). Parágrafo Primeiro: Os Poderes Legislativo e Executivo ficam autorizados a proceder a atualização dos

Reserva de Contingência

50.000,00

vencimentos e vantagens do quadro próprio de pessoal, de conformidade com os índices oficiais de atualização monetária, no exercício de 2016. Parágrafo Segundo: Para fins de atendimento ao disposto no art. 169, Parágrafo Único, incisos I e II da

Fundo de Previdência Municipal 12. Despesas Correntes

R$

5.165.000,00

Constituição Federal, ficam autorizadas as concessões de quaisquer vantagens, aumentos de remuneração, criação de cargos, empregos e funções, alterações de estrutura de carreiras, bem como admissões ou contratações de pessoal a qualquer título, bem como ainda, as disponibilidades financeiras do município.

12.1. Despesas correspondentes aos repasses das Contribuições Previdenciárias do Regime Próprio

R$

5.165.000,00

TOTAL DA DESPESA DO ORÇAMENTO FISCAL

R$

47.354.750,00

Art. 44 – O Executivo e o Legislativo Municipal poderá realizar concurso público e admitir pessoal aprovado no mesmo, e mediante lei autorizativa, poderão em 2016, criar cargos e funções, alterar a estrutura de carreiras, corrigir ou aumentar a remuneração dos servidores, conceder vantagens, admitir pessoal em caráter temporário na forma de lei, observados os limites e regras da LRF (art. 169, §1º, II, da CF).

CAPÍTULO III DA AUTORIZAÇÃO PARA ABERTURA DE CRÉDITOS ADICIONAIS SUPLEMENTARES Art. 4º. A despesa fixada está distribuída por categorias econômicas e funções de governo de conformidade com os anexos 02 e 06, integrantes desta lei.

Parágrafo Único – Os recursos para as despesas decorrentes destes atos deverão estar previstos na lei de orçamento para 2016. Art. 45 – Ressalvada a hipótese do inciso X do art. 37 da Constituição Federal, a despesa total com pessoal de cada um dos Poderes em 2016, Executivo e Legislativo, não excederá em percentual da

Art. 5º. O Orçamento do Fundo de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Wenceslau Braz, criado pela Lei Municipal nº. 1076/2002, de 19/04/2002 de contabilização descentralizada para o exercício de 2015, estima a Receita em R$ 5.000.000,00 (cinco milhões reais) e fixa a Despesa em R$ 5.165.000,00 (cinco milhões, cento e sessenta e cinco mil de reais). Art. 6º. São aprovados os Planos de Aplicação dos seguintes Fundos Municipais de contabilização centralizada, nos termos do parágrafo 2º do

Receita Corrente Líquida do exercício o total de 54% para o executivo e 6% para o legislativo, obedecido

artigo 2º da Lei Federal 4.320/64, de 17 de março de 1964, inseridos no orçamento geral do município:

 

os limites prudenciais de 51,30% e 5,70% da Receita Corrente Líquida, respectivamente.

I

– do Fundo Municipal de Saúde, que fixa sua despesa para o exercício de 2015 em R$ 7.510.957,50 (sete milhões, quinhentos e dez mil,

Art. 46 – Nos casos de necessidade temporária, de excepcional interesse público, devidamente justificado

novecentos e cinqüenta e sete reais e cinqüenta centavos);

 

pela autoridade competente, a Administração Municipal poderá autorizar a realização de horas extras

II

– do Fundo Municipal de Assistência Social, que fixa sua despesa para o exercício de 2015 em R$ 2.079.400,00 (dois milhões, setenta e nove

pelos servidores, quando as despesas com pessoal excederem a 95% (noventa e cinco por cento) do limite

mil e quatrocentos reais).

III

– do Fundo Municipal de Habitação, que fixa sua despesa para o exercício de 2015 em R$ 375.000,00 (trezentos e setenta e cinco mil reais).

estabelecido no art. 20, III da LRF. Art. 47 – O Executivo Municipal adotará as seguintes medidas para reduzir as despesas com pessoal caso elas ultrapassem os limites estabelecidos nos arts. 19 e 20 da Lei Complementar n.º 101/2000. I – eliminação de vantagens concedidas a servidores; II – eliminação das despesas com horas extras;

Art. 7º. Fica o poder executivo municipal autorizado a abrir créditos adicionais suplementares ao orçamento da administração e do Fundo de Previdência Municipal até o limite de 15% (quinze por cento) do total geral de cada um dos orçamentos, servindo como recursos para tais suplementações, quaisquer das formas definidas no parágrafo 1º do artigo 43, da lei Federal 4.320/64, de 17 de março de 1964. Parágrafo Único – Fica o poder legislativo municipal autorizado a proceder à abertura de créditos adicionais suplementares através de resolução até o limite previsto no caput deste artigo, servindo como recurso para tais suplementações somente o cancelamento de dotações de seu próprio

III – exoneração de servidores ocupantes de cargo em comissão; IV – demissão de servidores admitidos em caráter temporário. Art. 48 – Para efeito desta lei e registros contábeis, entende-se como terceirização de mão-de-obra referente substituição de servidores, de que trata o artigo 18, §1º da LRF, a contratação de mão-de-obra cuja atividade ou função guardem relação com atividades ou funções previstas no Plano de Cargos da

orçamento. Art. 8º. Fica o executivo autorizado a proceder por decreto até o limite de 15% (quinze por cento) das dotações definidas neste orçamento, a compensação, conversão ou criação de fontes de recursos ordinários, vinculados ou próprios dos projetos/atividades/operações especiais e das obras, sem lhes alterar o valor global, com a finalidade de assegurar a execução das programações definidas nesta lei. Não serão computados nestes limites os créditos adicionais abertos com base no artigo 7º desta lei. Art. 9º. Fica também autorizado, não sendo computado para fins do limite de que trata o artigo 7º desta lei:

Administração Municipal de Wenceslau Braz, ou ainda, atividades próprias da Administração Pública

I

– entre os elementos, grupos e categorias de programação de despesa dentro de cada projeto ou atividade;

 

Municipal, desde que, em ambos os casos, não haja utilização de materiais ou equipamentos de

II

– entre as fontes de recursos livres e/ou vinculados dentro de cada projeto ou atividade para fins de compatibilização com a efetiva

propriedade do contratado ou de terceiros.

disponibilidade dos recursos.

III

- Os Créditos Adicionais Suplementares abertos com recurso do excesso de arrecadação e superávit financeiro, na forma do Art. 43, Parágrafo

Art. 49 - A contratação de horas extras fica limitada a 5% do total da folha de pagamento nas áreas de Educação, Saúde e Assistência Social e a 3% para as demais áreas da administração. VI – DAS DISPOSIÇÕES SOBRE ALTERAÇÃO DA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA Art. 50 – O Executivo Municipal, autorizado em lei, poderá conceder ou ampliar benefício fiscal de natureza tributária com vistas a estimular o crescimento econômico, a geração de empregos e rendas, ou beneficiar contribuintes integrantes de classes menos favorecidas, devendo esses benefícios ser considerados nos cálculos do orçamento da receita e serem objeto de estudos do seu impacto orçamentário e financeiro no exercício em que iniciar sua vigência e nos dois subseqüentes (art. 14 da Lei Complementar n.º 101/2000). Art. 51 – Os tributos lançados e não arrecadados, inscritos em dívida ativa, cujos custos para cobrança

Primeiro, Inciso I e II da Lei Federal 4.320/64; Art. 10. Na abertura dos créditos adicionais autorizados no artigo 6º ou decorrentes de autorizações específicas com recursos provenientes de cancelamentos de dotações orçamentárias, ficam autorizados o executivo e o legislativo municipal a efetuar o remanejamento, transposição ou transferência de dotações de uns para outros órgãos, fundos ou categorias de programação dentro da respectiva esfera de governo. Art. 11. O poder executivo fica ainda autorizado a tomar as medidas necessárias para manter os dispêndios compatíveis com o comportamento da receita, nos termos da legislação vigente e a realizar operações de crédito até o limite fixado nos dispositivos legais vigentes. Art.12. A Reserva de Contingência, além de atender as determinações da letra “b”, do inciso III, do art. 5º, da Lei Complementar Federal nº. 101, de 04 de maio de 2000, também poderá ser utilizada como recurso para abertura de Créditos Adicionais Suplementares e Especiais. TÍTULO III DAS DISPOSIÇÕES FINAIS Art.13. Esta lei entrará em vigor na data de sua publicação.

sejam superiores ao crédito tributário, poderão ser cancelados, ficando o Chefe do Poder Executivo

 

Wenceslau Braz - PR, 08 de dezembro de 2015.

autorizado a, mediante ato fundamentado, tomar as medidas necessárias para efetivar referido cancelamento, não se constituindo como renúncia de receita para efeito do disposto no art. 14 da Lei

ATAHYDE FERREIRA DOS SANTOS JÚNIOR Prefeito Municipal

Complementar n.º 101/2000. VII – DAS DISPOSIÇÕES FINAIS Art. 52 – O Executivo Municipal enviará a proposta orçamentária à Câmara Municipal no prazo estabelecido na Lei Orgânica do Município, que a apreciará e a devolverá para sanção até o dia

LEI Nº 2.729/2015 SÚMULA: INSTITUI A POLÍTICA MUNICIPAL DE CONSCIENTIZAÇÃO, PREVENÇÃO E COMBATE À DENGUE NO MUNICÍPIO DE WENCESLAU BRAZ.

CAPÍTULO I

§ 1º – A Câmara Municipal não entrará em recesso enquanto não cumprir os dispostos no caput deste artigo. § 2º - Se o projeto de Lei Orçamentária não for encaminhado á sanção até o início do exercício Financeiro de 2016, fica o Executivo Municipal autorizado a executar a proposta orçamentária na forma original, até a sanção da respectiva lei orçamentária anual, mediante a abertura de créditos adicionais suplementares, através de decreto , usando como fonte de recurso o superávit financeiro do exercício de 2015, o excesso ou provável excesso de arrecadação, a anulação de saldos de dotações não comprometidas e a reserva de

Art. 56 – Esta lei entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

ATAHYDE FERREIRA DOS SANTOS JÚNIOR

O povo do município de Wenceslau Braz, por seus rep resentantes na Câmara Municipal, aprovou e eu, Prefeito Municipal, Atahyde Ferreira dos Santos Júnior, sanciono a seguinte lei:

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. Fica instituída por meio da presente Lei a Política Municipal de Conscientização, Prevenção e Combate à Dengue (POMUDE), cuja implant ação será coordenada pela Secretaria Municipal de Saúde do Município de Wenceslau Braz. Art. 2º. A POMUDE será composta de medidas de:

contingência, sem comprometer, neste caso, os recursos para atender os riscos fiscais previstos e a meta de resultado primário. Art. 53 – Serão consideradas legais as despesas com multas e juros pelo eventual atraso no pagamento de compromissos assumidos, motivado por insuficiência da tesouraria. Art. 54 - O Executivo Municipal está autorizado a assinar convênios com o Governo Federal e Estadual através de seus órgãos da administração direta ou indireta para realização de obras ou serviços de

I – conscientização da população sobre os riscos da doença e sobre as medidas para o combate de seu mosquito transmissor; II – de ações de fiscalização e prevenção por parte de proprietários e possuidores de imóveis residenciais, comerciais ou industriais de criadour os e focos do mosquito transmissor; III – de ações de prevenção, fiscalização e repress ão por parte do Poder Público no combate ao mosquito transmissor. Art. 3°. Para os efeitos desta Lei, define-se:

competência ou não do Município. Art. 55 – Os créditos especiais e extraordinários, abertos nos últimos quatro meses do exercício, poderão ser reabertos no exercício subseqüente, por ato do Chefe do Poder Executivo.

Wenceslau Braz – PR, 08 de dezembro de 2015.

Prefeito Municipal

I – criadouro: qualquer recipiente natural ou artificial com coleção líquida; II – coleção líquida: qualquer quantidade de água e stagnada; III – foco: criadouro onde são encontradas as formas imaturas do mosquito causador da Dengue; IV - por mosquito transmissor da dengue: o díptero do gênero Aedes , e suas espécies transmissoras do vírus da dengue.

CAPÍTULO II DAS MEDIDAS DE PREVENÇÃO E FISCALIZAÇÃO POR PARTE D A POPULAÇÃO Art. 4º. É dever de todo cidadão apontar e relatar aos órgãos públicos competentes situações de risco, locais onde exista água parada ou quaisquer outros locais propícios à reprodução do mosquito, garantido o sigilo das informações. Parágrafo Único: Caberá à Secretaria Municipal de S aúde, por meio de seu órgão fiscalizador, coordenar a apuração das ocorrências de que trata o caput do presente artigo. Art. 5º. Aos munícipes e aos proprietários e possuidores de imóveis residenciais, comerciais ou

B4 EDITAIS QUINTA-FEIRA, 10 DE DEZEMBRO DE 2015 - ED. 1454 industriais competem adotar as medidas
B4
EDITAIS
QUINTA-FEIRA,
10
DE
DEZEMBRO
DE
2015
-
ED.
1454
industriais competem adotar as medidas necessárias à manutenção de suas propriedades limpas, sem
acúmulo de lixo e materiais inservíveis, evitando c ondições que propiciem a instalação e a proliferaçã o
dos vetores causadores da dengue.
Art. 6º. Ficam os responsáveis;
I - por borracharias, empresas de recauchutagem, de smanches, depósitos de veículos e outros
estabelecimentos afins, obrigados a adotar medidas que visem a evitar a existência de criadouros dos
vetores;
PINHALÃO
ESTADO DO PARANÁ
ESTADO DO PARANÁ
PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHALAO
PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHALAO
EXTRATO CONTRATUAL
EXTRATO CONTRATUAL
II - por cemitérios obrigados a exercer rigorosa fi scalização em suas áreas, determinando a
imediata retirada de quaisquer vasos ou recipientes que contenham ou retenham água em seu interior;
III - por obras de construção civil e por terrenos obrigados a adotar medidas tendentes à
drenagem permanente de coleções líquidas, originada s ou não por chuvas, bem como à limpeza das áreas
sob sua responsabilidade, providenciando o descarte de materiais inservíveis que possam acumular água;
IV - por imóveis dotados de piscinas, obrigados a m anter tratamento adequado de água de forma
a não permitir a instalação ou proliferação de mosq uitos;
V - por residências, estabelecimentos comerciais, instituições públicas e privadas ou terrenos, nos
quais existam caixas d’água, obrigados a mantê-las permanentemente tampadas, com vedação segura,
impeditiva da proliferação de mosquitos;
Contrato Nº
:
201/2015
Contrato Nº
:
203/2015
Contratante
:
PREFEITURA MUNICIPAL DE
Contratante
:
PREFEITURA MUNICIPAL DE
PINHALAO
PINHALAO
Contratada
:
RENATO NADALINI AGUIAR
Contratada
:
E C DE MORAIS - EIRELI -ME
Valor
:
1.800,00 (um mil e oitocentos
Valor: 71.775,00 (setenta e um mil setecentos e
reais)
setenta e cinco reais)
Vigência
:
Início: 09/12/2015 Término:
Vigência
:
Início: 09/12/2015 Término:
CAPÍTULO IV
DAS AÇÕES DE PREVENÇÃO, FISCALIZAÇÃO E REPRESSÃO POR PARTE DO PODER
PÚBLICO
Art. 7º. A Administração Pública Municipal, por mei o de seus agentes, sob a coordenação da
Secretaria Municipal de Saúde, fiscalizará o pleno cumprimento das disposições do artigo anterior,
Art. 8°. Os entes de que trata o caput do artigo 7° poderão realizar vistorias nos imóveis situados
no Município com o intuito de verificar a existência de criadouros ou focos de reprodução do mosquito.
§ 3º Os agentes públicos de vigilância sanitária estão autorizados a ingressar nos imóveis, ainda
que sem autorização do proprietário ou possuidor, q ue estiverem abandonados, desocupados, sem
acessões físicas ou que não apresentarem qualquer f orma de ocupação, desde que o façam com o objetivo
de realizar a vigilância epidemiológica no local.
§ 2°. Nos demais casos em que os agentes de fiscali zação e as autoridades sanitárias forem
fisicamente impedidos pelos proprietários ou possui dores de realizar a fiscalização nas áreas internas ou
externas da propriedade, o Município poderá se vale r das medidas executórias previstas na Lei Federal nº
09/01/2016
09/12/2016
Licitação
:
Inexigibilidade de Licitação Nº.:
Licitação
:
PREGÃO PRESENCIAL Nº.:
28/2015
61/2015
Recursos: Dotação: 2.048.3.3.90.39.00.00.00.00
Recursos: Dotação: 2.006.3.3.90.30.00.00.00.00
(326) Saldo: 12.000,00
(46), 2.015.3.3.90.30.00.00.00.00 (67)
Objeto: Contratação de empresa especializada
Objeto: Aquisição de materiais elétricos (lâm-
para prestação de serviço de entretenimento cir-
padas e base para relê) destinados à iluminação
cense, conforme itens do Processo de Licitação
pública municipal, conforme itens do Processo
nº 146/2015.
de Licitação nº 134/2015.
Pinhalão, 9 de Dezembro de 2015
Pinhalão, 9 de Dezembro de 2015
6.437/1977.
§ 3º Qualquer dano causado por agente público à imó vel particular, ainda que no regular
exercício de suas funções, deverá ser indenizado pe lo Poder Público, após regular processo administrativo
em que seja garantido o contraditório e a ampla def esa.
Art. 9º. A autoridade competente, constatando a pre sença de criadouros ou focos do mosquito,
lavrará auto de infração.
§ 1º. O primeiro auto de infração, de caráter educa tivo, servirá como notificação ao infrator e será
acompanhada de orientação sobre como proceder para a imediata eliminação dos eventuais riscos e sobre
as medidas a serem tomadas para que se previnam oco rrências de novos criadouros ou focos do mosquito.
§ 2º. Havendo reincidência por parte do infrator no que se refere à existência de focos do
mosquito, ou tendo os criadouros se transformados em focos, será lavrado novo auto de infração com
aplicação concomitante de multa, que será graduada em leve, moderada e grave, dependendo do número
de focos encontrados, atendendo-se os seguintes critérios.
I – infração leve: quando detectada a presença de 01 (um) a 02 (dois) focos do mosquito vetor na
fase de ovo, larva ou pupa;
II – infração moderada: de 03 (três) a 04 (quatr o) focos do mosquito vetor na fase de ovo,
larva ou pupa;
ESTADO DO PARANÁ
PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHALAO
EXTRATO CONTRATUAL
Contrato Nº
:
202/2015
Contratante
:
PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHALAO
Contratada: A R DA FONSECA SERVIÇOS E ENGENHARIA ELÉTRICA ME
Valor
:
5.616,00 (cinco mil seiscentos e dezesseis reais)
Vigência
:
Início: 09/12/2015 Término: 09/12/2016
Licitação
:
PREGÃO PRESENCIAL Nº.: 61/2015
Recursos: Dotação: 2.006.3.3.90.30.00.00.00.00 (46), 2.015.3.3.90.30.00.00.00.00 (67)
Objeto: Aquisição de materiais elétricos (lâmpadas e base para relê) destinados à iluminação
pública municipal, conforme itens do Processo de Licitação nº 134/2015.
Pinhalão, 9 de Dezembro de 2015
III – infração grave: de 05 ou mais focos do mosquito vetor na fase de ovo, larva ou pupa.
Art. 9º. As penalidades para as infrações descritas no § 2º do artigo anterior sujeitarão os
infratores às seguintes multas:
I – infrações leves: 15 URF – Unidade de Referência Fiscais do Município;
II – infrações moderadas: 25 URF - Unidade de Refer ência do Município;
III – infrações graves: 35 URF - Unidade de Referên cia do Município.
§ 1º. O infrator terá cinco dias úteis, contados do recebimento do auto de infração, para recorrer
das penalidades a ele aplicadas.
§ 2º. A apreciação de recursos provenientes de multas previstas nos incisos deste artigo será
realizada pelo Secretário(a) Municipal de Saúde que proferirá decisão sobre os fatos com dentro de 15
dias úteis.
§ 3º. Nos casos em que, após a aplicação das multa s previstas neste artigo, ainda forem
encontrados novos criadouros ou focos do mosquito, as multas serão aplicadas em dobro, aumentando de
forma exponencial a cada nova reincidência.
§ 4º. A arrecadação proveniente das multas previstas nesta Lei será destinada, integralmente, na
realização de ações de combate à dengue, em conta p rópria aberta para esta função.
Art. 10. Secretaria Municipal de Saúde deverá manter serviço permanente de esclarecimento à
população sobre as formas de prevenção à Dengue.
Art. 11. As despesas decorrentes da execução desta Lei correrão por contas das dotações
orçamentárias da Secretaria Municipal de Saúde e do Fundo Municipal de Saúde.
Art. 12. Esta Lei entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em
contrário.
Wenceslau Braz, 08 de dezembro de 2015.
WENCESLAU BRAZ
ATAHYDE FERREIRA DOS SANTOS JÚNIOR
PREFEITO MUNICIPAL
LEI COMPLEMENTAR Nº 015/2015
SÚMULA: ALTERA O ART. 33, INC. III E O ANEXO V DA LEI 2.615/2013
O povo do município de Wenceslau Braz, por seus representantes na Câmara Municipal, aprovou e eu, Prefeito Municipal, Atahyde Ferreira dos Santos Júnior, sanciono a seguinte lei:
Art. 1.º A Lei n° 2.615/2013 passa a vigorar com a seguinte redação:
I – Os Quadros 1, 2, 4, 5, 6, 8, 9 e 10 do Anexo V passam a vigorar com a seguinte redação:
ANEXO V –PARÂMETROS DE USO E OCUÇAÇÃO DO SOLO URBANO
QUADRO 1 – ZONA DE EXPANSÃO INDUSTRIAL – ZEI
USOS
OCUPAÇÃO
TESTADA
COEFICIENTE
TAXA DE
TAXA
RECUO
AFASTAM. DAS
PERMITIDOS
TOLERADOS
PERMISSÍVEIS
LOTE MÍNIMO
(m 2 )
MÍNIMA
DE
OCUPAÇÃO
PERMEABILIDADE
ALTURA MÁX. (PAVIMENTOS)
FRONTAL
DIVISAS
(m)
APROVEITAMENTO
MÁX. (%)
MÍN. (%)
(m)
(m)
-
Uso industrial tipo 1
-
Comércio e
-
Habitação unifamiliar
750,00
15,00
2
75%
20 %
- 3
- No caso de construção com divisa,
fica limitado altura máxima da
edificação de 10.00 metros, contada
a partir do pavimento térreo e
incluindo o telhado.
4
-
Uso industrial tipo 2
serviços de bairro
-
Habitações unifamiliares em
-
Uso industrial tipo 3
-
Comércio e
série
Facultado ou
1,5m em paredes com
aberturas
serviços gerais
-
Comércio e
serviços específicos
Obs 1: No caso de construção com divisa, fica limitado altura máxima da edificação de 10.00 metros, contada a partir do pavimento térreo e incluindo o telhado.
QUADRO 2 – ZONA INDUSTRIAL – ZI
USOS
OCUPAÇÃO
LOTE
MÍNIMO
(m 2 )
TESTADA
COEFICIENTE
TAXA DE
TAXA
RECUO
AFASTAM.
PERMITIDOS
TOLERADOS
PERMISSÍVEIS
MÍNIMA
DE
OCUPAÇÃO
PERMEABILIDADE
ALTURA MÁX. (PAVIMENTOS)
FRONTAL
DAS DIVISAS
(m)
APROVEITAMENTO
MÁX. (%)
MÍN. (%)
(m)
(m)
-
Uso industrial tipo 1
-
Comércio e serviços de
-
Habitação
750,00
15,0
2
75%
20 %
4
Facultado ou
-
Uso industrial tipo 2
bairro
unifamiliar
1,5m em
-
Uso industrial tipo 3
Comércio e serviços
gerais
-
-
Habitações
unifamiliares em
- Regra Geral: 3
- No caso de construção com divisa, fica limitado a ltura
máxima da edificação de 10.00 metros, contada a partir do
pavimento térreo e incluindo o telhado.
paredes com
aberturas
Comércio e serviços
específicos
-
série
Obs 1: No caso de construção com divisa, fica limitado altura máxima da edificação de 10.00 metros, contada a partir do pavimento térreo e incluindo o telhado.
QUADRO 4 - ZONA CENTRAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS – ZCCS
USOS
OCUPAÇÃO
TESTADA
COEFICIENTE
AFASTAM. DAS
TAXA DE OCUPAÇÃO
RECUO FRONTAL
PERMITIDOS
TOLERADOS
PERMISSÍVEIS
LOTE
MÍNIMO
(m 2 )
MÍNIMA
DE
TAXA
PERMEABILIDADE
ALTURA MÁX. (PAVIMENTOS)
DIVISAS
MÁX. (%)
(m)
(m)
APROVEITAMENTO
MÍN. (%)
(m)
-
Habitação
-
Habitação
-
Uso comunitário
300,00
10,00
5 - Térreo e 1º pavimento,
-
coletiva
unifamiliar
1 – creches,
Habitação
transitória 1 e 2
-
-
Habitações
assistência social;
em lote que possua rede
captação de água pluvial e
Lote com captação de
água pluvial e rede de
esgoto - 0%
- Regra Geral: Facultado
- No caso de construção com divisa,
fica limitado altura máxima da
- Regra Geral: 0
- No caso de lote de esquina, o recuo
mínimo obrigatório será para a testada que
unifamiliares em
-
Uso industrial
-
-
Uso comunitário
série
tipo 1
rede de esgoto – 100 %
- Térreo e 1º pavimento,
2 – Lazer e Cultura
-
Uso
-
Uso comunitário
em lote que não possua
Lote com captação de
água pluvial e rede de
esgoto - 15%
edificação de 10.00 metros, contada
a partir do pavimento térreo e
incluindo o telhado.
-
Uso comunitário
comunitário 2 –
2 – Culto Religioso
rede captação de água
pluvial e rede de esgoto –
80 %
- Demais pavimentos –
melhor se adequar ao projeto arquitetônico
e a outra testada deverá ter recuo mínimo
de 1,50 metros, independentemente da
largura.
Térreo -
alinhamento predial
podendo ser apenas
comercial
1º pavimento –
facultado
2º pavimento –
2 – Saúde
Ensino
1,560m
-
Comércio e
serviço vicinal
-
Comércio e
75%
Demais pavimentos
- 1,50+0,15m por
andar até 8º andar
serviços de bairro
-
Comércio e
serviços setoriais
Obs 1: A Taxa de Ocupação de 100% somente será permitida para lotes que possuem rede de captação de água pluvial e rede de esgoto.
Obs. 2: Caso não possua rede de esgoto a taxa de ocupação será de 80% e a permeabilidade de 15%.
Obs. 3: No caso de lote de esquina, o recuo mínimo obrigatório será para a testada que melhor se adequ ar ao projeto arquitetônico e a outra testada deverá ter recuo mínimo de 1,50 metros, independentemente da
largura.
Obs. 4: No caso de construção com divisa, fica limitado altura máxima da edificação de 10.00 metros, contada a partir do pavimento térreo e incluindo o t elhado.
QUADRO 5 - ZONA EXPANSÃO URBANA – ZEU
USOS
OCUPAÇÃO
TESTADA
COEFICIENTE
TAXA
ALTURA
AFASTAM. DAS
RECUO FRONTAL
PERMITIDOS
TOLERADOS
PERMISSÍVEIS
LOTE MÍNIMO
(m 2 )
MÍNIMA
DE
TAXA DE OCUPAÇÃO
MÁX. (%)
PERMEABILIDADE
MÁX.
DIVISAS
(m)
(m)
APROVEITAMENTO
MÍN. (%)
(PAV)
(m)
-
Habitação
-
Comércio e
- Habitações
unifamiliares em série;
De acordo com cada
Zona Residencial.
10,00
2
75%
20%
unifamiliar;
serviço vicinal;
-
Uso
- uso industrial tipo 1;
agropecuário;
-
Uso
extrativista;
- Regra Geral: 2
- No caso de construção
com divisa, fica limitado
altura máxima da
edificação de 10.00
metros, contada a partir
do pavimento térreo e
incluindo o telhado.
- Regra Geral: 4
- No caso de lote de esquina, o recuo
mínimo obrigatório será para a testada que
melhor se adequar ao projeto arquitetônico
e a outra testada deverá ter recuo mínimo
de 1,50 metros, independentemente da
largura.
Facultado ou
1,5m em paredes com
aberturas
Obs. 1:Na Zona de Expansão Urbana, segue os mesmos parâmetros das Zonas Residenciais de Baixa, Média e Alta Densidade para fins de loteamentos residenciais;
Obs. 2 : Na Zona Rural deverá atender o parâmetro mínimo de parcelamento do INCRA.
Obs. 3: No caso de lote de esquina, o recuo mínimo obrigatório será para a testada que melhor se adequar ao projeto arquitetônico e a outra testada deverá ter recuo mínimo de 1,50 metros, independentemente da
largura.
Obs. 4: No caso de construção com divisa, fica limitado altura máxima da edificação de 10.00 metros, contada a partir do pavimento térreo e incluindo o telhado.
QUADRO 6 - ZONA ESPECIAL DE INTERESSE SOCIAL – ZEIS
USOS
OCUPAÇÃO
AFASTAM.
COEFICIENTE
TAXA DE
RECUO
TESTADA MÍNIMA
TAXA PERMEABILIDADE
DAS
PERMITIDOS
TOLERADOS
PERMISSÍVEIS
LOTE
MÍNIMO
(m 2 )
DE
OCUPAÇÃO
ALTURA MÁX. (PAVIMENTOS)
FRONTAL
(m)
MÍN. (%)
DIVISAS
APROVEITAMENTO
MÁX. (%)
(m)
(m)
-
Habitação unifamiliar
-
Uso
-
Habitação
- Regra Geral: 10,00
2
75%
- 20%
- 4
3 Facultado ou

QUINTA-FEIRA,

10

DE DEZEMBRO DE 2015 - ED. 1454
DE
DEZEMBRO
DE
2015
-
ED.
1454

EDITAIS

B5

comunitário 2 – - No caso de construção com divisa, fica limitado altura máxima da edificação
comunitário 2 –
- No caso de construção com
divisa, fica limitado altura
máxima da edificação de
10.00 metros, contada a partir
do pavimento térreo e
incluindo o telhado.
Ensino
-
Uso industrial tipo 1
-
Comércio e serviço vicinal
-
Uso
-
Comércios e serviços
Comércio e Serviços de
Bairro
-
institucional
setoriais
Saúde
-
Uso comunitário 1
Obs 1: No caso de lote de esquina, o recuo mínimo obrigatório será para a testada que melhor se adequar ao projeto arquitetônico e a outra testada deverá ter recuo mínimo de 2,00 metros, independentemente da largura.
Obs 2: No caso de construção com divisa, fica limitado altura máxima da edificação de 10.00 metros, contada a partir do pavimento térreo e incluindo o telhado.
QUADRO 10 – ZONA RESIDENCIAL DE ALTA DENSIDADE – ZRAD
USOS
OCUPAÇÃO
LOTE
MÍNIMO
(m 2 )
TESTADA
COEFICIENTE
TAXA DE
TAXA
-
DE
OCUPAÇÃO
MÁX. (%)
PERMEABILIDADE
MÍN. (%)
(m) DIVISAS
RECUO FRONTAL
(m)
-
Habitação unifamiliar
-
Uso
AFASTAM. DAS
Habitação
200,00
10,00
3
75%
20 %
- Regra Geral: 8
- No caso de construção com
divisa, fica limitado altura máxima
da edificação de 10.00 metros,
contada a partir do pavimento
térreo e incluindo o telhado.
Regra Geral: 3
Facultado ou
1,5m em paredes com
aberturas
Habitações unifamiliares em
série
-
comunitário 2 –
Comércio e serviço vicinal
- Regra Geral: 8
- No caso de construção com divisa,
fica limitado altura máxima da
edificação de 10.00 metros, contada a
partir do pavimento térreo e incluindo
o telhado.
- Regra Geral: 3
- No caso de construção com
divisa, fica limitado altura
máxima da edificação de 10.00
metros, contada a partir do
pavimento térreo e incluindo o
telhado.
Facultado ou
1,5m em paredes
com aberturas
-
Habitações unifamiliares em
comunitário 2 –
institucional
série
Ensino
Uso industrial
-
-
20 %
-
Uso
tipo 1
-
Comércio e Serviços de Bairro
comunitário 2 –
Comércio e
-
-
Uso comunitário 1
Saúde
Serviços Setoriais
(m) DIVISAS
PERMITIDOS
TOLERADOS
PERMISSÍVEIS
MÍNIMA
(m)
APROVEITAMENTO
DE
OCUPAÇÃO
MÁX. (%)
PERMEABILIDADE
MÍN. (%)
ALTURA MÁX. (PAVIMENTOS)
APROVEITAMENTO
RECUO FRONTAL
(m)
-
Habitação unifamiliar
-
Uso
Habitação
-
125,00
10,00
2
75%
(m)
USOS
OCUPAÇÃO
LOTE
MÍNIMO
(m 2 )
TESTADA
COEFICIENTE
TAXA DE
TAXA
AFASTAM. DAS
PERMITIDOS
TOLERADOS
PERMISSÍVEIS
MÍNIMA
QUADRO 8 – ZONA RESIDENCIAL DE BAIXA DENSIDADE – ZRBD
APROVEITAMENTO
DE
OCUPAÇÃO
MÁX. (%)
PERMEABILIDADE
MÍN. (%)
ALTURA MÁX. (PAVIMENTOS)
RECUO FRONTAL
(m)
DIVISAS
(m)
-
Uso industrial
Habitações unifamiliares em série
comunitário 2 –
institucional
125,00
- Para Zonas Especiais
- No caso de construção com
divisa, fica limitado altura máxima
da edificação de 10.00 metros,
contada a partir do pavimento
térreo e incluindo o telhado.
- No caso de lote de esquina, o recuo
mínimo obrigatório será para a testada
que melhor se adequar ao projeto
arquitetônico e a outra testada deverá
ter recuo mínimo de 1,50 metros,
independentemente da largura.
1,5m em
-
Comércio e serviço vicinal
Ensino
-
Habitação unifamiliar
de Interesse Social –
ZEIS consolidadas a
paredes com
-
Uso comunitário 1
- Uso
comunitário 2 –
Saúde
tipo 1
aberturas
-
Comércio e
testada mínima será de
7,50 metros.
Serviços Setoriais
Obs. 1: Para Zonas Especiais de Interesse Social – ZEIS consolidadas a testada mínima será de 7,50 metros.
Obs. 2: No caso de construção com divisa, fica limitado altura máxima da edificação de 10.00 metros, contada a partir do pavimento térreo e incluindo o telhado.
Obs. 3: No caso de lote de esquina, o recuo mínimo obrigatório será para a testada que melhor se adequar ao projeto arquitetônico e a outra testada deverá ter recuo mínimo de 1,50 metros,
independentemente da largura.
TESTADA
Comércio e Serviços de Bairro
comunitário 2 –
Comércio e
-
-
Uso comunitário 1
Saúde
Serviços Setorias
Obs 1: No caso de lote de esquina, o recuo mínimo obrigatório será para a testada que melhor se adequar ao projeto arquitetônico e a outra testada deverá ter recuo mínimo de 1,50 metros, independentemente da largura.
Obs 2: No caso de construção com divisa, fica limitado altura máxima da edificação de 10.00 metros, contada a partir do pavimento térreo e incluindo o telhado.
QUADRO 9 – ZONA RESIDENCIAL DE MÉDIA DENSIDADE – ZRMD
USOS
OCUPAÇÃO
-
COEFICIENTE
TAXA DE
TAXA
(PAVIMENTOS)
ALTURA MÁX.
AFASTAM. DAS
PERMITIDOS
TOLERADOS
PERMISSÍVEIS
LOTE MÍNIMO
(m 2 )
MÍNIMA
(m)
-
-
Uso
Habitação
-
200,00
10,00
3
75%
20 %
- Regra Geral: 8
- No caso de construção com divisa, fica
limitado altura máxima da edificação de
10.00 metros, contada a partir do
pavimento térreo e incluindo o telhado.
- Regra Geral: 3
- No caso de construção com
divisa, fica limitado altura máxima
da edificação de 10.00 metros,
contada a partir do pavimento
térreo e incluindo o telhado.
Facultado ou
1,5m em paredes com
aberturas
-
Habitações unifamiliares em
comunitário 2 –
Ensino
institucional
série
Uso industrial
-
-
Comércio e serviço vicinal
-
Uso
tipo 1

Obs 1: No caso de lote de esquina, o recuo mínimo obrigatório será para a testada que melhor se adequar ao projeto arquitetônico e a outra testada deverá ter recuo mínimo de 1,50 metros, independentemente da largura. Obs 2: No caso de construção com divisa, fica limitado altura máxima da edificação de 10.00 metros, contada a partir do pavimento térreo e incluindo o telhado. II – O inc. III do art. 34 também passa a ter a seguinte redação:

“Art. 34. Os usos de serviços classificam-se em:

( ) ... III - Serviço Setorial: atividades prestadoras de serviços, destinadas a um atendimento de maior abrangência, tais como: buffet com salão de festas, clínicas, edifícios de escritórios, entidades financeiras, escritório de comércio atacadista, imobiliárias, sede de empresas, “servcar”, serviços de lavagem de veículos, serviços públicos, cooperativas, agenciamento de cargas, depósitos, armazéns, transportadoras e congêneres;” Art. 2.º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

ATAHYDE FERREIRA DOS SANTOS JÚNIOR PREFEITO MUNICIPAL

LEI COMPLEMENTAR Nº 016/2015

Wenceslau Braz, 08 de dezembro de 2015.

SÚMULA: ALTERA A LEI 2.618/2013 (CÓDIGO DE OBRAS). O povo do município de Wenceslau Braz, por seus representantes na Câmara Municipal, aprovou e eu, Prefeito Municipal, Atahyde Ferreira dos Santos Júnior, sanciono a seguinte lei:

Art. 1.º A Lei n° 2.618/2013 passa a vigorar com a seguinte redação:

I – o caput do art. 34 passa a vigorar com a seguinte redação:

“Art. 34. Nas edificações a serem reformadas com mudança de uso e com comprovada existência regular antes da vigência deste Código, poderão ser aceitas, para a parte existente e a critério da Prefeitura Municipal de Wenceslau Braz, soluções que, por implicações de caráter estrutural, não atendam integralmente às disposições previstas na Lei de Uso e Ocupação do Solo, relativas a dimensões e recuos, desde que não comprometam a salubridade nem acarretem redução da segurança.” II - o caput do art. 35 passa a vigorar com a seguinte redação:

“Art. 35. As edificações irregulares, no todo ou em parte, poderão ser regularizadas e reformadas por meio de soluções relativas a dimensões e recuos que, a critério da Prefeitura Municipal de Wenceslau Braz, não atendam integralmente às disposições previstas nesta Lei e na Lei de Uso e Ocupação do Solo, desde que não comprometam a salubridade nem acarretam redução da segurança. Parágrafo único: ” ... III – os incisos II e IV do art. 71 passam a vigorar com a seguinte redação:

“Art. 71. O rebaixamento do meio-fio é permitido apenas para acesso dos veículos, observando-se que:

( ) ... II - será permitida para cada lote, uma rampa com largura máxima de 5,0 m (cinco metros), medidos no alinhamento; ( ) ... IV - o eixo da rampa deverá situar-se a uma distância mínima de 2,0. (dois metros da esquina, entendida como o ponto de intersecção dos alinhamentos do lote.” IV – o caput do art. 131 passa a ter a seguinte redação:

Art. 131. Todas as edificações comerciais e industriais, segundo sua ocupação, uso e carga de incêndio, deverão dispor de sistema de proteção contra incêndio, alarme e condições de evacuação, sob comando ou automático, conforme as disposições e normas técnicas específicas. V – o inciso I do art. 169 passa a ter a seguinte redação:

“Art. 169. A construção de marquises na testada dos edifícios deverá obedecer as seguintes condições:

I - para construções no alinhamento predial, não exceder a balanço máximo de 0,60m (sessenta centímetros);” VI - o art. 170 passa a ter parágrafo único e seu inciso II passa a ter a seguinte redação:

“Art. 170. As sacadas em balanço a serem construídas nos recuos frontais, laterais e de fundo, deverão obedecer as seguintes condições:

( ) ... II - balanço máximo igual a 1,50m (um metro e cinquenta centímetros), obedecendo ao critério de que o afastamento das divisas deverá ser de no mínimo 1,50 m (um metro e cinquenta centímetros); ( ) ... Parágrafo único: Caso a sacada esteja na divisa, deverá possuir fechamento com material opaco com altura mínima de 2,20m (dois metros e vinte centímetros).” VII – o inciso V do art. 208 passa a ter a seguinte redação:

“Art. 208. Para efeito deste Código, os compartimentos são classificados em:

( ) ... V - em nenhum caso a área dos vãos poderá ser inferior a 36 cm² (trinta e seis centímetros quadrados).”

VIII – os incisos I e II do art. 213 passam a ter a seguinte redação:

“Art. 213. O duto de exaustão vertical deverá ter:

I - área mínima de 0,40m² (quarenta centímetros qua drados);

  • II - seção transversal capaz de conter um círculo d e 0,40m (quarenta centímetros) de diâmetro.”

IX – o § 1º do art. 237 fica revogado. X – o art. 238 passa a ter a seguinte redação

“Art. 238. O local para guarda de veículos deverá constar do projeto, podendo ser utilizados os recuos obrigatórios, desde que descobertos.” XI – o inciso IV do art. 263 passa a ter a seguinte redação:

“Art. 263. As edificações não residenciais deverão ter:

( ) ... IV - corredores de circulação com largura mínima de 1,20m (um metro e vinte centímetros);” XII – os incisos II, III, IV, V e VI do art. 271 pa ssam a ter a seguinte redação:

“Art. 271. As edificações destinadas a comércio em geral, deverão ter:

( ) ...

  • II - área de 100,0 m² (cem metros quadrados) para p é-direito de 3,0 m (três metros);

III - entre 100,0 m² (cem metros quadrados) e 200,0 m² (duzentos metros quadrados) para pé-direito de 3,20m (três metros e vinte centímetros); IV - acima de 200,0 m² (duzentos metros quadrados) para pé-direito de 3,5m (três metros e cinquenta centímetros).

V - vãos de iluminação e ventilação com área não inferior a 1/15 (um quinze avos) da área útil dos com partimentos, incluindo as portas de entrada;

  • VI - portas gerais de acesso ao público, com uma la rgura mínima de 0,80 m (oitenta centímetros);

( )” ... XIII - os incisos I, VII e VIII do art. 286 passam a ter a seguinte redação:

“Art. 286. Para construção de mercados particulares no Município serão observadas as seguintes exigênc ias:

I - as portas para os logradouros deverão ter largu ra mínima de 1,50m (um metro e cinquenta centímetros); ( ) ... VII - a superfície de ventilação permanente em plano vertical, janelas ou lanternins não será inferior a 1/15 (um quinze avos) do piso; VIII - deverá haver pelo menos uma instalação sanitária para atendimento ao público; ( )” ...

XIV – o caput do art. 295 terá a seguinte redação:

“Art. 295. Serão admitidos outros pavimentos, desde que para uso exclusivo da administração escolar ou para aplicação de aulas do ensino fundamental, méd io ou de jovens e adultos.” XV – os incisos II, III e IV do art. 303 passam a t er a seguinte redação:

“Art. 303. Pavilhões são edificações destinadas, ba sicamente, a instalações de atividades de depósito, comércio atacadista, armazéns e indústrias, devendo atender as seguintes condições:

( ) ...

  • II - ter pé-direito mínimo de:

    • a) área até 100,0 m² (cem metros quadrados) pé-direito mínimo de 3,0 m (três metros);

    • b) entre 100,0 m² (cem metros quadrados) e 200,0 m² (d uzentos metros quadrados) pé-direito mínimo de 3,2m (três metros e vinte centímetros);

    • c) acima de 200,0 m² (duzentos metros quadrados) pé-direito mínimo de 3,50m (três metros e cinquenta centímetros).

B6 EDITAIS QUINTA-FEIRA, 10 DE DEZEMBRO DE 2015 - ED. 1454 III - ter nos locais
B6
EDITAIS
QUINTA-FEIRA,
10
DE
DEZEMBRO
DE
2015
-
ED.
1454
III - ter nos locais de trabalho vãos de iluminação e ventilação com área equivalente a 1/15 (um quinz e avos) da área útil;
IV - ter pelos um conjunto sanitário com chuveiro; e”
XVI - o parágrafo único do art. 322 passa a ter a seguinte redação
“Art. 322. Consideram-se residências em série, tran sversais ao alinhamento predial, geminadas ou não, em regime de condomínio, aquelas cuja disposição ex ija a abertura de corredor de acesso, não podendo s er
superior a 10 (dez) o número de unidades no mesmo a linhamento, com testada mínima de 5,00 m (cinco metros) para cada unidade.
Parágrafo único: O terreno, no todo ou em parte, poderá ser desmembrado em várias propriedades de uma só pessoa ou em condomínio”
XVII – o art. 323 passa a ter inciso II e seu §3º p assa a ter a seguinte redação:
“Art. 323. As residências em série, paralelas e ou transversais ao alinhamento predial, deverão obedecer às seguintes condições:
( ) ...
II – para o cálculo da taxa de ocupação, a área a ser considerada é a soma das áreas constr
( ) ...
§ 3o - As residências em série, transversais ao alinhamento predial, deverão ter corredores de acesso, de acordo com o quadro a seguir:”
Largura mínima do corredor de
acesso em m³
Com único acesso
Com dois ou mais acessos
3,20
Até 4 unidades
De 4 a 10 unidades
De 10 a 20 unidades
Até 16 unidades
6,00
17 e 18 unidades
7,00
19 e 20 unidades
XVIII – o art. 341 passa a ter parágrafo único e a alínea “b” do seus inciso V e seus incisos XVIII, XIX e XX passam a ter a seguinte redação:
“Art. 341. O pedido de Alvará de Aprovação será instruído com:
( ) ...
V - 03 (três) cópias do projeto, que deverá conter, obrigatoriamente, as seguintes informações:
( ) ...
b) planta esquemática de situação do lote, com orienta ção do norte magnético, nome de logradouros e dos passeios contíguos ao lote, distância do lote à esqu ina mais próxima, indicação da numeração do lote a ser
construído, quando houver, e cota do lote.
( ) ...
XVIII – a critério da autoridade competente, projet o das instalações hidráulico-sanitárias e elétricas, na escala mínima 1:100;
XIX – para edificações com mais de três pavimentos, projeto estrutural;
XX - projeto de prevenção de incêndio, aprovado pelo Corpo de Bombeiros, para edificações com mais de 750,00m² (setecentos e cinquenta metros quadrados);
Parágrafo único: Poderá ser emitido o alvará de con strução sem a apresentação do projeto aprovado pelo Corpo de Bombeiros, desde que o requerente apresen te termo de responsabilidade do assinado pelo autor do
projeto e pelo responsável técnico e suas respectivas ART e RRT.”
XIX – o art. 344 passa a ter a seguinte redação:
“Art. 344. Em caso de erro ou insuficiência de elem entos, o requerente será notificado, dentro do prazo de 15 (quinze) dias contados da data da entrada d o projeto na Prefeitura Municipal, a fim de satisfa zer as
exigências formuladas ou dar os esclarecimentos que forem julgados necessários.”
XX – o Anexo I passa a ter a seguinte redação:
ANEXO I: DIMENSÕES MÍNIMAS DE VAGAS DE ESTACIONAMEN TO
Inclinação da Vaga
Tipo de Veículo
Dimensão (m)
30°
45°
60°
90°
Altura
2,10
2,10
2,10
2,10
2,10
Largura
2,30
2,30
2,30
2,30
2,30
Automóvel e Utilitário
Comprimento
4,00
3,00
3,50
3,50
3,50
Faixa manobra
3,00
2,75
2,90
4,30
4,60
Altura
3,50
3,50
3,50
3,50
3,50
Largura
3,20
3,20
3,20
3,20
3,20
Ônibus e Caminhões
Comprimento
13,00
12,00
12,00
12,00
12,00
Faixa manobra
5,40
4,70
8,20
10,85
14,50
XXI – o Anexo II passa a ter a seguinte redação:
Diâmetro
ANEXO II: DIMENSÕES MÍNIMAS DOS CÔMODOS PARA RESIDÊ NCIAS
Área
Pé Direito
Iluminação
Ventilação
Profundidade
Cômodo
Círculo
Mínima
Mínimo
Mínima
Mínima
Máxima
Inscrito (m)
(m²)
(m)
Vestíbulo
0,80
-
-
- 2,30
-
Sala de Estar
2,50
8,00
1/8
1/16
2,50
3 vezes o pé direito
Sala de Refeições
2,00
6,00
1/8
1/16
2,50
-
Copa/Cozinha
1,80
5,00
1/8
1/16
2,50
-
1º e 2 º Quartos
2,50
8,00
1/8
1/16
2,50
-
Demais Quartos
2,00
5,00
1/8
1/16
2,50
-
Banheiro
1,00
1,50
1/8
1/16
2,20
-
Lavanderia
1,40
2,50
1/10
1/20
2,20
-
Depósito
1,00
1,50
-
- 2,10
-
Garagem
2,20
9,00
1/15
1/30
2,20
3 vezes o pé direito
Abrigo
1,00
-
-
- 2,20
-
Despensa
1,00
1,50
1/10
1/20
2,50
-
Corredor
0,80
-
-
- 2,30
-
Escritório
2,00
6,00
1/8
1/16
2,50
3 vezes o pé direito
Escada
0,80
-
-
- 2,00
-
XXII – o Anexo III passa a ter a seguinte redação:
ANEXO III: DIMENSÕES MÍNIMAS DOS CÔMODOS PARA HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL E CASAS POPULARES
Diâmetro
Área
Iluminação
Ventilação
Pé Direito
Círculo
Mínima
Profundidade Máxima
Cômodo
Mínima
Mínima
Mínimo
(m)
Inscrito (m)
(m²)
Salas
2,50
7,00
1/8
1/16
2,50
3 vezes o pé direito
Cozinha
1,80
4,00
1/8
1/16
2,30
-
Quartos
2,00
5,00
1/8
1/16
2,50
-
Banheiro
1,00
1,50
1/8
1/16
2,20
-
Corredor
0,80
-
-
-
2,10
-
Escada
0,80
-
-
- 2,00
-
XXIII – o Anexo V passa a ter a seguinte redação:
ANEXO V - VAGAS PARA ESTACIONAMENTO
Categoria
Tipo
Número de vagas para estacionamento ou garagem (25,00 m 2
cada vaga)
Residência Isolada
Residência Geminada
Residência em Série ou Habitação Coletiva
Comércio de pequeno e médio porte (<400 m 2 )
Facultado
Edificações Residenciais
1 vaga para cada unidade residencial
1 vaga para cada unidade residencial.
Facultado
Comércio de grande porte (>300 m 2 )
1 vaga para cada 25,00 m 2 de área construída.
IBAITI
Edificações de Comércio
Varejista
vaga para cada 50,00m 2 de área destinada à venda e pátio de
carga e descarga com as seguintes dimensões:
1
Centro Comercial
Shopping Center
Supermercado e Hipermercado
-
até 2.000,00 m 2 de área construída: mínimo de 150,00 m 2
;
PREFEITURA MUNICIPAL DE IBAITI –PARANÁ
Aviso de licitação
acima de 2.000,00 m 2 de área construída: 150,00 m 2 mais
150,00 m 2 para cada 1.000,00 m 2 de área construída
excedente.
Área de estacionamento/espera deve ser maior ou igual a 30%
da área construída e área do pátio de carga e descarga.
-
PREGÃO PRESENCIAL
Edital nº 055/2015
Processo Administrativo nº 352/2015.
Edificações para Comércio
Atacadista
Edificações para Indústria
Comércio Atacadista em geral
OBJETO: AQUISIÇÃO DE VEÍCULOS DESTINADOS AO
Indústria em geral
Exceto para os demais usos especificados nesta Tabela
1 vaga para cada 50,00 m 2 de área construída.
TRANSPORTE ESCOLAR, conforme especificações e denomi-
Facultado
nações constantes no Termo de Referência do presente Edital.
Edificações de Prestação de
Serviço
Restaurante, lanchonete, boate, clube noturno, discoteca, casa
de show, danceteria, café concerto, salão de baile, restaurante
dançante.
CRITÉRIO DE JULGAMENTO: Menor Preço Por item
1
vaga para cada 50,00 m 2 de área construída.
Valor MÁXIMO da Proposta: R$ 545.320,00 (Quinhentos e Qua-
renta e Cinco Mil, Trezentos e Vinte Reais).
Protocolo dos envelopes Proposta e Habilitação: até as 09:00
Edificações para fins
Culturais
Auditório, Teatro, Anfiteatro, Cinema, Salão de Exposições,
Biblioteca e Museu.
Clube Social/Esportivo, Ginásio de Esportes, Estádio,
Academia.
Cancha Poliesportiva
Templo, Capela, Casa de Culto e Igreja
1
vaga para cada 12,50 m 2 de área destinada aos espectadores.
(nove horas) do dia 22/12/2015 (vinte e dois dias de dezembro de
2015).
Edificações para fins
Recreativos e Esportivos
1
vaga para cada 12,50 m 2 de área construída.
Credenciamento: até as 09:00 (nove horas) do dia 22/12/2015
1 vaga para cada 25,00 m 2 de área construída.
(vinte e dois dias de dezembro de 2015).
Edificações para fins
Religiosos
Facultado
Até 100,00 m 2 de área construída, será facultado.
Abertura da Licitação: as 09:00 (nove horas) do dia 22/12/2015
(vinte e dois dias de dezembro de 2015).
Acima de 100,00 m 2 de área construída:
Local da realização da licitação: Sala de Reuniões do Paço
-
Área administrativa: 1 vaga a cada 80,00 m 2 de área
construída;
Municipal, Praça dos Três Poderes nº 23, CEP 84.900-000, Ibaiti,
Estado do Paraná.
-
Ônibus: 30% da área destinada a salas de aula;
Edificações para fins
Educacionais
Retirada do Edital: Disponível na íntegra no site do Município
Ensino básico:
-
Será obrigatória canaleta interna, para embarque e
desembarque de veículos, com largura mínima de 2,50 m
e com área de acumulação (canaleta de espera) na
proporção de 5,00 m para cada 100,00 m 2 de área
destinada a salas de aula, até 400,00 m 2 e 5,00 m para
de Ibaiti no endereço eletrônico www.ibaiti.pr.gov.br ou junto ao
Departamento de Compras e Licitações da Prefeitura Municipal
de Ibaiti/Pr.
Ibaiti, dez dias de dezembro de 2015
cada 200,00 m 2 de área excedente.
Roberto Regazzo
Prefeito Municipal
B6 EDITAIS QUINTA-FEIRA, 10 DE DEZEMBRO DE 2015 - ED. 1454 III - ter nos locais
EDITAIS B7 QUINTA-FEIRA, 10 DE DEZEMBRO DE 2015 - ED. 1454 Até 100,00 m 2 de
EDITAIS
B7
QUINTA-FEIRA,
10
DE
DEZEMBRO
DE
2015
-
ED.
1454
Até 100,00 m 2 de área construída será facultado.
Acima de 100,00 m 2 de área construída:
Ensino Médio
Profissionalizante em geral
-
Área administrativa: 1 vaga para cada 80,00 m 2 de área
construída e 1 vaga para cada 50,00 m 2 de área destinada
a sala de aula.
Até 100,00 m 2 de área construída será facultado.
Acima de 100,00 m 2 de área construída:
Escolas de Artes e Ofícios
Ensino não seriado
-
Área administrativa: 1 vaga para cada 80,00 m 2 de área
construída e 1 vaga para cada 25,00 m 2 de área destinada
a sala de aula.
Hotéis
Alojamento
Entidades Financeiras
Bancos
1 vaga para cada 3 unidades de alojamento.
Facultado.
Art. 2.º Esta Lei entra em vigor na data de sua pub licação, revogadas as disposições em contrário.
Wenceslau Braz, 08 de dezembro de 2015.
ATAHYDE FERREIRA DOS SANTOS JÚNIOR
PREFEITO MUNICIPAL
CONVITE
A Presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente – CMDCA, no uso de suas atribuições legais garantidas pela
Lei Municipal nº. 2.040/2007 e alterada pela Lei Municipal 2.695/15 vem convocar os membros deste Conselho, as Autoridades do
Município e toda a Sociedade Brasense, para participarem da Solenidade de Posse dos novos CONSELHEIROS TUTELARES gestão
JUNDIAÍ DO SUL
2016/2019.
B
300 HORAS
Serviços de solda, corte e esquentar peças
105,00
31.500,00
NILTON GALDINO JÚNIOR
DATA: 08 de Janeiro de 2016.
HORA: 10h00min horas
LOCAL: Câmara Municipal de Wenceslau Braz/PR.
A sua presença é imprescindível, pois serão discutidos assuntos de grande relevância. CONTO COM A SUA PRESENÇA E PARTICIPAÇÃO.
Na certeza da presença de todos, agradecemos antecipadamente.
Wenceslau Braz, 08 de dezembro de 2015.
(oxigênio), serviços a serem realizados em
CNPJ: 79.188.009/0001-28
oficina do contratado
C
300 HORAS
Serviços de solda elétrica com acabamento
79,00
23.700,00
NILTON GALDINO JÚNIOR
(eletrodos), serviços a serem realizados em
CNPJ: 79.188.009/0001-28
oficina do contratado.
D
200 HORAS
Serviços para solda MIG, com serviços a
serem realizados na oficina do contratado
105,00
21.000,00
NILTON GALDINO JÚNIOR
CNPJ: 79.188.009/0001-28
Suzana Aparecida de Souza
Presidente do CMDCA
E
3000
HORAS
Serviços Mecânicos diversos tais como:
69,50
208.500,00
recuperações de chassi, carcaça meia ponta
e ponta inteira, diferencial, cambio, caixa de
direção hidráulico, caixa de sistema de
UNIÃO EQUIPAMENTOS
RODOVIÁRIOS LTDA EPP
CNPJ/MF: 00.545.887/0001-01
LEI COMPLEMENTAR Nº 017/2015
SÚMULA: ALTERA O ART. 22 DA LEI 2.616/2013.
O povo do município de Wenceslau Braz, por seus rep resentantes na Câmara Municipal,
aprovou e eu, Prefeito Municipal, Atahyde Ferreira dos Santos Júnior, sanciono a seguinte lei:
tração, carcaça servo do freio, carcaça da
cuíca, montagem e desmontagem de motor,
cardan, suspensão dianteira, traseira e 3º
eixo, freios, embreagem, sistema
pneumáticos de válvula, embuchamento
Art. 1.º A Lei n° 2.616/2013 passa a vigorar com a seguinte redação:
diversos, engrenagem (fresa), em
caminhões, ônibus e equipamentos.
I – O caput e parágrafo único do art. 22 passa a vigorar com a seguinte redação:
F
2000
HORAS
Recuperações e Retífica de: Bomba e
83,00
166.000,00
“Art. 22. Na área urbana, as quadras normais não p oderão ter comprimento inferior a
40,00m (quarenta metros) e superior a 250,00m (duzentos e cinquenta metros), salvo
para incorporação ao traçado do sistema viário existente, desde que não ultrapasse o
dobro desta exigência e que seja autorizado pelo órgão competente do Município.
Parágrafo único: Para quadras que excederem o comprimento de 250,00m (duzentos e
cinquenta metros) poderão ser exigidas vias de pede stres localizadas e dimensionadas
pelo órgão competente do Município.”
Art. 2.º Esta Lei entra em vigor na data de sua pub licação, revogadas as disposições em contrário.
Wenceslau Braz, 08 de dezembro de 2015.
Bicos injetores de motores diesel de 06 (seis)
AUTO PECAS JOAOZINHO
LTDA – ME
cilindros, aspirados e/ou turbo-alimentados,
mecânicos ou eletrônicos, em caminhoes,
onibus e equipamentos rodoviários.
CNPJ/MF:14.341.562/0002-94
Assim sendo, ficam as proponentes citadas vencedores, cabendo a autoridade superior a homologação do presente Pregão, que totaliza a
quantia de R$ 464.700,00 (quatrocentos e sessenta e quatro mil e setecentos reais).
Jundiaí do Sul – PR, 09 de dezembro de 2015.
Fernanda Aline de Andrade
Pregoeira
ATAHYDE FERREIRA DOS SANTOS JÚNIOR
PREFEITO MUNICIPAL
PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL
ESTADO DO PARANÁ
PORTARIA nº. 472/2015
O Sr. ATAHYDE FERREIRA DOS SANTOS JÚNIOR, Prefeito Municipal de Wenceslau Braz -
Estado do Paraná, no uso de suas atribuições que lh e são conferidas por lei,
RESOLVE:
TERMO DE HOMOLOGAÇÃO DO PREGÃO PRESENCIAL Nº.014/2015
Artigo 1º - CONCEDER FÉRIAS, regulamentares ao serv idor EMERSON RODRIGO CEZAR,
portador do RG: 11.083.573-6-SSP/PR, na função de VIGIA, a gozar férias de direito de 10 de
Janeiro de 2016 a 09 de Fevereiro de 2016, referente ao período aquisitivo de 2014/2015.
Artigo 2º - Esta portaria entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições
em contrário.
Homologo a decisão da senhora Pregoeira,a qual foi nomeada através da Portaria nº. 006 de 05 de janeiro de 2015, que adjudica o PREGÃO
PRESENCIAL 014/2015, que tem como objeto CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA FORNECIMENTO DE SERVIÇOS MECÂNICOS,
TORNO E SOLDA, RECUPERAÇÃO E RETÍFICA DE BOMBA E BICOS INJETORES DE MOTORES DIESEL, NÃO EXECUTÁVEIS NA
OFICINA DA PREFEITURA, NA MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA DAS MÁQUINAS, CAMINHÕES E ONIBUS QUE COMPÕEM A
FROTA OFICIAL DO MUNICÍPIO, CONFORME A NECESSIDADE POR OCORRENCIA PARA ATENDER A VÁRIOS DEPARTAMENTOS
MUNICIPAIS, atendendo à solicitação do Departamento Municipal de Educação e Cultura e do Departamento de Transportes, Obras Públicas,
Habitação, Urbanismo e Saneamento, por um período estimado de 12 meses a favor das seguintes empresas:
Wenceslau Braz, 09 de Dezembro de 2015.
ATAHYDE FERREIRA DOS SANTOS JÚNIOR
PREFEITO MUNICIPAL
Item
Quant
Unid.
Descrição dos produtos ou serviços
Lance
Valor
VENCEDORAS
.
Unitário
Total
Vencedor
A
200
HORAS
Serviços de torno mecânico a ser realizado
em oficina própria do contratado.
70,00
14.000,00
NILTON GALDINO JÚNIOR
CNPJ: 79.188.009/0001-28
B
300
HORAS
Serviços de solda, corte e esquentar peças
105,00
31.500,00
NILTON GALDINO JÚNIOR
PORTARIA nº. 473/2015
O Sr. ATAHYDE FERREIRA DOS SANTOS JÚNIOR, Prefeito Municipal de Wenceslau
Braz - Estado do Paraná, no uso de suas atribuições que lhe são conferidas por lei,
RESOLVE:
(oxigênio), serviços a serem realizados em
CNPJ: 79.188.009/0001-28
oficina do contratado
C
300
HORAS
Serviços
de
solda
elétrica
com
79,00
23.700,00
NILTON GALDINO JÚNIOR
acabamento (eletrodos), serviços a serem
CNPJ: 79.188.009/0001-28
realizados em oficina do contratado.
Artigo 1º - CONCEDER FÉRIAS, regulamentares ao servidor NATTAN IGOR DE
MATOS, portador do RG: 12.481.846-0-SSP/PR, na função de FISCAL DE OBRAS,
CONSTRUÇÃO E POSTURA, a gozar férias de direito de 04 de Janeiro de 2016 a 24
de Janeiro de 2016, referente ao período aquisitivo de 2014/2015.
Artigo 2º - Esta portaria entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as
disposições em contrário.
D
200
HORAS
Serviços para solda MIG, com serviços a
serem realizados na oficina do contratado
105,00
21.000,00
NILTON GALDINO JÚNIOR
CNPJ: 79.188.009/0001-28
E
3000
HORAS
Serviços Mecânicos diversos tais como:
69,50
208.500,00
recuperações de chassi, carcaça meia
ponta e ponta inteira, diferencial, cambio,
caixa de direção hidráulico, caixa de
sistema de tração, carcaça servo do freio,
carcaça da cuíca, montagem e
desmontagem de motor, cardan,
suspensão dianteira, traseira e 3º eixo,
freios, embreagem, sistema pneumáticos
de válvula, embuchamento diversos,
UNIÃO EQUIPAMENTOS
RODOVIÁRIOS LTDA EPP
CNPJ/MF: 00.545.887/0001-01
Wenceslau Braz, 09 de Dezembro de 2015.
ATAHYDE FERREIRA DOS SANTOS JÚNIOR
PREFEITO MUNICIPAL
engrenagem (fresa), em caminhões,
JABOTI
ônibus e equipamentos.
F
2000
HORAS
83,00
166.000,00
AUTO PECAS JOAOZINHO
LTDA – ME
CNPJ/MF:14.341.562/0002-94
AVISO DE LICITAÇÃO
PREGÃO PRESENCIAL N. º 54/2015
Recuperações e Retífica de: Bomba e
Bicos injetores de motores diesel de 06
(seis) cilindros, aspirados e/ou turbo-
alimentados, mecânicos ou eletrônicos, em
caminhoes, onibus e equipamentos
rodoviários.
(Resumo para fins de publicação)
Totalizando a quantia de R$ 464.700,00 (quatrocentos e sessenta e quatro mil e setecentos reais).
A PREFEITURA MUNICIPAL DE JABOTI, Estado do Paraná, torna público que fará realizar licita-
ção, conforme segue:
Jundiaí do Sul – PR, 09 de dezembro de 2015.
1
- MODALIDADE: Pregão Presencial nº. 54/2015. TIPO DE LICITAÇÃO: Menor Preço Por item.
Sebastião Egidio Leite
Prefeito Municipal
2
– OBJETO: Seleção de Proposta para AQUISIÇÃO DE UM ONIBUS URBANO USADO, COM
CAPACIDADE MINIMA DE 42 (QUARENTA E DUAS) LUGARES, ANO MINIMO DE FABRICAÇÃO
2007, MOTOR DIESEL, POLTRONAS ALTAS FIXAS E ESTOFADAS, ASSOALHO EM ALUMI-
NIO, MOTOR 4 CILINDROS, POTENCIA MINIMA DE 175 CAVALOS, POSSUINDO 5 MARCAS A
FRENTE E 1 A RÉ, GARANTIA DE CAMBIO E MOTOR 3 MESES SEM LIMITE DE QUIILOMETRA-
GEM.
PINHALÃO
LEI Nº. 1395/2015
Súmula: “Estima a Receita e fixa a Despesa do Município de Pinhalão, para o exercício finan-
3
- ABERTURA DOS ENVELOPES: Dia 23/12/2015 às 09:00 na Prefeitura Municipal de Jaboti.
ceiro de 2016, altera os anexos da Lei PPA 2014-2017 de nº 1151/2013 de 27/08/2013 e da LDO
1363/2015 de 30/09/2015”.
A Câmara Municipal de Pinhalão, Estado do Paraná aprovou, e, Eu, Claudinei Benetti, Prefeito
4
– INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES: Departamento de Licitação, Prefeitura Municipal de
Municipal sanciono a seguinte lei:
Jaboti, na Praça Minas Gerais, 175, no horário das 08h00minh às 11h00min. e das 13h00minh às
16h00min. Edital Completo no site www.jaboti.pr.gov.br.
TÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES COMUNS
Art. 1º. O orçamento