Вы находитесь на странице: 1из 150

Página 1

Ben Oliveira

E-mail: benoliveira@msn.com

Este Livro faz parte da Coleção Public Ebooks;


que está disponível da NET, sem nenhum custo.

1º - Abominação Desoladora 2040 D.C.


2º - Filho do Homem
3º - Bem-aventurados 2040 D.C.
4º - Depois da Morte: Inferno e Paraíso

Se quiser, você pode ajudar de duas formas:


I – Divulgando os livros no seu blog.
II – Solicitando palestra com autor.

Nosso objetivo: Reduzir o pânico


estabelecido com o filme: 2012 - Fim do Mundo,
e o Totalitarismo Ambientalista.
2
Página
Agradecimentos

Deus me Ama! Deus me Ajuda! Toda gratidão ao nosso Pai Celestial,


que me deu Vida e Tempo, para trabalhar nestes escritos. Também a
minha gratidão aos meus leitores, razão maior pela qual escrevo.
Especialmente por aqueles que compartilham os seus
conhecimentos comigo através da NET.

A todos, a minha gratidão.

Fato
Deus me criou a Sua Imagem e a Sua Semelhança, Macho me criou.
Também criou a minha companheira, a Sua Imagem e a Sua
Semelhança, Fêmea a criou. E assim foi. E vi o quanto eram lindas as
filhas dos Homens, e as tomei por Mulher.

Dan Brown escandalizou o mundo Cristão, com a insinuação de que


Jesus Cristo tinha uma esposa: Maria Magdalena.

Eu vos escandalizarei ainda mais; pois Jesus de Nazaret, tinha Marta


e Maria; irmãs de Lázaro e Aolá e Aolibá; nos seus dias de “ Anjo do
Senhor”.

Veja o cenário familiar..., João 11: 5 Ora, Jesus amava a Marta, e a


sua irmã, e a Lázaro.
Lucas 10: 38 Ora, quando iam
de caminho, entrou Jesus numa
aldeia; e certa mulher, por nome
Marta, o recebeu em sua casa.
39 Tinha esta uma irmã
chamada Maria, a qual,
sentando-se aos pés do
Senhor, ouvia a sua
palavra. 40 Marta, porém,
andava preocupada com muito
serviço; e aproximando-se,
3

disse: Senhor, não se te dá que minha irmã me tenha deixado a servir sozinha?
Página

Dize-lhe, pois, que me ajude. 41 Respondeu-lhe o Senhor: Marta, Marta, estás


ansiosa e perturbada com muitas coisas; 42 entretanto poucas são
necessárias, ou mesmo uma só; e Maria escolheu a boa parte, a qual
não lhe será tirada.

João 12: 1 Veio, pois, Jesus seis dias antes da páscoa, a Betânia, onde estava
Lázaro, a quem ele ressuscitara dentre os mortos. 2 Deram-lhe ali uma ceia;
Marta servia, e Lázaro era um dos que estavam à mesa com ele. 3 Então
Maria, tomando uma libra de bálsamo de nardo puro, de grande
preço, ungiu os pés de Jesus, e os enxugou com os seus cabelos; e encheu-
se a casa do cheiro do bálsamo.

Acaso reinou Davi: “o Grande Rei”; sem esposas, sem servos e


servas, e sem cavalariças? Tampouco o Rei de Israel, reinará doutra
maneira! Acaso reinará como “Eunuco”? Segundo a Lei, o Povo
Santo deixará a seu pai e a sua mãe, e unir-se-á à sua mulher, e será
uma só carne. O Filho de Deus contrariaria os Mandamentos de seu
Pai: crescei e multiplicai e enchei a Terra?

Acaso não deixou Davi, descendentes? Tampouco o Grande Rei de


Israel!

Prólogo
Guaratuba

A Bíblia tem razão.


Jesus Cristo, o Filho do Homem; é também o Anjo do Senhor, e
como tal é a Imagem e a Semelhança de IHVH. Estava com Ele,
desde a fundação da Terra; livrou a mão de Abrão de sacrificar Isaac;
assumiu a proteção dos Filhos de Israel durante os 40 anos de
peregrinação pelo deserto do Oriente Médio, feriu os Assírios
durante o reinado de David; e veio ao mundo como o Filho do
Homem, para salvar o Povo de Israel, de seus pecados; e voltará
como o Ungido Rei de Israel, depois da Grande Tribulação.

Como podemos apreciar; Jesus de Nazaret é desde os registros do


Velho Testamento, e protagonista do Novo Testamento. De forma
que: estudar somente o Novo Testamento, não é suficiente para a
4
Página
compreensão de sua Doutrina; nem tampouco de sua Missão junto
ao Povo de Israel.

Saber por que Ele veio ao Mundo e se deu em oferta de Sacrifício


pelos filhos de Israel, só é compreensível com a leitura do Livro de
Isaías; e entender o I Capítulo do Livro de João, sem estudar
Provérbios 8 é impossível. Menos ainda; quando de sua volta, como
o Rei dos Judeus, unificador das 12 Tribos de Israel. Ele reinará
como reinou David sobre o Reino de Israel.

Saber o quanto Ele foi humano, sem os protocolos celibatários da


Igreja Cristã, é essencial para entender que o Filho de Deus, foi
realmente o Filho do Homem, com todas as paixões e sofrimentos
dos humanos. Ele nasceu Judeu, viveu o Judaísmo de seu tempo, e
morreu de acordo com a Lei Judaica, segundo o Ritual da oferta de
Sacrifício pelo pecado.

Nos Capítulos seguintes, vamos demonstrar que a Lei Mosaica foi


entregue para Moisés preparar o Povo de Israel, para os dias do
Messias e também os dias do Reino dos Céus. Nada do que foi
registrado no Novo Testamento têm sustentação fora do Judaísmo
de Moisés, ou melhor, dizendo: o “Caminho de IHVH”. A mesma
Religião praticada e Ensinada pelo Messias, tal como foi dada a
Moisés, isenta das adulterações sofridas durante o Cativeiro
Babilônico e dos “PESADOS FARDOS”, acrescidos pelos doutores da
Lei, durante os séculos seguintes.

Um olhar crítico para o Filho do Homem e o Anjo de IHVH,


aproximará os homens que buscam adorar o Eterno Deus: “IHVH
dos Exércitos”, através de seu Filho Unigênito e de seus Ensinos,
ditados desde o Sermão da Montanha; pilar da Doutrina cujo Slogan
é Justiça e Misericórdia.

CAPÍTULO 1
5

Ano 2010, resolvi rebatizar o meu nome para Ben Oliveira, uma
Página

forma abreviada de mim mesmo, e da minha natureza Hebreia.


Voltei em busca da sabedoria e da herança dos meus antepassados, e
tal como descendente dos filhos de Abraão, vi-me debruçado sobre
genealogias, livros históricos e pesquisas sem fim; para poder
estabelecer a minha ancestralidade Israelita, tal como a dos filhos
dispersos de Efraim, aqui mesmo nas Américas.

Desta feita, agora desejando tornar meus pensamentos em escritos;


debrucei-me sobre a Bíblia até encontrar respostas para todas as
minhas indagações a respeito do meu Criador.

Para tanto, deixei de lado toda percepção preconcebida, que os anos


de religião acresceram nas minhas crendices, e me propus a
encontrar Deus despido de qualquer concepção ou influência
externa; tão somente me deixando levar pelo instinto e pela intuição.

De sorte que quando o Instinto dava seu alerta, a Intuição já tinha


mostrado o melhor Caminho a seguir. Tendo esses dois aliados: a
Intuição como Radar de longo alcance; e o Instinto como Guarda
costa; e pude então, deixar-me levar com a segurança dos meus
próprios pensamentos e percepções de Deus.

Assim, a primeira ação foi ler e reler a Bíblia Cristã completa, ou


seja: com os seus 72 livros, ainda que sejam considerados como
“Livros Apócrifos”, não deixam de conter preciosas informações, e
justamente o que mais eu precisava para estabelecer um pensamento
sobre “DEUS”, eram informações.

A Imagem e a Semelhança de Deus.


É espantoso que todo pregador, ou mesmo escritor, que se atreve a
falar ou escrever sobre a natureza de Deus, perde-se em explicações
inexplicáveis, seguindo os mesmos conceitos e teorias impostas pela
mentalidade dos Cristãos do III Século D.C., ou se furtam como os
Judeus de cometer qualquer tipo de profanação ao tentar descrever
a natureza de Deus.

O mais impressionante é que: mesmo tendo sido os antepassados


dos Judeus Modernos que escreveram tudo o que hoje encontramos
no Livro chamado de Bíblia – Velho Testamento e Novo Testamento,
6

mesmo com os acréscimos dos cristãos – e já tendo passados bem


Página
mais que 2000 anos, desde a compilação dos registros; ainda é
“Tabu”, tentar escrever qualquer coisa sobre Deus.

Pois bem! Tomado de ânimo ou de petulância, ainda que debaixo


das imprecações dos Cristãos e dos Judeus; eu impelido por
compulsão ou delírio, me atrevi a escrever estas páginas.

Proposições
Não por temor de ser considerado um “Blasfemo” ou “Herege”
estabeleci dois parâmetros ou duas boas preposições, que vão
moderar os meus pensamentos:

1º) Não mudar o sentidos das palavras tal como estão escritas na
Bíblia;nas versões cristãs da língua portuguesas;

2º) Não introduzir nenhum conceito de qualquer corrente religiosa


que eu tenha praticado antes ou que sigo atualmente.

Tão somente sou responsável pelos meus próprios pensamentos,


percepções e entendimento do que está escrito nos Livros da Bíblia,
como foram impressos na língua portuguesa. E assim faço para que
muitos possam se aproximar do Criador; como um filho se aproxima
de seu Pai, e tão logo possa percebê-lo em seus primeiros anos de
vida; sem medo ou temor.

Para tanto vamos estabelecer o sentido da palavra “TEMOR DE


DEUS”, que nos dicionários é sinônimo de: Medo e Respeito. Pois
bem! É com o sentido de “Respeito” e não de “Medo” que vou
escrever e descrever as minhas percepções de Nosso Deus e de Seu
Ungido Salvador; e também com o diferencial de Deus e Criador.

Ora, assim sendo: Um Deus pode ser qualquer “SER” animado ou


não, representado por uma pessoa física ou uma imagem de pau ou
pedra que postado em lugar elevado é “adorado” por tementes
adoradores. Isto independente dele responder ou não as expectativas
que se tem desse “SER”.

Já um “Criador” é o “SER” responsável pela vida de uma “criatura”


e como tal provê todas as necessidades para a subsistência ou
7

mesmo as correções necessárias para a sua criação. Então com


Página
“respeito” ao meu Criador e não com “medo” de um Deus, é que
vou discorrer os meus pensamentos.

CAPÍTULO 2
Visões dos Profetas I

Abraão viu e falou com Deus.


Os registros da Bíblia são taxativos e diz que Abraão viu e falou com
Deus como um homem fala com outro homem, e é assim que
devemos crer e aceitar; que ele: Abraão viu e falou com Deus; e
também diz que Moisés falou cara a cara com Deus. É assim que eu
acredito: Moisés viu e falou com Deus. Ainda a Bíblia diz que vários
profetas tiveram visões de Deus e nessas visões eles viram Deus
como a semelhança de um homem, e é assim mesmo que eu
acredito. Que esses profetas viram Deus como Ele é: Um “SER”
semelhante aos “Seres” Humanos.
Gênesis 17:1 Quando Abrão tinha noventa e nove anos, apareceu-lhe o
Senhor e lhe disse: Eu sou o Deus Todo-Poderoso; anda em minha presença, e
sê perfeito;

As palavras desse verso não deixam nenhuma dúvida: Deus


apareceu, ou melhor: apresentou-se diante de Abraão. Também
afirma que Deus disse, ou melhor: proferiu palavras legíveis para
Abraão; e Abraão viu alguém, e ouviu palavras em seu próprio
idioma e entendeu essas palavras como tal está escrito.
Gênesis 17:3 Ao que Abrão se prostrou com o rosto em terra, e Deus falou-
lhe, dizendo:

Essa visão foi tão clara e expressiva para Abraão, que a primeira
reação foi de “respeito” e não “medo”. Abrão não saiu correndo e
sim se ajoelhou ou curvou-se, colocando os joelhos em terra e
abaixando a sua cabeça em sinal de “reverência”, como era e é
ainda o costume dos povos diante de seus senhores.

Se Deus tivesse aparecido para Abraão com uma forma estranha,


8

fantástica, aberrante..., certamente Abraão teria saído em


Página
desabalada carreira; movido pelo instinto de preservar a sua vida
diante do temido e do estranho.

Claro que Abraão sabia que aquela visão, era do mesmo “SER”, que
anos antes tinha falado para ele sair da Terra de Ur dos Caldeus, e
também Abraão tinha visto esse “SER” e até tinha edificado um altar
ao “SER” que lhe tinha aparecido, conforme está escrito no Livro de
Gênesis 12: 1-8:
Gênesis 12: 1Ora, o Senhor disse a Abrão: Sai-te da tua terra, da tua
parentela, e da casa de teu pai, para a terra que eu te mostrarei...,7 Apareceu,
porém, o Senhor a Abrão, e disse: À tua semente darei esta terra. Abrão, pois,
edificou ali um altar ao Senhor, que lhe aparecera.

Gênesis 12: 8 Então passou dali para o monte ao oriente de Betel, e armou a
sua tenda, ficando-lhe Betel ao ocidente, e Ai ao oriente; também ali edificou
um altar ao Senhor, e invocou o nome do Senhor.

Como podemos ler no versículo “8”, Abraão já invocava esse “SER”;


certamente implorando por ajuda, conselhos ou instruções para
poder atingir os objetivos propostos e aceitos. Veja então que existia
já um relacionamento entre “Deus o Criador e Abraão a Criatura”,
um relacionamento respeitoso.

Até então o relacionamento de Deus com Abraão, estava


estabelecido pela visão e audição, porém nenhuma descrição sobre
esse “SER”, é encontrada, assim como nada que nos possa levar a
pensamentos estranhos para com as visões de Abraão. Mas nos
versos de Gênesis 15, lemos algo fantástico:
Gênesis15: 9 Respondeu-lhe: Toma-me uma novilha de três anos, uma cabra
de três anos, um carneiro de três anos, uma rola e um pombinho. 10 Ele, pois,
lhe trouxe todos estes animais, partiu-os pelo meio, e pôs cada parte deles em
frente da outra; mas as aves não partiu..., 17 Quando o sol já estava posto, e
era escuro, eis um fogo fumegante e uma tocha de fogo, que passaram
por entre aquelas metades.18 Naquele mesmo dia fez o Senhor um pacto com
Abrão, dizendo: À tua descendência tenho dado esta terra, desde o rio do Egito
até o grande rio Eufrates;

“Um fogo fumegante e uma tocha de fogo” – Ora fogo, fumaça,


tocha, são coisas conhecidas e comuns para nós humanos, e Deus
como Deus poderia ter-se utilizado de fenômenos assombrosos
diante do mortal Abraão, contudo essa descrição de “Uma tocha de
9

Fogo”, passando por entre os animais remete nossos pensamentos


Página

para os nossos dias, e se assim fizermos poderíamos dizer que:


Algum tipo de “objeto voador”, com um jato propulsor, ou um
tipo de turbina passou entre os animais em alta velocidade deixando
um rastro de chamas.

Nada detalhado, porém algo fantástico e estranho aos olhos de


Abraão, que não pode ser assemelhado a não ser com uma “tocha de
fogo junto de um fogo fumegante” na frente da tocha. Atente para
dois objetos nessa descrição: Fogo fumegante e tocha de fogo.

--- Acaso não bastaria só uma ―tocha‖ ou o ―fumegante‖


para consumir as oferendas de Abraão ou passar por elas?

Agar viu e falou com um Anjo.


No Livro de Gênesis 16, relata uma visão interessante, que teve Agar,
a serva Egípcia de Sarai, que fora dada a Abraão por concubina, para
gerar descendência para ao patriarca Abraão. Desta feita não foi o
“SER”, que Abraão via como o seu Criador e seu Deus, mas outro
“Ser”, designado agora como: “o Anjo do Senhor”.
Gênesis 16: 7 Então o anjo do Senhor, achando-a junto a uma fonte no
deserto, a fonte que está no caminho de Sur,8 perguntou-lhe: Agar, serva de
Sarai, donde vieste, e para onde vais? Respondeu ela: Da presença de Sarai,
minha senhora, vou fugindo. 9 Disse-lhe o anjo do Senhor: Torna-te para tua
senhora, e humilha-te debaixo das suas mãos.

Note que esse personagem estabeleceu um diálogo comum, com


Agar, como uma pessoa ao encontrar outra pessoa, conhecida ou
não, iniciaria uma conversa. Agar não temeu e nem saiu correndo,
pois a aparição não lhe causou terror. Note ainda que este é um
personagem enviado pelo “SER” que apare para Abraão e não o
próprio “SER”.
Gênesis 16:11 Disse-lhe ainda o anjo do Senhor: Eis que concebeste, e terás
um filho, a quem chamarás Ismael; porquanto o Senhor ouviu a tua
aflição.

Mais uma vez podemos notar a similaridade com os costumes


humanos, quando “Mensageiros”, são enviados para certas missões e
em outras o Rei ou o Senhor é o próprio emissário. Para Abrão quem
falava com ele era o próprio “Deus”, e com a serva Agar, era “o
10

Anjo de Deus”, não que Agar como criatura desse mesmo Deus,
Página

não merecesse especial reverência, mais pelo simples fato de


similaridade com os costumes humanos, ou seja: De Senhor para
Senhor, de Servo para servo. Enquanto o próprio Deus procurou
Abraão, mandou um de seus anjos para falar com Agar.

CAPÍTULO 3
Visões dos Profetas II

Deus no banquete com Abraão.


Em toda a Bíblia, não se encontra relato tão maravilhoso, como o do
Livro de Gênesis 18, que relata um banquete oferecido por Abraão ao
seu Deus, e junto com dois outros “Seres”, o “SER” chamado de
Deus por Abraão, e reconhecido por ele, como o seu Deus,
banquetearam os manjares, tal e qual os Seres Humanos fazem. A
natureza de Deus, não foi nenhum impeditivo, para recusar as
ofertas do hospedeiro, e tampouco deixaram de lavar os pés como
era costume da região; o de oferecer água para lavar e aliviar o
cansaço dos viajantes pelas terras do Oriente Médio. É costume, até
nos nossos dias.
Gênesis 18: Depois apareceu o Senhor a Abraão junto aos carvalhos de
Manre, estando ele sentado à porta da tenda, no maior calor do dia.2
Levantando Abraão os olhos, olhou e eis três homens de pé em frente
dele. Quando os viu, correu da porta da tenda ao seu encontro, e
prostrou-se em terra, 3 e disse: Meu Senhor, se agora tenho achado
graça aos teus olhos, rogo-te que não passes de teu servo.4 Eia, traga-se
um pouco d'água, e lavai os pés e recostai-vos debaixo da árvore;5
e trarei um bocado de pão; refazei as vossas forças, e depois passareis
adiante; porquanto por isso chegastes ate o vosso servo. Responderam-
lhe: Faze assim como disseste. 6 Abraão, pois, apressou-se em ir ter com
Sara na tenda, e disse-lhe: Amassa depressa três medidas de flor de
farinha e faze bolos.7 Em seguida correu ao gado, apanhou um
bezerro tenro e bom e deu-o ao criado, que se apressou em prepará-
lo.8 Então tomou queijo fresco, e leite, e o bezerro que mandara
preparar, e pôs tudo diante deles, ficando em pé ao lado deles
11

debaixo da árvore, enquanto comiam.


Página
Diante desse relato, não nos resta nenhuma alternativa: ou
aceitamos como verídico e encontramos explicações ao nosso nível
de entendimento, ou refutamos toda a Bíblia como um livro de
folclore e contos. Se optarmos por entender que para o Eterno
Criador, achegar-se as suas criaturas é caminho curto, enquanto que
o oposto é labirinto; devido à distância que os próprios humanos
estabeleceram entre Deus e os Homens.

O Relato dos versos é bem claro: Abraão estava em pé enquanto os


três homens comiam de todos os manjares a eles oferecidos, como se
tivessem a mesma natureza humana, ou uma semelhança tal e além,
que não lhes impediu de agir com naturalidade convencional dos
seres humanos: Comer e beber.

O Relato é que “três homens”, a forma acostumada de Abraão, ver


seus semelhantes humanos, como “homens”, não parecidos ou
semelhantes, mas exatos tanto na imagem como na semelhança de
seres humanos. Deus e mais dois personagens com a mesma forma,
a mesma aparência, comum aos seres humanos, que Abraão sabia
reconhecer, pela sua vivência longa sobre a Terra, no meio de outros
humanos.

A diferença está no fato que: Abraão os reconheceu logo que os


avistou e correu ao encontro deles, e ali mesmo prostrou-se em
terra; em sinal de grande reverencia destinada somente aos reis e
magistrados de sua época. Abraão reconhecia naquele “SER”, o
mesmo que com ele falara em ocasiões anteriores. Mas desta feita
não somente conversou com Ele, como teve a oportunidade de
hospedá-los em sua tenda, e preparou para os forasteiros o melhor
do que poderia oferecer.

Certamente Deus e seus dois acompanhantes, não teriam


necessidades tão atinentes aos humanos, mas deixou o Criador a sua
“Majestade” para honrar a sua Criatura, e se aproximou de Abraão
como a um “Amigo”.

Abraão não hospedou um príncipe ou um rei, em suas tendas no


deserto, Abraão hospedou o próprio Deus, o Criador dos Céus e da
12

Terra, foi a mesa mais nobre de todos os tempos, a criatura servindo


Página

a mesa para o seu Criador; Abraão recebeu o próprio Deus em sua


casa, como convidado de honra e honrou com toda cortesia que
poderia oferecer em seus dias.

CAPÍTULO 4
Moisés o amigo de Deus.
Os escritos Bíblicos deixam bem claro que Deus conversava com
Moisés cara a acara, como se fala com um amigo; mas com o Anjo de
Deus, Moisés o avistou apenas de relance. Vamos distinguir essas
visões conforme o relato do próprio Moisés.

Ora no Livro de Êxodo 3:1-2, quem aparece para Moisés, na primeira


aparição é o “Anjo do Senhor” e não próprio “Senhor”; como
poderemos ler nos versos abaixo.
Êxodo 3: 1 Ora, Moisés estava apascentando o rebanho de Jetro, seu sogro,
sacerdote de Midiã; e levou o rebanho para trás do deserto, e chegou a
Horebe, o monte de Deus. 2 E apareceu-lhe o anjo do Senhor em uma
chama de fogo do meio duma sarça. Moisés olhou, e eis que a sarça ardia no
fogo, e a sarça não se consumia;..., 6 Disse mais: Eu sou o Deus de teu pai, o
Deus de Abraão, o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó. E Moisés escondeu o
rosto, porque temeu olhar para Deus.

13 Então disse Moisés a Deus: Eis que quando eu for aos filhos de Israel, e
lhes disser: O Deus de vossos pais me enviou a vós; e eles me perguntarem:
Qual é o seu nome? Que lhes direi?14 Respondeu Deus a Moisés: EU SOU O
QUE SOU. Disse mais: Assim dirás aos olhos de Israel: EU SOU me enviou a
vós.15 E Deus disse mais a Moisés: Assim dirás aos filhos de Israel: O
Senhor, o Deus de vossos pais, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque, e o Deus
de Jacó, me enviou a vós; este é o meu nome eternamente, e este é o meu
memorial de geração em geração.

Diferentemente de Abraão, Moisés escondeu o rosto, porque temeu


olhar para a visão sobre a sarça ardente. O Anjo se identificou como
o Deus do pai de Moisés, de Abraão, de Isaac e de Jacob. Ainda no
Livro de Êxodos 3, Moisés questiona sobre o nome do “Ser” que lhe
13

apareceu, e este responde: “Eu Sou o que Sou”, e diz chamar-se


“SENHOR”, palavra que substituiu o termo hebreu “IHVH”, ou seja
Página

as quatro letras do alfabeto: Iod, Hê, Vav e Hê.


Êxodo 6: 1Então disse o Senhor a Moisés: Agora verás o que hei de fazer a
Faraó; pois por uma poderosa mão os deixará ir, sim, por uma poderosa mão
os lançará de sua terra. 2 Falou mais Deus a Moisés, e disse-lhe: Eu sou
Jeová.

Mais especificamente nesses dois versos o Senhor diz para Moisés


que o seu Nome é “JEOVÁ”, ou seja: uma transliteração para as
letras do Tetragrama Hebreu, porém observando que a letra “J”, só
apareceu depois de 1500 d.C, para representar o “I” maiúsculo, e o
“V” era pronunciado como “U”, donde que podemos melhorar a
pronúncia do Nome de Deus para: “IEUA”, como quatro vogais,
com pronuncia prolongada do “U” para “OU”, e assim temos um
Nome especial composto de 4 vogais com o som de 5 vogais:
“IEOUA”.

Uma nuvem ou uma NAVE.


Em nossos dias; 2010 D.C. se ouvíssemos uma narrativa tal como
está nos versos do Capítulo 19 do Livro de Êxodos, depois de tantos
filmes de ficção cientifica, não teríamos dúvidas em afirmar que foi
uma “Nave” e não uma “Nuvem”, que baixou sobre o monte.
Êxodo 19: 9 Então disse o Senhor a Moisés: Eis que eu virei a ti em uma
nuvem espessa, para que o povo ouça, quando eu falar contigo, e também
para que sempre te creia. Porque Moisés tinha anunciado as palavras do seu
povo ao Senhor.

17 E Moisés levou o povo fora do arraial ao encontro de Deus; e puseram-se


ao pé do monte. 18 Nisso todo o monte Sinai fumegava, porque o Senhor
descera sobre ele em fogo; e a fumaça subiu como a fumaça de uma
fornalha, e todo o monte tremia fortemente. 19 E, crescendo o sonido
da buzina cada vez mais, Moisés falava, e Deus lhe respondia por uma voz.
20 E, tendo o Senhor descido sobre o monte Sinai, sobre o cume do monte,
chamou a Moisés ao cume do monte; e Moisés subiu. 21 Então disse o
Senhor a Moisés: Desce, adverte ao povo, para não suceder que traspasse os
limites até o Senhor, a fim de ver, e muitos deles pereçam.

Temos informações suficientes para estabelecer essa afirmativa:


Nuvem espessa, fumaça de fornalha, tremor, sonido e o risco de
perecer devido à sua proximidade. Convém lembrarmos que se trata
de um Deu, descendo na Terra, um Deus Poderoso, o Criador dos
Céus e da Terra, e podemos questionar: Por que um Deus precisaria
14

de uma nuvem espessa, calor, ruído para mostrar-se ao povo? Temos


Página

somente duas alternativas:


1ª) Moisés aproveitou o fenômeno natural de uma erupção
vulcânica, que poderia ter ocorrido naquela região..., porém sem
registro histórico ou geológico do fato, ou

2ª) Algum ―OVNI‖ objeto voador não identificado, desceu no topo


da montanha, e devido ao calor do atrito de deslocamento
provocou fumaça, calor e fogo da queima de material orgânico
sobre o monte.

Mas o fato mais precioso é a advertência: 21 Então disse o Senhor a


Moisés: Desce, adverte ao povo, para não suceder que
―traspasse os limites” até o Senhor, a fim de ver, e muitos deles
pereçam. Uma recomendação de segurança bem mais comum para
emissão de algum tipo de “radioatividade”, pois se fosse apenas
pelo calor espontâneo, não seria necessário a advertência, “Observe
o Limite”, ou seja: a uma distância segura.
Êxodo24: 9 Então subiram Moisés e Arão, Nadabe e Abiú, e setenta dos
anciãos de Israel,10 e viram o Deus de Israel, e debaixo de seus pés havia
como que uma calçada de pedra de safira, que parecia com o próprio céu
na sua pureza.11 Deus, porém, não estendeu a sua mão contra os nobres dos
filhos de Israel; eles viram a Deus, e comeram e beberam.

Ora, ora..., o que temos aqui: Um banquete oferecido a comitiva que


subiram com Moisés até o Monte onde Deus estava..., e mais todos
os que subiram viram o Deus de Israel, testemunharam aquela visão,
e mais ainda participaram de um banquete na “Nuvem ou na Nave”.
Imaginar um banquete dentro de uma “Nuvens”, é demais até para
o mais carente de entendimento: Numa nuvem não daria mesmo!

Agora vejamos os versos seguintes, e vamos perceber que coisas


novas aconteceram ali, nesse lugar: outra visão fantástica, de
diferente teor e bem mais específica que as do Verso “24:9”, mais
detalhes e menos espectadores.
Êxodo 24:13 E levantando-se Moisés com Josué, seu servidor, subiu ao
monte de Deus,14 tendo dito aos anciãos: Esperai-nos aqui, até que tornemos
a vós; eis que Arão e Hur ficam convosco; quem tiver alguma questão, se
chegará a eles.15 E tendo Moisés subido ao monte, a nuvem cobriu o
monte.16 Também a glória do Senhor repousou sobre o monte Sinai,
15

e a nuvem o cobriu por seis dias; e ao sétimo dia, do meio da nuvem, Deus
chamou a Moisés.17 Ora, a aparência da glória do Senhor era como um
Página

fogo consumidor no cume do monte, aos olhos dos filhos de Israel.18 Moisés,
porém, entrou no meio da nuvem, depois que subiu ao monte; e Moisés esteve
no monte quarenta dias e quarenta noites.

Aqui apenas Moisés e Josué subiram ao monte, uma nuvem cobriu o


monte, a “Glória do Senhor” repousou sobre o monte, do meio da
nuvem Deus chamou Moisés; e para o restante do povo a visão era
de “fogo consumidor”. Nossa próxima questão é saber o que
significa a palavra “Glória do Senhor”, já que a nuvem tinha
coberto todo o monte, Moisés e Josué estavam no monte, e então a
Glória do Senhor repousou sobre o monte, e do meio da nuvem Deus
chamou Moisés.

Quem viu o seriado: “Star Wars”, lembrará-se da presença de


“naves enormes” e “naves menores”, saindo e entrando na
“Nave Mãe”; mesmo no filme “Independence Day”, ajuda a
imaginar o cenário de Moisés e a nuvem de Deus sobre o monte. E
Moisés ficou 40 dias no meio da nuvem! Cada vez que Moisés
achegava-se a Deus recebia instruções: Nos Capítulos de 19 à 23 , na
primeira vez, recebeu os “Dez Mandamentos” e Ordenanças, e na
segunda vez; as Instruções para construir um “Tabernáculo”
(TemploPortátil): uma “Arca” de madeira revestida de ouro, para
abrigar o “Testemunho”; e também mais instruções para as
Ordenanças e Rituais que seriam realizados no Tabernáculo.

O Anjo do Senhor.
Mais adiante no Capítulo 32, depois de Moisés retornar do Monte, e
constatar que o povo tinha-se voltado a Idolatria anterior; a
adoração de animais com a moldagem do “bezerro de ouro”,
semelhante aos Deuses conhecidos no Egito; Moisés depois de
conseguir aplacar a Ira de Deus, foi informado do seguinte:
Êxodo 32:34 Vai pois agora, conduze este povo para o lugar de que te hei
dito; eis que o meu anjo irá adiante de ti; porém no dia da minha
visitação, sobre eles visitarei o seu pecado.

Deus estava dizendo para Moisés que Ele mesmo não mais
acompanharia o Povo de Israel em sua jornada, mas mandaria “o
Seu Anjo” com eles, e que num futuro distante, denominado o
16

“Dia da Visitação”, Ele mesmo visitaria o povo novamente. No


Página

Capítulo 33: 2-3, Deus confirma essa ideia: 2 E enviarei um anjo


adiante de ti (e lançarei fora os cananeus, e os amorreus, e os
heteus, e os perizeus, e os heveus, e os jebuseus),3 para uma terra
que mana leite e mel; porque eu não subirei no meio de ti,
porquanto és povo de cerviz dura; para que não te consuma eu no
caminho.

Esse “ANJO”, que deveria subir então com eles, é que por ora nos
interessa averiguar. Quem mandaria Deus em seu lugar? Qual a sua
identidade? Como seria ele? Estas respostas veremos adiante.
Êxodo 33:9 E quando Moisés entrava na tenda, a coluna de nuvem descia e
ficava à porta da tenda; e o Senhor falava com Moisés.10 Assim via todo o
povo a coluna de nuvem que estava à porta da tenda, e todo o povo,
levantando-se, adorava, cada um à porta da sua tenda.11 E falava o Senhor
a Moisés face a face, como qualquer fala com o seu amigo. Depois
tornava Moisés ao arraial; mas o seu servidor, o mancebo Josué, filho de
Num, não se apartava da tenda. 12 E Moisés disse ao Senhor: Eis que tu me
dizes: Faze subir a este povo; porém não me fazes saber a quem hás
de enviar comigo. Disseste também: Conheço-te por teu nome, e achaste
graça aos meus olhos.13 Se eu, pois, tenho achado graça aos teus
olhos, rogo-te que agora me mostres os teus caminhos, para que eu
te conheça, a fim de que ache graça aos teus olhos; e considera que esta
nação é teu povo.14 Respondeu-lhe o Senhor: Eu mesmo irei contigo, e eu te
darei descanso.15 Então Moisés lhe disse: Se tu mesmo não fores conosco,
não nos faças subir daqui.16 Como, pois, se saberá agora que tenho achado
graça aos teus olhos, eu e o teu povo? acaso não é por andares tu conosco, de
modo a sermos separados, eu e o teu povo, de todos os povos que há sobre a
face da terra;17 Ao que disse o Senhor a Moisés: Farei também isto que tens
dito; porquanto achaste graça aos meus olhos, e te conheço pelo teu nome.18
Moisés disse ainda: Rogo-te que me mostres a tua glória.19 Respondeu-lhe o
Senhor: Eu farei passar toda a minha bondade diante de ti, e te proclamarei o
meu nome Jeová; e terei misericórdia de quem eu tiver misericórdia, e me
compadecerei de quem me compadecer.20 E disse mais: Não poderás ver a
minha face, porquanto homem nenhum pode ver a minha face e viver.21 Disse
mais o Senhor: Eis aqui um lugar junto a mim; aqui, sobre a penha, te
porás.22 E quando a minha glória passar, eu te porei numa fenda da penha, e
te cobrirei com a minha mão, até que eu haja passado.23 Depois, quando eu
tirar a mão, me verás pelas costas; porém a minha face não se verá.

Veja que, depois do Tabernáculo, a Nuvem ou Nave, descia a entrada


da tenda, e que Deus falava “cara a cara”, com Moisés, como
qualquer um de nós fala com um amigo: olho no olho, face a face; e
isto quer dizer literalmente que Moisés conhecia Deus pessoalmente,
17

ele via Deus cara a cara. Logo a seguir Moisés questiona sobre quem
Página
acompanharia o Povo na jornada: Faze subir a este povo; porém
não me fazes saber a quem hás de enviar comigo?

Como entender os versos seguintes - 19 Respondeu-lhe o Senhor:


Eu farei passar toda a minha bondade diante de ti, e te
proclamarei o meu nome Jeová; e terei misericórdia de quem eu
tiver misericórdia, e me compadecerei de quem me compadecer. 20
E disse mais: Não poderás ver a minha face, porquanto
homem nenhum pode ver a minha face e viver – Não é uma
contradição, desde que nos versos anteriores, diz que Deus falava
cara a cara com Moisés e agora diz que nenhum homem pode ver a
sua face! Como explicar tal fato? E têm mais como agora Ele diz: 14
Respondeu-lhe o Senhor: Eu mesmo irei contigo, e eu te darei
descanso, se lá no verso Capítulo 32:34, Ele disse que não iria com
eles e sim mandaria o Seu Anjo.

A única explicação viável é que agora no Capítulo 33, Moisés queria


conhecer “o Anjo do Senhor”, pois o Senhor ele já conhecia, e
todo o diálogo estabelecido é com “o Anjo”, e esse Anjo têm
também o mesmo Nome de Deus; pois Ele também diz: Eu farei
passar toda a minha bondade diante de ti, e te proclamarei o meu
nome ―Jeová”; e terei misericórdia de quem eu tiver misericórdia,
e me compadecerei de quem me compadecer, e mais ainda diz que
ninguém poderia ver o seu rosto: 20 E disse mais: Não poderás ver
a minha face, porquanto homem nenhum pode ver a minha
face e vive.

Pois bem: recordemos agora que em Êxodo 3:2 E apareceu-lhe ―O


Anjo do Senhor em uma chama de fogo‖ do meio duma sarça.
Moisés olhou, e eis que a sarça ardia no fogo, e a sarça não se
consumia, ou seja: é o mesmo “Anjo do Senhor”, o que vai
acompanhar o Povo agora, e tal é o fato que Ele encontra um meio
seguro para Moisés vê-lo: 22 E quando a minha glória passar, eu te
porei numa fenda da penha, e te cobrirei com a minha mão, até que
eu haja passado. 23 Depois, quando eu tirar a mão, me verás pelas
costas; porém a minha face não se verá.
18
Página
CAPÍTULO 5
Moisés agora com o Anjo de Deus.
E começa tudo novamente: Moisés sobe no monte com outras duas
tábuas, Êxodo 34: Então disse o Senhor a Moisés: Lavra duas
tábuas de pedra, como as primeiras; e eu escreverei nelas as
palavras que estavam nas primeiras tábuas, que tu quebraste. 2
Prepara-te para amanhã, e pela manhã sobe ao monte
Sinai, e apresenta-te a mim ali no cume do monte.

A partir desse momento, Moisés se reporta ao “Anjo do Senhor”,


cujo Nome é o mesmo do Nome do Senhor, ou seja: Jeová (IEUA),
assim mesmo como “Pai e Filho”, tem o mesmo nome, por
Exemplo: João filho de João; e não mais ao Deus dos versos
anteriores. E o fato só se justifica na frase: “Aquele que veio em
Nome do Senhor”. Lá no Novo Testamento veremos uma
confirmação do que ora revelamos.

Assim sendo, doravante vamos designar os nomes: “O Anjo de


IHVH para o Anjo do Senhor” e de “IHVH dos Exércitos”
para Senhor ou Deus, até o momento de falarmos sobre os Tempos
do Novo Testamento, quando esse mesmo personagem se manifesta
aos homens com o Nome de Emanuel ou Jesus, mesmo Ieshua de
Nazaret.

Convém notarmos os versos seguintes:


Êxodo 40: 33 Levantou também as cortinas do átrio ao redor do tabernáculo
e do altar e pendurou o reposteiro da porta do átrio. Assim Moisés acabou a
obra. 34 Então a nuvem cobriu a tenda da revelação, e a glória do
Senhor encheu o tabernáculo; 35 de maneira que Moisés não podia
entrar na tenda da revelação, porquanto a nuvem repousava sobre
ela, e a glória do Senhor enchia o tabernáculo. 36 Quando, pois, a
nuvem se levantava de sobre o tabernáculo, prosseguiam os filhos de Israel,
em todas as suas jornadas; 37 se a nuvem, porém, não se levantava, não
caminhavam até o dia em que ela se levantasse. 38 Porquanto a nuvem do
Senhor estava de dia sobre o tabernáculo, e o fogo estava de noite sobre ele,
perante os olhos de toda a casa de Israel, em todas as suas jornadas.
19

Lembra que antes Moisés falava diretamente com Deus, cara a cara
Página

como dois amigos: Êxodo 33: 11 E falava o Senhor a Moisés


face a face, como qualquer fala com o seu amigo..., e agora no
Livro de Êxodo 40: 34 Então a nuvem cobriu a tenda da revelação,
e a glória do Senhor encheu o tabernáculo; 35 de maneira que
Moisés não podia entrar na tenda da revelação,
porquanto a nuvem repousava sobre ela, e a glória do
Senhor enchia o tabernáculo..., porque o personagem que
estava agora ali dentro do Tabernáculo, não era o mesmo que estava
falando com Moisés cara a cara, e sim “o Anjo de IHVH”, que iria
acompanhar o restante da Jornada de Moisés.

De forma que a Primeira Tábua da Lei foi escrita para Moisés pelo
próprio “IHVH dos Exércitos” e a Segunda pelo “Anjo de
IHVH”, porque este era mais compassivo que o outro, mais
compassivo, mais tardio em irar-se com aquele povo, e tanto é
verdade que nos dois versos seguintes podemos ler:

1º - Êxodo 40:38 Porquanto a nuvem do Senhor estava de dia sobre o


tabernáculo, e o fogo estava de noite sobre ele, perante os olhos de toda a casa
de Israel, em todas as suas jornadas.

2º - I Coríntios 10: 1 Pois não quero, irmãos, que ignoreis que nossos pais
estiveram todos debaixo da nuvem, e todos passaram pelo mar;2 e, na
nuvem e no mar, todos foram batizados em Moisés,3 e todos comeram do
mesmo alimento espiritual;4 e beberam todos da mesma bebida espiritual,
porque bebiam da pedra espiritual que os acompanhava; e a pedra era Cristo.

Donde concluímos que, depois da rebeldia do Povo que acabava de


sair da escravidão do Egito, depois de ser preservado da Idolatria do
Egito, o Deus de Abraão, de Isaac e de Jacob, mandou em princípio o
seu Anjo: o Anjo de IHVH, para falar com Moisés na sarça ardente, e
depois Ele mesmo, ou seja: o Próprio IHVH dos Exércitos, passou a
comunicar-se diretamente com Moisés, mesmo dentro da Nuvem ou
da Nave, e só depois do episódio do “Bezerro de Ouro”, é que “IHVH
dos Exércitos”, disse que Ele mesmo não subiria com o Povo para
não acabar exterminando todos eles, e mandou o seu “Anjo IHVH”,
em seu lugar.

Lembra da rebeldia, nos tempos de Noé; pois então, para não


acontecer novamente, o Eterno Criador, mandou o seu Anjo.

Também concluímos que por causa da “Natureza desse Anjo”, ou


20

seja: o mesmo “Anjo” que viria para a Terra como o Filho de Deus
Página

(IHVH), não podia mostrar-se face a face para ninguém, pois ele não
tinha um “Corpo Físico ainda”, e só na sua forma “Espiritual”
ou com o seu “Corpo Espiritual”, e quem o visse deveria estar
morto, ou morreria a seguir.

Essa verificação ficará mais evidente quando falarmos das visões dos
Profetas, que viam Deus em sua Glória e permaneceram vivos.
Somente “o Anjo de IHVH” é que não se mostrava, nem para Moisés
e nem para outros até a sua vinda como o “Filho do Homem”: Jesus
de Nazaret ou Iéshua de Nazaret.

Certamente vamos anexar outras evidências, no decorrer dos


próximos Capítulos, de forma a substanciar a nossa afirmativa, de
que “o Anjo do Senhor”, é mesmo: “o Messias de Israel ou
Jesus o Cristo”.

CAPÍTULO 6
Rastreando o Anjo do Senhor.
Depois da subida do Egito para a Terra de Israel, podemos ler o
testemunho do próprio Anjo do Senhor, no Livro de Juízes 2: 1 O
anjo do Senhor subiu de Gilgal a Boquim, e disse: Do Egito vos
fiz subir, e vos trouxe para a terra que, com juramento, prometi a
vossos pais, e vos disse: Nunca violarei e meu pacto convosco; que
foi o Anjo de IHVH e não o próprio Deus IHVH, que protegeu o povo
na jornada com a Nuvem ou Nave; de dia fazendo sombra para o
povo não ser danificado pelo sol do deserto, e de noite servindo de
luz para aplacar a escuridão.

Adiante no Capítulo 6:21-23, vamos presenciar outra maravilha


tecnológica da parte do Anjo do Senhor:
Juízes 6: 21 E o anjo do Senhor estendeu a ponta do cajado que tinha na
mão, e tocou a carne e os bolos ázimos; então subiu fogo da rocha, e consumiu
21

a carne e os bolos ázimos; e o anjo do Senhor desapareceu-lhe da vista.22


Vendo Gideão que era o anjo do Senhor, disse: Ai de mim, Senhor Deus!
Página

pois eu vi o anjo do Senhor face a face.23 Porém o Senhor lhe disse: Paz
seja contigo, não temas; não morrerás.
Primeiramente o Anjo usa de um cajado que têm a capacidade de
produzir fogo de alto poder de queima, e depois permite que Gideão
continue vivo apesar de ter visto sua figura. Agora podemos apreciar
mais dois eventos surpreendentes, ainda no Livro de Juízes 13: 15-
23:
Juízes 13:15 Então Manoá disse ao anjo do Senhor: Deixa que te detenhamos,
para que te preparemos um cabrito.16 Disse, porém, o anjo do Senhor a
Manoá: Ainda que me detenhas, não comerei de teu pão; e se fizeres
holocausto, é ao Senhor que o oferecerás. (Pois Manoá não sabia que
era o anjo do Senhor). 17 Ainda perguntou Manoá ao anjo do Senhor: Qual é o
teu nome?-para que, quando se cumprir a tua palavra, te honremos.18 Ao que
o anjo do Senhor lhe respondeu: Por que perguntas pelo meu nome, visto que
é maravilhoso?19 Então Manoá tomou um cabrito com a oferta de cereais, e
o ofereceu sobre a pedra ao Senhor; e fez o anjo maravilhas, enquanto Manoá
e sua mulher o observavam.20 Ao subir a chama do altar para o céu,
subiu com ela o anjo do Senhor; o que vendo Manoá e sua mulher, caíram
com o rosto em terra.21 E não mais apareceu o anjo do Senhor a Manoá, nem
à sua mulher; então compreendeu Manoá que era o anjo do Senhor.22 Disse
Manoá a sua mulher: Certamente morreremos, porquanto temos visto
a Deus.23 Sua mulher, porém, lhe respondeu: Se o Senhor nos quisera matar,
não teria recebido da nossa mão o holocausto e a oferta de cereais, nem nos
teria mostrado todas estas coisas, nem agora nos teria dito semelhantes
coisas;

Convém notar que o próprio Anjo do Senhor disse que o holocausto


deveria ser oferecido ao Senhor (IHVH) e também recusou
alimentar-se, diferente dos personagens que apareceram na Tenda
de Abraão e cearam com ele. Ainda que Manoá entendesse que se
tratava do “Anjo de IHVH”, temeu como se estivesse na presença do
próprio IHVH, e a questão agora é entender essa relação: Anjo de
IHVH e IHVH.

Quando o próprio IHVH, deixou o seu Anjo, para acompanhar o


Povo de Israel, esse personagem tinha “Autoridade”, além da
semelhança fisionômica que Ele tinha com o próprio IHVH, que
veremos mais adiante. Porém não tinha a mesma “Autonomia”
que o próprio IHVH, e no Capítulo 24: 16 de II Samuel, fica bem
claro a sua limitação.
II Samuel 24:16 Ora, quando o anjo estendeu a mão sobre Jerusalém, para a
22

destruir, o Senhor se arrependeu daquele mal; e disse ao anjo que fazia a


destruição entre o povo: Basta; retira agora a tua mão. E o anjo do
Página

Senhor estava junto à eira de Araúna, o jebuseu.


Nesse evento fica claro que “a Autoridade Final”, permanece com
IHVH e não com o seu Anjo. A questão aqui é de “Hierarquia”,
como ocorre em nossa sociedade, principalmente no Exército.

Já com os inimigos do Povo de Israel, o mesmo Anjo de IHVH,


parece não ter a mínima tolerância: II Reis 19: 35 Sucedeu, pois, que
naquela mesma noite saiu o anjo do Senhor, e feriu no arraial
dos assírios a cento e oitenta e cinco mil deles: e, levantando-se
os assírios pela manhã cedo, eis que aqueles eram todos cadáveres.
Essa mesma passagem também está registrada no Livro de Isaias
37:36 Então saiu o anjo do Senhor, e feriu no arraial dos
assírios a cento e oitenta e cinco mil; e quando se levantaram pela
manhã cedo, eis que todos estes eram corpos mortos.

Outra passagem impressionante de “Autoridade”, podemos ver no


Livro de I Crônicas 21: 15-16:
I Crônicas 21: 15 E Deus mandou um anjo a Jerusalém para a
destruir; e, estando ele prestes a destrui-la, o Senhor olhou e se
arrependeu daquele mal, e disse ao anjo destruidor: Basta; agora retira
a tua mão. E o anjo do Senhor estava junto à eira de Ornã, o
jebuseu.16 E Davi, levantando os olhos, viu o anjo do Senhor, que
estava entre a terra e o céu, tendo na mão uma espada
desembainhada estendida sobre Jerusalém. Então Davi e os anciãos,
cobertos de sacos, se prostraram sobre os seus rostos.

“IHVH” mandou “o Anjo de IHVH” destruir Jerusalém, depois


voltou atrás e impediu que o Anjo destruísse Jerusalém. Essa relação
de “Poder de decisão e Autoridade Hierárquica”, é
importante para entendermos a relação entre IHVH e o seu Anjo.
Tal assertiva nos leva afirmar que embora “o Anjo de IHVH,
tenha a Autoridade de agir no lugar de IHVH”, o Anjo de
IHVH é submisso a IHVH, e esta relação é que nunca ficou claro
para os Cristãos depois do Século III D.C.

Mas podemos agora concluir esse pensamento com duas passagens


bem instrutivas: Uma no Livro de Zacarias 1: 11-12 E eles
responderam ao anjo do Senhor, que estava parado entre as
murtas, e disseram: Nós temos percorrido a terra, e eis que a terra
23

toda está tranqüila e em descanso.12 Então o anjo do Senhor


respondeu, e disse: O Senhor dos exércitos, até quando não
Página

terás compaixão de Jerusalém, e das cidades de Judá, contra as


quais estiveste indignado estes setenta anos? 13 Respondeu o
Senhor ao anjo que falava comigo, com palavras boas, palavras
consoladoras. 14 O anjo, pois, que falava comigo, disse-me: Clama,
dizendo: Assim diz o Senhor dos exércitos: Com grande zelo
estou zelando por Jerusalém e por Sião. Nessa passagem podemos
ver que era costume, tantos dos Profetas como do Anjo do Senhor,
proferir as palavras como se fosse o próprio IHV que estivesse
falando, quando diz: Fala assim – “Assim diz o Senhor dos
Exércitos‖, e também fica bem visível que o Anjo de IHVH têm
apreço por Jerusalém e reconhece a “Autoridade de IHVH”, como o
“Senhor dos Exércitos ou IHVH dos Exércitos”, um dos
Títulos mais nobres referenciados em toda a Bíblia para designar o
próprio Deus de Israel.

E a outra passagem, a mais importante para entender a natureza do


“Anjo de IHVH”, se encontra também no Livro de Zacarias 3: 7-10
Zacarias3: 7 Também o Senhor salvará primeiro as tendas de Judá, para
que a glória da casa de Davi e a glória dos habitantes de Jerusalém não se
engrandeçam sobre Judá.8 Naquele dia o Senhor defenderá os habitantes
de Jerusalém, de sorte que o mais fraco dentre eles naquele dia será como
Davi, e a casa de Davi será como Deus, como o anjo do Senhor diante
deles. 9 E naquele dia, tratarei de destruir todas as nações que vierem contra
Jerusalém.10 Mas sobre a casa de Davi, e sobre os habitantes de Jerusalém,
derramarei o espírito de graça e de súplicas; e olharão para aquele a
quem traspassaram, e o prantearão como quem pranteia por seu
filho único; e chorarão amargamente por ele, como se chora pelo
primogênito.

O Profeta Zacarias, estabelece duas relações importantes, duas


comparativas que podem clarear a relação: “Deus e Humanos”,
quando diz que: A Casa de Davi será como Deus; a Casa de Davi
será como o Anjo do Senhor que vai adiante deles, e finalmente que
esse Anjo: É o primogênito que foi transpassado, na Cidade de
Jerusalém e então choraram arrependidos, por não o terem recebido
como o “Anjo de IHVH”, na forma de “Filho do Homem”, com um
corpo Humano, mesmo como Jesus Cristo (Iéshua de Nazaret) que
foi crucificado, na casa Cidade de seus amigos e familiares:
Jerusalém, no ano de 33 D.C..
24
Página

CAPÍTULO 7
Visões dos Profetas ou Arrebatamentos.
Convém por ora, retornarmos aos Profetas do Velho Testamento,
depois que o Povo de Israel, já assentado na Terra Prometida, tinha
como “Moderadores” de comportamento, os Profetas de Israel,
que tinham autoridade para “Ungir Reis”, alertar o povo, bem
como corrigir esse povo, quando se desviavam das Leis e dos
Estatutos do Senhor (IHVH).

Com eles vamos poder apreciar um pouco mais a “Natureza Física e


Espiritual” do nosso Deus: IHVH dos Exércitos, e entender uma
nova maneira de “Comunicação” entre Deus e os Homens: As Visões
Espirituais e os Arrebatamentos.

Seguindo a lista da própria Bíblia, vamos nos ater primeiramente ao


Profeta Isaias.
Isaias 2:1 A visão que teve Isaías, filho de Amoz, a respeito de Judá e de
Jerusalém. 2 Acontecerá nos últimos dias que se firmará o monte da casa do
Senhor, será estabelecido como o mais alto dos montes e se elevará por cima
dos outeiros; e concorrerão a ele todas as nações.3 Irão muitos povos, e dirão:
Vinde, e subamos ao monte do Senhor, à casa do Deus de Jacó, para que nos
ensine os seus caminhos, e andemos nas suas veredas; porque de Sião sairá
a lei, e de Jerusalém a palavra do Senhor.

Isaias 4: 5 E criará o Senhor sobre toda a extensão do monte Sião, e sobre as


assembléias dela, uma nuvem de dia, e uma fumaça, e um resplendor
de fogo flamejante de noite; porque sobre toda a glória se estenderá um
dossel. 6 Também haverá de dia um pavilhão para sombra contra o calor, e
para refúgio e esconderijo contra a tempestade e a chuva.

Nessa nova relação, Deus e o Anjo de Deus, se comunicam com seus


emissores através de “Visões” – que se julga ver em sonhos – lemos
que o Profeta viu, para dias futuros, ou seja: nos Últimos Dias, que
do Monte Sião sairá a Lei, e era em Sião que o Rei David, tinha
construído o seu Palácio, próximo de onde ficaria o Templo de
Jerusalém, de onde Salomão falava com Deus.

Lemos ainda que a mesma Nuvem ou NAVE voltará e se estabelecerá


sobre a Cidade de Jerusalém, mais especificamente sobre o Monte
Sião, e aqui podemos entender que realmente essa Nuvem é bem
25

mais que uma alegoria mistificada, e sim um “Objeto Voador Não


Página

Identificado”, com tecnologia fantástica, capaz de sobrevoar e


parar sobre o “AR”, sobre um monte, e nesse caso agora no Monte
Sião. A mesma nuvem que viu Moisés sobre o Monte, e a mesma
Nuvem que protegia o Povo de Israel durante a jornada no deserto.
E quem estava nessa nuvem? Resposta: O Anjo de IHVH! E quem
estará novamente nessa Nuvem ou Nave? Resposta: O próprio Anjo
de IHVH.

Comecemos então pela primeira Visão de Isaias, Capítulo 6: 1-4,


Isaias 6: 1 No ano em que morreu o rei Uzias, eu vi o Senhor assentado sobre
um alto e sublime trono, e as orlas do seu manto enchiam o templo. 2 Ao seu
redor havia serafins; cada um tinha seis asas; com duas cobria o rosto, e com
duas cobria os pés e com duas voava.3 E clamavam uns para os outros,
dizendo: Santo, santo, santo é o Senhor dos exércitos; a terra toda está cheia
da sua glória.4 E as bases dos limiares moveram-se à voz do que clamava, e a
casa se enchia de fumaça.

Nessa “Visão”, Isaias viu o Deus “IHVH dos Exércitos”, num


trono, cercado de criaturas aladas, denominadas de “Serafins”,
dentro de um Templo.

Mas é no Livro de Ezequiel, que vamos ter uma Visão completa, do


trono de IHVH, dos querubins, da sua imagem e da sua semelhança
com os seres humanos. Veja o relato:
Ezequiel 1: 1 Ora aconteceu no trigésimo ano, no quarto mês, no dia quinto
do mês, que estando eu no meio dos cativos, junto ao rio Quebar, se abriram os
céus, e eu tive visões de Deus..., 4 Olhei, e eis que um vento tempestuoso
vinha do norte, uma grande nuvem, com um fogo que emitia de
contínuo labaredas, e um resplendor ao redor dela; e do meio do
fogo saía uma coisa como o brilho de âmbar. 5 E do meio dela saía a
semelhança de quatro seres viventes. E esta era a sua aparência: tinham a
semelhança de homem;6 cada um tinha quatro rostos, como também cada
um deles quatro asas.7 E as suas pernas eram retas; e as plantas dos seus pés
como a planta do pé dum bezerro; e luziam como o brilho de bronze
polido.8 E tinham mãos de homem debaixo das suas asas, aos quatro
lados; e todos quatro tinham seus rostos e suas asas assim:9 Uniam-se as suas
asas uma à outra; eles não se viravam quando andavam; cada qual andava
para adiante de si;10 e a semelhança dos seus rostos era como o rosto de
homem; e à mão direita todos os quatro tinham o rosto de leão, e à mão
esquerda todos os quatro tinham o rosto de boi; e também tinham todos os
quatro o rosto de águia;11 assim eram os seus rostos. As suas asas estavam
estendidas em cima; cada qual tinha duas asas que tocavam às de outro; e
26

duas cobriam os corpos deles.12 E cada qual andava para adiante de si; para
onde o espírito havia de ir, iam; não se viravam quando andavam.13 No
Página

meio dos seres viventes havia uma coisa semelhante a ardentes


brasas de fogo, ou a tochas que se moviam por entre os seres
viventes; e o fogo resplandecia, e do fogo saíam relâmpagos.14 E os
seres viventes corriam, saindo e voltando à semelhança dum raio.15 Ora, eu
olhei para os seres viventes, e vi rodas sobre a terra junto aos seres viventes,
uma para cada um dos seus quatro rostos.16 O aspecto das rodas, e a obra
delas, era como o brilho de crisólita; e as quatro tinham uma mesma
semelhança; e era o seu aspecto, e a sua obra, como se estivera uma roda no
meio de outra roda.17 Andando elas, iam em qualquer das quatro
direções sem se virarem quando andavam.18 Estas rodas eram altas e
formidáveis; e as quatro tinham as suas cambotas cheias de olhos ao redor.19
E quando andavam os seres viventes, andavam as rodas ao lado deles; e
quando os seres viventes se elevavam da terra, elevavam-se também as
rodas.20 Para onde o espírito queria ir, iam eles, mesmo para onde o espírito
tinha de ir; e as rodas se elevavam ao lado deles; porque o espírito do ser
vivente estava nas rodas.21 Quando aqueles andavam, andavam estas; e
quando aqueles paravam, paravam estas; e quando aqueles se elevavam da
terra, elevavam-se também as rodas ao lado deles; porque o espírito do ser
vivente estava nas rodas.22 E por cima das cabeças dos seres viventes
havia uma semelhança de firmamento, como o brilho de cristal
terrível, estendido por cima, sobre a sua cabeça.23 E debaixo do firmamento
estavam as suas asas direitas, uma em direção à outra; cada um tinha duas
que lhe cobriam o corpo dum lado, e cada um tinha outras duas que o cobriam
doutro lado.24 E quando eles andavam, eu ouvia o ruído das suas asas, como o
ruído de muitas águas, como a voz do Onipotente, o ruído de tumulto como o
ruído dum exército; e, parando eles, abaixavam as suas asas.25 E ouvia-se
uma voz por cima do firmamento, que estava por cima das suas cabeças;
parando eles, abaixavam as suas asas.26 E sobre o firmamento, que estava
por cima das suas cabeças, havia
uma semelhança de trono,
como a aparência duma safira; e sobre a semelhança
do trono havia como que a semelhança dum homem,
no alto, sobre ele.27 E vi como o brilho de âmbar, como o aspecto do
fogo pelo interior dele ao redor desde a semelhança dos seus lombos, e daí
para cima; e, desde a semelhança dos seus lombos, e daí para baixo, vi como a
semelhança de fogo, e havia um resplendor ao redor dele.28 Como o
aspecto do arco que aparece na nuvem no dia da chuva, assim era o aspecto do
resplendor em redor. Este era o aspecto da semelhança da
glória do Senhor; e, vendo isso, caí com o rosto em terra, e ouvi uma
voz de quem falava.

Inigualável, a visão do Profeta Ezequiel! Que máquina fantástica viu!


Que engenharia de aeronave, ou veículo aeroespacial, com
capacidade de movimentos extraordinários, e que espetacular visão
de Deus: Semelhante ao Homem, aos Humanos, porém com um
27

fulgor ou resplender de aspecto metálico, cor de “âmbar” - resina


Página

fóssil amarelada, semitransparente – com a “semelhança de um


homem”, descreveu Ezequiel. Ainda que acompanhado de seres
espetaculares como descrevesse os “Querubins”, com quatro
cabeças: homem, águia, leão e boi, com mãos humanas e asas para
voar, quatro asas, diferentes dos relatos de Isaias e do Apocalipse
que os descreve com seis asas e denomina-os de “Serafins e não
Querubins”, ou podemos entender então que os Querubins têm 4
asas e os Serafins 6 asas. Falta entendimento para dizer que os
“Querubins”, é um misto de “Máquina e Animal ou Máquina
VIVA”, algo ainda além da nossa tecnologia.

A Grande Pergunta é a seguinte:

--- Por que Deus precisaria de uma Máquina Fantástica


para sua locomoção?

Ainda no Livro de Ezequiel 3: 12 Então o Espírito me levantou, e


ouvi por detrás de mim uma voz de grande estrondo, que dizia:
Bendita seja a glória do Senhor, desde o seu lugar. 13 E ouvi o ruído
das asas dos seres viventes, ao tocarem umas nas outras, e o
barulho das rodas ao lado deles, e o sonido dum grande
estrondo.14 Então o Espírito me levantou, e me levou; e eu me fui,
amargurado, na indignação do meu espírito; e a mão do Senhor
era forte sobre mim; Ezequiel teve a oportunidade de experimentar
um voo com essa máquina fantástica, descrevendo ainda sons e
barulhos, quando a Máquina promovia movimentações; e a seguinte
pergunta é:

--- Por que Deus precisaria de uma Máquina semelhante


as que vemos em filmes de ficção para sua locomoção?

Respostas não têmos! Mas podemos deixar a mistificação um pouco


de lado, os conceitos que aprendemos sobre a Natureza de Deus,
principalmente do “Credo de Nicéia”, e entender a Natureza de
Deus, como semelhante a dos Homens, porém com o diferencial da
sua forma de Vida: “de Eternidades de Tempos”, além das
nossas experiências e conhecimentos, mas dentro da nossa
expectativa de Vida Eterna.
28

Podemos entender o nosso Deus IHVH, como um “SER”,


colonizador de mundos, com alta tecnologia e dotado de
Página

“Conhecimento”, que sequer imaginamos possível; e ainda


podemos entender esse “SER”, dotado de uma natureza
“Espiritual”, com um “Corpo Espiritual”, bem melhor que o
nosso, cujo princípio é a “Imortalidade”, e a “Vida Eterna”, que
nós sonhamos alcançar algum dia.

A constituição física desse “SER”, como descrito pelo Profeta


Ezequiel, sugere algo duradouro, eterno no total da compreensão da
palavra: Imortal no entendimento do nosso vocabulário, e essa é a
diferença entre Deus e o Homem: O Conhecimento e a Imortalidade.

E então podemos entender, que esse mesmo Deus, Todo Poderoso,


Imortal, um “SER” Eterno, precise de máquinas fenomenais para o
seu deslocamento, e a nosso critério humano: Um Deus sem trono
não é um Deus!

O conhecimento do “SER” é que proporciona a maravilha da


“Engenharia Aeroespacial”, descrita como uma Nuvem de
grandes proporções, e um sofisticado trono voador, ou uma máquina
menor, para deslocamentos pessoais. Não que não possa ter outros
meios de locomoção, e outros meios de comunicação com a
humanidade; o fato é que devemos entender a separação de
“Tecnologias Avançadas”, comparadas com a ainda nossa
simples imaginação emoldurada nos filmes de ficção, segundo os
limites da narrativa dos Profetas.

Visões do Profeta João no Apocalipse.


O Profeta João, no Livro Apocalipse, descreve uma Visão semelhante
ao do Profeta Ezequiel, não fosse por dois detalhes: primeiro é que
os “Querubins” passam de 4 para 6 asas. E agora a Visão é num lugar
Especial, e não sobre uma Máquina. Seria o “Trono Fixo”, num
lugar determinado: nos Céus, na moradia de Deus?
Apocalipse 4: 1 Depois destas coisas, olhei, e eis que estava uma porta aberta
no céu, e a primeira voz que ouvira, voz como de trombeta, falando comigo,
disse: Sobe aqui, e mostrar-te-ei as coisas que depois destas devem acontecer.2
Imediatamente fui arrebatado em espírito, e eis que um trono estava posto
no céu, e um assentado sobre o trono; 3 e aquele que estava assentado
era, na aparência, semelhante a uma pedra de jaspe e sárdio; e
29

havia ao redor do trono um arco-íris semelhante, na aparência, à


esmeralda.4 Havia também ao redor do trono vinte e quatro tronos; e sobre
Página

os tronos vi assentados vinte e quatro anciãos, vestidos de branco, que tinham


nas suas cabeças coroas de ouro.5 E do trono saíam relâmpagos, e vozes, e
trovões; e diante do trono ardiam sete lâmpadas de fogo, as quais são os sete
espíritos de Deus;6 também havia diante do trono como que um mar de vidro,
semelhante ao cristal; e ao redor do trono, um ao meio de cada lado, quatro
seres viventes cheios de olhos por diante e por detrás;7 e o primeiro ser era
semelhante a um leão; o segundo ser, semelhante a um touro; tinha o terceiro
ser o rosto como de homem; e o quarto ser era semelhante a uma águia
voando.8 Os quatro seres viventes tinham, cada um, seis asas, e ao redor e por
dentro estavam cheios de olhos; e não têm descanso nem de noite, dizendo:
Santo, Santo, Santo é o Senhor Deus, o Todo-Poderoso, aquele que era, e que é,
e que há de vir.9 E, sempre que os seres viventes davam glória e honra e ações
de graças ao que estava assentado sobre o trono, ao que vive pelos séculos dos
séculos,10 os vinte e quatro anciãos prostravam-se diante do que estava
assentado sobre o trono, e adoravam ao que vive pelos séculos dos séculos; e
lançavam as suas coroas diante do trono, dizendo:11 Digno és, Senhor nosso e
Deus nosso, de receber a glória e a honra e o poder; porque tu criaste todas as
coisas, e por tua vontade existiram e foram criadas.

Não podemos deixar de notar que os critérios de “Majestade” não


sejam equivalentes: trono e adoradores. João descreve um lugar, em
algum lugar, um trono majestosamente imponente, um grupo de
adoradores, além das figuras dos Querubins, conforme o Capítulo 5:
11 E olhei, e vi a voz de muitos anjos ao redor do trono e dos seres
viventes e dos anciãos; e o número deles era miríades de miríades;
e o número deles era miríades de miríades e milhares de milhares,
12 que com grande voz diziam: Digno é o Cordeiro, que foi morto,
de receber o poder, e riqueza, e sabedoria, e força, e honra, e glória,
e louvor. 13 Ouvi também a toda criatura que está no céu, e na
terra, e debaixo da terra, e no mar, e a todas as coisas que neles há,
dizerem: Ao que está assentado sobre o trono, e ao
Cordeiro, seja o louvor, e a honra, e a glória, e o domínio pelos
séculos dos séculos: 14 e os quatro seres viventes diziam:
Amém. E os anciãos prostraram-se e adoraram.

Vamos ainda ler outras Visões, porém de um “Homem vestido de


linho”, que o Profeta Daniel teve, e descreve os aspectos físicos
desse homem, como da mesma constituição ou semelhante às
descrições de Ezequiel e João, porém percebemos que se trata de
outro personagem:
Daniel 10: 4 No dia vinte e quatro do primeiro mês, estava eu à borda do
30

grande rio, o Tigre;5 levantei os meus olhos, e olhei, e eis um homem vestido de
Página

linho e os seus lombos cingidos com ouro fino de Ufaz; 6 o seu corpo era
como o berilo, e o seu rosto como um relâmpago; os seus olhos
eram como tochas de fogo, e os seus braços e os seus pés como o
brilho de bronze polido; e a voz das suas palavras como a voz duma
multidão.7 Ora, só eu, Daniel, vi aquela visão; pois os homens que estavam
comigo não a viram: não obstante, caiu sobre eles um grande temor, e
fugiram para se esconder.

Outro personagem mesmo, porque Ezequiel 9, fala dele: 3 E a glória


do Deus de Israel se levantou do querubim sobre o qual estava, e
passou para a entrada da casa; e clamou ao homem vestido de
linho, que trazia o tinteiro de escrivão à sua cintura. Mesmo
adiante: Ezequiel 10: 4 Então se levantou a glória do Senhor de
sobre o querubim, e passou para a entrada da casa; e encheu-se a
casa duma nuvem, e o átrio se encheu do resplendor da glória do
Senhor. 5 E o ruído das asas dos querubins se ouvia até o átrio
exterior, como a voz do Deus Todo-Poderoso, quando fala. 6
Sucedeu pois que, dando ele ordem ao homem vestido de linho,
dizendo: Toma fogo dentre as rodas, dentre os querubins, entrou
ele, e pôs-se junto a uma roda. 7 Então estendeu um querubim a
sua mão de entre os querubins para o fogo que estava entre os
querubins; e tomou dele e o pôs nas mãos do que estava vestido de
linho, o qual o tomou, e saiu.

Voltando aos relatos de Daniel, cujo registra dois nomes: “Gabriel


e Miguel”, como nome dos personagens semelhantes ao Filho do
Homem, falara com ele, instruindo sobre o fim dos dias.
Daniel 10: 12 Então me disse: Não temas, Daniel; porque desde o primeiro
dia em que aplicaste o teu coração a compreender e a humilhar-te perante o
teu Deus, são ouvidas as tuas palavras, e por causa das tuas palavras eu
vim.13 Mas o príncipe do reino da Pérsia me resistiu por vinte e um dias; e eis
que Miguel, um dos primeiros príncipes, veio para ajudar-me, e eu o
deixei ali com os reis da Pérsia.14 Agora vim, para fazer-te entender o que há
de suceder ao teu povo nos derradeiros dias; pois a visão se refere a dias ainda
distantes.15 Ao falar ele comigo estas palavras, abaixei o rosto para a terra e
emudeci.16 E eis que um que tinha a semelhança dos filhos dos homens
me tocou os lábios; então abri a boca e falei, e disse àquele que estava em pé
diante de mim: Senhor meu, por causa da visão sobrevieram-me dores, e não
retenho força alguma.

Nessa ocasião Daniel estava conversando com o personagem


chamado de Gabriel, e veio até eles o outro personagem: Miguel, que
31

seria um dos “Primeiros Príncipes” e tinha a semelhança dos


Página

Filhos dos Homens, e cujo nome: Miguel significa – “Semelhante


a Deus” – no idioma Hebreu. Esse mesmo que Daniel viu “vestido
de linho” e que tinha os seus lombos cingidos com ouro fino de Ufaz,
e o seu corpo era como o berilo, e o seu rosto como um relâmpago;
os seus olhos eram como tochas de fogo, e os seus braços e os seus
pés como o brilho de bronze polido; e a voz das suas palavras como
a voz duma multidão. Também é o mesmo que segundo Daniel:
Naquele tempo se levantará Miguel, o grande príncipe, que se
levanta a favor dos filhos do teu povo; e haverá um tempo de
tribulação, qual nunca houve, desde que existiu nação até aquele
tempo; mas naquele tempo livrar-se-á o teu povo, todo aquele que
for achado escrito no livro. Mais ainda é o mesmo segundo os
registros do Livro Apocalipse12: 7 Então houve guerra no céu:
Miguel e os seus anjos batalhavam contra o dragão. E o dragão e
os seus anjos batalhavam, 8 mas não prevaleceram, nem mais o
seu lugar se achou no céu.

Donde concluímos também que esse mesmo personagem,


semelhante ao Filho do Homem, vestido de linho, mas com
aparência de metal, chamado de Miguel, que quer dizer semelhante
a Deus, é o mesmo “Anjo de IHVH”, e que veio para a Terra, como
Filho do Homem: Jesus (Iéshua) e voltará no Fim dos Dias, como o
Messias de Israel.

CAPÍTULO 8
Mestre de Obras na Criação da Terra.
Quando Deus disse: Façamos o Homem a nossa Imagem e a nossa
Semelhança, ele estava certamente conversando com alguém, e
ainda que possa parecer pretensão nossa, podemos afirmar que esse
interlocutor, o que falava com Deus, era o mesmo personagem que
antes nos referimos como “o Anjo de IHVH”, e para corroborar
com nossa afirmativa, recorremos aos versos do Livro de Provérbios.
32
Página

Provérbios 8:22 O Senhor me criou como a primeira das suas obras, o


princípio dos seus feitos mais antigos.23 Desde a eternidade fui constituída,
desde o princípio, antes de existir a terra.24 Antes de haver abismos, fui
gerada, e antes ainda de haver fontes cheias d'água.25 Antes que os montes
fossem firmados, antes dos outeiros eu nasci,26 quando ele ainda não tinha
feito a terra com seus campos, nem sequer o princípio do pó do mundo.27
Quando ele preparava os céus, aí estava eu; quando traçava um círculo sobre
a face do abismo,28 quando estabelecia o firmamento em cima, quando se
firmavam as fontes do abismo,29 quando ele fixava ao mar o seu termo, para
que as águas não traspassassem o seu mando, quando traçava os
fundamentos da terra,30 então eu estava ao seu lado como arquiteto; e
era cada dia as suas delícias, alegrando-me perante ele em todo o tempo;

Nessa versão da Bíblia está escrito a palavra “Arquiteto” no lugar


de “Mestre de Obras”, porém é apenas critério dos tradutores, já
que a palavra original é “MESTRE DE OBRAS”. Mas independe do
sentido que queiramos passar; seja como Mestre ou Arquiteto, o que
importa é o registro que alguém estava junto com Deus, quando Ele
criava a Terra.

Também encontramos no Livro de João, essa mesma informação,


descrita de maneira aparentada, assemelhando a base do ocorrido e
a participação de um personagem na Obra da Criação.
João 1: No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era
Deus. 2 Ele estava no princípio com Deus.3 Todas as coisas foram feitas por
intermédio dele, e sem ele nada do que foi feito se fez.4 Nele estava a vida, e a
vida era a luz dos homens;5 a luz resplandece nas trevas, e as trevas não
prevaleceram contra ela.6 Houve um homem enviado de Deus, cujo nome era
João.7 Este veio como testemunha, a fim de dar testemunho da luz, para que
todos cressem por meio dele.8 Ele não era a luz, mas veio para dar testemunho
da luz.9 Pois a verdadeira luz, que alumia a todo homem, estava chegando ao
mundo.10 Estava ele no mundo, e o mundo foi feito por intermédio dele, e o
mundo não o conheceu.11 Veio para o que era seu, e os seus não o receberam.

É evidente que João fala aqui de Jesus Cristo (Iéshua de


Nazaret), como aquele que estava junto com Deus, durante a
Criação dos Céus e da Terra. O que causa dificuldade de
entendimento é o jogo de palavras: “Verbo estava com Deus e o
Verbo era Deus‖; porém o que importa é que: alguém estava lá.

Essa tradução é bem provável que tenha sido adaptada logo após o
Conselho de Nicéia, e o Credo de Nicéia, porque traz em seu bojo o
resumo de todo o Credo. Mistifica a natureza dos dois personagens,
33

da Criação dos Céus e da Terra. Porém deixa margem para que


Página

possamos entender assim: “Filho de peixe”, peixe é! “Filho de


homem”, homem é! E “Filho de Deus”, Deus é! Melhor dizendo: todo
descendente, ou todo “SER” gerado mantém as características de
seu “Genitor”.

Assim sendo, Jesus Cristo como Filho de Homem, apresenta todas


as características dos Filhos dos Homens, e enquanto Filho de Deus
apresenta também as características dos Filhos de Deus. Devemos
lembrar que o próprio Deus disse: Façamos o Homem a nossa
Imagem e a nossa Semelhança, ou seja: Deus criou a Raça Humana,
seguindo os mesmos padrões de sua natureza – um corpo com
cabeça, braços e pernas – Como entendemos pela Bíblia que Deus é
Espírito, assim devemos entender que também o Homem foi criado
como um Espírito, e parecido com o seu Criador. Depois
entendemos que Deus revestiu esse Espírito com um “corpo de
carne”, para que ele pudesse viver na Terra, dentro de sua
“mortalidade”.

Seguindo um programa estabelecido, depois de certo tempo, os


humanos, devem passar para um estágio especial, conforme as
promessas da Bíblia, receber um revestimento de “imortalidade”,
para poderem suportar as características do Reino Celestial que será
implantado na Terra, num tempo futuro.

Para um Deus cheio de Sabedoria e Inteligência, esse parece um


“Bom Projeto”, um aperfeiçoamento da natureza humana, depois
de um “Estágio Probatório”, numa Terra onde a mortalidade é a
principal característica, devido às mudanças da natureza física, e
também por ser uma Existência Temporária.

Agora juntamos todos os Eventos: O Anjo de IHVH, não é o próprio


IHVH, mas é aquele que estava com Ele, durante a Criação da Terra,
e depois acompanhou o Povo Hebreu na jornada do Deserto,
apareceu para Daniel com o Nome de Miguel, (semelhante a Deus) e
entrou na Vida Humana como Jesus Cristo (Iéshua de Nazaret), e
retornará no Fim dos Dias como o Messias e Rei de Israel.

Também podemos dizer que o Anjo de IHVH, é o próprio Filho de


IHVH, que experimentou a “Forma Humana”, para cumprir os
34

requisitos necessários da “Redenção Humana”, e também


Página

manteve a sua Natureza Divina, herdada pelo seu Genitor, isto é: o


próprio IHVH, o Deus de Israel, o Senhor dos Exércitos. Poderíamos
usar até o critério da palavra Grega: “Semideus”, para diferenciar
de Deus e dos Humanos.

Quando esse personagem voltar para a Terra, como o Messias de


Israel, vai governar a Terra como o Rei de Israel, subjugar todas as
Nações e depois no Final dos Tempos, antes do início do Sétimo
Milênio, vai ainda sujeitar-se ao seu Pai: IHVH, como sempre foi
sujeito enquanto viveu como “O Anjo de IHVH”, ou o Anjo do
Senhor, nas traduções da língua Portuguesa. Até lá será o
representante de Deus na Terra, com poderes de Deus, vejamos o
que diz o Livro de I Coríntios 15: 24-28,
I Coríntios 15:24 Então virá o fim quando ele entregar o reino a Deus o
Pai, quando houver destruído todo domínio, e toda autoridade e todo poder.25
Pois é necessário que ele reine até que haja posto todos os inimigos debaixo de
seus pés.26 Ora, o último inimigo a ser destruído é a morte.27 Pois se lê: Todas
as coisas sujeitou debaixo de seus pés. Mas, quando diz: Todas as coisas lhe
estão sujeitas, claro está que se excetua aquele que lhe sujeitou todas as coisas.
28 E, quando todas as coisas lhe estiverem sujeitas, então também o
próprio Filho se sujeitará àquele que todas as coisas lhe sujeitou,
para que Deus seja tudo em todos.

Não fica a menor dúvida, que tudo faz parte de um “Plano”, bem
elaborado, mas um “Plano”, que mantém o princípio da Hierarquia
Divina, da ancestralidade e da descendência, ainda que Deus
também considerado, um Deus sujeito ao seu Deus, um Senhor
sujeito ao seu Senhor, ou mesmo o “Anjo IHVH sujeito ao Deus
IHVH”.

--- Assim IHVH filho de IHVH pai!

É claro que houve confusão nas explicações e leituras de muitos


doutores e religiosos das diversas épocas, principalmente antes da
criação dos “COMPUTADORES”, mas hoje não é admissível tal
confusão, mesmo porque os computadores facilitam a milhares de
constatações e comprovações, de textos, leituras, buscas de assunto e
esclarecimentos de dúvidas. Não é a toa que a própria Bíblia diz: No
Fim dos Dias, todos os segredos serão revelados.
35
Página
CAPÍTULO 9
Imagem de Deus.
É claro que seguindo o Credo de Nicéia, Deus não tem forma
nenhuma, não se parece com nada, e não se assemelha com
ninguém. Mas o Credo de Nicéia contradiz a própria Bíblia.

Voltemos ao tempo: Quando Adão gerou seu filho “SET”.


Gênesis 5:3 Adão viveu cento e trinta anos, e gerou um filho à sua
semelhança, conforme a sua imagem, e pôs-lhe o nome de Sete.

Neste Capítulo diz com todas as letras que: Adão gerou um filho à
sua semelhança, conforme a sua imagem; igualzinho ao pai,
parecido com o pai, da mesma forma que hoje, dizemos que fulano
de tal é tão parecido com o pai, que mais parece uma “Xerox”, ainda:
Cara de um, focinho do outro.

Não temos porque não entender que esses mesmos versos, que aqui
expressam “Igualdade”, lá no Livro de Gênesis 1: 26 E disse Deus:
Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa
semelhança; domine ele sobre os peixes do mar, sobre as aves do
céu, sobre os animais domésticos, e sobre toda a terra, e sobre todo
réptil que se arrasta sobre a terra. 27 Criou, pois, Deus o homem à
sua imagem; à imagem de Deus o criou; homem e mulher os
criou; venha a ter outro significado.

Vamos deixar bem claro, que quando diz que: Deus o criou:
homem e mulher os criou; não quer dizer que Deus era um
“SER Hermafrodita” , ou seja: Mulher e Homem ao mesmo
tempo, e que foi dividido ou separado o Macho da Fêmea; não
mesmo! O que está escrito aí, e isso é o que devemos entender, é
que: Deus criou Adão – homem -, e Deus criou Eva – mulher -,
seguindo o mesmo padrão existente no “CÉU”, ou em seu Reino
Celestial. Deus certamente usou da mesma essência espiritual, já que
36

Ele mesmo se diz ser: “ESPÍRITO”, para criar o Espírito do


Homem, como está escrito no Livro de Zacarias 12:1
Página
Zacarias 12: 1 A palavra do Senhor acerca de Israel: Fala o Senhor, o que
estendeu o céu, e que lançou os alicerces da terra e que formou o espírito
do homem dentro dele.

Jeremias 1:5 Antes que eu te formasse no ventre te conheci, e antes que


saísses da madre te santifiquei; às nações te dei por profeta.

Números 27: 16 Que o senhor, Deus dos espíritos de toda a carne, ponha um
homem sobre a congregação,

Hebreus 12: 9 Além disto, tivemos nossos pais segundo a carne, para nos
corrigirem, e os olhávamos com respeito; não nos sujeitaremos muito mais ao
Pai dos espíritos, e viveremos?

João4: 24 Deus é Espírito, e é necessário que os que o adoram o adorem em


espírito e em verdade.

Certamente a referencia no Livro de 24: 36 Enquanto ainda


falavam nisso, o próprio Jesus se apresentou no meio deles, e disse-
lhes: Paz seja convosco.37 Mas eles, espantados e atemorizados,
pensavam que viam algum espírito.38 Ele, porém, lhes disse: Por
que estais perturbados? e por que surgem dúvidas em vossos
corações?39 Olhai as minhas mãos e os meus pés, que sou eu
mesmo; apalpai-me e vede; porque um espírito não tem carne
nem ossos, como percebeis que eu tenho; invalida toda a percepção
“VISUAL”, da constituição de um Espírito, que pode ser visto, como
em muitas escrituras. Porém o mais importante é saber que os
Corpos que revestem os Espíritos atualmente serão modificados,
conforme o tratado de Paulo, no Livro de I Coríntios 15: 35-58.
I Coríntios 15:35 Mas alguém dirá: Como ressuscitam os mortos? e com que
qualidade de corpo vêm?36 Insensato! o que tu semeias não é vivificado, se
primeiro não morrer. 37 E, quando semeias, não semeias o corpo que há de
nascer, mas o simples grão, como o de trigo, ou o de outra qualquer semente.

38 Mas Deus lhe dá um corpo como lhe aprouve, e a cada uma das sementes
um corpo próprio. 39 Nem toda carne é uma mesma carne; mas uma é a
carne dos homens, outra a carne dos animais, outra a das aves e outra a dos
peixes.40 Também há corpos celestes e corpos terrestres, mas uma é
a glória dos celestes e outra a dos terrestres. 41 Uma é a glória do sol,
outra a glória da lua e outra a glória das estrelas; porque uma estrela difere
em glória de outra estrela.42 Assim também é a ressurreição, é ressuscitado
em incorrupção. 43 Semeia-se em ignomínia, é ressuscitado em glória.
Semeia-se em fraqueza, é ressuscitado em poder.44 Semeia-se corpo
37

animal, é ressuscitado corpo espiritual. Se há corpo animal, há


também corpo espiritual. 45 Assim também está escrito: O primeiro
Página

homem, Adão, tornou-se alma vivente; o último Adão, espírito vivificante.46


Mas não é primeiro o espiritual, senão o animal; depois o espiritual.47 O
primeiro homem, sendo da terra, é terreno; o segundo homem é do céu. 48
Qual o terreno, tais também os terrenos; e, qual o celestial, tais
também os celestiais.49 E, assim como trouxemos a imagem do
terreno, traremos também a imagem do celestial.50 Mas digo isto,
irmãos, que carne e sangue não podem herdar o reino de Deus; nem a
corrupção herda a incorrupção.51 Eis aqui vos digo um mistério: Nem todos
dormiremos mas todos seremos transformados,52 num momento, num abrir e
fechar de olhos, ao som da última trombeta; porque a trombeta soará, e os
mortos serão ressuscitados incorruptíveis, e nós seremos
transformados.53 Porque é necessário que isto que é corruptível se
revista da incorruptibilidade e que isto que é mortal se revista da
imortalidade.54 Mas, quando isto que é corruptível se revestir da
incorruptibilidade, e isto que é mortal se revestir da imortalidade, então se
cumprirá a palavra que está escrito: Tragada foi a morte na vitória.

Esse tratado de Paulo sobre a natureza dos Corpos Espirituais e


Materiais, pode ser resumido da seguinte forma: Qual o terreno, tais
também os terrenos; e, qual o celestial, tais também os celestiais. E,
assim como trouxemos a imagem do terreno, traremos também a
imagem do celestial; de sorte que somos a Imagem e a Semelhança
de nosso Criador. Deus é Espírito e tem um Corpo Espiritual,
imortal, incorruptível, e quando não existir mais a morte física, os
Espíritos serão revestidos com Corpos Espirituais, à mesma
Semelhança e a mesma Imagem do Eterno Deus Criador dos Céus e
da Terra.

Claro que não serão todos “Clones”, como os gêmeos idênticos, o


que estamos dizendo é que todos nós seremos “Parecidos”, ou
“Assemelhados” com Deus; segundo os padrões de um “Reino
Celestial”, conforme o modelo dos Céus, idênticos aos Anjos,
Imortais, dotados da Imortalidade para poder viver de Eternidade
em Eternidade, assim com o próprio Deus vêm vivendo: De
Eternidade em Eternidade.

CAPÍTULO 10
38
Página

A Semelhança de Deus.
Uma passagem pouca entendida e que causou e causa ainda muita
confusão e controvérsias, e a passagem onde Jesus Cristo (Iéshua
de Nazaret) diz: no Livro de João 12: 45 E quem me vê a mim, vê
aquele que me enviou.

Certamente Jesus não estava dizendo que Ele e Deus eram o mesmo
“Personagem”, o que não faz nenhum sentido, principalmente
depois de estudarmos a Bíblia, e mesmo os escritos deste Livro.
Jesus estava dizendo que assim como “Set” era a imagem e a
semelhança de Adão, também Jesus (Iéshua) era a Imagem e a
Semelhança de Deus, ou ainda o Anjo de IHVH foi feito a imagem e
a semelhança de IHVH dos Exércitos.

Lembra que no Livro de Provérbios 8: 22-26,


Provérbios 8: 22 O Senhor me criou como a primeira das suas
obras, o princípio dos seus feitos mais antigos. 23 Desde a eternidade fui
constituída, desde o princípio, antes de existir a terra.24 Antes de haver
abismos, fui gerada, e antes ainda de haver fontes cheias d'água.25 Antes que
os montes fossem firmados, antes dos outeiros eu nasci,26 quando ele ainda
não tinha feito a terra com seus campos, nem sequer o princípio do pó do
mundo.

Ele está dizendo que foi “Criado” em um determinado tempo lá na


Eternidade, antes de existir a Terra; mas está afirmando que Ele:
Jesus Cristo (Iéshua de Nazaret), o Anjo do Senhor, o Anjo de
IHVH, foi criado em um determinado momento. Bem diferente de
seu Pai IHVH, nosso Deus IHVH, que conforme afirma as
Escrituras; sempre Existiu: não teve princípios de dias e nem terá
fim.
Isaias 43: 10 Vós sois as minhas testemunhas, do Senhor, e o meu servo, a
quem escolhi; para que o saibais, e me creiais e entendais que eu sou o
mesmo; antes de mim Deus nenhum se formou, e depois de mim
nenhum haverá.

Faço sibilar o lema Judeu: 4 Ouve, ó Israel; o Senhor nosso Deus é o


único Senhor, conforme está escrito no Livro de Deuteronômio 6: 4
Ouve, ó Israel; o Senhor nosso Deus é o único Senhor. ÚNICO, no
gênero, Único Deus, Senhor dos Senhores, Deus dos Deuses, não
teve princípio, não têm qualquer referência de como apareceu no
39

Universo, bem diferente do Messias de Israel, que declara que Deus


Página

o Criou, antes de criar a Terra, mas que teve um princípio. Portanto


mais uma vez que fique claro: Deus é ÚNICO mesmo; e finalizando
em Isaias 42: 8 Eu sou o Senhor (IHVH); este é o meu nome; a
minha glória, pois, a outrem não a darei, nem o meu louvor
às imagens esculpidas.

A Missão que Deus lhe deu.


Quem tem alguma dúvida, sobre a natureza de Deus, a natureza do
Messias Jesus, do papel de cada “UM” deles na história da
Humanidade, Deus como Criador, e o Messias como o “Ungido
Salvador”, um cocriador e um Filho obediente: leia com atenção,
sem pressa e tudo ficará claro como a luz do dia.
João 17: Depois de assim falar, Jesus, levantando os olhos ao céu, disse: Pai, é
chegada a hora; glorifica a teu Filho, para que também o Filho te
glorifique;2 assim como lhe deste autoridade sobre toda a carne, para
que dê a vida eterna a todos aqueles que lhe tens dado.3 E a vida eterna é esta:
que te conheçam a ti, como “O único Deus verdadeiro”, e a Jesus Cristo,
aquele que tu enviaste.4 Eu te glorifiquei na terra, completando a obra
que me deste para fazer.5 Agora, pois, glorifica-me tu, ó Pai, junto de
ti mesmo, com aquela glória que eu tinha contigo antes que o
mundo existisse.6 Manifestei o teu nome aos homens que do mundo
me deste. Eram teus, e tu mos deste; e guardaram a tua palavra. 7 Agora
sabem que tudo quanto me deste provém de ti;8 porque eu lhes dei as palavras
que tu me deste, e eles as receberam, e verdadeiramente conheceram que saí
de ti, e creram que tu me enviaste. 9 Eu rogo por eles; não rogo pelo
mundo, mas por aqueles que me tens dado, porque são teus; 10 todas as
minhas coisas são tuas, e as tuas coisas são minhas; e neles sou glorificado.11
Eu não estou mais no mundo; mas eles estão no mundo, e eu vou para ti.
Pai santo, guarda-os no teu nome, o qual me deste, para que eles sejam
um, assim como nós.12 Enquanto eu estava com eles, eu os guardava no teu
nome que me deste; e os conservei, e nenhum deles se perdeu, senão o filho da
perdição, para que se cumprisse a Escritura.13 Mas agora vou para ti; e isto
falo no mundo, para que eles tenham a minha alegria completa em si
mesmos.14 Eu lhes dei a tua palavra; e o mundo os odiou, porque não são do
mundo, assim como eu não sou do mundo.15 Não rogo que os tires do mundo,
mas que os guardes do Maligno.16 Eles não são do mundo, assim como eu não
sou do mundo.17 Santifica-os na verdade, a tua palavra é a verdade.18 Assim
como tu me enviaste ao mundo, também eu os enviarei ao mundo.19 E por eles
eu me santifico, para que também eles sejam santificados na verdade.20 E
rogo não somente por estes, mas também por aqueles que pela sua palavra
hão de crer em mim;21 para que todos sejam um; assim como tu, ó Pai, és
em mim, e eu em ti, que também eles sejam um em nós; para que o mundo
40

creia que tu me enviaste.22 E eu lhes dei a glória que a mim me deste, para que
sejam um, como nós somos um;23 eu neles, e tu em mim, para que eles
Página

sejam perfeitos em unidade, a fim de que o mundo conheça que tu me


enviaste, e que os amaste a eles, assim como me amaste a mim.24 Pai, desejo
que onde eu estou, estejam comigo também aqueles que me tens dado, para
verem a minha glória, a qual me deste; pois que me amaste antes da fundação
do mundo.25 Pai justo, o mundo não te conheceu, mas eu te conheço;
conheceram que tu me enviaste;26 e eu lhes fiz conhecer o teu nome, e lho farei
conhecer ainda; para que haja neles aquele amor com que me amaste, e
também eu neles esteja.

Donde que todas as falas de “Unidade”: nós somos um; sejam um


como nós; todos sejam um; somos um; sejam perfeitos em unidade;
têm expressamente o significado de: “mesmo propósito”, e não a
fusão de corpos e espíritos, o que chega a beira do absurdo, e do
inimaginável. Nesta oração, o Messias de Israel, reconhece Deus
como seu Pai, declarava que foi criado, declara que veio para
cumprir um mando, e implora ao seu Deus como filho, pelos
privilégios de antes. Se Jesus fosse Deus igual ao seu Pai, com os
mesmo poderes e prerrogativas, essa oração não teria o menor
sentido; pois como pode um DEUS estar sujeito a outro DEUS,
afinal: Ser Deus não é ser Todo Poderoso?

Então agora leiamos as palavras, do Livro de João 8: 54 Respondeu


Jesus: Se eu me glorificar a mim mesmo, a minha glória não é
nada; quem me glorifica é meu Pai, do qual vós dizeis que é o
vosso Deus; aqui está a essência de sua mensagem: O Deus
IHVH é o seu Pai.

CAPÍTULO 11
A Missão do Filho de Deus.
Não é suficiente ler o Novo Testamento, para conhecer o Messias de
Israel; tampouco frequentar uma Igreja com esse objetivo. Se
tivermos interesse em conhecer o Messias, precisamos recorrer ao
Velho Testamento, e seguir um plano de leitura avançado;
começando pelo Profeta Isaias que dedicou um Capítulo inteiro
41

sobre o assunto.
Página
Isaias 53:1 Quem deu crédito à nossa pregação? e a quem se manifestou o
braço do Senhor?2 Pois foi crescendo como renovo perante ele, e como raiz
que sai duma terra seca; não tinha formosura nem beleza; e quando
olhávamos para ele, nenhuma beleza víamos, para que o desejássemos.3 Era
desprezado, e rejeitado dos homens; homem de dores, e experimentado nos
sofrimentos; e, como um de quem os homens escondiam o rosto, era
desprezado, e não fizemos dele caso algum.4 Verdadeiramente ele tomou
sobre si as nossas enfermidades, e carregou com as nossas dores; e
nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido.5 Mas ele foi
ferido por causa das nossas transgressões, e esmagado por causa das nossas
iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas
pisaduras fomos sarados.6 Todos nós andávamos desgarrados como
ovelhas, cada um se desviava pelo seu caminho; mas o Senhor fez
cair sobre ele a iniqüidade de todos nós.7 Ele foi oprimido e afligido,
mas não abriu a boca; como um cordeiro que é levado ao matadouro, e como a
ovelha que é muda perante os seus tosquiadores, assim ele não abriu a boca.8
Pela opressão e pelo juízo foi arrebatado; e quem dentre os da sua
geração considerou que ele fora cortado da terra dos viventes,
ferido por causa da transgressão do meu povo?9 E deram-lhe a
sepultura com os ímpios, e com o rico na sua morte, embora nunca tivesse
cometido injustiça, nem houvesse engano na sua boca.10 Todavia, foi da
vontade do Senhor esmagá-lo, fazendo-o enfermar; quando ele se
puser como oferta pelo pecado, verá a sua posteridade, prolongará
os seus dias, e a vontade do Senhor prosperará nas suas mãos.11 Ele
verá o fruto do trabalho da sua alma, e ficará satisfeito; com o seu
conhecimento o meu servo justo justificará a muitos, e as iniqüidades deles
levará sobre si.12 Pelo que lhe darei o seu quinhão com os grandes, e com os
poderosos repartirá ele o despojo; porquanto derramou a sua alma até a
morte, e foi contado com os transgressores; mas ele levou sobre si o
pecado de muitos, e pelos transgressores intercedeu.

O Profeta Isaias, foi feliz em ensinar sobre o Messias; e responde por


que Ele foi crucificado, morreu, e tinha que ressuscitar de entre os
mortos. Tudo começou lá na “saída do povo de Israel das Terras do
Egito”, quando o povo se envolveu com a Idolatria do “Bezerro de
Ouro”, e o próprio Deus, não mais subiria com eles, e enviou outro
em seu lugar. Deus se indignou tanto com o povo, que considerou o
completo extermínio deles.
Êxodo 32: 7 Então disse o Senhor a Moisés: Vai, desce; porque o teu povo,
que fizeste subir da terra do Egito, se corrompeu; 8 depressa se
desviou do caminho que eu lhe ordenei; eles fizeram para si um bezerro de
fundição, e adoraram-no, e lhe ofereceram sacrifícios, e disseram: Eis aqui, ó
42

Israel, o teu deus, que te tirou da terra do Egito.9 Disse mais o Senhor a
Moisés: Tenho observado este povo, e eis que é povo de dura cerviz.10 Agora,
Página

pois, deixa-me, para que a minha ira se acenda contra eles, e eu os


consuma; e eu farei de ti uma grande nação..., 34 Vai pois agora, conduze
este povo para o lugar de que te hei dito; eis que o meu anjo irá adiante de ti;
porém no dia da minha visitação, sobre eles visitarei o seu
pecado.35 Feriu, pois, o Senhor ao povo, por ter feito o bezerro que Arão
formara

Êxodo 33: 1 Disse mais o Senhor a Moisés: Vai, sobe daqui, tu e o povo que
fizeste subir da terra do Egito, para a terra a respeito da qual jurei a Abraão,
a Isaque, e a Jacó, dizendo: À tua descendência a darei.2 E enviarei um
anjo adiante de ti (e lançarei fora os cananeus, e os amorreus, e os heteus, e
os perizeus, e os heveus, e os jebuseus),3 para uma terra que mana leite e mel;
porque eu não subirei no meio de ti, porquanto és povo de cerviz
dura; para que não te consuma eu no caminho.

Quando Moisés se apresentou ao Anjo do Senhor, que o


acompanharia na jornada pelo deserto, no lugar do próprio Senhor,
foi apresentado ao Anjo que o acompanharia no lugar do Senhor, e o
próprio Senhor proclamou – anunciou – o Nome IHVH Jeová,
Jeová, e disse que é um Deus misericordioso e compassivo, tardio
em irar-se e grande em beneficência e verdade; que usa de
beneficência com milhares; que perdoa a iniquidade, a
transgressão e o pecado; que de maneira alguma terá por inocente
o culpado; que visita a iniquidade dos pais sobre os filhos e sobre os
filhos dos filhos até a terceira e quarta geração.

Então Moisés se inclinou a terra, e adorou IHVH, e implorou que Ele


então subisse no meio do povo de Israel, e então IHVH fez um pacto
com Moisés, o “Pacto” que consta a partir do Verso 10 até o Verso
26, do Capítulo 34, do Livro de Êxodo. Moisés permaneceu por 40
dias na presença de IHVH e escreveu nas tábuas de pedra as
palavras do Pacto, e Moisés levantou o Tabernáculo conforme o
Senhor mandou, no primeiro mês do segundo ano, tom ou o
Testemunho, colocou na Arca, e colocou dentro do Tabernáculo,
tudo conforme o Senhor lhe ordenou.

Então a Nuvem ou Nave, cobriu a Tenda da Revelação


(Tabernáculo), e a glória do Senhor encheu o lugar, de maneira que
Moisés não podia entrar na tenda, enquanto a Nuvem repousava
sobre ela. E toda a movimentação da Nuvem está registrado no Livro
de Números 9, como pode-se ler e entender que não se tratava de
uma simples Nuvem e sim de uma Nave, ou um veículo aeroespacial
43

com manobras fantásticas, inclusive a de parar em pleno ar.


Página
Desde a Tenda, IHVH ditou para Moisés toda a Lei encontrada no
Livro de Levítico 23: 1 – 27, de sorte que são esses os Mandamentos
que o Senhor ordenou a Moisés, para os filhos de Israel, no monte
Sinai. Par comprovar o que escrevemos, sobre o Anjo IHVH, anexo
novamente os Versos do Capítulo 23: 20-23;

Êxodo 23: 20 Eis que eu envio um anjo adiante de ti, para guardar-te
pelo caminho, e conduzir-te ao lugar que te tenho preparado.21 Anda
apercebido diante dele, e ouve a sua voz; não sejas rebelde contra ele,
porque não perdoará a tua rebeldia; pois nele está o meu nome.22 Mas
se, na verdade, ouvires a sua voz, e fizeres tudo o que eu disser, então serei
inimigo dos teus inimigos, e adversário dos teus adversários.23 Porque o meu
anjo irá adiante de ti, e te introduzirá na terra dos amorreus, dos heteus, dos
perizeus, dos cananeus, dos heveus e dos jebuseus; e eu os aniquilarei.

Leia novamente: Eu envio um Anjo adiante de ti, e ―Nele está o


Meu NOME: IHVH”. Certamente agora me podes entender
quando digo: Que esse Anjo tinha o mesmo Nome do Deus de Israel,
e representava o próprio Deus de Israel, era como se Ele estivesse
ali. E esse Anjo é o próprio Messias de Israel, que fez o Pacto com
Moisés, o mesmo que Moisés não podia vê-lo; diferente do próprio
Deus IHVH, que Moisés falava cara a cara como se fala com um
amigo.

No Capítulo 30, do Livro de Êxodo, o Senhor determina a construção


de um “Altar para queimar incenso”, diferente dos demais, pois
seria usado apenas uma vez por ano, para a expiação dos pecados: 10
E uma vez no ano Arão fará expiação sobre as pontas do altar;
com o sangue do sacrifício de expiação de pecado, fará
expiação sobre ele uma vez no ano pelas vossas gerações;
santíssimo é ao Senhor..., mais adiante no Capítulo 32, 34 Vai
pois agora, conduze este povo para o lugar de que te hei dito; eis
que o meu anjo irá adiante de ti; porém no dia da minha
visitação, sobre eles visitarei o seu pecado.35 Feriu, pois, o
Senhor ao povo, por ter feito o bezerro que Arão formara..., de
sorte que o próprio Deus IHVH, só voltará a visitar o Povo de Israel,
no “DIA DA VISITAÇÃO”, ou seja no Fim dos Tempos.

A Crucificação do Filho de Deus.


44

Porque o Messias tinha que ser crucificado, pendurado num


Página

madeiro? Como lemos no Livro de Isaias, Ele tomou todas as


transgressões do Povo de Israel, para si, de sorte que Ele passou a
ser “Réu de Morte”, perante as Leis que foram dadas para Moisés.
Deuteronômio 21:22 - Se um homem tiver cometido um pecado digno de
morte, e for morto, e o tiveres pendurado num madeiro,23 o seu cadáver não
permanecerá toda a noite no madeiro, mas certamente o enterrarás no mesmo
dia; porquanto aquele que é pendurado é maldito de Deus. Assim não
contaminarás a tua terra, que o Senhor teu Deus te dá em herança.

O sangue dos animais: servia para a Expiação dos pecados


cometidos pelo Povo de Israel; contudo a oferta devia ser de animais
sem defeito ou mancha, em especial o “Cordeiro da Páscoa”,
segundo o Verso 12, do Livro de Levítico que trata das três Festas
Judaicas: 12 E no dia em que moverdes o molho, oferecereis um
cordeiro sem defeito, de um ano, em holocausto ao Senhor.
Levítico 17: 10 Também, qualquer homem da casa de Israel, ou dos
estrangeiros que peregrinam entre eles, que comer algum sangue, contra
aquela alma porei o meu rosto, e a extirparei do seu povo.11 Porque a vida
da carne está no sangue; pelo que vo-lo tenho dado sobre o altar,
para fazer expiação pelas vossas almas; porquanto é o sangue que faz
expiação, em virtude da vida.12 Portanto tenho dito aos filhos de Israel:
Nenhum de vós comerá sangue; nem o estrangeiro que peregrina entre vós
comerá sangue.

O Anjo encarregado de conduzir o Povo de Israel através do deserto,


como o Anjo de IHVH, durante 40 anos, até os dias do Profeta
Miquéias que expõe a enormidade dos pecados do Povo de Israel, de
tal sorte que os Holocaustos comuns de animais, não eram mais
suficientes e nesse ínterim, veio a proposição de entregar o
Primogênito: Miquéias 6: 6 Com que me apresentarei diante do
Senhor, e me prostrarei perante o Deus excelso? Apresentar-me-ei
diante dele com holocausto, com bezerros de um ano?7 Agradar-
se-á o Senhor de milhares de carneiros, ou de miríades de
ribeiros de azeite? Darei o meu primogênito pela minha
transgressão, o fruto das minhas entranhas pelo pecado
da minha alma?8 Ele te declarou, ó homem, o que é bom; e que é
o que o Senhor requer de ti, senão que pratiques a justiça, e ames a
benevolência, e andes humildemente com o teu Deus?

Porém encontramos lá nos Livro de Hebreus, respostas


45

complementares, para justificar o Sacrifício do Anjo de IHVH,


Página

segundo as Leis dadas a Moisés, que não poderão ser alteradas,


reduzidas ou modificadas, e não passarão até que passe os Céus e a
Terra, segundo as palavras do próprio Messias.
Hebreus 9: Ora, também o primeiro pacto tinha ordenanças de serviço
sagrado, e um santuário terrestre.2 Pois foi preparada uma tenda, a primeira,
na qual estavam o candeeiro, e a mesa, e os pães da proposição; a essa se
chama o santo lugar;3 mas depois do segundo véu estava a tenda que se
chama o santo dos santos,4 que tinha o incensário de ouro, e a arca do pacto,
toda coberta de ouro em redor; na qual estava um vaso de ouro, que continha
o maná, e a vara de Arão, que tinha brotado, e as tábuas do pacto;5 e sobre a
arca os querubins da glória, que cobriam o propiciatório; das quais coisas não
falaremos agora particularmente.6 Ora, estando estas coisas assim
preparadas, entram continuamente na primeira tenda os sacerdotes,
celebrando os serviços sagrados;7 mas na segunda só o sumo sacerdote, uma
vez por ano, não sem sangue, o qual ele oferece por si mesmo e pelos
erros do povo;8 dando o Espírito Santo a entender com isso, que o caminho
do santuário não está descoberto, enquanto subsiste a primeira tenda,9 que é
uma parábola para o tempo presente, conforme a qual se oferecem tanto dons
como sacrifícios que, quanto à consciência, não podem aperfeiçoar aquele que
presta o culto;10 sendo somente, no tocante a comidas, e bebidas, e várias
abluções, umas ordenanças da carne, impostas até um tempo de reforma.11
Mas Cristo, tendo vindo como sumo sacerdote dos bens já realizados, por meio
do maior e mais perfeito tabernáculo (não feito por mãos, isto é, não desta
criação),12 e não pelo sangue de bodes e novilhos, mas por seu próprio
sangue, entrou uma vez por todas no santo lugar, havendo obtido
uma eterna redenção.13 Porque, se a aspersão do sangue de bodes e
de touros, e das cinzas duma novilha santifica os contaminados,
quanto à purificação da carne,14 quanto mais o sangue de Cristo, que
pelo Espírito eterno se ofereceu a si mesmo imaculado a Deus,
purificará das obras mortas a vossa consciência, para servirdes ao Deus
vivo?15 E por isso é mediador de um novo pacto, para que,
intervindo a morte para remissão das transgressões cometidas
debaixo do primeiro pacto, os chamados recebam a promessa da
herança eterna.16 Pois onde há testamento, necessário é que intervenha a
morte do testador.17 Porque um testamento não tem torça senão pela
morte, visto que nunca tem valor enquanto o testador vive.18 Pelo
que nem o primeiro pacto foi consagrado sem sangue;19 porque,
havendo Moisés anunciado a todo o povo todos os mandamentos segundo a lei,
tomou o sangue dos novilhos e dos bodes, com água, lã purpúrea e hissopo e
aspergiu tanto o próprio livro como todo o povo,20 dizendo: este é o sangue do
pacto que Deus ordenou para vós.21 Semelhantemente aspergiu com sangue
também o tabernáculo e todos os vasos do serviço sagrado.22 E quase todas
as coisas, segundo a lei, se purificam com sangue; e sem
derramamento de sangue não há remissão.23 Era necessário, portanto,
que as figuras das coisas que estão no céu fossem purificadas com tais
46

sacrifícios, mas as próprias coisas celestiais com sacrifícios melhores do que


estes.24 Pois Cristo não entrou num santuário feito por mãos, figura do
Página

verdadeiro, mas no próprio céu, para agora comparecer por nós perante a
face de Deus;25 nem também para se oferecer muitas vezes, como o sumo
sacerdote de ano em ano entra no santo lugar com sangue alheio;26 doutra
forma, necessário lhe fora padecer muitas vezes desde a fundação do mundo;
mas agora, na consumação dos séculos, uma vez por todas se manifestou, para
aniquilar o pecado pelo sacrifício de si mesmo.27 E, como aos homens está
ordenado morrerem uma só vez, vindo depois o juízo,28 assim
também Cristo, oferecendo-se uma só vez para levar os pecados de
muitos, aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que o esperam para
salvação.

Também o sacrifício do Messias, tinha outro objetivo, conforme


podemos verificar lendo os próximos destaques, isto é: com relação
aqueles, que tinham vivido nos tempos de Noé, e a estes ele foi
visitar, durante o período compreendido entre a “Crucificação e a
Ressurreição”, nas “Prisões Espirituais”, para também remi-
los de suas faltas.
I Pedro 3: 1 8 Porque também Cristo morreu uma só vez pelos pecados, o
justo pelos injustos, para levar-nos a Deus; sendo, na verdade, morto na
carne, mas vivificado no espírito;19 no qual também foi, e pregou aos
espíritos em prisão;20 os quais noutro tempo foram rebeldes, quando a
longanimidade de Deus esperava, nos dias de Noé, enquanto se preparava a
arca; na qual poucas, isto é, oito almas se salvaram através da água,

II Pedro 2: 4 Porque se Deus não poupou a anjos quando pecaram,


mas lançou-os no inferno, e os entregou aos abismos da escuridão,
reservando-os para o juízo;5 se não poupou ao mundo antigo, embora
preservasse a Noé, pregador da justiça, com mais sete pessoas, ao trazer o
dilúvio sobre o mundo dos ímpios;6 se, reduzindo a cinza as cidades de
Sodoma e Gomorra, condenou-as à destruição, havendo-as posto para
exemplo aos que vivessem impiamente;

Mesmo ainda segundo o número dos Filhos de Israel que estavam no


Egito, e saíram durante o Êxodo.
Números 2: 2 Tomai a soma de toda a congregação dos filhos de
Israel, segundo as suas famílias, segundo as casas de seus pais, conforme o
número dos nomes de todo homem, cabeça por cabeça; 3 os da idade de
vinte anos para cima, isto é, todos os que em Israel podem sair à
guerra, a esses contareis segundo os seus exércitos, tu e Arão..., 32 São esses
os que foram contados dos filhos de Israel, segundo as casas de seus pais;
todos os que foram contados dos arraiais segundo os seus exércitos, eram
seiscentos e três mil quinhentos e cinquenta.

Devemos acrescer cinco vezes mais esse número, contando com as


47

crianças, as mulheres e os idosos, além dos filhos dos estrangeiros


Página

que acompanharam os filhos de Israel.


Total de: 603.550 x 5 = 3.017.750

Desse total que saíram do Egito, apenas 2 homens entraram nas


Terras de Israel, nem Araão, nem Miriã e tampouco Moisés; mas
entraram Calebe e Josué:
Números 26: 4 Contai o povo da idade de vinte anos para cima; como o
Senhor ordenara a Moisés e aos filhos de Israel que saíram da terra do
Egito..., 51 Estes são os que foram contados dos filhos de Israel, seiscentos e
um mil setecentos e trinta..., 64 Entre esses, porém, não se achava
nenhum daqueles que tinham sido contados por Moisés e Arão, o sacerdote,
quando contaram os filhos de Israel no deserto de Sinai. 65 Porque o senhor
dissera deles: Certamente morrerão no deserto; pelo que nenhum deles ficou,
senão Calebe, filho de Jefoné, e Josué, filho de Num.

Total de: 601.730 x 5 = 3.008.650


Obs.: Multiplicamos por 5, donde que: Marido, Mulher, Filho, Filha e Sogra,
sejam como padrão de base do cálculo populacional da época.

Ou seja: toda aquela geração que sai do Egito morreu no Deserto,


exceto Calebe e Josué, porém o número dos que chegaram às Terras
de Israel, praticamente os mesmos que saíram do Egito, isto é:
3.000.000; três milhões de almas.

Que saldo fantástico: Renovação de todo um Povo, uma Nação de


Escravos saiu do Egito, e chegam ao seu destino como um Grande
Exército motivado para tomar posse da Terra Prometida. Também
uma geração eliminada no deserto: 3 milhões de pessoas em 40
anos, ou seja: 75.000 mortes por ano, durante a jornada no deserto.

Certamente que quando saíram do Egito, da escravidão no Egito,


debaixo da mão forte de um Deus poderoso, tinham a esperança de
uma Vida melhor, ou melhorar a “Qualidade de Vida” em
questão, contudo a liberdade alcançada por meio da Graça, e não da
Conquista, tolheu das mãos desse povo, que continuaram escravos
até a morte.

Não bastava para eles a liberdade, porque comiam, bebiam e


dormiam mesmo como escravos, e como “Nação de Escravos”,
não sabiam nem se defender; visto que 600.000 homens em
48

condições de servir o exército, não fizeram frente aos Egípcios em


menor número. Então somente a esperança de um Salvador, ou da
Página

Salvação de IHVH, que tão fantasticamente se manifestou diante


deles; com poder assombroso, além do conhecimento humano, foi
capaz de movê-los rumo a um grande futuro.

Contudo fez-se necessário esperar nascer outra geração, filhos da


liberdade, outras Leis e Regimes, para que a Israel saísse do seu
próprio deserto. Foram levados para uma Terra de liberdade, que
manava leite e mel; colheram onde não plantaram e beberam das
fontes que não escavaram; e mesmo assim logo esqueceram o Deus
que os libertou. Apegaram-se a deuses estranhos, aos costumes dos
povos pagãos, aos deuses de pau e pedra; e deixaram a Justiça e a
Caridade de lado.

Então foram divididos e espalhados, humilhados e destruídos, quase


que completamente; até ao ponto de clamarem por nova Salvação; e
então se lembraram de seu Deus, mesmo o Deus de seus Pais:
Abraão, Isaac e Jacob. E o seu Deus se lembrou das promessas e dos
“Pactos” feitos com seus pais; e assim lhes preparou um Salvador.
Um Deus para salvá-los de seus próprios pegados, que os oprimiam
mais que os usurpadores de suas terras. Porque o que os
escravizavam agora, não eram mais o Egito, e sim suas próprias
consciências.

CAPÍTULO 12
Salvador ou Salvação.
Oséias 13:1 Quando Efraim falava, tremia-se; foi exaltado em Israel; mas
quando ele se fez culpado no tocante a Baal, morreu.2 E agora pecam mais e
mais, e da sua prata fazem imagens fundidas, ídolos segundo o seu
entendimento, todos eles obra de artífices, e dizem: Oferecei sacrifícios a estes.
Homens beijam aos bezerros!3 Por isso serão como a nuvem de manhã, e como
o orvalho que cedo passa; como a palha que se lança fora da eira, e como a
fumaça que sai pela janela.4 Todavia, eu sou o Senhor teu Deus desde a
terra do Egito; portanto não conhecerás outro deus além de mim,
porque não há salvador senão eu.5 Eu te conheci no deserto, em
terra muito seca.6 Depois eles se fartaram em proporção do seu pasto; e
49

estando fartos, ensoberbeceu-se-lhes o coração, por isso esqueceram de mim.


Página
Note nestes versos; que o Deus que fala pela boca do Profeta Oséias,
diz que conheceu o “Povo de Israel desde a Terra do Egito” e
foi no deserto que Ele se deu a conhecer; contudo o Deus IHVH,
tinha escolhido esse Povo, desde a saída de Abraão de Ur dos
Caldeus, nos filhos de Isaac e de Jacob; memo antes deles irem para
o Egito. Tão somente quando o Deus IHVH, tirou o Povo da
escravidão do Egito e intentou levá-los para a Terra Prometida à
Abraão, é que se rebelaram em idolatria, junto com o Bezerro de
Ouro, e não mais subiu IHVH com o Povo, para não destruí-lo no
meio do caminho; mas mandou o seu Anjo IHVH, ou o seu próprio
filho, em o seu próprio Nome: “IHVH”, para conduzi-los até a Terra
Prometida.

Certamente porque “o Anjo de IHVH”, como Deus, foi proclamado


como misericordioso e compassivo, tardio em irar-se e grande em
beneficência e verdade; que usa de beneficência com milhares; que
perdoa a iniquidade, a transgressão e o pecado; que de maneira
alguma terá por inocente o culpado; que visita a iniqüidade dos pais
sobre os filhos e sobre os filhos dos filhos até a terceira e quarta
geração.

E esta relação não é bem aceita, devido a fatos das traduções e


transliterações da Bíblia, em diversos idiomas terem adulterado os
nomes de Deus e de seu Anjo; tanto no Novo como no Velho
Testamento; e pior ainda; fizeram os líderes das religiões que não
distinguiam Deus de seu Anjo: a Teoria do “Credo de Nicéia”, um
protótipo da Trindade Egípcia, Grega e Romana.

Os nomes: Jesus, Jeová, Iesous, Ieshua, e IHVH, testemunham por


si mesmo a confusão. Contudo tal Deus e tal Anjo de Deus tinham os
mesmos Nomes: “IHVH”, e o Salvador de Israel herdou como título
de Salvador, a mesma palavra do Nome de seu Pai e seu Deus, na
língua hebreia: Iéshua. Melhor dizendo: uma letra hebreia,
intercalada na palavra IHVH, mudou o sentido de “O SER”, para
“Salvação do SER”, ou ainda “Salvador”; pois a pronúncia do
nome do Deus IHVH, em nosso idioma português é “IEUA” e não
Jeová, que acrescido da letra hebréia SHIN fica assim: Iéshua. E
50

como tal: Iéshua deixa de ser um nome pessoal, para ser um título
Página

funcional.
Já os termos Jesus, Jeová, surgiram das corrupções das traduções
Hebreias para o Latim, e das versões: Alemã de Lutero e a Inglesa de
Tyndale

Traduções ou transliterações forçadas.


A mais antiga foi a Itala, de 200 a 250 D.C., na Itália; depois veio a
Vulgata Latina de São Jerônimo no Século IV, que em 390 D.C., foi
corrigida diretamente do hebraico; a de João Ferreira de Almeida
em português no Século XVII; em 1981 veio a Bíblia de Jerusalém,
traduzida dos originais; Lutero Martinho traduziu o Novo
Testamento para o Alemão em 1522 D.C., e o Velho Testamento em
1534 D.C.; para o inglês foi Tyndale, que traduziu o Novo
Testamento em 1525 D.C., e o Pentateuco em 1531 D.C; entre as
principais versões.

Observando que a consoante “J”, não existia no latim literário, e


somente na Idade Média começou a ser usada para diferenciar o “i”
consoante do “I” vogal; de forma que o nome Jesus Cristo em latim e
alemão era escrito assim: “Iesu Christi”, e “Gesú Cristo” em
Italiano; “Iesus Christ” em Ingles, e “Iesou Cristou” em Grego.

Assim como hoje no idioma Inglês, o nome de Jesus cujo equivalente


hebraico é “Iéshua”, eles escrevem assim: “Yeshua”, usando a
letra “Y”, no lugar de “I”, quando deveriam também ter seguido a
regra e escrever “Jeshua” como Jesus; mas usam a letra “Y” por
causa da pronúncia igual a “I”, e não usam a letra “I”, que se
pronuncia “AI”, na língua Inglêsa.

Nós brasileiros, que não precisamos usar as letras “Y, W e K”, pois
temos as equivalentes: “I, V,U e Q”, somos obrigados a
americanizar nossas palavras, mesmo quando suas origens não são
Inglesas, como é o caso da palavra hebreia: “Salvação –
IESHUA”.

Credo Niceno imposto pela Igreja Romana


O Credo Niceno Constantinopolitano é uma declaração de fé Cristã,
51

aceita pela Igreja Católica Apostólica Romana, pela Ortodoxa, pela


Página

Anglicana e pelas principais Protestantes, com a presbiteriana. Com


o Primeiro Concílio de Nicéia em 325 D.C., e o de Constantinopla em
381 D.C., que resultou na seguinte formulação:

Versão latina
Credo in unum Deum,
Patrem omnipoténtem,
Factórem cæli et terræ,
Visibílium ómnium et invisibílium.
Et in unum Dóminum Iesum Christum,
Fílium Dei Unigénitum,
Et ex Patre natum ante ómnia sæcula.
Deum de Deo, lumen de lúmine, Deum verum de Deo vero,
Génitum, non factum, consubstantiálem Patri:
Per quem ómnia facta sunt.
Qui propter nos hómines et propter nostram salútem
Descéndit de cælis.
Et incarnátus est de Spíritu Sancto
Ex María Vírgine, et homo factus est.
Crucifíxus étiam pro nobis sub Póntio Piláto;
Passus, et sepúltus est,
Et resurréxit tértia die, secúndum Scriptúras,
Et ascéndit in cælum, sedet ad déxteram Patris.
Et íterum ventúrus est cum glória,
Iudicáre vivos et mórtuos,
Cuius regni non erit finis.
Et in Spíritum Sanctum, Dóminum et vivificántem:
Qui ex Patre Filióque procédit.
Qui cum Patre et Fílio simul adorátur et conglorificátur:
Qui locútus est per prophétas.
Et unam, sanctam, cathólicam et apostólicam Ecclésiam.
Confíteor unum baptísma in remissiónem peccatorum.
Et expecto resurrectionem mortuorum,
Et vitam ventúri sæculi. Amen.

Credo de Nicéia e Constantinopla


Creio em um só Deus,
Pai todo-poderoso,
Criador do céu e da terra,
de todas as coisas visíveis e invisíveis.
Creio em um só Senhor, Jesus Cristo,
Filho Unigênito de Deus,
gerado do Pai
antes de todos os séculos:
Deus de Deus,
Luz da luz,
verdadeiro Deus de verdadeiro Deus,
gerado, não feito,
da mesma substância do Pai.
52

Por Ele todas as coisas foram feitas.


E, por nós, homens,
Página

e para a nossa salvação,


desceu dos céus:
Se encarnou pelo Espírito Santo,
no seio da Virgem Maria,
e se fez homem.
Também por nós foi crucificado
sob Pôncio Pilatos;
padeceu e foi sepultado.
Ressuscitou dos mortos ao terceiro dia,
conforme as Escrituras;
E subiu aos céus,
onde está assentado à direita de Deus Pai.
Donde há de vir, em glória,
para julgar os vivos e os mortos;
e o Seu reino não terá fim.
Creio no Espírito Santo,
Senhor e fonte de vida,
que procede do Pai (e do Filho);
e com o Pai e o Filho
é adorado e glorificado:
Ele falou pelos profetas.
Creio na Igreja
Una, Santa, Católica e Apostólica.
Confesso um só batismo
para remissão dos pecados.
Espero a ressurreição dos mortos;
E a vida do mundo vindouro.
Amém.

Mesmo com outras versões portuguesas, fundiram as personalidades


de Jesus Cristo com o Deus Criador e com o Espírito Santo,
formando a “Trindade”, ou Santíssima Trindade comumente
aceita. Alguns Evangélicos lançaram a fórma genérica de
“Triunidade”, e algumas correntes modernas Católicas fundiram
também a quarta personagem: “Nossa Senhora ou Virgem
Maria”, com futura pretensão de trocar, essa personagem pelo
“Espírito Santo”, para não criar a “Quadratura Monoteísta”,
ou seja: Quatro Deuses em Um Só!

Teoria da Substituição: Antiga Israel pela Nova Igreja.


A ideia não é nova, surgiu com a Igreja Romana, e agora passou
como bandeira de luta das Igrejas Evangélicas.

I - Jutin Martyr em 160 D.C., disse para um Judeu: ―As


escrituras não pertencem a vocês, mas a nós”.

II - Irineu bispo de Lyon (d.C. 177) declarou: "Os Judeus foram


53

deserdados da graça de Deus."


Página
III - Tertuliano (d.C. 160-230), em seu tratado "contra os Judeus",
anunciou que Deus havia rejeitado os Judeus em favor dos
Cristãos.

IV - Nos primórdios do 4º século, Eusébio escreveu que as


promessas das Escrituras hebraicas eram para os Cristãos e não
para os Judeus, e as maldições para os Judeus. Dizia que a Igreja
Romana ou o Cristianismo era a continuação do Velho Testamento
e que substituía o Judaísmo.

Ainda bem que: mesmo com as Traduções Modernas da Bíblia, não


suprimiram duas escrituras Bíblicas, uma no Novo Testamento e a
outra no Velho Testamento, que desmente toda e qualquer
pretensão dos adeptos da Teoria da Substituição de Israel pela Igreja
Cristã.

Vejamos a primeira Escritura:


Romanos 9: 1-8 Digo a verdade em Cristo, não minto, dando testemunho
comigo a minha consciência no Espírito Santo,2 que tenho grande tristeza e
incessante dor no meu coração.3 Porque eu mesmo desejaria ser separado de
Cristo, por amor de meus irmãos, que são meus parentes segundo a carne;4 os
quais são israelitas, de quem é a adoção, e a glória, e os pactos, e a
promulgação da lei, e o culto, e as promessas;5 de quem são os
patriarcas; e de quem descende o Cristo segundo a carne, o qual é
sobre todas as coisas, Deus bendito eternamente. Amém. 6 Não que a palavra
de Deus haja falhado. Porque nem todos os que são de Israel são
israelitas; 7 nem por serem descendência de Abraão são todos
filhos; mas: Em Isaque será chamada a tua descendência.8 Isto é, não
são os filhos da carne que são filhos de Deus; mas os filhos da promessa são
contados como descendência.

Donde que os Árabes, descendentes de Ismael, e também de Esaú


que se aparentou com Ismael por casamento, e são filhos de Abraão,
não são filhos da promessa. Apenas os descendentes de Jacob é que
são os herdeiros legítimos; de sorte que os filhos de José: Manassés e
Efraim foram chamados de primogênitos.

Vejamos a segunda Escritura:


Jeremias 31: 35 Assim diz o Senhor, que dá o sol para luz do dia, e a ordem
estabelecida da lua e das estrelas para luz da noite, que agita o mar, de modo
que bramem as suas ondas; o Senhor dos exércitos é o seu nome:36 Se esta
ordem estabelecida falhar diante de mim, diz o Senhor, deixará
também a linhagem de Israel de ser uma nação diante de mim para
54

sempre.37 Assim diz o Senhor: Se puderem ser medidos os céus lá em cima, e


sondados os fundamentos da terra cá em baixo, também eu rejeitarei toda a
Página

linhagem de Israel, por tudo quanto eles têm feito, diz o Senhor.
Nota: Olha que estamos no ano de 2010 D.C., e por enquanto, a
nossa melhor tecnologia não conseguiu medir nem os Céus e
tampouco os fundamentos da Terra; de sorte que: até que isso
aconteça, a linhagem de Israel continua como a atual e legítima
herdeira das Promessas que o Eterno Deus fez para Abraão, Isaac e
Jacob.

E é nesta linha de pensamento que agora vamos contemplar as


palavras SALVADOR e SALVAÇÃO.

O Senhor Deus diz: Salvarei!


Quando paramos para refletir nas palavras do Livro do Profeta
Zacarias, não fica nenhuma dúvida, sobre a herança de Israel, de
Jacob; entenda Jacob por: Israel mais Judá – 12 tribos; desde o
Capítulo 8 e o Capítulo 10, que nada fala de Igreja – instituição
religiosa – e sim de um Povo, o Povo de Israel, mesmo porque a
palavra “Igreja”, só aparece duas vezes no Livro de Mateus, e nas
versões latinas, não aparecem nos demais livros: Marcos, Lucas e
João; só tornando a aparecer nos escritos de Atos em diante.

Também porque Paulo separa muito bem os termos: “Igreja dos


Gentios” em Romanos 16:4 e “Igreja de Cristo” em 16:16, donde
que Gentios: era e continua sendo uma referência a todos os não
Israelitas, os que não são da Casa de Israel. De sorte que
entendamos de vez, as palavras de Zacarias:
Zacarias 8: 1 Depois veio a mim a palavra do Senhor dos exércitos, dizendo:
2 Assim diz o Senhor dos exércitos: Zelo por Sião com grande zelo; e, com
grande indignação, por ela estou zelando. 3 Assim diz o Senhor: Voltarei
para Sião, e habitarei no meio de Jerusalém; e Jerusalém chamar-
se-á a cidade da verdade, e o monte do Senhor dos exércitos o monte
santo. 4 Assim diz o Senhor dos exércitos: Ainda nas praças de Jerusalém
sentar-se-ão velhos e velhas, levando cada um na mão o seu cajado, por causa
da sua muita idade. 5 E as ruas da cidade se encherão de meninos e meninas,
que nelas brincarão. 6 Assim diz o Senhor dos exércitos: Se isto for
maravilhoso aos olhos do resto deste povo naqueles dias, acaso será também
maravilhoso aos meus olhos? diz o Senhor dos exércitos.7 Assim diz o Senhor
dos exércitos: Eis que salvarei o meu povo, tirando-o da terra do
oriente e da terra do ocidente; 8 e os trarei, e eles habitarão no meio de
Jerusalém; eles serão o meu povo, e eu serei o seu Deus em verdade e em
justiça. 9 Assim diz o Senhor dos exércitos: Sejam fortes as vossas mãos, ó vós,
que nestes dias ouvistes estas palavras da boca dos profetas, que estiveram no
dia em que foi posto o fundamento da casa do Senhor dos exércitos, a fim de
que o templo fosse edificado.10 Pois antes daqueles dias não havia salário
55

para os homens, nem lhes davam ganho os animais; nem havia paz para o que
saia nem para o que entrava, por causa do inimigo; porque eu incitei a todos
Página

os homens, cada um contra o seu próximo.11 Mas agora não me haverei para
com o resto deste povo como nos dias passados, diz o Senhor dos exércitos; 12
porquanto haverá a sementeira de paz; a vide dará o seu fruto, e a terra dará
a sua novidade, e os céus darão o seu orvalho; e farei que o resto deste povo
herde todas essas coisas.13 E há de suceder, ó casa de Judá, e ó casa de
Israel, que, assim como éreis uma maldição entre as nações, assim
vos salvarei, e sereis uma bênção; não temais, mas sejam fortes as
vossas mãos. 14 Pois assim diz o Senhor dos exércitos: Como intentei fazer-
vos o mal, quando vossos pais me provocaram a ira, diz o Senhor dos
exércitos, e não me compadeci,15 assim tornei a intentar nestes dias
fazer o bem a Jerusalém e à casa de Judá; não temais.16 Eis as coisas
que deveis fazer: Falai a verdade cada um com o seu próximo; executai juízo
de verdade e de paz nas vossas portas;17 e nenhum de vós intente no seu
coração o mal contra o seu próximo; nem ame o juramento falso; porque
todas estas são coisas que eu aborreço, diz o senhor.18 De novo me veio a
palavra do Senhor dos exércitos, dizendo: 19 Assim diz o Senhor dos exércitos:
O jejum do quarto mês, bem como o do quinto, o do sétimo, e o do décimo mês
se tornarão para a casa de Judá em regozijo, alegria, e festas alegres; amai,
pois, a verdade e a paz.20 Assim diz o Senhor dos exércitos: Ainda sucederá
que virão povos, e os habitantes de muitas cidades; 21 e os habitantes de uma
cidade irão à outra, dizendo: Vamos depressa suplicar o favor do
Senhor, e buscar o Senhor dos exércitos; eu também irei.22 Assim
virão muitos povos, e poderosas nações, buscar em Jerusalém o
Senhor dos exércitos, e suplicar a bênção do Senhor. 23 Assim diz o
Senhor dos exércitos: Naquele dia sucederá que dez homens, de nações
de todas as línguas, pegarão na orla das vestes de um judeu,
dizendo: Iremos convosco, porque temos ouvido que Deus está
convosco.

Jeremias 10:1 Pedi ao Senhor chuva no tempo da chuva serôdia, sim, ao


Senhor, que faz os relâmpagos; e ele lhes dará chuvas copiosas, e a cada um
erva no campo, 2 Pois os terafins falam vaidade, e os adivinhos vêem mentira
e contam sonhos falsos; em vão procuram consolar; por isso seguem o seu
caminho como ovelhas; estão aflitos, porque não há pastor.3 Contra os
pastores se acendeu a minha ira, e castigarei os bodes; mas o Senhor dos
exércitos visitará o seu rebanho, a casa de Judá, e o fará como o seu
majestoso cavalo na peleja. 4 De Judá sairá a pedra angular, dele a
estaca da tenda, dele o arco de guerra, dele sairão todos os chefes. 5
Eles serão como valentes que na batalha pisam aos pés os seus inimigos na
lama das ruas; pelejarão, porque o Senhor esta com eles; e confundirão os que
andam montados em cavalos. 6 Fortalecerei a casa de Judá, e salvarei a
casa de José; fá-los-ei voltar, porque me compadeço deles; e serão
como se eu não os tivera rejeitado; porque eu sou o Senhor seu
Deus, e os ouvirei. 7 Então os de Efraim serão como um valente, e o seu
coração se alegrará como pelo vinho; seus filhos o verão, e se alegrarão; o seu
coração se regozijará no Senhor. 8 Eu lhes assobiarei, e os ajuntarei, porque os
tenho remido; e multiplicar-se-ão como dantes se multiplicavam. 9 Ainda
que os espalhei entre os povos, eles se lembrarão de mim em terras
remotas; e, com seus filhos, viverão e voltarão. 10 Pois eu os farei
voltar da terra do Egito, e os congregarei da Assíria; e os trarei à
terra de Gileade e do Líbano; e não se achará lugar bastante para
eles. 11 Passarão pelo mar de aflição, e serão feridas as ondas do
mar, e todas as profundezas do Nilo se secarão; então será abatida
a soberba da Assíria, e o cetro do Egito se retirará. 12 Eu os
56

fortalecerei no Senhor, e andarão no seu nome, diz o Senhor.


Página
CAPÍTULO 13
Estrangeiros no meio de Israel.
Contudo, não ficai temerosos, agora que entendeis que Israel não é
uma Igreja, nem a Igreja Cristã Romana e tampouco a Igreja
Protestante; pois Israel era, é, e será um povo; mesmo os
descendentes de Abraão, que viviam na Terra Prometida, na Terra
de Israel, lá no Oriente Médio, entre o Mar Vermelho e o Eufrates,
entre o Jordão e o Grande Mar – Mediterrâneo – e são ainda os
descendentes dos que foram dispersos no ano de 135 D.C., pelo
Exército do Império Romano, na Grande Diáspora, por toda a
Eurásia e América, e também são os mesmos que voltaram para a
Terra de Israel, quando o Estado de Israel foi restabelecido em 1948
D.C., depois da II Guerra Mundial; e mais ainda: são os que ainda
voltarão quer sejam Judeus ou Efraimitas (10 Tribos dispersas no
ano de 722 A.C., pelos Assírios) e da Assíria para a Eurásia e da
Eurásia para as Américas depois de 1500 D.C; e voltarão para as
Terras Prometidas, quando o Messias retornar.

Não tema, por não ser Judeu, porque não sabes “Tu”, que podes ser
um “Israelita”, daqueles que foram convertidos a Religião
Romana, durante a Inquisição, antes de 1500 D.C., ou ainda um da
Casa de Israel, que foram dispersos desde 722 A.C., ou mesmo
depois de 135 D.C.; e terás certamente a tua herança legítima entre
os Filhos de Israel, e não por “Usurpação”, proposta pela Teoria da
Substituição de Israel pela Igreja Cristã.

Sabe por quê? Pelo simples motivo: Se a Igreja Cristã fosse a


herdeira legítima de Abraão, de Jacob e de Israel, a sua “Sede”,
deveria estar na Terra Prometida e não em Roma! Também porque
segundo o Livro da Lei, mais especificamente no Livro de
Deuteronômio 17: 14 – 15, diz que: - 14 Quando entrares na terra
que o Senhor teu Deus te dá, e a possuíres e, nela habitando,
disseres: Porei sobre mim um rei, como o fazem todas as nações
que estão em redor de mim;15 porás certamente sobre ti como rei
57

aquele que o Senhor teu Deus escolher. Porás um dentre teus


irmãos como rei sobre ti; não poderás pôr sobre ti um
Página

estrangeiro, homem que não seja de teus irmãos.


De modos que a Igreja Cristã, nunca escolheu um “REI” para
dominar sobre ela, no máximo como ela mesma afirma, ter recebido
do Imperador Romano a sua Herança, do Imperador Constantino I
– Flavius Valerius Constantinus, 272 – 337 D.C., - governador do
Império Romano, como Imperador e não Rei.

O Fato de ter entrado para a História como primeiro imperador


romano convertido ao Cristianismo, em 312 D.C., não o afastou do
Deus Imperial Romano: Sol Invictus. E como registra as
Enciclopédias: A Enciclopédia Católica diz: "Constantino favoreceu
de modo igual, ambas as religiões. Como sumo pontífice ele velou
pela adoração pagã e protegeu seus direitos." E a Enciclopédia
Hídria observa: "Constantino nunca se tornou cristão". No dia
anterior ao da sua morte, Constantino fizera um sacrifício a Zeus, e
até o último dia usou o título pagão de Sumo Pontífice. Fatos que
como Imperador de Roma e não da Terra de Israel, como Romano e
não Israelita; ainda que tenha institucionalizado a Igreja no Estado
Romano; não fez dele Herdeiro das Bençãos de Abraão, nem de
Isaac, e tampouco de Jacob.

Nota: Esta clara associação da casa imperial ao Cristianismo criou uma


situação equívoca, já que o cristianismo tornou-se a religião "pessoal" dos
imperadores, que, no entanto, ainda deveriam regular o exercício do
paganismo - o que, para um cristão, significava transigir com a idolatria. O
paganismo retinha ainda grande força política - especialmente entre as elites
educadas do Ocidente do Império - situação que só seria resolvida por um
imperador posterior, Graciano, que renunciaria ao cargo de Sumo Pontífice
em 379 - sendo assassinado quatro anos depois por um usurpador, Máximo.
Somente após a eliminação de Máximo e de outro usurpador pagão, Eugênio,
por Teodósio I é que o cristianismo tornar-se-ia a única religião legal (395).

Como podemos ver: Roma não têm nada com Israel! À partir de 632
D.C., o Califado Islâmico, passou a dominar sobre o Oriente Médio,
inclusive sobre Jerusalém, e permaneceram dominando aquelas
terras, mesmo a Terra de Israel, até 1948 D.C., quando a Inglaterra,
que ficara responsável pela sua dominação, após o fim do Império
Otomano, em 1922 D.C., depois da I Guerra Mundial, e sob
orientação da ONU, passou as Terras de Israel, para o então criado
Estado de Israel.

De forma que: Nem de fato e nem por direito, a Igreja Romana é


herdeira de Abraão, de Isaac e de Jacob, ou da Herança de Israel; e
58

assim as suas filhas; as Igrejas Protestantes Cristãs, também não o


são, nem por vínculo e nem por “Credo”. Contudo, os Cristãos, de
Página

qualquer Igreja, ou ainda: qualquer estrangeiro, poderão herdar


junto com os Filhos de Israel, das Bençãos de Abraão , de Isaac e de
Jacob, segundo os Escritos Bíblicos:

Ezequiel 14: 6 Portanto dize à casa de Israel: Assim diz o Senhor Deus:
Convertei-vos, e deixai os vossos ídolos; e desviai os vossos rostos de todas as
vossas abominações.7 Porque qualquer homem da casa de Israel, ou
dos estrangeiros que peregrinam em Israel, que se alienar de mim e
der lugar no seu coração aos seus ídolos, e puser tropeço da sua
maldade diante do seu rosto, e vier ao profeta para me consultar a favor de si
mesmo, eu, o Senhor, lhe responderei por mim mesmo;8 e porei o meu rosto
contra o tal homem, e o farei um espanto, um sinal e um provérbio, e
exterminá-lo-ei do meio do meu povo; e sabereis que eu sou o Senhor.

Ezequiel 40: 9 Assim diz o Senhor Deus: Nenhum estrangeiro, incircunciso


de coração e carne, de todos os estrangeiros que se acharem no meio dos filhos
de Israel, entrará no meu santuário.
Ezequiel 47: 21 Repartireis, pois, esta terra entre vós, segundo as tribos de
Israel.22 Reparti-la-eis em herança por sortes entre vós e entre os
estrangeiros que habitam no meio de vós e que têm gerado filhos no
meio de vós; e vós os tereis como naturais entre os filhos de Israel;
convosco terão herança, no meio das tribos de Israel.23 E será que na
tribo em que peregrinar o estrangeiro, ali lhe dareis a sua herança, diz o
Senhor Deus.

Isaias 56: 6 E aos estrangeiros, que se unirem ao Senhor, para o


servirem, e para amarem o nome do Senhor, sendo deste modo
servos seus, todos os que guardarem o sábado, não o profanando, e
os que abraçarem o meu pacto,
7 sim, a esses os levarei ao meu santo monte, e os alegrarei na minha casa de
oração; os seus holocaustos e os seus sacrifícios serão aceitos no meu altar;
porque a minha casa será chamada casa de oração para todos os povos.

Eis aí, estabelecidas as Regras para a Herança de Israel. Sujeitarem-


se as suas Leis, Estatutos e ao seu Rei: O Messias de Israel, o Santo
de Israel que reinará sobre todos os povos.

CAPÍTULO 14
O Salvador de Israel é o Anjo de IHVH.
Dois termos bastante explícito nas Escrituras Bíblicas, e que chama
muita a atenção é: “Senhor dos Exércitos e Santo de Israel”.
59

O primeiro título é exclusivo ao Deus IHVH, enquanto que o termo


Santo de Israel é específico ao Anjo IHVH. Claro que como o Anjo de
Página

IHVH, portador do Nome de IHVH, e que ficou encarregado de


conduzir o Povo de Israel até a Terra prometida, e cuidar do povo até
o Dia da Visitação do próprio IHVH, nos Últimos Dias, ou final do
Milênio; isto é: depois do retorno do Messias de Israel, depois da
unificação de todas as Doze Tribos de Israel, num único Povo; o
Povo de Israel, e quando as nações de Gogue e Magogue vierem
sobre Jerusalém, o Senhor dos Exércitos, ou o próprio IHVH virá;
depois que a própria morte for subjugada neste mundo; e o mundo
for transformado; e um Novo Céu e uma Nova Terra forem
estabelecidos.

Até lá, tudo o que fizer referência ao Deus de Israel, ao Deus de toda
a Terra, nos remete ao representante de Deus na Terra: O seu Anjo
IHVH, ou o Ungido Salvador de Israel, ainda o Redentor de Israel.
Isaias 49:1 Ouvi-me, ilhas, e escutai vós, povos de longe: O Senhor chamou-
me desde o ventre, desde as entranhas de minha mãe fez menção do meu nome
2 e fez a minha boca qual espada aguda; na sombra da sua mão me escondeu;
fez-me qual uma flecha polida, e me encobriu na sua aljava;
3 e me disse: Tu és meu servo; és Israel, por quem hei de ser
glorificado. ( “Israel” significa, “aquele que triunfou com Deus – um
vencedor.” ) 4 Mas eu disse: Debalde tenho trabalhado, inútil e vãmente gastei
as minhas forças; todavia o meu direito está perante o Senhor, e o meu
galardão perante o meu Deus.5 E agora diz o Senhor, que me formou
desde o ventre para ser o seu servo, para tornar a trazer-lhe Jacó, e
para reunir Israel a ele (pois aos olhos do Senhor sou glorificado, e o meu
Deus se fez a minha força). 6 Sim, diz ele: Pouco é que sejas o meu servo, para
restaurares as tribos de Jacó, e tornares a trazer os preservados de
Israel; também te porei para luz das nações, para seres a minha
salvação até a extremidade da terra. 7 Assim diz o Senhor, o Redentor de
Israel, e o seu Santo, ao que é desprezado dos homens, ao que é aborrecido das
nações, ao servo dos tiranos: Os reis o verão e se levantarão, como também os
príncipes, e eles te adorarão, por amor do Senhor, que é fiel, e do Santo de
Israel, que te escolheu.

Convém lembrar que Israel – 10 tribos – está ainda espalhada por todo o
mundo, até a data de hoje, e que ainda serão reunidas num só reino: Reino
de Israel ou Povo de Israel. Portanto a grande “Missão”, do escolhido é
essa: Unificar as 12 Tribos de Israel. De sorte que: o “Anjo de IHVH” é o
mesmo que veio ao mundo como o seu “Servo”, o “Renovo”, ou o próprio
Messias, e também o mesmo que estava com IHVH, no começo da criação.

Vamos juntos, buscar referência do fato, lá no Versículo 1 do Capítulo 1 do


Livro de Gênesis, no original em Hebreu e vamos transliterar, não traduzir,
60

para o nosso idioma português.


Página

I – Texto em letras hebreias: Gênesis 1:1


‫הארץ ואת הׂשמים את אלהים ברא בראׂשית‬
II – Transliterado para o português:
BERECHIT BARA HELORIM AT HASHAMAINE VEAT HAARATS

III – Tradução Convencional:


No princípio criou Deus os céus e a terra.

IV – Tradução Completa:
No princípio criou Deus Alef Tav os céus e Alef Tav a terra.

V – Explicação:
As duas letras hebreia: ‫את‬, foram ignoradas na frase e as três letras
hebreias ‫ואת‬, foram transliteradas como “E” prejudicando totalmente o
sentido original, acomodando a uma tradução simplista e conveniente.
Simplista, pois ignorou que os termos “‫”את‬, têm sentido muito mais
amplo, pois é um termo: Alef Tav, que significa: “Princípio e Fim”, pois as
letras Alef e Tav são consecutivamente a primeira e a última letra do
Alfabeto Hebreu, e quando transliteradas para o Grego, deveriam ter
mantido o mesmo sentido: a primeira letra e a última – Alfa e Ômega, com
o mesmo sentido de “princípio e fim” ou “primeiro e último”.

Um termo significativo e não foi assim, ignoraram o primeiro termo e


deturparam o segundo. Hoje resgatando essas letras como um “NOME”, ou
um “TÌTULO”, podemos ver que traz novo sentido para o Versículo 1 do
Capítulo 1 do Livro de Gênesis.

GÊNESIS 1 :1

‫ב ְֵּראשִׁית א‬, ‫אֱֹלהִׁים ב ָָרא‬, ‫הַשָ מַ י ִׁם אֵ ת‬, ‫ָָארץ וְּאֵ ת‬


ֶ ‫ה‬.
GÊNESIS 1 :1
No princípio criou Deus Alef Tav, os céus e Alef Tav a terra.
GÊNESIS 1 :1
No princípio criou Deus Alfa Ômega, os céus e Alfa Ômega a terra.
GÊNESIS 1 :1
No princípio criou Deus Início Fim, os céus e Início Fim a terra.
61

GÊNESIS 1 :1
No princípio criou Deus Primeiro Último, os céus e Primeiro Último
Página

a terra.
GÊNESIS 1 :1
No princípio criou Deus Alef Tav, os céus e Alef Tav a terra.
GÊNESIS 1 :1
No princípio criou Deus Sabedoria, os céus e Sabedoria a terra.
GÊNESIS 1 :1
No princípio criou Deus VERBO, os céus e VERBO a terra.
GÊNESIS 1 :1
No princípio criou Deus Ungido Salvador, os céus e Ungido
Salvador a terra.
GÊNESIS 1 :1
No princípio criou Deus Messias, os céus e Messias a terra.
GÊNESIS 1 :1
No princípio criou Deus Jesus Cristo, os céus e Jesus Cristo a terra.
GÊNESIS 1 :1
No princípio criou Deus Iéshua, os céus e Iéshua a terra.

E em bom “Português”:
No Princípio Deus Criou Iéshua e os Céus, e Iéshua criou a Terra.

Fim de todo o “Mistério”! Aquele que estava com Ele, desde o


princípio era o Verbo, a Sabedoria, mesmo Jesus Cristo (Iéshua –
Salvador), e assim fica mais claro, os versos seguintes:

A) João 1:1 No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus,


e o Verbo era Deus.
B) Provérbios 8:22 O Senhor me criou como a primeira das
suas obras, o princípio dos seus feitos mais antigos.
C) Isaias 48: 12 Escuta-me, ó Jacó, e tu, ó Israel, a quem
chamei; eu sou o mesmo, eu o primeiro, eu também o último.
D) Apocalipse 1:8 Eu sou o Alfa e o Ômega, diz o Senhor Deus,
aquele que é, e que era, e que há de vir, o Todo-Poderoso.
E) Apocalipse 22:13 Eu sou o Alfa e o Ômega, o primeiro e o
derradeiro, o princípio e o fim.

Também acaba o “Mistério” do Livro de Gênesis1: 26 E disse Deus:


Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança;
domine ele sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu, sobre os
animais domésticos, e sobre toda a terra, e sobre todo réptil que se
arrasta sobre a terra.
62

Ora! Se Deus disse; disse para alguém; se falou; falou com alguém, e
alguém estava com Ele para ouvir, ou então teria dito: Faço o
Página

homem a minha imagem e conforme a minha semelhança.


Portanto quem estava com Ele, era mesmo Jesus Cristo, que
conduziu o Povo de Israel durante a jornada no deserto, como o Anjo
do Senhor, sobre a nuvem que cobria o Povo de Israel, e depois veio
ao mundo como “Filho do Homem”, nascido de uma mulher,
segundo os escritos do Novo Testamento, nascendo de Maria –
Mirian – e tendo por pai – mesmo IHVH, o Deus de Abraão, de
Isaac e de Jacob:

Lucas 1: 35 Respondeu-lhe o anjo: Virá sobre ti o Espírito Santo, e o poder do


Altíssimo te cobrirá com a sua sombra; por isso o que há de nascer será
chamado santo, Filho de Deus.

Convém um esclarecimento sobre o significado da palavra:


“Espírito Santo”, que significa aqui e em muitas escrituras:
“opírito de Deus”; pois se assim não for, fica muito estranho dizer
que: Jesus Cristo é filho de Deus, se foi outro personagem que o
gerou. Entendamos assim: Espírito Santo é o próprio Espírito de
Deus, pois se Deus é Espírito e Ele é Santo, então: O seu Espírito é
Santo; daí – “Espírito Santo”. Sem mais mistérios.

Quer prova disto? Pois bem: essa palavra – Espírito Santo – só


aparece no Novo Testamento, na forma latina; mesmo porque no
Velho Testamento ela aparece seguindo as regras hebraicas, ou seja:
Santo Espírito e não Espírito Santo, a maneira de escrever da direita
para a esquerda, mantendo o adjetivo “Santo” antes do sujeito
“Espírito”.

Veja: Mateus 1: 18 Ora, o nascimento de Jesus Cristo foi assim: Estando


Maria, sua mãe, desposada com José, antes de se ajuntarem, ela se achou ter
concebido do Espírito Santo.
Veja: Isaias 63: 11 Todavia se lembrou dos dias da antiguidade, de Moisés, e
do seu povo, dizendo: Onde está aquele que os fez subir do mar com os
pastores do seu rebanho? Onde está o que pôs no meio deles o seu Santo
Espírito?

Vendo dessa maneira, podemos dizer que Deus, não faz as coisas de
maneira misteriosa que os humanos não possam entender. O difícil é
os humanos aceitarem as coisas de Deus, de forma humanizada; sem
mistificação, sem transcendentalismos ou com grande imaginação,
porém de curto entendimento.

Agora podemos dizer que ficou melhor, aceitar Jesus Cristo, como
63

um Deus, e que Ele voltará como o Deus de Israel, o Rei de Israel,


mesmo o Deus de toda a Terra, até que subjugue todas as coisas,
Página

inclusive a própria morte e então Ele mesmo, se sujeite ao seu Pai, e


a Seu Deus: Deus IHVH, Deus de Abraão, Deus de Isaac e Deus de
Jacó, o mesmo que criou os Céus e criou o Alfa Ômega – “Alef Tav”
dos hebreus.

Tudo fica mais coerente: Deus criou os Céus, e depois criou seu
Filho, e este como Arquiteto ou Mestre de Obras, criou a Terra,
depois Deus se apresentou para Abraão e também para Moisés. E
Deus IHVH estava disposto a conduziu o Povo de Israel até a Terra
Prometida; mas como Israel se rebelou, Ele mandou em seu lugar o
seu filho: Anjo de IHVH; que veio ao mundo como o Ungido
Salvador, que virá como Rei de Israel e Deus de toda a Terra, até o
Final dos Tempos, nos Últimos Dias, no “Dia da Visitação”,
quando o próprio Deus IHVH volta, e um Novo Céu e uma Nova
Terra se estabeleça para isso; mesmo quando o Reino dos Céus
substituam o Reino da Terra. Quando o modelo Celestial for
implantado, e a própria Terra seja totalmente transformada num
Reino Celestial, semelhante e igual aos Céus do próprio Deus IHVH:
depois do início do Sétimo Milênio.

CAPÍTULO 15
Os Títulos das Divindades.
Deus – tradução da palavra hebreia Elohim – Gênesis 1:1
Senhor – transliteração de IHVH – Gênesis 2:2
Rei de Israel – título de Saul, o primeiro rei – I Samuel 24:14
Anjo do Senhor – o anjo que fala com Agar - Gênesis 16:7-8
Anjo de Deus – o mesmo que fala com Agar - Gênesis 21:17
Santo de Israel – título do Deus de Davi - Salmos 71:22
Deus de Israel – título de Deus - Êxodo 5:1
Senhor dos Exércitos – título de IHVH em Siló - I Samuel 1:3
Deus dos Exércitos – título de IHVH - I Samuel 17:45
Senhor Deus de Israel – título de IHVH - I Samuel 2: 30
Primeiro e o Último – título do Messias Salvador - Apocalipse 1:17
Deus de Toda a Terra –título de IHVH - Isaias 54:5
Redentor – título de IHV H - Jó 19:25
Espírito Santo – mesmo que Espírito de Deus - Mateus 1:18
64

Santo Espírito – mesmo que Espírito de Deus - Salmo 51:11


Página

Renovo do Senhor – o mesmo Ungido Messias - Isaias 4:2


Servo – sentido de escravo - Gênesis 9:25
Meu servo – sentido de obediente - Gênesis 26:24

Deus – Emanuel deus conosco – Mateus 1:203


Senhor – anjo do Senhor – Mateus 1:20
Rei de Israel – título do Messias de Israel– Mateus 27:42
Anjo do Senhor – Mensageiro de Deus – Mateus 1:20
Anjo de Deus – Mensageiro de Deus – Atos 10:3
Santo de Israel – não têm no Novo Testamento
Deus de Israel – título de Deus – Mateus 15:31
Senhor dos Exércitos – título de IHVH – Romanos 9:29
Deus dos Exércitos – não têm no Novo Testamento
Senhor Deus de Israel – não têm no Novo Testamento
Primeiro e último – título do Messias Salvador - Apocalipse 1:17
Deus de Toda a Terra – não têm no Novo Testamento
Redentor – não tem no Novo Testamento
Espírito Santo – mesmo que Espírito de Deus - Mateus 1:18
Santo Espírito – não tem no Novo Testamento
Renovo do Senhor – não têm no Novo testamento
Servo – sentido de escravo – Mateus 8:9
Meu servo – sentido de obediente – Mateus 12:18

Estes são alguns dos títulos atribuídos ao Deus de Israel, IHVH, o


Deus Criador, de forma que quando o Anjo do Senhor, na qualidade
de embaixador ou representante de Deus na Terra, recebe os
mesmos títulos, como se o próprio Deus ali estivesse.

Quando se diz que Israel, não têm dois deuses, não é poligâmico, é
uma verdade, pois Jesus Cristo quando atuava como representante
de Deus, ou no lugar de Deus, não constituía dois poderes, e sim um;
como o “Embaixador de Deus”. Mesmo que Ele venha reinar na
Terra, estará representando o Deus Criador, e não um terço da
Divindade. Então Deus é Único, seja na identidade do Deus de
Abraão IHVH, ou no Anjo de IHVH.

O Ajudador não é o ―Espírito Santo‖


Convém ainda falarmos do “Ajudador”, do Livro de João 14: 16,
26, 15:26, e 16:17; este certamente não se constitui numa parte da
Trindade Romana; nem é um Deus Trino, ou da Triunidade, pois
este mesmo está sujeito ao Pai (IHVH), tal como Jesus é sujeito ao
65

Pia (IHVH), mas é um “Espírito”, como outro espírito que vêm da


parte de Deus, para ajudar, colaborar com os apóstolos para sua
Página

missão. Um Espírito sujeito a Deus, com os demais espíritos:


vingador, de sabedoria, ciúmes, adivinhador, sabedoria, mau,
maligno, mentiroso, voluntário, espírito dos deuses santos de
Daniel, luxúria, prostituição, falsidade, do Senhor e do Homem,
como a força que existe dentro dos homens para dar a vida, e as
forças que influenciam a humanidade, ora como perturbadores, ora
como ajudadores. Forças que podem perturbar a própria
personalidade, ou melhor: que influencia de maneira efetiva no
comportamento humano; mas nenhum deles, seja Bom ou Ruim, se
constituem num “Deus”; mesmo porque nenhum deles têm
autonomia própria; e todos estão sujeitos as ordens do próprio Deus
IHVH, e um Deus que recebe ordens não é Deus mesmo e sim
“Servo Administrador”; e então entendamos que o
“Consolador” é na verdade um “Espírito de Consolo e um
Espírito de Recordação”, para os discípulos não esqueceram a
Doutrina.

Anjos sem asas.


Os anjos, segundo o Livro de Lucas 20:36 diz que - porque já não
podem mais morrer; pois são iguais aos anjos, e são filhos de
Deus, sendo filhos da ressurreição; são criaturas semelhantes ao
homens na aparência e semelhantes a Deus na imortalidade:
Imortais. São mensageiros de Deus.

Hebreus 1:1 Havendo Deus antigamente falado muitas vezes, e de muitas


maneiras, aos pais, pelos profetas, 2 nestes últimos dias a nós nos falou pelo
Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas, e por quem fez também o
mundo; 3 sendo ele o resplendor da sua glória e a expressa imagem do seu Ser,
e sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, havendo ele mesmo
feito a purificação dos pecados, assentou-se à direita da Majestade nas alturas,
4 feito tanto mais excelente do que os anjos, quanto herdou mais excelente
nome do que eles. 5 Pois a qual dos anjos disse jamais: Tu és meu Filho, hoje te
gerei? E outra vez: Eu lhe serei Pai, e ele me será Filho? 6 E outra vez, ao
introduzir no mundo o primogênito, diz: E todos os anjos de Deus o adorem.
7 Ora, quanto aos anjos, diz: Quem de seus anjos faz ventos, e de seus
ministros labaredas de fogo. 8 Mas do Filho diz: O teu trono, ó Deus, subsiste
pelos séculos dos séculos, e cetro de eqüidade é o cetro do teu reino. 9 Amaste a
justiça e odiaste a iniquidade; por isso Deus, o teu Deus, te ungiu com óleo de
alegria, mais do que a teus companheiros; 10 e: Tu, Senhor, no princípio
fundaste a terra, e os céus são obras de tuas mãos; 11 eles perecerão, mas tu
permaneces; e todos eles, como roupa, envelhecerão, 12 e qual um manto os
enrolarás, e como roupa se mudarão; mas tu és o mesmo, e os teus anos não
acabarão. 13 Mas a qual dos anjos disse jamais: Assenta-te à minha direita até
que eu ponha os teus inimigos por escabelo de teus pés? 14 Não são todos eles
espíritos ministradores, enviados para servir a favor dos que hão de herdar a
66

salvação?
Página
Então os Anjos são personalidades do Mundo Celeste, dos Céus de
IHVH, que servem como mensageiros, para boas ou más novas, e
está sujeito ao Ungido Salvador, ou ao Príncipe dos Príncipes. E
sendo assim, os seres humanos, não lhes estão sujeitos a nenhum
tipo de “Veneração”, a não ser o de ouvir seus conselhos, se forem
bons: Hebreus 1:14 Não são todos eles espíritos ministradores,
enviados para servir a favor dos que hão de herdar a salvação?

Enviados para “Servir”, e não serem “Servidos;” são


colaboradores do Criador, e não concorrentes da majestade.

CAPÍTULO 16
A Humanidade do Messias Salvador.
Vamos seguir os passos do Messias aqui na Terra, e assim
poderemos avaliar bem a sua natureza humana, as suas limitações
divinas, e o seu poder como Filho de Deus.

Quando o Messias de Israel, veio ao mundo, para a Terra, tinha que


ser de forma semelhante aos Humanos: Nascer de uma Mulher. Mas
para manter os atributos de seu Pai IHVH, e os atributos de um Ser
Humano, tinha que ser gerado pelo próprio Deus em um corpo
Humano.

Também tinha que ser de uma forma tal que, atendesse as profecias
que faziam referências a sua vinda; segundo as narrativas dos
Profetas, e segundo a promessa que o próprio IHVH fez para Davi,
ou seja: nasceria da linhagem da Casa de Davi.

Mais importante ainda: teria que vir segundo as Leis dadas ao


Profeta Moisés; Legislador do Povo de Israel, e assim dentro das Leis
dadas ao Povo de Israel, e não segundo os costumes dos “Gentios”.

Contudo o mais difícil, seria atender os propósitos de sua Missão:


Ser um Salvador, um Cordeiro que deveria ser oferecido, de forma
67

especial, pelos pecados do Povo de Israel, e de uma “Única Vez”;


Página

resgatar as faltas de um Povo, diante de seu Deus, de forma efetiva e


duradoura. Requeria um sacrifício melhor que o de animais: mais
puro, sem manchas ou defeitos, e também requeria o seu próprio
sangue. O seu sangue deveria escorrer num altar de sacrifícios, assim
como as ofertas de pecados, eram oferecidas.

Deus estabeleceu Regras Sociais para a nova sociedade, que estava


se iniciando a partir de um sistema de escravidão. Estabeleceu um
sistema de tributação de penalidades para as inflações sócias, desde
a oferenda de pequenas aves, cordeiros e gado, além de espécimes da
base alimentar, em quantidades equivalentes as penalidades. Uma
forma sadia de “pegar no bolso” do infrator e assim conter aquele
povo.

O Livro de Levítico é o Código Penal que legisla todas as ações do


Povo Israelita, desde o príncipe ao plebeu, contemplando desde
penalidades de reparação até a pena capital da morte.
Levítico 4:1 Disse mais o Senhor a Moisés: 2 Fala aos filhos de Israel,
dizendo: Se alguém pecar por ignorância no tocante a qualquer das coisas que
o Senhor ordenou que não se fizessem, fazendo qualquer delas; 3 se for o
sacerdote ungido que pecar, assim tornando o povo culpado,
oferecerá ao Senhor, pelo pecado que cometeu, um novilho sem
defeito como oferta pelo pecado..., 13 Se toda a congregação de Israel errar,
sendo isso oculto aos olhos da assembleia, e eles tiverem feito qualquer de
todas as coisas que o Senhor ordenou que não se fizessem, assim tornando-se
culpados; 14 quando o pecado que cometeram for conhecido, a assembleia
oferecerá um novilho como oferta pelo pecado, e o trará diante da
tenda da revelação..., 22 Quando um príncipe pecar, fazendo por
ignorância qualquer das coisas que o Senhor seu Deus ordenou que não se
fizessem, e assim se tornar culpado;23 se o pecado que cometeu lhe for
notificado, então trará por sua oferta um bode, sem defeito;..., 27 E se
alguém dentre a plebe pecar por ignorância, fazendo qualquer das
coisas que o Senhor ordenou que não se fizessem, e assim se tornar culpado;
28 se o pecado que cometeu lhe for notificado, então trará por sua oferta
uma cabra, sem defeito, pelo pecado cometido;...,

Levítico 5:1
Se alguém, tendo-se ajuramentado como testemunha, pecar por
não denunciar o que viu, ou o que soube, levará a sua iniquidade....,5 Deverá,
pois, quando for culpado numa destas coisas, confessar aquilo em que houver
pecado. 6 E como sua oferta pela culpa, ele trará ao Senhor, pelo pecado que
cometeu, uma fêmea de gado miúdo; uma cordeira, ou uma
cabrinha, trará como oferta pelo pecado; e o sacerdote fará por ele
68

expiação do seu pecado. 7 Mas, se as suas posses não bastarem para gado
miúdo, então trará ao Senhor, como sua oferta pela culpa por aquilo em que
Página

houver pecado, duas rolas, ou dois pombinhos; um como oferta pelo


pecado, e o outro como holocausto;..,11 Se, porém, as suas posses não
bastarem para duas rolas, ou dois pombinhos, então, como oferta por aquilo
em que houver pecado, trará a décima parte duma efa de flor de
farinha como oferta pelo pecado; não lhe deitará azeite nem lhe porá em
cima incenso, porquanto é oferta pelo pecado;...,

Levítico 20: 1 Disse mais o Senhor a Moisés: 2 Também dirás aos filhos de
Israel: Qualquer dos filhos de Israel, ou dos estrangeiros peregrinos em Israel,
que der de seus filhos a Moloque, certamente será morto; o povo da terra o
apedrejará...,9 Qualquer que amaldiçoar a seu pai ou a sua mãe, certamente
será morto; amaldiçoou a seu pai ou a sua mãe; o seu sangue será sobre ele.
10 O homem que adulterar com a mulher de outro, sim, aquele que adulterar
com a mulher do seu próximo, certamente será morto, tanto o adúltero,
como a adúltera. 11 O homem que se deitar com a mulher de seu pai terá
descoberto a nudez de seu pai; ambos os adúlteros certamente serão mortos;
o seu sangue será sobre eles..., 13 Se um homem se deitar com outro
homem, como se fosse com mulher, ambos terão praticado
abominação; certamente serão mortos; o seu sangue será sobre
eles...,15 Se um homem se ajuntar com um animal, certamente será morto;
também matareis o animal..., 27 O homem ou mulher que consultar os mortos
ou for feiticeiro, certamente será morto. Serão apedrejados, e o seu
sangue será sobre eles.

Assim, segundo a Legislação de Moisés, e o sistema punitivo,


contemplava a nova sociedade, e o sistema pecuniário, mostrava-se
bem eficiente, mas não poderia ser definitivo e tampouco seria
suficiente para estabelecer em todas as Nações e Línguas, mesmo
porque dentro de 3 milhões de pessoas, da Nação recém constituída
de Israel até os 6 bilhões de habitantes do mundo de hoje, e os
“Pecados” da atualidade, teriam há muito exterminado todos os
animais, gado miúdo e graúdo de sobre a face da Terra.

Todo o sistema serviu de protótipo para o estabelecimento de Leis e


Artigos dos Códigos Civis de muitos Países modernos, e a matança
de animais por motivo de “Pecado” e não por “Oferta Pacíficas”
deixou de agradar ao Eterno Deus.
Isaias 1: 10 Ouvi a palavra do Senhor, governadores de Sodoma; dai ouvidos
à lei do nosso Deus, ó povo de Gomorra. 11 De que me serve a mim a multidão
de vossos sacrifícios? diz o Senhor. Estou farto dos holocaustos de carneiros,
e da gordura de animais cevados; e não me agrado do sangue de novilhos,
nem de cordeiros, nem de bodes. 12 Quando vindes para comparecerdes
perante mim, quem requereu de vós isto, que viésseis pisar os meus átrios? 13
Não continueis a trazer ofertas vãs; o incenso é para mim abominação. As luas
69

novas, os sábados, e a convocação de assembléias ... não posso suportar a


iniqüidade e o ajuntamento solene! 14 As vossas luas novas, e as vossas festas
Página

fixas, a minha alma as aborrece; já me são pesadas; estou cansado de as


sofrer. 15 Quando estenderdes as vossas mãos, esconderei de vós os meus
olhos; e ainda que multipliqueis as vossas orações, não as ouvirei; porque as
vossas mãos estão cheias de sangue. 16 Lavai-vos, purificai-vos; tirai de
diante dos meus olhos a maldade dos vossos atos; cessai de fazer o mal;17
aprendei a fazer o bem; buscai a justiça, acabai com a opressão, fazei justiça
ao órfão, defendei a causa da viúva.

Fazia-se necessário um “Novo Sistema” que pudesse aplacar os


reclames da Justiça, e o estabelecimento de um “Advogado de
Defesa” eficiente para a demanda dos pecadores do Povo, capaz de
“Salvar” da completa ruína, como poderemos apreciar nos versos
do Profeta Isaias 64: 8 Mas agora, ó Senhor, tu és nosso Pai; nós
somos o barro, e tu o nosso oleiro; e todos nós obra das tuas mãos.
9 Não te agastes tanto, ó Senhor, nem perpetuamente te lembres da
iniquidade; olha, pois, nós te pedimos, todos nós somos o teu
povo.10 As tuas santas cidades se tornaram em deserto, Sião está
feita um ermo, Jerusalém uma desolação.11 A nossa santa e
gloriosa casa, em que te louvavam nossos pais, foi queimada a
fogo; e todos os nossos lugares aprazíveis se tornaram em ruínas.
12 Acaso conter-te-ás tu ainda sobre estas calamidades, ó Senhor?
ficarás calado, e nos afligirás tanto?

Então os Profetas começaram a anunciar ao Povo a expectativa de


um “Salvador”, não apenas para livrá-los de seus inimigos físicos,
mas também para aliviar as suas culpas, pois o Santuário queimado
e derrubado, não mais lhes permitia oferecer “Sacrifícios e
Holocaustos Contínuos” em favor de seus pecados. E veio Deus e
disse:
Isaias 40: 1 Consolai, consolai o meu povo, diz o vosso Deus. 2 Falai
benignamente a Jerusalém, e bradai-lhe que já a sua malícia é acabada, que a
sua iniquidade está expiada e que já recebeu em dobro da mão do Senhor,
por todos os seus pecados. 3 Eis a voz do que clama: Preparai no
deserto o caminho do Senhor; endireitai no ermo uma estrada para
o nosso Deus. 4 Todo vale será levantado, e será abatido todo monte e todo
outeiro; e o terreno acidentado será nivelado, e o que é escabroso, aplanado. 5
A glória do Senhor se revelará; e toda a carne juntamente a verá; pois a boca
do Senhor o disse..., 9 Tu, anunciador de boas-novas a Sião, sobe a um monte
alto. Tu, anunciador de boas-novas a Jerusalém, levanta a tua voz fortemente;
levanta-a, não temas, e dize às cidades de Judá: Eis aqui está o vosso
Deus. 10 Eis que o Senhor Deus virá com poder, e o seu braço dominará por
70

ele; eis que o seu galardão está com ele, e a sua recompensa diante dele. 11
Página

Como pastor ele apascentará o seu rebanho; entre os seus braços


recolherá os cordeirinhos, e os levará no seu regaço; as que
amamentam, ele as guiará mansamente.

Quando lemos no Livro do Profeta Zacarias, sobre a exata


localização que o Messias de Israel deveria nascer: Belém de Judá,
ou antiga Belém Efrata, nós nos surpreendemos e até lemos que foi
algum arranjo dos escritores Bíblicos do Novo Testamento para
equalizar a Cidade do nascimento do Messias, com a do Rei Davi.
Mas, muito antes do Rei Davi, ocorreu um fato histórico Bíblico
também relevante nessa Cidade.
Genesis 35: 1 Depois disse Deus a Jacó: Levanta-te, sobe a Betel e habita ali;
e faze ali um altar ao Deus que te apareceu quando fugias da face de Esaú, teu
irmão. 2 Então disse Jacó à sua família, e a todos os que com ele estavam:
Lançai fora os deuses estranhos que há no meio de vós, e purificai-vos e mudai
as vossas vestes. 3 Levantemo-nos, e subamos a Betel; ali farei um altar ao
Deus que me respondeu no dia da minha angústia, e que foi comigo no
caminho por onde andei..., 16 Depois partiram de Betel; e, faltando ainda um
trecho pequeno para chegar a Efrata, Raquel começou a sentir dores de
parto, e custou-lhe o dar à luz. 17 Quando ela estava nas dores do parto, disse-
lhe a parteira: Não temas, pois ainda terás este filho. 18 Então Raquel, ao
sair-lhe a alma (porque morreu), chamou ao filho Benôni; mas seu pai
chamou-lhe Benjamim. (Aquel que é o último nascido, o filho da
minha destra, o filho da felicidade ou ainda: filho do destino) 19
Assim morreu Raquel, e foi sepultada no caminho de Efrata (esta é Bete-
Leém). 20 E Jacó erigiu uma coluna sobre a sua sepultura; esta é a coluna da
sepultura de Raquel até o dia de hoje. 21 Então partiu Israel, e armou a sua
tenda além de Migdal-Eder (Torre do Rebanho).

Belém de Judá, ou Efrata dista uns 10 km ao sul de Jerusalém, na


Cisjordânia, a 765m acima do nível do mar; também conhecida
como a Cidade do rei Davi; I Samuel 17: 12 Ora, Davi era filho de
um homem efrateu, de Belém de Judá, cujo nome era Jessé, que
tinha oito filhos; e nos dias de Saul este homem era já velho e
avançado em idade entre os homens; onde existia a “Torre do
Rebanho”, segundo o Livro de Miquéias 4:8 E a ti, ó torre do
rebanho, outeiro da filha de Sião, a ti virá, sim, a ti virá o
primeiro domínio, o reino da filha de Jerusalém. 9 E agora,
por que fazes tão grande pranto? Não há em ti rei? pereceu o teu
conselheiro, de modo que se apoderaram de ti dores, como da que
está de parto; também é o lugar onde o Messias se revelará no fim
71

dos dias.
Página
Miquéias 5:1 Agora, ajunta-te em tropas, ó filha de tropas; pôr-se-á cerco
contra nós; ferirão com a vara no queixo ao juiz de Israel.2 Mas tu, Belém
Efrata, posto que pequena para estar entre os milhares de Judá, de ti é que
me sairá aquele que há de reinar em Israel, e cujas saídas são desde
os tempos antigos, desde os dias da eternidade. 3 Portanto os
entregará até o tempo em que a que está de parto tiver dado à luz;
então o resto de seus irmãos voltará aos filhos de Israel. 4 E ele permanecerá,
e apascentará o povo na força do Senhor, na excelência do nome do
Senhor seu Deus; e eles permanecerão, porque agora ele será grande até os
fins da terra.

O Profeta Miquéias (Quem é como YAH - Michaías, ou Michaeas, foi


um profeta do século VIII A.C. morador de Morasti-Gat, na Shefelá
em Judá, e contemporâneo de Jotão, Acaz e Ezequias) profetiza o
local do nascimento do Messias de Israel, e ainda diz que Ele viria na
excelência do nome de IHVH seu Deus. E isto só é possível quando
convertemos o nome de Jesus (latinizado) para o hebreu “Iéshua”,
cuja palavra siginifica “Salvação”, e contém as quatros letras do
Tetragrama do nome de Deus (IHVH ou IEUA), com a letra
hebraica (Shin), que nós transliteramos pela letra “Sh”: IeShua.

Daniel, outro profeta, foi mai além: determinou até o ano em que o
Messias deveria nascer - Daniel 9: 25 Sabe e entende: desde a saída
da ordem para restaurar e para edificar Jerusalém até o
ungido, o príncipe, haverá sete semanas, e sessenta e duas
semanas; com praças e tranqueiras se reedificará, mas em tempos
angustiosos. 26 E depois de sessenta e duas semanas será
cortado o ungido, e nada lhe subsistirá; e o povo do príncipe que há
de vir destruirá a cidade e o santuário, e o seu fim será com uma
inundação; e até o fim haverá guerra; estão determinadas
assolações. 27 E ele fará um pacto firme com muitos por uma
semana; e na metade da semana fará cessar o sacrifício e a
oblação; e sobre a asa das abominações virá o assolador; e até a
destruição determinada, a qual será derramada sobre o assolador.
Sabendo que a “ordem para restaurar e edificar Jerusalém foi dada
no ano de 454 A.C., segundo o livro “The Cronology of Ezra 7 –
Horn e Wood”, e partindo dessa data e de duas informações dessa
mesma profecia: 62 semanas + metade de uma semana = data do
nascimento do Messias.

Fatos:
72

7 semanas x 7 = 49 anos
Página

62 semanas x 7 = 434 anos


1 semana x 7 = 7
½ semana = 3,5 anos

Daniel, o profeta, datou precisamente a data do “Início da Missão do


Messias” e não a data do “Nascimento do Messias”, com
surpreendente precisão; e o segredo está em saber a data da “Ordem
para restaurar e edificar Jerusalém” e não a data da Ordem para a
reconstrução do Templo. Paratanto faz-se necessário conhecer
alguns fatos históricos antes de aventurar-se nas datações.

Primeiramente vamos entender as Cartas ou Decretos que


ordenaram a reconstrução do Templo e da Cidade de Jerusalém.
Foram 3 Decretos: de Ciro, Dario e Artaxerxes; comvém saber que
no reino da Pérsia teve, Ciro I e II; Dario I, II e III; Artaxerxes I, II e
III; portanto é preciso pesquisar para saber qual Ciro, qual Dario e
qual Artaxerxes, já que a Bíblia não menciona nada sobre isso.

Vamos montar uma tabela com os Reis da Assíria, partindo de Ciro


(Koroush em persa antigo) rei de Anshan de c. 600 a.C. a 580 a.C.,
um dos primeiros membros da dinastia aquemênida, neto do
fundador Aquêmenes e filho de Teispes de Anshan, que reinou de
600 – 580 A.C., sucedido por Astiages que governou de 584 – 559
A.C., que por sua vez foi sucedido por Ciro II (o Grande, fundador
do Império Persa) e governou de 559 – 530 A.C.

Donde temos que:

Nome Data Feitos Referência


A.C.
Ciro I 600 – 500 Sucessor de Aquêmenes Dinastia Aquemênida
Cambises I 580 – 559 Anexou o Egito
Ciro II 559 – 530 Funda Império Persa e 1º ano Ordena Reconst
Conq Babilônia 539AC Templo e Daniel morre 536
Cambises II 530 – 522 Conquista Egito 525 AC Tenta conquista África
Smerdis 522 - 521 Usurpador
Dario I 521 - 486 Domina parte Oriente Carta continuar 519 Em
516 (6ºano) Templo pronto
Xerxes I 486 - 466 Guerra com Gregos Chamado Assuero na Bíblia
Artaxerxes I 465 - 424 Tratado paz c?Grécia 7º ano Carta rest
20º nomeia Neemias Jerusalem 457/454 ? *
Dario II 424 - 404 Toma cidades Gregas 408/405 Jerusalém restaura
Artaxerxes II 404 - 358 Guerra Peloponeso Reconq Anatólia (Turquia)
Artaxerxes III 358 - 338
Arses 338 - 336 Primo de Dario III
Dario III 336 – 330 331 Derrotado por Alex. Assassinado 330
73

Alexandre III 330 - Conquist Império Persa 323 Morre em Babilônia


Página

Comentários
I - No ano de 457 a.C. o rei persa Artaxerxes emite um decreto
definitivo para restaurar a cidade de Jerusalém. Desde a sua
destruição no ano de 537 a.C., outros dois reis persas já haviam emitidos
outros dois decretos (Cyrus em 538-537 a.C. e Darius ao redor de 519 a.C.),
porém, somente o terceiro decreto, dado por Artaxerxes teve força suficiente
para restaurar toda a cidade.

II - Existe um grande debate entre teólogos e historiadores a respeito do


decreto ter sido realmente emitido no ano de 457 a.C ou 458 a.C. Alguns dizem
457, outros dizem 458, dependendo de que tipo de calendário que os judeus
usavam. Mas em 1970, com a publicação do livro The Cronology of Ezra 7,
escrito por Horn e Wood, os autores provaram, usando inúmeros textos
antigos, que os judeus usavam um calendário de outono a outono para contar
os ano do reino de Artaxerxes, determinando que o sétimo ano de seu reinado
foi em 457 a.C. Após esse estudo, não sobraram muitas dúvidas quanto a esta
data.

III - Sobre tal debate podemos acrescentar a seguinte informação: Encontra -


se registrado no livro de Neemias cap 2 a partir do vs 1, uma conversa entra o
profeta com o rei Artaxerxes na data do vigésimo ano de seu reinado. A
conclusão da referida reunião que encontra -se no vs 8, foi a autorização para
Neemias reconstruir a cidade de seus antepassados. Portanto subtraindo duas
décadas da data do início do reinado de Artaxerxes - a saber 474 a.C. -
encontramos a data de 454 a.C. que efetivamente foi a data em que o
rei autorizou a reconstrução de Jerusalém. Outra evidência que nos
auxilia na obtenção dessa data fora registrada em neemias cap 5 vs 14 onde
lemos que o rei transformou Neemias no governador de Judá no vigésimo de
seu reinado.

I - Decreto de Ciro II – Data, 1º ano do reinado – 538 A.C

Esdras 1: 1 No primeiro ano de Ciro, rei da Pérsia, para que se


cumprisse a palavra do Senhor proferida pela boca de Jeremias, despertou o
Senhor o espírito de Ciro, rei da Pérsia, de modo que ele fez proclamar por
todo o seu reino, de viva voz e também por escrito, este decreto: 2 Assim diz
Ciro, rei da Pérsia: O Senhor Deus do céu me deu todos os reinos da terra, e me
encarregou de lhe edificar uma casa em Jerusalém, que é em Judá.

II - Decreto de Dario I – Data, 2º ano do reinado – 519 A.C

Esdras 6: 12 O Deus, pois, que fez habitar ali o seu nome derribe todos os reis
e povos que estenderem a mão para alterar o decreto e para destruir esta casa
de Deus, que está em Jerusalém. Eu, Dario, baixei o decreto. Que com
diligência se execute..., 15 E acabou-se esta casa no terceiro dia do mês de
Adar, no sexto ano do reinado do rei Dario.

III - Decreto de Artaxerxes I – Data, 7º ano do reinado – 454 A.C.


74

Esdras 7: 11 Esta é, pois, a cópia da carta que o rei Artaxerxes deu a Esdras,
o sacerdote, o escriba instruído nas palavras dos mandamentos do Senhor e dos
Página

seus estatutos para Israel: 12 Artaxerxes, rei dos reis, ao sacerdote Esdras,
escriba da lei do Deus do céu: Saudações. 13 Por mim se decreta que no meu
reino todo aquele do povo de Israel, e dos seus sacerdotes e levitas, que quiser ir
a Jerusalém, vá contigo.

Aproveitamos o ensejo, para apresentar uma datação sobre o Profeta


Daniel, que segundo o registrado no Livro de Daniel I, foi levado
para a Babilônia ainda jovem, por volta dos 19 anos; isto é no ano de
586 A.C., e se assim for, ele nasceu no ano de 605 A.C., ano da
primeira leva dos Cativos Judeus para a Babilônia. E ainda segundo
o registrado no Capítulo 6 : 28 Este Daniel, pois, prosperou no
reinado de Dario, e no reinado de Ciro, o persa.., Capítulo 10: 1 No
ano terceiro de Ciro, rei da Pérsia, foi revelada uma palavra a
Daniel, cujo nome se chama Beltessazar, uma palavra verdadeira
concernente a um grande conflito; e ele entendeu esta palavra, e
teve entendimento da visão; e morreu entre o ano de 536 e 530 A.D
quando terminou o reinado de Ciro por volta dos 70 anos de idade.

Agora temos duas datas básicas, para o estabelecimento do início da


Missão do Messias de Israel (Jesus – Iéshua), partindo da expedição
da Carta de Artaxerxes no ano de 457 ou 454 A.D., e vamos verificar
qual delas corresponde com o ano de 33 D.C., lembrando que Daniel
não marcou a data do provável nascimento do Messias e sim do
“Início e Fim de sua Missão”, ou seja: 3,5 anos ou ½ semana.

Cálculos das datações


Daniel 9: 24 Setenta semanas estão decretadas sobre o teu povo, e sobre a
tua santa cidade, para fazer cessar a transgressão, para dar fim aos pecados,
e para expiar a iniqüidade, e trazer a justiça eterna, e selar a visão e a
profecia, e para ungir o santíssimo.
25 Sabe e entende: desde a saída da ordem para restaurar e para edificar
Jerusalém até o ungido, o príncipe, haverá sete semanas, e sessenta e
duas semanas; com praças e tranqueiras se reedificará, mas em tempos
angustiosos.
26 E depois de sessenta e duas semanas será cortado o ungido, e
nada lhe subsistirá; e o povo do príncipe que há de vir destruirá a cidade e o
santuário, e o seu fim será com uma inundação; e até o fim haverá guerra;
estão determinadas assolações.
27 E ele fará um pacto firme com muitos por uma semana; e na
metade da semana fará cessar o sacrifício e a oblação; e sobre a asa das
abominações virá o assolador; e até a destruição determinada, a qual será
derramada sobre o assolador.

1ª Hipótese: No ano de 457 a.C. o rei persa Artaxerxes emite um


decreto definitivo para restaurar a cidade de Jerusalém.
75

Sete semanas: 7 x 7 anos = 49 anos;


- 457 + 49 anos (decrescendo) = Ano 408 A.C., Cidade reedificada;
Página

Sessenta e duas semanas e será cortado o ungido, 62 x 7 = 434 anos;


Então 408 A.C., + 434 anos (decrescendo) = 26 D.C.; seria o
aparecimento do Messias e o início da última semana;
Pacto de 1 semana: 1 x 7 anos = 7 anos;
Se a metade da semana, ou seja: ½ semana = 3,5 anos;
Então: 26 D.C., + 3,5 anos = 29,5 D.C.

2ª Hipótese: No ano de 454 a.C. o rei persa Artaxerxes emite um


decreto definitivo para restaurar a cidade de Jerusalém.
Sete semanas: 7 x 7 anos = 49 anos;
- 454 + 49 anos (decrescendo) = Ano 405 A.C., Cidade reedificada;
Sessenta e duas semanas e será cortado o ungido, 62 x 7 = 434 anos;
Então 405 A.C., + 434 anos (decrescendo) = 29 D.C.; seria o
aparecimento do Messias e o início da última semana;
Pacto de 1 semana: 1 x 7 anos = 7 anos;
Se a metade da semana, ou seja: ½ semana = 3,5 anos;
Então: 29 D.C., + 3,5 anos = 32,5 D.C.

O ano de 32,5 D.C., é o mais próximo do ano 33 D.C., ou seja: da


provável data da Crucificação do Messias, na véspera da Páscoa
daquele ano, ou seja: do dia 03 de abril de 33 D.C., ou ainda o dia 14
do mês Nissan, do ano de 3793 do calendário Hebreu, véspera da
Páscoa Judaica, numa “Sexta-Feira”.

CAPÍTULO 17
O Nascimento do Messias Salvador.
Os quatro Livros do Novo Testamento: Mateus, Marcos, Lucas e
João, bem descrevem a “Saga” (história fabulosa) do Messias de
Israel, abrangendo um período de 40 anos, ou seja: entre os anos de
7 A.C., e 33 D.C., já que no Capítulo 14, encontramos o “Evento da
Crucificação” próximo do ano 33 D.C.

Vamos começar analisando o fato do seu Nascimento, na Cidade de


Belém e não em Nazareth (Natzareth) onde sua família morava;
vamos recorrer aos registros do Livro de Lucas, por ser o único que
fornece alguns relatos de sua “Natividade e Infância”.
76
Página

Lucas 1: 1 Visto que muitos têm empreendido fazer uma narração


coordenada dos fatos que entre nós se realizaram, 2 segundo no-los
transmitiram os que desde o princípio foram testemunhas oculares
e ministros da palavra, 3 também a mim, depois de haver investido tudo
cuidadosamente desde o começo, pareceu-me bem, ó excelentíssimo Teófilo,
escrever-te uma narração em ordem. 4 para que conheças plenamente a
verdade das coisas em que foste instruído. 5 Houve nos dias do Rei
Herodes, rei da Judéia, um sacerdote chamado Zacarias, da turma de
Abias; e sua mulher era descendente de Arão, e chamava-se Isabel.

Lucas inicia a sua narrativa ancorando uma datação com o Rei


Herodes, da Judéia. Convém paramos aqui, para verificar um pouco
de História, pois “Herodes”, é uma palavra que contempla
exatamente 7 “sete” personagens com esse mesmo nome:

1º – Herodes o Grande rei da Judéia entre 37 A.C e 4 A.C.,

2º - Herodes Arquelau, filho de Herodes o Grande, que foi


Governador da Judéia de 4 A.C., à 6 D.C;

3º - Herodes Antipas I, filho de Herodes o Grande, foi


Tetrarca da Galiléia de 4 A.C., à 39 D.C;

4º - Herodes Agripa I, neto de Herodes o Grande, foi Rei da


Judéia de 41 D.C., à 44 D.C;

5º - Herodes Agripa II, filho de Herodes Agripa I, foi rei da


Judéia de 48 D.C., à 70 D.C;

6º - Herodes Filipe, filho obscuro de Herodes o Grande, era o


primeiro marido de Salomé;

7º - Herodes de Cálcis, Herodes Pollio, ou Heodes III, neto de


Herodes o Grande e irmão do Rei Herodes Agripa I.

Desses setes Herodes, dois são os que nos interessa: Herodes


Arquelau, governador da Judéia de 4 A.C à 6 D.C contemporâneo
do Sacerdote Zacarias e da História dos Reis Magos, e de Herodes
Antipas I, Tetrarca da Galiléia, de 4 A.C à 39 D.C, o segundo
marido de Salomé, contemporâneo de João Batista, do Messias; de
Caio Júlio César Otaviano Augusto, o primeiro imperador romano de
44 A.C., à 14 D.C; de Caifás, Sumo Sacerdote Judaico de 18 D.C., à 37
D.C.; e de Tibério Cláudio Nero César, segundo imperador Romano
de 14 D.C., a 37 D.C., para não confundir com Herodes o Grande que
77

foi Rei da Judéia entre 37 A.C., e 4 A.C., e que era filho do idumeu
Antipater, e segundo o historiador judeu Flávio Josefo, por ser
Página

Idumeu, a legitimidade de seu reinado era contestada pelos judeus.


Sendo que assim não cometemos o mesmo erro, de datar o
nascimento do Messias, sob o Reinado de Herodes o Grande, e sim
dos dois Herodes: Arquelau que governava a Judéia e Antipas que
governava a Galiléia, ambos desde 4 A.C., após a morte de seu pai
Herodes o Grande, até 6 D.C e 39 D.C., respectivamente.

Seguindo a datação de Lucas, então o Messias Jesus, nasceu depois


do ano 4 A.C., e não antes dessa data, seguindo o relato do Livro de
Mateus, foi Herodes Arquelau que teria ordenado a morte de todas
as crianças com dois anos ou menos na Cidade de Jerusalém e nas
redondezas; e não o seu pai: Herodes o Grande.

O Filho de Davi.
Voltando até os tempos do Rei David (significa querido ou amado),
filho de Jessé, da Tribo de Judá, nascido em Belém de Judá, por
volta do ano 1032 A.C, e Rei de Israel de 1002 – 962 A.D., sucessor
do Rei Saul, e pai do Rei Salomão que reinou sobre Israel de 962 –
922 A.D; recebeu do Eterno Deus de Israel a seguinte promessa:

I Reis 2: 1 Ora, aproximando-se o dia da morte de Davi, deu ele ordem a


Salomão, seu filho, dizendo..., 4 e para que o Senhor confirme a palavra que
falou acerca de mim, dizendo: Se teus filhos guardarem os seus caminhos,
andando perante a minha face fielmente, com todo o seu coração e com toda a
sua alma, nunca te faltará sucessor ao trono de Israel.

De forma que, o Messias de Israel, deveria então nascer também da


Casa de Davi, para ser Sucessor e Rei legítimo de Israel, diferente de
Herodes o Grande, que para legitimar seu reinado sobre a Judéia
casou-se com Mariana, uma hasmoniana filha do alto sacerdote do
Templo. Quando Matatias Antígonas, em 40 a.C., o último rei da
dinastia hasmónia, que tinham governado Israel por mais de um
século, e entrou na Judeia com a ajuda de uma potência vizinha,
Herodes fugiu para Roma, onde Marco António ( 83 A.C. - 30 AC.),
Tribuno de César lhe entregou a realeza da Judeia, em 37. A.C e
Octaviano (o futuro imperador Augusto), após a batalha de Ácio, em
31 A.C., manteve-o no poder.

Herodes destronou os reis da dinastia hasmónea, com o apoio de


alguns dos Saduceus, e contava contar com o apoio da facção
78

moderada dos fariseus, conduzida por Hillel. Contou também com o


Página

apoio dos judeus da diáspora, mesmo naquela época de número


considerável. Já a relação com os essénios era mais complicada,
porque estes detestavam Roma e não aprovavam o govêrno de
Herodes em nome de Roma. Ao morrer, em 4 a.C., Herodes deixou
disposto, em testamento, a partilha do reino entre três de seus filhos
sobreviventes: Herodes Arquelau, Herodes Antipas e Filipe.

Nesse cenário, ouvia-se a voz do Profeta Isaias 7: 13 Então disse


Isaías: Ouvi agora, ó casa de Davi: Pouco vos é afadigardes os
homens, que ainda afadigareis também ao meu Deus? 14 Portanto
o Senhor mesmo vos dará um sinal: eis que uma virgem
conceberá, e dará à luz um filho, e será o seu nome
Emanuel; e uma jovem de Nome Maria (

Nesse panorama a jovem Maria (Maryam, Miriã ou Miriam em


hebraico, e que significa "rebelião”, ou ainda uma derivação de MRY
“amada” ou MR “amor”, com o sentido de “senhora amada”);
achava-se grávida”. Segundo registros Maria nasceu em Jerusalém,
por volta do ano 15 A.C., na cidade de Nazareth, na Galiléia, e era
mesmo filha de Eli, e não o seu marido José, ainda que na
Genealogia de Lucas, apareça José como filho de Eli.

Nota: Alguns autores afirmam que Maria era filha de Eli, mas a genealogia
fornecida por Lucas alista o marido de Maria, São José, como "filho de Eli". A
Cyclopædia (Ciclopédia) de M'Clintock e Strong (1881, Vol. III, p. 774) diz: "É
bem conhecido que os judeus, ao elaborarem suas tabelas genealógicas,
levavam em conta apenas os varões, rejeitando o nome da filha quando o
sangue do avô era transmitido ao neto por uma filha, e contando o marido
desta filha em lugar do filho do avô materno. (Números 26:33, Números 27:4-
7)." Possivelmente por este motivo Lucas diz que José era «filho de Eli» (Lucas
3:23)

Ainda de acordo com o costume judaico aos 3 anos, Maria teria sido
apresentada no Templo de Jerusalém, é teria permanecido até os 12
anos no serviço do Senhor, e quando da morte de seu pai Eli; foi
dada por mulher a José, possível irmão de Eli, o que caracetrizava
um caso de endogamia (sistema onde os casamentos se dão entre
indivíduos aparentados, relacionados pela ascendência, ou seja, é a
união de indivíduos mais aparentados do que a média da
79

população) o que era, e ainda é comum entre os judeus.


Página
Lucas registra essa Genealogia, que vêm da raíz de Natã, filho de
Davi e de Bate-Sua, filha de Amiel; e não da linhagem do rei
Salomão; mesmo porque o próprio Deus, não disse que seria de
Salomão.

I Crônicas 17: 77 Agora, pois, assim dirás a meu servo Davi: Assim diz o
Senhor dos exércitos: Eu te tirei do curral, de detrás das ovelhas, para que
fosses chefe do meu povo Israel;..., 11 Quando forem cumpridos os teus dias,
para ires a teus pais, levantarei a tua descendência depois de ti, um dos teus
filhos, e estabelecerei o seu reino. 12 Esse me edificará casa, e eu firmarei o seu
trono para sempre. 13 Eu lhe serei por pai, e ele me será por filho; e a
minha misericórdia não retirarei dele, como a retirei daquele que foi antes de
ti; 14 mas o confirmarei na minha casa e no meu reino para sempre, e
para sempre o seu trono será firme.

Lucas 3: 23 Ora, Jesus, ao começar o seu ministério, tinha cerca de


trinta anos; sendo (como se cuidava) filho de José, filho de Eli; 24 Eli de
Matate, Matate de Levi, Levi de Melqui, Melqui de Janai, Janai de José,
25 José de Matatias, Matatias de Amós, Amós de Naum, Naum de Esli, Esli de
Nagai, 26 Nagai de Maate, Maate de Matatias, Matatias de Semei, Semei de
Joseque, Joseque de Jodá, 27 Jodá de Joanã, Joanã de Resa, Resa de
Zorobabel, Zorobabel de Salatiel, Salatiel de Neri, 28 Neri de Melqui, Melqui
de Adi, Adi de Cosão, Cosão de Elmodã, Elmodão de Er, 29 Er de Josué, Josué
de Eliézer, Eliézer de Jorim, Jorim de Matate, Matate de Levi, 30 Levi de
Simeão, Simeão de Judá, Judá de José, José de Jonã, Jonã de Eliaquim,
31 Eliaquim de Meleá, Meleá de Mená, Mená de Matatá, Matatá de Natã,
Natã de Davi,

Antes do nascimento do Messias, fazia-se necessário, um Emissário,


para preparar o seu Caminho, e anunciar o Seu Nome, para que se
cumprissem na íntegra as palavras do Profeta Isaias.

Isaias 40: 1 Consolai, consolai o meu povo, diz o vosso Deus.


2 Falai benignamente a Jerusalém, e bradai-lhe que já a sua malícia é
acabada, que a sua iniqüidade está expiada e que já recebeu em dobro da mão
do Senhor, por todos os seus pecados. 3 Eis a voz do que clama: Preparai
no deserto o caminho do Senhor; endireitai no ermo uma estrada para o
nosso Deus..., 5 A glória do Senhor se revelará; e toda a carne juntamente a
verá; pois a boca do Senhor o disse...,9 Tu, anunciador de boas-novas a Sião,
sobe a um monte alto. Tu, anunciador de boas-novas a Jerusalém, levanta a
tua voz fortemente; levanta-a, não temas, e dize às cidades de Judá: Eis aqui
está o vosso Deus. 10 Eis que o Senhor Deus virá com poder, e o seu
braço dominará por ele; eis que o seu galardão está com ele, e a sua
80

recompensa diante dele. 11 Como pastor ele apascentará o seu rebanho;


entre os seus braços recolherá os cordeirinhos, e os levará no seu
Página

regaço; as que amamentam, ele as guiará mansamente.


Um sacerdote da “Ordem de Abias, o oitavo turno no Serviço, para
entrada na casa do Senhor segundo I Crônicas 24: 3-19”, chamado
Zacarias, cuja mulher era das filhas de Arão e o seu nome era Izabel.
E enquanto oficiava na Ordem Sacerdotal, no oitavo turno, no
quarto Mês Hebreu, pois era dois por mês, ou seja: no Mês de
TAMUZ, na segunda quinzena, equivalente ao Mês de Junho/Julho
do Calendário Gregoriano; quando teve a visão do Anjo Gabriel, que
lhe disse: Lucas 1: 13 Zacarias não temas, porque a tua oração foi
ouvida, e Izabel, tua mulher, dará a luz um filho, e lhe porás o
nome de João (Iohanan)..., e terminando os dias de seu Ministério,
voltou para sua casa, e depois daqueles dias Izabel, sua mulher
concebeu no Mês de AV (Julho/Agosto).

No sexto Mês SHEVAL (Janeiro/Fevereiro), o mesmo Anjo Gabriel


enviado por Deus, para a cidade de Nazareth, na Galiléia, encontra a
jovem Maria da Casa de Davi, durante o período de compromisso
(Noivada) de casamento com José. João deve ter nascido ao
completar os nove meses, ou seja: entre o fim de NISSÃN e começo
de IYYAR (Abril/Maio), e Jesus (Iéshua) entre os meses de
TISHREI e CHESHVAN (Setembro/Outubro).

Lucas ainda afirma que já próximo dos dias do nascimento do


Messias, Maria e José tiveram que subir de Nazareth, na Galiléia,
até a cidade de Belém de Judá, na Judéia, aproximadamente 140 km
até Jerusalém, onde não encontraram acomodação e mais 10 km até
Belém de Judá, que fica outros 10 km de Jerusalém; para se
alistarem segundo a Ordem de Censo, que partiu de Cesar Augusto
(Caio Júlio César Otaviano ou Gaius Iulius Caesar Octavianus
Augustus em Latim, foi um patrício e o primeiro Imperador
Romano, de 44 A.C. —14 D.C.)

Segundo ainda Lucas 2: 7 Maria deu à luz ao seu filho primogênito, e


envolveu-o em panos, e deitou-o numa “Manjedoura” porque não
havia lugar para eles na estalagem. Um fato bastante importante
para confirmação do “Evento”, é que nessa época do Ano Judeu no
Mês de TISHREI, no primeiro dia do MÊS, ocorre a Festa de Ano
Novo, ou seja: Rosh Hashana, que começa no último dia do Mês
anterior: ELUL, ao por do sol, ou seja: Erev Rosh Hashana (Véspera
do Ano Novo) e termina no segundo dia de TISHREI.

E como toda criança Judia, que nasce deve ser “Circuncidado”, no


81

oitavo dia, conforme a Lei de Moisés, o menino foi circuncidado 2


Página

dias antes do Yom Kippur (Dia do Perdão) que começa no por do sol
do 9º dia do Mês de TISHEI e termina ao por do sol do dia 10 de
TISHEI.

Lucas 2: 21 Quando se completaram os oito dias para ser circuncidado o


menino, foi-lhe dado o nome de Jesus, que pelo anjo lhe fora posto antes
de ser concebido. 22 Terminados os dias da purificação, segundo a lei
de Moisés, levaram-no a Jerusalém, para apresentá-lo ao Senhor 23
(conforme está escrito na lei do Senhor: Todo primogênito será
consagrado ao Senhor), 24 e para oferecerem um sacrifício segundo o
disposto na lei do Senhor: um par de rolas, ou dois pombinhos.

Como estavam a 10km do Templo Jerusalém, e certamente agora


instalados em uma casa, conforme Mateus 2: 11 E, entrando na
casa, achando o menino com Maria sua mãe..., e passados os 40
dias da Purificação de Maria, segundo a Lei que consta no Livro de
Levítico:

Levítico 12: 1 Disse mais o Senhor a Moisés:


2 Fala aos filhos de Israel, dizendo: Se uma mulher conceber e tiver um
menino, será imunda sete dias; assim como nos dias da impureza da sua
enfermidade, será imunda. 3 E no dia oitavo se circuncidará ao menino
a carne do seu prepúcio. 4 Depois permanecerá ela trinta e três dias
no sangue da sua purificação; em nenhuma coisa sagrada tocará, nem
entrará no santuário até que se cumpram os dias da sua purificação. 5 Mas, se
tiver uma menina, então será imunda duas semanas, como na sua impureza;
depois permanecerá sessenta e seis dias no sangue da sua purificação. 6 E,
quando forem cumpridos os dias da sua purificação, seja por filho
ou por filha, trará um cordeiro de um ano para holocausto, e um
pombinho ou uma rola para oferta pelo pecado, à porta da tenda da
revelação, o ao sacerdote, 7 o qual o oferecerá perante o Senhor, e
fará, expiação por ela; então ela será limpa do fluxo do seu sangue. Esta é a lei
da que der à luz menino ou menina. 8 Mas, se as suas posses não
bastarem para um cordeiro, então tomará duas rolas, ou dois
pombinhos: um para o holocausto e outro para a oferta pelo pecado; assim o
sacerdote fará expiação por ela, e ela será limpa.

CAPÍTULO 18
A Concepção do Messias Salvador.
Ora, ora! Como está escrito no Livro de João 3:13 13 Ora, ninguém
subiu ao céu, senão o que desceu do céu, o Filho do homem. E o
Filho de Deus, veio ao Mundo, como: “O Filho do Homem”, segundo
82

a natureza Humana: 1º Concepção pela união de um óvulo e um


espermatozoide; 2º Gestação normal de 9 meses e 3º Nascimento de
Página

parto Natural ou Cesariana.


Assim, o Filho de Deus, que veio a Terra como Filho do Homem, e
deveria chamar-se: Emanuel, conforme disse: Isaias 7: 14 Portanto
o Senhor mesmo vos dará um sinal: eis que uma virgem conceberá,
e dará à luz um filho, e será o seu nome Emanuel, e Mateus 1: 23
Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho, o qual será
chamado EMANUEL, que traduzido é: Deus conosco; e que ainda
segundo, Lucas 1: 31 Eis que conceberás e darás à luz um filho, ao
qual porás o nome de JESUS; que quer dizer: “Salvação” em
Hebreu – IÉSHUA – mesmo Salvador.

1º PASSO - Lucas 1: 26 Ora, no sexto mês, foi o anjo Gabriel enviado por
Deus a uma cidade da Galiléia, chamada Nazaré, 27 a uma virgem desposada
com um varão cujo nome era José, da casa de Davi; e o nome da virgem era
Maria. 28 E, entrando o anjo onde ela estava disse: Salve, agraciada; o
Senhor é contigo. 29 Ela, porém, ao ouvir estas palavras, turbou-se muito e
pôs-se a pensar que saudação seria essa. 30 Disse-lhe então o anjo: Não
temas, Maria; pois achaste graça diante de Deus. 31 Eis que
conceberás e darás à luz um filho, ao qual porás o nome de Jesus.
32 Este será grande e será chamado filho do Altíssimo; o Senhor Deus lhe
dará o trono de Davi seu pai; 33 e reinará eternamente sobre a casa de
Jacó(Dez Tribos de Israel), e o seu reino não terá fim.

2º PASSO - Lucas 1: 34 Então Maria perguntou ao anjo: Como se fará


isso, uma vez que não conheço varão? 35 Respondeu-lhe o anjo: Virá
sobre ti o Espírito Santo, e o poder do Altíssimo te cobrirá com a
sua sombra; por isso o que há de nascer será chamado santo, Filho
de Deus. 36 Eis que também Isabel, tua parenta concebeu um filho em sua
velhice; e é este o sexto mês para aquela que era chamada estéril; 37
porque para Deus nada será impossível. 38 Disse então Maria. Eis aqui a
serva do Senhor; cumpra-se em mim segundo a tua palavra. E o anjo
ausentou-se dela.

3º PASSO - Lucas 1: 39 Naqueles dias levantou-se Maria, foi


apressadamente à região montanhosa, a uma cidade de Judá,
40 entrou em casa de Zacarias e saudou a Isabel. 41 Ao ouvir Isabel a
saudação de Maria, saltou a criancinha no seu ventre, e Isabel ficou
cheia do Espírito Santo, 42 e exclamou em alta voz: Bendita és tu entre
as mulheres, e bendito é o fruto do teu ventre!

Como podemos ler, a concepção de Jesus (Iéshua) se deu pelo


mesmo processo, dos seres humanos: A fêmea Maria, e o macho
o próprio Eterno Deus; que cobriu (fecundou) Maria, com a
sua sombra (Corpo Espiritual) que desceu sobre Maria e a
fecundou, como o costume dos Seres Humanos. Ora sabemos que o
“Espírito Santo” não é nenhum personagem da Trindade Cristã, e
sim o próprio Espírito de Deus, pois Deus é Espírito, e como tal, Ele
83

veio até Maria; claro que segundo a Sua Natureza Divina, com o Seu
Página

corpo Divino, que o Anjo designou como: Poder do Altíssimo de


cobrirá com a sua Sombra (Seu Corpo Celestial).
Quando ocorreu a fecundação de Maria?
Resposta: Lucas 1: 39 Naqueles dias levantou-se Maria, foi
apressadamente à região montanhosa, a uma cidade de
Judá! Maria foi apressadamente à “Região Montanhosa”, e
nessa região, Maria encontrou-se com a Presença do
Senhor Deus, que a fecundou, para que através dela, o Seu
Filho: O Anjo de IHVH, aquele semelhante a Deus, pudesse vir,
através de um “Corpo Humano”, para habitar segundo os costumes
dos Seres Humanos, que Ele mesmo criou. Tanto assim foi, que ela
chegando à casa de sua prima Izabel – Lucas 1: 40 entrou em casa
de Zacarias e saudou a Isabel. 41 Ao ouvir Isabel a saudação de
Maria, saltou a criancinha no seu ventre, e Isabel ficou cheia do
Espírito Santo, 42 e exclamou em alta voz: Bendita és tu entre
as mulheres, e bendito é o fruto do teu ventre! Ela já se
encontrava fecundada, mesmo grávida do Eterno Deus IHVH.

É claro, que o seu futuro marido: José deve ter ficado alucinado, em
um primeiro momento, pois assim que ficou sabendo da gravidez, de
sua futura esposa; pois é costume do Povo Judeu, um período de
Compromisso Matrimonial, amantes do casamento, mesmo um
tempo para preparar o Cerimonial e a casa onde vão morar juntos, e
nesse período é proibido manter relação sexual, que só acontecerá
após o Fato do Casamento. E Maria achava-se grávida, e não dele, e
para piorar a situação, Maria poderia ser condenada a morte por
apedrejamento, pois a Segundo a Lei Mosaica uma mulher infamada
poderia ser condenada por adultério e a Lei ordena que se tais forem
apanhadas em flagrante adultério, sejam apedrejadas.

Mas o mesmo anjo Gabriel, acalmou as suas preocupações, e


aconselhou-o a recebê-la por “Mulher”, sem nenhum temor, pois o
que nela está gerado é do Espírito Santo, ou seja: do próprio Deus.
Então José recebeu Maria, por sua Mulher, segundo os costumes e a
Lei de Israel, e não manteve relações sexuais com ela, até que ela deu
à luz o seu filho “Primogênito”; e pôs-lhe o Nome de Jesus
(Iéshua). É bem claro, essas explicações, e também é claro que
depois José e Maria viveram maritalmente como qualquer Marido e
Mulher, e tiveram outros filhos, segundo registros no Novo
Testamento.
84
Página
CAPÍTULO 19
A Infância do Messias Salvador.
Pois bem: até que chegassem os dias em que o Messias Jesus de
Nazareth, estivesse pronto para a sua Missão de Salvador de Israel,
que começou somente por volta dos 30 anos de idade, segundo o
Livro de Lucas 3:23 E o mesmo Jesus começava a ser de ―quase‖
trinta anos..., quase 30 anos.

Os Quatro Evangelhos, não são ricos nesse particular; mesmo


porque, nenhum deles, exceto os seus parentes, viveram com ele, nos
dias que antecederam aos de Missão; e tampouco o Messias também
fez menção deles.

Mas, dos poucos relatos registrados, vemos que Ele, o Messias de


Israel, levava uma vida segundo os costumes das famílias Judias da
época e que não difere muito das famílias dos Judeus Modernos.
Podemos perceber nos registros alusões a sua participação efetiva
nos Costumes e nas Festas Levíticas, até o relato do primeiro
“Milagre”, anterior aos dias de Missionário.

Circuncisão segundo a Lei de Abraão


É importante que além dos pais de Jesus: José (pai adotivo) e
Maria, sendo Judeus, observavam a Lei e os Costumes do Povo
Judeu, de sorte que circuncidaram o menino, ao oitavo dia, como
manda a Lei de Moisés, estavam cumprindo na risca o Pacto de
Abraão com o Deus de Israel,

Gênesis 17: 9 Disse mais Deus a Abraão: Ora, quanto a ti, guardarás o meu
pacto, tu e a tua descendência depois de ti, nas suas gerações. 10 Este é o
meu pacto, que guardareis entre mim e vós, e a tua descendência
depois de ti: todo varão dentre vós será circuncidado. 11 Circuncidar-
vos-eis na carne do prepúcio; e isto será por sinal de pacto entre mim e vós. 12
À idade de oito dias, todo varão dentre vós será circuncidado, por
todas as vossas gerações, tanto o nascido em casa como o comprado por
dinheiro a qualquer estrangeiro, que não for da tua linhagem. 13 Com efeito
será circuncidado o nascido em tua casa, e o comprado por teu dinheiro; assim
estará o meu pacto na vossa carne como pacto perpétuo. 14 Mas o
incircunciso, que não se circuncidar na carne do prepúcio, essa alma será
extirpada do seu povo; violou o meu pacto.
85

Levítico 12: 1 Disse mais o Senhor a Moisés:2 Fala aos filhos de Israel,
Página

dizendo: Se uma mulher conceber e tiver um menino, será imunda sete dias;
assim como nos dias da impureza da sua enfermidade, será imunda.3 E no
dia oitavo se circuncidará ao menino a carne do seu prepúcio.

Hoje sabemos que tanto os descendentes do Povo Judeu e do Povo


Árabe, são filhos da circuncisão de Abraão, e agora também por
motivos de saúde, muitos países, através de seus Conselhos de
Medicina, estudam a aplicação dessa medida, como prevenção para
as Doenças Sexualmente Transmissíveis, depois de pesquisas com
mulheres de maridos circuncidados, e da descoberta de que a
incidência de “Câncer de Útero”, e praticamente zero; e que os
homens circuncidados apresenta mínimo número de contaminação
pelo vírus da AIDS.

Primeira Páscoa e Bar Mitzva do Messias


Tinha 12 anos o jovem Messias, quando seus pais o levaram para
Jerusalém, como fazia todos os anos, à Festa da Páscoa. E também
nessa idade todo Jovem Judeu, é apresentado nas Sinagogas, para o
seu Bar Mitzva, quando após o ritual costumeiro, passa a ser
considerado como: Filho da Promessa, e a partir de então já
considerado como adulto, pode participar das Orações e da Leitura
da Torah. Não foi diferente com o menino Messias, a não ser pelo
fato dele ter ficado para trás, ouvindo e interrogando os doutores da
Lei, no interior do Templo, conforme o relato de Lucas 2.

Celebração de um Bar
Mitzvá no Muro das
Lamentações em Jerusalém.

B'nai Mitzvá (filhos do


mandamento) é o nome dado
à cerimônia que insere o
jovem judeu como um
membro maduro na
comunidade judaica.

Quando uma criança judia atinge a sua maturidade (aos 12 anos


de idade, mais um dia para as meninas; e aos 13 anos e
um dia para os rapazes), passa a tornar-se responsável pelos
seus atos, de acordo com a lei judaica. Nessa altura, diz-se que o
menino passa a ser Bar Mitzvá (filho do mandamento); e a
86

menina passa a ser Bat Mitzvá (filha do mandamento).


Página
Ao completar 13 anos, o jovem judeu é chamado pela primeira vez
para a leitura da Torah (conhecido como Pentateuco pelos
cristãos). Ao ser chamado pela primeira vez, o jovem pode, a partir
daí, integrar o miniam (quórum mínimo de 10 homens adultos
para realização de certas cerimônias judaicas).

Antes desta idade, são os pais os responsáveis pelos atos dos filhos.
Depois desta idade, os rapazes e moças podem finalmente
participar em todas as áreas da vida da comunidade e assumir a
sua responsabilidade na lei ritual judaica, tradição e ética.

O Bar Mitzváh não é só uma comemoração comum de aniversario,


mas normalmente o menino, passa por uma bonita cerimônia de
"mazal-tov" que seria como um "boa sorte" ou "parabéns
"(dependendo da situação), normalmente o Mazan-tov é feito com o
(a) menino(a) sobre uma cadeira e ele(a) é levantado varias vezes,
e assim fazem com toda a família do Barmitzvano.

Batismo Mikvah o Ritual da purificação


Milvá, Mikve é o banho ritual de purificação, segundo a Lei Judaica,
realizado geralmente com muita água, ou seja: Imersão total do
corpo, ou submersão do corpo; para recuperar a “Pureza
Original”, que segundo a Lei a maioria das impurezas pode ser
anulada por imersão em grande
volume de água natural, como
piscinas naturais ou construídas
para essa finalidade, ou ainda em
riachos de água limpa corrente.

Os banhos Rituais de Purificação


têm diversas finalidades: pelas
mulheres judaicas, para alcançar a
pureza após a menstruação ou após o parto; para os homens
alcançar o grau de pureza ritual antes de algumas festas e
solenidades; como parte do Processo de Conversão ao Judaísmo;
para purificação de utensílios alimentares; para os mortos antes do
funeral; antes da cerimônia de casamentos; e ainda para cumprir as
exigências segundo a Lei:

A Torá exige total imersão


87

Após emissões normais de sêmen, quer da atividade sexual ou


Página


de emissão noturna;
 Depois de descargas anormais de fluidos corporais
 Após certas condições de pele, denominados por lepra ou
Hanseníase, a Psoríase;
 Por qualquer pessoa que entra em contacto com alguém que
sofre de emissões de fluxos, ou na menstruação, ou quem entra
em contacto com os artigos que tenham sido utilizados ou
usados por pessoas contaminadas.
 Pelos sacerdotes judeus quando eles estão sendo consagrados,
pelo sumo sacerdote no Yom Kipur (dia do perdão);
 Pelo sacerdote judeu que executou o ritual de Novilha
vermelha
 Após contacto com um cadáver ou grave;
 Depois de comer carne de um animal que morreu
naturalmente.
 Também se tornou habitual para sacerdotes se purificarem
antes de festas judaicas e,
 Nas conversões ao judaísmo, ou ainda nas mudanças de uma
seita para outra no Judaísmo.

Como podemos ler no livro de Mateus 3: 13 Então veio Jesus da


Galiléia ter com João, junto do Jordão, para ser batizado por ele.
14 Mas João o impedia, dizendo: Eu é que preciso ser batizado por
ti, e tu vens a mim? 15 Jesus, porém, lhe respondeu: Consente
agora; porque assim nos convém cumprir toda a justiça. Então ele
consentiu. 16 Batizado que foi Jesus, saiu logo da água; e eis que se
lhe abriram os céus, e viu o Espírito Santo de Deus descendo como
uma pomba e vindo sobre ele;17 e eis que uma voz dos céus dizia:
Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo.

Batismo aos 29,5 anos.


Ora no décimo quinto ano do reinado de Tibério César, ou Tibério
Cláudio Nero César, segundo Imperador Romano, que governou de
14 D.C à 37 D.C; ou seja: No ano 29 D.C, (14 D.C + 15 anos = 29
D.C) ainda quando Pôncio Pilatos era prefeito da Judéia, entre os
anos de 26 D.C e 36 D.C., e Herodes Antipas (4 A.C e 39 D.C),
Tetrarca da Galiléia, inimigos ferrenhos; que ficaram amigos
durante a condução do julgamento e crucificação de Jesus Cristo, em
face do Messias ser também Galileu; e um pouco antes Herodes ter
mandado executar João Batista, pela repreensão de ter tomado a
esposa de seus irmão Felipe: Herodias, por mulher; João batizou
88

também o Messias Jesus.


Página
Lucas 3 : 21 Quando todo o povo fora batizado, tendo sido Jesus também
batizado, e estando ele a orar, o céu se abriu;22 e o Espírito Santo desceu
sobre ele em forma corpórea, como uma pomba; e ouviu-se do céu esta voz: Tu
és o meu Filho amado; em ti me comprazo. 23 Ora, Jesus, ao começar o seu
ministério, tinha cerca de trinta anos; 23 Ora, Jesus, ao começar o seu
ministério, tinha cerca de trinta anos; sendo (como se cuidava) filho de
José, filho de Eli;

De sorte que temos aqui o tempo exato do Batismo do Messias de


Israel, aos 29,5 anos de idade, no décimo quinto ano de Tibério
César, que começou a governar em 14 D.C, o que nos leva a afirmar
que o ano do Batismo do Messias foi em 29 D.C., e esta data, como
vimos anteriormente coincide com a datação do Profeta Daniel, após
a expedição da Carta de Artaxerxes, que autorizava a reconstrução
de Jerusalém em 454 A.C., acrescidos de 69 semanas (69 x 7 = 483),
ou 483 anos, donde temos que: 483 -454 = 29 anos também.
Lembrando que as 69 semanas é o tempo da Carta de Artaxerxes até
o aparecimento do Messias.

CAPÍTULO 20
Messias marido de mulher.
A pergunta mágica é: “Jesus Cristo era Casado, ou Não?” E a
questão está nas duas possíveis respostas: Se não era, não cumpriu
as Leis de Moisés; e se era casado, foi a Igreja Romana que escondeu
o fato, mascarando os registros dos Quatro Evangelhos. Também ao
afirmarmos que era casado, podemos especular mais ainda: “Tinha
herdeiros, deixou filhos ou filhas?”

Para responder efetivamente, esse quesito formidável, a respeito da


Vida do Messias, vamos recorrer aos registros da Bíblia, desde o
Velho Testamento, até o Livro de Apocalipse. Jesus Cristo, ou Jesus
de Nazaré, o Ungido Messias de Israel, recebeu os títulos de Mestre,
Rabi, Rei dos Judeus, Rei de Israel e Filho do Deus Altíssimo.
Segundo a Lei de Israel, e os costumes do povo Judeu; um Rabino,
um Rei, ou Judeu deve ser casado, gerar filhos e filhas, como manda
a Lei.

Gênesis 1: 27 Criou, pois, Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o


89

criou; homem e mulher os criou. 28 Então Deus os abençoou e lhes disse:


Frutificai e multiplicai-vos; enchei a terra e sujeitai-a; dominai sobre os
Página

peixes do mar, sobre as aves do céu e sobre todos os animais que se arrastam
sobre a terra.
Gênesis 2: 21 Então o Senhor Deus fez cair um sono pesado sobre o homem, e
este adormeceu; tomou-lhe, então, uma das costelas, e fechou a carne em seu
lugar;22 e da costela que o senhor Deus lhe tomara, formou a mulher e a
trouxe ao homem. 23 Então disse o homem: Esta é agora osso dos meus ossos,
e carne da minha carne; ela será chamada varoa, porquanto do varão foi
tomada. 24 Portanto deixará o homem a seu pai e a sua mãe, e unir-
se-á à sua mulher, e serão uma só carne.

Esta é, portanto a Lei para todos os “Filhos dos Homens”: frutificai e


multiplicai, ou seja: dê sementes e frutos. E esta é, portanto a Lei a
questão: Estava o Messias isento da Lei de seu Pai? Antes das
conjecturas vamos até o Livro de Timóteo 4:1-5 Mas o Espírito
expressamente diz que em tempos posteriores alguns
apostatarão da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a
doutrinas de demônios, 2 pela hipocrisia de homens que falam
mentiras e têm a sua própria consciência cauterizada, 3
proibindo o casamento, e ordenando a abstinência de alimentos
que Deus criou para serem recebidos com ações de graças pelos que
são fiéis e que conhecem bem a verdade; 4 pois todas as coisas
criadas por Deus são boas, e nada deve ser rejeitado se é recebido
com ações de graças; 5 porque pela palavra de Deus e pela oração
são santificadas.

Celibato da Igreja Romana


Bem sabemos que o “Celibato”, ou o “Celibatário” na sua
definição é uma pessoa que se mantêm solteira; podendo manter ou
não relações sexuais, logo não é sinônimo de castidade. No entanto,
os termos “Celibato e Castidade” são popularmente usados para
descrever uma pessoa que se abster de atividade sexual.

Para alguns Cristãos; Paulo chamado de Apóstolo recomendava o


“Celibato”, segundo os versos do Livro de;
1 Coríntios 7: 1 Ora, quanto às coisas de que me escrevestes, bom seria que
o homem não tocasse em mulher; 2 mas, por causa da prostituição, tenha cada
homem sua própria mulher e cada mulher seu próprio marido. 3 O marido
pague à mulher o que lhe é devido, e do mesmo modo a mulher ao marido.
4 A mulher não tem autoridade sobre o seu próprio corpo, mas sim o marido;
e também da mesma sorte o marido não tem autoridade sobre o seu próprio
corpo, mas sim a mulher. 5 Não vos negueis um ao outro, senão de comum
acordo por algum tempo, a fim de vos aplicardes à oração e depois vos
ajuntardes outra vez, para que Satanás não vos tente pela vossa incontinência.
6 Digo isto, porém, como que por concessão e não por mandamento.
90

7 Contudo queria que todos os homens fossem como eu mesmo; mas


cada um tem de Deus o seu próprio dom, um deste modo, e outro
Página

daquele. 8 Digo, porém, aos solteiros e às viúvas, que lhes é bom se ficarem
como eu. 9 Mas, se não podem conter-se, casem-se. Porque é melhor casar do
que abrasar-se. 10 Todavia, aos casados, mando, não eu mas o
Senhor, que a mulher não se aparte do marido; 11 se, porém, se
apartar, que fique sem casar, ou se reconcilie com o marido; e que o
marido não deixe a mulher..., 24 Irmãos, cada um fique diante de Deus no
estado em que foi chamado. 25 Ora, quanto às virgens, não tenho
mandamento do Senhor; dou, porém, o meu parecer, como quem
tem alcançado misericórdia do Senhor para ser fiel. 26 Acho, pois, que
é bom, por causa da instante necessidade, que a pessoa fique como está.
27 Estás ligado a mulher? não procures separação. Estás livre de mulher? não
procures casamento. 28 Mas, se te casares, não pecaste; e, se a virgem se
casar, não pecou. Todavia estes padecerão tribulação na carne e eu quisera
poupar-vos. 29 Isto, porém, vos digo, irmãos, que o tempo se abrevia; pelo
que, doravante, os que têm mulher sejam como se não a tivessem;
30 os que choram, como se não chorassem; os que folgam, como se não
folgassem; os que compram, como se não possuíssem; 31 e os que usam deste
mundo, como se dele não usassem em absoluto, porque a aparência deste
mundo passa. 32 Pois quero que estejais livres de cuidado. Quem não é casado
cuida das coisas do Senhor, em como há de agradar ao Senhor,
33 mas quem é casado cuida das coisas do mundo, em como há de agradar a
sua mulher, 34 e está dividido. A mulher não casada e a virgem cuidam das
coisas do Senhor para serem santas, tanto no corpo como no espírito; a
casada, porém, cuida das coisas do mundo, em como há de agradar ao
marido. 35 E digo isto para proveito vosso; não para vos enredar, mas para o
que é decente, e a fim de poderdes dedicar-vos ao Senhor sem distração
alguma. 36 Mas, se alguém julgar que lhe é desairoso conservar solteira a sua
filha donzela, se ela estiver passando da idade de se casar, e se for necessário,
faça o que quiser; não peca; casem-se. 37 Todavia aquele que está firme em
seu coração, não tendo necessidade, mas tendo domínio sobre a sua própria
vontade, se resolver no seu coração guardar virgem sua filha, fará bem.
38 De modo que aquele que dá em casamento a sua filha donzela, faz bem;
mas o que não a der, fará melhor. 39 A mulher está ligada enquanto o marido
vive; mas se falecer o marido, fica livre para casar com quem quiser, contanto
que seja no Senhor. 40 Será, porém, mais feliz se permanecer como está,
segundo o meu parecer, e eu penso que também tenho o Espírito de Deus.

Nota: Importa aqui é prestar atenção quando o mesmo Paulo


diz: 6 Digo isto, porém, como que por concessão e não por
mandamento.

Paulo de Tarso, Sha’ul, “Saulo” ele mesmo reclama nos versos de I


Corìntios 9: 3 - Esta é a minha defesa para com os que me acusam.
4 Não temos nós direito de comer e de beber? 5 Não temos nós
direito de levar conosco esposa crente, como também os
demais apóstolos, e os irmãos do Senhor, e Cefas? 6 Ou
será que só eu e Barnabé não temos direito de deixar de trabalhar?
– é considerada por muitos cristãos como o mais importante
discípulo de Jesus e, depois de Jesus, a figura mais importante no
desenvolvimento do Cristianismo; e também é considerado por
91

diversos teólogos, estudiosos e críticos, de ter “Mutilado os


Ideais Cristãos”, transformando uma mensagem libertária de
Página

transformação individual e a caridade numa Religião de culpas, e de


padrões rígidos, o que teria tornado o Cristianismo numa negação
das ideias de Jesus de Nazaré e distanciou-se completamente do
Judaísmo quando favorecia a abolição da circuncisão e dos hábitos
alimentares tradicionais.

Paulo era diferente dos demais discípulos do Messias, dava mais


ênfase aos “Gentios” ou aos da Casa de Israel que estavam
espalhados entre os Gentios; era um homem culto, fariseu da Escola
do Rabi Gamaliel, nascido em Tarso, na Cilícia (uma província
romana da Turquia e da Síria, em torno da cidade de Tarso, era
o nome da Armênia Menor na Idade Média), numa família judaica
da Diáspora; adquiriu a cidadania romana, como meio de proteção
física.

De sorte que a influência e as vantagens de sua dupla cidadania, e


boa cultura favoreceu muito sua pregação em território Romano. Já
a perspectiva da Igreja Católica Apostólica Romana, mantém o
“Celibato” como um ato de fé, baseado na vida de Jesus Cristo, que,
segundo a Igreja Cristã teria sido solteiro. Embora, segundo
historiadores, afirmem que essa prática começou no final do Milênio
I, na Idade Média, e foi definido como regra no Concílio de Trento
entre 1545 e a563 D.C., para evitar que a Igreja perdesse posses em
eventuais disputas de herança, e assim se mantém até os dias de
hoje.

Contudo, durante o decorrer da História Clerical da Igreja, houve


alguns Papas casados: Adriano II, Honório IV, bispos casados na
Islândia, padres casados nos Estados Unidos, Canadá, Austrália,
Reino Unido e Escandinávia; sob autorização especial de Roma;
inclusive o caso do Bispo Salomão Barbosa Ferraz no Brasil.

Algumas Evidências do Casamento do Messias


―... Disse mais o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só;
far-lhe-ei uma ajudadora que lhe seja idônea..., Gênesis 2:18‖

Se o Messias Jesus, fosse contrário ao casamento, teria nascido entre


os Gentios e não entre os descendentes de Abraão, cujas promessas
era de milhares de descendências, tal como as estrelas dos Céus e a
areia das praias. O Povo hebreu entendeu a essência do casamento
para a realização do projeto Divino para a humanidade, de tal sorte
92

que porduziu o mais completo Canon Matrimonial: “Cântico dos


Página

Cântigos‖.
O Patriarca Abraão, teve por mulher: Sara, Agar e Quetura;
Isaac teve por mulher: Rebeca;
Jacó teve por mulher: Léia, Raquel, Zilpa e Bila;
O Rei Davi teve por mulher: Mical, Abigail e 5 servas, Bet-Seba,
Ainoã, Maacá, Hagite, Abital, Bet-Sua, Eglá, diversas concubinas e
por último Abisague a Sulamita.
Salomão teve por mulher: Setecentas mulheres, princesas e 300
concubinas.
O Rei Roboão teve: 18 mulheres e 60 concubinas;
O Rei Abias teve: 14 mulheres;

A Lei de Israel não proibia aos Reis e homens terem muitas


mulheres, nem concubinas, ou princesas; apenas estabelecia que o
“Filho Primogênito”, sempre será o da primeira mulher,
conforme o registro em Deuteronômio 21: 15 Se um homem tiver
duas mulheres, uma a quem ama e outra a quem despreza, e
ambas lhe tiverem dado filhos, e o filho primogênito for da
desprezada, 16 quando fizer herdar a seus filhos o que tiver, não
poderá dar a primogenitura ao filho da amada, preferindo-o ao
filha da desprezada, que é o primogênito; 17 mas ao filho da
aborrecida reconhecerá por primogênito, dando-lhe dobrada
porção de tudo quanto tiver, porquanto ele é as primícias da sua
força; o direito da primogenitura é dele.

Nem tampouco no futuro, ainda se proíbe o homem de ter muitas


mulheres, veja no livro de Isaias 4: Sete mulheres naquele dia
lançarão mão dum só homem, dizendo: Nós comeremos do nosso
pão, e nos vestiremos de nossos vestidos; tão somente queremos ser
chamadas pelo teu nome; tira o nosso opróbrio. 2 Naquele dia o
renovo do Senhor será cheio de beleza e de glória, e o fruto
da terra excelente e formoso para os que escaparem de Israel. 3 E
será que aquele que ficar em Sião e permanecer em
Jerusalém, será chamado santo, isto é, todo aquele que estiver
inscrito entre os vivos em Jerusalém;

De forma que se o Messias foi casado com uma ou mais mulheres,


em nada lhe diminuía o “Mérito” de profeta, ou de “Ungido
Salvador de Israel”; mesmo que na Bíblia, nos versos do Novo
Testamento, não digam claramente que “Ele” tinha casado,
tampouco afirma ao contrário.
93
Página

O certo é que Ele, não dispensava o cuidado das mulheres, nem os


mimos de um Rei, e tampouco a boa companhia das mulheres,
durante o seu Ministério e também na crucificação e ressurreição,
como podemos ver nos versos abaixo.
Mateus 27: 55 Também estavam ali, olhando de longe, muitas mulheres que
tinham seguido Jesus desde a Galiléia para o ouvir; 56 entre as quais se
achavam Maria Madalena, Maria, mãe de Tiago e de José, e a mãe dos
filhos de Zebedeu..., 61 Mas achavam-se ali Maria Madalena e a outra
Maria, sentadas defronte do sepulcro.

Mateus 28: No fim do sábado, quando já despontava o primeiro dia da


semana, Maria Madalena e a outra Maria foram ver o sepulcro...,
9 E eis que Jesus lhes veio ao encontro, dizendo: Salve. E elas,
aproximando-se, abraçaram-lhe os pés, e o adoraram. 10 Então lhes
disse Jesus: Não temais; ide dizer a meus irmãos que vão para a Galiléia; ali
me verão.

Marcos 15: 40 Também ali estavam algumas mulheres olhando de longe,


entre elas Maria Madalena, Maria, mãe de Tiago o Menor e de José, e
Salomé; 41 as quais o seguiam e o serviam quando ele estava na Galiléia; e
muitas outras que tinham subido com ele a Jerusalém.

Marcos 16: 1 Ora, passado o sábado, Maria Madalena, Maria, mãe de


Tiago, e Salomé, compraram aromas para irem ungi-lo. 2 E, no
primeiro dia da semana, foram ao sepulcro muito cedo, ao levantar do sol.

Lucas 8: 1 Logo depois disso, andava Jesus de cidade em cidade, e de


aldeia em aldeia, pregando e anunciando o evangelho do reino de Deus; e iam
com ele os doze, 2 bem como algumas mulheres que haviam sido
curadas de espíritos malignos e de enfermidades: Maria, chamada
Madalena, da qual tinham saído sete demônios.

Lucas 10: 38 Ora, quando iam de caminho, entrou Jesus numa aldeia
(Betânhia); e certa mulher, por nome Marta, o recebeu em sua casa. 39 Tinha
esta uma irmã chamada Maria, a qual, sentando-se aos pés do Senhor,
ouvia a sua palavra. 40 Marta, porém, andava preocupada com muito
serviço; e aproximando-se, disse: Senhor, não se te dá que minha irmã me
tenha deixado a servir sozinha? Dize-lhe, pois, que me ajude. 41 Respondeu-lhe
o Senhor: Marta, Marta, estás ansiosa e perturbada com muitas coisas; 42
entretanto poucas são necessárias, ou mesmo uma só; e Maria escolheu a
boa parte, a qual não lhe será tirada.

Lucas 24: 10 E eram Maria Madalena, e Joana, e Maria, mãe de Tiago;


também as outras que estavam com elas relataram estas coisas aos apóstolos.
11 E pareceram-lhes como um delírio as palavras das mulheres e não lhes
deram crédito.

João 11: 5 Ora, Jesus amava a Marta, e a sua irmã (Maria), e a Lázaro.

João 12: 1 Veio, pois, Jesus seis dias antes da páscoa, a Betânia, onde estava
Lázaro, a quem ele ressuscitara dentre os mortos. 2 Deram-lhe ali uma ceia;
Marta servia, e Lázaro era um dos que estavam à mesa com ele. 3 Então
94

Maria, tomando uma libra de bálsamo de nardo puro, de grande


preço, ungiu os pés de Jesus, e os enxugou com os seus cabelos; e
Página

encheu-se a casa do cheiro do bálsamo.


João 20: No primeiro dia da semana Maria Madalena foi ao sepulcro
de madrugada, sendo ainda escuro, e viu que a pedra fora removida do
sepulcro..., 11 Maria, porém, estava em pé, diante do sepulcro, a chorar.
Enquanto chorava, abaixou-se a olhar para dentro do sepulcro, .., 13 E
perguntaram-lhe eles: Mulher, por que choras? Respondeu-lhes: Porque
tiraram o meu Senhor, e não sei onde o puseram. 14 Ao dizer isso, voltou-se
para trás, e viu a Jesus ali em pé, mas não sabia que era Jesus. 15 Perguntou-
lhe Jesus: Mulher, por que choras? A quem procuras? Ela, julgando que fosse o
jardineiro, respondeu-lhe: Senhor, se tu o levaste, dize-me onde o puseste, e
eu o levarei. 16 Disse-lhe Jesus: Maria! Ela, virando-se, disse-lhe em hebraico:
Raboni!-que quer dizer, Mestre. 17 Disse-lhe Jesus: Deixa de me tocar,
porque ainda não subi ao Pai; mas vai a meus irmãos e dize-lhes que eu
subo para meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus. 18 E foi Maria
Madalena anunciar aos discípulos: Vi o Senhor!-e que ele lhe dissera estas
coisas.

Certamente nesses versículos pode-se estabelecer que Jesus tivesse


um forte relacionamento, por ora bem íntimo com Maria Madalena,
e exercia autoridade sobre Marta, e ainda a contínua presença da
outra Maria: a mãe de Tiago Menor, José e Salomé. Mas a grande
questão é como que numa sociedade conservadora, como era a
sociedade judaica da época, mulheres casadas ou não, pudessem
acompanhar um Homem, de cidade em cidade, de aldeia em aldeia,
ainda que Ele fosse o Grande Mestre: “Raboni”.

Também devemos analisar o seguinte diálogo: De Maria com o Anjo


e o suposto jardineiro; quando ela foi, ainda de madrugada ao
sepulcro e viram os dois Anjos vestidos de branco: João 20: 13 E
perguntaram-lhe eles: Mulher, por que choras? Respondeu-lhes:
Porque tiraram o meu Senhor, e não sei onde o puseram. 14 Ao
dizer isso, voltou-se para trás, e viu a Jesus ali em pé, mas não
sabia que era Jesus. 15 Perguntou-lhe Jesus: Mulher, por que
choras? A quem procuras? Ela, julgando que fosse o jardineiro,
respondeu-lhe: Senhor, se tu o levaste, dize-me onde o
puseste, e eu o levarei. Percebe-se aqui um tratamento respeitoso
como nos nossos dias, com o suposto Jardineiro: Senhor, se tu o
levaste; e um mais íntimo ao anjo: ... Tiraram o “Meu Senhor”...,
um tratamento muito pessoal, pois a palavra “Senhor” era usada na
época e mesmo hoje em dia, de forma respeitosa: aos mais velhos,
aos pais, autoridades e mesmo ao “Marido ou Esposo”.

Mas a questão mais intrigante de todo o relato, nesses versos é os


que são explícitos sobre a “Outra Maria”, a mãe de Tiago Menor,
João e Salomé: Quem era essa mulher, mãe de 3 filhos, que
95

acompanhava Jesus? Como uma mulher, mãe de filhos, talvez


crianças ainda, poderia estar constantemente acompanhando o
Página

Messias em suas peregrinações?


CAPÍTULO 21
Maria e a outra Maria.
Quem verdadeiramente é Maria, a mãe de Tiago Menor, João e
Salomé?

Para identificarmos essa outra Maria; “A outra”, temos que


começar por entender e separar os diversos “Tiagos”: 1º Tiago filho
de Zebedeu, irmão de João (Mateus 10:2); 2º Tiago filho de Alfeu
(Mateus 10:3); 3º Tiago filho de Maria, irmão de José, de Simão, de
Judas e irmão de Jesus (Mateus 13:55), e 4º Tiago o menor, irmão
de José e de Salomé (Marcos 15:40); desde que no próprio Livro de
Mateus 27:56 diz: entre as quais se achavam: Maria Madalena,
Maria mãe de Tiago e José, e a mãe dos filhos de Zebedeu (Tiago e
João). Parece bem similar, como se fosse a mesma Maria, não fosse
pelo fato; de uma das Maria ser mãe de “Tiago e José”, e a outra
Maria mãe de “Tiago e João”.

Os Filhos de Jesus com Maria da Betânia


Jesus tinha filhos?

Se Jesus teve filhos, certamente foi com Maria da Betânia, irmã de


Marta e de Lázaro, pois essa Maria seguiu com Ele, e com a Maria
Madalena, durante quase toda a sua jornada e mesmo quando
(Mateus 27:61 Mas achavam-se ali Maria Madalena e a outra
Maria, sentadas defronte do sepulcro) e (Mateus 28:1 No fim do
sábado, quando já despontava o primeiro dia da semana, Maria
Madalena e a outra Maria foram ver o sepulcro); (Marcos 15: 47
E Maria Madalena e Maria, mãe de José, observavam onde fora
posto); (Marcos 16:1 Ora, passado o sábado, Maria Madalena,
Maria, mãe de Tiago, e Salomé, compraram aromas para irem
ungi-lo. 2 E, no primeiro dia da semana, foram ao sepulcro muito
cedo, ao levantar do sol.); pois todo esse tratamento junto ao
funeral e pós sepulcro, era e é um trabalho para as esposas dos
Judeus.
96

Essa Maria, a mãe de Tiago o menor e de José; que não era então a
Página

Mulher de Zebedeu, tampouco a Mãe de Jesus, e muito menos a


Maria Madalena; só pode ser a Maria da Betânia, irmã de Marta e
Lázaro; a que ungiu o Messias com “Nardo” puro, e a mesma Maria
que foi ungir óleo depois de sua morte.

Portanto se Jesus teve filhos; eis aí os nomes deles: “Tiago e José”.

Se Jesus teve esposa, digo; esposas, eis ai: “Maria Madalena; e a


Maria da Betânia e sua irmã Marta”, irmãs de Lázaro.
Mesmo porque Maria Madalena e Maria irmã de Marta, não são as
mesmas personagens, pois como vemos as duas Marias; foram
juntas no sepulcro, e nenhuma dessas Marias, era a Mãe de Jesus
como muitos querem pensar. Pois os registros são bem específicos
ao tratar e separar as Marias:

1º - Maria mãe de João – Atos 12: 12 Depois de assim refletir foi à


casa de Maria, mãe de João, que tem por sobrenome Marcos,
onde muitas pessoas estavam reunidas e oravam...,

2º - Maria mãe de Jesus - 14 Todos estes perseveravam


unanimemente em oração, com as mulheres, e Maria, mãe de
Jesus, e com os irmãos dele.

3º - Maria Madalena – João 20: 1 No primeiro dia da semana


Maria Madalena foi ao sepulcro de madrugada, sendo ainda
escuro, e viu que a pedra fora removida do sepulcro.

4º - Maria mulher de Clôfas – João 19: 25 Estavam em pé, junto à


cruz de Jesus, sua mãe, e a irmã de sua mãe, e Maria, mulher de
Clôpas, e Maria Madalena.

5º - Maria da Betânia – João 11: Ora, estava enfermo um homem


chamado Lázaro, de Betânia, aldeia de Maria e de sua irmã
Marta.

6º - Maria mãe de Tiago – Lucas 24: 10 E eram Maria Madalena, e


Joana, e Maria, mãe de Tiago; também as outras que estavam
com elas relataram estas coisas aos apóstolos.

Como podemos contemplar nas escrituras, as Marias são bem


identificadas assim como podemos discernir a “Mulher
Pecadora”, da “Mulher Curada”, e da “Mulher que Ungiu”;
pois todas as três estão relatadas no mesmo Livro de Lucas, e em
97

tempos diferentes, pois caso não fosse assim, seria um grande lapso
Página

do escritor.
Vejamos os três casos:

1º - Mulher Pecadora – Lucas 7: 37 E eis que uma mulher


pecadora que havia na cidade, quando soube que ele estava à
mesa em casa do fariseu, trouxe um vaso de alabastro com
bálsamo; 38 e estando por detrás, aos seus pés, chorando, começou
a regar-lhe os pés com lágrimas e os enxugava com os cabelos
da sua cabeça; e beijava-lhe os pés e ungia-os com o
bálsamo. (Veja: Cantares 1:12)

2º - Mulher Curada – Lucas 8: 2 bem como algumas mulheres que


haviam sido curadas de espíritos malignos e de enfermidades:
Maria, chamada Madalena, da qual tinham saído sete
demônios.

3º - Mulher que ungiu – João 11:1 Ora, estava enfermo um homem


chamado Lázaro, de Betânia, aldeia de Maria e de sua irmã
Marta. 2 E Maria, cujo irmão Lázaro se achava enfermo, era a
mesma que ungiu o Senhor com bálsamo, e lhe enxugou os pés
com os seus cabelos.

4º - Mulher que ungiu - João 12: 1 Veio, pois, Jesus seis dias
antes da páscoa, a Betânia, onde estava Lázaro, a quem ele
ressuscitara dentre os mortos. 2 Deram-lhe ali uma ceia; Marta
servia, e Lázaro era um dos que estavam à mesa com ele. 3 Então
Maria, tomando uma libra de bálsamo de nardo puro, de
grande preço, ungiu os pés de Jesus, e os enxugou com os seus
cabelos; e encheu-se a casa do cheiro do bálsamo.

A princípio a narrativa é confusa, pois no Livro de João diz que a


mulher que ungiu o Messias, foi na casa de Lázaro na Betânia e em
Lucas estava na casa de um Fariseu e não sita os nomes de Maria,
Marta ou Lázaro; e parece que a mulher era estranha para o dono da
casa, de Simão, pois o Messias disse: Entrei em tua casa, e não me
destes água..., enquanto que Maria era irmã de Lázaro.

Para tanto vamos recorrer ao registro de Marcos 14: 1 Ora, dali a


dois dias era a páscoa e a festa dos pães ázimos; e os principais
sacerdotes e os escribas andavam buscando como prender Jesus a
traição, para o matarem. 2 Pois eles diziam: Não durante a festa,
para que não haja tumulto entre o povo. 3 Estando ele em
98

Betânia, reclinado à mesa em casa de Simão, o leproso, veio


Página

uma mulher que trazia um vaso de alabastro cheio de bálsamo de


nardo puro, de grande preço; e, quebrando o vaso, derramou-lhe
sobre a cabeça o bálsamo. 4 Mas alguns houve que em si
mesmos se indignaram e disseram: Para que se fez este desperdício
do bálsamo?

Então fica esclarecido o problema:

I – 6 dias antes da Páscoa – Betânia – Casa de Lázaro o


resuscitado – Marta servia a mesa; Maria ungiu os pés com
Nardo Puro – Judas Iscariotes reclamou. (João 12)

II – 2 dias antes da Páscoa – Betânia – Casa de Simão o leproso


(Fariseu) – Uma mulher ungiu a cabeça com Nardo Puro –
alguns reclamaram. (Marcos 14)

Donde concluímos que Ele, o Messias foi Ungido, no mínimo duas


vezes antes da crucificação, em locais diferentes e por pessoas
diferentes, uma unção por Maria, irmã de Lázaro e a outra a Mulher;
a “Pecadora” do registro de Lucas. De modos que não existe em
nenhum lugar do Novo Testamento que diga que Maria Madalena,
ou Maria irmã de Lázaro, eram mulheres pecadoras. O Fato de Jesus
ter expulsado espíritos de Madalena, não quer dizer que ela era
pecadora; mas talvez pelo fato dela ainda não tiver filhos, enquanto
que a outra Maria (Mãe de Tiago e José) tinha dois filhos. Assim
como os nascidos com defeitos físicos Jesus atribuía algum pecado
ao dizer: Teus pecados estão perdoados.

Por outro lado à dita “Pecadora”, poderia ser desta feita, realmente
a própria Maria Madalena; pois as duas Marias, logo após o sepulcro
do Messias, compraram aromas; como registra Marcos 16: 1 Ora,
passado o sábado, Maria Madalena, Maria, mãe de Tiago, e
Salomé, compraram aromas para irem ungi-lo. 2 E, no primeiro
dia da semana, foram ao sepulcro muito cedo, ao levantar do
sol. Assim sendo, então fica reforçada a questão de que tanto Maria
Madalena, como a outra Maria, eram na verdade as esposas do
Messias de Israel, e que a segunda Maria, ou seja: a mãe de Tiago e
Salomé, é mesmo a Maria irmã de Marta e de Lázaro. Donde
concluímos que Tiago menor, João e Salomé, eram na verdade filhos
de Jesus.
99
Página

CAPÍTULO 22
Bodas de Jesus em Caná.
Agora sim podemos afirmar que o Novo Testamento, registra
também o próprio Casamento do Messias Jesus, ou do Filho do
Homem, como homem natural; com todos os direitos e deveres de
qualquer ser humano terreno.

Caná, não confundir com Canaã (Kənáʿan; em hebraico,


transliterada para Khanaan, que é a antiga denominação da
região correspondente à área do atual Estado de Israel, da
Cisjordânia, da Jordânia ocidental, sul da Síria e sul do Líbano),
com a aldeia Kfar Kana, situada na Galiléia, cerca de 10 Km de
Nazaré, a caminho de Tiberíades, onde se acredita que a Kana atual,
uma cidade árabe, foi erguida nas proximidades do antigo vilarejo,
uma vila Judaica existente desde os períodos do helenismo, que
existiu por mais de 700 anos, até o período bizantino.

João 2: 1 Três dias depois, houve um casamento em Caná da Galiléia, e


estava ali a mãe de Jesus; 2 e foi também convidado Jesus com seus discípulos
para o casamento. 3 E, tendo acabado o vinho, a mãe de Jesus lhe disse: Eles
não têm vinho. 4 Respondeu-lhes Jesus: Mulher, que tenho eu
contigo? Ainda não é chegada a minha hora. 5 Disse então sua mãe
aos serventes: Fazei tudo quanto ele vos disser. .., 9 Quando o mestre-
sala provou a água tornada em vinho, não sabendo donde era, se bem que o
sabiam os serventes que tinham tirado a água, chamou o mestre-sala ao
noivo 10 e lhe disse: Todo homem põe primeiro o vinho bom e,
quando já têm bebido bem, então o inferior; mas tu guardaste até
agora o bom vinho. 11 Assim deu Jesus início aos seus sinais em Caná da
Galiléia, e manifestou a sua glória; e os seus discípulos creram nele. 12 Depois
disso desceu a Cafarnaum, ele, sua mãe, seus irmãos, e seus
discípulos; e ficaram ali não muitos dias. 13 Estando próxima a páscoa
dos judeus, Jesus subiu a Jerusalém.

Note que nos Livros de Mateus, Marcos e Lucas, descreve que após o
batismo, Jesus foi para o
deserto para ser tentado,
e ficou ali por 40 dias;
somente no Livro de
João, está registrado as
Bodas de Caná
(Casamento) e logo em
seguida Ele vai para
100

Cafarnaum
(Kapharnaoum; em
Página

hebraico, transliterado
para Kephar (pedras) Nachûm, (aldeia ou vila), ficava na
margem norte do Mar da Galiléia, próxima de Betsaida e
Corozaim, onde passava a antiga Via Maris (Estrada do Mar), que
ligava o Egipto à Síria e ao Líbano e que passava por Cesareia
Marítima - O sítio da antiga aldeia de pescadores Cafarnaum (em
hebraico Kfar Nachum, a Aldeia de Naum) situa-se na costa
noroeste do Lago Kineret - Mar da Galiléia- 2,5 km a nordeste de
Tagba e a uns 15 km ao norte de Tiberíades.); e ficaram ali poucos
dias, ou como diz João: Depois disso desceu a Cafarnaum, ele, sua
mãe, seus irmãos, e seus discípulos; e ficaram ali não muitos dias.

Se bem que no Livro de Mateus 4: 12 Ora, ouvindo Jesus que João


fora entregue, retirou-se para a Galiléia; 13 e, deixando Nazaré,
foi habitar em Cafarnaum, cidade marítima, nos confins de
Zabulom e Naftali; diz que Ele fez sua moradia nessa Cidade, onde
os Apóstolos: Simão e seu irmão André; Tiago filho de Zebedeu, e
seu irmão João, também viviam na aldeia, além de Mateus Levi,
filho de Alfeu, o que era coletor de impostos no local.

Qual o real motivo de citar o evento dessa Boda, se o seu


“Ministério” perto dos 30 anos (Lucas 3: 23 Ora, Jesus, ao
começar o seu ministério, tinha cerca de trinta anos;) não fosse
para testificar também o seu lado humano. Mas importa lermos
nesse relato como Maria, mãe de Jesus se portou com muita
autoridade, diante dos serventes da casa do noivo: Disse então sua
mãe aos serventes: Fazei tudo quanto ele vos disser; e outro
destaque, nesse relato que o mestre-sala se dirige ao noivo e
questiona sobre o vinho de melhor qualidade ter sido servido em
posterior, como se o noivo fosse o próprio Messias, e a mãe do
Messias a mãe do noivo.

Antes de concluirmos nossos pensamentos, vamos recordar que o


normal para o povo escolhido por Deus, é crescer e multiplicar, ou
seja: casamento com mulher e geração de filhos, e a Lei é extensiva
desde os servos até os príncipes e reis. Todo o povo Judeu está sob a
101

Lei Mosaica, sob o pacto de Abraão, de Isaac e de Jacob; e as


bênçãos de Israel estão condicionadas a observância das Leis, dos
Página

Mandamentos e dos Estatutos.


Mesmo que os escritores do Novo Testamento, ou melhor: os que
transcreveram os Evangelhos, segundo a orientação dos líderes da
Igreja Romana, tenham suprimido informes de interesse e exaltado
outros para adequar aos seus princípios, não invalidaram toda a Lei;
pois a Lei foi estabelecida para o Judeu e para o Gentio que vive no
meio do povo de Israel. De forma que se o gentio entende a Lei como
não necessária, isto em nada afeta aos seguidores da Lei.

Mesmo porque em nossos dias, nós observamos as Leis atinentes ao


nosso país, e não segundo as do estrangeiro, exceto nas relações
internacionais, onde os interesses são mútuos. Assim se dá com a Lei
dos Cristãos, a Lei dos Muçulmanos e a Lei dos Judeus. Porém
quando se fala de Jesus o Cristo da Igreja Romana, é segundo os
olhos da Cúria Romana, quando se fala de Salvador de Israel,
também deve ser olhado com olhos Israelitas, e assim por diante.

Primeiro basta saber que Jesus ou Iéshua são Judeus na sua origem
e essência, pois não existe um Salvador nascido fora de Israel, além
da Tribo de Judá, da Casa de Davi, e que como Filho de Deus, nasceu
também Filho do Homem. Ele é único; e todas as escrituras que dele
fazem referência, tiveram origem lá em Israel, mais precisamente
nas cercanias de Jerusalém, e quem dele escreveu, escreveu segundo
os costumes e ditames do Povo Judeu.

Além do mais, nada impediria que Jesus cumprisse a sua missão,


mesmo casado e com filhos e filhas; assim como nada impediu que
Moisés, mesmo sendo pesado de língua, formasse uma Nação; ou
que Davi com seus erros deixou de ser o “Modelo de Rei” segundo os
critérios do Deus de Israel; e ainda tampouco foi a quantidade de
mulheres que desviou Salomão para a tolerância da idolatria em seu
mandato, foi sim pensar que a sua Sabedoria estava acima da Lei de
Israel, que proibia a Idolatria; mas nunca proibiu os casamentos
múltiplos da Nação Israelita.
102

De sorte que Jesus casado e pai, cumpriu a sua missão como


“Ungido Salvador” e foi aceito por Deus, como oferta de sangue
Página
pelos ´muitos pecados de Israel, e esse mesmo Jesus, voltará para
“Salvar Israel” do cerco das Nações vizinhas, no momento propício.

Outras esposas do Anjo de IHVH.

Claro que o Messias de Israel, antes de vir para este mundo como o
Filho do Homem, escolheu para sí mesmo duas esposas, enquanto
agia como o “Anjo de IHVH”, que acompanhou o Povo de Israel
durante os 40 anos no deserto do Oriente Médio. A Bíblia relata esse
fato bem as claras.

Ezequiel 23:1 Veio mais a mim a palavra do Senhor, dizendo:


2 Filho do homem, houve duas mulheres, filhas da mesma mãe.
3 Estas se prostituíram no Egito; prostituíram-se na sua mocidade; ali foram
apertados os seus peitos, e ali foram apalpados os seios da sua virgindade.
4 E os seus nomes eram: Aolá, a mais velha, e Aolibá, sua irmã; e foram
minhas, e tiveram filhos e filhas; e, quanto aos seus nomes,
Samária é Aolá, e Jerusalém é Aolibá.

Nota: Samaria desde 922 A.C; passou a ser a Capital do Reino de Israel (10
Tibos e ½); e Jerusalém continuou como Capital do Reino de Judá (2 Tribos e
½), meia porque os Levitas ficaram divididos entre esses dois reinos.

5 Ora prostituiu-se Aolá (Israel), sendo minha; e enamorou-se dos seus


amantes, dos assírios, seus vizinhos, 6 que se vestiam de azul, governadores e
magistrados, todos mancebos cobiçáveis, cavaleiros montados a cavalo. 7
Assim cometeu ela as suas devassidões com eles, que eram todos a flor dos
filhos da Assíria; e contaminou-se com todos os ídolos de quem se enamorava.
8 E não deixou as suas impudicícias, que trouxe do Egito; pois muitos se
deitaram com ela na sua mocidade, e apalparam os seios da sua virgindade, e
derramaram sobre ela a sua impudicícia. 9 Portanto a entreguei na mão dos
seus amantes, na mão dos filhos da Assíria, de quem se enamoravam. 10
Estes se descobriram a sua vergonha; levaram-lhe os filhos e as filhas; e a ela
mataram-na à espada; e ela se tornou um provérbio entre as mulheres; pois
sobre ela executaram juízos.

Nota: Em 722 A.C; o Reino de Israel acabou e foram levados para a Assíria.

11 Viu isso sua irmã Aolibá (Judá); contudo se corrompeu na sua paixão
mais do que ela, como também nas suas devassidões, que eram piores do que
as de sua irmã. 12 Enamorou-se dos filhos da Assíria, dos governadores e dos
103

magistrados seus vizinhos, vestidos com primor, cavaleiros que andam


montados em cavalos, todos mancebos cobiçáveis. 13 E vi que se tinha
Página

contaminado; o caminho de ambas era o mesmo. 14 E ela aumentou as suas


impudicícias; porque viu homens pintados na parede, imagens dos caldeus,
pintadas de vermelho, 15 com os seus lombos cingidos, tendo largos turbantes
sobre as cabeças, todos com o parecer de príncipes, semelhantes aos filhos de
Babilônia em Caldéia, terra do seu nascimento. 16 Ela se apaixonou deles, ao
lançar sobre eles os olhos; e lhes mandou mensageiros até Caldéia.
17 Então vieram a ela os filhos de Babilônia para o leito dos amores, e a
contaminaram com as suas impudicícias; e ela se contaminou com eles; então
a sua alma deles se alienou. 18 Assim pôs a descoberto as suas devassidões, e
descobriu a sua vergonha; então a minha alma se alienou dela, assim como já
se alienara a minha alma de sua irmã. 19 Todavia ela multiplicou as suas
prostituições, lembrando-se dos dias da sua mocidade, em que se prostituira
na terra do Egito, 20 apaixonando-se dos seus amantes, cujas carnes eram
como as de jumentos, e cujo fluxo era como o de cavalos. 21 Assim desejaste a
luxúria da tua mocidade, quando os egípcios apalpavam os teus seios, para
violentar os peitos da tua mocidade. 22 Por isso, ó Aolibá, assim diz o Senhor
Deus: Eis que eu suscitarei contra ti os teus amantes, dos quais se alienara a
tua alma, e os trarei contra ti de todos os lados: 23 Os filhos de Babilônia, e
todos os caldeus de Pecode, e de Soá, e de Coa, juntamente com todos os filhos
da Assíria, mancebos cobiçáveis, governadores e magistrados, todos eles
príncipes e homens de renome, todos eles montados a cavalo. 24 E virão
contra ti com armas, carros e carroças, e com ajuntamento de povos; e se
porão contra ti em redor com paveses, e escudos, e capacetes; e lhes entregarei
o julgamento, e te julgarão segundo os seus juízos. 25 E porei contra ti o meu
zelo, e usarão de indignação contigo. Tirar-te-ão o nariz e as orelhas; e o que
te ficar de resto cairá à espada. Tomarão os teus filhos e as tuas filhas, e o que
em ti ficar será consumido pelo fogo. 26 Também te despirão os teus vestidos, e
te tomarão as tuas jóias de adorno. 27 Assim farei cessar em ti a tua luxúria e
a tua prostituição trazida da terra do Egito; de modo que não levantarás os
teus olhos para eles, nem te lembrarás mais do Egito. 28 Pois assim diz o
Senhor Deus: Eis que te entrego na mão dos que odeias, na mão daqueles de
quem está alienada a tua alma; 29 e eles te tratarão com ódio, e levarão todo o
fruto do teu trabalho, e te deixarão nua e despida; e descobrir-se-á a vergonha
da tua prostituição, e a tua luxúria, e as tuas devassidões. 30 Estas coisas se te
farão, porque te prostituíste após as nações, e te contaminaste com os seus
ídolos.31 No caminho de tua irmã andaste; por isso entregarei o seu cálice na
tua mão. 32 Assim diz o Senhor Deus: Beberás o cálice de tua irmã, o qual é
fundo e largo; servirás de riso e escárnio; o cálice leva muito. 33 De
embriaguez e de dor te encherás, do cálice de espanto e de assolação, do cálice
de tua irmã Samária. 34 Bebê-lo-ás pois, e esgotá-lo-ás, e roerás os seus cacos,
e te rasgarás teus próprios peitos; pois eu o falei, diz o Senhor Deus.
35 Portanto, assim diz o Senhor Deus: Como te esqueceste de mim, e me
lançaste para trás das tuas costas, também carregarás com a tua luxúria e as
tuas devassidões.

Nota: Em 586 A.C; o Reino de Judá acabou e foram levados para a Babilônia.
104

36 Disse-me mais o Senhor: Filho do homem, julgarás a Aolá e a Aolibá?


Mostra-lhes, então, as suas abominações. 37 Pois adulteraram, e sangue se
Página
acha nas suas mãos; com os seus ídolos adulteraram, e até lhes ofereceram em
holocausto, para serem consumidos, os seus filhos, que de mim geraram.
38 E ainda isto me fizeram: contaminaram o meu santuário no mesmo dia, e
profanaram os meus sábados 39 Porquanto, havendo sacrificado seus filhos
aos seus ídolos, vinham ao meu santuário no mesmo dia para o profanarem; e
eis que assim fizeram no meio da minha casa. 40 Além disto mandaram vir
uns homens de longe, aos quais fora enviado um mensageiro, e eis que vieram.
Por amor deles te levaste, pintaste os teus olhos, e te ornaste de enfeites,
41 e te assentaste sobre um leito de honra, diante do qual estava uma mesa
preparada; e puseste sobre ela o meu incenso e o meu óleo. 42 Ouvia-se ali a
voz de uma multidão satisfeita; e com homens de classe baixa foram trazidos
beberrões do deserto; e eles puseram braceletes nas mãos das mulheres, e
coroas de esplendor nas suas cabeças. 43 Então disse eu da envelhecida em
adultérios: Agora deveras se contaminarão com ela e ela com eles.
44 E entraram a ela, como quem entra a uma prostituta; assim entraram a
Aolá e a Aolibá, mulheres lascivas. 45 De maneira que homens justos são os
que as julgarão como se julgam as adúlteras, e como se julgam as que
derramam o sangue; porque adúlteras são, e sangue há nas suas mãos.
46 Pois assim diz o Senhor Deus: Farei subir contra elas uma hoste e as
entregarei ao tumulto e ao saque. 47 E a hoste apedrejá-las-á, e as
matará à espada; trucidará a seus filhos e suas filhas, e queimará
as suas casas a fogo. 48 Assim farei cessar da terra a lascívia, para que se
escarmentem todas as mulheres, e não procedam conforme a vossa lascivia.
49 E a vós vos pagarão o vosso procedimento lascivo e levareis os pecados dos
vossos ídolos; e sabereis que eu sou o Senhor Deus.

Como podemos ler e entender, que o Anjo de IHVH, como Deus de


Israel, representando o Eterno Deus Criado dos Céus e da Terra: o
IHVH dos Exércitos desposou Israel (Aolá por 200 anos, de 922
A.C; da divisão dos reinos até 722 A.C; da dispersão desde a
Assíria) e Judá (Aolibá por 336 anos, de 922 A.C; da divisão dos
reinos até 586 A.C; do cativeiro na Babilônia).

Todavia, se o Anjo de IHVH, como Jesus “Filho do Homem”,


figurativamente também desposou Maria Madalena e Maria da
Betânia, como tinha desposado Judá e Israel; e uma sendo estéril,
não gerou herdeiros, e a outra, gerou dois rebentos; como devemos
julgar a o Messias Jesus, por ter ou não esposas e filhos, enquanto
homem na Terra?
105

E certamente na sua volta, como Rei de Israel e Judá Unificadas, as


tomará novamente como esposa, e dentre as filhas de Israel e das
Página
filhas de Judá para esposas e princesas, em seu Reino Milenar. Ou
poderá o Rei de Israel, reinar como Eunuco?

CAPÍTULO 23
Os discípulos do Messias.
É evidente que ao lermos os 4 Evangelhos, e prestarmos boa
atenção, notaremos que a listagem dos nomes dos 12 discípulos,
chamados também de apóstolos, variam de nome, de um evangelista
para outro. Como conciliar esses escritos? Um desses nomes é fácil
de resolver: Tiago, que nas Bíblias de versão Inglesa é chamado de
“James”, para agradar ao Rei financiador da “Bíblia do rei
James” uma tradução inglesa da bíblia realizada em benefício da
Igreja Anglicana, sob as ordens do rei James I; publicada em 1611
D.C. Vejamos abaixo a Tabela dos Discípulos:

Ordem Livro de Mateus Livro de Marcos Livro de Lucas Livro de João


1º Simão/Pedro Simão irmaõ de Simão Pedro Simão/Cefas/
irmão de André, André, chamado Pedro/filho João
Simão BarJonas Pedro de Betsaida
(filho de Jonas)
2º André irmão de André irmão de André irmão de André irmão de
Pedro Simão Pedro Simão Pedro de
Betsaida
3º Tiago filho Tiago filho de Tiago irmão de ---------------------
Zebedeu e irmão Zebedeu e irmão João, filho ---------------------
de João de João Zebedeu --------------------
4º João filho João filho de João filho de ---------------------
Zebedeu e irmão Zebedeu e irmão Zebedeu e irmão ---------------------
de Tiago de Tiago de Tiago ---------------------
5º Felipe da Filipe de Cesaréia Filipe Filipe de Betsaida
Cesaréia Galiléia
6º Bartolomeu Bartolomeu Bartolomeu Natanael de
Caná da Galiléia
7º Mateus/Coleto Mateus Mateus ---------------------
Publicano ---------------------
8º Tomé Tomé Tomé Tomé, Dídimo de
9º Tiago filho de Tiago filho de Tiago filho de ---------------------
Alfeu Alfeu Alfeu ---------------------
106

10º Tadeu Tadeu -------------------- --------------------


11º Simão/Cananau Simão o Cananeu Simão/Zelote
12º Judas Iscariotes Judas Iscariotes Judas Iscariotes Judas filho de
Página

Simão Iscariotes
13º ------------------- --------------------- Judas filho de Judas (Não o
------------------- --------------------- Tiago Iscariotes)
Simão o leproso Simão o leproso --------------------- ---------------------
Simão o Cirineu Simão o Cirineu Simão o Cirineu
Tiago irmão de --------------------- --------------------- ---------------------
José e filho de --------------------- --------------------- ---------------------
Maria --------------------- --------------------- ---------------------
Simão irmão de Tiago irmão de --------------------- Simão Iscariotes
Jesus, de Judas, Jesus, Judas, ---------------------
José e Tiago José e de Simão ---------------------
------------------- --------------------- Tiago o menor e ---------------------
------------------- --------------------- José filhos de ---------------------
------------------- --------------------- Maria ---------------------
João o Batista João o Batista João Batista filho João enviado de
de Zacarias Deus
Felipe irmão de Felipe irmão de Filipe tetrarca da ---------------------
Herodes Herodes Ituréia e ---------------------
Traconites
------------------- --------------------- --------------------- Simão Iscariotes
------------------- --------------------- --------------------- pai de Judas

Não podemos esquecer ainda a referência do Discípulo Amado,


aquele que Jesus amava; João 11: 5 Ora, Jesus amava a Marta, e
a sua irmã, e a Lázaro; João 13: 23 Ora, achava-se reclinado
sobre o peito de Jesus um de seus discípulos, aquele a quem Jesus
amava; João 19: 26 Ora, Jesus, vendo ali sua mãe, e ao lado
dela o discípulo a quem ele amava, disse a sua mãe: Mulher, eis aí
o teu filho; João 20: 2 Correu, pois, e foi ter com Simão Pedro, e o
outro discípulo, a quem Jesus amava, e disse-lhes: Tiraram do
sepulcro o Senhor, e não sabemos onde o puseram; e João 21:7
Então aquele discípulo a quem Jesus amava disse a Pedro:
Senhor. Quando, pois, Simão Pedro ouviu que era o Senhor, cingiu-
se com a túnica, porque estava despido, e lançou-se ao mar; que
pode ser muito bem o próprio discípulo João, de forma que no Livro
de Atos Pedro e João passam a ministrar juntos, como poderia
também tratar-se de Lázaro, irmão de Marta e de Maria.

Porém ainda no Livro de Atos 1:13, faz referência aos discípulos,


como vemos: Atos 1: 13 E, entrando, subiram ao cenáculo, onde
permaneciam 1) Pedro e 2) João, 3) Tiago e 4) André, 5) Felipe e 6)
Tomé, 7) Bartolomeu e 8) Mateus; 9) Tiago, filho de Alfeu, 10)
Simão o Zelote, e 11) Judas, filho de Tiago; onde nomina em duplas
e esta relação, similar a relação apresentada no Livro de Mateus e
Marcos, onde no lugar de “Tadeu” aparece “Judas filho de Tiago”,
que pode ou não ser, o mesmo Tadeu, ou seja: Judas Tadeu.
107

Além destes discípulos nominados, também faz referência a outros


Página

70 discípulos, no Livro de Lucas 10: 1 Depois disso designou o


Senhor outros setenta, e os enviou adiante de si, de dois em dois, a
todas as cidades e lugares aonde ele havia de ir. ... 17 Voltaram
depois os setenta com alegria, dizendo: Senhor, em teu nome, até
os demônios se nos submetem; ainda que não se encontre nenhuma
referência destes em outros registros do Novo Testamento.

Milagres mais fantásticos


Os Milagres Mateus Marcos Lucas João
Um leproso 8:2-4 1:40-42 5:12-13 -
O servo de um centurião romano 8:5-13 - 7:1-10 -
A sogra de Pedro 8:14-15 1:30-31 4:38-39 -
Dois endemoninhados gadarenos 8:28-34 5:1-15 8:27-35 -
Um paralítico 9:2-7 2:3-12 5:18-25 -
Uma mulher com hemorragia há
9:20-22 5:25-29 8:43-48 -
12 anos
Dois cegos 9:27-31 - - -
Um homem mudo e
9:32-33 - - -
endemoninhado
Um homem com a mão definhada 12:10-13 3:1-5 6:6-10 -
Um endemoninhado cego e mudo 12:22 - 11:14 -
A filha endemoninhada de uma
15:21-28 7:24-30 - -
cananéia
Um menino lunático 17:14-18 9:17-29 9:38-43 -
Dois cegos 20:29-34 10:46-52 18:35-43 -
Um surdo que falava com
- 7:31-37 - -
dificuldade
Um endemoninhado na sinagoga - 1:23-26 4:33-35 -
Um cego de Betsaida - 8:22-26 - -
Uma mulher que andava curvada - - 13:11-13 -
Um homem hidrópico (edema) - - 14:1-4 -
Dez homens leprosos - - 17:11-19 -
Um servo do sumo sacerdote - - 22:50-51 -
O filho enfermo de um nobre - - - 4:46-54
Um enfermo do tanque de Betesda - - - 5:1-9
Um homem cego de nascença - - - 9:1-7
Jesus acalma o vento e o mar 8:23-27 4:37-41 8:22-25 -
Jesus caminha sobre as águas 14:25 6:48-51 - 6:19-21
A 1ª multiplicação de pães e peixes 14:15-21 6:35-44 9:12-17 6:6-13
A 2ª multiplicação de pães e peixes 15:32-38 8:1-9 - -
O peixe com uma moeda na boca 17:24-27 - - -
11:12-
A figueira se torna estéril 21:18-22 - -
14,20-25
A água é transformada em vinho - - - 2:1-11
A 1ª pesca milagrosa - - 5:1-11 -
A 2ª pesca milagrosa - - - 21:1-11
5:22-
108

Ressurreição da filha de Jairo 9:18-25 8:41-56 -


24,35-42
Ressurreição do filho de uma viúva - - 7:11-15 -
Ressurreição de Lázaro em Betânia - - - 11:17-45
Página

Sua própria Ressurreição


A Grande finalidade de listarmos estes milagres é para podermos
comparar com os multimilagreiros, nossos contemporâneos que
dizem fazer milagres em nome de “Jesus”, porém sem nenhuma
semelhança ou repetição de nenhum dos listados acima.

As Peregrinações em Israel e ao redor


Mateus Marcos Lucas João
Belém – hoje fica Betânia - Judéia
na Cisjordânia
Ramá Caná - Galiléia
Nazaré - Galiléia Nazaré- Galiléia Nazaré- Galiléia
Cafarnaum – Cafarnaum– Cafarnaum– Cafarnaum–
Galiléia Galiléia Galiléia Galiléia
Decápolis - Galiléia Jerusalém - Judéia
Cafarnaum - Naim - Judéia Enom - Judéia
Galiléia
Gadarenos – Gadarenos - Gadarenos - Samaria – entre
Decápolis na atual Decápolis na atual Decápolis na atual Judéia e Galiléia
Cisjordânia Cisjordânia Cisjordânia
Corazin - Galiléia Sicar - Samaria
Betsaida - Galiléia Betsaida - Galiléia Betsaida - Galiléia Caná - Galiléia
Cafarnaum – Jerusalém - Judéia
Galiléia
Genezaré - Galiléia Genezaré- Galiléia Genezaré- Galiléia Tiberíades -
Galiléia
Tito - Líbano Tiro- Líbano
Sidom - Líbano Sidom- Líbano
Decápolis - Judéia
Dalmanuta
Betsaida - Galiléia
Cesaréia de Filipe Cesaréia de Filipe
na Galiléia na Galiléia
Cafarnaum - Cafarnaum- Samaria – região Cafarnaum -
Galiléia Galiléia entre Galiléia e Galiléia
Judéia
Jericó – na atual Jericó – na atual Betânia - Judéia
Cisjordânia Cisjordânia
Betfagé – próx Betfagé - Judéia Betfagé - Judéia Efraim – na
Jericó - Judéia Samaria entre
Judéia e Galiléia
Betânia - Judéia Betânia - Judéia Betânia - Judéia Betânia - Judéia
Betânia - Judéia Betânia- Judéia Cedron - Judéia
Jerusalém - Judéia Jerusalém - Judéia Jerusalém - Judéia Jerusalém - Judéia
109
Página
Observe que a
listagem do Livro de
João é bem
diferente das
demais e não
apresenta a mesma
sequência. Tiro e
Sidom ficam no
Líbano, eram
cidades Fenícias; de
sorte que a maioria
das Cidades, onde
Jesus ministrava
ficavam na Galiléia.

Obs.: Existia duas


Cidades com o nome de
Cesária, uma em
Samaria e a outra de
Filipe na Galiléia.

CAPÍTULO 24
Dos Ensinos do Messias.
Em nossos dias, eu ouço: Profetizamos em nome de Jesus...,
Expulsamos em nome de Jesus..., Milagres em nome de Jesus..., mas
nada ouço de sua Doutrina, aquela Doutrina que Ele queria que você
ensinada, para os da Casa de Israel e para os Gentios em todo o
mundo.

Fico maravilhado, quando raramente ouço; alguma de suas Bem-


aventuranças ou de suas Parábolas inspiradoras que refletem bem
melhor os dias do Reino dos Céus, que as curas milagrosas. As curas
bem ou mal, a Ciência aprendeu e têm feito maravilhas; mas dos
seus Ensinos nada além do terrorismo psicológico para cobrança do
110

Dízimo.
Página
Eu, sinceramente, não encontrei em minha Bíblia, nenhuma
referência que garanta o Céu pelo pagamento do dízimo, ou o
Inferno pela inadimplência do mesmo; aliás: sobre alguém ir para os
Céus, não encontrei nenhum verso. Talvez tenham arrancado essa
página da edição. Nem no Antigo Testamento e tampouco no Novo
Testamento.

Mesmo por que os “Dízimos” só podiam ser cobrados na Cidade de


Jerusalém, e nos dias do Sagrado Templo. Tá certo que o Pai Abraão
pagou o dízimo para o Rei de Salém, ou Sacerdote de Salém:
Melquisedeque; e que também Jacó prometeu pagar o dízimo de
tudo, se escapasse das mãos de Esaú; mas hoje, em nossos dias, tal
“Imposto” é “Imposto mesmo”, por pura malversação da Pura
Doutrina.

Claro, que tudo custa dinheiro, edifícios suntuosos do Cristianismo,


líderes astros e estrelas do Evangelismo; mas seria mais honesto
cobrar como “Taxa de Agremiação Social”, do que como
“Dízimo Ordenado na Lei”; mesmo porque os que cobram os
“Dízimos segundo a Lei Mosaica” são os mesmos que pregam
que a “Lei Mosaica” foi abolida; e se foi abolida também foi o
“Dízimo”.

Quanto à expulsão de “Demônios” e os “Milagres”, são


extraordinárias encenações teatrais, alguma de alta sofisticação e
outras tão amadoristas, que causa revolta até nos próprios
protagonistas, quando se dão conta da falta de credibilidade. Da lista
dos Milagres atribuídos ao Rabino Jesus, em 50 anos, não tenho
notícia ou conhecimento da repetição dos seus feitos. Já as profecias
em nome de Jesus, o tempo é o juiz dos falsos profetas.

Toda a Doutrina do Messias de Israel pode e deve ser estudada, nos


4 Evangelhos: Mateus, Marcos, Lucas e João; e podem ser
entendidas bem facilmente, mesmo porque Ele se utilizava dos
acontecimentos do dia a dia do povo, de histórias passadas e
historietas ilustrativas.

O Tema principal é: “O Reino de Deus”, que Ele veio implantar entre


o Povo Escolhido, e como não tinha nenhum retroprojetor,
computador e data show, naqueles dias, o melhor método era
111

mesmo o “boca a boca”. A forma de parábolas tem um poder de


comunicação tão grande que chegou aos nossos dias, e deve ser
Página

ainda utilizado por muito tempo; pena que as Escolas e mesmo as


Religiões tenham se afastado da metodologia, em prol da tecnologia.
Claro que muito poucos, daqueles que viviam em seu tempo,
entenderam que se tratava de um “Projeto de longo prazo”,
tinha etapas para ser cumpridas, iniciando com a sua “Morte e
Ressurreição”, e só seria complementado no seu “Retorno”;
mesmo porque não se tratava de uma promessa alegórica de que os
Bons iam para os Céus e os Maus para o Inferno; não mesmo. Tudo
o que Ele queria dizer é que: aqui mesmo na Terra, seria
estabelecido o “Reino dos Céus”, segundo o modelo que Ele bem
conhecia, junto ao seu Pai, antes de vir para o mundo como Filho do
Homem. Essa era a sua principal “Missão”; depois de atender os
reclames da Justiça e da Lei, que exigiam um “Sacrifício de
Sangue”, em caráter permanente, não mais pela morte de animais
como “Oferta de Pecado”.

Atenção, Ele não invalidou o “Sacrifício dos Animais como


Oferta Alçada, de agradecimento e para as Festas
Levíticas”, o que vai voltar a acontecer quando o Novo Templo for
reerguido.

O Povo não alcançou maior entendimento, porque esperava um


“Líder” que libertasse Israel de seus dominadores Romanos, e dos
líderes inescrupulosos daqueles dias, que estavam à serviço dos seus
opressores, e dos religiosos que eram designados pelos Governos e
não mais pelos profetas, como nos dias de Daniel.

O sonho do Povo Judeu era a restauração do Reino de Israel, como


nos dias de Davi, que ficou como “Modelo”, e o Messias esperado,
ou o “Ungido Salvador”, aguardado pelo povo, deveria ser um
descendente da casa de Davi, que assumisse novamente o Reino de
Judá e congregasse os expatriados de Israel; que levantasse rebeldia
contra os usurpadores do Reino, e dos dominadores da Nação. Que
livrasse Israel, do cerco de seus inimigos, trouxesse novamente a
Justiça e a Restauração da Lei da Toráh, que estava adulterada pelas
tradições dos homens.

Então o Messias Jesus ensinou,


O Sermão da Montanha, conforme os Livros de Mateus, Marcos e
Lucas, que não consta dos registros do Livro de João.
112

Sermão da Montanha:
Página

O sal da terra (Mt 5.13; Mc 9.49-50; Lc 14.34-35);


A luz do mundo (Mt 5.14 e segs.; Mc 4.21; Lc 8.16);
Dos tesouros (Mt 6.19ss; Lc 12.33-34);
O olho são (Mt 6.22-23; Lc 11.34ss);
As aves do céu e os lírios do campo ( Mt 6.26ss; Lc 12.24-48);
Do servir a dois senhores ( Mt 6.24; Lc 16.13);
O argueiro no olho ( Mt 7.3-5; Lc 6.41-42);
Da profanação daquilo que é santo (Mt 7.6);
As duas estradas (Mt 7.13-14; Lc 13.23-24);
Os lobos disfarçados em ovelhas e ―Pelos seus frutos...‖ ( Mt 7.15-20);
A casa edificada na rocha (Mt 7.24-27; Lc 6.47ss)

Também com o uso de Parábolas Ele, disseminou as suas ideias, em


toda a Galiléia, palco da maioria de seus feitos e de sua vida.
Ensino na Galiléia:
A seara é grande (Mt 9.35-38; Mc 6.6-34; Lc 8.1; Jo 4.35);
Os dois devedores ( Lc 7.41ss);
O sinal de Jonas (Mt 12.38-42; 16.1-4; Mc 8.11-12; Lc 11.16; Jo 6.40);
A parábola do semeador (Mt 13.1-9; Mc 4.1-9; Lc 8.4-8);
A razão do falar em parábolas (Mt 13.10-17; Mc 4.10ss; Lc 8.9-10; Jo 9.39);
Quem tem ouvidos para ouvir, ouça (Mt 11.15; Mc 4.8,23; Lc 8.8; 14.35);
A semente que cresce secretamente ( Mc 4.26-29);
O trigo e o joio ( Mt 13.24-30);
O grão de mostarda (Mt 13.31-32; Mc 4.30ss; Lc 13.18-19);
O fermento ( Mt 13.33; Lc13.20-21);Por que Jesus falou por parábolas (Mt
13.34-34; Mc 4.33-34);
O tesouro oculto e a pérola de grande valor ( Mt 13.44ss);
A parábola da rede ( Mt 13.47-50);
Tesouros velhos e novos ( Mt 13.51-52);
Os verdadeiros parentes de Jesus (Mt 12.46-50; Mc 3.20-21; Lc 8.19ss; Jo
15.14);
O servo incompassivo (Mt 18.23-35)

Ao redor de Jerusalém
O Bom Samaritano (Lc 10.29-37);
O amigo à meia-noite (Lc 11.5-8);
A luz (Lc 11.33; Mt 5.15; Mc 4.21);
O olho bom (Lc 11.34ss; Mt 6.22-23);
O rico e o tolo (Lc 12.16-21);
A figueira estéril (Lc 13.1-9; Mt 21.19-18; Mc 11.12ss);
Contando o preço de construir uma torre e ir à guerra (Lc 14.28-33);
A ovelha perdida (Lc 15.1-7);
A moeda perdida (Lc 15.8ss);
O filho pródigo (Lc 15.11-32);
O administrador infiel (Lc 16.1-9);
O rico e o Lázaro (Lc 16. 19-31);
Somos servos inúteis (Lc 17.7-10);
O juiz iníquo (Lc 18.1-8);
O fariseu e o publicano (Lc 18.9-14)

Na Judéia
113

Das riquezas (Mt 19.23-30; Mc 10.23-31; Lc 18.24-30);


Os trabalhadores da vinha (Mt 20. 1-16);
Os talentos (Mt25.14-30; Mc 13.34)
Página
Em Jerusalém
Os dois filhos ( Lc 15.11-32);
Os lavradores maus (Mt 21.33-46; Mc 12.1-12; Lc 20.9-19);
As bodas (Mt 22.1-14);
A oferta da viúva pobre (Mc 12.41-44; Lc 21.1-4);
A figueira ( Mt 24.32-36; Mc 1328-32; Lc 21.29-33);
A exortação à vigilância (Mc 13.33-37; Mt 25.13ss; Lc 19.19-20);
O dilúvio, a vigilância e o ladrão de noite (Mt 24.37-44; Lc 17.26-36; 12.39-
40);
O bom servo e o mau servo (Mt 24.45-51; Lc 12.41-46);
As dez virgens (Mt 25.1-13; Mc 13.33-37; Lc 12.35-38; 13.25-28);
As ovelhas e os cabritos (Mt 25.31-46)

Nesses registros estão contidas: Normas, Regras, e Leis, de conduta


que o Povo de Israel, deveria reaprender e praticar entre os seus
“Semelhantes”, a partir de sua própria casa, onde o “Próximo”, é
o membro da família, a base da sociedade; e assim o povo iria se
fortalecer, e só então, poderia suplantar os seus inimigos
dominadores, os que cercavam as Terras de Israel.

Antes das “Armas”, o entendimento de “Justiça e


Misericórdia”, perdido durante o cativeiro na Babilônia, e da
Babilônia aos dias que antecederam a sua presença na Terra de
Israel.

Nota: O povo estava muito dividido, e reino dividido não subsiste.

Veja que o grande foco das parábolas está resumido nas Bem-
aventuranças:
1 Bem-aventurados os humildes de espírito, porque deles é o reino dos céus.
2 Bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados.
3 Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra.
4 Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça porque eles serão
fartos.
5 Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão
misericórdia.
6 Bem-aventurados os limpos de coração, porque eles verão a Deus.
7 Bem-aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de
Deus.
8 Bem-aventurados os que são perseguidos por causa da justiça, porque
deles é o reino dos céus.
9 Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguiram e,
mentindo, disserem todo mal contra vós por minha causa.

Note que, o maior problema do povo Judeu, não era a subjugação


114

sob o domínio Romano, mas as “Injustiças” e a falta de


“Misericórdia” entre eles mesmos. A maior pressão era a imposta
Página

pelos seus próprios líderes, e a maior injustiça era a praticada


internamente. A grande Idolatria, não estava mais na adoração dos
ídolos doa povos vizinhos, mas dentro da Cidade de Jerusalém, que
tinha o Sagrado Templo como casa de Comércio, a falta de
Misericórdia estava com os líderes religiosos, que imputavam ao
povo Leis, tradições, costumes estranhos as Leis e Mandamentos dos
Livros Sagrados, e tais Leis e Mandamentos que eles, como líderes se
achavam completamente isentos de observá-los.

De forma que a liberdade do Povo de Israel estava condicionada, em


primeiro lugar: a “liberdade Interna”; depois a “externa”.
Primeiro o indivíduo precisava melhorar, depois a sua casa, e assim
sucessivamente até toda a Nação Israelita estar preparada para
assumir a liderança de um “Novo Reino”, segundo o “Modelo”
que o Messias de Israel, tinha exposto para eles. E esse Reino,
deveria iniciar dentro da “Casa” de cada um.

Um homem melhorado melhora outros 10 homens, e estes 10 outros


10 homens, e assim em poucos anos milhões de homens estariam
preparados para assumir a liberdade de seus inimigos, como Nação e
Estado Unificado. Bem diferente da liderança de massa, que tenta
melhorar a sociedade, sem melhorar a família, e cujo discurso é
como os “goooolllssssss” de campeonato passado: que alegram
por um momento.

Outro ponto importante da mensagem, é que aqueles homens,


líderes e religiosos, representavam apenas 2/12 avos de uma Nação
dividida, e para o “Reino dos Céus” ser estabelecido em sua
plenitude, deveriam alcançar os extraviados durante a deportação do
reino de Israel para a Assíria, desde 722 A.C., e ainda os extraviados
durante o cativeiro Babilônico em 586 A.C., que agora tinham se
tornado comum com os “Gentios”.

Já no Livro de João, a Doutrina é a Grande Promessa que deverá ser


efetivada tão logo toda a “Israel” renasça, e isto só veio a acontecer
em nossos dias: 1948 D.C; depois da II Guerra Mundial, com o
restabelecimento do Estado de Israel. Pois o Ensino do Mestre
Jesus, também deveria atingir os com fins do Mundo, mesmo
porque muitos da Casa de Israel tinham sido dispersos entre as
Nações da Eurásia; e tudo era um projeto de longo prazo e longo
alcance: A luz do Mundo.
115

O novo nascimento (Jo 3.1-36);


A água da vida ( Jo 4.1-42)
O Filho (Jo 5.19-47)
Página

O pão da vida (Jo 6.22-66)


O Espírito vivificante (Jo 7.1-52)
A luz do mundo (Jo 8.12-59)
O bom Pastor (Jo 10.1-42)
Os discursos de despedida (Jo 13.1-17,26), que incluem os ditos acerca da casa
do Pai (14.2ss), do caminho (14.6), da videira (15.1-16), e das dores de parto
(16.2ss).

I Da Lei de Israel, 10 Mandamentos


Eu não entendo, porque os líderes religiosos, dos nossos dias, os
líderes ditos Cristãos, ensinam algo que não têm sentido: “Que hoje
não mais existe a Lei e sim a Graça”. Eu só queria saber como
qualquer povo, por mais ignorante que seja; vive sem “LEI”; pois
mesmo nas nações dos nossos “Ìndios”, que nós mesmos
imputamos por selvagens, marginalizados e ignorantes, eles têm
“Leis, Mandamentos e Ordenanças”, bem específicos; assim
como nós temos, em nossos dias a Constituição e o Código Civil e
Criminal. Eu não entendo pelo simples fato, que a Lei de Moisés é na
sua íntegra também “Lei Civil e Criminal”, além de ser ainda
“Constituinte”.

De sorte que o próprio Messias disse, em Mateus 5:17 Não penseis


que vim destruir a lei ou os profetas; não vim destruir, mas
cumprir; ou por acaso ele disse Jesus: Pode matar e roubar que não
faz mal, basta crer em mim que está salvo, e vai para o Céu!

Mesmo porque em seguida, no verso 18 ele disse: Porque em


verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, de modo
nenhum passará da lei um só i ou um só til, até que tudo seja
cumprido; e olhe que já são passados quase 2000 anos e o “Céu e a
Terra”, ainda permanecem como nos seus dias; e sendo assim a Lei
de Moisés, os Mandamentos de Deus, e suas Ordenanças ainda estão
em vigor: Matar é crime! Praticar Injustiça é Pecado; a falta de
Caridade para com as viúvas e os órfãos é responsável pela
marginalização dos carentes; a falta da Justiça dos magistrados e dos
juízes é o anverso da Misericórdia.

Então eu não vejo onde está a tal “Graça”?

O próprio Messias resumiu toda a Lei, em dois versos de Marcos 12:


30 Amarás, pois, ao Senhor teu Deus de todo o teu
116

coração, de toda a tua alma, de todo o teu entendimento e


de todas as tuas forças. 31 E o segundo é este: Amarás ao teu
Página

próximo como a ti mesmo. Não há outro mandamento maior


do que esses. 32 Ao que lhe disse o escriba: Muito bem, Mestre; com
verdade disseste que ele é um, e fora dele não há outro;
33 e que amá-lo de todo o coração, de todo o entendimento e de
todas as forças, e amar o próximo como a si mesmo, é mais do que
todos os holocaustos e sacrifícios. Claro que se o homem, o ser
humano, conseguisse a todo tempo, praticar esses dois
mandamentos, não precisaria de nenhum complemento, e
tampouco de um “Salvador”, ou mesmo de “Leis e
Mandamentos” extras.

Mas a pergunta chave é: O que significa Amar a Deus de todo o


coração? Como é amar o próximo como a ti mesmo?

Só existe uma única resposta aplausível: Primeiro tem que conhecer


“Deus” e depois entender a sua vontade; ou seja: “O Projeto de Vida
para os Homens”; e olhar para o seu Pai, sua Mãe, filhos e filhas,
esposo e esposa, e praticar “Justiça e Misericordioso” para com
eles – Não fazer para eles, o que você não gostaria que fizessem
para você; ou ao contrário: Fazer tudo para os outros, conforme
gostaria que eles te fizessem - depois de fazer isto bem feito em sua
própria casa; ser extensivo para com os vizinhos, e depois para com
toda a sociedade.

“Agora dizer que está ―Salvo‖ porque acredita em Jesus Cristo e


vai morar com Ele no Céu, e que o seu vizinho (de outra religião),
está condenado e vai para o Inferno”; ou: Matar em nome de Jesus;
roubar em nome de Jesus, isto é lá algum tipo de “Graça”?

Não praticar justiça, porque tal fulano é pobre, ou não têm


entendimento, ou que sofre porque é de outra crença, ou segue
outro líder; deixar os órfãos desassistidos nas ruas ou nos abrigos do
Governo, isto lá é “Graça”. Só porque, na penúria, nem se lembram
de Jesus, ou nunca ouviram falar de Jesus; isso lá é “Graça”?

Ou ainda: pensar que serão “Poupados por arrebatamento”,


porque são Cristãos; enquanto outros vão passar pela “Grande
Tribulação” porque são Judeus; isto lá é algum tipo de Graça?
Certamente que não!

A Lei de Deus é para todos, cristãos ou judeus; gentios ou


117

muçulmanos; e a “Graça”, é o seguinte: Depois que você fizer tudo


o que a Lei de Deus te ordena, praticar Caridade e Justiça; só então,
Página

e somente então, o próprio Deus é que têm a prerrogativa, de fazer


um dos seus escolhidos, para viver, aqui mesmo, na Terra, em seu
Reino, que será implantado, na volta do Messias; nada, além disso, é
a mensagem que Jesus ensinou, em Mateus 19.

Mateus 19: 16 E eis que se aproximou dele um jovem, e lhe disse: Mestre, que
bem farei para conseguir a vida eterna? 17 Respondeu-lhe ele: Por que me
perguntas sobre o que é bom? Um só é bom; mas se é que queres entrar na
vida, guarda os mandamentos. 18 Perguntou-lhe ele: Quais? Respondeu Jesus:
Não matarás; não adulterarás; não furtarás; não dirás falso
testemunho; 19 honra a teu pai e a tua mãe; e amarás o teu próximo
como a ti mesmo. 20 Disse-lhe o jovem: Tudo isso tenho guardado; que me
falta ainda? 21 Disse-lhe Jesus: Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o
que tens e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, segue-
me. 22 Mas o jovem, ouvindo essa palavra, retirou-se triste; porque possuía
muitos bens. 23 Disse então Jesus aos seus discípulos: Em verdade vos digo
que um rico dificilmente entrará no reino dos céus. 24 E outra vez vos digo que
é mais fácil um camelo passar pelo fundo duma agulha, do que entrar um rico
no reino de Deus. 25 Quando os seus discípulos ouviram isso, ficaram
grandemente maravilhados, e perguntaram: Quem pode, então, ser
salvo? 26 Jesus, fixando neles o olhar, respondeu: Aos homens é isso
impossível, mas a Deus tudo é possível. 27 Então Pedro, tomando a
palavra, disse-lhe: Eis que nós deixamos tudo, e te seguimos; que recompensa,
pois, teremos nós? 28 Ao que lhe disse Jesus: Em verdade vos digo a vós que
me seguistes, que na regeneração, quando o Filho do homem se assentar no
trono da sua glória, sentar-vos-eis também vós sobre doze tronos, para julgar
as doze tribos de Israel. 29 E todo o que tiver deixado casas, ou irmãos, ou
irmãs, ou pai, ou mãe, ou filhos, ou terras, por amor do meu nome, receberá
cem vezes tanto, e herdará a vida eterna. 30 Entretanto, muitos que são
primeiros serão últimos; e muitos que são últimos serão primeiros.

De sorte que toda a Doutrina, ensinada pelo Messias, é que os


homens, devem cumprir as Leis e os Mandamentos de Deus, e
esperar que Ele te coloque por “Primeiro ou Último”, na lista dos
Salvos. Não se exalte e exacerba por ser Cristão ou Judeu; Israelita
ou Gentio; ou desta ou daquela Congregação, por tributar o dízimo
ou doar enormes ofertas e tampouco se vangloriar que está debaixo
da “GRAÇA”, e não da “LEI”, pois não uma é sem a outra.

Do Reino dos Céus na Terra – Sermão da Montanha


A primeira coisa que temos que aprender é que: Reino dos Céus não
significa Reino nos Céus! Veja que apenas uma letra, neste caso “D”,
faz a grande diferença. E olhe que em toda a Bíblia, apenas do Livro
de Mateus faz 15 referências a palavra; Reino dos Céus, e em
nenhuma outra parte aparece a palavra; Reino nos Céus.
118

Nota: Ou o Anjo de Deus, Jesus Cristo, se enganou quando disse no Livro de


Mateus 5: 3 Bem-aventurados os humildes de espírito, porque deles é o reino
dos céus;... 5 Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a
Página

terra..., ou andam ensinando Doutrina Nova!


Eles herdarão a Terra...
Lá no Livro de Salmos 37 diz; 9 Porque os malfeitores serão
exterminados, mas aqueles que esperam no Senhor herdarão a
terra..., 11 Mas os mansos herdarão a terra, e se deleitarão na
abundância de paz..., 22 Pois aqueles que são abençoados pelo
Senhor herdarão a terra, mas aqueles que são por ele
amaldiçoados serão exterminados.

E no Livro de Isaias 60: 21 E todos os do teu povo serão justos; para


sempre herdarão a terra; serão renovos por mim plantados,
obra das minhas mãos, para que eu seja glorificado.

Pergunta: Então cabe agora a pergunta: Afinal, o que é o Reino dos


Céus?

Resposta: “Modelo”, semelhança, imagem do tipo de Reino, para


ser copiado, seguido e implantado aqui na Terra, para um Povo
Seleto.

Pergunta: Quando se dará isto?

Resposta: No Milênio, depois do ano Hebreu 6000 ou o ano


Gregoriano de 2240 D.C!

Somente, depois da volta do Messias, da União de Judá e Israel,


depois da IV Guerra Mundial com Gogue, depois da transformação
necessária da Terra, em tão depois da Morte ser finalmente vencida;
aí sim começa o “Reino segundo o Modelo dos Céus”.

CAPÍTULO 5
O Julgamento do Messias.
É por demais impressionantes, que o Império Romano, seja
retratada tão bem, nos Livros dos Apóstolos, nenhuma reclamação
pelo domínio, pelas barbaridades, pela Morte do Messias, pela
119

destruição do II Templo de Jerusalém, pelas mortes e execuções, aos


milhares nas cruzes, nas arenas, e nas chamas de Nero. Se não
Página
fossem os registros históricos sobre as barbaridades dos Romanos,
poderíamos pensar que “Roma”: É o povo Santo, o povo escolhido.

Não foi o povo simples que entregou Jesus, nas mãos de seus
executores; antes foi a liderança do Sacerdócio, os Príncipes Judeus,
os Doutores da Lei, que não o receberam como o Messias esperado.
E também não foi o povo simples que o crucificou; pois os
condenados à morte, segundo a Lei de Moisés, seriam por
apedrejamento e não crucificação.

Falar em julgamento, não está certo que tenha ocorrido


“Julgamento”; que seria pelo Sinédrio, o que parece mais claro é
que houve uma conspiração. Certamente os líderes da época tinham
receio de perder prestígio, junto ao Governo Romano, pois eram
indicados por Roma; e uma rebelião promovida por um novo líder,
levaria a uma revolta, que logo seria sufocada por Roma, e todos ou
quase todos seriam destruídos.

Quem matou Jesus Cristo, em suma, foi uma “Cruz”, que até os
nossos dias é guardada como símbolo de morte, pela Igreja Romana,
a mesma que surgiu dos precursores: Império Romano depois de
Constantino.

Porém o mais relevante, para atenuar, ou mesmo minorar o estigma


da culpa pela crucificação do Messias, é o fato de que tudo já estava
bem profetizado, no Livro de Isaias 53; e que a sua morte era
inevitável, para cumprir toda Lei e Profecias anteriores; ou tudo não
passaria de engano e ludíbrio dos Escritos Sagrados. O mais cotado
responsável entre os Judeus é claro que foi o Discípulo traidor; e não
todo o Povo Judeu; de forma que a culpa do Povo Judeu, se estende
a toda Israel: Doze Tribos, que se desviaram da Lei, e para a
reparação de seus feitos, precisava de um “Sacrifício Expiatório”, de
expressão máxima, para aplacar os reclames da Justiça Divina.

Quanto o povo deixou o Deus de Israel, pela idolatria de seus


vizinhos, quando deixou de praticar a Caridade e a Justiça, com os
seus semelhantes, todo o povo pecou diante da Lei, dos
Mandamentos e dos Ensinos do Criador. O Pecado de Israel tornou-
se de grande monte, de forma que os sacrifícios de bodes e cordeiros,
como “Oferta de pecado”, já não satisfaziam mais; e precisavam
120

de uma “Expiação Plena”, dentre seus próprios assemelhados –


Um Humano perfeito; um sacrifício de sangue Humano – parece
Página

muito complexo Deus exigir tal coisa; mas lembremos de que doutra
sorte, todo o povo seria exterminado, caso não fosse possível um
mediador de grande monta.

Tinha que ser perfeito, dos filhos da realeza de Israel, da Casa de


Davi, o seu Rei mais amado perante os critérios do próprio Deus de
Israel, e que tivesse ainda as qualificações de profeta e herdeiro do
trono de Davi. Também deveria ter algo de Divino, dentro de si, para
que pudesse ter o “Dom da Ressurreição” dentro de si. Como
herdou um “DNA”, parte humana e parte divina; herdou também
características da mortalidade humana e da imortalidade divina.

Um povo bárbaro, como os Romanos, acostumados a matança e a


intimidação de seus vencidos, com a prática da crucificação e
exposição dos flagelados, como exemplo aos sediciosos; não existiu
momento mais propício do que este para o cenário perfeito. Além de
que o que estava assentado como Rei de Israel, não era Rei escolhido
por profeta, e nem da linhagem de Davi; os Sacerdotes e Sumo
Sacerdote do Templo, eram indicados pelos representantes de
Roma, e o Sinédrio também estava composto da mesma forma, por
indicação política romana. Os doutores da Lei, que ministravam ao
povo, a muito tinham se afastado da “Sã Doutrina”, ou seja: dos
Ensinos de Moisés, da Torah (Pentateuco); estejam carregados de
tradições e costumes, em sua maioria estranha aos costumes e as
tradições do Povo de Israel.

O clima era propício à condenação de qualquer que se legitimasse


como herdeiro ao trono de Israel, mesmo porque a população mais
pobre estava oprimida tanto por fatores internos como externo; por
Roma e pelos Governantes do Povo. A datação também estava
coerente com as profecias: a de que o Ungido Salvador deveria vir no
meridiano dos Tempos, isto é: Uma datação entre o Dilúvio e o Fim
dos Tempos. Sabendo que o Dilúvio ocorreu perto do ano 1520 A.C.,
e que até o início do sexto milênio seriam 4480 anos, donde que o
meridiano seria então por volta do ano 3760, pois 1520 + 2240 =
3760; que somado + 2240 = 6000.

Também essa era a datação de Daniel, para a ocorrência da morte do


Messias, conforme as 70 semanas, como vimos em Capítulos
anteriores, ou seja: 483 anos à partir do ano da autorização para a
reconstrução da Cidade de Jerusalém, pela carta de Artaxerxes em
121

454 A.C, donde que 454 A.C. + (-483) anos = 29 anos + metade da
última semana, ou seja: 3,5 anos, donde que temos 32,5 anos ou
Página

mesmo na metade do ano de 33 D.C., (Páscoa do ano 3793 Judeu).


É importante lembrar a frase atribuída ao próprio Pilatos: Mateus
27: 24 Ao ver Pilatos que nada conseguia, mas pelo contrário que o
tumulto aumentava, mandando trazer água, lavou as mãos diante
da multidão, dizendo: Sou inocente do sangue deste homem;
seja isso lá convosco. Uma bonita frase de efeito, para um Militar
Romano, não acostumado a esse tipo de deslize; pois “Piedade” na
história Romana é artigo de luxo, durante o governo dos
Imperadores Romanos, acostumados a destruir seus inimigos das
formas mais aterradoras possíveis: Morte lenta pela crucificação.

Não existe referência ao nome dos outros dois crucificados, com o


Messias, mas poderíamos imaginar que deveriam ser também dos
próprios discípulos, e quem pode nos garantir que o dito “ladrão
queixoso” não seria o próprio Judas Iscariotes, que depois de
morte na cruz, foi lançado pedreira abaixo, no lugar onde os
cadáveres dos criminosos, eram lançados para ser queimado, sem o
benefício de um funeral digno.

CAPÍTULO 26
A Crucificação do Messias.
A despeito de tantas controvérsias, sobre o dia exato da Crucificação
do Messias, qual o dia da semana, e as duas contradições do horário
desse evento, fica a nossa responsabilidade de recordar que foi
durante o período da Festa da Páscoa Judaica, e seguiu quase que o
ritual das ofertas de pecado, e do cordeiro puro, sem defeito,
oferecido pelos pecados do Povo Israelita no Templo.

Ainda que Ele mesmo, não tenha sido executado dentro do Templo
e sim fora do Templo de Jerusalém, temos que recordar o costume
para então dizer que foi da Sexta-feira, véspera do Sábado, que
também era véspera da Páscoa Judaica. Quando nós nos utilizamos
de um “Calendário Hebreu”: Kaluach, e regredimos nas suas
datações, encontramos um único ano aplausível que atende esses
dois quesitos, de ser véspera do Shabat e da Pesach (Sábado e
Páscoa Judaica), do link: http://www.kaluach.org/.
122
Página
Hebrew date converter

Civil to Hebrew date


1 Ap ril 33

Hebrew to civil date


14 N is a n 3793

Friday '‫יום ו‬
14 Nisan 3793 ‫יד ניסן ג'תשצ"ג‬
1 April 33 33 ‫ אפריל‬1

Erev Pesach ‫ערב פסח‬


Fast of first born ‫תענית הבכורות‬

De forma que o dia 1º do mês de Abril do ano 33 D.C., equivale ao


dia 14 de Nisan do ano hebreu de 3793, e caiu numa sexta-feira
(Friday em inglês) e também véspera da Páscoa Judaica (Erev
Pesach em hebreu).

Hebrew date converter

Civil to Hebrew date


12 Ap ril 32

Hebrew to civil date


14 N is a n 3792

Monday '‫יום ב‬
14 Nisan 3792 ‫יד ניסן ג'תשצ"ב‬
12 April 32 32 ‫ אפריל‬12

Erev Pesach ‫ערב פסח‬


Fast of first born ‫תענית הבכורות‬

O ano de 32 D.C., também coincide com a véspera da Páscoa


Judaica, ou seja: 12 de abril de 32 D.C., mas só que nesse ano o dia
da semana cai numa Segunda-feira (Monday em inglês); ficando
portando o ano de 33 D.C., como ano mais correto da Crucificação
123

do Messias de Israel; e também o ano que corresponde às datações


de Daniel.
Página
Podemos agora decifrar o horário da Crucificação de Jesus Cristo,
atendendo algumas escrituras da Lei; Deuteronômio 21: 23 o seu
cadáver não permanecerá toda a noite no madeiro, mas
certamente o enterrarás no mesmo dia; porquanto aquele que é
pendurado é maldito de Deus. Assim não contaminarás a tua terra,
que o Senhor teu Deus te dá em herança; e João 19: 31 Ora, os
judeus, como era a preparação, e para que no sábado não
ficassem os corpos na cruz, pois era grande (também era
véspera da Páscoa) aquele dia de sábado, rogaram a Pilatos
que se lhes quebrassem as pernas, e fosse tirado dali. Isto quer
dizer que todo condenado deveria ser enterrado no mesmo dia, de
sua morte, e antes do início do Sábado (Shabat), ou seja: Até o por
do sol.

Mateus 27: 45 E, desde a hora sexta, houve trevas sobre toda a terra, até a
hora nona. 46 Cerca da hora nona, bradou Jesus em alta voz, dizendo: Eli,
Eli, lamá sabactani; isto é, Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?

Marcos 15: 25 E era a hora terceira quando o crucificaram..., 33 E, chegada


a hora sexta, houve trevas sobre a terra, até a hora nona. 34 E, à hora
nona, bradou Jesus em alta voz: Eloí, Eloí, lamá, sabactani? que, traduzido,
é: Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?

Lucas 23: 44 Era já quase a hora sexta, e houve trevas em toda a terra até a
hora nona, pois o sol se escurecera;
45 e rasgou-se ao meio o véu do santuário.

João 19: 14 Ora, era a preparação da páscoa, e cerca da hora sexta. E disse
aos judeus: Eis o vosso rei.

Parecem contraditório os horários de Marcos e de João: "Então, o


crucificaram e repartiram entre si as vestes dele, lançando-lhes
sorte, para ver o que levaria cada um. Era a hora terceira
quando o crucificaram." (Mc 15:24,25) e "Ouvindo, pois, Pilatos
esse dito, levou Jesus para fora e assentou-se no tribunal, no lugar
chamado Litóstrotos, e em hebraico o nome é Gabatá. E era a
preparação da Páscoa e quase à hora sexta; e disse aos judeus:
Eis aqui o vosso rei." (Jo 19:13,14).

Isso faria com que o ato da crucificação teria ocorrido mais tarde do
que narrou Marcos em seu Evangelho; porém existia na época duas
maneiras de medição do tempo: 1º para os romanos o tempo era
contado de meia-noite à meia noite; e 2º o tempo judaico do por do
124

sol ao por do sol, quando começa novo dia pelo período noturno: das
6 da noite às 6 da manhã.
Página

Então temos que: segundo Marcos, Jesus Cristo foi crucificado na 3ª


hora, (no horário Judaico) ou seja às 9 horas da manhã; e João
relata a hora do julgamento por volta da 6ª hora da manhã (no
horário romano) as 6 horas da manhã. Na sequência: Jesus foi
julgado no início da manhã, às 6 horas, foi crucificado às 9 horas,
houve trevas das 9 horas às 12 horas, quando expirou, e foi retirado
da cruz e levado ao sepulcro antes das 18 horas; donde que João
segue o sistema romano, e Mateus e Marcos o judaico.

Todo o relato da crucificação, agonia, companhia na execução,


divisão dos trajes, e espectadores, estão também registrados nos
Salmos do Rei Davi, e no Livro de Isaias; ex: Salmo 22: 18
Repartem entre si as minhas vestes, e sobre a minha túnica lançam
sortes; ex: Isaías 53: 7 Ele foi oprimido e afligido, mas não abriu a
boca; como um cordeiro que é levado ao matadouro, e como a
ovelha que é muda perante os seus tosquiadores, assim ele não
abriu a boca. 8 Pela opressão e pelo juízo foi arrebatado; e quem
dentre os da sua geração considerou que ele fora cortado da terra
dos viventes, ferido por causa da transgressão do meu povo? 9 E
deram-lhe a sepultura com os ímpios, e com o rico na sua morte,
embora nunca tivesse cometido injustiça, nem houvesse engano na
sua boca.

Páscoa Judaica
Exodo 12: 1 Ora, o Senhor falou a Moisés e a Arão na terra do Egito, dizendo:
2 Este mês será para vós o princípio dos meses; este vos será o primeiro dos
meses do ano. 3 Falai a toda a congregação de Israel, dizendo: Ao décimo dia
deste mês tomará cada um para si um cordeiro, segundo as casas dos pais, um
cordeiro para cada família. 4 Mas se a família for pequena demais para um
cordeiro, tomá-lo-á juntamente com o vizinho mais próximo de sua casa,
conforme o número de almas; conforme ao comer de cada um, fareis a conta
para o cordeiro. 5 O cordeiro, ou cabrito, será sem defeito, macho de
um ano, o qual tomareis das ovelhas ou das cabras, 6 e o guardareis
até o décimo quarto dia deste mês; e toda a assembléia da congregação de
Israel o matará à tardinha: 7 Tomarão do sangue, e pô-lo-ão em ambos os
umbrais e na verga da porta, nas casas em que o comerem. 8 E naquela
noite comerão a carne assada ao fogo, com pães ázimos; com ervas
amargosas a comerão. 9 Não comereis dele cru, nem cozido em água, mas sim
assado ao fogo; a sua cabeça com as suas pernas e com a sua fressura.
10 Nada dele deixareis até pela manhã; mas o que dele ficar até pela manhã,
queimá-lo-eis no fogo. 11 Assim pois o comereis: Os vossos lombos cingidos, os
vossos sapatos nos pés, e o vosso cajado na mão; e o comereis
apressadamente; esta é a páscoa do Senhor.
125

Veja que o Messias Jesus, partilhou com os seus discípulos da


Véspera da Páscoa Judaica no dia 14 de Nisan (1º de abril - romano)
Página

depois das 6 horas da tarde (18 horas) quando iniciou o dia 14; saiu
para orar no monte das Oliveiras à noite, depois da Ceia da Páscoa;
foi preso ainda de noite, foi julgado depois das 6 horas da manhã do
dia 2º de abril romano; ainda dia 14 do Nisan judeu, foi crucificado,
morreu, e foi sepultado nesse mesmo dia, ou seja: 2º dia de abril,
antes das 18ª hora romana, e antes do início do dia 15 de Nisan, dia
efetivo da Páscoa judaica; que começa ao por do Sol – por volta das
18ª hora romana – 1ª hora do dia judeu; e terminou no dia 3º de
abril às 18ª hora romana, no por do sol do final do Sábado maior, ou
Grande Sábado, por coincidir com a Páscoa.

Note que, logo que terminou o dia da Páscoa às 18ª romana, ao por
do sol do Sábado, e início do Primeiro Dia Judeu, ainda durante o
dia de Sábado do Calendário Romano (pois o Domingo romano só
começa a meia noite) às mulheres foram ao sepulcro, somente
depois de acabar o dia de Sábado, que nesse ano também era o
Primeiro dia da Páscoa Judaica, que dura 8 dias corridos, sendo o
Primeiro dia Sagrado e também no Sétimo dia, (dura uma semana).

Êxodo 12: 14 E este dia vos será por memorial, e celebrá-lo-eis por festa ao
Senhor; através das vossas gerações o celebrareis por estatuto perpétuo.
15 Por sete dias comereis pães ázimos; logo ao primeiro dia tirareis o
fermento das vossas casas, porque qualquer que comer pão levedado, entre o
primeiro e o sétimo dia, esse será cortado de Israel. 16 E ao primeiro dia
haverá uma santa convocação; também ao sétimo dia tereis uma
santa convocação; neles não se fará trabalho algum, senão o que diz
respeito ao que cada um houver de comer; somente isso poderá ser feito por
vós. 17 Guardareis, pois, a festa dos pães ázimos, porque nesse mesmo dia tirei
vossos exércitos da terra do Egito; pelo que guardareis este dia através das
vossas gerações por estatuto perpétuo. 18 No primeiro mês, aos catorze
dias do mês, à tarde, comereis pães ázimos até vinte e um do mês à
tarde. 19 Por sete dias não se ache fermento algum nas vossas casas; porque
qualquer que comer pão levedado, esse será cortado da congregação de Israel,
tanto o peregrino como o natural da terra. 20 Nenhuma coisa levedada
comereis; em todas as vossas habitações comereis pães ázimos.

Veja que a Festa da Páscoa Judaica é uma das três Festa Levíticas
obrigatórias para todos os da Casa de Israel, não só para os das 2
tribos do Reino de Judá, como também para as 10 tribos de Israel,
observando ainda o mesmo critério para o estrangeiro que viver com
o Povo de Israel, desde que seja também um “Circuncidado”, e
para o Povo de Israel que estiver no estrangeiro, fora de Jerusalém;
estes comerão no segundo mês, ou seja 30 dias após 14 de Nisan, no
mês de Iyyar, (Maio romano).
126

Levítico 23: 1 Depois disse o Senhor a Moisés: 2 Fala aos filhos de Israel, e
dize-lhes: As festas fixas do Senhor, que proclamareis como santas
Página

convocações, são estas: 3 Seis dias se fará trabalho, mas o sétimo dia é o
sábado do descanso solene, uma santa convocação; nenhum trabalho fareis; é
sábado do Senhor em todas as vossas habitações. 4 São estas as festas fixas do
Senhor, santas convocações, que proclamareis no seu tempo determinado:

1ª Festa da Páscoa - 5 No mês primeiro, aos catorze do mês, à tardinha, é a


páscoa do Senhor. 6 E aos quinze dias desse mês é a festa dos pães ázimos do
Senhor; sete dias comereis pães ázimos. 7 No primeiro dia tereis santa
convocação; nenhum trabalho servil fareis. 8 Mas por sete dias oferecereis
oferta queimada ao Senhor; ao sétimo dia haverá santa convocação; nenhum
trabalho servil fareis.

2ª Festa das Primícias - 12 E no dia em que moverdes o molho, oferecereis


um cordeiro sem defeito, de um ano, em holocausto ao Senhor. 13 Sua oferta de
cereais será dois décimos de efa de flor de farinha, amassada com azeite, para
oferta queimada em cheiro suave ao Senhor; e a sua oferta de libação será de
vinho, um quarto de him. 14 E não comereis pão, nem trigo torrado, nem
espigas verdes, até aquele mesmo dia, em que trouxerdes a oferta do vosso
Deus; é estatuto perpétuo pelas vossas gerações, em todas as vossas
habitações. 15 Contareis para vós, desde o dia depois do sábado, isto é, desde o
dia em que houverdes trazido o molho da oferta de movimento, sete semanas
inteiras; 16 até o dia seguinte ao sétimo sábado, contareis cinqüenta dias;
então oferecereis nova oferta de cereais ao Senhor. 17 Das vossas habitações
trareis, para oferta de movimento, dois pães de dois décimos de efa; serão de
flor de farinha, e levedados se cozerão; são primícias ao Senhor. 18 Com os
pães oferecereis sete cordeiros sem defeito, de um ano, um novilho e dois
carneiros; serão holocausto ao Senhor, com as respectivas ofertas de cereais e
de libação, por oferta queimada de cheiro suave ao Senhor. 19 Também
oferecereis um bode para oferta pelo pecado, e dois cordeiros de um ano para
sacrifício de ofertas pacíficas.20 Então o sacerdote os moverá, juntamente com
os pães das primícias, por oferta de movimento perante o Senhor, com os dois
cordeiros; santos serão ao Senhor para uso do sacerdote. 21 E fareis
proclamação nesse mesmo dia, pois tereis santa convocação; nenhum trabalho
servil fareis; é estatuto perpétuo em todas as vossas habitações pelas vossas
gerações. 22 Quando fizeres a sega da tua terra, não segarás totalmente os
cantos do teu campo, nem colherás as espigas caídas da tua sega; para o
pobre e para o estrangeiro as deixarás. Eu sou o Senhor vosso Deus.

3º Festa do Ano Novo - 23 Disse mais o Senhor a Moisés: 24 Fala aos filhos
de Israel: No sétimo mês, no primeiro dia do mês, haverá para vós descanso
solene, em memorial, com sonido de trombetas, uma santa convocação. 25
Nenhum trabalho servil fareis, e oferecereis oferta queimada ao Senhor.

4º Festa do Dia da Expiação - 26 Disse mais o Senhor a Moisés:


27 Ora, o décimo dia desse sétimo mês será o dia da expiação; tereis santa
convocação, e afligireis as vossas almas; e oferecereis oferta queimada ao
Senhor.28 Nesse dia não fareis trabalho algum; porque é o dia da expiação,
para nele fazer-se expiação por vós perante o Senhor vosso Deus.
29 Pois toda alma que não se afligir nesse dia, será extirpada do seu povo. 30
Também toda alma que nesse dia fizer algum trabalho, eu a destruirei do meio
do seu povo. 31 Não fareis nele trabalho algum; isso será estatuto perpétuo
pelas vossas gerações em todas as vossas habitações.
32 Sábado de descanso vos será, e afligireis as vossas almas; desde a tardinha
127

do dia nono do mês até a outra tarde, guardareis o vosso sábado.


33 Disse mais o Senhor a Moisés:
Página

5ª Festa dos Tabernáculos - 34 Fala aos filhos de Israel, dizendo: Desde o


dia quinze desse sétimo mês haverá a festa dos tabernáculos ao Senhor por
sete dias. 35 No primeiro dia haverá santa convocação; nenhum trabalho
servil fareis. 36 Por sete dias oferecereis ofertas queimadas ao Senhor; ao
oitavo dia tereis santa convocação, e oferecereis oferta queimada ao Senhor;
será uma assembléia solene; nenhum trabalho servil fareis.
37 Estas são as festas fixas do Senhor, que proclamareis como santas
convocações, para oferecer-se ao Senhor oferta queimada, holocausto e oferta
de cereais, sacrifícios e ofertas de libação, cada qual em seu dia próprio;
38 além dos sábados do Senhor, e além dos vossos dons, e além de todos os
vossos votos, e além de todas as vossas ofertas voluntárias que derdes ao
Senhor. 39 Desde o dia quinze do sétimo mês, quando tiverdes colhido os
frutos da terra, celebrareis a festa do Senhor por sete dias; no primeiro dia
haverá descanso solene, e no oitavo dia haverá descanso solene. 40 No
primeiro dia tomareis para vós o fruto de árvores formosas, folhas de
palmeiras, ramos de árvores frondosas e salgueiros de ribeiras; e vos
alegrareis perante o Senhor vosso Deus por sete dias. 41 E celebrá-la-eis como
festa ao Senhor por sete dias cada ano; estatuto perpétuo será pelas vossas
gerações; no mês sétimo a celebrareis. 42 Por sete dias habitareis em tendas de
ramos; todos os naturais em Israel habitarão em tendas de ramos,
43 para que as vossas gerações saibam que eu fiz habitar em tendas de ramos
os filhos de Israel, quando os tirei da terra do Egito. Eu sou o Senhor vosso
Deus. 44 Assim declarou Moisés aos filhos de Israel as festas fixas do Senhor.

Claro, que não vamos se esquecer do “Shabat”, (Sétimo dia da


semana judaica), que também é um dia solene, e que coincidiu com a
Festa da Páscoa, nos dias da crucificação do Messias; Êxodo 20 8
Lembra-te do dia do sábado, para o santificar. 9 Seis dias
trabalharás, e farás todo o teu trabalho; 10 mas o sétimo dia é o
sábado do Senhor teu Deus. Nesse dia não farás trabalho algum,
nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem o teu servo, nem a tua
serva, nem o teu animal, nem o estrangeiro que está dentro das
tuas portas. 11 Porque em seis dias fez o Senhor o céu e a terra, o
mar e tudo o que neles há, e ao sétimo dia descansou; por isso o
Senhor abençoou o dia do sábado, e o santificou.

Por esse motivo: por ser véspera do Sábado e também da Páscoa,


registrou João; João 19: 31 Ora, os judeus, como era a preparação,
e para que no sábado não ficassem os corpos na cruz, pois era
grande aquele dia de sábado; e assim ficamos confortáveis para
reafirmar, sem sombra de dúvida, que a data da Crucificação do
Messias, foi mesmo no ano de 33 D.C., véspera de Sábado e véspera
da Páscoa, dia 14 do mês Nisan do ano 3793 judaico, ou dia 2 de
abril de 33 D.C. Toda controvérsia de datas ocorre pela falta de
lembrarmos que no sistema romano o dia começa à meia noite, e no
judaico começa ao por do sol; assim como os meses judaicos e os
128

romanos têm critérios bem diferentes. Normalmente um mês


romano, começa no meio do mês judaico e vice versa.
Página
CAPÍTULO 27
Da Ressurreição do Messias.
Afinal: Jesus ressuscitou no Domingo Romano, ou no Primeiro dia
Judaico?

Resposta: Jesus ressuscitou no Primeiro Dia judaico, ou seja: 6


horas antes de iniciar o Domingo romano, que começa a meia noite,
enquanto que o Primeiro Dia judaico começa no por do sol, 6 horas
antes da meia noite.

Sexta- feira Sábado Domingo Segunda


Termina 24ª h Começa 1ª h
6º Dia Shabat Judeu 1º Dia 2º Dia 3º Dia
Começa Termina no por
no por do sol do dia
do sol seguinte
1º dia 2º dia ficou no 3º dia
Morte túmulo ressuscitou
Jesus ressuscitou 6 h Entre 18ª e a 24ª do Primeiro dia

Portanto devido a diferença dos horários dos dias judaicos e


romanos, temos que afirmar que Jesus Cristo ressuscitou no
Primeiro Dia judaico e ainda dentro do dia de Sábado romano, pois
o dia romano só começa a meia noite. Espero ter esclarecido essa
confusão de interpretações e mistura de Primeiro Dia judaico com o
Domingo romano, já que um começa 6 horas antes do outro.
Também fica claro dizer que Ele ressuscitou ao 3º Dia, não 3 dias de
24 horas, e sim 3 dias diferentes: Morreu 1º dia, no 2º ficou no
túmulo, e ressuscitou no 3º dia.

Veja Mateus 28: 1 No fim do sábado, quando já despontava o primeiro dia


da semana, Maria Madalena e a outra Maria foram ver o sepulcro.
2 E eis que houvera um grande terremoto; pois um anjo do Senhor descera do
céu e, chegando-se, removera a pedra e estava sentado sobre ela.
129
Página

CAPÍTULO 28
Do Retorno do Messias.
O que têm em comum o dia da Ressurreição, do dia que Jesus
ressuscitou, com o dia da segunda vinda ou do Retorno,
propriamente dito?

Tudo! Um faz referência ao outro, tendo apenas os intervalos de


tempo diferente: Um fala de 2 dias e depois a ressurreição, o outro
fala de 2000 anos e depois a volta!

Como vamos ver, o Messias Jesus disse que ocorreria esses dois
fenômenos extraordinários, intervalados por 2 milênios, já que um
dia para o Senhor equivale a 1000 anos, e vice versa.
Disse Ele; em Mateus 17: 22 Ora, achando-se eles na Galiléia, disse-lhes
Jesus: O Filho do homem está para ser entregue nas mãos dos homens; 23 e
matá-lo-ão, e ao terceiro dia ressurgirá. E eles se entristeceram
grandemente.

Disse mais; Mateus 20: 19 e o entregarão aos gentios para que dele
escarneçam, e o açoitem e crucifiquem; e ao terceiro dia ressuscitará.

E finalmente Mateus 27: 63 e disseram: Senhor, lembramo-nos de que aquele


embusteiro, quando ainda vivo, afirmou: Depois de três dias ressurgirei. 64
Manda, pois, que o sepulcro seja guardado com segurança até o terceiro dia;
para não suceder que, vindo os discípulos, o furtem e digam ao povo:
Ressurgiu dos mortos; e assim o último embuste será pior do que o primeiro.

Depois da crucificação do Messias, conforme registrou Mateus 28:


No fim do sábado, quando já despontava o primeiro dia
da semana, Maria Madalena e a outra Maria foram ver o
sepulcro. 2 E eis que houvera um grande terremoto; pois um anjo
do Senhor descera do céu e, chegando-se, removera a pedra e
estava sentado sobre ela. 3 o seu aspecto era como um relâmpago,
e as suas vestes brancas como a neve. 4 E de medo dele tremeram
os guardas, e ficaram como mortos. 5 Mas o anjo disse às
mulheres: Não temais vós; pois eu sei que buscais a Jesus, que foi
crucificado. 6 Não está aqui, porque ressurgiu, como ele disse.
Vinde, vede o lugar onde jazia; 7 e ide depressa, e dizei aos seus
discípulos que ressurgiu dos mortos; e eis que vai adiante de
vós para a Galiléia; ali o vereis. Eis que vo-lo tenho dito. No final
do Sábado da Páscoa, e início do Primeiro dia da semana, ou seja:
depois do por do sol (+-18ª hora do dia romano) e início do novo
130

dia judaico, ou seja: ainda no dia de Sábado romano, devido fuso de


6 horas; o Messias ressurgiu dos mortos.
Página
Muitos escritores negam esse fato, alguns de origem alemã, e outros
de origem árabe islâmica, como o Livro: “A Linhagem do Santo
Graal” de Laurence Gardener, cria uma história mais fantástica que
a dos registrados no Novo Testamento, como se tudo não passasse
de uma “Trama cinematográfica”, que Jesus não morreu na cruz, foi
levado ao sepulcro ainda vivo, foi medicado e depois apareceu para
as mulheres e mais tarde para os seus discípulos, e depois sumiu de
vista, morrendo em idade avançada, deixando herdeiros e etc...,
outros do Islão, não aceitam a ressurreição alegando que o Deus do
Islão: Alláh – esclarece que no Alcorão que Jesus não foi crucificado;
ao contrário, foi feito com que assim parecesse aos judeus, e Deus o
elevou aos Céus. O Alcorão não explica, entretanto, quem foi a
pessoa crucificada no lugar de Jesus, que Deus o exalte.

Alcorão - ―Eles não o mataram nem o crucificaram, mas isso lhes foi
simulado.‖ (Alcorão 4:157) e que ―Deus o ascendeu até Ele. Deus é Todo-
Poderoso, Sábio.‖ (Alcorão 4:158)

Além de escritores, cientistas e outros céticos, que negam, mas não


provam e nem comprovam a ressurreição com seus argumentos
destituídos de imparcialidade; pois não são religiosos, não são
Judeus, nem Cristãos, e, no entanto são doutores nas causas alheias.

A ciência até pode ser desculpada, pois o critério científico depende


de comprovação visual e experimentação; como depois do Messias;
não existiram mais registros dessa natureza, e mesmo em nossos
dias ainda nenhum fato semelhante ocorreu então a “Ciência”, não
pode e nem vai dar crédito nos registros Bíblicos.

Quanto aos escritores não Judeus ou Cristãos, que escrevem sobre a


Bíblia, não podem ser levados a sério, ainda que se apresentem como
tese, de doutorado; já que em “Tese” pode-se negar ou comprovar
qualquer pensamento, sobre qualquer assunto.

Cabe, porém, tanto ao Povo Judeu, como o Povo Cristão defender a


“Ressurreição do Messias”, por dois fatos: primeiro é que Jesus
nasceu Judeu, e quem registrou os fatos foram também Judeus; e se
os registros do Novo Testamento, não merecem crédito, tampouco
os registros do Velho Testamento, que profetizam do Messias, e
131

relatam milagres mais extraordinários ainda: Como Dilúvio,


nascimento de Isaac, a divisão do Mar Vermelho e o caso de Elias.
Página
Quanto aos Cristãos, se não acreditarem na ressurreição do Messias,
toda Fé fica zerada, pois dependem exclusivamente da veracidade
dos registros do Novo Testamento.

A única opção que existe é: Aceitar os registros do Velho Testamento


e do Novo Testamento, como verdadeiros, sem reservas, ainda que
possam ter sofrido transliterações, traduções, retiradas ou acréscimo
de notas, para justificar uma ou outra corrente religiosa. Mesmo
porque a Ressurreição do Messias é o porto firme para toda a
Humanidade não entrar em colapso moral, civil e religioso.

Pois bem, voltando aos 3 dias como os de sua ressurreição , Ele


ainda disse; Mateus 26: 2 Sabeis que daqui a dois dias é a páscoa;
e o Filho do homem será entregue para ser crucificado. Dois dias do
Sábado era o 5º dia da Semana, a nossa quinta feira segundo o
calendário romano, e isto situa melhor ainda a datação da
crucificação.

Mateus 26:61 e disseram: Este disse: Posso destruir o santuário de Deus, e


reedificá-lo em três dias.

Marcos 14: 58 Nós o ouvimos dizer: Eu destruirei este santuário, construído


por mãos de homens, e em três dias edificarei outro, não feito por mãos de
homens.

Nesses versos temos outras duas informações preciosas para nossa


contemplação:

I - Que o Messias estava falando dele mesmo, da sua morte e sua


ressurreição;

II - Que Ele estava falando de sua volta no terceiro milênio;

III - Que Ele também fazia referência a destruição do II Templo de


Jerusalém, e de sua reconstrução apenas no terceiro milênio.

E as três hipóteses são verdadeiras, tendo como ponto de apoio o


Templo de Jerusalém. Como assim? Pode perguntar o leitor.
Sabemos que o II Templo de Jerusalém foi destruído, pela segunda
vez, no ano de 70 D.C., ou seja: 37 anos depois do ano da
Crucificação do Messias e até a presente data não foi reerguido, e
132

isto; já são passados 1940 anos, que podemos reescrever assim - já


são passados 2000 anos, ou 2 dias e ainda não foi reconstruído; já
estamos no 3º terceiro milênio da Era Cristã, e como o Messias
Página

nasceu e morreu e ressuscitou no 1º milênio, depois passou o 2º


milênio, que acabou no dia 31 de dezembro de 2000; e assim surge o
3º milênio no 1º dia do ano de 2001 D.C.

Temos que; 2000 anos, são 2 milênios, ou 2 dias para o Senhor


Deus, e já são passados 2 dias, 2º milênios, e o Templo de Jerusalém
não foi reconstruído, durante esses 2000 anos passados; e que o
Messias ressuscitou no 3º dia, então concluímos que se Ele associou
a sua morte a reconstrução do Templo e ao seu retorno; e que já
entramos no 3º milênio, ou no 3º dia, segundo as promessas;
podemos esperar a volta do Messias e a reconstrução do III Templo
no início desse milênio.

Temos ainda que o Estado de Israel, só veio a ser restaurado no ano


de 1948 D.C., depois da II Guerra Mundial, e que o ano de 1948 D.C.
está contido no 2º Milênio, e ainda existe uma Profecia Especial
sobre a Restauração do Estado de Israel, que associa com o Messias
de Israel, e vêm lá do Velho Testamento:

Oséias 6:2 Vinde, e tornemos para o Senhor, porque ele despedaçou e nos
sarará; fez a ferida, e no-la atará. 2 Depois de dois dias nos
ressuscitará: ao terceiro dia nos levantará, e viveremos diante dele.

Nesses dois versos, o Profeta Oséias, resume toda a odisseia do Povo


de Israel, desde a divisão do Reino de Israel, em dois reinos: Judá e
Israel, no ano 922 A.C., seguido da dispersão de Israel para a Assíria
em 722 A.C., o Cativeiro de Judá em 586 A.C. na Babilônia, bem
como a dispersão de Judá em 135 D.C; bem como da reconstrução
do Estado de Israel em 1948 D.C, no 2º Milênio; da reunificação de
Judá e Israel, no 3º Milênio; com a reconstrução do III Templo; e o
especial Reinado do Messias com o seu Povo.

No Livro: Bem-Aventurados nós relatamos o cenário completo


desses dias chamados de Nova Era Mundial, Milênio ou Reino do
Messias com seu Povo.

CAPÍTULO 29
O Senhor dos Exércitos na III Guerra Mundial
133

Lucas 24 registrou assim: 50 Então os levou fora, até Betânia; e


Página

levantando as mãos, os abençoou. 51 E aconteceu que, enquanto os


abençoava, apartou-se deles; e foi elevado ao céu. 52 E, depois
de o adorarem, voltaram com grande júbilo para Jerusalém;.

Melhor ainda o registro dos Atos dos Apóstolos 1: 1 Fiz o primeiro


tratado, ó Teófilo, acerca de tudo quanto Jesus começou a fazer e
ensinar, 2 até o dia em que foi levado para cima, depois de
haver dado mandamento, pelo Espírito Santo, aos apóstolos que
escolhera; 3 aos quais também, depois de haver padecido, se
apresentou vivo, com muitas provas infalíveis, aparecendo-lhes por
espaço de quarenta dias, e lhes falando das coisas concernentes ao
reino de Deus. 4 Estando com eles, ordenou-lhes que não se
ausentassem de Jerusalém, mas que esperassem a promessa do
Pai, a qual (disse ele) de mim ouvistes. 5 Porque, na verdade, João
batizou em água, mas vós sereis batizados no Espírito Santo,
dentro de poucos dias. 6 Aqueles, pois, que se haviam reunido
perguntavam-lhe, dizendo: Senhor, é nesse tempo que restauras o
reino a Israel? 7 Respondeu-lhes: A vós não vos compete saber os
tempos ou as épocas, que o Pai reservou à sua própria autoridade.
8 Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e ser-
me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém, como em toda a Judéia e
Samária, e até os confins da terra. 9 Tendo ele dito estas
coisas, foi levado para cima, enquanto eles olhavam, e
uma nuvem o recebeu, ocultando-o a seus olhos. 10 Estando
eles com os olhos fitos no céu, enquanto ele subia, eis que junto deles
apareceram dois varões vestidos de branco, 11 os quais lhes
disseram: Varões galileus, por que ficais aí olhando para o céu?
Esse Jesus, que dentre vós foi elevado para o céu, há de
vir assim como para o céu o vistes ir.
12 Então voltaram para Jerusalém, do monte chamado das
Oliveiras, que está perto de Jerusalém, à distância da jornada de
um sábado.

O Anjo de IHVH, o Messias Jesus, prometeu para os seus discípulos


que voltaria para a Terra, da mesma forma como foi elevado para os
céus: Através de uma nuvem (NAVE). Disse Ele – Mateus 24: 29
Logo depois da tribulação daqueles dias, escurecerá o sol, e a
lua não dará a sua luz; as estrelas cairão do céu e os poderes dos
céus serão abalados. 30 Então aparecerá no céu o sinal do
Filho do homem, e todas as tribos da terra se lamentarão, e
verão vir o Filho do homem sobre as nuvens do céu, com poder
134

e grande glória. 31 E ele enviará os seus anjos com grande clangor


de trombeta, os quais lhe ajuntarão os escolhidos desde os
Página

quatro ventos, de uma à outra extremidade dos céus.


Essa é a promessa de sua volta, mas o que será exatamente a Grande
Tribulação, de que tanto falam os líderes religiosos, e em nome desse
episódio, cobram dízimos e fazem promessas absurdas de um
arrebatamento, sem precedentes ou qualquer registro bíblicos.

Da Grande Tribulação bem registraram Daniel e João, com detalhes


assombrosos, sobre esses dias, mesmo ainda com datações
determinadas para esses feitos, que precisamos reler, com atenção, e
colocar diante de nossos olhos, o cenário desse Evento.

Quem leu o Livro Abominação Desoladora, sabe das datações de


Daniel, com mais propriedade do que vamos tratar aqui. Contudo
Daniel diz textualmente que a Grande Tribulação será mesmo antes
do ano 2040 D.C., ainda no I Século do 3º Milênio. Também Daniel
deixa bem claro, que somente os que viverem próximo desses dias é
que entenderam as suas Profecias e suas Datações. E é exatamente
por isso, que outras previsões da Grande Tribulação falharam, por
estarem muito além da época determinada.

Daniel 12: 1 Naquele tempo se levantará Miguel, o grande príncipe, que


se levanta a favor dos filhos do teu povo; e haverá um tempo de tribulação,
qual nunca houve, desde que existiu nação até aquele tempo; mas naquele
tempo livrar-se-á o teu povo, todo aquele que for achado escrito no livro. 2 E
muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para a vida eterna, e
outros para vergonha e desprezo eterno..., 9 Ele respondeu: Vai-te, Daniel,
porque estas palavras estão cerradas e seladas até o tempo do fim. 10
Muitos se purificarão, e se embranquecerão, e serão acrisolados; mas os
ímpios procederão impiamente; e nenhum deles entenderá; mas os sábios
entenderão. 11 E desde o tempo em que o holocausto contínuo for tirado, e
estabelecida a abominação desoladora, haverá mil duzentos e noventa dias.
12 Bem-aventurado é o que espera e chega aos mil trezentos e trinta
e cinco dias. 13 Tu, porém, vai-te, até que chegue o fim; pois descansarás, e
estarás no teu quinhão ao fim dos dias.

6000 anos é o Tempo Total de Dias para a Humanidade, desde Set, filho de
Adão até o Retorno do Ungido Salvador Jesus, ou 6 dias Proféticos
Início Era AC Dilúvio Antes Cristo Depois Cristo Milênio
3760 A.C. 2240 A.C 1 A.C. 1 D.C 2240 D.C
Destruição I Templo 586 A.C + 1290 dias/anos
Construção Mesquita e Domo da Rocha 704 D.C + 1335 anos
Tempo dos Bem Aventurados 2039 D.C
O ano de 2039 D.C. é o Ano que Encerra os 6000 dias ao Zerar 2040 D.C

Daniel deixa bem claro, que a Grande Tribulação, será antes do ano
135

de 2039 D.C., e como nós estamos no ano 2010 D.C., temos diante
de nós 3 décadas para a ocorrência desse Evento. O Messias Jesus
Página

disse que antes da Grande Tribulação, ainda ocorreria, dois eventos


que Jesus disse, e está registrado no Livro de Marcos 13:
I Evento no Verso: 13 E sereis odiados de todos por causa do meu
nome; mas aquele que perseverar até o fim, esse será salvo.
Sabe-se desde o ano 33 D.C., que os Judeus são odiados como se
fossem os responsáveis pela execução sumária do Messias Jesus, e
esse ódio estendeu-se desde Jerusalém até os confins do Mundo, e
por onde foram dispersos, foram perseguidos e assassinados,
terminando com o Holocausto Hitleriano, durante a II Guerra
Mundial em 1945 D.C. e o retorno para a Terra Prometida no ano de
1948 D.C, quando novamente o Estado de Israel foi restabelecido. Se
bem que: o ódio ou a Judia fobia e o Antissemitismo continuem, por
todas as nações.

II Evento no Verso: 14 Ora, quando vós virdes a abominação da


desolação estar onde não deve estar (quem lê, entenda), então os
que estiverem na Judéia fujam para os montes; 15 quem estiver no
eirado não desça, nem entre para tirar alguma coisa da sua casa;
Quanto a Abominação de a desolação estar onde não deve estar, ou
seja: Abominação sobre o lugar do Templo de Jerusalém, e lá estão
elas as obras da Mesquita de Al- Aqsa e o Domo da Rocha, em honra
ao Deus Alláh, um Deus desconhecido dos antepassados do Povo de
Israel. Só falta agora o Príncipe, ou 8º Rei, se estabelecer nesse exato
lugar, no trono de Deus, parecendo ser Deus.
Daniel 11: 35 Alguns dos entendidos cairão para serem acrisolados,
purificados e embranquecidos, até o fim do tempo; pois isso ainda será para o
tempo determinado. 36 e o rei fará conforme lhe aprouver; exaltar-
se-á, e se engrandecerá sobre todo deus, e contra o Deus dos deuses falará
coisas espantosas; e será próspero, até que se cumpra a indignação: pois
aquilo que está determinado será feito. 37 E não terá respeito aos deuses
de seus pais, nem ao amado das mulheres, nem a qualquer outro deus; pois
sobre tudo se engrandecerá. 38 Mas em seu lugar honrará ao deus das
fortalezas; e a um deus a quem seus pais não conheceram, ele o
honrará com ouro e com prata, com pedras preciosas e com coisas agradáveis.
39 E haver-se-á com os castelos fortes com o auxílio dum deus estranho; aos
que o reconhecerem, multiplicará a glória; e os fará reinar sobre
muitos, e lhes repartirá a terra por preço.

40 Ora, no fim do tempo, o rei do sul lutará com ele; e o rei do norte
virá como turbilhão contra ele, com carros e cavaleiros, e com muitos
navios; e entrará nos países, e os inundará, e passará para adiante. 41
Entrará na terra gloriosa, e dezenas de milhares cairão; mas da
sua mão escaparão estes: Edom e Moabe, e as primícias dos filhos de
Amom. 42 E estenderá a sua mão contra os países; e a terra do Egito não
136

escapará. 43 Apoderar-se-á dos tesouros de ouro e de prata, e de todas as


coisas preciosas do Egito; os líbios e os etíopes o seguirão.
Página

44 Mas os rumores do oriente e do norte o espantarão; e ele sairá com grande


furor, para destruir e extirpar a muitos. 45 E armará as tendas do seu palácio
entre o mar grande e o glorioso monte santo; contudo virá ao seu fim, e não
haverá quem o socorra.

Daniel diz exatamente como começará a III Guerra Mundial; quando


diz que o “Rei do Sul” (Egito) lutará com Ele, e o Rei do Norte
(Síria) virá contra ele, e o Rei do Norte (Síria) entrará nos países
(Oriente Médio: Arábia Saudita, Turquia, Jordânia, Emirados
Árabes, Irã, Iraque, Jordânia, Líbano, Síria e Egito) e os inundará e
passará para adiante (Invasão dos Países da Europa: Itália,
Espanha, França, Alemãnha, Inglaterra); entrará na Terra Gloriosa
(Israel) e matarão muitos. Escaparão Edom (Arábia), Moabe e
Amom (Jordânia); estenderá a sua mão contra os países: Egito,
Líbia e Etiópia (na África, 3 países descendentes de Can, filho de
Noé que serão destruídos).

Mas os rumores do Oriente (Além dos limites do Oriente: Ásia –


Índia, Afeganistão, Paquistão, China, Rússia, e etc.) e do Norte
(América do Norte, com países aliados) o espantarão e acampará
entre o Mediterrâneo (Turquia) e Monte Santo (Jerusalém) em
Israel, contudo virá o seu fim, e ninguém o socorrerá.

Daniel 12: 1 Naquele tempo se levantará Miguel, o grande príncipe, que


se levanta a favor dos filhos do teu povo; e haverá um tempo de tribulação,
qual nunca houve, desde que existiu nação até aquele tempo; mas naquele
tempo livrar-se-á o teu povo, todo aquele que for achado escrito no livro. 2 E
muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para a vida eterna, e
outros para vergonha e desprezo eterno...,

Nesse período de Tribulação, será de Guerras com armas nucleares,


envolvendo quase que todos os Países da Eurásia, do Oriente e das
Américas, de tal magnitude que causará os efeitos registrados no
Livro de Mateus 24: 29 Logo depois da tribulação daqueles
dias, escurecerá o sol, e a lua não dará a sua luz; as estrelas cairão
do céu e os poderes dos céus serão abalados.

Então quando tudo parecer estar destruído, ou próximo da


Desolação Total, do aniquilamento da Humanidade, o Messias de
Israel se manifestará para Salvar seu Povo; como registra Mateus 24:
30 Então aparecerá no céu o sinal do Filho do homem, e
todas as tribos da terra se lamentarão, e verão vir o Filho do
homem sobre as nuvens do céu, com poder e grande glória.
137
Página
CAPÍTULO 30
Judá e Israel do Messias.
Todos os profetas Bíblicos que relataram sobre a divisão da Casa de
Jacó (Israel), e a dispersão de Israel pelos quatro cantos do Mundo,
também falam que nos Dias do Fim, serão novamente reunidos, e
isto se dará logo após a III Guerra Mundial. Também nos registros
do Novo Testamento, ainda que de forma velada, fala desse evento.

Mateus 23: 31 E ele enviará os seus anjos com grande clangor de trombeta,
os quais lhe ajuntarão os escolhidos desde os quatro ventos, de uma à
outra extremidade dos céus.

Jeremias 30:; 3 pois eis que vêm os dias, diz o Senhor, em que farei voltar do
cativeiro o meu povo Israel e Judá, diz o Senhor; e tornarei a trazê-los à
terra que dei a seus pais, e a possuirão...., 7 Ah! porque aquele dia é tão
grande, que não houve outro semelhante! É tempo de angústia para
Jacó; todavia, há de ser livre dela. 8 E será naquele dia, diz o Senhor dos
exércitos, que eu quebrarei o jugo de sobre o seu pescoço, e romperei as suas
brochas. Nunca mais se servirão dele os estrangeiros; 9 mas ele servirá ao
Senhor, seu Deus, como também a Davi, seu rei, que lhe levantarei.
10 Não temas pois tu, servo meu, Jacó, diz o Senhor, nem te espantes, ó Israel;
pois eis que te livrarei de terras longínquas, e à tua descendência
da terra do seu cativeiro; e Jacó voltará, e ficará tranqüilo e
sossegado, e não haverá quem o atemorize...., 16 Portanto todos os
que te devoram serão devorados, e todos os teus adversários irão,
todos eles, para o cativeiro; e os que te roubam serão roubados, e a
todos os que te saqueiam entregarei ao saque..., 20 E seus filhos
serão como na antigüidade, e a sua congregação será estabelecida
diante de mim, e castigarei todos os seus opressores. 21 E o seu
príncipe será deles, e o seu governador sairá do meio deles; e o farei
aproximar, e ele se chegará a mim. Pois quem por si mesmo ousaria
chegar-se a mim? diz o Senhor. 22 E vós sereis o meu povo, e eu serei o
vosso Deus. 23 Eis a tempestade do Senhor! A sua indignação já saiu, uma
tempestade varredora; cairá cruelmente sobre a cabeça dos ímpios.
24 Não retrocederá o furor da ira do Senhor, até que ele tenha executado, e até
que tenha cumprido os desígnios do seu coração. Nos últimos dias entendereis
isso.

O Profeta Jeremias, deixa claro que a Casa de Israel, chamado Jacó,


significa: Judá e Israel juntos, as 12 Tribos, novamente estabelecidas
na mesma Terra, na Terra de Israel, com um Novo Davi, levantado
138

da Casa de Davi, mesmo o Messias de Israel, que reinará junto com o


seu Povo. Claro que tudo isto será depois da Grande Tribulação, da
Página

III Guerra Mundial, depois desses dias, então o Messias Jesus,


mandará os seus Anjos, os Mensageiros, por todo o Planeta Terra, e
buscará os “Sobreviventes”, que são da Casa de Judá (Israel).

Note que em nenhum lugar da Bíblia fala sobre um


“Arrebatamento”, antes da Tribulação; mesmo essa palavra não
se encontra em nenhum verso de toda a Bíblia. É de suma
importância dizer que o termo “Arrebatado”, que consta do verso
do I Tessalonicenses 4: 16 Porque o Senhor mesmo descerá do
céu com grande brado, à voz do arcanjo, ao som da trombeta de
Deus, e os que morreram em Cristo ressuscitarão
primeiro. 17 Depois nós, os que ficarmos vivos seremos
arrebatados juntamente com eles, nas nuvens, ao
encontro do Senhor nos ares, e assim estaremos para sempre
com o Senhor.

Esse texto fala dos acontecimentos, depois da Grande Tribulação,


depois do aparecimento do Messias, e não antes. Primeiro ainda diz
que os mortos vão ressuscitar antes; e só então os que ficarem vivos
serão arrebatados, nas nuvens (NAVES) e irão ao encontro do
Senhor, e vão viver com ele, aqui na Terra mesmo.

Ou seja, faz referência, aos mesmos versos de Jeremias, com uma ou


outra palavra diferente, porém o sentido é o mesmo. Nesse caso a
palavra “Nas nuvens e nos Ares”, não significa o “CÉU”, onde
mora o Eterno Deus, e sim o lugar que conhecemos entre a Terra e
as Nuvens ou na Camada Azul que recobre a Terra. Mesmo porque
no Apocalipse diz que o Messias vem viver na Terra, que a Nova
Jerusalém desce dos Céus para fixar-se na Terra e assim sendo, não
existe qualquer possibilidade de alguém ser “Arrebatado” e levado
para morar lá no Céu, junto do Trono de Deus.

Um alerta para os Governos do Mundo, que apoiaram e que apoiam


os que dividiram as Terras de Israel, e que ainda hoje promulgam a
sua divisão, entre Israelenses e Palestinos, como se fossem herdeiros
dos Filhos de Jacob. Mesmo em nossos dias, a ONU, teima em
apoiar a divisão de Jerusalém em duas partes, a Igreja Romana,
tenta dividir Jerusalém com o Mundo, e mesmo o Brasil de Lula,
correu ao Oriente Médio, falar lobby nesse sentido.

Joel 3: 1Pois eis que naqueles dias, e naquele tempo, em que eu restaurar os
139

exilados de Judá e de Jerusalém, 2 congregarei todas as nações, e as farei


descer ao vale de Jeosafá; e ali com elas entrarei em juízo, por causa do
meu povo, e da minha herança, Israel, a quem elas espalharam por entre as
Página

nações; repartiram a minha terra,...


Certamente que o recado do Profeta Joel, é mais contundente com a
Assíria, a Babilônia e Roma, do que com outras Nações; assim como
fará Justiça, as que acolheram e defendem o Povo de Israel, como
fizeram a Inglaterra, os EUA e os países da América Latina, quando
que bem acolheram o povo na sua dispersão.

Joel 3:4 E também que tendes vós comigo, Tiro e Sidom, (Líbano) e todas as
regiões da Filístia ? (Atuais Palestinos) Acaso quereis vingar-vos de mim? Se
assim vos quereis vingar, bem depressa retribuirei o vosso feito sobre a vossa
cabeça.

Diante dessa repreensão explícita, pode-se avaliar quem têm direito


sobre as Terras de Israel, e se justa é a reivindicação dos Palestinos,
que no fundo, não desejam “Acordo Nenhum”, nem parte das
Terras, nem viver em paz na região; pelo simples fato que desejam é
o extermínio do Povo Israelense.

Joel 3:12 Suscitem-se as nações, e subam ao vale de Jeosafá; pois ali me


assentarei, para julgar todas as nações em redor.

Devido a eventos ocorridos durante o período do Rei Jeosafá, de


Judá, o vale da torrente do Cédron também passou a ser
profeticamente chamado de Vale de Jeosafá ou “baixada de
Jeosafá”– Emek Yehoshafat (em hebraico), que significa "O vale
onde Deus julgará" (Vale do Julgamento). - (Joel 3:12). Surgem na
Escatologia judaica profecias que incluem o retorno do Profeta Elias,
seguido pela chegada do Messias (Judaísmo), que fica O Vale do
Cédron se estende ao longo do muro oriental de Jerusalém,
separando o Monte de Templo do Monte das Oliveiras. Continua ao
leste pelo Deserto da Judéia, em direção ao Mar Morto. Onde existe
o assentamento israelense de Kedar num cume sobre o vale.

Note, que esse lugar nada têm a haver com o Vale do Armagdon,
quando da batalha com Gogue e Magogue, que fica na Jordânia,
próximo do Mar morto.

Joel 3: 18 E naquele dia os montes destilarão mosto, e os outeiros manarão


leite, e todos os ribeiros de Judá estarão cheios de águas; e sairá uma fonte da
casa do Senhor, e regará o vale de Sitim. (onde fica o Mar Morto) 19 O Egito
se tornará uma desolação, e Edom se fará um deserto assolado, por
causa da violência que fizeram aos filhos de Judá, em cuja terra derramaram
sangue inocente. 20 Mas Judá será habitada para sempre, e
Jerusalém de geração em geração.
140

Judá faz referência a toda a Judéia e Jerusalém sem divisões, mesmo


porque o Egito (o grande dragão) e os Árabes sofreram grande
Página

destruição. E novamente Judá e Israel, as Doze Tribos, serão


reunidas num só Povo: Povo de Israel, e novamente Jerusalém será a
Capital de um único Reino: Reino de Israel.

CAPÍTULO 31
Reconstrução do Templo.
Zacarias 6: 12 e fala-lhe, dizendo: Assim diz o Senhor dos exércitos: Eis aqui o
homem cujo nome é Renovo; ele brotará do seu lugar, e edificará o templo
do Senhor. 13 Ele mesmo edificará o templo do Senhor; receberá a
honra real, assentar-se-á no seu trono, e dominará..., 15 E aqueles que
estão longe virão, e ajudarão a edificar o templo do Senhor; e vós
sabereis que o Senhor dos exércitos me tem enviado a vós; e isso sucederá, se
diligentemente obedecerdes a voz do Senhor vosso Deus.

Note, que apesar da atual ânsia pela Reconstrução do Templo de


Jerusalém, em nossos dias, o mesmo só virá ocorrer depois da
Grande Tribulação, e esse Templo será levantado pelo Messias Jesus
(Iéshua) com a ajuda dos Filhos de Israel, que viram de todas as
partes do Mundo. E segundo Daniel, só será depois do ano 2040
D.C., lá por volta do ano 2070 D.C., quando tudo estiver
restabelecido na Cidade de Jerusalém, depois do Grande Conflito, e
tenha completado 2000 anos, dois dias, da última destruição: 70
D.C., pelo Império Romano.

Lembre que segundo Apocalipse, não faz menção do Templo, mas de


um “Trono e Tabernáculo”: Apocalipse 21: 3 E ouvi uma grande
voz, vinda do trono, que dizia: Eis que o tabernáculo de Deus
está com os homens, pois com eles habitará, e eles serão o seu povo,
e Deus mesmo estará com eles; e no Livro de Zacarias 6:13 Ele
mesmo edificará o templo do Senhor; receberá a honra real,
assentar-se-á no seu trono, e dominará. E Josué, o sacerdote,
ficará à sua direita; e haverá entre os dois o conselho de paz.

Ezequiel 43: 4 E a glória do Senhor entrou no templo pelo caminho da


porta oriental. 5 E levantou-me o Espírito, e me levou ao átrio interior; e eis
que a glória do Senhor encheu o templo. 6 Então ouvi uma voz que me foi
direita de dentro do templo; e um homem se achava de pé junto de mim.
141

7 E disse-me: Filho do homem, este é o lugar do meu trono, e o lugar


das plantas dos meus pés, onde habitarei no meio dos filhos de
Israel para sempre; e os da casa de Israel não contaminarão mais o meu
Página

nome santo, nem eles nem os seus reis, com as suas prostituições e com os
cadáveres dos seus reis, nos seus altos,
Donde podemos ver que houve omissão da palavra “Templo” no
Livro de Apocalipse, já que importa haver concordância em todos os
livros da Bíblia.

CAPÍTULO 32

Divisão das Terras de Israel.


Também no Livro Apocalipse, omite a divisão das Terras de Israel,
entre as doze tribos, mas no Livro do Profeta Ezequiel, deixa bem
claro que a Terra será novamente dividida, entre as 12 Tribos,
segundo a primeira divisão; Ezequiel 47: 21 Repartireis, pois,
esta terra entre vós, segundo as tribos de Israel. Essa
repartição se dará também, após a Grande Tribulação, e a
reconstrução do III Templo de Jerusalém.

É importante notar que muitos Gentios (estrangeiros) também


habitarão nas Terras de Israel, todos os que viverem entre eles, e
gerarem filhos da Terra de Israel; Ezequiel 47: 22 Reparti-la-eis em
herança por sortes entre vós e entre os estrangeiros que
habitam no meio de vós e que têm gerado filhos no meio
de vós; e vós os tereis como naturais entre os filhos de Israel;
convosco terão herança, no meio das tribos de Israel. 23 E será que
na tribo em que peregrinar o estrangeiro, ali lhe dareis a sua
herança, diz o Senhor Deus.

Herança: 1 - Dã terá uma porção;


2 - Aser terá uma porção;
3 - Naftali terá uma porção;
4 - Manasses terá uma porção;
5 - Efraim terá uma porção;
6 - Rúben terá uma porção;
7 - Judá terá uma porção;
8 - Benjamim terá uma porção;
9 - Simeão terá uma porção;
10 - Issacar terá uma porção;
142

11 - Zebulom terá uma porção;


12 - Gade terá uma porção;
Página

13 - Os sacerdotes uma porção desta santa oferta;


14 - Também os levitas terão, a sua parte;
15 - Entre o termo de Judá e o termo de Benjamim será a
porção do príncipe.

Note que José, não consta da lista, mas seus filhos: Manasses e
Efraim, como dupla porção prometida por Jacób; Ezequiel 47: 13
Assim diz o Senhor Deus: Este será o termo conforme o qual
repartireis a terra em herança, segundo as doze tribos de Israel.
José terá duas partes. Também Dã, que alguns escritores alegam
ter perdido o direito de possessão, pelo fato de no Livro Apocalipse
7, Dã ter sido trocado por Manasses, e Efraim também ter sido
omitido; ainda que Efraim é o verdadeiro primogênito para Deus.
No Livro; Apocalipse 21:12 e tinha um grande e alto muro com doze
portas, e nas portas doze anjos, e nomes escritos sobre elas, que são
os nomes das doze tribos dos filhos de Israel.

.A Nova Religião.
Para os que pensam que a Igreja (Cristã) substituiu a Israel, e viram
Israel renascer novamente, no mesmo lugar, no ano de 1948 D.C.,
devem refletir melhor sobre essa posição equivocada e usurpadora.
A Israel antiga, era, é e será sempre a mesma Israel para Deus.

Isaias 27: 6 Dias virão em que Jacó lançará raízes; Israel florescerá e
brotará; e eles encherão de fruto a face do mundo..., 13 E naquele dia se tocará
uma grande trombeta; e os que andavam perdidos pela terra da Assíria, e os
que foram desterrados para a terra do Egito tornarão a vir; e adorarão ao
Senhor no monte santo em Jerusalém.
Isaias 14: 1 Pois o Senhor se compadecerá de Jacó, e ainda escolherá a Israel
e os porá na sua própria terra; e ajuntar-se-ão com eles os estrangeiros, e se
apegarão à casa de Jacó. 2 E os povos os receberão, e os levarão aos seus
lugares; e a casa de Israel os possuirá por servos e por servas, na terra do
Senhor e cativarão aqueles que os cativaram, e dominarão os seus opressores.

No Livro Apocalipse 14, está registrado; 6 E vi outro anjo voando


pelo meio do céu, e tinha um evangelho eterno para proclamar
aos que habitam sobre a terra e a toda nação, e tribo, e língua, e
povo; que por falta de entendimento, muitos líderes religiosos, de
cada Seita Cristã, se dizem serem os portadores desse Novo
Evangelho; desde a Igreja Romana, nos seus primórdios, os
Luteranos e agora os Evangélicos, e até se nominam como a Nova
Israel; por desconhecerem completamente os Escritos do Eterno
143

Deus.
Página

Ezequiel 36:24 Pois vos tirarei dentre as nações, e vos congregarei de todos
os países, e vos trarei para a vossa terra. 25 Então aspergirei água pura sobre
vós, e ficareis purificados; de todas as vossas imundícias, e de todos os vossos
ídolos, vos purificarei. 26 Também vos darei um coração novo, e porei dentro
de vós um espírito novo; e tirarei da vossa carne o coração de pedra, e vos
darei um coração de carne. 27 Ainda porei dentro de vós o meu Espírito,
e farei que andeis nos meus estatutos, e guardeis as minhas
ordenanças, e as observeis. 28 E habitareis na terra que eu dei a vossos
pais, e vós sereis o meu povo, e eu serei o vosso Deus.

Deus, o próprio Deus, esta dizendo que Ele mesmo, vai colocar
novamente o Povo de Israel, na Terra que Ele tinha prometido para
Abraão, para Isaac e para Jacob; no mesmo lugar onde foi
restaurado o Estado de Israel, no Oriente Médio, e lá mesmo, vai
colocar “Novamente”, os seus Estatutos e as suas Ordenanças,
desta feita, diretamente no coração de cada um. Não vai mais
depender de líderes religiosos, Igrejas, Sinagogas, padres, pastores
ou rabinos, para que o povo entenda e pratique as suas Leis. Esta é a
Nova Religião, e só virá depois da, III Guerra Mundial, e do retorno
do resto dos Filhos de Israel que escaparem da Grande Tribulação.

Ezequiel 34: 10 Assim diz o Senhor Deus: Eis que eu estou contra os
pastores; das suas mãos requererei as minhas ovelhas, e farei que eles
deixem de apascentar as ovelhas, de sorte que não se apascentarão mais a si
mesmos. Livrarei as minhas ovelhas da sua boca, para que não lhes sirvam
mais de pasto. 11 Porque assim diz o Senhor Deus: Eis que eu, eu mesmo,
procurarei as minhas ovelhas, e as buscarei. 12 Como o pastor busca o
seu rebanho, no dia em que está no meio das suas ovelhas dispersas, assim
buscarei as minhas ovelhas. Livrá-las-ei de todos os lugares por onde
foram espalhadas, no dia de nuvens e de escuridão. 13 Sim, tirá-las-ei
para fora dos povos, e as congregarei dos países, e as introduzirei na sua
terra, e as apascentarei sobre os montes de Israel, junto às correntes
d'água, e em todos os lugares habitados da terra.

De sorte que com esta Escritura podeis saber bem, qual é em nossos
dias, a verdadeira Igreja e os verdadeiros “Pastores”; ou seja:
Nenhuma Igreja! E reforçando nossa opinião: Ezequiel 34: 2 Filho
do homem, profetiza contra os pastores de Israel; profetiza, e dize
aos pastores: Assim diz o Senhor Deus: Ai dos pastores de Israel
que se apascentam a si mesmos! Não devem os pastores apascentar
as ovelhas? 3 Comeis a gordura, e vos vestis da lã; matais o
cevado; mas não apascentais as ovelhas. 4 A fraca não
fortalecestes, a doente não curastes, a quebrada não ligastes, a
desgarrada não tornastes a trazer, e a perdida não buscastes; mas
dominais sobre elas com rigor e dureza.
144

Finalmente podemos dizer que a Nova Religião de Israel, será a


Velha Religião ensinada desde Abraão, Moisés e pelo próprio
Messias:
Página
Deuteronômio 6:
Estes, pois, são os mandamentos, os estatutos e os preceitos que o Senhor teu
Deus mandou ensinar-te, a fim de que os cumprisses na terra a que estás
passando: para a possuíres; 2 para que temas ao Senhor teu Deus, e guardes
todos os seus estatutos e mandamentos, que eu te ordeno, tu, e teu filho, e o
filho de teu filho, todos os dias da tua vida, e para que se prolonguem os teus
dias. 3 Ouve, pois, ó Israel, e atenta em que os guardes, para que te vá bem,
e muito te multipliques na terra que mana leite e mel, como te prometeu o
Senhor Deus de teus pais. 4 Ouve, ó Israel; o Senhor nosso Deus é o único
Senhor. 5 Amarás, pois, ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a
tua alma e de todas as tuas forças. 6 E estas palavras, que hoje te
ordeno, estarão no teu coração; 7 e as ensinarás a teus filhos, e delas
falarás sentado em tua casa e andando pelo caminho, ao deitar-te e ao
levantar-te. 8 Também as atarás por sinal na tua mão e te serão por frontais
entre os teus olhos; 9 e as escreverás nos umbrais de tua casa, e nas tuas
portas. 10 Quando, pois, o Senhor teu Deus te introduzir na terra que com
juramento prometeu a teus pais, Abraão, Isaque e Jacó, que te daria, com
grandes e boas cidades, que tu não edificaste, 11 e casas cheias de todo o bem,
as quais tu não encheste, e poços cavados, que tu não cavaste, vinhas e olivais,
que tu não plantaste, e quando comeres e te fartares; 12 guarda-te, que não te
esqueças do Senhor, que te tirou da terra do Egito, da casa da servidão. 13
Temerás ao Senhor teu Deus e o servirás, e pelo seu nome jurarás. 14 Não
seguirás outros deuses, os deuses dos povos que houver à roda de
ti; 15 porque o Senhor teu Deus é um Deus zeloso no meio de ti; para que a ira
do Senhor teu Deus não se acenda contra ti, e ele te destrua de sobre a face da
terra. 16 Não tentareis o Senhor vosso Deus, como o tentastes em Massá. 17
Diligentemente guardarás os mandamentos do Senhor teu Deus,
como também os seus testemunhos, e seus estatutos, que te
ordenou. 18 Também praticarás o que é reto e bom aos olhos do Senhor, para
que te vá bem, e entres, e possuas a boa terra, a qual o Senhor prometeu com
juramento a teus pais; 19 para que lance fora de diante de ti todos os teus
inimigos, como disse o Senhor. 20 Quando teu filho te perguntar no futuro,
dizendo: Que significam os testemunhos, estatutos e preceitos que o Senhor
nosso Deus vos ordenou? 21 responderás a teu filho: Éramos servos de Faraó
no Egito, porém o Senhor, com mão forte, nos tirou de lá; 22 e, aos nossos
olhos, o Senhor fez sinais e maravilhas grandes e penosas contra o Egito,
contra Faraó e contra toda a sua casa; 23 mas nos tirou de lá, para nos
introduzir e nos dar a terra que com juramento prometera a nossos pais.
24 Pelo que o Senhor nos ordenou que observássemos todos estes estatutos, que
temêssemos o Senhor nosso Deus, para o nosso bem em todo o tempo, a fim de
que ele nos preservasse em vida, assim como hoje se vê. 25 E será justiça para
nós, se tivermos cuidado de cumprir todos estes mandamentos perante o
Senhor nosso Deus, como ele nos ordenou.
145

CAPÍTULO33
Página

IV Guerra Mundial com Gogue e Magogue.


Depois da Grande Tribulação, após a Grande Guerra entre Israel e os
Árabes, depois do Retorno das 10 Tribos, depois da construção do III
Templo de Jerusalém; e bem depois de muitos dias, quando Israel
estiver em pais de seus costumeiros inimigos e viver sem muros
altos; bem depois da Besta e do Falso Profeta terem sidos lançados
no Hades; Gogue da Terra de Magog, chefe de Meseque e Tubal,
virão contra Israel.

Desde o Extremo Norte, da Europa e da Ásia, subiram muitos povos


contra as Cidades restauradas nos montes de Israel; bem lá nos
Últimos dias, ou seja: próximo do fim do 6º milênio Judeu, por volta
do ano 2240 D.C.

Ezequiel 38: 15 Virás, pois, do teu lugar, lá do extremo norte, tu e muitos


povos contigo, montados todos a cavalo, uma grande companhia e um exército
numeroso;16 e subirás contra o meu povo Israel, como uma nuvem, para
cobrir a terra. Nos últimos dias hei de trazer-te contra a minha terra, para
que as nações me conheçam a mim, quando eu tiver vindicado a minha
santidade em ti, ó Gogue, diante dos seus olhos.

Para que servirá essa IV Guerra, e última Guerra?

Para que Deus, o Eterno Deus de Israel, possa mostrar ao mundo


que Ele é o próprio Deus! Para tanto se utilizará da força dos
terremotos, por meio da peste e do sangue, chuvas torrenciais,
granizo, fogo e enxofre. Toda a força da natureza lutará contra as
tropas de Gog, e o próprio Deus, que criou os Céus e a Terra, se dará
a conhecer diante dos olhos das Nações; e o próprio povo de Israel,
conhecerá então o seu Criador: O Santo de Israel.

Apocalipse 20: 7 Ora, quando se completarem os mil anos, Satanás será


solto da sua prisão, 8 e sairá a enganar as nações que estão nos quatro cantos
da terra, Gogue e Magogue, cujo número é como a areia do mar, a fim de
ajuntá-las para a batalha. 9 E subiram sobre a largura da terra, e cercaram o
arraial dos santos e a cidade querida; mas desceu fogo do céu, e os devorou;
10 e o Diabo, que os enganava, foi lançado no lago de fogo e
enxofre, onde estão a besta e o falso profeta; e de dia e de noite
serão atormentados pelos séculos dos séculos. 11 E vi um grande
trono branco e o que estava assentado sobre ele, de cuja presença
fugiram a terra e o céu; e não foi achado lugar para eles. 12 E vi os
mortos, grandes e pequenos, em pé diante do trono; e abriram-se uns livros; e
abriu-se outro livro, que é o da vida; e os mortos foram julgados pelas coisas
que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras. 13 O mar entregou os
146

mortos que nele havia; e a morte e o além entregaram os mortos que neles
havia; e foram julgados, cada um segundo as suas obras. 14 E a morte e o
inferno foram lançados no lago de fogo. Esta é a segunda morte, o lago de
Página

fogo. 15 E todo aquele que não foi achado inscrito no livro da vida, foi lançado
no lago de fogo.
Ezequiel e João do Apocalipse são complementares um do outro; de
forma que não se pode entender o Fim dos Tempos, se não juntar os
dois. João fala de 1000 anos, Ezequiel fala nos “Últimos Dias”;
entendendo que depois do sexto dia vem o descanso, portanto
estamos falando do Sexto Milênio e início do Sétimo Milênio, ou
uma Nova Era para os Novos Céus e a Nova Terra.

O último dia do 6º Milênio, coincide com o Ano Gregoriano 2240


D.C., o que nos leva a crer que os termos do Apocalipse está mesmo
falando do fim dos 6 mil anos; porque quando foi escrito não existia
a contagem de Tempo Gregoriana, e sim a Romana e a Hebreia.
Como existe a diferença de 3760 anos entre os Calendários:
Gregoriano e o Hebreu. Assim entendemos que, o termo correto de
Apocalipse é mesmo: Fim do último Milênio e não Fim dos Mil anos.

Outro fato é pensar que depois das transformações da Terra e dos


Céus que envolvem a Terra, depois do julgamento Final, é que terá
início da Nova Era.

Finalmente o Milênio
Não existindo mais a morte que abata os seres humanos sobre a face
da Terra, nem inimigos para a guerra, a Humanidade experimentará
um Novo Sistema de Vida: A imortalidade.

Isaias 25: 6 E o Senhor dos exércitos dará neste monte a todos os povos um
banquete de coisas gordurosas, banquete de vinhos puros, de coisas
gordurosas feitas de tutanos, e de vinhos puros, bem purificados.
7 E destruirá neste monte a coberta que cobre todos os povos, e o véu que está
posto sobre todas as nações. 8 Aniquilará a morte para sempre, e assim
enxugará o Senhor Deus as lágrimas de todos os rostos, e tirará de
toda a terra o opróbrio do seu povo; porque o Senhor o disse.

Isaias 65: 17 Pois eis que eu crio novos céus e nova terra; e não haverá
lembrança das coisas passadas, nem mais se recordarão:18 Mas alegrai-
vos e regozijai-vos perpetuamente no que eu crio; porque crio para Jerusalém
motivo de exultação e para o seu povo motivo de gozo. 19 E exultarei em
Jerusalém, e folgarei no meu povo; e nunca mais se ouvirá nela voz de
choro nem voz de clamor. 20 Não haverá mais nela criança de poucos
dias, nem velho que não tenha cumprido os seus dias; porque o menino
morrerá de cem anos; mas o pecador de cem anos será amaldiçoado.
21 E eles edificarão casas, e as habitarão; e plantarão vinhas, e comerão o
147

fruto delas. 22 Não edificarão para que outros habitem; não plantarão para
que outros comam; porque os dias do meu povo serão como os dias da
árvore, e os meus escolhidos gozarão por longo tempo das obras
Página

das suas mãos: 23 Não trabalharão debalde, nem terão filhos para
calamidade; porque serão a descendência dos benditos do Senhor, e
os seus descendentes estarão com eles. 24 E acontecerá que, antes de
clamarem eles, eu responderei; e estando eles ainda falando, eu os ouvirei.
25 O lobo e o cordeiro juntos se apascentarão, o leão comerá palha
como o boi; e pó será a comida da serpente. Não farão mal nem dano
algum em todo o meu santo monte, diz o Senhor.

Somente com esse entendimento, que depois da mudança da Terra e


do Céu, é que haverá paz e a Vida na Terra, será semelhante à Vida
nos Céus, onde habita o Eterno Deus, a Terra será transformada
completamente, segundo os moldes do Céu.

Apocalipse 21: E vi um novo céu e uma nova terra. Porque já se foram o


primeiro céu e a primeira terra, e o mar já não existe. 2 E vi a santa cidade,
a nova Jerusalém, que descia do céu da parte de Deus, adereçada como uma
noiva ataviada para o seu noivo. 3 E ouvi uma grande voz, vinda do trono, que
dizia: Eis que o tabernáculo de Deus está com os homens, pois com eles
habitará, e eles serão o seu povo, e Deus mesmo estará com eles.
4 Ele enxugará de seus olhos toda lágrima; e não haverá mais morte, nem
haverá mais pranto, nem lamento, nem dor; porque já as primeiras coisas
são passadas.

Parece outra contradição, Isaias fala primeiramente que não existirá


mais morte e depois sobre a morte depois dos cem anos, fala que
nascerão crianças, que terão de plantar para comer, nos Evangelhos
fala que não se casam e não se dão em casamento, no Apocalipse e
que não haverá mais mortes, etc...,

Mateus 22: 29 Jesus, porém, lhes respondeu: Errais, não compreendendo as


Escrituras nem o poder de Deus; 30 pois na ressurreição nem se casam
nem se dão em casamento; mas serão como os anjos no céu.

Existe contradição nos Escritos Bíblicos?


Certamente que não! Vamos explicar por partes as coisas.

Isaias 56: 3 E não fale o estrangeiro, que se houver unido ao Senhor,


dizendo: Certamente o Senhor me separará do seu povo; nem tampouco diga o
eunuco: Eis que eu sou uma árvore seca. 4 Pois assim diz o Senhor a respeito
dos eunucos que guardam os meus sábados, e escolhem as coisas que me
agradam, e abraçam o meu pacto:5 Dar-lhes-ei na minha casa e dentro dos
meus muros um memorial e um nome melhor do que o de filhos e filhas; um
nome eterno darei a cada um deles, que nunca se apagará.

I Corintios 15: 50 Mas digo isto, irmãos, que carne e sangue não podem
herdar o reino de Deus; nem a corrupção herda a incorrupção.
148

51 Eis aqui vos digo um mistério: Nem todos dormiremos mas todos seremos
transformados, 52 num momento, num abrir e fechar de olhos, ao som da
última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos serão ressuscitados
Página

incorruptíveis, e nós seremos transformados. 53 Porque é necessário que isto


que é corruptível se revista da incorruptibilidade e que isto que é mortal se
revista da imortalidade.

Isaias 66: 22 Pois, como os novos céus e a nova terra, que hei de fazer,
durarão diante de mim, diz o Senhor, assim durará a vossa posteridade e o
vosso nome.

Nota: No Livro Bem-Aventurados 2040 D.C., que também é um


―public ebooks”, da Coleção Livro Público, disponível na NET,
trás respostas, segundo a própria Bíblia ensina; e poderemos ver
que não existem contradições em nenhum dos Livros Bíblicos, tanto
do Novo como do Antigo Testamento.

Coleção Public Ebooks, livros públicos.


1º - Abominação Desoladora 2040 D.C.
2º - Filho do Homem – Semelhança de Deus
3º - Bem-Aventurados 2040 D.C.
4º - Inferno e Paraíso

BIBLIOGRAFIA
Bíblia
Versão de João Ferreira de Almeida

Bíblia
Versão das Edições Paulina

Bíblia
Auto Ajuda através da Bíblia, versão 2009

NET
Wikipédia
149
Página
Página 150