Вы находитесь на странице: 1из 4
Direito Constitucional – Classificação das Constituições – Profº Ronaldo Meireles 1 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES Existem váriosdireito humanos possa ter força de norma constitucional, ainda que não esteja inserido formalmente na CF/88. Esse fato novo parece ter suavizado a condição de Constituição escrita da atual Carta brasileira. Assim, o novo parágrafo 3º do art. 5º: “Os tratados e convenções internacionais sobre direitos humanos que forem aprovados, em cada Casa do Congresso Nacional, em dois turnos, por três quintos dos votos dos respectivos membros, serão equivalentes às emendas constitucionais”. 3. Quanto ao modo de elaboração Dogmática Será sempre uma Constituição escrita, é a elaborada por um órgão constituinte, e sistematiza os dogmas ou ideias fundamentais da teoria política e do Direito dominantes no momento. Histórica (ou costumeira) Sempre uma Constituição não escrita, resulta de lenta transformação histórica, do lento evoluir das tradições, dos fatos sócio-políticos. 4. Quanto à origem Promulgada (popular ou democrática ou votada) É a Constituição que se origina de um órgão constituinte composto de representantes do povo, eleitos com a finalidade de elaborar e estabelecer aquela Constituição, portanto nasce de uma assembleia popular, seja esta representada por uma pessoa ou por um órgão colegiado. As Constituições brasileiras de 1891, 1934, 1946 e 1988 foram promulgadas. Outorgada É a Constituição elaborada e estabelecida sem a participação do povo, ou seja, a que o governante impõe ao povo de forma arbitrária, podendo ser elaborada por uma pessoa ou por um grupo. As Constituições brasileiras de 1824, 1937, 1967 e 1969 foram outorgadas. Cabe alertar para uma espécie de Constituição, entendida como uma Constituição outorgada por um bom número de autores, que é a Constituição Cesarista, examinada por plebiscito (para alguns autores tratar-se-ia de referendo) sobre um projeto formado por um imperador ou ditador, sendo que a participação popular não é democrática porque visa apenas confirmar a vontade do detentor do poder. 5. Quanto à estabilidade (ou consistência, ou processo de reforma) Rígida Classificação relativa a rigidez constitucional foi estabelecida, inicialmente, por Lord Bryce. Trata-se de uma Constituição que somente pode ser modificada mediante processo legislativo, solenidades e exigências formais especiais, diferentes e mais difíceis do que aqueles exigidos para a formação e modificação de leis comuns (ordinárias e complementares). Quanto maior for a dificuldade, maior será a rigidez. A rigidez da atual Constituição Brasileira é marcada pelas limitações procedimentais ou formais (incisos e §§ 2º, 3º, e 5º). Quase todos os Estados modernos aderem a essa forma de Constituição, assim como todas as Constituições Brasileiras, salvo a primeira, a Constituição Imperial, de 1824. Cabe lembrar que só há rigidez constitucional em Constitui ç ões escritas e que só cabe controle da constitucionalidade na parte rígida de uma Constituição. Por consequência, não existe possibilidade de controle da constitucionalidade nas Constituições flexíveis ou em qualquer Constituição costumeira. Flexível (ou plástica) É aquela Constituição que pode ser modificada livremente pelo legislador segundo o mesmo processo de elaboração e modificação das leis ordinárias. A flexibilidade constitucional se faz possível tanto nas Constituições costumeiras quanto nas Constituições escritas. Semi-Rígida É a Constituição que contém uma parte rígida e outra flexível. A Constituição Imperial Brasileira de 1824 foi semi-rígida. G Cabe alertar que alguns doutrinadores estabelecem outra espécie, a Constituição imutável. Mas a grande maioria dos autores a considera reprovável porque entende que a estabilidade das Constituições não deve ser absoluta, " id="pdf-obj-0-2" src="pdf-obj-0-2.jpg">

Direito Constitucional Classificação das Constituições Profº Ronaldo Meireles 1

CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES

Existem vários modos da doutrina classificação das Constituições. Boa parte será baseada na obra de José Afonso da Silva.

1.Quanto ao conteúdo

Material (ou substancial)

A Constituição material no sentido estrito significa o conjunto de normas constitucionais escritas ou costumeiras, inseridas ou não num documento escrito, que regulam a estrutura do Estado, a organização de seus órgãos e os direitos fundamentais, não se admitindo como constitucional qualquer outra matéria que não tenha aquele conteúdo essencialmente constitucional. Vale dizer que é possível separarem-se normas verdadeiramente constitucionais, isto é, normas que realmente devem fazer parte do texto de uma Constituição, daquelas outras, que só estão na Constituição por uma opção política, mas ficariam bem nas leis ordinárias.

Formal A Constituição formal é o conjunto de normas escritas, hierarquicamente superior ao conjunto de leis comuns, independentemente de qual seja o seu conteúdo, isto é, estando na Constituição é formalmente constitucional, pois tem a forma de Constituição As Constituições escritas não raro inserem matéria de aparência constitucional, que assim se designa exclusivamente por haver sido introduzida na Constituição, enxertada no seu corpo normativo e não porque se refira aos elementos básicos ou institucionais da organização política.

A Constituição Imperial Brasileira de 1824 fazia a nítida e

expressa diferença entre normas de conteúdo material e as de conteúdo formal.

2. Quanto à forma Escrita (ou positiva)

É a Constituição codificada e sistematizada num texto único, escrito, elaborado por um órgão constituinte, encerrando

todas as normas tidas como fundamentais sobre a estrutura do Estado, a organização dos poderes constituídos, seu modo de exercício e limites de atuação, e os direitos fundamentais (políticos, individuais, coletivos, econômicos e sociais).

Não escrita (ou costumeira, ou consuetudinária)

É a Constituição cujas normas não constam de um documento único e solene, mas se baseia principalmente nos costumes, na jurisprudência e em convenções e em textos constitucionais esparsos. Até o século XVIII preponderavam as Constituições costumeiras, hoje restaram poucas, como a

Inglesa e a de Israel, esta última em vias de ser positivada.A É importante notar que, com o advento da Emenda Constitucional nº. 45, foi introduzido o § 3º, no art. 5º, possibilitando que tratado internacional sobre direito humanos possa ter força de norma constitucional, ainda que não esteja inserido formalmente na CF/88. Esse fato novo parece ter suavizado a condição de Constituição escrita da atual Carta brasileira.

Assim, o novo parágrafo 3º do art. 5º: “Os tratados e

convenções internacionais sobre direitos humanos que forem

aprovados, em cada Casa do Congresso Nacional, em dois turnos, por três quintos dos votos dos respectivos membros,

serão equivalentes às emendas constitucionais”.

3. Quanto ao modo de elaboração Dogmática

Será sempre uma Constituição escrita, é a elaborada por um órgão constituinte, e sistematiza os dogmas ou ideias fundamentais da teoria política e do Direito dominantes no momento.

Histórica (ou costumeira)

Sempre uma Constituição não escrita, resulta de lenta transformação histórica, do lento evoluir das tradições, dos fatos sócio-políticos.

4. Quanto à origem Promulgada (popular ou democrática ou votada)

É a Constituição que se origina de um órgão constituinte composto de representantes do povo, eleitos com a finalidade de elaborar e estabelecer aquela Constituição, portanto nasce de uma assembleia popular, seja esta representada por uma pessoa ou por um órgão colegiado. As Constituições brasileiras de 1891, 1934, 1946 e 1988 foram promulgadas.

Outorgada

É a Constituição elaborada e estabelecida sem a participação do povo, ou seja, a que o governante impõe ao povo de forma arbitrária, podendo ser elaborada por uma pessoa ou por um grupo. As Constituições brasileiras de 1824, 1937, 1967 e 1969 foram outorgadas. Cabe alertar para uma espécie de Constituição, entendida como uma Constituição outorgada por um bom número de autores, que é a Constituição Cesarista, examinada por plebiscito (para alguns autores tratar-se-ia de referendo) sobre um projeto formado por um imperador ou ditador, sendo que a participação popular não é democrática porque visa apenas confirmar a vontade do detentor do poder.

5. Quanto à estabilidade (ou consistência, ou processo de reforma) Rígida

Classificação relativa a rigidez constitucional foi estabelecida, inicialmente, por Lord Bryce. Trata-se de uma Constituição que somente pode ser modificada mediante processo legislativo, solenidades e exigências formais especiais, diferentes e mais difíceis do que aqueles exigidos para a formação e modificação de leis comuns (ordinárias e complementares). Quanto maior for a dificuldade, maior será a rigidez. A rigidez da atual Constituição Brasileira é marcada pelas limitações procedimentais ou formais (incisos e §§ 2º,

3º, e 5º). Quase todos os Estados modernos aderem a essa forma de Constituição, assim como todas as Constituições Brasileiras, salvo a primeira, a Constituição Imperial, de 1824. Cabe lembrar que só há rigidez constitucional em Constituições escritas e que só cabe controle da constitucionalidade na parte rígida de uma Constituição. Por consequência, não existe possibilidade de controle da constitucionalidade nas Constituições flexíveis ou em qualquer Constituição costumeira.

Flexível (ou plástica)

É aquela Constituição que pode ser modificada livremente pelo legislador segundo o mesmo processo de elaboração e modificação das leis ordinárias. A flexibilidade constitucional se faz possível tanto nas Constituições costumeiras quanto nas Constituições escritas.

Semi-Rígida

É a Constituição que contém uma parte rígida e outra flexível. A Constituição Imperial Brasileira de 1824 foi semi-rígida. G Cabe alertar que alguns doutrinadores estabelecem outra espécie, a Constituição imutável. Mas a grande maioria dos autores a considera reprovável porque entende que a estabilidade das Constituições não deve ser absoluta,

Direito Constitucional – Classificação das Constituições – Profº Ronaldo Meireles 2 imutável, perene, porque a própriaç ão que abrange apenas, de forma Constituição Semântica sucinta, principios constitucionais gerais ou enuncia regras básicas de organização e funcionamento do sistema jurídico estatal, deixando a parte de pormenorização à legislação É aquela que serve para justificar a dominação daqueles que exercem o poder político. Fonte: http://www.okconcursos.com.br/apostilas/apostila- complementar. gratis/122-direito-constitucional/304-classificacao-das- Prolixa (ou analítica) constituicoes#.Vo0DnegrLIU . É aquela Constituição que trata de minúcias de regulamentação, que melhor caberiam em normas ordinárias. QUESTÕES PARA FIXAÇÃO Segundo o mestre Bonavides, estas Constituições apresentam-se cada vez em maior número, incluindo-se a atual Constituição Brasileira. 1. (FCC/AJEM-TRT-7ª/2009) A Constituição que prevê somente os princípios e as normas gerais de regência do 7. Quanto à supremacia Estado, organizando o e limitando seu poder, por meio da a) pactuada. Constituição Material estipulação de direitos e garantias fundamentais é É aquela que se apresenta não necessariamente sob a forma escrita e é modificável por processos e formalidades classificada como: ordinários e por vezes independentemente de qualquer b) analítica. processo legislativo formal (através de novos costumes e c) dirigente. entendimentos jurisprudenciais). d) dualista. Constituição Formal e) sintética. É aquela que se apresenta sob a forma de um documento escrito, solenemente estabelecido quando do exercício do 2. (FCC/AJEM-TRT-16ª/2009) A doutrina constitucional tem poder constituinte e somente modificável por processos e formalidades especiais nela própria estabelecidos.Apóia-se classificado a nossa atual Constituição Federal (1988) como escrita, legal: na rigidez constitucional. a) formal, pragmática, outorgada, semi-rígida e sintética. 8. Constituição Garantia e Dirigente b) material, pragmática, promulgada, flexível e sintética. Constituição Garantia c) formal, dogmática, promulgada, rígida e analítica. É a Constituição que se preocupa especialmente em proteger d) substancial, pragmática, promulgada, semi-rígida e os direitos individuais frente aos demais indivíduos e analítica. especialmente ao Estado. Impõe limites à atuação do Estado e) material, dogmática, outorgada, rígida e sintética. na esfera privada e estabelece ao Estado o dever de não- fazer (obrigação-negativa, status negativus). 3. (FCC/AJEM-TRT-4ª/2009) A Constituição da República a) formal, histórica ou costumeira, promulgada, flexível e Constituição Dirigente (Programática ou Compromissória) Federativa do Brasil (1988), pode ser classificada quanto ao seu conteúdo, seu modo de elaboração, sua origem, sua É a Constituição que contém um conjunto de normas- princípios, ou seja, normas constitucionais de princípio estabilidade e sua extensão, como: programático, com esquemas genéricos, programas a serem sintética. desenvolvidos ulteriormente pela atividade dos legisladores b) material, dogmática, outorgada, rígida e sintética. ordinários. c) formal, dogmática, promulgada, super-rígida e analítica. No entender de Raul Machado Horta, as normas d) material, pragmática, outorgada, semi-rígida e sintética. programáticas exigem não só a regulamentação legal, mas e) formal, histórica ou costumeira, outorgada, flexível e também decisões políticas e providências administrativas. As analítica. normas programáticas constitucionais estabelecem fundamentos, fixam objetivos, declaram princípios e 4. (FCC/Analista-TRE-MG/2005) Tendo em vista a enunciam diretrizes. Tais normas, que José Afonso da Silva situa dentre as de eficácia limitada, não são de reconhecimento pacífico na doutrina no que se refere a sua existência. É importante classificação das constituições, pode-se dizer que a Constituição da República Federativa do Brasil vigente é considerada escrita e legal, assim como a)super-rígida, popular, histórica, sintética e semântica. lembrar que como qualquer norma constitucional, as normas b) rígida, promulgada, dogmática, analítica e formal. de eficácia limitada, entre elas as programáticas, têm c) semi-rígida, democrática, dogmática, sintética e pactuada. eficácia, ou seja, produzem efeitos (para relembrar, voltar à d) flexível, outorgada, dogmática, analítica e nominalista. classificação quanto à eficácia das normas constitucionais). e) flexível, promulgada, histórica, analítica e formal. A atual Constituição Brasileira traz numerosas normas de princípio programático, como por exemplo: arts. 3º, 4º, § único; 144; 196; 205 e 225. 5. (FCC/Auditor TCE-AM/2007) Considerando os vários critérios utilizados para classificar as constituições, elas podem ser classificadas quanto I. à forma, em escritas e não escritas; Constituição Balanço II. ao conteúdo, em materiais e formais; É a Constituição que, ao caracterizar uma determinada organização política presente, prepara a transição para uma nova etapa. III. à origem, em promulgadas e outorgadas; IV. à estabilidade, em imutáveis, rígidas, flexíveis e semi- rígidas; 9. Classificação desenvolvida por Karl Loewenstein V. à finalidade, em dirigentes e garantias. " id="pdf-obj-1-2" src="pdf-obj-1-2.jpg">

Direito Constitucional Classificação das Constituições Profº Ronaldo Meireles 2

imutável, perene, porque a própria dinâmica social exige constantes adaptações para atender as suas exigências. A

 

Denominada ontológica porque se baseia no uso que os detentores do poder fazem da Constituição:

Constituição deve representar a vontade de um povo e essa

Constituição Normativa

vontade varia com o tempo, por isso a necessidade de que a Constituição se modifique.

É a Constituição efetiva, ou seja, ela determina o exercício do poder, obrigando todos a sua submissão.

  • 6. Quanto à extensão

Constituição Nominal ou Nominativa

Concisa (ou sintética)

É aquela ignorada pela prática do poder.

É aquela Constituição que abrange apenas, de forma

Constituição Semântica

sucinta, principios constitucionais gerais ou enuncia regras básicas de organização e funcionamento do sistema jurídico estatal, deixando a parte de pormenorização à legislação

É aquela que serve para justificar a dominação daqueles que exercem o poder político. Fonte: http://www.okconcursos.com.br/apostilas/apostila-

complementar.

Prolixa (ou analítica)

É aquela Constituição que trata de minúcias de

 

regulamentação, que melhor caberiam em normas ordinárias.

 

QUESTÕES PARA FIXAÇÃO

Segundo o mestre Bonavides, estas Constituições

 

apresentam-se cada vez em maior número, incluindo-se a atual Constituição Brasileira.

 

1. (FCC/AJEM-TRT-7ª/2009) A Constituição que prevê somente os princípios e as normas gerais de regência do

  • 7. Quanto à supremacia

Estado, organizando o e limitando seu poder, por meio da

  • a) pactuada.

Constituição Material

estipulação de direitos e garantias fundamentais é

É aquela que se apresenta não necessariamente sob a forma escrita e é modificável por processos e formalidades

classificada como:

ordinários e por vezes independentemente de qualquer

  • b) analítica.

processo legislativo formal (através de novos costumes e

  • c) dirigente.

entendimentos jurisprudenciais).

  • d) dualista.

Constituição Formal

  • e) sintética.

É aquela que se apresenta sob a forma de um documento escrito, solenemente estabelecido quando do exercício do

2. (FCC/AJEM-TRT-16ª/2009) A doutrina constitucional tem

poder constituinte e somente modificável por processos e formalidades especiais nela própria estabelecidos.Apóia-se

classificado a nossa atual Constituição Federal (1988) como escrita, legal:

na rigidez constitucional.

  • a) formal, pragmática, outorgada, semi-rígida e sintética.

  • 8. Constituição Garantia e Dirigente

  • b) material, pragmática, promulgada, flexível e sintética.

Constituição Garantia

  • c) formal, dogmática, promulgada, rígida e analítica.

É a Constituição que se preocupa especialmente em proteger

  • d) substancial, pragmática, promulgada, semi-rígida e

os direitos individuais frente aos demais indivíduos e

analítica.

especialmente ao Estado. Impõe limites à atuação do Estado

  • e) material, dogmática, outorgada, rígida e sintética.

na esfera privada e estabelece ao Estado o dever de não- fazer (obrigação-negativa, status negativus).

3. (FCC/AJEM-TRT-4ª/2009) A Constituição da República

  • a) formal, histórica ou costumeira, promulgada, flexível e

Constituição Dirigente (Programática ou Compromissória)

Federativa do Brasil (1988), pode ser classificada quanto ao seu conteúdo, seu modo de elaboração, sua origem, sua

É a Constituição que contém um conjunto de normas- princípios, ou seja, normas constitucionais de princípio

estabilidade e sua extensão, como:

programático, com esquemas genéricos, programas a serem

sintética.

desenvolvidos ulteriormente pela atividade dos legisladores

  • b) material, dogmática, outorgada, rígida e sintética.

ordinários.

  • c) formal, dogmática, promulgada, super-rígida e analítica.

No entender de Raul Machado Horta, as normas

  • d) material, pragmática, outorgada, semi-rígida e sintética.

programáticas exigem não só a regulamentação legal, mas

  • e) formal, histórica ou costumeira, outorgada, flexível e

também decisões políticas e providências administrativas. As

analítica.

normas programáticas constitucionais estabelecem fundamentos, fixam objetivos, declaram princípios e

4. (FCC/Analista-TRE-MG/2005) Tendo em vista a

enunciam diretrizes. Tais normas, que José Afonso da Silva situa dentre as de eficácia limitada, não são de reconhecimento pacífico na doutrina no que se refere a sua existência. É importante

classificação das constituições, pode-se dizer que a Constituição da República Federativa do Brasil vigente é considerada escrita e legal, assim como a)super-rígida, popular, histórica, sintética e semântica.

lembrar que como qualquer norma constitucional, as normas

  • b) rígida, promulgada, dogmática, analítica e formal.

de eficácia limitada, entre elas as programáticas, têm

  • c) semi-rígida, democrática, dogmática, sintética e pactuada.

eficácia, ou seja, produzem efeitos (para relembrar, voltar à

  • d) flexível, outorgada, dogmática, analítica e nominalista.

classificação quanto à eficácia das normas constitucionais).

  • e) flexível, promulgada, histórica, analítica e formal.

A atual Constituição Brasileira traz numerosas normas de princípio programático, como por exemplo: arts. 3º, 4º, § único; 144; 196; 205 e 225.

5. (FCC/Auditor TCE-AM/2007) Considerando os vários critérios utilizados para classificar as constituições, elas podem ser classificadas quanto I. à forma, em escritas e não escritas;

Constituição Balanço

II. ao conteúdo, em materiais e formais;

É a Constituição que, ao caracterizar uma determinada organização política presente, prepara a transição para uma nova etapa.

III. à origem, em promulgadas e outorgadas; IV. à estabilidade, em imutáveis, rígidas, flexíveis e semi- rígidas;

  • 9. Classificação desenvolvida por Karl Loewenstein

V. à finalidade, em dirigentes e garantias.

Direito Constitucional – Classificação das Constituições – Profº Ronaldo Meireles 3 É correto o que se

Direito Constitucional Classificação das Constituições Profº Ronaldo Meireles 3

É correto o que se afirma em

 
  • 14. (CESPE/AJ-Taquigrafia-TJES/2011) Outorgada por

  • a) I, II, III, IV e V.

uma Assembleia Constituinte, a Constituição Federal de 1988

  • b) I e II, somente.

(CF) é também classificada como escrita, formal, analítica,

  • c) I, III, V, somente.

dogmática e rígida.

  • d) II, III e IV, somente.

  • e) III, IV e V, somente.

  • 15. (CESPE/Promotor-MPE-RO/2010) De acordo com a

(FCC/Analista

  • 6. -

TRT

16ª/2009) Semiflexível é a

classificação quanto à extensão, no Brasil, a Constituição de 1988 é sintética, pois constitucionaliza aspectos além do

constituição, na qual algumas regras poderão ser alteradas pelo processo legislativo ordinário.

núcleo duro das constituições, estabelecendo matérias que poderiam ser tratadas mediante legislação

  • 7. (FCC/Analista-MPE-SE/2009) A Constituição brasileira de

infraconstitucional.

1824 previa, em seus artigos 174 e 178: "Art. 174. Se

  • 16. (CESPE/Promotor-MPE-RO/2010) As constituições

passados quatro anos, depois de jurada a Constituição do Brasil, se conhecer, que algum dos seus artigos merece

denominadas rígidas são aquelas que não admitem alteração e que, por isso mesmo, são consideradas permanentes.

reforma, se fará a proposição por escrito, a qual deve ter origem na Câmara dos Deputados, e ser apoiada pela terça

  • 17. (CESPE/AJAA-TRE-BA/2010) Toda constituição é

parte deles." "Art. 178. É só Constitucional o que diz respeito aos limites e atribuições respectivas dos Poderes Políticos e

necessariamente escrita e representada por um texto solene e codificado.

aos Direitos Políticos e individuais dos Cidadãos. Tudo o que não é Constitucional pode ser alterado sem as

  • 18. (CESPE/MMA/2009) A CF vigente, quanto à sua

formalidades referidas, pelas Legislaturas ordinárias."

alterabilidade, é do tipo semiflexível, dada a possibilidade de

Depreende-se dos dispositivos acima transcritos que a Constituição brasileira do Império era do tipo semirrígida, quanto à alterabilidade de suas normas, diferentemente da

serem apresentadas emendas ao seu texto; contudo, com quórum diferenciado em relação à alteração das leis em geral.

Constituição vigente, que, sob esse aspecto, é rígida.

  • 19. (CESPE/MMA/2009) Uma Constituição do tipo cesarista

  • 8. (FCC/Técnico Superior - PGE-RJ/2009) O conceito de

se caracteriza, quanto à origem, pela ausência da

normas materialmente constitucionais foi utilizado pela

participação popular na sua formação.

 

Constituição do Império (1824) para flexibilizar parcialmente a Constituição.

  • 20. (CESPE/Advogado-EMBRASA/2010) A Constituição da

  • 9. (FCC/Procurador do TCE-MG/2007) No que se refere à

República Federativa do Brasil de 1988 (CF) não pode ser classificada como uma constituição popular, uma vez que se

classificação das constituições, é certo que as:

originou de um órgão constituinte composto de

  • a) sintéticas se formam do produto sempre escrito e flexível,

representantes do povo, e não da aprovação dos cidadãos

sistematizado por um órgão governamental, a partir de ideias

mediante referendo.

da teoria política e do direito dominante.

  • b) dogmáticas são frutos da lenta e contínua síntese das

  • 21. (CESPE/MMA/2009) A CF de 1988, quanto à origem, é

tradições e usos de um determinado povo, podendo

promulgada, quanto à extensão, é analítica e quanto ao modo

apresentar-se de forma escrita ou não-escrita.

de elaboração, é dogmática.

  • c) formais consistem no conjunto de regras materialmente

constitucionais, editadas com legitimidade, estejam ou não

  • 22. (CESPE/TCE-AC/2009)

Segundo

a

classificação

da

codificadas em um único documento.

doutrina, a CF é um exemplo de constituição rígida.

  • d) promulgadas se apresentam por meio de imposições do

 

poder de determinada época, sem a participação popular,

  • 23. (CESPE/Promotor-MPE-RN/2009) A Carta outorgada

tendo natureza imutável.

 

em 10 de novembro de 1937 é exemplo de texto

  • e) analíticas ou dirigentes, examinam e regulamentam todos

constitucional colocado a serviço do detentor do poder, para

os assuntos que entendam relevantes à formação, destinação e funcionamento do Estado.

seu uso pessoal. É a máscara do poder. É uma Constituição que perde normatividade, salvo nas passagens em que

10. (CESPE/Analista - TJ-RR/2012) Na denominada constituição semântica, a atividade do intérprete limita-se à averiguação de seu sentido literal.

confere atribuições ao titular do poder. Numerosos preceitos da Carta de 1937 permaneceram no domínio do puro nominalismo, sem qualquer aplicação e efetividade no mundo das normas jurídicas - Raul Machado Horta. Direito

11. (CESPE/MPE-PI/2012) A doutrina denomina constituição semântica as cartas políticas que apenas refletem as subjacentes relações de poder, correspondendo a meros simulacros de constituição.

constitucional. 2.a ed. Belo Horizonte: Del Rey, 1999, p. 54-5 (com adaptações). Considerando a classificação ontológica das constituições,a Constituição de 1937, conforme a descrição anterior pode ser classificada como constituição outorgada.

12. (CESPE/Técnico Judiciário - TJ-RR/2012) A CF pode

13. (CESPE/ Técnico Judiciário - TJ-RR/ 2012) A CF,

  • 24. (CESPE/Juiz Federal Substituto - TRF 1ª/2009) Quanto

ser classificada, quanto à mutabilidade, como rígida, uma vez que não pode ser alterada com a mesma simplicidade com a qual se modifica uma lei.

elaborada por representantes legítimos do povo, é exemplo de constituição outorgada.

à correspondência com a realidade, ou critério ontológico, o processo de poder, nas constituições normativas, encontra- se de tal modo disciplinado que as relações políticas e os agentes do poder se subordinam às determinações de seu conteúdo e do seu controle procedimental.

  • 25. (CESPE/Analista-SERPRO/2008) Na Constituição, a

dinâmica do processo político não se adapta às suas normas,

Direito Constitucional – Classificação das Constituições – Profº Ronaldo Meireles 4 embora ela conserve, em sua

Direito Constitucional Classificação das Constituições Profº Ronaldo Meireles 4

embora ela conserve, em sua estrutura, um caráter educativo, com vistas ao futuro da sociedade. Seria uma Constituição prospectiva, isto é, voltada para um dia ser realizada na prática. Mas, enquanto não realizar todo o seu programa, continuaria a desarmonia entre os pressupostos formais nela insculpidos e sua aplicabilidade. É como se fosse uma roupa guardada no armário que será vestida futuramente, quando o corpo nacional tiver crescido. - Uadi Lammêgo Bulos. Constituição Federal anotada, 8.ª ed., São Paulo. Saraiva, 2008, p. 32. A espécie de constituição apontada no texto é definida como constituição nominal.

  • 27. (CESPE/Procurador-TCE-ES/2009) Quanto ao modo de

elaboração, a constituição dogmática decorre do lento processo de absorção de ideias, da contínua síntese da história e das tradições de determinado povo.

  • 28. (CESPE/Procurador-TCE-ES/2009) Sob o ponto de vista

da extensão, a constituição analítica consubstancia apenas normas gerais de organização do Estado e disposições pertinentes aos direitos fundamentais.

  • 29. (CESPE/Juiz Federal Substituto - TRF 1ª/2009) Na

acepção formal, terá natureza constitucional a norma que tenha sido introduzida na lei maior por meio de procedimento mais dificultoso do que o estabelecido para as normas infraconstitucionais, desde que seu conteúdo se refira a regras estruturais do Estado e seus fundamentos.

  • 30. (CESPE/Juiz Federal Substituto - TRF 1ª/2009)

Considerando o conteúdo ideológico das constituições, a vigente Constituição brasileira é classificada como liberal ou negativa.

  • 31. (CESPE/Juiz

Federal

Substituto

TRF

5ª/2009)

Constituição rígida é aquela que não pode ser alterada.

  • 32. (CESPE/TJAA-TRE-MG/2008) A constituição material

contém um conjunto de regras escritas, constantes de um

documento solene estabelecido pelo chamado poder constituinte originário.

  • 33. (CESPE/TJAA-TRE-MG/2008) As constituições

outorgadas decorrem da participação popular no processo de elaboração.

  • 34. (CESPE/TJAA-TRE-MG/2008) A Constituição da

República Federativa do Brasil de 1988 (CF) caracteriza-se por ser rígida e material.

  • 35. (CESPE/PGE-AL/2008) "Art. 242 § 2.º O Colégio Pedro

II, localizado na cidade do Rio de Janeiro, será mantido na órbita federal". A normas contida no dispositivo transcrito pode ser caracterizada como materialmente constitucionais, porquanto traduz a forma como o direito social à educação será implementado no Brasil.

  • 36. (CESPE/PGE-AL/2008) Os dispositivos constitucionais

relativos à composição e ao funcionamento da ordem política exprimem o aspecto formal da Constituição.

  • 37. (CESPE/PGE-AL/2008) A distinção entre o que é

constitucional só na esfera formal e aquilo que o é em sentido substancial só se produz nas constituições escritas.

  • 38. (CESPE/AJAJ-STF/2008) Se o art. X da Constituição Y

preceituar, na parte relativa às emendas à Constituição, que só é constitucional o que diz respeito aos limites, e

atribuições respectivas dos poderes políticos, e aos direitos políticos, e individuais dos cidadãos, e que tudo o que não é constitucional pode ser alterado, sem as formalidades referidas, pelas legislaturas ordinárias, nessa hipótese, a Constituição Y será uma constituição flexível.

39. (CESPE/Juiz Substituto TJ-PI/2007) No âmbito brasileiro, a Constituição Imperial de 1824 pode ser classificada como flexível, com base no que prescrevia seu art. 178: "É só Constitucional o que diz respeito aos limites e atribuições respectivas dos poderes políticos, e aos direitos políticos e individuais dos cidadãos. Tudo o que não é Constitucional pode ser alterado sem as formalidades referidas, pelas legislaturas ordinárias."

40. (CESPE/Procurador-AGU/2010) Segundo a doutrina, quanto ao critério ontológico, que busca identificar a correspondência entre a realidade política do Estado e o texto constitucional, é possível classificar as constituições em normativas, nominalistas e semânticas.