You are on page 1of 3

QUAL É O PROBLEMA?

Um dos maiores choques de minha vida foi na noite anterior ao meu primeiro dia de pós-graduação em
administração. Havia sido um dos quatro brasileiros escolhidos naquele ano, e todos nós acreditávamos,
ingenuamente, que o difícil fora ter entrado em Harvard, e que o mestrado em si seria sopa. Ledo engano.
Tínhamos de resolver naquela noite três estudos de caso de oitenta páginas cada um. O estudo de caso era uma
novidade para mim. Lá não há aulas de inauguração, na qual o professor diz quem ele é e o que ensinará durante
o ano, matando assim o primeiro dia de aula. Essas informações podem ser dadas antes. Aliás, a carta em que
me avisaram que fora aceito como aluno veio acompanhada de dois livros para ser lidos antes do início das
aulas.
O primeiro caso a ser resolvido naquela noite era de marketing, em que a empresa gastava boas somas em
propaganda, mas as vendas caíam ano após ano. Havia comentários detalhados de cada diretor da companhia,
um culpando o outro, e o caso terminava com uma análise do presidente sobre a situação.
O caso terminava ali, e ponto final. Foi quando percebi que estava faltando algo. Algo que nunca tinha me
ocorrido nos dezoito anos de estudos no Brasil. Não havia nenhuma pergunta do professor a responder. O que
nós teríamos de fazer com aquele amontoado de palavras? Eu, como meus outros colegas brasileiros, esperava
perguntas do tipo "Deve o presidente mudar de agência de propaganda ou demitir seu diretor de marketing?".
Afinal, estávamos todos acostumados com testes de vestibular e perguntas do tipo "Quem descobriu o Brasil?".
Harvard queria justamente o contrário. Queria que nós descobríssemos as perguntas que precisam ser
respondidas ao longo da vida.
Uma reviravolta e tanto. Eu estava acostumado a professores que insistiam em que decorássemos as perguntas
que provavelmente iriam cair no vestibular.
Adorei esse novo método de ensino, e quando voltei para dar aulas na Universidade de São Paulo, trinta anos
atrás, acabei implantando o método de estudo de casos em minhas aulas. Para minha surpresa, a reação da classe
foi a pior possível.
"Professor, qual é a pergunta?", perguntavam-me. E, quando eu respondia que essa era justamente a primeira
pergunta a que teriam de responder, a revolta era geral: "Como vamos resolver uma questão que não foi sequer
formulada?".
Temos um ensino no Brasil voltado para perguntas prontas e definidas, por uma razão muito simples: é mais
fácil para o aluno e também para o professor. O professor é visto como um sábio, um intelectual, alguém que
tem solução para tudo. E os alunos, por comodismo, querem ter as perguntas feitas, como no vestibular.
Nossos alunos estão sendo levados a uma falsa consciência, o mito de que todas as questões do mundo já foram
formuladas e solucionadas. O objetivo das aulas passa a ser apresentá-las, e a obrigação dos alunos é repeti-las
na prova final.
Em seu primeiro dia de trabalho você vai descobrir que seu patrão não lhe perguntará quem descobriu o Brasil e
não lhe pagará um salário por isso no fim do mês. Nem vai lhe pedir para resolver "4/2 = ?". Em toda a minha
vida profissional nunca encontrei um quadrado perfeito, muito menos uma divisão perfeita, os números da vida
sempre terminam com longas casas decimais.
Seu patrão vai querer saber de você quais são os problemas que precisam ser resolvidos em sua área. Bons
administradores são aqueles que fazem as melhores perguntas, e não os que repetem suas melhores aulas.
Uma famosa professora de filosofia me disse recentemente que não existem mais perguntas a ser feitas, depois
de Aristóteles e Platão. Talvez por isso não encontramos solução para os inúmeros problemas brasileiros de
hoje. O maior erro que se pode cometer na vida é procurar soluções certas para os problemas errados.
Em minha experiência e na da maioria das pessoas que trabalham no dia-a-dia, uma vez definido qual é o
verdadeiro problema, o que não é fácil, a solução não demora muito a ser encontrada.
Se você pretende ser útil na vida, aprenda a fazer boas perguntas mais do que sair arrogantemente ditando
respostas. Se você ainda é um estudante, lembre-se de que não são as respostas que são importantes na vida, são
as perguntas.

Stephen Kanitz é administrador por Harvard (www.kanitz.com.br)


Editora Abril, Revista Veja, edição 1898, ano 38, nº 13, 30 de março de 2005, página 18

A Era do Administrador

Por que os Estados Unidos são o país mais bem-sucedido do mundo? Porque é um país que resolveu o problema
da miséria e da estagnação econômica, ao contrário do Brasil?
O segredo americano, e que você jamais encontrará em nenhum livro de economia, é que os Estados Unidos são
um país bem administrado, um país administrado por profissionais.
Dezenove por cento dos graduados de universidades americanas são formados em administração. Administração
é a profissão mais freqüente, e, portanto a que dá o tom ao resto da nação.
Infelizmente, o Brasil nunca foi bem administrado. Sempre fomos administrados por profissionais de outras
áreas, desde nossas empresas até o governo. Até recentemente, tínhamos somente quatro cursos de pós-
graduação em administração, um absurdo!
De 1832 a 1964 a profissão mais freqüente no Brasil era a de advogado, e foi essa a profissão que exerceu a
maior influência no país, tanto que nos deu a maioria de nossos presidentes até 1964. A revolução de 1964
acabou com a era do advogado e a legalidade, e tivemos a era do economista, que perdura até hoje.
Nos próximos dez anos isso lentamente mudará. O Brasil já tem 2.300 cursos de administração, contra 350 em
1994. Estamos logo depois dos Estados Unidos e da Índia.
Administração já é hoje a profissão mais freqüente deste país, com 18% dos formandos. Antes, nossos gênios
escolhiam medicina, direito e engenharia. Agora escolhem medicina, administração e direito, nessa ordem.
Há dez anos tínhamos apenas 200.000 administradores, e só 5% das empresas contavam com um profissional
para tocá-las. O resto era dirigido por "empresários" que aprendiam administração no tapa. Por isso, até hoje
50% das empresas brasileiras quebram nos dois primeiros anos e metade de nosso capital inicial vira pó.
O que o aumento da participação dos administradores na gestão das empresas significará para o Brasil? Uma
nova era muito promissora. Finalmente seremos administrados por profissionais, e não por amadores. Daqui
para a frente, 75% das empresas não quebrarão nos primeiros quatro anos de vida, e nossos investimentos
gerarão empregos, e não falências.
Em 2010, teremos 2 milhões de administradores formados, e se cada um empregar vinte pessoas haverá 40
milhões de empregos novos. Será o fim da exclusão social.
Administradores nunca foram ouvidos por políticos e deputados nem concorriam a cargos públicos. Em 2010, é
muito provável que teremos nosso primeiro presidente da República formado em administração. Por incrível que
pareça, nunca tivemos um executivo no Executivo.
Muitos de nossos ministros e governantes aprendiam administração no próprio cargo, errando a um custo social
imenso para a nação. Foi-se o tempo em que o mundo era simples e não havia necessidade de ter um curso de
administração para ser um bom administrador.
Em 2006, o candidato da oposição que demonstrar boa capacidade gerencial será um forte candidato à sucessão
de Lula. João Paulo Cunha, do PT, já o alertou de que, "se houver um bom administrador, ele conquistará o
eleitorado da periferia".
Não quero exagerar a importância dos administradores, mas somente lembrar que eles são o elo que faltava.
Ordem não gera progresso, estabilidade econômica não gera crescimento de forma espontânea, sempre há a
necessidade de um catalisador.
Não será uma transição fácil, pois as classes dominantes não aceitam dividir o poder que têm. Há muita gente
interessada em manter essa bagunça e desorganização, como vivem denunciando Luiz Nassif, Arnaldo Jabor e
José Simão. Gente que é contra supervisão, eficiência e organização.
Administradores têm pouco espaço na imprensa para defender suas idéias e soluções. Em pleno século XXI, sou
um dos raros administradores com uma coluna na grande imprensa brasileira, e mesmo assim mensal. Peter
Drucker há quarenta anos tem uma coluna semanal em dezenas de jornais americanos, ele e mais trinta gurus da
administração.
Administradores têm outra forma de encarar o mundo. Eles lutam para criar a riqueza que ainda não temos.
Economistas e intelectuais lutam para distribuir a pouca riqueza que conseguimos criar, o que só tem gerado
mais impostos e mais pobreza.
Se esses 2 milhões de jovens administradores que vêm por aí ocuparem o espaço político que merecem, seremos
finalmente um país bem administrado, com 500 anos de atraso. Desejo a todos coragem e boa sorte.

Stephen Kanitz é administrador por Harvard (www.kanitz.com.br)


Editora Abril, Revista Veja, edição 1886, ano 38, nº 1, 5 de janeiro de 2005, página 21

ATIVIDADE SUGERIDA
(não é necessário entregar ao professor)

Considerando, a abordagem Neoclássica, a APO (Administração por Objetivos), os textos em destaque no PLT
nas paginas 173, 174 e 175, e este artigo “A ERA DO ADMINSTRADOR”, no seu entendimento porque
algumas administrações públicas e privadas não obtêm êxito ou fracassam totalmente?

R: