Вы находитесь на странице: 1из 2

A Meia-Noite, No Jadim Do Bem Do Mal

"Que não está morto aquilo que é capaz de eterno jazer, e ao longo de eras estranhas mesmo a
morte pode morrer."

Da obra "Estâncias" de Dzyan, em torno da qual toda "A Doutrina Secreta" se acha organizada
como um comentário, Madame Blavatsky nos informa que cada homem é uma sombra ou centelha
de uma divindade de sabedoria, poder e espiritualidade superlativos. Esses seres sensíveis são
chamados de deuses ou Essências universais por uma das autoridades em teurgia. Deuses esses
que representam a ordem.

Ma antes que o Homem caminhasse sobre a terra, dominava os Grandes Antigos, que desde das
eras mais remotas aguardava, em outra dimensão, para retornar o que lhes pertence e exterminar
a intrusa humanidade.

Os teosofistas fizeram conjecturas sobre a apavorante imensidão do ciclo cósmico, do qual nosso
mundo e raça humana constituem meros incidentes transitórios. Eles aludiram a estranhas
sobrevivências: "em tempos extremamente remotos criaturas dos caos e monstros incríveis vindos
de outros universos habitavam a terra."

O mal descrito por Lovecraft é o mal em si, absoluto, evocando um mal ominoso; um mal se torna
real e consistente, tanto quanto os deuses e hierarquias atuais, principalmente as judaicos-cristãos.

Os Grandes Antigos são deuses que não se curvaram , nem se submeteram aos deuses
vencedores. São de igual porte. São a existência primordial, o Caos, antes da Ordem chegar.
Invoca-los é apagar as leis e as ordens vigentes. Esta é a possibilidade mágica do Necronomicon:
a reascenção dos Veneráveis Antigos e do Caos.

Keneth Grant faz um paralelo do culto de Crowley, com os deuses do Necronomicon. Então vamos
avaliar um pouco Thelema. Declarar-se thelemita é aceitar o Líber Al Vel Legis, é entrar em
sintonia com a corrente 93. Ao fazê-lo , certos centros psíquicos estarão sendo colocados em
atividade, bem como estaremos nos preparando para enfrentar as ordálias do caminho.

Crowley cultuou o deus SET. A mais velha forma conhecida do Príncipe das Trevas, o arquétipo da
Consciência de Si isolada, o deus egípcio Set, cujo sacerdócio remonta a épocas pré-dinásticas.

Imagens de Set têm sido datadas de antes de 3200 aEC (aEC = antes da era comum), com
estimativas astronomicamente baseadas de inscrições datando do ano 5000 aEC.

A corrente 93 é claramente typhoniana e/ou draconiana. Ou seja, ligada a gnose tipo zhoteriana
( vudu, maat, zos kia, etc). Zother , a estrela Siruis , que se identifica com o monstro Thipon, a mãe
de Seth.

Invocar as forças mágicas, não é apenas invocar os anjinhos cabalísticos,das sephiroth porque os
mesmos têm a sua contra-parte, as qlipoths; que segundo Dion Fortune, "elas são forças terríveis,
havendo perigo até mesmo em pensar sobre elas ". O trabalho do magista, consiste em equilibrar
as forças atuantes. No trabalho de invocação do Sagrado Anjo Guardião, baseado no Magia
Sagrada de Abramalin, nos diz que : "uma vez que ele (SAG) tenha se manifestado será então
necessário, primeiramente, fazer aparecer os Quatro Grandes Príncipes do Mal no Mundo, em
seguida os dezesseis sub-príncipes, e finalmente, os trezentos e dezesseis servidores destes."

No Necronomicon, toda a parte inicial invocatória inexiste. A convocação é imediata, direta e


frontal, o que exige do magista um imenso poder, pois é presumível que ele se verá frente a frente
com potências obscuras de aparência aterradora, sumamente perversas, detentoras de poder
colossal e possivelmente pertencentes a esferas e hierarquias associadas a própria gênese da
terra e a disputa da mesma.

Para os mais puritanos, muito antes do cristianismo, temos mitos antigos de mergulho nas trevas
infernais. Com por exemplo Hades, irmão de Zeus, a quem coube comandar os mundos abissais,
de mesmo nome Hades - o Inferno. Pesquisem o mito de Demeter.

O humor é necessário, até mesmo para prevenir a demência do mago, em suas invocações, e
proteger o ego de inflar e explodir . Mas ao ler diversos opiniões nesta lista, percebo pessoas que
consideram a magia uma brincadeira, que podem fazer e desfazer pactos; invocar anjinhos, etc.
Que podem ser caoístas, thelemitas, maatianos e ao mesmo tempo gnosticos cristãos,
carismáticos, new age, etc.

Muitos criticam Paulo Coelho – e não o estou defendendo – porém ele se aplicou as práticas
mágicas, e teve de enfrentar forças invocadas ,que hoje ele considara más, e isto é problema dele.
Mas foi um praticante. O ponto é que muitos falam, e são magistas (não ousem se
autodenominarem MAGOS), são magistas de cadeira. Lêem um pouco, participam de muitas listas,
etc. Antes que venham com pedras e paus, perguntem a si mesmo, quantos fazem diariamente
uma meditação ou o rito do Pentagrama Menor?, ou o Liber KKK, por pelo menos um ano? Ou
Liber Resh?

A descoberta de si mesmo, Self, é parte do trabalho mágico. Negar aquilo que está em nós nos
sabota e cria traumas: A nossa sombra. O trabalho da corrente typhoniana envolve a assimilação
da Sombra.

Quem procura o caminho da magia, vai se confrontar com caminhos desolados no reino das
trevas. Talvez seja possível recusar o encontro ou adiá-lo . Ou se colocar no mesmo, enfrentando
o seu inferno interior.

O mal o espreita, com aqueles olhos negros, vazios de qualquer sentimento, e você vai encará-lo
de frente. Cultue Seth, e despose a sua noiva Nuit. O trabalho de descoberta das sombras é direto.
Ao assentar dentro de seu interior, a entidade que trabalha, ocorre uma simbiose, descobrindo as
propriras trevas interiores, como a própria entidade.

Estão prontas para as ordálias do caminho escolhido? Sabem realmente o caminho escolhido? Ora
pois , a prática da meta-crença, do mote de que "Nada é verdadeiro, tudo é permitido", confere
uma liberdade horrosa e uma responsabilidade horrosa. Você, unicamente você, é responsável por
todos os seus atos.

Não há deus senão o homem.

IAO! SABAO! AGLA IEOUOUR IOU OUR IATO IAEO IOOU ABRASAX!

IO PAN! IO CAOS!