Вы находитесь на странице: 1из 8

Faculdade de Tecnologia SENAI CIMATEC

Engenharia Civil e Engenharia Mecânica

1
1

Unidade Curricular: Cálculo B

Professora: Melina Lima Assuntos: Máximos e Mínimos de Funções de Duas Variáveis

Aluno (a):

Data:

/

/

Máximos e Mínimos

Seja y f x . O ponto

f

do domínio de f é dito ponto de mínimo (máximo)

se existe um intervalo aberto centrado nele e contido no domínio de f tal

x

0

local de

que,

x x

0

Se

x

0

do intervalo, tem-se

f x f x f x f x

0

0

 

(

 

).

é ponto de mínimo (máximo) local, ele é dito ponto

extremante local

.

Se em vez de local estrito.

e , tivermos > e <, então

x

0

é ponto de mínimo (máximo)

> e <, então x 0 é ponto de mínimo (máximo) Figura 1: Representação de máximo
> e <, então x 0 é ponto de mínimo (máximo) Figura 1: Representação de máximo

Figura 1: Representação de máximo e mínimo local

Um ponto de máximo (mínimo) local estrito é um ponto de máximo (mínimo) local.

local Um ponto de máximo (mínimo) local estrito é um ponto de máximo (mínimo) local. Figura

Figura 2: Tangente horizontal

Faculdade de Tecnologia SENAI CIMATEC

Engenharia Civil e Engenharia Mecânica

SENAI CIMATEC Engenharia Civil e Engenharia Mecânica Figura 3: Máximos e mínimos 2 Um ponto x

Figura 3: Máximos e mínimos

2
2

Um ponto

x

0 interior do domínio de uma função

f

tal que

f x 0

0

é

chamado ponto crítico de f .

Um extremante local (estrito ou não) de uma função diferenciável é um ponto

crítico dela.

Um ponto crítico não necessariamente é um extremante local. O critério mostrado a seguir nos traz informações sobre pontos críticos de uma função.

Critério da Derivada Segunda para Funções de uma Variável

Suponha que f é duas vezes derivável no ponto crítico

x

0

. Assim:

x Se f  x

Se

f 

0

0

 

0, então

0, então

x

x

0

0

é pontodemínimo localestrito de

f

;

é pontodemáximo localestrito de

f

.

Exemplo: Sendo

determinar se cada ponto crítico é de máximo local estrito ou de mínimo local estrito de

f

 

x 336 x 15 x

2

2 x

3

, use o critério da derivada segunda para

f .

Solução: Calculemos à priori a primeira e a segunda derivadas:

e f x 30 12 x .

 

f x 36 30 x 6 x

2

Faculdade de Tecnologia SENAI CIMATEC

Engenharia Civil e Engenharia Mecânica

3
3

Determinando os pontos críticos: Para determinação dos pontos críticos devemos impor

f x 0:

 

f x 

36

30

x x  

6

2

0

36

30

x x

6

2

0

x

2

x  

5

6

0

. As raízes desta equação são 1 e -6 (verifique).

Analisando cada ponto crítico, teremos:

, ou seja,

f

130 12.10 . Assim, 1 é ponto de mínimo local estrito.

f

630 12.60 . Logo, -6 é ponto de máximo local estrito.

Observação: Se f  se anula em um ponto crítico, é possível que ele seja um máximo

(mínimo) local ou não.

Máximos e Mínimos de Funções de Duas Variáveis D] Seja z f x, y uma função de duas variáveis. Dizemos que x

0

,

y Df

0

ponto de máximo absoluto ou global de f , se

x, y D f , f x, y x , y

0

0

.

f x , y

0

0

é o valor máximo de f .

é

x, y 4x y x, y D f , 4x y f 0,0 4x y 4, x, y 

Exemplo: A função

absoluto ou global de f , pois para

2

2

2

2

2

f

2

2

tem o ponto (0,0) como ponto de máximo

. O valor máximo de

f

x, y 4x y

2

2

é

f 0,04

máximo de f  x , y  4  x  y  2 2

Figura 4: função e seu ponto de máximo

Faculdade de Tecnologia SENAI CIMATEC

Engenharia Civil e Engenharia Mecânica

4
4

D] Seja

z f x, y uma função de duas variáveis. Dizemos que x

0

,

y Df

0

ponto de mínimo absoluto ou global de

f x , y

0

0

é o valor mínimo de f .

f ,

se

x, y D f , f x, y f x , y

0

0

é

.

Ex: Para a função

f

x, y 1x y

2

2

Para a função f  x , y  1  x  y  2

Figura 5: função e seu ponto de mínimo

, qual seria seu ponto de mínimo absoluto?

É usual denominarmos os pontos de máximo ou de mínimo de uma função de pontos extremantes (locais ou globais).

Ponto Crítico de uma Função de Duas Variáveis

Seja z f x, y definida num conjunto aberto

U 

2

. Um ponto x

é ponto crítico de

f

diferenciável em

x , y

0

se

0

.

f

x

x y

0

,

0

e

f

y

x , y

0

0

são iguais a zero ou

se

0

, y U

0

f

não é

Os pontos extremantes (máximo e mínimo) de z f x, y estão entre seus

pontos críticos, no entanto, um ponto crítico nem sempre é ponto extremante.

Teorema de Schwarz

Se

2 f

x y

2 f 2 f

=

.

x y y x

existe e é contínua em um conjunto aberto, então

2 f

y x

existe e

Faculdade de Tecnologia SENAI CIMATEC

Engenharia Civil e Engenharia Mecânica

Hessiano

5
5

O hessiano verifica a hipótese do Teorema anterior e é usado na determinação de

máximos e mínimos de funções de duas variáveis. Ele é definido por:

H

2 2  f  f 2 2 2 2  x  x 
2
2
f
f
2
2
2
2
x
x  y
 f  f
  f 
.
 
2
2
f
f
2
2
x
y
x  y
2
x  y
y

Critério das Derivadas Segundas para Extremantes Locais (funções de duas variáveis)

O

ponto

p

0 do domínio de f é dito ponto de mínimo (máximo) local de f se

existe uma bola aberta centrada nele e contida no domínio de f tal que,

p p

0

da

bola, tem-se

então ele é referido como ponto extremante local.

f p f p f p f p

0

(

0

). Se

p

0 é ponto de mínimo (máximo) local,

Se em vez de e , tivermos > e <, então

p

0 é ponto de mínimo (máximo)

local estrito. Um ponto de mínimo (máximo) local estrito é um ponto de mínimo (máximo)

local.

local estrito é um ponto de mínimo (máximo) local. Proposição Seja z  f  x

Proposição Seja z f x, y uma função cujas derivadas parciais de 1ª e 2ª ordens são contínuas

seja um ponto

num conjunto aberto que contém

0

e suponhamos que

0

x , y

0

x , y

0

crítico de f . Seja o hessiano

H x y

,

0

0

 2 f 2  x  2 f  x  y
2 f
2
 x
2 f
 x  y

x

0

x

0

,

,

y

0

y

0

2

f

x y

2

f

y

2

x

0

x

0

,

,

y

0

y

0

. Temos:

Faculdade de Tecnologia SENAI CIMATEC

Engenharia Civil e Engenharia Mecânica

6
6

a)

b)

c)

d)

Se

Se

H x y 0

H

  0 0

H x y 0

0

,

0

x y

0

,

0

0

0

x y

0

,

0

,

Se

ponto de sela.

Se

H

e

e

2 f

x

2

2 f

x

2

x

x

0

0

,

,

y 0

0

y 0

0

, então

, então

x , y

0

x , y

0

0

0

é ponto de mínimo local de f .

é ponto de máximo local de f .

, então

x , y

0

0

não é ponto extremante local. Nesse caso,

x , y

0

0

é

, nada se pode afirmar.

Exemplo 1: Sendo

f x, y 18 xy 2 x 2 y

4

Solução:

f

x

 8 y 8 x

3

e

f

y

 8 x 8 y

3

4

, determine os pontos críticos de f .

Assim, os pontos críticos são os que verificam o sistema:

8

8

y

x

8

8

x

y

3

3

0

0

Substituindo

  

  

y

x

x

y

3

3

0

0

I

     x y

x

y

3

3

 

I

II

em

x x

3

3

9

8

1

x x x x   x x    x

9

0

0

x 0, x 1e x 1 são as raízes. Para Para x x x  1 10y y y 1  1 0

Para

0 ou

II ,

x    x 

0

8

1

temos: 8  x 
temos:
8
 x 

1

Portanto, os pontos críticos são (0,0), (-1,-1) e (1,1).

Exemplo 2: Usando o critério do hessiano, determine se cada ponto crítico de

ponto de máximo

local,

mínimo

local

ou

ponto

de

sela,

f x ,

y

2

1

3

y

3

2

x y 4 x 5 y

.

Solução:

f x

2

xy

4

,

2

f

x

2

2 y

,

f

y

y

2

x

2

5

,

2

f

y

2

2

y

e

2

x f y

2

x

f é

sendo

Faculdade de Tecnologia SENAI CIMATEC

Engenharia Civil e Engenharia Mecânica

H

 2 f  2 f 2  x  x  y  
2 f
2 f
2
 x
 x  y
 2
f
 2
f
2
 x  y
 y

2

2

y

x

2

2

x

y

4

y

2

4

x

2

4

y

2

x

2

7
7

Determinação dos pontos críticos: pontos críticos são os que anulam as derivadas

parciais

f x

e

f

y

2

y

xy  

2

x

2

4

0

 

5

0

, logo, são dadas por:

2

y

xy

4

2

2

x 5

2

y

y

2

x

x

 

I

2

5

, substituindo (I) em (II), temos:

II

4 2 2  x  5  x  x  4 5 2
4 2
2  x 
5
 x  x 
4
5
2
4
0
x
.
Esta
equação
biquadrada
tem
 
5
9
5
 3
x 
2
 x
2
4 ou
2.1
x ,
2
Para cada valor de
o valor de

discriminante

 

5

2

4.1.4

9

.

Assim:

x

2

1

 

x



2 e

x



1

y

correspondente é dado pela equação

y

2

.

 

x

Fazendo x 2,2,1,1 resulta y 1,1,2,2 respectivamente. Os pontos críticos são (- 2,-1), (2,1), (-1, -2) e (1,2).

Análise de cada ponto crítico:

(i)

4.

H   

2,

1

1

2

 

2

2



12

0. Logo,- 2,-1é pontodesela

(ii)

H

2,14.1

2

2

2



12

0. Logo,- 2,-1é pontodesela

(iii)

H   

1,

2

4.

2

2

 

 

1

2

12

-1,-2é pontodemáximo local.

0. Como

2

f

x

2

-1,-2

2. - 2

-4

0, então

(iv)

H 1,24.2

2

1

2

12

0. Como

2

f

x

2

1,22.2 4

 

0, então 1,2é pontodemínimo local.

Faculdade de Tecnologia SENAI CIMATEC

Engenharia Civil e Engenharia Mecânica

Exercícios:

8
8

1)

Use o critério da segunda derivada para determinar se cada ponto crítico de f é

máximo ou de mínimo local estrito:

a)

f  x  

f

10    x

3

10

x 3 2 x x

2

2

b)

  x
d) c) x x 18 12 x 3 x x x  7 2 x x

f

f

2

2

3

3

2)

3)

Calcule o hessiano de cada função f que verifica o teorema de Schwarz.

a)

f x, y x 2 y

b)

c)

d)

e)

f

f

f x, x, y y y    3 ln x x x   2 2 xy xy y   2 y y 3 x

f

x, x,

y x y

2

2

2

2

2

2

2

2

Usando o critério das derivadas de 2ª ordem para os extremantes, diga se cada ponto crítico de f é ponto de máximo local estrito, mínimo local estrito ou

ponto de sela.

a)

f

f

f

f x,

,

f

,

x y

x x y   3 y 3

2

2

2

2

2

b)

c)

d)

e)

f)

x, y 2

f

x y y y

1

x, x, y 1

2 xy 8 x

2

 23 x x 2 x   xy y   y xy

x

x

3

2

3

3

3

2

1

2

y 3 6 xy xy 5 x 9 y

y