Вы находитесь на странице: 1из 22

A tragédia grega como elemento constitutivo da formação integral do homem grego:

uma análise segundo Jean-Pierre Vernant

Deucyr João Breitenbach 1

Resumo: A presente pesquisa procura demonstrar a inter-relação existente entre o pensamento de Jean-Pierre Vernant e a concepção de tragédia grega, conforme os pressupostos da identidade trágica e da ambiguidade e reviravolta encontrada naquele que transita pela estrutura do trágico, a dizer, as condições sociais e psicológicas da tragédia grega. Por meio do pensamento racional, Jean Pierre Vernant, um dos mais renomados helenistas da atualidade, principalmente no que confere ao estudo e pesquisa da época clássica dos gregos, apresenta a tragédia como elemento essencial de formação integral do homem inserido na cidade. Para Vernant, o essencial de toda tragédia se desenvolve na existência cotidiana, num tempo humano, opaco, feito de presentes sucessivos e limitado num além da vida terrena. Num tempo divino, onipotente, que abrange em cada instante a totalidade dos acontecimentos, ora para ocultá-los, ora para descobri-los, mas sem que nada se escape a ele, nem se perca no esquecimento. Unir humano e divino, teoria e prática, mito e política, religião e vida social, são estes o alicerce que caracterizam o ambiente trágico como elemento constitutivo da tragédia grega.

Palavras-chave: Tragédia. Formação do Homem Grego. Identidade trágica.

1 Especialista em Gestão Educacional pela Fundação Educacional Getúlio Vargas (FGV), na área de Tecnologias da Inteligência e Comunicação. Especialista em História Cultural e Moderna. Graduado em Filosofia pela Universidade Católica Dom Bosco. Tutor do Claretiano – Centro Universitário. Atua como Pesquisador nas áreas de Educação, Filosofia e Ciência da Informação. E-mail: <deucyr@yahoo.com.br>.

Linguagem Acadêmica, Batatais, v. 3, n. 1, p. 145-165, jan./jun. 2013

145

1. INTRODUÇÃO

Comumente, entre nós, modernos, a palavra “tragédia” é aplicada para designar um acontecimento funesto ou sinistro. Encontra-se a pala- vra “tragédia” em todos os meios de comunicação. Não raramente, a de- signação “tragédia” evoca eventos que, de certa forma, nos lembram de

algo ruim, caracterizado por fatalidade, irracionalidade, formas diversas de violência à dignidade humana e planetária.

A atualidade do trágico é tão forte que não se pode pensá-lo fora de

nós. O trágico se faz mais presente do que nunca, basta analisar a própria compreensão de morte, quando não em seus limites normais de velhice, ou mesmo física e biológica, diante de acontecimentos inesperados, a ex- pressão utilizada para tal acontecimento é sempre “tragédia”. Esta pesquisa fomenta explicitar diversamente ora o homem e sua autonomia, ora o homem e sua relação com o divino, sua perspectiva com

o âmbito social e político da cidade, bem como sua convicta relação com

a designação trágica que se faz existir quando da citação dos preceitos da tragédia grega como elemento de formação do homem grego. Trata-se de analisar a tragédia em um momento fundamental da vida social da Grécia Antiga, bem como o desenvolvimento da pólis 2 e dos ho- mens que, por meio desta prática, se reconhecem como membros dignos da cidade e de suas atividades.

A tragédia grega marca um período profundamente necessário para

o florescimento da base cultural, social e política da Grécia, delineando novos elementos à organização da cidade. A tragédia, devido ao formato da ação dramática, apresenta em cena a montagem de uma experiência

que visa esclarecer a existência do homem e seu destino 3 .

2 A pólis é o centro principal a partir do qual se organiza historicamente o período mais importante da evolução grega. Estado e pólis são equivalentes. Embora já no período clássico existam formações estatais de maior extensão territorial, trata-se sempre de confederações de cidades, Estados mais ou menos independentes. Só na pólis se pode encontrar aquilo que abrange todas as esferas da vida espiritual e humana e determina de modo decisivo a sua estrutura (JAEGER, 2003, p. 106-107).

3 Potência misteriosa e personificada, (nomeadamente, na tragédia grega e no estoicismo), rege o devir universal, incluindo o curso da história humana, sem qualquer possibilidade de intervenção da vontade ou da previsão do homem. Contrariamente ao determinismo, o destino é uma lei cega, fixada de antemão, que o homem não conhece e à qual está sujeito e não consegue escapar. Como tal, significa uma recusa da autonomia e liberdade. (cf. www.ocanto.esenviseu.net/lexd.htm). Acessado em: 09/09/2012.

146 Linguagem Acadêmica, Batatais, v. 3, n. 1, p. 145-165, jan./jun. 2013

Demonstrar-se-á que a tragédia grega comporta vários significados

e elementos que por vezes não a definem por completo. Vernant 4 afirma

que, à luz da dramaturgia, o homem não aparece delineado como uma natureza estável, uma essência que poderia ser delimitada e definida, mas como um problema; ele adquire a forma de uma interrogação, de um questionamento. Na tragédia, o personagem trágico é uma criatura ambígua, enigmá- tica e desconcertante: ao mesmo tempo agente e agido, culpado e inocen-

te, livre e escravo, destinado por sua inteligência a dominar o universo e incapaz de governar a si mesmo, associando o melhor e o pior. Nesse senti- do, duas questões colocaram em movimento este trabalho de pesquisa. A primeira refere-se à estrutura da tragédia enquanto fortemente necessária para a busca de uma identidade do homem grego. E a segunda é relativa

à contribuição que esse modo de se expressar trouxe em termos de bene-

fícios para o desenvolvimento social e humano do homem grego inserido na pólis. Não obstante as limitações de uma primeira aproximação dessa com- plexa temática em Vernant, este texto pretende cobrir os aspectos princi- pais concernentes à construção do processo de elaboração da tragédia gre- ga e, com isso, irradiar parte de uma qualidade inerente à tragédia, a saber, provocar admiração e prazer naquele que transita na estrutura do trágico.

2. TRAGÉDIA GREGA: CONDIÇÕES SOCIAIS E PSICO- LÓGICAS

A tragédia, compreendida em seus aspectos de maior importância, se refere a um gênero literário original, possuidor de regras e caracterís- ticas próprias, não é especificamente algo determinado e bem explicado.

4 Vários motivos conferem caráter de relevância a esta pesquisa. A princípio, Vernant é um estudioso cujo método está caracterizado pela historiografia. Pelos clássicos, Vernant procura aproximar o universo grego do contemporâneo, fugindo das teorias consagradas sobre a Grécia antiga. Jean-Pierre Vernant nasceu em Provins, na França, em 4 de janeiro de 1914.

Linguagem Acadêmica, Batatais, v. 3, n. 1, p. 145-165, jan./jun. 2013

147

Pelo contrário, atuam na tragédia dois elementos opostos, mas ao mesmo tempo estreitamente solidários um com o outro, o coro e a personagem trágica. A tragédia necessita unir humano e divino. Vernant e Vidal-Naquet (2005, p. 08-09), ressaltam que, diante do aspecto trágico dado à tragé-

dia, é preciso igualmente que esses dois planos não deixem de aparecer como inseparáveis um do outro, e se o forem, não é tragédia. Por isso, toda tragédia desenrola-se, necessariamente, sobre dois planos, e são esses dois planos que vão provocar uma tensão, pois está inserido tanto no nível dos homens da cidade real, quanto dos deuses, das forças religiosas que obscu- ramente agem no mundo. Não há decisão humana mediante as próprias ações humanas que não esteja inscrita em um ambiente para os homens lidarem com as encru- zilhadas criadas pelos deuses. “Onde há decisão humana, há deuses pro- vocando seu destino”, afirmam Vernant e Vidal-Naquet (2005, p. 15). E é a relação do homem com os deuses que o homem trágico vivencia como sendo problemático por se situar entre dois universos diferentes e contra- ditórios, onde, por um lado, a preocupação se volta para o bem da pólis e, por outro, há forte presença de valores heroicos. No caso do homem trágico, sua participação ocorre na vida humana,

na

vida social tal qual ele mesmo vivencia no mundo real, só que por meio

de

influências divinas, nunca por si só e do seu jeito, mas sempre com um

cunho divino que lhe ocupa. Vernant (2002a, p. 372) mostram que, “[

o homem trágico é um

homem duplo, dilacerado, problemático. Um homem que se pensa como ele é, porque se reconhece na imagem de si que os outros lhe oferecem”.

A tragédia grega quer demonstrar, a partir de dados concretos, questões

sobre o homem, sua natureza, sua problemática, sua relação com seus atos. Segundo Vernant e Vidal-Naquet (2005, p. 73): “Todos os trágicos gregos

recorreram à ambigüidade como meio de expressão e como modo de pen- samento. Mas o duplo sentido assume um papel bem diferente conforme seu lugar na economia do drama e o nível da língua em que o situam os poetas trágicos”.

]

148 Linguagem Acadêmica, Batatais, v. 3, n. 1, p. 145-165, jan./jun. 2013

As ambiguidades, as reviravoltas, as palavras com duplo sentido, as contradições e tensões são aspectos que fornecem à tragédia grega bene-

fícios próprios e que fazem realmente a diferença no contexto da análise trágica dos dramas, das representações diante da pólis e dos “heróis” da Grécia Antiga.

A tragédia se destaca como criadora de um personagem que não se

compreende em nada. O que marca o espetáculo trágico, diz Vernant, são dois mundos de diferentes realidades, pois:

ora projetada num longínquo passado mítico, herói de uma ou-

tra época, carregado de um poder religioso terrível, encarnado todo

o descomedimento dos antigos reis da lenda, ora falando, pensando, vivendo na própria época da cidade, como um burguês de Atenas no meio de seus concidadãos. (VERNANT; VIDAL-NAQUET, 2005, p. 13).

] [

Essas contradições se dão em um espaço cênico e, em vez de estabe- lecer a comunicação e o acordo entre as personagens que representam, su- blinham, ao contrário, uma rixa de ideias em que cada personagem desen-

cada herói,

fechado no universo que lhe é próprio, dá à palavra um sentido e um só” (VERNANT; VIDAL-NAQUET, 2005, p. 74).

Segundo Vernant, essas obras dos dramaturgos elaboram um modo novo de se compreender o homem em suas relações com o próprio ho- mem e com os deuses, também consigo mesmo e com seus atos. É essa

a característica que vai ressaltar no herói trágico sua visão trágica; não

o

há visão trágica fora da tragédia. Essa ambiguidade das palavras “[

volverá um tipo de interpretação. É aí que se afirma que “[

]

]

dramaturgo joga com ela para traduzir sua visão trágica de um mundo dividido contra si mesmo, dilacerado pelas contradições” (VERNANT; VIDAL-NAQUET, 2005, p. 73-74).

O momento histórico da tragédia descrita por Vernant faz parte de

uma estrutura na qual se apresentam personagens no palco, que camu- flam, na atualidade do espetáculo, todas as aparências da existência real.

Linguagem Acadêmica, Batatais, v. 3, n. 1, p. 145-165, jan./jun. 2013

149

O que se representa no momento são lendas heroicas, ausentes da reali-

dade quotidiana do público. Vernant chama essa ausência da realidade de

“[

imaginário, em que se constitui como espetáculo dramático responsável por provocar piedade e temor em quem as assiste (VERNANT; VIDAL- -NAQUET, 2005, p. 162). Nesse novo quadro do imaginário dado à tragédia, sua condição so-

cial aparece delimitada com muita precisão em meio ao que se pode atri- buir como forma de aspecto trágico do personagem que representa para um determinado público.

O coro antigo, ainda em meados de seu desenvolvimento, quando

ainda não se faziam presentes nem atores nem protagonistas nos espe- táculos, davam qualidade unicamente ao “lirismo coral” (VERNANT; VIDAL-NAQUET, 2005, p. 02), que eram cantos. Mais tarde, inseridos

os protagonistas do drama no coro, infligem essa lei, dialogam entre si e são trazidos à cena para que os espectadores os vejam.

O que realmente privilegia a tragédia no campo social é sua escrita,

pois somente depois de escrita e de representada é que ela assume para si um valor e sentido próprio. A tragédia, diz Vernant (2005), em si mesma, sem provocar repercussão nos demais que a representam ou que a assistem não se torna o que é, uma tragédia grega.

‘consciência do fictício’ por ser justamente um fato de fingimento, do

]

O essencial de toda tragédia se desenvolve na existência quotidiana,

num tempo humano, opaco, feito de presentes sucessivos e limita- dos num além da vida terrena, num tempo divino, onipotente, que abrange a cada instante a totalidade dos acontecimentos, ora para

ocultá-los, ora para descobri-los, mas sem que nada escape a ele, nem

se perca no esquecimento. (VERNANT, 2005, p. 20).

Na tragédia, não se intensifica de um lado o mundo humano real, e,

de outro, o mundo divino, mundo dos deuses. Nesses dois campos, “[ ]

interligados coerentemente, as intenções humanas são claramente ligadas

às influências divinas” (VERNANT, 2006, p. 53). Se não há dimensão

humana interligada com dimensão divina, não há tragédia.

150 Linguagem Acadêmica, Batatais, v. 3, n. 1, p. 145-165, jan./jun. 2013

Vernant (2005, p. 04) destaca que o domínio próprio da tragédia se dá não somente em atos humanos ou então em atos divinos separados do humano, pois, nessa zona fronteiriça, os atos humanos vêm articular-se

com as potências divinas e, por isso, é a tragédia revelada como verdadeira

prática completa de sentido, “[

ele escapa” (VERNANT, 2005, p. 07). Tanto o divino quanto o humano devem se unir para que haja tragédia. Mais do que representar heróis que mantêm contatos com deuses e

na tragédia o próprio ho-

mem trágico quer se expressar apresentando problemas humanos, proble-

mas do homem na cidade e da cidade, porém, a presença do trágico na

sociedade grega só existe na tragédia” (VERNANT, 2000, p. 46). Esta é

quando a tragédia funcio-

na, então podemos dizer que existe um homem trágico, e esse homem trá- gico não é trágico por que é, mas porque está na tragédia” (VERNANT,

2002b, p. 364).

A tragédia só existe quando ela começa no trágico, sai do trágico,

volta no trágico. Ela é algo que é, nunca deixou de ser, sempre foi. Vernant

diz que, para que possa existir uma tragédia, “[

condições, mas estas condições devem ser levadas em conta por poetas, espetáculos, um gênero que lhes dêem o aspecto particular que a tragédia soube formatar. Afora isto, não existe trágico” (VERNANT, 2002a, p.

364-365).

Não se vê florescer uma invenção de tragédia grega se limitando à

produção de obras literárias, de fenômenos religiosos destinados aos ci- dadãos e adaptados a eles, de espetáculo, imitação, da criação de um sujei- to que, para Vernant, é o indivíduo em seu próprio nome, aquele que se mostra com certos traços que fazem dele um ser singular especificamen- te. Maior que isso, a tragédia abrange, segundo Vernant e Vidal-Naquet

uma consciência trágica, o advento de um homem

(2005, p. 214) “[ trágico”.

A consciência trágica através do espetáculo demonstra, por meio da

mensagem trágica, um conhecimento sobre o universo conflituoso, abrin-

é preciso reunir algumas

um fenômeno literário que cria o trágico: “[

são mais importantes do que os homens, “[

um sentido que ultrapassa o homem e a

]

]

]

]

]

Linguagem Acadêmica, Batatais, v. 3, n. 1, p. 145-165, jan./jun. 2013

151

do-se a uma visão problemática do mundo. Essa nova consciência trágica só vem à tona porque, diante da nova condição de imagem do homem, os

cidadãos fazem tanto de si mesmos como de sua cidade lugar de tragédia.

A consciência trágica não faz referência somente ao cidadão que se

preocupa diante da cidade com sua própria imagem exterior, mas diante

de todas as suas condições sociais. No segredo de sua consciência pessoal,

ela mostra “[

da atualidade, um simulacro como a publicidade” (VERNANT, 2002b, p. 343-344).

A tragédia, como esclarecem Vernant e Vidal-Naquet (2005, p. 271),

não era o reflexo do contexto da cidade na qual estava inserida, era uma

instituição social, religiosa e política que se constituiu como um espetácu- lo formador de cidadania. Por isso, é a própria consciência do fictício que está armada na tragédia.

a elaboração da

consciência trágica se reveste de um conteúdo dado pela tragédia na trans- gressão dos atos do personagem que não se reconhece mais”.

A tragédia é considerada também uma forma de educação que não

se trata somente de um divertimento, mas, no espetáculo trágico, en- contram-se dois aspectos que definem a vida política grega: primeiro, a responsabilidade da comunidade pela organização de todos os detalhes práticos, e segundo, um aspecto religioso vinculado ao aspecto político, posto que fizesse parte das Dionisíacas urbanas. 6

uma imagem fictícia, encenada segundo as necessidades

]

Segundo Werner Jaeger 5 (2003, p. 296-297), “[

]

5 Essa obra famosa de Jaeger é um dos marcos da cultura do nosso tempo, sendo um estudo profundo e completo sobre os ideais de educação da Grécia Antiga. Jaeger estudou a interação entre o processo histórico da formação do homem grego e o processo espiritual através do qual os gregos chegaram a elaborar seu ideal de humanidade.

6 “Com origem na época de Péricles, as Grandes Dionísias ou Dionisíacas Urbanas constituíam um ponto culminante e festivo na vida religiosa, intelectual e artística da cidade-Estado de Atenas. Enquanto as mais modernas Dionisíacas rurais, que aconteciam em dezembro, possuíam um caráter puramente local e eram patrocinadas de per si pelos diferentes demos da Ática, Atenas ostentava todo o brilho representativo de capital nas Grandes Dionisíacas, de seis dias de duração. Especialmente depois da fundação da confederação naval ática, embaixadores, comerciantes e tributários afluíam a Atenas nesta época de toda a Ásia Menor e das Ilhas do Egeu” (BERTHOLD, 2001, p. 113).

152 Linguagem Acadêmica, Batatais, v. 3, n. 1, p. 145-165, jan./jun. 2013

Em uma primeira aproximação, pode-se entender a tragédia contan- do os problemas da cidade no momento presente, sem se remeter a um

passado longínquo, porém a tragédia não é isso, não existe para represen- tar os problemas dos cidadãos naquele momento, mostrando personagens daquele momento. As tragédias representadas adotam como tema a lenda dos heróis

e, por isso, a tradição oral como instrumento. Assim, ponderou Vernant

(2002b, p. 362), “[

as tragédias não falam do presente das cidades. Na

tragédia, não se pode contar as próprias desgraças das pessoas, histórias que chocam as pessoas”.

O modo trágico, diz Vernant, é um modo patético que coloca per-

guntas sobre o homem, evidencia interrogações na vida desse homem, mostra questionamentos que privilegiam as ações e não a cidade presente tal qual ela se encontra.

]

A tragédia não é isso. A tragédia é representar personagens maiores, heróis dos tempos antigos, lendas que todos conhecem que, claro, vão emocionar, mas como as fábulas que se contam às crianças as emocionam. Ao mesmo tempo, sabem que não é de verdade. (VER- NANT, 2002a, p. 363-364).

A tragédia se torna a “mola mestra” entre um passado distante, pas-

sado do mito, passado das narrativas épicas das grandes lendas heroicas,

e um presente das instituições políticas, como o advento de uma nova

mentalidade sobre a concepção de uma cidade democrática, uma cidade coletiva.

a passagem do

mito para a razão deve muito à ‘mola trágica’, já que ela teria impulsionado

a cristalização de idéias como função, oposta é claro, à realidade”.

O que faz a tragédia é apresentar aos olhos do público figuras lendá-

rias da cidade heroica falando e agindo diante dos espectadores de forma

que estes se sintam incluídos na peça de maneira atual. Sua encenação im-

essa

plica um estar presente, uma presença real de personagens, pois “[

Vernant (2002b, p. 442-443) sugere, ainda, que “[

]

]

Linguagem Acadêmica, Batatais, v. 3, n. 1, p. 145-165, jan./jun. 2013

153

presença, na língua dos trágicos, de uma multiplicidade de níveis, dá ao texto uma profundidade particular e exige que a leitura se faça, ao mesmo tempo, em vários planos” (VERNANT, 2005, p. 19).

A tragédia, afirma Vernant (2002a, p. 215-216), depois de escrita,

“[

Toda tragédia possui algo que vai além do homem trágico; este é pego de surpresa por acontecimentos que não esperava. E mesmo pensan-

do realizar o certo diante da ação, cai e se torna resultado do próprio ato. Por isso, uma das máximas da tragédia é ter como base ninguém escapar

ao seu destino. É esse, segundo Vernant (2005, p. 20), “[ tos da ironia trágica”.

quer guiar-se por seu

próprio ethos (caráter), mas está subordinado ao gênio mau (daímon)” (COSTA; REMÉDIOS, 2005, p. 09), é tarefa fundamental para o estudo

da tragédia grega. Por isso, “[

ciente (hybris), caracterizador do herói trágico, delineando-se o seu ethos com o daímon e a falha trágica que é a Hamartía, o personagem se esta- belece na relação com o expectador no efeito trágico” (COSTA; REMÉ- DIOS, 2005, p. 10). Na concepção de Vernant, para que haja tragédia, o texto referente à própria representação diante dos cidadãos deve significar ao mesmo tem-

no homem, o que se chama daímon é o seu caráter e inversamen-

po: “[

através do desequilíbrio interno, incons-

] um dos aspec-

só se tornava em sentido e em valor uma tragédia, quando encenada .

]

Tratar do destino do homem trágico que “[

]

]

]

te, no homem, o que se chama caráter é realmente um daímon, um demô- nio” (VERNANT; VIDAL-NAQUET, 2005, p. 15). Até mesmo aqui

se confunde no homem trágico seu aspecto de caráter muito importante.

O que não se pode confundir na tragédia é que o sacrifício, entendi-

do como sacrifício do bode, não é o de um animal, mas um sacrifício hu- mano. A tragédia (2005b, p. 268), apresenta um homem empenhado na ação; é com a ação e pela ação que ocorre o sacrifício. Não é somente um sacrifício em honra aos deuses ou a atos divinos, mas por meio do sangue, está ligado com a cidade selvagem que a cerca.

154 Linguagem Acadêmica, Batatais, v. 3, n. 1, p. 145-165, jan./jun. 2013

Note que Vernant e Vidal-Naquet (2005, p. 270-271) afirma que se há sacrifício do bode quando não de seres humanos, esse se torna,

“[

mediante o sacrifício, um animal desviado de seu sentido”. Esse sacrifício humano não é estranho à tragédia, mas, em relação às

práticas sociais da cidade grega, ele é duplamente desviado, é um sacrifício representado e, como sacrifício humano e não animal, um sacrifício cor- rompido.

O sacrifício é corrompido porque, ao invés de homenagear os deuses

com gratuidade, os cidadãos gregos utilizam sacrifícios humanos, contra-

riando, assim, o nascimento de cada indivíduo particular a partir do ins- tante em que os olhos se abrem para a luz, pois é desde aí que o homem está em dívida com os deuses. É por meio do sacrifício que os homens vão poder criar um conta- to com os deuses, porém esse contato não será aceito totalmente quando tirado o bode como elemento de sacrifício e colocado o homem em seu

são cantos, procissões,

lugar. O que os deuses desejam dos homens “[

danças, jogos, concursos e banquetes nos quais se consomem em comum a carne dos animais ofertados em sacrifício” (VERNANT, 2002a, p. 175). Diante de todo esse drama trágico apresentado em um espetácu-

lo para o público da cidade, havia algo mais intenso que caracterizava a tragédia. Sua estrutura mostrava aspectos em conformidade com as de-

a tragédia estava

mais formas de instituições sociais da cidade grega, “[

presente na religião e no trabalho principalmente e, também fomentava como que um instrumento fundamental para a política que emergia na pólis” (VERNANT, 1999, p. 38).

A tragédia para os gregos aparece como a expressão de um tipo par-

ticular de experiência humana ligada a condições sociais e psicológicas da cidade e do indivíduo.

]

]

]

A tragédia instaura, no sistema das festas públicas da cidade, um novo tipo de espetáculo; além disso, como forma de expressão espe- cífica, traduz aspectos da experiência humana até agora desapercebi- dos; marca uma etapa na formação do homem interior, do homem como sujeito responsável. (VERNANT, 2005, p. 01).

Linguagem Acadêmica, Batatais, v. 3, n. 1, p. 145-165, jan./jun. 2013

155

] não

é demonstrar a realidade social da pólis grega, mas questioná-la”. Não é

apenas uma forma de arte, “[

ção dos concursos trágicos, apresenta-se diante da religião e dos órgãos políticos e judiciários para a cidade que a assiste” (VERNANT, 2006, p.

37).

A busca pelo homem fez da tragédia uma busca pelo desconhecido.

Mais do que analisar tragédias, buscando encontrar nelas algo religioso, ela comporta em si mesma algo de moral que tem como base a imaginação mítica.

Vernant (2002a, p. 347-348) destaca que a tragédia não pode ser ex-

plicada reduzindo-a a certo número de condições sociais. Para ele (VER-

NANT, 2005, p. 09-10), “[

tância em todas as suas dimensões como fenômeno social e psicológico”.

É a condição humana que está em jogo na tragédia, ela propõe ao

espectador um questionamento sobre si, seus limites. Ela traz consigo uma espécie de saber segundo o qual o homem, perante a vida social da cidade, preside a ordem de sua atividade.

a tragédia comporta algo de maior impor-

é uma instituição social que, pela funda-

A finalidade da tragédia, diz Vernant (2002b, p. 290-291), “[

]

]

Há tragédia quando, pela montagem dessa experiência imaginária que constitui um roteiro, com sua progressão dramatizada, como diz Aristóteles, dessa simulação de um sistema coerente de ações seguidas que conduzem à catástrofe, a existência humana acede à consciência, ao mesmo tempo exaltada e lúcida, tanto por seu preço insubstituível quanto por sua extrema vaidade. (VERNANT, 2005, p. 219).

A tragédia, além de utilizar lendas de heróis, confronta-as e as com-

para aos novos modos de pensamento que marcam o advento do direito no quadro da cidade.

o pensamento

jurídico tornou-se a verdadeira matéria da tragédia grega, pois favorecia

o pensamento social da cidade”. E mesmo a resposta de Vernant e Vidal-

Na Grécia, segundo Vernant (2002b, p. 158), “[

]

156 Linguagem Acadêmica, Batatais, v. 3, n. 1, p. 145-165, jan./jun. 2013

-Naquet (2005, p. 18) sobre a pergunta “o que é tragédia grega?” é como

segue: “[

mente no plano Institucional do direito público”.

talvez a expressão de uma crise que se evidencia particular-

]

Os gregos não têm a idéia de um direito absoluto, fundado sobre princípios, organizado num sistema coerente. Para eles há como que graus de direito. Num pólo, o direito se apóia na autoridade de fato, na coerção; no outro, põe em jogo potências sagradas: a ordem do mundo, a justiça de Zeus. (VERNANT, 2005, p. 03).

Esse debate jurídico será uma matéria da tragédia, porém a tragédia

é bem diferente de um debate jurídico. Seu objeto é o homem que em si

próprio vivencia esse debate, que por vezes é ambíguo, cheio de sentidos e nisso o homem trágico é coagido a fazer uma escolha definitiva.

O pensamento social que os gregos ocupavam era caracterizado pelo

pensamento jurídico, um novo tipo de pensamento estava se desenvolven-

do, era a Democracia, e esse pensamento, nas tragédias, era confrontado com as potências sagradas.

O mundo dos homens deveria se relacionar com o mundo dos deu-

potência de Zeus não está im-

plicada apenas nas realidades naturais. Ela se exerce também nas ativida- des humanas e nas relações sociais”. A tragédia se ocupava do pensamento da cidade, fundamentalmente o pensamento social.

A tragédia torna possível, diante de uma cidade nova, democrática,

o conhecimento de si mesma e por isso um questionamento sobre suas

atitudes. Em outras palavras, a tragédia é uma ordem e uma desordem. A norma só é colocada para ser transgredida; por isso, o paralelo com o deus Dioniso, deus da confusão, deus da transgressão.

ses. Vernant (2005, p. 93) retrata que a “[

]

Através do espetáculo trágico, a própria cidade se questiona. Ora os heróis, ora o coro, encarnam sucessivamente valores cívicos e valores anticívicos. A tragédia também faz interligar-se o que a cidade sepa- ra, e essa interferência é uma das formas fundamentais da transgres- são trágica. (VERNANT, 2005, p. 280).

Linguagem Acadêmica, Batatais, v. 3, n. 1, p. 145-165, jan./jun. 2013

157

A tragédia comporta em sua matéria um pensamento jurídico em

pleno trabalho de elaboração. Vernant diz que a tragédia e as demais prá- ticas sociais, o vocabulário técnico do Direito na obra dos trágicos mostra as afinidades com os temas prediletos da tragédia, sendo esse vocabulário pertencente à competência dos tribunais.

Os poetas trágicos utilizam esse vocabulário do direito jogando de- liberadamente com suas incertezas, com suas flutuações, com sua falta de acabamento: imprecisão de termos, mudanças de sentido, incoerências e oposições que revelam discordâncias no seio do pró- prio pensamento jurídico, traduzem igualmente seus conflitos com uma tradição religiosa, com uma reflexão moral de que o direito já se distinguiria, mas cujos domínios não estão claramente delimitados em relação ao dele. (VERNANT, 2005, p. 04-05).

A tragédia que Vernant destaca cria, na concepção grega, debates so-

bre temas políticos e morais que ocupavam as reflexões dos cidadãos e, por isso, delimitavam no tempo e no espaço uma forma de estudar o homem trágico diante da cidade e diante de si mesmo, seu momento histórico.

O Direito para os gregos não é uma construção lógica. Seus proce-

dimentos são “pré-jurídicos”, não são fundados sobre princípios, ou então provêm de uma ideia de direito absoluto. Há, diante dos gregos, como que graus de Direito, pois num polo se utiliza coerção; no outro, põe-se em

jogo potências sagradas que vão fornecer um aspecto trágico ao Direito.

A tragédia evidencia, principalmente, problemas morais que dizem

respeito à responsabilidade do homem. A própria noção de Diké (justiça), comporta algo de irracional para os cidadãos; é isso que a tragédia mos- tra. “Uma Diké contra outra Diké, um direito que não está fixado; mas, se transforma em seu contrário, uma vez que os heróis trágicos são obri- gados a assumirem a vontade divina sem nenhuma restrição e negação” (VERNANT, 2005, p. 04-05). A tragédia, bem entendido, é algo muito diferente de um debate jurídico.

158 Linguagem Acadêmica, Batatais, v. 3, n. 1, p. 145-165, jan./jun. 2013

Interrogando-se, a tragédia vai além da busca por um simples Di- reito ou mesmo de uma atividade política na qual os gregos se dedicaram com afinco e determinação; ela quer ultrapassar esses limites fazendo o que o Direito não pode fazer. A leitura de Vernant sobre a tragédia aponta principalmente para uma reflexão acumulada sobre a comunicação, não só para um jogo de pa- lavras, mas para uma procura sobre que papel tem o homem no universo, quem é esse homem que se diz dono de si mesmo. É isso que os poetas se preocuparam em redigir nos textos trágicos, mediante a escrita dos poetas em torno da busca do homem e de seu papel no Universo.

3. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Esta pesquisa, que procura a explicitação sobre a concepção de tra- gédia grega em Vernant, continua ainda como uma meta muito árdua a ser percorrida. Essa consideração não mitiga o valor e os ganhos com esta pesquisa. Contudo, o seu autor está ciente de que o processo de investigação está iniciado. Há obstáculos que precisam ainda ser superados em um processo subsequente de pesquisa. Entender Vernant e correlacioná-lo à estrutura da tragédia, como ele mesmo fez, é tematizar a combinação de polos – à primeira vista, antagô- nicos, a Antiguidade e o mundo contemporâneo, o mito e a política – que indagam sobre homens em busca de algo ainda não explicado totalmente. Quanto mais se busca fechar uma resposta ao problema sobre a autono- mia humana, a identidade trágica do homem grego, a consciência do fictí- cio, a concepção de tragédia, tanto mais esse problema se dilata. É pela tragédia que o homem retorna a um aprofundamento maior de sua essência, frente à uniformidade. Tal como no drama antigo, trata- -se de um despertar que é, ao mesmo tempo, a curiosidade pelo outro e a consciência de si.

Linguagem Acadêmica, Batatais, v. 3, n. 1, p. 145-165, jan./jun. 2013

159

Vernant ressalta que não se pode falar dos homens fora dos grupos nos quais esses homens estão inseridos, fora de seu contexto social preciso. Inversamente, não existe contexto social que não possua uma dimensão humana, ou seja, mais que uma simples convivência, a mentalidade que existe entre os indivíduos é um fator predominante para a realidade social. Não existe instituição que não implique, enquanto está viva, crenças, valores, emoções e paixões, isto é, todo um conjunto de representações e de sentimentos. Assim, toda e qualquer pretensão de transformação parte de um problema que sustenta um horizonte a ser alcançado.

A tragédia se solidifica como expressão social importante na Anti-

guidade. Para o homem grego, ela se instaura no sistema das festas pú- blicas da cidade, como um novo tipo de espetáculo, não mais como um fenômeno tipicamente oral, transmitido pelos poetas. Além disso, como forma de expressão específica, traduz aspectos da experiência humana até então despercebidos. E, como tal, marca uma etapa na formação do ho- mem interior, do homem como sujeito responsável. A tragédia abrange,

para os gregos, muito mais do que simples produções literárias, pois é au- xílio para a formação integral do homem no interior da pólis.

A tragédia é uma instituição social que, pela fundação dos concursos

trágicos, se assemelha e se organiza da mesma forma que seus órgãos po- líticos e religiosos. Quando analisada, a tragédia caracteriza um determi-

nado momento da Grécia, sua forma específica de ser e existir, que com- promete sua repercussão. Mais do que respostas acabadas e finalizadas, ela traduz uma concepção interligada aos demais fatores sociais dos gregos.

O objeto da tragédia é o homem que vivencia esse debate entre deci-

são humana e decisão divina. A tragédia, segundo Vernant, não pode ser

reduzida a certo número de condições sociais. Pelo contrário, ao instituir os concursos trágicos, os gregos inventaram, de fato, um tipo de espetá- culo cuja novidade, no plano das condutas sociais e das obras literárias, instala no centro da cidade uma ágora.

A tragédia abrange duas dimensões cruciais. A primeira é a tragédia

enquanto gênero artístico, apresentada para um público. Ela corresponde à dimensão social da tragédia, ou seja, uma instituição social que, na pólis,

160 Linguagem Acadêmica, Batatais, v. 3, n. 1, p. 145-165, jan./jun. 2013

por influências de outras características gregas, como mito, teatro, religião

e política, se torna uma ação digna de atenção por parte do homem que vive na cidade.

A identidade trágica – a consciência do fictício, a ambiguidade e re-

viravolta inserida na vida social e artística da cidade grega – é fundamen-

talmente didático-pedagógica, pois visa à formação integral do homem grego. Na religião, afastar-se do divino para o homem grego era o mesmo que não ser mais si mesmo. A tragédia só existe porque o religioso e o social se entrelaçam mutuamente. Na religião grega, a preocupação é com quem está aqui embaixo, na terra, pois a religião grega não assegura a sal- vação em outro mundo. Na Grécia, toda manifestação coletiva importante, no quadro da ci- dade e da família, do público e do privado, comporta um aspecto de festa religiosa. Por política, a correlação com a tragédia se dá pela cidade que está agora centralizada na ágora, espaço comum.

É na ágora que se desenvolve a vida política dos gregos; esse plano

não exclui o religioso, mas sim, segundo Vernant, ele se torna uma religião política. A tragédia é uma das formas novas da cidade democrática. O pla- no do político, como a tragédia, é um plano problemático e que convida à reflexão. Assim, pode-se afirmar que a tragédia é a expressão de uma crise

que se evidencia particularmente no plano institucional do Direito públi- co. A tragédia é uma instituição social. A cidade vivia com uma imagem de um homem da tradição heroica, e viu surgir então um homem total- mente diferente, o homem cívico, aquele cuja responsabilidade é discutida

e que nada mais têm a ver com a epopeia.

A segunda dimensão da tragédia, segundo Vernant, é a sua essência.

Responde à pergunta: “quando uma tragédia é uma tragédia?”. Há, na tra- gédia grega, elementos que a intensificam e a diferenciam, por exemplo, moira (destino) do personagem e herói trágico, a hamartía (falha trágica),

a hybris (desequilíbrio interno, inconsciente), o daímon (gênio mal, es-

pírito mal), o ethos (caráter) trágico e a kathársis (purificação, purgação).

Essas características são partes fundamentais para o fenômeno trágico. Somente pelo fenômeno trágico é que acontece na ação dramática da re-

Linguagem Acadêmica, Batatais, v. 3, n. 1, p. 145-165, jan./jun. 2013

161

presentação, tanto pelo personagem quanto pelo público, a consciência trágica. Assim, toda tragédia, na especificação grega, deve comportar, em suas estruturas, esses elementos que formam o trágico.

O sentido trágico coloca o indivíduo inserido na cidade, confron-

tando-se consigo mesmo, indagando-se sobre as questões mais profun- das de seu ser. Por isso, a cidade grega vivia com uma imagem do homem oriunda da tradição heroica, que viu surgir o homem político, o homem cívico, o homem do Direito grego, aquele cuja responsabilidade é discu- tida nos tribunais em termos que nada mais têm a ver com a epopeia. Di- ferentemente da Filosofia que, segundo Vernant, é a arte de construir um

discurso para resolver os problemas, a tragédia grega é o inverso, pois tudo

é

contradição, até mesmo os deuses estão em luta. O mundo é enigmático,

o

homem é problemático, visto que na tragédia o homem está em busca de

uma identidade. Nas tragédias, a pergunta “o que é o homem?” é central

e viva. Repensar a tragédia grega na contemporaneidade é, sim, possível.

A repercussão dela vem interagindo com os problemas humanos de tal

forma que não mais assusta os homens a indagação de tal expressão. Sabe- -se que, apesar da distância, existe nos gregos algo próximo de nós, algo que partilhamos com eles. Em países que estão doravante em busca de sua

identidade, que procuram raízes para si, não sabem quem são, o público

tem a sensação de descobrir, pelo estranhamento, o ponto de partida do qual somos oriundos e que funda nossa diferença. A busca pelo conheci- mento de si, os livros de autoajuda, os estudos sobre as relações humanas,

as doenças psíquicas, todos esses aspectos de uma busca atual sobre o in-

divíduo já se faziam presentes na tragédia, não da mesma forma e inten-

sidade como se conhece o homem contemporâneo, mas em essência já estavam presentes.

O que se chama de fim das ideologias, o surgimento das formas ex-

tremas da barbárie nos países de velha civilização, a preocupação frente aos perigos acarretados pelos progressos de desenvolvimento técnico, es- ses são aspectos que, diante da política, geram indagações tais quais se fa- zia diante de uma representação trágica, que apresenta problemas da pólis.

162 Linguagem Acadêmica, Batatais, v. 3, n. 1, p. 145-165, jan./jun. 2013

E, ainda no século 21, pode-se retornar a esse meio que é a tragédia, identificando quando uma política é saudável ou desleal com seu povo, pois se abre o jogo para todos quantos querem entendê-la. Os gregos representam, nas formas muito diversas nas quais se ex- pressaram, especialmente para nós, do século 21, algo de vivo e até mes- mo, em alguns sentidos, exemplar. Com a condição de que na atualidade as pessoas ainda se deem ao trabalho de tentar entender o que diziam os gregos, o que trouxeram. Portanto, a tragédia grega não é de forma alguma distante de nós. A grande esfera de conhecimentos que desenvolveu no campo da investiga- ção sobre o indivíduo e seu destino, sobre o Direito e a política, a religião e a vida social grega e que, se destacam na medida em que cada cidadão se insere na vida social da cidade grega, autorizado, desde sempre a manter sua relação mediante as diversas práticas sociais dos indivíduos da cidade.

REFERÊNCIAS

ABBAGNANO, N. Dicionário de filosofia. Tradução de Alfredo Bosi e Ivone Castilho Benedetti. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

ARISTÓTELES. Arte poética. São Paulo: Martin Claret, 2004.

GOMES, A. R. Vocabulário de filosofia. Disponível em: <http://ocanto.esenviseu. net/lexd.htm>. Acesso em: 09 set. 2012.

BERTHOLD, M. História mundial do teatro. São Paulo: Perspectiva, 2001.

BRANDÃO, J. de S. Mitologia Grega. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 1990.

Teatro grego: origem e evolução. São Paulo: Ars Poética, 1992.

Teatro grego: tragédia e comédia. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 1996.

CAMÕES, L. de. Os lusíadas. São Paulo: Tecnoprint, 1880.

Linguagem Acadêmica, Batatais, v. 3, n. 1, p. 145-165, jan./jun. 2013

163

COSTA, L. M. da.; REMÉDIOS, M. L. R. A tragédia: estrutura e história. São Paulo:

Ática, 1988.

DICIONÁRIO CALDAS AULETE. 4. ed. Rio de Janeiro: Delta, 1985.

ENCYCLOPAEDIA BRITANNICA EDITORES LTDA. Rio de Janeiro/São Paulo, v. 13, 1975.

HOUAISS, A.; VILLAR, M. de S. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

JAEGER, W. Paidéia – A formação do homem grego. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes,

2003.

KITTO, H. D. F. A tragédia grega. 3. ed. Coimbra: Coimbra Ltda, 1990.

LESKY, Albin. A tragédia grega. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 1976.

MARQUES, Heitor Romero. Metodologia do Ensino Superior. 2. ed. Campo Grande:

UCDB, 2002.

NIETZSCHE, Friedrich. O nascimento da tragédia: helenismo ou pessimismo. São Paulo: Companhia de Bolso, 2007.

ROMILLY, Jacqueline de. A tragédia grega. Brasília: Universidade de Brasília, 1998.

VERNANT, Jean-Pierre. As origens do pensamento grego. 16. ed. Rio de Janeiro:

Difel, 2006.

Entre mito e política. 2. ed. São Paulo: Edusp, 2002a.

Mito e pensamento entre os gregos: estudos de psicologia histórica. 2. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2002b.

Mito e religião na Grécia Antiga. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

Mito e sociedade na Grécia Antiga. 2. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1999.

O universo, os deuses, os homens. São Paulo: Cia das Letras, 2000.

VERNANT, J. P.; VIDAL-NAQUET, P. Mito e Tragédia na Grécia Antiga. São Paulo:

Livraria Duas Cidades, 1977.

164 Linguagem Acadêmica, Batatais, v. 3, n. 1, p. 145-165, jan./jun. 2013

VERNANT, J.; VIDAL-NAQUET, P. Mito e tragédia na Grécia Antiga. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 2005.

VERNANT, J. P. et al. Indivíduo e poder. 3. ed. Lisboa: Edições 70, 1987.

Title: The greek tragedy as a constitutive element of the integral formation of the greek man: a analysis according to Jean Pierre Vernant. Author: Deucyr João Breitenbach.

ABSTRACT: This research try to demonstrate the inter-relationship between the theories of Jean-Pierre Vernant and the conception of the Greek Tragedy, according to the assumptions of the tragic identity and the ambiguity and turnaround found in the one who transits through the structure of the tragic, to say, the social and psychological conditions of the Greek Tragedy. Through rational thought, Jean-Pierre Vernant, one of the most renowned hellenists currently, mainly in that award to the study and research of the classic age of the greeks, introduces the tragedy as essential element of integral formation of the man inserted in the city. For Vernant, the essence of the whole tragedy develops in everyday existence, in a human time, opaque, made of successive presents and limited in a beyond earthly life. At a divine time, omnipotent, that includes in each moment the totality of the events, now to conceal then, now to find them, but without anything to escape it, or get lost in oblivion. Uniting human and divine, theory and practice, myth and politics, religion and social life, they are the foundation that characterize the tragic environment as constitutive element of the greek tragedy. Keywords: Tragedy. Formation of the Greek Man. Tragic Identity.

Linguagem Acadêmica, Batatais, v. 3, n. 1, p. 145-165, jan./jun. 2013

165

166 Linguagem Acadêmica, Batatais, v. 3, n. 1, p. 145-165, jan./jun. 2013