Вы находитесь на странице: 1из 34

Deliberações dos Accionistas

nas SAs
Mónica Isabel Fonseca Sequeira Lima
N.º 20070373

Direito das Sociedades Comerciais


Prof.ª Doutora Ana Roque

26 de Maio de 2010

Publicado em: http://www.scribd.com/limamonica


DELIBERAÇÕES SOCIAIS
• É através das deliberações sociais que se forma a
vontade social.
• Usualmente são as deliberações tomadas em AG.

• Sujeitas a princípio da tipicidade – só podem


revestir as formas previstas na lei (art. 53.º/1)
Formas ou modalidades de
deliberações
• Deliberações tomadas em AG
▫ Em assembleias regularmente convocadas (art.
373º/1)
▫ Em assembleias universais (art. 54º/1)

• Deliberações por escrito


▫ Deliberações unânimes por escrito – Pressupõe a
unanimidade de todos os accionistas. (art. 54.º/1)
Assembleia Geral
Competência da AG(art. 373º/2)
• Legal
▫ Ordinária – art. 376º.
▫ Específica – por outros preceitos legais.

• Estatutária – novos temas de deliberação

• Residual – Limitada pela competência dos


outros órgãos (art. 373.º/2 e 3)
Modalidades de Assembleia Geral
AG Anual/Ordinária (art. 376º) AG Extraordinária
• Exercício de competências
• Sem alterações em vista e sem especiais
necessidade de resolver • Alterar as regras colectivas
questões inabituais. • Sancionar titulares de órgãos

A convocatória deve
especificar a natureza
ordinária ou
extraordinária da
Assembleia (art. 377º/5)
Modalidades de Assembleia Geral
AG Anual/Ordinária AG Extraordinária
• Com maiores exigências de
quorum
• Os accionistas costumam • Costumam ser mais
fazer-se representar. concorridas e prolongam-se no
tempo
• Accionistas preferem
comparecer pessoalmente
AG Anual
• É a AG ordinária. Faz-se o ponto de situação anual.
• O exercício social tem duração anual e coincide com o ano
civil.
• Os órgãos de administração têm o dever pessoal de elaborar e
submeter o relatório de gestão, as contas do exercício e outros
documentos de prestação de contas (art. 65.º/1 a 4, 66.º,
70.º/2)
• Devem ser apresentados ao órgão competente para apreciação
até ao fim dos 3 ou 5 primeiros meses do exercício seguinte
àquele a que dizem respeito (art. 376º/1).
• Após a fiscalização das contas, estas são apreciadas e votadas
em sede de AG.
Modalidades de Assembleia Geral
• Assembleia Geral Universal (art. 54º/1)
▫ Dispensa o esquema das convocatórias
▫ Sociedades c/um pequeno n.º de accionistas
▫ Não tem ordem do dia

• Concordância – assuntos .
Assembleia Geral
Composição
Participação
Representação
MESA DA AG
• Direcção dos trabalhos
• Um Presidente + um Secretário (art. 374.º/1)
• Eleita pela AG, dentre accionistas ou terceiros, por período
não superior a 4 anos (art. 374.º/2)
• Na sua falta, nomeia-se um presidente ad hoc: (art. 374.º/3,4)
▫ O presidente do órgão de fiscalização, ou (se não estiver
presente)
▫ O accionista titular de maior n.º de acções, em caso de
empate
▫ O mais antigo como accionista, em caso de empate,
▫ O mais velho.
Requisitos do PMAG
• Capacidade

• Conhecimentos

• Língua portuguesa

• Independência (art. 374º-A)


Participação na AG: accionistas
• Podem estar presentes na AG, discutir e votar, os
accionistas que tiverem direito a, pelo menos,
um voto (art. 379º/1), nos termos da lei e do
contrato. → art. 384º/1 e 2, al. a)
• Para evitar que os accionistas com um nº de
acções insuficiente para completar um voto não
tenham assento na AG, o art. 379º/5 permite
que estes se agrupem.
• Deverão eleger um representante (art. 380º/2).
Participação na AG: Presenças obrigatórias

• Nos termos do art. 379º/4:


▫ Administradores
▫ Membros do conselho fiscal
▫ Membros do conselho geral e de supervisão
▫ ROCs que tenham analisado as contas nas AGs
anuais
• … conceito amplo de fiscalização.
• Podem participar na discussão?
Participação na AG: Presenças facultativas

• O accionistas sem direito de voto,


• Os obrigacionistas. (art. 379º/2).

• Estes accionistas são os titulares das acções


preferenciais sem voto (art. 341.º ss): conferem
todos os direitos, excepto o de votar (art.
341.º/3)
Representação dos accionistas
• Um accionista pode fazer-se representar por
qualquer pessoa (art. 380.º):
▫ Documento escrito
▫ Assinado
▫ Dirigido ao PMAG

• com restrições (art. 381.º)


Representação: restrições
• Se alguém solicitar representações a mais de 5
accionistas para votar em AG: (art. 381º/1)
▫ A representação é concedida apenas para uma
assembleia específica, e vale para a 1ª e a 2ª
convocações.
▫ A concessão da representação é revogável,
mediante a presença, na assembleia, do
representado
Representação: restrições
• Não podem solicitar representações, nem ser
indicados como representantes: (381º/2)
▫ A própria sociedade,
▫ Os membros dos órgãos de fiscalização

• Caso o accionista solicitado conceda a


representação mas dê instruções quanto ao voto,
o solicitante pode não aceitar a representação e
deverá comunicá-lo logo que receba a instrução
pela via escrita mais rápida (art. 381º/4)
Representação: restrições
• Os votos emitidos no sentido mais favorável ao
accionista devem ser comunicados com as
devidas explicações (art. 381º/5)

• Se tais restrições não forem respeitadas, um


accionista não pode representar mais de 5 outros
accionistas (art. 381.º/7)
Processo Deliberativo
Processo Deliberativo
• Convocação ou Convocatória – fixa o objecto da
Assembleia
• Reunião da Assembleia:
▫ Presidência
▫ Secretariado
▫ Verificação de presenças
• Sobre cada ponto da ordem do dia/trabalhos:
▫ Apresentação de propostas
▫ Discussão/Debate
▫ Votação, com o escrutínio dos votos
• Resultado final: Deliberação (Acta – art. 63º/1, 1ª parte)
CONVOCAÇÃO
É efectuada:
• Pelo PMAG (art. 377.º/1)
• Pelo Conselho Fiscal, Comissão de Auditoria ou pelo Conselho
Geral e de Supervisão (art. 377.º/ 1)
• Por ordem judicial (art. 375.º, nº 6) – requerida nos termos
do art. 1486.º CPCiv.
A iniciativa resulta de: (art. 375.º/1 e 2)
• Norma Legal
• Órgão de administração ou de fiscalização
• Conselho Geral e de Supervisão
• Requerimento de accionistas (≥5% Cap. Social, em conjunto)
Convocação
• Deve ser publicada (art. 377º/1) e assinada (art.
56º/2)
• Ou de acordo com o que os estatutos
determinarem (art. 377º/3), e quando todas as
acções sejam nominativas:
▫ Carta registada
▫ Correio electrónico com recibo de leitura
• Deve conter os elementos do art. 377º/5 e a
ordem do dia (+ art. 376º/1)
Local
• Na sede da sociedade (art. 377º/6, al. a)

• Noutro local do território nacional, escolhido pelo PM,


se as condições das instalações sociais não forem
satisfatórias. (art. 377º/6, al. a)

• É possível recorrer a meios telemáticos – Assembleias


virtuais. (art. 377º/6, al. b)
Princípios gerais da Condução
• Imparcialidade

• Igual tratamento

• Proporcionalidade

• Legalidade
A Condução
• Constituição da Assembleia – PM manda
organizar a lista dos accionistas no início da
reunião (art. 382º/1)

• Verificação dos instrumentos de representação –


(art. 380º/2)

• Regularidade das participações.


A Condução
• Declarar aberta a sessão
• Conceder a palavra ao conselho de administração
• Seguir a ordem do dia
• Organizar e conduzir a discussão a propósito de cada ponto
• Colocar à votação os pontos que entenda estarem devidamente
esclarecidos e discutidos
• Determinar o modo de votação
• Verificar o direito e regularidade dos votos
• Determinar suspensões da AG (art. 387º/1)
• Apurar o resultado de cada votação e proclamá-lo
• Admitir contraprova, podendo repetir a votação
• Declarar a reunião encerrada.
Quorum
• Por regra, não é necessário um nº mínimo accionistas presentes ou
representados (art. 383.º/1)
• Na 1ª convocação, exige-se a presença de accionistas que representem pelo
menos 1/3 do capital social (art. 383.º/2), para que a AG possa deliberar sobre:
▫ Alteração do contrato social;
▫ Fusão,
▫ Cisão,
▫ Transformação,
▫ Dissolução da sociedade;
▫ Outros assuntos para os quais a lei exija maioria qualificada.
• Em 2ª convocação, poderá deliberar sem exigência de quorum (art. 383º/3)
• As datas das reuniões em primeira e segunda convocação podem ser fixadas
logo no aviso convocatório inicial, desde que entre as 2 datas medeiem 16 ou
mais dias (art. 383.º/4)
VOTO
«O voto (…) constitui uma manifestação ou
declaração de vontade do sócio que se conjuga
com outras declarações de vontade homólogas
para a formação de um acto colectivo: a
deliberação social.»

Miguel J. A. Pupo Correia,


in Direito Comercial: Direito da Empresa
Voto
Critério de atribuição do direito de voto:
• Legal → Uma acção = um voto (art. 384.º/1)
• Estatutário → art. 384º/2 e 3
▫ Um voto = x n.º de acções
▫ Um accionista = x n.º de votos (p/todas ou x
categorias de acções) → evitar a “blindagem dos
estatutos”, p/dificultar qualquer take over.
Voto
• A forma de exercício do voto é definida:
▫ No contrato social
▫ Por deliberação dos sócios
▫ Por decisão do PMAG (art. 384º/8)

• É permitido o voto por correspondência, desde que o


contrato não o proíba e o regulamente (art. 384º/9)

• Princípio da unidade do voto


Proibições de Voto
• O accionista em mora quanto à entrada não
pode votar (art. 384º/4)

• Voto plural (art. 384º/5) – não se conferem


privilégios de voto.

• Conflito de interesses (art. 384º/6). Norma


imperativa.
A MAIORIA
• Maioria simples
▫ Absoluta – consiste em, pelo menos, a metade mais um dos votos
expressos (art. 386º/1)
▫ Relativa - opção que colhe maior nº de votos entre as várias que
possam manifestar-se a respeito do objecto da deliberação,
mesmo que não ultrapasse a metade dos votos expressos (art.
386º/2)
• Maioria qualificada (art. 386º/1)
• Unanimidade – nas deliberações por escrito (art. 54º/1,
1ªp.)
• As abstenções não são contadas (art. 386º/1, in fine)
Bibliografia
CORREIA, Miguel J. A. Pupo – Direito Comercial:
Direito da Empresa. Lisboa: Ediforum, 2009.

CORDEIRO, António Menezes – SA: Assembleia


Geral e Deliberações Sociais. Coimbra:
Almedina, 2009.

Código das Sociedades Comerciais.