Вы находитесь на странице: 1из 10

ConstUNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E ELETRÔNICA EEL7051 MATERIAIS ELÉTRICOS PROF. JEAN VIANEI LEITE

ConstUNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E ELETRÔNICA EEL7051 MATERIAIS ELÉTRICOS

ISOLANTES ELÉTRICOS

FELIPE SCHNEIDER NUNES 11202929 PEDRO GAUCH 15103150

Florianópolis, junho de 2016.

1

- Introdução

O estudo de materiais isolantes é de grande importância em todos os ramos da engenharia. Devido a sua alta aplicabilidade, é de suma relevância que um engenheiro tenha vasto conhecimento sobre tais materiais.

Os materiais isolantes podem ser divididos, principalmente, entre:

isolantes térmicos, acústicos e elétricos. De forma que, têm como característica o alto poder de impedir a condução de calor, som e corrente elétrica, respectivamente.

Este trabalho vem com o foco de realizar estudos teóricos detalhados sobre os isolantes elétricos. Procuramos verificar sobre suas características, propriedades e alguns exemplos de aplicações no nosso cotidiano. Desta forma, o objetivo é que possamos adquirir conhecimento sobre tais materiais, de maneira que possamos então realizar uma experiência prática sobre tal assunto.

  • 2 Isolantes Elétricos (Dielétricos) Conforme mencionamos na introdução deste trabalho, os isolantes elétricos são aqueles materiais, cujos apresentam uma baixa condutividade, isto é, tem alta capacidade de impedir a passagem de corrente elétrica.

Segundo o Dicionário Brasileiro de Eletricidade, da ABNT, isolante é:

"um material no qual a banda de valência é uma banda cheia, separada da banda de condução por uma banda proibida, de largura tal que, para passar elétrons da banda de valência para a banda de condução, é necessário uma energia tão grande que é capaz de causar a ruptura do material." Dessa forma, vê-se que para um material, que seja considerado isolante, conduzir corrente elétrica, a energia necessária é capaz de quebrar e/ou danificar tal material.

Como sabemos, os metais possuem grande quantidade de elétrons livres, e em geral são bons condutores. Logo, os isolantes são materiais "não- metais". Podendo ser composto por materiais cerâmicos, polímeros e até mesmo pelo próprio ar, isto é, materiais com raros ou até nenhum elétron livre. Os isolantes elétricos também são conhecidos como dielétricos.

2.1 - Propriedade de Polarização

O dielétrico também pode ser conceituado como um material cuja propriedade fundamental é a de ser polarizável por um campo elétrico. Então, o isolante pode ser definido como um material que exibe ou pode ser produzido de modo a exibir uma estrutura de dipolo elétrico, ou seja, a nível molecular ou atômico, existe uma separação entre as entidades positivas e negativas eletricamente carregadas.

Os dipolos citados acima decorrem de um arranjo assimétrico das cargas positivas e negativas. Normalmente estas cargas têm uma simetria elétrica, ou seja, os centros de cargas negativas e positivas coincidem. Sob a ação de um campo elétrico estas cargas experimentam uma distorção dessa simetria criando pequenos dipolos elétricos, denominados de dipolos "induzidos". Pode ocorrer que determinados tipos de materiais, em virtude de uma natural assimetria elétrica, exibam a presença de dipolos "permanentes", cuja existência independe da ação do campo elétrico externo. Esta interação dos dipolos resulta em uma das grandes aplicações dos dielétricos que é o capacitor.

3 - O Capacitor e a Constante Dielétrica

Quando aplicamos uma tensão em um capacitor, sabemos que uma das placas se torna positivamente carregada, e a outra negativamente carregada, com o sentido do campo elétrico do positivo para o negativo. Nosso escopo não é explicar o funcionamento do capacitor e nem suas propriedades ou aplicações. Porém, sabemos que um capacitor pode ser definido como duas placas metálicas paralelas, separadas por um dielétrico. Dessa forma, a capacitância pode ser calculada através da seguinte equação:

C=εA/L

Onde:

A = Área das Placas L= comprimento do dielétrico (espaçamento entre as placas)

ε = Permissividade absoluta do meio dielétrico

E ainda;

ε= εR* ε0

ε0 = Permissividade elétrica absoluta no vácuo εR = Permissividade Relativa, também conhecida como Constante

Dielétrica

A constante dielétrica é uma grandeza adimensional e maior que um. Ela representa o aumento da carga elétrica armazenada no capacitor pela inserção do meio dielétrico entre as suas placas. Tem importância fundamental nos projetos de capacitores.

4 - Rigidez Dielétrica

Quando um campo elétrico, bastante elevado, é aplicado através de um material dielétrico, um grande número de elétrons pode subitamente ser excitado para níveis de energia da banda de condução. Como resultado deste fenômeno a corrente elétrica do dielétrico aumenta de forma considerável e dramática, podendo acarretar irreversíveis degradações no material e talvez sua perda definitiva. Esse aumento considerável da corrente conduz a formação de um arco elétrico (centelha) e consequente perfuração do material. Este fenômeno é conhecido como "disrupção dielétrica", ou também "ruptura do dielétrico".

A rigidez dielétrica representa a grandeza do campo elétrico necessário para produzir a ruptura do dielétrico do material. No caso dos materiais sólidos, quando é dada a ruptura, ocorre a sua perfuração, verificando-se a destruição parcial ou total do dielétrico, os quais não mais recuperam as suas propriedades isolantes originais, mesmo com a retirada do campo elétrico. Já nos materiais gasosos e líquidos a perfuração dielétrica não tem características irreversíveis. Cessada a ação do campo elétrico, o material regenera-se e readquire sua propriedade dielétrica.

Vários fatores influenciam na rigidez dielétrica isolante, os mais importantes são os seguintes:

de

um

material

  • a) Natureza do próprio material;

  • b) Espessura do dielétrico;

  • c) Temperatura;

  • d) Natureza do campo elétrico (constante ou alternado);

  • e) Geometria dos eletrodos;

  • f) Frequência;

  • g) Progressão de carga aplicada.

5 - Aplicações no Cotidiano

Os materiais isolantes estão presentes e são tão importantes no nosso dia-a-dia quanto os condutores. Além de aplicações um pouco mais complexas como a dos capacitores e outros elementos no ramo da eletrônica, temos também na área da eletrotécnica aplicações simples, e que muitas vezes nem percebemos. Por exemplo: quando vamos ligar algum equipamento em uma tomada, o que faríamos se o plugue não fosse isolado? Ou então, como seria se os condutores que utilizamos nas residências não tivessem uma camada isolante ao redor deles? Essas perguntas nos fazem ter uma noção da importância dos isolantes em nossas vidas.

Conforme citamos acima, a aplicação de dielétricos envolve uma vasta área. A verdade é que todos equipamentos eletro-eletrônicos que nos deparamos no cotidiano tem neles empregado uma grande utilização de materiais isolantes. A utilização destes materiais se dá por conta da necessidade de isolar internamente os circuitos com o intuito de não ter curto- circuitos e também para proteção ao usuário contra o choque elétrico.

A proteção contra o choque elétrico, inclusive, é de grande importância dentro de órgãos regulamentadores no mundo todo. É estabelecido normas de valores de isolamento para determinados equipamentos. Estes valores variam de acordo com a tensão que nele será aplicada. Como exemplo podemos citar novamente os condutores utilizados nas instalações elétricas residenciais. Ao comprarmos estes fios podemos perceber que uma das

especificações presentes neles é a isolação. Ela é descrita como "500v" ou "0,6/1kV", por exemplo. Isto significa que estes condutores conseguem suportar uma tensão de 500v ou 0,6/1kV, respectivamente. E então, se for aplicado uma tensão superior ao que este condutor suporta, a isolação não está mais garantida. Podendo assim, haver correntes de fuga e até mesmo ruptura da camada isolante, colocando o usuário em risco. Estes valores máximos de tensão aplicados a um material podem ser vistos também em luvas isolantes, alicates, chaves de fenda, entre outros.

Para garantir a segurança de todos, órgãos como a ABNT aqui no Brasil, estabelecem valores padrão para cada tipo de material e dimensões a serem utilizadas, de maneira que garanta que a isolação dos materiais não seja violada. A NBR-6251(Cabos de potência com isolação extrudada para tensões de 1kV a 35kV - Requisitos Construtivos), por exemplo, estabelece padrões para as dimensões construtivas de cabos. Um dos objetivos desta norma é garantir que os cabos forneçam a isolação necessária.

A NBR-5410(Instalações Elétricas de Baixa Tensão) estabelece ensaios padrões para verificar a isolação de uma instalação elétrica. Utilizaremos esta norma para verificar a isolação elétrica de uma bancada de laboratório. Os detalhes do ensaio, bem como da sua aplicação, podem ser vistos no anexo deste trabalho.

6 - Considerações Finais

O conhecimento mais a fundo sobre os materiais dielétricos foi de grande importância, sem dúvida nenhuma. Tanto para o futuro acadêmico que nos espera ainda, como para o âmbito profissional e pessoal.

Poder resgatar os conceitos envolvidos nos materiais isolantes foi de grande valia. Assim como a aquisição de novos conhecimentos como a propriedade de polarização, e sua aplicação aos capacitores.

Podemos perceber também como a aplicação dos isolantes está tão presente no nosso dia a dia, garantindo a nossa segurança contra choques elétricos. E também garantindo internamente o funcionamento dos equipamentos eletroeletrônicos.

Referência Bibliográfica

LUNA, Aelfo M. Materiais em EngenhariaElétrica, Vol.1, 2006.

CALLISTER JR, W.D. Ciência e Engenharia de Materiais - Uma Introdução,Ed.:LTC, 7ªed.,

2008.

Norma Técnica ABNT NBR5410 - Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Norma Técnica ABNT NBR6251 - Cabos de potência com isolação extrudada para tensões de 1kV a 35kV - Requisitos Construtivos

Anexo

Roteiro de Experimento

Ensaio de Resistência de Isolamento

  • 1. Introdução

A realização de testes de resistência de isolamento é necessária para verificar se a instalação não possui curto-circuito e para garantir que os valores mínimos de isolamento cumpram o estabelecido na norma. Tais ensaios permitem identificar fatores de deterioração do isolamento associados a riscos de incêndios, fuga de corrente e aumento do consumo de energia elétrica, ocasionando num maior gasto financeiro.

  • 2. Objetivo

Este ensaio visa verificar se a resistência de isolamento da bancada do laboratório atende os valores mínimos estabelecidos pela norma NBR

5410:04.

  • 3. Procedimento

Primeiramente devemos verificar se a instalação não está energizada, com o auxílio de um multímetro. Em seguida, devemos nos certificar de que todos equipamentos da bancada estão desconectados.

Deverão ser realizadas quatro medidas: com apenas uma bancada ligada a rede, com duas bancadas ligadas a rede e finalmente com as 4 bancadas ligadas à rede elétrica.

O equipamento utilizado será o megômetro. Este equipamento realizará a medida da resistência no circuito aplicando uma tensão igual à 500V entre os terminais dos condutores tomados dois a dois, seguindo os seguintes passos:

  • 1. Ligar o megômetro;

  • 2. Selecionar a tensão de teste;

  • 3. Selecionar a faixa de medida adequada pela tecla RANGE. ATENÇÃO: recomendável começar pela maior faixa e então reduzir caso necessário, caso a medida de resistência de isolação seja desconhecida;

  • 4. Conecte as pontas de prova aos terminais do instrumento;

  • 5. Para eliminar o efeito de correntes indesejadas, os pontos que não serão considerados na medida devem ser ligados ao terminal GROUND (caso seja necessário);

  • 6. Conecte as pontas de prova dos terminais L e E1 ou E2 (Earth) aos pontos a serem medidos;

  • 7. Espere o ponteiro se estabilizar e efetue a leitura levando em consideração a escala utilizada;

  • 8. Os valores de resistência medidos devem ser comparados com a tabela 55 da NBR 5410:55.

4. Resultados

A parte principal do experimento consiste em analisar a resistência interna de uma bancada. As demais bancadas foram ligadas em paralelo para se observar como a resistência diminui ao se conectar mais bancadas.

Para este experimento foi utilizada uma tensão de ensaio de

500V.

Os valores de referência são mostrados no Quadro a seguir.

Quadro 1 - Valores mínimos de resistência de isolamento

Quadro 1 - Valores mínimos de resistência de isolamento Fonte: NBR 5410:55 A resistência de isolamento

Fonte: NBR 5410:55

A resistência de isolamento da bancada medida foi bem maior do que os valores registrados no Quadro 1, sendo 6G Ohms para as 4 bancadas ligadas e 7G Ohms para apenas uma bancada ligada à rede, conforme mostra a Figura 1:

Figura 1 Valor de resistência interna para uma bancada

Quadro 1 - Valores mínimos de resistência de isolamento Fonte: NBR 5410:55 A resistência de isolamento

Fonte: Autores

O valor amostrado já corrigido pela escala utilizada no megômetro foi de aproximadamente 7G Ohms. Isto nos indica que as bancadas do laboratório estão de acordo com a NBR 5410 e, portanto, são consideradas seguras para utilização no que se refere à isolação elétrica.

Referências

Norma Técnica ABNT: NBR 5410:04

Manutenção

Preventiva:

Teste

de

resistência

de

isolamento,

disponível

em:

 

Guia

eletricidade

moderna

da

norma

NBR

5410:04,

disponível

em: