Вы находитесь на странице: 1из 30

Cálculo Económico e Empresarial

2015/2016

Sandra Ribeiro; João Adelino Ribeiro ©

2016

jribeiro@ual.pt

CAPÍTULO 3

3. Equivalência de Capitais

3.1. Capitalização e Atualização

de Capitais 3.1. Capitalização e Atualização 3.2. Operações de atualização em regime de Juro Simples.

3.2. Operações de atualização em regime de Juro Simples. Desconto

simples. Desconto bancário de letras

3.3. Operações de atualização em regime de Juro Composto. Desconto

composto.

3.4. Equivalência de capitais – equações de valor.

3.1. Capitalização e Atualização §   Já sabemos que um capital não tem o mesmo

3.1. Capitalização e Atualização

§Já sabemos que um capital não tem o mesmo valor em momentos diferentes de tempo.

§Um capital tem um valor inferior se esIver reportado num momento inferior e tem um valor superior se esIver reportado num momento de tempo posterior, devido à existência de juro .

§Quando se determina o valor de um capital num momento anterior do tempo, então está a atualizar-se ou descontar-se esse mesmo capital. Esse processo é, assim conhecido por Atualização ou Desconto .

§Quando se determina o valor de um capital num momento posterior do tempo, então está a capitalizar-se esse mesmo capital. Esse processo é, assim conhecido por Capitalização .

3.1. Capitalização e Atualização §   Para atualizar ou capitalizar, é necessário uIlizar uma taxa

3.1. Capitalização e Atualização

§Para atualizar ou capitalizar, é necessário uIlizar uma taxa de juro. Em regime composto, ao fator (1+i) designa-se por:

üFator de capitalização, quando o seu expoente é posiIvo; üFator de atualização, quando o seu expoente é negaIvo.

§Estabelecer uma equivalência entre capitais reportados a momentos diferentes de tempo requer:

üEscolha da data focal (data a que se pretende reportar todos os capitais) üAtualizar todos os capitais ou capitalizar todos os capitais ou, ainda, atualizar alguns capitais e capitalizar outros.

3.2. Operações de Atualização em regime de Juro Simples Existem duas formas de atualizar valores

3.2. Operações de Atualização em regime de Juro Simples

Existem duas formas de atualizar valores em regime de juros simples:

§Abordagem comercial (a mais usada): o desconto é calculado sobre o valor nominal (C).

[TAMBÉM DESIGNADO COMO ‘DESCONTO POR FORA’]

§Abordagem racional (a teoricamente correta): o desconto é calculado sobre o valor atual (C’).

[TAMBÉM DESIGNADO COMO ‘DESCONTO POR DENTRO’]

3.2. Operações de Atualização em regime de Juro Simples Desconto Comercial Simples (Dcs) ou Desconto

3.2. Operações de Atualização em regime de Juro Simples

Desconto Comercial Simples (Dcs) ou Desconto por Fora (Df):

§A taxa de atualização, i, incide sobre o capital nominal:

Dcs =C*n*i

§Cálculo do valor atual comercial simples:

então:

C’cs = C – Dcs

C’cs = C(1-ni)

em que (1-ni) é o fator de atualização

3.2. Operações de Atualização em regime de Juro Simples §   Se procedermos ao Desconto

3.2. Operações de Atualização em regime de Juro Simples

§Se procedermos ao Desconto Comercial Simples, a taxa efeIvamente usada é superior à taxa anunciada. Existe, portanto, uma diferença entre o desconto real e o desconto comercial.

§Qual a taxa “real” (i) associada ao desconto comercial simples (Dcs)?

Dcs = i / (1-ni)

sendo que : Dcs > i

3.2. Operações de Atualização em regime de Juro Simples EXEMPLO : Consideremos um capital de

3.2. Operações de Atualização em regime de Juro Simples

EXEMPLO :

Consideremos um capital de 1.000 euros, com vencimento dentro de 6 meses e a taxa de juro anual de 2%.

a) Qual o valor do desconto comercial simples? b) Qual o valor atual desse capital? c) Qual a taxa de juro realmente usada na operação de desconto?

Respostas:

a) Dcs = C.n.i = 1.000*1/2*2% = 10 euros

b) C’cs = C – Dcs = 1000 – 10 = 990 euros

c) i “real” = i / (1-ni) = 2% / (1-1/2*2%) = 2,020202%

3.2. Operações de Atualização em regime de Juro Simples Desconto Racional Simples (Drs) ou Desconto

3.2. Operações de Atualização em regime de Juro Simples

Desconto Racional Simples (Drs) ou Desconto por Dentro (Dd):

§A taxa de atualização, i, incide sobre o próprio valor atual (c’)

Drs = C’. n. i

§Cálculo do Valor Atual Racional Simples:

C’rs = C - Drs

em que:

C’rs = C / (1+ni)

sendo 1/ (1+ni) o fator de atualização.

3.2. Operações de Atualização em regime de Juro Simples Desconto Racional Simples (Drs) ou Desconto

3.2. Operações de Atualização em regime de Juro Simples

Desconto Racional Simples (Drs) ou Desconto por Dentro (Dd):

§Se procedermos ao Desconto Racional Simples, a taxa efeIvamente usada é igual à taxa anunciada. Logo, não existe diferença entre o desconto real e o desconto racional.

§Notas Importantes:

1. O desconto racional simples é mais correto do ponto de vista teórico (aliás, é o único correto), pois conduz a uma equivalência de capitais perfeita (já que, atualizando um valor e, a seguir, capitalizando-o durante o mesmo período de tempo obtém-se o mesmo valor.

2. Em certas situações, o desconto comercial simples não pode ser

aplicado – só pode ser aplicado em operações de curto prazo e com taxas de juro baixas; caso contrário, correr-se-ia o risco de obter um capital

com valor atual negaIvo!

3.2. Operações de Atualização em regime de Juro Simples Desconto Racional Simples (Drs) ou Desconto

3.2. Operações de Atualização em regime de Juro Simples

Desconto Racional Simples (Drs) ou Desconto por Dentro (Dd):

§Existe, então, um limite de aplicabilidade teórica do desconto comercial simples quando:

üO prazo (n) é superior a 1/i; üA taxa de juro (i) é superior a 1/n

Nestas situações, obtém-se um valor atual comercial simples negahvo!!!!

Aplicações do Desconto Simples §   Aplicações do Desconto Comercial Simples: ü   Juros antecipados

Aplicações do Desconto Simples

§Aplicações do Desconto Comercial Simples:

üJuros antecipados ou pagos à cabeça; üDesconto Bancário de Letras

§Aplicações do Desconto Racional Simples:

üObrigações do Tesouro, com pagamento de juros de cupão.

Nota: as obrigações cupão-zero são um exemplo do desconto composto.

Aplicações do Desconto Simples Empréshmos com Juros Antecipados ou pagos à cabeça §   O

Aplicações do Desconto Simples

Empréshmos com Juros Antecipados ou pagos à cabeça

§O Individuo que contrai o emprésImo (mutuário) paga a totalidade dos juros no momento do contrato. Estes juros são subtraídos ao capital (valor que pediu emprestado).

§Assim, o capital efeIvamente recebido é inferior ao capital pedido.

§O indivíduo está a suportar uma taxa mais elevada do que aquela que serve de cálculo ao juro (ver ‘slide’ sobre a diferença entre taxa anunciada e taxa “real” do desconto simples).

Aplicações do Desconto Simples Empréshmos com Juros Antecipados ou pagos à cabeça §   Consequentemente,

Aplicações do Desconto Simples

Empréshmos com Juros Antecipados ou pagos à cabeça

§Consequentemente, pagam-se juros sobre um valor que não se recebe na totalidade.

§O juro é calculado sobre C (montante pedido).

üAssim, pede C mas só recebe C’;

C’ = C - J C’ = C – C.n.i

Aplicações do Desconto Simples Empréshmos com Juros Antecipados ou ‘pagos à cabeça’. Exemplo: O Sr.

Aplicações do Desconto Simples

Empréshmos com Juros Antecipados ou ‘pagos à cabeça’.

Exemplo: O Sr. Jaime contraiu um emprésImo de 10.000 euros, por 6 meses, calculados à taxa anual de 10%. Calcule:

a) O valor dos juros suportados pelo Sr. Jaime

Resposta: Juros = 10.000*0,5*10% = 500 euros

b) O valor recebido pelo Sr. Jaime no momento do emprésImo Resposta: C’ = C – J = 10.000 – 500 = 9.500 euros

c) A taxa de juro realmente suportada pelo Sr. Jaime Resposta: i “real” = 1/ (1-ni) = 10%/(1-0,5*10%)= 10,5263% (aprox.)

Aplicações do Desconto Simples LETRA §   Surge, normalmente, associada à aIvidade comercial §  

Aplicações do Desconto Simples

LETRA

§Surge, normalmente, associada à aIvidade comercial §Título de crédito através do qual uma pessoa (sacador) ordena a outra (sacado ou aceitante) que lhe pague a si próprio ou a um terceiro (tomador ou beneficiário), uma determinada importância (valor nominal), numa determinada data (data de vencimento)

Atenção: o valor nominal da letra reporta-se sempre à data do seu vencimento!!!!

Aplicações do Desconto Simples Intervenientes numa Letra: §   Sacador (quem emite a letra) §

Aplicações do Desconto Simples

Intervenientes numa Letra:

§Sacador (quem emite a letra) §Sacado ou Aceitante (quem paga, após ter reconhecido a dívida) §Beneficiário ou Tomador (quem recebe) §Endossante (pessoa que endossa – que transfere os direitos crediwcios) §Endossado (pessoa a quem são transmiIdos os direitos) §Cedente (pessoa que apresenta a letra a desconto) §Avalista (pessoa que se responsabiliza pelo pagamento da dívida)

Aplicações do Desconto Simples Despesas de Selagem na Letra: A emissão de letras está sujeita

Aplicações do Desconto Simples

Despesas de Selagem na Letra:

A emissão de letras está sujeita a pagamento de imposto de selo – despesa de selagem, que atualmente é efetuado por intermédio de uma guia paga numa reparIção de finanças. A legislação não indica quem deve pagar estas despesas de selagem mas, frequentemente, tais despesas são pagas pelo sacado (mas não necessariamente!)

Nota: muitas vezes, sacador e sacado acordam previamente quem paga o quê.

Aplicações do Desconto Simples Desconto Bancário de Letras §   Se o credor desejar receber

Aplicações do Desconto Simples

Desconto Bancário de Letras

§Se o credor desejar receber a dívida antecipadamente, pode propor o desconto da letra a uma insItuição bancária. §Como está a antecipar o recebimento não irá receber o valor nominal da Letra (L), ou seja, o valor da dívida na data de vencimento da letra, mas um valor inferior a esse. §Este valor é inferior, não só em virtude do juro mas também pelo facto de exisIrem outras despesas e encargos (A). §Assim, quando apresenta a letra a desconto, o credor irá receber um valor designado por Produto Líquido de Desconto (PLD)

PLD = L - A

Aplicações do Desconto Simples Desconto Bancário de Letras §   De acordo com o Dec-Lei

Aplicações do Desconto Simples

Desconto Bancário de Letras

§De acordo com o Dec-Lei nº 344/78, nas operações de desconto de letras as insItuições financeiras podem cobrar juros antecipadamente por dedução ao valor nominal, ou seja, praIcar o desconto comercial simples (ou desconto por fora) .

§Quais os componentes de A:

1) Juro, calculado de acordo com a regra do desconto por fora - Dcs 2) Comissão de cobrança - Cc 3) Imposto de selo - Is 4) Outras despesas (despesas eventuais ou portes) - P

Aplicações do Desconto Simples Desconto Bancário de Letras §   Donde: e : A =

Aplicações do Desconto Simples

Desconto Bancário de Letras

§Donde:

e:

A = Dcs + Cc + Is +P

PLD = L – (Dcs + Cc + Is + P)

Recorde-se que: Dcs = C.n.i, logo:

Dcs = L.n.i

Nota: no desconto de letras uIliza-se sempre : 1 ano = 360 dias, Donde:

Dcs = L. (n/360).i

Aplicações do Desconto Simples Desconto Bancário de Letras L = valor nominal da letra i

Aplicações do Desconto Simples

Desconto Bancário de Letras

L = valor nominal da letra i = taxa de juro anual n = número real de dias entre a data de apresentação da letra a desconto (data valor) e a data do seu vencimento, acrescido de dois dias

Porque se somam dois dias? Porque de acordo com a legislação, o portador de uma letra deve apresenta- la a pagamento no dia em que ela é pagável ou nos dois dias seguintes (na realidade, o número de dias a acrescer pode ser superior a dois, mas para fins académicos, consideram-se sempre dois dias).

Atenção: de acordo com a legislação em vigor, na contagem de dias não se considera o próprio dia de apresentação da letra a a desconto.

Aplicações do Desconto Simples Desconto Bancário de Letras Assim: n = nº dias entre data

Aplicações do Desconto Simples

Desconto Bancário de Letras

Assim: n = nº dias entre data de vencimento e data valor + 2 dias

§Comissão de Cobrança (Cc)

É uma comissão bancária que corresponde ao preço do serviço prestado pelo Banco. O seu valor varia de Banco para Banco, sendo calculado através de uma percentagem (icc) do valor nominal da letra. Cada Banco tem uma tabela que contempla situações específicas (letras domiciliadas ou não, com ou sem protesto, etc.).

Cc = L.icc

Aplicações do Desconto Simples Desconto Bancário de Letras §   Imposto de Selo (Is) É

Aplicações do Desconto Simples

Desconto Bancário de Letras

§Imposto de Selo (Is)

É uma receita do estado (ao contrário das outras, que são receitas do Banco).

É calculado através da aplicação de uma taxa de imposto (is) ao valor do desconto e das comissões.

IS = (Dcs + Cc). is

Atualmente, a taxa de imposto de selo aplicada ao desconto de letras em Portugal é de 4%.

Nota Importante: Não confundir com o custo de selagem da letra (0,5% de L, com valor mínimo de 1 euro)

Aplicações do Desconto Simples Desconto Bancário de Letras §   Portes Estas despesas variam de

Aplicações do Desconto Simples

Desconto Bancário de Letras

§Portes Estas despesas variam de Banco para Banco e correspondem a despesas de correio e/ou de comunicações. Em alguns Bancos, os portes não são cobrados se a letra for domiciliada (quando o local do pagamento coincide com o local de desconto da letra)

Normalmente, o montante é pré-estabelecido por letra ou por conjunto de letras (Ipicamente, 1 euros ou 2 euros).

Aplicações do Desconto Simples Desconto Bancário de Letras §   Exemplo Uma letra com valor

Aplicações do Desconto Simples

Desconto Bancário de Letras

§Exemplo

Uma letra com valor nominal de 2.750 euros encontrava-se datada para 30 de Agosto de um determinado ano. No entanto, foi apresentada a desconto no dia 22 de Junho numa insItuição bancária que praIcou as seguintes condições:

- taxa de desconto: 12%

- comissão de cobrança: 1%

- portes: 2 euros

Qual foi o montante creditado na conta do cedente?

Aplicações do Desconto Simples Bilhetes do Tesouro São wtulos de dívida pública de curto prazo,

Aplicações do Desconto Simples

Bilhetes do Tesouro São wtulos de dívida pública de curto prazo, emiIdos a desconto (normalmente) e reembolsados pelo valor nominal na data de vencimento Na data de aquisição, é pago um preço de aquisição dos BT (P aq ), que

corresponde ao valor atual do valor nominal futuro. NA data de vencimento,

o invesIdor detentor do wtulo recebe o Valor Nominal ( V n ) dos BT que possuir.

Nos BT uIliza-se o desconto racional simples, pelo que temos:

P aq = V n / (1+n.i)

Onde:

i = taxa de juro (de remuneração) dos BT;

n = número de dias entre a data de aquisição e a data de vencimento dos BT

(nota: ano = 360 dias)

Aplicações do Desconto Simples Bilhetes do Tesouro Os juros do BT estão sujeitos ao pagamento

Aplicações do Desconto Simples

Bilhetes do Tesouro Os juros do BT estão sujeitos ao pagamento de IRS à taxa liberatória de 28%. Assim, na data do vencimento, o subscritor recebe um valor líquido de imposto. Este facto reintroduz a já nossa conhecida disInção entre taxa de juro bruta e taxa de juro líquida, neste caso aplicada aos BT.

Exemplo:

Se um invesIdor subscrever hoje 10.000 euros de BT, por um prazo de 60 dias, recebendo 9.870 euros, qual a taxa de juro (taxa de rendibilidade) implícita nesta operação financeira? Resposta: 9.870*(1+(60/360)*i) = 10.000 euros i = 7,9%

3.3. Operações de Atualização em regime de Juro Composto A lógica do desconto composto é

3.3. Operações de Atualização em regime de Juro Composto

A lógica do desconto composto é semelhante à do desconto simples, usando o factor de atualização composta (em regime de juros compostos)

A principal diferença reside no facto de o desconto comercial composto ser pouco uIlizado, apesar de teoricamente ser o mais correto.

C’ = C* 1/(1+n)

Dc = C – C’

Nota: as obrigações cupão-zero são um exemplo da uIlização do desconto comercial composto.

3.3. Operações de Atualização em regime de Juro Composto EXEMPLO: Na compra de um equipamento,

3.3. Operações de Atualização em regime de Juro Composto

EXEMPLO:

Na compra de um equipamento, o comprador pagou a pronto 1.000 euros e comprometeu-se a pagar 4.000 euros no prazo de 2 anos. 1 ano antes do vencimento da dívida, o comprador propôs a liquidação do capital em dívida. Quanto deve pagar se for usado o desconto composto e a taxa anual de 4%?