Вы находитесь на странице: 1из 20
Soluções
Soluções
SOLUÇÕES 2 São misturas homogêneas de duas ou mais substâncias.
SOLUÇÕES
2
São misturas homogêneas de duas ou mais substâncias.
Definições Prefixos mais comuns na literatura química Prefixo Prefixo Múltiplos Frações Símbolo Fator Símbolo Fator tera
Definições
Prefixos mais comuns na literatura química
Prefixo
Prefixo
Múltiplos
Frações
Símbolo
Fator
Símbolo
Fator
tera
T
10 12
deci
d
10
-1
giga
G
10
9
centi
c
10
-2
mega
M
10
6
mili
m 10
-3
kilo
k
10
3
micro
10
-6
hecto
h
10
2
nano
n
10
-9
deca
da
10
1
pico
p
10 -12
3

Concentração das Soluções

   
Denomina-se concentração de uma solução toda e qualquer forma de expressar a proporção existente entre a
Denomina-se concentração de uma solução toda e
qualquer forma de expressar a proporção existente
entre a quantidade do soluto e a quantidade do
solvente ou solução.
4
4
Concentração (C) É o quociente entre a massa do soluto e o volume da solução m
Concentração (C)
É o quociente entre a massa do soluto e o volume da solução
m
C 
soluto
V
solução
Ex.: Preparar uma solução aquosa 5 g/L de cloreto de sódio (NaCl)
Adicionar
água
NaCl
destilada
Tampar
Agitar
2,500 g
5
500 mL
500 mL
500 mL
500 mL
Exemplo 1. Qual a massa de cloreto de alumínio (AlCl 3 ) necessária para preparar 150
Exemplo 1. Qual a massa de cloreto de alumínio (AlCl 3 ) necessária para
preparar 150 mL de uma solução aquosa de concentração igual a 50 g/L.
m
m
 C.V
C 
soluto
soluto
solução
V
solução
g
m
50
.0,15L
7,5g
soluto 
L
6
Concentração Molar ou Molaridade (M) É o quociente entre o número de mols do soluto e
Concentração Molar ou Molaridade (M)
É o quociente entre o número de mols do soluto e o volume da
solução em litros (M = mol/L ou mol L -1 )
n
m
M 
soluto
n 
V
(litros)
como
solução
MM
m
M 
soluto
MM
.V
(litros)
soluto solução
7
Ex.: Preparar 1 litro de uma solução 0,5 M de NaOH
m
M 
soluto
PM
.V
(litros)
soluto
solução
M = 0,5 M
Na = 23; O = 16; H = 1
PM soluto = 40 g/mol
V solução = 1 litro
m
PM
.V
(litros).M
soluto
soluto
solução
mol
m
40
.1L.0,5
20g
soluto 
mol g
L
8
Ex.: Preparar 1 litro de uma solução 0,5 M de NaOH m soluto = 20 g
Ex.: Preparar 1 litro de uma solução 0,5 M de NaOH
m soluto = 20 g
V solução = 1 litro
Adicionar
água
NaOH
destilada
Tampar
Agitar
20,000 g
1000 mL
1000 mL
1000 mL
1000 mL
9
Ex.: Qual a molaridade de uma solução aquosa que contém 2,30 g de álcool etílico (C
Ex.: Qual a molaridade de uma solução aquosa que contém 2,30 g
de álcool etílico (C 2 H 5 OH) em 3,5 litros?
m
M 
soluto
MM
.V
(litros)
soluto solução
M = ? M
C = 12; O = 16; H = 1
PM soluto = 46 g/mol
V solução = 3,5 L
m soluto = 2,30 g
2,3g
mol
M 
0,0143
 0,0143M
L
46
mol g .3,5L
10
Ex.: Preparar uma solução aquosa 2 M de ácido acético (CH 3 COOH)? m  PM
Ex.:
Preparar
uma
solução
aquosa
2
M
de
ácido
acético
(CH 3 COOH)?
m
PM
.V
(litros).M
soluto
soluto
solução
M = 2 M
C = 12; O = 16; H = 1
PM soluto = 60 g/mol
V solução = ? = 0,25 L
m soluto = ? g
Como não foi fixado o volume de solução que deve ser preparado, fica a
critério de cada um escolher o volume da solução. Neste caso vamos
preparar 250 mL de solução. Assim um balão volumétrico de 250 mL
deverá ser usado.
mol
m
60
.0,25L.2
30g
soluto 
mol g
L
11
Ex.: Preparar uma solução aquosa (CH 3 COOH)? 2 M de ácido acético m 30g soluto
Ex.: Preparar uma solução aquosa
(CH 3 COOH)?
2
M
de ácido
acético
m
30g
soluto 
Adicionar
água
Ácido
Acético
destilada
Tampar
Agitar
30,000 g
250 mL
250 mL
250 mL
250 mL
12
Relação entre C e M m C  soluto m V soluto solução M  MM
Relação entre C e M
m
C 
soluto
m
V
soluto
solução
M 
MM
.V
(litros)
soluto solução
m
 C.V
Igualando
m
M.MM
.V
(litros )
soluto
solução
soluto
soluto solução
C  M.MM
soluto
13
Concentração Normal ou Normalidade (N) É o número de equivalentes de soluto contido em 1L de
Concentração Normal ou Normalidade
(N)
É o número de equivalentes de soluto contido em 1L de solução
ou o número de miliequivalentes em 1mL de solução. litros
(N = eq/L ou eq/L ou meq/mL)
N 
V
n eq  g
(litros)
o
soluto
solução
N 
V
n meq  g
(mililitro)
o
soluto
14
solução

Concentração Normal ou Normalidade (N)

   

o

Massa ( g )

 

n eq g

soluto

Eq g

 
 

E eq g

Molécula g

soluto

soluto

K

K = é o número de hidrogênios ionizáveis para os ácidos ou de hidroxilas para as bases, valência do cátion ou do ânion para os sais

 

N K .

massa

15
15
 

V MM

solução .

 
Ex.: Preparar um litro de solução de Hidróxido de Sódio(NaOH) com concentração de 0,1N. massa N
Ex.: Preparar um litro de solução de Hidróxido de Sódio(NaOH)
com concentração de 0,1N.
massa
N  K .
V PM
solução .
N = 0,1N
Na = 23; O = 16; H = 1;
PM soluto = 40g
K= 1
V solução = 1,0 L
m soluto = ? g
N PM V
.
.
m 
K
16

Ex.: Preparar um litro de solução de Hidróxido de Sódio(NaOH) com concentração de 0,1N.

   
 

m

0,1 x 40 x 1

4

gNaOH

 
 

1

 
17
17

Padronização de Soluções

   

Solução Padrão: a concentração de soluto é conhecida com acuracidade.

A confecção de uma Solução Padrão é feita com um Padrão Primário.

Padrão Primário é a substância que possui alto grau de pureza, não degrada facilmente e que tenha sido submetida à secagem em estufa antes do preparo da solução.

Padrão Secundário é a solução em que sua padronização foi realizada

com um padrão primário.

Na padronização de uma solução de Hidróxido de Sódio(NaOH) utilizam-se como padrões primários: Ftalato Ácido(biftalato) de Potássio (C 8 H 5 O 4 ) ou Ácido Oxálico (C 2 H 2 O 4 .2H 2 O).

18
18
Ex.: Preparar 100mL de solução de Ácido Oxálico (C 2 H 2 O 4 .2H 2
Ex.: Preparar 100mL de solução de Ácido Oxálico (C 2 H 2 O 4 .2H 2 O)
com concentração de 0,1N.
N PM V
.
.
m 
K
N = 0,1N
C = 12; O = 16;
H = 1;
PM soluto = 126,064g
K= 2
V solução = 0,1 L
m soluto = ? g
0,1 126,064 0,1
x
x
m 
 0,63032
gC H O H O
.2
2
2
2
4
2
19
Cálculo da Concentração da Solução Padronizada N V  N V  N V  const
Cálculo da Concentração da Solução
Padronizada
N V  N V  N V  const
.
.
.
.
1
1
2
2
3
3
20
 

CURVAS DE SOLUBILIDADE

   

Para entender melhor a influência da temperatura na solubilidade das substâncias, é necessário analisar as Curvas de solubilidade, que são os gráficos que representam os coeficientes de solubilidade (Cs) das substâncias em função da temperatura.

 
CURVAS DE SOLUBILIDADE  Para entender melhor a influência da temperatura na solubilidade das substâncias, é
Porém, substâncias diferentes se dissolvem em quantidades diferentes em uma mesma quantidade de solvente na mesma
Porém, substâncias diferentes se dissolvem em
quantidades diferentes em uma mesma
quantidade de solvente na mesma temperatura.
Isto depende do Coeficiente de solubilidade?
O QUE É O COEFICIENTE DE
SOLUBILIDADE (Cs)?
O Cs É A QUANTIDADE MÁXIMA DISSOLVIDA DE UMA SUBSTÂNCIA EM UMA DETERMINADA TEMPERATURA, EM UMA
O Cs É A QUANTIDADE MÁXIMA DISSOLVIDA DE UMA SUBSTÂNCIA EM UMA DETERMINADA TEMPERATURA, EM UMA
O Cs É A QUANTIDADE MÁXIMA DISSOLVIDA DE UMA SUBSTÂNCIA EM UMA DETERMINADA TEMPERATURA, EM UMA

O Cs É A QUANTIDADE MÁXIMA DISSOLVIDA DE UMA SUBSTÂNCIA EM UMA DETERMINADA TEMPERATURA, EM UMA QUANTIDADE PADRÃO DE SOLVENTE.

Exemplo

Cs (0ºC)

Cs (100ºC)

SAL

357g/L

398g/L

NaCl

SACAROSE

420g/L

3470g/L

C12H22O11

Exemplo Cs (0ºC) Cs (100ºC) SAL 357g/L 398g/L NaCl SACAROSE 420g/L 3470g/L C 12 H 22
O Cs É A QUANTIDADE MÁXIMA DISSOLVIDA DE UMA SUBSTÂNCIA EM UMA DETERMINADA TEMPERATURA, EM UMA
O Cs É A QUANTIDADE MÁXIMA DISSOLVIDA DE UMA SUBSTÂNCIA EM UMA DETERMINADA TEMPERATURA, EM UMA
Classificação das soluções quanto a relação soluto x solvente
Classificação das soluções quanto a relação
soluto x solvente
Da análise do gráfico podemos concluir que: A maior parte das substâncias têm a solubilidade aumentada
Da análise
do gráfico podemos
concluir que:
A maior parte das substâncias
têm a solubilidade aumentada com
o aumento da temperatura.
O Cs do KNO 3 varia muito com a
temperatura, ao passo que o Cs
do NaCl permanece praticamente
inalterado.
A 10ºC, o NaCl é mais solúvel
que
o
KNO 3 ,
mas
a
60ºC,
ocorre o inverso.
 

EXEMPLO

   

Uma solução saturada de nitrato de potássio (KNO3) constituída, além do sal, por 100 g de água, está a temperatura de 60ºC. Essa

solução é resfriada a 25ºC, ocorrendo precipitação de parte do sal

dissolvido, calcule:

dissolvido, calcule:
  • a) a massa do sal que precipitou;

a) a massa do sal que precipitou;
  • b) a massa do sal que permaneceu em solução.

RESOLUÇÃO a) A massa do sal que precipitou; Do gráfico dado, tiramos as solubilidades do KNO3
RESOLUÇÃO
a) A massa do sal que precipitou;
Do
gráfico
dado,
tiramos as
solubilidades do KNO3 em 100 g
de água.
a 60ºC = 70 g de KNO3
a 25ºC = 40 g de KNO3
Reduzindo a temperatura de 60ºC
para 25ºC, precipitarão: 70 g – 40
g = 30 g.
b) A massa do sal que permaneceu em solução.
Permaneceu em solução o valor do coeficiente de solubilidade
na temperatura de 25ºC, ou seja, uma massa de 40 g.
A saturação de uma solução ocorre quando, a uma determinada temperatura e sob agitação contínua, observa-se
A saturação de uma solução ocorre quando, a uma
determinada temperatura e sob agitação contínua,
observa-se que em determinado momento o soluto não
se dissolve mais.
Isto ocorre quando se adiciona aproximadamente 360 g
de sal de cozinha (cloreto de sódio) puro em
1 litro de água.
O excesso do soluto - nesta mesma temperatura - vai se
depositando no fundo do recipiente e a solução é dita
saturada com corpo de fundo.
No momento que os primeiros fragmentos do soluto se depositam no fundo do recipiente, diz-se que
No momento que os
primeiros fragmentos do
soluto se depositam no
fundo do recipiente, diz-se
que foi atingido o ponto de
saturação, que depende
tanto do soluto como do
solvente, da temperatura e
da pressão - esta última é
importante quando existem
gases envolvidos no
processo.
   
 

Uma solução com quantidade de soluto inferior ao coeficiente de solubilidade é considerada:

 

Não saturada ou insaturada

Uma solução com quantidade de soluto inferior ao coeficiente de solubilidade é considerada: Não saturada ou
Uma solução com quantidade de soluto inferior ao coeficiente de solubilidade é considerada: Não saturada ou

Quando uma solução saturada com corpo de fundo é aquecida lentamente, o soluto ali depositado é dissolvido numa temperatura mais elevada.

   

Deixa-se o frasco em repouso, e provocando o rápido abaixamento da temperatura o soluto continua dissolvido e temos então uma solução supersaturada.

Entretanto, basta uma pequena agitação no sistema ou a

introdução de um fragmento (gérmen) do soluto para que ocorra a precipitação do excesso do soluto e a solução

volta a ser saturada.

SOLUÇÃO SUPERSATURADA É INSTÁVEL

SOLUÇÃO SUPERSATURADA É INSTÁVEL
Curvas de Solubilidade: São gráficos que apresentam a variação dos coeficientes de solubilidade das substâncias em
Curvas de Solubilidade:
São gráficos que
apresentam a
variação dos
coeficientes de
solubilidade das
substâncias em
função da
temperatura.
Temperatura ( ºC ) gramas de KNO 3 em 100 g de água 0 13 10
Temperatura (
ºC )
gramas de
KNO 3
em 100 g de
água
0
13
10
20
20
32
30
46
40
64
50
85
60
110
70
137
80
169
90
204
100
246
Observe agora o gráfico abaixo: Verificamos que na maior parte das substâncias, a solubilidade aumenta, com
Observe agora o gráfico abaixo:
Verificamos que na
maior parte das
substâncias, a
solubilidade aumenta,
com a elevação da
temperatura - quando
o soluto sofre
dissolução com
absorção de calor.
Ex.: KOH, KBr, NaCl.
Classificação das soluções quanto a natureza das partículas dispersas
Classificação das soluções quanto a natureza das
partículas dispersas
     
 

Solução molecular: As partículas dispersas do soluto são moléculas. A solução molecular é também chamada de solução não-eletrolítica e não conduzem a corrente elétrica.

Exemplo: água e açúcar

Solução molecular: As partículas dispersas do soluto são moléculas. A solução molecular é também chamada de
Solução molecular: As partículas dispersas do soluto são moléculas. A solução molecular é também chamada de
   
 

Solução iônica: As partículas dispersas do soluto são íons ou íons e moléculas (dependendo do sal ou do ácido). A solução iônica é também chamada de solução eletrolítica e conduz corrente elétrica.

Os íons são os responsáveis pela condução da corrente elétrica numa solução.

 

Exemplos: água e sal (cloreto de sódio)

 
 

enfraquecimento da estrutura iônica.

enfraquecimento da estrutura iônica.
 
Solução iônica: As partículas dispersas do soluto são íons ou íons e moléculas (dependendo do sal
Solução iônica: As partículas dispersas do soluto são íons ou íons e moléculas (dependendo do sal
Quando dissolvemos cloreto de sódio (sal de cozinha) em água, o processo de dissolução ocorre porque
Quando dissolvemos cloreto de sódio (sal de cozinha) em
água, o processo de dissolução ocorre porque as moléculas
do solvente colocam-se entre os íons cloro e sódio,
enfraquecendo a atração entre os íons,
Contêm muito soluto em relação ao solvente. Exemplo: 300g de sal para 1L de água. Contêm
 

Contêm muito soluto em relação ao solvente. Exemplo: 300g de sal para 1L de água.

Contêm muito soluto em relação ao solvente. Exemplo: 300g de sal para 1L de água.
Contêm muito soluto em relação ao solvente. Exemplo: 300g de sal para 1L de água. Contêm

Contêm pouco soluto em relação ao solvente.

Exemplo: 10g de sal para 1L de água.

 
Contêm muito soluto em relação ao solvente. Exemplo: 300g de sal para 1L de água. Contêm