Вы находитесь на странице: 1из 12

T.E.A. II (Curso Preparatório para o Exame da ANPEC) Disciplina: Estatística - Professor: Eduardo Lima Campos

1.

PROBABILIDADE

(CONCEITOS E LEIS BÁSICAS)

Experimento Aleatório

Um experimento aleatório é uma ação cujo resultado não pode ser previsto.
Um experimento aleatório é uma ação
cujo resultado não pode ser previsto.

Exemplos:

1.1 - Lançar um dado e observar a face que fica voltada para cima. 1.2 - Selecionar uma bolinha de uma urna com bolinhas vermelhas e azuis e verificar sua cor.

Espaço Amostral

O espaço amostral associado a um experimento aleatório é o conjunto de todos os seus
O espaço amostral associado a um
experimento aleatório é o conjunto
de todos os seus possíveis resultados.
Notação: S ou
.

No exemplo 1.1 – S = {1,2,3,4,5,6}. No exemplo 1.2 – S = {´azul`,´vermelha`}.

Os 3 conceitos fundamentais da teoria da probabilidade são os seguintes:

1 - Experimento Aleatório 2 - Espaço Amostral 3 - Evento.

Cada um deles é apresentado e exemplificado a seguir.

Notas de Aula - Professor Eduardo Lima Campos.

Embora o resultado de um experimento aleatório não possa ser pré-determinado, é possível descrever o conjunto dos resultados que podem ocorrer.

Este conjunto é chamado espaço amostral.

Notas de Aula - Professor Eduardo Lima Campos.

Evento

Um evento é um subconjunto do espaço amostral.
Um evento é um
subconjunto do espaço amostral.

No exemplo 1.1, alguns possíveis eventos são:

A = ´face par` = {2,4,6};

B = ´face>3` = {4,5,6};

C = ´face=2` = {2}.

Notas de Aula - Professor Eduardo Lima Campos.

T.E.A. II (Curso Preparatório para o Exame da ANPEC) Disciplina: Estatística - Professor: Eduardo Lima Campos

Um evento ocorre quando o resultado do experimento é um ponto que pertence a ele.

Exemplos com os eventos do slide anterior:

Se a face observada foi o 5, dizemos que B ocorreu,

Se a face observada foi o 4, dizemos que A e B ocorreram,

e assim por diante

União e Interseção de Eventos

No exemplo 1.1, considere os eventos:

A: ´Face par` = {2,4,6}

B: ´Face > 3` = {4,5,6}

Notas de Aula - Professor Eduardo Lima Campos.

Probabilidade – Definição

Seja A um evento definido em um espaço amostral S. A probabilidade de A, denotada por P(A), é uma função que satisfaz aos 3 Axiomas que são apresentados a seguir.

(estes axiomas foram propostos pelo matemático russo Kolmogorov)

Eventos Especiais (Triviais)

O espaço amostral

é, por definição,

um evento, chamado evento certo.

O conjunto (vazio) também é um

evento, chamado evento impossível.

O evento ´A ou B ocorre` é dado pela união do evento A com o
O evento ´A ou B ocorre` é dado pela
união do evento A com o evento B.
A B = {2,4,5,6}.
O evento ´A e B ocorrem` é dado pela interseção do evento A com o
O evento ´A e B ocorrem` é dado pela
interseção do evento A com o evento B.
A
B = {4,6}.
Notas de Aula - Professor Eduardo
Lima Campos.

Axiomas da Probabilidade

Axiomas da Probabilidade quanto mais perto de 1, maior a probabilidade de que A ocorra. Se

quanto mais perto de 1, maior a probabilidade de que A ocorra.

Se A , A , são eventos em S, tais que 1 2 • •
Se A , A
,
são
eventos em S, tais que
1
2
I
• A
=
, então : P(
i
U
A )
= ∑
P(A ).
i
=
1
i
= 1
i
i
i
= 1

T.E.A. II (Curso Preparatório para o Exame da ANPEC) Disciplina: Estatística - Professor: Eduardo Lima Campos

Evento Complementar

O evento composto de todos os pontos não favoráveis a A é chamado evento complementar de A e denotado por A c .

Sua probabilidade é: P(A c ) = 1-P(A).

Atribuição de Probabilidades

Se os elementos do espaço amostral são todos equiprováveis, a probabilidade de um evento A é obtida da seguinte forma:

#A P(A) = #S
#A
P(A) =
#S
a probabilidade de um evento A é obtida da seguinte forma: #A P(A) = #S casos

casos favoráveis ao evento A

casos possíveis

Seja o evento: A = ´2 caras`. Obtenha a probabilidade de A.

Solução:

A = {(Ca,Ca,Co),(Ca,Co,Ca),(Co,Ca,Ca)}

de A. Solução: A = {(Ca,Ca,Co),(Ca,Co,Ca),(Co,Ca,Ca)} # A = 3 casos favoráveis. #A 3 P(A) =

#A = 3 casos favoráveis.

#A 3 P(A) = = . #S 8
#A
3
P(A) =
=
.
#S
8

Demonstração:

A A c = , logo, pelo Axioma 3, temos que:

P(A A c ) = P(A)+P(A c ).

(I)

Por outro lado: A A c = S, e assim, P(A A c ) = P(S). Do Axioma 2, tem-se que:

P(A

A c ) = 1.

(II)

De (I) e (II), conclui-se que: P(A)+P(A c ) = 1, e daí: P(A c ) = 1 - P(A), c.q.d

Exemplo 1.3 - Seja o experimento: lançar 3 moedas e observar as faces voltadas para cima.

Seja: ´Ca` = cara e ´Co` = coroa.

O espaço amostral associado a este experimento aleatório é:

S = {(Ca,Ca,Ca),(Ca,Ca,Co), (Ca,Co,Ca),(Co,Ca,Ca),(Ca,Co,Co), (Co,Ca,Co),(Co,Co,Ca),(Co,Co,Co)},

totalizando #S = 8 casos possíveis.

A abordagem anterior para obter probabilidades é chamada clássica.

Existem duas outras formas de “pensar” em (ou abordar, interpretar) probabilidade, que são denominadas

abordagens frequentista e subjetivista.

Notas de Aula - Professor Eduardo Lima Campos.

T.E.A. II (Curso Preparatório para o Exame da ANPEC) Disciplina: Estatística - Professor: Eduardo Lima Campos

Abordagem Frequentista: a probabilidade de um evento A é dada pela frequência relativa de ocorrência de A, quando o experimento aleatório é repetido muitas vezes (rigorosamente, é o limite da frequência relativa de A, quando n

).

Abordagem Subjetivista: baseada em “achismo” ou na opinião de especialistas.

Notas de Aula - Professor Eduardo Lima Campos.

Exemplo 1.4 - Um aluno estuda para um exame por 2 livros. O primeiro aborda 30% do programa. O segundo, 28%. 24% do programa é abordado pelos dois livros.

Qual a probabilidade de que determinado tópico do programa esteja em pelo menos um dos dois livros utilizados pelo aluno?

Notas de Aula - Professor Eduardo Lima Campos.

Prova Formal da Lei da Adição:

A idéia é escrever A B e B como união de 2 eventos com interseção vazia:

(I) A

B = A

(B

A c ).

Note que: A

(B

A c ) = .

(II) B = (A

B)

(B

A c ).

Note que: (A

B)

(B

A c ) = .

Em seguida, é só aplicar o Axioma 3 em ambas as equações, e “isolar” P(B A c ).

Lei da Adição (Probabilidade do ´OU`)

Sejam A e B dois eventos, com interseção A B. Qual a probabilidade de A B?

(ou seja, de que A ou B ocorram)

A Lei da Adição fornece a solução deste problema, por meio da seguinte fórmula:

P(A

B) = P(A) + P(B) - P(A B)

Notas de Aula - Professor Eduardo Lima Campos.

Solução: Seja A = ´tópico estar no primeiro livro` e B = ´tópico estar no segundo livro`. Pede-se P(A B).

São dados no enunciado:

P(A) = 0,30, P(B) = 0,28 e P(A B) = 0,24.

Aplicando a Lei da Adição:

P(A) = 0,30, P(B) = 0,28 e P(A B) = 0,24. Aplicando a Lei da Adição:

Notas de Aula - Professor Eduardo Lima Campos.

Leis de DeMorgan

A

c

B c = (A

B)

c

A

c

B c = (A

B)

c

Exemplo 1.4 (cont.) - Calcule a probabilidade de que o conteúdo não esteja em nenhum dos dois livros.

T.E.A. II (Curso Preparatório para o Exame da ANPEC) Disciplina: Estatística - Professor: Eduardo Lima Campos

Eventos Mutuamente Exclusivos

2 eventos A e B são mutuamente exclusivos (ou disjuntos) se a ocorrência de um impede a ocorrência do outro. Se B ocorre, então A não ocorre, e vice-versa.

Em outras palavras, são aqueles que não possuem pontos em comum, ou seja:

A

B =∆∆∆∆ , o que implica P(A B) = 0.

Notas de Aula - Professor Eduardo Lima Campos.

Solução:

a) A = {(3,4),(4,3),(2,5),(5,2),(1,6),(6,1)} e B = {(5,6),(6,5)} e A B = . Portanto:

A e B são mutuamente exclusivos.

b) A ={(3,6),(6,3),(4,5),(5,4),(4,6),(6,4), (5,6),(6,5),(5,5),(6,6)}, B =

(5,6),(6,5),(5,5),(6,6)}, B = {(1,1),(2,2),(3,3),(4,4),(5,5),(6,6)} e A B =

{(1,1),(2,2),(3,3),(4,4),(5,5),(6,6)}

B = {(1,1),(2,2),(3,3),(4,4),(5,5),(6,6)} e A B = {(5,5),(6,6)}. Portanto: A e B não são

e A B = {(5,5),(6,6)}. Portanto:

A e B não são mutuamente exclusivos.

a) Qual a probabilidade de um funcionário ser do sexo masculino e ter sido promovido?

Solução: sejam os eventos: A = ´ter sido promovido` e B = ´ser do sexo masculino`.

Diretamente da tabela, temos que 46 indivíduos satisfazem ambas as condições.

Assim: P(A B) = 46/310 = 0,1483.

Notas de Aula - Professor Eduardo

Lima Campos.

Exemplo 1.5 - Considere o lançamento simultâneo de 2 dados. Verifique se os pares de eventos a seguir são mutuamente exclusivos:

a) A = ´soma das faces igual a 7` e B = ´soma das faces igual a 11`.

b) A = ´soma das faces maior que 8` e B = ´faces iguais`.

Exemplo 1.6 - Distribuição por sexo dos funcionários promovidos em uma empresa:

 

Promovidos

Não-Promovidos

Total

Masc.

46

184

230

Fem.

8

72

80

Total

54

256

310

Responda as perguntas a seguir.

Notas de Aula - Professor Eduardo Lima Campos.

b) Qual a probabilidade de um funcionário do sexo masculino ter sido promovido?

O que está sendo pedido é a probabilidade (condicional) de A dado B, denotada por P(A|B).

Obs - Perceba a diferença entre P(A|B) e P(A B). Esta é uma confusão comum!

Notas de Aula - Professor Eduardo Lima Campos.

T.E.A. II (Curso Preparatório para o Exame da ANPEC) Disciplina: Estatística - Professor: Eduardo Lima Campos

A idéia é que somente os casos favoráveis ao evento condicionante (B = ´ser do
A idéia é que somente os casos favoráveis
ao evento condicionante (B = ´ser do sexo
masculino`) passam a ser os casos possíveis.
Promovidos
Não-Promovidos
Total
Masc.
46
184
230
Fem.
8
72
80
Total
54
256
310

Notas de Aula - Professor Eduardo Lima Campos.

Probabilidade Condicional

Sejam 2 eventos A e B, tais que P(B)>0. A probabilidade de A dado B
Sejam 2 eventos A e B,
tais que P(B)>0.
A probabilidade de A dado B é:
P(A|B) = P(A B)/P(B)

Notas de Aula - Professor Eduardo Lima Campos.

Eventos Independentes

2 eventos são independentes se a ocorrência de um não interfere na probabilidade de ocorrência
2 eventos são independentes se a
ocorrência de um não interfere na
probabilidade de ocorrência do outro.

Ou seja, se:

um não interfere na probabilidade de ocorrência do outro. Ou seja, se: Notas de Aula -

Notas de Aula - Professor Eduardo Lima Campos.

A probabilidade de A dado B é, portanto, 46/230 = 0,2.

Se dividirmos numerador e denominador acima pelo total de funcionários (310), obtemos P(A|B) em função de P(A B) e P(B), conforme apresentado a seguir.

Notas de Aula - Professor Eduardo Lima Campos.

Exemplo 1.7 - Considere novamente o exemplo 2.1, e sejam os eventos:

A: ´Face par` e B: ´Face > 3`.

a) Calcule P(A|B).

R: 2/3.

Exemplo 1.7 (cont.) - b) A: ´face par` e B: ´face > 3` são eventos independentes?

R: não, pois P(A|B) π P(A).

Obs - Não confunda eventos independentes com eventos mutuamente exclusivos!

Notas de Aula - Professor Eduardo Lima Campos.

T.E.A. II (Curso Preparatório para o Exame da ANPEC) Disciplina: Estatística - Professor: Eduardo Lima Campos

Exemplo 1.8 - Em uma classe, os percentuais de aprovados em álgebra e literatura são, respectivamente, 75% e 84%. 63% são aprovados em ambas as disciplinas.

a) Qual a probabilidade de um aluno ter

passado em álgebra ou em literatura? b) Se um aluno passou em literatura, qual a probabilidade de ter passado em álgebra?

c) Ter passado em álgebra e ter passado

em literatura são eventos independentes?

Notas de Aula - Professor Eduardo Lima Campos.

Exemplo 1.9 - Seja uma urna com 8 bolinhas azuis e 4 vermelhas. 2 bolinhas são selecionadas ao acaso desta urna.

a) Qual a probabilidade de que a primeira bolinha retirada da urna seja vermelha e que a segunda seja azul?

Seja A = segunda bolinha azul e B = primeira bolinha vermelha. Queremos P(A B).

Notas de Aula - Professor Eduardo Lima Campos.

Lei da Multiplicação (Probabilidade do ´E`)

Sejam A e B dois eventos, com P(B)>0. Qual a probabilidade de que A e B ocorram?

A Lei da Multiplicação fornece a solução deste problema, por meio da fórmula a seguir:

P(A B) = P(A|B)P(B)

Solução:

Sejam A = ´ter passado em álgebra` e B = ´ter passado em literatura`.

a) P(A

B) = P(A) + P(B) - P(A

B)

= 0,75 + 0,84 – 0,63 = 0,96.

b) P(A|B) = P(A B)/P(B) = 0,75.

c) Sim, pois P(A|B) = P(A) = 0,75.

Notas de Aula - Professor Eduardo Lima Campos.

Para revolver o problema, basta inverter a fórmula da probabilidade condicional para obter P(A B) como função de P(A|B) e P(B).

P(A|B) = P(A B)/P(B).

⇓⇓⇓⇓

P(A B) = P(A|B)P(B)

Notas de Aula - Professor Eduardo Lima Campos.

Solução do exemplo 1.9, item a:

A = segunda bolinha azul e B = primeira bolinha vermelha. Do enunciado, temos que: P(A|B) = 8/11 e P(B) = 4/12.

Assim:

P(A B) = 8/33.

Notas de Aula - Professor Eduardo Lima Campos.

T.E.A. II (Curso Preparatório para o Exame da ANPEC) Disciplina: Estatística - Professor: Eduardo Lima Campos

Evento A B em um Diagrama de Árvore:

A P(A|B) B P(B) P(A c |B) A c P(A|B c ) A P(B c
A
P(A|B)
B
P(B)
P(A c |B)
A c
P(A|B c )
A
P(B c )
B c
P(A c |B c )
A c

Notas de Aula - Professor Eduardo Lima Campos.

Exercício 1.1 - Sejam 2 eventos A e B tais que P(A) = 0,3 e P(A B) = 0,5.

Determine o valor de P(B) se:

a) A e B são mutuamente exclusivos. b) A e B são independentes.

Respostas: a) 0,2. b) 2/7.

Prova de I - Pela Lei da Probabilidade Total:

P(A) = P(A

B) + P(A

B c ), logo: P(A B c )

= P(A) - P(A B). Além disto, como A e B são independentes: P(A B) = P(A)P(B).

Assim: P(A B c ) = P(A) - P(A)P(B) = P(A)[1 - P(B)] = P(A)P(B c ), C.Q.D

Prova de II - igual à de I, invertendo A e B.

Prova de III - análoga à de I, mas aplicando a L.P.T. para A c (ao invés de aplicar para A).

Forma-Produto para Independência

Vimos que, pela Lei da Multiplicação:

P(A B) = P(A|B)P(B).

Por outro lado, vimos que 2 eventos A e B

são independentes se: P(A|B) = P(A).

Pode-se concluir que A e B são

se: P(A|B) = P(A) . Pode-se concluir que A e B são independentes se: P(A B)

independentes se: P(A B) = P(A)P(B)

Notas de Aula - Professor Eduardo Lima Campos.

Obs - Se A e B são independentes:

I - A c e B também são independentes,

II - A e B c também são independentes,

e

III - A c e B c também são independentes.

Exemplo 1.9 (cont.)

b) Qual a probabilidade de que a segunda bolinha selecionada seja azul?

Considere novamente:

A = segunda bolinha azul e B = primeira bolinha vermelha.

Notas de Aula - Professor Eduardo Lima Campos.

T.E.A. II (Curso Preparatório para o Exame da ANPEC) Disciplina: Estatística - Professor: Eduardo Lima Campos

• Evento A no Diagrama de Árvore A P(A|B) B P(B) P(A c |B) A
• Evento A no Diagrama de Árvore
A
P(A|B)
B
P(B)
P(A c |B)
A c
P(A|B c )
A
P(B c )
B c
P(A c |B c )
A c

Notas de Aula - Professor Eduardo Lima Campos.

Solução do exemplo 1.9, item b:

Do enunciado, temos que:

P(A|B) = 8/11, P(B) = 4/12, P(A|B c ) = 7/11 e P(B c ) = 8/12.

Assim:

P(A) = 2/3.

Notas de Aula - Professor Eduardo Lima Campos.

A dica aqui é começar identificando os possíveis eventos de interesse, e as probabilidades fornecidas no enunciado:

A: ´serviço é lucrativo p/ a empresa X` B: ´concorrente introduz serviço semelhante`.

São fornecidas no enunciado as seguintes probabilidades:

P(A|B) = 0,3; P(A|B c ) = 0,6 e P(B) = 0,5.

Lei da Probabilidade Total

Sejam A e B dois eventos, em que A possa ocorrer condicionado a B ou a B c .

A probabilidade “total” do evento A pode

ser calculada por meio da seguinte fórmula:

P(A) = P(A|B)P(B) + P(A|B c )P(B c )

Notas de Aula - Professor Eduardo Lima Campos.

Exemplo 1.10 - A empresa X lança um serviço inédito de envio de mensagens pelo celular. Ela calcula que este novo serviço gera lucro no primeiro ano com probabilidade 0,6, caso o concorrente não introduza um serviço semelhante. Caso contrário, a probabilidade de lucro é 0,3. Suponha ainda que exista 50% de chances de que o concorrente introduza um serviço semelhante naquele ano.

a) Qual a probabilidade de que o concorrente introduza o serviço e que, mesmo assim, ele seja lucrativo para a empresa X?

b) Qual a probabilidade de que o serviço seja lucrativo para a empresa X?

c) Qual a probabilidade de que o serviço seja lucrativo para a empresa X ou o concorrente introduza o serviço?

T.E.A. II (Curso Preparatório para o Exame da ANPEC) Disciplina: Estatística - Professor: Eduardo Lima Campos

a) Pela Lei da Multiplicação, temos que:

P(A B) = P(A|B)P(B) = 0,3*0,5 = 0,15.

b) Pela Lei da Probabilidade Total:

P(A) = P(A|B)P(B) + P(A|B c )P(B c ) = 0,3*0,5 + 0,6*0,5 = 0,45.

P(A

c) Pela Lei da Adição:

B) = P(A) + P(B) – P(A B) = 0,45 + 0,5 – 0,15 = 0,8.

Um item é selecionado aleatoriamente.

a) Qual a probabilidade de que ele seja defeituoso?

Notas de Aula - Professor Eduardo Lima Campos.

Solução do item a:

Pede-se P(A)

Aplicando a Lei da Probabilidade Total:

P(A) = P(A|B)P(B) + P(A|B c )P(B c ) = 0,01*0,6 + 0,02*0,4 = 0,014.

Notas de Aula - Professor Eduardo Lima Campos.

Exemplo 1.11 - 2 máquinas (M 1 e M 2 ) são usadas para fabricar o mesmo tipo de item.

Suponha que:

60% dos itens tenham sido fabricados por M 1 , 40% dos itens tenham sido fabricados por M 2 ,

e que:

1% dos itens fabricados por M 1 têm defeito, 2% dos itens fabricados por M 2 têm defeito.

Notas de Aula - Professor Eduardo Lima Campos.

Os eventos de interesse são:

Sejam A = ´ser defeituoso` e B = ´ter sido produzido por M 1 `.

São fornecidas no enunciado as seguintes probabilidades:

P(B) = 0,6, P(B c ) = 0,4, P(A|B) = 0,01 e P(A|B c ) = 0,02.

Notas de Aula - Professor Eduardo Lima Campos.

b) Se (= dado que) o item selecionado é defeituoso, qual a probabilidade de que ele tenha sido produzido por M 1 ?

Notas de Aula - Professor Eduardo Lima Campos.

T.E.A. II (Curso Preparatório para o Exame da ANPEC) Disciplina: Estatística - Professor: Eduardo Lima Campos

Solução do item b: pede-se P(B|A), que pode ser obtida da seguinte forma:

P(B|A) = P(A B)/P(A) = P(A|B)P(B)/P(A) = 0,01*0,6/0,014 = 0,429.
P(B|A) = P(A B)/P(A)
= P(A|B)P(B)/P(A)
= 0,01*0,6/0,014 = 0,429.

A fórmula acima, que permite obter P(B|A) a partir de P(A|B) é chamada Teorema de Bayes.

Notas de Aula - Professor Eduardo Lima Campos.

Exemplo 1.12 - Um candidato que fez o curso de TEA tem probabilidade 0,9 de ser aprovado no exame da ANPEC. Caso contrário, esta probabilidade é 0,3. Apenas 2% dos candidatos cursaram TEA.

a) Calcule a probabilidade de um candidato selecionado ao acaso ter passado na ANPEC.

b) Se um aluno passou na ANPEC, qual a probabilidade de que tenha cursado TEA?

Solução do Item a:

Pede-se P(A).

Aplicando a Lei da Probabilidade Total:

P(A) = P(A|B)P(B) + P(A|B c )P(B c ) = 0,9*0,02 + 0,3*0,98 = 0,312.

Notas de Aula - Professor Eduardo Lima Campos.

Teorema de Bayes

Sejam A e B eventos definidos em S, sendo A dependente de B, na sequência: B A.

O Teorema de Bayes (p/ 2 eventos) se ocupa da sequência reversa: A ⇒ B,
O Teorema de Bayes (p/ 2 eventos) se ocupa
da sequência reversa: A ⇒ B, fornecendo:
obtida
P(A | B)P(B)
pela Lei da
P(B | A) =
.
P(A)
Probabilidade
Total
Notas de Aula - Professor Eduardo
Lima Campos.

Os eventos de interesse são:

A = ´passar na ANPEC` B = ´ter cursado TEA`.

São fornecidas no enunciado as seguintes probabilidades:

P(A|B) = 0,9, P(A|B c ) = 0,3 e P(B) = 0,7.

Notas de Aula - Professor Eduardo Lima Campos.

Solução do Item b:

Pede-se P(B|A)

P(B|A) = P(A|B)P(B)/P(A)

= 0,9*0,02/0,312 = 0,0577.

O Teorema de Bayes pode ser ampliado para mais de 2 eventos, fazendo, por

exemplo: B 1 , B

2

e B

3

, ao invés de B e B c .

Notas de Aula - Professor Eduardo Lima Campos.

T.E.A. II (Curso Preparatório para o Exame da ANPEC) Disciplina: Estatística - Professor: Eduardo Lima Campos

Teorema de Bayes para 3 Eventos

Exemplo 1.13 - Os funcionários de uma empresa dividem-se em 3 grupos: economistas, engenheiros e analistas de sistemas. Estes funcionários podem ocupar cargos técnicos ou gerenciais. Sabemos que 20% dos funcionários são analistas de sistemas, 30% são engenheiros e 50% são economistas. 1% dos analistas de sistemas, 2% dos engenheiros e 3% dos economistas fazem parte da direção da empresa.

Os eventos de interesse são:

A = ser diretor da empresa B 1 = ser analista B 2 = ser engenheiro B 3 = ser economista.

São fornecidas no enunciado as seguintes probabilidades:

P(B 1 ) = 0,2, P(B 2 ) = 0,3, P(B 3 ) = 0,5, P(A|B 1 ) = 0,01, P(A|B 2 ) = 0,02, P(A|B 3 ) = 0,03.

• Lei da Adição para 3 ou mais Eventos P(A B) - P(A B C)
• Lei da Adição para 3 ou mais Eventos
P(A
B) - P(A
B
C) = P(A) + P(B) + P(C) -
P(A
C) - P(B
C) + P(A
B
C).
P(A
B
C D) = P(A) + P(B) + P(C) +
P(D) - P(A B) - P(A
C) - P(A
P(B
+ P(A
D) - P(C
D) + P(A
B
D) - P(B
C) + P(A
C) -
B
D)
C
D) + P(B
C
D) - P(A
B
C
D).

Um funcionário é selecionado aleatoriamente.

a) Qual a probabilidade de que ele seja um dos diretores da empresa?

b) Dado que ele é um dos diretores, qual a probabilidade de que seja engenheiro?

Solução do Item a - Ampliando a Lei da Probabilidade Total para 3 eventos:

P(A) = P(A|B 1 )P(B 1 ) + P(A|B 2 )P(B 2 ) + P(A| B 3 )P(B 3 ) = 0,01*0,2 + 0,02*0,3 + 0,03*0,5 = 0,002 + 0,006 + 0,015 = 0,023.

Solução do Item b:

P(B 2 |A) = P(A|B 2 )P(B 2 )/P(A) = 0,02*0,3/0,023 = 0,2609.

Lei da Multiplicação para 3 ou mais Eventos

P(A B C) = P(A|B C)P(B|C)P(C)

Independência para 3 ou mais Eventos

3 eventos A, B e C são independentes se, e somente se:

P(A B) = P(A)P(B), P(A C) = P(A)P(C), P(B C) = P(B)P(C) e P(A B C) = P(A)P(B)P(C).