Вы находитесь на странице: 1из 13
A EDUCAGAO, A EDUCACAO FISICA E 0S DESPORTOS NAS CONSTITUICOES BRASILEIRAS - Estudo Comparativo - MARIO RIBEIRO CANTARINO FILHO UNIVERSIDADE DE BRASILIA BRASILIA, agosto de 1988 As constituigdes republicanas brasileiras sem pre dedicaram elguns capitulos e artigos 3 Educacao. A primeira de las, a de 1891, deu competéncia, privativamente, ao Congresso Na cional, para legislar sobre o ensino superior, tendo esse também, como incumbéncia, embora nao privativamente, a de "criar institui gdes de ensino superior e secundério nos Estados", e prover, no Distrito Federal, a instrugao secundéria. Nos estabelecimentos pi blicos , 0 ensino era definido como leigo. A Constituigado da Repiblica dos Estados Unidos do Brasil, de fevereiro de 1891, ndo$fiscou a “atribuigio de legis lar sobre a educagao nacional em geral", Com o correr dos tempos, a educagao, dentro de uma perspectiva nacional, foi preocupacao apenas de alguns educado res. Apés @ Revolucie de 30, a Associagao Brasileira de Educagio, a0 promover a Conferéncia Nacional de Educagdo (1931), procurou ela borar um plano para a educagéo brasileira a fim de oferecé-lo ao Governo Provisério, porém nao foi isso possivel. Surgiu ,a seguir, o Manifesta dos Pioneiras, cuja redacgao coube a Fernando de Azeve- do, preconizando "a escola dnica, ative.e leiga, a coeducagao, ° ensino obrigatério e gratuito". Na mesmo ano em que surgiu o Manifesto, 1932, a ABE realizou a V Conferéncia Nacional de Educagao, em Niteroi, sur. gindo o anteprojeto de um Plano Nacional de Educagao, que serviude "inspiragao e estimulo & obra educacional da Constituinte de 1934". Coube & ABE a tarefa de empenhar-se, junto & Camara dos Deputa- dos, para fazer valer as resolugdes tomadas em Niterdi, e pare que elas fossem incluidas na Constituigao como de fato ocorreu, tendo por base dois documentos - "um anteprajeto do capitulo da Educacgao Nacional"e Mesboco de um plano nacional de Educags Tendo como modelo a Constituigao de Weimar, que foi ela~ borada na Alemanha depois da I Guerra Mundial, os membros da Assembléia Nacio nal Constituinte decretaram e promulgaram a Constituicao de 1934, "para orgat zar um regime democrético, que assegure & Nacdo a unidade, a liberdade, a jus. tiga e 0 ham estar social e econdmico". Na forma da Carta Magna de 34, a educagao era direito de todos e devia "ser ministrada pela familia e pelos poderes piblicos", competin do 8 Unido "tregar as diretrizes da educagao nacional" e“difundir e instrug3o piiblice em todos os seus graus", difusdo esta que também era atribuigio dos Es- tados. Aos Governos Estaduais e ao Distrito federal cabiam a organizagio e a manutengao de sistemas educacionais nos respectivos territérios, respeitando as diretrizes federais. A elaboragao do Plano Nacional de Educacao era atribui- da ao Conselho Nacionel de Educagao, para ser depois aprovado pelo Poder Legis- lative. Tensino religioso era facultative e a liberdade de cétedra era garanti da. A Constituigao de 1934 nado reservou nenhum artigo especial para a Educa, gao Fisica, porém deu competéncia & Unido, aos Estados e ads Municipios para "estimular a educagao eugénica", o que vale dizer, a Educacao Fisica. A Educagao Fisica estava ligada & “educagao eugénica" em razao. dos conceitos em vigor, pois a Educagao Fisica tinha in fluéncia no desenvolvimeto da raga, como era pensamento naqueles anos. Com base na Constituigao Federal, os Estadosela boraram, em 1935 e 1936, as suas préprias Constituicoes, sequindo sempre aquele modelo e acrescentando outros temas em seus artigos. Entre as Constituicoes Estaduais, as dos Este- dos da Paraiba, So Paulo, Piaui, Goiés e Alagoas tinham artigos relativos & incumbéncia de "estimular a educagao eugénica". A obrigatoriedade da Educagao Fisica nos estabe lecimentos de ensino piblico era prevista nas Constituigées dos Es tados do Amazonas, Espirito Santo, Maranhao e Rio de Janeiro. No Estado do Parana, estava programada a criagao de um Departamento de eAueaeaE) Fisica, que ficaria subordinado ao Conselho de Educa g80 ©, no Estado do Espirito Santo, seria mantido um érgao técni- co para dirigir e difundir a Educagao Fisica, bem como para formar e aperfeicoar os "professores especializados". As associagoes des- portivas receberiam estimulos e incentivos para desenvolver a pra tica dos desportos, segundo as Constituigoes dosEstados do Amazo- nas, do Espirito Santo, da Bahia e do Maranhao. Em Santa Catarina, os Governos Estadual e Municipais dariam "auxilio ao desenvolvimen to da cultura fisica". A partir de novembro de 1937, modificou-se o panorama politico brasileiro e o Pais ganhou uma nove Constitui- G30, Da mesma maneira como existiu um capitulo na Carta Magna de 34, especifico sobre Educagao e Cultura, nao faltou, na Constitui- Gao de 37, 0 mesmo capitulo, porém com outras caracteristicas. De acordo com a Constituigao de 37, era atribui Gao da Unio fixar as bases da educagao nacional, "tragando as di retrizes a que deve obedecer a formagao fisica, intelectual e mo- ral da infancia e da juventude". 0 ensino da arte e da ciéncia era livre & iniciativa privada e piblica, bem como a sua préticae o seu desenvolvimento. Era dever do Estado estimular e desenvolver a arte e a ciéncia, ns ou fundando instituicoes artisti cas, cientificas e de ensino". A agao do Estado sobre a ensino da infancia e da juventude era supletiva; ao Governo cabia assisti- las se "faltarem os recursos necessérios 3 educagio em —institui, gées particulares". 0 Estado tinha, como dever, fundar institutos de ensino profissional e subsidiar os de iniciativa particular,dos Nunicipios e dos governos Estaduais, para ministrar o ensino pro fisional e pré-vocacional que era "destinado 4s classes menos favo recidas". Desta forma, @ Constituicao estabelecia uma discrimina- gio social. 0 ensino primério era obrigatdério e gratuito. 0 ensino religioso era matéria facultativa nas escolas primérias, se cundarias e normais, nestes dltimos estabelecimentos de ensino, 2 "educagao fisica, o ensino civico e o de trabalhos manuais" eram atividades obrigatérias, no sendo autorizada ou reconhecida a es- cola que nao atendesse aquelas exigéncias. Cabia ao Estado fundar instituigoes oudar assisténcia 4s criadas por associagées civis,com o fim de “organizar para juventude periodos de trabalho anual nos campos e oficinas, assim como promover-lhe a disciplina moral e o adestramento fisico", de forma a dar aos jovens a preparacgao para o "“cumprimenta dos seus deveres para com 3 economia e a defesa da nagao". A Educagao Fisica seria o meid para adestrar fi sicamente o jovem com.o objetivo da defesa nacional. A Constituig&o de 1937 foi redigida desde o fi nal do ano de 1936 e seu principal autor, Francisco Campos, utili- zou uma combinagao de "formulas fascistas, nacionalistas e de ca- réter liberal", sendo estas Gltimas com uma intencao de despista- mento. A Constituigao que instaleva um Estado forte, corporativo, era cognominada pejorativamente de "polace". Em outubro de 1945 findou o Estado Novo, surgin do um novo periodo democrético, com nova Constituigao, que passou @ vigorar em 1946, sendo a quarta Carta Magna Srasileira Republica na. Na Constituigao Federal de 1946, era competén cia da Unigo legislar sobre "diretrizes e bases da educagao nacig nal", n3o excluindo aos Estados as suas legislagdes complemente- res. A educagdo era direito de todos, dada na escola e no ler, ing pirada na solidariedade humana e na liberdade. 0 ensino primario era obrigatério e ministrado na lingua portuguesa, sendo gratuito 9 ensino primario oficial. 0 ensino religioso era de matricula fa cultativa e ministrado segundo a confissao religiosa do educanda.A Unido aplicaria, anualmente, da renda resultante dos impostos, nao menos de 10% para a manutengao e o desenvolvimento do ensino, ca- bendo aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municipios, a aplica gao n3o inferior a 20% para a mesma destinagéo. As empresas, com mais de uma centena de funcionérios, empregados e trabalhadores, eram obrigadas a manter o ensino prim4rio de forma gratuita pare os seus servidores e seus filhos. Era-dever do Estado o amparo 8 cultura. A Educagao Fisica nao recebeu-qualquer mengao especial na Constituigao Federal de 1946, contrariamente ao que aconteceu na Constituigao, da Estada Novo. Os Estados elaboraram no ano de 1947 as suas Constituigées, fundamentadas nos principios da Constituigao Fede- ral, atendendo aos capitulos referentes & familia, ‘a educagaéo e cultura, ecrescentando outros dispositivos no conteddo de suas Car tas. A Educagéo Fisica e os Desportos receberam tratamento espe- cial em 16 das 20 Constituicgdes Estaduais. A Educagao Fieica era obrigatéria nos estebele- cimentos de ensino das redes oficial e particuler, competindo aos Estados e Municipios a orientagao, o auxilio e o estimulo & sua pra tica, conforme determinagao das Constituigoes dos Estados do Amazo nas, Goids, Mato Grosso, Minas Gerais, Paraiba, Rio Grande do Nor- te, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Sergipe. Ao instituir-se o I sistema de ensino piblico no Estado da Bahia, a "cultura fisica" teria sua promocao e difusaa. Caberia ao Estado estimular e fisca lizar a prética de Educagao Fisica (Minas Gerais), difundir o ensi no e a sud pratica (Parana) e estabelecer medidas que viessem a promover a Educagao Fisica (Sao Paula). No Estado do Espirito San- to seria criado um servigo de educacao, que trataria das questées referentes ao desenvolvimento do ensino, abrangendo a Educagao Fi- sica. Promover e faciliar a instsalacao de pragas des portivas, por parte do Estado, era definido nas Constituigoes do Amazonas e de Minas Gerais. As associagoes desportivas, como fim de desenvolver os desportos, os jogos recreativos e ea cultura fisi ca, seriam reconhecidas, pelo Estado, como entidades de utilidade publica, receberiam subvencgdes, gozariam de isengao de impostos, taxas, tributos estaduais e municipais, receberiam auxilio mate- rial, ou outros, necessdérios. Visto de uma maneira geral, os bene- ficios citadas eram definidos nas Constituigées dos Estados do | Amazonas, Espirito Santo, Goias, Maranhao, Minas Gerais, Rio Gran- | de do Sul, Santa Caterina, Séo Peulo e Sergipe. 0 desenvolvimento dos desportos e da "cultura fisica" seria favorecido pelo Estado, eo poder publico criaria associagdes para a pratica da Educagao Fisica e dos desportos, conforme as Constituigses dos Estados de Alagoas e S80 Paulo, respectivamente. Estimular e fiscalizer a prética dos desportos, em geral, eram competéncias dos Estados de Goidés e Minas Gerais. 0 movimento militar revolucionério de 196 alte rou 0 sistema politico brasileiro durante as duas décadas seguin tes. Em janeiro de 1967, 0 Congresso Nacional promulgou a nova Cons. tituicgao Brasileira, e a educagao foi "inspirada no principio da unidade nacional e nos ideais de liberdade e solidariedade huma- na", ideais estes que foram bastante vilipendiados durante os anas da didatura militar. A educagao @ dever do Estado e direito de ta- dos, dada na escola como no lar. 0 ensino prindrio tem sua obrigaroriedade para a faixa etéria dos 7 aos 14 anos, ministrado na lingua oficial e gratuito nos estabelecimentos oficiais. 0 ensino, nos seus diferentes graus, sera minis trado pelos Poderes Publicos e seré gratiita para aqueles que pro- varem falta de recursos e demonstrarem aproveitamento, no nivel mé dio e superior. A gratuidade, nesses dois dltimos niveis, serd subs tituida pela oferta de bolsas de estudo, a ser restituida. 0 ensino 6 livre & iniciativa privada, merecen- do esta o auxilio financeiro e técnico dos poderes publicos. Pare © desenvolvimento do ensino nos Estados e no Distrito Federal a Unido daré, também, a sua assisténcia técnica e financeira. A liberdade de cétedra, no exercicio do magisté rio, quanto 4 manifestagao livre de pensamento, de conviccgao poli- tica ou filoséfica, foi bastante controlada pelo Estado, durante esses Gltimos vinte anos de vigéncia da lei. A religiao, como disciplina facultativa, @ par te integrante dos hordérios das escolas de 1° e 2° Graus da rede ofi cial de ensino. Enfim, tem a Unido competencia para legislar so bre as diretrizes e bases da educagao nacional. A Educagao Fisica, entendida como disciplina es colar, nao recebeu qualquer citagao na Carta Magna de 1967 e,quan to a0 desporto, & da competéncia da Unido, e supletivamente dos Es tados, legislar sobre o mesmo. A Uniao nao entendeu e nao concei tuou o desporto como cultura. Se ele fosse compreendido como tal, teria sido dever do Estado o seu amparo. Entretanto, as Constitui gées dos Estados de Mato Grosso do Sul, Pernambuco, Rondénia e San ta Catarina conceituam o desporto como cultura, sendo dever do Es- tado e diés Municipios estimular as associagées desportivas, as de cultura fisica e os desportos, prestando-lhes assisténcia. A organizagao do sistema desportivo estadual se ré disposta em legislagao propria segundo as Constituigées Esta- duais do Acre, Alagoas, Mato Grosso e Minas Gerais. Caberd & Assem bléia Legislativa do Estado de Goiés dispor, mediante lei, normas sobre os desportos. 0 Estado e os Municipios deverao auxiliar as organizagées desportivas amadoristas, na forma da lei, conforme determinam as Constituigées do Rio Grande do Sul e de Sergipe. No Parané, o Estado incentivard, na forma de sua Constituigéo, a edu- cagao desportiva, auxiliando ou promevendo a construgao de insta lacdes para a prética dos desportos. A Constituigao do Estado de Rondénia é a dnica que reserva um Capitulo, ainda que pequeno, ac Esporte, cabendo ao Estado e aos Municipios estimular a pratica dos desportos nas escolas e na comunidade e dar auxilio 4s entidades desportivas. A Educagao Fisica recebeu, em algumas Constitui. goes Estaduais, referéncias especiais, sendo obrigatdria nos siste mas de ensino dos Estados de Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Sergipe. A difusao do ensino e a pratica da Educa ga0 Fisica é preocupagao do Estado do Parané, e o Estado de Sergi- pe e seus Municipios "dispensarao orientacao e estimulo & Educagao Fisica" que sera "subordinada aos principios de aperfeicoamento mo ral e espiritual da pessoa humana". Ms Estados e Municipics do P ré e de Rondénia deverao criar 6rgaos especializados para esti lar a Educagao Fisica, bem como o lazer e a recreacao, sendo es- tas duas dltimas de interesse do Estado de Ronddnia. A Constitui sao do Espirito Santo determina ao Estado fomentar a Educagao Fit sica, construindo instalagoes desportivas "adequadas &s necessida des locai's e regionais". A Educagao Fisica e os Desportos receberam aten gao em 14 Constituicdes Estaduais a partir de 1967. REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS AZEVEDO, Fernando. A educacao entre dois mundos. Sao Paulo, Melho- ramentos, 1958. 239p. A _transmissao da cultura. Sao Paulo, Melhora mentos, 1976. 268p. BARRETO, Carlos Xavier Paes. A Constituicao do Estado Novo. Rio de Janeiro, Coelho Branco, 1938. 433p. BERFORD, A. Bittencourt. 0 Estado Nacional e a Constituicao de no vembro de 1937. Rio de Janeiro, DIP,1944,. 2uip. BITTENCOURT, Raul. A educagao brasileira no Impéric e na Repibli- ca. Revista Brasileira de Estudos Pedagéaicos 19(49): 41-76, jan-mar. 1955, Camara dos Deputados. As Constituicdes dos Estados e da Repiblica. Rio de Janeiro, Imprensa Nacional, 1937.896p CAMARA DOS DEPUTADOS, Constituicdo da Repiblica Federativa do Sra il. Centro de Documentacao e Informagéo.8ra silia, 1973, 315p. CANTARINO FILHO, Mario Ribeiro. A Educacao Fisica no Estado Novor Historia e Doutrine. Brasilia,1982. 217p. CONSTITUIGAD da Repdblica dos Estados Unidos do Brasil, 1937. In: MONTE ARRAIS. 0 Estado Novo e suas diretrizes; estudos politicos e constitucionais, Rio de Janeiro, J. Olympio, 1938. 302p. HORTA, José Silvério Baia. Liberalismo, tecnocracia e planejamento educacional no Brasil; uma contribuigo & histéria da educagdo brasileira no pe riodo de 1930-1970. S30 paulo, Cortez e Autores Associados, 1982. 226p. LEAO, Antonio Carneiro. Introdugdo & administracao escolar. 3° edi g&o. S80 paulo, Cia. Editora nacional,1953. 306p. MARINHO, Inezil Penna. Histéria da Educacdo Fisica e dos Desportos no Brasil v. 2. Rio de Janeiro, Ministério da Educagao e Saide, 1952. 274p. MINISTERIO DA JUSTIGA. E NEGOCIOS INTERIORES. Servico de Documenta g30. Constituiches: Federal e Estaduais. Departamento de Imprensa Nacional, Rio de Janeiro, 1952. 88lp. NISKIER, Arnaldo. Administrecgo escolar. 3° edigao. Porto Alegre, Tabajara, 1969. 245p. PONTES DE MIRANDA. Comentérios & Constituicgo Federal de 10 de_ no vembro de 1937. v. 1: Rio de janeiro, Ponzetti, 1938. 676p. ROMANELLI, Otaiza de Oliveira. Histéria da Educacdo no Brasil;1930/ 1973. Petrépolis, Vozes. 1987. 267p. SENADG FEDERAL. Subsecretaria de edicées Técnicas. Constituicao Fe deral e Constituicées Estaduais. 3° edicao Bra silia, 1984. 4. v. VENANCIO FILHO, Francisco. A evolugdo da educagdo no Brasil. Forma eho, 3(23 2 21-53, jun.1940. VIANNA, Paulo Domingues. Constituicao Federal e Constituicdes dos Estados. Rio de Janeiro, F. Briguiet,1911 872p (2v).