Вы находитесь на странице: 1из 14
Química Geral Profa: Hosane Ap. Taroco

Química Geral Profa: Hosane Ap. Taroco

Elétrons de valência

Na (Z = 11) [Ne]3s 1 família 1A Si (Z = 14) [Ne]3s 2 3p2 família 4A

As (Z = 15) ) [Ar]3d10 família 5A

25/08/2015

Ligação química: é a força atrativa que mantém dois ou mais átomos unidos.

Ligação covalente: resulta do compartilhamento de elétrons entre dois átomos. Normalmente encontrada entre elementos não-metálicos.

Ligação iônica: resulta da transferência de elétrons de um metal para um não-metal.

Ligação metálica: é a força atrativa que mantém metais puros unidos. Nessas ligações os e- ligantes tem grande mobilidade para movimentar dentro da estrutura do metal. Isso dá origem às propriedades metálicas, como altas condutividades elétricas e brilho.

Símbolos de Lewis

• É uma representação da localização dos elétrons da camada de valência de um átomo;

• Os elétrons são representados como pontos ao redor do símbolo do elemento.

• O número de elétrons disponíveis para a ligação é indicado por pontos desemparelhados.

• Exemplo: Cl 2

Cl
Cl

+

Cl Cl Cl
Cl
Cl Cl

Símbolos de Lewis

Metais alcalinos

Símbolos de Lewis Metais alcalinos Carbono Halogênios Oxigênio

Carbono

Halogênios

Oxigênio

Símbolos de Lewis Metais alcalinos Carbono Halogênios Oxigênio

A regra do octeto

• Todos os gases nobres, com exceção do He, têm uma configuração ns 2 np 6 .

• Apresentam alta energia de ionização, baixa afinidade eletrônica e, por isso, deficiência geral de reatividade química.

A regra do octeto: os átomos tendem a ganhar, perder ou compartilhar elétrons até que eles estejam rodeados por 8 elétrons de valência (4 pares de elétrons).

Cuidado: existem exceções à regra do octeto!!!

25/08/2015

Símbolos de Lewis

Símbolos de Lewis Fonte: Brown et al. (2007).

Fonte: Brown et al. (2007).

Tipos de Ligações

- Iônicas

- Covalentes

- Metálicas

Ligações iônicas

Forças eletrostáticas que existem entre íons de cargas opostas.

Ocorre entre metais e ametais

Ligações iônicas Forças eletrostáticas que existem entre íons de cargas opostas. Ocorre entre metais e ametais
Ligações iônicas Forças eletrostáticas que existem entre íons de cargas opostas. Ocorre entre metais e ametais

Fonte: Brown et al. (2007).

LigaçãoLigação iônicaiônica

Na(s) + ½Cl 2 (g) NaCl(s)

Hº f = - 410,9 kJ

½Cl 2 ( g ) → NaCl( s ) ∆ H º f = - 410,9

Na + baixa energia de ionização (496 kJ/mol); Cl - alta afinidade eletrônica (- 349 kJ/mol). Existe uma transferência completa de e -

25/08/2015

Regra do octeto

Os átomos tendem a ganhar, perder ou compartilhar elétrons até que a camada de valência esteja com 8 elétrons.

Formação das ligações iônicas

Metal

M(g) M + (g) + e -

Não metal

X(g) + e - X - (g)

M + (g) +

X - (g) MX

Ligação entre Na + e Cl -

Ligação entre Na + e Cl -

Reação entre Sódio metálico e gás cloro

Reação entre Sódio metálico e gás cloro Na(s) + ½ Cl 2 (g) NaCl (s) ∆

Na(s) + ½ Cl 2 (g) NaCl (s)

H

o

f

= −410,9 kJ

25/08/2015

Ciclo de Born – Haber

Ciclo de Born – Haber

LigaçãoLigação iônicaiônica

Fonte: Brown et al. (2007).
Fonte: Brown et al. (2007).

Ligações Iônicas

Doa elétrons Recebe elétrons
Doa elétrons
Recebe elétrons

Fonte: http://www.agracadaquimica.com.br. Acessado em Março/2012

Molécula de H 2

-Comprimento de ligação:

0,074 nm

Molécula de H 2 -Comprimento de ligação: 0,074 nm
Molécula de H 2 -Comprimento de ligação: 0,074 nm

25/08/2015

Ligaçãocovalente

Ocorre entre átomos que possuem a mesma tendência de ganhar ou perder elétrons.

Elétrons compartilhados

LigaçãoLigação covalentecovalente

LigaçãoLigação covalentecovalente a) Atrações e repulsões entre elétrons hidrogênio; e núcleos na molécula de

a) Atrações e repulsões entre elétrons hidrogênio;

e núcleos na molécula de

a) Distribuição eletrônica na molécula de H 2 . Concentração de densidade eletrônica entre os núcleos leva a uma força de atração líquida, que constitui a ligação covalente que mantém a molécula unida.

diamante
diamante

Fonte: http://www.agracadaquimica.com.br. Acessado em Marçoq2012

Ligações múltiplas

• É possível que mais de um par de elétrons seja compartilhado entre dois átomos (ligações múltiplas):

• Um par de elétrons compartilhado = ligação simples (H 2 );

• Dois pares de elétrons compartilhados = ligação dupla (O 2 );

• Três pares de elétrons compartilhados = ligação tripla (N 2 ).

Em geral, a distância entre os átomos ligados diminui à medida que o número de pares de elétrons compartilhados aumenta.

H

H

O O
O
O

N

H H O O N N

N

25/08/2015

Estruturas de Lewis

• As ligações covalentes podem ser representadas pelos símbolos de Lewis dos elementos:

Cl
Cl

+

Cl Cl Cl
Cl
Cl Cl

• Nas estruturas de Lewis, cada par de elétrons em uma ligação é representado por uma única linha:

Cl Cl
Cl
Cl

H

H H O H N H F H C H H
H
H
O
H
N
H
F
H
C
H H

H

H

DesenhandoDesenhando asas estruturasestruturas dede LewisLewis

Estruturas de Lewis: servem para ajudar a entender as ligações de muitos compostos e são muito utilizadas para discutir as propriedades dos compostos.

Passos para desenhar as estruturas de Lewis:

Exemplo: PCl 3 (tricloreto de fósforo)

1. Some os elétrons de valência de todos os átomos:

P (grupo 5A) e Cl (grupo 7A): 5 + (3x7)

2. Escreva os símbolos para os átomos a fim de mostrar quais átomos estão ligados entre si e una-os com uma ligação simples:

= 26 elétrons

Cl

P Cl Cl
P
Cl
Cl

3. Complete o octeto dos átomos ligados ao átomo

central;

4. Coloque os elétrons que sobrarem no átomo

central;

5. Se não existem elétrons suficientes para dar ao

átomo central um octeto, tente ligações múltiplas.

Lembre-se:

-Carga +: retire elétrons -Carga -: some elétrons

Soma da carga formal do íon = carga do íon

Soma da carga formal da molécula = zero

Qual a carga formal do C e do N na estrutura do cianeto (CN - )?

25/08/2015

Carga formal

Como decidir qual estrutura de Lewis é mais provável?

Carga formal: é a carga que o átomo teria, em uma molécula, se todos os outros átomos tivessem a mesma eletronegatividade.

CF = número de elétrons de valência no átomo isolado – número de elétrons na esturtura de Lewis.

Estruturas de ressonância

Estrutura de ressonância é um arranjo de elétrons intermediário entre as possíveis ligações de uma molécula.

Estrutura de ressonância é um arranjo de elétrons intermediário entre as possíveis ligações de uma molécula.
ExceçõesExceções àà regraregra dodo octetoocteto • Existem três classes de exceções à regra do octeto:

ExceçõesExceções àà regraregra dodo octetoocteto

Existem três classes de exceções à regra do octeto:

• moléculas com número ímpar de elétrons;

• moléculas nas quais um átomo tem menos de um octeto, ou seja, moléculas deficientes em elétrons (comum com Be Z=4 e B, Z=5);

• moléculas nas quais um átomo tem mais do que um octeto, ou seja, moléculas com expansão de octeto.

25/08/2015

Benzeno: híbrido de ressonância

Benzeno: híbrido de ressonância

1º caso: número ímpar de elétrons

• EX: ClO 2 , NO e NO 2

1º caso: número ímpar de elétrons • EX: ClO 2 , NO e NO 2

2º caso: deficiência em elétrons

F: família 7 A

B: família 3 A

• Ex: compostos dos grupos 1A, 2A, e 3A;

em elétrons F : f a m í l i a 7 A B: família 3

• BF 3

3º caso: expansão do octeto

• Comuns em moléculas formadas de átomos de grande tamanho, ligados a elementos muito eletronegativos:

Exemplo: PCl 5

• Comuns em ligações com metais de transição (Ex.: grupo 1B:Cu, Ag, Au):

muito eletronegativos: Exemplo: PCl 5 • Comuns em ligações com metais de transição (Ex.: grupo 1B:Cu,
muito eletronegativos: Exemplo: PCl 5 • Comuns em ligações com metais de transição (Ex.: grupo 1B:Cu,

25/08/2015

2º caso: deficiência em elétrons

2º caso: deficiência em elétrons Carga formal do B é mais negativa que do F (na

Carga formal do B é mais negativa que do F (na ligação dupla) inconsistente

Força das ligações covalentes

- Energia de uma ligação: é a variação de entalpia na quebra de uma ligação.

covalentes - Energia de uma ligação: é a variação de entalpia na quebra de uma ligação.
covalentes - Energia de uma ligação: é a variação de entalpia na quebra de uma ligação.

Energia média de ligação

Entalpia de reação

Entalpia de reação Ligações rompidas: 1 mol de C-H, 1 mol de Cl-Cl Ligações formadas: 1
Entalpia de reação Ligações rompidas: 1 mol de C-H, 1 mol de Cl-Cl Ligações formadas: 1

Ligações rompidas: 1 mol de C-H, 1 mol de Cl-Cl

Ligações formadas: 1 mol de C-Cl, 1 mol de H-Cl

Entalpia de ligação e comprimento de reação

Comprimento de ligação: é a distância entre os núcleos em uma ligação.

C

C

C C 1,34 Å
C
C
1,34 Å
C C 1,20 Å
C
C
1,20 Å

1,54 Å

348 kJ/mol

614 kJ/mol

839 kJ/mol

Quanto maior o número de ligações mais forte e mais curta ela será

25/08/2015

ligações mais forte e mais curta ela será 25/08/2015 Ordem de ligação C – C C

Ordem de ligação

C – C

C = C

C Ξ C

OL = 1

OL = 2

OL = 3

Comprimento de ligação e ordem de ligação

Compare a ligação C-O no formaldeído (H 2 CO) e no monóxido de carbono (CO). Em que molécula a ligação CO é mais curta? Em que molécula essa ligação é mais forte?

Eletronegatividade Habilidade do átomo de atrair elétrons para si em uma molécula.
Eletronegatividade
Habilidade do átomo de atrair elétrons para si em uma
molécula.

25/08/2015

eELETRONEGATIVIDADE

Eletronegatividade: mede a habilidade de um átomo em uma molécula em atrair elétrons para si.

• A eletronegatividade de um átomo em uma molécula está relacionada com sua energia de ionização e com sua afinidade eletrônica, que são propriedades de um átomo isolado.

• Pauling estabeleceu as eletronegatividades em uma escala de 0,7 (Cs) a 4,0 (F).

Polaridade da ligação e eletronegatividade

Ligação covalente apolar: elétrons estão igualmente compartilhados entre dois átomos.

Ligação covalente polar: um dos átomos exerce maior atração pelos elétrons ligantes que o outro.

dois átomos. Ligação covalente polar : um dos átomos exerce maior atração pelos elétrons ligantes que

A diferença na eletronegatividade entre dois átomos é uma medida da polaridade de ligação:

• as diferenças de eletronegatividade próximas a 0 resultam em ligações covalentes apolares (compartilhamento de elétrons igual ou quase igual);

• as diferenças de eletronegatividade próximas a 2 resultam em ligações covalentes polares (compartilhamento de elétrons desigual);

• as diferenças de eletronegatividade próximas a 3 resultam em ligações iônicas (transferência de elétrons).

Momento de dipolo

Momento de dipolo H F µ = Q · r [C.m] 1 [Debye] = 3,34 x

H F

µ = Q · r [C.m]

1 [Debye] = 3,34 x 10 -30 [C.m]

25/08/2015

Fonte: Brown et al. (2007).

Eletronegatividade e tipo de ligação

Brown et al. (2007). Eletronegatividade e tipo de ligação F 2 = 4- 4 =0 Covalente

F 2 = 4- 4 =0 Covalente apolar

HF= 4 - 2,1 =1,9 Covalente polar

LiF= 4 - 1 =3,0 Ligação iônica

- Regiões de alta densidade eletrônica são mostradas em vermelho;

- Regiões de baixa densidade eletrônica são mostradas em azul.

Comprimento de Diferença de Compostooo Momento de dipolo (D ligação (Å) eletronegatividade HF HCl HBr
Comprimento de
Diferença de
Compostooo
Momento de dipolo (D
ligação (Å)
eletronegatividade
HF
HCl
HBr
HI

Ligação metálica

íons

Ligação metálica íons elétrons • Estrutura formada por íons positivos e elétrons livres (deslocalizados) de

elétrons

• Estrutura formada por íons positivos e elétrons livres (deslocalizados) de valência.

Propriedades associadas as ligações metálicas

• Alta condutividade elétrica e térmica;

• Ligações são móveis;

• Possuem o brilho metálico;

• São densos;

• São maeláveis e ductéis.

25/08/2015

Ilustração esquemática da ligação metálica

Ilustração esquemática da ligação metálica

Ligas metálicas

Ouro 18 quilates: 75% de ouro e 25% de cobre e prata;

Ligas metálicas Ouro 18 quilates: 75% de ouro e 25% de cobre e prata; Aço: Ferro

Aço: Ferro e carbono Aço inox: Fe, C, Cr e Ni

Ligas metálicas Ouro 18 quilates: 75% de ouro e 25% de cobre e prata; Aço: Ferro

Bronze: Cu e Sn

Bronze: Cu e Sn AMÁLGAMA: Hg + Ag + Sn

AMÁLGAMA: Hg + Ag + Sn

Bronze: Cu e Sn AMÁLGAMA: Hg + Ag + Sn

Referências Bibliográficas

- BROWN, T.L. et al. Química: a ciência central. 9 ed. São Paulo: Prentice Hall, 2005. 972p.

- KOTZ, J.C; TREICHEL JR., P.M; WEAVER, G.C. Química geral e reações químicas. 6 ed. São Paulo: Cengage Learning, 2010. 1v. 611p.

- RUSSELL, J.B. Quimica geral. 2 ed. São Paulo: Pearson: Makron Books, 2008. 1v. 621p.

25/08/2015

2010. 1v. 611p. - RUSSELL, J.B. Quimica geral. 2 ed. São Paulo: Pearson: Makron Books, 2008.