Вы находитесь на странице: 1из 43
Sistemas Operativos

Sistemas Operativos

Sistemas Operativos

Sistemas Operativos

Índice

Introdução

5

Explicação da finalidade de um Sistema Operativo

5

Características dos Sistemas Operativos

5

Controlo de acesso ao hardware

6

Gestão de ficheiros e pastas

6

Interface de Utilizador

6

Gestão de aplicações

7

Conceitos de um Sistema Operativo

8

Modos de operação

8

Modo real

8

Modo protegido

9

Modo real virtual

9

Modo de compatibilidade

9

Descrição e Comparação dos Sistemas Operativos

10

Sistema operativo de desktop

10

Apple Mac OS

11

UNIX\Linux

11

Sistema operativo de rede

11

Determinação do S.O. com base nas necessidades do cliente

12

Identificação das aplicações e dos ambientes, compatíveis com um sistema operativo

12

Determinação dos requisitos mínimos de hardware e da compatibilidade com a plataforma do SO 13

Instalação de um Sistema Operativo

14

Identificação dos procedimentos de configuração do disco rígido

15

Partição e Formatação

15

Preparação do disco rígido

16

Instalação do sistema operativo, utilizando definições predefinidas

17

Criação de contas

18

Finalização da instalação

18

Identificação dos ficheiros de sequência de arranque e ficheiros de Registo

19

Processo de Arranque do Windows XP

20

Sistemas Operativos

Sistemas Operativos

O

NTLDR e o Menu de Arranque do Windows

20

O

Registo do Windows

21

O

NT Kernel

21

Descrição de como manipular os ficheiros do sistema operativo

22

Modos de Arranque

22

Descrição das estruturas de directórios

23

Navegação pela GUI (Windows)

25

Organização dos itens no ambiente de trabalho

25

Propriedades do Ambiente de Trabalho

26

Itens do Ambiente de Trabalho

26

Menu Iniciar

26

O

Meu Computador

26

Os Meus Locais Na Rede

27

Exploração das aplicações do Painel de Controlo

27

Aplicações do Painel de Controlo

28

Definições de Visualização

29

Exploração das ferramentas administrativas

29

Gestor de Dispositivos - "Device Manager"

29

Gestor de Tarefas

30

Visualizador de Eventos - "Event Viewer"

30

Desktop Remoto

31

Definições de Desempenho

31

Instalação, navegação e desinstalação de uma aplicação

32

Aplicação Adicionar ou Remover Programas

32

Adicionar uma Aplicação

32

Desinstalação de uma Aplicação

33

Descrição da realização do upgrade de um sistema operativo

34

Identificação e aplicação de técnicas preventivas de manutenção nos sistemas operativos

34

Planeamento da Manutenção Preventiva

35

Agendamento de uma tarefa

36

Utilitários do Sistema

37

Sistemas Operativos

Sistemas Operativos

Actualizações Automáticas

37

Ponto de Restauro

38

Efectuar o backup do disco rígido

39

Backup Normal

39

Backup de Cópia

39

Backup Diferencial

39

Backup Diário

40

Identificação de problemas e soluções comuns

41

Resumo

42

Sistemas Operativos

Sistemas Operativos

Introdução

O sistema operativo (SO) controla quase todas as funcionalidades num computador. Neste capítulo, ficará a conhecer os componentes, as funções e a terminologia relacionados com os sistemas operativos Windows XP e Windows 7.

Explicação da finalidade de um Sistema Operativo

Todos os computadores dependem de um sistema operativo (SO), de modo a fornecerem a interface para a interacção entre os utilizadores, as aplicações e o hardware. O sistema operativo inicia o computador e gere o sistema de ficheiros. Quase todos os sistemas operativos modernos conseguem suportar mais do que um utilizador, tarefa ou CPU.

conseguem suportar mais do que um utilizador, tarefa ou CPU. Características dos Sistemas Operativos Independentemente

Características dos Sistemas Operativos

Independentemente da dimensão e da complexidade do computador e do sistema operativo, todos os sistemas operativos desempenham as mesmas quatro funções básicas. Os sistemas operativos controlam o acesso ao hardware, gerem os ficheiros e as pastas, fornecem uma interface do utilizador e gerem as aplicações.

Sistemas Operativos

Sistemas Operativos

Controlo de acesso ao hardware

O sistema operativo gere a interacção entre as aplicações e o hardware. Para aceder e

comunicar com o hardware, o sistema operativo instala um driver de dispositivo para cada componente do hardware. Um driver de dispositivo é um pequeno programa concebido pelo fabricante do hardware e fornecido com o componente do hardware. Quando se instala o dispositivo de hardware, também se instala o driver de dispositivo, permitindo ao sistema

operativo (SO) comunicar com o componente do hardware.

O processo de atribuição de recursos ao sistema e de instalação dos drivers pode ser

efectuado através do Plug- and-Play (PnP). O processo PnP foi introduzido no Windows 95 para simplificar a instalação de novo hardware. Todos os sistemas operativos são compatíveis com o PnP. Com o PnP, o sistema operativo detecta, automaticamente, a compatibilidade do hardware com o PnP e instala o driver para o respectivo componente. O sistema operativo

configura, então, o dispositivo e actualiza o registo que consiste numa base de dados, contendo toda a informação sobre o computador.

Gestão de ficheiros e pastas

O sistema operativo cria uma estrutura de ficheiros na unidade de disco rígido para permitir

que os dados sejam armazenados. Um ficheiro é um bloco de dados relacionados, que possui

apenas um nome e que é tratado como uma única unidade. Os ficheiros de dados e de programas estão agrupados num directório. Os ficheiros e os directórios estão organizados, de modo a facilitar a sua utilização e a sua transferência. Os directórios podem ser guardados dentro de outros directórios. Estes directórios encaixados uns nos outros são denominados subdirectórios. Nos sistemas operativos do Windows, os directórios são denominados pastas e

os subdirectórios são denominados subpastas.

Interface de Utilizador

O sistema operativo permite, ao utilizador, a interacção com o software e com o hardware.

Existem dois tipos de Interface de utilizador:

Interface da Linha de Comandos - "Command Line Interface" (CLI) - O utilizador digita os comandos numa linha, como mostra a Figura 1.

Interface Gráfica do Utilizador - "Graphical User Interface" (GUI) - O utilizador interage com os menus e os ícones, como mostra a Figura 2.

A

maioria dos sistemas operativos, tais como o Windows 2000 e o Windows XP, incluem tanto

o

GUI como o CLI.

Sistemas Operativos

Sistemas Operativos

Sistemas Operativos Gestão de aplicações O sistema operativo localiza uma aplicação e carrega-a na RAM do
Sistemas Operativos Gestão de aplicações O sistema operativo localiza uma aplicação e carrega-a na RAM do

Gestão de aplicações

O sistema operativo localiza uma aplicação e carrega-a na RAM do computador. As aplicações

são programas de software, tais como os processadores de texto, as bases de dados, as folhas de cálculo, os jogos, entre muitas outras aplicações. O sistema operativo garante que cada aplicação possua recursos adequados de sistema.

A Interface de Programação de Aplicações - "Application programming interface" (API) é um

conjunto de directrizes e é utilizada pelos programadores para garantir que a aplicação que estão a desenvolver é compatível com o sistema operativo. Em seguida, são apresentados dois exemplos de APIs:

"Open Graphics Library" (OpenGL) - Especificação normalizada de plataforma cruzada para gráficos de multimédia

DirectX - Conjunto de APIs relacionado com as tarefas de multimédia para Microsoft Windows

Sistemas Operativos

Sistemas Operativos

Conceitos de um Sistema Operativo

Para compreender as capacidades de um sistema operativo é importante compreender alguns termos básicos. Os termos que se seguem são, frequentemente, utilizados quando comparamos sistemas operativos:

Multi-utilizador - Dois ou mais utilizadores podem trabalhar, em simultâneo, com programas e partilhar dispositivos periféricos, tais como impressoras.

Multi-tarefa - O computador é capaz de trabalhar com múltiplas aplicações ao mesmo tempo.

Multi-processamento - O computador pode ter duas ou mais unidades centrais de processamento - "central processing units" (CPUs) que são partilhadas pelos programas.

Multi-threading - Um programa pode ser dividido em partes mais pequenas que podem ser carregadas pelo sistema operativo à medida que vão sendo necessárias. O Multi-threading permite que os programas individuais tenham multi-tarefas.

Quase todos os sistemas operativos modernos são multi-utilizador e multi-tarefa, e suportam multi-processamento e multi-threading.

Modos de operação

Todas as CPUs modernas podem funcionar em diferentes modos de operação. O modo de operação refere-se à capacidade da CPU e ao ambiente de funcionamento. O modo de

operação determina a forma como a CPU gere as aplicações e a memória. A Figura 1 mostra um exemplo da atribuição da memória lógica. Os quatro modos de operação mais comuns são

o modo real, modo protegido, modo real virtual, e modo compatível.

Modo real

Uma CPU que funciona em modo real apenas pode executar um programa de cada vez, e

apenas pode endereçar 1 MB de memória do sistema de cada vez. Apesar de todos os processadores modernos terem o modo real disponível, este é apenas utilizado pelo DOS e

pelas aplicações DOS ou por sistemas operativos de 16 bits, tais como o Windows 3.x

modo real, quando uma aplicação cria um erro, todo o computador pode ser afectado porque

o programa tem acesso directo à memória. Este facto pode fazer com que o computador deixe

de responder, reinicie, ou desligue devido á corrupção do espaço da memória. A Figura 2 é um gráfico com alguns dos comando DOS mais comuns que ainda podem ser utilizados nos sistemas operativos modernos, como o Windows XP.

Em

Sistemas Operativos

Sistemas Operativos

Modo protegido

Uma CPU que funcione em modo protegido tem acesso a toda a memória do computador, incluindo a memória virtual. A memória virtual é o espaço do disco rígido que é utilizado para emular a RAM. Os sistemas operativos que utilizam o modo protegido podem gerir vários programas em simultâneo. O modo protegido permite um acesso à memória de 32 bits, às unidades, e permite tranferências entre os dospositivos de entrada e saída (I/O). O modo protegido é utilizado por sistemas operativos de 32 bits, tais como o Windows 2000 ou Windows XP. No modo protegido, as aplicações são protegidas utilizando a memória reservada para outra aplicação que está a ser executada.

Modo real virtual

Uma CPU que funcione em modo real virtual permite que uma aplicação em modo real funcione num sistema operativo em modo protegido. Este facto pode verificar-se quando uma aplicação DOS funciona num sistema operativo de 32 bits, como o Windows XP.

Modo de compatibilidade

O modo de compatibilidade cria o ambiente de um sistema operativo anterior para aplicações que não sejam compatíveis com o sistema operativo actual. Como exemplo, uma aplicação que verifique a versão do sistema operativo pode ser processada para o Windows NT e requer um service pack particular. O modo de compatibilidade pode criar o ambiente adequado ou versão do sistema operativo para permitir que a aplicação funcione como se estivesse no ambiente pretendido.

ou versão do sistema operativo para permitir que a aplicação funcione como se estivesse no ambiente
Sistemas Operativos

Sistemas Operativos

Descrição e Comparação dos Sistemas Operativos

Pode ser pedido a um técnico que escolha e instale um sistema operativo para um cliente. O tipo de SO seleccionado depende dos requisitos do cliente para o respectivo computador. Existem dois tipos distintos de sistemas operativos: sistemas operativos de desktop e sistemas operativos de rede. Com um sistema operativo de desktop, pretende-se uma utilização em "small office/home office" (SOHO), com um número limitado de utilizadores. Um sistema operativo de rede - "network operating system" (NOS) destina-se a um ambiente corporativo, servindo múltiplos utilizadores com uma grande variedade de necessidades.

Sistema operativo de desktop

Um SO de desktop possui as seguintes características:

Suporta um único utilizador

Executa as aplicações de um único utilizador

Partilha ficheiros e pastas numa pequena rede com segurança limitada

No mercado actual de software, os sistemas operativos de desktop mais utilizados dividem-se em três grupos: Microsoft Windows, Apple Mac OS e UNIX/Linux.

Microsoft Windows O Windows é, actualmente, um dos sistemas operativos mais conhecidos. Os seguintes produtos são versões de desktop dos sistemas operativos da Microsoft Windows:

Windows XP Professional - É utilizado na maioria dos computadores que serão ligados a um Servidor Windows, numa rede.

Windows XP Home Edition - É utilizado nos computadores domésticos e possui uma segurança muito limitada

Windows XP Media Center - É utilizado nos computadores para entretenimento, para ver filmes e ouvir música.

Windows XP Tablet PC Edition - É utilizado para "tablet PCs"

Windows XP 64-bit Edition - É utilizado para computadores com processadores de 64 bit

Windows 2000 Professional - É um antigo sistema operativo do Windows que foi substituído pelo Windows XP Professional

Windows Vista - É a versão mais recente do Windows

Sistemas Operativos

Sistemas Operativos

Apple Mac OS

Os computadores da Apple são proprietários e utilizam um sistema operativo denominado Mac OS. O Mac OS foi concebido para ser um sistema operativo GUI de fácil utilização. As versões actuais do Mac OS são, agora, baseadas numa versão personalizada do UNIX.

UNIX\Linux

O UNIX foi introduzido no final dos anos 60 e é um dos sistemas operativos mais antigos. Actualmente, existem muitas versões diferentes do UNIX. Uma das versões mais recentes é o extremamente conhecido Linux. O Linux foi desenvolvido por Linus Torvalds em 1991 e é projectado como um sistema operativo "open source". Os programas "open source" permitem que código de origem seja distribuído e alterado por qualquer pessoa como um download gratuito, ou pelos criadores, a um custo muito mais reduzido do que os outros sistemas operativos.

Sistema operativo de rede

Um SO de rede possui as seguintes características:

Suporta múltiplos utilizadores

Executa as aplicações de multi-utilizador

É robusto e redundante

Fornece uma maior segurança, em comparação com os sistemas operativos de desktop

Estes são os sistemas operativos de rede mais comuns:

Microsoft Windows - Os sistemas operativos de rede oferecidos pela Microsoft são o Windows 2000 Server e o Windows Server 2003. Os sistemas operativos do Windows Server utilizam uma base de dados central, denominada Active Directory, para gerirem os recursos de rede.

Novell Netware - O Novell NetWare foi o primeiro SO a obedecer aos requisitos dos SO de rede e a usufruir de uma ampla implementação nas LANs baseadas em PC, desde os anos 80.

Linux - Os sistemas operativos Linux incluem Red Hat, Caldera, SuSE, Debian e Slackware.

UNIX - Muitas organizações ofereceram sistemas operativos proprietários, baseados no UNIX.

Sistemas Operativos

Sistemas Operativos

Determinação do S.O. com base nas necessidades do cliente

Para seleccionar um sistema operativo adequado, de modo a respeitar os requisitos do seu cliente, necessita de compreender para que fim o cliente pretende utilizar o computador. O sistema operativo que recomendar deve ser compatível com todas as aplicações que serão utilizadas e deve suportar todo o tipo de hardware instalado no computador. Se o computador estiver ligado a uma rede, o novo sistema operativo deve ser, também, compatível com os outros sistemas operativos que se encontram na rede.

Identificação das aplicações e dos ambientes, compatíveis com um sistema operativo

Um sistema operativo deve ser compatível com todas as aplicações instaladas no computador. Antes de recomendar um SO ao seu cliente, procure saber os tipos de aplicações que ele pretende utilizar. Se o computador fizer parte de uma rede, o sistema operativo deve também ser compatível com os sistemas operativos dos outros computadores que se encontram na rede. O tipo de rede determina quais os sistemas operativos que são compatíveis. As redes Microsoft Windows podem ter múltiplos computadores que utilizem diferentes versões de sistemas operativos da Microsoft. Estas são algumas directrizes que o ajudarão a determinar o melhor sistema operativo para o seu cliente:

O computador possui aplicações “off-the-shelf” ou aplicações personalizadas, programadas especificamente para este cliente? Se o cliente utilizar uma aplicação personalizada, o programador da aplicação especificará qual o sistema operativo compatível com esta. A maioria das aplicações “off-the-shelf” especifica uma lista de sistemas operativos compatíveis, no exterior da embalagem da aplicação.

As aplicações estão programadas para um único utilizador ou para múltiplos utilizadores? Estas informações ajudá-lo-ão a decidir se deverá recomendar um SO de desktop ou um SO de rede. Se o computador estiver ligado a uma rede, certifique-se de que recomenda a mesma plataforma do SO utilizada pelos outros computadores que se encontram na rede.

Existem ficheiros de dados partilhados com outros computadores, tais como um computador portátil ou um computador doméstico? Para garantir a compatibilidade dos formatos de ficheiros, recomende uma plataforma do SO idêntica à que é utilizada pelos outros computadores que estão a partilhar os ficheiros de dados.

Como exemplo, o seu cliente pode ter uma rede Windows instalada e quer adicionar mais computadores à rede. Neste caso, deve recomendar um SO do Windows para os novos computadores. Se o cliente não possuir qualquer tipo de equipamento informático, a escolha de plataformas do SO disponíveis aumenta. Para recomendar um SO, necessitará de analisar as limitações financeiras, saber para que fim o computador será utilizado e estipular que tipos de aplicações serão instaladas.

Sistemas Operativos

Sistemas Operativos

Determinação dos requisitos mínimos de hardware e da compatibilidade com a plataforma do SO

Os sistemas operativos possuem requisitos mínimos de hardware que têm de ser respeitados para que o SO seja instalado e funcione correctamente. A Figura abaixo apresenta uma tabela dos requisitos mínimos de hardware para os sistemas operativos Windows 2000, Windows XP Pro e Windows XP Home.

Identifique o equipamento que o seu cliente instalou. Se para obedecer ao requisitos mínimos

de um SO, forem necessários os upgrades do hardware, efectue uma análise de custos para

determinar o melhor modo de actuação. Em alguns casos, pode ser menos dispendioso para o cliente comprar um computador novo do que actualizar o sistema actual. Noutros casos, pode ser mais económico actualizar um ou mais dos seguintes componentes:

RAM

Unidade de disco rígido

CPU

Placa de vídeo

NOTA: Em alguns casos, os requisitos de aplicação podem exceder os requisitos de hardware do sistema operativo. Para que a aplicação funcione adequadamente, será necessário satisfazer requisitos adicionais.

Após determinar os requisitos mínimos de hardware para um SO, deverá certificar-se de que todo o hardware existente no computador é compatível com o sistema operativo seleccionado para o seu cliente.

Lista de Compatibilidade de Hardware - "Hardware Compatibility List" (HCL)

A maioria dos sistemas operativos possui uma lista de compatibilidade de hardware -

"hardware compatibility list" (HCL) que pode ser encontrada no web site do fabricante, como indica. Estas listas fornecem um inventário detalhado de hardware testado e que é conhecido

por funcionar com o sistema operativo. Se alguns componentes de hardware do seu cliente não se encontrarem na lista, poderão necessitar de um upgrade, de modo a corresponderem aos componentes existentes na HCL.

Sistemas Operativos

Sistemas Operativos

Sistemas Operativos Instalação de um Sistema Operativo Como técnico, poderá ter de efectuar uma instalação limpa

Instalação de um Sistema Operativo

Como técnico, poderá ter de efectuar uma instalação limpa de um sistema operativo. Efectue uma instalação limpa nas seguintes situações:

Quando um computador passar de um colaborador para outro

Quando o sistema operativo se encontrar danificado

Quando um novo disco rígido de substituição for instalado num computador

operativo se encontrar danificado  Quando um novo disco rígido de substituição for instalado num computador
Sistemas Operativos

Sistemas Operativos

Identificação dos procedimentos de configuração do disco rígido

A instalação e o arranque inicial do sistema operativo possuem a designação de configuração do sistema operativo. Apesar de ser possível instalar um sistema operativo através de uma rede, a partir de um servidor ou de uma unidade de disco rígido local, o método de instalação mais comum é através de CDs e de DVDs. Para instalar um SO a partir de um CD ou de um DVD, efectue primeiro a configuração do BIOS para iniciar o sistema a partir de um CD ou de um DVD.

BIOS para iniciar o sistema a partir de um CD ou de um DVD. Partição e

Partição e Formatação

Antes de instalar um sistema operativo numa unidade de disco rígido, esta tem de ser dividida em partições e formatada. Quando uma unidade de disco rígido é dividida em partições, é logicamente, dividida em uma ou mais áreas. Quando uma unidade de disco rígido é formatada, as partições estão preparadas para suportar ficheiros e aplicações. Durante a fase de instalação, a maioria dos sistemas operativos divide em partições e formata, automaticamente, a unidade de disco rígido. Um técnico deve perceber o processo relacionado com a configuração da unidade de disco rígido. Relativamente à configuração da unidade de disco rígido, são utilizados os seguintes termos:

Partição primária - Esta partição é, normalmente, a primeira partição. Uma partição primária não pode ser subdividida em secções menores. Podem existir até quatro partições por unidade de disco rígido.

Partição activa - Esta é a partição utilizada pelo sistema operativo para iniciar o computador. Apenas uma partição primária pode ser marcada como partição activa.

Partição estendida - Esta partição utiliza, normalmente, o espaço livre restante numa unidade de disco rígido ou toma o lugar de uma partição primária. Pode existir, somente, uma partição estendida por unidade de disco rígido e esta pode ser subdividida em secções menores, denominadas de unidades lógicas.

Unidade lógica - Esta unidade é uma secção de uma partição estendida, que pode ser utilizada para separar informação, para fins administrativos.

Sistemas Operativos

Sistemas Operativos

Formatação - Este processo prepara um sistema de ficheiros numa partição para armazenamento de ficheiros.

Sector - Um sector contém, normalmente, um número fixo de, pelo menos, 512 bytes.

"Cluster" - Um "Cluster" é, também, designado de unidade de alocação de ficheiros.

a menor unidade de espaço utilizada para o armazenamento de dados. É constituído

É

por um ou mais sectores.

Pista - Uma pista é um círculo completo de dados, numa parte do disco magnético da unidade de disco rígido. Uma pista é repartida em grupos de sectores.

Cilindro - Um cilindro é uma pilha de pistas alinhadas, umas no topo das outras, para formar uma forma cilíndrica.

Mapeamento de unidade - Um mapeamento de unidade é uma letra atribuída a uma unidade física ou lógica.

Preparação do disco rígido

Uma instalação limpa de um sistema operativo prossegue como se o disco fosse novo; não existe qualquer tentativa de preservação de quaisquer informações que se encontrem no disco rígido, nesse momento. A primeira fase do processo de instalação implica a divisão em partições e a formatação do disco rígido. Este processo prepara o disco para que seja aceite o sistema de ficheiros. O sistema de ficheiros fornece a estrutura de directórios que organiza a aplicação, a configuração e os ficheiros de dados do sistema operativo do utilizador.

O sistema operativo Windows XP pode utilizar um de dois sistemas de ficheiros:

Tabela de Alocação de Ficheiros de 32 bits - "File Allocation Table" (FAT32) -

um sistema de ficheiros que pode suportar partições de até 2 TB ou 2,048 GB. O

sistema de ficheiros FAT32 é suportado pelos Windows 9.x, Windows Me, Windows 2000 e Windows XP.

New Technology File Sistem (NTFS) - É um sistema que, teoricamente, pode suportar partições de até 16 exabytes. O NTFS inclui mais funcionalidades de segurança do sistema de ficheiros e atributos expandidos do que o sistema de ficheiros FAT.

É

Sistemas Operativos

Sistemas Operativos

Sistemas Operativos Instalação do sistema operativo, utilizando definições predefinidas Quando o Windows XP é

Instalação do sistema operativo, utilizando definições predefinidas

Quando o Windows XP é instalado, o assistente de instalação fornece a opção de instalação através de definições típicas (predefinidas) ou de definições personalizadas. A utilização de definições típicas aumenta a probabilidade de realização de uma instalação bem sucedida. Contudo, o utilizador deverá, ainda, fornecer as seguintes informações durante a configuração:

Normas e formatos que definam a moeda e os numerais

Idioma do teclado

Nome do utilizador e da empresa

Chave do produto

Nome do Computador

Palavra-passe do Administrador

Definições de data e hora

Definições de rede

Informações sobre o domínio e o grupo de trabalho

Quando um computador arranca com o CD de instalação do Windows, a instalação do Windows XP é iniciada com três opções:

Configurar o XP - Para executar a configuração e instalação do sistema operativo XP, prima ENTER.

Reparar o XP - Para reparar uma instalação, prima R para abrir a Consola de Recuperação.

Sair - Para sair da Configuração sem instalar o Windows XP, prima F3.

Para obter acesso a esta secção, seleccione a opção Configurar XP - "Setup XP".

Sistemas Operativos

Sistemas Operativos

Criação de contas

Uma conta de administrador é automaticamente criada quando o Windows XP é instalado. A conta de administrador predefinida é designada por "administrador". Por questões de segurança, altere esta designação, o mais rapidamente possível. Esta conta privilegiada deve ser utilizada apenas para gerir o computador - não deve ser utilizada diariamente. Algumas pessoas já efectuaram alterações drásticas ao utilizarem a conta de administrador, em vez de uma conta normal de utilizador. As pessoas mal intencionadas procuram a conta de administrador por esta ser tão eficaz. Crie uma conta de utilizador, quando esta for sugerida, durante o processo de instalação. Ao contrário da conta de administrador, as contas de utilizador podem ser criadas em qualquer momento. Uma conta de utilizador possui menos permissões do que a conta de administrador. Por exemplo, os utilizadores poderão ler um ficheiro, mas não modificá-lo.

poderão ler um ficheiro, mas não modificá-lo. Finalização da instalação Depois de a instalação do

Finalização da instalação

Depois de a instalação do Windows copiar todos os ficheiros necessários do sistema operativo para a unidade de disco rígido, o computador reiniciará e solicitar-lhe-á que inicie a sessão, pela primeira vez.

Tem de registar o Windows XP. De acordo com a Figura 1, deve também completar a verificação que garante a utilização de uma cópia legal do SO. Este procedimento permitir-lhe- á transferir patches e service packs. A realização deste passo requer uma ligação à Internet.

Dependendo do tempo de existência do meio aquando da instalação, podem existir actualizações para instalar. De acordo com a Figura 2, pode utilizar o Microsoft Update Manager, que se encontra no menu Iniciar, para procurar novo software e fazer o seguinte:

Instalar todos os service packs

Instalar todos os patches

Sistemas Operativos

Sistemas Operativos

Iniciar > Todos os Programas > Acessórios > Ferramentas do Sistema > Windows Update

Deve, também, verificar se todo o hardware está correctamente instalado. De acordo com a Figura 3, pode utilizar o Gestor de Dispositivos para localizar problemas e para instalar os drivers correctos ou actualizados, utilizando o seguinte percurso:

Iniciar > Painel de Controlo > Sistema > Hardware > Gestor de Dispositivos

No Gestor de Dispositivos, os ícones de aviso são representados por um ponto de exclamação amarelo ou por um "X" vermelho. Um ponto de exclamação amarelo representa um problema com o dispositivo. Para visualizar a descrição do problema, clique no dispositivo com o botão direito do rato e seleccione Propriedades. Um "X" vermelho significa que o dispositivo foi desactivado. Para activar o dispositivo, clique no dispositivo desactivado com o botão direito do rato e seleccione Activar. Para abrir uma categoria que não se encontre ainda expandida, clique no símbolo mais (+).

NOTA: Quando o Windows detecta um erro no sistema, o relatório do Windows exibe uma caixa de diálogo. Se escolher enviar o relatório, o Relatório de Erros do Windows Microsoft - "Windows Error Reporting" (WER) recolhe informações sobre a aplicação e o módulo envolvidos no erro e envia as informações para a Microsoft.

no erro e envia as informações para a Microsoft. Identificação dos ficheiros de sequência de arranque

Identificação dos ficheiros de sequência de arranque e ficheiros de Registo

Deverá conhecer o processo que o Windows XP utiliza aquando do arranque A compreensão destes passos pode ajudá-lo a resolver os problemas relacionados com o arranque. A Figura 1 mostra a sequência de arranque para o Windows XP.

Sistemas Operativos

Sistemas Operativos

Processo de Arranque do Windows XP Para iniciar o processo de arranque deve, primeiro, ligar o computador. Este procedimento é denominado "cold boot". O computador executa o teste POST - "Power-On Self Test" (POST). Considerando que a placa gráfica ainda não foi inicializada, qualquer erro ocorrido neste momento, no processo de arranque, será transmitido através de uma série de sinais sonoros, denominados "beep codes".

Após o teste POST, a BIOS localiza e lê as definições de configuração que foram armazenadas no CMOS. Esta definição de configuração é a sequência pela qual os dispositivos serão testados para verificar se possuem algum sistema operativo. A BIOS inicia o computador, utilizando a primeira unidade que contém um sistema operativo.

Após ser localizada a unidade com o sistema operativo, a BIOS localiza o Registo de Arranque Principal - "Master Boot Record" (MBR). O MBR localiza o carregador de arranque do sistema operativo. Para o Windows XP, o carregador de arranque é denominado NT Loader (NTLDR).

o carregador de arranque é denominado NT Loader (NTLDR). O NTLDR e o Menu de Arranque

O NTLDR e o Menu de Arranque do Windows Neste ponto, o NTLDR controla diversos passos de instalação. Por exemplo, se estiver presente mais do que um SO no disco, o BOOT.INI dá, ao utilizador, a oportunidade de seleccionar aquele que pretende utilizar. Se não existirem outros sistemas operativos, ou se o utilizador não efectuar a devida selecção antes de o tempo terminar, ocorrem os seguintes passos:

O NTLDR executa NTDETECT.COM para obter informações sobre o hardware instalado.

Sistemas Operativos

Sistemas Operativos

O NTLDR utiliza o caminho especificado no BOOT.INI para encontrar a partição de arranque.

O NTLDR carrega dois ficheiros que recuperam o núcleo do XP: NTOSKRNL.EXE e HAL.DLL.

O NTLDR lê os ficheiros de Registo, escolhe um perfil de hardware e carrega os drivers de dispositivo.

O Registo do Windows

Os ficheiros de Registo do Windows são uma parte importante do processo de arranque do Windows. Estes ficheiros são reconhecidos pelos seus nomes característicos, que começam por HKEY_, como mostra a Figura 2, seguido do nome da porção do sistema operativo sob o seu controlo. Todas as definições no Windows-desde a imagem de fundo do ecrã do computador e a cor dos botões do ecrã à licença das aplicações-estão armazenadas no Registo. Quando um utilizador efectua alterações às definições do Painel de Controlo, às Associações de Ficheiros, às Políticas do Sistema ou ao software instalado, as alterações ficam armazenadas no Registo.

Cada utilizador possui uma secção única do Registo. O processo de início de sessão do Windows desloca as definições do sistema do Registo para reconfigurar o sistema ao estado em que se encontrava, na última vez em que o utilizador o ligou.

se encontrava, na última vez em que o utilizador o ligou. O NT Kernel Neste ponto,

O NT Kernel

Neste ponto, o NT kernel, o coração do sistema operativo do Windows, toma conta de tudo. O nome deste ficheiro é NTOSKRNL.EXE. Inicia o ficheiro de início de sessão denominado WINLOGON.EXE e exibe o ecrã de boas-vindas do XP.

Sistemas Operativos

Sistemas Operativos

Descrição de como manipular os ficheiros do sistema operativo

Depois de ter instalado o Windows XP, poderá querer alterar a configuração. As aplicações que se seguem são, frequentemente, utilizadas para efectuar modificações após a instalação:

Msconfig - Este utilitário de configuração de arranque permite-lhe reunir os programas que irão ser executados aquando do arranque e editar os ficheiros de configuração. Oferece, também, um controlo simplificado sobre os Serviços do Windows, como apresenta a Figura 1.

Regedit - Esta aplicação permite-lhe editar o registo

NOTA: REGEDT32 foi utilizado com o Windows NT. No Windows XP e no Windows Server 2003, o ficheiro REGEDT32 é, apenas, um atalho para o comando REGEDIT.EXE. No Windows XP, pode introduzir REGEDT32.EXE ou REGEDIT32.EXE; ambos os comandos executam o mesmo programa.

ATENÇÃO: A utilização incorrecta de REGEDT32.EXE ou REGEDIT.EXE, pode causar problemas de configuração, resultando na necessidade de reinstalação do sistema operativo.

na necessidade de reinstalação do sistema operativo. Modos de Arranque Pode iniciar o Windows, de um
na necessidade de reinstalação do sistema operativo. Modos de Arranque Pode iniciar o Windows, de um

Modos de Arranque Pode iniciar o Windows, de um modo, entre muitos outros existentes. Ao premir a tecla F8, durante o processo de arranque, será aberto o menu de Opções de Arranque Avançadas do Windows, permitindo-lhe seleccionar o modo como irá iniciar o Windows. São, normalmente, utilizadas as seguintes opções de arranque:

Modo de Segurança - Inicia o Windows, mas apenas carrega os drivers para os componentes básicos, tais como o teclado e o ecrã.

Sistemas Operativos

Sistemas Operativos

Modo de Segurança com Funcionamento em Rede - Inicia o Windows, de forma idêntica à do Modo de Segurança, e carrega também os drivers para os componentes de rede.

Modo de Segurança com a Linha de Comandos - Inicia o Windows e carrega a linha de comandos em vez da interface GUI.

Última Configuração Reconhecida como Correcta - Permite que o utilizador carregue as definições das configurações do Windows, utilizadas na última vez em que o Windows iniciou com êxito. Isto é possível, ao aceder à cópia do registo, que é criada para este fim.

NOTA: A Última Configuração Reconhecida como Correcta é inútil, excepto se for imediatamente aplicada após a ocorrência de uma falha. Se o computador reiniciar e se, apesar das dificuldades, conseguir abrir o Windows, a chave de registo para a Última Configuração Reconhecida como Correcta será, provavelmente, actualizada com a informação errada.

Descrição das estruturas de directórios

No Windows, os ficheiros são organizados numa estrutura de directórios. O nível de raiz da partição do Windows é denominado drive C:\. Seguidamante, há um conjunto inicial de directórios normalizados, denominados pastas, para o sistema operativo, as aplicações, as informações de configuração e os ficheiros de dados. Após a instalação inicial, os utilizadores podem instalar a maioria das aplicações e dos dados, em qualquer directório à escolha.

Os ficheiros na estrutura de directório aderem a uma convenção de nomes do Windows:

Pode utilizar-se um máximo de 255 caracteres.

Caracteres, tais como um ponto final (.) ou uma barra (\ /), não são permitidos.

É adicionada uma extensão de três ou quatro letras ao nome do ficheiro, para identificar o tipo de ficheiro.

Os nomes de ficheiros não são sensíveis às maiúsculas e às minúsculas.

São, normalmente, utilizadas as seguintes extensões de nome de ficheiros:

.doc - Microsoft Word

.txt - Apenas texto ASCII

.jpg - Formato gráfico

.ppt - Microsoft PowerPoint

.zip - Formato de compactação

A estrutura de directórios mantém um conjunto de atributos para cada ficheiro, que controla a forma como o ficheiro pode ser visualizado ou modificado. Estes são os atributos de ficheiros mais comuns:

R - O ficheiro é só de leitura.

Sistemas Operativos

Sistemas Operativos

A - O ficheiro será arquivado, da próxima vez que o disco criar um backup.

S - O ficheiro é assinalado como um ficheiro de sistema e é transmitido um aviso, se houver alguma tentativa de apagar ou modificar o ficheiro.

H - O ficheiro é ocultado na visualização do directório.

Os nomes de ficheiros, as extensões e os atributos podem ser visualizados, através da introdução de uma janela do DOS e da utilização do comando ATTRIB, como mostra a Figura 1. Utilize o caminho seguinte:

Iniciar > Executar > cmd

Navegue até à pasta que contém o ficheiro pretendido. Digite ATTRIB, seguido do nome do ficheiro. Utilize um carácter universal, tal como *.* para visualizar vários ficheiros ao mesmo tempo. Os atributos de cada ficheiro aparecerão na coluna esquerda do ecrã. As informações sobre o comando ATTRIB podem ser encontradas na linha de comandos, digitando:

ATTRIB/?

Pode aceder-se ao equivalente do comando ATTRIB do Windows, clicando com o botão direito do rato num ficheiro do Explorador do Windows e escolhendo a opção Propriedades.

NOTA: Para ver as propriedades de um ficheiro que se encontra no Explorador do Windows deve, primeiro, definir o Explorador do Windows para "Mostrar Ficheiros Ocultos" - "Show Hidden Files". Utilize este caminho:

Clique com o botão direito do rato em Iniciar > Explorar > Ferramentas > Opções de Pastas >

Visualizar

NTFS

e

FAT32

O Windows XP e o Windows 2000 utilizam sistemas de ficheiros FAT32 e NTFS. A segurança é

uma das diferenças mais importantes existente entre estes sistemas de ficheiros. O NTFS consegue suportar mais ficheiros e de maior tamanho, em relação ao FAT32, fornecendo funcionalidades mais flexíveis de segurança para os ficheiros e para as pastas. As Figuras 2 e 3 mostram as propriedades de permissão de ficheiros para FAT32 e NTFS.

As partições podem ser convertidas do FAT32 para NTFS, utilizando o utilitário CONVERT.EXE. Este procedimento fornecerá vantagens adicionais de segurança do NTFS. Para restaurar uma partição NTFS para uma partição FAT32, formate, novamente, a partição e recupere os dados

a partir de um backup.

ATENÇÃO: Antes de converter um sistema de ficheiros, lembre-se de criar um backup de dados.

Sistemas Operativos

Sistemas Operativos

Navegação pela GUI (Windows)

O sistema operativo fornece uma interface do utilizador que permite a interacção entre o utilizador e o computador. Existem dois métodos que poderá utilizar para navegar pelo sistema de ficheiros e executar aplicações, num sistema operativo:

A Interface Gráfica do Utilizador (GUI) fornece representações gráficas (ícones) de todos os ficheiros, pastas e programas de um computador. Estes ícones são manipulados através da utilização de um ponteiro que é controlado com um rato ou um dispositivo semelhante. O ponteiro permite a deslocação de ícones através da acção "arrastar e largar" - "dragging and dropping" e a execução de programas através do clique.

Uma Interface da Linha de Comandos (CLI) é baseada em texto. Deverá digitar comandos para manipular ficheiros e executar programas.

comandos para manipular ficheiros e executar programas. Organização dos itens no ambiente de trabalho Após a

Organização dos itens no ambiente de trabalho

Após a instalação do sistema operativo, o ambiente de trabalho pode ser parametrizado de forma a adaptá-lo às necessidades individuais. O ambiente de trabalho ou desktop de um computador é uma representação gráfica da área de trabalho. O ambiente de trabalho contém ícones, barras de ferramentas e menus para manipular ficheiros. O ambiente de trabalho pode ser personalizado com imagens, sons e cores para proporcionar um aspecto e funcionamentos mais personalizados.

Sistemas Operativos

Sistemas Operativos

Sistemas Operativos Propriedades do Ambiente de Trabalho Para personalizar a interface GUI do seu desktop, clique
Sistemas Operativos Propriedades do Ambiente de Trabalho Para personalizar a interface GUI do seu desktop, clique

Propriedades do Ambiente de Trabalho Para personalizar a interface GUI do seu desktop, clique com o botão direito do rato no ambiente de trabalho e seleccione Propriedades, como mostra a Figura. O menu Propriedades de Visualização possui cinco separadores: Temas, Ambiente de Trabalho, Protecção de Ecrã, Aspecto e Definições. Clique em qualquer um destes separadores para personalizar as definições do seu ecrã.

Itens do Ambiente de Trabalho Existem vários itens no ambiente de trabalho que podem ser personalizados, tais como a Barra de Tarefas e a Reciclagem. Para personalizar qualquer item, clique, no item, com o botão direito do rato e seleccione Propriedades.

Menu Iniciar No ambiente de trabalho, o menu Iniciar é acedido ao clicar no botão Iniciar. O menu Iniciar, apresentado na Figura, mostra todas as aplicações instaladas no computador, uma lista dos documentos abertos recentemente e uma listagem de outros elementos, tais como uma funcionalidade de pesquisa, um centro de ajuda e as definições do sistema. O menu Iniciar pode ainda ser personalizado. Existem dois estilos do menu Iniciar: XP e Clássico. O estilo XP do menu Iniciar será utilizado ao longo deste curso para a demonstração de sequências de comandos.

O Meu Computador Meu Computador que aparece no ambiente de trabalho. Para personalizar determinadas definições, clique com o botão direito do rato em O Meu Computador e seleccione Propriedades. As definições que podem ser personalizadas incluem o seguinte:

Sistemas Operativos

Sistemas Operativos

Nome do Computador

Definições de hardware

Memória virtual

Actualizações automáticas

Acesso remoto

Iniciar Aplicações As aplicações podem ser iniciadas de diversas formas:

Clique na aplicação através do menu Iniciar.

Faça duplo clique no ícone de atalho da aplicação que se encontra no ambiente de trabalho.

Faça duplo clique no ficheiro executável da aplicação que se encontra em O Meu Computador.

Inicie a aplicação a partir da janela Executar ou da linha de comandos.

Os Meus Locais Na Rede Para ver e configurar ligações de rede, clique com o botão direito do rato no ícone Os Meus Locais Na Rede que se encontra no ambiente de trabalho. Em Os Meus Locais Na Rede, pode ligar-se a uma unidade de rede ou desligar-se de uma unidade de rede. Clique em Propriedades para configurar ligações de rede existentes, tais como ligações LAN com fios e sem fios.

Exploração das aplicações do Painel de Controlo

O Windows centraliza as definições para muitas funcionalidades que controlam o comportamento e o aspecto do computador. Estas definições são categorizadas em aplicações ou pequenos programas, que se encontram no Painel de Controlo, tal como representa a Figura 1. Adicionar ou remover programas, alterar as definições de rede e as definições de segurança são algumas das opções de configuração disponíveis no Painel de Controlo.

de rede e as definições de segurança são algumas das opções de configuração disponíveis no Painel
de rede e as definições de segurança são algumas das opções de configuração disponíveis no Painel
Sistemas Operativos

Sistemas Operativos

Aplicações do Painel de Controlo Os nomes de várias aplicações do Painel de Controlo diferem, ligeiramente, dependendo da versão do Windows instalada. No Windows XP, os ícones encontram-se agrupados em categorias:

Aspecto e Temas - aplicações que controlam o aspecto do Windows:

o

Aspecto e Temas

o

Barra de Tarefas e menu Iniciar

o

Opções de Pastas

Ligações de rede e de Internet - aplicações que configuram todos os tipos de ligações:

o

Opções de Internet

o

Ligações de Rede

Adicionar ou remover Programas - é uma aplicação que adiciona ou remove, de forma segura, programas e componentes do Windows.

Dispositivos de Sons, Voz e Áudio - aplicações que controlam todas as definições de som:

o

Dispositivos de sons e de áudio

o

Voz

o

Dispositivos de Multimédia Portáteis

Desempenho e Manutenção - aplicações que encontram informações sobre o seu computador ou efectuam a manutenção:

o

Ferramentas administrativas

o

Opções de energia

o

Tarefas Agendadas

o

Sistema

Impressoras e outro Hardware - aplicações que configuram dispositivos ligados ao computador:

o

Controladores de jogos

o

Teclado

o

Rato

o

Opções de telefone e modem

o

Impressoras e faxes

o

Scanners e Câmaras

Contas de utilizadores - aplicações que configuram opções para os utilizadores e respectivos e-mails:

o

E-mail

o

Contas de utilizadores

Opções de Data, Hora, Idioma e Região - aplicações que alteram as definições baseadas na sua localização e idioma:

o

Data e Hora

o

Opções Regionais e de idioma

Opções de Acessibilidade - é um assistente que configura o Windows para necessidades específicas de visão, audição e mobilidade

Centro de Segurança - é uma aplicação utilizada para configurar as definições de segurança para:

o

Opções de Internet

o

Actualizações automáticas

Sistemas Operativos

Sistemas Operativos

o Firewall do Windows

Definições de Visualização Pode alterar as definições de Visualização, utilizando a aplicação Definições de Visualização. Altere o aspecto do ambiente de trabalho, modificando a qualidade de resolução e de cor, tal como representa a Figura 2. Pode alterar definições de visualização mais avançadas, tais como imagem de fundo, protecção de ecrã, definições de energia e outras opções, através do seguinte percurso:

Iniciar > Painel de Controlo > Visualização > separador Definições > Avançadas

Exploração das ferramentas administrativas

Gestor de Dispositivos - "Device Manager" O Gestor de Dispositivos - "Device Manager", representado na Figura, permite a visualização de todas as definições para dispositivos existentes no computador. Uma tarefa comum

realizada pelos técnicos consiste na visualização dos valores atribuídos ao IRQ, ao endereço de E/S e à definição do DMA para todos os dispositivos existentes no computador. Para visualizar o sistema de recursos do Gestor de Dispositivos - "Device Manager", utilize o seguinte percurso:

Iniciar > Painel de Controlo > Sistema > Hardware > Gestor de Dispositivos > Ver

>

percurso: Iniciar > Painel de Controlo > Sistema > Hardware > Gestor de Dispositivos > Ver
Sistemas Operativos

Sistemas Operativos

Gestor de Tarefas

O Gestor de Tarefas, representado na Figura, permite a visualização de todas as aplicações

que se encontram em execução e o encerramento de aplicações que tenham deixado de responder. O Gestor de Tarefas permite a monitorização do desempenho da CPU e da memória virtual, a visualização de todos os processos em execução e a visualização de informações sobre as ligações de rede. Para visualizar informações no Gestor de Tarefas, utilize o seguinte percurso:

CTRL-ALT-DEL > Gestor de Tarefas

o seguinte percurso: CTRL-ALT-DEL > Gestor de Tarefas Visualizador de Eventos - "Event Viewer" O

Visualizador de Eventos - "Event Viewer"

O Visualizador de Eventos - "Event Viewer", representado na Figura, regista um histórico de

eventos relativos a aplicações, à segurança e ao sistema. Estes ficheiros de registo são uma

ferramenta importante na resolução de problemas. Para obter acesso ao Visualizador de Eventos, utilize o seguinte percurso:

Iniciar > Painel de Controlo > Ferramentas Administrativas > Visualizador de Eventos

Sistemas Operativos

Sistemas Operativos

Sistemas Operativos Desktop Remoto O Desktop Remoto permite que um computador controle, remotamente, outro computador.

Desktop Remoto O Desktop Remoto permite que um computador controle, remotamente, outro computador. Esta funcionalidade da resolução de problemas só se encontra disponível com o Windows XP Professional. Para obter acesso ao Desktop Remoto, utilize o seguinte percurso:

Iniciar > Todos os Programas > Acessórios > Comunicações > Ligação ao Ambiente de Trabalho Remoto

Definições de Desempenho Para melhorar a performance do sistema operativo, poderá alterar algumas das definições utilizadas pelo seu computador, tais como as definições de configuração da memória virtual, representadas na Figura. Para alterar a definição da memória virtual, utilize o seguinte percurso:

Iniciar > Painel de Controlo > Sistema > Avançadas > Área de Desempenho > botão de Definições

Iniciar > Painel de Controlo > Sistema > Avançadas > Área de Desempenho > botão de
Sistemas Operativos

Sistemas Operativos

Instalação, navegação e desinstalação de uma aplicação

Como técnico, será responsável por adicionar e remover software nos computadores dos seus clientes. A maioria das aplicações utiliza um processo de instalação automática sempre que um CD de aplicação é inserido na unidade óptica. O processo de instalação actualiza o utilitário Adicionar ou Remover. O utilizador deverá clicar no assistente de instalação, fornecendo informações sempre que sejam solicitadas.

Aplicação Adicionar ou Remover Programas A Microsoft recomenda que os utilizadores usem sempre o utilitário Adicionar ou Remover Programas, tal como representa a Figura, quando instalarem ou removerem aplicações. Quando utilizar a ferramenta Adicionar ou Remover Programas para instalar uma aplicação, o utilitário localiza ficheiros de instalação, de modo a que a aplicação possa ser completamente desinstalada, caso seja pretendido. Para abrir a aplicação Adicionar ou Remover Programas, utilize o seguinte percurso: Iniciar > Painel de Controlo > Adicionar ou Remover Programas

Painel de Controlo > Adicionar ou Remover Programas Adicionar uma Aplicação Se um programa ou aplicação

Adicionar uma Aplicação Se um programa ou aplicação não for automaticamente instalado quando um CD for inserido, poderá utilizar a aplicação Adicionar ou Remover Programas para instalar a aplicação, tal como representa a Figura. Clique no botão Adicionar Novos Programas e seleccione o local onde a aplicação se encontra localizada. O Windows instalará, sozinho, a aplicação.

Quando a aplicação estiver instalada, poderá ser iniciada a partir do menu Iniciar ou de um ícone de atalho que a aplicação instala no ambiente de trabalho. Verifique a aplicação para

Sistemas Operativos

Sistemas Operativos

garantir que esta se encontra a funcionar correctamente. Se existirem problemas relacionados com a aplicação, repare-os ou desinstale a aplicação. Algumas aplicações, tais como as do Microsoft Office, fornecem uma opção de reparação no processo de instalação. Poderá utilizar esta função para tentar corrigir um programa que não se encontre a funcionar correctamente.

um programa que não se encontre a funcionar correctamente. Desinstalação de uma Aplicação Se uma aplicação

Desinstalação de uma Aplicação Se uma aplicação não se encontrar correctamente instalada, poderão estar a ser deixados ficheiros no disco rígido e definições desnecessárias no registo. Embora esta situação não cause quaisquer problemas, interfere no espaço livre do disco rígido, nos recursos de sistema e na velocidade de leitura do registo. A Figura representa a aplicação Adicionar ou Remover Programas que deverá ser utilizada na desinstalação de programas de que já não necessita. O assistente conduzi-lo-á através do processo de remoção de software e removerá todos os ficheiros instalados.

Sistemas Operativos

Sistemas Operativos

Sistemas Operativos Descrição da realização do upgrade de um sistema operativo Por vezes, torna-se necessário

Descrição da realização do upgrade de um sistema operativo

Por vezes, torna-se necessário efectuar o upgrade a um sistema operativo. Antes de proceder ao upgrade de um sistema operativo, verifique a existência dos requisitos mínimos do novo sistema operativo para garantir que o computador reúne as especificações mínimas exigidas. Verifique a HCL para garantir que o hardware é compatível com o novo sistema operativo. Faça um backup de todos os dados antes efectuar o upgrade ao sistema operativo para o caso

de

haver algum problema com a instalação.

O

processo de upgrade de um sistema computacional do Windows 2000 para o Windows XP é

mais rápido do que efectuar uma nova instalação do Windows XP. O utilitário de configuração

do Windows XP substitui os ficheiros existentes do Windows 2000 pelos ficheiros do Windows

XP durante o processo de upgrade. Contudo, as aplicações e definições existentes serão guardadas.

Identificação e aplicação de técnicas preventivas de manutenção nos sistemas operativos

A manutenção preventiva de um sistema operativo inclui a organização do sistema, a

desfragmentação do disco rígido, a actualização das aplicações, a remoção de aplicações não utilizadas e a verificação dos erros de sistema.

O objectivo de um plano de manutenção preventiva do sistema operativo consiste em evitar

problemas no futuro. Deverá executar, regularmente, a manutenção preventiva e registar,

também, todas as acções realizadas e observações efectuadas. Algumas acções de manutenção preventiva deverão ser realizadas quando causarem o menor incómodo possível

Sistemas Operativos

Sistemas Operativos

aos utilizadores dos computadores. Isto significa, normalmente, que as tarefas sejam realizadas à noite, no início da manhã ou durante o fim-de-semana. Existem, também, ferramentas e técnicas que podem automatizar muitas das tarefas de manutenção preventiva.

Planeamento da Manutenção Preventiva

Os planos de manutenção preventiva deverão incluir informações detalhadas sobre a manutenção de todos os computadores e equipamento de redes, destacando o equipamento que possa causar mais impacto na organização. A manutenção preventiva inclui as seguintes e importantes tarefas:

Actualizações do sistema operativo e aplicações

Actualizações do anti-vírus e de outro software de protecção

Verificação de erros do disco rígido

Backup do disco rígido

Desfragmentação do disco rígido

Um programa de manutenção preventiva, concebido para reparar coisas antes que estas deixem de funcionar e resolver pequenos problemas antes que estes afectem a produtividade, pode proporcionar os seguintes benefícios aos utilizadores e às organizações:

Redução do tempo de inactividade

Aperfeiçoamento do desempenho

Mais confiança

Redução dos custos de reparação

A documentação constitui uma parte adicional da manutenção preventiva. Um registo de reparação ajudá-lo-á a determinar quais os equipamentos mais, ou menos, confiáveis. Fornecer-lhe-á, também, um histórico com informações sobre a data da última reparação efectuada a um computador, a forma como foi reparado e sobre o problema encontrado.

sobre a data da última reparação efectuada a um computador, a forma como foi reparado e
Sistemas Operativos

Sistemas Operativos

Agendamento de uma tarefa

Uma parte da manutenção preventiva consiste na limpeza, inspecção e realização de pequenas reparações. Uma parte da manutenção preventiva utiliza ferramentas que já se encontram no sistema operativo ou que podem ser carregadas para o disco rígido do utilizador. A maioria das aplicações de manutenção preventiva pode ser definida para execução automática, de acordo com um plano.

O Windows possui os seguintes utilitários que iniciarão as tarefas, de acordo com o agendamento:

O comando DOS AT inicia tarefas num momento estabelecido, utilizando a Interface da Linha de Comandos - "Command Line Interface".

O Agendador de Tarefas do Windows inicia tarefas num momento estabelecido, utilizando uma interface gráfica do utilizador.

As informações sobre o comando AT encontram-se disponíveis neste percurso:

Iniciar > Executar > cmd

Seguidamente, digite AT /? na linha de comando.

Aceda ao Agendador de Tarefas do Windows através do seguinte percurso:

Iniciar > Todos os Programas > Acessórios > Ferramentas de Sistema > Tarefas Agendadas

Ambas as ferramentas referidas permitem que os utilizadores estabeleçam a execução de comandos para um determinado momento, uma única vez ou repetidamente, em determinados dias ou horas. O Agendador de Tarefas do Windows, representado na Figura é mais fácil de compreender e de utilizar do que o comando AT, especialmente, em relação à repetição de tarefas e à eliminação de tarefas já planeadas.

do que o comando AT, especialmente, em relação à repetição de tarefas e à eliminação de
Sistemas Operativos

Sistemas Operativos

Utilitários do Sistema

Existem vários utilitários incluídos no DOS e no Windows que ajudam a manter a integridade do sistema. Existem dois utilitários considerados como ferramentas úteis na manutenção preventiva:

ScanDisk ou CHKDSK - O ScanDisk (Windows 2000) e o CHKDSK (Windows XP) verificam a integridade dos ficheiros e das pastas e analisam a superfície do disco rígido, relativamente à existência de erros físicos. Considere a utilização destes utilitários, pelo menos, uma vez por mês e sempre que uma perda de energia repentina provoque o encerramento do sistema.

Defrag - À medida que o tamanho dos ficheiros aumenta, alguns dados são guardados no espaço seguinte disponível no disco. Ao longo do tempo, os dados são fragmentados ou espalham-se pelo disco rígido. Demorará algum tempo a procurar cada secção de dados. A desfragmentação - "Defrag" reúne dados não contíguos num único espaço, tornando mais rápida a execução dos ficheiros.

Poderá obter acesso a ambos os utilitários através do seguinte percurso:

Iniciar > Todos os Programas > Acessórios > Ferramentas de Sistema > Desfragmentador de Disco

Actualizações Automáticas Se todas as tarefas de manutenção tivessem de ser agendadas sempre que fossem executadas, a reparação de computadores seria muito mais difícil. Felizmente, ferramentas tais como o Assistente de Tarefas Agendadas permitem a automatização de muitas funções. Mas como poderá automatizar a actualização de software que não tenha sido criado?

Os sistemas operativos e as aplicações são, constantemente, actualizados por motivos de segurança e adição de novas funcionalidades. É importante que a Microsoft e outros forneçam um serviço de actualização, tal como se encontra representado na Figura. O serviço de actualização poderá examinar o sistema relativamente às actualizações necessárias e, posteriormente, indicar o tipo de downloads e instalações a efectuar. O serviço de actualização poderá efectuar o download e a instalação de actualizações logo que estas se encontrem disponíveis ou poderá efectuar o download das actualizações necessárias e instalá- las quando computador for reiniciado. O Assistente de Actualização da Microsoft encontra-se disponível neste percurso:

Iniciar > Painel de Controlo > Sistema > Actualizações Automáticas

A maioria do software anti-vírus contém a sua própria funcionalidade de actualização. Esta pode actualizar, automaticamente, o seu software de aplicação e os seus ficheiros de base de dados. Esta funcionalidade proporciona uma protecção imediata, à medida que vão sendo desenvolvidas novas ameaças.

Sistemas Operativos

Sistemas Operativos

Sistemas Operativos Ponto de Restauro Uma actualização pode, por vezes, causar problemas graves. Provavelmente, o

Ponto de Restauro Uma actualização pode, por vezes, causar problemas graves. Provavelmente, o sistema conterá um programa antigo, não compatível com o sistema operativo actual. Uma actualização automática poderá instalar um código que funcionará para muitos utilizadores, mas não com o seu sistema.

O Ponto de Restauro do Windows, representado na Figura, é a solução para este problema. O Windows XP pode criar uma imagem das definições actuais do computador, designada por ponto de restauro. Posteriormente, se o computador bloquear ou se ocorrerem problemas causados por uma actualização, o computador poderá repor a configuração anterior.

Os técnicos deverão criar, sempre, um ponto de restauro antes de ser efectuada uma actualização ou substituição do sistema operativo. Os pontos de restauro deverão ser, também, criados nos seguintes momentos:

Sempre que uma aplicação for instalada

Sempre que um controlador de dispositivo - "driver" for instalado

NOTA: Um ponto de restauro efectua o backup de drivers, dos sistemas de ficheiros e regista as definições, mas não os dados de aplicação.

Para restaurar ou criar um ponto de restauro, utilize o seguinte percurso:

Iniciar > Todos os Programas > Acessórios > Ferramentas de Sistema > Restauro de Sistema

Sistemas Operativos

Sistemas Operativos

Sistemas Operativos Efectuar o backup do disco rígido Assim como os pontos de restauro do sistema

Efectuar o backup do disco rígido

Assim como os pontos de restauro do sistema permitem o restabelecimento dos ficheiros de configuração do SO, as ferramentas de backup permitem a recuperação de dados. Pode utilizar a Ferramenta de Backup da Microsoft, apresentada na Figura 1, para efectuar backups quando for necessário. É importante estabelecer uma estratégia de backup que inclua a recuperação de dados. Os requisitos da organização determinarão a frequência com que deve ser efectuado o backup de dados e o tipo de backup a efectuar. A execução de um backup pode ser muito demorada. Se a estratégia de backup for seguida cuidadosamente, não será necessário efectuar um backup de todos os ficheiros em todos os backups. Será, apenas, necessário fazer cópias dos ficheiros que sofreram alterações desde o último backup. Por este motivo, existem diferentes tipos de backup.

Backup Normal É um backup normal também denominado backup completo. Durante um backup normal, todos os ficheiros seleccionados no disco são arquivados no meio de backup. Estes ficheiros são assinalados como arquivados ao limpar o bit de arquivo.

Backup de Cópia Um backup de cópia copia todos os ficheiros seleccionados. Não assinala os ficheiros como arquivados.

Backup Diferencial Um backup diferencial copia todos os ficheiros e pastas criados ou modificados desde o último backup normal ou desde o último backup incremental (ver abaixo). O backup diferencial não assinala os ficheiros como arquivados. As cópias são efectuadas a partir do mesmo ponto de partida até que seja efectuado o próximo backup incremental ou completo. É importante

Sistemas Operativos

Sistemas Operativos

efectuar backups diferenciais porque são, apenas, necessários os últimos backups diferenciais completos para restaurar todos os dados.

Backup Diário Os backups diários copiam somente os ficheiros que foram modificados no dia do backup. Os backups diários não modificam o bit do arquivo.

Para aceder ao utilitário do backup diário num sistema Windows XP Professional, siga o seguinte caminho:

Iniciar > Todos os Programas > Acessórios > Ferramentas do Sistema > Backup

Meios de Backup Há vários tipos de meios de backup disponíveis para os computadores:

As unidades de banda são dispositivos utilizados para efectuar o backup de dados de uma unidade de servidor de rede. As unidades de banda constituem um modo de armazenamento de dados de baixo custo.

O padrão de cassete da Cassete de Áudio Digital (DAT) utiliza cassetes áudio de 4 mm para armazenar dados em formato DSS - "Digital Data Storage" (DSS).

A tecnologia de Cassete Linear Digital (DLT) proporciona elevada capacidade e características de backup de cassete de alta velocidade.

A memória flash USB pode conter cem vezes mais dados dos que uma disquete. Os dispositivos de memória flash USB estão disponíveis em várias capacidades e oferecem melhores velocidades de transferência do que os dispositivos de cassete.

em várias capacidades e oferecem melhores velocidades de transferência do que os dispositivos de cassete. 40
Sistemas Operativos

Sistemas Operativos

Identificação de problemas e soluções comuns

Os problemas do sistema operativo podem ser atribuídos a problemas de hardware, de aplicação ou de configuração ou à combinação dos três. Alguns tipos de problemas do sistema operativo serão resolvidos mais frequentemente do que outros. A Figura representa um gráfico de problemas e soluções comuns do sistema operativo.

frequentemente do que outros. A Figura representa um gráfico de problemas e soluções comuns do sistema
Sistemas Operativos

Sistemas Operativos

Resumo

Este capítulo apresentou os sistemas operativos do computador. Como técnico, deverá ser especializado na instalação, configuração e resolução de problemas de um sistema operativo. Deste capítulo, é importante relembrar os conceitos que se seguem:

Existem vários sistemas operativos diferentes e, ao optar por um, deverá ter em consideração as necessidades do cliente e do ambiente.

Os passos principais de configuração do computador de um cliente incluem a preparação do disco rígido, a instalação de um sistema operativo, a criação de contas de utilizador e a configuração das opções de instalação.

Uma GUI exibe ícones de todos os ficheiros, pastas e aplicações existentes no computador. Um dispositivo apontador, tal como um rato, é utilizado para navegar no desktop de uma GUI.

Deverá estabelecer uma estratégia de backup que permita a recuperação de dados. Os backups normais, diferenciais, incrementais e diários são ferramentas de backup opcionais que se encontram disponíveis nos sistemas operativos Windows.

As técnicas de manutenção preventiva ajudam a garantir o funcionamento optimizado do sistema operativo.

Algumas das ferramentas de resolução de problemas destinadas a resolver problemas de um sistema operativo incluem o menu de Opções Avançadas do Windows - "Windows Advanced Options", registos de eventos, gestor de dispositivos e ficheiros de sistema.

Sistemas Operativos

Sistemas Operativos