Вы находитесь на странице: 1из 2

Opinião

A Tarde

Bahia, 15º em internações

Jorge Solla
Secretário da Saúde do Estado da Bahia
solla.jorge@gmail.com

Ao contrário do que foi amplamente divulgado nos últimos dias, a Bahia em


2009 não foi o terceiro em internações por pneumonias pelo SUS, estando na
verdade na 15ª colocação. O equívoco se deu pela comparação inadequada
dos valores absolutos de ocorrência de doenças ou de internações por
determinada doença entre estados com populações de tamanhos tão
diferentes. A Bahia é o 4º Estado em população, com cerca de 14,8 milhões de
habitantes, atrásapenasdeSão Paulo,Minas Gerais e Rio de Janeiro, nesta
ordem. Para analisar esta situação, utilizamos dados do
SistemadeInternaçõesHospitalaresdoSUS,
doMinistériodaSaúde,deacordocomabase de dados nacional atualizada em
3/5/2010, disponibilizada na “homepage” do DATASUS/ MS
(www.datasus.gov.br) e acessada em 3/6/2010.

A Bahia tem sido o 3º Estado em maior número absoluto de internações por


pneumonias (incluindo influenza) pelo SUS há muito tempo. O fato novo – não
foi divulgadoemnenhum veículo de comunicação – é que a Bahia vem
diminuindo nos últimos anos, especialmente a partir de 2007, a sua posição no
ranking dos estados que, proporcionalmente a sua população, mais internam
pacientes com pneumonias pelo SUS. A Bahia que já foi o 5º colocado neste
“campeonato” (há menos de 10 anos), com mais de sete internações
anuais/mil habitantes, 9ª posição em 2006 (5,13/mil), caiu em 2007 para o
10º lugar (5,08/ mil) e em 2008 para o 11º (4,45/mil).

Em 2009, com a epidemia da gripe A (H1N1), houve um aumento do número


de internações por pneumonias (incluindo influenza) pelo SUS em 25 das 27
unidades federadas, com aumento médio nacional da ordem de 13,74%,
comparando com o ano de 2008. Tivemos, no Brasil, 760.729 internações em
2008. Em 2009, ocorreram 865.254 internamentos por este grupo de doenças
noshospitaisdoSUS.NaBahia,oaumentofoi igual a 12,91%, inferior à média
nacional.

Neste mesmo ano, foram 72.902 internações por pneumonias pelo SUS na
Bahia contra 64.569 em 2008, com um aumento absoluto de 8.333
internações, passando para 4,98 internações a cada mil habitantes. Assim a
Bahia caiu para o 15º lugar no ranking dos estados com mais internações por
pneumonias.
A proporção do total de internamentos pelo SUS devido a pneumonias
(inclusive influenza) colocou a Bahia em 2009 na 13ª posição, correspondendo
a 8,24% do total.

O governador Jaques Wagner definiu a Saúde como uma de suas prioridades


de governoevemampliandoaredepúblicanas diversas regiões do Estado e nos
vários níveis de atenção. É de longe o maior investimento já feito em toda a
história da Bahia com este objetivo. São mais de 400 novos postos de saúde
para equipes de saúde da família, cerca de 1.100 novos leitos em hospitais
públicos estaduais, metade já em atividade, 5 grandes hospitais públicos
regionais (Irecê, Juazeiro e Santo Antônio de Jesus emfuncionamento, e
oHospital Estadual da Criança,emFeira de Santana, e oHospital do Subúrbio,
em Salvador, a serem entregues em 2010). Das unidades públicas estaduais
anteriormente existentes, a maioria delas encontrada sucateada na estrutura
física, faltando equipamentos, sem a devida manutenção e com grandes
carências de recursos humanos, a quase totalidade passou e está passando por
reformas e ampliações, além de reposição dos equipamentos
médicohospitalaresecontrataçãoemtrêsanos de mais de 11 mil postos de
trabalho para recompor o quadro destes hospitais.

Graças a estes esforços, a Bahia, que havia realizado, em 2008, o total de


840.229 internações, em2009 teve 884.743 internações pelo SUS. Isso
representa um aumento de 5,3% entre os dois anos, correspondendo a mais
44.514 internações (2º maior aumento em termos absolutos no País). Em 2009,
a Bahia, com 60,44 internações/ mil habitantes, superou a média nacional de
59,99. Portanto, o que parecia ser uma má notícia na verdade é uma boa
notícia! A Bahia é o 15º Estado em termos de internações por pneumonias pelo
SUS e não o terceiro colocado neste grupo de patologias e apresentou o 2º
maior aumento no número de internações pelo SUS entre 2008 e 2009.