Вы находитесь на странице: 1из 1

Poltica Nacional de Sade Integral LGBT

Sugesto de Condutas

Prezado,

No contexto do acolhimento populao LGBT, foram descritas algumas sugestes de


condutas. So elas:

Evite seguir um protocolo de atendimento que tenha como pressuposto a


heterossexualidade.

A abordagem ou reconhecimento pelo/a profissional de sade sobre a orientao


sexual e identidade de gnero, importante para o acolhimento e percepo de
vulnerabilidades especficas de lsbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais.
Alm disso, saber abordar este aspecto da sexualidade humana pode propiciar um
novo canal de dilogo que considere a especificidade das vivncias de cada usurio/
a. No entanto, no a faa como um protocolo rgido, que obedea apenas a obrigao
profissional. Muitas vezes, quando feita desse modo, traz o resultado oposto ao
esperado e induz a omisses ou respostas que no correspondem ao que real.

No pressuponha a orientao sexual a partir de esteretipos ou modelos sociais


definidos de gnero de suas / seus usurias/os. Nem sempre uma mulher que se
veste ou se comporta de maneira considerada mais masculina, lsbica ou
bissexual e nem sempre as mulheres que se vestem ou se comportam de modo
considerado feminino so heterossexuais e, no caso dos homens, vale a mesma
observao.

Saber indagar ou abordar para que o/a usurio/a se coloque sobre a sua
orientao sexual no retira a importncia de conhecer a identidade de gnero do/
a usurio/a. As mesmas recomendaes sobre orientao sexual, tambm valem
neste caso. A construo de um dilogo franco e acolhedor que poder permitir
que a pessoa sua frente diga como se v: como mulher, como homem, como
travesti, como transexual, como transhomem, como mulher trans ou qualquer
outra ou em nenhuma categoria destas. importante que fique claro para o/a
usurio/a que o/a profissional ao abordar esta temtica, tente aproximar-se de
suas necessidades de sade e no por curiosidade,controle ou preconceito.

Procure refletir sobre as suas referncias de gnero, esteretipos ou estigmas da


travestilidade e da transexualidade - como prostituio, uso de drogas, HIV/AIDS,
criminalidade - e demandas no processo de cuidado, possibilitando olhar para o/a
usurio/a de forma singularizada e escutando suas necessidades individuais.
Romper com julgamentos morais na conduta profissional, adotando uma postura
aberta s diferenas e respeitosa humanizam o atendimento e possibilitam a adeso
ao cuidado e aos servios de sade.