Вы находитесь на странице: 1из 6

1

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DA AMAZONIA.

Rede de Acesso Telefônico.


Raiza Lima, Ronny Souza, Helinton Prado.

Resumo – A rede de Acesso telefônico, é um dos meios de telecomunicações mais utilizado no mundo conteporrâneo, têm como principal
objetivo encurta distâncias, seja para transmitir voz ou dados. Podendo ser integrado inúmeras tecnologias, tais como, fibra óptica, radio
satélite e outras, constituindo uma estrutura capaz de entregar ao Assinante o Serviço que ele necessita no lugar em que ele é necessário, de
forma barata e eficiente, flexível e com a capacidade de absorver novas tecnologias. Portanto veremos como é constituída a rede telefônica.

Abstract — One presents initially some properties and characteristics of the codes, as the spectral characteristics, the synchronism
lost, inversion of polarity, and others, some codes used nowadays for the transmission of data, the choice of the modified duobinário,
presenting the reason for which the same it was chosen and the study of one of a circuit detector and substitutor, that the recovery of
synchronism in the receiver guarantees.

1. INTRODUÇÃO. equipamento de descarga elétricas. Após ser realizar a


distribuição dos fios e seus respectivos blocos de
A rede externa telefônica pode ser descrita como um continuidade na outra extremidade encontra-se o D.G.
sistema integrado de fios, cabos terminais, e de um vasto horizontal, onde seus blocos são dispostos horizontalmente,
conjunto de conjunto de componentes, tudo com o objetivo aonde os pares vão para a central telefônica, onde cada
de interligar os usuários a central telefônica, que por sua número do assinante corresponde a um terminal do lado
vez se interliga com outras centrais, seja por cabos, rádio, horizontal. É distribuidor geral onde ocorre o encontro
fibra óptica ou satélite. Daresmo como introdução alguns entre a planta externa e central de comutação.
tópicos para entendermos melhor de que forma é
constituída a rede externa de telefonia.

2. COMPREENSÃO DOS ELEMENTOS CONSTITUTIVOS DE


UMA REDE DE ACESSO.

Para a concessionária de serviço telefônico fornecer seus


serviços ao assinante é necessário que um par trançado de
condutores de cobre tenha que percorrer uma determinada
distância, do D.G. (distribuidor geral), até a casa do
assinante. Cada D.G atende um determinado grupo de
assinantes, levando-se em consideração que um D.G. em
média cobre uma área de 5 km radiais para voz e 3,5Km
radiais para dados. Figura 1- D.G. vertical e seus módulos de
Da saída do cabo tronco do D.G. até a casa do assinante, continuidade e proteção elétrica.
existe um sistema bem definido de equipamentos por onde
irá passar o sinal, seja de voz ou dados como será visto
detalhadamente a seguir.

2.1. Distribuidor Geral (D.G.).


É a edificação de maior importância na rede telefônica,
é o centro de onde se pode controlar todos os assinantes,
através do D.G. horizontal e do D.G. vertical.
É através de dutos subterrâneos, que os cabos adentram e
saem da central, sempre controlando a pressão nos cabos
com ar seco, para que não entre umidade e venha a oxidar
os pares metálicos. Após chegarem à galeria subterrânea o
cabo com milhares de pares é subdividido em cabos
menores, e mais flexíveis, que são redirecionados para
subidas verticais, de 2 a 5 metros de altura. Essa subida da Figura 2- D.G. horizontal
acesso ao D.G. vertical, que é uma estrutura metálica de
dez a trinta metros aproximados de comprimento com
perfis metálicos e protetores elétricos, chamados de blocos
de continuidade, que tem como finalidade proteger o
2

2.2. Central de Comutação Telefônica.


Pode-se conceituar central telefônica como o conjunto
de equipamentos de comutação, destinado ao
encaminhamento ou estabelecimento das chamadas
telefônicas. Comutação é o conjunto de operações para
interligar circuitos que permitem a conexão entre dois ou
mais assinantes. Existem vários tipos de centrais de
comutação, conforme a função exercida apresenta as fases
as fases características de cada tipo.

Figura 3- Central de comutação telefônica.

2.2.1. Central Local.


Central local (ou pública) é a central telefônica na qual Figura 5- Esquema de comutação entre centrais.
se ligam linhas de assinantes. A central local tem um
terminal para cada assinante em um raio de até 5 km, e 3. Rede externa telefônica.
possui juntores para ligação com outras centrais. Possui A rede externa é dividida em duas partes, rede primária e
prefixo indicativo que também compõe o número do rede secundária. Primária se inicia no D.G, passando por
assinante. dutos e caixas subterrâneas sempre mantendo sua
pressurização até sua entrada no armário de distribuição.
2.2.2. Central Tandem. Secundária se inicia no armário de distribuição aonde irá se
Vários conceitos podem associar às centrais Tandem. disposta nos postes de iluminação, por cabos de até 400
Uma central Tandem interliga centrais através de juntores e pares auto-sustentáveis, ou sustentados por cordoalha de
não possui terminais de assinantes, isto é, não liga linha de aço. Para se fazer emendas nos cabos são utilizadas as
assinante. Os dispositivos comuns são destinados caixas de emenda ventilada ou lacrada, o cabo segue até as
exclusivamente ao encaminhamento de chamadas. caixas T.A.R. (terminal de acesso de rede), de onde será
conectado um fio F.E (fio externo) para a casa do assinante.
2.2.3. Central Trânsito.
A central trânsito ou IU (interurbana) com chamadas
originadas em centrais locais ou provenientes de centrais 3.1. Fios e Cabos telefônicos utilizados na rede
tandem. A trânsito permite a conexão de centrais por meio externa.
físico ou através do espaço livre e também não possui A uma grande quantidade de fios e cabos no mercado de
terminais de assinantes. Sua principal função é interligar diferentes fabricantes e modelos, para os mais diferentes
outras centrais de comutação entre si. tipos de ambientes, tanto interno ou externo. Podendo ser
encontrados em diversas bitolas e números de pares
2.2.4. Central privada ou PABX. trançados.
A central privada de comutação ou PABX (Private
Automatic Branch Exchange) comuta chamadas entre 3.1.1. F.I. (fio interno).
telefones de usuários, em geral uma empresa, é ligada a Utilizado na ligação interna (extensões) de aparelhos
uma central local por um número de chave. O uso da PABX telefônicos domésticos, onde são instalados em elétrodutos
é particular e normalmente é interligada através de linhas ou caneletas.
tronco a uma central e comutação telefônica pública, que
permite a seus terminais, denominados ramais, o acesso a
rede telecomunicações interna ou externa, através de Figura 6- Exemplo de fio interno
comutação automática.
3.1.2. F.E. (fio externo).
Figura 4- Central Privada ou PABX.
3

É utilizada para ligar à residência do assinante a rede É utilizado na rede externa secundária, com um
externa de telefonia. diferencial, não precisa do apoio da cordoalha de aço, pois
a mesma já vem com a cordoalha integra ao cabo.

Figura 7- Exemplo de fio externo.

3.1.3. FDG. (jumper).


É usado para fazer a comutação em aparelhos de
telecomunicações, é muito usado em armários de
distribuição para ligar a rede primária a secundária dentro
Figura 11-Exemplo de cabo CTP-APL-AS.
do armário, e D.G’s para ligar os módulos de proteção
elétrica e de continuidade.
3.1.7. CTP-APL-G. (proteção de geléia de petróleo).
É utilizado na implantação da rede secundária externa, o
mesmo tem uma proteção interna de geléia de petróleo,
evitando a entrada de umidade no cabo. É muito utilizado
na zona rural em locais de difícil acesso onde o poste
iluminação não apresenta suporte para cabos aéreos.

Figura 8-Exemplo de FDG.

3.1.4 CIT. (cabo interno de telecomunicações).


Os CIT. São recomendados para instalação de centrais
PBX, PABX, CPA, etc. Também é muito utilizado em
redes internas em geral. Figura 12- Exemplo de cabo CTP-APL-G.

3.1.8. Especificações técnicas dos cabos CTP-


APL.
[] Cabo telefônico constituído por condutores de cobre
Figura 9- Exemplo de cabo interno. eletrolítico e maciço, isolação em polietileno de alta
densidade, reunidos em pares e núcleo protegido por uma
capa APL. Podendo ser usado tanto em rede aérea como
3.1.5. CTP/APL (para utilização aérea). subterrânea. Tendo como condutores fios de cobre
São utilizados para a ligação da rede externa secundária, eletrolíticos nu, recozido, podendo ser de diâmetros
usa-se para sustentar esse tipo de cabo cordoalha de aço, nominais de 0.40, 0.50, 0.65 e 0.90mm.
que serve como sustentação de um porte para o outro.

3.1.9. Código de cores do cabo CTP-APL.


Dentro do núcleo dos cabos CTP-APL, encontram-se os
pares trançados ordenados e numerados de acordo com um
código de dez cores divididas em, cores primárias (branco,
encarnado, preto, amarelo e violeta), e cores secundárias
(azul, laranja, verde, marron e cinza).

Figura 10-Exemplo de cabo CTP-APL (aéreo)

Designação Diâmetro Número Diâmetro Massa Comp.


do de externo liquida Nominal
3.1.6. CTP-APL-AS. (cabo auto-sustentável). condutor pares (mm) (Kg\km) (m)
4

(mm) 23 Vt-V Violeta Verde


CTP-APL 40 0,40 mm 10 9,3 69 2000 24 Vt-M Violeta Marron
CTP-APL 40 0,40 mm 20 10,0 98 2000
CTP-APL 40 0,40 mm 30 11,8 135 2000 25 Vt-C Violeta Cinza
CTP-APL 40 0,40 mm 50 13,3 195 2000 Tabela 2- Identificação dos pares telefônicos.
CTP-APL 40 0,40 mm 75 16,2 281 2000
CTP-APL 40 0,40 mm 100 17,2 351 2000
CTP-APL 40 0,40 mm 200 23,1 664 2000
CTP-APL 40 0,40 mm 300 26,6 947 2000
CTP-APL 40 0,40 mm 400 30,5 1242 1000 3.2. Rede primária e seus componentes.
CTP-APL 40 0,40 mm 600 35,7 1917 1000 A rede primária se inicia no D.G., como já foi discutido
CTP-APL 40 0,40 mm 900 43,3 2695 500 anteriormente. Será dada ênfase aos outros componentes
CTP-APL 40 0,40 mm 1200 49,6 3545 500 que constituem a rede primária.
CTP-APL 40 0,40 mm 1500 55,0 4402 400
CTP-APL 40 0,40 mm 1800 60,0 5254 400
CTP-APL 40 0,40 mm 2400 68,1 6959 400 3.2.1 Dutos subterrâneos de PVC, e caixas de
CTP-APL 50 0,50 mm 10 9,8 96 2000 emendas subterrâneas
CTP-APL 50 0,50 mm 20 11,3 135 2000
CTP-APL 50 0,50 mm 30 13,3 189 2000
A rede primária é na sua maioria interligada por dutos
CTP-APL 50 0,50 mm 50 16,2 293 2000 subterrâneos, que são interligados por caixas, onde pode ser
CTP-APL 50 0,50 mm 75 19,1 421 2000 feito reparos e ampliação da rede.
CTP-APL 50 0,50 mm 100 21,6 546 2000
CTP-APL 50 0,50 mm 200 28,3 1010 1000
CTP-APL 50 0,50 mm 300 33,7 1470 1000
CTP-APL 50 0,50 mm 400 37,7 1925 1000
CTP-APL 50 0,50 mm 600 44,8 2842 500
CTP-APL 50 0,50 mm 900 54,8 4201 400
CTP-APL 50 0,50 mm 1200 62,4 5552 400
CTP-APL 50 0,50 mm 1500 69,6 6962 400
CTP-APL 65 0,65 mm 10 10,8 120 2000
CTP-APL 65 0,65 mm 20 13,8 205 2000
CTP-APL 65 0,65 mm 30 16,4 299 2000
CTP-APL 65 0,65 mm 50 20,4 471 2000
CTP-APL 65 0,65 mm 75 23,6 699 2000
CTP-APL 65 0,65 mm 100 27,1 873 2000
CTP-APL 65 0,65 mm 200 36,5 1660 1000
APL-APL 65 0,65 mm 300 41,8 2478 500
CTP-APL 65 0,65 mm 400 48,3 3273 400
CTP-APL 65 0,65 mm 600 58,3 4846 400
CTP-APL 65 0,65 mm 900 78,1 7065 400
Tabela 1- Especificações técnicas dos cabos CTP-APL. Figura 13- Caixa subterrânea e cabos da rede primária.

PAR CORES
Número Cod. cores Fio A Fio B 3.2.2 Armário de distribuição. (ARD-AL).
1 B-Az Branco Azul Após os cabos saírem do D.G. e passarem pela galeria e
2 B-L Branco Laranja dutos subterrâneos, chegam ao armário de distribuição,
3 B-V Branco Verde onde será ramificado em cabos menores e serão distribuídos
4 B-M Branco Marron pela rede externa secundária. Usa-se na rede externa
armários com capacidades diversas AL-10, com capacidade
5 B-C Branco Cinza
para 400 pares primários e 600 secundários totalizando
6 E-AZ Encarnado Azul
1000 pares, AL-21 com capacidade para 900 pares
7 E-L Encarnado Laranja
primários e 1200 secundários totalizando 2100 pares,
8 E-V Encarnado Verde AL-33 com 1500 pares primários e 1800 secundários
9 E-M Encarnado Marron totalizando 3300 pares.
10 E-C Encarnado Cinza
11 P-Az Preto Azul
12 P-L Preto Laranja
13 P-V Preto Verde
14 P-M Preto Marron
15 P-C Preto Cinza
16 Am-Az Amarelo Azul
17 Am-L Amarelo Laranja
18 Am-V Amarelo Verde
19 Am-M Amarelo Marron
20 Am-C Amarelo Cinza
21 Vt-Az Violeta Azul
22 Vt-L Violeta Laranja Figura 14- Armário de distribuição aberto.
5

que não for o sinal original será cancelado


3.3. Rede secundária e seus componentes. automaticamente.
A rede secundária sai do armário de distribuição, e está
interligada por cabos aéreos e dependendo do cabo 5. Elaboração de uma planta telefônica com o
utilizado, poderá ser utilizada a cordoalha de aço para auxilio do software AutoCAD.
sustentar o peso dos cabos. Emendas nos cabos são feitas
nas caixas de emendas aéreas não seladas (CEAM), ou nas
caixas de emendas seladas reentrável (MHS), para fazer a
expansão da rede. Uma das ultimas etapas da rede
secundária e a caixa terminal de acesso de rede (T.A.R.),
que fica fixada nos postes de iluminação pública, e geral as
caixas são de 20 a 40 pares, da caixa é interligado para o
assinante a rede através de um F.E. (fio externo). Desta
forma se a rede externa está interliga ao assinante, e este
pode se comunicar com o mundo todo através de telefone
ou internet.

Figura 15- Caixa de emenda aérea.

Figura 17- planta de uma rede externa de telefônica.

6. Elaboração do mapeamento geográfico,


banco de dados, da rede externa utilizando o
Figura 16- Terminal de acesso de rede (T.A.R.). software ArcMAP.
4. Identificação e análise da interferência Feito um levantamento minucioso da área que vai ser
implantada a rede externa de telefonia, onde se projetou os
eletromagnética no sistema telefônico. tipos de cabos, armários, dutos, D.G. ’s, caixas
A interferência eletromagnética acontece que toda subterrâneas, caixas de emendas aéreas e terminais de
corrente elétrica que passa por um condutor gera ao redor acesso de rede. Tudo foi dimensionado e armazenado em
do mesmo um campo magnético. Se a corrente for forte o um banco de dados no ArcMAP.
suficiente o campo magnético poderá induzir uma corrente
no fio ao lado, que pode corromper os dados transmitidos
através dele, devido ao ruído gerado. Este fenômeno é
chamado “cross – talk” (algo como “fala cruzada”). A
direção deste campo magnético depende do sentido da
corrente que circula pelo fio, se positiva ou negativa.
Cada par de fios transmite a mesma informação, porem
com a polaridade invertida em um deles. Desta forma cada
condutor gera um campo magnético da mesma intensidade
mais em sentindo contrario, fazendo com que o campo
magnético gerado pelo vizinho.
Alem deste auto cancelamento, ao chegar ao destino o
sinal de um dos condutores é investido novamente, e tudo o
6

7. Conclusão.
A partir de uma breve introdução de como é realizada a
rede de acesso telefônico, compreendemos que sua
importância para a humanidade é de extrema necessidade,
portanto tornou-se um meio de comunicação mais utilizado
por toda população mundial. Tomando como base tais
conceitos, realizou-se um mapeamento de uma rede
telefônica, onde podemos visualmente observar como é
realizada a infra-estrutura da rede, podendo concluir que há
custos, há estudos para possíveis erros de transmissão, a
função de cada parte integrante da rede, podendo concluir o
que se foi relatado no decorrer do artigo.

8. Referências.
[1] Shadiku, Matthew N. O.,Elementos de eletromagnetismo.editora
Boockman, Rio de Janeiro 2008.
[2] www.furukawa.com.br
[3] www.ficabos.com.br
[4] www.brasfio.com.br

Figura 17- Visualização pelo ArcMAP.