You are on page 1of 11

Universidade Federal de São Carlos

Diretrizes Editoriais

São Carlos
Julho de 2006
O Grupo de Trabalho Conteúdo foi instituído pela Pró-Reitoria de Extensão
em setembro de 2005 para assessorar o Comitê Gestor para implantação da
Rádio e TV UFSCar. Feito o convite às comunidades universitária e de São
Carlos, ele foi composto por servidores, alunos e membros da comunidade. A
partir dos debates, pesquisas e ações realizadas pelo GT, foram construídas
essas diretrizes editoriais, analisadas e aprovadas pela Câmara de Extensão
da UFSCar em 29 de junho de 2006.

Comitê Gestor
Maria Luisa Guillaumon Emmel - Presidente
Carlos Eduardo de Moraes Dias
Maria Cristina Mathias
Mariana Rodrigues Pezzo

Crupo de Trabalho Conteúdo


Mariana Rodrigues Pezzo - Coordenadora
Alexandre Gustavo Milanetti Vieira
Daniela Floriano Teixeira
Fábio Luis Gagliotti Santos
Felipe Altenfelder Silva
Felipe Leal Barquete
João Moura Leite
Maithe Colombo Bertolini
Marcus Vinícius Tavares de Alvarenga
Rafael Rolim Rodrigues
Ricardo Rodrigues da Silva
Rodrigo Eduardo Botelho Francisco
Rodrigo Santos Palerosi
Diretrizes editoriais da
Rádio UFSCar, 95,3 FM e Web

1. Apresentação

Estas diretrizes editoriais têm o objetivo de garantir a independência da Rádio UFSCar e a coerência
e consistência de seu Projeto. Visam também constituir um documento de referência que permita que a
ação do veículo seja debatida e acompanhada constantemente pelas comunidades interna e externa à
Universidade, tornando a Rádio assim um meio de comunicação verdadeiramente democrático e que
atenda às expectativas e demandas da sociedade.
O acompanhamento e avaliação permanente do cumprimento dessas diretrizes na prática diária da
Rádio, bem como a identificação da necessidade de alterações deste documento estão a cargo dos
órgãos colegiados definidos como conselhos para a Rádio (conforme estabelecido no Estatuto da Rádio
UFSCar). Além disso, visando cumprir o objetivo de manter o contato estreito entre a Rádio e as
comunidades por ela atingidas, essas diretrizes devem ser objeto permanente de reflexão e debate em
eventos periódicos organizados para tal fim e que, na constituição do público participante, expressem a
heterogeneidade e diversidade almejada para o público ouvinte da Rádio.
A Rádio UFSCar, veiculada na freqüência 95,3 FM e pela Web, atua em consonância e movida pelos
princípios estabelecidos para a Universidade Federal de São Carlos em seu Plano de Desenvolvimento
Institucional PDI), entre os quais se destacam, considerando a natureza do veículo, os seguintes:

• Universidade compromissada com a sociedade


• Indissociabilidade de ensino, pesquisa e extensão
• Livre acesso ao conhecimento
• Universidade promotora de valores democráticos e da cidadania
• Gestão democrática, participativa e transparente
• Integração da Universidade no sistema nacional de ensino

Entre as Diretrizes Gerais do PDI, a Rádio UFSCar contribui diretamente também para a concretização
das seguintes ações:

• Garantir livre acesso ao conhecimento produzido e armazenado na UFSCar, ampliando e


diversificando os meios disponíveis
• Construir uma política integrada de informação e comunicação
• Promover e incentivar a inclusão da metodologia digital em todos os níveis da Instituição
• Promover a inserção plena da Universidade no sistema nacional de ciência, cultura e tecnologia

3
2. Objetivos

A partir desses princípios, a Rádio é concebida como um importante e poderoso veículo de extensão
e comunicação para a UFSCar. A busca pela aproximação com a sociedade por meio da formação de
pessoas e da produção de conhecimento comprometido com as demandas sociais – características da
extensão universitária – e o compromisso ético com a questão da Comunicação Social no Brasil traduzem-
se na definição de uma missão educativa para a Rádio e de diretrizes de inovação organizacional, editorial
e tecnológica. A Rádio UFSCar tem, portanto, como objetivo geral, cumprir seu papel de meio de
comunicação público, de acordo e defensor dos princípios da universidade pública, gratuita e de qualidade,
e atuante no movimento de democratização da Comunicação no Brasil e no mundo. Seus objetivos
específicos, que pautam os tópicos deste documento, são:

• Criar mecanismos e estratégias de interação com um público heterogêneo, promovendo a identidade


na diversidade
• Promover e defender a diversidade cultural, social e política
• Promover a cidadania
• Disseminar a Cultura e os conhecimentos produzidos pela Humanidade ao longo de sua história
• Disseminar o conhecimento produzido e armazenado na Universidade
• Divulgar a Universidade Federal de São Carlos
• Prestar serviços de interesse da sociedade em geral
• Capacitar recursos humanos na área de Comunicação Social
• Contribuir com a formação de todos os cidadãos para o desempenho de um papel ativo e crítico
em relação aos meios de comunicação
• Envolver a comunidade dos municípios de abrangência do veículo em seu projeto e prática cotidiana

As diretrizes editoriais da Rádio UFSCar estão fundamentadas também em alguns documentos que
referenciam as discussões sobre diversidade cultural, extensão universitária e democratização da
Comunicação no Brasil e no mundo. Nesse sentido, a Declaração da Unesco sobre a Diversidade Cultural
pauta a defesa de um pluralismo dos meios de comunicação como ferramenta para a garantia da difusão
de conteúdos diversificados. O documento defende a igualdade de acesso às expressões artísticas e ao
conhecimento científico e tecnológico e a garantia da presença de todas as culturas nos meios de expressão
e de difusão como um papel fundamental dos serviços públicos de radiodifusão. Esses são, portanto,
princípios também adotados pela Rádio UFSCar.
Outra referência são os documentos e diretrizes da Rede Nacional de Extensão Universitária (Renex),
que estabelecem a Comunicação como processo e ferramenta da redistribuição social dos saberes científicos
e populares. Corroborando os ideais da Renex, a Rádio UFSCar entende que é responsabilidade das
universidades – e, portanto, de seus meios de comunicação – o estímulo à criação experimental, a criação
de novos espaços, a ampliação e formação do público.
Finalmente, a Rádio UFSCar é pautada pela concepção de extensão universitária que rege essa
atividade na UFSCar. Tal concepção entende a extensão não como terceiro objetivo da Universidade,
mas sim como atividade que, de forma indissociada do ensino e da pesquisa, dá concretude ao objetivo
de produzir e sistematizar o conhecimento e torná-lo acessível. A partir desse ponto de vista, o exercício
da extensão permite uma prática acadêmica integrada que leva a Universidade a desempenhar seu papel
social de produzir conhecimento relevante e torná-lo acessível para toda a sociedade.

4
3. Público

Fica definido como toda a população dos municípios de abrangência da Rádio UFSCar
(convencional e Web), sem distinção de faixa etária, classe social e outras características. Com isto,
busca-se promover a igualdade de acesso às expressões artísticas e ao conhecimento científico e tecnológico
e, conseqüentemente, contribuir para a diminuição das diferenças sociais.
A proposição de um público heterogêneo coloca um imenso desafio para a Rádio, o qual se
pretende superar permanentemente por meio da construção e efetivação de uma programação consistente
e coerente que considera os dados sobre faixas de público em determinados horários e, ao mesmo
tempo, constitui um projeto global de formação de público e veiculação de conteúdos – musicais e
informativos – diversificados.
A fidelidade do público – ou, o que é mais importante, o atendimento de suas demandas e a
efetividade do processo de formação desses ouvintes – é perseguida com o foco em seis metas que
norteiam o trabalho diário na Rádio UFSCar, expressas na busca constante e articulada por: tradicionalidade
(ou seja, manutenção de uma grade de programação coerente com as expectativas trazidas pelo público
ou nele criadas pela atuação histórica da Rádio, sem mudanças bruscas ou rotatividade exagerada de
programas); interatividade; credibilidade; seriedade; qualidade e profissionalismo.

4. Promoção e defesa da diversidade cultural, social e política

A identidade da Rádio UFSCar define-se justamente na diversidade pautada pelo critério da


qualidade. Assim, a programação da Rádio – tanto nos horários regulares quanto nos programas especiais
– privilegia a difusão da produção musical de artistas e selos independentes, que não encontram espaço
nas emissoras comerciais. Isto não significa a exclusão das demais produções; no entanto, a busca é
sempre pela inovação e pela difusão de conteúdos menos conhecidos, mesmo que de artistas consagrados.
Em relação aos estilos musicais, nenhum é privilegiado. A produção brasileira recebe tratamento
especial, mas sem exclusividade. Além disso, dentro dessa produção brasileira, o objetivo é destacar a
riqueza da produção regional, evitando, criticando e combatendo assim a homogeneidade existente mesmo
em muitas das emissoras que optam pela veiculação dos produtos musicais nacionais. Na programação
em horários regulares, a seqüência e concentração de músicas não é por estilos, mas sim por outras
características que permitem a criação de vínculos entre as diferentes vertentes, tais como intensidade,
ritmo, momento histórico de produção, entre outras. Com isto, busca-se apresentar ao público – mantendo-
o fiel pela familiaridade com parte da programação – estilos musicais aos quais ele normalmente não tem
acesso. No entanto, há horários específicos da programação que privilegiam determinada produção, de
acordo com as características identificadas para o público daquele horário, mas sem que essa produção
seja jamais exclusiva. A inserção de “novidades” em meio a um “espaço familiar” se dá de diferentes
maneiras, e a meta dos profissionais ligados à Rádio UFSCar deve ser sempre identificar cada vez mais e
novos mecanismos de articulação produtiva entre o diferente e o conhecido.
O espaço que pode ser destinado a estilos musicais determinados é o dos programas especiais,
que devem, no entanto, respeitar a diretriz de diversidade de fontes da produção musical. Além disso,
devem constituir um todo orgânico com a programação regular da Rádio, uma vez que configuram espaços
privilegiados de formação de público.
Para a superação do desafio proposto e efetividade na tarefa de formação de público, tem especial
destaque o papel do locutor, que deve ter forte interação com os ouvintes, estabelecendo a relação entre
músicas a princípio não vinculadas e criando um ambiente de confiança e familiaridade. Para tanto, assume
o papel de ator de sua própria programação, e não de mero repetidor de textos e conteúdos pré-
estabelecidos por outros indivíduos. Além disso, agrega aos anúncios tradicionais – nome da música,
intérprete e, muito raramente, compositor – outras informações voltadas ao enriquecimento da cultura
musical dos ouvintes. O conjunto de locutores da Rádio UFSCar deve sempre, para que a meta de

5
estabelecimento de um ambiente de confiança e familiaridade seja atingida, ser diversificado quanto a
perfis e linguagem, de modo a atingir as diferentes faixas de público definidas para o veículo.
Finalmente, busca-se estabelecer mecanismos constantes e permanentes de real interação com os
diferentes públicos, para que esses também se tornem atores da programação da Rádio UFSCar, permitindo
assim um acompanhamento diário dos resultados alcançados em relação ao desafio proposto e identificação
imediata de necessidades de mudanças e ajustes.
A Rádio UFSCar na Web tem papel essencial tanto no processo de formação do público quanto no
estabelecimento de mecanismos de interatividade. Nesse sentido, ela não configura um ambiente repetidor
da programação transmitida na Rádio FM, sendo este apenas um dos serviços oferecidos no ambiente da
Internet. A versão Web explora as potencialidades oferecidas pelo cenário de convergência midiática,
oferecendo diversos serviços que agregam, à informação auditiva, textos escritos e dados visuais, e
possibilitando a interação do público com a Rádio por meio dos recursos oferecidos pela Internet (como
hipermídia – definida na integração com outras mídias –, e-mail, blogs, fóruns públicos e chats). Na rádio
Web, além de poder usufruir da programação da rádio convencional em uma abrangência geográfica
imensamente maior que a possível pelas ondas sonoras, o usuário participa de uma experiência de
interatividade mútua, em que se relaciona verticalmente com a Rádio UFSCar e horizontalmente com
todos os demais usuários do veículo, assumindo aqui ainda mais diretamente o papel de produtor de
conteúdo, no nível mais elevado de interatividade possível. Assim, a versão Web complementa os esforços
de aproximação entre o público e os conteúdos diversificados e menos conhecidos oferecidos pela
transmissão convencional, alimentando a Rádio FM e sendo por ela alimentada.

5. Promoção da cidadania

A Rádio UFSCar cumpre seu papel de promotora de cidadania, primeiramente, pela diretriz de
não discriminação de qualquer natureza em todas as suas ações e momentos de sua programação. Além
disso, tem um papel ativo na promoção de ações e atividades que apóiem os movimentos de combate à
discriminação e ao preconceito já empreendidos por diferentes segmentos da sociedade, podendo para
tanto se associar a iniciativas governamentais e da sociedade civil organizada que tenham os mesmos fins.
Por ser uma emissora universitária, a Rádio UFSCar também tem papel fundamental como promotora
da cidadania por meio da criação de canais de disseminação do conhecimento científico e tecnológico e,
conseqüentemente, de apropriação crítica e cidadã desse conhecimento por parte de seus ouvintes. O
avanço científico e tecnológico, principalmente do século passado, levou a nossa sociedade a depender
fortemente desses conhecimentos. Com a influência crescente das descobertas científicas e avanços
tecnológicos no dia-a-dia da humanidade, é cada vez mais relevante conhecer o funcionamento dessa
realidade, para a tomada de decisões que envolvem o bem-estar do ser humano e aspectos éticos e
morais. Nesse sentido, todos os cidadãos precisam ser formados e informados para que tenham a
capacidade de participar das deliberações sobre o melhor uso dessas descobertas, e a Rádio UFSCar
busca justamente agir nesse processo de informação e formação, de acordo com a concepção de divulgação
científica apresentada no tópico seguinte.
Outro espaço privilegiado para que a Rádio UFSCar concretize seu papel de promotora da
cidadania é o movimento pela democratização da Comunicação, particularmente no Brasil. Além de o
próprio veículo propiciar meios para essa democratização – já que tem como diretriz a experimentação e
o oferecimento de oportunidades para que receptores se transformem em produtores de conteúdo –, a
Rádio UFSCar apóia e participa de movimentos, fóruns e associações que visam promover a
democratização da Comunicação no Brasil e no mundo, questionando a concentração histórica do poder
sobre os meios de comunicação de massa por grupos econômicos e políticos, promovendo ações de
controle público sobre a qualidade do conteúdo veiculado pela mídia e, no caso específico do Brasil,
demandando a revisão da política de concessões para a utilização dos serviços de radiodifusão.

6
Em relação especificamente a essa política de concessões, tem especial relevância no momento
atual a discussão sobre o estabelecimento da transmissão digital no Brasil, na qual a Rádio UFSCar se
insere tanto participando dos debates sobre os modelos a serem adotados para o País (considerando
opções tecnológicas, modelos de exploração e desenvolvimento de conteúdo), quanto funcionando como
espaço de experimentação para o desenvolvimento de conteúdos inovadores que aproveitem o potencial
oferecido por esse novo cenário e transformem a transmissão digital em uma mudança de fato no sentido
da inclusão social e da democratização da Comunicação.
Nesse cenário, e considerando sua especificidade, a Rádio UFSCar apóia e participa também
dos esforços pela regulamentação satisfatória dos serviços de radiodifusão de baixa potência, visando o
atendimento das demandas e proposições da sociedade civil organizada. Ressalta-se que os papéis e
características defendidos pela Rádio UFSCar para as emissoras de baixa potência são, exclusivamente:
serem produto da comunidade, por terem na programação um vínculo orgânico com a realidade local, e
por possuir sistemas de gestão partilhada, com órgãos deliberativos coletivos; terem programação sintonizada
com os interesses, cultura e problemática locais; possibilitar a produção e transmissão das manifestações
culturais locais; terem compromisso com a educação e a cidadania; terem capacidade de inovar programas
e linguagens; e oferecerem prestação de serviços de interesse público, sem fins lucrativos. Com essas
características, entende-se que as rádios comunitárias são instrumentos importantes não só na
democratização da Comunicação, mas também na promoção da cidadania por meio da conscientização
da sociedade sobre seus direitos e deveres relacionados à transmissão de informações e à atuação dos
meios de comunicação de massa.
Em relação a essa conscientização, um ponto central, como já expresso anteriormente, são as
ações de controle público da qualidade do conteúdo veiculado pela mídia. Nesse sentido, a estrutura de
gestão e funcionamento da Rádio UFSCar, por um lado, é concebida justamente para permitir e fomentar
a participação da sociedade na definição e aprimoramento constante de seus objetivos e rumos. A Rádio
busca também permitir um novo espaço para que o público interaja com os diversos meios de comunicação
e seja assim formado para selecionar e examinar criticamente essas fontes de informação. A Rádio
disponibiliza espaços na sua programação para a discussão crítica dos meios de comunicação e participa
do esforço de fiscalização pública e aprimoramento do conteúdo veiculado nos grandes veículos de
comunicação
Finalmente, a Rádio UFSCar também participa e empreende ações que visam constituir e fortalecer
redes de rádio e outros meios de comunicação universitários no Brasil, objetivando a construção de um
projeto consistente, transformador e articulado para esses veículos. Assim, busca-se estabelecer diretrizes
e objetivos claros e robustos para esses meios de comunicação, que possibilitem o cumprimento do papel
social para eles estabelecido.

6. Disseminação do conhecimento produzido e armazenado na Universidade

A função primordial da Universidade é a produção, sistematização e disseminação do conhecimento.


Assim, a Rádio UFSCar assume um papel central no cumprimento dessa função, uma vez que caracteriza
um canal extremamente abrangente para a disseminação do resultado das atividades empreendidas na
Universidade e para a aproximação desse saber do cotidiano dos cidadãos e, conseqüentemente, para a
multiplicação de oportunidades de aplicação desse conhecimento em prol do desenvolvimento da sociedade,
da diminuição das desigualdades e do bem estar de todos os cidadãos. Essa disseminação tem um espaço
privilegiado na programação da Rádio, tanto pela veiculação de programas jornalísticos de divulgação
científica quanto pela busca constante da participação dos diferentes departamentos da UFSCar diretamente
na produção de conteúdos para a Rádio.
A divulgação científica praticada pela Rádio UFSCar parte da concepção de que processos de
comunicação devem estar intimamente ligados a processos de educação, configurando um compartilhamento
de saberes entre indivíduos autônomos (e não, portanto, a transmissão de informações e conhecimento de

7
uma fonte de saber para ouvintes passivos e desprovidos de saberes e/ou concepções prévias). Na Rádio
UFSCar, a divulgação científica visa o fortalecimento de uma cultura científica, pressupondo o exercício
de reflexão sobre os impactos sociais e culturais de nossas descobertas.
O processo de disseminação do conhecimento produzido e armazenado na Universidade praticado
pela Rádio UFSCar tem base também em algumas das competências estabelecidas no documento “Perfil
do profissional a ser formado na UFSCar”, estendendo a meta de desenvolvimento dessas competências,
no entanto, a todo o público do veículo. Assim, objetiva-se que as ações realizadas contribuam para a
constituição de um sujeito capaz de aprender de forma autônoma e contínua. O formato dos programas
deve buscar que os ouvintes realizem o duplo movimento de derivar o conhecimento das ações e as ações
do conhecimento disponível. Assim, é buscado o contato permanente e direto com a população, de modo
a aproximar suas dúvidas e demandas dos especialistas universitários e, por outro lado, o tratamento da
informação disponibilizada busca relacionar o conhecimento científico e tecnológico com suas possibilidades
de aplicações e usos cotidianos.

7. Divulgação da Universidade Federal de São Carlos

A Rádio UFSCar é um veículo de divulgação das atividades realizadas na Universidade e,


conseqüentemente, de fixação de seu nome e sua imagem. Essa divulgação tem como um de seus objetivos
a democratização do acesso à Instituição, uma vez que conhecer a Universidade e suas características
cria novas oportunidades de aproximação dos potenciais usuários de seus cursos, pesquisas e demais
ações. Todas as ações de divulgação desenvolvidas pela Rádio estão articuladas às demais atividades de
comunicação realizadas na UFSCar, definidas em sua política de informação e comunicação e desenvolvidas,
prioritariamente, por sua Coordenadoria de Comunicação Social. Além disso, seu conteúdo deve ser
sempre rico em informações de interesse público, não se restringindo à publicidade da Instituição.

8. Prestação de serviços de interesse público

A Rádio UFSCar é um veículo com grande potencial de prestação de serviços de interesse público,
tanto em ações realizadas exclusivamente pela Universidade, quanto em parcerias com outros órgãos
governamentais e da sociedade civil organizada. Entre essas ações de prestação de serviços estão: realização
de campanhas educativas, discussão com especialistas sobre temas emergentes, agendas, entre outras. O
diferencial da Rádio UFSCar em relação a outras emissoras é que, por ser uma rádio universitária e,
portanto, contar com a capacidade intelectual e de debate instalada na Universidade, o veículo pode e
deve agregar às informações factuais o fomento à discussão a partir de diferentes pontos de vista e,
também, o conhecimento científico e tecnológico mais atual.
A prestação de serviços de interesse público coloca-se portanto, na Rádio, como um desafio
primordialmente para o setor de jornalismo, que deve ter a prática da pauta fundada nas demandas e
interesses públicos; da apuração plural e compromissada eticamente; da pesquisa intensa e multifocal; da
interpretação informada e transparente; e da linguagem adequada aos diferentes públicos da Rádio.

9. Capacitação de recursos humanos

A Rádio UFSCar se configura como um espaço de experimentação de novas linguagens, formatos


e soluções tecnológicas, devendo, para isto, ter um quadro de profissionais em constante atualização e
com um perfil de criatividade e abertura para novos desafios (perfil descrito em documento elaborado
para tal fim). Com a opção de utilização de softwares livres em todas as suas etapas de produção e,
também, de realização de experimentos voltados à apropriação e aprimoramento da tecnologia de

8
transmissão digital, a Rádio UFSCar desempenha o papel de formação de profissionais familiarizados
com essas tecnologias, aptos a enfrentar os desafios do novo cenário de informação e comunicação e agir
de maneira transformadora.
A Rádio UFSCar é também um espaço privilegiado de formação tanto dos alunos de graduação
e pós-graduação da Universidade, no nível do ensino formal, quanto para diferentes membros da sociedade,
considerando suas possibilidades de ensino informal e formação para a cidadania. A Rádio configura
oportunidade de atuação inter, multi e transdisciplinar, permitindo aos indivíduos que extrapolem
conhecimentos e habilidades para diferentes situações dentro de seu campo de atuação profissional e
relacionem conhecimentos e habilidades de diferentes áreas.
A Rádio deve sempre funcionar em estreita parceria particularmente com os cursos diretamente
afetos à sua área de atuação, fornecendo assim uma oportunidade de produção vinculada à real possibilidade
de veiculação e a vivência de um ambiente profissional, visando assim tanto a formação de profissionais
mais bem preparados e críticos para o ingresso na vida profissional quanto a produção de conhecimento
em Comunicação. O vínculo dos alunos com a Rádio pode acontecer de diferentes maneiras (bolsistas,
estagiários, voluntários), devendo sempre ser regido por normas claramente estabelecidas e contratos
elaborados para cada uma das modalidades, visando assim garantir o compromisso cotidiano desses
estudantes com o veículo e, também, dar à atividade a característica profissional e de seriedade almejada.
Esses contratos objetivam também que os alunos sejam incluídos em processos participativos de gestão e
organização, dominando habilidades básicas de comunicação, negociação e cooperação e coordenando
ações de diversas pessoas ou grupos. A atuação na Rádio deve permitir experiências de tomada de
decisões e desencadeamento de ações, considerando simultaneamente potencialidades e limites dos
envolvidos e exigências da atuação profissional.
Além disso, a Rádio deve não só estar aberta à participação de estudantes, professores e
funcionários de todos os departamentos da Universidade, como também fomentar constantemente essa
aproximação, visando assim a concretização da tão almejada relação entre as diferentes áreas de
conhecimento e a formação de profissionais e cidadãos críticos em relação aos meios de comunicação e
conscientes de seus direitos e deveres relacionados à liberdade de expressão. Deve ser incentivada a
participação também de pessoas externas à UFSCar, estudantes de outras instituições e membros da
comunidade, participação esta novamente regida por normas e contratos que possibilitem uma relação
compromissada entre a Rádio e as pessoas envolvidas em seu processo diário de construção.
A Rádio deve ser também agente de iniciativas que aproximem a população em geral da questão
da Comunicação Social, por meio da desmistificação da mídia; de capacitação técnica, quando pertinente;
da democratização do acesso aos meios de comunicação e, conseqüentemente, da transformação de
receptores passivos em produtores e transformadores do conteúdo.

10. Envolvimento da comunidade

Como veículo realizador e potencializador da extensão universitária, a Rádio UFSCar deve estar
em contato intenso e permanente com a comunidade externa a ela, o que inclui desde a comunidade
universitária não vinculada diretamente ao veículo até toda a comunidade por ele atingida. Para tanto, a
opção é por um modelo de comunicação interativo, que visa sempre ampliar as possibilidades de
participação do ouvinte. Tal participação se dá desde o momento dos programas – nos quais são
privilegiadas participações ao vivo e outras modalidades de interatividade – até a definição de rumos da
Rádio (por meio principalmente da transparência e possibilidade de debate de seu projeto editorial) e
realização de eventos conjuntos. Além disso, devem ser programadas visitas periódicas monitoradas às
instalações da Rádio e ao ambiente de produção de programas, como parte integrante do esforço de
desmistificação dos meios de comunicação e da transformação de receptores passivos em produtores de
conteúdo. Com isto, a Rádio também concretiza seu caráter de meio de comunicação democrático e

9
potencializa ações de formação de um público crítico em relação à mídia e ciente de seus direitos e
deveres em relação ao exercício da Comunicação Social.
A Rádio tem a responsabilidade de estabelecimento de parcerias com entidades da sociedade civil
organizada, órgãos governamentais e agentes culturais diversos para divulgação de atividades ligadas à
educação e à cultura; organização de eventos como festivais e reuniões culturais nos bairros; e outras
ações que aproximem os diferentes atores da vida comunitária – particularmente do município de São
Carlos e região – e, principalmente, a Universidade da sociedade. É central no dia-a-dia da Rádio também
o contato e parceria com artistas independentes, sendo resultantes desse contato a constituição do acervo
diversificado da Rádio; a visita permanente desses artistas à Rádio para apresentações e conversas com
o público ao vivo e gravadas; o abastecimento de informações sobre esse cenário musical na versão Web
da Rádio; e, conseqüentemente, o fortalecimento do cenário musical independente no Brasil. A produção
de eventos em parceria tanto com os artistas quanto com as demais entidades no próprio local de moradia
dos ouvintes tem, também, um papel fundamental na formação do público e na conquista da familiaridade
e fidelidade almejada e necessária ao sucesso deste projeto editorial.
A Rádio também deve ter mecanismos de trabalho conjunto com os diferentes programas e projetos
de extensão já desenvolvidos pela Universidade, visando assim dar mais visibilidade a essas iniciativas;
potencializar suas ferramentas de comunicação; ampliar o público atingido por esses programas; e, em
última instância, aproximar a comunidade da instituição universitária por meio da explicitação dos espaços
possíveis de serem ocupados e das possibilidades de uso cotidiano do conhecimento acadêmico. Essa
aproximação pode também abastecer a Rádio com pautas a serem desenvolvidas em seus diferentes
módulos de programação, a partir da identificação das demandas da comunidade e da possibilidade de
debates democráticos e participativos sobre questões locais e regionais.

11. Programas especiais

Os programas especiais podem ser produzidos tanto pela própria equipe da Rádio UFSCar
quanto propostos por membros das comunidades interna e externa à Universidade. Tais programas devem
estar inteiramente de acordo com as diretrizes editoriais da Rádio, com os princípios de atuação da
UFSCar e com os critérios de qualidade técnica adotados. As propostas, que devem ser apresentadas
por meio de metodologias e documentos específicos, são avaliadas por um Conselho e, uma vez aprovadas,
passam ainda por uma etapa de produção-piloto que tem o objetivo de identificar possíveis falhas e
dificuldades e permitir adequações técnicas e de conteúdo – discutidas e definidas em conjunto pela
equipe da Rádio e os proponentes – antes da entrada efetiva na programação da Rádio.
Os programas especiais serão objeto de constante acompanhamento pelos Conselhos da Rádio,
com o objetivo de garantir que permaneçam fiéis às diretrizes e objetivos do veículo e não firam em
momento algum os princípios e normas da Universidade. Além disso, serão inseridos na grade de
programação da emissora considerando eventuais indicações dos proponentes, mas de acordo com a
disponibilidade de horários e adequação às faixas de público.

Rádio UFSCar: uma emissora educativa, promotora de diversidade


cultural e cidadania, comprometida com a disseminação do
conhecimento e a democratização da Comunicação. Experimentação
com qualidade, Profissionalismo com criatividade.

Escute Diferente!
10
Universidade Federal de São Carlos
Rodovia Washington Luís, km 235
Monjolinho - São Carlos/SP
CP 676 - CEP 13565-905

Rádio UFSCar
Telefone (16) 3351-8099
E-mail radio@power.ufscar.br

Pró-Reitoria de Extensão
Telefone (16) 3351-8112
www.proex.ufscar.br
proex@power.ufscar.br

Coordenadoria de Comunicação Social


Telefone (16) 3351-8119
www.comunicacao.ufscar.br
ccs@power.ufscar.br