Вы находитесь на странице: 1из 4
A LEGITIMAÇÃO DA MONARQUIA NO JORNAL O BRASIL: UMA BUSCA PELO RETORNO DO IMPÉRIO A

A LEGITIMAÇÃO DA MONARQUIA NO JORNAL O BRASIL: UMA BUSCA PELO RETORNO DO IMPÉRIO A PARTIR DE UMA IMAGEM POSITIVA.

Resumo: Esta pesquisa trata sobre os ideais monarquistas no final do século XIX, quando o Brasil já era governado pelo regime republicano. A partir do periódico O Brasil que circulou na cidade do Rio de Janeiro no período de 1895 até 1896, mostraremos que alguns adeptos do monarquismo buscaram mecanismos que pudessem legitimar o retorno da monarquia por meio de memórias positivas do Império por parte dos colaboradores do Jornal. Percebemos que este jornal buscou através de suas publicações influenciar a população urbana do Rio de Janeiro, com o intento de exaltar o regime monárquico resgatando o que eles achavam que era o melhor para o país naquele momento, elevando a imagem do regime Imperial e negativando a República em todos os sentidos possíveis. Dessa forma, a presente pesquisa propôs analisar como a imagem de D. Pedro II, logo após a proclamação da República, estava presente na memória daquela elite letrada e urbana da capital do Rio de Janeiro. Além disso, procuramos entender como os monarquistas criticavam a República seis anos após a sua proclamação. Em face de nossos propósitos, estudamos os textos veiculados no Jornal O Brasil, que no período de sua existência publicou diversos textos como, editoriais, artigos de opinião dentre outros.

Palavras-chave: O Brasil. Memória. Legitimação. Monarquia. República.

Introdução/Justificativa

O jornal O Brasil era um órgão monarquista, comercial e industrial de propriedade de Sousa Ramos e companhia. Começou sua publicação no Rio de Janeiro no dia 15 de novembro de 1895 e sua última publicação foi no dia 11 de julho de 1896, sendo por semana, na quarta-feira e no sábado. No período em que o jornal circulou foram encontrados 57 números com o mesmo ideal: legitimar o retorno do Império, tanto na cidade de sua publicação quanto no Brasil. Era uma folha propagandista dos princípios monarquistas e da liberdade do povo brasileiro que, segundo os autores do próprio jornal, estava insatisfeito com o novo regime. Os colaboradores defendiam os interesses estrangeiros no Brasil, por atestarem que as outras nações, como Portugal e Inglaterra, cooperavam com o engrandecimento da

nação. O jornal transmite a ideia de que a monarquia, mesmo com a república estabelecida como novo regime, nunca se apagou da consciência nacional, porque para os ditos monarquistas, ela era uma instituição que foi por dezenas de anos a condição da felicidade e da prosperidade, como indicado pelo proprietário M. S. Ramos na notinha “Expediente” e no editorial cujo título é O BRASIL, ambos publicados em seu primeiro número. Os escritores procuravam implantar no seio da cidade, por meio de uma revolução, o antigo regime, por não concordarem com o regimento do atual governo a quem eles denominavam de tirano. A proposta do Jornal era escrever sobre o que ocorrera naquele período que eles chamaram de “anárquico” e “deplorável”. Os redatores do jornal acreditavam na superioridade e excelência da constituição monárquica, pois para esse grupo esse regime era verdadeiro e legítimo. Dessa forma, a presente pesquisa buscou analisar como a imagem de D. Pedro II, logo após a proclamação da república, estava presente na memória da população letrada e urbana da capital do Rio de Janeiro, por meio dos textos

publicados no jornal O Brasil , mostrando também como os monarquistas criticavam a República seis

publicados no jornal O Brasil, mostrando também como os monarquistas criticavam

a República seis anos após a sua proclamação.

Objetivos

Entender como o jornal O Brasil tenta restabelecer a memória monarquista na Primeira República;

Demonstrar a significância da imagem de Dom Pedro II nos tempos de império, usados pelo jornal O Brasil no período republicano, a fim de exaltar a monarquia para retorno do Império.

Mostrar que havia sentimento de retorno do império por parte de republicanos desiludidos com o regime em vigência no final do século XIX;

Apresentar os ideais, as transformações e as questões apresentadas pelo Jornal O Brasil, acerca do retorno do Império no país.

Metodologia

Está pesquisa foi realizada a partir do jornal O Brasil. Buscamos a partir da escolha de alguns artigos do jornal entender a história política e cultural da sociedade carioca. Separamos artigos, editoriais, e poemas que nos proporcionou cumprir nossos objetivos, levando em consideração as limitações que o jornal ofereceu, por se tratar de um órgão que carregou consigo intenções subjetivas.

Mostramos as limitações do jornal e identificamos quais aspectos que influenciaram

a sociedade naquele momento. Buscamos Editoriais que podem ser adequadas para a análise dos discursos monarquistas, no sentido de buscar como eles se justificavam com sua ideologia. Também por meio de bibliografias relacionadas ao tema, buscamos entender o período que estudamos e as perspectivas que estamos trabalhando de memória.

Resultados e discussão

No início da república era relevante mostrar os princípios monárquicos, pois ainda era desejo de alguns grupos o retorno do Império. Era necessário mostrar que ainda se tinha esses ideais, pois mesmo que os republicanos tinha deposto o “antigo regime”, ele ainda estava vivo na memória das pessoas no ano de 1895 e 1896 principalmente porque a república não seguiu o modelo que eles pensavam ser o ideal. Então buscamos a partir de artigos do jornal O Brasil, é possível refletir sobre esse desejo por parte de um segmento intelectual da sociedade carioca, do retorno do Império no Brasil. Em outras pesquisas, como da autora Maria de Lourdes Mônaco Janotti (1984), Amanda Muzzi Gomes (2006), Izabel Andrade Marson (2009), Igor Guedes ramos e André Luiz Joanilho (2011) percebemos que todos tratam sobre os ideais monarquistas na primeira república visando mostrar como um grupo ativo lutou para que se permanecesse a república. Ambos apresentam em seus textos a visão daqueles que foram esquecidos por muito tempo pela historiografia, mostrando como os vencidos da história lutaram e reformularam políticas de retorno do regime monárquico, e também mostram como os republicanos lutaram para continuar e não cair com o regime instaurado, fazendo balanços comparativos dos dois regimes.

Os resultados obtidos, além do exposto por outros autores, foi que o jornal O Brasil

Os resultados obtidos, além do exposto por outros autores, foi que o jornal O Brasil traz formas de legitimação, ainda não mostradas em outras pesquisas. Dentre essas formas e a exaltação de Dom Pedro II, que era referenciada e reverenciada pelos monarquistas daquele período a partir das próprias lembranças dos escritores do jornal. Conseguimos entender a exaltação do império como algo que buscava legitimar o retorno desse regime. Percebemos também que o jornal trazia memórias do período Imperial, além de mostrar manifestações contra o governo imposto, através das publicações de pessoas ressentidas.

O manifesto monarquista de São Paulo, publicado no dia 15 de novembro de 1895, demonstrou em alta voz que o país sendo governado por um rei, poderia recuperar sua grandeza com o Império, tal qual se tinha durante o reinado de D. Pedro II, e assim também poderia fazer renascer a ordem e a liberdade no país.

Conclusão

A partir do jornal O Brasil, percebemos que o desejo de retorno da monarquia como regime de governo era comum em vários âmbitos da sociedade, pois mesmo que o governo imperial já tivesse sido deposto, ele ainda estava bastante presente na memória e nos anseios de alguns setores da população que tentava o retorno da monarquia. Esse periódico se faz importante porque ele era um órgão que não era favor da república instaurada, fazendo frente assim, ao novo regime, na medida em que o propósito de restauração, foi estabelecido a partir de um momento, afirmado pelos colaboradores, de descontentamentos com o regime em vigência.

O jornal O Brasil como formador de opinião, buscou demonstrar como o tempo de Império era melhor, a partir das lembranças positivas e do ressentimento dos que vivenciaram tal período. Então, eles recorriam à memória com o propósito de obter uma oportunidade de escreverem para as elites, para população urbana, e também aos letrados do Rio de Janeiro, no intuito de restaurar a monarquia no país, pois eles denominaram no periódico a república como decadente, naquele momento. O Jornal transmite uma idealização positiva da monarquia, que mostra a ideia que, se tinha por fim o intuito de legitimar o retorno do Império. Com isso percebemos que essa era sua intenção perante o descontentamento com a república que estava desagradando esse grupo que tentou influenciar a sociedade urbana do Rio de Janeiro, para o retorno ao antigo regime. Percebemos que esse desejo de retorno, não era para que se reconstituísse os privilégios que os escritores tinham no Império, mas sim para restituição do regime que eles diziam que tanto fizera bem ao país, como está explicito no Manifesto de são Paulo.

Referências Bibliográficas

JANOTTI, Maria de Lourdes Mônaco. Os subversivos da República. 1º ed. São Paulo: Brasiliense, 1986.

LAMPAZZI, Ulisses Pinheiro. Em busca do Império: a trajetória Intelectual e Política de Eduardo Prado: França, 2012.

GOMES, Amanda Muzzi. Monarquistas restauradores e jacobinos:ativismo político.Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 21, nº 42. Disponivél em

http://cei1011.files.wordpress.com/2010/05/amanda_muzzi_jacobinos.pdf , acessado no dia 15 de julh. De 2013. MARSON,

MARSON, Izabel Andrade. Da “restauração” da monarquia à “conciliação” com a república: diálogo entre textos, escolhas políticas de Nabuco e episódios da primeira década republicana. ANPUH, Fortaleza, XXV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA,2009. Disponível em http://anpuh.org/anais/wp- content/uploads/mp/pdf/ANPUH.S25.0024.pdf, acessado no dia 13 de junho de

2013.

RAMOS e ANDRE, IGOR GUEDES e LUIZ JOANILHO. A historiografia dos vencidos da Primeira República: Uma análise historiográfica e conceitual. ANPUH ,São Paulo, Anais do XXVI Simpósio Nacional de história, 2011. Dispponível em

grafiadosvencidosdaPrimeiraRepublica.pdf, acessado no dia 07 de junho de 2013.

SOUZA, Luiz Eduardo Simões de. As Crises Econômicas e o Segundo Império. Revista Acadêmica n. 20, abr. 2000. Disponível

em:

no dia 28 de dez. de 2012.

. ics.edu. r index.php augusto gu

o article do

nload 1

1 1, acessado