Вы находитесь на странице: 1из 33
Prof. Eng. André Soares Disciplina: Resistência dos Materiais Tensões
Prof. Eng. André Soares Disciplina: Resistência dos Materiais Tensões

Prof. Eng. André Soares Disciplina: Resistência dos Materiais

Tensões

Prof. Eng. André Soares Disciplina: Resistência dos Materiais Tensões
Prof. Eng. André Soares Disciplina: Resistência dos Materiais Tensões
Prof. Eng. André Soares Disciplina: Resistência dos Materiais Tensões
Introdução Tensões • A resistência dos materiais é um ramo da mecânica que estuda as relações

Introdução

Tensões

Introdução Tensões • A resistência dos materiais é um ramo da mecânica que estuda as relações

A resistência dos materiais é um ramo da mecânica que estuda as relações entre as cargas externas aplicadas a um corpo deformável e a intensidade das cargas internas que agem no interior do corpo.

Esse assunto também envolve o cálculo das deformações do corpo e proporciona o estudo de sua estabilidade quando sujeito a forças externas.

Tensões Equilíbrio de um corpo deformável Cargas externas 1. Forças de superfície: causadas pelo contato direto

Tensões

Tensões Equilíbrio de um corpo deformável Cargas externas 1. Forças de superfície: causadas pelo contato direto

Equilíbrio de um corpo deformável

Cargas externas

  • 1. Forças de superfície:

causadas pelo contato direto de um corpo com a superfície de outro.

  • 2. Força de corpo:

Desenvolvida quando um corpo exerce uma força sobre outro, sem contato físico direto entre eles.

Tensões Equilíbrio de um corpo deformável Cargas externas 1. Forças de superfície: causadas pelo contato direto
Reações Tensões • Forças de superfície desenvolvidas nos apoios ou pontos de contato entre corpos.

Reações

Tensões

Reações Tensões • Forças de superfície desenvolvidas nos apoios ou pontos de contato entre corpos.

Forças de superfície desenvolvidas nos apoios ou pontos de contato entre corpos.

Reações Tensões • Forças de superfície desenvolvidas nos apoios ou pontos de contato entre corpos.
Tensões Equações de equilíbrio • O equilíbrio de um corpo exige um equilíbrio de forças e

Tensões

Tensões Equações de equilíbrio • O equilíbrio de um corpo exige um equilíbrio de forças e

Equações de equilíbrio

O equilíbrio de um corpo exige um equilíbrio de forças e um equilíbrio de momentos.

F

0

M

O

0

Se estipularmos um sistema de coordenadas x, y, z com origem no ponto O,

F

x

0 ,

F

y

0 ,

F

z

0

M

x

0 ,

M

y

0 ,

M

z

0

A melhor maneira de levar em conta essas forças é desenhar o diagrama de corpo livre do corpo.

Cargas resultantes internas Tensões • O objetivo do diagrama de corpo livre é determinar a força

Cargas resultantes internas

Tensões

Cargas resultantes internas Tensões • O objetivo do diagrama de corpo livre é determinar a força

O objetivo do diagrama de corpo livre é determinar a força e o momento

resultantes que agem no interior de um corpo.

Em geral, há quatro tipos diferentes de cargas resultantes:

  • a) Força normal, N

  • b) Força de cisalhamento, V

  • c) Momento de torção ou torque, T

  • d) Momento fletor, M

Cargas resultantes internas Tensões • O objetivo do diagrama de corpo livre é determinar a força
Exercício 1 Tensões Determine as cargas internas resultantes que agem na seção transversal em C .

Exercício 1

Tensões

Exercício 1 Tensões Determine as cargas internas resultantes que agem na seção transversal em C .

Determine as cargas internas resultantes que agem na seção transversal em C.

Exercício 1 Tensões Determine as cargas internas resultantes que agem na seção transversal em C .
Solução: Tensões Diagrama de corpo livre A intensidade da carga distribuída em C é determinada por

Solução:

Tensões

Solução: Tensões Diagrama de corpo livre A intensidade da carga distribuída em C é determinada por

Diagrama de corpo livre

Solução: Tensões Diagrama de corpo livre A intensidade da carga distribuída em C é determinada por

A intensidade da carga distribuída em C é determinada por proporção,

w

6

  • 270 w 180 N m

9

Solução: Tensões Diagrama de corpo livre A intensidade da carga distribuída em C é determinada por

O valor da resultante da carga distribuída é

F

1

2

1806

540N

que age a

1

3

6

2m

de C.

Equações de equilíbrio Tensões Aplicando as equações de equilíbrio, temos    F  0;

Equações de equilíbrio

Tensões

Equações de equilíbrio Tensões Aplicando as equações de equilíbrio, temos    F  0;
Equações de equilíbrio Tensões Aplicando as equações de equilíbrio, temos    F  0;

Aplicando as equações de equilíbrio, temos

 

F

0;

N

0

 

F

x

0;

V

C

N

0 (Resposta)
C

540

0

 



y

M

C

0;

C

  • V
    C

540 (Resposta)

M

C

540 2

0

  • M   1.080 N m (Resposta)
    C

Exemplo 2 Tensões Determine as cargas internas resultantes que agem na seção transversal em B do

Exemplo 2

Tensões

Exemplo 2 Tensões Determine as cargas internas resultantes que agem na seção transversal em B do

Determine as cargas internas resultantes que agem na seção transversal em B do tubo. A massa do tubo é de 2 kg/m e ele está sujeito a uma força vertical de 50 N e a um momento de 70 N·m em sua extremidade ao final de A. O tubo está preso a uma parede em C.

Exemplo 2 Tensões Determine as cargas internas resultantes que agem na seção transversal em B do
Tensões Solução: Calculando o peso de cada segmento do tubo, W BD W AD  

Tensões

Tensões Solução: Calculando o peso de cada segmento do tubo, W BD W AD  

Solução:

Calculando o peso de cada segmento do tubo,

W

BD

W

AD

 

2



0,5 9,81

9,81 N

21,259,8124,525 N

Diagrama corpo livre

Aplicando as seis equações escalares de equilíbrio,

     

M

B

x

0;

M

B

y

0;

M

B

z

0;

F

x

0;

F

y

0;

F

B

x

0 (Resposta)

F

B

y

0 (Resposta)

F

z

0;

F

B

z

9,81

24,525

50

0

F

B

x

84,3 N (Resposta)

M

B

x

70

50 0,5

24,525 0,5

9,81 0,25

0

M

B

x

 

30,3N m (Resposta)

M

B

y

24,525 0,625

50 1,25

0

M

B

y

 

77,8N m (Resposta)

M

B

z

0 (Resposta)

Tensão Tensões • • A distribuição de carga interna é importante na resistência dos materiais. Consideraremos

Tensão

Tensões

Tensão Tensões • • A distribuição de carga interna é importante na resistência dos materiais. Consideraremos
• • A distribuição de carga interna é importante na resistência dos materiais. Consideraremos que o
A distribuição de carga interna é importante na resistência dos materiais.
Consideraremos que o material é contínuo.
A tensão descreve a intensidade da força interna sobre um plano específico (área)
que passa por um ponto.
Tensões Tensão normal, σ • Intensidade da força que age perpendicularmente à Δ A  z

Tensões

Tensão normal, σ

Intensidade da força que age perpendicularmente à ΔA

z

lim

A 0

F

z

A

Tensões Tensão normal, σ • Intensidade da força que age perpendicularmente à Δ A  z

Tensão de cisalhamento, τ Intensidade da força que age tangente à ΔA

 F x   lim zx   0 A  A  F y
 F
x
 lim
zx
  0
A
 A
 F
y
 lim
zy
  0
A
 A
Tensões Tensão normal média em uma barra com carga axial • Quando a área da seção

Tensões

Tensões Tensão normal média em uma barra com carga axial • Quando a área da seção

Tensão normal média em uma barra com carga axial

Quando a área da seção transversal da barra está submetida à força axial pelo centroide, ela está submetida somente à tensão nominal.

Supõe-se que a tensão está acima da média da área.

Tensões Tensão normal média em uma barra com carga axial • Quando a área da seção
Tensões Distribuição da tensão normal média • Quando a barra é submetida a uma deformação uniforme,

Tensões

Tensões Distribuição da tensão normal média • Quando a barra é submetida a uma deformação uniforme,

Distribuição da tensão normal média

Tensões Distribuição da tensão normal média • Quando a barra é submetida a uma deformação uniforme,

Quando a barra é submetida a uma

deformação uniforme,

dF

dA

 

A

P

A

 

P

 

A

σ = tensão normal média P = força normal interna resultante A = área da seção transversal da barra

Tensões Distribuição da tensão normal média • Quando a barra é submetida a uma deformação uniforme,

Equilíbrio

As duas componentes da tensão

normal no elemento têm valores iguais

mas direções opostas.

Exercício 3 Tensões A barra tem largura constante de 35 mm e espessura de 10 mm.

Exercício 3

Tensões

Exercício 3 Tensões A barra tem largura constante de 35 mm e espessura de 10 mm.

A barra tem largura constante de 35 mm e espessura de 10 mm.

Determine a tensão normal média máxima na barra quando ela é

submetida à carga mostrada.

Exercício 3 Tensões A barra tem largura constante de 35 mm e espessura de 10 mm.
Solução: Tensões Por inspeção, as forças internas axiais são constantes, mas têm valores diferentes. Graficamente, o

Solução:

Tensões

Solução: Tensões Por inspeção, as forças internas axiais são constantes, mas têm valores diferentes. Graficamente, o

Por inspeção, as forças internas axiais são constantes, mas têm valores

diferentes.

Solução: Tensões Por inspeção, as forças internas axiais são constantes, mas têm valores diferentes. Graficamente, o

Graficamente, o diagrama da força normal é como mostrado abaixo:

Solução: Tensões Por inspeção, as forças internas axiais são constantes, mas têm valores diferentes. Graficamente, o
Tensões Por inspeção, a maior carga é na região BC , onde P BC  30

Tensões

Tensões Por inspeção, a maior carga é na região BC , onde P BC  30

Por inspeção, a maior carga é na região

BC, onde

P

BC

30 kN.

Visto que a área da seção transversal da barra é constante, a maior tensão normal média é

BC

P BC

A

30 10 3 0,035 0,01



85,7 MPa (Resposta)

Tensões Por inspeção, a maior carga é na região BC , onde P BC  30
Exercício 4 Tensões A peça fundida mostrada é feita de aço, cujo peso específico é 

Exercício 4

Tensões

Exercício 4 Tensões A peça fundida mostrada é feita de aço, cujo peso específico é 

A peça fundida mostrada é feita de aço, cujo peso específico é

aço

80 kN/m

3

.

Determine a tensão de compressão média que age nos pontos A e B.

Exercício 4 Tensões A peça fundida mostrada é feita de aço, cujo peso específico é 
Solução: Tensões Desenhando um diagrama de corpo livre do segmento superior, a força axial interna P

Solução:

Tensões

Solução: Tensões Desenhando um diagrama de corpo livre do segmento superior, a força axial interna P

Desenhando um diagrama de corpo livre do segmento superior, a força axial interna P nesta seção é

 

F

z

0;

P

P W

80



0,8

aço

0

0,2

  • 2 0

P 8,042 kN

A tensão de compreensão média torna-se:

P

A

8,042

0,2

2

64,0 kN/m

  • 2 (Resposta)

Solução: Tensões Desenhando um diagrama de corpo livre do segmento superior, a força axial interna P
Tensões Tensão de cisalhamento média • A tensão de cisalhamento distribuída sobre cada área secionada que

Tensões

Tensão de cisalhamento média

Tensões Tensão de cisalhamento média • A tensão de cisalhamento distribuída sobre cada área secionada que

A tensão de cisalhamento distribuída sobre cada área secionada que desenvolve essa força de cisalhamento é definida por:

méd

V

A

τ méd = tensão de cisalhamento média V = força de cisalhamento interna resultante

Tensões Tensão de cisalhamento média • A tensão de cisalhamento distribuída sobre cada área secionada que

A = área na seção

Dois tipos diferentes de cisalhamento:

a) Cisalhamento simples

Tensões Tensão de cisalhamento média • A tensão de cisalhamento distribuída sobre cada área secionada que

b) Cisalhamento duplo

Tensões Tensão de cisalhamento média • A tensão de cisalhamento distribuída sobre cada área secionada que
Exercício 5 Tensões O elemento inclinado está submetido a uma força de compressão de 3.000 N.

Exercício 5

Tensões

Exercício 5 Tensões O elemento inclinado está submetido a uma força de compressão de 3.000 N.

O elemento inclinado está submetido a uma força de compressão de 3.000 N. Determine a tensão de compressão média ao longo das áreas de contato lisas definidas por AB e BC e a tensão de cisalhamento média ao longo do plano horizontal definido por EDB.

Exercício 5 Tensões O elemento inclinado está submetido a uma força de compressão de 3.000 N.
Solução: Tensões As forças de compressão agindo nas áreas de contato são    F

Solução:

Tensões

Solução: Tensões As forças de compressão agindo nas áreas de contato são    F

As forças de compressão agindo nas áreas de contato são

 

F

x

0;

 

F

y

0;

F

AB

3.000

 

3

5

0

 

F

AB

1.800 N

F

BC

3.000

4

5

0

 

F

BC

2.400 N

Solução: Tensões As forças de compressão agindo nas áreas de contato são    F

A força de cisalhamento agindo no plano horizontal secionado EDB é

  F 0;

x

V 1.800 N

Solução: Tensões As forças de compressão agindo nas áreas de contato são    F
Tensões As tensões de compressão médias ao longo dos planos horizontal e vertical do elemento inclinado

Tensões

Tensões As tensões de compressão médias ao longo dos planos horizontal e vertical do elemento inclinado

As tensões de compressão médias ao longo dos planos horizontal e vertical do

elemento inclinado são

AB

BC

1.800

25



40

 

2.400

50



40

1,80 N/mm

  • 2 (Resposta)

1,20 N/mm

  • 2 (Resposta)

Tensões As tensões de compressão médias ao longo dos planos horizontal e vertical do elemento inclinado

A tensão de cisalhamento média que age no plano

horizontal definido por BD é

méd

  • 1.800 0,60 N/mm

75



40

  • 2 (Resposta)

Tensões As tensões de compressão médias ao longo dos planos horizontal e vertical do elemento inclinado
Tensão admissível Tensões • Muitos fatores desconhecidos que influenciam na tensão real de um elemento. •

Tensão admissível

Tensões

Tensão admissível Tensões • Muitos fatores desconhecidos que influenciam na tensão real de um elemento. •

Muitos fatores desconhecidos que influenciam na tensão real de um elemento.

O fator de segurança é um método para especificação da carga admissível para o

projeto ou análise de um elemento. O fator de segurança (FS) é a razão entre a carga de ruptura e a carga admissível.

FS

F

rup

F

adm

Exercício 6 Tensões O braço de controle está submetido ao carregamento mostrado na figura abaixo. Determine,

Exercício 6

Tensões

Exercício 6 Tensões O braço de controle está submetido ao carregamento mostrado na figura abaixo. Determine,

O braço de controle está submetido ao carregamento mostrado na figura abaixo.

Determine, com aproximação de 5 mm, o diâmetro exigido para o pino de aço

em C se a tensão de cisalhamento admissível para o aço for Note na figura que o pino está sujeito a cisalhamento duplo.

adm

55 MPa

.

Exercício 6 Tensões O braço de controle está submetido ao carregamento mostrado na figura abaixo. Determine,
Solução: Tensões Para equilíbrio, temos:   M  0; F  0,2   AB

Solução:

Tensões

Solução: Tensões Para equilíbrio, temos:   M  0; F  0,2   AB

Para equilíbrio, temos:

  M  0; F  0,2   AB C    F
M 
0;
F
0,2
AB
C
 
F
0;
15
C 
x
x
 
F
0;
C
15 
y
y

 

3

5

15 0,075

25

 

4

5

25

3

5

2

0

 

0

 

5

25

0,125

0

 

F

AB

15 kN

C

x

5 kN

  • C y

30 kN

O pino em C resiste à força resultante em C. Portanto,

F

C

Solução: Tensões Para equilíbrio, temos:   M  0; F  0,2   AB

30,41 kN

2

30

Solução: Tensões Para equilíbrio, temos:   M  0; F  0,2   AB
Solução: Tensões Para equilíbrio, temos:   M  0; F  0,2   AB
Tensões O pino está sujeito a cisalhamento duplo, uma força de cisalhamento de 15,205 kN age

Tensões

Tensões O pino está sujeito a cisalhamento duplo, uma força de cisalhamento de 15,205 kN age

O pino está sujeito a cisalhamento duplo, uma força de cisalhamento de 15,205

kN age sobre sua área da seção transversal entre o braço e cada orelha de apoio do pino.

A área exigida é

A

V

adm

15,205 10

3

55

10

6

276,45

10

6

m

2

d

2

2

276,45 mm

2

  • d 18,8 mm

Use um pino com um diâmetro d = 20 mm. (Resposta)

Exercício 7 Tensões A barra rígida AB é sustentada por uma haste de aço AC com

Exercício 7

Tensões

Exercício 7 Tensões A barra rígida AB é sustentada por uma haste de aço AC com

A barra rígida AB é sustentada por uma haste de aço AC com 20 mm de diâmetro e um bloco de alumínio com área de seção transversal de 1.800 mm 2 . Os pinos de 18 mm de diâmetro em A e C estão submetidos a cisalhamento

simples. Se a tensão de ruptura do aço e do alumínio forem

 

aço

rup

680 MPa

e

al

rup

rup

70 MPa

900 MPa

, respectivamente, e a tensão falha para cada pino for de , determine a maior carga P que pode ser aplicada à barra. Aplique

um fator de segurança FS = 2.

Exercício 7 Tensões A barra rígida AB é sustentada por uma haste de aço AC com
Solução: Tensões As tenções admissíveis são:   aço  adm     rup

Solução:

Tensões

As tenções admissíveis são:

aço

adm

 

rup

680

aço

FS

2

340 MPa

al

adm

al

rup

70

FS

2

35 MPa

adm

rup

900

FS

2

450 MPa

Solução: Tensões As tenções admissíveis são:   aço  adm     rup
Solução: Tensões As tenções admissíveis são:   aço  adm     rup

Há três incógnitas e nós aplicaremos as equações de equilíbrio

   

M

B

0;

M

A

0;

P

1,25

F

B

2

P

F  2   0 (1) AC 0,75  0 (2)
F
2
0
(1)
AC
0,75  0
(2)
Tensões Agora, determinaremos cada valor de P que crie a tensão admissível na haste, no bloco

Tensões

Tensões Agora, determinaremos cada valor de P que crie a tensão admissível na haste, no bloco

Agora, determinaremos cada valor de P que crie a tensão admissível na haste, no bloco e nos pinos, respectivamente.

A haste AC exige

F

AC

aço

adm

A

AC

34010

6

0,01106,8 kN

2

Usando a Equação 1,

P

106,8

 

2

1,25

171 kN

Para bloco B,

F

B

al

adm

A

B

3510 1.80010

6

6

63,0 kN

Usando a Equação 2,

P

63,0

 

2

0,75

168 kN

Tensões Para o pino A ou C , Usando a Equação 1, V  F AC

Tensões

Tensões Para o pino A ou C , Usando a Equação 1, V  F AC

Para o pino A ou C,

Usando a Equação 1,

V

F

AC

adm

A

45010

6

0,009

2

114,5 kN

P

114,5

 

2

1,25

183 kN

Quando P alcança seu menor valor (168 kN), desenvolve a tensão normal admissível no bloco de alumínio. Por consequência,

P 168 kN (Resposta)

Prof. André Felipe Leite Soares Engenheiro Mecânico unime.andre@gmail.com
Prof. André Felipe Leite Soares Engenheiro Mecânico unime.andre@gmail.com
Prof. André Felipe Leite Soares Engenheiro Mecânico unime.andre@gmail.com

Prof. André Felipe Leite Soares

Engenheiro Mecânico unime.andre@gmail.com