Вы находитесь на странице: 1из 3
ARMANDO RIBEIRO DAS NEVES NETO, Consultor organizacional. ‘Autor do primeiro artigo sobre Neurociéncias aplicadas aos negécios no blog da Harvard ‘Business Review Brasil Contribuiu para artigos sobre Neurociéncias e Administragao na revista Administrador Profissional do CRA-SP.Estudou “Coaching Brain Health” na Harvard, Contato: armandopsicoshotmallcom bam c jas ces fisicas, mas interfiram na experiéncia apenas observer o estado da men- te. Esta foi apenas uma das intime- ras vivencias do congresso de coa- ching da Harvard. condutor era ninguém menos do que o psicdlogo e autor do best-seller Inteligéncia Emocional, dr. Daniel Goleman. Lideres mundiais, CEO's, diretores e gestores de RH, psicélogos, adm nistradores, coaches e neurocien tistas tomavam o primeiro contato com a pratica de “mindfulness” ou ‘atencao plena’. Aprender mais sobre o funcionamento do cére- bro e da mente é parte essencial no mundo do trabalho no século XXL A gestéo do conhecimento se mostra fundamental na sociedade do conhecimento e, com o advento da Inteligéncia Artificial e do “Big Data’, é preciso preparar de forma inovadora os colaboradores para 0 novo ambiente de trabalho. emas tradicionais da 4rea de comportamento organizacional e de vida no trabalho, ada de decisées, j ae var a8 mats recentes desco- bettas sobre o funcionamento do | acho, cérebro para acompanhar a trans- formacao do ambiente de trabalho © continuar a serem estratégicas Para as orgenizagées do trabalho, | bem como para os trabalhadores. Quando fui professor de Psicolo- gia Aplicada a Administragéo do INSPER, um dos maiores desafios foi levar aos alunos com um forte viés em pensamento analitico, eco- 3 hometria e ferramental estatistico, denominadas “hard skills" ou “com- Peténcias cognitivas” voltadas para ‘omercado financeiro, as novidades das “soft slalls" ou “competéncias socioemocionais”, habilidades para toda a vida. 0 préprio dr. Goleman, em Harvard, sustenta que “as em- resas contratam baseadas no Ql (competéncias cognitivas), mas de- maitem por falta da IE (competéncias socioemocionais)’ £ POSSIVEL MELHORAR 0 FUN- CIONAMENTO DO CEREBRO P/® AUMENTAR A PRODUTIV’ A COMPETITIVIDADE Dos © LHADORES E ORGANIZACOES Na sociedade do conhecimento, (© desenvolvimento das compe- t8nclas cognitivas e socioemocio- nais se tornarao cada vez mais diferenciais para as empresas que adotarem uma cultura proativa de enriquecimento do ambiente de trabalho, Pesquisadores que conheci em Harvard/MIT ja de- fendem a possibilidade dos tra- balhadores “hackearem” 0 seu proprio cérebro de maneira a aprender melhor e sistemicamen- te, Dispositivos nao-invasivos de “neurofeedback’, “biofeedback”, “neuromodulacao” e “realidade virtual/aumentada” ja so usados em treinamentos corporativos nos pa ara ampliar processos in- . oluntarios e, icionalmen. foco, a flexibi lidade cognitiva, a resolugéo de problemas, a gestéo do estresse, aresiliéncia, a empregabilidade, a ergonomia cognitiva ete Alguns gestores de RH ja se prepa ram para 0 novo ambiente de tra balho por meio da contratagao de programas voltados para o enrique- cimento cognitivo e socioemocional do seu capital humano, Ser inte- ligente neste novo cenério ¢ “pro- ‘mover niveis mais altos de pensa- mento e compromisso emocional”. ‘A qualidade do pensamento se tor- nna mais importante do que a mera quantidade, aponta 0 professor Ed * Hess, da Darden School of Business. Seguindo os passos dos intimeros avancos nos estudos das neuroci- éncias cognitivas, observamos uma miriade de novos campos de apli cacao do conhecimento sobre 0 cé- ebro no contexto do trabalho, com. destaque para “neuromarketing’ “neuroeconomia’, “neurobusiness’ “neuromanagement’, “neurolide- rranga’, “neurocoaching”, “neuroha- king” ete, Entretanto, s6 0 tempo ajudard a distinguir entre o conhe- cimento real e os diversos “neuro- mitos". Em um mundo VUCA (vo- lauil, incerto, complexo e ambiguo), objetivo “da eficiéncia fica secun- dério e a capacidade de adaptagéo a Ginica vantagem possivel em uma competigéo’, segundo a professora Amy Edmonton da Harvard Business School. * Jul/Ago 2017 + Edicao #552