Вы находитесь на странице: 1из 13

1

1

Introdução

O presente trabalho enquadra-se na cadeira de Noções de Comércio, curso de Contabilidade e Finanças 1ºano, regime laboral, Departamento de Ciências Económicas da Faculdade de Ciências Sociais e Humanidades da Universidade Zambeze.

Durante a abordagem o mesmo debruçar – se – á sobre o tema: Estabelecimento Comercial (loja, supermercado, centros, comerciais, filiais, etc), feiras nacionais, internacionais e as bolsas.

Procuraremos evidenciar os aspectos mais importantes, que melhor explicam cada item supracitado, na expectativa de trazer de forma concisa os conceitos, características e algumas importâncias no que tange ao tema.

Devido a relevância do tema procuraremos trazer informações fidedignas com as respectivas bibliografias para melhor analisarmos e compreendemos o tema.

2

2 Estabelecimento Comercial

2.1.1 Conceitos de Estabelecimento

É um local que o empresário escolhe para exercer a sua profissão, ou seja é o local onde ira

fundar o seu negócio.

O estabelecimento comercial não quer dizer apenas um local, sede e instalações onde é exercida

a actividade comercial, é bem mais do que isso.

Segundo Óscar Barreto Filho, o estabelecimento comercial é o complexo de bens matérias e imateriais, que constituem o instrumento utilizado pelo comerciante para exploração de uma determinada actividade mercantil.

Estabelecimento comercial é uma organização constituída por todos os factores afectos a uma actividade comercial, em termos mais restrito podemos dizer que é a loja, o escritório, a fábrica.

3 Elementos Componentes de um Estabelecimento Comercial

Elementos corpóreos;

Elementos incorpóreos;

Aviamento e Clientela.

3.1 Elementos Corpóreos

São respeitantes aos direitos relativos aos imóveis, direitos relativos aos móveis, ás mercadorias, matérias-primas, a livros. Está tudo abrangido o que diz respeito ao comércio, que seja do comerciante e que estejam afectas a esse exercício. A pertinência dos bens corpóreos ao estabelecimento é determinada pela afectação e não pela sua natureza. o que revela a sua susceptibilidade de uso desses bens pelo comerciante, e não o título jurídico que lha atribui: os bens corpóreos podem ser próprios, doados, usufruídos, etc., e em todos os casos integram o estabelecimento.

Ex: mercadorias, móveis, utensílios, equipamentos, vitrinas, instalações, etc.

3

3.2 Elementos Incorpóreos

São respeitantes ao direito à firma, aos contratos de trabalho, contratos com fornecedores, contratos de prestação de serviços e outros aspectos que, embora à partida não patrimoniais, permitam contudo uma comercialidade limitada. Também são elementos incorpóreos do estabelecimento as obrigações do comerciante a ele relativas, quer o seu passivo, ou seja, as dividas resultantes da sua actividade comercial, quer as demais obrigações que formam o correspectivo ou a face oposta aos direitos. Há muitos estabelecimentos comerciais que o seu valor coincide essencialmente pelo valor das marcas ou patentes que acarretam.

Ex; nome de uma empresa, marcas patentes, título de estabelecimento, créditos, contractos e o

ponto.

3.3 Aviamento

É a capacidade lucrativa da empresa, a aptidão para gerar lucros resultantes do conjunto de factores nela reunidos. O aviamento pode não ser considerado como elemento mas como uma mais-valia para o estabelecimento.

3.4 Clientela

Não é suficiente referenciá-la como o conjunto dos clientes do estabelecimento, mas resultante das relações contratuais com alguma estabilidade ou quando a própria natureza da actividade assegura que os clientes renovarão as suas encomendas ou pode corresponder às possibilidades de que novos clientes se dirijam à empresa.

4

Ramificações do Estabelecimentos Comerciais

4.1

Loja

Uma loja (provem do francês loge, "pequena cabana de guarda florestal") é um

estabelecimento comercial, de rua ou situada dentro de centros de compras, de venda

de produtos de fabricação própria ou de terceiros.

4

4.2

Supermercado

Supermercado é um grande comércio tradicional de alimentos, com um sistema de autos serviço que oferece uma grande variedade de alimentos e produtos domésticos, organizados em corredores. É maior em tamanho e tem uma vasta selecção de uma mercearia tradicional, mas é menor e mais limitado na gama de mercadorias do que um hipermercado.

É um estabelecimento moderno e complexo que se caracteriza por comercializar produtos alimentares mas também uma diversidade de bens e serviços não especializados.

4.3

4.3.1

Filial

Conceito

São as ramificações que se instalam dentro do pais, normalmente nas principais cidades; nada impede que se a abra uma filial no estrangeiro, embora nestes casos a tendência seja de não chamar filial mas um outro nome ex: (agencias).

5

4.4 Sucursal

As vezes as empresas e sociedades preferem a designação sucursal porque a de filial normalmente traz implícita a ideia de dependência familiar.

4.5 Delegações

Estas ramificações são de menor importância em relação as filiais e sucursais. Sendo que aquelas são simples escritórios com poucas pessoas que fazem o que se costuma dizer de caixa de correio. A execução efectiva das operações compete ao estabelecimento comercial municipal ou a filial mais próxima. Nada impede na prática que se deve as delegações o estatuto e funções das filiares.

4.6 Agencias

São estabelecimentos comerciais que em regra são propriedades de outros comerciantes, empresas e sociedades que por simples acordos se comprometem a fazer negócios, operações comerciais e financeiras em nome e por conta do estabelecimento comercial principal.

4.7 Centro comercial

Centro comercial ou shopping center ou é uma edificação que contém um conjunto de estabelecimentos de varejo de diferentes bens de consumo, além de prestação de serviços e lazer (lanchonetes, restaurantes, salas de cinema, teatro, playground etc.), constituindo-se em uma grande área comercial fechada, praticamente independente e isolada do seu entorno imediato, dotada de climatização, escadas rolantes, estacionamento e, eventualmente, atracões musicais e outras. Os shopping centers de médio e grande porte funcionam como pequenas cidades, possuindo uma estrutura governamental (a administração) e seus serviços de polícia e bombeiros (segurança), de limpeza, de abastecimento de água, de manutenção de infra-estruturas etc. Trata-se de um espaço planejado para estimular e facilitar o consumo.

A administração é centralizada, e as lojas são alugadas, para a exploração comercial e a prestação de serviços, sendo sujeitas a normas contratuais padronizadas. Muitas vezes, um supermercado ou grande estabelecimento de varejo funciona como "âncora" do empreendimento. A administração tende a procurar manter o equilíbrio da oferta e uma certa diversificação ou

6

complementaridade entre os diferentes tipos de estabelecimentos e de produtos oferecidos. Os locatários pagam um valor em conformidade com um percentual do faturamento (de 5 a 9%) ou um valor mínimo básico estabelecido em contrato - o que for maior. No Brasil, os shopping centers, na maior parte das vezes, cobram por muitos serviços, como o estacionamento.

Nos centros comerciais de maiores dimensões, com vários andares, a circulação se dá, habitualmente, através de escadas rolantes, para facilitar o movimento de pessoas de um andar para outro. O maior shopping center do mundo é o Dubai Mall, em Dubai, nos Emirados Árabes, que conta com 1.200 lojas, 22 salas de cinema, um estacionamento com 14.000 vagas, além de abrigar o maior aquário do mundo, com 33.000 animais marinhos expostos.

O título de melhor centro comercial do mundo é atribuído anualmente em Cannes, na França, e pertence actualmente ao Europa Passage, na Alemanha.

Centros comerciais são locais bastante amplos onde se concentram uma maior diversidade de estabelecimentos comerciais, lojas, supermercados.

4.7.1 Categorias de Shoppings

4.7.1.1 Shopping tradicional:

Estabelecimento construído especificamente para abrigar um centro de compras e que apresenta mercado diversificado, praça de alimentação, área de lazer, estacionamento e elevado nível de conforto: ar condicionado, escadas rolantes, elevadores, segurança etc. O número de lojas- âncora, a quantidade de lojas e o fato de haver lojas próprias junto com lojas alugadas também caracterizam essa categoria.

4.7.1.2 Shopping outlet:

Estabelecimento que concentra lojas de fábricantes dos produtos, com alguns poucos ramos comerciais e de serviços considerados de apoio.

4.7.1.3 Shopping temático:

Estabelecimento cujas lojas estão voltadas preferencialmente a um segmento básico do mercado.

4.7.1.4 Shopping rotativo:

Estabelecimento com índice de conforto menor que o dos shoppings tradicionais, geralmente com lojas de tamanho reduzido e onde não se pratica a obrigatoriedade da permanência do lojista

7

no shopping. Nele, a locação é feita por períodos diversos e mais curtos que nos shoppings tradicionais. O comércio habitualmente praticado no shopping rotativo está voltado a produtos de baixo valor. Também podem ser considerados como shoppings de desconto.

4.7.1.5 Shopping de Atacado:

Estabelecimento cujas lojas operam exclusivamente com vendas no atacado. Atualmente, basicamente, nos ramos de confecção, acessórios e calçados.

4.7.1.6 Shopping Virtual:

Sistema de lojas virtuais agrupadas como em um shopping de verdade.

4.7.1.7 Shopping de Serviço:

Empreendimento onde agrega diversas empresas que prestam alguma modalidade de serviço, diários como, por exemplo, lavanderias e gráfica, como também, restaurantes, enotecas e engenharias.

5

Feira

Uma feira é um evento em um local público em que as pessoas, em dias e épocas predeterminados, expõem e vendem mercadorias. Também é uma designação complementar dos cinco dias úteis da semana: segunda-feira, terça-feira, quarta-feira, quinta-feira e sexta-feira. Pode ser, ainda, uma exposição (comercial, industrial, cultural, tecnológica ou recreativa) ou um parque de diversões.

As Feiras representam um fenómeno sociocultural e económico proveniente dos aglomerados de pessoas e barracas, donde são comercializados diversos tipos de produtos nas ruas (alimentos, roupas, sapatos, acessórios de casa, artesanato, etc.), com o intuito de oferecer mercadorias a preços mais baixos.

8

Existem feiras nacionais, regionais e internacionais.

5.1 Nacionais

A feira realizada em Maputo por ocasião do 10º aniversário da independência foi uma feira nacional.

5.2 Regionais

As feiras que se realizam nas províncias ex: (em Nampula) são regionais ou provinciais;

5.3 Internacionais

As feiras de Ndola (Zâmbia), Dar – es – Salaam (Tanzânia), FACIM (Maputo), Leipzing (ex RDC) são feiras internacionais.

6 Bolsa de valores

A bolsa de valores é o mercado organizado onde se negociam acções de sociedades de capital

aberto (públicas ou privadas) e outros valores mobiliários, tais como as opções.

Pode ser organizada na forma de uma sociedade civil sem fins lucrativos, que mantém o local ou

o sistema de negociação electrónico adequado à acção de transacções de compra e venda

de títulos e valores mobiliários. Porém, o mais usual hoje em dia é que as bolsas de valores actuem como sociedades anónimas, visando lucro através de seus serviços. No caso de ser organizada como sociedade civil, seu património é representado por títulos pertencentes às sociedades corretoras que a compõem; se for organizada como S.A., este património é composto por acções. A bolsa deve preservar elevados padrões éticos de negociação, divulgando - com rapidez, amplitude e detalhes - as operações realizadas.

6.1 Características

Os movimentos dos preços no mercado ou em uma sessão do mercado são capturados através de índices chamados Índice de Bolsa de Valores.

Os preços das acções servem também para indicar o valor de mercado das empresas cotadas em bolsa. Dessa forma, diversos negócios podem ser realizados entre elas e com outros investidores.

9

6.2 Função

A principal função da bolsa de valores é manter transparente e adequado o local para as negociações de compras e vendas de ações.

6.3 Bolsa de Valores de Moçambique

A Bolsa de Valores de Moçambique é uma instituição moçambicana cujo objectivo é organizar, gerir e manter um mercado central de valores mobiliários no país. Foi criada em 1998, mas apenas entrou em actividade em Maio de 1999.

10

7

Conclusão

Findo o presente trabalho chegamos a conclusão que quando se fala de estabelecimento comercial não remete – nos apenas a ideia de um local, sede e instalações onde é exercida a actividade comercial, é um local que o empresário escolhe para exercer a sua profissão, ou seja é o local onde ira fundar o seu negócio. As bolsas são de extrema importância pois preserva elevados padrões éticos de negociação, divulgando - com rapidez, amplitude e detalhes - as operações realizadas. A principal função da bolsa de valores é manter transparente e adequado o local para as negociações de compras e vendas de acções.

11

8 Referencias Bibliográficas

Código Comercial, plural editores, 2009, 3ª ed

https://www.jurisway.org.br@pergunta.asp?idmodelo.꞊12619

https://pt.wikipedia.org/wiki/Loja

https://www.todamateria.com.br/historia-e-origem-das-feiras/

https://pt.wikipedia.org/wiki/Bolsa_de_Valores_de_Mo%C3%A7ambique

12

Indice

1 Introdução

1

2 Estabelecimento Comercial

2

2.1.1

Conceitos de Estabelecimento

2

3 Elementos Componentes de um Estabelecimento Comercial

2

3.1 Elementos Corpóreos

2

3.2 Elementos incorpóreos

3

3.3 Aviamento

3

3.4 Clientela

3

4 Ramificações do Estabelecimentos Comerciais

3

4.1 Loja

3

4.2 Supermercado

4

4.3 Filial

4

4.3.1

Conceito

4

4.4 Sucursal

5

4.5 Delegações

5

4.6 Agencias

5

4.7 Centro comercial

5

4.7.1

Categorias de shoppings

6

5 Feira

7

5.1 Nacionais

8

5.2 Regionais

8

5.3 Internacionais

8

6 Bolsa de valores

8

13

6.2 Função

9

6.3 Bolsa de Valores de Moçambique

9

7 Conclusão

10

8 Referencias Bibliográficas

11

Оценить