Вы находитесь на странице: 1из 8
APRESENTAÇÃO A XIII Jornada Internacional da SOBRESKI – Sociedade Brasileira de Estudos de Kierkegaard –

APRESENTAÇÃO

A XIII Jornada Internacional da SOBRESKI Sociedade Brasileira de Estudos

de Kierkegaard realiza-se, entre os dias 05 a 08 de novembro, na Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Campus de Vitória da Conquista, em parceria com o Curso de Licenciatura em Filosofia da UESB,

com o Projeto temático

pensamento contemporâneo do Programa de Pós-graduação em Memória:

Linguagem e Sociedade, com o Departamento de Filosofia e Ciências Humanas (DFCH) e com a Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários

(PROEX). A concepção e montagem da XIII Jornada Internacional de Estudos de Kierkegaard na UESB também tem como parceiros a Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-graduação (PPG), o Centro Acadêmico de Filosofia da UESB (CAFIL), o Departamento de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC) e principalmente a Prefeitura de Vitória da Conquista por intermédio da Secretaria de Educação, que tornou possível a participação dos conferencistas provenientes da Europa e dos Estados Unidos da América. As jornadas anteriores aconteceram na USP - São Paulo, em 2000; na UNICAMP Campinas, em 2001; na Escola de Sociologia e Política São Paulo, em 2002; em Pocinhos do Rio Verde, em 2003; na UNISINOS São Leopoldo - RS, em 2004; na USP São Paulo em 2005; na UECE Fortaleza - CE em 2006; na UFS Aracaju, em 2007; na UFPB Paraíba, em 2008; na UNISINOS São Leopoldo RS, em 2009; na UFJF Juiz de Fora MG, em 2010 e finalmente na UFPI Piauí, em 2011. Na última jornada, os membros da SOBRESKI resolveram realizar as jornadas, a partir de então, a cada dois anos, intercalando com a realização da ANPOF. A UESB então foi a Instituição escolhida para abrigar e ao mesmo tempo celebrar, neste ano de 2013, o bicentenário de nascimento de Kierkegaard.

A escolha da nossa Instituição para acolher a XIII Jornada Internacional da

SOBRESKI foi uma obra propriamente kierkegaardiana, recheada de ironia, de humor e de muita angústia, pois, numa data tão importante e com

Memória,

subjetividade

e

subjetivação

no

1
1
2 possibilidades de ser sediada em uma das Academias renomadas das grandes capitais brasileiras no
2
2

possibilidades de ser sediada em uma das Academias renomadas das grandes capitais brasileiras no cenário filosófico, os membros da SOBRESKI, talvez sem ter essa data em mente no momento da reunião e da deliberação sobre qual Universidade iria assumir a responsabilidade, optaram, na ocasião, por uma Instituição Estadual do interior da Bahia, fincada no sertão do Nordeste brasileiro. Ironia, porque nós nordestinos, cada um a sua maneira, torna-se um Riobaldo em suas aventuras e travessias no meio de tantos mares de dificuldades. Mas também no interior de infinitos de transcendência e de belezas, convertemo-nos mediante a ferrenha luta entre o sobreviver, o viver e o existir do indivíduo que deve deixar de ser um ser ensinado e objetivado para tornar-se um indivíduo singular que não cabe em nenhuma definição conceitual. Falamos em ironia e em humor, porque a UESB ainda não desperta, aos olhos da comunidade acadêmica do contexto filosófico e de muitos doutores, de recém-doutores e de pesquisadores da obra kierkegaardiana, a credibilidade necessária para sustentar um acontecimento cujo porte foi edificado dentro e fora dos muros da nossa Instituição. Porém, quem convive com Kierkegaard deveria desconfiar de que o pensador subjetivo

exemplarmente evidenciado no Pós-escrito conclusivo não científico às

migalhas filosóficas não está localizado e não reside em prédios ou centros de estudos, mas no interior de si mesmo. O pensador subjetivo vivencia o que ensina o filósofo Riobaldo de Grande Sertão: veredas: “uma coisa é por ideias arranjadas, outra é lidar com país de pessoas, de carne e sangue, de mil-e-tantas misérias” 0F 1 . Referimo-nos à angústia que não pode ser conceituada, mas experienciada como um espinho na carne que oscila entre o desejo da finitude e a paixão pela infinitude, a qual foi a mais celebrada e sentida pelos organizadores das categorias kierkegaardianas. Angústia diante da liberdade e da responsabilidade de organizar um evento com convidados de quatro países e de doze estados brasileiros sem ter as condições e os aportes financeiros e

1 ROSA, João Guimarães. Grande sertão: veredas. 19ª edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985, p. 14.

estruturais para levar a cabo a empreitada com a tranquilidade e a serenidade necessárias. Os

estruturais para levar a cabo a empreitada com a tranquilidade e a serenidade necessárias. Os entraves foram muitos. A crise que o Estado da Bahia atravessa dificultou em demasia os repasses para a UESB, que não

teve como arcar integralmente com os compromissos assumidos para a plena realização da XIII Jornada. A angústia foi vivenciada em suas múltiplas manifestações: as que se aproximam do desespero e aquelas que despertam

a força da superação para que o projeto se torne realidade, para que o Adão

que cada um foi convidado a ser sair do estado de sono para realizar-se na queda como homem. Assim foi nossa experiência kierkegaardiana com a angústia. Porém a XIII Jornada Internacional da SOBRESKI é sobretudo uma celebração. Celebração das Obras do Amor! Para nós organizadores foi de uma amorosidade crística ímpar o deslocamento de tão longe das Professoras Hélène Politis e Begoña Saez Tajafuerce, respectivamente de Paris (França) e de Barcelona (Espanha), e dos professores Jacob Howland, de Tulsa (EUA), e de Oscar Parcero Oubiña, de Santiago de Compostela/Galícia (Espanha), para participarem da celebração dos 200 anos de Kierkegaard em Vitória da Conquista. A generosidade é expressão pura e simples do testemunho de uma obra de Amor. Os professores e estudiosos brasileiros Myriam Moreira Protasio (UERJ Rio de Janeiro), Ricardo Quadros Gouvêa (MacKenzie - São Paulo), Inácio Pinzetta (UNISISNOS Rio Grande do Sul), Wellignton Lima Amorin (UFMA

São Luís do Maranhão) e Alvaro Luiz Montenegro Valls (UNISINOS Rio Grande do Sul), ministrando minicursos ou realizando conferências sobre Kierkegaard, também são magnânimos e nos presenteiam com o amor crístico, pois estiveram e estão comprometidos e conscientes de que essa celebração proporciona à Comunidade Acadêmica e à Comunidade em Geral intercâmbio de ideias, teses, projetos e diálogos em torno dos principais temas abordados por Kierkegaard no interior do grande eixo proposto como Subjetividade e Existência que percorre toda a sua produção direta e indireta

e seus pseudônimos, heterônomos e suas múltiplas pessoas-personagens.

3
3
4 Causa a todos nós da UESB muita alegria a presença de amigos de Kierkegaard
4
4

Causa a todos nós da UESB muita alegria a presença de amigos de Kierkegaard e de sua obra, os quais vem de Instituições públicas e privadas dos Estados de Goiás, Paraíba, São Paulo, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Bahia, Tocatins, Pará, Maranhão, Paraná, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Ceará e Rio de Janeiro para trocar experiências, divulgar trabalhos, produções e publicações, bem como para conviver numa atmosfera de cordialidade e aprendizagem, pois quem tem familiaridade com Kierkegaard sabe que a dialética do mestre e do discípulo implica que cada um seja a ocasião para que o outro possa edificar-se a si mesmo. São muitas vozes, muitos olhares, muitos sotaques e muitas leituras dos “filhos-irmãos- sobrinhos” de Kierkegaard carregados de paradoxos e de subjetividades que escolhem, decidem e arriscam a tornarem-se cada um uma subjetividade que se singulariza na tensa e dolorosa caminhada de uma síntese móvel e inacabada na dinâmica do dom e da tarefa de perder-se a si mesmo na finitude para recuperar-se a si mesmo na infinitude. Também formidável é a dádiva concedida como crístico por parte do Grupo Concertino das Dores, da angústia e da ansiedade, com o Maestro João Omar de Carvalho Mello (violoncelo), Petrônio Joab (violão e viola) e Elton Becker (voz) que entremearam textos musicados de pseudônimos kierkegaardianos com enxertos das peças de Mozart, sobretudo da Flauta Mágica e de Don giovanni. Um presente para Kierkegaard! Um presente aos amigos de Kierkegaard! Um presente no interior de um presente, onde a música, expressão maior do belo, do sublime e do místico faz com que Kierkegaard, como bem sentenciou Sartre no texto Kierkegaard: O universal Singular, esteja vivo, e bem vivo entre nós. A XIII Jornada Internacional de Kierkegaard é uma celebração somente possível porque é a reunião dos esforços de cada singularidade envolvida com o fim do coletivo da celebração. O Secretário de Educação, Senhor Ricardo Marques, abraçou o projeto e consolidou a parceria, que permitiu inserir a Jornada no calendário oficial em comemoração ao aniversário da cidade de Vitória da Conquista, em 09 de novembro. Dupla comemoração. Dupla celebração. A cidade com vocação educacional, que abriga duas

universidades públicas (UESB e UFBA) e várias instituições privadas de ensino superior, contribuiu significativamente

universidades públicas (UESB e UFBA) e várias instituições privadas de

ensino superior, contribuiu significativamente para o sucesso da XIII edição da SOBRESKI.

É digno de registrar nos ANAIS cada subjetividade que ousou e doou muito

do seu tempo e do seu dom sacrificando-se muitas vezes a si mesmo, como foi exposto por Kierkegaard em As Obras do Amor, como expressão de gratuidade. Nossos sinceros agradecimentos a: João Henrique Silva Pinto, Edna Maria de Souza Rabêlo, Ednéa Correia Luz, Hugo Pires Júnior, Raíra Simões de Carvalho, Jaquissom Aguiar Guimarães, Joanne Ferreira de Oliveira Cordeiro, Danilo Moraes Lobo, Gledinelio Silva Santos, Patrícia Silva Souto Maior, Carla Soraia Costa Nascimento, Leonardo Araújo Oliveira e Ícaro Souza Farias. Em nome da comissão organizadora, nosso sincero agradecimento aos esforços e à confiança aos Pró-Reitores da PROEX e da PPG e aos servidores dos respectivos setores envolvidos no sentido de

contribuir ao máximo para superar as dificuldades e proporcionar uma

celebração digna do acontecimento dos duzentos anos de aniversário de Kierkegaard.

A XIII Jornada Internacional de Estudos de Kierkegaard escolheu como tema

Subjetividade e Existência e privilegiou a leitura atenta e dialógica do Pós- escrito escrito em 1846. Este evento tem a felicidade de realizar o lançamento da tradução feita com competência, seriedade e paixão por Alvaro Valls e Marília Murta de Almeida, com a valiosa contribuição de sua

amiga e mestra Else Hagelund. O mais antigo e mais renomado estudioso de Kierkegaard vivo no Brasil e que tem se dedicado com esmero e com a dedicação apreendida em As Obras do Amor publicada em 1847 e traduzida em 2005 por Valls entende que o pensar e a tarefa que competem ao pensador subjetivo exigem sobretudo coragem, interioridade e o cultivo do diálogo íntimo e ao mesmo tempo em voz alta com Kierkegaard, muito mais do que o lugar físico e geográfico em que esse pensador se encontra. Enquanto o pensamento objetivo é indiferente quanto ao sujeito que pensa e

à sua existência, o pensador subjetivo está, como existente, essencialmente interessado em seu próprio pensamento, está existindo nele. Por isso, seu

5
5
6 pensamento tem outro tipo de reflexão, ou seja, o da interioridade, da posse, pelo
6
6

pensamento tem outro tipo de reflexão, ou seja, o da interioridade, da posse, pelo qual ele pertence ao sujeito e a ninguém mais. Enquanto o pensamento objetivo investe tudo no resultado e leva toda a humanidade a trapacear, copiando e repetindo de cor o resultado e a resposta, o pensamento subjetivo investe tudo no devir e omite o resultado, em parte porque este justamente pertence a ele, já que ele possui o caminho, e em parte porque ele, como existente, está continuamente no devir, como todo

ser humano que não se deixou enganar para tornar-se objetivo, para se

converter, de modo não-humano, na especulação. A reflexão da interioridade

é a dupla reflexão do pensador subjetivo. Ao pensar, ele pensa o universal, mas, como existente em seu pensamento, como o adquirindo em sua interioridade, ele se isola cada vez mais subjetivamente1F 2 .

A atualidade da obra de Kierkegaard é impressionante. Ela está em devir. Os

diálogos travados com a Psicologia, a Literatura, a Poesia, a Teologia, as Artes, a Linguagem, O Cinema, a Ciência da Religião e a própria Filosofia, especialmente o campo da Filosofia prática, ainda precisam ser aprofundados. As categorias kierkegaardianas que permitem várias relações, afinidades e distanciamentos com essas áreas como paradoxo, angústia,

repetição, ironia, desespero, sedução, decisão, culpa, fé, comunicação direta

e indireta, segunda ética, salto, melancolia, interioridade, amor,

subjetividade, singularidade, embora não sejam categorias criadas pelo pensador de A Doença mortal, a apropriação e a utilização com que ele emprega essas categorias dão um toque de originalidade e de problematicidade expostas nos diversos modos ou estádios da existência.

Na contemporaneidade tão perplexa diante da ausência de si mesmo, diante

de indivíduos tão despossuídos de si mesmos, ajustados e adestrados

socialmente para atender a um mercado cada vez mais devorador de singularidade e fomentador do número, do rebanho, da massa, do consumo irrefreado e irrefletido, é oportuno pensar com Kierkegaard, pensar contra Kierkegaard até chegar ao ponto de cometer o parricídio para na distância

2 KIERKEGAARD. Post scriptum no científico y definitivo a “Migajas Filosoficas”. Salamanca: Espanha,

2010, p. 82.

com o pai, construir a própria independência do pensar, mas analisar o conteúdo da sua

com o pai, construir a própria independência do pensar, mas analisar o conteúdo da sua proposta, que é exatamente possibilitar que o indivíduo singular possa ser capaz de fazer uma escolha e de decidir por si mesmo. A produção kierkegaardiana passa a ser uma ocasião para que o leitor tenha elementos suficientes para refletir sobre as condições em que vive e ter a capacidade de realizar ou não realizar o salto, mesmo reconhecendo que ele vive em meio a determinadas circunstâncias sociais, econômicas, culturais, religiosas, políticas. A XIII Jornada de Estudos de Kierkegaard celebra. A melhor forma de festejar os duzentos anos de nascimento de Kierkegaard é esta: reunir os amigos para um banquete e conversar em torno das ondulações do pensamento e das temáticas elaboradas pelo aniversariante. Procuramos oferecer ao leitor-amigo de Kierkegaard e nosso convidado as boas vindas, procuramos receber cada convidado com familiaridade e com alegria para socializar suas leituras e suas conversas com Kierkegaard, consciente de que “o real não está na saída nem na chegada: ele se dispõe para a gente é no meio da travessia” 2F 3 , ou seja, ciente de que, em se tratando de uma sociedade ironicamente correta, não é possível pelo menos até o momento uma literatura oficial que estabeleça as interpretações unívocas da produção kierkegaardiana. A enorme contribuição dos hermeneutas em vários países como Os Estados Unidos, Alemanha, Dinamarca, França, Espanha e a inestimável contribuição da edição crítica que está sendo realizada pelo The Søren Kierkegaard Research Centre, em Copenhague, permanecem na perspectiva de crítica, isto é, de possibilidades de uma interpretação coerente e fundamentada e não de uma verdade inquestionável sobre a produção conflitante, contraditória, carregada de dissimulação e de ironia, intencionalmente elaborada por Kierkegaard para que não se fizesse dele e de sua produção, meios de ganhar fama, fortuna e notoriedade. Talvez para evitar essa tentação utilizou-se da tática da máscara, permanecendo como enigma, pois

7
7

3 ROSA, João Guimarães. Grande sertão: veredas. 19ª edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985, p. 60.

como ele mesmo afirmou, “o meu enigma não pode ser resolvido do exterior. Só aquele

como ele mesmo afirmou, “o meu enigma não pode ser resolvido do exterior.

Só aquele que sabe por experiência o que é a verdadeira abnegação pode

resolver o meu enigma” 3F 4 , pois tinha consciência de que “um dia não

somente os meus escritos, mas certamente, a minha vida e todo o

complicado segredo do maquinário serão minunciosamente estudados” 4F 5 .

O Atual presidente da SOBRESKI, Jasson da Silva Martins, por motivos de

ordem pessoal e se sentindo impossibilitado, delegou a mim, presidente

dessa Sociedade nos anos de 2006 e 2007, e aos parceiros, a tarefa de

organizar a XIII Jornada Internacional de Estudos de Kierkegaard. Tarefa

que dividi alegremente com os orientandos do doutorado e do mestrado do

Projeto Temático Memória, subjetividade e subjetivação no pensamento

contemporâneo do Programa de Pós-graduação (mestrado e doutorado) em

Memória: Linguagem e Sociedade, com os discentes de graduação do projeto

de pesquisa de Iniciação Científica Ética e educação em Kierkegaard e Paulo

Freire, com a coordenação geral do evento e com os colaboradores e

criadores do site www.sobreski2013.com, Jaquissom Aguiar, João Henrique e

Raira Carvalho.

Aos estudiosos da obra de Kierkegaard que não puderam comparecer à

celebração na UESB, por opção pessoal ou por impossibilidade, nossa

solidariedade e nosso convite de nos visitar a qualquer momento. Cada um

que não esteve presente será sempre bem acolhido.

8
8

112BPela

111BJorge

Organização

Miranda de Almeida da XIII Jornada da SOBRESKI

113BVitória

da Conquista

Bahia Brasil

114B05

de Novembro de 2013

4 KIERKEGAARD. Ponto de vista explicativo de minha obra como escritor. Lisboa: Edições 70, 1986, p.

23.

5 KIERKEGAARD. Diario. D. VIII 1 A 24. Brescia: Morcelliana, 1980.