Вы находитесь на странице: 1из 11

Análise de Investimentos

Unidade 02 Fluxo de Caixa Operacional e Fluxo de Caixa do Capital Próprio

Prof. Guilherme Monteiro de Menezes

FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL (ECONÔMICO) E FLUXO DE CAIXA DO CAPITAL PRÓPRIO (FINANCEIRO)

ESTRUTURA DO FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL (ECONÔMICO)

Com todas as informações econômicas sobre o Investimento, o Fluxo de Caixa Operacional já pode ser montado, como segue:

FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL (ECONÔMICO)

(-)

RECEITA CUSTOS OPERACIONAIS FIXOS CUSTOS OPERACIONAIS VARIÁVEIS LUCRO OPERACIONAL DEPRECIAÇÃO

.

(-)

(=)

(-)

(=)

LUCRO TRIBUTÁVEL IMPOSTO DE RENDA

.

(-)

(=)

LUCRO LÍQUIDO DEPRECIAÇÃO

.

(+)

(=)

FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL ou FLUXO DAS RECEITAS LÍQUIDAS

(=)

Fluxo de Caixa é uma representação gráfica das entradas e saídas de caixa de uma alternativa de investimento.

Exemplo: Desenvolver o Fluxo de Caixa do Investimento utilizando os dados abaixo:

Investimento Capital de Giro Vida Útil Valor Residual Imposto de Renda

: R$ 50.000,00 (70% no primeiro ano e 30% no segundo ano) : R$ 10.000,00 (no segundo ano) : 5 anos (contados a partir do término dos investimentos) : R$ 15.000,00 : 30%

Análise de Investimentos

Unidade 02 Fluxo de Caixa Operacional e Fluxo de Caixa do Capital Próprio

Prof. Guilherme Monteiro de Menezes

Receitas

: 25.000 (no terceiro ano)

: 40.000 (nos quarto e quinto anos)

: 50.000 (nos sexto e sétimo anos)

Custos Totais

: 15.000 (no terceiro ano)

: 22.000 (nos quarto e quinto anos)

: 20.000 (nos sexto e sétimo anos)

Solução:

Cálculo da Depreciação:

Depreciação = 50.000 15.000 = 7.000 por ano

FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL (ECONÕMICO)

ANO

0

1

2

3

4

5

6

(-) INVESTIMENTO

35.000

15.000

         

(-) CAPITAL DE GIRO

 

10.000

         

RECEITAS

   

25.000

40.000

40.000

50.000

50.000

(-) CUSTOS TOTAIS

   

15.000

22.000

22.000

20.000

20.000

(=) LUCRO OPERAC.

   

10.000

18.000

18.000

30.000

30.000

(-) DEPRECIAÇÃO

   

7.000

7.000

7.000

7.000

7.000

(=) LUCRO TRIBUT.

   

3.000

11.000

11.000

23.000

23.000

(-) IR (30%)

   

900

3.300

3.300

6.900

6.900

(=) LUCRO LÍQUIDO

   

2.100

7.700

7.700

16.100

16.100

(+) DEPRECIAÇÃO

   

7.000

7.000

7.000

7.000

7.000

(+) VALOR RESIDUAL

           

15.000

(+) CAPITAL DE GIRO

           

10.000

(=) FL DE CAIXA OPER.

(35.000)

(25.000)

9.100

14.700

14.700

23.100

48.100

OBS: O Capital de Giro, que é disponibilizado no início do projeto (saída de caixa), deve retornar ao final do mesmo (como entrada de caixa), para efeito de análise de investimento. O valor residual também deve ser considerado como entrada de caixa no final do projeto, para efeito de análise de investimento.

INFLUÊNCIA DO FINANCIAMENTO NO FLUXO DE CAIXA DO PROJETO

Vimos até agora como é feita a montagem do Fluxo de Caixa de um Projeto sem considerar os ingressos dos recursos via financiamentos, bem como os pagamentos de juros e

Análise de Investimentos

Unidade 02 Fluxo de Caixa Operacional e Fluxo de Caixa do Capital Próprio

Prof. Guilherme Monteiro de Menezes

amortizações. A viabilidade deste Fluxo de Caixa é determinada pela Taxa Mínima de Atratividade.

O Projeto será viável economicamente se a Rentabilidade ou Valor Líquido exceder a um mínimo estabelecido (Variável Externa) que faz o balizamento da aceitação ou não do Projeto. Assim, temos um Projeto onde é avaliada a sua viabilidade intrínseca, isolando-o das Fontes de Recursos que o financiam. Este tipo de Análise é chamado de “Análise Interna do Projeto” ou “Análise Econômica”.

Entretanto, se for incluído no estudo não só o Fluxo de Caixa do Projeto, mas também o Fluxo de Caixa dos Financiamentos, passamos a ter a “Análise Externa do Projeto”, ou “Análise Financeira”. A Análise Financeira do Projeto é a realizada sob a perspectiva do acionista. Este fluxo representa quanto efetivamente a empresa irá desembolsar de Recursos Próprios (Recursos do Acionista) e quanto irá “sobrar” no caixa da empresa após o pagamento dos financiamentos.

O Fluxo de Caixa “Financeiro” de um Projeto de Investimento apresenta dois aspectos que não são considerados no Fluxo de Caixa “Econômico”.

Despesas Financeiras de Capital: dedutíveis do Lucro Tributável

Amortizações do Financiamento: dedutíveis do Lucro após o IR

No quadro abaixo é mostrado o efeito do financiamento sobre o Fluxo de Caixa do Projeto:

FLUXO DE CAIXA DO CAPITAL PRÓPRIO (FINANCEIRO)

(-)

RECEITA CUSTOS OPERACIONAIS FIXOS CUSTOS OPERACIONAIS VARIÁVEIS

 

(-)

.

(=)

LUCRO OPERACIONAL DEPRECIAÇÃO DESPESAS FINANCEIRAS DE CAPITAL LUCRO TRIBUTÁVEL IMPOSTO DE RENDA

.

(-)

(-)

(=)

(-)

(=)

LUCRO LÍQUIDO

(+) DEPRECIAÇÃO

.

(=)

FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL

(=)

ou FLUXO DAS RECEITAS LÍQUIDAS

(-)

AMORTIZAÇÃO DO FINANCIAMENTO

(=)

FLUXO DE CAIXA DO CAPITAL PRÓPRIO

Análise de Investimentos

Unidade 02 Fluxo de Caixa Operacional e Fluxo de Caixa do Capital Próprio

Prof. Guilherme Monteiro de Menezes

Exemplo de um Projeto sob o efeito de um Financiamento:

Dado um Projeto com as seguintes características:

Investimento = R$ 1.600,00 sendo R$ 1.200,00 na data 0 e R$ 400,00 na data 1

Vida útil = 6 anos

O Fluxo de Caixa “Econômico” já está calculado:

Data

Fluxo de Caixa

 
 

0 -1.200,00

Investimento

 

1 -400,00

Investimento

 

2 350,00

 
 

3 400,00

 

4 500,00

Fluxo de Caixa Operacional

 

5 500,00

 
 

6 500,00

 

7 700,00

Financiamento do Projeto:

Valor do Financiamento: R$ 1.000,00 Data de Liberação: data 0 Carência c/ pagamento de juros: 2 anos Taxa de Juros: 10% aa Número de Amortizações: 4 pelo SAC Imposto de Renda: 30%

Planilha do Financiamento do Projeto

Data

Liberação

Saldo Dev.

Juros (10%)

Amortização

Fluxo do

Financiamento

0

1.000,00

1.000,00

-

 

- 1.000,00

1

-

1.000,00

100,00

 

- -100,00

2

-

1.000,00

100,00

 

- -100,00

3

-

750,00

100,00

250,00

-350,00

4

-

500,00

75,00

250,00

-325,00

5

-

250,00

50,00

250,00

-300,00

6

-

0,00

25,00

250,00

-275,00

Análise de Investimentos

Unidade 02 Fluxo de Caixa Operacional e Fluxo de Caixa do Capital Próprio

Prof. Guilherme Monteiro de Menezes

Considerando que as Despesas Financeiras de Capital (Juros do Financiamento) são dedutíveis para efeito do Lucro Tributável, temos de avaliar a economia de Imposto de Renda gerada por estas Despesas Financeiras.

Economia IR = Efeito Fiscal = Desp. Fin. de Capital (JUROS) x Alíq. de IR

Data

Despesas

Efeito Fiscal (2) = (1) x 30%

Financeiras (1)

0

-

-

1

100,00

30,00

2

100,00

30,00

3

100,00

30,00

4

75,00

22,50

5

50,00

15,00

6

25,00

7,50

7

-

-

Após o cálculo do efeito da economia de IR sobre o Fluxo de Caixa, adiciona-se a este fluxo resultante o Fluxo do Financiamento para obtermos o Fluxo de Caixa Líquido, também conhecido como Fluxo de Caixa do Capital Próprio ou Fluxo de Caixa “Financeiro”.

Fluxo de Caixa “Econômico” e Fluxo de Caixa “Financeiro”

Data

Fluxo de Caixa ECONÔMICO (1)

Fluxo do Financiamento (2)

Efeito

Fluxo

de

Caixa

Fiscal (3)

FINANCEIRO (Capital Próprio)

0

-1.200,00

1.000,00

-

-200,00

 

1

-400,00

-100,00

30,00

-470,00

 

2

350,00

-100,00

30,00

280,00

 

3

400,00

-350,00

30,00

80,00

 

4

500,00

-325,00

22,50

197,50

 

5

500,00

-300,00

15,00

215,00

 

6

500,00

-275,00

7,50

232,50

 

7

700,00

-

-

700,00

 

Análise de Investimentos

Unidade 02 Fluxo de Caixa Operacional e Fluxo de Caixa do Capital Próprio

Prof. Guilherme Monteiro de Menezes

Considerando que os Recursos Próprios da empresa custam 16% aa pode-se calcular a Taxa Mínima de Atratividade (TMA):

TMA = 1.000,00 x 10% + 600,00 x 16% = 12,25% aa

1.600,00

Quadro Resumo

Fluxo de Caixa “Econômico”

 

Fluxo de Caixa

Fluxo de Caixa

+

do Financiamento (c/ Ef. Fiscal)

= “Financeiro”

Taxa Interna de Retorno - TIR

 

Custo do Financiamento (c/ Ef. Fiscal)

Taxa de Retorno do Capital Próprio

14,89%

 

10,00%

25,19%

A Rentabilidade do investimento avaliada pela Taxa Interna de Retorno (assunto do capítulo seguinte) via “Fluxo de Caixa Econômico” é de 14,89% aa.

Como a Taxa Interna de Retorno é maior que a Taxa Mínima de Atratividade podemos concluir que o Projeto é “Viável Economicamente”, pois 14,89% > 12,25%

Comparando agora a Taxa de Retorno do Capital Próprio com o Custo dos Recursos Próprios concluímos que o projeto é “Viável Financeiramente”, pois 25,19% > 16,00%

ALAVANCAGEM FINANCEIRA DE UM PROJETO

No exemplo mostrado acima observamos que a Rentabilidade do Projeto medida pela Taxa Interna de Retorno (“Avaliação Econômica”) é inferior à Taxa de Retorno do Capital Próprio (“Avaliação Financeira”). Isto sempre acontece quando o Projeto é financiado a um custo inferior à sua rentabilidade intrínseca (“Avaliação Econômica”). Este efeito observado se chama “Alavancagem Financeira”. É de se esperar, portanto, que quanto maior a parcela de financiamento em relação ao investimento total, maior será a Rentabilidade do capital Próprio (Return on Equity). Entretanto, à medida que aumenta a parcela de financiamento de um projeto, aumenta também o risco financeiro, ou seja, a possibilidade de, em uma eventualidade, o projeto não dispor de fundos suficientes para liquidar os compromissos do financiamento.

Análise de Investimentos

Unidade 02 Fluxo de Caixa Operacional e Fluxo de Caixa do Capital Próprio

Prof. Guilherme Monteiro de Menezes

A relação

Recursos de Terceiros Recursos Próprios

define o risco financeiro, ou o “Grau de

Alavancagem”

Quanto maior esta relação, maior a rentabilidade do Capital Próprio, mas também maior o Risco envolvido no Projeto.

ATIVIDADE DE FIXAÇÃO DA UNIDADE 02

EXERCÍCIOS SOBRE FLUXOS DE CAIXA

1 – A mesma Padaria “Pão Quente” da questão 02, da Atividade de Fixação da Unidade 01, projetou seus lucros antes da depreciação e imposto de renda com o forno antigo e com o forno novo, como se segue: (utilize os mesmos dados da questão 02)

 

LUCRO OPERACIONAL

ANO

FORNO ATUAL

FORNO NOVO

1

30.000

42.000

2

32.000

42.000

3

31.000

42.000

4

34.000

42.000

5

35.000

42.000

6

34.000

42.000

7

30.000

42.000

8

25.000

42.000

Supondo que a padaria consiga vender o forno atual por R$ 40.000, pede-se:

a) Calcular os Fluxos de Caixa Operacionais relativos às duas alternativas.

b) Calcular o Fluxo de Caixa incremental/diferencial entre as duas alternativas.

Análise de Investimentos

Unidade 02 Fluxo de Caixa Operacional e Fluxo de Caixa do Capital Próprio

Prof. Guilherme Monteiro de Menezes

Respostas:

FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL

ANO

FORNO ATUAL

FORNO NOVO

0

0

(23.040)

1

18.120,00

26.362,50

2

19.220,00

26.362,50

3

18.670,00

26.362,50

4

20.320,00

26.362,50

5

20.870,00

26.362,50

6

20.320,00

26.362,50

7

18.120,00

26.362,50

8

15.370,00

26.362,50

FLUXO DE CAIXA INCREMENTAL

ANO

FORNO ATUAL

 

0 (23.040,00)

 

1 8.242,50

 

2 7.142,50

 

3 7.692,50

 

4 6.042,50

 

5 5.492,50

 

6 6.042,50

 

7 8.242,50

 

8 10.992,50

2 A empresa Tecnologias Associadas Ltda está estudando a possibilidade de substituição de um equipamento utilizado em suas obras de terraplanagem por um equipamento novo mais moderno e de maior rendimento. O equipamento atual foi comprado há dois anos por R$ 30.000. Este valor está sendo depreciado pelo Método Linear, durante a vida útil de seis anos e valor residual nulo. Dois equipamentos (A e B) estão sendo cogitados para substituírem o equipamento atual. A alíquota de imposto de renda é de 30%. Os demais dados são:

 

Equip. A (R$)

Equip. B (R$)

Preço de aquisição

40.000

56.000

Custo de Instalação

8.000

4.000

Vida útil

4 anos

4 anos

Análise de Investimentos

Unidade 02 Fluxo de Caixa Operacional e Fluxo de Caixa do Capital Próprio

Prof. Guilherme Monteiro de Menezes

Valor residual

10.000

8.000

A máquina atual pode ser vendida por R$ 25.000 sem incorrer em custos adicionais de remoção. O lucro operacional projetado antes da depreciação e do imposto de renda está no quadro abaixo:

 

LUCRO OPERACIONAL

 

ANO

Equip. ATUAL

Equip. A

Equip. B

 

1 12.000

20.000

22.000

 

2 12.000

20.000

24.000

 

3 12.000

20.000

30.000

 

4 12.000

20.000

32.000

Responder às seguintes questões:

a) Calcule o Investimento Líquido de cada alternativa

b) Calcule o Fluxo de Caixa de cada alternativa

c) Calcule o Fluxo de Caixa incremental das alternativas A e B em relação à alternativa de

não fazer nada, ou seja, manter o equipamento atual.

Respostas:

a) Equipamento A: R$ 24.500; Equipamento B: R$ 36.500.

b) Fluxo de Caixa

FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL

Ano

Equip. ATUAL

Equip. A

Equip. B

0

0

(24.500)

(36.500)

1

9.900

16.850

19.300

2

9.900

16.850

20.700

3

9.900

16.850

24.900

4

9.900

26.850

34.300

c) Fluxo de Caixa Incremental

 

FLUXO DE CAIXA INCREMENTAL

Ano

Equip. A Equip. ATUAL

Equip. B Equip. ATUAL

0

(24.500)

(36.500)

1

6.950

9.400

2

6.950

10.800

3

6.950

15.000

4

16.950

24.400

Análise de Investimentos

Unidade 02 Fluxo de Caixa Operacional e Fluxo de Caixa do Capital Próprio

Prof. Guilherme Monteiro de Menezes

3 – Montar o Fluxo de Caixa “Econômico” e “Financeiro” de um Projeto de Investimento com as seguintes informações:

Dados sobre o Orçamento de Investimento:

Investimento Fixo Capital de Giro Valor Residual Vida Útil

: R$ 100.000 (Desembolsados na Data 0) : R$ 10.000 : R$ 15.000 : 5 anos

Dados sobre Receitas e Custos:

Qdade Produzida Preço Custo Variável Custo Fixo

: 34.000 unidades/ano : R$ 13,00 por unidade : R$ 10,00 por unidade : R$ 16.000 por ano

Dados sobre Tributação:

Imposto de Renda

: 30%

Dados sobre o Financiamento:

Financiamento

: 70% do Investimento Total (Invest. Fixo + Capital de Giro)

Liberação

: Data 0

Custo

: 12% ao ano

Carência

: 1 ano com pagamento de juros

Amortizações

: 2 amortizações SAC

Custo dos Recursos Próprios: 18% ao ano.

Pede-se, também, calcular a TMA Taxa Mínima de Atratividade

Respostas:

ANO

Fluxo de Caixa “Econômico”

Fluxo de Caixa “Financeiro”

0

(110.000)

(33.000)

1

65.300

58.832

2

65.300

20.332

3

65.300

23.566

4

65.300

65.300

5

90.300

90.300

TMA Taxa Mínima de Atratividade: 13,80% ao ano.

Análise de Investimentos

Unidade 02 Fluxo de Caixa Operacional e Fluxo de Caixa do Capital Próprio

Prof. Guilherme Monteiro de Menezes

BIBLIOGRAFIA

CAMPOS, Breno de. Finanças I e Análise de Investimentos. Belo Horizonte: Apostila FDC, 2003, 101 pg.

MENEZES, Guilherme Monteiro de, SANTOS, Raquel Maria Gherard dos, ANTÔNIO, Vânia Barroso de. Matemática Financeira para cursos em EAD. Belo Horizonte: Apostila PUC Minas, 2014, 212 pg.

SAMANEZ, Carlos Patrício. Matemática Financeira Aplicações à Análise de Investimentos. 2 ed. São Paulo: Makron Books, 1999.

VIEIRA SOBRINHO, José Dutra. Matemática Financeira. 7 ed. São Paulo: Atlas, 2000