Вы находитесь на странице: 1из 22

RELATÓRIO SÓCIODEMOGRÁFICO

DO BAIRRO DOS COELHOS

RECIFE - PE

ACIOLI NETO

SOCIÓLOGO/CONSULTOR

2016

SUMÁRIO
SUMÁRIO

SUMÁRIO

SUMÁRIO

INTRODUÇÃO

03

RESGATE HISTÓRICO

04

LIMITES GEOGRÁFICOS, DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL

E ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS

06

ORGANIZAÇÕES SOCIAIS

12

ORGANIZAÇÕES DE BASE COMUNITÁRIA

15

SAÚDE

17

EDUCAÇÃO

20

FONTES CONSULTADAS

22

2

INTRODUÇÃO

Não há vidas inúteis: a mais obscura, que ainda traga aceso e quente o mais malogrado coração, é ainda um bem inestimável e insubstituível, único no gênero, necessário à harmonia do universo.

Gustavo Corção, 1954 - Homenagem dos médicos do Hospital Pedro II ao Indigente.

Situado na região central do Recife o bairro dos Coelhos tem peculiaridades que representam a história, a riqueza cultural e a desigualdade social da cidade. Esse relatório foi construído a partir de visitas a localidade durante os meses de julho e agosto de 2016. Na ocasião foram realizadas caminhadas pelas ruas do bairro, encontros com lideranças da comunidade e conversas com os/as moradores/as que contribuíram para a elaboração desse documento. Há também um farto material fotográfico e informações oriundas do acervo digital existente sobre a região.

Vale destacar a contribuição do presidente da Comissão Central Clóvis Mário de Lima (Dindão) que em várias ocasiões prestou pacientemente as informações solicitadas; a participação interessada da agente de saúde Genilda Bezerra nas conversas e reuniões sobre o levantamento, e também a valiosa colaboração do sociólogo Márcio Soares, ex-morador do bairro, que possibilitou o acesso e o registro fotográfico de algumas áreas só permitidas àqueles que detêm o reconhecimento e o respeito da comunidade. A todos os meus sinceros agradecimentos.

3

RESGATE HISTÓRICO

RESGATE HISTÓRICO Durante o domínio holandês no Recife chegaram à cidade muitos judeus, a maioria -

Durante o domínio holandês no Recife chegaram à cidade muitos judeus, a maioria - alemães e poloneses, fugindo da Guerra dos Trinta Anos (1620) e dos massacres de 1648 e 1649. Estima-se que nessa época cerca de 300 judeus residiam na capital pernambucana (MOURA, 2002, p.290).

Uma área pertencente às terras do atual bairro dos Coelhos era chamada de cemitério dos Judeus. Estudos cartográficos apontam os fundos de duas instituições religiosas da Rua da Glória e do Armazém de Madeiras Amadeu Barbosa na Rua Dr. José Mariano - popularmente conhecida por Cais Zé Mariano, como o local de sepultamento da comunidade judaica.

As instituições religiosas eram na época o Dispensário Santo Antônio e o Recolhimento Nossa Senhora da Glória do Recife atualmente denominado Congregação das Irmãs de Nossa Senhora da Glória. Em sua fachada consta o ano de 1791. Há cerca de 80 anos antes foi construída a Igreja de São Gonçalo, onde ainda hoje estão expostas imagens de grande valor histórico.

O nome do bairro advém dos antigos proprietários de terras naquela região: a família Coelhos Cintra ficando a área conhecida como Sítio dos Coelhos. Em 1824 as terras foram vendidas por Elias Coelho ao governo que no local estabeleceu um matadouro com currais de gado, um curtume e uma fábrica de atanados: material utilizado no curtume de couros.

4

Em 1831, foi determinada por lei a fundação do hospital de caridade São Pedro de Alcântara. Em 1846 o hospital foi transferido para a antiga moradia dos proprietários do Sítio dos Coelhos por ser uma construção de dois pavimentos com grandes dimensões e ampla área externa. No ano seguinte o governo adquire um terreno nas proximidades para construção do Hospital Pedro II.

Inaugurado em 1861, o novo hospital tem projeto arquitetônico do engenheiro José Mamede Alves, responsável por outros importantes projetos na cidade: o Ginásio Pernambucano, a Casa de Detenção do Recife (atual Casa da Cultura) e o Cemitério de Santo Amaro. A cerimônia de inauguração contou com a presença do Imperador Dom Pedro II.

5

LIMITES GEOGRÁFICOS, DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL E ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS

DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL E ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS A cidade do Recife está dividida em seis Regiões

A cidade do Recife está dividida em seis Regiões Política-Administrativas. Os Coelhos é parte da RPA 1 composta por mais 10 bairros:

Recife Antigo; Santo Amaro; Boa Vista; Cabanga; Ilha do Leite; Paissandu; Santo Antônio; São José; Soledade e Ilha Joana Bezerra. Cinco deles fazem fronteira com os Coelhos: Ilha do Leite, Boa Vista, Santo Antônio, São José e Ilha Joana Bezerra. No caso desses três últimos é o Rio Capibaribe quem estabelece os limites.

O bairro dos Coelhos é uma das 61 Zonas Especiais de Interesse Social ZEIS

do Recife. Nos anos 80 a capital de Pernambuco foi a responsável pela criação

e pela primeira experiência de ZEIS no país. Nos anos 90 foi adotada em

Diadema São Paulo; em 2001 foi incorporada ao Estatuto da Cidade (lei federal nº 10.257, de 10 de julho de 2001).

A concepção básica do instrumento das ZEIS é incluir no zoneamento da cidade uma categoria que permita, mediante um plano específico de urbanização, estabelecer padrões urbanísticos próprios para determinados assentamentos.

Segundo a Prefeitura da Cidade do Recife, a definição de ZEIS é a seguinte:

As Zonas Especiais de Interesse Social - ZEIS - são áreas de assentamentos habitacionais de população de baixa renda, surgidos espontaneamente, existentes, consolidados ou propostos pelo Poder Público, onde haja possibilidade de urbanização e regularização fundiária.

6

Apesar de ter uma área territorial de apenas 43 hectares (localizado a uma distância de

Apesar de ter uma área territorial de apenas 43 hectares (localizado a uma distância de 2,15 Km do Marco Zero do Recife) o bairro dos Coelhos tem subdivisões não oficiais criadas ao longo do tempo pela própria comunidade. Elas foram determinadas prioritariamente por fatores econômicos e pela existência, ou não, de equipamentos sociais.

No lado sul da margem do rio as comunidades Roque Santeiro I, II e III estão entre as mais pobres da área. Trata-se de um conglomerado de barracos de madeira e palafitas interligados por becos e vielas. Não há equipamentos sociais ou praças. É um trecho de extrema pobreza.

Do outro lado da avenida que fica próxima das comunidades Roque Santeiro II e III está o Beco do Esparadrapo. Apesar do nome, não se trata apenas de um beco, mas de um conjunto de casas de alvenaria dispostos entre becos e vielas ao lado do muro do Hospital Pedro II até a Avenida Coelhos - a principal do bairro.

7

Beco de Esparadrapo – ao lado do Hospital Pedro II O Sete, a Requipe e

Beco de Esparadrapo ao lado do Hospital Pedro II

O Sete, a Requipe e a Campina dos Coelhos na região próxima aos boxes do Mercado são as áreas com mais infraestrutura: praças, postos de saúde e outros serviços disponíveis. Há mais de 50 anos existe na Campina uma lavanderia comunitária onde cerca de 60 pessoas pagam uma taxa mensal de R$ 8,00 (oito reais) para utilizá-la. No Recife são poucas as lavanderias comunitárias em funcionamento. Essa atividade continua sendo realizada exclusivamente por mulheres.

atividade continua sendo realizada exclusivamente por mulheres. Lavanderia Comunitária dos Coelhos     

Lavanderia Comunitária dos Coelhos

atividade continua sendo realizada exclusivamente por mulheres. Lavanderia Comunitária dos Coelhos     

8

Ao se aproximar da margem do rio a Campina vai se tornando cada vez mais pobre. Essa área é conhecida por Campina Beira Rio, nela há casas de alvenaria, mas algumas são de madeira sob palafitas. Em 2013 um grande incêndio destruiu parte delas, sendo as famílias atingidas transferidas para um conjunto habitacional do outro lado do rio. É uma área considerada como de mais alta periculosidade do bairro em decorrência do tráfico de drogas.

do bairro em decorrência do tráfico de drogas. Incêndio na Campina Beira Rio em 2013 Campina

Incêndio na Campina Beira Rio em 2013

decorrência do tráfico de drogas. Incêndio na Campina Beira Rio em 2013 Campina Beira Rio -

Campina Beira Rio - 2016

decorrência do tráfico de drogas. Incêndio na Campina Beira Rio em 2013 Campina Beira Rio -

9

A região do campinho tem esse nome por ter nas proximidades um campo de barro que fica ao lado do rio. É um local aprazível, onde a comunidade se reúne para práticas esportivas, jogos ou simplesmente interagir. Certamente o campinho faz parte da memória afetiva da infância dos moradores do bairro.

da memória afetiva da infância dos moradores do bairro. A Vila Nova é outro aglomerado de

A Vila Nova é outro aglomerado de barracos de madeira sob palafitas. Está localizada ao norte da Campina Beira Rio até próximo a Ponte 6 de Março, mais conhecida pelos recifenses como Ponte Velha, um dos limites do bairro. Fica por trás dos grandes armazéns de venda de madeira maior e mais tradicional comércio do bairro. Essa é também uma área bastante pobre e com elevado risco de incêndio.

Interessante observar que, se perguntarmos aos moradores dessas sub-regiões onde eles moram a resposta será nos Coelhos. Não há um pertencimento destes que tais comunidades sejam locais à parte. São divisões utilizadas entre si, ou seja, para quem é íntimo do local. Exceto alguns moradores das comunidades Roque Santeiro I, II e III que fazem um discurso separatista por considerarem uma nova comunidade dentro do bairro. Provavelmente, diante da absoluta ausência de serviços e da total falta de infraestrutura, seja essa uma forma de se destacar e chamar a atenção das autoridades para o tamanho de suas necessidades.

10

De acordo com o Censo 2010, a população do bairro é de 7.633 habitantes residentes em 2.232 habitações. As mulheres são responsáveis por 53,6% desses domicílios. Também há mais mulheres do que homens: elas são 4.062 hab. representando 53% do total. A população masculina é de 3.571 habitantes. Quanto à faixa etária observa-se a seguinte distribuição:

FAIXA ETÁRIA

QTD.

%

0 - 04

579

7,59

05

- 14

1.379

18,07

15

- 17

427

5,59

18

- 24

970

12,71

25

- 59

3.646

47,77

60

e +

632

8,27

Em relação à raça/cor, mais da metade dos moradores é parda. A população branca corresponde a 31,5%, pretos são 13,5%; 0.86% se identifica como amarelo/a e 0,72% indígena.

11

ORGANIZAÇÕES SOCIAIS

O bairro dos Coelhos é um local estratégico para sede de instituições

filantrópicas e organizações da sociedade civil, por estar localizado em uma

região próxima do centro - o que favorece a mobilidade de pessoas oriundas de vários pontos da cidade, e com uma população cuja maioria necessita de apoio

de projetos sociais que garanta o mínimo de condições dignas de sobrevivência.

A instituição cristã Santa Casa de Misericórdia tem forte presença na localidade

desde a sua criação. Na principal avenida do bairro, bem como em diversas outras ruas, é fácil identificar imóveis pertencentes à Santa Casa.

é fácil identificar imóveis pertencentes à Santa Casa. Sede do Movimento Pró-Criança e demais ONGs O

Sede do Movimento Pró-Criança e demais ONGs

O Movimento Pró-Criança (MPC) funciona em um deles. Fundado em 1993 pelo

bispo D. José Cardoso Sobrinho, o MPC é uma entidade sem fins lucrativos da Arquidiocese de Olinda e Recife. Desenvolve projetos de capacitação e

formação profissional de jovens nos Coelhos e outros bairros do Recife e da Região Metropolitana. Em agosto de 2014 ocorreu um incêndio de grandes proporções no casarão de três andares onde funciona sua sede. Até hoje 50%

do imóvel está desativado devido aos danos decorrentes do fogo.

12

O prédio do MPC também abriga outras três instituições, são elas: Centro de

Trabalho e Cultura (CTC), Retome sua Vida e a Em Cena Arte e Cidadania; além de dispor de sala para as reuniões dominicais dos Alcóolicos Anônimos e para as reuniões mensais dos agentes de saúde comunitária da região.

O trabalho do CTC consiste prioritariamente - há mais de 20 anos - em

promover cursos profissionais para operários e adolescentes da Região Metropolitana do Recife. O Retome sua Vida foi fundado em 1992 e trabalha com jovens em cumprimento de medida sócio-educativa em meio aberto e adolescente em situação de risco pessoal e social. Atua na inclusão e frequência desses jovens a escola, formação profissional e quando necessário tratamento da dependência química. A ONG Em Cena - Arte e Cidadania desenvolve desde 1999 atividades de ensino, pesquisa e produção de artes cênicas no intuito de promover a educação artística, cultural e cidadã de crianças e adolescentes da cidade do Recife.

O Instituto Agir é uma organização não governamental, sem fins lucrativos com

atuação predominante no bairro dos Coelhos. Vinculado a 1ª Igreja Batista do

Recife, promove assistência social básica, educação complementar e profissional de crianças, jovens e adultos em situação de vulnerabilidade.

A Organização de Auxílio Fraterno (OAF) é outra instituição de origem religiosa

localizada no bairro. Existente há mais de 50 anos na comunidade contribui na formação artística, educacional e cultural de jovens com o objetivo de evitar o acesso destes a marginalidade e ao tráfico de drogas. Segundo a OAF, atualmente cerca de 350 jovens são atendidos pela instituição.

Na mesma rua dos Coelhos, nº 219, funciona o Centro Comunitário de

Assistência Social da Legião da Boa Vontade. Através deste Centro Comunitário

a LBV desenvolve desde 1976 projetos e programas de capacitação, inclusão

social e inserção no mercado de trabalho para pessoas de baixa renda em todas as fases da vida (crianças, jovens, adultos e idosos) de comunidades dos Coelhos e de outros bairros da RPA I. Dentre as instituições localizadas no

bairro, o Centro Comunitário da LBV se destaca pela qualidade das instalações

e tamanho de sua infraestrutura.

13

Quadra do Centro Comunitário da LBV nos Coelhos No Largo dos Coelhos está localizada a

Quadra do Centro Comunitário da LBV nos Coelhos

No Largo dos Coelhos está localizada a Casa de Frei Francisco pertencente ao Instituto Dom Helder Câmara. Construída com recursos de um dos prêmios internacionais recebido por Dom Hélder, a casa se destina a trabalhos sociais das comunidades dos Coelhos, Coque e Joana Bezerra.

Nos primeiros anos de funcionamento foi albergue para pessoas em situação de rua, depois passou a acolher crianças e jovens em situação de risco social com atividades

voltadas a estimular o gosto pela leitura e escrita; a responsabilidade ambiental e a formação cidadã. Atualmente na Casa de Frei Francisco são atendidas cerca de 120 crianças e adolescentes na faixa etária de 07 a 16 anos.

Francisco são atendidas cerca de 120 crianças e adolescentes na faixa etária de 07 a 16

14

ORGANIZAÇÕES DE BASE COMUNITÁRIA

A associação comunitária de maior atuação no momento é a Comissão Central

dos Coelhos. Fundada em 1963 com apoio de João Regis, Paulo Dantas e Luciano Siqueira, na época estudantes de medicina do Hospital Pedro II, hoje políticos influentes ligados ao PCdoB - Partido Comunista do Brasil, sendo um deles o atual vice-prefeito do Recife, a Comissão Central tem sede própria localizada próxima a ponte Joaquim Cardozo. O imóvel tem dois pavimentos. Há

16 anos está cedido a Prefeitura do Recife para funcionamento do Posto de Saúde Coelhos I. Em contrapartida a gestão municipal se responsabiliza pelas reformas que sejam necessárias bem como a manutenção integral do prédio.

No amplo espaço do primeiro andar ocorrem reuniões da diretoria, assembleias, cursos e ensaios de grupos artísticos (dança e teatro). Na Comissão Central o presidente é chamado de prefeito da comunidade. O estatuto está desatualizado e precisando de regulamentação junto aos órgãos públicos, problema semelhante a todas as demais organizações de base comunitária do bairro. Atualmente o principal responsável pela Comissão Central é Clóvis Mário de Lima, mais conhecido por Dindão.

A sede do Conselho de Moradores dos Coelhos está localizada a cerca de duas

quadras da Comissão Central. Trata-se de uma pequena quadra que vem sendo alugada para eventos diversos, sem que, segundo membros da comunidade, o

dinheiro seja revertido para ações do Conselho. Com exceção de tais eventos, não há reuniões nem outras atividades de política comunitária realizada no local. No momento o mandato da diretoria encontra-se vencido e não há previsão de novas eleições.

No momento o mandato da diretoria encontra-se vencido e não há previsão de novas eleições. 

15

A Casa da Comunidade também era um espaço que funcionava como local de encontro dos

A Casa da Comunidade também era um espaço que funcionava como local de encontro dos moradores para as discussões de interesse da coletividade. Encontra-se em pendência judicial por apropriação indevida. Segundo antigas lideranças, o atual ocupante do imóvel o destinava inicialmente para uso coletivo, aos poucos foi cedendo para guarda de carroças e materiais diversos da comunidade até transformá-lo definitivamente para sua moradia, apesar do péssimo estado de conservação, praticamente em ruinas.

O Centro Social dos Coelhos (CSC) ocupa um prédio pertencente à Igreja da Matriz da Boa Vista, sendo os membros da comunidade os responsáveis por sua administração. No CSC são ministradas aulas noturnas de reforço escolar, atividades poliesportivas e uma escolinha de futebol em parceria com o Instituto Agir. Segundo o professor Jofre Gomes que há 25 anos ensina crianças e adolescentes na escolinha, cinco ex-alunos jogam atualmente no exterior. Na quadra do Centro também acontecem shows de funk e brega além de espetáculos produzidos pela comunidade.

16

SAÚDE

A região onde está localizado o bairro dos Coelhos é uma área de extremos. Na sua principal avenida - no coração do bairro, está o IMIP - Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira, um conjunto de dez prédios em uma área de 53 mil metros quadrados, incluindo o Hospital Pedro II e a Maternidade Oscar Coutinho.

o Hospital Pedro II e a Maternidade Oscar Coutinho. Entidade filantrópica fundada em 1960 com a

Entidade filantrópica fundada em 1960 com a denominação inaugural de Instituto de Medicina Infantil de Pernambuco na área médica atuava exclusivamente em Pediatria. Ao ampliar para atenção à saúde das mulheres gestantes e seus filhos passou a denominar-se Instituto Materno-Infantil de Pernambuco. Após a morte de seu mentor, e culminando com a extensão a outras especialidades do atendimento médico, incluindo ensino e pesquisa, passou a ter a denominação atual. Conveniado ao Sistema Único de Saúde (SUS) o IMIP realiza em torno de 600 mil atendimentos anuais e dispõe de aproximadamente mil leitos. Os serviços ambulatoriais e hospitalares do IMIP atendem crianças, mulheres e homens.

17

Na Atenção Básica, o bairro conta também com duas USF - Unidades de Saúde da Família. O Posto de Saúde Coelhos I na Rua Bituruna 110 próximo à ponte Joaquim Cardozo e o Posto de Saúde Coelhos II na Rua Dr. José Mariano - ao lado do Centro Social.

O posto I existe há 20 anos, fruto da mobilização

da comunidade junto a Prefeitura. Funciona no andar térreo do prédio de dois pavimentos cedido pela associação comunitária Comissão Central

cuja sede é no primeiro andar do mesmo imóvel.

A equipe de saúde do posto é formada por 18

profissionais, incluindo quatro Agentes Comunitários de Saúde (ACS) e cinco Agentes de Saúde Ambiental e Controle de Endemias

(ASACE). A cobertura é de aproximadamente 900 famílias.

(ASACE). A cobertura é de aproximadamente 900 famílias. O posto II também não paga aluguel. Funciona

O

posto II também não paga aluguel. Funciona em um espaço cedido pelo Centro Social dos Coelhos em imóvel da Santa Casa de Misericórdia. Apesar de ter uma equipe do mesmo tamanho do Posto I, o número de famílias a serem atendidas e um pouco maior, cerca de 1200. Segundo informações da agente de saúde Genilda Bezerra do posto I com a transferência de algumas famílias para um conjunto habitacional que está sendo concluído do outro lado do rio - no bairro de São José, o número de famílias diminuirá.

concluído do outro lado do rio - no bairro de São José, o número de famílias

18

Nos Coelhos, a coexistência de desigualdades acentua seus contrastes. As comunidades Roque Santeiro I e

Nos Coelhos, a coexistência de desigualdades acentua seus contrastes. As comunidades Roque Santeiro I e II se espreme entre os prédios empresariais da rua Francisco Alves e a margem do Rio Capibaribe. Poucos metros adiante, nessa mesma rua, começa o bairro da Ilha do Leite, conhecido pela grande concentração de luxuosas clínicas e hospitais particulares que formam o maior polo médico privado do norte-nordeste.

19

EDUCAÇÃO

A rede de ensino no bairro é bastante limitada. Há apenas a Escola Municipal

dos Coelhos que dispõe durante o dia de ensino fundamental e à noite tem o EJA Educação para Jovens e Adultos. O Centro Social dos Coelhos dispunha de aulas de ensino fundamental, mas atualmente só reforço escolar. Não há escola particular no bairro, apenas algumas residências que também oferecem aulas de reforço.

algumas residências que também oferecem aulas de reforço. Escola Municipal dos Coelhos A alternativa é recorrer

Escola Municipal dos Coelhos

A alternativa é recorrer à rede de ensino dos bairros circunvizinhos da Ilha do

Leite, Boa Vista e São José. A Escola Pública Estadual Manoel Bandeira na Praça Miguel de Cervantes fica na fronteira do bairro dos Coelhos com a Ilha do Leite.

A Escola Municipal Pedro Augusto e o Colégio Estadual Oliveira Lima funcionam

na mesma rua no bairro da Boa Vista bem próximo aos Coelhos. Do outro lado

do rio, mas de fácil acesso está a Escola Estadual Joaquim Nabuco na Rua imperial - bairro de São José.

20

Escola Renascer ao lado da Igreja de São Gonçalo e o Curso Bandeira na rua da Conceição na Boa Vista são opções de pequeno porte para quem prefere e pode pagar por escolas particulares.

Em relação a disponibilidade de creche a situação é muito mais grave. A Creche Municipal Vovô Artur - ao lado da Escola Municipal dos Coelhos é a única do bairro, e diferente do que ocorre com as escolas, não há alternativas nos bairros próximos.

com as escolas, não há alternativas nos bairros próximos. Fundada em 1988, foi construída em parceria

Fundada em 1988, foi construída em parceria com o Conselho de Moradores e a Comissão Central dos Coelhos. O nome foi escolhido pela comunidade em homenagem a Artur Severino Gomes vendedor de mugunzá nascido em 1921 e que frequentemente distribuía gratuitamente a iguaria às crianças da região. A creche mantém parcerias com diversas instituições entre elas, a Polícia Militar de Pernambuco, Hospital Esperança, IMIP e fundação C&A. A Creche Vovô Artur atende a 95 crianças em tempo integral: das 7:00 às 18h.

21

FONTES CONSULTADAS

COSTA, F. A. Pereira da. Arredores do Recife. Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife, 1981.

GALVÃO, Sebastião de Vasconcellos. Diccionario chorografico, histórico e

estatístico de Pernambuco. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1908. 4 v.

GUERRA, Flávio. Velhas igrejas e subúrbios históricos. Recife: Fundação

Guararapes, 1970.

KAUFMAN, Tânia Newmann. Passos perdidos, história recuperada a presença judaica em Pernambuco. Recife: Edição do Autor, 2000.

MELLO, José Antônio Gonsalves de; SANTOS, Maria Helena Carvalho

dos. Gente da nação; cristãos-novos e judeus em Pernambuco 1542,

1654. Recife: Fundaj, Ed. Massangana, 1996.

MOURA, Hélio Augusto de. Presença judaico-marrana durante a colonização do Brasil. Cadernos de Estudos Sociais, Recife, v. 18, n. 2, p. 267-292, jul./dez., 2002.

ZISMAN, Meraldo. Jacob da balalaica. Recife: Bagaço, 1998.

VAINSENCHER, Semira Adler. Coelhos (bairro, Recife). Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em:

22