Вы находитесь на странице: 1из 1

(ficha-resumo)

HISTRICO-COMPARATIVA, gramtica

MARTELOTTA, Mario Eduardo (org.) Manual de lingustica. So Paulo: Contexto,


2008, p. 47-53.

Na primeira metade do sec. XIX, na Alemanha, surge uma tendncia de estudar e


comparar elementos gramaticais de lnguas de origem comum com o objetivo de
encontrar a estrutura da lngua original da qual se desenvolveram. Assim, a gramtica
histrico-comparativa, alm de mapear as semelhanas entre palavras, percebe tambm,
ao verificar a diferena entre duas lnguas, um alto grau de regularidade e
sistematicidade, observando como um sintoma comum a todas as lnguas que tem uma
mesma origem.
Essa tendncia marca o incio de uma nova cincia a lingustica, uma vez que
um grupo de cientistas se interessa em analisar as caractersticas comuns a todas as
lnguas naturais, destitudo de qualquer interesse filosfico ou normativo, mas
observando rigorosamente os fenmenos lingusticos.
Em 1816, Franz Bopp, pai do comparatismo indo-europeu, apresenta um estudo
que observou os aspectos morfolgicos do snscrito, grego, latim, persa e das lnguas
germnicas, abrindo caminho para uma concepo histrica de gramtica dessa poca.
Grimm, por sua vez, em 1822, interpreta as correspondncias fonticas com resultado
de transformaes histricas, que ficou conhecida como Lei de Grimm.
Com o desenvolvimento dos estudos comparatistas, August Schleicher enriquece
as propostas de Bopp e de Grimm ao unir a teoria darwinista e a lingustica, propondo
que as lnguas, assim com qualquer organismo, possuem um ciclo de vida. Isso poderia
explicar o fato das lnguas antigas como o latim desaparecerem, deixando o
portugus, o espanhol, o italiano, o francs e o romeno, concepo esta combatida por
uma segunda gerao de comparatistas, os chamados neogramticos.
Esses tipos de linguistas voltavam seus interesses para as mudanas que ocorriam
no individuo eram decorrentes de hbitos lingusticos individuais. Assim, no se
preocupavam apenas com os documentos escritos, mas tambm com os dialetos falados
na poca.
Embora a gramtica histrico-comparativa ajude a produzir um grande
conhecimento acerca da histria da lngua, ela no chegou a constituir uma teoria que
explicasse o funcionamento estrutural das lnguas naturais. Atravs dos neogramticos
foi possvel compreender a mudana lingustica no mbito individual, mas no como os
contextos de comunicao poderiam interferir no uso individual, limitando-se a
descrever processos de analogia e emprstimo.