Вы находитесь на странице: 1из 400

1

TEATRO DE ARTUR AZEVEDO


VOLUME 1

Texto-base digitalizado por:


Sérgio Luiz Simonato – Campinas/SP
e-mail de contato: tiosergio@uol.com.br

Fonte: Clássicos do Teatro Brasileiro - Volume 7 - Teatro de Artur Azevedo - Tomo I, editado pelo
Instituto Nacional de Artes Cênicas

TEATRO DE ARTUR AZEVEDO


VOLUME 1

INSTITUTO NACIONAL DE ARTES CÊNICAS

APRESENTAÇÃO
Quando eu morrer, não deixarei o meu pobre nome ligado a nenhum livro, ninguém citará um
verso, nem uma frase que me saísse do cérebro; mas com certeza hão de dizer: "Ele amava o teatro", e
este epitáfio moral é bastante, creiam, para a minha bem-aventurança eterna.
(Artur de Azevedo, com suas iniciais A.A., no folhetim semanal intitulado "O Theatro" em "A Notícia",
vespertino do Rio de Janeiro, de 22 de setembro de 1898)

Num bilhete conservado no arquivo da Academia Brasileira de Letras, dirigido a Machado de


Assis, entre outras coisas, escreveu meu pai: ...estive enfermo, sem ânimo para pegar na pena senão
para escrever (com que esforço!) essas frioleiras que me ajudam a viver.
Tendo sempre presente este ensinamento de humildade, que também é síntese de autocrítica,
leio e conservo o que escreveram a respeito do meu pai, como documentos humanos, grato aos que
julgaram com simpatia e indulgência, indiferente aos que lhe foram adversos, em razão do absoluto
desconhecimento do meio teatral de sua época, do avanço cultural do país, e, por conseqüência, da
mentalidade das platéias de seu tempo, o que tudo redunda em incompreensões e injustiças de
julgamento sobre o escritor. Julgamentos que revelam tais falhas nesses respeitáveis julgadores que me
deixam absolutamente alheio ao que disseram, porque, para mim, mais do que sua obra, que
representa parte do pão dos que dele dependeram, vale o admirável exemplar humano que ele foi.
Aluísio Azevedo
(Apresentação da obra escrita pelo filho de Artur Azevedo, que tem o mesmo nome do tio.)

2
TEATRO DE ARTUR AZEVEDO
VOLUME 1

PEÇAS DO VOLUME I

AMOR POR ANEXINS


UMA VÉSPERA DE REIS
A PELE DO LOBO
A FILHA DE MARIA ANGU
A CASADINHA DE FRESCO
ABEL, HELENA
O RIO DE JANEIRO EM 1877
NOVA VIAGEM À LUA
A JÓIA
OS NOIVOS
O CALIFA DA RUA DO SABÃO
A PRINCESA DOS CAJUEIROS
O LIBERATO
À PORTA DA BOTICA

3
AMOR POR ANEXINS

Entreato cômico
Esta farsa, entreato, ou que melhor nome tenha em juízo, o meu primeiro trabalho teatral, foi
escrito há mais de sete anos. no Maranhão, para as meninas Riosa, que a representaram em quase todo
o Brasil e até em Portugal. Pô-la em música e em boa música, Leocádio Raiol; mas ultimamente
representaram-na sem ela Helena Cavalier e Silva Pereira: desencaminhara-se a partitura. Tem agora
nova música, e não inferior, de Carlos Cavalier.
Artur Azevedo

PERSONAGENS

Isaías
Inês
Um Carteiro

A cena passa-se no Rio de Janeiro.


Época, atualidade.

Sala simples, janela à esquerda, portas ao fundo e à direita. Mesa à esquerda com preparos de
costura. Num dos cantos da sala uma talha d'água. Cadeiras.

Cena I
Inês

INÊS - (Cose sentada à mesa, e olha para a rua, pela janela.) - Lá está parado à esquina o homem dos
anexins! Não há meio de ver-me livre de semelhante cáustico. Ora eu, uma viúva, e, de mais a mais
com promessa de casamento, havia de aceitar para marido aquele velho! Não vê! E ninguém o tira dali!
Isto até dá que falar à vizinhança... (Desce à boca de cena.)

Copla
Eu, que gosto, perdido
Tenho casamentos mil,
Com mais de um belo marido,
Garboso, rico e gentil,
De um velho agora a proposta,
Meu Deus! Devia aceitar?
Demais um velho que gosta
De assim tão jarreta andar!
Nada! Nada!

4
Não me agrada!
Quero um marido melhor!
É bem mau não ser casada,
Mas mal casada é pior.

Ainda hoje escreveu-me uma cartinha, a terceira em que me fala de amor, e a segunda em que
me pede em casamento. (Tira uma carta da algibeira.) Ela aqui está. (Lê.) "Minha bela senhora. Estimo
que estas duas regras vão encontrá-la no gozo da mais perfeita saúde. Eu vou indo como Deus é
servido. Antes assim que amortalhado. Venho pedi-la em casamento pela segunda vez. Ruim é quem
em ruim conta se tem, e eu que não me tenho nessa conta. Jamais senti por outra o que sinto pela
senhora; mas uma vez é a primeira."(Declamando.) Que enfiada de anexins! Pois é o mesmo homem a
falar! (Continua a ler.) "Tenho uns cobres a render; são poucos, é verdade, mas de hora em hora Deus
melhora, e mais tem Deus para dar do que o diabo para levar. Não devo nada a ninguém, e quem não
deve não teme. Tenho boa casa e boa mesa, e onde come um comem dois. Irei saber da resposta hoje
mesmo. Todo seu, Isaías."(Guardando a carta. ) Está bem aviado, Senhor Isaías! Vou às compras; é um
excelente meio de me ver livre de vossemecê e de seus anexins. Vou preparar-me. (Sai pela porta da
direita. Pausa.)

Cena II
Isaías

ISAÍAS (Deita com precaução a cabeça pela porta do fundo.) - Porta aberta, o justo peca. (Avançando
na ponta dos pés.) A ocasião faz o ladrão. Preciso estudar o gênio desta mulher: antes que cases, olha o
que fazes. Dois gênios iguais não fazem liga; se a pequena não me sai ao pintar, para cá vem de
carrinho. É preciso olhar para o futuro: quem para adiante não olha atrás fica; quem cospe para o ar
cai-lhe na cara, e quem boa cama faz nela se deita. Resolvi casar-me, mas bem sei que casar não é
casaca. Alguém dirá que resolvi um pouco tarde, porém, mais vale tarde que nunca. Deus ajuda a quem
madruga, é verdade; mas nem por muito madrugar se amanhece mais cedo. Procurei uma mulher como
quem procura ouro. Infeliz até ali! Vi-as a dar com um pau: bonitas, que era um louvar a Deus de
gatinhas; mas... nem tudo o que luz é ouro; feias também que era um Deus nos acuda; mas muitas
vezes donde não se espera daí é que vem. Quem porfia mata caça dizia com meus botões, e não foi
nada, que enquanto o diabo esfrega um olho, cá a dona encheu-me... o olho. Pois olhem que não me
passou camarão pela malha... Esta é viúva e costureira... Estou pelo beicinho, e creio que estou servido.
Quem já deu não tem para dar, é certo; mas, ora adeus! Quem muito quer muito perde. Já tomei
informações a seu respeito: foram as melhores possíveis; ma como o saber não ocupa lugar, e mais vale
um tolo no seu que um avisado no alheio, observei-a . Eu sou como São Tomé: ver para crer. Vi-a andar
sempre sozinha... e nada de pândegas! Dize-me com quem andas, dir-te-ei as manhas que tens.
(Examinando a casa.) Boa dona-de-casa parece ser! Asseio e simplicidade. Pelo dedo se conhece o
gigante. Há de ser o que Deus quiser: o casamento e a mortalha no céu se talham. (Reparando.) Ai, que
ela aí vem! (Perfilando-se.) Coragem, Isaías! Lembra-te de que um homem... (Atrapalhando-se.) é um
gato e um bicho é um homem! Disse asneira...

Cena III
Isaías e Inês

INÊS (Vem pronta para sair, ao ver Isaías assusta-se e quer fugir.) - Ai!
ISAÍAS (Embargando-lhe a passagem.) - Ninguém deve correr sem ver de quê.
INÊS - Que quer o senhor aqui?
ISAÍAS - Vim em pessoa saber da resposta de minha carta: quem quer vai e quem não quer manda;
quem nunca arriscou nunca perdeu nem ganhou; cautela e caldo de galinha...
INÊS (Interrompendo-o .) - Não tenho resposta alguma que dar! Saia, senhor!

5
ISAÍAS - Não há carta sem resposta...
INÊS (Correndo à talha e trazendo um púcaro cheio d'água) - Saia, quando não...
ISAÍAS (Impassível.) - Se me molhar, mais tempo passarei a seu lado; não hei de sair molhado à rua.
Eh! Eh! Foi buscar lã e saiu tosquiada...
INÊS - Eu grito!
ISAÍAS - Não faça tal! Não seja tola, que quem o é para sim pede a Deus que o mate e ao diabo que o
carregue! Não exponha a sua boa reputação! Veja que sou um rapaz; a um rapaz nada fica mal...
INÊS - O senhor, um rapaz?! O senhor é um velho muito idiota e muito impertinente!
ISAÍAS - O diabo não é tão feio como se pinta...
INÊS - É feio, é!...
ISAÍAS - Quem o feio ama bonito lhe parece.
INÊS - Amá-lo eu?! Nunca...
ISAÍAS - Ninguém diga: desta água não beberei...
INÊS - É abominável! Irra!
ISAÍAS - Água mole em pedra dura, tanto dá...
INÊS - Repugnante!
ISAÍAS - Quem espera sempre alcança.
INÊS - Desengane-se!
ISAÍAS - O futuro a Deus pertence!
INÊS - Há alguém que me estima deveras...
ISAÍAS - Esse alguém (Naturalmente.) sou eu.
INÊS - Isso era o que faltava! (Suspirando.) Esse alguém...
ISAÍAS - Quem conta um conto, acrescenta um ponto...
INÊS - Esse alguém é um moço tão bonito... de tão boas qualidades...
ISAÍAS - Quem elogia a noiva...
INÊS - O senhor forma com ele um verdadeiro contraste.
ISAÍAS - Quem desdenha quer comprar...
INÊS - Comprar! Um homem tão feio!...
ISAÍAS - Feio no corpo, bonito na alma.
INÊS (Sentando-se.) - Deus me livre de semelhante marido!
ISAÍAS - Presunção e água benta cada qual toma a que quer... (Senta-se também.)
INÊS (Erguendo-se.) - Ah, o senhor senta-se? Dispõe-se a ficar! Meu Deus, isto foi um mal que me
entrou pela porta!
ISAÍAS (Sempre impassível.) - Há males que vêm para bem.
INÊS - Temo-la travada.
ISAÍAS - Venha sentar-se a meu lado. (Vendo que Inês senta-se longe dele.) Se não quiser, vou eu...
(Dispõe-se a aproximar a cadeira.)
INÊS - Pois sim! Não se incomode! (Faz-lhe a vontade.) Não há remédio!
ISAÍAS (Chegando mais a cadeira.) - O que não tem remédio remediado está.
INÊS (Afastando a sua. ) - O que mais deseja?
ISAÍAS - Diga-me cá: o seu noivo? ... (Faz-lhe uma cara.)
INÊS - Não entendo.
ISAÍAS - Para bom entendedor meia palavra basta...
INÊS - Mas o senhor nem meia palavra disse!
ISAÍAS - Pergunto se... fala francês...
INÊS - Como?
ISAÍAS - Ora bolas! Quem é surdo não conversa!
INÊS - Mas a que vem essa pergunta?
ISAÍAS (Naturalmente.) - Quem pergunta quer saber.
INÊS - Ora!
ISAÍAS (Sentencioso.) - Dois sacos vazios não se podem ter de pé.
INÊS - Essa teoria parece-se muito com o senhor.
ISAÍAS - Por quê?

6
INÊS - Porque já caducou também.
ISAÍAS (Formalizado.) - Então eu já caduquei, menina? Isso é mentira.
INÊS - É verdade.
ISAÍAS - Não é.
INÊS - É.
ISAÍAS - Pois se é, nem todas as verdades se dizem. (Ergue-se e passeia.)
INÊS - Ah! O senhor zanga-se? É porque quer; não me viesse dizer tolices! (Ergue-se.)
ISAÍAS (Interrompendo o seu passeio, solenemente. ) - Na casa em que não há pão, todos ralham,
ninguém tem razão.
INÊS - Ora! Somos ainda muito moços!
ISAÍAS - Quem? Nós?
INÊS (De mau humor.) - Não falo do senhor: falo dele...
ISAÍAS - Ah! Fala dele...
INÊS - Havemos de trabalhar um para o outro...
ISAÍAS - É bom, é: Deus ajuda a quem trabalha.

Canto

INÊS - Sem desgosto viveremos,


Seremos ricos, talvez;
Muitos morgados teremos...
ISAÍAS - Mas um só de cada vez...
(Zangado.) A faceira
Talvez convidar-me queira
Para padrinho de algum!
INÊS - E não suponha que, apesar de pobre, não me faça bonitos presentes o meu noivo.
ISAÍAS - É! Quem cabras não tem e cabritos...
INÊS - Insulta-o?
ISAÍAS - Cão danado, todos a ele! Pois eu havia de insultá-lo, senhora?
INÊS - Se estivesse calado...
ISAÍAS - Sim, senhora: em boca fechada não entram mosquitos... mas é que o seu futurozinho me
interessa...
INÊS - Muito obrigada. (Senta-se.)
ISAÍAS - Não há de quê. Se bem que eu não seja nenhum Matusalém, estou no caso de lhe dar
conselhos. Ouça-me; quem me avisa meu amigo é; quem à boa árvore se chega, boa sombra o cobre.
INÊS - Mesmo por já estar no caso de me dar conselhos, é que o não quero para marido.
ISAÍAS - Se eu fosse jovem, não me havia de aceitar, por estar no caso de os receber. Preso Por ter cão
e preso por não ter!...
INÊS - Não desejo enviuvar de novo...
ISAÍAS - Vaso ruim não quebra...
INÊS - Desengana-se, senhor: não são os seus ditados que me hão de fazer mudar de resolução!
(Passeia.) Oh!
ISAÍAS (Acompanhando-a .) - Talvez façam, talvez!... Devagar se vai ao longe... muito tolo é quem se
cansa... (Inês volta-se param defronte um do outro.) Menina, antes só do que mal acompanhado... Olhe
que o pior cego é aquele que não quer ver...
INÊS (À parte.) - Vou pregar-lhe uma peta. (Alto.) Mas se me faltasse esse noivo, outros rapazes há
que me têm feito pé-de-alferes.
ISAÍAS - Águas passadas não movem moinhos!
INÊS - E entre eles...
ISAÍAS -O passado, passado!
INÊS - Não me interrompa!.. E entre eles há um ricaço que em outro tempo...
ISAÍAS - O tempo que vai não volta!

7
INÊS - Não me interrompa, já disse! E entre eles há um ricaço que noutro tempo se esqueceu da
promessa...
ISAÍAS - O prometido é devido!
INÊS - Ai, mau!... se esqueceu da promessa que me havia feito; mas que está outra vez pelo
beicinho...
ISAÍAS - Cesteiro que faz um cesto faz um cento... (Movimento de Inês. Com força.) Se tiver Verga e
tempo! E quem é esse... ricaço?
INÊS - É segredo.
ISAÍAS - Segredo em boca de mulher é manteiga em nariz... (A um gesto de Inês.) de homem! Mas
faz bem, faz bem: o segredo é a alma do negócio...
INÊS - O senhor tem na cabeça um moinho de adágios! Passa!...
ISAÍAS - O que abunda não prejudica.
INÊS - Bem! Para maçadas basta. Mude-se!
ISAÍAS - Os incomodados é que se mudam.
INÊS - Mas eu estou em minha casa, senhor!
ISAÍAS - Descobriu mel de pau!
INÊS - Irra! Que homem sem-vergonha!
ISAÍAS (Examinando cinicamente a costura.) - Quem não tem vergonha todo o mundo é seu.
INÊS - Se o meu noivo o visse aqui! Ele, que jurou dar cabo do primeiro rival que...
ISAÍAS - Cão que ladra não morde.. E eu sou homem!... tenho força... E contra a força não há
resistência!...
INÊS (Irônica.) - Ora, por quem é, não faça mal ao pobre moço, sim?
ISAÍAS - Faço!... Quem o seu inimigo poupa às mãos lhe morre. Julga que não estou falando sério? Uma
coisa é ver a outra...
INÊS (No mesmo.) - Ora não faça tal.
ISAÍAS - Faço! Isto tão certo como dois e três serem cinco. São favas contadas. Quem não quiser ser
lobo não lhe vista a pele!
INÊS - Mas sabe que ele é valente?
ISAÍAS - Também eu sou! Cá e lá más fadas há! Duro com duro não faz bom muro, e dois
bicudos não se beijam!
Inês - Ponha-se ao fresco, preciso sair; tenho que fazer lá fora.
Isaías - E eu tenho que fazer cá dentro. Um dia bom mete-se em casa. (Pausa.) Olhe, senhora, olhe
bem para mim acha-me feio; não acha?
INÊS - Ai, ai, ai!...
ISAÍAS - Eu também acho, e feliz é o doente que se conhece. Mas muitas vezes as aparências enganam
e o hábito não faz o monge. Experimente e verá. (Suplicante.) Case comigo.
INÊS - Gentes!
ISAÍAS - Ah! Se fôssemos casadinhos, outro galo cantaria! Por exemplo: em vez de sair agora à rua,
com este sol de matar passarinho, mandava-me a mim, ao seu maridinho...
INÊS (Arremedando-o .) - Ao seu maridinho... (À parte.) Oh! Que idéia! Vou me ver livre dele. (Alto.)
Então, sem sermos casados, não pode prestar-me um pequeno serviço?
ISAÍAS - Conforme o serviço: ponha os pontos nos ii.
INÊS - Se me fosse comprar três metros de escumilha. Olhe... Aqui tem a amostra... No Armarinho do
Godinho.. Sabe onde é?
ISAÍAS - Sei; mas quando não soubesse? Quem tem boca vai a Roma.
INÊS - Está contrariado?
ISAÍAS - O que vai por gosto regala a vida.
INÊS - Tome o dinheiro.
ISAÍAS - Nada... não é preciso... (Vai saindo e estaca.) Diabo! Não me lembra um ditado a propósito!
(Sai.)

8
Cena IV
(Inês)

INÊS - Está bem aviado... Quando voltares, hás de achar a porta fechada. Safa! Que maçador! Agora,
tratemos de sair: são mais que horas. (Aparece à porta um carteiro.)

Cena V
Inês, o Carteiro

O CARTEIRO - Boa tarde, minha senhora.


INÊS - Boa tarde. O que deseja?
O CARTEIRO - Aqui tem esta carta... é da caixa urbana...
INÊS - Uma carta? (Recebendo a carta, consigo.) De quem será? (Ao carteiro.) Obrigada.
O CARTEIRO - Não há de quê, minha senhora. Passe muito bem!
Inês - Adeus. ( O carteiro sai.)

Cena VI
(Inês)

INÊS - Ah! A letra é de Filipe. Faz bem em escrever-me o ingrato! Há doze dias que nos não vemos...
(Abre a carta e lê. Jogo de fisionomia. ) "Inês. Peço-te perdão por ter dado causa a que perdesses
comigo o teu tempo. Ofereceram-me um casamento vantajoso, e não soube recusar. Ainda uma vez
perdão! Falta-me o ânimo para dizer-te mais alguma coisa. Dentro em uma semana estarei casado.
Esquece-te de mim - Filipe." (Declamando.) Será possível! Oh! Meu Deus! (Relendo.) Sim... cá está... é
a sua letra... (Depois de ter ficado pensativa um momento.) Ora, adeus. Eu também não gostava dele lá
essas coisas... Digo mais, antes o Isaías; é mais velho, mais sensato, tem dinheiro a render, e Filipe
acaba de me provar que o dinheiro é tudo nestes tempos. Espero aqui o Isaías com o meu "sim"
perfeitamente engatilhado! Oh! O dinheiro...

Recitativo
Louro dinheiro, soberano esplêndido,
Força, Direito, Rei dos reis, Razão.
Que ao trono teu auriluzente e fúlgido
Meus pobres hinos proclamar-te vão.

Do teu poder universal, enérgico,


Ninguém se atreve a duvidar! Ninguém!
Rígida mola desta imensa máquina,
Fácil conduto para o eterno bem!

Aos teus acenos, Deus antigo e déspota,


Aos teus acenos, Deus modernos e bom,
Caem virtudes e se exaltam vícios!
Todos te almejam precioso Dom!

Inda hás de ser o derradeiro ídolo,


Inda hás de ser a só religião,
Louro dinheiro, soberano esplêndido,
Força, Dinheiro, Rei dos reis, Razão!...

9
Cena VII
Inês, Isaías

ISAÍAS (Entrando.) - Quem canta seus males espanta.


INÊS - Já de volta! O senhor foi a correr!
ISAÍAS - Nada! Quem corre cansa. Encontrei outro armarinho mais perto...
INÊS (Tomando a fazenda.) - Muito obrigada. Quanto custou?
ISAÍAS - Um pau por um olho. Mil e duzentos o metro...
INÊS - Pois olhe: o outro vende mais barato.
ISAÍAS - O barato sai caro, e mais vale um gosto do que quatro vinténs.
INÊS - Regateou?
ISAÍAS - Regatear! Para quê? Mais tem Deus para dar do que o diabo para tomar.
INÊS - Já vejo que é tão pródigo de dinheiro como de anexins!
ISAÍAS - Da pataca do sovina o diabo tem três tostões e dez réis. Poupado sim, sovina não. Eu cá sou
assim! Nem tanto ao mar nem tanto à terra. Tenho um só defeito: quero casar-me. Cada louco com sua
mania.

Canto

Há sido um gato sapato;


Preciso do casamento!
O maldito celibato
Não é viver, é tormento.

Quero honesta rapariga


Entre as belas procurar,
Muito embora o mundo diga:
Quem já andou não tem pra andar...

A existência de casado
Talvez venturas me traga,
Se diz verdade o ditado:
Amor com amor se paga.

Se eu for constante e fervente,


Ela tudo isso será;
Se eu amá-la eternamente,
Ela também me amará!

Eu escravo e a esposa escrava,


Viveremos sem desgosto;
Uma mão a outra lava
E ambas lavam o rosto!...

Faço-lhe pela milésima vez o meu pedido. Nem todos os dias há carne gorda. A senhora falou-me
em um apaixonado. Por onde andará ele? Eu estou aqui, e mais vale um pássaro na mão do que dois a
voar.
INÊS (À parte.) - Levemos a coisa com jeito. (Alto.) O senhor... (Com uma idéia.) Ah!
ISAÍAS - Oh!
INÊS - Já viu representar As pragas do Capitão?
ISAÍAS - Não, senhora. De pragas ando eu farto.
INÊS - Era um militar que praguejava muito. A senhora que ele amava deu-lhe a mão de esposa, mas
depois de estabelecer-lhe a condição de não praguejar durante meia hora.

10
ISAÍAS - Falo em alhos, a senhora responde com bugalhos!
INÊS - Já lá vamos aos alhos aceito a sua proposta.
ISAÍAS ( Impetuosamente.) - Aceita?
INÊS - Sim, senhor.
ISAÍAS (Incrédulo.) - Qual! Quando a esmola é muita, o pobre desconfia...
INÊS - Mas imponho também a minha condição...
ISAÍAS - Imponha: manda quem pode.
INÊS - Se conseguir levar meia hora sem...
ISAÍAS - Sem praguejar?...
INÊS - Não! Sem dizer um anexim! Se conseguir, é sua a minha mão.
ISAÍAS - Deveras?
INÊS (Sentando-se.) - Deveras.
ISAÍAS - Mas eu posso estar calado?
INÊS - Como assim?! Era o que faltava! Há de falar pelos cotovelos!
ISAÍAS - Isso é um pouco difícil: o costume faz lei...
INÊS - Ai, que escapou-lhe um!
ISAÍAS - Pois o que quer? A continuação do cachimbo...
INÊS - Faz a boca torta, já duas vezes.
ISAÍAS - Nas três o diabo as fez.
INÊS - Ai, ai, ai! Vamos muito mal!
ISAÍAS - Ma não tínhamos ainda entrado em campo... Aqueles foram ditos de propósito. Agora sim!
Agora é que são elas!
INÊS - Outro!
ISAÍAS - Protesto! "Agora é que são elas" nunca foi anexim. A César o que é de César!
INÊS - O senhor vai perder... Olhe: são duas horas. (Aponta para um relógio que deve estar sobre a
mesa.) Aceita o desafio? (Pausa.) Bem. Quem cala consente...
ISAÍAS - Ah! Agora é a senhora quem os diz! Virou-se o feitiço contra o feiticeiro...
INÊS - Ai, ai!
ISAÍAS - Foi engano.
INÊS - Dos enganos comem os escrivães. (Pausa.) Então? Diga alguma coisa...
ISAÍAS - O que hei de dizer.. senão.... que gosto muito da senhora... e...
INÊS - Pois diga: vai tantas vezes o cântaro à fonte, que lá fica.
ISAÍAS - Não me provoque, senhora, não me provoque!
INÊS - Cada qual puxa a brasa para sua sardinha...
ISAÍAS (Agitado.) - Brasa! Sardinha! Oh! Que suplício!
INÊS - O que tem o senhor?
ISAÍAS - Nada... não tenho nada... é que esta proibição me incomoda... Este maldito costume... parece
que não estou em mim...
INÊS - Sabe o que mais?
ISAÍAS - Vou saber.
INÊS - Diga o que quiser! Abra a torneira dos anexins, ditados, rifões, sentenças, adágios e
provérbios... Fale, fale para aí?
ISAÍAS - E a condição?
INÊS - Caducou. (Dando-lhe a mão.) Aqui tem: sou sua.
ISAÍAS (Contente.) - Minha! (Em outro tom.) E os outros?
INÊS - Não existem, nunca existiram!
ISAÍAS - Pois estou acordado? Se estiver dormindo, deixa-me estar: não me acordes.
INÊS - Está bem acordado.
ISAÍAS - Estou?! (Pulando de contente.) Então viva Deus! Viva o prazer! ... Trá lá lá rá lá! (Quer
abraçá-la.)
INÊS (Gritando.) - Alto lá! Mais amor e menor confiança!
ISAÍAS - E que o rato nunca comeu mel, quando come.. (Outro tom.) Pode-se dizer este ditadozinho?...
INÊS - Quantos quiser!

11
ISAÍAS (Concluindo.) - ... se lambuza! (Tomando-lhe as mãos.) E tu? Amas-me, meu bem?
INÊS - Sossegue: o amor virá depois. Seja bom marido e deixe o barco andar!
ISAÍAS - Apoiado. Roma não se fez num dia!
INÊS - E tenha sempre muita fé nos seus anexins.
ISAÍAS - É verdade: O que tem de ser tem muita força. O homem põe... e a mulher dispõe!...
INÊS - Basta! Despeça-se destes senhores, e vá tratar dos papéis...
ISAÍAS - Quem tem boca não manda... cantar. Mas, enfim... (Ao público.)

Copla final

Antes que daqui nos vamos,


Inês vos dirá quais são
Os votos que alimentamos
No fundo do coração.

INÊS - Os votos que neste instante


Fazemos nestes confins
(Deita a mão sobre o coração.)
É que nos ameis bastante
Embora por anexins.

AMBOS- Muitas palmas esperamos


De vós:
Metade para o autor, metade para nós.

(Cai o pano.)

12
UMA VÉSPERA DE REIS

COMÉDIA EM UM ATO

Música de Francisco Libânio Colás

Representada pela primeira vez no Teatro de São João


da Bahia, em 15 de julho de 1875

Personagens
REIS, pai de família
BERMUDES, fazendeiro de Camamu
ALBERTO, estudante de medicina
JOSÉ, moleque
FRANCISCA, mulher de Reis
EMÍLIA, sua filha
UMA VIZINHA

Dois pretos minas, rancho dos Reis, povo, etc

A cena passa-se na capital da Bahia, em uma casa do Largo da Lapinha. Atualidade


ATO ÚNICO

Em casa de Reis. Sala de visitas. Mobília velha: mesa, cadeiras, piano de mesa. Castiçais com
grandes mangas de vidro. Registros do Senhor do Bonfim. Palha benta em um dos cantos da sala. Ao
fundo, porta que deita para o corredor; à direita, duas janelas; à esquerda porta comunicando com o
interior da habitação. É dia.

CENA I

JOSÉ E ALBERTO

(José está à janela, conversando com Alberto, que se acha da parte de fora.)
JOSÉ - Então, Vossa Senhoria me acha um cara de pau-de-cabeleira; não é assim, seu Doutor?
ALBERTO - Fecho-te já a boca...(Dando-lhe dinheiro.) Toma lá dois mil réis.
JOSÉ (Examinando.) - Aqui só estão dez tostões... (Guarda o dinheiro.)
ALBERTO - Logo dar-te-ei os outros dez. Anda! vê um momento em que ela esteja sozinha.
JOSÉ - Não se incomode! Venha de lá um charutinho para o moleque...
ALBERTO - Eu fico à espera do assobio ali, (Aponta.) encostado ao chafariz...
JOSÉ - Faça favor de seu fogo. (Acende seu charuto no de Alberto.) Pode ir descansado que a cabra é
onça.
ALBERTO - Vê lá o que fazes, hein? Até logo... (Desaparece.)

CENA II

JOSÉ

JOSÉ (Desce à cena e canta, findando o trêmulo que a orquestra tem conservado desde a introdução.)

13
Coplas

I
Sou vivo como um azougue,
para dinheiro arranjar;
hoje não pude, no açougue,
o carniceiro enganar.
Apesar de ser moleque,
sou vivo como um senhor
doutor;
pra num bolso dar um cheque.
Como eu ninguém há
por cá.
Olá!
Como eu ninguém há!
Olé!
Como eu ninguém é!
Oli!
Como eu ninguém vi!
Olô!
Ninguém como eu sou!
Olu!
Ninguém é como tu!

II
Que me importa que se diga
qu'estes meus medos são maus;
que sou doido de uma figa
e ando feito um dois-de-paus?
Se me vêm nas algibeiras
moedas a tinir,
cair!
Dou-me bem co'estas maneiras,
pois é isso que dá (Esfrega os dedos.)
pra cá! (Aponta para as algibeiras.)
Olá! etc.

CENA III

JOSÉ E EMÍLIA

EMÍLIA (Vendo José a fumar.) - Muito bonito! Parece um dono de casa!


JOSÉ (Apaga o charuto com saliva e guarda-o atrás da orelha.) - A benção, iaiazinha?
EMÍLIA - Adeus. (Senta-se.) Já viste passar o Alberto, José?
JOSÉ - Já sim, iaiazinha.
EMÍLIA - Ora! Por que não me chamaste?
JOSÉ - Coisa melhor, iaiazinha! Não se amofine! (Mostra-lhe a carta e cantarola.) Trá lá rá lá lá...
EMÍLIA (Ergue-se vivamente.)- Deixa ver! deixa ver!
JOSÉ (Arremeda-a.) - Deixa ver! deixa ver! (Esquiva-se ao alcance das mãos da moça, negando-lhe a
carta; afinal trepa sobre uma cadeira e entrega a carta, depois de levá-la à maior altura em que possam
tocá-la as mãos de Emília.)
EMÍLIA - Deixa-te de confianças, moleque! (Toma a carta.)

14
JOSÉ - Eu é que devo levar a resposta, iaiazinha!
EMÍLIA (Abre e lê a carta.)- "Milu. Peço-te que me deixes entrar hoje para a sala. O José ficará à porta e
nos avisará quando avistar teu pai. À janela sempre podemos dar que falar a vizinhança. Teu - Alberto".
(Guarda a carta.) Ora! seu Alberto não se enxerga!
JOSÉ - O que diz, iaiazinha?
EMÍLIA - Digo o que deve dizer uma menina de juízo: não consinto que ele transponha aquela porta sem
o consentimento de papai e mamãe. Quando for meu noivo, sim...
JOSÉ - Se a iaiazinha soubesse o empenho que seu doutor mostra! Olhe, não diga nada a ele... mas...
ele pediu-me que dissesse a iaiazinha que me entregou a carta com lágrimas nos olhos...(Pausa.) Mas
uma vez que a iaiazinha não quer...(Vai a sair pelo fundo.)
EMÍLIA - José?
JOSÉ (Voltando ligeiro.) - Mando entrar o moço?
EMÍLIA (Depois de hesitar.) - Está bom, manda. (José vai a sair.) Mas espera: é preciso que lhe afirmes
que só consenti depois de muitas instâncias tua. Será bom que não me julgue fácil. Manda-o entrar.
Onde está ele?
JOSÉ - Olhe. (Aponta para a rua, pela janela.) Não vê aquele tipo encostado ao chafariz? Fumando?
EMÍLIA - Sim. Isso há de ser já, enquanto papai não volta e mamãe está ocupada com o doce de
aracá...(Vai saindo.)
JOSÉ - Então iaiazinha não fica para recebe-lo?
EMÍLIA - Eu devo vir lá de dentro como quem não sabe da coisa. Já te disse: quero que ele se persuada
que eu não aprovo...
JOSÉ - Se sinhô velho descobre...
EMÍLIA - Anda! Não estejas aí a papaguear! Avia-te! (Sai.)

CENA IV

JOSÉ, depois ALBERTO

JOSÉ - O que eu quero é não ficar mal no negócio. Tenho medo destas coisas que me pélo. (Vai a janela
e assobia: reponde-lhe da rua um outro assobio.) Moleque está fino no namoro!

Duetino

JOSÉ (À janela.) Entre depressa, meu ioiozinho!


(Correndo ao corredor.) Não fala bulha! Devagarinho!
(Alberto entra.) Faça de conta que a casa é sua,
pois sinhô velho está na rua.

ALBERTO - E sinhá velha?


JOSÉ - Lá na cozinha
Fazendo doce com iaiazinha.
ALBERTO(À boca da cena.) - Eu sou Alberto Ribeiro
estudante mais pimpão!
JOSÉ - Na bolsa pouco dinheiro
muito amor no coração.

Juntos - { me lembro}
Quando { } que a namorada
{se lembra}
nesta casinha vive isolada

15
deixo }
} pro lado a Anatomia
deixa }
e sem saudades da Cirurgia
deito}
} a correr pro seu lado!
deita}

Sou }
} ligeiro namorado!
É }
Olaré! Olaré!
Vida boa isto é que é!

JOSÉ - Não se demore muito, é que é; hoje, véspera de Reis, sinhô velho deve entrar cedo...
ALBERTO - E Milu? Onde está ela?...
JOSÉ - Iaiazinha não tarda. está contente como quê! Mas não diga nada a ela, porque ela me disse que
lhe dissesse que ela não aprova a entrada de Vossa Senhoria aqui e que só a muitas instâncias minhas...
ALBERTO - Bem. Toma lá dois mil réis... (Dá-lhe dinheiro.)
JOSÉ - Aqui só estão dez tostões...
ALBERTO - Anda... Mexe-te... Logo terá os outros dez.
JOSÉ - Olhe; aí vem iaiazinha. (Sai pelo fundo.)

CENA V

ALBERTO E EMÍLIA

EMÍLIA (Fingindo surpresa.) - Ui!


ALBERTO - Não se assuste... não se assuste... Sou eu...
EMÍLIA - Quem foi que o autorizou...?
ALBERTO (Interrompendo-a.) - Quando se ama, meu bem, não se quer saber de autorizações; o coração
tudo autoriza e às leis que ele dita, não há desobediência possível.
EMÍLIA - Você tem lábias, tem...
ALBERTO - E lábios... para dizer que te amo, que te adoro, que és o sol de minha vida, a estrela da
minha existência! (Ajoelha-se.)
EMÍLIA - Ó gentes! Eu não sou santa, seu Alberto. Se alevante. (Alberto ergue-se.) Mas estes
estudantes são mesmo muito atrevidos. Ora se papai...
ALBERTO - Descansa; o José está à porta da rua para prevenir-nos...
EMÍLIA - Hei de contar a mamãe o desaforo de José. Você acha muito bonito andar de comunicações
com o moleque, não?
ALBERTO - O que eu acho é que foi com o teu consentimento que..
EMÍLIA (Depois de fechar a porta da esquerda.) - Vamos ao que importa: o que me quer?
ALBERTO - O que te quero? Quero ver-te; falar-te; pintar-te ao vivo este amor; ouvir de ti mais uma
vez que me amas.
EMÍLIA - Mesmo por você que o amo; mesmo por esperá-lo à janela para vê-lo passar e apertar-lhe a
mão ou oferecer-lhe uma flor, é que você abusa! Ingrato! Fazer consentir em que tenha entrada aqui,
sem papai e mamãe saberem!
ALBERTO - És injusta, Milu, és muito injusta. (Emília faz-lhe má cara.) Está bem! Já não digo nada!
Adeus! não quero comprometê-la...(Dirige-se para a porta do fundo.) Não quero abusar...
EMÍLIA - Alberto?
ALBERTO (Quase a sair.) - Adeus.
EMÍLIA (Bate o pé.) - Alberto!
ALBERTO (Volta à cena.) - Milu?

16
EMÍLIA (Toma-lhe as mãos.) - Você não é homem; você é o diabo!
ALBERTO - Queres dizer que sou mulher?
EMÍLIA - Por que não me pede a papai?
ALBERTO - Já te disse que isso tem seus quês: teu pai, disseste-me, quer casar-te com o filho de um
seu compadre...
EMÍLIA - Meu pai não é homem que obrigue a filha a casar-se à força!
ALBERTO - Ainda há outra coisa: eu tenho um tio...
EMÍLIA - Ah! você tem um tio? Ainda não me havia dito...
ALBERTO - Pois de onde me vem a mesada? De meu tio... É preciso que me entenda com ele... Se faz-
me as vezes de pai, não é muito natural que eu, que faço as vezes de filho, case-me sem ao menos
dizer: Água vai.
EMÍLIA - E se ele puser alguma objeção?...
ALBERTO - Não põe, não. Meu tio é muito meu amigo. É capaz de trepar ao céu, para ir buscar a lua, se
eu lha pedir. O mais que pode haver é alguma demorazinha... Já estou no quinto ano... Logo que me
formar...
EMÍLIA - Logo que se formar, adeus... Ora, eu bem conheço estes estudantes! Mentem por quantas
juntas têm!
ALBERTO - Então já gostaste de algum, antes de mim?
EMÍLIA - Ó gentes! quem foi que disse? ...(À parte.) Só de três... (Alto.) As minhas amigas é que me
contam...
ALBERTO - Histórias! Se elas os merecessem, como me mereces, não havia motivo de queixa... (Toma-
lhe as mãos.) Sossega: prometo que hei de ser teu marido, a menos que te esqueças de mim.
EMÍLIA - E posso contar com a mesma firmeza de sua parte?
ALBERTO - Ainda me perguntas?
EMÍLIA - Jure...
ALBERTO (Estende solenemente a mão.) - Juro... (Outro tom.) pelo que queres que eu jure?
EMÍLIA - Por tudo quanto há de mais sagrado...
ALBERTO (Estende solenemente a mão.) - Por tudo quanto há de mais sagrado... Estás satisfeita?
EMÍLIA - Estou, sim; é impossível que você quebre um juramento tão bonito!
ALBERTO - Se já estivesse formado, jurava-te à fé de meu grau!

CENA VI

EMÍLIA, ALBERTO e JOSÉ

JOSÉ (Entra a correr.) - Iaiazinha! Seu doutor! Fujam! Fujam!... (Toda a cena é rápida e de
movimento.)
ALBERTO E EMÍLIA - O que é? O que é?
JOSÉ - Quando dei por mim, sinhô velho já vinha por trás da igreja!... Fujam! Fujam!...
ALBERTO - Logo que ele entrar para o corredor, eu pulo pela janela. (Coloca-se atrás da janela.)
EMÍLIA (Vai à janela e volta.) - É impossível!
JOSÉ - Depressa!
ALBERTO (A Emília.) - Por que?...
JOSÉ - Depressa!
ALBERTO (A Emília.) - Mas por quê, por quê?
EMÍLIA - Seu Antônio está na porta.
ALBERTO - Quem é seu Antônio nesta vida?
EMÍLIA - É o maroto da venda...
JOSÉ - Chi! Uma língua danada! Quando não tem de quem falar, fala de si... Depressa! Sinhô velho já
deve estar na porta... (Vai à porta e volta aflito com as mãos na cabeça.)
EMÍLIA - Estou perdida!
ALBERTO - Ah! esta mesa...(Esconde-se debaixo da mesa.)
REIS (Fora.) - Vamos entrando...

17
EMÍLIA - E vem acompanhado... Meu deus! O que sairá daqui?...
JOSÉ - Salve-se quem puder! (Vai saindo e Reis, que entra com Bermudes, agarra-o pelo braço.)
REIS (A José, no fundo.) - Ó José, logo que vires o Manuel, aquele negro que foi capitão do canto da
Soledade (Tu o conheces...) com outro, carregando os baús do compadre, levá-os lá para o sótão... O
carreto já está pago... Vai... (José sai; durante a cena que se segue vêm-se passar pelos fundos dois
negros, carregando os baús; depois tornam a passar em sentido contrário, com as mãos vazias; Alberto
de vez em quando espia por baixo do pano que deve cobrir a mesa e mostra que está impaciente e mal
acomodado.)

CENA VII

EMÍLIA, ALBERTO, REIS e BERMUDES

BERMUDES (Sem reparar em Emília, bem como Reis) - Você está num casão, compadre. Quanto paga
por isto?
REIS - Trinta mil réis.
BERMUDES - Tem purrões? (Senta-se junto à mesa.)
REIS - Não, mas aqui a vizinha da esquerda tem, e é quanto basta. (Outro tom.) Compadre, você vai
para o sótão... para o quarto do Antonico, seu afilhado...Aquilo por lá é fresco... há de gostar...
BERMUDES - E onde está ele?
REIS - O sótão? É lá em cima... É só subir...
BERMUDES - Não; o Antonico.
REIS - Pois não lhe mandei dizer que foi para a Corte? Lá está na escola... escola... Ora diabo! esquece-
me sempre o nome da tal escola... (Repara em Emília.) Ó Milu! estavas aí? Antes de me tomares a
benção, dize cá: como é o nome da escola em que está teu irmão, lá no Rio de Janeiro?
EMÍLIA - Politécnica.
REIS - É isso... é isso... Poli...
BERMUDES - ...técnica. O nome é danado.
REIS (Dá a benção a Emília, abraça-a e beija-a na testa.) - Deus te faça santa! (A Bermudes.) Aqui está
minha filha, compadre; você não a conhece; quando veio da última vez à cidade, ela estava na
Providência. Milu, tome a benção ao compadre de papai...
BERMUDES - Qual a benção! Venha de lá um abraço ao velho amigo de papai e mamãe. (Ergue-se.) A
iaiá não faz idéia como éramos camaradas quando papai morava em Camamu. (Abraça-a.) Éramos a
corda e o caldeirão... já lá vão uns bons vinte anos.
EMÍLIA - Papai fala-me muitas vezes em vossemecê.
BERMUDES - Pois não havia de falar? Entendíamo-nos perfeitamente! Camaradas em tudo: chapas
combinadas para as eleições, gostos iguais, etc.; etc.! Que bons tempos! O que diz, compadre?
REIS - Mas ainda você não me disse nada da pequena.
BERMUDES - Pois que lhe hei de dizer? (Graceja.) É muito feia... muito desajeitada...(Abraça-a de
novo.) Eh, eh! Mentira, iaiá! É um anjinho de Nossa Senhora. (A Reis.) Está satisfeito?
EMÍLIA (Enquanto Bermudes a abraça, a Reis.) - Isso é debique de seu compadre, não é, papai?
REIS - O que eu sei é que és uma rapariga de muito juízo...
EMÍLIA (Á parte, olhando com intenção, para o esconderijo de Alberto.) - Se ele soubesse...
BERMUDES - Mas onde está encantada esta comadre?...
REIS - Vais chamar mamãe, Milu, dize-lhe quem está cá...
EMÍLIA - É já, papai. ( Vai saindo.)
REIS - Olha: leva isto lá fora. (Entrega-lhe chapéus e guarda sóis seus e de Bermudes; Emília sai,
olhando para o esconderijo de Alberto.)
BERMUDES (Vendo-a sair.)- Ora quem havia de dizer? Está uma moça, hein? Isto é que me faz velho...
(Senta-se.)

18
CENA VIII

REIS e BERMUDES

BERMUDES - Está mesmo que parece talhadinha para o rapaz! Que bonito casal! Estou certo que, em se
vendo, ambos os dois hão de ficar de beiço caído...
REIS (Senta-se ao lado de Bermudes.) - Eu também estou certo disso. (Um pouco embaraçado.) Mas
olhe, compadre, eu toquei nisso à pequena...
BERMUDES - Ah! Tocou?

REIS - Toquei, sim, compadre, toquei...


BERMUDES - Então, toque...(Apresenta a mão a Reis que a aperta.) A pequena (já se sabe!) pulou de
contente; não pulou, não?
REIS - Pelo contrário, compadre; torceu o focinho...
BERMUDES - Torceu?
REIS - Torceu, compadre, torceu...
BERMUDES - Aqui é que a porca torce o rabo... Mas ora adeus! Eu não quero que os pequenos casem
sem se conhecerem. Eles que namorem primeiro um ano, dois... e depois amarrem-se! Falem-se,
estudem-se! Se gostar um do outro, muito que bem; se não, já cá não está quem falou. Isso não vai a
matar, nem vale a pena contrariá-los!
REIS - É que Milu... se não me engano...
BERMUDES - Se não se engana...
REIS (Com mistério.) - Tem aí o seu namorico...
BERMUDES - Então está tudo acabado! (Erguem-se.) Dê-se o dito por não dito e deixe-se correr o
barco! O que você não deve, compadre, é constrangê-la: olha que desces constrangimentos nasce muita
coisa feia...
REIS - Aí vem sua comadre.

CENA IX

ALBERTO, REIS, BERMUDES, FRANCISCA e JOSÉ

(Francisca entra da esquerda com as mãos lambuzadas de doce e as mangas arregaçadas e José,
do fundo.)

FRANCISCA (Expansiva) - Ora viva o seu compadre!


BERMUDES - Ora viva a sinhá comadre! (Quer apertar-lhe a mão.)
FRANCISCA (Foge com as mãos.) - Estou com as mãos sujas! Estava dando ponto a um doce de araça,
de que o compadre há de gostar e lamber os beiços. Mas venha de lá esse abraço!... Cuidado! não se
suje...
BERMUDES (Antes de abraçar Francisca, a Reis.) - Com sua licença, compadre...
JOSÉ (Enquanto Bermudes e Francisca abraçam-se e depois conversam baixinho, aproxima-se de Reis.)
- Sinhô velho?
REIS - O que é que me queres, moleque?
JOSÉ - Sinhô dá licença para eu hoje vir tarde para casa?
REIS - O que é que tens de fazer na rua, vadio?...
JOSÉ - Hoje é véspera de Reis... e eu sou do rancho...
REIS - O que tu és sei eu! Vá lá... vá lá...
JOSÉ - Sinhô velho faz bilhete?

19
REIS - Não é preciso; é véspera de Reis: podes andar sem bilhete. (Dá-lhe dinheiro.) Não vá beber de
cachaça, hein? (A Bermudes, mostrando José.) Ó compadre, conhece esta peça?
BERMUDES - É um bonito moleque!
JOSÉ - Muito obrigado.
REIS (a José.) - Cala a boca, moleque!
FRANCISCA - Já não se alembra dele, compadre?
REIS - O José... cria de nossa casa?...
JOSÉ - José Filomeno dos Reis, um criado de Vossa Senhoria...
FRANCISCA (A JOSÉ.) - Cala a boca, apresentado!
BERMUDES (Recordando-se) - Ah! agora me lembro! Mas como está crescido este moleque!
FRANCISCA - É muito vadio, compadre! Quando era pequenino...
BERMUDES - A comadre estimava-o muito...
REIS - Chegava mesmo a fazer-lhe a cama; agora, não vale o que come! (Bermudes e Francisca
continuam a conversar baixinho.)
JOSÉ (A Reis.) - Posso ir, sinhô velho?
REIS - Vai (José vai saindo.) Ó que idéia! (Chama.) José!
JOSÉ (Voltando.) - Sinhô?
REIS (A Bermudes.) - Vou festejar a sua chegada, compadre! (A José.) Uma vez que tu és do rancho,
quero que faças com que ele venha a dançar aqui esta noite, ouviste?
JOSÉ - Sim, sinhô: eu faço de burrinha...
FRANCISCA - Você deita-me este moleque a perder, seu reis! (A Bermudes.) Todo dia santo este
moleque leva todo o santo dia na vadiação.
REIS (Sem dar ouvidos a Francisca; a José.) - Está bom! Se vierem, dou uma gorjeta; se não vierem,
levas uma dúzia de bolos!
JOSÉ - Antes quero a gorjeta, sinhô! (Sai correndo e cantarolando.)
BERMUDES (A Reis..)- Então, para festejar a minha chegada, manda você dançar os reis hoje aqui... (A
Francisca.) O compadre é o mesmo: não mudou mesmo nada...
FRANCISCA - Deixa ele falar: aquilo é porque ele se chama seu Reis.
BERMUDES - Ah! ah! ah! A comadre teve graça! ( A Reis.) Também não mudou nada mesmo nada...
REIS (A Bermudes.) - Mas ainda você não disse a Dona Francisca...
FRANCISCA (Interrompe-o.) - Lá vem seu Reis com Dona Francisca! O cabeçudo ao pé de gente não é
capaz de me tratar por Dona Chiquinha...
BERMUDES - É costume antigo! Andavam sempre brigando por via disso em Camamu!
FRANCISCA - Aqui tem sido a mesma coisa! Veja lá, compadre! Com tantos anos de casados! E eu que
embirro com semelhante nome de Francisca!
REIS (Maçado.) - Pois vá lá, Dona Chiquinha... (Estala a língua.)
FRANCISCA - Mas vamos a saber... (A Reis.) O que ia você dizendo?
REIS - É que ainda o compadre não lhe disse o motivo que o trouxe à cidade... Mas você interrompe a
gente...
BERMUDES - Venho à cidade por via daquela questãozinha de terras... A comadre lembra-se?
FRANCISCA - Não me lembro eu de outra coisa! Questãozinha diz o compadre? Questãozona, digo eu!
que muitos cabelos brancos lhe fez criar!
BERMUDES - Ora! as terras eram minhas! A legitimação estava feita...(Sinal de assentimento de Reis e
de Francisca. Pausa.) Mas eu dormi no negócio...
REIS - Foi todo o seu mal, compadre!
BERMUDES - Mas agora o coronel Casimiro...
FRANCISCA - Grandessíssimo cão! Não me hei de esquecer do dia em que ele me veio convidar para
substituir a professora pública, que vinha doente para a cidade!
REIS - Ora! Aquilo é um vira-casaca muito desavergonhado!
FRANCISCA - Quando o bruto sabia perfeitamente que eu não sei ler!
BERMUDES - Não se admire, comadre, não se admire, porque aí por esse interior velho muita gente
ensina aquilo que não sabe!...
REIS - Mas vamos à questão...

20
BERMUDES - O coronel Casimiro apresenta documentos de que as terras são dele! "Oh! digo eu cá
comigo, esta agora fia mais fino!" Entreguei a minha causa na mão do Secundino Barbosa...
FRANCISCA - Quem? Aquele rábule que brigou a soco com seu Reis nas eleições de 54?
REIS - E por sinal me partiu dois dentes. (Mostra a falta dos dentes e fala com a boca aberta.) que
nunca mais tornaram a nascer!
BERMUDES - Esse mesmo! (Em tom lamentoso.) Ah! compadre! (Toma a mão de Reis.) Ah! comadre!
(Toma a de Francisca, esquecendo-se que está suja.) Aquele homem foi a morte de minha causa!
FRANCISCA E REIS - Sim? deveras?
BERMUDES (Abandona-lhes as mãos com desânimo.) - E talvez seja a causa de minha morte! (Limpa a
mão que pegou na de Francisca.)
REIS - Ora não pense nisso!
FRANCISCA - Ponha o coração à larga, compadre...
BERMUDES - Tem razão, compadre; tem razão, comadre; ambos os dois tem razão. (Alegra-se aos
poucos.) Principalmente hoje, véspera de Reis e dia de alegria, porque vi a vossemecês, a menina e
amanhã verei também meu sobrinho. O tratante anda sempre a mudar-se e então agora está em férias:
não posso procurá-lo na Academia, Olhem que aquele rapaz é o meu pecado! Mas, graças às cabaças,
está quase senhor doutor e pronto para mandar gente para o outro mundo... Pouco se me dá dos
cobritos que tenho gasto com ele neste!
FRANCISCA - E o que me diz a respeito de umas certas cartinhas trocadas entre seu Reis e o compadre?
BERMUDES - Já não se fala nisso! A moça gosta de outro e amor não é imposto pessoal.
FRANCISCA - Eu já não penso assim! Bem podíamos mostrar a Milu o verdadeiro caminho da
felicidade...
REIS - Asneira no caso!
BERMUDES (Sentencioso.) - Comadre, o verdadeiro caminho da felicidade é aquele em que a gente anda
por seu gosto e não aquele para onde nos empurram.
REIS - Apoiado! Casem-se à vontade as moças e depois lá se avenham!
FRANCISCA - O Compadre já sabe que o seu afilhado...
BERMUDES - Já. Já sei que está na escola... na escola... (AReis.) Como é o nome da escola, compadre?
REIS - Escola... escola... Como é, Dona Francisca?
FRANCISCA (Zangada.) - Dona Francisca, hein?...
REIS (Emenda.) - Como é, Dona Chiquinha?
FRANCISCA - Ora! Eu tenho o nome debaixo da língua...
BERMUDES - Eu também...
REIS - Eu também... (Chama.) Milu, ó Milu! (Emília responde de dentro com um grito.)
REIS E FRANCISCA - Vem cá...
OS TRÊS - Escola... escola... Ora!

Coro

Ó que diabo de nome!


Ó que nome do diabo!
A paciência consome
e da pachorra dá cabo!

CENA X

OS MESMOS e EMÍLIA

EMÍLIA - O que querem?


OS TRÊS - Como é o nome da escola em que está o Antonico?
EMÍLIA - Como? Não entendi!
OS TRÊS - Como é o nome...(Calam-se e entreolham-se.)

21
EMÍLIA - Fale só um. (Tornam a falar todos a um tempo.)
BERMUDES - Fale você compadre.
REIS - Fale você, Dona Fran... Chiquinha.
FRANCISCA - Fale você, compadre.
BERMUDES - Como é o nome da escola em que está o Antonico?
EMÍLIA - Escola po-li-téc-ni-ca
OS TRÊS - Ahn...

Repetição do Coro

Ó que diabo de nome!


Ó que nome do diabo!
A paciência consome
e da pachorra dá cabo!

EMÍLIA - Com licença. O tacho ainda está no fogo. (Sai, olhando furtivamente para o esconderijo de
Alberto.)
BERMUDES (Vendo-a sair.) - Que boa dona de casa esta ali se formando, hein, comadre?
FRANCISCA - Veremos, compadre, veremos...
REIS - Temos trabalhado para fazer dela não só uma boa dona de casa, como diz você; mas também
uma senhora que saiba entrar numa sala...
FRANCISCA - Lá isso é verdade!
BERMUDES - Nunca lhe doam as mãos, compadre!
REIS - Já aprendeu francês, inglês, um bocadinho de italiano...
BERMUDES - Deveras?
FRANCISCA - Sim, senhor; e está agora arrecordando o português...
REIS - Olhe! (Aponta para o piano.)
BERMUDES - Piano, hein?!
REIS - É como vê!
BERMUDES - Muito bem! (Outro tom. A Francisca,) Ora, comadre! Vim encontrar esta heróica cidade de
São Salvador muito mudada!
FRANCISCA - É verdade! Ainda não me falou a esse respeito! O que me diz do parafuso? ... Seu Reis já
me fez trepar naquela geringonça! Mas não é mais a filha de meu pai... O compadre subiu pelo
parafuso?...
BERMUDES - Subi, comadre, subi; mas também não é mais o filho de minha mãe... Eu estava só vendo
desgrudar-se aquela futrica, e zás catrapus, era uma vez um Bermudes! (Benze-se.) Nada!
FRANCISCA - E o chupão que se recebe? (Imita.) Fuuu... Agora, os bondes, sim...
BERMUDES - Sim, senhora! Para aí vou eu! Falem-me dos bondes! Mas que mudanças, compadre, que
invenções, comadre!

Tango

BERMUDES - - Tanta mudança me faz confuso!


Pois se o progresso anda tão fino,
que temos bondes e parafuso,
temos o cabo submarino!
- E até é uso
lindas modinhas tocar o sino!
Se o que se passa cá na Bahia,
dizer-se quer mandar à França!
vem a resposta no mesmo dia,
e na viagem ninguém se cansa!...

22
Virgem Maria!
Me faz confuso tanta mudança.
OS TRÊS - Virgem Maria! etc,
BERMUDES - - Não há mais o que se invente!
Que invenções encontrar vim!
Por três tostões vai a gente
até o fim do Bonfim!
A libra chama-se quilo,
segundo os novos padrões!
O que nos falta é aquilo
com que se compram melões...
OS TRÊS - O que nos falta, etc.

REIS - Dona Francisca, vá...


FRANCISCA - Chame-me Dona Chiquinha, seu Reis! Jesus! que teima de homem!
REIS (Com resignação.)- Dona Chiquinha, vá aprontar o sótão... Já sabe que compadre vem morar
conosco?
FRANCISCA - Nem a gente consentia que morasse em outra parte!
REIS - As bagagens já lá estão.
FRANCISCA - Então, com licença, seu compadre. Quando quiser, nada de cerimônias, que am casa é
sua. (Vai saindo e retrocede.) Ah! deixe-me acender estas velas. (A cena tem escurecido gradualmente.
Francisca acende duas velas dos castiçais.)
REIS (Enquanto Francisca prepara a luz.) Você não quer mudar de roupa compadre?
BERMUDES - Daqui a bocadinho... Se você tem um cachimbo, traga-me... Eu ainda fico por cá. Está
agradável esta viração.
REIS - É já. (Sai com Francisca.)

CENA XI

ALBERTO e BERMUDES
(Bermudes senta-se junto à mesa: pega num álbum, deita os óculos e começa a folheá-lo.
Alberto sai do esconderijo.)
BERMUDES (Examinas as fotografias.) - Este é Sua majestade... É um imperador bem bonito! Está
acabado... Pois olhem que é mais moço do que eu... (Folheia.) Aqui estão o compadre, a comadre, a
Milu e o meu afilhado... Está muito bom este grupo... A comadre é que não está muito parecida, não. O
Antonico, está um homem! Deus queira que faça alguma coisa lá pela tal escola lipotécnica...
ALBERTO (Aproxima-se pé ante pé de Bermudes, tapa-lhe os olhos e disfarça a voz.) - Quem sou eu?
BERMUDES - Oh! Oh! não aperte tanto! Sei lá quem é! Veja que o senhor está enganado: eu não sou o
compadre; isto é: sou o compadre, sim, mas o compadre do compadre! Largue-me, senhor! e esta! Será
algum maluco?
ALBERTO (Com voz natural.) - Então já adivinha?
BERMUDES - Que ouço!... Que vejo!... (Ergue-se admirado e contente.) Pois tu... mas tu... oh! tu...

Duetino

BERMUDES - - Corre a meus braços!


ALBERTO (Abraça-o.) - Aqui me tem!
BERMUDES - - Oh! meu Deus, isto faz tanto bem!
(Abre de novo os braços.) Novos abraços!
ALBERTO - - Aqui me tem!
BERMUDES - - Como estou satisfeito!
ALBERTO - - E eu também!

23
BERMUDES - - Mais um abracinho!
(Mesmo jogo de cena.)
ALBERTO - - Aqui estou eu!
BERMUDES - - Oh! meu Deus, que de bens isto faz!
Oh! meu sobrinho!
ALBEERTO - - Oh! tio meu!
BERMUDES - - Quanto estou satisfeito!
ALBERTO - Eu 'stou mais!

BERMUDES - Mas como diabo achas-te aqui?


ALBERTO - Vim seguindo-o: vossemecê vinha adiante; eu vinha atrás; até que afinal vi-o entrar para cá;
esperei-o, a ver se saía; mas como vi entrarem as bagagens, disse: Bem, ao que parece, vai o homem
hospedar-se ali...
BERMUDES - Bem mostras que tens cabeça; sais a teu pai que, para ir a qualquer parte, bastava que
lhe ensinassem o caminho. Eu ia para o hotel, para de lá procurar-te e morar contigo... Onde moras tu
agora?
ALBERTO - No beco do Tira-chapéu... numa república.
BERMUDES - República?!
ALBERTO - É uma espécie de Boêmia...
BERMUDES - Boêmia?...
ALBERTO - É uma espécie de república...
BERMUDES - Ahn.. (À parte.) A explicação foi bem dada, mas eu fiquei na mesma...
ALBERTO - Mas, afinal de contas, por que não foi morar comigo?
BERMUDES - Encontrei o compadre, que obrigou-me a vir para cá. Mesmo porque, em casa do
compadre estou melhor do que numa... como chama?
ALBERTO - República.
BERMUDES - Mas que diabo quer dizer uma república?
ALBERTO - É uma espécie de...
BERMUDES - ... de Boêmia. Estou ciente. Cá recebi, não havia pressa! (À parte.) Isto é por força nome
de mezinha...

CENA XII

OS MESMOS e REIS

REIS (Traz um cachimbo aceso e um cálice de aguardente que oferece a Bermudes.) - Aqui tem,
compadre, o cachimbo e um golinho de aguardente para refrescar. (Cumprimenta Alberto.)
BERMUDES (Fumando.) - Meu sobrinho, de quem tantas vezes falamos.
REIS - Ah! Sim?... Como está, senhor doutor? Sinto que nunca nos viesse ver...
BERMUDES - Quem teve a culpa foi esse seu criado. Não lho apresentei, porque disse lá comigo: Quanto
menos conhecimento tiver, mais depressa andará em seus estudos...
REIS (Amável.) - E como soube que estava aqui o senhor seu tio, doutor?
BERMUDES - Seguiu-nos...
REIS - Oh! e por que não falou logo?...
ALBERTO - É que a princípio duvidei que fosse meu tio; mas depois que vi entrarem as malas...
REIS - Então foi pelas malas que o conheceu?
BERMUDES - É que elas trazem o meu nome...
REIS - Ahn...
ALBERTO (À parte.) - Feliz acaso...
BERMUDES - Compadre, vamos para o tal sótão... Quero conversar com este rapaz sobre seus estudos,
sua vida na cidade. (A Alberto.) Quero dizer-te também o que me fez sair do meu sossego...
ALBERTO (À parte.) - Bis.

24
BERMUDES - E mostrar-te uma ferida que tenho... mas não te mostro, não. Tu já tens tempo de sobra
para saber...
ALBERTO (Com importância.) - Ora!
BERMUDES - Talvez seja alguma... Boêmia, hein?...
ALBERTO - Que disparate, meu tio!
REIS - Vamos, compadre. Passemos pelo corredor! (Saem pelo fundo.)

CENA XII

EMÍLIA depois FRANCISCA

EMÍLIA (Entra pressurosa e, depois de certificar-ser que está só, ergue o pano da mesa sob que estava
escondido Alberto; tristemente.) - Foi-se!
FRANCISCA (Entra.) - Quem?...
EMÍLIA - Senhora?
FRANCISCA - Quem é que - foi-se - ?
EMÍLIA (Perturbada.) Donde?
FRANCISCA - Ó Milu! Pois não arribaste o pano da mesa e não disseste - Foi-se? Foi-se quem?...
EMÍLIA - Ah! era um camundongo...
FRANCISCA - Pois aqui em casa não havia ratos...
EMÍLIA - Não era rato; era camundongo...
FRANCISCA - Vem a dar certo: eles hão de crescer por força... Vou mandar pôr pelos cantos das casas
bananas espetadas com fosques.
EMÍLIA - Isso não é bom; vossmecê já o fez, e em vez dos ratos, foi o gato que comeu as bananas e
morreu.
FRANCISCA - Pobre Rocambole!
EMÍLIA - Para onde foi seu compadre, mamãe?
FRANCISCA - É provável que para o sótão, que é o quarto que está marcado para ele. E por falar no
compadre, menina: se te casasses com o sobrinho...
EMÍLIA - Havia de ser muito infeliz..
FRANCISCA - Pelo contrário: havias de ser muito feliz. O compadre é homem endinheirado e o tal
sobrinho vem a ficar com aquilo tudo...
REIS (Fora, do sótão.) - Dona Francisca... ó Dona Francisca!
FRANCISCA - Lá está teu pai a chamar-me de Dona Francisca. Olhem que é forte teima! Pois não
respondo não!
REIS (Fora.) - Dona Francisca...
FRANCISCA - Grita para aí.
REIS (No mesmo.) - Dona Francisca...
FRANCISCA (A Emília.) - Vê se ajudas a Maximiniana a passar aquele doce de araçá para as
compoteiras.
REIS (No mesmo.)- Dona Francisca...
FRANCISCA - Grita!
REIS (No mesmo.) - Dona Chiquinha! ó Dona Chiquinha!
FRANCISCA - Ah! isso é outro cantar... (Muito terna.) O que é, seu Reis, o que é? Aí vou eu... (Sai pelo
corredor.)

CENA XIV
EMÍLIA - "Havias de ser muito feliz", disse mamãe. Moço... rico... Ora quem dirá que o Alberto há de ser
sempre constante? ... Este é certo e sempre ouvi dizer que não deixes o certo pelo duvidoso... Mas não!
não! Isso seria muito feio! Um moço que nunca vi, nunca conheci... (Cai numa cadeira.) E não tenho
uma amiga, uma confidente... uma conselheira... que me ouça... que me atenda... que me aconselhe...
(Olha para a rua.) Ah! ali vem a nossa vizinha Dona Emília... uma viúva traquejada nestas coisas de

25
namoro... Foi Deus que me mandou!... (Vai à janela e fala para fora.) Ó vizinha, antes d eentrar em
casa, podia dar-me uma palavrinha?
VIZINHA (Fora.) - Duas ou três, se quiser..

CENA XV

EMÍLIA à janela e UMA VIZINHA na rua

VIZINHA (Modos hipócritas; vestida a passeio.) - Como está, meu nome?...


EMÍLIA - Assim-assim. E a senhora?...
VIZINHA - Muito constipada; mas agora vou melhorzinha. Vim agora da Lapinha; fui levar uma velinha
ao menino Jesus...
EMÍLIA - Para ficar boa?...
VIZINHA - Então? Ah! meu nome! a senhora não faz idéia! Desde que fiquei viúva, nunca mais tive um
dia de saúde! Parece história! De mais a mais hoje acabei de engomar e pisei n'água fria!
EMÍLIA - Que loucura, meu nome! Não faça mais semelhante cousa...
VIZINHA - Não foi por querer. Meu sobrinho Vitor (aquele que é tipógrafo) não pode lavar as mãos sem
deixar o lugar do lavatório todo molhado. Ai! Ai! enquanto não me casar não tenho sossego!
EMILIA - Ora, meu nome! O que tem seu sobrinho e o lavatório com o seu casamento?
VIZINHA - Não é só isso, meu nome: os ataques histéricos não me largam...
EMÍLIA - Então a senhora acha que é muito bom o casamento?...
VIZINHA - Ó gentes! o que pode haver melhor do que a gente ter seu maridinho? Meu nome, por que
não se casa?...
EMÍLIA - Isso é bom de dizer... A senhora bem sabe que o Alberto...
VIZINHA - Quem?... O doutor Alberto?... Se a senhora vai atrás dele, está bem aviada, meu nome...
Aquilo é um empata...
EMÍLIA - Como é que sabe disso?...
VIZINHA - Gosta de todo o mundo... feminino. Ainda outro dia... era um dia santo. (Como lembrando-
se.) Que dia santo era, Emília? (Recordando-se.) Creio que foi no dia de Natal... vinha ele no bonde
piscando o olho... Adivinhe a quem, meu nome?...
EMÍLIA - A quem, meu nome?...
VIZINHA - A uma irmã de caridade...
EMÍLIA - O que é que diz?...
VIZINHA - Ele passa aqui todos os dias por minha causa...
EMÍLIA - Por sua causa?...
VIZINHA - Por minha causa... E lança-me sorrisos ternos e diz amabilidades...
EMÍLIA - O que está dizendo, minha rica senhora?...
VIZINHA - Menina, eu tenho muita prática de homens, sei o que são essas coisas...
EMÍLIA - Pois olhe, vizinha, há um moço rico com quem me desejam casar...
VIZINHA - Deveras?...
EMÍLIA - Deveras: é o sobrinho do padrinho do meu irmão...
VIZINHA - E o que vem a ser da senhora?...
EMÍLIA - Uma vez que papai é compadre do tio dele e ele é sobrinho do compadre do papai, é por
conseguinte de mamãe também... e como sou filha do compadre e da comadre do tio dele, creio que
vem a ser meu primo...
VIZINHA - Um primo, e ainda em cima rico, não é moleque de tio Chico... Agarre-o com unhas e dentes,
meu nome. Acredite que isto de maridos, qualquer serve, contanto que seja homem...
EMÍLIA - Mas sempre supus que o Alberto fosse de outra marca...
VIZINHA - Não é capaz! Agora eu?... Eu talvez me case com ele...
EMÍLIA (Vivamente.) - Como?...
VIZINHA - Tenho muito jeito para endireitar homens...A senhora verá como ele há de andar direitinho
como um fuso! Adeus, meu nome: Nossa Senhora a faça feliz...

26
EMÍLIA - A senhora quer vir dançar os Reis aqui?...
VIZINHA - O moleque já me deu essa novidade... Quando eles vierem, eu passarei pela cerca e cá virei
também... Até logo... (Some-se.)
EMÍLIA - Até logo, meu nome... (Sai da janela.)

CENA XVI
FRANCISCA e EMÍLIA
FRANCISCA (Entra muito contente.) - Menina... iaiá... aposto que há de casar-te com o sobrinho do
compadre...
EMÍLIA - (À parte.) - Ouviu tudo... (Alto.) Sim, senhora: estou deliberada a isso...
FRANCISCA (À parte.) Já sabe quem é. (Alto.) E nada me dizias, hein, minha disfarçada? Hoje mesmo
fica combinado o casamento. Agora, vai ajudar a Maximiniana que são horas de acabar com aquele doce
de araçá...
EMÍLIA - Não conheço o meu noivo: mas estou certa de que havemos de ser ambos muito felizes...
(Saindo, à parte.) O que não dirá o Alberto? ... (Sai.)
FRANCISCA (Vai-lhes ao encontro.) - Venham... venham...

CENA XVII
ALBERTO, REIS, BERMUDES e FRANCISCA
BERMUDES - Então? Onde está a Milu, comadre?...
FRANCISCA - Está ocupada com o doce de araçá.
ALBERTO - A senhora disse-lhe quem era eu?...
FRANCISCA - Não; mas ela o sabe...
ALBERTO - Como assim? É impossível!!..
FRANCISCA - Pois quando vim do sótão e lhe disse: aposto que hás de casar com o sobrinho do
compadre, ela disse-me logo que estava resolvida a isso...
ALBERTO (Admirado.) - Oh! Então ela?...
REIS - Então? que cara é essa, senhor doutor?...
BERMUDES - Não gostas de Milu?
ALBERTO - Muito; mas muito!
REIS - Pois se ela quer...
FRANCISCA - ... casar com Vossa Senhoria...
ALBERTO - Justamente por querer casar comigo, é que... Não! Ela não quer casar comigo... ela quer
com o sobrinho do compadre!
REIS (À parte.) - Enlouqueceu..
BERMUDES (À parte.) - Está doido...
FRANCISCA (À parte.) - Enlouqueceu...
REIS - Mas então quem é o sobrinho do compadre?...
BERMUDES - Quem é o meu sobrinho?..
ALBERTO - Eu sei o que ou... A Senhora Dona Francisca...
FRANCISCA - Um favor, senhor doutor: trate-me por Dona Chiquinha...
ALBERTO - ... sabe que o sou... (Aponta para o Reis.) O senhor ... (Aponta para o tio) Vossemecê -
sabem; ela, porém, não o sabe...
REIS (À parte.) - Enlouqueceu..
BERMUDES (À parte.) - Está doido...
FRANCISCA (À parte.) - Enlouqueceu...
REIS - Endoideceu...
BERMUDES - Está doido...
REIS - O melhor é chamarmos a Milu; ela nos há depor isto em pratos limpos...
BERMUDES - Apoiado!
FRANCISCA (Chama.) - Milu... ó Milu... (Milu responde de dentro com um grito.)
REIS E FRANCISCA - Vem cá...

27
Trio
BERMUDES - -
Se percebo... se percebo, sebo!
(A Reis e Francisca.) -
Perceberam a trapalhada?
REIS E FRANCISCA - -
Nada!
BERMUDES - -
Não entendo!
FRANCISCA - -
Não compr'endo!
REIS - - Percebendo
quase estou...
BERMUDES - - Pois dê graças
às cabaças:
o compadre adivinhou!
BERMUDES, REIS E FRANCISCA - - Que embrulhada!
que maçada!
É preciso adivinhar!
A charada
complicada
ninguém pode decifrar!

CENA XVII

FRANCISCA, ALBERTO, REIS, EMÍLIA e BERMUDES

EMÍLIA (De olhos baixos.) - Senhora?


FRANCISCA - Vem cá, Milu: tu conheces aquele moço? ... (Toma-lhe o braço e aponta para Alberto.)
EMÍLIA (Sem levantar a vista.) - Não senhora...
REIS - Mas tu ainda não lhe viste o frontispício! (Toma-lhe também o outro braço.)
FRANCISCA - Sim: não levantaste os olhos...
BERMUDES (Benze-se.) - Cada vez isto se complica mais!
REIS - E não te queres casar com ele?...
EMÍLIA (À parte, e ainda de olhos baixos.) - Resolvi o contrário... Não posso esquecer-me do Alberto...
FRANCISCA - Então, não respondes?...
EMÍLIA - Não senhora.
REIS - Não respondes ou não queres casar?
EMÍLIA - Não quero...
FRANCISCA - Responder ou casar?
BERMUDES (Benze-se.) - Jesus!
EMÍLIA - Casar...
TODOS (Menos Alberto e Emília.) - Ora esta!
ALBERTO - Que satisfação!
TODOS (Espantados.) Satisfação!
EMÍLIA (Reconhece a voz de Alberto, levanta os olhos.) - Ah!... (Corre para ele.) - Quero! Quero!...
TODOS (Espantados.) - Quer?
EMÍLIA - Pois este é que o sobrinho do compadre.
TODOS - Este é que é o sobrinho do compadre?
EMÍLIA - Quero! quero! por que não hei de querer? (Conversa baixo com Alberto.)
REIS (A Bermudes.) - Estão doidos, compadre!
BERMUDES (A Francisca.) - Estão doidos, comadre?

BERMUDES, REIS E FRANCISCA - - Que embrulhada!


que maçada!
É preciso adivinhar!
A charada
complicada

28
ninguém pode decifrar!

(A orquestra une com essa música o canto popular dos reis, tocado em surdina.)
REIS - Doidos ou não , casem-se!
FRANCISCA - Apoiado! E lá vem os Reis.

CENA XIX

FRANCISCA, ALBERTO, REIS, BERMUDES e a VIZINHA

VIZINHA (Entra da esquerda.) - Aqui estou eu, vizinhas... Os Reis já estão perto, meu nome...
ALBERTO - Senhora viuvinha da parte d'além, que quer se casar e não acha com quem, ponha-se ao
fresco, senão... A senhora quando andou a intrigar-me, não se lembrou daquela célebre cartinha que me
escreveu, bastante para perder a sua reputação se a tivesse...
VIZINHA - Ó que vergonha, meu nome!...(Vai saindo pelo fundo e esbarra com José, que entra em
costume de burrinho.) Ui! (Desaparece.)

CENA XX

FRANCISCA, ALBERTO, REIS, BERMUDES, EMÍLIA e JOSÉ; logo depois o RANCHO DOS REIS, POVO, etc.

JOSÉ - Licença pro rancho, sinhô velho...


REIS - Entre o rancho... (Todos sentam-se, formando grupos. A música rompe forte; o Rancho dos Reis
entra e começa a executar suas danças e cantigas; povo agrupa-se na janela e invade a casa.)

(Cai o pano.)

29
A PELE DO LOBO

Comédia em um ato

Escrita em 1875 e representada pela primeira vez no Rio de Janeiro, no Teatro Fênix Dramática, em 10
de abril de 1877

A ANTONIO FONTOURA XAVIER

PERSONAGENS

CARDOSO - subdelegado
AMÁLIA - sua mulher
APOLINÁRIO
PERDIGÃO
JERÔNIMO
MANUEL MARIA
VITORINO
O COMPADRE
UMA PARTE

Dois soldados da polícia

A cena passa-se no Rio de Janeiro


Atualidade.
ATO ÚNICO

Sala, secretária, relógio de mesa, etc., etc.

CENA I

CARDOSO, AMÁLIA (Vestidos para a cerimônia e prontos para sair.) UMA PARTE (Que logo sai, à porta
do fundo.)

CARDOSO - Sim, senhor; sim,. senhor! Pode ir com Deus. Descanse, que hoje mesmo serão dadas as
providências que o caso exige.
PARTE - Às ordens de Vossa Senhoria. (Retira-se.)
CARDOSO - Safa!
AMÁLIA (Erguendo-se.) - Deixar-te-ão desta vez?
CARDOSO- E metam-se!
AMÁLIA - Hein?
CARDOSO - E metam-se a servir o país!
AMÁLIA - Para que aceitaste esta maldita subdelegacia?
CARDOSO (Ainda passeando.) - Eu não aceitei: pedi. Mas já tenho dito um milhão de vezes que os
serviços prestados ao país e ao partido pesam muito no ânimo daqueles que me podem fazer galgar
mais um degrau na escala social.

30
AMÁLIA - Deixa-te disso, Cardoso; um degrau dessa tão falada escala social, não vale decerto o
sacrifício que te custa essa autoridade de ca-ca-ra-cá. São uns desfrutadores, eis o que são! Hás de ser
pago com um pontapé. Verás!
CARDOSO - Hei de ser promovido na primeira vaga que aparecer. O Cantidiano está por pouco a
bater a bota. Verás se o lugar é ou não é meu!
AMÁLIA - Fia-te na Virgem e não corras.
CARDOSO - E uma vez que aceitei o cargo...
AMÁLIA - A carga, deves dizer.
CARDOSO - Venha com ele o sacrifício. Antes de tudo o dever!
AMÁLIA - Estamos prontos para sair há duas horas.
CARDOSO (Consultando o relógio de mesa.) - Há duas horas e dois minutos.
AMÁLIA (Embonecando-se ao espelho.) - Creio que não chegamos a tempo para o batizado.
CARDOSO - Que remédio terão eles, senão esperar pelos padrinhos?
AMÁLIA - E o carro na porta há tanto tempo?
CARDOSO - Anda com isso, anda com isso! E metam-se!
AMÁLIA - Hein?
CARDOSO - E metam-se a servir o país!
AMÁLIA - Vamos. Não percamos mais tempo.
CARDOSO - Vamos . (Vão saindo. Batem palmas.)
AMBOS - Bateram.
CARDOSO - Quem é?
APOLINÁRIO (Fora.) - Sou eu.
AMÁLIA - Eu quem?
APOLINÁRIO (No mesmo.) - Um criado de Vossa Senhoria.
CARDOSO - Entre quem é.
AMÁLIA - Temo-la travada! (Entra Apolinário. Pisa macio e fala descansado.)

CENA II
OS MESMOS e APOLINÁRIO

APOLINÁRIO (À porta do fundo.) - Dá licença, senhor subdelegado?


CARDOSO - Entre, senhor. (Vai outra vez por o chapéu na secretária.)
APOLINÁRIO (Entrando e sentando-se em uma cadeira que deve estar no meio da cena.) - Não
se incomode Vossa Senhoria. Estou muito bem. Vossa Senhoria como tem passado?
CARDOSO - Bem, obrigado. O que pretende o senhor?
APOLINÁRIO - Sua senhora tem passado bem, senhor subdelegado?
AMÁLIA - Bem, obrigada. O senhor o que pretende?
APOLINÁRIO - Ah! estava aí, minha senhora? Os meninos estão bons?
AMÁLIA - Que meninos, senhor?
APOLINÁRIO - Os seus filhos, minha senhora.
AMÁLIA - Não os tenho. E esta!
APOLINÁRIO - Pois levante as mãos pra o céu e dê graças a Nosso Senhor Jesus Cristo!(Sinais de
impaciência em Cardoso e Amália.) Eu tenho três, três! Todos três machos, felizmente. Mas que
consumição! Que canseira! Quando não está um doente, está outro; quando não está outro, está outro;
quando não está nenhum, está a mãe; quando não está a mãe, está o pai. Às vezes estão, filhos e pais,
todos doentes. É preciso chamar a vizinha para dar-nos qualquer coisa. É uma lida, minha rica senhora!
Peça a Deus que lhe não dê filhos. Olhe...(Mostra a cabeça.) Não vê?
AMÁLIA - O quê? o quê?
APOLINÁRIO - Já estou pintando... Ainda anteontem... Anteontem não... Quando foi, Apolinário?
Segunda... terça... Foi anteontem mesmo... Eu tinha acabado de tomar o meu banhinho e de ouvir
minha missinha...

31
CARDOSO (Interrompe-o.) - Meu caro senhor, tomo a liberdade de preveni-lo que temos muita
pressa e não, podemos perder tempo. Íamos saindo justamente quando o senhor entrou...
APOLINÁRIO (Erguendo-se.) - Nesse caso, senhor doutor...
CARDOSO - Perdão, não sou doutor.
APOLINÁRIO - Fica para outro dia... Eu vinha dar minha queixa, mas... (Cumprimenta.) Senhor
doutor... minha senhora... (Vai saindo.)
CARDOSO - Venha cá, senhor: já agora diga o que pretende.
APOLINÁRIO (Voltando-se e preparando-se como para um discurso, com força.) - Senhor
subdelegado...
CARDOSO - Não é preciso gritar tanto...
APOLINÁRIO - Esta noite fui roubado.
CARDOSO - Diga.
APOLINÁRIO - Dezoito cabeças de criação... dezoito ou dezenove... Ontem esteve em nossa casa
um cunhado meu, irmão de minha mulher, empregado no Arsenal de Guerra, e não tenho certeza de
que ele levasse alguma galinha consigo, mas creio que não. Em todo caso, foram dezoito ou dezenove
cabeças, não falando em um bonito galo de crista, que comprei no mercado, não há quinze dias.
CARDOSO - Muito bem. O senhor chama-se...
APOLINÁRIO - Apolinário, um criado de Vossa Senhoria.
CARDOSO - Apolinário de quê?
APOLINÁRIO - Apolinário da Rocha Reis Paraguaçu (Dando um cartão) Olhe, aqui tem Vossa
Senhoria meu nome e morada.
CARDOSO - Bem; pode ir descansado, que serão dadas as providências que o caso exige.
APOLINÁRIO (Preparando-se outra vez para um discurso e elevando muito a voz.) - Ainda não
fica nisso, senhor doutor!
CARDOSO - Já tive ocasião de dizer-lhe, primeiro, que não é preciso gritar tanto; segundo, que
não sou doutor.
APOLINÁRIO (Com a mesma inflexão, porém baixinho.) - Não fica nisso. Eu conheço o gatuno!
CARDOSO - E por que estava calado?
AMÁLIA (Não se podendo conter.) - Com efeito, Senhor Paraguaçu!
APOLINÁRIO (Atarantado.) - Hein! (Falando com cada vez mais descanso.) Não conheço eu outra
coisa! Chama-se Jerônimo de tal, um ilhéu, um vagabundo, que foi há tempo cocheiro de bondes e
agora não sai da venda de seu Manuel Maria, ao qual dizem que vende por um precinho de amigo, o que
... (Ação de furtar.) Vossa Senhoria sabe qual é a venda de seu Manuel Maria? É a que fica mesmo em
frente à casa do meu cunhado, do mesmo que esteve ontem em nossa casa, e sobre o qual estou em
dúvida se levou ou não alguma galinha. (A Amália.) Mas que bonito galinho, senhora! Vossa Senhoria
dava oito mil réis por ele com os olhos fechados... Era branco, branquinho, como aqueles patinhos do
Passeio Público. Uma crista escarlate! Que bonito galo!
CARDOSO - Vamos! Não temos tempo a perder! Faça o favor de sentar-se naquela mesa e dar a
queixa por escrito.
APOLINÁRIO - De muito bom gosto, senhor doutor. (Obedece.)
CARDOSO - E o senhor a dar-lhe! Já lhe disse que não sou doutor.
APOLINÁRIO - Isso é modéstia de Vossa Senhoria.
AMÁLIA - Parece de propósito, Senhor Paraguaçu.
CARDOSO - Deixa-o para lá. (Vai para junto de Amália.) Que maçador! E metam-se!
AMÁLIA - Não chegaremos a tempo.
APOLINÁRIO (À mesa.) - Esta pena está escarrapachada, senhor subdelegado...
CARDOSO - Vou dar-lhe outra... vou dar-lhe outra...
AMÁLIA - Anda... Tem paciência... Acaba com isso. (Cardoso vai abrir a secretaria e mudar a
pena da caneta.)
APOLINÁRIO - Muito obrigado! Que incômodo tem tomado Vossa Senhoria! Mas também não há
quem diga à boca cheia: "Aquilo é que é um subdelegado! Zelo até ali... É o pai das partes!"
CARDOSO - Faça o favor de escrever o que tem de escrever...
APOLINÁRIO - Às ordens de Vossa Senhoria . (Escreve.)

32
CARDOSO (Voltando para junto de Amália.) - Decididamente peço a demissão!
AMÁLIA - Isso já devias ter feito há muito tempo.
CARDOSO - Olha que é bem difícil suportar uma maçada assim... E metam-se!
AMÁLIA - Hein?
CARDOSO - E metam-se a servir o país!
AMÁLIA - Pede demissão, Cardoso, pede demissão.
APOLINÁRIO (Da mesa.) - Senhor subdelegado, faça o favor de me dizer o modo por que devo
principiar este requerimento... Em matéria de polícia sou completamente leigo... Diga-me só o
cabeçalho... O cabeçalho! o resto vai...
CARDOSO - Aí, Senhor Paraguaçu! O senhor é maçante! Tenho estado a aturá-lo há meia hora!
AMÁLIA (Olhando o relógio.) - Há meia hora e sete minutos.
CARDOSO - Estamos muito apressados, meu caro senhor... não posso estar com isso...
APOLINÁRIO - Eu quis retirar-me quando Vossa Senhoria disse que ...
CARDOSO - Vamos lá! Escreva no alto - Ilustríssimo Senhor .
APOLINÁRIO - O Ilustríssimo Senhor - já cá está.
CARDOSO - Bem (Ditando.) -"O abaixo assinado, morador nesta freguesia, à rua de tal , número
tal..."
APOLINÁRIO (Escrevendo.) - ... número treze...
CARDOSO - "Queixa-se a Vossa Senhoria de que, ontem, às tantas horas da noite..."
APOLINÁRIO - "Queixa-se" é com x ou ch?
AMÁLIA - Ó céus! (Rindo-se.)
CARDOSO - Como quiser! Não faço questão de ortografia.
APOLINÁRIO - Vai com ch. (Acabando.) ... "da noite"...
CARDOSO - Como está?! (Vendo.) Fulano de tal, tal, tal. Ah! (Ditando.) "Furtaram-lhe tantas
galinhas..."
APOLINÁRIO (Escrevendo.) - ..."e um galo de crista"...
CARDOSO - "... as suspeitas de cujo furto faz recair em Fulano de Tal." (Consultando o relógio.) E
metam-se!
APOLINÁRIO (Escrevendo.) - "Fulano de tal, vulgo Barriga-cheia". Pronto!
CARDOSO - Na outra linha: "Deus guarda a Vossa senhoria."
APOLINÁRIO - ... "a Vossa Senhora"...
CARDOSO - Na outra linha: "Ilustríssimo Senhor Subdelegado de tal freguesia."
APOLINÁRIO - Pronto.
CARDOSO - Assine.
APOLINÁRIO - ... "Apolinário da Rocha Reis Paraguaçu." (Erguendo-se.) Pronto.
CARDOSO - Bem; agora pode ir descansado, que serão dadas as providências que o caso exige.
APOLINÁRIO - Com licença, senhor subdelegado... Às ordens de Vossa Senhoria...
CARDOSO - Passe bem.
APOLINÁRIO - Minha senhora...
AMÁLIA - Viva. (Volta-lhe as costas.)
APOLINÁRIO - Sem mais incômodo. (Saída falsa.)
CARDOSO - Safa!
AMÁLIA - Saiamos, saiamos quanto antes! pode vir outro... (Vão saindo.)
APOLINÁRIO (Voltando.) - Ia-me esquecendo, senhor subdelegado...
CARDOSO - Outra vez!
AMÁLIA - Assustou-me até!
CARDOSO - O que mais deseja?
APOLINÁRIO - Hoje, logo depois do almoço, encontrei-me cara a cara com o tal Jerônimo!
CARDOSO - Que Jerônimo, senhor?
APOLINÁRIO - O Barriga-cheia, o tal que me furtou as galinhas...
CARDOSO - E o que tenho eu com isso, não me dirá?
APOLINÁRIO - Direi, sim, senhor. Com licença. (Desce à cena e senta-se.) Chamei-o de ladrão!
Disse-lhe assim: "Você é um ladrão!" - Com licença da senhora...

33
AMÁLIA - E o que tem meu marido com isso?
APOLINÁRIO - É que o sujeito tomou três testemunhas, e diz que me vai processar por crime de
injúrias verbais.
CARDOSO - Mas, enfim, faz favor de me dizer para que voltou cá?
APOLINÁRIO - Vim prevenir a Vossa Senhoria de que...
CARDOSO - Vá prevenir ao diabo que o carregue!
APOLINÁRIO (levantando-se.) - Senhor doutor.
CARDOSO (Gritando.) - Já lhe disse que não sou doutor!
APOLINÁRIO (Imitando-o) - Isso é modéstia de Vossa senhoria!
CARDOSO - Saia! Ponha-se ao fresco! Supõe o senhor que sirvo de joguete?
APOLINÁRIO - Mas Vossa Senhoria...
CARDOSO - Saia!
APOLINÁRIO - É que ...
AMÁLIA - Oh! senhor, já é a terceira vez que se lhe diz - saia.
APOLINÁRIO - Minha senhora, eu...(Tornando a sentar-se, com todo o sossego.) Com licença...
AMÁLIA - Oh! isto é demais!
CARDOSO - Então, não ouve!
APOLINÁRIO - Quero justificar-me!
CARDOSO (Ameaçador.) - Cuidado, Senhor Paraguaçu!
APOLINÁRIO - Bem, Vossa Senhoria está em sua casa: manda. (Levantando-se e
cumprimentando.) Ás ordens de Vossa Senhoria.
CARDOSO - Viva! Há mais tempo! (Passeia agitado.)
APOLINÁRIO - Minha senhora...
AMÁLIA - Passe bem. (Saída falsa de Apolinário.) Que inferno! que inferno! E metam-se!
APOLINÁRIO (Voltando.) - Acredite senhor doutor, que eu não queria de forma alguma...
CARDOSO (Desesperado.) - Ah! ele é isso? (Agarra uma cadeira e levanta-a, correndo para
Apolinário.)
AMÁLIA (Muito aflita.) - Ah! (Suspende o braço de Cardoso. Ficam todos numa posição
dramática.)
APOLINÁRIO (Com todo o sangue frio.) - Tableau. (Desaparece.)

CENA III

CARDOSO e AMÁLIA

CARDOSO - Vês, Sinhá, vês como um homem se deita a perder?


AMÁLIA - Sim, sim, mas vamos, anda daí!
CARDOSO (Caindo na cadeira que tinha nas mãos.) - E que dor de cabeça fez-me este bruto!... E
metam-se.
AMÁLIA - Hein?
CARDOSO - E metam-se a servir o país!
AMÁLIA - Espera... vou buscar a garrafinha de água-flórida. (Sai e volta com a garrafinha.)
CARDOSO - Depressa... depressa, Sinhá! (Amália esfrega-lhe as frontes com água-flórida.)
Bem... basta... está pronto... Aí! que ferroadas! deita a garrafinha em cima a mesa e vamos, vamos!
(Amália deita a garrafinha sobre a mesa e vai dar o braço a seu marido.)
AMÁLIA - Vamos! (Saem e voltam.) Esqueci-me do leque. (Entra à direita baixa.)
CARDOSO (Falando para dentro.) Que demora, Sinhá, que demora! Ainda há de vir alguém,
verás! (Passeia.) Então não achas esse leque! Aí! minha cabeça! E metam-se! (Quebra-se alguma coisa
dentro.) O que foi isso?! O que foi isso?! (Corre também para a direita baixa.)
AMÁLIA (Dentro.) - O meu frasco de água da Colônia!
CARDOSO (Dentro.) - Que pena!

34
AMÁLIA (Dentro.) - Ah! cá está o leque! (Voltam à cena, de braço dado e dirigem-se para a
porta.)
CARDOSO - Já estou suando. (Procura nos bolsos.) Não tenho lenço.
AMÁLIA - Oh que maçada! Quanto mais pressa, mais vagar. (Sai correndo pela direita baixa.)
CARDOSO - E metam-se, hein! E metam-se a servir o país!
AMÁLIA (Voltando com um par de meias na mão.) - Toma, toma... Apre! (Dá-lho.)
CARDOSO - Isto é um par de meias, Sinhá! Estás a meter os pés pelas mãos! (Restitui-lho.)
AMÁLIA - Como está esta cabeça, meu Deus! (Sai e volta com um lenço.) Toma... Vamos... uf!
CARDOSO - Vamos! (Encaminham-se para a porta. Batem palmas.)
AMBOS - Ah!
CARDOSO (Fora de si.) - Não estou em casa!
JERÔNIMO (Aparecendo, de chapéu na cabeça.) - Licença para um...

CENA IV

OS MESMOS e JERÔNIMO

CARDOSO - Então é assim que se entra em casa alheia?


JERÔNIMO (Sombrio.) - Assim como? A casa da autoridade é uma repartição pública. (Deita no
chão a cinza de um cachimbo; e escarra na parede.)
CARDOSO - E que tal?
AMÁLIA - Vê o que ele quer, Cardoso?
JERÔNIMO - Venho preveni-lo de que é falso o que lhe veio hoje dizer um tal Paraguaçu, acerca
de um furto de galinhas. É provável que ele lhe dissesse que eu, Jerônimo Linhares, vulgo Barriga-cheia,
sou o autor desse furto, como andou por aí dizendo a quem quis ouvi-lo. É falso! (Cospe outra vez na
parede.)
AMÁLIA (Empurrando um escarrador com o pé.) - Faz favor de não cuspir no chão... Aqui tem o
escarrador... (Jerônimo nem olha para Amália.)
CARDOSO - Era só isso? Estou ciente.
JERÔNIMO - Não, senhor; por isto só não vinha eu cá, ora viva! Venho queixar-me do queixoso
por crime de injúrias verbais. Chamou-me de ladrão, e se quiser o mais, mande aquela mulher para
dentro. (Cospe outra vez na parede.)
CARDOSO - Pois apresente a queixa e as testemunhas.
JERÔNIMO - A queixa aqui está. (Apresenta um papel sujo, que Cardoso pega com repugnância.
Vai à porta do fundo.) Ò compadre! Ó seu Manuel Maria! Ó seu Vitorino? podem entrar... Nada de
cerimônias!
CARDOSO (A Amália.) - O tratante dispõe desta casa como se fosse sua!

CENA V

OS MESMOS, MANUEL MARIA, depois O COMPADRE, depois VITORINO

MANUEL MARIA (Entrando.) - Aqui estou eu!


COMPADRE (Entrando.) - E eu...
VITORINO (Entrando.) - E eu...
AMÁLIA - Cardoso, dize-lhes que venham em outro dia... (À parte.) Como cheiram a cachaça!
CARDOSO - Meus senhores, tenham a bondade de voltar amanhã.
JERÔNIMO - Aí vem o maldito sistema da demora e do papelório.
CARDOSO - Cala-te daí, insolente, que não tens autoridade para fazer considerações neste
lugar... Apareçam terça-feira ou mesmo amanhã! Mas terça-feira é melhor, porque é o dia da audiência.
Não posso estar agora com isto... Estamos prontos para sair há muito tempo!
AMÁLIA - Há três horas!

35
CARDOSO (Consultando o relógio.) - Há três horas e três minutos!
JERÔNIMO (Cuspindo na parede.) - Então, podiam ter dito logo! Escusava a gente de estar aqui à
espera! É isto sempre! A autoridade vai para a pândega, e o povo que sofra!
CARDOSO - Insolente! Espera que te ensino! (Agarra numa cadeira que está perto do toucador.)
AMÁLIA - Cardoso! O que vais fazer?!..
JERÔNIMO - Ah! Ele é isso? (Tira uma faca e deita a correr atrás de Cardoso. Amália fecha-se no
quarto. As três testemunhas correm atrás de Jerônimo, para retê-lo. Cardoso apita.)
MANUEL MARIA - O que é isto, seu Jerônimo?!
COMPADRE - Compadre, tenha mão!
VITORINO - Não se deite a perder!
(Cardoso continua a apitar. Confusão.)
AMÁLIA (Grita de dentro.) - Aqui d'el-rei!

CENA VI

OS MESMOS e DOIS SOLDADOS

SOLDADOS - O que é isto? o que é isto?...(Correm todos em redor da cena.)


CARDOSO - Prendam-no! prendam-no! (Jerônimo é afinal preso.) Levem-no! (Os soldados levam
o preso, Saem também as testemunhas.)

CENA VII

CARDOSO e depois AMÁLIA

CARDOSO (Caindo extenuado em uma cadeira.) - Uf!


AMÁLIA (Entrando.) - Feriu-te o maldito, feriu-te?
CARDOSO - Creio que não. (Apalpando-se.) Não feriu, não, Sinhá! Se não fossem as ordenanças
que estavam na porta, a estas horas estavas viúva!
AMÁLIA - Credo! Viúva!
CARDOSO - Maldita subdelegacia! Maldita a hora em que aceitei semelhante cargo!
AMÁLIA - Como estás suando! Esta camisa é incapaz de aparecer no batizado...
CARDOSO - É verdade! O batizado! Vou mudar de camisa...
AMÁLIA - Mas isso depressa... depressa! (Saída falsa de Cardoso.) Ó Senhor Deus! Isto contado
lá se acredita! É bem feito , senhor meu marido, é bem feito! Quem não quiser ser lobo, não lhe vista a
pele. (Rolo na rua. Apitos. Gritos. Pancadaria. Amália vai à janela.) Que vejo! Uma malta de capoeiras!
Cardoso! Cardoso! Não tardam a entrar...
CARDOSO (Entra em mangas de camisa e com o fitão de subdelegado.) - O que é isto? (Espirra.)
Atxim! constipei-me... Atxim! O que é isto? Atxim! (Sai a correr pelo fundo.)

CENA VIII

AMÁLIA, depois PERDIGÃO

AMÁLIA - Meu Deus! Hoje parece ser o dia de São Bartolomeu! Se não anda o diabo solto na
cidade, ao menos nesta freguesia..
PERDIGÃO (Entra apressado pelo fundo, vestido para a cerimônia.) - Ó compadre! Ó comadre!
AMÁLIA - Mais uma parte!
PERDIGÃO - Deixe-se de partes!
AMÁLIA - Meu marido não está... (Reparando.) Ah! é o compadre!
PERDIGÃO - Estamos até estas horas à espera do padrinho e nada!
AMÁLIA - Queixe-se da maldita subdelegacia, compadre! Estamos vestidos há três horas...
(Consultando o relógio.) Há três horas e um quarto...

36
PERDIGÃO - Ora! Para que foi o compadre buscar sarna para se coçar...
AMÁLIA - O compadre não imagina! Quantas vezes, alta noite, está ele sossegado a dormir,
quando, de repente, é despertado pelas malditas partes...
PERDIGÃO - Por força!
AMÁLIA (Indo à janela.) - Já está aplacado o rolo... (Voltando.) Hoje quase o matam!
PERDIGÃO (Dando um salto.) - A quem?
AMÁLIA - Ao Cardoso.
PERDIGÃO - Ah! Ele descia a escada com tanta impetuosidade! Ia em mangas de camisa e de
fitão... Olhem que figura! Espirrava, que era um Deus nos acuda! "Viva!" lhe disse eu; ele, porém, não
me conheceu, apesar de responder: "Dominus tecum", em vez de: "Obrigado!"

OS MESMOS e CARDOSO

CARDOSO (Entra e cai espirrando em uma cadeira.) - Atxim!


PERDIGÃO - Viva!
CARDOSO - Dominus te... Quero dizer: Obrigado... Atxim! Ah! É o senhor, compadre? Desculpe.
PERDIGÃO - Já sei de tudo... Está mais que desculpado... Mas não perca tempo!
AMÁLIA - Sim, não percamos tempo!
CARDOSO - Vamos! (Ergue-se e deita o chapéu.) - Estou pronto!
PERDIGÃO - Em mangas de camisa, compadre?
CARDOSO - É verdade! (Corre ao quarto e volta vestindo a casaca.)
AMÁLIA - De fitão, Cardoso?
CARDOSO - É verdade! (Despedaça o fitão zangado.) Atxim!
PERDIGÃO - Já leu o que traz hoje o Jornal a seu respeito?
CARDOSO - Já: descompostura bravia! É o pago que dão a tantos sacrifícios.
PERDIGÃO - Diga antes: é o castigo que infligem ao erro de aceitá-los.
AMÁLIA (Impaciente.) - Vamos embora! (Vão todos saindo.)

CENA X

OS MESMOS e um SOLDADO

SOLDADO (a Cardoso.) - Trouxeram este ofício e esta carta para Vossa Senhoria. (Entrega a
carta e o ofício e sai.)
CARDOSO - De cá. (Abrindo a carta.) Com licença. (Lê.) É um bilhete em que o oficial do
gabinete do ministro me participa haver sido outro nomeado para a vaga do Cantidiano... E metam-se!
PERDIGÃO - Hein?
CARDOSO - E metam-se a servir o país! (Abrindo o ofício.) Com licença! (Depois de ler o ofício.)
Sabem o que é? Minha demissão.
PERDIGÃO E AMÁLIA - Demissão?
CARDOSO - Á vista do que a meu respeito tem aparecido na imprensa periódica!
PERDIGÃO - Não falemos mais nisso! Vamos embora.
CARDOSO - Poupou-me o trabalho de pedi-la.
AMÁLIA - Quem não quiser ser lobo...
PERDIGÃO - Mas o compadre acaba de despir a pele do lobo. (Apanhando o fitão.) Ei-la!
CARDOSO - Atxim! (Saem tos os três e cai o pano.)

[ Cai o pano]

37
A FILHA DE MARIA ANGU

Adaptação brasileira da Opereta

LA FILLE DE MME. ANGOT


DE
SIRAUDIN, CLAIRVILLE E KONING
Música de Lecocq
Nova edição,Alterada
1893
OPERETA EM 3 ATOS
Representada pela primeira vez no Rio de Janeiro, no Teatro Fênix Dramática, em 21 de março de 1876,
e, depois de alterada conforme esta edição, representada pela primeira vez na mesma cidade, no Teatro
Santana, em 17 de março de 1894

PERSONAGENS

CLARINHA ANGU
CHICA VALSA
ÂNGELO BITU
SAMPAIO
BARNABÉ
SOTA-e-ÁS
O ESCRIVÃO
CARDOSO
GUILHERME
UMA AUTORIDADE
UM TIPO
O JUIZ DA FESTA
CHICA PITADA
GAIVOTA
GENOVEVA
BABU
TERESA
LEONOR
CIDALISA
MADEMOISELLE X
Operários, jogadores, urbanos, festeiros, cocotes, soldados da polícia, pessoas do povo, etc.

A ação do 1º e 3º ato passa-se na freguesia de Maria Angu, e a do 2º na cidade do Rio de


Janeiro, em 1876.

ATO PRIMEIRO

Praça pública em Maria Angu. A esquerda uma casa com este letreiro: "Barnabé, barbeiro e sangrador.
Apelica bixas." Ao fundo, uma grande fábrica com este letreiro: "Fábrica de Fiação e Tecidos Pinho &
Companhia."

CENA I

38
BOTELHO, CARDOSO, GUILHERME, GAIVOTA, TERESA, OPERÁRIOS depois BARNABÉ

Coro
- Que prazer,
Que alegria
Deve haver
Neste dia!
Pois Clarinha
Casadinha
Enfim nós vamos ver!

OS HOMENS (À esquerda.) - Olá! Olá! Barnabé! Olá!


BARNABÉ (Aparecendo à janela.) - Aqui estou!
TODOS - O Barnabé lá está!
BARNABÉ - Já lá vou! (Desaparece.)
UNS - Que pressa tem!
OUTROS - Faz muito bem!
AS MULHERES (À direita) - Clarinha! Clarinha! Clarinha!
BABU (Aparecendo à janela.) - 'Stá se aprontando a sinhazinha.
TODOS - Que diz a mulatinha!
BABU - Mas não se pode demorar,
- Pois o véu já foi colocar.
BARNABÉ (Saindo de casa, vestido de noivo.)
- Gentis amigos meus
Aqui estou! Aqui estou!
Eu sou feliz, meu Deus!

Coplas
I
- Inda um sonho me parece
Tudo quanto aconteceu!
Toda a minha alma estremece
Estremece o peito meu!
Todo mundo agora inveja
O prazer que vou sentir...
Vou solteiro entrar na igreja
E casado vou sair!

Vendo as coisas neste pé,


Sinto dentro um quer-que-é!

Coro

- Nosso amigo Barnabé


Sente dentro um quer-que-é!

II
BARNABÉ - Vai chegar a noiva amada
Nos seus trajes virginais!
Vai chegar envergonhada,
E mais bela, muito mais!
Meus senhores e senhoras,
Tenham compaixão de nós:

39
Não nos macem muitas horas...
Nós queremos ficar sós!
Vendo as coisas neste pé,
Sinto dentro um quer-que-é!
BABU (À Janela.) - Aí vai a noiva bela!

BARNABÉ - Ah! É ela!


TODOS - É ela!

CENA II

OS MESMOS, CLARINHA Vestida de noiva e acompanhada pela madrinha de casamento

Coro
- Aí! como vem galante!
Assim tão elegante
Ninguém há!
Meu Deus, está tão linda!
É mais bonita ainda
Vestida como está!
(Durante toda esta cena, Clarinha deve conservar os olhos baixos.)

OS HOMENS - Vem abraçar a gente!


AS MULHERES - A nós primeiramente!
BARNABÉ -Vão amarrotar-lhe o vestido!
Abraça apenas teu marido!
CLARINHA -Da mesma forma amarrotá-lo-ia!
CARDOSO (Repelindo Barnabé.) - Sim! sim! Pra trás!
AS MULHERES - Então Clarinha,
Que dizes tu desta festinha
CLARINHA - Que digo eu?
AS MULHERES -Fala!
CLARINHA - Não sei.

Romança

I
- Meus qu'ridos pais, vós dissestes-me um dia
Que era preciso de estado mudar:
Contrariar-vos eu não pretendia,
E consenti sem me fazer rogar.
Mas, com franqueza, aqui digo e sustento
Que ignoro ainda em que vou me meter...
Que poderei dizer do casamento?
Eu nada sei, nada posso dizer...
Coro
Candura só Clarinha tem!
BARNABÉ - Ela nada sabe! Ainda bem!

II
CLARINHA - Aqui fiquei, orfãzinha inocente,
E resolvestes mandar-me educar;

40
Tudo aprendi, isto é, tão somente
O que uma moça não deve ignorar.
Fui até hoje ajuizada e modesta,
E de hoje em diante de certo o serei;
Mas só direi o que penso da festa
Quando souber, pois ora não sei...

Coro
- Candura só Clarinha tem!
BARNABÉ - Ela nada sabe! Ainda bem!...
BOTELHO - Para a Matriz marchar sem mais demora!
CARDOSO - Para a Matriz? Cedo inda é!
Temos por nós inda uma hora,
Para cair num balancé!
BARNABÉ - Vou para perto da Matriz,
Sentar-me vou no chafariz,
Pois junto ao templo do himeneu,
Mais paciência terei eu!

Coro
- Pois dito está!
Vamos pra lá!
Que prazer,
Que alegria
Deve haver
Neste dia!
Pois Clarinha
Casadinha
Enfim nós vamos ver!

CENA III

OS MESMOS, CHICA PITADA

CHICA - Ouçam!
TODOS - Que é?
CHICA - Um obstáculo se opõe ao casamento!
TODOS - Um obstáculo!
BARNABÉ - Bonito!
CHICA - Não é nada de cuidado. Sossega, Barnabé, que não te foge a noiva! Trata-se de uma
pequena contrariedade. Vou dizer o que tenho a dizer, mas é preciso que Clarinha não esteja aqui. (
Levando-a para casa.) Entra por alguns momentos... vai...
TODOS (Entre si, murmurando.) - Que será? Um obstáculo!

CENA IV

OS MESMOS, menos CLARINHA E BABU

GUILHERME - Vamos! Desembuche! Que há de novo?


TODOS - Fale! Fale!
BOTELHO - Vamos, senão rebento!
BARNABÉ - Estou em brasas!
CHICA - Lá vai rapazes! Sabem vocês que nos metemos em boas?

41
CARDOSO - Quais boas, homem?
CHICA - Quando a defunta Maria Angu morreu, pobre que nem Jó, ela que tinha tanto dinheiro, e
deixou no mundo uma filhinha que, com a graça do Senhor, nasceu no Hotel Ravot, lá na Corte...
TODOS - Sim, sim! E que mais?
CHICA - Não estivemos com meias medidas, hein? Dissemos todos a uma: Já que a pequena não
tem pai, nem mãe, há de ser filha da gente cá da fábrica! Foi dito e feito, rapazes! Vocês ficaram sendo
pais (Às mulheres.) e nós, mães! Ora aí está!
TERESA - Até aí morreu o Neves.
GUILHERME (Meio triste.) - Mas para que diabo vir cá lembrar essas coisas?
CHICA - Essas coisa pouco têm que ver com o que lhes quero contar. O caso é que trasantontem
fizemos uma grande asneira.
TODOS - Uma asneira!
CHICA - Para podermos casar a pequena, como não havia certidão de idade, fomos ao Senhor
Vigário e declaramos que ela era filha do Alferes Angu e de sua mulher, Dona Maria Ernestina de
Carvalho Angu.
TODOS - E daí?
CHICA - Daí que a pequena tem vinte anos e há vinte e dois que o Alferes Angu deu a casca!
CARDOSO - Nem tal nos passou pela cabeça!
BOTELHO - Mas havia de passar pela do alferes...
CHICA - Não me interrompam! Ontem mandaram uma carta anônima à comadre do Senhor
Vigário, dizendo que a Clarinha entrou neste mundo dois anos depois que o pai saiu.
BARNABÉ - Que é lá isso? Então minha noiva não é filha do seu pai? De quem então é ela filha?
CHICA - Valha-me Nossa Senhora! Não há de ser do outro senão daquele sujeito rico que lhe
dava cama e mesa no Hotel Ravot.
BARNABÉ - A quem? Ao pai de minha?...
CHICA - Não: à mãe... Era um barão muito rico!
BARNABÉ - Quem?... a mãe?...
CHICA - Não: o pai!
BARNABÉ - O pai da minha noiva, um barão! Que honra, meu Deus! que honra para um barbeiro
sangrador! Ó seu Botelho, o pai, sendo barão a filha que vem a ser?
BOTELHO - Baroa!
CARDOSO - Continue, tia Chica Pitada. Que tem a comadre do Senhor Vigário com o que nos
acaba de contar?
CHICA - A comadre nada; mas diz o Senhor Vigário que é preciso por força arranjar-lhe outro pai.
TODOS - Ah!
BOTELHO - Se o noivo estiver pelos autos!
BARNABÉ - Eu? ora essa! Não me caso com o pai, caso-me com a filha!
GUILHERME- E podes levantar as mãos para o céu! Aquilo é mesmo uma tetéia!
GAIVOTA - Nós, que lhe servimos de pai e mãe, não olhamos as despesas para dar-lhe uma
educação esmerada.
CARDOSO- Foi criada como uma marquesa!
CHICA - Podes dizer uma princesa, porque o foi no colégio das irmãs de caridade.
GUILHERME - Razão pela qual ficou com um ligeiro sotaque francês que lhe dá muita graça.
TERESA - E que juizinho o dela! Como é modesta... inocente!...
BARNABÉ - Oh! lá inocente é ela! Por isso meto eu as mãos no fogo!
CARDOSO - E ainda te queixas?
BARNABÉ - Tão inocente que não se atreve nem a olhar para mim que sou seu noivo!
CHICA - Que diferença entre mãe e filha!
BARNABÉ - É verdade: vocês que conheceram como as palmas das mãos essa famosa Maria
Angu, que deu nome a esta freguesia, digam-me: é verdade tudo o que contam a seu respeito?
CHICA - Se é verdade? Ora essa! Ouve lá, meu rapaz!...

42
Coro
I
- Na fábrica do Pinho
Ainda a encontrei
Era um santo Antoninho,
Onde é que te porei!
Se acaso lhe tocava
Algum sujeito, zás!
(Deita as mãos nas ilhargas.)
Aqui as mãos botava
E agora vê-lo-ás!
Arrogante,
Petulante,
tendo uns cobres no baú,
Respondona,
Gritalhona,
- Era assim Maria Angu!
CORO - Arrogante, etc.;

II
CHICA - Andou por Sorocaba
Por Guaratinguetá,
Por Pindamonhangaba
Por Jacarepaguá.
Depois, em Caçapava,
Um certo capitão
Vendeu-a como escrava
E foi pra correção!
Paraíba
Guaratiba,

Chapéu d'Uvas, Iguaçu,


Itaoca
Aiuroca
Tudo viu Maria Angu!
CORO - Paraíba, etc.

III

CHICA - Enfim, por toda a parte


Depois de muito andar,
Sem mais tirte nem guarte
Na corte foi parar;
Um barão com grandeza
Por ela se enguiçou,
E deu-lhe cama e mesa
No grande Hotel Ravot!
Arrogante, etc.

BARNABÉ - Tudo isso é muito bom, mas vamos, vamos, que se vai fazendo tarde! Eu sinto uma
vontade de me casar...
VOZES (Fora.) - Viva o Imparcial! Viva Nhonhô Bitu!
TODOS - Que é isto? Que barulho é este?

43
CHICA - Ora o que há de ser? É o vagabundo do Nhonhô Bitu!
GUILHERME - Quê! pois já saiu da cadeia?...
TERESA - Ele para lá na prisão!...
CARDOSO - Não sei como diabo tece os pauzinhos! O Senhor Subdelegado, que não é para
graças, manda prendê-lo todas as semanas, e daí a três dias aparece de novo o jornal!...
GAIVOTA - Mas por que o prendem?
CHICA - Pois não sabes que ele é republicano, e escreve artigos contra o Senhor Subdelegado,
que faz o que entende? Manda quem pode! E a graça é que está proibida a leitura do Imparcial, sob
pena de três dias de prisão e multa correspondente... a três meses!
BARNABÉ - Se esse pássaro de arribação se contentasse com escrever gazetas contra a
autoridade, era bem bom, mas arrastar a asa à minha noiva!...
BOTELHO - Lá nesse ponto, Barnabé, podes estar sossegado.
GUILHERME - Ora adeus! cá estamos nós!
OS HOMENS - E também nós!
AS MULHERES - E então nós? e então nós?
BARNABÉ - Vocês tem razão, meus estimados sogros e sogras; quando uma rapariga tem tantos
pais e tantas mães, não se deve temer um sedutor! (Rumor fora.)
BITU (Fora.) - Meu povo, daqui a nada aparece o Imparcial! A assinatura são cinco mil réis por
trimestre, pagos adiantados! Número avulso, cem réis! (Entrando.) Daqui a pouco será distribuído o
interessante e enérgico periódico o Imparcial! Vem descompostura bravia! Viva a liberdade de imprensa!
VOZES (Fora.) - Viva! viva!

CENA V
OS MESMOS, BITU

BOTELHO - Então já saiu do xilindró, Nhonhô Bitu?


BITU - Olé! que chiquismo!
GUILHERME - Mais dia, menos dia, o senhor é enforcado ali ao Largo da Matriz!
BITU - Não creia nisso, Mestre Guilherme; fui hoje solto pela qüinquagésima; mas é muito
provável que me prendam daqui a pouco, logo que se distribua o Imparcial, para ser solto amanhã. E
que fazem vocês, infelizes filhos de Maria Angu? Que fazem vocês, que não reagem contra as
arbitrariedades de um burlesco fanfarrão, arvorado em autoridade policial? Mas, ora adeus! diz o ditado
"o boi solto lambe-se todo"; eu mesmo preso lambo-me bem...
BARNABÉ - Então você é boi?
BITU - Já estabeleci na Câmara Municipal, isto é, na cadeia, o meu escritório de redação.
CARDOSO - Mas o senhor quem é e de onde veio, não nos dirá?
BITU - Pergunta-me bem a quem não lhe pode responder. Todos sabem a minha história, menos
eu, que ignoro quem sou, de onde vim e para onde vou. Aqui onde me vêem está um grande homem!
Abraço as idéias do século e pugno pela nobre causa da democracia! Em 1867 tentei proclamar uma
pequena república na Ilha dos Ratos! Foi a falta de metal sonante que me privou de fazer lavrar a minha
santa propaganda...
BARNABÉ (À parte.) - Santa propaganda! nunca vi esta santa na folhinha!
BITU - Mas para que todo este aparato?
BARNABÉ (À parte.) - Um bonito nome! Propaganda!
CHICA (A Bitu.) - Temos hoje um casório.
BARNABÉ (À parte.) - Quando tiver uma filha, hei de chamá-la Propaganda!
BOTELHO (Mostrando Barnabé.) - E o futuro está presente.
BITU - Pois é este paspalhão? Estou passado!
BARNABÉ - Paspalhão é ele!
BITU - Meus sinceros parabéns, mestre Barnabé.
BARNABÉ - Aceito os parabéns, mas engula, engula o paspalhão!
BITU - Pois engulo, essa não seja a dúvida.
BARNABÉ - E não engolisse!

44
BITU - E com quem se casa este pax-vobis?
BARNABÉ (Entre dentes.) - Insolente!
CARDOSO - A noiva é nossa filha.
CHICA - A filha dos operários da fábrica!
TODOS - Clarinha!
BITU - Clarinha? Ah! é a Clarinha? (Inclinando-se diante de Barnabé.) Nova edição de parabéns!
BOTELHO - A propósito, meu escrevinhador de gazetas; tenho a lembrar-lhe que a honra de
nosso futuro genro nos é tão preciosa como a nossa, ouviu?...
CARDOSO - E que se algum pelintra tivesse o desaforo de ... Percebe?
GUILHERME - Tinha de se haver conosco, entende!
OS HOMENS - Com todos nós!
AS MULHERES - E então nós!
BITU - Que querem vocês dizes na sua?
CARDOSO - Simples advertência, Nhonhô. Agora rapaziada, vamos embora!
TODOS - Vamos embora!
Coro
- Arrogante
petulante, etc., etc., (Saem todos.)

CENA VI

[ BITU ]
BITU (Só.) - Com que então ela casa-se... apesar de todas as suas promessas, apesar do
juramento, que lhe fiz, de matar-me, se se ligasse ao paspalhão do barbeiro! Olhem que é mesmo um
paspalhão! Mas, enfim, louvado Deus, não me hão de faltar consolações, e, para prova, aqui está uma
cartinha que acabo de receber pelo correio. (Lendo.) "Senhor Ângelo Bitu. Uma pessoa que vela pelo
senhor e se desvela pelo seu bem estar, espera que depois d'amanhã se ache no Largo do Rossio, na
Corte, às quatro horas da tarde, junto ao quiosque que fica em frente à Rua do Sacramento, e siga a
preta velha que lhe disser: venho da parte daquela que se desvela pelo senhor". (Declamando.) E com
tanta vela estou às escuras! Não importa! Tomarei o trem das dez... Naturalmente esta carta é escrita
por uma mulher... (Cheirando a carta.) Isto não é cheiro de homem...

Rondó
- Eu gosto muito da Clarinha,
Mas não devo me entristecer,
Pois quero crer que esta cartinha
Consolação vem me trazer.

Este perfume capitoso


Revela esplêndida mulher,
Que, desejando arder em gozo,
Nos lábios seus, meus lábios quer!

Eu gosto muito da Clarinha,


E ser quisera o esposo seu;
Digam porém, se é culpa minha
Coisa melhor baixar do céu!

- Esta carta misteriosa


Me pôs, confesso, o juízo a arder!
A mão que fez tão bela prosa
Ansioso estou por conhecer!

45
Eu gosto muito da Clarinha;
Ela, porém, vai se casar...
Passou-me o pé a Sinhazinha,
Hei de lhe o pé também passar!

De mais a mais este mistério


o meu espírito agitou!
Para saber se o caso é sério,
No trem das dez à Corte vou.

Mas deixe estar, Dona Clarinha,


Que, se me passa agora o pé,
Um belo dia será minha,
Ligada embora ao Barnabé!

CENA VII

BITU, CLARINHA, BABU

BITU (Á parte.) - Ela!


CLARINHA (A Babu.) - Ouviste bem? Está alerta!
BABU - Eh, eh, Sinhazinha! Veja o que faz!
CLARINHA - Fica ali na esquina, e, se os vires, vem dizer-me depressa.
BABU - Ah, Sinhazinha! No dia do seu casamento! (À parte.) O que fará depois? (Sai.)
CLARINHA (Indo resolutamente a Bitu.) - Então? Não me cumprimentas pelo meu vestuário?
BITU (Friamente.) - Minha senhora...
CLARINHA - Não gostas de me ver assim vestida?
BITU - Se queres que te fale com franqueza...
CLARINHA - O caso é que a estas horas eu já devia estar casadinha da silva...
BITU (Tristemente.) - Casada...
CLARINHA - Mas achei um pretexto para demorar a cerimônia: escrevi uma carta anônima ao
vigário.
BITU - E a cerimônia foi transferida à última hora?
CLARINHA - Infelizmente a carta não produziu um resultado completo.
BITU - E agora?
CLARINHA - É preciso procurar outro pretexto; não achas?
BITU - Se eu achasse, estava tudo arranjado.
CLARINHA - Não te lembras de nenhum?
BITU - O mais simples é este: declaras que morres por mim e que eu morro por ti; que somos
dois morrões, como dizia o outro.
CLARINHA - Mas não me havias pedido que guardasse segredo?
BITU - Então não sabes por quê? Porque nada sou, porque não tenho onde cair morto... não
passo de um simples jornalista da roça. A propósito: aqui tens o número de hoje do Imparcial. Tem de
ser distribuído daqui a pouco. Estou só a espera do entregador; não o mostres por ora a ninguém.
CLARINHA (Guardando o jornal.) - Eu já recusei dezenove pretendentes. Bem sabes que meus
pais e minhas mães fazem empenho em meu casamento com Barnabé. Eu não tinha motivo algum para
recusá-lo, e, se o recusasse, seria afligi-los. Que me restava a fazer, se devo tudo àquela boa gente?
BITU - Casas por gratidão, não é assim?
CLARINHA - Não! não me caso, mesmo porque, se o fizesse, tu suicidavas-te.
BITU (Tirando uma grande faca.) - E suicido-me!... (Como quem quer cortar o pescoço.)
CLARINHA - Acredito... acredito... guarda a faca! (Fá-lo guardar a faca.) Vê o dilema em que me
acho; se me caso, matas-te; se não me caso, desgosto a meus pais e minhas mães. Ah! se minha
verdadeira mãe estivesse em meu lugar, outro galo cantaria!

46
BITU - Quem? Maria Angu?
CLARINHA - Era mulher decidida! Para ela não havia obstáculo possível!
BITU - Como diabo se sairia a velha deste entalação?
CLARINHA - É nisso que estou parafusando...
BITU - Parafusemos...

Dueto

AMBOS - Esse pretexto desejado


Encontraremos, tu verás,
Pois diz um célebre ditado
Que a união a força faz.
CLARINHA - Posso dizer que estou doente
BITU - Isso não pega! Tens tão boa cor!
CLARINHA - Vou procurar coisa melhor.
BITU - Esse pretexto é deficiente.
CLARINHA - Não! Não! Dificultoso está!
Maria Angu teria achado já!
AMBOS - Maria Angu teria achado já!...
BITU - Se o Barnabé, o teu futuro,
Exp'rimentar a força do Bitu?
CLARINHA - Queres dar-lhe?
BITU - Hein? que dizes tu?
Creio que enfim achei um furo!
CLARINHA -Não! Não! Dificultoso está!
Maria Angu teria achado já!...
AMBOS -Maria Angu teria achado já!...
BITU - Ao Barnabé prevenirás,
Para ver se te renuncia,
Que tu, mais dia menos dia,
O enganarás...
CLARINHA - Isso se faz...
Mas sem se dizer.
BITU - Então não sei que possamos fazer!
CLARINHA - Eu tenho um meio extraordinário
Que pode evitar tamanho desgosto:
No momento em que o S'or Vigário
Perguntar se caso por gosto,
Em vez de "sim", eu direi"não"!
BITU - Tu dirás "não"?
CLARINHA - Eu direi"não"!
BITU -'Stá dito então!
Ah! que alegria em mim nasce!
Quero beijar-te a rubicunda face!
CLARINHA - Vê que estou vestida assim!
Não queiras beijos de mim!
BITU - Oh! que te importa o vestuário?
Ainda não foste ao Vigário!
Não me dás um beijo tu?
A teus pés morre o Bitu

47
Juntos

BITU CLARINHA
- Meu amor, não tenhas pejo! - Eu não quero, não desejo
Sem demora, dás-me um beijo Receber nem dar um beijo!
Ai, ladrão, não queiras tu Fica quieto, meu Bitu!
Que a teus pés morra o Bitu! Ai, meu Deus! Que fazes tu?

(No fim do dueto, no momento em que Bitu dá um beijo em Clarinha, Sampaio e o Escrivão aparecem
ao fundo. Os namorados fogem, ele para a esquerda e ela para casa.)

CENA VIII

SAMPAIO, o ESCRIVÃO

SAMPAIO - Que é isto? Escândalos na via pública!...


ESCRIVÃO - Senhor Subdelegado, saiba Vossa Senhoria que aquele capadócio que deu as de vila
Diogo é ele!
SAMPAIO - Ah! é ele? Mas ele quem, seu escrivão?
ESCRIVÃO - Ele, o Ângelo Bitu, mais conhecido por Nhonhô Bitu.
SAMPAIO - O redator do Imparcial.
ESCRIVÃO - Tão certo como dois e três são trinta e dois às avessas.
SAMPAIO - Eu mandei-o soltar inda agorinha mesmo, e ele já aqui anda fazendo das suas?!
ESCRIVÃO - Em soltá-lo é que Vossa senhoria faz mal; para aquilo galés perpétuas por toda a
vida e mais cinco anos!
SAMPAIO - Se aparecer de novo o pasquim, cadeia com ele!
ESCRIVÃO - Com o pasquim?
SAMPAIO - Com o Bitu, seu escrivão! Você é um bolas!... Bem como com todo indivíduo ou
indivídua que o ler em público!
ESCRIVÃO - As ordens de Vossa Senhoria serão cumpridas à risca. Mas eu achava melhor
desterrar o tal Bitu.
SAMPAIO - Qual desterrar nem meio desterrar ! Você é um bolas, seu escrivão! Por artes de
berliques e berloques, o tal rabiscador veio ao conhecimento de meus amores com a Chiquinha Valsa...
aquela rapariga da Corte, que parece francesa... aquela que foi passear à Europa à minha custa?...
ESCRIVÃO - Na verdade, só por artes de berloques e berliques...
SAMPAIO - E você compreende que, se aqui sabem de minhas relações com aquela mulher, vai
tudo raso!
ESCRIVÃO - Se eu estivesse no lugar de Vossa Senhoria, bem pouco se me dava... Ora! um
subdelegado!
SAMPAIO - Você é um bolas, seu Escrivão! pois não vê que sou chefe de família? Não tenho
mulher, sou viúvo, mas adeus! aí estão três filhas solteiras... A propósito, seu Escrivão: recebi hoje
notícias que a Chiquinha voltou da Europa. É preciso partirmos amanhã para a Corte. Vamos estabelecer
de novo a banca, que há ano e meio me rendeu bem bom cobre. Você acompanha-me para evitar
suspeitas, entende? E pode arranjar seu gancho, servindo de ficheiro...
ESCRIVÃO - As ordens de Vossa Senhoria serão cumpridas à risca.
SAMPAIO - O que pretendo fazer, antes de partir, é entender-me com o tal Bitu. Sei que é um
troca-tintas, e não hesitará em quebrar a pena, mediante algumas pelegas.
ESCRIVÃO - Eu também estou convencido de que Vossa Senhoria alcançará mais com pelegas do
que com a cadeia. (Vendo vir Bitu.) Olhe, a ocasião é excelente... ele aí vem..
SAMPAIO - Afaste-se, mas não vá para muito longe. Olhe que o cabra é capoeira! Quando eu
gritar...
ESCRIVÃO - Cadeia com ele! As ordens de Vossa Senhoria serão cumpridas à risca. (Sai).

48
CENA IX

BITU, SAMPAIO

BITU - Separaram-se finalmente! Que amoladores serão estes?


SAMPAIO (Consigo.) Não sei por onde hei de principiar...
BITU (Consigo.) - Que grande maçante!
SAMPAIO (Consigo.) Ora! pelo dinheiro! (Dirigindo-se a Bitu.) Não é o célebre redator do
acreditado periódico o Imparcial, ao Doutor Ângelo Bitu que tenho a honra de...
BITU - O próprio, menos o Doutor: não passei dos preparatórios.
SAMPAIO (Amável.) - Aceite minhas felicitações; sou entusiasta pelo seu talento... admiro os
seus bonitos artigos...
BITU (À parte.) - Apanho uma assinatura!
SAMPAIO - Apontar os abusos, desmascarar os intrigantes, difundir a instrução é muito bonito, é
muito louvável, é... Mas o senhor tem sido muito injusto com um cidadão conspícuo, pai de três filhas
solteiras, que é constantemente injuriado nas colunas do Imparcial.
BITU - De quem se trata?
SAMPAIO - Do subdelegado desta freguesia. O senhor não o conhece...
BITU - Não o conheço de vista, mas sei que é um refinado tratante!
SAMPAIO (Gritando.) - Senhor Bitu! (Vendo o Escrivão que espia ao fundo.) Vá embora! não há
novidade! (O escrivão desaparece.) O senhor sabe com quem está falando?
BITU - Não tenho a distinta...
SAMPAIO - Eu sou o subdelegado!
BITU - o Sampaio?! ... Ah!Ah!...

Dueto
BITU - Pois quê! é o Subdelegado?
SAMPAIO - Sim, senhor: Subdelegado!
BITU - Eu não tinha imaginado
Encontrá-lo agora cá!
Ah!ah!ah!ah!ah!ah!ah!
SAMPAIO - De que ri, não me dirá?
BITU - Eu não ligava o nome...
SAMPAIO - Eu cá não me constranjo
Para propor-lhe um bom arranjo:
É matar o Imparcial,
Suprimir o seu jornal!
BITU (Altivo). - Nem quero responder!
SAMPAIO (Á parte.) - Tratante, eu cá te entendo!
(Alto.) Se um bom conteco eu lhe oferecer?
BITU (Com dignidade) - Então, quer me comprar?
Senhor, eu não me vendo!
SAMPAIO - Pois bem! Dois contos! quer!
BITU - Senhor!...
SAMPAIO - Então três contos, sim?
BITU - Três contos...
SAMPAIO - Está dito?
BITU (À parte.) - Três contos, safa! Um bom dote é bem bonito.
E não tem tanto o Barnabé!
SAMPAIO (À parte.) - Oh! Que bom! ele hesita! (Alto.) Eu já propus até
Três contos!
BITU - Não!
SAMPAIO - Dou quatro!

49
BITU - Não há meio!
SAMPAIO - Pois bem! pois bem! eu dou-lhe quatro e meio!
BITU - Não! Eu quero inda mais!
SAMPAIO - Eu generoso sou.
Pois arredondo as contas e cinco dou!
BITU - Cinco contos?
SAMPAIO - Pegou?
BITU - Sim! aceito os cinco contos!
SAMPAIO - E o seu jornal acabará?
BITU - O meu jornal acabou já!
SAMPAIO - E o senhor sai daqui?
BITU - Já tenho os baús prontos!
Quero ser pago já e já!
SAMPAIO - Em minha casa o cobre está!

Juntos

BITU SAMPAIO
- Sim senhor, fiz bom negócio - Sim senhor, fiz bom negócio
- Vou viver em santo ócio! Co'este grande capadócio!
Cinco contos eu ganhei! Cinco contos eu gastei,
Sou mais feliz que um rei! Porém melhor viverei
Brevemente estou casado! Posso agora sossegado
Viva o S'or Subdelegado Ser um bom Subdelegado!
Viva, viva o meu jornal! Morra, morra o tal jornal!
Viva, viva o Imparcial! Morra, morra o Imparcial
(Sampaio sai)
CENA X

BITU, depois BABU

BITU - Então, seu redator do Imparcial, sabe você o que acaba de fazer? Nada menos que vender
a sua pena! Vendê-la, sem! Mas em que há nisto mal? Para velhaco, velhaco e meio. Eu gostava da
Chiquinha Valsa como se pode gostar de uma mulher bonita. É a brasileira mais francesa que eu
conheço! Ela andava também pelo beicinho, e, durante o tempo em que isso durou, passei uma vida de
Lopes. Um dia apareceu este subdelegado em casa dela. Eu disse-lhe que não a queria em companhia
de um matuto... Palavra puxa palavra... zangamo-nos... ela foi para a Europa... e o resultado foi perder
eu a mina! Resolvi vingar-me deste tipo! Vim para cá, fundei o Imparcial, tenho-lhe dado bordoada de
criar bicho, e agora obrigo-o a gastar cinco contos de réis para tapar-me a boca. Isto é o que se chama
habilidade, e o mais são histórias!
BABU (Correndo) - Saia! Depressa! Depressa! Aí vem toda gente! (Reparando.) Uê! Sinhazinha já
foi?
BITU - Já. Vai ter com ela, e dize-lhe de minha parte que já achei o pretexto que procurávamos.
BABU - O ... quê?
BITU - Pretexto. Não se pode falar com gente inculta!
BABU (Repetindo a palavra para lembrar-se.) - Pretexto... pretexto... pretexto... pretexto... (Sai.
Rumor fora.)
BITU - Eles aí vêm! Coragem, Bitu! Um homem é um homem!...

CENA XI

BITU, CARDOSO, GUILHERME, BOTELHO, CHICA PITADA, GAIVOTA, TERESA, BARNABÉ, depois
CLARINHA à janela

50
CARDOSO - Não é preciso tanta pressa. Temos tempo.
BARNABÉ - Mas olhem que minha noiva deve estar com cuidados! Ela ignora o motivo da demora
do casamento, e a estas horas supõe talvez - coitadinha! - que algum obstáculo mais importante nos
prive da ventura de pertencer um ao outro!
BITU - Se é só isso o que receia...
BOTELHO - Ainda o Nhonhô Bitu!
BITU - Eu estava aqui à espera de todos vocês.
TODOS - Ah!
GUILHERME - À nossa espera!
BITU - Aí vai tudo em duas palavras: casando-se aqui com o mestre barbeiro e sangrador,
Clarinha sacrificava-se à gratidão que lhes deve.
BARNABÉ - Que diz ele?
CARDOSO - Cala a boca! (A Bitu.) Adiante!
CLARINHA (Aparecendo à janela, à parte.) - De que pretexto lembraria ele?
BITU - O que é verdade é que eu e Clarinha nos amamos!
CLARINHA (À parte.) - Que ouço!
BITU - Se até agora ocultei esta circunstância, é que estava pobre; mas hoje o negócio muda de
figura.
CLARINHA (À parte.) - Hein?
TODOS - Explique-se...
BITU - Tenho cinco conto de réis!
TODOS - Cinco contos de réis!...
BITU - Portanto o que vocês podem fazer de melhor é dizer ao Barnabé que volte às suas
navalhas e ao seu sabão, e aceitar-me em seu lugar.
BARNABÉ - Ah!
TODOS - Oh!...
GUILHERME - Então, que dizem vocês a isto?
CHICA -Digo é que tenho visto muito homem descarado, mas assim também, não!...
GAIVOTA - Mas, dado o caso que Clarinha goste de você...
BARNABÉ - Deixe-se disso!
GAIVOTA - É uma suposição.
TODOS - Sim... sim...
GAIVOTA - Quem é você? Donde vem? Para onde vai? Sabe dizê-lo?
BITU - Querem saber quem sou? Sou um homem! Donde venho? Da Corte, onde fui educado...
Aonde vou? Aonde o destino e o meu cobre me levarem.
TERESA - E onde foi buscar esse dinheiro? Que cabras não tem...
BITU - Esse dinheiro? Arranjei-o com o Imparcial!
CHICA -Pois é esse papelucho que lhe dá cinco contos de réis?
TODOS - Ora!ora!ora!
CHICA - Então pensa que comemos araras?
BITU - Mas eu asseguro-lhes que...
CARDOSO - E quando assim fosse? Julga que vendemos nossa filha como você vendeu sua folha?
BITU - Mas eu já lhes disse que ela não gosta do Barnabé!
BARNABÉ - Isto revolta!
CARDOSO - Cala-te, que vamos pôr tudo em pratos limpos. Precisamos entender-nos com ela.
BOTELHO - Sim, está claro.
CARDOSO - E quanto a você, seu imparcial, fique na certeza de
que, se ela o ama, damo-lhes cabo do canastro!
CLARINHA (À parte.) - Que ouço! (Deixa a janela.)
GUILHERME - E se ela não o ama, degolamo-lo! (Saem.)
BITU - ( Á parte.) - Estou metido em bons lençóis; enfim.
BARNABÉ (Voltando.) - Sim! se ela o ama.

51
BITU (Ameaçando.) - Ai mau! ai mau!...
BARNABÉ (Fugindo.) - Eu não!... Eu não!... (De longe.) ... dão-lhe cabo do canastro! (Sai)

CENA XII

BITU, só

BITU - Ah! seu Bitu, não bastam cinco contos para se alcançar quanto se deseja! E tinha você
precisão de comprar a felicidade quando ela se lhe oferece grátis? (Mostra a carta.) Acaso esta mulher,
que tão depressa esqueci, este anjo misterioso que vela e se desvela por mim, exige cinco contos de
réis? Ingrato! Idiota!... para teu castigo suprimirás a tua folha, mas também não receberás semelhante
dinheiro, que te escaldaria as mãos!

CENA XIII
BITU, UM TIPO, PESSOAS DO POVO
O TIPO - Ali está ele! ali está ele!
BITU - Bonito! Aí chegam alguns dos meus assinantes!
O TIPO - Viva o redator do Imparcial!
TODOS - Viva! Viva Nhonhô Bitu!
BITU - O Imparcial morreu, meus senhores! (À parte.) E sacrifico toda esta popularidade!
TODOS - Hein?
BITU - Morreu!
O TIPO - Não pode ser! De hoje em diante quem defenderá os interesses da freguesia?
BITU - Procurem outro. Não esperem nada de mim. Amanhã piro-me para a Corte.
TODOS - Ah!
O TIPO - Tu prometeste distribuir agora o jornal!
BITU - Já lhes disse o que tinha a dizer!
TODOS - Oh!

Final

CORO - Nhonhô Bitu, venha o jornal!


Sem mais tardar queremos lê-lo!
Se não aparecer , a gente vai-te ao pêlo!
É já
Pra cá
O Imparcial!

CENA XIV
OS MESMOS, CARDOSO, GUILHERME, BOTELHO, CLARINHA, CHICA PITADA, GAIVOTA, TERESA,
OPERÁRIOS

- Que será? Por que tanto alarido?


ASSINANTES - É Bitu que falta ao prometido!
OPERÁRIOS - Bitu é coisa ruim
E o seu jornal pasquim!
ASSINANTES - Não! não! não! não!
É antes um poltrão!
O TIPO - Não quer mais uma vez
Dormir lá no xadrez!
CLARINHA (À parte.) - O Imparcial aqui vou ler
E deste modo me faço prender!
CORO - Mas ele prometeu, e nós queremos já!

52
Venha o jornal, senão apanhará!
O jornal! o jornal!
Nhonhô Bitu, venha o jornal, etc.
CLARINHA(Lançando-se no meio de todos.) - Ouçam lá!
BARNABÉ - Que vens aqui buscar?
CLARINHA - Desse jornal que tanto faz gritar
Eu consegui um número arranjar!
Tenho-o cá,
E posso lê-lo já!
BITU (À parte.) - Que diz ela!
OPERÁRIOS - Tu, a leres na rua!
BARNABÉ - E isso à hora de casar!
CARDOSO - Pois esta pombinha sem fel
Tem a lembrança singular
De ler na rua este papel!
CORO - Sim! vai ler e nós vamos ouvir!
Mas ela vai para a prisão...
BITU (À parte.) - Eu tremo!
CLARINHA - Haja atenção!

CENA XV
OS MESMOS, O ESCRIVÃO, que entra e observa cautelosamente tudo quanto se passa

Coplas

I
CLARINHA (Lendo o jornal.) - Esta maldita freguesia
De um grande abismo à beira está
Não tem o povo garantia,
Moralidade aqui não há!
O famoso subdelegado
Do cargo seu não quer cuidar,
Porque leva esse desgraçado
Todas as noites a jogar!
É isto, leitores, pregar no deserto,
E não vale a pena, não vale, decerto,
Qu'rer dar remédio a tanto mal
No independente Imparcial!
CORO - É isto, leitores, pregar no deserto, etc.
O ESCRIVÃO (À parte.) - Ora espera! (Sai.)

II
CLARINHA - Conquanto viúvo e já cansado,
E com três filhas a educar,
Tem o Senhor Subdelegado
Uma mulher particular.
Lá na Corte essa tipa mora,
Casa de muito luxo tem...
Tudo quanto ela deita fora
Paga este povo e mais ninguém!
É isto, leitores, pregar no deserto, etc.

53
CENA XVI
OS MESMOS, O ESCRIVÃO, SOLDADOS

ESCRIVÃO - Prendam esta senhora!


CORO - Céus!
BITU - Isso não quero eu!
Alego sem demora
Que aquele artigo é meu!
ESCRIVÃO E SOLDADOS - Para a prisão sem tardar!
BITU - O preso devo ser eu!
ESCRIVÃO E SOLDADOS - Para a prisão sem tardar!
BITU - Pois se aquele artigo é meu!
ESCRIVÃO E SOLDADOS - Para a prisão sem demorar!
BARNABÉ - Ai! fica o noivo em casa só,
E a noiva vai pro xilindró!
CLARINHA - Deixem, deixem que me prendam!
Vou contente pra prisão!
Não dispute, não contendam!
Assim quer meu coração!
BITU - Oh! entreguem-na ao desprezo!
Vossem'cês não têm razão!
Sou eu que devo ser preso,
Eu que devo ir pra prisão!
BARNABÉ E OPERÁRIOS - Oh! meu Deus, que coisa feia
Ir Clarinha pra prisão!
E livrá-la da cadeia
Ai! não está na nossa mão!
ESCRIVÃO - Prendam, prendam sem demora!
Não aceito apelação!
Levem, levem a senhora
Direitinha pra prisão!
(Durante este coro, grande movimento. O Escrivão arrasta Clarinha, enquanto os soldados cruzam as
baionetas contra o povo, que se quer opor à prisão.)

[(Cai o pano.)]

ATO SEGUNDO
Sala muito rica. Portas laterais e ao fundo. Candelabros com luzes.

CENA I
COCOTES, sentadas aqui e ali; entre elas CIDALISA, LEONOR, e MADEMOISELLE X; SAMPAIO, de pé,
depois, CHICA VALSA.

CORO DE COCOTES - É decerto muito engraçado


O que acaba de nos contar!
Realmente faz espantar
O poder de um subdelegado,
Que até mesmo pode matar!
Se bem que em lugar afastado
Se desse o caso singular,
É decerto muito engraçado
O que acaba de nos contar!

54
SAMPAIO - Pois é verdade, minhas senhoras; foi assim que o caso se passou, em plena praça, e
com uma rapariga que ia casar naquele dia!
LEONOR - Na roça dão-se coisas!
MADEMOISELLE X - C'est incroyable!
CIDALISA - Mas que escândalo!...
SAMPAIO - Não há como ser subdelegado lá fora! Faz-se o que se quer, e mais alguma coisa!
CHICA VALSA (Entrando.) - Seu Sampaio, veja se fala de outra coisa. Não há mais assunto para
a conversa senão a sua subdelegacia?
SAMPAIO - Lá na freguesia eu posso quero e mando! Um vagabundo, vendo que aqui na Corte
não arranjava farinha, arvorou-se em redator de gazeta, foi para lá, e fundou um pasquim, o Imparcial.
CHICA VALSA (À parte.) - É ele!
SAMPAIO - O patife embirrou comigo, e toca a dar-me bordoada. Tenho apanhado como boi
ladrão. No último número descobriu os meus amores aqui com a Chiquinha...
CHICA VALSA (À parte.) - Deveras? (Alto.) Se você não fosse se gabar lá na roça do que faz aqui
na cidade...
SAMPAIO - Eu gabar-me! Por meu gosto ninguém o sabia! Tenho três filhas solteiras!
CIDALISA - Adiante.
SAMPAIO - O tratante descobriu também que eu ia todas as noites jogar o vira-vira em casa de
Lopes Boticário, e pôs-me a calva à mostra. Se eu não tivesse autoridade e se não tivesse dinheiro,
estava a estas horas desmoralizado!
MADEMOISELLE X - C'est incroyable!
SAMPAIO - Mas que fiz eu? Proibi a leitura do Imparcial em público sob pena de cadeia!
TODAS - Oh!...
SAMPAIO - Depois encontrei o troca-tintas a jeito e, vendo que com a cadeia nada arranjava
(pois já o tinha mandado prender meia dúzia de vezes) prometi-lhe cinco contos de réis para acabar
com o pasquim e bater a linda plumagem.
CHICA VALSA - E ele aceitou essa proposta?
SAMPAIO - Aceitou, mas depois disso já saiu mais um número do jornaleco... e até essa data ele
ainda não foi buscar os cobres.
CHICA VALSA(À parte.) - Pois Bitu faria isso? (Alto.) Então? Joga-se ou não se joga hoje?
MADEMOISELLE X - Mais, dame! Le rende-vouz est à minuit!
SAMPAIO - O meu escrivão foi prevenir os parceiros para a meia-noite. O Sota-e-ás incumbiu-se
de trazer mais alguns.
CHICA VALSA - O diabo é a polícia... Moramos num lugar tão público! Para evitar suspeitas,
lembrei-me de iluminar a casa para um baile, como estão vendo.
SAMPAIO - É o diabo! os morcegos não dormem!
CHICA VALSA - Tive outra lembrança. Os sujeitos que vêm cá jogar são muito conhecidos da
polícia. Preveni-lhes que trouxessem barbas postiças e casacões. Com os senhores urbanos é preciso
muita cautela.
MADEMOISELLE X - C'est incroyable!
CHICA VALSA - São finos como lã de cágado!

Coplas

CHICA VALSA - Respeitai os senhores urbanos!


CORO - Os urbanos!
CHICA VALSA - Não são pra graça tais maganos;
Tem olho vivo, espertos são,
E contra nós, paisanos,
Em guarda sempre estão!

55
- Como um corcel bem ardido a galope.
A morcegada avante vai!
Ninguém com ela tope,
Porque por terra cai!
Se acaso encontra uma senhora,
Bem pouco se lhe dá! esteja muito embora!
Aqui é cutilada!
Ali é pescoção!
Pontapé! Cabeçada!
Cachaça! Bofetão!
CORO - Respeitai os senhores urbanos, etc.

II
CHICA VALSA - Já não se pode estar tranqüilamente
Jogando numa reunião:
Na sala de repente
Os morcegos estão!
Abre de par em par a porta
A morcegada, e investe, arranha, fere e corta!
Uns correm pr'este lado
E os outros para ali!
Metida em tal assado
Mais de uma vez me vi!
CORO - Respeitai os senhores urbanos, etc.

CENA II

OS MESMOS, SOTA-E-ÁS

SOTA - Boa noite! boa noite! Cada vez mais béias, mais aebatadoias!(A Chica Valsa.) Góia à
deusa desta casa! (A Mademoiselle X.) Bom soir; passez-vous bien?
MADEMOISELLE X - Oh! quel français! C'est incroyable!
SOTA - Fancês muito bom! Apendi-o no Acazá! Tou aebatado! Boa noite, seu Sampaio... você tá
na pesença de um home aebatado! (Dá um pulo e pisa Sampaio.)
SAMPAIO (Gritando.) - Oh! muito arrebatado!
MADEMOISELLE X - Quelle grâce!
CIDALISA - Como ele pula!
LEONOR - E como cai tão chique!
SAMPAIO - Em cima do meu melhor calo! Muito obrigado!
SOTA - Eu sei puiá! E dançá! Quem dança na Cote como eu? Sou um dançaino! (Dá viravoltas.)
CHICA VALSA - O que admiro é sua imprudência de entrar aqui a estas horas, sendo jogador
conhecido e sabendo que a polícia...
SAMPAIO - E que os urbanos...
SOTA - Óia! A poícia! os ubanos! Passei no meio deis!
TODOS - No meio deles?
SOTA - Acotoveiando-os assim! (Acotovela-os.)
SAMPAIO - Mas o senhor estava só?
SOTA - Sozinho com a gaça de Deus e meu podê excutivo! (Brande a bengala)
MADEMOISELLE X - Aussi beau que charmant!
CIDALISA - E como é leve!
SOTA - Como uma pena! Qué vê? (Vai para pular, Sampaio pega-lhe no pé.)
SAMPAIO - Deixe disso!
A VOZ DE BARNABÉ - Deixem-me entrar! deixem-me entrar!

56
CHICA VALSA - Quem é? Quem é? (Entra Barnabé esbaforido, com uma mala debaixo do braço.)

CENA II

OS MESMOS, BARNABÉ

BARNABÉ - Com licença, minha senhora... Desculpe... é que...


SAMPAIO (À parte) - Valha-me Nossa Senhora! É o barbeiro lá da freguesia! (Escondendo-se
atrás de uma cadeira.) Vem atrás da noiva. Não há que ver!
CHICA VALSA - Quem é este homem? que deseja?...
BARNABÉ - Minha senhora... preciso falar-lhe... eu... minha noiva...
CHICA VALSA - Tome fôlego, senhor!
SOTA - Como ei tem os cabeios eiçados!
CHICA VALSA - E o olhar esgazeado!
TODOS - Fale! fale!
SAMPAIO (À parte.) - Estou metido em boas!
BARNABÉ - Se tenho os cabelos esgazeados e o olhar eri... não!... o olhar esgazea... não...
CHICA VALSA - Veja lá no que fica!
BARNABÉ - É que me sucedeu uma grande desgraça!...
CHICA VALSA - E que tenho eu com isso?
BARNABÉ - Ia casar-me com um anjo que adorava, e...
CHICA VALSA - E foi traído?
BARNABÉ - Por ora não; mas ouça: no próprio dia de nosso casamento, ela foi presa por ler uma
gazeta que se imprime lá na freguesia, apesar de estar proibida a leitura pelo subdelegado. No outro dia
quiseram soltá-la e não a encontraram mais na prisão. O escrivão do juiz de paz, a quem costumo ir aos
queixos, contou-me tudo: minha noiva fugiu aqui para a Corte em companhia do senhor subdelegado.
CHICA VALSA - Mas de onde é o senhor?
BARNABÉ - Eu sou de Maria Angu!
CHICA VALSA - E o subdelegado chama-se?
BARNABÉ - Chama-se Seu Sampaio;
CHICA VALSA - Ah!
BARNABÉ - Ora, como O senhor subdelegado, sempre que vem à Corte, hospeda-se em sal casa,
eu vim pedir-lhe, Senhora Dona, que...
SAMPAIO (À parte.) - Estou arranjadinho...
BARNABÉ - Oh! se a senhora conhecesse a minha noiva... É tão inocente, coitadinha... Acredite
que não fez aquilo por mal.

Romance
I
- Ela é muitíssimo inocente!
Supôs que não fizesse mal,
E pôs-se a ler o Imparcial
Pra que o ouvisse toda a gente!
Não julgou ser coisa imprudente
Em alta voz ler um jornal,
De mais a mais imparcial!
Ela é muitíssimo inocente!

II

- Ela é muitíssimo inocente;


Tem bem formado o coração;
Não tinha visto a proibição.

57
E foi filada incontinente!
Dói-me bastante vê-la ausente,
Porém não devo recear
Que alguém ma possa conquistar!
Ela é muitíssimo inocente!
CHICA VALSA - Muito bem! Onde está o Senhor Sampaio? (Vendo-o.) Que faz aí escondido?
Venha, que temos contas a ajustar! (Sampaio sai do seu esconderijo.)
SOTA - C'est bon ça... c'est bon ça...
BARNABÉ - (Vendo Sampaio.) - Olé! Vai dar-me contas de minha noiva! (Avança.)
SOTA (Suspendendo-o.) - Não se deite a pedê!
SAMPAIO (Atrapalhado.) - Espere, senhor! Vou explicar-lhe tudo. (À parte.) Esta gente não
entende de justiça: posso mentir a meu gosto. (Alto e arrogante.) Nós somos subdelegado, entendem?
Muito bem! A noiva deste senhor leu publicamente um jornal cuja leitura havíamos por bem proibir
entendem? Tratava-se de uma menor branca e de bons costumes...
BARNABÉ - Eu arrebento!
SOTA - Não aebente!
SAMPAIO - O código não previne este caso..
BARNABÉ - Eu é que o previno de que...
SOTA - Não se deite a pedê. É a poícia que tá faiando. (A Sampaio) Continue a poícia...
SAMPAIO - Nós, como tínhamos que vir para a Corte, trouxemos a presa conosco.
BARNABÉ - Nós quem?
SAMPAIO - Nós eu! Quando a autoridade fala, é nós!
CHICA VALSA - Adiante!
SAMPAIO - Trouxemo-la conosco... e temo-la em depósito... Vamos apresentá-la ao chefe de
polícia. (À Parte.) Foi bem sacada!
CHICA VALSA - Sabe que mais? Vá buscá-la!
SAMPAIO - Hein?
CHICA VALSA - Bem te conheço, quaresma mas não posso jejuar! Como o senhor, contando-nos
a prisão dessa moça, não nos disse que a tinha trazido? Ande! vá buscá-la! (A Barnabé.) Você volte
logo.
BARNABÉ - E a senhora promete-me?...
CHICA VALSA - Sim, sim, mas volte logo!
BARNABÉ (Já risonho.) - Então vou ver as figuras de cera na Guarda-velha, e volto.( Vai saindo e
dá um encontrão em Sampaio.)
SAMPAIO - Irra!... (Atira-o sobre Sota-e-ás.)
SOTA (Empurrando-o.) - Passa f´óia!
BARNABÉ - Perdoem! (Sai.)
CHICA VALSA - Esta rapariga é bonita?
SAMPAIO - Fazenda.
CHICA VALSA - Foi um achado. Vá buscá-la.
SAMPAIO - Mas...
CHICA VALSA - Não ouve? Nós o queremos!
SAMPAIO - É que...
CHICA VALSA - Eu também sou autoridade!... eu também sou nós!...
SAMPAIO - Eu vou... eu vou... (Sai.)
CHICA VALSA - Seu Sota, você hoje tem ocasião de falar ao Barão de Anajámirim?
SOTA - Tavez
CHICA VALSA - Diga-lhe que pode vir ver aquilo de que falamos. Olhe, vá procurá-lo. Adeus, até
a meia noite. Não falte!
SOTA - Vou num puio! Como um zéfio!... (Antes de sair, dirige-se à Mademoiselle X e dá-lhe um
pequeno embrulho.) O Amará lhe manda esse presente. Vem uma catinha dento. Adieu! Adieu! (Sai
dançando.)

58
CHICA VALSA (Às cocotes.) - Vocês por que não vão até o jardim do cassino que é tão perto?
Ainda é cedo; até as onze e meia há tempo para fintar um paio.
LEONOR - Ou mesmo dois! (Às outras.) Vamos?
TODAS - Vamos! Até logo..

CENA IV

CHICA VALSA, depois GENOVEVA

CHICA VALSA (Só.) - O Sampaio e o jogo não me bastam. A incumbência é lucrativa, e não é a
primeira que desempenho com felicidade. Se a pequena é realmente bonita, o barão me pagará bem...
Hoje é um dia completo! Só me falta o meu Bitu!...
GENOVEVA (Entrando.) - Minh'ama, Senhô Sampaio trouxe uma moça vestida de noiva, que está
esperando que vossemecê a mande entrar.
CHICA VALSA - Já?! O tal depósito era perto! Diga-lhe que entre!
GENOVEVA (À parte.) - Entre, Sinhá! (Sai.)

CENA V

CHICA VALSA, CLARINHA

CLARINHA (Ao fundo, consigo.) - Como isto é bonito!... Que luxo!... Como se deve viver bem
aqui!...
CHICA VALSA - Aproxime-se, moça!
CLARINHA - Aqui estou, minha senhora!
CHICA VALSA - Chegue-se mais!... (Reparando.) Gentes!
CLARINHA - Que vejo!
CHICA VALSA - Clarinha!
CLARINHA - Tu aqui?! Conheces a dona da casa?...
CHICA VALSA - A dona da casa sou eu...
CLARINHA - Será possível?...
CHICA VALSA - Nunca ouviste falar na célebre Chica Valsa? Sou eu!
CLARINHA - Tu?... Mas no colégio chamavam-te Chiquinha Morais...
CHICA VALSA - Deitei fora a moralidade, e o povo entrou a chamar-me Chica Valsa, porque
ninguém valsava como eu nos bailes do Pavilhão.
CLARINHA - E o caso é que ficaste, mais do que eu, com este sotaquezinho que nos deixou a
educação entre franceses.
CHICA VALSA - Eu faço de propósito para que tomem por francesa.
CLARINHA - Eu já tenho perdido todo o sotaque.
CHICA VALSA - Mas conta-me a tua história, pelo menos de anteontem para cá.
CLARINHA - É muito engraçada. Queriam casar-me contra a minha vontade com o mestre
barbeiro lá da terra.
CHICA VALSA - Continua.
CLARINHA - Ora, eu não podia nem casar-me nem deixar de me casar.
CHICA VALSA - Como assim?
CLARINHA - Primeiro que tudo, porque há lá um bonito rapaz que julgo preferir...
CHICA VALSA - Que julgas?
CLARINHA - Que... prefiro, se assim o queres.
CHICA VALSA - Agora entendo.
CLARINHA - Segundo que tudo, esse rapaz tinha jurado matar-se, se eu me casasse com o
barbeiro!
CHICA VALSA - E tu acreditaste nisso, criança?

59
CLARINHA - Se o conhecesses? É um rapaz destemido... meio maluco! - Esse casamento era
imposto pelos operários da fábrica do Pinho, que me educaram...
CHICA VALSA - Lembra-me bem: teus pais e tuas mães. Como vão eles?
CLARINHA - Bem, obrigada. Enfim, para sair do embaraço em que me via, só tive um meio:
deixe-me prender lendo um jornal cuja leitura...
CHICA VALSA - Eu sei disso. Foi uma boa idéia.
CLARINHA - O subdelegado foi à minha prisão, achou-me bonita, e perguntou-me: - Menina, quer
ir para a Corte comigo? - Eu disse aos meus botões: Uma vez na Corte, escrevo ao meu namorado,
reunimo-nos, casamo-nos,... aceitei a proposta do subdelegado.
CHICA VALSA - E daí?
CLARINHA - Daí, cá estou. Passarei pelo perigo e ficarei incólume, compreendes? O que não sei é
para que me trouxeram à tua casa. Ele havia-me alugado um quarto no Hotel dos Príncipes.
CHICA VALSA - Mas que lembrança a tua!
CLARINHA - Lembranças as que tínhamos no colégio, hein? Aquilo sim!..
CHICA VALSA - Ah! bom tempo! bom tempo!
CLARINHA (Suspirando) O colégio!..
CHICA VALSA (Suspirando.) - O colégio...

Dueto
JUNTAS - Tempo feliz da infância pura,
Em que há mamãe, em que há papai!
Tanto prazer, tanta ventura,
Fugiu veloz, bem longe vai!

CHICA VALSA - Lembrada estás quando fui ao portão


Pra conversar cum estudante
Do qual conservo ainda - e por que não?
Muita cartinha interessante?

CLARINHA - Lembrada estás de um professor


Que, me encontrando um dia a jeito,
Apertou-me contra o seu peito
E quatro beijos me pregou?

CHICA VALSA - E felizmente o tal sujeito


Com isso só se contentou...

JUNTAS - Tempo feliz da infância pura, etc.

CHICA VALSA - Hoje aqui - deixa que te diga!


Passo uma vida de invejar!

CLARINHA - Eu não invejo, minha amiga,


O teu viver de lupanar!

CHICA VALSA - Ah! naquele belo tempo,


Que passou, não volta mais,
Eu dar-te-ia esta resposta
Na linguagem dos teus pais:
(Pondo as mãos à ilharga.)
Eh! Olá! Não grimpes, não!
Ou retiras a expressão,
Ou co'esta mão

60
Dou-te muito pescoção

CLARINHA - Eu poderia responder


(mesmo jogo de cena.)
Vosmecês não querem ver
Esta tipa sem pudor,
Negociando o seu amor,
E vendendo a quem mais der
Seus encantos de mulher!

JUNTAS - Ai que prazer!


CHICA VALSA - Isto é melhor, pudera não!
Do que a linguagem de valão!

JUNTAS Ah! ah! ah! bonitas coisas


No colégio fui saber,
E hoje em dia,
Todavia,
Tenho ainda que aprender!
Que prazer a infância dá!
Outro assim não há!...

CHICA VALSA Lembrada está de alguns dizeres


Que sem querer fui saber eu?
Diziam que teu pai morreu
Dois anos antes de nasceres

CLARINHA Lembrada estás de certa história


Que foi bem pública e notória
No bom tempo que lá vai?
Nós não soubemos nunca o nome de teu pai!

JUNTAS Ah! ah! ah! bonitas coisas, etc.

CHICA VALSA - Tu serás muito feliz, muito feliz, Clarinha; quem to assegura sou eu. (À parte.) O
resultado é duvidoso...

CENA VI

AS MESMAS, GENOVEVA, depois o ESCRIVÃO

GENOVEVA (Entrando.) - Minh'ama, posso falar a vossemecê?


CHICA VALSA - Por que não?
GENOVEVA - A vossemecê só?
CHICA VALSA - Que temos?
GENOVEVA - Uma preta velha, acompanhada por um moço, que querem falar a vossemecê. Estão
no corredor.
CHICA VALSA (À parte.) - Oh! meu Deus!... Já nem me lembrava que Bitu podia chegar agora!
CLARINHA - Estou te embaraçando?
CHICA VALSA - Não, mas...
ESCRIVÃO (Entrando.) - Perdão, minha senhora, onde está sua senhoria, o senhor subdelegado?
(À parte.) - A noiva do Barnabé aqui!
CHICA VALSA - Não sei: está no meu bolso!

61
ESCRIVÃO - Vou procurá-lo. (Cumprimenta e diz à parte.) E no corredor o Nhonhô Bitu... Aqui há
coisa... hei de saber! (Vai saindo e escorrega.)
CLARINHA - Não caia, seu aquele!
ESCRIVÃO - Escorreguei no ispermacetes...
CHICA VALSA - Tu, minha querida Clarinha, entra para este quarto; hei de ir ter contigo. Fica
sossegada: não te casarás com o Mestre Barnabé.
CLARINHA - Obrigada. (Sai.)
CHICA VALSA - Manda entrar...
GENOVEVA - A preta velha e o moço?
CHICA VALSA - O moço só, estúpida! (Genoveva sai.)

CENA VII

CHICA VALSA, BITU

BITU (entrando.) Ora esta! era você?!...


CHICA VALSA - Sim, era eu! Venha de lá esse abraço!
BITU - Mas isto foi uma traição! (Á parte.) Ainda está mais bonita!
CHICA VALSA - Não tenhas medo! Abraça-me...
BITU (Abraçando-a.) - Medo de que ?
CHICA VALSA - Estava com muitas saudades suas. Chamei-te para fazermos as pazes.
BITU - Estão feitas! (À parte.) E Clarinha, que deixei presa em Maria Angu. (Alto.) Julguei que
não tivesse voltado da Europa.
CHICA VALSA - Há quinze dias... Havemos de conversar.
BITU - E... o motivo da nossa separação?
CHICA VALSA (Embaraçada.) Hein?
BITU - O pomo?
CHICA VALSA - Que pomo?
BITU - O pomo da discórdia! O Sampaio!
CHICA VALSA - E você a dar-lhe com o Sampaio! Que diabo! Seja razoável, Bitu!
BITU - Não importa! Estou bem vingado!
CHICA VALSA - Já sei que você pintou a manta em Maria Angu.
BITU - A manta, o sete, o padre, o simão de carapuça e até a saracura! Pintei tudo! Mas...
CHICA VALSA - Mas... falemos de nós.

Duetino

CHICA VALSA - Até que enfim, Bitu, eis-me a teu lado!


BITU - Enfim ao lado meu estás!
CHICA VALSA - Ingratatão!
BITU - Não me dirás
Por que é que fui por ti chamado?

CHICA VALSA - Quero, ó Bitu, saber por quê


Lá em Maria Angu você
Me injuriou num papelucho!
Pois tu não sabes, meu Bitu
Que sem dinheiro não podias tu
Agüentar tamanho repuxo?

BITU - Oh! Não me digas isso, não!


Eu te adorava, coração!
Se dispensasses tanto luxo,

62
Se não andasses tão liró,
Podias tu ser minha só!
Se bem que pobre como Jó,
Eu agüentava tal repuxo!

CHICA VALSA - No peito meu rebenta uma esperança!


Inda és o mesmo, eu logo vi!
Meu coração enfim descansa!
Saudades tuas tive em França...

BITU - Se tais saudades mereci,


Não me trouxeste uma lembrança?

CHICA VALSA -Nem mesmo numa sepultura


Eu poderia me esquecer de ti;
Trouxe-te uma abotoadura...

BITU - Oh! não me digas isso, não!


Talvez custasse um dinheirão!

CHICA VALSA - Oh! não!

BITU - Não me esqueceste, oh! que ventura!


É teu de novo o meu amor!
É tua a pena do escritor
E a tesoura do redator!
Eis-me a teus pés, ó minha flor!
- Mostra-me a tal abotoadura!

CENA VIII

OS MESMOS, GENOVEVA, depois CLARINHA

GENOVEVA (Entrando.) Minh'ama! Minh'ama!


CHICA VALSA (Dirigindo-se a ela.) - Que temos?
GENOVEVA (Baixo.) - Aquele home, escrivão de sinhô Sampaio, falou à preta velha que
acompanhou aquele moço, depois foi muito apressado dizer não sei o quê a Sinhô Sampaio e todos dois
vêm aí. Sinhô Sampaio estava no Largo do Rossio. Vem furioso!
CHICA VALSA (À parte.) - Fazer sair Bitu? Não! Há tão pouco tempo chegou... Ah! (Chamando.)
Clarinha! Clarinha!
BITU (À parte.) - Clarinha! Que coincidência de nomes!
CLARINHA (Entrando.) - Que é?
BITU - Que vejo! Ela!
CLARINHA - Ah!
CHICA VALSA - Conhecem-se?
GENOVEVA - Minh'ama, ele aí chegam.
CHICA VALSA (A Clarinha e Bitu.) - Por favor, não me desmintam! A tudo quanto eu disser, Ora
pro nobis; confirmem, ou estou perdida!
CLARINHA E BITU - Perdida!
CHICA VALSA - Silêncio!

63
CENA IX

OS MESMOS, SAMPAIO, O ESCRIVÃO

SAMPAIO (Entrando, zangado.) - Sei tudo! Sei tudo!


CHICA VALSA - Que isto quer dizer?
SAMPAIO - Sei que a senhora e este senhor entendem-se perfeitamente!
CLARINHA (À parte.) - Hein?
SAMPAIO - E que o recebeu em sua casa, isto é, em minha casa!
CLARINHA - É só isso? É verdade que recebi este senhor em minha casa!
SAMPAIO - Minha! La maison est de moi! Je suis le subdelegué qui mande ici!...
CHICA VALSA - Esta senhora é a minha melhor amiga. O Senhor Ângelo Bitu ama Dona Clarinha
Angu, e é correspondido. Eu quis aproximá-los... (Baixo.) e malograr o seu intento, percebe?...

Quinteto

SAMPAIO - Hein?
ESCRIVÃO - Ih!
SAMPAIO - Oh!
CLARINHA - Eu cá zombar não quis...
CHICA VALSA - Se o senhor de mim desconfia,
Faz-me chegar a mostarda ao nariz!

SAMPAIO - Pois bem! que jure aqui reclamo


Que gosta do Bitu!
CLARINHA - Já que assim quer, eu lhe juro que o amo!
CHICA VALSA (À parte.) - A pobrezinha corada ficou,
Repetindo tais c'raminholas!

ESCRIVÃO( À parte.) - Vai dizer que sou um bolas!


SAMPAIO (A Bitu.) - E você lá, seu redator,
Aqui só está por causa dela?
BITU - Juro, caríssimo senhor,
Que aqui vim ver a minha bela!

ESCRIVÃO -Uh!
CHICA VALSA - Meu caro senhor, é por ela
Que se acha aqui Nhonhô Bitu,
E não foi senão para vê-la
Que ele deixou Maria Angu.

JUNTOS - Meu caro senhor, é por ela, etc.


SAMPAIO e ESCRIVÃO - Pois não será por causa dela
Que se acha aqui Nhonhô Bitu!
Foi para ver a tal donzela
Que ele deixou em Maria Angu.

BITU e CLARINHA - Não, não senhor, não é por ela


Que se acha aqui Nhonhô Bitu!

{vê-la e dar-lhe trela


Foi para {
{ ver-me e dar-me trela

64
Que lá deixei }
} Maria Angu!
Que ele deixou }
SAMPAIO (A Clarinha) - Mas não! Com Barnabé casar-se deveria!
Zombando estão de mim!

CHICA VALSA - Aí com que perfeição


Mente aquele ladrão!
SAMPAIO - Isso é sério?
BITU - Sério sou!
ESCRIVÃO (À parte.) - O pobre diabo acreditou!
TODOS - A coisa está patente!
A Chica tem razão!
Não pode tanta gente
Fazer combinação!

SAMPAIO - Seu escrivão, que diz a isto?


Você é um bolas, um grande animal!
ESCRIVÃO - Perdão! Enganei-me, está visto...
Julguei mal...
Eu fiz uma apreciação falsa...
Mas vendo estou....

SAMPAIO - Que vês tu?


ESCRIVÃO - Que a Senhora Chica Valsa
Não faz caso do Bitu!
CHICA VALSA - Ora aí está que sem malícia
Me defende este escrivão!
O escrivão é da polícia;
Tem valiosa opinião.
TODOS - Ora aí está que sem malícia
Me}
} defende este escrivão, etc.
A }

SAMPAIO - Está tudo acabado! (Estendendo a mão a Bitu.) Seja meu amigo.
BITU (Apertando-lha.) Obrigado, senhor.
SAMPAIO (Ao Escrivão.)- Você é um bolas, seu escrivão!... Vá se deitar...
ESCRIVÃO - As ordens de Vossa Senhoria serão cumpridas à risca. (Vai saindo.) Sobem a
escada...
CHICA VALSA - Serão já os rapazes?
ESCRIVÃO - É o mestre barbeiro Barnabé. (À parte.) Decididamente, todo o Angu mudou-se para
esta casa. (Sai.)
CHICA VALSA - É o Barnabé!
CLARINHA - Meu noivo!
CHICA VALSA - É preciso que ele não te veja! (Conduzindo Clarinha e Bitu à direita.) Entrem para
a sala de jantar. (Bitu e Clarinha saem.) Oh! que idéia! É preciso desfazermo-nos deste Barnabé! Já nem
me lembrava dele! Clarinha deve pertencer-me! (A Sampaio.) Dê-me o seu apito.
SAMPAIO - Para quê?
CHICA VALSA - Não ouve? Sampaio dá-lhe um apito, Chica Valsa tira uma pulseira do braço.)

65
CENA X

OS MESMOS, BARNABÉ, depois DOIS URBANOS

(Música na orquestra.)
BARNABÉ (Sempre com a mala.)- Com licença! Já vim das figuras de cera. Mal empregados cinco
tostões. Onde está minha noiva? (Enquanto Barnabé fala, Chica Valsa mete-lhe a pulseira no bolso:
depois corre ao fundo e apita.)
SAMPAIO - Que é isto?
BARNABÉ - Que quer isto dizer?
CHICA VALSA (Gritando.) - Um gatuno! um gatuno!...
BARNABÉ - Onde está o gatuno, minha senhora? onde está o gatuno? Socorro! pega! Pega!...
(Entram dois urbanos.)
CHICA VALSA (Aos urbanos, mostrando Barnabé.) - Camaradas, este homem introduziu-se em
minha casa; é um gatuno! Vejam se ele não tem no bolso uma pulseira! (Os urbanos revistam os bolsos
de Barnabé.)
BARNABÉ - Mas que é isto?! eu não sou gatuno!... Não me meta a mão no bolso! Onde já se viu
isto?!...
CHICA VALSA - Prendam-no! (Os urbanos acham a pulseira e entregam-na a Chica Valsa.)
URBANOS - Venha... venha! (Desembainham os refes e arrastam Barnabé para fora. Cessa a
música.)
SAMPAIO (À parte.) - Esta mulher é da pele do diabo! Eu safo-me, senão é capaz de me mandar
também para a cadeia! (Sai apressado.)
CHICA VALSA - Venham... venham...
CLARINHA (Entrando.) - Dali vimos e ouvimos tudo.
BITU (Entrando.) - Para que prendê-lo?
CLARINHA - Que prisão esquisita!
CHICA VALSA (À parte.) - É quase meia noite: os rapazes não tardam... (Genoveva entra.)
Clarinha, vai com a criada. Genoveva, leva esta moça para a saleta, onde passará a noite.
BITU (Á parte.) - Ela vai dormir aqui?!
CHICA VALSA - Deita-te, dorme bem, a amanhã conversaremos.

CENA XI
CHICA VALSA, BITU

CHICA VALSA - Eis-nos sós. Não percamos tempo! Sabes jogar o bacará?
BITU - Por quê?
CHICA VALSA - Responde! anda!...
BITU - Eu sei jogar tudo, desde o burro e o pacau até o xadrez.
CHICA VALSA - Tens dinheiro? (Bitu coça a cabeça.) Empresto-te duzentos mil réis. (Dá-lhos.)
Estás numa casa de jogo; não sabias?
BITU - Deveras?
CHICA VALSA - Quero-te ao pé de mim, e só jogando poderei consegui-lo... Depois, acharei meio
de me ver livre do Sampaio.
BITU - Bem.
CHICA VALSA (Com mistério.) - Eles aí vêm.
BITU - Eles quem?
CHICA VALSA - Os parceiros... Vem comigo... (Saem.)

CENA XII
SOTA-E-ÁS, JOGADORES, depois CHICA VALSA, BITU

(Sota-e-ás e os Jogadores trazem todos suíças postiças, casacões e bengalas.)

66
CORO - Dizem que é vício
Jogar, mas é
Amargo ofício,
Penoso até!
Dá-nos canseira,
Faz-nos suar
A noite inteira
Aqui passar!
A morcegada,
Que é muito sagaz,
Anda assanhada,
De pé atrás...
Estas suíças
É convenção
Trazer postiças
E casacão

CHICA VALSA (Entrando.) Vêm disfarçados que faz gosto vê-los!


SOTA-E-ÁS - Sim! sim! de jogadois nós somos os modeios!
Ente nós, ente nós não há nenhum potão!
BITU (Entrando.) - Inda bem!
OS JOGADORES - Céus! (Procuram esconder-se.)
CHICA VALSA - Não tenham medo, não!
(Apresentando Bitu aos jogadores.)
Ora aqui têm mais um parceiro!
Não joga mal, mas tem dinheiro...
Vamos jogar! Fora a preguiça!
Então! Então!
Cartas na mão!
SOTA - Mas ei não tem casacão...
Não tem também baba potiça...
OS JOGADORES - Mas ele não tem casacão...
Não tem também barba postiça..
Dizem que é vício
Jogar, mas é, etc.

CENA XIII
OS MESMOS, CLARINHA, depois as COCOTES

CLARINHA (A Chica Valsa.) - Enfim te encontro!


OS JOGADORES - Uma moça!
CHICA VALSA - Imprudente!
Que vens aqui fazer?
CLARINHA - Prevenir-te que vi
Pelos vidros da janela muita gente
E alguns urbanos que vêm para aqui!
OS JOGADORES -Os urbanos, oh, céus!...
Oh, meu Deus! oh, meu Deus!...
AS COCOTES (Entrando assustadas.)
- A casa está cercada! a fuga é impossível
A gente toda é presa
E vai para a estação!

67
Ah! meu Deus! Com certeza
Temos multa e prisão!

SOTA - Pisão!
TODOS Pisão!
(Apitos fora.)
CHICA VALSA - Não! Não! Não! Não!
Ninguém vai para a prisão!
TODOS - Como assim?
CHICA VALSA - O caso é já, neste momento,
Improvisar um casamento!
(Apontando para Bitu e Clarinha.)
E os noivos, ei-los aqui estão!
(Aos jogadores.) Mas essas barbas? Visto
Está que nos denunciarão!
SOTA - Pa não imos para a prisão,
É já escondê tudo isto!
OS JOGADORES - É já esconder tudo isto!
(Durante o coro que se segue, Sota-e-ás e os Jogadores tiram e escondem os casacões, os
chapéus, as barbas e as bengalas. Dois criados entram, e levam para dentro todos os móveis.)
CORO DE URBANOS(Fora.) - Quem estiver aqui jogando
Pra estação vai já marchar!
Guerra a vício tão nefando!
Guerra, guerra a quem jogar!
CHICA VALSA (Declamando.) Eles aí vêm! Vamos, senhores,
tirem pares para uma valsa!
(Valsa com Sota-e-ás.) Valsai! Valsai!
Não parar nem um segundo!
Os desgostos deste mundo
A valsar olvidai!
Valsai!
TODOS (Valsando.) - Valsai! valsai!, etc.

CENA XIV

OS MESMOS, UMA AUTORIDADE, URBANOS

URBANOS - Quem estiver aqui jogando, etc.


CHICA VALSA - Queiram dizer o que desejam.
A AUTORIDADE - Os jogadores que aqui estão!
CHICA VALSA - Jogadores aqui não sei quais sejam!
Temos dois noivos... estes são!
(Mostra Bitu e Clarinha.)
Tivemos hoje um feliz casamento,
E o nosso baile vem cá perturbar!
porém não damos cavaco um momento.
E os convidamos até pra dançar!
Aos bons urbanos
Nós, os paisanos,
Urbanamente queremos tratar...
Escolham pares,
E aos calcanhares
É dar sem dó.

68
(Á autoridade.) - Eu serei o seu par.
(Valsa com a Autoridade, enquanto os urbanos valsam com algumas das cocotes.)
CORO - Valsai! valsai!, etc.
CLARINHA (Valsando com Bitu.)- Como isto é bom! Valsemos mais depressa.
BITU - Dize, ó Clarinha, que me queres bem!
CLARINHA - Teu desespero, benzinho, não cessa!
Sou tua, tua, e de mais ninguém!
CHICA VALSA (Que ouviu.) - Será possível
(Deixa seu par.)
A AUTORIDADE (Valsando só.) -Diga o que tem!
CHICA VALSA - Eu... eu...
A AUTORIDADE - Se quer, eu pararei também...
CHICA VALSA (Disfarçando.) - Oh! céus! que vejo!
(Reparando nalguma coisa na sobrecasaca da Autoridade.)
Um percevejo!
(À parte.) - Traída fui, mas eu me vingarei!
Vingada, sim, serei!...
CORO - Valsai! Valsai! etc.
(Valsa geral e muito animada.)

[(Cai o pano.)]
ATO TERCEIRO
Um arraial em Maria Angu, na noite da festa do Espírito Santo. Fogos de artifício. Balões de
papel. À direita casa do juiz da festa e à esquerda um igrejinha, abertas ambas e iluminadas.

CENA I
CARDOSO, GUILHERME, BOTELHO, CHICA PITADA, GAIVOTA, TERESA, OPERÁRIOS, FESTEIROS, POVO,
depois o JUIZ DA FESTA

(Ao levantar o pano vem do fundo o bando do Espírito Santo. À frente o Imperador representado
por uma criança. repiques de sino. Foguetes.)

CORO DE FESTEIROS - Entoemos nosso hino


Perante o celeste altar,
Para louvar o Divino,
Para o Divino louvar!
(O bando do Espírito Santo entra na igreja.)
O JUIZ DA FESTA (Saindo da casa e dirigindo-se aos que ficaram em cena.) Então, rapaziada!
Venham trincar uma perna de peru cá em minha casa! Eu sou o juiz da festa! Viva o divino Espírito
Santo!
TODOS - Viva! viva o Juiz! Vamos! vamos!... (Festeiros e homens do povo seguem o Juiz, que
entra em casa.)
GAIVOTA - Então? Não vamos nós também?
GUILHERME - Eu não! Vão vocês, se quiserem!
CHICA - Ora! é tão bom trincar uma perna de peru!
CARDOSO - Trincar! Seria preciso que não tivéssemos coração!
BOTELHO - E que tivéssemos fome!
CARDOSO - Trincar uma perna de peru quando não sabemos o fim que levou nossa filha!
GAIVOTA - Sabemos que não está presa, porque escreveu-nos, dizendo que a esperássemos
hoje.
BOTELHO - Mas para que diabo foi aquela rapariga ler o maldito Imparcial? Isto é que me tem
feito pensar!

69
GUILHERME - E o que foi fazer na Corte com o subdelegado?.. Nadamos num oceano de
conjeturas!
CHICA - Uma mosca morta que não levanta os olhos!
TERESA - Parecia uma santinha!
GAIVOTA - De pau carunchoso!
CARDOSO (Tirando uma carta da algibeira.) - Se ainda esta carta nos pusesse ao fato de alguma
coisa, mas de fato não põe ao fato de coisa alguma! (Lê.) "Peço a todos os meus pais e mães que hoje à
noite se achem às oito horas na festa do Espírito Santo. Eu lá irei ter, e tudo saberão. Clarinha."
GAIVOTA - Bem! uma vez que nos vem dizer tudo...
TERESA - É porque nada tem que ocultar.
BOTELHO - Está sabido! Mas queira Deus que ela diga toda a verdade... (Rumor fora.)
TODOS (Subindo ao fundo.) Que é? Que é?
CHICA - Uma moça bem vestida! Como vem cercada de povo! Aquilo é senhora da cidade!
CARDOSO - Mas não! é ela! é a nossa rica filha!
TODOS - Clarinha!
BOTELHO - Ei-la aí vem!..

CENA II
OS MESMOS, CLARINHA, POVO

(Clarinha vem exageradamente vestida, e acompanhada pelo povo.)

CORO - Ei-la! Ei-la! Vem tão janota!


Ei-la entre nós de novo enfim!
Mas que fatiota!
Onde ela foi vestir-se assim!
CARDOSO Chegaste enfim!
CHICA De onde vem tu?
CARDOSO - Como é que assim nos aparece?
CHICA - Deus me perdoe! Já não pareces
A filha de Maria Angu!
CORO - Deus me perdoe! Já não pareces
A filha de Maria Angu

Coplas

I
CLARINHA - Fizestes muitos sacrifícios
para que eu não tivesse vícios,
E eu tive sempre paciências
de aparentar muita inocência!
Constante fui no fingimento;
Sonsa como eu nenhuma havia!
Tudo isso, devo ao meu temperamento,
Por temperamento eu fingia!
De Maria Angu
Eu cá sou filha, não há negar.

II

- Sou Clarinha Angu!


Filho de peixe sabe nadar...
Olhem lá!

70
Venham cá!
Sou Clarinha Angu!
CORO - De Maria Angu
Ela é a filha, não há de negar! etc.

CLARINHA - Íeis me dar, não duvido,


Um maridão, um bom marido,
Porém a outro namorado
Meu coração eu tinha dado!
Querendo, embora por estúcia,
Impedir esse casamento,
Eu fiz com que me prendesse esta súcia!
Tudo por meu temperamento
De Maria Angu, etc.

BOTELHO - Como? pois foi por causa do teu temperamento que fizeste todo esse destempero?
CHICA - Por que não nos disseste francamente a verdade, em vez de te deixares prender?
CARDOSO - E como foste dar com o costado na Corte?
CLARINHA (À parte.) - Aproveito a mentira do Sampaio. (Alto.) Fui para a Corte à disposição do
chefe de polícia, que me mandou embora... Depois contarei tudo. Só o que lhes digo é que jugo ser
traída!
TODOS - Traída!
CLARINHA - Por meu namorado!...
CHICA - Não é outro senão Nhonhô Bitu!
CLARINHA - Sim! É Bitu, é! E o que eu suspeito é verdade! Não me casarei com ele...
CARDOSO - Nisso fazes bem!
CLARINHA - E ficarei solteira toda a minha vida!
GAIVOTA - Nisso fazes mal!
TERESA - E Barnabé?
GUILHERME - Sim! Que lugar reservas em tudo isso para Barnabé?
CLARINHA - Não se ocupem com ele; ficou preso na Corte.
TODOS - Preso!
CLARINHA - Também depois hei de contar-lhes isso... Não estejamos cá. Há de vir aqui alguém,
que encaminhei para cá, e não quero que me veja. Viva Deus! Hei de provar-lhes que sou a filha da
minha mãe!
BOTELHO - Não parece a mesma...
CARDOSO - Filho de peixe sabe nadar.
CLARINHA - E ainda não viram nada!
GUILHERME - E esse vestido? Quem foi que te pôs nesse chiquismo?
CLARINHA - Foi meu pai!
TODOS - Seu pai?!...
CLARINHA - o Barão de Anajá-mirim!
CHICA - O Barão de Anajá-Mirim?... É ele!...
TODOS - Quem?
CHICA - O Barão do Hotel Ravot!
CLARINHA - Também depois hei de contar-lhes isso! Vamos! (Saída geral, com um motivo no
último coro. Entra Sampaio, disfarçado, com um grande chapéu desabado e barbas postiças.)

CENA III
SAMPAIO, só

SAMPAIO - Cá estou. Vejo que fui o primeiro a chegar.Parece-me que estou bem disfarçado...
Vejamos se esqueci de alguma coisa, pois tenho andado com a cabeça à razão de juros. (Tira uma carta

71
da algibeira e lê.) "Senhor Sampaio" (Declama) Ela escreve Sampaio com o cedilhado! (Lê) "O senhor é
enganado. Se quer saber quem é o amante de sua amante, esteja hoje à noite na festa do Espírito
Santo, em Maria Angu. Vá disfarçado e leve os olhos bem abertos. - Clarinha" (Declama.) Clarinha! É
ela, a noiva do Barnabé, essa bonita rapariga que daqui levei com intenção perversa, e me foi roubada
pela Chica, que a entregou ao Barão de Anajá-mirim. Foi bem feito. O Barão encheu-a de presentes,
porém, mal tinha trocado quatro palavras com a pequena, reconheceu que era pai dela, e naturalmente
arrepiou carreira! Disse lá consigo: Nada! uma pequena que tem dois futuros e ainda aceita presentes,
não é digna de ser minha filha! mas, Clarinha, que se mostrava tão amiga da Chica, escrever-me agora
contra ela! À custa de quem quererá divertir-se esta moça? À minha? Mas sou muito grande para palito.
Que horas serão? Ali no relógio da igreja é meia noite há oito anos. meia noite ou meio dia. Creio que a
impaciência fez-me vir antes de tempo... Se eu visse a Clarinha... (Saindo pela esquerda.) procuremo-
la. (Sai)

CENA IV
BARNABÉ, depois SAMPAIO

(Barnabé entra correndo e também disfarçado.)


BARNABÉ - Uf! Eis-me enfim em Maria Angu... e quase reduzido a angu! Que é isto? ah! a
festa!... Sarcasmo do destino!... (Pausa.) Quantas atribulações para um pobre barbeiro sangrador! No
dia do meu casamento sangram-me o coração: prendem-me a noiva antes que eu a prendesse com os
laços do himeneu! Sei que ela foge para a Corte, levada pelo subdelegado! Vou também para a Corte e
tenho a satisfação de saber que ela não tinha fugido, mas fora apenas conduzida à presença do chefe de
polícia. Não sei como nem como não, roubo uma pulseira, que é encontrada no meu bolso, prova cabal
que a roubei... mas como? Mandam-me prender por uns soldados que são tudo menos urbanos, e
ferram comigo na estação dos ditos, na Travessa do Rosário. No xadrez encontro o Jerônimo, vulgo
cabeçada, preso também por ter dado uma cabeçada num sujeito que lhe pilhou dando um beijo em sua
mulher... (Como lhe devia ficar a cabeça!) O Jerônimo é um amigo velho; fui eu que lhe emprestei
duzentos mil réis, quando residi na Corte, para prestar fiança quando quis ser condutor de bondes. Por
sinal nunca mais vi a cor desse dinheiro! Levamos toda a noite a contar um ao outro nossas
desventuras. O Jerônimo lembrava-se dos duzentos mil réis, e teve pena de mim... Tinha de sair logo de
manhãzinha do xadrez, e, como não fazia muito empenho em tornar a ver a mulher, lembrou-se de me
fazer sair em seu lugar. Vesti a sua roupa, ele vestiu a minha, pus o seu chapéu, e quando vieram soltá-
lo, zás! por aqui é o caminho! Estava ainda no Largo do Rossio, quando ouvi gritar: "Pega! pega!"
Pernas pra que te quero?! Olho um tílburi que saía! Brr... Entrei na estação... noutra, mas desta vez na
da Estrada de Ferro... Felizmente o trem estava sai-não-sai... Em viagem lembrei-me de minha mala,
mas o colete é o meu e os cobres cá estão... Chego a Maria Angu mais morto que vivo, e eis-me numa
festa! Numa festa... E talvez a estas horas a minha Clara gema no ovo!... O ovo é o xilindró...
SAMPAIO (Entrando.) - Não a encontrei.
BARNABÉ - Vim buscar o auxílio de meus sogros e de minhas sogras, mas parece estar escrito no
livro do destino que não há livro do destino que a aguarda!...
SAMPAIO - Já devem ser horas.
BARNABÉ - Vou procurá-los.
SAMPAIO - Vamos por outro lado... (Esbarram-se.)
AMBOS - Você está cego?
SAMPAIO - Oh! que bruto!
BARNABÉ - Pra lá!
AMBOS - Céus! Quem será?
(Afastam-se com medo um do outro.)
SAMPAIO - Quem será?
BARNABÉ - Quem será?
AMBOS (À parte.) - Será, pois não! imensa asneira
Medo por ele aqui mostrar!
Eu vou, vou já, de um capoeira

72
As aparências tomar!
(Provocam-se como os capoeiras.)
SAMPAIO - Você não vê por onde anda!
BARNABÉ (À parte.) - Ai! que o sujeito é valentão!
(Alto) É que eu olhava pra outra banda...
SAMPAIO (À parte.) - Este indivíduo é fracalhão!
(Alto.) Zangado estou, e vou-lhe às ventas!
BARNABÉ (À parte.) - Se eu recuar, perdido estou!
(Alto.) Eu quero ver se tu sustentas
O que da boca te escapou!
Se não retiras a expressão
Fanfarrão!
Levas muito cachação!
SAMPAIO (À parte.) - Ele é valente! Haja prudência!
BARNABÉ (Avançando.)- Há de ter santa paciência:
Apanhas como ladrão!
SAMPAIO (Fugindo, à parte.) - Ele me quer limpar a roupa!
BARNABÉ (À parte.) - O fanfarrão tremendo está!
(Alto, avançando.) Fazer-te quero numa sopa!
SAMPAIO (Fugindo.) - Adeus, e fique-se por cá!
(Barnabé agarra-o pelas barbas, que lhe ficam na mão.)
BARNABÉ - Hein? Deixou de ser barbado!
SAMPAIO - Bico! Bico por quem é!...
BARNABÉ - Que vejo? O subdelegado!
SAMPAIO (Á parte.) - Conheceu-me! Passo o pé!
(Vai fugir.)
BARNABÉ - E eu cá sou o Barnabé!
SAMPAIO (Voltando.) - O Barnabé!
JUNTOS - Ah!ah!ah!ah!ah!ah!ah!
Estou aparvalhado!
Caso mais engraçado!
Decerto que não há!
- Ah!ah!ah!ah!ah!ah!ah!
SAMPAIO - Mas como pode isto ser? Eu supunha-o preso!
BARNABÉ - Preso não estou; estou apenas surpreso! (Lembrando-se.) Mas... oh, meu Deus...
dar-se-á caso que Vossa Senhoria queira catrafilar-me outra vez? Acredite que estou inocente!...
SAMPAIO - Descanse. Folgo até de encontrá-lo aqui.
BARNABÉ - Por quê?
SAMPAIO - Quer me parecer que nós somos enganados...
BARNABÉ - Vossa Senhoria, quando diz "nós", fala como autoridade, ou refere-se a mim
também?
SAMPAIO - Falo como barbeiro. Vejamos se alguém nos ouve... (Sobem a cena e observam, um à
direita, outro à esquerda. Sampaio põe as barbas.)
BARNABÉ - Senhor subdelegado, onde está Vossa Senhoria? Ah! Cá está! Com as barbas já não o
conhecia! (Clarinha aparece ao fundo e aí se conserva.)

CENA V
OS MESMOS, CLARINHA

SAMPAIO - Ninguém.
BARNABÉ - Ninguém também por este lado...
CLARINHA (À parte.) - Hein?...
SAMPAIO - Este meu disfarce não o admira?

73
BARNABÉ - Decerto...
SAMPAIO - Pois foi sua noiva quem me aconselhou que o arranjasse.
BARNABÉ - Clarinha?
CLARINHA (À parte.) Meu nome?...
SAMPAIO - Ela escreveu-me...
BARNABÉ - A Vossa Senhoria?...
SAMPAIO - Para dizer-me e provar-me que Chica Valsa me engana... Agora não vá dar com a
língua nos dentes... Eu sou viúvo e tenho três filhas solteiras...
CLARINHA (À parte.)- É o Sampaio! E o Barnabé solto!
BARNABÉ - Mas Clarinha não está presa? Não está embrulhada nestes negócios da leitura do
Imparcial?
SAMPAIO - Não, tolo: a Clara não está embrulhada...
BARNABÉ - Esta embrulhada é que não está clara!
SAMPAIO - Foi ela que lhe arranjou aquela prisão; que lhe meteu a pulseira no bolso!
BARNABÉ - Ela!...
SAMPAIO - Queria desfazer-se de você!
BARNABÉ - De mim?!
SAMPAIO - Aqui para nós, que ninguém nos ouve: aquela sua noiva não é lá muito boa peça...
CLARINHA (À parte.) - Ah!
BARNABÉ - Clarinha! um anjo de inocência e de candura!
SAMPAIO - Você é um bolas seu Barnabé!
BARNABÉ - Chame-me Vossa senhoria o que quiser... para mim é o mesmo... mas não diga mal
da pobrezinha! Hei de defendê-la, enquanto puder, contra tudo e contra todos!
SAMPAIO - Que lhe faça bom proveito!
BARNABÉ - Ela! Tão bonita, tão boa, tão amável, tão honesta!
CLARINHA (À parte.) - Pobre rapaz!
SAMPAIO - E se eu lhe provar que ela está cá?
BARNABÉ - Ela quem? Clarinha? Aqui?!..
SAMPAIO - Olhe, ouça: vamos percorrer a festa, e, se a encontrarmos, desejo que ela não me
conheça. Quero observá-la a fim de saber com que fim me escreveu...
CLARINHA (À parte.) - Ah! tu não queres ser conhecido. (Vai-se.)
BARNABÉ - Ela? Ela? decididamente fico idiota!
SAMPAIO - Siga-me, digo-lhe eu: mas, quando a virmos, não fale. Evitemo-la, sem a perder de
vista. (Clarinha cantarola no bastidor.) Uma voz de mulher!
BARNABÉ - Ai! meu Deus!
SAMPAIO - Quem é?
BARNABÉ - É ela! É ela!
SAMPAIO - Ela!... (Levando-o para um canto.) Deixemo-la passar! (Clarinha entra, sempre
cantarolando, e, depois de percorrer o fundo, aproxima-se dos dois e finge que se assusta.)
CLARINHA - Ui! Os senhores meteram-me um susto!
BARNABÉ - Pois quê! É ...
SAMPAIO (Dando-lhe um empurrão.) - Cale-se!
CLARINHA - Ah! desculpem... não os conheço. Estão aqui para a grande questão, não é assim?
SAMPAIO (Disfarçando a voz.) - Que questão?
CLARINHA - Trata-se de mim...
SAMPAIO - Ah! trata-se da senhora?
CLARINHA - De mim, Clarinha Angu.
BARNABÉ (À Parte.) - E como está vestida!
SAMPAIO - Ah! a senhora é...
CLARINHA - Imagine o senhor que me queriam casar com um homem, oh! um homem de bem,
às direitas...
BARNABÉ (À parte.) - Ah!
CLARINHA - mas tolo...

74
BARNABÉ (À parte.) - Eh!
CLARINHA - Um coração invejável, um caráter como poucos...
BARNABÉ (À parte.) - Ih!
CLARINHA - Um bom rapaz, enfim...
BARNABÉ (À parte.) - Oh!
CLARINHA - Mas, como já disse, tolo o que se pode chamar tolo!...
BARNABÉ (À parte.) - Uh!

Terceto

CLARINHA - Está na conta o Barnabé


Para ser irmão ou amigo;
Porém meu ideal não é...
Não há de se casar comigo!
BARNABÉ - Céus! ela o que dizendo está!
SAMPAIO - Je comprends ça, je comprends ça!
CLARINHA - Muito me custa vê-lo aflito,
Mas eu a outro amava já...
BARNABÉ - A outro!
CLARINHA - Muito mais bonito!
SAMPAIO - Je comprends ça, je comprends ça!
BARNABÉ - Ah, meu Deus! cambaleio!
No chão vou já cair!
CLARINHA - Mas o meu namorado, creio,
Está pensando em me trair
Aí está o mistério
Que devo desvendar!
É esse o caso sério
Que tem-me feito suar!
OS TRÊS - Aí está o mistério
{deve
Que { desvendar!
{devo
É esse o caso sério
{ me
Que { tem feito suar!
{a
CLARINHA - Sabem vocês quem é a Chica Valsa,
Que vive os homens a enganar?
BARNABÉ - Sim, eu...
SAMPAIO - Não sei.
CLARINHA - Foi uma amiga falsa,
Mas eu a vou desmascarar:
Certo amante muito arruinado
Cedeu lugar ao macacão
Sampaio, o tal subdelegado...
SAMPAIO - Ao macacão!
BARNABÉ (À parte.) - Toma lá, meu vilão!
CLARINHA - O macacão tudo lhe dá,
Mas a Chica é mulher leviana:
Com o seu antigo amante, olá!
O s'or subdelegado engana!
SAMPAIO - Céus! ela o que dizendo está!

75
BARNABÉ - Je comprends ça, je comprends ça!
CLARINHA - Essa mulher da pá virada
Eu sei que considera já
O Sampaio um paio e mais nada!
BARNABÉ - Je comprends ça, je comprends ça!
Ah, meu Deus! cambaleio!
No chão vou já cair!
CLARINHA - É co meu namorado, creio,
Que a Chica os eu conta iludir!
E aí está o mistério, etc.
SAMPAIO (Tirando as barbas.) - Olá! eu sou o subdelegado!
CLARINHA - Já disso sei!
SAMPAIO - Já sabe então?
CLARINHA - Olé!
BARNABÉ - E eu cá sou...
CLARINHA - O Senhor Barnabé.
BARNABÉ - Sabia então?
CLARINHA - Ora se não!
SAMPAIO - Vingança eu vou tomar!
CLARINHA - Vai tudo transtornar!
Daqui afastemo-nos já!
(Sobe ao fundo.)
Céus! Bitu que ali está!
OS DOIS - Bitu!
CLARINHA (Descendo.) - Vingança!
Vingar-me é a minha esperança
Pra vingar-me um belo dia
Desse grande lheguelhé,
Eu capaz até seria...
(A Barnabé.) De casar-me com você!
Venham cá!
Venham já!
Vocês vão conhecer-me,
E dizer-me
Depois,
"Tens talento por nós dois"!
OS DOIS - Vamos lá
Vamos já!
Vamos lá conhecê-la
E dizer-lhe depois
"Tens talentos por nós dois!"
(Saem)

CENA VI
[BITU, só]

BITU (Entrando do fundo.) - Eis-me enfim na festa do Espírito Santo, o único espírito que há nesta terra,
não falando no engarrafado e no meu. Como me bate o coração! A Chica escreveu-me, pedindo-me uma
entrevista para hoje, as nove horas, aqui! É esquisito! Uma entrevista em Maria Angu, quando na Corte
não nos faltava sítio... Ela, enfim, tem lá suas razões...

76
CENA VII
BITU, CHICA VALSA

CHICA VALSA (Vestida de preto e de véu espesso.) Enfim te encontro!


BITU - Acho-te enfim!
CHICA VALSA (Levando as mãos ao peito.) - Estou com o coração nas mãos...
BITU - Não! estás com a mão no coração.
CHICA VALSA - Obrigas-me a fazer coisas...
BITU - Que receias tu?
CHICA VALSA - Estou exposta a tanto! podia ser alguma cilada... mas, enfim, cá estás; estou mais
sossegada. Fiz tudo o que me recomendaste em tua carta.
BITU - Em minha carta?
CHICA VALSA - Que tal achas este vestuário de viúva? Não é assim que querias?
BITU - Que eu queria, como? Não te entendo!
CHICA VALSA - Pois tu, a quem não via desde aquela noite fatal, em que brigamos por causa da
Clarinha Angu, não me escreveste ontem...
BITU - Eu?
CHICA VALSA - ... dizendo que me achasse aqui, na festa do Espírito Santo, às nove horas, assim
vestida?... Achei o lugar esquisito, quando na Corte poderíamos fazer as pazes!
BITU - Mas foste tu quem escolhestes o lugar, benzinho.
CHICA VALSA - Eu, meu amor?
BITU - Tu, meu coração; nesta cartinha que já sei de cor e salteado!
CHICA VALSA - Uma cartinha que eu te escrevi! Eu?!...
BITU - Estás arrependida?
CHICA VALSA - Queres divertir-te à minha custa?
BITU - Já não te lembras? Nesse caso ouve lá! (Lê a carta.)

Dueto

- "Qu'rido Bitu que se esqueceu de mim,


É meu amor, amor sem fim!
Eu devo confessar, Nhonhô, que ao fazer desta
Padece o peito meu, e a causa disso és tu!
Hoje, às nove da noite, espero-te na festa,
Lá em Maria Angu.
Apaga-me esta chama,
Sufoca-me estes ais,
E não te esqueças mais
Desta infeliz que te ama."

CHICA VALSA - Assina-se quem?


BITU - Vê: "Chica Valsa".
CHICA VALSA - Traição!
BITU - Esta firma é falsa?
A carta que aqui está
Tua não é?
CHICA VALSA - Ouve lá!
(Lendo outra carta que tira do seio.)
"Não passo de um jornalista da roça,
Sem ter futuro, sem ter posição,
Mas, meu amor, por ti sinto paixão;
Viver sem ti não suponhas que eu possa!
Longe, lá em Maria Angu

77
Há hoje festa do Espírito Santo.
Nesse poético recanto,
Meu doce amor, não queres tu,
Fingindo ser senhora viúva,
De capa preta, véu e luva,
Ir encontrar o teu Bitu?
Como eu presumo que me adoras,
Sem falta, amor, contigo conto,
Se tu não vem às nove horas
Eu me mato às dez em ponto!"
BITU - Isto por artes só de Belzebu!
E assina quem?
CHICA VALSA - Vê: "Ângelo Bitu."
AMBOS - Que cilada se armou!
Eu envergonhad {o
{ estou!...
{a
CHICA VALSA - Fugir, fugir, se é tempo ainda!
BITU - Não!... Para quê?
Aqui fique você!
Minha Chica, tu és tão linda!
Oh! Eu te adoro!... O meu segredo aí está!
Ninguém o saberá!

CENA VII
TODOS OS PERSONAGENS DESTE ATO

(Todos, ao fundo, ouviam as últimas palavras de Chica e Bitu.)

CORO - Ah! ah! ah! ah!


Segredo, olá!
Que todo mundo sabe já!
BITU - Este senhora é muito minha!
Qu'remos passar!
CLARINHA (Aparecendo.) - Mais devagar!
TODOS - Clarinha!...

CLARINHA - Estás aí, Chica Morais?


Tem paciência: ouvir-me vais,
Pois me fizeste, por traição,
Ir ter cum velho solteirão!
Ó coisa ruim, não julgues tu
Que eu chore a perda do Bitu,
Canalha a vil que a quem mais der
Vende o jornal, vende a mulher!
Com ele podes tu ficar!
Luvas te devo até pagar!
Livre fiquei, graças ao céu,
De semelhante chichisbéu!
A mão lhe dá de esposa
E o mundo então dirá:

78
Não é lá grande coisa;
mas casada está!
CORO
- Que tal a rapariga?
Arrasa o seu Bitu!
Não há que se lhe diga!
Bem mostra ser Angu!

II

CHICA VALSA - Estás aí, Clarinha Angu?


Ouve também agora tu,
ó donzelinha, que a falar,
Um batalhão fazes corar!
não te faz conta o meu Bitu,
Porque o prender não podes tu;
Se ele aceitasse o teu amor,
Tu lhe darias mais valor...
Porém sabendo ficarás...
Não faço empenho no rapaz;
Casem-se, e não mostres assim
Tão negra inveja ter de mim!
A mão lhe dá de esposa, etc.

(As duas chegam às vias de fato; Sampaio vai separa-las e apanha bordoada)
SAMPAIO - Um bofetão me pespegou, senhora!
CHICA VALSA - Quem é você? Não me dirá?
SAMPAIO (Tirando as barbas.) - Não me conheces agora?
CHICA VALSA - Também você? Ah! Ah! Ah! Ah! Ah!
TODOS - Ah! Ah! Ah! Ah! Ah! Ah!
SAMPAIO (Furioso) - 'Stou zangado!
'Stou danado!
Vou de cólera saltar!
Ó senhora,
Sem demora
Vamos contas ajustar!
BITU - A Chiquinha
Só é minha!
Não a podes maltratar!
Meu amigo,
Só comigo
Terá contas a ajustar!

TODOS - Mas que é isto?


Jesus cristo!
Não precisam disputar!
Tudo agora
Sem demora
Vai-se elucidar!

(Confusão geral)
CLARINHA - Cesse o rumor! basta de bulha!
(A Chica Valsa.) Dá-me tua mão!

79
CHICA VALSA - Pois queres apertar...
CLARINHA Não faças caso: isto foi pulha!
Não deve a gente se zangar!
CHICA VALSA(Apertando a mão de Clarinha.) - Pois bem!
SAMPAIO - Mas ouçam cá!
CLARINHA (A Sampaio.) - Neste momento
O que de melhor vai fazer,
Pra reputação não perder,
É aceitá-la em casamento!
CHICA VALSA - E eu dou-lhe o meu consentimento!
Em casa do juiz agora um baile invento!
(A Sampaio.) Queira-me acompanhar.
(Entra na casa do Juiz da festa acompanhada por Sampaio.)
CORO - O que irá ela ali buscar?
BARNABÉ (A Clarinha, que tem estado a chorar.)
- Que vejo! Choras tu, Clarinha?
CLARINHA - Eu não...
BARNABÉ - Tu sim, que vendo estou!
CORO - Então tu choras?
CLARINHA (Enxugando os olhos.) - Já passou!
BITU - Arrependeu-se a sinhazinha?
Oh! se assim foi, eu lhe ofereço a mão!
CLARINHA - Você não me conhece, não!
De raiva é que é este choro!
De raiva é que isto é!
Perdi o meu tesouro!
Perdi o Barnabé!
(Estendendo a mão a Barnabé, sem olhar para ele.)
Pois se eu lhe disser :"Toca"
Ele é capaz, até
De oferecer-me em troca,
Em vez da mão... o pé...

BARNABÉ (Tomando-lhe a mão com amor.) - Eu te juro!


Eu rejuro
Pelas cinzas do meu pai,
Ó Clarinha
Vida minha,
Que o passado já lá vai!

CORO - Que nobreza!


Que franqueza!
Que vergonha pro Bitu!
Que barbeiro
Cavalheiro!
Casa-se Clarinha Angu!..,
BITU (À parte.) - Ah! lá se vai o meu amor
Como a mamã, porém, fará!...
O que for
Soará...
CHICA VALSA (Voltando, acompanhada por Sampaio.)
- Eu convido este ilustre auditório
Pra na casa dançar do juiz!

80
BARNABÉ - Ai, meu Deus! como eu sou feliz!
Vou celebrar meu casório!
CHICA VALSA - Pois vai casar-se mais alguém?
Quem?
CLARINHA - De Maria Angu
A filha é noiva de Barnabé!
Sou Clarinha Angu!
Filho de peixe peixinho é!
Olhem cá!
Vejam lá!
Sou Clarinha Angu!
CORO - De Maria Angu
A filha é noiva de Barnabé!
É Clarinha Angu!
Filha de peixe peixinho é!
Olhem cá!
Vejam lá!
É Clarinha Angu!

[(Cai o pano)]

81
A CASADINHA DE FRESCO

Imitação da ópera-cômica

LA PETITE MARIÉE
DE
EUGÊNIO LATERRIER E ALBERTO VANLOO
MÚSICA DE CARLOS LECOCQ
Ópera cômica em três atos

Representada pela primeira vez no Rio de Janeiro, no Teatro fênix Dramática em 19 de agosto de 1876,
e em São Paulo, no Teatro de São José em 5 de outubro do mesmo ano.
PERSONAGENS

O CAPITÃO GENERAL
MANUEL DE SOUZA
O MORGADO DE SÃO GABRIEL
TEOBALDO
BENTO
UM MUDO
UM ALFAIATE
UM VIAJANTE
OUTRO
UM SOLDADO
OUTRO
CARLOS
GABRIELA
GERTRUDES
BEATRIZ
UMA COSTUREIRA

Viajantes, peões, camaradas, estancieiros, oficiais de lanceiros, soldados, criados, povo, etc.

A cena passa-se, o primeiro ato em Viamão e o segundo em Porto Alegre, província do Rio
Grande do Sul. Tempos coloniais.
ATO PRIMEIRO
Pátio de uma estalagem. Portão ao fundo. Portas aos lados.
CENA I
BENTO, BEATRIZ, viajantes, estancieiros, camaradas, depois peões. (Os viajantes comem e bebem,
sentados defrontes de pequenas mesas. Bento e Beatriz andam azafamados de um lado para o outro,
servindo-os.)

Introdução

CORO - Mais presteza!


Ligeireza!
É petiscar e partir!
A carreta com certeza
sem demora vai sair.

82
UM ESTANCIEIRO - Olá senhor!
OUTRO - Olá senhora!
OUTRO - É despachar!
BENTO - Não val'zangar:
inda tendes muita demora.
BEATRIZ - Podeis com vagar
mastigar
BENTO (A um viajante.) - Provai desta botelha.
BEATRIZ (A outro.) - Que belo pastelão!
BENTO (A outro.) - Eis uma pinga velha!
BEATRIZ (A outro.) - Não quer que o sirva, não?

CORO - Mais presteza! etc.


(Ouve-se o rodar de um carro, e o barulho dos guizos dos animais.)
UM VIAJANTE - Atenção, rapaziada!
Os guizos ouvi!
CORO - Os guizos ouvi
da tal carreta abençoada.
(Entrada ruidosa de oito peões.)
CORO DE PEÕES - Hop! Hop! Hop!
Bonitos peões,
lampeiros, ligeiros,
ligeiros, lampeiros...
Hop! Hop! Hop!
vos dizem: Patrões,
é já seguir
sem tugir
nem mugir.
Eis os peões
ligeiros, lampeiros!
(Aprontam-se todos para seguir viagem.)
BENTO - Escutai! Um costumezinho,
ao qual convém vos conformar,
a Beatriz, neste instantinho,
vai, a cantar, vos explicar...
CORO - Pois venha lá mais essa!
BENTO - Beatriz, escarra e começa.

Canção

BEATRIZ - Há muito já, fregueses meus,


abriu-se a nossa hospedaria;
tem sido um - louvar a Deus -
lá no que toca à freguesia;
mas a razão plausível é:
desde que abriu-se esta casita
a estalajadeira é bonita
e o vinho é velho como a Sé.
O vinho é bom! Mais um almude!
Convém os copos esgotar!
Da estalajadeira a saúde

83
bebei! bebei! É de virar!

TODOS - O vinho é bom, etc.

II

BEATRIZ - Ah! Portugal! Quem negará


que o deus das vinhas o protege?
A sua uva é um maná!
deixai-lhe que o mundo lha inveje.
Se, quanto a mim, formosa sou,
é que aqui, nesta casita,
a estalajadeira é bonita
o vinho é... um vinho avô
O vinho é bom, etc.

Repetição do Coro

Hop! Hop! Hop! etc

(Saída geral e animadíssima. Carlos aprece ao fundo e observa inquieto a cena.)

CENA II
CARLOS, depois um ALFAIATE e uma COSTUREIRA

CARLOS - Enfim! Foram-se enfim!


Afinal!
Se alguém aqui me viu! É hora do sinal...
(Chamando alguém da esquerda.)
Olá!
UMA VOZ - Olá!
CARLOS (Examinando a cena.)
- Oh! meu Deus! se alguém deu por mim...
O ALFAIATE -Psiu!
CARLOS - Psiu!
AMBOS - Silêncio!
CARLOS - 'Stá pronto?
O ALFAIATE - Já pronto está.
CARLOS (Apontando para a direita.) - Entre para lá...
O ALFAIATE - Já sei: por acolá (Vai saindo.)
CARLOS - Falar não vá
Hein? ... Olhe lá!
Psiu!, etc.
(Carlos conduz o Alfaiate à direita, e volta depois para a esquerda.)
Oh! meu Deus! Se acaso alguém me viu!
(Chamando.) Olá!
UMA VOZ - Olá!
(Aparece à esquerda a Costureira, também com um embrulho.)
CARLOS - Psiu! etc.
(Mesmo jogo de cena que com o Alfaiate. Carlos, depois de ter feito entrar a Costureira para a
esquerda, dirige-se para o fundo, inquieto, sempre como se esperasse ainda alguém, e sai. Cessa a
música.)

84
CENA III
BENTO, BEATRIZ, depois CARLOS

(Bento e Beatriz, que reapareceram à porta, acompanharam todo o jogo de cena.)


BEATRIZ - Titio?
BENTO - Minha sobrinha?
BEATRIZ - Vossa Mercê viu?
BENTO - Tu reparaste?
BEATRIZ - O que quer isto dizer?
BENTO - Sei cá! este estrangeiro, que aqui chegou há oito dias, em companhia de um velhote e
de sua filha, não me inspira lá muita confiança.
BEATRIZ - No entanto o velhote tem cara de boa pessoa e a menina é bem simpática.
BENTO - Sim, não duvido; mas o moço tem assim uns modos...
BEATRIZ - tem uns modos assim... É um foguete; não pára! Preocupado, sombrio! Além disso,
titio, dos viajantes moços que tem aqui pousado, é o único que ainda não me deu sequer um beijo...
BENTO - Como é lá isso? Pois ele não te beijou ainda?
BEATRIZ (Suspirando.) - Não, titio! E creio que se irá embora sem cumprir essa formalidade!
BENTO - Oh! Oh! Um homem que não beija a sobrinha do estalajadeiro! A coisa é mais séria do
que eu supunha! Se fossem conjurados?!
BEATRIZ - O moço é estrangeiro: não deve conjurar.
BENTO - Quem nos diz a nós que não é tão brasileiro como tu? Estes conjurados de tudo se
lembram! Uma conjuração em minha casa! Não me faltava mais nada!
BEATRIZ - O Senhor Capitão-general! dizem que não é para graças!
BENTO - Estou perdido! O desembargo do paço manda-me enforcar como toda a certeza!
BEATRIZ - É preciso sabermos ao certo que gente é esta!
BENTO - Tens razão... tens razão...
BEATRIZ - mas como há de ser?
BENTO - Muito simplesmente; vendo e ouvindo. Olha, vai espiar aquela porta e eu esta. (Vai
espreitar à direita; a sobrinha faz o mesmo à esquerda.)
CARLOS (Entrando.) - E o meu amigo, nada de aparecer! Queira Deus que não me deixe a ver
navios! (Vendo Bento e Beatriz.) Hein? O que é aquilo? (Aproxima-se de bento e dá-lhe um pontapé.)
Ah! patife!
BENTO (Gritando.) Ai!
BEATRIZ (Voltando-se.) - Viu alguma coisa, titio?...
BENTO (Esfregando a parte ofendida.) - Não! Isto é , vi estrelas.
CARLOS (Agarrando-o pela orelha) - O que fazia você ali? Musque-se!
BENTO (Tremendo.) - Sim, meu fidalgo. Anda daí Beatriz!
BEATRIZ - Vamos, titio!
BENTO - Aqui anda maroteira, e grande maroteira! (Saem Bento e Beatriz.)

CENA IV
CARLOS, só

[CARLOS] - É isto! ando cercado de espiões. De um momento para outro tudo se descobrirá, e
então... Começo a arrepender-me de haver dado esse passo! É o diabo! Quem me mandou sair de
Lisboa? (O Alfaiate e a Costureira entram. Música.) Ah! finalmente deram conta do recado... (Dá-lhes
dinheiro. O Alfaiate e a Costureira saem.)

CENA V
CARLOS, depois GABRIELA

CARLOS - Ninguém os viu entrar nem sair... Muito bem! (Ao público.) Se eu disser que estes dois
indivíduos, que assim envolvo no mais tenebroso mistério, são simplesmente... Qual! Ninguém acredita!

85
São simplesmente um alfaiate e uma costureira que trazem a roupa de noivado de meu futuro sogro e
de minha futura mulher... (Com terror.) Ó céus! falei tão alto! Creio que ninguém me ouviu! (Olhando
em volta de si.) Não... Ninguém... Respiro! (A porta de Gabriela abre-se lentamente.) Vem alguém!
Calma, sangue freio!
GABRIELA (Entrando.) - Aqui estou, meu queridinho!
CARLOS (À parte.) - Gabriela! E como vem vestida!

Dueto

GABRIELA - Eis-me afinal, ó meu marido!


CARLOS (À parte.) - Ó céus! já seu marido...
GABRIELA - Querido amor!
CARLOS - Anjo querido!
GABRIELA - Vem para mais perto de mi...
CARLOS - De ti?
GABRIELA - De mi...
CARLOS (Aproximando-se, receoso). - Eis-me aqui.

Coplas
I
GABRIELA - Venho mostrar-me ao noivo meu,
quase a chegar o f'liz momento,
a ver se sou do agrado seu,
vestida já pro casamento.
Saber do meu futuro quis
se este vestido é do seu gosto,
e se achas a cor destes rubis
d'acordo coa cor do meu rosto.
É mui suspeita a opinião
daquele que por mim palpita;
mas diga lá, por compaixão,
se a noivazinha está bonita.

II

- Mas, oh! meu Deus! que quer dizer


este ar assim tão inquieto?
Pois não lhe dá nenhum prazer
coroado ver nosso afeto?
Acaso ao gosto seu não 'stou?
Repare bem... não viu direito...
Do mesmo parecer não sou,
pois o vestido está bem feito.
Aflito esteja, meu senhor;
mas se não quer me ver aflita,
diga-me lá, faça o favor,
se a noivazinha está bonita.
(Carlos volta a cabeça; Gabriela afasta-se despeitada.)
Amor, então, já me não tem?
CARLOS - Juro fazer quanto em mim caiba
para que sejas feliz porém,
convém, amor, que ninguém saiba...
GABRIELA - Como ninguém?...

86
CARLOS - - Ninguém! Ninguém!
Eu te falo sério...
Não duvides, não!
Lá no coração
guardemos o mistério
deste ardente amor...
Ninguém seja sabedor
deste amor...
GABRIELA - Só posso então dizer que te amo...
CARLOS - Bem devagar.
GABRIELA - Bem devagar?
Pois assim seja: eu não reclamo.
CARLOS (À meia voz.) - Eu te amo!
GABRIELA (No mesmo.) - Eu te amo
JUNTOS - Eu te falo!}
} sério
Tu me falas}
Não duvides }
} não
Não duvido }
Lá no coração, etc.

GABRIELA - Mas por que todo este mistério? Quem se casa corre perigo?
CARLOS - O casamento é um perigo para os homens em geral, e para mim em particular... Oh!
GABRIELA - O que receias tu? Não gozas de tanta influência? Não é o privado do Capitão-
general?
CARLOS - O Capitão-general! Oh! não pronuncieis esse nome, Gabriela! Se ele soubesse...
GABRIELA - O quê?
CARLOS - Não me perguntes mais nada! Amas-me, não é assim? Casemo-nos.
GABRIELA - Decerto! Isso é coisa resolvida! (Ouve-se rumor de fora.) Jesus! Aí vem papai! Ele é
que não está nada satisfeito com estas reservas!
CARLOS - É teu pai? Aí vem ele deitar a casa abaixo! E todo mundo vai ouvi-lo!

CENA VI
OS MESMOS e CASTELO BRANCO

CASTELO BRANCO (Entrando de muito mau humor.) Palavra d'honra! Isto não se comenta!
(Vendo Carlos.) Ah! é Vossa Mercê, Monsiu? Quisera vê-lo no inferno, e ao seu casamento absurdo!
CARLOS - Então! tenha calma, senhor meu sogro.
GABRIELA - O que é papai? o que é?
CASTELO BRANCO - O que é? O que é? Não é nada! (Com toda a calma.) Ah! falta-me um botão.
(Zangado.) Quando digo que tudo me chega!
GABRIELA - É só isso? Descanse: hei de pregá-lo, papai.
CASTELO BRANCO - Pois bem, pois bem. Mas não me posso conter! Quero desabafar! por que
cargas d'alhos, eu, Antonio Pedro Salema Coutinho Castelo Branco, morgado de São Gabriel e podre de
rico, consenti no casamento de minha filha com Vossa mercê, que não é meu compatriota, nem tem,
nem pode ter posição oficial definida?
GABRIELA - Eu sempre gostei muito do Senhor Carlos, papai.
CASTELO BRANCO - Não é um motivo plausível!
GABRIELA - pois não é?
CASTELO BRANCO - O motivo foi outro. Já lhes disse que sou podre de rico, e, por conseqüência,
proprietário de muitas propriedades. Uma dessas propriedades, e justamente aquela que ligo mais
apreço, de tal modo está situada, que tira a vista do rio ao palácio do Capitão-general. Muitas vezes

87
chegou a dizer-me o Capitão-general: "Morgado de São Gabriel, você não quer vender-me o cochicholo."
recusei sempre ceder-lhe o cochicholo. Então, vai um belo dia e diz-me o Capitão-general: "Morgado de
São Gabriel, você não quer vender-me o cochicholo? hei de possuí-lo sem gastar um real. Vou mandar
arbitrá-lo pela municipalidade, e babau!"
CARLOS - Mas não sei que relação possa haver...
CASTELO BRANCO - Espere! Um dia pareceu-me que a rapariga tinha certa inclinação por Vossa
mercê.
GABRIELA - Oh! muita, muita, muita, papai!
CASTELO BRANCO - Não insistas, rapariga. Inclino-me a crer que, de seu lado, Vossa Mercê
tinha também certa inclinação pela rapariga. Iam ambos por um plano inclinado! Vai uma vez , convidei-
o para jantar. No dia seguinte Vossa mercê apresentou-se, também para jantar, mas desta vez sem ser
convidado. Assim aconteceu durante um mês inteiro. Vocês iam numa desfilada...
GABRIELA - Numa grande desfilada!
CASTELO BRANCO - Não insistas, rapariga. O mal estava feito. O que não tem remédio...
CARLOS - Mas a que conclusão deseja chegar o senhor meu sogro?
CASTELO BRANCO - A que conclusão? pois Vossa Mercê não compreendeu o meu plano? Eu
dissera com os meus botões: o Carlos é privado do Capitão-general: se lhe dou a rapariga, eis-me sogro
do privado; excelente meio de não ser privado de minha propriedade.
GABRIELA (Curiosa.) - Como assim? pois o papai casa-me para segurança de sua propriedade?
CASTELO BRANCO - Não insistas, rapariga! Infelizmente o resultado foi nulo, pois o Monsiú
declarou ser preciso que o casamento se efetue clandestinamente!
GABRIELA - Mas, papai, eu já lhe disse que tanto me faz clandestinamente como às claras.
CASTELO BRANCO - A ti, tanto faz assim como assado; mas a mim? O que lucro eu com
semelhante casamento? serei o sogro do privado, é certo; mas de que serve tudo isso, se hei de ser um
sogro anônimo?
CARLOS - Enfim, onde quer chegar?
CASTELO BRANCO - Quero desabafar, eis o que eu quero! Vamos, não percamos mais tempo!
Toca para a matriz! Acabemos com isto, acabemos com isto!
GABRIELA - Sim, sim, eu acho bom!
CARLOS - Um momento: estou à espera de...
CASTELO BRANCO - De quem?
CARLOS - precisamos de dois padrinhos... Um deles já está lá dentro... É um mudo!
CASTELO BRANCO - Um mudo!
CARLOS - Tenho certeza de que não há de dar com a língua nos dentes. Infelizmente não pude
arranjar dois mudos. Escrevi a um amigo íntimo e seguro. Já devia aqui estar.
CASTELO BRANCO - Se convidarmos o dono da estalagem?
GABRIELA - É verdade; dir-lhe-emos que meta esse serviço na conta.
CARLOS - Deus me defenda! Um homem curiosíssimo que anda a espreitar às portas! iria
apregoar por toda a parte meu casamento! Nunca! Nunca!...
CASTELO BRANCO - Portanto...
GABRIELA - Se o tal amigo tardar?
CARLOS - Esperaremos.
CASTELO BRANCO (De mau humor.) - Oh! mas isto é demais, senhor Monsiú! Isto é demais!
CARLOS - Senhor Morgado de São Gabriel!
CASTELO BRANCO - Há oito dias que Vossa Mercê parece estar a caçoar comigo e com a
rapariga. É demais!
GABRIELA - Papai!
CASTELO BRANCO - Não insistas, rapariga! (A Carlos.) Convidamos o estalajadeiro?
CARLOS - Não! não e não!
CASTELO BRANCO - Tome sentido Monsiú: eu posso desmanchar a igrejinha!
CARLOS (Encolhendo os ombros.) - Pois desmanche: é o mesmo.
GABRIELA - Hein! Pois é o mesmo?
CASTELO BRANCO - Mas devo observar-lhe que se não devia meter de gorra em minha casa!

88
CARLOS - Diga antes que me armou uma ratoeira!
CASTELO BRANCO - Por que razão vinha jantar comigo?
CARLOS - Se não fosse convidado...
CASTELO BRANCO - Por que aceitava os meus convites?
CARLOS - Que culpa tenho de que sua filha me pespegasse como um cáustico?
GABRIELA (Furiosa.) - Um cáustico, papai, um cáustico!...
CASTELO BRANCO - Não insistas, rapariga! (A Carlos.) Estava em suas mãos desviá-la.
GABRIELA - A culpa foi sua.
CARLOS - Minha!

Terceto

CARLOS - Tão amável não fosse a senhora...


GABRIELA - Não me houvesse jurado afeição...
CASTELO BRANCO - Meu genro não seria agora,
se não gabasse tanto a sua posição!
CARLOS - ... de certo a não teia amado!
GABRIELA - ... não me teria apaixonado!
CASTELO BRANCO - Eu não havia de lembrar
de o convidar para jantar!
GABRIELA - Mas o senhor é tão galante...
CARLOS - Mas a senhora é tão chibante...
CASTELO BRANCO - Tal posição!
GABRIELA - Ai! que ilusão!

Juntos
CASTELO BRANCO GABRIELA E CARLOS

- Estou despeitado! - Fui de seu agrado


Que sogro eu sou! e já não sou!
'Stá tudo acabado... 'Stá tudo acabado...
Tudo entre nós acabou! Tudo entre nós acabou!

CARLOS - Oh! Felizmente inda podemos


sanar o mal que feito está!
GABRIELA - O dito por não dito demos!
A mim bem pouco se me dá!
CASTELO BRANCO - Tudo entre nós acabará!
CARLOS - Pois não, senhor morgado! É já!
CASTELO BRANCO - Isto é, se for do seu agrado...
CARLOS - Senhor, não vai ficar zangado...
CASTELO BRANCO - Tudo acabou!
GABRIELA e CARLOS - Tudo acabou!
CASTELO BRANCO - Já despir este fato vou!
GABRIELA e CARLOS - Tudo acabou!
CASTELO BRANCO - Meu genro, tudo acabou!
(Silêncio. Cada um toma direção diversa.)
GABRIELA - Adeus, senhor!
CARLOS - Adeus, minha senhora!
GABRIELA (Parando à porta, à parte.) - Porém...
CARLOS (Mesmo jogo de cena, no fundo.) - Porém...
JUNTOS - Meu Deus! quero-lhe bem!
Quem o negará? Ninguém! Ninguém!

89
CARLOS (Voltando.) - De novo o coração se humilha...
GABRIELA - De novo o meu também se humilha...
CASTELO BRANCO - Então, minha filha?
CARLOS - Meu anjo!
GABRIELA - Meu amor!
CASTELO BRANCO - Voltam ao velho estado?
GABRIELA - Meu amor!
CARLOS - Meu anjo!
JUNTOS - 'Stá tudo arranjado.
CASTELO BRANCO - Nada acabou?
CARLOS e GABRIELA - Nada acabou!
CASTELO BRANCO - Oh! já não está cá quem falou!
CARLOS e GABRIELA - Nada acabou!
CASTELO BRANCO - meu genro, nada acabou!

JUNTOS
CASTELO BRANCO GABRIELA E CARLOS
- Não estou despeitado! - Fui de seu agrado
Que sogro eu sou! E ainda sou!
Nada está acabado... Nada está acabado...
Nada entre nós acabou! Nada ente nós acabou!

CASTELO BRANCO (Rosnando sempre.) - Está bem, está bem; fique de parte o estalajadeiro.
Esperaremos...
GABRIELA - Vê se arranja isso depressa.
CASTELO BRANCO - Não insistas, rapariga! Vamos. Até logo, senhor meu genro.
CARLOS - Fale mais baixo...
CASTELO BRANCO (Baixinho.) - Até logo, senhor meu genro. (Vai saindo com Gabriela.)
CARLOS (Idem.) - Até logo, senhor meu sogro.
GABRIELA (Voltando, baixinho.) - Veja se arranja isso depressa. (Sai.)

CENA VII
CARLOS, BENTO e BEATRIZ

CARLOS - E o outro padrinho que não aparece? Haveria algum transtorno?


BENTO (Que entra pelos fundos com Beatriz, baixinho.) - Olha, ele fala sozinho... Oh! estes
estrangeiros!
BEATRIZ - Estes conjurados!
CARLOS (Vendo-os.) - Ainda vocês! o que há?...
BENTO - Não vos zangueis! Vínhamos prevenir-vos...
BEATRIZ - Que vieram agora mesmo...
BENTO - Neste instante...
BEATRIZ - Não há cinco minutos...
BENTO - Qual cinco minutos...
CARLOS - Então? Então?
BEATRIZ - Trazer esta cartinha...
CARLOS - Está bem! Dê cá!
BENTO (A Beatriz.) Vai tu, vai levar-lhe. Eu sou capaz de apanhar outro pontapé, e tu não!
BEATRIZ (Aproximando-se com precaução.) Aqui tem... (Dá-lhe a carta e retira vivamente.)
BENTO (Levando-a) - Anda daí... Credo! Um conjurado.
CARLOS (Que abriu e leu a carta.) - Oh! Sapristi! Isto só a mim acontece! O padrinho não pode
vir: estou reduzido ao mudo. Todavia é preciso outro... Hei de arranjá-lo por força.

90
CENA VIII
CARLOS E MANUEL DE SOUZA

MANUEL DE SOUZA (Fora.) - Estou muito apressado! Façam com que meu cavalo coma a galope!
Não me posso demorar! (Entra.)
CARLOS - Um estancieiro!...
MANUEL DE SOUZA - Três dias de atraso! Gertrudes deve estar furiosa!
CARLOS (Observando.)- Esta cara não me é estranha!
MANUEL DE SOUZA (No mesmo.) - Não me engano! É ele...
CARLOS (Dirigindo-se a ele.) - Não é por ventura o Senhor Manuel de Souza?
MANUEL DE SOUZA - Não é ao Monsiú Carlos que tenho a honra de...
CARLOS - Exatamente. Foi pelo ano passado...
MANUEL DE SOUZA - Tomávamos banhos no rio... em Porto Alegre.
CARLOS - Eu nadava como um peixe...
MANUEL DE SOUZA - Eu nadava como uma pedra...
CARLOS - Tu andavas em uma barquinha..
MANUEL DE SOUZA - De repente a barquinha virou-se, e bumba...
CARLOS - Ias morrer afogado, quando agarrei-te pelos cabelos e trouxe-te à tona d'água.
MANUEL DE SOUZA - Eu estava salvo! Devo-te a vida, meu bom Carlos.
CARLOS - Ora este Manuel de Souza! (À parte.) Tenho padrinho (Alto.) Não fazes idéia do prazer
que me causa a tua presença! Tu vais bem, não vais?
MANUEL DE SOUZA - Menos mal... Isto é, eu casei-me...
CARLOS - Casaste-te? pois, aqui onde me vês, vou fazer outro tanto!
MANUEL DE SOUZA - Oh! diabo!
CARLOS - E mesmo a esse respeito, preciso muito de ti, é indispensável que me prestes um
serviçozinho.
MANUEL DE SOUZA - Tenho a observar-te que estou com muito pressa.
CARLOS - Apenas uma hora.
MANUEL DE SOUZA - Uma hora! Sinto muito não te poder ser útil, meu caro, mas minha mulher
está à minha espera.
CARLOS - Ela que espere mais uma hora. Que inconveniente há nisso?
MANUEL DE SOUZA - Que inconveniente? Ah! bem se vê que não sabes quem é Gertrudes! Que
mulher, meu amigo! ela me tem um amor, mas que amor tão veemente que, não me lembra sob que
pretexto, fui obrigado a ausentar-me de casa. Devia estar de volta no fim de quinze dias, e há dezoito
que saí de casa. Faz tu idéia da recepção que me aguarda! Além de tudo, Gertrudes tem um péssimo
costume.
CARLOS - Qual é?
MANUEL DE SOUZA- Como gosta muito de montar a cavalo, tem sempre uma chibatinha na
mão... e quando zanga-se comigo... zás...
CARLOS - E tu consentes nisso?
MANUEL DE SOUZA - Que queres tu? Ela tem-me um amor!
CARLOS - E tu temes a chibatinha! Pois bem: uma vez que j[á estás habituado a semelhante
sistema, algumas carícias de mais ou de menos, para servires um amigo que te salvou a vida...
MANUEL DE SOUZA - Mas...
CARLOS - É absolutamente preciso que me sirvas de padrinho.
MANUEL DE SOUZA - De padrinho! Pois ainda não estás batizado?
CARLOS - Padrinho de casamento...
MANUEL DE SOUZA - Pois é para isso? Por que não agarras tu outro sujeito, que tenha menos
pressa?
CARLOS - Porque o meu casamento deve ser ignorado por todos... Já arranjei um mudo. Preciso
de outro... Manuel de Souza, esse outro mudo hás de ser tu.
MANUEL DE SOUZA - Mas por quê?
CARLOS - Por quê... queres tu saber?

91
MANUEL DE SOUZA - Sim... não! tenho muita pressa.
CARLOS - Pois bem! Escuta... e treme!
MANUEL DE SOUZA (À parte.) - Diabo! uma história... Quanto mais pressa, mais vagar...
CARLOS - Como muito bem sabes, Manuel de Souza, eu sou há muito tempo, o amigo... o
privado do Capitão-general. Vim com ele de Lisboa, e até hoje tenho-me conservado sempre ao seu
lado. Hoje esse tirano está viúvo, mas, antes disso, era casado...
MANUEL DE SOUZA - Ah! (Lembrando-se.) Naturalmente, pois se é viúvo...
CARLOS - muito bem! A mulher do Capitão-general, uma italiana de temperamento de fogo, de
sangue cálido, de alma ardente e vulcânica...
MANUEL DE SOUZA - Como Gertrudes...
CARLOS - Era admiravelmente formosa... eu andava pelo beicinho...
MANUEL DE SOUZA - Como eu...
CARLOS - Era inevitável o escândalo... Um belo dia, ou antes um mau dia, o Capitão-general
surpreendeu-nos em um colóquio que...
MANUEL DE SOUZA - Não deites mais na carta...
CARLOS - Em meu lugar, outro qualquer abriria a janela, e deixar-se-ia escorregar pela goteira.
Eu fui sublime! Fiquei! Coloquei-me entre a mulher e o marido ultrajado, e exclamei: "Perdoai-lhe,
senhor! É de sangue que precisais! Aqui tendes o meu! É vosso!"
MANUEL DE SOUZA - Foste muito nobre, mas um tanto estúpido...
CARLOS - "Um escândalo, respondeu ele, para dar lugar a que, ainda em cima, zombem de mim!
Não! Minha vingança há de ser mais calma. Tranqüiliza-te. Tu és o meu privado; continua a sê-lo, sê-lo-
ás para todo o sempre!"
MANUEL DE SOUZA - Ora ali está um homem comedido!
CARLOS - Ouve o resto. "Era teu amigo; de hoje em diante o serei mais que nunca, porém..."
MANUEL DE SOUZA - Ah! temos um porém...
CARLOS - "Algum dia te hás de casar... Emprazo-te para lá... Nesse dia, meu amigo, ajustaremos
contas, e então, dente por dente, olho por olho. Fizestes das tuas, eu farei das minhas. Entendeste?"
"Sim". "Muito bem! Vai amanhã jantar comigo. Seremos os mesmos um para o outro". - Como de fato,
desde esse momento, nem mais uma palavra a respeito... "Diante do mundo, o sorriso das salas; no
fundo. o ódio e a vingança!"
MANUEL DE SOUZA - Tudo isso que me acabas de contar é muito interessante; mas... Adeus.
meu amigo, estou com muita pressa.
CARLOS (Detendo-o.) - Bem sei o que me queres dizer: nesta situação restava-me tomar um
partido muito simples: não casar-me nunca..
MANUEL DE SOUZA - É verdade!
CARLOS - Disso lembrei-me eu... Estava resolvido a ficar solteiro toda a minha vida, ou toda a
vida do Capitão-general, se fechasse o olho primeiro que eu... Infelizmente, porém, o homem é um ser
incompleto, que, por ser incompleto, cedo ou tarde sente a necessidade de completar-se.
MANUEL DE SOUZA - E é hoje que te completas?
CARLOS- Como vês. O meu casamento deve ser efetuado no mais profundo segredo. Para mais
segurança fiz com que alguns médicos de Porto Alegre me recomendassem os ares do campo a um
reumatismo que não tenho. Desde que aqui estou, tenho escrito ao Capitão-general, dizendo-lhe que
vou cada vez pior, a fim de que ele não desconfie de minha prolongada estada em Viamão. Ontem
mesmo (vê tu que excesso e precaução!) mandei-lhe dizer que estava quase a bater a bota. Tal é,
Manuel de Souza, a narração exata e dolorosa que tinha a fazer. Convirás que é absolutamente preciso
que me sirvas de padrinho. Ficas, não é assim?
MANUEL DE SOUZA - Homem... é que... Como já tive ocasião de dizer-te, Gertrudes... Gertrudes
não é nada, mas a chibatinha...
CARLOS - Só uma hora!
MANUEL DE SOUZA - Uma hora! É muito, meu amigo, é muito!
CARLOS - Vamos! Uma hora, Manuel de Souza!
MANUEL DE SOUZA - Pois vá lá! Ora adeus! Diga Gertrudes o que quiser! Fico!
CARLOS - Ah! eu logo vi! Obrigado, muito obrigado! (Aperta-lhe a mão com efusão.)

92
CENA IX
OS MESMOS, BENTO, BEATRIZ, depois CASTELO BRANCO, GABRIELA e o MUDO

BEATRIZ (Entrando com Bento, a Manuel de Souza.) - Está pronto o cavalo.


CARLOS - Deixe-o estar. Não é preciso por ora.
BEATRIZ - Sim, senhor.
BENTO (Examinando a Manuel de Souza.) - É outro que tal! Decididamente isto não é uma
estalagem; é um valhacouto de conjurados...
BEATRIZ - Estamos bem aviados, titio. (Saem.)
CARLOS - Agora, mãos à obra! (Indo à porta de Castelo Branco.) Olá Senhor Morgado de São
Gabriel! Gabriela!
CASTELO BRANCO (Entrando com a filha.) - Podemos ir?
CARLOS - Sim, senhor. (Apresentando Manuel de Souza.) Meu padrinho, o Senhor Manuel de
Souza, a quem salvei a vida. (Cumprimentos.)
MANUEL DE SOUZA - Estou com muita pressa. Vamos ligeiro, hein?
CARLOS - A demora não há de ser por mim. Vou buscar o mudo. (Chamando para dentro.) Oh!
Senhor Mudo... Psiu! Venha cá! (Entra o Mudo e cumprimenta a todos.)
MANUEL DE SOUZA - Então você é mudo? (O Mudo faz sinal afirmativo.) Não pode dizer com a
boca? É preciso estar a ... (Arremedando o Mudo, ri-se bestialmente - a Carlos.) Saiu-te ao pintar, hein?
CARLOS - E baratinho... Vinte cruzados só... Mas vamos, vamos embora!
TODOS - Vamos embora!

Quinteto

CARLOS - É já safar,
sem mais tardar
sem haver demora!
GABRIELA - Com precaução,
com prontidão!
vamo-nos embora!
TODOS É já safar, etc.
MANUEL DE SOUZA - É já partir com todo o afã!
O MUDO - An, an, an, an!
CARLOS - Cautelosos
pressurosos
convém sairmos daqui!
MANUEL DE SOUZA - Tempo é de andar daí!
O MUDO - Hi, hi, hi, hi!
GABRIELA - Com prudência,
com cadência,
partamos sem tardar!
TODOS - Sem demorar!
Já, já, já, já!
O MUDO - Ah! Ah! Ah! Ah!

(Saem todos. O Mudo fica só em cena continuando mentalmente o motivo da saída. Vendo que
está só.)
O MUDO (Confidencialmente.) - Eu sou mudo de profissão; mas se isto só me render o ajuste,
mudo de profissão! (Sai a correr.)

93
CENA X
BENTO, BEATRIZ, depois GERTRUDES

BENTO - Então, minha sobrinha?


BEATRIZ - Então, titio?
BENTO - Não é o que te digo? Aqueles desgraçados vão revoltar o interior da província!
BEATRIZ - Ah! titio! O que será de nós!...
GERTRUDES (Entrando bruscamente com uma chibatinha na mão.) Olá! Oh! de casa! Venha
alguém! (Vendo Bento e Beatriz.) - Olá velhote, olá rapariga!
BEATRIZ (Voltando-se.) - Uma senhora!
BENTO (Com solicitude.) - Oh! minha senhora, vós...
GERTRUDES (Sem lhe dar tempo de falar.) - Nem claro, nem moreno...
BENTO - Senhora...
GERTRUDES (No mesmo.) - Nem alto, nem baixo...
BENTO - Senh...
GERTRUDES (No mesmo.) - Nem gordo, nem magro; figura insignificante, boca sem expressão;
sorriso desenxabido; mas com um certo ar de distinção... Nem muito nem muito pouco... São estes os
seus sinais. Viram-no? (Passeia agitando a chibata).
BEATRIZ - O que diz ela?
BENTO - Nem muito, nem muito pouco... (Com uma idéia.) Ah! é a senha... a senha dos
conjurados... Senhora, também pertence a ...
GERTRUDES -A quê, homem de Deus?
BENTO - Bem sabe... (Baixo.) À conjuração..
GERTRUDES - Você é um tolo! Quem foi que lhe falou em conjuração? É meu marido, é o meu
Manuel de Souza que procuro.
BENTO - Seu marido!
GERTRUDES - Não percebem? Meu marido! Só tenho aquele e não me faz conta perdê-lo!

Ária

O meu amor. meu tudo,


o grande cabeçudo,
grandíssimo infiel,
- meu belo Manuel;
o meu gentil marido,
meu confidente infido,
- de casa se ausentou;
sozinha me deixou!
Ai! quanto é mau, embora belo!
O Manuel de mim já se esqueceu!
Pra ele todo meu desvelo,
pra mim o esquecimento seu...
Mas se o ciúme me maltrata
o desvairado coração,
(Agitando a chibata.)
vinga-me, olé! me vinga esta chibata,
a fustigar o maganão.
Olá!
Toma lá!
Olá!
Meu sandeu!
Toma lá que te dou eu,
judeu!

94
À vez primeira em que nos vimos,
amor veemente aqui brotou;
os nossos corações unimos:
ai, meu Deus! foi quanto bastou.
pouco depois de a ele unida
(recordação que mal me faz),
Manuel fez-me uma partida...
Eu estava armada... Ah! meu rapaz!...
Olá!, etc.
(Com uma expressão langorosa.)
Ah! Ah! Ah!
O meu amor, meu tudo, etc.

BENTO - Ah! a senhora anda à procura de seu Manuel?


GERTRUDES - Ele está cá, pois não está! Ah! meu senhor estalajadeiro, diga-me, diga-me que ele
está cá.
BENTO - Sinto muito dizê-lo, senhora, mas... nunca o vi mais gordo.
GERTRUDES - Aquele monstro! Aquele miserável! Semelhante conduta! Aposto que ele neste
momento engana-me com mulheres, talvez!... Ah! senhor estalajadeiro, se você soubesse a história do
retrato...
BENTO - Que retrato!
GERTRUDES (Mostrando um medalhão que tira d algibeira.) - Deste que trago sempre aqui, na
algibeira... uma senhora de Porto Alegre por quem ele andou outrora apaixonado. (Abrindo o
medalhão.) Você conhece por acaso alguma senhora de Porto Alegre, que se pareça com isto?
BENTO - Não...
BEATRIZ - Nunca a vi mais gorda...
GERTRUDES (Fechando o medalhão com cólera.) - Ó raiva! Sempre que me lembro de
semelhante velhacada, fico de tal forma impressionada... Senhor estalajadeiro, segure-me... eu... (Finge
que desmaia nos braços de Bento.)
BENTO - Então o que é isto, minha senhora? o que é isto?...
GERTRUDES (A Beatriz, com voz sumida.) - Menina?
BEATRIZ - Senhora?
GERTRUDES - Quero tomar alguma coisa... alguma coisa quente!
BEATRIZ - Quer ir lá para dentro?
GERTRUDES - Não sei! Estou tão fraca! Vou experimentar... (Dá alguns passos sustida por Bento
e Beatriz; depois endireita-se bruscamente e entra na estalagem, agitando a chibata.) - Ah! velhaco!
alma de cão! Se te apanho... (Beatriz segue-a.)
BENTO (Só.) - Com certeza esta senhora tem uma aduela de menos! (Rodar de carruagem fora.)
Hein? uma carreta. (Vai ver ao fundo.) Que vejo! Soldados! Misericórdia! A conjuração foi descoberta!
Vão ser presos os conjurados, e aqui estou eu comprometido.
CAPITÃO-GENERAL (Fora.) - Anda daí, Teobaldo.
TEOBALDO (Fora.) Pronto!

CENA XI
BENTO, CAPITÃO-GENERAL e TEOBALDO

CAPITÃO-GENERAL (Entra, acompanhado por Teobaldo.) - Muito bem! Esperem lá fora! (A


Bento.) Você que é o dono desta estalagem?
BENTO - Eu é que sou o dono desta estalagem. (À parte.) Estou arranjadinho...
CAPITÃO-GENERAL - Aproxime-se
BENTO (Tremendo.) - Às vossas ordens.
CAPITÃO-GENERAL - Viajo incógnito; mas como sei o que são estas estalagens, julgo conveniente
preveni-lo que sou o Capitão-general...

95
BENTO (Aterrado.) - O Capitão-general!!! Céus! ... (À parte.) Estou aqui, estou enforcado...)
CAPITÃO-GENERAL - Você tem um quarto desocupado?
BENTO (Balbuciando.) - Senhor...
TEOBALDO - Sua Excelência pergunta se você tem um quarto desocupado!...
BENTO (Atrapalhado.) - Posso mandar preparar a sala de espera...
CAPITÃO-GENERAL - Mas a tal sala de espera é mais cara?
BENTO (Sorrindo amavelmente.) - Saiba Vossa Excelência que sim.
CAPITÃO-GENERAL - Não importa: hei de lha pagar baratinho.
BENTO (Sorrindo amargamente.) - Vossa Excelência manda.
CAPITÃO-GENERAL - Mas vamos ao que aqui me traz, e responda sem circunlocuções!
BENTO (Intimidado) - Senhor...
TEOBALDO - Sem circunlocuções!
BENTO - Sem circun... Como?
CAPITÃO-GENERAL - Como vai ele?
BENTO - Mas...
CAPITÃO-GENERAL - Você não tem aqui um doente?
BENTO (Surpreso.) - Ah! (Mudando de tom.) Ah! Sim. Sim. (À parte.) Ele quer sondar-me...
CAPITÃO-GENERAL - Ele passou melhor a noite?
BENTO (Atrapalhado.) - Saiba Vossa Excelência que... isto é...
TEOBALDO (Batendo-lhe no ombro.) - Sua Excelência pergunta se ele passou melhor a noite!
BENTO - Oh! Oh! não bata no púlpito!
CAPITÃO-GENERAL (Vivamente.) - Mas ao menos não morreu??
BENTO - Oh! não! Não!
CAPITÃO-GENERAL - Respiro!
BENTO (À parte.) - Se eu percebo...
CAPITÃO-GENERAL - Mande dar palha ais meus animais, ande!
BENTO - Saiba Vossa excelência que nesta ocasião só há cevada de muito boa qualidade...
CAPITÃO-GENERAL - É mais cara?
BENTO (Sorrindo amavelmente.) - Saiba Vossa Excelência que sim...
CAPITÃO-GENERAL - Não importa! hei de lha pagar baratinho.
BENTO (Sorrindo amargamente.) - Vossa Excelência manda.
CAPITÃO-GENERAL - Musque-se!
BENTO - Vossa Excelência manda. (Sai)

CENA XII

O CAPITÃO-GENERAL, TEOBALDO, depois CARLOS

CAPITÃO-GENERAL - Ora esta! Esqueci-me de perguntar a este tolo onde é o quarto de Carlitos,
vai tu saber , Teobaldo.
TEOBALDO (Saindo.) - Num abrir e fechar d'olhos.
CAPITÃO-GENERAL (Só). - Carlitos assustou-me com este bilhete! (Lendo.) "Sinto-me fraco.
tenho medo de não amanhecer com vida". - Mal recebi hoje pela manhã estas letras, corri... Deus queira
que haja esperanças de salvá-lo!
CARLOS (Entrando.) - Eis-me finalmente casado. (Dá alguns passos e acha-se cara a cara com o
Capitão-general.) Ah!
CAPITÃO-GENERAL (Admirado.) - Pois quê! És tu?!...
CARLOS (À parte.) - O Capitão-general! E Gabriela que...
CAPITÃO-GENERAL - Eu julgava encontrar-te em posição horizontal!
CARLOS - Vossa Excelência bem sabe... O reumatismo agudo é uma moléstia que vai e vem, vem
e vai...
CAPITÃO-GENERAL - Um reumatismo agudo é grave! mas estás com muita cara... teu último
bilhete sobressaltou-me sobremodo. Corri! Voei!

96
CARLOS (À parte.) - Desalmado! Pintei o meu estado feio demais. (Alto, procurando levá-lo para
fora.) Vossa Excelência tomou aposentos?
CAPITÃO-GENERAL - Teobaldo anda a tratar disso. Ah! meu querido Carlitos, quanto folgo por
encontrar-te em posição vertical!
CARLOS (Cada vez mais inquieto e à parte.) - Gabriela está aí, está a chegar...
CAPITÃO-GENERAL - É que... como não ignoras, tua vida é-me preciosa como a minha.
(Batendo-lhe no ombro amigavelmente.) Hein? Negarás que a tua vida é-me tão preciosa...
CARLOS (Inquieto sempre) - Sim... sim...
CAPITÃO-GENERAL - Felizmente estás muito moço ainda; tens o futuro diante de ti. Mais dia
menos dia, casas-te (Movimento de Carlos.) Tomara eu já! Há de ser grande a alegria! E aqui estou eu,
que desde já prometo assistir às tuas bodas!

Rondó
- Um dia, olé! te casarás...
Muito m'hei de rir... Tu verás...
Mais do que tu 'starei contente...
Bem certo estou: procurarás
e com certeza encontrarás
para mulher - mulher ardente...
- Um dia, olé! te casarás...
Muito m'hei de rir... Tu verás...
Mais do que tu 'starei contente

De minha mão receberás


Tua mulher pura, inocente;
muito feliz então serás!
com que fervor a adorarás!
Mas o fervor que sentirás
Não será muito mais fervente
Que o meu fervor seguramente.

Ah! Ah!

- Um dia, olé! te casarás...


Muito m'hei de rir... Tu verás...
Mais do que tu 'starei contente

CARLOS - Não duvido que assim seja... Oh! mas esse dia ainda está muito longe. (À parte.)
Quem não está longe é Gabriela.
CAPITÃO-GENERAL - Veremos! Tudo chega!
CARLOS (À parte.) - Quem vai chegar é ela. (Ouve-se a voz de Castelo Branco.) Eles vêm aí!
Agora é que são elas!

CENA XIII
OS MESMOS, CASTELO BRANCO e GABRIELA

CASTELO BRANCO (Entrando com Gabriela.) - Senhor Monsiú, Senhor Monsiú! Vossa mercê veio
a correr!
CARLOS (À parte.) - Antes não viesse!
CASTELO BRANCO - E despediu-se à francesa... Não admira, é francês.
GABRIELA - Onde é que se meteu?
CAPITÃO-GENERAL - Ó que linda mulher!
CASTELO BRANCO - O Capitão-general! (Inclinando-se, a Gabriela.) Cumprimenta, rapariga.

97
CARLOS (À parte.) - Estou em brasas!
CAPITÃO-GENERAL - Oh! mas se não me engano, é o morgado de São Gabriel, que tão
obstinadamente recusa a ceder-me o cochicholo...
CASTELO BRANCO - É uma recordação de família, senhor...
CAPITÃO-GENERAL - Bem! bem! Senhor Morgado! O que lhe difo é que o cochicholo há de ser
meu! (À parte.) Manda quem pode.
CASTELO BRANCO (À parte.) - Ó raiva! não passo de um sogro anônimo!
CAPITÃO-GENERAL - Esta encantadora senhora é sua filha, Senhor Morgado?
CASTELO BRANCO - Nossa. (A Gabriela.) Cumprimenta, rapariga.
CAPITÃO-GENERAL - É linda como os anjos! (Cumprimentado-a.) Minha senhora...
GABRIELA - Senhor Capitão!
CASTELO BRANCO (Acotovelando-a.) - General... General...
GABRIELA - Senhor General...
CASTELO BRANCO ( No mesmo.) - Capitão-general.
GABRIELA - Senhor Capitão-general.
CASTELO BRANCO - Não insistas, rapariga!
CAPITÃO-GENERAL - Que ricos vestidos! Afigura-se uma noiva...
CASTELO BRANCO - E noiva é...
CAPITÃO-GENERAL - Ah! acaba de casar-se porventura?
CARLOS (Sem saber o que diz.) Precisamente não... casou-se assim sem se casar...
GABRIELA - Como?!
CARLOS - Isto é... sim... quero dizer que seu marido...
CAPITÃO-GENERAL - E o feliz marido de tão interessante menina é?
CARLOS (Atrapalhado e à parte.) Meu Deus! (Alto.) É... é...
CAPITÃO-GENERAL - Quem?
CARLOS (Incomodadíssimo.) É... é...

CENA XIV
OS MESMOS e MANUEL DE SOUZA

MANUEL DE SOUZA (A Carlos.) - Meu caro, venho dizer-te adeus...


CARLOS (À Parte.) - Ele! Oh! que idéia. (Apresentando-o.) Ei-lo, o Senhor Manuel de Souza.
GABRIELA e CASTELO BRANCO - Hein?
GABRIELA (À parte.) - Meu marido! Ele?
CASTELO BRANCO (Idem.) - Meu genro! Ele?
MANUEL DE SOUZA - Senhor Capitão-general...
GABRIELA (A Carlos.) - O que quer isto dizer!
CARLOS (Baixo.) - Cala-te, em nome do céu! O capitão-general não se demora muito; já vê pois
que...
CAPITÃO-GENERAL (A Manuel de Souza.) - Meus parabéns, Senhor Manuel de Souza: é muito
linda!
MANUEL DE SOUZA - Quem?
CAPITÃO-GENERAL - Quem há de ser? (Apontando.) Ela...
CARLOS - Ela...
CASTELO BRANCO - Ela...
GABRIELA - Eu...
CASTELO BRANCO - Não insista, rapariga!
MANUEL DE SOUZA - Ah! realmente é muito linda... é...
CAPITÃO-GENERAL (À parte.) Hão de ir morar no meu palácio, quer queiram, quer não queiram!
(Alto a Manuel de Souza.) Tenho as melhores informações sobre Vossa mercê, Senhor Manuel de Souza.
Em meu palácio de Porto Alegre tenho um pequeno estado-maior de oficiais de lanceiros. Quero elevá-lo
provando-lhe assim a consideração que...
MANUEL DE SOUZA - Mas...

98
CAPITÃO-GENERAL - hesita? Já sei quem o impede... (Com malícia.) Sua senhora; não é?
MANUEL DE SOUZA - Minha mulher?! Quem disse a Vossa Excelência?...
CAPITÃO-GENERAL - Pois bem : Vossa Excelência levá-la-á consigo.
MANUEL DE SOUZA - Minha mulher?
CAPITÃO-GENERAL - Os oficiais do meu estado-maior são quase todos casados e mora, em meu
palácio com suas respectivas metades. Tenho acomodações para mais um casal. Estou certo que sua
senhora não se negará a acompanhá-lo. (A Gabriela.) Não é assim, minha senhora?
MANUEL DE SOUZA - Como! Mas não é esta que...
CARLOS (Tapando-lhe a boca.) Cala-te! É tua mulher... provisoriamente.
MANUEL DE SOUZA - Hein?
CAPITÃO-GENERAL - Então está dito?
MANUEL DE SOUZA - É que...
CASTELO BRANCO - Com licença... Vou por tudo em pratos limpos!
GABRIELA - Sim, é preciso que se saiba que...
CAPITÃO-GENERAL - Deixem-me disso! Nada de agradecimentos! Estamos de acordo!
CASTELO BRANCO, GABRIELA e MANUEL DE SOUZA - Sim...
CAPITÃO-GENERAL - Preparem-se, enquanto vou dispor tudo para a nossa partida. (A Castelo
Branco.) Morgado, acompanhe também sua filha a Porto Alegre. (A Manuel de Souza...) Quanto à Vossa
mercê...
CARLOS - Ah! Vamos preparar-nos também...
CAPITÃO-GENERAL - Tu não... Para que hás de ir, Carlitos? Fica, fica... Lembra-te de teu
reumatismo...
GABRIELA e CASTELO BRANCO (À parte.) - Pois ele fica?...
CAPITÃO-GENERAL (A Gabriela.) Vão... vão...
CASTELO BRANCO (Levando a filha.) - Sim, senhor Capitão-general. Vamos, rapariga!
GABRIELA - Ah! papai, em que há de dar tudo isto?... (Saem)

CENA XV
MANUEL DE SOUZA e CARLOS

MANUEL DE SOUZA - Então, então? Agora, que estamos sós, é preciso que me expliques...
CARLOS - Não tenho tempo agora. Os acontecimentos precipitam-se... Não receies coisa alguma.
Tudo se há de arranjar!
MANUEL DE SOUZA - Mas Gertrudes, minha mulher,. minha verdadeira mulher?...
CARLOS - Ora adeus! Está longe...
MANUEL DE SOUZA - Longe... Isso é o que não sabemos...

CENA XVI
OS MESMOS e GERTRUDES

GERTRUDES (Entrando, consigo.) Ah! Sinto-me mais forte agora. Não há dúvida. O velhaco do
meu marido cá não está . Andei por todos os quartos. remexi armários, gavetas, prateleiras... (Vendo
Manuel de Souza.) Ah!...
MANUEL DE SOUZA (Dando um salto.) Ah! Minha mulher!
GERTRUDES (Agitando a chibata.) - Aqui!
MANUEL DE SOUZA (Hesitando.) - Pois quê! És tu, minha boa amiga?
GERTRUDES (No mesmo.) - Aqui! Não ouve?...
MANUEL DE SOUZA - Aqui me tens, aqui me tens! (Aproximando-se timidamente.) Como tens
passado, Gertrudinha? bem?...
GERTRUDES (No mesmo.) - Manuel de Souza, há dois dias que ando à tua procura!
MANUEL DE SOUZA (Recuando.) - Eu também tenho andado à tua procura...
GERTRUDES - mentes!

99
MANUEL DE SOUZA (Recuando.) - Olha, pergunta aqui ao Carlos... Ele que te diga... (Mudando
de tom e com volubilidade.) Tenho o prazer de apresentar-te o meu amigo Monsiú Carlos. (Empurrando-
o para sua frente.) Ele que te diga... Não é assim, Carlos?
CARLOS - É...
GERTRUDES (Com força.) - Não é!
CARLOS (Espantado.) - Olé! Olé! (À parte.) Que mulherzinha!
MANUEL DE SOUZA - Juro-te, juro-te, Gertrudinhas! Olha, estou tão satisfeito por te tornar a
ver...
GERTRUDES - Você sente o que está a dizer?
MANUEL DE SOUZA - Oh! se sinto!
CARLOS - Oh! se sentimos!
GERTRUDES - Manuel, quem me dera poder acreditá-lo!
MANUEL DE SOUZA (Querendo tirar-lhe a chibata.) - Olha, põe isto de parte...
GERTRUDES (Repelindo.) - Não! (Com calma.) Manuel?
MANUEL DE SOUZA - Gertrudinhas!
GERTRUDES - Você não me enganou?
MANUEL DE SOUZA - Não, coração!
GERTRUDES - Ah! (Abre-lhe os braços.)
MANUEL DE SOUZA - Gertrudinhas!
GERTRUDES - Manuel (Abraçam-se.)
MANUEL DE SOUZA - Olha, põe isto de parte...
GERTRUDES (Severa.) Não! (Com calma.) Manuel?
MANUEL DE SOUZA - Gertrudinhas!
GERTRUDES 0 Nunca mais havemos de nos separar!
MANUEL DE SOUZA - Nunca mais!
GERTRUDES - ...ca mais!
MANUEL DE SOUZA (A Carlos.) Belíssima situação!
CARLOS (O mesmo a Manuel de Souza.) - Sê prudente, e deixa o resto por minha conta. (Gritos
de - Viva o Capitão-general.)

CENA XVII
OS MESMO, POVO, o CAPITÃO-GENERAL, depois GABRIELA e CASTELO BRANCO, depois TEOBALDO

Final

CORO - A correr bem pressurosos,


neste dia festival,
nós bradamos jubilosos:
- Viva o Capitão-general! (Bis.)
CAPITÃO-GENERAL - Ah! para um Capitão-general,
é bom gozar popularidade!
Tendes para comigo essa bondade,
ó filhos do Brasil e Portugal!
CORO - A correr, etc.
(Durante o coro entram castelo Branco e sua filha.)
CAPITÃO-GENERAL (A Manuel de Souza.) - Já pronto está?
(A Castelo Branco e Gabriela) - Prontos estão?
MANUEL DE SOUZA (Atrapalhado.) - Mas senhor... (À parte.) Ai! que aflição!
CAPITÃO-GENERAL - Pra Porto Alegre vou, e digo:
o senhor me acompanhará!
GERTRUDES (Admirada.) - Pra lá!
CAPITÃO-GENERAL - E irá
com sua esposa, amigo.

100
GABRIELA (À parte, com tristeza.) - Comigo!
GERTRUDES (À parte, com alegria.) - Comigo!

Concertante
CAPITÃO-GENERAL - Pasmados de surpresa
a todos vendo estou!
Este anjo de beleza
por pouco não chorou!
Que vida folgada
- não há mais que ver-
embora casada
com ela vou ter!
TODOS - Eu confundido estou!
CARLOS, CASTELO BRANCO, GABRIELA
e MANUEL DE SOUZA
- De terror, de surpresa - De terror, de surpresa
a morrer quase estou! a morrer quase estou!
Há que ver, com certeza Ó que grande afoiteza
no que aqui ver vou! eu ver agora vou!
Com esta embrulhada, Com esta embrulhada,
das duas - é ver - não há mais que ver;
à força levada à força levada
qual é que há de ser! à força vou ser!

GERTRUDES - Com ele levada,


que vida vou ter!
Que vida folgada!
Não há que dizer!
Mui considerada
agora vou ser!
(O Capitão-general sobe ao fundo para dar ordens.)
GERTRUDES (A Manuel de Souza.) - Com gentileza
agradecer vou já
um favor de tal natureza...
MANUEL DE SOUZA (Vivamente.) - Não! Não! agradecer não vá!
GABRIELA (A Carlos.) - Esta fineza
eu recusar vou já,
mas com toda a delicadeza.
CARLOS (Vivamente.) - Não! Não! oh! recusar não vá!
CASTELO BRANCO - Que grande maçada!
CARLOS - Que grande embrulhada!
MANUEL DE SOUZA - Oh! que trapalhada!
OS TRÊS - Com ambos casada
como é que há de ser!
REPETIÇÃO DO CONCERTANTE - De terror, etc.
TEOBALDO (Aparecendo ao fundo.) - Vossa carreta pronta está!
GERTRUDES - Vamos embora, já e já!
CAPITÃO-GENERAL - Meus senhores e senhora,
não pode haver demora!
(A Manuel de Souza.) Senhor, quando quiser...
MANUEL DE SOUZA (A Carlos.) - Está tudo perdido!
CARLOS - Toma sentido!
MANUEL DE SOUZA (A Carlos.) - E minha mulher?

101
CARLOS - Não faças ruído!
Eu cá já sei
o que farei...
CAPITÃO-GENERAL - Meus senhores e senhora,
já, já nos vamos sem demora
embora!
Não mais esperarei!
CORO - Partamos sem demora!
A correr, etc.
(Gabriela, o Capitão-general, Castelo Branco e Manuel de Souza saem pelo fundo.)
GERTRUDES (Não reparou na saída do marido e desespera, vendo-se abandonada.) Então?!
Deixam-me aqui? Manuel! Manuel! Ah! (Desmaia nos braços de Carlos, que a entrega a Bento, que entra
espavorido. Todos no fundo agitam lenços e chapéus.)

[(Cai o pano)]

ATO SEGUNDO

Jardim, no palácio do Capitão-general. À direita, primeiro plano, pequeno pavilhão, para o qual se sobe
por uma escada dupla. À esquerda, segundo plano, um banco de mármore, com recosto. Avenida em
perspectiva.

CENA I
OFICIAIS DE LANCEIROS, SOLDADOS, depois TEOBALDO, depois GABRIELA, CASTELO BRANCO e
MANUEL DE SOUZA

Introdução

CORO - Qual é, qual a razão


de sermos convidados
pr'esta reunião?
De tal convocação,
estamos espantados!
Qual é, qual a razão
desta reunião?...
TEOBALDO (Saindo do pavilhão.) - Olé! parabéns por tal
[pontualidade!
É muito natural que ao capitão agrade
o vosso zelo pelo serviço militar.
CORO - Mas queira confessar
qual é, qual a razão, etc.
TEOBALDO - Vosso, silêncio agora, amigos meu, reclamo;
de vossa parte espero um pouco de atenção:
por isso que vos vou dar comunicação
de uma resolução
de nosso ilustre amo.
TODOS (Gritando.) Viva o sem rival
Capitão-general!
TEOBALDO Bico calado; lá não está...
TODOS (Reprimindo o entusiasmo) - Bico calado: não está lá
TEOBALDO - Psiu, psiu!
Eu principio.
(Abre um folha de papel e lê)

102
"Nós, Capitão-general nesta cidade de Porto Alegre, por Sua Majestade Fidelíssima, a quem Deus
guarde, fazemos saber a todos os oficiais e mais funcionários residentes em nosso palácio, que nesta
data havemos por bem nomear Manuel de Souza capitão do regimento de lanceiros,e Dona Gabriela, sua
mulher, nossa leitora."

TODOS (Gritando) - Viva o sem rival


Capitão-general!
TEOBALDO - Bico calado: lá não está...
TODOS (Como acima.) - Bico calado: não está lá...
TEOBALDO - Em breve os novos nomeados
vereis aqui chegar, amigos meus;
eu lhes vou dar os tít'los seus,
para poderem ser empossados.
De vós nenhum
convém deixar de fazer zunzum
TODOS - De fazer um
zunzum
é não deixar de modo algum!
(Murmúrio prolongado, durante o qual entram Gabriela, Castelo Branco e Manuel de Souza,
revestidos com os uniformes de seus novos cargos)
GABRIELA, CASTELO BRANCO e MANUEL DE SOUZA
- Vós com tais atenções, cativais corações
TODOS - Ilustres recém-nomeados
se amigos sois do Capitão,
Também sereis afeiçoados
aos cavalheiros que cá estão!
Ilustres recém-nomeados!

TEOBALDO - Agora vou (vós ides ver,


senhores meus, formosa dama)
sem mais aquela proceder
ao que estabelece o programa.
(A Gabriela.) De pro meu lado vir faça o favor.
GABRIELA - Aqui estou, meu senhor.
TEOBALDO - O Capitão-general
vos nomeia sua leitora.
GABRIELA - Que profissão maçadora.
TEOBALDO - É muito especial,
é muito original!
TODOS - É muito original,
é muito especial!
TEOBALDO - Ao Morgado agora vou
dar um decreto.
CASTELO BRANCO - Aqui estou.
TEOBALDO - Feito está Capitão-mor,
que é das honras a maior.
TODOS - Feito está Capitão-mor,
que é das honras a maior.
CASTELO BRANCO - Oh que bom! Eu vos agradeço!
TEOBALDO - A cerimônia recomeço.
Senhor Manuel de Souza,
eu quero dar-lhe alguma cousa.
(Trazem uma espada, que Teobaldo apresenta a Manuel de Souza.)

103
TEOBALDO e OFICIAIS - Capitão, não suponha
que esta luzente espada
é chanfalho vulgar,
não pode alguém matar.
Ela não envergonha
ninguém, desembainhada:
quem a tiver na mão
dizima um batalhão!
Ela é longa, é pontuda,
e de puro metal!
Espada sem rival
luzente e pontiaguda!
TODOS - Ela é longa, etc.
TEOBALDO e OFICIAIS - No auge da batalha
precisa um belo dia
ver morto aos seus pés
pimpões aos seis, aos dez?
- Conte que ela não falha!
Em um segundo enfia
barrigas a valer:
é só - tirar, meter!...
Ela é longa, etc.
(Repetição do Coro)
- Ilustres recém-nomeados, etc.
(Saem todos, com exceção de Gabriela, Castelo Branco e Manuel de Souza.)

CENA II
GABRIELA, CASTELO BRANCO e MANUEL DE SOUZA

MANUEL DE SOUZA - Foram-se?


GABRIELA - Sim...
MANUEL DE SOUZA - Muito bem, Agora, meu caro Senhor Morgado e minha excelente senhora, a
trapalhada fica por vossa conta e risco.
CASTELO BRANCO - Como por nossa conta e risco?
GABRIELA - Dar-se-á o caso que o Senhor Manuel de Souza nos queira abandonar?
MANUEL DE SOUZA - Há uma hora chegamos, há uma hora procuro ocasião para escafeder-me.
GABRIELA - Mas isso é impossível!
CASTELO BRANCO - Abandonar-nos! Era o que faltava!
GABRIELA - Que havemos nós dizer ao capitão-general, quando não o vir conosco?
MANUEL DE SOUZA - É isso justamente o que fica por vossa conta e risco. Cada um responde por
si. Minha mulher com certeza veio ao nosso encalce, e, de um momento para o outro, cai aqui como um
raio, bumba! Oh! bem a conheço! É capaz de deitar abaixo este palácio! prefiro não esperar pela
catástrofe, e despedir-me... Tenho a honra de.... (Dá alguns passos)
GABRIELA (Pegando-o pelo braço.) Não, não, não! Não há de ir assim sem mais nem menos,
Ajude-me, papai.
CASTELO BRANCO - Sim, rapariga. (Pegando-o pelo outro braço.) Vossa Mercê não se há de ir
embora, Senhor Manuel de Souza.
MANUEL DE SOUZA (Tentando livrar-se) - Oh! mas isto é um violência. Já vos disse que...
CASTELO BRANCO - Não se há de ir embora, Senhor Manuel de Souza!
GABRIELA - Não se há de ir embora, Senhor Manuel de Souza!
CASTELO BRANCO - Não insistas, rapariga!

CENA III

104
OS MESMOS e CARLOS

CARLOS (Aparecendo ao fundo.) - O que é isto? o que é isto?


TODOS - Carlos!
GABRIELA (Correndo para ele.) - Ai! o meu queridinho!
CARLOS - Silêncio. Podem ouvir-te. Ah! meus amigos, estou morto... morto! Segui-vos toda a
viagem a cavalo, à distância de meia hora!
GABRIELA - Coitado do querido"
CASTELO BRANCO - Quer sentar-se? (Indica-lhe o banco.)
CARLOS - Não, não, obrigado!
CASTELO BRANCO - Melhor! (À parte.) Tolo fui eu em lho oferecer.
CARLOS - Agora, quero saber em duas palavras de tudo que se tem passado... O Capitão-
general...
GABRIELA - Logo que desceu da carreta, entregou-nos ao ajudante de ordens e ordenou-lhes que
nos apresentasse todo o estado-maior.
CASTELO BRANCO - Estamos no maior estado de satisfação; o capitão-general confundiu-nos
com dignidades! A rapariga está feita leitora.
CARLOS - Leitora? Que diabo de dignidade é essa?
CASTELO BRANCO - Ali o Senhor Manuel de Souza é capitão de lanceiros, e eu Capitão-mor não
sei de onde.
CARLOS - Ele, porém, de nada desconfia...
GABRIELA - Nada...
CARLOS (Respirando.) - Ah! sinto-me melhor!
GABRIELA - O que há é que o Senhor Manuel de Souza queria por força ir-se embora!
CARLOS - Ir-se embora!
CASTELO BRANCO - E deixar-nos ao Deus dará!
MANUEL DE SOUZA - Meu amigo, tu bem sabes: eu tenho muita pressa... Além disso tu cá estás;
arranja-te como puderes. (Estendendo-lhe a mão.) Até mais ver, meu bom Carlos.
CARLOS - É irrevogável essa resolução? Queres ir-te embora?
MANUEL DE SOUZA - Quero ir-me embora!
CARLOS - Seja (Estendendo-lhe a mão.) - Até mais ver, Manuel de Souza.
MANUEL DE SOUZA - Até mais ver.
CARLOS (Apertando sempre a mão de Manuel de Souza.) Mas olha lá... Tu ainda não sabes a
conseqüência do que vais fazer. O teu procedimento é... é grave.
MANUEL DE SOUZA (Inquieto.) - Grave?..
CARLOS - Decerto! Agora que estás feito capitão, safares-te sem ao menos dizer água-vai é
simplesmente cometer crime de deserção. Expõe-te a acabar teus dias em um aljube.
MANUEL DE SOUZA (Saltando.) -Hein?
CARLOS - Enfim, isso é lá contigo. (Estendendo-lhe a mão.) Até mais ver, Manuel de Souza...
GABRIELA (No mesmo) - Até mais ver, Manuel de Souza!
CASTELO BRANCO (A Gabriela.) Não insistas, rapariga! (Imitando os outros.) Até mais ver,
Manuel de Souza!
MANUEL DE SOUZA - Deixe-me estar! Não me aborreçam! Então estou obrigado a ficar aqui... E
minha mulher?
CARLOS - Não te dê isso cuidado... Tua mulher, por enquanto, não pode deitar água na fervura.
MANUEL DE SOUZA - Como assim?
CARLOS - Eis o caso: no momento em que partiste, Dona Gertrudes desmaiou nos meus braços...
(A Manuel de Souza.) Tu não sabes, Manuel de Souza, o que é ter tua mulher nos braços.
MANUEL DE SOUZA - Como não sei? Ora! Quantas vezes!
CARLOS - Fi-la transportar para um dos quartos da estalagem e mandei procurar um médico...
Infelizmente não há médicos em Viamão... Veio um alveitar.
TODOS - Um alveitar!

105
CARLOS - Um alveitar, que prometeu-me fazer com que a moléstia durasse oito dias, pelo
menos...
GABRIELA - E nós? e nós?
CASTELO BRANCO - Continuamos a representar esta farsa? É preciso que resolvamos alguma
coisa!
CARLOS - Eu sei... mas resolver o quê? Enfim, verei, verei... Primeiro que tudo, quero estudar a
situação... ser o Capitão-general...
GABRIELA - Ele aí vem... O melhor seria talvez confessar-lhe tudo.
CARLOS - Confessar-lhe tudo! Nunca! Silêncio e prudência!

CENA VI
OS MESMOS e o CAPITÃO-GENERAL

CAPITÃO-GENERAL - Sou eu; incomodo-os talvez?


MANUEL DE SOUZA - Qual incomodar-nos!
GABRIELA - Pelo contrário...
CASTELO BRANCO - Vossa Excelência dá-nos sempre muito prazer...
CARLOS - Não se quer sentar? não se quer sentar?
CAPITÃO-GENERAL - Carlitos! Mas o que é isto? Ficaste no campo, em convalescença, e, apenas
chegado, encontro-te aqui!
CARLOS - Vossa Excelência sabe? o reumatismo precisa de exercício. Mas se Vossa Excelência
quiser, volto...
CAPITÃO-GENERAL - Fica. Eu sempre gostei de ver-te a meu lado. Mas permite: deixa-me dar
atenção aos noivos. (A Gabriela.) Então? Está satisfeita?
GABRIELA - Satisfeitíssima.
CASTELO BRANCO - Senhor Capitão-general, estamos todos satisfeitíssimos; não é assim meu
genro? (Vendo que Manuel de Souza não lhe responde, dá-lhe uma cotovelada.) Não é assim, meu
genro?
MANUEL DE SOUZA - Ah! Sou eu que... (Vivamente) Sim... sim...
CARLOS - É como Vossa Excelência vê: estão todos satisfeitíssimos. Baixo a Manuel de Souza.)
presta mais atenção, desalmado!
GABRIELA - Satisfeitíssimos.
CASTELO BRANCO - Não insistas, rapariga!
CAPITÃO-GENERAL - Agora temos de tratar das acomodações da família.
GABRIELA - Da nossa acomodação?
CAPITÃO-GENERAL - Sim. Lembrei-me daquele pavilhão. É pequenino, mas ao pintar para uma
lua-de-mel. Uma saleta, um quarto pequenino...
GABRIELA - Oh! papai! um quarto pequenino!...
CARLOS - Como um quarto pequenino? (Baixo a Manuel de Souza.) Protesta, protesta, Manuel de
Souza!
MANUEL DE SOUZA - (Baixo.) Homem, olha: há situações que t~em suas exigências...
CARLOS (À parte) - Velhaco!
CAPITÃO-GENERAL (A Gabriela.) - Então? não me agradece?
GABRIELA - É quê... Senhor Capitão-general...
CAPITÃO-GENERAL - É quê... o quê? Vejamos...
GABRIELA - Um quarto pequenino...
CAPITÃO-GENERAL - E então...
GABRIELA - Preferiria dois grandes...
CASTELO BRANCO - Muito grandes...
CARLOS - Enormes!!!
GABRIELA - Enormíssimos!!!
CASTELO BRANCO - Não insistas, rapariga!
CAPITÃO-GENERAL - Esta agora!

106
CARLOS - Mas é o mesmo... Manuel de Souza acaba de dizer-me que ficará com a saleta, e Dona
Gabriela tomará conta do quarto pequenino...
CAPITÃO-GENERAL - Como?! Separados?! Já?! E casou-se esta manhã? Oh! Senhor Manuel de
Souza!
MANUEL DE SOUZA - Perdão, Senhor Capitão-general; mas não sou eu que...
CARLOS - Sim, é um costume de família!
CAPITÃO-GENERAL - Ah!
CARLOS - É tradicional dos Manuéis de Souza a separação de leitos.
CAPITÃO-GENERAL - Deveras?...
CARLOS - E o costume tem sucedido de pais a filhos!
CAPITÃO-GENERAL - Ah! (À parte.) - É original! (A Carlos.) - Já estarão frios?
CARLOS - Frios? Não! Calmos, estão calmos...
CAPITÃO-GENERAL - (À parte.) - Vai tudo às mil maravilhas! (Alto.) Vou dizer ao meu ajudante
que se ponha inteiramente às suas ordens. Até logo.
TODOS - Até logo, Senhor Capitão-general
CAPITÃO-GENERAL (À parte.) Vai tudo às mil maravilhas.
(Apenas desaparece o Capitão-general, Carlos, Gabriela e Castelo Branco voltam-se para Manuel
de Souza às gargalhadas.)

CENA V
OS MESMOS, menos o CAPITÃO-GENERAL

MANUEL DE SOUZA (A Carlos.) - Fizeste-a bonita. Agora peço-te eu que me digas o que vai
aquele homem pensar a meu respeito.
CARLOS - Pense lá o que quiser. Eis-nos livres do primeiro perigo: estou mais sossegado sobre a
nossa situação.
MANUEL DE SOUZA - Como assim?
GABRIELA - Como assim?
CASTELO BRANCO - Não insistas, rapariga!
CARLOS - Muito simplesmente. Agora que o Capitão-general engoliu a pílula, convém que
permaneçamos algum tempo no status-quo.
MANUEL DE SOUZA - Como no status-quo?... Queres então que eu fique sendo marido de tua
mulher?
CARLOS - Decerto, isto é, oficialmente.
MANUEL DE SOUZA - Está visto: na salinha. Mas, vem cá, e minha mulher?
CARLOS - E tu a dares com tua mulher! Tua mulher! Confessar-lhe-emos tudo, e, logo que haja
cá entre nós certa combinação, verás que vidinha...
MANUEL DE SOUZA - Como assim?
CASTELO BRANCO - Como assim?
GABRIELA - Como assim?
CASTELO BRANCO - Não insistas, rapariga!
CARLOS - Como assim! Como assim! Parece-me que me expliquei perfeitamente, apesar de falar
mal o português. Vejamos! Manuel de Souza é teu marido, é certo... Vamos, porém, estabelecer uma
distinção: ele não passa de um marido para o mundo, de uma marido... honorário...
GABRIELA - E daí?
CARLOS - Daí que ele é teu marido das nove horas da manhã às dez da noite...
GABRIELA - Mas...
CARLOS - E das dez horas da noite às nove da manhã cede o lugar a outro, o verdadeiro, o
legítimo...
GABRIELA - Oh!...
MANUEL DE SOUZA - Tu ficas com o melhor...
CARLOS - Pudera!
GABRIELA - Sim: mas ouve cá! Eu preferia ser tua mulher tanto de noite como de dia...

107
CARLOS - De noite como de dia! Para quê, meu amor? Basta-nos a noite... Queres tu saber?
Coplas

-Bem vês: de dia, anjo querido,


há cem mil coisas que arranjar:
nem a mulher, nem o marido,
ocasião têm pra conversar.
Enquanto o esposo o tempo gasta
a dirigir negócios mil,
no toucador a esposa casta
faz-se-lhe aos olhos mais gentil.
Para lidar com o deus Cupido
nunca ninguém 'stá de maré
de dia, ó meu anjo querido...

II

- O bom marido e a mulher sua


vão passear desde o arrebol,
pois quem se ama à luz da lua,
bem pode amar-se à luz do sol.
Dos calendários dos casados
tire-se o dia, e me dirão
o que será dos desgraçados!...
Horas de amor lhes faltarão...
Não sendo assim, eu te afianço,
hei de zangar-me muita vez:
a noite fez-se pro descanso...

CARLOS - Pas toujours... Tem seus quês...


GABRIELA (Ao pai) - O que diz a isto, papai?
CASTELO BRANCO - Eu não digo nada, rapariga: estou por tudo contanto que me deixem ser
Capitão-mor. É quanto quero! Assim tenho a propriedade segura.
GABRIELA - Papai não pensa em outra coisa.
CASTELO BRANCO - Ora essa! Eu cá não sou namorado: sou proprietário.
CARLOS - Está dito! Manuel de Souza está por tudo! (Oferecendo o braço a Gabriela.) Vem daí...
MANUEL DE SOUZA - Onde vais tu?
CARLOS - Dar uma volta pelo jardim.
MANUEL DE SOUZA - Com a minha mulher!
CARLOS - Com a minha!
MANUEL DE SOUZA - Que é minha para o mundo; de sorte que se ele os encontrar...
CARLOS - Eles quem?
MANUEL DE SOUZA - O mundo...
CARLOS - Ora!
MANUEL DE SOUZA - Há de supor...
CASTELO BRANCO - Quem?
MANUEL DE SOUZA - O mundo...
CARLOS - Ora!
MANUEL DE SOUZA - Há de supor que sou algum...
CARLOS (Dando o braço a Gabriela.) Deixa-o supor. Tens a consciência tranqüila... é quanto te
basta.

108
GABRIELA - É quanto lhe basta, Senhor Manuel de Souza. (Carlos e Gabriela saem a rir.)
CASTELO BRANCO (Batendo-lhe no ombro.) - A consciência... é tudo!
MANUEL DE SOUZA - Não insista, Senhor Morgado!
CASTELO BRANCO (Rindo.) - Ah! ah! ah! Pobre Manuel de Souza. (Sai pelo lado oposto àquele
por onde saíram Carlos e Gabriela.)

CENA VI
MANUEL DE SOUZA e depois GERTRUDES

MANUEL DE SOUZA (Só.) 0 Ainda em cima zombam de mim... ingratos! Mas enfim eles não
sabem o perigo que todos corremos! Gertrudes ainda n~]ao se pronunciou em tudo isso, e quando se
pronunciar, bumba! Lá se vai tudo quanto Marta... (neste momento Gertrudes, que apareceu ao fundo,
tem-se aproximado e dá-lhe uma chibatada nas pernas.) Ah! Gertrudes... Pronunciou-se!
GERTRUDES (Atira fora a chibata e cruza os braços.) - Monstro!
MANUEL DE SOUZA - Minha querida amiga...
GERTRUDES - Cão!
MANUEL DE SOUZA - Minha querida amiga...
GERTRUDES - Cachorro!
MANUEL DE SOUZA - Queridinha (Á parte.) Mau! desço e cão a cachorro!
GERTRUDES - Saltimbanco!
MANUEL DE SOUZA - Meu anjo! (À parte.) Bem! Agora subi a homem!
GERTRUDES - Você não me esperava, não é assim?
MANUEL DE SOUZA - Oh! pelo contrário... Quero dizer... eu to digo... Estava já um pouco
impacientado... Já havia dito com os meus botões: Gertrudinhas não vem! Gertrudinhas não vem!
GERTRUDES - Bárbaro! Abandonar-me em uma estalagem no campo, safando-se com outra
mulher às minhas barbas!
MANUEL DE SOUZA - Atende, santinha...
GERTRUDES - Pérfido!

Dueto

GERTRUDES - Ah! tudo isto me exaspera!


MANUEL DE SOUZA - Mas isto o quê?
GERTRUDES - Todo nervoso meu se altera!
MANUEL DE SOUZA - Porém por quê?
GERTRUDES - Nós somas todas mil extremos...
MANUEL DE SOUZA - Pois não, pois não!
GERTRUDES - Que recompensa recebemos?
MANUEL DE SOUZA - A ingratidão!
GERTRUDES - Enquanto estou no lar querido
a trabalhar, pobre mulher!
- por fora o bom de meu marido
façanhas faz e quantas quer!
'Stou danada!

MANUEL DE SOUZA - Vê tu lá!


GERTRUDES - 'Stou danada!

MANUEL DE SOUZA - Vê tu lá!


GERTRUDES - Danada! danada!
Em minha mão não está!
Zás!
(Dá-lhe uma bofetada.)

109
MANUEL DE SOUZA - Ah!
GERTRUDES (Soltando um suspiro de satisfação.) - Consolada!

GERTRUDES MANUEL DE SOUZA - Ai! que bom bofetão


- Meu Deus! que bofetão
Não estava mais em minha mão! Porém, amor, não tens razão!

MANUEL DE SOUZA - Eu vou explicar-te tudo em duas palavras: não conheço essa mulher...
GERTRUDES - Não a conheces?
MANUEL DE SOUZA - Quero dizer: conheço-a sem conhecer. O Carlitos foi que me pediu para...
Não vês que o capitão-general... entendes?
GERTRUDES - Não!
MANUEL DE SOUZA - Fui obrigado a dizer que ela é minha mulher; mas, no fundo, é de Carlitos.
GERTRUDES - Do Carlitos?
MANUEL DE SOUZA - Palavra!
GERTRUDES - Falas verdade, Manuel de Souza!
MANUEL DE SOUZA - Já te dei a minha palavra de honra, Gertrudinhas!
GERTRUDES - Poisbem: seja, acredito; mas pelo sim, pelo não, levo-te comigo... Assim estarei
mais sossegada. Vamos! passa adiante; voltemos para casa.
MANUEL DE SOUZA - Tem paciência, Gertrudinha; mas isso agora é que fia mais fino...
GERTRUDES - Então você quer levar toda sua vida aqui? Fazendo fosquinhas às mulheres, não é
assim? Ao diabo da sujeita do retrato, talvez?
MANUEL DE SOUZA - Oh! Gertrudinhas! Eu todos os dias me retrato do diabo da sujeita! E tu a
dares! Não se trata agora disso... Já vejo que não reparaste em mim... vê como estou vestido... Olha
esta farda, esta espada! Aqui onde me vês, sou o Senhor Capitão!
GERTRUDES - Capitão? É verdade! Não tinha feito reparo! (À parte, examinando-o.) E como lhe
fica bem a farda!
MANUEL DE SOUZA - Já tu vês que não me posso ir embora. Mas descansa: quando não houver
serviço, estarei ao teu ...
GERTRUDES - Ao meu o quê?
MANUEL DE SOUZA - Serviço... de manhã ao meio-dia, à noite, sempre, sempre, sempre...
GERTRUDES (Com ternura.) Manuel de Souza!
MANUEL DE SOUZA - Estão feitas as pazes?
GERTRUDES (Apresentando-lhe as faces) - Toma! (Ele beija-a.)
MANUEL DE SOUZA (À parte.) - Apre! Custou...
GERTRUDES - Manuel de Souza, estou muito cansada... Quero descansar... Onde é o meu
quarto?
MANUEL DE SOUZA (À parte.) - Onde diabo há de ser?
GERTRUDES - Mais um beijinho!...
MANUEL DE SOUZA - Dois e três se quiseres. (Saem aos beijos pela direita.)

CENA VII
O CAPITÃO-GENERAL e TEOBALDO

CAPITÃO-GENERAL - Que vejo! Manuel de Souza aos beijos com uma mulher! Já!...
TEOBALDO - O novo capitão está a fazer o seu pé-de-alferes.
CAPITÃO-GENERAL - Ah! Agora compreendo a frieza de hoje pela manhã, Vamos! Vamos, o
momento é favorável. Teobaldo, vai dizer a Dona Gabriela que lhe desejo falar.
TEOBALDO - Sim, Senhor Capitão-general. (Sai.)
CAPITÃO-GENERAL (Só) - O que vou praticar é simplesmente uma velhacada. Dona Gabriela é
linda como os amores; e como o marido é um Manuel de Souza, proponho-me um candidato. É muito
engenhoso o meio que pretendo empregar para a conquista. Nomeio-a minha leitora. É caso virgem
semelhante nomeação; mas ora Deus! por que não pode ter um capitão-general sua leitora? Eu não

110
gosto de leitura; mas é que os livros têm tanta influência sobre as mulheres, como as mulheres sobre os
livros. Hei de mandar pedir para a Europa bons autores. Na minha biblioteca nada tenho que sirva para
o fim que almejo. Encontrei uma coleção de contos italianos, mas italianos! (Tirando uma enorme folha
de papel do bolso.) Escolhi um dos mais divertidos, e traduzi-o para o português... Conseguirei alguma
coisa? Ela aí vem.

CENA VIII
O CAPITÃO-GENERAL e GABRIELA

CAPITÃO-GENERAL - Aproxime-se minha senhora.


GABRIELA - Vossa Excelência mandou-me chamar?
CAPITÃO-GENERAL - Tenho necessidade de seus serviços...
GABRIELA - É que... Eu tomo a liberdade de confessar a Vossa Excelência...
CAPITÃO-GENERAL - O quê?
GABRIELA - Eu não gosto da leitura...
CAPITÃO-GENERAL - Tampouco eu!
GABRIELA - Tem graça.
CAPITÃO-GENERAL - Mas é o mesmo. Havemo-nos de habituar. Então, comecemos... Ali, debaixo
daquele caramanchão... (Toma-lhe a mão.)

Dueto
CAPITÃO-GENERAL - Dê-me a sua alva mão...
Sob a folhagem escura,
proceda-me a leitura
lá no caramanchão.
É bela esta verdura;
a brisa aqui murmura
melíflua canção.
Ai, vamos lá! não tema, não.
GABRIELA - Vossa Excelência quer que eu leia
lá, para onde me conduz?
Mande buscar uma candeia,
pois eu não posso ler sem luz.
CAPITÃO-GENERAL - Ai! não me faça cara feia!
O que receia?

Juntos

CAPITÃO-GENERAL - Dê-me a sua alva mão, etc.


GABRIELA - Ó céus! que posição a minha!
Convém ter toda discrição:
cautela e caldo de galinha...
Não devo ir pro caramanchão.
(O Capitão-general quer arrastá-la para o caramanchão: Gabriela, com um gesto designa-lhe o
banco de pedra. Ele inclina-se e fá-la sentar-se, conservando-se de pé.)
CAPITÃO-GENERAL - Então, minha leitora?
Comece a dobadoura!
O que vai ler é bom...
(Dizendo isto, apresenta-lhe a enorme folha de papel escrita.)
GABRIELA - Que grande cartapácio!
CAPITÃO-GENERAL - É lê-lo alto e bom som.
GABRIELA (Lendo.) - "Um conto de Bocácio."
Por quê, não me dirá?

111
Em manuscrito está?

CAPITÃO-GENERAL - De um livro bom e decente


o traduzi literalmente.
Verá que sã moral!
que conto original!
Se gostar dele, presto,
apenas em um mês,
eu lhe prometo o resto
verter pro português.
Queira pois ler o conto:
eu para ouvir 'stou pronto.

GABRIELA (Lendo.) - "O Rouxinol.

Conto

- Lá na România, o bom país,


era uma vez um cavalheiro;
tinha uma filha, a história o diz,
dos corações o cativeiro.
Vai senão quando um mocetão
apaixonou-se da donzela,
e tanto fez o maganão,
que certa noite a nossa bela,
presa do amor no doce anzol,
disse ao papai com ar tranqüilo:
"Canta no bosque o rouxinol,
de perto já quero ir ouvi-lo..."

(Ergue-se e vai maquinalmente deixando cair o papel que o Capitão-general toma-lhe das mãos.)
Ah!ah!ah!
(Afasta-se. O Capitão-general coloca o papel diante dos seus olhos. Ela continua a ler como que
sem saber o que faz.)
"Dos bosques entre a sombra,
o rouxinol cantou,
e, sob a verde alfombra,
a bela o escutou..."

JUNTOS Dos bosques entre a sombra, etc.


(O Capitão-general apresenta-lhe de novo o papel. Ela hesita um momento e, afinal, decide-se e
continua a leitura.)

II
" O pai da moça (valha-o Deus)
como sucede em toda a história,
era um sandeu entre os sandeus
e tinha uma alma bem simplória;
eis que, porém, desconfiou,
não sei por quê, do passarinho,
e tanto fez, tanto pensou,

112
que ao bosque foi devaegarinho...
A lua tendo por farol,
descobre o pai um desaforo:
o mavioso rouxinol
tinha um bigode espesso e louro!"
(Deixa cair o papel. O Capitão-general ergue-o e guarda-o.)
GABRIELA - Ah!ah!ah!
Dos bosques entre a sombra, etc.

CAPITÃO-GENERAL - Então, minha encantadora menina? O que diz desta história; não é tão
bonita?
GABRIELA (Perturbada.) - Sim... Sim... mas... (À parte.) Fez-me medo este homem! (Alto.)
Perdão, Senhor Capitão-general, mas não me posso demorar.
CAPITÃO-GENERAL - Pois já?
GABRIELA - Meu marido está à minha espera. (Cumprimentando-o.) Senhor Capitão-general!
(Dirigindo-se ao pavilhão e à parte.) É muito arriscado semelhante emprego de leitora. (Sai.)

CENA IX
O CAPITÃO-GENERAL, depois CARLOS

CAPITÃO-GENERAL (Só.) - Foi-se... O conto produziu algum efeito. Vai tudo às mil maravilhas!
(Vendo Carlos, que chega.) Ah! és tu, Carlitos? chegas muito a propósito...
CARLOS - Ainda bem! Em que posso ser útil a Vossa Excelência?
CAPITÃO-GENERAL - Aqui onde me vês estou contente como se me houvessem feito rei! Quero
que te aproveite a minha alegria!
CARLOS - De que modo?
CAPITÃO-GENERAL - O que dirias tu, se me esquecesse do passado?
CARLOS - Como?
CAPITÃO-GENERAL - Se te perdoasse?
CARLOS - Se me...
CAPITÃO-GENERAL - Se te dissesse: casa-te, Carlitos, e nada temas. CARLOS -(Muito alegre.) -
Oh! que coração ode Vossa excelência. Muito obrigado, Senhor Capitão-general! muito obrigado!
CAPITÃO-GENERAL - Só te peço em troca um pequeno serviço...
CARLOS - Um pequeno serviço?
CAPITÃO-GENERAL - Quase nada. Vais ver. (Tomando-o pelo braço.) Meu amigo, primeiro que
tudo, convém saberes de uma circunstância: eu estou apaixonado!
CARLOS - Ah! Sim?
CAPITÃO-GENERAL - Por uma adorável mulher. Aposto que já adivinhaste quem é?
CARLOS - Não sei quem seja...
CAPITÃO-GENERAL - Pois quem há de ser senão a mulher do manuel de Souza?
CARLOS (À parte.) - Gabriela!
CAPITÃO-GENERAL - Então, não tenho bom gosto?...
CARLOS (Atônito.) - Mas, senhor...
CAPITÃO-GENERAL - Não é linda?
CARLOS - Sim... sim... linda... (À parte.) Não me faltava mais nada!
CAPITÃO-GENERAL - Quanto ao serviço que te falei... aposto também que já adivinhaste de que
se trata? Conto com o teu auxílio...
CARLOS - Com o meu auxílio?... E é de mim que Vossa Excelência vem exigir semelhante coisa?
CAPITÃO-GENERAL - Então, por quê?
CARLOS - De mim... de mim... que sou tão amigo de Manuel de Souza...
CAPITÃO-GENERAL - Pois bem, por isso mesmo... como tens intimidade com a família, não te
custará nada deixar de quando em quando escapar um elogio... Hein? Está dito?

113
CARLOS - Pelo contrário! Hei de fazer o possível para frustrar os desígnios de Vossa Excelência.
Ora esta! Manuel de Souza! Um amigo daquela ordem!
CAPITÃO-GENERAL - E eu não era também teu amigo?
CARLOS (Caindo em si.) - É verdade.
CAPITÃO-GENERAL - Já vês que...
CARLOS - Vamos lá! Vossa Excelência disse aquilo a brincar! não é capaz de semelhante atentado
à honra alheia!
CAPITÃO-GENERAL - Com que calor a defendes! Parece que se trata de tua mulher!
CARLOS - Ora! Eu gosto tanto daquele Manuel de Souza!
CAPITÃO-GENERAL - E eu também; mas gosto mais de Dona Gabriela. (Pausa.) Decididamente
não me prestas o teu auxílio?
CARLOS - desculpe, Vossa Excelência, mas não posso...
CAPITÃO-GENERAL - Pois bem! Olha, aí vem Manuel de Souza; verás que vou preparar tudo sem
o teu auxílio.

CENA X
OS MESMOS e MANUEL DE SOUZA

CAPITÃO-GENERAL - Capitão, vá buscar oito praças...


MANUEL DE SOUZA (Inquieto.) Hein?
CAPITÃO-GENERAL - E parta com eles para São Tomé. O Capitão-mor requisitou um
destacamento de lanceiros contra os índios Guaicurus!
MANUEL DE SOUZA - Guiacurus! (À parte.) E Gertrudes vai ficar à minha espera!
CARLOS (Inquieto e à parte.) - Quais serão as suas tenções?
MANUEL DE SOUZA - Vossa Excelência há de permitir que lhe lembre que estou designado para
comandar a patrulha que tem de rondar o palácio...
CAPITÃO-GENERAL - Não lhe dê isso cuidado... Eu substitui-lo-ei... Vá, ande.
MANUEL DE SOUZA - E Gertrudes? Hei de preveni-la por um bilhetinho. (Sai. Começa a
anoitecer.)
CAPITÃO-GENERAL (A Carlos.) - Compreendes, não? Enquanto o marido é destacado para
Guaicurus, eu...
CARLOS - Basta! basta! Aceito!
CAPITÃO-GENERAL - O qu~e?
CARLOS - Quero auxiliar a Vossa excelência. (À parte.) É o único meio de impedir...
CAPITÃO-GENERAL - Nada! Tarde piaste... Já te declaraste amigo do homem. És suspeito.
CARLOS - Portanto...
CAPITÃO-GENERAL - Nada! Além disso, não quero perder o direito que tenho sobre ti.
CARLOS - mas...
CAPITÃO-GENERAL - O dito por não dito... Façamos de conta que nada houve ainda há pouco
entre nós. Olha: já é noite. Adeus, Carlitos... Boa noite, hein? Muito boa noite. (Sai.)

CENA XI
CARLOS, e depois GABRIELA

CARLOS (Só.) - Bonito! Vejam se há criatura mais infeliz do que eu! Sabendo que basta que
minha mulher seja minha mulher, para que ma queira roubar o maldito Capitão-general, faço-a passar
por mulher alheia, e eis que ma querem roubar da mesma forma. Oh! não! não! Mas o que devo fazer?
Só há um meio: a fuga! Consentirá ela? (Aproximando-se do pavilhão.) Gabriela! Gabriela!
GABRIELA (Fora.) - És tu, Carlitos?
CARLOS - Sim: sou eu. Vem depressa; não tardes!
GABRIELA (Entrando.) - Aqui estou.
CARLOS - Deus queira que ela queira! (Correndo à esposa, que sai do pavilhão.) Gabriela, tu
amas-me, não é assim?

114
GABRIELA - Por quê?
CARLOS - Adoras-me?
GABRIELA - Meu amigo...
CARLOS - A tua adoração por mim não tem limites; hein? Oh! responde, responde! O que ter vou
propor, só devemos propor a quem nos consagrar uma adoração sem limites...
Gb (Muito depressa.) - Pois bem, pois bem: a minha adoração por ti não tem limites!
CARLOS - Queres tu fugir comigo?
GABRIELA - Fugir?
CARLOS - Sim! Fugir como salteadores, no meio da noite através de mil perigos... Queres!? Oh!
não me diga que não queres!
GABRIELA - Se quero! Decerto! Uma fuga foi sempre o meu ideal, um rapto o meu sonho
dourado!

Dueto e Coplas

CARLOS - Tu partirás?
GABRIELA - Eu partirei.
CARLOS - Seguir-me-ás?
GABRIELA - Seguir-te-ei.
JUNTOS - Depressa! depressa!
Fujamos, amor,
antes que apareça
qualquer maçador.
Quais negros fugidos
da vil servidão,
vivamos metidos
no meio do sertão.
CARLOS - É bem longa a viagem!
GABRIELA - Com muito gosto irei.
CARLOS - Preciso é ter coragem!
GABRIELA - Pois bem: eu a terei.
CARLOS - E se nos perseguirem?
GABRIELA - Deixá-los perseguir!
CARLOS - Meu Deus! se nos perseguirem?
GABRIELA - Não hão de nos seguir.
JUNTOS - Depressa! depressa! etc.

I
GABRIELA - Que originalidade!
quem vê tal evasão
logo se persuade
que dois amantes são.
De um pai ou de um marido
feroz e destemido
fugindo pro sertão,
provavelmente vão.
Pois bem! não há tal: conhecido
que tudo fique é mister:
é uma mulher
que vai fugir com seu marido;
é um marido
que foge com sua mulher!
JUNTOS - É uma mulher, etc.

115
GABRIELA - Ninguém achar procure
novidades, porquê,
embora cheire ou fure,
de novo nada vê!
Pois neste mundo antigo,
já disse e ora redigo:
É tudo rococó,
qual meu tataravô.
Fato , porém desconhecido
venha cá ver quem quiser:
É uma mulher, etc.
JUNTOS - É uma mulher, etc.
(No fim do dueto tem anoitecido completamente.)
CARLOS - Vamos; é noite fechada; não percamos tempo... Vou preparar tudo para a nossa
partida. Entra e espera-me.
GABRIELA - Não te demores!
CARLOS - Em cinco minutos estarei de volta.
GABRIELA- Achar-me-ás pronta. (Entra no pavilhão. Carlos sai a correr.)

CENA XII
GERTRUDES, e depois CARLOS

GERTRUDES - Acabo de receber de Manuel de Souza este bilhete, no qual diz-me: "Minha pomba.
Não posso, como te havia prometido, ficar no pombal esta noite. A pátria precisa do meu braço. Teu
pombo, Manuel de Souza". Aqui anda maroteira. Ai! dele, se me engana! (Sai.)
CARLOS (Volta envolvido numa capa.) - Gabriela estará pronta? (A ronda aproxima-se.) Ai! meu
Deus! é a patrulha! E é o Capitão-general que a comanda! Ocultemo-nos... (Oculta-se.)

CENA XIII

CARLOS, oculto, o CAPITÃO-GENERAL, TEOBALDO E RONDANTES


(O Capitão-general conduz a patrulha e traz na mão uma lanterna furta-fogo.)
Coro dos Rondantes
- Mal começa a noite
aparece a ronda;
ninguém cá se acoite,
ninguém cá se esconda.
Ofender a sã moral
que não venha algum pascácio
do Capitão-general,
no respeitável palácio,
pois quem vai para a prisão
sem mais remissão
nem apelação!
(A ronda percorre o teatro. Ao passar defronte do pavilhão, o Capitão-general lança-lhe um olhar
significativo.)

CENA XIV
CARLOS, de pois GERTRUDES, depois GABRIELA

CARLOS - Não percamos tempo. (Corre ao pavilhão.) Gabriela, Gabriela, estás pronta?...
GABRIELA(Fora.) - Aí vou, aí vou.

116
GERTRUDES (Aparecendo.) - Parece-me que ouvi... Sim; não me engano... Está ali alguém. Oh!
aquele manto! É ele, é ele! ... o que fará ali?...
CARLOS - Despacha-te.
GERTRUDES (Consigo.) - Com quem fala ele?...
GABRIELA (Sai do pavilhão embrulhada em um manto, com uma trouxa na mão.) Aqui estou,
aqui estou!
GERTRUDES - Uma mulher! E tratou-a por tu! Oh! Vamos rir! vamos rir!
CARLOS - Vem! vem! (Dirigem-se para o fundo.)
GERTRUDES (Pondo-se-lhes na frente.) - Um momento...
CARLOS e GABRIELA (Atônitos.) - Ah!
GERTRUDES - Não me esperavam, não é assim?
GABRIELA - Mas, senhora...
CARLOS - Silêncio! Silêncio!
GERTRUDES - Apanhei-te com a boca na botija!
GABRIELA (Querendo fugir.) - Mas...
GERTRUDES - Aqui ninguém passa!
GABRIELA (Escapando-se.) Oh! Acharemos meio de escapulir!
GERTRUDES (Tomando-lhes a passagem.) - Aqui ninguém passa!
CARLOS -Ah! ele é isso? (Atira-lhe a capa sobre a cabeça. Vem, Gabriela...
GERTRUDES (Tentando desembaraçar-se da capa.) - Aqui-del-rei! Socorro! Aqui-del-rei!
CAPITÃO-GENERAL (Fora.) Que bulha é esta?...
CARLOS - Aí vem a patrulha! estamos perdidos!

CENA XV
OS MESMOS, CAPITÃO-GENERAL, TEOBALDO E RONDANTES

CAPITÃO-GENERAL - O que há? o que há?


GERTRUDES - O que há, Senhor Capitão-general? Um escândalo, um escândalo inaudito! este
senhor ia fugir com esta senhora! (Chorando.) Monstro! mal empregado tanto amor!
CAPITÃO-GENERAL - Vejamos! (Alumiando o rosto de Carlos com a lanterna.) Carlitos! (Vendo
Gabriela.) Ela!...
TODOS - Hein?
GERTRUDES (Estupefata.) - Não era Manuel de Souza! (A Carlos,) Ah! senhor, peço-lhe mil
perdões: foi um erro involuntário...
CARLOS - Vá para o diabo!
CAPITÃO-GENERAL - Ah! tu querias fugir com a mulher de um amigo daquela ordem!
CARLOS - Senhor...
GABRIELA - Deixe-me dizer-lhe, Senhor Capitão-general: este senhor me havia simplesmente
oferecido o braço para darmos uma volta pelo jardim...
CAPITÃO-GENERAL - Assim vestidos! a estas horas!... e com uma trouxa!... (Gabriela lança fora a
trouxa com despeito.) Bem! Bem! (Baixo a Carlos.) Por isso é que ainda há pouco a defendias com tanto
calor! Querias guardá-la para ti. Muito bem! Deixa estar que eu te ensinarei...
CARLOS - Oh!
CAPITÃO-GENERAL - Teobaldo!
TEOBALDO - Pronto!
CAPITÃO-GENERAL - Manda tocar a rebate!...
TEOBALDO - Sim, Senhor Capitão-general...
CARLOS - O que vai fazer Vossa Excelência?
CAPITÃO-GENERAL - Prevenir o marido... Ele é que me há de vingar.
TODOS - O marido!... (Toques de cornetas e tambores.)

CENA XVI
OS MESMOS, MANUEL DE SOUZA, CASTELO BRANCO, Oficiais de Lanceiros e Lanceiros.

117
Final

TEOBALDO e RONDANTES - Alerta! Alerta! Alerta!


OFICIAIS E MANUEL DE SOUZA (Aparecendo de todos os lados.)
- Por que se me desperta?
Estou de boca aberta!...
(A cena ilumina-se.)
CAPITÃO-GENERAL (A Manuel de Souza.)
- Espada em punho, capitão!
MANUEL DE SOUZA (Desembainhando a espada.) - Cá está!
CAPITÃO-GENERAL - Sem mais hesitação
espete este sujeito!
AS MULHERES - Ó céus!
MANUEL DE SOUZA - Carlitos!
CARLOS - Eu não!
CAPITÃO-GENERAL - Espetar! espetar! espetar!
e despachar!
TODOS - Espetar! espetar! espetar!
e despachar!
CARLOS (Desembainhando a espada.) - Espetar-me! Não é má!
MANUEL DE SOUZA - Olé! Armado está!
CAPITÃO-GENERAL (A Manuel de Souza.)
- É mais leal! Vá! Dito e feito!
'Stá contrafeito?...
GERTRUDES (A Manuel de Souza.) - Não, não! Tu não te baterás!
MANUEL DE SOUZA - Não, não! Eu não me baterei!
GABRIELA (A Carlos.) - Não, não! Tu não te bater-te-ás!
CARLOS - Não, não! Eu não fraquejarei!
{Tu } {bater-te-ás
JUNTOS - Não, não { }não {baterás
{Eu } {me baterei
{ } {fraquejarei

MANUEL DE SOUZA (Com energia.)


- Não, não! Eu não me baterei!
CAPITÃO-GENERAL - Saiba que aquele machacaz
Senhor Manuel de Souza,
raptava sua esposa!
MANUEL DE SOUZA - Raptava minha esposa!...
TODOS - Que cousa!....
Espetar! espetar! espetar
e despachar!
MANUEL DE SOUZA - Ouçam lá!
Vou tudo pôr
em pratos limpos.
CARLOS (A parte.) - Traidor!
MANUEL DE SOUZA (Apontando a Gabriela.)
- Eu marido não sou desta senhora,
mas sim daquela que lá está! (Apontando para Gertrudes.)
CORO - Ah!
GERTRUDES (Apontando Manuel de Souza.) - Eis meu marido!
GABRIELA (Apontando para Carlos.) - Eis meu marido!

118
TODOS - Que trocas
baldrocas!
CAPITÃO-GENERAL - Ah! ah! ah! ah! ah!
O moço é casado!
Ah! ah! ah! ah!
Que caso engraçado!
CORO - Olaré!
Olaré!
O moço é casado!
Olaré!
Olaré!
Que caso engraçado!
Casadinho o moço é!
Ó que papel desgraçado
fazer vai, olé!...
CAPITÃO-GENERAL (A Carlos.) - Então querias me enganar?
Carlitos, hás de me pagar...
CARLOS - Oh! senhor, minha desventura
está em vossa mão!
Ela é tão tímida, tão pura...
ai! tende compaixão!
CARLOS e GABRIELA - Sim, compaixão!
CAPITÃO-GENERAL - Verei... verei...
CARLOS e GABRIELA - Sim, compaixão!
CAPITÃO-GENERAL - Terei... terei...
CORO ( Às gargalhadas.) - Ah! ah! ah! ah! ah! ah!
Olaré
Olaré, etc.
CAPITÃO-GENERAL (A Carlos)
- Mais tarde pensaremos na vingança
agora não; como eu te prometi,
vai entre nós haver aqui
muito prazer, muita folgança...
CAPITÃO-GENERAL (A meia voz)
Um dia, olé! te casarás.
muito m'hei de rir; tu verás...
CARLOS - Mas senhor....
CAPITÃO-GENERAL - Tu verás...
(Aos oficiais.) - Á f'licidade conjugal
vamos beber deste casal!
GABRIELA (A Carlos.) - Fazias tanto espanto...
tanto... tanto...
O capitão
é até bem folgazão!
CARLOS - Oh! muito folgazão!
(Alguns lacaios trazem vasos e taças.)
CAPITÃO-GENERAL (De taça em punho.) Bebei do vinho do Porto;
bebei, porque dá conforto!
TODOS - Bebei do vinho do Porto, etc.
(O Capitão-general oferece uma taça a Gabriela.)

Canção

119
I
GABRIELA - Dizia meu tataravô
que o casório
é um regalório
que nunca lhe desagradou;
os meus bisnetos
tataranetos
hão de casar, bem certa estou...
Meus folgazões!
das libações
o momento já se avizinha!
Bebei! bebei!
cantai! dizei!
Viva a formosa noivazinha!
TODOS (Menos Carlos.) - Viva a formosa noivazinha!
CAPITÃO-GENERAL (A Carlos, declamando.) - Então tu, Carlitos!
CARLOS (Contrariado.) - Viva a formosa noivazinha!
CAPITÃO-GENERAL (Arremedando-o.)
- Viva a formosa noivazinha!
TEOBALDO, MANUEL DE SOUZA e GERTRUDES (Simultaneamente.) - Viva a formosa
noivazinha
GABRIELA - Olé! tirolé! lé!
É bom bom bom bom bom!
O casamento, olé!
o casamento é bom!
CORO Olé! tirolé! lé! etc.

II
GABRIELA - Dizem que a vida conjugal
- é encantadora,
- é maçadora;
é mel e fel - regra geral!
Eu tenho dito
e hoje repito
que não lhe vejo nenhum mal!
Meus folgazões
das libações
o momento já se avizinha!
bebei, bebei
cantai, dizei:
Viva a formosa noivazinha!
TODOS (Menos Carlos) - Viva a formosa noivazinha!
CAPITÃO-GENERAL (A Carlos, declamando.)
- Então não bebes! não cantas?
O que tens, meu amigo?
CARLOS (Contrariado.) -Viva a formosa noivazinha!
CAPITÃO-GENERAL (Arremedando-o.)
- Viva a formosa noivazinha!
TEOBALDO, MANUEL DE SOUZA e GERTRUDES (Simultaneamente.) - Viva a formosa noivazinha

CORO - Olé! tirolé! lé!


É bom bom bom bom bom!
O casamento, olé!

120
o casamento é bom!

[(Cai o pano)]

ATO TERCEIRO

Varanda, ocupando os dois ou três primeiros planos do teatro, e separada ao fundo por ligeiras colunas
de um terraço donde se vê o panorama da cidade de Porto Alegre. Portas à direita e á esquerda.

CENA I
MANUEL DE SOUZA, e soldados.
(Ao erguer o pano, desponta a aurora. Os soldados estão deitados na varanda e no terraço em
posições diversas. Manuel de Souza ressona em uma cadeira colocada contra a porta da direita. No
fundo vela um soldado. Música na orquestra, acompanhada pelo ressonar dos que dormem. Ouve-se ao
longe rufar o tambor. Alguns soldados levantam a cabeça.)
Introdução

CORO - Plã! rataplã!


Do regimento é o tambor!
Já nos desperta o maçador!
Plã! rataplã!
É cara ter de não o ouvir
e que se dorme é já fingir.
Plã! rataplã!

(Tornam a deitar-se e desatam de novo a ressonar. Novo rufo.)

MANUEL DE SOUZA (Acordando.) - Plã! rataplã!


Alerta! Alerta!
É o tambor que nos desperta...

(Erguem-se todos. Os tambores entram em cena precedidos de um tambor mor. Pleno dia.)

Coro geral
- Rataplã! rataplã!
É o tambor!
Que maçador!
(No fim do coro, estão todos alinhados à boca da cena.)

MANUEL DE SOUZA (Esfregando os olhos e espreguiçando-se.) - Brrr! Está fresco, está. Fiz mal
em dormir. Façamos a reação! (Começa a percorrer velozmente a cena. Para em frente aos soldados e
brada em voz de comando.) Ombro armas! Apresentar armas! Isso... Desmanchar fileiras!... (Ninguém
se mexe. Manuel de Souza tira o chapéu e diz com toda cortesia.) Os senhores fazem-me o especial
obséquio de desmanchar fileiras?...
TODOS - Am... (Dispersam-se.)
MANUEL DE SOUZA - Hein? Que disciplina! Como obedecem! É porque eu cá não lhes dou
confiança! Não vê! Eles já me conhecem!
1º SOLDADO (Aproximando-se de Manuel de Souza e apoiando-se-lhe no ombro.) - Diga-me cá,
ó capitão.
2º SOLDADO (Fazendo o mesmo do outro lado.) - Ó capitão, diga-me cá.
MANUEL DE SOUZA - Então! que liberdade é esta!? (Olhando a sorrir para eles.) Vocês são uns
grandíssimos velhacos!

121
1º SOLDADO - Ó capitão, faça o favor de dizer-nos por que motivo ficamos aqui de guarda
durante toda a noite.
MANUEL DE SOUZA - O que vocês querem sei eu: desejam saber por que o Capitão-general,
depois de haver bebido ontem à saúde do francesito e de sua cara metade, separou-os, cada um em seu
quarto... É isso ou não é?
TODOS - Sim, sim!
MANUEL DE SOUZA - E nos ordenou que guardássemos as portas dos ditos quartos até nova
ordem?
2º SOLDADO - É isso mesmo.
MANUEL DE SOUZA - É isso que vocês querem saber?
TODOS - Sim!
MANUEL DE SOUZA - Ora! a razão é muito simples...
TODOS (Esperançosos.) - Ah!
MANUEL DE SOUZA - A razão sei eu...
TODOS (O mesmo.) - Ah!
MANUEL DE SOUZA - Mas vocês é que não hão de saber....
TODOS (Com despeito.) - Oh!
MANUEL DE SOUZA - Vocês são muito novos ainda...
1º SOLDADO - Ora, meu capitãozinho, diga-nos...
TODOS - Capitãozinho, capitãozinho! (Cercam-no.)
MANUEL DE SOUZA - Andem lá! Vocês são os meus pecados! Pois bem! Vá lá! Vou dizer-lhes
tudo: ouviram? (Toma um soldado em cada braço, e dá alguns passos, como que dispondo-se a
entabular conversação com eles.) Meus amigos, meus bons amigos, meus excelentes companheiros
d'armas, saibam todos que o Monsiú Carlos...

Cena II
Os mesmos e Gertrudes

GERTRUDES (Fora.) - Obrigado! Não é preciso! Eu mesmo vou ter com ele...
MANUEL DE SOUZA (Desembaraçando-se dos dois soldados.) Depressa! Cerrar fileiras!
(Enfileiram-se.) Sentido! Ombro armas!
GERTRUDES (Que entra com um pequeno cesto debaixo do braço, contemplando-o.) - Como ele
é bonito a comandar! (Indo a ele.) Manuel de Souza!
MANUEL DE SOUZA - Gertrudinhas! Estavas aí?
GERTRUDES - Sim, Manuel. Como sabes lidar com esta gente! Quem foi que te ensinou estas
manobras?...
MANUEL DE SOUZA - Isto é instinto: eu tenho a bossa das armas... (À parte.) Sou muito boçal...
sou... (Alto.) Além disso não dou confiança a esta gente. Vê tu lá que disciplina! Faz gosto, hein,
Gertrudinhas?... (Voltando-se, vê que estão todos debandados.) Então?... Cerrar fileiras!... (Ninguém se
mexe.) Cerrar fileiras!... (Com cortesia.) Meus senhores, fazem-me o especial obséquio de cerrar
fileiras?... (Enfileiram-se.) Estás vendo? E agora ... Meia volta à esquerda... não! quero dizer à direita...
à... Ora! meia volta à direita ou onde muito bem quiserem. Volver! Ordinário, marche! (Desfilada; passo
redobrado. Os soldados saem depois de haverem desfilado.)
MANUEL DE SOUZA (Ao fundo, satisfeito, vendo-os sair.) Isto é que é vida! Isto é que é vida!
GERTRUDES - Aqui te trago o almoço.
MANUEL DE SOUZA - Quem o traga sou eu. (Gertrudes tira do cesto um bolo e uma pequena
cafeteira.) Quanto és boa, Gertrudinhas!
GERTRUDES - Toma, bebe...
MANUEL DE SOUZA (Comendo.) - Estou te desconhecendo, Gertrudinhas! essa ternura não é
natural em ti... Aposto que queres me pedir alguma coisa?
GERTRUDES - Apostas muito bem...
MANUEL DE SOUZA - Ah! eu cá sou muito perspicaz! Vamos lá! O que temos?

122
GERTRUDES - Manuel de Souza, quero voltar para a estância contigo... Faz idéia como andará
aquilo, entregue, como está, em mãos alheias.
MANUEL DE SOUZA - Homem! já não me lembrava que, antes de ser capitão, era estancieiro!
GERTRUDES - Além disso, tu aqui corres muito risco...
MANUEL DE SOUZA - Eu?...
GERTRUDES - Sim. Tu és um rapaz bonito... (Manuel vai protestar, Gertrudes grita.) Não me
digas o contrário! És um bonito rapaz... Em Porto Alegre as mulheres dão o beicinho pelos militares...
Enfim, Manuel de Souza, tenho medo... tenho medo...
MANUEL DE SOUZA - Ora o que te havia de lembrar?!
GERTRUDES - Não fiques, sim?
MANUEL DE SOUZA - Mas...
GERTRUDES - Recusas! Tens então motivo para ...
MANUEL DE SOUZA - Pois, Gertrudinhas, queres que eu parta a minha espada?
GERTRUDES - Preferes partir-me o coração?
MANUEL DE SOUZA - Pois bem! parto.
GERTRUDES - Partes-me o coração?
MANUEL DE SOUZA - Não! Parto, isto é, vou-me embora!
GERTRUDES - Oh! ainda bem!
MANUEL DE SOUZA - Mas olha que isto tem suas formalidades, hein? Eu não posso arredar pé
daqui sem licença do Capitão-general.
GERTRUDES - Hei de pedir-lhe a tua baixa; expor-lhe-ei minhas razões. Anda daí.
MANUEL DE SOUZA - Qual anda daí nem meio anda daí. Eu não posso arredar-me...
GERTRUDES - De quê?
MANUEL DE SOUZA - De quê, meu anjo? da guarda! E o meu dever de soldado? Pois não sabes
que estou de serviço? (Põe-se a percorrer a cena.)
GERTRUDES - Mas...
MANUEL DE SOUZA - Passe de largo!
GERTRUDES - Meu Deus! que rigor! (Pausa. Manuel percorre a cena. Gertrudes põe-se a imitá-lo,
subindo quando ele desce e vice-versa.) É verdade... Ainda ali está metida aquela pobre moça... E
quando me lembro que sou eu a culpada....
MANUEL DE SOUZA - Se não fosses tão ciumenta...
GERTRUDES - Pobrezinha! Como deve ter sofrido! Para nós, mulheres, o amor é sofrimento.
MANUEL DE SOUZA - Bravo! Gostei! Continue! (À parte.) Dá-lhe às vezes para isto!.

Cena III
Os mesmos e Castelo Branco

CASTELO BRANCO (Entrando.) - Minha filha! Onde está a rapariga?... (A Manuel de Souza.) É ali
o seu aposento, senhor capitão?
MANUEL DE SOUZA - Sim, mas não pode entrar, Senhor Morgado.
CASTELO BRANCO - Chame-me antes Capitão-mor.
MANUEL DE SOUZA (Emendando.) - Senhor Capitão-mor.
CASTELO BRANCO - Homem! Ás nove horas! Enfim! Ora imaginem que ontem, no momento em
que todos se retiravam, achamo-nos separados, não sei como, nem como não... Eu queria despedir-me
dela, pois pretendia partir hoje muito cedo... Sosseguei, porque, enfim, a rapariga estava sob
salvaguarda do seu marido!
GERTRUDES e MANUEL DE SOUZA - Hein? Ele não sabe de nada!
CASTELO BRANCO - Agora, porém, já são mais que horas de... (Chamando.) Gabriela? Ó
rapariga, olha que são horas!
MANUEL DE SOUZA - Silêncio! Passe de largo!
GABRIELA (Fora.) - Ah! papai!... papai!... Abra!
CASTELO BRANCO - Como?!...
GABRIELA (Fora.) - Estou aqui fechada!

123
CASTELO BRANCO - Fechada! A rapariga fechada!
MANUEL DE SOUZA - Sim, senhor Morgado...
CASTELO BRANCO - Chame-me antes Capitão-mor.
MANUEL DE SOUZA - Sim, senhor Capitão-mor. (Baixo.) E sozinha...
CASTELO BRANCO - Sozinha! Esta agora! E o marido?
MANUEL DE SOUZA - Ah! O marido anda por outra freguesia.
CASTELO BRANCO - Como por outra freguesia?...
GERTRUDES - O marido passou a noite em outro quarto.
CASTELO BRANCO - Hein?...
GERTRUDES - O Capitão-general foi que assim quis!
CASTELO BRANCO - O Capitão-general?!
GABRIELA (Fora.) Papai!
CASTELO BRANCO - Já vou, já vou! Não insistas, rapariga! (A Manuel de Souza.) Então solta-se
ou não a pequena?
GERTRUDES - Aquilo corta o coração... Vou abrir a porta...
MANUEL DE SOUZA - Mas é que...
GERTRUDES - Ora! Se está preso o marido, que inconveniente pode haver em soltar a mulher?
(Abrindo a porta da direita.) Vamos... saia... (Gabriela sai triste, com os olhos pisados.)

Cena IV
Os mesmos e Gabriela

CASTELO BRANCO - Minha filha!


GABRIELA - Ah! papai, papai! Eu sou muito caipora!
CASTELO BRANCO - Então o que há?...
GABRIELA - Se papai soubesse... Ora, ouça.

Quarteto

GABRIELA - Naquele quarto entrei sozinha,


supondo que lá fosse ter
o meu amor logo à noitinha,
porque assim costuma ser.
GERTRUDES - Costuma ser...
CASTELO BRANCO e MANUEL DE SOUZA - Costuma ser...
GABRIELA - O pranto meu correu a fios,
por semelhante ingratidão...
GERTRUDES - Ela ficou a ver navios...
que decepção!
CASTELO BRANCO e MANUEL DE SOUZA - Que decepção!
GABRIELA - A hora passou...
GERTRUDES - A hora passou...
GABRIELA - E meu amor não se chegou!
GERTRUDES - E seu amor não se chegou!
GABRIELA - Ah! não tem jeito!
JUNTOS - Ah! é mal feito!
Não faz-se isto a ninguém!
Ah! não tem jeito!
Qual jeito! qual jeito!
Qual! Jeito não tem!
GABRIELA - Cansada, enfim, de ver navios
não tendo com que me entreter,
de um sofá nos coxins macios

124
eu procurei adormecer.
GERTRUDES - Adormecer...
CASTELO BRANCO e MANUEL DE SOUZA - Adormecer...
GABRIELA - Na minha funda mágoa imersa
o sono meu fugir eu vi.
GERTRUDES (A Manuel de Souza.)
- Hein? foi por causa bem diversa
que eu não dormi...
MANUEL DE SOUZA - Que eu não dormi...
GABRIELA - A hora passou, etc.

CASTELO BRANCO - Vamos, vamos! Não te aflijas tanto! Teu marido é impossível que esteja
perdido! Havemos de achá-lo!
GABRIELA - Confundi-lo
CASTELO BRANCO - Repreendê-lo!
GABRIELA - Repreendê-lo!
CASTELO BRANCO - Não insistas, rapariga! Vem, vem comigo! Pobre pequena! é mesmo muito
caipora!
GABRIELA - Muito...
CASTELO BRANCO - Não insistas... (Saem.)

Cena V
Gertrudes, Manuel de Souza, depois o Capitão-General e Teobaldo

GERTRUDES - Veja, Manuel de Souza! Mire-se naquele espelho! Aquilo sim; aquilo é que se
chama de amor, afeição, dedicação, resolução...
MANUEL DE SOUZA - E tudo que acaba em ão.
GERTRUDES - Você era lá capaz de andar à minha procura, se me houvesse perdido?
MANUEL DE SOUZA - Ora, pois julgas... (À parte.) Seria preciso que me houvesse perdido
também o juízo!
CAPITÃO-GENERAL (Entra seguido por Teobaldo que traz uma ruma de livros.) - Deita tudo isto
cá, Teobaldo...
TEOBALDO - Sim, Senhor Capitão-general! (Depõe os livros e sai.)

Cena VI
Os mesmos, menos Teobaldo, depois Carlos

MANUEL DE SOUZA - O Capitão-general... (Encaminha-se para ele, e cumprimenta.) Senhor...


CAPITÃO-GENERAL - Viva! viva! Traga-me cá o Carlitos.
MANUEL DE SOUZA - É já...
GERTRUDES (Baixo a Manuel.) - Boa ocasião para pedir-lhe a tua baixa. (Indo ao capitão.)
Preciso muito falar a Vossa Excelência.
CAPITÃO-GENERAL (Preocupado.) - Mais tarde.
GERTRUDES - A respeito de meu marido...
CAPITÃO-GENERAL - Não tenho tempo agora...
GERTRUDES (Seguindo-o.) - Ele anda doente, e este serviço continuado...
CAPITÃO-GENERAL - Já lhe fiz ver que não tenho tempo agora... (A Manuel de Souza.) Vá buscar
o homem!
GERTRUDES (À parte.) - Fica para outra vez... (Manuel de Souza abre a porta da esquerda.)
CARLOS (Saindo, a Manuel de Souza.) Ah! Meu amigo, o que se tem passado aqui? Onde está
minha mulher? O que me contas de novo?...
MANUEL DE SOUZA - Cala-te! Olha o Capitão-general!
CARLOS - Oh!

125
CAPITÃO-GENERAL - Deixem-nos sós.
GERTRUDES (À parte, saindo com Manuel de Souza) - Fica para outra vez! (Saem.)

Cena VII
O Capitão-General e Carlos

(Momento de silêncio. O Capitão-general, a esfregar as mãos, passeia em redor de Carlos, que o


examina inquieto, de soslaio.)

CAPITÃO-GENERAL (Cantarolando.) - Um dia, olé! te casarás!...


CARLOS (À parte.) - Parece estar satisfeito...
CAPITÃO-GENERAL (O mesmo.) - Um dia, olé... (Momento de silêncio.)
CARLOS (À parte.) Oh! meu Deus! dar-se-á caso que... Eu tremo...
CAPITÃO-GENERAL (Parando.) - Bom dia, Carlitos; como passaste a noite?
CARLOS - Mas...
CAPITÃO-GENERAL - Eu passei muito bem, muito bem...
CARLOS - Meu Deus!
CAPITÃO-GENERAL - Está tranqüilo... Não é ainda o que supões!
CARLOS (Suspirando.) - Ah!
CAPITÃO-GENERAL - Mas deixa estar, deixa estar... Isso há de ser um dia... não tenho pressa...
CARLOS (Vivamente.) - Nem eu...
CAPITÃO-GENERAL - À noite passada refleti maduramente sobre o caso, já tenho o meu plano.
CARLOS - Ah!
CAPITÃO-GENERAL - Vou continuar da mesma maneira que encetei... Vê estes livros?
CARLOS - Sim. Vejo.
CAPITÃO-GENERAL - Tua mulher os lerá um por um, sentada ao meu lado...
CARLOS - Todos?!
CAPITÃO-GENERAL - Todos e outros muitos. Minha biblioteca é imensa! Afinal de contas, terás
uma mulher ilustrada...
CARLOS - Muito ilustrada! Oh! mas como estou prevenido, defender-me-ei.
CAPITÃO-GENERAL (Arremedando.) - Defender-me-ei!... Tem graça! pois já não te fiz ver que o
meu plano está feito?... Naquele tempo (lembras-te) eu não me defendi... de nada sabia... Já vês que
convém restabelecer o equilíbrio. (Chamando.) Teobaldo! (Teobaldo aparece.) Vai buscar o Capitão
Manuel de Souza!
TEOBALDO - Sim, Senhor Capitão-general. (Sai.)
CARLOS - O que vai Vossa Excelência fazer?
CAPITÃO-GENERAL - Vais ver... Trata-se de restabelecer o equilíbrio...

Cena VIII
Os mesmos, Manuel de Souza e Gertrudes
GERTRUDES (Correndo, ao Capitão-general.) - Vossa Excelência mandou-nos chamar? Foi sem
dúvida para ouvir o que tenho para dizer a Vossa Excelência. É a coisa mais simples desta vida, Senhor
Capitão-general: meu marido...
CAPITÃO-GENERAL - Não se trata disso...
GERTRUDES (À parte.) - Fica para outra vez.
CAPITÃO-GENERAL (A Manuel de Souza.)- Capitão, leve este senhor ao pavilhão amarelo, onde o
guardará à vista até nova ordem.
CARLOS - Preso!
CAPITÃO-GENERAL - Não faças disto um bicho-de-sete-cabeças. Aquilo não é uma prisão, é um
ninho. (A Manuel de Souza.) - Vá!...
MANUEL DE SOUZA - Mas Senhor Capitão-general, é que...
CAPITÃO-GENERAL - O quê?
MANUEL DE SOUZA - Minha mulher...

126
GERTRUDES - Deixa-me falar! Excelentíssimo Senhor, eu sou um pouco ciumenta. meu marido
teve um passado tempestuoso!
MANUEL DE SOUZA - Tu exageras, Gertrudinhas!
GERTRUDES - Cala-te, escalda-favais!
CAPITÃO-GENERAL - E então?
GERTRUDES - O que mais me incomoda é a história do retrato. Havia nesta cidade uma sujeita
por quem ele andou apaixonado, não duvido que ela ainda esteja em Porto Alegre...
CAPITÃO-GENERAL - E?...
GERTRUDES - E, para evitar um encontro, quero carregar daqui o meu Manuel de Souza! Assim,
pois peço a Vossa Excelência que lhe mande dar baixa..
CAPITÃO-GENERAL - Por enquanto seu marido me faz muita falta. Mais tarde falaremos...
GERTRUDES - Mas...
CAPITÃO-GENERAL - Basta!
GERTRUDES (À parte.) - Fica para outra vez.
CAPITÃO-GENERAL - Capitão, cumpra as minhas ordens. (Sai.)
MANUEL DE SOUZA - Sim, senhor. (Indo a Carlos, rindo-se.) - Ah! ah! ah! ah! Pobre Carlos ! O
caso não é para rir, porque enfim és muito meu amigo, mas... Ah! ah! ah! não posso... (A Gertrudes,
sério.) É muito meu amigo!
GERTRUDES (Não podendo conter o riso.) - Ah! ah! ah! é muito teu amigo.
CARLOS (Despeitado.) - Muito riso, pouco siso...
MANUEL DE SOUZA - Ah! ah! ah! meu amigo... Dá cá a tua espada. Gertrudinhas, dá-lhe o
braço... (Gritando.) - Meia volta à esquerda! Não, não! Como quiserem! Vamos! (Gertrudes toma um
braço e Manuel de Souza e levam Carlos às gargalhadas.)

Cena IX
O Capitão-General, depois Gabriela e Castelo Branco

CAPITÃO-GENERAL (Só.) - Vai tudo às mil maravilhas!


GABRIELA (Aparecendo com o pai.) - Venha, papai! Meu pobre maridinho preso! Oh! hão de mo
restituir, olé!
CAPITÃO-GENERAL - Ei-la!
GABRIELA - O Capitão! (Ao pai.) Vai ver como lhe falo!
CAPITÃO-GENERAL (À parte.) - É agora! (Alto.) Minha amável leitora...
GABRIELA (Ao pai.) - Já não me atrevo...
CASTELO BRANCO - Anda, desembucha.
GABRIELA (Timidamente.) - Preciso falar a Vossa Excelência.
CAPITÃO-GENERAL - Já sei o que vem me pedir. É inútil! Está preso, e preso ficará!
GABRIELA - Oh! ,meu pobre maridinho! Quero-lhe tanto! É tão lindo, tão terno, tão generoso...
(Mudando o tom.) Por que Vossa Excelência mandou prender?
CAPITÃO-GENERAL - Porque... porque havia motivos.
GABRIELA - Mas que motivos?...
CAPITÃO-GENERAL - Isso é que não lhe direi!
GABRIELA - E se eu pedisse a Vossa Excelência que esquecesse desses motivos?
CAPITÃO-GENERAL - É impossível!
GABRIELA - Impossível!
CASTELO BRANCO (Baixo.) - Insiste, rapariga, insiste!
GABRIELA - Se suplicasse de mãos postas...
CAPITÃO-GENERAL - Não! não!
CASTELO BRANCO (Como acima.) - Insiste, rapariga, insiste.!
GABRIELA - Meu bom Capitão-generalzinho!

127
CAPITÃO-GENERAL (À parte.) Hein?
GABRIELA (Com as mãos nos ombros do Capitão-general.) - Dá-me o meu maridinho, sim?
CASTELO BRANCO (Colocando-se ao lado do Capitão-general.) - Então? Faça a vontade da
rapariga! (Dá-lhe uma cotovelada. O Capitão-general encara-o com severidade.) Oh! Perdão!
CAPITÃO-GENERAL (A Gabriela.) - Não posso, não posso! Só dando-me... (Filando-a.) uma
compensação...
GABRIELA - Uma compensação? Então quer Vossa Excelência que eu lhe dê uma
compensação?...
CAPITÃO-GENERAL - Sim...
GABRIELA - É que... (Tendo uma idéia.) Ah! achei!
CAPITÃO-GENERAL (Vivamente.) - Deveras?
GABRIELA - Decerto... a tal propriedade de papai, que tira a vista do rio a Vossa Excelência.
CASTELO BRANCO - O meu cochicholo!
GABRIELA - Dou-lhe em troca da liberdade de meu marido.
CAPITÃO-GENERAL (Desapontado.) - Ora!
CASTELO BRANCO - Mas o que é lá isso? O cochicholo! Não insistas, rapariga!
GABRIELA (Ao Capitão-general.) - Então está dito?
CAPITÃO-GENERAL - O cochicholo... É que... não digo que...
GABRIELA (Afagando-o.) - Oh! como eu agradecerei a Vossa Excelência...
CAPITÃO-GENERAL (Comovido, à parte.) - Então? A pequena não me está entendendo? (Alto.)
Não é essa a compensação...
GABRIELA - Pois não é essa?... (Quase a chorar.) Não vejo mais nada...
CAPITÃO-GENERAL (Levando-a a parte.) - Pois bem... eu quero... eu que...
GABRIELA (Fitando-o com simplicidade.) - O quê?
CAPITÃO-GENERAL (Vencido pelo olhar da moça.) - Não! Seria um sacrilégio! É tão inocente!
(Alto.) Nada, nada, minha filha, nada quero. (Chamando.) Ó Teobaldo.
TEOBALDO (Aparecendo.) - Excelentíssimo..
CAPITÃO-GENERAL - Mande que ponham o Senhor Carlos em liberdade e tragam-no cá.
GABRIELA (Alegre.) - Ah!
CAPITÃO-GENERAL - Vê? Satisfaço seu pedido... Mas imponho uma condição...
GABRIELA - Qual?
CAPITÃO-GENERAL - Há de jurar-me que não dirá a seu marido o meio que empregou para obter
a liberdade dele.
GABRIELA - Juro!
CAPITÃO-GENERAL (À parte.) - A pequena desarmou-me... Mas as aparências vingar-me-ão!
(Alto.) Então? Agora estás bem comigo?...
GABRIELA (Muito alegre.)- Pudera não!
CAPITÃO-GENERAL - Seremos amigos! Venha de lá um abraço!
GABRIELA - Com mil desejos! (Salta ao pescoço do Capitão-general e abraça-o; neste momento,
Carlos aparece ao fundo.)

Cena X
Os mesmos e Carlos

CARLOS - Ah!
CAPITÃO-GENERAL (Com Gabriela ainda nos braços.) - Meu amigo, chegaste muito a propósito.
Tenho uma excelente nova a dar-te: estás livre, absolutamente livre!
CARLOS (Aterrado.) - Ah! estou livre...
CAPITÃO-GENERAL - Não te fiz esperar muito tempo... Então, não vais abraçar tua mulher?
GABRIELA (Indo a ele.) - Meu amigo...
CARLOS (Repelindo-a e descendo à direita.) - Não! não!
GABRIELA (Surpresa.) - Como!
CAPITÃO-GENERAL (Indo a Carlos.) - Meu Deus! com que cara estás tu!

128
Coplas
- Ter um marido essa cara
em plena lua de mel,
na verdade é coisa rara!
Faz um ridíc'lo papel!
Porventura arrependido
do casamento estarás?
Esse todo aborrecido
de todo mostra que estás.

Porém tu, não tens motivo:


sem adulação
ela tem, maganão...
maganão... maganão...
milhares de atrativos!...

II

Aqui, que ninguém nos ouve,


namoradeira ela é;
mas, não sei se alguém já houve
que fizesse aqui filé.
Tem paciência, meu caro,
pois que muito vale, crê,
ver certas coisas a claro
e fazer que se as não vê.

Mas não sejas vingativo:


sem adulação, etc.

CAPITÃO-GENERAL - Bem. Eu deixo-te, meu bom Carlitos. Até logo! (A Gabriela.) Até logo,
minha senhora. (Rindo.) Ah! Ah! Ah! (Saindo.) Maganão...

Cena XI
Gabriela, Carlos e Castelo Branco

(Carlos está desviado dos mais, sombrio e abatido.)


CASTELO BRANCO (Indo a ele.) - Estou-o estranhando, senhor meu genro! Vossa Mercê devia
estar alegre...
CARLOS - Alegre eu!
GABRIELA (Indo a ele.) - Agora que o Capitão-general já cá não está, abraça-me!
CARLOS - Abraça-la! tinha graça!
GABRIELA (Aflita.) - Oh! papai!... papai! Ele não me quer abraçar!
CASTELO BRANCO - Pois não insistas, rapariga. (A Carlos.) Vossa Mercê é um ingrato. Saiba que
a ela é que deve a graça que acaba de obter!
CARLOS - Mas foi com a minha desgraça que se pagou semelhante graça! Abraçá-la! Tinha graça!
GABRIELA (Ao pai.) - Então, ele já sabe do cochicholo...
CASTELO BRANCO - Provavelmente foi o ajudante de ordens que lho disse.
GABRIELA - Pois bem! já que sabe de tudo, diga-me: não foi uma boa idéia?
CASTELO BRANCO - Sim?
CARLOS (Levantando as mãos para o céu.) - Uma boa idéia. Que cinismo!
CASTELO BRANCO (A Gabriela.) - Vês? está contrariado! A culpa foi tua... Eu bem te disse: Não
insistas, rapariga... Devias consultá-lo...

129
GABRIELA - Pois preferias ficar na prisão por amor de uma insignificância?
CASTELO BRANCO - E deixe dizer-lhe: ele já estava um tanto estragado, velho, sujo...
CARLOS - É o requinte do cinismo!
GABRIELA - Vamos lá! A intenção era boa... Só deves olhar para a intenção... (Com meiguice.)
Então, meu queridinho?...
CARLOS (Desabridamente.) - Eu não sou seu queridinho!...
CASTELO BRANCO (À parte.) - Palavra d'honra! Nunca o supus tão agarrado ao dinheiro! (Alto, a
Gabriela.) Não insistas, rapariga!
GABRIELA - Isto não tem jeito!

Coplas
- Para livrar-te de medonha
prisão, astúcias empreguei,
e tu me fazes carantonha...
qual a razão? Não sei... não sei...
Pois deves estar satisfeito!
quem mais fará por ti? Ninguém!
Anda lá, foi pra teu bem
que fiz o mal que já 'stá feito.

Deixe estar que te ensinarei...


Eu nada mais por ti farei!

II

Os bens que eu trouxe em casamento


menos valor, bem sei, vão ter;
porém nem todas, rabugento,
mesmo esse pouco hão de trazer.
Ó céus! que cara enfarruscada!
Ó céus! que olhar feroz! feroz!
Não tens razão, pois, entre nós,
o mal que eu fiz não vale nada...

Deixe estar que te ensinarei


Eu nada mais por ti farei!

GABRIELA (Vendo que Carlos está calado.) - Então, não me dizes nada?...
CASTELO BRANCO - Deixa-o lá rapariga... não insistas, não insistas... vem para junto de teu
pai...
CARLOS - Oh! pode-a levar para sempre! Restituo-lha!
GABRIELA - Hein?
CASTELO BRANCO - Restitui-ma!
GABRIELA - Como? Por causa de uma bagatela?
CARLOS (Amargamente.) - Sim, minha senhora, por causa de uma bagatela.
GABRIELA (Aflita.) - Ah! papai!
CASTELO BRANCO - Não insistas, rapariga! (A Carlos com dignidade.) - Está bem, tomo conta
outra vez da minha filha... Seu velho pai cá está para ampará-la... Coragem, Gabriela, coragem!
GABRIELA (Com esforço.) - Hei de tê-la, papai, hei de tê-la! Adeus, senhor...
CARLOS (Secamente.) - Adeus! (Sobe a cena e dirige-se à esquerda.)
CASTELO BRANCO Meu genro... quero dizer: senhor, eu não o cumprimento, ouviu? Vamos
rapariga! (Sai. Gabriela vai para sair também, mas deixa-se cair em uma cadeira e desata a chorar.
Carlos, que tinha parado no fundo, volta-se e dá com ela.)

130
Cena XII
Gabriela e Carlos

CARLOS (Voltando, à parte.) - Ela chora...


GABRIELA (Vendo-o.) - Ele! Oh! Não quero que veja estas lágrimas! (Passando diante de Carlos,
enxuga os olhos vivamente.)
Dueto
CARLOS - Tu choras, meu amor?!
GABRIELA - Não choro, não, senhor...
e se chorar, oh! não se importe!
CARLOS - Queres em vão parecer forte!
Tu choras, meu amor...
GABRIELA - Chorar! Eu? Não, senhor.
CARLOS - Chorando me desarmas!
de ti quero fugir,
porém a essas armas
não posso resistir!

Juntos

CARLOS - Chorando me desarmas! etc.


GABRIELA - As lágrimas são armas
que devo lhe encobrir...
Convém não avistar-mas,
pois quero resistir!
Por que tamanha inquietação?...
Veja, senhor: não choro, não!
CARLOS - Mas...
GABRIELA - Quê...
CARLOS - Estás bem certa disso?
GABRIELA - O pranto meu não desperdiço.
CARLOS - Com que então,
não choras, não?
GABRIELA - Chorar! Por quem? Por ti? Oh! tinha graça...
Dar pranto e receber ingratidão.
Choramingar! Ai! que chalaça!
Não, não, senhor, não choro não!
CARLOS (Vivamente.) - Tu choras!
GABRIELA (Fracamente.) - Eu não choro, não.
CARLOS - Tu choras!
GABRIELA (Mais fracamente.) - Eu não choro, não.
CARLOS - Tu choras!
GABRIELA (Desatando a chorar.) - Eu não choro, não...

Juntos
CARLOS - Chorando me desarmas, etc.
GABRIELA - As lágrimas são armas, etc.
CARLOS - Gabriela!
GABRIELA - Carlos!
CARLOS - Jura que não me enganaste!
GABRIELA - Enganar-te eu! Pois supuseste!...

131
CARLOS - Sim. sim! Não é possível! Onde tinha eu a cabeça?! É que este perdão dado de
repente... Dize como o obtiveste.
GABRIELA - Não posso...
CARLOS (Mudando de tom) - Não podes?
GABRIELA - Fiz um juramento...
CARLOS - Não ousas confessar! Já não duvido de coisa alguma! Tenho plena certeza de tudo!
GABRIELA - Então, meu queridinho!
CARLOS - Cale-se!... Eu não sou seu queridinho! Deixe-me! deixe-me! Eu enlouqueço, meu Deus!
(Deixa-se cair em uma cadeira à direita.)
GABRIELA (Fazendo o mesmo em outra cadeira à esquerda.) - Afinal de contas, o que lucro eu
com o haver feito sair da prisão?

Cena XIII
Os mesmos e o Capitão-General

CAPITÃO-GENERAL (A Carlos.) - Então o que é isto, Carlitos? Ainda arrufados?


CARLOS (Erguendo-se.) - Ah! Vossa Excelência não me dirá?...
CAPITÃO-GENERAL - Não te direi absolutamente nada. És muito curioso!
GERTRUDES (Fora.) - O Senhor Capitão-general! Onde está o Senhor Capitão-general?
CAPITÃO-GENERAL - Que bulha é esta?

Cena XIV

Os mesmos, Getrudes, Manuel de Souza, Teobaldo, Castelo Branco, Oficiais de lanceiros e soldados.

GERTRUDES (Aparece ao fundo trazendo Manuel de Souza arrastado e seguida por todos.) - Ah!
ei-lo ali! Venha! venha!
MANUEL DE SOUZA - Mas, Gertrudinhas...
GERTRUDES - Cale-se! (Ao Capitão-general.) Agora, Excelentíssimo Senhor, não pode ficar para
outra vez! Ela cá está!
CAPITÃO-GENERAL - Ela quem?
GERTRUDES- Ela, a original do retrato.
CAPITÃO-GENERAL - Então, deve ser ele! Ela o original! É original!
GERTRUDES - A amante de meu marido! Ainda não há dois minutos, passando por uma das salas
do palácio, vi pendurado á parede... O quê? O mesmo retrato em ponto grande... Tal e qual este,
Excelentíssimo Senhor. (Tira o retrato da algibeira e mostra-o.)
CAPITÃO-GENERAL (Olhando, dá um grito.) - Que vejo! (Á parte.) Minha mulher! (Vendo Manuel
de Souza.) Vamos! Decididamente a defunta não merecia a minha vingança. (Alto a Carlos.) Carlitos,
podes abraçar tua mulher, dou-te minha palavra de honra...
CARLOS e GABRIELA - Oh! (Abraçam-se.)
CARLOS (Baixo a Gabriela.) - Mas o perdão? Como o obtiveste?
GABRIELA - Dei-lhe o cochicholo de papai.
CAPITÃO-GENERAL (A Gertrudes.) - Pode carregar com seu marido.
GERTRUDES - Ah! Manuel de Souza!
CAPITÃO-GENERAL - Está terminada a comédia. (A Gabriela.) Minha senhora, compete-lhe cantar
o couplet final.
GABRIELA - Mas, Senhor Capitão-general...
CASTELO BRANCO - Não insistas, rapariga!
GABRIELA (Ao público.)
Ai! que vidinha! que vidão!
com meu marido
estremecido
agora eu vou ter, verão!

132
Somente resta
no fim da festa,
saber se a peça agrada ou não...
É pois mister
que eu, a tremer,
vos fale e peça o que vos peço:
mil palmas sai,
assegurai
À Casadinha um bom sucesso!
TODOS (Simultaneamente.)
À Casadinha um bom sucesso!
GABRIELA - Olé! tirolé! lé!
é bom bom bom bom
O casamento, olé!
TODOS - Olé! tirolé! lé!, etc.

[(Cai o pano)]

133
Abel e Helena

Peça cômica e lírica

Escrita a propósito da ópera-cômica


A BELA HELENA
de
HENRIQUE MEILHAC E LUDOVICO HALÉVY
Música de Jacques Offenbach
PERSONAGENS

Abel, professor público


Nicolau, fazendeiro
Pantaleão de Los Rios
Cascais, vigário da freguesia
Alferes Andrade, comandante do destacamento
Góis & Companhia, negociantes
Filomeno, sacristão, sineiro, etc.
Eustáquio, ferreiro
Helena, afilhada de Nicolau
Pedrinho
Juca Sá, estudante de férias
Benjamim
Marcolina, mucama
Um feitor
Um empregado do correio

Devotas, rapazes, negros, povo, músicos, etc.


A cena passa-se em uma freguesia da província do Rio de Janeiro
Atualidade.
ATO PRIMEIRO
QUADRO PRIMEIRO
A MISSA
Praça pública. Ao fundo a Matriz e a casa de residência do Padre Cascais. É dia de festa.
Cena I
Povo, depois Cascais e Filomeno

(Ao erguer do pano homens e mulheres, defronte da porta de Cascais, apresentam flores, frutas,
velas de cera e frango. Flores em mais abundância.)

Coro
Aceite, ó senhor padre, os mimos que lhe dão
de coração
os que aqui 'stão
com devoção!

E lhe pedimos já cheíssimos de fé,


que rogue a Deus por nós, se nosso amigo é.
Aceite, ó senhor padre, etc.

134
UMA RAPARIGA (Oferecendo um ramalhete a Cascais.)
- Aceite estas cravinas
aceite por favor
Não são tão purpurinas?
Não têm tão linda cor?

OUTRAS RAPARIGAS - Se o seu padre não aceita


este raminho já,
tomamos por desfeita
e não voltamos cá...

Coro
Aceite estes presentes,
se nos quer ver contentes.
Aceite ó senhor padre, etc.
(Acabado o coro, continua a música na orquestra, enquanto o povo depõe os seus presentes nas
mãos de Filomeno, e vai se retirando.)

Cena II
Cascais e Filomeno
CASCAIS - Guarde tudo isso, seu sacristão.
FILOMENO - Sim, senhor vigário. (Vai aos poucos levando as oferendas para a casa de Cascais.)
CASCAIS - Ora, valha-me Deus! Que presentes! Que presentes! Duas velas de cera, apenas um
frango, e flores, flores, e mais flores! (Com desgosto.) Pra que flores? - Ah! Já vai o tempo dos perus e
das galinhas gordas... O tempora, o mores! E viva um pobre vigário da modesta côngrua! Já não há fé
nos vigários! Já não há fé nos vigários!
FILOMENO - Não é tanto assim, senhor vigário; o seu colega de Itapiri...
CASCAIS - É exato. É o homem mais feliz que conheço. Até o sermão de hoje mo tiraram para
dar-lho, a ele! E levam-lhe bois, porcos, sacos de farinha e de feijão...
FILOMENO - Deve fazer bom negócio...
CASCAIS - Ora se faz! Mas por cá é o que você está vendo: flores, flores e mais flores! (Como
quem se resigna.) Enfim! você há de levar este ramalhete à comadre... (Dá-lhe um ramalhete que tem
conservado na mão.)
FILOMENO - Sim, senhor vigário.
CASCAIS - E o sino?! Trouxeram o sino, que tinha ido ao mestre ferreiro, para segurar o badalo?
FILOMENO - Ainda não.
CASCAIS - Como ainda não?!
FILOMENO - Estou à espera...
CASCAIS - Olhe que hoje não podemos passar sem sino! Um dia de tanto júbilo! Festa literária
depois da missa das dez...
FILOMENO - Vossa Reverendíssima não me explicará o que vem a ser essa festa literária?
CASCAIS - Coisas do Senhor Pantaleão de los Rios, que não tem mais o que fazer! Dá um prêmio
a quem decifrar uma charada, responder a uma pergunta enigmática e glosar um mote! Ah! Senhor
Pantaleão, Senhor Pantaleão! Ne sutor ultra crepidam.
FILOMENO - Ora o Seu Pantaleão!
CASCAIS - Já vê você que não podemos passar sem o sino! Preciso do sino!
FILOMENO - Falai no mau. Aí vem o Mestre Eustáquio com ele. (Eustáquio entra pela direita
carregando um pequeno sino.)

Cena III
Os mesmos e Eustáquio

CASCAIS - Então, Mestre Eustáquio, que demora foi essa?

135
EUSTÁQUIO - Vossa Reverendíssima desculpe; mas estive ocupado a arranjar umas ferraduras
para o senhor juiz de paz, e... Mas cá está o sino, e desta vez, bem seguro o badalo.
CASCAIS - Veja lá se o arranca de novo, seu sacristão!
EUSTÁQUIO - Olhe! (Agita o sino.)
CASCAIS (Precipitando-se para sufocar o som.) - Pare, pare, homem de Deus! vai o povo
persuadir-se de que o estou chamando à missa...
EUSTÁQUIO - Desculpe...
CASCAIS - Também já são horas. Ali vêm algumas devotas e entre elas a juíza da festa. Vamos,
seu sacristão, leve o sino para a torre, pregue-o no lugar, e chame à missa. (Filomeno entra na igreja
com o sino. A Eustáquio.) Este sacristão acumula, hein? Ele é sacristão, sineiro, oficial de justiça, vende
cera e faz a escrita da loja do Polidoro. (Outro tom.) Mestre Eustáquio, venha amanhã receber as duas
patacas do ajuste.
EUSTÁQUIO - Não há novidade... (Vai-se.)

Cena IV
Cascais e a juíza da festa, devotas de mantilha, Helena e Marcolina

CASCAIS (À juíza da festa.) Viva a juíza! Entre, Dona Bárbara! (Acompanha-a até a porta da
igreja. Nisto entra Helena acompanhada por Marcolina. Helena, durante o coro, cumprimenta o vigário.)

CORO DE DEVOTAS MOÇAS - Eis de sinhá, falange honesta


que também vem gozar a festa,
pois jovem ser não é razão
que justifique a reclusão
HELENA - Ah! que satisfação ser moça
como eu sou!
O coração se me alvoroça!
Quem foi que amores inventou?
(Filomeno tem aparecido na torre da igreja, e prega o sino a uma pequena trave.)
I
HELENA - Meu coração palpita, pulsa
por quem chegar vai hoje aqui!
Sinto-me, ó céus, toda convulsa,
como jamais me senti.
Mas, ah! não sei se meu padrinho
me deixará ou não casar com meu benzinho.
II
Ele não tem ...(Faz sinal de dinheiro.)
A ver navios
eu ficarei talvez, até,
só porque dois sacos vazios
não se poderão ter em pé.
Mas, ah! não sei se meu padrinho
me deixará ou não casar com meu benzinho

(Continua a música. O coro entra na igreja. O vigário vai a entrar também, mas Helena o agarra
e obriga-o a descer com ela à cena. Marcolina conserva-se no fundo.)
Cena V
Helena, Cascais e Marcolina

HELENA - Dá-me uma palavrinha?


CASCAIS - Duas e três, se quiser, mas a missa...
HELENA - Tem tempo. (Cessa a música.)

136
CASCAIS - Estou às suas ordens...
HELENA (Dando com Marcolina.) - Vá para a matriz, Marcolina.
MARCOLINA - Iaiá, sinhô velho me disse que não deixasse vossemecê sozinha.
HELENA - Faze o que te digo!
MARCOLINA - Tá bom, eu vou mas depois não quero cumo-chama comigo. (Entra na igreja.)

Cena VI
Helena e Cascais

HELENA - Padre, vim reclamar sua proteção.


CASCAIS - Minha proteção, Dona Heleninha? Explique-se.
HELENA - Padre, eu já estou em idade de casar-me: vinte e quatro anos não são vinte e quatro
horas.
CASCAIS - Ciente.
HELENA - À última vez que estive na corte, quis o destino que me encontrasse com ele.
CASCAIS - Ele quem?
HELENA - Abel.
CASCAIS - Que Abel?
HELENA - Um moço que se apaixonou por mim e por quem tive a fraqueza de me apaixonar.
CASCAIS (Sorvendo uma pitada.) - Ciente.
HELENA - Desde que voltei para a roça, a sua imagem não me saiu mais do coração. Ai! o padre
não sabe o que é o amor!
CASCAIS - Tolitur questio
HELENA - Amo-o como só se ama uma vez.
CASCAIS - Deveras?
HELENA - E Abel não tarda aí!
CASCAIS - Aí onde?
HELENA - Aqui.
CASCAIS - Aí aqui?
HELENA - Por um desses meios difíceis que só lembram os namorados, Abel conseguiu que uma
cartinha me chegasse às mãos.
CASCAIS - Por meio de alguma pomba?
HELENA - Agora apresentou-se candidato à cadeira de primeiras letras cá da freguesia, fez o
exame e apanhou o lugar.
CASCAIS - Mas, enfim, o que deseja de mim, Dona Heleninha?
HELENA - Sua proteção, repito. Abel é muito pobre e meu padrinho e tutor, como Vossa
Reverendíssima sabe, só quer casar-me com sujeito rico. Como Vossa Reverendíssima exerce influência
em dindinho, escrevi a Abel, dizendo-lhe que o procurasse.
CASCAIS - A quem? ao dindinho?
HELENA - Nada! Ao padre. Peço-lhe que seja seu amigo e o apresente a dindinho, já sabe: com
alguma recomendação. Ah! ele! sempre ele!.
CASCAIS - Ele quem?
HELENA - O caiporismo. Já estou ficando tia, e nada de novo!
CASCAIS - Tia, Dona Heleninha! A senhora, tia! Distingo!
HELENA - Se dindinho não consente em meu casamento com Abel, mato-me! (Ouve-se rumor
fora.)
CASCAIS (Depois de olhar à direita.) - Ai, ai! Quem vem ali! Está na terra aquele vadio?!
HELENA - Quem?
CASCAIS - O Pedrinho! vem deitar a freguesia de pernas para o ar! e com que súcia! Entre,
Senhora Heleninha, entre...
HELENA - Não se esqueça de mim, padre...
CASCAIS - Hei de fazer o possível. (Helena entra na igreja.) Com toda a certeza o Nicolau abana
as orelhas, mas tudo se há de arranjar.

137
Cena VII

Cascais, Pedrinho, Benjamim, Juca Sá e rapazes vadios da freguesia, dos quais um toca flauta e o outro
violão

OS RAPAZES (Entrando ruidosamente e envolvendo Cascais.) - Ora viva o senhor vigário! Viva!

I
PEDRINHO (A Cascais.) -Na cidade me aborrecia:
as férias cá passar, pois vim,
e trouxe em minha companhia
o Juca Sá e o Benjamim
(Apresentando Juca Sá e Benjamim a Cascais.)
O Benjamim e o Juca Sá!
que lhos apresente consinta.
CASCAIS -Grande prazer é o que me dá!
Senhores eu tenho a distinta ...
PEDRINHO - O Benjamim e o Juca Sá!
TODOS - O Benjamim e o Juca Sá!
(Dançam em volta de Cascais.)
Tsing lá lá, tsing lá lá!
Lá rá lá rá, lá rá lá rá!

II
PEDRINHO - Sem mais extensos palanfrórios:
estudantes ambos e dois:
não passam dos preparatórios...
Hão de os fazer lá pra depois...
O Benjamim e o Juca Sá!
que lhos apresente consinta.
CASCAIS -Grande prazer é o que me dá!
Senhores eu tenho a distinta...
PEDRINHO - O Benjamim e o Juca Sá!
TODOS - O Benjamim e o Juca Sá!
(Repetem com mais vivacidade as danças.)
Tsing lá lá, tsing lá lá!
Lá rá lá rá, lá rá lá rá!
(No fim das coplas, acha-se de novo Cascais envolvido no grupo.)
PEDRINHO - Ora ouça o que aqui nos traz, senhor vigário: saltei do trem, há pouco, com os
meus dois colegas. Conhece-os? Apresento-lhe os senhores...
CASCAIS - Basta! basta! Você já mos apresentou por música.
PEDRINHO - Havíamo-nos reunido a esta rapaziada, quando vimos de longe negrejar a túnica
de Vossa Reverendíssima. - O que é aquilo? - O quê? - Aquele ponto negro? - Aquilo é o vigário! - Ah! é
o vigário aqui da freguesia? perguntou o Benjamim. - Como se chama? acrescentou o Juca Sá. -
Cascais, respondi eu. - Cascais? o ilustre Cascais?! - É o próprio. - Quero vê-lo de perto! - Queremos vê-
lo! - E aqui estamos. (A Benjamim e Juca Sá.) Rapazes, aqui têm o vigário! Que tal o acham?
BENJAMIM - Bom
JUCA SÁ - Muito bom.
CASCAIS - Meus bons amigos, a companhia é muito agradável, mas... Com licença... Os deveres
do meu cargo estão a reclamar-me.
PEDRINHO - Nada de cerimônias, senhor padre, nada de cerimônias; faça de conta que está em
sua casa... (Cascais entra na igreja.)

138
Cena VIII

Pedrinho, Benjamim, Juca Sá e rapazes.

BENJAMIM - Então, não vamos à missa?


PEDRINHO - Qual! Vocês ainda não viram a vila. Quero mostrar-lhes todas as curiosidades.
JUCA SÁ - Ora! Na matriz é que está o madamismo!
PEDRINHO - O madamismo é uma das curiosidades, lá isso é!...
BENJAMIM - Nada conheço mais curioso do que a mulher.
PEDRINHO - ... Mas teremos tempo de sobra para apreciá-lo, e com todos os ff e rr, em casa do
Senhor Pantaleão de los Rios.
BENJAMIM - Quem é esse Senhor Pantaleão de los Rios?
PEDRINHO - É o delegado literário da freguesia: um espanhol que aqui reside há muito tempo;
está naturalizado brasileiro, e tem a mania de ser literato.
BENJAMIM - Nesse caso, é também uma das curiosidades?
PEDRINHO - É. Acaba de promover nada menos que uma festa literária!
BENJAMIM - Uma festa literária? Conta-nos lá isso!
PEDRINHO - Vocês hão de ver. (Ao da flauta.) Ó Frederico, para que horas está marcada a
festa em casa do los Rios?
O DA FLAUTA - Para o meio dia.
PEDRINHO - Já vêem vocês que temos tempo de percorrer a vila.
BENJAMIM - Siga a passeata!
JUCA SÁ - Viva a pândega!
PEDRINHO - Olha essa música! (Os rapazes tocam. Saída ruidosa. Repetição do último coro:
Tsing lá lá, etc.)

Cena IX

Abel, com uma mala na mão, acompanhado de um negro que traz um baú na cabeça, depois Cascais

ABEL - Então, é esta a casa do vigário? (O negro afirma.) Vejamos. (Vai bater à porta do vigário.)
UMA VOZ DE MULHER - Quem é?
ABEL - Sou eu. Está em casa o vigário?
A VOZ - Não, senhor: está aí apegado na matriz.
ABEL - Obrigado. (Dirigindo-se para a igreja.) Pelo que vejo há festa hoje por cá... (Cascais sai
da igreja, sem reparar em Abel.)
CASCAIS (Consigo.) - Está lá dentro um calor... Engrolei uma missa em três tempos! Já tenho
habituado este povo a ouvir missas instantâneas, como as fábulas do Mosquito. Agora está pregado o
colega de Itapiri.
ABEL - Vossa Reverendíssima não é o vigário cá da freguesia?
CASCAIS (Modestamente.) À falta de homens...
ABEL - Pode dar-me uma palavrinha?
CASCAIS - Estou às suas ordens, mas.. se se trata de ir confessar alguém muito longe da
freguesia... Em dia de festa...
ABEL - Não se trata disso. Primeiro que tudo, consinta que este preto vá a deixar em sua casa
aquele baú e esta mala...
CASCAIS - Mas...
ABEL - Descanse. (Dando a mala ao negro.) É por uma hora, se tanto. (Ao negro.) Leva isso lá
para dentro. (O negro entra com a carga em casa de Cascais.) Vossa Reverendíssima não recebeu uma
cartinha de seu irmão, o Senhor Doutor Cascais?
CASCAIS - Uma carta de meu irmão? Há dois meses que não escreve! (O negro sai de casa de
Cascais; Abel vai ter com ele e dá-lhe dinheiro. Sai o negro.)

139
Cena X

Abel e Cascais

ABEL - Veja como são as coisas! Eu queria trazer a carta para trazer em mão própria... É uma
carta de recomendação...
CASCAIS - Ciente.
ABEL - Mas o Doutor Cascais me disse que seria melhor viesse a carta adiante, porque, assim,
Vossa Reverendíssima preparar-se-ia para receber-me. Mas não importa!
CASCAIS (Apontando para a direita.) - Olhe, ali vem o caixeiro do agente do correio; talvez traga
a carta.
ABEL - Queira Deus que assim seja.

Cena XI

Os mesmos e um empregado do correio

O EMPREGADO DO CORREIO (Entrando. A Cascais.) - Seu padre-mestre, a benção! O patrão


manda pedir-lhe muitas desculpas, por não lhe ter mandado entregar logo esta carta. Estava metida em
outros papéis e ninguém deu por ela.
CASCAIS - Está bom, dê cá. (A Abel.) É a história eterna dos nossos correios.
O EMPREGADO DO CORREIO - Passar bem, seu padre-mestre.
CASCAIS - Viva! (O empregado do correio sai.) É, na verdade, letra de meu irmão. Como está
ele? Bem? Gordo?
ABEL - Bem gordo; (Vendo que Cascais arranca o selo da carta e guarda-o.) Para que guarda
isso?
CASCAIS - Eu faço coleção de selos...
ABEL - Ah!
CASCAIS (Abrindo a carta.) - Dá licença?
ABEL - Essa é boa...
CASCAIS (Lendo, com acompanhamento na orquestra.)

"Com a saúde que se quer


vá te achar esta cartinha,
pois vai menos mal a minha,
como a de minha mulher.
Para essa freguesia
nomeado professor,
para lá segue o Senhor
Abel de Souza Faria (Abel cumprimenta.)
A amizade que me tem
a apresentar-to me impele:
o que fizeste por ele
a mim me farás também.
Um verdadeiro romance
hás de ouvir de meu rapaz,
e, nesse ponto, far-lhe-ás
o que for a teu alcance.
Sem assunto para mais
- sou teu irmão obrigado,
venerador e criado,
Ambrósio Teles Cascais." (Cessa a música.)

140
Quanto ao romance de que fala meu irmão, ciente. A Senhora Dona Heleninha
contou-me tudo. Antes desta (Mostra a carta.) já tinha recebido a sua recomendação.
ABEL - E então? O que acha Vossa Reverendíssima de tudo isto? Venço ou não venço?
CASCAIS - Não vence. Asseguro-lhe que o senhor não vence. A vitória estará sempre do lado do
Nicolau, o padrinho e tutor de Dona Heleninha.
ABEL - Mas Reverendo, esse homem não me conhece! Nunca lhe pedi, nem ele me recusou coisa
alguma!
CASCAIS - Senhor Abel, eu não sou homem de paliativos. Gosto das coisas - anda mão, enfia
dedo. Se o senhor for pedir ao Nicolau a mão da afilhada, não ganha terreno; perde, ao contrário:
escabreia o homem! O Nicolau de vez em quando retira-se de casa e vai passar um, dois, três dias na
fazenda. Deixa a casa entregue à afilhada e a afilhada aos fâmulos.
ABEL - Deveras?
CASCAIS - Deveras. Na primeira ocasião que se oferecer, tire a menina de casa e traga-a cá, que
os caso.
ABEL - Mas o Nicolau é capaz de zangar-se com Vossa Reverendíssima.
CASCAIS - Deixe estar, eu cá me arranjo... Todo o meu desejo é uni-los e para isso, envidarei
bons esforços. Agora, diga-me cá: é certo que faz mestre-escola só para estar perto de sua pretendida?
ABEL - Assim foi... Olhe que sempre fui muito atrevido.
CASCAIS - Como assim?
ABEL - Não entendo patavina da matéria em que fui examinado.
CASCAIS - Está brincando. Isso pode lá ser!
ABEL - Duvida, Reverendíssimo? Não sabe o que é empenho?
CASCAIS - Não sei, não sei! Pois se não fosse ele, o empenho, teria eu esta modesta côngrua?
ABEL - Pois o empenho e o amor fizeram responder a perguntas de gramática àquele que nem
por fora a conhecia!
CASCAIS -Horresco referens!
ABEL - Sabe quem foi um de meus examinadores? Adivinhe.
CASCAIS - Quem foi?
ABEL (A rir.) - Seu irmão.
CASCAIS - O Ambrósio! Ah! Ah! Ah!... (Dando uma pancadinha no ventre de Abel, e
arrependendo-se, gravemente.) Oh! Perdão.
ABEL - Ouça e pasme.

Rondó

Quando fiz o meu exame,


veio ter comigo o doutor
e disse: - Nada de vexame!
Sou seu examinador...

Olaré! que os professores


assim são feitos é que são!
Com tais examinadores
fazem sempre um figurão!

- Este nome, ele me disse,


que valor é que aqui tem?
Respondi-lhe uma tolice,
mas valeu-me um - Muito bem!

A mais de um adjetivo
eu chamei de conjunção;
o verbo era substantivo,

141
e o advérbio interjeição!...

Olaré! tantas sandices


de mim próprio nunca ouvi!
Olaré! mil parvoíces
disse, disse e repeti...
Repeti, e repeti...

O auditório, de espantado,
muita vez fazia assim: (Abre a boca.)
mas eu, muito sossegado,
estava bem senhor de mim!
Oh! que exame esbodegado!
Oh! que exame malandrim!
O doutor estava calmo,
mas assim como quem diz:
- Ele não enxerga um palmo
adiante do nariz...
Olaré! que vale o estudo,
se o patau consegue tudo
o que quer em meu país?
Aprovado plenamente,
minha carta, enfim tirei,
e venho escandalosamente,
ensinar o que não sei.

Olaré! minha pequena


bem contente vai ficar!
Olaré! Abel e Helena
afinal vão se juntar !

CASCAIS (Apertando-lhe a mão.) - Muito bem! Fez uma belíssima figura! Os meninos cá da
freguesia sabem, felizmente para o senhor, distinguir o adjetivo do substantivo. É o que lhe vale.
Aprenderá com eles... (Aparece o Filomeno de novo na torre, e põe-se a repicar.) Hein? Está acabado o
sermão? Depressa! (A Abel.) Vai ter o prazer de ver Dona Heleninha.
(Música na orquestra; saem os que tinham entrado na igreja, dispersam-se e desaparecem.
Helena sai por último, acompanhada sempre por Marcolina.)

Cena XII
Cascais, Abel, Helena, Marcolina e povo

CASCAIS (Baixinho a Abel, apontando para Helena) - Audaces fortuna juvats! (Entra em sua
casa. O povo tem desaparecido completamente.)

Cena XIII
Abel, Helena, Marcolina depois Cascais

ABEL (Correndo para Helena.) - Helena!


HELENA (Tomando-lhe as mãos.) - Abel! (Permanecem embevecidos, a olhar um para o outro.)
MARCOLINA (Depois de alguma pausa.) - Iaiá! (Aparece Cascais à janela de sua casa.)
HELENA - Abel!
ABEL - Helena!
CASCAIS (Consigo.) - A bela Helena... há uma tragédia com este título.

142
MARCOLINA - Iaiá, vamo prá casa.
HELENA - Vai esperar ali na esquina.
MARCOLINA - Depois sinhô velho me ralha...
HELENA - Vais ou não vais?
MARCOLINA - Tá bom! depois não quero cumo-chama. (Sai.)

Cena XIV
Abel, Helena e Cascais, à janela

ABEL - Finalmente estamos sós.


HELENA - Não imaginas como estou satisfeita!
ABEL - Mas a minha presença não basta, minha boa Helena... Teu padrinho, segundo me
informou nosso reverendo protetor, é o homem mais inexorável desta vida... Em vez de buscar ardis
que podem falhar, o melhor seria darmos logo... o golpe de estado!
HELENA - Como o golpe de estado?
ABEL - A fuga!
HELENA - A fuga!
ABEL - Fujamos, sim! Fujamos para bem longe, onde não nos possa chegar aos ouvidos a
maldição importuna que ele te há de lançar! gozemos de nosso amor no meio das florestas, ao ciciar da
brisa, ao arrular da rola, ao murmurar da cascata...
CASCAIS (Consigo) - Tytire, tu patulae recubans...
ABEL - Fujamos, sim! Oh! não me digas que não! Não tragas o desespero a este coração que é
teu, e que despedaçarias, se o contrariasses, Helena!
HELENA - Mas o que dirá dindinho, a quem devo tantos favores?... a única pessoa que me tem
valido neste mundo, e que, apesar da vontade que quer exercer em meu destino, ama-me como sem
fosse meu pai?
ABEL - E o que dirá teu amante? O que dirá aquele que, por teu respeito, deixou os prazeres
ruidosos da corte, para sepultar-se na roça?... Que, por teu respeito, expõe-se a apanhar uma carga de
chumbo, ou pelo menos, uma dita de pau, de algum malfeitor, peitado por teu dindinho?... Que, por teu
respeito, confundiu advérbios com substantivos diante de um auditório, que sabia distinguir substantivos
de advérbios?...
HELENA - Meu Abel!
ABEL - Oh! mas o que importa? Eu, nesse momento, só pensava em ti. Quem pode saber
gramática, quando sente o coração invadido pelo amor? Quem pode amar quando tem a cabeça
sublocada pela gramática?
CASCAIS (À parte.) - Coitadinho...
HELENA - Como és bonito, Abel!
ABEL (Com faceirice.) - Helena!
CASCAIS (Arremedando-o.) - Ai, gentes!
HELENA - Deixa ver-te de perfil... Vira-te um poucochito!... De três quartos agora... Como és
lindo, meu bem! Agora do outro lado... Este sinalzinho dá-te uma graça... Levanta a cabeça... Não abras
a boca... Admirável!
ABEL - Mas, afinal de contas, em que ficamos?
HELENA - Ficamos em que estou por tudo que quiseres.
ABEL - Bem, faremos por afastar teu padrinho, e, vendo-o pelas costas...
HELENA - O golpe de estado!

Cena XV
Os mesmos e Marcolina

MARCOLINA - Iaiá, iaiá, vamos embora!


HELENA - Tens razão, Marcolina. (Dá a mão a Abel.)
ABEL - Até sempre, Helena... (Pausa.) Adeus!

143
HELENA (Vai saindo e volta.) - Olha: se a desgraça...
MARCOLINA - Iaiá!
HELENA (De mau humor, a Marcolina) - Espera, diabo! (A Abel.) Olha: se a desgraça for
persistente...
ABEL - Morramos juntos! (Helena retira-se, acompanhada de Marcolina. Abel entra em casa de
Cascais, que fica só, à janela.)
CASCAIS (Levantando as mãos para o céu.) - Improbus amor, quod, mortalia pectora cogis!

Mutação

QUADRO SEGUNDO
Cena Única
Cascais, Pedrinho, Benjamim, Juca Sá, e povo, depois sucessivamente, Góis & Companhia, Alferes
Andrade, Nicolau, Helena, Pantaleão, quatro músicos italianos, depois Abel, e, afinal um feitor

CORO E MARCHA - Chega, chega, minha gente,


a casa do inteligente
literato Pantaleão!
Muita comida e bebida
(Isto é coisa decidida!)
deve haver nesta função.
(Durante o coro colocam dois negros algumas cadeiras à direita.)
GÓIS & COMPANHIA - (Entrando.)
I
- Somos Góis & Companhia
qualquer mais cotó!
GÓIS - Nos vimos um bom dia
lá no Cabrobó.
COMPANHIA - Desde então - quem tal diria?
somos dois e um só!
CORO - Eis o Góis & Companhia,
qualquer mais cotó!
II
ALFERES ANDRADE (Entrando.)
- Eis o Alferes Andrade
que vem se mostrar!
Incompatibilidade
entre o militar
e o escritor, em verdade,
ninguém pode achar!
CORO - Eis o Alferes Andrade,
bravo militar!
NICOLAU (Entrando com Helena, que vai se sentar à direita.)
III
- Eis o padrinho de Helena!
Eis o Nicolau!
Quero casar a pequena
porém, sem...(Sinal de dinheiro.)
babau!
Mas enfim não vale a pena
me fazer de mau. (Senta-se ao lado de Helena.)
CORO - Eis o padrinho de Helena!
Eis o Nicolau!

144
PANTALEÃO (Entrando.) - Este pimpão literato
é o Pantaleão!
Vou dar sem espalhafato,
uma reunião,
só para ver se combato
o ignorantão!
CORO - - Este pimpão literato
é o Pantaleão.

REPETIÇÃO DO CORO - Chega, chega, minha gente, etc.


(Durante o coro, tomam todos lugares. O povo e os músicos no fundo. Entra Abel e confunde-se
com o povo.)
PANTALEÃO - Está aberta a sessão! Tem a palavra, como presidente desta reunião, meu amigo,
compadre...
PEDRINHO -... e quase parente...
PANTALEÃO - ... Senhor Nicolau Madureira.
NICOLAU (Ergue-se. Pausa.) - Meus senhores e minhas senhoras... Não! Quero dizer: Minhas
senhoras e meus senhores... (As mulheres primeiro, depois os homens)... eu não estou acostumado...
eu não tenho o hábito... eu não tenho o hábito de falar em público... (Por esse lado nunca irei à
glória)... Meus senhores... Minhas senhoras e meus senhores... Não!... meus... minhas... eu não tenho o
hábito de falar em público... de falar em público... em público...
ALFERES ANDRADE - Está bom! Já se sabe!
NICOLAU - Minhas senhoras e meus senhores, ei não tenho o hábito de falar em público... eu não
tenho o hábito... (Hilaridade. Nicolau protesta.) ... O hábito da rosa! (Baixo a Helena.) Isto foi para não
dizer sempre a mesma coisa... (Aos circunstantes.) Eu não tenho a prática... (Satisfeito por ter achado
outro termo.) A prática! a prática!... Eu não tenho a práticas das lides
oratórias... Consenti, minhas senhoras e meus senhores, que eu presida sem falar e que aqui o
compadre Pantaleão fale sem presidir. (A Pantaleão.) Compadre, restituo-lhe a palavra! Mande vir um
copo de água para molhar a minha. (Pantaleão faz um sinal a um negro que sai. Nicolau senta-se.
Silêncio.)
PEDRINHO - Fale o dono da casa.
TODOS - Apoiado. (O negro volta; traz uma bandeja com dois copos d'água. Nicolau serve-se de
um e Pantaleão toma conta de outro.)
PANTALEÃO (Erguendo-se e deitando o copo sobre a cadeira em que estivera sentado.) - Povos
desta freguesia, não é a uma festa vulgar que aqui vindes assistir! Não se trata de batizar alguma
criança, isto é, de encher o pandulho à minha custa! (Bebe um gole de água.)
PEDRINHO - Mesmo porque, se houvesse rega-bofes, a entrada não seria franca...
BENJAMIM - Não interrompas o orador! Adiante!
PANTALEÃO- Este dia é especialmente consagrado às coisas da inteligência! Nós temos
capitalistas, proprietários, fazendeiros, negociantes, etc; mas ah! não temos literatos!...
TODOS - Apoiado! Apoiado!
PANTALEÃO - Esta freguesia embrutece-se! (Bebe um novo gole d'água.)
TODOS - Apoiado! Apoiado!
PEDRINHO - Viva a adesão!
PANTALEÃO (Apontando para Pedrinho, Benjamim e Juca Sá.) - Aqui estão estes senhores: três
estudantes, isto é, três homens do futuro! Os moços que a pátria contempla com alguma esperança, que
vivem mais em contato do que nós com a literatura, que são da corte, que o digam: Meninos...
mancebos! em algum dos que aqui estão achais uma fisionomia que indique as longas noites de
insônia passadas na companhia amiga de um bom livro?
PEDRINHO (A Benjamim e Juca Sá.) - Vamos procurar! (Examinam, cada um de seu lado, as
caras dos circunstantes e voltam a seus lugares. O Alferes Andrade fica muito despeitado.) O senhor
vigário é o que tem a melhor cara
BENJAMIM - Nem uma olheira!

145
JUCA SÁ - Nada!
PANTALEÃO - E, caramba, isto é uma pouca vergonha!... (Com o caramba! de Pantaleão alguns
se assustam. Góis & Companhia, que estavam a cochilar, caem sentados. O alferes desembainha
instintivamente a espada. Restabelece-se o silêncio.) A fim de descobrir entre nós homens de talento foi
que instituímos este concurso. Todos, sem distinção alguma, serão igualmente admitidos. (Bebe outro
gole d'água.) São três as provas de hoje: decifrar uma charada, responder a uma pergunta enigmática e
glosar um mote. Quem glosar o mote, responder à pergunta e decifrar a charada, receberá das mãos da
Senhora Dona Helena, este livro... (Entrega a Helena um exemplar impresso da Filha de Maria Angu.)
PEDRINHO - E que livro é esse? Dá licença? (Toma o livro e lê o título.) A Filha de Maria Angu.
ALFERES ANDRADE - Ora via! Uma paródia! uma paródia!...
NICOLAU - E o que tem que seja uma paródia?
ALFERES ANDRADE - Vi-a representar... É a maior bagaceira... (Com energia, puxando pela
espada.) E não me digam que não é!...
NICOLAU - Quem foi que disse, Seu Alferes? Guarde a durindana, homem!
ALFERES ANDRADE - É assim que o Senhor Pantaleão de los Rios quer fazer literatos: dando-lhes
de presente A Filha de Maria Angu!
PEDRINHO - Não seja tolo, Seu Alferes!
ALFERES ANDRADE (Tirando a espada.) Isso é sério?
PEDRINHO - Muito sério!
ALFERES ANDRADE (Embainhando a espada.) - Eu logo vi! Comigo ninguém brinca...
NICOLAU - Ora ali está uma espada de que não se pode dizer: -Nunca saiu da bainha.
PANTALEÃO - Eu continuo! Meus senhores, ânimo! Puxai pela inteligência! Disputai gloriosamente
A filha de Maria Angu! (Aos músicos.) E vós, ilustres maccaroni, fazei vibrar as cordas de vossas harpas
e rabecas! (Bebe água.)
TODOS - Apoiado! A música! A música! (A música toca desafinadamente.)
NICOLAU - Excelente orquestra, compadre!
PANTALEÃO - Meia dúzia de maccaroni, que estão de passagem na freguesia... Tocam
regularmente... (Outro tom.) Vamos principiar a luta da inteligência. (Tirando do bolso um periódico.)
Neste número da Gazeta de Notícias acha-se a charada. (Tirando outro periódico.) Neste, a decifração.
(Dando uma das gazetas a Nicolau.) Leia compadre: é a que está marcada à margem.
NICOLAU (Lendo.) "Assuntos do dia... Houve grande rolo ontem na Rua de São Jorge... A
feiticeira vermelha..." Não é isso! "O nosso amigo..." Onde está? Ah! "Charadas", cá está ela! (Lendo.)
"Uma, três. Tomo esta fazenda, sento-me nela; tem graça!"
PEDRINHO - Convém observar que a charada é da novíssima reforma; portanto "Tomo esta
fazenda...
ALFERES ANDRADE (Triunfante.) - Eu sei, eu sei!... Eu sei o que é!...
PANTALEÃO (Em tom de zombaria.) - Então você sabe o que é?
ALFERES ANDRADE - Sei! quem é que diz que não sei?... (Tirando meia espada.) "Tomo esta
fazenda... (Aponta com malícia para Helena.) Ora, quem há de ser a fazenda?
PANTALEÃO - Isto é de mau gosto, seu alferes. Está enganado! Vamos: "Toma esta fazenda,
uma..."
GÓIS - Uma... uma o quê?
PANTALEÃO - Uma sílaba! É boa!
GÓIS - O quê? a sílaba?
COMPANHIA - Não; ele disse - É boa -, assim como quem diz - É burro.
PANTALEÃO - Tomo esta fazenda, sento-me nela, três...
GÓIS - Três o quê?
COMPANHIA - Cala-te.
PANTALEÃO - O conceito: - Tem graça...
GÓIS - Não acho.
NICOLAU (Repetindo, de mau humor.) - "Uma, três. Tomo esta fazenda e sento-me nela; tem
graça!"
PANTALEÃO - Vamos! vamos! É matar no ar.

146
GÓIS - Mosca!
COMPANHIA - Pilhéria!
ALFERES ANDRADE - Paródia
PANTALEÃO - Fala cada um por sua vez! Quem disse - mosca?
GÓIS - Fui eu.
PANTALEÃO - Como é que explica?
GÓIS - O senhor disse que era de matar no ar. O que é que se mata no ar? (Como quem mata
uma mosca.) Mosca...
NICOLAU - Mosca me parece você.
PANTALEÃO - Quem disse pilhéria?
COMPANHIA (Timidamente.) - Fui eu, mas retiro a expressão.
ALFERES ANDRADE- Eu disse paródia! E ele é! O que é que tem graça? Paródia! (Murmúrios.)
PANTALEÃO - Venham outros! Então? Ninguém? (Todos se põem a pensar. cascais, Pedrinho e
Pantaleão são os únicos que observam.)
ABEL (Apresentando-se.) Dá licença?
PANTALEÃO - Pois não! A entrada é franca! (À parte.) Quem será?
NICOLAU - Decifrou a charada? (À parte.) Quem será?
ABEL - Sim, senhor. Tomo esta fazenda: brim; sento-me nela, cadeira...
ALFERES ANDRADE (Interrompendo.) - Brincadeira! Brincadeira! Achei!
ABEL - Brincadeira, sim.
ALFERES ANDRADE (Triunfante.)- Fui eu que disse!
PANTALEÃO - Seu alferes, está ficando insuportável! Cale-se!
ALFERES ANDRADE (Tirando a espada.) - Insuportável! retire a expressão!
PANTALEÃO - Ora, deixe-se disso.
ALFERES ANDRADE (Tranqüilamente.) - Está bom. (Guarda a espada.)
HELENA (Satisfeita, à parte.) - Foi ele, foi ele!
NICOLAU - O que tem você, menina? Parece estar sentada em alfinetes!
PANTALEÃO - Toque a música! (Música dos italianos.) Vamos agora à pergunta enigmática.
(Dando um papel a Nicolau.) Leia, compadre.
NICOLAU (Lendo.) - "Que diferença há entre o senhor vigário e um rei?"
ALGUNS - Nenhuma! Nenhuma!
CASCAIS - Como nenhuma?
ALFERES ANDRADE (Triunfante.) - Nenhuma! nenhuma!... Desta vez achei!
GÓIS - Eu sei: é que o senhor vigário diz missa e um rei ouve.
COMPANHIA - É que um rei é barbado e seu vigário não é. (Aparece Abel.)
HELENA - Ele! ele!...
NICOLAU - O que é isso, menina? (A Abel.) O senhor sabe a diferença?
ABEL - Sim, senhor.
NICOLAU (À parte.) - Este diabo tem cabeça!
ABEL - Deixai-me dizer-vos, senhores,
que a diferença é bem certa:
o rei tem c'roa fechada
e o padre tem c'roa aberta.
TODOS - Muito bem! Muito bem! (Abel é cumprimentado.)
PANTALEÃO - Um belo improviso!
PEDRINHO - Toquem a música. (Os italianos obedecem.)
PANTALEÃO - Agora o mote: (Dando outro papel a Nicolau.) - Compadre, leia...
NICOLAU - Eis o mote. (Lendo.) "Meu bem será sempre meu."
ALFERES ANDRADE - Ora, isto é fácil! Eu já adivinhei!
PEDRINHO - Adivinhou o quê, seu Alferes?
ALFERES ANDRADE - Adivinhei o mote!
PEDRINHO (À parte.) Forte bruto! (Alto.) Pois diga.
ALFERES ANDRADE (A Nicolau.)- Como é a adivinhação?

147
NICOLAU - Que adivinhação?
ALFERES ANDRADE - O mote.
NICOLAU (Maçado.) - "Meu bem será sempre meu."
ALFERES ANDRADE -(Depois de repetir, com ênfase.)
Eu juro por tudo quanto é mais sagrado
eu juro por meu pobre pai que há muito já morreu
que meu bem será sempre meu!
PEDRINHO - Pode limpar as mãos à parede!
PANTALEÃO - Isso não são versos, meu amigo!
ALFERES ANDRADE - Então o que são?
PEDRINHO - Ora cale-se! (Gesto do Alferes Andrade.)
COMPANHIA - Dá licença?
PANTALEÃO - Diga.
COMPANHIA (Com lirismo.) - Na brisa dos meus ardores,
dos belos anjos de Deus,
cai um fonte nas flores,
meu bem será sempre meu.
PANTALEÃO (Depois de uma pausa. A Nicolau.) - Você entendeu, compadre?
NICOLAU - Homem, não entendi... mas os versos me parecem harmoniosos...
PANTALEÃO - Tenha paciência, repita.
COMPANHIA (Com certo receio.) - Na brisa dos meus ardores
dos belos anjos de Deus
PEDRINHO - cai uma fonte nas flores
meu bem será sempre meu.
É harmonioso, mas não tem sentido. Você há de fazer escola, você há de fazer escola!
GÓIS (Avançando timidamente.) - Brincadeira!
PANTALEÃO - Saia, saia! (Abel aparece.)
HELENA - Ele outra vez! Ele!
NICOLAU - O que é isto, menina?
ABEL - Dirijo-me ao Senhor Nicolau Madureira e a esta interessante senhora...
HELENA - Fale, fale!
NICOLAU - Menina!
ABEL - ... e digo:
Que importa um tutor das dúzias
um desalmado tutor
as suas bênçãos recuse-as
a meu puro e casto amor,
se no peito casto e puro
um coração tenho eu,
porque baixinho murmuro:
- no presente e no futuro
meu bem será sempre meu!
TODOS - Muito bem! muito bem!
HELENA (Depois das mais) - Muito bem!
NICOLAU - Menina!
PANTALEÃO - O que diz dos versos, compadre?
NICOLAU - Homem, aquela alusão aos tutores... Isso quanto à essência. Quanto à forma, não há
o que se lhe diga.
PANTALEÃO (Dirigindo-se a Abel.) Dou-lhe sinceros parabéns, senhor... Como se chama?
ABEL - Abel de Souza Faria.
PANTALEÃO - Ah! então é o professor, cuja nomeação me foi comunicada, como delegado
literário que sou?..
ABEL - Sou eu mesmo.

148
PANTALEÃO - Então, viva o novo professor!
TODOS - Viva! viva! Toca a música! Viva!

FINAL

CORO - Bravo, meu caro professor!


Do prêmio foi merecedor!
Bravo, meu caro professor.
ALFERES ANDRADE (Com raiva.) - Eu fiz figura má...
PANTALEÃO - Caramba! me venceu!...
ABEL - O prêmio! Venha o prêmio! O vencedor fui eu!
TODOS Venceu!
HELENA (À parte.) - Mete Abel, por ser tão belo,
a todos num chinelo!
ABEL - Venha o meu prêmio!
TODOS - Venha esse prêmio!
sem mais proêmio!
HELENA - Pois um ditado,
muito acertado,
o prometido
diz que é devido.
TODOS - Demos-lhe o prêmio!
NICOLAU (Amável a Abel.) - Há de deixar que o presidente
sinceramente
o cumprimente...
Folguei de descobrir
que tem ilustração
quem vem distribuir
a pública instrução
nesta povoação.
(A Helena.) Olha esse prêmio que saia!
HELENA - - O prêmio aqui está! (Nicolau tropeça.)
Não caia!
TODOS (Enquanto o livro é entregue por Helena A Abel.)
- Bravo, meu caro professor, etc.
NICOLAU (A Abel.) - Às suas ordens nossa casa está
Sem cerimônia, pois não há senhoras,
vá hoje mesmo jantar lá.
HELENA (Com sentimento.) - Nós jantamos às três horas...
Para a mesa vamos às três horas...
ABEL (Cortesmente) - Eu pontual serei;
às três horas não faltarei.
HELENA (À parte.) - Ai! que prazer o meu!...
Jantar ao lado seu!
CASCAIS (Baixo a Abel.) - Então, está contente?
ABEL (Baixo a Cascais.) - Mais estaria, certamente,
se o Nicolau 'stivesse ausente!
De nós afaste este sandeu,
conforme já me prometeu.
CASCAIS (No mesmo.) - Ainda não; depois...
Não passe de nós dois...
(Ouvem-se fora vozes confusas e tropel de animal.)
PANTALEÃO - Estranhos ruídos.

149
milhões de alaridos
a nossos ouvidos
eu sinto morrer!
TODOS - Nós todos ouvimos,
nós todos sentimos,
mas não descobrimos
o que possa ser!
O FEITOR (Entrando pelos fundos.)
- Eu caio aqui como uma bomba
para trazer notícia má!
Seu Nicolau, não faça tromba!
TODOS - Vamos ouvir... O que será?!
NICOLAU (Declamando.) - É o feitor lá da fazenda!
O FEITOR - Vim a galope de longe anunciar
um caso de espantar!
Oh! que desgraça horrenda!
Houve um levantamento
e muito violento...
NICOLAU (Declamando.) - Aonde? quando, homem de Deus?
O FEITOR - Esta manhã, lá na fazenda!
NICOLAU - Bom! vou partir pra fazenda!
HELENA - Dindinho, vá para a fazenda!
ABEL (A Cascais.) - Então? Que diz? Nem de encomenda!
NICOLAU - Que maço! partir pra fazenda!
ALFERES ANDRADE - Vá s'embora pra fazenda!
TODOS (Cercando Nicolau.) - Vá pra fazenda!
Vá, vá!
vá já!
HELENA - Vá já, meu dindinho;
é bom o caminho...
(Consigo.) Ah! ah!...
Vai-se o dindinho de Helena;
e ela vai ficar...
Ai! com certeza a pequena
há de aproveitar
Sim, porque não vale a pena
desaproveitar
Vai-se o dindinho de Helena
Helena vai ficar!
TODOS (A Nicolau.) - Vá pra fazenda!
Vá, vá!
Vá já!
ABEL - Senhor, atenda:
Vá pra fazenda!
Não se arrependa!
TODOS - Vá sem tardar,
sem demorar!
Corre! corre, ó Nicolau!
Segue! segue o teu feitor!
Corre, corre tudo a pau!
Volta, volta vencedor!
(Durante o coro, carregam Nicolau com um grande capote, mala, guarda-chuva, botas de
montar, chicote e chapéu de palha. Despedidas de Nicolau e Helena.)

150
[(Cai o pano)]
ATO SEGUNDO
QUADRO TERCEIRO
O VÍSPORA
Sala de engomar em casa de Nicolau. Ao fundo, porta, deitando para o, quintal, e no meio de um
parapeito com janelas envidraçadas. Portas laterais. Canapé à direita. Na tábua de engomar, ao fundo,
está estendida uma peça de roupa branca. Cadeiras. É noite.

Cena I
Helena, Marcolina e moças

CORO DAS MOÇAS - Por que razão, ó Dona Helena,


tão triste está que causa pena?
Diga-nos já, e ao seu penar
talvez possamos consolar.
MARCOLINA (Deixa o seu trabalho e vem também para junto de Helena.) - Iaiá, não 'steja assim
tão triste.
HELENA - Meu Deus! Meu Deus! o meu coração não, resiste
a tamanha dor
a tanto dissabor!
Eu desejava neste instante
a solidão corroborante;
portanto, se de mim tiverem dó,
dois minutos ou três deixem-me só...
MARCOLINA - Mas quem 'sta assim amargurada
deve ser acompanhada.
CORO DAS MOÇAS - Fique só, já que não quer, ó Dona Helena
nos confiar sua pena.
Sim, como quer sozinha estar,
vamos embora sem tardar.
(As moças retiram-se pela esquerda. Marcolina põe-se de novo a engomar, cantarolando alguma
cantiga da roça.)

Cena II
Helena e Marcolina

HELENA - Marcolina?
MARCOLINA (Deixando o trabalho.) - Iaiá?
HELENA - Cala-te!
MARCOLINA - Iaiá não vai pra sala?
HELENA - Não.
MARCOLINA - Iaiá. isso não é bonito! As moças vêm visitar vossem'cê e vossem'ecê pede a elas
que se retire! Os brancos tudo rumado lá na sala e vossem'cê não vai pra lá! Ué!
HELENA - Quem está lá dentro?
MARCOLINA - Seu Pantaleão, Seu Arfere, Seu Pedrinho, aqueles dois estudante da cidade,
aqueles dois lojista da rua do Imperadô, e que andam sempre cumo unha com carne, e mais um
punhado deles. Tá tudo na sala, e vosssem'cê metida na sala do engomado, no lugar das pretas...
HELENA - Essa gente toda, se vem aqui, não é por minha causa, mas por amor do víspora.
MARCOLINA - Vossem'cê deve ir conversar com eles, porque sinhô velho tá na fazenda.
HELENA - Cala-te.
MARCOLINA - Iaiá, arrefrita...
HELENA - Essa gente toda me aborrece...

151
MARCOLINA - Mas o que quer?
HELENA - Se me favorecessem com sua ausência...
MARCOLINA - Sinhô véio, quando vortá, não há de gostá dessa farta de cumo-chama.
HELENA - Não quero sentenças, ouviu?
MARCOLINA - Tá bom, tá bom...
HELENA - Vá para a cozinha!
MARCOLINA (À parte.) - Cabeça dela tá virada por aquele marreco dess'outro dia... (Vai saindo, e
olha para o quintal.) Então? Quando uma coisa me parpita...(Alto.) Iaiá?
HELENA - O que é? Ainda aí estás?
MARCOLINA - Faça favô de vim na jinela; veja quem tá ali...
HELENA (Erguendo-se pressurosa.) - Aonde? aonde?
MARCOLINA - No quintal... (À parte.) O moleque sartou pelo muro...
HELENA (Chegando-se à vidraça.) - Quem é? (Vendo.) Ah!...
MARCOLINA - O que iaiá vai fazê?
HELENA (Consigo.) - Meu Deus! meu Deus! dai-me forças!
MARCOLINA - Iaiá vai mandá ele entrá?
HELENA (No mesmo) - Ó céus! Não posso sustentar por mais tempo esta luta entre o amor e o
dever... E nada me lembra... nada me ocorre... Não tenho uma pessoa que me ouça, que me
aconselhe... (Com uma idéia.) Ah!
MARCOLINA (À parte.) - Hoje é dia dos ah! Iaiá já sortou dois...
HELENA - Vá ao quarto de dindinho e traze o seu retrato, que está pendurado na parede.
MARCOLINA - O retrato?
HELENA - Sim! Avia-te!
MARCOLINA - Mas o que iaiá vai fazê com o retrato de sinhô véio?
HELENA - Não tenho que dar satisfações! Vá e volte já!
MARCOLINA - Tá bom, tá bom; (À parte.) Um... (Sai.)

Cena III
Helena

HELENA - Talvez que, tendo presente a imagem daquele que eu desejava estivesse presente,
possa evitar as seduções daquele que eu estimava fosse o meu futuro. Ah! meu Deus! fiz um trocadilho
no estado em que me acho!

Cena IV
Helena e Marcolina

MARCOLINA (Trazendo um enorme retrato de Nicolau.) - Aqui está!


HELENA - Bom. Deita-o sobre aquela cadeira. (Marcolina obedece.) Fecha aquela porta.
MARCOLINA (Hesitando.) - Pra quê, iaiá?...
HELENA (De mau humor.) - Fecha aquela porta!
MARCOLINA - Tá bom...(Vai fechar a porta da esquerda.)
HELENA - Retira-te.
MARCOLINA - O que é que iaiá vai fazê?
HELENA - Não é da tua conta.
MARCOLINA - Mas sinhô véio...
HELENA - Já viram desavergonhada mais teimosa?
MARCOLINA - Iaiá vai pintá o sete, e depois...
HELENA - Hein?
MARCOLINA - Tá bom; depois não quero cumo-chama comigo. (Sai)

152
Cena V
Helena

[HELENA] (Toma nas mãos o retrato do padrinho e, depois de contemplá-lo largo tempo, exclama
com entonação dramática.) - Ó meu querido, meu venerado ! (Outro tom.) Este retrato está muito bem
apanhado... Para macaco falta-lhe... Não lhe falta nada...(Tragicamente) Ó meu venerável padrinho, por
que te ausentaste? Não me deixaste outra guarda mais do que Marcolina e minha consciência... Tanto
minha consciência como Marcolina são fracas, e meu coração é tão forte! Oh! eu também fazia coro com
aquela gente! Oh! eu também te dizia. - Vá pra fazenda! vá pra fazenda! Quanto me pesa haver
contribuído também para tua ausência inoportuna... (Vai colocar o retrato onde estava.)

Coplas
I
Dindinho foi para a fazenda:
deixou-me ficar sobre mim...
Queira Deus que não se arrependa
de ser tão imprudente assim!
Por isso que vítima imbele
de um grande amor, pois sou mulher,
se vejo Abel, fujo com ele,
fujo com ele, haja o que houver,
diga dindinho, o que disser
(Dirigindo-se ao retrato.) Por quê, por quê
dindinho, vossam'cê
sozinha me deixou
aqui me abandonou?...
II
O ser honesta e ter bom senso
é minha preocupação;
mas ao romance é bem propenso
meu machucado coração..
Não devo, sei, fugir de casa
de quem me adora como pai;
mas sinto lacerante brasa
que no meu peito ardente cai...
Amor me chama, amor me atrai

Por quê, por quê,


dindinho, vossam'cê
sozinha me deixou,
aqui me abandonou?

- Agora sinto-me forte. Pode vir, Senhor Abel, pode vir! (Apontando para uma trouxa que
deve estar debaixo do canapé.) Ah! se ele soubesse que já tenho a trouxa pronta... (Abre a porta do
fundo e acena para fora) Ele aí vem... coragem!

Cena VI
Helena, Abel, depois Marcolina

ABEL (Apertando com efusão as mãos de Helena.) Como estás, meu anjo?
HELENA - Abel, que imprudência!
ABEL - Não me crimines: estou autorizado por ti... (Pausa.) Então? estás pronta?
HELENA (Estremecendo.) - Pronta? para quê?

153
ABEL - Para... Faze-te agora de esquerda...
HELENA - Não me lembro...
ABEL - Helena?
HELENA - Abel?
ABEL - Estás zangada comigo?
HELENA - Não.
ABEL - Só fala por monossílabos! (À parte.) É a única coisa que sei de gramática... (Alto.) Não
temos tempo a perder... Vamos!
HELENA - Meu Deus!
ABEL Hesitas?
HELENA - Não sei...
ABEL (Depois de pequena pausa.) Helena, a ocasião não pode ser mais favorável. Arranja a
trouxa... Ainda não arranjaste a trouxa?
HELENA (Estremecendo e olhando de soslaio para trouxa.) - Mas...
ABEL - Pois arranja depressa a trouxa e partamos. Daqui a meia hora temos um trem.
HELENA - Meu amigo...
ABEL - Tens escrúpulos?
HELENA - Ouve cá: não seria melhor revelarmos o segredo do nosso amor a dindinho? (Aponta
para o retrato.)
ABEL (Dando com o quadro.) - Ah! pois não! É o que menos custa! (Tirando o chapéu e com toda
a cortesia, ao retrato.) Meu caro Senhor Nicolau, participo-lhe que eu e a senhora sua afilhada nos
amamos... e fugimos...
HELENA - Não zombes, Abel! Quem sabe o resultado de uma revelação que lhe fizéssemos?
Donde não se espera...
ABEL (Enterrando o chapéu na cabeça e em tom resoluto.) - Dize-me cá: já te achaste algum dia
em presença de um homem que trouxesse uma resolução?
HELENA - Metes-me medo!
ABEL - Pois olha: eu trouxe uma resolução, entendes? Não te digo mais nada...
HELENA - Abel, se te mereço piedade...
ABEL - Vamos! Arranja a trouxa!
HELENA - Ah! mas não serás capaz...
ABEL - Tu sabes que sou muito atrevido! Quem se apresentou candidato à cadeira de primeiras
letras desta freguesia, sem saber pitada de gramática, é capaz...
HELENA (Assustada.) - De quê?
ABEL - Vais ver! (Avança para ela.)
HELENA (Evitando-o, a gritar.) - Marcolina! Marcolina!...
MARCOLINA (Entrando.) - Iaiá chamou?
HELENA (A tremer.) - Nada é... nada é...
ABEL (Descobrindo-se.) - Vejo que me enganei... Supus que sua palavra não voltava atrás...
Adeus! Oh! mas ainda me resta um meio...
HELENA _ Qual é?
ABEL - Veremos... (Cobre-se e sai resolutamente.)
HELENA (Depois de pequena reflexão, como que caindo em si.) - Marcolina! Marcolina! vai ter
com ele!
MARCOLINA - Com ele quem?
HELENA - Com esse moço que acaba de sair daqui; chama-o!
MARCOLINA - Iaiá!
HELENA - Dize-lhe que já tenho a trouxa pronta...
MARCOLINA - Ué!
HELENA - Vai depressa!
MARCOLINA - Nada! Não me meto em fundura! Não quero cumo-chama comigo. (Música.) Olhe:
aí vem os brancos... Vêm pro víspora.
HELENA - Malditos amoladores! Não podem jogar em outro lugar! Vai abrir a porta.

154
(Marcolina abre a porta da esquerda, vai colocar-se ao fundo da cena. Helena senta-se no
canapé.)

Cena VII
Helena, Marcolina, Pantaleão, Alferes Andrade, Góis & Companhia, Cascais, Pedrinho, Benjamim, Juca
Sá e visitas

(O Alferes Andrade tem trazido grande quantidade de cartões para o jogo do víspora. Trazem a
mesa para centro da cena e preparam o jogo.)

CORO - Joguemos por distração,


mas... pelo sim, pelo não,
companheiros folgazões,
paguemos só dois tostões
por cartão tão tão tão tão!
CASCAIS (Aproximando-se de Helena.) - O que é que tem, Dona Heleninha? Tão retirada hoje...
HELENA - Desculpe, se não apareci. O padre bem sabe...
CASCAIS (Em voz muito alta.) Sei! Uma forte enxaqueca... (Baixinho.) Em que ficaram?
HELENA - Não tenho ânimo; é-me impossível abandonar assim a casa de dindinho...
CASCAIS - Está bem, minha senhora: ad impossibilia nemo tenetur...
HELENA - Dê-me um conselho, padre.
CASCAIS - Já lhe dei um conselho; não lhe digo mais nada, porque conheço Nicolau como as
palmas de minhas mãos...
HELENA - Aí, padre! Vossa Reverendíssima nunca amou!
CASCAIS - De mínimis non curat proetor...
PANTALEÃO (Sentando à mesa.) - Já vieram notícias do compadre?
CASCAIS - Cá está ele...(Pega no retrato e vai colocá-lo a um canto da cena.)
HELENA - Nenhuma.
PEDRINHO - É sinal que não há novidade.
ALFERES ANDRADE (Impaciente.) Começa o víspora ou não?
BENJAMIM - Ao que parece, o Senhor Alferes dá o beicinho pelo víspora.
ALFERES ANDRADE - E o que lhe importa a você, seu pelintra?
BENJAMIM - Não seja malcriado!
ALFERES ANDRADE (Tirando a espada.) - Até este fedelho!
BENJAMIM (Fazendo-lhe uma careta.) - Uh!
ALFERES ANDRADE (Guardando tranqüilamente a espada.) - Vamos ao víspora. (Hilaridade.)
Cada cartão custa dois tostãos.
PEDRINHO - Tostãos! Ah! Ah! Ah!
ALFERES ANDRADE - Tostões! Arre! Não puxo pela espada porque estou com as mão ocupadas.
(Procede à separação dos cartões.) Quantos quer, seu vigário?
CASCAIS - Se quer que lhe fale com franqueza, Senhor Alferes: eu não gosto de jogar com o
senhor...
ALFERES ANDRADE - Por quê? Por quê?
CASCAIS - O outro dia, no solo, o senhor foi mão três vezes seguidas! Eu não disse porquê,
enfim...
ALFERES ANDRADE - Então, cuida que para ser mão só padre? Quantos cartões quer?
CASCAIS - De cá lá dez. Aqui tem dois mil réis. (Recebe os cartões e paga-os - mão lá, mão cá.)
PANTALEÃO - Dê-me outros dez. (Paga e recebe-os.)
PEDRINHO - Quem me empresta dez tostões? (Fazem-se todos desentendidos.) Quem me
empresta dez tostões? (Aproxima-se de Helena, que está pensativa.) Ó Dona Helena, a senhora me
empresta dez tostões?
HELENA (Despertando de sua cisma.) - Hein?
PEDRINHO (Impaciente.) - A senhora me empresta dez tostões?

155
HELENA - Empresto. (Dando-lhe uma nota.) Aqui tem dois mil réis; com os outros dez tostões
compre cinco cartões para mim. (À parte.) Talvez me distraia.
PEDRINHO (Ao Alferes.) - Dê cá cinco. (Recebe e paga.) Quantos queres, ó Juca Sá?
JUCA SÁ - Dez. (Compram, etc.)
GÓIS (Ao sócio.) - Quantos queres?
COMPANHIA - Quantos quiseres.
GÓIS - E quantos hei de querer?
COMPANHIA - Dez para cada um.
GÓIS - Então dez e dez... dez e dez são... (Calcula.)
COMPANHIA (Contando nos dedos.) - Dez, onze, doze, treze, quatorze, quinze, dezesseis,
dezessete, dezoito, dezenove, vinte, vinte e um...
GÓIS - Já basta! Dez e dez são vinte. (Ao Alferes.) Dê cá vinte, Seu Alferes Pancada... quero
dizer, Andrade.
ALFERES ANDRADE (Tirando meia espada.) - Eu dou-lhe mais são vinte espadeiradas! (Guarda a
espada tranqüilamente e dá os cartões.) Dê cá quatro mil réis. (Góis paga. Acham-se todos munidos dos
competentes cartões.) Quem mais quer? quem mais quer?
PEDRINHO - Já todos tem... Vamos com isso!
ALFERES ANDRADE (Estendendo muitos cartões que restam diante de si.) - Tomem lugares!
(Remexendo os números em um saquinho.) Vamos principiar!
CASCAIS (Ao Alferes.) - Mas, com licença, o senhor não pagou!
ALFERES ANDRADE - Como não paguei?...
PEDRINHO - Ainda não, senhor!
TODOS - Não, senhor! Pague! Pague e não bufe!
ALFERES ANDRADE - Pois vá lá... pela segunda vez! Contra força não há resistência. (Tirando
dinheiro.) Cá está! (Marcolina sai pela direita.)
PEDRINHO - Esta nota ainda não está recolhida?
ALFERES ANDRADE - Eu é que te recolho já esta espada no bucho! Falta um tostão! Quem
empresta um níquel?
PANTALEÃO - Ninguém.
ALFERES ANDRADE - Pois bem: quem tirar a mesa tem o direito de me exigir um níquel!
BENJAMIM - Mas haverá crédito?
ALFERES ANDRADE - Menino, eu sou comandante de um destacamento!
BENJAMIM - Folgo muito.
CASCAIS - Se a dificuldade é um níquel, dignus est entrare.
(Marcolina, que tinha saído, volta com um saco de milho, do qual distribui um punhado a cada
jogador. Os personagens estão colocados do seguinte modo: Helena, no canapé em que já estava
sentada, estende seus cartões. No canapé, onde cabem duas pessoas, vai sentar-se também outra
moça. Cascais puxa uma cadeira para a boca de cena e coloca seus cartões sobre a cúpula do ponto. A
banca é ocupada pelo Alferes, no centro, e nos dois lados por Pantaleão e Pedrinho. Góis senta-se numa
cadeira e estende os cartões no chão. O sócio vai buscar o retrato de Nicolau, coloca-o nas costas de
Góis, e, de pé, por trás da cadeira, espalha seus cartões na tela do retrato. Benjamim e Juca Sá sentam-
se no chão defronte um do outro. Na tábua de engomar devem jogar três ou quatro moças. Os mais
distribuem-se por todos os lados. Marcolina vai guardar o saco de milho e, quando volta, coloca-se por
trás do canapé.)
ALFERES ANDRADE (Depois de contar o dinheiro que está sobre a banca.) - Vamos! A banca é de
vinte e quatro mil e setecentos... Com o tostão que estou a dever, vinte e quatro mil e oitocentos.
Pronto.
TODOS - Pronto!
ALFERES ANDRADE - (Remexendo no saco e tirando um número.) - Sete.
ALGUNS - Sete! (Uns marcam, outros não, - assim por diante.)
ALFERES ANDRADE - (Remexendo no saco e tirando um número.) - Sessenta e nove... Não! não!
Ou é!...
PEDRINHO - Veja no que fica!

156
ALFERES ANDRADE - Eu não sei se é sessenta e nove ou noventa e seis...
PANTALEÃO - Deixe ver: é sessenta e nove.
CASCAIS - Ligere et non inteligerre, burrigere est.
ALFERES ANDRADE - (Remexendo no saco e tirando um número.) - Muito obrigado! Oitenta e
oito.
ALGUNS - Oitenta e oito.
ALFERES ANDRADE - (Remexendo no saco e tirando um número.) -Vinte!
ALGUNS - Vinte.
ALFERES ANDRADE - (Remexendo no saco e tirando um número.) - Trinta e seis!
ALGUNS - Trinta e seis.
CASCAIS - Duque.
ALFERES ANDRADE - (Remexendo no saco e tirando um número.) - Noventa e nove!
PEDRINHO - Olha que é sessenta e seis...
ALFERES ANDRADE - É verdade: sessenta e seis!
BENJAMIM - Terno.
ALFERES ANDRADE - (Remexendo no saco e tirando um número.) - Dois!
ALGUNS - Dois
ALFERES ANDRADE - (Remexendo no saco e tirando um número.) - Noventa!
PANTALEÃO - Terno
ALFERES ANDRADE - (Remexendo no saco e tirando um número.) - Doze!
ALGUNS - Doze.
ALFERES ANDRADE - (Remexendo no saco e tirando um número.) - Vinte e quatro!
CASCAIS - Terno.
ALFERES ANDRADE - (Remexendo no saco e tirando um número.) - Quatorze! (Desta vez
ninguém responde.) - Quatorze!
CASCAIS - Ciente.
ALFERES ANDRADE - (Remexendo no saco e tirando um número.) - Sessenta e quatro!
CASCAIS - Venha a boa!
ALFERES ANDRADE - (Remexendo no saco e tirando um número.) - Trinta (Com força.) Víspora!
TODOS - Hein?
ALFERES ANDRADE (Muito tranqüilamente.) - Quero dizer: duque... (Gritando.) Um!
GÓIS (Levantando timidamente a cabeça e em tom de lástima.) - Terno
ALFERES ANDRADE - (Remexendo no saco e tirando um número.) - Vinte e três!
PANTALEÃO - Venha a boa!
ALFERES ANDRADE - (Remexendo no saco e tirando um número.) - Oitenta e seis!
PANTALEÃO (Erguendo-se enfurecido.) - Por um ponto! (Batendo o pé com toda a força.) -
Caramba!
(Góis & Companhia assustam-se e cai um por cima do outro. Caindo, Góis enterra a cabeça na
tela do retrato, que lhe fica em volta do pescoço. Confusão geral, Helena deita as mãos na cabeça.
Marcolina tira o retrato, leva-o para dentro e volta.O Alferes aproveita-se da confusão para procurar no
saco o número que lhe convém. Só Pantaleão vê esta trapaça.
ALFERES ANDRADE (Achando o número.) - Dez! Víspora! Víspora! Dez! Aqui está! Dez!...
(Chegam-se todos para o Alferes, menos Helena e Marcolina, que voltam a seus lugares.)
Canto

ALFERES ANDRADE - É como se vê: são dez!


TODOS - Dez!
ALFERES ANDRADE (Atirando-se ao dinheiro.)
- São meus os vinte e quatro mil e setecentos
(Guarda o dinheiro)
PANTALEÃO - É muito atrevimento!
Patota fez você!
ALFERES ANDRADE (Puxando a espada.)

157
- Quem foi? quem foi que fez?
PANTALEÃO - Guarde o chanfalho, ó toleirão!
GÓIS - Não seja tão parlapatão!
CASCAIS - Então? então? Dê-me o que é meu!
ALFERES ANDRADE - Vocês quem pensam que sou eu?
HELENA - Seu Alferes, tal não fará!
PEDRINHO - Entregue esse dinheiro e nada se dirá!
ALFERES ANDRADE - Do meu bolso não sairá!
TODOS - Dê-nos o cobre! Dê-nos já!

ALFERES CORO DE HOMENS


Raspem-se já Se não nos dá
senão, senão, nosso quinhão,
vai haver cá gritamos já:
revolução!... pega ladrão!...
TODOS - Pega ladrão! Pega ladrão!...
GÓIS & COMPANHIA (Colocam-se um de cada lado do Alferes, que tenta fugir.)
- O valentão que tanto arrota,
e que no jogo fez patota,
não leva já tunda de pau,
em atenção ao Nicolau...
ALFERES CORO DE HOMENS
Raspem-se já, etc. Se não nos dá, etc.
TODOS - Pega ladrão! Pega ladrão!
ALFERES ANDRADE - Não sou ladrão, não sou ladrão! (Foge.)
TODOS (Acossando-o.) - Pega ladrão! Pega ladrão!
(Saída ruidosa pela esquerda. Helena e Marcolina ficam sós.)

Cena VIII
Helena e Marcolina

(Marcolina deita a mesa em seu lugar, arranja os móveis e coloca os cartões sobre a mesa.)
HELENA - Que sempre há de haver disto! Por isso não gosto que se lembrem de jogar aqui o
maldito víspora!
MARCOLINA (Arranjando os trastes.) - Também aquele Seu Arfere é um tipo.
HELENA - É um tipão.
MARCOLINA - Fazer trapaça não é nada, mas deixar-se apanhar...
HELENA - Vai para dentro; preciso estar só.
MARCOLINA - Outra vez, iaiá!
HELENA - Deixa-me!
MARCOLINA - Vossem'cê não vai cear com as visitas?
HELENA - Não; quero descansar.
MARCOLINA - Então, vá pro seu quarto.
HELENA - Não quero. (Aparece Cascais.)
MARCOLINA - Aqui está...
HELENA (Sobressaltada.) - Quem?...
MARCOLINA - Sinhô padre-mestre.
HELENA - Ah!
MARCOLINA (À parte.) - Outra ah! Já sortou três!

158
Cena IX
As mesmas e Cascais

CASCAIS - Aquele Alferes Andrade é um tipo!


HELENA - Um tipão!
MARCOLINA - Ele arrestituiu o dinheiro, sinhô padre-mestre?
CASCAIS - Só a metade... Que trapaceiro! Vade retro!
HELENA - Deixa-nos a sós, Marcolina. Vai dizer a esses senhores desculpem minha ausência...
mas a enxaqueca...
CASCAIS (Em voz mito alta.) - Sim, uma forte enxaqueca...
MARCOLINA - Mas...
HELENA - Vai!
MARCOLINA - Tá bom! (Sai.)

Cena X
Helena e Cascais

HELENA - Ó padre!
CASCAIS - O que temos?
HELENA - Ainda há pouco não pudemos falar à vontade. Vossa Reverendíssima não calcula o
quanto padeço...
CASCAIS - Horribili dictu!
HELENA - Ele esteve ainda agora aqui....
CASCAIS - Quando?
HELENA - Antes do víspora.
CASCAIS - E não... fez víspora?
HELENA - Oh! fiz-me esquecida... Hesitei... Ele saiu... Deixei-o sair, mas sabe Deus com que
vontade... Oh!
CASCAIS (À parte.) - Hoje é dia dos ohs! A rapariga já soltou dois...
HELENA - O que diz, padre?
CASCAIS - O que digo é isto... (Prepara-se para dizer uma sentença latina.)
HELENA - Oh! não! não! Fale português.
CASCAIS - Então sabia que eu ia falar latim?
HELENA - Já conheço pela sua cara.
CASCAIS - Então, o que digo é isto: nada de hesitações. deixe-se levar, e o resto fica por minha
conta...
HELENA (Com piedade.) - E o dindinho?
CASCAIS - Ora! dindinho que vá plantar mandioca. A senhora ou bem há de querer o dindinho,
ou bem o Abel. Ambos juntos é impossível! São incompatíveis. Dois proveitos não cabem num saco...
HELENA - Oh!
CASCAIS (À parte.) - Mais um oh! (Alto.) E daí, quem sabe? Podem muito bem fazer as pazes e
meter ambos os proveitos em um saco só. Ande daí; venha cear.
HELENA - Não. Tenho uma tal tristeza n'alma...
CASCAIS - Triste est anima mea.
HELENA (Sentando-se no canapé.) - Verei se posso sossegar.
CASCAIS - Aqui? Não é melhor ir para o seu quarto?
HELENA - Irei depois.
CASCAIS (Querendo retirar-se.)- Nesse caso, Dona Heleninha..
HELENA - Não se vá embora por quem é! Sua presença faz-me bem.
CASCAIS - Favores que não mereço...
HELENA (Recostando-se no espaldar do canapé.) - Estou com um sono... (Fechando os olhos.) Ó
padre, se eu dormir, peça aos céus que me enviem um sonho benfazejo; sim?
CASCAIS - Sim (À parte.) Ora! para o que lhe havia de dar!

159
HELENA (No mesmo.) - Por que não é dindinho amigo de Abel? Se eu pudesse vê-lo em sonhos...
CASCAIS - A quem? Ao dindinho?
HELENA (Enfadada.) - Não.
CASCAIS - O outro...
HELENA - O outro... Se pudesse vê-lo em sonhos... Que mal havia nisso? Padre, peça, peça aos
céus que me enviem um belo sonho... Estão-se-me a agarrar as pálpebras... Peça... (Outro tom.) Peça...
se não fico mal com Vossa Reverendíssima... (Adormece.)
CASCAIS - Tem graça! pedir um sonho assim como quem pede um charuto! - Oh! Fulano, dá cá
um charuto. - Ó céu, manda lá um sonho à Senhora Dona Helena. (Contemplando-a.) Como é bonita!
(Dá dois passos para ela, e arrependendo-se, benzendo-se.) Est ne nos induca in tentationem.(Nisto,
Abel, que tem aberto lentamente a porta do fundo, entrado e avançado, toca no ombro de Cascais, que
se assusta.) Ai!
ABEL - Não se assuste! Sou eu. Cale-se; não a desperte...
CASCAIS - O senhor pregou-me um susto...
ABEL - Não vá agora pregar-me um sermão... Ah! desculpe...
CASCAIS - Essa é boa! Inter amicus non habet geringonça.
ABEL - Silêncio... (Entra Marcolina; Abel oculta-se atrás de Cascais.)

Cena XI
Helena, Cascais, Abel e Marcolina

MARCOLINA - Então iaiá não quer ir pro seu quarto!


CASCAIS - Psiu... Está dormindo... Não a desperte, senão volta aí a enxaqueca.
MARCOLINA - Mas isto não tem jeito! Dormir aqui!
CASCAIS - Não faz mal.
MARCOLINA - Então, vamos embora.
CASCAIS - Vai fechar a porta. (Marcolina fecha a porta da esquerda. Cascais segue-lhe os
movimentos e Abel os de Cascais, de modo que se conserve sempre a salvo dos olhares de Marcolina.)
Agora, vamos, passa adiante...
MARCOLINA - Sim, sinhô.... (Sai.)
CASCAIS (À porta do fundo.) Oc opus hic labor est... (Sai.)

Cena XII
Abel e Helena

ABEL (Contemplando-a.) - Como é bonita, ó minha casta Helena! Vamos! Ânimo, Abel! o Nicolau
está na fazenda e o deus do amor te protege!... (Ouve-se fora, à esquerda, o coro seguinte.)
CORO - Olá! que vinho tem na adega
Seu Nicolau!
Pode apanhar-se uma broega,
pois não é mau!
Quem saúde ambiciona
tome, com moderação,
de vez em quando uma mona,
de vez em quando um pifão!
Lá lá lá lá lá lá ...
ABEL (Durante o coro.) - O que é isto? (Vai olhar pelo buraco da fechadura.) Estão ceando. Que
grande patuscada! (Deixa a fechadura e ajoelha-se perto de Helena.)
HELENA (Despertando.) - Abel! Tu aqui?!...
ABEL - Sim, sim, o teu Abel!
HELENA - Mas... estarei sonhando?
ABEL (À parte.) - O que diz ela?
HELENA - Sim... é o sonho que ainda agora pedi ao padre...

160
ABEL - Um sonho! Muito bem! Confunde-me com um sonho... (Helena ergue-se maquinalmente.
Abel condu-la à boca de cena.)

Dueto
HELENA - O céu já me enviou
o sonho celestial que o padre suplicou!
Que prazer vou sentir!
Que sonho venturoso Helena vai fruir
JUNTOS - Céus! ai! que sonho, que sonho de amor!
A noite dá-lhe seu mistério...
A noite dá-lhe seu favor...
Sinto um contentamento etéreo!
Ai! que gentil sonho amor!
Céus! ai! que sonho, etc.
HELENA - Repete, ó Abel, e me farás feliz...
Diz - Eu te amo; - diz e rediz!
Pois te quero seguir...
ABEL - Seguir-me, minha Helena?
HELENA - A casa em que nasci, por ti deixo sem pena.
Mas... tu não me abandonarás?
ABEL - Ó minha bela, tal suspeita
do coração não vem direita!
Revoga-a já e já, com beijos ao rapaz!
HELENA - Quantos então!
ABEL - Só três...
HELENA - Na mão?
ABEL - Não, não, não, não; porém no rosto,
de perfeições almo composto,
que vida e morte a um tempo dá!
Oh! dá-me, dá-me beijos!
Satisfaz meus desejos!
HELENA - Se não é mais que um sonho... vá lá...
(Deixa-se beijar.)
JUNTOS - Céus! ai! que sonho de amor, etc.
HELENA - Agora, ó meu Abel...
ABEL - Ó minha Helena, agora...
é fugir
HELENA - Fugir!
ABEL - Sem demora!
não há tempo a gastar...
o trem já vai chegar...
HELENA - Serás meu bom amigo?
ABEL - Sim!
HELENA - Não mangarás comigo?
ABEL - Não!
Um protetor em mim
terás, ó coração!
Amanhã de manhã,
manhã pura e serena,
esplêndida louçã,
Um padre que eu cá sei casar-nos-á, Helena...
Esposos, meu amor, seremos amanhã!
HELENA - Amanhã?

161
ABEL - Amanhã...
Deixa portanto, Helena, a sala do engomado,
e vem, longe daqui, seguir teu namorado!
HELENA (Apoderando-se da trouxa que está embaixo do canapé.)
- Se não é mais que um sonho... vá lá...
JUNTOS - Céus! ai! que sonho, que sonho de amor!
A noite dá-lhe seu mistério...
A noite dá-lhe seu favor...
Sinto um contentamento etéreo!
Ai, que gentil sonho de amor!
Céus! ai! que sonho, etc.
(Terminado o dueto, Helena deita sobre os ombros uma manta e dispõe-se a sair com Abel, pelo
fundo, quando a porta se abre de repente e surge Nicolau que solta um grito.)

Cena XIII
Os mesmos e Nicolau

HELENA (Caindo, confundida, nos braços de Nicolau.) - Dindinho! Oh! então não era um sonho!
(Atira para longe a trouxa.)
NICOLAU (Deixando cair por terra todos os preparos de viagem com que saíra no final do
primeiro ato.) - Um sonho! Eu é que estou a sonhar!
HELENA - Vossemecê fez boa viagem, dindinho?
NICOLAU (Procurando ver Abel, que Helena trata de esconder.) - Fiz... fiz... Mas aquele sujeito...
HELENA - Os negros já estão acomodados?
NICOLAU - Já... já... É o senhor...
HELENA - E qual foi o motivo do levantamento?
NICOLAU (Tirando Helena da frente de Abel.) - Ah! é o senhor?! Veio cá decifrar uma charada?
HELENA - Esteve sempre de saúde? Caçou muito por lá?
NICOLAU - Eu cá sei o que cá sei...
HELENA - O que caçou?
NICOLAU - Eu cá sou muito tolo: a dar resposta. (Gritando.) Aqui d'el rei! Aqui d'el rei!...
ABEL - Cale-se! O senhor é um imprudente!
NICOLAU - Eu cá sei o que cá sou! (Gritando.) Aqui d'el rei! Aqui d'el rei!... O senhor Abel... Qual
Abel nem meio Abel! De hoje em diante só o hei de chamar de Caim! O senhor Caim não pode dotar a
ofendida; pode? Não pode! Logo - aqui d'el rei! Ó de casa!
HELENA - Olhe que estão visitas! (Tira a manta.)
NICOLAU - Ah! estão... Melhor! (Vai abrir a porta.)
ABEL - Vem tudo aí! Sai cá um barulho...
NICOLAU - Eu cá sei o que cá sai! Mas que é da Marcolina?...

Final
NICOLAU (Gritando.) - Vem cá, ó Marcolina! Aqui!
HELENA - Ó que imprudente
ABEL - Vai sair cinza incontinente!
HELENA - Meu Deus! Meu Deus! estou metida em bons lençóis! (Desmaiando. Abel corre para
junto dela.)
NICOLAU - Aqui d'el rei! aqui d'el rei! aqui d'el rei! Que dois heróis!

Cena XIV
Helena, Abel, Nicolau, Pantaleão, Cascais, Pedrinho, Benjamim, Juca Sá, Alferes Andrade, Góis &
Companhia, Marcolina e visitas

(Os homens, menos Cascais, vêm ligeiramente alcoolizados.)

162
PEDRINHO - Olá! que vinho tem na adega
Seu Nicolau!
Pode apanhar-se uma broega,
pois não é mau!
Quem saúde ambiciona
tome, com moderação
de vez em quando uma mona,
de quando em vez um pifão!
Lá lá lá lá lá lá lá...
PANTALEÃO (Dando com Nicolau.) - O Nicolau!
TODOS - Olá!
NICOLAU (Tragicamente.) - O Nicolau cá está!
(Agarrando Marcolina pelo pulso e trazendo-a à boca de cena.)
- Helena ia fugir co'aquele sedutor!
Responde já, ó Marcolina,
tu, que eras a guarda da menina:
que foi feito de seu pudor?
TODOS - Que foi feito de seu pudor?
(Nicolau deixa, furioso, o braço de Marcolina que foge para o fundo.)
NICOLAU - Sim, seu pudor?
ALGUNS - Ora! o pudor!
TODOS - Ai! o pudor!
Você não deve estar zangado,
pois, de algum modo, é o mais culpado!
NICOLAU - Pois sou culpado?
HELENA (Tornando a si, e aproximando-se do padrinho.)
- Qualquer parente
que, estando ausente
em casa entregue a si deixou
linda afilhada
enamorada
entrar não deve como entrou.
Bem procedido
tinha um marido
assim chegando de supetão:
mas meu dindinho
devagarinho
não entra em casa um solteirão!
TODOS - Mas, ó dindinho
devagarinho
não entra em casa um solteirão!

II
HELENA - Que o namorado
desconfiado
observe a bela sem descansar;
pai ciumento
em mau momento
filha querida possa encontrar
noivo zeloso
e cauteloso
queira por gosto ser espião:
mas, meu dindinho

163
devagarinho
não entra em casa um solteirão!
TODOS - Mas, ó dindinho
devagarinho
não entra em casa um solteirão!
NICOLAU - Bem: mas se meus amigos são,
mandem-no embora a pescoção!
PANTALEÃO - É já! É já... Seu professor,
seu proceder me causa horror!
ABEL - Ir-me daqui sem minha bela!
Então, senhores meus, então,
voltarei noutra ocasião,
e irei com ela! e irei com ela!
TODOS - Vai-te, ó sedutor!
Vai-te, parlapatão!
HELENA (Baixo a Abel.) - Oh! vai-te! meu amor te seguirá...
O meu amor seguir-te-á...
Danados estão!
Vê que olhar tão furibundo!
Capazes que são
de mandar-te pr'outro mundo!

ABEL CORO
Sim! sou fanfarrão! Ó que fanfarrão!
Pois aqui, só num segundo Ó que professor imundo!
sou capaz, verão! O parlapatão
de matar a todo mundo quer matar a todo mundo!

ABEL (Fazendo os gestos indicados nos seguintes versos.)


- Eu sou capoeira!
Não me assustam, não!
Passo um rasteira:
tudo vai ao chão!
Puxo um canivete
pra desafiar!
Ai, que pinto o sete!
Mato dezessete
e vou descansar!...
CORO - Feroz punição
vamos dar ao badameco!
Merece ladrão
ser corrido a peteleco!
(Procuram todos evitar Abel, que se mostra satisfeito de seu triunfo.)
PANTALEÃO (A Abel.) - Ai, não se perfile,
file, file, file!
Não temo a você!
Não se rejubile,
bile, bile, bile,
pois não tem de quê!
CORO (Perseguindo a Abel.) -Ai, não se perfile,
file, file, file, etc.
ABEL - Sou eu que direi: Ai não se perfile
file, file, file!

164
(Grande disputa em que só não tomam parte Helena e Cascais, que tentam, em vão, apaziguar
os ânimos.)
CORO - Feroz punição
vamos dar ao badameco!
Merece o ladrão
ser corrido a peteleco!
Abel retira-se pelo fundo, ameaçando sempre, e Helena desmaia nos braços de Marcolina.)

[(Cai o pano)]
ATO TERCEIRO
QUADRO QUARTO
O TREM DE FERRO

Estação da estrada de ferro (espécie de alpendre). À esquerda um balcão em que se vendem vinhos e
pastéis. Ao fundo a estrada. Paisagem em perspectiva. Quadro animado; uns bebem e outros comem.

Cena I
Pedrinho, Benjamim, Juca Sá, Góis & Companhia, Alferes Andrade e povo

CORO - Comer! beber!


Viva o prazer!
Aproveitamos nossa idade!
Brincar! folgar!
Quem não gostar
de ser assim, que vá ser frade.
Beber! comer!
Viva o prazer!

Recitativo
PEDRINHO - O tal Nicolau é da pá virada!
É um trapalhão!
TODOS - Ninguém diz que não!
PEDRINHO - Contrariando o professor,
deu grandessíssima patada,
por isso que irritou um deus chamado - Amor!

Voltas
I
Abel ama a Dona Helena...
Não lhe vejo nenhum mal
TODOS - Abel ama a Dona Helena...
Não lhe vemos nenhum mal!
PEDRINHO - Quer casar-se coa pequena:
isso é muito natural!
Mas o grande Nicolau
não quer dar-lha nem a pau.
Ah! Ah!
Passa fora, Nicolau!
Passa fora, meu patau!
TODOS - Passa fora, Nicolau!

II
PEDRINHO - Por orgulho, que apoquenta,

165
não quer dar-lha por mulher!
TODOS - Por orgulho, que apoquenta,
não quer dar-lha por mulher!
PEDRINHO - Presunção e água benta
cada qual toma a que quer e...
Quer ele queira, quer não,
marido e mulher serão!
Ah! Ah!
Passa fora, Nicolau!
Passa fora, meu patau!
TODOS - Passa fora, Nicolau!
PEDRINHO - Mas, enfim, o que resolveu o Nicolau?
BENJAMIM - Há casamento?
GÓIS - Fuga?
COMPANHIA - Surra?
ALFERES ANDRADE - Qual fuga nem surra! Não há nada disso!
GÓIS - Corre por toda a freguesia... Mas ao que corre pela freguesia não podemos dar ouvidos...
PEDRINHO - Se aqui estivesse o vigário, diria: Vox populi...
ALFERES ANDRADE - Mas o que corre pela freguesia, seu Góis & Companhia?
GÓIS - Góis & Companhia somos nós dois, eu e este. Eu só sou o Góis.
COMPANHIA - E eu a companhia.
BENJAMIM (Ao Alferes.) - Assim como do senhor pode-se também dizer: Alferes & Companhia..
ALFERES ANDRADE (Tirando a espada.) - Qual é a companhia?
BENJAMIM - Qual há de ser? A durindana...
ALFERES ANDRADE - Ah! (A Góis.) mas vamos: o que é que corre?
GÓIS - Corre por toda a freguesia que, no trem das oito e três quartos, Dona Helena vai para a
corte, em companhia de um frade que a tem de vir buscar.
PEDRINHO - Não sei se é isso um maranhão, mas, com certeza, é o motivo pelo qual nos
achamos aqui todos reunidos: confessem!
GÓIS - Deixe-se disso! Sempre foi costume encher-se a estação de gente.
PEDRINHO - Eu nunca vi aqui nem você nem seu sócio...
ALFERES ANDRADE - Está visto que, se não viu um, não podia ver o outro...
BENJAMIM - Ora até que afinal o Alferes disse uma coisa quase com graça!
ALFERES ANDRADE (Brandindo a espada.) - Quase!
PEDRINHO - Seu Alferes, quero dar-lhe um conselho.
ALFERES ANDRADE - Dar ou receber?
PEDRINHO - Ouça primeiro e depois esbraveje à vontade...
TODOS - Ouça, seu Alferes, ora ouça!
ALFERES ANDRADE - Vocês tomaram-me à sua conta! Deixem estar que eu os ensinarei!
PEDRINHO - O conselho é este: deite fora a bainha de sua espada.
ALFERES ANDRADE - Por quê? Então não está nova?
PEDRINHO - Não é por isso: é porque de nada lhe serve a bainha! A lâmina não pára dois
minutos lá dentro.
ALFERES ANDRADE - Menino! (Brande furioso, a espada, que tem conservada em punho.)
PEDRINHO - Então! O que dizia eu? Lá está de espada em punho!
TODOS - Ah! Ah! Ah!
ALFERES ANDRADE - Protesto! Já estava fora da bainha!... Já estava fora da bainha!...
TODOS - Ah! Ah! Ah!
PEDRINHO - O que vale é que, se o chanfalho não leva muito tempo na bainha, também na
mão... É só mandá-lo guardar!
TODOS - Guarde, guarde o chanfalho!
ALFERES ANDRADE (Guardando tranqüilamente a espada.) - Vocês pedem com tão bons
modos...

166
GÓIS - Seu Alferes não é mau rapaz...
COMPANHIA - Tem suas coisas... Ora! quem não as tem?
JUCA SÁ - No fundo é um bom moço...
ALFERES ANDRADE - Pois não se fiem muito! Um dia faço aqui uma estalada! Vocês não me
conhecem!
Cena II
Os mesmos e Cascais

CASCAIS - Dominus vobiscum!


PEDRINHO - Ora aqui está o senhor vigário, que é quem nos pode explicar a coisa.
CASCAIS - Que coisa?
PEDRINHO - O que há e o que não há sobre Dona Helena?
CASCAIS - E o que têm vocês com isso?
BENJAMIM - Interessa-nos a sorte dessa desventurada senhora.
CASCAIS - Já que querem com tanta instância saber da vida alheia, o caso é este...
PEDRINHO - Atenção!
CASCAIS - Dona Helena deixa o lar paterno.
ALFERES ANDRADE - Paterno, não: padrinherno!
BENJAMIM - Bico, Seu Alferes!
ALFERES ANDRADE - Ora bolas! o lar é do padrinho!
PEDRINHO - Mas Dona Helena casa-se ou não se casa com o mestre-escola?
CASCAIS - Nada.
ALFERES ANDRADE - Então o mestre-escola que se casa com ela?
GÓIS - Seu Alferes, não interrompa!
ALFERES ANDRADE (Com força.) - Não me interrompa você!
CASCAIS - Dona Helena vai entrar para um convento.
TODOS - Ah!
PEDRINHO - Mas como pode isto ser? Quem a pode obrigar a meter freira?
COMPANHIA - Ela é maior...
BENJAMIM - É até maior do que eu!
ALFERES ANDRADE - Vocês é que estão interrompendo; não sou eu!
CASCAIS - Quem a pode obrigar? O padrinho! Regis est imperare.
PEDRINHO - Ouvimos dizer que vinha um frade buscá-la; é para levá-la ao convento?
CASCAIS - Adivinhou.
ALFERES ANDRADE (À meia voz.) - Ela, então, vai entrar para um convento de frades?...
CASCAIS - Nada: o frade leva-a para um convento de freiras.
BENJAMIM - Mas por que não a leva o Nicolau em pessoa ao convento?
JUCA SÁ- Em vez de entregá-la a um estranho?
CASCAIS - Vocês bombardeiam-me com perguntas!
ALFERES ANDRADE - Pois bombardeie-nos com respostas!
CASCAIS - Não é um estranho tal: o Nicolau me disse que não tinha ânimo de levar a afilhada
para a cidade e lá deixá-la metida entre quatro paredes; confrangia-se-lhe o coração... Pediu-me que
me encarregasse disso.
COMPANHIA - Pobre Nicolau!
ALFERES ANDRADE - E então?
CASCAIS - Recusei por dois motivos: primo, não podia abandonar a freguesia. (Tenho medo de
uma ex-informata que me pelo) secundo, quem me visse em companhia de uma senhora, poderia fazer
um juízo desairoso, tanto para mim como para ela.
ALFERES ANDRADE - E o terceiro?
PEDRINHO - Como o terceiro? Eram só dois!
CASCAIS - Há; ainda há um terceiro.
BENJAMIM - Vejamos.
CASCAIS - Tercio, Dona Helena, me quereria mal, se fosse eu que a levasse para o convento...

167
ALFERES ANDRADE - Bem pensado. E o quarto?
CASCAIS - Não há mais.
ALFERES ANDRADE - E o quinto?
CASCAIS (Encarando-o) - O quinto é que você é um tolo!
ALFERES ANDRADE - Ora é boa! Podia não haver um quarto, mas haver um quinto...
CASCAIS - Então, pediu-me o Nicolau que lhe lembrasse um alvitre qualquer, que fosse eficaz.
Disse-lhe que havia na corte um frade, amigo meu de velha data e pessoa de maior confiança, que viria
buscar Dona Helena, se lho eu pedisse por meio de uma cartinha.
PEDRINHO - E o Nicolau aceitou a alvitre?
CASCAIS - Aceitou. O frade entrega-a à superiora do convento, que já está prevenida para
recebê-la e competentemente autorizada. Deo Gratia.
PEDRINHO - Isso é inverossímil! Isto só se vê em comédias!
ALFERES ANDRADE - Ou em paródias!
CASCAIS - Pois é a pura verdade. Eu sou como o outro. A Deo veritatis diligens era, ut ne loco
quidem mentiretur... Ora adeus! Vocês não sabem disso; estou perdendo meu latim...
ALFERES ANDRADE - Mas é uma maldade roubar uma deidade à sociedade e entregá-la a um
frade para levá-la para a cidade! É uma atrocidade!...
CASCAIS - Oh! Senhor Alferes! quanta rima perdida! Quando quiser dizer versos, previna a
música: cante-os.
PEDRINHO - Rapaziada, vamos dar uma volta; o trem ainda se demora um quarto de hora.
BENJAMIM - Contanto que não deixemos de ver o frade!
ALFERES ANDRADE - Voltaremos. Vamos, vamos dar uma volta; eu também não sei estar
parado.
PEDRINHO - Irá, com a condição de não puxar a espada em caminho...
ALFERES ANDRADE- Vocês tomaram-me à sua conta; vocês não me conhecem!
TODOS - Até logo, senhor vigário.
BENJAMIM (Batendo com liberdade no ombro de Cascais.) - Até logo!
CASCAIS (Tomando-o pelo braço.) - Menino, adolescentis est majore nutu vereri...
BENJAMIM - Fiquei na mesma.
CASCAIS (Recomeçando.)- Adolescentis,,,
TODOS - Vamos! Vamos! (Saem.)
(Alguns têm já se retirado pouco a pouco da cena. A orquestra toca em surdina o estribilho das
voltas cantadas por Pedrinho na cena primeira. Cascais fica só.)

Cena III
Cascais [Só]

[CASCAIS] (Dirigindo-se ao público com toda naturalidade.) - Os senhores hão de estar


lembrados daquela cartinha que recebi de meu irmão no primeiro ato. Pois bem: ouçam a resposta.
(Tirando uma carta e lendo.)

"Meu mano e prezado amigo,


estimo que passes bem,
pois é o que se dá comigo
e coa comadre também .
Os pequerruchos vão indo,
mas muito mal, caro irmão:
com coqueluche o Clarindo
e o Nho-nhô com dentição"
(Declama.)
- Isto não, intimidades. Inter amicus...(Continuando.)
"Recebi a tua carta
com data de vinte e três

168
e vou, antes que o trem parta,
respondê-la, como vês.
Não quero que seja diverso
o meu sistema do teu:
como escreveste-me em verso,
em verso respondo eu.
O Abel, teu recomendado,
há dias pra lá voltou;
foi demitido (coitado!)
do cargo que abiscoitou.
Não pode cantar vitória,
nada pode conseguir;
que ele te contasse a história
é muito de presumir...
Se tirá-la por justiça
decerto a pequena vai,
de volta de alguma missa,
que só é quando ela sai.
Que ao tutor ninguém dissuade,
tenho de mim para mim,
pois quod natura dat...
não sei se sabes latim.
Não posso ser mais extenso:
vou minha missa dizer;
ex-informata suspenso,
caro irmão não quero ser.
Lembranças cá da comadre,
não só a ti, como aos mais,
teu irmão e amigo, o Padre
Bernardo Teles Cascais"
(Declama.) - Há um post-scriptum, mas não vem ao caso. Enfim... (Lendo.)
"Post sciptum: É um dos maiores
o calor que faz aqui
por isso em trajos menores
desculpa escrever-te a ti".
(Guardando a carta.) - Esta resposta, tinha-a eu escrito ontem. Ia deitá-la no correio, quando
encontrei o Nicolau que me pediu um meio para mandar a afilhada para o convento. Lembrei-me, então,
de que o Abel poderia muito bem passar por frade barbadinho, e arranjei uma farsa... Em vez de
mandar esta carta a meu irmão, escrevi uma outra a Abel, dizendo que se apresentasse hoje, no trem
que vai chegar, com o competente disfarce, e... O resto adivinha-se... Não me posso sair bem desta
brincadeira: o Nicolau há de cair-me em cima como uma bomba, bumba! Mas, com meios brandos e
suasórios, tudo conseguirei...

Cena IV
O mesmo e Pantaleão

PANTALEÃO - Andava à sua procura, padre. Como passou?


CASCAIS - Doente.
PANTALEÃO - Doente?
CASCAIS - Ou velho: senectus est morbus. O que deseja?
PANTALEÃO - Falar-lhe sobre este maldito acidente...
CASCAIS - Da pequena?
PANTALEÃO - Sim.

169
CASCAIS - O que quer que lhe faça? Mortus est pinto in casca.
PANTALEÃO - É preciso que o compadre se esqueça de mandar Dona Helena para o convento.
CASCAIS - A boas horas lembra-se você disso...
PANTALEÃO - Como assim?
CASCAIS - Você pintou...
PANTALEÃO (Formalizado.) - Eu não pinto, padre!
CASCAIS - Não se precipite! Não quero dizer que o senhor pinta o padre! - Você pintou... ao
Nicolau todo este negócio com as mais negras cores e, como delegado da instrução pública, arranjou a
demissão do pobre rapaz; Dona Helena há de agradecer-lhe...
PANTALEÃO - E quem se encarregou de chamar o frade? Dona Helena há de agradecer-lhe!
CASCAIS - Não estejamos a trocar palavras, Senhor de los Rios; resolvamos alguma coisa!
PANTALEÃO - O que há de ser?
CASCAIS - Em vindo o Nicolau, chamemo-lo de parte...
PANTALEÃO - E...
CASCAIS - Toca catequizá-lo! Tais considerações faremos...
PANTALEÃO - Tais argumentos apresentaremos...
CASCAIS - Aí vem ele e a pequena. (Afastam-se.)

Cena V
Os mesmos, Nicolau e Helena

NICOLAU (Sem dar com a presença de Cascais e Pantaleão.) - "Oh! então não era um sonho!" É
esta frase, Helena, é esta frase que espero que você me explique!
HELENA - Dindinho!
NICOLAU - Você é uma sonsa! pode vir com esses modos de santinha de pau carunchoso: não
tomo nada!
HELENA - Dindinho!
NICOLAU - Não tomo nada, ouviu?! Não tomo nada!...
HELENA - Pois bem, já que não toma nada, tome lá este pião à unha...
NICOLAU - Hein?
HELENA - De hoje em diante quero viver sobre min!
NICOLAU - Olé!
HELENA - Ah! supõe que não sei que estou emancipada por lei?...
NICOLAU - Olá!
HELENA - Até hoje tenho passado por tola!
NICOLAU - Olé!
HELENA - Mas de hoje em diante hei de mostrar quem sou!
CASCAIS (A Pantaleão.) - Scintilla excitavit incendio!
NICOLAU - A Senhora Dona Helena como deita as manguinhas de fora!
HELENA - Onde me levam? Para que me obrigam a arrumar bagagem? O que venho fazer à
estação do caminho de ferro?...
NICOLAU - Não é da sua conta!
HELENA - Tome sentido, dindinho!
NICOLAU - Olé!
HELENA - Vossemecê não me conhece!
NICOLAU - Olá!
PANTALEÃO (Intervindo.) - Então! Então!... O que é isto, compadre?...
CASCAIS (Idem, à Helena.) - O que está fazendo, Dona Helena? (Baixinho.) Não grimpe!
Obedeça passivamente... Ele quer mandá-la para um convento! Vá, vá sem respingar.
HELENA - Mas...
CASCAIS - Fie-se em mim: amicus certus in re incerta cernitur.
NICOLAU - Desavergonhada! Faltar-me ao respeito!

170
CASCAIS (Deixando Helena e dirigindo-se a Nicolau.) Dona Helena acaba de significar-me seu
arrependimento...
HELENA (Humildemente.) - É verdade, dindinho: esqueci-me por um momento do quanto lhe
devo. Perdoe.
PANTALEÃO - Perdoe.
CASCAIS - Perdoe.
HELENA - Perdoe.
NICOLAU (Sombrio.) Perdôo.

Coplas
I
HELENA - Não sou culpada, ó meu dindinho:
nunca fui mais pura que sou:
não me perdeu do bom caminho
este amor que cá dentro entrou.
Ai! tomo o céu por testemunha,
queira ou não queira acreditar:
quando eu ia fugir, supunha
dormisse a bom dormir, sonhasse a bom sonhar!

Se, por um sonho só, retira-me a amizade.


o que fará então pela realidade?...
II
Nos sonhos dão-se circunstâncias,
que se não podem revelar...
Eu já sonhei - que extravagâncias! -
eu já corei, mesmo a sonhar...
Fosse punido quem as sonha:
Helena, onde estarias tu?
Ou em Fernando de Noronha,
ou presa em Catumbi, ou morta no Caju.

Se, por um sonho só, retira-me a amizade,


o que fará pela realidade...
NICOLAU (Depois de pequena pausa.) - Fiquei na mesma.
CASCAIS (A Pantaleão.) - Este seu compadre é muito tapado!
PANTALEÃO (Com acatamento, a Cascais.) - Não costumo desmentir os ministros de Deus...
CASCAIS - Ó seu Nicolau, diga à menina que vá sentar-se àquela sala. Nós temos que falar-lhe
em particular...
NICOLAU - A quem? a ela?
CASCAIS - Nada; a você. (A Pantaleão, enquanto Nicolau acompanha Helena, que se retira para a
direita.) - É preciso resolver o homem a abdicar da idéia do convento.
PANTALEÃO - Faremos o possível.
CASCAIS (Á parte.) - Se terminar tudo na santa paz do Senhor, minha responsabilidade ficará
salva.

Cena VI
Cascais, Pantaleão e Nicolau

NICOLAU (Voltando.) - Sim, senhores: a rapariga tem me feito suar o tapete... quero dizer, o
topete!
PANTALEÃO - A culpa é sua!
CASCAIS - Pode dizer: Mea máxima culpa.

171
NICOLAU - Então, por quê?
CASCAIS - Decerto! Quem é que se lembra de mandar uma rapariga para o convento em pleno
1877!
NICOLAU - Lembro-me eu! Oh! deixem-na estar, deixem-na estar, que o convento há de ensiná-
la! uma rapariga que sabe o código! Depois, eu cá tenho minhas tenções...
PANTALEÃO - Ah!
NICOLAU - Passados cinco anos, tiro-a do convento. Há de vir de lá um modelo de virtudes...
CASCAIS - Há de vir de lá fazendo muito boa goiabada...
NICOLAU - Venha como vier: virtuosa ou quituteira, ou quituteira e virtuosa ao mesmo tempo...
(Observando a impressão deixada por suas palavras nas fisionomias de Pantaleão e Cascais.)... caso-me
com ela!
PANTALEÃO - Hein?
CASCAIS - Casar o padrinho com a afilhada!
PANTALEÃO - Ah! Ah! Ah!
CASCAIS (Benzendo-se.) - Abrenuntio!
PANTALEÃO - Ah! Ah! Ah! que lembrança!
CASCAIS - Pois você não vê que tem mais do dobro da idade de sua afilhada?
NICOLAU - Mas daqui até lá, ela já tem vivido mais cinco anos.
CASCAIS - E você fica parado durante todo esse tempo?
NICOLAU - É verdade...
PANTALEÃO - Vamos, vamos! Pense bem, compadre!
CASCAIS - Não contrarie o amor de Dona Helena!
PANTALEÃO - A liberdade, compadre, a liberdade!

Terceto
PANTALEÃO - Hoje, que o tempo é só de liberdade,
da lei do elemento servil.
tu vais meter num claustro da cidade
Helena, a moça mais gentil!
CASCAIS - Poupe à menina essa desgraça!
PANTALEÃO - Tem dó de Dona Helena.
CASCAIS - Um convento é prisão
onde não morre o coração
NICOLAU - O que vocês querem que eu faça?
PANTALEÃO e CASCAIS - Hoje, que o tempo é só de liberdade,
da lei do elemento servil.
tu vais meter num claustro da cidade
Helena, a moça mais gentil!
NICOLAU - Eu vou meter num claustro da cidade
Helena, a moça mais gentil!
CASCAIS - Se p'rum convento a pobre entrar
há de bem cedo se finar...
PANTALEÃO - E se acaso morrer a Dona Helena,
o responsável será tu,
pois és tu só quem a condena!
CASCAIS - Sim, é você! pobre pequena!
Seu Nicolau, há de sentir
fatal remorso, atroz pungir!
PANTALEÃO - Ouve lá, de um amigo velho,
salutaríssimo conselho:

I
- Já os conventos não têm crédito,

172
não dão exemplo de moral;
Diz a Gazeta de Notícias
que de um dos tais (não sei de qual)
saltaram três freiras intrépidas
- caramba! - os muros do quintal!

II
Chame o Abel; não seja ríspido,
e deixa correr o marfim...
Com o casamento e sem escândalo,
há de ter tudo airoso fim.
Se tal fizer, cheios de júbilo,
hemos de dançar todos assim! (Dança.)
Nicolau,
para que hás de ser assim tão mau?!

Juntos

PANTALEÃO e CASCAIS NICOLAU


Nicolau Não sou mau!
para que hás de ser assim tão mau?! Nunca fui, não sou, nem serei mau!...

CASCAIS - É bom refletir bem!


PANTALEÃO - Convém pensar melhor!
CASCAIS - A reflexão é o que convém...
PANTALEÃO e CASCAIS - O casamento é dos males o menor...
reflita bem, reflita bem!
PANTALEÃO - Ele hesita...
CASCAIS - Ele hesita...
PANTALEÃO e CASCAIS - Ó que padrinho austero!
(Examinam Nicolau, que reflete profundamente.)
NICOLAU (Decidindo-se.) - Não quero...
PANTALEÃO e CASCAIS - Se você manda a moça pro convento,
arrepender-se-á! É natural
que ela perca moral cento por cento
saltando o muro do quintal...
NICOLAU - Se eu mando a rapariga pro convento,
não hei de arrepender-me! É natural
que ela ganhe em moral cento por cento;
não salte o muro do quintal...
(Dirigindo-se, ora a Cascais, ora a Pantaleão.)
- Dessas razões, padre, compadre,
a mim bem pouco se me dá!
Freira há de ser, compadre, padre!
Disse e direi, ora aqui está!
Há de ser freira! há de ser freira!
PANTALEÃO - Isto é que é: queira ou não queira!
PANTALEÃO e CASCAIS- Teimar assim
desta maneira
eu vejo, enfim,
a vez primeira!

Juntos.

173
PANTALEÃO e CASCAIS NICOLAU
- Se você manda, etc. - Se eu mando, etc.

NICOLAU (A Pantaleão.) - Compadre, ponha o negócio em si: se sua filha estivesse no lugar de
Helena, você não a mandava para o convento?
PANTALEÃO - Minha filha! Deus me livre! Minha mulher, vá...
NICOLAU - Mas você mesmo foi que me aconselhou...
PANTALEÃO- Refleti.
CASCAIS - Mas, enfim, em que ficamos?
PANTALEÃO - Sim.
NICOLAU - Como?
CASCAIS - A menina vai?
PANTALEÃO - Vai, compadre?
NICOLAU- Com padre não; vai com frade.
CASCAIS - É sua última palavra?
NICOLAU - É minha última palavra!
CASCAIS (Avança solenemente para Nicolau e desconserta-se.) - Diabo! Não me lembra um
trecho latino a propósito...

Cena VII
Os mesmos, Alferes Andrade, Góis & Companhia, Pedrinho, Benjamim, Juca Sá e povo

PEDRINHO - Está aí o trem!


BENJAMIM - Lá vem! Lá vem!
CASCAIS - Já o trem?
TODOS - Já! O trem! Ele aí vem!, etc.
CORO GERAL - Co'alvoroço o
trem de ferro
corre já
para cá!
(Ouve-se ao longe o silvo da locomotiva.)
Eu já ouço-o!
Ai! que berro!
Sem tardar
vai chegar.
Da cidade
vem um frade
receber
uma mulher!
Ei-lo já;
já parou;
aqui está;
já chegou!
(Durante os últimos versos, um trem de ferro vem, da esquerda, parar em frente à estação.
Entre alguns passageiros que saem e desaparecem, desce à cena Abel, disfarçado em frade. Barbas
longas e grisalhas, óculos e capuz. Cercam todos o frade. Durante a cena seguinte, movimento de
passageiros, etc.)

Cena VIII
Os mesmos e Abel

CORO - Ó reverendo, este povinho

174
só para vê-lo é que aqui está,
pois dantes nunca um barbudinho
por cá passou, passou por cá.

Tirolesa e coro
I
ABEL - Eu, antes de mais nada, participo,
caríssimos irmãos, que sou um tipo!
Ai! tenho muito horror ao cantochão...
Pesar de frade ser, sou muito folião!
- Sou}
ABEL e CORO } muito folião, pesar de frade ser!
-É }
ABEL - A cantar e a dançar tudo aqui quero ver!
CORO - A cantar e a dançar ele aqui quer nos ver!
ABEL - Lá lá itu, lá lá lá lá!
CORO - Lá lá itu, lá lá lá lá!
(Dança geral e desenfreada.)
II
ABEL - O meu sistema a todo mundo espanta;
mas quem não gosta de pintar a manta?
Quem assim fala hipócrita não é!
A mesmíssima coisa eu fiz em Taubaté!...
- Sou}
ABEL e CORO } muito folião, pesar de frade ser!
-É }
ABEL - A cantar e a dançar tudo aqui quero ver!
CORO - A cantar e a dançar ele aqui quer nos ver!
ABEL - Lá lá itu, lá lá lá lá!
CORO - Lá lá itu, lá lá lá lá!
(Repetição da dança.)

CASCAIS (Baixinho a Abel, apertando-lhe a mão.) - Olha que esse modos não são próprios de um
frade!
ABEL (No mesmo.) - Foram copiados do natural...(Alto.) Il signore Nicolau? Onde está Il tutore de
la fanciulla?
NICOLAU (Que tem ido comprar bilhetes de passagem.) - Estou aqui, Reverendíssimo, estou
aqui! Tome Vossa Reverendíssima os cartões de passagem e esta carteira com que muito mal desejo
gratificar seus bons serviços.
ABEL - Grazia. Aceito i biblietti, ma il denaro no. Noi altri, ministri de l'altare, siamo tropo...
tropo... Io parlo mal is portoghese... siamo tropo ... desinteressati.
NICOLAU - Oui, monsieur, merci
CASCAIS (À parte.) - Aquilo será tudo, menos italiano.
ALFERES ANDRADE (A Pedrinho.) - Aquilo é que é língua! O italiano, oh! o italiano! La dona é
mobile qual piuma al vento!
ABEL - Má onde está metida la sorella que devo conducire al claustro? (Apontando para uma
mulher do povo.) É questa dona?
NICOLAU - Nada.
ABEL - É questa?
NICOLAU - Nada, nem questa também. Minha afilhada está ali; vou buscá-la. (Saída falsa.)
(Ouve-se ao longe a locomotiva.)
CASCAIS - E não há tempo a perder, porque já se ouve o silvo do trem que os deve levar.
ABEL (Baixo a Cascais.) - Então? que tal estou?

175
CASCAIS (A Abel.) - Muito bom, homem; você está muito bom! Mas o italiano está melhor.
ABEL (A Cascais.) - Que italiano? (Procurando em volta de si.) Ah! Sim! o italiano que eu falo!
(Outro tom.) Ainda nos havemos de ver.
CASCAIS - Assim o espero.
NICOLAU (Voltando.) - Vem, minha filha, vem.
ABEL (Contemplando Helena, que ainda não aparece ao público.) - Ah! ecco la sorella! Oh! cielo,
si giovani, cosi linda, giá desterrata em um claustro! Povera fanciulla! Má, enfim, andiamo! andiamo
presto. (Aparece Helena.)
CASCAIS (Á parte.) - Finis coronnat opus!

Cena IX
Os mesmos e Helena

Final
CORO - Ela aí vem! É ela!
Ela vem para cá.
Meu Deus, como é bela!
Mas tão triste está!
(Durante este coro, chega outro trem, em sentido contrário ao primeiro. Movimento de
passageiros, etc.)
HELENA - Ouvi, suponho, voz amiga,
que nunca mais me sai de cá. (Do coração.)
NICOLAU - Para o convento é seguir já,
com este frade, ó rapariga!
Bem caro vai pagar-me o mal que me causou.
ALGUNS - O mal que lhe causou!
HELENA - Ir pro convento! Não! Jamais! Eu lá não vou!...
(Gesto de impaciência de Cascais.)
ABEL - Io lá parlaré!
PEDRINHO - Que lhe dirá o frade?
ALGUNS - Sim, sim! que lhe dirá?
ABEL - Il cielo inspirerá!
(Baixinho a Helena.)
Pois não viste que este frade
era o repelido Abel?...
HELENA (À parte, comovida.) - Abel?...
ABEL - Vem comigo pra cidade;
segue o noivo fiel.
HELENA (Com escrúpulo.) - Abandonar o meu dindinho!
NICOLAU - Há de partir, que o quero eu!
PANTALEÃO e CASCAIS - São só três horas de caminho...
HELENA (Á parte.) - Vou por meu gosto e pelo seu!
TODOS - Vá já, Dona Helena;
nos dá muita pena;
mas vá!
Vá já!
NICOLAU - Então? Vá pro convento!
Assim quero eu!
ALGUNS - Ó que grande judeu!
PEDRINHO - Deus a leve a salvamento!
CASCAIS (À parte.) - Muito me hei eu rir...
ALGUNS - O frade é já seguir!
PANTALEÃO - Vão, embarquem num momento:

176
Vai partir o trem!
ABEL E HELENA - É já partir pro convento!
Obedecer convém!
CORO - Vá para convento,
já neste momento!
Vá para o convento!
Vá com vento em popa! Já!
Vá! vá! vá! vá! vá!
(Durante o coro, Abel sobre para o trem com Helena, e aparece com ela a uma portinhola.)
Recitativo
ABEL - Ó Nicolau, triste papel
fizeste em cena:
cá levo Helena...
Eu sou Abel!
(Tira o capuz, as barbas e os óculos. Assombro geral.)
UNS - Segue Helena, o professor;
segue, segue o teu amor.
OUTROS (A Nicolau.)- Que maldito professor!
Vingá-lo-emos, senhor!

(Uns riem e outros estão indignados. O Alferes puxa pela espada e corre atrás do trem. Nicolau
cai fulminado por um ataque de apoplexia. Confusão.)

[(Cai o pano)]

177
O RIO DE JANEIRO EM 1877

A revista do ano 1877

Comédia de costumes populares, satírica e burlesca de espetáculo, ornada de couplets e coros,


visualidades, transformações, em 3 atos, um prólogo e [18] quadros, pelos Senhores Artur Azevedo e
Lino d'Assunção. [Música de Gomes Cardim e outros.]
{ Observação importante - Este texto foi digitado a partir do Livro o Teatro de Artur Azevedo, tendo sido
extraído de cópia manuscrita efetuada por pessoa não identificada. Em virtude disso, contém pequenas
omissões, as quais, entretanto, não prejudicam o entendimento da obra, bem como sua autenticidade.}
PERSONAGENS DO PRÓLOGO
A Política
A Ilustríssima
O Boato
Bedel
O City Improvements
O Cortiço
O Capoeira
O Beribéri
O Veículo
O Engraxate
O Carcamano
A Febre Amarela
A Inundação
A Seca
A Morte
Um Médico
A Subscrição
A Conferência
O Poeta
O Anjo da Humanidade

[Fé] }
[Esperança] } [Personagens mudos]
[Caridade] }

PERSONAGENS DA COMÉDIA

Opinião Um Espectador
Zé Povinho O Boato
Um Urbano A Política
Capoeira Correio
Cocheiro-veículo O Aanjo da Humanidade
1º Diretor Um Caixeiro
Um Taberneiro Major
Tubo Professor Público
1º Da Cia de Consumo Anúncio
Dondon Uma Senhora
Um Padre Um Médico
Um Homem Gordo Outro Magro

178
Um Sócio Um Burro
Cartomante Santinha
Homem da Pêra 1º Amigo
Criado de General 1º Poeta
2º Poeta 1º Repórter
2º Repórter Orador
1º Admirador 2º Admirador
Garden Vila Bela
Um Popular Dentista
Cacabana Globo Jornal do Comércio
Diário do Rio Gazeta Diário
Popular
Reforma Jornal da Tarde O Senhor Filipe
O Telefone
Um Sujeito Um Conservador
O Canal do Mangue 1º Gatuno Um Moleque
Petizes 10
Jornal do Comércio e todos os Jornais Empregados da Alfândega Mascarados
Velhos
Rapazes Crianças
Comissão de Senhoras Vendedores
Povo Embuçados
Guarda Nacional Teatro São Pedro
Imperial Teatro Dom Pedro II São Luis Cassino
Fênix Ginásio
Circo de Cavalhinhos Varietés Arte Toureiro

Spetrini }
Blondini }
Tony } Personagens mudos
Bobe }
Nota de Duzentos Mil Réis }
[Um Urbano] }
[Dois esgrimadores, um deles padre }

PRÓLOGO
Gruta sombria
Cena I
Bedel (Espanejando algumas pedras soltas que se acham espalhadas pela cena.)

Copla
Vós, que tendes, meus senhores,
bem formadas, boas almas,
aos atores e autores
batei palmas, batei palmas.
De que nos dei uma vaia
livre-nos Deus e o canhoto,
mas pra que a peça não caia,
basta cair-vos no goto.
Hão de convir que é muito original esta idéia de encaixar o couplet final no princípio: mas,
como tenho os meus pressentimentos de que o ano de 1877, que principia amanhã, há de andar tudo às
avessas, assim faço. De mais, é mau costume pedir palmas no fim da peça; a gente as deve pedir no
princípio, antes que o público saiba o que vai ver. O sujeito que vai empenhar-se com o examinador

179
para que lhe aprove o filho plenamente na Instrução Pública, fá-lo sempre antes do exame. Que diabo.
O pequeno pode sair-se mal e então o pedido não tinha pés nem cabeça. (Escarra, tosse, assoa-se.) O
teatro representa uma gruta agreste em um país inteiramente desconhecido. Nesta gruta é que se
costumam reunir, no dia 31 de dezembro, as calamidades brasileiras, a fim de darem conta dos seus
trabalhos durante o ano, e predisporem-se para o vindouro. Cena I : Apareço em Bedel e digo:- Agora é
que começa a revista. (Põe-se de novo a espanar, noutro tom.) Felizmente está terminado o meu
serviço. Não tardam aí as calamidades brasileiras. Encontrarão tudo limpo. (Música.) Sinto passo, são
elas.

Cena II
O Mesmo, a Política, a Febre Amarela, Ilustríssima, a Seca, a Inundação, City Improvements, o Boato, a
Capoeira, a Subscrição, o Beribéri, o Cortiço, a Conferência, o Veículo, o Engraxate, o Carcamano, o
Poeta, a Morte de braço dado com o Médico

Coro
Calamidades, ei-las por cá:
pestes, moléstias, tudo aqui há.
O fim do ano por cá nos traz.
Somos, senhores, só coisas más.

(A Política senta-se numa pedra mais elevada, ao fundo.)


POLÍTICA (Ao Bedel.) - Não falta ninguém?
BEDEL - Não, ao que parece.
POLÍTICA - Mas como não gosto de dúvidas, eu, a Política, a principal das calamidades
brasileiras, que amo e dirijo todas as outras, ordeno procedas à chamada geral.
BEDEL - É já. (Abrindo um livro que tira de trás duma pedra.) - Política?
POLÍTICA - Presente.
BEDEL - A Fome? (Depois de pausa.) Não veio! Está jantando talvez. - Febre Amarela?
A FEBRE - Presente. (Vem à boca da cena.)
Eu não tenho cor política,
pesar de ser amarela:
não escolho as minhas vítimas,
ataco a esta e àquela.
BEDEL - A Junta da Higiene? (Silêncio.) Também não veio. Quer-me parecer que está ocupada
com algum parecer. - A Ilustríssima?
ILUSTRÍSSIMA - Cá estou (Vem à boca de cena.)
Eu amo o povo, senhores,
e as comunidades suas,
mandando calçar as ruas
em que moram vereadores.
BEDEL - A Seca?
A SECA - Pronto (Acompanhada de seus horrores.)
Quando aos homens faço guerra,
andam desgraças aos molhos,
secam-se as fontes da Terra,
abrem-se as fontes dos olhos.
BEDEL - A Inundação?
INUNDAÇÃO - Presente. (O mesmo.)
São horrorosos meus feitos.
Ai! que tragédias! que dramas!
os rios saltam dos leitos
e os homens saltam das camas.
BEDEL - A City Improvements?

180
CITY - Presente. (O mesmo. Todos tapam os narizes.)
Eu cá não sou de modéstias,
do que as primeiras sou mais.
Sou mãe de muitas moléstias
e filhas doutras que tais.
BEDEL - O Boato?
BOATO - Minio!... Quero dizer, presente! (Vem à boca de cena e canta em falsete.)
Vocês me conhecem? Qual!
Sou o boato, a mofina;
Tenho mil nomes: verrina,
apedido e etecetra e tal!
BEDEL - O Capoeira?
CAPOEIRA - Rente! (Ameaça cabeçada noutros personagens.)
Eu sou Capoeira
não m'assustam, não!
Passo uma rasteira,
tudo vai ao chão.
Puxo uma navalha,
sei desafiar.
Se isto trabalha (Puxa a navalha.)
é aí que pinto o sete.
Mato dezessete,
guardo o canivete
e vou descansar.
BEDEL - A Subscrição?
SUBSCRIÇÃO - Eis-me aqui.
Eu sou a Subscrição,
mas sem a caridade benfazeja,
a grande amolação
que tão somente almeja
a condecoração!
BEDEL - A Conferência?
CONFERÊNCIA (Sibiliando os ss.)
A última expressão sou da oratória,
tenho feito o diabo a quatro,
já desertei da glória
e ando agora no teatro,
mas é pior e mais pândega
A Conferência da Alfândega.
BEDEL - O Veículo?
VEÍCULO - Não estou atrasado.
BEDEL - Então chegue-se.
VEÍCULO - Eu sou o bonde, a carroça,
a andorinha, a diligência
pra dar cabo da existência
dos desgraçados mortais.
Ora acreditais que eu não possa.
que eu não possa.
do que hei feito.
do que hei feito fazer mais.
BEDEL - Beribéri?
BERIBÉRI - Eis-me
Eu sou o Beribéri e, como Otelo,

181
nasci lá nos desertos africanos,
nasci para flagelo dos humanos,
e as mais moléstias meto num chinelo.
Naturalizei-me brasileiro e firmei a minha residência na terra de Gonçalves Dias. Gosto
muito do Nordeste, e decididamente não saio de lá. Ainda não passei da Bahia. Não faço casa da corte.
BOATO - Isto é, não fazes casos na Corte.
BEDEL - O Cortiço? O Engraxate? O Carcamano? O Poeta, a Morte e o Médico?
A MORTE - Eu sou a Morte, a mor calamidade.
MÉDICO - Juro à fé do meu grau que sou doutor.
AMBOS (Abraçando-se e beijando-se.) - Temo-nos muita amizade,
juramos constante amor!
BEDEL - Está pronta a chamada.
POLÍTICA - Agora que todos estão presentes, podeis falar. (Todos falam ao mesmo tempo, Bedel
agita a campainha.)
BOATO - À ordem! À ordem! Isto não é república!
POLÍTICA - Atenção! (Silêncio.) Digníssimas calamidades, é sempre com o mais vivo prazer que
ergo neste recinto a minha não autorizada voz.
BOATO (À parte.) - Não apoiado.
POLÍTICA (Continuando.) - Neste momento solene em que ides prestar contas dos vossos
trabalhos, espero de vosso zelo e nunca desmentida perversidade, que as referidas contas não sejam
contas de grão-capitão, o que não é de esperar da vossa reconhecida atividade! A boa vontade que vos
caracteriza dá azo a que eu faça de antemão o melhor conceito de vossas diligências. Está aberta a
sessão...
FEBRE AMARELA - Peço a palavra.
POLÍTICA - Tem a palavra a Febre Amarela.
BOATO (À parte.) - Logo vi que era a primeira a falar!... Esta senhora tem raízes no país, por isso
lhe concedem a primazia.
POLÍTICA (Abraçando a Febre.)- Fale, cara amiga.
FEBRE - Para bem poderes julgar os meus feitos deste ano, basta perceberes a verdadeira estima
que me consagra este cavalheiro. (Indica a direita.) e todos os seus colegas. Pretendo continuar com a
mesma atividade em 1877, se a tanto me ajudar a empresa Gari...
ILUSTRÍSSIMA - Se a nobre amiga que me precedeu na tribuna...
BOATO - Tribuna é flor de... retórica.
ILUSTRÍSSIMA - ...conseguiu fazer alguma coisa de merecer a pena. Se foram devidos a esforços
meus, e da nobre Junta da Higiene...
BOATO - Junta que nunca está junta da Higiene...
ILUSTRÍSSIMA - Em todo o caso, em 1877 redobrarão as nossas vigilâncias em que pese ao
famigerado Cai...
POLÍTICA (Com o gesto.) -... pira... para esquerda, basta!! Tem a palavra a Inundação.
INUNDAÇÃO - Venho de Portugal, tenho feito por lá alguma coisa pela vida, ou pela morte. Torno
de novo à terra de Camões. Não está cumprida a minha missão naquele reino.
SUBSCRIÇÃO - Vá, que eu fico cá para maior flagelo.
BOATO - Não tem nada... É viagem que ferve... Ela é viagem na França, agora vai a Portugal... e
está aqui na América. Chama-se a isto correr as sete partidas do mundo... és uma inundação de
viagens.
POLÍTICA - Tem a palavra...
BOATO - Peço a dita.
POLÍTICA - Tem a palavra.
BOATO - É preciso que 1877 já nos encontre a postos, está prestes a soar a meia-noite.
Portanto, peço que passemos à ordem da noite.
POLÍTICA - Está bem! Ponhamo-nos de novo a caminho. Tu, Febre, não perca os teus créditos
que possuis na Europa. Mata a torto e a direito, e sobretudo agarra-te aos trinta botões. O Ilustríssima,
continua a não mandar calçar as ruas e a contratar empreiteiros, a gente de trabalho que faça muito e

182
ganhe pouco. Ó Inundação, faze o que puderes. Boato ataca-lhes as reputações e penetra no íntimo da
família para levar-lhes o desespero e a vergonha.
BOATO (Tirando dois lenços da algibeira, representando o Desespero e a Vergonha.) - Eles cá
estão. O Desespero e a Vergonha.
POLÍTICA - Ó Capoeira, faze as tuas eternas tropelias, não te amedronte o termo de bem viver,
nem que te assentem praça na Armada! Tu, Conferência, amola o próximo! Veículo, continua tua
sociedade com os médicos. (O Médico aperta a mão ao Veículo.) Ó Médico, ceifa... Ó Beribéri ceifa... Ó
Morte ceifa... Cumpri todos o vosso dever. Ó Seca! A ti está reservado o mais importante papel entre as
calamidades que hão de afligir a Nação Brasileira em 1877. Há bom número de anos que não pões em
prática o teu valor. Vai agora e tira o ventre de miséria. Escolhe para sede de teu domínio uma província
próspera e feliz.
BOATO - Goiás, por exemplo.
POLÍTICA - O Ceará! Ide, meus irmãos, trabalhai pela santa causa da desumanidade; quanto a
mim hei de contribuir com o que estiver ao meu alcance para a desgraça pública e particular. Ide.
TODOS - Vamos.

Coro
Cena III
Os mesmos, o Anjo da Humanidade acompanhado de Fé, Esperança e Caridade

ANJO - Ainda não.


TODOS - O Anjo da Humanidade!
BOATO - A estas horas! Quase se pode dizer: é o Bom Anjo da meia-noite.
ANJO (Harmonias.) - Ó Política, não te iludas,
O Anjo sou da Humanidade,
ao lado estou das três virtudes,
Fé, Esperança e Caridade.
BOATO (À parte.) - Isto é um drama do São Luis.
ANJO - Querem lutar? Pois bem... lutemos,
eu pelo bem, vós pelo mal.
Parti, partamos, e veremos
quem suplantar há de afinal.
POLÍTICA - Derrubemos essas virtudes malditas.
TODOS - Guerra... Guerra. (Ameaças de todos os personagens, exceto Boato, que fica de parte.)
ANJO - Para trás. (Subjugam-se os personagens. Forte na orquestra.)
[(Cai o pano)]
ATO PRIMEIRO
QUADRO II
Cena I

(Depois da sinfonia, UM ESPECTADOR, que está num camarote dirige-se ao público


naturalmente.)
ESPECTADOR - Parece-me que, desta vez, temos coisa nova. Antes de vir para aqui, tinha dito a
um dos meus amigos que creio deve estar aí na platéia: Palpita-me que vou ter uma imitação francesa
parecida com a da Madame Angu ou uma tradução, como a da Mulher do Saltimbanco, mais ou menos
apropriadas aos acontecimentos passados: mas julgo que me enganei. Errare humanum est. Ainda que
me custe a engolir como genuinamente original, aquela esperteza de começar a peça pelo couplet final.
Enfim, nihil sub sole novum. Uma das coisas que nunca falham numa revista francesa é o Monsieur du
parterre, sujeito que finge ser do público, que fala como por acaso... Bem acredito eu nos tais casos... e
que, no fim de contas, não passa de um ator com mais ou menos espírito. Felizmente nesta peça
parece-me que estamos livres dele... do ator se entende... porque o espírito é de crer que o haja por
atacado e a varejo, apesar da peça não ser do Varejão. Sem querer, falei demais... Não vão agora os

183
senhores pensar que faço parte da peça! Deus me livre, que meu pai não me educou para cômico.
Vamos ver o que sai por detrás daquele pano.

(Sobe o pano. Praça, gafanhotos, vaga-lumes, Gatunos, Moleques, Policiais)

Cena II
Gafanhotos e depois (Ilegível.)

Coro
Cena III
1º, 2º Gatuno e Zé Povinho
1º GATUNO (Deixando cair uma carta no chão.) - Lá vai a isca.
2º GATUNO (Agarra a carta na ocasião em que o 1º vai também para lhe pegar, ficando o 2º com
ela.) - Largue, que é minha.
1º GATUNO - Não há tal! Esta carta caiu-me da algibeira.
ZÉ (Que tem visto.) - Caiu, que eu vi.
2º GATUNO - O senhor está combinado com ele!
ZÉ - Combinado vá ele. Veja se quer exprimentar a peroba. (Ameaça-o.)
2º GATUNO - A carta é minha, e a prova é que tem dentro uma trancinha.
1º GATUNO - A carta caiu-me da algibeira, e não tem nada dentro.
2º GATUNO - Aposto em como tem uma trancinha.
ZÉ - Aposto também eu! Aqui está dinheiro!
1º GATUNO - Também eu aposto. Vamos, feito!
ZÉ - Quanto val a aposta?
2º GATUNO - Duzentos bicos...
ZÉ - Case. Os meus aqui estão. Vão para a mão deste cavalheiro.
1º GATUNO - Abra a carta.
2º GATUNO (Abrindo a carta e mostrando uma trancinha.) - Ganhei.
1º GATUNO (Para Zé Povinho.) - Perdemos. (Os gatunos saem.)

Cena IV
Zé Povinho só; depois Boato, vestido de urbano; Nota de Duzentos Mil Réis que nada fala

ZÉ (Meio atordoado.) - Perdemos. É singular este plural. Devia ter dito ganhamos, e perdeu!
Querem ver que fui embarrilado? Creio que sim. Pelo sim, pelo não, vou queixar-me à Polícia. (Entra o
Boato.) Ó camarada. (Boato não responde.) Ó seu guita! (O mesmo.) Vai a dormir. (Chega-se e grita-
lhe no ouvido. O urbano desperta, puxa da espada e põe-se a gritar.)
BOATO (Com volubilidade.) - O que é isso? O que é que é? O que há? Quem foi o ladrão? Onde é
o fogo? Onde está a carroça? Que número tinha o bonde? Quantas facadas deu ele?
ZÉ - Uma só... mas foi taluda.
BOATO - Onde?
ZÉ - Aqui. (Mostra o bolso.) Duzentos mil réis, Por sinal foi uma nota...
BOATO - Uma nota de duzentos.
(Passa uma nota perseguida por um urbano.)
ZÉ - Olhe, exatamente como aquela!!
BOATO - Como aquela?
ZÉ - Tal e qual.
(A nota faz negaças ao urbano até sair.)
BOATO - Mas aquela é uma nota falsa! Você parece-me passador de moeda falsa. Venha à
presença da autoridade. Está preso em flagrante de delito! Hum... amanhã dirão os jornais: "graças ao
zelo da Polícia, foi preso um dos passadores de notas falsas. A Autoridade segue o rasto de vasta
conspiração".

184
ZÉ - Qual conspiração nem qual carapuças. Conspirando está você contra o meu sistema nervoso.
O que me parece é que você está a dormir!
BOATO - Insultos! Oh! que parte!
ZÉ - Você quer tomar o peso ao cacete.
BOATO - Ameaças! Oh! que parte!
ZÉ (Levantando a bengala.) - E se não se safa..
BOATO (Apita.) - Vias de fato! Oh! que parte!

Cena V
Os mesmos e Política

POLÍTICA - Pára.
BOATO - Manda quem pode.
POLÍTICA - O que foi isto?
BOATO - Tomei este uniforme de urbano, e acabo de prender um passador de moeda falsa, visto
que não podemos agarrar mais nenhum. Agarramos um, prendemo-lo, processamo-lo, levamo-lo ao
júri, absolvemo-lo, apelamos, processamo-lo de novo, levamo-lo de novo ao tribunal, condenamo-lo,
mas damos-lhe tempo para deitar sebo nas canelas. (Baixo.) Mas...esse... coitado... não passou: foi
passado
POLÍTICA - Nesse caso, retira-te...
BOATO - Para onde?
POLÍTICA - Vai vestir-te à paisana e assistir às sessões da Câmara.
BOATO - Lá vou... lá vou... (Vendo entrar o Capoeira.) E vou em boa companhia.

Cena VI
Os mesmos e Capoeira

ZÉ (Fugindo para o regulador.)- Ai mau! Ai mau!


CAPOEIRA - Vamos à Câmara?
BOATO - Eu vou para lá: vem comigo. (Enlaçam-se.) Trazes a navalha?
CAPOEIRA - Trago. Vamos. É mais perto ir pela estrada do... (Indica à esquerda.)
BOATO - ...do que ir pela travessa. (Saem.)

Cena VII
Zé Povinho e Política

ZÉ (Rolando o chapéu nas mãos.) - Eu faltaria ao mais sagrado de todos os deveres se não lhe
agradecesse...
POLÍTICA - Nada tem que me agradecer. Somos conhecidos velhos.
ZÉ - Vossa Mercê já andou pela Província?
POLÍTICA - Eu ando em toda a parte.
ZÉ - Mas nunca tive o gosto de a encontrar!
POLÍTICA - Olá! Se tiveste! Sou a Política!
ZÉ - Qual!
POLÍTICA - Duvidas?
ZÉ - Que esperança! Pois se sou uma vítima de tal víbora! Ainda nas últimas eleições, ela me fez
gastar bons cobres! E afinal de contas o Sérgio pulou fora como um catita! Foi repelido à correia! Não o
quiseram lá! Fora mais fácil meter um prado na Câmara, e não meteram, apesar de vir por obra e graça
do Espírito Santo. Mas, apesar disso tudo, em se falando de eleições, sou outro homem; é defeito que
me está na massa do sangue. Apesar da Política lá na terra ser velha e feia como o demônio. Você ao
menos é toda chique, toda boa, pra não dizer mesmo toda coxa. A coisa por cá parece que rende.
POLÍTICA - Qual! Vão-se acabando os privilégios. Já estão inventados todos os melhoramentos.

185
ZÉ - Já eu tenho ouvido falar nisso. Isto por cá vai de vento em popa. É Empresa de Esgotos,
Carris de Copacabana.
POLÍTICA - Isso anda meio entruviscado. Botanical que dividir a Copacabana; quer ficar com a
copa e deixar a cabana aos outros.
ZÉ -Quem ocupa a copa esquipa sob a melhor capa! No copus hic labor est.
POLÍTICA - Faço como Pilatos, que era homem asseado, e lavava as mãos mesmo quando
estavam limpas...
ZÉ - As mãos da Política não podem estar muito limpas... Oh! Mas vossemecê traz luvas... e que
as não trouxesse! Tinha água da Empresa do Anjo Gabriel... É verdade que a tal água pode untar as
suas mãozinhas, em vez de limpá-las... Mas posso saber quem é esse sujeito de quem me livrou?
POLÍTICA - É um dos meus mais fiéis aliados: é o Boato.
ZÉ - O Boato?
POLÍTICA - O "consta-nos", o "diz-se", o "ouvi dizer", o "somos informados com toda a reserva".
Uma espécie de calúnia de Beaumarchais...
ZÉ - E você tem conhecimento com sujeito dessa ordem? Que ordem de sujeito! Está sujeito a
ser chamado à ordem!
POLÍTICA - Está bem: deixa-te de trocadilhos e anda daí a ver a cidade do meu afeto.
ZÉ - Aceito. Mas receio que minha mulher, Opinião, vendo-me com vossemecê, faça uma cena
dos diabos.
POLÍTICA - Acharei artes para livrarmos dela. É ciumenta?
ZÉ - Uma víbora!
POLÍTICA - E como é que não está contigo?
ZÉ - Ficamos de nos encontrar em Botafogo; mas, para aproveitar alguns momentos livre dela,
ensinei-lhe o bonde de Vila Isabel.
POLÍTICA - Pois amanhã o meu fiel Boato te livrará dela.
ZÉ - Mas nada de intrigas.
POLÍTICA - Sossega; não há ninguém como a Política para guardar as conveniências.
ZÉ - E se todo em todo me não pode livrar dela?
POLÍTICA - Quem não pode, trapaceia...
ZÉ - Pois também a Política?
POLÍTICA - Vem daí, ingênuo e primitivo caboclo. (Passam ao fundo dois personagens
esgrimindo-se com penas de pato. Um deve ser padre.)
ZÉ - O que vão fazendo aqueles dois indivíduos?
POLÍTICA - São dois amigos meus que estão tratando da Questão religiosa.
ZÉ - Pois ainda isso dura?
POLÍTICA - E durará. (Vai ao fundo e aperta a mão dos esgrimadores.)
ZÉ - O que foi vossemecê lá fazer?
POLÍTICA - Estavam um pouco cansados; fui lhes dar novas forças. Vamos! (Saem.)

Cena VIII
Opinião, só

OPINIÃO - Ora, uma destas só a mim acontece! Ah! que se o encontro dou-lhe uma sova de o
deixar em lençóis de vinho. Larga-se um homem e mais a sua mulher lá dessas terras por onde Cristo
nunca andou, para vir à corte opor-se ao concurso de abastecimento de carne verde à capital, sai-lhe
pela proa um Berlinch e adeus minhas encomendas! Há de dar bons burros ao dízimo! A sua carne verde
faz febre amarela! Ao menos há patriotismo nas cores! E o tratante do Zé Povinho mal aqui se apanha,
foi uma vez! É capaz de andar rendendo preitos aberta... mente às francesas, e à ida para casa com
este sistema, há de ser bonita... Se o apanho...

186
Cena IX
A mesma, o Boato, à paisana

OPINIÃO (Vai sair e encontra-se com Boato.) - Vai cego?


BOATO - Irribus! Pisou-me o melhor calo!
OPINIÃO - Para outra vez, veja por onde pisa.
BOATO - O que quer? Venho atordoado com o que me contaram.
OPINIÃO - O que foi?
BOATO - Dizem que um pobre homem, não vi, mas ouvi dizer a pessoa de confiança, tendo-se
perdido esta manhã da mulher...
OPINIÃO - O que faz? Valha-me Deus! Mas o marido também se perdeu de mim!
BOATO - Da senhora?
OPINIÃO - De mim, sim; já lhe disse tintim por tintim.
BOATO - Pare lá com o sino! Enfim! E como se chamava ele?
OPINIÃO - Zé Povinho.
BOATO - É o mesmo.
OPINIÃO - Mas o que lhe aconteceu? Ah! Conte! Céus! Diga! Estou num desespero incrível!
BOATO - Pois, minha boa e pobre senhora...
OPINIÃO - Estou viúva?
BOATO -Provisoriamente!
OPINIÃO - Explique-se ou o agatanho!
BOATO - Seu marido, consta fez as malas e sem amá-la... pôs-se a panos mal a mala. (Sai.)

Cena X
Opinião e Espectador

OPINIÃO - Mas isto é horrível! Abandonar-me no meio duma cidade desconhecida em risco de ser
cantada... em alguma "ocorrência da rua". Em verdade, se fora segunda feira: e em prosa, se for a
semana. Isto é ignóbil.
ESPECTADOR - É muito mais do que a senhora julga!
OPINIÃO - É porque terá outra amante?
ESPECTADOR - Tem, e a pior de todas...
OPINIÃO - Diga-me quem é, porque quero esganá-la!
ESPECTADOR - Não fazia nada demais, porque ela tem esmagado a muita gente.
OPINIÃO - Quem é ela?
ESPECTADOR - A Política;
OPINIÃO - Ai, que mulher sem-vergonha. Hei de desmascará-la.
ESPECTADOR - Olhe que veio a propósito atrás dele! O seu Zé Povinho estava sossegado, como a
linda Inês!
OPINIÃO - Então ele não partiu?
ESPECTADOR - Qual! A senhora foi vítima da seca... Ai, da seca. Oh! Perdão! Vítima do logro.
OPINIÃO - É do que vive aquela sujeita, é de lograr todo o mundo!
ESPECTADOR - Se a senhora quer, eu acompanho, até encontrar o homem.
OPINIÃO - Com todo o gosto
Dueto

Lá vou, lá vou, lá vou


sinhá.
pois sim, pois sim, pois sim,
venha cá.
(À parte.) - É bem simpático este moço! Parece-me com a Vale, do Teatro São Luiz. Vou
enciumar o pérfido e assim que lhe deitar as unhas, deito-lhe as ditas e dentes, e ponho-lhe as malas à

187
costas e marcho para Goiás, que é terra de progresso, onde há um cabriolé ganho com o suor do rosto.
(O Espectador desce para o palco.)
ESPECTADOR - Pronto.
OPINIÃO - Principiemos a exploração. (Derretida.) Não?
ESPECTADOR - Está dito então.
OPINIÃO - Onde vamos?
ESPECTADOR - Ver a inauguração do plano inclinado para Santa Teresa!
OPINIÃO - Plano inclinado? Nunca ouvi falar nisso, senão a respeito das nossas finanças.
ESPECTADOR - Essas estão em muito bom pé... Agora em boa mão é que não sei... Ouvi falar aí
numa história de dez mil contos, que é um verdadeiro romance.
OPINIÃO - Mas então o que é o plano?
ESPECTADOR - Venha, e depois lho explicarei.
OPINIÃO - Por onde?
ESPECTADOR - Metemo-nos no bonde aqui no largo.

QUADRO III
Cena XI

(Vista do plano inclinado de Santa Teresa. Coro de inauguração de gente do povo.)


Espectador e Opinião

OPINIÃO (Abanando-se.) - Ai tanta gente e o Senhor Zé Povinho nem pintado o vejo. Ai! O que é
que vem ali? Nunca vi animal semelhante.
ESPECTADOR - Vem aqui por causa de sê-lo.

Cena XII
Os mesmos e o Correio, montado numa tartaruga

(Correio é cercado e cumprimentado por todos os jornais.)


OPINIÃO (À parte.) - Ele anda tão devagar... (Ao Espectador.) Pois o Senhor Diretor é bem ativo
e inteligente.
ESPECTADOR - Assim é que é o Correio geral! Mais moroso que aquilo só o Telégrafo.
CORREIO - Agradeço a pontualidade. Vim um pouco mais tarde, porque tive de fechar a mala
para Chapéu d'Uvas. Espero que haveis de ficar contente com a convenção de Berne.
TODOS - O quê?
CORREIO - Quero dizer que haveis de ficar satisfeitos com o plano, e eu, por meu lado, não hei
de ficar no primeiro plano.
ESPECTADOR - Não falo da carta; refiro-me ao plano.
CORREIO - Desde que se aperte o freio do novo sistema, já não há perigo que as cartas sejam
violadas;
ESPECTADOR - Mas a que inviolabilidade se refere?
CORREIO - À da vida dos que subirem o plano. Já dei ordem para serem carimbados...
TODOS - Carimbados?
CORREIO - Todos os bilhetes. Por estas e outras mereço todo o elogio. Na qualidade de Correio
Geral e reconhecendo que uma carta levava dois dias para chegar da cidade a Santa Teresa, acho
excelente a idéia do plano inclinado! O próprio indivíduo pode levar a sua carta, e entregá-la em mão
própria em meia hora. (Sente-se o apoio e grande algazarra do povo.)
TODOS - É agora. É agora. Vai subir.
UM MOLEQUE - Quer balas, freguês, quer balas?
(Aparece o bonde no plano inclinado. Estão Zé Povinho e a Política.)
ZÉ - Eu cá estou.
POLÍTICA - E eu também.

188
OPINIÃO - (Que está à boca de cena.) - Lá está o pérfido! Acompanhado duma mulher! Oh!
Quero saber quem é!

Cena XIII
Os mesmos e Boato

BOATO (Ao ouvido da Opinião.) - Consta-me... não sei... mas parece-me que é a Política!
OPINIÃO - Mas o que vai ele ali cheirar?
ESPECTADOR - Não se admire: a Política cá na terra mete o nariz em toda a parte.
OPINIÃO - Deus queira que não as meta nas algibeiras do velho. Basta que eu o faça.
ESPECTADOR- É limpeza geral!
ZÉ - A Opinião! Minha mulher! Ó Senhora Política, mande subir até onde há cabo. Ao cabo do
mundo que seja, senão acabo! Ela dá cabo de mim.

Cena XIV
O Veículo e o Anjo da Humanidade

VEÍCULO (Entrando desaforado com o tílburi na cabeça.) - Maldita invenção do bonde. Até
mesmo esta subida já tem condução à noite. Pois bem guerra de morte! Comecemos por cortar o cabo!
(Vai a dirigir-se para o fundo.)
ANJO (Derrubando-o.) - Para trás! As conquistas do Progresso protege-as Anjo da Humanidade.
VEÍCULO - Ora esta. Não sei o que tenho. Vinho não é, porque só bebi cachaça.
(Aparece na plataforma do bonde o Anjo, que sobe ao som de gerais aclamações, levando a
reboque a tartaruga em que vai montado o Correio.)
OPINIÃO - Lá se vai o homem pela corda acima.
BOATO - E dizem que a coisa vai descarrilar!
OPINIÃO - Então lá leva o diabo o velho. (Cai desmaiada nos braços d'alguém.)

(Mutação.)
QUADRO IV
Cena XV
(Um botequim, mesas, cadeiras)
Caixeiro, só, à porta

CAIXEIRO (À parte.) - Estamos hoje em maré de vazante. Não aparece ninguém... Não admira...
Os fregueses estão metidos aí em algum teatro a ouvir alguma conferência... E o mais é que estas
coisas de conferência têm feito um mal dos diabos ao comércio. Há estabelecimento por aí que está
sempre às moscas, outros estão como Nero. Nem mesmo uma mosca... todos os fregueses fugiram...
foram naturalmente ser oradores de conferências. Que também não sei por que se não há de chamar de
conferentes a esses oradores. Conferente!... Só o título quanto val! (Ouve-se um trovão.) Santa
Bárbara!... Lá está um a orar... Ah! É um trovão. Ora, ó Lopes... Felizmente lá vem um freguês, mais do
que um... é uma companhia.

Cena XVI
O mesmo, Diretores da Companhia de Consumo, depois Taberneiros

1º DIRETOR - O senhor é dono desta casa?


CAIXEIRO - Por enquanto não, senhor. Sou apenas um dos interessados... em que ela ganhe
dinheiro.
1º DIRETOR - Pois nós cooperamos o consumo, e vínhamos saber quantas ações quer que
reservemos.
CAIXEIRO - Para quê?

189
1º DIRETOR - Para comer mais barato do que em qualquer outra parte... tudo puro e sem
confeição. (Os taberneiros têm estado a espreitar a porta e entram ameaçadores.)
Coro

CAIXEIRO - Mas isto é uma invasão! Estão por acaso suspensas as garantias?... O que é isto,
vivemos num império ou numa republiqueta?
1º TABERNEIRO - Nós, os secos e molhados... fazemos de guerra de morte a essa companhia,
que jurou a nossa ruína. Nós somos o monopólio do bacalhau, a composição do vinho, a farinha
avariada. Os paios em salmoura podre, o azeite rançoso e todos esses gêneros que fazem tapar o nariz
à Junta da Higiene, que emagrecem o povo e nos engordam a nós. Eis o que somos.
CAIXEIRO - Pois eu, como cá cheiro, não me cheira essa contenda, e ponham-se todo na rua.
Rua! Senhores do Consumo, não me consumam a paciência.
TODOS - Guerra! Guerra!
(Saem em perseguição uns aos outros pela esquerda.)

Cena XVII
Caixeiro, depois, Zé, Política

CAIXEIRO - Além de se não ter fregueses, ainda em cima me cai em casa uma praga destas!
Onde estão as autoridades? Já não temos constituição, senão na Praça do Rossio. O país está perdido.
(Entra Zé e Política.) A nação vai por um plano inclinado.
ZÉ - De lá venho eu agora... e gostei. (Entra.)
CAIXEIRO - Ó coração despaisado... Pois o senhor gosta da desgraça do país?
ZÉ - Do país? Quem lhe fala nessas coisas? Eu refiro-me ao plano inclinado de Santa Teresa, e eu
mesmos estou inclinado a fazer um plano daqueles lá na terra; mas puxado a burros.
CAIXEIRO - A burros?! Queira desculpar.
ZÉ - Não há de quê. (À Política.) Tomas alguma coisa?
POLÍTICA - Isso não se pergunta, eu tomo sempre.
ZÉ - Traga-me lá uma cajuada com groselha. (Sentam-se à mesa.) Pois gostei da tal
caranguejola, é obra acabada... agora o que falta é acabar a obra.
POLÍTICA - Não se há de demorar... Eu interesso-me pelo melhoramento.
ZÉ - Tu também interessas-te por tudo... és a salvação do Povo...
POLÍTICA - O Povo é os meus encantos, a minha tetéia... ou em melhor e moderna tradução, o
meu bijou... Olha, lá vem um dos meus amigos.
ZÉ - Quem? Aquele homem de capote que vem com aquela criançada toda?
POLÍTICA - Esse mesmo. Dirige-se para aqui.
CAIXEIRO - Estamos arranjados... se nos apanha de jeito, é capaz de nos pedir a camisa.

Cena XVIII
Os mesmos e o Major

MAJOR - Meus senhores, venho implorar a sua caridade... Qualquer cosa me serve... Umas
calças... até uma casaca me faz conta... mesmo das viradas... se é que há algumas por aqui...
ZÉ (Baixo à Política.) - Aquilo parece que é contigo.
POLÍTICA - Não é, mas faz-me arder...
MAJOR - Querem uma amostra do pano? Pois aí vai o pano d'amostra. Eu tinha uma casaca.
Duma das abas fiz um cueiro... vejam. (Mostra uma criança embrulhada numa aba da casaca.) Com
outra, arranja-se uma capa como esta. (Vai mostrando o que diz.) O que este tem na cabeça é uma
manga... cujo canhão disparou... quero dizer, desapareceu... a outra manga deu meias calças para este
que está a espera d'outra casaca para completar a toalete... e o resto... o casco... desabado... cobre os
ombros deste patusco... Vejam pois que as casacas di...abas são casacas santas... Vamos, meus
senhores, qualquer cosa serve.
ZÉ - Eu só lhe dei um cheque para o Banco Mauá.

190
MAJOR - Depois que levou o xeque-mate, é quanto de mau... há.
ZÉ - Pois se lhe não serve...
(O Caixeiro que tem saído, entra com uma grande porção de roupa velha com que se vestem os
pequenos caricatamente.)
CAIXEIRO - Aqui tem o que há. Por hoje acabou-se a roupa velha cá em casa.
ZÉ - É pena, porque o petisco é do gosto.
POLÍTICA - E olha que não é mau petisco.
MAJOR - Obrigado.
CAIXEIRO - Quando o senhor sair condecorado, lembre-se de meu padrinho, que é uma jóia e
vende as ditas na Rua Estreita de São Joaquim.
MAJOR - Agora, rapazes, vamos a outra freguesia.
(Dão a volta à roda da cena, ao som da Marcha.)

Cena XIX
Caixeiro, Zé, Política, depois Boato

ZÉ - É original este tipo!


POLÍTICA - As intenções são boas...
ZÉ - Já não acontece o mesmo a todos... (Vai sentar-se num banco do que cai a perna.) Veja
este banco que peça me armou... estava quebrado... não me preveni... convidou-me a sentar, e depois
zás... uma destas faz perder a confiança nos bancos. (Ouve-se rumor.)
POLÍTICA - Que rumor é este?
CAIXEIRO - É na... o que lá vai.
POLÍTICA - O que é?
BOATO - Querem saber o que é, não se assustem. Todos os rapazes da Instrução Pública que, em
vez de conhecerem os sujeitos da oração... ora... são a atacar todos os sujeitos que passam.
ZÉ - Mas então estão incursos nos artigos da Lei.
BOATO - São artigos indefinidos ainda.
ZÉ - Mas isso não tem nome... Se hão de estudar a gramática e respeitar a regência...
BOATO - Fazem-se prosas e fazem o inverso.
POLÍTICA - Eu vou sossegá-los.
BOATO - Talvez que o seu verbo ativo...
ZÉ - ... os faça concordar... Mas eu creio que fazes mal em te ires meter com os pequenos...
lembra-te do ditado: Quem se...
POLÍTICA - Qual, de pequenino é que se torce o pepino.
BOATO - E ela quer começar a torcê-los de pequenos. Vá, Dona Política... e veja se tem
proposições capazes de fazer a concordância geral e pôr o complemento à questão. Não se ponha com
interrogações, e ponha ponto na oração. (Política sai. Boato a Zé.) Enquanto apeamos, quer tomar café,
para depois irmos gozar de uma partida de bilhar?
ZÉ - A dinheiro vai... jogo o bilhar por uma partida de café.
BOATO - Dizem que tem bom preço este ano?
ZÉ - Isto é lá com os comissários... Vamos a isto.

Cena XX
Os mesmos, Espectador, Opinião, Tubo e Homem Canhão

ESPECTADOR - Lá está ele... então o que lhe disse eu... encontramo-lo ou não.
ZÉ - A Opinião! Estou asseado.
BOATO - Coragem.
OPINIÃO - Ora, até que tenho o gosto de lhe por a vista em cima... então, como se entende isto,
senhor?... Que procedimento é esse? Quando o senhor subiu ao monte...
ESPECTADOR - Foi quando ela subiu a serra!
OPINIÃO - Vamos é arranjar malas e partir.

191
ZÉ - Partir?
OPINIÃO - Pois, por que espera?
ZÉ - Por quê?... Ah! Sim... Quero que ande à roda! Comprei um bilhete com duas garantias, par a
sorte grande ser mais certa!
OPINIÃO - Com a cabeça à roda anda você desde que se apanhou com essas fúrias de cara
caiada e de carro à porta! Ah! não sei o que me contou... (Raivosa.) Estou sedenta...
BOATO (Muito breve.) - Rapaz, já um copo d'águia.
CAIXEIRO - Acabou-se;
TODOS - Acabou-se?!
CAIXEIRO - O Fiscal fechou a torneira pela manhã.
ESPECTADOR - Deve haver outras...
CAIXEIRO - Há, mas são verdes... ou digo, são para os outros.
TODOS - Água, água!
TUBO - Pronto. (Mete um tubo pelo chão abaixo e sai um repuxo.)
TODOS - Nada, nada.
TUBO - Isto é simples.
BOATO - Dizem que não pega... porque é bom!
TUBO - Há de sair...
BOATO - Olhe, canta-lhe...Quero dizer, toque-lhe a bomba...
TODOS (Dando à bomba.) - Ajudemos todos, (Dando todos à bomba.)
ESPECTADOR - Se eu tivesse um talismã, captava como o Vale , na Pêra de Satanás.
BOATO - Eu também.
ESPECTADOR - Vá de valetas.
BOATO - De valetas. está dito.

Cantam
Talismã poderoso, que opera
com o teu alto poder, maravilhas
a nós todos, que a sede devora
um pinga vem dar, seja embora
do Cartaxo, do Porto, ou das |ilhas.
(Jorra água por um lado e vinho do outro.)
BOATO - Viva o nosso chafa...
TUBO - ... ris? do progresso?...
BOATO - Vivam os tubos.
TODOS - Vivam.
OPINIÃO - Vamos, Juquinha... Agora estou saciada, vamos para a tua terra. (Ouve-se um grande
tiro.) O que é isto? (Passa ao fundo o Homem-canhão.)
ESPECTADOR - É o Homem-canhão.
BOATO - Homem-canhão... mulheres tenho visto.
ESPECTADOR - Um homem que dispara... e põe logo a andar uma bala de calibre três mil,
oitocentos e cinco...
ZÉ - Que pena não haver um batalhão destes no Paraguai.
BOATO - Para quê? Para se acabar a guerra num dia?
OPINIÃO- E para nos livrar dos impostos para ela, que ainda estamos pagando. (Música fora.)
TODOS - O que é isto?
BOATO - Isto deve ser... ruim... parece-me que é alguma manifestação qualquer... porquê...
ESPECTADOR - Desembuche...
BOATO - Lá vai... conta-se... dizem que houve uma combinação entre o Diretor do Corpo de
Bombeiros... eu não vi... mas afirma-se.

Cena XXI
Anjo, Zé e Espectador

192
ANJO - (Aparecendo ao fundo.) - Afirma-se que houve um tempo em que os incêndios alteravam
e destruíam com uma voracidade assombrosa a propriedade e os bens.
ZÉ - Bem me lembro. No tempo em que eram circunscritos.
ESPECTADOR - Um incêndio deixa sempre o juízo a arder.
ANJO - E que esse tempo, graças à energia, zelo, boa vontade e coragem dum intrépido e
benemérito militar, desapareceu... e que, por esse motivo, as Companhias de Seguro lhe vão oferecer
uma casa para ele habitar... Não é muito que se dê um lar a quem tantos salvou! (Ouvem-se foguetes e
música.)
ZÉ - Viva o heróis dos fogos!
TODOS - Viva! (Saem.)

Mutação
QUADRO V
Cena XXII
(Vista da praça, a mesma cena do Quadro II. Vendilhões, pretas, rapazes com gazetas. Ao fundo, um
grupo de gente dá atenção ao Preto, que canta alguns trechos de Maria Angú.)

Canção
Cena XXIII
Os mesmos e Opinião

ZÉ (Entra da esquerda.) - Para fugir à Opinião tive que também que fugir da Política!...Parece
sina... Estou em maré de perder de vista as mulheres... Ora, a minha Opinião, isto é coisa que ora está
para o Norte, ora para o Sul... Mas a Política? Segundo me informaram, essa senhora quando se
pespega no cachaço de qualquer, não é com duas razões que o deixa.
OPINIÃO (Entrando pelo lado. À parte.) - Onde estará encafuado aquele maldito Boato? Se o
desalmado corre, que ninguém o pode apanhar... (Vendo Zé.) Ola Seu Zé Povinho, apanhei-o.
ZÉ - Credo, ela!
OPINIÃO - Com esta não contavas tu, confessa!
ZÉ - Confesso que estou satisfeito.
OPINIÃO - Vamos, passa adiante!
ZÉ - Onde diabos queres tu que eu vá?
OPINIÃO - Vamos embarcar.
ZÉ - Ora esta! Ainda não tomei o gostinho... Nem vi os teatros.
OPINIÃO - As varietées, não?! Ora, passa adiante de mim.
ZÉ (À parte.) - Se fosse a Política que governasse o Zé Povinho, ainda eu iria, mas da Opinião
não me importa. Eu hei de me ver livre dela.
OPINIÃO (Que tem subido a falar com alguém e desce agora.) - Vamos (Saem.)

Cena XXIV
A Companhia de Consumo do Pão perseguida pelos Professores Públicos, Boato e Anúncio

PROFESSOR - Dê cá o pão! Dê cá o pão!


1º DA COMPANHIA - Largue o pão! Largue o pão!
BOATO - O que é isto? O que é isto?
1º DA COMPANHIA - Senhores, nós somos a Companhia do Consumo do Pão.
BOATO - Ah!!
1º DA COMPANHIA - Andamos à cata de acionistas!
BOATO - Fazem mal, fiquem descansados em casa, que eles lá irão ter.
1º DA COMPANHIA - Precisamos de acionistas como de pão para a boca.
BOATO - Isso é o que não aprece.Os senhores tem aí para um exército.
1º DA COMPANHIA - Isto é uma amostra do nosso pão.

193
PROFESSOR - Senhor, nós é os pobre professor público.
BOATO - Nós é... sim, senhor. Está se vendo... está se vendo...
PROFESSOR - Nossos vencimento foi reduzido! Nós está com fome. Queremos este pão.
TODOS - Queremos este pão!
1º DA COMPANHIA- Mas isto é uma violência. (Frases desencontradas de parte a parte e saem
altercando para a direita.)
BOATO (Só.) - Dizem que Jesus Cristo, com cinco pães, deu de comer a cinco mil pessoas. Se
fossem todos da Companhia do Consumo, não era milagre nenhum. Aí vem o Anúncio: fujamos deste
amolador.
ANÚNCIO (Sombrio.) - Qual é a melhor cerveja nacional? A Cristiana! Dê-se um prêmio a quem
provar o contrário. (Passeia e pára de novo.) O melhor favor que se pode fazer a uma senhora é indicar-
lhe a casa especial de fazendas pretas. (O mesmo jogo.) O rend l'argent a quem comprar por menos.
Aux 100.000 Palitots. (Sai majestosamente.)

Cena XXV
[Zé Povinho (Só.)]

ZÉ - Então livrei-me dela ou não? A Opinião nunca está com o Zé Povinho, que é o mesmo que
dizer que o Zé Povinho não tem opinião. O que é aquilo? Que povaréu é aquele?

Cena XXVI
O mesmo, Dondon, Operários da Alfândega

OS RECÉM-CHEGADOS - É um desaforo! É uma pouca vergonha!


ZÉ - Vossas Excelências queiram desculpar, mas o que foi que aconteceu?
DONDON - Eu lhe conto, cidadão... Antes que tudo, qual é a sua cor política?
ZÉ - O azul.
DONDON - Como o azul? Zomba, cidadão? Olhe que lhe desanco com a musa do povo!
ZÉ - Perdão, o que foi que perguntou?
DONDON - Perguntei-lhe qual era sua cor política.
ZÉ - Pois então desculpe, julguei que me perguntasse qual era minha cor predileta.
DONDON - Política. A que corpo pertence.
ZÉ - Eu não tenho cor po...lítica.
DONDON - Saiba que aquele senhor, ou por outra, aquele charuto que ali passa ao fundo fez
umas tantas exigências vexatórias e inconseqüentes a esta pobre gente! Fizeram greve...
ZÉ - Uma greve é grave...
DONDON - Vieram ter comigo, o Tribuno do Povo, o Mimoso das Multidões, o Hirsuto, o
Encapotado, e pedirem-me que advogasse a sua causa. Fui a quem de direito... E o que julga o senhor
que me respondesse quem de direito?
ZÉ - Mandou-o pentear monos... ou pentear-se a si mesmo, que bem precisa disso.
DONDON - Nada, cidadão! Disse-me - Por que se meteu nisso:
OS OPERÁRIOS - É um desaforo, é uma pouca vergonha.
DONDON - Hei de me vingar num seu colega a quem não cansarei de repetir com toda a força
dos meus cabelos: - Larga a pasta. (Aos outros.) Amigos, segui-me e gritemos todos.

Coro

Cena XXVII
Política e Zé Povinho

POLÍTICA (Ouvindo ainda o coro.) - Imbecis, ora querem, ora não querem! (Vendo Zé.) Enfim te
encontro.
ZÉ - Onde andaste?

194
POLÍTICA - Então julgas que sou alguma vadia? Estás muito enganado! A política não tem
descanso. Ainda agora andei atrapalhada, apaziguando uma divergência que se estabeleceu entre um
sujeito e um marceneiro...
ZÉ - Por quê?
POLÍTICA - Porque queria a viva força apoderar-se duma cadeira que estava em sua casa para
cobrir de palhinha... e afinal apoderou-se.
ZÉ - E quem é esse pândego?
POLÍTICA - Um sujeito velho...
ZÉ - Desembuche! Quem é esse sujeito velho?
POLÍTICA - Não posso dizê-lo para evitar censura. Basta de darmos à taramela. Vamos.
ZÉ - Aonde?
POLÍTICA - Vamos aí à toa, não nos faltará o que ver. (Saem.)

Cena XXVIII
Espectador e Boato

ESPECTADOR - Nada, não me faça entrar na... para cá... olhe que não sou da peça.
BOATO - Não faz mal.
ESPECTADOR - O empresário pode escamar-se... e com razão, que diabo. Um homem que sai do
camarote e entra no palco. E o demônio do contra-regra onde tem a cabeça?...
BOATO - Venha cá... venha cá...
ESPECTADOR - De mais a mais, ó Seu Boato, olhe que isto é maçada... o espetáculo pode
acabar depois da meia noite... e depois não há bonde.
BOATO - Lá vai um vapor. (Passa um vapor.)
ESPECTADOR - Agora pergunto-lhe eu: se estando sem vapor fazem tantas vítimas, a vapor com
vapor quantas farão? É uma regra de três.
BOATO - Quais são os três?
ESPECTADOR - Ora esta! sempre é muito tolo!... Uma regra de três é... é... Eu lhe explico... É
uma regra sem exceção. Você sabe que não há regra sem exceção.
BOATO - Quanto ao número de vítimas não se amedronte. Agora há uma salva-vidas.
ESPECTADOR - Mas já está posto em prática?
BOATO - Posto em pratos? Em pratos limpos.
ESPECTADOR - Em prática!
BOATO - Por ora, está apenas posto em teoria.
ESPECTADOR - Por força. Nesta terra é sempre assim. Se se tratasse dum salva-mortes, já a
coisa andava na berra. mas diga-me cá: Você trata ou não de procurar a Dona Opinião?
BOATO - Havemos de encontrá-la nas festas do carnaval. (vendo cair uma pasta, das
bambolinas.) Ai!
ESPECTADOR - Ai!
BOATO - Caiu uma pasta.
ESPECTADOR - Coitada! Donde cairia ela?
BOATO - Do poder.
ESPECTADOR - Então o poder é lá em cima?
BOATO - É sim, senhor: dali é que nasce a corrupção dos povos.
ESPECTADOR - É de cima. Sei.

Cena XXIX
Espectador e Política

POLÍTICA - Ah! Cá está a pobre pasta... Que queda!


ESPECTADOR - Mas quem a atirou lá de cima?
POLÍTICA (Misteriosa.) Psiu! Vamos assistir ao carnaval?

195
(Mutação.)
QUADRO VI
Sobe o pano do fundo e vêem-se diferentes grupos carnavalescos com as bandeiras das várias
sociedades. Tocando a orquestra em surdina um cancã.

TODOS (Gritando.) - Viva a folia!


FEBRE AMARELA (Da esquerda.) - Bem, a ocasião é propícia para a ceifa. A Febre Amarela vai
tirar o ventre da miséria.
ANJO DA HUMANIDADE (Do outro lado.) - Ainda não há de ser desta vez, peste maldita. Para
trás!

(Ficam à boca de cena os personagens últimos e termina o ato com a música do Zé Pereira, e
grande algazarra e confusão.)

Fim do primeiro ato.

[(Cai o pano.)]
ATO SEGUNDO
QUADRO VII
Cena I
(Na Praia do Russel. O mar invade a maior parte da cena. É noite. A Lua está em todo o esplendor.
Sente-se amiudadas vezes durante o quadro a bulha dos foguetes e o estalar dos morteiros.)
Cartomante e Santinha

(Entra cada uma por seu lado e ficam separadas.)


CARTOMANTE (À parte.) Quem será esta sujeita?
SANTINHA - Quem temos de novo?
CARTOMANTE (Á parte.) - Será concorrente?
SANTINHA (Á parte.) - Teremos novo milagre?
CARTOMANTE - Tenho pena que as minhas cartas não adivinham senão para os tolos, aliás ia já
perguntar-lhes porque está esta cara de morte aqui.
SANTINHA - (Á parte.) - Ah! que se eu não fizesse milagre senão para os parvos, havia de
arranjar um ovo que pusesse a andar esta dama!? Será ela da roda cortesã? O melhor é ir ter com ela.
(Alto.) Nosso Senhor esteja na sua santa guarda.
CARTOMANTE - Eu não creio em Deus... o meu poder vem do inferno.
SANTINHA - Credo! Cruzes!... Abre-te núncio!
CARTOMANTE - E tanto assim que vim dizer-lhe quem é, com o auxílio das minhas cartas. (Vai
para estender as cartas.)
SANTINHA - Isso para mim já não pega. (Mostra um grande ovo, onde está escrito: Fome, peste
e guerra.)
CARTOMANTE - O quê? O célebre ovo... o prodigioso milagre da galinha santa... Lavre dois
tentos, colega... Venha de lá um abraço. (Abraçam-se.)
SANTINHA - Você é uma felizona. O seu modo de vida é livre, pode ter letreiro à porta: anuncia o
negócio e a ciência em todos os jornais, é consultada por todas as classes e hierarquias, ganha bons
cobres... enquanto que a mim foram-se à mão... diziam que faria concorrência à água da gruta, e que,
neste tempo de seca, toda água é pouca... e tão pouca, que até já falta nos incêndios. A não ser alguma
devota muito tola - já poucos acreditam em mim... Diga-me o que faz por aqui?
CARTOMANTE - Espero um sujeito que me quer consultar... e, para dar mais aparato à coisa,
mandei-o vir aqui.
SANTINHA - Pois eu vim do caminho... quero ver o fogo de vistas... sempre nestas multidões se
colhem muitas histórias que é bom saber.
CARTOMANTE - Seja feliz.

196
Cena II
Os mesmos e Boato

BOATO - Ora seja bem aparecida.


CARTOMANTE - Já o espero há meia hora.
BOATO - Se adivinhasse, como diz, podia ter poupado o trabalho da espera.
CARTOMANTE - E o homem?
BOATO - Não pode tardar... Quem é esta dama?
CARTOMANTE - É a senhora do ovo.
BOATO - Bem sei... é a galinha!
CARTOMANTE - Não é isso... é a dona possuidora do ovo milagroso.
BOATO - Ah! já sei... foi um ovo espertalhão que saiu cá para fora com umas palavras escritas na
casca... dona, de maneira que não puderam fazer deles, ovos moles, livrou-se assim até de ser
estalado.
SANTINHA - Nem assim!
BOATO - O quê? Pois foi passado pelas engolideiras.
SANTINHA - Não somos nada neste mundo!
BOATO - Lá vem ele... e com a mulher. Pode uma de vossemecês encarregar-se da mulher e
outra do sujeito. Ele não é tolo, mas é ignorante político, aprecia a boa vida, é entusiasta, e gosta de
andar arredor da amante, que é pouco mais ou menos como ele... Até a vista.
SANTINHA - Como se chama ela?
BOATO - Opinião.
CARTOMANTE - E ele?
BOATO - Zé Povinho.
SANTINHA - Creio que há de ser difícil separar a opinião do povinho.
BOATO - Também eu; mas nesse caso separemos o povinho da opinião. (Sai.)

Cena III
Cartomante, Santinha, Zé Povinho e Opinião

(Cartomante e Santinha conservam-se um tanto quanto afastadas.)


OPINIÃO -Bem te dizia eu que nos fossemos embora. Nunca me queres ouvir e agora aí o tens.
Esta mania de consultar a Bruxa há de ser como a de comprar o tal bilhete da loteria.
ZÉ - Pois sim, mas quem podia adivinhar que havia dois bilhetes com o mesmo número.
OPINIÃO - Como eles arranjam essas coisas é que não sei... Foi como a história dos leilões.
ZÉ - Não me fales nisso, que é a página negra da minha vida.
OPINIÃO - Tudo por dar ouvidos a intrujões.
ZÉ - Ora tu sabes que eu andava um tanto quanto necessitado de camisas... era mesmo muito
boa pessoa, mas tinha poucas roupas brancas... Passo por uma casa... O leiloeiro gritava: 20 mil réis...
35... e 500 e 600 e... 365, não dão mais? 36, 36, 36, 36. A quem mais lança? Não lançam mais?...
Parabéns, Senhor Zé Povinho. Dou o sinal e mandam-me, não uma caixa de dúzia, mas um caixote com
uma dúzia de caixas.
OPINIÃO - Foi uma boa camisa de onze varas. E ainda não te emendaste... Caíste noutra.
ZÉ - E quem não havia de cair. Passo na mesma casa, e o mesmo sujeito gritando: Uma caixa de
ceroulas, 20$000... levo a caixa... e encontro-me...
OPINIÃO - Com meia dúzia!! É muito bem feito, que é para não ser tolo... Agora vá ter com sua
amiga, a Política, essa vergonha que tem o perdido, e peça-lhe que remedeie o mal.
ZÉ (Que vê a Bruxa.) - Cala-te, que ali está a Bruxa.
CARTOMANTE - Bruxa vá ele... Veja como fala.
ZÉ - Com a dita ao bruxo... volto eu... se disse coisa que a escandalizasse.
CARTOMANTE - O que faço é filho dos altos estudos da ciência... (A Santinha.) Não é verdade?
SANTINHA - Assim é... eu, porém, desprezo a ciência e faço tudo com o auxílio do Altíssimo.
OPINIÃO - Sim?

197
SANTINHA - É como lhe digo... A senhora quer saber o seu destino... eu faço divina invocação e
tudo se me patenteia.
OPINIÃO - Ora vejam lá... Estava meio tentada...
SANTINHA - É Deus que a inspira...
CARTOMANTE (Tem se afastado disfarçadamente com o Zé, e o mesmo faz Santinha com a
Opinião.) É como lhe digo... As cartas vão dizer-lhe tudo! (Senta-se e deita as cartas.) Longa viagem...
mulher feia...
ZÉ (Á parte.) - Não há dúvida... Foi a viagem que fiz com a minha mulher.
CARTOMANTE (Lendo as cartas.) - Lá está... Dama de paus... feia como é... é perseguida e
amada.
ZÉ - O quê? Que eu o faça por obrigação, vá; mas, que haja quem tenha o mau gosto de fazer as
coisas por devoção... é que me custa a roer.
CARTOMANTE - Pois roa a verdade... lá está ele... Valete de copas. (Continua a cena muda.)
SANTINHA - Revelam os sagrados espíritos que seu marido trama um divórcio.
OPINIÃO - Ah! Patife!
SANTINHA - Convém evitá-lo!
OPINIÃO - Como?
SANTINHA - Despertando nele o ciúme.
OPINIÃO - E depois?
SANTINHA - Depois há de ser ele quem há de vir com a senhora.
OPINIÃO - E posso-lhe afirmar que há de ser bem convidado. Veja o resto.
CARTOMANTE (A Zé.) - Ela pretende ir com ele para longes caminhos com muitos dinheiros.
ZÉ - Não é minha mulher... É uma nova edição da mulher de Cláudio...
CARTOMANTE - A espadilha o afirma.
ZÉ (Olhando para a Opinião.) - Deixa estar, que eu te arranjarei, mas em tal conjectura, o que
hei de fazer?
CARTOMANTE - Deixá-la fazer o que ela quiser, e vigiá-la de perto.
ZÉ - Acho pouco essa coisa de só vigiar.
CARTOMANTE - Enciumá-la a valer... e então verá ela quem voltar ao aprisco.
ZÉ - Aprisco não, a casa.
OPINIÃO - Há de ser como lhe digo.
ZÉ e OPINIÃO - Está tudo acabado entre nós.
ZÉ - A senhora é!...
OPINIÃO - O senhor é!...

Cena IV
Os mesmos, Política e Boato

POLÍTICA - Então, o que é isso?


OPINIÃO - Olhem quem ela é... a senhora é que é a causadora de tudo isto!
BOATO (A Opinião.) - Sosseguem!
OPINIÃO - Que sossegue?!
BOATO - Aqui estou eu para a amparar.
OPINIÃO - Ora deixe-se disso.
BOATO - Lembre-se que, se a sigo há tempo, é porque a amo.
OPINIÃO - Olhe que meu marido pode ouvir.
BOATO - Não tema, porque está entretido com a Política.
OPINIÃO - Eu vou lhe arrancar os olhos.
BOATO - Vamos antes ver o fogo de vistas.
OPINIÃO - Eu é que tenho a vista em fogo... e estou a arder...
SANTINHA (A Opinião.) Faça o que lhe disse, se perde esta ocasião, não apanha outra tão cedo.
OPINIÃO - (Ao Boato.) - Tem razão. Vamos, meu querido. (Saem de braços dado.)

198
ZÉ (Como uma bicha.) - Seu querido?! E ela vai com ele! Quem é aquele biltre, que não o
conheço à noite?
POLÍTICA - O Boato.
ZÉ - Eu já o devia conhecer... Mas toma todos os dias uma cara diferente! Mas o que dirá o
mundo, vendo a Opinião com o Boato?
POLÍTICA - Não diz nada, porque o caso não é novo. Vem comigo.
ZÉ - Mas não me dirá que insistência...
POLÍTICA - Quero falar contigo a respeito das eleições municipais... e de muchas cosas más.
ZÉ - Isso é outro caso... Primeiro que tudo o bem da pátria...
POLÍTICA - Oh! Sim!... Abençoado seja o bem da pátria...
ZÉ - Que me livra da minha mulher e me dá motivo para um divórcio... Onde vamos?
POLÍTICA - Ver o fogo. (Saem.)
CARTOMANTE - E nós?
SANTINHA Vamos atrás deles para que nos paguem. De graça é que eu não trabalho... Ora que
pouca vergonha.
CARTOMANTE - Logo vi que a coisa acabava mal... estando a Política metida no negócio. (Saem.)

Cena V
Espectador, só

ESPECTADOR - Safa! Nem aqui me deixam... Sou apoquentado por todos os lados... Eu não
pertenço à peça, lá isso é verdade, pois até aqui me perseguem as subscrições. Não vejo surgir ante
mim senão vítimas, e a mais vítima de todas é a minha pobre algibeira, que vai ficando visivelmente
ética.
Depois de tantas subscrições, deve-se abrir uma entre as vítimas, para os que subscreveram para elas...
Lá vem mais... por esta é que não estou... Onde me hei de esconder. Ah! ali. (Esconde-se.)

Cena VI
Espectador, escondido, Homem da Pêra, Amigos

HOMEM DA PÊRA - Obrigado, adeus.


1º AMIGO - Guarde-te bem, para não te acontecer o mesmo que ao inglês. E, assim, que
estiveres em Nova Iorque, escreve.
HOMEM DA PÊRA - Adeus... Até a vista, e que os céus me proteja. (Salta para a praia para se
meter num bote e os amigos lhe dizem adeus.)
AMIGO - Manda notícias.
HOMEM DA PÊRA - Mandarei as notas de viagem e serão verdadeiras como todas as que tenho
usado na minha vida.
AMIGO - Adeus... e se encontrares o célebre orador que morreu na África, manda novas dele. (O
barco some-se e os amigos retiram-se.)

Cena VII
Espectador e depois Urbano

ESPECTADOR - Aquele parece-me que vai sem visto no passaporte... Felizmente vê-se livre das
subscrições. (Vai passando.)
URBANO - O senhor viu-o?
ESPECTADOR - A quem?
URBANO - Ao passador?
ESPECTADOR - Eu não vi nada.
URBANO - Mas disseram-me que havia de desembarcar aqui; demorei-me demais... encontrei a
mulher das cartas e não pude resistir ao gostinho de a consultar.
ESPECTADOR - Fez muito bem.

199
URBANO - O diabo é que o perdi de vista.
ESPECTADOR (Atemorizado.) - Lá vem ele!
URBANO (Apitando.) - Socorro.
ESPECTADOR - Apite. Aliás estamos depenados!
URBANO (Tirando sossegadamente o apito da boca) - Mas quem são eles?
ESPECTADOR - O povo das subscrições.
URBANO - Misericórdia! Salve-se quem puder. (Vai a sair e a cena invade-se de povo.)

CORO DE VELHOS
ESPECTADOR - Retirem-se... eu não posso mais... estou roubado. (Saem todos.)

Cena VIII
Espectador, só

ESPECTADOR - Graças a Deus que estou só... que formosa noite!... Que grandioso espetáculo!
Parece que a mão caprichosa da natureza se comprouve em acumular as mais pitorescas belezas nesta
formosa baía. Que felizes se devem julgar os que vêm naquele barco. (Aparece um barco com alguns
personagens.) Como desliza sereno... Mas que vejo... Vai se engolfar na ressaca. (Gritando.) Metam o
leme d'encontro. (O barco bate nas pedras.) Desgraçados!... Socorro!

Cena IX
O mesmo e Anjo da Humanidade

ESPECTADOR - Salvemos aqueles desgraçados.


ANJO DA HUMANIDADE - É tarde!
ESPECTADOR - Oh! meu Deus!
ANJO DA HUMANIDADE - São duas famílias de intrépidos trabalhadores riscadas do número dos
vivos! oremos por elas.

(Mutação)
QUADRO VIII
Sala com alguma mobília e uma cama.
Ouve-se sons marciais de uma banda e vivas fora. Está em cena um CRIADO (General, no
original,riscado e alterado em função da censura da época.) muito cansado e de mala em punho e um
saco de dinheiro com este letreiro: 10:000$000 Réis. Traz na cabeça uma coroa de louro.

Cena X
Criado, Poeta, Orador, e 1º e 2º Repórter

VOZES FORA - Viva o valente, viva o bravo, viva a nação, viva!


CRIADO (Dirigindo-se para o público.) - É isto! (Vem descendo; novos vivas.) E não há meio de
descansar um homem que tanto trabalhou em honra da pátria. tem sofrido mais neste pouco tempo que
os cinco anos de batalhas e privações. (Vem descendo, novos vivas.) Ah! Parece que finalmente o
deixaram tranqüilo! Deus queira que assim seja! Já me parece maçada. (Põe o saco de dinheiro a um
canto.) Decididamente a glória é coisa muito incômoda. Já lhe chimparam nas barbas cinco dúzias de
poesias, e outros tantos discursos. Está imortalizado em prosa e em verso. É a única desculpa desses
maçantes poetas e arengadores: supõem-no imortal e, como tal, isento das conseqüências da mais
tremenda das amolações! Como se enganaram! Mas agora julgo que está livre deles! Amém! (Pega
numa bota do General e caem de dentro poesias.) Até dentro das botas estão flores e poesias! (Atira
com a bota.)
1º REPÓRTER (Metendo a cabeça por uma das portas e tomando nota.) Descalçou uma bota. (O
Criado espirra.) Espirrou. (Desaparece.)

200
CRIADO - Hein? Então não estou constipado!
POETA (Entreabrindo a porta.) - Dá licença, General?
CRIADO - Quem é?
POETA (Desdobrando uma enorme tira de papel.)
- Ó tu, soldado imortal!
CRIADO - Então! lá vem a imortalidade.
POETA (Continuando.) - que vens coberto de glória
visitar a Guanabara.
onde te espera a vitória!...
CRIADO - Tenho notado que todos estes poetas rimam glória com vitória.
POETA - Escuta a voz de um poeta...
CRIADO - Tenho a prevenir a Vossa Senhoria que eu não sou o General, mas sim Criado do Hotel.
POETA - Oh! Onde está então Sua Excelência?
CRIADO - A descansar.
POETA - Então faça o favor de lhe entregar estes versos: têm a minha assinatura. (Dá-lhe os
versos e sai fazendo grandes mesuras.)
CRIADO (Pega a outra bota e caem versos de dentro.) - É isto! mais poesia nas botas! E eu, para
vingar-me, meto as botas nas poesias! São detestáveis. (Tira o casaco e aparece um Orador.)

Cena XI
Os mesmos e o Orador

ORADOR (Entreabrindo a porta.) - Dá licença, general. (Entra e tira um papel do bolso.)


CRIADO - Outro!
ORADOR - César, Anibal, Pompeu, Alexandre, Napoleão e outros quejandos heróis das eras
antigas, médias e vindouras não tinham nem o teu valor nem as tuas virtudes. Eles eram usurpadores, e
tu não! Tu empunhaste o gládio em prol da absoluta liberdade, e alumiaste a consciência nacional com
os clarões de teu valor! (O Criado tosse.)
2º REPÓRTER (Saindo debaixo da cama.) - Tossiu!
ORADOR - Imortal...
CRIADO (Querendo falar, sem poder.)- Tenha a bondade de deixar ficar o seu discurso. Quero
poupar-lhe o trabalho da leitura.
ORADOR - General, eu não entrei ainda em matéria! O melhor ainda não li.
CRIADO - Bem vejo que isto promete. Mas o que eu quero prevenir ao senhor é que o general
ainda não o ouviu.
ORADOR - Não! (À parte.) Então é surdo! Esta é que eu não sabia. (Gritando.) - César, Anibal...
CRIADO - Eu não sou surdo.
POETA - Então não percebo.
CRIADO - Pois ainda não percebeu que eu não sou general, nem alferes? Olhe, Sua Excelência
está descansando. Se quer, deixe ficar o discurso, que eu lho entrego. (O Orador entrega o discurso e
sai com grandes mesuras.)
CRIADO (Só.) - Safa. Este é pior que todos. Tratemos de dormir, antes que venha outro em
prosa com versos. (Criado abre a boca e entra a bocejar até adormecer.)
1º REPÓRTER (Dum lado.) - Deita-se!
2º REPÓRTER (Do outro.) - Adormeceu.
CRIADO (Sonhando.) -... Basta. Basta. De cá, eu guardo!... Então o General anda de carro sem
cavalos!... Ele vai carregado à mão!...
O POETA DO PRÓLOGO (Entreabre a pasta.) - Com sua licença. (Desenrola uma tira de papel e
lê.)
Se eu fosse um vate de inspirada Musa,
Se a lira de Camões tivera,
assim, neste dia, tuas grandes glórias,
tuas vitórias eu cantar quisera!

201
Pintor se eu fora de gentil pincel,
mago painel esboçaria...
(Criado ressona)
- Ah! Dorme! pois espera! (Guarda os versos e percorre a cena.) O que é isto? Um saco de
dinheiro! Dez contos de réis! Olé! Olá! (Carregando com o saco.) Ora! Tu estás coberto de louro! não
precisas de louras... (Sai.)
CRIADO (Sonhando.) - Assim, General! Às armas! Às armas! Fogo! (Um Admirador, à palavra
"fogo", assusta-se e cai.)

Cena XII
Os mesmos e uma Comissão

UM ADMIRADOR - Bravo! General!


CRIADO (Acordando sobressaltado.) - Quem é? Quem é?
ADMIRADOR - A Comissão!
CRIADO - A Comissão! (Salta da cama.) Eu vou prevenir Sua Excelência.
ADMIRADOR - Dá licença! Ela aí vem! (Começa a aparecer uma enorme lança, que atravessa a
cena de lado a lado. Só depois de ter a lança desaparecido em meio por um lado, aparecem as
personagens que seguram no cano pelo outro lado. Admirador, ensaiando-se.)
Em honra de teus feitos, ó soldado,
vencedor! vencedor! gênio imortal,
esta lança te dão alguns sujeitos
Em prova de muita consideração, ó General.
OUTRO ADMIRADOR - Este último verso está mais comprido do que a lança.
ADMIRADOR - O que abunda não prejudica.
CRIADO - Sua Excelência pede o obséquio de passarem à outra sala, onde os espera a todos.
(Todos saem.)
TODOS - Viva o nosso herói!

QUADRO IX
Cena XIII
(Vista de rua. Os personagens de costume enchem a rua.)
Garden, só

GARDEN (Velho americano encostado ao portão fumando.) - Oh! Este é o verdadeiro felicidade
deste vida. Estar sempre tranqüila, ganha dinheiro, dá boa divedendo, serve perfeitamente o público
fluminense e mora numa chácara por onde ninguém pode passar para que eu arremata privilégio... Casa
esta muito minha.

Cena XIV
O mesmo e Zé Povino

ZÉ - Oh! Monsiú... Vossa Senhoria dá licença que eu passe por cá?


GARDEN - O que você quer faz? Se quer, vai em novas trilhos... faz favor, volta seu caminho.
ZÉ - Nada, não senhor, vou no trilho de minha mulher, que depois de velha deu em gaiteira.
Consta-me que ela está lá da outra banda, e, como o caminho mais curto é este...
GARDEN - Você pode passa, mas dá cá uma níquel de duzentos réis...
ZÉ - Se essa é a dúvida.. aqui tem; posso passar?
GARDEN - Passa pode. (Zé sai.)

202
Cena XV
Garden, Vila Bela, depois Povo

GARDEN - Este homem está muito minha conhecida. É Mister Zé Povinho. Mim tem-se dado
perfeitamente com ele.
(Entra a de Vila Belle seguida pelo povo.)
VILA - Deixem-me! Deixem-me! Ó da guarda!
GARDEN - O que é isso? Não pode passa!
VILA - Senhor Garden. Vossa Senhoria é que vai decidir.
GARDEN - O quê?
VILA - Eu, como não ignora, estabeleci nos meus carros um sistema de cobrança que consiste em
se pagar a viagem a pouco e pouco. Não quero sobrecarregar as algibeiras dos meus passageiros...
quero dizer, dos meus condutores: à maneira que se vai andando, vai-se pagando. Recebe-se a
passagem em prestações e a última é quando o carro vai para as estações. Ora, estes senhores, isto é,
o Povo não quer. Vim, pois, perguntar-lhe o que o senhor faria no meu lugar.
GARDEN - Mim não sabe o que faria... faz sempre o que pública quer... eu tenho passagens de
oitenta mil réis, de cem, de duzentos, de trezentos, uma pataca - de pataco não tem - tem só duma
cruzada e mim só faz uma cobrança - e meu pública está muito contenta.
POVO - Apoiado! Muito bem!
VILA - São sistemas americanos que não servem para o Brasil... Eu adotei o sistema austríaco,
que é o melhor.
GARDEN - Oh! Sistema americano está muito boa. Não está só em bondes, mas em tudo desta
vida. Olha, ali vem dentista americano; pergunta se seu sistema de extrai dentes no está very well.

Cena XVI
Os mesmos, Dentista, uma carro encarnado, espelhado e dourado, mal entra, o Povo cerca-o

UM POPULAR - Viva o Dentista!


POVO - Viva!
POPULAR - Viva o nosso doutor! O nosso Salvador, que arranca por favor, nossos dentes sem
dor!
VILA (À parte.) O que vale é que a opinião pública distrai-se facilmente!
DENTISTA - É tal senhores, o alegrão
em que este bom povo está imerso,
que até falar só me faz, não
em chata prosa... mas em verso...
VILA - Ui! (Vai ao dentista com o boca aberta.) - Como o povinho me fez parar o bonde, numa
corrente de ar... apanhei uma dor de dentes. (O Dentista tira-lhe um dente.) Não é esse, desgraçado!
DENTISTA - Já cá está!
VILA - Você tirou-me o dente do siso. (Saindo.) Ora o que há de ser duma companhia sem o
dente do siso?...

Cena XVII
Os mesmos, Boato e Opinião

OPINIÃO - Mas para que tomaste esse disfarce?


BOATO (Vestido de urbano.) - É o meu fato predileto... E, de fato, é um fato cômodo... por tal
sina, que nunca pára na cômoda.. quero prender este indivíduo. (Aponta para o Dentista.)
OPINIÃO - Mas o que te fez ele?
BOATO - O que me fez? (Neste momento o Dentista tem arrancado dente e queixo a um homem
do povo.) Está preso!
POPULAR - Ai! ai!
DENTISTA - Foi sem querer?

203
BOATO - Está preso, já disse...
DENTISTA - Preso por quê? Por ser infeliz numa operação... por que não prende você por dia
cinqüenta ou sessenta médicos!
BOATO - Não sei cá disso... dizem que você não está examinado.
DENTISTA - Veja... E pela Imperial Academia. (Apresenta-lhe a licença.)
BOATO - Pois sim... mas à cautela, venha para a chácara de Catumbi. (Sai com o povo.)

Cena XVIII
Opinião, Espectador

OPINIÃO- Então, não se vai e....e não me deixa... assim se abandona a Opinião a si própria?
ESPECTADOR - Ora, até que a encontro! O que tem feito? Onde está seu marido?
OPINIÃO - Eu sei lá!... Ah! Que se o apanho...
ESPECTADOR - Se quer, procuremo-lo... pouco tenho que fazer.
OPINIÃO - Aceito!... Mas para que lado iria ele?
ESPECTADOR - Isso agora é que era adivinhá-lo.
OPINIÃO - Que pena não termos a Santinha aqui à mão...
ESPECTADOR - Assim é melhor, porque poupa esse dinheiro.
OPINIÃO - Que se me tem ido de vento em popa por água abaixo por causa da proa do senhor
meu marido... Um chaveco avariado que faz água por todos os lados... e que ainda se mete na prosápia
de correr com todo o pano na alheta de qualquer fragatinha.
ESPECTADOR - Bravo!... Chama-se a isso linguagem pitoresca marítima!

Cena XIX
Os mesmos, Garden, depois Cocabana

GARDEN - Estar boa tarde, senhores.


OPINIÃO - Vossa Senhoria viu, por acaso, passar por aqui?...
GARDEN - Oh! Eu vi mas não sabe... (Neste meio tempo tem entrado Cocabana, que, sem
Garden ver, vai entrando na chácara.) Oh! Senhor... que faz vossemecê aqui?
COCABANA - Vou passando... não vê?
GARDEN - Vejo, mas não quero! Vossemecê sabe que mim tem o privilégio desta chácara...
COCABANA - Mas eu tenho a minha casa do outro lado, e, como me dá menos trabalho ir por
aqui, pouco ou nenhum caso faço do seu suposto privilégio.
GARDEN - Vossemecê não passa.
OPINIÃO - Não pode passar sem licença.
ESPECTADOR - É questão que deve ser pacificamente decidida nos tribunais!
GARDEN - A ele vou! A Senhora Opinião há de ser minha testemunha...

Cena XX
Os mesmos, Zé, depois Boato

ZÉ - Não a encontrei,
GARDEN - Vem cá, homem serve também de testemunha...
OPINIÃO - Ai, o patife do meu marido...
ZÉ - A pérfida da minha mulher...
COCABANA - Cá os meus tribunais são estes. (Apita.)
BOATO (Vestido de urbano.) - O que temos?
COCABANA - Quero passar, e este senhor não me deixa.
BOATO (Desembainhando a espada.) - Quem tem razão?
ESPECTADOR - Saiba Vossa Senhoria que ambos se julgam com ela, e só os tribunais...
ZÉ e OPINIÃO (A uma lado.) - É para onde vamos.
GARDEN - Oh! Yess.

204
BOATO - Nada de bulha. (Ao Espectador.) Quem lhe pediu explicações?... Está preso... (A
Garden.) E o senhor, deixe passar a mulher, quando não!
GARDEN - Ah! Isto é muito mal feito... Eu vai faz bulha na imprensa...
BOATO - Faça a bulha que quiser. Vossemecê, como não tem escrúpulos, vá passando. (A
Cocabana vai passando.)
OPINIÃO (Passando à esquerda.) - Eu também vou discutir para a imprensa o procedimento do
senhor meu marido...
ZÉ - E eu, o da senhora minha mulher...
ESPECTADOR - Mas por que vão?
BOATO (Ao Espectador.) - Deixe-os ir... vamos para o xadrez.
ESPECTADOR - Esta só a mim acontece...
TODOS - À Imprensa! (Saem.)

Mutação
QUADRO X
Cena XXI

(Sala, O JORNAL DO COMMÉRCIO e o DIÁRIO DO RIO entram trazendo nos braços o DIÁRIO
POPULAR moribundo.

JORNAL DO COMMÉRCIO - Tragamo-lo para esta sala! Pobre pequeno! Tão novo!
DIÁRIO DO RIO - Quatro meses apenas!
JORNAL DO COMMÉRCIO - Também é bem feito. (Depõe o Diário Popular sobre uma cadeira.) Já
não há crianças. Este pobre Diário Popular quis principiar por onde os outros acabam! E eu, para chegar
ao ponto que estou, meu caro colega Diário do Rio, eu, para ser Jornal do Commércio, para gozar das
mil imunidades, com a graça de Deus e dos quinze mil assinantes, principiei assim... depois fui assim...
assim... assim... assim... assim... É melhor do que começar assim... e depois ir assim... assim...
assim... assim... e desaparecer!
DIÁRIO DO RIO - E eu não posso falar assim, porque sou político... todavia reconheço que estes
meninos nascem e querem logo ter correspondentes em toda a parte... querem ter sobrado na rua do
Ouvidor.
JORNAL DO COMMÉRCIO - Nada; eu principiei por onde devia principiar; pelo princípio; por isso é
que, como o outro,
Leonardo, soldado bem disposto,
Cavalheiro, enamorado,
também faço o que posso, não vê?! Tenho lá na redação uns gênios, uns astros... Que astros!
DIÁRIO DO RIO - E eu então! Eu sou aquela sanha! Onde meto a mão, ou mesmo, meto o pé,
que sanha! E tenho um redator que é uma pimenta.Lá pimenta é. Ou por outra... pimenta lá é!
DIÁRIO POPULAR (Despertando.) - Ai! (Jornal do Commércio e Diário do Rio aproximam-se.)
Dêem-me... remédios...
JORNAL DO COMMÉRCIO (Vai a uma mesa, traz alguns frascos de remédios. Lendo as etiquetas.)
Assinaturas... (despejando o frasco numa colher.) Nem uma gota!... (Tomando outra frasco e lendo.)
Acionistas... (Mesmo jogo.) Nana! (Tomando outro frasco.) Anúncios... (Mesmo jogo.) Qual!
DIÁRIO DO RIO - Esgotaram-se os últimos recursos.
JORNAL DO COMMÉRCIO - Pobre Diário!
DIÁRIO DO RIO - Pobre xará! Tão bom... tão espirituoso...
DIÁRIO POPULAR - Agra!... Agra!.... Agra!... Agradecido.
JORNAL DO COMMÉRCIO - Coitado! Está a morrer e não diz senão agra... agra... agra....
DIÁRIO POPULAR - Agra... agra... agra... agradecido!
DIÁRIO DO RIO - Já aborrece tanto agra!
DIÁRIO POPULAR (Berra como carneiro.) Ré!... Mé!.... Dio!....
JORNAL DO COMMÉRCIO - E, de vez em quando, dá-lhe para berrar como carneiro.

205
Cena XXII
Os mesmos e Filipe

FILIPE - Bom dia... Bom dia... Então como vai o doente?


DIÁRIO DO RIO - Pode dizer - o moribundo...
FILIPE - Se querem, mando chamar por telegrama o meu mano d'Araraquara para prestar-lhe os
últimos socorros...
JORNAL DO COMMÉRCIO - Qual, meu Filipe... de outros socorros precisava ele...
GLOBO (Pondo a cabeça da parte de fora.) - Posso entrar?
DIÁRIO DO RIO - Quem é?
FILIPE - É o Globo,
JORNAL DO COMMÉRCIO - Entre, colega. (Globo entra.) Oh! Você diminuiu? Ainda há três dias
era alto. (Baixo a Diário do Rio.) É o outro que tal!
GLOBO - Mudei de formato, para ser mais cômodo aos meus leitores... e por haver muito mais
comodidade de preço...
DIÁRIO DO RIO - E como vais de saúde?
GLOBO - Assim... assim... os passeios de manhã faziam-me mal... resolvi sair às tardes... E o
colega? E este pobre Diário Popular como vai?
DIÁRIO DO RIO - Eu assim assim... Estou sentindo umas coisas... não será isso velhice?
GLOBO - Qual - Você está a lavar e durar. E Este pobre Diário Popular, como é que vai?
FILIPE - Isto está por momentos, coitado: está a exalar o último salpico... quero dizer, o último
suspiro!
JORNAL DO COMMÉRCIO - Este Filipe é chamado para o calemburgo.
FILIPE - É, não se pode dizer que este não tenha sal nem pico.
DIÁRIO DO RIO (Ao Globo.) - Como vamos de redatores?
GLOBO - Tenho lá alguém, um que em tino não deixa nada a desejar, dou sempre belos frutos
aos leitores.
FILIPE - Dás mais que frutos: dás boca e uva.
JORNAL DO COMMÉRCIO - Este Filipe é os meus pecados. E então hoje parece que estamos em
sexta-feira.
DIÁRIO DO RIO - Aí volta... Resigna-te, xará, vais encontrar lá no céu o Mosquito, o pobre
Mosquito. Ambos vocês gozarão da bem-aventurança eterna.
DIÁRIO POPULAR - Agra... agra... agra...
JORNAL DO COMMÉRCIO - Aí vem o Agra!
DIÁRIO POPULAR - Agra... agradecido!
GLOBO e FILIPE - O que é isto?
DIÁRIO DO RIO - Só do agra... agra...
(Entram A Reforma e o Jornal da Tarde a disputar.)
JORNAL DA TARDE - O Ministro fez muito bem!
REFORMA - Não fez tal. É um corrupto. É um tolo!
JORNAL DA TARDE - Tola é ela!
REFORMA - Miserável!
JORNAL DA TARDE - Regateira!
REFORMA - Olha que te esmurro!
JORNAL DA TARDE - Ah! Ele é isso? (Querem atracar-se.)
JORNAL DO COMMÉRCIO - Então, o que é isso? Olhem quem está ali moribundo...
JORNAL DA TARDE - Vim visitá-lo.
REFORMA - Eu também...
JORNAL DO COMMÉRCIO (A Filipe.) - Quem é aquela sujeita?
FILIPE - É a Reforma. Pois não conheces?
JORNAL DO COMMÉRCIO - É que enxergo mal. E aquele moço que entrou com ela?
FILIPE - É o Jornal da Tarde. Esse não admiras que não conheças, porque é novo... É novo, ele é
o que diz... A mim não me embaça... (Em segredo.) É a Nação...

206
DIÁRIO DO RIO - A nação?
FILIPE - É a nação disfarçada de jornal da tarde... Não vês que é uma mulher vestida de homem?
DIÁRIO DO RIO - Eu logo vi, pelo palavreado, que não podia deixar de pertencer ao belo sexo.
(Indo ao Jornal da Tarde.) Está conhecido.
JORNAL DA TARDE - Oh! Colega, toque lá estes ossos... Então não se esqueceu de mim?
DIÁRIO DO RIO - Posso lá esquecer quem combate pelos mesmos princípios...
JORNAL DA TARDE - Você agora está muito bonito!
DIÁRIO DO RIO- Depois que morreu meu antigo patrão, enfeitei-me todo, não vê!
REFORMA (Sentando-se.) Ontem não houve sessão na Câmara Temporária?
DIÁRIO POPULAR - Agra... agra... agra...
REFORMA e JORNAL DA TARDE - O que diz ele?
JORNAL DO COMMÉRCIO - É um estribilho que já nos tem maçado deveras! Não diz outra cousa:
é agra para cá, agra para acolá.
FILIPE - Isto não é nada agra...dável.

(Entra a Gazeta de Notícias.)

Cena XXIII
A Gazeta e os mesmos

JORNAL DO COMMÉRCIO - Oh! Menina Gazeta, como vai?


GAZETA - Adeus, honrado colega... Meus senhores! Ó Reforminha, viva!
TODOS - Adeus, Gazeta!
GAZETA - Como vai o pobre Diário?
DIÁRIO DO RIO - Deixa-o: está descansando... Não lhe bulas, senão dá-nos aí com o agra, que é
um nunca acabar.
REFORMA - Então, como vais tu por lá, ó Gazeta?
GAZETA - Muito bem... Ultimamente então tenho sido muito procurada por causa dos folhetins de
costumes... do França!
JORNAL DA TARDE - Ora, quem quer saber os costumes da França?
GAZETA - Não são da França...
FILIPE - São do França Júnior.
JORNAL DA TARDE - Ah!

Cena XXIV
Anglo Brazilian Times e o Gil Blas aparecem

ANGLO - Muito belos folhetins que mim traduz para a língua inglesa... Esta cosse muito apreciada
n'Ingliterre. Good morning!
JORNAL DO COMMÉRCIO - Ora viva o seu Anglo Brazilian Times
ANGLO - Como passe o Popular Diário?
DIÁRIO DO RIO - Está sossegando... Não lhe toque senão vem aí o Agra...
ANGLO - Oh! Yess.
GIL BLAS - Messieurs e medames, bonjour... Ce bon Diário Popular?
GAZETA - Oh! Espirituoso Gil Blas... como vais?
GIL BLAS - Pas mal... pas mal... Mais le confrére?
GAZETA - Está aqui, está com os Anjos.
GIL BLAS - Ah! Pauvre garçon!

207
Cena XXV
República e os mesmos

REPÚBLICA (Entrando.) - Eu sou a jovem República. Sabia que estáveis aqui reunidos e vinha
pedir-vos que protestásseis contra o abuso da Polícia!
DIÁRIO DO RIO - O que fez a Polícia?
JORNAL DO COMMÉRCIO - Pois há razão de queixa contra Polícia?
REPÚBLICA - Sai a passeio e prenderam-me sem motivo. Deveis protestar.
REFORMA - Deixe estar, que o negócio fica por minha conta. Que situação!

Cena XXVI
Os mesmos, Jornais Caricatos e Imprensa

JORNAIS CARICATOS - Onde está o Diário? Queremos vê-lo! Queremos vê-lo! Onde está?
TODOS - Pouca bulha...
DIÁRIO POPULAR - Ai, ai... (Cercam todos o Diário Popular. Passa o Apóstolo a jogar pena com o
Ganganelli.)
A IMPRENSA - O que é isto?
TODOS - A Imprensa?
A IMPRENSA- Sim, a Imprensa, que recebeu agora a notícia de que estava para morrer aqui um
filho que lhe dava tantas esperanças! Pobre Diário Popular! Tão novinho! Que dor a minha: imaginem
que acabo de ver morrer um, e venho assistir à morte de outro...
FILIPE - Ah! Sim, o mundo é assim...
JORNAL DO COMMÉRCIO - Este Filipe é danado!
DIÁRIO DO RIO - E quem foi o outro?
IMPRENSA - O Psit! Morreu, coitadinho!
JORNAL DO COMMÉRCIO - E a Rola?
IMPRENSA - Ah! O A Rola, esse não morre nunca. É do tipo eterno! Pois se foi o A Rola que
matou o Psit!
DIÁRIO POPULAR - Ai... ai... agra... agra... agra...(Expira.)
TODOS - Morto!
FILIPE - Morreu... e mais o Neves.
IMPRENSA - O que me consola é que estou de esperanças... Em 1º de janeiro darei luz à o
Cruzeiro, e então, verão vocês o que é jornal... Bom e de peso. Vamos enterrar o pobre Diário.
TODOS - Vamos! (Saem levando o cadáver.)

Cena XXVII
O Anúncio

O ANÚNCIO - Vantagens quase bancárias. O Dudu vende relógios de outro a três mil e
quinhentos réis a oitava e recebe no fim de um ano a quatro mil réis. À Rua da Quitanda, casa do galo
que canta. (Vai saindo e volta.) Esquecia-me de dizer que a cerveja Cristiana é a melhor cerveja
nacional e que a Aída é um batoque. (Sai.)

Cena XXVIII
Zé Povinho, Opinião, Garden, depois Boato

ZÉ - O senhor... Não está ninguém em casa... Onde se meteriam estes tipos da imprensa?...
OPINIÃO - Estão talvez na tipografia...
ZÉ - Ora os tipões.

208
GARDEN (Entrando.) - Estar só?...
BOATO - O que pretendem?
TODOS - O senhor aqui?
BOATO - Eu estou em toda a parte...mas o meu lugar predileto é na imprensa... imprimo um
cunho especial a certas notícias.
OPINIÃO - Você o que é, é um clichê!...
BOATO - Sai-te daqui, meu pastel.
ZÉ - Chamar pastel à minha mulher... se repete a chalaça, vai a um granel de bofetões a menos
de real...
BOATO - Eu justifico-me...
ZÉ - Não quero ouvir nada... Onde está o dono da casa?
BOATO - O que pretendem?
GARDEN - Eu quer tratar de questão... com outra companhia...
ZÉ - E eu, certos negócios de família...
BOATO - A Senhora Dona Imprensa não pode encarregar-se dessa questão... vou mandar-lhes
chamar o meu colega a cargo de quem estão esses negócios.
OPINIÃO - Então que venha o colega...

Cena XXIX
Os mesmos e A Pedido

A PEDIDO (Com uma bolsa na mão.) - Às suas ordens... a cento e vinte réis cada linha de
quarenta letras... e mais dez mil rés para a responsabilidade...
ZÉ - Quanto me pode custar? (Fala-lhe ao ouvido.)
A PEDIDO - Isso é carito...
OPINIÃO (O mesmo.) - Por quanto me pode ficar?
A PEDIDO - É puxadito...
GARDEN (Ao A Pedido.) - Vem cá, senhor.
ZÉ - A senhora é que tem culpa de tudo isto com os seus caprichos...
OPINIÃO - E você?
ZÉ - E se nós fizermos as pazes?
BOATO - O quê?
ZÉ (A Boato.) - Sai-te daqui para fora...
OPINIÃO - Eu não faço as pazes nem que você me vista do novo dos pés à cabeça.
BOATO - E eu sei onde há excelentes e baratíssimas popelines.
ZÉ - Vamos daí.
OPINIÃO - Está dito. (Vão a sair os três.)
A PEDIDO - Ó senhores? ... Venha cá... eu faço abatimento.
ZÉ - Adeus, meu amigo, desta vez não tem freguês... Contente-se me viajar por Macaé e
Campos, ou entretenha-se com os teatros. (Saem.)
GARDEN - Está dito então...
A PEDIDO - Não tem nada... Vossa Senhoria merece-me toda a confiança...mande os originais.
GARDEN - E se tribunais não faz nada?... se imprensa no dá resultado?... Oh! vai faz questão
séria.
(Sente-se uma salva de vinte e um tiros e, em seguida, grande confusão de jornais. A Imprensa, todos
os personagens percorrem a cena alvoroçados, gritando.) Chegou Sua Majestade.
IMPRENSA - A mim todos. Chegou o momento de saudar o chefe do Estado. Vamos e provaremos assim,
como o Brasil sabe honrar o seu primeiro cidadão, e sejam os nossos vivas ao Imperador a manifestação
do nosso amor pela pátria.
UMA VOZ - Vivam Suas Majestades.
TODOS - Vivam! (Saem.)

209
Cena XXX
Entram Política, Boato e a Opinião

BOATO (Ouve-se o Hino Nacional em surdina. Política entra quase desfalecida encostada ao
Boato.) - O que tem? Por que treme?
POLÍTICA - Não sei, nem mesmo posso explicar o que senti ao ouvir aquela salva. (Torna a si e
passeia agitada.)
OPINIÃO (Ao Boato, espreitando.) - É muito bem feito! Então entendia que era só fazer gastar
dinheiro ao meu marido e nada mais...
POLÍTICA (Que tem passeado agitada.) - Aquelas notícias pelo telégrafo! Vamos, nada de
desânimo! (Grande vozeria.)
ZÉ (Da esquerda, correndo.) - São eles, chegaram; estão desembarcando; corramos a vê-los e a
ver as festas. (Saem correndo à esquerda.)
POLÍTICA (A só.) - E eu a mudar de trajo.

QUADRO XI
Grande festejo a Suas Majestades Imperiais
Arco triunfal da Rua Direita.
[(Fim do 2º Ato)]

ATO TERCEIRO
QUADRO XII
Cena I

(Vendedores e Povo, Coro de Vendedores. Segue coro de Povo.)

BOATO - Como está tudo deslumbrante! Só não compra quem não quer. E digam lá que a cidade
do Rio de Janeiro não possui a flor da gente para o negócio! Eis-me no meu elemento. Gente! Muita
gente é o que eu quero! (A uma dama que passa.) Dizem que seu marido a atraiçoa...
DAMA - Isso é uma calúnia...
BOATO - Talvez... mas há vizinhos que o afirmam...
DAMA - Se fosse verdade... (Retira-se.)
BOATO (A um padre.) - Posso dar-lhe os parabéns?
PADRE - Por quê?! (À direita.) Passe bem...
ESPECTADOR - Por cá! Saiba que ainda não me pude safar daqui!... Olha que já é estopada!
BOATO - Ora então cuida que se não sabe tudo!
ESPECTADOR - Tudo?... O quê?...
BOATO - O namoro com uma figurante da revista... uma rapariga toda chique que não ganha
nada... e só no costume gastou para cima de dois contos de réis!
ESPECTADOR - Pois o senhor julga-me capaz duma asneira dessas?
BOATO - Pensa que a não vi!... (Faz a cena cômica mudas do namoro.)
ESPECTADOR - O senhor está zombando comigo.
BOATO - Tanto como este cavalheiro... (Passa um médico.) A... quem vou dar os parabéns...
MÉDICO - A mim?
BOATO - Corre que foi Vossa Excelência o primeiro colocado no Concurso de Retórica e
Medicina...
MÉDICO - Não me dá novidade nenhuma... isso eu já sabia.
ESPECTADOR (À parte.) - Talvez antes do concurso.
BOATO - Assistiu?
ESPECTADOR - Não pude.
BOATO - Pois perdeu, porque há muito que se não reúnem seis talentos tão belos... Safe-se... lá
vem ela.
ESPECTADOR - Ela quem?

210
BOATO - A Amarela, a amiga do Filipe e do Barão do Lavra-deus! Estamos no fim do ano e não
quer deixar de nos vir fazer uma visita. (A Febre Amarela passeia por entre os grupos. Entra um
engraxate.)
ENGRAXATE - Engraxate... senhores.
ESPECTADOR - Lustra-me esse verniz!
FEBRE AMARELA - Para que está dando o que fazer ao pequeno... Vem comigo...
ESPECTADOR - Suspenda!
FEBRE AMARELA - Não posso... está rijo demais para o deixar por cá. (Leva o pequeno.)
ESPECTADOR - Que desgraça!
BOATO - É um flagelo livrando-nos do outro.
ESPECTADOR - Mas por quê não lavam e asseiam estas crianças e as não empregam num
trabalho útil?
BOATO - Os senhores deles não querem.
ESPECTADOR - Os senhores... Pois ainda temos escravatura branca no Brasil?...
BOATO - No Brasil, não... Quem as vende são os pais... lá na Europa.
ESPECTADOR - Não é possível!
BOATO - Pois se quer certificar-se da coisa, leia as Cartas romanas, do Guimarães Júnior,
publicadas em folhetins da Gazeta de Notícias, e verá se isso é ou não verdade.
ESPECTADOR - E o que faz o governo?
BOATO - Ver se se segura no balanço, conforme pode...
UM HOMEM GORDO (À boca.) - Vossa Senhoria, como bom católico, quer concorrer?
BOATO - Para quê?
HOMEM - Para a compra dum capacete.
BOATO - Para quem?
HOMEM - Para o senhor bispo... Pode lembrar-se de ir pregar outra vez a Santa Rita como no ano
passado, e é bom achar-se prevenido para todas as eventualidades...
ESPECTADOR - Mas ouvi falar numa mitra.
HOMEM - Por fora!
BOATO - Pois Deus o favoreça, irmão... nós somos mitrados demais para cair nessas.
HOMEM - Paciência... Iremos a outra freguesia... (Sai.)
ESPECTADOR - Que maçada!... hein!... Deixaram-nos sem camisa as tais subscrições!
BOATO - Lá vem dois indivíduos por quem esperava.
ESPECTADOR - Bem sei... Zé Povinho e a Opinião... O senhor tem-se portado mal com ela...
procurando estabelecer a desordem no lar.
BOATO - A culpa é da minha particular amiga, a Política.
ESPECTADOR - Pois faz a sua amiga muito mal.

Cena II
Os mesmos, Opinião e Zé Povinho

OPINIÃO - Vês, meu tonto... como isto aqui é bonito... É mesmo um paraíso.
ZÉ - Para ti... para as minhas algibeiras vai ser provavelmente um inferno.
BOATO - Vou ter com eles.
ESPECTADOR - Antes diga-me uma coisa que ando há muito para saber. (Descem e conversam
baixo.)
OPINIÃO - Olhe que lindas popelines.
VENDEDOR - E mais baratas do que em qualquer outra parte. (Os outros vendedores tossem
todos.)
ZÉ - Que diabo de catarral é este?
VENDEDOR - Inveja... Vejam como essa é bonita... Veja contra abanda de luz para apreciar o
fio...
ZÉ - Bom fio...
VENDEDOR - Desafio a quem vender mais barato e melhor! (Vendedores tossem.)

211
ZÉ - Mas o que tem esta gente?
OPINIÃO - Deixa-os lá!... Quanto custa o metro?
BOATO - É o que lhe digo... A coisa fez uma bulha... deu que falar, mas afinal de contas...
ZÉ - Palavra que nunca vi vender tão barato. (Vendedores tossem.)
VENDEDOR - Se os colegas soubessem como eu administro as fazendas da minha casa, já não
tossiam...
BOATO - A polícia mandou recolher todos de que podem lançar mão, e fez bem... Uma coisa não
tem nada com a outra.
OPINIÃO - Bem... Não quero mais nada... Para vender barato, não há como...
BOATO - Sociedade com Manel... era como todos acabavam.
ESPECTADOR - Nunca doam as mãos da polícia...
VENDEDOR - O meu sócio vai à Alfândega despachar mais fazenda, se quiserem esperar. (Sai o
Sócio; no meio da cena escorrega. Boato e Espectador amparam-no.)
ESPECTADOR - Escorregou?
BOATO - Ia caindo.
SÓCIO - Esta empresa Gari, que deixa as ruas cheias de casca de bananas... Ora que bonita
queda... escorregar numa banana... Safa! (Ao Boato.) Meu querido amigo Boato, já não é o primeiro
favor que lhe devo.. (Sai.)
BOATO (À Opinião.) - Então já enfeirou?
OPINIÃO - Falta-me uma corrente para o relógio... uma corrente para o leque... uma corrente
para o vestido... uma corrente para o chapéu... E a minha peça toda é que ainda se não tenham
inventado correntes para os maridos.
ZÉ - Era invenção que adotavam logo todas as mulheres velhas...
OPINIÃO - Pois adotava eu, sem ser tão velha como o senhor me quer fazer.
BOATO - Então a senhora queria trazer seu marido preso como os papagaios?
OPINIÃO - E por que não?
BOATO - Podia lhe acontecer o mesmo que a um papagaio que eu conheci...

Cena III
Os mesmos e a Política

POLÍTICA - Viva a bela reunião! Salve ilustres amigos meus... Parece que me esperavam... tenho
aqui, segundo me consta, um bico d'obra a aviar...(Vendo a casa onde comprou Zé Povinho.) Ah! É ali.
BOATO (À parte.) - Deu-lhe o faro e vai pelo caminho mais perto.
POLÍTICA - Nem sempre vou à França por Tavira. (Encaminha-se para a loja onde aparece o Anjo
da Humanidade.)
ANJO - O que pretende?
POLÍTICA - Quero saber do dono da casa...
ANJO - Nada tem que saber...
POLÍTICA - Mas eu cumpro o meu dever...
ANJO - E eu o meu...
POLÍTICA - Sabe quem eu sou?
ANJO - Sei... E é por isso que lhe digo: respeitem-se os princípios...
POVO - Apoiado! (Anjo retira-se.)
POLÍTICA - Não encartei a vasa... ficará para outra vez.
BOATO (À Política.) - Deixe a coisa por minha conta! (Alto.) Então já sabem que temos crise?
TODOS - Crise?
ZÉ - Bem sabemos... É a crise econômica.
BOATO - Engana-se, é crise ministerial...
ZÉ - Nesse caso, vou-me safando, porque me podem prender para ministro. (Entra um grupo de
velhos.)
ESPECTADOR - Aqueles é que são os ministros?
BOATO - Nada... São os discípulos da escola noturna, vão ouvir as preleções do Doutor Costa.

212
ZÉ - Eu vou também.
BOATO - No que sempre aprenderá pelo menos a lavar a casa.
ZÉ - E depois, se a lavar, quero ir ao teatro
OPINIÃO - E eu também.
BOATO - Pois iremos ao teatro.

QUADRO XIII
Cena IV
Qualquer cenário. Ao levantar o pano, a cena está escura. Entram Zé Povinho, Opinião e Política

POLÍTICA - Olha que estás hoje mais amolado do que... os artigos sobre a Macaé e Campos.
ZÉ - Por que diabo está isto a escurecer?
POLÍTICA - Hoje há eclipse da Lua, meu tolo. Olha, falavas dos teatros. Eles aí vem. (Aparecem
os teatros. Espectador num camarote.)
ESPECTADOR - Não! Lá é que não me pilham! Não saio mais daqui. O Vale fica escamado.
Coro dos teatros

Cena V
Os mesmos, os Teatros e um Toureiro

OPINIÃO - Sim, sim; isto é muito cômodo. Em vez de ir a gente aos teatros, os teatros é que
vêm à gente.
ZÉ (Ao São Pedro.) - Quem é você?
SÃO PEDRO - Eu sou São Pedro, o mais antigo depois que morreu o meu colega São Januário.
Neste ano tenho andado numa faina como não imagina o senhor, mas não tenho feito nada. Os três
castelos de Espanha foram castelos no ar. As inundações de Portugal não me inundaram de notas. A
lâmpada maravilhosa não me alumiou como devia. A filha do fogo pegou fogo. A mulher do saltimbanco
foi uma mulher perdida. Se não fossem A cabana do Pai Tomás e a Jerusalém libertada... O que seria do
velho São Pedro?
ESPECTADOR - A cabana do Pai Tomás devia ser proibida pela polícia.
SÃO PEDRO - Por quê?
ESPECTADOR (No camarote.) - Fui ver aquilo e levei comigo os meus escravos. Sublevaram-se
todos! Já não bastava a Lei de 28 de Setembro!
SÃO PEDRO - Tive lá uma companhia de Lisboa: a que representaram com mais arte foi As
intrigas no bairro. O mais... meus amigos, não serviu senão para fazer com que o público lastimasse o
caso de um talento de primeira água.
ZÉ (Ao Pedro II.) - E o senhor? Quem vem a ser?
PEDRO II - Eu sou o teatro Pedro II, o teatro dos extremos, ou o circo dos saltimbancos, ou a
sala da grande ópera. Este ano apareceu por lá uma novidade: as ocarinas sopraram muito, mas não
assopraram o público. Depois vieram Fuci, Roles e Mendoros, artistas de primo cartello. Grandes
espetáculos a quarenta mil réis por camarote! Lindas óperas, Fausto, Trovador, Aída... Vocês não vieram
a Aída?
ESPECTADOR - Eu de óperas só conheço A volta de Cogumelo.
PEDRO II - Oh! a Aída! A Aída! Que delírio! Que entusiasmo! O Rio de Janeiro era todo Aída! Que
furor! A índole deste povo é essencialmente lírica!
SÃO PEDRO - Sim, ganhaste muito dinheiro: porém mais hei eu de ganhar com isto. (Tira do
bolso um manuscrito.)
PEDRO II - O que é isto?
SÃO PEDRO - A viagem ao redor do mundo em oitenta dias. (Mete outra vez no bolso.)
CASSINO (Arregalando os olhos.) - Oh! (Empalma o manuscrito. Tossindo e disfarçando, sobe ao
pé de Zé Povinho.) Hum... hum... (Dirigindo-se ao Zé Povinho, com volubilidade.) Eu sou o Cassino.
Andava dantes maltrapilho e malcheiroso... cheirava a angu. As famílias tinham fugido de mim. Os pais
não queriam que os filhos me visitassem. A polícia tinha-me os olhos em cima. Andava por lá, apesar de

213
tudo isso, o primeiro cômico nacional... Quando, de repente, um homem limpo enfeitou-me, lavou-me,
ensaboou-me, almiscarou-me: as famílias voltaram, os filhos obtiveram de novo licença dos pais para
visitar-me, a polícia descansou sobre o meu comportamento... Vejam: ando de casaca, gravata branca,
chapéu de pasta... Hein? Que lhes pareço?
ESPECTADOR - Quem o ouve falar, não o leva preso.
ZÉ (Ao Ginásio.) - E você quem é, ó pequeno?
GINÁSIO - Deixe-me, homem: eu sou um desgraçado.
ZÉ - Sim?
GINÁSIO - Tenho caveira de burro! Não sei o que é! Toda a gente foge de mim. Ninguém me
quer!
Neste campo solitário
Onde a desgraça me tem,
Falo - ninguém me responde
Olho - não vejo ninguém.

Andou por lá também alguém e foi de ventas à torneira. Pois se caíram nessa asneira!
Quiseram ver se faziam alguma coisa com o Frade Negro...
OPINIÃO - Irra! frade e negro de mais a mais!
POLÍTICA - O que é que têm os frades?
ESPECTADOR - Lá está a Política a defender os frades!
GINÁSIO - Nem A porta do Inferno me abriu a do Paraíso! Nem A Irmã do cego... cego estava
quem a representou... Nem o Botão d'âncora. Nem nada! Agora vivo entregue aos curiosos... preferia
estar entregue à curiosidade... Mas qual! Quem me aparece por lá de vez em quando é a distinta atriz
fulana de tal, a fazer benefício, com o concurso do distinto amador...
TODOS - Coitado! Pobre Ginásio!
OPINIÃO - E o São Luís onde está? (Ao São Luís.) Agora conte também sua história.

(Ao mesmo tempo.)

SÃO LUÍS - Apesar de santo como GINÁSIO - Apesar de ter santos,


o São Pedro e de novo como o sem ser santo, e de não ser tão
Cassino, sou caipora como o Ginásio novo como o vizinho...

POLÍTICA - Por quem são, fale cada um por sua vez; não os ouço...
SÃO LUÍS - Que quer?... É esta música aqui do lado que nem me deixa ouvir a mim mesmo.
POLÍTICA - Pois mande parar a música.
SÃO LUÍS - Não posso. Apesar de lhe ter metido uma parede de permeio, ficamos sempre de
parede-meia.
POLÍTICA - Pois Senhor Ginásio... Conserve-se agora calado como tem estado depois que se
abotoou com o botão.
GINÁSIO - Que eu julguei ser a minha âncora de salvação.
SÃO LUÍS - E que ferrou com você à porta, inferi.
GINÁSIO - Desenganado, recorri finalmente ao patriotismo..
POLÍTICA - O quê? Pois meteram-me à bulha nos teatros?
ZÉ - Ora, senhor! Só vejo lágrimas.
OPINIÃO (Ao Alcazar.) - E lá?... Quem é?
ALCAZAR - Eu sou Santa Isabel.
PEDRO II - Olha, morde aqui! Queres passar por Santa Isabel, mas comigo é que não arranjas
nada. Tu és, mas é o Alcazar... Podes disfarçar-te como quiseres... hás de ser sempre o Alcazar!
ALCAZAR - Para que me andas a descobrir? Se aquela gente sabe quem sou, não aparece por
lá...
ZÉ - O que é que nos dá de novo, seu Alcazar-Santa Isabel?
ALCAZAR - Um drama nacional: A Lei de 28 de Setembro... Não vem?

214
ZÉ - Não gosto de semelhante lei... O que há mais?
ALCAZAR - O casamento da filha de Maria Angu
TODOS - Aí...
SANTA ISABEL - Ah! Não querem nada disto? Vou procurar um paio que me empreste dinheiro
para montar uma mágica.
ZÉ - Veja antes se encontra um mágico que lhe empreste dinheiro para comprar paios e monte
uma venda.
SANTA ISABEL - O senhor insulta-me!
ZÉ - Ora vá para o inferno. (À Fênix Dramática.) E a senhora, tão catita, tão levada?
FÊNIX - Eu sou a Fênix Dramática... Tenho tido bons sucessos, graças a Nossa Senhora do Parto,
de quem sou vizinha... Dou um prêmio a quem provar o contrário, assim como que a cerveja Glória não
é a melhor cerveja nacional. O meu empresário sabe onde tem o nariz.
ESPECTADOR - Pudera! Um nariz daquele tamanho!
FÊNIX - Sim, senhor! O que está aí a falar! O meu empresário enxerga um palmo adiante do
nariz!
ESPECTADOR - E há de convir que enxerga muito! Um palmo!
ZÉ (Ao Varietés.) E o menino?
VARIETÉS - Je suis les Varietés
ZÉ - Ai! mau! Não pode dizer isso em português?
VARIETÉS - Non, mon cher. Je suis tout français..
ZÉ - Então boa noite. No entende franciú . Não me apanhas nenhum l'argent. (Ao Circo.) E você,
seu gaiato?
CIRCO - Eu sou o Teatro-circo.
ZÉ - Ora até que finalmente achei coisa que me sirva! (Abraça o teatro-circo.)
ESPECTADOR - É! O Zé Povinho não quer saber senão dos cavalinhos!
ZÉ - O que me dás para ver? Eu quero coisa boa!
TEATRO-CIRCO - Vais ver. (Mutação. Aparece ao fundo um pano branco.)

QUADRO XIV
Sombrinhas
(Os teatros arranjam-se dos dois lados da cena.)
ZÉ POVINHO (Admirado.)

TEATRO-CIRCO - Vais ver o Blondin! (Passa pelo fundo o Blondin.) A Speltrini! (Passa a
Spelterini.) Tony, o imbecil e Bob, o maluco. (Passam.) A romaria ao Vaticano! (Passa pelo fundo um
trem de ferro e, logo depois, sujeitos a correr atrás dele. Passa depois um padre.)
ZÉ - Dois sujeitos a pancadas?...
ESPECTADOR - Aquilo é um duelo de pau ... e chapéu.

Cena VI
Os mesmos e a Arte

ARTE (Ao fundo.) - Zé Povinho!


ZÉ - Pronto! Quem é Sua Senhoria?
ARTE - Eu sou a Arte. (Os teatros fogem em debandada, e passam com sombrinha.)
ESPECTADOR - O Cassino afasta-se: ao que parece despreza a Arte?
CASSINO - Já não tenho arte... Trabalho com artes para agradar.
ESPECTADOR - E pensas no grande gênero?
CASSINO - No grande e espetaculoso... Nisso de ganhar dinheiro sou como Hamlet... To be or not
to be
ESPECTADOR - Fale-me em português, se quer que o entenda.

215
ARTE - Zé Povinho, vou-te mostrar um trabalho digno do teu apreço! Olha e admira! (Rompe-se
o pano de fundo e aparece o quadro da Batalha de Avaí. Hino Nacional em surdina. Execução da
mutação.)
POLÍTICA (À esquerda, depois do grupo dos teatros.) - Ora! Tem defeitos.
ARTE - Poderá não os achar a Política. (Mutação.)

QUADRO XV
a Imprensa Nacional

ARTE - Aqui tens, Zé Povinho, outra obra de arte digna de ti! É um edifício que honra o país. (A
Arte sai.)
ZÉ - Mas este é mais pequeno que a verdadeira arte. Outro não caberia na porta...

Cena VII
Política, Zé Povinho e Opinião

POLÍTICA - Ficaste embasbacado, meu tolo! Sempre és muito lorpa! Pois, anda daí, vem ver
como ressurjo os mortos!
OPINIÃO - Ressurge os mortos! Credo!
POLÍTICA - Acompanhas-me?
ZÉ - Como não? Se minha mulher já tivesse morrido é que me não pilhavas lá!
POLÍTICA - Vamos! (Saem.)

Cena VIII
Uma Russa, seguida por algumas pessoas do povo

RUSSA (Lendo.) - Mais la femme és la más perfeta creatin of the God!


TODOS - Basta! Basta! Ó Senhor! Que maçada!
ESPECTADOR - O que é isto?
RUSSA - La femme...
TODOS - Basta! Basta! (A Russa continua a falar ao povo, que protesta e foge. Espectador salta
ao palco.)
ESPECTADOR - Nada! Eu quero saber o que é isto! Não está bem explicado! (Agarra um homem
do povo que vai saindo por último.) Diga-me: o que é isto?
HOMEM- É uma literata lá da Sibéria!..
ESPECTADOR - Pois olhe: é bem quente!
HOMEM - Fez-nos, no Teatro São Pedro, uma leitura impossível sobre a mulher...
ESPECTADOR - E sobre o homem? Não disse nada?
HOMEM - Saímos desesperados do teatro, e ela entrou a perseguir-nos. Quero ver no que dá isto.
(Sai a correr.)
ESPECTADOR - Que diabo de mulher! O que vem a ser isto!

Cena IX
Espectador, um Sujeito e Telefone

SUJEITO (Com o fio e a trombeta do Telefone.) Arrede-se, sim, arrede-se! Ando a fazer
experiências do Telefone.
ESPECTADOR - O Telefone!
SUJEITO (Falando pelo telefone.) - Congratulo-me por este melhoramento...
O TELEFONE - Bem, muito obrigado!
SUJEITO - Bem; vou para mais longe. (Sai a correr: pouco depois passa o indivíduo que leva a
outra extremidade.)

216
Cena X
Espectador e Conservador (Com um regador na mão, esbarra no Espectador.)

ESPECTADOR - Olá! Não vê por onde anda?


CONSERVADOR - Desculpe, que me caíram as cangalhas.
ESPECTADOR - Pode-se saber onde vai com tanta pressa?
CONSERVADOR - Onde vou?! Pois o senhor não sabe que sou o conservador?
ESPECTADOR - Então não tem podido ser liberal...
CONSERVADOR - Tenho poupado o que me tem sido possível... mas o senhor não entendeu... e
sou o conservador do passeio...
ESPECTADOR - É bom vadio.
CONSERVADOR - Não me entendeu ainda... do passeio...
ESPECTADOR- Público... e notório é isso.
CONSERVADOR - Vou regar, varrer, podar, limpar, pintar... Tenho pintado o sete, mas obrigam-me
agora a pintar a grade...
ESPECTADOR - Para agradar, pinte; e para pintar, agrade.
CONSERVADOR - Não há remédio! Ergueram a vassoura a altura de um princípio! - Adeus, adeus, que já
está nomeado o homem do fogo para dar parecer sobre aquilo. (Ouvem-se grandes sopros. O
Espectador e o Conservador caem no chão.) O que é isto? (Entra Tufão, e canta a ária do Eólo na Filha
do Ar.)
ESPECTADOR - É um Tufão. (Levantam-se.) Não se machucou?
CONSERVADOR - Nada, eu sou um alho...
ESPECTADOR (Assobia.) - Alho.
CONSERVADOR - Quer vir até cá?
ESPECTADOR - Vamos; não tenho que nada que fazer... não sou da peça... (Saem. Mutação.)

QUADRO XVI
Cemitério
Política, Zé Povinho e Opinião

POLÍTICA - Eis-nos chegados!


OS DOIS - Chegados somos!
OPINIÃO (Assustada.) - Ai!
POLÍTICA - Conduzi-vos aqui para vos mostrar o meu poder sobre os mortos!
ZÉ - Até sobre os mortos! A Política é dos trezentos!
POLÍTICA - Vou ressurgir a briosa Guarda Nacional! Vede e pasmai! (Faz acenos. Com grande
susto de Zé e Opinião, entram a sair dos túmulos primeiro - oficiais superiores, depois soldados rasos da
Guarda Nacional. Marcha fúnebre que descai em marcha bélica. Grande desfilada.)
ZÉ - Mas eu já vi esta revista de tropas noutra Revista. (Saem todos ao som da marcha.)

Cena XI
(Entra um indivíduo embuçado dos pés à cabeça; depois outro; segredam-se. Entram a pouco e pouco
outros indivíduos. Segredinhos, etc. A orquestra toca a introdução do Coro dos Conspiradores da
Madame Angot; os embuçados preparam-se a cantar, mas dizem apenas psiu e saem, ficando apenas
um cena, que é Boato.
BOATO - E finda-se o ano sem que se saiba qual é o novo ministério. (Sai.)

Cena XII
Febre Amarela e Canal do Mangue

FEBRE - É o diabo com botas! Que contas hei de dar de mim? Tu é que tiveste a culpa! Maldito
Canal do Mangue!

217
CANAL - Eu! Estou aterrado!
FEBRE - Meti-me de amores contigo; gastei todo o meu tempo em pândegas, e esqueci-me de
matar alguém. É o diabo!
CANAL - Mas...
FEBRE - Vem daí, vem daí, meu sedutor! Agora só para o ano! (Saem.)

QUADRO XVII
Cena XIII
Sala

Opinião e Zé Povinho entram com malas

ZÉ - Basta de vadiação! Vamos! Vamos!


OPINIÃO - Não percamos nem mais um instante! Um ano de pândega! (Vão a sair.)

Cena XIV
Os mesmos e Anjo da Humanidade (Com algumas coroas na mão.)

ANJO - Um instante! Antes de partir, venham comigo depositar coroas nos altares dos heróis que
engrandeceram a pátria com o talento e as virtudes, e que nos foram arrebatados pela morte neste
maldito ano que finda. Ao Panteon dos Brasileiros, que bem mereceram da pátria. (Saem. Mutação.)

QUADRO XVIII
Panteon

Pompeu, Pinheiro, Guimarães, Alencar, Gomes de Souza, Zacarias

ANJO- Agora, que acabamos de cumprir um santo dever de gratidão saudemos a aurora do ano
novo, para que só traga ao Brasil alegrias, progresso e glória.

Apoteose.

(Fim da peça.)

218
NOVA VIAGEM À LUA

OPERETA EM 3 ATOS

ORIGINAL DE
ARTUR AZEVEDO E FREDERICO SEVERO
Música de Le Coq
1877
Representada pela primeira vez no Teatro Fênix Dramática
Rio de Janeiro
PERSONAGENS
MACHADINHO
LUÍS
AUGUSTO, guarda livros
SILVA
FONSECA
ARRUDA
BARÃO DE VAL-DE-VEZ
DOUTOR CÁBULA (alcunha)
SANTOS (empregado público)
JOANINHA
ROSINHA
SARA
CHIQUINHA
UM FEITOR
UM NEGRO
DOIS CRIADOS

Criados, escravos, estudantes, máscaras, cocotes, etc.

A ação do primeiro ato passa-se em Ubá, província de Minas Gerais, e a dos dois últimos na
corte. Atualidade.
ATO PRIMEIRO

O teatro representa o pátio de uma fazenda. À direita, a casa com alpendre e tranqueira. Cerca ao
fundo. A estrada em perspectiva.
CENA I

Machadinho, Luís Augusto e Silva (Ao levantar o pano, a cena está vazia; ouve-se fora o jongo, entoado
pelos negros no eito.)

Jongo
Trabaia, negro, trabaia
Na roça de teu sinhô!
O dia já vai bem arto...
Trabaia té o só se pô...(1)

(Machadinho, Luís, Augusto, e Silva entram em trajes de montar.

219
MACHADINHO - Sim, senhor! Aqui é que se vive! Isto é que são passeios! Que bonitas fazendas!
Que paisagens! Não volto! Decididamente, não volto!
AUGUSTO - Que entusiasmo!
MACHADINHO - Estou enlevado, encantado, arrebatado. (Caindo em uma cadeira de ferro.) e...
cansado! Uf! Aquele maldito sendeiro!
SILVA (À Luís.) - Duvido que aquelas moças que convidaste venham...
MACHADINHO (Erguendo-se.) - Não estejas a imaginar desgraças! Por que não hão de vir?
SILVA - Com este sol! Virão?
LUÍS - Se lhes mandássemos a traquitana de papai?
MACHADINHO- Que traquitana! Não estamos nós aqui? Nós, a elite, o high-life grand-monde?
Deixa estar que elas hão de vir.
AUGUSTO - O defunto não enjeita a cova.
MACHADINHO- São favas contadas. Passaremos hoje uma noite esplêndida!
LUÍS - Vou prevenir mamãe que temos visitas.
AUGUSTO (Batendo-lhe no ombro.) - Um jantarão, hein, meu velho? A bela feijoada de orelheira
e a maravilhosa salada de pepinos...
SILVA - É indigesto.
AUGUSTO - Indigesto és tu. (A Luís.) Tenho uma fome...
MACHADINHO- É dois...
SILVA - E quatro...
LUÍS - Vocês não façam cerimônia; quando quiserem mudar de roupa, entrem; já sabem onde
estão os seus quartos.
AUGUSTO (Empurrando-o para casa.) - Olha, filho, ocupa-te mais do nosso estômago, e menos
do nosso fato. Vai, vai...
LUÍS - Até logo. (Entra em casa,)

CENA II
MACHADINHO, AUGUSTO e SILVA

MACHADINHO - Sentemo-nos. (Senta-se.)


SILVA - Bem lembrado. (Senta-se.)
AUGUSTO - Vá lá. (Senta-se.)
MACHADINHO (Bifurcado na cadeira.) - Então? O que lhes dizia eu? Que se não haviam de
arrepender. E arrependeram-se? Isto é que é vida!
AUGUSTO - Até agora não temos razão de queixa.
SILVA - Temos sido muito obsequiados.
AUGUSTO - E tratados a vela de libra!
SILVA - Assim eu era capaz de passar um ano em férias!
MACHADINHO - E eu um século.
AUGUSTO - E eu abandonava o escritório do patrão por uma eternidade! - Mas, digam-me cá,
rapazes! (Aproximam-se as cadeiras.) O Luís não lhes parece que anda meio assim?...
MACHADINHO - Espera. (Ergue-se e vai certificar-se que estão bem sós.) O Luís é uma pérola,
não é?
AUGUSTO - Ninguém diz o contrário.
MACHADINHO- Mas acerca disto, (Bate na cabeça.) coitado...
SILVA - Ninguém diz o contrário.
MACHADINHO- O Luís anda apaixonado...
AUGUSTO e SILVA - Hein?...
MACHADINHO - Vocês conhecem a Zizinha?
SILVA - A polca?
MACHADINHO - Que polca! A polca não se chama Zizinha... - Ó Silva, refiro-me àquela nossa
vizinha, filha do Santos, empregado no Tesouro!
SILVA - Ahn...

220
AUGUSTO - O pai conheço eu, mas não tenho relações com a família.
MACHADINHO - Pois a Zizinha está prometida ao Luís com uma condição: o velho Santos só lhe
concede a mão da filha, se o Luís fizer com que o pai vá a corte.
AUGUSTO - Homessa!
SILVA - Nada mais fácil.
MACHADINHO - Isso é o que te parece. O velho Arruda, pai de Luís, foi condiscípulo do velho
Santos, pai de Zizinha, quando estudantes no Seminário; como eram muito teimosos, um belo dia
brigaram por via da batina do reitor.
AUGUSTO - Ora esta!
MACHADINHO - Da batina, sim! Um dizia que era de merino e outro que de cetim!
SILVA - Ah! Ah! Ah! De forma que...
AUGUSTO - Ficaram mal... Ah! Ah! Ah!...
MACHADINHO - Exatamente. O velho Arruda (seja dito de passagem aqui entre nós, que
ninguém nos ouve)... (Certificando-se de novo que estão bem sós.) O velho Arruda anda de dois pés
com licença da Câmara.
SILVA (Com o mesmo jogo de cena.) - É tapado como uma ostra...
AUGUSTO (No mesmo) - Como duas ostras.
MACHADINHO - Retirou-se cá para a fazenda e embirrou em não voltar à corte enquanto o seu
antigo condiscípulo se achasse lá. Turrão como ele só!...
SILVA - Mas, afinal de contas, de que era a batina?
MACHADINHO - As partes litigantes não chegaram a um acordo. (Aparece Luís.)
AUGUSTO - E quem te contou essa história? O Luís?

CENA III
MACHADINHO, AUGUSTO, SILVA e LUÍS

LUÍS - Eu mesmo, e é a pura verdade, meus amigos.


SILVA (Sobressaltado.) - Estavas ouvindo?
LUÍS - Estava.
MACHADINHO (Muito atrapalhado.) - Oh! diabo! Ouviste o que dissemos a respeito de teu pai?
LUÍS (Com simplicidade.) - De papai? Não... o que foi?
MACHADINHO - Então estamos salvos. Desculpa minha indiscrição.
LUÍS - Não só desculpo, mas agradeço. Poupaste-me o trabalho; eu ia fazer-lhes esta
confidência...
OS TRÊS - Sim?
LUÍS - E pedir-lhes um serviço...
OS TRÊS - Fala...
LUÍS - Ajudem-me a fazer com que o velho vá à corte.
AUGUSTO - É difícil.
MACHADINHO - Qual difícil! Astúcia no caso!
SILVA - Assim sim.
AUGUSTO - Qual há de ser?
MACHADINHO - O que acharmos.
OS QUATRO - Procuremos... (Toma cada um sua cadeira, e sentam-se todos isoladamente.
Pausa.)
AUGUSTO - Acharam?
SILVA - Qual!
MACHADINHO - Ouçam. (Ergue-se, reflete e volta a sentar-se.) Qual! não presta!
LUÍS - É o diabo... (Ergue-se.)
AUGUSTO - Com botas! (Ergue-se.)
SILVA (Imitando-os.) Não me lembro de nada..
MACHADINHO (No mesmo, desabridamente.) - Procuremos!
OS QUATRO - Procuremos! (Pensam.)

221
Coro
Ou por bem, ou por mal.
por qualquer mei'original,
o velho vai à corte, olé!
passar o carnaval!
(Este coro é executado com um ligeiro movimento coreográfico.)

CENA IV
MACHADINHO, AUGUSTO, SILVA, LUÍS e ARRUDA

ARRUDA (Sai de casa e parece preocupado com a leitura de um livro.) - Doze pé de artura sobre
nove de largo. (A Luís, que lhe estende a mão.) Tu estava aí, Lulu? Deus Nosso Senhor Jesus Cristo te
dê uma boa sorte. - Ó Lulu me diz: isto é verdade memo? Estes home fôrum a Lua?
LUÍS - Que homens, papai?
ARRUDA - Aqui tá escrevido em letra de imprensa nesta novela de (Lendo o lombo do livro.) Júlio
Verne.
LUÍS - É e não é verdade.
MACHADINHO (Puxando pelo paletó.) - Cala-te, diabo! Deixa-me falar: achei um meio.
ARRUDA - Ó Lulu, pois se aqui está imprimido! Como é entonces que não é verdade, home? Pois
os livros da imprensa também mente, home?
MACHADINHO - O Luís tem razão, Senhor Arruda; é e não é verdade.
ARRUDA - Quá seu doutô, não é possíve!
MACHADINHO - Eu me explico: é verdade, porque tudo isso que aí está escrito, aconteceu - e o
não é, quanto ao nome dos personagens, que estão trocados.
ARRUDA - Mas entonces por quê?
MACHADINHO (Estalando os dedos.) Isso foi um cometimento grandioso, que abalou todas as
notabilidades científicas dos dois mundos.
ARRUDA - Os dois mundo? Quá é outro? (Satisfeito por ter achado.) Ah! é o mundo da Lua!
SILVA (Rindo-se.) - Nada: o mundo velho e o novo mundo.
ARRUDA (Com ares de quem sabe.) - Sim... sim...o véio e o novo... Vamo adiante.
MACHADINHO- Como ia dizendo, essa empresa abalou todas as notabilidades científicas... todas
e mais algumas!
ARRUDA - Que brincadeira, hein? Abalou muita gente!
MACHADINHO - Os que tomaram parte nela foram alvo de estrondosas manifestações, e por
modéstia ocultaram os seus nomes; se assim não fizessem o povo da União não os deixaria mais
descansar.
ARRUDA - Da União e Indústria? (Risadas.)
MACHADINHO- Quem lhe falou em União e Indústria? A União, isto é, os Estados Unidos da
América!
ARRUDA - Ahn... Agora entendi, seu doutô. Pois, meus amigo, tou com vontade de dá um
passeio até a Lua!
SILVA (Baixinho, a Machadinho.) - Até a Lua? E esta?...
ARRUDA - Vamo à Lua, vamo, rapaziada? Que glória pra nós e pro Brasil, pro mode disso.
MACHADINHO - Soberbo! Sublime arrojo!
ARRUDA - É um grande projeto, não é, seu doutô?
MACHADINHO - Admirável!
AUGUSTO - Incomparável!
SILVA - Incomensurável!
ARRUDA - Vocês são quase engenheiro...
AUGUSTO - Menos eu...
ARRUDA - Se encarrégum de arranjá o apareio... mas porém eu é que devo dá o risco! Que tu diz
a isto, Lulu?

222
LUÍS (Simplesmente;) - Eu digo... Não digo nada...
ARRUDA - Iremo num foguete!
MACHADINHO - Boa idéia!
ARRUDA - Só lhe falta o rabo.
MACHADINHO - À idéia?
ARRUDA - Ao foguete.
MACHADINHO - Comprometo-me pela construção do aparelho!
ARRUDA - O foguete há de assubir do morro mais arto que houvé no Rio de Janeiro!
MACHADINHO - Certamente.
ARRUDA - Duma feita em qu'o céu tivé bem limpo, e não chuvá nem trovoada tão cedo.
SILVA - Isso é que há de ser difícil!
ARRUDA - Difice? Tenho aqui o tira-teima, home ! (Tirando um folheto do bolso.) O Armanaque
do Ayer! Isto é aquela certeza. Se ele pega diz que não chové, é porque não chove memo.
AUGUSTO (À parte.) - Em que dará tudo isto?
ARRUDA - Vamo passá o entrudo na Lua: ao menos o terceiro dia há de ser muito adivertido!
LUÍS - Mas, papai, a empresa é muito dispendiosa.
ARRUDA - Sou pobre de rico, louvado seja Deus Nosso Senhor Jesus Cristo! Pra cobri de glória a
minha terra, não olho sacrafício.
LUÍS - Mas...
MACHADINHO (À parte, a Luís.) - Não te calarás! (Alto, a Arruda.) Está dito, Senhor Arruda, vá
fazer o desenho do foguete. E hurra pela Lua!
TODOS - Hurra!
Rondó e coro
MACHADINHO - Isto há de dar ao mundo o que falar!
Estes tipos pelo ar
(é verdade nua e crua!),
num foguete a viajar!
A glória que nós vamos conseguir,
essa glória que há de vir,
- não há nada que a destrua;
nada a pode destruir!
Quando chegarmos à Lua,
hei de, olé! me divertir!
Tomarei uma perua!
Muito havemos nós de rir!
TODOS - Quando chegarmos à Lua,
hei de, olé! me divertir!
Tomarei uma perua!
Muito havemos nós de rir!
MACHADINHO - Destemidos, decididos,
vamos viajar
no ar!
Sujeitos tão atrevidos
se procurarão
em vão.
O nosso nome
grande renome
com certeza alcançará;
um monumento
tão grande invento
juro que valer-nos-a!
Pobre ficamos
que mal nos faz?

223
Glória alcançamos,
que vale mais!
- Muito ganhamos
coa empresa audaz
que honra nos traz!
Quando chegarmos à Lua,
hei de, olé! me divertir!
Tomarei uma perua!
Muito havemos nós de rir!
TODOS - Quando chegarmos à Lua,
hei de, olé! me divertir!
Tomarei uma perua!
Muito havemos nós de rir!
MACHADINHO - Agraciados,
remunerados,
condecorados
seremos nós!
A viajar
vamos honrar
nossos avós!
TODOS - Agraciados,
remunerados,
condecorados
seremos nós!
A viajar
vamos honrar
nossos avós!
MACHADINHO - Receberemos mil atenções
e comissões,
aclamações,
f'licitações,
exortações,
adulações
animações,
publicações
e muitas congratulações!!...
TODOS - Quando chegarmos à Lua,
hei de, olé! me divertir!
Tomarei uma perua!
Muito havemos nós de rir!
ARRUDA - Vou tratar do desenho. (Entra em casa.)

CENA V
MACHADINHO, LUÍS, SILVA e AUGUSTO

LUÍS - O que estás fazendo?


MACHADINHO - O que estou fazendo? Estou a arranjar meios e modos de levar teu pai à corte.
LUÍS - Como assim?
MACHADINHO - Não temos aqui fundição nem operários; é preciso irmos à corte para arranjar o
foguete.
LUÍS - Estás a ler; não conheces papai. Ele é capaz de estabelecer uma fundição na fazenda e
mandar vir operários da Inglaterra.

224
MACHADINHO - Mas a ascensão não pode ser feita senão do Corcovado! Far-se-á tudo como se
fora real, à exceção da despesa. Não tocaremos no dinheiro do teu papai. (A Augusto.) Ó Augusto, tu
ainda és o presidente dos Netos da Lua?
AUGUSTO - À falta de homens...
MACHADINHO - Eu pertenço à sociedade, mas não sei a quantas anda.
AUGUSTO - Com que então é preciso meter na dança uma sociedade carnavalesca?
MACHADINHO - Ouve, e cala-te: Oficia daqui à Sociedade, e diz-lhe que tens um carro de idéia.
SILVA- Um carro de idéia? Ah! é a gíria...
MACHADINHO - Dou-te uma idéia do carro: leva dentro o foguete que há de ser de papelão e
prateado ou bronzeado, e de acordo com o desenho do nosso Arruda. O resto fica por minha conta. (A
Luís, que pensa.) Compreendes?
LUÍS (Pensando.) - Começo a compreender... (Pausa.) Compreendo! Ó Machadinho, ó Augusto, ó
Silva, dêem-me as suas mãos. (Aperta-lhes as mãos.) Pobre Zizinha, como vais ser feliz!

Romanza

Dona do afeto meu,


esplêndida Zizinha,
em breve serei teu,
em breve serás minha!
Hei de levar papai
de teu pai à presença...
Oh! que ventura imensa!
Amor c'roar-nos vai!

Ligar à tua a minha sorte


é quanto almejo,
quanto desejo.
Papai, papai, irás à corte!
Tu não calculas, não,
Sinhá, quanto te adoro!
Se cerca-me a solidão
vens-me à lembrança e choro...
Ai! quem me dera estar
já, entre os teus carinhos,
os cândidos filhinhos
nas pernas a embalar.
Ligar à tua a minha sorte
é quanto almejo,
quanto desejo.
(Durante esta romanza os outros rapazes têm feito grupo à parte e conversam entre si.)
AUGUSTO - É bonito, mas é triste...
MACHADINHO (A Luís.) Toma vergonha, comporta-te, meu simplório; não chores! Lembra-te que
és quase um senhor bacharel em Matemáticas pela antiga Central! (Declamando com ênfase.) Um das
colunas que... (Outro tom.) Não chores, ó Arruda Júnior. (Luís ri-se.) Ora graças a Deus que já te ris.
LUÍS - Confio muito em você, Machadinho, mas, quando me lembro que papai é tão teimoso,
receio ver por terra os teus projetos. E o velho Santos é outro! Se não levo papai à corte, pega fogo na
canjica.
MACHADINHO (Batendo-lhe de leve rosto, como se costuma fazer às crianças.) - Coitadinho do
Lulu! Deixa estar, deixa estar, meu benzinho, que papai há de ir, e em nossa companhia.
SILVA - Já falaste ao velho sobre esse casamento?
LUÍS - Já, e está por tudo!
MACHADINHO - Então melhor! Viva Deus! Está tudo arranjado!

225
Polca cantada (2)
Polca
I
Ser minha
Juraste...
Faltaste,
Zizinha.
A jura!
Mentida,
Perjura,
Fingida!

II
Não cresta
Essa face...
Na festa
Valsaste!
Dançando
Qual fada,
Girando
Enlevada!

III
Eu vi-te
Passar.
E o par
Te cingia!
Teu rosto
Formoso
De gozo
Sorria.

IV
Eu triste
Calado,
Ralado,
De dor!
Que bem
Te importavas,
Valsavas
Ó flor!

V
E fraco
Sozinho
Mesquinho,
Chorei!
Dizia
Meu pranto
O quanto
Te amei.

226
VI
Assim
Como a rosa
Formosa
Definha...
Pra mim
Feneceste,
Morreste,
Zizinha!...
AUGUSTO - Bem, vamos mudar de fato. As moças não devem tardar.
TODOS - Vamos.
LUÍS - Esperem...
Repetição
Ligar à tua a minha sorte,
é quanto almejo,
quanto desejo!
Papai, papai, irás à corte!
TODOS - Papai, papai, irás à corte. (Saem.)
CENA VI
ARRUDA e um FEITOR

ARRUDA - Pois aqui está, Seu Zé. Leve esta cartinha ao compadre Mané Mascate, tá ouvindo?
Olhe que o home hoje tá feito Barão... Veja como trata ele.
O FEITOR - Nhor, sim, patrão. ( Vai a sair.)
ARRUDA - Escute cá: - Você só trate o home de seu Barão, hein? tá ouvindo? Seu Barão pr'aqui,
Seu Barão pr'ali, Seu Barão pra cá, Seu Barão pr'acolá; que toma, que vira, Seu Barão, Seu Barão
assim; Seu Barão assado; pé, pé, pé, Seu Barão, Seu Barão, pé, pé, pé...
O FEITOR - Nhor, sim, patrão. ( Vai a sair.)
ARRUDA - Psiu! Olhe cá. - De caminho para lá passe na venda do Chico Gracia e diga a ele que a
besta de sua irmã dele, que andava descadeirada, já teve o seu bom sucesso, e tá pronta pra outra.
O FEITOR - Nhor, sim, patrão. ( Vai a sair.)
ARRUDA- Seu Zé, ó Seu Zé! Olhe! Diga a Seu Barão pr'ele vi logo que arrecebê a carta, tá
ouvindo?
O FEITOR - Nhor, sim, patrão. ( Vai a sair.)
ARRUDA - Olhe, seu Zé. (O homem volta. Pausa.) Tá bom: vá se embora com Deus e a Virgem
Maria.
O FEITOR - Amém, patrão. (Sai.)
ARRUDA (Saltando para fora da tranqueira e gritando.) - Dê lembranças a Sá Baronesa. Tá
ouvindo?
O FEITOR (De longe.) - Nhor, sim, patrão.
ARRUDA (Desce à cena refletindo e, lembrando-se de alguma coisa mais, corre outra vez ao
fundo e grita.) - Ó seu Zé? Psiu! Seu Zé! Quá, o home corre cumo um danado! Tem medo que chame
ele outra vez!

CENA VII

ARRUDA (Só)
[ARRUDA] (Descendo.) - Pois ou eu não me chamo Arruda, ou não dou um pulo até a Casta Diva!
Hei de plantá a bandeira brasileira lá em cima. (Batendo no livro, que ainda conserva na mão.) Diz este
home que aquilo por lá é uma coisa incomparave. Que home sabido! É um sábio! É um sabão! O
moleque é case superiô ao Ayer! Isto! (Tirando a folhinha.) Isto também é obra! Quando ele diz que
chove, é porque chove memo; já não saio de casa nem a cacete! Até o dia d'hoje não tem faiado. É
aquela certeza! Entonces na Oropa, dize as foia que inda é mió. - Ora, eu tive um companheiro e amigo

227
lá no Seminário...( eu já fui fromigão, deixei por não ter queda pro latinório)... esse meu dito
companheiro era tão teimoso que, se tivesse aqui, era capaz de dizê que este Monsiú não foi à Lua!
(Bate no livro.) Fiquemo de mal porque ele dizia que a batina do senhor reitor era de cetim e eu, que
de merino. Palavra puxa palavra, e pan! fiquemo brigado. Eu peguei, deixei o dito Seminário e entonces
vim pra fazenda, prometendo nunca mais vortá à corte. Nesse tempo era vivo o defunto meu pai e a
defunta minha mãe, e ambos e dois me aprovou. Tenho cumprido a minha dita promessa, porque em
teima ninguém me ganha. (Os negros entoam no eito o jongo da primeira cena.) Oh! a minha gente
está muito adivertida! É porque mandei adistribuir uma ração de parati e roupa nova de riscado grosso.
Como sou feliz, quero que a dita minha gente seje também.

CENA VIII
ARRUDA e O BARÃO

BARÃO (Aparece no fundo e diz para dentro.) - Ó Epifano, toma vem xentido no oitro. Prende-o
pola rédea. Bê lá não bá fugire.
ARRUDA- Ah! é o Mané. Veio depressa, seu compadre.
BARÃO (Descendo à cena.) - Ora biba e mal a obrigação. Arrexevi o seu vilhete em caminho e cá
estou eu.
ARRUDA - Compadre, você hoje janta com nós...
BARÃO - Conosco, xeu compadre, compadre, conosco é que xe diz. - Janto xim xenhore e com
muito prajere...
ARRUDA - Prajere também não se diz, seu compadre. (À Parte.) Forte tolo!
BARÃO (À parte) - Animale! (Alto) Boxé é muito hospitaleiro. Digo-te como digia o noxo
Camões...
ARRUDA - Camões?
BARÃO - Er'um xujeito que nã tinh'est'olho . Como bem a propójito, encaixo-le este pidaço: -
Traz bom conforto e agajalho!
ARRUDA - Parabéns, seu compadre. Sei que agora está feito Barão. Você agora não negoceia
mais coa caixa.
BARÃO - Qual caixa nem qual carapuxa! Xexe tudo o que a muja antiga canta... Isto é do noxo
Camões. (À parte.) É uma lástima a falare.
ARRUDA (À parte.) - Fala má cumo que...(Ouvem-se risadas.) Aí vem a rapaziada... E o meu
doutô...
BARÃO (Emendando.) - Doutore, doutore, compadre!

CENA IX
ARRUDA, BARÃO, MACHADINHO, LUÍS, AUGUSTO, SILVA

(Os rapazes entram a rir-se, e com outras roupas.)


ARRUDA - Rapazes, o Seu Barão... (Ao Barão.) Barão de quê, seu compadre?
BARÃO - Barão de Bal-de-bez.
ARRUDA - Barão de Bal-de-bez.
MACHADINHO - Deve ser de Val-de-vez. (À parte) Mais um para a coleção...
ARRUDA (Apresentando Luís ao Barão.) - Seu compadre, aqui tá o meu doutô. Ainda não saiu da
Academia e já ali co seu colega. (Mostra Machadinho.) aquele danado, fazer uma mánica...
BARÃO - De apanhare café?
ARRUDA (Dando um assovio e estalando os dedos.) - Quá! Uma mánica que não é pra Terra!
Uma coisa admirave! Que há de espantá tudo. Que pega na gente e bota lá na Lua!
BARÃO - Antão digo como o noxo Camões: - Xexe do xábio grego e do troiano as nabegaxões
grandes que fijeram!
MACHADINHO - Muito bem.
AUGUSTO (A Luís.) - Apresenta-nos.

228
LUÍS - Senhor Barão, apresento-lhe os meus amigos: o Senhor Augusto Soares, guarda-livros da
respeitável casa comercial, correspondente de papai... Doutor Silva, Doutor Machadinho.
OS RAPAZES (A um tempo.) Excelentíssimo, temos o prazer de cumprimentar Vossa Excelência;
honram-nos sobremaneira as relações que com Vossa Excelência acabamos de travar. (Procuram todos
ao mesmo tempo apertar a mão ao Barão, que fica atrapalhadíssimo.)
ARRUDA - Oh! não fale tudo assim de uma vez! O compadre não pode respondê a tudo a um
tempo, cambada!
BARÃO (Conseguindo livrar-se dos rapazes.) - Mous xenhores, não poxo agradexere tanta
vondade, xenão a dijere como o noxo Camões: - Cantando espalharei por toda a parte tantas
aquisicências.
RAPAZES (Atrapalhando-o de novo.) Bravo! Muito bem!
BARÃO - Os maninos desculpem falare assim. Aprendi a lere e a escrebere, e xei de core dois
libros: os Lujiadas do noxo Camões e o Código de nã xei quem, mas há de xere do mesmo Camões,
porque bai como o oitro que diz, aquilo que é ovra fina. É por ixo que cando acho acasião, encaixo um
pedaxinho do noxo Camões. Xou muito amante da literatura.
AS MOÇAS (Aparecendo ao fundo.) - Dão licença?
TODOS - As moças! Vivam! Entrem, minhas senhoras.

CENA X

ARRUDA, BARÃO, MACHADINHO, LUÍS, AUGUSTO, SILVA, ROSINHA, JOANINHA e moças

(Os rapazes sobem ao fundo e as moças descem, saltando alegremente.)

CORO DE MOÇAS
Olá! com sua licença
vamos entrando pra cá
pois do sol a calma intensa
ai! Jesus! de fogo está!
ROSINHA (A Luís)- As mais gentis moças de Ubá
vem lhe fazer uma visita.
AS MOÇAS - As mais gentis moças de Ubá
vem lhe fazer uma visita.

I
ROSINHA - Com custo estou que nos dirá
qual é de nós a mais bonita
e qual de nós mais chique está.
Ah!
— Nós hoje, às mil maravilhas,
vamos decerto passar!
Valsas, polcas e quadrilhas
vamos dançar!
Brincar!
Folgar
AS MOÇAS - Nós hoje, às mil maravilhas,
vamos decerto passar!
Valsas, polcas e quadrilhas
vamos dançar!
Brincar!
Folgar!
II
JOANINHA - Senhores meus, hão de convir

229
que estamos já civilizadas!
AS MOÇAS - Senhores meus, hão de convir
que estamos já civilizadas!
JOANINHA - Pois também sabemos rir!
Não somos, não, desajeitadas!
Sabemos já nos divertir!
Ah!
(Repetição do Coro)- Nós hoje, às mil maravilhas,
vamos decerto passar!
Valsas, polcas e quadrilhas
vamos dançar!
Brincar!
Folgar!
ARRUDA - Vocês veio sozinha?
ROSINHA - O Juca veio conosco; ficou atrás.
LUÍS - Agradeço terem aceitado o meu convite.
JOANINHA - Visitá-los era nosso dever de vizinhas...
ROSINHA - O seu convite foi um excesso de delicadeza.
JOANINHA - Senão uma amável repressão.
BARÃO - Destarte o reio Mouro axim falaba, como dixe o noxo Camões.
TODOS - Ah! Ah! Ah!
MACHADINHO - Pois Camões disse isto?
JOANINHA - Onde está Dona Miquelina, Senhor Arruda?
ARRUDA- Tá lá dentro determinando a janta. (Chamando para dentro.) Ó Siá Miquelina? (Alguém
responde lá dentro com um grito.) Ai vão as menina.
ROSINHA - Com licença; vamos cumprimentá-la.
AS MOÇAS - Vamos, vamos!
OS RAPAZES - Minha senhoras?
AS MOÇAS - Até já...
Repetição
- Nós hoje, às mil maravilhas,
vamos decerto passar!
Valsas, polcas e quadrilhas
vamos dançar!
Brincar!
Folgar! (Saem as moças.)

CENA XI
ARRUDA, BARÃO, MACHADINHO, LUÍS, AUGUSTO e SILVA

ARRUDA (Ao Barão.) - Venha cá, compadre; assente-se aqui e ouça.


(Sentam-se ambos à esquerda e conversam baixinho durante toda a cena.)
MACHADINHO - Precisamos divertir-nos.
SILVA - Temos o Senhor de Val-de-vez.
AUGUSTO - E as moças.
LUÍS - Não falta nada. - Vou mandar preparar a música da fazenda: os negros dançarão o jongo.
MACHADINHO - Não esqueçamos o nosso projeto. Está tudo assentado: levaremos o velho à
corte na antevéspera do carnaval.
LUÍS - Mas...
MACHADINHO - Não há mas nem meio mas. O velho há de ir, asseguro. Levá-lo-emos para o
Jardim Botânico e aí efetuar-se-á um jantar para festejar a nossa pretendida viagem à Lua, que será no
domingo de entrudo.
LUÍS - E depois?

230
MACHADINHO - Tenho cá o meu plano. Obedeçam-me passivamente, e nos sairemos bem.
Manda a carta que te ditei ao Secretário dos Netos da Lua, e inclui a que escrevi ao aderecista da Fênix.
Isto deve ser feito hoje.
LUÍS - Vou já mandá-la levar à caixa da estação.
MACHADINHO - Mau! Manda-a levar por um próprio a seu destino. Não nos fiemos no Correio.
LUÍS - Nesse caso, só amanhã poderá ir. Vou entender-me com o feitor a respeito da musicata,
do jongo e do próprio que há de levar a carta. (Sai.)

CENA XII
ARRUDA, BARÃO, MACHADINHO, AUGUSTO e SILVA

ARRUDA (Erguendo-se, ao Barão.) - Pois é isto, compadre: vou fazê uma grande viagem. Eu
deixo vacê feito meu procuradô bastante, e há de dirigi isto por cá enquanto eu tivé fora. Se arguém
me procurá...
BARÃO - Encaixo-le este pedaxinho de noxo Camões: - Porém já xinxo xóis eram
paxados...(Erguem-se.)
ARRUDA (Dirigindo-se aos rapazes.) - O que faz vacês aí? Venhum pra dentro; vamo conversá
coas moça.
TODOS - Vamos lá, vamos! (Vão entrando em casa; saem as moças.)

CENA XIII

ARRUDA, BARÃO, MACHADINHO, AUGUSTO, SILVA, ROSINHA, JOANINHA e moças, depois LUÍS e
negros, depois UM NEGRO

ROSINHA - Como não quiseram honrar-nos com a sua companhia, vimos nós procurá-la.
MACHADINHO (Baixo a Rosinha.) - A senhora é a rainha das belas.
ROSINHA (Faceirando-se.) - Não me debique, moço.
JOANINHA - Esperemos pelo jantar brincando algum jogo de prendas.
AUGUSTO - Era a minha idéia.
ARRUDA - O que há de ser?
BARÃO - O Tempo-xerá...
TODOS - Oh! (Risadas.)
BARÃO - Então a caibra-xega! (Tira um lenço encarnado e tapa os olhos.) Eu xou a caibra! Eu
xou a caibra!
MACHADINHO (Tirando-lhe o lenço dos olhos.) - Nada... nada...
BARÃO - Ai!
TODOS - O que foi?
BARÃO (Esfregando os olhos.) - Caiu-me rapé no olho!
MACHADINHO - Não é nada. (O Barão pede a Arruda que lhe sopre o olho. Jogo de cena.) Vou
ensinar-lhes um brinquedo da minha terra. Sentem-se todos e façam a roda. (Sentam-se todos, menos
Machadinho.) Trata-se de organizar uma orquestra. Eu sou o regente. Toco violino. (A Rosinha.) E a
senhora?
ROSINHA - Flauta.
MACHADINHO - O Barão, gaita de foles. O Senhor Arruda, trombone de vara. (Risadas.) A
senhora?
JOANINHA - Clarineta.
MACHADINHO (Aos outros.) - Bumba. - Pratos. - Rabecão. - Tímbales. - Fagote. - Violeta, etc.
(Distribui o nome de um instrumento a cada uma das pessoas presentes.) Quando eu imitar o meu
instrumento, cada um imitará também o seu. Quando, porém, imitar gaita de foles, por exemplo, o
Barão imitará o violino. O que não mudar de instrumento com a devida presteza pagará uma prenda.
(Pede o rebenque do Barão e começa a imitar um regente de orquestra.) Um dois e três... Três é o sinal

231
para começar... o Hino Nacional. Um, dois e três...! (Executam o hino brasileiro do modo acima descrito.
O Barão atrapalha-se todo. Machadinho dá o sinal para parar. ) Senhor Barão, pague a prenda!
BARÃO - Ixo é muito caro? Nã bim prebenido. (Risadas. cena viva e ruidosa.)
MACHADINHO - Não é dinheiro. Dê um objeto de seu uso: logo será restituído.
BARÃO - Tome lá. (Dá a japona que traz debaixo do braço. Risadas.)
MACHADINHO - Isto é muita coisa! Um objeto que caiba dentro de um chapéu.
BARÃO - Ahn... Tome lá um dos mous anelões. Olhe que ixo é oiro do Porto lexítimo de Vraga!
(Risadas.)
MACHADINHO - Agora cante cada um o que quiser. Um, dois e... três, (Confusão de vozes.) Dona
Rosinha, sua prenda. (Rosinha dá-lhe uma flor e aperta-lhe a mão furtivamente.) Agora, a Chave. Um,
dois e... três! (Cantam todos.) Senhor Arruda, a prenda!
ARRUDA - Já sei, já sei, home. Não preciso aprendê.
MACHADINHO - Não me entendeu... estou lhe pedindo a prenda.
ARRUDA - Ahn... (Dá-lhe um objeto qualquer.)
JOANINHA - Para não maçar, paguem todos.
ARRUDA - Memo porque Siá Miquelina não tarda a chamá a gente pra janta.
MACHADINHO - Paguem... paguem... (Todos dão-lhe objetos.)
AUGUSTO - Vamos às sentenças.
MACHADINHO (Tirando um objeto do chapéu e conservando-o fechado na mão.) - Dona Rosinha,
dê a sentença. O que quer que se faça com o dono desta prenda?
ROSINHA - Se for cavalheiro... (Pensa.) se for cavalheiro, servirá de banco de lavar roupa, e, se
for senhora, suspirará no canto.
MACHADINHO (Abre a mão e deixa ver o anel do Barão.) - É o senhor Barão. (Risadas.)
BARÃO - Nã quero! Um home de minh'idade e varão a xervir de vanco de labare roupa! Nã quero!
MACHADINHO - Vamos! Ponha-se de quatro pés!
ROSINHA - Pois bem, recitará uma poesia.
BARÃO - Ê não sou poeta...
SILVA - Mas sabes o Camões de cor...
AUGUSTO - Encaixe-lhe um pedacinho.
TODOS - Então, então? Ora vamos, Senhor Barão!
BARÃO - Pois bem. Para a xenhora que aí está tã vem axentada, bem a calhare este pedaxinho
do noxo Camões: - Estabas, lind'Inês, posta em xoxego...
TODOS - Fora! Não serve!
BARÃO - Nã serve?!
AUGUSTO - Isso é rococó!
BARÃO - Pois antão...
ARRUDA (Ao Barão.) - Antão, não, entonces...
BARÃO - Pois antão bai isto. Canta e dança, sem acompanhamento de orquestra, ao tom da Cana
Verde.)
Ai, se tu fores ao mare pescare,
pesca-m'uma laranjinha,
ai, que x'ela fore ajeda,
na tua mão é doxinha.
Ai, ó, ai,
ai, ó, ai!
Quem escorrega,
quem escorrega
tamvém cai!
TODOS - Ah! Ah! Ah!... Bravo! Muito bem! (Música. Luís entra precedido da banda de música da
fazenda e seguido por um coro de negros do eito.)
LUÍS - Interrompam a brincadeira! Lugar ao jongo! (Os brancos sobem para o alpendre.)
Jongo

232
CORO DE NEGROS- O vento no cafézá
é forte cum'ele só;
a gente fica afogada
no meio de tanto pó. (Dançam batendo palmas.)
MACHADINHO (Descendo do alpendre com os outros personagens.) - Atenção! Ouçam o
programa dos pagodes de hoje!
Final
- Logo que jantarmos,
pomo-nos de pé
e, enquanto esperarmos,
que venha o café,
o S'or padre cura
até noite escura
havemos de jogar
e palestrar
AS MOÇAS - Logo que jantarmos,
pomo-nos de pé
e, enquanto esperarmos,
que venha o café,
o S'or padre cura
até noite escura
havemos de jogar
e palestrar
MACHADINHO - Mal se acendam velas
para a sala, vão
esticar as canelas
todos que aqui 'stão.
O piano usado
hoje ficará
bem desafinado,
mais do que já 'stá!
Já não estão na moda
(me dirão vocês)
nem fados de roda,
nem cateretês;
mas... deixem-se disso,
e é pedir por mais!
Caiam no serviço
danças nacionais!

Coro geral
BRANCOS NEGROS
Logo que jantarmos Logo que jantarem
pomo-nos de pé põem-se de pé
e, enquanto esperarmos e, enquanto esperarem
que venha o café, que venha o café,
o S'or padre cura o S'or padre cura
até noite escura até noite escura
havemos jogar lá irão jogar
e palestrar! e palestrar!

ARRUDA (Com ligeiro movimento de dança.)


- Assim é que eu gosto de ver os rapazes!

233
Aí, sim, Senhor! Trá lá lá! Trá lá lá!
MACHADINHO (Imitando-o)
- Não sabe o senhor de que somos capazes!
Onde nós nos acharmos o prazer está!
BARÃO (Dançando também) - Pesca-me uma laranjinha,
se fores ao mar pescar...
ARRUDA - Ai, que vontade esta minha!
que vontade de dançar!
MACHADINHO e as MOÇAS -En avant!
sem mais demora
En avant!
ferva o cancã!

Coro geral
BRANCOS NEGROS
Logo que jantarmos Logo que jantarem
pomo-nos de pé põem-se de pé
e, enquanto esperarmos e, enquanto esperarem
que venha o café, que venha o café,
o S'or padre cura o S'or padre cura
até noite escura até noite escura
havemos jogar lá irão jogar
e palestrar! e palestrar!

UM NEGRO (Entrando.) - Manda dizer sinhá


que a janta pronta 'stá.
CORO - A janta pronta está!
ARRUDA - Já fortes pontadas sentia na pança!
BARÃO - Que boa notícia pro pai da criança!

Coro geral

Já, com presteza


vamos jantar

Já, com presteza,


vamos jantar
Vamos pra mesa
sem mais tardar!

[Cai o pano]
ATO SEGUNDO

O teatro representa o exterior do botequim que se acha em frente ao portão do Jardim Botânico.
À direita, o edifício, com a tabuleta Restaurant Campestre. À esquerda cerca rústica e portão com
cancela. Ao fundo, bosque de bambus. Mesas e cadeiras de ferro, etc.

CENA I
PRIMEIRO CRIADO, SEGUNDO CRIADO e CRIADO

(Os criados estão ocupados em arranjar uma mesa que está no meio da cena, repleta de
acepipes, cristais, jarras com flores, etc.)
CORO DE CRIADOS - Que belas iguarias!

234
Não é todos os dias
Que se vê tanto afã
no Restaurant
Vi melhor,
vi pior,
coisa assi'
nunca vi!
PRIMEIRO CRIADO (Mostrando ao segundo um peru de forno que traz num prato.)
- Olá Trancoso,
vem cá: vê tu
como é cheiroso
este peru!
SEGUNDO CRIADO (Mostrando ao primeiro um presunto de fiambre que traz em outro prato.)
- Sim, cheira muito,
mas vê também
este presunto
que cheiro tem!
Repetição do coro
(Findo o coro, os criados, que têm acabado de arranjar a mesa, entram no botequim.)

CENA II
MACHADINHO e LUÍS

LUÍS (Trazendo Machadinho pelo braço.) - Vem cá, vem cá...


MACHADINHO - Espera... espera... (Quer voltar.)
LUÍS (Trazendo-o à boca de cena.) - Mas, enfim, de que meio te serviste para fazer com que
papai viesse à corte?
MACHADINHO (Com volubilidade.) - Do mais simples: fiz-lhe ver que a ascensão só podia
efetuar-se do Corcovado. Fiz-lhe grandes preleções sobre distâncias, etc. Ele a princípio hesitou, mas
convenceu-se, afinal, de que era necessário ceder. Ainda assim impôs a condição que só viria na
véspera da ascensão, e que eu partiria antes dele, imediatamente, para mandar construir o foguete.
Esta conversa foi de madrugada; às seis da manhã estava eu de viagem. Ainda estavas dormindo; não
quis acordar-te, e eis aí por que ignoravas em que pé estão as coisas. - Uf! que está quente hoje! (Vai a
sair; Luís toma-lhe a passagem.)
LUÍS - Apenas chegados ontem à noite, viemos da Estação para cá.
MACHADINHO - Que é dele?
LUÍS - Dorme.
MACHADINHO (A meia voz) - Se visses! É um imenso foguete de papelão bronzeado, em cujo
bojo existe um espaçoso compartimento, capaz de conter folgadamente seis pessoas. Tem seis janelas e
uma porta, que fica na cabeça. O construtor saiu-se. Mandei fotografar o carro e o foguete. (Vai saindo)
LUÍS (Retendo-o) - Para quê?
MACHADINHO - Para convencer ao velho de que seu risco foi seguido à risca. Arrisquei só três mil
réis com a fotografia.
LUÍS - Então fostes ao Lopes?
MACHADINHO - É o meu freguês.
LUÍS - Pagaste?
MACHADINHO - Arrisquei apenas, já disse: posso pagar ou não. - Os Netos da Lua hão de brilhar
este ano! Caramba!
LUÍS - Invejo este teu gênio inventivo!
MACHADINHO - É para que saibas. (Vai saindo e para junto à mesa.) Este banquete foi mandado
servir por ordem minha. Faz parte também do meu plano.
LUÍS - Estou impaciente por ver em que dá tudo isto.

235
MACHADINHO - Hás de ver. Hei de deitar um pouco de ópio no copo em que teu pai tiver de
beber, o velho adormece... e verás o resto. (Vai a sair.)
LUÍS - Mas, vem cá, filho: não haverá perigo?
MACHADINHO - Não tenhas receio: é uma pequenina dose, que o fará dormir, só até a meia
noite. (Vai a sair.)
LUÍS - Onde diabo queres ir com tanta pressa?... Estás só... (Imita-o)
MACHADINHO - Quero esperar essa gente.
LUÍS - Que gente?
MACHADINHO - Ah! Imaginas que este baltazar é só para nós três! Tinha que ver! Olha: além do
Augusto e do Silva, hão de vir as repúblicas do Sousa, do Bento e do Guedes... A Sara...
LUÍS - Que Sara?
MACHADINHO - Aquela francesa do Hotel dos Príncipes, com quem o Fonseca anda a esbodegar a
legítima materna. Vem também a Elisa, a Chiquinha, a Maroca da Rua do Senhor dos Passos...
LUÍS - Ai, ai, ai! Não vá o velho desconfiar!
MACHADINHO - Não desconfia não. As raparigas hão de portar-se bem. Darei as providências...
(Vai a sair.) O Augusto e o Silva, coitados! andam na faina desde pela manhãzinha: estão preparando a
sala da sociedade para o baile de hoje, que também entra no programa. (Vai a sair.) Ah! vi a Zizinha e
dei-lhe esperanças...
LUÍS - Obrigado, meu bom amigo, obrigado.
MACHADINHO - Agora, é abrir vela aos tufões... e o resto à sorte! (Vai a sair, entra Arruda.)

CENA III
MACHADINHO, LUÍS e ARRUDA

ARRUDA - Bons dia, seu doutô; cumo vai a coisa?


LUÍS - A benção, papai?
ARRUDA - Deus Nosso Senhor Jesus Cristo te faça santo.
MACHADINHO - O foguete está pronto e já lá está no Corcovado. Temos de partir às quatro horas
da tarde. Foram precisos cento e cinqüenta burros possantes para levaram-no até lá!
ARRUDA - Ora não estar lá eu! E onde arranjou tantos doutô, seu burro? Oh! me descurpe, me
descurpe, moço. A gente às vez se engana! (Emendando.) E onde arranjou tantos burro, seu doutô?
MACHADINHO - Com a Companhia dos Bondes Marítimos.
ARRUDA - Ahn...
MACHADINHO - O foguete foi conduzido num carro especial que mandei construir. Invenção
minha! Veja isto. (Dá a fotografia a Arruda que deita os óculos e examina-a atentamente.) - Veja como
está catita! Levamos dezesseis bandeiras nacionais, hein? É isto que aqui se vê! Temos dentro uma sala
e uma alcova. A importância do saque que me mandou está quase inteiramente gasta. Uf! que calor!
LUÍS - Insuportável.
ARRUDA - Não faz má... Sou podre de rico e quero i à Lua!
MACHADINHO (Dando um documento a Luís, á parte.) - Aqui tens o saque: guarde-o. (Alto.) De
hoje a dois dias estaremos na Lua, se não sobrevier no sistema planetário algum impertinente fenômeno
atmosférico que desvie o foguete do seu curso!
ARRUDA - Fala que nem um livro.
MACHADINHO - Senhor Arruda, mandei preparar este banquete, a que só hão de assistir
notabilidades científicas. Vem o sábio naturalista Flowers e sua senhora, o Barão e a Baronesa do Canal
do Mangue...
ARRUDA (Atalhando-o.) - Convidou o Júlio Verne?
MACHADINHO (Prontamente.) - Também, também! (Gesto de Luís.) Oh! mas aquele Verne é um
malandro! Virá ou não!
ARRUDA (À parte.) - O diabo é se o Santos sabe que vim à corte. pega fogo na canjica. (Alto.) Ó
Lulu, sobre o que nós falemo, bico, hein? Senão ponho um ovo quente na língua.
LUÍS - Esteja descansado, papai.
ARRUDA - Entonces tá tudo pronto, não?

236
MACHADINHO - Tudo.
ARRUDA - Ora viva Deus!

Canto
Zás!
Trás!
Vou viajar.
Trás!
Zás!
pelo ar!
Que prazer
eu vou ter!
Zás, trás, zás!
(Durante o canto entram Augusto e Silva)
TODOS - Zás, trás!
Que prazer
Trás, zás!
vamos ter!

CENA IV
MACHADINHO, LUÍS, ARRUDA e SILVA

ARRUDA - Sejem bem aparecido! (Apertos de mão.)


MACHADINHO - Então já?
SILVA - Viemos de carro... Encontramos no caminho uma troça...
MACHADINHO (Tossindo.) - Sim... sim... o Barão e a Baronesa... o Verne... (Sinais de
inteligência.) Estão se demorando!
AUGUSTO - O bonde estava descarrilhado. (A Arruda.) Vimos despedir-nos.
SILVA - Vamos deixá-los ao bota fora.
LUÍS - Obrigado.
AUGUSTO - Mas como está hoje o dia quente!
MACHADINHO (A Arruda.) E isso é uma vantagem para a nossa viagem.
ARRUDA - Tá bom, tá bom... Fiquin conversando. Eu vou dá um giro. Quero vê estas parage.
(Sai)

CENA V
MACHADINHO, LUÍS, AUGUSTO e SILVA

TODOS (Menos Luís.) - Viva a pândega!


MACHADINHO - Somos uns danados!
AUGUSTO - Sabe que as meninas de Ubá mandaram-nos um "nós, abaixo assinados", pedindo
para nos demorarmos mais alguns dias? Como era para a felicidade daquele povo, ficamos.
SILVA - A Dona Rosinha mandou-te muitas lembranças. Falando seriamente, aquela moça está
extraordinariamente apaixonada por ti.
MACHADINHO - Deixa-te de pilhérias.
SILVA - É verdade ou não é. Luís?
LUÍS - Pelo menos parece.
MACHADINHO - O que parece é que vocês querem se divertir à minha custa!
TODOS - Oh!
AUGUSTO - Somos incapazes.
MACHADINHO - Está bem, está bem! (Ouve-se rodar um bonde.) Aí chega o bonde. (Consultando
o relógio.) Como vem atrasado.

237
CENA VI
MACHADINHO, LUÍS, AUGUSTO, SILVA, SARA, CHIQUINHA, FONSECA, cocotes, estudantes.
(Os recém chegados entram às gargalhadas, apontando para Fonseca que vem todo sujo de lama
e com o chapéu amarrotado.)
Arieta
SARA -'Stou furiosa,
muito nervosa-
pudera não!
De estar zangada,
desesperada
tenho razão.
Três horas - onde? -
dentro de um bonde!
Oh! nunca mais.
(A Fonseca) - De cá os sais! (Fonseca dá-lhe um vidrinho de sais que ela aspira.)
De mais a mais, o meu Fonseca
caiu no chão.
Que trambolhão!
Apareceu-me uma enxaqueca!
Ó sapristi!
Que dor aqui! (Leva a mão à cabeça.)
Ah!
'Stou furiosa, etc.
MACHADINHO (A Fonseca.) - O que foi isso, ó meu calouro?
FONSECA - Que viagem, meu amigo, que viagem! O diabo do bonde descarrilhou três vezes, e,
se não fosse isso, chegávamos mais cedo. A terceira vez, desci para ajudar os homens que estavam a
querer deitar o carro nos trilhos... e, quando ia subir, escorreguei e caí... fiquei neste estado.
TODOS - Ah! Ah! Ah!
SARA - Pauvre Petit! (À parte, beliscando-o.) taisez-vouz done; voyez qu'on se moque de vouz!
FONSECA - En bien... Ne te fâche pas.
SARA (A Luís.) - Recebi o seu bilhete... et me voilá! O Machadinho disse-me que você instava
pela minha vinda.
MACHADINHO - Fazia questão de gabinete. (Trepando a uma cadeira.) Minhas senhoras e meus
senhores, atenção!
TODOS - Hum... hum....
MACHADINHO - Pior!
SILVA - O assunto é grave!
AUGUSTO - O negócio é sério!
TODOS - Atenção!
MACHADINHO - Não levem o negócio de flauta. É muito sério o que lhes vou dizer. Vocês todos,
rapazes, sem exceção de um só, são notabilidades científicas! Respondam pelos nomes que eu lhes der.
E vocês, meninas, são as senhoras destes senhores. Todos vocês são bastante inteligentes para me não
deixar ficar mal. Ó Fonseca, tu és o Barão do Aterrado.
FONSECA - Está dito. (A Sara.) En ce cas, tu es la Baronesse.
SARA - Oh! Mon Dieu, quel français que tu me chantes lá!
CHIQUINHA - Eu o que sou?
MACHADINHO (Descendo da cadeira.) - Logo saberás.
CHIQUINHA - Eu quero ser condessa.
MACHADINHO - Está bem, está bem... Tomem sentido nos nomes pelos quais forem
apresentados.
FONSECA - Apresentados? A quem?
MACHADINHO - Ao Senhor Arruda!
SARA - Qu'est-ce que c'est ce Senhor Arruda?

238
MACHADINHO - Verão... verão...(A Fonseca.) Ó Barão, não vá entornar o caldo... Tenho medo de
você...
FONSECA - Não há novidade. Pas de nouveauté!
MACHADINHO - Agora o riso e o prazer!
SARA - Et pour commencer... (Chamando) Garçon, du champagne!
LUÍS (A Machadinho.) - Olha que papai pode vir...
MACHADINHO - Vou prevenir que nos previnam. (Um criado traz champanha, Machadinho fala-
lhe baixinho.)
SARA - Encham os copos!
TODOS - Viva! (Enchem-se as taças de champanha.)
MACHADINHO (De taça em punho.) - Um brinde!
TODOS (No mesmo.) - Viva!
MACHADINHO - Ao nosso anfitrião! E há de ser recitado!
TODOS - Apoiado.
MACHADINHO (Recita.) - Quando a taça espumante transborda,
a nossa alma remonta-se ao céu!
Quem viveu sem tomar uma mona
foi um odre que nunca se encheu!
TODOS - Não serve! Não serve! A cantora!
Coro Geral
CORO GERAL - Esqueçamos
e bebamos!
Beber!
Felizes sejamos
e toca a beber!
SARA - É nisso que consiste o prazer!
CORO - Beber!
SARA -Amigos, a taça
rechaça
a desgraça!
CORO - Beber!
MACHADINHO - Beber até cair!
Beber até dormir!
CORO - Beber!
Esqueçamos
e bebamos!
Beber!
Felizes sejamos
e toca a beber!
MACHADINHO - Agora, submeto à casa uma proposta!
SARA - Voyons!
MACHADINHO - Um passeio na lagoa antes de jantar. Quem rema? Temos um escaler.
AUGUSTO - Todos nós remamos!
TODOS - Apoiado! Todos nós! Vamos!
Repetição do coro.
(Saem todos pelo fundo.)

CENA VII
ARRUDA, [SARA e CORO]

(Durante as cenas que se seguem os criados deitam o jantar na mesa.)


ARRUDA (Entrando.) - Pois, senhores, o Jardim Botânico é isto? Uma coisa tão falada nas foia? É
com aquilo que se gasta tantos cobre? Lá na fazenda há muito capim mió que aquele rasteiro que tem

239
ali! Tíbio! Eu pensei que era outra coisa! Vi umas erva-de-santa-maria, umas flor...(Tomando um
periódico que está sobre a mesa.) Vamos a vê que as foi diz de novo. (Lê, deitando os óculo. Ouve-se
fora o seguinte:)
Barcarola
SARA -Minha barquinha dourada,
que vento queres levar?
De dia, vento da terra;
de noite, vento do mar.
CORO - -Minha barquinha dourada,
que vento queres levar?
De dia, vento da terra;
de noite, vento do mar.
ARRUDA (Lendo com dificuldade.) - Certa sociedade carna... carnavalesca... (Não sei o que é)
prepara um chistosa crítica à célebre Viagem à Lua! (Zangado, arremessando o periódico.) Que
desaforo! É inveja! É inveja só!

CENA VIII
ARRUDA e LUÍS

LUÍS - O que é que tem, papai?


ARRUDA - Lê. Preparum uma crítica à nossa viaje! Vão criticá o diabo que os carregue, cambada!
Eu só queria sabê quem foi!
LUÍS- Não pense nisso, os seus convidados já chegaram.
ARRUDA - Que dê eles?
LUÍS - Vossemecê não estava. Enquanto se deitava o jantar, foram dar um passeio pela lagoa. Vá
Vossemecê vestir a casaca. É de etiqueta.
ARRUDA - Com este calô... Enfim... (Vai saindo e volta.) Havemo de mostrá a esses biltre das
foia que vamos à Lua! (Sai)

CENA IX
LUÍS [só]
[LUÍS] Está a chegar o desenlace desta farsa, e, no entanto, tremo! Não quis acompanhar esses
rapazes, para poder combater algum obstáculo imprevisto! Oh! papai, perdoa! Tu eras capaz de fazer o
mesmo a vovô por via de mamãe!

Coplas
I
Capaz de tudo sou por ela,
por Zizinha, meu doce bem;
inda não vi, nem viu ninguém
mulher assim, mulher tão bela!
Seus olhos têm da noite a cor,
mas brilham como o sol sereno...
Para conter tamanho amor,
Cuido que meu peito é pequeno!
Ah! meu pai, meu bom papai,
os meus embustes perdoai!
II
Os meus suspiros são tamanhos
quando me ponho a imaginar,
que pra com ela me casar
é só mandar correr os banhos!
Eu de ventura hei de morrer

240
no dia em que sair da igreja
levando assim... (Menção de dar o braço.)
Minha mulher,
rubra, da cor de uma cereja!
Ah! meu pai, meu bom papai,
os meus embustes perdoai!

CENA X
LUÍS, MACHADINHO, AUGUSTO, SILVA, FONSECA, SARA, CHIQUINHA, estudantes, criados e cocotes

MACHADINHO - Esplêndido passeio!


SARA - Magnifique... Uf! mais il fait chaud!
AUGUSTO - A mesa está posta.
SILVA - Tenho uma fome!
MACHADINHO - Esperemos pelo Senhor Arruda. Ah! ele aí vem...

CENA XI
OS MESMOS e ARRUDA

ARRUDA (Entrando.) - Senhoras donas... senhores...


MACHADINHO - Apresento-lhes o nosso anfitrião!
ARRUDA - Não me mude o nome, seu moço. Manuel Arruda, criado de Suas
Senhoria...(Cumprimentam-no; atrapalham-no.)
TODOS - Senhor Arruda! - Viva! - Folgo de conhecê-lo! - Sou seu criado! - etc.
ARRUDA (Satisfeito.) Obrigado, minha gente.
MACHADINHO (Apresentando-lhes Fonseca e Sara.) - Sua Excelência, o Senhor Barão do
Aterrado e Sua Excelentíssima Senhora Baronesa. (Grandes mesuras de Fonseca e Sara.) O célebre
Flowers, de quem já tive a honra de falar-lhes... A Senhora Condessa...
CHIQUINHA - Marquesa... Marquesa...
MACHADINHO - Ah! é verdade. Foi promovida esta noite... A Senhora Marquesa da Cochinchina.
ARRUDA - Da Cochinchina? Tenho lá na fazenda muito boas galinha da sua terra.
MACHADINHO (Apresentando-lhe um estudante baixo.) - El Señor Dom Ramón Oribe Fuentes
Guadaquivir de la Trindad Consuelo, Ministro de la Patagonia!
ARRUDA - O nome é mais comprido que o dono; Vacê memo tem esse nome todo! Safa! Mas por
que é que a gente tá assim em pé? Vamos comer... (Sentam-se todos à mesa.) Eu quero falá!
TODOS - Fale! Fale! Pois não!...
ARRUDA (Erguendo-se.) Eu sinto que não posso dizê o que tenho pra dizê porque as
coisa...(Mudando de tom, ao suposto Ministro da Patagônia.) Vacê memo tem esse nome tão comprido?
Eu não! Eu cá sou o Manuel Arruda só; cando eu nasci, era muito pequenino; por isso meu pai não quis
me dá nome comprido.
TODOS - Ah! Ah! Ah! - Volte ao assunto! - Entre na matéria! - Não admito!
ARRUDA - Isto foi para me sarvá, porque eu tinha me atrapaiado todo. (Outro tom.) Minha
gente... (A Machadinho.) Ah! é verdade: O Júlio Verne veio?...
MACHADINHO - Ainda não reparei! Está por aí o Júlio Verne? Oh! Júlio Verne! (Gargalhadas.)
Qual! Não veio! Aquilo é um malandro! (Dizendo isto tem deitado ópio no vinho de Arruda.)
ARRUDA - Lulu, expilica essas coisa a esta gente.
LUÍS - Minhas senhoras e meus senhores, papai...
MACHADINHO - Não! Falo eu!
ARRUDA - Vacê tá fechando a boca do rapaz!
SARA - Ah! qu'il fait chaud!
ARRUDA - Fechou, sim senhora, e o Lulu não pôde falá. (À parte.) É bem boa...
MACHADINHO - O Senhor Arruda, o Luís e eu agradecemos o terdes honrado...
ARRUDA - Ter desonrado! A quem? (Risadas.)

241
MACHADINHO -... o terdes honrado este banquete com as vossas presenças.
ARRUDA - É tal e quá! Muito bem!
MACHADINHO - Na hora em que a pátria vai ser nobilitada pelo arrojado cometimento de um de
seus filhos, vós, que não vos alistastes nas fileiras dos incrédulos, vinde dar palmas ao talento. Eu
brindo, em nome do Senhor Arruda, o ilustrado auditório!
TODOS - Hip! Hip! Hurra!...
SARA - Ah! qu'il fait chaud!
ARRUDA - Sinto-me um pouco pesado...
MACHADINHO - Oh! mas é verdade!... Está um calor insuportável! Estou alagado!
AUGUSTO - Uf! Quem pode comer assim?...
MACHADINHO - Interrompamos o banquete; talvez refresque o tempo.
(Levantam-se todos da mesa e descem à cena. Arruda levanta-se com custo; está a cambalear
de sono.)
Final
CORO - Fiquemos em colete,
e, co calor que está,
deixemos o banquete!
Logo reviverá!
(Durante o coro, todos, menos Arruda, tiram os casacos.)
MACHADINHO (Recebendo de um criado um maço de ventarolas fechadas.) - Atenção.
CORO - Atenção!
MACHADINHO (Distribuindo as ventarolas pelos personagens.)
- Amigos meus, o calor pressentindo...
ARRUDA - Estou quase caindo...
MACHADINHO - ... trouxe estas ventarolas.
Mágicas são
toquem nas molas
que nos cabos estão;
incontinenti abrir-se-ão!
(Todas as ventarolas, que são comicamente exageradas, abrem-se como por encanto.)
ALGUNS - Oh! meu Deus! que calor!
Que horror!
Que tempo abrasador!
LUÍS (À parte.) - Coitado de papai...
ARRUDA - Meus senhores, estou cai não cai!
SARA - Ah! qu'il fait chaud!
ALGUNS - Tudo alagado está!
Eu alagado estou!
ARRUDA - Mas esta não é má!
Não há que vê: tou pronto!
Não bebi quase nada e já me sinto tonto!
CORO - Que grande calor!
Que forno, Senhor!
MACHADINHO - Fa caldo !
Ai, que calor
abrasador!
Escaldo!
Isto é, talvez,
noventa e três!
CORO - Fa caldo !
Ai, que calor
abrasador!
Escaldo!

242
Isto é, talvez,
noventa e três!

I
MACHADINHO - É pra dar cavaco!
Pois da festa no melhor
o calor, que é velhaco,
nos vence pelo suor!
Mas mal o tempo mude,
vamos pra mesa outra vez!
Olá! Deus nos ajude!
Caramba! é noventa e três!
Oh! que calor abrasador!
CORO - Uf! Uf!
Fa caldo !
Ai, que calor
abrasador!
Escaldo!
Isto é, talvez,
noventa e três!
ARRUDA - Com sono
pra cá não vim;
já dono
não sou de mim!

II
MACHADINHO - Graças às ventarolas,
com alguma viração...
Este calor é um bolas!
Oh! que maldita estação!
Nem mesmo alguns sorvetes
se encontram no restaurant.
Calor, tu nos derretes,
se duras até amanhã!
Oh! que calor
abrasador!
CORO - Uf! Uf!
Fa caldo !
Ai, que calor
abrasador!
Escaldo!
Isto é, talvez,
noventa e três!
ARRUDA - Tragam-me já uma cadeira!
De sono tou mesmo a caí!
(Trazem-lhe uma cadeira, na qual ele cai sentado.)
CORO - De sono está mesmo a cair!
ARRUDA - Que vinho mau! Que brincadeira!
Quero dormi! Quero dormi!
CORO - Pode dormir! Pode dormir!
(Arruda adormece.)
Uf! Uf!
Fa caldo !

243
Ai, que calor
abrasador!
Escaldo!
Isto é, talvez,
noventa e três!

[Cai o pano]
ATO TERCEIRO
O teatro representa a sala da sociedade carnavalesca Netos da Lua, no domingo gordo. Mobília
suntuosa, piano, lustre, jarras, flores, bandeiras, etc. Três janelas de sacada ao fundo, deitando para a
Rua do Visconde do Rio Branco. Na primeira porta da esquerda, um escudo azul e branco, tendo no
centro, em diagonal as iniciais N. L., e encimado por duas carrancas enlaçadas com um pano verde.

CENA I

AUGUSTO, SILVA, DOUTOR CÁBULA, FONSECA, SARA, CHIQUINHA, e máscaras, depois MACHADINHO e
LUÍS

(Ao levantar o pano, todos os que se acham em cena dançam freneticamente uma valsa,
acompanhada pela orquestra. Ardem fogos-de-bengala nas sacadas. O Doutor Cábula é o único que não
se acha fantasiado e mascarado.)
TODOS (Depois da valsa, extenuados e tirando as máscaras.) - Vivam os Netos da Lua! Vivam!
Vivam!
DOUTOR CÁBULA (Subindo a uma cadeira.) - Meus filhos e filhas! (Bate palma.) Atenção! (Faz-se
silêncio.) Nas lutas, nas terapêuticas polares e essenciais dos sentimentos aquosos, nas nevroses
contemplativas das explosões hodiernas, retumbam os desmoronados cimentos das convulsões que
produzem os infinitos cataclismas sociais. Et ego vacueretes mea tibi ajaceo. Santo Agostinho, capítulo
terceiro, título quarto, artigo nono. (À parte.) Que chorrilho! (Alto.) Nas idéias principais à absorção
conscienciosa dos raios solares, cifram-se os tríduos confidenciais dos conciliábulos meditabundos dos
desenvolvimentos gerais, das magnitudes do nosso partido. - Não! não há partidos! a banca é lisa!
TODOS - Entre na questão!
DOUTOR CÁBULA - Moderai os ânimos esquentados, meus filhos: ira perturbere regulamentum
mente in aquare vobis. Santo Inácio de Loiola, capítulo sétimo, parágrafo décimo do Regulamento dos
Bondes da Vila Isabel!
TODOS - Muito bem! Ah! Ah! Ah!
DOUTOR CÁBULA (Sempre com extrema volubilidade.) - A decrepitude senil de meu crânio
vetusto resolve a algidez dos rijos materiais à contradição palpável dos princípios imutáveis e perenes
da indústria manufatureira dos abacaxis.
TODOS - Ah! Ah! Ah! Bravo!
DOUTOR CÁBULA - Ride, ride...risum est apetitum carnivoros comedere. (Isto é meu) A aurora
dos tempos sublimes dos areópagos indefiníveis...
AUGUSTO - Não sejas amolador, ó Cábula! Sai daí. (Dá um pontapé na cadeira e o Doutor Cábula
cai no chão.)
DOUTOR CÁBULA (Erguendo-se.) - Que cábula!
SILVA (Saindo de uma das sacadas, onde tem estado desde que terminou a valsa.) Aí vem o
Machadinho: conheci-o pelo andar.
TODOS - O Machadinho! -Ainda bem! - Já tardava! - etc.
CORO - Oh! que prazer!
Ele aí vem!
Nós vamos rir,
pois jeito tem
pra divertir!
vamos todos sem demora

244
o amigo receber
agora.
AUGUSTO - Que novidade nos trará?
DOUTOR CÁBULA - Aposto que rir nos fará!
AUGUSTO - Temos panos para mangas.
DOUTOR CÁBULA - Frandulagens, bruzundangas.
CORO - Eis que ele aí vem,
Luís também!
(Entram Machadinho e Luís fantasiados também.)

Rondó e Coro
MACHADINHO - Meus folgazões,
meus foliões,
finalmente aqui nos tem!
Vamos ver
hoje quem
tem garrafas pra vender!
Ouvi, meus amigos,
da festa os artigos:
Primo: quem deixar
de rir e folgar
levará sopapos;
em papos, em papos
de aranha andará;
suspenso será!
Secundo: é vedado
brincar mascarado;
intrusos então
se introduzirão.
Tércio: mui respeito
se deve ao sujeito
velhote que está
dormindo acolá.
Quem estes artigos
infringir! castigos
severo terá;
punido será.
É bom haver ordem,
pois qualquer desordem
não pode abonar
quem a praticar.
- Meus folgazões,
meus foliões,
finalmente aqui nos tem!
Vamos ver
hoje quem
tem garrafas pra vender!
CORO - Os folgazões,
os foliões,
finalmente aqui os tem!
Vamos ver
hoje quem
tem garrafas pra vender!

245
MACHADINHO - Toca para a sala de jantar. Está posta a ceia. Aviem-se que preciso de vocês.
TODOS - Viva o Machadinho!
DOUTOR CÁBULA (Ao Machadinho.) - Eu te abençôo do fundo do meu estômago. (Saem todos
menos Machadinho e Luís. Música na orquestra durante a saída.)

CENA II
MACHADINHO e LUÍS

MACHADINHO (A Luís, que entrou no gabinete da direita e saiu logo.) - O velho?


LUÍS - Ainda dorme. Está ali.
MACHADINHO - No Necrotério, sei.
LUÍS - Necrotério?
MACHADINHO - Necrotério aqui é o lugar em que se cozem as monas.
LUÍS - Mas papai não é precisamente uma mona!
MACHADINHO - Ninguém disse tal.
LUÍS - Coitadinho de papai.
MACHADINHO (Arremedando-o.) - Coitado de papai! (Naturalmente.) Então, rapaz? Queres
chorar?
LUÍS - Não, mas quando me lembro que o metemos nestes assados sem consciência sua...
MACHADINHO - Ora, ora, que novidade! Se ele soubesse de tudo cá não vinha. Bem sabes que
era preciso fazer o que se fez. O velho acorda aqui, em pleno baile carnavalesco. O carnaval é coisa
nova para ele. Supõe-se, fazemo-lhe supor-se, na Lua. Nada receies: eu me encarrego de desculpar-te.
LUÍS - Perdoará ele o havermo-lo enganado? abusado de sua boa fé?
MACHADINHO - Deixa-te de asneiras! Olha que és um maricas! Como diabo, a não ser assim,
havíamos nós de carregar com teu pai para a corte e colocá-lo em frente do velho Santos, seu futuro
sogro? Ah! escreveste-lhe?
LUÍS - Escrevi. Pedi-lhe que se achasse à meia noite aqui, e fantasiado. (Entra o Doutor Cábula.)
MACHADINHO - Quem levou essa carta?
LUÍS - O Cábula.

CENA III
MACHADINHO, LUÍS e DOUTOR CÁBULA
DOUTOR CÁBULA - Falavam de mim?
MACHADINHO - Entregaste a carta do Luís?
DOUTOR CÁBULA - Em mão própria. O tal teu futuro sogro é um velho bem cabuloso. Enquanto
lia a carta, deu-me uma dúzia de palmadinhas na barriga. Mas dei-lhe os contras.
LUÍS - Obrigado, meu bom amigo, ser-te-ei eternamente grato.
MACHADINHO (À parte.) Temos facada com certeza.
DOUTOR CÁBULA (À parte.) - Vou dar-lhe o plano. (Alto.) Ó Luís, és homem para trinta mil-réis?
Quero fazer uma vaca de sessenta...
MACHADINHO (À parte.) - O que dizia eu?
LUÍS (Dando dinheiro ao Doutor Cábula.) - Aqui tens.
DOUTOR CÁBULA - Obrigado. Em quanto estamos?
LUÍS - Nós temos contas.
DOUTOR CÁBULA - Então dá cá mais vinte, para fazer cinqüenta...
LUÍS - Pois não. (Dá-lhe mais dinheiro.)
DOUTOR CÁBULA (À parte.) - Estou arrependido de haver pedido tão pouco. (Alto.) Toma nota!
Cinqüenta mil réis! Depois não quero dúvidas no pagamento... Vou levar a banca à glória em três
relances e meio. (Vai saindo.) Olha, depois não andes a te esconder de mim, para evitar o pagamento,
hein? (Sai. Durante a cena que se segue, ouvem-se vozerias, brindes, etc.)

246
CENA IV
MACHADINHO e LUÍS

MACHADINHO - Eu sabia que aquilo era tiro pronto.


LUÍS - Não importa; é um aliado poderoso que compramos por bem pouco.
MACHADINHO (Consultando o relógio.) - Faltam apenas dez minutos para a meia-noite. Sangue
frio, meu amigo. Mune-te de bastante sangue frio, embora o tenhas de ir buscar a algum açougue.
LUÍS - Bem; eu vou...
MACHADINHO (Marchando vivamente.) - Ao açougue?
LUÍS - Não...
MACHADINHO (À parte.) - Capaz era ele disso!
LUÍS - Vou esperar o Santos à porta da rua. Toma sentido que os rapazes não façam alguma com
o papai.
MACHADINHO - Vá descansado.

CENA V
[MACHADINHO e DOUTOR CÁBULA]

[MACHADINHO] - É muito tolo, coitado, mas afinal de contas é uma pérola! Que culpa tem ele
que nascesse Arruda? Outro qualquer não consentiria que a seu pai fizessem tanto, mas julga
naturalíssimo estar tudo por amor da sua Zizinha. Mas eu, que não sou da família, não tenho
escrúpulos: trato de divertir-me o mais que posso e, ao mesmo tempo, auxiliar a realização dos sonhos
dourados de um amigo. (Dá meia-noite.) São horas. (Chamando.) Ó Cábula! Cábula! Augusto! Silva!
DOUTOR CÁBULA (Dentro) - Não me encabules!
MACHADINHO - Venham cá. (Entra, Augusto, Silva e o Doutor Cábula.)

CENA VI
MACHADINHO, AUGUSTO, SILVA e DOUTOR CÁBULA

DOUTOR CÁBULA (Entrando por último.) - Ora sebo! Lá se foram a vaca, os bezerros e tudo
quanto Marta fiou. Estou reduzido a uma fichinha de duzentos e cinqüenta réis. Um maço de cigarros.
Nunca chamem por mim quando eu estiver acompanhando alguma costela, porque é tiro e queda! Ela
quebra logo.
COPLAS
I
Voto de não jogar já fiz;
mas, ó razão, de mim te apartas!
Convicto estou: não sou feliz...
Vício fatal! Malditas cartas
Fico maluco por um triz,
se alguma coisa apanho;
perco outra vez; peço ao Luís...
Perco o que ganho e o que não ganho!
Mas, agora? Nunca mais!
Desta vez prometo:
noutra não me meto!
Nunca mais!
Sim! Dito está! Não jogarei jamais!
II
Quando o parceiro as cartas deu,
na mesa estava uma remissa;
joguei... e o meu dinheiro, ó Céu!
foi - fogo viste lingüiça! -

247
Mas um consolo tenho eu
(Pobre de mim sem tal consolo!):
Não jogo nunca o que é meu,
mas do Luís, qu'inda é mais tolo...
Mas, agora? Nunca mais!
Desta vez prometo:
noutra não me meto!
Nunca mais!
Sim! Dito está! Não jogarei jamais!
(Consigo.) Mas se eu tentasse a desforra? (A Machadinho, Augusto e Silva, que conversam entre
si.) Qual de vocês aí é homem para cinco bodes?
MACHADINHO - Nenhum.
AUGUSTO - Ora vai-te catar!
DOUTOR CÁBULA (a Silva.) - Não tens aí dois pelintras disponíveis. (Silva vai para dar-lhe
dinheiro; Machadinho pega-lhe no braço.)
MACHADINHO - Não estejas a alimentar vícios!
DOUTOR CÁBULA - Não impeças uma boa ação, menino!
MACHADINHO - Venham daí. Ajudem-me a conduzir para aqui o pai do Luís. (Entra no quarto da
direita, acompanhado por Augusto e Silva.)
DOUTOR CÁBULA (Refletindo.) - Decididamente não jogo mais! Mas... mas deixem lá que uma
desforra tem seu sabor! Onde o diabo hei de arranjar dez tostões? (Os rapazes voltam, trazendo Arruda
a dormir sentado em uma poltrona e vestido de bombeiro de Nanterre.)
MACHADINHO - Bem. Agora Silva, tu coloca-se àquela porta e, tu, Augusto, àquela outra. Não
deixem entrar ninguém, sem que lhes dê sinal, e sobretudo não apareçam. O velho pode conhecê-los. O
sinal é um assobio. AUGUSTO e SILVA - Entendido. (Vão colocar-se, um à direita, outro à esquerda e
desaparecem no correr da cena. Machadinho tira do bolso um cortiça queimada, vermelhão, etc. e pinta
o rosto de Arruda, ajudado pelo Doutor Cábula.)
DOUTOR CÁBULA - Que cara cabulosa!
MACHADINHO - Estes bigodes e estas sobrancelhas dão-lhes uma graça!
DOUTOR CÁBULA - Isto é uma cara de azar.
MACHADINHO - Pronto! (O Doutor Cábula com um pedacinho de papel enrolado faz cócegas no
nariz de Arruda.) Mais respeito! É o pai de um amigo!
DOUTOR CÁBULA (Com solenidade cômica.) - Respeitemos o nariz da cara do pai de um amigo!
MACHADINHO - Agora, atenção! Vou despertá-lo...
DOUTOR CÁBULA - Cuidado...
MACHADINHO - Não vás dizer alguma tolice. Estás a par da situação. Tento na boca! (Tira um
vidrinho da algibeira e faz com que Arruda lhe aspire o conteúdo.)
ARRUDA (Desperta, esfrega os olhos, espantado em redor de si.) - A mode que senti uma
infulenização no sangue! Onde estou?
MACHADINHO - Estamos na Lua!
ARRUDA (Dando um pulo.) - Hein? Entonces sempre é verdade? (Encaminhando-se para uma das
janelas.) Que rua é esta?
DOUTOR CÁBULA - É a Rua do Visconde do Rio Branco.
MACHADINHO (Baixo ao Doutor Cábula.) - Então, foi abrires a boca e dizeres asneira!
DOUTOR CÁBULA - Não... é... é...
ARRUDA - Entonces! O Paranho já é conhecido na Lua!
MACHADINHO (Tomando o braço de Arruda.) - Não chegue à janela, Senhor Arruda!
ARRUDA (Reconhecendo-o.) - Ah! é vacê, seu doutô? Mas não chegue à jinela por quê?
MACHADINHO (Mostrando-lhe o traje, misteriosamente.) Pois não vê?
ARRUDA (Extremamente surpreso por se ver vestido de bombeiro.) - Que vestimenta é esta? Eu
não sou sordado! Quem me vestiu assim? Mangarum comigo!
MACHADINHO - Eu lhe explico. Não mangaram tal. O nosso foguete caiu num quartel de
bombeiros da Lua, e os trajes que trazíamos foram todos confiscados para o museus da pálida Diva.

248
ARRUDA - Entendo... entendo... e me botarum esta vestimenta pra sarvá as conveniência sociá...
Ah! Ah! Ah! Quê dê Lulu?
MACHADINHO (Com mistério.) - Chut!
DOUTOR CÁBULA (Que tem acompanhado todos os movimentos de Machadinho no mesmo.) -
Chut!
ARRUDA (Mistificado.) - Que diabo de especulação é esta?
MACHADINHO - O Lulu agora é o rei da Lua e eu sou o seu primeiro ministro. O senhor é o pai de
Dom Luís I. (Doutor Cábula faz grandes cortesias a Arruda.)
ARRUDA (Passado o grande pasmo que lhe causaram as palavras de Machadinho e as cortesias
do Doutor Cábula.) - Quê dê Lulu?
MACHADINHO - Sua Majestade está no Observatório conversando com as estrelas; não pode
receber nem mesmo seu próprio pai.
ARRUDA - Iremo logo mais. (Coordenando as idéias.) Mas... que diabo! parece que vim
dromindo! Não vi memo a viaje.
MACHADINHO - O Senhor Arruda tem uma natureza fraquíssima. Quando embarcou, parece que
algumas gotas de vinho que bebeu no Restaurant do Jardim Botânico lhe havia subido à cabeça, e
depois a rarefação do ar nas camadas interplanetárias causou-lhe uma síncope, cujo fenômeno as
ciências naturais explicam muito facilmente. Chegamos há três horas, depois de dois dias de viagem, e
só agora eu e este senhor, nosso companheiro de viagem, conseguimos despertá-lo1
ARRUDA (Ao Doutor Cábula.) Ah! vacê veio com nós?
DOUTOR CÁBULA - Acidentalmente.
MACHADINHO - Este é o célebre professor aeronauta elétrico... (Cortesias do Doutor Cábula.)
ARRUDA - Ahn... Conheço muito! A roupa dele não foi pro museu.
MACHADINHO -... o muito sábio Doutor Humboldt Agassis Levington Lesseps X.P.T.O. London...
ARRUDA - Vacê só me apresenta gente cum nome de légua e meia!
MACHADINHO (Continuando a apresentação, enquanto o Doutor Cábula desfaz-se em exageradas
mesuras.) - ...Ilustre americano muito conhecido em todo o Universo por seus inúmeros e importantes
descobrimentos!
ARRUDA - Pois seu Assis... Assis foi único nome que entendi...
DOUTOR CÁBULA (Com exagerada amabilidade.) - Agassis... Agassis...
ARRUDA - Aguassis... Estimo conhecê-lo... Lá estamo às orde... (Não sabendo para que lado
apontar, para iniciar a situação da sua fazenda.) ... lá...Espere! Para onde fica a fazenda? Pra que lado
fica Ubá?... Ah! Deve ser pra baixo! (Apontando para o chão.) Lá estamo às orde de Sua Senhoria.. lá
em baixo, em Ubá!
DOUTOR CÁBULA - Muito obrigado. (Com volubilidade.) Andava eu no meu balão, fazendo uma
viagem de recreio à roda desse pequeno planeta que se chama Terra, quando senti que o aparelho era
atravessado por um foguete descomunal, que à primeira vista tomei por um bólido. O tafetá do bojo
solidificado pela guta-percha resistiu: ficou o balão pendurado no seu foguete que não diminuiu de
velocidade, e, assim, tranqüilamente, deitado no funda da minha barquinha feiticeira, vim para, com
Vossas Senhorias, a Lua. É um episódio interessantíssimo, que há de fazer furor no Instituto Histórico e
Geográfico de Nova Iorque, se eu tiver a felicidade de voltar à Terra.
ARRUDA - Voltaremo noutro foguete. Fique descansado, Seu Eguassis. Se isto não me agradá, cá
não fico. (Ouvem-se brindes, etc.) O que é isto?
MACHADINHO - Isto é um baile que dá a estrela Vênus por ver um regente no trono, que estava
acéfalo desde que lhe morreu o pai. O baile é oferecido ao Rei Luís , seu filho, para festejar as suas
ascensões: à Lua e ao trono. (Assobia.)
DOUTOR CÁBULA (À parte.) - É de muita força este menino!
ARRUDA - Mas o que me admira é eles falá a língua que nós falamo.
DOUTOR CÁBULA (À parte.) - Mas o velho é de mais força!
MACHADINHO - Isso é gente de uma memória e habilidade espantosas. Demais, moram no Céu:
não admira que saibam tudo. (Rumores fora.) Atenção, Senhor Arruda! Aí vem Vênus e seu rancho.

249
CENA VII
MACHADINHO, DOUTOR CÁBULA, ARRUDA, AUGUSTO, SILVA, FONSECA, SARA, CHIQUINHA e
máscaras.

CORO GERAL - Viva o carnaval!


Viva o bacanal!
Viva o saturnal!
Nesta noite festival,
tudo é feliz, jovial!
Contentes vamos dançar,
brincar, saltar e folgar!
ARRUDA - Que gente é esta?
Na Lua, vejo, há grande festa!
MACHADINHO - Pois não disse-lhe já, Senhor Arruda
que o seu Lulu no trono se grudou?
Pois Vênus, que é quem gruda,
esta festa ordenou.
CORO - Pois Vênus, que é quem gruda,
esta festa ordenou. (Dança geral e desordenada.)
Viva o Carnaval!
DOUTOR CÁBULA (A Machadinho.) - Vou ter com o Luís.
MACHADINHO - Vá, dize-lhe que já é tempo. Não lhe peças dinheiro emprestado.
DOUTOR CÁBULA - És um monstro. (Sai.)

CENA VIII
MACHADINHO, ARRUDA, AUGUSTO, SILVA, FONSECA, SARA, CHIQUINHA e máscaras.

(Sara tem se apegado a Arruda, que parece impressionado. Ciúmes de Fonseca.)


MACHADINHO (A Sara.) - Não o deixes; olha que isto é mina de caroço.
SARA (A Machadinho.) - On fera ce qu'on pourra.
ARRUDA (Entusiasmado.) Não saio mais da Lua. Mando vendê fazenda, negro, tudo o que tenho
lá em baixo. (Aponta para o chão.), e venho de vez pr'aqui. (A Sara.) Sua Senhoria se parece muito
cuma madama qu'eu vi no Jardim Botânico no dia em que vim cá pr'arriba. Cara duma, focinho doutra.
SARA (Baixinho. Grupos diversos.) - C'etait moi... mon bibi... c'etit moi même...
ARRUDA - Não fale língua da Lua, dona madama, Sua Senhoria fale língua brasileira, que é a que
me ensinaram...
SARA - Esta mulher que vias na Terra... era eu...
ARRUDA - A Baronesa?
SARA - Era eu. Amo-te... Tenho-te seguido por toda a parte!
FONSECA (Inflamado.) - Madame Sara, vous êtes une cynique... notre rélations sont brisées par
toujours... vous voulez me place à perdre...
SARA (Repreeensiva.) Meu bem...
FONSECA (Dando-lhe um dedo.) - Mordez ici (Sara morde-lhe o dedo.) Ai!
ARRUDA - Seu Barão, descurpe a muié... ela não tem curpa de me tê amizade...
FONSECA - Deixe-me senhor! Ne compt pas avex moi, perfide! Adieu pour jamais!
TODOS (Que tem presenciado a rir-se, rompem numa gargalhada.) Ah! Ah! Ah! (Fonseca sai.)
MACHADINHO - Deixem esse idiota! Que vá falar francês na casa do avô torto. (Música na
orquestra. Queimam-se fogos-de-bengala nas sacadas. Dentre as mulheres sai uma andaluza, de meia
máscara de seda e executa um bailado. Findo o bailado, Machadinho apresenta Arruda à sociedade.)

CENA VIII
MACHADINHO, ARRUDA, AUGUSTO, SILVA, SARA, CHIQUINHA e máscaras, no fim da cena FONSECA .

250
MACHADINHO - Meus amigos e amigas, apresento-lhes o pai de Sua Majestade.
TODOS - Viva o pai de Sua Majestade! (Forma-se de repente um cortejo, que desfila pela frente
de Arruda, que está cheio de si, e visivelmente embeiçado por Sara.)
Marcha e coro
Salve o progenitor
do nosso rei recente
Por nós serás, senhor,
amado eternamente!
MACHADINHO (Apresentando diversos indivíduos a Arruda.) - A Estrela d'Alva! - Vésper! -
Saturno! - Mercúrio!
ARRUDA - Conheço uma pomada de sua invenção.
MACHADINHO - Tem muitas outras invenções: o bacará, o trinta e um... o marimbo..
ARRUDA - Isso é jogo...
MACHADINHO - Parece.
ARRUDA - Ah! aqui na Lua também há disso? (De repente, a Sara, que o encara meigamente.) Ó
ladrãozinho, tu me mata!
FONSECA (Reaparecendo.) - Quem vem ao chocolate?
TODOS - Vamos! Vamos! Ao chocolate! (Saem todos em confusão. Arruda é arrastado por Sara
no meio do tumulto geral.)

CENA X
DOUTOR CÁBULA, LUÍS E SANTOS
SANTOS (Metido num dominó.) - Ora, senhores, eu! um homem sério! um pai de família! um
funcionário público! metido num dominó, e obrigado a embarafustar por uma casa destas! - Mas não
importa! trata-se de quebrar a castanha na boca de seu pai! Faço idéia da cara com que ele vai ficar.
LUÍS - Agradeço-lhe a oportunidade!
SANTOS - E há de quê... e há de quê! Ora, meu Deus! um homem com vinte e três anos e quatro
meses de bons serviços ao Estado!
DOUTOR CÁBULA (À parte.) - Já voaram cinco bancas, e eu sem armação! Se este Santos
espirasse...
LUÍS - Vem gente. É ele. Venha para cá. (Vão todos os três para uma das sacadas do fundo,
cujas cortinas Luís faz descer.)

CENA XI
DOUTOR CÁBULA, LUÍS, SANTOS escondidos, e ARRUDA que entra de braços dados com SARA
SANTOS (À parte, deitando a cabeça fora da cortina.) - É ele! Reconheço-o como se não o visse
há quinze dias, e, no entanto, já lá vão trinta anos. (Dando com Sara.) Ela! Olé! Foi bom eu vir aqui.
Deixa estar, que não me apanhas mais vintém!
ARRUDA (Rendido, a Sara.) - Tu é muito bonitinha, ladrãozinho. Quando eu te vi, seu bem, meu
coração pegô a batê zuque, zuque, zuque; com uma força iguá à da engenhoca d'água da comadre
Inclementina. (Senta-se.)Tu não conhece a Inclementina? Aquela do Juiz de Fora!... Home é tão
conhecida! Vacês aqui na Lua diz que sabe de tudo! - Ah! seu ladrão! Eu posso fazê a tua felicidade.
Sou podre de rico!
SARA - Sei que é muito rico: tens fazenda em Ubá, em Maçambará...
ARRUDA - É... é... Como ela sabe de tudo home!
SARA - Bebê, fica... fica aqui comigo...
ARRUDA - Ela não saberá que eu sou casado?
SARA - Sei que és casado, mas...
ARRUDA (À parte.) - Ai, ai,...
SARA - Mas se quisesses?
ARRUDA - Casar outra vez?
Dueto

251
DOUTOR CÁBULA (Saindo da sacada e aproximando-se.) - Então, meu caro Senhor Arruda, está melhor
aqui do que na Terra, hein?
ARRUDA - Ah! vacê tava aí? Me farte a luz na hora da morte se eu lhe vi... Home, vacê qué que eu fale?
DOUTOR CÁBULA - Com franqueza.
ARRUDA - Pois home; Seu Assis, diabos a Terra! Aqui os are são mió. (Santos sai também da sacada e
se aproxima.) Quem é este frade? Na Lua também há disto?
SANTOS - Ora, senhores! Um homem sério!... Um funcionário quase aposentado e pai de cinco filhos!...
ARRUDA - Pra que é essa coisa que vacê traz na cara?
DOUTOR CÁBULA - É da Ordem... é da Ordem...
SARA (À parte.) - Eu conheço aqueles olhos... Mas, qual! é impossível! Ele não freqüenta sociedades
carnavalescas..
SANTOS (À parte.) - É ela mesma. Não me apanha mais vintém.
LUÍS (Saindo por sua vez da sacada e descendo a cena.) - Não prolonguemos por mais tempo esta cena.
É demais! Vamos, Senhor Santos...
ARRUDA - Senhô Santos! Meu filho, Vossa Majestade disse - Senhô Santos?
LUÍS - Tire a máscara.
SANTOS (Tirando a máscara e avançando para Arruda.) - Então, você não disse que não vinha mais à
corte?
ARRUDA (Assombrado.) - O Santos!...
SANTOS - Veio ou não veio à corte?
ARRUDA - Que corte, home! Lua não é corte!
SANTOS - O que diz ele? (Aparece Machadinho.)
DOUTOR CÁBULA - Que cábula!
SARA (Embaraçada desde que Santos tirou a máscara, à parte.) - Me voila pincée.
CENA XII
DOUTOR CÁBULA, LUÍS, SANTOS, ARRUDA, SARA e MACHADINHO
MACHADINHO (Aproximando-se.) - Senhor Santos, Senhor Arruda, eu explico o caso.. o Senhor Arruda
supõe que fez uma viagem à Lua, ao passo que a viagem que fez foi apenas de sua fazenda à corte,
onde está.
ARRUDA - Na corte! Eu tou na corte! Ué! Eu não esperava isso de Sua Senhoria, seu doutô (Puxando as
orelhas de Luís.) Venha cá, seu rei da Lua, então vacê mangou de seu pai...
LUÍS - Papai...
MACHADINHO - Perdão, o autor do quiproquó foi este seu criado. Eu sabia da divergência que há entre o
senhor e o Senhor Santos, e da promessa que o senhor havia feito de não por os pés na corte. O Senhor
Santos só consentia no casamento de Luís com Dona Zizinha com a condição que o senhor viesse ao Rio
de Janeiro. Por amizade a seu filho e aproveitando o desejo que o senhor tinha de ir à Lua...
ARRUDA - Que bonita figura fiz eu, sim senhô, não tem que vê!
SANTOS - Já que está, consinta no casamento daqueles dois pombinhos...
ARRUDA (De maus humor.) - Já consenti!
LUÍS - Obrigado, papai. (Beija as mãos do pai.)
ARRUDA - Saía daqui, filho de um burro!
MACHADINHO - Agora, um favor, Senhor Arruda, estenda a mão ao seu ex-condiscípulo, e o passado,
passado.
SANTOS e ARRUDA - Ele que estenda {primeiro
{ premero
DOUTOR CÁBULA - Eu concilio tudo, apesar de não ser da família. (Toma as mãos de ambos e une-as.)
Ego conjugo vobis.
SARA - Tableau!
SANTOS e ARRUDA - Eu sempre gostei dele, mas é muito teimoso.
ARRUDA - Mas, enfim, onde estamo nós?
MACHADINHO - Deixe para mais tarde as minudências... logo saberá de tudo... (A Luís.) Hás de ser o
único de ir à lua... à lua de mel! (A Arruda.) O saque está em mão do Luís; não tocamos em um real.
ARRUDA - Pois guarda ele, Lulu: é teu dote.

252
SANTOS (Dirigindo-se a Sara.) - Contigo é que não faço as pazes... Não me apanhas nem mais um
vintém.
SARA - Mas...
SANTOS - Psiu... (Consigo.) - Um funcionário público, meu Deus!
ARRUDA - Não leio mais novelas do tal Seu Júlio Verne.
MACHADINHO - Hei de oferecer-lhe um livro de Vítor Hugo: A arte de ser avô.
SARA (A Santos.) - Est-ce que tu va rester fâchê comm'ça?
SANTOS - Veremos... Um pai de família... com cinco filhos e vinte e cinco anos e quatro meses de
serviços públicos. (Deixa-se enlaçar por Sara.)
ARRUDA (Com uns longes de zelos, à parte.) - As muié são mesmo assim: farsa como elas só. (Entra
Fonseca, de braço dado com Chiquinha, acompanhados de todos os personagens.)

CENA XIII
DOUTOR CÁBULA, LUÍS, SANTOS. ARRUDA, SARA, MACHADINHO, FONSECA, CHIQUINHA, AUGUSTO,
SILVA e máscaras.

OS RECÉM-CHEGADOS - Ó Machadinho! Vem apreciar os novos amores do Fonseca!


ARRUDA (Admirado e tapando os ouvidos.) - Que matinada!
SANTOS (Sempre abraçado por Sara.) - Um homem sério!
FONSECA (Com Chiquinha pelo braço, a Sara.) - Tu ne me donnais pas de considération: tu ne
faisais cas de moi; je me suis épris de Chiquinhe!
TODOS - Ah! Ah! Ah!
ARRUDA - Mas ói que a batina do reitô era de ceteim!

Final
MACHADINHO - Na forma agora de costume
Vou, por precaução,
pedir do povo a proteção.
SARA (Ao público.) - Vossa proteção!
MACHADINHO - Oh! não vos farteis de aplaudir,
sem resmungar, nem redargüir,
quem voz fez rir
ou fez dormir!
MACHADINHO e SARA - Quem fez rir ou fez dormir
aplaudir sem redargüir!
CORO - Sem resmungar, sem redargüir,
aplaudi quem vos fez rir!
MACHADINHO - Agora, galopemos!
Saltemos e pulemos!
Pulemos e saltemos!
E não há que refletir!
CORO - E não há que refletir!
(Galope geral. Quadro animadíssimo.)
Oh! não vos farteis de aplaudir,
sem resmungar, sem redargüir,
quem vos fez rir,
ou fez dormir!

[Cai o pano]
(1) - A música deste jongo, bem como a da barcarola do segundo ato, foi composta por obséquio aos
autores, pelo eminente professor Doutor Henrique Mesquita. (Nota do autor.)
(2) É a polca Zizinha, que composta e impressa o ano passado, obtém tão franco sucesso nos salões
fluminenses. (Nota do Autor.)

253
A JÓIA

DRAMA EM TRÊS ATOS

Em versos

PERSONAGENS

VALENTINA
JOAQUIM CARVALHO
JOÃO DE SOUSA
GUSTAVO
UM JOALHEIRO
UM SUJEITO
Rio de Janeiro, 1874

ATO PRIMEIRO
Sala de visitas em casa de Valentina. Duas portas de cada lado e duas janelas de sacada ao
fundo. À esquerda do espectador, sofá; ao lado deste, poltrona. À direita, escrivaninha, com preparos
para escrever. Cadeiras, consolos com porta-jóias, estatuetas, quinquilharias, etc. Nos intervalos das
portas, gravuras ricamente emolduradas. Reposteiros de lã em todas as portas e cortinas de rendas às
janelas. Piano. Tapete. Lustre de gás. É dia.

CENA I
VALENTINA, UM SUJEITO

(Valentina está sentada na poltrona, de penteador branco. O sujeito de pé, pronto para sair, de
chapéu na cabeça, tem uma das mãos entre as dela.)
VALENTINA - Adeus. De mim não se esqueça
Nem do número da porta.
O SUJEITO - Não.
VALENTINA - Se, de saudades morta
Me não quer ver, apareça.
O SUJEITO (Aborrecido.) - Adeus.
VALENTINA - Adeus. (Ele vai saindo.) Até quando?
O SUJEITO (Parando.) - Prometo voltar bem cedo.
VALENTINA - Não minta.
O SUJEITO - Não tenhas medo!
Pois eu vivo em ti pensando. (Sai.)

CENA II
VALENTINA, só

[VALENTINA] - Pensando em mim!... Na verdade,


o tempo emprega bem mal,
(Abrindo o envelope que o sujeito lhe tem deixado nas mãos.)
Sim senhor, foi liberal.
Quanta generosidade!...
(Erguendo-se, e como que dirigindo-se ao sujeito que acaba de sair.)
Bem! cá fica arquivado
no livro dos preciosos... (Tirando três cédulas do envelope.)

254
Que três bilhetes formosos!
Fazem-lhe falta... Coitado...
Sei de dois credores seus
que a porta não lhe abandonam,
e sei também que tencionam
mandar citá-lo... (Outro tom.) Ora, adeus!
Deixemos estas lembranças...
Fechemos a porta à chave...
(Vai fechar a porta da esquerda, segundo plano, e voltando à cena, vai abrir uma das gavetas da
secretária.)
E, nesta solidão suave,
vamos tratar de finanças.
Esta semana rendeu!
A receita, com certeza,
cento por cento a despesa
nestes dias excedeu.
(Senta-se à secretária, donde tira um monte de notas de banco, que põe-se a contar.)
Dez, vinte, trinta, quarenta,
cento e quarenta, duzentos,
trezentos, e quatrocentos,
quinhentos e cinqüenta,
seiscentos... - Que nota antiga!
Não estará recolhida? (Guarda pressurosa o dinheiro, por ouvir bater à
porta.)
Quem está aí?
GUSTAVO (Fora.) - Sou eu, querida!
VALENTINA (Erguendo-se.) - Gustavo?
GUSTAVO (Fora.) - Sim, minha amiga.
(Valentina vai abrir a porta a Gustavo, que entra.)

CENA III
VALENTINA GUSTAVO

VALENTINA (Apertando-lhe a mão)


- Não te esperava já, palavra de honra!
GUSTAVO - Já?
Querias que eu ficasse eternamente lá?
VALENTINA - Deste-te bem?
GUSTAVO - Então? Não vês como estou nédio?
Para o blazé não há mais eficaz remédio
do que passar um mês de vida regular
onde os prazeres são difíceis de encontrar.
O físico e o moral a roça purifica:
tens precisão também da roça, minha rica.
(Repoltreando-se na poltrona.)
Dize-me cá: tem vindo o deputado?
VALENTINA (Encostando-se ao espaldar da poltrona.)- Tem.
GUSTAVO - O João Ramos?
VALENTINA - E o Pimenta?
VALENTINA - Também.
GUSTAVO - Que bons amigos tens! Sou eu que tos arranjo!
Em consideração deves tomar, meu anjo...
VALENTINA (Descendo à cena.)

255
- Pois queres mais dinheiro?! És exigente.
GUSTAVO - Sou;
mas vê lá também a roda que te dou!
VALENTINA (Sentando-se à direita.)
- Não trouxeste o melhor dos que aqui vêm agora.
GUSTAVO - Quem é? Não é segredo?
VALENTINA - Um tipo que me adora!
Um fazendeiro rico e velho que supõe
ser ele só que os pés em minha casa põe.
GUSTAVO (Com interesse.)
- E onde foste encontrar esse tesouro raro?
VALENTINA - No Prado Fluminense. Eu vi-o, deu-me o faro,
sorri-lhe, ele sorriu-me... Eu dei-lhe o meu cartão..
Veio. Adora-me e... crê que tenho coração.
GUSTAVO - Um fazendeiro é mina; e quanto mais se explora,
mais ouro dá!... Pois bem, caríssima senhora,
- não é por me gabar - acredito que o seu
é muito bom, mas tenho um ótimo!
VALENTINA - Tu?
GUSTAVO - Eu.
VALENTINA (Erguendo-se.) - Onde ele está?
GUSTAVO (Idem.) - Depois... depois nós falaremos...
VALENTINA - Mas que custa dizer?
GUSTAVO - Tempo de sobra temos.
VALENTINA - Mas dize-me...
GUSTAVO - Não posso agora; logo mais
voltarei.
VALENTINA -'Stás com pressa?
GUSTAVO - Estou.
VALENTINA - Aonde vais?
GUSTAVO - Subi só por te ver. Espera-me um amigo
que convidado está para almoçar comigo.
VALENTINA - Bem; vai e volta.
GUSTAVO - Dá-me uns cinqüenta mil-réis.
VALENTINA (Vai à secretária e conta o dinheiro.)
- Com muito gosto. É já... Dois, quatro, cinco, seis...
Dez e dez vinte, e trinta... Ah! Cinqüenta... Pega!
(Dá o dinheiro a Gustavo que o guarda.)
GUSTAVO - Obrigado. Até logo! (Sai por onde entrou.)
VALENTINA - Adeus. (Só.) Supõe-me cega...
Com tal balela quis uns cobres me apanhar!
(Fechando a porta.) Enfim... Vamos a ver... Bem posso me enganar.

CENA IV
VALENTINA, só

(Senta-se de novo à secretária, abre-a e recomeça a contar dinheiro.)


[VALENTINA] - Terminemos esta conta...
Três contos... quatro e quinhentos...
e seiscentos... setecentos...
Quase a cinco contos monta
desta semana a receita!
Vamos conferir... (Toma a pena.) O Ramos

256
deu-me na quarta... - Escrevamos -
oitocentos de uma feita...
(Escrevendo.) "Oitocentos". (Pensa.) O Pimenta
aquele broche me deu
que há três dia me rendeu
trezentos e cinqüenta...
Entregou-me o deputado
todo o subsídio. Que bolo!...
É justo: um fútil, um tolo,
que só diz "muito apoiado"
e ganha um conto e quinhentos. (Escreve.)
Deu-me no dia seguinte
Mais quatro notas de vinte...

O Sá tem dado trezentos...


O fazendeiro... (Batem à porta.) Quem é?
Já lá vou!
(Guardando o dinheiro que estava espalhado.)
Deve estar certo...
Levo isto ao Banco, que é perto,
daqui a pouco. (Batem de novo.) Olé! Olé!
Com que pressa está!
O JOALHEIRO (Fora.) - Estou!
Não se acha em casa a senhora?
VALENTINA - Se quer, espere!
O JOALHEIRO (Fora.) - A demora
é pequenina.
VALENTINA - Lá vou.
(Vai abrir a porta: entra o joalheiro com uma caixa de jóias na mão.)

CENA V
VALENTINA, O JOALHEIRO

VALENTINA - Ah! é o senhor!


O JOALHEIRO (Abrindo a caixa, deixa ver um formoso par de bichas de brilhantes.)
- Ora veja!
VALENTINA - Vem aqui tentar-me, aposto!
O JOALHEIRO - Não tentei nunca, nem gosto
de tentar quem quer que seja.
(Entregando a jóia a Valentina que a examina.)
Venho mostrar-lhes uns brilhantes
como os Farâni não os tem;
Se os quer comprar, muito bem!
Se os não quer, passo adiante.
Não tento... não sei tentar...
Apenas lhos ofereço...
Nem sequer os encareço...
Isto é pegar, ou largar!
Veja bem que são granditos!
Sem jaça... veja... sem jaça...
Examine... veja... faça
O que quiser.
VALENTINA - São bonitos!

257
O JOALHEIRO - 'Stou a vendê-los disposto:
se lhos vim mostrar agora,
é porque sei que a senhora
pode comprar, e tem gosto.
Não tento... tentar não vim...
VALENTINA (Fechando ao caixa.) - E baratinho mos vende?
O JOALHEIRO - Ora, a senhora compreende
que dois brilhantes assim...
de dez quilates!... É boa!
VALENTINA (Abrindo de novo a caixa.) - Dez quilates?
O JOALHEIRO - Está visto!
VALENTINA - Porém quanto valem?
O JOALHEIRO - Isto
não são brilhantes à toa!
VALENTINA - Bem vejo! Que tentação!
(Vai ao espelho e chega uma das bichas à orelha.)
O JOALHEIRO - Não são jóias de mascates,
brilhantes de dez quilates...
sem jaça... como estes são!...
VALENTINA - Mas o preço?
O JOALHEIRO - Ora, avalie...
A senhora os tem comprado...
VALENTINA (Descendo.) - Quatro contos!
O JOALHEIRO (Tomando a jóia.) - Obrigado!
Por favor não calunie
os meus brilhantes! (Mostrando-lhos.)Repare!
Cravados em dois anéis,
davam dez contos de réis!
Ambas as pedras compare:
são iguais... não vale a pena
separar...(Fecha a caixa.) Dou-lhe os marrecos...
VALENTINA - Por quanto?
O JOALHEIRO - Por seis contecos.
A diferença é pequena...
VALENTINA - Não tenho dinheiro agora;
leve os brilhantes. Adeus! (Vai sentar-se à direita.)
O JOALHEIRO - Ora por amor de Deus!
Que não mos pague a senhora,
mas algum...

CENA VI
VALENTINA, O JOALHEIRO, JOAQUIM CARVALHO

(Joaquim Carvalho entra pela esquerda, segundo plano, sem reparar no joalheiro que, de costas
voltadas para ele, limpa as bichas com o lenço.)
CARVALHO - Cá vou entrando.
(Tomando as mãos ambas de Valentina.)
Como estás?
VALENTINA - Bem, obrigada.
Mas de saudades ralada...
e você nem se lembrando
talvez que existo!
CARVALHO (Protestando.) - Ó minha...

258
(Vendo o joalheiro interrompe-se.)
Quem é aquele senhor?
VALENTINA - Um caixeiro.
CARVALHO - Manda-o pôr
a panos.
VALENTINA - Uma continha
vem receber, e não há
com que pagar...
CARVALHO - Não me espanta!
Gastas tanto, minha santa!
Queres dinheiro? (Tirando a carteira.) Aqui está.
Quanto lhe deves?
VALENTINA - Pouquito:
oitenta mil réis.
CARVALHO - É pouco. (Dando-lhe uma nota de cem mil réis.)
Paga, e fica tu com o troco,
enquanto eu leio o Mosquito.
(Senta-se à direita e lê um periódico de caricaturas que vai buscar sobre a secretária. Valentina dirige-
se ao joalheiro.)
O JOALHEIRO (A meia voz.) -'Stá terminado o negócio?
VALENTINA (Idem.) - Vá para casa, que em breve
alguém procurá-lo deve.
O JOALHEIRO - Se não estou eu, está meu sócio.
Se uma decisão dar pode...
VALENTINA - Irei eu mesma em pessoa
em meia hora!
O JOALHEIRO - Essa é boa!
Não quero que se incomode,
nem tenho mais pretendentes...
VALENTINA - Em meia hora lá estou.
O JOALHEIRO - Bem! bem! descansado vou.
VALENTINA - Até logo1 (O joalheiro sai por onde entrou.)

CENA VII
VALENTINA, JOAQUIM DE CARVALHO

CARVALHO (Deixando periódico.) - Impertinentes


são estes credores!
VALENTINA - São
por isso é que me coíbo
de dever muito;
CARVALHO - E o recibo?
Pediste-lho?
VALENTINA - E por que não?
(Aproximando-se de Carvalho e passando-lhe o braço em volta do pescoço.)
Por que não vieste esta noite?
Ai, que saudades eu tive!
Para a mísera que vive
de teu amor, fero açoite
é tua ausência! Sozinha
a noite inteira passei...
Lembrei-me tanto... Nem sei
mesmo por quê...

259
CARVALHO - Coitadinha!
VALENTINA (Sentando-se num tamborete, aos pés do Carvalho.)
- Porém. vamos lá saber:
e tu?... tu como passaste?
CARVALHO - Assim...
VALENTINA - De mim te lembraste?
CARVALHO - De ti me posso esquecer?
E tu?
VALENTINA - Muito despeitada...
CARVALHO - Por que, meu bem?
VALENTINA - Faze idéia:
desejar uma tetéia
e não poder... Que maçada!
CARVALHO - Não poder o quê?
VALENTINA - Comprá-la.
CARVALHO - Por que comprá-la não podes?
VALENTINA - Pois pensa que a dão de godes?
CARVALHO - Se é muito cara, deixá-la!
VALENTINA - É difícil esquecer!
CARVALHO - Dificuldades não vejo...
VALENTINA (Erguendo-se.) - Sufocar o meu desejo!
Matá-lo logo ao nascer!
Esquecer! Fora um suplício!
Pois desejar hei de em vão! (Batendo o pé.)
Oh! não! não!... Mil vezes não!...
CARVALHO (Erguendo-se.) - Mas eu não digo...
VALENTINA (Evitando-o.) - Outro ofício!
CARVALHO - Menina, não te exacerbes!
Se queres a tal tetéia,
não me faças cara feia,
que dentro em pouco a recebes!
(Tomando o chapéu que deixou na cadeira perto da secretária.)
Dize-me o que é que num salto,
vou buscá-la. Dize! o que é?...
VALENTINA (À parte.) - Parece estar de maré...
Preparemos este assalto!...
CARVALHO - Algum chapéu enfeitado
pras corridas de amanhã?
Algum vestido de lã?
VALENTINA (Com desprezo.) - Lã.
CARVALHO - Ou seda.
VALENTINA - 'Stá enganado.
É um capricho.
CARVALHO (Deixando o chapéu.) - Ah! caprichas?
VALENTINA - Procure.
CARVALHO - É coisa que enfeita?
VALENTINA - É uma cosa que se deita
nas orelhas!
CARVALHO - Umas bichas?
VALENTINA - Tem talento: adivinhou!
(Senta-se no sofá.)
CARVALHO - Nas orelhas... Pois quem julga
não sejam bichas? (À parte.) Coa pulga

260
atrás das minhas estou.
De que são as bichas?
VALENTINA - Ora!
CARVALHO (À parte.) - Estes caprichos aleijam...
VALENTINA (Erguendo-se.) - Pois há bichas que não sejam
de brilhantes?
CARVALHO - Sim, senhora:
há bichas de coralina;
há de esmeralda, safira,
de pingos d'água...
VALENTINA - Mentira!
CARVALHO - Não me desmintas, menina!
Aos teus desejos conforme
'stou, mesmo quando caprichas;
mas entre tetéias e bichas
há uma diferença enorme!
VALENTINA - Em quê?
CARVALHO - No preço: a tetéia
é sempre coisa miúda,
e as bichas, Deus nos acuda!
VALENTINA - Nem tanto assim!
CARVALHO - Faço idéia
que essas, que desejas tanto,
custam dois contos!
VALENTINA (Irônica.) -Ou três!
Sem os brilhantes talvez...
CARVALHO (Benzendo-se.) - Padre, Filho e Esp'rito Santo!
VALENTINA - Valem dez contos de réis;
o dono, que é meu amigo,
além de freguês antigo,
deixa-as...
CARVALHO - Por quanto?
VALENTINA - Por seis.
CARVALHO - Seis contos!
VALENTINA - Então não valho
seis contos, meu... Que chalaça!
Não me lembra a tua graça!
CARVALHO (Sombrio.) - Joaquim dos Santos Carvalho.
VALENTINA - Meu Quincas, meu Carvalhinho,
meu primeiro amor!
CARVALHO (À parte.) - Tramóias.
VALENTINA - Uma mulher que quer jóias
é o mesmo que o nenezinho
que quer balas!
CARVALHO (À parte.) - Não sou zebra,
que, se quer balas alguém,
compra-as a três por vintém;
e recebe uma de quebra. (Alto.)
Menina, deixa os brilhantes
para essas escandalosas
que contam dúzias e grosas
de indiferentes amantes.
Tu, meu bem, que não és destas,

261
que só me tens, que não vives
para prazer dos ouvires,
compra umas bichas modestas...
VALENTINA (Desdenhosa.) - Modestas...
CARVALHO - Iguais a umas
que comprei para a Qué-qué...
VALENTINA (Arrebatadamente.) - Oh! essa Qué-qué, quem é?
Quero saber!
CARVALHO - Não presumas
que seja alguma cocote:
é minha mulher.
VALENTINA - Se acaso
me mentes, vai tudo ao raso!
CARVALHO - Eu, nem mesmo em rapazote
Nunca menti.
VALENTINA (Acariciando-o.) - Ó meu Quincas!
(Desatando a chorar.) Mas ah! que não me conheço!
Imploro... peço... Pareço
uma mendiga!
CARVALHO (Tomando-a nos braços com interesse.) - Tu brincas!
VALENTINA - E quem me avilta? É este homem
que tanto amor me inspirou!
Que mais me resta? Que sou?
Minhas ilusões se somem,
e para sempre! Não voltam!
Cruéis desenganos surgem!
Contra mim os céus de insurgem
e os infernos se revoltam!
Amor! qual amor! É peta!
(Soluçando.) E eu, desgraçada! que adore... (Senta-se no sofá.)
CARVALHO (Aproximando-se dela com mimo e bonomia paterna.)
- 'Stás tal e qual a Ristóri
na Maria Antomieta
VALENTINA (A fingir um ataque de nervos.) - Ah! Ah!..
CARVALHO - Meu Deus! o que é isto?!
VALENTINA (A espernear.) - Socorro!...
CARVALHO (Percorrendo a cena.) - Jesus!
VALENTINA - Socorro!
Eu morro!
CARVALHO (Atarantado.) - Qual morres!
VALENTINA - Morro!
Quem me acode?
CARVALHO - Jesus Cristo!...
Que devo fazer? Eu vou...
Queres médico?
VALENTINA - Decerto.
CARVALHO - Há doutor por aqui perto?
Corro a chamá-lo!
(Na ocasião em que toma o chapéu, Valentina ergue-se.)
VALENTINA - Passou.
CARVALHO (Deixando o chapéu.) - Pois os médicos da corte
são bens bons; basta fazer
tenção de os chamar, pra ver

262
o doente livre da morte!
VALENTINA (Depois de alguns momentos, angustiada.)
- A provação foi atroz...
Foi cruel o sofrimento...
Porém, desde este momento
não há mais ente nós.
(Sai pela direita, segundo plano.)

CENA VIII
CARVALHO, só

[CARVALHO] (Depois de alguma pausa.)


- Se eu não fosse um covarde,
que bela ocasião para me por a andar...
(Pegando o chapéu,) Ainda não é tarde!
Nem um momento mais eu devo aqui ficar!
(Dispõe-se a sair, e para, olhando para a porta por onde entrou Valentina.)
Encerrou-se na alcova!
'Stá soluçando a triste... o seu amor maldiz...
Oh! que eloqüente prova
de que ela me estremece e de que sou feliz!
(Colocando o chapéu sobre uma cadeira e o sobretudo nas costas da poltrona. Resoluto.)
Não! não sairei! Fico!...
Mas a colheita?... a safra? os filhos e a mulher?
Eu sou bastante rico
e posso demorar-me o tempo que quiser!
Fui sempre ótimo pai, fui ótimo marido:
é muito que um momento eu me esqueça de mim?
Hei de voltar melhor assim fortalecido...
Oh! maldito o momento em que a cidade vim!
(Pausa.) E se eu pilhado for coa boca na botija?
Não me posso entender!
Não sei para que lado os passos meu dirija!...
sou preso por ter cão e preso por não ter!
(Dirigindo-se à porta por onde saiu Valentina.)
Ela está mal comigo... as pazes fazer vamos...
Prometo dar-lhe a jóia; e, quando a vir, direi
que é muito cara... e tal... Depois nós combinamos!
E uma jóia barata então lhe comprarei...
(Ajoelha-se à porta.) Vamos lá... vamos lá... Meu anjo... Valentina...
dentre os soluços teus soluça o meu perdão
Não zangues-te, meu bem; não chores mais, menina...
Abre-me a porta, já... Vem cá, meu coração!

CENA IX
CARVALHO e VALENTINA

(Valentina está pronta para sair. Tem os olhos vermelhos. Dirige-se à secretária e guarda em
uma bolsa que traz na mão as notas de banco, que tira da gaveta sem que Carvalho veja.)
CARVALHO - Menina, dos calcanhares
olha que não me levanto
nem mesmo a cacete, enquanto
teu perdão me não lançares!

263
(Valentina acaba de guardar o dinheiro e desce à cena, fingindo que chora, mas rindo-se à
socapa. À parte.)
Coitadinha! que lamúria!
VALENTINA - Sei que não tenho o direito
de exigir nenhum respeito,
de perdoar uma injúria...
Vocês têm razão: enxerguem
na mulher que cai somente
a meretriz impudente,
que nem as lágrimas erguem.
Tem graça o perdão! De rastros,
sou eu que devo alcançá-lo!
(Ajoelha-se também. Ficam ajoelhados defronte um do outro.)
Sou perdida e quis amá-lo!
Sou lama: quis ir aos astros!
CARVALHO - Um astro és! És minha lua,
és minha lua querida!
VALENTINA - Sua sombra, refletida
num charco imundo da rua,
serei...
(Ergue-se e vai sentar-se na poltrona.)
Meu pobre passado!
Tu onde estás? onde fostes?
- Dá licença que me encoste
ao seu capote? - Obrigado.
Eu tive a flor dos maridos...
Que quer? Não havia meio
de amá-lo! Um dia deixei-o.
deu um tiro nos ouvidos!
Como mariposa inquieta,
pousei aqui e ali...
Amar jamais consegui...
mas encontrei-te... poeta!...
(Vai arrebatadamente colocar-se outra vez de joelhos, defronte de Carvalho.)
CARVALHO (Admirado.) - Poeta!...
VALENTINA - Poeta, repito!
A ti não parecia;
mas tinhas tanta poesia!...
Escuta: não és bonito...
já não és novo, sequer...
És calvo, tens nariz grande;
mas nisso mesmo se expande
meu coração de mulher.
Não sou vulgar... amo o horrível,
e és horrivelmente belo!
Ao teu carão amarelo
meu coração foi sensível...
Um instante me pareceu
- mas, ai de mim, me enganara -
que tu, com tão feia cara,
deverias ser só meu!
(Erguendo-se.) Sim, o velho mundo espante-se
e belas razões deduza:

264
seis contos você recusa
a tanto afeto! - Levante-se!
CARVALHO (Erguendo-se.) - És um anjo!
VALENTINA - E você é...
CARVALHO - Teu escravo!
VALENTINA - É um verdugo!
Entretanto, Victor Hugo
disse: Oh! n'insullez jamais...
CARVALHO - Então? Estou perdoado?
VALENTINA - Estás, que tudo se esquece.
(Vendo que Carvalho limpa os olhos.)
Choraste?
CARVALHO - Se te parece!
Falas como um advogado!
Onde é que as bichas se vendem?
Vou buscá-las.
VALENTINA (Mudando inteiramente de tom.) - Meu amigo,
o ouvires vem ter contigo
e vocês dois cá se entendem.
CARVALHO - Quem o manda?
VALENTINA - Eu.
CARVALHO - Deveras?
VALENTINA - Eu fiquei de lá ir. (À parte.) Como
tenho de ir ao banco, tomo
um carro e vou lá. (Alto.) Esperas?
CARVALHO - Espero.
VALENTINA (Beijando-o.) - Adeus.
CARVALHO - Sedutora!
(Saída falsa de Valentina, pela esquerda, segundo plano.)
Se eu não puder arredar-me,
conto que hei de desforrar-me
pela colheita vindoura.
(Senta-se no sofá.)
VALENTINA (Voltando.) - Outra bicota. (Beija-o.) Mais duas!
A chama do amor me abrasa!
Ainda não saí de casa,
já tenho saudades tuas!
(Vai saindo e para.) Não queres ler um pouquinho?
CARVALHO - Quero, sim.
VALENTINA - Olha, aqui tens...
(Dá-lhe o Mosquito e dirige-se para a porta da esquerda, segundo plano.)
CARVALHO (Deitando-se.) - Enquanto tu vai e vens,
eu fico lendo o Mosquito.

[Cai o pano]
ATO SEGUNDO

A mesma decoração
CENA I
CARVALHO, só

[CARVALHO] (Está ainda deitado no sofá; dorme e sonha alto, muito agitado. O Mosquito está
caído a seus pés.)

265
- Ai! o que é isto? O que é?
Não me agarrem!... Não me puxem!...
Que mais querem!... Desembuchem!...
Não creias nisso, Qué-qué!
(Levanta-se do sofá e desperta, atônito.)
Hein? Que foi?... Ah! era um sonho
Um sonho... não há que ver...
Já me lembro: estava a ler
o Mosquito... Foi medonho
o pesadelo! Primeiro,
sonhei que havia chegado
à fazenda, e visitado
senzala, alpendre, chiqueiro,
horta, engenho, etcet'ra e tal.
Depois fui ter coa patroa...
Os sonhos são coisa à toa,
pois que não é natural
que eu, se à fazenda chegasse,
do que à madama, primeiro
senzala, alpendre, chiqueiro,
horta e pomar visitasse.
No momento justamente
em que os meus lábios se uniram
aos lábios dela, surgiram,
donde não sei, de repente,
mulheres assim... assim...
(Gestos indicando que eram muitas.)
Altas, baixas, magras, cheias;
belas umas e outras feias,
que se acercaram de mim!
Contei dez... mais dez... mais dez!
Saía uma por uma
do teto... do chão... Em suma,
a alma caiu-me aos pés!
Pr'agravar o pesadelo,
dessa tropa feminina
vinha à frente Valentina,
em desalinho o cabelo,
e às outras dizia assim:
" - Segurem-me esse tratante!
Não sabem que é meu amante
e que se afastou de mim?..."
E as outras me carregavam!
Davam-me beijos... abraços...
Disputavam-me nos braços;
aos trambolhões me levavam!
"- Levem-no; tenho o direito
de disputar o seu amor,
pois amo-o... amo-o!..." Senhor!
que pesadelo! No leito
a Qué-qué se revolvia...
Teve mais um faniquito!
Dava gritos! Cada grito

266
que um surdo despertaria!
Nisto acordei; já de pé,
protestos inda fazia,
e à pobre Qué-qué dizia:
"- Não creias nisso..."
(Batem à porta da esquerda, segundo plano.)
Quem é?
O JOALHEIRO (Fora.) - Um criado de Vossa Senhoria
CARVALHO (Consigo.) - É o sujeito das bichas. (Alto.) Pode entrar.

CENA II
CARVALHO, O JOALHEIRO

O JOALHEIRO - Com licença, senhor. Muito bom dia.


CARVALHO - Bom dia. Faz favor de se sentar.
(Senta-se e indica-lhe uma cadeira.)
O JOALHEIRO - Estou a gosto.
CARVALHO - Sente-se.
O JOALHEIRO (Sentando-se.) - Obrigado.
CARVALHO (À parte.) - Olho vivo! Tem cara de judeu..
As bichas, o senhor....
O JOALHEIRO (Erguendo-se.) - Um seu criado...
CARVALHO - ... é que vem...
O JOALHEIRO - Sim, senhor...
CARVALHO - ... mostrar?
O JOALHEIRO - Sou eu.
CARVALHO - Queira sentar-se. Faz favor de dar-mas?
O JOALHEIRO (Tirando a caixa do bolso e abrindo-a. Senta-se)
- Aqui as tem. Perdão! (Limpa-as mais uma vez.)
CARVALHO (À parte.) - Vejam com o tratante apronta as armas!
(O joalheiro entrega-lhe a jóia, que ele examina com atenção.)
O JOALHEIRO - São bonitos, não acha?
CARVALHO - Acho que são;
mas também acho exorbitante o preço.
O JOALHEIRO - Exor... Meu caro, por amor de Deus!
que preço lhe disseram?
CARVALHO - Seis!
O JOALHEIRO - Não desço
um real. Veja bem!
CARVALHO (À parte.) - Estes judeus!
O JOALHEIRO (Erguendo-se.)
- Que me conste, até hoje aqui não houve
dois brilhantes assim!
Donos deles fazer-me aos céus aprouve;
porém... pobre de mim!
Muitos há que desejam possuí-los;
mas seu valor não dão...
E na vidraça os míseros tranqüilos
por muito tempo permanecerão!
(Pausa durante a qual Carvalho continua a examinar os brilhantes, mas com indiferença.)
Estes brilhantes tinham mais preço
em dois grandes anéis;
mas não nos quero separar. O preço

267
sãos seis contos de réis.
Se não achar de todo nesta terra
quem os queira comprar,
vou vendê-los à c'roa de Inglaterra
que os não há de enjeitar.
(Toma os brilhantes, coloca-os nas orelhas e passeia pela sala como uma senhora.)
Veja que belos são! De conta faça
que uma senhora sou:
Veja que alvura!... que ladrões sem jaça!
CARVALHO - Por quatro contos dá-lo quer?
O JOALHEIRO - Não dou;
CARVALHO - Então, amigo, não fazemos nada:
perde o seu tempo e perde o seu latim...
(À parte.) Se eu me livrar puder desta rascada,
hei de um terço rezar a São Joaquim,
meu glorioso patrono.
O JOALHEIRO (À parte, embrulhando a caixa.) - A sirigaita
disse-me que o velho dava-me os seis paus;
ela supõe que berimbau é gaita...
Não se lembra que os tempos vão tão maus...
Hei de sempre falar-lhe... talvez queira...
(Alto, guardando a jóia.)
Até mais ver, senhor.
CARVALHO - Passasse bem!
O JOALHEIRO - A palavra já disse derradeira!
Não dá mais nada, não?
CARVALHO - Nem mais um vintém.
(O joalheiro cumprimenta e sai por onde entrou.)

CENA III
CARVALHO, só

[CARVALHO] - Seis contos! seis contos! Irribus!


É mesmo muito dinheiro!
Trabalho um semestre inteiro
para seis contos ganhar,
e devo sem mais preâmbulos
gastá-los com Valentina?
Sai muito cara a menina;
não devo continuar...
mas serei bastante enérgico
pra fugir desta voragem?
Bater a linda plumagem,
ir para junto dos meus?
Lembrar-me dos meus negócios?
dos meus compromissos tantos?
de Valentina aos encantos
dizer pra sempre adeus?...
Seis contos! São seis apólices
pra garantir o futuro:
de cinco por cento ao juro
hão de trezentos render!
No fim de quinze anos, chega-se,

268
com juros acumulados,
a ter dez contos guardados
para o que der e vier.
Seis contos! compra-se um prédio,
que se aluga a dez por cento!
E, afinal, num bom momento
dez contos por ele dão!
Cinco bons escravos mandam-se
vir do Norte de encomenda,
que, a trabalhar na fazenda,
vinte por cento darão!
Eu bem sei que a jóia, cáspite!
por seis contos não 'stá cara;
é de uma beleza rara:
o homem no preço está.
Of'reci-lhe uma miséria,
e muito acertadamente;
por quatro contos somente
jóias dessas ninguém dá.
(Senta-se na poltrona junto da secretária e fica a meditar com a cabeça entre as mãos e os
cotovelos fincados nas coxas. Aparecem à porta da esquerda, segundo plano, Valentina e o joalheiro,
que não são pressentidos por Joaquim Carvalho.)

CENA IV
CARVALHO, VALENTINA, O JOALHEIRO

VALENTINA (A meia voz.) - Ele ali está!... Psiu... sentido!


Vá pra sala de jantar...
(Encaminha-o na ponta dos pés, para a porta da esquerda, primeiro plano.)
Queira um instantinho esperar,
enquanto a questão decido.
O JOALHEIRO (A meia voz.) - Senhora, se acha isso caro...
Não tento... Tentar não vim...
VALENTINA (No mesmo tom.) - Entre e espere. É já. (O joalheiro desaparece.)
Enfim!
(Logo que o joalheiro desaparece, Valentina machuca o chapéu e desmancha um pouco o
penteado.)
É preciso este preparo...
(Desde à cena fingindo estar desesperada, e falando em voz muito alta.)
Desaforo! Não se atura
Tamanha pouca vergonha!
CARVALHO (Arrancado de súbito de sua meditação.)
- Valha-me Deus! vem medonha.
VALENTINA (Passeando de um lado para o outro.)
- Fiz uma bela figura!

CENA V
CARVALHO, VALENTINA

CARVALHO (À parte.) - Ele já sabe de tudo...


Temo-la travada!
VALENTINA (Na mesma agitação, senta-se na poltrona e amarrota e rasga o lenço.)
- Inferno!

269
CARVALHO (À parte.) - Está tão zangada,
que incontinente me mudo...
(Pega no chapéu e dispõe-se a sair sorrateiramente.)
VALENTINA (Levantando-se rapidamente.) - Faça favor!...
CARVALHO - Valentina...
VALENTINA (Imperiosamente.) - Venha cá!
CARVALHO (Aproximando-se timidamente.) - Cá estou
VALENTINA - Aqui!
Como o senhor nunca vi
homem tão tolo e sovina!
Vá-se embora, se quiser,
nem mais um segundo tarde!
Mas saiba que é de um covarde
maltratar uma mulher!
Pois se é tão pobre o senhor,
que meia dúzia de contos
não tem na carteira prontos,
e deles possa dispor,
por que razão prometeu
dar-me uma jóia?...
CARVALHO - Eu te digo...
VALENTINA (Passeando agitada.) - Supu-lo tão meu amigo...
CARVALHO (Acompanhando-a.) - E eu não sou amigo teu?
VALENTINA - Encontrei ali na esquina
o joalheiro! Se ouvisse
as coisas que ele me disse!
CARVALHO (No mesmo.) - Mas ouve cá, Valentina...
VALENTINA - Julga o senhor por acaso
que eu não tenho quem me dê
seis... vinte contos?! não vê!
Sou eu que não faço caso
de muitos banqueiros que andam
a fazer-me roda!... Ontem
(deixá-los que desapontem:
não recebo o que me mandam!)
um lá da Rua Direita
que fez fortuna a galope,
mandou-me num envelope
um conto! Fiz-lhe a desfeita
de não querer: devolvi-lho!
CARVALHO - Ele não te conhecia?
VALENTINA - Não senhor.
CARVALHO - Foi covardia:
maltratou-te! Ai, que se o pilho!
VALENTINA - Covardia foi a sua!
Uma covardia enorme!
CARVALHO - Mas ouve, afinal!
VALENTINA - Expor-me
ao ridículo na rua!
Escute, senhor... Seu nome?
Sempre me esquece!...
CARVALHO - Carvalho
Pra evitar este trabalho,

270
aqui tem um cartão. (Dando-lhe.) Tome.
VALENTINA - Escute: se o senhor fosse
um pobretão, um mendigo;
se não trouxesse consigo
os contos de réis que trouxe,
o mesmo afeto lhe tinha,
a mesma atenção lhe dava,
o mesmo agrado mostrava,
o mesmo gosto mantinha!
Mas o senhor está bem...
Antes o não estivesse...
CARVALHO (À parte.) - Esta agora! se eu soubesse
não tinha gasto vintém...
VALENTINA - Em minha casa que paga
julga o senhor, porventura,
a amizade santa e pura
desta infeliz que o afaga?
Pois saiba que o seu dinheiro,
se o gasta, não é comigo!
CARVALHO - Pois eu não gasto contigo?
VALENTINA - Não, senhor. Ouça primeiro
e depois fale à vontade.
(Fazendo-o sentar-se à força na poltrona.)
Sente-se... Vamos! convenha...
Acha provável que tenha
mais doce comodidade
em qualquer outra poltrona?
CARVALHO - Não acho, não, certamente
que este cômodo excelente
nenhuma outra proporciona.
VALENTINA - Bem! agora venha cá.
(Fá-lo erguer-se da poltrona e deitar-se no sofá.)
Deite-se... deite-se! Assim!
CARVALHO (Deitado.) - Mas que queres tu de mim?
VALENTINA - Que tal acha este sofá?
Diga... Diga!
CARVALHO - É uma obra prima!
É o melhor sofá do mundo!
A gente vai para o fundo
e depois volta pra cima!
Hoje - não te digo nada -
fiz uma bela soneca!
VALENTINA - Levante um pouco a careca,
e chegue mais a almofada.
CARVALHO (Depois de obedecer.) - Estou no sétimo céu!
VALENTINA - Pois bem: venha ver o oitavo!
Erga-se! siga-me!
(Leva-o à porta da direita alta.)
CARVALHO (Olhando para dentro.) - Bravo
Que belo sobrecéu!
que cortinado bonito!
VALENTINA - E a cama?
CARVALHO - A cama conheço...

271
VALENTINA - Que tal?
CARVALHO - Um traste de preço,
de um gosto muito esquisito
pouco mais alta que o chão...
VALENTINA - É moda agora...
CARVALHO - Sei... sim...
A gente, se faz assim,
bate nas esteira coa mão
Minha cama na fazenda
é deste tamanho...
VALENTINA - É alta!
CARVALHO - Ninguém para cima salta
sem que a dar um pulo aprenda!
Por causa disto a madama
viu-se muito embaraçada:
muito depois de casada,
não se deitava na cama,
sem subir por uma escada!
Hoje pula como um gato!
VALENTINA (Apontando sempre para o quarto.)
- Veja que lindo tapete!
que magnífica toalete!
que guarda-roupa!
CARVALHO - É exato.
VALENTINA - Peanhas, estatuetas,
ondinas de biscuit!
(Percorrendo a cena e mostrando a sala, trazendo Carvalho pela mão.)
Veja: nada falta aqui!
Chinoiseries, bocetas,
e reposteiros de rendas!
Espelhos, lindas gravuras
em suntuosas molduras!
CARVALHO - Sim, tens aqui muitas prendas.
VALENTINA (Descendo à cena.) - Muito dinheiro enterrado
está aqui!
CARVALHO - Tens gosto. Toca!
VALENTINA (À Parte.) - Na Rua da Carioca
tem sido tudo comprado...
CARVALHO - O que te digo é que há trastes
que com o dono parecem!
Teus olhos tudo merecem;
que importa que tudo gastes?
VALENTINA (Aproximando uma cadeira.)
- Meu caro, agora expliquemo-nos.
Os cobres que me tem dado
emprego... tenho empregado
em tudo isto...
CARVALHO - Sei.
VALENTINA - Sentemo-nos.
CARVALHO - Sim... tanto se paga em pé
como sentado. (Senta-se.)
VALENTINA - O senhor
não traz o meu puro amor

272
dentro do porte-monnaie
Paga poltrona macia,
leito fofo e perfumado,
suntuoso cortinado,
custosa tapeçaria.
Os carinhos de uma amante
com beijos se restituem:
eles nãos se retribuem
com sujo metal sonante.
Este rifão acertado
sempre na memória traga:
amor com amor se paga...
CARVALHO - É muito velho o ditado
porém não menos o é
o que diziam meus tios...
VALENTINA - Qual é?
CARVALHO - Dois sacos vazios
não se podem ter de pé.
E há mais outro...
VALENTINA - Ouça primeiro:
o senhor gosta do luxo;
pois bem: agüente o repuxo,
uma vez que tem dinheiro.
Eu, para estar de harmonia
com o luxo que vejo em roda
de mim, devo andar à moda,
ter preciosa pedraria.
Quer que lhe tenha paixão,
sem que lhe custe brilhantes?
Vivamos quais dois amantes
dos tempos que já lá vão.
Pr'algum romance ou comédia
terão assunto depois!
Carvalho! sejamos dois
amantes da Idade Média!
Lá, numa ilha deserta,
longe da vista mundana,
vivamos numa choupana
de verdes folhas coberta!
Deixa tudo quanto tens,
esposa, filha, fortuna!
Nada disso se coaduna
coa vida que viver vens.
Sim ou não? Responde, enfim! (Erguendo-se.)
Mas nos teus olhos eu leio
a hesitação, o receio...
É que só me amas assim!
Se por acaso me visses
magra, suja, maltrapilha...
CARVALHO (Levantando-se.) - Onde, meu Deus?...
VALENTINA - Na tal ilha...
... duvido que tu sentisses
a caridade vulgar,

273
sequer, por esta a quem hoje
o dinheiro foge, foge,
porque quer decente andar.
Se me amas porque sou bela,
mais bela faze-me ainda:
verás como fico linda
com os tais brilhantes!
CARVALHO (À parte.) - Cautela!
(Conduz Valentina para o sofá e sentam-se.)
Agora atenção me presta?
Pois não me interrompa, e ouça!
Arre! que nunca vi moça
mais exaltada que esta!
Eu quero dar-te as tais bichas:
tomo o céu por testemunha!
Mas tomas o pião à unha
e desejas que haja rixas
onde amor só deve haver!
- É um refinado tratante,
(acredita!) o meliante
que as tais bichas quer vender.
Conheço aquele menino!
e juro, por Quem nos ouve,
que até esta data, não houve
quem me enganasse... sou fino.
VALENTINA - Muito fino! És um portento!
CARVALHO - As bichas são muito belas;
mas ele pede por elas
mais cinqüenta por cento
do que deve! O maganão
quer roubar duma assentada
dois contos! Que vá pra estrada,
de bacamarte na mão!
Já fiz ver ao tal sujeito:
por quatro coas bichas fico.
E não abro mais o bico
a semelhante respeito.
(Ergue-se e passeia pela sala, com as mãos nas costas. Pausa.)
VALENTINA (À parte.) - Que idéia! (Levanta-se. Alto.)
Bem pouco entendo
de jóias.
CARVALHO - Entendo eu!
Por isso o preço ao judeu
fui logo, logo dizendo.
VALENTINA - Não sei se estás a iludir-me;
se as bichas valem somente
o preço que dás...
CARVALHO - Ó gente!
Outro ouvires que o confirme!
(À parte.) Se ela indaga, estou perdido!
VALENTINA - Pode bem ser que não queiras
dar-me os seis contos e...
CARVALHO - Asneiras!

274
Não quero é ser iludido!
Faze-me mais um discurso!
vem-me com outras cantigas!...
mas olha que não me obrigas
a fazer figura de urso!
VALENTINA - Não queres gastar, mau, feio!
Tens um meio extraordinário
para provar-me o contrário.
CARVALHO - Vamos lá ver esse meio.
VALENTINA - Vou falar já com o ouvires,
se o valor a jóia tem
que dás, ele cede...
CARVALHO - Bem!
VALENTINA - Mas, para que não te prives
do gosto de me of'recer
os seis contos por inteiro...
CARVALHO (À parte.) - Aí! que aí volta o pampeiro!
(Alto.) Mais eu não posso entender...
VALENTINA (Afagando-o.) - Não te contrario: assim
bem mostro que te idolatro:
se a jóia compras por quatro
dar-me-ás os dois para mim.
CARVALHO (À parte.) - Ai, ela agora filou-me!
VALENTINA (Largando-o.) - Hesitas? Eu logo vi!
CARVALHO (Titubeando.) - É que... tu sabes... mas... se...
(À parte.) 'Stou arranjado! apanhou-me!
VALENTINA - Senhor, supus...
CARVALHO - Não te excites;
eu vou buscar o dinheiro...
manda chamar o joalheiro. (Tomando o chapéu.)
Mas ouve, e não te arrebites:
se ele der por quatro, é tua
e tens mais dois. Se não der
por isso, não hás de ter
nem jóia nem... (Sinal de dinheiro.)
VALENTINA - Anda! Rua!
(Carvalho sai.)

CENA VI
VALENTINA, depois O JOALHEIRO

VALENTINA (Dirigindo-se à porta por onde saiu Carvalho.)


- Tu queres fazer-te de esperto...
Oh! mais esperta sou eu!
O JOALHEIRO (Pondo a cabeça fora da porta.)
- Entrar já posso?
VALENTINA - Decerto.
O JOALHEIRO (Descendo à cena.) - Tolo! chamar-me de judeu
e tratante! Eu tudo ouvi
por trás daquela cortina!
VALENTINA -Viu que o maldito sovina
diz que não valem...
O JOALHEIRO - Vi... vi....

275
Quem lhe dera que valesse
tanto quanto os meus brilhantes!
Mas olhem que estes amantes...
VALENTINA - Todos eles são como esse!
Já homens eu não descubro.
Ora, imagine que há meses,
e isso se dá muitas vezes,
em que as despesas não cubro!
O JOALHEIRO - Também me queixo um bocado,
pois o negócio vai mal,
tudo o que vendo é fiado
e não recebo um real!
Mas vamos; em que ficamos?
Olhe: tentá-la não quero...
VALENTINA - Uma idéia tenho; espero
que há de aprová-la.
O JOALHEIRO - Vejamos...
VALENTINA - Disse ele que, se comprar
por quatro contos a jóia,
dá-me dois contos, e foi à
casa o dinheiro buscar.
O JOALHEIRO - Sei tudo e não peço bis,
graças àquela cortina.
Saiba, Dona Valentina,
que é uma primorosa atriz!
Sei o que quer: que lhe entregue
a jóia por quatro agora,
para receber da senhora
os outros dois: pois sossegue:
estou por tudo, na 'sp'rança
de que os seis contos receba.
VALENTINA - Mas ele que não conceba
a menor desconfiança!
O JOALHEIRO - E os dois contos? Onde estão?
VALENTINA - Dar-lho-ei quando os tiver.
O JOALHEIRO - Como assim?
VALENTINA - Quando mos der
o fazendeiro.
O JOALHEIRO - Isso não!
VALENTINA - Dúvida de mim?
O JOALHEIRO - De tudo!
Ai, minha rica senhora,
não me dizia inda agora
que este tempo anda bicudo?
Desculpe... que quer? Sou franco...
VALENTINA - 'Stá bem. 'Stá bem! Não insisto:
é justo. (Tirando papéis do bolso.)
Sabe o que é isto?
O JOALHEIRO - Olé! São cheques do banco!
VALENTINA - Que horas tem?
O JOALHEIRO (Vendo o relógio.) - É meia hora.
VALENTINA - Pois vou buscar o dinheiro.
Quando vier o fazendeiro...

276
O JOALHEIRO - Vá descansada a senhora:
julguei que só mo daria
quando lho desse o sujeito.
Há de encontrar tudo feito,
quando voltar coa quantia.
VALENTINA (Pondo o chapéu.)
- Posso fazer um bom gancho...
O JOALHEIRO - Quatro contos arrecada;
mas se está contrariada,
todo o negócio desmancho:
não tento...
VALENTINA - Espere-o. Adeus (Sai.)
O JOALHEIRO - Vá descansada.

CENA VII
O JOALHEIRO, só

[O JOALHEIRO] - É barato;
mas o lucro imediato
é bem bom, graças a deus!
Daqui a dez dias talvez
a jóia não seja dela:
por cinco me há de vendê-la;
por sete a vendo outra vez.
(Desembrulha a caixa da jóia, que tira da algibeira, abre-a, e contempla-a com ar compassivo.)
Alvos brilhantes, peregrina jóia,
vou brevemente me ausentar de vós!
De vendedor não julgueis ser tramóia
este elogio que vos teço a sós!

Ninguém nos ouve nem nos vê; portanto


não é suspeito o cândido louvor.
Sinto nos olhos da saudade o pranto,
sinto no peito a languidez do amor!

Durante o tempo em que tu foste minha,


prenda formosa, prenda sem rival,
todos os dias à minh'alma vinha
lástima prévia... Adivinhava o mal!

Adivinhava enfeitarias breve


o corpo impuro que te apeteceu;
foi rara jóia de valor que teve
melhor destino que o destino teu.

Ai, se eu te visse envelhecida, gasta...


toda arranhada... não fazia mal...
Mas nas orelhas de uma esposa casta...
prenda formosa, prenda sem rival!

277
CENA VIII
O JOALHEIRO, CARVALHO

CARVALHO (Entrando.) - Ora viva! (À parte.) Ele por cá!


É mau sinal... (Vendo a jóia.)
E os brilhantes...
O JOALHEIRO - 'Stava aqui há alguns instantes
a sua espera.
CARVALHO - Onde está
Valentina?
O JOALHEIRO - Saiu; tinha
algumas voltas que dar.
CARVALHO - E o senhor vem cá buscar
o quê?
O JOALHEIRO - Eu lhe digo... eu vinha...
CARVALHO - Para que voltou aqui?
O JOALHEIRO - Saiba Vossa Senhoria...
CARVALHO - Uma ridicularia
pela jóia ofereci.
Não quer decerto vendê-la
por quatro contos...
O JOALHEIRO - A instâncias
das minhas circunstâncias,
sou obrigado a cedê-la. (Dando-lhe a jóia.)
Aqui tem. Tudo isto é seu.
De não vendê-la com medo
a qualquer outro, é que a cedo
pelo que me ofereceu.
CARVALHO (Sem aceitar a jóia.)
- O quê? Pois por quatro contos
quer ma ceder?... Vale seis!
O JOALHEIRO - De quatro contos de réis
nós precisamos de pronto.
Se inda agora não cedi,
foi porque tinha contado
com eles por outro lado..
É sua jóia: ei-la aqui! (Entrega-lha.)
É pechincha! Mas... que quer?
Tenho uma letra a vencer-se... (Vendo o relógio.)
E não me dá que converse
vinte minutos sequer.
CARVALHO - Se Valentina tivesse
dinheiro acaso, diria
que entre o senhor e ela havia
combinação.
O JOALHEIRO (A meia voz.) - Mas, se houvesse,
eu, muito em particular,
Tudo diria.
CARVALHO - Acredito
(À parte.) Outro remédio - bonito -
não tenho senão pagar!
O JOALHEIRO - Veja que esplêndidos são!
Veja que são opulentos!

278
CARVALHO (deita a caixa da jóia sobre o sofá, tira do bo