Вы находитесь на странице: 1из 8

c 



 

  

  

Luiz Nunes nasceu em de 31 de julho de 1909 ,no Rio de Janeiro. Ele


ingressa na Escola Nacional de Belas Artes em 1926, com 17 anos de idade.
Em 1931, lidera ± como presidente do Diretório Acadêmico ± uma greve para
manter, na Direção da Escola, o arquiteto Lúcio Costa e os professores por ele
nomeados, que haviam sido demitidos. Forma -se em 1933, com 24 anos.

Nunes fez parte da mesma brilhante geração de arquitetos formada por


Oscar Niemeyer, Afonso Eduardo Reidy, Jorge Machado Moreira, Carlos Leão
e Ernani Vasconcellos que, entre 1937 e 1943, integraram a equipe que, sob a
coordenação de Lúcio Costa e a orientação de Le Corbusier, projetaram o
prédio do Ministério da Educação e Saúde no Rio de Janeiro. For am
contemporâneos na Escola Nacional de Belas Artes e, dos citados, Nunes era
o mais jovem.

Em 1934, Nunes é indicado ao Governador de Pernambuco, Carlos de


Lima Cavalcanti, para trabalhar e implementar novos conceitos e formas de
construir, organizando um Departamento de Obras que eliminasse as práticas
defasadas e empíricas da construção civil.

A escolha de Nunes para trabalhar em Recife estiva ligada,


fundamentalmente, às suas convicções políticas, ao seu idealismo , à sua
preparação intelectual e técnica, à sua disponibilidade, e às suas ligações com
o grupo mineiro que então dominava o Ministério de Educação e Saúde.

Nunes faria ainda, antes de embarcar para o Recife, alguns projetos no


Rio de Janeiro e, ainda quando estudante, participou de todos os
acontecimentos ligados à curta administração Lúcio Costa como Diretor da
Escola.
Em Recife, Luiz Nunes empenhou-se em tornar corrente, em
Pernambuco, as novas idéias arquitetônicas e, conseguindo dos poderes
públicos o apoio necessário, criou em agosto de 1 935 uma repartição cujo
objetivo principal era dotar o Estado de um organismo que centralizasse todas
as atividades relacionadas com o emprego das boas normas de construir.

Luiz Nunes realiza no Recife, entre 1934 e 1937, uma experiência única
no cenário arquitetônico brasileiro. Encarnando a utopia reformadora original do
movimento moderno, ele desenvolve com o governo do Estado de Pernambuco
uma arquitetura motivada pelo desejo de transformação social e pelo
compromisso com a criação de um novo mundo para um novo homem. Nesse
sentido, sua atuação é social e vai além dos aspectos técnicos e estéticos da
profissão.

A responsabilidade de organizar os serviços de obras públicas


que Nunes recebe em 1934, ao assumir o cargo de arquiteto da Secretaria de
Viação e Obras Públicas, ganha corpo com a criação da Diretoria de
Arquitetura e Construções - DAC. Cabe à diretoria centralizar todas as
atividades de construção civil do governo, do desenvolvimento de projetos e
orçamentos à construção, reforma e manutenção de edifícios estaduais,
municipais e particulares, conforme a solicitação das diferentes instâncias de
poder e em função do interesse público, passando pela aprovação de todos os
projetos a serem construídos com verba estadual. Em sua gestão, Nunes
coordena uma série de ações integradas que visam melhorar a qualidade
arquitetônica e construtiva dos edifícios estatais e diminuir os gastos públicos
com a construção civil. Essas ações vão do investimento no aprimoramento
educacional e técnico da mão-de-obra local à introdução de novos métodos,
materiais e técnicas no canteiro de obras, da constituição de uma equipe
técnica diversificada, formada por arquitetos, engenheiros, projetistas, artistas e
operários ao desenvolvimento de projetos executivos completos que pr ivilegiam
a racionalidade técnico -construtiva.

Como diretor da DAC. onde era também, no começo, o único arquiteto,


Luiz Nunes teve como suas primeiras obras a padronização dos postos
policiais, a serem construídos na capital e interior do estado. P rojetando e
construindo diversos, dotando-os de uma arquitetura simples e adequada ao
clima da região, resultando numa solução econômica e eficiente.

Logo após, para a Liga de Saúde Mental, então fundada e dirigida pelo
psiquiatra Ulisses Pernambucano, fez o projeto de uma escola destinada a
crianças anormais, implantada em local com características bucólicas, afastado
da área urbana da cidade, aproveitando a vegetação existente nos arredores
da capital, e adotando um partido arquitetônico à escala da crian ça.

Luiz Nunes ainda elaborou o projeto do Hospital da Brigada Militar , onde,


Nunes reformula o conceito do que deveria ser um hospital moderno, adotando
uma solução em blocos, em contraposição ao sistema de pavilhões, até então
utilizado e fundamentado te orias defasadas, superadas pelos conhecimentos
médicos e biológicos mais modernos. Nesta obra, ele projeta a primeira escada
helicoidal apoiada apenas nas extremidades, com um avançado cálculo de
concreto estrutural, concebido pelo engenheiro Joaquim Cardo zo.

E no curto período que durou sua primeira fase em Recife, ele também
fezo projeto da Escola Rural Alberto Tôrres, primeiro edifício no Brasil a utilizar,
como circulação vertical, rampas no lugar de escadas. Essas rampas foram
apoiadas em arcos parabólicos, construídos como elementos anexos ao corpo
do edifício, e ligadas a este por uma passarela em concreto.

Percebe-se nas obras desenvolvidas entre 1934 e 1935 pela DAC,


sobretudo a Escola de Anormais, a Usina Higienizadora de Leite? e o Hospital
da Brigada Militar, são volumes prismáticos compostos de lajes planas,
superfícies lisas sem ornamentação e aberturas horizontais padronizadas, que
respondem a necessidades programáticas específicas e revelam a inspiração
da arquitetura moderna alemã. A configuração da Escola de Anormais?em dois
amplos pavilhões interligados por varandas e marquises propõe a integração
entre espaços internos e externos do edifício. O projeto do Hospital de Brigada
Militar, por sua vez, adota a disposição do programa em blocos em vez de
pavilhões, como era defendido pelas correntes mais avançadas de medicina na
época.
Embora estas obras, quando realizadas, não tivessem obedecido
exatamente ao risco do seu projeto, e isto por motivos alheios à sua vontade,
pois, não apresentava na época um aperfeiçoamento técnico, mas, havia uma
intenção e uma fidelidade aos bons princípios arquitetônicos.

Durante a construção, o projeto do Hospital da Brigada Militar é bastante


modificado, o caráter final da edificação se distancia desse grupo d e projetos e
se aproxima da Escola Rural Alberto Torres, que é marcado pelo destaque
dado à estrutura de concreto armado. Seguindo os mesmos preceitos de
integração dos ambientes da escola com os espaços externos empregados
na Escola de Anormais, esse edifício não tem uma composição harmônica, em
virtude da articulação entre o bloco principal retangular e o conjunto de rampas
de circulação suspensas por tirantes fixos em arcos parabólicos de concreto
armado que lembram os projetos do arquiteto franco -suíço Le Corbusier. Se
neste último edifício o sistema estrutural empregado é composto de estrutura
independente e lajes planas de concreto armado, nos projetos anteriores ele se
caracteriza pelo emprego simultâneo de alvenaria de tijolos de barro portante,
pilares e lajes de concreto armado, indicando a necessidade de adaptar os
preceitos da arquitetura moderna às possibilidades técnicas e econômicas
locais.

Tais projetos representaram para o ar quiteto algumas incompreensões,


partindo de construtores e engenheiros que se sentiram prejudicados com os
novos métodos de trabalho introduzidos por Nunes. Com o acirramento da
questão política, principalmente devido à chamada Intentona Comunista de
1935, chegou-se até a proibir a adoção de técnicas fundamentadas na
Arquitetura Moderna, considerada subversiva, o que obrigou o arquiteto a
projetar segundo cânones clássicos ou neoclássicos. Nunes, para evitar novos
atritos, produzia esses trabalhos durante o dia e, à noite, projetava os me smos
edifícios segundo os cânones da Arquitetura Moderna, uma vez que, após
concebidos, eram enviados à capital da República, para análise e subsequente
obtenção de recursos para construí-los. Sob denúncias de tais práticas
subversivas, o arquiteto sente-se forçado a se afastar do cargo.
Luiz Nunes voltou ao Rio de Janeiro e abriu um escritório na Praça da
República, realizando algumas obras e tentando restabelecer contato com
antigos companheiros de escola.

O DAC ficou quase acéfalo e lutou com as maiores dificuldades para


permanecer num meio desprovido de recursos técnicos, incompreendido e
desinteressado de boa parte dos construtores e engenheiros , quando Nunes foi
substituído pelo arquiteto Aurélio Lopes, cuja única atividade foi tentar destruir
sua obra. Este fato provocou uma rebelião entre os auxiliares do arquiteto,
forçando o Governo do Estado a substituir Lopes por outro profissional: o
arquiteto Aníbal Melo Pinto. Este realiza, no Pavilhão de Pernambuco, uma
exposição das obras de Luiz Nunes, duran te as comemorações do aniversário
da Revolução Farroupilha, em Porto Alegre.

O sucesso da exposição reforçou a posição de Luiz Nunes, e o arquiteto


volta a trabalhar em Recife, de 1936 a 1937, agora na Diretoria de Arquitetura e
Urbanismo - DAU, sucessora da Diretoria de Arquitetura e Construção.

Os compromissos e as atividades desenvolvidos na DAC têm


continuidade na Diretoria de Arquitetura e Urbanismo - DAU, ainda que do
ponto de vista arquitetônico a sua criação, em 1936, marque o início de uma
nova fase.

À nova repartição são conferidas responsabilidades mais amplas. Esta


deveria, agora, cuidar de planejamento urbano para Recife e cidades do
interior, além de edifícios públicos. Este fato provocou a vinda de outros
profissionais para ajudar Nunes, como os engenheiros-arquitetos Fernando
Saturnino de Brito e João Correia Lima. É neste período que Nunes recebe,
também, a colaboração de um jovem paisagista: Roberto Burle Marx.

Pouco antes, em 1934, o arquiteto Attílio Correia Lima havia sido


contratado para elaborar um plano diretor para o Recife, não aproveitado pelas
autoridades locais. Mas a partir dos estudos de Attílio, Nunes ,com a
assessoria do urbanista pernambucano Antonio Baltar, desenvolve as
atribuições urbanísticas da nova Diretoria. Recebe, ainda, a colaboração do
médico e sociólogo Josué de Castro, nos edifícios destinados a funções de
saúde pública, como o Pavilhão de Leprosos da Mirueira, os Postos de
Abastecimento de Leite, a Usina Higienizadora de Leite, e o Pavilhão de Óbitos
da Faculdade de Medicina, além da Caixa d'Água de Olinda, dentro do
programa de abastecimento d'água e saneamento idealizado por Saturnino de
Brito.

Os projetos desenvolvidos pela DAU escapam das duras determinações


programáticas, técnicas e econômicas da primeira fase da diretoria, ganhando
maior expressividade plástica. Luiz Nunes, nesses edifícios citados, passa a se
preocupar com a aplicação dos 5 conceitos básicos de Le Corbusier : planta
livre, pilotis, estrutura independente, teto-jardim e fachada autônoma.
Influenciado por seus contatos com a equipe que desenvolvia, então, o projeto
do Ministério da Educação e Saúde em sua estada no Rio de Janeiro, no
mesmo ano em que Le Corbusier estava no país em virtude destes projetos .

Na Usina Higienizadora de Leite?é perceptível a referência à Bauhaus,


sobretudo, aos projetos do arquiteto alemão Walter Gropius devido as linhas
mais retas e fachadas independentes.

No caso das fachadas, visando possibilitar uma correta leitura das


funções da edificação, e ante a inexistênc ia ou impossibilidade de utilização do
vidro, um material caro e inadequado para o clima tropical, Nunes passa a
adotar os elementos vazados, de cerâmica ou cimento, e muito comuns na
região, produzidos por uma fábrica pertencente a imigrantes portugueses
Coimbra, Borges & Góes, e batizados por ele de CoBoGós, utilizando as iniciais
dos proprietários. De excepcional efeito plástico, custo muito baixo, e
possibilitando uma redução do efeito do vento sobre as estruturas, os cobogós
são incorporados, depois de padronizados, em todos os seus projetos,
principalmente na Caixa d'Água de Olinda, símbolo maior do trabalho do
arquiteto, onde aplicou todos os princípios de Corbusier, implantando o edifício
simples e imponente, no meio de um sítio de preservação histórica e
arquitetônica.

O projeto construído para o Pavilhão de Verificação de Óbitos da


Faculdade de Medicina é a que demonstr a maior maturidade. A planta
modulada evidencia a independência estrutural, além de apresentar uma
qualidade técnica superior. Reúne todos os elementos característicos dos cinco
pontos corbusianos, com traços bem semelahntes a Villa Savoye.

É evidente os valores de inovação, ruptura e racionalidade técnica que a


obra do grupo de Nunes incorpora do ideário modernista. Nessas
interpretações são destacadas as influências das obras de pioneiros europeus
tais como Gropius, Mies, Lurçat e, principalmente, Le Corbusier.

Também são claras na arquitetura de Nunes as intenções de


racionalidade, funcionalidade , eficiência técnica, também percebemos a
variação de tamnhos dos pilares e vigas em suas obras demostrando o
chamado princípio da verdade estruturar? que? era adotado na arquitetura do
grupo por influência de Joaquim Cardozo , assim como a ênfase na dimensão
social da arquitetura, idéias e atitudes evidentemente derivadas do ideário
modernista europeu.

Em novembro de 1937, acontece o Golpe de Getúlio Vargas, que


implantaria o Estado Novo, e a Diretoria de Arquitetura e Urbanismo encerra
junto com seu mentor. Mas ficava o exemplo nas suas construções.

A experiência das Diretorias de Arquitetura dirigidas por Nunes não se


interrompe com a extinção da DAU pelo Estado Novo, nem mesmo com a
morte prematura do arquiteto aos 28 anos.

Muitos dos arquitetos, engenheiros e projetistas que ali trabalham dão


continuidade à obra, contribuindo para a difusão da arquitetura moderna no
país, destacando-se o papel de Joaquim Cardozo, do arquiteto paisagista Burle
Marx e do engenheiro e urbanista Antônio Bezerra Baltar.

Para alguns críticos, não existiu o que se convencionou chamar de


Movimento ou Escola do Recife. Mas o Legado das obras e elementos
deixados por Nunes, como o Cobogó influenciaram efetivamente as próximas
gerações.
 
c 

http://www.joaquimcardozo.com/paginas/joaquim/poemas/arquitetura/dois_epis
odios.pdf

http://www.docomomo.org.br/seminario%205%20pdfs/128R.pdf

http://www.docomomobahia.org/AF_Marcelo%20Freitas%20e%20Roberta%20
Smith_1.pdf

http://www.vivercidades.org.br/publique_222/web/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?in
foid=1521&sid=21

http://www.vivercidades.org.br/publique_222/web/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?in
foid=1240&query=simple&search_by_authorname=all&search_by_field=tax&se
arch_by_headline=false&search_by_keywords=any&search_by_priority=all&se
arch_by_section=all&search_by_state=all&search_text_options=all&sid=18&tex
t=luiz+nunes&x=0&y=0

Оценить