Вы находитесь на странице: 1из 6

6588 DIÁRIO DA REPÚBLICA — I SÉRIE-A N.

o 267 — 18 de Novembro de 2000

Artigo 4.o n.o 90/394/CEE, do Conselho, de 28 de Junho, relativa


à protecção dos trabalhadores contra os riscos ligados
Características da cunhagem e acabamentos
dos espécimes numismáticos à exposição a agentes cancerígenos durante o trabalho.
Entretanto, as Directivas n.os 97/42/CE, do Conselho,
1 — Dentro do limite estabelecido no artigo anterior, de 27 de Junho, e 1999/38/CE, do Conselho, de 29 de
a INCM é autorizada a cunhar até 15 000 espécimes Abril, alteraram a referida regulamentação comunitária.
numismáticos de prata com acabamento «prova numis- As alterações mais significativas consistiram na extensão
mática» (proof), destinados à comercialização nacional aos agentes mutagénicos, na adopção de valores limite
e internacional, nos termos do Decreto-Lei n.o 178/88, de exposição profissional ao benzeno e ao pó de madeira
de 19 de Maio. de folhosas, no alargamento do conceito de agente can-
2 — Os espécimes numismáticos cunhados em liga de cerígeno através de novas frases na classificação das
prata de toque 925/1000 têm o diâmetro de 40 mm, peso substâncias e das preparações perigosas susceptíveis de
de 27 g e o bordo serrilhado, sendo as tolerâncias no provocar situações de perigo para a saúde dos traba-
peso e no toque de aproximadamente 1/100. lhadores em resultado de exposições prolongadas. A ava-
liação do risco passou a ter em consideração todas as
formas e vias de exposição, nomeadamente a absorção
Artigo 5.o pela pele ou através dela. Foi, ainda, alterada a dis-
Colocação em circulação posição referente aos hidrocarbonetos policílicos aro-
máticos, cuja redacção inicial deficiente causou dificul-
A moeda destinada à distribuição pública pelo res- dades de aplicação em diversos Estados membros.
pectivo valor facial é posta em circulação pelo Estado, A protecção dos trabalhadores contra o risco de expo-
por intermédio e sob requisição do Banco de Portugal. sição ao cloreto de vinilo monómero foi regulada pela
Directiva n.o 78/610/CEE, do Conselho, de 29 de Junho,
transposta para a ordem jurídica interna através de legis-
Artigo 6.o lação específica. O cloreto de vinilo monómero é clas-
Afectação de receitas sificado como agente cancerígeno da categoria 1,
estando por isso abrangido pela regulamentação comu-
O diferencial entre o valor facial e os correspondentes nitária sobre a protecção dos trabalhadores contra o
custos de produção, relativamente às moedas efectiva- risco de exposição a agentes cancerígenos, que impõe
mente colocadas junto do público, é posto pelo Minis- um valor limite de exposição ao referido agente mais
tério das Finanças à disposição da Comissão Nacional exigente. Por esse motivo e para assegurar a coerência
para as Comemorações dos Descobrimentos Portugue- e a unificação da regulamentação comunitária, a Direc-
ses, nos termos do artigo 11.o do Decreto-Lei n.o 293/86, tiva n.o 78/610/CEE foi revogada, com efeitos a partir
de 12 de Setembro, e do artigo 8.o do Decreto-Lei de 29 de Abril de 2003.
n.o 391/86, de 22 de Novembro, com a redacção que Acompanhando a unificação da regulamentação
lhe foi dada pelo artigo 3.o do Decreto-Lei n.o 260/87, comunitária, o presente diploma é igualmente aplicável
de 29 de Junho. à exposição profissional ao cloreto de vinilo monómero,
sendo ao mesmo tempo revogada a legislação específica
de transposição da Directiva n.o 78/610/CEE, com efeito
Artigo 7.o
a partir da data de revogação desta directiva.
Curso legal 2 — Nestas circunstâncias, é necessário transpor para
a ordem jurídica interna a nova regulamentação comu-
As moedas cunhadas ao abrigo deste diploma têm nitária, alterando em conformidade e extensamente o
curso legal, mas ninguém poderá ser obrigado a receber actual regime de protecção dos trabalhadores contra
em qualquer pagamento mais de 25 000$ nestas moedas. os riscos ligados à exposição a agentes cancerígenos.
Visto e aprovado em Conselho de Ministros de 12 A amplitude das alterações justifica a adopção de um
de Outubro de 2000. — António Manuel de Oliveira novo diploma.
Guterres. — Joaquim Augusto Nunes Pina Moura. 3 — O projecto relativo ao presente diploma foi sub-
metido a apreciação pública, através de publicação na
separata n.o 5 do Boletim do Trabalho e Emprego, de
Promulgado em 2 de Novembro de 2000.
29 de Setembro de 1999. Na sequência dos pareceres
Publique-se. de diversas associações sindicais e patronais, foram alte-
rados alguns aspectos do diploma, nomeadamente a
O Presidente da República, JORGE SAMPAIO. prestação de determinadas informações sobre a preven-
ção dos riscos às autoridades públicas, a realização em
Referendado em 5 de Novembro de 2000. qualquer caso de exames de saúde antes da exposição
Pelo Primeiro-Ministro, Jorge Paulo Sacadura dos trabalhadores aos riscos identificados, o conteúdo
Almeida Coelho, Ministro de Estado. dos registos e arquivos que devem ser conservados
durante, pelo menos, 40 anos após terminar a exposição
dos trabalhadores, a informação e consulta dos traba-
lhadores e dos seus representantes e o diferimento da
MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE entrada em vigor do diploma para o termo do prazo
de transposição da Directiva n.o 1999/38/CE, do Con-
Decreto-Lei n.o 301/2000 selho, de 29 de Abril, em relação aos trabalhos sus-
de 18 de Novembro ceptíveis de provocar a exposição ao pó de madeira
de folhosas e às substâncias ou preparações que neles
1 — O Decreto-Lei n.o 390/93, de 20 de Novembro, se libertem, além do valor limite de exposição profis-
transpôs para a ordem jurídica interna a Directiva sional ao referido pó.
N.o 267 — 18 de Novembro de 2000 DIÁRIO DA REPÚBLICA — I SÉRIE-A 6589

Foram ouvidos os órgãos de governo próprios das 2 — São ainda considerados como cancerígenos as
Regiões Autónomas. substâncias, as preparações, os trabalhos e os processos
Assim: seguintes:
Nos termos da alínea a) do n.o 1 do artigo 198.o da a) Fabrico de auramina;
Constituição, o Governo decreta o seguinte: b) Trabalhos susceptíveis de provocar a exposição
aos hidrocarbonetos policílicos aromáticos pre-
Artigo 1.o sentes na fuligem da hulha, no alcatrão da hulha
Objecto ou no pez da hulha;
c) Trabalhos susceptíveis de provocar a exposição
O presente diploma transpõe para a ordem jurídica às poeiras, fumos ou névoas produzidos durante
interna a Directiva n.o 90/394/CEE, do Conselho, de a calcinação e electrorrefinação de mates de
28 de Junho, alterada pelas Directivas n.os 97/42/CE, níquel;
do Conselho, de 27 de Junho, e 1999/38/CE, do Con- d) Processo de ácido forte durante o fabrico do
selho, de 29 de Abril, relativa à protecção dos traba- álcool isopropílico;
lhadores contra os riscos ligados à exposição a agentes e) Trabalhos susceptíveis de provocar a exposição
cancerígenos ou mutagénicos durante o trabalho. ao pó de madeira de folhosas;
f) As substâncias ou as preparações que se liber-
Artigo 2.o tem nos processos referidos nas alíneas ante-
riores.
Âmbito
Artigo 4.o
1 — O presente diploma é aplicável a situações em Avaliação do risco
que os trabalhadores estão ou podem estar expostos
a agentes cancerígenos ou mutagénicos durante o tra- 1 — Nas actividades susceptíveis de apresentar risco
balho, no âmbito das actividades definidas no artigo de exposição a agentes cancerígenos ou mutagénicos,
2.o do Decreto-Lei n.o 441/91, de 14 de Novembro, na o empregador deve avaliar o risco para a segurança
redacção dada pelo Decreto-Lei n.o 133/99, de 21 de e a saúde dos trabalhadores, determinando a natureza,
Abril. o grau e o tempo de exposição.
2 — O presente diploma não se aplica aos trabalha- 2 — A avaliação do risco deve ser repetida periodi-
dores expostos unicamente às radiações a que alude camente, bem como sempre que houver alterações das
o Tratado que institui a Comunidade Europeia da Ener- condições de trabalho susceptíveis de afectar a exposição
gia Atómica. dos trabalhadores a agentes cancerígenos ou mutagé-
3 — Nas actividades em que haja risco de exposição nicos e, ainda, nas situações previstas no n.o 4 do
ao amianto, são aplicáveis as medidas de protecção pre- artigo 12.o
vistas no Decreto-Lei n.o 284/89, de 24 de Agosto, na 3 — A avaliação do risco deve ter em conta todas
redacção dada pelo Decreto-Lei n.o 389/93, de 20 de as formas de exposição e vias de absorção, tais como
Novembro, e na Portaria n.o 1057/89, de 7 de Dezembro, a absorção pela pele ou através desta.
salvo na parte em que o presente diploma for mais favo- 4 — O empregador deve atender, na avaliação do
rável à segurança e à saúde dos trabalhadores. risco, aos eventuais efeitos sobre a segurança e a saúde
4 — Nas actividades em que haja risco de exposição de trabalhadores particularmente sensíveis aos riscos a
ao cloreto de vinilo monómero são aplicáveis as medidas que estão expostos, bem como afastá-los de zonas onde
de protecção previstas no Decreto-Lei n.o 273/89, de possam estar em contacto com agentes cancerígenos ou
21 de Agosto, até à data estabelecida no n.o 2 do mutagénicos.
artigo 21.o, salvo na parte em que o presente diploma Artigo 5.o
for mais favorável à segurança e à saúde dos tra- Substituição e redução de agentes cancerígenos
balhadores. ou mutagénicos
Artigo 3.o 1 — O empregador deve evitar ou reduzir a utilização
Definições de agentes cancerígenos ou mutagénicos, substituin-
do-os por substâncias, preparações ou processos que,
1 — Para efeitos do presente diploma, entende-se nas condições de utilização, não sejam perigosos ou
por: impliquem menor risco para a segurança e a saúde dos
a) «Agente cancerígeno» uma substância ou pre- trabalhadores.
paração classificada como cancerígena da cate- 2 — Se não for tecnicamente possível a aplicação do
goria 1 ou 2, de acordo com os critérios da legis- disposto no número anterior, o empregador deve asse-
lação relativa à classificação, embalagem e rotu- gurar que a produção ou a utilização do agente can-
lagem das substâncias e preparações perigosas; cerígeno ou mutagénico se faça em sistema fechado.
b) «Agente mutagénico» uma substância ou pre- 3 — Se a aplicação de um sistema fechado não for
paração classificada como mutagénica da cate- tecnicamente possível, o empregador deve assegurar que
goria 1 ou 2, de acordo com os critérios da legis- o nível de exposição dos trabalhadores seja reduzido
lação relativa à classificação, embalagem e rotu- a um nível tão baixo quanto for tecnicamente possível
lagem das substâncias e preparações perigosas; e não ultrapasse os valores limite indicados no anexo.
c) «Valor limite» o limite de concentração média
ponderada de um agente cancerígeno presente Artigo 6.o
na atmosfera do local de trabalho, na zona de Redução dos riscos de exposição
respiração de um trabalhador, no período de
referência indicado no anexo do presente Nas situações em que sejam utilizados agentes can-
diploma, que não deve ser ultrapassado. cerígenos ou mutagénicos, além dos procedimentos refe-
6590 DIÁRIO DA REPÚBLICA — I SÉRIE-A N.o 267 — 18 de Novembro de 2000

ridos no artigo 5.o, o empregador deve aplicar conjun- b) Fornecer aos trabalhadores vestuário de pro-
tamente as seguintes medidas: tecção adequado, proceder à sua limpeza após
cada utilização e disponibilizar locais distintos
a) Limitação das quantidades do agente cancerí- para guardar separadamente o vestuário de tra-
geno ou mutagénico no local de trabalho; balho ou de protecção e o vestuário de uso
b) Redução ao mínimo possível do número de tra- pessoal;
balhadores expostos ou susceptíveis de o serem; c) Assegurar a existência de instalações sanitárias
c) Concepção de processos de trabalho e de medi- e de higiene adequadas;
das técnicas que evitem ou minimizem a liber- d) Verificar e assegurar a limpeza dos equipamen-
tação de agentes cancerígenos ou mutagénicos tos de protecção individual, se possível antes
no local de trabalho; e obrigatoriamente após cada utilização, e dis-
d) Evacuação dos agentes cancerígenos ou muta- ponibilizar um local apropriado para a sua cor-
génicos na fonte, por aspiração localizada ou recta arrumação;
ventilação geral, adequadas e compatíveis com e) Reparar e substituir os equipamentos de pro-
a protecção da saúde pública e do ambiente; tecção individual defeituosos antes de nova
e) Utilização de métodos apropriados de medição utilização.
de agentes cancerígenos ou mutagénicos, em
particular para a detecção precoce de exposições
anormais resultantes de acontecimento impre- Artigo 8.o
visível ou de acidente; Informação das autoridades competentes
f) Aplicação de processos e métodos de trabalho
adequados; 1 — Se o resultado da avaliação revelar a existência
g) Medidas de protecção colectiva adequadas ou, de riscos para a segurança e a saúde dos trabalhadores,
se a exposição não puder ser evitada por outros o empregador deve conservar e manter disponíveis as
meios, medidas de protecção individual; informações sobre:
h) Medidas de higiene, nomeadamente a limpeza
a) As actividades e os processos industriais em
periódica dos pavimentos, paredes e outras
causa, as razões por que são utilizados agentes
superfícies;
cancerígenos ou mutagénicos e os eventuais
i) Informação dos trabalhadores e dos seus repre- casos de substituição;
sentantes; b) As quantidades de substâncias ou preparações
j) Delimitação das zonas de risco e utilização de fabricadas ou utilizadas que contenham agentes
adequada sinalização de segurança e de saúde, cancerígenos ou mutagénicos;
incluindo sinais de proibição de fumar em áreas c) O número de trabalhadores expostos, bem como
onde haja risco de exposição a agentes cance- a natureza, o grau e o tempo de exposição;
rígenos ou mutagénicos; d) As medidas de prevenção tomadas e os equi-
l) Instalação de dispositivos para situações de pamentos de protecção utilizados.
emergência susceptíveis de originar exposições
anormalmente elevadas; 2 — O Centro Nacional de Protecção contra os Riscos
m) Meios que permitam a armazenagem, o manu- Profissionais, o Instituto de Desenvolvimento e Inspec-
seamento e o transporte sem risco, nomeada- ção das Condições de Trabalho e as autoridades da
mente mediante a utilização de recipientes her- saúde têm acesso à informação referida no número ante-
méticos e rotulados de forma distinta, clara e rior, sempre que o solicitem.
visível; 3 — A entidade patronal deve, ainda, informar as
n) Meios seguros de recolha, armazenagem e eva- entidades mencionadas no número anterior, a pedido
cuação dos resíduos pelos trabalhadores, destas, sobre:
incluindo a utilização de recipientes herméticos
e rotulados de forma distinta, clara e visível, a) Os elementos que serviram de base à avaliação
de modo a não constituírem fonte de conta- do risco;
minação dos trabalhadores e dos locais de tra- b) O resultado de investigações que promova sobre
balho, que atendam às disposições legais sobre a substituição e redução de agentes canceríge-
resíduos e protecção do ambiente. nos ou mutagénicos e a redução dos riscos de
exposição.
Artigo 7.o Artigo 9.o
Exposição imprevisível ou acidental
Medidas de higiene e protecção individual
Nas situações imprevisíveis ou acidentais em que os
Sem prejuízo do disposto nos artigos 8.o e 9.o do trabalhadores possam estar sujeitos a uma exposição
Decreto-Lei n.o 441/91, de 14 de Novembro, na redacção anormal, o empregador deve informar os trabalhadores
dada pelo Decreto-Lei n.o 133/99, de 21 de Abril, nas e os seus representantes desse facto e tomar, até ao
actividades em que exista risco de contaminação por restabelecimento da situação normal, as seguintes medi-
agentes cancerígenos ou mutagénicos, o empregador das:
deve tomar medidas para:
a) Limitar o número de trabalhadores na zona
a) Impedir que os trabalhadores comam, bebam afectada aos indispensáveis à execução das repa-
ou fumem nas zonas de trabalho onde haja risco rações e de outros trabalhos necessários;
de contaminação por agentes cancerígenos ou b) Colocar à disposição, dos trabalhadores refe-
mutagénicos; ridos na alínea anterior vestuário de protecção
N.o 267 — 18 de Novembro de 2000 DIÁRIO DA REPÚBLICA — I SÉRIE-A 6591

e equipamento individual de protecção res- propostas pelo médico do trabalho ou pela entidade
piratória; responsável pela vigilância da saúde dos trabalhadores.
c) Impedir a exposição permanente e limitá-la ao 4 — Se um trabalhador sofrer de uma doença iden-
estritamente necessário para cada trabalhador; tificável ou um efeito nocivo que possa ter sido pro-
d) Impedir que os trabalhadores não protegidos vocado pela exposição a agentes cancerígenos ou muta-
permaneçam na área afectada. génicos, o médico de trabalho ou a entidade responsável
pela vigilância da saúde dos trabalhadores pode exigir
Artigo 10.o que se proceda à vigilância da saúde dos outros tra-
balhadores que tenham estado sujeitos a exposição idên-
Exposição regular ou previsível tica, devendo nestes casos ser repetida a avaliação de
Nas actividades em que seja previsível um aumento risco.
significativo de exposição, nomeadamente a manuten- 5 — Os trabalhadores têm acesso aos resultados da
ção, em que já não seja possível a aplicação de medidas vigilância da saúde que lhes digam directamente respeito
técnicas preventivas suplementares para limitar a expo- e podem, bem como o empregador, solicitar a revisão
sição, o empregador deve: desses resultados.
6 — Devem ser prestados aos trabalhadores informa-
a) Após consulta dos trabalhadores e dos seus ções e conselhos sobre a vigilância de saúde a que devem
representantes, e sem prejuízo da responsabi- ser submetidos depois de terminar a exposição ao risco.
lidade da entidade patronal, tomar as medidas 7 — O empregador deve assegurar que o médico do
necessárias para reduzir ao mínimo a exposição trabalho participe ao Centro Nacional de Protecção con-
dos trabalhadores e assegurar a sua protecção tra os Riscos Profissionais todos os casos de cancro iden-
durante a realização dessas actividades; tificados como resultantes da exposição a um agente
b) Colocar à disposição dos trabalhadores vestuá- cancerígeno ou mutagénico durante o trabalho.
rio de protecção e equipamento individual de
protecção respiratória, a ser utilizado enquanto
durar a exposição anormal; Artigo 13.o
c) Assegurar que a exposição de cada trabalhador Formação dos trabalhadores
não tenha carácter permanente e seja limitada
ao estritamente necessário; 1 — O empregador deve assegurar a formação ade-
d) Tomar as medidas adequadas para que as zonas quada e suficiente dos trabalhadores e dos seus repre-
onde decorrem essas actividades sejam delimi- sentantes para a segurança, higiene e saúde no trabalho,
tadas e devidamente assinaladas e só tenham no início de uma actividade profissional que implique
acesso a elas as pessoas autorizadas. contactos com agentes cancerígenos ou mutagénicos.
2 — A formação referida no número anterior deve
Artigo 11.o ser adaptada à evolução dos riscos existentes e ao apa-
recimento de novos riscos, ser periodicamente actua-
Acesso às zonas de risco lizada, ou repetida se necessário, e incluir todos os dados
O empregador deve assegurar que o acesso às zonas disponíveis sobre:
onde decorrem actividades que apresentem risco seja a) Riscos potenciais para a segurança e a saúde,
limitado aos trabalhadores que nelas tenham de entrar incluindo os riscos adicionais resultantes do con-
por causa das suas funções. sumo de tabaco;
b) Medidas de prevenção para evitar a exposição
Artigo 12.o aos riscos existentes;
c) Normas em matéria de higiene individual e
Vigilância da saúde
colectiva;
1 — Sem prejuízo do disposto no artigo 16.o do Decre- d) Utilização dos equipamentos e de vestuário de
to-Lei n.o 26/94, de 1 de Fevereiro, na redacção dada protecção;
pela Lei n.o 7/95, de 29 de Março, e pelo Decreto-Lei e) Medidas a tomar pelos trabalhadores, nomea-
n.o 109/2000, de 30 de Junho, o empregador deve asse- damente o pessoal de intervenção, em caso de
gurar a vigilância da saúde dos trabalhadores em relação incidentes e para prevenção dos mesmos.
aos quais o resultado da avaliação revele a existência
de riscos, através de exames de saúde de admissão, perió- Artigo 14.o
dicos e ocasionais, devendo em qualquer caso os pri-
meiros ser realizados antes da exposição aos riscos. Informação dos trabalhadores
2 — A vigilância da saúde dos trabalhadores deve per- 1 — O empregador deve, sem prejuízo das suas res-
mitir a aplicação de medidas de saúde individuais, dos ponsabilidades, fornecer aos trabalhadores e aos seus
princípios e práticas da medicina do trabalho de acordo representantes informações relativas à aplicação das
com os conhecimentos mais recentes, e incluir os seguin- medidas previstas no presente diploma, nomeadamente
tes procedimentos: as que respeitem às consequências para a segurança
a) Registo da história clínica e profissional de cada e a saúde dos trabalhadores resultantes da escolha e
trabalhador; utilização do vestuário e dos equipamentos de protecção
b) Avaliação individual do seu estado de saúde; e à aplicação das medidas referidas na alínea a) do
c) Vigilância biológica, sempre que necessária; artigo 10.o
d) Rastreio de efeitos precoces e reversíveis. 2 — Os trabalhadores e os seus representantes devem
ser informados o mais rapidamente possível sobre as
3 — O empregador deve tomar, em relação a cada exposições anormais, as suas causas e as medidas toma-
trabalhador, as medidas preventivas ou de protecção das ou a tomar para sanar a situação.
6592 DIÁRIO DA REPÚBLICA — I SÉRIE-A N.o 267 — 18 de Novembro de 2000

3 — O empregador deve informar os trabalhadores e j) a n) do artigo 6.o, do artigo 13.o e do n.o 3 do


sobre as instalações e armazenagens anexas que con- artigo 14.o
tenham agentes cancerígenos ou mutagénicos, assegurar 2 — Constitui contra-ordenação grave, para efeitos
que todos os recipientes e embalagens sejam rotulados do disposto na Lei n.o 116/99, de 4 de Agosto, a violação
de forma clara e legível e afixar sinais de perigo bem das alíneas f), h) e i) do artigo 6.o, do artigo 7.o, dos
visíveis. artigos 8.o, 9.o, 10.o, 11.o e 12.o, dos n.os 1, 2, 4 e 5
4 — O empregador deve colocar à disposição do do artigo 14.o e dos artigos 15.o, 16.o e 17.o
médico do trabalho ou da entidade responsável pela
vigilância da saúde dos trabalhadores a lista prevista Artigo 19.o
na alínea b) do artigo 16.o, bem como informações sobre
as exposições imprevisíveis ou acidentais. Fiscalização
5 — O empregador deve colocar à disposição dos tra-
balhadores as informações constantes da lista referida A fiscalização do cumprimento do presente diploma
no número anterior que lhe digam directamente res- compete ao Instituto de Desenvolvimento e Inspecção
peito, bem como facultar aos representantes dos tra- das Condições de Trabalho e à Direcção-Geral da
balhadores as informações colectivas anónimas. Saúde, no âmbito das respectivas competências.

Artigo 20.o
Artigo 15.o
Regiões Autónomas
Informação e consulta dos trabalhadores
Nas Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira,
O empregador deve assegurar a informação e consulta as referências ao Instituto de Desenvolvimento e Ins-
dos trabalhadores e dos seus representantes para a segu- pecção das Condições de Trabalho entendem-se feitas
rança, higiene e saúde no trabalho sobre a aplicação aos órgãos e serviços próprios das respectivas adminis-
das disposições do presente diploma. trações regionais.
Artigo 21.o
Artigo 16.o
Revogação
Registo e arquivo de documentos
1 — É revogado o Decreto-Lei n.o 390/93, de 20 de
O empregador deve organizar registos de dados e Novembro.
conservar arquivos actualizados sobre: 2 — É revogado o Decreto-Lei n.o 273/89, de 21 de
a) Os resultados da avaliação a que se refere o Agosto, com efeitos a partir de 29 de Abril de 2003.
artigo 4.o, bem como os critérios e procedimen-
tos da avaliação, os métodos de medição, aná- Artigo 22.o
lises e ensaios utilizados;
b) A lista dos trabalhadores expostos, com a indi- Entrada em vigor
cação da natureza e, se possível, do grau de 1 — O presente diploma entra em vigor no 5.o dia
exposição a que cada trabalhador esteve sujeito; útil após a sua publicação.
c) Os resultados da vigilância da saúde de cada 2 — O valor limite de exposição profissional para o
trabalhador, com a indicação do respectivo benzeno de 3 ppm, indicado no anexo, passará a 1 ppm
posto de trabalho, dos exames médicos e com- a partir de 27 de Junho de 2003.
plementares realizados e de outros elementos 3 — A aplicabilidade do presente diploma aos tra-
que o médico responsável considere úteis. balhos susceptíveis de provocar a exposição ao pó de
madeira de folhosas e às substâncias ou preparações
Artigo 17.o que neles se libertem e o valor limite de exposição pro-
fissional ao referido pó entram em vigor a partir de
Conservação de registos e arquivos 30 de Abril de 2003.
1 — Os registos e arquivos referidos no artigo anterior Visto e aprovado em Conselho de Ministros de 12
devem ser conservados durante, pelo menos, 40 anos de Outubro de 2000. — António Manuel de Oliveira
após ter terminado a exposição dos trabalhadores a que Guterres — António Luís Santos Costa — Mário Cristina
digam respeito. de Sousa — Eduardo Luís Barreto Ferro Rodri-
2 — Se a empresa cessar a actividade, os registos e gues — Maria Manuela de Brito Arcanjo Marques da
arquivos devem ser transferidos para o Centro Nacional Costa.
de Protecção contra os Riscos Profissionais, que asse-
gurará a sua confidencialidade. Promulgado em 6 de Novembro de 2000.
Publique-se.
Artigo 18.o
O Presidente da República, JORGE SAMPAIO.
Contra-ordenações
Referendado em 9 de Novembro de 2000.
1 — Constitui contra-ordenação muito grave, para
efeitos do disposto na Lei n.o 116/99, de 4 de Agosto, Pelo Primeiro-Ministro, Jorge Paulo Sacadura Almeida
a violação dos artigos 4.o e 5.o, das alíneas a) a e), g) Coelho, Ministro de Estado.
N.o 267 — 18 de Novembro de 2000 DIÁRIO DA REPÚBLICA — I SÉRIE-A 6593

ANEXO
Valores limite de exposição profissional

Valores limite
Número Número
do do Medidas
Nome do agente Notas
EINECS CAS transitórias
(1) (2) Mg/m3 (3) Ppm (4)

Benzeno . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 200-753-7 71-43-2 (5) 3,25 (5) 1 Pele (6) . . . . . . . . . . . . Valor limite: 3 ppm
(=9,75 mg/m3) até
27 de Junho de
2003.

Cloreto de vinilo monómero . . . . . . . . . . . . . 200-831-0 75-01-4 (5) 7,77 (5) 3

Pó de madeira de folhosas . . . . . . . . . . . . . . (5)(7) 5,00

(1) EINECS: Inventário Europeu das Substâncias Químicas Existentes.


(2) CAS: Chemical Abstract Service.
(3) Mg/m3: miligramas por metro cúbico de ar a 20oC e 101,3 kPa (pressão de 760 mm de mercúrio).
(4) Ppm: partes por milhão em volume no ar (ml/m3).
(5) Medidos ou calculados em relação a um período de referência de oito horas.
(6) Possibilidade de contribuição considerável para a carga corporal total devido a exposição cutânea.
(7) Fracção inalável: se o pó de madeira de folhosas estiver misturado com outro pó de madeira, o valor aplicar-se-á a todos os pós presentes na mistura.

Похожие интересы