Вы находитесь на странице: 1из 3

UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA

AFRO-BRASILEIRA – UNILAB
INTITUTO DE HUMANIDADES E LETRAS
MESTRADO INTERDISCIPLINAR EM HUMANIDADES
PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA

Disciplina CH Créditos Turno Ano/Trimetre


Interculturalidade, Poesia e Subjetividade 60 h 4 Tarde 2018.1
Professor Titulação Regime de Trabalho
Francisco Vítor Macêdo Pereira Doutor Professor Efetivo – DE
Justificativa
Assim como se aceita que as obras poéticas estão intimamente ligadas às experiências
da/com a linguagem de cada autor(a), essas mesmas obras estão simultaneamente
relacionadas às percepções de mundo e às representações e trajetórias de vida em
disputa, conflito e interação destes autore(a)s com o seu meio. Esse feixe diverso e
complexo, que entrelaça diversidade e atravessamentos culturais, poesia e
subjetividades, torna cada escrita uma produção cultural apreciável e peculiar em um
contexto sócio-histórico específico. A leitura e a recepção, sobretudo da poesia
contemporânea, implicam também na perspectiva das experiências do mesmo mundo de
quem escreve, só que vista de outro lugar, partindo de outras subjetividades e agenciada
por outras circunstâncias - as quais enriquecem e até mesmo questionam a própria
poesia e os seus possíveis lugares na cultura. Interessa, pois, investigar quais são os
lugares poéticos, líricos ou antilíricos, imersos na construção subjetiva do(a)s poetas
e/ou na experiência de suas interseccões culturais próprias de contextos históricos
específicos. Quais zonas de apreciação e de criação/crítica estética, política e ideológica
são abertas a partir das fendas geradas pelo poema em suas superfícies textuais de
interação com o mundo? O que informa ou se torna visível na linguagem poética para a
leitura de consequências políticas e filosóficas? Estas são questões que estarão
problematizando os textos que marcarão a discussão dos encontros desta disciplina,
textos escolhidos no lugar histórico da produção cultural da decolonialidade.
Ementa
Este componente aborda, numa perspectiva intercultural, os processos de subjetivação
na produção poética. Nela é realizada uma hermenêutica dos poemas de autores
selecionados, visando compreender o modo como eles se constituem a si mesmos como
sujeitos na medida em que produzem seus poemas. A partir dos textos, define-se qual a
forma de existência quanto a sentidos ontológicos, valores éticos, posições políticas e
perspectivas estéticas. Configura-se numa abordagem transdisciplinar, envolvendo
estudos filosóficos, de teoria literária e das ciências sociais.
Objetivo
Compreender a complexidade histórico-social representada pela diversidade cultural da
produção poética em contextos específicos de crítica e decolonialidade, ou como um
desafio a ser considerado para a compreensão da produção poética em ambientes e
discussões decoloniais, com base na crítica interseccional das formações históricas
subjetivas da contemporaneidade.
Conteúdo Programático
Unidade I: Diferentes visões de cultura. Linguagens e identidade cultural. Cultura
e discurso. Interculturalidade e alteridade.
Unidade II: Os lugares das subjetividades no tempo presente. A formação moderna
da subjetividade e a crítica decolonial ao tempo presente. A interculturalidade nos
lugares críticos da produção poética decolonial.

Metodologia
Aulas expositivas dialogadas com análise de textos, e outros, que permitam uma
reflexão crítica sobre os temas elementares da disciplina; Debates; aula de campo; Cine-
debate; Laboratório: desdobramento pedagógico teórico-prático.
Avaliação
Serão aplicados dois instrumentos de avaliação:
1. Avaliação escrita individual;
2. Apresentação de Projeto Pedagógico coletivo.
Referências Bibliográficas
AMÂNCIO, Í.M.C.; GOMES, N.L.; JORGE, M.L.S. Literaturas africanas e afro-
brasileiras na prática pedagógica. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.
APPIAH, K. A. Na Casa de Meu Pai: a África na filosofia da cultura. Rio de Janeiro:
Contraponto, 1997.
BHABHA, H. K. A questão do outro: diferença, discriminação e o discurso do
colonialismo. In: HOLLANDA, H. B. Pós-
modernismo e política. Rio de Janeiro: Rocco, 1991.
BIDIMA, Jean-Godefroy: La philosophie negro-africaine. Paris: Presses Universitaires
de France, 1995.
BOGUE, R. Deleuze and Guattari. Londres: Routledge, 1990.
DELEUZE, G. Conversações, 1972-1990. São Paulo: Ed. 34, 1992.
DELEUZE, G. Crítica e Clínica. São Paulo: Ed. 34, 1997.
FANON, F. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.
FOUCAULT, M. A hermenêutica do sujeito. São Paulo: Martins Fontes, 2004.
FOUCAULT, M. As palavras e as coisas. 6ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1992.
FOUCAULT, M. Estética: literatura e pintura, música e cinema. Rio de Janeiro: Forense
Universitária, 2001.
FOUCAULT, M. Ética, sexualidade, política. Rio de Janeiro: Forense Universitária,
2004.
FOUCAULT, M. Arte, epistemologia, filosofia e história da medicina. Rio de Janeiro:
forense Universitária, 2011.
FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1989.
GUATTARI, F. Caosmose. Rio de Janeiro: Editora 34, 1992.
GUATTARI, F. Revolução molecular: pulsações políticas do desejo. São Paulo:
Brasiliense, 1987.
GUATTARI, F; ROLNIK, S. Micropolítica: cartografias do desejo. 2ª ed. Petrópolis:
Vozes, 1986.
HALL, S. Da diáspora: Identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Ed. UFMG,
2006.
KOFMAN, S. Nietzsche et la métaphore. Paris: Payot, 1972.
MACHADO, R. Foucault, a filosofia e a literatura. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.,
2000.
MELLO, I. M. A emergência da singularidade na formação dos objetos nas práticas
discursivas. In: GALEFFI, D. A. et al. (orgs.). Epistemologia, construção e difusão do
conhecimento: perspectivas em ação. Salvador: EDUNEB, 2011.
MELLO, I. M. A antropofagia oswaldiana como filosofia trágica. In: Cadernos
Nietzsche nº 23. São Paulo: GEN, 2007.
MONGA, C. Niilismo e negritude. São Paulo: Martins Fontes, 2010.
MUDIMBE, V. I. The invention of Africa. Bloomington: Indiana University Press,
1988.
NEHAMAS, A. Nietzsche: la vida como literatura. México: Fondo de Cultura
Económica, 2002.
NIETZSCHE, F. Assim falou Zaratustra: um livro para todos e para ninguém. Rio de
Janeiro: Civilização Brasileira,
2003.
NIETZSCHE, F. Da retórica. Lisboa: Vega, 1999.
MACHADO, Sara Abreu da Mata; ABIB, Pedro Rodolpho Jungers. Corpo,
ancestralidade e africanidade: por uma educação libertadora no jogo da capoeira
angola. Caderno temático: Educação e Africanidades. n.4, ano 2, nov/2011.
OLIVEIRA, Eduardo D. Cosmovisão Africana no Brasil: elementos para uma filosofia
afrodescendente. 3ed. Curitiba: Editora Gráfica Popular, 2006.
SANTOS, Milton. Por uma outra globalização – do pensamento único à consciência
universal. São Paulo: Record, 2000.
SODRÉ, Muniz. O terreiro e a cidade – a forma social negro-brasileira. Petrópolis,
Vozes 1988.