Вы находитесь на странице: 1из 150

DNA of the Gods

DNA OF THE GODS, by Chris H. Hardy, Ph.D.


The Anunnaki Creation of Eve and the Alien Battle for Humanity
Inner Traditions, Bear & Co., March 21, 2014

http://chris-h-hardy-dna-of-the-gods.blogspot.com.br/p/blog-page.html

The evidence keeps accumulating from tens of thousands Sumerian and Middle-Eastern clay tablets already
unearthed that we are the descendants of the gods of Sumer, and the numerous striking similarities between
the scriptures and these ancient texts (such as the Garden of Eden, the descendants of Adam and Eve, the
erasing of Sodom, etc.) reveal that the deity in the Garden of Eden/Edin was the Sumerian Prince Enlil, the
Commander of Earth. It is now breathtakingly clear that the events in Edin (aka Sumer) meant no less than a
new leap in the bio-engineering of the present day human race issued from the DNA of the aliens “who
came down to Earth” or ‘Anunnaki,’ and that this leap (the fourth one) lifted us to the stage of self-
awareness.
It is high time that we get a fresh look at what it means for us that the deeds of the bio-engineers royals
Ninmah and Enki, that so angered their brother Enlil (the Deity of Eden/Edin), were so drastically distorted
in order to put the blame on the innocent First Couple and to rationalize the curse and punishment of all their
descendants; and what it reveals for us that the wife, mother, and children of Enlil were so easily erased
from history in the new patriarchal and monotheist religions, so that the feminine is absent from the divine
realm.
Author Chris H. Hardy, with an incisive and insightful logic, with an in-depth ethnological and
psychological competence, decrypts the inconsistencies and the distortions in the narrative of the Book of
Genesis, which has plagued us with the weight of sin, and opens the way for a deconstruction and liberation
from the foundational culpability-laden myths and their deadly impact along the millennia.
Following on the ground-breaking discoveries of biblical and Mesopotamian expert Zecharia Sitchin, Chris
H. Hardy, Ph.D.—an ethno-psychologist and cognitive scientist currently researching nonlocal
consciousness and mind potentials, and a long-standing scholar and author in the area of consciousness and
Jungian psychology—decrypts the texts using the powerful new tool of a semantic fields analysis,
permitting her to disengage and sort out distinct layers of texts and different narrators.

TABLE OF CONTENTS
Introduction
1. GODS’ CRAVINGS FOR POWER AND CONTROL
2. THE ANUNNAKI SCIENCE
3. THE GENETIC ENGINEERING OF THE ADAMIC HUMANITY
4. FALSITIES THAT CARRIED ENORMOUS CONSEQUENCES
5. WOMEN UNDER THE YOKE
6. EDEN: THE THIRD LEAP IN ADAMIC EVOLUTION
7. ENKI AND THE WISDOMLINES FROM SUMER AND EGYPT
Conclusion
Bibliography & Index

Topics include:
• The Anunnaki and Sitchin’s work;
• Alien presence on earth & in our galaxy; their science and technology;
• Women and gender studies, patriarchal cultures;
• Creation of humanity by genetic engineering (by the Anunnaki goddess Ninmah);
• Critical psychological biblical and scriptures studies; their lasting psychosocial influence;
• Apocrypha (biblical and gnostic);
• Symbolism and Esoterica, roots of initiatic societies, Hermetic science;
• Jungian psychology;
• Roots of evil and war on Earth in the wars of the ancient Anunnaki gods and the DNA we inherited from
them;
• Beyond Apocalypse: going beyond ‘My Good’ versus ‘Your Bad’

DNA of the Gods’ unique approach:


• This book offers an original critique of the gender-biased interpretation of Genesis, as well as of the
hierarchy-prone relationship between the deity and mankind, based on a novel way to analyze the text’s
semantic fields (in which domain the author is an expert) (‘original’ as compared to the historical framework
of Pagels, or the field of Critical psychological studies.)
• Psychosocial profiles of our ancestors and creator gods.
• Psychosocial profiles of the Book of Genesis’ narrators.
Unveiling the divergent aims of the Anunnaki: humanity as a match to our creators versus a servant race (see
also the book of Michael Tellinger)

CONTENTS
The book starts by sorting out the psychological profile of the main characters within the royal Anunnaki
family—those who became our gods, taking examples from the Sumerian and Middle-Eastern tablets, to
conclude that all our human flaws were exemplified to the extreme by them, men and women alike; it traces
the human trend of war and competition for power to the continuous strife between the royal princes Enlil,
supreme Commander of Earth and Enki, Lord of Earth, who were half-brothers and sons of King Anu. It
stresses that Enlil tried to destroy and erase humanity several times, and nearly did it during the Deluge; in
contrast, Enki and his half-sister Ninmah were the ones to prod humanity’s talents and knowledge, and to
save us repeatedly from Enlil. Chapter 2 shows the sophistication of the Anunnaki science and its holistic
paradigm, as exemplified in the use of the MEs—the Anunnaki magico-technological chips and nano-
devices that controlled all sophisticated communication, space, research and technological facilities.
Chapters 3 to 6 describe the engineering of the Adamic humanity from the genetic and scientific viewpoint
of the Sumerian tablets (using their own DNA mixed with an hominid’s DNA), with Ninmah improving five
times the human genome and Enki bringing his own genes by fathering human offspring. They together
raised the first humans at their homes like their own children, while Anunnaki goddesses had had artificial
insemination of the novel hybrid hominid-Anunnaki ovum and bore them.
Chapters 4 and 5 instantiate a psychological and moral critique of the Genesis events as recounted in the
Book, analyzing a clear double-bind as well as a shift of responsibility from the Gods to the First Couple.
They show the latter texts distortion by comparing them to the Sumerian texts; they trace to biblical texts the
excruciating damage done to women by Western institutionalized religions such as the four-century long
Inquisition—taking as example Joan of Ark, burnt as a sorcerer and later canonized.
The outlook of the tablets is generally historical and non-moralistic, including the sequence in the Garden in
Edin. The scriptures are heavily moralistic, and putting the blame on earthlings. In chapter 6, Chris Hardy
uses the Semantic Fields Theory to analyze in great detail the key text of Genesis and clearly sorts out two
distinct semantic fields (with antinomic values and world visions) expressing themselves as two widely
different frameworks: the Informational Framework (paralleling the Sumerian accounts) and the Moralistic
(and despotic) Framework (inserted in the previous text) and clearly belonging to a narrator (or narrators)
belonging to a much more recent culture.
Chapter 7 shows how our human thirst for knowledge and spiritual realization stems from Enki, Ninmah and
Hermes giving full access to the “knowledge of the gods” to accomplished individuals, male and female, and
traces the roots of several initiatic symbols to them (such as the Ankh, the Caduceus, the Templar Cross).
DNA dos deuses
DNA DOS DEUSES, por Chris H. Hardy, Ph.D.
A Criação Anunnaki de Eva e a Batalha Alienígena pela Humanidade
Tradições Internas, Bear & Co., 21 de março de 2014

A evidência continua a acumular-se de dezenas de milhares de comprimidos de argila da Suméria e do


Oriente Médio já desenterrados de que somos descendentes dos deuses da Suméria e as numerosas
semelhanças impressionantes entre as escrituras e esses textos antigos (como o Jardim do Éden, os
descendentes de Adão e Eva, o apagamento de Sodoma, etc.) revelam que a divindade no Jardim do Éden /
Edin era o Príncipe sumério Prince, o Comandante da Terra. Agora é incrivelmente claro que os eventos em
Edin (também conhecido como Sumer) significaram não menos que um novo salto na bio-engenharia da
raça humana atual, emitida a partir do DNA dos alienígenas "que vieram à Terra" ou "Anunnaki" "e que esse
salto (o quarto) nos elevou ao palco da autoconsciência.
Já é hora de termos uma nova olhada no que significa para nós que os atos dos integrantes dos biólogos
Ninmah e Enki, que tão irritados com seu irmão Enlil (a Deidade do Éden / Edin) foram tão drasticamente
distorcidos em ordem para culpar o primeiro casal inocente e racionalizar a maldição e a punição de todos os
seus descendentes; e o que revela para nós que a esposa, a mãe e os filhos de Enlil foram tão facilmente
apagados da história nas novas religiões patriarcais e monoteístas, de modo que o feminino está ausente do
reino divino.
O autor Chris H. Hardy, com uma lógica incisiva e perspicaz, com uma profunda competência etnológica e
psicológica, desencadeia as inconsistências e as distorções na narrativa do Livro do Gênesis, que nos
atormentou com o peso do pecado e abre o caminho para uma desconstrução e libertação dos mitos
fundamentais da culpa e seu impacto mortal ao longo dos milênios.
Seguindo as descobertas inovadoras da especialista bíblica e mesopotâmica Zecharia Sitchin, Chris H.
Hardy, Ph.D. - um etno-psicólogo e cientista cognitivo atualmente pesquisando consciência não-local e
potenciais mentais, e um estudioso de longa data e autor na área da consciência e psicologia junguiana -
descriptografa os textos usando a poderosa ferramenta nova de uma análise de campos semânticos,
permitindo que ela desengate e separe diferentes camadas de textos e diferentes narradores.

ÍNDICE
Introdução
1. CRAVES DOS DEUSES PARA PODER E CONTROLE
2. A CIÊNCIA ANUNNAKI
3. A INGENIERIA GENÉTICA DA HUMANIDAD
ADAMICA 4. FALSIAS QUE REALIZARAM CONSEQUÊNCIAS ENORMES
5. MULHERES SOB O QUE SEJAM
6. EDEN: O TERCEIRO PONTO NA EVOLUÇÃO
ADAMICA 7. ENKI E OS WISDOMLINES DE SUMER E EGIPTO
Conclusão
Bibliografia e

tópicos de índice incluem:


• O trabalho dos Anunnaki e Sitchin;
• Presença alienígena na Terra e em nossa galáxia; sua ciência e tecnologia;
• Mulheres e estudos de gênero, culturas patriarcais;
• Criação da humanidade pela engenharia genética (pela deusa anunnaki Ninmah);
Estudos psicológicos e escriturais psicológicos críticos; sua influência psicossocial duradoura;
• Apocrypha (bíblico e gnóstico);
• Simbolismo e Esoterica, raízes das sociedades iniciáticas, ciência hermetica;
• Psicologia junguiana;
• Raízes do mal e guerra na Terra nas guerras dos antigos deuses Anunnaki e do DNA que herdamos deles;
• Além do Apocalipse: indo além da
abordagem única do "Meu Bom" versus o "Seu Mal" do Deus dos Deuses:
• Este livro oferece uma crítica original da interpretação tendencial do gênero de Gênesis, bem como da
relação propícia à hierarquia entre os deidade e humanidade, com base em uma nova maneira de analisar os
campos semânticos do texto (em que domínio o autor é um especialista) ("original" em comparação com o
quadro histórico de Pagels ou o campo de estudos psicológicos críticos).
• Perfis psicossociais de nossos antepassados e deuses criadores.
• Perfis psicossociais dos narradores do Livro de Gênesis.
Desvelando os objetivos divergentes dos Anunnaki: a humanidade como uma combinação com nossos
criadores versus uma raça de servos (veja também o livro de Michael Tellinger)

ÍNDICE
O livro começa por classificar o perfil psicológico dos personagens principais da família Anunnaki real -
aqueles que se tornaram nossos deuses, tirando exemplos das tablets sumérias e do Oriente Médio, para
concluir que todas as nossas falhas humanas foram exemplificadas ao extremo por elas homens e
mulheres; Traça a tendência humana da guerra e da competição pelo poder para a contínua disputa entre os
príncipes reais Enlil, Comandante supremo da Terra e Enki, Senhor da Terra, que eram meio-irmãos e filhos
do rei Anu. Sublinha que Enlil tentou destruir e apagar a humanidade várias vezes, e quase o fez durante o
dilúvio; em contraste, Enki e sua meia-irmã Ninmah foram os únicos a atrair os talentos e o conhecimento
da humanidade e a nos salvar repetidamente de Enlil. O capítulo 2 mostra a sofisticação da ciência Anunnaki
e seu paradigma holístico,
Os capítulos 3 a 6 descrevem a engenharia da humanidade adâmica do ponto de vista genético e cientifico
dos comprimidos sumérios (usando seu próprio DNA misturado com o DNA de um hominídeo), com
Ninmah melhorando cinco vezes o genoma humano e Enki trazendo seus próprios genes, criando humanos
descendência. Eles juntos criaram os primeiros humanos em suas casas como seus próprios filhos, enquanto
as deus Anunnaki tinham inseminação artificial do novo óvulo híbrido-Anunnaki e os aborreceram.
Os capítulos 4 e 5 demonstram uma crítica psicológica e moral dos acontecimentos de Gênesis, como
relatado no Livro, analisando um duplo vínculo claro e uma mudança de responsabilidade dos Deuses para o
Primeiro Casal. Eles mostram a distorção dos últimos textos ao compará-los aos textos sumérios; eles traçam
para os textos bíblicos os atroces danos causados às mulheres pelas religiões institucionalizadas ocidentais,
como a Inquisição de quatro séculos, como exemplo Joan of Ark, queimada como feiticeira e depois
canonizada.
A visão dos comprimidos é geralmente histórica e não moralista, incluindo a seqüência no Jardim em
Edin. As escrituras são fortemente moralistas e culpam os terráqueos. No capítulo 6, Chris Hardy usa a
Teoria dos Campos Semânticos para analisar com grande detalhe o texto-chave do Gênesis e classifica
claramente dois campos semânticos distintos (com valores antinômicos e visões mundiais) expressando-se
como duas estruturas muito diferentes: o Quadro Informativo (paralelizado as contas sumérias) e o quadro
moral (e despótico) (inserido no texto anterior) e claramente pertencente a um narrador (ou narradores)
pertencente a uma cultura muito mais recente.
O capítulo 7 mostra como a nossa sede humana de conhecimento e realização espiritual provém de Enki,
Ninmah e Hermes, dando acesso total ao "conhecimento dos deuses" para indivíduos, homens e mulheres, e
traça as raízes de vários símbolos iniciáticos para eles (tais como como o Ankh, o Caduceus, a Cruz dos
Templários).
Journal of Consciousness Exploration & Research| December 2016 | Vol. 7 | Issue 11 | pp. 1012-
1035
Hardy, C. H., ISS Theory: Cosmic Consciousness, Self, and Life Beyond Death in a
Hyperdimensional Physics Article

http://cosmic-dna.blogspot.com.br/2017/03/iss-theory-cosmic-consciousness-self.html

ISS Theory: Cosmic Consciousness, Self, and


Life Beyond Death in a Hyperdimensional Physics
Chris H. Hardy, PhD[*]

Abstract
The Infinite-Spiral-Staircase Theory (ISST) posits a hyperdimension of consciousness populated by faster-
than-light, high-energy, sub-Planckian sygons pervading the pluriverse. This HD is in fact triune, a braid of
hyperspace (Center, C), hypertime (Rhythm, R) and consciousness (Syg, S), topologically organized as a
double phi-based golden spiral set on a double BlackHole- WhiteHole Kerr system. Within the Terminal
Black Hole of a parent universe, all matter-systems are translated into pure CSR information or syg-fields
steered by the sub-quantum sygons; and through the White Hole at the origin, these syg-fields are
translated back from virtual sygons into post-Planck particles and matter systems, still retaining the sygons
as a 5th dimension at their core. ISST builds on the Semantic Fields Theory (SFT) in modeling a semantic
layer of organization in all systems—their syg-fields (semantic fields) ranging from proto-consciousness to
self-consciousness. As human beings, our mind or consciousness is our global syg-field, organized in
dynamical networks and steered by syg-energy—the sygons (Hardy 1998, 2001, 2003). The ensemble of all
syg-fields form the cosmic CSR hyperdimension of consciousness, as a gigantic hologram, self-conscious and
evolving.
Positing a consciousness-HD layer in the universe leads to envision a new paradigmatic stand in philosophy
as well as in physics. The syg-HD operates clearly beyond-spacetime and is a beyond-matter layer (thus in
accord with dualism); yet, given that consciousness-as-process is steered by the sub-quantum sygon
particles, the syg-HD is definitely a blend of energy and mind (as in monism/materialism). Thus ISST
reframes the mind-body split in a complex dynamical network systems’ framework, as a consciousness HD
existing at a sub-quantum scale in all matter systems (thus setting a type of panpsychism), and also as a
bulk in its own CSR-HD region.
At the scale of the pluriverse, the spacetime regions of specific universe-bubbles are constantly birthed
and then die. The HD preexists and survives to these matter regions in the BH-WH double spiral, and
pervades them during the life of a universe.
In a consciousness-HD (syg-HD) framework, consciousness and our mind—the syg-field—operate mostly
via the HD, and only a small part of our syg-field is branching into the brain’s neuronal networks. It is
because the Self and the mind belong to the syg-HD that they instantiate psi capacities, high meditation
states, and some independence from spacetime. In this framework, death is just the severing of links to the
brain-body and the Self, at death, becomes fully independent from the body and enjoy (in the HD layer) the
same intelligent, creative, and individualized capacities as when embodied, yet with greater psi capacities.

Keywords: Consciousness in the universe; cosmology; hyperdimension; panpsychism; psi;


survival after death; post-materialist paradigm.

INTRODUCTION: ADDRESSING COMPLEXITY AND A MULTI-LAYERED REALITY, THE NEW PARADIGM


IN SCIENCE

While physics has been plagued by four centuries of materialism, psychology and philosophy were, during
that same period, trapped into the insoluble antinomy between idealism (mind wholly different from
body/matter) and materialist monism (mind as a by-product of body/brain); in the mid 20th century, the
materialist paradigm became enforced in science.
My theoretical stand in Semantic Fields Theory (SFT, Hardy 1998) was that both positions—materialism
and dualism—are lacking, something amply demonstrated by the fact that the mind-body split could never
be resolved and that the qualia couldn’t be accounted for unless one takes a first-person subjective
perspective. In brief, we need a new paradigm. But there is also an arduous problem arising from these
two positions’ links to the two contending frameworks of physics—Relativity founding a perfectly ordered
and causal spacetime, and QM instating indeterminacy at the quantum scale (with materialist monism
espousing the causal and local one, and dualism partly so). As I argued in a 2001 article, at a certain
threshold of complexity, causality and determinism break down. The complexity of neuronal networks in
the brain, and that of multilevel webs in the mind and social interactions, demanded that we move beyond
causality and determinism and postulate instead instantaneous or synchronistic inter-influences between
complex semantic systems (such as minds or social groups). These could also imply retrocausality, that is,
the influence of future events on past ones, as well as nonlocal proactive effects—modifying the future
environment with intentions, a sort of proactive PK, as proposed in a Retrocausal Attractor modeling
(Hardy 2001, 2003).

I. JUNG AND PAULI’S MIND-MATTER DEEP REALITY

In the 1950s, Carl Jung’s work, discoveries, and his depth psychology, started to fully impact both the
scientists and the public. One discovery was the concept of collective unconscious—a lattice of collective
psyche connecting all human beings unconsciously (via their personal Self) with the planet (thus
nonlocally); of course, this was clashing with biology and materialism viewing mind as local, i.e. contained
in the ‘space’ of the brain (Hardy 2015c, JCER). Let’s clarify that for Jung the personal unconscious has a
subject—the Self—(just as the ego or ‘I’ is the subject of the conscious), and that the Self is a
supraconscious entity, having access to the immense knowledge of the collective unconscious and able to
guide the individual Self. Another concept was that ofsynchronicity as “spontaneous, meaningful
coincidences” and connections at a distance, that he deemed “trans-temporal and trans-spatial,” that is,
nonlocal (Combs & Holland 1995; Peat 1987; Hardy 2004). Moreover, Jung’s definition of synchronicity
made clear references to psi: in his book Synchronicity (1960, pp. 109-110), he defines three types of
correlations between the mind’s content and an event: “The coincidence of a psychic state in the observer
(1) with a simultaneous, objective, event; (2) with a corresponding (…) external event taking place (…)at a
distance, and only verifiable afterward; and (3) with a corresponding, not yet existent, future event.” Thus
case 2 refers explicitly to clairvoyance, while case 3 refers to precognition. With physicist Wolfgang Pauli—
one of the pioneers of QM—they stated in their fascinating correspondence that synchronicities
were acausal phenomena, instantiated by a deep reality, in which mind and matter were blended; the
name came to Pauli in a clear dream featuring this “deeper reality” at a scale below quantum fields and
distinct from them (Pauli & Jung 2014; Hardy 2015, pp. 89-92).
This layer of deep reality, they postulated, was a psyche-matter medium in the universe, at a
subquantum scale—a layer in which mind and matter were deeply enmeshed and merged. The
synchronicities would be springing from, and expressing, this underlying connective lattice. Based on his
clinical experience and the science of the Ancients (alchemy, mysticism, Greek and Middle-Ages
philosophy), Jung referred to this deep layer (as the Ancients did) as “The One world” (Unus Mundus in
Latin) or the “world soul” (Anima Mundi in Latin): “We have all the reasons to suppose that there must be
only one world, in which psyche and matter are one and the same, and in which we establish distinctions
for the sole purpose of knowing,” says he in his autobiography Memories, Dreams, Reflections (Jung 1965).
Jung and Pauli posed acausality (instantiated by synchronicities, the unconscious, and the Self) as a
fundamental principle equal in strength to causality, but working through instantaneous meaningful
interconnections, thus outside of time or space constraints.
As we’ll see, the syg hyperdimension of consciousness (syg-HD) postulated by ISST fits perfectly their
definition and accommodates the types of nonlocal processes that they listed as belonging to the deep
reality, such as psi, the quantum entanglement, and the spin complementarity – Pauli’s law of spin (Jung &
Pauli 1955).

II. HYPERDIMENSIONS, MAJOR PHYSICS PARADIGMS & THE INDEPENDENCE OF MIND-SOUL

II.1. Hyperdimensional physics neither determinism nor indeterminacy

Physics has been seminal in showing us that the setting of any problem in an either-or logic is bound to fail.
This is what happened during the nearly 230 years of debate between the proponents of light as waves
(interference patterns) and those of light as particles (quanta and photons). From Huygens opposing
Newton in 1678 to that of Young’s 1801 famous double-slit experiment demonstrating wave-interference
patterns (and still to our day spurting out unsolved paradoxical results), to Einstein solving the
photoelectric effect by light quanta in 1905—both schools could cite successful experiments proving
clearly that their theory was supported by facts. The ultimate solution had to be a leap into a paradoxical
framework—light was both waves and particles—a leap achieved by Louis de Broglie (1939) in his 1926
doctoral thesis, when he posited that all particles (such as electrons) are driven by what he called a pilot
wave; soon followed by David Bohm who developed his own Pilot Wave theory (Bohm 1980, Bohm & Hiley
1993).
Yet physics once again fell in the grip of a dual competing logic, when it became clear that Einstein’s
Relativity (instating causality) was validated at the matter and spacetime scale or region (and the 2016
discovery of gravitational waves was its latest acclaimed success, see Hu & Wu 2016); yet, the quantum
indeterminacy posited by QM was validated at the quantum vacuum and Zero Point Fluctuations (ZPF)
scale. What was the reality of the universe then, and how could we ever get a picture of the whole
universe—the Unified Field theory physicists are progressively building since Einstein spent in vain the last
decades of his life looking for it? To do that, we had to make a leap toward hyperdimensional physics—a
solution implemented as early as 1919 by Theodor Kaluza, soon joined by Oskar Klein in 1926.
Let’s ponder a bit the crucial entanglement problem and EPR Paradox. Einstein rejected at first QM’s
indeterminacy (as posited by the Copenhagen or Bohr’s interpretation), because he didn’t want to let go of
causality equated with order (“God doesn’t play dice,” said he). And this is why, with Podolski and Rosen,
he proposed the famous EPR thought experiment to disprove QM. Yet Alain Aspect’s experiments in 1982
(1982a, 1982b), using Bell’s theorem protocol, brought a solid proof of the entanglement of paired
particles and their correlation at such great distances that it forbade a signal transmission through space.
Thus the entanglement was definitely shown to be beyond spacetime, that is, nonlocal. As John Bell stated
it (disproving Von Neumann’s previous argument), theories proposing nonlocal yet causal dynamics (such
as de Broglie’s and Bohm’s pilot waves driving particles’ behavior) could thus be a viable solution. The
unnerving point is that, as history has it (based on Von Neumann’s faulty but resilient argument), both QM
and indeterminacy (as opposed to causality) were proven by Aspect et al. (1982a, 1982b) and other EPR-
type experiments. Yet the entanglement conforms to Pauli’s Law of Spin (or spin complementarity) for two
entangled paired particles—that the sum of their spins always has to be equal to zero. Therefore, if an
apparatus changes the spin of particle A (e.g. with a mirror) from +1/2 to -1/2, the paired particle B, even
already as far as the moon, has to shift instantly from spin -1/2 to +1/2. That’s what Aspect proved. Thus
the entanglement, as a global dynamics driven by the Law of spin, is a clear contravention to
indeterminacy, and to the opposite, it definitely is a nonlocal type of interconnection or influence. Then it
can be modeled as an acausal or synchronistic process (as Pauli deemed it) or else as driven by a formal
cause—an influence due to a more global organization, as in Aristotle’s 4 causes and as opposed to
material or billiard balls causality—such as Rupert Sheldrake’s (2009) morphic fields. (The indeterminacy,
nonetheless, remains at the level of each particle having such or such spin.) So that, in either case, it falls in
the category of the nonlocal hidden variables (i.e., unknown causes or processes).
When Jung and Pauli defined synchronicities as acausal processes, it meant they instantiated a wholly
different organization than material and sequential causality—a new universal principle of
interconnection beyond spacetime, and as fundamental as causality. Then we are back to HD physics as the
most probable explanation, and the only viable one at the present, given that materialist monism, positing
a one-block spacetime, is out of the question, and given that dualism doesn’t offer a real foundation or a
substrate for consciousness in the matter and biological universe.
Since the mid nineties, I developed the Semantic Fields Theory (SFT) that postulates mind and Self to be
complex dynamical networks coupled with the brain’s neuronal networks but being nevertheless able to
operate independently and beyond Newtonian-Einsteinian laws; for example, experiments show that psi
violates EM inverse square law, and even linear time. In SFT, all systems and beings have semantic fields
instantiating a layer of consciousness/sentience (from a proto-consciousness to a self-referent mind), and
these can thus be part of a HD organization as posited by ISST (Hardy 1998, 2015). Semantic fields are
steered by instantaneous network connections based on meaning and an index of semantic
proximity (meaningful and affective resonances and links). These instantaneous network connections (that
I call spontaneous linkage process), are also the basis of our mostly unconscious thought process (Hardy
1998, chap. 4). This connective dynamics based on links and meanings instead of causal chains, in my view,
is the way synchronicities work; and ISST now clarifies the nature of the (semantic) syg-energy creating
these connections, as being the HD sygons.

II.2. Hyperdimensional physics: only way to unify QM, GR, and the 4 forces

Theodor Kaluza, in positing a 5th dimension, showed that only hyperdimensional (HD) models could unify
the four forces (Brandenburg 2011, Kaku 1994, Witten 1981). In 1919, Kaluza rewrote Einstein’s equations
with a 5thdimension, which was a 4th dimension of space—a hyperspace, best represented by a hyper-
structure like a hypersphere or a hypercube (also called tesseract), like the one in Christopher Nolan’s 2014
movie Interstellar. (See Figure 1)
Fig. 1. A tesseract or hypercube. (a) Creator: Robert Webb, using Stella software. Find it at
http://www.software3d.com/Stella.php
Credit: Wikipedia Commons. (b) Extracted by CHH. On YouTube “Unwrapping a tesseract”
(0’47”) https://www.youtube.com/watch?v=BVo2igbFSPE)

Kaluza’s solution produced both Maxwell’s EM field equations and Einstein’s field equations for gravity,
plus a mysterious scalar field he called the radion. John Brandenburg (2011, p. 197) comments: “The
boundary between geometry and forces was now gone, EM was geometry in five dimensions, and gravity
was a force. The fields could now be unified.” Then the mathematician Klein (best known for his Klein
bottle) calculated that the 5th dimension not only had a physical reality, but was compact, that is, curled up
in a tiny circle, the radius of which was Planck length (of about 10-33 centimeters). Klein’s equation thus
integrated Planck constant, and now, astonishingly, the equations of QM could be derived from it. The
Kaluza-Klein theory (KK theory) was at the time overshadowed by the rise of QM, but it became forefront
research in the nineties.
Several theories propose a hyperspace (5th extra dimension) in compactified or warped models (5thD
extremely small, curled up) or in an extensive form called a bulk; the leading one by Lisa Randall and
Raman Sundrum (1999), within a string theory framework, and called the Randall-Sundrum (or RS) model,
implies a 5-dimensionalwarped geometry, and comes in two versions, one with a bulk. In the bulk RS
model, the 5D bulk surrounds two branes, the Planckbrane (on which strings are 10−33 cm in size, the
Planck length), and the Tevbrane, our 4D world (16 orders of magnitude higher, at 10−17 cm). Also, various
superstring theories (9 or 10 D) pursued the integration of the four forces and were unified by Edward
Witten into M-theory (1995), positing a multiverse with 11D, elaborated upon by Susskind (2003).
II.3. A hyperdimension of consciousness: integrating psi and psyche with physics

Just like in physics the only way to integrate QM and Relativity (the 4 forces) is by adding extra dimensions,
so the only way to integrate consciousness with physics is by postulating a hyperdimension of
consciousness that would then be blended to the physics hyperdimension. This solution is also required by
the fact that a gamut of mental and psi processes operate beyond spacetime and cannot either be founded
on indeterminacy since they are driven by meaning (see Bem 2011; Mishlove 1997; Mitchell
1996; Nelson et al 1996; Radin & Nelson 1989; Target al 1979.) Therefore they can only be grounded by
positing a hyperdimension of consciousness—one that would, just like hyperspace in the Randall-Sundrum
bulk model, surround and contain the 4D spacetime universe. Bernard Carr (2007, 2014) proposes a
hyperdimension based on sheets (2D brane surfaces) to account for consciousness (mainly in its perceptual
and psi facets).
While SFT and ISST postulate a type of panpsychism, some may question ISST’s solution consisting in
integrating consciousness with physics in a single physics paradigm that, nevertheless, is not a monism
(even a dual-aspect one). Let me clarify my own position.
Physics cannot anymore tolerate having two distinct sets of theories reflecting contradictory
paradigmatic stands—spacetime causality versus quantum indeterminacy; it has worked ceaselessly to
bridge the gap, pursuing Einstein’s grand vision of a unified theory. Following the same logic, we cannot
any longer allow to have two paradigmatic stands to account for the whole universe—one physics-based
and the other addressing the reality of the mind (and awareness/experience). And even less so to have so-
called Theories of Everything (TOEs) accounting for a matter-only universe (but not accounting for
awareness of that matter-only universe), especially when the latest data show that ordinary matter
(particles, atoms, stars and galaxies) amounts to only 5% of the total energy of this universe.[†]
Jung and Pauli laid the foundation for such a unified theory of a mind-matter universe. They observed
and modeled a region, or deep reality, in which mind and matter were merged. The Self and the collective
unconscious bathe in this deep reality, in which acausal instantaneous meaningful connections are the
prominent dynamics (as in synchronicities). ISST postulates this deep reality to be a triune hyperdimension
(hyperspace, hypertime, and consciousness). Both models (rather complementary) have an impact on the
question of life after death. But first let’s review the survival question in the light of the main actual
paradigms.

II.4. The survival question within major physics and philosophy paradigms

Let’s note first that the question of a consciousness living or dwelling in an extra dimension is much wider
than just our survival beyond bodily death; it has also an impact on whether any entity (intelligent or not,
in any galaxy or any region of the pluriverse or multiverse) may inhabit another manifold than our 4D
spacetime. For example, do fifth or eighth dimensional beings exist, the way they have been pictured in
various movies, such as W.D. Richter’s The Adventures of Buckaroo Banzai Across the 8th Dimension (1984)
or Christopher Nolan’s 2014Interstellar? Could some intelligences dwell in an unfathomable hypertime?
Could immaterial spirits such as fairies or angels have some reality?
It has always been recognized that in our materialistic-reductionist monist paradigm in which only
matter is considered to be real, no survival of the soul, nor any immaterial or extradimensional being, may
ever exist. The argument is that since mind or consciousness cannot function independently from the
brain’s neural networks or space localization, then it doesn’t exist without it and the death of the brain-
body means the death of its captive mind. However, with 95% of the total energy of the universe being
non-matter—either dark matter or dark energy whose nature is still an enigma—the materialist paradigm
has suddenly become, at the turn of the century, somewhat of an antiquity. As for Cartesian dualism, with
mind being a totally different substance than matter/body/brain, of course non-matter entities (souls or n-
dimensional beings) are allowed and therefore the survival of bodily death as well. However, dualism has
failed to give a satisfactory ground for the observed two-way interactions of mind with the brain-body. As
for, idealism, it has no explanatory power either, being too weak at explaining consciousness without a
material body, and it has clarified neither the nature nor the processes of individualized thoughts and
experiences.

An interesting solution is that of Rupert’s Sheldrake morpho-genetic fields: a theory positing that fields
of form (morphic fields), of a nature different from the biological and matter systems, would in-form these
systems (and even behavioral and mental processes) via morphic resonance, acting as the memory of a
type or family of systems and guiding their morpho-genesis (thus along memorized paths). Morphic fields
would then be akin to a formal causation (one of Aristotle’s four causes). Let’s note that Sheldrake and
other scientists have conducted successful experimentations that lend credit to the existence of such non-
matter fields guiding the organization of biosystems or the psyche (Sheldrake 2009).
Let’s see now the two contending paradigms in physics. Each one of them, taken alone, is a dead-end
just as far as a viable and evolving universe is concerned. How much more about one in which intelligent
beings like us—not even to mention n-D beings—could dwell!
(1) A fully deterministic universe, run by spacetime laws (Relativity framework), doesn’t allow the creation of
novel organization, of diversity and transformation in matter- and bio- systems. It doesn’t lead to evolution
and innovation in nature (not even to the Darwinian selection or simply the favoring of the fittest), nor to
creativity and choice, and even less so to free will and consciousness!
(2) A fully random and indeterministic universe (QM framework) wouldn’t even allow a spacetime or any law
whatsoever to exist—even less so intelligence! (We have to grant that intelligence leads to innovation and
thus the creation of order.)

In order to give a foundation to the evolution of matter- and bio- systems, to conative processes
(intention, will…), to choice, creativity and consciousness, we need a layered and complex universe, one
favoring the interplay of (1) fixed laws (spacetime), (2) stochastic processes (randomness at the quantum
scale), (3) nonlinear dynamics (chaos theory) leading to the creation of novel organization, and lastly (4) a
dimension of sensitivity, choice, intended behavior, and intelligence, in a word, consciousness—all
intermingling and interacting. In brief, to simply get to an evolving universe allowing intelligence to
blossom, we need some leeway from set laws (in the form of diversity, chaos, divergence, change), and a
selective or intentional ordering of this chaos and diversity—at the minimum as a
Darwinian favoring or selection within life forms, at best as basic intelligence.
But now, if we want to have also the types of nonlocal processes we observe (1) in psi (communication
and influence beyond brain localization and beyond spacetime laws), (2) in the unconscious (archetypes
and Self guiding the ego and providing information), and (3) in some physics dynamics—such as the
entanglement, faster-than-light speed during the inflation phase, etc. (Guth 1997)—then we need to posit
a hyperdimension—not only as hyperspace (and possibly hypertime), but also as a HD of consciousness.
And within a physics+consciousness HD (that gives a foundation to all nonlocal processes, whether
physical or mental ones), then the nonlocal part of the mind-psyche can dwell and live as a self-conscious
and evolving entity, autonomous from the body with which it was coupled. Thus, given that all semantic
fields (the Selfs or sentient entities) of beings and systems belong to, and exist within, the semantic or Syg
hyperdimension, ISST postulates that the death of the body/brain does not entail the death of the
hyperdimensional Self. To the contrary, the syg-field acts as an informational, sentient or self-conscious
field—as a Syg HD field (hyperconsciousness), coupled with a morphic field (Center HD or hyperspace), and
a frequency field (Rhythm HD or hypertime). The triune HD allows evolved self-referent systems such as
human psyche-minds to not only keep on living beyond the death of the body, but to do so as self-
conscious cognitive entities (the Self or soul), endowed with volition, intention, autonomy, and able to
learn and evolve. Furthermore, the HD gives them access to greater nonlocal cognition and psi capacities at
large. While the ensemble of all the Selfs (of all cognizant individuals) form the collective or cosmic
consciousness that is the triune HD (Jung’s Anima Mundi or collective unconscious), the individualized Selfs
maintain their own individuality and personal sensitivity, experience, knowledge, memories, mode of
thinking, network of relations, emotional bonds, etc. This, whether having an actual body in 4D spacetime,
or after the death of this body.
Ironically, a triune hyperspace-hypertime-consciousness HD also solves the dualism-monism
conundrum: mind and consciousness are different from spacetime as in dualism, and yet they have an
energy component—something that can always be translated in virtual mass—as in materialist monism.
Moreover, this HD (in ISST) is pervading all matter systems by being at their very core, and is thus strongly
coupled with them, and yet autonomous. This, of course, is in agreement with Gödel’s (1992) theorem—
that the coherency (self-consistency) of a system can only be founded on a more global level than that of
the system itself. In brief, the self-consistency of spacetime can only be founded on an extra-dimension.
Let’s turn now to the framework postulated by ISST.

III. ISST: COLLARS OF UNIVERSES EMBEDDED IN THE HYPERDIMENSION

III.1. The Infinite Spiral Staircase Theory (ISST)

The Infinite Spiral Staircase Theory (ISST) postulates a hyperdimension (HD) at the very origin of the
universe, that would have contained all the information about myriads of systems optimized in previous
universe-bubbles (UBs), as a cosmic DNA, this information being the blueprint of matter- and bio- systems
that would then, due to their nonlinear dynamics, evolve during our universe-bubble timeline as new types
of systems.
This hyperdimension is both consciousness and a topological order (geometric or rather, geodesic) in
the form of a spiral driven by the logarithm of phi—thus a golden spiral. A golden spiral embeds, at each
quarter of circle, a specific radius (and thus frequency) following the Fibonacci sequence, each radius being
a multiple of phi = 1.6180). This sequence is infinite, and thus the Infinite Spiral Staircase bears a quasi-
infinite set of frequencies (or frequency spectrum) starting from the virtual infinite (at the X Point of origin)
down to Planck frequency (happening at 10-43 second of the universe). At the Planck scale (the first
quantum), the frequency of the universe is about 1043 hertz (Planck frequency is precisely 1.85 × 1043 s−1),
which means that the quantum-scale universe vibrates more than 1043 times in one single second. How
much more near the X-Point, where this frequency tends to the infinite. It’s only after Planck’s scale (acting
as a threshold), with the frequencies getting lower, and the radius (and wavelength) of the universe larger,
that particles, space, time, and thus causality are allowed—and all the Standard Model particles will appear
in due order, starting with the Higgs boson, and they will acquire mass while crossing the Higgs field. ISST
calls this region the Quantum-Spacetime or QST manifold, driven by QM + Relativity. In contrast, the
hyperdimension exists before and below Planck scale, this HD thus occupying the pre-spacetime, at a sub-
Planckian or sub-quantum scale. Many physicists have argued that the laws acting before Planck scale (still
unknown) are of a different order than the ones we know are acting beyond it. Yet Stephen Hawking
(1988, 2003) predicted sub-Planckian wavelengths inside a Black Hole’s (BH) event horizon, in an argument
referred to as the Trans-Planckian Problem. And John Brandenburg, following Erik Verlinde (2010),argues
that gravity can be fundamentally tied to entropy as a cloud of states (an entropic state-space) above
Planckscale, and that this co-dependence makes it necessary that it be founded on a sub-Planckian cloud of
states, or frequency spectrum, thus giving some weight to the ISS’ frequency spectrum (Brandenburg &
Hardy 2016). Let’s note also two theories postulating a constant death and rebirth of the universe:
Penrose’s (1989, 2010, 2014)Conformal Cyclic Cosmology that resets entropy at each new origin, and Lee
Smolin’s Fecund Universes Theory(1997) positing that massive black holes (issued from dead stars) may be
the seed of budding universes, which would retain some of the parameters of their parent universe.
However, neither Penrose nor Smolin postulated a hyperdimension (and even less so a consciousness HD).

III.2. A triune HD as hyperspace-consciousness-hypertime

In ISST, the HD is triune: firstly the immense set of frequencies forms (by phi) the HD of time—hypertime—
spread in virtual space along the steps of the spiral; secondly, the set of radii produces (by pi) the bows
(quarters of circles) of the spiral, and thus forms hyperspace as a curved line, thus time-like. Hermann
Minkowski, modeled the light cone in 1908 (using Special Relativity), as a hourglass in
which events/particles (at the center or present time) have straight worldlines running into the future (top
cone) and from the past (bottom cone). Outside of the double-cone is the Elsewhere (beyond spacetime),
in which time is space-like (extended), and space is time-like (a line). The cosmic ISS, as HD, presents a
space-like Hypertime and a time-like Hyperspace; but it adds another dimension: an HD of consciousness,
the semantic or syg-HD, which is the whole spiral itself and its immense databank as a set of frequencies.
Thus, the language of the cosmic hyperdimension is music, and its dynamics are basically spins and
resonances, waves and interferences, “spin networks” and “loops” (as in Smolin 1997; Sarfatti 2006)—
myriads of meaning-driven networks of frequencies (as closed, spinning, strings) that will form the seed of
the syg-fields expressing (coding for) all systems existing in our universe-bubble.
This is why hypertime is called Rhythm-Rotation (R), and hyperspace is called Center-Circle (C), and the
semantic/syg HD is called (S). Thus the ISS is embedding the creative dynamics of pi and phi—two non-
finite numbers. HD Center is the dynamics of the center (or node) creating its circle (via pi) to set the
organizational closure of its own system—and in the process it creates the identity of a specific system (a
property that will be essential in our 4D region, as systems and chaos theories have shown). As for HD
Rhythm, by oscillating, each bow puts its circle/torus in rotation and creates a sub-quantum wave-particle
carrying its own frequency, a sygon, that, due to its entanglement with HD Syg and HD Center, is a
semantic system by itself. The sygons will be propelled from the ISS by its initial thrust and energy and will
create our whole universe-bubble with its two regions, the HD bulk and the quantum-spacetime or QST.
As we know, any frequency is a wave and thus a virtual string/particle; and since we are in pre-spacetime,
the virtual particle is sub-quantum of course, but it has also a speed immensely superior to C (the speed of
light limit being effective only within the QST region). Thus all bow-frequencies of the cosmic ISS are
ejecting faster-than-light (FTL) sygons (and networks of them) endowed with the properties of the CSR HD,
notably, information and consciousness.
The ISS spiral at the origin is a White Hole (WH) issued from the Terminal Black Hole (BH) of the previous
universe-bubble. This double BH-WH system has been modeled by Roy Kerr (1963); it has an hourglass or
X-funnel shape (hence the name I give to the origin, at the center of the hourglass: the X-Point).
As the WH starts erupting from the Terminal BH (TBH), the spiral staircase unfolds (and enlarges) at
blinding speed and ejects myriads of sygons whose wavelengths get larger and larger, while their
frequencies decrease. The first and highest frequency sygons (called Free Sygons) will launch the bulk of
the HD—as a large and curved region, probably spindle-shaped. When the sygons’ size reaches Planck
length, they will start interfering and creating a foamy lattice—the Higgs field—and later and bigger sygons
will take on mass while crossing it, becoming the particles of the Standard Model. Yet all particles of the
QST region retain at their core the sygons, as a sub-Planckian, compact and curled-up hyperdimension.
These particles will create the spacetime region as they dart along, propelled by the ISS initial energy, itself
issued from the TBH—starting with the first wave of neutrinos (the decoupling of the neutrinos happens
within the first second), then the photons wave (the photons’ decoupling, within the first 2 minutes) will
illuminate spacetime and leave the relic radiation or CMB, the Cosmic Microwave Background that we
detect now at about 370,000 years after the Big Bang.
These first waves of particles will form the spacetime region (as a spindle or near cylinder) within the HD
larger region, with the vacuum and zero-point-fluctuations (ZPF) as a membrane demarcating the two
regions—QST and CSR HD. (Such a complex boundary membrane has been modeled by Jack Sarfatti, 2006)

III.3. The sygons in-forming the syg-fields (consciousness) in complex systems

The sygons are consciousness-as-energy, semantic or syg-energy belonging to the CSR hyperdimension.
They are able, via the HD Rhythm, to interact instantaneously and exchange information between the
systems they dwell in. They constitute and drive (via HD Center) the self-organization of the syg-fields of all
systems, whatever their complexity (from a proto-consciousness to a mind). All systems within spacetime
have syg-fields, that are their self-organizational dynamics and information, and their identity as systems.
And the syg-fields of all systems (whether a rock, a tree, a person, or a planet) (1) are conscious, (2) embed
the whole evolving information about this system, and (3) form the HD of this system. This is of course the
foundation of the panpsychist view of ISST.

At the human individual level


For human beings, syg-fields are the whole dynamical semantic network of the person (intelligence, mind-
psyche-body organization, self-consciousness, memory, emotions, skills, etc.). Human syg-fields are
complex dynamical networks, multilevel, that comprise myriads of semantic constellations, each steering a
set of cognitive acts in a specific domain of activity (such as driving, reading, etc.), each being network-
linked to associated, co-evolving, constellations (Hardy 1998). The syg-fields belong to the CSR
hyperdimension, yet each constellation is coupled to all neuronal, physiological and somatic systems
needed for its functioning in the 4D world. The dynamics are based on meaningful connectivity and
networking, on parallel and multilevel processing, rather than on hierarchy (top-down) and commands as
in dualism.
For us human beings, our syg-field is our whole individualized consciousness field/network, that is, our
mind and semantic dynamics + psyche + body consciousness + our relational and interactive network. The
Self is the supraconscious subject of our syg- field, while the ego (the ‘I’) is the subject of our ordinary state
of consciousness, the one taking care of our social interactions (Jung 1960, Tart 1969). The distinction Self-
ego (whatever the terms used) is the basis of many inner, initiatory, hermetic, mystic, spiritual, and
religious paths of knowledge—defined as a striving to harmonize oneself with our higher or spiritual Self
(soul, atman, Ka…). And in ISST, this makes a lot of sense if we understand that the ego-consciousness is
mostly centered on the social and physical world. In contrast, the Self (via the syg-field and the sygons) can
have access to the collective consciousness and the capacities allowed by the hyperdimension—meditative
and spiritual states of consciousness, psi communication at a distance in space and in time, influence on
bio- and matter- systems such as healing, connection to the collective unconscious and its immense
accumulated knowledge… In ancient cultures such as the shamanic ones (covering Aboriginal and Siberian
ones and most African, Native American and South American ones, and also pre-buddhist Asiatic ones, as
well as in eastern religions, alchemy and esoterica, we know that a gamut of practices have been
developed in order to reach or operate within the “spirit world” or dreamtime (e.g. the shamans’ out-of-
body trance, the possession trance), or to achieve this ego-Self harmonization (e.g., the nagual or Eagle
consciousness in Yaqui culture, samadhi meditation states and yoga paths, mystical fusion states in
Christianity and Islam)—many of these paths of knowledge said to lead naturally to the awakening
of siddhis or psi capacities such as clairvoyance, prediction, healing. (Let’s note that the field of
psychological anthropology acknowledges that most ancient cultures, as its pioneer Erica Bourguignon
(1976) observed it, had a form of trance, and these are sorted out as either shamanic (intentional and
volitional conscious trance) or else possession cults (impersonation of spirits without self-consciousness
within the trance.)

At the collective and cosmic levels


Carl Jung has defined the collective unconscious as a sort of lattice or medium of communication among all
human psyches (and their subject the Self), in which archetypes—collective psychic blueprints (such as that
of heroes) endowed with consciousness and an immense “psychic energy”—may influence the psyches of
individuals attracted to them. Yet, on the one hand, Jung integrated the animals and plants in this
collective unconscious, in an alchemical way, for example as symbols and archetypes (expressing the
guidance of the Self), or else as animal or plant souls—a perspective that concurs with that of the shamans
on sacred plants and animals, viewed as self-conscious and able to guide and teach individuals on a quest
(for example in South and Central America). On the other hand, the collective unconscious, as Anima
Mundi, partakes of a sort of supra-consciousness (as an entity, a whole, being more that the sum of all
psyches/Selfs constituting it) that Jung deemed trans-temporal and trans-spatial, thus definitely nonlocal,
and the stuff of the deep reality that, with Pauli, they explored at a later time. And there, we meet the
concept of an extra dimension.
In ISST-SFT, the part of the psyche that is not strongly coupled with the brain-body and contains all the
information is the HD syg-field (whose subject, or organizing self-consciousness, is the Self). The syg-fields
of all individuals and all systems form a hyperdimensional collective consciousness at a planetary level
(collective unconscious, Anima Mundi), fueled by syg-energy, and in which the linked or resonant syg-fields
(the personalized mind-psyches) keep interacting and exchanging qualified information (via the sygons).
Let me note that when viewed from the perspective of the ‘I’ or ego involved in the social and material
spheres, his/her own Self and syg-field are relegated to the unconscious; it is mostly with a self-
development, shamanic, or yogic, path that the Self or Atman may become part of conscious awareness.
(The leap from SFT [1998] to ISST [2015] consists in modeling the syg-fields and the semantic dimension as
a HD, and syg-energy as HD sygons.) And at the cosmic scale, the CSR HD is the ensemble of the syg-fields
of all systems (matter-, bio-, or just HD systems) in our universe. This is why the HD is not only self-
conscious but quasi omniscient in this universe, and why it is a collective and evolving Anima Mundi at the
cosmic scale, system-linked to all its components syg-fields (all minds and all systems’ psyches). As a
consequence, any syg-field with enough syg-energy may have an influence on any group of syg-fields (e.g.
a society, a planet), or even theoretically on the whole.
This is in total contrast with a creator god who would be of a different substance than his
creation/creatures and would only issue commands, and with a one-time-created and non-evolving
creation. (Note the parallel in logic with the dualist framework of a mind only issuing top-down commands
to the brain-body.) In ISST, not only each psyche-mind is a personalized and meaning-generating part of
the hyperdimension, but the evolution of the whole—The One—is instantiated by the evolution of all its
parts—the individual syg-fields of all systems, each a self-conscious and free creative entity. Now, since
syg-fields are networks and use a connective dynamic based on meaning, the syg-field itself (e.g. that of a
human being), as a system, is already a collaborative, dynamic, self-organized and constantly evolving, self-
creation. The cosmic HD is just the same type of semantic dynamical system at the cosmic scale—
its body being the matter region of the universe, that is, the QST. Thus, the cosmic consciousness is
constantly evolving because its component systems —the individualized syg-fields/minds—are in a
permanent creative evolution by themselves. In ISST, the cosmic consciousness is only the ensemble of all
the Selfs of all beings and systems—it is a One-Plural, a multifaceted holographic self-conscious system, yet
an entity who is more than the sum of his/her parts but who evolves via his/her self-conscious parts (the
syg-fields). Moreover, being beyond spacetime and nonlocal, the self-conscious cosmic HD knows the far
past as well as the future and its lines of probabilities. The trends toward specific probable futures are
constantly reorganized with the real time creative input of all beings and minds of all intelligent
civilizations (via their syg-fields). So that the cosmic anima is, like us, an individual constantly self-creating
and self-organizing her/his mind and mindscape with intelligence, creativity, sensitivity and art, and
through myriads of connections with other syg-fields and their environment. Yet, as a One-Plural, her/his
knowledge and capacities are more that the sum of the minds-psyches composing it, and therefore we can
expect that she/he is endowed with wisdom and hyperconscience.

ISST: On the ontological side


(1) The global systemic and holographic framework of ISST is that the triune hyperdimension (CSR HD)
preexists the spacetime region (QST) and gives birth to it, thus forming a collar of universe-bubbles (Figure
2). So that a universe-bubble like ours consists of a CSR HD preexisting, then birthing, surrounding, and
pervading the QST region whose boundary is the quantum vacuum and Zero Point Fluctuations.

Fig. 2: A collar of universes: The CSR hyperdimension existing in the Phi-based spirals in a
BlackHole-WhiteHole system,
and surrounding the QuantumSpacetime (QST) region.

(2) The information-seed of all systems evolving in spacetime is transmitted from a parent universe-bubble
via the cosmic CSR HD (acting as a cosmic DNA) via the ISS’ immense data bank at the origin. Therefore,
there is nocreatio ex nihilo (creation from nothing), and no personalized divine creator as totally different
in substance from his non-divine creatures. In contrast, all beings have a HD Self (or soul) and their
ensemble constitutes the collaborative cosmic hyperdimension. Then all beings and even matter systems—
all having a HD syg-field—not only partake of the One-Plural, but continuously in-form or create the Whole
who has given birth to them. It is a sort of self-creating consciousness loop at all scales.
(3) The self-creating, self-organizing, and self-conscious cosmos is neither deterministic nor random; but
rather the creative interplay of both, plus nonlinear dynamics and creative intelligent input from the beings
that constitute it.
(4) The whole cosmos (HD+QST) is a collective intelligence, a multilevel system both in its wholeness and in
its parts (Hardy 2015b).
(5) ISST posits a type of panpsychism since all systems have a consciousness-HD core (the sygons as a
compact HD), the syg-fields of these systems being more or less evolved (from a proto-consciousness to a
mind).
(6) The universe’s global organization is holographic and self-conscious—all parts have the information of
the whole, and can influence groups of syg-fields.
(7) The cosmos is a fine-grain blending of mind and matter, at all scales.
(8) ISST’s paradigm of a self-conscious cosmos and collective consciousness is a leap beyond monism
versus dualism, beyond QM versus Relativity, beyond the mind-matter and mind-body split.
(9) The image of a personalized god creating the universe at a specific point in time switches to a collective
consciousness perpetually self-creating through the input of all its parts—the syg-fields of all beings and
systems, and relatively to their syg-energy strength—and who, as a holographic system, keeps learning and
evolving at all scales.
(10) An interesting consequence of the ISST model is that all intelligent civilizations in our universe are
somehow co-evolving among them and influencing each other (despite the fact some could be a million
years ahead of us or behind us), and moreover they are also co-evolving with the planetary bodies they
inhabit.
(11) And of course ISST transforms deeply not only the perspective on human freedom and free will, but it
has also a deep impact on the question of life after death.

IV. CONTINUOUS LIFE OF UNIVERSES AND BEINGS IN THE HYPERDIMENSION

IV.1. Birth and death of universes: the cosmic scale

Since the triune hyperdimension (CSR HD) preexists the spacetime region (QST), we have, in between
universe-bubbles (UBs), a Kerr BH-WH system. ISST postulates it to be—within its two singularities—pure
Center-Syg-Rhythm hyperdimension, that is, a field of dynamic self-conscious information or cosmic
consciousness, as a near infinite set of frequencies spread in hyperspace on the phi spiral.
In the Terminal Black Hole of the previous universe-bubble, all matter- or bio- systems lose their matter
layer and are transcribed (sublimated) into pure CSR sygonic semantic energy (thus forming the cosmic
DNA). These were the systems that had been viable, enduring, and optimized in the previous parent UBs.
Fig. 3: Phi-based ISS spirals in a BH-WH system (Black Hole on the left; White Hole on the
right),
instantiating the pure CSR hyperdimension surrounding the QuantumSpaceTime region.

In the White Hole of a new UB (the birthing cosmic ISS), the bow-frequencies of the spiral eject FTL
sygons, the nearer to the X-Point of the origin, the higher the frequency (and the smaller the radius). The
early high energy sygons—the Free Sygons—ejected with tremendous momentum, will form the large HD
region (in the form of a spindle) of what will become a UB. Then, when the bow-frequencies are down to
Planck frequency, the sygons’ wavelengths are so large that they start interfering, creating foam and loops
at the mouth of the ISS, thus forming a lattice in front and perpendicular to it, that will give rise to the
Higgs field. The large sygons will now have to cross this lattice, which is becoming denser and denser, and
they acquire mass and bloat in size, thus morphing into the particles of the Standard Model.
The first two waves of high energy particles we know of—the decoupling of the neutrinos (within the
first second) and that of the photons (at 1.40 minute)—literally create the spacetime region as they speed
forward, within the HD bulk already created by the Free Sygons, as a smaller cylindrical region. Meanwhile,
the foamy lattice extends around the spacetime region as the latter moves forward (like a balloon) and
becomes the vacuum, a complex boundary surface between the spacetime and the HD regions—behaving
as the double membrane modeled by Sarfatti (2006), standing between spacetime and the sub-quantum
Dirac sea of negative energy, and through which virtual particles tunnel). The (false) vacuum is an
oscillating and bubbling surface boundary, showing permanent fluctuations of virtual particles
(hence the ZPF indeterminacy). However, the Free Sygons had occupied the region that is now
spacetime (QST), and they are still there, immensely more numerous than the large sygons that have been
‘clothed’ in mass while crossing Higgs field—the known particles, assembling themselves to form atoms,
then molecules, etc. The new particles retain in their core the original sygons (and their information), thus
forming the 5th D, compact (sub-Planckian), of these particles. These core-sygons are individual ISSs—a
quasi-replica of the cosmic ISS, and bearing its information as in a hologram—and they constantly send
sygons back to the source, the cosmic ISS, about their own evolving system. Thus, all systems, via their
individual ISSs, are constantly in conversation with the cosmic ISS, and their information is imprinted on
the cosmic ISS—acting as the Akashic information field (see Laszlo 2004). But here, in contrast with Ervin
Laszlo’s A field, this Akasha is sub-Planckian, that is, sub-quantum, and does not reside in the quantum
vacuum iself which, in ISST, would bear only informational traces of the tunneling of sygons through the
vacuum membrane, appearing as loops.
The ISS theory thus highlights the deep coherence and systemic dynamical organization of the
pluriverse—the collars of UBs. It also brings an interesting understanding about a puzzling fact: that all
simple atoms (hydrogen, helium, deuterium) still existing at our present time in our whole universe have
been formed within twenty minutes after the Big Bang. If we consider that all particles and atoms bear a
priceless information about all possible systems they can form or be part of, then nature being economical
wouldn’t get rid of this information and the atoms would keep on existing until they are transcribed back
into pure CSR information within a black hole. It has been calculated that the photons from the first light
(the photon decoupling) make up 96% of all photons reaching us—that is about 400 Big Bang photons by
cubic centimeter around us when we walk in the street! (Bogdanov, 2004) The remaining 4% come from
the light of stars.
So let’s see the consequences regarding our topic, the post-mortem life issue.
In the collar of UBs, each UB receives at birth the cosmic DNA of its parent UBs (the information about
optimized systems), yet it will be free to improvise and create, transform these systems, and make them
evolve. So that in a Terminal BH, the information field on the cosmic ISS will be drastically different than
the one received at birth (Hardy 2015a). The HD sygons (whether free or embedded as a 5 th D in systems)
are the deep reality of our universe, and they steer all nonlocal communications and inter-influences
between entities—a constant two-way interaction with the origin, and among resonant syg-fields (such as
minds); thus high states of consciousness and psi phenomena are instantiated by the sygons and the HD,
including weird forms of nonlocality such as retrocausality or synchronicities (Hardy 2016).
In brief, at the pluriverse scale, there is no loss of information, ever. Matter is birthed by the
hyperdimension, and when disintegrated within a BH, it is translated back into pure HD sygonic
information imprinted on the ISS. Thus is preserved an axiom of QM, that no information is ever lost. As
modeled by Nobel laureate Gerard 't Hooft (1993), the whole information about a volume (i.e., a BH) is
inscribed on its surface (i.e., on the surface of the BH’s event-horizon); consequently, the Holographic
Principle states that all information about this universe is inscribed on the 2D surface of its cosmological
horizon.
In ISST, the universe as we experience it in our 4D world had an origin and will die in a Terminal Black
Hole (and numerous partial BHs before that). However, the HD pervading the universe, unfathomable,
dwells beyond the birth and death of matter systems (including universe-bubbles); it is eternally existing as
a self-conscious whole (the Hindu Tat Vam Asi—I am That, I am What is); yet, in contrast with a creator god
deemed immovable and distinct from the created, the CSR HD is constantly evolving and learning through
its component systems. As the whole is more than the sum of its parts, the cosmic CSR HD knows more
than all of its parts but both its knowledge and its beingness, constantly evolving, are neither perfect nor
total. Thus the ISS theory opposes the concept of a creator god—especially when viewed as immovable,
omnipotent and omniscient. Its originality is that it is neither a creator god nor a blind materialistic
universe, but a self-creating and self-evolving, multilayered, hologram. In brief, as a holistic (whole,
coherent) and holographic system, the CSR HD knows all of its parts, and is self-conscious in its wholeness
and in its parts as well. Thus, universe-bubbles are constantly birthed and then die (in terms of their QST
matter region); yet their information is preserved and passed on to the following UB, via the CSR
hyperdimension. Death at the cosmic scale is only a transformation, a translation into pure
hyperdimensional consciousness; and birth is the reverse process.
Thus is shed a new light on an impersonal, yet self-conscious and creative Wholeness, with whom each
one of us intelligent beings may communicate through our Self. The implicit aim of the perpetual creation
of UBs would thus be the exploration and expression of creative acts and mind potentials by entities at all
scales and at many embedded and interactive levels.

IV.2. The hyperdimensional Self alive beyond spacetime


We saw that ISST (and SFT) have integrated and elaborated upon Carl Jung’s concepts of a collective
unconscious, and of the Self as a supraconscious and transcendent subject of the personal unconscious, as
connected to other Selfs and to the Anima Mundi (the collective Self as the One-Plural).
It is within cognitive psychology that I developed SFT yet, as a researcher on world cultures and PhD in
psychological anthropology and a practitioner and expert on meditation and self-development techniques,
I’m totally in accord with Jung’s concept of the individuation process that reframes the ancient paths of
knowledge and initiation in the language of depth psychology. Initiation paths are found in most ancient
cultures and religions, as well as in Christian and Muslim mysticism. As Mircea Eliade (1954) has shown,
initiation was a world-wide path of knowledge aiming at exploring the spiritual dimension of the world (the
dreamtime for the Australian Aborigines) and at developing one’s own mental and psi capacities, yet its
practices differed with each culture.
Individuation and initiation reflect a layered cosmos and the perennial knowledge that: (1) each human
being has a transcendent, supraconscious, Self (or soul), and an ordinary state of consciousness driven by
the ego, which is more centered on one’s body and social environment (Tart, 1969); (2) this Self can access
a deeper knowledge than the ego, and activate new mind potentials by getting connected to the world
soul or dreamtime. According to some ancient knowledge paths, enlightenment (or awakening) is the ego-
Self fusion (“death of the ego,” “Mystical or Alchemical Marriage”), and once attained, the individual
reaches beyond duality (advaita in Hinduism) and can connect or harmonize oneself with cosmic
consciousness (Brahman, the Tao, The One)
Now, let’s focus on the topic of the bodily death for human beings.
SFT posits that the main part of our being is extra-dimensional, that is, operating in the semantic
dimensionbeyond space and time (just as Jung had predicated it about the Self and the unconscious); and
that only a small part of our semantic field is intermingled with the brain’s networks and the body via eco-
fields (body consciousness). In ISST+SFT, our syg-fields are thus operating freely in the syg hyperdimension
and create spontaneous interconnections with resonant syg-fields (e.g., those of our loved ones, but also
those of our pets, our houses, relished works of art and systems of thought, etc.). The Self is the
supraconscious subject of the whole syg-field, and is steering the individuation process or ego-Self
integration. As Jung showed it, it is the Self of a person who acts as a guiding entity in most symbolic and
numinous dreams—mostly appearing as the repressed side of the psyche, either the feminine anima or the
masculine animus, in order to balance the person’s psyche—and this explains the representation of a
personal guardian angel. And in one’s life, the Self is ever devoted to the awakening of the ego and is able,
from within the syg hyperdimension, to concoct synchronicities, events, or situations that will send a
message to the ego.
Thus, to draw the global picture, the syg-field, being both the information-field of the person and steering
his/her semantic and organizational dynamics, contains moreover the whole dynamical memory of this
person—as information, selfhood, organization, procedures, and processes.
In this framework, death is just the shedding of the bio-matter system by the Self—something like an
uncoupling of the Self and its HD syg-field from matter—both Self and syg-field being highly personal and
strongly individualized. In fact, the degree of originality of the syg-field and Self of a person is higher than
that of their fingerprints because the syg-field is also the ensemble of their affective, social, and intellectual
networks. Bodily death, for the individual Self, is just severing the connections to the brain’s neuronal
networks. However, all past connections of this person’s syg-field with still living loved ones, objects,
places and environment are enduring, because they are primarily psychic and mental (i.e., semantic) links
and bonding. However, ISS Theory—as a cosmic consciousness framework—doesn’t lead to any judgment
of the souls or punishments after death. If the global aim of an incarnation is to learn and expand one’s
consciousness and talents, then it’s likely that the Self will ponder its achievements and shortcomings
during its past life; but this is only a learning process and has nothing to do with a condemnation and even
less so with an eternal judgment; here, we only have a Self taking one’s own responsibilities.

CONCLUSION: FULLY CREATIVE INDIVIDUALS POST-MORTEM

As we have seen, before/below Planck scale (at the origin, then surrounding the spacetime or QST region,
and at the end of a universe bubble), there’s the pure CSR HD—the syg-fields embedding the ISS, before
they express (orclothe) themselves in matter after/above Planck scale, in the QST region (as in Figure 2).
Thus, an interesting consequence of ISST’s framework is the fact that a self-conscious hyperdimensional
region leads to the necessary existence of beings and systems that would be pure CSR-HD systems (that is,
syg-fields without material bodies in spacetime), and networks of them (such as groups of Selfs or souls).
While these immaterial beings are devoid of ordinary matter or bodies, they nevertheless have a high syg-
energy (as well as a morphic field) and may have an influence on the organization of matter systems in the
spacetime region. This is similar to an alive human being doing a self-healing visualization and whose syg-
field will transmit a healing energy toward his/her body. After the death of the body, the syg-field, as we
saw, still exists as an intelligent, creative, volitional and evolving personality. Thus, the Self of a deceased
person is a pure CSR HD being that exists only in the hyperdimension. I surmise that a pure Self
(disembodied) wouldn’t have as much influence on spacetime systems as an embodied Self on his/her own
body, but could still tinker with 4D reality.
Another pure CSR-HD system could be the syg-field of a galaxy that has been swallowed by a Black Hole (at
any point in the spacetime of a UB), and whose matter would have been crushed by gravity. It would now
exist as a pure field of information—syg-energy organized as a syg-field and able, under favorable
conditions, to act as galactic DNA and give birth to a new galaxy.
To give a more precise picture of the question of the survival beyond bodily death within the ISST
framework, a deceased person, having shed his body, would be his pure Self—having all the memories and
also the accumulated talents of his previous life. This is in accord with the Buddhist and Hindu concept of
the Self (atman) being conscious between incarnations, in the Bardo.
Given the large research on communications with the deceased (e.g., Brune 2009; Gurney et al 1886;
Myers 1903)—and my own experiences recounted in The Sacred Network (Hardy 2011)—my stand on this
issue is that the pure HD Selfs (as individual souls—the deceased) (1) have maintained their individuality
and their mindscape, (2) are still thinking, creative, acting, and learning, able of intention and volition, (3)
they have kept their past relational network and have even added new HD friends to it, (4) they moreover
enjoy the larger scope of a HD consciousness (reaching to any coordinates in space or time) that allow
them to communicate freely with their past loved ones and colleagues, whether this is registered
consciously or via their unconscious by the living individuals. (All these properties and capacities can be
fluidly derived from SFT-ISST). This means that, as intelligent beings living in the 4D spacetime, the more
we are able to connect and harmonize ourselves with the syg-HD—to our own Self through high meditative
states—, and the more we may be able to communicate with HD beings.

REFERENCES
Aspect, A., Grangier, P., & Roger, G. 1982a. “Experimental realization of Einstein-Podolsky-Rosen-Bohm
Gedankenexperiment: A new violation of Bell's inequalities.” Physical Review Letters, Vol. 49, Iss. 2, pp. 91-
94 (1982) doi:10.1103/PhysRevLett.49.91
Aspect, A., Dalibard, J., & Roger, G. 1982b. “Experimental test of Bell's inequalities using time-varying
analyzers.” Physical Review Letters, Vol. 49, Iss. 25, pp. 1804–1807
(1982) doi:10.1103/PhysRevLett.49.1804
Bem DJ. 2011. “Feeling the Future: Experimental evidence for anomalous retroactive influences on
cognition and affect.” J. of Personality and Social Psychology, 100 (407-25). <http://dbem.ws/>
Brandenburg J. 2011. Beyond Einstein’s Unified Field. Gravity and Electro-magnetism Redefined. Kempton, IL:
Adventures Unlimited Press.
Brandenburg JE. & Hardy CH. 2016. “Entropic Gravity in Pre-Spacetime & the ISS Theory of a Cosmic
Information Field.” Prespacetime Journal 7(5), 828-838. (April 9,
2016).<http://prespacetime.com/index.php/pst/article/view/968/944>
Bohm D. 1980. Wholeness and the Implicate Order. London: Routledge & Kegan Paul.
Bohm D. & Hiley BJ. 1993. The Undivided Universe: an Ontological Interpretation of Quantum
Theory. London, UK: Routledge.
Bogdanov, I. & G. 2004. Avant le Big Bang. Paris: Grasset Poche.
Bourguignon, E. 1976. Possession. Corte Madera, CA: Chandler & Sharp.
Brune F. 2009. Les Morts Nous Parlent. Paris: Livre de Poche.
Carr B. (ed.) 2007. Universe or Multiverse. Cambridge, UK: Cambridge Univ. Press.
———. 2014. “Hyperspatial models of matter and mind.” In E. Kelly, A. Crabtree & P. Marshall
(Eds.). Beyond Physicalism: Towards Reconciliation of Science and Spirituality. Lanham, MD: Rowman &
Littlefield.
Combs A, & Holland M. 1995. Synchronicity: Science, Myth, and the Trickster. New York: Marlowe.
de Broglie L. 1939. Matter and Light: The New Physics (trans. W. H. Johnston). Mineola, NY: Dover Publ
(original in French 1937).
Eliade, M. 1954. The Myth of the Eternal Return: Or, Cosmos and History, trans. W.R. Trask. Princeton:
Princeton U Press. Original in French 1949.
Gödel K. 1992. On Formally Undecidable Propositions of Principia Mathematica and Related
Systems. Mineola, NY: Dover Publ.
Gurney E, Podmore F., & Myers FWH. 1886. Phantasms of the Living. Forgotten Books.
Guth AH. 1997. The Inflationary Universe. Reading, MS: Perseus Books.
Hardy C. 1998. Networks of Meaning: A Bridge between Mind and Matter. Westport, CT: Praeger.
———. 2001. “Self-organization, self-reference and inter-influences in Multilevel Webs: Beyond
causality and determinism.” J. of Cybernetics and Human Knowing, 8 (3). UK: Imprint
Academic. https://independent.academia.edu/ChrisHHardy/Papers
———. 2003. “Multilevel Webs Stretched across Time: Retroactive and Proactive Inter-
Influences.” Systems Research and Behavioral Science, 20, (2), 201-215.
https://independent.academia.edu/ChrisHHardy/Papers
———. 2004. “Synchronicity: Interconnection through a semantic dimension.” Presentation at 2d Psi
Meeting, April 2004, Curitiba, Brazil.https://independent.academia.edu/ChrisHHardy/Papers
Hardy CH. 2011. The Sacred Network. Rochester, VT: Inner Traditions.
———. 2015. Cosmic DNA at the Origin: A Hyperdimension before the Big Bang. The Infinite Spiral Staircase
Theory. USA: CreateSpace IPP.
———. 2015a. “Topological Dynamics Setting a Field of Information at the Universe’s Origin. ISS
Theory.” Paper presented at the Space Technologies & Applications International Forum (STAIF-II).
Albuquerque, NM, April 16-18. https://independent.academia.edu/ChrisHHardy/Papers
———. 2015b. “A systemic and hyperdimensional model of a conscious cosmos and the ontology of
consciousness in the universe.” Proceedings, 59th meeting of Intern. Soc. for the Systems Sciences (ISSS),
Berlin, Germany (Aug. 2015).
https://independent.academia.edu/ChrisHHardy/Papers
———. 2015c. Nonlocal processes and entanglement as a signature of a cosmic hyperdimension of
consciousness. J. of Consciousness Exploration & Research (JCER), 6(12), 12/04/2015.
———. 2016 (pre-print). Nonlocal consciousness in the universe: Panpsychism, psi, & mind over matter
allowed in a hyperdimensional physics. J. of Nonlocality.
https://independent.academia.edu/ChrisHHardy/Papers
Hu H. & Wu M. 2016. “Celebrating Einstein’s general theory of relativity: LIGO has detected gravitational
wave predicted by Einstein 100 years ago.” Prespacetime Journal 7(2), February 2016, 442-444.
Hawking SW. 1988. A Brief History of Time. New York: Bantam Books.
———. 2003. “Cosmology from the Top Down.” Paper given at Davis Inflation Meeting,
2003. http://arxiv.org/abs/astro-ph/0305562
Jung CG. 1960. Synchronicity: An Acausal Connecting Principle, in The collected works of C.G. Jung: Vol.
8. (Bollingen Series, XX), Princeton, NJ: Princeton Univ. Press.
———. 1965. Memories, Dreams, Reflections. New York: Vintage/Random.
Jung CG, & Pauli W. 1955. The Interpretation of Nature and the Psyche. NY: Pantheon Books.
Kaku M. 1994. Hyperspace: A Scientific Odyssey Through Parallel Universes, Time Warps, and the 10th
Dimension. New York: Anchor.
Kerr RP. 1963. Gravitational Field of a Spinning Mass as an Example of Algebraically Special
Metrics. Physical Review Letters 11(5): 237–8.
Laszlo E. 2004. Science and the Akashic Field: An Integral Theory of Everything. Rochester, VT: Inner
Traditions.
Mishlove J. 1997. The Roots of Consciousness. New York: Marlowe & Co.
Mitchell ER. 1996. The Way of the Explorer. New York: Putnam.
Myers FWH. 1903. Human Personality and Its Survival of Bodily Death. London, UK:
Longmans.https://archive.org/details/humanpersonality01myeruoft
Nelson RD, Bradish GJ, Dobyns YH, Dunne BJ, & Jahn RG. 1996. “FieldREG anomalies in group
situations.” Journal of Scientific Exploration, 10(1): 111-41.
Pauli W. & Jung C.G. 2014. Atom and Archetype. The Pauli/Jung letters, 1932- 1958. Princeton, NJ:
Princeton University Press.
Peat FD. 1987. Synchronicity: the Bridge between Matter and Mind. New York: Bantam Books.
Penrose, R. 1989. The Emperor's New Mind. Oxford, England: Oxford University Press.
———. 2010. Cycles of Time. Oxford, UK: Oxford Univ. Press.
———. 2014. “On the gravitization of quantum mechanics 2: Conformal cyclic cosmology.” Foundations of
Physics 44(8): 873-90.
Radin D. & Nelson R. 1989. “Evidence for consciousness-related anomalies in random physical
systems.” Foundations of Physics, 19, (12), 1499514.
Randall L, & Sundrum R. 1999. “An alternative to compactification.” Physical Review Letters 83: 4690-93.
Sarfatti J. 2006. Super Cosmos; Through Struggles to the Stars. (Space-Time and Beyond III). Bloomington, IN:
Author House.
Sheldrake R. 2009. Morphic Resonance. The Nature of Formative Causation. Rochester, VT: Inner Traditions/
Park Street Press.
Smolin L. 1997. The Life of the Cosmos. New York: Oxford Univ. Press..
Susskind L. 2003. “The anthropic landscape of string theory.” arXiv:hep-th/0302219
Targ R, Puthoff H, & May E. 1979. “Direct perception of remote geographic locations.” In CT Tart et al.
(Eds.), Mind at Large (pp. 78-106). New York: Praeger.
Tart C. (Ed.) 1969. Altered states of consciousness. New York: John Wiley & Sons.
't Hooft, Gerard 1993. "Dimensional reduction in quantum gravity". arXiv:gr-qc/9310026
Verlinde E. 2010. “On the origin of gravity and the laws of Newton.” arXiv:1001.0785 [hep-th]
Witten, E. 1981. "A new proof of the positive energy theorem". Communications in Mathematical
Physics. 80 (3): 381-402.
Witten, E. 1995. "String theory dynamics in various dimensions". Nuclear Physics B. 443 (1): 85-
126. arXiv:hep-th/9503124

°°°

Biographical Note: Chris H. Hardy, Ph.D. in ethno-psychology and former assistant of research
at Princeton’s Psychophysical Research Laboratories, NJ. Systems theorist, research on
consciousness—via Jungian & transpersonal psychologies, consciousness studies, cognitive
sciences. Recent research on a cosmological theory (ISST) integrating consciousness in a
systemic and hyperdimensional view of the cosmos (Book: Cosmic DNA at the origin, 2015).
Since 1995, she elaborated the Semantic Fields Theory (a cognitive theory based on complex
dynamical networks). More than 60 papers to date and 17 books on consciousness. Dr. Hardy
presents papers regularly at international scientific conferences.

[*] Chris Hardy, Eco-Mind Systems Science, Seguret, France.


Websites: https://independent.academia.edu/ChrisHHardy; http://cosmic-dna.blogspot.fr
[†] See the PLANCK cosmology probe team’s release of March 2013, then early 2015 at:
http://en.wikipedia.org/wiki/Planck_%28spacecraft%29 - 2013_data_release [last accessed
10/16/2016]
Journal of Consciousness Exploration & Research | Dezembro de 2016 | Vol. 7 | Edição 11 | pp. 1012-
1035
Hardy, CH , ISS Teoria: Consciência Cósmica, Próprio e Vida além da Morte em
um Artigo de Física Hiperdimensional

Teoria ISS: Consciência Cósmica, Self e


Vida além da morte em uma física hiperdimensional
Chris H. Hardy, PhD [*]

Abstrato
A Teoria Infinito-Espiral-Escada (ISST) postula uma hiperdimensão de consciência habitada por simgons
sub-planckianos mais rápidos do que a luz, de alta energia que permeiam o pluriverso.Este HD é, de fato,
triúno, uma trança de hiperespaço (Centro, C), hiper-tempo (Ritmo, R) e consciência (Syg, S), organizado
topologicamente como um espiral dourado duplo baseado em um duplo sistema BlackHole-WhiteHole Kerr
. Dentro do Terminal Black Hole de um universo pai, todos os sistemas de matéria são traduzidos em
informações de CSR puras ou campos de syg dirigidos pelos sygons sub-quantum; e através do Buraco
Branco na origem, esses campos de syg são traduzidos de simbios virtuais para partículas e sistemas de
matéria pós-Planck, ainda mantendo os sygons como 5º. dimensão no seu núcleo. ISST baseia-se na Teoria
dos Campos Semânticos (SFT) na modelagem de uma camada semântica de organização em todos os
sistemas - seus campos de simg (campos semânticos) que vão desde a proto-consciência até a
autoconsciência. Como seres humanos, nossa mente ou consciência é o nosso campo global de syg,
organizado em redes dinâmicas e dirigido pela syg-energy - os sygons (Hardy 1998, 2001, 2003). O conjunto
de todos os campos de simbolos forma a hiperdimensão cósmica da consciência, como um holograma
gigantesco, autoconsciente e em evolução.
Posicionar uma camada consciência-HD no universo leva a imaginar uma nova posição paradigmática
tanto na filosofia como na física. O syg-HD opera claramente além do espaço-tempo e é uma camada além
da matéria (assim, de acordo com o dualismo); ainda assim, dado que a consciência como processo é
controlada pelas partículas sub-quânticas de sygon, o syg-HD é definitivamente uma mistura de energia e
mente (como no monismo / materialismo). Assim, ISST reframe a divisão mente-corpo em uma estrutura
complexa de sistemas de rede dinâmica, como uma consciência HD existente em uma escala sub-quântica
em todos os sistemas de matéria (configurando assim um tipo de panpsiquismo), e também como um
volume em sua própria CSR -HD região.
À escala do pluriverso, as regiões espaciais de bolhas de universo específicas são constantemente
nascidas e depois morrem. O HD preexiste e sobrevive a estas regiões da matéria na espiral dupla BH-WH e
as permeia durante a vida de um universo.
Em uma estrutura de consciência HD (syg-HD), a consciência e nossa mente - o syg-field - operam
principalmente através do HD, e apenas uma pequena parte do nosso syg-field está se ramificando para as
redes neuronais do cérebro. É porque o Eu e a mente pertencem ao syg-HD que eles instanciam as
capacidades psi, os altos estados de meditação e alguma independência do espaço-tempo. Neste contexto,
a morte é apenas a separação de links para o corpo do cérebro eo Self, na morte, torna-se totalmente
independente do corpo e desfruta (na camada HD) das mesmas capacidades inteligentes, criativas e
individualizadas que quando incorporadas, ainda com maiores capacidades psi.
Palavras-chave: Consciência no
universo; cosmologia; hiperdimensão; panpsiquismo; psi;sobrevivência após a morte; paradigma
pós-materialista.

INTRODUÇÃO: ADMINISTRAÇÃO DA COMPLEXIDADE E DE UMA REALIDADE MULTIPLES, NOVO


PARADIGMA NA CIÊNCIA

Enquanto a física foi atormentada por quatro séculos de materialismo, a psicologia ea filosofia foram,
durante esse mesmo período, presos na insolúvel antinomia entre o idealismo (mente inteiramente
diferente do corpo / matéria) e o monismo materialista (a mente como subproduto do corpo /
cérebro); em meados dos anos 20 º século, o paradigma materialista ficou aplicadas em ciência.
Minha posição teórica na Teoria dos Campos Semânticos (SFT, Hardy, 1998) foi que ambas as posições -
materialismo e dualismo - faltam, algo amplamente demonstrado pelo fato de que a divisão mente-
corpo nunca poderia ser resolvido e que o qualia não poderia ser contabilizado, a menos que se trate de
uma perspectiva subjetiva de primeira pessoa. Em resumo, precisamos de um novo paradigma. Mas
também há um problema árduo decorrente dos links dessas duas posições para os dois quadros
contundentes da física: a relatividade fundando um espaço-espaço causal perfeitamente ordenado e
causal e QM na indeterminação instintiva na escala quântica (com o monismo materialista adotando o
causal e o local, e o dualismo em parte disso). Como eu argumentava em um artigo de 2001, em um certo
limiar de complexidade, causalidade e determinismo quebram. A complexidade das redes neuronais no
cérebro, e que de teias de vários níveis na mente e interações sociais, exigiu que nos
movemosb causalidade eyond e determinismoe postular, em vez disso, inter-influências instantâneas ou
sincronistas entre sistemas semânticos complexos (como mentes ou grupos sociais). Isso também poderia
implicar a retrocausalidade, ou seja, a influência de eventos futuros em tempos passados, bem como os
efeitos proativos não-locais - modificando o futuro ambiente com intenções, uma espécie de PK pró-ativa,
como proposto em uma modelagem Attractive Retrocausal (Hardy, 2001, 2003). ).

I. JUNG E PAULI'S MIND-MATTER DEEP REALITY

Na década de 1950, o trabalho, descobertas e psicologia profunda de Carl Jung, começaram a afetar
completamente os cientistas e o público. Uma descoberta foi o conceito de inconsciente coletivo - uma
rede de psiquismo coletivo que liga todos os seres humanos inconscientemente (através de seu eu pessoal)
com o planeta (assim, não-localmente); é claro, isso chocava com a biologia e o materialismo,
considerando a mente como local, ou seja, contida no "espaço" do cérebro (Hardy 2015c, JCER). Vamos
esclarecer que, para Jung, o inconsciente pessoal tem um sujeito - o Self - (assim como o ego ou "eu" é o
sujeito do consciente) e que o Eu é uma entidade supraconsciente, tendo acesso ao imenso conhecimento
do coletivo inconsciente e capaz de orientar o eu individual. Outro conceito era o de sincronicidadecomo
"coincidências espontâneas e significativas" e conexões à distância, que considerou "transtemporal e
trans-espacial", isto é, não local (Combs & Holland 1995; Peat 1987; Hardy, 2004). Além disso, a definição
de sincronia de Jung fez referências claras ao psi: em seu livro Synchronicity(1960, pp. 109-110), ele define
três tipos de correlações entre o conteúdo da mente e um evento: "A coincidência de um estado psíquico
no observador (1) com um evento simultâneo , objetivo; (2) com um evento externo (...) correspondente
(...) a uma distância e somente verificável posteriormente; e (3) com um evento futurocorrespondente,
ainda não existente . " Assim, o caso 2 se refere explicitamente à clarividência, enquanto o caso 3 se refere
à precognição. Com o físico Wolfgang Pauli - um dos pioneiros da QM - eles declararam em sua
correspondência fascinante que as sincronicidades eram fenômenos acausais , instanciados por
uma realidade profunda , na qual a mente e a matéria estavam misturadas; o nome veio para Pauli em um
sonho claro com esta "realidade mais profunda" em uma escala abaixo dos campos quânticos e distintos
deles (Pauli & Jung 2014 ;Hardy 2015, pp. 89-92).
Esta camada de realidade profunda, postulada, era um meio de psique-matéria no universo, em uma
escala sub-quantitativa - uma camada em que mente e matéria estavam profundamente enredadas e
fundidas. As sincronicidades surgirão e expressarão essa estrutura conjuntiva subjacente. Com base em
sua experiência clínica e na ciência dos antigos (filosofia da alquimia, misticismo, grego e da Idade Média),
Jung se referiu a essa camada profunda (como os antigos) como "O mundo único" ( Unus Mundus em
latim) ou a "Alma mundial" ( Anima Mundi em latim): "Temos todas as razões para supor que deve haver
apenas um mundo, em que a psique e a matéria são uma e a mesma coisa , e em que estabelecemos
distinções com o único propósito de saber ", Diz ele em sua autobiografiaMemórias, Sonhos,
Reflexões (Jung 1965). Jung e Pauli representaram a acausality (instanciado pelas sincronicidades, o
inconsciente e o Self) como um princípio fundamental igual à força da causalidade, mas trabalhando
através de interconexões instantâneas e significativas, portanto, fora do tempo ou restrições de espaço.
Como veremos, a hiperdimensão do syg (syg-HD) postulada pela ISST se encaixa perfeitamente na sua
definição e acomoda os tipos de processos não-locais que eles classificaram como pertencentes à realidade
profunda, como psi, o emaranhamento quântico e a complementaridade de spin - lei de spin de Pauli (Jung
& Pauli1955 ).

II. HIPERDIMENSÕES, PRINCIPAIS PARTIDOS DE FÍSICA E A INDEPENDÊNCIA DA MENTE-ALMA

II.1. Física hiperdimensional nem determinismo nem indeterminação

A física tem sido seminal ao nos mostrar que a configuração de qualquer problema em um ou-ouA lógica é
obrigada a falhar. Foi o que aconteceu durante os quase 230 anos de debate entre os defensores da luz
como ondas (padrões de interferência) e da luz como partículas (quanta e fótons). De Huygens, que se
opõe a Newton em 1678, ao de Young, 1801, famoso experimento de dupla fenda que demonstra padrões
de interferência de ondas (e até o nosso dia gerando resultados paradoxais não resolvidos), a Einstein
resolveu o efeito fotoelétrico por quanta leve em 1905 - ambas as escolas poderiam citar experiências bem
sucedidas que demonstram claramente que sua teoria foi apoiada por fatos. A solução final teve que ser
um salto em uma estrutura paradójica - a luz era ondas e partículas - um salto alcançado por Louis de
Broglie (1939) em sua tese de doutorado de 1926, quando ele postulou que todas as partículas (como
elétrons) são conduzidas por o que ele chamou deonda piloto ; logo seguido por David Bohm, que
desenvolveu sua própria teoria de Pilot Wave (Bohm 1980, Bohm & Hiley, 1993) .
No entanto, a física mais uma vez caiu no controle de uma lógica dupla e concorrente, quando ficou
claro que a Relatividade de Einstein (causalidade instintiva) foi validada na escala e na região do espaço-
tempo e (a descoberta 2016 de ondas gravitacionais foi o último sucesso aclamado, veja Hu &
Wu 2016); No entanto, a indeterminação quântica postulada pela QM foi validada no vácuo quântico e na
escala de Flutuações de Ponto Zero (ZPF). Qual era a realidade do universo, então, e como podemos obter
uma imagem de todo o universo - os físicos da teoria do campo unificado estão construindo
progressivamente desde que Einstein gastou em vão as últimas décadas de sua vida procurando por
ele? Para fazer isso, tivemos que dar um salto em direção à física hiperdimensional - uma solução
implementada já em 1919 por Theodor Kaluza, que logo se juntou a Oskar Klein em 1926.
Vamos ponderar um pouco o problema de emaranhamento crucial e Paradox EPR. Einstein rejeitou na
primeira indeterminação de QM (como postulado pela interpretação de Copenhague ou Bohr), porque ele
não quis deixar a causalidade equiparada à ordem ("Deus não joga o dado", disse ele). E é por isso que,
com Podolski e Rosen, propôs o famoso EPR Pensou experimentar para refutar QM. No entanto, os
experimentos de Alain Aspect em 1982 (1982a, 1982b), usando o protocolo do teorema de Bell, trouxeram
uma prova sólida do emaranhamento de partículas emparelhadas e sua correlação a tão grandes distâncias
que proibia uma transmissão de sinal através do espaço. Assim, o emaranhamento foi definitivamente
mostrado além do espaço-tempo, isto é, não local. Como John Bell afirmou (refutando o argumento
anterior de Von Neumann), as teorias que propõem dinâmicas não locais e causais (como as ondas-piloto
de Broglie e Bohm que dirigem o comportamento das partículas) poderiam ser uma solução viável. O
ponto desconcertante é que, à medida que a história o faz (com base no argumento defeituoso mas
resiliente de Von Neumann), foram provados QM e indeterminação (em oposição à causalidade)por Aspect
et al. (1982a, 1982b) e outras experiências de tipo EPR. No entanto, o emaranhamento está em
conformidade com a Lei de Spi (ou complementaridade de spin) de Pauli para duas partículas pareadas
emaranhadas - que a soma de suas rotações sempre deve ser igual a zero. Portanto, se um aparelho muda
a rotação da partícula A (por exemplo, com um espelho) de +1/2 para -1/2, a partícula B emparelhada, até
mesmo até a lua, deve mudar instantaneamente da rotação -1 / 2 a +1/2. Foi o que o Aspect
provou. Assim, o emaranhamento, como uma dinâmica global orientada pela Lei de rotação, é uma clara
contravenção à indeterminação, e ao contrário, definitivamente é um tipo de interconexão ou influência
não local. Então, pode ser modelado como um processoacausal ou sincronizado (como Pauli o julgou) ou
então como conduzido por umCausa formal - uma influência devido a uma organização mais global, como
nas quatro causas de Aristóteles e em oposição à causalidade de material ou bolas de bilhar - como os
campos mórficos de Rupert Sheldrake (2009). (A indeterminação, no entanto, permanece no nível de cada
partícula com tal ou tal giro). Assim, em ambos os casos, ele cai na categoria das variáveis ocultas não
locais (ou seja, causas ou processos desconhecidos).
Quando Jung e Pauli definiram sincronicidades como processos acausais , significava que eles
instanciavam uma organização totalmente diferente da causalidade material e seqüencial - um novo
princípio universal de interconexão além do espaço-tempo e tão fundamental quanto a causalidade. Então,
voltamos à física de HD como a explicação mais provável, e a única viável no presente, dado que o
monismo materialista, colocando um espaço-tempo de um bloco, está fora de questão e dado que o
dualismo não oferece um real fundamento ou substrato para a consciência na matéria e no universo
biológico.
Desde meados dos anos noventa, desenvolvi a Teoria dos Campos Semânticos (SFT) que postula a
mente e o Eu para serem redes dinâmicas complexas, juntamente com as redes neuronais do cérebro, mas
que, no entanto, podem operar independentemente e além das leis Newtonianas-Einsteinianas; por
exemplo, as experiências mostram que o psi viola a lei do quadrado inverso EM e até o tempo linear. Na
SFT, todos os sistemas e seres têm campos semânticos criando instância de uma camada de consciência /
consciência (de uma proto-consciência a uma mente auto-referente) e, portanto, podem ser parte de uma
organização HD posta por ISST (Hardy 1998, 2015 ). Os campos semânticos são orientados por conexões de
rede instantâneas baseadas em significado e um índice deproximidade semântica (ressonâncias e links
significativos e afetivos). Estas conexões de rede instantâneas (que eu chamoprocesso de ligação
espontânea ), também são a base do nosso processo de pensamento principalmente inconsciente (Hardy
1998, cap. 4). Essa dinâmica conectiva baseada em links e significados em vez de cadeias causais, na minha
opinião, é a forma como as sincronicidades funcionam; e ISST agora esclarece a natureza do (semântico)
syg-energy criando essas conexões, como sendo os sygons HD.

II.2. Física hiperdimensional: única maneira de unificar QM, GR e as 4 forças

Theodor Kaluza, ao postular a 5 ª dimensão, mostrou que apenas modelos hiperdimensionais (HD) poderia
unificar as quatro forças ( Brandenburg 2011, Kaku 1994, Witten 1981). Em 1919, Kaluza reescrever as
equações de Einstein com um 5 th dimensão, que era um 4 th dimensão do espaço-um hiper, melhor
representada por uma hiper-estrutura como um hiperesfera ou um hipercúbica (também chamado
tesseracto), como o de Christopher Nolan Filme Interstellar de 2014 . (Veja a Figura 1)

Fig. 1. Um tesserato ou hipercubo. (a) Criador: Robert Webb, usando o software


Stella . Encontre-o em http://www.software3d.com/Stella.php
Crédito: Wikipedia Commons. (b) Extraído por CHH. No YouTube "Descompactando um
Tesseract " (0'47 ") https://www.youtube.com/watch?v=BVo2igbFSPE)

A solução de Kaluza produziu as equações de campo EM de Maxwell e as equações de campo de


Einstein para a gravidade, além de um misterioso campo escalar que ele chamou de radion . John
Brandenburg (2011, p. 197) comenta: "O limite entre geometria e forças já havia desaparecido, EM era
geometria em cinco dimensões, e a gravidade era uma força. Os campos pode agora ser unificados.”Em
seguida, o matemático Klein (mais conhecido por sua garrafa de Klein ) calculou que a 5 ª dimensão não só
tinha uma realidade física, mas era compacto, ou seja, enrolado em um pequeno círculo, o raio de que era
o comprimento de Planck (de cerca de 10 -33centímetros).A equação de Klein assim integrou a constante de
Planck, e agora, surpreendentemente, as equações de QM poderiam ser derivadas dela. A teoria de Kaluza-
Klein (teoria de KK) estava na época ofuscada pelo aumento da QM, mas tornou-se uma pesquisa de
vanguarda nos anos noventa.
Várias teorias propor uma hiper (5 th dimensão extra) em modelos compactadas ou deformados (5 th D
extremamente pequena, enrolado) ou em uma forma extensiva chamado de grandes quantidades ; o líder
de Lisa Randall e Raman Sundrum (1999), dentro de uma estrutura de teoria de cordas, e chamado o
modelo Randall-Sundrum (ou RS), implica uma geometria deformada 5-dimensional e vem em duas
versões, uma com um volume.No modelo RS em grande, o volume 5D envolve duas branas, o Planckbrane
(no qual as cordas são de 10 a 33 cm de tamanho, o comprimento de Planck) e a Tevbrane, nosso mundo
4D (16 ordens de grandeza maior, em 10 -17cm).Além disso, várias teorias de supercorda (9 ou 10 D)
perseguiram a integração das quatro forças e foram unificadas por Edward Witten na M-theory (1995),
postulando um multiverso com 11D, elaborado por Susskind (2003).

II.3. Uma hiperdimensão da consciência: integrando psi e psique com física

Assim como na física, a única maneira de integrar QM e Relatividade (as 4 forças) é adicionando dimensões
extras, de modo que a única maneira de integrar a consciência com a física é postular uma hiperdimensão
de consciência que seria então misturada à hiperdimensão física. Esta solução também é exigida pelo fato
de que uma gama de processos mentais e psi operam além do espaço-tempo e não podem ser baseados
na indeterminação, uma vez que são impulsionados pelo significado ( ver Bem, 2011; Mishlove 1997;
Mitchell 1996; Nelson et al 1996; Radin & Nelson 1989; Targ et al 1979. ) Portanto, eles só podem ser
fundamentados postulando uma hiperdimensão de consciência - uma que faria, assim como o hiperespaço
naRandall-Sundrum modelo em massa, rodeiam e contêm o universo espacial 4D . Bernard Carr ( 2007,
2014) propõe uma hiperdimensão baseada em folhas (superfícies de brã 2D) para dar conta da consciência
(principalmente em suas facetas perceptivas e psi) .
Enquanto a SFT e a ISST postulam um tipo de panpsiquismo, alguns podem questionar a solução do
ISSTconsistindo em integrar a consciência com a física em um único paradigma de física que, no entanto,
não é um monismo (mesmo um de aspecto duplo). Deixe-me esclarecer minha própria posição.
A física já não pode tolerar ter dois conjuntos distintos de teorias que refletem mentiras paradigmáticas
contraditórias - causalidade espacial versus indeterminação quântica; Trabalhou incessantemente para
preencher a lacuna, buscando a grande visão de Einstein de uma teoria unificada. Seguindo a mesma
lógica, não podemos mais permitir ter duas posições paradigmáticas para explicar todo o universo - um
baseado em física e o outro abordando a realidade da mente (e consciência / experiência). E ainda menos
para ter o chamado Theories of Everything (TOEs) que contabilizam um universo único de matéria (mas
não contabilizando a consciência desse universo somente de matéria), especialmente quando os dados
mais recentes mostram que a matéria comum (partículas, átomos, estrelas e galáxias) equivale a apenas
5% da energia total deste universo. [†]
Jung e Pauli lançaram os alicerces para uma teoria tão unificada de um universo de mente. Eles
observaram e modelaram uma região, ou uma realidade profunda, em que a mente e a matéria foram
fundidas. O Eu e o inconsciente coletivo banham-se nesta profunda realidade, em que conexões acausal
instantâneas significativas são a dinâmica proeminente (como em sincronia). ISST postula essa realidade
profunda como uma hiperdimensão triúnica (hiperespaço, hiper-tempo e consciência). Ambos os modelos
(bastante complementares) têm um impacto na questão da vida após a morte. Mas primeiro vamos
analisar a questão da sobrevivência à luz dos principais paradigmas reais.

II.4. A questão da sobrevivência nos principais paradigmas de física e filosofia

Notemos primeiro que a questão de uma consciência que vive ou habita em uma dimensão extra é muito
maior do que apenas nossa sobrevivência além da morte corporal; também tem impacto sobre se qualquer
entidade (inteligente ou não, em qualquer galáxia ou qualquer região do pluriverso ou multiverso) pode
habitar outro colector do que o nosso espaço-tempo 4D. Por exemplo, existem seres de quinta ou oitava
dimensão, da maneira como foram retratados em vários filmes, como as Aventuras de WD Richter de
Buckaroo Banzai Através da 8ª Dimensão (1984) ou do Interstelar 2014 de Christopher Nolan ? Podem
algumas inteligências habitarem uma hipertensão insondável? Os espíritos imateriais, como as fadas ou os
anjos, têm alguma realidade?
Sempre reconheceu-se que, no nosso paradigma monista materialista-reducionista, no qual apenas a
matéria é considerada real, não existe sobrevivência da alma, nem qualquer ser imaterial ou
extradimensional. O argumento é que, uma vez que a mente ou a consciência não podem funcionar
independentemente das redes neurais do cérebro ou da localização espacial, então não existe sem ela e a
morte do corpo cerebral significa a morte de sua mente cativa. No entanto, com 95% da energia total do
universo sendo não-matéria, ou matéria escura ou energia escura, cuja natureza ainda é um enigma - o
paradigma materialista tornou-se de repente, na virada do século, um pouco da antiguidade. Quanto ao
dualismo cartesiano, sendo a mente uma substância totalmente diferente da matéria / corpo / cérebro, No
entanto, o dualismo não conseguiu dar um fundamento satisfatório para as interações observadas de duas
vias da mente com o cérebro-corpo. Quanto ao idealismo, também não possui poder explicativo, sendo
muito fraco para explicar a consciência sem um corpo material, e não esclareceu nem a natureza nem os
processos de pensamentos e experiências individualizados.

Uma solução interessante é a dos campos morfo-genéticos de Sheldrake de Rupert: uma teoria que
postula que os campos da forma (campos mórficos), de uma natureza diferente dos sistemas biológico e da
matéria, formariam esses sistemas (e até processos comportamentais e mentais) através da ressonância
mórfica , atuando como a memória de um tipo ou família de sistemas e orientando sua morfogênese
(assim, em caminhos memorizados). Os campos morfos seriam então relacionados a uma causalidade
formal (uma das quatro causas de Aristóteles).Notemos que Sheldrake e outros cientistas realizaram
experimentações bem-sucedidas que dão crédito à existência de tais campos que não são da matéria que
orientam a organização dos biosistemas ou a psique (Sheldrake, 2009).
Vejamos agora os dois paradigmas contundentes em física. Cada um deles, tomado sozinho, é um beco
sem saída, até um universo viável e em evolução. Quanto mais sobre um em que seres inteligentes como
nós - nem sequer mencionar nD seres - poderia habitar!
(1) Um universo totalmente determinista, administrado pelas leis do espaço-tempo (estrutura de
relatividade), não permite a criação de organização inovadora, de diversidade e transformação em matéria
e bio-sistemas. Não conduz à evolução e à inovação na natureza (nem mesmo para
a seleção darwiniana ou simplesmente favorecendo os mais aptos), nem para a criatividade e a escolha, e
ainda menos para libertar vontade e consciência!
(2) Um universo completamente aleatório e indeterminista (QM framework) nem permitiria que um espaço-
tempo ou qualquer lei existisse - ainda menos para a inteligência! (Devemos conceder que a inteligência
leva à inovação e, portanto, a criação de ordem.)

Para fundamentar a evolução da matéria e dos bio-sistemas, para os processos conativos (intenção,
vontade ...), para escolha, criatividade e consciência, precisamos de um universo em camadas e complexo,
um favorecendo a interação de (1) leis fixas (espaço-tempo), (2) processos estocásticos (aleatoriedade na
escala quântica), (3) dinâmicas não-lineares (teoria do caos) que conduzem à criação de uma organização
inovadora e, finalmente, (4) uma dimensão de sensibilidade, escolha, comportamento pretendido , e
inteligência, em uma palavra, consciência - toda mistura e interação. Em suma, para simplesmente chegar
a um universo em evolução, permitindo que a inteligência flore, precisamos de uma margem de manobra
de leis estabelecidas (sob a forma de diversidade, caos, divergência, mudança) e uma ordenação seletiva
ou intencional desse caos e diversidade mínimo como um darwinistafavorecendo ou selecionando formas
de vida, na melhor das hipóteses, como inteligência básica.
Mas agora, se queremos ter também os tipos de processos não-locais que observamos (1) em psi
(comunicação e influência além da localização do cérebro e além das leis do espaço-tempo), (2) no
inconsciente (arquétipos e Self orientando o ego e fornecendo informações ) e (3) em algumas dinâmicas
de física - como o emaranhamento, velocidade mais rápida do que a luz durante a fase de inflação, etc.
(Guth 1997) - então precisamos postular uma hiperdimensão - não apenas como hiperespaço (e
possivelmente hiper-tempo ), mas também como HD de consciência.
E dentro de uma física + consciência HD (que dá uma base para todos os processos não-locais, sejam
eles físicos ou mentais), então a parte não-local da mente-psique pode habitar e viver como uma entidade
autoconsciente e em evolução, autônoma do corpo com o qual foi acoplado. Assim, dado que todos os
campos semânticos (os Seres ou entidades sensíveis) de seres e sistemas pertencem e existem dentro, a
hiperdimensão semântica ou Syg, ISST postula que a morte do corpo / cérebro não implica a morte do Eu
hiperdimensional . Pelo contrário, o syg-field atua como um campo informativo, consciente ou auto-
consciente - como um campo Syg HD (hiperconsciência), juntamente com um campo mórfico (Centro HD
ou hiperespaço) e um campo de freqüência (Rhythm HD ou hiper-tempo ). O triune HD permite que os
sistemas auto-referentes evoluídos, como as psique-mentes humanas, não apenas continuem vivendo
além da morte do corpo, mas sim como entidades cognitivas autoconscientes (o Eu ou a alma), dotadas de
vontade, intenção , autonomia e capacidade de aprender e evoluir.Além disso, o HD dá-lhes acesso a
maiores capacidades de cognição não-local e psi em geral. Enquanto o conjunto de todos os Selfs (de todos
os indivíduos conhecidos) forma a consciência coletiva ou cósmica que é o triune HD (Anima Mundi de
Jung ou inconsciente coletivo), os Selfs individualizados mantêm sua própria individualidade e sensibilidade
pessoal, experiência, conhecimento, memórias, modo de pensar, rede de relações, vínculos emocionais,
etc. Isso, seja com um corpo real no espaço-tempo 4D, ou após a morte desse corpo. autonomia e
capacidade de aprender e evoluir. Além disso, o HD dá-lhes acesso a maiores capacidades de cognição não-
local e psi em geral. Enquanto o conjunto de todos os Selfs (de todos os indivíduos conhecidos) forma a
consciência coletiva ou cósmica que é o triune HD (Anima Mundi de Jung ou inconsciente coletivo), os Selfs
individualizados mantêm sua própria individualidade e sensibilidade pessoal, experiência, conhecimento,
memórias, modo de pensar, rede de relações, vínculos emocionais, etc. Isso, seja com um corpo real no
espaço-tempo 4D, ou após a morte desse corpo. autonomia e capacidade de aprender e evoluir. Além
disso, o HD dá-lhes acesso a maiores capacidades de cognição não-local e psi em geral. Enquanto o
conjunto de todos os Selfs (de todos os indivíduos conhecidos) forma a consciência coletiva ou cósmica
que é o triune HD (Anima Mundi de Jung ou inconsciente coletivo), os Selfs individualizados mantêm sua
própria individualidade e sensibilidade pessoal, experiência, conhecimento, memórias, modo de pensar,
rede de relações, vínculos emocionais, etc. Isso, seja com um corpo real no espaço-tempo 4D, ou após a
morte desse corpo.
Ironicamente, uma hiperdependência trienal hiper-tempo-consciência HD também resolve o enigma
dualismo-monismo: a mente e a consciência são diferentes do espaço-tempo como no dualismo e, no
entanto, eles têm um componente de energia - algo que sempre pode ser traduzido em massa virtual -
como no materialista monismo.Além disso, este HD (em ISST) está permeando todos os sistemas de
matéria, ao mesmo tempo, e é, portanto, fortemente acoplado a eles, e ainda autônomo. Isto,
obviamente, está de acordo com o teorema de Gödel (1992) - de que a coerência (autoconfiança) de um
sistema só pode ser fundada em um nível mais global que o próprio sistema. Em resumo, a autoconfiança
do espaço-tempo só pode ser fundada em uma dimensão extra.
Passemos agora ao quadro postulado pelo ISST.
III. ISST: COLARES DE UNIVERSES EMBOCADOS NA HIPERDIMENSÃO

III.1. The Infinite Spiral Staircase Theory (ISST)

A Teoria Infinita da Escada em Espiral (ISST) postula uma hiperdimensão (HD) na própria origem do
universo, que teria contido toda a informação sobre miríades de sistemas otimizados em bolhas de
universo anteriores (UBs), como um DNA cósmico, essa informação sendo o modelo de matéria e bio-
sistemas que, em seguida, devido à sua dinâmica não-linear, evoluirão durante nossa linha de tempo de
bolha de universo como novos tipos de sistemas.
Essa hiperdimensão é a consciência e uma ordem topológica (geométrica ou sim, geodésica) na forma
de uma espiral conduzida pelo logaritmo da phi, portanto, uma espiral dourada . Uma espiral dourada
incorpora, em cada quarto de círculo, um raio específico (e, portanto, a freqüência) seguindo a seqüência
de Fibonacci, sendo cada raio um múltiplo de phi = 1.6180). Esta seqüência é infinita e, portanto, a
Escadaria de espiral infinita possui um conjunto de freqüências quase infinitas (ou espectro de freqüência)
a partir do infinito virtual (no ponto de origem X) até a freqüência de Planck (acontecendo a 10 -
43 segundos da universo). Na escala de Planck (o primeiro quantum), a freqüência do universo é de

aproximadamente 10 43 hertz (a freqüência de Planck é precisamente 1,85 × 10 43s -1 ), o que significa que o
universo da escala quântica vibra mais de 10 43 vezes em um único segundo.Quanto mais perto do ponto X,
onde essa frequência tende ao infinito. É somente após a escala de Planck (atuando como um limiar), com
as frequências mais baixas e o raio (e o comprimento de onda) do universo maiores, que as partículas, o
espaço, o tempo e, portanto, a causalidade são permitidos - e todas as partículas do Modelo Padrão serão
aparecem na devida ordem, começando com o bóson de Higgs, e eles vão adquirir massa ao atravessar o
campo de Higgs. ISST chama essa região do colector Quantum-Spacetime ou QST, conduzido pela QM +
Relativity. Em contraste, a hiperdimensão existe antes e abaixo da escala Planck, esta HD ocupando assim
o pré-espaço-tempo, em uma escala sub-planckiana ou sub-quântica. Muitos físicos argumentaram que as
leis que atuam antes da escala Planck (ainda desconhecidas) são de uma ordem diferente daquelas que
sabemos que estão atuando além dela.Stephen Hawking (1988, 2003) previu os comprimentos de onda
sub-planckianos dentro do horizonte de eventos de um furo negro (BH), em um argumento conhecido
como o problema Trans-Planckian . E John Brandenburg, seguindo Erik Verlinde (2010), argumenta que a
gravidade pode ser fundamentalmente ligada à entropia como uma nuvem de estados (um espaço de
estado entropico) acima da escala de Planck e que essa co-dependência torna necessário que seja fundado
em uma nuvem sub-planckiana de estados, ou espectro de freqüência, dando assim algum peso ao
espectro de freqüência do ISS (Brandenburg & Hardy 2016). Notemos também duas teorias que postulam
uma morte constante e um renascimento do universo: a Cosmologia Cíclica Conformal de Penrose (1989,
2010, 2014) que reafirma a entropia em cada nova origem e Lee Smolin'sFecund Universes Theory (1997)
que afirma que os buracos negros maciços (emitidos a partir de estrelas mortas) podem ser a semente de
universos em desenvolvimento, o que reterá alguns dos parâmetros de seu universo pai. No entanto, nem
Penrose nem Smolin postularam uma hiperdimensão (e ainda menos assim uma consciência HD).

III.2. Um HD triúno como hiper-espaço-consciência-hiper-tempo

Em ISST, o HD é triune: primeiro o imenso conjunto de frequências forma (por phi ) o HD do tempo-hiper-
tempo-espalhado no espaço virtual ao longo dos passos da espiral; Em segundo lugar, o conjunto de raios
produz (por pi ) os arcos (círculos) da espiral e, portanto, forma o hiperespaço como uma linha curva, assim
como o tempo.Hermann Minkowski, modelou o cone de luz em 1908 (usando a Relatividade Especial),
como uma ampulheta em que eventos / partículas (no centro ou no presente)
possuem linhas diretascorrendo para o futuro (cone superior) e do passado (cone inferior). Fora do duplo
cone é o Elsewhere (além do espaço-tempo), em que o tempo é semelhante ao espaço (estendido), e o
espaço é semelhante ao tempo (uma linha). A ISS cósmica, como HD, apresenta um espaço-como
Hypertime e um Hyperspace Time-like; mas acrescenta outra dimensão: um HD de consciência, o
semântico ou syg-HD, que é toda a espiral e seu imenso banco de dados como um conjunto de
freqüências. Assim, a linguagem da hiperdimensão cósmica é a música, e sua dinâmica é basicamente
rotações e ressonâncias, ondas e interferências, "redes de rotação" e "loops" (como em Smolin 1997;
Sarfatti 2006) - muitas das redes de freqüências direcionadas ao significado (como fechado, girando,
cordas) que formará a semente dos campos de syg que expressam (codificando) todos os sistemas
existentes em nossa bolha de universo.
É por isso que a hiper-hora é chamada de Ritmo-Rotação (R), e o hiperespaço é chamado de Círculo Central
(C), e o semântico / syg HD é chamado (S). Assim, a ISS está incorporando a dinâmica criativa dos números
pi e phi-two não finitos. HD Center é a dinâmica do centro (ou nó) criando seu círculo (via pi) para definir o
fechamento organizacional de seu próprio sistema - e no processo ele cria a identidade de um sistema
específico (uma propriedade que será essencial em nossa Região 4D, conforme as teorias do sistema e do
caos mostraram). Quanto ao HD Rhythm, ao oscilar, cada arco coloca seu círculo / toro em rotação e cria
uma partícula de onda sub-quântica com sua própria freqüência, um sygon, que, devido ao seu
emaranhamento com HD Syg e HD Center, é um sistema semântico por si só. Os sygons serão
impulsionados da ISS por seu impulso inicial e energia e criaremos toda a nossa bolha de universo com
suas duas regiões, o volume HD e o espaço-tempo quântico ou QST.
Como sabemos, qualquer freqüência é uma onda e, portanto, uma string / partícula virtual; e uma vez que
estamos no pré-espaço-tempo, a partícula virtual é sub-quantum, é claro, mas também possui uma
velocidade imensamente superior a C (a velocidade do limite de luz sendo efetiva somente dentro da
região QST). Assim, todas as frequências de arco da ISS cósmica estão expulsando sygons mais rápidos do
que a luz (FTL) (e redes deles) dotados das propriedades do CSR HD, notadamente, informação e
consciência.
A espiral da ISS na origem é um furo branco (WH) emitido a partir do orifício preto do terminal (BH) da
bolha do universo anterior. Este sistema duplo BH-WH foi modelado por Roy Kerr (1963); tem
uma ampulheta ou forma de X-funil (daí o nome que eu dou à origem, no centro da ampulheta: o X-Point).
À medida que o WH começa a entrar em erupção a partir do Terminal BH (TBH), a escada em espiral se
desdobra (e aumenta) à velocidade de cegueira e ejeta miríades de sygons, cujos comprimentos de onda
aumentam, enquanto suas frequências diminuem. Os sygons de primeira e mais alta frequência
(chamado Free Sygons ) irão lançar a maior parte do HD - como uma região grande e curva, provavelmente
em forma de fuso. Quando o tamanho dos sygões atinge o comprimento de Planck, eles começarão a
interferir e a criar uma rede espumosa - o campo de Higgs - e os símios posteriores e maiores assumirão a
massa ao atravessá-lo, tornando-se as partículas do Modelo Padrão. No entanto, todas as partículas da
região QST mantêm no seu núcleo os sygons, como uma hiperdimensão sub-planckiana, compacta e
enrolada. Essas partículas criarão a região do espaço-tempo enquanto dardam, impulsada pela energia
inicial da ISS, ela própria emitida a partir do TBH - começando com a primeira onda de neutrinos (o
desacoplamento dos neutrinos ocorre no primeiro segundo), então a onda dos fótons (a dissociação dos
fótons , dentro dos primeiros 2 minutos) iluminará o espaço-tempo e deixará a radiação relíqua ou CMB, o
fundo de microondas cósmica que detectamos agora em cerca de 370,000 anos após o Big Bang.
Essas primeiras ondas de partículas formarão a região do espaço-tempo (como um fuso ou próximo do
cilindro)dentro da região maior de HD, com as flutuações de vácuo e ponto zero (ZPF) como uma
membrana demarcando as duas regiões: QST e CSR HD. (Essa membrana limite complexa foi modelada por
Jack Sarfatti, 2006)
III.3. Os sygons na formação dos syg-fields (consciência) em sistemas complexos

Os sygons são consciência-como-energia, semântica ou simg-energia pertencente à hiperdimensão


CSR. Eles podem, através do HD Rhythm, interagir instantaneamente e trocar informações entre os
sistemas em que residem. Constituem e dirigem (via HD Center) a auto-organização dos syg-fields de todos
os sistemas, independentemente da sua complexidade (de um proto-consciência para uma mente). Todos
os sistemas dentro do espaço-tempo possuem syg-fields, que são suas dinâmicas e informações auto-
organizacionais, e sua identidade como sistemas. E os campos de syg de todos os sistemas (seja uma rocha,
uma árvore, uma pessoa ou um planeta) (1) são conscientes, (2) incorporam toda a informação em
evolução sobre este sistema, e (3) formam a HD desta sistema.Este é, claro, o fundamento da visão
panpsicista do ISST.

No nível individual humano


Para os seres humanos, os campos de syg são toda a rede semântica dinâmica da pessoa (inteligência,
organização do mente-psique-corpo, autoconciência, memória, emoções, habilidades, etc.). Os syg-campos
humanos são redes dinâmicas complexas, multiníveis, que compõem miríades de constelações semânticas,
cada uma orientando um conjunto de atos cognitivos em um domínio específico de atividade (como
condução, leitura, etc.), cada um ligado à rede associado, co-evoluindo, constelações (Hardy, 1998). Os
syg-fields pertencem à hiperdimensão CSR, mas cada constelação é acoplada a todos os sistemas
neuronais, fisiológicos e somáticos necessários para seu funcionamento no mundo 4D. As dinâmicas são
baseadas em conectividade significativa e rede, em processos paralelos e em vários níveis, em vez de na
hierarquia (de cima para baixo) e comandos como no dualismo.
Para nós seres humanos, nosso campo de simg é todo o nosso campo / rede de consciência individualizada,
isto é, nossa mente e dinâmica semântica + psique + consciência corporal + nossa rede relacional e
interativa. O Eu é o sujeito supraconsciente de nosso syg-field, enquanto o ego (o "eu") é o sujeito do
nosso estado comum de consciência, aquele cuidando nossas interações sociais (Jung 1960, Tart 1969). A
distinção Self-ego (quaisquer que sejam os termos usados) é a base de muitos caminhos internos,
iniciáticos, herméticos, místicos, espirituais e religiosos do conhecimento, definidos como um esforço para
se harmonizar com nosso eu superior ou espiritual (alma, homem, Ka ...). E no ISST, isso faz muito sentido
se entendemos que a consciência do ego é principalmente centrada no mundo social e físico. Em
contraste, capacidades siddhis ou psi, como a clarividência, a previsão, a cura. (Notemos que o campo da
antropologia psicológica reconhece que a maioria das culturas antigas, como a pioneira Erica Bourguignon
(1976) observou, teve uma forma de transe, e estas são resolvidas como shamanic (trance consciente
intencional e voluntário) ou então possessão cultos (personificação de espíritos sem autoconsciência
dentro do transe).

Nos níveis coletivo e cósmico


Carl Jung definiu o inconsciente coletivo como uma espécie de rede ou meio de comunicação entre todas
as psiques humanas (e seu sujeito, o Self), em que os arquétipos - planos psíquicos coletivos (como o dos
heróis) dotados de consciência e imenso "psíquico" energia "- pode influenciar a psique dos indivíduos
atraídos por eles.No entanto, por um lado, Jung integrou os animais e as plantas neste inconsciente
coletivo, de maneira alquimica, por exemplo como símbolos e arquétipos (expressando a orientação do
Self), ou então como almas de animais ou plantas- uma perspectiva que coincide com a dos xamãs em
plantas e animais sagrados, vistos como autoconscientes e capazes de orientar e ensinar indivíduos em
uma missão (por exemplo, na América do Sul e Central). Por outro lado, o inconsciente coletivo, como
Anima Mundi, participa de uma espécie de supra-consciência (como uma entidade, um todo, sendo mais
que a soma de todas as psiques / Selfs que o constituem) que Jung considerava trans-temporal e trans -
spatial , assim definitivamente não-local, e o material da realidade profunda que, com Pauli, eles
exploraram mais tarde. E lá, encontramos o conceito de uma dimensão extra.
Em ISST-SFT, a parte da psique que não está fortemente acoplada com o corpo do cérebro e contém toda a
informação é o campo syg HD (cujo sujeito, ou autoconsciência organizadora, é o Self). Os campos de syg
de todos os indivíduos e todos os sistemas formam uma consciência coletiva hiperdimensional a nível
planetário (inconsciente coletivo, Anima Mundi), alimentada pela energia de syg, e em que os campos de
simbologia ligados ou ressonantes (a mente-psique personalizada) continue interagindo e trocando
informações qualificadas (através dos sygons). Permitam-me que notemos que, quando vistos da
perspectiva do "eu" ou do ego envolvido nas esferas social e material, o próprio eu e o campo de simg são
relegados ao inconsciente; é principalmente com um caminho auto-desenvolvimento, xamanico ou yogico,
que o Eu ou Atman pode se tornar parte da consciência.Sistemas HD ) em nosso universo. É por isso que o
HD não é apenas consciente de si mesmo, mas quase omnisciente neste universo, e por que é um Anima
Mundi coletivo e em evolução na escala cósmica, ligada ao sistema a todos os seus componentes de syg-
fields (todas as mentes e todos os sistemas " psique). Como conseqüência, qualquer campo de simg com
suficiente energia de syg pode ter influência em qualquer grupo de campos de simg (por exemplo, uma
sociedade, um planeta), ou mesmo, teoricamente, em geral.
Isso contrasta totalmente com um deus criador que seria de uma substância diferente da sua criação /
criaturas e só emitiria comandos e com uma criação única e não evolutiva. (Observe o paralelo na lógica
com a estrutura dualista de uma mente que emite comandos de cima para baixo para o corpo do cérebro.)
No ISST, não só cada psique-mente é uma parte personalizada e significante da hiperdimensão, mas a
evolução do Todo - The One - é instanciado pela evolução de todas as suas partes - os campos de syg
individuais de todos os sistemas, cada um de uma entidade criativa autoconsciente e livre. Agora, uma vez
que os campos de syg são redes e usam uma dinâmica conectiva baseada no significado, o próprio campo
de simg (por exemplo, o de um ser humano), como um sistema, já é um eu colaborativo, dinâmico, auto-
organizado e em constante evolução -criação.corposendo a região do assunto do universo, isto é, a
QST. Assim, a consciência cósmica está evoluindo constantemente porque seus sistemas componentes - os
campos de simgologia / mentes individualizados - estão em uma evolução criativa permanente por si
mesmos. Em ISST, a consciência cósmica é apenas o conjunto de todos os Selfs de todos os seres e
sistemas - é um One-Plural, um sistema holográfico autoconsciente multifacetado, ainda uma entidade que
é mais do que a soma de suas partes, mas que evolui através de suas partes autoconscientes (os campos
de syg).Além disso, além do espaço-tempo e não-local, o auto-consciente cósmico HD conhece o passado
distante, bem como o futuro e suas linhas de probabilidades. As tendências em direção a futuros prováveis
específicos são constantemente reorganizadas com a entrada criativa em tempo real de todos os seres e
mentes de todas as civilizações inteligentes (através de seus campos de syg). Para que a animação cósmica
seja, como nós, um indivíduo que se autocreva constantemente e se auto-organiza sua mente e sua mente
com inteligência, criatividade, sensibilidade e arte e através de inúmeras conexões com outros campos de
simg e seu ambiente. No entanto, como um Plural, seu conhecimento e capacidade são mais que a soma
das mentes - psique que o compõe e, portanto, podemos esperar que ele / ela seja dotado de sabedoria e
hiperconsciência.

ISST: no lado ontológico


(1) O quadro global sistêmico e holográfico do ISST é que a hiperdimensão triúnica (CSR HD) preexiste a
região do espaço-tempo (QST) e dá origem a ela, formando assim um colar de bolhas do universo (Figura
2). De modo que uma bolha de universo como a nossa consiste em um CSR HD preexistente, depois parto,
rodeando e permeando a região QST cujo limite é o vácuo quântico e as Flutuações do Ponto Zero.
Fig. 2: Um colar de universos: a hiperdimensão CSR existente nas espirais Phi em um sistema
BlackHole-WhiteHole,
e em torno da região QuantumSpacetime (QST).

(2) A informação-sementes de todos os sistemas que evoluem no espaço-espaço é transmitida a partir de


uma bolha de universo-pai através do CSR cósmico HD (atuando como um DNA cósmico) através do
imenso banco de dados da ISS na origem. Portanto, não há criatio ex nihilo (criação do nada), e nenhum
criador divino personalizado como totalmente diferente em substância de suas criaturas não-divinas. Em
contraste, todos os seres têm um Self HD (ou alma) e seu conjunto constitui a hiperdimensão cósmica
colaborativa. Então, todos os seres e até mesmo os sistemas da matéria - todos com um campo de simbios
de HD - não participam apenas do Plural unico, mas continuamente em forma ou criam o Todo que os deu
à luz. É uma espécie de ciclo de consciência auto-criativo em todas as escalas.
(3) O cosmos auto-criativo, auto-organizado e autoconsciente não é determinista nem aleatório; mas sim a
interação criativa de ambos, mais a dinâmica não-linear e entrada inteligente criativa dos seres que o
constituem.
(4) O cosmos inteiro (HD + QST) é uma inteligência coletiva, um sistema multinível tanto em sua totalidade
como em suas partes (Hardy 2015b).
(5) ISST postula um tipo de panpsychism uma vez que todos os sistemas têm um núcleo de consciência HD
(os sygons como um HD compacto), sendo os campos de syg desses sistemas mais ou menos evoluídos (de
uma proto-consciência a uma mente).
(6) A organização global do universo é holográfica e consciente de si mesma - todas as partes têm a
informação do todo e podem influenciar grupos de syg-fields.
(7) O cosmos é uma mistura de mente fina e matéria, em todas as escalas.
(8) O paradigma do ISST de um cosmos autoconsciente e consciência coletiva é um salto além do monismo
versus dualismo, além do QM versus Relatividade, além da mente-matéria e da divisão mente-corpo.
(9) A imagem de um deus personalizado criando o universo em um ponto específico do tempo muda para
uma consciência coletiva perpetuamente auto-criadora através da entrada de todas as suas partes - os
campos de syg de todos os seres e sistemas e relativamente ao seu syg - força de energia - e quem, como
um sistema holográfico, continua aprendendo e evoluindo em todas as escalas.
(10) Uma conseqüência interessante do modelo de ISST é que todas as civilizações inteligentes em nosso
universo são de alguma forma co-evoluindo entre elas e influenciando-se mutuamente (apesar de alguns
poderem estar um milhão de anos à nossa frente ou atrás de nós) e além disso também são co-evolutivos
com os corpos planetários que habitam.
(11) E, claro, a ISST transforma profundamente não apenas a perspectiva da liberdade humana e do livre
arbítrio, mas também tem um profundo impacto na questão da vida após a morte.

IV. VIDA CONTINUA DE UNIVERSOS E SERES NA HIPERDIMENSÃO

IV.1. Nascimento e morte dos universos: a escala cósmica

Uma vez que a hiperdimensão triúnica (CSR HD) preexiste a região do espaço-tempo (QST), temos, entre
bolhas de universo (UBs), um sistema Kerr BH-WH. ISST postula que ele seja - dentro de suas duas
singularidades - pura dimensão do Centro-Syg-Ritmo, isto é, um campo de informação autoconsciente
dinâmica ou consciência cósmica, como um conjunto infinitamente infinito de freqüências espalhadas no
hiperespaço na espiral phi.
No Terminal Black Hole da bolha do universo anterior, todos os sistemas de matéria ou bio perderam a
sua camada de matéria e são transcritos (sublimados) em energia semântica sérica CSR pura (formando
assim o DNA cósmico). Estes foram os sistemas que foram viáveis, duradouros e otimizados nos UBs
anteriores dos pais.

Fig. 3: Espirais de ISS baseadas em Phi em um sistema BH-WH (Black Hole à esquerda, White
Hole à direita),
instanciando a hiperdimensão CSR pura em torno da região QuantumSpaceTime.

No Buraco Branco de uma nova UB (a ISS cósmica de parto), as frequências de arco dos ejectos de
ejeção FTL em espiral, quanto mais perto do ponto X da origem, maior a frequência (e menor o raio). Os
primeiros símios de alta energia - Free Sygons - ejetados com tremendo impulso, formarão a grande região
HD (na forma de um fuso) do que se tornará um UB. Então, quando as freqüências de arco são baixas para
a freqüência de Planck, os comprimentos de onda dos sgões são tão grandes que começam a interferir,
criando espuma e loops na boca da ISS, formando assim uma rede na frente e perpendicular a ela, que
dará subir para o campo de Higgs. Os sons grandes agora terão que atravessar essa rede, que está se
tornando mais densa e mais densa, e eles adquirem massa e inchaço em tamanho, transformando-se assim
nas partículas do Modelo Padrão.
As primeiras duas ondas de partículas de alta energia que conhecemos - a dissociação dos neutrinos (no
primeiro segundo) e a dos fótons (a 1,40 minutos) - criam literalmente a região do espaço-tempo enquanto
aceleram, dentro do volume HD já criado pelo Free Sygons, como uma região cilíndrica menor. Enquanto
isso, a rede espumosa se estende ao redor da região do espaço-tempo à medida que o último avança
(como um balão) e torna-se o vácuo, uma superfície de limite complexa entre o espaço-tempo e as regiões
HD - comportando-se como a membrana dupla modelada por Sarfatti (2006) entre o espaço-tempo e o
mar Dirac sub-quântico de energia negativa, e através do qual o túnel de partículas virtuais). Tele (falso)
vácuo é um limite de superfície oscilante e borbulhante, mostrando flutuações permanentes de
partículas virtuais (daí a indeterminação ZPF). No entanto, os Free Sygons haviam ocupado a região
que é agora espaço-tempo (QST), e eles ainda estão lá, imensamente mais numerosos do que os grandes
sygons que foram "vestidos" em massa ao atravessar o campo de Higgs - as partículas conhecidas,
reunindo-se para átomos de forma, em seguida, moléculas, etc. as novas partículas retêm no seu núcleo as
sygons originais (e suas informações), formando-se assim o 5 th D, compacto (sub-Planckian), dessas
partículas. Estes núcleos-sygões são ISSs individuais - uma quase réplica da ISS cósmica, e trazendo sua
informação como num holograma - e constantemente enviam simgons para a fonte, a ISS cósmica, sobre
seu próprio sistema em evolução. Assim, todos os sistemas, através de suas ISSs individuais,conversam
constantemente com a ISS cósmica, e suas informações são impressas na ISS cósmica - atuando como o
campo de informação Akashic (veja Laszlo 2004). Mas aqui, em contraste com o campo A de Ervin Laszlo ,
este Akasha é sub-planckiano, isto é, sub-quântico, e não reside no vácuo quântico que, no ISST, teria
apenas vestígios informativos do túneis de sygons através de a membrana de vácuo, aparecendo como
loops.
A teoria da ISS destaca, portanto, a profunda coerência e a organização dinâmica sistêmica do pluriverse
- os colares dos UBs. Também traz uma compreensão interessante sobre um fato desconcertante: que
todos os átomos simples (hidrogênio, hélio, deutério) que ainda existem em nosso tempo presente em
todo o nosso universo foram formados dentro de vinte minutos após o Big Bang. Se considerarmos que
todas as partículas e átomos possuem uma informação inestimável sobre todos os sistemas possíveis, que
podem formar ou fazer parte, a natureza econômica não se livrará dessa informação e os átomos
continuarão existentes até serem transcritos de volta ao puro Informação CSR dentro de um buraco
negro. Foi calculado que os fótons da primeira luz (a dissociação de fótons) representam 96% de todos os
fótons que nos alcançam - isto é, cerca de 400 fótons Big Bang por centímetro cúbico à nossa volta quando
entramos na rua! (Bogdanov, 2004) Os restantes 4% provêm da luz das estrelas.
Então, vejamos as conseqüências em relação ao nosso tópico, a questão da vida pós-morte.
No colar das UBs, cada UB recebe ao nascimento o DNA cósmico de seus UBs principais (a informação
sobre sistemas otimizados), mas será livre para improvisar e criar, transformar esses sistemas e fazê-los
evoluir. De modo que em um Terminal BH, o campo de informação na ISS cósmica será drasticamente
diferente do recebido no nascimento (Hardy 2015a). Os sygons HD (livres ou incorporados como 5ºD em
sistemas) são a realidade profunda do nosso universo, e dirigem todas as comunicações não-locais e inter-
influências entre entidades - uma interação bidirecional constante com a origem, e entre os campos de
simg ressonantes (como mentes); Assim, os estados altos de consciência e os fenômenos psi são
instanciados pelos sygons e HD, incluindo formas estranhas de não-localização, como retrocausalidade ou
sincronicidades (Hardy 2016).
Em resumo, na escala pluriverse, não há perda de informações, nunca. A matéria é gerada pela
hiperdimensão, e quando desintegrada dentro de uma BH, ela é traduzida de volta para a informação
puramente sérica de alta qualidade impressa na ISS. Assim, é preservado um axioma de QM, que nenhuma
informação é perdida. Conforme modelado pelo Prêmio Nobel Gerard 't Hooft (1993) , toda a informação
sobre um volume (ou seja, um BH) está inscrita em sua superfície (ou seja, na superfície
do horizonte de eventos da BH ); conseqüentemente, o Princípio Holográfico afirma que toda a
informação sobre este universo está inscrita na superfície 2D do seu horizonte cosmológico.
No ISST, o universo à medida que o experimentamos no nosso mundo 4D teve origem e morrerá em um
Terminal Black Hole (e muitos BH parciais anteriores). No entanto, o HD que permeia o universo,
insondável, habita além dos sistemas de nascimento e morte de matéria (incluindo bolhas de universo); é
eternamente existente como um todo autoconsciente (o Hindu Tat Vam Asi - eu sou aquele, eu sou o que
é); No entanto, em contraste com um deus criador considerado imóvel e distinto do criado, o CSR HD está
constantemente evoluindo e aprendendo através de seus sistemas componentes. Como o todo é mais do
que a soma de suas partes, o CSR HD cósmico conhece mais do que todas as suas partes, mas tanto seu
conhecimento quanto seu ser, em constante evolução, não são nem perfeitos nem totais.Assim, a teoria da
ISS se opõe ao conceito de um deus criador - especialmente quando visto como imóvel, onipotente e
onisciente. A sua originalidade é que não é um deus criador nem um universo materialista cego, mas um
holograma auto-criativo e auto-evolutivo e multicamada. Em resumo, como um sistema holístico (inteiro,
coerente) e holográfico, o CSR HD conhece todas as suas partes e é autoconsciente em sua totalidade e em
suas partes também. Assim, as bolhas do universo são constantemente nascidas e depois morrem (em
termos de sua região de matéria QST); No entanto, suas informações são preservadas e transmitidas para
o seguinte UB, através da hiperdimensão CSR. A morte na escala cósmica é apenas uma transformação,
uma tradução na pura consciência hiperdimensional; e o nascimento é o processo inverso.
Assim, é lançada uma nova luz sobre uma totalidade impessoal, mas autoconsciente e criativa, com a
qual cada um de nós, seres inteligentes, pode se comunicar através de nosso Eu. O objetivo implícito da
criação perpétua de UBs seria, portanto, a exploração e expressão de atos criativos e potenciais mentais
por entidades em todas as escalas e em muitos níveis embutidos e interativos.

IV.2. O eu hiperdimensional vivo além do espaço-tempo


Vimos que ISST (e SFT) integraram e elaboraram os conceitos de Carl Jung de um inconsciente coletivo e do
Self como um sujeito supraconsciente e transcendente do inconsciente pessoal, conectado a outros Seres
e ao Anima Mundi (o eu coletivo como o One-Plural).
É dentro da psicologia cognitiva que eu desenvolvi SFT ainda, como pesquisador em culturas mundiais e
doutorado em antropologia psicológica e praticante e especialista em técnicas de meditação e
autodesenvolvimento, estou totalmente de acordo com o conceito de Jung do processo de
individuação que reframe os antigos caminhos do conhecimento e da iniciação na linguagem da psicologia
da profundidade. Os caminhos de iniciação são encontrados na maioria das culturas e religiões antigas,
bem como no misticismo cristão e muçulmano. Como Mircea Eliade (1954) mostrou, a iniciação era um
caminho em todo o mundo de conhecimento com o objetivo de explorar a dimensão espiritual do mundo
(o dreamtime f ou os aborígines australianos) e ao desenvolver as próprias capacidades psíquicas e
mentais, suas práticas diferiram com cada cultura.
A individualização e a iniciação refletem um cosmos em camadas e o conhecimento perene que: (1) cada
ser humano tem um transcendente, supraconsciente, eu (e alma) e um estado comum de consciência
conduzido pelo ego, mais centrado no corpo e ambiente social (Tarte, 1969); (2) este eu pode acessar um
conhecimento mais profundo do que o ego e ativar novos potenciais mentais ao se conectar à alma do
mundo ou ao sonho. De acordo com alguns caminhos de conhecimento antigos, a iluminação (ou o
despertar) é a auto fusão ("morte do ego", "casamento místico ou alquimista") e, uma vez alcançada, o
indivíduo ultrapassa a dualidade ( advaita no hinduísmo) e pode se conecte ou se harmonize com a
consciência cósmica (Brahman, Tao, The One)
Agora, vamos nos concentrar no tema da morte corporal para seres humanos.
A SFT postula que a parte principal do nosso ser é extra-dimensional, ou seja, operando na dimensão
semânticaalém do espaço e do tempo (assim como Jung tinha predito sobre o Eu e o inconsciente); e que
apenas uma pequena parte do nosso campo semântico está entremeada com as redes do cérebro e o
corpo através dos ecossistemas (consciência do corpo). Em ISST + SFT, nossos campos de syg funcionam
assim livremente na hiperdimensão do syg e criam interligações espontâneas com campos de simbologia
ressonantes (por exemplo, aqueles de nossos entes queridos, mas também aqueles de nossos animais de
estimação, nossas casas, saboreiam obras de arte e sistemas de pensamento, etc.). O eu é o sujeito
supraconsciente de todo o campo de simg e orienta o processo de individuação ou a auto-integração do
ego. Como Jung mostrou, é o Eu de uma pessoa que age como uma entidade orientadora na maioria dos
sonhos simbólicos e numinosos - aparecendo principalmente como o lado reprimido da psique, seja
a anima femininaou o animus masculino , para equilibrar a psique da pessoa - e isso explica a
representação de um anjo da guarda pessoal . E na vida de alguém, o Self é sempre dedicado ao despertar
do ego e pode, dentro da hiperdimensão do syg, inventar sincronismos, eventos ou situações que enviarão
uma mensagem ao ego.
Assim, para desenhar a imagem global, o campo de syg, sendo o campo de informação da pessoa e
orientando sua dinâmica semântica e organizacional, contém, além disso, toda a memória dinâmica dessa
pessoa - como informação, individualidade, organização, procedimentos , e processos.
Neste contexto, a morte é apenas o derramamento do sistema de bio-matéria pelo Self - algo como um
desacoplamento do Self e do seu syg-field HD da matéria - tanto Self como syg-field são altamente
pessoais e fortemente individualizados. De fato, o grau de originalidade do syg-field e Self de uma pessoa é
maior do que a de suas impressões digitais porque o syg-field é também o conjunto de suas redes afetivas,
sociais e intelectuais. A morte corporal, para o eu individual, está apenas cortando as conexões com as
redes neuronais do cérebro. No entanto, todas as conexões passadas do campo de syg da pessoa com
seres vivos, objetos, lugares e ambiente ainda estão vivos, porque são principalmente links e vínculos
psíquicos e mentais (ou seja, semânticos). Contudo, A Teoria da ISS - como um quadro de consciência
cósmica - não leva a nenhum julgamento das almas ou castigos após a morte. Se o objetivo global de uma
encarnação é aprender e expandir a consciência e os talentos, então é provável que o Eu considere suas
conquistas e deficiências durante sua vida passada; mas este é apenas um processo de aprendizagem e
não tem nada a ver com uma condenação e, ainda menos, com um julgamento eterno;Aqui, temos apenas
um Self assumindo as próprias responsabilidades.

CONCLUSÃO: INDIVIDUOS TOTALMENTE CRIATIVOS POST-MORTEM

Como vimos, antes / abaixo da escala Planck ( na origem, em torno do espaço-tempo ou da região QST , e
no finalde uma bolha do universo), existe o CSR HD puro - os campos de syg que incorporam a ISS antes de
expressarem ( ou vestir-se) na matéria após / acima da escala Planck, na região QST (como na Figura
2). Portanto, uma conseqüência interessante do quadro da ISST é o fato de que uma região
hiperdimensional autoconsciente leva à existência necessária de seres e sistemas que seriam sistemas CSR-
HD puros (isto é, campos de simg, sem corpos materiais no espaço-tempo) e redes de eles (como grupos
de Selfs ou almas). Enquanto esses seres imateriais são desprovidos de matéria ou corpos comuns, eles, no
entanto, têm uma alta energia de syg (bem como um campo mórfico) e podem ter uma influência na
organização de sistemas de matéria na região do espaço-tempo. Isso é semelhante a um ser humano vivo
fazendo uma visualização autocura e cujo campo de syg irá transmitir uma energia de cura para o seu
corpo. Após a morte do corpo, o syg-field, como vimos, ainda existe como uma personalidade inteligente,
criativa, volitiva e evolutiva. Portanto, O Self de uma pessoa falecida é um puro CSR HD que existe apenas
na hiperdimensão. Eu suponho que um eu puro (desencarnado) não teria tanta influência nos sistemas do
espaço-tempo como um Self incorporado em seu próprio corpo, mas ainda poderia mexer com a realidade
4D.
Outro sistema CSR-HD puro poderia ser o campo de simg de uma galáxia que foi engolido por um buraco
negro (em qualquer ponto do espaço-tempo de um UB) e cuja matéria teria sido esmagada pela
gravidade. Agora existiria como um campo puro de informação-syg-energia organizado como um campo de
simg e capaz, em condições favoráveis, de atuar como DNA galáctico e dar origem a uma nova galáxia.
Para dar uma imagem mais precisa da questão da sobrevivência além da morte corporal dentro do quadro
ISST, uma pessoa falecida, tendo derramado seu corpo, seria o seu puro eu, tendo todas as memórias e os
talentos acumulados de sua vida anterior. Isso está de acordo com o conceito budista e hindu do Self
(atman) sendo consciente entre as encarnações, no Bardo.
Dada a grande pesquisa sobre as comunicações com o falecido (p. Ex., Brune 2009; Gurney et al 1886;
Myers 1903) - e minhas próprias experiências relatadas em The Sacred Network (Hardy 2011) - minha
posição sobre esta questão é que o Self Self puro ( como almas individuais- o falecido) (1) mantiveram sua
individualidade e sua paisagem mental, (2) ainda estão pensando, criativas, atuando e aprendendo,
capazes de intenção e vontade, (3) mantiveram sua rede relacional passada e até adicionaram novas (4),
além disso, eles gozam do alcance maior de uma consciência HD (chegando a qualquer coordenada no
espaço ou no tempo) que lhes permita se comunicarem livremente com seus entes queridos e colegas do
passado, seja este registrado conscientemente ou através de seus inconsciente pelos indivíduos
vivos. (Todas essas propriedades e capacidades podem ser derivadas de SFT-ISST).Isso significa que, como
seres inteligentes que vivem no espaço-tempo 4D, quanto mais conseguimos nos conectar e harmonizar-
nos com o syg-HD - ao nosso próprio Eu através de estados meditativos elevados - e quanto mais possamos
comunicar com HD seres.

REFERÊNCIAS
Aspect, A., Grangier, P., & Roger, G. 1982a. " Realização experimental de Einstein-Podolsky-Rosen-Bohm
Gedankenexperiment: uma nova violação das desigualdades de Bell ". Physical Review Letters , Vol. 49,
Iss. 2, pp. 91-94 (1982) doi : 10.1103 / PhysRevLett.49.91
Aspect, A., Dalibard, J. & Roger, G. 1982b. " Teste experimental das desigualdades de Bell usando
analisadores variáveis no tempo ". Physical Review Letters , Vol. 49, Iss. 25, pp. 1804-1807
(1982) doi : 10.1103 / PhysRevLett.49.1804
Bem DJ. 2011. "Sentir o futuro: evidências experimentais de influências retroativas anômalas sobre a
cognição e o efeito". J. of Personality and Social Psychology, 100 (407-25). < http://dbem.ws/ >
Brandenburg J. 2011. Além do campo unificado de Einstein. Gravidade e Electro-magnetismo
Redefinidos . Kempton, IL: Adventures Unlimited Press.
Brandenburg JE. & Hardy CH. 2016. "Gravidade Entropic no Tempo Pré-Espacial e a Teoria da ISS de um
Campo de Informação Cósmica". Prespacetime Journal 7 ( 5), 828-838. (9 de abril de
2016). < http://prespacetime.com/index.php/pst/article/view/968/944 >
Bohm D. 1980. Totalidade e a Ordem Implicada . Londres: Routledge & Kegan Paul.
Bohm D. & Hiley BJ. 1993. O universo não dividido: uma interpretação ontológica da teoria
quântica. Londres, Reino Unido: Routledge.
Bogdanov, I. & G. 2004. Avant le Big Bang . Paris: Grasset Poche.
Bourguignon, E. 1976. Posse . Corte Madera, CA: Chandler & Sharp.
Brune F. 2009. Les Morts Nous Parlent . Paris: Livre de Poche.
Carr B. (ed.) 2007 . Universo ou Multiverso . Cambridge, Reino Unido: Cambridge Univ. Pressione.
---. 2014. " Modelos hiperspaciais de matéria e mente". Em E. Kelly, A. Crabtree e P. Marshall (Eds.). Além
do fisicalismo: para a reconciliação da ciência e da espiritualidade. Lanham, MD: Rowman & Littlefield.
Combs A, & Holland M. 1995. Sincronicidade: Ciência, Mito e Trickster . Nova Iorque: Marlowe.
de Broglie L. 1939. Matéria e luz: a nova física (trans. WH Johnston). Mineola, NY: Dover Publ (original em
francês em 1937).
Eliade, M. 1954. O Mito do Eterno Retorno: Ou, Cosmos e História , trans. WR Trask. Princeton: Princeton U
Press. Original em francês 1949.
Gödel K. 1992. Sobre Proposições formalmente indecidíveis de Principia Mathematica e Sistemas
Relacionados. Mineola, NY: Dover Publ.
Gurney E, Podmore F., & Myers FWH. 1886. Phantasms of the Living . Livros esquecidos.
Guth AH. 1997. O Universo Inflationário . Leitura, MS: Perseus Books.
Hardy C. 1998. Redes de significado: uma ponte entre mente e matéria . Westport, CT: Praeger.
---. 2001. "Auto-organização, auto-referência e inter-influências nas Web Multilevel: além da
causalidade e do determinismo". J. of Cybernetics and Human Knowing, 8 (3). UK: Imprint
Academic. https://independent.academia.edu/ChrisHHardy/Papers
---. 2003. "Web multinível estendida através do tempo: inter-influências retroativas e proativas". Pesquisa
de sistemas e ciência comportamental, 20, (2), 201-215.
https://independent.academia.edu/ChrisHHardy/Papers
---. 2004. " Sincronicidade: interconexão através de uma dimensão semântica". Apresentação no 2º
Encontro Psi, abril de 2004, Curitiba, Brasil.https://independent.academia.edu/ChrisHHardy/Papers
Hardy CH. 2011. A Rede Sagrada . Rochester, VT: tradições internas.
---. 2015. DNA cósmico na origem: uma hiperdimensão antes do Big Bang. The Infinite Spiral Staircase
Theory . EUA: CreateSpace IPP.
---. 2015a. "Dinâmica topológica configurando um campo de informação na origem do universo.Teoria da ISS.
" Documento apresentado no Fórum Internacional de Tecnologias e Aplicações (STAIF-II). Albuquerque,
NM, 16 a 18 de abril. https://independent.academia.edu/ChrisHHardy/Papers
---. 2015b. “ Um modelo sistêmico e hyperdimensional de um cosmos conscientes e a ontologia da
consciência no universo.” Proceedings, 59 ªreunião do Intern. Soc. para as Ciências dos Sistemas (ISSS) ,
Berlim, Alemanha (agosto de 2015).
https://independent.academia.edu/ChrisHHardy/Papers
---. 2015c. Processos não-locais e emaranhamento como assinatura de uma hiperdimensão cósmica de
consciência. J. of Consciousness Exploration & Research (JCER) , 6 (12), 12/04/2015.
---. 2016 (pré-impressão). Consciência não local no universo: Panpsiquismo, psi e mente sobre a matéria
permitida em uma física hiperdimensional. J. da não-localização.
https://independent.academia.edu/ChrisHHardy/Papers
Hu H. & Wu M. 2016. " Comemorando a teoria geral da relatividade de Einstein: LIGO detectou a onda
gravitacional prevista por Einstein há 100 anos . " Prespacetime Journal 7 ( 2 ) , fevereiro de 2016, 442-
444 .
Hawking SW. 1988. Uma Breve História do Tempo . Nova York: Bantam Books.
---. 2003. " Cosmologia do Top Down". Documento apresentado na Davis Inflation Meeting,
2003. http://arxiv.org/abs/astro-ph/0305562
Jung CG. 1960. Sincronicidade: um princípio de conexão acausal , nas obras coletadas de CG Jung:
Vol. 8. (Série Bollingen, XX), Princeton, NJ: Princeton Univ. Pressione.
---. 1965. Memórias, Sonhos, Reflexões . Nova York: Vintage / Random.
Jung CG, & Pauli W. 1955. A Interpretação da Natureza e da Psique . NY: Livros do Panteão.
Kaku M. 1994. Hyperspace: uma odisseia científica através de universos paralelos, Time Warps e a 10ª
Dimensão. Nova Iorque: Anchor.
Kerr RP. 1963. Campo gravitacional de uma massa de giro como um exemplo de métricas
algébricas especiais. Letras de revisão física 11 (5): 237-8.
Laszlo E. 2004 . Ciência e campo de Akashic: uma teoria integral de tudo . Rochester, VT: tradições
internas.
Mishlove J. 1997. As Raízes da Consciência . Nova Iorque: Marlowe & Co.
Mitchell ER. 1996. The Way of the Explorer . Nova York: Putnam.
Myers FWH. 1903. Personalidade humana e sua sobrevivência da morte corporal . Londres, Reino Unido:
Longmans. https://archive.org/details/humanpersonality01myeruoft
Nelson RD, Bradish GJ, Dobyns YH, Dunne BJ e Jahn RG. 1996. "Anomalias de campo ERG em situações
grupais". Journal of Scientific Exploration, 10 (1): 111-41.
Pauli W. & Jung CG 2014. Atom e Arquetipo . As cartas Pauli / Jung, 1932- 1958. Princeton, NJ: Princeton
University Press.
Turfa FD. 1987. Sincronicidade: a ponte entre a matéria ea mente . Nova York: Bantam Books.
Penrose, R. 1989. A Nova Mente do Imperador . Oxford, Inglaterra: Oxford University Press.
---. 2010. Ciclos do tempo. Oxford, Reino Unido: Oxford Univ. Pressione.
---. 2014. "Sobre a gravitização da mecânica quântica 2: cosmologia cíclica conforme". Fundamentos da
Física 44 (8): 873-90.
Radin D. & Nelson R. 1989. "Evidências de anomalias relacionadas à consciência em sistemas físicos
aleatórios". Fundamentos da Física, 19, (12), 1499  514.
Randall L, & Sundrum R. 1999. "Uma alternativa à compactificação". Letras de revisão física 83: 4690-93.
Sarfatti J. 2006 . Super Cosmos; Através de Luta às Estrelas . (Space-Time e Beyond III).Bloomington, IN:
Author House.
Sheldrake R. 2009. Ressonância morfica. A natureza da causação formativa . Rochester, VT: Tradições
Internas / Park Street Press.
Smolin L. 1997. A Vida do Cosmos . Nova York: Oxford Univ. Pressione..
Susskind L. 2003. "A paisagem antrópica da teoria das cordas". ArXiv: hep-th / 0302219
Targ R, Puthoff H e May E. 1979. "Percepção direta de locais geográficos remotos". Em CT Tart et
al. (Eds.), Mind at Large (pp. 78-106) . Nova York: Praeger.
Tart C. (Ed.) 1969. Alterados estados de consciência . Nova Iorque: John Wiley & Sons.
't Hooft, Gerard 1993. "Redução dimensional na gravidade quântica". arXiv : gr-qc / 9310026
Verlinde E. 2010. "Sobre a origem da gravidade e as leis de Newton." ArXiv: 1001.0785 [hep-th]
Witten, E. 1981. "Uma nova prova do teorema da energia positiva" . Comunicações em Física
Matemática . 80 (3): 381-402.
Witten, E. 1995. "Dinâmica da teoria das cordas em várias dimensões". Nuclear Physics B . 443 (1): 85-
126. arXiv : hep-th / 9503124

°°°

Nota Biográfica: Chris H. Hardy, Ph.D. em etno-psicologia e ex-assistente de pesquisa nos


laboratórios de pesquisa psicofísica de Princeton, NJ. Teórico dos sistemas, pesquisa sobre a
consciência - através de psicologias junguianas e transpessoais, estudos de consciência, ciências
cognitivas. Pesquisa recente sobre uma teoria cosmológica (ISST) que integra a consciência em
uma visão sistêmica e hiperdimensional do cosmos (Livro: DNA cósmico na origem , 2015). Desde
1995, ela elaborou a Teoria dos Campos Semânticos (uma teoria cognitiva baseada em redes
dinâmicas complexas). Mais de 60 trabalhos até à data e 17 livros sobre consciência.Dr. Hardy
apresenta trabalhos regularmente em conferências científicas internacionais.

[*] Chris Hardy, Eco-Mind Systems Science,Seguret, França.


Sites: https://independent.academia.edu/ChrisHHardy ; http://cosmic-dna.blogspot.fr
[†] Veja o lançamento da equipe de sondagem da cosmologia PLANCK de março de 2013, então no
início de 2015 em:
http://en.wikipedia.org/wiki/Planck_%28spacecraft%29 - 2013_data_release [ultimo acesso em
10/16/2016]
Tuesday, December 1, 2015

NONLOCAL PROCESSES AND ENTANGLEMENT AS A SIGNATURE OF A COSMIC


HYPERDIMENSION OF CONSCIOUSNESS by Chris H. Hardy, Ph.D. (Pre-Print) (Nov 30, 2015)

http://cosmic-dna.blogspot.com.br/2015/

NONLOCAL PROCESSES AND ENTANGLEMENT AS A SIGNATURE OF A COSMIC HYPERDIMENSION OF


CONSCIOUSNESS

by Chris H. Hardy, Ph.D.


Submitted to Journal of Nonlocality (Nov 30, 2015)

ABSTRACT
Five groups of anomalies regarding spacetime laws reveal ‘beyond spacetime’ processes and
point to a meta region of the universe that would accommodate them. They are (1) the nonlocality
in entanglement, (2) nonlocality in psi processes; (3) a subquantum (sub-Planckian) region at the
origin of the universe (preceding the emergence of matter, space, and time), as well as at the
subquantum scale in general; (4) a non-material ‘dark energy’ filling the cosmos; and (5) speeds
breaking the speed of light C during the inflation phase. Moreover, the connective and/or semantic
properties of these anomalies rule out a quantum vacuum or quantum mechanics (QM) explanation
as well. Such a ‘beyond spacetime’ region, in cosmology, has to be modeled as a hyperdimension
(HD). The Infinite Spiral Staircase Theory (ISST, Hardy 2015) posits a triune hyperdimension—of
hyperspace, hypertime and consciousness—, that allows all five anomalies regarding spacetime
(e.g. nonlocality in entanglement and in psi, origin of the universe and subquantum scale) while
laying a cogent grounding for meaningful (semantic) interconnectedness and mind-over-matter
influences as exhibited both by psi and by the connective dynamics of mind and consciousness in
Semantic Fields Theory.
Keywords: Physics of consciousness and psi; Entanglement; Mind over matter;
Hyperdimension of consciousness; Retrocausality; Information field at the origin.

1. INTRODUCTION

Nonlocality has been established via the entanglement experiments, and defined as an
exchange of information or a correlation between distant paired particles that cannot imply a signal
transmission through linear space. Since space is indissolubly enmeshed with time in
the spacetime of General Relativity (GR), nonlocality thus reveals a ‘beyond spacetime’ process.
Another four groups of anomalies also point to such ‘beyond spacetime’ processes, at odds with
GR. The first one regroups psi phenomena, evidenced as nonlocal processes by numerous
experiments. The second group addresses (a) the origin of the universe before the Planck scale (or
quantum scale, at 10-43 second of the universe) that allowed the first particles, and thus space and
time to exist, as well as (b) any point in spacetime coordinates at a sub-Plankian scale. The third
anomaly is the existence of dark energy, about 69% of the total energy of the universe, and of which
we know only that it is not ordinary matter or particles; some physicists view it as ‘quintessence,’ an
unknown type of energy made of tachyonic (faster-than-light—FTL) virtual particles. The fourth
anomaly resides in the inflation phase of the universe (at 10 -36second, just above Planck scale) that
reached million of times C. It is argued in this paper that, since the speed of light’s limit C is an
absolute constraint of spacetime, any clear contravention of this law, as well as of the other main
laws of spacetime and the electromagnetic force, reveals a ‘beyond spacetime’ region—such region,
in cosmology, having to be modeled as a hyperdimension (HD). Moreover, the five groups of
anomalies (including the entanglement) show us that such HD must also accommodate meaningful
(semantic) interconnectedness and mind-over-matter influences.
The Infinite Spiral Staircase Theory (ISS theory) (Hardy 2015, 2015a, 2015b), by positing a
triune hyperdimension (of hyperspace, hypertime and consciousness), offers such modeling that
gives a foundation to all five anomalies, as well as a grounding for meaningful (semantic)
interconnectedness and mind-over-matter influences as exhibited both by psi and by the connective
dynamics of consciousness in Semantic Fields Theory (Hardy 2001).

II. NONLOCALITY IN PHYSICS AND IN PSI PROCESSES

The entanglement experiments that have proven nonlocality use protocols derived from John
Bell’s Inequalities also called Bell’s Theorem. With this theorem, Bell offered in 1964 a mathematical
refutation of Von Neumann’s argument against all types of hidden (deterministic) variables (that
would have undermined QM indeterminacy); Bell concluded that if local hidden variables were
forbidden, nonlocal ones—such as Bohm’s Quantum Potential and Pilot waves—were certainly
allowed. The first experimental support of nonlocality was given by John Clauser, but a sound proof
was achieved by Alain Aspect in Orsay, in his 1982 series of experiments.
As noted by numerous physicists and psi researchers, psi phenomena present several
aspects that contravene Einsteinian Relativity physics but mimic Quantum Mechanics (QM)
behaviors—such as nonlocality and entanglement, retrocausality, the observer/experimenter
effect—and yet psi phenomena are definitely mental processes, i.e. implying consciousness. In
this perspective, Josephson and Pallikari-Viras (1991) argue that the nonlocal interconnectedness
instantiated between entangled paired particles is the basis of psi phenomena (e.g. telepathy,
remote-viewing, psychokinesis or PK), the reality of which has been established by hundreds of
laboratory experiments. Also, a number of QM physicist—such as Heisenberg, Planck, Wigner,
von Neumann, Stapp, Walker, Sarfatti—have implied the observer, and thus consciousness, in the
collapse of the wavefunction (Hardy 2015, chap. 6). A position that is well resumed by John
Wheeler’s 1977 formula “Mind and universe are complementary” and expounded in Robert Jahn’s
and Brenda Dunne’s Margins of Reality.
Psi exhibits nonlocality in two ways: beyond the brain and beyond spacetime. It thus broadens
the strict definition of nonlocality in physics.
Beyond the brain. The ‘receptive psi’ is defined as a reception of information at a distance in
space (remote viewing, telepathy) without any causal or perceptive mechanism; or from a distant
time in the future (precognition) or in the past (retrocognition). Thus psi (and therefore
consciousness) is radically different from the local functioning of the brain and perception, and can
operate independently from it (as seen in the anomalous cognition shown by clinically brain-dead
patients). Furthermore, for a person, psi information can be received or be expressed through a
variety of channels in the mind-body-psyche system: anomalous vision, audition or touch sensation,
interoceptive perception, empathy at a distance, unconscious expression, body movements,
anomalous verbal or written reception, altered state and meditative states, etc. Therefore
psi processes are much more labile and flexible than just a wired capacity in the brain. This, in my
view, shows that the way psi operates is beyond language and implies a fundamental level of
organization of biosystems (Hardy 1998, 2000; Tart 1969). This is in accord with Josephson and
Pallikari-Viras (1991) predicating that biosystems develop their own (first-person) self-meaningful
links and exchanges that bypass the (third-person) dynamics studied in physics and are able to
skew probabilities. Furthermore, such a basic type of meaningful exchange between biosystems
supports the concept of a proto-consciousness in all living beings (at the very least), even those
who do not have brains.
Beyond spacetime. Psi is not bound by the inverse square law of electromagnetism, since
there’s no decrease of its effect at enormous distances, as shown by the successful Earth-Moon
psi experiment that Edgar Mitchell performed during the Apollo 14 mission (Mishlove 1997,
Mitchell 1996). In many experiments on bio-PK (the influence of mind over biological systems), the
distance to the targets was accrued without any decrease of the psi results. Furthermore, psi
functioning is unconstrained by the EM spectrum waves: it operates inside Faraday cages and at a
great submarine depth (Targ & Puthoff 2005, Mishlove 1997, Schwartz 2007).
Of course this doesn’t mean that psi operates only and necessarily in these nonlocal modes
given that many processes involve a conventional interaction with space and/or time, but it
underlines that psi is neither bound nor constrained by spacetime laws. Based on these premises,
ISST postulates that the processes of consciousness (to which psi belongs) instantiate a different,
more global, layer of reality—an extra or meta dimension, distinct from spacetime, which is best
modeled, in physics, as a hyperdimension.

III. NONLOCALITY NECESSITATES A HYPERDIMENSION

The emergence of the concept of hyperdimension (HD) in physics stems from the endeavors
to integrate the four fundamental forces within a unified theory, as envisioned at first by Einstein.
Basically, two domains of physics—General Relativity (GR) and Quantum mechanics (QM)—, each
with a set of laws and equations, were equally successful at accounting for physics processes, and
both led to precise predictions that were substantiated and corroborated by experiments and/or
observations. The challenge can be phrased thus: how can physics integrate in one unified theory
the stringent fixed laws of spacetime with the indeterminacy and nonlocality of the quantum scale?
Let’s note that particles, having mass or matter-energy, are still bound (theoretically) by the foremost
spacetime law, that of the speed of light limit. Yet, the Zero-Point fluctuations field (ZPF), modeled
within QM, is a state of turbulence and of oscillations of virtual particles in the vacuum, a clear
indeterminacy.
The situation was similar to the ancient opposition between the assumption of light as waves
(proven by Thomas Young in his 1803 double-slit experiment), and that of light as particles (proven
mathematically by Einstein in 1905 in solving the photoelectric effect). The century-old debate on
the nature of light could be solved only by accepting a dual nature of light, positing that a particle
never goes without a wave, and vice-versa, and Louis de Broglie extended this axiom, beyond the
photons, to all particles, such as electrons.
However, the two sets of laws—Relativity theory accounting for massive bodies in spacetime,
and QM accounting for the particles scale—had also widely different dimensions and units, such as
the spin in QM. A mathematical solution in order to unify the two domains was thus to add extra
dimensions, leading to five main superstring models with 10 dimensions, fusioned in 1995 by
Edward Witten in the 11D M-theory.
The first scientist to model a HD was Theodor Kaluza who, in 1919, conceived of a brilliant
way to rewrite Einstein’s General Relativity equations by introducing a 5th dimension (in effect, a
4th dimension of space). To his great surprise, this solution was also nesting and producing two sets
of equations: the EM field equations of Maxwell and Einstein’s field equations for gravity, and
additionally a scalar field equation called the radion. Then, in 1926, Oskar Klein developed further
Kaluza’s theory, by positing that the 5th dimension had a physical reality, and was curled up in a tiny
circle, the radius of which was at the Planck scale (i.e. exactly Planck length, 10-33 centimeters).
The logician Kurt Gödel has predicated that any operative system of rules (or laws) cannot
base its self-consistency (or validity) internally, but needs an external, more encompassing system
to do so (Gödel, 1992). Gödel's incompleteness theorem thus shows that any system of rules is
necessarily incomplete and needs a more global system, literally, a metadimension, in order to
ground its self-consistency (meta, in Greek, means beyond, or more global).
However, as Klein predicated it, it seems more and more evident that an extra dimension, such
as a Kaluza-Klein 5th dimension, beyond being a mathematical or abstract solution, is also a physics
necessity—and this shows the deep coherence between on the one hand, maths and physics, and
on the other hand between maths and nature. This coherence could be the reason why elegant and
beautiful theories have, according to many physicists, the greatest probability to be ‘true’ and an
exact description of reality (Trinh Xuan Thuan, 2000).

Nonlocality at the origin of the universe and at a subquantum scale


A second group of anomalies (in regard to spacetime laws) happens at the origin of the
universe. Firstly, during the inflation phase, at 10 -36 of the first second and now equated to the Big
Bang, the universe bloated to 1050 times its size in a split instant. This led the pioneers of the inflation
theory Alan Guth and then Andrei Linde, to calculate that this process happened at million times the
speed of light C. Secondly, long before this inflation phase, at precisely 10-43 of the first second, the
radius of the universe reaches Planck length and Planck scale. Before this, there can be no
particles—and therefore no matter, no space, no time, and consequently no causality; and of the
four forces, only gravity exists before Planck scale. What is there then before Planck scale? Some
physicists propose a field of information. Several invoke a state of supersymmetry, a unified
substrate with as many particles as anti-particles, that would lead to a series of symmetry-breaking
transitions, such as the decoupling of matter from radiation, starting with the decoupling of the
neutrinos at the first second, and then that of the photons at 10 2 seconds. However, supersymmetry
can happen only much later with the Higgs field, a quark-gluon plasma existing between 10-12 and
10-10 second, and consequently it cannot explain what happens before Planck scale, i.e. before any
particles are allowed.
Several physicists thus point that below Planck scale the universe is ruled by another type of
physics altogether, among them Yakov Zel’dovich, who first figured that the Planck length is a “cut-
off,” a threshold before which no particle or EM wave could exist. Thus before Planck scale, we
reach a totally anomalous state of the universe, beyond spacetime and beyond matter. Let’s note
that any point in spacetime coordinates can open on such subquantum scale or region—thus as
Klein underlined it, on the 5th dimension—, and particularly any particle, as it is modeled as a
dimensionless point in Relativity theory.
As the sub-Planckian region (at the universe’s origin) existed before spacetime came to be, it
is by definition nonlocal, i.e. not bound by the constraints of spacetime (such as the time arrow, the
speed of light C, or causality). We thus meet here the same type of quasi instant faster-than-light
(FTL) transmission of information as instantiated by entangled particles in an EPR-type experiment
(along the Einstein-Podolsky-Rosen, or EPR thought experiment, that John Bell refined). Thus we
can argue that the speed of light C expresses a limit only within spacetime, or more precisely, that
it sets a boundary to spacetime and General Relativity theory (GR), and that, consequently, any
FTL, by breaking spacetime’s C barrier, points up both a hypertime and an extra dimension.
The alternative way to explain such FTL within the spacetime region would be the Varying Speed of
Light (VSL) hypothesis, developed (independently) by physicist John Moffat in 1992 (Perimeter
Institute) and in 1999 by cosmologists João Magueijo (Imperial College) and Andreas Albrecht (UC
Davis) (Magueijo 2003; Hebden 2012). Let’s note that this VSL solution is a competitor to the
inflation theory and would be put into question if the discovery of primordial gravitational waves in
the Cosmic Microwave Background (CMB) was to be confirmed. These waves (appearing as a
specific ‘B-mode’ polarization of the CMB) should be produced by the expansion of space during
the inflation phase and thus would substantiate inflation theory. On March 17, 2014, the team of the
BICEP2 (Background Imaging of Cosmic Extragalactic Polarization) telescope at the South Pole
announced the detection of the very ‘B-mode’ polarization linked to inflation, but six months later the
PLANCK space telescope team explained it as being due to cosmic dust. However In October 2014,
scientists of the POLARBEAR experiment were able not only to measure B-mode polarization, but
to ascertain that it was of cosmological origin, thus corroborating inflation theory.

Nonlocal entanglement as an anomaly regarding QM indeterminacy


To further the Infinite Spiral Staircase argument, in an EPR experiment, the entangled paired
particles (photons or electrons) are themselves existing in spacetime, but their entanglement
instantiates nonlocality and is rooted beyond spacetime. And this leads us to a possible solution,
the ISS hypothesis, namely that the process of entanglement reveals and expresses the workings
of a hyperdimension beyond the boundary of spacetime that would precisely be the bulk of the HD,
a quasi spatial (or hyperspatial) region encompassing spacetime; this bulk would be blended with
the hyperdimension at the origin, both operating at a sub-Planckian scale. Now, interestingly, the
entanglement also reveals degrees of freedom (i.e. extra dimensions) distinct from the quantum
indeterminacy: According to Pauli’s laws of spin, the total angular momentum of the two entangled
particles must be equal to zero (e.g. one lefthanded spin -1/2 + one righthanded spin +1/2 = 0).
Thus, whereas each particle’s spin appears to be probabilistic, Pauli’s complementarity of spins is
definitely not an indeterministic law when one considers the global system itself consisting of the
two entangled particles (and expressed by a single wavefunction).
This no-indeterminacy of entanglement shows an anomaly or boundary within the QM
(Copenhagen) interpretation that postulates the indeterminacy of quantum events and that sets their
apprehension only in terms of probabilities. Yet QM has been corroborated in so many ways that
we cannot deny its reality, but only delimit it to a certain region or scale, at the very least that of the
quantum vacuum and Zero-point Fluctuations field or ZPF (in which case a hyperdimension, being
below this quantum scale, would not contradict QM).
The entanglement anomaly thus reveals a boundary to both spacetime (GR) and the quantum
domain (QM), similar to the anomalous FTL processes underlining the boundary of spacetime. For
both GR and QM to preserve the consistency of their system of laws/processes (their scientific
domain), the anomalies have to be set outside of these systems and we need therefore to postulate
a meta or extra dimension. Thomas Kuhn held, in his 1970 study on The structure of scientific
revolutions, that anomalies in a scientific domain would eventually become the stuff of a new
paradigm, a new scientific worldview, but also the foundations of the system of laws of a novel meta-
domain.
So that we have a solid and cogent ground for hypothesizing that a hyperdimension beyond
spacetime exists in the universe at a sub-Planckian scale or level of organization. This
hyperdimension (HD) would (1) exist below Planck scale as hyperspace, both at the origin and at
any point of spacetime; (2) be distinct from both the spacetime region and the quantum vacuum; (3)
instantiate an extremely high FTL (as hypertime); (4) be clearly non-material and not bound by
material causality, and yet non-random—i.e. not bound by the laws of both spacetime and the
quantum vacuum; (5) express coherent exchanges of information and very possibly of matter-
organization (as a teleportation derived from entanglement).

Dark energy: a non-material energy, thus beyond spacetime?


Now, another set of data reveals the measure of this extra or hyper dimension, namely the
discovery of dark energy and dark matter, both being of an enigmatic nature but certified not to be
ordinary matter (the stuff of particles, gas clouds and galaxies). Dark energy and dark matter account
respectively for 69% and 26% of the total energy of the universe (according to the most recent and
precise March 2013 PLANCK cosmology probe measurements), which leaves only 5% for ordinary
matter. We thus have 95% of the energy of the universe whose nature is a total mystery, apart from
the fact it is not matter, and the case for dark energy is even more compelling since its energy
density is repulsive, and thus opposite to the gravitational effect setting an attractive force. Several
physicists (such as John Brandenburg, Jack Sarfatti) view dark energy as consisting of virtual anti-
particles with tachyonic speed.
In a perfectly sound physics logic, we can deduce that only 5% of the nature of the universe is
actually covered by the entire field of physics and cosmology—that is, physics has reached at the
present only 5% of its knowledge domain. A conclusion imposes itself: physics can no longer be
founded on a matter or materialist paradigm that claims matter to be the only reality (with
consciousness being only a by-product of the bio-matter of the brain) and thus local material
causality to be the only rule. This materialistic and reductionist set of assumptions is shredded to
pieces by (1) entangled processes, (2) the pre-Planck scale, and (3) dark energy. Physics, therefore,
necessitates a post-materialist paradigm; however, this doesn’t entail to remain captive of the
forceful antinomy dualism-monism (spiritualist paradigm versus realism), nor of the concept of a
creator as a person. It just entails to posit a hyperdimension of consciousness and/or “active
information” (in the Bohmian sense); and this could be achieved by positing Pilot waves able to
‘guide’ or ‘pilot’ the wavefunctions via a Quantum Potential (Bohm 1980; de Broglie 1939), or else
by hyperdimensional semantic fields able to bend probabilities at the quantum scale and/or guide
the organization of events and matter processes (Hardy, 1998). In the first case, let’s note, though,
that Bohm’s and de Broglie’s Pilot waves are modeled as the waves attached to Standard Model
particles (e.g. they are the wave aspect of particles and thus integrated in wavefunctions within
spacetime), and therefore to achieve our objectives, Bohm’s still mysterious Quantum Potential,
already a nonlocal term in the psi wavefunction, would have to become also a hyperdimensional
force or energy.

IV. INTEGRATING PSI AND CONSCIOUSNESS IN A GLOBAL THEORY

As we have seen, psi implies nonlocality as its processes operate (a) beyond the brain, (b)
beyond spacetime, and (c) beyond material causality—therefore in a meta dimension of reality; and,
as I have argued, b and c demand that this metadimension be a hyperdimension distinct from the
spacetime region, and yet grounded in a physics allowing nonlocal consciousness, such as the one
referred to as hyperphysics by Bernard Carr, and involving brane sheets (2D surface branes) in a
hyperspace (Carr 2009).
But in ISST psi processes involve more than just a hyperspace—via the mental capacity to
perceive and affect distant events/objects as if 3D ordinary space was not a barrier; and a
hypertime—via the mental capacity to perceive events and to communicate with minds in the past
or future as if 1D ordinary time was not a barrier. Let’s see the specifics.

Conative and psychosocial factors working via the syg hyperdimension


(1) The fact that intention and will (conative processes) can direct or influence psi results as in
healing experiments, implies free will capacities, that is, the ability to set goals for oneself (even if it
just means accepting the targets chosen randomly in an experiment).
(2) It has been experimentally proven that psychosocial factors have an effect of psi results;
these are factors such as relational bonds and openness, one’s beliefs and expectations, one’s
positive thinking and self-confidence (as in the sheep-goat effect and experimenter effect). This
shows that the dimension of consciousness, and specifically of individualized minds, are a set of
properties within this hyperdimension.
(3) Emotional, semantic and meaningful factors have an effect on psi results. Such emotional
response to a future target or event have been demonstrated (a) in presentiment experiments
(Radin 2004), and (b) in the precognitive collective unconscious reaction to imminent world-wide
emotional shocks, as presented in the Global Consciousness Project (GCP) experiments (Radin &
Nelson 1989, Nelson et al 1996). For example, a few hours before such world-wide shocks as the
death of Diana, the twin towers attack, or Charlie Hebdo’s attack, the distribution of randomness
among many Random Events Generators (REGs) disseminated on the planet shows an enormous
peak away from the baseline.
With these conative, psychosocial, and semantic factors having an effect on psi, our HD is now
infused with consciousness, individualized thoughts, and self-awareness (as in knowing one’s own
beliefs), and it allows a meaningful interaction with others and the world.

Mind over matter processes via the syg-fields of all systems


The fact that the psyche is able to affect biosystems has been demonstrated chiefly by
psychokinesis (PK) or ‘healing’ experiments on biological systems such as bacteria or tissues in
Petri dishes, blood samples, electric fishes, mice and the likes, in biological laboratories and using
double blind protocols. This type of targets being immune to suggestion renders an explanation by
the placebo effect irrelevant. More than 150 ‘bio-PK’ experiments have demonstrated that the mind
and consciousness are able to not only interact with biosystems, but moreover to influence them
through directed intention—a definite PK effect. Another set of ‘micro-PK’ experiments have shown
that the mind can have an influence on random processes as well. The thorniest, and at the same
time the most exciting question is by which processes, or means, does consciousness interact so
deeply with matter that it can, with a simple intention, modify the organization and growth of
biological matter? While these facts are amply proven (one meta-analysis sets the odds for them at
one chance in a trillion) their modus operandi (mode of operation) remains clouded in mystery, just
like the nature of gravity, or the entanglement of particles. Yet ISST and Semantic Fields Theory
(SFT) may shed light on a physics dynamics and substrate of the process, understood thus: A
semantic constellation in the mind (such as an intention or visualized aim), is able to supersede itself
to the semantic field of a biosystem (or that of a random system) and modify its organization. The
actual rate of success in an experimental meta-analysis is of little import compared to the fact that
we are witnessing, with the mind and consciousness, an efficient cause operating nonlocally and its
effect on biosystems and natural systems. The fact that it has happened is enough to upset the
materialistic paradigm that needs it to be strictly impossible, due mainly to its assumption that
consciousness is a product of the brain and entirely localized in it, thus forbidding any effect at a
distance.
All these conative, emotional, psychosocial, and semantic factors imply consciousness in its
fundamental reality, since the Semantic Fields theory (Hardy 1998) defines consciousness as the
process of attributing meaning to the world, to others and to ourselves, via a constant reorganization
of our individual and collective semantic fields (and of course, any emotion, behavior, interaction,
and thought, is loaded with meaning and their dynamic networks are the stuff of our personal
semantic field).
Only a theory granting a hyperdimension of self-organized consciousness to all beings and
systems, with its own hyperdimensional and tachyonic energy linked to consciousness (syg-energy)
can allow systems to interact so deeply for minds to influence the organization of matter. Let us take
the case of healing. ISST doesn’t view it exactly as mind modifying matter; but rather as a stronger
semantic field imposing its organization or vision on another weaker semantic field (e.g. that of a
sick organ, or that of a depressed mindset). So that we have a much more cogent interaction in
terms of physics: the like interacting with the like, via a common substrate, the sygons constituting
syg-energy: ISST postulates that virtual particles called sygons (endowed with specific frequencies)
are launched from the ISS (or phi-based spiral) unfolding from the origin up to Planck scale and the
inflation phase. These immensely faster-than-light sygons will constitute the semantic fields of all
systems (their hyperdimensional level) and are the medium of their nonlocal exchanges and inter-
influence. In other words, in bio-PK, networks of sygons are swapping qualified information
(meanings, goals, healing intentions) with the target system. Only in a second phase will the target
semantic field (that of the sick organ), now infused with a healthy and balance order, transmit or
impose its novel semantic organization on its own cells and molecular configuration, thus healing
itself by virtue of its re-equilibrated semantic field.
In this specific domain, we meet Sheldrake’s morphogenetic fields, since he viewed these as
guiding the morphogenesis and thus the organization of biological systems. The crucial parallel is
that a field on another dimension (in Sheldrake’s case a field of form, in ISST a hyperdimensional
semantic field) would have the capacity to organize and reorganize a biological organism. However,
Sheldrake never expounded the configuration of these fields and how the process invoked (‘morphic
resonance’) worked (whereas SFT did) nor the nature of the fields (whereas ISST does).
Thus, psi and consciousness are explained in a sound way by the consciousness or Syg
hyperdimension via the quite stupendous properties of faster-than-light sygons, this syg energy
launching semantic connective and network processes able to modify the organization of
biosystems and matter-systems. (The connective dynamics of semantic fields, their coupling with
brains, and their evolution, are discussed at length in Networks of Meaning.) We have now a
cosmos-size field of consciousness made of an immense number of embedded and interacting
semantic fields (individual ones such as minds, and collective ones such as cultures, religions, or
sciences). Each single mind is thus a complex and multilevel network of semantic constellations
(Hardy 2003), having the capacity, given specific conditions, to influence—via their own intention
and will—the semantic-field layer of resonant or coupled complex systems.

Retrocausal Attractors set by intentions and the Experimenter Effect


Semantic Field Theory (SFT) has modeled precisely the way our intentions and anticipations
create a multilevel web (a specific type of semantic field) rooted both in the future time and the
present time, that acts as a Retrocausal Attractor favoring the anticipated event (Hardy 2003).
When, in the present, we intend something, or anticipate, or make a positive thinking technique (e.g.
a visualization) about a future event, we create weighted paths between the two time-frames and
events—paths that are in effect bending odds and attracting the realization of the visualized situation
or event. This syg influence will be much stronger when the intentions are rehearsed and reinforced,
as in a recurrent visualization technique.
First of all, in a simple psychological sense: our psychomental disposition and state of
consciousness during a visualization will predispose us, at the future time, to a mindset and
behaviors favoring the visualized event. But SFT adds that the semantic constellation is indeed
rooted in the future time and environment—due to the fact that the Semantic Dimension (now the
Syg hyperdimension) is beyond spacetime and thus able to connect with any coordinates in space
and time. The visualization at the present time creates an Event-in-Making semantic constellation
that (being in the Semantic dimension itself) is spread over the physical linear time (of spacetime),
and rooted both in the present of each visualization and in the future spacetime coordinates. And
this constellation (1) retrojects its configuration (mental and physical) back to us, thus retroactively
and in a retrocausal way. And (2) it simultaneously creates its niche in the future spacetime,
attracting all relational and physical elements needed for its completion—hence creating
synchronicities and serendipitous opportunities also retroactively, between the future time and the
present, all favoring the realization of our visualization and positive thinking. Of note is the fact that
the Retrocausal Attractor effect is working from the future syg-constellation backward, and modifying
the organization of matter-systems and biosystems in the continuous present via a retrocausal PK
effect. Also noteworthy is its proactive effect, with the present syg-constellation influencing
proactively the future situation as well, including an effect on the future environment (human and
physical), and thus setting a definite ‘forward PK’ component. This Retrocausal Attractor can also
be orchestrated by a couple, a group, a society—as in the case of the healing effect of group prayer
(Schwartz & Dossey 2010).
The modeling of the Retrocausal Attractor gives a foundation (in terms of physics and complex
systems or chaos theory) to the experimental evidence of the effects of positive thinking on health
(Seligman 2006), the effects of beliefs and expectations on performance, and of the
observer/experimenter effect on measurements or experimental results.
It is also a fact of experience for many researchers that there exists a collective dimension to
consciousness. Yet, the theories put forward give only a basis for the ‘memory’ (or data reservoir)
aspect of this collective consciousness or field—such as that of Ervin Laszlo, or Rupert Sheldrake.
Much more difficult is to account for the creative, innovative, intentional, and free thinking aspects
of consciousness, as well as for its extreme flexibility, variety, and divergent processes. And most
of all, for its capacity for self-reflection (self-reference), anticipation, and the power to transform
itself internally.

The triune hyperdimension as the One-plural, a global consciousness field


Given that this hyperdimension of consciouness (Syg HD), co-exist and co-evolve with a
hyperspace and a hypertime, the solution of ISST is to posit a triune HD, a braid with three entwined
strands: hyperspace (Center), consciousness (Syg), and hypertime (Rhythm)—a CSR
hyperdimension opening at the Planck length and operating below Planck scale, in any particle and
system in the universe, including at its origin. This CSR hyperdimension thus instantiates:
- (via Syg:) a cosmic consciousness, plus a syg dimension and semantic fields and processes in all
systems; self-consciousness and self-reference in the most evolved ones, such as intelligent
civilizations and beings in the universe;
- (via Center:) self-organization via networks dynamics and individualization (organizational closure)
of all systems;
- (via Rhythm:) FTL communication and exchanges in resonant systems through the sygons;
- A topology in hyperspace in the form of a phi-based or golden spiral (the ISS)
- a holographic system at the global scale, in which the collective consciousness (via its field of
information imprinted in the cosmic ISS at the origin) is in constant 2-way flow and communication
with the individual ISS of all systems.

The FTL sygons populating the hyperdimension are a semantic energy—an energy of
consciousness able to effect work and actions in spacetime (the very physics definition of energy).
The sygons provide the dynamics of instantaneous exchanges of complex information between
semantic fields of any type—whether natural systems, plants, animals, objects, or evolved minds.
Semantic processes driven by sygons use connective dynamics—such as network-linkages, inter-
influence, and co-evolution between systems. They also include the reorganization and in-forming
of matter- and bio-systems by psycho-mental processes (such as intentions, needs, and emotional
bonding). The connective dynamics instantiated by sygons operate through resonances of meaning
and semantic links of any kind; these are clearly semantic dynamics involving body-consciousness,
the psyche and minds.
Thus, at any point in spacetime (in any particle and system), the triune CSR hyper-dimension
opens at Planck scale and operates below it as an individualized ISS spiral bearing a near-infinite
databank about the whole universe and this individualized system. So that, like pores on the skin
opening on the air outside our bodies, each individual ISS opens on the bulk of the cosmic
hyperdimension, itself in sync with the HD at the origin. The cosmic hyperdimension is indeed a
whole, the One, whether at the origin or within the bulk; it pervades spacetime systems below Planck
scale—and in this respect, it can be modeled using an ontological argument (Hardy 2015, 2015b). It
is the collective unconscious, the Tao and Brahman. It is Plotinus’ “One immaterial,” the soul of the
universe pervading all its parts.

V. COSMIC CONSCIOUSNESS AND PANPSYCHISM: THE ISST PARADIGM

ISST postulates that the hyperdimension of consciousness exists not only at the beginning of
the universe (in the cosmic Infinite Spiral Staircase or ISS), but also at the core of any system in the
universe, from particles, to living beings, to galaxies. In all these systems, the hyperdimension
operates at a sub-Planckian scale, via the faster-than-light sygons—the virtual strings/particles that
are a dynamic semantic energy and active information.
The syg hyperdimension allows a potential of consciousness in all systems, a layer of
meaningful organization and interaction called the system’s semantic field. ISST thus belongs to the
broad philosophical stand of panpsychism, that posits consciousness as pervading all beings and
things in the universe, to a different degree—from a proto-consciousness to an evolved self-referent
intelligence in human beings. Panpsychism has been heralded by the Greek philosophers Thales,
Plato and Plotinus, by the Advaita Vedanta philosophy in India and Tibetan Buddhism. In modern
times, by Leibniz, Spinoza, Whitehead, and recently David Chalmers (1996), as well as the physicist
Roger Penrose. The psi researcher Dean Radin and his colleagues considered panpsychism as a
sound explanation of the observer effect, as stated in their 2012 report on an experiment using an
optical double-slit protocol, furthering the famous experiment by Thomas Young (Radin et al, 2012).
The panpsychism of ISS theory has very specific physics and cosmological features, as it
derives from a semantic or syg hyperdimension enmeshed with hyperspace and hypertime, and
existing in all systems at all scales in the universe.
The holographic universe and the Anthropic Principle
The concept that the universe would be organized as a hologram has first been expounded in
quantum physics by David Bohm (1980, Bohm & Hiley 1993), and then in brain sciences by Karl
Pribram (1991). However, in Alexandria in the third century CE, the Greek philosopher Plotinus
taught that the cosmos was One, a whole, holographic, system and conscious due to a cosmic soul
(psyche in Greek, anima in Latin). He states "This universe (…) has in itself a soul (psyche), who
pervades all its parts." (Ennead 4) And also: "The immaterial [the One] is as a whole in everything.”
(Ennead 6.4) This is exactly our modern concept of a hologram: a system in which all parts are in
interaction with the whole, and in which the information about the whole is contained in any part.
Moreover, if the whole (as cosmic soul) is in all things and systems, how better to model it than by
postulating a hyperdimensional and (proto-)conscious layer in all systems—their semantic fields?
Then the semantic fields of all systems form the semantic dimension that, in ISST, is the Syg
hyperdimension, cosmic consciousness as a whole.
Closely related is the Anthropic Principle (from the Greek anthropos, human), that, in its strong
version, hypothesizes that the universe is not only a coherent and conscious whole (Gaia), but that
it self-organizes toward favoring life and intelligence. There are indeed around thirty parameters and
constants in the universe that are extremely fine-tuned; some of them allow a long enough time for
galaxies to form; others exhibit the precise ratios of chemicals and physical constants necessary for
the development of evolved life forms, of intelligence and cultures.
Brian Carter (1974) and James Lovelock (1979), argue for a ‘strong anthropic principle’ that is,
an underlying harmony rooted in the origin, that makes the universe to tend toward favoring
intelligent life. Similarly Ervin Laszlo (2004, 2009) grounds the coherence and self-consistency of
the whole universe and its fine-tuning (that perforce imply FTL signal-transmission), in a holographic
Akashic field.
According to the recent Holographic Principle, the universe is a hologram which
is isomorphic to the information "inscribed" on the surface of its boundary. The concept of
a holographic universe (developed by Nobel laureate Gerard ‘t Hooft and then Leonard Susskind)
states that all the informationabout the universe is inscribed on the 2D surface of its cosmological
horizon (the diameter of the observable universe being 92 billion light-years, or 92Gly). Therefore
the cosmic information is a measure of entropy as a spectrum of microstates (Brandenburg & Hardy
2015). The quantum vacuum could be this curved surface boundary to spacetime, being ‘imprinted’
with the information about all particles and systems (Hardy 2015c). In such models, the information
is not active in itself and thus cannot be the means of a nonlocal communication and inter-influence
between systems. ISST offers a solution.

ISST panpsychist framework


Semantic Fields Theory postulates that all physical systems at all scales have a semantic field
(syg-field in short), which is none than their hyperdimension, with each particle and system having
an individual replica of the ISS bearing its own organization and information in an excited state. Let’s
view a human being as a mind-body-psyche system: The ISS of all particles, molecules, and cells
coalesce in a specific network-system that is the syg-field of an organ, of a biosystem, or of a layer
of organization, for example a body proto-consciousness. The higher layers of consciousness, such
as minds, allow a self-referent intelligence, strongly coupled to the brain and neuronal layers. (This
self-organization is not hierarchical since it allows for horizontal and transversal links between
layers, instantiating both top-down and bottom-up interactions between networks of processes.) The
global semantic field of an individual (the ensemble of their semantic networks and constellations)
is created, organized, and evolving via connective dynamics: it is their hyperdimensional being, their
spirit or soul.
Due to the fact that all matter-systems (e.g. a museum) and bio-systems (e.g. a tree) also have
such a hyperdimension (their syg fields), these systems have a more or less evolved
consciousness—a proto-consciousness at the very least. Thus, via our individual semantic field, we
are in constant nonlocal exchange with all resonant syg-fields, not only our friends and family, but
also the places, animals, plants, machines, houses and gardens, philosophies, and works of art that
we love. With other beings, we form networks of links and thus collective syg-fields, a group, a
village, a culture, a federation, up to the most global one: the planetary syg-field—Carl Jung’s
collective unconscious. The properties of sygons afford us with instant meaningful and qualified links
and exchanges with all resonant systems, through their own syg-fields. It is the sygons that
instantiate the nonlocal semantic dynamics, the connection and inter-influence between syg-fields—
meaningful and grounded in similarities, resonance, and any type of links (from love, to hate, to
contiguity). The sygons provide us with a huge on-going network of interactions driven by meaning
and unimpeded by distance in time and space. The greater part of these interactions and exchanges
remain at the unconscious level, yet they are the source from which stems the occasional
emergence of psi information to awareness.

V. CONCLUSION

The faster-than-light (FTL) sygons creating semantic fields and ongoing networks of links in
the hyperdimension are what makes psi possible, and they explain the nonlocality of entanglement
and of consciousness. In my view, only a hyperdimension populated by self-organizing networks of
FTL sygons (as tiny or large embedded semantic fields) can ground and explain psi, both as a
nonlocal information exchange, and as an influence of mind over matter and biosystems. The
sygons can also explain other types of nonlocal and collective psychic phenomena—such as Jung’s
synchronicity and collective unconscious, the sharing of dreams, simultaneous discoveries, and
reincarnation-type of memory.
At the planetary level, the Syg hyperdimension is the ‘soul of the Earth,’ a concept found in
many cultures and religions, fitting Jung’s collective unconscious and Teilhard de Chardin’s
noosphere—also a memory field, or Akasha. At the cosmic level, the syg hyperdimension is the
‘cosmic consciousness,’ a global semantic field of meaningful interconnections, that is plural and
yet a whole: it is the Tao, the Brahman, the concept of the Whole, the One.

REFERENCES

Bohm, D. (1980). Wholeness and the Implicate Order. London: Routledge & Kegan Paul.
Bohm, D. & Hiley, B.J. (1993). The Undivided Universe: an Ontological Interpretation of Quantum
Theory. London, UK: Routledge.
Bousso, R. (2002). “The holographic principle.” Reviews in Modern Physics. 74: 825-74.
Brandenberger, R. (2011). "Introduction to early universe cosmology." Proceedings of Science;
Paper given at 4th Intern. Conf. on Fundamental Interactions -ICFI2010, 8/1-7/ 2010; Viãgosa,
Brazil.
http://pos.sissa.it/archive/conferences/124/001/ICFI%202010_001.pdf; arXiv:1103.2271v1 [ast
ro-ph.CO]
Brandenburg, J. (1995). “A Model Cosmology Based on Gravity-Electro-Magnetism
Unification,” Astrophysics and Space Science, 227 (133).
Brandenburg, J. (2011). Beyond Einstein’s Unified Field. Gravity and Electro-magnetism
Redefined. Kempton, ILL: Adventures Unlimited Press.
Brandenburg, J.E. (2007). “The Value of the Gravitation Constant and its Relation to Cosmic
Electrodynamics.” IEEE Transactions on Plasma Science, Plasma Cosmology. Vol. 35, No. 4.,
p845.
Brandenburg, J.E. (2012). “An Extension of the GEM Unification Theory to Include Strong and
Weak Nuclear Forces and an Estimate of the Higgs Boson Mass.” Presented at STAIF II Conf.
Albuquerque, NM (March 2012). Journal of Space Exploration 1(3).
http://www.mehtapress.com/images/stories/journal_of_space_exploration/vol_1_issue_1_file_3
.pdf
Brandenburg, J.E. & Hardy, C.H. (2015). “The birth of gravity and entropy and the ISS theory of cosmic
origin.” (Pre-print on ResearchGate, Academia.edu).
Carr, B. (2009). Universe or multiverse. Cambridge, UK: Cambridge Univ. Press.
Carter, B. (1974). “Large number coincidences and the Anthropic Principle in cosmology.”
In: Confrontation of cosmological theories with observational data. Boston, Ma: Reidel.
Chalmers, D.J. (1996). The Conscious Mind: In Search of a Fundamental Theory. NYC: Oxford
Univ. Press.
De Broglie, L. (1939). Matter and Light: The New Physics. Mineola, NY: Dover Publ.
Gödel, K. (1992). On formally undecidable propositions of principia mathematica and related
systems.Mineola, NY: Dover Publ.
Hardy, C. (1998). Networks of Meaning: A Bridge between Mind and Matter. Westport, Conn.:
Praeger.
Hardy, C. (2000). Psi as a multilevel process: Semantic fields theory. Journal of Parapsychology. Vol.
64, March 2000 (pp. 73-94).
Hardy, C. (2001). Self-organization, self-reference and inter-influences in Multilevel Webs: Beyond
causality and determinism. J. of Cybernetics and Human Knowing, Vol.8 (3). UK: Imprint Academic.
Hardy, C. (2003). Multilevel Webs Stretched across Time: Retroactive and Proactive Inter-
Influences. Systems Research and Behavioral Science, vol 20, N° 2 (pp 201-215).
Hardy, C.H. (2015). Cosmic DNA at the Origin: A Hyperdimension before the Big Bang. The
Infinite Spiral Staircase Theory. USA: CreateSpace IPP, 2015.
Hardy, C.H. (2015a). “Topological Dynamics Setting a Field of Information at the Universe’s Origin.
ISS Theory.” Paper presented at the Space Technologies & Applications International Forum
(STAIF-II). Albuquerque, NM, April 16-18, 2015.
Hardy, C.H. (2015b). “A systemic and hyperdimensional model of a conscious cosmos and the
ontology of consciousness in the universe. Proceedings, 59th meeting of Intern. Soc. for the
Systems Sciences (ISSS), Berlin, Germany (Aug.
2015). https://independent.academia.edu/ChrisHHardy/Papers
Hardy, C.H. (2015c). “The quantum vacuum as a boundary to a hyperdimension: the ISST
hypothesis. Article in Journal of Space Exploration. (In print)
Hawking, S. W. (1974). "Black hole explosions?" Nature 248 (5443)
Hawking, S.W. (2003). “Cosmology from the Top Down.” Paper given at Davis Inflation Meeting,
2003. http://arxiv.org/abs/astro-ph/0305562
Hawking, S.W. (2014 Jan). “Information Preservation and Weather Forecasting for Black
Holes.” arXiv:1401.5761v1 [hep-th].
Hebden, S. (2012) Faster Than Light. http://fqxi.org/community/articles/display/168
Jahn, R.G. & Dunne, B. (2009). Margins of Reality: The Role of Consciousness in the Physical
World.Princeton, NJ: ICRL Press.
Josephson, B.D., & Pallikari-Viras, F. (1991). “Biological Utilisation of Quantum
NonLocality.”Foundations of Physics, 21: 197–
207. http://www.tcm.phy.cam.ac.uk/~bdj10/papers/bell.html
Kaku, M. (1994). Hyperspace: A Scientific Odyssey Through Parallel Universes, Time Warps, and
the 10th Dimension. New York: Anchor.
Kaku, M. (2006). Parallel Worlds: A Journey Through Creation, Higher Dimensions, and the Future
of the Cosmos. New York: Anchor.
Klein, O. (1926). "Quantum Theory and Five-Dimensional Relativity.” Zeitschrift fur Physik, 37,
895.
Kuhn T. (1970). The structure of scientific revolutions. Chicago, Il.: Univ. of Chicago press.
Laszlo, E. (2004). Science and the Akashic Field: an integral theory of everything. Rochester, Vt:
Inner Traditions.
Laszlo, E. (2009). The Akashic Experience: Science and the Cosmic Memory Field. Rochester, Vt:
Inner Traditions.
Lovelock, J. (1979-2000). Gaia: A new look at life on earth. Oxford, UK: Oxford Univ. Press.
Magueijo, J. (2003). Faster Than the Speed of Light: The Story of a Scientific
Speculation. Perseus P.
Maxwell, J.C. (1954). Treatise on Electricity and Magnetism. 3rd Ed., 2 Vol. New York,: Dover.
Mishlove, J. (1997). The Roots of Consciousness. New York: Marlowe & Co.
Mitchell, E.R. (1996). The way of the explorer. New York: Putnam.
Nelson, R.D., Bradish, G.J., Dobyns, Y.H., Dunne, B.J., & Jahn, R.G. (1996). “FieldREG
anomalies in group situations.” J. of Scientific Exploration, 10(1), 111–41.
Pauli, W. & Jung, C.G. (2014). Atom and Archetype. The Pauli/Jung letters, 1932-
1958. Princeton, NJ: Princeton University Press.
Plotinus. (1992). The Enneads. LP Classic Reprint Series.
Pribram, K.H. (1991). Brain and perception. Hillsdale, NJ: Lawrence Erlbaum.
Radin, D. (2004) “Electrodermal Presentiments of Future Emotions.” J of Sc. Exploration, 18 (2),
253-73.
Radin, D. (2006). Entangled Minds. NY: Paraview Pocket Books.
Radin, D. & Nelson, R. (1989). “Evidence for consciousness-related anomalies in random physical
systems.” Foundations of Physics, 19, (12), 1499-514.
Radin, D., Michel, L., Galdamez, K., Wendland, P., Rickenbach, R., & Delorme, A. (2012).
“Consciousness and the double-slit interference pattern: Six experiments.” Physics Essays 25, 2
(157-71) [DOI: 10.4006/0836-1398-25.2.157] http://media.noetic.org/uploads/files/PhysicsEssays-
Radin-DoubleSlit-2012.pdf
Randall, L. (2005). Warped Passages: Unraveling the Mysteries of the Universe's Hidden
Dimensions. New York: HarperCollins.
Randall, L. and Sundrum, R. (1999). “An alternative to compactification.” Physical Review
Letters 83 (4690-93).
Sakharov A.D. (1968): “Vacuum quantum fluctuations in curved space and the theory of
gravitation.” Sov. Phys. Doklady 12, 1040-41.
Sarfatti, J. (2006). Super Cosmos; Through struggles to the stars. (Space-Time and Beyond III).
Bloomington, In.: Author House.
Schwartz, S. (2007). Open on the Infinite. Nemoseen Media.
Schwartz, S. & Dossey, L. (2010). “Nonlocality, Intention, and Observer Effects In Healing Studies:
Laying A Foundation For The Future.” Explore 2010, vol 6 (p. 295–307). Published by Elsevier Inc.
Seligman, M. (2006). Learned Optimism: How to Change Your Mind and Your Life. New York:
Vintage/Random.
Sheldrake, R. (2009). Morphic Resonance. The nature of formative causation. Rochester, Vt.:
Park Street Press.
Targ, R. & Puthoff, H. (2005). Mind-Reach: Scientists Look At Psychic Abilities. Charlottesville,
Va.: Hampton Roads.
Tart, C. (Ed.) (1969). Altered states of consciousness. New York: John Wiley & Sons.
Trinh Xuan Thuan (2000). Chaos and Harmony. Oxford, UK: Oxford University Press.
Verlinde, Erik (2010). "On the Origin of Gravity and the Laws of Newton." arXiv:1001.0785 [hep-th]
Wheeler, J.A. (1998). Geons, Black Holes, and Quantum Foam: A Life in Physics. NYC: W.W.
Norton.
Terça-feira, 1 de dezembro de 2015

PROCESSOS NÃO LÍQUIDOS E ENTANTAMENTO COMO ASSINATURA DE UMA


HIPERDIMENSÃO COSMICA DE CONSCIÊNCIA por Chris H. Hardy, Ph.D. (Pré-impressão) (30
de novembro de 2015)

PROCESSOS NÃO LÍQUIDOS E ENTORME COMO ASSINATURA DE UMA HIPERDIMENSÃO COSMICA DE


CONSCIÊNCIA

por Chris H. Hardy, Ph.D


Enviado ao Jornal de Não-Igualdade (30 de novembro de 2015)

ABSTRATO
Cinco grupos de anomalias em relação às leis do espaço-tempo revelam processos "além do
espaço-tempo" e apontam para uma meta-região do universo que os acomodaria. Eles são (1) a
não-localização no emaranhamento, (2) a não-localização em processos psi; (3) uma região sub-
quântica (sub-planckiana) na origem do universo (precedendo o surgimento da matéria, espaço e
tempo), bem como na escala sub-quantitativa em geral; (4) uma "energia escura" não-material que
enche o cosmos; e (5) velocidades que quebram a velocidade da luz C durante a fase de
inflação. Além disso, as propriedades conectivas e / ou semânticas dessas anomalias excluem
também uma explicação de vácuo quântico ou mecânica quântica (QM). Essa região "além do
espaço-tempo", na cosmologia, tem que ser modelada como uma hiperdimensão (HD). The Infinite
Spiral Staircase Theory (ISST, Hardy 2015) postula uma hiperdimensão trienal - hiperespacial,
hiper-tempo e consciência -, que permite as cinco anomalias em relação ao espaço-tempo (por
exemplo, não-localização em emaranhamento e em psi, origem do universo e escala sub-
quantitativa) ao estabelecer uma base sólida (semântica) e as influências mente-sobre-matéria
como exibidas tanto por psi quanto pela dinâmica conjuntiva da mente e da consciência na Teoria
dos Campos Semânticos.
Palavras - chave : Física da consciência e psi; Emaranhamento; Mente sobre a
matéria; Hyperdimension da consciência; Retrocausalidade; Campo de informação na origem.

1. INTRODUÇÃO

A não-localização foi estabelecida através das experiências de emaranhamento e definida


como uma troca de informações ou uma correlação entre partículas emparelhadas distantes que
não podem implicar uma transmissão de sinal através do espaço linear. Uma vez que o espaço
está indissoluvelmente enrolado com o tempo no espaço - tempo da Relatividade Geral (GR), a
não-localização revela assim um processo "além do espaço-tempo". A nother quatro grupos de
anomalias também apontam para tais processos 'para além do espaço-tempo', em desacordo com
GR. O primeiro regroupa o fenômeno psi, evidenciado como processos não-locais por inúmeras
experiências. O segundo grupo aborda (a) a origem do universo antes da escala de Planck (ou
escala quântica, em 10-43segundo do universo) que permitiu que as primeiras partículas, e assim o
espaço e o tempo para existir, bem como (b) qualquer ponto nas coordenadas do espaço-tempo
em uma escala sub-Plankiana. A terceira anomalia é a existência de energia escura , cerca de 69%
da energia total do universo, e de que só sabemos que não é matéria ou partículas comuns; alguns
físicos vêem isso como "quintessência", um tipo desconhecido de energia, feito de partículas
virtuais tachyônicas (mais rápidas do que a luz-FTL). A quarta anomalia reside na fase de inflação
do universo (em 10 -36segundo, logo acima da escala Planck) que atingiu milhões de vezes C. É
argumentado neste artigo que, uma vez que a velocidade do limite de luz C é uma restrição absoluta
do espaço-tempo, qualquer violação clara desta lei, bem como da outra principal as leis do espaço-
tempo e a força eletromagnética, revela uma região "além do espaço-tempo" - essa região, na
cosmologia, tendo que ser modelada como uma hiperdimensão (HD). Além disso, os cinco grupos
de anomalias (incluindo o emaranhamento) nos mostram que tal HD também deve acomodar
influências significativas (semânticas) e influências mente-sobre-matéria.
A Teoria da Infinite Spiral Staircase (ISS) (Hardy 2015, 2015a, 2015b), postulando uma
hiperdimensão triúnica (de hiperespaço, hipertensão e consciência), oferece essa modelagem que
fornece uma base para as cinco anomalias, bem como uma base para interconexão significativa
(semântica) e influências de mente-sobre-matéria como exibidas tanto por psi quanto pela dinâmica
conjuntiva da consciência na Teoria dos Campos Semânticos (Hardy, 2001).

II. NÃO LOCALIDADE NA FÍSICA E NO PROCESSO PSI

Os experimentos de emaranhamento que provaram protocolos de uso não relacionados à


vida são derivados das iniqüidades de John Bell, também chamado de Teorema de Bell. Com este
teorema, Bell ofereceu em 1964 uma refutação matemática do argumento de Von Neumann contra
todos os tipos de variáveis ocultas (deterministas) (que teriam prejudicado a indeterminação de
QM); Bell concluiu que, se as variáveis ocultas locais fossem proibidas, os locais não-locais - como
o Potencial Quântico de Bohm e as ondas Piloto - eram certamente permitidos. O primeiro suporte
experimental da não-localização foi dado por John Clauser, mas Alain Aspect, em Orsay, em sua
série de experimentos de 1982, conseguiu uma prova de som.
Conforme observado por numerosos físicos e pesquisadores psi, os fenômenos psi
apresentam vários aspectos que violam a física da Relatividade Einsteiniana, mas imitam os
comportamentos da Mecânica Quântica (QM) - como a não-localização e o emaranhamento, a
retrocausalidade, o efeito observador / experimentador - e ainda os fenômenos psi são
definitivamente processos mentais , ou seja, implica consciência. Nesta perspectiva, Josephson e
Pallikari-Viras (1991) argumentam que a interconexão não local instanciada entre partículas
emparelhadas emparelhadas é a base dos fenômenos psi (por exemplo, telepatia, visualização
remota, psicocinésia ou PK), cuja realidade foi estabelecida por centenas de experiências
laboratoriais. Além disso, um número de físicos do QM - como Heisenberg, Planck, Wigner, von
Neumann, Stapp, Walker, Sarfatti - implicaram o observador e, portanto, a consciência, no
colapso da função de onda (Hardy 2015, capítulo 6). Uma posição que é bem retomada pela
fórmula de 1977 de John Wheeler: "Mente e universo são complementares" e expostas em
Robert Jahn e Brenda Dunne'sMargens da Realidade .
Psi exibe a não-localização de duas maneiras: além do cérebro e além do espaço-tempo. Isso
amplia a definição estrita de não-localização na física.
Além do cérebro .O "psi receptivo" é definido como uma recepção de informação à distância
no espaço (visualização remota, telepatia) sem qualquer mecanismo causal ou perceptivo; ou de
um tempo distante no futuro (precognição) ou no passado (retrocognição). Assim, psi (e, portanto,
consciência) é radicalmente diferente do funcionamento local do cérebro e da percepção, e pode
operar independentemente dele (como se vê na cognição anômala mostrada por pacientes
clinicamente cérebro-mortos). Além disso, para uma pessoa, a informação psi pode ser recebida
ou ser expressada através de uma variedade de canais no sistema mente-corpo-psique: visão
anômala, audição ou sensação de toque, percepção interoceptiva, empatia à distância, expressão
inconsciente, movimentos do corpo, recepção anômala verbal ou escrita, estado alterado e estados
meditativos, etc. Portanto psiOs processos são muito mais lábeis e flexíveis do que apenas uma
capacidade com fio no cérebro. Isto, em minha opinião, mostra que a forma como o psi opera é
além da linguagem e implica um nível fundamental de organização dos biosistemas (Hardy 1998,
2000; Tart 1969). Isso está de acordo com Josephson e Pallikari-Viras (1991), que prevêem que os
biossistemas desenvolvam seus próprios links e trocas auto-significativos que ignoram as
dinâmicas (de terceira pessoa) estudadas em física e podem desviar as probabilidades. Além disso,
um tipo tão básico de troca significativa entre os biossistemas suporta o conceito de proto-
consciência em todos os seres vivos (pelo menos), mesmo aqueles que não têm cérebro.
Além do espaço-tempo. Psi não está vinculado pela lei inversa do quadrado do
eletromagnetismo, uma vez que não há diminuição de seu efeito em distâncias enormes, como
mostra a experiência bem sucedida da Terra-Lua psi que Edgar Mitchell realizou durante a
missão Apollo 14 (Mishlove 1997, Mitchell 1996). Em muitas experiências sobre bio-PK (a
influência da mente sobre os sistemas biológicos), a distância aos alvos foi acumulada sem
qualquer diminuição dos resultados psi. Além disso, o funcionamento psi não é limitado pelas
ondas de espectro EM: opera dentro de gaiolas de Faraday e com uma excelente profundidade
de submarino (Targ & Puthoff 2005, Mishlove 1997, Schwartz 2007).
Claro que isso não significa que o psi opera apenas e necessariamente nesses modos não
locais, dado que muitos processos envolvem uma interação convencional com espaço e / ou
tempo, mas ressalta que o psi não é vinculado nem limitado pelas leis do espaço-tempo. Com
base nessas premissas, ISST postula que os processos de consciência (a que pertence psi)
instanciam uma camada de realidade diferente, mais global, uma dimensão extra ou meta,
distinta do espaço-tempo, que é melhor modelado, na física, como uma hiperdimensão .

III. A NÃO LOCALIDADE NECESSITA UMA HIPERDIMENSÃO

O surgimento do conceito de hiperdimensão (HD) na física decorre dos esforços para integrar
as quatro forças fundamentais dentro de uma teoria unificada, como imaginado em primeiro lugar
por Einstein. Basicamente, dois domínios da física - Relatividade Geral (GR) e Mecânica Quântica
(QM) -, cada um com um conjunto de leis e equações, foram igualmente bem-sucedidos na
contabilização de processos físicos, e ambos levaram a previsões precisas que foram
fundamentadas e corroboradas por experiências e / ou observações.O desafio pode ser formulado
assim: como a física pode integrar em uma única teoria unificada as rígidas leis fixas do espaço-
tempo com indeterminação e não-localização da escala quântica? Notemos que as partículas, que
têm massa ou matéria-energia, ainda estão ligadas (teoricamente) pela lei do espaço-tempo mais
importante, a da velocidade do limite de luz. No entanto, o campo de flutuações de Zero-Point
(ZPF), modelado dentro de QM, é um estado de turbulência e de oscilações de partículas virtuais
no vácuo, uma indeterminação clara.
A situação era semelhante à oposição antiga entre a suposição de luz como ondas
(comprovada por Thomas Young em sua experiência de dupla fenda de 1803) e a da luz como
partículas (comprovadamente matematicamente por Einstein em 1905 na resolução do efeito
fotoelétrico). O debate centenário sobre a natureza da luz só poderia ser resolvido ao aceitar uma
dupla natureza de luz, afirmando que uma partícula nunca passa sem uma onda, e vice-versa, e
Louis de Broglie ampliou esse axioma, além dos fótons, para todas as partículas, como os elétrons.
No entanto, os dois conjuntos de leis - a teoria da relatividade que contabilizam corpos
maciços no espaço-tempo, e QM que contabilizam a escala das partículas - também tinham
dimensões e unidades muito diferentes, como a rotação no QM. Uma solução matemática para
unificar os dois domínios foi, portanto, adicionar dimensões extras, levando a cinco modelos
principais de supermercados com 10 dimensões, fundidos em 1995 por Edward Witten na teoria M
de 11D .
O primeiro cientista a modelar um HD foi Theodor Kaluza que, eu n 1919, concebido de uma
maneira brilhante para reescrever as equações da Relatividade Geral de Einstein, introduzindo a
5 ªdimensão (com efeito, a 4 ª dimensão do espaço). Para sua grande surpresa, esta solução
também estava aninhando e produzindo dois conjuntos de equações: as equações de campo EM
das equações de campo de Maxwell e Einstein para a gravidade e, adicionalmente, uma equação
de campo escalar chamada radion . Então, em 1926, Oskar Klein desenvolveu ainda mais a teoria
de Kaluza, postulando que a 5 ª dimensão tinha uma realidade física, e foi enrolado em um pequeno
círculo , o raiodo que estava na escala Planck (ou seja, exatamente o tamanho Planck, 10
a 33 centímetros).
O lógico Kurt Gödel previu que qualquer sistema operacional de regras (ou leis) não pode
basear sua autoconfiança (ou validade) internamente, mas precisa de um sistema externo, mais
abrangente para o fazer (Gödel, 1992). O teorema de incompletude de Gödel mostra, assim, que
qualquer sistema de regras é necessariamente incompleto e precisa de um sistema mais global,
literalmente, uma meta-dimensão, para fundamentar sua autoconsistência ( meta , em grego,
significa além ou mais global ).
No entanto, como Klein baseia-lo, parece cada vez mais evidente que uma dimensão extra,
como um Kaluza-Klein 5 ª dimensão, além de ser uma solução matemática ou abstrato, é também
uma física necessidade e isso mostra a profunda coerência entre a por um lado, matemática e
física, e, por outro lado, entre matemática e natureza. Essa coerência poderia ser a razão pela qual
as teorias elegantes e lindas têm, de acordo com muitos físicos, a maior probabilidade de serem
"verdadeiras" e uma descrição exata da realidade (Trinh Xuan Thuan, 2000).

Não-localização na origem do universo e numa escala sub-quantitativa


Um segundo grupo de anomalias (em relação às leis do espaço-tempo) acontece na origem
do universo. Em primeiro lugar, durante a fase de inflação, em 10 -36 do primeiro segundo e agora
equiparado ao Big Bang, o universo inchou para 10 50 vezes seu tamanho em um instante
dividido. Isso levou os pioneiros da teoria da inflação Alan Guth e, em seguida, Andrei Linde, para
calcular que esse processo aconteceu a milhões de vezes a velocidade da luz C. Em segundo
lugar, muito antes dessa fase de inflação, precisamente 10 -43do primeiro segundo, o raio do
universo atinge o tamanho de Planck e a escala Planck. Antes disso, não pode haver partículas -
e, portanto, não importa, sem espaço, sem tempo e, consequentemente, sem causalidade; e das
quatro forças, apenas a gravidade existe antes da escala da Planck. O que há, então, antes da
escala Planck? Alguns físicos propõem um campo de informação. Vários invocam um estado de
supersimetria, um substrato unificado com tantas partículas como anti-partículas, o que levaria a
uma série de transições de ruptura de simetria, como o desacoplamento da matéria da radiação,
começando pelo desacoplamento dos neutrinos no primeiro em segundo lugar, e, em seguida, que
um dos fotões em 10 2 segundos. No entanto, a supersimetria só pode acontecer muito mais tarde
com o campo de Higgs, um plasma quark-gluon existente entre 10-12e de 10 a 10 segundos e,
conseqüentemente, não pode explicar o que acontece antes da escala Planck, ou seja, antes de
permitir que as partículas sejam permitidas.
Vários físicos apontaram assim que, abaixo da escala de Planck, o universo é governado por
outro tipo de física, entre eles Yakov Zel'dovich, que primeiro descobriu que o comprimento de
Planck é um "corte", um limiar antes do qual nenhuma onda de partículas ou EM poderia
existir. Assim, antes da escala de Planck, alcançamos um estado totalmente anômalo do universo,
além do espaço-tempo e além da matéria. Notemos que qualquer ponto em coordenadas de
espaço-tempo pode abrir em tal escala subquântico ou região assim como Klein sublinhado que,
no 5 th em dimensões, e em particular qualquer partula, uma vez que é modelado como um ponto
adimensional em teoria relatividade.
À medida que a região sub-planckiana (na origem do universo) existia antes da existência do
espaço-tempo, é por definição não local, ou seja, não está vinculado pelas restrições do espaço-
tempo (como a seta do tempo, a velocidade da luz C ou a causalidade). Encontramos aqui o mesmo
tipo de transmissão de informação quase instantânea do que a luz (FTL) como instanciada por
partículas emaranhadas em um experimento de tipo EPR (ao longo do experimento de pensamento
Einstein-Podolsky-Rosen ou EPR, que John Bell refinou ). Assim, podemos argumentar que a
velocidade da luz C expressa um limite apenas dentro do espaço-tempo, ou mais precisamente,
que define um limite para o espaço-tempo e a Teoria da Relatividade Geral (GR) e,
consequentemente, qualquer FTL, ao quebrar a barreira C do espaço-tempo, aponta tanto um
hiper-tempo quanto uma dimensão extra.
A maneira alternativa de explicar tal FTL dentro da região do espaço-tempo seria a hipótese de
Varying Speed of Light (VSL), desenvolvida (independentemente) pelo físico John Moffat em 1992
(Instituto Perimeter) e em 1999 pelos cosmólogos João Magueijo e Imperial Andreas Albrecht (UC
Davis) (Magueijo 2003; Hebden 2012). Notemos que esta solução VSL é um concorrente da teoria
da inflação e seria posta em causa se a descoberta de ondas gravitacionais primordiais no fundo
de microondas cósmicas (CMB) fosse confirmada. Essas ondas (que aparecem como uma
polarização específica do "modo B" do CMB) devem ser produzidas pela expansão do espaço
durante a fase de inflação e, portanto, substanciar a teoria da inflação. Em 17 de março de 2014, o
time do BICEP2 ( Imagem de fundo da polarização extragaláctica cósmica) no Pólo Sul anunciou a
detecção da polarização muito "B-mode" ligada à inflação, mas seis meses depois, a equipe do
telescópio espacial PLANCK explicou como sendo devido ao pó cósmico. No entanto, em outubro
de 2014, cientistas do experimento POLARBEAR foram capazes não só de medir a polarização do
modo B, mas também de verificar que era de origem cosmológica, corroborando assim a teoria da
inflação.

Emaranhamento não-local como uma anomalia quanto à indeterminação QM


Para promover o argumento da Escadaria Espiral Infinita, em uma experiência EPR, as
partículas emparelhadas emparelhadas (fótons ou elétrons) estão existentes no espaço-tempo,
mas seu emaranhamento instancia a não-localização e está rooteado além do espaço-tempo . E
isso nos leva a uma possível solução, a hipótese ISS, a saber, que o processo de emaranhamento
revela e expressa o funcionamento de uma hiperdimensão para além do limite do espaço-tempo
que seria precisamente o volumeda HD, uma região quase espacial (ou hiperspatial) que engloba
o espaço-tempo; Este volume seria misturado com a hiperdimensão na origem, ambos operando
em uma escala sub-planckiana. Agora, curiosamente, o emaranhamento também revela graus de
liberdade (ou seja, dimensões extras) distintas da indeterminação quântica: de acordo com as leis
de rotação de Pauli , o momento angular total das duas partículas emaranhadas deve ser igual a
zero (por exemplo, um giro esquerdo -1 / 2 + um spin endireitado +1/2 = 0). Assim, enquanto a
rotação de cada partícula parece ser probabilística, a complementaridade de SpiS de Pauli
definitivamente não é uma lei indeterminista quando se considera o próprio sistema global
consistindo nas duas partículas emaranhadas (e expressas por uma única função de onda).
Essa não indeterminação de emaranhamento mostra uma anomalia ou limite dentro da
interpretação de QM (Copenhague) que postula a indeterminação de eventos quânticos e que
estabelece sua apreensão apenas em termos de probabilidades. No entanto, a QM tem sido
corroborada de muitas maneiras que não podemos negar a sua realidade, mas apenas delimitá-la
a uma determinada região ou escala, pelo menos a do vácuo quântico e ao campo de flutuações
de ponto zero ou ZPF (nesse caso, uma hiperdimensão , sendo abaixo dessa escala quântica, não
seria contraditório QM).
A anomalia de emaranhamento revela assim um limite para o espaço-tempo (GR) eo domínio
quântico (QM), semelhante aos processos de FTL anômalos, sublinhando o limite do espaço-
tempo. Para GR e QM para preservar a consistência do seu sistema de leis / processos (seu
domínio científico), as anomalias devem ser definidas fora desses sistemas e, portanto, precisamos
postular uma meta ou dimensão extra. Thomas Kuhn sustentou, em seu estudo de 1970 sobre A
estrutura das revoluções científicas , que as anomalias em um domínio científico acabariam por se
tornar um novo paradigma, uma nova visão de mundo científica, mas também os fundamentos do
sistema de leis de uma nova meta- domínio.
Para que possamos ter um terreno sólido e convincente para a hipótese de que uma
hiperdimensão para além do espaço-tempo existe no universo em uma escala sub-planckiana ou
nível de organização. Esta hiperdimensão (HD) seria (1) existente abaixo da escala Planck como
hiperespaço, tanto na origem quanto em qualquer ponto do espaço-tempo; (2) seja distinto da
região do espaço-tempo e do vácuo quântico; (3) instanciar uma FTL extremamente alta (como
hiper-tempo); (4) ser claramente não material e não vinculado por causalidade material, e ainda
não aleatório, isto é, não vinculado pelas leis do espaço-tempo e do vácuo quântico; (5) expressam
trocas de informações coerentes e muito possivelmente de organização da matéria (como um
teletransporte derivado do emaranhamento).

Energia escura: uma energia não-material, além do espaço-tempo?


Agora, outro conjunto de dados revela a medida dessa dimensão extra ou hiper, a saber, a
descoberta da energia escura e da matéria escura, sendo ambos de natureza enigmática, mas
certificada para não ser matéria comum (material de partículas, nuvens de gás e galáxias) . A
energia escura ea matéria escura contam respectivamente com 69% e 26% da energia total do
universo (de acordo com as medidas mais recentes e precisas da sonda cosmológica março 2013
PLANCK), o que deixa apenas 5% para a matéria comum. Temos, assim, 95% da energia do
universo cuja natureza é um total mistério, além do fato de que é nãoA matéria, e o caso para a
energia escura é ainda mais atraente, uma vez que a sua densidade de energia é repulsiva e,
portanto, oposta ao efeito gravitacional, estabelecendo uma força atrativa. Vários físicos (como
John Brandenburg, Jack Sarfatti) vêem a energia escura como consistindo de anti-partículas
virtuais com velocidade tachyônica.
Em uma lógica de física perfeitamente sólida, podemos deduzir que apenas 5% da natureza
do universo é realmente coberta por todo o campo da física e da cosmologia - isto é, a física atingiu
no presente apenas 5% de seu domínio de conhecimento. Uma conclusão se impõe: a física não
pode mais ser fundada em um assunto ou paradigma materialista que reivindica que a matéria é a
única realidade (com a consciência sendo apenas um subproduto da bio-matéria do cérebro) e,
portanto, a causalidade material local a ser a única regra. Este conjunto materialista e reducionista
de suposições é destruído por (1) processos emaranhados, (2) a escala pré-Planck e (3) energia
escura. A física, portanto, necessita de um paradigma pós-materialista; no entanto, isso não implica
permanecer cativo da antinomia forçada dualismo-monismo (paradigma espiritualista versus
realismo), nem do conceito de criador como pessoa. Isso implica apenas uma hiperdimensão da
consciência e / ou "informação ativa" (no sentido bohmiano); e isso poderia ser conseguido
colocando ondas piloto capazes de "guiar" ou "piloto" das funções das ondas através de um
Potencial Quântico (Bohm 1980; de Broglie 1939), ou então por hiperdimensionalcampos
semânticos capazes de dobrar probabilidades na escala quântica e / ou orientar a organização de
eventos e processos de matéria (Hardy, 1998). No primeiro caso, vejamos, no entanto, que as
ondas piloto de Bohm e de Broglie são modeladas como as ondas ligadas às partículas do Modelo
Padrão (por exemplo, são o aspecto da onda das partículas e, portanto, integradas nas funções
das ondas dentro do espaço-tempo) e, portanto, para alcançar nossa objetivos, o misterioso
Potencial Quântico de Bohm, já um termo não local na função de onda psi, teria que se tornar
também uma força ou energia hiperdimensional.

IV. INTEGRAÇÃO DE PSI E CONSCIÊNCIA EM UMA TEORIA GLOBAL

Como vimos, psi implica a não-localização como seus processos operam (a) além do cérebro,
(b) além do espaço-tempo, e (c) além da causalidade material - portanto, em uma meta-dimensão
da realidade; e, como eu argumentei, b e c exigem que esta metadimensão seja uma
hiperdimensão distinta da região do espaço-tempo, e ainda está fundamentada em uma física que
permite a consciência não-local, como a chamada hiperfísica de Bernard Carr, e envolvendo folhas
de brane ( Faróis de superfície 2D) em um hiperespaço (Carr 2009).
Mas nos processos ISST psi envolvem mais do que apenas um hiperespaço - com a
capacidade mental de perceber e afetar eventos / objetos distantes como se o espaço ordinário 3D
não fosse uma barreira; e um hiper-tempo - na capacidade mental de perceber os eventos e se
comunicar com as mentes no passado ou no futuro, como se o tempo ordinário 1D não fosse uma
barreira. Vamos ver os detalhes.

Fatores concativos e psicossociais que trabalham através da hiperdimensão do syg


(1) O fato de que a intenção e a vontade (processos conativos) podem direcionar ou
influenciar os resultados psi como nas experiências de cura, implica capacidades de vontade livre ,
ou seja, a capacidade de estabelecer metas para si mesmo (mesmo que apenas signifique aceitar
os alvos escolhidos aleatoriamente em um experimento).
(2) Foi provado experimentalmente que os fatores psicossociais têm efeito de resultados
psi; Esses são fatores como vínculos relacionais e abertura, crenças e expectativas, o pensamento
positivo e a autoconfiança (como no efeito capim-ovino e efeito experimentador). Isso mostra que
a dimensão da consciência, e especificamente das mentes individualizadas, é um conjunto de
propriedades dentro dessa hiperdimensão.
(3) Os fatores emocionais, semânticos e significativos têm um efeito nos resultados psi. Essa
resposta emocional a um futuro alvo ou evento foi demonstrada (a) em experimentos de
pressentimento (Radin 2004) e (b) na reação inconsciente coletiva precognitiva a choques
emocionais iminentes em todo o mundo, conforme apresentado no Projeto de Consciência Global
(GCP) ) experiências ( Radin & Nelson 1989, Nelson et al 1996 ). Por exemplo,
algumas horas antes de choques mundiais como a morte de Diana, o ataque de torres gémeas,
ou o ataque de Charlie Hebdo, a distribuição da aleatoriedade entre muitos geradores de eventos
aleatórios (REGs) disseminados no planeta mostra um enorme pico longe de a linha de base.
Com esses fatores conativos, psicossociais e semânticos que têm efeito sobre psi, nosso HD
está agora infundido com consciência, pensamentos individualizados e autoconsciência (como no
conhecimento das próprias crenças), e permite uma interação significativa com os outros e com o
mundo .

Mente sobre os processos da matéria através dos syg-fields de todos os sistemas


O fato de que a psique é capaz de afetar os biossistemas foi demonstrado principalmente por
experiências de psicocinésia (PK) ou "cicatrizantes" em sistemas biológicos, como bactérias ou
tecidos em placas de Petri, amostras de sangue, peixes elétricos, camundongos e gostos, em
laboratórios biológicos e usando protocolos duplo-cegos. Este tipo de metas sendo imune à
sugestão torna uma explicação pelo efeito placebo irrelevante. Mais de 150 experiências de "bio-
PK" demonstraram que a mente e a consciência são capazes de não apenas interagir com os
biossistemas, mas além de influenciá-los através da intenção direcionada - um efeito PK
definitivo. Outro conjunto de experiências de "micro-PK" mostrou que a mente também pode ter
influência em processos aleatórios.A questão mais espinhosa e, ao mesmo tempo, mais
emocionante, é através da qual processos, ou meios, a consciência interage tão profundamente
com a matéria que, com uma simples intenção, pode modificar a organização e o crescimento da
matéria biológica? Enquanto estes fatos são amplamente comprovada (um meta-análise define as
chances para eles em uma chance em um trilhão) seu modus operandi (modo de operação)
permanece nublado em mistério, assim como a natureza da gravidade, ou o entrelaçamento de
partículas. No entanto, ISST e Teoria dos Campos Semânticos (SFT) podem esclarecer uma
dinâmica física e um substrato do processo, entendido assim:Uma constelação semântica na mente
(como uma intenção ou objetivo visual) é capaz de se substituir ao campo semântico de um
biosistema (ou de um sistema aleatório) e modificar sua organização. A taxa real de sucesso em
uma metanálise experimental é de pouca importância em comparação com o fato de que estamos
testemunhando, com a mente e a consciência, uma causa eficiente que opera de forma não-local
e seu efeito sobre biossistemas e sistemas naturais. O fato de ter acontecido é suficiente para
enfraquecer o paradigma materialista que o precisa ser estritamente impossível, devido
principalmente a sua suposição de que a consciência é um produto do cérebro e totalmente
localizada nele, proibindo assim qualquer efeito à distância.
Todos esses fatores conativos, emocionais, psicossociais e semânticos implicam a
consciência em sua realidade fundamental, uma vez que a teoria dos Campos Semânticos (Hardy
1998) define a consciência como o processo de atribuir significado ao mundo, aos outros e a nós
mesmos, através de uma reorganização constante de nossos campos semânticos individuais e
coletivos (e, claro, qualquer emoção, comportamento, interação e pensamento, são carregados de
significado e suas redes dinâmicas são as coisas do nosso campo semântico pessoal).
Somente uma teoria que concede uma hiperdimensão da consciência auto-organizada a
todos os seres e sistemas, com sua própria energia hiperdimensional e taquicônica ligada à
consciência ( syg-energy ) pode permitir que os sistemas interajam tão profundamente para que as
mentes influenciem a organização da matéria. Tomemos o caso da cura. ISST não vê isso
exatamente como mente modificando matéria; mas sim como um campo semântico mais forte,
impondo sua organização ou visão a outro campo semântico mais fraco (por exemplo, o de um
órgão doentio ou o de uma mentalidade deprimida). Para que possamos uma interação muito mais
convincente em termos de física: como interagir com os outros, através de um substrato comum,
os sygons constituindo syg-energy: ISST postula que as partículas virtuais chamadas sygons
(dotadas de freqüências específicas) são lançadas a partir da ISS (ou espiral baseada em phi) que
se desdobram da escala de origem até Planck e da fase de inflação. Estes simgares imensamente
mais rápidos do que a luz constituirão os campos semânticos de todos os sistemas (seu nível
hiperdimensional) e são o meio de suas trocas não-locais e inter-influência. Em outras palavras, na
bio-PK, as redes de sygons estão trocando informações qualificadas (significados, metas, intenções
de cura) com o sistema alvo. Somente em uma segunda fase, o campo semântico alvo (o do órgão
doente), agora infundido com uma ordem saudável e equilibrada, transmite ou impõe sua nova
organização semântica sobre suas próprias células e configuração molecular, curando-se por força
de sua re campo semântico equilibrado.
Neste domínio específico, encontramos os campos morfogenéticos de Sheldrake, pois ele
considera estes como guiando a morfogênese e, portanto, a organização de sistemas biológicos. O
paralelo crucial é que um campo em outra dimensão (no caso de Sheldrake, um campo de forma,
em ISST, um campo semântico hiperdimensional) teria a capacidade de organizar e reorganizar
um organismo biológico. No entanto, Sheldrake nunca expôs a configuração desses campos e
como o processo invocado ("ressonância mórfica") funcionou (enquanto o SFT fez) nem a natureza
dos campos (enquanto ISST faz).
Assim, a psi e a consciência são explicadas de forma sólida pela consciência ou a
hiperdimensão de Syg através das propriedades bastante surpreendentes de sygons mais rápidos
do que a luz, essa energia de syg lançando processos de conexão e rede semântica capazes de
modificar a organização de biossistemas e sistemas de matéria . (A dinâmica conjuntiva dos
campos semânticos, seu acoplamento com cérebros e sua evolução, são discutidas extensamente
em Redes de Significado.) Temos agora um campo de consciência de tamanho cosmos feito de
um número imenso de campos semânticos incorporados e interativos (individuais como mentes e
coletivos, como culturas, religiões ou ciências). Cada mente única é, portanto, uma rede complexa
e multinível de constelações semânticas (Hardy 2003), tendo a capacidade, com condições
específicas, influenciar - por sua própria intenção e vontade - a camada de campo semântico de
sistemas complexos ressonantes ou acoplados.

Atractores retrocausal definidos pelas intenções e pelo efeito Experimentador


A Teoria do Campo Semântico (SFT) modelou precisamente a forma como nossas intenções
e antecipações criam uma rede multinível (um tipo específico de campo semântico) enraizado tanto
no tempo futuro quanto no tempo atual, que atua como um Atractivo Retrocausal favorecendo o
evento antecipado (Hardy 2003). Quando, no presente, pretendemos algo, ou antecipar, ou fazer
uma técnica de pensamento positivo (por exemplo, uma visualização) sobre um evento futuro,
criamos caminhos ponderados entre os dois cronogramas e eventos-caminhos que estão de fato
curvando odds e atraindo a realização da situação ou evento visualizado. Esta influência do syg
será muito mais forte quando as intenções são ensaiadas e reforçadas, como em uma técnica de
visualização recorrente.
Em primeiro lugar, em um sentido psicológico simples: nossa disposição psicomental e estado
de consciência durante uma visualização nos predistem, no futuro, a uma mentalidade e
comportamentos que favoreçam o evento visualizado. Mas a SFT acrescenta que a constelação
semântica está realmente enraizada no futuro do tempo e do ambiente - devido ao fato de que a
Dimensão Semântica (agora a hiperdimensão Syg) está além do espaço-tempo e, portanto, pode
se conectar a qualquer coordenada no espaço e no tempo. A visualização no momento cria uma
constelação semântica Event-in-Making que (sendo na própria dimensão semântica) é espalhada
pelo tempo linear físico (do espaço-tempo) e rooteada no presente de cada visualização e no futuro
espaço-tempo coordenadas. E esta constelação (1) rejeita sua configuração (mental e física) de
volta para nós, retroactivamente e de forma retrocausal. E (2) simultaneamente cria seu nicho no
espaço-tempo futuro, atraindo todos os elementos relacionais e físicos necessários para sua
conclusão, criando assim sincronicidades e oportunidades serendipitantes também
retroativamente, entre o futuro eo presente, todos favorecendo a realização de nossa visualização
e Pensamento positivo. É de notar o fato de que o efeito Atração Retrocausal está trabalhando a
partir da futura constelação de syg para trás e modificando a organização de sistemas de matéria
e biossistemas no presente contínuo através de um entre o futuro e o presente, todos favorecendo
a realização de nossa visualização e pensamento positivo. É de notar o fato de que o efeito Atração
Retrocausal está trabalhando a partir da futura constelação de syg para trás e modificando a
organização de sistemas de matéria e biossistemas no presente contínuo através de um entre o
futuro e o presente, todos favorecendo a realização de nossa visualização e pensamento positivo. É
de notar o fato de que o efeito Atração Retrocausal está trabalhando a partir da futura constelação
de syg para trás e modificando a organização de sistemas de matéria e biossistemas no presente
contínuo através de umefeito PK retrocausal . Também é digno de nota o seu efeito proativo, com
a atual constelação de syg influenciando proativamente a situação futura, incluindo um efeito sobre
o futuro ambiente (humano e físico) e, portanto, definindo um componente definitivo de "PK
direto". Este Atractivo Retrocausal também pode ser orquestrado por um casal, um grupo, uma
sociedade - como no caso do efeito curativo da oração grupal ( Schwartz & Dossey 2010) .
A modelagem do Attractor Retrocausal dá uma base (em termos de física e sistemas
complexos ou teoria do caos) à evidência experimental dos efeitos do pensamento positivo sobre
a saúde (Seligman 2006), os efeitos das crenças e expectativas sobre o desempenho e da efeito
observador / experimentador sobre medidas ou resultados experimentais.
É também um fato de experiência para muitos pesquisadores que existe uma dimensão
coletiva para a consciência. No entanto, as teorias apresentadas dão apenas uma base para o
aspecto da "memória" (ou reservatório de dados) dessa consciência ou campo coletivo - como o
de Ervin Laszlo ou Rupert Sheldrake. Muito mais difícil é explicar os aspectos criativos,
inovadores, intencionais e de pensamento livre da consciência, bem como a sua extrema
flexibilidade, variedade e processos divergentes. E acima de tudo, por sua capacidade de auto-
reflexão (auto-referência), antecipação e poder para se transformar internamente.

A hiperdimensão triúnica como o Um-plural, um campo de consciência global


Dado que esta hiperdimensão de consciência (Syg HD), coexiste e co-evolui com um
hiperespaço e uma hipertensão, a solução do ISST é postular um HD triúno, uma trança com três
cadeias entrelaçadas: hiperespacial ( C enter), consciência ( S yg) e hiper-tempo ( R hythm) - uma
hiperdimensão de CSR que se abre no comprimento de Planck e opera abaixo da escala de Planck,
em qualquer partícula e sistema do universo, inclusive na sua origem. Esta hiperdimensão CSR,
portanto, demonstra :
- (via Syg :) uma consciência cósmica, mais uma dimensão syg e campos e processos semânticos
em todos os sistemas; autoconsciência e auto-referência nos mais evoluídos, como civilizações
inteligentes e seres no universo;
- (via Center :) auto-organização via dinâmica de redes e individualização (fechamento
organizacional) de todos os sistemas;
- (via Rhythm :) Comunicação FTL e trocas em sistemas ressonantes através dos sygons ;
- Uma topologia no hiperespaço sob a forma de uma espiral baseada em phi ou a espiral dourada
(ISS)
- um sistema holográfico na escala global, no qual a consciência coletiva (através do seu campo de
informação impresso na ISS cósmica na origem) está em constante fluxo de 2 vias e comunicação
com a ISS individual de todos os sistemas.

Os Sons FTL que povoam a hiperdimensão são uma energia semântica - uma energia de
consciência capaz de realizar trabalho e ações no espaço-tempo (a própria definição física de
energia). Os sygons fornecem a dinâmica das trocas instantâneas de informações complexasentre
campos semânticos de qualquer tipo - sejam sistemas naturais, plantas, animais, objetos ou mentes
evoluídas. Os processos semânticos conduzidos pelos sygons usam a dinâmica conectiva - como
conexões de rede, inter-influência e co-evolução entre sistemas. Eles também incluem a
reorganização e formação de matéria e bio-sistemas por processos psico-mentais (como intenções,
necessidades e vínculos emocionais). A dinâmica conjuntiva instanciada pelos sygons opera
através de ressonâncias de significado e links semânticos de qualquer tipo; Estas são claramente
dinâmicas semânticas que envolvem a consciência do corpo, a psique e as mentes.
Assim, em qualquer ponto do espaço-tempo (em qualquer partícula e sistema), a hiper-
dimensão do CSR triuno abre-se na escala de Planck e opera abaixo dele como uma espiral da
ISS individualizada com um banco de dados quase infinito sobre todo o universo e este sistema
individualizado. De modo que, como os poros na pele que se abre no ar fora de nossos corpos,
cada ISS individual abre na maior parte da hiperdimensão cósmica, em sincronia com o HD na
origem. A hiperdimensão cósmica é de fato um todo, o Um, seja na origem ou dentro do volume; ele
permeia os sistemas espaciais abaixo da escala Planck e, a este respeito, pode ser modelado
usando um argumento ontológico ( Hardy 2015, 2015b).É o inconsciente coletivo, o Tao e
Brahman. É Plotino "Um imaterial", a alma do universo permeando todas as suas partes.

V. CONSCIÊNCIA COSMICA E PANPSICISMO: O PARADIGMA ISST

ISST postula que a hiperdimensão da consciência existe não só no início do universo (na
Escalada espiral infinita cósmica ou ISS), mas também no núcleo de qualquer sistema do universo,
desde partículas, até seres vivos, até galáxias. Em todos esses sistemas, a hiperdimensão opera
em uma escala sub-planckiana, através dos sygons mais rápidos do que a luz - as cadeias virtuais
/ partículas que são uma energia semântica dinâmica e informações ativas.
A hiperdimensão do syg permite um potencial de consciência em todos os sistemas, uma
camada de organização e interação significativa chamada campo semântico do sistema . ISST,
portanto, pertence à ampla posição filosófica do panpsychism, que postula a consciência como
permeando todos os seres e coisas do universo, em um grau diferente - de uma proto-consciência
a uma inteligência auto-referencial evoluída em seres humanos. O panpsiquismo foi anunciado
pelos filósofos gregos Thales, Platão e Plotino, pela filosofia Advaita Vedanta na Índia e no Budismo
tibetano. Nos tempos modernos, por Leibniz, Spinoza, Whitehead, e recentemente David Chalmers
(1996), bem como o físico Roger Penrose. O pesquisador do psi, Dean Radin e seus colegas,
consideraram o panpsiquismo como uma explicação sólida do efeito do observador, como afirmou
em seu relatório de 2012 sobre um experimento usando um protocolo óptico de dupla fenda,
promovendo o famoso experimento de Thomas Young (Radin et al, 2012) .
O panpsiquismo da teoria da ISS tem características físicas e cosmológicas muito
específicas, uma vez que deriva de uma hiperdimensão semântica ou simbólica enrolada com
hiperespaço e hiper-tempo, e existente em todos os sistemas em todas as escalas do universo.

O universo holográfico eo Princípio Antrópico


O conceito de que o universo seria organizado como um holograma foi primeiro exposto na
física quântica por David Bohm (1980, Bohm & Hiley, 1993) , e depois nas ciências cerebrais por
Karl Pribram (1991). No entanto, em Alexandria no século III dC, o filósofo grego Plotino ensinou
que o cosmos era um, um todo, um sistema holográfico e consciente devido a uma alma cósmica
( psique em grego, anima em latim). Ele afirma: "Este universo (...) tem em si uma alma (psique),
que permeia todas as suas partes". ( Ennead 4) E também: "O imaterial [o Um] é como um todo em
tudo." ( Ennead6.4) Este é exatamente o nosso conceito moderno de um holograma: um sistema
no qual todas as partes estão em interação com o todo, e em que a informação sobre o todo está
contida em qualquer parte. Além disso, se o todo (como alma cósmica) está em todas as coisas e
sistemas, como melhor modelá-lo do que postulando uma camada hiperdimensional e (proto-)
consciente em todos os sistemas - seus campos semânticos? Então, os campos semânticos de
todos os sistemas formam a dimensão semântica que, em ISST, é a hiperdimensão Syg, a
consciência cósmica como um todo.
Estreitamente relacionado é o Princípio Antrópico (do antropo grego , humano), que, em sua
versão forte, a hipótese de que o universo não é apenas um todo coerente e consciente (Gaia),
mas que se auto-organiza para favorecer a vida e a inteligência. Há, de fato, cerca de trinta
parâmetros e constantes no universo que são extremamente aperfeiçoados; Alguns permitem um
tempo suficiente para que as galáxias se formem; outros apresentam os índices precisos de
produtos químicos e constantes físicas necessárias para o desenvolvimento de formas de vida
evoluídas, de inteligência e culturas.
Brian Carter (1974) e James Lovelock (1979), defendem um "forte princípio antrópico", uma
harmonia subjacente enraizada na origem, que faz do universo tende a favorecer a vida
inteligente. Da mesma forma, Ervin Laszlo (2004, 2009) baseia a coerência e a autoconfiança de
todo o universo e seu ajuste fino (que implicam inevitavelmente a transmissão de sinal FTL), em
um campo Akashico holográfico.
De acordo com o recente Princípio Holográfico , o universo é um holograma isomórfico para
a informação "inscrita" na superfície do seu limite. O conceito de um universo
holográfico (desenvolvido pelo Prêmio Nobel Gerard 't Hooft e depois Leonard Susskind ) afirma
que toda a informação sobre o universo está inscrita na superfície 2D do seu horizonte cosmológico
(o diâmetro do universo observável sendo 92 bilhões de luz- anos ou 92Gly). Portanto, a
informação cósmica é uma medida de entropia como um espectro de microstatos ( Brandenburg &
Hardy 2015). O vácuo quântico poderia ser esse limite da superfície curvada para o espaço-tempo,
sendo "impresso" com as informações sobre todas as partículas e sistemas (Hardy 2015c). Em tais
modelos, a informação não é ativa em si mesma e, portanto, não pode ser o meio de uma
comunicação não-local e inter-influência entre os sistemas. ISST oferece uma solução.

ISST framework panpsychist


A Teoria dos Campos Semânticos postula que todos os sistemas físicos em todas as escalas
têm um campo semântico (campo de syg em breve), que não é a sua hiperdimensão, com cada
partícula e sistema com uma réplica individual da ISS com sua própria organização e informação
em um Estado de excitação. Vejamos um ser humano como um sistema mente-corpo-psique: a
ISS de todas as partículas, moléculas e células se funde em um sistema de rede específico que é
o campo de simg de um órgão, de um biossistema ou de uma camada de organização, por exemplo,
uma proto-consciência do corpo. As camadas mais altas de consciência, como as mentes,
permitem uma inteligência auto-referente, fortemente acoplada ao cérebro e camadas
neuronais. (Essa auto-organização não é hierárquica, pois permite links horizontais e transversais
entre camadas,
Devido ao fato de que todos os sistemas de matéria (por exemplo, um museu) e bio-sistemas
(por exemplo, uma árvore) também possuem tal hiperdimensão (seus campos de syg), esses
sistemas têm uma consciência mais ou menos evoluída - uma proto-consciência no pelo
menos. Assim, através do nosso campo semântico individual, estamos em constante troca não-
local com todos os campos de simbologia ressonantes, não apenas nossos amigos e familiares,
mas também os lugares, animais, plantas, máquinas, casas e jardins, filosofias e obras de arte que
nós amamos. Com outros seres, formamos redes de links e, portanto, campos simbólicos coletivos,
um grupo, uma aldeia, uma cultura, uma federação, até o mais global: o inconsciente coletivo do
coração de syg-campo-Carl Jung. As propriedades dos sygons nos proporcionam links e trocas
imediatos e qualificados, com todos os sistemas de ressonância, através de seus próprios campos
de syg. São os simgons que instanciam a dinâmica semântica não local, a conexão e a inter-
influência entre os campos de syg - significativos e fundamentados em semelhanças, ressonância
e qualquer tipo de vínculos (do amor, do ódio e da contiguidade). Os sygons nos fornecem uma
enorme rede contínua de interações impulsionadas pelo significado e desimpedidas pela distância
no tempo e no espaço. A maior parte dessas interações e intercâmbios permanecem no nível
inconsciente, mas são a fonte a partir da qual surge o surgimento ocasional de informações psi
para a conscientização. Os sygons nos fornecem uma enorme rede contínua de interações
impulsionadas pelo significado e desimpedidas pela distância no tempo e no espaço. A maior parte
dessas interações e intercâmbios permanecem no nível inconsciente, mas são a fonte a partir da
qual surge o surgimento ocasional de informações psi para a conscientização. Os sygons nos
fornecem uma enorme rede contínua de interações impulsionadas pelo significado e desimpedidas
pela distância no tempo e no espaço. A maior parte dessas interações e intercâmbios permanecem
no nível inconsciente, mas são a fonte a partir da qual surge o surgimento ocasional de informações
psi para a conscientização.

V. CONCLUSÃO

Os sygons mais rápidos do que a luz (FTL) que criam campos semânticos e redes contínuas
de links na hiperdimensão são o que torna possível o psi e explicam a não-localização do
emaranhamento e da consciência. Na minha opinião, apenas uma hiperdimensão populada por
redes auto-organizadas de sygons FTL (como campos semânticos embutidos pequenos ou
grandes) pode fundamentar e explicar psi, tanto como uma troca de informações não-local quanto
como influência da mente sobre matéria e biosistemas. Os simgons também podem explicar outros
tipos de fenômenos psíquicos não-locais e coletivos - como a sincronicidade de Jung e o
inconsciente coletivo, o compartilhamento de sonhos, descobertas simultâneas e reencarnação -
tipo de memória.
No nível planetário, a hiperdimensão Syg é a "alma da Terra", um conceito encontrado em
muitas culturas e religiões, ajustando o inconsciente coletivo de Jung e a noosfera de Teilhard de
Chardin - também um campo de memória, ou Akasha. No nível cósmico, a hiperdimensão do syg
é a "consciência cósmica", um campo semântico global de interconexões significativas, que é plural
e ainda um todo: é o Tao, o Brahman, o conceito de Todo, o Único.

REFERÊNCIAS

Bohm, D. ( 1980). Totalidade e a Ordem implícita . Londres: Routledge & Kegan Paul.
Bohm, D. & Hiley, BJ (1993). O universo não dividido: uma interpretação ontológica da teoria
quântica. Londres, Reino Unido: Routledge.
Bousso, R. (2002). "O princípio holográfico". Comentários em Física Moderna. 74: 825-74.
Brandenberger, R. (2011). "Introdução à cosmologia do universo inicial". Proceedings of
Science; Documento dado no 4º Intern. Conf. em Interações Fundamentais -ICFI2010, 8 / 1-7 /
2010; Viãgosa, Brasil.
http://pos.sissa.it/archive/conferences/124/001/ICFI%202010_001.pdf ; arXiv:
1103.2271v1 [astro-ph.CO]
Brandenburg, J. (1995). "Um Modelo de Cosmologia Baseado na Gravidade-Electro-Magnetismo
Unificação," Astrofísica e Ciências Espaciais " , 227 (133).
Brandenburg, J. (2011). Além do campo unificado de Einstein. Gravidade e Electro-magnetismo
Redefinidos . Kempton, ILL: Adventures Unlimited Press.
Brandenburg, JE (2007). "O Valor da Constante de Gravitação e sua Relação com a
Electrodinâmica Cósmica". Transações IEEE em Ciências Plasma, Cosmologia Plasma . Vol. 35,
nº 4., p845.
Brandenburg, JE (2012). "Uma extensão da teoria da unificação da GEM para incluir Forças
nucleares fortes e fracas e uma estimativa da Missa Boson de Higgs". Apresentado na STAIF II
Conf. Albuquerque, NM (março de 2012). Journal of Space Exploration 1 (3).
http://www.mehtapress.com/images/stories/journal_of_space_exploration/vol_1_issue_1_file_3
.pdf
Brandenburg, JE & Hardy, CH (2015). "O nascimento da gravidade e entropia e a teoria ISS da origem
cósmica " (Pre-print on ResearchGate, Academia.edu).
Carr, B. ( 2009 ). Universo ou multiverso . Cambridge, Reino Unido: Cambridge Univ. Pressione.
Carter, B. (1974). "Grandes coincidências de números e o Princípio Antrópico na cosmologia".
Em: Confrontação de teorias cosmológicas com dados observacionais . Boston, Ma: Reidel.
Chalmers, DJ (1996). A Mente Consciente: em busca de uma teoria fundamental . NYC: Oxford
Univ. Pressione.
De Broglie, L. (1939). Matéria e luz: a nova física . Mineola, NY: Dover Publ.
Gödel, K. (1992). Em proposições formalmente indecidíveis de princípios matemáticos e sistemas
relacionados. Mineola, NY: Dover Publ.
Hardy, C. (1998). Redes de Significado: Uma Ponte entre Mente e Matéria . Westport, Conn .:
Praeger.
Hardy, C. (2000). Psi como um processo multinível: teoria dos campos semânticos. Jornal de
Parapsicologia . Vol. 64, março de 2000 (pp. 73-94).
Hardy, C. (2001). Auto-organização, auto-referência e inter-influências em Web multiníveis: além da
causalidade e do determinismo. J. of Cybernetics and Human Knowing, Vol.8 (3). UK: Imprint
Academic.
Hardy, C. (2003). Redes Multilevel Estendidas através do Tempo: Inter-Influências Retroativas e
Proativas. Pesquisa de Sistemas e Ciências do Comportamento, vol 20, N ° 2 (pp 201-215).
Hardy, CH (2015). DNA cósmico na origem: uma hiperdimensão antes do Big Bang. The Infinite
Spiral Staircase Theory . EUA: CreateSpace IPP, 2015.
Hardy, CH (2015a). "Dinâmica topológica configurando um campo de informação na origem do
universo. Teoria da ISS. " Documento apresentado no Fórum Internacional de Tecnologias e
Aplicações (STAIF-II). Albuquerque, NM, de 16 a 18 de abril de 2015.
Hardy, CH ( 2015b). " Um modelo sistêmico e hiperdimensional de um cosmos consciente e a
ontologia da consciência no universo. Proceedings, 59 ª reunião da Intern. Soc. para as Ciências
dos Sistemas (ISSS) , Berlim, Alemanha (agosto de
2015). https://independent.academia.edu/ChrisHHardy/Papers
Hardy, CH (2015c). " O vácuo quântico como um limite para uma hiperdimensão: a hipótese
ISST. Artigo em Journal of Space Exploration . (Na impressão)
Hawking, SW (1974). "Explosões de buracos negros?" Natureza 248 (5443)
Hawking, SW (2003). " Cosmologia do Top Down". Documento dado na Davis Inflação Meeting,
2003. http://arxiv.org/abs/astro-ph/0305562
Hawking, SW (2014 Jan). " Preservação da informação e previsão do tempo para furos
negros". ArXiv: 1401.5761v1 [hep-th] .
Hebden, S. (2012) Mais rápido que a luz. http://fqxi.org/community/articles/display/168
Jahn, RG & Dunne, B. (2009). M argens da Realidade: O Papel da Consciência no Mundo
Físico. Princeton, NJ: ICRL Press.
Josephson, BD, & Pallikari-Viras, F. (1991). " Utilização biológica da Quantum
NonLocality". " Fundamentos da Física , 21:
197 - 207. http://www.tcm.phy.cam.ac.uk/~bdj10/papers/bell.html
Kaku, M. ( 1994 ). Hyperspace: uma odisseia científica através de universos paralelos, Time
Warps e a 10ª Dimensão. Nova Iorque: Anchor.
Kaku, M. ( 2006 ). Mundos paralelos: uma jornada através da criação, dimensões superiores e o
futuro do cosmos . Nova Iorque : Anchor.
Klein, O. (1926). "Teoria quântica e relatividade tridimensional". Zeitschrift fur Physik , 37, 895.
Kuhn T. (1970). A estrutura das revoluções científicas . Chicago, Il .: Univ. da imprensa de
Chicago.
Laszlo, E. ( 2004). Ciência e Campo Akashico: uma teoria integral de tudo . Rochester, Vt:
tradições internas.
Laszlo, E. (2009). A experiência Akashic: Ciência e Campo da Memória Cósmica. Rochester, Vt:
tradições internas.
Lovelock, J. (1979-2000). Gaia: um novo olhar sobre a vida na Terra. Oxford, Reino Unido:
Oxford Univ. Pressione.
Magueijo, J. (2003). Mais rápido do que a velocidade da luz: a história de uma especulação
científica. Perseus P.
Maxwell, JC (1954). Tratado de eletricidade e magnetismo . 3 rd Ed., Vol 2. Nova York: Dover.
Mishlove, J. (1997). As Raízes da Consciência . Nova Iorque: Marlowe & Co.
Mitchell, ER (1996). O caminho do explorador . Nova York: Putnam.
Nelson, RD, Bradish, GJ, Dobyns, YH, Dunne, BJ e Jahn, RG (1996). "Anomalias FieldREG em
situações de grupo". J. of Scientific Exploration , 10 (1), 111-41.
Pauli, W. & Jung, CG (2014). Atom e Arquetipo . As cartas Pauli / Jung, 1932- 1958. Princeton,
NJ: Princeton University Press.
Plotino. (1992). The Enneads . LP Classic Reprint Series.
Pribram, KH (1991). Cérebro e percepção. Hillsdale, NJ: Lawrence Erlbaum.
Radin, D. (2004) " Pressentimentos eletrodérmicos de emoções futuras". J of Sc. Exploração, 18
(2), 253-73.
Radin, D. (2006). Minds Entangled . NY: Paraview Pocket Books.
Radin, D. & Nelson, R. (1989). "Evidências de anomalias relacionadas à consciência em sistemas
físicos aleatórios". Fundamentos da Física, 19, (12), 1499 - 514.
Radin, D., Michel, L., Galdamez, K., Wendland, P., Rickenbach, R. e Delorme, A.
(2012). "Consciência e padrão de interferência de dupla fenda: seis experimentos". Ensaios de
Física 25, 2 (157-71) [DOI: 10.4006 / 0836-1398-25.2.157] http://media.noetic.org/uploads/files
/PhysicsEssays-Radin-DoubleSlit-2012.pdf
Randall, L. ( 2005). Passagens entortadas: Desvendando os Mistérios das Dimensões ocultas do
Universo . Nova York: HarperCollins.
Randall, L. e Sundrum, R. (1999). "Uma alternativa à compactificação". Letras de revisão física 83
(4690-93).
Sakharov AD (1968): "Flutuações quânticas de vácuo no espaço curvo e a teoria da gravitação" .
Sov. Phys. Doklady 12, 1040-41.
Sarfatti, J. (2006). Super Cosmos; Através de lutas para as estrelas. (Space-Time e Beyond
III) . Bloomington, In .: Author House.
Schwartz, S. (2007). Aberto no Infinito . Nemoseen Media.
Schwartz, S. & Dossey, L. (2010). "Efeitos de não-localização, intenção e observador em estudos
de cura: colocando uma fundação para o futuro". Explore 2010, vol 6 (pág. 295-307). Publicado
por Elsevier Inc.
Seligman, M. (2006). Otimismo aprendido: como mudar sua mente e sua vida . Nova York:
Vintage / Random .
Sheldrake, R. (2009). Ressonância morfológica. A natureza da causação formativa . Rochester,
Vt .: Park Street Press.
Targ, R. & Puthoff, H. (2005). Mind-Reach: cientistas olham para habilidades
psíquicas. Charlottesville, Va .: Hampton Roads.
Tart, C. (Ed.) (1969). Alterou os estados de consciência . Nova Iorque: John Wiley & Sons.
Trinh Xuan Thuan (2000). Caos e harmonia . Oxford , Reino Unido: Oxford University Press .
Verlinde, Erik (2010). "Sobre a Origem da Gravidade e as Leis de
Newton". arXiv : 1001.0785 [ hep-th ]
Wheeler, JA (1998). Geons, Black Holes e Quantum Foam: A Life in Physics . NYC: WW Norton.
Friday, July 10, 2015

Article 1 (2015) on ISST (Systems Sciences conference)


Peer-reviewed publishing (July 2015) in:
Proceedings (online) of the 59th An. Meeting of ISSS (Intern. Soc. for the Systems Sciences) 2015 Berlin, Germany.

A SYSTEMIC AND HYPERDIMENSIONAL MODEL OF A CONSCIOUS COSMOS AND THE ONTOLOGY OF


CONSCIOUSNESS IN THE UNIVERSE

Chris H. Hardy, Ph.D.

http://cosmic-
dna.blogspot.com.br/search/label/z.%20Article%201%20%282015%29%20on%20ISS%20theory

ABSTRACT
The existence of consciousness in the universe as a consequent dimension of reality and a force able to shape
material reality has to be integrated in cosmological physics theories whose stated aim is to describe the
whole universe. General Systems Theory is a substantial global systemic framework that, blended with
hyperdimensional physics, can ground such modeling.

It is a fact that only by positing hyperdimensions can actual physics succeeds in reaching a near-unification
of the four forces by blending the frameworks of Relativity Theory and Quantum Mechanics (such as in
Witten’s 11-dimensional M-Theory). This paper argues that the only way to integrate the dimension of
consciousness in a theory of the universe is by modeling a complex hyperdimension of consciousness (or ‘syg
hyperdimension’) consisting in complex semantic fields (operating at all levels, from the cosmic to the
biosystems levels), and entwined with a hyperspace and hypertime. The well substantiated ‘nonlocal’
dynamics of consciousness, experimentally evidenced, show mind processes constantly violating Newtonian-
Einsteinian space and time constraints, and following instead complex systems dynamics based on
connectivity and meaning.

The Infinite Spiral Staircase theory (ISST) postulates that this triune hyperdimension operates at a sub-
quantum scale, at the origin of the universe before the very Planck scale that allows the existence of particles
(matter), as well as space and time. It is a Kaluza-Klein compact 5th dimension with a bulk pervading and
encompassing our universe; the virtual particles of tachyonic speed populating it, the sygons, instantiate the
very meaning-driven dynamics of our minds and allow for instant connectivity at a distance and two-way
influences between semantic fields or minds and bio- and matter- systems.

Keywords: Systemic cosmology, Hyperdimension of consciousness, Hyperspace, ontology of consciousness.


-------------------------------------------------------

INTRODUCTION

If the scope and ambition of science is to account for ALL reality, that it is defined as a method of systematic
and lawful description of any type of phenomenon—as we see in the very name of physics endeavors such
as “Theories of Everything (TOEs)”—then physics has to account for a consequent part of ‘reality’ which is
consciousness. So consequent a reality, in fact, that without consciousness, we wouldn’t be able to know
that there’s a reality or a universe. Descartes’ cogito ergo sum (I think therefore I am) becomes ‘I think, we
think, and therefore everything becomes reality and experience for me and the others’—that is, for a
‘thinking-feeling-interacting first-person I’ and in extension for a collectivity of such ‘I’.
Furthermore, the cosmological model presented here endorses one of the tenets of the Copenhagen
interpretation of Quantum Mechanics (QM), namely that consciousness, as an active observer, has
interacted with reality to the point that whatever phenomenon we observe and measure has already been
modified by it—a tenet held by QM’s very founder Heisenberg, and also Von Neumann who developed its
mathematical framework, thus giving it a solid proof, and shared as well by other eminent QM physicists,
namely Pauli, Wheeler, Stapp, and Sarfatti. Moreover, the Infinite Spiral Staircase theory (ISST) views the
constant interaction of the universe and conscious self-reflective minds as creating a ‘participatory universe’
as first proposed by Wheeler (1998) and then Sarfatti.
This notwithstanding, as philosopher of sciences Isabelle Stengers (1987) pointed it out, matter and material
phenomena do offer a certain “resistance” to our understanding and modeling of reality; this is the reason
why anomalies in the behavior of systems compared to the law’s predictions, is what leads to new
discoveries and a necessary complexification of the laws accounting for the observed phenomena, and even
to figuring novel laws and dynamics. For example, the anomalies in the orbit of Uranus is what led
mathematicians Adams and Leverrier to independently deduce the existence of Neptune.
Science is only a method of observation and description of phenomena, and this method can be applied to
all phenomena, as the great mathematician Henry Poincaré has shown in his 1952 book Science and Method.
As an example, Poincaré modeled how a solution to a mathematical problem can be cooked up in the
unconscious (in what he called an incubation phase) and emerge full-blown unexpectedly into the conscious
flow of consciousness, as in the Aha! experience described by Koestler (1989), thus revealing what I termed
ongoing parallel processing in the unconscious of a person’s semantic field (Hardy 1998).
In my previous Semantic Fields Theory (SFT), I’ve modeled individual consciousnesses as semantic fields, in
effect MBP complex systems (mind-body-psyche) with multilevel interconnections and inter-influence, with
a connective dynamics operating non-locally via semantic similarities and driven by the semantic (or syg)
energy. Not only intelligent beings but also all natural and complex systems (a tree, a AI system) have such
a semantic field encoding their informational structure and organization. The ensemble of all semantic fields
of bio- and matter- systems form the ‘semantic dimension.’ At that point, I had defined syg energy as being
consciousness-as-energy, simultaneously semantic dynamics and energy ‘of an unknown nature’ yet
nonlocal, that is, unbounded by the space and time constraints of EM laws. The present theory addresses
the cosmological level of organization of the universe, with the semantic dimension modeled as a syg
hyperdimension of the universe, and the nature of syg energy clarified as tachyonic virtual particles
called sygons, issued from the origin of the universe before Planck time and that pervade and organize the
syg hyperdimension and act as the connective dynamics between the syg-fields of all systems including
minds.
1. SYG ENERGY: CONSCIOUSNESS-AS-ENERGY

I.1. Physics must shift paradigm to accommodate nonlocal consciousness in the universe

Any phenomenon, process, or system can (theoretically) be described in a mathematical or physics


framework. If the processes under scrutiny are so complex that no current scientific framework can account
for them adequately, then this scientific domain has to evolve in order to meet this complexity. So that in
order to account for complex phenomena of consciousness and mind-matter interactions, physics and
cosmology have to develop a totally novel logic and a new paradigm—the materialistic paradigm in science
being now revealed as inadequate and incurably limited. This has especially become evident with the 1998
discovery of dark energy making up about 69% of the total energy of the universe, and also dark matter, a
good 26% of it, while ordinary matter (comprising all particles and EM fields, stars and galaxies) amounts to
the meager remaining 5%.* With ordinary matter reduced to only about 5% of the universe’s total energy,
physicists found themselves confronted to a new paradigmatic landscape: 95% of the energy of the universe
(dark matter and dark energy combined) was a total mystery, apart from the fact that it was NOT matter and
matter fields. The entire domain of physics (based on a materialistic paradigm), could now be weighed to
only 5% of the knowledge-system of cosmological physics. This can only launch a paradigm revolution (Kuhn
1970), and the ascent of hyperphysics (Carr 2010), or a post-materialism paradigm.

I.2. Consciousness and psyche as nonlocal, trans-spatial and trans-temporal

Let’s define consciousness as ‘the process (a) of attributing meaning to our inner experiences and our
experience of others and the world; and (b), of interacting with our human and natural environment in a
meaningful way.’ Let’s add that ‘self-reflexive (self-referent) consciousness is the process of being aware of
one’s own thoughts, emotions, and behaviors, and to effect choices, act intentionally, and exert free will.’ In
other words, consciousness instantiates semantic processes, it is the process of creating meaning that allows
us to live and think in a meaningful world. Now let’s define psi as semantic processes that seem to contradict
or violate Newtonian-Einsteinian physics laws (especially the inverse square law, linear time, and the speed
of light limit).

 Several scientists have postulated that the psyche (or consciousness) is, in the words of Carl Jung, “trans-
spatial and trans-temporal” or, in the current terminology, nonlocal (Jung, 1960). Among them, physicists H.
Walker, B. Josephson, F. Pallikari, O. Costa de Beauregard; scientists S. Schwartz, L. Dossey, C. Hardy. And
also that the psyche was transpersonal (Jung, C. Tart, S. Krippner), and/or operating between biosystems via
meaningful relationships (R. Sheldrake 2009, C. Tart 1975), or via a collective psyche (R. Nelson, D. Radin).

 Several scientists have argued, following Jung and physicist Wolfgang Pauli, that the psyche could
instantiatesynchronicities, that is, meaningful correlations and coincidences at a distance in space or time
(Jung and Pauli, 1955), such as physicists D. Peat (1987), J. Sarfatti (2006), M. Teodorani (2010); and systems
and chaos theorists A. L. Combs and M. Holland (1995), F. Abraham (Abraham et al, 1990), C. Hardy (2004).

 Many scientists have shown experimentally that psi can be steered by meaning and intention, among them
W. Braud, M. Schlitz, H. Schmidt, C. Honorton, R. Berger.

 Yet psi information can also be received unconsciously (C. Tart, R. Targ, H. Puthoff, M. Varvoglis), as
evidenced by physiological responses in DMILs experiments (Direct Mental Interaction with Living
Systems)by W. Braud, M. Schlitz, D. Delanoy, B. Morris.

 Other scientists view psi as an EPR-type of entanglement, (the Einstein-Podolski-Rosen thought


experiment), a nonlocal exchange of information not mediated by relativistic spacetime; these include
systems scientist W. von Lucadou, psi researchers D. Radin, B. Dunne, and physicists Bohm, R. Jahn, B.
Josephson, H. Walker, and M. Teodorani.

In an interesting paper, physicist David Bohm (1986) extended his implicate order concept of an underlying
field of interconnectedness, to state that it supersedes distinctions between mental and physical events,
between self and not-self. Bohm thus explicitly allowed for nonlocal or transpersonal exchanges, such as psi
phenomena, viewing these as natural expressions of the underlying interconnectedness: “The main unusual
feature of parapsychological phenomena is that they generally involve what may be called a nonlocal
connection between the consciousness of a person who is in one place and an object, event or person in
some distant place.” This definition is perfectly matching the one given by Carl Jung (1960) about
synchronicities (including psi phenomena), as meaningful coincidences between a mind and an event distant
in space or time.

I.3. Consciousness-as-energy

The fact that our psyches, when strongly perturbed by shocking world-wide events, can have an unconscious
influence on random-events-generators (REGs) and thus modify the distribution of randomness in field
settings—has been demonstrated over two decades via the Global Consciousness Project worldwide
experiment set by Roger Nelson (Nelson et al, 1996; Radin and Nelson 1989). This, for some researchers such
as Nelson, Radin, Schwartz, and myself, reveals that the psyches of all human beings are not only
communicating but interwoven in what Carl Jung has termed the collective unconscious. (Radin 2006,
Schwartz 2007). In a recent 2012 experiment using an optical double-slit protocol used for studying patterns
of interferences—originally developed by Young in his famous 1803 experiment—Dean Radin showed, with
an outstanding probability (of p=6·10-6, over 250 trials) that consciousness had indeed an influence on the
collapse of the quantum wavefunction. The authors (Radin et al, 2012) conclude by a reference to
panpsychism that could explain their results “if some aspect of consciousness is a primordial, self-aware
feature of the fabric of reality, and that property is modulated by us through capacities we know as attention
and intention (…).”
Also, the capacity of bio-PK, the influence of mind over biosystems, has been ascertained. A large body of
more than 150 experiments has established that the mind is able to intentionally influence simple
biosystems (hermetic to suggestion) such as electric fishes or bacteria in Petri dishes (Schwartz and Dossey
2010). Now the most important trait of these bio-PK experiments is the fact that a specific influence was
intended, and that the effects were in accord with the intention of subjects.
In my view, the results of experiments showing that consciousnesses (minds, psyches) can have an influence
on the organization of matter and bio-systems exemplify that consciousness is an energy (of an unknown
nature) because it meets the physics definition of an energy, as ‘what produces an action on matter.’ Various
experiments have also shown that nonlocal communication and mind-matter interaction globally referred
to as psi, didn’t involve any EM energy of fields. Moreover, the influence being intentional, it excludes that
it would be effected via quantum fields given their fundamental indeterminacy, or via the vacuum given its
Zero-Point Fluctuations setting constant random oscillations that some have equated to a “firewall” that
would destroy any coherent signal. My conclusion is that, as psi is the epitome of dynamics of consciousness
that precisely are not allowed either by QM indeterminacy, nor by EM fields and spacetime constraints, then,
if we accept that consciousness-as-process is an energy able to effect an action, we have to conclude that
this syg-energy doesn’t belong to spacetime, whether at the quantum void layer or at a relativistic layer.
II. MODELING THE UNIVERSE AS A HOLOGRAPHIC SYSTEM

For Bernard Carr, a cosmologist and editor of the comprehensive book Universe or multiverse, “Some new,
deeper paradigm is probably required that will explain both consciousness and quantum theory. (…) A new
paradigm—involving a radically different sort of physics, which I call ‘hyperphysics.’” (Carr 2010). He
proposes in a 2003 article: a “Universal Structure” (or mind) that “can be regarded as a higher dimensional
information space which reconciles all our different experiences of the world. It necessarily incorporates
physical space but it also includes non-physical realms which can only be accessed by mind.” Carr uses
‘sheets’ (2D brane surfaces) to map different types of mental spaces, and a 5 th D or hyperspace with a
bulk. Several other physicists have modeled consciousness and/or psi via extra dimensions of the
universe. Russell Targ et al. (1979) and Elisabeth Rauscher (1979), independently proposed an 8D model
(with 4 imaginary dimensions), and with Ceon Ramon, later extended it to 12D (Ramon and Rauscher 1980).
In 1993, Sol Paul Sirag proposed a ‘hyperspace view’ of consciousness, and used a set of ‘reflection spaces’
to couple matter systems with conscious processes. Claude Swanson modeled mental energies on
superposed brane sheets. Also, John Smythies, neuroscientist, proposed a 7D model with 3D of “phenomenal
spacetime.” The novel strategy has been to map the types of mental and psi experiences on superposed 2D
brane surface or sheets (Sirag, Carr, Swanson 2003), i.e. on a HD of space. ISST differs in the sense that it
grounds a boundless HD databank as well as the sygonic connective dynamics steering all nonlocal mind-
mind and mind-matter interconnections (the specifics of which are detailed in SFT).

II.1. Why modeling consciousness in physics as a hyperdimension?


The introduction of extra dimensions in physics stems from the need to integrate the widely different sets
of laws (and their variegated measurement units) of Relativity Theory with QM, in order to achieve Einstein’s
great vision of a unified theory. The actual M-Theory (of Witten, Susskind) that integrates superstring
theories and relativity and unifies three of the four fundamental forces (to the exception of gravity), needs
11 dimensions to do so (the 4 of spacetime and 7 extra dimensions). As the logician and mathematician Kurt
Gödel stated in substance in his 1931 Incompleteness Theorem (Gödel, 1992), any system needs an added,
meta dimension to ground its self-consistency. Every theoretical physicist knows that postulating extra or
hyper dimensions is the only way to model a coherent and systemic universe. (Kaku 1994,
2006; Brandenburg 2011; Greene 2010)
This feeds into a second line of reasoning (already introduced in I.1.), that matter-only physics can in no way
account for consciousness in the universe. Therefore, we need to build a beyond-matter physics, or, in
Sarfatti’s terms, a “post-quantum physics” that is nothing less than a post-materialism physics. Here also,
the solution for accounting for consciousness in the universe is to postulate an extra- or hyper- dimension
as a sub- or meta- system of the universe endowed with the specific nonlocal dynamics and already mapped
semantic properties of consciousnesses, that is, in the case of this theory, the dynamics of syg energy and
semantic fields (as previously mapped in SFT using a cognitive systems framework).
Now, a third line of reasoning tackles the universe’s origin. Physicists agree, along Max Planck’s seminal
discovery of the quantum in 1900, that it is only when the universe has grown to be the radius of first
quantum or Planck length (1.616 X 10-33 centimeter) and when it is an infinitesimal fraction of the first second
old (10-43s), that particles are allowed to exist, and with them space and time (and incidentally causality). So
that Planck scale is a threshold launching the energy particles (radiation era) and then (at about 10-10s) with
the crossing of the Higgs field where these will acquire mass, the matter-dominated era. Now what interests
us is the reverse logic: If there were no particles, no matter, no space and no time before Planck scale, what
was there to launch the fantastic odyssey of our universe? A universe that, only an immense time
after Planck scale, will suddenly, at 10-36 of the first second, see its size grow 1050 times during the inflation
phase or Big Bang!
Several physicists postulate a field of information, one being also a field of form (Bohm 1980, 1986),
one existing in prespace and imaginary time (the Bogdanov), one acting as a memory field and linked to the
vacuum (Laszlo 2004), one implying a “back-action” and a two-way exchange of information with the
evolving universe (Wheeler, Sarfatti). However, in any case, this information has to be an “active
information” in the words of David Bohm—setting an alive, dynamical, eventually self-organizing, field of
information. It cannot be just a dead digital information or program, because then it would need a mind to
decode it, and to create the program in the first place, something called an infinite regress in philosophy.
Now, a fourth point that I would term the ‘initial energy problem’ can be phrased thus: How in the world
does the universe get the energy necessary to have, in the one hand, a temperature of T=1032K at Planck
time, and on the other hand, to launch the radiation of the first energy particles and all that follows? This
problem is abnormally hushed, it being assumed that thermal energy is transferred into kinetic energy,
without clarifying precisely where from came such a gigantic thermal or kinetic energy in the first place. Yet
it was raised (ever so slightly) by physicist Lisa Randall, who explained that in order to launch the radiation
crossing the Higgs field (in which a gamut of energy particles will acquire their differentiated mass) we need,
well before it, an energy to set up the whole process—in her terms “to jiggle” the field. Says Randall (2012,
12-3): “Essentially, when you jiggle the Higgs field—add a bit of energy—you can create an actual particle.”
Moreover, this energy has to be an immense one at that, in order to make the universe suddenly bloat to
1050 times its size at a speed estimated by physicists Alan Guth and Andrei Linde (in their Inflation Theory)
to be billion times faster than the speed of light. In fact, an alive self-organizing information and the initial
energy are the most difficult unsolved problems facing cosmology.
The initial energy problem is an especially arduous and loaded one. One of the basic assumptions of the
materialistic paradigm in science is that ‘Nothing comes out of nothing’ and thus the ‘Ex Nihilo’ (out of
nothing) is not allowed. This is tied to the axiom that the energy is constant in the universe, only its formal
and dynamical expression changes (i.e. from kinetic energy to thermal energy or vice-versa). But the physics
problem is clouded by, firstly, the religious beliefs among a percentage of scientists—namely that a Creator
God would have set up the creation of the universe in a cosmic instant by sheer will; and secondly by the no
less dogmatic beliefs of materialistic scientists who fear that conceding even a tidbit reality to a
consciousness in the universe, and even psi capacities in humans, would bring back “superstition,” or, more
to the point, religion.
As unsolvable as can be such antinomy between two logical fields, opposing two widely different domains
of assumptions, the comfortable and moderate scientific view held by Einstein, of an infinite and fixed
universe, has been shattered by the discovery of the cosmic microwave background (CMB) in 1964, that
proved that the universe had had a beginning—the Big Bang (now identified with the inflation phase). The
debate has become more heated, and the Ex Nihilo problem is branded in various ways, with some scientists
believing that a point of origin means ‘matter out of nothing,’ and thus asks for a Creator to make it happen.
These presuppositions rendered the recognition of the Big Bang a very laborious and prolonged task, given
that the origin was deduced as far back as 1854 by the mathematician Bernhard Riemann, with his modeling
of the curved space and Riemannian sphere, which led him to postulate a spherical and finite universe. Even
the discovery by astronomer Vesto Slipher in 1912 that a dozen nebulae were speeding away from us at
932,000 miles per hour was not accepted by the American Society of Astronomy, nor was accepted at first
Edwin Hubble’s 1931 discovery that there existed not one, but millions of galaxies. The Big Bang concept was
firmly opposed by Einstein with all his clout, and then by the preeminent astronomers Fred Hoyle and Arthur
Eddington. It was accepted only with Penzias and Wilson’s discovery of the omnipresent relic radiation (CMB)
signal with a wavelength about 7.5 centimeters.
As always with paradigmatic antinomies (here between God’s creation versus natural science origin), the
solution always resides in shifting the logical framework—the logical field—of the debate (Hardy, 2002). And
to do so, only two simple basic statements are sufficient: (1) A point of origin (such as a Big Bang) now
receding to pre-Planck scale, doesn’t necessarily imply a divine intervention. And (2), even positing a
hyperdimension of consciousness at the origin doesn’t either.

II.2. The systemic and ontological argument for consciousness as a hyperdimension

The discoveries in cosmology about the origin of the universe force us to fathom a hyperphysical reality
before Planck scale, that is, before matter particles and energy particles could exist, and before space and
time were born. Then, at the very least, this reality is a field of information—a field that would contain all
possible information. Yet, as we saw, we meet a profound ontological problem: the fact that information in
itself needs a mind or consciousness to read it, understand it and act on it. A system of information (such as
a CD containing books) is a whole different matter than a mind reading the books saved on this CD. The CD
becomes highly active information when a mind makes sense of this information by reading it, that is, when
consciousness operates as a semantic dynamics. Additionally, even if a program can make operations
(following internal laws) and then set machines to perform a task, nevertheless some mind had to create the
machines and the program in the first place, as well as the laws that define their operations. Thus, it seems
unavoidable that the universe in which thrive self-conscious intelligent beings cannot not have
consciousness at its core and origin, that is, at the subquantum scale.
Some will argue that consciousness could be an emergent phenomenon springing out of ever increasing
complexity. Far from denying self-organized and/or emergent processes, I deem them fundamental in
nature, such as the well known tendency toward accrued complexity highlighted by Murray Gell-Mann
(1994) and Stuart Kauffman (1995). Chaos theory also has shown that most complex systems in nature are
‘chaotic’ and that they organize themselves internally: they are self-organized. This means that they are able
to display novel global orders—thus an emergence of new organization. Of course, minds are the most
complex systems and definitely display chaotic behavior (See the theories of Combs, Freeman, Goertzel,
Hardy).
In my view, emergence and the rise in information and complexity are the key to a universal force—
negentropy—counteracting disorder or entropy; and this negentropic force is also consciousness.
Let’s phrase the ontological problem thus: consciousness couldn’t emerge out of a fully determined universe
highly constrained by eternal laws, nor could it emerge out of a totally indeterminate and random universe.
Why that? Because consciousness is a process of creation of meaning, a semantic process, and this implies
a radically different type of force rooted in beingness and a meaningful or qualified interaction of this being
with one’s environment. Moreover, it is a negentropic force, that is, an organizing force creating more and
more information, as we see it in full fledge action in the exponential development of science and of cultures.
Consciousness and the mind exhibit increasing complexity, just as many complex dynamical systems, and
Gell-Mann showed that the increase in complexity was an essential trend in nature.
Another line of reasoning is to view the universe as a complex hologram: any part of the universe-hologram
contains the information on the whole, whether in space or time. The Greek philosopher Plotinus, who lived
in Alexandria in the third century CE, expressed clearly this conception of the universe as hologram,
moreover organized by a central cosmic soul (anima in Latin, psyche in Greek). He states in the Fourth
Ennead: "This universe (…) has in itself a soul (psyche), who pervades all its parts." And also: "The immaterial
[the One] is as a whole in everything.” (Ennead 6.4; Plotinus 1992). In this hologram-type framework, any
emergent process of organization at any point in time should have its root (or meta-force) at the very origin.
Given that intelligence is a specific force, if this force is at work somewhere in the universe’s hologram, then
it is ‘known’ by all the facets in all times; then, at the minimum a sort of primeval or “proto-consciousness”
has to be at work everywhere (such as proposed by philosopher David Chalmers and this ISS theory in the
mid-nineties, and earlier by Leibniz, Whitehead, and Wheeler). The bottom line is, the universe can’t
disregard and ignore sentience, intelligence and consciousness as powerful triggers of evolution, if it knows
about it. And in a holographic universe, it does know about it!

II.3. Systemic and holographic information-based models of the universe

The hologram is a type of systemic organization in which each part contains the information on the whole
system, and the whole system knows all of its parts. As in von Bertalanffy’s General Systems Theory, any
change in a part or sub-system will engender a change in the whole.
For physicist David Bohm, in his Pilot Wave theory, the universe is organized as a hologram, with an
underlying quantum field that is fully causal and deterministic though nonlocal in nature. Bohm referred to
this field as theimplicate order: a level of interconnectedness, or nonseparability, that lies at the very
foundation of the universe.Then the macroscopic world (or explicate order) would be an “unfolding” of this
deep, implicate order. Interestingly, Bohm also suggested that natural macroscopic systems such as minds
are rooted in the underlying interconnectedness. As such, any system contains or “enfolds” information
about the whole. In our current physics, only an hyperdimensional level in all systems (including particles)
and in the universe itself, would account for such an ‘enfolding’ of a field of information in each system, with
this field being able to communicate with the whole (such as I’ve developed the concept in ISST). Thus, the
implicate order is a causal meta-layer, in our current terms, an extra dimension but one set as hierarchical
and one-way top-down causal, organizing all systems and processes in the explicate order via pilot waves
and the Quantum Potential. The implicate order is a field of “active information,” an organizing force working
at the universe’s scale. With the insertion of the Quantum Potential (Q), Bohm added a nonlocal term to
Schrödinger’s equation, the Psi wavefunction central to QM. According to Bohm, the superposed states in
this wavefunction are the states of the universe itself, and the universe acts as a pilot wave, a guiding force
steering the organization of all systems. Let’s note that the Pilot Waves theories are actually an extremely
active field of research with a number of researchers doing breakthrough research, notably with the new
field of “Walking Droplets” showing that some macro-systems like droplets behave as quantum systems
steered by pilot waves (Couder et al 2005, Couder and Fort 2012).
Sarfatti, for one, building on this Pilot Wave theory, postulates “an information-rich giant quantum
coherence field […] immune to environmental decoherence.” This signifies that the information carried by
the quantum potential acting on a system’s wavefunction will not be lost through the interactions with the
environment usually triggering the decoherence. Sarfatti is a strong advocate of what he calls “signal
nonlocality,” that is, the exchange of information between two particles in an EPR-type experiment (Sarfatti,
2006, 167). John Wheeler (1990) posits a deep level of information (or BIT) for each system (or IT), with the
concept of ‘it from bit.” Says he: “[It means] that all things physical are information-theoretic in origin and
that this is a participatory universe.” For Sarfatti, the ‘it’ is an information system particle-like and point-like,
“rolling on the landscape of the BIT pilot wave,” the latter being “intrinsically mental.” Sarfatti (2006, 97)
states: “Post-quantum theory, with inner consciousness, I posit, is when the relation between IT particle
system point and the intrinsically mental BIT pilot wave landscape is ‘two-way’ in a self-creative adaptative
spontaneously self-organizing feedback-control loop.” So that here we have a subquantum cosmic field of
information, with each matter-system having its own BIT field within the whole, and moreover a two-way
and creative inter-influence between the wave-informational layer and the particle-matter layer. Sarfatti’s
theory also allows, just as Wheeler’s one, a “back-action” or retrocausality (first posited by Poincaré and
later by Feynman), with future minds able to influence the organization of the universe, all the way to the
origin. Thus are added, apart from consciousness, the very mind-matter “participatory” dynamics that was
so lacking in Bohm’s Implicate Order Theory. So that with Sarfatti and Wheeler, we have a coherent systemic
cosmos endowed with “inner consciousness,” self-creating and self-organizing.
Of course, such universe’s wavefunction would have to contain a gigantic amount of superposed states (all
the states of all the systems in the universe), and therefore, as the theory stipulates it, it cannot collapse
(because it would collapse the universe as well).

II.4. Holographic Principle and the Black Hole Information Paradox

The Infinite Spiral Staircase Theory, by setting such syg-hyperdimension at our universe-bubble origin, just
pushes further back the seeds of the universe, back to the syg-information field of parent universe-bubbles,
inherited at the X-point of origin as a cosmic DNA (inscribed in an Infinite Spiral Staircase or ISS, similar to a
White Hole). This cosmic-scale information field of a universe-bubble (UB) is being wholly contained in its
syg-hyperdimension when, at the end of this UB, all matter systems will be ‘translated’ into HD information
fields, embedded in the immense databank that is their terminal Infinite Spiral Staircase (or anti-ISS) similar
to a terminal cosmic black hole. Here the ISST departs from the Theorems of Singularity ushered by Stephen
Hawking and Roger Penrose in 1970, and instead is in accord with new developments of the Black Hole (BH)
theory and cosmology. (Hawking 2003, 2014; Penrose 2010, 2014)
The acute problem cosmology had to solve stemmed from these earlier Theorems that stated that all
radiation and matter falling into a BH were totally lost, and thus their information too. It has been termed
the BH information paradox, referring to the controversial loss of information-entropy that may occur when
a high-entropy gas or a radiation falls into a BH; this loss of information-entropy would contradict both the
second law of thermodynamics and some tenets of QM that (1) no information is ever lost, and (2) that the
information about the past state of a system can always be traced back (given that it is wholly encoded in its
wavefunction until it collapses, and thereafter preserved in its operator), known as the Unitarity principle.
New developments of the BH modeling occurred at a quick pace. Firstly, Hawking predicted what became
known as the Hawking radiation going out of black holes (or falling into white holes) that was then duly
observed; thenHawking, elaborating on Bekenstein’s thermodynamics formula, calculated that the entropy
of a BH is one quarter of its horizon area (using Planck length). Secondly, the whole information about all
matter systems that have fallen into a black hole is entirely inscribed on the surface of its event horizon,
according to the Holographic Principle posited by Nobel laureate Gerard ‘t Hooft (2009), and developed
further by Leonard Susskind in string theory. Thirdly, earlier in the late seventies, Charles Thorn and later
Raphael Bousso had calculated that in a 2D surface (allowed in string theory), gravity emerges as
a discrete holographic and geodesic-like structure, thus echoing Hawking’s early modeling of the event
horizon as a boundary (a surface) structured as a “light-like geodesics.” (See Hardy 2015, 288-94).
Lastly, Bekenstein used Boltzmann’s original formula that was based on the number of distinct
microstates within a system being the measure of its entropy; the more numerous the microstates, the
higher the quantity of information (in bits) necessary to describe the system. (Bekenstein, 2003ab)
To conclude, it follows from the holographic principle that a Black Hole (and the universe as a hologram
similarly), has its whole information inscribed on its boundary (as a surface); that this boundary, tied to
gravity, is a discrete holographic and geodesic-like structure, precisely structured as a light-like geodesics.

III. ISS THEORY

III.1. The cosmic information field at the origin in ISS theory

The Infinite Spiral Staircase Theory postulates that the cosmic-scale self-aware, conscious, and dynamical
information field of a universe-bubble (UB) is being wholly contained in its syg-hyperdimension both at the
origin and at the end of this universe-bubble, at sub-Planck scale. The point of origin, called X-point (because
of its X shape), is a point of transmission of a cosmic syg field from the parent universe-bubble to that of the
new universe being born. The X point resembles a hourglass (a double funnel) and is constituted of a
universe’s terminal black hole (TBH) touching on its pointed tip (the TBH singularity), the tip or singularity of
the white hole (WH) of a new universe’s origin. Thus we have a black hole and a white hole touching at their
tips, as was modeled by physicist Roy Kerr, with whatever radiation-matter had been swallowed and
disintegrated by the BH, being then ejected by the WH—the whole system having a minimum of two
singularities and two event-horizons (Kerr, 1963).
At the end of a UB, all matter and bio-systems are ‘translated’ into pure HD syg energy (active information
fields) in this UB’s hyperdimension, and this cosmic syg field constitutes the immense databank inscribed in
its terminal Infinite Spiral Staircase (or anti-ISS). The difference with the classical BH theory, is that matter is
not disintegrated by the enormous gravity and lost, but to the contrary it is translated into pure HD
information. Only the hyperdimension remains both at the origin (inscribed on the ISS), and at the end of a
UB (the anti-ISS). And this syg-information is what is transmitted as a cosmic DNA to the next UB.
The birth of our universe-bubble unfolds thus: After the X-point, and until the Planck scale, the universe is
pure hyperdimension and a cosmic field of information inherited from our parent universe. This cosmic DNA
contains the information about all systems that ever existed in a chain of parent universes, and the way
these systems evolved and were optimized, resembling the molecular DNA in this respect. However the
cosmic DNA is not a biomolecular substrate, but a subquantum frequency domain, with a huge databank of
frequencies and networks of links between them encoding all viable and optimized systems. This is the
reason why two dozen variables and constants of our spacetime are so exquisitely fine-tuned: they have
been optimized by numerous UBs in the past. Thus ISST is an alternative to the Multiverse framework (or
Susskind’s Anthropic Landscape) that posits 10500vacua (or universe regions), each vacuum with a different
set of variables, and most of them unable to sustain solar systems, and even less so life and intelligence
(Susskind, 2003). It has some similarities with cosmological models positing a natural selection at a cosmic
scale, via universes budding from the black holes of previous universe (Jack Sarfatti, Lee Smolin 1997, 2006),
these budding black holes located anywhere within the “megaverse” and even within our spacetime; and
also with Penrose’s model positing universes issuing from other universes with a restart of the entropy at
each origin (Penrose 2010, 2014).
The systemic organization of this hyperdimension at the origin is a dynamical and self-actualizing spiral,
based and steered by the logarithm of phi (i.e. that is, along the Fibonacci sequence) and enlarging
exponentially as a cone from the X-point toward Planck scale, where a phase transition occurs to the
quantum domain and matter-energy or spacetime region. Each ¼ spire on the golden spiral is issued from a
radius on the Fibonacci sequence by the power of Pi and each radius multiplied by phi gives the length of
the next bigger radius. Each ¼ spire has a specific frequency (and all of them form the infinite frequency
data-bank that is the ISS). The specific properties of such golden spiral expressing the Fibonacci sequence
(known to ancient Hindu mathematician Pingala in the 3d century BCE, whose work inspired Fibonacci, and
also to Pythagoras) presents a deep similarity with what will be the quantum domain, because it makes
discrete leaps of frequencies (along the logarithm of phi) at each quarter of a circle, nevertheless forming an
apparently seamless spiral. Now, an interesting feature of what ‘t Hooft found (while modeling the emitted
and infalling matter-energy of black holes, using a particular string theory called ‘world-sheet’) is that
the gravitational field of a particle falling into a BH “assumes a universal form” and that imprints on the event
horizon “a logarithmic tent-pole shaped bump,” this bump acting as an informational print for the particle.**
Now, isn’t a golden spiral exactly tepee-shaped? And moreover it is definitely a universal form—this is why
we find it is so many natural shapes, such as shells, tornadoes, and also precisely embedding the Fibonacci
sequence in the Sunflowers and Yellow Chamomile as calculated by mathematician Helmut Vogel; moreover,
Roger Penrose found out that it is also embedded within the DNA.
The ISS at the origin is thus a triune hyperdimension, with consciousness (self-organizing Syg energy),
hyperspace (Center and the creation of the spires by Pi, along phi-driven radii), and hypertime (Rhythm, and
the databank of frequencies set on the geodesic lines of these quarters of spires). So that we have
consciousness entwined with a linear geometric topology as a spiral (hyperspace), and a spatialized time via
the frequencies on the staircase’s steps (hypertime). Thus, the Center-Syg-Rhythm or CSR triune
hyperdimension has a time-like (linear) space, and a space-like time, just as was predicted by Minkowski in
the light cone’s Elsewhere region (the outside of the cone, whereas the inside is spacetime). Furthermore,
its discrete set of frequencies, logarithmic, will blend seamlessly with the discrete nature of the quantum
scale, so that the CSR hyperdimension is coherent and consistent with quantum and relativity physics. The
frequency databank, as a boundless field of information, bears not only the inherited dynamics of
organization of all previous systems (including of course intelligent species), but also the information about
all actual and possible states of systems in the all time frame (past-present-future) of our universe’s
spacetime. And this, because the CSR HD is beyond spacetime, able to connect with any point or system at
any of its coordinates. This syg-field at the origin is a collective consciousness, ever evolving with all systems’
individualized syg-fields via a constant two-way inter-influence. As I have modeled it, in the interaction of
complex ‘multilevel web’ systems (such as minds and syg-fields) we have not only proactive and retroactive
types of influence, but also synchronistic acausal ones (Hardy 2001, 2003). So that the creativity and free
choices of individuals and collectivities will make us thread a free path, reinvented at each moment.

III.2. The sygons emitted at the origin forming the 5th dimension

Each quarter of spire of the ISS (with its geodesic string vibrating at a given frequency), will eject a virtual
particle-string called sygon, carrying this particular frequency, with a velocity immensely higher than the
speed of light. The nearer to the X-point, the higher the frequency and the smaller the wavelength of this
virtual string. The highest frequency sygons will be speeding off from the ISS and, unimpeded, will create the
bulk of the hyperdimension (in a Randall-Sundrum 5th dimension with a bulk). It’s as a sub-bubble enclosed
within this bulk that the spacetime region will later evolve, as a sub-system. The lowest frequency and longer
wavelengths sygons (ejected later from nearer the Planck scale) will start interfering after Planck length, thus
creating a foam and the Higgs field. In this field, as the LHC team at CERN discovered it in 2014, the particles
will acquire mass and will later coalesce into nuclei and atoms. In ISST, these particles and atoms will preserve
at their core the sub-Planckian sygon with all its connection to the origin and a holographic but individualized
replica of the ISS, that will be the 5th dimension of any system—a Kaluza-Klein 5th dimension, curled up and
compact (below Planck scale). This replica is the syg-field of any system (from particles to bio- and stellar
systems) and it will bear all the information about the evolution and life of this system, and exchange it two-
way via the tachyonic sygons in a permanent ‘conversation’ with the ISS at the origin, and with resonant syg
fields, thus emerging in spacetime as anomalous psi events.
The ISS at the origin is thus a forever dynamical collective consciousness, evolving in sync with all intelligent
beings and complex systems in our universe-bubble, but still containing (as a fractal memory) the original
information-field inherited from parent universes. So that it is a collective and synergic cosmic
consciousness, pervading the spacetime and infusing any being and system with syg-energy and a
hyperdimensional self (Sarfatti’s “inner consciousness”).
In the terminal black hole of a previous universe-bubble, during the process of translation from matter-
systems to the hyperdimensional syg-energy, a boundless energy is built up, that will be liberated with an
enormous thrust as the ISS at origin of the next universe-bubble. And then the sygons radiations will create
both the cosmic-size HD bulk enclosing the spacetime region, and a sub-Planckian hyperdimension of all
particles and systems, a 5thdimension in all matter and bio-systems.
CONCLUSION

The ISS theory setting a triune CSR hyperdimension, with consciousness (Syg energy), hyperspace (Center),
and hypertime (Rhythm), while not proven, leads to several solutions and features in accord with physicists’
predictions. Notably, it solves the initial energy problem since the boundless energy and the tachyonic
velocity of the ISS come from the terminal black hole of the parent universe-bubble, and are produced by
(1) a huge acceleration near the event-horizon and then while rolling and rotating at ever greater speed on
the anti-ISS spiral toward the singularity (the terminal X-point), and (2) the enormous excitation due to the
energy shift from low matter frequencies to much higher frequencies.
Secondly, ISST solves the information paradox together with the total energy remaining constant (only
translated from the HD sygons into spacetime massive systems and vice-versa), in that no information or
energy is ever lost about any system or being that has ever existed.
Moreover, the consistency of the universe as a system is preserved, with the hyperdimension grounding the
consistency of the spacetime region, while is maintained as well the Unitarity principle.
The universe is simultaneously a self-organizing, evolving and creative whole, and a cosmic collective
consciousness in constant two-way conversation with each and every system, via the hyperdimension of
each system. And inversely, via our hyperdimensional syg-field (our Self or soul), we converse with the whole
and the initial ISS as with an arch-anima (a cosmic soul), and we co-evolve, as humanity or any intelligent
species, in synergy and constant inter-influence with the matter universe. Consciousness and matter, as in
Pauli and Jung’s concept of deep reality, are blended in the Whole.

REFERENCES

* See the PLANCK cosmology probe team’s release of March 2013, then early 2015 at:
http://en.wikipedia.org/wiki/Planck_%28spacecraft%29#2013_data_release
** http://en.wikipedia.org/wiki/Holographic_principle (l.a. 1/25/2015)

Abraham, F., Abraham, R., and Shaw, C. (1990). A visual introduction to dynamical systems theory for psychology.
Santa Cruz, CA: Aerial Press.
Bekenstein, J.D. (2003a). Black holes and information theory. Physics Archives: arXivquant-ph/0311049.
Bekenstein, J.D. (2003b). Information in the holographic universe. Scientific American, 08/2003, 59–65.
Brandenburg, J. (1995). “A Model Cosmology Based on Gravity-Electro-magnetism Unification,” Astrophysics
and Space Science, 227 (133)
Brandenburg, J. (2011). Beyond Einstein’s Unified Field. Gravity and Electro-magnetism Redefined. Kempton,
ILL: Adventures Unlimited Press.
Bohm, D. (1980). Wholeness and the Implicate Order. London: Routledge and Kegan Paul.
Bohm, D. (1986). A new theory of the relationship of mind and matter. J. of the American Society for Psychical
Research, 80, 113–36.
Bohm, D. and Hiley, B.J. The Undivided Universe: an Ontological Interpretation of Quantum Theory. London, UK:
Routledge, 1993.
Carr, B. (2009). Universe or multiverse. Cambridge, UK: Cambridge Univ. Press.
Carr, B. (2010). “Seeking a New Paradigm of Matter, Mind and Spirit.” Network Review, Spring, Summer
2010.
Combs, A. and Holland, M. (1995). Synchronicity: Science, Myth, and the Trickster. NY: Marlowe.
Couder, Y. and Fort, E. (2012). “Probabilities and trajectories in a classical wave-particle duality.” J. Phys.
Conf. Ser. 361:012001
Couder, Y., Protière, S., Fort, E. and Boudaoud, A. (2005). “Walking and orbiting droplets.” Nature, 437:208.
Gell-Mann, M. (1994). The quark and the jaguar. New York: W.H. Freeman & Co.
Gödel, K. (1992). On formally undecidable propositions of principia mathematica and related systems.Mineola,
NY: Dover Publ.
Greene, B. (2010). The Elegant Universe - Superstrings, Hidden Dimensions, and the Quest for the Ultimate
Theory. New York: W.W. Norton & Co.
Hardy, C. (1998). Networks of meaning : A bridge between mind and matter. Westport, CT: Praeger/Greenwood.
Hardy, C. (2001). Self-organization, self-reference and inter-influences in Multilevel Webs: Beyond causality and
determinism. Journal of Cybernetics and Human Knowing. UK: Imprint Academic. Vol.8, no.3.
Hardy, C. (2002). Logical Fields and the dynamics of change: From conflict to cooperation. CD-rom of the
Proceedings of the 46th annual meeting of the Intern. Soc. for the Systems Sciences (ISSS), China, 8/2-6.
Hardy, C. (2003). Multilevel Webs Stretched across Time : Retroactive and Proactive Inter-Influences. Systems
Research and Behavioral Science, vol 20, N° 2 (pp 201-215). (Special Issue on: Systems Thinking for Social
Responsibility.)
Hardy, C. (2004). Synchronicity: Interconnection through a semantic dimension. Presentation at 2d Psi Meeting,
April 2004, Curitiba, Brazil.
Hardy, C. (2015). Cosmic DNA at the Origin: A Hyperdimension before the Big Bang. The Infinite Spiral Staircase
Theory. USA: CreateSpace IPP.
Hawking, S.W. (1988). A Brief History of Time. New York: Bantam Books.
Hawking, S.W. (2003). “Cosmology from the Top Down.” Paper given at Davis Inflation Meeting, 2003.
http://arxiv.org/abs/astro-ph/0305562
Hawking, S.W. (2014). “Information Preservation and Weather Forecasting for Black Holes.” arXiv:1401.5761v1
[hep-th] 22 Jan 2014.
Jahn, R.G. and Dunne, B. Margins of Reality: The Role of Consciousness in the Physical World. Princeton, NJ: ICRL
Press, 2009.
Jung, C.G. (1960). Synchronicity: An acausal connecting principle, in The collected works of C. G. Jung: Vol.
8. (Bollingen Series, XX), Princeton, NJ: Princeton University Press.
Jung, C.G. and Pauli, W. (1955). The Interpretation of Nature and the Psyche. NY: Pantheon Books.
Kaku, M. (1994). Hyperspace: A Scientific Odyssey Through Parallel Universes, Time Warps, and the 10th
Dimension. New York: Anchor.
Kaku, M. (2006). Parallel Worlds: A Journey Through Creation, Higher Dimensions, and the Future of the
Cosmos. NY: Anchor.
Kauffman, S. (1995). At home in the Universe: The search for the laws of self-organization and complexity. Oxford,
NY: Oxford University Press.
Kerr, R.P. (1963). “Gravitational Field of a Spinning Mass as an Example of Algebraically Special
Metrics.” Physical Review Letters 11(5): 237–238.
Koestler, A. (1989). The act of creation. NYC: Penguin.
Kuhn, T. (1970). The structure of scientific revolutions. Chicago, Ill.: Univ. of Chicago.
Laszlo, E. (2004). Science and the Akashic Field: an integral theory of everything. Rochester, Vt: Inner
Traditions.
Nelson, R.D., Bradish G.J., Dobyns Y.H., Dunne B.J. and Jahn R.G. (1996). FieldREG anomalies in group
situations. Journal of Scientific Exploration, 10 (1), 11141.
Peat, F.D. (1987). Synchronicity: the Bridge between Matter and Mind. New York: Bantam Books.
Penrose, R. (2010). Cycles of Time. Oxford, UK: Oxford Univ. Press.
Penrose, R. (2014). “On the Gravitization of Quantum Mechanics 2: Conformal Cyclic Cosmology.”Foundations of
Physics 44 (8) (873-890).
Plotinus. (1992). The Enneads. LP Classic Reprint Series.
Poincaré, H. (1952). Science and Method. New York: Dover Publications.
Radin, D. and Nelson, R. (1989). “Evidence for consciousness-related anomalies in random physical
systems.”Foundations of Physics, 19, (12), 1499514.
Radin, D. (2006). Entangled Minds. NY: Paraview Pocket Books.
Ramon, C. & Rauscher, E.A. (1980) “Superluminal transformations in complex Minkowski space.”Foundations
of Physics 10, (661-69).
Randall, L. (2012). Higgs Discovery: The Power of Empty Space. New York: Bodley/ Random.
Randall, L. (2005). Warped Passages: Unraveling the Mysteries of the Universe's Hidden Dimensions. New York:
HarperCollins.
Randall, L. and Sundrum, R. (1999).“An alternative to compactification.” Physical Review Letters 83 (4690-93).
Sarfatti, J. (2006). Super Cosmos; Through struggles to the stars. (Space-Time and Beyond III). Bloomington, In.:
Author House.
Schlitz, M.M. (2006). “A Study of Experimenter Effects in Psi Research.” Shift. No. 9:40-41.
Schwartz, S. (2007). Open on the Infinite. Nemoseen Media.
Schwartz, S. and Dossey, L. (2010). “Nonlocality, Intention, and Observer Effects In Healing Studies: Laying A
Foundation For The Future.” Explore 2010, vol 6 (p. 295–307).
Sheldrake, R. (2009). Morphic Resonance. The nature of formative causation. Rochester, Vt.: Park Street Press.
Smolin, L. (1997). The life of the cosmos. New York: Oxford Univ. Press, 1997.
Smolin, L. (2006). The Trouble with Physics. Boston, Ms: Houghton Mifflin Harcourt.
Stengers, I. (Ed.) (1987). D’une science à l’autre; des concepts nomades, Paris: Seuil.
Susskind, L. (2003). “The Anthropic Landscape of String Theory.” arXiv:hep-th/0302219
Swanson, C. (2003). The Synchronized Universe. Tucson, AZ: Poseidia Press.
‘t Hooft, G. (2009). “Entangled quantum states in a local deterministic theory.” arXiv:0908.3408 [quant-ph].
Targ, R., Puthoff, H. & May, E. (1979). “Direct perception of remote geographic locations.” In C.T. Tart et al.
(Eds.) Mind at Large. New York: Praeger, 78-106.
Tart, C. (1975). States of consciousness. New York: Dutton.
Teodorani, M. (2010). Synchronicité: Le rapport entre physique et psyché, de Pauli et Jung à Chopra. Cesena, Italia:
MacroEditions.
von Bertalanffy, L. (1968). General system theory. New York: G. Braziller.
von Lucadou, W. (1983). “On the limitations of psi: A system-theoretic approach,” in W. Roll, J. Beloff and R.
White (Eds.), Research In Parapsychology 82. Metuchen, NJ: Scarecrow Pr.
Wheeler, J.A. (1998). Geons, Black Holes, and Quantum Foam: A Life in Physics. New York: W.W. Norton & Co.
Wheeler, J.A. (1990). “Information, physics, quantum: The search for links.” In W. Zurek, Complexity, Entropy,
and the Physics of Information. Redwood City, Ca: Addison-Wesley.
Witten, E. (1981). “Search for a realistic Kaluza–Klein theory.” Nuclear ¨Physics B 186(3) (412–
28). Bibcode:1981NuPhB.186..412W. doi:10.1016/0550-3213(81)90021-3

Artigo 1 (2015) sobre ISST (conferência Systems Sciences)


Publicação revisada por pares (julho de 2015) em:
Procedimentos (on-line) do 59º An. Encontro do ISSS (Intern. Soc. For the Systems Sciences) 2015 Berlim, Alemanha.

UM MODELO SISTÊMICO E HIPERDIMENSIONAL DE COSMOS CONSCIENTES E A ONTOLOGIA DA


CONSCIÊNCIA NO UNIVERSO

Chris H. Hardy, Ph.D.


_______________________________________________________
ABSTRATO
A existência da consciência no universo como uma conseqüente dimensão da realidade e uma força capaz
de moldar a realidade material deve ser integrada nas teorias da física cosmológica cujo objetivo declarado
é descrever o universo inteiro. A Teoria dos Sistemas Gerais é uma estrutura sistêmica global substancial que,
combinada com a física hiperdimensional, pode fundamentar essa modelagem.

É um fato de que somente postulando hiperdimensões a física real consegue chegar a uma quase unificação
das quatro forças misturando os quadros da Teoria da relatividade e da mecânica quântica (como na Teoria
M de 11 dimensões de Witten). Este artigo argumenta que a única maneira de integrar a dimensão da
consciência em uma teoria do universo é modelando uma hiperdimensão complexa de consciência (ou
"hiperdimensão de syg") que consiste em campos semânticos complexos (operando em todos os níveis, desde
o cósmico até o níveis de biossistemas) e entrelaçados com hiperespaço e hiper-tempo. A dinâmica de
consciência "não-local" bem fundamentada, evidenciada experimentalmente, mostra processos mentais que
violam constantemente as restrições espaciais e temporárias newtonianas-einsteinianas, e seguindo
dinâmicas de sistemas complexas baseadas em conectividade e significado.
A teoria da espiral infinita em espiral (ISST) postula que esta hiperdimensão triúnica opera em uma escala
sub-quântica, na origem do universo antes da escala de Planck que permite a existência de partículas
(matéria), bem como espaço e tempo. É um compacto 5 Kaluza-Klein th dimensão com um penetrante
grandes quantidades e que inclua a nossa universo; as partículas virtuais da velocidade taquiciana que
a povoam , os saguões , criam a dinâmica de nossas mentes e permitem conectividade instantânea a
distância e influências bidirecionais entre campos semânticos ou mentes e sistemas de bio e matéria.

Palavras - chave : cosmologia sistêmica, hiperdimensão da consciência, hiperspacial, ontologia da


consciência.
-------------------------------------------------- -----

INTRODUÇÃO

Se o escopo e a ambição da ciência representarem TODA a realidade, ela é definida como um método de
descrição sistemática e legal de qualquer tipo de fenômeno - como vemos no próprio nome dos
empreendimentos físicos, como "Teorias de tudo" (TOEs) ) "- então a física deve explicar a parte conseqüente
da" realidade "que é consciência. Portanto, uma realidade, de fato, que, sem consciência, não poderíamos
saber que existe uma realidade ou um universo. O cogito ergo sum da Descartes (penso, portanto, eu sou)
torna-se "eu penso, pensamos, e, portanto, tudo se torna realidade e experiência para mim e para os
outros", isto é, para uma "primeira pessoa de pensamento e sensação de interação" e em extensão para
uma coletividade de tal "eu".
Além disso, o modelo cosmológico apresentado aqui respalda um dos princípios da interpretação de
Copenhague da Mecânica Quântica (QM), a saber, que a consciência, como observador ativo, interagiu com
a realidade ao ponto em que qualquer fenômeno que observamos e medida já foi modificado por ele - um
princípio mantido pelo próprio fundador da QM, Heisenberg, e também por Von Neumann, que desenvolveu
seu quadro matemático, dando assim uma prova sólida e compartilhado também por outros físicos
eminentes QM, a saber, Pauli, Wheeler, Stapp e Sarfatti. Além disso, a teoria da espiral de espiral
infinita (ISST) vê a interação constante do universo e as mentes conscientes auto-reflexivas como criando
um "universo participativo" como o primeiro proposto por Wheeler (1998) e então Sarfatti.
Não obstante, como o filósofo das ciências Isabelle Stengers (1987) apontou, a matéria e os fenômenos
materiais oferecem uma certa "resistência" à nossa compreensão e modelagem da realidade; Esta é a razão
pela qual as anomalias no comportamento dos sistemas em comparação com as previsões da lei, é o que
leva a novas descobertas e uma necessária complexificação das leis que contabilizam os fenômenos
observados e até mesmo a definição de leis e dinâmicas novas. Por exemplo, as anomalias na órbita de Urano
é o que levou os matemáticos Adams e Leverrier a deduzir de forma independente a existência de Neptuno.
A ciência é apenas um método de observação e descrição dos fenômenos, e este método pode ser aplicado
a todos os fenômenos, como o grande matemático Henry Poincaré mostrou em seu livro Science and Method
de 1952 .Por exemplo, Poincaré modelou como uma solução para um problema matemático pode ser
preparada no inconsciente (no que ele chamou de fase de incubação ) e surgir inesperadamente no fluxo
consciente de consciência, como no Aha! experiência descrita por Koestler (1989), revelando assim o que eu
chamo de processamento paralelo contínuo no inconsciente do campo semântico de uma pessoa (Hardy,
1998).
Na minha anterior Teoria dos Campos Semânticos (SFT), modelei as consciências individuais como campos
semânticos, na verdade, sistemas complexos de MBP (mente-corpo-psique) com interconexões multiníveis
e inter-influência, com uma dinâmica conjuntiva operando não localmente via semântica semelhanças e
impulsionadas pela energia semântica (ou simg). Não só os seres inteligentes, mas também todos os
sistemas naturais e complexos (uma árvore, um sistema de AI) possuem um campo semântico que codifica
sua estrutura e organização informativa. O conjunto de todos os campos semânticos dos sistemas de bio e
matéria forma a "dimensão semântica". Nesse ponto, eu tinha definido a energia de syg como consciência-
como-energia, simultaneamente dinâmica e energia semântica 'de uma natureza desconhecida', mas não-
local, isto é, sem limites pelas restrições de espaço e tempo das leis EM. A teoria atual aborda o nível
cosmológico de organização do universo, com a dimensão semântica modelada como
uma hiperdimensão do universo e a natureza da energia de syg esclareceu como partículas
virtuais taquiculares chamadas sérgios, provenientes da origem do universo antes do tempo de Planck e que
permeiam e organizam a hiperdimensão do syg e atuam como a dinâmica conectiva entre os campos de syg
de todos os sistemas, incluindo as mentes.

1. SYG ENERGY: CONSCIÊNCIA-AS-ENERGIA

I.1. A física deve mudar o paradigma para acomodar a consciência não local no universo

Qualquer fenômeno, processo ou sistema pode (teoricamente) ser descrito em uma estrutura matemática
ou física.Se os processos sob escrutínio são tão complexos que nenhuma estrutura científica atual pode
explicar adequadamente, então esse domínio científico deve evoluir para atender a essa complexidade. De
modo que, para explicar os fenômenos complexos de consciência e as interações mente-matéria, a física e
a cosmologia devem desenvolver uma lógica totalmente nova e um novo paradigma - o paradigma
materialista na ciência agora revelado como insuficiente e incuravelmente limitado. Isto tornou-se
especialmente evidente com a descoberta de 1998 de energia escura que compõe cerca de 69% da energia
total do universo, e também matéria escura, um bom 26% dele, enquanto a matéria ordinária
(compreendendo todas as partículas e campos EM, estrelas e galáxias) equivale a escassez de 5% restantes.
* Com a matéria ordinária reduzida a apenas cerca de 5% da energia total do universo, os físicos
encontraram-se confrontado com uma nova paisagem paradigmática: 95% da energia do universo (matéria
escura e energia escura combinada) era um mistério total, além do fato de não ser matéria e campos de
matéria. Todo o domínio da física (baseado em um paradigma materialista) pode agora ser pesado para
apenas 5% do sistema de conhecimento da física cosmológica. Isso só pode lançar uma revolução
paradigmática (Kuhn 1970) e a ascensão da hiperfísica (Carr 2010), ou um paradigma pós-materialismo.

I.2. Consciência e psique como não-local, trans-espacial e trans-temporal

Definimos a consciência como "o processo (a) de atribuir significado às nossas experiências internas e à nossa
experiência dos outros e do mundo; e (b), de interagir com nosso ambiente humano e natural de forma
significativa. ' Vamos acrescentar que a consciência auto-reflexiva (auto-referente) é o processo de estar
ciente de seus próprios pensamentos, emoções e comportamentos, e para efetuar escolhas, agir
intencionalmente e exercer livre vontade ". Em outras palavras, a consciência instancia processos
semânticos, é o processo de criação de um significado que nos permite viver e pensar em um mundo
significativo. Agora vamos definir psi como processos semânticos que parecem contrariar ou violar as leis da
física Newtoniana-Einsteiniana (especialmente a lei do quadrado inverso, o tempo linear e a velocidade do
limite de luz).

 Vários cientistas postularam que a psique (ou consciência) é, nas palavras de Carl Jung, "trans-espacial e
trans-temporal" ou, na terminologia atual, não-local (Jung, 1960). Entre eles, os físicos H. Walker, B.
Josephson, F. Pallikari, O. Costa de Beauregard; cientistas S. Schwartz, L. Dossey, C. Hardy. E também que a
psique era transpessoal (Jung, C. Tart, S. Krippner) e / ou operava entre biosistemas através de
relacionamentos significativos (R. Sheldrake 2009, C. Tart 1975), ou através de uma psique coletiva (R.
Nelson, D. Radin).

 Vários cientistas argumentaram, após Jung e o físico Wolfgang Pauli, que a psique poderia instanciar
assincronicidades , isto é, correlações e coincidências significativas à distância no espaço ou no tempo (Jung
e Pauli, 1955), como os físicos D. Peat (1987). ), J. Sarfatti (2006), M. Teodorani (2010); e os teóricos do
sistema e do caos AL Combs e M. Holland (1995), F. Abraham (Abraham et al , 1990), C. Hardy (2004).

 Muitos cientistas têm demonstrado experimentalmente que psi pode ser dirigido pelo significado e
intenção , entre eles W. Braud, M. Schlitz, H. Schmidt, C. Honorton, R. Berger.

 Contudo, a informação psi também pode ser recebida inconscientemente (C. Tart, R. Targ, H. Puthoff, M.
Varvoglis), como evidenciado por respostas fisiológicas em experimentos de DMILs (Direct Mental
Interaction with Living Systems) por W. Braud, M. Schlitz, D. Delanoy, B. Morris.

 Outros cientistas vêem psi como um tipo de emaranhamento de EPR (o experimento de pensamento de
Einstein-Podolski-Rosen), uma troca de informações não local, não mediada pelo espaço-tempo
relativista;estes incluem os sistemas cientificos W. von Lucadou, psi pesquisadores D. Radin, B. Dunne e os
físicos Bohm, R. Jahn, B. Josephson, H. Walker e M. Teodorani.

Em um artigo interessante, o físico David Bohm (1986) estendeu seu conceito de ordem implícita de um
campo subjacente de interconexão, afirmando que substitui as distinções entre eventos mentais e físicos,
entre o eu e o não-eu. Bohm permitiu, explicitamente, trocas não-locais ou transpessoais, como os
fenômenos psi, observando-as como expressões naturais da interconectância subjacente: "A principal
característica incomum do fenômeno parapsicológico é que eles geralmente envolvem o que pode ser
chamado de conexão não-local entre a consciência de um pessoa que está em um lugar e um objeto, evento
ou pessoa em algum lugar distante ". Esta definição é perfeitamente igual à dada por Carl Jung (1960)sobre
sincronismos (incluindo fenômenos psi), como coincidências significativas entre uma mente e um evento
distante no espaço ou no tempo.

I.3. Consciência-como-energia

O fato de que nossa psique, quando fortemente perturbada por impactantes eventos mundiais, pode ter
uma influência inconsciente em geradores de eventos aleatórios (REGs) e assim modificar a distribuição de
aleatoriedade nas configurações de campo - foi demonstrada ao longo de duas décadas através do Global
Projetomundial de Consciousness Project criado por Roger Nelson (Nelson et al , 1996, Radin e Nelson,
1989). Isso, para alguns pesquisadores, como Nelson, Radin, Schwartz e eu, revela que as psique de todos os
seres humanos não são apenas comunicantes, mas entrelaçadas no que Carl Jung chamou de inconsciente
coletivo. (Radin 2006, Schwartz, 2007). Em um experimento recente de 2012, usando um protocolo óptico
de dupla fenda usado para estudar padrões de interferências - originalmente desenvolvido por Young em
seu famoso experimento 1803 - Dean Radin mostrou, com uma excelente probabilidade (de p = 6,10-10, mais
de 250 tentativas ) que a consciência realmente influenciou o colapso da função de onda quântica. Os
autores (Radin et al , 2012) concluem por uma referência ao panpsiquismo que poderia explicar seus
resultados "se algum aspecto da consciência é uma característica primordial e auto-consciente do tecido da
realidade, e essa propriedade é modulada por nós através das capacidades que nós conhecido como atenção
e intenção (...) ".
Além disso, a capacidade de bio-PK, a influência da mente sobre os biosistemas, foi determinada. Um grande
corpo de mais de 150 experimentos estabeleceu que a mente é capaz de influenciar intencionalmente
biossistemas simples (herméticos a sugestões), como peixes elétricos ou bactérias em placas de Petri
(Schwartz e Dossey 2010). Agora, o traço mais importante dessas experiências de bio-PK é o fato de que uma
influência específica foi pretendida e que os efeitos estavam de acordo com a intenção dos sujeitos.
Na minha opinião, os resultados de experimentos que demonstram que as consciências (mentes e psiques)
podem influenciar a organização da matéria e os bio-sistemas, que exemplificam que a consciência é uma
energia (de uma natureza desconhecida) porque atende à definição de física de uma energia , como "o que
produz uma ação sobre a matéria". Várias experiências também mostraram que a comunicação não-local e
a interação mente-matéria globalmente referida como psi, não envolveu qualquer energia EM de
campos. Além disso, a influência é intencional, exclui que ela seria efetuada através de campos quânticos
dada a sua indeterminação fundamental, ou através do vácuo, dado suas Flutuações de Ponto-zero,
estabelecendo oscilações aleatórias constantes que alguns equipararam a um "firewall" que destruiria
qualquer coerente sinal. Minha conclusão é que,

II. MODELANDO O UNIVERSO COMO SISTEMA HOLOGRÁFICO

Para Bernard Carr, um cosmólogo e editor do livro abrangente Universo ou multiverso , "é necessário um
novo paradigma mais profundo, que explicará tanto a consciência quanto a teoria quântica. (...) Um novo
paradigma - envolvendo um tipo de física radicalmente diferente, que eu chamo de " hiperfísica " . " (Carr
2010). Ele propõe em um artigo de 2003: uma " Estrutura Universal" (ou mente) que "pode ser considerada
como um espaço de informação dimensional maior que concilie todas as nossas diferentes experiências do
mundo. Ele incorpora necessariamente o espaço físico, mas também inclui reinos não físicos, que só podem
ser acessados pela mente. "Carr usa 'folhas' (superfícies de brã 2D) para mapear diferentes tipos de espaços
mentais e um 5ºD ou hiperespaço com um volume. Vários outros físicos modelaram a consciência e / ou psi
através de dimensões extras do universo. Russell Targ et al . (1979) e Elisabeth Rauscher (1979), propuseram
de forma independente um modelo 8D (com 4 dimensões imaginárias), e com Ceon Ramon, depois o
estenderam para 12D (Ramon e Rauscher, 1980). Em 1993, Sol Paul Sirag propôs uma "visão hiperespacial"
da consciência e usou um conjunto de "espaços de reflexão" para acoplar sistemas de matéria com processos
conscientes. Claude Swanson modelou as energias mentais em folhas de brane superpostas. Além disso,
John Smythies, neurocientista, propôs um modelo 7D com 3D de "espaço-tempo fenomenal". A nova
estratégia tem sido mapear os tiposde experiências mentais e psi em superfícies ou folhas de lombas 2D
superpostas (Sirag, Carr, Swanson 2003), ou seja, em HD de espaço . O ISST difere no sentido de que baseia
um banco de dados HD sem limites, bem como a dinâmica conjuntiva sérica que orienta todas as conexões
mente-mente e mente-mente não-locais (as especificações detalhadas em SFT).

II.1. Por que modelar a consciência na física como uma hiperdimensão?


A introdução de dimensões extras na física decorre da necessidade de integrar os diferentes conjuntos de
leis (e suas unidades de medição variadas) da Teoria da Relatividade com QM, para alcançar a ótima visão
de Einstein de uma teoria unificada. A real M-Theory (de Witten, Susskind) que integra teorias e relatividade
de superstring e une três das quatro forças fundamentais (à exceção da gravidade), precisa de 11 dimensões
para fazê-lo (o 4 do espaço-tempo e 7 dimensões extras). Como o lógico e matemático Kurt Gödel declarou
em substância em seu Teorema de Incompleção de1931(Gödel, 1992), qualquer sistema precisa de uma
dimensão meta adicionada para fundamentar a sua autoconfiança. Todo físico teórico sabe que a postura
de dimensões extras ou hiper é a única maneira de modelar um universo coerente e sistêmico. (Kaku 1994,
2006; Brandenburg 2011; Greene 2010)
Isso alimenta uma segunda linha de raciocínio (já introduzida em I.1.), Que a física da matéria somente pode
de modo algum explicar a consciência no universo. Portanto, precisamos construir uma física além da
matéria ou, nos termos de Sarfatti, uma "física pós-quântica" que é nada menos do que uma física pós-
materialismo. Aqui também, a solução para contabilizar a consciência no universo é postular uma dimensão
extra ou hiperdimensional como um sub-ou meta-sistema do universo dotado da dinâmica não local
específica e propriedades semânticas já mapeadas das consciências, isto é, no caso desta teoria, a dinâmica
da energia de syg e dos campos semânticos (como anteriormente mapeado na SFT usando uma estrutura
de sistemas cognitivos).
Agora, uma terceira linha de raciocínio aborda a origem do universo. Os físicos concordam, ao longo da
descoberta seminal de Max Planck do quantum em 1900, que é somente quando o universo cresceu para
ser o raio do primeiro comprimento de Quantum ou Planck ( 1.616 X 10 -33centímetros ) e quando é uma
fração infinitesimal do primeiro segundo antigo (10 -43 s), que as partículas podem existir, e com elas espaço
e tempo (e incidentalmente causalidade). Então, a escala Planck é um limiar que inicia as partículas de
energia (era da radiação) e depois (em cerca de 10-10s) com o cruzamento do campo de Higgs, onde estes irão
adquirir a massa, a era dominada pela questão. Agora, o que nos interessa é a lógica inversa: se não houvesse
partículas, não importa, sem espaço e sem tempo antes da escala Planck, o que havia para lançar a odisseia
fantástica do nosso universo? Um universo que, apenas um tempo imenso após a escala de Planck, de
repente, em 10 a 36 do primeiro segundo, verá seu tamanho crescer 10 vezes 50 durante a fase de inflação
ou Big Bang!
Vários físicos postulam um campo de informação, sendo um também um campo de forma (Bohm 1980,
1986), um existente no espaço pré-espacial e imaginário (o Bogdanov), um que atua como um campo de
memória e ligado ao vácuo (Laszlo 2004) um que implica um "back-action" e uma troca de informações
bidirecionais com o universo em evolução (Wheeler, Sarfatti). No entanto, em qualquer caso,
esta informação deve ser uma "informação ativa" nas palavras de David Bohm - estabelecendo um campo
de informação vivo, dinâmico e eventualmente auto-organizado. Não pode ser apenas uma informação ou
programa digital morto, porque então precisaria de uma mente para decodificá-lo, e para criar o programa,
em primeiro lugar, algo chamado de regressão infinita em filosofia.
Agora, um quarto ponto que eu chamaria de " problema de energia inicial " pode ser formulado assim: como
no mundo o universo obtém a energia necessária, por um lado, uma temperatura de T = 10 32 Kno tempo de
Planck e, por outro lado, para lançar a radiação das primeiras partículas de energia e tudo isso segue? Este
problema é anormalmente silenciado, assumindo-se que a energia térmica é transferida para a energia
cinética, sem esclarecer precisamente de onde veio uma gigantesca energia térmica ou cinética em primeiro
lugar. No entanto, foi levado (sempre tão ligeiramente) pela física Lisa Randall, que explicou que, para lançar
a radiação que atravessa o campo de Higgs (em que uma gama de partículas de energia adquirem sua massa
diferenciada), precisamos, antes disso, uma energia para configurar todo o processo - em seus termos "para
minimizar" o campo. Diz Randall ( 2012, 12-3 ): "Essencialmente, quando você agarra o campo de Higgs -
adicione um pouco de energia - você pode criar uma partícula real. "Além disso, essa energia tem que ser
uma imensa naquilo, de modo a tornar o universo de repente inchado para 10 50 vezes seu tamanho a uma
velocidade estimada pelos físicos Alan Guth e Andrei Linde (em sua Teoria da Inflação) para ser bilhões de
vezes mais rápido que a velocidade da luz. De fato, uma informação viva auto-organizada e a energia inicial
são os problemas mais difíceis e não resolvidos que enfrentam a cosmologia.
O problema de energia inicial é especialmente arduo e carregado. Um dos pressupostos básicos do
paradigma materialista na ciência é que "Nada sai do nada" e, portanto, o ' Ex Nihilo'(fora do nada) não é
permitido. Isto está ligado ao axioma de que a energia é constante no universo, apenas suas mudanças
formais e dinâmicas de expressão (ou seja, da energia cinética à energia térmica ou vice-versa). Mas o
problema da física está nublado, em primeiro lugar, pelas crenças religiosas entre uma porcentagem de
cientistas, a saber, que um Deus Criador teria estabelecido a criação do universo em um instante cósmico
por pura vontade; e, em segundo lugar, pelas crenças não menos dogmáticas de cientistas materialistas que
temem que conceder até mesmo uma realidade difícil a uma consciência no universo, e mesmo as
capacidades psi nos seres humanos, traria a religião "superstição" ou, mais do que a ponto, a religião.
Por mais insolúvel que seja essa antinomia entre dois campos lógicos, opondo-se a dois domínios
amplamente diferentes de pressupostos, a visão científica confortável e moderada de Einstein, de um
universo infinito e fixo, foi destruída pela descoberta do fundo de microondas cósmica (CMB ) em 1964, que
comprovou que o universo teve um começo - o Big Bang (agora identificado com a fase de inflação). O debate
tornou-se mais aquecido, e o problema do Ex Nihilo é marcado de várias maneiras, com alguns cientistas
acreditando que um ponto de origem significa "matéria fora do nada", e assim pede um Criador para que
isso aconteça.
Esses pressupostos tornaram o reconhecimento do Big Bang uma tarefa muito laboriosa e prolongada, uma
vez que a origem foi deduzida até 1854 pelo matemático Bernhard Riemann, com sua modelagem do espaço
curvo e da esfera riemanniana, o que o levou a postular uma universo esférico e finito. Até mesmo a
descoberta do astrônomo Vesto Slipher em 1912 de que uma dúzia de nebulosas estávamos acelerando para
nós em 932,000 milhas por hora não foi aceita pela Sociedade Americana de Astronomia, nem foi aceito na
primeira descoberta de Edwin Hubble em 1931 que não existia nem um, mas milhões de galáxias. O conceito
Big Bang foi firmemente contraído por Einstein com toda sua influência, e depois pelos preeminentes
astrónomos Fred Hoyle e Arthur Eddington.
Como sempre com antinomias paradigmáticas (aqui entre a criação de Deus versus a origem da ciência
natural), a solução sempre reside na mudança do quadro lógico - o campo lógico - do debate (Hardy, 2002). E
para fazê-lo, apenas duas simples afirmações básicas são suficientes: (1) Um ponto de origem (como um Big
Bang) agora recuando para escala pré-Planck, não implica necessariamente uma intervenção divina. E (2),
mesmo postando uma hiperdimensão de consciência na origem também não.

II.2. O argumento sistêmico e ontológico para a consciência como uma hiperdimensão

As descobertas na cosmologia sobre a origem do universo nos obrigam a entender uma hiperfísicaA
realidade antes da escala de Planck, isto é, antes que partículas de matéria e partículas de energia pudessem
existir, e antes do tempo e do espaço nasceram. Então, no mínimo, esta realidade é um campo de
informação - um campo que contenha todas as informações possíveis. No entanto, como vimos,
encontramos um profundo problema ontológico: o fato de que a informação em si precisa de uma mente
ou consciência para lê-la, compreendê-la e agir sobre ela. Um sistema de informação (como um CD contendo
livros) é uma questão completamente diferente da mente lendo os livros guardados neste CD. O CD torna-
se uma informação altamente ativa quando uma mente faz sentido dessa informação lendo-a, isto é, quando
a consciência funciona como uma dinâmica semântica. Além disso, mesmo se um programa pode fazer
operações (seguindo leis internas) e depois definir máquinas para executar uma tarefa, No entanto, alguma
mente teve que criar as máquinas e o programa em primeiro lugar, bem como as leis que definem suas
operações. Assim, parece inevitável que o universo em que os seres inteligentes conscientes da
prosperidade não possam ter a consciência em seu núcleo e origem, isto é, na escala sub-quantitativa.
Alguns argumentarão que a consciência poderia ser um fenômeno emergente que surgiu de cada vez maior
complexidade. Longe de negar processos auto-organizados e / ou emergentes, julgo-os fundamentais na
natureza, como a tendência bem conhecida para a complexidade acumulada, destacada por Murray Gell-
Mann (1994) e Stuart Kauffman (1995). A teoria do caos também mostrou que os sistemas mais complexos
na natureza são "caóticos" e que eles se organizam internamente: são auto-organizados. Isso significa que
eles são capazes de exibir novas ordens globais - assim, um surgimento de uma nova organização. Claro, as
mentes são os sistemas mais complexos e definitivamente mostram comportamento caótico (veja as teorias
de Combs, Freeman, Goertzel, Hardy).
Na minha opinião, o surgimento e o aumento da informação e da complexidade são a chave para uma
destruição ou entropia de força universal, negativa ou contrariadora; e essa força negentrópica também é
consciência.
Digamos, portanto, o problema ontológico: a consciência não poderia surgir de um universo completamente
determinado, muito limitado pelas leis eternas, nem poderia emergir de um universo totalmente
indeterminado e aleatório. Porquê isso? Porque a consciência é um processo de criação de significado, um
processo semântico, e isso implica um tipo de força radicalmente diferente enraizado no ser e uma interação
significativa ou qualificada desse ser com o meio ambiente. Além disso, é uma força negentrópica, isto é,
uma força organizadora criando mais e mais informações, como a vemos em plena ação no desenvolvimento
exponencial da ciência e das culturas.A consciência e a mente apresentam uma complexidade crescente,
assim como muitos sistemas dinâmicos complexos, e Gell-Mann mostrou que o aumento da complexidade
era uma tendência essencial na natureza.
Outra linha de raciocínio é ver o universo como um holograma complexo: qualquer parte do universo-
holograma contém a informação no todo, seja no espaço ou no tempo. O filósofo grego Plotino, que viveu
em Alexandria no século III dC, expressou claramente essa concepção do universo como holograma, além
disso, organizada por uma alma cósmica central ( anima em latim, psique em grego). Ele afirma no quarto
Ennead : "Este universo (...) tem em si uma alma (psique), que permeia todas as suas partes". E também: "O
imaterial [o Um] é como um todo em tudo." ( Ennead 6.4; Plotinus 1992). Nesta estrutura de tipo holograma,
qualquer processo emergente de organização em qualquer momento deve ter sua raiz (ou meta-força) na
própria origem.
Dado que a inteligência é uma força específica, se esta força estiver no trabalho em algum lugar no
holograma do universo, então é "conhecida" por todas as facetas em todos os tempos; então, no mínimo,
uma espécie de "proto-consciência" deve estar no trabalho em todos os lugares (como o proposto pelo
filósofo David Chalmers e essa teoria da ISS em meados dos anos noventa, e mais cedo por Leibniz,
Whitehead e Wheeler). A linha inferior é que o universo não pode desconsiderar e ignorar a sensibilidade,
inteligência e consciência como poderosos desencadeantes da evolução, se ela sabe disso. E em um universo
holográfico, ele sabe disso!

II.3. Modelos baseados na informação sistêmica e holográfica do universo

O holograma é um tipo de organização sistêmica em que cada parte contém a informação em todo o sistema,
e todo o sistema conhece todas as suas partes. Como na Teoria dos Sistemas Gerais de von Bertalanffy ,
qualquer alteração em uma parte ou sub-sistema engendra uma mudança no todo.
Para o físico David Bohm, em sua teoria da Onda Pilotada , o universo é organizado como um holograma,
com um campo quântico subjacente que é totalmente causal e determinista, embora de natureza não
local. Bohm referiu-se a este campo como a ordem implícita : um nível de interconexão ou não
separabilidade, que está no próprio fundamento do universo. Então, o mundo macroscópico (ou ordem
explicada) seria um "desdobramento" dessa ordem profunda e implicada. Curiosamente, Bohm também
sugeriu que os sistemas macroscópicos naturais, como as mentes, estão enraizados na interconectividade
subjacente. Como tal, qualquer sistema contém ou "envolve" informações sobre o todo. Em nossa física
atual, apenas um nível hiperdimensional em todos os sistemas (incluindo partículas) e no próprio universo,
representaria um "envolvimento" de um campo de informação em cada sistema, podendo este campo se
comunicar com o todo ( como eu desenvolvi o conceito no ISST). Assim, a ordem implícita é uma meta-
camada causal, em nossos termos atuais, uma dimensão extra, mas um conjunto como causal hierárquico e
unidirecional de cima para baixo, organizando todos os sistemas e processos na ordem explicada através de
ondas piloto e do Potencial Quântico . A ordem implícita é um campo de "informação ativa", uma força
organizadora que trabalha na escala do universo. Com a inserção do Quantum Potential (Q), Bohm adicionou
um termo não local à equação de Schrödinger, a função de onda Psi central para QM. De acordo com Bohm,
os estados superpostos nesta função de onda são os estados do próprio universo, e o universo atua como
uma onda piloto, uma força orientadora que orienta a organização de todos os sistemas.Notemos que as
teorias de Pilot Waves são, na verdade, um campo de pesquisa extremamente ativo com vários
pesquisadores que realizam pesquisas inovadoras, notadamente com o novo campo de "Walking Droplets",
mostrando que alguns macro-sistemas como gotículas se comportam como sistemas quânticos dirigidos por
ondas piloto ( Com a inserção do Quantum Potential (Q), Bohm adicionou um termo não local à equação de
Schrödinger, a função de onda Psi central para QM. De acordo com Bohm, os estados superpostos nesta
função de onda são os estados do próprio universo, e o universo atua como uma onda piloto, uma força
orientadora que orienta a organização de todos os sistemas. Notemos que as teorias de Pilot Waves são, na
verdade, um campo de pesquisa extremamente ativo com vários pesquisadores que realizam pesquisas
inovadoras, notadamente com o novo campo de "Walking Droplets", mostrando que alguns macro-sistemas
como gotículas se comportam como sistemas quânticos dirigidos por ondas piloto ( Com a inserção do
Quantum Potential (Q), Bohm adicionou um termo não local à equação de Schrödinger, a função de onda
Psi central para QM. De acordo com Bohm, os estados superpostos nesta função de onda são os estados do
próprio universo, e o universo atua como uma onda piloto, uma força orientadora que orienta a organização
de todos os sistemas. Notemos que as teorias de Pilot Waves são, na verdade, um campo de pesquisa
extremamente ativo com vários pesquisadores que realizam pesquisas inovadoras, notadamente com o
novo campo de "Walking Droplets", mostrando que alguns macro-sistemas como gotículas se comportam
como sistemas quânticos dirigidos por ondas piloto ( Os estados superpostos nesta função de onda são os
estados do próprio universo, e o universo atua como uma onda piloto, uma força orientadora que orienta a
organização de todos os sistemas. Notemos que as teorias de Pilot Waves são, na verdade, um campo de
pesquisa extremamente ativo com vários pesquisadores que realizam pesquisas inovadoras, notadamente
com o novo campo de "Walking Droplets", mostrando que alguns macro-sistemas como gotículas se
comportam como sistemas quânticos dirigidos por ondas piloto ( Os estados superpostos nesta função de
onda são os estados do próprio universo, e o universo atua como uma onda piloto, uma força orientadora
que orienta a organização de todos os sistemas. Notemos que as teorias de Pilot Waves são, na verdade, um
campo de pesquisa extremamente ativo com vários pesquisadores que realizam pesquisas inovadoras,
notadamente com o novo campo de "Walking Droplets", mostrando que alguns macro-sistemas como
gotículas se comportam como sistemas quânticos dirigidos por ondas piloto (Couder et al 2005, Couder e
Fort 2012) .
Sarfatti, por um lado, baseando-se nessa teoria da Onda Piloto, postula " um campo de coerência quântica
gigante rico em informações [...] imune à decoerência ambiental". Isso significa que a informação carregada
pelo potencial quântico que atua sobre a função de onda do sistema não será perdida através das interações
com o meio ambiente geralmente desencadeando a decoerência. Sarfatti é um forte defensor do que ele
chama de " não-localização de sinal"Isto é, a troca de informações entre duas partículas em um experimento
de tipo EPR (Sarfatti, 2006, 167). John Wheeler (1990) postula um nível profundo de informação (ou BIT)
para cada sistema (ou TI), com o conceito de "do bit". Diz ele: "[Significa] que todas as coisas físicas são a
teoria da informação em origem e que este é um universo participativo ". Para Sarfatti, o" é "é um sistema
de informação parecido com um elemento parecido com um ponto como" rolando na paisagem da onda
piloto BIT ", sendo este último" intrinsecamente mental ". Sarfatti (2006, 97) afirma: "A teoria pós-
quântica, com a consciência interior,postulado, é quando a relação entre o ponto do sistema de partículas
de TI eo BIT intrinsecamente mentalA paisagem da onda piloto é "bidirecional" em um auto-criativo e
adaptativo espontaneamente auto-organizado controle de feedback-controle. "Então, aqui temos um
campo de informação cósmico sub-quântico, com cada matéria-sistema possuindo seu próprio campo BIT
dentro do todo , e além disso uma inter-influência bidirecional e criativa entre a camada de informação de
onda e a camada de partículas-matéria. A teoria de Sarfatti também permite, assim como o de Wheeler,
uma "retrocessão" ou retrocausalidade (primeiro postulado por Poincaré e mais tarde por Feynman), com
mentes futuras capazes de influenciar a organização do universo, até a origem.Assim, são adicionados, além
da consciência, a dinâmica "participativa" da mente-mente que faltou tanto na Teoria da Ordem Implicada
de Bohm. De modo que com Sarfatti e Wheeler, temos um cosmos sistêmico coerente dotado de
"consciência interna,
Claro, a função de onda desse universo teria que conter uma quantidade gigantesca de estados superpostos
(todos os estados de todos os sistemas do universo) e, portanto, como a teoria o estipula, não pode colapsar
(porque também colapsaria o universo ).

II.4. Princípio holográfico e Paradoxo da informação do buraco negro

A Teoria Infinita da Escada em espiral, estabelecendo tal hiperdimensão de syg em nossa origem de bolha
de universo, apenas empurra mais as sementes do universo, de volta ao campo syg-information de bolhas
do universo-pai, herdadas no ponto X de origem como um DNA cósmico (inscrito em uma escadaria espiral
infinita ou ISS, semelhante a um furo branco). Este campo de informação de escala cósmica de uma bolha
de universo (UB) está sendo completamente contido em sua hiperdimensão de syg quando, no final deste
UB, todos os sistemas de matéria serão "traduzidos" em campos de informação HD, incorporados no imenso
banco de dados Essa é a sua Infinite Spiral Staircase terminal (ou anti-ISS) semelhante a um furo negro
cósmico terminal. Aqui, o ISST parte dos Teoremas da Singularidadeinaugurado por Stephen Hawking e
Roger Penrose em 1970 e, em vez disso, está de acordo com os novos desenvolvimentos da teoria e da
cosmologia do Black Hole (BH). (Hawking 2003, 2014; Penrose 2010, 2014)
O problema agudo que a cosmologia teve que resolver decorreu desses anteriores teoremas que afirmam
que todas as radiações e matérias que caíram em um BH foram totalmente perdidas e, portanto, suas
informações também.Foi denominado paradoxo da informação BH , referindo-se à perda polêmica de
informação-entropia que pode ocorrer quando um gás de alta entropia ou uma radiação cai em uma
BH; essa perda de informação - a entropia contradizria a segunda lei da termodinâmica e alguns princípios
da QM que (1) nenhuma informação é perdida, e (2) que a informação sobre o estado passado de um sistema
sempre pode ser rastreada (dada que está totalmente codificado em sua função de onda até que ele colapsa,
e depois preservado em seu operador), conhecido como o princípio da Unitaridade.
Novos desenvolvimentos da modelagem BH ocorreram em um ritmo acelerado. Em primeiro lugar, Hawking
previu o que se tornou conhecido como a radiação Hawking saindo de buracos negros (ou caindo em
buracos brancos) que foi então devidamente observada; então Hawking, elaborando a fórmula
termodinâmica de Bekenstein, calculou que a entropia de um BH é um quarto de sua área do horizonte
(usando o comprimento de Planck). S econdly, toda a informação sobre todos os sistemas de matéria que
caíram em um buraco negro está inteiramente inscrita na superfície do seu horizonte de eventos, de acordo
com o Princípio Holográfico postulado pelo Prêmio Nobel Gerard 't Hooft (2009) e desenvolvido ainda mais
por Leonard Susskind na teoria das cordas.Em terceiro lugar, mais cedono final dos anos setenta, Charles
Thorn e mais tarde Raphael Bousso calcularam que em uma superfície 2D (permitida na teoria das cordas),
a gravidade surge como uma estrutura discreta,holográfica e geodésica , fazendo eco, assim, à modelagem
inicial de Hawking do horizonte do evento como um limite uma superfície) estruturada como uma
" geodésica semelhante a uma luz ". (Ver Hardy 2015, 288-94). Por fim, Bekenstein usou a fórmula original
de Boltzmann que se baseou no número de microstatos distintos dentro de um sistema que é a medida de
sua entropia; quanto mais numerosos os microstatos, maior a quantidade de informação (em bits)
necessária para descrever o sistema. ( Bekenstein, 2003ab)
Para concluir, segue-se do princípio holográfico de que um furo negro (e o universo como um holograma de
forma semelhante), tem toda a sua informação inscrita em seu limite (como uma superfície); que essa
fronteira, ligada à gravidade, é uma estrutura discreta, holográfica e geodésica, estruturada com precisão
como umageodésica semelhante a uma luz .

III. TEORIA ISS

III.1. O campo de informação cósmica na origem da teoria ISS

A Teoria Infinita da Escada em Espiral postula que o campo de informação de consciência cósmica,
consciente e dinâmico de uma bolha de universo (UB) está sendo completamente contido em sua
hiperdimensão de syg, tanto na origem quanto no final deste universo - bolha, na escala sub-Planck. O ponto
de origem, chamado ponto X (devido à sua forma X), é um ponto de transmissão de um campo sósmico
cósmico da bolha do universo pai para a do novo universo nascido. O ponto X assemelha-se a uma ampulheta
(um funil duplo) e é constituído pelo furo negro terminal do universo (TBH) tocando sua ponta pontiaguda
(a singularidade TBH), a ponta ou a singularidade do buraco branco (WH) de origem de um novo universo
. Assim, temos um buraco negro e um buraco branco tocando suas dicas, como foi modelado pelo físico
RoyKerr, com qualquer matéria de radiação que havia sido engolida e desintegrada pelo BH, sendo então
ejetada pelo WH - todo o sistema com um mínimo de duas singularidades e dois horizontes de eventos (Kerr,
1963).
No final de uma UB , toda matéria e bio-sistemas são "traduzidos" em pura energia HD syg (campos de
informação ativa) na hiperdimensão deste UB, e este campo cósmico de simg constitui o imenso banco de
dados inscrito em seu terminal Infinite Spiral Staircase (ou anti-ISS). A diferença com a teoria clássica de BH
é que a matéria não é desintegrada pela enorme gravidade e perda, mas, pelo contrário, é traduzida em
informação de HD pura. Somente a hiperdimensão permanece na origem (inscrito na ISS) e no final de uma
UB (a anti-ISS). E esta informação do syg é o que é transmitido como um DNA cósmico para o próximo UB.
O nascimento do nosso universo - bolha Desdobra-se assim: após o ponto X, e até a escala Planck, o universo
é pura hiperdimensão e um campo cósmico de informação herdada do nosso universo pai. Este DNA cósmico
contém a informação sobre todos os sistemas que já existiram em uma cadeia de universos pai e a forma
como esses sistemas evoluíram e foram otimizados, parecido com o DNA molecular a este respeito. No
entanto, o DNA cósmico não é um substrato biomolecular, mas um domínio de freqüência sub-quantitativo,
com um enorme banco de dados de freqüências e redes de links entre eles que codificam todos os sistemas
viáveis e otimizados. Esta é a razão pela qual duas dúzias de variáveis e constantes do nosso espaço-tempo
são tão requintadamente ajustadas: foram otimizadas por inúmeras UBs no passado. Assim, ISST é uma
alternativa à estrutura Multiverse (ou Paisagem Antrópica de Susskind) que postula 10 500 vacuas (ou regiões
do universo), cada vácuo com um conjunto diferente de variáveis, e a maioria delas incapazes de sustentar
os sistemas solares, e ainda menos a vida e a inteligência (Susskind, 2003). Tem algumas semelhanças com
modelos cosmológicos que apresentam uma seleção natural em escala cósmica, através de universos que
brotam dos buracos negros do universo anterior (Jack Sarfatti, Lee Smolin 1997, 2006), esses buracos negros
em broto localizados em qualquer lugar dentro do "megaverse" e até mesmo dentro do nosso espaço-
tempo; e também com o modelo de modelos de Penrose universos posteriores provenientes de outros
universos com reinício da entropia em cada origem (Penrose 2010, 2014).
A organização sistêmica desta hiperdimensão na origem é uma espiral dinâmica e auto-realizadora, baseada
e conduzida pelo logaritmo de phi (isto é, ao longo da seqüência de Fibonacci) e ampliando
exponencialmente como um cone do ponto X em direção à escala Planck , onde ocorre uma transição de
fase para o domínio quântico e região de matéria-energia ou espaço-temporal. Cada ¼ de espira na espiral
dourada é emitida a partir de um raio na seqüência Fibonacci pelo poder de Pi e cada raio multiplicado por
phi dá o comprimento do próximo raio maior. Cada ¼ pináculo tem uma frequência específica (e todos eles
formam o banco de dados de frequência infinita que é a ISS).As propriedades específicas de tal espiral
dourada que expressa a seqüência de Fibonacci (conhecida pelo antigo matemático hindu Pingala no século
3d aC, cujo trabalho inspirou Fibonacci e também a Pitágoras) apresenta uma profunda semelhança com o
que será o domínio quântico, porque torna discreto saltos de freqüências (ao longo do logaritmo de phi) em
cada quarto de um círculo, no entanto, formando uma espiral aparentemente sem costura. Agora, uma
característica interessante do que Hooft descobriu (ao modelar a energia emitida e infalível - energia de
buracos negros, usando uma determinada teoria de cordas chamada "folha mundial") é que o campo
gravitacional de uma partícula caindo em um BH " assume uma forma universal " e que imprime no horizonte
do evento " uma colisão em forma de barraca logarítmica,"Este golpe agindo como uma impressão
informativa para a partícula. ** Agora, não é uma espiral dourada exatamente em forma de tepee? E, além
disso, é definitivamente uma forma universal - é por isso que achamos que há tantas formas naturais, como
conchas, tornados e também incorporando precisamente a seqüência de Fibonacci nos Girassóis e a
Camomila Amarela, calculada pelo matemático Helmut Vogel; Além disso, Roger Penrose descobriu que
também está incorporado no DNA.
A ISS na origem é, portanto, uma hiperdimensão triúnica, com consciência (energia Syg auto-organizada),
hiperespaço (Centro e criação das espiras por Pi, ao longo de raios com phi) e hiper-tempo (Ritmo e banco
de dados de freqüências estabelecido nas linhas geodésicas desses trimestres de torres). Para que possamos
a consciência entrelaçada com uma topologia geométrica linear como uma espiral (hiperespaço) e um tempo
espacializado através das frequências nas etapas da escada (hiper-tempo). Assim, a hiperdimensão do
centro-Syg-Rhythm ou CSR triune tem um espaço semelhante ao tempo (linear) e um tempo semelhante ao
espaço, tal como foi previsto por Minkowski na região de Elsewhere do cone de luz (a parte externa do cone,
enquanto a dentro do espaço-tempo). Além disso, seu conjunto discreto de freqüências, logarítmicas, se
misturam perfeitamente com a natureza discreta da escala quântica, de modo que a hiperdimensão CSR seja
coerente e consistente com a física quântica e da relatividade. O banco de dados de frequência, como um
campo ilimitado de informações, não apenas envolve a dinâmica herdada de organização de todos os
sistemas anteriores (incluindo, claro, espécies inteligentes), mas também a informação sobre todos os
estados atuais e possíveis de sistemas em todo o tempo (passado - presente-futuro) do espaço-tempo do
nosso universo. E isso, porque o CSR HD está além do espaço-tempo, capaz de se conectar a qualquer ponto
ou sistema em qualquer uma das suas coordenadas. Este campo de syg na origem é uma consciência
coletiva, que evolui sempre com os campos de simgologia individualizados de todos os sistemas através de
uma constante interoperabilidade bidirecional. Como eu modeloi isso, na interação de sistemas complexos
de "sistemas multiníveis" (como mentes e campos de simg), não temos apenas tipos de influência pró-ativa
e retroativa, mas também acústicos sincronizados (Hardy, 2001, 2003). Para que a criatividade e a livre
escolha de indivíduos e coletividades nos façam filtrar um caminho livre, reinventado a cada momento.

III.2. Os sygons emitidos na origem formando o 5 th dimensão

Cada quarto de pináculo da ISS (com sua seqüência geodésica vibrando em uma determinada freqüência),
irá expulsar uma cadeia de partículas virtual chamada sygon , com esta freqüência particular, com uma
velocidade imensamente maior do que a velocidade da luz. Quanto mais perto do ponto X, maior a
frequência e menor o comprimento de onda dessa cadeia virtual. Os sygons de freqüência mais alta irão se
acelerando da ISS e, sem obstáculos, criará a maior parte da hiperdimensão (em Randall-
Sundrum 5th dimensão com um volume). É como uma sub-bolha dentro deste volume que a região do
espaço-espacial evoluirá mais tarde, como um sub-sistema. A menor freqüência e os sérgios de
comprimento de onda mais longos (ejetados depois de mais perto da escala de Planck) começarão a
interferir após o comprimento de Planck, criando assim uma espuma e o campo de Higgs.Neste campo, como
a equipe do LHC no CERN descobriu em 2014, as partículas adquirirão massa e depois se unirão em núcleos
e átomos. Em ISST, estas partículas e átomos irá preservar a sua essência o sygon sub-Planck com toda a sua
conexão com a origem e um holográfica mas réplica individualizada do ISS , que será a 5 thdimensão de
qualquer sistema de um Kaluza-Klein 5 ºDimensão, enrolada e compacta (abaixo da escala Planck).Esta
réplica é o campo syg de qualquer sistema (de partículas para sistemas bio e estelares) e irá suportar todas
as informações sobre a evolução e a vida deste sistema, e trocá-lo de duas vias através dos sygones
taquicônicos em um " conversação "com a ISS na origem e com campos de simg ressonantes, emergindo
assim no espaço-tempo como eventos psi anómalos.
A ISS na origem é, portanto, uma consciência coletiva dinâmica para o sempre, evoluindo em sincronia com
todos os seres inteligentes e sistemas complexos em nossa bolha do universo, mas ainda contendo (como
uma memória fractal) o campo de informação original herdado dos universos-pai. Para que seja uma
consciência cósmica coletiva e sinérgica, permeando o espaço-tempo e infundindo qualquer ser e sistema
com energia de simg e um eu hiperdimensional ("consciência interior" de Sarfatti).
No buraco negro terminal de uma bolha de universo anterior, durante o processo de tradução de sistemas
de matéria para a simg-energia hiperdimensional, uma energia ilimitada é construída, que será liberada com
um enorme impulso como a ISS na origem do próxima bolha do universo. E, em seguida, as radiações sygons
vai criar tanto a grandes quantidades de HD-cósmica tamanho encerrando região de espaço-tempo, e um
Hyperdimension sub-Planck de todas as partículas e sistemas, um 5 th dimensão em toda a matéria e bio-
sistemas.

CONCLUSÃO

A teoria da ISS que estabelece uma hiperdimensão de RSR triúnica, com consciência (energia de Syg),
hiperespaço (Centro) e hiper-tempo (Ritmo), embora não comprovada, leva a várias soluções e
características de acordo com as previsões dos físicos. Notavelmente, resolve o problema de energia inicial,
uma vez que a energia ilimitada e a velocidade taquixônica da ISS provêm do buraco negro terminal da bolha
do universo pai e são produzidas por (1) uma aceleração enorme perto do horizonte do evento e então
enquanto rolando e girando a uma velocidade cada vez maior na espiral anti-ISS em direção à singularidade
(o ponto X do terminal), e (2) a enorme excitação devido à mudança de energia de baixas freqüências de
matéria para freqüências muito mais altas.
Em segundo lugar, o ISST resolve o paradoxo da informação, juntamente com a constante de energia total
constante (apenas traduzida dos sygons HD para sistemas maciços espaciais e vice-versa), na medida em que
nunca há informações ou energia sobre qualquer sistema ou existência que já tenha existido.
Além disso, a consistência do universo como um sistema é preservada, com a hiperdimensão
fundamentando a consistência da região do espaço-tempo, enquanto é mantida também
o princípio da Unitaridade .
O universo é simultaneamente um todo auto-organizador, evolutivo e criativo, e uma consciência cósmica
coletiva em constante conversação bidirecional com todos e cada sistema, através da hiperdimensão de
cada sistema. E, inversamente, através do nosso campo de simbios hiperdimensional (nosso Ser ou alma),
conversamos com a ISS inteira e inicial como com um arco-anima (uma alma cósmica) e co-evoluímos, como
humanidade ou qualquer espécie inteligente, em sinergia e inter-influência constante com o universo da
matéria. A consciência e a matéria, como no conceito de profunda realidade de Pauli e Jung , são misturadas
no todo.
REFERÊNCIAS

* Veja o lançamento da equipe de sondagem da cosmologia PLANCK de março de 2013, então no início de 2015
em:
http://en.wikipedia.org/wiki/Planck_%28spacecraft%29#2013_data_release
** http://en.wikipedia.org/wiki/Holographic_principle ( la 2015/01/25)

Abraham, F., Abraham, R. e Shaw, C. (1990). Uma introdução visual à teoria dos sistemas dinâmicos para a
psicologia . Santa Cruz, CA: imprensa aérea.
Bekenstein, JD (2003a). Buracos negros e teoria da informação. Arquivos de física : arXivquant-ph / 0311049.
Bekenstein, JD (2003b). Informação no universo holográfico. Scientific American , 08/2003, 59 - 65.
Brandenburg, J. (1995). "Um Modelo de Cosmologia Baseado na Gravidade-Eletro-magnetismo
Unificação,"Astrofísica e Ciência Espacial , 227 (133)
Brandenburg, J. (2011). Além do campo unificado de Einstein. Gravidade e Electro-magnetismo
Redefinidos .Kempton, ILL: Adventures Unlimited Press.
Bohm, D. (1980). Totalidade e a Ordem implícita . Londres: Routledge e Kegan Paul.
Bohm, D. (1986). Uma nova teoria do relacionamento da mente e da matéria. J. da American Society for Psychical
Research , 80, 113-36.
Bohm, D. e Hiley, BJ O universo não dividido: uma interpretação ontológica da teoria quântica. Londres, Reino
Unido: Routledge, 1993.
Carr, B. ( 2009 ). Universo ou multiverso . Cambridge, Reino Unido: Cambridge Univ. Pressione.
Carr, B. (2010). "Procurando um Novo Paradigma de Matéria, Mente e Espírito". Revisão de Rede ,
Primavera, Verão 2010.
Combs, A. e Holland, M. (1995). Sincronicidade: Ciência, Mito e Trickster . NY: Marlowe.
Couder, Y. e Fort, E. (2012). "Probabilidades e trajetórias em uma dualidade clássica de onda-partícula". J.
Phys. Conf. Ser. 361: 012001
Couder, Y., Protière, S., Fort, E. e Boudaoud, A. (2005). "Gota de pé e em órbita". Natureza, 437: 208.
Gell-Mann, M. (1994). O quark e o jaguar . Nova Iorque: WH Freeman & Co.
Gödel, K. (1992). Em proposições formalmente indecidíveis de princípios matemáticos e sistemas
relacionados. Mineola, NY: Dover Publ.
Greene, B. (2010). The Elegant Universe - Superstrings, Dimensões ocultas e a Quest for the Ultimate
Theory .Nova Iorque: WW Norton & Co.
Hardy, C. (1998). Redes de significado: uma ponte entre mente e matéria . Westport, CT: Praeger / Greenwood.
Hardy, C. (2001). Auto-organização, auto-referência e inter-influências em Web multiníveis: além da causalidade
e do determinismo. Journal of Cybernetics and Human Knowing. UK: Imprint Academic.Vol.8, no.3.
Hardy, C. (2002). Campos lógicos e a dinâmica da mudança: do conflito à cooperação. CD-ROM dos
Procedimentos da 46ª reunião anual do Intern. Soc. para as Ciências dos Sistemas (ISSS), China, 8 / 2-6.
Hardy, C. (2003). Redes Multilevel Estendidas através do Tempo: Inter-Influências Retroativas e
Proativas.Pesquisa de Sistemas e Ciências do Comportamento, vol 20, N ° 2 (pp 201-215). (Problema especial
sobre: Pensamento de sistemas para a responsabilidade social.)
Hardy, C. (2004). Sincronicidade: interconexão através de uma dimensão semântica. Apresentação no 2º
Encontro Psi, abril de 2004, Curitiba, Brasil.
Hardy, C. ( 2015). DNA cósmico na origem: uma hiperdimensão antes do Big Bang. The Infinite Spiral Staircase
Theory . EUA: CreateSpace IPP.
Hawking, SW ( 1988). Uma Breve História do Tempo . Nova York: Bantam Books.
Hawking, SW (2003). " Cosmologia do Top Down". Documento dado na Davis Inflação Meeting, 2003.
http://arxiv.org/abs/astro-ph/0305562
Hawking, SW (2014). " Preservação da informação e previsão do tempo para furos negros". ArXiv: 1401.5761v1
[hep-th] 22 Jan 2014.
Jahn, RG e Dunne, B. M argens da Realidade: O Papel da Consciência no Mundo Físico. Princeton, NJ: ICRL Press,
2009.
Jung, CG (1960). Sincronicidade: um princípio de conexão acausal, nas obras coletadas de CG Jung: Vol. 8.(Série
Bollingen, XX), Princeton, NJ: Princeton University Press.
Jung, CG e Pauli, W. (1955). A Interpretação da Natureza e da Psique . NY: Livros do Panteão.
Kaku, M. ( 1994 ). Hyperspace: uma odisseia científica através de universos paralelos, Time Warps e a 10ª
Dimensão. Nova Iorque: Anchor.
Kaku, M. ( 2006 ). Mundos paralelos: uma jornada através da criação, dimensões superiores e o futuro do
cosmos . NY: Anchor.
Kauffman, S. (1995). Em casa no Universo: a busca das leis de auto-organização e complexidade . Oxford, NY:
Oxford University Press.
Kerr, RP ( 1963). " Campo gravitacional de uma massa de giro como um exemplo de métricas
algébricas especiais. " Physical Review Letters 11 (5): 237-238.
Koestler, A. (1989). O ato da criação . NYC: Penguin.
Kuhn, T. (1970). A estrutura das revoluções científicas . Chicago, Ill .: Univ. de Chicago.
Laszlo, E. ( 2004 ). Ciência e Campo Akashico: uma teoria integral de tudo . Rochester, Vt: tradições internas.
Nelson, RD, Bradish GJ, Dobyns YH, Dunne BJ e Jahn RG (1996). Anomalias FieldREG em situações grupais.Journal
of Scientific Exploration, 10 (1), 111  41.
Turfa, FD (1987). Sincronicidade: a ponte entre a matéria e a mente . Nova York: Bantam Books.
Penrose, R. ( 2010). Ciclos do tempo. Oxford, Reino Unido: Oxford Univ. Pressione.
Penrose, R. (2014). " Sobre a Gravitização da Mecânica Quântica 2: Cosmologia Cíclica Conformal".Fundamentos
da Física 44 (8) ( 873-890).
Plotino. (1992). The Enneads . LP Classic Reprint Series.
Poincaré, H. (1952). Ciência e Método . Nova York: Dover Publications.
Radin, D. e Nelson, R. (1989). "Evidências de anomalias relacionadas à consciência em sistemas físicos
aleatórios". Fundamentos da Física, 19, (12), 1499  514.
Radin, D. (2006). Minds Entangled . NY: Paraview Pocket Books.
Ramon, C. & Rauscher, EA (1980) "Transformações superluminais no complexo espaço de
Minkowski".Fundamentos da Física 10, (661-69).
Randall, L. (2012). Descoberta de Higgs: o poder do espaço vazio . Nova Iorque: Bodley / Random.
Randall, L. ( 2005). Passagens entortadas: Desvendando os Mistérios das Dimensões ocultas do Universo .Nova
York: HarperCollins.
Randall, L. e Sundrum, R. (1999). "Uma alternativa à compactificação." Physical Review Letters 83 (4690-93).
Sarfatti, J. (2006). Super Cosmos; Através de lutas para as estrelas. (Space-Time e Beyond III) . Bloomington, In .:
Author House.
Schlitz, MM (2006). "Um Estudo de Efeitos Experimentadores na Psi Research" . Shift. No. 9: 40-41.
Schwartz, S. ( 2007). Aberto no Infinito . Nemoseen Media.
Schwartz, S. e Dossey, L. (2010). "Efeitos de não-localização, intenção e observador em estudos de cura:
colocando uma fundação para o futuro". Explore 2010, vol 6 (pág. 295-307).
Sheldrake, R. (2009). Ressonância morfológica. A natureza da causação formativa. Rochester, Vt .: Park Street
Press.
Smolin, L. (1997). A vida do cosmos . Nova York: Oxford Univ. Press, 1997.
Smolin, L. (2006). O Problema com a Física . Boston, Sra. Houghton Mifflin Harcourt.
Stengers, I. (Ed.) (1987). D'une science à l'autre; Des concepts nomades , Paris: Seuil.
Susskind, L. (2003). "A Paisagem Antrópica da Teoria das Cordas". ArXiv: hep-th / 0302219
Swanson, C. (2003). O Universo Sincronizado . Tucson, AZ: Poseidia Press.
't Hooft, G. (2009). "Estados quânticos emaranhados em uma teoria determinista
local". ArXiv : 0908.3408 [quant-ph ].
Targ, R., Puthoff, H. & May, E. (1979). "Percepção direta de locais geográficos remotos". Em CT Tart et
al .(Eds.) Mind at Large. Nova York: Praeger, 78-106.
Tart, C. (1975). Estados da consciência . Nova York: Dutton.
Teodorani, M . (2010). Sincronicidade: Le rapport entre physique et psyché, de Pauli et Jung à Chopra .Cesena,
Italia: MacroEditions.
von Bertalanffy, L. (1968). Teoria geral do sistema . Nova York: G. Braziller.
von Lucadou, W. (1983). "Sobre as limitações de psi: uma abordagem teórica do sistema", em W. Roll, J. Beloff e
R. White (Eds.), Research In Parapsychology 82. Metuchen, NJ: Scarecrow Pr.
Wheeler, JA (1998). Geons, Black Holes e Quantum Foam: A Life in Physics . Nova Iorque: WW Norton & Co.
Wheeler, JA ( 1990). "Informação, física, quantum: a busca de links". Em W. Zurek, Complexidade, Entropia e
Física da Informação . Redwood City, Ca: Addison-Wesley.
Witten, E. (1981). "Procure uma teoria realista de Kaluza-Klein". Nuclear ¨Physics B 186 (3) (412-
28). Bibcode :1981NuPhB.186..412W . doi : 10.1016 / 0550-3213 (81) 90021-3

Wednesday, April 29, 2015

Scientific Articles & Download


Scientific Articles & Download
 My most important articles may be downloaded (in Word) from the
webpage http://hardy.christine.free.fr (see the list below)
 To download, first check the list of articles available for download (below). Go directly to the
page: http://hardy.christine.free.fr/page2PapDwl.htm
 In order to download, click on the column on the right (showing the weight of the file in K.)
 To come back to the Blog, use your browser’s arrow at the top.
Articles published in scientific refereed journals

8. 2005. Sens et réseaux (Meaning and Networks). Dans: AGIR, Revue de


Stratégie (Paris), N° 20-21 (pp 56-63). Thème : La société de l’information. (Janvier 2005).
Abstract en anglais.

7. 2004. Hardy, C. & Grès, S. (2004). Anticipation: Humans Versus


Machines. In INTERNATIONAL JOURNAL OF COMPUTING ANTICIPATORY
SYSTEMS (IJCAS) 2004.

6. 2003. Multilevel Webs Stretched across Time: Retroactive and Proactive Inter-
Influences. SYSTEMS RESEARCH AND BEHAVIORAL SCIENCE, vol 20, N° 2 (pp 201-215).
(Special Issue on: Systems Thinking for Social Responsibility.)

5. 2001: Self-organization, self-reference and inter-influences in Multilevel Webs: Beyond


causality and determinism. JOURNAL OF CYBERNETICS AND HUMAN KNOWING. Imprint
Academic, UK. Vol.8, no.3. (pp 35-59). July 2001.

4. 2000. Campos semánticos y psi: Sugerencias para un modelo teórico. REVISTA


ARGENTINA DE PSICOLOGIA. Publication en espagnol (Argentine) de: Hardy, C.
(1998) Semantic Fields and mental processes.

3. 2000: Psi as a multilevel process : Semantic Fields Theory. Published in JOURNAL OF


PARAPSYCHOLOGY. Vol. 64, March 2000 (pp. 73-94)
2. 1997: Semantic Fields and meaning: A bridge between mind and matter. WORLD
FUTURES, Newark: Gordon & Breach. Vol 48 (pp161-170)

1. 1996: Théorie des champs sémantiques: Dynamiques de l'interprétation et de la création


de sens. BIOMATH, Vol. 34, N° 135. Paris, 3ème semestre 1996.
To download: Click on the link: http://hardy.christine.free.fr/page2PapDwl.htm
Then click on the column at the far right (that of the weight of the file in k)
(Beware that the list below is just a jpeg photo, you cannot access the articles from it.)

Articles and Papers on the


Infinite Spiral Staircase Theory (ISST)
& Semantic Fields Theory

56. 2015. ISS Theory: Semantic and Self-Organizing Topological dynamics at the Universe’s
origin. Paper presented at the Space Technologies & Applications International Forum.
Albuquerque, NM, April 16-18, 2015.

55. 2013. The link psyche-matter, and synchronicity. Lecture at The Free University of Brussel
(ULB)– module C.G. Jung. March 19, 2013.

54. 2012. Pensée jungienne et énergie de la conscience. Congress: Quantum Therapy / forum.
Reims, France, Nov. 17-19.

53. 2012. The way opened by Jung: The double conjonction masculine-feminine and ego-
Self at the collective level. Lecture at The Free University of Brussel (ULB)– C.G. Jung module.
Oct 23, 2012.

52. 2012. La transformation des consciences : vers le champ sémantique


planétaire. Congress on C.G. Jung, Nice, Sept 15.

51. 2012. La prédiction de Jung: la métamorphose de la terre. Lecture at L’entrepôt, Paris,


March 15.

50. 2012. La prédiction de Jung : un saut quantique dans la conscience


collective. Conférence pour la sortie de l’ouvrage La prédiction de Jung.
http://www.youtube.com/watch?v=G2nHU7MGfe4
49. 2011. La portée révolutionnaire de la théorie de Jung en science - notamment sciences
cogni-tives, parapsychologie, imbrication esprit/matière. » Paper at Journée Jung, A-IMI
Paris, Oct. 29.

48. 2010. Vers une conscience collective harmonisée? Systèmes dynamiques complexes
liés à la cognition anomale. AFSCET, Paris, 8 mars 2010.

47. 2009. Le psi dans la théorie cognitive des champs sémantiques (TCS): L’esprit comme
réseau d’interconnexions non-locales. Conférence à l’IMI, Paris. 2 octobre 2009.

46. 2008. Formalizing rare complex dynamical systems linked to anomalous cognition with
Semantic Fields Theory's framework. Présentation à la Society for Chaos Theory in Psychology
and Life Sciences (SCTPLS), conférence annuelle, Richmond, VA, USA.

45. 2006. The dynamics of intuition viewed through a cognitive systems theory. Presentation
at Faculdades Integradas, biannual international conference. April 21-24, Curitiba, Brazil.

44. 2005. Meaning and Networks. Panel presentation: The Information Society - Strategic
stake. Organized and moderated by Carine Dartiguepeyrou and Michel Saloff-Coste, January 25,
2005, UNESCO Paris.

43. 2005. Network-strategies and Sci-Fi : Managing the interaction with exo-civilizations and
artificial intelligences. European Systems Science congress. Paris, 18-22 Septembre 2005.

42. 2005. Sens et réseaux (Meaning and Networks). In AGIR, Journal of STRATEGY (Revue
de Stratégie, Paris), N° 20-21 (pp 56-63). Theme : The Information Society. (January 2005).
Abstract in English.

41. 2004. Dynamique-réseau et nouveau mode de gouvernance. AFSCET Transdisciplinary


symposium. Andé 2004. Theme: Governance – individual & collective : systemic viewpoints.

40. 2004. Hardy, C. & Grès, S. (2004). Anticipation: Humans Versus


Machines. In INTERNATIONAL JOURNAL OF COMPUTING ANTICIPATORY
SYSTEMS (IJCAS) 2004.

39. 2004. Synchronicity: Interconnection Through A Semantic Dimension. Presentation at


Faculdades Integradas, biannual international conference. April 21-26, Curitiba, Brazil.
38. 2004: Tackling the mind-matter problem from a consciousness perspective. In Storm, L.
& Thalbourne, M. (Eds). NJ: McFarland.

37. 2003. Intuitive Dynamics and Chaos. Presentation at the Society for Chaos Theory in
Psychology and Life Sciences (SCTPLS), annual conf., Boston.

36. 2003. Hardy, C. & Grès, S. Anticipations : Human Versus Machines. Presentation at
CASYS 03 Conference (Computing Anticipatory Systems), Liège, Belgium, August 11-16, 2003
,

35. 2003: Complex Intuitive Dynamics in a Systemic Cognitive Framework. Paper presented
at the annual meeting of the International Society for the Systems Sciences (ISSS), Crete, 7/7-
11. Published in the CD-rom of the Proceedings of the 47th annual meeting of the International
Society for the Systems Sciences (ISSS).

34. 2003. Multilevel Webs Stretched across Time: Retroactive and Proactive Inter-
Influences. SYSTEMS RESEARCH AND BEHAVIORAL SCIENCE, vol 20, N° 2 (pp 201-215).
(Special Issue on: Systems Thinking for Social Responsibility.)

33. 2002. Multilevel Webs : Proactive influence on markets. In RES-SYSTEMICA, Vol.


2, Actes du V° Congrès Européen de Systémique, Octobre 2002, Crète. (Res-Systemica.org)

32. 2002. Multilevel Webs : Proactive influence on markets. 5th European systems science
congress. Heraklion, Crete, 10/16-19 2002. (Satellite conference on Systems Management.)

31. 2002: Logical Fields and the dynamics of change: From conflict to cooperation. China,
8/2-6. Published in the CD-rom of the Proceedings of the 46th annual meeting of the Intern. Soc.
for the Systems Sciences (ISSS).
30. 2002: Logical fields: The informing patterns of collective thinking. Sixth multi-conference
on Systemics, Cybernetics and Informatics (SCI), Orlando, Florida, USA. 7/14-18

29. 2001: Multilevel Webs stretched across time: Retroactive and proactive inter-
influences.Annual congress, OR 43: University of Bath, UK, 9/3-6.

28. 2001: Multilevel Webs as non-deterministic complex systems. Presentation at the Society
for Chaos Theory in Psychology and Life Sciences (SCTPLS) annual conf., Madison, WS. 8/3-6.
27. 2001: Self-organization, self-reference and inter-influences in Multilevel Webs: Beyond
causality and determinism. JOURNAL OF CYBERNETICS AND HUMAN KNOWING. UK:
Imprint Academic. Vol.8, no.3. (pp 35-59). July 2001.

26. 2000. Campos semánticos y psi: Sugerencias para un modelo teórico. Revista Argentina
de Psicología. Publication in Spanish (Argentina) of Hardy, C. (1998) Semantic Fields and
mental processes.

25. 2000: Self-organization, autopoiesis, and the breakdown of causality in complex


cognitive systems. World congress of the Systems Sciences & ISSS, Toronto, Canada, 7/16-22.
Published in the CD-rom of the Proceedings of the 44th annual meeting of the International
Society for the Systems Sciences (ISSS).

24. 2000: Psi as a multilevel process : Semantic Fields Theory. Published in JP, Journal of
Parapsychology. Vol. 64, March 2000 (pp. 73-94)

23. 2000: Two types of memory-as-process in a dynamical networks’ view of the


mind. Presentation at the SCTPLS annual conf., Philadelphia, NJ, 7/20-23.

22. 2000. Apprendre un art: un réseau multidimensionnel. In Revue Spectre, Paris. Traduction
Luc Fafournoux.

21. 1999: Semantic Fields and collective consciousness. Euro-PA


convention, Chartres, France, 10/1-3.

20. 1999: Psi as a multilevel process : Semantic fields theory. Presentation at the PA 42d
annual Convention, Standford Univ., CA, 8/4-8.

19. 1999: Mind as a lattice of dynamical networks. Presentation at the SCTPLS annual conf.,
Berkeley, CA, 7/22-27.

18. 1999: Complex semantic systems: Understanding mind-in-the-world. Paper presented at


the annual meeting of the Internarional Society for the Systems Sciences (ISSS), Asilomar, CA,
6/27-7/2. Published in the CD-rom of the Proceedings of the 43d annual meeting of the
International Society for the Systems Sciences (ISSS).

17. 1999: Acquiring an artistic skill: A multidimensional network. In Roy Ascott


(Ed.) Reframing Consciousness. Exeter, UK, and Portland, OR : Intellect. (pp248-252)
16. 1998: The Value of the Irrational, with Bill Sulis (McMasters Univ.), and Robin Robertson
(Psychological Perspectives). Panel at the SCTPLS annual conference at Boston, MA. 7/31-8/2.

15. 1998: Synchronicity: A transpersonal dynamical process. Presentation at the Society for
Chaos Theory in Psychology and Life Sciences (SCTPLS) annual conf., Boston, MA. 7/31-8/2.

14. 1998: Semantic Fields and mental processes. European Meeting of the Society for
Scientific Exploration (SSE), Valencia, Spain, 10/9-11.

13. 1998: Réseaux cognitifs: du cerveau à la terre. Presentation at the COB conference,
Consciousness of the Earth. Bruxelles, Belgium, 5/2-4.

12. 1998: Memory as a dynamical-network organization and process. Annual conf. of the
Italian Society for Chaos and Complexity (SICC). Rome Intern. Univ., Rome, Italy, 10/21-23.

11. 1998: Acquiring an artistic skill: A multidimensional network. Presentation at the CAiiA
conference, Consciousness Reframed II. Univ. of Wales, Newport, UK. 8/18-22.

10. 1997: Semantic Fields and meaning: A bridge between mind and matter. World Futures,
Newark: Gordon & Breach. Vol 48 (pp161-170)

9. 1997: Modeling transitions between states of consciousness: the concept of Nested


Chaos. Presentation at the Society for Chaos Theory in Psychology and Life Sciences (SCTPLS)
annual conference at Milwaukee, WS. 7/31-8/2.

8. 1996: Théorie des champs sémantiques: Dynamiques de l'interprétation et de la création


de sens. Biomath, Vol. 34, N° 135. 3d semester 1996.

7. 1995: Semantic Fields and meaning. Presentation at COB Coloquium: 'The cognitive
methodology of integrated science', Padua, Italy, 10/2-5.

6. 1994: Une théorie des champs sémantiques. Presentation, GREC-B seminar, Versailles,
France, 4/10.

5. 1994: Meaning as interface between mind and matter. Poster presentation, ‘Toward a
scientific basis for consciousness', Tucson I, Arizona, 4/12-17.
4. 1994: L'imbrication conscience/matière: l'événement comme constellation éco-
sémantique. Presentation, Lisbon convention, Portugal, 4/27-30.

3. 1994: Le regard crée du sens: les synergies sémantiques. (Semantic synergies). Le 3ème
Millénaire, N° 31, Mars 1994.

2. 1993: Les trames sémantiques (Semantic lattices). Presentation, Congress “Les niveaux de
communication”, Vichy, France, 9/10-12.

1. 1992: Meaning and PK. Presentation, Euro-PA convention, Melun, France, October.

http://cosmic-dna.blogspot.com.br/2016/09/nonlocal-consciousness-in-universe.html

Sunday, September 25, 2016

NONLOCAL CONSCIOUSNESS IN THE UNIVERSE: PANPSYCHISM, PSI, & MIND OVER


MATTER ALLOWED IN A HYPERDIMENSIONAL PHYSICS.

NONLOCAL CONSCIOUSNESS IN THE UNIVERSE: PANPSYCHISM, PSI, & MIND OVER MATTER ALLOWED IN A
HYPERDIMENSIONAL PHYSICS.
Chris H. Hardy, Ph.D., Eco-Mind Systems Science.
(Submitted to Journal of Nonlocality – 9/21/2016 – Special issue on “Psi and the Nonlocal Mind,” Ed: Ben
Goertzel, PhD.)
ABSTRACT
Five types of processes display a ‘beyond spacetime’ property—or nonlocality as evidenced in the
quantum entanglement—, including psi, proven to operate beyond-brain and beyond-spacetime. Together,
these five anomalies are not only at odds with Relativity but also with the indeterminacy of Quantum
Mechanics. However, in the same way as the four forces can only be unified via a hyperdimension, a
hyperdimension that includes a cosmic consciousness (together with hyperspace and hypertime) may give a
cogent foundation for all five nonlocal anomalies.
The Infinite-Spiral-Staircase Theory (ISST) posits such triune hyperdimension (HD) as all-encompassing in
the universe, preexisting to and pervading the spacetime region because it dwells at a sub-Planckian
scale—both at the origin and at any spacetime coordinates in all systems. ISST accommodates the double-
nature of consciousness, mostly nonlocal and operating through the hyperdimension, and partly embodied.
The HD of a system is its dynamical meaningful organizational layer, its semantic field (syg-field), more or
less evolved, from a proto-consciousness to a mind. The framework of ISST is panpsychist—with the
hyperdimensional sygons (syg energy) pervading any atom, cell, biosystem and mind—, and is thus based
on a deep, multilevel and distributed, mind-matter coupling. The sygons, pure semantic (syg) energy, create
instant nonlocal connections between resonant semantic fields, thus explaining telepathy and psi at large.
All semantic interconnections imply an inter-influence between syg-fields, the control variable of influence
being the intensity of syg energy. Once the syg-field of a system has been reorganized, the change takes
place within the matter- or bio- system.

Keywords: Consciousness in the universe; cosmology; sub-Planckian scale; nonlocality; psi;


hyperdimension; panpsychism.

INTRODUCTION
The materialist paradigm in science is checkmated by recent physics discoveries, such as ordinary
matter being only 5% of the total energy of the universe, mass being no more an intrinsic property. The
cutting edge and hard question in cosmology and physics is: What exists before the very Planck scale—the
first quantum—before particles (matter), space, and time are allowed, and thus causality? Physicists invoke
an information-field, yet it has to be dynamical, self-organized, immensely energetic, in order to launch the
birth of the universe. Altogether, five types of processes display a ‘beyond spacetime’ property
or nonlocality: (1) entanglement; (2) psi (proven to operate beyond-brain and beyond-spacetime); (3) the
sub-Planckian region at the origin and in general; (4) a beyond-spacetime non-material dark energy; (5)
faster-than-light speeds during the inflation phase.
Theodor Kaluza, in positing a 5th dimension, showed that only hyperdimensional (HD) models could
unify the four forces (Kaku 1994, Witten 1981, Brandenburg 2011); similarly, the Infinite-Spiral-Staircase
Theory (ISST)argues that only a HD can integrate consciousness in the universe in a way that may explain
the nonlocality of psi; it poses a hyperdimension of consciousness populated by faster-than-light, high-
energy, sub-Planckian sygons. This HD is in fact triune, a braid of hyperspace (Center, C), hypertime
(Rhythm, R) and consciousness (Syg, S). At the universe’s origin, it is topologically organized as a double
phi-based golden spiral—a Kerr-type BlackHole-WhiteHole system—each (sub-Planckian) ISS bearing a
near-infinite databank of frequencies on the logarithm of phi or Fibonacci sequence (Brandenburg & Hardy
2016). Within the terminal BH of the parent universe, all matter-systems were translated into pure CSR
information or semantic fields; and through the WH, the CSR fields are translated back from virtual sygons
into post-Planck particles and matter systems, still retaining the sygons as a 5thdimension at their core.
ISST builds on the Semantic Fields Theory (SFT) in modelling a level of semantic, proto-conscious layer of
organization in all systems—their semantic fields (syg-fields). As human beings, our mind or consciousness
is our global syg-field, the ensemble of all syg constellations (of our Mind-Psyche-Body system) organized
in dynamical networks and steered by syg energy (Hardy 1998, 2001, 2003). The ensemble of all semantic
fields of human beings form the collective unconscious, a nonlocal hyperdimension of consciousness at the
planetary scale. As the cosmos is a holographic system, the ensemble of all semantic fields of all systems in
the universe constitute the semantic hyperdimension as a gigantic hologram, self-conscious and evolving;
and this is why any mind/syg-field is in synergy with the whole and may have an input into the whole.

1. CONSCIOUSNESS STILL UNEXPLAINED BY PHYSICS, WHETHER VIA RELATIVITY OR QM


1.1. Consciousness is an essential dynamics in the universe
Let’s define consciousness as the interactive process of attributing meaning to our inner experiences
and our exchanges with others and the world, that allows us to interact meaningfully with our social and
physical environment; then any psychic process implies consciousness given that all emotions, thoughts,
goals, behaviors, and actions, are loaded with meaning. Without consciousness, we wouldn’t know we
exist, or that there’s a universe, therefore we have a cogent ground to state that consciousness is an
essential dynamics in the universe. Furthermore, in a General Systems Theory’ viewpoint, if consciousness
and intelligence exist at some point in the universe, then they are a potential reality all along. Now, self-
reflexive (self-referent) consciousness is the process of being aware of one’s own thoughts, emotions, and
behaviors, and to effect choices, act intentionally, and exert free will. In other words, consciousness
instantiates semantic processes, it is the process of creating meaning that allows us to live and think in a
meaningful world.
Now let’s define psi as nonlocal semantic connections (at a distance in both space and time), with other
minds or systems, that seem to contradict or violate Newtonian-Einsteinian physics laws (especially the
brain locality, the inverse square law, linear time, and the speed of light limit). Despite being anomalous or
rare psychic processes, The reality of the main psi phenomena (e.g. telepathy, remote-viewing,
precognition, and bio-psychokinesis or bio-PK), has been established by hundreds of controlled laboratory
experiments; theories about them abound, as well as applications by intelligence groups (Broderick &
Goertzel 2014, May et al, 2014), but one axiom shared by all researchers is that they are mental
phenomena—implying the mind and psyche, thus consciousness. It follows that whatever properties and
dynamics are experimentally evidenced regarding psi have to be taken as the properties and dynamics of
consciousness (even if rare ones). This is why psi processes have been a privileged object of study for
several physicists, because they seem to display the very behaviors posited for particles in quantum
mechanics (QM). In so doing, they are blatantly at odds with Relativity—the physics of spacetime—the
very reason why classical physicists tended to reject psi as ‘impossible.’ The excitement over these
relativistic spacetime anomalies and similarities with QM was such that it has hardly been noticed that psi
was also at odds with the purely indeterministic axiom of QM in its Copenhagen interpretation.
1.2. Psi capacities at odds with classical physics (Relativity)
For a number of physicists and psi researchers psi phenomena present several aspects that contravene
Einsteinian Relativity physics but mimic Quantum Mechanics (QM) behaviors—such as nonlocality and
entanglement, the observer/experimenter effect, retrocausality—and yet psi phenomena are definitely
mental processes, i.e. implying consciousness. In this perspective, Josephson and Pallikari-Viras (1991)
argue that the nonlocal interconnectedness instantiated between paired particles in entanglement
experiments (of the EPR type) is the basis of psi phenomena. Also, several QM physicists—such as
Heisenberg, Planck, Wigner, von Neumann, Stapp, Walker, Sarfatti—have implied the observer, and thus
consciousness, in the collapse of the wavefunction (Hardy 2015, chap. 6). A position that is well resumed
by John Wheeler’s 1977 formula “Mind and universe are complementary” and expounded in Robert Jahn’s
and Brenda Dunne’s Margins of Reality.
* Experiments have established that the psyche can influence biosystems and skew random events
through intention
- Bio-PK (bio-psychokinesis) refers to the possible influence of mind over biological systems. More than
150 bio-PK experiments on biological systems (most of which were immune to suggestion or the placebo
effect, such as bacteria or tissues in Petri dishes, blood samples, electric fishes, mice and the likes) were
conducted in laboratories (many using double blind protocols) and were successful enough to ascertain
this capacity (Schwartz & Dossey 2010).
- In micro-PK experiments, subjects are asked to influence the behavior of a random system to meet a
specific aim (chosen randomly). The positive results have demonstrated that the mind can have an
influence on random processes.
- The fact that our psyches, when strongly perturbed by shocking world-wide events, can have an
unconscious influence on random-events-generators (REGs)—and thus modify the distribution of
randomness in field settings—has been demonstrated over two decades via the Global Consciousness
Project, a worldwide experiment set by Roger Nelson (Nelson et al, 1996; Radin & Nelson 1989). This, for
some researchers such as Roger Nelson, Dean Radin, Stephan Schwartz, and myself, reveals that the
psyches of all human beings are not only communicating nonlocally but interwoven in what Carl Jung has
termed the collective unconscious. (Radin 2006, Schwartz 2007). In a recent 2012 experiment using an
optical double-slit protocol geared at studying patterns of interferences—originally developed by Thomas
Young in his famous 1803 experiment—Dean Radin showed, with an outstanding probability (of p=6·10 -
6, over 250 trials) that consciousness had indeed an influence on the collapse of the quantum

wavefunction. The authors (Radin et al, 2012) conclude by a reference to panpsychism that could explain
their results “if some aspect of consciousness is a primordial, self-aware feature of the fabric of reality, and
that property is modulated by us through capacities we know as attention and intention (…).”
In brief, bio-PK, by itself alone, demonstrates that consciousness is able to perform a work—which is
the precise definition of an ‘energy’ in physics. My theoretical stand (in both SFT and ISST) is to postulate
that consciousness is an energy, and to use the term syg energy to refer to consciousness-as-energy—the
very energy of the HD, i.e. the sygons.
1.3. Psi capacities at odds with Quantum Mechanics
* Conative processes (intention, will) and psychosocial factors steer psi results
Experiments showed that directed intention can have an influence on biosystems (the targets being
immune to suggestion renders an explanation by the placebo effect irrelevant), as well as on random
processes. Other experiments have demonstrated that psychosocial factors influence the results (such as
openness, beliefs, expectations, self-confidence, positive thinking, meditation, creativity). The fact that
conative and psychosocial factors can influence matter systems and biosystems is conflicting with the
postulated indeterminacy of quantum events in the Copenhagen QM—even if some other quantum
processes such as coherence, entanglement (interconnectedness at a distance), the observer effect, and
retrocausality are found in both QM and in Psi.
1.4. Consciousness is nonlocal: beyond the brain and beyond spacetime
Psi exhibits nonlocality in two ways: beyond the brain and beyond spacetime. It thus broadens the strict
definition of nonlocality in physics.
* Beyond the brain
The ‘receptive psi’ is defined as a reception of information at a distance in space (remote viewing,
telepathy) without any causal or perceptive mechanism; or from a distant time in the future (precognition)
or in the past (retrocognition). Thus psi (and therefore consciousness) is radically different from the local
functioning of the brain and perception, and can operate independently from it—as seen in the anomalous
cognition shown by clinically brain-dead patients. Furthermore, for a person, psi information can be
received or be expressed through a variety of channels in the mind-body-psyche system: anomalous vision,
audition or touch sensation, interoceptive perception, empathy at a distance, unconscious expression,
body movements, anomalous visual, verbal or written reception, altered states and meditative states, etc.
Therefore psi processes are much more labile and flexible than just a wired capacity in the brain. This, in
my view, shows that the way psi operates is beyond language and implies a fundamental level of
organization within biosystems (Hardy 1998, 2000; Tart 1969). This is in accord with Josephson and
Pallikari-Viras (1991) predicating that biosystems develop their own (first-person) self-meaningful links and
exchanges that bypass the (third-person) dynamics studied in physics and are able to skew probabilities.
Furthermore, such a basic type of meaningful exchange between biosystems supports the concept of a
proto-consciousness in all living beings (at the very least), even those who do not have brains (Chalmers
1996).
* Beyond spacetime
- Some systematic neuronal activity has been evidenced by B. Libet just before a perception becomes
conscious—about 300 millisecond before (Libet et al, 1979). Using Libet protocol and in the context of psi
experiments, this capacity of presentiment has been corroborated, notably by Radin (2006), and Bem
(2011).
- Psi is not bound by the inverse square law of electromagnetism, since there’s no decrease of its effect
at enormous distances, as shown by the successful Earth-Moon psi experiment that Edgar Mitchell
performed during the Apollo 14 mission (Mishlove 1997, Mitchell 1996). In many experiments on bio-PK,
the distance to the targets was accrued without any decrease of the psi results. Furthermore, psi
functioning is unconstrained by the EM spectrum waves: it operates inside Faraday cages and at a great
submarine depth (Targ, Puthoff & May 1979, Mishlove 1997, Schwartz 2007).
Of course this doesn’t mean that psi operates only and necessarily in these nonlocal modes given that
many processes involve a conventional interaction with space and/or time, but it underlines that psi is
neither bound nor constrained by spacetime laws. Based on these premises, ISST postulates that the
processes of consciousness (to which psi belongs) instantiate a different, more global, layer of reality—an
extra or meta dimension, distinct from spacetime, which is best modeled, in physics, as a hyperdimension.
I.5. Consciousness and psyche as nonlocal, trans-spatial and trans-temporal
 Carl Jung (1960) defined synchronicities (including psi phenomena), as meaningful
coincidences between a mind and an event distant in space or time. He stated that these
processes were ‘acausal,’ revealing another set of laws than spacetime causality, and were
grounded in an underlying fabric of the universe that, with physicist Wolfgang Pauli, he
termed deep reality, and defined as a layer in which psyche and matter were fusioned.

 Several scientists have postulated that the psyche (or consciousness) is, in the words of
Carl Jung, “trans-spatial and trans-temporal” or, in the current terminology, nonlocal (Jung, 1960).
Among them, physicists H. Walker, B. Josephson, F. Pallikari, O. Costa de Beauregard; scientists
S. Schwartz, L. Dossey, C. Hardy. And also that the psyche was transpersonal (C. Jung, C. Tart,
S. Krippner), and/or operating between biosystems via meaningful relationships (R. Sheldrake
2009, C. Tart 1975), or via a collective psyche (R. Nelson, D. Radin).
 Several scientists have argued, following Jung and Pauli, that the psyche could
instantiate synchronicities, that is, meaningful correlations and coincidences at a distance in space
or time (Jung & Pauli, 1955), such as physicists D. Peat (1987), J. Sarfatti (2006), M. Teodorani
(2010); and systems and chaos theorists A. L. Combs and M. Holland (1995), F. Abraham
(Abraham et al, 1990), C. Hardy (2004).

 Many scientists have shown experimentally that psi can be steered by meaning and
intention, among them W. Braud, M. Schlitz, H. Schmidt, C. Honorton, R. Berger.

 Yet psi information can also be received unconsciously (C. Tart, R. Targ, H. Puthoff, M.
Varvoglis), as evidenced by physiological responses in DMILs experiments (Direct Mental
Interaction with Living Systems) by W. Braud, M. Schlitz, D. Delanoy, B. Morris.
 Other scientists view psi as an EPR-type of entanglement, (the Einstein-Podolski-Rosen
thought experiment), a nonlocal exchange of information not mediated by relativistic spacetime;
these include systems scientist W. von Lucadou, psi researchers D. Radin, B. Dunne, and
physicists D. Bohm, R. Jahn, B. Josephson, H. Walker, and M. Teodorani.
 Physicist David Bohm (1986) extended his implicate order concept of an underlying field of
interconnectedness, to state that it supersedes distinctions between mental and physical events,
between self and not-self. Bohm thus explicitly allowed for nonlocal or transpersonal exchanges,
such as psi phenomena, viewing these as natural expressions of the underlying
interconnectedness: “The main unusual feature of parapsychological phenomena is that they
generally involve what may be called a nonlocal connection between the consciousness of a
person who is in one place and an object, event or person in some distant place.”

2. ACTUAL THEORIES AND OPEN QUESTIONS IN COSMOLOGY


The Theories of Everything (TOEs) and most cosmological theories model solely a matter universe, in
which reigns either causality in curved spacetime—via General Relativity (GR) & gravity, or randomness &
indeterminacy at the quantum scale—via Quantum Mechanics (QM).
2.1. Actual theories
* Relativity framework: in the leading inflation theory (Alan Guth, 1980, 1997), during the inflation
phase (or Big Bang), happening at 10-36 second of the universe, the primeval universe increased its
size 1050 times, and the process happened at million times the speed of light, during a supercooled
phase—according to its inventor, Alan Guth. Let’s note that the discovery of gravitational waves
issued from the merging of two Black Holes by the LIGO (Laser Interferometer Gravitational-wave
Observatory) team on February 11, 2016, has corroborated the inflation phase and thus Inflation
Theory. In the pre-inflation phase (pre-Big Bang), the universe is a White Hole consisting of a
Singularity + an event horizon; spacetime is highly warped and all matter is crushed by gravity
(according to the Black holes’ Theorems of Singularity by Stephen Hawking & Roger Penrose,
1970).
* QM (random) framework: in the trendy ‘multiverse’ framework (L. Susskind, 2003), there is 1 chance
over 10500 for us humans to inhabit our actual universe bearing galaxies, solar systems and at least one
intelligent civilization we know of—ours. Most of these universes (or vacua) would not lead to galaxies,
even less so to life & minds, given there are about 20 extremely fine-tuned constants that allow our
universe to be thus.) Explanation: We just happened to hit the jackpot, since we are here and can do
science!
* GR + QM: ‘Chaotic inflation model of the multiverse’ (Andrei Linde, 1981,1994). What can allow a
1050ratio
of inflation? Numerous inflationary bubbles in spacetime, leading to loads of universes, through
symmetry breaking.
Is there something lacking in the main models? Yes: consciousness!

* Positing a suite of universes (or universe bubbles, UB)


- Budding universes, from Black Holes of previous universes (Jack Sarfatti, Smolin)
- Fecund Universes Theory (Lee Smolin, 1997). Massive black holes (from dead stars) are the seed of
budding universes, retaining parameters from their parent universes.
- Conformal Cyclic Cosmology (CCC) (Roger Penrose, 2010). A suite of universes, or aeons, in which
entropy is reset to zero at each beginning.
* Participatory universe (John Wheeler 1998, Jack Sarfatti 2006): A field of information pervades the
universe at the quantum vacuum scale, implying a “back-action” and two-way exchange of information
with the evolving universe.
* Suite of universes + participatory. Infinite Spiral Staircase Theory (ISST) (Chris Hardy, 2015). A Golden
spiral at the origin, setting a near infinite suite of frequencies (on the Fibonacci sequence), bearing the
information of all systems that were optimized in previous universes (as Cosmic DNA).
2.2. Open questions in cosmology
* At the very origin: spacetime and matter don’t exist yet
At Planck scale (at a split fraction of the first second of the universe), the universe reaches the scale of
the first quantum; particles (thus matter) are now allowed. At Planck time: 10-43 second, the universe’s
radius is Planck length: 1.616 x 10-33 centimeters. So… What is there before Planck scale? There are neither
particles (matter), nor space, nor time, therefore no material causality; and of the 4 forces, only gravity
exists (no EM force, no weak or strong forces yet). Several physicists propose an ‘active information’ or an
‘information field’ (David Bohm, Jack Sarfatti, John Wheeler).
* The Enigma of dark energy
In 1998, we discovered the acceleration of the expansion of the universe, and thus the existence of dark
energy and dark matter. Ordinary matter (particles, stars, nebulae) makes up only about 5% the
universe ‘s total energy (PLANCK probe, 2015*). Dark energy accounts for 69%; it is a negative energy
(repulsive radiation pressure), that counteracts exactly the positive and attractive energy of gravity. As for
dark matter, a positive energy, it accounts for 26% of the total energy. The nature of both dark energy and
dark matter are unknown. Thus: 95% of the energy of the universe is a total mystery… actual physics deals
only with 5% of the universe reality.
* Mass is no longer an essential property of atoms
On July 4, 2012, the detection of the Higgs boson (by the Large Hadron Collider, LHC, at CERN in Geneva)
proved that mass is acquired—via the interaction of the virtual particles with the Higgs field, when the
universe is already 10-10 second old (an immense time after Planck scale!).
In brief, the materialist paradigm is running out of matter! It accounts for only 5% of the reality of the
universe! In order to model the complex dynamics of consciousness and mind-matter interactions, physics
has to develop a novel logic and a new paradigm—the materialist paradigm in science being now
inadequate and incurably limited (Carr, 2010).

3. FIVE ANOMALIES DISPLAY NONLOCALITY AS A ‘BEYOND SPACETIME’ PROCESS AND POINT TO A


HYPERDIMENSION
3.1. Five groups of nonlocal anomalies (regarding General Relativity) point to ‘beyond
spacetime’ processes, that is, a hyperdimension.
(1) Nonlocality has been established via the entanglement experiments, whose protocol (Bells’ theorem)
has been devised by John Bell, based on the famous Einstein-Podolsky-Rosen, or EPR, thought experiment.
Nonlocality is thus defined as an exchange of information or a correlation between distant paired particles
that cannot imply a signal transmission through linear space. Since space is indissolubly enmeshed with
time in thespacetime of Relativity, the entanglement thus reveals a ‘beyond spacetime’ process. Thus,
while the paired particles (photons or electrons) are themselves existing in spacetime, their entanglement
instantiates nonlocality.
(2) The second regroups psi phenomena, evidenced as nonlocal processes by numerous experiments (as
we have seen).
(3) The third is the nonlocality of the sub-Planckian scale—that is, below Planck scale, the emergence of
the first quantum at 10-43 second of the universe, when the universe’s size is Planck length (1.616 X 10-
33centimeter). It’s only starting at this Planck scale and above it that the first particles, space and time (and
thus matter) are allowed to exist, and consequently causality. This sub-Planckian scale happens (a) at the
origin of the universe before the Planck time and Planck length, but moreover, (b) any point in spacetime
coordinates may open on a sub-Planckian scale, and it does if the 5th dimension exists, as posited by Kaluza
and Klein.
(4) The fourth anomaly is the existence of dark energy, about 69% of the total energy of the universe,
and of which we know only that it is not ordinary matter or particles; some physicists view it (and it’s the
most plausible interpretation) as ‘quintessence,’ an unknown type of energy made of tachyonic (faster-
than-light—FTL) virtual particles.
(5) The fifth anomaly resides in the inflation phase of the universe (at 10-36 second, just above Planck
scale) that reached million of times C.
Since the speed of light’s limit C is an absolute constraint of spacetime, any clear contravention to this
law, as well as of the other main laws of spacetime and the electromagnetic force, reveals a ‘beyond
spacetime’ region—such region, in cosmology, having to be modeled as a hyperdimension (HD). Moreover,
when taken together, the five groups of anomalies show us that such HD must also accommodate
meaningful (semantic) psi interconnectedness and mind-over-matter influences.
3.2. Why a pervading hyperdimension of consciousness?
 Extra dimensions are necessary to integrate Relativity & QM. The only mathematical
solution in order to unify Relativity & QM and the four forces is to add extra dimensions. Hence
super-string models with 9, 10, or 11 dimensions in standard M-theory (of which 4 dimensions are
the classical 3D of space + 1D of time of spacetime). In 1919, Kaluza posited a 5th dimension—
precisely a 4th dimension of space—that can be modelled as a hypercube or tesseract (as in
Christopher Nolan’s 2014 film Interstellar). This solution was so successful that it produced
Maxwell’s EM field equations and Einstein’s field equations for gravity (and additionally a scalar
field). While adding extra dimensions looks like a mathematical trick only, these happen to be a
physics necessity as well. For example, hypertime has been demonstrated during the inflation
phase (the Big Bang) when, at 10-36 second, the universe bloated to 1050 times its size in a split
instant. The pioneers of the inflation theory—Alan Guth and Andrei Linde—calculated that this
process happened at million times the speed of light C (Guth 1997, Linde 1994).
 Consciousness adds dimensions (degrees of freedom) to the universe. No physics process
has been able to model or even describe consciousness-in-process or the psychological ‘qualia’
(the 1st person subjective experience), because, as Roger Penrose has argued, mind is non-
algorithmic and, as David Chalmers (1996) has clarified it, physics is a definite 3d person
perspective, unable to tackle the 1st person one. However Hameroff and Penrose (1996) have
proposed, in their Orch-OR model (Orchestrated Objective Reduction) a self-collapse of brain
wavefunctions that would trigger “a discrete conscious event” or moment of awareness,
associated with a bioquantum computing instantiated within the microtubules.
The reason for this is that consciousness adds degrees of freedom to the physical universe and
even to quantum fields. Operating beyond spacetime & QM, consciousness has to be modeled as
one or more extra dimensions—in ISST, it is the syg-hyperdimension (enmeshed with hypertime
and hyperspace, Hardy 2015). Furthermore, the nonlocality of psi shows that consciousness is
part of the hyperdimension.

4. ISS THEORY: A SYNERGIC, CONSCIOUSNESS-LADEN AND PARTICIPATORY UNIVERSE


4.1. Semantic Fields Theory (SFT): Syg fields are complex dynamical systems
 Semantic (syg) fields are complex dynamical systems, self-organizing and co-evolving via
the energy of consciousness—the syg energy (Faster Than Light sygons) of the cosmic HD
(Hardy 1998, 2015). They are complex multilevel networks operating through a nonlocal
connective dynamics steered by meaning and syg energy.
 ISST explains the double-nature of consciousness: embodied yet nonlocal. The CSR-HD is
all-encompassing, existing at a sub-Planckian scale both at the origin and at any spacetime
coordinates, in all systems. The hyperdimension of a system is its dynamical meaningful
organizational layer, its semantic (syg) field, more or less evolved, from a proto-consciousness to
a mind (Hardy 1998, 2003).
 The framework of ISST+SFT is panpsychist, with the energy of consciousness (syg energy,
HD sygons) pervading each atom, cell and body, thus based on a deep, multilevel and distributed,
mind-matter coupling.
 The hyperdimensional sygons, pure syg energy, create instant nonlocal connections
between resonant semantic fields—thus explaining telepathy, synchronicities (Hardy 2011). All
resonant and (semantically) proximate syg-fields are interconnected and in synergy, and these
links always imply an inter-influence between them, the control variable of influence being the
intensity of the syg energy of each system. Once the syg-field of a system has been reorganized
(for example with positive thinking or a healing technique), the change starts to take place within
the matter- or bio- system.
 ISST expresses a systemic, holographic, universe, infused with a self-organizing, collective
consciousness—the cosmic syg-HD—, and allowing creativity and change; it posits a participatory
universe, with two-way ego-Self communication, and synergy between any syg-field (e.g.
intelligent being) and the syg-HD (Hardy 2015b).
 The evolved semantic fields of human beings, trees or sacred places, all operate creatively
using syg energy from the alive, conscious and creative sygons-fields pervading the universe.
4.2. The hyperdimension as hyperspace, hypertime and collective consciousness
The ISS spiral is a golden spiral based on the Phi ratio, φ = 1.6180 (extremely similar to Planck length =
1.616 x 10-33 cm). The Fibonacci sequence embeds the logarithm of Phi and is an infinite suite. Starting by
number 1, add this number to itself 1+1=2, then calculate the sum of the last number found and of the
preceding one. You will get: 1, 1, 2, 3, 5, 8, 13, … The unexplainable mathematics is that if you take any
number of the sequence and divide it by the one preceding it, you will approach the Phi (φ) ratio 1.6180.

Figure 1. Golden spiral embedded within golden rectangles.


What it all means is that the primeval ISS, as a golden spiral, is not a progressive, arithmetical,
augmentation of the radius from its center, but that it grows by the increment of a quarter of a circle,
whose radius, divided by the radius of the previous quarter of circle, gives no less than the Phi ratio. In
brief: the primeval ISS is a discrete suite of quarters of circles, called bows. The bows are virtual strings,
each vibrating at a specific frequency (the shorter the radius, the higher the frequency); each larger radius
is thus a multiple of phi.
The properties of the field of information that we can deduce from a dynamic self-actualizing golden
spiral are remarkable (Hardy 2015, 2015a).

 Discrete nature. Each bow-frequency being distinct and ejecting its own sygon particle, the ISS is a
sequence of virtual particles with discrete frequencies—a property that will fit seamlessly into the
quantum region of discrete particles at post-Planck scale. (Brandenburg & Hardy 2016).

 We thus have a field of notes, spread in quasi space, forming a hyperspace called Center. This
hyperspace is time-like (it is a quasi-line, the long outside spiral linking the bows), and thus fits what has
been modeled in the ‘Elsewhere’ region of Minkowski’s light cone.

 Similarly, in the ISS spiral, Hypertime (Rhythm) is set by the frequency pulses of each quarter of
circle and thus by each turn of the spiral; so that the hypertime is spread in virtual space—it has a space-
like time (a time-field), as predicted in the ‘Elsewhere.’

 Information field (semantic or syg field). Frequencies and wave interferences are the stuff of all
string and superstring theories (such as M-Theory), as well as of Bohm’s active information in his Pilot
Wave model (as Quantum Potential), and also of Karl Pribram’s frequency-domain in his holographic
model; it is also, in Ervin Laszlo’s A-field theory, an “in-forming” wave, and in ISST the sygons are indeed in-
forming waves. A quasi-infinite suite of frequencies amounts to a quasi-infinite data-bank: anything can be
coded in network of frequencies. Thus the ISS at the origin, and the sygon waves it ejected (thus forming
the HD bulk ahead of spacetime), instantiate a dynamic information field, a complex cosmic syg field. With
dynamical networks constituting a field of information, we are not in a code or a program: the HD
frequencies are the real stuff itself, the flesh of the collective consciousness (whose language is music!)
within the CSR hyperdimension. Similarly, for us humans, the whole essence of our being is our semantic
field (syg field)—a self-organizing and self-conscious dynamical network (Hardy 1998, 2001) that, as ISST
posits it, is constituted of tachyonic sygons and forms the hyperdimension of our being—our Self. Then the
cosmic syg-field is the hyperdimension of all beings, the collective and co-creative consciousness of all the
Selfs.
Thus cosmic consciousness, as a CSR hyperdimension (both at the origin and as a bulk surrounding the
Quantum-Spacetime region or QST) is, paradoxically, an all-time collective consciousness (an arch-anima)
that contains, or in which dwell, the hyperdimensional syg-fields of all beings and systems. It is the Anima
Mundi (the world soul) of the alchemists, The One as cosmic psyche of the Greek philosophers and
hermetists, the brahmanand Tao (cosmic consciousness) of the eastern philosophies.

5. A TWO-LAYER COSMOS—HYPERDIMENSION AND SPACETIME—STEERING NONLOCAL MIND-MIND


INTERACTION
ISST thus posits a two-layer cosmos, with a Center-Syg-Rhythm (CSR) hyperdimension superposed to (in
fact surrounding and pervading) the quantum-spacetime (QST) region. Given that any point in spacetime
opens on the HD below Planck scale, the HD exists both as ‘compact’ (sub-Planckian) and as an extended
‘bulk,’ the superposed layer (as in the Randall-Sundrum 1999 model). As we saw, all systems at all scales
have, similarly, a hyperdimensional region (their syg-field) superposed to their particle/body. The syg-field
manages all the information about this system (in numerous syg constellations), and is constantly
reactualized and updated with the system’s real existential evolution. It works as a hologram, because a
quasi-replica of our cosmic ISS exists at the core of each particle and matter system, but in the ‘individual
ISS’ the complex syg-field of this individual entity is in an excited state. This is how all individual ISSs remain
in resonance and in sync with the cosmic Infinite Spiral Staircase. The print of any system’s evolution in
both the cosmic and the individual ISSs comprises also its past history and its ‘memory’ (as goes the
concept of Akashic records or Rupert Sheldrake’s morphic fields); but its past history is only a tiny fraction
of the system’s syg-field.
Thus, with a Spiral Staircase at its Self/Center, each particle/system has, at its core, an opening on the
infinite and the whole. More precisely, each system, be it a particle or a mind, is branched on the CSR
hyperdimension—that is, each system has the best part of its reality existing in its superposed syg-field
beyond time and space. And this CSR hyperdimension allows any nonlocal contact and communication
with sympathic and resonant minds and systems. ISST thus postulates that the exchanges of information
and interactions at a distance that we call psi are mediated by the hyperdimension and the FTL sygons, and
are instantiated by the HD Self of a human being—his/her syg-field and its personalized network of
connections.
The cosmic CSR HD acts as a collective consciousness field. Any particle, any system, any mind, any
semantic field is open on, and breathing in and out, this cosmic field of pure creative semantic energy.
Thus, each wave-particle system, while in its CSR-focus state, vibrates and communicates with this ocean
of information in the CSR HD—however, only on the specific channels or frequencies that are sympathic or
resonant with their own networks. We cannot not see the congruence with David Bohm’s Pilot Wave
theory: in his revised Schrödinger equation, it is the wavefunction of the universe that plays the role of the
pilot wave guiding the state of the quantum system. When applied to specific systems, it is the
wavefunction of this system that is used instead in order to solve the equation. But let’s remember that
Bohm’s pilot waves introduce a deterministic outcome, while in ISST, we have an interplay—a two-way
communication—between on the one hand the cosmic hyperdimension, and on the other hand the
individualized minds/syg-fields and the forces in spacetime (such as EM fields).
Now, how does this work? How can we fit in and model our own freedom and creativity? Here is the gist:
Imagine that we have in us, in our Self hyperdimension, a tiny hologram of the cosmic ISS (as cosmic DNA)
with our own being and life experiences imprinted on it as activated notes and networks of links. The bow-
tones are the notes (activated or not) and the sygons (as tiny as the bows) are the torsion waves sent to
meet and interact with other syg fields in the hyperdimension bulk. The sygons are the messengers waves
and diplomats of all beings and systems. But unlike Bohm’s pilot waves, they are not pre-determined
messages, geared to perform only a pre-programmed task. To the opposite, the sygons are searching to
build meaningful connections and a network of inter-influence, and they work freely as networking agents
and bring back to the being’s unconscious Self new ideas and contacts, as well as psi information. The HD
sygons, being immensely faster than light, can access any information at a distance in space and time.
Steered by the HD Self of a person, they are the perfect dynamical and self-conscious agents for all psi
processes.

6. EXPERIMENTER EFFECT AND BIO-PK AS A NONLOCAL INTER-INFLUENCE MEDIATED BY HD SYGONS AND


SYG-FIELDS
6.1. The two-focus wave-particle systems
 Since the CSR hyperdimension is a superposed layer of any particle or system, ISST postulates
that the wave-particle has two possible ‘focus-states.’ Either it is in Center-Syg-Rhythm focus (wave,
frequency domain) or in Quantum-Spacetime focus (particle in spacetime). (This is another way to view the
two-states wavefunction.) So that, according to its frequency, any particle shifts its focus numerous times
per second.

 When CSR-focused, the wave-particle breathes in all the links with surrounding syg-fields and
with spatially distant systems connected via meaningful links (i.e. via semantic proximity as an index of the
strength of previously-built links). Thus, it is interconnected qualitatively with the syg hyperdimension and,
the higher itssemantic intensity (syg intensity), the stronger its influence on linked systems.

 When QST-focused, the particle bathes in the fields of interactions of matter and energy particles
(EM fields, strong or weak forces, etc.). It is then subjected to causal and in-forming matter forces.
However, the modification of all matter fields can be achieved by minds/syg-fields via the CSR HD, if their
syg-intensity overrides the force of the matter organization, such as in the experimenter effect or bio-PK.
6.2. The two-focus wave-particle and the experimenter effect
This has a bearing on the observer or experimenter effect in experiments, such as in automated and
controlled psi experiments—in which the experimenter effect has been well studied and evidenced
(Schlitz 2006; Schwartz & Dossey 2010). Let’s take, as a thought experiment, experimenters elaborating on
Thomas Young’s double-slit protocol (that evidenced the interference patterns and thus the wave nature
of light back in 1803) and using a photon beam.
We saw that when in CSR-focus, the wave-particles connect and blend with sympathic and linked syg-fields
(via semantic proximity). At this point, the syg-fields of the experimental wave-particles (of the photon
beam) are interconnected with the syg-fields of the experimenters, whose minds and attention are on the
experimental design and notably the photon beam they have decided to use.
The past and present intention and attention of the experimenters create (1) strong semantic
proximity with their experimental objects (the particles’ beam and all the machines used) and with their psi
subjects (in the context of a psi test); and (2) a high intensity of their own syg energy—since they are
deeply involved, and pursuing an innovative and highly meaningful endeavor (emotion and
innovation/creativity being key parameters in syg-intensity, Hardy 1998).
ISST then postulates that the wave-particles, through their nonlocal CSR hyperdimension, sense and
know the intentions and expectations of the observers/experimenters, because their syg-fields are
entangled with those of the experimenters and subjects, and also entangled with the syg-fields of the
experimental apparatus. Therefore, when in CSR-focus, the particles are sensitive to the experimenters’
attention to one or the other of their focuses (either wave or particle), and this will give more weight to the
most resonant set of states. But we may look at it the other way around: The syg-fields (CSR HD) of the
experimenters are containing the experimental design, their own goals and expectations, and the
apparatus used; and the quantum system’s syg-field will yield to a more intense and stronger syg energy
system and therefore to its intention and expectations.
Hence the experimenter effect. The dynamics of a strong syg-field imposing its intention and expectations
on a lower-energy syg-field will also be exemplified in bio-PK and healing. A psychic healer will be able to
impose a healthier organization on a sick organ or organism (whose syg-field is weakened). The so-called
‘conformance behavior’ displayed by patients subjected to their physician’s suggestion while receiving a
placebo, in my view, is just the result of a stronger syg energy: that of the physician’s psyche/syg-field,
endowed with a thrust toward a given outcome, imposing its expectations and intention on the lower syg
energy system (the patient’s psyche/syg-field).
In some cases, the experimenter may not have strong expectations but just a neutral attitude; then the
system with a lower syg energy will react to the attention (as syg intensity) set on either their CSR-focus or
their QST focus and behave accordingly. Therefore the particles’ behavior in a complex double-slit setting
would reveal the web of interacting syg-fields (of experimenters and of the wave-particle systems) and
would espouse those carrying the prominent syg-intensity.
6.3. Law of syg-influence on matter systems
In ISST, a system’s wavefunction is (in its CSR-focus) in conversation and inter-influence with linked and
coupled/entangled syg-fields. The intensity of syg energy will be the control variable, the higher the
intensity, the stronger the influence; in other words, the highest syg energy configuration will impose its
ordering dynamics. However, for this syg-influence on matter to work, there needs to be a deep resonance
and sympathy, an harmonizing of the two systems’ frequency domain, let’s call it a ‘synchrony’ realized
via the hypertime/Rhythm.
This network of connections in CSR-focus state is of course of a hyperdimensional and nonlocal type.
Hence the experimenter effect, as an informing of quantum-spacetime (QST) events by the semantic fields
of the experimenters and their syg energy reaching out for specific objectives. And that’s where the
intensity of syg energy comes into play, and the law of syg-influence on matter systems’ organization:
Whenever two systems are in strong semantic proximity (or meaningful interconnection/ entanglement),
the higher the syg intensity difference, and the stronger the high-intensity system will impose its semantic
organization (intention, goal, etc.) on the low-intensity one, this whatever the matter-complexity of the
system involved.
Thus, the blending of Semantic Fields Theory (SFT) and ISST brings us to postulate that the ocean of
information and energy of the ISS at the origin—that flows into the vacuum and the ZPF field as an
enormous radiation pressure—is not just an unknowable one-substance, one-block reality or entity, on
which scientists in awe but at a loss of understanding its nature, append too readily the name of God or
Creator—thus risking to shut the lid on the absolute mystery that was just revealed about a hard-to-
fathom reality.
* The CSR hyperdimension pervades the universe
Let’s try to fathom the Center-Syg-Rhythm (CSR) hyperdimension and its interlacing with the Quantum-
Spacetime region.
To do that we have to imagine, again, a topological configuration (Figure 2). On one layer of reality, we
have the beings, things, and systems in 4D physical reality, that is, in spacetime (here the bird).
On this same layer of Quantum-Spacetime (QST) reality, there are holes as in a checkerboard,
corresponding to the high CSR-focus of about half of the particles. But on this QST layer, only microscopic
holes in the texture of reality are to be detected.
Fig. 2. Center-Syg-Rhythm (CSR) manifold—as a hyperdimension—and its interlacing
with the 4D spacetime manifold, via the bird’s semantic field (the dense cloud).
(Concept & Artwork: Chris H. Hardy)
Now, on the layer of the CSR manifold, where half of the particles are in high CSR-focus, the ISSs (and
syg-fields) stemming from the center of these particles are in interconnection with other resonant
semantic fields and unfold themselves while reaching to the infinite (the cosmic ISS).
However, if we take now as a point of observation (or reference) the CSR manifold itself, that is, if we
were standing in that layer, what we would observe is an immense and all-reaching unearthly landscape,
composed of the semantic fields of all systems in the universe, themselves organized in subsystems, the
semantic constellations.
From this semantic fields layer, are streaming out innumerable Spiral Staircases from the centers of all
particles, and variegated systems’ semantic fields; they spiral out to form an ocean of active information,
of specified and qualified syg energy systems, this ocean itself apparently continuous.

CONCLUSION: THE PARADIGM OF NONLOCAL CONSCIOUNESS IN A PARTICIPATORY UNIVERSE


In ISST, we are the co-creators of the universe we inhabit, the co-creators of our destinies, as creative
agents within the cosmic hyperdimension. We have to strive to become ever more cognizant of the tissue
of interrelations, so that we may co-create an enjoyable and sustainable future for ourselves and our
planet.
ISST solves the need for (A) a layer of self-organized nonlocal consciousness distinct from brains, matter
and spacetime; (B) self-organized non-matter energy infusing the sub-Planckian scale, e.g. at the universe’s
origin (both are merged in ISST). The semantic, meaningful, processes of A (as in psi) forbids this layer to be
indeterministic and random (thus excluding the vacuum Zero-Point-Fluctuations field as a medium). Yet
the creativity, free will, and self-reference exhibited by A forbids this layer to be fully deterministic: it has
to display creation of order, rising complexity, and self-organizing dynamics, such as meaningful network
connectivity and chaotic attractors.
ISST expresses a systemic, holographic, universe, infused with a self-organizing, collective
consciousness, the cosmic syg-HD, and allowing creativity and change; it posits a participatory universe
(Wheeler, Sarfatti), with two-way mind-matter and Self-body communication, and synergy between an
individual syg-field (e.g. a person) and the cosmic syg-HD; it is also a budding-universe hypothesis (Smolin,
Penrose). Thus, the evolved semantic fields of human beings, trees, or sacred places, all operate creatively
using syg energy from the conscious and creative sygons-fields pervading the universe.
In a deterministic-causal paradigm, everything is hierarchic and pre-ordered, and our input is of little
value to influence the whole. The governance style is authoritative and autocratic, with little consultancy
and synergy. A few elites impose a despotic rule with no freedom. To the opposite, in a randomness &
indeterminacy paradigm, the whole has no meaning and global events are unrelated to our input. The
governance style is self-centered, opportunistic; it has no vision, no long-term incentive, no respect for
other beings, whether human fellows or nature. A few interest-groups scheme to impose their rule, each
competing for power.
But in a participatory universe, as a conscious hologram, each being is in interrelation with the whole,
and the whole with each being. Each system partakes of the information of the whole, and the whole
pervades all its component systems. Thus, each system is conscious according to its complexity (from a
proto-consciousness in simple ones to a self-referent mind in intelligent beings).
In a conscious and holographic universe, all consciousnesses—all the syg-fields of beings and complex
natural systems—are interacting. We bathe in a sea of interacting syg-fields: all are endowed with
consciousness, all are meaningful entities in sync with their meaningful environment. In ISST, each being
may access the information of the whole—that is, the knowledge of the arch-anima of the ISS at the origin,
and the information-field of the hyperdimension. But the arch-anima of the HD also interacts with all
beings. This is a two-way exchange and communication, through the hyperdimension.
Whether human beings or natural systems, all linked syg-fields influence each other. In such a universe,
everything matters—each being affects all connected beings. Each decision and action affects the world we
inhabit. Furthermore, in the paradigm of a Center-Syg-Rhythm HD, our collective consciousness learns and
evolves, and thus weaves our collective future. Being part of it, we are the co-creators of our universe’s
present and future state—therefore, fully responsible for the world we inhabit.
The organizational style is synergic, participatory, caring for and listening to others; it has vision and
feels responsible for other beings, for nature and the planet. The paradigm of a collective cosmic
consciousness leads to favor paths of self-development and openness, to nurture and explore higher
mental, intuitive, artistic and spiritual capacities, in ourselves and our society.

REFERENCES
* See the PLANCK cosmology probe team’s release of March 2013, then early 2015 at:
http://en.wikipedia.org/wiki/Planck_%28spacecraft%29#2013_data_release [8/14/2015]
Abraham, F., Abraham, R., & Shaw, C. 1990. A visual introduction to dynamical systems theory for
psychology. Santa Cruz, CA: Aerial Press.
Bem, DJ. 2011. “Feeling the Future: Experimental evidence for anomalous retroactive influences on
cognition and affect.” J. of Personality and Social Psychology, 100, (407-25). (http://dbem.ws/)
Bohm D. 1980. Wholeness and the Implicate Order. London: Routledge and Kegan Paul.
———.1986. “A new theory of the relationship of mind and matter.” J. of the American Society for
Psychical Research 80: 113-36.
Bohm D. & Hiley BJ. 1993. The Undivided Universe: an Ontological Interpretation of Quantum
Theory. London, UK: Routledge.
Brandenburg J. 2011. Beyond Einstein’s Unified Field. Gravity and Electro-magnetism Redefined. Kempton, ILL:
Adventures Unlimited Press.
Brandenburg, JE. & Hardy, CH. 2016. “Entropic Gravity in Pre-spacetime & the ISS Theory of a Cosmic
Information Field.” Prespacetime Journal 7(5), 828-838. (April 9,
2016).http://prespacetime.com/index.php/pst/article/view/968/944
Broderick, D. & Goertzel, B. (Eds) (2014). The Evidence for Psi: Thirteen Empirical Research Reports.
Jefferson, NC: McFarland.
Carr B. 2009. Universe or multiverse. Cambridge, UK: Cambridge Univ. Press.
———. 2010. “Seeking a New Paradigm of Matter, Mind and Spirit.” Network Review, Spring & Summer
2010.
Chalmers, D.J. 1996. The Conscious Mind: In Search of a Fundamental Theory. New York: Oxford University
Press.
Combs A, Holland M. 1995. Synchronicity: Science, Myth, and the Trickster. NY: Marlowe.
Greene B. 2010. The Elegant Universe - Superstrings, Hidden Dimensions, and the Quest for the Ultimate
Theory. New York: W.W. Norton & Co.
Guth, A.H. 1997. The Inflationary Universe. Reading, Ms: Perseus Books.
Hameroff, S.R., & Penrose, R. 1996. “Orchestrated reduction of Quantum Coherence.” In S.R. Hameroff,
A.W. Kaszniak, & A.C. Scott (Eds.), Toward a science of consciousness. Cambridge, Ma: MIT Press/Bradford.
Hardy, C. 1998. Networks of Meaning: A Bridge between Mind and Matter. Westport, Conn.: Praeger.

———. 2000. “Psi as a multilevel process: Semantic fields theory.” J. of Parapsychology. Vol. 64,
March 2000 (pp. 73-94). https://independent.academia.edu/ChrisHHardy/Papers

———. 2001. “Self-organization, self-reference and inter-influences in Multilevel Webs: Beyond


causality and determinism.” J. of Cybernetics and Human Knowing, Vol.8 (3). UK: Imprint
Academic. https://independent.academia.edu/ChrisHHardy/Papers

———. 2003. “Multilevel Webs Stretched across Time: Retroactive and Proactive Inter-
Influences.” Systems Research and Behavioral Science, vol 20, N° 2 (pp 201-215).
https://independent.academia.edu/ChrisHHardy/Papers
———. 2004. “Synchronicity: Interconnection through a semantic dimension.” Presentation at 2d Psi
Meeting, April 2004, Curitiba, Brazil. https://independent.academia.edu/ChrisHHardy/Papers
Hardy, CH. 2015. Cosmic DNA at the Origin: A Hyperdimension before the Big Bang. The Infinite Spiral
Staircase Theory. USA: CreateSpace IPP, 2015.
———. 2015a. “Topological Dynamics Setting a Field of Information at the Universe’s Origin. ISS
Theory.” Paper presented at the Space Technologies & Applications International Forum (STAIF-II).
Albuquerque, NM, April 16-18, 2015.
https://independent.academia.edu/ChrisHHardy/Papers
———. 2015b. “A systemic and hyperdimensional model of a conscious cosmos and the ontology of
consciousness in the universe.” Proceedings, 59th meeting of Intern. Soc. for the Systems Sciences (ISSS),
Berlin, Germany (Aug. 2015).
https://independent.academia.edu/ChrisHHardy/Papers
Hawking SW. 1988. A Brief History of Time. New York: Bantam Books.
———. 2003. “Cosmology from the Top Down.” Paper given at Davis Inflation Meeting, 2003.
http://arxiv.org/abs/astro-ph/0305562
———. 2014. “Information Preservation and Weather Forecasting for Black Holes.” arXiv:1401.5761v1
[hep-th] 22 Jan 2014.
Jahn RG, Dunne B. 2009. Margins of Reality: The Role of Consciousness in the Physical World. Princeton, NJ:
ICRL Press.
Josephson, BD. 2003. “String Theory, Universal Mind, and the Paranormal.”
http://arxiv.org/html/physics/0312012v3
Josephson, B.D., & Pallikari-Viras, F. 1991. “Biological Utilisation of Quantum NonLocality.” Foundations of
Physics, 21: 197–207. http://www.tcm.phy.cam.ac.uk/~bdj10/papers/bell.html
Jung CG. 1960. Synchronicity: An acausal connecting principle, in The collected works of C.G. Jung: Vol.
8. (Bollingen Series, XX), Princeton, NJ: Princeton Univ. Press.
Jung CG, Pauli W. 1955. The Interpretation of Nature and the Psyche. NY: Pantheon Books.
Kaku, M. 1994. Hyperspace: A Scientific Odyssey Through Parallel Universes, Time Warps, and the 10th
Dimension. New York: Anchor.
Kerr RP. 1963. Gravitational Field of a Spinning Mass as an Example of Algebraically Special
Metrics. Physical Review Letters 11(5): 237–8.
Laszlo E. 2004. Science and the Akashic Field: an integral theory of everything. Rochester, Vt: Inner
Traditions.
Libet, B., Wright E.W. Jr., Feinstein, B., & Pearl, D.K. 1979. “Subjective referral of the timing for a conscious
sensory experience,” Brain 102, 193224.
Linde, A. (1994). “The Self-Reproducing Inflationary Universe.” Scientific American, 271(5), 48-55.
http://web.stanford.edu/~alinde/1032226.pdf
May, EC., Rubel, V., McMoneagle, J., & Auerbach, L. 2016. ESP Wars: East & West. Crossroad Press (June 1,
2016)
Mishlove, J. 1997. The Roots of Consciousness. New York: Marlowe & Co.
Mitchell, ER. 1996. The way of the explorer. New York: Putnam.
Nelson RD, Bradish GJ, Dobyns YH, Dunne BJ, Jahn RG. 1996. “FieldREG anomalies in group situations.” Journal
of Scientific Exploration, 10(1): 111-41.
Peat FD. 1987. Synchronicity: the Bridge between Matter and Mind. New York: Bantam Books.
Penrose R. 2010. Cycles of Time. Oxford, UK: Oxford Univ. Press.
———. 2014. “On the Gravitization of Quantum Mechanics 2: Conformal Cyclic Cosmology.” Foundations
of Physics 44(8): 873-90.
Pribram, K.H. 1991. Brain and perception: Holonomy and structure in figural processing. Hillsdale, NJ:
Lawrence Erlbaum.
Radin D. 2006. Entangled Minds. NY: Paraview Pocket Books.
———. 1997. The Conscious Universe. New York: Ballantine.
Radin, D., Michel, L., Galdamez, K., Wendland, P., Rickenbach, R., & Delorme, A. 2012. “Consciousness and
the double-slit interference pattern: Six experiments.” Physics Essays 25, 2 (157-71) [DOI: 10.4006/0836-
1398-25.2.157]
http://media.noetic.org/uploads/files/PhysicsEssays-Radin-DoubleSlit-2012.pdf
Radin, D. & Nelson, R. 1989. “Evidence for consciousness-related anomalies in random physical
systems.”Foundations of Physics, 19, (12), 1499514.
Randall L. 2012. Higgs Discovery: The Power of Empty Space. New York: Bodley/ Random.
———. 2005. Warped Passages: Unraveling the Mysteries of the Universe's Hidden Dimensions. New York:
HarperCollins.
Randall L, & Sundrum R. 1999. “An alternative to compactification.” Physical Review Letters 83: 4690-93.
Sarfatti J. 2006. Super Cosmos; Through struggles to the stars. (Space-Time and Beyond III). Bloomington, In.:
Author House.
Schlitz MM. 2006. “A Study of Experimenter Effects in Psi Research.” Shift 9: 40-41.
Schwartz S. 2007. Open on the Infinite. Nemoseen Media.
Schwartz S, & Dossey L. 2010. “Nonlocality, Intention, and Observer Effects In Healing Studies: Laying A
Foundation For The Future.” Explore 2010 6: 295-307.
Sheldrake R. 2009. Morphic Resonance. The nature of formative causation. Rochester, Vt.: Park Street Press.
Smolin L. 1997. The life of the cosmos. New York: Oxford Univ. Press, 1997.
———. 2006. The Trouble with Physics. Boston, Ms: Houghton Mifflin Harcourt.
Stapp, H. 2009. Mind, Matter And Quantum Mechanics, Heidelberg, Germany: Springer (The Frontiers
Collection).
———. 2011. Mindful Universe: Quantum Mechanics And The Participating Observer. Heidelberg,
Germany: Springer.
Susskind L. 2003. “The Anthropic Landscape of String Theory.” arXiv:hep-th/0302219
Targ R, Puthoff H, May E. 1979. “Direct perception of remote geographic locations.” In Mind at Large, Tart
CT et al. (eds). New York: Praeger. 78-106.
Tart C. 1975. States of consciousness. New York: Dutton.
———. (ed.) 1969. Altered states of consciousness. New York: John Wiley & Sons.
Teodorani M. 2010. Synchronicité: Le rapport entre physique et psyché, de Pauli et Jung à Chopra. Cesena,
Italia: MacroEditions.
von Bertalanffy L. 1968. General System Theory. New York: G. Braziller.
von Lucadou W. 1983. “On the limitations of psi: A system-theoretic approach.” In Research In
Parapsychology 82, Roll W, Beloff J, White R (eds). Metuchen, NJ: Scarecrow.
Walker, EH. 2000. The Physics of Consciousness: The Quantum Mind and the Meaning of Life. Cambridge,
MA: Perseus Books.
———. 1975. “Foundations of paraphysical and parapsychological phenomena,” in L. Oteri (ed.), Quantum
physics and parapsychology. New York: Parapsychology Foundation.
Wheeler JA. 1998. Geons, Black Holes, and Quantum Foam: A Life in Physics. New York: WW Norton & Co.
———.1990. “Information, physics, quantum: The search for links.” In Complexity, Entropy, and the Physics
of Information, Zurek W (ed.). Redwood City, Ca: Addison-Wesley.
Witten E. 1981. “Search for a realistic Kaluza–Klein theory.” Nuclear Physics B 186(3): 412-
28.Bibcode: 1981NuPhB.186..412W

Domingo, 25 de setembro de 2016

CONSCIÊNCIA NÃO LOCAL NO UNIVERSO: PANPSICISMO, PSI, E MENTE SOBRE A


MATÉRIA PERMITIDA EM UMA FÍSICA HIPERDIMENSIONAL.

CONSCIÊNCIA NÃO LOCAL NO UNIVERSO: PANPSICISMO, PSI, E MENTE SOBRE A MATÉRIA PERMITIDA EM
UMA FÍSICA HIPERDIMENSIONAL.
Chris H. Hardy, Ph.D., Eco-Mind Systems Science.
(Enviado para Journal of Non -ocalality - 21/09/2016 - Problema especial sobre "Psi e a Mente Não
Local",Ed: Ben Goertzel, PhD.)
ABSTRATO
Cinco tipos de processos exibem uma propriedade "além do espaço-tempo" ou a não -localização como
evidenciada no emaranhamento quântico -, incluindo psi, comprovada para operar além do cérebro e além
do espaço-tempo. Juntas, essas cinco anomalias não só estão em desacordo com a Relatividade, mas
também com a indeterminação da Mecânica Quântica. No entanto, da mesma forma que as quatro forças
só podem ser unificadas através de uma hiperdimensão, uma hiperdimensão que inclui uma consciência
cósmica (juntamente com hiperespaço e hiper-tempo) pode dar um fundamento convincente para as cinco
anomalias não locais.
The Infinite-Spiral-Staircase Theory (ISST)postula essa hiperdimensão triúnica (HD) como abrangente no
universo, preexistente e permeando a região do espaço-tempo, porque ela mora em uma escala sub-
Planckiana - tanto na origem quanto em qualquer coordenada espacial em todos os sistemas. ISST
acomoda a dupla natureza da consciência, principalmente não local e operando através da hiperdimensão,
e parcialmente incorporada. O HD de um sistema é sua camada organizacional dinâmica e significativa, seu
campo semântico (campo de syg), mais ou menos evoluído, de uma proto-consciência a uma mente. O
quadro de ISST é panpsicista - com os sygons hiperdimensionais (energia de syg) permeando qualquer
átomo, célula, biossistema e mente - e, portanto, é baseado em um acoplamento de mente-mente
profundo, multinível e distribuído. Os sygons, pura energia semântica (syg), criam conexões não-locais
instantâneas entre campos semânticos ressonantes, explicando a telepatia e psi em geral. Todas as
interconexões semânticas implicam uma inter-influência entre syg-fields, sendo a variável de controle de
influência a intensidade da energia syg. Uma vez que o syg-field de um sistema foi reorganizado, a
mudança ocorre dentro da matéria ou do bio-sistema.

Palavras-chave: Consciência no universo; cosmologia; escala sub-planckiana; não-


localização; psi;hiperdimensão; panpsychism.

INTRODUÇÃO
O paradigma materialista na ciência é descartado por descobertas físicas recentes, como a matéria
ordinária sendo apenas 5% da energia total do universo, sendo a massa uma propriedade intrínseca. A
questão de ponta e dura na cosmologia e física é: o que existe antes da própria escala de Planck - as
primeiras partículas quânticas (matéria), espaço e tempo são permitidas e, portanto, causalidade? Os
físicos invocam um campo de informação, mas devem ser dinâmicos, auto-organizados, imensamente
enérgicos, para lançar o nascimento do universo. No total, cinco tipos de processos exibem uma
propriedade "além do espaço-tempo" ou não-localização: (1) emaranhamento; (2) psi (comprovada para
operar além do cérebro e além do espaço-tempo); (3) a região sub-planckiana na origem e em geral; (4)
uma energia escura não-material do espaço-espaço; (5) velocidades mais rápidas do que a luz durante a
fase de inflação.
Theodor Kaluza, em postular um 5 th dimensão, mostrou que apenas os modelos hyperdimensional (HD)
pode unificar as quatro forças (Kaku 1994, 1981 Witten, Brandenburg 2011 ); Da mesma forma, a Teoria da
espiral infinita-espiral-escada (ISST) argumenta que apenas um HD pode integrar a consciência no universo
de uma maneira que possa explicar a não-localização da psi; ele representa uma hiperdimensão da
consciência povoada por sygons sub- planckianos mais rápidos do que a luz, de alta energia . Esse HD é, de
fato, trino, uma trança de hiperespaço (Centro, C), hiper-tempo (Ritmo, R) e consciência (Syg, S). Na origem
do universo, ele é topologicamente organizado como uma espiral dourada baseada em phi - um sistema
KerH-BlackHole-WhiteHole tipo-cada (sub-Planckian) ISS com um banco de dados quase infinito de
freqüências no logaritmo da seqüência phi ou Fibonacci (Brandenburg & Hardy 2016). Dentro do terminal
BH do universo pai, todos os sistemas de matéria foram traduzidos em informações de CSR pura ou
campos semânticos; e através da WH, os campos de RSE são convertidos de volta a partir de sygons
virtuais em partículas pós-Planck e matéria sistemas, retendo ainda as sygons como um 5 th dimensão no
seu núcleo.
ISST baseia-se na Teoria dos Campos Semânticos (SFT) na modelagem de um nível de camada de
organização semântica e proto-consciente em todos os sistemas - seus campos semânticos (syg-
fields). Como seres humanos, nossa mente ou consciência é o nosso syg-field global, o conjunto de todas
as constelações de syg (do nosso sistema Mind-Psyche-Body) organizado em redes dinâmicas e dirigido
pela energia syg (Hardy, 1998, 2001, 2003). O conjunto de todos os campos semânticos dos seres humanos
forma o inconsciente coletivo, uma hiperdimensão não-local de consciência na escala planetária. Como o
cosmos é um sistema holográfico, o conjunto de todos os campos semânticos de todos os sistemas do
universo constitui a hiperdimensão semântica como um holograma gigantesco, autoconsciente e
evolutivo; e é por isso que qualquer mente / syg-field está em sinergia com o todo e pode ter uma
contribuição para o todo.
1. CONSCIÊNCIA AINDA INEXPLICADA PELA FÍSICA, SEJA VEZ RELATIVIDADE OU QM
1.1. A consciência é uma dinâmica essencial no universo
Vamos definir a consciência como o processo interativo de atribuir significado às nossas experiências
internas e às nossas trocas com os outros e com o mundo, que nos permite interagir de forma significativa
com nosso ambiente social e físico; então qualquer processo psíquico implica consciência dado que todas
as emoções, pensamentos, objetivos, comportamentos e ações são carregados de significado. Sem
consciência, não saberíamos que existimos, ou que existe um universo, portanto, temos um terreno
convincente para afirmar que a consciência é uma dinâmica essencial no universo. Além disso, no ponto de
vista de uma Teoria geral dos sistemas, se a consciência e a inteligência existem em algum ponto do
universo, elas são uma realidade potencial o tempo todo.Agora, a consciência auto-reflexiva (auto-
referente)é o processo de estar ciente de seus próprios pensamentos, emoções e comportamentos, e para
efetuar escolhas, agir intencionalmente e exercer livre vontade. Em outras palavras, a consciência instancia
processos semânticos, é o processo de criação de um significado que nos permite viver e pensar em um
mundo significativo.
Agora vamos definir psi como conexões semânticas não locais (a uma distância tanto em espaço como
em time), com outras mentes ou sistemas, que parecem contrariar ou violar as leis de física newtoniana-
einsteiniana (especialmente a localidade do cérebro, a lei do quadrado inverso, o tempo linear e a
velocidade do limite de luz).Apesar de serem processos psíquicos anômalos ou raros, a realidade dos
principais fenômenos psi (por exemplo, telepatia, visualização remota, precognição e bio-psicocinés ou
bio-PK) foi estabelecida por centenas de experimentos laboratoriais controlados; As teorias sobre eles
abundam, bem como as aplicações dos grupos de inteligência (Broderick & Goertzel 2014, May et al, 2014),
mas um axioma compartilhado por todos os pesquisadores é que eles são fenômenos mentais - implicando
a mente e a psique, assim, a consciência. Segue-se que quaisquer propriedades e dinâmicas são
evidenciadas experimentalmente em relação ao psi devem ser tomadas como propriedades e dinâmicas da
consciência (mesmo que raras). É por isso que os processos psi foram um objeto de estudo privilegiado
para vários físicos, porque eles parecem exibir os próprios comportamentos postulados para partículas na
mecânica quântica (QM). Ao fazê-lo, eles estão descaradamente em desacordo com a Relatividade -
a física do espaço-tempo - a própria razão pela qual os físicos clássicos tendiam a rejeitar psi como
"impossível". A excitação sobre essas anomalias relativísticas do espaço-tempo e semelhanças com QM foi
tal que quase não se notou que psi também estava em desacordo com o axioma puramente indeterminista
de QM em sua interpretação de Copenhague.
1.2. Capacidades Psi em desacordo com a física clássica (Relatividade)
Para uma série de físicos e psi, os fenômenos psi de investigadores apresentam vários aspectos que
violam a física da Relatividade Einsteiniana, mas imitam os comportamentos da Mecânica Quântica (QM) -
como a não-localização e o emaranhamento, o efeito observador / experimentador, a retrocausalidade - e,
no entanto, os fenômenos psi são definitivamente processos mentais, isto é, implica consciência. Nesta
perspectiva, Josephson e Pallikari-Viras (1991) argumentam que a interconexão não local instanciada entre
partículas emparelhadas em experimentos de emaranhamento (do tipo EPR) é a base dos fenômenos
psi. Além disso, vários físicos do QM - como Heisenberg, Planck, Wigner, von Neumann, Stapp, Walker,
Sarfatti - implicaram o observador e, portanto, a consciência, no colapso da função de onda (Hardy 2015,
capítulo 6).Margens da Realidade .
* Experimentos estabeleceram que a psique pode influenciar os biosistemas e distorcer os eventos
aleatórios através da intenção
- Bio-PK (bio-psychokinesis) refere-se à possível influência da mente sobre os sistemas biológicos. Mais
de 150 experiências de bio-PK em sistemas biológicos (a maioria dos quais eram imunes à sugestão ou o
efeito placebo, como bactérias ou tecidos em placas de Petri, amostras de sangue, peixes elétricos,
camundongos e os gostos) foram realizados em laboratórios (muitos usando protocolos duplo-cegos) e
foram bem-sucedidos o suficiente para verificar essa capacidade (Schwartz & Dossey 2010).
- Em experimentos de micro-PK , os sujeitos são solicitados a influenciar o comportamento de um
sistema aleatório para atingir um objetivo específico (escolhido aleatoriamente). Os resultados positivos
demonstraram que a mente pode influenciar processos aleatórios.
- O fato de que nossa psique, quando fortemente perturbada por choque de eventos mundiais, pode ter
uma influência inconsciente em geradores de eventos aleatórios (REGs) - e assim modificar a distribuição
de aleatoriedade nas configurações de campo - foi demonstrada ao longo de duas décadas através de
o Projecto global da consciência, um experimento em todo o mundo definido por Roger Nelson (Nelson et
al , 1996; Radin & Nelson 1989). Isso, para alguns pesquisadores como Roger Nelson, Dean Radin, Stephan
Schwartz e eu, revela que a psique de todos os seres humanos não se comunicam apenas de forma não
espacial, mas entrelaçadas no que Carl Jung chamou de inconsciente coletivo. (Radin 2006, Schwartz,
2007). Em um experimento recente de 2012, usando um protocolo óptico de dupla fenda orientado para
estudar padrões de interferências - originalmente desenvolvido por Thomas Young em seu famoso
experimento 1803 - Dean Radin mostrou, com uma excelente probabilidade (de p = 6,10-10, mais de 250
ensaios) que a consciência realmente influenciou o colapso da função de onda quântica. Os autores
(Radin et al , 2012) concluem por uma referência ao panpsiquismo que poderia explicar seus resultados "se
algum aspecto da consciência é uma característica primordial e auto-consciente do tecido da realidade, e
essa propriedade é modulada por nós através das capacidades que nós conhecido como atenção e
intenção (...) ".
Em resumo, o bio-PK, por si só, demonstra que a consciência é capaz de realizar um trabalho - qual é a
definição precisa de uma "energia" na física. O meu suporte teórico (tanto na SFT quanto no ISST) é
postular que a consciência é uma energia e usar o termo energia de simg para se referir à consciência
como energia, a própria energia da HD, ou seja, os sons.
1.3. Capacidades Psi em desacordo com a Mecânica Quântica
* Processos concatos (intenção, vontade) e fatores psicossociais direcionam resultados psi
As experiências mostraram que a intenção dirigida pode influenciar os biosistemas (os alvos que são
imunes à sugestão tornam irrelevante uma explicação pelo efeito placebo), bem como em processos
aleatórios. Outras experiências demonstraram que os fatores psicossociais influenciam os resultados
(como abertura, crenças, expectativas, autoconfiança, pensamento positivo, meditação, criatividade). O
fato de que fatores conativos e psicossociais podem influenciar os sistemas de matéria e biossistemas está
em conflito com a indeterminação postulada de eventos quânticos no QM de Copenhague - mesmo que
alguns outros processos quânticos, como coerência, emaranhamento (interligação à distância), efeito
observador e A retrocausalidade é encontrada tanto no QM como no Psi.
1.4. A consciência é não-local: além do cérebro e além do espaço-tempo
Psi exibe a não-localização de duas maneiras: além do cérebro e além do espaço-tempo. Isso amplia a
definição estrita de não-localização na física.
* Além do cérebro
O "psi receptivo" é definido como uma recepção de informação à distância no espaço (visualização
remota, telepatia) sem qualquer mecanismo causal ou perceptivo; ou de um tempo distante no futuro
(precognição) ou no passado (retrocognição). Assim, psi (e, portanto, consciência) é radicalmente diferente
do funcionamento local do cérebro e da percepção, e pode operar independentemente dele - como se vê
na cognição anômala mostrada por pacientes clinicamente cérebros-mortos. Além disso, para uma pessoa,
a informação psi pode ser recebida ou ser expressada através de uma variedade de canais no sistema
mente-corpo-psique: visão anômala, audição ou sensação de toque, percepção interoceptiva, empatia à
distância, expressão inconsciente, movimentos do corpo, recepção anômala visual, verbal ou escrita,
estados alterados e estados meditativos, etc. Portanto, os processos psi são muito mais lábeis e flexíveis do
que apenas uma capacidade com fio no cérebro. Isto, na minha opinião, mostra que a forma como o psi
opera é além da linguagem e implica um nível fundamental de organização dentro dos biosistemas (Hardy
1998, 2000; Tart 1969). Isso está de acordo com Josephson e Pallikari-Viras (1991), que prevêem que os
biossistemas desenvolvam seus próprios links e trocas auto-significativos que ignoram as dinâmicas (de
terceira pessoa) estudadas em física e podem desviar as probabilidades. Além disso, um tipo tão básico de
intercâmbio significativo entre biossistemas suporta o conceito de proto-consciência em todos os seres
vivos (pelo menos), mesmo aqueles que não têm cérebro (Chalmers, 1996). mostra que a maneira como
psi opera é além da linguagem e implica um nível fundamental de organização dentro dos biosistemas
(Hardy 1998, 2000; Tart 1969). Isso está de acordo com Josephson e Pallikari-Viras (1991), que prevêem
que os biossistemas desenvolvam seus próprios links e trocas auto-significativos que ignoram as dinâmicas
(de terceira pessoa) estudadas em física e podem desviar as probabilidades. Além disso, um tipo tão básico
de intercâmbio significativo entre biossistemas suporta o conceito de proto-consciência em todos os seres
vivos (pelo menos), mesmo aqueles que não têm cérebro (Chalmers, 1996). mostra que a maneira como
psi opera é além da linguagem e implica um nível fundamental de organização dentro dos biosistemas
(Hardy 1998, 2000; Tart 1969). Isso está de acordo com Josephson e Pallikari-Viras (1991), que prevêem
que os biossistemas desenvolvam seus próprios links e trocas auto-significativos que ignoram as dinâmicas
(de terceira pessoa) estudadas em física e podem desviar as probabilidades. Além disso, um tipo tão básico
de intercâmbio significativo entre biossistemas suporta o conceito de proto-consciência em todos os seres
vivos (pelo menos), mesmo aqueles que não têm cérebro (Chalmers, 1996). Isso está de acordo com
Josephson e Pallikari-Viras (1991), que prevêem que os biossistemas desenvolvam seus próprios links e
trocas auto-significativos que ignoram as dinâmicas (de terceira pessoa) estudadas em física e podem
desviar as probabilidades. Além disso, um tipo tão básico de intercâmbio significativo entre biossistemas
suporta o conceito de proto-consciência em todos os seres vivos (pelo menos), mesmo aqueles que não
têm cérebro (Chalmers, 1996).Isso está de acordo com Josephson e Pallikari-Viras (1991), que prevêem
que os biossistemas desenvolvam seus próprios links e trocas auto-significativos que ignoram as dinâmicas
(de terceira pessoa) estudadas em física e podem desviar as probabilidades. Além disso, um tipo tão básico
de intercâmbio significativo entre biossistemas suporta o conceito de proto-consciência em todos os seres
vivos (pelo menos), mesmo aqueles que não têm cérebro (Chalmers, 1996).
* Além do espaço-tempo
- Algumas atividades neuronais sistemáticas foram evidenciadas por B. Libet logo antes de uma
percepção se tornar consciente - cerca de 300 milésimos de segundo antes (Libet et al. , 1979). Usando o
protocolo Libet e no contexto de experimentos psi, esta capacidade de pressentimento foi corroborada,
principalmente por Radin (2006) e Bem (2011).
- Psi não está vinculado pela lei inversa do quadrado do eletromagnetismo, uma vez que não há
diminuição de seu efeito em distâncias enormes, como mostrado pelo experimento bem sucedido da
Terra-Lua psi que Edgar Mitchell realizou durante a missão Apollo 14 (Mishlove 1997, Mitchell 1996) . Em
muitos experimentos sobre bio-PK, a distância aos alvos foi acumulada sem qualquer diminuição dos
resultados de psi. Além disso, o funcionamento psi não é limitado pelas ondas do espectro EM: opera
dentro das gaiolas de Faraday e com uma excelente profundidade submarina (Targ, Puthoff e maio de
1979, Mishlove 1997, Schwartz, 2007).
Claro que isso não significa que o psi opera apenas e necessariamente nesses modos não locais, dado
que muitos processos envolvem uma interação convencional com espaço e / ou tempo, mas ressalta que o
psi não é vinculado nem limitado pelas leis do espaço-tempo. Com base nessas premissas, ISST postula que
os processos de consciência (a que pertence psi) instanciam uma camada de realidade diferente, mais
global, uma dimensão extra ou meta, distinta do espaço-tempo, que é melhor modelado, na física, como
uma hiperdimensão .
I.5. Consciência e psique como não-local, trans-espacial e trans-temporal
 Carl Jung (1960) definiu sincronicidades (incluindo fenômenos psi), como coincidências
significativas entre uma mente e um evento distante no espaço ou no tempo. Ele afirmou que
esses processos eram "acausal", revelando outro conjunto de leis do que a causalidade do
espaço-tempo, e foram fundamentados em um tecido subjacente do universo que, com o físico
Wolfgang Pauli, ele chamou de realidade profunda e definiu como uma camada em que a psique
e A matéria estava fundida.
 Vários cientistas postularam que a psique (ou consciência) é, nas palavras de Carl Jung,
"trans-espacial e trans-temporal" ou, na terminologia atual, não-local (Jung, 1960). Entre eles, os
físicos H. Walker, B. Josephson, F. Pallikari, O. Costa de Beauregard; cientistas S. Schwartz, L.
Dossey, C. Hardy. E também que a psique era transpessoal (C. Jung, C. Tart, S. Krippner) e / ou
operava entre biosistemas através de relacionamentos significativos (R. Sheldrake 2009, C. Tart
1975), ou através de uma psique coletiva (R. Nelson, D. Radin).
 Vários cientistas argumentaram, seguindo Jung e Pauli, que a psique poderia instanciar
as sincronicidades , ou seja, correlações e coincidências significativas à distância no espaço ou
no tempo (Jung & Pauli, 1955), como os físicos D. Peat (1987), J. Sarfatti (2006), M. Teodorani
(2010); e os teóricos do sistema e do caos AL Combs e M. Holland (1995), F. Abraham
(Abraham et al , 1990), C. Hardy (2004).
 Muitos cientistas têm demonstrado experimentalmente que psi pode ser dirigido pelo
significado e intenção , entre eles W. Braud, M. Schlitz, H. Schmidt, C. Honorton, R. Berger.
 Contudo, a informação psi também pode ser recebida inconscientemente (C. Tart, R. Targ,
H. Puthoff, M. Varvoglis), como evidenciado por respostas fisiológicas em experimentos
de DMILs (Direct Mental Interaction with Living Systems) por W. Braud, M. Schlitz, D. Delanoy, B.
Morris.
 Outros cientistas vêem psi como um tipo de emaranhamento de EPR (o experimento de
pensamento de Einstein-Podolski-Rosen), uma troca de informações não local, não mediada pelo
espaço-tempo relativista; estes incluem o cientista dos sistemas W. von Lucadou, os
pesquisadores D. Radin, B. Dunne e os físicos D. Bohm, R. Jahn, B. Josephson, H. Walker e M.
Teodorani.
 físico David Bohm (1986) estendeu seu conceito de ordem implícita de um campo
subjacente de interconexão, afirmando que substitui as distinções entre eventos mentais e físicos,
entre o eu e o não-eu. Bohm permitiu, explicitamente, trocas não-locais ou transpessoais, como
os fenômenos psi, observando-as como expressões naturais da interconectância subjacente: "A
principal característica incomum do fenômeno parapsicológico é que eles geralmente envolvem o
que pode ser chamado de conexão não-local entre a consciência de um pessoa que está em um
lugar e um objeto, evento ou pessoa em algum lugar distante ".

2. TEORIAS REAIS E PERGUNTAS ABERTAS NA COSMOLOGIA


As Teorias de Tudo (TOEs) e a maioria das teorias cosmológicas modelam apenas um universo de
questões, no qual reina a causalidade no espaço-tempo curvo - via Relatividade Geral (GR) e
gravidade, ou aleatoriedade e indeterminação na escala quântica - via Mecânica Quântica (QM) .
2.1. Teorias reais
* Relatividade : na principal teoria da inflação (Alan Guth, 1980, 1997), durante a fase de inflação
(ou Big Bang), acontecendo em 10 a 36 segundos do universo, o universo primitivo aumentou seu
tamanho 10 50vezes, e o processo aconteceu em milhões de vezes a velocidade da luz, durante
uma fase super-resfriada - de acordo com seu inventor, Alan Guth. Notemos que a descoberta de
ondas gravitacionais provenientes da fusão de dois Black Holes pela equipe LIGO (Laser
Interferometer Gravitational-Wave Observatory) em 11 de fevereiro de 2016 corroborou a fase de
inflação e, portanto, a Teoria da inflação. Na fase pré-inflação (pré-Big Bang), o universo é um
Buraco Branco que consiste em um Singularity + um horizonte de eventos; O espaço-tempo é
altamente entortado e toda a matéria é esmagada pela gravidade (de acordo com os Theorems of
Singularity dos buracos negros deStephen Hawking e Roger Penrose, 1970).
* Estrutura QM (aleatória) : na estrutura "multiverso" da moda (L. Susskind, 2003), existe uma chance
de mais de 10 500 para nós humanos habitar nosso universo real, galáxias, sistemas solares e pelo menos
uma civilização inteligente que conhecemos de nossa. A maioria desses universos (ou vacua ) não levaria a
galáxias, ainda menos para a vida e as mentes, dado que existem cerca de 20 constantes extremamente
aperfeiçoadas que permitem que nosso universo seja assim.) Explicação : Acabamos de bater no jackpot ,
já que estamos aqui e podemos fazer ciência!
* GR + QM : 'Modelo de inflação caótica do multiverso' (Andrei Linde, 1981, 1994). O que pode permitir
umíndice de inflação de 10 50 ? Numerosas bolhas inflacionárias no espaço-tempo, levando a um monte de
universos, através da quebra de simetria.
Existe alguma falta nos modelos principais? Sim: consciência!

* Posicionando um conjunto de universos (ou bolhas de universo, UB)


- Universes de Budding , de Black Holes de universos anteriores (Jack Sarfatti, Smolin)
- Teoria dos Universos Fecundos (Lee Smolin, 1997). Os buracos negros maciços (de estrelas mortas) são
a semente de universos de brotação, mantendo os parâmetros de seus universos parentes.
- Conformal Cyclic Cosmology ( CCC ) (Roger Penrose, 2010). Um conjunto de universos, ou eons, em que
a entropia é reiniciada para zero em cada começo.
* Universo participativo (John Wheeler 1998, Jack Sarfatti 2006): um campo de informação permeia o
universo na escala de vácuo quântico, implicando uma troca de informações de "back-action" e
bidireccional com o universo em evolução.
* Suite de universos + participativos. Teoria Infinita da Escada em Espiral (ISST) (Chris Hardy, 2015). Uma
espiral dourada na origem, estabelecendo um conjunto infinitamente infinito de frequências (na sequência
Fibonacci), contendo as informações de todos os sistemas que foram otimizados em universos anteriores
(como DNA cósmico).
2.2. Perguntas abertas em cosmologia
* Na própria origem: espaço-tempo e matéria ainda não existem
Na escala de Planck (em uma fração dividida do primeiro segundo do universo), o universo atinge a
escala do primeiro quantum; As partículas (assim, matéria) agora são permitidas. No horário de Planck: 10 -
43 segundo, o raio do universo é o comprimento de Planck: 1.616 x 10 -33 centimetres. Então ... O que há

antes da escala Planck?Não há partículas (matéria), nem espaço, nem tempo, portanto, nenhuma
causalidade material; e das 4 forças, apenas a gravidade existe (sem força EM, sem forças fracas ou fortes
ainda). Vários físicos propõem uma "informação ativa" ou um "campo de informação" (David Bohm, Jack
Sarfatti, John Wheeler).
* O Enigma da energia escura
Em 1998, descobrimos a aceleração da expansão do universo e, portanto, a existência de energia escura
e matéria escura. A matéria ordinária (partículas, estrelas, nebulosas) compõe apenas cerca de 5% da
energia total do universo (sonda PLANCK, 2015 *). A energia escura é responsável por 69%; é uma energia
negativa (pressão de radiação repulsiva), que neutraliza exatamente a energia positiva e atrativa da
gravidade. Quanto à matéria escura, uma energia positiva, ela representa 26% da energia total. A natureza
da energia escura e da matéria escura é desconhecida. Assim: 95% da energia do universo é um mistério
total ... a física real trata apenas de 5% da realidade do universo.
* A massa não é mais uma propriedade essencial dos átomos
Em 4 de julho de 2012, a detecção do bóson de Higgs (pelo Large Hadron Collider, LHC, no CERN em
Genebra) provou que a massa é adquirida - através da interação das partículas virtuais com o campo de
Higgs, quando o universo já é 10 -10 segundos de idade (um tempo imenso após a escala Planck!).
Em resumo, o paradigma materialista está ficando sem matéria! Isso representa apenas 5% da realidade
do universo! Para modelar a dinâmica complexa da consciência e as interações mente-matéria, a física
deve desenvolver uma lógica inovadora e um novo paradigma - o paradigma materialista na ciência sendo
agora insuficiente e incuravelmente limitado (Carr, 2010).

3. CINCO ANOMALÍSES NÃO EXISTEM A NO LOCALIDADE COMO UM PROCESSO E UM PONTO "À PARTIR
DO ESPACIAL" A UMA HIPERDIMENSÃO
3.1. Cinco grupos de anomalias não-locais (em relação à Relatividade Geral) apontam para
processos "além do espaço-tempo", ou seja, uma hiperdimensão.
(1) A não-localização foi estabelecida através das experiências de emaranhamento , cujo protocolo
(teorema de Bells) foi planejado por John Bell, com base no famoso experimento de pensamento Einstein-
Podolsky-Rosen ou EPR. A não-localização é, portanto, definida como uma troca de informações ou uma
correlação entre partículas emparelhadas distantes que não podem implicar uma transmissão de sinal
através do espaço linear. Como o espaço está indissoluvelmente enrolado com o tempo
no espaço - tempo da Relatividade, o emaranhamento revela assim um processo "além do espaço-
tempo". Assim, enquanto as partículas emparelhadas (fótons ou elétrons) estão elas mesmas existentes no
espaço-tempo, seu emaranhamento instancia a não-localização.
(2) O segundo regroupa os fenômenos psi , evidenciados como processos não-locais por inúmeros
experimentos (como vimos).
(3) O terceiro é a não-localização da escala sub-planckiana - isto é, abaixo da escala Planck, o
surgimento do primeiro quantum em 10-43 segundos do universo, quando o tamanho do universo é o
comprimento de Planck (1.616 X 10 -33 centímetro). Só está começando nesta escala de Planck e acima
dela que as primeiras partículas, espaço e tempo (e, portanto, importam) podem existir e,
consequentemente, causalidade. Esta escala sub-planckiana acontece (a) na origem do universo antes do
tempo de Planck e do comprimento de Planck, mas, além disso, (b) qualquer ponto nas coordenadas do
espaço-tempo pode ser aberto em uma escala sub-planckiana, e isso acontece se o 5º Existe dimensão,
como postulado por Kaluza e Klein.
(4) A quarta anomalia é a existência de energia escura , cerca de 69% da energia total do universo, e da
qual sabemos apenas que não é matéria ou partículas comuns; Alguns físicos vêem isso (e é a
interpretação mais plausível) como "quintessence", um tipo de energia desconhecido feito de partículas
virtuais tachyônicas (mais rápidas do que a luz-FTL).
(5) A quinta anomalia reside na fase de inflação do universo (em 10 a 36 segundos, logo acima da escala
Planck) que atingiu milhões de vezes C.
Uma vez que a velocidade do limite da luz C é uma restrição absoluta do espaço-tempo, qualquer
violação clara a esta lei, bem como das outras leis principais do espaço-tempo e da força eletromagnética,
revela uma região "além do espaço-tempo" - essa região, na cosmologia, tendo que ser modelado como
uma hiperdimensão (HD).Além disso, quando tomados em conjunto, os cinco grupos de anomalias nos
mostram que tal HD também deve acomodar interconectividade psíquica significativa (semântica) e
influências mente-sobre-matéria.
3.2. Por que uma hiperdimensão penetrante da consciência?
 São necessárias dimensões adicionais para integrar a Relatividade e QM. A única
solução matemática para unificar R e lativity & QM e as quatro forças é adicionar dimensões
extras. Daí, os modelos de super-string com dimensões 9, 10 ou 11 na teoria M padrão (das quais
4 dimensões são o 3D clássico do espaço + 1D do tempo do espaço-tempo). Em 1919, Kaluza
postulou a 5 ª dimensão, precisamente a 4 ª dimensão do espaço-que pode ser modelado como
um hipercubo ou Tesseract (como no filme de Christopher Nolan 2014 Interstellar). Esta solução
foi tão bem sucedida que produziu as equações de campo EM de Maxwell e as equações de
campo de Einstein para a gravidade (e adicionalmente um campo escalar). Ao adicionar
dimensões extras parece apenas um truque matemático, isso também é uma necessidade de
física. Por exemplo, o hiper-tempo foi demonstrado durante a fase de inflação (o Big Bang)
quando, em 10 -36 segundos, o universo inchou para 10 50vezes seu tamanho em um instante
dividido. Os pioneiros da teoria da inflação - Alan Guth e Andrei Linde - calcularam que esse
processo ocorreu em milhões de vezes a velocidade da luz C (Guth 1997, Linde, 1994).
 consciência acrescenta dimensões (graus de liberdade) ao universo. Nenhum processo
de física tem sido capaz de modelar ou até mesmo descrever a consciência em processo ou a
"qualia" psicológica (a experiência subjetiva da 1ª pessoa), porque, como Roger Penrose
argumentou, a mente não é algorítmica e, como David Chalmers (1996). ) esclareceu, a física é
uma perspectiva definitiva da pessoa 3d, incapaz de enfrentar a primeira pessoa. No entanto,
Hameroff e Penrose (1996) propuseram, em seu modelo Orch-OR (Redução de Objetivo
Orquestado), um auto colapso das funções das ondas cerebrais que desencadeiam "um evento
consciente discreto " ou momento de consciência, associado a uma computação bioquética
instanciada dentro da microtúbulos.
A razão para isso é que a consciência acrescenta graus de liberdade ao universo físico e até aos
campos quânticos. Operando além do espaço-tempo e QM, a consciência deve ser modelada
como uma ou mais dimensões extras - no ISST, é a hiperdimensão do syg (enredada com hiper-
tempo e hiperespaço, Hardy 2015). Além disso, a não-localização da psi mostra que a
consciência faz parte da hiperdimensão.

4. TEORIA ISS: UM UNIVERSO SYNERGICO, CONSCIÊNCIA-LADEN E PARTICIPANTE


4.1. Teoria dos campos semânticos (SFT): os campos Syg são sistemas dinâmicos
complexos
 Os campos semânticos (syg) são sistemas dinâmicos complexos, auto-organizados e co-
evoluindo através da energia da consciência - a energia syg (Sons mais rápidos do que a luz) do
HD cósmico (Hardy, 1998, 2015). São complexas redes multiníveis que operam através de uma
dinâmica conectiva não local dirigida pelo significado e pela energia do syg.
 ISST explica a dupla natureza da consciência: incorporada ainda não local. O CSR-HD é
abrangente, existente em uma escala sub-planckiana, tanto na origem como em qualquer
coordenada do espaço-tempo, em todos os sistemas. A hiperdimensão de um sistema é sua
camada organizacional dinâmica e significativa, seu campo semântico (simg), mais ou menos
evoluído, de uma proto-consciência a uma mente (Hardy, 1998, 2003).
 O quadro de ISST + SFT é panpsicista, com a energia da consciência (syg energy, sygons
HD) permeando cada átomo, célula e corpo, baseando-se, portanto, em um acoplamento de
mente-mente profundo, multinível e distribuído.
 Os sygons hiperdimensionais, energia pura do syg, criam conexões não-locais
instantâneas entre os campos semânticos ressonantes - explicando assim a telepatia, as
sincronicidades (Hardy, 2011). Todos os campos simbólicos e semânticos (semanticamente)
estão interconectados e em sinergia, e esses links sempre implicam uma inter-influência entre
eles, sendo a variável de controle de influência a intensidade da energia syg de cada
sistema. Uma vez que o syg-field de um sistema tenha sido reorganizado (por exemplo, com
pensamento positivo ou uma técnica de cicatrização), a mudança começa a ocorrer dentro da
matéria ou do bio-sistema.
 ISST expressa um universo sistêmico, holográfico, infundido com uma consciência auto-
organizada e coletiva - o syg-HD cósmico - e permitindo a criatividade e a mudança; ele postula
um universo participativo, com a comunicação Self-Self de dois sentidos e sinergia entre qualquer
campo de syg (por exemplo, ser inteligente) e o syg-HD (Hardy 2015b).
 Os campos semânticos evoluídos de seres humanos, árvores ou lugares sagrados, todos
operam criativamente usando a energia de syg dos simgons vivos, conscientes e criativos que
permeiam o universo.
4.2. A hiperdimensão como hiperespaço, hiper-tempo e consciência coletiva
A espiral da ISS é uma espiral dourada com base na relação Phi, φ = 1.6180 (extremamente semelhante
ao comprimento Planck = 1.616 x 10 -33 cm). A seqüência de Fibonacci incorpora o logaritmo de Phi e é uma
série infinita. Começando pelo número 1, adicione esse número a ele 1 + 1 = 2, então calcule a soma do
último número encontrado e do anterior. Você obterá: 1, 1, 2, 3, 5, 8, 13, ... A matemática inexplicável é
que se você tomar qualquer número da seqüência e dividi-la pela que a precede, você abordará a relação
Phi (φ) 1.6180.

Figura 1. Espiral dourada incorporada em retângulos dourados.

O que significa é que a ISS primordial, como uma espiral de ouro, não é um aumento progressivo,
aritmético, do raio do centro, mas que cresce pelo incremento de um quarto de círculo, cujo raio, dividido
pelo raio do trimestre anterior do círculo, não dá menos que a relação Phi. Em resumo: o ISS primordial é
um conjunto discreto de círculos, chamados arcos . Os arcos são cordas virtuais, cada uma vibrando em
uma freqüência específica (quanto menor for o raio, maior a freqüência); cada raio maior é, portanto, um
múltiplo de phi.
As propriedades do campo de informação que podemos deduzir de uma espiral dourada dinâmica e
auto-realizável são notáveis (Hardy 2015, 2015a).

 Natureza discreta. Cada seqüência de arco sendo distinta e ejetando sua própria partícula de
sygon, a ISS é uma seqüência de partículas virtuais com freqüências discretas - uma propriedade que se
encaixará perfeitamente na região quântica de partículas discretas na escala pós-Planck. (Brandenburg &
Hardy 2016).
 Temos, portanto, um campo de notas, espalhado em quase espaço, formando
um hiperespaço chamadoCenter . Este hiperespaço é semelhante ao tempo (é uma quasi- linha , a longa
espiral externa que liga os arcos) e, portanto, se adapta ao que foi modelado na região "Outros lugares" do
cone de luz de Minkowski.

 Da mesma forma, na espiral da ISS, o Hypertime (Rhythm) é definido pelos pulsos de freqüência de
cada quarto de círculo e, portanto, por cada espira da espiral; de modo que o hiper-tempo se espalhe no
espaço virtual - ele tem um tempo semelhante a um espaço (um campo de tempo), como previsto no "Em
outro lugar".

 Campo de informação (campo semântico ou simg) . As frequências e as interferências das ondas


são a matéria de todas as teorias de cadeias e superconjuntos (como M-Theory), bem como da informação
ativa de Bohm em seu modelo de Pilot Wave (como Quantum Potential) e também
do domínio de freqüência de Karl Pribramem seu modelo holográfico; É também, na teoria do campo A de
Ervin Laszlo, uma onda "formadora", e no ISST, os sios são realmente ondas formadoras. Um conjunto de
freqüências quase infinitas equivale a um banco de dados quase-infinito: qualquer coisa pode ser
codificada na rede de freqüências. Assim, a ISS na origem, e as ondas de sygon ejetadas (formando assim o
volume de HD acima do espaço-tempo), instanciam um campo de informação dinâmico, um complexo
campo de simbologia cósmica. Com redes dinâmicas que constituem um campo de informação, não
estamos em um código ou em um programa: as freqüências HD são as coisas reais, a carne da consciência
coletiva (cujo idioma é música!) Dentro da hiperdimensão CSR. Da mesma forma, para nós humanos, toda
a essência do nosso ser é nosso campo semântico ( campo syg)- uma rede dinâmica auto-organizada e
autoconsciente (Hardy, 1998, 2001) que, como a ISST postula, é constituída por sígenos taquiculares e
forma a hiperdimensão de nosso ser - nosso eu. Então, o campo sérico cósmico é a hiperdimensão de
todos os seres, a consciência coletiva e co-criativa de todos os Seres.
Assim, a consciência cósmica, como uma hiperdimensão de RSE (tanto na origem como em massa em
torno da região Quantum-Spacetime ou QST) é, paradoxalmente, uma consciência coletiva de todos os
tempos (um arco-anima ) que contém ou em que habita, os sementes hiperdimensionais de todos os seres
e sistemas. É o Anima Mundi (a alma mundial) dos alquimistas, The One como psique cósmica dos filósofos
e hermetistas gregos, obrahman e Tao (consciência cósmica) das filosofias orientais.

5. A INTERACÇÃO NÃO LÍMICA DE MIND-MIND DE COSMOS-HYPERDIMENSÃO DE DUAS COSTAS


ISST coloca assim um cosmos de duas camadas, com uma hiperdimensão Center-Syg-Rhythm (CSR)
superposta (de fato, envolvendo e permeando) a região do espaço quântico (QST). Dado que qualquer
ponto no espaço-tempo se abre no HD abaixo da escala Planck, o HD existe tanto como "compacto" (sub-
planckiano) quanto como "grande" estendido, a camada superposta (como no modelo Randall-Sundrum
1999). Como vimos, todos os sistemas em todas as escalas têm, de forma semelhante, uma região
hiperdimensional (seu campo de syg) superposto à sua partícula / corpo. O syg-field gerencia todas as
informações sobre este sistema (em várias constelações de syg) e é constantemente atualizado e
atualizado com a evolução existencial real do sistema. Ele funciona como um holograma, porque uma
quase-réplica de nossa ISS cósmica existe no núcleo de cada sistema de partículas e matéria, mas no 'ISS
individual , o complexo syg-field desta entidade individual está em estado excitado. É assim que todas as
ISSs individuais permanecem em ressonância e em sincronia com a Escalada Espiral Infinita Cósmica. A
impressão da evolução de qualquer sistema nos ISSs cósmicos e individuais compreende também a sua
história passada e sua "memória" (como é o conceito de registros de Akashic ou os campos mórficos de
Rupert Sheldrake); mas a história passada é apenas uma pequena fração do syg-field do sistema.
Assim, com uma Escadaria em espiral em seu Self / Center, cada partícula / sistema tem, no seu núcleo,
uma abertura no infinito e no todo. Mais precisamente, cada sistema, seja ele uma partícula ou mente, é
derivado da hiperdimensão CSR - isto é, cada sistema possui a melhor parte de sua realidade existente no
seu súbito superposto além do tempo e do espaço. E essa hiperdimensão CSR permite qualquer contato e
comunicação não-local com mentes e sistemas simpatizantes e ressonantes. ISST postula assim que o
intercâmbio de informações e interações a uma distância que chamamos de psi são mediados pela
hiperdimensão e os sygons FTL, e são instanciados pelo Self HD de um ser humano - seu syg-field e sua
rede personalizada de conexões.
O CSR HD cosmético atua como um campo de consciência coletiva. Qualquer partícula, qualquer
sistema, qualquer mente, qualquer campo semântico está aberto, e a respiração dentro e fora, esse campo
cósmico de pura energia semântica criativa. Assim, cada sistema de partículas de onda, enquanto está em
seu estado de foco CSR, vibra e se comunica com este oceano de informação no CSR HD, no entanto,
apenas nos canais ou frequências específicas que são simpatizantes ou ressonantes com suas próprias
redes. Não podemos ver a congruência com a teoria das ondas piloto de David Bohm: em sua equação de
Schrödinger revisada, é a função de onda do universo que desempenha o papel da onda piloto que orienta
o estado do sistema quântico. Quando aplicado a sistemas específicos, é a função de onda deste sistema
que é usado em vez disso para resolver a equação.
Agora, como isso funciona? Como podemos encaixar e modelar nossa própria liberdade e
criatividade? Aqui está a essência:
Imagine que temos em nós, em nossa Auto-hiperdimensão, um pequeno holograma da ISS cósmica (como
DNA cósmico) com nosso próprio ser e experiências de vida impressas nela como notas ativadas e redes de
links. Os tons de arco são as notas (ativadas ou não) e os sygons (tão pequenos como os arcos) são as
ondas de torção enviadas para atender e interagir com outros campos de syg no volume de
hiperdimensão. Os consoles são as ondas dos mensageiros e diplomatas de todos os seres e sistemas. Mas,
ao contrário das ondas piloto de Bohm, elas não são mensagens pré-determinadas, orientadas para
executar apenas uma tarefa pré-programada. Ao contrário, os sygons estão buscando criar conexões
significativas e uma rede de inter-influência, e eles trabalham livremente como agentes de rede e trazem
de volta às inconscientes idéias e contatos do próprio inconsciente, bem como informações psi. Os sygons
HD, sendo imensamente mais rápido que a luz, pode acessar qualquer informação à distância no espaço e
no tempo. Dirigido pelo Self HD de uma pessoa, eles são os agentes dinâmicos e autoconscientes perfeitos
para todos os processos psi.

6. EFEITO DE EXPERIÊNCIA E BIO-PKCOMO UMA INTER INFLUÊNCIA NÃO LÍMICA MEDIDA POR SÍGADOS DE
HD E CAMPOS DO SYG
6.1. Os sistemas de partículas de onda de dois focos
 Uma vez que a hiperdimensão CSR é uma camada superposta de qualquer partícula ou sistema,
ISST postula que a partícula de onda possui dois possíveis "estados de foco". Ou está no centro-Syg-
Rhythm focus (onda, domínio da frequência) ou no foco Quantum-Spacetime (partícula no espaço-
tempo). (Esta é outra maneira de ver a função de onda de dois estados). Assim, de acordo com sua
freqüência, qualquer partícula desloca seu foco várias vezes por segundo.

 Quando focado na CSR, a partícula de onda respira em todos os links com os campos
adjacentes do syg e com sistemas espacialmente distantes conectados através de links significativos (ou
seja, via proximidade semântica como índice da força dos links previamente construídos). Assim, está
interligado qualitativamente com a hiperdimensão do syg e, quanto maior é a intensidade semântica
(intensidade de syg) , mais forte é a sua influência nos sistemas ligados.

 Quando centrada no QST, a partícula se banha nos campos de interações de partículas de matéria
e energia (campos EM, forças fortes ou fracas, etc.). É então submetido a forças de matéria causais e
formadoras. No entanto, a modificação de todos os campos da matéria pode ser alcançada por mentes /
syg-fields através do CSR HD, se a sua intensidade de syg substitui a força da organização da matéria, como
no efeito experimentador ou bio-PK.
6.2. A partícula de onda de dois focos e o efeito experimentador
Isso tem influência no efeito observador ou experimentador em experimentos, como em experimentos psi
automatizados e controlados - em que o efeito experimentador foi bem estudado e evidenciado
( Schlitz 2006; Schwartz & Dossey 2010). Vamos levar, como um experimento de pensamento,
experimentadores elaborando o protocolo de dupla fenda de Thomas Young (que evidenciou os padrões
de interferência e, portanto, a natureza da onda da luz em 1803) e usando um feixe de fótons.
Nós vimos que quando em CSR-focus, as partículas de onda se conectam e se misturam com simbios
simbólicos e ligados (via proximidade semântica). Neste ponto, os campos de syg das partículas de onda
experimentais (do feixe de fótons) estão interligados com os campos de simg dos experimentadores, cujas
mentes e atenção estão no projeto experimental e, em especial, no feixe de fótons que eles decidiram usar
.
A intenção passada e presente e a atenção dos experimentadores criam (1) forte proximidade
semântica com seus objetos experimentais (o feixe de partículas e todas as máquinas usadas) e com seus
sujeitos psi (no contexto de um teste psi); e (2) uma alta intensidade de sua própria energia de syg - uma
vez que eles estão profundamente envolvidos e buscando um empreendimento inovador e altamente
significativo (emoção e inovação / criatividade sendo parâmetros fundamentais na intensidade de syg,
Hardy, 1998).
ISST então postula que as partículas de onda, através da sua hiperdimensão CSR não-local, sentem e
conhecem as intenções e expectativas dos observadores / experimentadores, porque seus campos de simg
são enredados com os experimentadores e sujeitos, e também emaranhados com o syg- campos do
aparelho experimental. Portanto, quando em foco CSR, as partículas são sensíveis à atenção dos
experimentadores para um ou outro foco(onda ou partícula), e isso dará mais peso ao conjunto de estados
mais ressonante. Mas podemos olhar para o contrário: os syg-fields (CSR HD) dos experimentadores estão
contendo o design experimental, seus próprios objetivos e expectativas, e o aparelho utilizado; e syg-
campo do sistema quântico irá produzir para um sistema energético syg mais intensa e mais forte e,
portanto, a sua intenção e expectativas.
Daí o efeito experimentador. A dinâmica de um campo de simg forte que impõe sua intenção e
expectativas em um campo de simg de energia mais baixa também será exemplificada na bio-PK e na
cicatrização. Um curador psíquico será capaz de impor uma organização mais saudável em um órgão ou
organismo doente (cujo campo syg está enfraquecido). O chamado "comportamento de conformidade"
exibido pelos pacientes submetidos à sugestão de seu médico enquanto recebe um placebo, na minha
opinião, é apenas o resultado de uma energia mais forte de syg: a do psiquiatra / syg-field do médico,
dotada de um impulso para um determinado resultado, impondo suas expectativas e intenção ao sistema
de energia de baixo syg (a psique / syg-field do paciente).
Em alguns casos, o experimentador pode não ter expectativas fortes, mas apenas uma atitude
neutra; então, o sistema com uma energia de syg inferior reagirá à atenção (como a intensidade do syg)
definido em seu foco CSR ou no foco QST e se comportará de acordo. Portanto, o comportamento das
partículas em uma configuração complexa de dupla fenda revelaria a teia de campos de simulação de
interação (de experimentadores e de sistemas de partículas de onda) e defenderia aqueles que carregavam
a intensidade de syg proeminente.
6.3. Lei de simg-influência sobre sistemas de matéria
No ISST, a função de onda do sistema é (em seu foco CSR) na conversação e inter-influência com os
campos syg vinculados e acoplados / emaranhados. A intensidade da energia de syg será a variável de
controle , quanto maior a intensidade, mais forte será a influência; em outras palavras, a configuração de
energia mais alta de syg irá impor a sua dinâmica de pedidos. No entanto, para que essa simg-influência
sobre a matéria funcione, é preciso ter uma profunda ressonância e simpatia, uma harmonização do
domínio de frequência dos dois sistemas, vamos chamá-la de " sincronia " realizada através do hiper-
tempo / Ritmo.
Esta rede de conexões no estado de foco CSR é, obviamente, de um tipo hiperdimensional e não
local. Daí o efeito do experimentador, como uma informação dos eventos de espaço quântico (QST) pelos
campos semânticos dos experimentadores e sua energia de syg alcançando objetivos específicos. E é aí que
a intensidade da energia do syg entra em jogo e a lei da influência do syg na organização dos sistemas da
matéria :
Sempre que dois sistemas estão em forte proximidade semântica (ou interconexão / emaranhamento
significativo), quanto maior a diferença de intensidade do syg, e quanto mais forte o sistema de alta
intensidade irá impor a sua organização semântica (intenção, objetivo, etc.) na baixa intensidade , seja
qual for a matéria-complexidade do sistema envolvido.
Assim, a mistura da Teoria dos Campos Semânticos (SFT) e ISST nos leva a postular que o oceano de
informação e energia da ISS na origem - que flui para o vácuo e o campo ZPF como uma enorme pressão de
radiação - não é apenas um Uma realidade ou entidade de um só elemento, inconscientes, em que os
cientistas com admiração, mas com uma perda de compreensão da sua natureza, acrescenta muito
facilmente o nome de Deus ou Criador - arriscando assim a fechar a tampa do mistério absoluto que
acabou de ser revelado sobre uma realidade difícil de entender.
* A hiperdimensão CSR permeia o universo
Procuremos entender a hiperdimensão Center-Syg-Rhythm (CSR) e seu entrelaçamento com a região
Quantum-Spacetime.
Para fazer isso, temos que imaginar, novamente, uma configuração topológica (Figura 2). Em uma
camada da realidade, temos os seres, as coisas e os sistemas na realidade física 4D, isto é, no espaço-
tempo (aqui o pássaro).
Sobre esta mesma camada de realidade do Quantum-Spacetime (QST), há buracos como em um
tabuleiro de xadrez, correspondendo ao alto foco de CSR de cerca de metade das partículas. Mas nesta
camada QST, apenas os orifícios microscópicos na textura da realidade devem ser detectados.
Fig. 2. Colector Center-Syg-Rhythm (CSR) - como uma hiperdimensão - e seu entrelaçamento
com o colector espacial 4D, através do campo semântico do pássaro (a nuvem densa).
(Conceito e arte: Chris H. Hardy)
Agora, na camada do colector CSR, onde a metade das partículas está em foco CSR elevado, os ISSs (e
campos de syg) provenientes do centro dessas partículas estão em interconexão com outros campos
semânticos ressonantes e se desdobram ao alcançar para o infinito (ISS cósmico).
No entanto, se tomarmos agora como um ponto de observação (ou referência) o próprio colector CSR,
ou seja, se estivéssemos de pé naquela camada, o que observamos é uma paisagem enorme e abrangente,
sobrenatural, composta pelos campos semânticos de todos os sistemas do universo, organizados em
subsistemas, as constelações semânticas.
A partir desta camada de campos semânticos, estão transmitindo inúmeras escadas em espiral dos
centros de todas as partículas e campos semânticos dos sistemas variados; Eles se espalha para formar um
oceano de informações ativas, de sistemas de energia de syg especificados e qualificados, esse oceano
mesmo, aparentemente contínuo.

CONCLUSÃO: O PARADIGMA DE CONSCIÊNCIA NÃO LOCAL EM UM UNIVERSO PARTICIPANTE


No ISST, somos os co-criadores do universo que habitamos, os co-criadores de nossos destinos, como
agentes criativos dentro da hiperdimensão cósmica. Temos que nos esforçar para nos tornar cada vez mais
conscientes do tecido das inter-relações, para que possamos co-criar um futuro agradável e sustentável
para nós e para o nosso planeta.
ISST resolve a necessidade de (A) uma camada de consciência não-local auto-organizada distinta dos
cérebros, matéria e espaço-tempo; (B) energia não-material auto-organizada que infunde a escala sub-
planckiana, por exemplo, na origem do universo (ambos são incorporados no ISST). Os processos
semânticos e significativos de A (como em psi) proíbem essa camada de ser indeterminista e aleatória
(excluindo assim o campo de Flutuações de Ponto Zero como meio). No entanto, a criatividade, o livre
arbítrio e a auto-referência exibidos por A proíbem que esta camada seja totalmente determinista: tem
que exibir criação de ordem, crescente complexidade e dinâmicas auto-organizadas, como conectividade
de rede significativa e atratores caóticos.
ISST expressa um universo sistêmico, holográfico, infundido com uma autoconsciência, consciência
coletiva, o syg-HD cósmico e permitindo a criatividade e a mudança; ele postula um universo participativo
(Wheeler, Sarfatti), com mente-mente de dois sentidos e comunicação auto-corporal, e sinergia entre um
syg-field individual (por exemplo, uma pessoa) e o syg-HD cósmico; É também uma hipótese de universo
de brotação (Smolin, Penrose). Assim, os campos semânticos evoluídos de seres humanos, árvores ou
lugares sagrados, todos operam de forma criativa usando a energia de syg dos consoles conscientes e
criativos que permeiam o universo.
Em um paradigma determinista-causal, tudo é hierárquico e pré-ordenado, e nossa contribuição é de
pouco valor para influenciar o todo. O estilo de governança é autoritário e autocrático, com pouca
consultoria e sinergia.Algumas elites impõem uma regra despótica sem liberdade. Ao contrário, em um
paradigma de aleatoriedade e indeterminação, o conjunto não tem significado e os eventos globais não
estão relacionados à nossa contribuição.O estilo de governança é auto-centrado, oportunista; Não tem
visão, nenhum incentivo de longo prazo, nenhum respeito por outros seres, sejam pessoas humanas ou
natureza. Alguns grupos de interesse planejam impor sua regra, cada uma competindo pelo poder.
Mas em um universo participativo, como um holograma consciente, cada ser está em inter-relação com
o todo, e o todo com cada ser. Cada sistema participa da informação do todo, e todo impregna todos os
seus sistemas componentes. Assim, cada sistema é consciente de acordo com sua complexidade (de uma
proto-consciência em pessoas simples a uma mente auto-referente em seres inteligentes).
Em um universo consciente e holográfico, todas as consciências - todos os campos de simbios dos seres
e sistemas naturais complexos - estão interagindo. Nos banhamos em um mar de campos de simulação de
interação: todos são dotados de consciência, todas são entidades significativas em sincronia com seu
ambiente significativo.No ISST, cada ser pode acessar a informação do todo - isto é, o conhecimento do
arco-anima da ISS na origem e o campo de informação da hiperdimensão. Mas o arco-anima do HD
também interage com todos os seres. Esta é uma troca e comunicação de dois sentidos, através da
hiperdimensão.
Seja seres humanos ou sistemas naturais, todos os campos de simbologia ligados influenciam-se
mutuamente.Em tal universo, tudo importa - cada ser afeta todos os seres conectados. Cada decisão e
ação afetam o mundo em que habitamos. Além disso, no paradigma de um Centro-Syg-Rhythm HD, nossa
consciência coletiva aprende e evolui e, assim, torna nosso futuro coletivo. Fazendo parte disso, somos co-
criadores do estado presente e futuro do nosso universo - portanto, totalmente responsáveis pelo mundo
em que habitamos.
O estilo organizacional é sinérgico, participativo, cuidando e ouvindo outros; Tem visão e se sente
responsável por outros seres, pela natureza e pelo planeta. O paradigma de uma consciência cósmica
coletiva leva a favorecer caminhos de autodesenvolvimento e abertura, nutrir e explorar capacidades
mentais, intuitivas, artísticas e espirituais superiores, em nós mesmos e em nossa sociedade.

REFERÊNCIAS
* Veja o lançamento da equipe de sondagem da cosmologia PLANCK de março de 2013, então no início de
2015 em:
http://en.wikipedia.org/wiki/Planck_%28spacecraft%29#2013_data_release [14/8/2015]
Abraham, F., Abraham, R. e Shaw, C. 1990. Uma introdução visual à teoria dos sistemas dinâmicos para a
psicologia . Santa Cruz, CA: imprensa aérea.
Bem, DJ. 2011. "Sentir o futuro: evidência experimental de influências retroativas anômalas sobre a
cognição e o efeito". J. of Personality and Social Psychology, 100 , (407-25). (http://dbem.ws/)
Bohm D. 1980. Totalidade e a Ordem Implicada . Londres: Routledge e Kegan Paul.
---. 1986. "Uma nova teoria da relação da mente e da matéria". J. da Sociedade Americana de Pesquisa
Psíquica80 : 113-36.
Bohm D. & Hiley BJ. 1993. O universo não dividido: uma interpretação ontológica da teoria
quântica. Londres, Reino Unido: Routledge.
Brandenburg J. 2011. Além do campo unificado de Einstein. Gravidade e Electro-magnetismo
Redefinidos . Kempton, ILL: Adventures Unlimited Press.
Brandenburg, JE. & Hardy, CH. 2016. "Gravidade Entropic no pré-espaço-tempo e a Teoria ISS de um campo
de informação cósmica". Prespacetime Journal 7 ( 5), 828-838. (9 de abril de
2016).http://prespacetime.com/index.php/pst/article/view/968/944
Broderick, D. & Goertzel, B. (Eds) (2014). A evidência para Psi: treze relatórios de pesquisa
empírica . Jefferson, NC: McFarland.
Carr B. 2009 . Universo ou multiverso . Cambridge, Reino Unido: Cambridge Univ. Pressione.
---. 2010. "Buscando um novo paradigma de matéria, mente e espírito". Revisão da rede , primavera e
verão de 2010.
Chalmers, DJ 1996. A Mente consciente: em busca de uma teoria fundamental . Nova York: Oxford
University Press.
Combs A, Holland M. 1995. Sincronicidade: Ciência, Mito e Trickster . NY: Marlowe.
Greene B. 2010. O Universo Elegante - Superstrings, Dimensões Escondidas e a Quest for the Ultimate
Theory .Nova Iorque: WW Norton & Co.
Guth, AH 1997. O Universo Inflationário . Leitura, Sra. Perseus Books.
Hameroff, SR, & Penrose, R. 1996. "Redução orquestrada da Coerência Quântica". Em SR Hameroff, AW
Kaszniak e AC Scott (Eds.), Hacia uma ciência da consciência . Cambridge, Ma: MIT Press / Bradford.
Hardy, C. 1998. Redes de significados: uma ponte entre a mente e a matéria . Westport, Conn .: Praeger.

---. 2000. "Psi como um processo multinível: teoria dos campos semânticos". J. of
Parapsychology . Vol. 64, março de 2000 (pp. 73-
94).https://independent.academia.edu/ChrisHHardy/Papers

---. 2001. "Auto-organização, auto-referência e inter-influências nas Web Multilevel: além da


causalidade e do determinismo". J. of Cybernetics and Human Knowing, Vol.8 (3). UK: Imprint
Academic. https://independent.academia.edu/ChrisHHardy/Papers

---. 2003. "Web multinível estendida através do tempo: inter-influências retroativas e proativas". Pesquisa
de sistemas e ciência comportamental, vol 20, N ° 2 (pp 201-215).
https://independent.academia.edu/ChrisHHardy/Papers
---. 2004. " Sincronicidade: interconexão através de uma dimensão semântica". Apresentação no 2º
Encontro Psi, abril de 2004, Curitiba, Brasil. https://independent.academia.edu/ChrisHHardy/Papers
Hardy, CH. 2015. DNA cósmico na origem: uma hiperdimensão antes do Big Bang. The Infinite Spiral
Staircase Theory . EUA: CreateSpace IPP, 2015.
---. 2015a. "Dinâmica topológica configurando um campo de informação na origem do universo.Teoria da ISS.
" Documento apresentado no Fórum Internacional de Tecnologias e Aplicações (STAIF-II). Albuquerque,
NM, de 16 a 18 de abril de 2015.
https://independent.academia.edu/ChrisHHardy/Papers
---. 2015b. “ Um modelo sistêmico e hyperdimensional de um cosmos conscientes e a ontologia da
consciência no universo.” Proceedings, 59 ª reunião do Intern. Soc. para as Ciências dos Sistemas (ISSS) ,
Berlim, Alemanha (agosto de 2015).
https://independent.academia.edu/ChrisHHardy/Papers
Hawking SW. 1988. Uma Breve História do Tempo . Nova York: Bantam Books.
---. 2003. " Cosmologia do Top Down". Documento apresentado na Davis Inflation Meeting, 2003.
http://arxiv.org/abs/astro-ph/0305562
---. 2014. " Preservação da informação e previsão do tempo para Black Holes". ArXiv: 1401.5761v1 [hep-th]
22 Jan 2014.
Jahn RG, Dunne B. 2009. Margens da Realidade: O Papel da Consciência no Mundo Físico. Princeton, NJ:
ICRL Press.
Josephson, BD. 2003. " Teoria das cordas, Mente universal e Paranormal. "
http://arxiv.org/html/physics/0312012v3
Josephson, BD, & Pallikari-Viras, F. 1991. " Utilização biológica da não-citologia quântica. " Fundamentos da
Física , 21: 197 - 207. http://www.tcm.phy.cam.ac.uk/~bdj10/papers/bell.html
Jung CG. 1960. Sincronicidade: um princípio de conexão acausal, nas obras coletadas de CG Jung: Vol. 8. (Série
Bollingen, XX), Princeton, NJ: Princeton Univ. Pressione.
Jung CG, Pauli W. 1955. A Interpretação da Natureza e da Psique . NY: Livros do Panteão.
Kaku, M. 1994. Hyperspace: uma odisseia científica através de universos paralelos, Time Warps e a 10ª
Dimensão. Nova Iorque: Anchor.
Kerr RP. 1963. Campo gravitacional de uma massa de giro como um exemplo de métricas
algébricas especiais. Letras de revisão física 11 (5): 237-8.
Laszlo E. 2004 . Ciência e Campo Akashico: uma teoria integral de tudo . Rochester, Vt: tradições internas.
Libet, B., Wright EW Jr., Feinstein, B. e Pearl, DK 1979. "Referência subjetiva do tempo para uma
experiência sensorial consciente", Brain 102, 193  224.
Linde, A. (1994). " O universo inflacionista auto-reproduzível". Scientific American , 271 (5), 48-
55. http://web.stanford.edu/~alinde/1032226.pdf
May, EC., Rubel, V., McMoneagle, J. , & Auerbach, L. 2016. ESP Wars: East & West. Crossroad Press (1 de
junho de 2016)
Mishlove, J. 1997. As Raízes da Consciência . Nova Iorque: Marlowe & Co.
Mitchell, ER. 1996. O caminho do explorador . Nova York: Putnam.
Nelson RD, Bradish GJ, Dobyns YH, Dunne BJ, Jahn RG. 1996. "Anomalias de campo ERG em situações
grupais". Journal of Scientific Exploration, 10 (1): 111-41.
Turfa FD. 1987. Sincronicidade: a ponte entre a matéria ea mente . Nova York: Bantam Books.
Penrose R. 2010. Ciclos do tempo. Oxford, Reino Unido: Oxford Univ. Pressione.
---. 2014. "Sobre a Gravitização da Mecânica Quântica 2: Cosmologia Cíclica Conformal". Fundamentos da
Física44 (8): 873-90.
Pribram, KH 1991. Cérebro e percepção: Holonomia e estrutura no processamento figurativo. Hillsdale, NJ:
Lawrence Erlbaum.
Radin D. 2006. Mentes Enredadas . NY: Paraview Pocket Books.
---. 1997. O Universo Consciente . Nova Iorque: Ballantine.
Radin, D., Michel, L., Galdamez, K., Wendland, P., Rickenbach, R., & Delorme, A. 2012. "Consciência e
padrão de interferência de dupla fenda: seis experimentos". Ensaios de Física 25, 2 (157-71) [DOI: 10.4006
/ 0836-1398-25.2.157]
http://media.noetic.org/uploads/files/PhysicsEssays-Radin-DoubleSlit-2012.pdf
Radin, D. & Nelson, R. 1989. "Evidências para anomalias relacionadas à consciência em sistemas físicos
aleatórios". Fundamentos da Física, 19, (12), 1499  514.
Randall L. 2012. Descoberta de Higgs: o poder do espaço vazio . Nova Iorque: Bodley / Random.
---. 2005. Passagens Warped: Desvendando os Mistérios das Dimensões ocultas do Universo . Nova York:
HarperCollins.
Randall L, & Sundrum R. 1999. "Uma alternativa à compactificação". Letras de revisão física 83 : 4690-93.
Sarfatti J. 2006 . Super Cosmos; Através de lutas para as estrelas . (Space-Time e Beyond III).Bloomington, In .:
Author House.
Schlitz MM. 2006. "Um Estudo dos Efeitos Experimentadores na Psi Research". Shift 9 : 40-41.
Schwartz S. 2007. Abrir no Infinito . Nemoseen Media.
Schwartz S, & Dossey L. 2010. "Efeitos de não-localização, intenção e observador em estudos de cura:
colocando uma fundação para o futuro". Explore 2010 6: 295-307.
Sheldrake R. 2009. Ressonância morfica. A natureza da causação formativa . Rochester, Vt .: Park Street Press.
Smolin L. 1997. A vida do cosmos . Nova York: Oxford Univ. Press, 1997.
---. 2006. O Problema com a Física . Boston, Sra. Houghton Mifflin Harcourt.
Stapp, H. 2009. Mente, Matéria e Mecânica Quântica , Heidelberg, Alemanha: Springer (The Frontiers
Collection).
---. 2011. Universo consciente: mecânica quântica e observador participante . Heidelberg, Alemanha:
Springer.
Susskind L. 2003. "A Paisagem Antrópica da Teoria das Cordas". ArXiv: hep-th / 0302219
Targ R, Puthoff H, maio E. 1979. "Percepção direta de locais geográficos remotos". In Mind at Large, Tart
CT et al. (eds). Nova York: Praeger. 78-106.
Tart C. 1975. Estados da consciência . Nova York: Dutton.
---. (ed.) 1969. Alteraram os estados de consciência . Nova Iorque: John Wiley & Sons.
Teodorani M . 2010. Synchronicité: Le rapport entre physique et psyché, de Pauli et Jung à Chopra. Cesena,
Italia: MacroEditions.
von Bertalanffy L. 1968. Teoria geral do sistema . Nova York: G. Braziller.
von Lucadou W. 1983. "Sobre as limitações de psi: uma abordagem teoria-sistema". Em Research In
Parapsychology 82, Roll W, Beloff J, White R (eds) . Metuchen, NJ: Espantalho.
Walker, EH. 2000. A Física da Consciência: A Mente Quântica e o Significado da Vida. Cambridge, MA:
Perseus Books.
---. 1975. "Fundamentos dos fenômenos parafísicos e parapsicológicos", em L. Oteri (ed.), Física quântica e
parapsicologia . Nova York: Fundação de Parapsicologia.
Wheeler JA. 1998. Geons, Black Holes e Quantum Foam: A Life in Physics . Nova Iorque: WW Norton & Co.
---. 1990. "Informação, física, quantum: a busca por links". Na Complexidade, Entropia e Física da
Informação,Zurek W (ed.) . Redwood City, Ca: Addison-Wesley.
Witten E. 1981. "Procure uma teoria realista de Kaluza-Klein". Física Nuclear B 186 (3): 412-
28.Bibcode : 1981NuPhB.186..412W