Вы находитесь на странице: 1из 90

SUMÁRIO

Termo de Responsabilidade e Avisos Legais

Todos os direitos são reservados. Nenhuma parte deste


livro pode ser reproduzida ou de alguma forma transmitida
livremente, sem a autorização prévia de seus autores. Caso
tenha interesse na publicação de alguma parte do livro,
entre em contato via e-mail contato@trendfitinvest.com.br
Os autores não se responsabilizam direta ou
indiretamente pela utilização de qualquer conceito ou dica
apresentado neste livro. As dicas e conceitos são baseados
nas experiências profissionais dos autores. O objetivo deste
livro é o de ensinar todos os passos para você começar a
investir em ações além de ensinar algumas estratégias para
você investir de uma maneira mais profissional.
É recomendado a todos os leitores deste livro há
fazerem suas pesquisas próprias no que se refere a decisões
sobre seleção de ativos e sistema de trade a ser operado,
este é o melhor caminho para o seu sucesso.

2
Sumário

Termo de Responsabilidade e Avisos Legais ................................................................... 2


Sumário ......................................................................................................................................... 3
Introdução ..................................................................................................................................... 5
O que são ações?........................................................................................................................... 7
Porque as empresas emitem ações na Bolsa de Valores? ..................................... 7
Os tipos de Ações ................................................................................................................ 7
Mercado Fracionário .......................................................................................................... 9
Mercado de Opções........................................................................................................ 10
O que é a BOVESPA? ................................................................................................................... 11
O que é o Home Broker? ............................................................................................................. 12
Como começar? .......................................................................................................................... 13
Escolhendo a Corretora................................................................................................... 16
Transferindo o Capital ...................................................................................................... 16
A prática - Como comprar e vender? .......................................................................................... 19
Livro de Ofertas .................................................................................................................. 20
Como comprar Ações ..................................................................................................... 21
Tipo de Ordens de Compra............................................................................................ 22
Colocando Ordens Stop.................................................................................................. 23
Tipo de Ordens de Stop ................................................................................................... 23
Tipo de Ordens de Venda............................................................................................... 24
Quanto devo comprar? .................................................................................................. 25
Operação por Blocos ....................................................................................................... 26
Analise Fundamentalista ............................................................................................................. 28
Analise Técnica ............................................................................................................................ 31
Premissas da Análise Técnica ......................................................................................... 31
Gráficos................................................................................................................................. 33
Gráfico de Linha ................................................................................................................ 33
Gráfico de Barras ............................................................................................................... 34
Candlesticks ........................................................................................................................ 35
Periodicidades .................................................................................................................... 37

3
Teoria de Dow..................................................................................................................... 38
Entendendo os Topos e Fundos ..................................................................................... 42
Suporte e Resistência........................................................................................................ 44
Linhas de Tendências ....................................................................................................... 46
Canais de Preços ............................................................................................................... 48
GAPS ...................................................................................................................................... 50
Ilha de Reversão ................................................................................................................ 53
Padrões Gráficos................................................................................................................ 54
Padrões Gráficos de Continuação .............................................................................. 55
Retângulos ........................................................................................................................... 57
Padrões de Reversão........................................................................................................ 58
Ombro Cabeça Ombro .................................................................................................. 58
Topos Duplos e Triplos ....................................................................................................... 59
Teoria do Candelabro Japonês – CANDLESTICKS .................................................... 60
Martelo .................................................................................................................................. 61
Engolfamento ..................................................................................................................... 61
Estrela da Manhã ............................................................................................................... 62
Doji Star ................................................................................................................................. 63
Engolfo de Queda ............................................................................................................. 64
Estrela Cadente.................................................................................................................. 65
Nuvem Negra...................................................................................................................... 65
Harami – Mulher Grávida................................................................................................. 66
Indicadores .................................................................................................................................. 67
Médias Móveis .................................................................................................................... 67
Estratégias de operação .............................................................................................................. 70
Estratégia 1 .......................................................................................................................... 71
Estratégia 2 .......................................................................................................................... 78
Estratégia 3 .......................................................................................................................... 80
Estratégia 3 .......................................................................................................................... 82
Filtro Para Aumentar Drasticamente Suas Chances de Acerto .......................... 85
O Próximo Passo.......................................................................................................................... 89
Contato ........................................................................................................................................ 90

4
Introdução

Primeiramente gostaria de agradecer a confiança em


adquirir este livro. Meu nome é Hederson e decidi escrever
este material porque durante esta jornada de mais de 7 anos
operando no mercado de renda variável nos deparamos
com inúmeras pessoas reclamando dos rendimentos da
poupança, mas não investem em ações porque encontram
dificuldades para entender o mercado financeiro.
Durante esta jornada conheci o Bruno que também
tinha iniciado seu caminho no mercado de ações e isso foi
muito importante, pois tinha alguém para conversar já que na
época pouca gente se interessava pelo assunto para trocar
experiências, discutir ideias e foi há algum tempo atrás que
começamos a profissionalizar nossas operações, planejando
todos os pontos necessários.
Nosso livro tem o objetivo de ir mais além do que
simplesmente ensinar você a abrir uma conta em uma
corretora e comprar uma ação. Queremos oferecer um
conteúdo diferente daquele que existe atualmente e nosso
compromisso é que além de comprar uma ação você
consiga resultados consistentes.
No início parece tudo muito difícil, conceitos
complicados, ordem de compra, ordem de venda, stops,
home broker e mais um monte de palavras que a gente não
entende. Eu sei bem como é, pois eu passei exatamente pela
mesma fase, muita informação e pouco resultado. Entretanto,
isso vai ser explicado detalhadamente e você verá que não
são tão complicadas assim como algumas pessoas fazem
parecer ser.
O sucesso no mercado de renda variável assim como
em outras áreas da vida precisa de dedicação e disciplina e
quero passar para você o que é necessário para que
comece a operar de uma maneira mais profissional e consiga
resultados bem melhores do que você tem hoje.
Torço para que você, iniciante ou não chegue neste
livro o mais cedo possível para assim não perder todo o seu
dinheiro como eu perdi no início. Não me arrependo de ter

5
perdido praticamente tudo quando comecei, só assim foi
possível perceber que estava operando errado e precisava
corrigir. Foi assim que comecei a estudar, estudar e estudar
para melhorar meus resultados.
Eu não entendia nada de ações no início, não tinha
faculdade e muito menos trabalhei em corretora. Tive que
descobrir sozinho o que realmente funcionava e te garanto
que seguindo os passos deste livro você ficará à frente de
mais de 90% dos investidores em ações e consequentemente
trará resultados mais consistentes para você.
Obrigado pelo interesse e desejamos a você uma ótima
leitura!

6
O que são ações?

As ações são títulos negociáveis que representam uma


fração do capital social das empresas de sociedade
anônima (S/A), ou seja, empresas que possuem capital
aberto.
Vamos a um exemplo, vamos supor que você queira
comprar ações da Petrobras, isso significa que você está se
tornando sócio da empresa, em um percentual muito
pequeno.

Porque as empresas emitem ações na Bolsa de Valores?

As empresas quando estão interessadas em expandir


seu capital para adquirir mais recursos possuem várias
alternativas para conseguir esse dinheiro, através de
empréstimos e lançamento de ações na Bolsa de Valores.
Os empréstimos por sua vez possuem o custo elevado
em virtude dos altos juros cobrados, já o lançamento de
títulos negociáveis na bolsa é uma alternativa na qual a
empresa fica livre dos juros bancários, pois os títulos são
vendidos em menores quantidades para as pessoas que por
sua vez se tornam sócios da empresa, pois estão injetando
dinheiro.
Conforme a empresa vai auferindo lucros, parte dele
também é repartida entre os sócios conforme a proporção
de ações que os investidores possuem na forma de
dividendos, desta forma a empresa ganha, pois consegue um
capital livre de juros e os investidores também ganham se a
empresa crescer.

Os tipos de Ações

Primeiramente vamos abordar a nomeação das ações


na bolsa. As ações possuem uma nomenclatura abreviada a
fim de garantir uma padronização na Bovespa, desse modo
aqui no Brasil as ações são nomeadas com 4 letras seguidas
do número de definição do tipo de ação, vamos a um
exemplo:
7
Ações do Banco do Brasil S/A, abreviação em letras
“BBAS”, número que define o tipo de ação “3”, juntando as
letras com o número temos BBAS3, dessa forma é que as
ações são negociadas na bolsa.
Vamos entender sobre as numerações anexadas as
letras das ações. A empresa ao abrir capital opta por emitir
dois tipos de ações sendo elas as ações Ordinárias (ON) e as
ações Preferenciais (PN).
As ações Ordinárias (ON) são representadas pelo
número 3 ao final das quatro letras de nomeação do papel
na bolsa. Essas ações indicam que o investidor tem direito a
voto na empresa e dividendos. Geralmente essas ações
possuem uma liquidez menor de negociação no mercado,
pois grandes quantidades dessas ações são concentradas
nas mãos dos proprietários os quais não negociam as ações
com frequência. Por exemplo, a ação PETR3 as quais são
ações ordinárias da Petrobras S/A.
As ações Preferenciais (PN) são representadas pelo
número final 4 ao final das siglas de nomeação do papel.
Essas ações também dão direito a dividendos, mas não dão
direito a voto na empresa. Essas ações na grande maioria das
vezes possuem uma liquidez maior, pois são negociadas com
uma frequência maior do que as ordinárias. Um exemplo são
as ações da PETR4, ações preferenciais da Petrobrás S/A, mas
não são só esses números que são negociados na bolsa, as
numerações vão de 1 a 11.
Já falamos sobre os números 3 e 4, onde o 3 são as
ações ordinárias (ON) e 4 são ações preferenciais (PN). Os
números 1 e 2 são identificação das subscrições de ação, ou
seja, essas ações lhe dão o direito de subscrever a ação, ou
ainda, direito de comprar uma ação preferencial (PN) por um
determinado valor.
Só comprar estas ações não adianta, você precisa
decidir dentro do prazo se irá subscrever ou não, ou seja, se
irá exercer o direito de comprar o determinado papel pelo
preço pré definido. Se o investidor não subscrever a ação ao
final, o dinheiro de compra desses papeis se vão.
Tomem cuidado, esses papeis normalmente tem preços
pequenos negociados, sendo em muitos casos menos de um
real, chamando a atenção do investidor, porém tem que

8
observar que esse papel dá o direito de comprar a ação em
um determinado valor e em muitos casos a ação ordinária
negociada na bolsa está com a cotação menor em relação
ao preço definido do direito de subscrição, nesses casos o
valor da subscrição cai muito, sendo negociada em até um
centavo, não valendo a pena você subscrever e então se
ninguém comprar suas ações de subscrição, você perde o
dinheiro investido nelas, pois as mesmas tem uma validade
pré-determinada de aproximadamente 30 dias. Exemplos de
ação de subscrição: PETR1 e VALE2, ações de subscrição da
Petrobrás S/A e Vale S/A.
Os números 5,6,7 e 8 também são ações preferenciais,
porém de classes diferentes sendo o número 5, preferencial
classe A (PNA), um exemplo é a VALE5. O número 6 indica
ação preferencial classe B (PNB) o 7 preferencial classe C
(PNC) e o 8 preferencial classe D (PND).
Cada empresa trata as ações de maneira distinta, não
havendo diferenças específicas entre as classes, mas para
saber exatamente as características de uma determinada
ação preferencial é preciso olhar o estatuto da empresa.
As ações de final 9 e 10 se referem em ações de
subscrição de papeis ordinários (ON), funcionam da mesma
forma que as ações de numeração 1 e 2. Exemplo: PETR10,
direito de subscrever ações da PETR3, ou seja, ações
ordinárias (ON).
E por fim as ações de número 11 que se trata de Units, as
quais são compostas por vários tipos de ações, combinando
ações preferenciais e ordinárias, podendo ser composta por
uma ação ordinária e duas preferenciais, não existindo regras
especifica, ou seja, a empresa é quem define. Um exemplo
são as ações do Santander SANB11.

Mercado Fracionário

As ações na bolsa são negociadas por lotes, sendo na


grande maioria dos casos lotes de 100 papeis. Na Bovespa os
negócios são feitos com base nos lotes, ou seja, você não
compra uma única ação, você compra um lote de 100
ações.
9
Para comprar ações individuais, ou seja, fracionando os
lotes, as ações são nomeadas de forma diferente, onde são
acrescidas após o número a letra “F”, por exemplo BBDC3F,
ação ordinária do Bradesco no mercado fracionário.
Se você está com pouco dinheiro e não consegue
comprar um lote fechado, você pode comprar uma fração
desse ativo, no entanto tenha em mente que a liquidez desse
ativo não é igual as ações negociadas em lotes, assim como
os preços. Dessa forma ao comprar uma ação fracionada
você deve se atentar aos preços e informações da mesma e
não as ações da ação normal, ou seja, de lotes completos.

Mercado de Opções

As opções são papeis negociados na bolsa com


validade de um mês. Trata-se de contratos que permitem aos
compradores e vendedores direitos, não obrigatórios, de
comprar e vender determinado ativo em uma data futura.
As opções são nomeadas acrescentando uma letra ao
final do número do papel, exemplo PETR4A, sendo opções de
ações da Petrobras Preferencial com validade para Janeiro.
As letras são definidas de acordo com o período e validade
da opção, e também definem se a ação é de estilo
americano ou europeu.
Não vamos aqui detalhar o funcionamento e entender
as opções, pois é um tema muito complexo e daria outro
livro, mas vale uma observação, as opções tem um valor
baixo e uma volatilidade alta, o que gera grandes variações
em um único dia, ou seja, você pode ganhar muito como
perder muito, nesse caso, se você está iniciando na bolsa,
FIQUE LONGE DAS OPÇÕES.

10
O que é a BOVESPA?

A Bovespa consiste em uma entidade a qual é


responsável pela intermediação e negociação das ações
das empresas de capital aberto do Brasil, ou seja, é a Bolsa
de Valores Brasileira. A Bovespa é subordinada pelo Banco
Central e pela Comissão de Valores Mobiliários CVM, tendo
como sócias as corretoras de valores.
As corretoras que intermediam as pessoas e/ou
investidores para a compra e venda de ativos na bolsa, as
quais cobram taxas de custódia e corretagens dos
investidores.
Atualmente a Bovespa conta com mais de 100
corretoras de valores que intermediam as operações dos
mercados.

11
O que é o Home Broker?

O Home Broker é uma ferramenta semelhante ao Home


Banking oferecido pelos bancos, essa ferramenta permite ao
investidor realizar diversas operações como a ofertas de
compra e venda de ativos, sem a necessidade de estar
presente ao seu banco ou corretora.
As negociações são todas feitas pela internet dessa
forma é possível a entrada de pequenos investidores no
mercado gerando um aumento no volume financeiro 15,2%
em 2013. A maior parte dos investidores da Bolsa é formada
por investidores estrangeiros, sendo responsáveis por 43,7%
em 2013.

12
Como começar?

Antes de começar a investir é necessário saber algumas


informações, como os custos envolvidos nas operações,
escolha da corretora e como transferir seu capital. Então vou
começar explicando um pouco mais sobre as corretoras.
As corretoras são instituições que intermediam as
operações das pessoas a Bolsa de Valores (como Bancos) e
para isso elas cobram algumas taxas.
Taxas de corretagens: são taxas referente as
movimentações, ou seja, na hora de comprar ou vender
determinada ação a corretora cobra um valor sobre essa
movimentação, podendo esse valor ser fixo independente do
volume ou valor financeiro, ou variável, sendo ela aplicada
sob uma porcentagem em cima do capital de compra ou
venda.
Vamos supor que você vai comprar PETR4 que vale R$
9,40 em Janeiro de 2015. Para comprar essa ação é
necessário comprar um lote, a não ser que você compre no
mercado fracionário. Nossos exemplos vão ser sempre
trabalhados com o mercado padrão que é em lotes, para o
fracionário basta multiplicar o valor da ação pela
quantidade, no caso dos lotes, vamos trabalhar com um
único lote, ou seja 100 ações, nesse caso faremos a seguinte
conta:
R$ 9,70 x 100 (1 Lote) = R$ 970,00
Supondo que a taxa é fixa, sendo R$ 16,90, que é um
valor médio no mercado, você pode encontrar taxas
menores ou maiores dependendo da corretora que escolher.
Seu custo será de R$ 16,90 de corretagem, sendo assim,
seu gasto foi de R$ 970,00 + 16,90 + Emolumentos + Taxa de
Liquidação + ISS
Emolumentos? Taxa de Liquidação?
Emolumentos, Taxa de Liquidação e Registro consistem
nas taxas de serviço de negociação emitida pela Bovespa,
sendo para pessoa física 0,0050% de Emolumentos e 0,0275%
de Liquidação.

13
O ISS consiste no Imposto Sobre Serviço, ou seja, é o
imposto cobrado em cima do valor de corretagem, esse valor
varia em cada município, sendo no máximo 5%.
Esses custos são para operações de compra e venda
em mais de um dia, em caso de compra e venda no mesmo
dia, consulte a tabela no link abaixo:

A tabela completa de custos você encontra aqui:

Tabela de Custos

Voltando ao nosso exemplo, você comprou um lote de


100 ações da PETR4 a R$ 9,70 totalizando R$ 970,00, para isso
na compra você vai gastar:
R$ 970,00 x 0,0050% = R$ 0,0485 +
R$ 970,00 x 0,0275% = R$ 0,26675 +
R$ 16,90 x 5% = R$ 0,845 +
R$ 970,00 +
R$ 16,90
Totalizando R$ 988,06

Sendo assim para você ter lucro você precisa vender a


ação por um valor superior à R$ 9,89, caso contrário você
terá prejuízo. No caso de corretoras que cobram a
corretagem em forma variável, é cobrado um % em cima do
montante da compra, por exemplo, até 100 mil reais a
corretora cobra 2% de corretagem. Neste caso é necessário
fazer a multiplicação do valor da ação e da quantidade
comprada, vamos pegar o exemplo anterior:
R$ 9,70 x 100 = R$ 970,00
Para saber o custo de corretagem pegamos o total
multiplicado pela porcentagem.
R$ 970,00 x 2% = R$19,40
R$ 19,40 x 5% (ISS) = R$ 0,97
Portanto para saber o custo basta somar os
emolumentos, taxa de liquidação e ISS. Vamos usar os
mesmos do exemplo anterior, nesse caso temos um custo de
R$ 990,68. Nesse caso para ter lucro você deve vender suas
ações por um valor superior à R$ 9,91.

14
Hoje a grande maioria das corretoras cobra uma taxa
de corretagem fixa, pois as porcentagens acabam na
maioria das vezes sendo muito caras, tornando o custo com
as movimentações muito altas. Você deve analisar bem a
situação, existem corretoras que cobram percentuais
pequenos, se você possui pouco capital sai mais barato que
corretagens fixas, se tornando vantajoso, porém conforme
seu capital vai aumentando será melhor migrar para uma
corretora cujo valor da corretagem seja fixo.
Lembrando que as taxas são cobradas tanto na compra
como na venda, então para verificar se realmente teve lucro
você deve acrescentar mais os impostos e valores do preço
de venda e diminuir do preço de compra, assim saberá o seu
lucro/prejuízo.
Vamos supor que você vendeu suas ações pelo preço
de R$9,91. Seu custo com a venda será igual ao da compra,
vamos calcular:

R$ 991,00 x 0,005% (Emolumentos)= R$ 0,0495 +


R$ 991,00 x 0,0275% (Liquidação)= R$ 0,272 +
R$ 991,00 x 2% = R$ 19,82 +
R$ 19,82 x 5% = R$ 0,991

Custo total da venda foi de R$ 21,13.

Neste caso vendendo as ações por R$ 9,91 você


receberá R$ 991,00 – R$ 21,13 – o custo da compra R$ 990,68,
totalizando um prejuízo de R$ 20,81.
Então tome bastante cuidado com isso, se você não
levar os custos em consideração você não conseguirá
verificar se vai ter lucro ou não. Para melhorar essa questão
desenvolvemos uma planilha de gestão de ativos, com ela
você consegue prever de maneira fácil e gerir seus ativos
evitando com isso prejuízos inesperados.

Planilha Gestão de Ativos

15
Escolhendo a Corretora

Antes de escolher sua corretora, você deve ter definido


com quanto de capital você quer iniciar, pois quanto menor
o capital, menores tem que ser os custos.
Hoje temos diversas corretoras no mercado, e muitas
com diversos benefícios para o investidor como, Home Broker,
ferramentas de análise gráfica, análise fundamentalista,
alavancagem, análises de ativos entre outras.
Tenha em mente o que você quer, se quer um bom
Home Broker, ferramentas de análise gráfica avançadas
entre outros benefícios como cálculos de Imposto de Renda,
você pagará um custo maior pelos serviços. Se você quer
reduzir custos, terá que abrir mão de certos “luxos” para que
seu capital não seja consumido pelas taxas de corretagens e
custódia.
Então avalie cuidadosamente as corretoras, a mesma
deve ser cadastrada na CVM e na BMF Bovespa, caso
contrário ela não está apta a fazer movimentações na
Bovespa, fique longe dela.
Para conferir a lista de corretoras basta acessar o link:
Lista Corretoras

Se o seu capital for baixo, opte por uma corretora cujas


taxas são menores, se o seu capital for alto, você já pode
procurar uma corretora com mais benefícios, mas antes de
tudo pesquise bastante.

Transferindo o Capital

Entrando novamente no mérito do capital inicial


novamente, qual seria o valor ideal para investir na bolsa?
Hoje as corretagens na grande maioria são fixas e já
temos valores acessíveis não sendo mais necessárias grandes
quantidades de capital para começar a investir. Hoje com mil
reais você já consegue investir em ações. Porém o que
ninguém explica são os custos, então tome cuidado com
eles.

16
Quanto menor seu investimento inicial, menores são os
números de operações, pois seus lucros serão pequenos.
Ganhar 2%, 5% a 10% não é tão fácil assim na bolsa e requer
disciplina e estratégia, se você fizer diversas operações
ganhando 2% por exemplo, no final das contas você terá
prejuízo, pois os custos serão maiores que os seus lucros.

Vamos a um exemplo.

Digamos que você comprou 100 ações da VALE5 a R$


12,50, totalizando R$ 1250,00, seus custos serão o seguinte:

Seu custo com a venda será igual ao da compra, vamos


calcular:

R$ 1250,00 x 0,005% (Emolumentos)= R$ 0,06 +


R$ 1250,00 x 0,0275% (Liquidação)= R$ 0,34 +
R$ 16,90 (Corretagem Fixa)
R$ 16,90 x 5% (ISS)= R$ 0,85

Total de custos fora o valor de compra das ações é de


R$ 18,15.

Vamos supor que você teve um lucro de 2%, suas ações


foram vendidas a R$ 12,75 cada, totalizando R$ 1275,00.

Subtraindo os custos:

R$ 1275,00 (Lucro Bruto)–


R$ 16,90 (Corretagem Venda)–
R$ 0,85 (ISS Venda)
R$ 0,06 (Emolumentos Venda)
R$ 0,34 (Liquidação Venda)

Então seu lucro líquido da venda foi R$ R$ 1256,85?

Não podemos esquecer os custos da compra também,


neste caso o custo com a compra foi R$ 18,15, com isso o
valor líquido que sobrou foi R$ 1238,70, neste caso tivemos um
prejuízo de R$ 11,30.

17
Para você ter lucro você teria que ganhar nesse caso
um valor superior 4%, ou seja, o valor de venda seria de R$
13,00 para VALE5. Este percentual não é regra, quanto maior
o capital menor ela se torna, e quanto menor o capital maior
tem que ser esse lucro.
Então inicialmente faça poucas movimentações, se o
seu capital for baixo limite-se a no máximo 3 operações no
mês e um prejuízo aceitável definido, caso contrário o seu
investimento vai acabar se tornando um jogo onde você vai
gastar todo seu capital esperando o sorteio da loteria.
Neste momento você já deve ter feito uma pesquisa de
corretoras e escolhido a que mais se aproxima das suas
necessidades, também teve uma noção melhor de quanto
você irá transferir para a sua corretora.
A corretora como falei funciona como um banco então,
após seu cadastro, envio dos documentos e aprovação você
pode enviar seu dinheiro através de transferência bancaria,
boleto e em alguns casos deposito físico na própria corretora.
Só isso? Sim como falei a corretora funciona como um banco,
transferir o dinheiro para ela funciona da mesma maneira,
porém sempre guarde os comprovantes para eventuais
problemas, problemas de transferências assim como
acontecem em bancos, acontecem nas corretoras, então é
bom sempre guardar o comprovante para que você possa
solicitar o reembolso ou atualização do valor monetário em
conta.

18
A prática - Como comprar e
vender?

Neste momento você já deve estar com o cadastro em


sua corretora feito e com o capital transferido para a sua
conta.
Como comentado anteriormente alguns Home brokers
trazem funcionalidades como gráficos, que auxiliam na
compra e venda de papéis e ferramentas para envio
automático de ordens durante o pregão.
Através desse sistema você terá acesso, de forma
bastante clara e transparente, ao recebimento e a
notificação de ordens executadas. Também poderá
acompanhar a evolução de sua carteira de ações e terá
acesso as cotações em tempo real.
Abaixo segue uma tela de um Home Broker, nele
podemos visualizar o painel de cotações e gráficos no centro
e o livro de ofertas na direita.

19
Livro de Ofertas

O livro de Ofertas é a relação de ordens de compra e


de venda que estão sendo oferecidas durante o pregão. É
nele que acontece a negociação entre compradores e
vendedores separados pelas corretoras que estão
representando os investidores.
Aparecem em duas colunas, pela ordem crescente de
importância, ou seja, as melhores ofertas, tanto para a
compra, como para a venda, vão aparecendo primeiro.
No exemplo abaixo temos o livro de ofertas de GRND3
(Grendene), a cotação atual é de R$15,19 e se nós quisermos
comprar 300 ações temos duas opções. Ou efetuar uma
compra direta em R$15,24 que é a melhor oferta de venda
atualmente, ou podemos colocar uma ordem de compra a
R$15,00, por exemplo, e aguardaremos até que um vendedor
coloque uma oferta de venda neste patamar de preço.

20
Como comprar Ações

A partir de agora entraremos num processo de


aprendizado prático, entendo que somente com a prática
você irá vencer a insegurança inicial no processo de investir
em ações.
Digamos que eu quero comprar 300 ações de GRND3 a
R$15,24. Então clico em compra, informo o papel, a
quantidade e o valor da minha ordem de compra. A opção
validade indica se você quer deixar a ordem de compra até
hoje (final do pregão) ou até cancelar (máximo 30 dias).
Além disso, algumas corretoras pedem que a senha ou
assinatura eletrônica seja digitada.

Após isso você já pode enviar a ordem e conferir o


resumo das informações na próxima tela. Nele podemos
verificar os valores totais e custos da operação. Neste
momento você pode enviar a compra e aguardar a
confirmação que sua ordem foi enviada para a bolsa, após
isso ela poderá ser visualizada no livro de ofertas.

Aproveite também para se certificar de que não errou


na quantidade de ações por lote. Qualquer divergência é só
clicar em “Voltar” e ajustar as informações.
Após sua ordem aparecer no livro de ofertas na lista de
compradores é importante lembrar que você não efetuou
uma compra de ações ainda, você somente está na fila
aguardando um vendedor. Se um vendedor colocar uma
ordem de venda neste valor, aí sim sua ordem será
executada automaticamente.
Caso sua ordem não tenha sido executada e você
queira cancelar ela, procure a opção “status” ou
“acompanhamento de ordens” no seu home broker e
selecione a opção “cancelar ordem”.
21
Tipo de Ordens de Compra

Ordem de Compra a Mercado: é aquela que especifica


somente a quantidade de ações a serem comprados, sem
que seja fixado o preço, devendo ser executada a partir do
instante em que for recebida.

Ordem Limitada: é aquela que deve ser executada por preço


igual ou melhor do que o especificado pelo cliente. Preço
maior ou igual, no caso de venda a limite, ou preço menor ou
igual, no caso de compra a limite.

Ordem de Start de Compra: Você programa uma ordem de


compra para ser enviada à Bolsa quando o preço do ativo
atingir ou ultrapassar o preço pré-determinado por você
como o preço de disparo da ordem.
Assim, você consegue aproveitar as melhores
oportunidades do mercado, sem precisar ficar preso ao
computador esperando as ações atingirem o preço
desejado.
Ex.: Suponha que uma ação GRND3 esteja sendo
negociada a R$ 15,54 e você quer comprar quando o papel
atingir R$15,80. Dessa forma, você poderá colocar a ordem
Start com o preço de disparo a R$ 15,80 e o preço de compra
a R$ 15,90.

22
Colocando Ordens Stop

Após efetuar a compra, é muito importante colocar


uma ordem de stop de venda para proteger sua operação e
evitar perdas maiores do que você está disposto a aceitar.
Você deve criar hábito de colocar uma ordem de stop em
todas as operações após você fazer uma compra de ações.
Imagine que você acabou de comprar 500 ações da
empresa Helbor HBOR3, a R$4,00 cada. Nesse momento suas
ações estão completamente desprotegidas, porém você
tomou a decisão que se o papel chegar a R$3,80 irá vender
imediatamente limitando o seu prejuízo.
Então você colocará uma Ordem de Venda Stop
Limitada com as seguintes características. Assim que o preço
chegar ao gatilho em R$3,81 irá enviar uma ordem de venda
a R$3,80.

A ordem de stop serve para proteger seu capital no


caso de uma queda de preços atípica, além do que ajuda
bastante para não deixar que o lado emocional interfira na
operação.

Tipo de Ordens de Stop

Ordem Stop Limitada ou Stop Loss: Pode ser utilizada uma


ordem stop, de venda ou de compra, para proteger uma
posição comprada ou uma posição vendida caso a cotação
do ativo caia ou suba. Se a operação der errado e a
cotação do ativo seguir contra a posição do investidor seu
prejuízo será limitado. Esta é a situação que vimos no exemplo
acima, ou seja quando a cotação atingir o preço de disparo
a ordem será enviado para a Bolsa. E o preço de venda é o
valor desejado para a venda das ações, esse valor deve ser
um pouco menor que o preço de disparo.

23
Ordem Stop Gain: É a uma ordem preestabelecida para
encerrar uma posição aberta no mercado, com um lucro
preestabelecido. Tem como objetivo permitir que suas metas
de ganho sejam realizadas caso a operação dê lucro.
Imaginem que seus papeis estão valorizando e você
não quer arriscar perder este lucro. Então você pode elevar
seu stop, cancelando a ordem anterior do stop loss e
enviando uma nova informando o preço de disparo e preço
de venda nas opções GAIN. Este é um stop de proteção de
lucro, independente do que aconteça você não corre mais o
risco de sair no prejuízo.

Ordem de Stop Loss/Gain simultâneos: Define ao mesmo


tempo os limites de ganho e de perda em uma única ordem
stop. O investidor define dois preços de disparo, um inferior
(stop loss) e outro superior (stop gain) ao preço do último
negócio.

Tipo de Ordens de Venda

Os principais tipos de ordem de venda são:

Ordem de Venda a Mercado: O investidor especifica a


quantidade a ser vendida e a venda é feita nas melhores
condições do mercado em determinado momento.

24
Ordem de Venda Limitada: Esta é a mais utilizada geralmente
e o investidor especifica a quantidade e o preço desejado
para venda.

Quanto devo comprar?

Esta é uma etapa muito importante que você precisa


planejar muito bem e seguir com muita disciplina, só que
durante todo este tempo operando no mercado de ações
percebo que a maioria das pessoas não se importa com isso.
Muitos querem colocar todo seu capital naquela ação
que com certeza vai dar certo e ficar rico do dia para a
noite, mas geralmente as coisas não acontecem do jeito que
a gente espera.
Preste bem a atenção, durante muito tempo fiquei a
procura de um método milagroso e perfeito que me indicaria
a compra lá no fundo e a venda lá no topo e com isso
deixava de lado um ponto extremamente importante,
quanto devo comprar?
Hoje considero uma etapa crucial que determinará seu
sucesso no longo prazo. O manejo de risco é a etapa de uma
operação que se preocupa em responder a seguinte
pergunta:

Quanto eu posso comprar nesta operação?

O seu sucesso depende de um sólido manejo de risco


de seu patrimônio. Operando com disciplina ele mostra
quanto de seu capital deve ser colocado em cada
operação, qual a perda máxima suportada em cada trade e
o prejuízo máximo de um único mês.

25
Operação por Blocos

Vou explicar uma maneira muito simples e que já vai


fazer uma enorme diferença na sua performance quando
você colocar em prática. Este modelo é chamado de
Operações por Bloco e gosto dele, pois é fácil de entender e
aplicar sem a necessidade de fazer vários cálculos.
Imaginamos que você tenha um capital de R$50.000.
Para diminuir o risco iremos dividir este capital em 5 blocos de
R$10.000, ou seja, para cada trade poderemos comprar até
R$10.000 em ações e poderemos estar posicionados no
máximo em até 5 operações ao mesmo tempo.

10.000 10.000 10.000 10.000 10.000

10.000 10.000 10.000 10.000 10.000


De tempos em tempos conforme seu capital vai
aumentando você tem a opção de aumentar o número de
blocos ou aumentar o tamanho de blocos.
Separei um exemplo que mostra bem os resultados que
um simples manejo de risco pode fazer, vamos dar uma
olhada na situação abaixo:
Temos R$50.000 e vamos fazer 6 trades sem utilizar o
manejo de risco, isto é, vamos utilizar todo o capital em cada
trade.

Resultado Operação % Resultado R$


50,00 75.000,00
50,00 112.500,00
50,00 168.750,00
50,00 253.125,00
-50,00 126.562,50
-50,00 63.281,25
-50,00 31.640,62

Tivemos 4 excelentes trades no início, mas nos últimos 3


trades tivemos grandes prejuízos terminando com uma
desvalorização da carteira na ordem de -36,71%.
Agora vamos fazer a mesma simulação utilizando o
conceito de manejo de risco.
26
Estarei aplicando o método simples que é a divisão do
capital em blocos iguais que neste caso irei dividir em 2
partes, ou seja, irei entrar com metade do capital em cada
trade.

Resultado Operação % Resultado R$


50,00 R$62.500,00
50,00 R$78.125,00
50,00 R$97.656,25
50,00 R$122.067,31
-50,00 R$91.550,47
-50,00 R$68.662,84
-50,00 R$51.497,13

Notem que as mesmas operações aplicando uma


simples técnica de manejo de risco eliminou todo o prejuízo
anterior e ainda ficamos com praticamente 3% de lucro, são
mais de 30% de diferença.
Quero que você pense comigo, aplicando somente
uma simples técnica de divisão do capital em blocos em 7
trades a gente já pode notar uma diferença enorme de
performance. Agora imaginamos isso aplicado durante 5, 10
ou 20 anos.
Existem vários modelos, mas não quero complicar
inicialmente e a diferença dele para outros não é muito
grande. Quero deixar o mais simples possível e sem
complicações para que você comece a investir o quanto
antes.
Agora pare e anote esta técnica de manejo de risco
que você irá utilizar nas suas operações, siga com disciplina e
de forma alguma deixe de utilizar.

27
Analise Fundamentalista

A análise fundamentalista consiste em um estudo dos


papeis das empresas com base nos fundamentos delas como
relação entre os preços do ativo e os lucros da empresa,
lucro líquido, endividamento, dividendos entre outros diversos
indicadores.
Com esses estudos pode-se diagnosticar a saúde
financeira da companhia, sendo possível analisar de forma
estatística o futuro da empresa, se a mesma tem chances de
crescimento ou não, e ainda verificar se os preços atuais dos
papeis estão sobrevalorizados, ou seja, valendo mais do que
realmente vale, de acordo com os critérios fundamentalistas,
ou ainda se a mesma está subvalorizada, ou seja, com um
valor abaixo do mercado.
Os dados para avaliar as empresas provem dos
demonstrativos financeiros das mesmas, onde é possível
avaliar o lucro operacional, ativos, passivos, valor do
patrimônio líquido, receita bruta entre outros.
Um indicador relevante é o balanço patrimonial (BP),
nele reflete-se a posição financeira da empresa em um
determinado momento, sendo formado por ativo,
propriedade mensurável monetariamente, o passivo, dividas
com terceiros e o patrimônio líquido (PL).
Com o patrimônio líquido podemos verificar a riqueza
da empresa, onde a mesma é formada pelo capital investido
acrescido dos lucros retidos, ou seja, o lucro que não será
distribuído pelos acionistas. Sendo assim temos a fórmula:

ATIVO – PASSIVO = PATRIMÔNIO LÍQUIDO

O Demonstrativo do Resultado de Exercício (DRE)


consiste no demonstrativo apurado ao final do exercício,
onde é possível avaliar se a empresa teve lucro ou prejuízo no
determinado período, não acumulando para o próximo
exercício ou período.
Para calcular o DRE é simples, basta diminuir a RECEITA
da empresa pelas DESPESAS, assim temos o LUCRO:

28
RECEITA – DESPESA = LUCRO

O EBITDA, na sigla em inglês, significa lucro antes de


impostos, juros, depreciação e amortização, sendo assim, ele
demonstra o lucro operacional acrescido da depreciação e
amortização inclusas nos preços dos produtos vendidos e nas
despesas operacionais.
Ele nos mostra o real potencial de geração de caixa de
uma empresa, uma vez que indica a quantidade de dinheiro
efetiva gerada na sua atividade.
A Margem Bruta relaciona o lucro bruto da empresa em
relação as vendas em um determinado período,
demonstrando o quanto do valor de venda permanece
dentro da empresa.

MARGEM BRUTA = LUCRO BRUTO / VENDAS LÍQUIDAS

O Valor Patrimonial da Ação, famoso VPA, representa o


patrimônio líquido da companhia em relação a quantidade
de ações, com ele avaliamos o valor que a ação realmente
vale. Se as ações são negociadas com valores superiores ao
VPA, significa que o mercado tem boas expectativas em
relação a empresa, se as ações são negociadas abaixo do
VPA, significa que o mercado tem expectativas negativas em
relação a empresa.
P/VPA, ou Preço da Ação pelo Valor Patrimonial da
Ação, nos mostra se a relação entre o preço da ação e o seu
valor patrimonial estão sobrevalorizados ou subvalorizados,
para calcular basta aplicar a seguinte formula:

PREÇO DA AÇÃO / VPA

Se o valor for maior que 1, significa que a ação está


sobrevalorizada pelo mercado, se estiver abaixo, significa que
a ação está subvalorizada.
A Rentabilidade sobre o Patrimônio (RPL) evidencia a
taxa de retorno do acionista, onde é medido pela
capacidade da empresa de gerar lucro a partir do seu

29
patrimônio, ou seja, do capital que foi investido. Quanto
maior for o RPL, melhor é.

LUCRO LÍQUIDO / PATRIMÔNIO LÍQUIDO = RPL

E por fim o Preço/Lucro ou PL, esse indicador no mostra o


tempo de retorno do nosso investimento, ou seja, o número
de anos necessários para que o investidor lucre a partir de
sua aplicação. Para calcular basta aplicar a seguinte
formula:

PREÇO DA AÇÃO / LUCRO POR AÇÃO = PL

Para obter o lucro, basta dividir o lucro líquido pela


quantidade de ações. Quanto menor o PL, menor o preço da
ação.
Existe mais uma série de indicadores fundamentalistas,
abordamos aqui os principais.
Para acessar os indicadores fundamentalistas das
empresas basta entrar no site www.fundamentus.com.br, lá
você encontra diversos indicadores das empresas prontos e
calculados, e ainda conta com gráficos de
acompanhamento desses indicadores.

DICA: Para otimizar sua forma de investir, vale a pena


combinar a análise técnica com a análise fundamentalista,
onde uma complementa a outra. Utilizamos a análise
fundamentalista para escolher os papeis que vamos operar,
analisamos a saúde financeira da empresa, se ela possui bons
indicadores fundamentalistas, partimos para análise técnica,
onde analisamos o comportamento gráfico para definir os
melhores pontos de entrada e saída de um determinado
ativo.

30
Analise Técnica

A análise técnica, assim como a análise


fundamentalista, consiste em uma metodologia para avaliar
através de critérios os momentos de entrada e saída de suas
operações, e a forma de escolher os ativos que serão
operados.
Acredita-se que a análise técnica pode influir todos os
fatores relacionados ao preço como psicologia, fundamentos
da empresa, aspectos políticos, aspectos econômicos entre
outros fatores.
Esse tipo de análise mostra como os preços se
movimentam, não se preocupando com o porquê, ao
contrário da análise fundamentalista que está relacionada
aos fundamentos da empresa.

Premissas da Análise Técnica

Qualquer coisa que possa afetar o preço de um


determinado ativo, é refletido no preço do mesmo, deste
modo os movimentos refletem as mudanças nas condições
de oferta e procura por este ativo, não se importando com o
porquê, ou seja, não importa o motivo pelo qual o ativo está
subindo ou descendo, de acordo com a análise técnica o
que realmente importa é a força desse movimento.
Sabemos que os preços se movimentam em tendências,
ou seja, eles oscilam variando entre altas e baixas ao longo
de um determinado período, formando as denominadas
tendências, que nada mais são que os movimentos dos
ativos, sendo ele em escala ascendente ou descendente, ou
seja, se o movimento está subindo, a tendência é de alta, se
o movimento está descendo, a tendência é de baixa, se o
movimento está oscilando de forma lateral, a tendência é
neutra ou indefinida.

31
Tendência Lateral

Tendência Alta

32
Tendência Baixa

Gráficos

Vamos entender um pouco sobre os gráficos.


Os gráficos são formados através do comportamento dos
preços, servindo como um mapa para guiar ao longo do
processo de decisão e podem ser representados em diversas
formas, sendo os mais comuns, gráfico de linhas, gráfico de
barras e gráficos de candlesticks.

Gráfico de Linha

O gráfico de linha é formado por uma única linha que


une os pontos de abertura e fechamento de cada período
mostrando de uma forma simples o comportamento do
mercado, com esse tipo de gráfico fica fácil a visualização
de tendências.

33
Gráfico de Barras

É representado por uma barra vertical em cada período,


onde traz consigo quatro informações, sendo ela o preço de
abertura, preço de fechamento, valor máximo, valor mínimo
do período em questão, desta forma as linhas verticais são
compostas em suas extremidades pelos valores máximos e
mínimos, sendo na parte superior o valor máximo e na parte
inferior ao valor mínimo, já os valores de abertura e
fechamento estão representados na horizontal, onde no lado
esquerdo fica a ligação do valor de abertura e no lado
direito o valor de fechamento, onde essas linhas horizontais
vão se ligando, formando o gráfico, conforme a figura
abaixo:

34
Candlesticks

O gráfico de candles, como é comumente chamado, é


o gráfico mais usado, originalmente desenvolvido no oriente,
ele também possui 4 informações, abertura, fechamento,
máximo e mínimo, onde o candle é composto por um corpo,
podendo ser cheio ou vazio, e uma sombra superior e/ou
inferior, mostrando os pontos máximos e mínimos, já o corpo
nos mostra os valores de fechamento e abertura, se o ativo
subiu da abertura para o fechamento o corpo fica vazio com
35
a abertura no ponto mais baixo do corpo e o fechamento no
ponto mais elevado. Se o candle desceu, cheio, com a
abertura no ponto mais elevado do corpo e o fechamento
no ponto mais baixo, já pode o candle não ter corpo se a
abertura for igual ao fechamento, sendo apenas uma linha
horizontal.

36
Periodicidades

Os gráficos não variam só com os preços, mas também


com o período de tempo, podendo variar esse tempo de 1
minuto aos 120 minutos e também em Diário, Semanal,
Mensal, Trimestral e Anual, podendo possuir mais dados de
acordo com sua base de dados, nesses intervalos, por
exemplo no gráfico de 1 minuto, a barra ou o candle serão
definidos de acordo com as variações de preços ocorridas no
período de tempo, e a cada um minuto vão surgindo mais
uma barra ou candle, construindo assim o gráfico.

Gráfico Diário

37
Gráfico Semanal

O que podemos observar com relação a periodicidade


é algo importante, pois quanto menor esse intervalo, maior a
volatilidade do ativo, ou seja, as variações ocorrerão em
intervalos curto de tempo, quanto maior o tempo gráfico,
menor essa volatilidade, ficando o gráfico mais suave, sendo
suas operações mais fáceis e com um nível de risco menor,
porém tempos gráficos maiores que semanal, ou seja, mensal
e anual, as operações levam muito tempo para ocorrer, e em
caso de prejuízo, os mesmos são muito grandes. Além do
mais, nem todos os ativos possuem um histórico relevante
para operações em tempos gráficos tão altos.

Teoria de Dow

Dow desenvolveu uma teoria a qual é muito utilizada no


mercado, ele definiu com isso alguns princípios básicos:

Primeiro: Toda ação reflete os fatores envolvidos nela, ou


seja, os preços das ações descontam tudo.

Segundo: O mercado é composto por três tendências,


sendo elas definidas em primária, secundária e terciária.

38
Tendência Primária: consiste na tendência principal do
mercado, é um movimento longo de alta ou de baixa que
pode gerar grande valorização ou desvalorização e pode
durar meses ou anos.

Tendência Secundária: é uma tendência um pouco


mais curta que a primária, podendo durar de semanas a
meses.

Tendência Terciária: consiste em uma tendência curta,


com duração de dias a semanas, ela mostra pequenas
variações do mercado gerando pequenas valorizações ou
desvalorizações.

Terceiro: Dow também descreveu que os movimentos


dos preços, tanto de alta como de baixa são caracterizados
por aspectos psicológicos, marcantes em cada fase,
totalizando 3 fases.

39
As Fases no Mercado de Alta

Acumulação: ela inicia quando os investidores acreditam que


o mercado está prestes a virar, onde os dias de queda estão
chegando ao fim, então começam a comprar as ações dos
investidores mais pessimistas. Nessa fase as notícias ainda são
negativas.

Alta: quando o movimento inicia uma subida, analisando


pelos gráficos, logo é possível notar uma aceleração desse
movimento crescente, chamando a atenção do mercado,
com isso, aumentando as compras dos papeis.

Euforia: nessa fase os investidores já estão seguros de seus


lucros, então eles começam a vender. No entanto as notícias
estão extremamente otimistas em relação aos papeis e a
grande massa entra comprada no ativo, no entanto esses
ativos já não estão com grande fôlego para continuar
subindo, gerando alguns picos de alta e em seguida
revertendo a tendência.

40
As Fases do Mercado de Baixa

Assim como no mercado de alta, a baixa também


possui 3 fases, sendo elas:

Distribuição: nesta fase os investidores mais preparados estão


se desfazendo de suas operações cada vez mais rápido,
também é possível notar uma redução no volume,
diminuindo as subidas. As pessoas começam a se mostrarem
irritadas por não conseguirem concretizar os seus lucros e
então inicia o movimento de baixa.

Baixa: nesta fase o movimento inicia-se lento, onde é


caracterizado pelas vendas de investidores aflitos. Aqui as
notícias já começam a ser de pessimismo e os valores
começam a cair, mas de forma lenta, pois os investidores que
compraram na euforia, ainda acreditam que o movimento
pode se reverter e retomar a alta.

Pânico: nessa fase os vendedores tornam-se mais apressados,


já há escassez de compradores e os valores dos ativos
começam a cair drasticamente, ou ainda, inicia-se uma
tendência lateral mostrando a indecisão do mercado. Nessa
fase inicia a oportunidade para comprar e início de uma alta.

41
Dow também fala da confirmação da tendência por
diferentes indicadores, ou seja, a tendência deve ser
confirmada por no mínimo dois indicadores. Também fala
que o volume deve ser um desses indicadores de
confirmação da tendência.
Para definição das tendências deve-se usar apenas os
valores de fechamento do mercado e ele diz também que a
reversão da tendência se dará apenas quando houver uma
falha na tentativa de furar um topo em caso de tendência de
alta, ou fundo no caso de tendência de baixa e em seguida
a penetração de um fundo ou topo maior de acordo com a
tendência.

Entendendo os Topos e Fundos

Os topos e fundos são o que define as tendências, ou


seja, a tendência de alta é formada por topos e fundos
ascendentes, já a tendência de baixa é formada por topos e
fundos descendentes.
Os Topos sãos formados por uma sequência de alta até
um candle ou pico maior, em seguida desse pico os candles
começam a cair, não ultrapassando o preço máximo do
candle anterior, formando uma ponta, essa ponta é
chamada de topo.

42
Os fundos são topos inversos, ou seja, são formados por
uma sequência de queda até um pico de baixa, seguido
desse pico os preços começam a subir, não ultrapassando o
preço mais baixo anterior, formando assim um pico de baixa,
ou seja, um fundo.

43
Suporte e Resistência

O suporte e resistência são identificados por traços ou


linhas horizontais ligando os topos ou fundos.

Resistências: são formados por um ou mais topos, onde traça-


se uma linha horizontal ligando os topos. A Resistência indica
que o interesse de vender é grande, superando a pressão
compradora e o movimento altista tende a parar. Quanto
mais topos estiverem conectados nessa linha, maior a força
dessa resistência.

Podemos observar 3 suportes nessa figura, onde nos dois primeiros os suportes
vieram de uma tendência de alta onde formaram o suporte e os preços
tiveram dificuldades de romper, fizeram uma pequena correção e só depois
romperam, e no ultimo suporte os preços bateram duas vezes na linha, no
entanto não tiveram força para romper, revertendo a tendência principal.

Suporte: são formados por um ou mais fundos, onde ao traça-


se uma linha horizontal ligando os fundos. Ela indica que o
interesse de comprar é grande, superando a pressão
vendedora. Se o suporte for seguido de uma resistência, isso
indica que o papel tem maior probabilidade de retomar essa
alta.

44
Podemos observar a existência de vários suportes nessa figura, onde a
tendência vem crescendo formando diversos fundos e com eles suportes onde
os preços não rompe e continuam a tendência de alta.

Podemos observar aqui que os preços rompem a primeira resistência e formam


uma segunda, os preços perdem força e retomam para linha de resistência,
que agora é um suporte, e retoma a tendência de alta rompendo a próxima
resistência. Nessa figura também podemos observar um pivot de alta, que
consiste no rompimento da resistência e retomada da mesma como suporte, e
logo após volta para a tendência de alta.

45
DICA: em operações de suporte e resistência, parece obvio,
mas a regra é a seguinte, compra-se no suporte e vende-se
na resistência, porém operar apenas com suportes e
resistências é arriscado, são operações curtas e requerem um
acompanhamento integral.

DICA: na grande maioria das vezes, quando os valores


rompem a resistência máxima, os preços tendem a voltar
nessa resistência formando um suporte, após isso eles voltam
retomando a tendência de alta, isso se chama PIVOT,
lembrando deve-se esperar no fundo um candle com valores
maiores que os de baixa, caso contrário ele pode romper o
suporte e reverter a tendência. O PIVOT pode ser de baixa ou
de alta.

Linhas de Tendências

Como comentamos anteriormente, as tendências são


formadas por topos e fundos ascendentes e descendentes,
fazendo um zigue e zague de alta ou de baixa.
Nesses zique e zagues podemos traçar linhas, se os
fundos seguirem uma linha inclinada para cima, crescente,
chamamos de Linha de Tendência de Alta (LTA), se essa linha
for decrescente, ou inclinada para baixo, chamamos de
Linha de Tendência de Baixa (LTB).
Essas linhas confirmam se a tendência é de baixa ou de
alta, e facilita sua visualização.

46
Em azul a formação das linhas de tendência de alta (LTA)

Em vermelho sinaliza a linha de tendência de baixa LTB.

47
Canais de Preços

Em várias ocasiões esse zigue e zague de alta ou de


baixa segue dentro de um canal, ou seja, se desenharmos as
LTA nos fundos, podemos duplicar essa linha e coloca-la nos
topos, formando um canal, ou seja, se desenharmos duas
linhas inclinadas, uma linha juntando os fundos e uma linha
juntando os topos e essas duas linhas seguirem o mesmo
formato, ou seja a mesma inclinação, definimos essa figura
como canal de preços. Essa mesma estratégia pode ser feita
na tendência de baixa, onde duplicamos a LTB, formando um
canal de preços de baixa.
Os canais indicam força na tendência e nos mostram
que ela ainda tem força para seguir.

Se os preços romperem as linhas do canal, estima-se que


o gráfico deva ir até a sua projeção, ou seja, se romper a
linha superior, o gráfico tende a voltar rapidamente formando
um PIVÔ.

48
Pelo gráfico é possível evidenciar o canal de alta formado por topos e fundos
ascendentes, onde ao final do canal os preços rompem a linha inferior,
tentando voltar novamente a ela, porém continuam a queda até a projeção
do canal, onde os preços novamente rompem e forma outro pivô,
confirmando a reversão da tendência.

49
GAPS

Quando olhamos um gráfico na grande maioria deles


nos deparamos com GAPS, e o que são GAPS, são intervalos
entre os preços, ou seja, lacunas vazias onde os preços não
são negociados, criando assim um espaço gráfico entre esse
período sem negociação.

Em amarelo podemos observar o GAP entre os candles.

Os GAPS apresentam alguns padrões classificados em 4


tipos mais comuns:

GAP de Área.

É o mais comum e ocorre dentro de áreas de congestão


em mercados de baixa liquidez e com alta volatilidade, ele
indica a indecisão ou falta de interesse por parte dos
investidores.

50
GAP de Fuga

Esses GAPS ocorrem quando os gráficos formam figuras


trigonométricas (será explicado mais a frente) e em suportes e
resistências, desta forma os preços rompem essas figuras ou
linhas formando esses “pulos”, sendo de grande importância
pois quando isso acontece, na maioria das vezes a tendência
do rompimento se confirma, independente se ela for de alta
ou de baixa.

Neste gráfico após a formação de uma figura trigonométrica, podemos


ver o rompimento da mesma com um GAP e posteriormente a
continuação da tendência.

51
GAP de Continuação

A frequência desses GAPS é menor, normalmente eles


ocorrem seguidos, ou seja, em uma tendência de alta ou
baixa inicia com um GAP e após um ou dois fechamentos
forma-se outro GAP, isso indica que o movimento, na maioria
das vezes continuará.

Nota-se os dois gaps em amarelo reforçando a tendência de baixa, logo


depois o gráfico lateraliza retomando essa tendência.

52
GAP de Exaustão

Ele é caracterizado no final de uma tendência, como


nome já diz, quando a tendência entra em exaustão, sem
força para continuar, dessa forma, na tendência principal
forma-se um GAP e em seguida os preços não conseguem
mais romper de forma significativa o fechamento do preço
após o GAP, revertendo então a tendência.

Ilha de Reversão

Consiste na formação de um GAP de exaustão e à


medida que a tendência reverte forma um GAP de fuga,
confirmando assim a reversão do movimento, independente
se ele for de alta ou de baixa.

53
Padrões Gráficos

Ao logo dos anos especialista estudaram


exaustivamente o comportamento dos gráficos, e com isso
identificaram que em diversos movimentos eram seguidos de
padrões ou figuras trigonométricas, com isso iniciou-se uma
série de estudos em cima dessas figuras trigonométricas a fim
de saber o significado desses padrões e como proceder assim
que os mesmos eram formados.
As figuras são classificadas em dois tipos, figuras de
continuação, que confirmam a continuação da tendência
principal, e figuras de reversão, que mostram que o mercado
está prestes a virar.

54
Padrões Gráficos de Continuação

Triângulos

São formados em uma região de congestão onde os


topos e fundos vão se afunilando para a direita. Existem três
tipos de triângulos, os simétricos, ascendentes e
descendentes.

Triangulo Simétrico: consistem em um triângulo quase


simétrico, porém com ângulos diferentes, ou seja, não há
necessidade de todos os ângulos serem iguais.
Esta forma indica a indecisão por parte dos investidores,
nesta fase o volume de negócios começa a diminuir até a
confirmação da tendência, vamos supor que essa figura
apareça em uma tendência de alta, à medida que os preços
vão se afunilando para direita, assim que ele rompe as linhas
do triângulo tanto para cima como para baixo, o volume
começa a aumentar, mostrando a força para continuação
da tendência, ou ainda podendo reverter a tendência.

55
DICA: a base do triângulo normalmente diz o tamanho da
queda, ou seja, se traçarmos uma linha entre as outras duas
linhas em vermelho, teremos mais ou menos a noção do
trajeto da tendência.

Triângulo Ascendente: o triângulo ascendente possui o lado


superior horizontal e a parte inferior inclinada de forma
ascendente ou crescente, nesse caso o rompimento
normalmente ocorre na linha horizontal, e indica que a
tendência irá permanecer de alta.

Triângulo Descendente: o descendente é o inverso do


triângulo ascendente, onde a linha horizontal fica na parte
inferior e a linha inclinada decrescente ou descendente fica
na parte inferior, deste modo o rompimento se dá na parte
inferior, ou seja, na linha horizontal, seguindo assim a
tendência de baixa.

56
DICA: Assim como no triângulo simétrico, os triângulos
ascendente e descendente funcionam da mesma forma, o
tamanho do rompimento é na grande maioria das vezes igual
a amplitude do lado esquerdo do triângulo, a base, sendo
assim possível ter uma noção de quanto o ativo possa descer
ou subir.

Retângulos

Os retângulos são formados por uma sequência de


topos e fundos laterais, formando assim duas linhas horizontais
perpendiculares, parecido com a forma de um retângulo.
Esse formato indica indecisão no mercado, ou seja, é
melhor esperar o rompimento desse retângulo para começar
a operar.

57
DICA: O rompimento do retângulo segue a regra dos
triângulos, assim que o rompimento ocorrer estima-se que o
tamanho da nova sequência seja parecido com a altura do
retângulo.

Padrões de Reversão

Ombro Cabeça Ombro

O ombro cabeça ombro (O-C-O) é o formato mais


comum dos padrões de reversão, ela lembra a figura de uma
pessoa, onde a linha do pescoço pode ser horizontal,
inclinada para cima ou para baixo.
Existe uma exceção, no mercado de queda, o O-C-O
pode ter um “ombro” mais baixo que o outro, essa figura se
chama ombro cabeça ombro invertido.

58
Topos Duplos e Triplos

São formados a medida que os preços sobem e atingem


um determinado patamar, depois os preços caem e voltam
atingindo o mesmo patamar, ou próximo dele.
Nessa fase o volume vai diminuindo caracterizado pela
retração do mercado. Temos então que os topos duplos
sinalizam a venda, ou seja, o mercado está com dificuldade
de romper essa linha de preços e tende a fazer uma reversão
da tendência ou lateralizar a mesma.
Assim como os topos duplos, os fundos duplos sinalizam
compra, pois nos mostram que o mercado está com
dificuldades de romper os valores dos fundos, fazendo então
uma reversão da tendência ou lateralização da mesma.

59
Teoria do Candelabro Japonês – CANDLESTICKS

Os gráficos de candles surgiram em 1500 no Japão, ele


foi desenvolvido por Munehisa Homma, para analisar os
preços do arroz, com esses gráficos ele ganhou cerca de 100
trades consecutivos, sendo então chamado pelo governo
para ser consultor financeiro onde ainda concederam a ele
título de samurai.
Essa técnica ficou restrita aos orientais e só nos meados
da década de 70 quando o americano Steve Nison foi em
uma viajem para o Japão, aprendeu essa técnica e difundiu
a mesma, escrevendo um livro chamado Japanese
Candlestick Charting Techniques.
Os candles hoje são uma das ferramentas mais ágeis,
pois geram sinais importantes de reversão dos preços como
de continuação dos mesmos, com eles são possíveis observar
sinais que nos mostram através dos candles o
comportamento do mercado.

60
Martelo

O martelo tem o corpo na parte superior do candle com


uma “calda” ou “sombra” inferior longa, sendo no mínimo o
dobro do tamanho desse candle. Essa figura não pode ter
calda superior e ela indica que o mercado está para reverter,
se ele aparecer após uma correção de baixa.
Se o martelo aparecer em um topo de alta, ele é
denominado homem enforcado, indicando que essa alta
está para se reverter. Não à importância se o candle está
preenchido ou vazio, ou se está colorido em vermelho ou
verde, sendo seu fechamento de alta ou baixa.

Engolfamento

Esse padrão é composto por duas velas, ou dois candles,


de cores opostas, sendo que um candle sobrepõe o outro,
indicando a reversão da tendência.
Para esse padrão ser válido o mercado deve estar em
uma tendência principal de alta ou de baixa, podendo ela
ser de curto prazo, o corpo da segunda vela, deve envolver a
vela anterior, ou seja, possuir a abertura e o fechamento

61
maiores que as máximas e as mínimas do candle anterior. O
engolfo pode ser de alta ou de baixa, sendo o de alta
quando ocorre ao final de uma tendência de baixa, sendo o
primeiro candle de baixa e o segundo, o maior, de alta. O
engolfo de baixa é o inverso, ocorre ao final de uma
tendência de alta onde os candle menor é formado por uma
alta e o candle maior formado por uma baixa.

Estrela da Manhã

É um padrão que mostra a reversão do mercado, ele


aparece em um fundo, possuindo um corpo pequeno, sendo
a cor do corpo e da estrela indiferente, o que importa é que
esse corpo seja pequeno.
Quando esse padrão aparece, significa que o mercado
perdeu força, gerando a possibilidade de reversão da
tendência principal.

62
Doji Star

O Doji é uma figura de candle que a abertura e o


fechamento são na mesma linha, demonstrado apenas por
um traço, ou seja, o preço de abertura e de fechamento são
praticamente iguais.
Quando o Doji é seguido por um candle mais um GAP
ou o GAP mais o candle é formado após o Doji, isso indica
reversão da tendência, se o candle antes do Doji for de alta e
o posterior ao Doji for de baixa, a tendência deve reverter
para baixo. Se o candle anterior for de baixa e o posterior ao
Doji for de alta, a tendência deve reverter para cima.

63
Engolfo de Queda

Consistem em um padrão formado por dois candles,


assim como engolfo normal, onde o primeiro representa um
dia de alta e a segunda um dia de baixa, onde o segundo
candle “engole” o candle anterior, fazendo com que a
tendência reverta.

64
Estrela Cadente

Funciona da mesma maneira que o martelo, porém é


invertido, formada por um pequeno candle com uma
“cauda” duas vezes maior que seu corpo, virada para cima.
Ela aparece normalmente em topos, indicando a reversão do
mercado, porém pode também aparecer em fundos.

Nuvem Negra

A núvem negra é formada por dois candles, quem juntos


sinalizam a reversão de uma tendência de alta, mostrando a
fraqueza da continuação da mesma.
É formada por um candle de alta, e o segundo candle
de baixa, com abertura superior ao fechamento do candle
anterior, e o fechamento próximo a abertura do candle
anterior.

65
Harami – Mulher Grávida

O Harami é formado por um candle de corpo pequeno


que está totalmente contido “dentro” do candle anterior o
qual possui um corpo maior, gerando a impressão de uma
mulher grávida. Esse padrão indica que o mercado está sem
força para seguir o movimento, mas não indica que o
mercado irá reverter.

66
Indicadores

A análise gráfica tradicional é muito subjetiva, ou seja,


fica a cargo da interpretação de cada um, onde é
necessário o acompanhamento integral.
A chance de sucesso operando somente com a análise
técnica tradicional é pequena para investidor iniciante sendo
necessário bastante experiência. Para isso foi desenvolvido
uma série de indicadores matemáticos a fim de estudar o
comportamento do mercado de forma estatística e
aumentar as taxas de acerto na hora de realizar as
operações.
Os indicadores começaram a ter força na década de
70 com o boom do desenvolvimento da análise técnica,
devido o auxílio dos computadores para o desenvolvimento
dessas estratégias.
Existe vários tipos de indicadores e os mesmos são
classificados em rastreadores de tendências como médias
móveis, e os osciladores de tendências como o IFR, Índice de
Força Relativa. Vamos abordar nesse livro apenas os
seguidores de tendência.

Médias Móveis

É o indicador mais usado e mais versátil que existe, pois


sua fórmula é simples e ele é realmente útil. Existem diversos
tipos de médias como média simples ou aritmética,
exponencial, logarítmica, ponderada entre outras.
Aqui nós vamos nos ater as médias simples e a média
exponencial. A média simples é calculada da seguinte forma:

67
MM = PF¹ + PF² + PF³ + ....+ PFn
n

Onde:

MM = Média Móvel
PFn = Preço de Fechamento do dia n
n = Número de dias, ou período.
Com isso temos a média de um determinado período.

Todo candle vai possuir um ponto no gráfico com essa


média, então esses pontos são ligados por uma linha
formando um gráfico de linhas em relação as médias dos
preços de fechamento dos candles, por isso o nome de
média móvel, pois essa média vai se movendo ao longo do
tempo. Essa linha suaviza as flutuações dos preços nos
mostrando de forma clara a tendência do mercado.
A média exponencial, MME, é representada pelo preço
de fechamento do dia, a média móvel exponencial do dia
anterior e n o período a ser calculado, definido pela seguinte
formula:

MME = Preço de Fechamento*K + MME de Ontem*(1-K)

Sendo K = 2/(N+1)

A média exponencial os preços mais novos tem maior


importância no cálculo, mantendo uma participação maior.
Não existe média melhor ou pior, a média vai depender de
como você usa a sua estratégia.

68
Abaixo temos a visualização de uma média móvel de 21
períodos exponencial (azul) e a média móvel de 21 aritmética
(vermelha).

No próximo capitulo iremos entrar em mais detalhes de como


podemos usar as médias móveis para definir nossa estratégia
para operar no mercado de ações.

69
Estratégias de operação

Antes de entrar de fato nas estratégias quero alinhar


com você o conceito de setup. Chamamos de setup um
conjunto de regras que irão definir os pontos exatos de
compra e venda de ações. Vou colocar um exemplo bem
simples de setup abaixo para você entender melhor.

70
No exemplo acima temos a seguinte regra:

Compra: No rompimento da máxima de cada candle


anterior.
Venda: No rompimento da mínima do candle anterior. Notem
que fomos acumulando compras durante toda a subida de
preços e vendemos próximo do topo quando tivemos um
candle que violou a mínima do candle anterior.
Este é um sistema básico que poderia ser usado sem
problemas e o melhor, você eliminaria boa parte do lado
emocional de uma operação justamente porque você sabe
o que fazer em cada momento. A pior coisa que existe é
você entrar em uma operação sem nenhuma estratégia,
cedo ou tarde infelizmente você vai aprender uma lição.
Legal, agora que você já sabe o que é um setup vou
explicar para você algumas estratégias que você pode
utilizar em suas operações e assim aumentar suas chances de
sucesso.

Estratégia 1

A próxima estratégia que vou apresentar aqui chama-se


Cruzamento de Médias Móveis, que aprendemos no capitulo
anterior. Médias móveis são uma das mais populares e
antigas ferramentas para análise técnica. Um dos principais
motivos do uso de médias móveis é que ele suaviza os
movimentos de uma ação reduzindo o ruído gerado pela
movimentação dos preços. Outro motivo muito importante é
que ele mostra a tendência principal do papel.

71
No gráfico abaixo inserimos no gráfico uma média
móvel de 50 (linha azul) e chegamos à conclusão que média
móvel inclinada para baixo sinaliza tendência de queda do
papel (Ponto A) e média móvel inclinada para cima sinaliza
tendência de alta do papel (Ponto B).

Como aprendemos anteriormente, Média Móvel


Aritmética ou média móvel simples como também é
conhecida, é aquela que é calculada somando-se os preços
de fechamento da ação para o período de estudo
selecionado, e em seguida divide o valor encontrado pelo
período total.
Média Móvel Exponencial (MME) – tem como
característica o fato de dar um peso maior ao preço mais
recente no cálculo da média, por isso é muito comum
chamar a MMA uma média móvel lenta e a MME uma média
rápida. Observe no mesmo gráfico a diferença de
comportamento entre as médias onde a MME (laranja) move-
se mais rápido que a MMA (azul).

72
OK, agora que conhecemos um pouco mais sobre
médias móveis vamos voltar a nossa primeira estratégia. O
primeiro passo é inserir uma média móvel exponencial de 9 e
outra de 21.

Compra: No Cruzamento da MM9 para cima da MM21


marca-se a máxima do candle e no rompimento deste
candle efetua a compra. Se o próximo candle fechar abaixo
marcamos a máxima e vamos fazendo isso até ocorrer o
rompimento. Se neste período a MM9 cruzar para baixo a
MM9 o sinal de compra está descartado.

Stop: Na mínima do candle que gerou entrada.

Venda: No Cruzamento da MM9 para baixo da MM21 marca-


se a mínima do candle e no rompimento desta mínima efetua
a venda.

73
No exemplo acima fica fácil de entender, quando
ocorreu o cruzamento da MM9 pela MM21 marcamos a
máxima, porém como não houve o rompimento baixamos
para a próxima máxima e isso acontece ainda nos próximos 2
candles antes de ocorrer o rompimento. Notem que a MM9
no momento do rompimento continua acima da MM21, caso
contrário anularia o trade.
O stop fica na mínima do candle que gerou a entrada e
acompanhamos a operação enquanto a MM9 não cruzar
pra baixo a MM21.
No momento que a MM9 cruzar para baixo a MM21
marcamos a mínima do candle e caso ocorra o rompimento
desta mínima, efetuamos a venda. Se ocorrer de não violar
esta mínima e a MM9 cruzar para cima a MM21 continuamos
no trade até ocorrer um novo cruzamento.

74
Só para registrar, esta operação em ABEV3 gerou um
lucro de 171%. Nada mal, hein?

Ponto de Compra (C) e Ponto de Venda (V). Nas regiões


circuladas ocorreu o cruzamento da MM9 pra baixo da
MM21, mas não ocorreu o rompimento da mínima e
continuamos na operação conseguindo um excelente lucro.

75
Vamos a outro exemplo, agora em POMO4. A entrada
foi feita em outubro de 2011 e permanecemos no trade até a
metade de 2013 com um lucro final de aproximadamente
80%. Percebam como uma estratégia simples pode mudar
drasticamente os seus resultados na bolsa de valores.

Operando através de uma estratégia e sabendo todos


os parâmetros de uma operação (ponto de compra, venda,
capital alocado) nós eliminamos boa parte do emocional
envolvido. Isto porque sabemos exatamente o que fazer para
cada movimento de preços.

76
Percebam como uma estratégia simples pode mudar
drasticamente os seus resultados na bolsa de valores. No
exemplo acima entramos em novembro e saímos no início de
2013. Um lucro de aproximadamente 67%.
Quero que você note também que além de oferecer
oportunidades de compra ele também nos deixa de fora de
toda a tendência de baixa, eliminando as chances de você
estar numa operação e ver seus preços caírem
drasticamente.

77
Estratégia 2

Segunda estratégia se chama Média Móvel 9.1 e


funciona da seguinte forma.
Os preços vêm em movimento de baixa com a média
móvel de 9 exponencial. No candle em destaque a média
virou para cima, marcamos a máxima e no rompimento
efetuamos a compra, nosso stop de proteção ficará na
mínima do candle anterior.

Vamos acompanhando tranquilos a operação até a


média móvel virar para baixo, neste momento marcamos a
mínima deste candle e na violação desta mínima efetuamos
a venda e encerramos a operação como você pode conferir
na próxima figura.
Caso a média vire para baixo e os preços não violarem
a mínima, seguimos normalmente na operação.

78
A operação que utilizamos neste exemplo gerou um
lucro de 150%. Segue abaixo os detalhes desta estratégia:

Compra: Os preços vêm em movimento de baixa com a


MME9 virada para baixo, no primeiro candle que a média
virar para cima você marca a máxima deste candle e no
rompimento dela você efetua a compra. Caso não rompa no
próximo à entrada continua válida enquanto a MME9 estiver
virada para cima.

Stop: Na mínima do candle que gerou entrada.

Venda: Você vai acompanhado a operação enquanto a


MME9 estiver virada para cima, no momento que ela virar
para baixo você marca a mínima do candle. No rompimento
desta mínima você efetua a venda.

79
Estratégia 3

A próxima estratégia se chama Média Móvel 9.2 e ao


contrário da estratégia anterior que pega o início de uma
tendência de alta, esta estratégia pega uma tendência de
alta já consolidada e vai permitir entrar na operação numa
correção desta tendência.
Os preços vêm em movimento de alta com a média
móvel de 9 exponencial virada para cima. Aguardamos um
candle que faça um fechamento abaixo da mínima do
candle anterior. A partir daí vamos marcando a máxima até
ocorrer o rompimento, neste momento é feito a compra. É
importante dizer que a média móvel não pode virar para
baixo durante este processo.

80
Feito a compra vamos acompanhando tranquilos a
operação até a média móvel virar para baixo novamente,
neste momento marcamos a mínima deste candle e na
violação desta mínima efetuamos a venda e encerramos a
operação como você pode conferir na próxima figura.
Caso a média vire para baixo e os preços não violarem
a mínima, seguimos normalmente na operação.

Segue abaixo os detalhes desta estratégia:

Compra: Preços em tendência de alta (MM9 virada


para cima) e a partir do momento que um candle fechar
abaixo da mínima do candle prévio nós vamos marcando a
máxima do candle até ocorrer o rompimento. Superando a
máxima efetuamos a compra.

Stop: Na mínima do candle que gerou entrada.

Venda: Você vai acompanhado a operação enquanto


a MME9 estiver virada para cima, no momento que ela virar

81
para baixo você marca a mínima do candle. No rompimento
desta mínima você efetua a venda.

Estratégia 3

A próxima estratégia se chama Média Móvel 9.3 e


também precisa de uma tendência de alta já consolidada
que vai permitir entrar na operação numa correção desta
tendência.
Os preços vêm em movimento de alta com a média
móvel de 9 exponencial virada para cima. Aguardamos um
candle que faça dois fechamentos abaixo de um candle de
referência. A partir daí vamos marcando a máxima do
segundo fechamento e aguardo o rompimento, neste
momento é feito a compra. Pode ocorrer mais de dois
fechamentos abaixo e ir baixando a máxima, mas é
importante dizer que a média móvel não pode virar para
baixo durante este processo.

82
Feito a compra acompanhamos a operação até a
média móvel virar para baixo novamente (igual às estratégias
anteriores), neste momento marcamos a mínima deste
candle e na violação desta mínima efetuamos a venda e
encerramos a operação como você pode conferir na
próxima figura.
Caso a média vire para baixo e os preços não violarem
a mínima, seguimos normalmente na operação.

83
Segue abaixo os detalhes desta estratégia:

Compra: Preços em tendência de alta (MM9 virada para


cima) e aguardamos um candle que faça dois fechamentos
abaixo de um candle de refêrencia. A partir daí vamos
marcando a máxima do segundo fechamento e aguardo o
rompimento, neste momento é feito a compra.

Stop: Na mínima do candle que gerou entrada.

Venda: Você vai acompanhado a operação enquanto a


MME9 estiver virada para cima, no momento que ela virar
para baixo você marca a mínima do candle. No rompimento
desta mínima você efetua a venda.

84
Filtro Para Aumentar Drasticamente Suas Chances de Acerto

As estratégias que foram apresentadas aqui funcionam


a muito tempo e vão continuar funcionando, mas por que é
tão difícil utilizar uma estratégia tão fácil?
A estratégia é lucrativa, mas acredito que muita gente
não utiliza pelo fato de ela gerar muitas entradas falsas
(operações com prejuízo) antes de pegar aquele grande
movimento e por falta de disciplina depois da terceira
operação com prejuízo o investidor abandona o sistema. Em
minha opinião independente das entradas falsas, é preciso
um único movimento para compensar todo o prejuízo e gerar
um bom lucro. Mas há algum tempo atrás resolvi melhorar
essas estratégias para minimizar esse problema e vou
apresentar agora pra você como melhorar drasticamente
suas operações.
No gráfico abaixo semanal de JHSF3 a estratégia da
MM9.1 teria dado entrada nos dois pontos em destaque,
porém com esse filtro que desenvolvemos ele não entraria
nos pontos indicados.

85
Mas afinal, que filtro é esse? OK, vamos lá, você irá
pegar a mesma ação e a mesma média e irá mudar para o
gráfico superior. No caso acima estava analisando JHSF3
Semanal, então vou pegar e mudar para Mensal.

Destaquei para ficar mais fácil, o filtro funciona da


seguinte maneira. Enquanto a MM9 Exponencial estiver virada
para baixo, não faço nenhuma operação no papel,
consequentemente naqueles dois pontos que mencionamos
na página anterior, não poderíamos efetuar a compra.

86
Vamos a mais um exemplo em EZTC3. Com dois sinais de
entrada na estratégia Média Móvel 9.1.

Agora o gráfico semanal.

87
Mais um exemplo agora na tendência de alta em HGTX3
no gráfico semanal. No gráfico abaixo tivemos diversos sinais
de compra durante a tendência.

E o gráfico mensal confirmando a operação.

88
O Próximo Passo
Novamente parabéns por ter chegado ao final deste
livro. Você já deu um importante passo na organização de
suas operações que vai te levar para a conquista de sua
independência financeira.
Se você gostou destas dicas e de todos os conceitos
apresentados, talvez você esteja interessado em dar o
próximo passo.
Se você quiser um curso completo, mostrando passo a
passo na prática todos os conceitos que você precisa para
elaborar seu plano de trade, além de planilhas de
acompanhamento para você documentar todas as
operações então eu gostaria de recomendar o nosso curso
Plano de Trade.
Plano de Trade é um curso 100% online e prático que irá
te ajudar a montar um plano do trade do zero e no final do
curso você terá todos os parâmetros definidos e prontos para
operar.
Ao participar do curso você vai aprender as diversas
formas de manejo de risco, critérios de seleção de ativos e 6
sistemas de trade prontos para você começar a utilizar.
Além disso você irá aprender como aumentar a sua
taxa de acerto aplicando técnicas avançadas de
optimização e walkforward e disponibilizaremos um critério
exclusivo para análise dos melhores parâmetros para um
ativo.
Ah, antes que eu esqueça, também ofereço o curso
com uma garantia completa de 30 dias, mas quero ser
sincero contigo. O curso NÃO é para todo mundo, mas isso é
bom. Porque já que ele não é para todo mundo, para
aqueles que for que pode ser o seu caso, será realmente
muito bom.
Então se você se interessou e quiser dar uma olhada,
basta visitar o site abaixo.

INVISTA COM SEGURANÇA E TRANQUILIDADE

89
Contato

Facebook: https://www.facebook.com/trendfitinvest
Twitter: http://twitter.com/trendfitinvest
Contato: contato@trendfitinvest.com.br

Hederson Bisewski
Bruno Girardi
http://www.trendfitnvest.com.br

90