Вы находитесь на странице: 1из 3
22/12/17 15:21 Tribunal Regional Federal da 1ª Região Gab. 15 - DESEMBARGADORA FEDERAL DANIELE MARANHÃO

22/12/17 15:21

Tribunal Regional Federal da 1ª Região Gab. 15 - DESEMBARGADORA FEDERAL DANIELE MARANHÃO COSTA

PROCESSO: 1013263-24.2017.4.01.0000

CLASSE: AGRAVO DE INSTRUMENTO (202) AGRAVANTE: CAMILE VIANA LEAL AGRAVADO: UNIÃO FEDERAL

PROCESSO REFERÊNCIA: 1017181-21.2017.4.01.3400

DECISÃO

Trata-se de pedido de atribuição de efeito suspensivo em sede de agravo de instrumento interposto por CAMILE VIANA LEAL contra decisão proferida pelo Juízo Federal da 21ª Vara da Seção Judiciária do Distrito Federal que, nos autos do Mandado de Segurança nº 1017181-21.2017.4.01.3400, indeferiu pedido de liminar para que a agravante continuasse no concurso para admissão à carreira diplomática.

Sustenta a agravante ilegalidade na decisão que indeferiu seu pedido, por desrespeito ao princípio da razoabilidade.

Relatados, decido.

A possibilidade de concessão, em antecipação de tutela, a pretensão recursal está prevista no artigo 1.019, inciso I, do Código de Processo Civil, desde que demonstrados a probabilidade do direito invocado e o perigo de dano ou o risco ao resultado útil do processo.

Em análise preliminar, entendo ser cabível a antecipação da tutela pleiteada, uma vez que ficou evidenciada a existência de elementos que demonstram a probabilidade do direito da agravante.

Relativamente à prova de língua espanhola, a autora foi punida por três atos, a saber: ter iniciado a questão VERSÃO (TRADUÇÃO) no verso da folha do Resumo e em razão disso não ter tido a questão corrigida; embora no local correto não foi considerada a questão RESUMO; não há espelho da prova para se saber onde estão os demais erros.

Da

análise

do

edital

do

Certame,

especialmente

o

item

8.1,

verifica-se

que

não

havia

detalhamento objetivo e claro sobre a elaboração do resumo e da tradução da prova de língua espanhola.

Este fato, por si só, já demonstra o excesso utilizado pelo corretor da prova da agravante que deixou de corrigir questão por ter se iniciado no verso da folha, e ignorou a questão RESUMO que estava no local certo.

Não se pode considerar razoável que o candidato que respondeu às questões deixe de ter sua

22/12/17 15:21

avaliação realizada tão somente em razão do local que utilizou.

Por outro lado e no mesmo sentido, não se pode aceitar a ausência do espelho da avaliação da prova, uma vez que sem ele, fica o candidato impedido de oferecer recurso, já que não sabe contra o que deverá recorrer.

em indispensável à sua legitimidade e legalidade.

Esse

fato

consubstancia-se

falta

de

motivação

Nesse sentido o seguinte recente precedente:

e

publicidade

do

ato

administrativo,

ADMINISTRATIVO. MANDADO DE SEGURANÇA. CONCURSO PÚBLICO. BANCO CENTRAL DO BRASIL. PROVA DE REDAÇÃO. AUSÊNCIA DE MOTIVAÇÃO E PUBLICIDADE DOS CRITÉRIOS DE CORREÇÃO DE PROVA. APRESENTAÇÃO DO ESPELHO DE CORREÇÃO. NECESSIDADE. SENTENÇA MANTIDA. I - A motivação e a publicidade dos atos e decisões administrativas são indispensáveis para dar legitimidade e legalidade à atuação da Administração Pública. II - A ausência da motivação do ato e de sua publicidade dificulta o acesso dos candidatos ao direito de recurso, bem como o controle de legalidade dos atos administrativos. III - Não merece reparos a sentença, que determinou à banca examinadora a apresentação do espelho de correção da prova de redação do impetrante, bem como os motivos que fundamentaram os descontos em sua nota. IV - Remessa oficial a que se nega provimento. Sentença Mantida.

(REOMS 0018943-36.2010.4.01.3400 / DF, Rel. DESEMBARGADOR FEDERAL JIRAIR ARAM MEGUERIAN, SEXTA TURMA, e-DJF1 de 04/09/2017)

Diante da plausibilidade do direito invocado pela agravante, entendo cabível a concessão da antecipação de tutela pretendida.

Em face do exposto, DEFIRO O PEDIDO DE ATRIBUIÇÃO DE EFEITO SUSPENSIVO e CONCEDO A ANTECIPAÇÃO DA TUTELA para determinar à parte agravada que proceda à correção da prova da autora, independentemente do local da resposta dada, bem como apresente o espelho das respostas com os critérios objetivos da correção. Após, reabra-se o prazo para interposição de recurso pela agravante.

Para evitar que a presente decisão se torne inócua, determino a reserva da vaga da agravante até conclusão da correção da prova com os critérios aqui estabelecidos, considerando-a aprovada se atingir a nota necessária para tanto.

Comunique-se, com urgência, ao Juízo a quo o teor desta decisão.

Intime-se a parte agravada para oferecer resposta (art. 1.019, II, do CPC).

Publique-se. Intime-se.

Brasília,

de dezembro de 2017.

22/12/17 15:21

Desembargadora Federal Daniele Maranhão

Relatora

Imprimir
Imprimir