Вы находитесь на странице: 1из 5

Retificador não-controlado trifásico de onda completa em ponte

S. Paiva1
1
Departamento de Engenharia Elétrica
Universidade Federal Rural do Semiárido
Campus de Caraúbas – RN 233, KM 01, Estrada Caraúbas – Apodi, Rio Grande do Norte (Brasil)
E-mails: Samuel.b.paiva@hotmail.com

Resumo. Este artigo tem como objetivo apresentar um estudo


sobre o retificador não-controlado trifásico de onda completa
em ponte. Este tipo de circuito utiliza seis diodos, três fontes
alternadas e uma carga, que pode ser resistiva ou indutiva (RL).
Ele tem muitas aplicações, pois quando a potência de carga
alimentada aumenta, a solução usada é este tipo de circuito.
Neste trabalho será analisado ambos os tipos de cargas e os
procedimentos experimentais realizados com a conclusão obtida
deste.

Palavras-chave

Retificador. Tensão. Onda. Corrente. Carga. Trifásico.


(b)

1. Introdução Figura 1 - Retificador não-controlado trifásico de onda


completa em ponte: (a) resistiva e (b) indutiva (RL).
Retificar é o processo de converter tensão e corrente
alternadas em tensão e corrente contínuas. Um dos Nos experimentos realizados foram utilizados nos
dispositivos utilizados para obter-se a retificação é o circuitos como carga resistiva uma lâmpada
diodo. Este elemento funciona como uma chave: quando é incandescente, no entanto, não realizou-se experimento
diretamente polarizado se torna um curto-circuito e ao ser com carga indutiva (RL).
inversamente polarizado se transforma em um circuito-
aberto. Na prática, o processo de conversão não é O valor médio da tensão em uma carga resistiva de um
exatamente como na teoria, pois há ondulações residuais e retificador não-controlado trifásico de onda completa em
muitas vezes existe a necessidade da utilização de um ponte é o dobro do valor para o caso do retificador
filtro para diminuir a ondulação, como um capacitor [1]. trifásico de meia-onda, e é dado por:

Neste artigo será estudado o retificador não-controlado Vo ( avg )  1,654Vm (1)


trifásico de onda completa em ponte , que pode ser analisado
de duas formas, são elas: com carga resistiva e com carga Onde, Vo (avg ) é o valor médio da tensão de saída e
indutiva (RL). O primeiro citado possui um resistor em
série com as fontes e os diodos em paralelo, veja a Figura Vm é o valor máximo da tensão de fase, que é dada pelo
1.(a), enquanto que o segundo tem um indutor em série produto entre a tensão eficaz na fase vezes 2 . Em
com o resistor e estes estão série com a fonte e os diodos relação a tensão de linha, a tensão média na carga é dada
em paralelo, observe a Figura 1.(b). por:

Vo ( avg )  0,955VL ( m ) (2)

Em que VL (m ) é o valor máximo da tensão de linha. Nos


experimentos e simulações realizadas o valor da tensão de
pico utilizado foi de 381 V. Além disso, também foi
calculada a corrente média na carga, para isto foi utilizada
a seguinte equação:
V (3)
m
I o ( avg )  0,955
R

(a) Onde I m é o valor de pico da corrente e R é a sresistência


da carga. A corrente média em cada diodo é um terço da
corrente na carga; assim, é dada por:
180º a 240º D 2 e D6
I o ( avg ) 240º a 300º
I D ( avg )  (4) D2 e D4
3
300º a 320º D3 e D 4
O valor efetivo da corrente no diodo, também chamado de
valor quadrático médio que é o RMS, do inglês root mean A Figura 2 mostra as formas de onda de tensão. A
square, é calculado por meio da equação: defasagem entre as três ondas de tensão se dá pelo fato de
cada um ter uma diferença do ângulo de 120º em relação à
I o ( avg ) outra. A frequência utilizada foi de 60 Hz.
I D ( RMS )  (5)
3

Os períodos de condução do diodo são de 120º. A


frequência de ondulação da tensão de saída é mostrada na
Equação 6 e o fator de ondulação é dado pela Equação 7.

f  nf s  6 f s (6)

2 2 Figura 2 - Formas das ondas de tensão com defasegem


RF  2
 2
 0,0404 (7) de 120º entre elas.
n 1 6 1
Na Figura 3.(a) é mostrada a onda de tensão no resistor.
Em que f s é a frequência de alimentação AC, onde nos Pode-se observar que houve o processo de retificação pelo
experimentos e simulações do presente trabalho foi de 60 formato da onda. Na parte (b) é mostrado a corrente após
Hz. a passagem pelo resistor. Além disso, analisando-se as
figuras pode-se observar que há seis picos em cada
2. Desenvolvimento período de onda, conforme a equação (6) apresenta.

Através das simulações que foram realizadas no programa


PSIM, foram calculadas , Vo ( RMS ) , a , e I RMS . Estes
valores são mostrados na Tabela 1. Além disso, foi
calculada a potência na carga que é dada por:

(8)
P  RI RMS 2

A resistência utilizada nos cálculos e posteriormente nas (a)


simulações foi de 100 Ω e a tensão de linha RMS foi de
220 V.

Tabela 1 - Algumas variáveis utilizadas e seu resultado.


Variáveis Resultado
A tensão média na carga 296,535 V
A tensão eficaz na carga 296,809 V
A correte média na carga 2,965 A
A corrente média em cada 0,988 A
diodo (b)
A potência média de saída 880,902 V
Figura 3 - Em (a) é mostrado o formato da onda de
A Tabela 2 mostra o processo de ativação e desativação tensão no resistor, onde esta está retificada e (b)
dos diodos em intervalos de 120º. apresenta a onda de corrente após a passagem pelo
resistor e também retificada.
Tabela 2 - Processo de ativação dos diodos em
intervalos de 120º. Agora serão apresentados, na Figura 4, os formatos das
Diodos ondas de tensão sobre cada diodo. Em todas elas o pico de
Período tensão é de 311 V.
ligados
0º a 60º D3 e D5
60º a 120º D1 e D5
120º a 180º D1 e D6
Figura 4 - Em (a) é mostrado a onda de tensão no
diodo 1, em (b) no diodo 2, (c) no diodo 3, (d) no diodo
4, (e) no diodo 5 e (f) no diodo 6.

Pode-se observar que a tensão na saída é a soma de cada


uma das ondas de tensão em cada diodo. A corrente segue
o mesmo princípio, pois esta é a tensão dividida pela
resistência da carga.
(a)
Quando a carga for indutiva (RL) a onda da tensão de
saída será como mostrada na Figura 3.a, isto é, a onda da
tensão de saída permanece igual ao da carga resistiva. A
vantagem de se utilizar o indutor é por que pode-se chegar
a uma menor ondulação na corrente de saída, tornando
assim o retificador mais eficiente. A figura a seguir, Figura
5, mostra a forma da onda de tensão e corrente em uma
carga indutiva (RL) em que o indutor possui um valor de
500mH; na parte (b) a região em que a corrente está
crescendo é devido o indutor está carregando, mas depois
(b) de um certo tempo ele satura e a corrente se estabiliza
conforme mostrado e na parte (c) da Figura 5 é mostrada a
corrente de forma ampliada para se obter uma maior
clareza. As formas da onda de tensão nos diodos são
iguais a do caso da carga resistiva.

(c)

(a)

(d)

(b)

(e)

(c)

Figura 5 - Em (a) é mostrada a tensão na carga, (b)


apresenta a corrente na carga e (c) apresenta uma
ampliação da figura (b) para maior clareza.

(f)
Como pode-se perceber ao analisar a Figura 5.b e c , a
corrente está com uma ondulação bem menor do que no
caso da Figura 3.b, que possui carga resistiva. Assim, com
o indutor obtém-se uma maior eficiência do retificador.

3. Procedimentos experimentais
Nos experimentos realizados em laboratório foi utilizada a
carga resistiva, com três lâmpadas incandescentes em
série e também a carga indutiva (RL), com três lâmpadas
fluorescentes em série. Além disso, outros equipamentos e
dispositivos usados foram: osciloscópio da marca ICEL
Manaus e modelo OS-21, multímetro, módulo XL300M03
e XP300M04. A .(a) mostra a forma da onda de tensão na
carga e em (b) mostra o funcionamento da carga resistiva. (d)
Já em (c) e (d) é mostrada a forma da onda de tensão na
carga indutiva (RL) e o funcionamento desta carga. Figura 6 - Em (a) é mostrado a forma da onda de
tensão na carga resistiva, já em (b) o funcionamento da
carga. Na figura (c) é apresentada a forma da onda de
tensão para uma carga indutiva (RL) e o
funcionamento da carga.

Como pode-se observar na .(a) forma da onda de tensão


sobre a carga nos experimentos realizados correspondeu a
teoria apresentada neste trabalho através das simulações e
equações. Quanto maior a intensidade da tensão aplicada
maior foi a intensidade de luminosidade das lâmpadas.
Em (c) a onda de saída é igual à de (a), e isto está de
(a) acordo com o que foi estudado neste trabalho.

4. Conclusão
Assim, foi visto neste trabalho a importância dos diodos
no processo de retificação. A tensão e a corrente que vêm
da rede elétrica são alternadas, e os eletrodomésticos
funcionam com corrente contínua, daí a necessidade da
retificação. No presente artigo foi mostrado e estudado
dois tipos de circuitos retificador não-controlado trifásico
de ponte completa: com carga resistiva e com uma carga
(b) indutiva (RL). Estes circuitos possuem seis diodos e três
fontes de tensão, com defasagem de 120º entre elas.
Foram feitas simulações que mostraram as formas de onda
da tensão e da corrente e após isto puderam serem vistas
na prática em experimentos no laboratório que
corresponderam com a teoria.

Referências

[1] BOYLESTAD, R. L; NASHELSKY, L. Dispositivos


Eletrônicos e Teoria de Circuitos. São Paulo: Prentice Hall,
2013.

(c)
Respostas do questionário

Questão 1: Realize uma comparação ente os retificadores


de ponto médio e de ponte completa trifásicos.

Resposta: Os retificadores trifásicos de ponte completa


possuem uma ondulação na saída menor do que o de
ponto médio. No entanto, este possui uma maior tensão de
pico nos diodos. O custo deste também é menor, pois para (b)
montá-lo são necessários menos dispositivos.

Questão 2: Explique o funcionamento de cada estágio do


retificador trifásico de ponte completa. Mostre a sequência
de funcionamento de cada diodo.

Resposta: A sequência de funcionamento de cada diodo já


foi mostrada na Tabela 2. No primeiro momento (0 a 60º)
o diodo 3 será polarizado diretamente pela primeira fonte
e assim a correte vai fluir também pelo diodo 5 até chegar
a segunda fonte. Só para recapitular, cada diodo conduz
por 120º, isto é, um terço de cada ciclo. Após isso (60 a (c)
120º), o diodo 1 passará a conduzir e a corrente continuará
passando através do diodo 5. Entre 120 e 180º o diodo 1 Figura 7 - Simulações para uma carga puramente
continuará conduzindo, no entanto o diodo 5 vai parar de indutiva. Em (a) é mostrada a tensão, em (b) a
conduzir, dando lugar ao diodo 6, em que a corrente fluirá corrente e na parte (c) é apresentada a onda de
até a terceira fonte. Entre 180 e 240º o diodo 2 passará a corrente de forma ampliada, para melhor visualização.
conduzir e o diodo 6 continuará conduzindo. No intervalo
de 240 a 300º o diodo 2 continuará conduzindo e o diodo Conforme esperado, a ondulação da corrente de saída
4 passará a conduzir também, onde a corrente fluirá por ainda foi mais reduzida do que no caso de uma carga
este até chegar na primeira fonte novamente. E mista com característica indutiva, pois quanto maior a
finalmente, no último intervalo, que vai de 300 a 360º, o indutância mais a onda da corrente na saída tende a ser
diodo 3 começa a conduzir enquanto o diodo 4 continua quadrada e a ondulação será menor, o que a torna mais
conduzindo. Após isso, o ciclo se repete. contínua.

Questão 3: Explique como a corrente de saída e a


corrente nos diodos reagem com uma carga puramente
indutiva e com uma carga mista com característica
indutiva. A explicação deve conter formas de onda para
exemplificar.

Resposta: A carga mista com característica já foi estudada


no segundo tópico e Figura 5. A seguir, na figura 6, será
apresentada a tensão na carga e a corrente após a
passagem pela carga puramente indutiva. Para isto, foi
feita a simulação com uma indutância de 10H e o resistor
de 100 Ω.

(a)