You are on page 1of 242

Neste volume, além dos dispositivos constitucionais que preveem a necessária

Desenvolvimento e inclusão social


vinculação entre desenvolvimento e inclusão social, o leitor encontra atos internacionais
relativos a esse tema, tais como os Pactos Internacionais sobre Direitos Sociais,
Econômicos e Culturais e sobre Direitos Civis e Políticos, a Declaração sobre o Direito
ao Desenvolvimento e a Declaração do Milênio das Nações Unidas.

Figuram também na obra as leis e os decretos mais significativos que fundamentam


as atuais políticas públicas de enfrentamento da pobreza e da desigualdade. Assim, é
possível conhecer melhor o Fundo de Combate e Erradicação da Pobreza, o Programa
Bolsa Família, a Política Nacional da Agricultura Familiar, o Prouni, o Projovem, o
Programa Minha Casa, Minha Vida, o Plano Brasil Sem Miséria, o Pronatec, a Lei de
Cotas e o Programa Mais Médicos.

Desenvolvimento
e inclusão social


Atualizada até janeiro de 2015
Desenvolvimento
e inclusão social
SENADO FEDERAL
Mesa
Biênio 2015 – 2016

Senador Renan Calheiros


PRESIDENTE

Senador Jorge Viana


PRIMEIRO-VICE-PRESIDENTE

Senador Romero Jucá


SEGUNDO-VICE-PRESIDENTE

Senador Vicentinho Alves


PRIMEIRO-SECRETÁRIO

Senador Zeze Perrella


SEGUNDO-SECRETÁRIO

Senador Gladson Cameli


TERCEIRO-SECRETÁRIO

Senadora Ângela Portela


QUARTA-SECRETÁRIA

SUPLENTES DE SECRETÁRIO
Senador Sérgio Petecão
Senador João Alberto Souza
Senador Douglas Cintra
Secretaria de Editoração e Publicações
Coordenação de Edições Técnicas

Desenvolvimento
e inclusão social

Brasília – 2015
Edição do Senado Federal
Diretora-Geral: Ilana Trombka
Secretário-Geral da Mesa: Luiz Fernando Bandeira de Mello Filho

Impressa na Secretaria de Editoração e Publicações


Diretor: Florian Augusto Coutinho Madruga

Produzida na Coordenação de Edições Técnicas


Coordenadora: Anna Maria de Lucena Rodrigues

Organização: Walfrido Vianna


Revisão de provas: Thiago Adjuto
Editoração eletrônica: Marcelo Larroyed
Ficha catalográfica: Bianca Rossi
Capa e ilustrações: Gustavo Magalhães
Projeto gráfico: Raphael Melleiro e Rejane Campos

Atualizada até janeiro de 2015.

Desenvolvimento e inclusão social. — Brasília : Senado Federal,


Coordenação de Edições Técnicas, 2015.
5900 KB ; PDF

Conteúdo: Dispositivos constitucionais pertinentes – Atos internacionais


– Normas principais – Normas correlatas – Informações complementares.

ISBN: 978-85-7018-587-7

1. Direitos humanos, Brasil. 2. Direito internacional público.

CDDir 341.1

Coordenação de Edições Técnicas


Via N2, Secretaria de Editoração e Publicações, Bloco 2, 1o Pavimento
CEP: 70165-900 – Brasília, DF
E-mail: livros@senado.leg.br

Alô Senado: 0800 61 2211


Sumário

Dispositivos constitucionais pertinentes


8 Constituição da República Federativa do Brasil

Atos internacionais
24 Declaração Universal dos Direitos Humanos
29 Pacto Internacional sobre Direitos Econômicos, Sociais e Culturais
37 Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos
51 Declaração sobre o Direito ao Desenvolvimento
55 Declaração da Cúpula do Milênio das Nações Unidas

Normas principais
64 Lei Complementar no 111/2001
66 Lei no 8.742/1993
79 Lei no 10.835/2004
80 Lei no 10.836/2004
85 Decreto no 5.209/2004
101 Decreto no 7.492/2011

Normas correlatas
106 Lei no 8.677/1993
110 Lei no 10.219/2001
114 Lei no 10.458/2002
115 Lei no 10.689/2003
117 Lei no 10.696/2003
125 Lei no 11.096/2005
131 Lei no 11.129/2005
134 Lei no 11.326/2006
136 Lei no 11.692/2008
141 Lei no 11.977/2009
163 Lei no 12.101/2009
176 Lei no 12.512/2011
183 Lei no 12.513/2011
192 Lei no 12.711/2012
194 Lei no 12.722/2012
198 Lei no 12.871/2013
207 Medida Provisória no 2.206-1/2001
209 Decreto no 1.081/1994
214 Decreto no 4.102/2002
216 Decreto no 6.135/2007
219 Decreto no 6.214/2007
231 Decreto no 7.520/2011
233 Decreto no 7.788/2012

Informações complementares
238 Cronologia
Desenvolvimento e inclusão social

As notas de rodapé indicadas ao fim do caput dos artigos apresentam as normas modificadoras
de seus dispositivos. Consta ainda nas notas referência às normas que regulamentam ou
complementam a legislação compilada.

6
Dispositivos constitucionais
pertinentes
Constituição
da República Federativa do Brasil

PREÂMBULO TÍTULO II – Dos Direitos e Garantias


Fundamentais
Nós, representantes do povo brasileiro, reunidos CAPÍTULO I – Dos Direitos e Deveres
em Assembleia Nacional Constituinte para insti- Individuais e Coletivos
tuir um Estado democrático, destinado a assegu-
rar o exercício dos direitos sociais e individuais, Art. 5o  Todos são iguais perante a lei, sem dis-
a liberdade, a segurança, o bem-estar, o desen- tinção de qualquer natureza, garantindo-se aos
volvimento, a igualdade e a justiça como valores brasileiros e aos estrangeiros residentes no País
supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade,
sem preconceitos, fundada na harmonia social e à igualdade, à segurança e à propriedade, nos
comprometida, na ordem interna e internacional, termos seguintes:
com a solução pacífica das controvérsias, pro- I – homens e mulheres são iguais em direitos
mulgamos, sob a proteção de Deus, a seguinte e obrigações, nos termos desta Constituição;
Constituição da República Federativa do Brasil. �������������������������������������������������������������������������������
XXII – é garantido o direito de propriedade;
XXIII – a propriedade atenderá a sua função
TÍTULO I – Dos Princípios Fundamentais social;
XXIV – a lei estabelecerá o procedimento
Art. 1o  A República Federativa do Brasil, para desapropriação por necessidade ou utili-
formada pela união indissolúvel dos Estados e dade pública, ou por interesse social, mediante
Municípios e do Distrito Federal, constitui-se justa e prévia indenização em dinheiro, ressal-
em Estado Democrático de Direito e tem como vados os casos previstos nesta Constituição;
fundamentos: �������������������������������������������������������������������������������
������������������������������������������������������������������������������� XXVI – a pequena propriedade rural, assim
II – a cidadania definida em lei, desde que trabalhada pela
III – a dignidade da pessoa humana; família, não será objeto de penhora para paga-
IV – os valores sociais do trabalho e da livre mento de débitos decorrentes de sua atividade
iniciativa; produtiva, dispondo a lei sobre os meios de
������������������������������������������������������������������������������� financiar o seu desenvolvimento;
�������������������������������������������������������������������������������
Art. 3o  Constituem objetivos fundamentais da § 1o  As normas definidoras dos direitos e
República Federativa do Brasil: garantias fundamentais têm aplicação ime-
Desenvolvimento e inclusão social

I – construir uma sociedade livre, justa e diata.


solidária; § 2o  Os direitos e garantias expressos nesta
II – garantir o desenvolvimento nacional; Constituição não excluem outros decorrentes
III – erradicar a pobreza e a marginalização do regime e dos princípios por ela adotados, ou
e reduzir as desigualdades sociais e regionais; dos tratados internacionais em que a República
IV – promover o bem de todos, sem pre- Federativa do Brasil seja parte.
conceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e § 3o  Os tratados e convenções internacio-
quaisquer outras formas de discriminação. nais sobre direitos humanos que forem apro-
������������������������������������������������������������������������������� vados, em cada Casa do Congresso Nacional,

8
em dois turnos, por três quintos dos votos dos CAPÍTULO III – Da Nacionalidade
respectivos membros, serão equivalentes às
emendas constitucionais. Art. 12.  São brasileiros:
������������������������������������������������������������������������������� I – natos:
�������������������������������������������������������������������������������
CAPÍTULO II – Dos Direitos Sociais II – naturalizados:
�������������������������������������������������������������������������������
Art. 6 o  São direitos sociais a educação, a § 1o  Aos portugueses com residência per-
saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia, manente no País, se houver reciprocidade em
o lazer, a segurança, a previdência social, a favor de brasileiros, serão atribuídos os direitos
proteção à maternidade e à infância, a as- inerentes ao brasileiro, salvo os casos previstos
sistência aos desamparados, na forma desta nesta Constituição.
Constituição. § 2o  A lei não poderá estabelecer distinção
entre brasileiros natos e naturalizados, salvo nos
Art. 7o  São direitos dos trabalhadores urbanos casos previstos nesta Constituição.
e rurais, além de outros que visem à melhoria �������������������������������������������������������������������������������
de sua condição social:
������������������������������������������������������������������������������� CAPÍTULO IV – Dos Direitos Políticos
XXX – proibição de diferença de salários, de
exercício de funções e de critério de admissão Art. 14.  A soberania popular será exercida
por motivo de sexo, idade, cor ou estado civil; pelo sufrágio universal e pelo voto direto e se-
XXXI – proibição de qualquer discrimina- creto, com valor igual para todos, e, nos termos
ção no tocante a salário e critérios de admissão da lei, mediante:
do trabalhador portador de deficiência; I – plebiscito;
XXXII – proibição de distinção entre tra- II – referendo;
balho manual, técnico e intelectual ou entre os III – iniciativa popular.
profissionais respectivos; �������������������������������������������������������������������������������
XXXIII – proibição de trabalho noturno,
perigoso ou insalubre a menores de dezoito e TÍTULO III – Da Organização do Estado
de qualquer trabalho a menores de dezesseis �������������������������������������������������������������������������������
anos, salvo na condição de aprendiz, a partir
de quatorze anos; CAPÍTULO II – Da União
XXXIV – igualdade de direitos entre o traba- �������������������������������������������������������������������������������
lhador com vínculo empregatício permanente
e o trabalhador avulso. Art. 21.  Compete à União:
Parágrafo único.  São assegurados à catego- �������������������������������������������������������������������������������
ria dos trabalhadores domésticos os direitos IX – elaborar e executar planos nacionais
previstos nos incisos IV, VI, VII, VIII, X, XIII, e regionais de ordenação do território e de
Dispositivos constitucionais pertinentes

XV, XVI, XVII, XVIII, XIX, XXI, XXII, XXIV, desenvolvimento econômico e social;
XXVI, XXX, XXXI e XXXIII e, atendidas as �������������������������������������������������������������������������������
condições estabelecidas em lei e observada a XVIII – planejar e promover a defesa
simplificação do cumprimento das obrigações permanente contra as calamidades públicas,
tributárias, principais e acessórias, decorrentes especialmente as secas e as inundações;
da relação de trabalho e suas peculiaridades, �������������������������������������������������������������������������������
os previstos nos incisos I, II, III, IX, XII, XXV XX – instituir diretrizes para o desenvolvi-
e XXVIII, bem como a sua integração à previ- mento urbano, inclusive habitação, saneamento
dência social. básico e transportes urbanos;
������������������������������������������������������������������������������� �������������������������������������������������������������������������������

9
XXIV – organizar, manter e executar a ins- I – direito tributário, financeiro, penitenci-
peção do trabalho; ário, econômico e urbanístico;
XXV – estabelecer as áreas e as condições �������������������������������������������������������������������������������
para o exercício da atividade de garimpagem, V – produção e consumo;
em forma associativa. VI – florestas, caça, pesca, fauna, conserva-
ção da natureza, defesa do solo e dos recursos
Art. 22.  Compete privativamente à União naturais, proteção do meio ambiente e controle
legislar sobre: da poluição;
I – direito civil, comercial, penal, processual, �������������������������������������������������������������������������������
eleitoral, agrário, marítimo, aeronáutico, espa- XII – previdência social, proteção e defesa
cial e do trabalho; da saúde;
II – desapropriação; �������������������������������������������������������������������������������
������������������������������������������������������������������������������� XIV – proteção e integração social das pes-
XIII – nacionalidade, cidadania e natura- soas portadoras de deficiência;
lização; XV – proteção à infância e à juventude;
XIV – populações indígenas; �������������������������������������������������������������������������������
�������������������������������������������������������������������������������
XVI – organização do sistema nacional CAPÍTULO III – Dos Estados Federados
de emprego e condições para o exercício de
profissões; Art. 25.  Os Estados organizam-se e regem-
������������������������������������������������������������������������������� -se pelas Constituições e leis que adotarem,
XXIII – seguridade social; observados os princípios desta Constituição.
XXIV – diretrizes e bases da educação § 1o  São reservadas aos Estados as compe-
nacional; tências que não lhes sejam vedadas por esta
������������������������������������������������������������������������������� Constituição.
�������������������������������������������������������������������������������
Art. 23.  É competência comum da União, dos § 3o  Os Estados poderão, mediante lei com-
Estados, do Distrito Federal e dos Municípios: plementar, instituir regiões metropolitanas, aglo-
I – zelar pela guarda da Constituição, das leis merações urbanas e microrregiões, constituídas
e das instituições democráticas e conservar o por agrupamentos de municípios limítrofes, para
patrimônio público; integrar a organização, o planejamento e a exe-
II – cuidar da saúde e assistência pública, cução de funções públicas de interesse comum.
da proteção e garantia das pessoas portadoras �������������������������������������������������������������������������������
de deficiência;
������������������������������������������������������������������������������� CAPÍTULO VI – Da Intervenção
VIII – fomentar a produção agropecuária e
organizar o abastecimento alimentar; Art. 34.  A União não intervirá nos Estados
IX – promover programas de construção de nem no Distrito Federal, exceto para:
moradias e a melhoria das condições habitacio- �������������������������������������������������������������������������������
Desenvolvimento e inclusão social

nais e de saneamento básico; VII – assegurar a observância dos seguintes


������������������������������������������������������������������������������� princípios constitucionais:
Parágrafo único.  Leis complementares fixa- �������������������������������������������������������������������������������
rão normas para a cooperação entre a União e b)  direitos da pessoa humana;
os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, �������������������������������������������������������������������������������
tendo em vista o equilíbrio do desenvolvimento e)  aplicação do mínimo exigido da receita
e do bem-estar em âmbito nacional. resultante de impostos estaduais, compreendida
a proveniente de transferências, na manuten-
Art. 24.  Compete à União, aos Estados e ao ção e desenvolvimento do ensino e nas ações e
Distrito Federal legislar concorrentemente sobre: serviços públicos de saúde.
10
Art. 35.  O Estado não intervirá em seus Muni- represadas ou represáveis nas regiões de baixa
cípios, nem a União nos Municípios localizados renda, sujeitas a secas periódicas.
em Território Federal, exceto quando: § 3o  Nas áreas a que se refere o § 2o, IV, a
������������������������������������������������������������������������������� União incentivará a recuperação de terras áridas
III – não tiver sido aplicado o mínimo e cooperará com os pequenos e médios proprie-
exigido da receita municipal na manutenção tários rurais para o estabelecimento, em suas
e desenvolvimento do ensino e nas ações e glebas, de fontes de água e de pequena irrigação.
serviços públicos de saúde;
�������������������������������������������������������������������������������
TÍTULO IV – Da Organização dos Poderes
CAPÍTULO VII – Da Administração CAPÍTULO I – Do Poder Legislativo
Pública �������������������������������������������������������������������������������
SEÇÃO I – Disposições Gerais
SEÇÃO VIII – Do Processo Legislativo
Art. 37.  A administração pública direta e in- SUBSEÇÃO I – Disposição Geral
direta de qualquer dos Poderes da União, dos �������������������������������������������������������������������������������
Estados, do Distrito Federal e dos Municípios
obedecerá aos princípios de legalidade, impes- Art. 60.  A Constituição poderá ser emendada
soalidade, moralidade, publicidade e eficiência mediante proposta:
e, também, ao seguinte: �������������������������������������������������������������������������������
������������������������������������������������������������������������������� § 4o  Não será objeto de deliberação a pro-
posta de emenda tendente a abolir:
SEÇÃO IV – Das Regiões �������������������������������������������������������������������������������
IV – os direitos e garantias individuais.
Art. 43.  Para efeitos administrativos, a União �������������������������������������������������������������������������������
poderá articular sua ação em um mesmo com-
plexo geoeconômico e social, visando a seu SUBSEÇÃO III – Das Leis
desenvolvimento e à redução das desigualdades �������������������������������������������������������������������������������
regionais.
§ 1o  Lei complementar disporá sobre: Art. 62.  Em caso de relevância e urgência, o
I – as condições para integração de regiões Presidente da República poderá adotar medidas
em desenvolvimento; provisórias, com força de lei, devendo submetê-
II – a composição dos organismos regionais -las de imediato ao Congresso Nacional.
que executarão, na forma da lei, os planos § 1o  É vedada a edição de medidas provisó-
regionais, integrantes dos planos nacionais de rias sobre matéria:
desenvolvimento econômico e social, aprova- I – relativa a:
dos juntamente com estes. a)  nacionalidade, cidadania, direitos políti-
§ 2o  Os incentivos regionais compreende- cos, partidos políticos e direito eleitoral;
Dispositivos constitucionais pertinentes

rão, além de outros, na forma da lei: �������������������������������������������������������������������������������


I – igualdade de tarifas, fretes, seguros e ou-
tros itens de custos e preços de responsabilidade Art. 68.  As leis delegadas serão elaboradas
do Poder Público; pelo Presidente da República, que deverá soli-
II – juros favorecidos para financiamento de citar a delegação ao Congresso Nacional.
atividades prioritárias; § 1o  Não serão objeto de delegação os atos de
III – isenções, reduções ou diferimento competência exclusiva do Congresso Nacional,
temporário de tributos federais devidos por os de competência privativa da Câmara dos De-
pessoas físicas ou jurídicas; putados ou do Senado Federal, a matéria reser-
IV – prioridade para o aproveitamento eco- vada à lei complementar, nem a legislação sobre:
nômico e social dos rios e das massas de água �������������������������������������������������������������������������������
11
II – nacionalidade, cidadania, direitos indi- II – não incidirá sobre pequenas glebas
viduais, políticos e eleitorais; rurais, definidas em lei, quando as explore o
������������������������������������������������������������������������������� proprietário que não possua outro imóvel;
�������������������������������������������������������������������������������
TÍTULO VI – Da Tributação e do Orçamento
CAPÍTULO I – Do Sistema Tributário TÍTULO VII – Da Ordem Econômica e
Nacional Financeira
SEÇÃO I – Dos Princípios Gerais CAPÍTULO I – Dos Princípios Gerais da
Atividade Econômica
Art. 145.  A União, os Estados, o Distrito
Federal e os Municípios poderão instituir os Art. 170.  A ordem econômica, fundada na
seguintes tributos: valorização do trabalho humano e na livre ini-
I – impostos; ciativa, tem por fim assegurar a todos existência
II – taxas, em razão do exercício do poder de digna, conforme os ditames da justiça social,
polícia ou pela utilização, efetiva ou potencial, de observados os seguintes princípios:
serviços públicos específicos e divisíveis, presta- I – soberania nacional;
dos ao contribuinte ou postos a sua disposição; II – propriedade privada;
III – contribuição de melhoria, decorrente III – função social da propriedade;
de obras públicas. IV – livre concorrência;
������������������������������������������������������������������������������� V – defesa do consumidor;
VI – defesa do meio ambiente, inclusive
Art. 146.  Cabe à lei complementar: mediante tratamento diferenciado conforme
������������������������������������������������������������������������������� o impacto ambiental dos produtos e serviços
III – estabelecer normas gerais em matéria e de seus processos de elaboração e prestação;
de legislação tributária, especialmente sobre: VII – redução das desigualdades regionais
������������������������������������������������������������������������������� e sociais;
d)  definição de tratamento diferenciado e VIII – busca do pleno emprego;
favorecido para as microempresas e para as IX – tratamento favorecido para as empresas
empresas de pequeno porte, inclusive regimes de pequeno porte constituídas sob as leis bra-
especiais ou simplificados no caso do imposto sileiras e que tenham sua sede e administração
previsto no art. 155, II, das contribuições pre- no País.
vistas no art. 195, I e §§ 12 e 13, e da contribui- Parágrafo único.  É assegurado a todos o livre
ção a que se refere o art. 239. exercício de qualquer atividade econômica,
������������������������������������������������������������������������������� independentemente de autorização de órgãos
públicos, salvo nos casos previstos em lei.
SEÇÃO III – Dos Impostos da União �������������������������������������������������������������������������������

Art. 153.  Compete à União instituir impostos Art. 173.  Ressalvados os casos previstos nesta
sobre: Constituição, a exploração direta de atividade
Desenvolvimento e inclusão social

������������������������������������������������������������������������������� econômica pelo Estado só será permitida


VI – propriedade territorial rural; quando necessária aos imperativos da segu-
VII – grandes fortunas, nos termos de lei rança nacional ou a relevante interesse coletivo,
complementar. conforme definidos em lei.
������������������������������������������������������������������������������� �������������������������������������������������������������������������������
§ 4o  O imposto previsto no inciso VI do
caput: Art. 174.  Como agente normativo e regulador
I – será progressivo e terá suas alíquotas da atividade econômica, o Estado exercerá, na
fixadas de forma a desestimular a manutenção forma da lei, as funções de fiscalização, incen-
de propriedades improdutivas; tivo e planejamento, sendo este determinante
12
para o setor público e indicativo para o setor § 2o  A propriedade urbana cumpre sua
privado. função social quando atende às exigências
§ 1o  A lei estabelecerá as diretrizes e bases fundamentais de ordenação da cidade expressas
do planejamento do desenvolvimento nacional no plano diretor.
equilibrado, o qual incorporará e compatibili- �������������������������������������������������������������������������������
zará os planos nacionais e regionais de desen-
volvimento. Art. 183.  Aquele que possuir como sua área
§ 2o  A lei apoiará e estimulará o cooperati- urbana de até duzentos e cinquenta metros
vismo e outras formas de associativismo. quadrados, por cinco anos, ininterruptamente
§ 3o  O Estado favorecerá a organização da e sem oposição, utilizando-a para sua moradia
atividade garimpeira em cooperativas, levando ou de sua família, adquirir-lhe-á o domínio,
em conta a proteção do meio ambiente e a desde que não seja proprietário de outro imóvel
promoção econômico-social dos garimpeiros. urbano ou rural.
§ 4o  As cooperativas a que se refere o pará- § 1o  O título de domínio e a concessão de
grafo anterior terão prioridade na autorização uso serão conferidos ao homem ou à mulher,
ou concessão para pesquisa e lavra dos recursos ou a ambos, independentemente do estado
e jazidas de minerais garimpáveis, nas áreas civil.
onde estejam atuando, e naquelas fixadas de § 2o  Esse direito não será reconhecido ao
acordo com o art. 21, XXV, na forma da lei. mesmo possuidor mais de uma vez.
������������������������������������������������������������������������������� § 3o  Os imóveis públicos não serão adqui-
ridos por usucapião.
Art. 179.  A União, os Estados, o Distrito
Federal e os Municípios dispensarão às micro-
empresas e às empresas de pequeno porte, assim CAPÍTULO III – Da Política Agrícola e
definidas em lei, tratamento jurídico diferen- Fundiária e da Reforma Agrária
ciado, visando a incentivá-las pela simplificação
de suas obrigações administrativas, tributárias, Art. 184.  Compete à União desapropriar por
previdenciárias e creditícias, ou pela eliminação interesse social, para fins de reforma agrária, o
ou redução destas por meio de lei. imóvel rural que não esteja cumprindo sua fun-
ção social, mediante prévia e justa indenização
Art. 180.  A União, os Estados, o Distrito Fede- em títulos da dívida agrária, com cláusula de
ral e os Municípios promoverão e incentivarão preservação do valor real, resgatáveis no prazo
o turismo como fator de desenvolvimento de até vinte anos, a partir do segundo ano de sua
social e econômico. emissão, e cuja utilização será definida em lei.
������������������������������������������������������������������������������� �������������������������������������������������������������������������������

CAPÍTULO II – Da Política Urbana Art. 185.  São insuscetíveis de desapropriação


para fins de reforma agrária:
Dispositivos constitucionais pertinentes

Art. 182.  A política de desenvolvimento ur- I – a pequena e média propriedade rural, as-


bano, executada pelo Poder Público municipal, sim definida em lei, desde que seu proprietário
conforme diretrizes gerais fixadas em lei, tem não possua outra;
por objetivo ordenar o pleno desenvolvimento II – a propriedade produtiva.
das funções sociais da cidade e garantir o bem- Parágrafo único.  A lei garantirá tratamen-
-estar de seus habitantes. to especial à propriedade produtiva e fixará
§ 1o  O plano diretor, aprovado pela Câmara normas para o cumprimento dos requisitos
Municipal, obrigatório para cidades com mais relativos a sua função social.
de vinte mil habitantes, é o instrumento básico
da política de desenvolvimento e de expansão Art. 186.  A função social é cumprida quando
urbana. a propriedade rural atende, simultaneamente,
13
segundo critérios e graus de exigência estabele- Parágrafo único.  O título de domínio e a
cidos em lei, aos seguintes requisitos: concessão de uso serão conferidos ao homem
I – aproveitamento racional e adequado; ou à mulher, ou a ambos, independentemente
II – utilização adequada dos recursos naturais do estado civil, nos termos e condições previs-
disponíveis e preservação do meio ambiente; tos em lei.
III – observância das disposições que regu-
lam as relações de trabalho; Art. 190.  A lei regulará e limitará a aquisição
IV – exploração que favoreça o bem-estar ou o arrendamento de propriedade rural por
dos proprietários e dos trabalhadores. pessoa física ou jurídica estrangeira e estabe-
lecerá os casos que dependerão de autorização
Art. 187.  A política agrícola será planejada e do Congresso Nacional.
executada na forma da lei, com a participação
efetiva do setor de produção, envolvendo produ- Art. 191.  Aquele que, não sendo proprietário
tores e trabalhadores rurais, bem como dos seto- de imóvel rural ou urbano, possua como seu,
res de comercialização, de armazenamento e de por cinco anos ininterruptos, sem oposição,
transportes, levando em conta, especialmente: área de terra, em zona rural, não superior a
I – os instrumentos creditícios e fiscais; cinquenta hectares, tornando-a produtiva por
II – os preços compatíveis com os custos seu trabalho ou de sua família, tendo nela sua
de produção e a garantia de comercialização; moradia, adquirir-lhe-á a propriedade.
III – o incentivo à pesquisa e à tecnologia; Parágrafo único.  Os imóveis públicos não
IV – a assistência técnica e extensão rural; serão adquiridos por usucapião.
V – o seguro agrícola;
VI – o cooperativismo;
VII – a eletrificação rural e irrigação; CAPÍTULO IV – Do Sistema Financeiro
VIII – a habitação para o trabalhador rural. Nacional
§ 1o  Incluem-se no planejamento agrícola
as atividades agroindustriais, agropecuárias, Art. 192.  O sistema financeiro nacional, estru-
pesqueiras e florestais. turado de forma a promover o desenvolvimento
§ 2o  Serão compatibilizadas as ações de equilibrado do País e a servir aos interesses da
política agrícola e de reforma agrária. coletividade, em todas as partes que o com-
põem, abrangendo as cooperativas de crédito,
Art. 188.  A destinação de terras públicas e será regulado por leis complementares que dis-
devolutas será compatibilizada com a política porão, inclusive, sobre a participação do capital
agrícola e com o plano nacional de reforma estrangeiro nas instituições que o integram.
agrária. �������������������������������������������������������������������������������
§ 1o  A alienação ou a concessão, a qualquer
título, de terras públicas com área superior a TÍTULO VIII – Da Ordem Social
dois mil e quinhentos hectares a pessoa física CAPÍTULO I – Disposição Geral
ou jurídica, ainda que por interposta pessoa,
Desenvolvimento e inclusão social

dependerá de prévia aprovação do Congresso Art. 193.  A ordem social tem como base o
Nacional. primado do trabalho, e como objetivo o bem-
§ 2o  Excetuam-se do disposto no parágrafo -estar e a justiça sociais.
anterior as alienações ou as concessões de terras
públicas para fins de reforma agrária.
CAPÍTULO II – Da Seguridade Social
Art. 189.  Os beneficiários da distribuição de SEÇÃO I – Disposições Gerais
imóveis rurais pela reforma agrária receberão
títulos de domínio ou de concessão de uso, Art. 194.  A seguridade social compreende um
inegociáveis pelo prazo de dez anos. conjunto integrado de ações de iniciativa dos
14
Poderes Públicos e da sociedade, destinadas a SEÇÃO II – Da Saúde
assegurar os direitos relativos à saúde, à previ-
dência e à assistência social. Art. 196.  A saúde é direito de todos e dever
Parágrafo único.  Compete ao Poder Público, do Estado, garantido mediante políticas sociais
nos termos da lei, organizar a seguridade social, e econômicas que visem à redução do risco de
com base nos seguintes objetivos: doença e de outros agravos e ao acesso uni-
I – universalidade da cobertura e do aten- versal e igualitário às ações e serviços para sua
dimento; promoção, proteção e recuperação.
II – uniformidade e equivalência dos be-
nefícios e serviços às populações urbanas e Art. 197.  São de relevância pública as ações e
rurais; serviços de saúde, cabendo ao Poder Público
III – seletividade e distributividade na pres- dispor, nos termos da lei, sobre sua regula-
tação dos benefícios e serviços; mentação, fiscalização e controle, devendo
IV – irredutibilidade do valor dos benefí- sua execução ser feita diretamente ou através
cios; de terceiros e, também, por pessoa física ou
V – equidade na forma de participação no jurídica de direito privado.
custeio;
VI – diversidade da base de financiamento; Art. 198.  As ações e serviços públicos de saúde
VII – caráter democrático e descentralizado integram uma rede regionalizada e hierarquiza-
da administração, mediante gestão quadripar- da e constituem um sistema único, organizado
tite, com participação dos trabalhadores, dos de acordo com as seguintes diretrizes:
empregadores, dos aposentados e do Governo I – descentralização, com direção única em
nos órgãos colegiados. cada esfera de governo;
II – atendimento integral, com prioridade
Art. 195.  A seguridade social será financiada para as atividades preventivas, sem prejuízo
por toda a sociedade, de forma direta e in- dos serviços assistenciais;
direta, nos termos da lei, mediante recursos III – participação da comunidade.
provenientes dos orçamentos da União, dos �������������������������������������������������������������������������������
Estados, do Distrito Federal e dos Municípios,
e das seguintes contribuições sociais: SEÇÃO III – Da Previdência Social
I – do empregador, da empresa e da entidade
a ela equiparada na forma da lei, incidentes Art. 201.  A previdência social será organizada
sobre: sob a forma de regime geral, de caráter con-
a)  a folha de salários e demais rendimentos tributivo e de filiação obrigatória, observados
do trabalho pagos ou creditados, a qualquer critérios que preservem o equilíbrio financeiro
título, à pessoa física que lhe preste serviço, e atuarial, e atenderá, nos termos da lei, a:
mesmo sem vínculo empregatício; I – cobertura dos eventos de doença, invali-
b)  a receita ou o faturamento; dez, morte e idade avançada;
Dispositivos constitucionais pertinentes

c)  o lucro; II – proteção à maternidade, especialmente


II – do trabalhador e dos demais segurados à gestante;
da previdência social, não incidindo contribui- III – proteção ao trabalhador em situação de
ção sobre aposentadoria e pensão concedidas desemprego involuntário;
pelo regime geral de previdência social de que IV – salário-família e auxílio-reclusão para
trata o art. 201; os dependentes dos segurados de baixa renda;
III – sobre a receita de concursos de prog- V – pensão por morte do segurado, homem
nósticos; ou mulher, ao cônjuge ou companheiro e de-
IV – do importador de bens ou serviços do pendentes, observado o disposto no § 2o.
exterior, ou de quem a lei a ele equiparar. § 1 o  É vedada a adoção de requisitos e
������������������������������������������������������������������������������� critérios diferenciados para a concessão de
15
aposentadoria aos beneficiários do regime geral se compensarão financeiramente, segundo
de previdência social, ressalvados os casos de critérios estabelecidos em lei.
atividades exercidas sob condições especiais § 10.  Lei disciplinará a cobertura do risco de
que prejudiquem a saúde ou a integridade físi- acidente do trabalho, a ser atendida concorren-
ca e quando se tratar de segurados portadores temente pelo regime geral de previdência social
de deficiência, nos termos definidos em lei e pelo setor privado.
complementar. § 11.  Os ganhos habituais do empregado, a
§ 2o  Nenhum benefício que substitua o qualquer título, serão incorporados ao salário
salário de contribuição ou o rendimento do para efeito de contribuição previdenciária e
trabalho do segurado terá valor mensal inferior consequente repercussão em benefícios, nos
ao salário mínimo. casos e na forma da lei.
§ 3 o  Todos os salários de contribuição § 12.  Lei disporá sobre sistema especial de
considerados para o cálculo de benefício serão inclusão previdenciária para atender a traba-
devidamente atualizados, na forma da lei. lhadores de baixa renda e àqueles sem renda
§ 4 o  É assegurado o reajustamento dos própria que se dediquem exclusivamente ao
benefícios para preservar-lhes, em caráter trabalho doméstico no âmbito de sua residên-
permanente, o valor real, conforme critérios cia, desde que pertencentes a famílias de baixa
definidos em lei. renda, garantindo-lhes acesso a benefícios de
§ 5o  É vedada a filiação ao regime geral de valor igual a um salário mínimo.
previdência social, na qualidade de segurado § 13.  O sistema especial de inclusão previ-
facultativo, de pessoa participante de regime denciária de que trata o § 12 deste artigo terá
próprio de previdência. alíquotas e carências inferiores às vigentes
§ 6o  A gratificação natalina dos aposentados para os demais segurados do regime geral de
e pensionistas terá por base o valor dos proven- previdência social.
tos do mês de dezembro de cada ano. �������������������������������������������������������������������������������
§ 7o  É assegurada aposentadoria no regime
geral de previdência social, nos termos da lei, SEÇÃO IV – Da Assistência Social
obedecidas as seguintes condições:
I – trinta e cinco anos de contribuição, Art. 203.  A assistência social será prestada a
se homem, e trinta anos de contribuição, se quem dela necessitar, independentemente de
mulher; contribuição à seguridade social, e tem por
II – sessenta e cinco anos de idade, se objetivos:
homem, e sessenta anos de idade, se mulher, I – a proteção à família, à maternidade, à
reduzido em cinco anos o limite para os tra- infância, à adolescência e à velhice;
balhadores rurais de ambos os sexos e para II – o amparo às crianças e adolescentes
os que exerçam suas atividades em regime de carentes;
economia familiar, nestes incluídos o produtor III – a promoção da integração ao mercado
rural, o garimpeiro e o pescador artesanal. de trabalho;
§ 8o  Os requisitos a que se refere o inciso I IV – a habilitação e reabilitação das pessoas
Desenvolvimento e inclusão social

do parágrafo anterior serão reduzidos em cinco portadoras de deficiência e a promoção de sua


anos, para o professor que comprove exclusiva- integração à vida comunitária;
mente tempo de efetivo exercício das funções V – a garantia de um salário mínimo de be-
de magistério na educação infantil e no ensino nefício mensal à pessoa portadora de deficiência
fundamental e médio. e ao idoso que comprovem não possuir meios
§ 9o  Para efeito de aposentadoria, é asse- de prover à própria manutenção ou de tê-la
gurada a contagem recíproca do tempo de provida por sua família, conforme dispuser a lei.
contribuição na administração pública e na
atividade privada, rural e urbana, hipótese em Art. 204.  As ações governamentais na área da
que os diversos regimes de previdência social assistência social serão realizadas com recursos
16
do orçamento da seguridade social, previstos no Art. 208.  O dever do Estado com a educação
art. 195, além de outras fontes, e organizadas será efetivado mediante a garantia de:
com base nas seguintes diretrizes: I – educação básica obrigatória e gratuita
I – descentralização político-administrativa, dos 4 (quatro) aos 17 (dezessete) anos de idade,
cabendo a coordenação e as normas gerais à assegurada inclusive sua oferta gratuita para
esfera federal e a coordenação e a execução todos os que a ela não tiveram acesso na idade
dos respectivos programas às esferas estadual e própria;
municipal, bem como a entidades beneficentes II – progressiva universalização do ensino
e de assistência social; médio gratuito;
II – participação da população, por meio de III – atendimento educacional especializado
organizações representativas, na formulação aos portadores de deficiência, preferencialmen-
das políticas e no controle das ações em todos te na rede regular de ensino;
os níveis. IV – educação infantil, em creche e pré-
Parágrafo único.  É facultado aos Estados -escola, às crianças até 5 (cinco) anos de idade;
e ao Distrito Federal vincular a programa de V – acesso aos níveis mais elevados do ensi-
apoio à inclusão e promoção social até cinco no, da pesquisa e da criação artística, segundo
décimos por cento de sua receita tributária a capacidade de cada um;
líquida, vedada a aplicação desses recursos no VI – oferta de ensino noturno regular, ade-
pagamento de: quado às condições do educando;
I – despesas com pessoal e encargos sociais; VII – atendimento ao educando, em todas
II – serviço da dívida; as etapas da educação básica, por meio de
III – qualquer outra despesa corrente não programas suplementares de material didático-
vinculada diretamente aos investimentos ou -escolar, transporte, alimentação e assistência
ações apoiados. à saúde.
§ 1o  O acesso ao ensino obrigatório e gra-
tuito é direito público subjetivo.
CAPÍTULO III – Da Educação, da Cultura e § 2o  O não oferecimento do ensino obri-
do Desporto gatório pelo Poder Público, ou sua oferta irre-
SEÇÃO I – Da Educação gular, importa responsabilidade da autoridade
competente.
Art. 205.  A educação, direito de todos e de- § 3o  Compete ao Poder Público recensear os
ver do Estado e da família, será promovida e educandos no ensino fundamental, fazer-lhes a
incentivada com a colaboração da sociedade, chamada e zelar, junto aos pais ou responsáveis,
visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, pela frequência à escola.
seu preparo para o exercício da cidadania e sua �������������������������������������������������������������������������������
qualificação para o trabalho.
Art. 214.  A lei estabelecerá o plano nacional
Art. 206.  O ensino será ministrado com base de educação, de duração decenal, com o objeti-
Dispositivos constitucionais pertinentes

nos seguintes princípios: vo de articular o sistema nacional de educação


I – igualdade de condições para o acesso e em regime de colaboração e definir diretrizes,
permanência na escola; objetivos, metas e estratégias de implementação
II – liberdade de aprender, ensinar, pesquisar para assegurar a manutenção e desenvolvimen-
e divulgar o pensamento, a arte e o saber; to do ensino em seus diversos níveis, etapas e
III – pluralismo de ideias e de concepções modalidades por meio de ações integradas dos
pedagógicas, e coexistência de instituições poderes públicos das diferentes esferas federa-
públicas e privadas de ensino; tivas que conduzam a:
IV – gratuidade do ensino público em esta- I – erradicação do analfabetismo;
belecimentos oficiais; II – universalização do atendimento escolar;
������������������������������������������������������������������������������� III – melhoria da qualidade do ensino;
17
IV – formação para o trabalho; SEÇÃO III – Do Desporto
V – promoção humanística, científica e
tecnológica do País; Art. 217.  É dever do Estado fomentar práticas
VI – estabelecimento de meta de aplicação desportivas formais e não formais, como direito
de recursos públicos em educação como pro- de cada um, observados:
porção do produto interno bruto. I – a autonomia das entidades desportivas
dirigentes e associações, quanto a sua organi-
zação e funcionamento;
SEÇÃO II – Da Cultura II – a destinação de recursos públicos para a
promoção prioritária do desporto educacional
Art. 215.  O Estado garantirá a todos o pleno e, em casos específicos, para a do desporto de
exercício dos direitos culturais e acesso às fon- alto rendimento;
tes da cultura nacional, e apoiará e incentivará III – o tratamento diferenciado para o des-
a valorização e a difusão das manifestações porto profissional e o não profissional;
culturais. IV – a proteção e o incentivo às manifesta-
§ 1o  O Estado protegerá as manifestações ções desportivas de criação nacional.
das culturas populares, indígenas e afro-brasi- �������������������������������������������������������������������������������
leiras, e das de outros grupos participantes do § 3o  O Poder Público incentivará o lazer,
processo civilizatório nacional. como forma de promoção social.
§ 2o  A lei disporá sobre a fixação de datas
comemorativas de alta significação para os
diferentes segmentos étnicos nacionais. CAPÍTULO IV – Da Ciência e Tecnologia
§ 3o  A lei estabelecerá o Plano Nacional
de Cultura, de duração plurianual, visando ao Art. 218.  O Estado promoverá e incentivará
desenvolvimento cultural do País e à integração o desenvolvimento científico, a pesquisa e a
das ações do poder público que conduzem à: capacitação tecnológicas.
I – defesa e valorização do patrimônio cul- § 1o  A pesquisa científica básica receberá
tural brasileiro; tratamento prioritário do Estado, tendo em
II – produção, promoção e difusão de bens vista o bem público e o progresso das ciências.
culturais; § 2o  A pesquisa tecnológica voltar-se-á pre-
III – formação de pessoal qualificado para a ponderantemente para a solução dos problemas
gestão da cultura em suas múltiplas dimensões; brasileiros e para o desenvolvimento do sistema
IV – democratização do acesso aos bens de produtivo nacional e regional.
cultura; �������������������������������������������������������������������������������
V – valorização da diversidade étnica e
regional. Art. 219.  O mercado interno integra o patri-
������������������������������������������������������������������������������� mônio nacional e será incentivado de modo
a viabilizar o desenvolvimento cultural e so-
Art. 216-A.  O Sistema Nacional de Cultura, cioeconômico, o bem-estar da população e a
Desenvolvimento e inclusão social

organizado em regime de colaboração, de autonomia tecnológica do País, nos termos de


forma descentralizada e participativa, institui lei federal.
um processo de gestão e promoção conjunta �������������������������������������������������������������������������������
de políticas públicas de cultura, democráticas
e permanentes, pactuadas entre os entes da CAPÍTULO VI – Do Meio Ambiente
Federação e a sociedade, tendo por objetivo
promover o desenvolvimento humano, social Art. 225.  Todos têm direito ao meio ambien-
e econômico com pleno exercício dos direitos te ecologicamente equilibrado, bem de uso
culturais. comum do povo e essencial à sadia qualidade
������������������������������������������������������������������������������� de vida, impondo-se ao Poder Público e à co-
18
letividade o dever de defendê-lo e preservá-lo servação do meio ambiente, inclusive quanto
para as presentes e futuras gerações. ao uso dos recursos naturais.
§ 1o  Para assegurar a efetividade desse di- § 5o  São indisponíveis as terras devolu-
reito, incumbe ao Poder Público: tas ou arrecadadas pelos Estados, por ações
I – preservar e restaurar os processos eco- discriminatórias, necessárias à proteção dos
lógicos essenciais e prover o manejo ecológico ecossistemas naturais.
das espécies e ecossistemas; § 6o  As usinas que operem com reator nu-
II – preservar a diversidade e a integridade clear deverão ter sua localização definida em lei
do patrimônio genético do País e fiscalizar as federal, sem o que não poderão ser instaladas.
entidades dedicadas à pesquisa e manipulação
de material genético;
III – definir, em todas as unidades da Fede- CAPÍTULO VII – Da Família, da Criança,
ração, espaços territoriais e seus componentes do Adolescente, do Jovem e do Idoso
a serem especialmente protegidos, sendo a
alteração e a supressão permitidas somente Art. 226.  A família, base da sociedade, tem
através de lei, vedada qualquer utilização que especial proteção do Estado.
comprometa a integridade dos atributos que �������������������������������������������������������������������������������
justifiquem sua proteção; § 7o  Fundado nos princípios da dignidade
IV – exigir, na forma da lei, para instalação da pessoa humana e da paternidade responsá-
de obra ou atividade potencialmente causadora vel, o planejamento familiar é livre decisão do
de significativa degradação do meio ambiente, casal, competindo ao Estado propiciar recursos
estudo prévio de impacto ambiental, a que se educacionais e científicos para o exercício desse
dará publicidade; direito, vedada qualquer forma coercitiva por
V – controlar a produção, a comercialização parte de instituições oficiais ou privadas.
e o emprego de técnicas, métodos e substâncias § 8o  O Estado assegurará a assistência à fa-
que comportem risco para a vida, a qualidade mília na pessoa de cada um dos que a integram,
de vida e o meio ambiente; criando mecanismos para coibir a violência no
VI – promover a educação ambiental em âmbito de suas relações.
todos os níveis de ensino e a conscientização
pública para a preservação do meio ambiente; Art. 227.  É dever da família, da sociedade e
VII – proteger a fauna e a flora, vedadas, na do Estado assegurar à criança, ao adolescente
forma da lei, as práticas que coloquem em risco e ao jovem, com absoluta prioridade, o direito à
sua função ecológica, provoquem a extinção de vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao la-
espécies ou submetam os animais a crueldade. zer, à profissionalização, à cultura, à dignidade,
§ 2o  Aquele que explorar recursos minerais ao respeito, à liberdade e à convivência familiar
fica obrigado a recuperar o meio ambiente e comunitária, além de colocá-los a salvo de
degradado, de acordo com solução técnica toda forma de negligência, discriminação,
exigida pelo órgão público competente, na exploração, violência, crueldade e opressão.
Dispositivos constitucionais pertinentes

forma da lei. § 1o  O Estado promoverá programas de


§ 3o  As condutas e atividades consideradas assistência integral à saúde da criança, do ado-
lesivas ao meio ambiente sujeitarão os infra- lescente e do jovem, admitida a participação
tores, pessoas físicas ou jurídicas, a sanções de entidades não governamentais, mediante
penais e administrativas, independentemente políticas específicas e obedecendo aos seguintes
da obrigação de reparar os danos causados. preceitos:
§ 4o  A Floresta Amazônica brasileira, a Mata I – aplicação de percentual dos recursos
Atlântica, a Serra do Mar, o Pantanal Mato- públicos destinados à saúde na assistência
-Grossense e a Zona Costeira são patrimônio materno-infantil;
nacional, e sua utilização far-se-á, na forma da II – criação de programas de prevenção e
lei, dentro de condições que assegurem a pre- atendimento especializado para as pessoas por-
19
tadoras de deficiência física, sensorial ou mental, direitos e qualificações, proibidas quaisquer
bem como de integração social do adolescente designações discriminatórias relativas à filiação.
e do jovem portador de deficiência, mediante o § 7o  No atendimento dos direitos da criança
treinamento para o trabalho e a convivência, e e do adolescente levar-se-á em consideração o
a facilitação do acesso aos bens e serviços cole- disposto no art. 204.
tivos, com a eliminação de obstáculos arquite- § 8o  A lei estabelecerá:
tônicos e de todas as formas de discriminação. I – o estatuto da juventude, destinado a
§ 2o  A lei disporá sobre normas de constru- regular os direitos dos jovens;
ção dos logradouros e dos edifícios de uso pú- II – o plano nacional de juventude, de du-
blico e de fabricação de veículos de transporte ração decenal, visando à articulação das várias
coletivo, a fim de garantir acesso adequado às esferas do poder público para a execução de
pessoas portadoras de deficiência. políticas públicas.
§ 3o  O direito a proteção especial abrangerá �������������������������������������������������������������������������������
os seguintes aspectos:
I – idade mínima de quatorze anos para Art. 230.  A família, a sociedade e o Estado
admissão ao trabalho, observado o disposto têm o dever de amparar as pessoas idosas,
no art. 7o, XXXIII; assegurando sua participação na comunida-
II – garantia de direitos previdenciários e de, defendendo sua dignidade e bem-estar e
trabalhistas; garantindo-lhes o direito à vida.
III – garantia de acesso do trabalhador ado- § 1o  Os programas de amparo aos idosos se-
lescente e jovem à escola; rão executados preferencialmente em seus lares.
IV – garantia de pleno e formal conhecimen- § 2o  Aos maiores de sessenta e cinco anos é
to da atribuição de ato infracional, igualdade na garantida a gratuidade dos transportes coletivos
relação processual e defesa técnica por profis- urbanos.
sional habilitado, segundo dispuser a legislação �������������������������������������������������������������������������������
tutelar específica;
V – obediência aos princípios de brevidade, ATO DAS DISPOSIÇÕES
excepcionalidade e respeito à condição pecu- CONSTITUCIONAIS TRANSITÓRIAS
liar de pessoa em desenvolvimento, quando �������������������������������������������������������������������������������
da aplicação de qualquer medida privativa da
liberdade; Art. 42.  Durante 25 (vinte e cinco) anos,
VI – estímulo do Poder Público, através de a União aplicará, dos recursos destinados à
assistência jurídica, incentivos fiscais e subsí- irrigação:
dios, nos termos da lei, ao acolhimento, sob I – vinte por cento na Região Centro-Oeste;
a forma de guarda, de criança ou adolescente II – cinquenta por cento na Região Nordeste,
órfão ou abandonado; preferencialmente no semiárido.
VII – programas de prevenção e atendimen- �������������������������������������������������������������������������������
to especializado à criança, ao adolescente e ao
jovem dependente de entorpecentes e drogas Art. 50.  Lei agrícola a ser promulgada no
Desenvolvimento e inclusão social

afins. prazo de um ano disporá, nos termos da Cons-


§ 4o  A lei punirá severamente o abuso, a tituição, sobre os objetivos e instrumentos de
violência e a exploração sexual da criança e do política agrícola, prioridades, planejamento de
adolescente. safras, comercialização, abastecimento inter-
§ 5o  A adoção será assistida pelo Poder no, mercado externo e instituição de crédito
Público, na forma da lei, que estabelecerá ca- fundiário.
sos e condições de sua efetivação por parte de �������������������������������������������������������������������������������
estrangeiros.
§ 6o  Os filhos, havidos ou não da relação do Art. 55.  Até que seja aprovada a lei de diretri-
casamento, ou por adoção, terão os mesmos zes orçamentárias, trinta por cento, no mínimo,
20
do orçamento da seguridade social, excluído o serão aplicados em ações suplementares de
seguro-desemprego, serão destinados ao setor nutrição, habitação, educação, saúde, reforço
de saúde. de renda familiar e outros programas de rele-
vante interesse social voltados para melhoria
Art. 56.  Até que a lei disponha sobre o art. 195, da qualidade de vida.
I, a arrecadação decorrente de, no mínimo, Parágrafo único.  O Fundo previsto neste
cinco dos seis décimos percentuais correspon- artigo terá Conselho Consultivo e de Acom-
dentes à alíquota da contribuição de que trata panhamento que conte com a participação de
o Decreto-Lei no 1.940, de 25 de maio de 1982, representantes da sociedade civil, nos termos
alterada pelo Decreto-Lei no  2.049, de 1o de da lei.
agosto de 1983, pelo Decreto no 91.236, de 8 de
maio de 1985, e pela Lei no 7.611, de 8 de julho Art. 80.  Compõem o Fundo de Combate e
de 1987, passa a integrar a receita da seguridade Erradicação da Pobreza:
social, ressalvados, exclusivamente no exercí- I – a parcela do produto da arrecadação cor-
cio de 1988, os compromissos assumidos com respondente a um adicional de oito centésimos
programas e projetos em andamento. por cento, aplicável de 18 de junho de 2000 a 17
������������������������������������������������������������������������������� de junho de 2002, na alíquota da contribuição
social de que trata o art. 75 do Ato das Dispo-
Art. 58.  Os benefícios de prestação continu- sições Constitucionais Transitórias;
ada, mantidos pela previdência social na data II – a parcela do produto da arrecadação
da promulgação da Constituição, terão seus correspondente a um adicional de cinco pon-
valores revistos, a fim de que seja restabele- tos percentuais na alíquota do Imposto sobre
cido o poder aquisitivo, expresso em número Produtos Industrializados – IPI, ou do imposto
de salários mínimos, que tinham na data de que vier a substituí-lo, incidente sobre produtos
sua concessão, obedecendo-se a esse critério supérfluos e aplicável até a extinção do Fundo;
de atualização até a implantação do plano de III – o produto da arrecadação do imposto
custeio e benefícios referidos no artigo seguinte. de que trata o art. 153, inciso VII, da Consti-
Parágrafo único.  As prestações mensais dos tuição;
benefícios atualizadas de acordo com este artigo IV – dotações orçamentárias;
serão devidas e pagas a partir do sétimo mês a V – doações, de qualquer natureza, de pes-
contar da promulgação da Constituição. soas físicas ou jurídicas do País ou do exterior;
VI – outras receitas, a serem definidas na
Art. 59.  Os projetos de lei relativos à orga- regulamentação do referido Fundo.
nização da seguridade social e aos planos de § 1o  Aos recursos integrantes do Fundo de
custeio e de benefício serão apresentados no que trata este artigo não se aplica o disposto
prazo máximo de seis meses da promulgação nos arts. 159 e 167, inciso IV, da Constituição,
da Constituição ao Congresso Nacional, que assim como qualquer desvinculação de recur-
terá seis meses para apreciá-los. sos orçamentários.
Dispositivos constitucionais pertinentes

Parágrafo único.  Aprovados pelo Congresso § 2o  A arrecadação decorrente do disposto


Nacional, os planos serão implantados progres- no inciso I deste artigo, no período compreen-
sivamente nos dezoito meses seguintes. dido entre 18 de junho de 2000 e o início da
������������������������������������������������������������������������������� vigência da lei complementar a que se refere a
art. 79, será integralmente repassada ao Fundo,
Art. 79.  É instituído, para vigorar até o ano de preservado o seu valor real, em títulos públicos
2010, no âmbito do Poder Executivo Federal, o federais, progressivamente resgatáveis após 18
Fundo de Combate e Erradicação da Pobreza, de junho de 2002, na forma da lei.
a ser regulado por lei complementar com o ob-
jetivo de viabilizar a todos os brasileiros acesso Art. 81.  É instituído Fundo constituído pelos
a níveis dignos de subsistência, cujos recursos recursos recebidos pela União em decorrência
21
da desestatização de sociedades de economia disciplinadas em lei, não se aplicando o dispos-
mista ou empresas públicas por ela controladas, to no art. 165, § 9o, inciso II, da Constituição.
direta ou indiretamente, quando a operação
envolver a alienação do respectivo controle Art. 82.  Os Estados, o Distrito Federal e os
acionário a pessoa ou entidade não integrante Municípios devem instituir Fundos de Combate
da Administração Pública, ou de participação á Pobreza, com os recursos de que trata este ar-
societária remanescente após a alienação, cujos tigo e outros que vierem a destinar, devendo os
rendimentos, gerados a partir de 18 de junho referidos Fundos ser geridos por entidades que
de 2002, reverterão ao Fundo de Combate e contem com a participação da sociedade civil.
Erradicação de Pobreza. § 1o  Para o financiamento dos Fundos Es-
§ 1o  Caso o montante anual previsto nos taduais e Distrital, poderá ser criado adicional
rendimentos transferidos ao Fundo de Com- de até dois pontos percentuais na alíquota do
bate e Erradicação da Pobreza, na forma deste Imposto sobre Circulação de Mercadorias e
artigo, não alcance o valor de quatro bilhões Serviços – ICMS, sobre os produtos e serviços
de reais, far-se-á complementação na forma supérfluos e nas condições definidas na lei
do art. 80, inciso IV, do Ato das Disposições complementar de que trata o art.  155, §  2o,
Constitucionais Transitórias. XII, da Constituição, não se aplicando, sobre
§ 2o  Sem prejuízo do disposto no § 1o, o Po- este percentual, o disposto no art. 158, IV, da
der Executivo poderá destinar ao Fundo a que Constituição.
se refere este artigo outras receitas decorrentes § 2o  Para o financiamento dos Fundos Mu-
da alienação de bens da União. nicipais, poderá ser criado adicional de até meio
§ 3o  A constituição do Fundo a que se refere ponto percentual na alíquota do Imposto sobre
o caput, a transferência de recursos ao Fundo de serviços ou do imposto que vier a substituí-lo,
Combate e Erradicação da Pobreza e as demais sobre serviços supérfluos.
disposições referentes ao § 1o deste artigo serão �������������������������������������������������������������������������������
Desenvolvimento e inclusão social

22
Atos internacionais
Declaração Universal
dos Direitos Humanos
PREÂMBULO importância para o pleno cumprimento desse
compromisso,
Considerando que o reconhecimento da digni-
dade inerente a todos os membros da família Agora portanto
humana e de seus direitos iguais e inalienáveis
é o fundamento da liberdade, da justiça e da A ASSEMBLEIA GERAL
paz no mundo,
proclama
Considerando que o desprezo e o desrespeito
pelos direitos humanos resultaram em atos A PRESENTE DECLARAÇÃO UNIVERSAL
bárbaros que ultrajaram a consciência da DOS DIREITOS HUMANOS
Humanidade e que o advento de um mundo
em que todos gozem de liberdade de palavra, como o ideal comum a ser atingido por todos
de crença e da liberdade de viverem a salvo do os povos e todas as nações, com o objetivo de
temor e da necessidade foi proclamado como que cada indivíduo e cada órgão da sociedade,
a mais alta aspiração do ser humano comum, tendo sempre em mente esta Declaração, se
esforce, através do ensino e da educação, por
Considerando ser essencial que os direitos promover o respeito a esses direitos e liberda-
humanos sejam protegidos pelo império da des, e, pela adoção de medidas progressivas de
lei, para que o ser humano não seja compelido, caráter nacional e internacional, por assegurar o
como último recurso, à rebelião contra a tirania seu reconhecimento e a sua observância univer-
e a opressão, sal e efetiva, tanto entre os povos dos próprios
Estados-Membros, quanto entre os povos dos
Considerando ser essencial promover o de- territórios sob sua jurisdição.
senvolvimento de relações amistosas entre as
nações, ARTIGO I

Considerando que os povos das Nações Unidas Todos os seres humanos nascem livres e iguais
reafirmaram, na Carta da ONU, sua fé nos direi- em dignidade e direitos. São dotados de razão
tos humanos fundamentais, na dignidade e no e consciência e devem agir em relação uns aos
valor do ser humano e na igualdade de direitos outros com espírito de fraternidade.
entre homens e mulheres, e que decidiram pro-
mover o progresso social e melhores condições ARTIGO II
Desenvolvimento e inclusão social

de vida em uma liberdade mais ampla,


1. Todo ser humano tem capacidade para gozar os
Considerando que os Estados-Membros se direitos e as liberdades estabelecidos nesta Decla-
comprometeram a promover, em cooperação ração, sem distinção de qualquer espécie, seja de
com as Nações Unidas, o respeito universal aos raça, cor, sexo, idioma, religião, opinião política
direitos e liberdades humanas fundamentais e a ou de outra natureza, origem nacional ou social,
observância desses direitos e liberdades, riqueza, nascimento, ou qualquer outra condição.

Considerando que uma compreensão comum 2. Não será também feita nenhuma distinção
desses direitos e liberdades é da mais alta fundada na condição política, jurídica ou in-
24
ternacional do país ou território a que pertença ARTIGO X
uma pessoa, quer se trate de um território inde-
pendente, sob tutela, sem governo próprio, quer Todo ser humano tem direito, em plena igual-
sujeito a qualquer outra limitação de soberania. dade, a uma justa e pública audiência por parte
de um tribunal independente e imparcial, para
ARTIGO III decidir sobre seus direitos e deveres ou do
fundamento de qualquer acusação criminal
Todo ser humano tem direito à vida, à liberdade contra ele.
e à segurança pessoal.
ARTIGO XI
ARTIGO IV
1. Todo ser humano acusado de um ato deli-
Ninguém será mantido em escravidão ou ser- tuoso tem o direito de ser presumido inocente
vidão; a escravidão e o tráfico de escravos serão até que a sua culpabilidade tenha sido provada
proibidos em todas as suas formas. de acordo com a lei, em julgamento público
no qual lhe tenham sido asseguradas todas as
ARTIGO V garantias necessárias à sua defesa.

Ninguém será submetido à tortura nem a 2. Ninguém poderá ser culpado por qualquer
tratamento ou castigo cruel, desumano ou ação ou omissão que, no momento, não cons-
degradante. tituíam delito perante o direito nacional ou
internacional. Também não será imposta pena
ARTIGO VI mais forte do que aquela que, no momento da
prática, era aplicável ao ato delituoso.
Todo ser humano tem o direito de ser, em
todos os lugares, reconhecido como pessoa ARTIGO XII
perante a lei.
Ninguém será sujeito à interferência em sua
ARTIGO VII vida privada, em sua família, em seu lar ou em
sua correspondência, nem a ataque à sua honra
Todos são iguais perante a lei e têm direito, e reputação. Todo ser humano tem direito à
sem qualquer distinção, a igual proteção da proteção da lei contra tais interferências ou
lei. Todos têm direito a igual proteção contra ataques.
qualquer discriminação que viole a presente
Declaração e contra qualquer incitamento a ARTIGO XIII
tal discriminação.
1. Todo ser humano tem direito à liberdade de
ARTIGO VIII locomoção e residência dentro das fronteiras
de cada Estado.
Todo ser humano tem direito a receber dos
tribunais nacionais competentes remédio 2. Todo ser humano tem o direito de deixar
efetivo para os atos que violem os direitos qualquer país, inclusive o próprio, e a este
fundamentais que lhe sejam reconhecidos pela regressar.
constituição ou pela lei.
Atos internacionais

ARTIGO XIV
ARTIGO IX
1. Todo ser humano, vítima de perseguição,
Ninguém será arbitrariamente preso, detido tem o direito de procurar e de gozar asilo em
ou exilado. outros países.
25
2. Este direito não pode ser invocado em caso dade de, sem interferência, ter opiniões e de
de perseguição legitimamente motivada por procurar, receber e transmitir informações e
crimes de direito comum ou por atos contrários ideias por quaisquer meios e independente-
aos objetivos e princípios das Nações Unidas. mente de fronteiras.

ARTIGO XV ARTIGO XX

1. Todo homem tem direito a uma nacionalidade. 1. Todo ser humano tem direito à liberdade de
reunião e associação pacífica.
2. Ninguém será arbitrariamente privado de
sua nacionalidade, nem do direito de mudar 2. Ninguém pode ser obrigado a fazer parte de
de nacionalidade. uma associação.

ARTIGO XVI ARTIGO XXI

1. Os homens e mulheres de maior idade, sem 1. Todo ser humano tem o direito de fazer
qualquer restrição de raça, nacionalidade ou parte no governo de seu país diretamente ou
religião, têm o direito de contrair matrimônio por intermédio de representantes livremente
e fundar uma família. Gozam de iguais direitos escolhidos.
em relação ao casamento, sua duração e sua
dissolução. 2. Todo ser humano tem igual direito de acesso
ao serviço público do seu país.
2. O casamento não será válido senão com o
livre e pleno consentimento dos nubentes. 3. A vontade do povo será a base da autorida-
de do governo; esta vontade será expressa em
3. A família é o núcleo natural e fundamental da eleições periódicas e legítimas, por sufrágio
sociedade e tem direito à proteção da sociedade universal, por voto secreto ou processo equiva-
e do Estado. lente que assegure a liberdade de voto.

ARTIGO XVII ARTIGO XXII

1. Todo ser humano tem direito à propriedade, Todo ser humano, como membro da socie-
só ou em sociedade com outros. dade, tem direito à segurança social, à reali-
zação pelo esforço nacional, pela cooperação
2. Ninguém será arbitrariamente privado de internacional e de acordo com a organização
sua propriedade. e recursos de cada Estado, dos direitos econô-
micos, sociais e culturais indispensáveis à sua
ARTIGO XVIII dignidade e ao livre desenvolvimento da sua
personalidade.
Desenvolvimento e inclusão social

Todo ser humano tem direito à liberdade de


pensamento, consciência e religião; este direito ARTIGO XXIII
inclui a liberdade de mudar de religião ou cren-
ça e a liberdade de manifestar essa religião ou 1. Todo ser humano tem direito ao trabalho,
crença, pelo ensino, pela prática, pelo culto e à livre escolha de emprego, a condições justas
pela observância, em público ou em particular. e favoráveis de trabalho e à proteção contra o
desemprego.
ARTIGO XIX
2. Todo ser humano, sem qualquer distinção,
Todo ser humano tem direito à liberdade de tem direito a igual remuneração por igual
26 opinião e expressão; este direito inclui a liber- trabalho.
3. Todo ser humano que trabalha tem direito das Nações Unidas em prol da manutenção
a uma remuneração justa e satisfatória, que da paz.
lhe assegure, assim como à sua família, uma
existência compatível com a dignidade humana 3. Os pais têm prioridade de direito na escolha
e a que se acrescentarão, se necessário, outros do gênero de instrução que será ministrada a
meios de proteção social. seus filhos.

4. Todo ser humano tem direito a organizar ARTIGO XXVII


sindicatos e a neles ingressar para proteção de
seus interesses. 1. Todo ser humano tem o direito de participar
livremente da vida cultural da comunidade,
ARTIGO XXIV de fruir das artes e de participar do progresso
científico e de seus benefícios.
Todo ser humano tem direito a repouso e
lazer, inclusive a limitação razoável das horas 2. Todo ser humano tem direito à proteção
de trabalho e a férias remuneradas periódicas. dos interesses morais e materiais decorrentes
de qualquer produção científica literária ou
ARTIGO XXV artística da qual seja autor.

1. Todo ser humano tem direito a um padrão ARTIGO XXVIII


de vida capaz de assegurar-lhe, e a sua família,
saúde e bem-estar, inclusive alimentação, vestu- Todo ser humano tem direito a uma ordem
ário, habitação, cuidados médicos e os serviços social e internacional em que os direitos e li-
sociais indispensáveis, e direito à segurança berdades estabelecidos na presente Declaração
em caso de desemprego, doença, invalidez, possam ser plenamente realizados.
viuvez, velhice ou outros casos de perda dos
meios de subsistência em circunstâncias fora ARTIGO XXIX
de seu controle.
1. Todo ser humano tem deveres para com a
2. A maternidade e a infância têm direito a cui- comunidade, na qual o livre e pleno desenvol-
dados e assistência especiais. Todas as crianças, vimento de sua personalidade é possível.
nascidas dentro ou fora do matrimônio gozarão
da mesma proteção social. 2. No exercício de seus direitos e liberdades,
todo ser humano estará sujeito apenas às limita-
ARTIGO XXVI ções determinadas pela lei, exclusivamente com
o fim de assegurar o devido reconhecimento e
1. Todo ser humano tem direito à instrução. A respeito dos direitos e liberdades de outrem e
instrução será gratuita, pelo menos nos graus de satisfazer as justas exigências da moral, da
elementares e fundamentais. A instrução ele- ordem pública e do bem-estar de uma socie-
mentar será obrigatória. A instrução técnico- dade democrática.
-profissional será acessível a todos, bem como
a instrução superior, esta baseada no mérito. 3. Esses direitos e liberdades não podem, em
hipótese alguma, ser exercidos contraria-
2. A instrução será orientada no sentido do ple- mente aos objetivos e princípios das Nações
Atos internacionais

no desenvolvimento da personalidade humana Unidas.


e do fortalecimento do respeito pelos direitos
humanos e pelas liberdades fundamentais. A ARTIGO XXX
instrução promoverá a compreensão, a tolerân-
cia e a amizade entre todas as nações e grupos Nenhuma disposição da presente Declaração
raciais ou religiosos, e coadjuvará as atividades pode ser interpretada como o reconhecimento a 27
qualquer Estado, grupo ou pessoa, do direito de Adotada e proclamada pela Resolução no 217 A
exercer qualquer atividade ou praticar qualquer (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas, em
ato destinado à destruição de quaisquer dos 10 de dezembro de 1948. Disponível em: <http://
direitos e liberdades aqui estabelecidos. www.onu.org.br/img/2014/09/DUDH.pdf>. Acesso
em: 2 out. 2014.
Desenvolvimento e inclusão social

28
Pacto Internacional sobre Direitos
Econômicos, Sociais e Culturais

PREÂMBULO livremente seu estatuto político e asseguram


livremente seu desenvolvimento econômico,
Os Estados Partes do presente Pacto, social e cultural.

Considerando que, em conformidade com os 2. Para a consecução de seus objetivos, todos


princípios proclamados na Carta das Nações os povos podem dispor livremente de suas
Unidas, o reconhecimento da dignidade ine- riquezas e de seus recursos naturais, sem
rente a todos os membros da família humana e prejuízo das obrigações decorrentes da co-
dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui operação econômica internacional, baseada
o fundamento da liberdade, da justiça e da paz no princípio do proveito mútuo, e do Direito
no mundo, Internacional. Em caso algum, poderá um
povo ser privado de seus próprios meios de
Reconhecendo que esses direitos decorrem da subsistência.
dignidade inerente à pessoa humana,
3. Os Estados Partes do presente Pacto, inclu-
Reconhecendo que, em conformidade com a sive aqueles que tenham a responsabilidade de
Declaração Universal dos Direitos do Homem, o administrar territórios não autônomos e terri-
ideal do ser humano livre, liberto do temor e da tórios sob tutela, deverão promover o exercício
miséria, não pode ser realizado a menos que se do direito à autodeterminação e respeitar esse
criem condições que permitam a cada um gozar direito, em conformidade com as disposições
de seus direitos econômicos, sociais e culturais, da Carta das Nações Unidas.
assim como de seus direitos civis e políticos,

Considerando que a Carta das Nações Unidas PARTE II


impõe aos Estados a obrigação de promover o Artigo 2o
respeito universal e efetivo dos direitos e das
liberdades do homem, 1. Cada Estado Parte do presente Pacto com-
promete-se a adotar medidas, tanto por esforço
Compreendendo que o indivíduo, por ter de- próprio como pela assistência e cooperação
veres para com seus semelhantes e para com a internacionais, principalmente nos planos
coletividade a que pertence, tem a obrigação de econômico e técnico, até o máximo de seus
lutar pela promoção e observância dos direitos recursos disponíveis, que visem a assegurar,
reconhecidos no presente Pacto, progressivamente, por todos os meios apropria-
dos, o pleno exercício dos direitos reconhecidos
Acordam o seguinte: no presente Pacto, incluindo, em particular, a
adoção de medidas legislativas.
Atos Internacionais

PARTE I 2. Os Estados Partes do presente Pacto com-


ARTIGO 1o prometem-se a garantir que os direitos nele
enunciados se exercerão sem discriminação
1. Todos os povos têm direito à autodetermi- alguma por motivo de raça, cor, sexo, língua,
nação. Em virtude desse direito, determinam religião, opinião política ou de outra natureza,
29
origem nacional ou social, situação econômica, PARTE III
nascimento ou qualquer outra situação. ARTIGO 6o

3. Os países em desenvolvimento, levando devi- 1. Os Estados Partes do presente Pacto reconhe-


damente em consideração os direitos humanos cem o direito ao trabalho, que compreende o
e a situação econômica nacional, poderão de- direito de toda pessoa de ter a possibilidade de
terminar em que medida garantirão os direitos ganhar a vida mediante um trabalho livremente
econômicos reconhecidos no presente Pacto escolhido ou aceito, e tomarão medidas apro-
àqueles que não sejam seus nacionais. priadas para salvaguardar esse direito.

ARTIGO 3o 2. As medidas que cada Estado Parte do presen-


te Pacto tomará a fim de assegurar o pleno exer-
Os Estados Partes do presente Pacto compro- cício desse direito deverão incluir a orientação e
metem-se a assegurar a homens e mulheres a formação técnica e profissional, a elaboração
igualdade no gozo de todos os direitos eco- de programas, normas e técnicas apropriadas
nômicos, sociais e culturais enumerados no para assegurar um desenvolvimento econômi-
presente Pacto. co, social e cultural constante e o pleno emprego
produtivo em condições que salvaguardem aos
ARTIGO 4o indivíduos o gozo das liberdades políticas e
econômicas fundamentais.
Os Estados Partes do presente Pacto reconhe-
cem que, no exercício dos direitos assegurados ARTIGO 7o
em conformidade com o presente Pacto pelo
Estado, este poderá submeter tais direitos Os Estados Partes do presente Pacto reco-
unicamente às limitações estabelecidas em lei, nhecem o direito de toda pessoa de gozar de
somente na medida compatível com a natureza condições de trabalho justas e favoráveis, que
desses direitos e exclusivamente com o objetivo assegurem especialmente:
de favorecer o bem-estar geral em uma socie-
dade democrática. a)  uma remuneração que proporcione, no
mínimo, a todos os trabalhadores:
ARTIGO 5o
i)  um salário equitativo e uma remuneração
1. Nenhuma das disposições do presente Pacto igual por um trabalho de igual valor, sem
poderá ser interpretada no sentido de reconhe- qualquer distinção; em particular, as mulheres
cer a um Estado, grupo ou indivíduo qualquer deverão ter a garantia de condições de trabalho
direito de dedicar-se a quaisquer atividades não inferiores às dos homens e perceber a mes-
ou de praticar quaisquer atos que tenham por ma remuneração que eles por trabalho igual;
objetivo destruir os direitos ou liberdades
reconhecidos no presente Pacto ou impor-lhe ii) uma existência decente para eles e suas fa-
Desenvolvimento e inclusão social

limitações mais amplas do que aquelas nele mílias, em conformidade com as disposições
previstas. do presente Pacto;

2. Não se admitirá qualquer restrição ou sus- b)  a segurança e a higiene no trabalho;


pensão dos direitos humanos fundamentais
reconhecidos ou vigentes em qualquer país c)  igual oportunidade para todos de serem
em virtude de leis, convenções, regulamentos promovidos, em seu trabalho, à categoria
ou costumes, sob pretexto de que o presente superior que lhes corresponda, sem outras
Pacto não os reconheça ou os reconheça em considerações que as de tempo de trabalho e
menor grau. capacidade;
30
d)  o descanso, o lazer, a limitação razoável de maneira a restringir – as garantias previstas
das horas de trabalho e férias periódicas re- na referida Convenção.
muneradas, assim como a remuneração dos
feriados. ARTIGO 9o

ARTIGO 8o Os Estados Partes do presente Pacto reconhe-


cem o direito de toda pessoa à previdência
1. Os Estados Partes do presente Pacto com- social, inclusive ao seguro social.
prometem-se a garantir:
ARTIGO 10
a)  o direito de toda pessoa de fundar com ou-
tras sindicatos e de filiar-se ao sindicato de sua Os Estados Partes do presente Pacto reconhe-
escolha, sujeitando-se unicamente aos estatutos cem que:
da organização interessada, com o objetivo de
promover e de proteger seus interesses econô- 1. Deve-se conceder à família, que é o elemento
micos e sociais. O exercício desse direito só natural e fundamental da sociedade, as mais
poderá ser objeto das restrições previstas em amplas proteção e assistência possíveis, espe-
lei e que sejam necessárias, em uma sociedade cialmente para a sua constituição e enquanto
democrática, no interesse da segurança nacio- ela for responsável pela criação e educação dos
nal ou da ordem pública, ou para proteger os filhos. O matrimônio deve ser contraído com
direitos e as liberdades alheias; o livre consentimento dos futuros cônjuges.

b)  o direito dos sindicatos de formar federa- 2. Deve-se conceder proteção especial às mães
ções ou confederações nacionais e o direito por um período de tempo razoável antes e
destas de formar organizações sindicais inter- depois do parto. Durante esse período, deve-se
nacionais ou de filiar-se às mesmas; conceder às mães que trabalham licença remu-
nerada ou licença acompanhada de benefícios
c)  o direito dos sindicatos de exercer livremen- previdenciários adequados.
te suas atividades, sem quaisquer limitações
além daquelas previstas em lei e que sejam 3. Devem-se adotar medidas especiais de
necessárias, em uma sociedade democrática, proteção e de assistência em prol de todas as
no interesse da segurança nacional ou da or- crianças e adolescentes, sem distinção algu-
dem pública, ou para proteger os direitos e as ma por motivo de filiação ou qualquer outra
liberdades das demais pessoas; condição. Devem-se proteger as crianças e
adolescentes contra a exploração econômica e
d)  o direito de greve, exercido de conformida- social. O emprego de crianças e adolescentes
de com as leis de cada país. em trabalhos que lhes sejam nocivos à moral
e à saúde ou que lhes façam correr perigo de
2. O presente artigo não impedirá que se vida, ou ainda que lhes venham a prejudicar o
submeta a restrições legais o exercício desses desenvolvimento normal, será punido por lei.
direitos pelos membros das forças armadas, da
política ou da administração pública. Os Estados devem também estabelecer limites de
idade sob os quais fique proibido e punido por lei
3. Nenhuma das disposições do presente artigo o emprego assalariado da mão de obra infantil.
Atos Internacionais

permitirá que os Estados Partes da Convenção


de 1948 da Organização Internacional do Tra- ARTIGO 11
balho, relativa à liberdade sindical e à proteção
do direito sindical, venham a adotar medidas 1. Os Estados Partes do presente Pacto reco-
legislativas que restrinjam – ou a aplicar a lei nhecem o direito de toda pessoa a um nível de
31
vida adequado para si próprio e sua família, c)  a prevenção e o tratamento das doenças
inclusive à alimentação, vestimenta e moradia epidêmicas, endêmicas, profissionais e outras,
adequadas, assim como a uma melhoria con- bem como a luta contra essas doenças;
tinua de suas condições de vida. Os Estados
Partes tomarão medidas apropriadas para d)  a criação de condições que assegurem a
assegurar a consecução desse direito, reconhe- todos assistência médica e serviços médicos
cendo, nesse sentido, a importância essencial em caso de enfermidade.
da cooperação internacional fundada no livre
consentimento. ARTIGO 13

2. Os Estados Partes do presente Pacto, reco- 1. Os Estados Partes do presente Pacto reco-
nhecendo o direito fundamental de toda pessoa nhecem o direito de toda pessoa à educação.
de estar protegida contra a fome, adotarão, Concordam em que a educação deverá visar ao
individualmente e mediante cooperação in- pleno desenvolvimento da personalidade huma-
ternacional, as medidas, inclusive programas na e do sentido de sua dignidade e fortalecer o
concretos, que se façam necessárias para: respeito pelos direitos humanos e liberdades fun-
damentais. Concordam ainda em que a educação
a)  melhorar os métodos de produção, conser- deverá capacitar todas as pessoas a participar
vação e distribuição de gêneros alimentícios efetivamente de uma sociedade livre, favorecer
pela plena utilização dos conhecimentos técni- a compreensão, a tolerância e a amizade entre
cos e científicos, pela difusão de princípios de todas as nações e entre todos os grupos raciais,
educação nutricional e pelo aperfeiçoamento étnicos ou religiosos e promover as atividades das
ou reforma dos regimes agrários, de maneira Nações Unidas em prol da manutenção da paz.
que se assegurem a exploração e a utilização
mais eficazes dos recursos naturais; 2. Os Estados Partes do presente Pacto reconhe-
cem que, com o objetivo de assegurar o pleno
b)  assegurar uma repartição equitativa dos exercício desse direito:
recursos alimentícios mundiais em relação às
necessidades, levando-se em conta os proble- a)  a educação primária deverá ser obrigatória
mas tanto dos países importadores quanto dos e acessível gratuitamente a todos;
exportadores de gêneros alimentícios.
b)  a educação secundária em suas diferentes
ARTIGO 12 formas, inclusive a educação secundária técnica
e profissional, deverá ser generalizada e torna-
1. Os Estados Partes do presente Pacto reconhe- -se acessível a todos, por todos os meios apro-
cem o direito de toda pessoa de desfrutar o mais priados e, principalmente, pela implementação
elevado nível possível de saúde física e mental. progressiva do ensino gratuito;

2. As medidas que os Estados Partes do presente c)  a educação de nível superior deverá igual-
Desenvolvimento e inclusão social

Pacto deverão adotar com o fim de assegurar o mente torna-se acessível a todos, com base na
pleno exercício desse direito incluirão as me- capacidade de cada um, por todos os meios
didas que se façam necessárias para assegurar: apropriados e, principalmente, pela implemen-
tação progressiva do ensino gratuito;
a)  a diminuição da mortinatalidade e da mor-
talidade infantil, bem como o desenvolvimento d)  dever-se-á fomentar e intensificar, na
são das crianças; medida do possível, a educação de base para
aquelas pessoas que não receberam educação
b)  a melhoria de todos os aspectos de higiene primária ou não concluíram o ciclo completo
do trabalho e do meio ambiente; de educação primária;
32
e)  será preciso prosseguir ativamente o desen- c)  beneficiar-se da proteção dos interesses mo-
volvimento de uma rede escolar em todos os rais e materiais decorrentes de toda a produção
níveis de ensino, implementar-se um sistema científica, literária ou artística de que seja autor.
adequado de bolsas de estudo e melhorar con-
tinuamente as condições materiais do corpo 2. As medidas que os Estados Partes do Pre-
docente. sente Pacto deverão adotar com a finalidade
de assegurar o pleno exercício desse direito
1. Os Estados Partes do presente Pacto compro- incluirão aquelas necessárias à conservação,
metem-se a respeitar a liberdade dos pais – e, ao desenvolvimento e à difusão da ciência e
quando for o caso, dos tutores legais – de esco- da cultura.
lher para seus filhos escolas distintas daquelas
criadas pelas autoridades públicas, sempre 3. Os Estados Partes do presente Pacto compro-
que atendam aos padrões mínimos de ensino metem-se a respeitar a liberdade indispensável
prescritos ou aprovados pelo Estado, e de fazer à pesquisa cientifica e à atividade criadora.
com que seus filhos venham a receber educação
religiosa ou moral que esteja de acordo com 4. Os Estados Partes do presente Pacto reco-
suas próprias convicções. nhecem os benefícios que derivam do fomento
e do desenvolvimento da cooperação e das
2. Nenhuma das disposições do presente artigo relações internacionais no domínio da ciência
poderá ser interpretada no sentido de restringir e da cultura.
a liberdade de indivíduos e de entidades de criar
e dirigir instituições de ensino, desde que respei-
tados os princípios enunciados no parágrafo 1 PARTE IV
do presente artigo e que essas instituições obser- ARTIGO 16
vem os padrões mínimos prescritos pelo Estado.
1. Os Estados Partes do presente Pacto com-
ARTIGO 14 prometem-se a apresentar, de acordo com as
disposições da presente parte do Pacto, rela-
Todo Estado Parte do presente Pacto que, no tórios sobre as medidas que tenham adotado e
momento em que se tornar Parte, ainda não sobre o progresso realizado com o objetivo de
tenha garantido em seu próprio território ou assegurar a observância dos direitos reconhe-
territórios sob sua jurisdição a obrigatoriedade cidos no Pacto.
e a gratuidade da educação primária, se com-
promete a elaborar e a adotar, dentro de um 2. a) Todos os relatórios deverão ser encami-
prazo de dois anos, um plano de ação detalhado nhados ao Secretário-Geral da Organização
destinado à implementação progressiva, dentro das Nações Unidas, o qual enviará cópias dos
de um número razoável de anos estabelecidos mesmos ao Conselho Econômico e Social,
no próprio plano, do princípio da educação para exame, de acordo com as disposições do
primária obrigatória e gratuita para todos. presente Pacto.

ARTIGO 15 b)  O Secretário-Geral da Organização das Na-


ções Unidas encaminhará também às agências
1. Os Estados Partes do presente Pacto reconhe- especializadas cópias dos relatórios – ou de
cem a cada indivíduo o direito de: todas as partes pertinentes dos mesmos – en-
Atos Internacionais

viados pelos Estados Partes do presente Pacto


a)  participar da vida cultural; que sejam igualmente membros das referidas
agências especializadas, na medida em que os
b)  desfrutar o progresso científico e suas relatórios, ou partes deles, guardem relação
aplicações; com questão que sejam da competência de
33
tais agências, nos termos de seus respectivos que apresentarem os Estados nos termos dos
instrumentos constitutivos. artigos 16 e 17 e aqueles concernentes aos di-
reitos humanos que apresentarem as agências
ARTIGO 17 especializadas nos termos do artigo 18.

1. Os Estados Partes do presente Pacto apresen- ARTIGO 20


tarão seus relatórios por etapas, segundo um
programa a ser estabelecido pelo Conselho Eco- Os Estados Partes do presente Pacto e as
nômico e Social no prazo de um ano a contar agências especializadas interessadas poderão
da data da entrada em vigor do presente Pacto, encaminhar ao Conselho Econômico e Social
após consulta aos Estados Partes e às agências comentários sobre qualquer recomendação de
especializadas interessadas. ordem geral feita em virtude do artigo 19 ou so-
bre qualquer referência a uma recomendação de
2. Os relatórios poderão indicar os fatores e as ordem geral que venha a constar de relatório da
dificuldades que prejudiquem o pleno cum- Comissão de Direitos Humanos ou de qualquer
primento das obrigações previstas no presente documento mencionado no referido relatório.
Pacto.
ARTIGO 21
3. Caso as informações pertinentes já tenham
sido encaminhadas à Organização das Nações O Conselho Econômico e Social poderá apre-
Unidas ou a uma agência especializada por um sentar ocasionalmente à Assembleia-Geral
Estado Parte, não será necessário reproduzir as relatórios que contenham recomendações de
referidas informações, sendo suficiente uma caráter geral bem como resumo das informa-
referência precisa às mesmas. ções recebidas dos Estados Partes do presente
Pacto e das agências especializadas sobre as
ARTIGO 18 medidas adotadas e o progresso realizado com
a finalidade de assegurar a observância geral
Em virtude das responsabilidades que lhe são dos direitos reconhecidos no presente Pacto.
conferidas pela Carta das Nações Unidas no
domínio dos direitos humanos e das liberda- ARTIGO 22
des fundamentais, o Conselho Econômico e
Social poderá concluir acordos com as agências O Conselho Econômico e Social poderá levar ao
especializadas sobre a apresentação, por estas, conhecimento de outros órgãos da Organização
de relatórios relativos aos progressos realiza- das Nações Unidas, de seus órgãos subsidiários
dos quanto ao cumprimento das disposições e das agências especializadas interessadas, às
do presente Pacto que correspondam ao seu quais incumba a prestação de assistência técni-
campo de atividades. Os relatórios poderão in- ca, quaisquer questões suscitadas nos relatórios
cluir dados sobre as decisões e recomendações mencionados nesta parte do presente Pacto que
referentes ao cumprimento das disposições do possam ajudar essas entidades a pronunciar-se,
Desenvolvimento e inclusão social

presente Pacto adotadas pelos órgãos compe- cada uma dentro de sua esfera de competência,
tentes das agências especializadas. sobre a conveniência de medidas internacionais
que possam contribuir para a implementação
ARTIGO 19 efetiva e progressiva do presente Pacto.

O Conselho Econômico e Social poderá enca- ARTIGO 23


minhar à Comissão de Direitos Humanos, para
fins de estudo e de recomendação de ordem ge- Os Estados Partes do presente Pacto concordam
ral, ou para informação, caso julgue apropriado, em que as medidas de ordem internacional
os relatórios concernentes aos direitos humanos destinadas a tornar efetivos os direitos reco-
34
nhecidos no referido Pacto incluem, sobretudo, 4. Far-se-á a adesão mediante depósito do ins-
a conclusão de convenções, a adoção de reco- trumento de adesão junto ao Secretário-Geral
mendações, a prestação de assistência técnica da Organização das Nações Unidas.
e a organização, em conjunto com os governos
interessados, e no intuito de efetuar consultas 5. O Secretário-Geral da Organização das
e realizar estudos, de reuniões regionais e de Nações Unidas informará todos os Estados
reuniões técnicas. que hajam assinado o presente Pacto ou a ele
aderido, do depósito de cada instrumento de
ARTIGO 24 ratificação ou de adesão.

Nenhuma das disposições do presente Pacto ARTIGO 27


poderá ser interpretada em detrimento das
disposições da Carta das Nações Unidas ou 1. O presente Pacto entrará em vigor três meses
das constituições das agências especializadas, após a data do depósito, junto ao Secretário-
as quais definem as responsabilidades res- -Geral da Organização das Nações Unidas, do
pectivas dos diversos órgãos da Organização trigésimo-quinto instrumento de ratificação
das Nações Unidas e agências especializadas ou de adesão.
relativamente às matérias tratadas no presente
Pacto. 2. Para os Estados que vierem a ratificar o pre-
sente Pacto ou a ele aderir após o depósito do
ARTIGO 25 trigésimo-quinto instrumento de ratificação ou
de adesão, o presente Pacto entrará em vigor
Nenhuma das disposições do presente Pacto três meses após a data do depósito, pelo Estado
poderá ser interpretada em detrimento do em questão, de seu instrumento de ratificação
direito inerente a todos os povos de desfrutar e ou de adesão.
utilizar plena e livremente suas riquezas e seus
recursos naturais. ARTIGO 28

Aplicar-se-ão as disposições do presente Pacto,


PARTE V sem qualquer limitação ou exceção, a todas as
ARTIGO 26 unidades constitutivas dos Estados Federativos.

1. O presente Pacto está aberto à assinatura de ARTIGO 29


todos os Estados membros da Organização das
Nações Unidas ou membros de qualquer de 1. Qualquer Estado Parte do presente Pacto
suas agências especializadas, de todo Estado poderá propor emendas e depositá-las junto
Parte do Estatuto da Corte internacional de ao Secretário-Geral da Organização das Nações
Justiça, bem como de qualquer outro Estado Unidas. O Secretário-Geral comunicará todas
convidado pela Assembleia-Geral das Nações as propostas de emenda aos Estados Partes do
Unidas a torna-se Parte do presente Pacto. presente Pacto, pedindo-lhes que o notifiquem
se desejam que se convoque uma conferência
2. O presente Pacto está sujeito à ratificação. Os dos Estados Partes destinada a examinar as
instrumentos de ratificação serão depositados propostas e submetê-las à votação. Se pelo me-
junto ao Secretário-Geral da Organização das nos um terço dos Estados Partes se manifestar
Atos internacionais

Nações Unidas. a favor da referida convocação, o Secretário-


-Geral convocará a conferência sob os auspícios
3. O presente Pacto está aberto à adesão de qual- da Organização das Nações Unidas. Qualquer
quer dos Estados mencionados no parágrafo 1 emenda adotada pela maioria dos Estados
do presente artigo. Partes presentes e votantes na conferência será
35
submetida à aprovação da Assembleia-Geral b)  a data de entrada em vigor do Pacto, nos ter-
das Nações Unidas. mos do artigo 27, e a data de entrada em vigor
de quaisquer emendas, nos termos do artigo 29.
2. Tais emendas entrarão em vigor quando
aprovadas pela Assembleia-Geral das Nações ARTIGO 31
Unidas e aceitas, em conformidade com seus
respectivos procedimentos constitucionais, por 1. O presente Pacto, cujos textos em chinês,
uma maioria de dois terços dos Estados Partes espanhol, francês, inglês e russo são igualmente
no presente Pacto. autênticos, será depositado nos arquivos da
Organização das Nações Unidas.
3. Ao entrarem em vigor, tais emendas serão
obrigatórias para os Estados Partes que as acei- 2. O Secretário-Geral da Organização das Na-
taram, ao passo que os demais Estados Partes ções Unidas encaminhará cópias autenticadas
permanecem obrigados pelas disposições do do presente Pacto a todos os Estados mencio-
presente Pacto e pelas emendas anteriores por nados no artigo 26.
eles aceitas.
Em fé do quê, os abaixo assinados, devidamente
ARTIGO 30 autorizados por seus respectivos Governos,
assinaram o presente Pacto, aberto à assinatura
Independentemente das notificações previstas em Nova York, aos 19 dias do mês de dezembro
no parágrafo 5 do artigo 26, o Secretário-Geral do ano de mil novecentos e sessenta e seis.
da Organização das Nações Unidas comunicará
a todos os Estados mencionados no parágrafo Aprovado pelo Decreto Legislativo n o 226, de
1 do referido artigo: 12 de dezembro de 1991, publicado no DOU de
13/12/1991, e promulgado pelo Decreto no 591, de
a)  as assinaturas, ratificações e adesões recebi- 6 de julho de 1992, publicado no DOU de 7/7/1992.
das em conformidade com o artigo 26;
Desenvolvimento e inclusão social

36
Pacto Internacional
sobre Direitos Civis e Políticos

PREÂMBULO livremente seu estatuto político e asseguram


livremente seu desenvolvimento econômico,
Os Estados Partes do presente Pacto, social e cultural.

Considerando que, em conformidade com os 2. Para a consecução de seus objetivos, todos


princípios proclamados na Carta das Nações os povos podem dispor livremente se suas
Unidas, o reconhecimento da dignidade inerente riquezas e de seus recursos naturais, sem pre-
a todos os membros da família humana e de seus juízo das obrigações decorrentes da cooperação
direitos iguais e inalienáveis constitui o funda- econômica internacional, baseada no princípio
mento da liberdade, da justiça e da paz no mundo, do proveito mútuo, e do Direito Internacional.
Em caso algum, poderá um povo ser privado
Reconhecendo que esses direitos decorrem da de seus meios de subsistência.
dignidade inerente à pessoa humana,
3. Os Estados Partes do presente Pacto, inclu-
Reconhecendo que, em conformidade com a sive aqueles que tenham a responsabilidade de
Declaração Universal dos Direitos do Homem, administrar territórios não autônomos e terri-
o ideal do ser humano livre, no gozo das liber- tórios sob tutela, deverão promover o exercício
dades civis e políticas e liberto do temor e da do direito à autodeterminação e respeitar esse
miséria, não pode ser realizado e menos que se direito, em conformidade com as disposições
criem as condições que permitam a cada um go- da Carta das Nações Unidas.
zar de seus direitos civis e políticos, assim como
de seus direitos econômicos, sociais e culturais,
PARTE II
Considerando que a Carta das Nações Unidas ARTIGO 2o
impõe aos Estados a obrigação de promover o
respeito universal e efetivo dos direitos e das 1. Os Estados Partes do presente Pacto com-
liberdades do homem, prometem-se a respeitar e garantir a todos os
indivíduos que se achem em seu território e
Compreendendo que o indivíduo, por ter de- que estejam sujeitos a sua jurisdição os di-
veres para com seus semelhantes e para com a reitos reconhecidos no presente Pacto, sem
coletividade a que pertence, tem a obrigação de discriminação alguma por motivo de raça,
lutar pela promoção e observância dos direitos cor, sexo, língua, religião, opinião política ou
reconhecidos no presente Pacto, de outra natureza, origem nacional ou social,
situação econômica, nascimento ou qualquer
Acordam o seguinte: condição.
Atos internacionais

2. Na ausência de medidas legislativas ou de


PARTE I outra natureza destinadas a tornar efetivos os
ARTIGO 1o direitos reconhecidos no presente Pacto, os Es-
tados Partes do presente Pacto comprometem-
1. Todos os povos têm direito à autodetermi- -se a tomar as providências necessárias com
nação. Em virtude desse direito, determinam vistas a adotá-las, levando em consideração 37
seus respectivos procedimentos constitucionais 3. Os Estados Partes do presente Pacto que
e as disposições do presente Pacto. fizerem uso do direito de suspensão devem
comunicar imediatamente aos outros Estados
3. Os Estados Partes do presente Pacto com- Partes do presente Pacto, por intermédio do
prometem-se a: Secretário-Geral da Organização das Nações
Unidas, as disposições que tenham suspen-
a)  garantir que toda pessoa, cujos direitos e so, bem como os motivos de tal suspensão.
liberdades reconhecidos no presente Pacto Os Estados partes deverão fazer uma nova
tenham sido violados, possa dispor de um re- comunicação, igualmente por intermédio do
curso efetivo, mesmo que a violência tenha sido Secretário-Geral da Organização das Nações
perpetrada por pessoas que agiam no exercício Unidas, na data em que terminar tal suspensão.
de funções oficiais;
ARTIGO 5o
b)  garantir que toda pessoa que interpuser
tal recurso terá seu direito determinado pela 1. Nenhuma disposição do presente Pacto po-
competente autoridade judicial, administrativa derá ser interpretada no sentido de reconhecer
ou legislativa ou por qualquer outra autoridade a um Estado, grupo ou indivíduo qualquer
competente prevista no ordenamento jurídico direito de dedicar-se a quaisquer atividades ou
do Estado em questão; e a desenvolver as pos- praticar quaisquer atos que tenham por objetivo
sibilidades de recurso judicial; destruir os direitos ou liberdades reconhecidos
no presente Pacto ou impor-lhe limitações mais
c)  garantir o cumprimento, pelas autoridades amplas do que aquelas nele previstas.
competentes, de qualquer decisão que julgar
procedente tal recurso. 2. Não se admitirá qualquer restrição ou sus-
pensão dos direitos humanos fundamentais
ARTIGO 3o reconhecidos ou vigentes em qualquer Estado
Parte do presente Pacto em virtude de leis,
Os Estados Partes no presente Pacto compro- convenções, regulamentos ou costumes, sob
metem-se a assegurar a homens e mulheres pretexto de que o presente Pacto não os reco-
igualdade no gozo de todos os direitos civis e nheça ou os reconheça em menor grau.
políticos enunciados no presente Pacto.

ARTIGO 4o PARTE III


ARTIGO 6o
1. Quando situações excepcionais ameacem a
existência da nação e sejam proclamadas ofi- 1. O direito à vida é inerente à pessoa huma-
cialmente, os Estados Partes do presente Pacto na. Esse direito deverá ser protegido pela lei.
podem adotar, na estrita medida exigida pela Ninguém poderá ser arbitrariamente privado
situação, medidas que suspendam as obriga- de sua vida.
Desenvolvimento e inclusão social

ções decorrentes do presente Pacto, desde que


tais medidas não sejam incompatíveis com as 2. Nos países em que a pena de morte não tenha
demais obrigações que lhes sejam impostas sido abolida, esta poderá ser imposta apenas
pelo Direito Internacional e não acarretem nos casos de crimes mais graves, em conformi-
discriminação alguma apenas por motivo de dade com legislação vigente na época em que o
raça, cor, sexo, língua, religião ou origem social. crime foi cometido e que não esteja em conflito
com as disposições do presente Pacto, nem com
2. A disposição precedente não autoriza qual- a Convenção sobre a Prevenção e a Punição do
quer suspensão dos artigos 6, 7, 8 (parágrafos Crime de Genocídio. Poder-se-á aplicar essa
1 e 2), 11, 15, 16 e 18. pena apenas em decorrência de uma sentença
38
transitada em julgado e proferida por tribunal prisão e trabalhos forçados, o cumprimento de
competente. uma pena de trabalhos forçados, imposta por
um tribunal competente.
3. Quando a privação da vida constituir crime
de genocídio, entende-se que nenhuma dispo- c)  Para os efeitos do presente parágrafo, não
sição do presente artigo autorizará qualquer serão considerados “trabalhos forçados ou
Estado Parte do presente Pacto a eximir-se, de obrigatórios”:
modo algum, do cumprimento de qualquer das
obrigações que tenham assumido em virtude i)  qualquer trabalho ou serviço, não previsto
das disposições da Convenção sobre a Preven- na alínea b), normalmente exigido de um
ção e a Punição do Crime de Genocídio. indivíduo que tenha sido encarcerado em
cumprimento de decisão judicial ou que, tendo
4. Qualquer condenado à morte terá o direito de sido objeto de tal decisão, ache-se em liberdade
pedir indulto ou comutação da pena. A anistia, condicional;
o indulto ou a comutação da pena poderão ser
concedidos em todos os casos. ii) qualquer serviço de caráter militar e, nos
países em que se admite a isenção por motivo
5. A pena de morte não deverá ser imposta em de consciência, qualquer serviço nacional que
casos de crimes cometidos por pessoas menores a lei venha a exigir daqueles que se oponham
de 18 anos, nem aplicada a mulheres em estado ao serviço militar por motivo de consciência;
de gravidez.
iii) qualquer serviço exigido em casos de
6. Não se poderá invocar disposição alguma emergência ou de calamidade que ameacem o
do presente artigo para retardar ou impedir a bem-estar da comunidade;
abolição da pena de morte por um Estado Parte
do presente Pacto. iv) qualquer trabalho ou serviço que faça parte
das obrigações cívicas normais.
ARTIGO 7o
ARTIGO 9o
Ninguém poderá ser submetido à tortura, nem
a penas ou tratamento cruéis, desumanos ou 1. Toda pessoa tem direito à liberdade e à segu-
degradantes. Será proibido, sobretudo, subme- rança pessoais. Ninguém poderá ser preso ou
ter uma pessoa, sem seu livre consentimento, a encarcerado arbitrariamente. Ninguém poderá
experiências médicas ou científicas. ser privado de liberdade, salvo pelos motivos
previstos em lei e em conformidade com os
ARTIGO 8o procedimentos nela estabelecidos.

1. Ninguém poderá ser submetido à escravidão; 2. Qualquer pessoa, ao ser presa, deverá ser in-
a escravidão e o tráfico de escravos, em todas formada das razões da prisão e notificada, sem
as suas formas, ficam proibidos. demora, das acusações formuladas contra ela.

2. Ninguém poderá ser submetido à servidão. 3. Qualquer pessoa presa ou encarcerada em


virtude de infração penal deverá ser condu-
3. a) Ninguém poderá ser obrigado a executar zida, sem demora, à presença do juiz ou de
Atos internacionais

trabalhos forçados ou obrigatórios. outra autoridade habilitada por lei a exercer


funções judiciais e terá o direito de ser julgada
b)  A alínea a) do presente parágrafo não po- em prazo razoável ou de ser posta em liberdade.
derá ser interpretada no sentido de proibir, nos A prisão preventiva de pessoas que aguardam
países em que certos crimes sejam punidos com julgamento não deverá constituir a regra geral,
39
mas a soltura poderá estar condicionada a 2. Toda pessoa terá o direito de sair livremente
garantias que assegurem o comparecimento de qualquer país, inclusive de seu próprio país.
da pessoa em questão à audiência, a todos os
atos do processo e, se necessário for, para a 3. Os direitos supracitados não poderão cons-
execução da sentença. tituir objeto de restrições, a menos que estejam
previstas em lei e no intuito de proteger a
4. Qualquer pessoa que seja privada de sua segurança nacional e a ordem, saúde ou moral
liberdade por prisão ou encarceramento terá públicas, bem como os direitos e liberdades das
o direito de recorrer a um tribunal para que demais pessoas, e que sejam compatíveis com os
este decida sobre a legalidade de seu encar- outros direitos reconhecidos no presente Pacto.
ceramento e ordene sua soltura, caso a prisão
tenha sido ilegal. 4. Ninguém poderá ser privado arbitrariamente
do direito de entrar em seu próprio país.
5. Qualquer pessoa vítima de prisão ou encar-
ceramento ilegais terá direito à reparação. ARTIGO 13

ARTIGO 10 Um estrangeiro que se ache legalmente no ter-


ritório de um Estado Parte do presente Pacto
1. Toda pessoa privada de sua liberdade deverá só poderá dele ser expulso em decorrência de
ser tratada com humanidade e respeito à dig- decisão adotada em conformidade com a lei e,
nidade inerente à pessoa humana. a menos que razões imperativas de segurança
nacional a isso se oponham, terá a possibili-
2. a) As pessoas processadas deverão ser sepa- dade de expor as razões que militem contra
radas, salvo em circunstâncias excepcionais, sua expulsão e de ter seu caso reexaminado
das pessoas condenadas e receber tratamento pelas autoridades competentes, ou por uma ou
distinto, condizente com sua condição de pes- várias pessoas especialmente designadas pelas
soa não condenada. referidas autoridades, e de fazer-se representar
com esse objetivo.
b)  As pessoas processadas, jovens, deverão ser
separadas das adultas e julgadas o mais rápido ARTIGO 14
possível.
1. Todas as pessoas são iguais perante os tri-
3. O regime penitenciário consistirá num tra- bunais e as cortes de justiça. Toda pessoa terá
tamento cujo objetivo principal seja a reforma o direito de ser ouvida publicamente e com
e a reabilitação moral dos prisioneiros. Os devidas garantias por um tribunal competente,
delinquentes juvenis deverão ser separados dos independente e imparcial, estabelecido por lei,
adultos e receber tratamento condizente com na apuração de qualquer acusação de caráter
sua idade e condição jurídica. penal formulada contra ela ou na determinação
de seus direitos e obrigações de caráter civil. A
Desenvolvimento e inclusão social

ARTIGO 11 imprensa e o público poderão ser excluídos de


parte ou da totalidade de um julgamento, quer
Ninguém poderá ser preso apenas por não por motivo de moral pública, de ordem pública
poder cumprir com uma obrigação contratual. ou de segurança nacional em uma sociedade
democrática, quer quando o interesse da vida
ARTIGO 12 privada das Partes o exija, que na medida em
que isso seja estritamente necessário na opi-
1. Toda pessoa que se ache legalmente no nião da justiça, em circunstâncias específicas,
território de um Estado terá o direito de nele nas quais a publicidade venha a prejudicar
livremente circular e escolher sua residência. os interesses da justiça; entretanto, qualquer
40
sentença proferida em matéria penal ou civil em conta a idade dos mesmos e a importância
deverá torna-se pública, a menos que o inte- de promover sua reintegração social.
resse de menores exija procedimento oposto,
ou o processo diga respeito a controvérsias 5. Toda pessoa declarada culpada por um delito
matrimoniais ou à tutela de menores. terá direito de recorrer da sentença condena-
tória e da pena a uma instância superior, em
2. Toda pessoa acusada de um delito terá direito conformidade com a lei.
a que se presuma sua inocência enquanto não
for legalmente comprovada sua culpa. 6. Se uma sentença condenatória passada em
julgado for posteriormente anulada ou se um
3. Toda pessoa acusada de um delito terá di- indulto for concedido, pela ocorrência ou des-
reito, em plena igualdade, a, pelo menos, as coberta de fatos novos que provem cabalmente
seguintes garantias: a existência de erro judicial, a pessoa que sofreu
a pena decorrente dessa condenação deverá ser
a)  de ser informada, sem demora, numa língua indenizada, de acordo com a lei, a menos que
que compreenda e de forma minuciosa, da fique provado que se lhe pode imputar, total
natureza e dos motivos da acusação contra ela ou parcialmente, a não revelação dos fatos
formulada; desconhecidos em tempo útil.

b)  de dispor do tempo e dos meios necessários 7. Ninguém poderá ser processado ou punido
à preparação de sua defesa e a comunicar-se por um delito pelo qual já foi absolvido ou
com defensor de sua escolha; condenado por sentença passada em julgado,
em conformidade com a lei e os procedimentos
c)  de ser julgada sem dilações indevidas; penais de cada país.

d)  de estar presente no julgamento e de de- ARTIGO 15


fender-se pessoalmente ou por intermédio de
defensor de sua escolha; de ser informada, caso 1. Ninguém poderá ser condenado por atos ou
não tenha defensor, do direito que lhe assiste omissões que não constituam delito de acordo
de tê-lo e, sempre que o interesse da justiça com o direito nacional ou internacional, no
assim exija, de ter um defensor designado ex momento em que foram cometidos. Tampouco
officio gratuitamente, se não tiver meios para poder-se-á impor pena mais grave do que a
remunerá-lo; aplicável no momento da ocorrência do delito.
Se, depois de perpetrado o delito, a lei estipular
e)  de interrogar ou fazer interrogar as testemu- a imposição de pena mais leve, o delinquente
nhas de acusação e de obter o comparecimento deverá dela beneficiar-se.
e o interrogatório das testemunhas de defesa
nas mesmas condições de que dispõem as de 2. Nenhuma disposição do presente Pacto
acusação; impedirá o julgamento ou a condenação de
qualquer indivíduo por atos ou omissões que,
f)  de ser assistida gratuitamente por um intér- no momento em que forma cometidos, eram
prete, caso não compreenda ou não fale a língua considerados delituosos de acordo com os
empregada durante o julgamento; princípios gerais de direito reconhecidos pela
comunidade das nações.
Atos internacionais

g)  de não ser obrigada a depor contra si mes-


ma, nem a confessar-se culpada. ARTIGO 16

4. O processo aplicável a jovens que não sejam Toda pessoa terá direito, em qualquer lugar, ao
maiores nos termos da legislação penal levará reconhecimento de sua personalidade jurídica.
41
ARTIGO 17 de qualquer natureza, independentemente de
considerações de fronteiras, verbalmente ou
1. Ninguém poderá ser objeto de ingerências por escrito, em forma impressa ou artística, ou
arbitrárias ou ilegais em sua vida privada, em por qualquer outro meio de sua escolha.
sua família, em seu domicílio ou em sua cor-
respondência, nem de ofensas ilegais às suas 3. O exercício do direito previsto no parágrafo
honra e reputação. 2 do presente artigo implicará deveres e res-
ponsabilidades especiais. Consequentemente,
2. Toda pessoa terá direito à proteção da lei poderá estar sujeito a certas restrições, que
contra essas ingerências ou ofensas. devem, entretanto, ser expressamente previstas
em lei e que se façam necessárias para:
ARTIGO 18
a)  assegurar o respeito dos direitos e da repu-
1. Toda pessoa terá direito à liberdade de tação das demais pessoas;
pensamento, de consciência e de religião. Esse
direito implicará a liberdade de ter ou adotar b)  proteger a segurança nacional, a ordem, a
uma religião ou uma crença de sua escolha e a saúde ou a moral públicas.
liberdade de professar sua religião ou crença,
individual ou coletivamente, tanto pública ARTIGO 20
como privadamente, por meio do culto, da
celebração de ritos, de práticas e do ensino. 1. Será proibida por lei qualquer propaganda
em favor da guerra.
2. Ninguém poderá ser submetido a medidas
coercitivas que possam restringir sua liberdade 2. Será proibida por lei qualquer apologia do
de ter ou de adotar uma religião ou crença de ódio nacional, racial ou religioso que constitua
sua escolha. incitamento à discriminação, à hostilidade ou
à violência.
3. A liberdade de manifestar a própria religião
ou crença estará sujeita apenas às limitações ARTIGO 21
previstas em lei e que se façam necessárias para
proteger a segurança, a ordem, a saúde ou a O direito de reunião pacífica será reconhecido.
moral públicas ou os direitos e as liberdades O exercício desse direito estará sujeito apenas
das demais pessoas. às restrições previstas em lei e que se façam
necessárias, em uma sociedade democrática, no
4. Os Estados Partes do presente Pacto com- interesse da segurança nacional, da segurança
prometem-se a respeitar a liberdade dos pais ou da ordem públicas, ou para proteger a saúde
– e, quando for o caso, dos tutores legais – de ou a moral pública ou os direitos e as liberdades
assegurar a educação religiosa e moral dos das demais pessoas.
filhos que esteja de acordo com suas próprias
Desenvolvimento e inclusão social

convicções. ARTIGO 22

ARTIGO 19 1. Toda pessoa terá o direito de associar-se livre-


mente a outras, inclusive o direito de constituir
1. Ninguém poderá ser molestado por suas sindicatos e de a eles filiar-se, para a proteção
opiniões. de seus interesses.

2. Toda pessoa terá direito à liberdade de ex- 2. O exercício desse direito estará sujeito apenas
pressão; esse direito incluirá a liberdade de pro- às restrições previstas em lei e que se façam
curar, receber e difundir informações e ideias necessárias, em uma sociedade democrática, no
42
interesse da segurança nacional, da segurança e 2. Toda criança deverá ser registrada imedia-
da ordem públicas, ou para proteger a saúde ou tamente após seu nascimento e deverá receber
a moral públicas ou os direitos e liberdades das um nome.
demais pessoas. O presente artigo não impedirá
que se submeta a restrições legais o exercício 3. Toda criança terá o direito de adquirir uma
desse direito por membros das forças armadas nacionalidade.
e da polícia.
ARTIGO 25
3. Nenhuma das disposições do presente artigo
permitirá que Estados Partes da Convenção de Todo cidadão terá o direito e a possibilidade,
1948 da Organização Internacional do Traba- sem qualquer das formas de discriminação
lho, relativa à liberdade sindical e à proteção mencionadas no artigo 2o e sem restrições
do direito sindical, venham a adotar medidas infundadas:
legislativas que restrinjam – ou aplicar a lei de
maneira a restringir – as garantias previstas na a)  de participar da condução dos assuntos
referida Convenção. públicos, diretamente ou por meio de repre-
sentantes livremente escolhidos;
ARTIGO 23
b)  de votar e de ser eleito em eleições pe-
1. A família é o elemento natural e fundamental riódicas, autênticas, realizadas por sufrágio
da sociedade e terá o direito de ser protegida universal e igualitário e por voto secreto,
pela sociedade e pelo Estado. que garantam a manifestação da vontade dos
eleitores;
2. Será reconhecido o direito do homem e da
mulher de, em idade núbil, contrair casamento c)  de ter acesso, em condições gerais de igual-
e constituir família. dade, às funções públicas de seu país.

3. Casamento algum será celebrado sem ARTIGO 26


o consentimento livre e pleno dos futuros
esposos. Todas as pessoas são iguais perante a lei e têm
direito, sem discriminação alguma, a igual pro-
4. Os Estados Partes do presente Pacto deverão teção da Lei. A este respeito, a lei deverá proibir
adotar as medidas apropriadas para assegurar qualquer forma de discriminação e garantir a
a igualdade de direitos e responsabilidades todas as pessoas proteção igual e eficaz contra
dos esposos quanto ao casamento, durante o qualquer discriminação por motivo de raça,
mesmo e por ocasião de sua dissolução. Em cor, sexo, língua, religião, opinião política ou
caso de dissolução, deverão adotar-se dispo- de outra natureza, origem nacional ou social,
sições que assegurem a proteção necessária situação econômica, nascimento ou qualquer
para os filhos. outra situação.

ARTIGO 24 ARTIGO 27

1. Toda criança terá direito, sem discrimina- Nos Estados em que haja minorias étnicas, re-
ção alguma por motivo de cor, sexo, língua, ligiosas ou linguísticas, as pessoas pertencentes
Atos internacionais

religião, origem nacional ou social, situação a essas minorias não poderão ser privadas do
econômica ou nascimento, às medidas de direito de ter, conjuntamente com outros mem-
proteção que a sua condição de menor re- bros de seu grupo, sua própria vida cultural, de
querer por parte de sua família, da sociedade professar e praticar sua própria religião e usar
e do Estado. sua própria língua.
43
PARTE IV 3. O Secretário-Geral da Organização das Na-
ARTIGO 28 ções Unidas organizará uma lista por ordem
alfabética de todos os candidatos assim desig-
1. Constituir-se-á um Comitê de Direitos Hu- nados, mencionando os Estados Partes que os
manos (doravante denominado o “Comitê” no tiverem indicado, e a comunicará aos Estados
presente Pacto). O Comitê será composto de Partes do presente Pacto, no máximo um mês
dezoito membros e desempenhará as funções antes da data de cada eleição.
descritas adiante.
4. Os membros do Comitê serão eleitos em
2. O Comitê será integrado por nacionais dos reuniões dos Estados Partes convocadas pelo
Estados Partes do presente Pacto, os quais de- Secretário-Geral da Organização das Nações
verão ser pessoas de elevada reputação moral Unidas na sede da Organização. Nessas reuni-
e reconhecida competência em matéria de ões, em que o quorum será estabelecido por dois
direitos humanos, levando-se em consideração terços dos Estados Partes do presente Pacto,
a utilidade da participação de algumas pessoas serão eleitos membros do Comitê os candidatos
com experiência jurídica. que obtiverem o maior número de votos e a
maioria absoluta dos votos dos representantes
3. Os membros do Comitê serão eleitos e exer- dos Estados Partes presentes e votantes.
cerão suas funções a título pessoal.
ARTIGO 31
ARTIGO 29
1. O Comitê não poderá ter mais de um nacio-
1. Os membros do Comitê serão eleitos em nal de um mesmo Estado.
votação secreta dentre uma lista de pessoas que
preencham os requisitos previstos no artigo 28 2. Nas eleições do Comitê, levar-se-ão em consi-
e indicados, com esse objetivo, pelos Estados deração uma distribuição geográfica equitativa e
Partes do presente Pacto. uma representação das diversas formas de civiliza-
ção, bem como dos principais sistemas jurídicos.
2. Cada Estado Parte no presente Pacto poderá
indicar duas pessoas. Essas pessoas deverão ser ARTIGO 32
nacionais do Estado que as indicou.
1. Os membros do Comitê serão eleitos para
3. A mesma pessoa poderá ser indicada mais um mandato de quatro anos. Poderão, caso suas
de uma vez. candidaturas sejam apresentadas novamente,
ser reeleitos. Entretanto, o mandato de nove dos
ARTIGO 30 membros eleitos na primeira eleição expirará
ao final de dois anos; imediatamente após a
1. A primeira eleição realizar-se-á no máximo primeira eleição, o presidente da reunião a que
seis meses após a data de entrada em vigor do se refere o parágrafo 4 do artigo 30 indicará,
Desenvolvimento e inclusão social

presente Pacto. por sorteio, os nomes desses nove membros.

2. Ao menos quatro meses antes da data de 2. Ao expirar o mandato dos membros, as elei-
cada eleição do Comitê, e desde que não seja ções se realizarão de acordo com o disposto nos
uma eleição para preencher uma vaga declarada artigos precedentes desta parte do presente Pacto.
nos termos do artigo 34, o Secretário-Geral da
Organização das Nações Unidas convidará, por ARTIGO 33
escrito, os Estados Partes do presente Protocolo
a indicar, no prazo de três meses, os candidatos 1. Se, na opinião unânime dos demais membros,
a membro do Comitê. um membro do Comitê deixar de desempenhar
44
suas funções por motivos distintos de uma ARTIGO 36
ausência temporária, o Presidente comunicará
tal fato ao Secretário-Geral da Organização das O Secretário-Geral da Organização das Nações
Nações Unidas, que declarará vago o lugar que Unidas colocará à disposição do Comitê o pes-
o referido membro ocupava. soal e os serviços necessários ao desempenho
eficaz das funções que lhe são atribuídas em
2. Em caso de morte ou renúncia de um virtude do presente Pacto.
membro do Comitê, o Presidente comunicará
imediatamente tal fato ao Secretário-Geral da ARTIGO 37
Organização das Nações Unidas, que declarará
vago o lugar desde a data da morte ou daquela 1. O Secretário-Geral da Organização das Na-
em que a renúncia passe a produzir efeitos. ções Unidas convocará os Membros do Comitê
para a primeira reunião, a realizar-se na sede
ARTIGO 34 da Organização.

1. Quando uma vaga for declarada nos termos 2. Após a primeira reunião, o Comitê deverá
do artigo 33 e o mandato do membro a ser reunir-se em todas as ocasiões previstas em
substituído não expirar no prazo de seis meses suas regras de procedimento.
a contar da data em que tenha sido declarada
a vaga, o Secretário-Geral da Organização das 3. As reuniões do Comitê serão realizadas normal-
Nações Unidas comunicará tal fato aos Estados mente na sede da Organização das Nações Unidas
Partes do presente Pacto, que poderá, no prazo ou no Escritório das Nações Unidas em Genebra.
de dois meses, indicar candidatos, em confor-
midade com o artigo 29, para preencher a vaga. ARTIGO 38

2. O Secretário-Geral da Organização das Na- Todo Membro do Comitê deverá, antes de ini-
ções Unidas organizará uma lista por ordem ciar suas funções, assumir, em sessão pública, o
alfabética dos candidatos assim designados e compromisso solene de que desempenhará suas
a comunicará aos Estados Partes do presente funções imparcial e conscientemente.
Pacto. A eleição destinada a preencher tal vaga
será realizada nos termos das disposições per- ARTIGO 39
tinentes desta parte do presente Pacto.
1. O Comitê elegerá sua mesa para um período
3. Qualquer membro do Comitê eleito para de dois anos. Os membros da mesa poderão
preencher uma vaga em conformidade com ser reeleitos.
o artigo 33 fará parte do Comitê durante o
restante do mandato do membro que deixar 2. O próprio Comitê estabelecerá suas regras de
vago o lugar do Comitê, nos termos do refe- procedimento; estas, contudo, deverão conter,
rido artigo. entre outras, as seguintes disposições:

ARTIGO 35 a) o quorum será de doze membros;

Os membros do Comitê receberão, com a b)  as decisões do Comitê serão tomadas por
aprovação da Assembleia-Geral da Organi- maioria de votos dos membros presentes.
Atos internacionais

zação das Nações, honorários provenientes


de recursos da Organização das Nações Uni- ARTIGO 40
das, nas condições fixadas, considerando-se
a importância das funções do Comitê, pela 1. Os Estados Partes do presente Pacto compro-
Assembleia-Geral. metem-se a submeter relatórios sobre as me-
45
didas por eles adotadas para tornar efetivos os As referidas comunicações só serão recebidas
direitos reconhecidos no presente Pacto e sobre e examinadas nos termos do presente artigo
o processo alcançado no gozo desses direitos: no caso de serem apresentadas por um Estado
Parte que houver feito uma declaração em que
a)  dentro do prazo de um ano, a contar do iní- reconheça, com relação a si próprio, a com-
cio da vigência do presente Pacto nos Estados petência do Comitê. O Comitê não receberá
Partes interessados; comunicação alguma relativa a um Estado
Parte que não houver feito uma declaração
b)  a partir de então, sempre que o Comitê vier dessa natureza. As comunicações recebidas em
a solicitar. virtude do presente artigo estarão sujeitas ao
procedimento que se segue:
2. Todos os relatórios serão submetidos ao
Secretário-Geral da Organização das Nações a)  se um Estado Parte do presente Pacto
Unidas, que os encaminhará, para exame, ao considerar que outro Estado Parte não vem
Comitê. Os relatórios deverão sublinhar, caso cumprindo as disposições do presente Pacto
existam, os fatores e as dificuldades que preju- poderá, mediante comunicação escrita, levar a
diquem a implementação do presente Pacto. questão ao conhecimento deste Estado Parte.
Dentro do prazo de três meses, a contar da
3. O Secretário-Geral da Organização das Na- data do recebimento da comunicação, o Estado
ções Unidas poderá, após consulta ao Comitê, destinatário fornecerá ao Estado que enviou a
encaminhar às agências especializadas interes- comunicação explicações ou quaisquer outras
sadas cópias das partes dos relatórios que digam declarações por escrito que esclareçam a ques-
respeito a sua esfera de competência. tão, as quais deverão fazer referência, até onde
seja possível e pertinente, aos procedimentos
4. O Comitê estudará os relatórios apresen- nacionais e aos recursos jurídicos adotados, em
tados pelos Estados Partes do presente Pacto trâmite ou disponíveis sobre a questão;
e transmitirá aos Estados Partes seu próprio
relatório, bem como os comentários gerais que b)  se, dentro do prazo de seis meses, a contar
julgar oportunos. O Comitê poderá igualmente da data do recebimento da comunicação ori-
transmitir ao Conselho Econômico e Social os ginal pelo Estado destinatário, a questão não
referidos comentários, bem como cópias dos estiver dirimida satisfatoriamente para ambos
relatórios que houver recebido dos Estados os Estados Partes interessados, tanto um como
Partes do presente Pacto. o outro terão o direito de submetê-la ao Comitê,
mediante notificação endereçada ao Comitê ou
5. Os Estados Partes no presente Pacto poderão ao outro Estado interessado;
submeter ao Comitê as observações que dese-
jarem formular relativamente aos comentários c)  o Comitê tratará de todas as questões que
feitos nos termos do parágrafo 4 do presente se lhe submetem em virtude do presente artigo
artigo. somente após ter-se assegurado de que todos os
Desenvolvimento e inclusão social

recursos jurídicos internos disponíveis tenham


ARTIGO 41 sido utilizados e esgotados, em consonância
com os princípios do Direito Internacional
1. Com base no presente Artigo, todo Estado geralmente reconhecidos. Não se aplicará essa
Parte do presente Pacto poderá declarar, a regra quando a aplicação dos mencionados
qualquer momento, que reconhece a compe- recursos prolongar-se injustificadamente;
tência do Comitê para receber e examinar as
comunicações em que um Estado Parte alegue d)  o Comitê realizará reuniões confidenciais
que outro Estado Parte não vem cumprindo quando estiver examinando as comunicações
as obrigações que lhe impõe o presente Pacto. previstas no presente artigo;
46
e)  sem prejuízo das disposições da alínea c), o notificação endereçada ao Secretário-Geral.
Comitê colocará seus bons ofícios à disposição Far-se-á essa retirada sem prejuízo do exame
dos Estados Partes interessados no intuito de de quaisquer questões que constituam objeto
alcançar uma solução amistosa para a questão, de uma comunicação já transmitida nos termos
baseada no respeito aos direitos humanos e deste artigo; em virtude do presente artigo, não
liberdades fundamentais reconhecidos no se receberá qualquer nova comunicação de um
presente Pacto; Estado Parte uma vez que o Secretário-Geral
tenha recebido a notificação sobre a retirada
f)  em todas as questões que se lhe submetam da declaração, a menos que o Estado Parte
em virtude do presente artigo, o Comitê poderá interessado haja feito uma nova declaração.
solicitar aos Estados Partes interessados, a que
se faz referência na alínea b), que lhe forneçam ARTIGO 42
quaisquer informações pertinentes;
1. a) Se uma questão submetida ao Comitê,
g)  os Estados Partes interessados, a que se faz nos termos do artigo 41, não estiver dirimida
referência na alínea b), terão direito de fazer-se satisfatoriamente para os Estados Partes inte-
representar quando as questões forem examina- ressados, o Comitê poderá, com o consenti-
das no Comitê e de apresentar suas observações mento prévio dos Estados Partes interessados,
verbalmente e/ou por escrito; constituir uma Comissão ad hoc (doravante
denominada “a Comissão”). A Comissão colo-
h)  o Comitê, dentro dos doze meses seguintes à cará seus bons ofícios à disposição dos Estados
data de recebimento da notificação mencionada Partes interessados no intuito de se alcançar
na alínea b), apresentará relatório em que: uma solução amistosa para a questão baseada
no respeito ao presente Pacto.
i)  se houver sido alcançada uma solução nos
termos da alínea e), o Comitê restringir-se-á, b)  A Comissão será composta de cinco mem-
em seu relatório, a uma breve exposição dos bros designados com o consentimento dos
fatos e da solução alcançada; Estados Partes interessados. Se os Estados
Partes interessados não chegarem a um acordo
ii) se não houver sido alcançada solução alguma a respeito da totalidade ou de parte da com-
nos termos da alínea e), o Comitê, restringir-se- posição da Comissão dentro do prazo de três
-á, em seu relatório, a uma breve exposição dos meses, os membros da Comissão em relação
fatos; serão anexados ao relatório o texto das ob- aos quais não se chegou a acordo serão eleitos
servações escritas e as atas das observações orais pelo Comitê, entre os seus próprios membros,
apresentadas pelos Estados Parte interessados. em votação secreta e por maioria de dois terços
dos membros do Comitê.
Para cada questão, o relatório será encaminha-
do aos Estados Partes interessados. 2. Os membros da Comissão exercerão suas
funções a título pessoal. Não poderão ser
2. As disposições do presente artigo entrarão nacionais dos Estados interessados, nem de
em vigor a partir do momento em que dez Estado que não seja Parte do presente Pacto,
Estados Partes do presente Pacto houverem nem de um Estado Parte que não tenha feito a
feito as declarações mencionadas no parágrafo declaração prevista no artigo 41.
1 desde artigo. As referidas declarações serão
Atos internacionais

depositados pelos Estados Partes junto ao 3. A própria Comissão elegerá seu Presidente
Secretário-Geral das Organizações das Nações e estabelecerá suas regras de procedimento.
Unidas, que enviará cópias das mesmas aos
demais Estados Partes. Toda declaração poderá 4. As reuniões da Comissão serão realizadas
ser retirada, a qualquer momento, mediante normalmente na sede da Organização das
47
Nações Unidas ou no escritório das Nações ao Presidente do Comitê se aceitam ou não os
Unidas em Genebra. Entretanto, poderão termos do relatório da Comissão.
realizar-se em qualquer outro lugar apropriado
que a Comissão determinar, após consulta ao 8. As disposições do presente artigo não pre-
Secretário-Geral da Organização das Nações judicarão as atribuições do Comitê previstas
Unidas e aos Estados Partes interessados. no artigo 41.

5. O secretariado referido no artigo 36 também 9. Todas as despesas dos membros da Comissão


prestará serviços às comissões designadas em serão repartidas equitativamente entre os Esta-
virtude do presente artigo. dos Partes interessados, com base em estimati-
vas a serem estabelecidas pelo Secretário-Geral
6. As informações obtidas e coligidas pelo da Organização das Nações Unidas.
Comitê serão colocadas à disposição da Comis-
são, a qual poderá solicitar aos Estados Partes 10. O Secretário-Geral da Organização das
interessados que lhe forneçam qualquer outra Nações Unidas poderá, caso seja necessário,
informação pertinente. pagar as despesas dos membros da Comissão
antes que sejam reembolsadas pelos Estados
7. Após haver estudado a questão sob todos os Partes interessados, em conformidade com o
seus aspectos, mas, em qualquer caso, no prazo parágrafo 9 do presente artigo.
de doze meses após dela ter tomado conheci-
mento, a Comissão apresentará um relatório ao ARTIGO 43
Presidente do Comitê, que o encaminhará aos
Estados Partes interessados: Os membros do Comitê e os membros da Comis-
são de Conciliação ad hoc que forem designados
a)  se a Comissão não puder terminar o exame nos termos do artigo 42 terão direito às facilida-
da questão, restringir-se-á, em seu relatório, a des, privilégios e imunidades que se concedem
uma breve exposição sobre o estágio em que se aos peritos no desempenho de missões para a Or-
encontra o exame da questão; ganização das Nações Unidas, em conformidade
com as seções pertinentes da Convenção sobre
b)  se houver sido alcançada uma solução Privilégios e Imunidades das Nações Unidas.
amistosa para a questão, baseada no respeito
dos direitos humanos reconhecidos no presente ARTIGO 44
Pacto, a Comissão restringir-se-á, em relatório,
a uma breve exposição dos fatos e da solução As disposições relativas à implementação do
alcançada; presente Pacto aplicar-se-ão sem prejuízo dos
procedimentos instituídos em matéria de direi-
c)  se não houver sido alcançada solução tos humanos pelos – ou em virtude dos mesmos
nos termos da alínea b), a Comissão incluirá – instrumentos constitutivos e pelas Conven-
no relatório suas conclusões sobre os fatos ções da Organização das Nações Unidas e das
Desenvolvimento e inclusão social

relativos à questão debatida entre os Estados agências especializadas e não impedirão que os
Partes interessados, assim como sua opinião Estados Partes venham a recorrer a outros pro-
sobre a possibilidade de solução amistosa para cedimentos para a solução de controvérsias em
a questão, o relatório incluirá as observações conformidade com os acordos internacionais
escritas e as atas das observações orais feitas gerais ou especiais vigentes entre eles.
pelos Estados Partes interessados;
ARTIGO 45
d)  se o relatório da Comissão for apresentado
nos termos da alínea c), os Estados Partes inte- O Comitê submeterá à Assembleia-Geral, por
ressados comunicarão, no prazo de três meses intermédio do Conselho Econômico e Social,
48 a contar da data do recebimento do relatório, um relatório sobre suas atividades.
PARTE V aderido do depósito de cada instrumento de
ARTIGO 46 ratificação ou adesão.

Nenhuma disposição do presente Pacto ARTIGO 49


poderá ser interpretada em detrimento das
disposições da Carta das Nações Unidas e das 1. O presente Pacto entrará em vigor três meses
constituições das agências especializadas, as após a data do depósito, junto ao Secretário-
quais definem as responsabilidades respecti- -Geral da Organização das Nações Unidas, do
vas dos diversos órgãos da Organização das trigésimo-quinto instrumento de ratificação
Nações Unidas e das agências especializadas ou adesão.
relativamente às questões tratadas no presente
Pacto. 2. Para os Estados que vierem a ratificar o pre-
sente Pacto ou a ele aderir após o depósito do
ARTIGO 47 trigésimo-quinto instrumento de ratificação
ou adesão, o presente Pacto entrará em vigor
Nenhuma disposição do presente Pacto poderá três meses após a data do depósito, pelo Estado
ser interpretada em detrimento do direito ine- em questão, de seu instrumento de ratificação
rente a todos os povos de desfrutar e utilizar ou adesão.
plena e livremente suas riquezas e seus recursos
naturais. ARTIGO 50

Aplicar-se-ão as disposições do presente Pacto,


PARTE VI sem qualquer limitação ou exceção, a todas as
ARTIGO 48 unidades constitutivas dos Estados federativos.

1. O presente Pacto está aberto à assinatura de ARTIGO 51


todos os Estados Membros da Organização das
Nações Unidas ou membros de qualquer de 1. Qualquer Estado Parte do presente Pacto
suas agências especializadas, de todo Estado poderá propor emendas e depositá-las junto ao
Parte do Estatuto da Corte Internacional de Secretário-Geral da Organização das Nações
Justiça, bem como de qualquer outro Estado Unidas. O Secretário-Geral comunicará todas
convidado pela Assembleia-Geral a tornar-se as propostas de emenda aos Estados Partes do
Parte do presente Pacto. presente Pacto, pedindo-lhes que o notifiquem
se desejam que se convoque uma conferência dos
2. O presente Pacto está sujeito a ratificação. Os Estados Partes destinada a examinar as propostas
instrumentos de ratificação serão depositados e submetê-las a votação. Se pelo menos um terço
junto ao Secretário-Geral da Organização das dos Estados Partes se manifestar a favor da refe-
Nações Unidas. rida convocação, o Secretário-Geral convocará a
conferência sob os auspícios da Organização das
3. O presente Pacto está aberto à adesão de qual- Nações Unidas. Qualquer emenda adotada pela
quer dos Estados mencionados no parágrafo 1 maioria dos Estados Partes presentes e votantes
do presente artigo. na conferência será submetida à aprovação da
Assembleia-Geral das Nações Unidas.
4. Far-se-á a adesão mediante depósito do ins-
Atos internacionais

trumento de adesão junto ao Secretário-Geral 2. Tais emendas entrarão em vigor quando


da Organização das Nações Unidas. aprovadas pela Assembleia-Geral das Nações
Unidas e aceitas, em conformidade com seus
5. O Secretário-Geral da Organização das respectivos procedimentos constitucionais, por
Nações Unidas informará todos os Estados uma maioria de dois terços dos Estados Partes
que hajam assinado o presente Pacto ou a ele no presente Pacto. 49
3. Ao entrarem em vigor, tais emendas serão ARTIGO 53
obrigatórias para os Estados Partes que as acei-
taram, ao passo que os demais Estados Partes 1. O presente Pacto cujos textos em chinês,
permanecem obrigados pelas disposições do espanhol, francês, inglês e russo são igualmente
presente Pacto e pelas emendas anteriores por autênticos, será depositado nos arquivos da
eles aceitas. Organização das Nações Unidas.

ARTIGO 52 2. O Secretário-Geral da Organização das Na-


ções Unidas encaminhará cópias autênticas do
Independentemente das notificações previstas presente Pacto a todos os Estados mencionados
no parágrafo 5 do artigo 48, o Secretário-Geral no artigo 48.
da Organização das Nações Unidas comunicará
a todos os Estados referidos no parágrafo 1 do Em fé do quê, os abaixo assinados, devidamente
referido artigo: autorizados por seus respectivos Governos,
assinaram o presente Pacto, aberto à assinatura
a)  as assinaturas, ratificações e adesões recebi- em Nova York, aos 19 dias do mês de dezembro
das em conformidade com o artigo 48; do ano de mil novecentos e sessenta e seis.

b)  a data de entrega em vigor do Pacto, nos ter- Aprovado pelo Decreto Legislativo n o 226, de
mos do artigo 49, e a data em entrada em vigor 12 de dezembro de 1991, publicado no DOU de
de quaisquer emendas, nos termos do artigo 51. 13/12/1991, e promulgado pelo Decreto no 592, de
6 de julho de 1992, publicado no DOU de 7/7/1992.
Desenvolvimento e inclusão social

50
Declaração
sobre o Direito ao Desenvolvimento

A Assembleia Geral, liberdades fundamentais, manutenção da paz


e segurança internacionais, e reforço da pro-
Tendo presente os objectivos e princípios da moção das relações amistosas e da cooperação
Carta das Nações Unidas relativos à realização entre os Estados em conformidade com a Carta,
da cooperação internacional, resolvendo os
problemas internacionais de caráter económico, Recordando o direito dos povos à autodeter-
social, cultural ou humanitário, e promovendo e minação, em virtude do qual determinam
estimulando o respeito pelos direitos humanos livremente o seu estatuto político e prosseguem
e pelas liberdades fundamentais para todos, livremente o seu desenvolvimento económico,
sem distinção de raça, sexo, língua ou religião, social e cultural,

Reconhecendo que o desenvolvimento é um Recordando também o direito dos povos a exer-


processo económico, social, cultural e político cer, sem prejuízo das disposições pertinentes de
abrangente, que visa a melhoria constante do ambos os Pactos Internacionais sobre Direitos
bem-estar de toda a população e de todos os Humanos, a plena e completa soberania sobre
indivíduos com base na sua participação activa, todas as suas riquezas e recursos naturais,
livre e significativa no processo de desenvolvi-
mento e na justa distribuição dos benefícios Consciente da obrigação dos Estados ao abrigo
dele derivados, da Carta de promover o respeito e a observância
universais dos direitos humanos e liberdades
Considerando que, ao abrigo das disposições da fundamentais para todos sem distinção alguma,
Declaração Universal dos Direitos do Homem, nomeadamente de raça, cor, sexo, língua, reli-
toda a pessoa tem direito a que reine, no plano gião, opinião política ou outra, origem nacional
social e no plano internacional, uma ordem ou social, fortuna, nascimento ou qualquer
capaz de tornar plenamente efetivos os direitos outra situação,
e liberdades enunciados nessa Declaração,
Considerando que a eliminação das violações
Recordando as disposições do Pacto Interna- massivas e flagrantes dos direitos humanos
cional sobre os Direitos Económicos, Sociais dos povos e indivíduos afectados por situa-
e Culturais e do Pacto Internacional sobre os ções como as que resultam do colonialismo,
Direitos Civis e Políticos, neocolonialismo, apartheid, todas as formas
de racismo e discriminação racial, domínio
Recordando ainda os pertinentes acordos, e ocupação estrangeira, agressão e ameaças
convenções, resoluções, recomendações e à soberania nacional, à unidade nacional e à
outros instrumentos das Nações Unidas e suas integridade territorial, e ameaças de guerra,
agências especializadas relativos ao desenvolvi- contribuiria para a criação de condições pro-
Atos internacionais

mento integral do ser humano, ao progresso e pícias ao desenvolvimento de grande parte da


desenvolvimento económico e social de todos Humanidade,
os povos, incluindo os instrumentos relativos
à descolonização, prevenção da discriminação, Preocupada com a existência de sérios obstácu-
respeito e observância dos direitos humanos e los ao desenvolvimento, bem como à completa
51
realização dos seres humanos e dos povos, dade de oportunidades para o desenvolvimento
consubstanciados, nomeadamente, na negação constitui uma prerrogativa tanto das nações
de direitos civis, políticos, económicos, sociais e como dos indivíduos que as compõem,
culturais, e considerando que todos os direitos
humanos e liberdades fundamentais são indivi- Proclama a seguinte Declaração sobre o Direito
síveis e interdependentes e que, para promover ao Desenvolvimento:
o desenvolvimento, dever-se-á prestar igual
atenção e considerar urgentemente a realização, ARTIGO 1o
promoção e proteção dos direitos civis, políti-
cos, económicos, sociais e culturais e que, nesta 1. O direito ao desenvolvimento é um direito
conformidade, a promoção, o respeito e o gozo humano inalienável em virtude do qual todos os
de certos direitos humanos e liberdades funda- seres humanos e todos os povos têm o direito de
mentais não pode justificar a negação de outros participar, de contribuir e de gozar o desenvol-
direitos humanos e liberdades fundamentais, vimento económico, social, cultural e político,
no qual todos os direitos humanos e liberdades
Considerando que a paz e a segurança interna- fundamentais se possam plenamente realizar.
cionais são elementos essenciais para a realiza-
ção do direito ao desenvolvimento, 2. O direito humano ao desenvolvimento
implica também a plena realização do direito
Reafirmando que existe uma estreita ligação dos povos à autodeterminação, o qual inclui,
entre o desarmamento e o desenvolvimento sem prejuízo das disposições pertinentes de
e que o progresso na área do desarmamento ambos os Pactos Internacionais sobre Direitos
promoveria consideravelmente o progresso Humanos, o exercício do seu direito inalienável
na área do desenvolvimento, e que os recursos à plena soberania sobre todas as suas riquezas
libertados pelas medidas de desarmamento e recursos naturais.
devem ser afectos ao desenvolvimento econô-
mico e social e ao bem-estar de todos os povos ARTIGO 2o
e, em particular, dos povos dos países em vias
de desenvolvimento, 1. A pessoa humana é o sujeito central do de-
senvolvimento e deve participar activamente e
Reconhecendo que a pessoa humana é o sujeito beneficiar do direito ao desenvolvimento.
central do processo de desenvolvimento e que
a política de desenvolvimento deve assim fazer 2. Todos os seres humanos têm responsabili-
com que o ser humano seja o principal actor e dades no desenvolvimento, individual e colec-
beneficiário do desenvolvimento, tivamente, tendo em conta a necessidade de
um pleno respeito dos seus direitos humanos
Reconhecendo que a criação de condições e liberdades fundamentais, bem como os seus
favoráveis ao desenvolvimento dos povos e deveres para com a comunidade, único âmbito
indivíduos constitui, primordialmente, uma no qual se pode alcançar a livre e completa
Desenvolvimento e inclusão social

responsabilidade dos seus Estados, realização do ser humano, e devem assim pro-
mover e proteger uma ordem política, social e
Consciente de que os esforços empreendidos a económica favorável ao desenvolvimento.
nível internacional para promover e proteger
os direitos humanos devem ser acompanhados 3. Os Estados têm o direito e o dever de for-
por esforços destinados a estabelecer uma nova mular políticas nacionais de desenvolvimento
ordem económica internacional, adequadas que visem uma constante melhoria
do bem-estar de toda a população e de todos
Confirmando que o direito ao desenvolvimento os indivíduos, com base na sua participação
é um direito humano inalienável e que a igual- activa, livre e significativa no processo de de-
52
senvolvimento e numa justa distribuição dos que resultam do apartheid, de todas as formas
benefícios dele derivados. de racismo e discriminação racial, do domínio
e ocupação estrangeira, da agressão, da inge-
ARTIGO 3o rência estrangeira e de ameaças à soberania
nacional, à unidade nacional e à integridade
1. A responsabilidade primordial pela criação territorial, de ameaças de guerra e da recusa em
de condições nacionais e internacionais favorá- reconhecer o direito fundamental dos povos à
veis à realização do direito ao desenvolvimento autodeterminação.
incumbe aos Estados.
ARTIGO 6o
2. A realização do direito ao desenvolvimento
exige o pleno respeito dos princípios de direito 1. Todos os Estados devem cooperar com vista à
internacional relativos às relações amistosas e promoção, ao fomento e ao reforço do respeito
à cooperação entre Estados em conformidade e da observância universais de todos os direitos
com a Carta das Nações Unidas. humanos e liberdades fundamentais para todos
sem qualquer distinção quanto à raça, ao sexo,
3. Os Estados têm o dever de cooperar recipro- à língua ou à religião.
camente para assegurar o desenvolvimento e
eliminar os obstáculos que se lhe colocam. Os 2. Todos os direitos humanos e liberdades fun-
Estados devem exercer os seus direitos e cum- damentais são indivisíveis e interdependentes;
prir os seus deveres de forma a promover uma deve ser prestada igual atenção e urgentemente
nova ordem económica internacional baseada considerada a realização, promoção e proteção
na igualdade soberana, na interdependência, no dos direitos civis, políticos, económicos, sociais
interesse mútuo e na cooperação entre todos os e culturais.
Estados, assim como a encorajar a observância
e a realização dos direitos humanos. 3. Os Estados devem tomar providências para
eliminar os obstáculos ao desenvolvimento
ARTIGO 4o resultantes da inobservância dos direitos civis
e políticos, bem como dos direitos económicos,
1. Os Estados têm o dever de tomar provi- sociais e culturais.
dências, individual e colectivamente, para
a formulação de políticas internacionais de ARTIGO 7o
desenvolvimento destinadas a facilitar a plena
realização do direito ao desenvolvimento. Todos os Estados devem promover o estabe-
lecimento, a manutenção e o reforço da paz e
2. É necessária uma acção sustentada para pro- da segurança internacionais e, para este efeito,
mover um mais rápido desenvolvimento dos devem envidar todos os esforços para alcançar
países em vias de desenvolvimento. Como com- um desarmamento geral e completo sob efec-
plemento dos esforços destes países, é essencial tivo controlo internacional, assim como para
uma cooperação internacional efectiva para garantir que os recursos libertados por medidas
os dotar dos meios e instrumentos adequados eficazes de desarmamento sejam utilizados em
para fomentar o seu desenvolvimento integral. prol de um desenvolvimento integral, em par-
ticular dos países em vias de desenvolvimento.
ARTIGO 5o
Atos internacionais

ARTIGO 8o
Os Estados deverão dar passos decididos do
sentido da eliminação das violações massivas 1. Os Estados devem pôr em prática, a nível
e flagrantes dos direitos humanos dos povos e nacional, todas as medidas necessárias para
seres humanos afectados por situações como as a realização do direito ao desenvolvimento e
53
deverão assegurar, nomeadamente, a igualdade 2. Nenhuma disposição da presente Declaração
de oportunidades para todos no acesso aos deverá ser interpretada de forma contrária aos
recursos básicos, à educação, aos serviços de objectivos e princípios das Nações Unidas, ou
saúde, à alimentação, à habitação, ao emprego de forma a implicar que qualquer Estado, gru-
e a uma justa distribuição dos rendimentos. po ou pessoa tem o direito de se envolver em
Devem ser adotadas medidas eficazes para qualquer atividade ou de praticar qualquer ato
garantir que as mulheres desempenhem um que vise a violação dos direitos consagrados na
papel activo no processo de desenvolvimento. Declaração Universal dos Direitos do Homem
Devem ser levadas a cabo reformas económicas e nos Pactos Internacionais sobre Direitos
e sociais adequadas a fim de erradicar todas as Humanos.
injustiças sociais.
ARTIGO 10o
2. Os Estados devem encorajar a participação
popular em todas as áreas como factor impor- Devem ser tomadas providências a fim de ga-
tante para o desenvolvimento e para a plena rantir o pleno exercício e o progressivo reforço
realização de todos os direitos humanos. do direito ao desenvolvimento, incluindo a
formulação, adoção e aplicação de medidas
ARTIGO 9o políticas, legislativas e de outra natureza a nível
nacional e internacional.
1. Todos os aspectos do direito ao desenvolvi-
mento enunciados na presente Declaração são Adotada pela Resolução no 41/128 da Assembleia
indivisíveis e interdependentes, e cada um deles Geral das Nações Unidas, de 4 de dezembro de
deve ser considerado no contexto do conjunto 1986. Disponível em: <http://direitoshumanos.gddc.
de todos eles. pt/3_16/IIIPAG3_16_5.htm>. Acesso em: 2 out. 2014.
Desenvolvimento e inclusão social

54
Declaração da Cúpula do Milênio
das Nações Unidas

A Assembleia Geral 4. Estamos decididos a estabelecer uma paz


justa e duradoura em todo o mundo, em con-
Adota a seguinte Declaração:1 formidade com os propósitos e princípios da
Carta. Reafirmamos a nossa determinação de
I – Valores e Princípios apoiar todos os esforços que visam respeitar
a igualdade e soberania de todos os Estados,
1. Nós, Chefes de Estado e de Governo, reuni- o respeito pela sua integridade territorial e
mo-nos na Sede da Organização das Nações independência política; a resolução dos con-
Unidas em Nova York, entre os dias 6 e 8 de flitos por meios pacíficos e em consonância
setembro de 2000, no início de um novo milê- com os princípios de justiça e do direito in-
nio, para reafirmar a nossa fé na Organização ternacional; o direito à autodeterminação dos
e em sua Carta como bases indispensáveis de povos que permanecem sob domínio colonial
um mundo mais pacífico, mais próspero e e ocupação estrangeira; a não ingerência nos
mais justo. assuntos internos dos Estados; o respeito pelos
direitos humanos e liberdades fundamentais;
2. Reconhecemos que, para além das respon- o respeito pela igualdade de direito de todos,
sabilidades que todos temos perante nossas so- sem distinções por motivo de raça, sexo, língua
ciedades, temos a responsabilidade coletiva de ou religião; e a cooperação internacional para
respeitar e defender os princípios da dignidade resolver os problemas de caráter econômico,
humana, da igualdade e da equidade, no nível social, cultural ou humanitário.
mundial. Como dirigentes, temos, pois, um
dever para com todos os habitantes do planeta, 5. Pensamos que o principal desafio com o
em especial para com os desfavorecidos e, em qual nos deparamos hoje é conseguir que a
particular, com as crianças do mundo, a quem globalização venha a ser uma força positiva para
pertence o futuro. todos os povos do mundo, uma vez que, se é
certo que a globalização oferece grandes pos-
3. Reafirmamos nossa adesão aos propósitos sibilidades, atualmente seus benefícios, assim
e princípios da Carta das Nações Unidas, que como seus custos, são distribuídos de forma
demonstraram ser atemporais e universais. muito desigual. Reconhecemos que os países
De fato, sua pertinência e capacidade como em desenvolvimento e os países com economias
fonte de inspiração aumentaram, à medida em transição enfrentam sérias dificuldades
que se multiplicaram os vínculos e foi se con- para fazer frente a este problema fundamental.
solidando a interdependência entre as nações Assim, consideramos que, só através de esfor-
e os povos. ços amplos e sustentados para criar um futuro
comum, baseado em nossa condição humana
comum, em toda a sua diversidade, pode a
Atos internacionais

1
  Nota do Editor (NE): participaram da Cúpula globalização ser completamente equitativa
do Milênio das Nações Unidas, realizada em Nova
York entre 6 e 8 de setembro de 2000, cem chefes de e favorecer a inclusão. Estes esforços devem
Estado, 47 chefes de Governo, 3 príncipes, 5 vice- incluir a adoção de políticas e medidas, a nível
-presidentes, 3 primeiros-ministros, 8.000 delegados mundial, que correspondam às necessidades
e 5.500 jornalistas. dos países em desenvolvimento e das econo-
55
mias em transição e que sejam formuladas e – Responsabilidade comum. A responsabilidade
aplicadas com a sua participação efetiva. pela gestão do desenvolvimento econômico e
social no mundo e por enfrentar as ameaças
6. Consideramos que determinados valores à paz e segurança internacionais deve ser
fundamentais são essenciais para as relações in- partilhada por todos os Estados do mundo
ternacionais no século XXI. Entre eles figuram: e ser exercida multilateralmente. Sendo a
organização de caráter mais universal e mais
– A liberdade. Os homens e as mulheres têm o representativa de todo o mundo, as Nações
direito de viver sua vida e de criar os seus filhos Unidas devem desempenhar um papel central
com dignidade, livres da fome e livres do medo neste domínio.
da violência, da opressão e da injustiça. A me-
lhor forma de garantir estes direitos é através de 7. Com vista a traduzir estes valores em ações,
governos de democracia participativa baseados identificamos um conjunto de objetivos-chave
na vontade popular. aos quais atribuímos especial importância.

– A igualdade. Nenhum indivíduo ou nação II – Paz, Segurança e Desarmamento


deve ser privado da possibilidade de se be-
neficiar do desenvolvimento. A igualdade de 8. Não pouparemos esforços para libertar nos-
direitos e de oportunidades entre homens e sos povos do flagelo da guerra – seja dentro dos
mulheres deve ser garantida. Estados ou entre eles – que, na última década,
já custou mais de cinco milhões de vidas. Pro-
– A solidariedade. Os problemas mundiais de- curemos também eliminar os perigos que as
vem ser enfrentados de modo a que os custos armas de destruição em massa representam.
e as responsabilidades sejam distribuídos com
justiça, de acordo com os princípios funda- 9. Decidimos, portanto:
mentais da equidade e da justiça social. Os
que sofrem, ou os que se beneficiam menos, – Consolidar o respeito às leis nos assuntos
merecem a ajuda dos que se beneficiam mais. internacionais e nacionais e, em particular,
assegurar que os Estados-Membros cumpram
– A tolerância. Os seres humanos devem respei- as decisões do Tribunal Internacional de Justiça,
tar-se mutuamente, em toda a sua diversidade de acordo com a Carta das Nações Unidas, nos
de crenças, culturas e idiomas. Não se devem litígios em que sejam partes.
reprimir as diferenças dentro das sociedades,
nem entre estas. As diferenças devem, sim, – Aumentar a eficácia das Nações Unidas na
ser apreciadas como bens preciosos de toda manutenção da paz e segurança, dotando a
a humanidade. Deve promover-se ativamente Organização dos recursos e dos instrumen-
uma cultura de paz e diálogo entre todas as tos de que esta necessita para suas tarefas de
civilizações. prevenção de conflitos, resolução pacífica de
diferenças, manutenção da paz, consolidação da
Desenvolvimento e inclusão social

– Respeito pela natureza. É necessário atuar paz e reconstrução pós-conflitos. Neste contex-
com prudência na gestão de todas as espécies to, tomamos devida nota do relatório do Grupo
e recursos naturais, de acordo com os princí- sobre as Operações de Paz das Nações Unidas2
pios do desenvolvimento sustentável. Só assim e pedimos à Assembleia Geral que se debruce
poderemos conservar e transmitir aos nossos quanto antes sobre as suas recomendações.
descendentes as imensuráveis riquezas que a
natureza nos oferece. É preciso alterar os atuais
padrões insustentáveis de produção e consumo, 2
  A/55/305-S/2000/809; ver Oficial Records of the
no interesse do nosso bem-estar futuro e no das Security Council, Fifty-fifth Year, Supplement for July,
futuras gerações. August and September 2000, documento S/2000/809.
56
– Intensificar a cooperação entre as Nações – Pedir a todos os Estados-Membros que con-
Unidas e as organizações regionais, de acordo siderem a possibilidade de aderir à Convenção
com as disposições do Capítulo VIII da Carta. sobre a Proibição do Uso, Armazenamento,
Produção e Transferência de Minas Pessoais
– Assegurar que os Estados participantes apli- e sobre a sua destruição4, assim como às al-
quem os tratados, sobre questões como o contro- terações ao protocolo sobre minas referente à
le de armamentos e o desarmamento, o direito Convenção sobre armas convencionais5.
internacional humanitário e os direitos huma-
nos, e pedir a todos os Estados que considerem a 10. Instamos todos os Estados-Membros a
possibilidade de assinar e ratificar o Estatuto de observarem a Trégua Olímpica, individual e
Roma do Tribunal Penal Internacional3. coletivamente, agora e no futuro, e a apoiarem
o Comitê Olímpico Internacional no seu tra-
– Adotar medidas contra o terrorismo inter- balho de promoção da paz e do entendimento
nacional e aderir o quanto antes a todas as humano através do esporte e do Ideal Olímpico.
convenções internacionais pertinentes.
III – O Desenvolvimento e a Erradicação da
– Redobrar nossos esforços para pôr em prática pobreza
o compromisso de lutar contra o problema
mundial das drogas. 11. Não pouparemos esforços para libertar nos-
sos semelhantes, homens, mulheres e crianças,
– Intensificar a luta contra o crime transnacio- das condições degradantes e desumanas da
nal em todas as suas dimensões, nomeadamente pobreza extrema, à qual estão submetidos atu-
contra o tráfico e contrabando de seres huma- almente um bilhão de seres humanos. Estamos
nos, e a lavagem de capitais. empenhados em fazer do direito ao desenvolvi-
mento uma realidade para todos e em libertar
– Reduzir tanto quanto possível as consequ- toda a humanidade da carência.
ências negativas que as sanções econômicas
impostas pelas Nações Unidas possam ter nas 12. Em consequência, decidimos criar condi-
populações inocentes, submeter os regimes de ções propícias, a nível nacional e mundial, ao
sanções a análises periódicas e eliminar as con- desenvolvimento e à eliminação da pobreza.
sequências adversas das sanções para terceiros.
13. A realização destes objetivos depende, entre
– Lutar pela eliminação das armas de destruição outras coisas, de uma boa governança em cada
em massa, em particular as nucleares, e não ex- país. Depende também de uma boa governança
cluir qualquer via para atingir este objetivo, no- no plano internacional e da transparência dos
meadamente a possibilidade de convocar uma sistemas financeiros, monetários e comerciais.
conferência internacional para definir os meios Defendemos um sistema comercial e financei-
adequados para eliminar os perigos nucleares. ro multilateral aberto, equitativo, baseado em
normas, previsível e não discriminatório.
– Adotar medidas concertadas para pôr fim
ao tráfico ilícito de armas de pequeno calibre, 14. Estamos preocupados com os obstáculos
designadamente tornando as transferências de que os países em desenvolvimento enfrentam
armas mais transparentes e apoiando medidas para mobilizar os recursos necessários para
de desarmamento regional, tendo em conta financiar seu desenvolvimento sustentável.
Atos internacionais

todas as recomendações da Conferência das


Nações Unidas sobre o Comércio Ilícito de 4
  Ver: CD/1478.
Armas Pessoais e de Pequeno Calibre. 5
  Protocolo alterado sobre proibições ou restrições
ao uso de minas, armadilhas e outros engenhos,
3
  Ver A/CONF.183/9. documento: CCW/CONF.I/16 (Part I), annex B.
57
Faremos, portanto, tudo o que estiver ao nosso conclusões a que chegou a Assembleia Geral,
alcance para que a Reunião Intergovernamen- na sua vigésima segunda sessão extraordiná-
tal de Alto Nível sobre o Financiamento do ria. Instamos a comunidade internacional a
Desenvolvimento, que se realizará em 2001, velar por que, quando se elaborar um índice
tenha êxito. de vulnerabilidade, se tenham em conta as
necessidades especiais dos pequenos Estados
15. Decidimos também levar em conta as neces- insulares em desenvolvimento.
sidades especiais dos países menos desenvolvi-
dos. Neste contexto, parabenizamo-nos com a 18. Reconhecemos as necessidades e os proble-
convocação da Terceira Conferência das Nações mas especiais dos países em desenvolvimento
Unidas sobre os Países Menos Desenvolvidos, sem litoral e por isso pedimos aos doadores
que irá realizar-se em maio de 2001, e faremos bilaterais e multilaterais que aumentem sua
tudo para que obtenha resultados positivos. ajuda financeira e técnica a este grupo de paí-
Pedimos aos países industrializados: ses, de modo a satisfazer as suas necessidades
especiais de desenvolvimento e ajudá-los a su-
– que adotem, de preferência antes da Confe- perar os obstáculos resultantes da sua situação
rência, uma política de acesso, livre de direitos geográfica, melhorando os seus sistemas de
aduaneiros e de cotas, no que se refere a todas transporte em trânsito.
as exportações dos países menos desenvolvidos;
19. Decidimos ainda:
– que apliquem sem mais demora o programa
de redução da dívida dos países mais pobres – Reduzir pela metade, até o ano de 2015, a
muito endividados e que concordem em porcentagem de habitantes do planeta com
cancelar todas as dívidas públicas bilaterais rendimentos inferiores a um dólar por dia e a
contraídas por esses países, em troca de eles das pessoas que passam fome; do mesmo modo,
demonstrarem sua firme determinação de reduzir pela metade a porcentagem de pessoas
reduzir a pobreza; e que não têm acesso à água potável ou carecem
de meios para obtê-la.
– que concedam uma ajuda mais generosa ao
desenvolvimento, especialmente aos países que – Lutar para que, até esse mesmo ano, as crian-
estão realmente se esforçando para aplicar seus ças de todo o mundo – meninos e meninas –
recursos na redução da pobreza. possam concluir o ensino primário e para que
haja igualdade de gêneros em todos os níveis
16. Estamos também decididos a abordar de de ensino.
uma forma global e eficaz os problemas da dívida
dos países em desenvolvimento com rendimen- – Até então, ter detido e começado a inverter
tos baixos e médios, adotando diversas medidas a tendência atual do HIV/Aids, do flagelo da
de âmbito nacional e internacional, para que a malária e de outras doenças graves que afligem
sua dívida seja sustentável a longo prazo. a humanidade.
Desenvolvimento e inclusão social

17. Resolvemos também responder às necessi- – Prestar assistência especial às crianças órfãs
dades especiais dos pequenos Estados insulares devido ao HIV/Aids.
em desenvolvimento, pondo rapidamente em
prática o Programa de Ação de Barbados6 e as – Até o ano 2020, ter melhorado considera-
velmente a vida de pelo menos um bilhão de
6
  Ver: Programme of Action for the Sustainable De-
velopment of Small Island Developing States [Report Barbados, 25 April - 6 May 1994 (United Nations
of the Global Conference on the Sustainable Develop- publication, Sales No. E.94.I.18 and corrigenda), chap.
ment of Small Island Developing States, Bridgetown, I, resolution 1, annex II].
58
habitantes das zonas degradadas, como foi na Agenda 218, que foram acordadas na Con-
proposto na iniciativa “Cidades sem Bairros ferência das Nações Unidas sobre Ambiente e
Degradados”. Desenvolvimento.

20. Decidimos também: 23. Decidimos, portanto, adotar em todas


nossas medidas ambientais uma nova ética de
– Promover a igualdade entre os sexos e a conservação e de salvaguarda e começar por
autonomia da mulher como meios eficazes de adotar as seguintes medidas:
combater a pobreza, a fome e as doenças e de
promover um desenvolvimento verdadeira- – Fazer tudo o que for possível para que o
mente sustentável. Protocolo de Kyoto entre em vigor de prefe-
rência antes do 10o aniversário da Conferência
– Formular e aplicar estratégias que propor- das Nações Unidas sobre Ambiente e Desen-
cionem aos jovens de todo o mundo a possi- volvimento, em 2002, e iniciar a redução das
bilidade real de encontrar um trabalho digno emissões de gases que provocam o efeito estufa.
e produtivo.
– Intensificar nossos esforços coletivos em prol
– Incentivar a indústria farmacêutica a au- da administração, conservação e desenvolvi-
mentar a disponibilidade dos medicamentos mento sustentável de todos os tipos de florestas.
essenciais e a colocá-los ao alcance de todas
as pessoas dos países em desenvolvimento que – Insistir na aplicação integral da Convenção
deles necessitem. sobre a Diversidade Biológica9 e da Convenção
das Nações Unidas da Luta contra a Desertifi-
– Estabelecer formas sólidas de colaboração cação nos países afetados pela seca grave ou
com o setor privado e com as organizações da pela desertificação, em particular na África10.
sociedade civil em prol do desenvolvimento e
da erradicação da pobreza. – Pôr fim à exploração insustentável dos recur-
sos hídricos, formulando estratégias de gestão
– Velar para que todos possam aproveitar os nos planos regional, nacional e local, capazes
benefícios das novas tecnologias, em particular de promover um acesso equitativo e um abas-
das tecnologias da informação e das comunica- tecimento adequado.
ções, de acordo com as recomendações formu-
ladas na Declaração Ministerial do Conselho – Intensificar a cooperação para reduzir o
Econômico e Social7 de 2000. número e os efeitos das catástrofes naturais e
das catástrofes provocadas por seres humanos.
IV – Proteção de Nosso Meio Ambiente
Comum – Garantir o livre acesso à informação sobre a
sequência de genoma humano.
21. Não devemos poupar esforços para libertar
toda a humanidade, acima de tudo nossos filhos
e netos, da ameaça de viver num planeta irre- 8
  Ver: Report of the United Nations Conference on
mediavelmente destruído pelas atividades do Environment and Development, Rio de Janeiro, 3-14
homem e cujos recursos já não serão suficientes June 1992 (United Nations publications, Sales No.
E.93.I.8 and corrigenda), vol I, Resolutions adopted
para satisfazer suas necessidades.
Atos internacionais

by the Conference, resolution 1, annex II.


9
  Ver: United Nations Environment Programme,
22. Reafirmamos o nosso apoio aos princípios Convention on Biological Diversity (Environmental
do desenvolvimento sustentável, enunciados Law and Institutions Programme Activity Centre),
junho de 1992.
7
  Ver: E/2000/L.9. 10
  Ver: Document A/49/84/Add.2, annex, appendix II.
59
V – Direitos Humanos, Democracia e Boa VI – Proteção dos Grupos Vulneráveis
Governança
26. Não pouparemos esforços para garantir
24. Não pouparemos esforços para promover que as crianças e todas as populações civis que
a democracia e fortalecer o estado de direito, sofrem com as consequências das catástrofes
assim como o respeito por todos os direitos naturais, de atos de genocídio, dos conflitos
humanos e liberdades fundamentais interna- armados e de outras situações de emergência
cionalmente reconhecidos, principalmente o humanitária recebam toda a assistência e a
direito ao desenvolvimento. proteção de que necessitam para poderem
retomar uma vida normal quanto antes. Deci-
25. Decidimos, portanto: dimos, portanto:

– Respeitar e fazer aplicar integralmente a – Aumentar e reforçar a proteção dos civis


Declaração Universal dos Direitos Humanos11. em situações de emergência complexas, em
conformidade com o direito internacional
– Esforçarmo-nos para conseguir a plena pro- humanitário.
teção e a promoção dos direitos civis, políticos,
econômicos, sociais e culturais de todas as – Intensificar a cooperação internacional,
pessoas, em todos os países. designadamente a partilha do fardo que recai
sobre os países que recebem refugiados e a co-
– Aumentar, em todos os países, a capacidade ordenação da assistência humanitária prestada
de aplicar os princípios e as práticas demo- a esses países; e ajudar todos os refugiados e
cráticas e o respeito pelos direitos humanos, pessoas deslocadas a regressar voluntariamente
incluindo o direito das minorias. às suas terras em condições de segurança e de
dignidade, e a reintegrarem-se sem dificuldade
– Lutar contra todas as formas de violência nas suas respectivas sociedades.
contra a mulher e aplicar a Convenção sobre a
Eliminação de Todas as Formas de Discrimi- – Incentivar a ratificação e a aplicação integral
nação contra a Mulher12. da Convenção sobre os Direitos da Criança13 e
seus protocolos facultativos, sobre o envolvi-
– Adotar medidas para garantir o respeito e a mento de crianças em conflitos armados e sobre
proteção dos direitos humanos dos migrantes, a venda de crianças, a prostituição infantil e a
dos trabalhadores migrantes e das suas famílias, pornografia infantil14.
para acabar com os atos de racismo e xenofobia,
cada vez mais frequentes em muitas socieda- VII – Responder às Necessidades Especiais
des, e para promover uma maior harmonia e da África
tolerância em todas as sociedades.
27. Apoiaremos a consolidação da democracia
– Trabalhar coletivamente para conseguir que na África e ajudaremos os africanos na sua luta
Desenvolvimento e inclusão social

os processos políticos sejam mais abrangentes, por uma paz duradoura, pela erradicação da
de modo a permitirem a participação efetiva de pobreza e pelo desenvolvimento sustentável,
todos os cidadãos, em todos os países. para que, desta forma, a África possa integrar-se
na economia mundial.
– Assegurar a liberdade dos meios de comuni-
cação para cumprir a sua indispensável função 28. Decidimos, portanto:
e o direito público de ter acesso à informação.
11
  Ver Resolução 217 A (III).   Ver Resolução 44/25, annex.
13

12
  Ver Resolução 34/180, annex.   Ver Resolução 54/263, annex I and II.
14

60
– Apoiar plenamente as estruturas políticas e – Reforçar a Corte Internacional de Justiça,
institucionais das novas democracias da África. de modo que a justiça e o primado do direito
prevaleçam nos assuntos internacionais.
– Fomentar e apoiar mecanismos regionais e
sub-regionais de prevenção de conflitos e de – Fomentar a coordenação e as consultas pe-
promoção da estabilidade política, e garantir riódicas entre os principais órgãos das Nações
um financiamento seguro das operações de Unidas no exercício das suas funções.
manutenção de paz nesse continente.
– Velar para que a Organização conte, de forma
– Adotar medidas especiais para enfrentar os regular e previsível, com os recursos de que
desafios da erradicação da pobreza e do desen- necessita para cumprir seus mandatos.
volvimento sustentável na África, tais como o
cancelamento da dívida, a melhoria do acesso – Instar o Secretariado para que, de acordo com
aos mercados, o aumento da ajuda oficial ao as normas e procedimentos claros acordados
desenvolvimento e o aumento dos fluxos de pela Assembleia geral, faça o melhor uso pos-
Investimentos Estrangeiros Diretos, assim sível desses recursos no interesse de todos os
como as transferências de tecnologia. Estados-Membros, aplicando as melhores prá-
ticas de gestão e tecnologias disponíveis e pres-
– Ajudar a África a aumentar sua capacidade tando especial atenção às tarefas que refletem as
de fazer frente à propagação do flagelo do HIV/ prioridades acordadas pelos Estados-Membros.
Aids e de outras doenças infecciosas.
– Promover a adesão à Convenção sobre a
VIII – Reforçar as Nações Unidas Segurança do Pessoal das Nações Unidas e do
Pessoal Associado15.
29. Não pouparemos esforços para fazer das
Nações Unidas um instrumento mais eficaz no – Velar para que exista uma maior coerência e
desempenho das seguintes prioridades: a luta uma melhor cooperação em matéria normativa
pelo desenvolvimento de todos os povos do entre as Nações Unidas, os seus organismos, as
mundo; a luta contra a pobreza, a ignorância e Instituições de Bretton Woods e a Organização
a doença; a luta contra a injustiça; a luta contra Mundial do Comércio, assim como outros
a violência, o terror e o crime; a luta contra a órgãos multilaterais, tendo em vista conseguir
degradação e destruição do nosso planeta. uma abordagem coordenada dos problemas da
paz e do desenvolvimento.
30. Decidimos, portanto:
– Prosseguir a intensificação da cooperação
– Reafirmar o papel central da Assembleia entre as Nações Unidas e os parlamentos na-
Geral como principal órgão deliberativo, de cionais através da sua organização mundial, a
adoção de políticas e de representação das União Interparlamentar, em diversos âmbitos,
Nações Unidas, dando-lhe os meios para que principalmente: a paz e segurança, o desenvol-
possa desempenhar esse papel com eficácia. vimento econômico e social, o direito interna-
cional e os direitos humanos, a democracia e
– Redobrar os esforços para conseguir uma as questões de gênero.
reforma ampla do Conselho de Segurança em
todos os seus aspectos. – Oferecer ao setor privado, às organizações
Atos internacionais

não governamentais e à sociedade civil em


– Reforçar ainda mais o Conselho Econômico geral mais oportunidades de contribuírem
e Social, com base em seus recentes êxitos, de
modo a que possa desempenhar o papel que
lhe foi atribuído pela Carta.   Ver Resolução 49/59, annex.
15

61
para a realização dos objetivos e programas da indispensável casa comum de toda a família
Organização. humana, onde procuraremos realizar as nossas
aspirações universais de paz, cooperação e de-
31. Pedimos à Assembleia Geral que examine senvolvimento. Comprometemo-nos, portanto,
periodicamente os progressos alcançados na a dar o nosso apoio ilimitado a estes objetivos
aplicação das medidas propostas por esta De- comuns e declaramos a nossa determinação em
claração e ao Secretário-Geral que publique re- concretizá-los.
latórios periódicos, para que sejam apreciados
pela Assembleia e sirvam de base para a adoção Resolução A/RES/55/28, de setembro de 2000.
de medidas ulteriores. Disponível em: <http://www.crianca.mppr.mp.br/
modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=407>.
32. Nesta ocasião histórica, reafirmamos Acesso em: mar 2014.
solenemente que as Nações Unidas são a
Desenvolvimento e inclusão social

62
Normas principais
Lei Complementar no 111/2001
Dispõe sobre o Fundo de Combate e Erradicação da Pobreza, na forma prevista nos artigos 79, 80
e 81 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA produtos supérfluos e aplicável até a extinção


do Fundo;
Faço saber que o Congresso Nacional decreta III – o produto da arrecadação do imposto
e eu sanciono a seguinte Lei Complementar: de que trata o inciso VII do art. 153 da Cons-
tituição;
Art. 1o  O Fundo de Combate e Erradicação IV – os rendimentos do Fundo previsto no
da Pobreza, criado pelo art. 79 do Ato das Dis- art. 81 do ADCT;
posições Constitucionais Transitórias – ADCT, V – dotações orçamentárias, conforme de-
para vigorar até o ano de 2010, tem como ob- finido no § 1o do art. 81 do ADCT;
jetivo viabilizar a todos os brasileiros o acesso VI – doações, de qualquer natureza, de pes-
a níveis dignos de subsistência e seus recursos soas físicas ou jurídicas do País ou do exterior;
serão aplicados em ações suplementares de VII – outras receitas ou dotações orçamen-
nutrição, habitação, saúde, educação, reforço de tárias que lhe vierem a ser destinadas.
renda familiar e outros programas de relevante Parágrafo único.  Aos recursos integrantes
interesse social, voltados para a melhoria da do Fundo não se aplica o disposto no art. 159
qualidade de vida.16 e no inciso IV do art. 167 da Constituição, as-
§ 1o  É vedada a utilização dos recursos do sim como qualquer desvinculação de recursos
Fundo para remuneração de pessoal e encargos orçamentários.
sociais.
§ 2o  O percentual máximo do Fundo a ser Art. 3o  Os recursos do Fundo serão direciona-
destinado às despesas administrativas será de- dos a ações que tenham como alvo:
finido a cada ano pelo Poder Executivo. I – famílias cuja renda per capita seja inferior
à linha de pobreza, assim como indivíduos em
Art. 2o  Constituem receitas do Fundo: igual situação de renda;
I – a parcela do produto da arrecadação cor- II – as populações de municípios e localida-
respondente a um adicional de oito centésimos des urbanas ou rurais, isoladas ou integrantes
por cento, aplicável de 18 de junho de 2000 a 17 de regiões metropolitanas, que apresentem
de junho de 2002, na alíquota da contribuição condições de vida desfavoráveis.
social de que trata o art. 75 do ADCT; § 1o  O atendimento às famílias e indivíduos
II – a parcela do produto da arrecadação de que trata o inciso I será feito, prioritariamen-
correspondente a um adicional de cinco te, por meio de programas de reforço de renda,
Desenvolvimento e inclusão social

pontos percentuais na alíquota do Imposto nas modalidades “Bolsa Escola”, para as famílias
sobre Produtos Industrializados – IPI, ou do que têm filhos com idade entre seis e quinze
imposto que vier a substituí-lo, incidente sobre anos, e “Bolsa Alimentação”, àquelas com filhos
em idade de zero a seis anos e indivíduos que
perderam os vínculos familiares.
16
  NE: a EC no 67/2010 prorrogou, por tempo inde- § 2o  A linha de pobreza ou conceito que
terminado, o prazo de vigência do Fundo de Com-
bate e Erradicação da Pobreza a que se refere o caput venha a substituí-lo, assim como os municípios
do art. 79 do Ato das Disposições Constitucionais que apresentem condições de vida desfavorá-
Transitórias e, igualmente, o prazo de vigência desta veis, serão definidos e divulgados, pelo Poder
Lei Complementar. Executivo, a cada ano.
64
Art. 4o  Fica instituído o Conselho Consultivo pelo Fundo, sem prejuízo das competências dos
e de Acompanhamento do Fundo de Combate órgãos de controle interno e externo.
e Erradicação da Pobreza, cujos membros serão Parágrafo único.  Os órgãos responsáveis
designados pelo Presidente da República, com pela execução dos programas e das ações finan-
a atribuição de opinar sobre as políticas, dire- ciados pelo Fundo deverão apresentar ao órgão
trizes e prioridades do Fundo e acompanhar a gestor relatórios periódicos de acompanhamen-
aplicação dos seus recursos. to físico e financeiro dos recursos aplicados.
Parágrafo único.  Ato do Poder Executivo re-
gulamentará a composição e o funcionamento Art. 7o  No exercício de 2001, o Fundo de
do Conselho de que trata este artigo, assegurada Combate e Erradicação da Pobreza poderá
a representação da sociedade civil. destinar, excepcionalmente, até dez por cento
dos recursos para o financiamento de ações
Art. 5o  Compete ao órgão gestor do Fundo, voltadas ao atendimento da população de baixa
a ser designado pelo Presidente da República: renda residente em municípios atingidos por
I – coordenar a formulação das políticas e calamidades naturais e do Programa de Distri-
diretrizes gerais que orientarão as aplicações buição de Alimentos – PRODEA, sem prejuízo
do Fundo; do financiamento dos demais programas.
II – selecionar programas e ações a serem
financiados com recursos do Fundo; Art. 8o  Constituirá também receita do Fundo
III – coordenar, em articulação com os ór- a arrecadação decorrente do disposto no inciso
gãos responsáveis pela execução dos programas I do art. 2o, no período compreendido entre 19
e das ações financiados pelo Fundo, a elabo- de março de 2001 e o início da vigência desta
ração das propostas orçamentárias a serem Lei Complementar, que será integralmente
encaminhadas ao órgão central do Sistema de repassada ao Fundo entre 19 de junho e 31 de
Planejamento Federal e de Orçamento, para dezembro de 2002, acrescida do percentual de
inclusão no projeto de lei orçamentária anual, remuneração aplicável aos recursos da Conta
bem como em suas alterações; Única do Tesouro Nacional junto ao Banco
IV – acompanhar os resultados da execução Central do Brasil, calculado no período entre
dos programas e das ações financiados com o ingresso da receita e seu repasse ao Fundo.
recursos do Fundo;
V – prestar apoio técnico-administrativo Art. 9o  Esta Lei Complementar entra em vigor
para o funcionamento do Conselho Consultivo na data de sua publicação.
de que trata o art. 4o; e
VI – dar publicidade, com periodicidade Brasília, 6 de julho de 2001; 180o da Indepen-
estabelecida, dos critérios de alocação e de uso dência e 113o da República.
dos recursos do Fundo.
FERNANDO HENRIQUE CARDOSO – Pedro Fundo de Combate e Erradicação da Pobreza
Art. 6o  Regulamento definirá as ações integra- Malan – Paulo Renato Souza – José Serra –
das de acompanhamento ou controle a serem Martus Tavares – Roberto Brant
exercidas pelo Conselho Consultivo, pelo órgão
gestor e pelos órgãos responsáveis pela exe- Promulgada em 6/7/2001 e publicada no DOU de
cução dos programas e das ações financiados 9/7/2001.

65
Lei no 8.742/1993
Dispõe sobre a organização da Assistência Social e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA II – a vigilância socioassistencial, que visa a


analisar territorialmente a capacidade protetiva
Faço saber que o Congresso Nacional decreta das famílias e nela a ocorrência de vulnerabi-
e eu sanciono a seguinte lei: lidades, de ameaças, de vitimizações e danos;
III – a defesa de direitos, que visa a garantir
o pleno acesso aos direitos no conjunto das
LEI ORGÂNICA DA ASSISTÊNCIA provisões socioassistenciais.
SOCIAL Parágrafo único.  Para o enfrentamento da
pobreza, a assistência social realiza-se de forma
integrada às políticas setoriais, garantindo mí-
CAPÍTULO I – Das Definições e dos nimos sociais e provimento de condições para
Objetivos atender contingências sociais e promovendo a
universalização dos direitos sociais.
Art. 1o  A assistência social, direito do cidadão
e dever do Estado, é Política de Seguridade Art. 3o  Consideram-se entidades e organi-
Social não contributiva, que provê os míni- zações de assistência social aquelas sem fins
mos sociais, realizada através de um conjunto lucrativos que, isolada ou cumulativamente,
integrado de ações de iniciativa pública e da prestam atendimento e assessoramento aos be-
sociedade, para garantir o atendimento às neficiários abrangidos por esta Lei, bem como
necessidades básicas. as que atuam na defesa e garantia de direitos.18
§ 1o  São de atendimento aquelas entidades
Art. 2o  A assistência social tem por objetivos:17 que, de forma continuada, permanente e pla-
I – a proteção social, que visa à garantia nejada, prestam serviços, executam programas
da vida, à redução de danos e à prevenção da ou projetos e concedem benefícios de prestação
incidência de riscos, especialmente: social básica ou especial, dirigidos às famílias
a)  a proteção à família, à maternidade, à e indivíduos em situações de vulnerabilidade
infância, à adolescência e à velhice; ou risco social e pessoal, nos termos desta
b)  o amparo às crianças e aos adolescentes Lei, e respeitadas as deliberações do Conselho
carentes; Nacional de Assistência Social (CNAS), de que
c)  a promoção da integração ao mercado tratam os incisos I e II do art. 18.
de trabalho; § 2o  São de assessoramento aquelas que,
d)  a habilitação e reabilitação das pessoas de forma continuada, permanente e planeja-
Desenvolvimento e inclusão social

com deficiência e a promoção de sua integração da, prestam serviços e executam programas
à vida comunitária; e ou projetos voltados prioritariamente para o
e)  a garantia de 1 (um) salário mínimo de fortalecimento dos movimentos sociais e das
benefício mensal à pessoa com deficiência e organizações de usuários, formação e capa-
ao idoso que comprovem não possuir meios citação de lideranças, dirigidos ao público da
de prover a própria manutenção ou de tê-la política de assistência social, nos termos desta
provida por sua família; Lei, e respeitadas as deliberações do CNAS, de
que tratam os incisos I e II do art. 18.

  Lei no 12.435/2011.
17
  Lei no 12.435/2011.
18

66
§ 3o  São de defesa e garantia de direitos II – participação da população, por meio de
aquelas que, de forma continuada, permanente organizações representativas, na formulação
e planejada, prestam serviços e executam pro- das políticas e no controle das ações em todos
gramas e projetos voltados prioritariamente os níveis;
para a defesa e efetivação dos direitos socio- III – primazia da responsabilidade do Estado
assistenciais, construção de novos direitos, na condução da política de assistência social em
promoção da cidadania, enfrentamento das cada esfera de governo.
desigualdades sociais, articulação com órgãos
públicos de defesa de direitos, dirigidos ao
público da política de assistência social, nos ter- CAPÍTULO III – Da Organização e da
mos desta Lei, e respeitadas as deliberações do Gestão
CNAS, de que tratam os incisos I e II do art. 18.
Art. 6o  A gestão das ações na área de assistên-
cia social fica organizada sob a forma de sistema
CAPÍTULO II – Dos Princípios e das descentralizado e participativo, denominado
Diretrizes Sistema Único de Assistência Social (Suas), com
SEÇÃO I – Dos Princípios os seguintes objetivos:19
I – consolidar a gestão compartilhada, o
Art. 4o  A assistência social rege-se pelos se- cofinanciamento e a cooperação técnica entre
guintes princípios: os entes federativos que, de modo articulado,
I – supremacia do atendimento às necessida- operam a proteção social não contributiva;
des sociais sobre as exigências de rentabilidade II – integrar a rede pública e privada de
econômica; serviços, programas, projetos e benefícios de
II – universalização dos direitos sociais, a assistência social, na forma do art. 6o-C;
fim de tornar o destinatário da ação assistencial III – estabelecer as responsabilidades dos
alcançável pelas demais políticas públicas; entes federativos na organização, regulação,
III – respeito à dignidade do cidadão, à sua manutenção e expansão das ações de assistên-
autonomia e ao seu direito a benefícios e ser- cia social;
viços de qualidade, bem como à convivência IV – definir os níveis de gestão, respeitadas
familiar e comunitária, vedando-se qualquer as diversidades regionais e municipais;
comprovação vexatória de necessidade; V – implementar a gestão do trabalho e a
IV – igualdade de direitos no acesso ao educação permanente na assistência social;
atendimento, sem discriminação de qualquer VI – estabelecer a gestão integrada de servi-
natureza, garantindo-se equivalência às popu- ços e benefícios; e
lações urbanas e rurais; VII – afiançar a vigilância socioassistencial
V – divulgação ampla dos benefícios, ser- e a garantia de direitos.
viços, programas e projetos assistenciais, bem § 1o  As ações ofertadas no âmbito do Suas
como dos recursos oferecidos pelo Poder Pú- têm por objetivo a proteção à família, à mater-
blico e dos critérios para sua concessão. nidade, à infância, à adolescência e à velhice e,
Lei Orgânica da Assistência Social

como base de organização, o território.


§ 2o  O Suas é integrado pelos entes federati-
SEÇÃO II – Das Diretrizes vos, pelos respectivos conselhos de assistência
social e pelas entidades e organizações de assis-
Art. 5o  A organização da assistência social tem tência social abrangidas por esta Lei.
como base as seguintes diretrizes: § 3o  A instância coordenadora da Política
I – descentralização político-administrativa Nacional de Assistência Social é o Ministério
para os Estados, o Distrito Federal e os Muni- do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.
cípios, e comando único das ações em cada
esfera de governo;   Lei no 12.435/2011.
19

67
Art. 6o-A.  A assistência social organiza-se o poder público para a execução, garantido
pelos seguintes tipos de proteção:20 financiamento integral, pelo Estado, de servi-
I – proteção social básica: conjunto de ços, programas, projetos e ações de assistência
serviços, programas, projetos e benefícios da social, nos limites da capacidade instalada, aos
assistência social que visa a prevenir situações beneficiários abrangidos por esta Lei, observan-
de vulnerabilidade e risco social por meio do do-se as disponibilidades orçamentárias.
desenvolvimento de potencialidades e aquisi- § 4o  O cumprimento do disposto no §  3o
ções e do fortalecimento de vínculos familiares será informado ao Ministério do Desenvol-
e comunitários; vimento Social e Combate à Fome pelo órgão
II – proteção social especial: conjunto de gestor local da assistência social.
serviços, programas e projetos que tem por
objetivo contribuir para a reconstrução de Art. 6o-C.  As proteções sociais, básica e espe-
vínculos familiares e comunitários, a defesa de cial, serão ofertadas precipuamente no Centro
direito, o fortalecimento das potencialidades e de Referência de Assistência Social (Cras) e no
aquisições e a proteção de famílias e indivíduos Centro de Referência Especializado de Assis-
para o enfrentamento das situações de violação tência Social (Creas), respectivamente, e pelas
de direitos. entidades sem fins lucrativos de assistência
Parágrafo único.  A vigilância socioassis- social de que trata o art. 3o desta Lei.22
tencial é um dos instrumentos das proteções § 1o  O Cras é a unidade pública municipal,
da assistência social que identifica e previne de base territorial, localizada em áreas com
as situações de risco e vulnerabilidade social e maiores índices de vulnerabilidade e risco
seus agravos no território. social, destinada à articulação dos serviços
socioassistenciais no seu território de abran-
Art. 6o-B.  As proteções sociais básica e espe- gência e à prestação de serviços, programas e
cial serão ofertadas pela rede socioassistencial, projetos socioassistenciais de proteção social
de forma integrada, diretamente pelos entes básica às famílias.
públicos e/ou pelas entidades e organizações de § 2 o   O Creas é a unidade pública de
assistência social vinculadas ao Suas, respeita- abrangência e gestão municipal, estadual ou
das as especificidades de cada ação.21 regional, destinada à prestação de serviços a
§ 1o  A vinculação ao Suas é o reconheci- indivíduos e famílias que se encontram em
mento pelo Ministério do Desenvolvimento situação de risco pessoal ou social, por violação
Social e Combate à Fome de que a entidade de direitos ou contingência, que demandam
de assistência social integra a rede socioassis- intervenções especializadas da proteção social
tencial. especial.
§ 2o  Para o reconhecimento referido no § 3o  Os Cras e os Creas são unidades pú-
§  1o, a entidade deverá cumprir os seguintes blicas estatais instituídas no âmbito do Suas,
requisitos: que possuem interface com as demais políticas
I – constituir-se em conformidade com o públicas e articulam, coordenam e ofertam os
disposto no art. 3o; serviços, programas, projetos e benefícios da
Desenvolvimento e inclusão social

II – inscrever-se em Conselho Municipal ou assistência social.


do Distrito Federal, na forma do art. 9o;
III – integrar o sistema de cadastro de enti- Art. 6o-D.  As instalações dos Cras e dos Creas
dades de que trata o inciso XI do art. 19. devem ser compatíveis com os serviços neles
§ 3o  As entidades e organizações de assis- ofertados, com espaços para trabalhos em
tência social vinculadas ao Suas celebrarão grupo e ambientes específicos para recepção
convênios, contratos, acordos ou ajustes com e atendimento reservado das famílias e indi-
20
  Lei no 12.435/2011.
21
  Lei no 12.435/2011.   Lei no 12.435/2011.
22

68
víduos, assegurada a acessibilidade às pessoas entidades referidas no caput na forma prevista
idosas e com deficiência.23 em lei ou regulamento.
§ 3o (Revogado)
Art. 6o-E.  Os recursos do cofinanciamento do § 4o  As entidades e organizações de assistên-
Suas, destinados à execução das ações continu- cia social podem, para defesa de seus direitos
adas de assistência social, poderão ser aplicados referentes à inscrição e ao funcionamento,
no pagamento dos profissionais que integrarem recorrer aos Conselhos Nacional, Estaduais,
as equipes de referência, responsáveis pela Municipais e do Distrito Federal.
organização e oferta daquelas ações, conforme
percentual apresentado pelo Ministério do Art. 10.  A União, os Estados, os Municípios
Desenvolvimento Social e Combate à Fome e e o Distrito Federal podem celebrar convênios
aprovado pelo CNAS.24 com entidades e organizações de assistência
Parágrafo único.  A formação das equipes social, em conformidade com os Planos apro-
de referência deverá considerar o número de vados pelos respectivos Conselhos.
famílias e indivíduos referenciados, os tipos e
modalidades de atendimento e as aquisições Art. 11.  As ações das três esferas de governo
que devem ser garantidas aos usuários, con- na área de assistência social realizam-se de
forme deliberações do CNAS. forma articulada, cabendo a coordenação e as
normas gerais à esfera federal e a coordenação
Art. 7o  As ações de assistência social, no âm- e execução dos programas, em suas respectivas
bito das entidades e organizações de assistência esferas, aos Estados, ao Distrito Federal e aos
social, observarão as normas expedidas pelo Municípios.
Conselho Nacional de Assistência Social –
CNAS, de que trata o art. 17 desta Lei. Art. 12.  Compete à União:26
I – responder pela concessão e manutenção
Art. 8o  A União, os Estados, o Distrito Federal dos benefícios de prestação continuada defini-
e os Municípios, observados os princípios e dos no art. 203 da Constituição Federal;
diretrizes estabelecidos nesta Lei, fixarão suas II – cofinanciar, por meio de transferência
respectivas Políticas de Assistência Social. automática, o aprimoramento da gestão, os ser-
viços, os programas e os projetos de assistência
Art. 9o  O funcionamento das entidades e social em âmbito nacional;
organizações de assistência social depende III – atender, em conjunto com os Estados,
de prévia inscrição no respectivo Conselho o Distrito Federal e os Municípios, às ações
Municipal de Assistência Social, ou no Conse- assistenciais de caráter de emergência;
lho de Assistência Social do Distrito Federal, IV – realizar o monitoramento e a avaliação
conforme o caso.25 da política de assistência social e assessorar
§ 1o  A regulamentação desta Lei definirá os Estados, Distrito Federal e Municípios para seu
critérios de inscrição e funcionamento das en- desenvolvimento.
tidades com atuação em mais de um município
Lei Orgânica da Assistência Social

no mesmo Estado, ou em mais de um Estado Art. 12-A.  A União apoiará financeiramente


ou Distrito Federal. o aprimoramento à gestão descentralizada dos
§ 2o  Cabe ao Conselho Municipal de As- serviços, programas, projetos e benefícios de
sistência Social e ao Conselho de Assistência assistência social, por meio do Índice de Gestão
Social do Distrito Federal a fiscalização das Descentralizada (IGD) do Sistema Único de
Assistência Social (Suas), para a utilização no
23
  Lei no 12.435/2011. âmbito dos Estados, dos Municípios e do Dis-
24
  Lei no 12.435/2011.
25
  Lei n o   12.101/2009 e Medidas Provisórias
nos 2.187-13/2001 e 446/2008.   Lei no 12.435/2011.
26

69
trito Federal, destinado, sem prejuízo de outras II – cofinanciar, por meio de transferência
ações a serem definidas em regulamento, a:27 automática, o aprimoramento da gestão, os ser-
I – medir os resultados da gestão descentra- viços, os programas e os projetos de assistência
lizada do Suas, com base na atuação do gestor social em âmbito regional ou local;
estadual, municipal e do Distrito Federal na III – atender, em conjunto com os Mu-
implementação, execução e monitoramento nicípios, às ações assistenciais de caráter de
dos serviços, programas, projetos e benefícios emergência;
de assistência social, bem como na articulação IV – estimular e apoiar técnica e financeira-
intersetorial; mente as associações e consórcios municipais
II – incentivar a obtenção de resultados na prestação de serviços de assistência social;
qualitativos na gestão estadual, municipal e do V – prestar os serviços assistenciais cujos
Distrito Federal do Suas; e custos ou ausência de demanda municipal
III – calcular o montante de recursos a serem justifiquem uma rede regional de serviços, des-
repassados aos entes federados a título de apoio concentrada, no âmbito do respectivo Estado;
financeiro à gestão do Suas. VI – realizar o monitoramento e a avaliação
§ 1o  Os resultados alcançados pelo ente fe- da política de assistência social e assessorar os
derado na gestão do Suas, aferidos na forma de Municípios para seu desenvolvimento.
regulamento, serão considerados como presta-
ção de contas dos recursos a serem transferidos Art. 14.  Compete ao Distrito Federal:29
a título de apoio financeiro. I – destinar recursos financeiros para custeio
§ 2o  As transferências para apoio à gestão do pagamento dos benefícios eventuais de que
descentralizada do Suas adotarão a sistemá- trata o art. 22, mediante critérios estabelecidos
tica do Índice de Gestão Descentralizada do pelos Conselhos de Assistência Social do Dis-
Programa Bolsa Família, previsto no art. 8o da trito Federal;
Lei no 10.836, de 9 de janeiro de 2004, e serão II – efetuar o pagamento dos auxílios nata-
efetivadas por meio de procedimento integrado lidade e funeral;
àquele índice. III – executar os projetos de enfrentamento
§ 3o (Vetado) da pobreza, incluindo a parceria com organi-
§ 4o  Para fins de fortalecimento dos Conse- zações da sociedade civil;
lhos de Assistência Social dos Estados, Municí- IV – atender às ações assistenciais de caráter
pios e Distrito Federal, percentual dos recursos de emergência;
transferidos deverá ser gasto com atividades de V – prestar os serviços assistenciais de que
apoio técnico e operacional àqueles colegiados, trata o art. 23 desta Lei;
na forma fixada pelo Ministério do Desenvolvi- VI – cofinanciar o aprimoramento da ges-
mento Social e Combate à Fome, sendo vedada tão, os serviços, os programas e os projetos de
a utilização dos recursos para pagamento de assistência social em âmbito local;
pessoal efetivo e de gratificações de qualquer VII – realizar o monitoramento e a avaliação
natureza a servidor público estadual, municipal da política de assistência social em seu âmbito.
ou do Distrito Federal.
Desenvolvimento e inclusão social

Art. 15.  Compete aos Municípios:30


Art. 13.  Compete aos Estados:28 I – destinar recursos financeiros para custeio
I – destinar recursos financeiros aos Municí- do pagamento dos benefícios eventuais de que
pios, a título de participação no custeio do pa- trata o art. 22, mediante critérios estabelecidos
gamento dos benefícios eventuais de que trata pelos Conselhos Municipais de Assistência
o art. 22, mediante critérios estabelecidos pelos Social;
Conselhos Estaduais de Assistência Social;
27
  Lei no 12.435/2011.   Lei no 12.435/2011.
29

28
  Lei no 12.435/2011.   Lei no 12.435/2011.
30

70
II – efetuar o pagamento dos auxílios nata- § 1o  O Conselho Nacional de Assistência
lidade e funeral; Social – CNAS é composto por 18 (dezoito)
III – executar os projetos de enfrentamento membros e respectivos suplentes, cujos nomes
da pobreza, incluindo a parceria com organi- são indicados ao órgão da Administração
zações da sociedade civil; Pública Federal responsável pela coordenação
IV – atender às ações assistenciais de caráter da Política Nacional de Assistência Social, de
de emergência; acordo com os critérios seguintes:
V – prestar os serviços assistenciais de que I – 9 (nove) representantes governamentais,
trata o art. 23 desta Lei; incluindo 1 (um) representante dos Estados e
VI – cofinanciar o aprimoramento da ges- 1 (um) dos Municípios;
tão, os serviços, os programas e os projetos de II – 9 (nove) representantes da sociedade
assistência social em âmbito local; civil, dentre representantes dos usuários ou
VII – realizar o monitoramento e a avaliação de organizações de usuários, das entidades e
da política de assistência social em seu âmbito. organizações de assistência social e dos traba-
lhadores do setor, escolhidos em foro próprio
Art. 16.  As instâncias deliberativas do Suas, sob fiscalização do Ministério Público Federal.
de caráter permanente e composição paritária § 2o  O Conselho Nacional de Assistência
entre governo e sociedade civil, são:31 Social – CNAS é presidido por um de seus
I – o Conselho Nacional de Assistência integrantes, eleito dentre seus membros, para
Social; mandato de 1 (um) ano, permitida uma única
II – os Conselhos Estaduais de Assistência recondução por igual período.
Social; § 3o  O Conselho Nacional de Assistência
III – o Conselho de Assistência Social do Social – CNAS contará com uma Secretaria
Distrito Federal; Executiva, a qual terá sua estrutura disciplinada
IV – os Conselhos Municipais de Assistência em ato do Poder Executivo.
Social. § 4o  Os Conselhos de que tratam os incisos
Parágrafo único.  Os Conselhos de Assis- II, III e IV do art. 16, com competência para
tência Social estão vinculados ao órgão gestor acompanhar a execução da política de assis-
de assistência social, que deve prover a infra- tência social, apreciar e aprovar a proposta or-
estrutura necessária ao seu funcionamento, çamentária, em consonância com as diretrizes
garantindo recursos materiais, humanos e das conferências nacionais, estaduais, distrital e
financeiros, inclusive com despesas referentes municipais, de acordo com seu âmbito de atu-
a passagens e diárias de conselheiros represen- ação, deverão ser instituídos, respectivamente,
tantes do governo ou da sociedade civil, quando pelos Estados, pelo Distrito Federal e pelos
estiverem no exercício de suas atribuições. Municípios, mediante lei específica.

Art. 17.  Fica instituído o Conselho Nacional Art. 18.  Compete ao Conselho Nacional de


de Assistência Social – CNAS, órgão superior Assistência Social:33
de deliberação colegiada, vinculado à estrutura I – aprovar a Política Nacional de Assistência
Lei Orgânica da Assistência Social

do órgão da Administração Pública Federal Social;


responsável pela coordenação da Política Na- II – normatizar as ações e regular a prestação
cional de Assistência Social, cujos membros, de serviços de natureza pública e privada no
nomeados pelo Presidente da República, têm campo da assistência social;
mandato de 2 (dois) anos, permitida uma única III – acompanhar e fiscalizar o processo de
recondução por igual período.32 certificação das entidades e organizações de

  Lei no 12.435/2011.
31
  Leis nos 9.720/1998, 10.684/2003 e 12.101/2009, e
33

  Lei no 12.435/2011.
32
Medidas Provisórias nos 2.187-13/2001 e 446/2008.
71
assistência social no Ministério do Desenvol- Art. 19.  Compete ao órgão da Administração
vimento Social e Combate à Fome; Pública Federal responsável pela coordenação
IV – apreciar relatório anual que conterá da Política Nacional de Assistência Social:
a relação de entidades e organizações de as- I – coordenar e articular as ações no campo
sistência social certificadas como beneficen- da assistência social;
tes e encaminhá-lo para conhecimento dos II – propor ao Conselho Nacional de Assis-
Conselhos de Assistência Social dos Estados, tência Social – CNAS a Política Nacional de
Municípios e do Distrito Federal; Assistência Social, suas normas gerais, bem
V – zelar pela efetivação do sistema descen- como os critérios de prioridade e de elegibilida-
tralizado e participativo de assistência social; de, além de padrões de qualidade na prestação
VI – a partir da realização da II Conferên- de benefícios, serviços, programas e projetos;
cia Nacional de Assistência Social em 1997, III – prover recursos para o pagamento dos
convocar ordinariamente a cada quatro anos benefícios de prestação continuada definidos
a Conferência Nacional de Assistência Social, nesta Lei;
que terá a atribuição de avaliar a situação da IV – elaborar e encaminhar a proposta or-
assistência social e propor diretrizes para o çamentária da assistência social, em conjunto
aperfeiçoamento do sistema; com as demais da Seguridade Social;
VII – (Vetado); V – propor os critérios de transferência dos
VIII – apreciar e aprovar a proposta orça- recursos de que trata esta Lei;
mentária da Assistência Social a ser encami- VI – proceder à transferência dos recursos
nhada pelo órgão da Administração Pública destinados à assistência social, na forma pre-
Federal responsável pela coordenação da Polí- vista nesta Lei;
tica Nacional de Assistência Social; VII – encaminhar à apreciação do Conselho
IX – aprovar critérios de transferência de Nacional de Assistência Social – CNAS rela-
recursos para os Estados, Municípios e Distrito tórios trimestrais e anuais de atividades e de
Federal, considerando, para tanto, indicadores realização financeira dos recursos;
que informem sua regionalização mais equitati- VIII – prestar assessoramento técnico aos
va, tais como: população, renda per capita, mor- Estados, ao Distrito Federal, aos Municípios
talidade infantil e concentração de renda, além e às entidades e organizações de assistência
de disciplinar os procedimentos de repasse de social;
recursos para as entidades e organizações de IX – formular política para a qualificação
assistência social, sem prejuízo das disposições sistemática e continuada de recursos humanos
da Lei de Diretrizes Orçamentárias; no campo da assistência social;
X – acompanhar e avaliar a gestão dos X – desenvolver estudos e pesquisas para
recursos, bem como os ganhos sociais e o de- fundamentar as análises de necessidades e
sempenho dos programas e projetos aprovados; formulação de proposições para a área;
XI – estabelecer diretrizes, apreciar e aprovar XI – coordenar e manter atualizado o sis-
os programas anuais e plurianuais do Fundo tema de cadastro de entidades e organizações
Nacional de Assistência Social – FNAS; de assistência social, em articulação com os
Desenvolvimento e inclusão social

XII – indicar o representante do Conselho Estados, os Municípios e o Distrito Federal;


Nacional de Assistência Social – CNAS junto XII – articular-se com os órgãos respon-
ao Conselho Nacional da Seguridade Social; sáveis pelas políticas de saúde e previdência
XIII – elaborar e aprovar seu regimento social, bem como com os demais responsáveis
interno; pelas políticas socioeconômicas setoriais,
XIV – divulgar, no Diário Oficial da União, visando à elevação do patamar mínimo de
todas as suas decisões, bem como as contas do atendimento às necessidades básicas;
Fundo Nacional de Assistência Social – FNAS XIII – expedir os atos normativos necessá-
e os respectivos pareceres emitidos. rios à gestão do Fundo Nacional de Assistência
Parágrafo único. (Revogado) Social – FNAS, de acordo com as diretrizes
72
estabelecidas pelo Conselho Nacional de Assis- § 5o  A condição de acolhimento em insti-
tência Social – CNAS; tuições de longa permanência não prejudica o
XIV – elaborar e submeter ao Conselho direito do idoso ou da pessoa com deficiência
Nacional de Assistência Social – CNAS os ao benefício de prestação continuada.
programas anuais e plurianuais de aplicação § 6o  A concessão do benefício ficará sujeita
dos recursos do Fundo Nacional de Assistência à avaliação da deficiência e do grau de impe-
Social – FNAS. dimento de que trata o §  2o, composta por
avaliação médica e avaliação social realizadas
por médicos peritos e por assistentes sociais
CAPÍTULO IV – Dos Benefícios, dos do Instituto Nacional de Seguro Social – INSS.
Serviços, dos Programas e dos Projetos de § 7o  Na hipótese de não existirem serviços
Assistência Social no município de residência do beneficiário, fica
SEÇÃO I – Do Benefício de Prestação assegurado, na forma prevista em regulamento,
Continuada o seu encaminhamento ao município mais
próximo que contar com tal estrutura.
Art. 20.  O benefício de prestação continuada é § 8o  A renda familiar mensal a que se refere
a garantia de um salário mínimo mensal à pes- o § 3o deverá ser declarada pelo requerente ou
soa com deficiência e ao idoso com 65 (sessenta seu representante legal, sujeitando-se aos de-
e cinco) anos ou mais que comprovem não mais procedimentos previstos no regulamento
possuir meios de prover a própria manutenção para o deferimento do pedido.
nem de tê-la provida por sua família.34 § 9o  A remuneração da pessoa com de-
§ 1o  Para os efeitos do disposto no caput, a ficiência na condição de aprendiz não será
família é composta pelo requerente, o cônjuge considerada para fins do cálculo a que se refere
ou companheiro, os pais e, na ausência de um o § 3o deste artigo.
deles, a madrasta ou o padrasto, os irmãos § 10.  Considera-se impedimento de longo
solteiros, os filhos e enteados solteiros e os prazo, para os fins do § 2o deste artigo, aquele
menores tutelados, desde que vivam sob o que produza efeitos pelo prazo mínimo de 2
mesmo teto. (dois) anos.
§ 2o  Para efeito de concessão deste benefí-
cio, considera-se pessoa com deficiência aquela Art. 21.  O benefício de prestação continuada
que tem impedimentos de longo prazo de na- deve ser revisto a cada 2 (dois) anos para ava-
tureza física, mental, intelectual ou sensorial, liação da continuidade das condições que lhe
os quais, em interação com diversas barreiras, deram origem.35
podem obstruir sua participação plena e efetiva § 1o  O pagamento do benefício cessa no
na sociedade em igualdade de condições com momento em que forem superadas as condi-
as demais pessoas. ções referidas no caput, ou em caso de morte
§ 3o  Considera-se incapaz de prover a ma- do beneficiário.
nutenção da pessoa com deficiência ou idosa § 2o  O benefício será cancelado quando se
a família cuja renda mensal per capita seja constatar irregularidade na sua concessão ou
Lei Orgânica da Assistência Social

inferior a 1/4 (um quarto) do salário mínimo. utilização.


§ 4o  O benefício de que trata este artigo § 3o  O desenvolvimento das capacidades
não pode ser acumulado pelo beneficiário cognitivas, motoras ou educacionais e a realiza-
com qualquer outro no âmbito da seguridade ção de atividades não remuneradas de habilita-
social ou de outro regime, salvo os da assistên- ção e reabilitação, entre outras, não constituem
cia médica e da pensão especial de natureza motivo de suspensão ou cessação do benefício
indenizatória. da pessoa com deficiência.

  Leis nos 9.720/1998, 12.435/2011 e 12.470/2011.


34
  Leis nos 12.435/2011 e 12.470/2011.
35

73
§ 4o  A cessação do benefício de prestação § 2o  O CNAS, ouvidas as respectivas re-
continuada concedido à pessoa com deficiên- presentações de Estados e Municípios dele
cia não impede nova concessão do benefício, participantes, poderá propor, na medida das
desde que atendidos os requisitos definidos disponibilidades orçamentárias das 3 (três)
em regulamento. esferas de governo, a instituição de benefícios
subsidiários no valor de até 25% (vinte e cinco
Art. 21-A.  O benefício de prestação conti- por cento) do salário mínimo para cada criança
nuada será suspenso pelo órgão concedente de até 6 (seis) anos de idade.
quando a pessoa com deficiência exercer ati- § 3o  Os benefícios eventuais subsidiários
vidade remunerada, inclusive na condição de não poderão ser cumulados com aqueles ins-
microempreendedor individual.36 tituídos pelas Leis no 10.954, de 29 de setembro
§ 1o  Extinta a relação trabalhista ou a ati- de 2004, e no 10.458, de 14 de maio de 2002.
vidade empreendedora de que trata o caput
deste artigo e, quando for o caso, encerrado
o prazo de pagamento do seguro-desemprego SEÇÃO III – Dos Serviços
e não tendo o beneficiário adquirido direito
a qualquer benefício previdenciário, poderá Art. 23.  Entendem-se por serviços socioassis-
ser requerida a continuidade do pagamento tenciais as atividades continuadas que visem à
do benefício suspenso, sem necessidade de melhoria de vida da população e cujas ações,
realização de perícia médica ou reavaliação da voltadas para as necessidades básicas, observem
deficiência e do grau de incapacidade para esse os objetivos, princípios e diretrizes estabeleci-
fim, respeitado o período de revisão previsto no dos nesta Lei.38
caput do art. 21. § 1o  O regulamento instituirá os serviços
§ 2o  A contratação de pessoa com deficiên- socioassistenciais.
cia como aprendiz não acarreta a suspensão do § 2o  Na organização dos serviços da as-
benefício de prestação continuada, limitado a sistência social serão criados programas de
2 (dois) anos o recebimento concomitante da amparo, entre outros:
remuneração e do benefício. I – às crianças e adolescentes em situação
de risco pessoal e social, em cumprimento ao
disposto no art. 227 da Constituição Federal e
SEÇÃO II – Dos Benefícios Eventuais na Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto
da Criança e do Adolescente);
Art. 22.  Entendem-se por benefícios eventuais II – às pessoas que vivem em situação de rua.
as provisões suplementares e provisórias que
integram organicamente as garantias do Suas
e são prestadas aos cidadãos e às famílias em SEÇÃO IV – Dos Programas de Assistência
virtude de nascimento, morte, situações de Social
vulnerabilidade temporária e de calamidade
pública.37 Art. 24.  Os programas de assistência social
Desenvolvimento e inclusão social

§ 1o  A concessão e o valor dos benefícios compreendem ações integradas e complemen-


de que trata este artigo serão definidos pelos tares com objetivos, tempo e área de abrangên-
Estados, Distrito Federal e Municípios e pre- cia definidos para qualificar, incentivar e me-
vistos nas respectivas leis orçamentárias anuais, lhorar os benefícios e os serviços assistenciais.39
com base em critérios e prazos definidos pelos § 1o  Os programas de que trata este artigo
respectivos Conselhos de Assistência Social. serão definidos pelos respectivos Conselhos de
Assistência Social, obedecidos os objetivos e
36
  Lei no 12.470/2011.   Leis nos 11.258/2005 e 12.435/2011.
38

37
  Lei no 12.435/2011.   Lei no 12.435/2011.
39

74
princípios que regem esta Lei, com prioridade civil, e tem como objetivo contribuir para a
para a inserção profissional e social. retirada de crianças e adolescentes com idade
§ 2o  Os programas voltados para o idoso e inferior a 16 (dezesseis) anos em situação de
a integração da pessoa com deficiência serão trabalho, ressalvada a condição de aprendiz, a
devidamente articulados com o benefício de partir de 14 (quatorze) anos.
prestação continuada estabelecido no art.  20 § 2o  As crianças e os adolescentes em situ-
desta Lei. ação de trabalho deverão ser identificados e
ter os seus dados inseridos no Cadastro Único
Art. 24-A.  Fica instituído o Serviço de Pro- para Programas Sociais do Governo Federal
teção e Atendimento Integral à Família (Paif), (CadÚnico), com a devida identificação das
que integra a proteção social básica e consiste situações de trabalho infantil.
na oferta de ações e serviços socioassistenciais
de prestação continuada, nos Cras, por meio
do trabalho social com famílias em situação SEÇÃO V – Dos Projetos de Enfrentamento
de vulnerabilidade social, com o objetivo de da Pobreza
prevenir o rompimento dos vínculos familia-
res e a violência no âmbito de suas relações, Art. 25.  Os projetos de enfrentamento da
garantindo o direito à convivência familiar e pobreza compreendem a instituição de investi-
comunitária.40 mento econômico-social nos grupos populares,
Parágrafo único.  Regulamento definirá as buscando subsidiar, financeira e tecnicamente,
diretrizes e os procedimentos do Paif. iniciativas que lhes garantam meios, capacidade
produtiva e de gestão para melhoria das condi-
Art. 24-B.  Fica instituído o Serviço de Pro- ções gerais de subsistência, elevação do padrão
teção e Atendimento Especializado a Famílias da qualidade de vida, a preservação do meio
e Indivíduos (Paefi), que integra a proteção ambiente e sua organização social.
social especial e consiste no apoio, orientação
e acompanhamento a famílias e indivíduos em Art. 26.  O incentivo a projetos de enfren-
situação de ameaça ou violação de direitos, tamento da pobreza assentar-se-á em meca-
articulando os serviços socioassistenciais com nismos de articulação e de participação de
as diversas políticas públicas e com órgãos do diferentes áreas governamentais e em sistema
sistema de garantia de direitos.41 de cooperação entre organismos governamen-
Parágrafo único.  Regulamento definirá as tais, não governamentais e da sociedade civil.
diretrizes e os procedimentos do Paefi.

Art. 24-C.  Fica instituído o Programa de Er- CAPÍTULO V – Do Financiamento da


radicação do Trabalho Infantil (Peti), de caráter Assistência Social
intersetorial, integrante da Política Nacional
de Assistência Social, que, no âmbito do Suas, Art. 27.  Fica o Fundo Nacional de Ação
compreende transferências de renda, trabalho Comunitária – Funac, instituído pelo Decreto
Lei Orgânica da Assistência Social

social com famílias e oferta de serviços socio- no 91.970, de 22 de novembro de 1985, ratifi-
educativos para crianças e adolescentes que se cado pelo Decreto Legislativo no 66, de 18 de
encontrem em situação de trabalho.42 dezembro de 1990, transformado no Fundo
§ 1o  O Peti tem abrangência nacional e será Nacional de Assistência Social – FNAS.
desenvolvido de forma articulada pelos entes
federados, com a participação da sociedade Art. 28.  O financiamento dos benefícios,
serviços, programas e projetos estabelecidos
40
  Lei no 12.435/2011. nesta Lei far-se-á com os recursos da União, dos
41
  Lei no 12.435/2011. Estados, do Distrito Federal e dos Municípios,
42
  Lei no 12.435/2011. das demais contribuições sociais previstas no
75
art. 195 da Constituição Federal, além daqueles I – Conselho de Assistência Social, de com-
que compõem o Fundo Nacional de Assistência posição paritária entre governo e sociedade
Social – FNAS.43 civil;
§ 1o  Cabe ao órgão da Administração Pú- II – Fundo de Assistência Social, com orien-
blica responsável pela coordenação da Política tação e controle dos respectivos Conselhos de
de Assistência Social nas 3 (três) esferas de go- Assistência Social;
verno gerir o Fundo de Assistência Social, sob III – Plano de Assistência Social.
orientação e controle dos respectivos Conselhos Parágrafo único.  É, ainda, condição para
de Assistência Social. transferência de recursos do FNAS aos Estados,
§ 2o  O Poder Executivo disporá, no prazo ao Distrito Federal e aos Municípios a com-
de 180 (cento e oitenta) dias a contar da data provação orçamentária dos recursos próprios
de publicação desta Lei, sobre o regulamento destinados à Assistência Social, alocados em
e funcionamento do Fundo Nacional de Assis- seus respectivos Fundos de Assistência Social,
tência Social – FNAS. a partir do exercício de 1999.
§ 3o  O financiamento da assistência social
no Suas deve ser efetuado mediante cofinan- Art. 30-A.  O cofinanciamento dos serviços,
ciamento dos 3 (três) entes federados, devendo programas, projetos e benefícios eventuais, no
os recursos alocados nos fundos de assistência que couber, e o aprimoramento da gestão da
social ser voltados à operacionalização, presta- política de assistência social no Suas se efetuam
ção, aprimoramento e viabilização dos serviços, por meio de transferências automáticas entre os
programas, projetos e benefícios desta política. fundos de assistência social e mediante alocação
de recursos próprios nesses fundos nas 3 (três)
Art. 28-A.  Constitui receita do Fundo Na- esferas de governo.47
cional de Assistência Social, o produto da Parágrafo único.  As transferências auto-
alienação dos bens imóveis da extinta Fundação máticas de recursos entre os fundos de assis-
Legião Brasileira de Assistência.44 tência social efetuadas à conta do orçamento
da seguridade social, conforme o art.  204 da
Art. 29.  Os recursos de responsabilidade da Constituição Federal, caracterizam-se como
União destinados à assistência social serão au- despesa pública com a seguridade social, na
tomaticamente repassados ao Fundo Nacional forma do art. 24 da Lei Complementar no 101,
de Assistência Social – FNAS, à medida que se de 4 de maio de 2000.
forem realizando as receitas.45
Parágrafo único.  Os recursos de responsa- Art. 30-B.  Caberá ao ente federado responsá-
bilidade da União destinados ao financiamento vel pela utilização dos recursos do respectivo
dos benefícios de prestação continuada, pre- Fundo de Assistência Social o controle e o
vistos no art. 20, poderão ser repassados pelo acompanhamento dos serviços, programas,
Ministério da Previdência e Assistência Social projetos e benefícios, por meio dos respectivos
diretamente ao INSS, órgão responsável pela órgãos de controle, independentemente de
sua execução e manutenção. ações do órgão repassador dos recursos.48
Desenvolvimento e inclusão social

Art. 30.  É condição para os repasses, aos Art. 30-C.  A utilização dos recursos federais
Municípios, aos Estados e ao Distrito Federal, descentralizados para os fundos de assistência
dos recursos de que trata esta Lei, a efetiva social dos Estados, dos Municípios e do Distrito
instituição e funcionamento de:46 Federal será declarada pelos entes recebedores
ao ente transferidor, anualmente, mediante
43
  Lei no 12.435/2011. relatório de gestão submetido à apreciação do
44
  Medida Provisória no 2.187-13/2001.
45
  Lei no 9.720/1998.   Lei no 12.435/2011.
47

46
  Lei no 9.720/1998.   Lei no 12.435/2011.
48

76
respectivo Conselho de Assistência Social, que caput, de forma a assegurar não haja solução
comprove a execução das ações na forma de de continuidade.
regulamento.49 § 2o  O acervo do órgão de que trata o caput
Parágrafo único.  Os entes transferidores po- será transferido, no prazo de 60 (sessenta) dias,
derão requisitar informações referentes à apli- para o Conselho Nacional de Assistência Social
cação dos recursos oriundos do seu fundo de – CNAS, que promoverá, mediante critérios e
assistência social, para fins de análise e acom- prazos a serem fixados, a revisão dos processos
panhamento de sua boa e regular utilização. de registro e certificado de entidade de fins
filantrópicos das entidades e organização de
assistência social, observado o disposto no
CAPÍTULO VI – Das Disposições Gerais e art. 3o desta Lei.
Transitórias
Art. 34.  A União continuará exercendo papel
Art. 31.  Cabe ao Ministério Público zelar supletivo nas ações de assistência social, por ela
pelo efetivo respeito aos direitos estabelecidos atualmente executadas diretamente no âmbito
nesta Lei. dos Estados, dos Municípios e do Distrito Fede-
ral, visando à implementação do disposto nesta
Art. 32.  O Poder Executivo terá o prazo de 60 Lei, por prazo máximo de 12 (doze) meses, con-
(sessenta) dias, a partir da publicação desta Lei, tados a partir da data da publicação desta Lei.
obedecidas as normas por ela instituídas, para
elaborar e encaminhar projeto de lei dispondo Art. 35.  Cabe ao órgão da Administração Pú-
sobre a extinção e reordenamento dos órgãos blica Federal responsável pela coordenação da
de assistência social do Ministério do Bem- Política Nacional de Assistência Social operar
-Estar Social. os benefícios de prestação continuada de que
§ 1o  O projeto de que trata este artigo de- trata esta Lei, podendo, para tanto, contar com
finirá formas de transferências de benefícios, o concurso de outros órgãos do Governo Fede-
serviços, programas, projetos, pessoal, bens ral, na forma a ser estabelecida em regulamento.
móveis e imóveis para a esfera municipal. Parágrafo único.  O regulamento de que
§ 2o  O Ministro de Estado do Bem-Estar trata o caput definirá as formas de compro-
Social indicará Comissão encarregada de elabo- vação do direito ao benefício, as condições de
rar o projeto de lei de que trata este artigo, que sua suspensão, os procedimentos em casos de
contará com a participação das organizações curatela e tutela e o órgão de credenciamento,
dos usuários, de trabalhadores do setor e de de pagamento e de fiscalização, dentre outros
entidades e organizações de assistência social. aspectos.

Art. 33.  Decorrido o prazo de 120 (cento Art. 36.  As entidades e organizações de assis-


e vinte) dias da promulgação desta Lei, fica tência social que incorrerem em irregularida-
extinto o Conselho Nacional de Serviço Social des na aplicação dos recursos que lhes foram
– CNSS, revogando-se, em consequência, os repassados pelos poderes públicos terão a sua
Lei Orgânica da Assistência Social

Decretos-Lei nos 525, de 1o de julho de 1938, e vinculação ao Suas cancelada, sem prejuízo de


657, de 22 de julho de 1943. responsabilidade civil e penal.50
§ 1o  O Poder Executivo tomará as providên-
cias necessárias para a instalação do Conselho Art. 37.  O benefício de prestação continuada
Nacional de Assistência Social – CNAS e a será devido após o cumprimento, pelo reque-
transferência das atividades que passarão à sua rente, de todos os requisitos legais e regulamen-
competência dentro do prazo estabelecido no tares exigidos para a sua concessão, inclusive
apresentação da documentação necessária,

  Lei no 12.435/2011.
49
  Lei no 12.435/2011.
50

77
devendo o seu pagamento ser efetuado em atendimento à população não sofra solução de
até quarenta e cinco dias após cumpridas as continuidade.
exigências de que trata este artigo.51 § 2o  É assegurado ao maior de setenta anos e
Parágrafo único.  No caso de o primeiro ao inválido o direito de requerer a renda mensal
pagamento ser feito após o prazo previsto no vitalícia junto ao INSS até 31 de dezembro de
caput, aplicar-se-á na sua atualização o mesmo 1995, desde que atenda, alternativamente, aos
critério adotado pelo INSS na atualização do requisitos estabelecidos nos incisos I, II ou III
primeiro pagamento de benefício previdenci- do § 1o do art. 139 da Lei no 8.213, de 24 de
ário em atraso. julho de 1991.

Art. 38. (Revogado)52 Art. 40-A.  Os benefícios monetários decor-


rentes do disposto nos arts. 22, 24-C e 25 desta
Art. 39.  O Conselho Nacional de Assistência Lei serão pagos preferencialmente à mulher
Social – CNAS, por decisão da maioria absoluta responsável pela unidade familiar, quando
de seus membros, respeitados o orçamento da cabível.54
seguridade social e a disponibilidade do Fundo
Nacional de Assistência Social – FNAS (FNAS), Art. 41.  Esta Lei entra em vigor na data da
poderá propor ao Poder Executivo a alteração sua publicação.
dos limites de renda mensal per capita definidos
no § 3o do art. 20 e caput do art. 22. Art. 42.  Revogam-se as disposições em con-
trário.
Art. 40.  Com a implantação dos benefícios
previstos nos arts. 20 e 22 desta Lei, extinguem- Brasília, 7 de dezembro de 1993, 172o da Inde-
-se a renda mensal vitalícia, o auxílio-natalida- pendência e 105o da República.
de e o auxílio-funeral existentes no âmbito da
Previdência Social, conforme o disposto na Lei ITAMAR FRANCO – Jutahy Magalhães Júnior
no 8.213, de 24 de julho de 1991.53
§ 1 o  A transferência dos beneficiários Promulgada em 7/12/1993 e publicada no DOU de
do sistema previdenciário para a assistência 8/12/1993.
social deve ser estabelecida de forma que o
Desenvolvimento e inclusão social

51
  Lei no 9.720/1998.
52
  Leis nos 9.720/1998 e 12.435/2011.
53
  Lei no 9.711/1998.   Lei no 13.014/2014.
54

78
Lei no 10.835/2004
Institui a renda básica de cidadania e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA disposto nos arts. 16 e 17 da Lei Complementar


no 101, de 4 de maio de 2000 – Lei de Respon-
Faço saber que o Congresso Nacional decreta sabilidade Fiscal.
e eu sanciono a seguinte Lei:
Art. 3o  O Poder Executivo consignará, no
Art. 1   É instituída, a partir de 2005, a renda
o
Orçamento-Geral da União para o exercício
básica de cidadania, que se constituirá no di- financeiro de 2005, dotação orçamentária
reito de todos os brasileiros residentes no País e suficiente para implementar a primeira etapa
estrangeiros residentes há pelo menos 5 (cinco) do projeto, observado o disposto no art.  2o
anos no Brasil, não importando sua condição desta Lei.
socioeconômica, receberem, anualmente, um
benefício monetário. Art. 4o  A partir do exercício financeiro de
§ 1o  A abrangência mencionada no caput 2005, os projetos de lei relativos aos planos plu-
deste artigo deverá ser alcançada em etapas, a rianuais e às diretrizes orçamentárias deverão
critério do Poder Executivo, priorizando-se as especificar os cancelamentos e as transferências
camadas mais necessitadas da população. de despesas, bem como outras medidas julgadas
§ 2o  O pagamento do benefício deverá ser necessárias à execução do Programa.
de igual valor para todos, e suficiente para aten-
der às despesas mínimas de cada pessoa com Art. 5o  Esta Lei entra em vigor na data de sua
alimentação, educação e saúde, considerando publicação.
para isso o grau de desenvolvimento do País e
as possibilidades orçamentárias. Brasília, 8 de janeiro de 2004; 183o da Indepen-
§ 3o  O pagamento deste benefício poderá dência e 116o da República.
ser feito em parcelas iguais e mensais.
§ 4o  O benefício monetário previsto no LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA – Antonio
caput deste artigo será considerado como Palocci Filho – Nelson Machado – Ciro Ferreira
renda não tributável para fins de incidência Gomes
do Imposto sobre a Renda de Pessoas Físicas.
Promulgada em 8/1/2004 e publicada no DOU de
Art. 2o  Caberá ao Poder Executivo definir o 9/1/2004.
valor do benefício, em estrita observância ao
Renda Básica de Cidadania

79
Lei no 10.836/2004
Cria o Programa Bolsa Família, altera a Lei no  10.689, de 13 de junho de 2003, e dá outras
providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA sua composição gestantes, nutrizes, crianças


entre 0 (zero) e 12 (doze) anos ou adolescentes
Faço saber que o Congresso Nacional decreta até 15 (quinze) anos, sendo pago até o limite de
e eu sanciono a seguinte Lei: 5 (cinco) benefícios por família;
III – o benefício variável, vinculado ao ado-
Art. 1o  Fica criado, no âmbito da Presidência lescente, destinado a unidades familiares que se
da República, o Programa Bolsa Família, des- encontrem em situação de pobreza ou extrema
tinado às ações de transferência de renda com pobreza e que tenham em sua composição
condicionalidades. adolescentes com idade entre 16 (dezesseis) e
Parágrafo único.  O Programa de que trata 17 (dezessete) anos, sendo pago até o limite de
o caput tem por finalidade a unificação dos 2 (dois) benefícios por família;
procedimentos de gestão e execução das ações IV – o benefício para superação da extrema
de transferência de renda do Governo Federal, pobreza, no limite de um por família, destinado
especialmente as do Programa Nacional de às unidades familiares beneficiárias do Pro-
Renda Mínima vinculado à Educação – Bolsa grama Bolsa Família e que, cumulativamente:
Escola, instituído pela Lei no  10.219, de 11 a)  tenham em sua composição crianças e
de abril de 2001, do Programa Nacional de adolescentes de 0 (zero) a 15 (quinze) anos de
Acesso à Alimentação – PNAA, criado pela idade; e
Lei no 10.689, de 13 de junho de 2003, do Pro- b)  apresentem soma da renda familiar
grama Nacional de Renda Mínima vinculada mensal e dos benefícios financeiros previstos
à Saúde – Bolsa Alimentação, instituído pela nos incisos I a III igual ou inferior a R$ 70,00
Medida Provisória no 2.206-1, de 6 de setembro (setenta reais) per capita.
de 2001, do Programa Auxílio-Gás, instituído § 1o  Para fins do disposto nesta Lei, con-
pelo Decreto no  4.102, de 24 de janeiro de sidera-se:
2002, e do Cadastramento Único do Governo I – família, a unidade nuclear, eventualmente
Federal, instituído pelo Decreto no 3.877, de 24 ampliada por outros indivíduos que com ela
de julho de 2001. possuam laços de parentesco ou de afinidade,
que forme um grupo doméstico, vivendo sob o
Art. 2o  Constituem benefícios financeiros mesmo teto e que se mantém pela contribuição
do Programa, observado o disposto em de seus membros;
regulamento:55 II – nutriz, a mãe que esteja amamentando
Desenvolvimento e inclusão social

I – o benefício básico, destinado a unidades seu filho com até 6 (seis) meses de idade para o
familiares que se encontrem em situação de qual o leite materno seja o principal alimento;
extrema pobreza; III – renda familiar mensal, a soma dos ren-
II – o benefício variável, destinado a unida- dimentos brutos auferidos mensalmente pela
des familiares que se encontrem em situação de totalidade dos membros da família, excluindo-
pobreza e extrema pobreza e que tenham em -se os rendimentos concedidos por programas
oficiais de transferência de renda, nos termos
55
  Leis nos  11.692/2008, 12.512/2011, 12.722/2012 do regulamento.
e 12.817/2013, e Medidas Provisórias nos 411/2007, § 2o  O valor do benefício básico será de
535/2011, 570/2012 e 590/2012. R$ 58,00 (cinquenta e oito reais) por mês, con-
80
cedido a famílias com renda familiar mensal per nos casos de calamidade pública ou de situação
capita de até R$ 60,00 (sessenta reais). de emergência reconhecidos pelo Governo
§ 3o  Serão concedidos a famílias com renda Federal, para fins de concessão do benefício
familiar mensal per capita de até R$  120,00 básico em caráter temporário, respeitados os
(cento e vinte reais), dependendo de sua com- limites orçamentários e financeiros.
posição: § 11.  Os benefícios financeiros previstos
I – o benefício variável no valor de R$ 18,00 nos incisos I, II, III e IV do caput serão pagos,
(dezoito reais); e mensalmente, por meio de cartão magnético
II – o benefício variável, vinculado ao ado- bancário fornecido pela Caixa Econômica
lescente, no valor de R$ 30,00 (trinta reais). Federal com a identificação do responsável,
§ 4o  Os benefícios financeiros previstos mediante o Número de Identificação Social –
nos incisos I, II, III e IV do caput poderão ser NIS, de uso do Governo Federal.
pagos cumulativamente às famílias beneficiá- § 12.  Os benefícios poderão ser pagos por
rias, observados os limites fixados nos citados meio das seguintes modalidades de contas,
incisos II, III e IV. nos termos de resoluções adotadas pelo Banco
§ 5o  A família cuja renda familiar mensal Central do Brasil:
per capita esteja compreendida entre os valo- I – contas-correntes de depósito à vista;
res estabelecidos no § 2o e no § 3o deste artigo II – contas especiais de depósito à vista;
receberá exclusivamente os benefícios a que se III – contas contábeis; e
referem os incisos II e III do caput deste artigo, IV – outras espécies de contas que venham
respeitados os limites fixados nesses incisos. a ser criadas.
§ 6o  Os valores dos benefícios e os valores § 13.  No caso de créditos de benefícios
referenciais para caracterização de situação de disponibilizados indevidamente ou com pres-
pobreza ou extrema pobreza de que tratam os crição do prazo de movimentação definido em
§§ 2o e 3o poderão ser majorados pelo Poder regulamento, os créditos reverterão automati-
Executivo, em razão da dinâmica socioeco- camente ao Programa Bolsa Família.
nômica do País e de estudos técnicos sobre o § 14.  O pagamento dos benefícios previstos
tema, atendido o disposto no parágrafo único nesta Lei será feito preferencialmente à mulher,
do art. 6o. na forma do regulamento.
§ 7o  Os atuais beneficiários dos programas § 15.  O benefício para superação da extre-
a que se refere o parágrafo único do art. 1o, à ma pobreza corresponderá ao valor necessário
medida que passarem a receber os benefícios para que a soma da renda familiar mensal e
do Programa Bolsa Família, deixarão de receber dos benefícios financeiros supere o valor de
os benefícios daqueles programas. R$ 70,00 (setenta reais) per capita.
§ 8o  Considera-se benefício variável de § 16.  Caberá ao Poder Executivo ajustar, de
caráter extraordinário a parcela do valor dos acordo com critério a ser estabelecido em ato
benefícios em manutenção das famílias be- específico, o valor definido para a renda familiar
neficiárias dos Programas Bolsa Escola, Bolsa per capita, para fins do pagamento do benefício
Alimentação, PNAA e Auxílio-Gás que, na para superação da extrema pobreza.
data de ingresso dessas famílias no Programa I – (Revogado);
Bolsa Família, exceda o limite máximo fixado II – (Revogado).
neste artigo. § 17.  Os beneficiários com idade a partir de
Programa Bolsa Família

§ 9o  O benefício a que se refere o § 8o será 14 (quatorze) anos e os mencionados no inciso
mantido até a cessação das condições de elegi- III do caput deste artigo poderão ter acesso a
bilidade de cada um dos beneficiários que lhe programas e cursos de educação e qualificação
deram origem. profissionais.
§ 10.  O Conselho Gestor Interministerial do
Programa Bolsa Família poderá excepcionalizar Art. 2o-A.  A partir de 1o de março de 2013,
o cumprimento dos critérios de que trata o § 2o, o benefício previsto no inciso IV do caput do
81
art. 2o será estendido, independentemente do mento de sistema de monitoramento, avaliação,
disposto na alínea “a” desse inciso, às famílias gestão orçamentária e financeira, a definição
beneficiárias que apresentem soma da renda das formas de participação e controle social e
familiar mensal e dos benefícios financeiros a interlocução com as respectivas instâncias,
previstos nos incisos I a III do caput do art. 2o, bem como a articulação entre o Programa e
igual ou inferior a R$ 70,00 (setenta reais) per as políticas públicas sociais de iniciativa dos
capita.56 governos federal, estadual, do Distrito Federal
e municipal.
Art. 3o  A concessão dos benefícios dependerá
do cumprimento, no que couber, de condi- Art. 6o  As despesas do Programa Bolsa Fa-
cionalidades relativas ao exame pré-natal, ao mília correrão à conta das dotações alocadas
acompanhamento nutricional, ao acompanha- nos programas federais de transferência de
mento de saúde, à frequência escolar de 85% renda e no Cadastramento Único a que se re-
(oitenta e cinco por cento) em estabelecimento fere o parágrafo único do art. 1o, bem como de
de ensino regular, sem prejuízo de outras pre- outras dotações do Orçamento da Seguridade
vistas em regulamento.57 Social da União que vierem a ser consignadas
Parágrafo único.  O acompanhamento da ao Programa.58
frequência escolar relacionada ao benefício Parágrafo único.  O Poder Executivo deverá
previsto no inciso III do caput do art. 2o desta compatibilizar a quantidade de beneficiários e
Lei considerará 75% (setenta e cinco por cento) de benefícios financeiros específicos do Progra-
de frequência, em conformidade com o previsto ma Bolsa Família com as dotações orçamentá-
no inciso VI do caput do art. 24 da Lei no 9.394, rias existentes.
de 20 de dezembro de 1996.
Art. 7o  Compete à Secretaria-Executiva do
Art. 4   Fica criado, como órgão de assessora-
o
Programa Bolsa Família promover os atos ad-
mento imediato do Presidente da República, o ministrativos e de gestão necessários à execução
Conselho Gestor Interministerial do Programa orçamentária e financeira dos recursos origi-
Bolsa Família, com a finalidade de formular e nalmente destinados aos programas federais de
integrar políticas públicas, definir diretrizes, transferência de renda e ao Cadastramento Úni-
normas e procedimentos sobre o desenvolvi- co mencionados no parágrafo único do art. 1o.
mento e implementação do Programa Bolsa § 1o  Excepcionalmente, no exercício de
Família, bem como apoiar iniciativas para 2003, os atos administrativos e de gestão ne-
instituição de políticas públicas sociais vi- cessários à execução orçamentária e financeira,
sando promover a emancipação das famílias em caráter obrigatório, para pagamento dos
beneficiadas pelo Programa nas esferas federal, benefícios e dos serviços prestados pelo agente
estadual, do Distrito Federal e municipal, tendo operador e, em caráter facultativo, para o ge-
as competências, composição e funcionamento renciamento do Programa Bolsa Família, serão
estabelecidos em ato do Poder Executivo. realizados pelos Ministérios da Educação, da
Saúde, de Minas e Energia e pelo Gabinete do
Desenvolvimento e inclusão social

Art. 5o  O Conselho Gestor Interministerial Ministro Extraordinário de Segurança Alimen-


do Programa Bolsa Família contará com uma tar e Combate à Fome, observada orientação
Secretaria-Executiva, com a finalidade de coor- emanada da Secretaria-Executiva do Programa
denar, supervisionar, controlar e avaliar a ope- Bolsa Família quanto aos beneficiários e respec-
racionalização do Programa, compreendendo tivos benefícios.
o cadastramento único, a supervisão do cum- § 2 o  No exercício de 2003, as despesas
primento das condicionalidades, o estabeleci- relacionadas à execução dos Programas Bolsa
Escola, Bolsa Alimentação, PNAA e Auxílio-
  Lei no 12.817/2013 e Medida Provisória no 607/2013.
56

  Lei no 11.692/2008 e Medida Provisória no 411/2007.


57
  Lei no 12.817/2013 e Medida Provisória no 590/2012.
58

82
-Gás continuarão a ser executadas orçamentária § 4o  Para a execução do previsto neste arti-
e financeiramente pelos respectivos Ministérios go, o Poder Executivo Federal regulamentará:
e órgãos responsáveis. I – os procedimentos e as condições neces-
§ 3o  No exercício de 2004, as dotações re- sárias para adesão ao Programa Bolsa Família,
lativas aos programas federais de transferência incluindo as obrigações dos entes respectivos;
de renda e ao Cadastramento Único, referidos II – os instrumentos, parâmetros e proce-
no parágrafo único do art. 1o, serão descentra- dimentos de avaliação de resultados e da qua-
lizadas para o órgão responsável pela execução lidade de gestão em âmbito estadual, distrital
do Programa Bolsa Família. e municipal; e
III – os procedimentos e instrumentos de
Art. 8o  A execução e a gestão do Programa controle e acompanhamento da execução do
Bolsa Família são públicas e governamentais Programa Bolsa Família pelos entes federados.
e dar-se-ão de forma descentralizada, por § 5o  Os resultados alcançados pelo ente
meio da conjugação de esforços entre os entes federado na gestão do Programa Bolsa Famí-
federados, observada a intersetorialidade, a lia, aferidos na forma do inciso I do § 2o serão
participação comunitária e o controle social.59 considerados como prestação de contas dos
§ 1o  A execução e a gestão descentraliza- recursos transferidos.
das referidas no caput serão implementadas § 6o  Os Estados, o Distrito Federal e os
mediante adesão voluntária dos Estados, do Municípios submeterão suas prestações de
Distrito Federal e dos Municípios ao Programa contas às respectivas instâncias de controle
Bolsa Família. social, previstas no art. 9o, e, em caso de não
§ 2o  Fica instituído o Índice de Gestão Des- aprovação, os recursos financeiros transferidos
centralizada do Programa Bolsa Família – IGD, na forma do § 3o deverão ser restituídos pelo
para utilização em âmbito estadual, distrital e ente federado ao respectivo Fundo de Assistên-
municipal, cujos parâmetros serão regulamen- cia Social, na forma regulamentada pelo Poder
tados pelo Poder Executivo, e destinado a: Executivo Federal.
I – medir os resultados da gestão descen- § 7o  O montante total dos recursos de que
tralizada, com base na atuação do gestor esta- trata o § 3o não poderá exceder a 3% (três por
dual, distrital ou municipal na execução dos cento) da previsão orçamentária total relativa
procedimentos de cadastramento, na gestão de ao pagamento de benefícios do Programa Bolsa
benefícios e de condicionalidades, na articula- Família, devendo o Poder Executivo fixar os
ção intersetorial, na implementação das ações limites e os parâmetros mínimos para a trans-
de desenvolvimento das famílias beneficiárias ferência de recursos para cada ente federado.
e no acompanhamento e execução de procedi-
mentos de controle; Art. 9o  O controle e a participação social do
II – incentivar a obtenção de resultados qua- Programa Bolsa Família serão realizados, em
litativos na gestão estadual, distrital e municipal âmbito local, por um conselho ou por um co-
do Programa; e mitê instalado pelo Poder Público municipal,
III – calcular o montante de recursos a ser na forma do regulamento.
transferido aos entes federados a título de apoio Parágrafo único.  A função dos membros do
financeiro. comitê ou do conselho a que se refere o caput
§ 3o  A União transferirá, obrigatoriamente, é considerada serviço público relevante e não
Programa Bolsa Família

aos entes federados que aderirem ao Programa será de nenhuma forma remunerada.
Bolsa Família recursos para apoio financeiro
às ações de gestão e execução descentralizada Art. 10.  O art. 5o da Lei no 10.689, de 13 de
do Programa, desde que alcancem índices junho de 2003, passa a vigorar com a seguinte
mínimos no IGD. alteração:
“Art. 5 o  As despesas com o Programa
  Lei no 12.058/2009 e Medida Provisória no 462/2009.
59
Nacional de Acesso à Alimentação correrão
83
à conta das dotações orçamentárias consig- infrações de que trata o caput fica obrigado a
nadas na Lei Orçamentária Anual, inclusive ressarcir integralmente o dano, aplicando-se-
oriundas do Fundo de Combate e Erradicação -lhe multa nunca inferior ao dobro e superior
da Pobreza, instituído pelo art. 79 do Ato das ao quádruplo da quantia paga indevidamente.
Disposições Constitucionais Transitórias.”
Art. 14-A.  Sem prejuízo da sanção penal, será
Art. 11.  Ficam vedadas as concessões de obrigado a efetuar o ressarcimento da impor-
novos benefícios no âmbito de cada um dos tância recebida o beneficiário que dolosamente
programas a que se refere o parágrafo único tenha prestado informações falsas ou utilizado
do art. 1o.60 qualquer outro meio ilícito, a fim de indevida-
Parágrafo único.  A validade dos benefícios mente ingressar ou se manter como beneficiário
concedidos no âmbito do Programa Nacional do Programa Bolsa Família.62
de Acesso à Alimentação – PNAA – “Cartão § 1o  O valor apurado para o ressarcimento
Alimentação” encerra-se em 31 de dezembro previsto no caput será atualizado pelo Índice
de 2011. Nacional de Preços ao Consumidor Amplo
– IPCA, divulgado pela Fundação Instituto
Art. 12.  Fica atribuída à Caixa Econômica Brasileiro de Geografia e Estatística.
Federal a função de Agente Operador do Pro- § 2o  Apurado o valor a ser ressarcido, me-
grama Bolsa Família, mediante remuneração e diante processo administrativo, e não tendo
condições a serem pactuadas com o Governo sido pago pelo beneficiário, ao débito serão
Federal, obedecidas as formalidades legais. aplicados os procedimentos de cobrança dos
créditos da União, na forma da legislação de
Art. 13.  Será de acesso público a relação dos regência.
beneficiários e dos respectivos benefícios do
Programa a que se refere o caput do art. 1o. Art. 15.  Fica criado no Conselho Gestor
Parágrafo único.  A relação a que se refere Interministerial do Programa Bolsa Família
o caput terá divulgação em meios eletrônicos um cargo, código DAS 101.6, de Secretário-
de acesso público e em outros meios previstos -Executivo do Programa Bolsa Família.
em regulamento.
Art. 16.  Na gestão do Programa Bolsa Famí-
Art. 14.  Sem prejuízo das responsabilida- lia, aplicar-se-á, no que couber, a legislação
des civil, penal e administrativa, o servidor mencionada no parágrafo único do art.  1o,
público ou o agente da entidade conveniada observadas as diretrizes do Programa.
ou contratada responsável pela organização e
manutenção do cadastro de que trata o art. 1o Art. 17.  Esta Lei entra em vigor na data de
será responsabilizado quando, dolosamente:61 sua publicação.
I – inserir ou fizer inserir dados ou infor-
mações falsas ou diversas das que deveriam ser Brasília, 9 de janeiro de 2004; 183o da Indepen-
inscritas no Cadastro Único para Programas dência e 116o da República.
Desenvolvimento e inclusão social

Sociais do Governo Federal – Cadúnico; ou


II – contribuir para que pessoa diversa do LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA – José Dirceu
beneficiário final receba o benefício. de Oliveira e Silva
§ 1o (Revogado)
§ 2o  O servidor público ou agente da en- Promulgada em 9/1/2004 e publicada no DOU de
tidade contratada que cometer qualquer das 12/1/2004.

60
  Lei no 12.512/2011.
61
  Lei no 12.512/2011.   Lei no 12.512/2011.
62

84
Decreto no 5.209/2004
Regulamenta a Lei no 10.836, de 9 de janeiro de 2004, que cria o Programa Bolsa Família, e dá
outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da CAPÍTULO I – Das Disposições


atribuição que lhe confere o art.  84, incisos Preliminares
IV e VI, alínea “a”, da Constituição, e tendo SEÇÃO I – Da Finalidade do Programa Bolsa
em vista o disposto na Lei no 10.836, de 9 de Família
janeiro de 2004,
Art. 3o  O Programa Bolsa Família tem por
DECRETA: finalidade a unificação dos procedimentos de
gestão e execução das ações de transferência de
Art. 1o  O Programa Bolsa Família, criado renda do Governo Federal e do Cadastramento
pela Lei no  10.836, de 9 de janeiro de 2004, Único do Governo Federal, instituído pelo De-
será regido por este Decreto e pelas disposições creto no 3.877, de 24 de julho de 2001.64
complementares que venham a ser estabeleci- § 1o  Os programas de transferência de ren-
das pelo Ministério do Desenvolvimento Social da cujos procedimentos de gestão e execução
e Combate à Fome. foram unificados pelo Programa Bolsa Família,
doravante intitulados Programas Remanescen-
Art. 2o  Cabe ao Ministério do Desenvolvi- tes, nos termos da Lei no 10.836, de 9 de janeiro
mento Social e Combate à Fome coordenar, de 2004, são:
gerir e operacionalizar o Programa Bolsa I – Programa Nacional de Renda Mínima
Família e, em especial, executar as seguintes vinculada à educação – “Bolsa Escola”, institu-
atividades:63 ído pela Lei no 10.219, de 11 de abril de 2001;
I – realizar a gestão dos benefícios do Pro- II – Programa Nacional de Acesso à Alimen-
grama Bolsa Família; tação – PNAA – “Cartão Alimentação”, criado
II – supervisionar o cumprimento das pela Lei no 10.689, de 13 de junho de 2003;
condicionalidades e promover a oferta dos III – Programa Nacional de Renda Mínima
programas complementares, em articulação vinculado à saúde – “Bolsa Alimentação”, ins-
com os Ministérios setoriais e demais entes tituído pela Medida Provisória no 2.206-1, de
federados; 6 setembro de 2001; e
III – acompanhar e fiscalizar a execução do IV – (Revogado).
Programa Bolsa Família, podendo utilizar-se, § 2o  Aplicam-se aos Programas Remanes- Regulamentação do Programa Bolsa Família
para tanto, de mecanismos intersetoriais; centes as atribuições referidas no art. 2o deste
IV – disciplinar, coordenar e implementar as Decreto, cabendo ao Ministério do Desenvolvi-
ações de apoio financeiro à qualidade da gestão mento Social e Combate à Fome disciplinar os
e da execução descentralizada do Programa procedimentos necessários à gestão unificada
Bolsa Família; e desses programas.
V – coordenar, gerir e operacionalizar o
Cadastro Único para Programas Sociais do Art. 4o  Os objetivos básicos do Programa
Governo Federal. Bolsa Família, em relação aos seus beneficiá-
rios, sem prejuízo de outros que venham a ser

  Decreto no 7.332/2010.
63
  Decreto no 6.392/2008.
64

85
fixados pelo Ministério do Desenvolvimento poderá convidar a participar das reuniões
Social e Combate à Fome, são: representantes de órgãos das administrações fe-
I – promover o acesso à rede de serviços deral, estadual, do Distrito Federal e municipal,
públicos, em especial, de saúde, educação e de entidades privadas, inclusive organizações
assistência social; não governamentais, de acordo com a pauta
II – combater a fome e promover a segurança da reunião.
alimentar e nutricional;
III – estimular a emancipação sustentada Art. 7o  Fica criado o Comitê Executivo do
das famílias que vivem em situação de pobreza CGPBF, integrado por representante do Minis-
e extrema pobreza; tério do Desenvolvimento Social e Combate à
IV – combater a pobreza; e Fome, que o coordenará, e por representantes
V – promover a intersetorialidade, a com- dos demais órgãos e entidade a que se refere
plementaridade e a sinergia das ações sociais o art.  6o, com a finalidade de implementar e
do Poder Público. acompanhar as decisões do CGPBF.
Parágrafo único.  Os representantes referidos
no caput e seus respectivos suplentes serão in-
SEÇÃO II – Do Conselho Gestor do dicados pelos titulares dos respectivos órgãos
Programa Bolsa Família e entidade representados e designados pelo
Ministro de Estado do Desenvolvimento Social
Art. 5 o  O Conselho Gestor do Programa e Combate à Fome.
Bolsa Família – CGPBF, órgão colegiado de
caráter deliberativo, vinculado ao Ministério Art. 8o  O CGPBF poderá instituir grupos de
do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, trabalho, em caráter temporário, para analisar
previsto pelo art. 4o da Lei no 10.836, de 2004, e matérias sob sua apreciação e propor medidas
na Lei no 10.869, de 13 de maio de 2004, tem por específicas necessárias à implementação de
finalidade formular e integrar políticas públicas, suas decisões.
definir diretrizes, normas e procedimentos
sobre o desenvolvimento e implementação Art. 9o  Ao Ministério do Desenvolvimento
do Programa Bolsa Família, bem como apoiar Social e Combate à Fome caberá prover apoio
iniciativas para instituição de políticas públi- técnico-administrativo e os meios necessários
cas sociais visando promover a emancipação à execução dos trabalhos do CGPBF e seus
das famílias beneficiadas pelo Programa nas grupos de trabalhos.
esferas federal, estadual, do Distrito Federal e
municipal. Art. 10.  A participação no CGPBF será con-
siderada prestação de serviço relevante e não
Art. 6o  O CGPBF será composto pelos titula- remunerada.
res dos seguintes órgãos e entidade: Parágrafo único.  Não será remunerada a
I – Ministério do Desenvolvimento Social e participação no Comitê Executivo e nos grupos
Combate à Fome, que o presidirá; de trabalho referidos no art. 7o e 8o, respecti-
Desenvolvimento e inclusão social

II – Ministério da Educação; vamente.


III – Ministério da Saúde;
IV – Ministério do Planejamento, Orçamen-
to e Gestão; SEÇÃO III – Das Competências e das
V – Ministério da Fazenda; Responsabilidades dos Estados, Distrito
VI – Casa Civil da Presidência da Repú- Federal e Municípios na Execução do
blica; e Programa Bolsa Família
VII – Caixa Econômica Federal.
Parágrafo único.  O Ministro de Estado do Art. 11.  A execução e gestão do Programa Bol-
Desenvolvimento Social e Combate à Fome sa Família dar-se-á de forma descentralizada,
86
por meio da conjugação de esforços entre os I – Índice de Gestão Descentralizada dos
entes federados, observada a intersetorialidade, Municípios – IGD-M, a ser aplicado aos Mu-
a participação comunitária e o controle social.65 nicípios e ao Distrito Federal; e
§ 1o  Os entes federados poderão aderir ao II – Índice de Gestão Descentralizada Esta-
Programa Bolsa Família, observados os crité- dual – IGD-E, a ser aplicado aos Estados.
rios, condições e procedimentos estabelecidos § 1o  O valor do índice obtido pelo ente fe-
pelo Ministério do Desenvolvimento Social e derado, na periodicidade e sistemática fixadas
Combate à Fome, por meio de termo específico, pelo Ministério do Desenvolvimento Social e
com os seguintes efeitos: Combate à Fome:
I – fixação de suas competências e responsa- I – indicará os resultados alcançados na ges-
bilidades na gestão e na execução do Programa tão do Programa Bolsa Família em sua esfera; e
Bolsa Família; e II – determinará o montante de recursos
II – possibilidade de recebimento de recur- a ser regularmente transferido pelo Governo
sos do Ministério do Desenvolvimento Social Federal ao ente federado que tenha aderido ao
e Combate à Fome para apoiar a gestão do Programa Bolsa Família, para apoio financeiro
Programa Bolsa Família. às ações de gestão e execução descentralizada,
§ 2o  As adesões e os convênios firmados en- atendidas as referências mínimas fixadas pelo
tre os entes federados e a União no âmbito dos Ministério do Desenvolvimento Social e Com-
programas remanescentes, que se encontrarem bate à Fome.
em vigor na data de publicação deste Decreto, § 2o  Os resultados alcançados pelo ente
terão validade até 31 de dezembro de 2005. federado na gestão do Programa Bolsa Família,
§ 3o  São condições para a adesão ao Pro- aferidos na forma do inciso I do § 2o do art. 8o
grama Bolsa Família, sem prejuízo de outras da Lei no 10.836, de 2004, serão considerados
que venham a ser fixadas pelo Ministério do como prestação de contas dos recursos trans-
Desenvolvimento Social e Combate à Fome: feridos.
I – existência formal e o pleno funcionamen- § 3o  O montante total dos recursos não po-
to de instância de controle social na respectiva derá exceder a previsão de recursos para apoio
esfera federativa, na forma definida no art. 29; e à gestão divulgada anualmente pelo Ministério
II – indicação de gestor municipal do Pro- do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
grama Bolsa Família e, no caso dos Estados e do para os entes federados, observados os limites
Distrito Federal, do coordenador do Programa. fixados de acordo com o § 7o do art. 8o da Lei
§ 4 o  O Ministério do Desenvolvimento no 10.836, de 2004.
Social e Combate à Fome fixará os demais pro- § 4o  Para fins de cálculo do IGD-E, poderão
cedimentos a serem observados pelos Estados, ser considerados dados relativos à gestão des-
Municípios e Distrito Federal para aderir ao centralizada dos respectivos Municípios, sem
Programa Bolsa Família. prejuízo de outros critérios, na forma definida
em ato do Ministério do Desenvolvimento Regulamentação do Programa Bolsa Família
Art. 11-A.  O Ministério do Desenvolvimen- Social e Combate à Fome.
to Social e Combate à Fome disciplinará os § 5o  Os repasses dos recursos para apoio
mecanismos de funcionamento do Índice de financeiro às ações de gestão e execução
Gestão Descentralizada do Programa Bolsa descentralizada do Programa Bolsa Família
Família – IGD, previsto no § 2o do art. 8o da previstos no § 3o do art. 8o da Lei no 10.836, de
Lei no 10.836, de 2004, como instrumento de 2004, serão realizados diretamente do Fundo
promoção e fortalecimento da gestão interse- Nacional de Assistência Social aos Fundos de
torial do Programa Bolsa Família, nas seguintes Assistência Social dos Estados, dos Municípios
modalidades:66 e do Distrito Federal.
§ 6o  Para fins de fortalecimento das instân-
  Decreto no 7.332/2010.
65
cias de controle social dos entes federados, pelo
  Decreto no 7.332/2010.
66
menos três por cento dos recursos transferidos
87
para apoio financeiro às ações de gestão e V – articulação intersetorial para o plane-
execução descentralizada do Programa Bolsa jamento, implementação e avaliação de ações
Família serão destinados a atividades de apoio voltadas à ampliação do acesso das famílias
técnico e operacional ao respectivo colegiado, beneficiárias do Programa Bolsa Família aos
na forma fixada pelo Ministério do Desenvol- serviços públicos, em especial os de saúde,
vimento Social e Combate à Fome. educação e acompanhamento familiar realizado
pela assistência social;
Art. 11-B.  O IGD medirá a qualidade da ges- VI – atividades relacionadas ao acompa-
tão descentralizada do Programa Bolsa Família, nhamento e à fiscalização do Programa Bolsa
em conformidade com o disposto no inciso I Família, inclusive aquelas requisitadas pelo
do § 2o do art. 8o da Lei no 10.836, de 2004, con- Ministério do Desenvolvimento Social e Com-
siderando as seguintes variáveis, entre outras bate à Fome;
fixadas pelo Ministério do Desenvolvimento VII – gestão articulada e integrada com os
Social e Combate à Fome:67 benefícios e serviços socioassistenciais previs-
I – integridade e atualização das informações tos na Lei no 8.742, de 1993;
do Cadastro Único para Programas Sociais do VIII – apoio técnico e operacional às ins-
Governo Federal; e tâncias de controle social dos entes federados,
II – envio das informações sobre o acom- conforme § 6o do art. 11-A; e
panhamento do cumprimento das condicio- IX – outras atividades a serem estabelecidas
nalidades nas áreas de saúde e educação pelos pelo Ministério do Desenvolvimento Social e
beneficiários do Programa Bolsa Família. Combate à Fome.

Art. 11-C.  Os recursos de que trata o §  3o Art. 11-D.  O planejamento da aplicação de


do art.  8o da Lei no  10.836, de 2004, deverão recursos para apoio financeiro às ações de ges-
ser aplicados nas ações de gestão e execução tão e execução descentralizada do Programa
descentralizada do Programa Bolsa Família, Bolsa Família será realizado pelo seu gestor,
em especial nas seguintes atividades:68 nas respectivas esferas de governo, na forma
I – gestão de condicionalidades, realizada prevista pelo Ministério do Desenvolvimento
de forma intersetorial, compreendendo as Social e Combate à Fome.69
atividades necessárias para o registro, sistema- Parágrafo único.  O planejamento de que
tização e análise das informações relacionadas trata o caput deverá considerar a intersetoria-
à frequência escolar, à agenda de saúde e a lidade das áreas de assistência social, saúde e
outras ações que venham a ser fixadas como educação, entre outras, além de integrar os
condicionalidades do Programa Bolsa Família; Planos de Assistência Social de que trata o
II – gestão de benefícios; inciso III do art. 30 da Lei no 8.742, de 1993,
III – acompanhamento das famílias bene- na forma a ser definida em ato do Ministério
ficiárias, em especial daquelas em situação do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.
de maior vulnerabilidade social, realizada de
forma articulada entre as áreas de assistência Art. 11-E.  A aplicação dos recursos para
Desenvolvimento e inclusão social

social, saúde e educação; apoio financeiro às ações de gestão e execução


IV – identificação e cadastramento de novas descentralizada do Programa Bolsa Família
famílias, atualização e revisão dos dados do transferidos aos entes federados deverá integrar
Cadastro Único para Programas Sociais do Go- as prestações de contas anuais dos Fundos de
verno Federal referentes aos cidadãos residentes Assistência Social dos Estados, Municípios e
no território do ente federado; Distrito Federal, em item específico.70

67
  Decreto no 7.332/2010.   Decreto no 7.332/2010.
69

68
  Decretos nos 7.332/2010 e 7.852/2012.   Decreto no 7.332/2010.
70

88
Art. 11-F.  A prestação das contas da aplicação das informações relativas aos elementos que
dos recursos para apoio financeiro às ações de constituem o IGD, a fim de alcançar os índices
gestão e execução descentralizada do Programa mínimos de que trata o § 3o do art. 8o da Lei
Bolsa Família, nos termos do § 6o do art. 8o da no 10.836, de 2004.73
Lei no 10.836, de 2004, será submetida pelo ente Parágrafo único.  Além da suspensão de re-
federado ao respectivo Conselho de Assistência cursos de que trata o caput, haverá a instauração
Social, que deverá:71 de tomada de contas especial e a adoção de pro-
I – receber, analisar e manifestar-se sobre vidências para regularização das informações
a aprovação, integral ou parcial, ou rejeição e reparação do dano, sem prejuízo das demais
da prestação de contas anual da aplicação dos medidas legais aplicáveis aos responsáveis.
recursos;
II – informar ao órgão executor e ao Minis- Art. 11-I.  As prestações de contas da aplicação
tério do Desenvolvimento Social e Combate dos recursos para apoio às ações de gestão e
à Fome, em prazo a ser definido por este, da execução descentralizada do Programa Bolsa
ocorrência de eventuais irregularidades na Família, de que tratam os arts. 11-E, 11-F e 11-
utilização dos recursos; e G, assim como a documentação comprobatória
III – promover a divulgação das atividades da utilização dos recursos, deverão ser arqui-
executadas, de forma transparente e articulada, vadas pelos respectivos entes federados pelo
com os órgãos de controle interno e externo da período de cinco anos, contados do julgamento
União e dos Estados. das contas pelo Conselho previsto no art. 11-F.74
Parágrafo único.  A documentação com-
Art. 11-G.  A avaliação da prestação de con- probatória das despesas realizadas em apoio
tas de que trata o art.  11-F será efetuada em à gestão do Programa Bolsa Família nos entes
sistema informatizado, a ser disponibilizado federados deverá identificar os recursos finan-
pelo Ministério do Desenvolvimento Social e ceiros dele originários.
Combate à Fome, com base em ato normativo
que disciplinará:72 Art. 11-J.  O saldo dos recursos financeiros
I – os procedimentos; repassados pelo Fundo Nacional de Assistência
II – o formato e o conteúdo do relatório de Social aos Fundos de Assistência Social dos Mu-
avaliação; nicípios, Estados e Distrito Federal, decorrente
III – a documentação necessária; de transferências para apoio financeiro à gestão
IV – os prazos para o envio das prestações de do Programa Bolsa Família, existente em 31 de
contas ao Conselho previsto no art. 11-F, assim dezembro de cada ano, poderá ser reprograma-
como para manifestação desses colegiados; e do no exercício seguinte, desde que não esteja
V – os procedimentos específicos para a comprometido, nos termos do art.  73 da Lei
apreciação da prestação de contas da aplicação no 4.320, de 17 de março de 1964.75
dos recursos para apoio financeiro às ações de Regulamentação do Programa Bolsa Família
gestão e execução descentralizada do Programa Art. 12.  Sem prejuízo do disposto no § 1o do
Bolsa Família repassados em 2009. art. 11, e com vistas a garantir a efetiva con-
jugação de esforços entre os entes federados,
Art. 11-H.  Os repasses financeiros para apoio poderão ser celebrados acordos de coopera-
às ações de gestão e execução descentralizada ção entre a União, Estados, Distrito Federal e
do Programa Bolsa Família serão suspensos, Municípios, tendo como objeto programas e
sem prejuízo de outras sanções administrativas, políticas sociais orientadas ao público benefi-
civis e penais previstas na legislação em vigor, ciário do Programa Bolsa Família, observada,
quando comprovada manipulação indevida
73
  Decreto no 7.332/2010.
71
  Decreto no 7.332/2010. 74
  Decreto no 7.332/2010.
72
  Decreto no 7.332/2010. 75
  Decreto no 7.332/2010.
89
no que couber, a legislação específica relativa a I – designar área responsável pelas ações de
cada um dos programas de que trata o art. 3o.76 gestão e execução do Programa Bolsa Família
§ 1o  Os acordos de cooperação de que trata e pela articulação intersetorial das áreas, entre
o caput deverão contribuir para quaisquer das outras, de saúde, educação, assistência social e
seguintes finalidades: segurança alimentar, quando existentes;
I – promoção da emancipação sustentada II – proceder à inscrição das famílias pobres
das famílias beneficiárias; do Município no Cadastramento Único do
II – garantia de acesso aos serviços públicos Governo Federal;
que assegurem o exercício da cidadania; ou III – promover ações que viabilizem a gestão
III – complementação financeira do valor intersetorial, na esfera municipal;
dos benefícios do Programa Bolsa Família. IV – disponibilizar serviços e estruturas
§ 2o  Na hipótese do inciso III do §  1o, o institucionais, da área da assistência social, da
acordo de cooperação poderá ser firmado entre educação e de saúde, na esfera municipal;
o ente federado interessado e o agente operador V – garantir apoio técnico-institucional para
do Programa Bolsa Família, observado modelo a gestão local do programa;
aprovado em ato do Ministro de Estado do VI – constituir órgão de controle social nos
Desenvolvimento Social e Combate à Fome. termos do art. 29;
§ 3o (Revogado) VII – estabelecer parcerias com órgãos e
instituições municipais, estaduais e federais,
Art. 13.  Cabe aos Estados: governamentais e não governamentais, para
I – constituir coordenação composta por re- oferta de programas sociais complementares; e
presentantes das suas áreas de saúde, educação, VIII – promover, em articulação com a
assistência social e segurança alimentar, quando União e os Estados, o acompanhamento do
existentes, responsável pelas ações do Programa cumprimento das condicionalidades.
Bolsa Família, no âmbito estadual;
II – promover ações que viabilizem a gestão Art. 15.  Cabe ao Distrito Federal:
intersetorial, na esfera estadual; I – constituir coordenação composta por re-
III – promover ações de sensibilização e presentantes das suas áreas de saúde, educação,
articulação com os gestores municipais; assistência social e segurança alimentar, quando
IV – disponibilizar apoio técnico-institucio- existentes, responsável pelas ações do Programa
nal aos Municípios; Bolsa Família, no âmbito do Distrito Federal;
V – disponibilizar serviços e estruturas II – proceder à inscrição das famílias pobres
institucionais, da área da assistência social, da no Cadastramento Único do Governo Federal;
educação e da saúde, na esfera estadual; III – promover ações que viabilizem a gestão
VI – apoiar e estimular o cadastramento intersetorial;
pelos Municípios; IV – disponibilizar serviços e estruturas
VII – estimular os Municípios para o institucionais, da área da assistência social, da
estabelecimento de parcerias com órgãos e educação e da saúde;
instituições municipais, estaduais e federais, V – garantir apoio técnico-institucional para
Desenvolvimento e inclusão social

governamentais e não governamentais, para a gestão local do programa;


oferta dos programas sociais complementares; e VI – constituir órgão de controle social nos
VIII – promover, em articulação com a termos do art. 29;
União e os Municípios, o acompanhamento do VII – estabelecer parcerias com órgãos e
cumprimento das condicionalidades. instituições do Distrito Federal e federais,
governamentais e não governamentais, para
Art. 14.  Cabe aos Municípios:77 oferta de programas sociais complementares; e
VIII – promover, em articulação com a
76
  Decreto no 7.332/2010. União, o acompanhamento do cumprimento
77
  Decreto no 7.852/2012. das condicionalidades.
90
SEÇÃO IV – Do Agente Operador sárias à transferência continuada dos valores
referentes aos benefícios financeiros previstos
Art. 16.  Cabe à Caixa Econômica Federal a na Lei no 10.836, de 2004, desde o ingresso das
função de Agente Operador do Programa Bolsa famílias até seu desligamento, englobando,
Família, mediante remuneração e condições principalmente, os seguintes procedimentos:79
pactuadas com o Ministério do Desenvolvi- I – habilitação e seleção de famílias cadastra-
mento Social e Combate à Fome, obedecidas das no Cadastro Único para Programas Sociais
as exigências legais. do Governo Federal e concessão dos benefícios
§ 1o  Sem prejuízo de outras atividades, a financeiros do Programa Bolsa Família;
Caixa Econômica Federal poderá, desde que II – administração dos benefícios para
pactuados em contrato específico, realizar, implantação, continuidade dos pagamentos e
dentre outros, os seguintes serviços: controle da situação e composição dos benefí-
I – fornecimento da infraestrutura necessá- cios financeiros;
ria à organização e à manutenção do Cadastra- III – monitoramento da emissão e entrega
mento Único do Governo Federal; da notificação sobre a concessão de benefício
II – desenvolvimento dos sistemas de pro- ao seu titular;
cessamento de dados; IV – acompanhamento dos processos de
III – organização e operação da logística de emissão, expedição, entrega e ativação dos car-
pagamento dos benefícios; tões magnéticos da conta contábil de que trata
IV – elaboração de relatórios e fornecimento o inciso III do § 12 do art. 2o da Lei no 10.836,
de bases de dados necessários ao acompanha- de 2004;
mento, ao controle, à avaliação e à fiscalização V – acompanhamento da rede de canais
da execução do Programa Bolsa Família por de pagamento posta à disposição das famílias
parte dos órgãos do Governo Federal designa- beneficiárias durante o período de pagamento,
dos para tal fim. das formas de saque utilizadas e da qualidade
§ 2o  As despesas decorrentes dos proce- dos serviços prestados;
dimentos necessários ao cumprimento das VI – promoção e acompanhamento de acor-
atribuições de que trata o § 1o, serão custeadas à dos de cooperação entre a União, os Estados,
conta das dotações orçamentárias consignadas Distrito Federal e Municípios de que trata o
ao Programa Bolsa Família. inciso III do § 1o do art. 12.
§ 3o  A Caixa Econômica Federal, com base Parágrafo único.  O Ministério do Desenvol-
no § 2o do art. 12 e com a anuência do Minis- vimento Social e Combate à Fome disciplinará
tério do Desenvolvimento Social e Combate as demais regras necessárias à gestão dos bene-
à Fome, poderá subcontratar instituição fi- fícios do Programa Bolsa Família.
nanceira para a realização do pagamento dos
benefícios. Art. 17-A.  O ingresso das famílias no Progra-
ma Bolsa Família ocorrerá na forma estabeleci- Regulamentação do Programa Bolsa Família
da pelo Ministério do Desenvolvimento Social
CAPÍTULO II – Das Normas de e Combate à Fome, após o registro de seus
Organização e Funcionamento do Programa integrantes no Cadastro Único para Programas
Bolsa Família Sociais do Governo Federal.80
SEÇÃO I – Da Gestão de Benefícios e do
Ingresso de Famílias no Programa Bolsa Art. 18.  O Programa Bolsa Família atenderá
Família78 às famílias em situação de pobreza e extrema
pobreza, caracterizadas pela renda familiar
Art. 17.  A gestão dos benefícios do Programa mensal per capita de até R$  154,00 (cento e
Bolsa Família compreende as etapas neces-
  Decretos nos 7.013/2009 e 7.332/2010.
79

  Decreto n  7.013/2009.
78 o
  Decreto no 7.013/2009.
80

91
cinquenta e quatro reais) e R$ 77,00 (setenta e dades familiares que se encontrem em situação
sete reais), respectivamente.81 de extrema pobreza;
§ 1o  As famílias elegíveis ao Programa Bolsa II – benefício variável, no valor mensal de
Família, identificadas no Cadastramento Único R$ 35,00 (trinta e cinco reais) por beneficiário,
do Governo Federal, poderão ser selecionadas até o limite de R$ 175,00 (cento e setenta e cinco
a partir de um conjunto de indicadores sociais reais) por família, destinado a unidades familiares
capazes de estabelecer com maior acuidade as que se encontrem em situação de pobreza ou ex-
situações de vulnerabilidade social e econômi- trema pobreza e que tenham em sua composição:
ca, que obrigatoriamente deverá ser divulgado a)  gestantes;
pelo Ministério do Desenvolvimento Social e b)  nutrizes;
Combate à Fome. c)  crianças entre zero e doze anos; ou
§ 2 o  O conjunto de indicadores de que d)  adolescentes até quinze anos;
trata o § 1o será definido com base nos dados III – benefício variável vinculado ao adoles-
relativos aos integrantes das famílias, a partir cente, no valor mensal de R$ 42,00 (quarenta e
das informações constantes no Cadastramen- dois reais) por beneficiário, até o limite de R$
to Único do Governo Federal, bem como em 84,00 (oitenta e quatro reais) por família, des-
estudos socioeconômicos. tinado a unidades familiares que se encontrem
§ 3o  As famílias beneficiadas pelos Progra- em situação de pobreza ou extrema pobreza e
mas Remanescentes serão incorporadas, gra- que tenham em sua composição adolescentes
dualmente, ao Programa Bolsa Família, desde com idade de dezesseis a dezessete anos matri-
que atendam aos critérios de elegibilidade do culados em estabelecimentos de ensino;
Programa Bolsa Família, observada a disponi- IV – benefício variável de caráter extraor-
bilidade orçamentária e financeira. dinário: constitui-se de parcela do valor dos
§ 4o  As famílias beneficiadas pelos Pro- benefícios das famílias remanescentes dos
gramas Remanescentes, enquanto não forem Programas Bolsa Escola, Bolsa Alimentação,
transferidas para o Programa Bolsa Família Cartão Alimentação e Auxílio Gás que, na
nos termos do § 3o, permanecerão recebendo data da sua incorporação ao Programa Bolsa
os benefícios no valor fixado na legislação Família, exceda o limite máximo fixado para o
daqueles Programas, desde que mantenham as Programa Bolsa Família;
condições de elegibilidade que lhes assegurem V – benefício para superação da extrema
direito à percepção do benefício. pobreza, cujo valor será calculado na forma do
§ 5o  A validade dos benefícios concedidos § 3o, no limite de um por família, destinado às
no âmbito do Programa Auxílio-Gás encerra-se unidades familiares beneficiárias do Programa
em 31 de dezembro de 2008. Bolsa Família que apresentem soma da renda
familiar mensal e dos benefícios financeiros
previstos nos incisos I a III do caput igual ou in-
SEÇÃO II – Dos Benefícios Concedidos ferior a R$ 77,00 (setenta e sete reais) per capita.
a)  (Revogada);
Art. 19.  Constituem benefícios financeiros do b)  (Revogada).
Desenvolvimento e inclusão social

Programa Bolsa Família:82 § 1 o  O Ministério do Desenvolvimento


I – benefício básico, no valor mensal de Social e Combate à Fome regulamentará a
R$ 77,00 (setenta e sete reais), destinado a uni- concessão e a manutenção de benefícios vari-
áveis à gestante e à nutriz e do benefício para
superação da extrema pobreza, para disciplinar
81
  Decretos nos 5.749/2006, 6.392/2008, 6.824/2009, sua operacionalização continuada.
6.917/2009 e 8.232/2014. § 2o  O benefício variável de caráter extraor-
82
  Decretos nos 6.157/2007, 6.491/2008, 6.917/2009, dinário de que trata o inciso IV terá seu mon-
7.447/2011, 7.494/2011, 7.758/2012, 7.852/2012, tante arredondado para o valor inteiro imedia-
7.931/2013 e 8.232/2014. tamente superior, sempre que necessário.
92
§ 3o  O valor do benefício para superação operacionalização do pagamento de benefí-
da extrema pobreza será o resultado da dife- cios financeiros do Programa Bolsa Família,
rença entre R$ 77,01 (setenta e sete reais e um contemplando:85
centavo) e a soma per capita referida no inciso I – a divulgação do calendário de pagamento;
V do caput, multiplicado pela quantidade de II – as atividades e os procedimentos relati-
membros da família, arredondado ao múltiplo vos à utilização dos cartões magnéticos da conta
de R$ 2,00 (dois reais) imediatamente superior. contábil prevista no inciso III do § 12 do art. 2o
da Lei no 10.836, de 2004; e
Art. 20.  Os benefícios financeiros do Progra- III – as formas de pagamento nos canais
ma Bolsa Família poderão ser complementados autorizados a atender as famílias beneficiárias.
pelos Estados, Distrito Federal e Municípios,
observado o constante no art. 12. Art. 23.  A inclusão da família no Programa
Bolsa Família produzirá os seguintes efeitos,
Art. 21.  A concessão dos benefícios do Pro- no que se refere ao pagamento dos benefícios
grama Bolsa Família tem caráter temporário financeiros:86
e não gera direito adquirido, devendo a elegi- I – registro dos benefícios financeiros em
bilidade das famílias, para recebimento de tais sistema eletrônico com base nas informações
benefícios, ser obrigatoriamente revista a cada constantes do Cadastro Único para Programas
período de dois anos.83 Sociais do Governo Federal;
§ 1o  Sem prejuízo do disposto nas normas II – emissão e entrega da notificação da
de gestão de benefícios e de condicionalidades concessão do benefício financeiro à família
do Programa Bolsa Família, a renda familiar por meio do envio de correspondência ao
mensal per capita fixada no art. 18, no período endereço registrado no Cadastro Único para
de que trata o caput, poderá sofrer variações Programas Sociais do Governo Federal, ou
sem que o fato implique o imediato desliga- por outra sistemática fixada pelo Ministério
mento da família beneficiária do Programa. do Desenvolvimento Social e Combate à Fome;
§ 2 o  Caberá ao Ministro de Estado do III – emissão e expedição dos cartões mag-
Desenvolvimento Social e Combate à Fome néticos da conta contábil prevista no inciso III
expedir ato fixando: do § 12 do art. 2o da Lei no 10.836, de 2004, para
I – as diretrizes e procedimentos para a saque dos benefícios financeiros.
operacionalização da revisão de elegibilidade
das famílias para recebimento de benefícios; Art. 23-A.  O titular do benefício do Programa
II – os critérios e mecanismos para conta- Bolsa Família será preferencialmente a mulher,
gem dos prazos de atualização de cadastros de devendo, quando possível, ser ela previamente
beneficiários; e indicada como responsável pela unidade fami-
III – os prazos e procedimentos para atuali- liar no ato do cadastramento.87
zação de informações cadastrais para as famílias § 1o  Os cartões magnéticos da conta con- Regulamentação do Programa Bolsa Família
beneficiárias do Programa Bolsa Família que tábil prevista no inciso III do § 12 do art. 2o da
estejam com dados desatualizados no Cadastro Lei no 10.836, de 2004, e as senhas eletrônicas
Único. de uso pessoal e intransferível dos titulares do
benefício, deverão ser entregues em prazo e
condições previamente fixadas pelo Ministério
SEÇÃO III – Do Pagamento dos Benefícios84 do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.
§ 2o  Na hipótese de impedimento do titular,
Art. 22.  O Ministério do Desenvolvimen- será permitido o pagamento do benefício finan-
to Social e Combate à Fome disciplinará a
85
  Decretos nos 6.392/2008 e 7.013/2009.
83
  Decretos nos 6.392/2008 e 7.013/2009. 86
  Decreto no 7.013/2009.
84
  Decreto no 7.013/2009. 87
  Decreto no 7.013/2009.
93
ceiro do Programa Bolsa Família ao portador § 1o  O prazo para a efetivação do saque
de declaração da prefeitura envolvida ou do previsto no caput poderá ser ampliado pelo Mi-
Governo do Distrito Federal, que lhe confira nistério do Desenvolvimento Social e Combate
poderes específicos para o seu recebimento. à Fome para os beneficiários que residam em
Municípios com acesso precário à rede bancária
Art. 23-B.  Os benefícios financeiros do Pro- ou com declaração de situação de emergência
grama Bolsa Família serão pagos por meio da ou de calamidade pública.
conta contábil prevista no inciso III do § 12 do § 2o  A restituição de que trata o caput não
art. 2o da Lei no 10.836, de 2004.88 se aplica aos benefícios financeiros disponibi-
§ 1o  Na hipótese de o titular do benefício lizados nas contas bancárias de que tratam os
possuir a conta especial de depósito à vista, incisos I e II do § 12 do art. 2o da Lei no 10.836,
prevista no inciso II do § 12 do art. 2o da Lei de 2004.
no  10.836, de 2004, os benefícios financeiros
serão destacados da conta prevista no caput e
nela creditados. SEÇÃO IV – Da Administração dos
§ 2o  O crédito dos benefícios financeiros do Benefícios90
Programa Bolsa Família na conta especial de
depósito à vista, prevista no inciso II do § 12 Art. 25.  As famílias atendidas pelo Programa
do art. 2o da Lei no 10.836, de 2004, não será Bolsa Família permanecerão com os benefícios
realizado na ocorrência de impedimentos téc- liberados mensalmente para pagamento, salvo
nicos, operacionais ou normativos, tais como: na ocorrência das seguintes situações:91
I – bloqueio, suspensão, inativação ou en- I – comprovação de trabalho infantil na
cerramento da conta especial de depósito à família, nos termos da legislação aplicável;
vista nos casos previstos em regulamentação II – descumprimento de condicionalidade
bancária; ou que acarrete suspensão ou cancelamento dos
II – bloqueio dos benefícios financeiros benefícios concedidos, na forma do §  4o do
inicialmente depositados na conta contábil nas art. 28;
hipóteses previstas neste Decreto e nos demais III – omissão de informações ou prestação
atos que disciplinam a gestão de benefícios do de informações falsas para o cadastramento que
Programa Bolsa Família. habilitem indevidamente o declarante e sua fa-
§ 3o  O crédito dos benefícios financeiros mília ao recebimento dos benefícios financeiros
do Programa Bolsa Família na conta corrente do Programa Bolsa Família ou dos Programas
de depósito à vista, prevista no inciso I do § 12 Remanescentes;
do art. 2o da Lei no 10.836, de 2004, poderá ser IV – desligamento por ato voluntário do
efetuado após o estabelecimento dos procedi- beneficiário ou por determinação judicial;
mentos necessários pelo Ministério do Desen- V – alteração cadastral na família, cuja mo-
volvimento Social e Combate à Fome. dificação implique a inelegibilidade ao Progra-
ma, observado o disposto no art. 21;
Art. 24.  Os benefícios financeiros mantidos à VI – ausência de saque dos benefícios fi-
Desenvolvimento e inclusão social

disposição do titular na conta contábil prevista nanceiros por período superior ao estabelecido
no inciso III do § 12 do art. 2o da Lei no 10.836, pelo Ministério do Desenvolvimento Social e
de 2004, que não forem sacados no prazo de Combate à Fome;
três meses, serão restituídos ao Programa Bolsa VII – esgotamento do prazo:
Família de acordo com o procedimento esta- a)  para ativação dos cartões magnéticos da
belecido pelo Ministério do Desenvolvimento conta contábil indicada no inciso III do § 12 do
Social e Combate à Fome.89 art. 2o da Lei no 10.836, de 2004;

  Decreto no 7.013/2009.
88
  Decreto no 7.013/2009.
90

  Decretos nos 6.392/2008 e 7.013/2009.


89
  Decretos nos 6.392/2008 e 7.013/2009.
91

94
b)  para revisão de benefícios, na forma do III – proteção das famílias de que trata o
art. 21; caput contra venda casada, constrangimento e
VIII – desligamento em razão de posse do outros abusos na comercialização de serviços
beneficiário do Programa Bolsa Família em financeiros, principalmente os que decorram da
cargo eletivo remunerado, de qualquer das três sua vulnerabilidade socioeconômica, por meio
esferas de Governo. de ações preventivas e punitivas pertinentes;
§ 1 o  O Ministério do Desenvolvimento IV – previsão de instrumentos que possam
Social e Combate à Fome definirá, quando for garantir o atendimento e a resposta às reclama-
o caso, os procedimentos a serem adotados ções, denúncias ou sugestões das famílias, em
para cada uma das hipóteses previstas no caput. prazos equiparados aos dos demais clientes,
§ 2o  Comprovada a existência de trabalho respeitadas as exigências legais e normativas
infantil, o caso deverá ser encaminhado aos dos órgãos de regulação do mercado;
órgãos competentes. V – promoção de ações de educação fi-
nanceira das famílias de que trata o caput e
divulgação de informações sobre a utilização
SEÇÃO V – Da Inserção Financeira das adequada dos serviços financeiros ofertados; e
Famílias do Cadastro Único para Programas VI – fornecimento periódico ao Ministério
Sociais do Governo Federal e da Inclusão do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Bancária dos Titulares dos Benefícios do de dados e informações que possibilitem a reali-
Programa Bolsa Família92 zação de pesquisas sobre o impacto, a eficiência,
a efetividade e as potencialidades da inserção
Art. 26.  O Ministério do Desenvolvimento financeira promovida no âmbito do Programa
Social e Combate à Fome incentivará a inserção Bolsa Família.
financeira das famílias registradas no Cadastro
Único para Programas Sociais do Governo Art. 26-A.  A inserção financeira prevista no
Federal pelo acesso a serviços financeiros art.  26, sempre que possível, contemplará a
oferecidos pela Caixa Econômica Federal ou inclusão bancária dos titulares de benefícios
outras instituições financeiras, em condições financeiros do Programa Bolsa Família, pre-
adequadas ao seu perfil.93 ferencialmente, por meio da conta especial de
Parágrafo único.  A inserção financeira depósito à vista de que trata o inciso II do § 12
de que trata o caput e sua operacionalização do art. 2o da Lei no 10.836, de 2004.94
serão objeto de acordo entre o Ministério do § 1 o  O Ministério do Desenvolvimento
Desenvolvimento Social e Combate à Fome e a Social e Combate à Fome, observada a regu-
Caixa Econômica Federal ou outra instituição lamentação do Conselho Monetário Nacional,
financeira, que deverá contemplar: poderá firmar acordo com a Caixa Econômica
I – oferta de instrumentos financeiros Federal ou outra instituição financeira estabe-
capazes de contribuir para a promoção da lecendo as condições para abertura da conta Regulamentação do Programa Bolsa Família
emancipação econômico-financeira das fa- especial de que trata o caput, desde que preveja,
mílias de que trata o caput, respeitando-se a no mínimo, a gratuidade para:
capacidade de comprometimento financeiro I – abertura e manutenção da conta especial
dos cadastrados; de depósito à vista;
II – garantia de amplo e fácil acesso a infor- II – fornecimento de cartão bancário com
mações adequadas e claras acerca dos serviços leiaute do Programa Bolsa Família;
financeiros, especialmente no que se refere a III – solicitação ou impressão de consultas
taxas de juros, prazos, custos ou riscos referen- de saldo e de extratos bancários; e
tes aos serviços; IV – realização de depósitos e saques.

  Decreto no 7.013/2009.
92

  Decreto no 7.013/2009.
93
  Decreto no 7.013/2009.
94

95
§ 2o  O acordo de que trata o § 1o delimitará, blicas de saúde, educação e assistência social,
conforme o caso, a quantidade ou periodicida- promovendo a melhoria das condições de vida
de, adicional ao estabelecido em regulamen- da população; e
tação do Conselho Monetário Nacional, para II – identificar as vulnerabilidades sociais
uso dos serviços abrangidos pela gratuidade que afetam ou impedem o acesso das famílias
prevista no referido dispositivo. beneficiárias aos serviços públicos a que têm
direito, por meio do monitoramento de seu
Art. 26-B.  O titular do benefício do Programa cumprimento.
Bolsa Família que possuir ou efetuar a abertura Parágrafo único.  Caberá às diversas esferas
da conta especial de depósito à vista, prevista no de governo garantir o acesso pleno aos serviços
inciso II do § 12 do art. 2o da Lei no 10.836, de públicos de saúde, educação e assistência social,
2004, passará automaticamente a receber seus por meio da oferta desses serviços, de forma a
benefícios financeiros por meio desta conta, viabilizar o cumprimento das contrapartidas
ressalvado o disposto no § 2o do art. 23-B.95 por parte das famílias beneficiárias do Progra-
Parágrafo único.  Os titulares dos benefícios ma Bolsa Família.
do Programa Bolsa Família poderão optar, a
qualquer tempo, pelo crédito continuado do Art. 28.  São responsáveis pelo acompanha-
benefício financeiro na conta contábil prevista mento e fiscalização do cumprimento das con-
no inciso III do § 12 do art. 2o da Lei no 10.836, dicionalidades vinculadas ao Programa Bolsa
de 2004, observado o procedimento estabeleci- Família, previstas no art. 3o da Lei no 10.836,
do pelo Ministério do Desenvolvimento Social de 2004:98
e Combate à Fome. I – o Ministério da Saúde, no que diz respeito
ao acompanhamento do crescimento e desen-
Art. 26-C.  O Ministério do Desenvolvimento volvimento infantil, da assistência ao pré-natal
Social e Combate à Fome fará a articulação com e ao puerpério, da vacinação, bem como da
instituições públicas e da sociedade civil para vigilância alimentar e nutricional de crianças
promover ações coordenadas e continuadas de menores de sete anos; e
promoção da inserção e educação financeiras II – o Ministério da Educação, no que diz
destinadas aos beneficiários do Programa Bolsa respeito à frequência mínima de oitenta e cin-
Família.96 co por cento da carga horária escolar mensal,
em estabelecimentos de ensino regular, de
crianças e adolescentes de seis a quinze anos, e
CAPÍTULO III – Das Normas de à de setenta e cinco por cento da carga horária
Acompanhamento, Controle Social e escolar mensal de jovens com idade de dezesseis
Fiscalização do Programa Bolsa Família a dezessete anos.
SEÇÃO I – Do Acompanhamento das § 1o  Compete ao Ministério do Desenvol-
Condicionalidades vimento Social e Combate à Fome o apoio,
a articulação intersetorial e a supervisão das
Art. 27.  As condicionalidades do Progra- ações governamentais para o cumprimento das
Desenvolvimento e inclusão social

ma Bolsa Família previstas no art.  3o da Lei condicionalidades do Programa Bolsa Família,


no 10.836, de 2004, representam as contraparti- bem assim a disponibilização da base atualizada
das que devem ser cumpridas pelas famílias para do Cadastramento Único do Governo Federal
a manutenção dos benefícios e se destinam a:97 aos Ministérios da Educação e da Saúde.
I – estimular as famílias beneficiárias a § 2o  As diretrizes e normas para o acom-
exercer seu direito de acesso às políticas pú- panhamento das condicionalidades dos
Programas Bolsa Família e Remanescentes
95
  Decreto no 7.013/2009. serão disciplinadas em atos administrativos
96
  Decreto no 7.013/2009.
97
  Decreto no 7.332/2010.   Decretos nos 6.917/2009 e 7.332/2010.
98

96
conjuntos do Ministério do Desenvolvimento tente, garantidas a paridade prevista no caput
Social e Combate à Fome e o Ministério da e a intersetorialidade prevista no § 1o.
Saúde, nos termos do inciso I, e o Ministério § 3o  Os Municípios poderão associar-se
do Desenvolvimento Social e Combate à Fome para exercer o controle social do Programa
e o Ministério da Educação, nos termos do Bolsa Família, desde que se estabeleça for-
inciso II. malmente, por meio de termo de cooperação
§ 3o  Os Estados, Distrito Federal e Mu- intermunicipal, a distribuição de todas as com-
nicípios que reunirem as condições técnicas petências e atribuições necessárias ao perfeito
e operacionais para a gestão do acompanha- acompanhamento dos Programas Bolsa Família
mento das condicionalidades do Programa e Remanescentes colocados sob sua jurisdição.
Bolsa Família poderão exercer essa atribuição
na forma disciplinada pelo Ministério do Art. 30.  O controle social do Programa Bolsa
Desenvolvimento Social e Combate à Fome e Família no nível estadual poderá ser exercido
o Ministério da Saúde, nos termos do inciso por conselho, instituído formalmente, nos
I, e o Ministério da Educação, nos termos do moldes do art. 29.
inciso II.
§ 4o  Ato do Ministro de Estado do Desen- Art. 31.  Cabe aos conselhos de controle social
volvimento Social e Combate à Fome discipli- do Programa Bolsa Família:
nará a gestão das condicionalidades do Pro- I – acompanhar, avaliar e subsidiar a fiscali-
grama Bolsa Família, especialmente no que diz zação da execução do Programa Bolsa Família,
respeito às consequências do seu cumprimento no âmbito municipal ou jurisdicional;
e descumprimento pelas famílias beneficiárias II – acompanhar e estimular a integração
e às hipóteses de interrupção temporária dos e a oferta de outras políticas públicas sociais
efeitos decorrentes do seu descumprimento. para as famílias beneficiárias do Programa
§ 5o  Não serão penalizadas com a suspensão Bolsa Família;
ou cancelamento do benefício as famílias que III – acompanhar a oferta por parte dos
não cumprirem as condicionalidades previstas, governos locais dos serviços necessários para
quando não houver a oferta do respectivo ser- a realização das condicionalidades;
viço ou por força maior ou caso fortuito. IV – estimular a participação comunitária
no controle da execução do Programa Bolsa
Família, no âmbito municipal ou jurisdicional;
SEÇÃO II – Do Controle Social V – elaborar, aprovar e modificar seu regi-
mento interno; e
Art. 29.  O controle e participação social do VI – exercer outras atribuições estabelecidas
Programa Bolsa Família deverão ser realizados, em normas complementares do Ministério do
em âmbito local, por instância de controle so- Desenvolvimento Social e Combate à Fome.
cial formalmente constituída pelo Município Regulamentação do Programa Bolsa Família
ou pelo Distrito Federal, respeitada a paridade Art. 32.  Para o pleno exercício, no âmbito do
entre governo e sociedade, sem prejuízo de respectivo Município ou, quando for o caso, do
outras competências que lhes sejam atribuídas Estado ou do Distrito Federal, das competên-
pela legislação.99 cias previstas no art. 31, ao conselho de controle
§ 1o (Revogado) social será franqueado acesso aos formulários
§ 2o  Por decisão do Poder Público munici- do Cadastramento Único do Governo Federal e
pal ou do Distrito Federal, o controle social do aos dados e informações constantes em sistema
Programa Bolsa Família poderá ser realizado informatizado desenvolvido para gestão, con-
por conselho ou instância anteriormente exis- trole e acompanhamento do Programa Bolsa
Família e dos Programas Remanescentes, bem
como as informações relacionadas às condi-
  Decreto no 7.332/2010.
99
cionalidades, além de outros que venham a ser
97
definidos pelo Ministério do Desenvolvimento Art. 34.  Sem prejuízo da sanção penal apli-
Social e Combate à Fome. cável, o beneficiário que dolosamente prestar
§ 1o  A relação de beneficiários do Programa informações falsas ou utilizar qualquer outro
Bolsa Família deverá ser amplamente divulgada meio ilícito para indevidamente ingressar ou
pelo Poder Público municipal e do Distrito se manter como beneficiário do Programa
Federal. Bolsa Família será obrigado a ressarcir o valor
§ 2o  A utilização indevida dos dados dis- recebido de forma indevida, mediante processo
ponibilizados acarretará a aplicação de sanção administrativo, conforme disposto no art. 14-A
civil e penal na forma da lei. da Lei no 10.836, de 2004.101
§ 1o  A Secretaria Nacional de Renda de Ci-
dadania do Ministério do Desenvolvimento So-
SEÇÃO III – Da Fiscalização cial e Combate à Fome poderá, diretamente ou
por meio de articulação com a gestão municipal
Art. 33.  A apuração das denúncias relaciona- ou do Distrito Federal, convocar beneficiários
das ao recebimento indevido de benefícios dos do Programa Bolsa Família ou remanescentes,
Programas Bolsa Família e Remanescentes, nos que deverão comparecer perante a área respon-
termos dos artigos 14 e 14-A da Lei no 10.836, sável pela gestão local do Programa e apresentar
de 2004, será realizada pela Secretaria Nacio- as informações requeridas.
nal de Renda de Cidadania do Ministério do § 2o  No caso de não atendimento à convo-
Desenvolvimento Social e Combate à Fome.100 cação prevista no § 1o, nos prazos definidos em
§ 1o  Os documentos que contêm os re- ato do Ministro de Estado do Desenvolvimento
gistros realizados no Cadastramento Único Social e Combate à Fome, a Secretaria Nacio-
do Governo Federal deverão ser mantidos nal de Renda de Cidadania do Ministério do
pelos Municípios e Distrito Federal pelo prazo Desenvolvimento Social e Combate à Fome
mínimo de cinco anos, contados da data de poderá promover a exclusão do beneficiário
encerramento do exercício em que ocorrer a do Programa Bolsa Família.
inclusão ou atualização dos dados relativos às § 3o  A pessoa excluída do Programa na for-
famílias cadastradas. ma prevista no § 2o somente poderá retornar à
§ 2o  A Secretaria Nacional de Renda de condição de beneficiário após decorrido prazo
Cidadania do Ministério do Desenvolvimento previsto definido em ato do Ministro de Estado
Social e Combate à Fome solicitará à gestão mu- do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.
nicipal ou à coordenação estadual do Programa § 4o  Verificadas a inexistência de dolo por
informações, pareceres e outros documentos parte de beneficiário que tenha recebido inde-
necessários à instrução dos procedimentos de vidamente o benefício ou a impossibilidade de
fiscalização e acompanhamento do Programa sua comprovação, o benefício será cancelado e
Bolsa Família. o respectivo processo será arquivado.
§ 3 o  O não atendimento às solicitações § 5o  Verificada a existência de indícios de
previstas no § 2o, nos prazos definidos pelo Mi- dolo por parte do beneficiário que tenha pres-
nistério do Desenvolvimento Social e Combate tado informações falsas ou utilizado qualquer
Desenvolvimento e inclusão social

à Fome, poderá repercutir: outro meio ilícito, a fim de indevidamente


I – no valor dos recursos repassados a ingressar ou se manter no Programa Bolsa Fa-
título de apoio à gestão descentralizada do mília, este será notificado a apresentar defesa no
Programa; e prazo máximo de trinta dias, contado da data
II – na adoção de medidas definidas quando de recebimento da notificação.
da adesão dos entes federados ao Programa, § 6o  Quando não for apresentada defesa
de que trata o § 1o do art. 8o da Lei no 10.836, ou quando esta for julgada improcedente, o
de 2004. processo será concluído e o beneficiário será

  Decreto no 7.852/2012.
100
  Decreto no 7.852/2012.
101

98
notificado a realizar o ressarcimento do valor III – propor à autoridade competente a ins-
recebido indevidamente, a ser pago no prazo tauração de tomada de contas especial, com o
de sessenta dias, contado do recebimento da objetivo de submeter ao exame preliminar do
notificação. Sistema de Controle Interno e ao julgamento
§ 7o  Da decisão de que trata o § 5o caberá do Tribunal de Contas da União os casos e
recurso ao Ministro de Estado do Desenvolvi- situações identificados nos procedimentos
mento Social e Combate à Fome, no prazo de de fiscalização que configurem a prática de
trinta dias, contado da data de recebimento da ato ilegal, ilegítimo ou antieconômico de que
notificação oficial da decisão do processo que resulte dano ao Erário, na forma do art. 8o da
apurou o dolo do beneficiário. Lei no 8.443, de 16 de julho de 1992; e
§ 8o  O recurso de que trata o § 7o terá efeito IV – aplicar a sanção prevista no §  2o do
suspensivo. art. 14 da Lei no 10.836, de 2004, caso o servidor
§ 9o  Permanecendo, em qualquer caso, a de- público ou o agente da entidade conveniada ou
cisão pelo ressarcimento dos recursos recebidos contratada seja responsabilizado, administrati-
indevidamente, o beneficiário ficará impedido va ou judicialmente, pela prática dolosa prevista
de reingressar no programa pelo período de nos incisos I ou II do caput do referido artigo.
um ano contado da quitação do ressarcimento. § 1o  Os créditos à União decorrentes da
§ 10.  A devolução voluntária dos recursos aplicação do disposto no inciso IV do caput,
recebidos de forma indevida pelo beneficiário, serão constituídos tendo em vista os seguintes
independentemente de atualização monetária, casos e situações relativos à operacionalização
não ensejará a instauração de procedimento do Programa Bolsa Família:
administrativo de que trata o caput, desde que: I – apropriação indevida de cartões que
I – anteceda o recebimento de denúncia ou resulte em saques irregulares de benefícios;
identificação de indícios de recebimento inde- II – prestação de declaração falsa que pro-
vido em qualquer processo de fiscalização; e duza efeito financeiro;
II – corresponda ao valor integralmente re- III – inserção de dados inverídicos no Ca-
cebido no período em que o beneficiário não se dastramento Único do Governo Federal de
enquadrava nos critérios para recebimento de Programas Sociais do Governo Federal que
benefícios do Programa Bolsa Família. resulte na incorporação indevida de beneficiá-
rios no programa;
Art. 35.  Constatada a ocorrência de irregu- IV – cobrança de valor indevido às famílias
laridade na execução local do Programa Bolsa beneficiárias por unidades pagadoras dos
Família, conforme estabelecido no art.  14 da Programas Bolsa Família e Remanescentes; ou
Lei no 10.836, de 2004, que ocasione pagamento V – cobrança, pelo Poder Público, de valor
indevido de benefícios do Programa Bolsa Fa- associado à realização de cadastramento de
mília, sem prejuízo de outras sanções adminis- famílias.
trativas, cíveis e penais, caberá à Secretaria Na- § 2o  Os casos não previstos no §  1o serão Regulamentação do Programa Bolsa Família
cional de Renda de Cidadania do Ministério do objeto de análise e deliberação do Ministério
Desenvolvimento Social e Combate à Fome:102 do Desenvolvimento Social e Combate à Fome,
I – promover o cancelamento dos benefícios por meio da Secretaria Nacional de Renda de
resultantes do ato irregular praticado; Cidadania.
II – recomendar ao Poder Executivo Mu- § 3o  Do ato de constituição dos créditos
nicipal ou do Distrito Federal a instauração caberá recurso quanto à gradação da multa, que
de sindicância ou de processo administrativo deverá ser apresentado ao Ministro de Estado
disciplinar relativo ao servidor público ou ao do Desenvolvimento Social e Combate à Fome,
agente da entidade conveniada ou contratada no prazo de trinta dias, contado da data de
responsável; recebimento da notificação de cobrança.
§ 4o  O recurso interposto nos termos do § 3o
  Decreto no 7.852/2012.
102
terá efeito suspensivo.
99
§ 5o  A decisão final do julgamento de recur- Art. 37.  A partir da data de publicação deste
so regularmente interposto deverá ser pronun- Decreto, o recebimento do benefício do Pro-
ciada dentro de sessenta dias a contar da data grama Bolsa Família implicará aceitação tácita
de recebimento das alegações e documentos do de cumprimento das condicionalidades a que
contraditório, endereçados à Secretaria Nacio- se referem os arts. 27 e 28.
nal de Renda de Cidadania, em Brasília – DF.
Art. 38.  Até a data de publicação deste De-
creto, ficam convalidados os quantitativos de
CAPÍTULO IV – Das Disposições benefícios concedidos a partir da vigência da
Transitórias e Finais Medida Provisória no  132, de 20 de outubro
de 2003, e os recursos restituídos nos termos
Art. 36.  As informações e os procedimentos do art. 24.
exigidos nos termos deste Decreto, bem assim
os decorrentes da prática dos atos delegados Art. 39.  Este Decreto entra em vigor na data
na forma do art. 8o da Lei no 10.836, de 2004, de sua publicação.
poderão ser encaminhados por meio eletrônico,
mediante a utilização de aplicativos padroniza- Brasília, 17 de setembro de 2004; 183o da Inde-
dos de utilização obrigatória e exclusiva. pendência e 116o da República.
Parágrafo único.  Os aplicativos padroniza-
dos serão acessados mediante a utilização de LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA – Patrus
senha individual, e será mantido registro que Ananias
permita identificar o responsável pela transação
efetuada. Decretado em 17/9/2004 e publicado no DOU de
20/9/2004.
Desenvolvimento e inclusão social

100
Decreto no 7.492/2011
Institui o Plano Brasil Sem Miséria.

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da I – elevar a renda familiar per capita da


atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, população em situação de extrema pobreza;
alínea “a”, da Constituição, II – ampliar o acesso da população em situa-
ção de extrema pobreza aos serviços públicos; e
DECRETA: III – propiciar o acesso da população em
situação de extrema pobreza a oportunidades
Art. 1o  Fica instituído o Plano Brasil Sem de ocupação e renda, por meio de ações de
Miséria, com a finalidade de superar a situação inclusão produtiva.
de extrema pobreza da população em todo o Parágrafo único.  O Cadastro Único para
território nacional, por meio da integração e Programas Sociais do Governo Federal, pre-
articulação de políticas, programas e ações. visto no Decreto no 6.135, de 26 de junho de
Parágrafo único.  O Plano Brasil Sem Miséria 2007, será utilizado como instrumento básico
será executado pela União em colaboração com para identificação do público e planejamento
Estados, Distrito Federal, Municípios e com a das ações do Plano Brasil Sem Miséria.
sociedade.
Art. 5o  São eixos de atuação do Plano Brasil
Art. 2   O Plano Brasil Sem Miséria destina-se
o
Sem Miséria:
à população em situação de extrema pobreza.103 I – garantia de renda;
Parágrafo único.  Para efeito deste Decreto II – acesso a serviços públicos; e
considera-se em extrema pobreza aquela po- III – inclusão produtiva.
pulação com renda familiar per capita mensal
de até R$ 77,00 (setenta e sete reais). Art. 6o  Ficam instituídas as seguintes instân-
cias para a gestão do Plano Brasil Sem Miséria:
Art. 3o  São diretrizes do Plano Brasil Sem I – Comitê Gestor Nacional;
Miséria: II – Grupo Executivo; e
I – garantia dos direitos sociais; III – Grupo Interministerial de Acompa-
II – garantia de acesso aos serviços públicos nhamento.
e a oportunidades de ocupação e renda; Parágrafo único.  O apoio administrativo ne-
III – articulação de ações de garantia de ren- cessário ao funcionamento das instâncias ins-
da com ações voltadas à melhoria das condições tituídas no caput será prestado pelo Ministério
de vida da população extremamente pobre, de do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.
forma a considerar a multidimensionalidade
da situação de pobreza; e Art. 7o  Compete ao Comitê Gestor Nacional
IV – atuação transparente, democrática e do Plano Brasil Sem Miséria, instância de ca-
integrada dos órgãos da administração pública ráter deliberativo, fixar metas e orientar a for-
Plano Brasil Sem Miséria

federal com os governos estaduais, distrital e mulação, a implementação, o monitoramento


municipais e com a sociedade. e a avaliação do Plano.
§ 1o  O Comitê Gestor Nacional será com-
Art. 4o  São objetivos do Plano Brasil Sem posto pelos titulares dos seguintes órgãos:
Miséria: I – Ministério do Desenvolvimento Social e
Combate à Fome, que o coordenará;
  Decreto no 8.232/2014.
103
II – Casa Civil da Presidência da República;
101
III – Ministério da Fazenda; e § 3o  O Grupo Interministerial de Acom-
IV – Ministério do Planejamento, Orçamen- panhamento prestará informações ao Grupo
to e Gestão. Executivo e ao Comitê Gestor Nacional sobre
§ 2o  Os membros do Comitê Gestor Nacio- as políticas, programas e ações, suas respecti-
nal indicarão seus respectivos suplentes. vas dotações orçamentárias e os resultados de
§ 3 o  A Secretaria-Executiva do Comitê execução, identificando os recursos a serem
Gestor Nacional será exercida pela Secretaria alocados no Plano Brasil Sem Miséria.
Extraordinária para a Superação da Extrema § 4o  Poderão ser convidados para as reu-
Pobreza do Ministério do Desenvolvimento niões do Grupo Interministerial de Acompa-
Social e Combate à Fome. nhamento representantes de entidades e órgãos
públicos e privados, dos Poderes Legislativo e
Art. 8o  Compete ao Grupo Executivo do Plano Judiciário e do Ministério Público, bem como
Brasil Sem Miséria assegurar a execução de especialistas, para emitir pareceres e subsidiar
políticas, programas e ações desenvolvidos no o Grupo com informações.
âmbito do Plano. § 5o  Poderão ser constituídos no âmbito do
§ 1o  O Grupo Executivo será composto pelos Grupo Interministerial de Acompanhamento
Secretários-Executivos dos órgãos mencionados grupos de trabalho temáticos destinados ao
nos incisos II a IV do § 1o do art. 7o e por re- estudo e à elaboração de propostas sobre temas
presentante do Ministério do Desenvolvimento específicos, a serem submetidos ao Comitê
Social e Combate à Fome, que o coordenará. Gestor Nacional.
§ 2o  Os membros do Grupo Executivo in-
dicarão seus respectivos suplentes. Art. 10.  A participação nas instâncias colegia-
das instituídas neste Decreto será considerada
Art. 9o  Compete ao Grupo Interministerial de prestação de serviço público relevante, não
Acompanhamento do Plano Brasil Sem Miséria remunerada.
o monitoramento e a avaliação de políticas,
programas e ações desenvolvidos no âmbito Art. 11.  Para a execução do Plano Brasil
do Plano. Sem Miséria poderão ser firmados convênios,
§ 1o  O Grupo Interministerial de Acompa- acordos de cooperação, ajustes ou outros ins-
nhamento será composto por representantes, ti- trumentos congêneres, com órgãos e entidades
tular e suplente, indicados pelos seguintes órgãos: da administração pública federal, dos Estados,
I – Ministério do Desenvolvimento Social e do Distrito Federal e dos Municípios, com
Combate à Fome, que o coordenará; consórcios públicos, bem como com entidades
II – Casa Civil da Presidência da República; privadas, na forma da legislação pertinente.
III – Secretaria-Geral da Presidência da
República; Art. 12.  O Plano Brasil Sem Miséria será
IV – Ministério da Fazenda; custeado por:
V – Ministério do Planejamento, Orçamento I – dotações orçamentárias da União consig-
e Gestão; nadas anualmente nos orçamentos dos órgãos e
Desenvolvimento e inclusão social

VI – Ministério das Cidades; entidades envolvidos no Plano Brasil Sem Misé-


VII – Ministério do Trabalho e Emprego; ria, observados os limites de movimentação, de
VIII – Ministério do Desenvolvimento empenho e de pagamento fixados anualmente;
Agrário; II – recursos oriundos dos órgãos partici-
IX – Ministério da Saúde; pantes do Plano Brasil Sem Miséria e que não
X – Ministério da Educação; e estejam consignados nos Orçamentos Fiscal e
XI – Ministério da Integração Nacional. da Seguridade Social da União; e
§ 2o  Os representantes de que trata o § 1o III – outras fontes de recursos destinadas por
serão designados em ato do Ministro de Estado Estados, Distrito Federal e Municípios, bem
do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. como por outras entidades públicas e privadas.
102
Parágrafo único.  Para fins de acompanha- Brasília, 2 de junho de 2011; 190o da Indepen-
mento do cumprimento do disposto no inciso I dência e 123o da República.
deste artigo, os órgãos e entidades participantes
do Plano Brasil Sem Miséria deverão proceder à DILMA ROUSSEFF – Tereza Campello
execução orçamentária utilizando Plano Interno
– PI específico no Sistema Integrado de Adminis- Decretado em 2/6/2011 e publicado no DOU de
tração Financeira do Governo Federal – SIAFI. 3/6/2011.

Art. 13.  Este Decreto entra em vigor na data


de sua publicação.

Plano Brasil Sem Miséria

103
Normas correlatas
Lei no 8.677/1993
Dispõe sobre o Fundo de Desenvolvimento Social, e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA cinco por cento em títulos de emissão da Caixa


Econômica Federal – CEF.
Faço saber que o Congresso Nacional decreta
e eu sanciono a seguinte lei: Art. 4o  O valor da cota do FDS será calculado e
divulgado, diariamente, pela Caixa Econômica
Art. 1o  O Fundo de Desenvolvimento Social Federal.
– FDS rege-se por esta Lei. Parágrafo único.  O FDS estará sujeito às
normas de escrituração expedidas pelo Conse-
Art. 2o  O FDS destina-se ao financiamento de lho Monetário Nacional e pelo Banco Central
projetos de investimento de interesse social nas do Brasil.
áreas de habitação popular, sendo permitido
o financiamento nas áreas de saneamento e Art. 5o  É criado o Conselho Curador do FDS,
infraestrutura, desde que vinculadas aos pro- composto por representação de trabalhadores,
gramas de habitação, bem como equipamentos empregadores e órgãos e entidades governa-
comunitários. mentais, na forma estabelecida pelo Poder
Parágrafo único.  O FDS tem por finalidade o Executivo.104
financiamento de projetos de iniciativa de pes- § 1o  A presidência do Conselho Curador
soas físicas e de empresas ou entidades do setor será exercida pelo representante da Secretaria
privado, vedada a concessão de financiamentos Especial de Desenvolvimento Urbano da Pre-
a projetos de órgãos da administração direta, sidência da República.
autárquica ou fundacional da União, dos Esta- § 2o  Cabe aos titulares dos órgãos e das
dos, do Distrito Federal ou dos Municípios ou entidades governamentais a indicação de seus
entidades sob seu controle direto ou indireto. representantes e suplentes ao presidente do
Conselho Curador, que os designará.
Art. 3o  Constituem recursos do FDS: § 3o  Os representantes dos trabalhadores e
I – os provenientes da aquisição compulsória empregadores e seus suplentes serão escolhi-
de cotas de sua emissão pelos fundos de apli- dos, respectivamente, pelas centrais sindicais
cação financeira, na forma da regulamentação e confederações nacionais e designados pelo
expedida pelo Banco Central do Brasil; presidente do Conselho Curador, tendo man-
II – os provenientes da aquisição voluntária dato de dois anos.
de cotas de sua emissão por pessoas físicas e § 4o  O Conselho Curador reunir-se-á, ordi-
jurídicas; nariamente, a cada mês, por convocação de seu
Desenvolvimento e inclusão social

III – o resultado de suas aplicações; presidente. Esgotado esse período, não tendo
IV – outros que lhe venham a ser atribuídos. ocorrido convocação, qualquer de seus mem-
Parágrafo único.  O total dos recursos do bros poderá fazê-la, no prazo de 15 (quinze)
FDS deverá estar representado por: dias. Havendo necessidade, qualquer membro
a)  cinquenta por cento, no mínimo, e no- poderá convocar reunião extraordinária, na
venta por cento, no máximo, em financiamen- forma que vier a ser regulamentada pelo Con-
tos dos projetos referidos no art. 2o; selho Curador.
b)  dez por cento em reserva de liquidez,
sendo cinco por cento em títulos públicos e   Medida Provisória no 2.216-37/2001.
104

106
§ 5o  As decisões do Conselho serão toma- Depósitos em Caderneta de Poupança menos
das com a presença, no mínimo, de 7 (sete) doze por cento ao ano ou superior a esse per-
de seus membros, tendo o Presidente voto de centual mais doze por cento ao ano;
qualidade. c)  taxa de risco de crédito da Caixa Econô-
§ 6o  As despesas porventura exigidas para mica Federal, respectiva taxa de remuneração
o comparecimento às reuniões do Conselho e condições de exigibilidade;
constituirão ônus das respectivas entidades d)  condições de garantia e de desembolso
representadas. do financiamento, bem assim da contrapartida
§ 7o  As ausências ao trabalho dos represen- do proponente;
tantes dos trabalhadores no Conselho Curador, e)  subsídio nas operações efetuadas com os
decorrentes das atividades desse órgão, serão recursos do FDS, desde que temporário, pessoal
abonadas, computando-se como jornada e intransferível;
efetivamente trabalhada para todos os fins e IV – dispor sobre a aplicação dos recursos
efeitos legais. de que trata o art. 3o, parágrafo único, alínea
§ 8o  Aos membros do Conselho Curador, “a”, enquanto não destinados ao financiamento
enquanto representantes dos trabalhadores, de projetos;
efetivos e suplentes, é assegurada a estabilida- V – definir a taxa de administração a ser per-
de no emprego, da nomeação até 1 (um) ano cebida pelo agente operador dos recursos do FDS;
após o término do mandato de representação, VI – definir os demais encargos que poderão
somente podendo ser demitidos por motivo de ser debitados ao FDS pelo agente operador e,
falta grave, regularmente comprovada através quando for o caso, aos tomadores de finan-
de processo administrativo. ciamento, bem assim os de responsabilidade
do agente;
Art. 6o  Compete ao Conselho Curador do VII – aprovar, anualmente, o orçamento pro-
FDS: posto pelo agente operador e suas alterações;
I – definir as diretrizes a serem observadas VIII – aprovar os balancetes mensais e os
na concessão de empréstimos, financiamentos balanços anuais do FDS, devendo ser estes
e respectivos retornos, atendidos os seguintes últimos acompanhados de parecer de auditor
aspectos básicos: independente;
a)  conformidade com as políticas setoriais IX – aprovar os programas de aplicação do
implementadas pelo Governo Federal; FDS;
b)  prioridades e condições setoriais e re- X – autorizar, em caso de relevante interesse
gionais; social, a formalização de operações financeiras
c)  interesse social do projeto; especiais, quanto a prazos, carência, taxas de
d)  comprovação da viabilidade técnica e juros, mutuário, garantias e outras condições,
econômico-financeira do projeto; com a Caixa Econômica Federal, para aten-
e)  critérios para distribuição dos recursos der compromissos do Fundo de Garantia do
do FDS; Tempo de Serviço, sendo vedada a alteração
II – estabelecer limites para a concessão da destinação referida no art. 2o e respeitada a
de empréstimos e financiamentos, bem como competência do Banco Central do Brasil;
plano de subsídios na forma desta Lei; XI – acompanhar e controlar os empréstimos
III – estabelecer, em função da natureza e e financiamentos concedidos com recursos do
finalidade dos projetos: FDS;
a)  o percentual máximo de financiamento XII – apreciar recursos encaminhados pelo
Normas correlatas

pelo FDS, vedada a concessão de financiamento órgão gestor ou pelo agente operador referentes
integral; a operações não aprovadas ou não eleitas pelas
b)  taxa de financiamento, que não poderá respectivas entidades, observada a viabilidade
ser inferior ao percentual de Atualização dos técnica, jurídica e econômico-financeira;

107
XIII – adotar providências cabíveis para a VI – subsidiar o Conselho Curador com pa-
apuração e correção de atos e fatos que pre- râmetros técnicos para a definição do conjunto
judiquem o cumprimento das finalidades do de diretrizes;
FDS ou que representem infração das normas VII – cumprir e fazer cumprir a legislação e
estabelecidas; deliberações do Conselho Curador, informan-
XIV – divulgar, no Diário Oficial da União, do-o de todas as denúncias de irregularidades
todas as decisões proferidas pelo conselho, que tomar conhecimento.
bem como as contas do FDS e os respectivos
pareceres emitidos; Art. 9o  À Caixa Econômica Federal, na quali-
XV – definir a periodicidade e conteúdo dos dade de agente operador dos recursos do FDS,
relatórios gerenciais a serem fornecidos pelo compete:
órgão gestor e agente operador; I – praticar todos os atos necessários à ope-
XVI – aprovar seu regimento interno; ração do FDS, de acordo com as diretrizes, pro-
XVII – deliberar sobre outros assuntos de gramas e normas estabelecidos pelo Conselho
interesse do FDS. Curador e pelo órgão gestor do FDS;
II – realizar, quando for o caso, o credencia-
Art. 7o  O Conselho Curador disporá de uma mento dos agentes promotores e financeiros,
Secretaria-Executiva, subordinada diretamente em conformidade com o disposto na legislação
ao seu presidente, cabendo à Secretaria Especial em vigor e demais diretrizes e critérios emana-
de Desenvolvimento Urbano proporcionar os dos do Conselho Curador e regulamentados
meios necessários ao exercício de suas fun- pelo órgão gestor;
ções.105 III – adquirir, alienar, bem assim exercer
Parágrafo único.  É o Poder Executivo os direitos inerentes aos títulos integrantes
autorizado a requisitar servidores da Caixa da carteira do FDS, praticando todos os atos
Econômica Federal, mantidos os seus direitos necessários à administração da carteira;
e vantagens, na forma do seu Estatuto. IV – analisar, emitir parecer a respeito dos
projetos apresentados e aprová-los, enviando
Art. 8o  À Secretaria Especial de Desenvolvi- todos os pareceres ao órgão gestor, inclusive
mento Urbano, na qualidade de órgão gestor os não aprovados;
do FDS, compete:106 V – contratar as operações, respeitados os
I – praticar todos os atos necessários à gestão limites estabelecidos na forma do art. 6o;
do FDS, de acordo com as diretrizes estabele- VI – acompanhar, fiscalizar e controlar
cidas pelo Conselho Curador; os empréstimos e financiamentos, buscando
II – propor ao Conselho Curador critérios assegurar o cumprimento dos memoriais
e programas para a aplicação dos recursos do descritivos e cronogramas aprovados e con-
FDS; tratados;
III – regulamentar, quando for o caso, as VII – elaborar os balancetes mensais e os
deliberações emanadas do Conselho Curador; balanços anuais do FDS, submetendo-os à
IV – regulamentar os procedimentos disci- aprovação do Conselho Curador; os balanços
Desenvolvimento e inclusão social

plinadores do credenciamento, da atuação, da anuais serão acompanhados de parecer de


fiscalização e da avaliação das entidades que auditor independente;
atuem no âmbito do FDS; VIII – cumprir as atribuições fixadas pelo
V – autorizar a contratação dos projetos Conselho Curador.
a serem financiados com recursos do FDS,
aprovados pelo agente operador, atendidos os Art. 10.  Os recursos do FDS somente serão
critérios estabelecidos pelo Conselho Curador; emprestados aos tomadores que estiverem
regulares com seus compromissos perante a
  Medida Provisória no 2.216-37/2001.
105
Previdência Social e o Fundo de Garantia do
  Medida Provisória no 2.216-37/2001.
106
Tempo de Serviço.
108
Art. 11.  Em caso de descumprimento desta Art. 13.  É ratificada a operação de empréstimo
Lei, o Conselho Curador do FDS poderá aplicar concedido pelo Fundo de Desenvolvimento
aos agentes promotores, ao agente operador e Social – FDS ao Fundo de Garantia do Tempo
aos agentes financeiros as seguintes sanções: de Serviço – FGTS, nos termos do Decreto
I – advertência escrita, com recomendações; no 640, de 26 de agosto de 1992.
II – suspensão temporária da remuneração;
III – suspensão definitiva do credenciamen- Art. 14.  O Poder Executivo regulamentará
to, quando se tratar dos agentes promotores e esta Lei no prazo máximo de 60 (sessenta) dias
agentes financeiros. a contar da data de sua promulgação.
Parágrafo único.  As sanções a que se refere
este artigo serão aplicadas sem prejuízo das Art. 15.  Esta Lei entra em vigor na data de
outras penalidades previstas em leis específicas. sua publicação.

Art. 12.  Na eventualidade de extinção de Art. 16.  Revogam-se as disposições em con-


Fundo de Aplicação Financeira ou do Fundo trário.
de Desenvolvimento Social – FDS, as cotas
deste último serão resgatadas na medida em Brasília, 13 de julho de 1993; 172o da Indepen-
que forem realizados seus ativos. dência e 105o da República.
Parágrafo único.  No prazo de sessenta dias, a
partir da publicação desta Lei, o Banco Central ITAMAR FRANCO – Jutahy Magalhães Júnior
do Brasil regulamentará o provisionamento, de
valor suficiente para a cobertura de eventual de- Promulgada em 13/7/1993 e publicada no DOU de
ságio das cotas do FDS, de forma a possibilitar a 14/7/1993.
sua venda no mercado secundário, garantindo
aos investidores do Fundo de Aplicação Finan-
ceira a plena liquidez de seus valores aplicados.

Normas correlatas

109
Lei no 10.219/2001
Cria o Programa Nacional de Renda Mínima vinculada à educação – “Bolsa Escola”, e dá outras
providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA associados a ações socioeducativas, que preen-


cham, cumulativamente, os seguintes requisitos:
Faço saber que o Congresso Nacional decreta I – sejam instituídos por lei municipal,
e eu sanciono a seguinte Lei: compatível com o termo de adesão referido no
inciso I do art. 5o;
Art. 1o  Fica criado, nos termos desta Lei, o II – tenham como beneficiárias as famílias
Programa Nacional de Renda Mínima vincu- residentes no Município, com renda familiar
lada à educação – “Bolsa Escola”. per capita inferior ao valor fixado nacionalmen-
§ 1o  O programa criado nos termos do te em ato do Poder Executivo para cada exer-
caput deste artigo constitui o instrumento de cício e que possuam sob sua responsabilidade
participação financeira da União em programas crianças com idade entre seis e quinze anos,
municipais de garantia de renda mínima asso- matriculadas em estabelecimentos de ensino
ciados a ações socioeducativas, sem prejuízo da fundamental regular, com frequência escolar
diversidade dos programas municipais. igual ou superior a oitenta e cinco por cento;
§ 2o  Para os fins desta Lei, o Distrito Federal III – incluam iniciativas que, diretamente ou
equipara-se à condição de Município. em parceria com instituições da comunidade, in-
§ 3o  Os procedimentos de competência centivem e viabilizem a permanência das crianças
da União serão organizados no âmbito do beneficiárias na rede escolar, por meio de ações
Ministério da Educação, o qual poderá contar socioeducativas de apoio aos trabalhos escolares,
com a colaboração técnica de outros órgãos da de alimentação e de práticas desportivas e cul-
Administração Pública Federal, em condições a turais em horário complementar ao das aulas; e
serem estabelecidas em regulamento. IV – submetam-se ao acompanhamento de
§ 4o  Caberá à Caixa Econômica Federal, um conselho de controle social, designado ou
na qualidade de agente operador, mediante constituído para tal finalidade, composto por
remuneração e condições a serem pactuadas representantes do poder público e da sociedade
com o Ministério da Educação, obedecidas as civil, observado o disposto no art. 8o.
formalidades legais: § 1o  Para os fins do inciso II, considera-se:
I – o fornecimento da infraestrutura neces- I – para enquadramento na faixa etária, a
sária à organização e manutenção do cadastro idade da criança, em número de anos comple-
nacional de beneficiários; tados até o primeiro dia do ano no qual se dará
II – o desenvolvimento dos sistemas de a participação financeira da União; e
Desenvolvimento e inclusão social

processamento de dados; II – para determinação da renda familiar per


III – a organização e operação da logística capita, a média dos rendimentos brutos aufe-
de pagamento dos benefícios; e ridos pela totalidade dos membros da família,
IV – a elaboração dos relatórios necessários excluídos apenas os provenientes do programa
ao acompanhamento, à avaliação e à auditoria de que trata esta Lei.
da execução do programa por parte do Minis- § 2o  Somente poderão firmar o termo de
tério da Educação. adesão ao programa instituído por esta Lei os
Municípios que comprovem o cumprimento do
Art. 2o  A partir do exercício de 2001, a União disposto no inciso V do art. 11 da Lei no 9.394,
apoiará programas de garantia de renda mínima de 20 de dezembro de 1996.
110
Art. 3o  Fica o Ministério da Educação au- III – as normas de organização, funcio-
torizado a celebrar convênios de cooperação namento, acompanhamento e avaliação do
com os Estados, dispondo sobre a participação programa no âmbito federal.
destes nos programas de que trata esta Lei, § 1o  Os cadastros referidos no inciso II,
inclusive no seu acompanhamento, avaliação bem assim a documentação comprobatória
e auditoria. das informações deles constantes, serão
mantidos pelos Municípios pelo prazo de dez
Art. 4o  A participação da União nos progra- anos, contado do encerramento do exercício
mas de que trata o caput do art. 2o compreende- em que ocorrer o pagamento da participação
rá o pagamento, diretamente à família benefici- financeira da União, e estarão sujeitos, a qual-
ária, do valor mensal de R$ 15,00 (quinze reais) quer tempo, a vistoria do respectivo conselho
por criança que atenda ao disposto no inciso de controle social, bem assim a auditoria a
II daquele artigo, até o limite máximo de três ser efetuada por agente ou representante do
crianças por família. Ministério da Educação, devidamente cre-
§ 1 o  Para efeito desta Lei, considera-se denciado.
família a unidade nuclear, eventualmente § 2o  A auditoria referida no parágrafo ante-
ampliada por outros indivíduos que com ela rior poderá incluir a convocação pessoal de be-
possuam laços de parentesco, que forme um neficiários da participação financeira da União,
grupo doméstico, vivendo sob o mesmo teto e ficando estes obrigados ao comparecimento e à
mantendo sua economia pela contribuição de apresentação da documentação solicitada, sob
seus membros. pena de sua exclusão do programa.
§ 2o  O pagamento de que trata o caput deste § 3o  O Ministério da Educação realizará
artigo será feito à mãe das crianças que servi- periodicamente a compatibilização entre os
rem de base para o cálculo do benefício, ou, na cadastros de que trata este artigo e as demais
sua ausência ou impedimento, ao respectivo informações disponíveis sobre os indicadores
responsável legal. econômicos e sociais dos Municípios.
§ 3o  O Poder Executivo poderá reajustar § 4o  Na hipótese de apuração de divergência
os valores fixados no caput deste artigo, bem no processo de que trata o parágrafo anterior,
assim o valor limite de renda familiar per capita com excesso de famílias beneficiárias, caberá
referido no inciso II do art. 2o para o exercício ao Ministério da Educação:
subsequente, desde que os recursos para tanto I – excluir as famílias consideradas exceden-
necessários constem explicitamente da lei orça- tes, em ordem decrescente de renda familiar
mentária anual, observado, também, o disposto per capita, no caso de divergência inferior a
no § 6o do art. 5o. cinco por cento da base calculada a partir dos
§ 4o  Na hipótese de pagamento mediante indicadores disponíveis; e
operação sujeita à incidência da contribuição II – restituir o cadastro ao Município, para
instituída pela Lei no 9.311, de 24 de outubro adequação, nos demais casos.
de 1996, o benefício será acrescido do valor § 5o  Em qualquer hipótese, o pagamento da
correspondente àquela contribuição. participação financeira da União no programa
será devido a partir do mês subsequente ao da
Art. 5o  O Poder Executivo publicará o regu- homologação do cadastro por parte do Minis-
lamento do programa instituído pelo art. 1o, o tério da Educação.
qual compreenderá: § 6o  A partir do exercício de 2002, a inclusão
I – o termo de adesão do Município, bem de novos beneficiários no programa de que trata
Normas correlatas

como as condições para sua homologação pelo o art. 1o será:


Ministério da Educação; I – condicionada à compatibilidade entre
II – as normas de organização e manutenção a projeção de custo do programa e a lei orça-
do cadastro de famílias beneficiárias por parte mentária anual nos meses de janeiro a junho;
dos Municípios aderentes; e II – suspensa nos meses de julho e agosto; e
111
III – condicionada à compatibilidade simul- III – estimular a participação comunitária no
tânea entre as projeções de custo do programa controle da execução do programa no âmbito
para os exercícios em curso e seguinte, a lei municipal;
orçamentária do ano em curso e a proposta IV – elaborar, aprovar e modificar o seu
orçamentária para o exercício seguinte nos regimento interno; e
meses de setembro a dezembro. V – exercer outras atribuições estabelecidas
em normas complementares.
Art. 6o  Serão excluídas do cálculo do benefício
pago pela União as crianças: Art. 9o  A autoridade responsável pela orga-
I – que deixarem a faixa etária definida no nização e manutenção dos cadastros referidos
inciso II do art. 2o; no §  1o do art.  5o que inserir ou fizer inserir
II – cuja frequência escolar situe-se abaixo documentos ou declaração falsa ou diversa da
de oitenta e cinco por cento; que deveria ser inscrita, com o fim de alterar
III – pertencentes a famílias residentes em a verdade sobre o fato, bem assim contribuir
Município que descumprir os compromissos para a entrega da participação financeira da
constantes do termo de adesão de que trata o União a pessoa diversa do beneficiário final,
inciso I do art. 5o, bem assim as demais dispo- será responsabilizada civil, penal e adminis-
sições desta Lei. trativamente.
§ 1o  Na hipótese da ocorrência da situação § 1o  Sem prejuízo da sanção penal, o bene-
referida no inciso III, o Ministério da Educa- ficiário que gozar ilicitamente do auxílio será
ção fará publicar no Diário Oficial da União obrigado a efetuar o ressarcimento da impor-
o extrato do relatório de exclusão, bem assim tância recebida, em prazo a ser estabelecido
encaminhará cópias integrais desse relatório pelo Poder Executivo, acrescida de juros equi-
ao conselho de que trata o inciso IV do art. 2o, valentes à taxa referencial do Sistema Especial
ao Poder Legislativo municipal e aos demais de Liquidação e Custódia – SELIC para títulos
agentes públicos do Município afetado. federais, acumulada mensalmente, calculados
§ 2o  Ao Município que incorrer na situação a partir da data do recebimento, e de um por
referida no inciso III somente será permitida cento relativamente ao mês em que estiver
nova habilitação à participação financeira da sendo efetuado.
União nos termos desta Lei quando compro- § 2o  Ao servidor público ou agente de enti-
vadamente sanadas todas as irregularidades dade conveniada ou contratada que concorra
praticadas. para ilícito previsto neste artigo, inserindo ou
fazendo inserir declaração falsa em documento
Art. 7o  É vedada a inclusão nos programas que deva produzir efeito perante o programa,
referidos nesta Lei, por parte dos Municípios, aplica-se, nas condições a serem estabelecidas
de famílias beneficiadas pelo Programa de em regulamento e sem prejuízo das sanções
Erradicação do Trabalho Infantil, enquanto penais e administrativas cabíveis, multa nunca
permanecerem naquela condição. inferior ao dobro dos rendimentos ilegalmente
pagos, atualizada, anualmente, até seu paga-
Desenvolvimento e inclusão social

Art. 8o  O conselho referido no inciso IV do mento, pela variação acumulada do Índice


art. 2o terá em sua composição cinquenta por de Preços ao Consumidor Amplo – IPCA,
cento, no mínimo, de membros não vinculados divulgado pela Fundação Instituto Brasileiro
à administração municipal, competindo-lhe: de Geografia e Estatística.
I – acompanhar e avaliar a execução do pro-
grama de que trata o art. 2o no âmbito municipal; Art. 10.  Constituirão créditos da União junto
II – aprovar a relação de famílias cadastra- ao Município as importâncias que, por ação ou
das pelo Poder Executivo municipal para a omissão dos responsáveis pelo programa no
percepção dos benefícios do programa de que âmbito municipal forem indevidamente pagas
trata o art. 2o; a título de participação financeira da União nos
112
programas de que trata esta Lei, sem prejuízo mentárias constantes da Lei no 10.171, de 5 de
do disposto no artigo anterior. janeiro de 2001, destinadas às ações referidas
§ 1o  Os créditos referidos no caput serão no § 1o do art. 1o desta Lei.
lançados na forma do regulamento, e exigíveis Parágrafo único.  No presente exercício, as
a partir da data de ocorrência do pagamento despesas administrativas para execução do
indevido que lhe der origem. disposto no art. 1o correrão à conta das dotações
§ 2o  A satisfação dos créditos referidos no orçamentárias referidas neste artigo.
caput é condição necessária para que o Distrito
Federal e os Municípios possam receber as Art. 14.  A participação da União em progra-
transferências dos recursos do Fundo de Par- mas municipais de garantia de renda mínima
ticipação dos Estados e do Distrito Federal e do associados a ações socioeducativas previstos na
Fundo de Participação dos Municípios, celebrar Lei no 9.533, de 1997, passa a obedecer, exclu-
acordos, contratos, convênios ou ajustes, bem sivamente, ao disposto nesta Lei.
como receber empréstimos, financiamentos,
avais e subvenções em geral de órgãos ou Art. 15.  A Lei no 9.649, de 27 de maio de 1998,
entidades da administração direta e indireta passa a vigorar com as seguintes alterações:
da União. “Art. 14.  Os assuntos que constituem área
de competência de cada Ministério são os
Art. 11.  Na análise para homologação dos ter- seguintes:
mos de adesão recebidos pelo órgão designado ���������������������������������������������������������������������������
para este fim, terão prioridade os firmados por VII – Ministério da Educação:
Municípios: ���������������������������������������������������������������������������
I – com os quais a União tenha celebrado, no g)  assistência financeira a famílias caren-
exercício de 2000, convênio nos termos da Lei tes para a escolarização de seus filhos ou
no 9.533, de 10 de dezembro de 1997; dependentes;
II – pertencentes aos catorze Estados de �������������������������������������������������������������������������”
menor Índice de Desenvolvimento Humano “Art.  16.  Integram a estrutura básica:
– IDH; ���������������������������������������������������������������������������
III – pertencentes a microrregiões com IDH VII – do Ministério da Educação o Conselho
igual ou inferior a 0,500; Nacional de Educação, o Instituto Benjamin
IV – com IDH igual ou inferior a 0,500 que Constant, o Instituto Nacional de Educação
não se enquadrem no inciso anterior; de Surdos e até seis Secretarias.
V – e demais Municípios. �������������������������������������������������������������������������”

Art. 12.  Para efeito do disposto no art.  212 Art. 16.  Ficam convalidados os atos praticados
da Constituição, não serão considerados des- com base na Medida Provisória no 2.140-01, de
pesas de manutenção e desenvolvimento do 14 de março de 2001.
ensino os recursos despendidos pela União
nos termos desta Lei, assim como os gastos Art. 17.  Esta Lei entra em vigor na data de
pelos Estados e Municípios na concessão de sua publicação.
benefícios pecuniários às famílias carentes,
em complementação do valor a que se refere Brasília, 11 de abril de 2001; 180o da Indepen-
o art. 4o. dência e 113o da República.
Normas correlatas

Art. 13.  Fica o Poder Executivo autorizado FERNANDO HENRIQUE CARDOSO – Pedro


a remanejar, da unidade orçamentária 26.298 Malan – Paulo Renato Souza – Martus Tavares
– Fundo Nacional de Desenvolvimento da
Educação para a unidade orçamentária 26.101 Promulgada em 11/4/2001 e publicada no DOU de
– Ministério da Educação, as dotações orça- 12/4/2001.
113
Lei no 10.458/2002
Institui o Programa Bolsa-Renda para atendimento a agricultores familiares atingidos pelos efeitos
da estiagem nos Municípios em estado de calamidade pública ou situação de emergência, e dá outras
providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA V – as formas de controle social do Pro-


grama.
Faço saber que o Congresso Nacional decreta
e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 3o  A operação do Programa Bolsa-Renda
fica condicionada à existência de disponibilida-
Art. 1o  Fica instituído o Programa Bolsa- de orçamentária.
-Renda, a ser custeado com recursos alocados
para ações emergenciais de defesa civil, para Art. 4o (Vetado)
atendimento dos agricultores familiares atin- § 1o (Vetado)
gidos pelos efeitos da estiagem nos Municípios § 2o  Fica o Tesouro Nacional autorizado
com reconhecimento de estado de calamidade a criar condições especiais de financiamento
pública ou de situação de emergência pelo Go- para os agricultores dos Municípios declarados
verno Federal, mediante portaria do Ministro em estado de calamidade pública ou atingidos
de Estado da Integração Nacional. pelo fenômeno da estiagem, visando assegurar
a recuperação de sua capacidade produtiva.
Art. 2o  Cabe ao Ministério da Integração
Nacional a gestão do Programa de que trata o Art. 5o  Esta Lei entra em vigor na data de sua
art. 1o, competindo-lhe definir: publicação.
I – os critérios para a determinação dos
beneficiários; Brasília, 14 de maio de 2002; 181o da Indepen-
II – os órgãos responsáveis pelo cadastra- dência e 114o da República.
mento da população no Programa;
III – o valor do benefício, que poderá ser de FERNANDO HENRIQUE CARDOSO – Pedro
até R$ 60,00 (sessenta reais) mensais; Malan – Mary Dayse Kinzo
IV – as exigências a serem cumpridas pelos
beneficiários; e Promulgada em 14/5/2002 e publicada no DOU de
15/5/2002.
Desenvolvimento e inclusão social

114
Lei no 10.689/2003
Cria o Programa Nacional de Acesso à Alimentação – PNAA.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA pelo Poder Público Estadual, nos termos de


regulamento; e
Faço saber que o Congresso Nacional decreta III – em âmbito local, por um dos Conselhos
e eu sanciono a seguinte Lei: Municipais da área social, em funcionamento,
ou por um Comitê Gestor Local – CGL, insta-
Art. 1o  Fica criado o Programa Nacional de lado pelo Poder Público Municipal, nos termos
Acesso à Alimentação – PNAA, vinculado às de regulamento.
ações dirigidas ao combate à fome e à promoção § 2o  Os benefícios do PNAA serão concedi-
da segurança alimentar e nutricional. dos, na forma desta Lei, para unidade familiar
§ 1o  Considera-se segurança alimentar e com renda mensal per capita inferior a meio
nutricional a garantia da pessoa humana ao salário mínimo.
acesso à alimentação todos os dias, em quan- § 3 o  Para efeito desta Lei, considera-se
tidade suficiente e com a qualidade necessária. família a unidade nuclear, eventualmente
§ 2o  Os benefícios financeiros decorrentes ampliada por outros indivíduos que com ela
do PNAA serão efetivados mediante cartão possuam laços de parentesco, que forme um
unificado, ou pelo acesso a alimentos em espé- grupo doméstico, vivendo sob o mesmo teto e
cie pelas famílias em situação de insegurança mantendo sua economia pela contribuição de
alimentar. seus membros.
§ 3o  O cartão unificado constitui instru- § 4o  O recebimento do benefício pela uni-
mento para recebimento de recursos finan- dade familiar não exclui a possibilidade de
ceiros do PNAA pelas famílias em situação de recebimento de outros benefícios de programas
insegurança alimentar, bem como para bene- governamentais de transferência de renda, nos
ficiários de outros programas de transferência termos de regulamento.
de renda. § 5o  Na determinação da renda familiar
per capita, será considerada a média dos ren-
Art. 2o  O Poder Executivo definirá: dimentos brutos auferidos pela totalidade dos
I – os critérios para concessão do benefício; membros da família, excluídos os rendimen-
II – a organização e os executores do cadas- tos provenientes deste Programa, do Bolsa-
tramento da população junto ao Programa; -Alimentação, e do Bolsa-Escola.
III – o valor do benefício por unidade fa- § 6o  No levantamento e na identificação
miliar; dos beneficiários a que se refere esta Lei, será
IV – o período de duração do benefício; e utilizado cadastro unificado para programas
V – a forma de controle social do Programa. sociais do Governo Federal.
§ 1o  O controle social do PNAA será feito:
I – em âmbito nacional, pelo Conselho Na- Art. 3o (Vetado)
cional de Segurança Alimentar e Nutricional
– CONSEA; Art. 4o  A concessão do benefício do PNAA
Normas correlatas

II – em âmbito estadual e no Distrito Fe- tem caráter temporário e não gera direito
deral, por um dos Conselhos Estaduais da adquirido.
área social, em funcionamento, ou por um
Conselho Estadual de Segurança Alimentar Art. 5o  As despesas com o Programa Nacional
e Nutricional – CONSEA Estadual, instalado de Acesso à Alimentação correrão à conta das
115
dotações orçamentárias consignadas na Lei Bolsa-Renda, previsto na Lei no 10.458, de 14
Orçamentária Anual, inclusive oriundas do de maio de 2002.
Fundo de Combate e Erradicação da Pobreza,
instituído pelo art. 79 do Ato das Disposições Art. 6o  Esta Lei entra em vigor na data de sua
Constitucionais Transitórias.107 publicação.
§ 1o  Na definição do valor do benefício pre-
visto no inciso III do art. 2o, o Poder Executivo Brasília, 13 de junho de 2003; 182o da Indepen-
deverá compatibilizar a quantidade de benefi- dência e 115o da República.
ciários às dotações orçamentárias existentes.
§ 2o  O valor do benefício previsto no inciso LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA – José
III do art.  2o poderá ser alterado pelo Poder Graziano da Silva
Executivo, a qualquer momento, observado o
disposto em regulamento. Promulgada em 13/6/2003 e publicada no DOU de
§ 3o  O PNAA atenderá, no mês de março 16/6/2003.
de 2003, aos atuais beneficiários do Programa
Desenvolvimento e inclusão social

  Lei no 10.836/2004.
107

116
Lei no 10.696/2003
Dispõe sobre a repactuação e o alongamento de dívidas oriundas de operações de crédito rural, e
dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA de adimplência de 90% (noventa por cento),


no caso de pagamento total de seus débitos até
Faço saber que o Congresso Nacional decreta 31 de maio de 2004.109
e eu sanciono a seguinte Lei:
Art. 3o  Os mutuários com prestações vencidas
Art. 1   Ficam autorizados a repactuação e o
o
a partir de 2001 poderão ser beneficiários da
alongamento de dívidas oriundas de opera- repactuação nas condições descritas nos incisos
ções de crédito rural contratadas ao abrigo do do art. 1o.
Programa Especial de Crédito para a Reforma
Agrária – Procera, cujos mutuários estejam Art. 4o  Os mutuários com obrigações vencidas
adimplentes com suas obrigações ou as regu- em anos anteriores a 2001 terão duas alterna-
larizem até 31 de maio de 2004, observadas as tivas para enquadramento nas disposições do
seguintes condições:108 art. 1o:
I – repactuação, pelo prazo de até dezoito I – repactuação do somatório das prestações
anos, tomando-se o saldo devedor atualiza- integrais vencidas, tomadas sem bônus e sem
do pelos encargos pactuados para situação encargos adicionais de inadimplemento; ou
de normalidade até a data da repactuação, II – pagamento das prestações integrais
incorporando-se os juros de que trata o inciso vencidas, tomadas sem encargos adicionais de
II, e calculando-se prestações anuais, iguais inadimplemento e aplicando-se o bônus de que
e sucessivas, vencendo a primeira em 30 de trata o inciso III do art. 1o sobre o montante
junho de 2006; em atraso.
II – a partir da data da repactuação, as ope-
rações ficarão sujeitas à taxa efetiva de juros Art. 5o  Fica autorizada a individualização
de um inteiro e quinze centésimos por cento das operações coletivas ou grupais ao amparo
ao ano; do PROCERA, inclusive as realizadas por
III – os mutuários farão jus, nas operações associações e cooperativas, para possibilitar o
repactuadas, a bônus de adimplência de setenta atendimento a cada mutuário isoladamente.
por cento sobre cada uma das parcelas, desde § 1o  Os mutuários integrantes de contratos
que o pagamento ocorra até a data aprazada; coletivos ou grupais, quando optarem pela
IV – os agentes financeiros terão até cento e operação individualizada de que trata o caput,
oitenta dias após a data em que for publicada poderão valer-se:
a regulamentação desta Lei para formalização I – da faculdade prevista no art. 1o, se estive-
do instrumento da repactuação; rem adimplentes com suas obrigações vencidas
V – os agentes financeiros terão até 31 de em anos anteriores a 2001;
maio de 2004 para formalização dos instru- II – de uma das alternativas constantes do
mentos de repactuação. art.  4o, se estiverem inadimplentes com suas
Normas correlatas

obrigações vencidas em anos anteriores a 2001.


Art. 2o  Os mutuários adimplentes que não § 2o  Aplica-se às operações individualizadas
optarem pela repactuação farão jus ao bônus o disposto nos arts. 2o, caput, e 3o, caput e § 1o,

  Lei no 10.823/2003.
108
  Lei no 10.823/2003.
109

117
da Lei no 10.186, de 12 de fevereiro de 2001, e II – informar, até 30 de setembro de 2004, à
mantém-se a garantia originalmente vinculada Secretaria de Agricultura Familiar do Ministé-
ao contrato coletivo ou grupal quando todos rio do Desenvolvimento Agrário e à Secretaria
os mutuários optarem pela individualização. do Tesouro Nacional do Ministério da Fazenda
§ 3o  Nos casos em que pelo menos um dos os montantes envolvidos nas repactuações e nas
mutuários integrantes de contrato coletivo ou liquidações de obrigações.
grupal não optar pela individualização:
I – o agente financeiro fica autorizado a Art. 7o  Fica autorizada a renegociação de
contratar operação de assunção de dívidas dívidas oriundas de operações de crédito rural
com cooperativa ou associação de cujo quadro contratadas por agricultores familiares, mini
social os mutuários participem, mantendo-se a e pequenos produtores e de suas cooperativas
garantia originalmente vinculada ao contrato e associações, no valor total originalmente
coletivo ou grupal, para fins de assegurar que financiado de até R$ 35.000,00 (trinta e cinco
o bem em garantia permaneça servindo às mil reais) em uma ou mais operações do mesmo
atividades rurais dos agricultores; ou beneficiário, cujos mutuários estejam adim-
II – fora da hipótese a que se refere o inciso plentes com suas obrigações ou as regularizem
I, havendo pelo menos um mutuário inadim- até 31 de maio de 2004, observadas as seguintes
plente que não optou pela individualização características e condições:111
até o encerramento do prazo fixado no caput I – nos financiamentos de custeio e investi-
do art. 1o para regularização das obrigações, o mento concedidos até 31 de dezembro de 1997,
agente financeiro iniciará, no dia útil seguinte, com recursos dos Fundos Constitucionais de
as providências relativas ao encaminhamento Financiamento do Norte, Nordeste e Centro-
do contrato para cobrança dos créditos penden- -Oeste, do Fundo de Amparo ao Trabalhador
tes e sua inscrição em Dívida Ativa da União, – FAT, no caso de operações classificadas como
observada a legislação em vigor. “PROGER Rural”, ou equalizados pelo Tesouro
§ 4o  Se houver execução da garantia vin- Nacional, no valor total originalmente contra-
culada ao contrato coletivo ou grupal, em tado de até R$  15.000,00 (quinze mil reais),
decorrência do que dispõe o §  3o, inciso II, para investimento, e até R$ 5.000,00 (cinco mil
eventual sobra de recursos, depois de liquidadas reais), para custeio, em uma ou mais operações
as obrigações dos mutuários que não optaram do mesmo beneficiário, que não foram rene-
pela individualização, será carreada à amor- gociados com base na Lei no  9.138, de 29 de
tização, proporcionalmente, das operações novembro de 1995, e pela Resolução no 2.765,
individualizadas na forma deste artigo. de 10 de agosto de 2000:
a)  rebate no saldo devedor das operações
Art. 6o  Cumpre aos agentes financeiros:110 de investimento equivalente a oito inteiros e
I – dar início às providências relativas ao oito décimos por cento, na data da repactuação;
encaminhamento dos contratos ao amparo do b)  bônus de adimplência de 30% (trinta
PROCERA para cobrança de créditos e sua por cento) sobre cada parcela da dívida paga
inscrição em Dívida Ativa da União, observada até a data do respectivo vencimento, no caso
Desenvolvimento e inclusão social

a legislação em vigor: das operações de custeio e investimento con-


a)  em 30 de setembro de 2004, no caso dos tratadas na região dos Fundos Constitucionais,
mutuários com obrigações vencidas em anos e de 20% (vinte por cento) nas operações de
anteriores a 2001 que não se valerem de uma custeio e investimentos nas demais regiões do
das alternativas previstas no art. 4o; País, sendo que, nas regiões do semiárido, Norte
b)  após cento e oitenta dias do vencimento do Espírito Santo e nos Municípios do Norte
de prestação não paga; e de Minas Gerais, do Vale do Jequitinhonha e
do Vale do Mucuri, compreendidos na área da

  Lei no 10.823/2003.
110
  Lei no 10.823/2003.
111

118
atuação da Agência de Desenvolvimento do 2. no caso das operações de investimento, o
Nordeste – Adene, o bônus será de 70% (setenta saldo devedor apurado na data da repactuação
por cento) para custeio e investimento; será prorrogado pelo prazo de 10 (dez) anos,
c)  aplicação de taxa efetiva de juros de três incluídos 2 (dois) anos de carência, a ser liqui-
por cento ao ano, a partir da data da repactua- dado em parcelas iguais, anuais e sucessivas,
ção nas operações de investimento, e de quatro sendo que as operações repactuadas de custeio
por cento ao ano nas de custeio; serão liquidadas em três parcelas anuais, iguais
d)  no caso das operações de investimento, e sucessivas, após 1 (um) ano de carência con-
o saldo devedor apurado na data da repactu- tado da data da repactuação;
ação será prorrogado pelo prazo de dez anos, 3. aplicação de taxa efetiva de juros de 3%
incluídos dois anos de carência, a ser liquidado a.a. (três por cento ao ano) a partir de 1o de
em parcelas iguais, anuais e sucessivas, sendo janeiro de 2002;
que as operações repactuadas de custeio serão 4. nas regiões do semiárido, Norte do Espí-
liquidadas em três parcelas anuais, iguais e rito Santo, e nos Municípios do Norte de Minas
sucessivas, após um ano de carência contado Gerais, do Vale do Jequitinhonha e do Vale do
da data da repactuação; Mucuri, compreendidos na área de atuação
e)  no caso de financiamentos com recursos da Agência de Desenvolvimento do Nordeste
dos mencionados Fundos Constitucionais, a – Adene, será concedido um bônus de adim-
adesão à repactuação dispensará contrapartida plência de 70% (setenta por cento) sobre cada
financeira por parte do mutuário, exigindo- parcela da dívida paga até a data do respectivo
-se, nos demais casos, o pagamento, no ato da vencimento;
formalização do instrumento de repactuação, b)  os mutuários que se encontravam em
do valor correspondente a dez por cento do inadimplência e não regularizaram seus débitos
somatório das prestações vencidas, tomadas até 28 de novembro de 2003 terão as seguintes
sem bônus e sem encargos adicionais de condições:
inadimplemento; 1. o saldo de todas as prestações vencidas
II – nos financiamentos de custeio e investi- e não pagas deverá ser corrigido até a data da
mento concedidos no período de 2 de janeiro de repactuação com base nos encargos original-
1998 a 30 de junho de 2000, ao abrigo do Progra- mente contratados, sem bônus e sem encargos
ma Nacional de Fortalecimento da Agricultura adicionais de inadimplemento;
Familiar – PRONAF; com recursos dos Fundos 2. para aderir à repactuação será dispensada
Constitucionais de Financiamento do Norte, contrapartida financeira por parte do mutuário
Nordeste e Centro-Oeste; do Fundo de Amparo nas regiões do semiárido, Norte do Espírito
ao Trabalhador – FAT, no caso de operações Santo, e nos Municípios do Norte de Minas
classificadas como “PROGER Rural”, ou equa- Gerais, do Vale do Jequitinhonha e do Vale do
lizados pelo Tesouro Nacional, no valor total Mucuri, compreendidos na área de atuação
originalmente contratado de até R$ 15.000,00 da Agência de Desenvolvimento do Nordeste
(quinze mil reais), para investimento, e até R$ – Adene;
5.000,00 (cinco mil reais) para custeio, em uma 3. para aderir à repactuação nas demais
ou mais operações do mesmo beneficiário: regiões do País será exigido o pagamento do
a)  os mutuários que estavam adimplentes valor correspondente a 5% (cinco por cento)
em 3 de julho de 2003 ou que regularizaram do somatório das prestações vencidas apura-
seus débitos até 28 de novembro de 2003 terão das na forma do item 1 da alínea “b” quando
as seguintes condições: os financiamentos forem realizados com os
Normas correlatas

1. rebate de 8,8% (oito inteiros e oito décimos recursos dos Fundos Constitucionais, ou con-
por cento) no saldo devedor das operações de vertidos para esta fonte com base no § 3o deste
investimento, na posição de 1o de janeiro de artigo, e de 10% (dez por cento) do somatório
2002, desde que se trate de operação contratada das parcelas vencidas quando se tratar de con-
com encargos pós-fixados; tratos financiados exclusivamente por outras
119
fontes, no ato da formalização do instrumento a)  aplica-se o disposto no inciso I ou II,
de repactuação; conforme a data da formalização da operação
4. sobre o saldo das parcelas vencido, apu- original, para a parcela do saldo devedor, ou
rado após o pagamento previsto nos itens 2 da prestação, que corresponda ao limite de
e 3 da alínea “b”, será concedido na data da R$  15.000,00 (quinze mil reais) na data do
repactuação um rebate de 8,2% (oito inteiros e contrato original;
dois décimos por cento), desde que contratadas b)  para a parcela do saldo devedor, ou da
com encargos pós-fixados, sendo aplicada taxa prestação, que diz respeito ao crédito original
efetiva de juros de 3% a.a. (três por cento ao excedente ao limite de R$  15.000,00 (quinze
ano) a partir da data de renegociação; mil reais), mantêm-se os encargos contratuais
5. na parcela do saldo devedor vincendo das vigentes para situação de normalidade.
operações de investimento será concedido na § 1o  No caso de operações referenciadas no
posição de 1o de janeiro de 2002 um rebate de caput deste artigo formalizadas com coopera-
8,8% (oito inteiros e oito décimos por cento) no tiva ou associação de produtores, considerar-
saldo devedor, desde que se trate de operação -se-á:
contratada com encargos pós-fixados, passando I – cada cédula-filha ou instrumento de
a ter uma taxa efetiva de juros de 3% a.a. (três crédito individual originalmente firmado por
por cento ao ano) a partir desta data; beneficiário final do crédito;
6. o saldo devedor total apurado nas formas II – como limite individual, no caso de
dos itens 4 e 5 da alínea “b” das operações de operação que não envolveu repasse de recursos
investimento será consolidado na data da re- a cooperados ou associados, o resultado da
pactuação e prorrogado pelo prazo de 10 (dez) divisão do valor originalmente financiado pelo
anos, incluídos 2 (dois) anos de carência, a ser número total de cooperados ou associados da
liquidado em parcelas iguais, anuais e sucessi- entidade que se enquadrarem como agricul-
vas, após 1 (um) ano de carência contado da tores familiares, respeitado o mesmo teto de
data da repactuação; R$  35.000,00 (trinta e cinco mil reais) para
7. nas regiões do semiárido, Norte do Es- enquadramento.
pírito Santo, e nos Municípios do Norte de § 2o  Na hipótese de liquidação antecipada e
Minas Gerais, no Vale do Jequitinhonha e no total do saldo devedor das operações a que se
Vale do Mucuri, compreendidos na área de refere o caput deste artigo até 31 de dezembro
atuação da Agência de Desenvolvimento do de 2006, aplicar-se-á bônus adicional de dez
Nordeste – Adene, os mutuários que vierem por cento sobre o montante devido.
a adimplir-se nessas condições farão jus a um § 3o  Para efeito do disposto nos incisos II e
bônus de adimplência de 40% (quarenta por III do caput deste artigo, ficam os gestores dos
cento) sobre cada parcela da dívida para até a Fundos Constitucionais autorizados a reclassi-
data do respectivo vencimento; ficar as operações realizadas simultaneamente
c)  aplicação de taxa efetiva de juros de três com recursos do FAT e de um dos Fundos
por cento ao ano a partir de 1o de janeiro de Constitucionais para a carteira do respectivo
2002, com as condições diferenciadas para o Fundo, bem como, nesse caso, a assumir o ônus
Desenvolvimento e inclusão social

semiárido previstas na alínea “b” do inciso I; decorrente das disposições deste artigo.
III – nos financiamentos de investimento § 4o  Aplicam-se as condições previstas no
concedidos nos períodos referenciados nos inciso I, do caput deste artigo, aos mutuários
incisos I e II, ao amparo de recursos dos Fundos que tenham renegociado as suas dívidas com
Constitucionais de Financiamento do Norte, base em legislações posteriores à Resolução
Nordeste e Centro-Oeste, com valor total ori- no 2.765, de 10 de agosto de 2000, exclusiva-
ginalmente contratado acima de R$ 15.000,00 mente nas áreas de abrangência dos Fundos
(quinze mil reais) e até R$ 35.000,00 (trinta Constitucionais, não sendo cumulativos os
e cinco mil reais), observadas as seguintes benefícios previstos nesta Lei com os anterior-
condições: mente repactuados.
120
§ 5o  Para os financiamentos de que tratam 2. o saldo de todas as prestações vencidas
os incisos I e II, realizados na região Nordeste, e não pagas deverá ser corrigido até a data da
no Norte do Espírito Santo e nos Municípios repactuação com base nos encargos original-
do Norte de Minas Gerais, no Vale do Jequiti- mente contratados, sem bônus e sem encargos
nhonha e no Vale do Mucuri, compreendidos adicionais de inadimplemento, quando passam
na área de atuação da Agência de Desenvolvi- a ter uma taxa efetiva de juros de 3% a.a. (três
mento do Nordeste – Adene, e lastreados com por cento ao ano);
recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador 3. na parcela do saldo devedor vincendo das
– FAT em operações com recursos mistos desse operações de investimento será aplicada uma
Fundo e do Fundo Constitucional de Financia- taxa efetiva de juros de 3% a.a. (três por cento
mento do Nordeste, ou realizadas somente com ao ano) a partir de 1o de janeiro de 2002;
recursos do FAT sem equalização, nessa região, 4. os mutuários que vierem a adimplir-se
cujo valor total originalmente contratado não nessas condições farão jus a bônus de adim-
exceda a R$ 35.000,00 (trinta e cinco mil reais), plência de 20% (vinte por cento) sobre cada
prevalecem as seguintes disposições: prestação ou parcela da dívida paga até a data
I – aplicam-se os benefícios de que tratam os do respectivo vencimento.
incisos I ou II, conforme a data da formalização
da operação original, para a parcela do saldo Art. 8o  Fica autorizada, para os financiamen-
devedor, ou da prestação, que corresponda ao tos até o valor de R$ 15.000,00 (quinze mil reais)
limite de R$ 15.000,00 (quinze mil reais); concedidos aos produtores rurais que sejam
II – a parcela do saldo devedor, apurado na lastreados por recursos de outras fontes que não
data de repactuação, que diz respeito ao crédito os Fundos Constitucionais de Financiamento
original excedente ao limite de R$  15.000,00 do Norte, Nordeste e Centro-Oeste, no caso de
(quinze mil reais), na região do semiárido, frustração de safra por fenômenos climáticos
incluído o Norte do Espírito Santo, e nos Mu- em municípios decretados em situação de
nicípios do Norte de Minas Gerais, no Vale emergência ou estado de calamidade pública,
do Jequitinhonha e no Vale do Mucuri, com- com reconhecimento do Governo Federal,
preendidos na área de atuação da Agência de a conversão das operações para o âmbito do
Desenvolvimento do Nordeste – Adene, poderá Fundo Constitucional respectivo, mantendo-
ser prorrogada pelo prazo de 10 (dez) anos, -se integralmente as condições financeiras do
incluídos 2 (dois) anos de carência, observado PRONAF, nos casos de agricultores familiares,
o seguinte: mini e pequenos produtores e, para os demais
a)  os mutuários que estavam adimplentes casos, as condições previstas no art.  1o da
em 3 de julho de 2003 ou que regularizaram Lei no 10.177, de 12 de janeiro de 2001, com
seus débitos até 28 de novembro de 2003 terão absorção dos respectivos ônus pelo Fundo
as seguintes condições: Constitucional.
1. farão jus a bônus de adimplência de 50%
(cinquenta por cento) sobre a prestação ou Art. 9o (Revogado)112
parcela liquidada na data do vencimento; Parágrafo único. (Revogado)
2. aplicação de taxa efetiva de juros de 3%
a.a. (três por cento ao ano) a partir de 1o de Art. 10.  Ficam os gestores dos Fundos Cons-
janeiro de 2002; titucionais de Financiamento do Norte, Nor-
b)  os mutuários que se encontravam em deste e Centro-Oeste autorizados a conceder
inadimplência e não regularizaram seus débitos bônus de adimplência sobre cada parcela da
Normas correlatas

até 28 de novembro de 2003 terão as seguintes dívida paga até o vencimento, nas proporções
condições: e condições a seguir explicitadas, no caso de
1. para aderir à repactuação será dispen-
sada contrapartida financeira por parte do   Lei n o   13.001/2014 e Medida Provisória
112

mutuário; no 636/2013.
121
operações de crédito ao setor rural ao amparo Art. 12.  Para efeito do disposto no art. 2o da
de recursos desses Fundos, cujos mutuários Lei no 10.437, de 25 de abril de 2002, admite-se
estejam adimplentes com suas obrigações ou que a regularização das parcelas em atraso até
as regularizem até noventa dias após a data em 28 de fevereiro de 2003, exclusivamente das
que for publicada a regulamentação desta Lei: operações adquiridas pela União sob a égide
I – operações de valor originalmente finan- da Medida Provisória no  2.196-3, de 24 de
ciado de até R$ 200.000,00 (duzentos mil reais): agosto de 2001, ocorra mediante a contratação
a)  nas dívidas contraídas até 31 de dezem- de nova operação realizada pelo mutuário, até
bro de 1994: trinta e cinco por cento; noventa dias após a regulamentação desta Lei,
b)  nas dívidas contraídas no ano de 1995: observadas as seguintes condições:
vinte e cinco por cento; I – pagamento, em espécie, de dez por cento
c)  nas dívidas contraídas no ano de 1996: do saldo devedor em atraso;
dezenove por cento; II – refinanciamento em treze anos do saldo
d)  nas dívidas contraídas no ano de 1997: devedor remanescente, mediante repactuação
dezessete por cento; vinculada à aquisição de Títulos Públicos Fe-
e)  nas dívidas contraídas no ano de 1998: derais equivalentes a vinte inteiros e sessenta
catorze por cento; e dois centésimos por cento desse saldo rema-
II – operações de valor originalmente fi- nescente, a serem dados em garantia ao credor.
nanciado acima de R$  200.000,00 (duzentos Parágrafo único.  Para as operações refi-
mil reais): nanciadas nos termos do inciso II deste artigo,
a)  para a fração de cada parcela que cor- aplicam-se os benefícios previstos nos incisos
responda ao crédito original de R$ 200.000,00 I e II, do art. 2o da Lei no 10.437, de 25 de abril
(duzentos mil reais) aplica-se o disposto nas de 2002, sobre as parcelas de juros pagas até o
alíneas do inciso I; vencimento.
b)  para a fração da parcela que diz respei-
to ao crédito original excedente ao limite de Art. 13.  O inciso I do art. 2o da Lei no 10.437,
R$ 200.000,00 (duzentos mil reais) são man- de 25 de abril de 2002, passa a vigorar com a
tidos os encargos financeiros pactuados sem seguinte redação:
aplicação do bônus aqui estabelecido. “Art. 2o  �����������������������������������������������������������
§ 1o  Para aplicação do disposto neste artigo, I – zero vírgula setecentos e cinquenta e nove
considerar-se-á o somatório das operações por cento ao mês sobre o saldo principal,
existentes em nome do mesmo emitente do para a variação IGP-M do mês imediata-
instrumento de crédito, identificado pelo res- mente anterior ao de incidência;
pectivo Cadastro de Pessoa Física – CPF ou �������������������������������������������������������������������������”
Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica – CNPJ.
§ 2o  O disposto neste artigo aplica-se so- Art. 14.  Fica autorizada, para as operações
mente às operações que não foram contempla- adquiridas pela União sob a égide da Medi-
das com os benefícios estabelecidos no art. 7o da Provisória no 2.196-3, de 24 de agosto de
desta Lei. 2001, que são passíveis de enquadramento
Desenvolvimento e inclusão social

no art. 2o da Lei no 10.437, de 25 de abril de


Art. 11.  O prazo estabelecido pelo §  3o do 2002, a substituição dos encargos financeiros
art. 3o da Lei no 10.177, de 12 de janeiro de 2001, pactuados, no período que se inicia em 28
para o encerramento das renegociações, pror- de outubro de 2002 até sessenta dias após a
rogações e composições de dívidas amparadas data da publicação desta Lei, pelos encargos
em recursos dos Fundos Constitucionais, fica estabelecidos nos termos dos incisos I e II do
alterado para até noventa dias após a data em caput do referido art. 2o.
que for publicada a regulamentação desta Lei, § 1o  As prestações que estavam vencidas
sem que essa dilação de prazo alcance a forma em 28 de outubro de 2002 são corrigidas da
alternativa de que trata o art. 4o da referida Lei. seguinte forma:
122
I – dos respectivos vencimentos até o dia 27 cionais e das Operações Oficiais de Crédito,
de outubro de 2002, pelos encargos financei- serão compensados com o resultado decorrente
ros definidos no art. 5o da Medida Provisória do contingenciamento estabelecido pelo Poder
no 2.196-3, de 24 de agosto de 2001; Executivo neste exercício, nos termos do art. 67
II – de 28 de outubro de 2002 até sessenta da Lei no 10.524, de 25 de julho de 2002, e do
dias após a data da publicação desta Lei, pe- art.  9o da Lei Complementar no  101, de 4 de
los encargos estabelecidos no art.  2o da Lei maio de 2000, que poderá ser liberado para
no 10.437, de 25 de abril de 2002. estas ou outras finalidades.
§ 2o  Aplicam-se as disposições do caput
deste artigo às parcelas com vencimento a partir Art. 17.  Para efeito do disposto no art.  1o,
de 28 de outubro de 2002 até sessenta dias após inciso I, alínea “a”, da Lei no 10.177, de 12 de
a data da publicação desta Lei, desde que pagas janeiro de 2001, são considerados componentes
até o vencimento. dos encargos financeiros os rebates e os bônus
por adimplemento que forem aplicados aos
Art. 15.  Os bancos oficiais federais poderão, financiamentos concedidos aos beneficiários
a seu exclusivo critério, retardar a propositura do PRONAF, consoante resolução do Conselho
ou suspender processo de execução judicial de Monetário Nacional, cabendo o ônus desses
dívidas de operações de crédito rural, no caso benefícios ao respectivo Fundo Constitucio-
de agricultores familiares, mini e pequenos nal de Financiamento do Norte, Nordeste ou
produtores e de suas cooperativas e associa- Centro-Oeste.
ções, quando envolverem valor originalmente
financiado de até R$ 35.000,00 (trinta e cinco Art. 18.  O § 1o do art. 9o da Lei no 8.723, de
mil reais) em projetos localizados em áreas de 28 de outubro de 1993, passa a vigorar com a
abrangência dos Fundos Constitucionais de seguinte redação:
Financiamento do Norte, Nordeste ou Centro- “Art. 9o  �����������������������������������������������������������
-Oeste, desde que haja reconhecimento da § 1o  O Poder Executivo poderá elevar o re-
necessidade de reconversão de atividades para ferido percentual até o limite de vinte e cinco
resgate ou ampliação da capacidade de geração por cento ou reduzi-lo a vinte por cento.
de renda dos agricultores. �������������������������������������������������������������������������”
§ 1 o  Para efeito de reconhecimento da
necessidade de reconversão de atividades, os Art. 19.  Fica instituído o Programa de Aquisi-
bancos oficiais federais poderão se valer de ção de Alimentos, compreendendo as seguintes
estudos realizados por entidades de pesquisa e finalidades:113
de prestação de assistência técnica e extensão I – incentivar a agricultura familiar, promo-
rural. vendo a sua inclusão econômica e social, com
§ 2o  Excluem-se do disposto neste artigo as fomento à produção com sustentabilidade, ao
operações adquiridas sob a égide da Medida processamento de alimentos e industrialização
Provisória no 2.196-3, de 24 de agosto de 2001, e à geração de renda;
as renegociadas com base na Lei no 9.138, de II – incentivar o consumo e a valorização dos
29 de novembro de 1995, as contempladas pelo alimentos produzidos pela agricultura familiar;
art. 7o desta Lei e aquelas formalizadas após 30 III – promover o acesso à alimentação, em
de junho de 2000. quantidade, qualidade e regularidade necessá-
§ 3o  Aplicam-se as disposições deste arti- rias, das pessoas em situação de insegurança
go às operações lastreadas por recursos dos alimentar e nutricional, sob a perspectiva do
Normas correlatas

Fundos Constitucionais de Financiamento do direito humano à alimentação adequada e


Norte, Nordeste ou Centro-Oeste. saudável;

Art. 16.  Os custos decorrentes desta Lei, no


âmbito do PROCERA, dos Fundos Constitu- 113
  Leis nos 11.524/2007 e 12.512/2011.
123
IV – promover o abastecimento alimentar, Art. 20.  O Conselho Monetário Nacional, no
que compreende as compras governamentais que couber, disciplinará o cumprimento do
de alimentos, incluída a alimentação escolar; disposto nesta Lei.
V – constituir estoques públicos de alimen-
tos produzidos por agricultores familiares; Art. 21.  Esta Lei entra em vigor na data de
VI – apoiar a formação de estoques pelas sua publicação.
cooperativas e demais organizações formais da
agricultura familiar; e Art. 22.  Revogam-se as Leis nos  10.464, de
VII – fortalecer circuitos locais e regionais 24 de maio de 2002, e 10.646, de 28 de março
e redes de comercialização. de 2003.
§ 1o  Os recursos arrecadados com a venda
de estoques estratégicos formados nos termos Brasília, 2 de julho de 2003; 182o da Indepen-
deste artigo serão destinados integralmente dência e 115o da República.
às ações de combate à fome e à promoção da
segurança alimentar e nutricional. LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA – Antonio
§ 2o (Revogado) Palocci Filho – Roberto Rodrigues – Guido
§ 3o  O Poder Executivo constituirá Grupo Mantega – Miguel Soldatelli Rossetto – José
Gestor do PAA, com composição e atribuições Graziano da Silva
definidas em regulamento.
§ 4o (Revogado) Promulgada em 2/7/2003 e publicada no DOU de
3/7/2003.
Desenvolvimento e inclusão social

124
Lei no 11.096/2005
Institui o Programa Universidade para Todos – PROUNI, regula a atuação de entidades beneficentes
de assistência social no ensino superior; altera a Lei no 10.891, de 9 de julho de 2004, e dá outras
providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Art. 2o  A bolsa será destinada:


I – a estudante que tenha cursado o ensino
Faço saber que o Congresso Nacional decreta médio completo em escola da rede pública ou
e eu sanciono a seguinte Lei: em instituições privadas na condição de bolsista
integral;
Art. 1o  Fica instituído, sob a gestão do Minis- II – a estudante portador de deficiência, nos
tério da Educação, o Programa Universidade termos da lei;
para Todos – PROUNI, destinado à concessão III – a professor da rede pública de ensino,
de bolsas de estudo integrais e bolsas de estudo para os cursos de licenciatura, normal superior
parciais de 50% (cinquenta por cento) ou de e pedagogia, destinados à formação do magis-
25% (vinte e cinco por cento) para estudantes de tério da educação básica, independentemente
cursos de graduação e sequenciais de formação da renda a que se referem os §§ 1o e 2o do art. 1o
específica, em instituições privadas de ensino desta Lei.
superior, com ou sem fins lucrativos. Parágrafo único.  A manutenção da bolsa
§ 1o  A bolsa de estudo integral será conce- pelo beneficiário, observado o prazo máximo
dida a brasileiros não portadores de diploma de para a conclusão do curso de graduação ou
curso superior, cuja renda familiar mensal per sequencial de formação específica, dependerá
capita não exceda o valor de até 1 (um) salário do cumprimento de requisitos de desempenho
mínimo e 1/2 (meio). acadêmico, estabelecidos em normas expedidas
§ 2o  As bolsas de estudo parciais de 50% pelo Ministério da Educação.
(cinquenta por cento) ou de 25% (vinte e cinco
por cento), cujos critérios de distribuição serão Art. 3o  O estudante a ser beneficiado pelo
definidos em regulamento pelo Ministério da Prouni será pré-selecionado pelos resultados e
Educação, serão concedidas a brasileiros não pelo perfil socioeconômico do Exame Nacional
portadores de diploma de curso superior, cuja do Ensino Médio – ENEM ou outros critérios a
renda familiar mensal per capita não exceda o serem definidos pelo Ministério da Educação,
valor de até 3 (três) salários mínimos, mediante e, na etapa final, selecionado pela instituição
critérios definidos pelo Ministério da Educação. de ensino superior, segundo seus próprios
§ 3o  Para os efeitos desta Lei, bolsa de estu- critérios, à qual competirá, também, aferir as
do refere-se às semestralidades ou anuidades informações prestadas pelo candidato.
escolares fixadas com base na Lei no 9.870, de Parágrafo único.  O beneficiário do Prouni
23 de novembro de 1999. responde legalmente pela veracidade e auten-
§ 4o  Para os efeitos desta Lei, as bolsas de ticidade das informações socioeconômicas por
estudo parciais de 50% (cinquenta por cento) ele prestadas.
ou de 25% (vinte e cinco por cento) deverão ser
Normas correlatas

concedidas, considerando-se todos os descon- Art. 4o  Todos os alunos da instituição, inclusi-


tos regulares e de caráter coletivo oferecidos ve os beneficiários do Prouni, estarão igualmen-
pela instituição, inclusive aqueles dados em vir- te regidos pelas mesmas normas e regulamentos
tude do pagamento pontual das mensalidades. internos da instituição.

125
Art. 5o  A instituição privada de ensino superior, § 5o  Para o ano de 2005, a instituição pri-
com fins lucrativos ou sem fins lucrativos não vada de ensino superior, com fins lucrativos
beneficente, poderá aderir ao Prouni mediante ou sem fins lucrativos não beneficente, poderá:
assinatura de termo de adesão, cumprindo-lhe I – aderir ao Prouni mediante assinatura
oferecer, no mínimo, 1 (uma) bolsa integral para de termo de adesão, cumprindo-lhe oferecer,
o equivalente a 10,7 (dez inteiros e sete décimos) no mínimo, 1 (uma) bolsa integral para cada
estudantes regularmente pagantes e devidamente 9 (nove) estudantes regularmente pagantes e
matriculados ao final do correspondente período devidamente matriculados ao final do corres-
letivo anterior, conforme regulamento a ser esta- pondente período letivo anterior, conforme
belecido pelo Ministério da Educação, excluído regulamento a ser estabelecido pelo Ministério
o número correspondente a bolsas integrais con- da Educação, excluído o número corresponden-
cedidas pelo Prouni ou pela própria instituição, te a bolsas integrais concedidas pelo Prouni ou
em cursos efetivamente nela instalados. pela própria instituição, em cursos efetivamente
§ 1o  O termo de adesão terá prazo de vi- nela instalados;
gência de 10 (dez) anos, contado da data de II – alternativamente, em substituição ao
sua assinatura, renovável por iguais períodos e requisito previsto no inciso I deste parágrafo,
observado o disposto nesta Lei. oferecer 1 (uma) bolsa integral para cada 19
§ 2o  O termo de adesão poderá prever a (dezenove) estudantes regularmente pagantes
permuta de bolsas entre cursos e turnos, restrita e devidamente matriculados em cursos efetiva-
a 1/5 (um quinto) das bolsas oferecidas para mente nela instalados, conforme regulamento a
cada curso e cada turno. ser estabelecido pelo Ministério da Educação,
§ 3o  A denúncia do termo de adesão, por desde que ofereça, adicionalmente, quantida-
iniciativa da instituição privada, não impli- de de bolsas parciais de 50% (cinquenta por
cará ônus para o Poder Público nem prejuízo cento) ou de 25% (vinte e cinco por cento)
para o estudante beneficiado pelo Prouni, que na proporção necessária para que a soma dos
gozará do benefício concedido até a conclusão benefícios concedidos na forma desta Lei atinja
do curso, respeitadas as normas internas da o equivalente a 10% (dez por cento) da receita
instituição, inclusive disciplinares, e observado anual dos períodos letivos que já têm bolsistas
o disposto no art. 4o desta Lei. do Prouni, efetivamente recebida nos termos da
§ 4o  A instituição privada de ensino superior Lei no 9.870, de 23 de novembro de 1999, em
com fins lucrativos ou sem fins lucrativos não cursos de graduação ou sequencial de formação
beneficente poderá, alternativamente, em subs- específica.
tituição ao requisito previsto no caput deste arti- § 6o  Aplica-se o disposto no § 5o deste artigo
go, oferecer 1 (uma) bolsa integral para cada 22 às turmas iniciais de cada curso e turno efeti-
(vinte e dois) estudantes regularmente pagantes vamente instaladas a partir do 1o (primeiro)
e devidamente matriculados em cursos efetiva- processo seletivo posterior à publicação desta
mente nela instalados, conforme regulamento a Lei, até atingir as proporções estabelecidas para
ser estabelecido pelo Ministério da Educação, o conjunto dos estudantes de cursos de gradu-
desde que ofereça, adicionalmente, quantidade ação e sequencial de formação específica da
Desenvolvimento e inclusão social

de bolsas parciais de 50% (cinquenta por cento) instituição, e o disposto no caput e no § 4o deste
ou de 25% (vinte e cinco por cento) na propor- artigo às turmas iniciais de cada curso e turno
ção necessária para que a soma dos benefícios efetivamente instaladas a partir do exercício de
concedidos na forma desta Lei atinja o equiva- 2006, até atingir as proporções estabelecidas
lente a 8,5% (oito inteiros e cinco décimos por para o conjunto dos estudantes de cursos de
cento) da receita anual dos períodos letivos graduação e sequencial de formação específica
que já têm bolsistas do Prouni, efetivamente da instituição.
recebida nos termos da Lei no 9.870, de 23 de
novembro de 1999, em cursos de graduação ou Art. 6o  Assim que atingida a proporção es-
sequencial de formação específica. tabelecida no § 6o do art. 5o desta Lei, para o
126
conjunto dos estudantes de cursos de graduação deverão ser redistribuídas proporcionalmente
e sequencial de formação específica da institui- pelos demais cursos da instituição, respeitado
ção, sempre que a evasão dos estudantes bene- o disposto no art. 5o desta Lei.
ficiados apresentar discrepância em relação à § 5o  Será facultada, tendo prioridade os
evasão dos demais estudantes matriculados, a bolsistas do Prouni, a estudantes dos cursos
instituição, a cada processo seletivo, oferecerá referidos no §  4o deste artigo a transferência
bolsas de estudo na proporção necessária para para curso idêntico ou equivalente, oferecido
estabelecer aquela proporção. por outra instituição participante do Programa.

Art. 7o  As obrigações a serem cumpridas pela Art. 8o  A instituição que aderir ao Prouni fica-
instituição de ensino superior serão previstas rá isenta dos seguintes impostos e contribuições
no termo de adesão ao Prouni, no qual deverão no período de vigência do termo de adesão:115
constar as seguintes cláusulas necessárias:114 I – Imposto de Renda das Pessoas Jurídicas;
I – proporção de bolsas de estudo ofereci- II – Contribuição Social sobre o Lucro
das por curso, turno e unidade, respeitados os Líquido, instituída pela Lei no 7.689, de 15 de
parâmetros estabelecidos no art. 5o desta Lei; dezembro de 1988;
II – percentual de bolsas de estudo destinado III – Contribuição Social para Financia-
à implementação de políticas afirmativas de mento da Seguridade Social, instituída pela
acesso ao ensino superior de portadores de Lei Complementar no 70, de 30 de dezembro
deficiência ou de autodeclarados indígenas e de 1991; e
negros. IV – Contribuição para o Programa de
§ 1o  O percentual de que trata o inciso II Integração Social, instituída pela Lei Comple-
do caput deste artigo deverá ser, no mínimo, mentar no 7, de 7 de setembro de 1970.
igual ao percentual de cidadãos autodeclara- § 1o  A isenção de que trata o caput deste
dos indígenas, pardos ou pretos, na respectiva artigo recairá sobre o lucro nas hipóteses dos
unidade da Federação, segundo o último censo incisos I e II do caput deste artigo, e sobre a re-
da Fundação Instituto Brasileiro de Geografia ceita auferida, nas hipóteses dos incisos III e IV
e Estatística – IBGE. do caput deste artigo, decorrentes da realização
§ 2o  No caso de não preenchimento das de atividades de ensino superior, proveniente
vagas segundo os critérios do § 1o deste artigo, de cursos de graduação ou cursos sequenciais
as vagas remanescentes deverão ser preenchidas de formação específica.
por estudantes que se enquadrem em um dos § 2o  A Secretaria da Receita Federal do
critérios dos arts. 1o e 2o desta Lei. Ministério da Fazenda disciplinará o disposto
§ 3o  As instituições de ensino superior que neste artigo no prazo de 30 (trinta) dias.
não gozam de autonomia ficam autorizadas a § 3o  A isenção de que trata este artigo será
ampliar, a partir da assinatura do termo de ade- calculada na proporção da ocupação efetiva das
são, o número de vagas em seus cursos, no limi- bolsas devidas.
te da proporção de bolsas integrais oferecidas
por curso e turno, na forma do regulamento. Art. 9o  O descumprimento das obrigações
§ 4o  O Ministério da Educação desvinculará assumidas no termo de adesão sujeita a insti-
do Prouni o curso considerado insuficiente, tuição às seguintes penalidades:
sem prejuízo do estudante já matriculado, I – restabelecimento do número de bolsas a
segundo critérios de desempenho do Sistema serem oferecidas gratuitamente, que será deter-
Nacional de Avaliação da Educação Superior minado, a cada processo seletivo, sempre que a
Normas correlatas

– SINAES, por duas avaliações consecutivas, instituição descumprir o percentual estabeleci-


situação em que as bolsas de estudo do curso do no art. 5o desta Lei e que deverá ser suficiente
desvinculado, nos processos seletivos seguintes,

  Lei no 11.509/2007.
114
  Lei no 12.431/2011.
115

127
para manter o percentual nele estabelecido, com estudantes de cursos de graduação e sequencial
acréscimo de 1/5 (um quinto); de formação específica da instituição, sempre
II – desvinculação do Prouni, determinada que a evasão dos estudantes beneficiados apre-
em caso de reincidência, na hipótese de falta sentar discrepância em relação à evasão dos
grave, conforme dispuser o regulamento, sem demais estudantes matriculados, a instituição,
prejuízo para os estudantes beneficiados e sem a cada processo seletivo, oferecerá bolsas de
ônus para o Poder Público. estudo integrais na proporção necessária para
§ 1o  As penas previstas no caput deste artigo restabelecer aquela proporção.
serão aplicadas pelo Ministério da Educação, § 5o  É permitida a permuta de bolsas entre
nos termos do disposto em regulamento, após cursos e turnos, restrita a 1/5 (um quinto) das
a instauração de procedimento administrativo, bolsas oferecidas para cada curso e cada turno.
assegurado o contraditório e direito de defesa.
§ 2o  Na hipótese do inciso II do caput deste Art. 11.  As entidades beneficentes de assis-
artigo, a suspensão da isenção dos impostos e tência social que atuem no ensino superior
contribuições de que trata o art.  8o desta Lei poderão, mediante assinatura de termo de
terá como termo inicial a data de ocorrência adesão no Ministério da Educação, adotar as
da falta que deu causa à desvinculação do regras do Prouni, contidas nesta Lei, para se-
Prouni, aplicando-se o disposto nos arts. 32 e leção dos estudantes beneficiados com bolsas
44 da Lei no 9.430, de 27 de dezembro de 1996, integrais e bolsas parciais de 50% (cinquenta
no que couber. por cento) ou de 25% (vinte e cinco por cento),
§ 3o  As penas previstas no caput deste artigo em especial as regras previstas no art. 3o e no
não poderão ser aplicadas quando o descum- inciso II do caput e §§ 1o e 2o do art. 7o desta
primento das obrigações assumidas se der em Lei, comprometendo-se, pelo prazo de vigência
face de razões a que a instituição não deu causa. do termo de adesão, limitado a 10 (dez) anos,
renovável por iguais períodos, e respeitado o
Art. 10.  A instituição de ensino superior, ain- disposto no art. 10 desta Lei, ao atendimento
da que atue no ensino básico ou em área distinta das seguintes condições:117
da educação, somente poderá ser considerada I – (Revogado);
entidade beneficente de assistência social se II – (Revogado);
oferecer, no mínimo, 1 (uma) bolsa de estudo III – gozar do benefício previsto no § 3o do
integral para estudante de curso de graduação art. 7o desta Lei.
ou sequencial de formação específica, sem di- § 1o  Compete ao Ministério da Educação
ploma de curso superior, enquadrado no § 1o do verificar e informar aos demais órgãos inte-
art. 1o desta Lei, para cada 9 (nove) estudantes ressados a situação da entidade em relação ao
pagantes de cursos de graduação ou sequencial cumprimento das exigências do Prouni, sem
de formação específica regulares da instituição, prejuízo das competências da Secretaria da
matriculados em cursos efetivamente instala- Receita Federal e do Ministério da Previdência
dos, e atender às demais exigências legais.116 Social.
§ 1o (Revogado) § 2o  As entidades beneficentes de assistência
Desenvolvimento e inclusão social

§ 2o (Revogado) social que tiveram seus pedidos de renovação


§ 3o  Aplica-se o disposto no caput deste de Certificado de Entidade Beneficente de
artigo às turmas iniciais de cada curso e turno Assistência Social indeferidos, nos 2 (dois) úl-
efetivamente instalados a partir do 1o (primei- timos triênios, unicamente por não atenderem
ro) processo seletivo posterior à publicação ao percentual mínimo de gratuidade exigido,
desta Lei. que adotarem as regras do Prouni, nos termos
§ 4o  Assim que atingida a proporção estabe- desta Lei, poderão, até 60 (sessenta) dias após a
lecida no caput deste artigo para o conjunto dos data de publicação desta Lei, requerer ao Con-

  Leis nos 12.101/2009 e 12.868/2013.


116
  Leis nos 12.101/2009 e 12.868/2013.
117

128
selho Nacional de Assistência Social – CNAS micos, na forma facultada pelo art. 7o-A da Lei
a concessão de novo Certificado de Entidade no 9.131, de 24 de novembro de 1995, passarão a
Beneficente de Assistência Social e, posterior- pagar a quota patronal para a previdência social
mente, requerer ao Ministério da Previdência de forma gradual, durante o prazo de 5 (cinco)
Social a isenção das contribuições de que trata anos, na razão de 20% (vinte por cento) do valor
o art. 55 da Lei no 8.212, de 24 de julho de 1991. devido a cada ano, cumulativamente, até atingir
§ 3o  O Ministério da Previdência Social o valor integral das contribuições devidas.
decidirá sobre o pedido de isenção da entidade Parágrafo único.  A pessoa jurídica de direito
que obtiver o Certificado na forma do caput privado transformada em sociedade de fins
deste artigo com efeitos a partir da edição da econômicos passará a pagar a contribuição
Medida Provisória no 213, de 10 de setembro previdenciária de que trata o caput deste arti-
de 2004, cabendo à entidade comprovar ao go a partir do 1o dia do mês de realização da
Ministério da Previdência Social o efetivo assembleia geral que autorizar a transformação
cumprimento das obrigações assumidas, até o da sua natureza jurídica, respeitada a gradação
último dia do mês de abril subsequente a cada correspondente ao respectivo ano.
um dos 3 (três) próximos exercícios fiscais.
§ 4o  Na hipótese de o CNAS não decidir Art. 14.  Terão prioridade na distribuição dos
sobre o pedido até o dia 31 de março de 2005, recursos disponíveis no Fundo de Financia-
a entidade poderá formular ao Ministério da mento ao Estudante do Ensino Superior – FIES
Previdência Social o pedido de isenção, inde- as instituições de direito privado que aderirem
pendentemente do pronunciamento do CNAS, ao Prouni na forma do art.  5o desta Lei ou
mediante apresentação de cópia do requeri- adotarem as regras de seleção de estudantes
mento encaminhando a este e do respectivo bolsistas a que se refere o art. 11 desta Lei.
protocolo de recebimento.
§ 5o  Aplica-se, no que couber, ao pedido de Art. 15.  Para os fins desta Lei, o disposto no
isenção de que trata este artigo o disposto no art. 6o da Lei no 10.522, de 19 de julho de 2002,
art. 55 da Lei no 8.212, de 24 de julho de 1991. será exigido a partir do ano de 2006 de todas
as instituições de ensino superior aderentes
Art. 12.  Atendidas as condições socioeconô- ao Prouni, inclusive na vigência da Medida
micas estabelecidas nos §§ 1o e 2o do art. 1o desta Provisória no 213, de 10 de setembro de 2004.
Lei, as instituições que aderirem ao Prouni ou
adotarem suas regras de seleção poderão con- Art. 16.  O processo de deferimento do termo
siderar como bolsistas do programa os traba- de adesão pelo Ministério da Educação, nos
lhadores da própria instituição e dependentes termos do art. 5o desta Lei, será instruído com
destes que forem bolsistas em decorrência de a estimativa da renúncia fiscal, no exercício de
convenção coletiva ou acordo trabalhista, até o deferimento e nos 2 (dois) subsequentes, a ser
limite de 10% (dez por cento) das bolsas Prouni usufruída pela respectiva instituição, na forma
concedidas. do art. 9o desta Lei, bem como o demonstra-
tivo da compensação da referida renúncia,
Art. 13.  As pessoas jurídicas de direito pri- do crescimento da arrecadação de impostos
vado, mantenedoras de instituições de ensino e contribuições federais no mesmo segmento
superior, sem fins lucrativos, que adotarem as econômico ou da prévia redução de despesas
regras de seleção de estudantes bolsistas a que se de caráter continuado.
refere o art. 11 desta Lei e que estejam no gozo Parágrafo único.  A evolução da arrecadação
Normas correlatas

da isenção da contribuição para a seguridade e da renúncia fiscal das instituições privadas


social de que trata o § 7o do art. 195 da Cons- de ensino superior será acompanhada por
tituição Federal, que optarem, a partir da data grupo interministerial, composto por 1 (um)
de publicação desta Lei, por transformar sua representante do Ministério da Educação, 1
natureza jurídica em sociedade de fins econô- (um) do Ministério da Fazenda e 1 (um) do
129
Ministério da Previdência Social, que fornecerá (doze) anos para a obtenção da Bolsa-Atleta
os subsídios necessários à execução do disposto Estudantil;
no caput deste artigo. II – estar vinculado a alguma entidade de
prática desportiva, exceto os atletas que
Art. 17. (Vetado) pleitearem a Bolsa-Atleta Estudantil;
���������������������������������������������������������������������������
Art. 18.  O Poder Executivo dará, anualmente, VII – estar regularmente matriculado em
ampla publicidade dos resultados do Programa. instituição de ensino pública ou privada, ex-
clusivamente para os atletas que pleitearem
Art. 19.  Os termos de adesão firmados duran- a Bolsa-Atleta Estudantil.”
te a vigência da Medida Provisória no 213, de
10 de setembro de 2004, ficam validados pelo Art. 22.  O Anexo I da Lei no 10.891, de 9 de
prazo neles especificado, observado o disposto julho de 2004, passa a vigorar com a alteração
no § 4o e no caput do art. 5o desta Lei. constante do Anexo I desta Lei.

Art. 20.  O Poder Executivo regulamentará o Art. 23.  Esta Lei entra em vigor na data de
disposto nesta Lei. sua publicação.

Art. 21.  Os incisos I, II e VII do caput do art. 3o Brasília, 13 de janeiro de 2005; 184o da Inde-
da Lei no 10.891, de 9 de julho de 2004, passam pendência e 117o da República.
a vigorar com a seguinte redação:
“Art. 3o  ����������������������������������������������������������� LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA – Antonio
I – possuir idade mínima de 14 (quatorze) Palocci Filho – Tarso Genro
anos para a obtenção das Bolsas Atleta
Nacional, Atleta Internacional Olímpico e Promulgada em 13/1/2005 e publicada no DOU de
Paraolímpico, e possuir idade mínima de 12 14/1/2005.

ANEXO I

Bolsa-Atleta – Categoria Atleta Estudantil

Atletas Eventualmente Beneficiados Valor Mensal


Desenvolvimento e inclusão social

Atletas a partir de 12 (doze) anos, participantes dos


jogos estudantis organizados pelo Ministério do
Esporte, tendo obtido até a 3a (terceira) colocação
nas modalidades individuais ou que tenham sido R$ 300,00
selecionados entre os 24 (vinte e quatro) melhores (trezentos reais)
atletas das modalidades coletivas dos referidos
eventos e que continuem a treinar para futuras
competições nacionais.

130
Lei no 11.129/2005
Institui o Programa Nacional de Inclusão de Jovens – ProJovem; cria o Conselho Nacional da
Juventude – CNJ e a Secretaria Nacional de Juventude; altera as Leis nos 10.683, de 28 de maio de
2003, e 10.429, de 24 de abril de 2002; e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA e participação popular de interesse do Poder


Executivo, na elaboração da agenda futura
Faço saber que o Congresso Nacional decreta do Presidente da República, na preparação
e eu sanciono a seguinte Lei: e formulação de subsídios para os pronun-
ciamentos do Presidente da República, na
Arts. 1o a 8o (Revogados)118 promoção de análises de políticas públi-
cas e temas de interesse do Presidente da
Art. 9o  Fica criado, no âmbito da estrutura República, na realização de estudos de na-
organizacional da Secretaria-Geral da Presi- tureza político-institucional, na formulação,
dência da República, o Conselho Nacional de supervisão, coordenação, integração e arti-
Juventude – CNJ, com a finalidade de formular culação de políticas públicas para a juventu-
e propor diretrizes da ação governamental de e na articulação, promoção e execução de
voltadas à promoção de políticas públicas de programas de cooperação com organismos
juventude, fomentar estudos e pesquisas acerca nacionais e internacionais, públicos e priva-
da realidade socioeconômica juvenil e o inter- dos, voltados à implementação de políticas
câmbio entre as organizações juvenis nacionais de juventude, bem como outras atribuições
e internacionais. que lhe forem designadas pelo Presidente
§ 1o  O CNJ terá a seguinte composição: da República, tendo como estrutura básica
I – 1/3 (um terço) de representantes do o Conselho Nacional de Juventude – CNJ, o
Poder Público; Gabinete, a Subsecretaria-Geral, a Secretaria
II – 2/3 (dois terços) de representantes da Nacional de Juventude e até 2 (duas) outras
sociedade civil. Secretarias.”
§ 2o (Vetado)
§ 3o  Ato do Poder Executivo disporá sobre Art. 11.  À Secretaria Nacional de Juventude,
a composição a que se refere o § 1o deste artigo criada na forma da lei, compete, dentre outras
e sobre o funcionamento do CNJ. atribuições, articular todos os programas e
projetos destinados, em âmbito federal, aos
Art. 10.  O art. 3o da Lei no 10.683, de 28 de jovens na faixa etária entre 15 (quinze) e 29
maio de 2003, passa a vigorar com a seguinte (vinte e nove) anos, ressalvado o disposto na
redação: Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990 – Estatuto
“Art. 3o  À Secretaria-Geral da Presidência da Criança e do Adolescente.
da República compete assistir direta e ime- Parágrafo único.  Fica assegurada a partici-
diatamente ao Presidente da República no pação da Secretaria de que trata o caput deste
desempenho de suas atribuições, especial- artigo no controle e no acompanhamento das
mente no relacionamento e articulação com ações previstas nos arts. 13 a 18 desta Lei.
Normas correlatas

as entidades da sociedade civil e na criação e


implementação de instrumentos de consulta Art. 12.  Ficam criados, no âmbito do Poder
Executivo Federal, para atender às necessidades
  Lei n o   11.692/2008 e Medida Provisória
118 da Secretaria-Geral da Presidência da Repúbli-
no 411/2007. ca, 25 (vinte e cinco) cargos em comissão do
131
Grupo-Direção e Assessoramento Superiores § 2o  As bolsas a que se refere o caput deste
– DAS, sendo 1 (um) DAS-6, 1 (um) DAS-5, artigo ficarão sob a responsabilidade técnico-
11 (onze) DAS-4, 4 (quatro) DAS-3, 4 (quatro) -administrativa do Ministério da Saúde, sendo
DAS-2 e 4 (quatro) DAS-1. concedidas mediante seleção pública pro-
movida pelas instituições responsáveis pelos
Art. 13.  Fica instituída a Residência em Área processos formativos, com ampla divulgação.
Profissional da Saúde, definida como modali-
dade de ensino de pós-graduação lato sensu, Art. 16.  As bolsas objeto do Programa institu-
voltada para a educação em serviço e destinada ído pelo art. 15 desta Lei serão concedidas nas
às categorias profissionais que integram a área seguintes modalidades:120
de saúde, excetuada a médica. I – Iniciação ao Trabalho;
§ 1o  A Residência a que se refere o caput des- II – Residente;
te artigo constitui-se em um programa de coo- III – Preceptor;
peração intersetorial para favorecer a inserção IV – Tutor;
qualificada dos jovens profissionais da saúde V – Orientador de Serviço; e
no mercado de trabalho, particularmente em VI – Trabalhador-Estudante.
áreas prioritárias do Sistema Único de Saúde. § 1o  As bolsas relativas às modalidades re-
§ 2o  A Residência a que se refere o caput feridas nos incisos I e II do caput deste artigo
deste artigo será desenvolvida em regime de terão, respectivamente, valores isonômicos aos
dedicação exclusiva e realizada sob supervi- praticados para a iniciação científica no Conse-
são docente-assistencial, de responsabilidade lho Nacional de Desenvolvimento Científico e
conjunta dos setores da educação e da saúde. Tecnológico – CNPq e para a residência médica,
permitida a majoração desses valores de acordo
Art. 14.  Fica criada, no âmbito do Ministério com critérios técnicos relativos à dificuldade de
da Educação, a Comissão Nacional de Residên- acesso e locomoção ou provimento e fixação
cia Multiprofissional em Saúde – CNRMS, cuja dos profissionais.
organização e funcionamento serão disciplina- § 2o  As bolsas relativas às modalidades re-
dos em ato conjunto dos Ministros de Estado feridas nos incisos III a V do caput deste artigo
da Educação e da Saúde. terão seus valores fixados pelo Ministério da
Saúde, guardada a isonomia com as modali-
Art. 15.  É instituído o Programa de Bolsas dades congêneres dos programas de residência
para a Educação pelo Trabalho, destinado aos médica, permitida a majoração desses valores
estudantes de educação superior, prioritaria- em virtude da aplicação dos mesmos critérios
mente com idade inferior a 29 (vinte e nove) definidos no § 1o deste artigo.
anos, e aos trabalhadores da área da saúde, § 3o  Os atos de fixação dos valores e quan-
visando à vivência, ao estágio da área da saúde, titativos das bolsas de que trata o caput deste
à educação profissional técnica de nível médio, artigo serão instruídos com demonstrativo de
ao aperfeiçoamento e à especialização em área compatibilidade ao disposto no art. 16 da Lei
profissional, como estratégias para o provimen- Complementar no 101, de 4 de maio de 2000.
Desenvolvimento e inclusão social

to e a fixação de profissionais em programas, § 4o  As bolsas relativas à modalidade referi-


projetos, ações e atividades e em regiões priori- da no inciso VI terão seus valores fixados pelo
tárias para o Sistema Único de Saúde.119 Ministério da Saúde, respeitados os níveis de
§ 1o  O Programa de Bolsas de que trata o escolaridade mínima requerida.
caput deste artigo poderá ser estendido aos
militares convocados à prestação do Serviço Art. 17.  As despesas com a execução do Pro-
Militar, de acordo com a Lei no 5.292, de 8 de grama de Bolsas para a Educação pelo Trabalho
junho de 1967. correrão à conta das dotações orçamentárias

  Lei no 12.513/2011.
119
  Lei no 12.513/2011.
120

132
consignadas anualmente, a título de ações ou cursos que estiverem frequentando e destes
serviços públicos de saúde, no orçamento do para suas residências.
Ministério da Saúde, observados os limites de �������������������������������������������������������������������������”
movimentação, empenho e de pagamento da
programação orçamentária e financeira anual. Art. 20.  Os auxílios financeiros previstos nesta
Lei, independentemente do nome jurídico ado-
Art. 18.  O Ministério da Saúde expedirá nor- tado, não implicam caracterização de qualquer
mas complementares pertinentes ao Programa vínculo trabalhista.
de Bolsas para a Educação pelo Trabalho.
Art. 21.  Esta Lei entra em vigor na data de
Art. 19. O caput do art. 1o da Lei no 10.429, sua publicação.
de 24 de abril de 2002, passa a vigorar com a
seguinte redação: Brasília, 30 de junho de 2005; 184o da Indepen-
“Art. 1o  Fica instituído para os exercícios dência e 117o da República.
de 2002, 2003, 2004 e 2005 o Auxílio-Aluno,
destinado ao custeio parcial das despesas LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA – Márcio
realizadas com transporte coletivo munici- Thomaz Bastos – Paulo Bernardo Silva – Tarso
pal, intermunicipal ou interestadual pelos Genro – Humberto Sérgio Costa Lima – Luiz
alunos matriculados em cursos integran- Soares Dulci
tes do Projeto de Profissionalização dos
Trabalhadores da Área de Enfermagem Promulgada em 30/6/2005 e publicada no DOU de
– PROFAE, nos deslocamentos de suas 1o/7/2005.
residências para os locais de realização dos

Normas correlatas

133
Lei no 11.326/2006
Estabelece as diretrizes para a formulação da Política Nacional da Agricultura Familiar e
Empreendimentos Familiares Rurais.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA proprietário não ultrapasse 4 (quatro) módulos


fiscais.
Faço saber que o Congresso Nacional decreta § 2o  São também beneficiários desta Lei:
e eu sanciono a seguinte Lei: I – silvicultores que atendam simultane-
amente a todos os requisitos de que trata o
Art. 1o  Esta Lei estabelece os conceitos, prin- caput deste artigo, cultivem florestas nativas ou
cípios e instrumentos destinados à formulação exóticas e que promovam o manejo sustentável
das políticas públicas direcionadas à Agricul- daqueles ambientes;
tura Familiar e Empreendimentos Familiares II – aquicultores que atendam simultanea-
Rurais. mente a todos os requisitos de que trata o caput
deste artigo e explorem reservatórios hídricos
Art. 2o  A formulação, gestão e execução da com superfície total de até 2ha (dois hectares)
Política Nacional da Agricultura Familiar e ou ocupem até 500m³ (quinhentos metros cú-
Empreendimentos Familiares Rurais serão ar- bicos) de água, quando a exploração se efetivar
ticuladas, em todas as fases de sua formulação em tanques-rede;
e implementação, com a política agrícola, na III – extrativistas que atendam simultanea-
forma da lei, e com as políticas voltadas para a mente aos requisitos previstos nos incisos II, III
reforma agrária. e IV do caput deste artigo e exerçam essa ativi-
dade artesanalmente no meio rural, excluídos
Art. 3o  Para os efeitos desta Lei, considera-se os garimpeiros e faiscadores;
agricultor familiar e empreendedor familiar IV – pescadores que atendam simultane-
rural aquele que pratica atividades no meio ru- amente aos requisitos previstos nos incisos I,
ral, atendendo, simultaneamente, aos seguintes II, III e IV do caput deste artigo e exerçam a
requisitos:121 atividade pesqueira artesanalmente;
I – não detenha, a qualquer título, área maior V – povos indígenas que atendam simulta-
do que 4 (quatro) módulos fiscais; neamente aos requisitos previstos nos incisos
II – utilize predominantemente mão de obra II, III e IV do caput do art. 3o;
da própria família nas atividades econômicas VI – integrantes de comunidades remanes-
do seu estabelecimento ou empreendimento; centes de quilombos rurais e demais povos
III – tenha percentual mínimo da renda e comunidades tradicionais que atendam
familiar originada de atividades econômicas simultaneamente aos incisos II, III e IV do
Desenvolvimento e inclusão social

do seu estabelecimento ou empreendimento, caput do art. 3o.


na forma definida pelo Poder Executivo; § 3o  O Conselho Monetário Nacional –
IV – dirija seu estabelecimento ou empre- CMN pode estabelecer critérios e condições
endimento com sua família. adicionais de enquadramento para fins de
§ 1o  O disposto no inciso I do caput des- acesso às linhas de crédito destinadas aos agri-
te artigo não se aplica quando se tratar de cultores familiares, de forma a contemplar as
condomínio rural ou outras formas coletivas especificidades dos seus diferentes segmentos.
de propriedade, desde que a fração ideal por § 4o  Podem ser criadas linhas de crédito
destinadas às cooperativas e associações que
  Leis nos 12.058/2009 e 12.512/2011.
121
atendam a percentuais mínimos de agricultores
134
familiares em seu quadro de cooperados ou IV – pesquisa;
associados e de matéria-prima beneficiada, V – comercialização;
processada ou comercializada oriunda desses VI – seguro;
agricultores, conforme disposto pelo CMN. VII – habitação;
VIII – legislação sanitária, previdenciária,
Art. 4o  A Política Nacional da Agricultura comercial e tributária;
Familiar e Empreendimentos Familiares IX – cooperativismo e associativismo;
Rurais observará, dentre outros, os seguintes X – educação, capacitação e profissionali-
princípios: zação;
I – descentralização; XI – negócios e serviços rurais não agrícolas;
II – sustentabilidade ambiental, social e XII – agroindustrialização.
econômica;
III – equidade na aplicação das políticas, res- Art. 6o  O Poder Executivo regulamentará esta
peitando os aspectos de gênero, geração e etnia; Lei, no que for necessário à sua aplicação.
IV – participação dos agricultores familiares
na formulação e implementação da política Art. 7o  Esta Lei entra em vigor na data de sua
nacional da agricultura familiar e empreendi- publicação.
mentos familiares rurais.
Brasília, 24 de julho de 2006; 185o da Indepen-
Art. 5   Para atingir seus objetivos, a Política
o
dência e 118o da República.
Nacional da Agricultura Familiar e Empre-
endimentos Familiares Rurais promoverá o LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA – Guilherme
planejamento e a execução das ações, de forma Cassel
a compatibilizar as seguintes áreas:
I – crédito e fundo de aval; Promulgada em 24/7/2006 e publicada no DOU de
II – infraestrutura e serviços; 25/7/2006.
III – assistência técnica e extensão rural;

Normas correlatas

135
Lei no 11.692/2008
Dispõe sobre o Programa Nacional de Inclusão de Jovens – Projovem, instituído pela Lei no 11.129,
de 30 de junho de 2005; altera a Lei no 10.836, de 9 de janeiro de 2004; revoga dispositivos das Leis
nos 9.608, de 18 de fevereiro de 1998, 10.748, de 22 de outubro de 2003, 10.940, de 27 de agosto de
2004, 11.129, de 30 de junho de 2005, e 11.180, de 23 de setembro de 2005; e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA a ser indicado pelo respectivo Ministro de


Estado.
Faço saber que o Congresso Nacional decreta § 2o  O Projovem Adolescente – Serviço So-
e eu sanciono a seguinte Lei: cioeducativo será coordenado pelo Ministério
do Desenvolvimento Social e Combate à Fome;
Art. 1o  O Programa Nacional de Inclusão o Projovem Urbano, pela Secretaria-Geral da
de Jovens – Projovem, instituído pela Lei Presidência da República; o Projovem Campo –
no  11.129, de 30 de junho de 2005, passa a Saberes da Terra, pelo Ministério da Educação;
reger-se, a partir de 1o de janeiro de 2008, pelo e o Projovem Trabalhador, pelo Ministério do
disposto nesta Lei. Trabalho e Emprego.
§ 3o  Cada modalidade do Projovem contará
Art. 2o  O Projovem, destinado a jovens de 15 com 1 (um) comitê gestor, a ser instituído pelo
(quinze) a 29 (vinte e nove) anos, com o obje- órgão responsável por sua coordenação, assegu-
tivo de promover sua reintegração ao processo rada nele a participação de representantes dos
educacional, sua qualificação profissional e seu 3 (três) outros órgãos a que se refere o caput
desenvolvimento humano, será desenvolvido deste artigo.
por meio das seguintes modalidades:
I – Projovem Adolescente – Serviço Socio- Art. 4 o  Para a execução das modalidades
educativo; tratadas no art. 2o desta Lei, a União fica au-
II – Projovem Urbano; torizada a transferir recursos aos Estados, ao
III – Projovem Campo – Saberes da Terra; e Distrito Federal e aos Municípios, sem a ne-
IV – Projovem Trabalhador. cessidade de convênio, acordo, contrato, ajuste
ou instrumento congênere, mediante depósito
Art. 3o  A execução e a gestão do Projovem em conta-corrente específica, sem prejuízo da
dar-se-ão por meio da conjugação de esfor- devida prestação de contas da aplicação dos
ços da Secretaria-Geral da Presidência da recursos.
República e dos Ministérios da Educação, do § 1o  O montante dos recursos financeiros
Trabalho e Emprego e do Desenvolvimento a que se refere esta Lei será repassado em
Social e Combate à Fome, observada a inter- parcelas e calculado com base no número de
Desenvolvimento e inclusão social

setorialidade, sem prejuízo da participação de jovens atendidos, conforme disposto em regu-


outros órgãos e entidades da administração lamentação, e destina-se à promoção de ações
pública federal. de elevação da escolaridade e qualificação pro-
§ 1o  Fica instituído o Conselho Gestor do fissional dos jovens, bem como à contratação,
Projovem, coordenado pela Secretaria Nacional remuneração e formação de profissionais.
de Juventude da Secretaria-Geral da Presidên- § 2o  Os profissionais de que trata o § 1o deste
cia da República e composto pelos Secretários- artigo deverão ser contratados em âmbito local.
-Executivos dos Ministérios referidos no caput § 3o  Os órgãos responsáveis pela coordena-
deste artigo e por 1 (um) Secretário Nacional ção das modalidades do Projovem definirão, a
representante de cada um desses Ministérios, cada exercício financeiro, a forma de cálculo,
136
o número e o valor das parcelas a serem re- § 1 o  Na modalidade Projovem Urbano,
passadas aos Estados, ao Distrito Federal e aos poderão ser pagos até 20 (vinte) auxílios fi-
Municípios, bem como as orientações e instru- nanceiros.
ções necessárias à sua execução, observado o § 2o  Na modalidade Projovem Campo – Sa-
montante de recursos disponíveis para este fim, beres da Terra, poderão ser pagos até 12 (doze)
constante da Lei Orçamentária Anual. auxílios financeiros.
§ 4o  Nas modalidades previstas nos incisos § 3o  Na modalidade Projovem Trabalha-
II e III do caput do art. 2o desta Lei, a transfe- dor, poderão ser pagos até 6 (seis) auxílios
rência de recursos financeiros será executada financeiros.
pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da § 4o  É vedada a cumulatividade da percepção
Educação – FNDE, vinculado ao Ministério da do auxílio financeiro a que se refere o caput deste
Educação, observada a necessária descentrali- artigo com benefícios de natureza semelhante
zação dos recursos orçamentários pelos órgãos recebidos em decorrência de outros programas
de que trata o caput do art. 3o desta Lei. federais, permitida a opção por um deles.
§ 5o  A modalidade de que trata o inciso I
do caput do art. 2o desta Lei será ofertada pelo Art. 7o  O órgão responsável pelas modalidades
Município que a ela aderir, nos termos do re- do Projovem definirá o agente pagador entre
gulamento, e cofinanciada pela União, Estados, uma instituição financeira oficial.
Distrito Federal e Municípios por intermédio
dos respectivos Fundos de Assistência Social, Art. 8o  As despesas com a execução do Projo-
respeitado o limite orçamentário da União vem observarão os limites de movimentação,
e os critérios de partilha estabelecidos pelo de empenho e de pagamento da programação
Conselho Nacional de Assistência Social, de orçamentária e financeira anual.
acordo com o inciso IX do caput do art. 18 da Parágrafo único.  O Poder Executivo deverá
Lei no 8.742, de 7 de dezembro de 1993. compatibilizar a quantidade de beneficiários de
§ 6o  Os saldos dos recursos financeiros cada modalidade do Projovem com as dotações
recebidos pelos órgãos e entidades da admi- orçamentárias existentes.
nistração pública federal, estadual, municipal
e do Distrito Federal à conta do Projovem, Art. 9o  O Projovem Adolescente – Serviço So-
existentes na conta-corrente específica a que se cioeducativo, compreendido entre os serviços
refere o caput deste artigo em 31 de dezembro de que trata o art. 23 da Lei no 8.742, de 7 de
de cada ano deverão ser aplicados no exercício dezembro de 1993, tem como objetivos:
subsequente, com estrita observância ao objeto I – complementar a proteção social básica
de sua transferência, nos termos da legislação à família, criando mecanismos para garantir a
vigente. convivência familiar e comunitária; e
II – criar condições para a inserção, rein-
Art. 5o  Os Estados, o Distrito Federal, os serção e permanência do jovem no sistema
Municípios e as entidades de direito público educacional.
e privado sem fins lucrativos prestarão conta
dos recursos recebidos do Projovem, na forma Art. 10.  O Projovem Adolescente – Serviço
e prazo definidos em regulamento e nas demais Socioeducativo destina-se aos jovens de 15
disposições aplicáveis. (quinze) a 17 (dezessete) anos:
I – pertencentes a família beneficiária do
Art. 6o  Fica a União autorizada a conceder Programa Bolsa Família – PBF;
Normas correlatas

auxílio financeiro, no valor de R$ 100,00 (cem II – egressos de medida socioeducativa


reais) mensais, aos beneficiários do Projovem, de internação ou em cumprimento de outras
nas modalidades previstas nos incisos II, III medidas socioeducativas em meio aberto, con-
e IV do caput do art. 2o desta Lei, a partir do forme disposto na Lei no 8.069, de 13 de julho
exercício de 2008. de 1990 – Estatuto da Criança e do Adolescente;
137
III – em cumprimento ou egressos de me- § 3o  É assegurada aos jovens que iniciaram
dida de proteção, conforme disposto na Lei o Projovem Urbano nas unidades do sistema
no 8.069, de 13 de julho de 1990; prisional ou nas unidades socioeducativas de
IV – egressos do Programa de Erradicação privação de liberdade a continuidade do curso
do Trabalho Infantil – PETI; ou nas localidades onde existir o Programa.
V – egressos ou vinculados a programas de
combate ao abuso e à exploração sexual. Art. 14.  O Projovem Campo – Saberes da
Parágrafo único.  Os jovens a que se referem Terra tem como objetivo elevar a escolaridade
os incisos II a V do caput deste artigo devem dos jovens da agricultura familiar, integrando
ser encaminhados ao Projovem Adolescente a qualificação social e formação profissional,
– Serviço Socioeducativo pelos programas e na forma do art. 81 da Lei no 9.394, de 20 de
serviços especializados de assistência social dezembro de 1996, estimulando a conclusão
do Município ou do Distrito Federal ou pelo do ensino fundamental e proporcionando a
gestor de assistência social, quando deman- formação integral do jovem, na modalidade
dado oficialmente pelo Conselho Tutelar, pela educação de jovens e adultos, em regime de
Defensoria Pública, pelo Ministério Público ou alternância, nos termos do regulamento.
pelo Poder Judiciário.
Art. 15.  O Projovem Campo – Saberes da
Art. 11.  O Projovem Urbano tem como objeti- Terra atenderá a jovens com idade entre 18
vo elevar a escolaridade visando à conclusão do (dezoito) e 29 (vinte e nove) anos, residentes
ensino fundamental, à qualificação profissional no campo, que saibam ler e escrever, que não
e ao desenvolvimento de ações comunitárias tenham concluído o ensino fundamental e que
com exercício da cidadania, na forma de curso, cumpram os requisitos previstos no art. 3o da
conforme previsto no art. 81 da Lei no 9.394, de Lei no 11.326, de 24 de julho de 2006.
20 de dezembro de 1996.
Art. 16.  O Projovem Trabalhador tem como
Art. 12.  O Projovem Urbano atenderá a jovens objetivo preparar o jovem para o mercado de
com idade entre 18 (dezoito) e 29 (vinte e nove) trabalho e ocupações alternativas geradoras de
anos, que saibam ler e escrever e não tenham renda, por meio da qualificação social e profis-
concluído o ensino fundamental. sional e do estímulo à sua inserção.

Art. 13.  Poderão ser realizadas parcerias Art. 17.  O Projovem Trabalhador atenderá a


com o Ministério da Justiça e com a Secretaria jovens com idade entre 18 (dezoito) e 29 (vinte
Especial dos Direitos Humanos da Presidência e nove) anos, em situação de desemprego e que
da República para implantação do Projovem sejam membros de famílias com renda mensal
Urbano nas unidades prisionais e nas unida- per capita de até 1 (um) salário mínimo, nos
des socioeducativas de privação de liberdade, termos do regulamento.
respectivamente.
§ 1o  O disposto no art.  4o desta Lei não Art. 18.  Nas unidades da Federação e nos
Desenvolvimento e inclusão social

será aplicado no caso das parcerias citadas no Municípios onde existirem programas similares
caput deste artigo, podendo ser realizado con- e congêneres ao previsto no Projovem Traba-
vênio, acordo, contrato, ajuste ou instrumento lhador, o Ministério do Trabalho e Emprego
congênere. buscará promover a articulação e a integração
§ 2o  No caso das unidades socioeducativas das ações dos respectivos Programas.
de privação de liberdade, poderão participar
do Projovem Urbano adolescentes em cumpri- Art. 19.  Na execução do Projovem Trabalha-
mento de medidas socioeducativas de privação dor, o Ministério do Trabalho e Emprego fica
de liberdade que tenham idade mínima de 15 autorizado, mediante convênio, a efetuar trans-
(quinze) anos. ferências de contribuições corrente e de capital
138
aos órgãos e entidades da administração pública § 4o  Os benefícios financeiros previstos nos
federal, estadual e municipal, bem como a en- incisos I, II e III do caput deste artigo pode-
tidades de direito público e privado sem fins rão ser pagos cumulativamente às famílias
lucrativos, observada a legislação pertinente. beneficiárias, observados os limites fixados
§ 1o  O regulamento disporá sobre critérios nos citados incisos II e III.
objetivos de habilitação e seleção de entidades § 5o  A família cuja renda familiar mensal
privadas sem fins lucrativos para serem execu- per capita esteja compreendida entre os
toras do Projovem. valores estabelecidos no § 2o e no § 3o deste
§ 2o  A habilitação e seleção das entidades artigo receberá exclusivamente os benefícios
referidas no § 1o deste artigo serão processadas a que se referem os incisos II e III do caput
em estrita conformidade com os princípios deste artigo, respeitados os limites fixados
básicos da legalidade, da impessoalidade, da nesses incisos.
moralidade, da igualdade, da publicidade e do ���������������������������������������������������������������������������
julgamento objetivo. § 11.  Os benefícios a que se referem os
incisos I, II e III do caput deste artigo serão
Art. 20.  Os arts. 2o e 3o da Lei no 10.836, de pagos, mensalmente, por meio de cartão
9 de janeiro de 2004, passam a vigorar com a magnético bancário fornecido pela Caixa
seguinte redação: Econômica Federal, com a respectiva identi-
“Art. 2o  ����������������������������������������������������������� ficação do responsável, mediante o Número
��������������������������������������������������������������������������� de Identificação Social – NIS, de uso do
II – o benefício variável, destinado a uni- Governo Federal.
dades familiares que se encontrem em § 12.  Os benefícios poderão ser pagos por
situação de pobreza e extrema pobreza e meio das seguintes modalidades de contas,
que tenham em sua composição gestantes, nos termos de resoluções adotadas pelo
nutrizes, crianças entre 0 (zero) e 12 (doze) Banco Central do Brasil:
anos ou adolescentes até 15 (quinze) anos, I – contas-correntes de depósito à vista;
sendo pago até o limite de 3 (três) benefícios II – contas especiais de depósito à vista;
por família; III – contas contábeis; e
III – o benefício variável, vinculado ao IV – outras espécies de contas que venham
adolescente, destinado a unidades familiares a ser criadas.
que se encontrem em situação de pobreza ���������������������������������������������������������������������������
ou extrema pobreza e que tenham em sua �������������������������������������������������������������������������”
composição adolescentes com idade entre 16 “Art. 3o  �����������������������������������������������������������
(dezesseis) e 17 (dezessete) anos, sendo pago Parágrafo único.  O acompanhamento da
até o limite de 2 (dois) benefícios por família. frequência escolar relacionada ao benefício
��������������������������������������������������������������������������� previsto no inciso III do caput do art.  2o
§ 2o  O valor do benefício básico será de desta Lei considerará 75% (setenta e cinco
R$ 58,00 (cinquenta e oito reais) por mês, por cento) de frequência, em conformidade
concedido a famílias com renda familiar com o previsto no inciso VI do caput do
mensal per capita de até R$ 60,00 (sessenta art. 24 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro
reais). de 1996.”
§ 3o  Serão concedidos a famílias com renda
familiar mensal per capita de até R$ 120,00 Art. 21.  Ato do Poder Executivo disporá sobre
(cento e vinte reais), dependendo de sua as demais regras de funcionamento de cada
Normas correlatas

composição: modalidade do Projovem, inclusive no que se


I – o benefício variável no valor de R$ 18,00 refere ao estabelecimento de metas, à avaliação,
(dezoito reais); e ao monitoramento e ao controle social, e sobre
II – o benefício variável, vinculado ao ado- os critérios adicionais a serem observados para
lescente, no valor de R$ 30,00 (trinta reais). o ingresso no Programa, bem como para a con-
139
cessão, a manutenção e a suspensão do auxílio o cumprimento dos seus deveres, nos termos
a que se refere o art. 6o desta Lei. dos convênios, acordos ou instrumentos con-
§ 1o  Cumpridos os requisitos estabelecidos gêneres firmados até 31 de dezembro de 2007.
nesta Lei e na sua regulamentação, ficam asse-
guradas aos jovens com deficiência as condições Art. 24.  Ficam revogados, a partir de 1o de
que lhes possibilitem a efetiva participação no janeiro de 2008:
Projovem. I – o art. 3o-A da Lei no 9.608, de 18 de fe-
§ 2o  Nos currículos dos cursos oferecidos vereiro de 1998;
nas modalidades de que trata o art. 2o desta Lei II – a Lei no 10.748, de 22 de outubro de 2003;
deverão ser incluídas noções básicas de comu- III – os arts. 1o, 2o e 3o da Lei no 10.940, de
nicação oral e escrita em língua portuguesa, de 27 de agosto de 2004;
matemática, de informática, de cidadania e de IV – os arts. 1o a 8o da Lei no 11.129, de 30
língua estrangeira. de junho de 2005; e
V – os arts. 1o a 10 da Lei no 11.180, de 23 de
Art. 22.  O Poder Executivo deverá veicular setembro de 2005.
dados e informações detalhados sobre a execu-
ção orçamentária e financeira dos Programas Brasília, 10 de junho de 2008; 187o da Indepen-
Projovem e Bolsa Família, tratados nesta Lei. dência e 120o da República.

Art. 23.  Esta Lei entra em vigor na data de LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA – Tarso Genro
sua publicação. – Guido Mantega – Fernando Haddad – André
Parágrafo único.  Aos beneficiários e exe- Peixoto Figueiredo Lima – Paulo Bernardo
cutores dos Programas disciplinados nas Leis Silva – Patrus Ananias – Dilma Rousseff – Luiz
nos 10.748, de 22 de outubro de 2003, 11.129, Soares Dulci
de 30 de junho de 2005, e 11.180, de 23 de
setembro de 2005, ficam assegurados, no âm- Promulgada em 10/6/2008 e publicada no DOU de
bito do Projovem, os seus direitos, bem como 11/6/2008.
Desenvolvimento e inclusão social

140
Lei no 11.977/2009
Dispõe sobre o Programa Minha Casa, Minha Vida – PMCMV e a regularização fundiária de
assentamentos localizados em áreas urbanas; altera o Decreto-Lei no 3.365, de 21 de junho de 1941,
as Leis nos 4.380, de 21 de agosto de 1964, 6.015, de 31 de dezembro de 1973, 8.036, de 11 de maio
de 1990, e 10.257, de 10 de julho de 2001, e a Medida Provisória no 2.197-43, de 24 de agosto de
2001; e dá outras providências.

O VICE–PRESIDENTE DA REPÚBLICA, II – imóvel novo: unidade habitacional com


no exercício do cargo de PRESIDENTE DA até 180 (cento e oitenta) dias de “habite-se”, ou
REPÚBLICA documento equivalente, expedido pelo órgão
público municipal competente ou, nos casos
Faço saber que o Congresso Nacional decreta de prazo superior, que não tenha sido habitada
e eu sanciono a seguinte Lei: ou alienada;
III – oferta pública de recursos: procedi-
mento realizado pelo Poder Executivo federal
CAPÍTULO I – Do Programa Minha Casa, destinado a prover recursos às instituições e
Minha Vida – PMCMV agentes financeiros do Sistema Financeiro da
SEÇÃO I – Da Estrutura e Finalidade do Habitação – SFH para viabilizar as operações
PMCMV previstas no inciso III do art. 2o;
IV – requalificação de imóveis urbanos:
Art. 1 o  O Programa Minha Casa, Minha aquisição de imóveis conjugada com a execu-
Vida – PMCMV tem por finalidade criar me- ção de obras e serviços voltados à recuperação
canismos de incentivo à produção e aquisição e ocupação para fins habitacionais, admitida
de novas unidades habitacionais ou requa- ainda a execução de obras e serviços necessários
lificação de imóveis urbanos e produção ou à modificação de uso;
reforma de habitações rurais, para famílias com V – agricultor familiar: aquele definido no
renda mensal de até R$ 4.650,00 (quatro mil, caput, nos seus incisos e no § 2o do art. 3o da Lei
seiscentos e cinquenta reais) e compreende os no 11.326, de 24 de julho de 2006; e
seguintes subprogramas:122 VI – trabalhador rural: pessoa física que, em
I – o Programa Nacional de Habitação Ur- propriedade rural, presta serviços de natureza
bana – PNHU; e não eventual a empregador rural, sob a depen-
II – o Programa Nacional de Habitação dência deste e mediante salário.
Rural – PNHR.
Parágrafo único.  Para os fins desta Lei, Art. 2o  Para a implementação do PMCMV, a
considera-se: União, observada a disponibilidade orçamen-
I – grupo familiar: unidade nuclear compos- tária e financeira:123
ta por um ou mais indivíduos que contribuem I – concederá subvenção econômica ao be-
para o seu rendimento ou têm suas despesas neficiário pessoa física no ato da contratação
por ela atendidas e abrange todas as espécies de financiamento habitacional;
reconhecidas pelo ordenamento jurídico bra- II – participará do Fundo de Arrendamento
Normas correlatas

sileiro, incluindo-se nestas a família unipessoal; Residencial (FAR), mediante integralização de


cotas e transferirá recursos ao Fundo de Desen-

  Lei n o   12.424/2011 e Medida Provisória


122
  Leis nos  12.424/2011 e 12.693/2012, e Medida
123

no 514/2010. Provisória no 561/2012.


141
volvimento Social (FDS) de que tratam, respec- IV – prioridade de atendimento às famí-
tivamente, a Lei no 10.188, de 12 de fevereiro de lias com mulheres responsáveis pela unidade
2001, e a Lei no 8.677, de 13 de julho de 1993; familiar; e
III – realizará oferta pública de recursos V – prioridade de atendimento às famílias
destinados à subvenção econômica ao benefici- de que façam parte pessoas com deficiência.
ário pessoa física de operações em Municípios § 1o  Em áreas urbanas, os critérios de prio-
com população de até 50.000 (cinquenta mil) ridade para atendimento devem contemplar
habitantes; também:
IV – participará do Fundo Garantidor da I – a doação pelos Estados, pelo Distrito
Habitação Popular – FGHab; e Federal e pelos Municípios de terrenos lo-
V – concederá subvenção econômica por calizados em área urbana consolidada para
meio do Banco Nacional de Desenvolvimento implantação de empreendimentos vinculados
Econômico e Social – BNDES, sob a modali- ao programa;
dade de equalização de taxas de juros e outros II – a implementação pelos Estados, pelo
encargos financeiros, especificamente nas Distrito Federal e pelos Municípios de medidas
operações de financiamento de linha especial de desoneração tributária, para as construções
para infraestrutura em projetos de habitação destinadas à habitação de interesse social;
popular. III – a implementação pelos Municípios dos
§ 1o  A aplicação das condições previstas no instrumentos da Lei no 10.257, de 10 de julho
inciso III do caput dar-se-á sem prejuízo da de 2001, voltados ao controle da retenção das
possibilidade de atendimento aos Municípios áreas urbanas em ociosidade.
com população entre 20.000 (vinte mil) e 50.000 § 2o (Vetado)
(cinquenta mil) habitantes por outras formas § 3o  O Poder Executivo federal definirá:
admissíveis no âmbito do PMCMV, nos termos I – os parâmetros de priorização e enquadra-
do regulamento. mento dos beneficiários do PMCMV; e
§ 2o  O regulamento previsto no § 1o deverá II – a periodicidade de atualização dos limi-
prever, entre outras condições, atendimento tes de renda familiar estabelecidos nesta Lei.
aos Municípios com população urbana igual § 4o  Além dos critérios estabelecidos no
ou superior a 70% (setenta por cento) de sua caput, os Estados, Municípios e Distrito Federal
população total e taxa de crescimento popula- poderão fixar outros critérios de seleção de be-
cional, entre os anos 2000 e 2010, superior à neficiários do PMCMV, previamente aprovados
taxa verificada no respectivo Estado. pelos respectivos conselhos locais de habitação,
quando existentes, e em conformidade com as
Art. 3o  Para a indicação dos beneficiários do respectivas políticas habitacionais e as regras
PMCMV, deverão ser observados os seguintes estabelecidas pelo Poder Executivo federal.
requisitos:124 § 5 o  Os Estados, Municípios e Distrito
I – comprovação de que o interessado integra Federal que aderirem ao PMCMV serão res-
família com renda mensal de até R$ 4.650,00 ponsáveis pela execução do trabalho técnico
(quatro mil, seiscentos e cinquenta reais); e social pós-ocupação dos empreendimentos
Desenvolvimento e inclusão social

II – faixas de renda definidas pelo Poder implantados, na forma estabelecida em termo


Executivo federal para cada uma das modali- de adesão a ser definido em regulamento.
dades de operações; § 6o  Na atualização dos valores adotados
III – prioridade de atendimento às famílias como parâmetros de renda familiar estabe-
residentes em áreas de risco ou insalubres ou lecidos nesta Lei deverão ser observados os
que tenham sido desabrigadas; seguintes critérios:
I – quando o teto previsto no dispositivo
for de R$  4.650,00 (quatro mil, seiscentos e
  Lei n o   12.424/2011 e Medida Provisória
124 cinquenta reais), o valor atualizado não poderá
no 514/2010. ultrapassar 10 (dez) salários mínimos;
142
II – quando o teto previsto no dispositivo for IV – a existência ou compromisso do poder
de R$ 2.790,00 (dois mil, setecentos e noventa público local de instalação ou de ampliação
reais), o valor atualizado não poderá ultrapassar dos equipamentos e serviços relacionados a
6 (seis) salários mínimos; educação, saúde, lazer e transporte público.
III – quando o teto previsto no dispositivo
for de R$  1.395,00 (mil, trezentos e noventa Art. 6o  A subvenção econômica de que trata
e cinco reais), o valor atualizado não poderá o inciso I do art. 2o será concedida no ato da
ultrapassar 3 (três) salários mínimos. contratação da operação de financiamento, com
o objetivo de:128
I – facilitar a aquisição, produção e requali-
SEÇÃO II – Do Programa Nacional de ficação do imóvel residencial; ou
Habitação Urbana – PNHU II – complementar o valor necessário a as-
segurar o equilíbrio econômico-financeiro das
Art. 4o  O Programa Nacional de Habitação operações de financiamento realizadas pelas
Urbana – PNHU tem por objetivo promover entidades integrantes do Sistema Financeiro da
a produção ou aquisição de novas unidades Habitação – SFH, compreendendo as despesas
habitacionais ou a requalificação de imóveis de contratação, de administração e cobrança
urbanos, desde 14 de abril de 2009.125 e de custos de alocação, remuneração e perda
§ 1o  Para a implementação do PNHU, a de capital.
União disponibilizará recursos na forma pre- § 1o  A subvenção econômica de que tra-
vista nos incisos I, II e III do art. 2o. ta o caput será concedida exclusivamente a
I – (Revogado); mutuários com renda familiar mensal de até
II – (Vetado); R$  2.790,00 (dois mil, setecentos e noventa
III – (Revogado). reais), uma única vez por imóvel e por benefi-
§ 2o  A assistência técnica pode fazer parte ciário e será cumulativa, até o limite máximo a
da composição de custos do PNHU. ser fixado em ato do Poder Executivo federal,
com os descontos habitacionais concedidos
Art. 5o (Revogado)126 nas operações de financiamento realizadas na
forma do art. 9o da Lei no 8.036, de 11 de maio
Art. 5o-A.  Para a implantação de empreen- de 1990, com recursos do Fundo de Garantia
dimentos no âmbito do PNHU, deverão ser do Tempo de Serviço – FGTS.
observados:127 § 2o  A subvenção poderá ser cumulativa
I – localização do terreno na malha urbana com subsídios concedidos no âmbito de pro-
ou em área de expansão que atenda aos requisi- gramas habitacionais dos Estados, do Distrito
tos estabelecidos pelo Poder Executivo federal, Federal ou dos Municípios.
observado o respectivo plano diretor, quando § 3o (Revogado)
existente; § 4o (Revogado)
II – adequação ambiental do projeto; § 5o (Revogado)
III – infraestrutura básica que inclua vias
de acesso, iluminação pública e solução de Art. 6o-A.  As operações realizadas com re-
esgotamento sanitário e de drenagem de águas cursos advindos da integralização de cotas no
pluviais e permita ligações domiciliares de abas- FAR e recursos transferidos ao FDS, conforme
tecimento de água e energia elétrica; e previsto no inciso II do caput do art.  2o, são
limitadas a famílias com renda mensal de até
Normas correlatas

125
  Lei n o  12.424/2011 e Medidas Provisórias
nos 514/2010 e 651/2014.
126
  Lei no 12.424/2011.   Leis nos 12.249/2010, 12.424/2011 e 12.693/2012,
128
127
  Lei n o   12.424/2011 e Medida Provisória e Medidas Provisórias nos  472/2009, 514/2010 e
no 514/2010. 561/2012.
143
R$  1.395,00 (mil trezentos e noventa e cinco com renda mensal de até R$ 2.790,00 (dois mil,
reais), e condicionadas a:129 setecentos e noventa reais).
I – exigência de participação financeira § 5o  Nas operações com recursos previstos
dos beneficiários, sob a forma de prestações no caput:
mensais; I – a subvenção econômica será concedida
II – quitação da operação, em casos de morte nas prestações do financiamento, ao longo de
ou invalidez permanente do beneficiário, sem 120 (cento e vinte) meses;
cobrança de contribuição do beneficiário; e II – a quitação antecipada do financiamento
III – cobertura de danos físicos ao imóvel, implicará o pagamento do valor da dívida con-
sem cobrança de contribuição do beneficiário. tratual do imóvel, sem a subvenção econômica
§ 1o  Nos empreendimentos habitacionais conferida na forma deste artigo;
em edificações multifamiliares produzidos com III – não se admite transferência inter vivos
os recursos de que trata o caput, inclusive no de imóveis sem a respectiva quitação.
caso de requalificação de imóveis urbanos, será § 6o  As cessões de direitos, promessas de
admitida a produção de unidades destinadas à cessões de direitos ou procurações que tenham
atividade comercial a eles vinculada, devendo por objeto a compra e venda, promessa de com-
o resultado de sua exploração ser destinado pra e venda ou cessão de imóveis adquiridos sob
integralmente ao custeio do condomínio. as regras do PMCMV, quando em desacordo
§ 2o  É vedada a alienação das unidades des- com o inciso III do §  5o, serão consideradas
tinadas à atividade comercial de que trata o § 1o nulas.
pelo condomínio a que estiverem vinculadas. § 7o  Nas operações previstas no §  3o, a
§ 3 o   Serão dispensadas, na forma do subvenção econômica será concedida, no
regulamento, a participação financeira dos ato da contratação da unidade habitacional,
beneficiários de que trata o inciso I do caput exclusivamente para o beneficiário que com-
e a cobertura a que se refere o inciso III do provar a titularidade e regularidade fundiária
caput nas operações com recursos advindos da do imóvel do qual será removido, do imóvel
integralização de cotas no FAR, quando essas que foi destruído ou do imóvel cujo uso
operações: foi impedido definitivamente, quando nele
I – forem vinculadas às programações or- esteja ou estivesse habitando, na forma do
çamentárias do Programa de Aceleração do regulamento.
Crescimento (PAC) e demandarem reassen- § 8o  É vedada a concessão de subvenções
tamento, remanejamento ou substituição de econômicas lastreadas nos recursos do FAR
unidades habitacionais; ou do FDS a beneficiário que tenha recebido
II – forem vinculadas a intervenções fi- benefício de natureza habitacional oriundo de
nanciadas por operações de crédito ao setor recursos orçamentários da União, do FAR, do
público, conforme hipóteses definidas no FDS ou de descontos habitacionais concedidos
regulamento, e demandarem reassentamento, com recursos do FGTS, excetuadas as subven-
remanejamento ou substituição de unidades ções ou descontos destinados à aquisição de
habitacionais; ou material de construção e aquelas previstas no
Desenvolvimento e inclusão social

III – forem destinadas ao atendimento, nos atendimento a famílias nas operações estabele-
casos de situação de emergência ou estado de cidas no § 3o, na forma do regulamento.
calamidade pública reconhecidos pela União, a
famílias desabrigadas que perderam seu único Art. 6o-B.  Para a concessão de subvenção
imóvel. econômica nas operações de que trata o inciso
§ 4o  Exclusivamente nas operações previstas III do art. 2o, fica estabelecido que a instituição
no § 3o, será admitido atendimento a famílias ou agente financeiro participante só poderá
receber recursos até o máximo de 15% (quinze
  Leis nos  12.424/2011 e 12.693/2012, e Medidas
129 por cento) do total ofertado em cada oferta
Provisórias nos 514/2010 e 561/2012. pública, na forma do regulamento, considerado
144
o limite de 100 (cem) unidades habitacionais em finalidade diversa da definida nesta Lei, ou
por Município.130 em desconformidade ao disposto nos arts. 6o,
§ 1o  O Poder Executivo federal disporá 6o-A e 6o-B, será exigida a devolução ao erário
necessariamente sobre os seguintes aspectos: do valor da subvenção concedida, acrescido de
I – valores e limites das subvenções individu- juros e atualização monetária, com base na re-
alizadas a serem destinadas a cada beneficiário; muneração dos recursos que serviram de lastro
II – remuneração das instituições e agentes à sua concessão, sem prejuízo das penalidades
financeiros pelas operações realizadas; previstas em lei.131
III – quantidade, condições e modalidades
de ofertas públicas de cotas de subvenções; e Art. 8o  Caberá ao Poder Executivo a regula-
IV – tipologia e padrão das moradias e da mentação do PNHU, especialmente em relação:
infraestrutura urbana, com observância da I – à fixação das diretrizes e condições gerais;
legislação municipal pertinente. II – à distribuição regional dos recursos
§ 2o  As operações de que trata o caput pode- e à fixação dos critérios complementares de
rão ser realizadas pelos bancos múltiplos, pelos distribuição desses recursos;
bancos comerciais, pelas sociedades de crédito III – aos valores e limites máximos de sub-
imobiliário, pelas companhias hipotecárias, por venção;
órgãos federais, estaduais e municipais, inclusi- IV – ao estabelecimento dos critérios adicio-
ve sociedades de economia mista em que haja nais de priorização da concessão da subvenção
participação majoritária do poder público, que econômica; e
operem no financiamento de habitações e obras V – ao estabelecimento das condições
conexas, e pelas cooperativas de crédito que operacionais para pagamento e controle da
tenham entre seus objetivos o financiamento subvenção econômica.
habitacional a seus cooperados, desde que tais
instituições e agentes financeiros sejam espe- Art. 9o  A gestão operacional dos recursos des-
cificamente autorizados a operar o programa tinados à concessão da subvenção do PNHU de
pelo Banco Central do Brasil e pelo Ministério que trata o inciso I do art. 2o desta Lei será efe-
das Cidades, no âmbito de suas competências. tuada pela Caixa Econômica Federal – CEF.132
§ 3o  Os Estados e os Municípios poderão Parágrafo único.  Os Ministros de Estado das
complementar o valor das subvenções eco- Cidades e da Fazenda fixarão, em ato conjunto,
nômicas com créditos tributários, benefícios a remuneração da Caixa Econômica Federal
fiscais, bens ou serviços economicamente pelas atividades exercidas no âmbito do PNHU.
mensuráveis, assistência técnica ou recursos
financeiros. Art. 10.  Competem aos Ministérios da Fazen-
§ 4o  É vedada a concessão de subvenções da e das Cidades a regulamentação e a gestão
econômicas de que trata o inciso III do caput do do PNHU no âmbito das suas respectivas
art. 2o a beneficiário que tenha recebido benefí- competências.
cio de natureza habitacional oriundo de recur-
sos orçamentários da União, do FAR, do FDS
ou de descontos habitacionais concedidos com SEÇÃO III – Do Programa Nacional de
recursos do FGTS, excetuadas as subvenções ou Habitação Rural – PNHR
descontos destinados à aquisição de material de
construção, na forma do regulamento. Art. 11.  O PNHR tem como finalidade sub-
sidiar a produção ou reforma de imóveis aos
Normas correlatas

Art. 7o  Em casos de utilização dos recursos


de que tratam os incisos I, II e III do art.  2o 131
  Lei n o   12.424/2011 e Medida Provisória
n  514/2010.
o

  Leis nos  12.424/2011 e 12.693/2012, e Medidas


130 132
  Lei n o   12.424/2011 e Medida Provisória
Provisórias nos 514/2010 e 561/2012. no 514/2010.
145
agricultores familiares e trabalhadores rurais, § 2o  A subvenção poderá ser cumulativa
por intermédio de operações de repasse de com subsídios concedidos no âmbito de progra-
recursos do orçamento geral da União ou de mas habitacionais dos Estados, Distrito Federal
financiamento habitacional com recursos do ou Municípios.
Fundo de Garantia do Tempo de Serviço – § 3o  Para definição dos beneficiários do
FGTS, desde 14 de abril de 2009.133 PNHR, deverão ser respeitados, exclusivamen-
Parágrafo único.  A assistência técnica pode te, o limite de renda definido para o PMCMV
fazer parte da composição de custos do PNHR. e as faixas de renda definidas pelo Poder Exe-
cutivo federal.
Art. 12. (Revogado)134
Parágrafo único.  Enquanto não efetivado o Art. 14.  Em casos de utilização dos recursos
aporte de recursos de que trata o caput, caso de que trata o art. 11 em finalidade diversa da
o agente operador do Fundo de Garantia do definida nesta Lei, ou em desconformidade ao
Tempo de Serviço – FGTS tenha suportado ou disposto no art.  13, será exigida a devolução
venha a suportar, com recursos das disponibi- ao erário do valor da subvenção concedida,
lidades atuais do referido fundo, a parcela da acrescido de juros e atualização monetária,
subvenção econômica de que trata o caput, terá com base na remuneração dos recursos que
direito ao ressarcimento das quantias desembol- serviram de lastro à sua concessão, sem prejuízo
sadas, devidamente atualizadas pela taxa Selic. das penalidades previstas em lei.136

Art. 13.  Nas operações de que trata o art. 11, Art. 15.  O Poder Executivo regulamentará
poderá ser concedido subvenção econômica, o disposto nesta Seção, especialmente no que
no ato da contratação do financiamento, com concerne à definição das diretrizes e condições
o objetivo de:135 gerais de operação, gestão, acompanhamento,
I – facilitar a produção ou reforma do imóvel controle e avaliação do PNHR.
residencial;
II – complementar o valor necessário a as- Art. 16.  A gestão operacional do PNHR será
segurar o equilíbrio econômico-financeiro das efetuada pela Caixa Econômica Federal.
operações de financiamento realizadas pelos Parágrafo único.  Os Ministros de Estado das
agentes financeiros; ou Cidades e da Fazenda fixarão, em ato conjunto,
III – complementar a remuneração do agente a remuneração da Caixa Econômica Federal
financeiro, nos casos em que o subsídio não pelas atividades exercidas no âmbito do PNHR.
esteja vinculado a financiamento.
§ 1o  A subvenção econômica do PNHR Art. 17.  Competem aos Ministérios da Fazen-
será concedida uma única vez por imóvel e por da e das Cidades a regulamentação e a gestão
beneficiário e, excetuados os casos previstos no do PNHR no âmbito das suas respectivas
inciso III deste artigo, será cumulativa, até o li- competências.
mite máximo a ser fixado em ato do Poder Exe-
cutivo federal, com os descontos habitacionais
Desenvolvimento e inclusão social

concedidos nas operações de financiamento SEÇÃO IV – Das Transferências de Recursos


realizadas na forma do art. 9o da Lei no 8.036, por parte da União e da Subvenção para
de 11 de maio de 1990, com recursos do FGTS. Municípios de Pequeno Porte

133
  Leis nos  12.249/2010 e 12.424/2011, e Medidas Art. 18.  Fica a União autorizada a trans-
Provisórias nos  472/2009, 478/2009, 514/2010 e ferir recursos para o Fundo de Arrenda-
651/2014. mento Residencial – FAR, até o limite de
134
  Lei no 12.424/2011.
135
  Leis nos  12.249/2010 e 12.424/2011, e Medidas   Lei n o   12.424/2011 e Medida Provisória
136

Provisórias nos 472/2009 e 514/2010. no 514/2010.


146
R$  16.500.000.000,00 (dezesseis bilhões e I – os recursos oriundos da integralização de
quinhentos milhões de reais), e para o Fundo cotas pela União e pelos agentes financeiros que
de Desenvolvimento Social – FDS, até o limite optarem por aderir às coberturas previstas nos
de R$ 500.000.000,00 (quinhentos milhões de incisos I e II do caput deste artigo;
reais).137 II – os rendimentos obtidos com a aplicação
§ 1o (Revogado) das disponibilidades financeiras em títulos
§ 2o (Revogado) públicos federais e em ativos com lastro em
créditos de base imobiliária, cuja aplicação
Art. 19. (Revogado)138 esteja prevista no estatuto social;
III – os recursos provenientes da recupera-
ção de prestações honradas com recursos do
SEÇÃO V – Do Fundo Garantidor da FGHab;
Habitação Popular – FGHab IV – as comissões cobradas com fundamento
nos incisos I e II do caput deste artigo; e
Art. 20.  Fica a União autorizada a participar, V – outras fontes de recursos definidas no
até o limite de R$ 2.000.000.000,00 (dois bilhões estatuto do Fundo.
de reais), de Fundo Garantidor da Habitação § 4o  Os agentes financeiros que optarem
Popular – FGHab, que terá por finalidades:139 por aderir à cobertura do FGHab deverão
I – garantir o pagamento aos agentes finan- integralizar cotas proporcionais ao valor do
ceiros de prestação mensal de financiamento financiamento para o mutuário final, na forma
habitacional, no âmbito do Sistema Financeiro definida pelo estatuto.
da Habitação, devida por mutuário final, em § 5o  A integralização de cotas pela União
caso de desemprego e redução temporária da será autorizada por decreto e poderá ser reali-
capacidade de pagamento, para famílias com zada, a critério do Ministério da Fazenda:
renda mensal de até R$ 4.650,00 (quatro mil, I – em moeda corrente;
seiscentos e cinquenta reais); e II – em títulos públicos;
II – assumir o saldo devedor do financia- III – por meio de suas participações mino-
mento imobiliário, em caso de morte e invalidez ritárias; ou
permanente, e as despesas de recuperação rela- IV – por meio de ações de sociedades de eco-
tivas a danos físicos ao imóvel para mutuários nomia mista federais excedentes ao necessário
com renda familiar mensal de até R$ 4.650,00 para manutenção de seu controle acionário.
(quatro mil, seiscentos e cinquenta reais). § 6o  O FGHab terá direitos e obrigações pró-
§ 1o  As condições e os limites das coberturas prias, pelas quais responderá com seu patrimô-
de que tratam os incisos I e II deste artigo serão nio, não respondendo os cotistas por qualquer
definidos no estatuto do FGHab, que poderá obrigação do Fundo, salvo pela integralização
estabelecer os casos em que será oferecida das cotas que subscreverem.
somente a cobertura de que trata o inciso II.
§ 2o  O FGHab terá natureza privada e pa- Art. 21.  É facultada a constituição de patri-
trimônio próprio dividido em cotas, separado mônio de afetação para a cobertura de que
do patrimônio dos cotistas. trata o inciso II do caput do art. 20, que não se
§ 3o  Constituem patrimônio do FGHab: comunicará com o restante do patrimônio do
FGHab, ficando vinculado exclusivamente à
garantia da respectiva cobertura, não podendo
ser objeto de penhora, arresto, sequestro, busca
Normas correlatas

137
  Leis nos  12.058/2009 e 12.424/2011, e Medida
Provisória no 514/2010. e apreensão ou qualquer ato de constrição judi-
138
  Lei n o   12.424/2011 e Medida Provisória cial decorrente de outras obrigações do Fundo.
n  514/2010.
o Parágrafo único.  A constituição do patri-
139
  Leis nos  12.249/2010 e 12.424/2011, e Medida mônio de afetação será feita por registro em
Provisória no 472/2009. cartório de registro de títulos e documentos.
147
Art. 22.  O FGHab não pagará rendimentos a Art. 25.  Fica criado o Comitê de Participação
seus cotistas, assegurando-se a qualquer deles no Fundo Garantidor da Habitação Popular –
o direito de requerer o resgate total ou parcial CPFGHab, órgão colegiado com composição
de suas cotas, correspondente ao montante de e competência estabelecidas em ato do Poder
recursos financeiros disponíveis ainda não vin- Executivo.
culados às garantias já contratadas, fazendo-se § 1o  O CPFGHab contará com representan-
a liquidação com base na situação patrimonial tes do Ministério da Fazenda, que o presidirá, do
do Fundo. Ministério do Planejamento, Orçamento e Ges-
tão e da Casa Civil da Presidência da República.
Art. 23.  Os rendimentos auferidos pela cartei- § 2o  O estatuto do FGHab deverá ser exami-
ra do FGHab não se sujeitam à incidência de nado previamente pelo CPFGHab antes de sua
imposto de renda na fonte, devendo integrar a aprovação na assembleia de cotistas.
base de cálculo dos impostos e contribuições
devidos pela pessoa jurídica, na forma da legis- Art. 26.  O FGHab não contará com qualquer
lação vigente, quando houver o resgate de cotas, tipo de garantia ou aval por parte do setor públi-
total ou parcial, ou na dissolução do Fundo. co e responderá por suas obrigações até o limite
dos bens e direitos integrantes de seu patrimônio.
Art. 24.  O FGHab será criado, administrado,
gerido e representado judicial e extrajudicial- Art. 27.  A garantia de que trata o inciso I
mente por instituição financeira controlada do caput do art. 20 será prestada mediante as
direta ou indiretamente pela União, com obser- seguintes condições:
vância das normas a que se refere o inciso XXII I – limite de cobertura, incluindo o número de
do art. 4o da Lei no 4.595, de 31 de dezembro prestações cobertas, a depender da renda familiar
de 1964. do mutuário, verificada no ato da contratação;
§ 1o  A representação da União na assem- II – período de carência definido pelo es-
bleia de cotistas dar-se-á na forma do inciso tatuto;
V do art.  10 do Decreto-Lei no  147, de 3 de III – retorno das prestações honradas pelo
fevereiro de 1967. Fundo na forma contratada com o mutuário
§ 2o  Caberá à instituição financeira de que final, imediatamente após o término de cada
trata o caput deste artigo, na forma estabelecida período de utilização da garantia, dentro do
no estatuto do Fundo: prazo remanescente do financiamento habi-
I – deliberar sobre a gestão e a alienação tacional ou com prorrogação do prazo inicial,
dos bens e direitos do FGHab, zelando pela atualizadas pelos mesmos índices previstos no
manutenção de sua rentabilidade e liquidez, contrato de financiamento; e
após autorização dos cotistas; IV – risco de crédito compartilhado entre o
II – receber comissão pecuniária, em cada Fundo e os agentes financeiros nos percentuais,
operação, do agente financeiro concedente do respectivamente, de 95% (noventa e cinco por
crédito, que poderá exigi-la do mutuário, desde cento) e 5% (cinco por cento), a ser absorvido
que o valor cobrado do mutuário, somado a após esgotadas medidas de cobrança e execução
Desenvolvimento e inclusão social

outras eventuais cobranças de caráter securi- dos valores honrados pelo FGHab.
tário, não ultrapasse 10% (dez por cento) da
prestação mensal. Art. 28.  Os financiamentos imobiliários garan-
§ 3o  A instituição financeira a que se refere tidos pelo FGHab, na forma do inciso II do caput
o caput deste artigo fará jus à remuneração pela do art. 20, serão dispensados da contratação de
administração do FGHab, a ser estabelecida no seguro com cobertura de Morte, Invalidez Per-
estatuto do Fundo. manente – MIP e Danos Físicos ao Imóvel – DFI.
§ 4o  O estatuto do FGHab será proposto
pela instituição financeira e aprovado em as- Art. 29.  O FGHab concederá garantia para
sembleia de cotistas. até dois milhões de financiamentos imobiliá-
148
rios contratados exclusivamente no âmbito do lidade de equalização de taxas de juros e outros
PMCMV.140 encargos financeiros, especificamente nas ope-
rações de financiamento de linha especial para
Art. 30.  As coberturas do FGHab, descritas infraestrutura em projetos de habitação popular.
no art.  20, serão prestadas às operações de § 1o  O volume de recursos utilizado para
financiamento habitacional, a partir de 14 de a linha de que dispõe o caput deste artigo não
abril de 2009, nos casos de:141 pode superar R$  5.000.000.000,00 (cinco bi-
I – produção ou aquisição de imóveis novos lhões de reais).
em áreas urbanas; § 2o  A equalização de juros de que trata o
II – requalificação de imóveis já existentes caput deste artigo corresponderá ao diferencial
em áreas consolidadas no âmbito do Programa entre o custo da fonte de captação do BNDES
Nacional de Habitação Urbana – PNHU; ou e o custo da linha para a instituição financeira
III – produção de moradia no âmbito do Pro- oficial federal.
grama Nacional de Habitação Rural – PNHR.
§ 1o  A contratação das coberturas de que Art. 34.  A concessão da subvenção de equali-
trata o caput está sujeita às seguintes condições: zação de juros obedecerá aos limites e normas
I – os valores de financiamento devem obede- operacionais a serem estabelecidos pelo Conse-
cer aos limites definidos no estatuto do Fundo; lho Monetário Nacional, especialmente no que
II – a cobertura do FGHab está limitada a diz respeito a custos de captação e de aplicação
um único imóvel financiado por mutuário no dos recursos.
âmbito do SFH; e
III – a previsão da cobertura pelo FGHab
deve estar expressa em cláusula específica dos SEÇÃO VII – Disposições Complementares
contratos celebrados entre os agentes financei-
ros e os mutuários. Art. 35.  Os contratos e registros efetivados
§ 2o  O estatuto do FGHab definirá o prazo no âmbito do PMCMV serão formalizados,
das coberturas oferecidas pelo Fundo. preferencialmente, em nome da mulher.

Art. 31.  A dissolução do FGHab ficará con- Art. 35-A.  Nas hipóteses de dissolução de


dicionada à prévia quitação da totalidade dos união estável, separação ou divórcio, o título
débitos garantidos. de propriedade do imóvel adquirido no âmbito
do PMCMV, na constância do casamento ou
Art. 32.  Dissolvido o FGHab, o seu patri- da união estável, com subvenções oriundas de
mônio será distribuído entre os cotistas, na recursos do orçamento geral da União, do FAR
proporção de suas cotas, com base na situação e do FDS, será registrado em nome da mulher
patrimonial à data da dissolução. ou a ela transferido, independentemente do
regime de bens aplicável, excetuados os casos
que envolvam recursos do FGTS.142
SEÇÃO VI – Da Subvenção Econômica Parágrafo único.  Nos casos em que haja
ao Banco Nacional de Desenvolvimento filhos do casal e a guarda seja atribuída exclu-
Econômico e Social – BNDES sivamente ao marido ou companheiro, o título
da propriedade do imóvel será registrado em
Art. 33.  Fica a União autorizada a conceder seu nome ou a ele transferido.
subvenção econômica ao BNDES, sob a moda-
Normas correlatas

Art. 36.  Os lotes destinados à construção de mo-


140
  Lei n o   12.424/2011 e Medida Provisória radias no âmbito do PMCMV não poderão ser
n  651/2014.
o

141
  Lei n o  12.249/2010 e Medidas Provisórias   Lei n o   12.693/2012 e Medida Provisória
142

nos 472/2009 e 651/2014. no 561/2012.


149
objeto de remembramento, devendo tal proibição Art. 42.  Os emolumentos devidos pelos atos
constar expressamente dos contratos celebrados. de abertura de matrícula, registro de incorpora-
Parágrafo único.  A vedação estabelecida no ção, parcelamento do solo, averbação de cons-
caput perdurará pelo prazo de 15 (quinze) anos, trução, instituição de condomínio, averbação
contados a partir da celebração do contrato. da carta de “habite-se” e demais atos referentes
à construção de empreendimentos no âmbito
do PMCMV serão reduzidos em:143
CAPÍTULO II – Do Registro Eletrônico e I – 75% (setenta e cinco por cento) para os
das Custas e Emolumentos empreendimentos do FAR e do FDS;
II – 50% (cinquenta por cento) para os atos
Art. 37.  Os serviços de registros públicos de relacionados aos demais empreendimentos do
que trata a Lei no 6.015, de 31 de dezembro de PMCMV;
1973, observados os prazos e condições pre- III – (Revogado).
vistas em regulamento, instituirão sistema de § 1o  A redução prevista no inciso I será
registro eletrônico. também aplicada aos emolumentos devidos
pelo registro da transferência de propriedade
Art. 38.  Os documentos eletrônicos apresen- do imóvel para o FAR e o FDS.
tados aos serviços de registros públicos ou por § 2o  No ato do registro de incorporação, o
eles expedidos deverão atender aos requisitos interessado deve declarar que o seu empreendi-
da Infraestrutura de Chaves Públicas Brasilei- mento está enquadrado no PMCMV para obter
ra – ICP e à arquitetura e-PING (Padrões de a redução dos emolumentos previstos no caput.
Interoperabilidade de Governo Eletrônico), § 3o  O desenquadramento do PMCMV de
conforme regulamento. uma ou mais unidades habitacionais de em-
Parágrafo único.  Os serviços de registros preendimento que tenha obtido a redução das
públicos disponibilizarão serviços de recepção custas na forma do § 2o implica a complemen-
de títulos e de fornecimento de informações e tação do pagamento dos emolumentos relativos
certidões em meio eletrônico. a essas unidades.

Art. 39.  Os atos registrais praticados a partir Art. 43.  Os emolumentos referentes a escritu-


da vigência da Lei no 6.015, de 31 de dezembro ra pública, quando esta for exigida, ao registro
de 1973, serão inseridos no sistema de registro da alienação de imóvel e de correspondentes
eletrônico, no prazo de até 5 (cinco) anos a garantias reais e aos demais atos relativos ao
contar da publicação desta Lei. imóvel residencial adquirido ou financiado
Parágrafo único.  Os atos praticados e os do- no âmbito do PMCMV serão reduzidos em:144
cumentos arquivados anteriormente à vigência I – 75% (setenta e cinco por cento) para os
da Lei no 6.015, de 31 de dezembro de 1973, imóveis residenciais adquiridos do FAR e do FDS;
deverão ser inseridos no sistema eletrônico. II – 50% (cinquenta por cento) para os imó-
veis residenciais dos demais empreendimentos
Art. 40.  Serão definidos em regulamento os do PMCMV.
Desenvolvimento e inclusão social

requisitos quanto a cópias de segurança de Parágrafo único. (Revogado)


documentos e de livros escriturados de forma I – (Revogado);
eletrônica. II – (Revogado).

Art. 41.  A partir da implementação do sistema Art. 43-A. (Vetado)145


de registro eletrônico de que trata o art. 37, os
serviços de registros públicos disponibilizarão
ao Poder Executivo federal, por meio eletrônico 143
  Lei no 12.424/2011.
e sem ônus, o acesso às informações constantes 144
  Lei no 12.424/2011.
de seus bancos de dados, conforme regulamento. 145
  Lei no 12.424/2011.
150
Art. 44.  Os cartórios que não cumprirem o ambientais e sociais que visam à regularização
disposto nos arts. 42 e 43 ficarão sujeitos à multa de assentamentos irregulares e à titulação de
no valor de até R$ 100.000,00 (cem mil reais), seus ocupantes, de modo a garantir o direito
bem como a outras sanções previstas na Lei social à moradia, o pleno desenvolvimento
no 8.935, de 18 de novembro de 1994. das funções sociais da propriedade urbana e
o direito ao meio ambiente ecologicamente
Art. 44-A.  Nos atos registrais relativos ao equilibrado.
PMCMV, o prazo para qualificação do título
e respectivo registro, averbação ou devolução Art. 47.  Para efeitos da regularização fundiária
com indicação das pendências a serem satisfei- de assentamentos urbanos, consideram-se:147
tas para sua efetivação não poderá ultrapassar I – área urbana: parcela do território, contí-
a 15 (quinze) dias, contados da data em que nua ou não, incluída no perímetro urbano pelo
ingressar na serventia.146 Plano Diretor ou por lei municipal específica;
§ 1o  Havendo exigências de qualquer or- II – área urbana consolidada: parcela da área
dem, elas deverão ser formuladas de uma só urbana com densidade demográfica superior a
vez, por escrito, articuladamente, de forma 50 (cinquenta) habitantes por hectare e malha
clara e objetiva, em papel timbrado do cartório, viária implantada e que tenha, no mínimo, 2
com data, identificação e assinatura do servi- (dois) dos seguintes equipamentos de infraes-
dor responsável, para que o interessado possa trutura urbana implantados:
satisfazê-las, ou, não se conformando, requerer a)  drenagem de águas pluviais urbanas;
a suscitação de dúvida. b)  esgotamento sanitário;
§ 2o  Reingressando o título dentro da vi- c)  abastecimento de água potável;
gência da prenotação, e estando em ordem, o d)  distribuição de energia elétrica; ou
registro ou averbação será feito no prazo de 10 e)  limpeza urbana, coleta e manejo de re-
(dez) dias. síduos sólidos;
§ 3o  Em caso de inobservância do disposto III – demarcação urbanística: procedimento
neste artigo, será aplicada multa, na forma do administrativo pelo qual o poder público, no
inciso II do caput do art. 32 da Lei no 8.935, âmbito da regularização fundiária de interesse
de 18 de novembro de 1994, com valor míni- social, demarca imóvel de domínio público ou
mo de 20% (vinte por cento) dos respectivos privado, definindo seus limites, área, localiza-
emolumentos, sem prejuízo de outras sanções ção e confrontantes, com a finalidade de iden-
cabíveis. tificar seus ocupantes e qualificar a natureza e
o tempo das respectivas posses;
Art. 45.  Regulamento disporá sobre as con- IV – legitimação de posse: ato do poder pú-
dições e as etapas mínimas, bem como sobre blico destinado a conferir título de reconheci-
os prazos máximos, a serem cumpridos pelos mento de posse de imóvel objeto de demarcação
serviços de registros públicos, com vistas na urbanística, com a identificação do ocupante e
efetiva implementação do sistema de registro do tempo e natureza da posse;
eletrônico de que trata o art. 37. V – Zona Especial de Interesse Social – ZEIS:
parcela de área urbana instituída pelo Plano
Diretor ou definida por outra lei municipal,
CAPÍTULO III – Da Regularização destinada predominantemente à moradia de
Fundiária de Assentamentos Urbanos população de baixa renda e sujeita a regras
SEÇÃO I – Disposições Preliminares específicas de parcelamento, uso e ocupação
Normas correlatas

do solo;
Art. 46.  A regularização fundiária consiste no
conjunto de medidas jurídicas, urbanísticas,
  Lei n o   12.424/2011 e Medida Provisória
147

  Lei no 12.424/2011.
146
no 514/2010.
151
VI – assentamentos irregulares: ocupações II – articulação com as políticas setoriais de
inseridas em parcelamentos informais ou irre- habitação, de meio ambiente, de saneamento
gulares, localizadas em áreas urbanas públicas básico e de mobilidade urbana, nos diferentes
ou privadas, utilizadas predominantemente níveis de governo e com as iniciativas públicas
para fins de moradia; e privadas, voltadas à integração social e à ge-
VII – regularização fundiária de interesse so- ração de emprego e renda;
cial: regularização fundiária de assentamentos III – participação dos interessados em todas
irregulares ocupados, predominantemente, por as etapas do processo de regularização;
população de baixa renda, nos casos: IV – estímulo à resolução extrajudicial de
a)  em que a área esteja ocupada, de forma conflitos; e
mansa e pacífica, há, pelo menos, 5 (cinco) V – concessão do título preferencialmente
anos; para a mulher.
b)  de imóveis situados em ZEIS; ou
c)  de áreas da União, dos Estados, do Art. 49.  Observado o disposto nesta Lei e na
Distrito Federal e dos Municípios declaradas Lei no 10.257, de 10 de julho de 2001, o Muni-
de interesse para implantação de projetos de cípio poderá dispor sobre o procedimento de
regularização fundiária de interesse social; regularização fundiária em seu território.
VIII – regularização fundiária de interesse Parágrafo único.  A ausência da regulamen-
específico: regularização fundiária quando não tação prevista no caput não obsta a implemen-
caracterizado o interesse social nos termos do tação da regularização fundiária.
inciso VII;
IX – etapas da regularização fundiária: Art. 50.  A regularização fundiária poderá
medidas jurídicas, urbanísticas e ambientais ser promovida pela União, pelos Estados, pelo
mencionadas no art. 46 desta Lei, que envolvam Distrito Federal e pelos Municípios e também
a integralidade ou trechos do assentamento por:148
irregular objeto de regularização. I – seus beneficiários, individual ou coleti-
§ 1o  A demarcação urbanística e a legitima- vamente; e
ção de posse de que tratam os incisos III e IV II – cooperativas habitacionais, associações
deste artigo não implicam a alteração de domí- de moradores, fundações, organizações sociais,
nio dos bens imóveis sobre os quais incidirem, organizações da sociedade civil de interesse
o que somente se processará com a conversão público ou outras associações civis que tenham
da legitimação de posse em propriedade, nos por finalidade atividades nas áreas de desen-
termos do art. 60 desta Lei. volvimento urbano ou regularização fundiária.
§ 2o  Sem prejuízo de outros meios de pro- Parágrafo único.  Os legitimados previstos
va, o prazo de que trata a alínea “a” do inciso no caput poderão promover todos os atos ne-
VII poderá ser demonstrado por meio de cessários à regularização fundiária, inclusive os
fotos aéreas da ocupação ao longo do tempo atos de registro.
exigido.
Art. 51.  O projeto de regularização fundi-
Desenvolvimento e inclusão social

Art. 48.  Respeitadas as diretrizes gerais da po- ária deverá definir, no mínimo, os seguintes
lítica urbana estabelecidas na Lei no 10.257, de elementos:149
10 de julho de 2001, a regularização fundiária I – as áreas ou lotes a serem regularizados
observará os seguintes princípios: e, se houver necessidade, as edificações que
I – ampliação do acesso à terra urbanizada serão relocadas;
pela população de baixa renda, com prioridade
para sua permanência na área ocupada, asse-
gurados o nível adequado de habitabilidade e 148
  Lei n o   12.424/2011 e Medida Provisória
a melhoria das condições de sustentabilidade no 514/2010.
urbanística, social e ambiental; 149
  Lei no 12.424/2011.
152
II – as vias de circulação existentes ou pro- ambiental, se o Município tiver conselho de
jetadas e, se possível, as outras áreas destinadas meio ambiente e órgão ambiental capacitado.
a uso público; § 2o  Para efeito do disposto no §  1o, con-
III – as medidas necessárias para a promo- sidera-se órgão ambiental capacitado o órgão
ção da sustentabilidade urbanística, social e municipal que possua em seus quadros ou à sua
ambiental da área ocupada, incluindo as com- disposição profissionais com atribuição para
pensações urbanísticas e ambientais previstas análise do projeto e decisão sobre o licencia-
em lei; mento ambiental.
IV – as condições para promover a seguran- § 3o  No caso de o projeto abranger área de
ça da população em situações de risco, consi- Unidade de Conservação de Uso Sustentável
derado o disposto no parágrafo único do art. 3o que, nos termos da Lei no 9.985, de 18 de julho
da Lei no 6.766, de 19 de dezembro de 1979; e de 2000, admita a regularização, será exigida
V – as medidas previstas para adequação da também anuência do órgão gestor da unidade.
infraestrutura básica.
§ 1o  O projeto de que trata o caput não será Art. 54.  O projeto de regularização fundiária
exigido para o registro da sentença de usuca- de interesse social deverá considerar as carac-
pião, da sentença declaratória ou da planta, terísticas da ocupação e da área ocupada para
elaborada para outorga administrativa, de definir parâmetros urbanísticos e ambientais
concessão de uso especial para fins de moradia. específicos, além de identificar os lotes, as
§ 2o  O Município definirá os requisitos para vias de circulação e as áreas destinadas a uso
elaboração do projeto de que trata o caput, no público.151
que se refere aos desenhos, ao memorial descri- § 1 o  O Município poderá, por decisão
tivo e ao cronograma físico de obras e serviços motivada, admitir a regularização fundiária
a serem realizados. de interesse social em Áreas de Preservação
§ 3o  A regularização fundiária pode ser Permanente, ocupadas até 31 de dezembro de
implementada por etapas. 2007 e inseridas em área urbana consolidada,
desde que estudo técnico comprove que esta
Art. 52.  Na regularização fundiária de assen- intervenção implica a melhoria das condições
tamentos consolidados anteriormente à publi- ambientais em relação à situação de ocupação
cação desta Lei, o Município poderá autorizar irregular anterior.
a redução do percentual de áreas destinadas § 2o  O estudo técnico referido no § 1o de-
ao uso público e da área mínima dos lotes verá ser elaborado por profissional legalmente
definidos na legislação de parcelamento do habilitado, compatibilizar-se com o projeto de
solo urbano. regularização fundiária e conter, no mínimo,
os seguintes elementos:
I – caracterização da situação ambiental da
SEÇÃO II – Da Regularização Fundiária de área a ser regularizada;
Interesse Social II – especificação dos sistemas de sanea-
mento básico;
Art. 53.  A regularização fundiária de interesse III – proposição de intervenções para o
social depende da análise e da aprovação pelo controle de riscos geotécnicos e de inundações;
Município do projeto de que trata o art. 51.150 IV – recuperação de áreas degradadas e
§ 1o  A aprovação municipal prevista no daquelas não passíveis de regularização;
caput corresponde ao licenciamento urbanís- V – comprovação da melhoria das condições
Normas correlatas

tico do projeto de regularização fundiária de de sustentabilidade urbano-ambiental, conside-


interesse social, bem como ao licenciamento rados o uso adequado dos recursos hídricos e a

  Lei n o   12.424/2011 e Medida Provisória


151

  Lei no 12.424/2011.
150
no 514/2010.
153
proteção das unidades de conservação, quando dos proprietários identificados e ocorrência
for o caso; de situações mencionadas no inciso I do § 5o;
VI – comprovação da melhoria da habitabi- II – planta de sobreposição do imóvel de-
lidade dos moradores propiciada pela regulari- marcado com a situação da área constante do
zação proposta; e registro de imóveis e, quando possível, com a
VII – garantia de acesso público às praias e identificação das situações mencionadas no
aos corpos d´água, quando for o caso. inciso I do § 5o; e
§ 3o  A regularização fundiária de interesse III – certidão da matrícula ou transcrição
social em áreas de preservação permanente da área a ser regularizada, emitida pelo regis-
poderá ser admitida pelos Estados, na forma tro de imóveis, ou, diante de sua inexistência,
estabelecida nos §§  1o e 2o deste artigo, na das circunscrições imobiliárias anteriormente
hipótese de o Município não ser competente competentes.
para o licenciamento ambiental correspon- § 2o  O poder público deverá notificar os ór-
dente, mantida a exigência de licenciamento gãos responsáveis pela administração patrimo-
urbanístico pelo Município. nial dos demais entes federados, previamente
ao encaminhamento do auto de demarcação
Art. 55.  Na regularização fundiária de interes- urbanística ao registro de imóveis, para que se
se social, caberá ao poder público, diretamente manifestem no prazo de 30 (trinta) dias quanto:
ou por meio de seus concessionários ou permis- I – à anuência ou oposição ao procedimento,
sionários de serviços públicos, a implantação na hipótese de a área a ser demarcada abranger
do sistema viário e da infraestrutura básica, imóvel público;
previstos no § 6o do art. 2o da Lei no 6.766, de II – aos limites definidos no auto de demar-
19 de dezembro de 1979, ainda que promovida cação urbanística, na hipótese de a área a ser
pelos legitimados previstos nos incisos I e II demarcada confrontar com imóvel público; e
do art. 50. III – à eventual titularidade pública da área,
Parágrafo único.  A realização de obras de na hipótese de inexistência de registro anterior
implantação de infraestrutura básica e de equi- ou de impossibilidade de identificação dos pro-
pamentos comunitários pelo poder público, prietários em razão de imprecisão dos registros
bem como sua manutenção, pode ser realizada existentes.
mesmo antes de concluída a regularização § 3o  Na ausência de manifestação no prazo
jurídica das situações dominiais dos imóveis. previsto no § 2o, o poder público dará continui-
dade à demarcação urbanística.
Art. 56.  O poder público responsável pela re- § 4o  No que se refere a áreas de domínio da
gularização fundiária de interesse social poderá União, aplicar-se-á o disposto na Seção III-A
lavrar auto de demarcação urbanística, com do Decreto-Lei no 9.760, de 5 de setembro de
base no levantamento da situação da área a ser 1946, inserida pela Lei no 11.481, de 31 de maio
regularizada e na caracterização da ocupação.152 de 2007, e, nas áreas de domínio dos Estados,
§ 1o  O auto de demarcação urbanística deve Distrito Federal ou Municípios, a sua respectiva
ser instruído com: legislação patrimonial.
Desenvolvimento e inclusão social

I – planta e memorial descritivo da área a ser § 5 o  O auto de demarcação urbanística


regularizada, nos quais constem suas medidas poderá abranger parte ou a totalidade de um
perimetrais, área total, confrontantes, coorde- ou mais imóveis inseridos em uma ou mais das
nadas preferencialmente georreferenciadas dos seguintes situações:
vértices definidores de seus limites, número das I – domínio privado com proprietários não
matrículas ou transcrições atingidas, indicação identificados, em razão de descrições impreci-
sas dos registros anteriores;
II – domínio privado objeto do devido re-
  Lei n o   12.424/2011 e Medida Provisória
152 gistro no registro de imóveis competente, ainda
no 514/2010. que de proprietários distintos; ou
154
III – domínio público. público para que se manifeste no prazo de 60
(sessenta) dias.
Art. 57.  Encaminhado o auto de demarcação § 7o  O poder público poderá propor a al-
urbanística ao registro de imóveis, o oficial teração do auto de demarcação urbanística ou
deverá proceder às buscas para identificação adotar qualquer outra medida que possa afastar
do proprietário da área a ser regularizada e de a oposição do proprietário ou dos confrontan-
matrículas ou transcrições que a tenham por tes à regularização da área ocupada.
objeto.153 § 8o  Havendo impugnação apenas em rela-
§ 1o  Realizadas as buscas, o oficial do regis- ção à parcela da área objeto do auto de demar-
tro de imóveis deverá notificar o proprietário cação urbanística, o procedimento seguirá em
e os confrontantes da área demarcada, pesso- relação à parcela não impugnada.
almente ou pelo correio, com aviso de recebi- § 9o  O oficial de registro de imóveis deverá
mento, ou, ainda, por solicitação ao oficial de promover tentativa de acordo entre o impug-
registro de títulos e documentos da comarca da nante e o poder público.
situação do imóvel ou do domicílio de quem § 10.  Não havendo acordo, a demarcação
deva recebê-la, para, querendo, apresentarem urbanística será encerrada em relação à área
impugnação à averbação da demarcação urba- impugnada.
nística, no prazo de 15 (quinze) dias.
§ 2o  O poder público responsável pela regu- Art. 58.  A partir da averbação do auto de de-
larização deverá notificar, por edital, eventuais marcação urbanística, o poder público deverá
interessados, bem como o proprietário e os elaborar o projeto previsto no art. 51 e submeter
confrontantes da área demarcada, se estes não o parcelamento dele decorrente a registro.154
forem localizados nos endereços constantes § 1o  Após o registro do parcelamento de
do registro de imóveis ou naqueles fornecidos que trata o caput, o poder público concederá
pelo poder público para notificação na forma título de legitimação de posse aos ocupantes
estabelecida no § 1o. cadastrados.
§ 3o  São requisitos para a notificação por § 2o  O título de que trata o § 1o será conce-
edital: dido preferencialmente em nome da mulher e
I – resumo do auto de demarcação urba- registrado na matrícula do imóvel.
nística, com a descrição que permita a identi- § 3o  Não será concedido legitimação de pos-
ficação da área a ser demarcada e seu desenho se aos ocupantes a serem realocados em razão
simplificado; da implementação do projeto de regularização
II – publicação do edital, no prazo máximo fundiária de interesse social, devendo o poder
de 60 (sessenta) dias, uma vez pela imprensa público assegurar-lhes o direito à moradia.
oficial e uma vez em jornal de grande circu-
lação local; e Art. 59.  A legitimação de posse devidamente
III – determinação do prazo de 15 (quinze) registrada constitui direito em favor do detentor
dias para apresentação de impugnação à aver- da posse direta para fins de moradia.155
bação da demarcação urbanística. § 1o  A legitimação de posse será concedida
§ 4o  Decorrido o prazo sem impugnação, aos moradores cadastrados pelo poder público,
a demarcação urbanística será averbada nas desde que:
matrículas alcançadas pela planta e memorial I – não sejam concessionários, foreiros ou
indicados no inciso I do § 1o do art. 56. proprietários de outro imóvel urbano ou rural;
§ 5o (Revogado) II – não sejam beneficiários de legitimação
Normas correlatas

§ 6o  Havendo impugnação, o oficial do de posse concedida anteriormente;


registro de imóveis deverá notificar o poder
154
  Lei n o   12.424/2011 e Medida Provisória
  Lei n   12.424/2011 e Medida Provisória
153 o no 514/2010.
no 514/2010. 155
  Lei no 12.424/2011.
155
III – (Revogado). Parágrafo único.  Após o procedimento para
§ 2o  A legitimação de posse também será extinção do título, o poder público solicitará
concedida ao coproprietário da gleba, titular de ao oficial de registro de imóveis a averbação
cotas ou frações ideais, devidamente cadastrado do seu cancelamento, nos termos do inciso III
pelo poder público, desde que exerça seu direito do art. 250 da Lei no 6.015, de 31 de dezembro
de propriedade em um lote individualizado e de 1973.
identificado no parcelamento registrado.

Art. 60.  Sem prejuízo dos direitos decorrentes SEÇÃO III – Da Regularização Fundiária de
da posse exercida anteriormente, o detentor do Interesse Específico
título de legitimação de posse, após 5 (cinco)
anos de seu registro, poderá requerer ao oficial Art. 61.  A regularização fundiária de interesse
de registro de imóveis a conversão desse título específico depende da análise e da aprovação
em registro de propriedade, tendo em vista sua do projeto de que trata o art. 51 pela autoridade
aquisição por usucapião, nos termos do art. 183 licenciadora, bem como da emissão das respec-
da Constituição Federal.156 tivas licenças urbanística e ambiental.
§ 1o  Para requerer a conversão prevista no § 1o  O projeto de que trata o caput deverá
caput, o adquirente deverá apresentar: observar as restrições à ocupação de Áreas de
I – certidões do cartório distribuidor Preservação Permanente e demais disposições
demonstrando a inexistência de ações em previstas na legislação ambiental.
andamento que versem sobre a posse ou a § 2o  A autoridade licenciadora poderá exigir
propriedade do imóvel; contrapartida e compensações urbanísticas
II – declaração de que não possui outro e ambientais, na forma da legislação vigente.
imóvel urbano ou rural;
III – declaração de que o imóvel é utilizado Art. 62.  A autoridade licenciadora deverá
para sua moradia ou de sua família; e definir, nas licenças urbanística e ambiental da
IV – declaração de que não teve reconhecido regularização fundiária de interesse específico,
anteriormente o direito à usucapião de imóveis as responsabilidades relativas à implantação:
em áreas urbanas. I – do sistema viário;
§ 2o  As certidões previstas no inciso I do II – da infraestrutura básica;
§ 1o serão relativas à totalidade da área e serão III – dos equipamentos comunitários defi-
fornecidas pelo poder público. nidos no projeto de regularização fundiária; e
§ 3o  No caso de área urbana de mais de IV – das medidas de mitigação e de compen-
250m² (duzentos e cinquenta metros quadra- sação urbanística e ambiental eventualmente
dos), o prazo para requerimento da conversão exigidas.
do título de legitimação de posse em proprieda- § 1o  A critério da autoridade licenciadora,
de será o estabelecido na legislação pertinente as responsabilidades previstas no caput poderão
sobre usucapião. ser compartilhadas com os beneficiários da
regularização fundiária de interesse específico,
Desenvolvimento e inclusão social

Art. 60-A.  O título de legitimação de posse com base na análise de, pelo menos, 2 (dois)
poderá ser extinto pelo poder público emitente aspectos:
quando constatado que o beneficiário não está I – os investimentos em infraestrutura e
na posse do imóvel e não houve registro de equipamentos comunitários já realizados pelos
cessão de direitos.157 moradores; e
II – o poder aquisitivo da população a ser
156
  Lei n o   12.424/2011 e Medida Provisória beneficiada.
n  514/2010.
o § 2o  As medidas de mitigação e de compen-
157
  Lei n o   12.424/2011 e Medida Provisória sação urbanística e ambiental exigidas na forma
no 514/2010. do inciso IV do caput deverão integrar termo de
156
compromisso, firmado perante as autoridades II – na abertura de matrícula para cada uma
responsáveis pela emissão das licenças urbanís- das parcelas resultantes do projeto de regulari-
tica e ambiental, ao qual se garantirá força de zação fundiária.
título executivo extrajudicial.
Art. 67.  As matrículas das áreas destinadas a
Art. 63. (Vetado) uso público deverão ser abertas de ofício, com
averbação das respectivas destinações e, se for
o caso, das restrições administrativas conven-
SEÇÃO IV – Do Registro da Regularização cionais ou legais.
Fundiária
Art. 68.  Não serão cobradas custas e emolu-
Art. 64.  O registro do parcelamento resul- mentos para o registro do auto de demarcação
tante do projeto de regularização fundiária de urbanística, do título de legitimação e de sua
interesse específico deverá ser requerido ao conversão em título de propriedade e dos par-
registro de imóveis, nos termos da legislação celamentos oriundos da regularização fundiária
em vigor e observadas as disposições previstas de interesse social.
neste Capítulo.

Art. 65.  O registro do parcelamento resul- SEÇÃO V – Disposições Gerais


tante do projeto de regularização fundiária de
interesse social deverá ser requerido ao regis- Art. 69.  Aplicam-se ao Distrito Federal todas
tro de imóveis, acompanhado dos seguintes as atribuições e prerrogativas dispostas neste
documentos:158 Capítulo para os Estados e Municípios.
I – certidão atualizada da matrícula do
imóvel; Art. 70. (Revogado)159
II – projeto de regularização fundiária
aprovado; Art. 71.  As glebas parceladas para fins urbanos
III – instrumento de instituição e convenção anteriormente a 19 de dezembro de 1979 que
de condomínio, se for o caso; e não possuírem registro poderão ter sua situ-
IV – no caso das pessoas jurídicas relaciona- ação jurídica regularizada, com o registro do
das no inciso II do art. 50, certidão atualizada parcelamento, desde que o parcelamento esteja
de seus atos constitutivos que demonstrem sua implantado e integrado à cidade.
legitimidade para promover a regularização § 1o  A regularização prevista no caput pode
fundiária. envolver a totalidade ou parcelas da gleba.
Parágrafo único.  O registro do parcelamento § 2o  O interessado deverá apresentar certi-
decorrente de projeto de regularização fundiá- ficação de que a gleba preenche as condições
ria de interesse social independe do atendimen- previstas no caput, bem como desenhos e
to aos requisitos constantes da Lei no 6.766, de documentos com as informações necessárias
19 de dezembro de 1979. para a efetivação do registro do parcelamento.

Art. 66.  O registro do parcelamento resultante Art. 71-A.  O poder público concedente


do projeto de regularização fundiária deverá poderá extinguir, por ato unilateral, com o
importar: objetivo de viabilizar obras de urbanização em
I – na abertura de matrícula para toda a área assentamentos irregulares de baixa renda e em
Normas correlatas

objeto de regularização, se não houver; e benefício da população moradora, contratos de


concessão de uso especial para fins de moradia

  Lei n o   12.424/2011 e Medida Provisória


158
  Lei n o   12.424/2011 e Medida Provisória
159

no 514/2010. no 514/2010.
157
e de concessão de direito real de uso firmados em cada Município, no mínimo, 3% (três por
anteriormente à intervenção na área.160 cento) sejam adaptadas ao uso por pessoas com
§ 1o  Somente poderão ser extintos os contra- deficiência.
tos relativos a imóveis situados em áreas efeti-
vamente necessárias à implementação das obras Art. 73-A.  Excetuados os casos que envol-
de que trata o caput, o que deverá ser justificado vam recursos do FGTS, os contratos em que o
em procedimento administrativo próprio. beneficiário final seja mulher chefe de família,
§ 2o  O beneficiário de contrato extinto na no âmbito do PMCMV ou em programas de
forma do caput deverá ter garantido seu direito regularização fundiária de interesse social
à moradia, preferencialmente na área objeto de promovidos pela União, Estados, Distrito
intervenção, por meio de contrato que lhe as- Federal ou Municípios, poderão ser firmados
segure direitos reais sobre outra unidade habi- independentemente da outorga do cônjuge,
tacional, observada a aplicação do disposto no afastada a aplicação do disposto nos arts. 1.647
art. 13 da Lei no 11.481, de 31 de maio de 2007. a 1.649 da Lei no 10.406, de 10 de janeiro de
2002 (Código Civil).162
§ 1o  O contrato firmado na forma do caput
CAPÍTULO IV – Disposições Finais será registrado no registro de imóveis compe-
tente, sem a exigência de documentos relativos
Art. 72.  Nas ações judiciais de cobrança ou a eventual cônjuge.
execução de cotas de condomínio, de imposto § 2o  Prejuízos sofridos pelo cônjuge por
sobre a propriedade predial e territorial urbana decorrência do previsto neste artigo serão
ou de outras obrigações vinculadas ou decor- resolvidos em perdas e danos.
rentes da posse do imóvel urbano, nas quais o
responsável pelo pagamento seja o possuidor Art. 74.  O Decreto-Lei no 3.365, de 21 de ju-
investido nos respectivos direitos aquisitivos, nho de 1941, passa a vigorar com as seguintes
assim como o usufrutuário ou outros titulares alterações:
de direito real de uso, posse ou fruição, será “Art. 15.  ����������������������������������������������������������
notificado o titular do domínio pleno ou útil, ���������������������������������������������������������������������������
inclusive o promitente vendedor ou fiduciário. § 4o  A imissão provisória na posse será re-
gistrada no registro de imóveis competente.”
Art. 73.  Serão assegurados no PMCMV:161 “Art. 32. �����������������������������������������������������������
I – condições de acessibilidade a todas as § 1o  As dívidas fiscais serão deduzidas dos
áreas públicas e de uso comum; valores depositados, quando inscritas e
II – disponibilidade de unidades adaptá- ajuizadas.
veis ao uso por pessoas com deficiência, com § 2o  Incluem-se na disposição prevista no
mobilidade reduzida e idosos, de acordo com §  1o as multas decorrentes de inadimple-
a demanda; mento e de obrigações fiscais.
III – condições de sustentabilidade das § 3o  A discussão acerca dos valores inscri-
construções; tos ou executados será realizada em ação
Desenvolvimento e inclusão social

IV – uso de novas tecnologias construtivas. própria.”


Parágrafo único.  Na ausência de legislação
municipal ou estadual acerca de condições de Art. 75.  A Lei no  4.380, de 21 de agosto de
acessibilidade que estabeleça regra específica, 1964, passa a vigorar com as seguintes alte-
será assegurado que, do total de unidades ha- rações:
bitacionais construídas no âmbito do PMCMV “Art. 8o  �����������������������������������������������������������
I – pelos bancos múltiplos;
160
  Lei n o   12.424/2011 e Medida Provisória
no 514/2010.   Leis nos  12.424/2011 e 12.693/2012, e Medida
162
161
  Lei no 12.424/2011. Provisória no 561/2012.
158
II – pelos bancos comerciais; V – somatório dos valores já pagos ou repas-
III – pelas caixas econômicas; sados relativos a:
IV – pelas sociedades de crédito imobiliário; a) juros;
V – pelas associações de poupança e b) amortização;
empréstimo; c)  prêmio de seguro por tipo de seguro;
VI – pelas companhias hipotecárias; d)  taxas, custas e demais despesas, discri-
VII – pelos órgãos federais, estaduais e mu- minando por tipo;
nicipais, inclusive sociedades de economia VI – valor mensal projetado das prestações
mista em que haja participação majoritária ainda não pagas, pelo prazo remanescente do
do poder público, que operem, de acordo contrato, e o respectivo somatório, decom-
com o disposto nesta Lei, no financiamento postos em juros e amortizações;
de habitações e obras conexas; VII – valor devido em multas e demais pe-
VIII – pelas fundações, cooperativas e ou- nalidades contratuais quando houver atraso
tras formas associativas para construção ou no pagamento da prestação.
aquisição da casa própria sem finalidade de § 2o  No cômputo dos valores de que trata o
lucro, que se constituirão de acordo com as inciso VI do § 1o, a instituição credora deve
diretrizes desta Lei; desconsiderar os efeitos de eventual previsão
IX – pelas caixas militares; contratual de atualização monetária do saldo
X – pelas entidades abertas de previdência devedor ou das prestações.”
complementar; “Art. 15-B.  Nas operações de empréstimo
XI – pelas companhias securitizadoras de ou financiamento realizadas por institui-
crédito imobiliário; e ções integrantes do Sistema Financeiro da
XII – por outras instituições que venham a Habitação que prevejam pagamentos por
ser consideradas pelo Conselho Monetário meio de prestações periódicas, os sistemas
Nacional como integrantes do Sistema de amortização do saldo devedor poderão
Financeiro da Habitação. ser livremente pactuados entre as partes.
�������������������������������������������������������������������������” § 1o  O valor presente do fluxo futuro das
“Art. 15-A.  É permitida a pactuação de prestações, compostas de amortização do
capitalização de juros com periodicidade principal e juros, geradas pelas operações
mensal nas operações realizadas pelas enti- de que trata o caput, deve ser calculado
dades integrantes do Sistema Financeiro da com a utilização da taxa de juros pactuada
Habitação – SFH. no contrato, não podendo resultar em valor
§ 1o  No ato da contratação e sempre que so- diferente ao do empréstimo ou do financia-
licitado pelo devedor será apresentado pelo mento concedido.
credor, por meio de planilha de cálculo que § 2o  No caso de empréstimos e financiamen-
evidencie de modo claro e preciso, e de fácil tos com previsão de atualização monetária
entendimento e compreensão, o seguinte do saldo devedor ou das prestações, para fins
conjunto de informações: de apuração do valor presente de que trata
I – saldo devedor e prazo remanescente do o § 1o, não serão considerados os efeitos da
contrato; referida atualização monetária.
II – taxa de juros contratual, nominal e § 3o  Nas operações de empréstimo ou finan-
efetiva, nas periodicidades mensal e anual; ciamento de que dispõe o caput é obrigatório
III – valores repassados pela instituição cre- o oferecimento ao mutuário do Sistema de
dora às seguradoras, a título de pagamento Amortização Constante – SAC e de, no
Normas correlatas

de prêmio de seguro pelo mutuário, por tipo mínimo, outro sistema de amortização que
de seguro; atenda o disposto nos §§ 1o e 2o, entre eles o
IV – taxas, custas e demais despesas cobra- Sistema de Amortização Crescente – SACRE
das juntamente com a prestação, discrimi- e o Sistema Francês de Amortização (Tabela
nadas uma a uma; Price).”
159
Art. 76.  A Lei no  6.015, de 31 de dezembro Art. 77.  O inciso VII do art. 20 da Lei no 8.036,
de 1973, passa a vigorar com as seguintes de 11 de maio de 1990, passa a vigorar com a
alterações: seguinte redação:
“Art. 17.  ���������������������������������������������������������� “Art. 20.  ����������������������������������������������������������
Parágrafo único.  O acesso ou envio de ���������������������������������������������������������������������������
informações aos registros públicos, quando VII – pagamento total ou parcial do preço
forem realizados por meio da rede mundial de aquisição de moradia própria, ou lote ur-
de computadores (internet) deverão ser as- banizado de interesse social não construído,
sinados com uso de certificado digital, que observadas as seguintes condições:
atenderá os requisitos da Infraestrutura de �������������������������������������������������������������������������”
Chaves Públicas Brasileira – ICP.”
“Art. 167.  ������������������������������������������������������� Art. 78.  O inciso V do art. 4o da Lei no 10.257,
I – ��������������������������������������������������������������������; de 10 de julho de 2001, passa a vigorar acrescido
��������������������������������������������������������������������������� das seguintes alíneas “t” e “u”:
41. da legitimação da posse; “Art. 4o  �����������������������������������������������������������
II – ������������������������������������������������������������������� ���������������������������������������������������������������������������
��������������������������������������������������������������������������� V – �������������������������������������������������������������������
26. do auto de demarcação urbanística.” ���������������������������������������������������������������������������
“Art. 221.  ������������������������������������������������������� t) demarcação urbanística para fins de regu-
��������������������������������������������������������������������������� larização fundiária;
V – contratos ou termos administrativos, as- u)  legitimação de posse.
sinados com a União, Estados e Municípios �������������������������������������������������������������������������”
no âmbito de programas de regularização
fundiária, dispensado o reconhecimento Art. 79.  Os agentes financeiros do SFH
de firma.” somente poderão conceder financiamentos
“Art. 237-A.  Após o registro do parcela- habitacionais com cobertura securitária que
mento do solo ou da incorporação imobili- preveja, no mínimo, cobertura aos riscos de
ária, até a emissão da carta de habite-se, as morte e invalidez permanente do mutuário e
averbações e registros relativos à pessoa do de danos físicos ao imóvel.163
incorporador ou referentes a direitos reais § 1o  Para o cumprimento do disposto no
de garantias, cessões ou demais negócios caput, os agentes financeiros, respeitada a livre
jurídicos que envolvam o empreendimento escolha do mutuário, deverão:
serão realizados na matrícula de origem do I – disponibilizar, na qualidade de estipulan-
imóvel e em cada uma das matrículas das te e beneficiário, quantidade mínima de apó-
unidades autônomas eventualmente abertas. lices emitidas por entes seguradores diversos,
§ 1o  Para efeito de cobrança de custas e que observem a exigência estabelecida no caput;
emolumentos, as averbações e os registros II – aceitar apólices individuais apresentadas
realizados com base no caput serão con- pelos pretendentes ao financiamento, desde
siderados como ato de registro único, não que a cobertura securitária prevista observe a
Desenvolvimento e inclusão social

importando a quantidade de unidades autô- exigência mínima estabelecida no caput e o ente


nomas envolvidas ou de atos intermediários segurador cumpra as condições estabelecidas
existentes. pelo Conselho Nacional de Seguros Privados –
§ 2o  Nos registros decorrentes de processo CNSP, para apólices direcionadas a operações
de parcelamento do solo ou de incorporação da espécie.
imobiliária, o registrador deverá observar § 2o  Sem prejuízo da regulamentação do
o prazo máximo de 15 (quinze) dias para seguro habitacional pelo CNSP, o Conselho
o fornecimento do número do registro ao
interessado ou a indicação das pendências a   Lei n o  12.424/2011 e Medidas Provisórias
163

serem satisfeitas para sua efetivação.” nos 478/2009 e 514/2010.


160
Monetário Nacional estabelecerá as condições ente público de transferir o direito de proprie-
necessárias à implementação do disposto no dade do imóvel ao FAR, após o trânsito em
§ 1o deste artigo, no que se refere às obrigações julgado da sentença do processo judicial de
dos agentes financeiros. desapropriação.
§ 3o  Nas operações em que sejam utilizados § 2o  A transferência ao beneficiário final
recursos advindos do Fundo de Arrendamento será condicionada ao adimplemento das obri-
Residencial – FAR e do Fundo de Desenvol- gações assumidas por ele com o FAR.
vimento Social – FDS, os agentes financeiros § 3o  A aquisição prevista no inciso II do ca-
poderão dispensar a contratação de seguro de put somente será admitida quando o direito real
que trata o caput, nas hipóteses em que os riscos de uso for concedido por prazo indeterminado.
de morte e invalidez permanente do mutuário § 4o  Os contratos de aquisição de imóveis ou
e de danos físicos ao imóvel estejam garantidos de direitos a eles relativos pelo FAR serão cele-
pelos respectivos fundos. brados por instrumento particular com força
§ 4 o   Nas operações de financiamento de escritura pública e registrados no registro
na modalidade de aquisição de material de de imóveis competente.
construção com recursos do FGTS, os agentes
financeiros ficam autorizados a dispensar a con- Art. 80.  Até que a quantidade mínima a que se
tratação do seguro de danos físicos ao imóvel. refere o inciso I do § 1o do art. 79 desta Lei seja
§ 5o  Nas operações de financiamento de regulamentada pelo Conselho Monetário Na-
habitação rural, na modalidade de aquisição cional, os agentes financeiros poderão oferecer
de material de construção, com recursos do apenas uma apólice ao mutuário.165
FGTS, os agentes financeiros ficam autoriza-
dos a dispensar a contratação do seguro de Art. 81.  Ficam convalidados os atos do Con-
morte e invalidez permanente do mutuário selho Monetário Nacional que relacionaram as
nos casos em que estes riscos contarem com instituições integrantes do Sistema Financeiro
outra garantia. da Habitação.

Art. 79-A.  Para construção, reforma ou re- Art. 81-A.  Os limites de renda familiar ex-
qualificação de imóveis no âmbito do PMCMV, pressos nesta Lei constituem valores máximos,
a Caixa Econômica Federal fica autorizada a admitindo-se a atualização nos termos do § 6o
adquirir, em nome do FAR, e pelo prazo ne- do art. 3o, bem como a definição, em regula-
cessário à conclusão das obras e transferência mento, de subtetos de acordo com as modali-
da unidade construída aos beneficiários do dades operacionais praticadas.166
programa:164
I – os direitos de posse em que estiver Art. 82. (Revogado)167
imitido qualquer ente da Federação a partir
de decisão proferida em processo judicial de Art. 82-A.  Enquanto não efetivado o aporte
desapropriação em curso, conforme compro- de recursos necessários às subvenções econô-
vado mediante registro no cartório de registro micas de que tratam os incisos I e II do art. 2o
de imóveis competente; e e o art. 11 desta Lei, observado o disposto na
II – os direitos reais de uso de imóvel públi- lei orçamentária anual, o agente operador do
co, de que trata o art. 7o do Decreto-Lei no 271, FGTS, do FAR e do FDS, que tenha utilizado as
de 28 de fevereiro de 1967. disponibilidades dos referidos fundos em con-
§ 1o  A aquisição prevista no inciso I do tratações no âmbito do PMCMV, terá direito
Normas correlatas

caput será condicionada ao compromisso do


165
  Lei n o   12.424/2011 e Medida Provisória
no 514/2010.
  Lei n o   12.424/2011 e Medida Provisória
164 166
  Lei no 12.424/2011.
no 514/2010. 167
  Leis nos 12.424/2011 e 12.722/2012.
161
ao ressarcimento das quantias desembolsadas, imediatamente após a conclusão da obra, e
devidamente atualizadas pela taxa Selic.168 colocá-lo em funcionamento em prazo com-
patível com o atendimento da demanda do
Art. 82-B.  O PMCMV, nos termos do art. 1o empreendimento, nos termos do regulamento.
desta Lei, tem como meta promover a produ- § 2o  Caso a operação não seja iniciada no
ção, aquisição, requalificação e reforma de dois prazo previsto no termo de compromisso, o
milhões de unidades habitacionais, a partir de ente responsável deverá ressarcir o FAR com os
1o de dezembro de 2010 até 31 de dezembro de recursos gastos com a edificação, devidamente
2014, das quais, no mínimo, 220.000 (duzentas atualizados.
e vinte mil) unidades serão produzidas por § 3o  Os equipamentos de que trata o caput
meio de concessão de subvenção econômica serão incorporados ao patrimônio do ente
na forma do inciso I do § 1o do art. 6o-B, nas público proprietário do terreno no qual foi re-
operações de que trata o inciso III do caput do alizada a edificação ou doados ao ente público
art. 2o, a beneficiários finais com renda de até responsável pela operação, guarda e manuten-
R$ 1.395,00 (mil, trezentos e noventa e cinco ção, caso a edificação seja realizada em terreno
reais), respeitados os valores consignados nas de propriedade do FAR
respectivas leis orçamentárias anuais.169 § 4o  Quando a edificação tiver que ser rea-
Parágrafo único.  As diretrizes para a con- lizada em terreno cuja propriedade não seja do
tinuidade do programa poderão ser comple- ente público responsável pela operação, guarda
mentadas no plano nacional de habitação a e manutenção dos equipamentos, o termo de
ser apresentado pelo Poder Executivo federal compromisso deverá contar com a participação
mediante projeto de lei. de todos os entes envolvidos como também
prever a obrigação de transferência do uso
Art. 82-C.  Para o exercício de 2011, a União ou da propriedade para o mencionado ente
fica autorizada a utilizar os recursos previstos responsável pela operacionalização.
nos arts. 2o, 5o, 12, 18 e 19 desta Lei.170
Art. 83.  Esta Lei entra em vigor na data de
Art. 82-D.  No âmbito do PMCMV, no caso sua publicação.
de empreendimentos construídos com recur-
sos do FAR, poderá ser custeada a edificação Brasília, 7 de julho de 2009; 188o da Indepen-
de equipamentos de educação, saúde e outros dência e 121o da República.
complementares à habitação, inclusive em
terrenos de propriedade pública, nos termos JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA – Luiz
do regulamento.171 Paulo Teles Ferreira Barreto – Guido Mantega
§ 1o  A edificação dos equipamentos de que – Paulo Bernardo Silva – Carlos Minc – Marcio
trata o caput está condicionada à existência Fortes de Almeida
de compromisso prévio do Governo Estadual,
Municipal ou Distrital em assumir a operação, Promulgada em 7/7/2009 e publicada no DOU de
a guarda e a manutenção do equipamento, 8/7/2009.
Desenvolvimento e inclusão social

168
  Lei n o   12.424/2011 e Medida Provisória
no 514/2010.
169
  Lei n o   12.424/2011 e Medida Provisória
no 514/2010.
170
  Lei no 12.424/2011.
171
  Lei no 12.722/2012.
162
Lei no 12.101/2009
Dispõe sobre a certificação das entidades beneficentes de assistência social; regula os procedimentos
de isenção de contribuições para a seguridade social; altera a Lei no 8.742, de 7 de dezembro de
1993; revoga dispositivos das Leis nos 8.212, de 24 de julho de 1991, 9.429, de 26 de dezembro de
1996, 9.732, de 11 de dezembro de 1998, 10.684, de 30 de maio de 2003, e da Medida Provisória
no 2.187-13, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA I – seja constituída como pessoa jurídica nos


termos do caput do art. 1o; e
Faço saber que o Congresso Nacional decreta II – preveja, em seus atos constitutivos, em
e eu sanciono a seguinte Lei: caso de dissolução ou extinção, a destinação do
eventual patrimônio remanescente a entidade
sem fins lucrativos congêneres ou a entidades
CAPÍTULO I – Disposições Preliminares públicas.
Parágrafo único.  O período mínimo de
Art. 1o  A certificação das entidades beneficentes cumprimento dos requisitos de que trata este
de assistência social e a isenção de contribuições artigo poderá ser reduzido se a entidade for
para a seguridade social serão concedidas às pes- prestadora de serviços por meio de contrato,
soas jurídicas de direito privado, sem fins lucra- convênio ou instrumento congênere com o
tivos, reconhecidas como entidades beneficentes Sistema Único de Saúde (SUS) ou com o Sis-
de assistência social com a finalidade de prestação tema Único de Assistência Social (Suas), em
de serviços nas áreas de assistência social, saúde caso de necessidade local atestada pelo gestor
ou educação, e que atendam ao disposto nesta Lei. do respectivo sistema.
Parágrafo único. (Vetado)

Art. 2o  As entidades de que trata o art. 1o de- SEÇÃO I – Da Saúde


verão obedecer ao princípio da universalidade
do atendimento, sendo vedado dirigir suas Art. 4o  Para ser considerada beneficente e
atividades exclusivamente a seus associados ou fazer jus à certificação, a entidade de saúde
a categoria profissional. deverá, nos termos do regulamento:173
I – celebrar contrato, convênio ou instru-
mento congênere com o gestor do SUS;
CAPÍTULO II – Da Certificação II – ofertar a prestação de seus serviços ao
SUS no percentual mínimo de 60% (sessenta
Art. 3 o  A certificação ou sua renovação por cento);
será concedida à entidade beneficente que III – comprovar, anualmente, da forma
demonstre, no exercício fiscal anterior ao do regulamentada pelo Ministério da Saúde, a
requerimento, observado o período mínimo de prestação dos serviços de que trata o inciso II,
12 (doze) meses de constituição da entidade, o com base nas internações e nos atendimentos
cumprimento do disposto nas Seções I, II, III e ambulatoriais realizados.
Normas correlatas

IV deste Capítulo, de acordo com as respectivas § 1o  O atendimento do percentual mínimo


áreas de atuação, e cumpra, cumulativamente, de que trata o caput pode ser individualizado
os seguintes requisitos:172 por estabelecimento ou pelo conjunto de esta-

  Lei no 12.868/2013.
172
  Leis nos 12.453/2011 e 12.868/2013.
173

163
belecimentos de saúde da pessoa jurídica, desde art. 4o no exercício fiscal anterior ao exercício
que não abranja outra entidade com personali- do requerimento, o Ministério da Saúde ava-
dade jurídica própria que seja por ela mantida. liará o cumprimento do requisito com base na
§ 2o  Para fins do disposto no § 1o, no con- média do total de prestação de serviços ao SUS
junto de estabelecimentos de saúde da pessoa de que trata o inciso III do caput do art. 4o pela
jurídica, poderá ser incorporado aquele vincu- entidade durante todo o período de certificação
lado por força de contrato de gestão, na forma em curso, que deverá ser de, no mínimo, 60%
do regulamento. (sessenta por cento).176
§ 3o  Para fins do disposto no inciso III do § 1o  Para fins do disposto no caput, apenas
caput, a entidade de saúde que aderir a pro- será admitida a avaliação pelo Ministério da
gramas e estratégias prioritárias definidas pelo Saúde caso a entidade tenha cumprido, no mí-
Ministério da Saúde fará jus a índice percentual nimo, 50% (cinquenta por cento) da prestação
que será adicionado ao total de prestação de de seus serviços ao SUS de que trata o inciso
seus serviços ofertados ao SUS, observado o III do caput do art. 4o em cada um dos anos do
limite máximo de 10% (dez por cento), confor- período de certificação.
me estabelecido em ato do Ministro de Estado § 2o  A comprovação da prestação dos ser-
da Saúde. viços, conforme regulamento do Ministério
da Saúde, será feita com base nas internações,
Art. 5o  A entidade de saúde deverá ainda nos atendimentos ambulatoriais e nas ações
informar, obrigatoriamente, ao Ministério da prioritárias realizadas.
Saúde, na forma por ele estabelecida:174
I – a totalidade das internações e atendimen- Art. 7o  Quando a disponibilidade de cobertura
tos ambulatoriais realizados para os pacientes assistencial da população pela rede pública de
não usuários do SUS; determinada área for insuficiente, os gestores
II – a totalidade das internações e aten- do SUS deverão observar, para a contratação de
dimentos ambulatoriais realizados para os serviços privados, a preferência de participação
pacientes usuários do SUS; e das entidades beneficentes de saúde e das sem
III – as alterações referentes aos registros fins lucrativos.
no Cadastro Nacional de Estabelecimentos de
Saúde – CNES. Art. 7o-A.  As instituições reconhecidas nos
Parágrafo único.  A entidade deverá manter termos da legislação como serviços de atenção
o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de em regime residencial e transitório, incluídas
Saúde – CNES atualizado, de acordo com a as comunidades terapêuticas que prestem ao
forma e o prazo determinado pelo Ministério SUS serviços de atendimento e acolhimento, a
da Saúde. pessoas com transtornos decorrentes do uso,
abuso ou dependência de substância psicoativa
Art. 6o  A entidade de saúde que presta serviços poderão ser certificadas, desde que:177
exclusivamente na área ambulatorial deverá I – sejam qualificadas como entidades de
observar o disposto nos incisos I e II do art. 4o, saúde; e
Desenvolvimento e inclusão social

comprovando, anualmente, a prestação dos ser- II – comprovem a prestação de serviços de


viços no percentual mínimo de 60% (sessenta que trata o caput.
por cento).175 § 1o  O cumprimento dos requisitos esta-
belecidos nos incisos I e II do caput deverá
Art. 6o-A.  Para os requerimentos de renova- observar os critérios definidos pelo Ministério
ção de certificado, caso a entidade de saúde não da Saúde.
cumpra o disposto no inciso III do caput do

  Lei no 12.453/2011.
174
  Lei no 12.868/2013.
176

  Lei no 12.453/2011.
175
  Lei no 12.868/2013.
177

164
§ 2o  A prestação dos serviços prevista no § 3o  Para efeito do disposto no caput, são
caput será pactuada com o gestor local do SUS consideradas ações e serviços de promoção da
por meio de contrato, convênio ou instrumento saúde as atividades voltadas para redução de
congênere. risco à saúde, desenvolvidas em áreas como:
§ 3o  O atendimento dos requisitos previstos I – nutrição e alimentação saudável;
neste artigo dispensa a observância das exigên- II – prática corporal ou atividade física;
cias previstas no art. 4o. III – prevenção e controle do tabagismo;
IV – prevenção ao câncer, ao vírus da
Art. 8 o  Não havendo interesse do gestor imunodeficiência humana (HIV), às hepatites
local do SUS na contratação dos serviços de virais, à tuberculose, à hanseníase, à malária e
saúde ofertados pela entidade de saúde ou de à dengue
contratação abaixo do percentual mínimo a V – redução da morbimortalidade em decor-
que se refere o inciso II do art. 4o, a entidade rência do uso abusivo de álcool e outras drogas;
deverá comprovar a aplicação de percentual da VI – redução da morbimortalidade por
sua receita em gratuidade na área da saúde, da acidentes de trânsito;
seguinte forma:178 VII – prevenção da violência; e
I – 20% (vinte por cento), quando não hou- VIII – redução da morbimortalidade nos
ver interesse de contratação pelo gestor local do diversos ciclos de vida.
SUS ou se o percentual de prestação de serviços
ao SUS for inferior a 30% (trinta por cento); Art. 8o-B.  Excepcionalmente, será admitida a
II – 10% (dez por cento), se o percentual certificação de entidades que prestam serviços
de prestação de serviços ao SUS for igual ou de atenção em regime residencial e transitório,
superior a 30% (trinta por cento) e inferior a incluídas as comunidades terapêuticas, que
50% (cinquenta por cento); ou executem exclusivamente ações de promoção
III – 5% (cinco por cento), se o percentual da saúde voltadas para pessoas com transtornos
de prestação de serviços ao SUS for igual ou decorrentes do uso, abuso ou dependência de
superior a 50% (cinquenta por cento). drogas, desde que comprovem a aplicação de,
Parágrafo único. (Vetado) no mínimo, 20% (vinte por cento) de sua receita
§ 2o  A receita prevista no caput será a efe- bruta em ações de gratuidade.180
tivamente recebida da prestação de serviços § 1o  Para fins do cálculo de que trata o caput,
de saúde. as receitas provenientes de subvenção pública e
as despesas decorrentes não devem incorporar
Art. 8o-A.  Excepcionalmente, será admitida a receita bruta e o percentual aplicado em ações
a certificação de entidades que atuem exclusi- de gratuidade.
vamente na promoção da saúde sem exigência § 2o  A execução das ações de gratuidade
de contraprestação do usuário pelas ações e em promoção da saúde será previamente pac-
serviços de saúde realizados, nos termos do tuada com o gestor local do SUS, por meio de
regulamento.179 contrato, convênio ou instrumento congênere.
§ 1o  A oferta da totalidade de ações e servi- § 3o  O atendimento dos requisitos previstos
ços sem contraprestação do usuário dispensa a neste artigo dispensa a observância das exigên-
observância das exigências previstas no art. 4o. cias previstas no art. 4o.
§ 2o  A execução de ações e serviços de
gratuidade em promoção da saúde será previa- Art. 9o (Vetado)
mente pactuada por meio de contrato, convênio
Normas correlatas

ou instrumento congênere com o gestor local Art. 10.  Em hipótese alguma será admitida
do SUS. como aplicação em gratuidade a eventual dife-

  Leis nos 12.453/2011 e 12.868/2013.


178

  Lei no 12.868/2013.
179
  Lei no 12.868/2013.
180

165
rença entre os valores pagos pelo SUS e os pre- IV – as entidades conveniadas deverão in-
ços praticados pela entidade ou pelo mercado. formar a produção na forma estabelecida pelo
Ministério da Saúde, com observação de não
Art. 11.  A entidade de saúde de reconhecida geração de créditos.
excelência poderá, alternativamente, para dar § 5o  A participação das entidades de saúde
cumprimento ao requisito previsto no art. 4o, ou de educação em projetos de apoio previstos
realizar projetos de apoio ao desenvolvimento neste artigo não poderá ocorrer em prejuízo
institucional do SUS, celebrando ajuste com a das atividades beneficentes prestadas ao SUS.
União, por intermédio do Ministério da Saúde, § 6o  O conteúdo e o valor das atividades
nas seguintes áreas de atuação: desenvolvidas em cada projeto de apoio ao
I – estudos de avaliação e incorporação de desenvolvimento institucional e de prestação
tecnologias; de serviços ao SUS deverão ser objeto de rela-
II – capacitação de recursos humanos; tórios anuais, encaminhados ao Ministério da
III – pesquisas de interesse público em Saúde para acompanhamento e fiscalização,
saúde; ou sem prejuízo das atribuições dos órgãos de
IV – desenvolvimento de técnicas e operação fiscalização tributária.
de gestão em serviços de saúde.
§ 1 o  O Ministério da Saúde definirá os
requisitos técnicos essenciais para o reconhe- SEÇÃO II – Da Educação
cimento de excelência referente a cada uma das
áreas de atuação previstas neste artigo. Art. 12.  A certificação ou sua renovação
§ 2o  O recurso despendido pela entidade será concedida à entidade de educação que
de saúde no projeto de apoio não poderá ser atenda ao disposto nesta Seção e na legislação
inferior ao valor da isenção das contribuições aplicável.181
sociais usufruída. Parágrafo único.  As entidades de educação
§ 3o  O projeto de apoio será aprovado pelo certificadas na forma desta Lei deverão prestar
Ministério da Saúde, ouvidas as instâncias do informações ao Censo da Educação Básica e ao
SUS, segundo procedimento definido em ato Censo da Educação Superior, conforme defini-
do Ministro de Estado. do pelo Ministério da Educação.
§ 4o  As entidades de saúde que venham
a se beneficiar da condição prevista neste Art. 13.  Para fins de concessão ou renovação
artigo poderão complementar as atividades da certificação, a entidade de educação que
relativas aos projetos de apoio com a prestação atua nas diferentes etapas e modalidades da
de serviços ambulatoriais e hospitalares ao educação básica, regular e presencial, deverá:182
SUS não remunerados, mediante pacto com I – demonstrar sua adequação às diretri-
o gestor local do SUS, observadas as seguintes zes e metas estabelecidas no Plano Nacional
condições: de Educação (PNE), na forma do art. 214 da
I – a complementação não poderá ultrapas- Constituição Federal;
sar 30% (trinta por cento) do valor usufruído II – atender a padrões mínimos de quali-
Desenvolvimento e inclusão social

com a isenção das contribuições sociais; dade, aferidos pelos processos de avaliação
II – a entidade de saúde deverá apresentar conduzidos pelo Ministério da Educação; e
ao gestor local do SUS plano de trabalho com III – conceder anualmente bolsas de estudo
previsão de atendimento e detalhamento de na proporção de 1 (uma) bolsa de estudo inte-
custos, os quais não poderão exceder o valor gral para cada 5 (cinco) alunos pagantes.
por ela efetivamente despendido; § 1o  Para o cumprimento da proporção des-
III – a comprovação dos custos a que se crita no inciso III do caput, a entidade poderá
refere o inciso II poderá ser exigida a qualquer
tempo, mediante apresentação dos documentos   Lei no 12.868/2013.
181

necessários; e   Lei no 12.868/2013.


182

166
oferecer bolsas de estudo parciais, observadas o aluno permanece na escola como aquele
as seguintes condições: em que exerce atividades escolares em outros
I – no mínimo, 1 (uma) bolsa de estudo espaços educacionais, conforme definido pelo
integral para cada 9 (nove) alunos pagantes; e Ministério da Educação.
II – bolsas de estudo parciais de 50% (cin- § 7o  As entidades de educação que prestam
quenta por cento), quando necessário para o serviços integralmente gratuitos deverão garan-
alcance do número mínimo exigido, conforme tir a observância da proporção de, no mínimo,
definido em regulamento; 1 (um) aluno cuja renda familiar mensal per
III – (Revogado): capita não exceda o valor de um salário mínimo
a)  (Revogada); e meio para cada 5 (cinco) alunos matriculados.
b)  (Revogada).
§ 2o  Será facultado à entidade substituir até Art. 13-A.  Para fins de concessão e de renova-
25% (vinte e cinco por cento) da quantidade ção da certificação, as entidades que atuam na
das bolsas de estudo definidas no inciso III do educação superior e que aderiram ao Programa
caput e no § 1o por benefícios complementares, Universidade para Todos (Prouni), na forma
concedidos aos alunos matriculados cuja renda do caput do art. 11 da Lei no 11.096, de 13 de
familiar mensal per capita não exceda o valor janeiro de 2005, deverão atender às condições
de 1 (um) salário mínimo e meio, como trans- previstas nos incisos do caput e nos §§ 1o, 2o e
porte, uniforme, material didático, moradia, 7o do art. 13 desta Lei.183
alimentação e outros benefícios definidos em § 1o  As entidades que atuam concomitan-
regulamento. temente no nível de educação superior e que
§ 3o  Admite-se o cumprimento do percen- tenham aderido ao Prouni e no de educação
tual disposto no § 2o com projetos e atividades básica estão obrigadas a cumprir os requisitos
para a garantia da educação em tempo integral exigidos no art. 13, para cada nível de educação,
para alunos matriculados na educação básica inclusive quanto à complementação eventual da
em escolas públicas, desde que em articulação gratuidade por meio da concessão de bolsas de
com as respectivas instituições públicas de estudo parciais de 50% (cinquenta por cento)
ensino, na forma definida pelo Ministério da e de benefícios complementares, conforme
Educação. previsto nos §§ 1o e 2o do art. 13.
§ 4o  Para fins do cumprimento da propor- § 2o  Somente serão aceitas no âmbito da
ção de que trata o inciso III do caput: educação superior bolsas de estudo vinculadas
I – cada bolsa de estudo integral concedida ao Prouni, salvo as bolsas integrais ou parciais
a aluno com deficiência, assim declarado ao de 50% (cinquenta por cento) para pós-gradu-
Censo da Educação Básica, equivalerá a 1,2 ação stricto sensu.
(um inteiro e dois décimos) do valor da bolsa § 3o  Excepcionalmente, serão aceitas como
de estudo integral; e gratuidade, no âmbito da educação superior, as
II – cada bolsa de estudo integral concedida bolsas de estudo integrais ou parciais de 50%
a aluno matriculado na educação básica em (cinquenta por cento) oferecidas fora do Prouni
tempo integral equivalerá a 1,4 (um inteiro e aos alunos enquadrados nos arts. 14 e 15, desde
quatro décimos) do valor da bolsa de estudo que a entidade tenha cumprido a proporção de
integral; uma bolsa de estudo integral para cada 9 (nove)
III – (Revogado). alunos pagantes no Prouni e que tenha ofertado
§ 5o  As equivalências previstas nos incisos I bolsas no âmbito do Prouni que não tenham
e II do § 4o não poderão ser cumulativas. sido preenchidas.
Normas correlatas

§ 6o  Considera-se, para fins do disposto nos § 4o  Para os fins do disposto neste artigo, so-
§§ 3o e 4o, educação básica em tempo integral a mente serão computadas as bolsas concedidas
jornada escolar com duração igual ou superior em cursos de graduação ou sequencial de for-
a 7 (sete) horas diárias, durante todo o período
letivo, e compreende tanto o tempo em que   Lei no 12.868/2013.
183

167
mação específica regulares, além das bolsas para quanto à eventual complementação da gra-
pós-graduação stricto sensu previstas no § 2o. tuidade por meio da concessão de bolsas de
estudo parciais de 50% (cinquenta por cento)
Art. 13-B.  Para os fins da concessão da cer- e de benefícios complementares.
tificação, as entidades que atuam na educação § 6o  Para os fins do disposto neste artigo,
superior e que não tenham aderido ao Prouni somente serão computadas as bolsas concedi-
na forma do art. 10 da Lei no 11.096, de 13 de das em cursos de graduação ou sequencial de
janeiro de 2005, deverão:184 formação específica regulares.
I – atender ao disposto nos incisos I e II do
caput do art. 13; e Art. 13-C.  Consideram-se alunos pagantes,
II – conceder anualmente bolsas de estu- para fins de aplicação das proporções previstas
do na proporção de 1 (uma) bolsa de estudo nos arts. 13, 13-A e 13-B, o total de alunos que
integral para cada 4 (quatro) alunos pagantes. não possuem bolsas de estudo integrais.185
§ 1o  Para o cumprimento da proporção § 1o  Na aplicação das proporções previstas
descrita no inciso II do caput, a entidade po- nos arts.  13-A e 13-B, serão considerados os
derá oferecer bolsas de estudo parciais, desde alunos pagantes matriculados em cursos de
que conceda: graduação ou sequencial de formação específica
I – no mínimo, 1 (uma) bolsa de estudo regulares.
integral para cada 9 (nove) alunos pagantes; e § 2o  Não se consideram alunos pagantes
II – bolsas de estudo parciais de 50% (cin- os inadimplentes por período superior a 90
quenta por cento), quando necessário para o (noventa) dias, cujas matrículas tenham sido
alcance do número mínimo exigido, conforme recusadas no período letivo imediatamente
definido em regulamento. subsequente ao inadimplemento, conforme
§ 2o  Será facultado à entidade que atue na definido em regulamento.
educação superior substituir até 25% (vinte e
cinco por cento) das bolsas de estudo definidas Art. 14.  Para os efeitos desta Lei, a bolsa de
no inciso II do caput e no § 1o por benefícios estudo refere-se às semestralidades ou anuida-
complementares, concedidos aos alunos matri- des escolares fixadas na forma da lei, vedada a
culados cuja renda familiar mensal per capita cobrança de taxa de matrícula e de custeio de
não exceda o valor de um salário mínimo e material didático.
meio, como transporte, uniforme, material § 1o  A bolsa de estudo integral será con-
didático, moradia, alimentação e outros bene- cedida a aluno cuja renda familiar mensal per
fícios definidos em regulamento. capita não exceda o valor de 1 1/2 (um e meio)
§ 3o  Sem prejuízo da proporção definida salário mínimo.
no inciso II do caput, a entidade de educação § 2o  A bolsa de estudo parcial será concedi-
deverá ofertar, em cada uma de suas instituições da a aluno cuja renda familiar mensal per capita
de ensino superior, no mínimo, 1 (uma) bolsa não exceda o valor de 3 (três) salários mínimos.
integral para cada 25 (vinte e cinco) alunos
pagantes. Art. 15.  Para fins da certificação a que se
Desenvolvimento e inclusão social

§ 4o  A entidade deverá ofertar bolsa integral refere esta Lei, o aluno a ser beneficiado será
em todos os cursos de todas as instituições de pré-selecionado pelo perfil socioeconômico e,
ensino superior por ela mantidos. cumulativamente, por outros critérios definidos
§ 5o  As entidades que atuam concomitan- pelo Ministério da Educação.
temente na educação superior e na educação § 1o  Os alunos beneficiários das bolsas de
básica são obrigadas a cumprir os requisitos estudo de que trata esta Lei ou seus pais ou
exigidos no art. 13 e neste artigo de maneira responsáveis, quando for o caso, respondem
segregada, por nível de educação, inclusive legalmente pela veracidade e autenticidade

  Lei no 12.868/2013.
184
  Lei no 12.868/2013.
185

168
das informações socioeconômicas por eles SEÇÃO III – Da Assistência Social
prestadas.
§ 2o  Compete à entidade de educação aferir Art. 18.  A certificação ou sua renovação será
as informações relativas ao perfil socioeconô- concedida à entidade de assistência social que
mico do candidato. presta serviços ou realiza ações socioassisten-
§ 3o  As bolsas de estudo poderão ser can- ciais, de forma gratuita, continuada e planejada,
celadas a qualquer tempo, em caso de consta- para os usuários e para quem deles necessitar,
tação de falsidade da informação prestada pelo sem discriminação, observada a Lei no 8.742,
bolsista ou seu responsável, ou de inidoneidade de 7 de dezembro de 1993.187
de documento apresentado, sem prejuízo das § 1o  Consideram-se entidades de assistência
demais sanções cíveis e penais cabíveis. social aquelas que prestam, sem fins lucrativos,
atendimento e assessoramento aos beneficiários
Art. 16.  É vedado qualquer discriminação ou abrangidos pela Lei no 8.742, de 7 de dezembro
diferença de tratamento entre alunos bolsistas de 1993, e as que atuam na defesa e garantia de
e pagantes. seus direitos.
§ 2o  Observado o disposto no caput e no
Art. 17.  No ato de concessão ou de renovação §  1o, também são consideradas entidades de
da certificação, as entidades de educação que assistência social:
não tenham concedido o número mínimo de I – as que prestam serviços ou ações socio-
bolsas previsto nos arts. 13, 13-A e 13-B pode- assistenciais, sem qualquer exigência de contra-
rão compensar o número de bolsas devido nos 3 prestação dos usuários, com o objetivo de habi-
(três) exercícios subsequentes com acréscimo litação e reabilitação da pessoa com deficiência e
de 20% (vinte por cento) sobre o percentual não de promoção da sua inclusão à vida comunitária,
atingido ou o número de bolsas não concedido, no enfrentamento dos limites existentes para as
mediante a assinatura de Termo de Ajuste de pessoas com deficiência, de forma articulada ou
Gratuidade, nas condições estabelecidas pelo não com ações educacionais ou de saúde;
Ministério da Educação.186 II – as de que trata o inciso II do art. 430 da
§ 1o  Após a publicação da decisão relativa Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), apro-
ao julgamento do requerimento de concessão vada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de
ou de renovação da certificação na primeira 1943, desde que os programas de aprendizagem
instância administrativa, as entidades de edu- de adolescentes, de jovens ou de pessoas com
cação a que se refere o caput disporão do prazo deficiência sejam prestados com a finalidade de
improrrogável de 30 (trinta) dias para requerer promover a integração ao mercado de trabalho,
a assinatura do Termo de Ajuste de Gratuidade. nos termos da Lei no 8.742, de 7 de dezembro de
§ 2o  Na hipótese de descumprimento do 1993, observadas as ações protetivas previstas
Termo de Ajuste de Gratuidade, a certificação na Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990; e
da entidade será cancelada relativamente a todo III – as que realizam serviço de acolhimento
o seu período de validade. institucional provisório de pessoas e de seus
§ 3o  O Termo de Ajuste de Gratuidade po- acompanhantes, que estejam em trânsito e
derá ser celebrado somente 1 (uma) vez com sem condições de autossustento, durante o
cada entidade. tratamento de doenças graves fora da localidade
§ 4o  As bolsas de pós-graduação stricto sen- de residência, observada a Lei no 8.742, de 7 de
su poderão integrar o percentual de acréscimo dezembro de 1993.
de compensação de 20% (vinte por cento), des- § 3o  Desde que observado o disposto no
Normas correlatas

de que se refiram a áreas de formação definidas caput e no § 1o deste artigo e no art. 19, exceto
pelo Ministério da Educação. a exigência de gratuidade, as entidades referidas
no art. 35 da Lei no 10.741, de 1o de outubro de

  Leis nos 12.688/2012 e 12.868/2013.


186
  Lei no 12.868/2013.
187

169
2003, poderão ser certificadas, com a condição das entidades beneficentes de assistência so-
de que eventual cobrança de participação do cial serão apreciadas no âmbito dos seguintes
idoso no custeio da entidade se dê nos termos Ministérios:188
e limites do § 2o do art. 35 da Lei no 10.741, de I – da Saúde, quanto às entidades da área
1o de outubro de 2003. de saúde;
§ 4o  As entidades certificadas como de assis- II – da Educação, quanto às entidades edu-
tência social terão prioridade na celebração de cacionais; e
convênios, contratos ou instrumentos congê- III – do Desenvolvimento Social e Combate
neres com o poder público para a execução de à Fome, quanto às entidades de assistência
programas, projetos e ações de assistência social. social.
§ 1o  A entidade interessada na certificação
Art. 19.  Constituem ainda requisitos para a cer- deverá apresentar, juntamente com o reque-
tificação de uma entidade de assistência social: rimento, todos os documentos necessários à
I – estar inscrita no respectivo Conselho comprovação dos requisitos de que trata esta
Municipal de Assistência Social ou no Conse- Lei, na forma do regulamento.
lho de Assistência Social do Distrito Federal, § 2o  A tramitação e a apreciação do requeri-
conforme o caso, nos termos do art. 9o da Lei mento deverão obedecer à ordem cronológica
no 8.742, de 7 de dezembro de 1993; e de sua apresentação, salvo em caso de diligência
II – integrar o cadastro nacional de entidades pendente, devidamente justificada.
e organizações de assistência social de que trata § 3o  O requerimento será apreciado no
o inciso XI do art. 19 da Lei no 8.742, de 7 de prazo a ser estabelecido em regulamento,
dezembro de 1993. observadas as peculiaridades do Ministério
§ 1o  Quando a entidade de assistência social responsável pela área de atuação da entidade.
atuar em mais de um Município ou Estado § 4o  O prazo de validade da certificação será
ou em quaisquer destes e no Distrito Federal, de 1 (um) a 5 (cinco) anos, conforme critérios
deverá inscrever suas atividades no Conselho definidos em regulamento.
de Assistência Social do respectivo Município § 5o  O processo administrativo de certifi-
de atuação ou do Distrito Federal, mediante cação deverá, em cada Ministério envolvido,
a apresentação de seu plano ou relatório de contar com plena publicidade de sua trami-
atividades e do comprovante de inscrição no tação, devendo permitir à sociedade o acom-
Conselho de sua sede ou de onde desenvolva panhamento pela internet de todo o processo.
suas principais atividades. § 6 o  Os Ministérios responsáveis pela
§ 2 o  Quando não houver Conselho de certificação deverão manter, nos respectivos
Assistência Social no Município, as entidades sítios na internet, lista atualizada com os dados
de assistência social dever-se-ão inscrever nos relativos aos certificados emitidos, seu período
respectivos Conselhos Estaduais. de vigência e sobre as entidades certificadas,
incluindo os serviços prestados por essas dentro
Art. 20.  A comprovação do vínculo da entida- do âmbito certificado e recursos financeiros a
de de assistência social à rede socioassistencial elas destinados.
Desenvolvimento e inclusão social

privada no âmbito do SUAS é condição sufi-


ciente para a concessão da certificação, no prazo Art. 22.  A entidade que atue em mais de uma
e na forma a serem definidos em regulamento. das áreas especificadas no art. 1o deverá reque-
rer a certificação e sua renovação no Ministério
responsável pela área de atuação preponderante
SEÇÃO IV – Da Concessão e do da entidade.
Cancelamento Parágrafo único.  Considera-se área de
atuação preponderante aquela definida como
Art. 21.  A análise e decisão dos requerimentos
de concessão ou de renovação dos certificados   Lei no 12.868/2013.
188

170
atividade econômica principal no Cadastro Art. 25.  Constatada, a qualquer tempo, a
Nacional da Pessoa Jurídica do Ministério da inobservância de exigência estabelecida neste
Fazenda. Capítulo, será cancelada a certificação, nos
termos de regulamento, assegurado o contra-
Art. 23. (Vetado) ditório e a ampla defesa.

Art. 23-A.  As entidades de que trata o inciso


I do § 2o do art. 18 serão certificadas exclusi- CAPÍTULO III – Dos Recursos e da
vamente pelo Ministério do Desenvolvimento Representação
Social e Combate à Fome, ainda que exerçam
suas atividades em articulação com ações edu- Art. 26.  Da decisão que indeferir o requeri-
cacionais ou de saúde, dispensadas a manifes- mento para concessão ou renovação de certifi-
tação do Ministério da Saúde e do Ministério cação e da decisão que cancelar a certificação
da Educação e a análise do critério da atividade caberá recurso por parte da entidade interessa-
preponderante previsto no art. 22.189 da, assegurados o contraditório, a ampla defesa
Parágrafo único.  Para a certificação das en- e a participação da sociedade civil, na forma
tidades de que trata o inciso I do § 2o do art. 18, definida em regulamento, no prazo de 30 (trin-
cabe ao Ministério do Desenvolvimento Social ta) dias, contado da publicação da decisão.191
e Combate à Fome verificar, além dos requisitos § 1o  O disposto no caput não impede o
do art. 19, o atendimento ao disposto: lançamento de ofício do crédito tributário
I – no parágrafo único do art.  5o, pelas correspondente.
entidades que exerçam suas atividades em § 2o  Se o lançamento de ofício a que se refere
articulação com ações de saúde; e o § 1o for impugnado no tocante aos requisitos
II – no parágrafo único do art.  12, pelas de certificação, a autoridade julgadora da im-
entidades que exerçam suas atividades em pugnação aguardará o julgamento da decisão
articulação com ações educacionais. que julgar o recurso de que trata o caput.
§ 3o  O sobrestamento do julgamento de que
Art. 24.  Os Ministérios referidos no art.  21 trata o § 2o não impede o trâmite processual de
deverão zelar pelo cumprimento das condições eventual processo administrativo fiscal relativo
que ensejaram a certificação da entidade como ao mesmo ou outro lançamento de ofício, efe-
beneficente de assistência social, cabendo-lhes tuado por descumprimento aos requisitos de
confirmar que tais exigências estão sendo aten- que trata o art. 29.
didas por ocasião da apreciação do pedido de § 4o  Se a decisão final for pela procedência
renovação da certificação.190 do recurso, o lançamento fundado nos requisi-
§ 1o  Será considerado tempestivo o reque- tos de certificação, efetuado nos termos do § 1o,
rimento de renovação da certificação protoco- será objeto de comunicação, pelo ministério
lado no decorrer dos 360 (trezentos e sessenta) certificador, à Secretaria da Receita Federal do
dias que antecedem o termo final de validade Brasil, que o cancelará de ofício.
do certificado.
§ 2o  A certificação da entidade permanecerá Art. 27.  Verificado prática de irregularidade
válida até a data da decisão sobre o requerimen- na entidade certificada, são competentes para
to de renovação tempestivamente apresentado. representar, motivadamente, ao Ministério res-
§ 3o  Os requerimentos protocolados antes ponsável pela sua área de atuação, sem prejuízo
de 360 (trezentos e sessenta) dias do termo das atribuições do Ministério Público:
Normas correlatas

final de validade do certificado não serão I – o gestor municipal ou estadual do SUS


conhecidos. ou do SUAS, de acordo com a sua condição de

  Lei no 12.868/2013.
189

  Lei no 12.868/2013.
190
  Lei no 12.868/2013.
191

171
gestão, bem como o gestor da educação muni- direta ou indiretamente, por qualquer forma
cipal, distrital ou estadual; ou título, em razão das competências, funções
II – a Secretaria da Receita Federal do Brasil; ou atividades que lhes sejam atribuídas pelos
III – os conselhos de acompanhamento e respectivos atos constitutivos;
controle social previstos na Lei no 11.494, de 20 II – aplique suas rendas, seus recursos e
de junho de 2007, e os Conselhos de Assistência eventual superávit integralmente no território
Social e de Saúde; e nacional, na manutenção e desenvolvimento de
IV – o Tribunal de Contas da União. seus objetivos institucionais;
Parágrafo único.  A representação será diri- III – apresente certidão negativa ou certidão
gida ao Ministério que concedeu a certificação positiva com efeito de negativa de débitos rela-
e conterá a qualificação do representante, a des- tivos aos tributos administrados pela Secretaria
crição dos fatos a serem apurados e, sempre que da Receita Federal do Brasil e certificado de
possível, a documentação pertinente e demais regularidade do Fundo de Garantia do Tempo
informações relevantes para o esclarecimento de Serviço – FGTS;
do seu objeto. IV – mantenha escrituração contábil regular
que registre as receitas e despesas, bem como
Art. 28.  Caberá ao Ministério competente: a aplicação em gratuidade de forma segregada,
I – dar ciência da representação à entidade, em consonância com as normas emanadas do
que terá o prazo de 30 (trinta) dias para apre- Conselho Federal de Contabilidade;
sentação de defesa; e V – não distribua resultados, dividendos,
II – decidir sobre a representação, no prazo bonificações, participações ou parcelas do seu
de 30 (trinta) dias a contar da apresentação patrimônio, sob qualquer forma ou pretexto;
da defesa. VI – conserve em boa ordem, pelo prazo
§ 1o  Se improcedente a representação de de 10 (dez) anos, contado da data da emissão,
que trata o inciso II, o processo será arquivado. os documentos que comprovem a origem e a
§ 2o  Se procedente a representação de que aplicação de seus recursos e os relativos a atos
trata o inciso II, após decisão final ou trans- ou operações realizados que impliquem modi-
corrido o prazo para interposição de recurso, ficação da situação patrimonial;
a autoridade responsável deverá cancelar a VII – cumpra as obrigações acessórias esta-
certificação e dar ciência do fato à Secretaria belecidas na legislação tributária;
da Receita Federal do Brasil. VIII – apresente as demonstrações contábeis
§ 3o  O representante será cientificado das e financeiras devidamente auditadas por au-
decisões de que tratam os §§ 1o e 2o. ditor independente legalmente habilitado nos
Conselhos Regionais de Contabilidade quando
a receita bruta anual auferida for superior ao
CAPÍTULO IV – Da Isenção limite fixado pela Lei Complementar no  123,
SEÇÃO I – Dos Requisitos de 14 de dezembro de 2006.
§ 1o  A exigência a que se refere o inciso I do
Art. 29.  A entidade beneficente certificada caput não impede:
Desenvolvimento e inclusão social

na forma do Capítulo II fará jus à isenção do I – a remuneração aos diretores não estatu-
pagamento das contribuições de que tratam os tários que tenham vínculo empregatício;
arts. 22 e 23 da Lei no 8.212, de 24 de julho de II – a remuneração aos dirigentes estatutá-
1991, desde que atenda, cumulativamente, aos rios, desde que recebam remuneração inferior,
seguintes requisitos:192 em seu valor bruto, a 70% (setenta por cento)
I – não percebam, seus dirigentes estatutá- do limite estabelecido para a remuneração de
rios, conselheiros, sócios, instituidores ou ben- servidores do Poder Executivo federal.
feitores, remuneração, vantagens ou benefícios, § 2o  A remuneração dos dirigentes esta-
tutários referidos no inciso II do § 1o deverá
  Lei no 12.868/2013.
192
obedecer às seguintes condições:
172
I – nenhum dirigente remunerado pode- CAPÍTULO V – Disposições Gerais e
rá ser cônjuge ou parente até 3o (terceiro) Transitórias
grau, inclusive afim, de instituidores, sócios,
diretores, conselheiros, benfeitores ou equi- Art. 33.  A entidade que atue em mais de uma
valentes da instituição de que trata o caput das áreas a que se refere o art.  1o deverá, na
deste artigo; e forma de regulamento, manter escrituração
II – o total pago a título de remuneração contábil segregada por área, de modo a evi-
para dirigentes, pelo exercício das atribuições denciar o patrimônio, as receitas, os custos e
estatutárias, deve ser inferior a 5 (cinco) vezes as despesas de cada atividade desempenhada.
o valor correspondente ao limite individual
estabelecido neste parágrafo. Art. 34.  Os pedidos de concessão originária
§ 3o  O disposto nos §§ 1o e 2o não impede de Certificado de Entidade Beneficente de
a remuneração da pessoa do dirigente estatu- Assistência Social que não tenham sido objeto
tário ou diretor que, cumulativamente, tenha de julgamento até a data de publicação desta
vínculo estatutário e empregatício, exceto Lei serão remetidos, de acordo com a área de
se houver incompatibilidade de jornadas de atuação da entidade, ao Ministério responsável,
trabalho. que os julgará nos termos da legislação em vigor
à época da protocolização do requerimento.
Art. 30.  A isenção de que trata esta Lei não se § 1o  Caso a entidade requerente atue em
estende a entidade com personalidade jurídica mais de uma das áreas abrangidas por esta Lei,
própria constituída e mantida pela entidade à o pedido será remetido ao Ministério respon-
qual a isenção foi concedida. sável pela área de atuação preponderante da
entidade.
§ 2o  Das decisões proferidas nos termos do
SEÇÃO II – Do Reconhecimento e da caput que sejam favoráveis às entidades não
Suspensão do Direito à Isenção caberá recurso.
§ 3o  Das decisões de indeferimento pro-
Art. 31.  O direito à isenção das contribuições feridas com base no caput caberá recurso no
sociais poderá ser exercido pela entidade a prazo de 30 (trinta) dias, dirigido ao Ministro
contar da data da publicação da concessão de de Estado responsável pela área de atuação da
sua certificação, desde que atendido o disposto entidade.
na Seção I deste Capítulo. § 4o  É a entidade obrigada a oferecer todas
as informações necessárias à análise do pedido,
Art. 32.  Constatado o descumprimento pela nos termos do art. 60 da Lei no 9.784, de 29 de
entidade dos requisitos indicados na Seção janeiro de 1999.
I deste Capítulo, a fiscalização da Secretaria
da Receita Federal do Brasil lavrará o auto de Art. 35.  Os pedidos de renovação de Certi-
infração relativo ao período correspondente e ficado de Entidade Beneficente de Assistência
relatará os fatos que demonstram o não atendi- Social protocolados e ainda não julgados até a
mento de tais requisitos para o gozo da isenção. data de publicação desta Lei serão julgados pelo
§ 1 o  Considerar-se-á automaticamente Ministério da área no prazo máximo de 180
suspenso o direito à isenção das contribuições (cento e oitenta) dias a contar da referida data.
referidas no art. 31 durante o período em que § 1o  As representações em curso no CNAS,
se constatar o descumprimento de requisito em face da renovação do certificado referida
Normas correlatas

na forma deste artigo, devendo o lançamento no caput, serão julgadas no prazo máximo de
correspondente ter como termo inicial a data 180 (cento e oitenta) dias após a publicação
da ocorrência da infração que lhe deu causa. desta Lei.
§ 2o  O disposto neste artigo obedecerá ao § 2o  Das decisões de indeferimento pro-
rito do processo administrativo fiscal vigente. feridas com base no caput caberá recurso no
173
prazo de 30 (trinta) dias, com efeito suspensivo, CAPÍTULO VI – Disposições Finais
dirigido ao Ministro de Estado responsável pela
área de atuação da entidade. Art. 39. (Vetado)

Art. 36.  Constatada a qualquer tempo alguma Art. 40.  Os Ministérios da Saúde, da Educação


irregularidade, considerar-se-á cancelada a cer- e do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
tificação da entidade desde a data de lavratura informarão à Secretaria da Receita Federal do
da ocorrência da infração, sem prejuízo da Brasil, na forma e prazo por esta determina-
exigibilidade do crédito tributário e das demais dos, os pedidos de certificação originária e de
sanções previstas em lei. renovação deferidos, bem como os definitiva-
mente indeferidos, nos termos da Seção IV do
Art. 37. (Vetado) Capítulo II.
Parágrafo único.  Os Ministérios da Saúde,
Art. 38.  As entidades certificadas até o dia da Educação e do Desenvolvimento Social e
imediatamente anterior ao da publicação desta Combate à Fome procederão ao recadastra-
Lei poderão requerer a renovação do certificado mento de todas as entidades sem fins lucra-
até a data de sua validade. tivos, beneficentes ou não, atuantes em suas
respectivas áreas em até 180 (cento e oitenta)
Art. 38-A.  As certificações concedidas ou dias após a data de publicação desta Lei, e tor-
que vierem a ser concedidas com base nesta narão os respectivos cadastros disponíveis para
Lei para requerimentos de renovação proto- consulta pública.
colados entre 30 de novembro de 2009 e 31 de
dezembro de 2011 terão prazo de validade de Art. 41.  As entidades isentas na forma desta
5 (cinco) anos.193 Lei deverão manter, em local visível ao público,
Parágrafo único.  As certificações concedidas placa indicativa contendo informações sobre a
ou que vierem a ser concedidas para requeri- sua condição de beneficente e sobre sua área
mentos de renovação protocolados entre 10 de de atuação, conforme o disposto no art. 1o.195
novembro de 2008 e 31 de dezembro de 2011 Parágrafo único.  As entidades referidas no
terão prazo de validade de 5 (cinco) anos, no caput deverão dar publicidade e manter de fácil
caso de entidades que atuam exclusivamente acesso ao público todos os demonstrativos con-
na área de assistência social ou se enquadrem tábeis e financeiros e o relatório de atividades.
nos incisos I ou II do § 2o do art. 18 desta Lei e
que, a partir da publicação desta Lei, sejam cer- Art. 42.  Os incisos III e IV do art. 18 da Lei
tificadas pelo Ministério do Desenvolvimento no 8.742, de 7 de dezembro de 1993, passam a
Social e Combate à Fome. vigorar com a seguinte redação:
“Art. 18.  ����������������������������������������������������������
Art. 38-B.