Вы находитесь на странице: 1из 2

AS ORIGENS DO PENTAGRAMA E DO HEXAGRAMA

Traduzido pelo Irmão Sephariel S.: I.: ( Hermanubis EUA)


Se você olhar para baixo quando entra na porta principal do Freemasons' Hall na
Rua Great Queen em Londres, verá um pentagrama; uma estrela de cinco pontas
desenhada no chão. A instrução dos números usadas no grau de Zelador da
Societas Rosicruciana, adota o Pentagrama para ilustrar o número cinco e o Selo de
Seis Pontas de Salomão ou Estrela de Davi para ilustrar o número seis. São
símbolos muito antigos e quero me concentrar na questão de onde eles vieram.

O primeiro passo é chamar sua atenção aos dois planetas mais próximos do Sol que
a Terra - Vênus e Mercúrio. Observe primeiro Vênus, por estar um pouco mais
próximo do Sol que a Terra, sua órbita é menor, embora a velocidade de ambos no
espaço seja semelhante de qualquer ponto de partida, Vênus é mais rápido do que
a Terra, da mesma maneira que um atleta situado na parte interna de uma pista de
corridas. Se ambos partem da mesma posição no zodíaco, Vênus alcançará um
ponto (quando, vista da Terra) no lado distante do Sol, diretamente em linha com
ele, isso é chamado de "Conjunção Superior".

Vênus então volta ao ponto de partida antes da Terra, começando sua segunda
órbita e linhas entre a Terra e o Sol, neste caso existe uma "Conjunção Inferior", e
assim sucessivamente continuando sua órbita até ultrapassar adiante da Terra até
a próxima "Conjunção Superior".

Como Vênus e a Terra possuem tempos diferentes para completar suas órbitas,
passam-se 8 anos até que os dois planetas cheguem ao mesmo ponto inicial. Neste
espaço de tempo Vênus completou 10 órbitas e a Terra 8. houve dez conjunções -
cinco "superiores" e cinco "inferiores".

O próximo passo é imaginar dois círculos cada um representando o zodíaco, que


segue o caminho aparente do Sol. Marque a posição das conjunções superiores e a
ordem nas quais elas acontecem. No outro círculo, marque as posições das
conjunções inferiores também na ordem em que elas ocorrem. Em ambos os casos,
puxe uma linha entre a posição um e a posição dois, então vá posicionando dois,
três e assim por diante. O resultado é mais que interessante.

Mas existe mais, Mercúrio assim como Vênus, possui uma órbita menor que a
Terra; no caso de Mercúrio, sua órbita é ainda menor que Vênus. Mercúrio
completa três órbitas em 50 semanas, de forma que, ocorrerá seis conjunções -
três "inferiores" e três "superiores" a cada ano.

Se todos os seis pontos estiverem marcados no círculo do zodíaco, os três inferior


unidos por linhas puxadas, 1-2-3-1 e o três superior unidos 1-2-3-1, o resultado
será um hexagrama - a Estrela de Davi ou Selo de Salomão. O que faz disto uma
imagem notável é que você irá reconhecer na ordem dos desenhos, os triângulos,
que são usados na consagração do templo para uma reunião Martinista.

Estes são fenômenos reais, parecendo a mim, ter só uma de quatro possíveis
explicações.

Primeiro, pode ser uma coincidência sem sentido. A Ciência tem o hábito de
descartar qualquer coisa que possa ser explicada como uma "coincidência", e eu
não gostaria de calcular as probabilidades de uma figura como um pentagrama
regular que é produzido pelas conjunções de Vênus ou de um hexagrama regular
que são produzidas pelas conjunções de Mercúrio, (quando ambos são símbolos
extremamente antigos) mas a probabilidade deve ser de um bilhão para um.
Segundo, estes mesmos símbolos antigos poderiam estar entre os últimos
resquícios de uma primitiva civilização, junto com seus mitos e reminiscências.
Talvez estes símbolos representem o que sobrou de uma prolongada observação e
aprendizado.

Terceiro, poderia ser um exemplo sobre o qual Carl Jung descreveu como
"sincronicidade" - isto é, coincidências significantes. Lembre-se por exemplo como
uma coincidência inexplicável, é supostamente, o fato de um mesmo número de
hexagramas existentes no I-Ching estarem entrelaçados em uma espiral de DNA.
Talvez estes símbolos descrevam algo sobre realidade universal.

Quarto, poderia ser uma forma de memória futura. O escritor de ficção científica,
Clifford Simak descreve em um de seus livros, que alienígenas estavam tentando
ajudar o gênero humano, mas eles permaneceram ocultos porque a raça humana
os identificariam em sua memória de raça futura como demônios. Talvez nós
tenhamos uma memória de raça do passado que produziu símbolos cujo significado
aprenderíamos três mil ou mais anos depois.

Cada uma das possibilidades parece em certo grau absurda - coincidência,


informação de um civilização esquecida, cujos vínculos de sincronicidade ficaram
embutidos no campo da realidade ou na memória de raça futura. Eu sei que isso
pode ser uma explicação provável, mas o que você pensa sobre qual seria a mais
provável?

NOTAS
Informação e desenhos:
Movimento e Ritmos das Estrelas; SCHULTZ, Joachim (traduzido por John Meeks);
Versão inglesa - Edinburgh, Floris Books (Anthroposophic Press); 1986.
informação provenientes dos Capítulos 15 e 17; e desenhos contidos nas páginas
122 e 137.