You are on page 1of 2

HABEAS CORPUS -LEI MARIA DA PENHA -AUSÊNCIA DE DESCUMPRIMENTO

DE MEDIDAS PROTETIVAS -INOCORRÊNCIA ILEGALIDADE DA PRISÃO


PREVENTIVA -IMPROCEDÊNCIA PERICULOSIDADE CONCRETA DO PACIENTE
-NECESSIDADE DO ACAUTELAMENTO COMO GARANTIA DA INTEGRIDADE
FÍSICA DA VÍTIMA. ORDEM DENEGADA. 1. Não há que se falar em inaplicabilidade
da Lei nº 11.340/06 nocaso em questão, tendo em vista que o namoro é uma relaçãoíntima
de afeto que independe de coabitação, configurandose assim violência doméstica a agressão
do namorado contra a mulher, ocorrida em decorrência do relacionamento entre ambos, nos
moldes do artigo 5º, inciso III, da referida Lei. 2. A decretação da prisão preventiva do
paciente encontra-se devidamente fundamentada e em consonância com o artigo 313, inciso
III, do código de processo penal, eis que a autoridade judicial se utilizou de argumentos
suficientes e concretos para justificar a utilização da medida de exceção, como a
periculosidade do agente, possibilidade de reiteração da conduta e insuficiência das
medidas protetivas, ora descumpridas. 3. In casu, se faz necessária a garantia à
incolumidade física e psicológica da vítima, que já fora agredida e ameaçada de morte,
motivopelo qual a medida excepcional da prisão desponta comoimprescindível. Ademais, o
paciente ostenta periculosidade, haja vista notícia nos autos dando conta de que o mesmo
possui contra si mais de três procedimentos instaurados, inclusive um deles relativo a
suposta prática de crime doloso contra a vida. 4. Ordem denegada. (TJES; HC
100120000185; Segunda Câmara Criminal; Rel. Des. José Luiz Barreto Vivas; Julg.
29/02/2012; DJES 09/03/2012; Pág. 142)

HABEAS CORPUS. PRISÃO POR DESRESPEITO À MEDIDA PROTETIVA. ORDEM


PÚBLICA. ORDEM DENEGADA. 1. Evidenciada a hipótese prevista no artigo 313, inciso
III, do Código de Processo Penal e havendo o descumprimento, por parte do paciente, das
medidas protetivas estipuladas, demonstrada está a imprescindibilidade da sua custódia
cautelar, especialmente a bem da garantia da ordem pública, dada a necessidade de
resguardar-se a integridade física e psíquica da suposta vítima. 2. Acolhido parecer da d.
Procuradoria de Justiça. 3. Ordem denegada. (TJDF; Rec 2012.00.2.001227-4; Ac. 567.344;
Segunda Turma Criminal; Rel. Des. Silvânio Barbosa dos Santos; DJDFTE 05/03/2012;
Pág. 233)

HABEAS CORPUS. VIOLÊNCIA DOMÉSTICA. LEI Nº 11.340/06.


DESCUMPRIMENTO DE MEDIDA PROTETIVA ANTERIORMENTE IMPOSTA.
NECESSIDADE DE GARANTIA DA ORDEM PÚBLICA. Ordem denegada.
Descumprimento de medida protetiva. Reiteração do agente na conduta criminosa,
havendo, assim, necessidade da manutenção da custódia cautelar para garantia da ordem
pública, a fim de prevenir novas agressões em face da vítima, garantindo-lhe a vida e a
integridade física. Constrição fundada nos arts. 312 e 313, III, do CPP. Inadequação de
qualquer das medidas cautelares diversas da prisão, previstas no artigo 319 do código de
processo penal e artigo 22 da Lei nº 11.340/2006. Ordem denegada. (TJDF; Rec
2012.00.2.001385-5; Ac. 565.483; Primeira Turma Criminal; Rel. Des. Mario Machado;
DJDFTE 24/02/2012; Pág. 944)

HABEAS CORPUS. PRELIMINAR DE NÃO CONHECIMENTO REJEITADA. CÓPIA


DA DECISÃO OBJURGADA ACOSTADA AOS AUTOS. PRISÃO EM FLAGRANTE.
CRIME DE AMEAÇA E DE DESOBEDIÊNCIA A DECISÃO JUDICIAL SOBRE
PERDA OU SUSPENSÃO DE DIREITO. ARTS. 147 E 359 DO CÓDIGO PENAL.
PRISÃO PREVENTIVA. FUNDAMENTAÇÃO NA GARANTIA DA ORDEM PÚBLICA.
DESCUMPRIMENTO DE MEDIDAS PROTETIVAS DE URGÊNCIA
ANTERIORMENTE DEFERIDAS. PRELIMINAR DE NÃO CONHECIMENTO
REJEITADA. ORDEM NEGADA. 1. Havendo notícia nos autos de que já fora deferida
medida protetiva de urgência em favor da vítima de violência doméstica e familiar contra a
mulher e que foi descumprida pelo paciente, que continua a ameaçar e a agredir a
integridade física e psíquica de sua mãe e de seus familiares, afigura-se legítima a
manutenção da constrição cautelar com fundamento no art. 313, inciso III, do Código de
Processo Penal, ainda que a pena cominada aos crimes seja de detenção e o paciente seja
primário e de bons antecedentes. 2. Preliminar de não conhecimento por deficiência na
instrução rejeitada e, no mérito, ordem denegada. (TJDF; Rec 2011.00.2.025547-9; Ac.
564.087; Segunda Turma Criminal; Rel. Des. João Timoteo De Oliveira; DJDFTE
14/02/2012; Pág. 273)

HABEAS CORPUS. VIOLÊNCIA DOMÉSTICA. LEI Nº 11.340/06.


DESCUMPRIMENTO DE MEDIDA PROTETIVA ANTERIORMENTE IMPOSTA.
NECESSIDADE DE GARANTIA DA ORDEM PÚBLICA. Ordem denegada.
Descumprimento de medida protetiva. Reiteração do agente na conduta criminosa,
havendo, assim, necessidade da manutenção da custódia cautelar para garantia da ordem
pública, a fim de prevenir novas agressões em face da vítima, garantindo-lhe a vida e a
integridade física. Não há que se falar em excesso de prazo, uma vez que a instrução
criminal já foi encerrada (Súmula nº 52 do STJ). Constrição fundada nos arts. 312 e 313,
III, do CPP. Inadequação de qualquer das medidas cautelares diversas da prisão, previstas
no artigo 319 do código de processo penal e artigo 22 da Lei nº 11.340/2006. Ordem
denegada. (TJDF; Rec 2011.00.2.025866-3; Ac. 562.550; Primeira Turma Criminal; Rel.
Des. Mario Machado; DJDFTE 09/02/2012; Pág. 169)

HABEAS CORPUS. VIOLÊNCIA DOMÉSTICA. LEI Nº 11.340/06. NECESSIDADE DE


GARANTIA DA ORDEM PÚBLICA. ORDEM DENEGADA. Adequada a conversão da
prisão em flagrante em preventiva para garantia da ordem pública e preservação da
integridade física da vítima, porquanto evidente a periculosidade do paciente. Os fatos são
graves e o acusado foi preso cautelarmente por ter agredido a vítima, ao agarrá-la pelo
braço e desferir-lhe um chute na barriga. Além disso, ameaçou-a de morte, inclusive na
delegacia. Constrição fundada nos arts. 312 e 313, III, do CPP. Inadequação de qualquer
das medidas cautelares diversas da prisão, previstas no artigo 319 do Código de Processo
Penal e artigo 22 da Lei nº 11.340/2006. Ordem denegada. (TJDF; Rec 2011.00.2.022932-
3; Ac. 557.749; Primeira Turma Criminal; Rel. Des. Mario Machado; DJDFTE 16/01/2012;
Pág. 117)