You are on page 1of 9

 

Uma abordagem de desenvolvimento de jogos digitais educativos


Hugo Mesquita​1​, Eduardo Aranha​1​,​ ​Thiago Reis da Silva​2
1​
Programa de Pós-Graduação em Sistemas e Computação – PPgSC
Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN

2​
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão – IFMA
Campus São João dos Patos
hugohomesquita@gmail.com, eduardoaranha@dimap.ufrn.br,
thiago.reis@ifma.edu.br

Abstract. ​O presente estudo consistiu na realização​.


Resumo.​ ​O presente estudo consistiu na realização.

1. Introdução
A utilização de jogos digitais no âmbito educacional tem se mostrado interessante por
possibilitar a inserção do lúdico no processo de aprendizagem [Lara 2003]. O lúdico,
proporcionado pelos jogos, auxilia o professor a tornar o conteúdo lecionado mais
interessante, interativo, significativo e desafiador [Medeiros e Schimiguel 2012].
Segundo Botelho (2003), os jogos podem ser aplicados para treinamento de habilidades
operacionais, conscientização e reforço motivacional, desenvolvimento de percepção,
treinamento em comunicação e cooperação, integração e aplicação prática de conceitos
assimilados e avaliação de aprendizagem.
De fato, as tecnologias dos jogos digitais proporcionam uma experiência estética
visual e espacial rica e, com isso, são capazes de seduzir os jogadores e atraí-los para
dentro de mundos fictícios que despertam sentimentos de aventura, prazer e outros
[Mitchell e Savill-smith 2004]. Na maioria dos jogos, é essencial para o jogador atingir
um alto grau de concentração e comprometimento, sendo imprescindível participar
efetivamente das diversas tarefas e desafios propostos pelo jogo. Alguns desses ainda
permitem que o jogador escolha qual será a maneira que ele acha mais adequada para
resolução do problema, desenvolvendo assim a sua habilidade de solucionar problemas
e de obter diversas formas de resolvê-los.
Jogos bem elaborados e explorados podem ser vistos como uma estratégia de
ensino, podendo atingir diferentes objetivos que variam desde o simples treinamento até
a construção de um determinado conhecimento [Lara 2003]. Porém, às vezes é difícil
para o professor encontrar jogos disponíveis com perfil pedagógico e temático que
deseja utilizar como uma ferramenta complementar no processo de ensino
aprendizagem. Uma alternativa seria se os professores pudessem adaptar ou desenvolver
seus próprios jogos. Tecnologias educacionais não deveriam sujeitar o professor a tentar
adaptar-se ao que já existe, mas elas é que deveriam ser adaptadas para melhor amparar
os professores em suas tarefas educacionais.
Em termos dos alunos e professores criarem seus próprios jogos, um estudo que
descreve uma experiência sobre a criação de jogos por crianças em uma escola pública
mostrou que as crianças se empenharam, participaram assiduamente e gostaram de criar
e testar os jogos, além de demonstrarem habilidades de colaboração [Cruz, Albuquerque


 
 

e Azevedo 2012]. A junção entre aprender e jogar causa uma maior imersão dos
jogadores no conteúdo educativo apresentado, de maneira que assimilem mais
efetivamente, e os instiga a aprender com os próprios erros. O habitual processo de
compreender as restrições, os objetivos e controles de um jogo é usualmente por si só
uma tarefa que carece de diversas habilidades cognitivas.
Todavia, o processo de desenvolvimento de um jogo demanda tempo e
conhecimento no desenvolvimento de jogos, podendo levar vários meses para ser
concluído. Isso acontece porque os jogos são desenvolvidos com tecnologias
complexas, tornando muitas vezes inviável o desenvolvimento destes por professores e
alunos, dificultando o uso do desenvolvimento de jogos digitais como uma ferramenta
pedagógica.

2. Fundamentação

3. Metologia
O projeto teve início com uma realização de pesquisas na internet e em base de artigos,
a fim de encontrar estudos e ferramentas de desenvolvimento de jogos que possam ser
utilizadas por professores e alunos sem que estes tenham conhecimento de
programação.
Em seguida, foi formulado um conjunto de hipóteses e com base nessas
hipóteses, foi elaborada uma abordagem e com base nos fundamentos da abordagem
proposta foi implementado o protótipo de uma plataforma e executado um estudo
exploratório em uma turma de alunos. A análise do uso deste protótipo indicou que a
aplicação da abordagem poderia ser bem sucedida. Diante disso, foi implementado uma
plataforma seguindo a abordagem proposta, além, da implementação de componentes.
Por fim, um estudo de caso é realizado com objetivo de avaliar a abordagem e a
plataforma.
4. Abordagem proposta

A abordagem de desenvolvimento de jogos digitais educativos proposta neste


trabalho tem o objetivo de promover a integração e reuso de esforços realizados nessa
área por parte de: (i) desenvolvedores, em termos de programação e ​design​; (ii)
professores e alunos, em termos de criação de cenários. Para isto, a abordagem consiste
em uma arquitetura de componentização de elementos de jogos digitais e uma de
criação dos jogos, as quais são descritas nas seções a seguir.
4.1 Arquitetura de componentização
Para facilitar a criação de jogos digitais educativos, este trabalho propõe o uso de uma
arquitetura componentizada, formada pelos seguintes tipos de componentes principais:
modelo de jogo, componente de modelo, componente livre e componente pedagógico.
A responsabilidade por criar componentes é primordialmente dos desenvolvedores de
jogos. O papel e características de cada um desses componentes suportados são
descritos a seguir.
Um Modelo de Jogo serve de base para a criação de novos jogos. Ele define
regras mandatórias que jogos baseado nesse modelo devem possuir, bem como são
acompanhados de um conjunto de componentes de modelo. As regras de um modelo de

 
 

jogo definem, por exemplo, quais componentes de modelo o jogo obrigatoriamente deve
ter, regras mínimas de fim de jogo, formas de pontuação, entre outros.
Por sua vez, os Componentes de Modelo são objetos que podem ser inseridos
em um jogo e estão associados a pelo menos um modelo de jogo. Ao tomar o clássico
jogo Pac-Man como exemplo de modelo de jogo, seus principais componentes de
modelo seriam: a representação do jogador (cabeça redonda); paredes que formam o
labirinto; pastilhas a serem coletadas e fantasmas que perseguem o jogador. As regras,
por sua vez, são definidas pelo modelo de jogo: o cenário precisa ter um personagem
herói (cabeça); vence o jogo se comer todas as pastilhas; perde se for pego por um
inimigo (fantasma) e outros.
Já os Componentes Livres também são objetos que podem ser colocados dentro
de um jogo, porém sem existir vinculação com um modelo de jogo específico. Isto quer
dizer que estes componentes são mais genéricos, podendo eles serem mais decorativos
ou interagirem mais ativa ou passivamente. Ainda no exemplo do modelo de jogo
Pac-Man, poderiam ser usados componentes livres como objetos coletáveis (moedas
e/ou poderes especiais), armas, armadilhas e inimigos que não fazem parte do modelo
original do jogo.
Por fim, um Componente Pedagógico é composto por um ou mais objetos a
serem inseridos no cenário do jogo e tem por objetivo agregar características
pedagógicas ao jogo, podendo implementar novas mecânicas e novas regras ao modelo
de jogo. Um componente pedagógico poderia ser utilizado para mudar o
comportamento das pastilhas, de aumentarem pontos para reduzirem pontos caso sejam
coletadas, de acordo com alguma característica que se queira trabalhar, como, cor ou
forma geométrica.
4.2 Arquitetura de criação de jogos
A proposta é que a criação de jogos seja realizada por professores,
preferencialmente junto com os alunos, uma vez que eles são os maiores conhecedores
sobre quais cenários podem ser utilizados para maximizar o aprendizado e engajamento
das suas turmas. Um jogo é criado baseado em um modelo de jogo e é composto por um
conjunto de componentes de modelo, componentes livre e componentes pedagógicos. A
Figura X apresenta essa estrutura de um jogo criado nesta abordagem proposta.
FIGURA X – MOSTRA QUE UM JOGO TEM UM TEMPLATE E UM
CONJUNTO DE FASES, ONDE CADA FASE É FORMADA POR UM CONJUNTO
DE COMPONENTES DE
Como pode ser visto na ​Figura X​, um jogo é formado por um modelo de jogo e
um conjunto de fases e em cada fase possui um conjunto de componentes que serão
escolhidos pelo criador do jogo, seja ele professor ou aluno. A escolha destes, quando
realizada pelo professor, deve levar em consideração qual contexto pedagógico ele
pretende trabalhar. Porém, quando realizada pelos alunos, eles não precisam ter a
mesma preocupação, pois, o objetivo é que possam exercitar habilidades e desenvolver
a sua criatividade em relação ao conteúdo que está sendo estudado, de maneira
implícita.
5. Plataforma Implementada
A arquitetura desenvolvida se divide em duas partes principais, o servidor e o
aplicativo GameduMaker, conforme é apresentado na ​Figura X​. A persistência dos


 
 

dados se dá em uma instância do banco de dados PostgreSQL que somente o servidor


possui uma comunicação direta.

Figura X:
O servidor é uma aplicação ​Web ​implementada utilizando a linguagem de
programação Python juntamente com o ​framework Django. A aplicação é responsável
por prover funcionalidades administrativas à plataforma, dentre elas, cadastro de alunos,
turmas, modelos de jogo, componentes, armazenamento e histórico de utilização dos
jogos desenvolvidos.
O aplicativo GameduMaker tem como objetivo principal fornecer uma interface
para criação e execução dos jogos na plataforma. Ele foi desenvolvido utilizando o
Unity a fim de que, além de tornar possível a sua exportação para as diversas
plataformas, o torne responsável pela renderização, tratamento da física, controle de
animações dentre outros recursos necessários em um jogo e que são oferecidas pelo
motor de jogo do Unity.
A arquitetura do aplicativo GameduMaker possui dois módulos principais, o
Editor e Executor. O Módulo Editor é responsável por fornecer uma interface para
criação e edição de jogos, já o Módulo Executor é responsável pela execução dos jogos.
Uma das características fundamentais da plataforma é que novos modelos de
jogo ​e componentes podem ser adicionados sem que seja necessário recompilar o
aplicativo GameduMaker, a fim de, evitar que a cada novo modelo de jogo ou
componente adicionado haja a necessidade de lançar uma atualização completa em
todos os dispositivos no qual esteja instalado. Porém, nativamente o Unity não oferece
este recurso. Para contornar isso, foi criado uma ​binding ​da linguagem de programação
Python no aplicativo GameduMaker. Através desse ​binding ​torna-se possível que os
modelos de jogo e os componentes possam executar comandos e chamar funções
nativas do Unity em tempo de execução utilizando ​scripts Python. Além disso, o
desenvolvimento da plataforma se torna mais flexível, pois novos componentes e

 
 

modelos de jogo podem ser implementados de maneira independente, por pessoas que
não estejam envolvidas com o desenvolvimento da plataforma GameduMaker.
A comunicação entre o aplicativo GameduMaker e o Servidor é efetuada através
de uma API REST exposta pelo Servidor. A API REST foi criada utilizando o Django
REST ​framework​, um ​toolkit ​para desenvolvimento de API ​Web​, ela expõe rotas
Hypertext Transfer Protocol (HTTP ) para criação, exclusão, consultas, e alterações dos
recursos. Essas rotas seguem o estilo arquitetural REST.
5.1 Módulo de componentização
Os componentes são objetos de jogo, como, cadeiras, mesas, livros, personagens,
inimigos, dentre outros. Um componente é composto por um ou mais ​sprites​, e por um
script ​de comportamento. O ​script ​de comportamento deve ser desenvolvido utilizando
a linguagem de ​script Python, ele interage com a plataforma através de uma ​binding
desenvolvido para suportar a linguagem de ​script Python. O ​script ​de comportamento
deve conter obrigatoriamente as seguintes funções:
● Awake​: esta função é chamada no momento que o componente é carregado, nela
deve ser declarado os atributos do componente;
● Start​: esta função é chamada no momento que a fase é iniciada, nela deve ser
inserido os comandos que devem ser efetuados no momento em que o
componentes iniciar;
● Update​: cada iteração do ​loop​, é realizada uma chamada a função ​Update
implementada, o objetivo é que dentro desta função seja inserido toda a lógica
de comportamento do componente.
Os componentes se comunicam com outros componentes e os modelos de jogo
através de eventos que são disparados. A plataforma é responsável por fazer o
intermédio entre os componentes que faz o envio dos eventos e os componentes
ouvintes, recebendo registro de interesse e enviando notificações de eventos
correspondentes a cada interesse registrado.
5.2 Módulo de edição de jogos
Ao iniciar o processo de criação de um novo jogo, o editor inicia com uma fase com o
cenário inicialmente vazio, apesar de inicialmente encontrar-se vazio, vale ressaltar que
cada modelo de jogo possui alguns componentes obrigatório, por exemplo, no modelo
Bomberman, é obrigatório que cada fase do jogo criado possua pelo menos um bloco
destrutível e um personagem. Vale destacar que todas as fases de um jogo são de um
mesmo modelo de jogo.
O editor de jogo é subdividido em quatro partes principais: Barra de Fases (A),
Barra de Ferramentas (B), Barra de Seleção de Componentes (C) e o Cenário (D) como
ilustra a ​Figura X​.
A Barra de Fases (A) exibe as fases do jogo e fornece a possibilidade do jogador
criar ou excluir fases. Ao iniciar o editor, a primeira fase encontra-se selecionada,
podendo ser alternada ao clicar no botão de uma outra fase, permitindo a edição de
várias fases. O criador do jogo não precisa se preocupar com o fluxo entre as fases, a
plataforma automaticamente verifica se os objetivos da fase foram atingidos, caso sim,
ela passa para a próxima fase. A Barra de Ferramentas (B) é composta por diversos


 
 

botões que tem por objetivo auxiliar durante o processo de edição do jogo, por exemplo,
a borracha e o pincel. A Barra de Seleção de Componentes (C), exibe os componentes
que podem ser adicionados na fase. Ela foi dividida em três abas, Modelo do Jogo,
Pedagógico e Livre. A aba Modelo do Jogo, exibe os componentes específicos do
modelo de jogo selecionado. A aba Pedagógico exibe os componentes pedagógicos e
por último, na aba Livre são exibidos outros componentes que podem ser adicionados a
fase e que não são específicos de nenhum modelo de jogo. E por fim, o Cenário (D) que
é o local onde são colocados os componentes na fase.

Figura X:
5.3 Componentes desenvolvidos
Foram desenvolvidos dois modelos de jogos, o Sokoban e Bomberman. No jogo
Sokoban você é um repositor que está em um labirinto visto de cima. Você deve
empurrar as caixas ao redor e tentar colocá-las em alvos designados. Apenas uma caixa
pode ser empurrada de cada vez, e as caixas não podem ser puxadas. Quando todas as
caixas estiverem no destino, o nível estará completo. Para o Sokoban foram
desenvolvidos 4 componentes de modelo, que são eles: o personagem, alvo, caixa e
parede. No Bomberman ​o objetivo principal, é completar as fases depositando bombas
em ordens e lugares estratégicos para remover obstáculos e inimigos. No modelo de
jogo Bomberman foram desenvolvidos 5 componentes de modelo, sendo eles:
personagem, bomba, bloco destrutível, parede e inimigo.
Também foi desenvolvido dois componentes pedagógicos, Localização e Coleta.
O componente Localização foi idealizado baseado em atividades realizadas no ensino
fundamental, as quais tratam de conceitos matemáticos de localização espacial de
objetos a partir de um ponto de referência (à esquerda de, à direita de, abaixo de, e
outros). O componente Coleta trata de conceitos relacionado a coleta de objetos, onde o
criador do jogo pode por exemplo, criar um fase onde o personagem deve coletar todos
resíduos recicláveis presentes no cenário.
Além dos componentes supracitados, também foram desenvolvidos outros

 
 

Componentes Livres a fim de complementar e dar mais opções de variações para os


jogos que serão desenvolvidos, dentre eles, podemos destacar o livro, bola e retrato.
5. Avaliação
A fim de mensurar a efetividade da plataforma GameduMaker, dois estudos foram
realizados, um com professores e outro com alunos, a fim de, validar a aplicação da
plataforma dentro do ambiente escolar. Os estudos foram realizados em dois momentos
e instituições diferentes, tendo o primeiro como principal objetivo realizar o estudo com
alunos e o segundo com professores. Assim sendo, para tal objetivo avaliou-se os
seguintes aspectos: (C1) facilidade no desenvolvimento de novos jogos; (C2) motivação
para criar novos jogos e (C3) como se sentiram ao criar os jogos. Além desses critérios,
os participantes puderam também opinar sobre os pontos positivos e negativos da
plataforma.
Em ambos estudos de caso, foram coletados os seguintes dados dos
participantes: (i) os jogos do quais desenvolveram; (ii) respostas aos questionários
aplicados aos alunos, disponibilizado ao participantes de forma ​on-line​, usando o
Google Forms​; (iii) anotações sobre o comportamento, questionamentos e dificuldades
durante a realização das atividades e (iv) os ​logs de uso. Para a elaboração do
questionário houve um cuidado a fim de não enviesar as respostas. Por exemplo,
utilizou-se a escala de ​Likert​, oferecendo aos participantes a mesma quantidade de
respostas negativas e positivas. Por exemplo, para o critério “C1: ​Conseguiu
desenvolver facilmente novos jogos no GameduMaker?​” Existem cinco possíveis
respostas: Concordo Fortemente (CF), Concordo (C), Neutro (N), Discordo (D) e
Discordo Fortemente (DF).
O estudo realizado com os professores contou com a participação de 5
professores em formação durante o curso do Programa Institucional de Bolsas de
Iniciação à Docência (PIBID). Dentre os professores haviam 5 homens e 1 mulher.
Tendo como o faixa etária entre 21 e 30 anos. A ​Tabela ​X apresenta as respostas dos
critérios (C1, C2, C3) analisados pelos professores.

Tabela X:
Critérios  CF C N D DF

C1: Consigo desenvolver facilmente o jogo 3 2 0 0 0


usando o GameduMaker?

C2: Você se sentiu motivado em criar jogos no 2 2 1 0 0


GameduMaker?

C3: Fiquei satisfeito em desenvolver o jogo 2 3 0 0 0


utilizando o GameduMaker

Em relação ao critério C1 todos os professores afirmaram que conseguiram


desenvolver facilmente novos jogos. Sendo que 100% dos professores responderam
positivamente (60% concordo fortemente e 40% concordo). Isso demonstra que a
abordagem proposta foi capaz de atingir o objetivo, que era permitir facilmente o


 
 

desenvolvimento de novos jogos.


No critério C2, 40% responderam concordo fortemente, 40% concordo e 20%
neutro. Nenhum professor respondeu negativamente ao critério analisado, de maneira
que, estes resultados apontam que a plataforma proporcionou um motivação nos
professores ao criarem seus jogos.
Em relação sobre o critério (C3), os resultados mostram que 100% dos
participantes se mostraram satisfeitos em desenvolver jogos utilizando a plataforma,
sendo que 40% afirmaram concordar fortemente e 60% concordaram.
Além do questionário, foram direcionadas duas questões discursivas para que os
participantes expressassem sua opinião sobre os pontos positivos e negativos da
plataforma. Os principais pontos positivos que os professores destacaram foram: o
programa é bem simples e direto, não é necessário ter conhecimento em linguagem de
programação e até mesmo os próprios alunos podem criar jogos e interagir com os
outros; útil e prático; uma ótima proposta para o desenvolvimento de projetos
educacionais; os jogos serão criados em menos tempo; é um espaço de criação de jogos
bastante intuitivo.
Os pontos falhos apontados pelos professores foram: ter opções relacionadas às
áreas das artes; acrescentar a opção de mudar o idioma, ter mais objetos que podemos
utilizar na criação dos jogos e outros personagens, até mesmo personagens de ambos os
sexos; a inclusão de mais modelos de jogo e interações sonoras e maior quantidade de
componentes e modelos de jogos.
Outra análise foi feita a partir dos ​logs ​coletados durante a execução, foi a
quantidade de jogos e fase desenvolvidas que ficou em média 2 jogos com 4 fases em
cada.
O segundo estudo, que foi realizado com a participação de 30 alunos. Dentre os
alunos, 11 eram do sexo masculino e 19 do sexo feminino. O estudante mais jovem
tinha 13 anos, mas a maioria deles tinham 15 anos. A ​Tabela ​X apresenta as respostas
dos critérios (C1, C2, C3) analisados pelos alunos.
Tabela X:
Critérios  CF C N D DF

C1: Consigo desenvolver facilmente o 1 13 13 3 0


jogo usando o GameduMaker?

C2: Você se sentiu motivado em criar 1 9 16 2 0


jogos no GameduMaker?

C3: Fiquei satisfeito em desenvolver o 1 11 15 3 0


jogo utilizando o GameduMaker

Em relação ao critério C1, aproximadamente 3,3% concordaram fortemente,


43,3% concordaram, enquanto 43,3% responderam regular e 10% discordaram.
Nenhum aluno respondeu que discordava fortemente. De maneira que, de acordo com
os dados apresentados os alunos conseguiram facilmente desenvolver novos jogos
utilizando a plataforma.
No critério C2, 3,3% concordaram fortemente, 36,7% concordaram 53,3%


 
 

neutro e 6,7% discordaram. Estes resultados apontam que a plataforma proporcionou


um bom grau de motivação dos alunos.
Em relação sobre o critério (C3), os resultados mostram que 3,3% dos
participantes concordaram fortemente e 36,7% concordaram, enquanto 50%
responderam estar neutro e somente 10% discordaram. Com base nos dados
apresentados eles se mostraram bem satisfeitos em desenvolver jogos utilizando a
plataforma.
Além do questionário, assim como no primeiro estudo, foram direcionadas duas
questões discursivas para que os participantes expressassem sua opinião sobre os pontos
positivos e negativos da plataforma. Os principais pontos positivos que os alunos
destacaram foram: motivação para criação de jogos; criatividade; raciocínio e
concentração e isso pode motivar a criar outros jogos.
Os pontos falhos apontados pelos professores foram: ter mais componentes;
melhorar o gráfico; ter mais modelos de jogos e mais opções de inimigos.
Neste estudo também foi realizada a análise dos logs coletados durante a
execução, com o log conseguimos verificar a quantidade de jogos e fase desenvolvidas
que ficou em média 2 jogos com 3 fases em cada.

6. Trabalhos relacionados

7. Considerações finais e trabalhos futuros


Este artigo apresentou uma abordagem de desenvolvimento de jogos digitais educativos
que originou em uma plataforma. A plataforma GameduMaker, foi aplicada com
professores e com alunos da rede pública, onde através de estudos, a proposta foi
validada e mostrou-se potencialmente eficaz. Tendo como base os princípios que
nortearam o início desse projeto, pode-se declarar que os objetivos projetados foram
alcançados. O desenvolvimento de uma plataforma que pudesse promover a integração
e reuso de esforços, por parte de desenvolvedores, em termos de programação e design;
e por professores e alunos, em termos de criação de cenários.
Como trabalhos futuros, pretende-se desenvolver novos modelos de jogos,
componentes, melhorias nos gráficos, suporte para diversos sistemas operacionais,
além, da realização de novos estudos de caso.

Agradecimentos
Os autores agradecem aos integrantes do Laboratório Gamedu.net e, em especial, ao
Programa de Pós-Graduação em Sistemas Computacionais – PPgSC/UFRN, por toda
infraestrutura oferecida.

References